Para Além do Novo Mercado: Próximos Passos da Governança Corporativa no Brasil

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Para Além do Novo Mercado: Próximos Passos da Governança Corporativa no Brasil"

Transcrição

1 Para Além do Novo Mercado: Próximos Passos da Governança Corporativa no Brasil Por Alexandre Di Miceli da Silveira* Atualmente, há uma sensação de que o tema governança corporativa é um ponto forte do mercado de capitais nacional. O tema é visto como uma espécie de problema bem resolvido (ou ao menos bem encaminhado), principalmente com o advento do Novo Mercado, que, na visão de muitos, instituiu um selo de garantia às companhias listadas neste segmento. Como exemplo, uma das revistas de maior circulação nacional recentemente colocou a governança corporativa como parte do país que dá certo. Esta sensação de grande avanço na forma como as companhias brasileiras são dirigidas é sem dúvida corroborada por evidências concretas, entre as quais: i. o crescimento exponencial do número de empresas nos níveis mais avançados de governança da Bovespa Nível 2 e Novo Mercado (N2NM) com a participação de 120 companhias em julho deste ano; ii. um forte movimento de ofertas públicas iniciais de ações (IPOs) desde 2004 totalizando 114 IPOs no período, 84% dos quais no N2NM; iii. o crescimento exponencial das matérias sobre o tema na mídia especializada uma recente pesquisa mostrou que o número de matérias com o termo governança corporativa em um jornal especializado subiu, de menos de uma matéria por ano no quadriênio , para um média de 708 matérias por ano no quadriênio (com 171 notícias no quadriênio intermediário); iv. o aumento do numero de iniciativas institucionais e governamentais que visam privilegiar o acesso ao capital pelas empresas em função das suas práticas de governança, como as regras de investimento da Secretaria de Previdência Complementar e o código de auto-regulação da ANBID; e, v. o aumento do número de eventos latino-americanos sobre governança, com destaque para as mesas redondas da OCDE, nas quais o Brasil é visto como líder latinoamericano em governança corporativa. Entretanto, existem três razões principais para considerar a governança corporativa ainda longe de ser bem resolvida, sendo necessário discutir seus próximos passos no país. Em primeiro lugar, o Novo Mercado é uma condição necessária, mas não suficiente para adoção das melhores práticas pelas empresas. Em segundo, mesmo que o Novo Mercado fosse suficiente para assegurar as melhores práticas de governança, o fato é que as empresas Prof. Dr. Alexandre Di Miceli da Silveira 1

2 pertencentes a este segmento ainda constituem uma exceção dentro do cenário corporativo nacional, principalmente entre as maiores empresas do país. Finalmente, as evidências concretas sobre o tema, decorrentes de recentes pesquisas e análises de agências internacionais ainda não colocam o Brasil como um país avançado em governança corporativa. A seguir, apresentamos evidências para corroborar nossas três afirmações. Em primeiro lugar, o Novo Mercado constitui mais um ponto de partida do que uma garantia de melhores práticas pelo simples fato de tal segmento de listagem não possuir qualquer exigência relativa a questões-chave de governança corporativa, entre as quais: funcionamento do conselho de administração; relacionamento do CEO com o conselho; participação dos acionistas em assembléias; sistemas de remuneração e avaliação de desempenho dos administradores; poison pills; gestão de riscos; relacionamento com auditorias interna e independente; entre várias outras questões delicadas. Alem disso, casos recentes mal recebidos pelo mercado envolvendo empresas do Novo Mercado (como COSAN e Nossa Caixa em 2007), constituem outra evidência de que a adesão a tal segmento não constitui um selo de garantia contra problemas de governança. Por fim, após uma rápida pesquisa, encontramos exemplos de várias empresas presentes no Novo Mercado com práticas muito a desejar em termos de governança corporativa, entre as quais: a) uma companhia do setor de saúde que contrata virtualmente todos os seus serviços (de engenharia, informática, marketing, etc.) junto a empresas controladas por parentes esposa, filhos e sobrinhos do acionista controlador; b) uma companhia do setor de alimentos com diretoria composta por sete membros, sendo seis são da família controladora. A empresa conta ainda com cinco conselheiros: três da família controladora (entre os quais o CEO atuando simultaneamente como presidente do conselho) e dois independentes. Em relação aos conselheiros independentes, apesar de profissionais extremamente qualificados, é difícil acreditar que ambos conseguem supervisionar atentamente a gestão da companhia, já que um deles atua simultaneamente em mais dez conselhos, enquanto o outro é CEO full time de uma terceira companhia; e, c) uma companhia do setor de materiais de construção com estrutura de propriedade dispersa (sem acionista controlador definido), na qual as reuniões da diretoria e conselho de administração são realizadas de forma conjunta, com participação do CEO como coordenador de todos os comitês do conselho, inclusive o de remuneração (que em tese deveria definir sua própria remuneração). Prof. Dr. Alexandre Di Miceli da Silveira 2

3 O segundo motivo para se discutir os próximos passos da governança no país diz respeito ao fato dos níveis avançados de governança da Bovespa ainda representarem uma parcela diminuta das médias e grandes empresas brasileiras. Assim, mesmo que a adoção da boa governança corporativa estivesse assegurada para as empresas do N2NM, a adoção de práticas avançadas de governança ainda estaria distante da grande maioria das empresas brasileiras. Como evidências, atualmente menos de 1/4 (121 das 452) das empresas estão listadas no N2NM e essas empresas correspondem a cerca de apenas 1/5 da capitalização de mercado da Bovespa. Além disso, das 20 maiores do País em valor de mercado que representam 65% da capitalização de mercado da Bovespa apenas três estavam no N2NM no final de junho deste ano: Banco do Brasil, Redecard e MMX Mineradora. Não obstante a presença ainda minoritária das empresas do N2NM dentro da Bolsa, é importante lembrar que fora dos muros da Bolsa de Valores há ainda um vasto número de empresas de porte razoável com práticas incipientes de governança. Segundo o IBGE, temos cerca de companhias de médio e grande porte, com apenas 452 (cerca de 1%) das quais listadas em bolsa. Assim, o número de empresas presentes aos segmentos mais avançados de governança da Bovespa 122 companhias ainda corresponde a ínfimos 0,3% das médias e grandes empresas do país. Em resumo, mesmo que o N2NM representasse uma garantia de qualidade em governança corporativa, o número de empresas em tais segmentos ainda é insignificante para desde já considerarmos as boas práticas de governança um ponto forte do País. Por fim, apesar do grande entusiasmo local em relação ao tema, infelizmente as evidências concretas decorrentes de pesquisas e análises de agências internacionais ainda não classificam o Brasil como avançado em governança corporativa. Como exemplo, temos os resultados do Prêmio IBGC de Empresas, que anualmente avalia todas as empresas listadas em bolsa para definição da vencedora. De acordo com dados do Instituto, a média geral em 2007 ficou abaixo de 9,0 pontos em uma escala de vinte pontos possíveis, ou seja, nota 4,5 numa escala de zero a dez. Ademais, internacionalmente, o Brasil ainda é visto como um país com más práticas de governança e fraca proteção ao investidor. Essa visão foi corroborada por um recente estudo elaborado pela consultoria em governança corporativa sediada em Nova Iorque GMI Ratings, que colocou as empresas brasileiras em 31º lugar entre empresas de 37 países avaliados, atrás inclusive da média geral das empresas dos países emergentes. Após as evidências de que ainda há muito por se fazer, o próximo passo é apontarmos o quê pode e precisa ser discutido de forma prioritária. Como resultado, dividimos em cinco dimensões de governança corporativa as questões que, ao nosso entender, consideramos chave: (i) estrutura de propriedade e direitos dos acionistas; (ii) conselho de administração; Prof. Dr. Alexandre Di Miceli da Silveira 3

4 (iii) gestão e transparência; (iv) auditorias e conselho fiscal e (v) conduta e conflito de interesses. Em relação à estrutura de propriedade e aos direitos dos acionistas, os seguintes temas são prioritários: a) concessão de tag along além das exigências legais1; b) questionamento (com base em análises estruturadas) sobre a validade das poison pills principalmente em empresas com estrutura de propriedade concentrada; e c) a criação de mecanismos para facilitar a participação dos acionistas em assembléias, como voto eletrônico e manuais das assembléias (proxy statements). Em relação ao conselho de administração, destacam-se os seguintes temas a serem discutidos e aprimorados: a) conselheiros independentes rediscussão deste conceito e aumento da proporção de tais membros nas empresas; b) utilização de conselheiros independentes estrelas, incluindo os potenciais problemas de número excessivo de conselhos ocupados pelas mesmas pessoas e board interlocking (entrelaçamento de empresas por meio de conselheiros comuns); c) comitês do conselho, envolvendo instalação, composição e funcionamento de tais órgãos; e d) avaliação de desempenho do conselho como órgão e dos conselheiros individualmente. Em relação ao tema gestão/transparência, os principais pontos para aprimoramento dizem respeito à: a) implantação de técnicas e procedimentos de gestão de riscos, incluindo monitoramento sistemático pelo conselho; b) maior disclosure sobre o pacote de remuneração dos diretores e conselheiros, principalmente em empresas com estrutura de propriedade pulverizada; e c) maior difusão de métricas de lucro econômico / valor adicionado para avaliação de desempenho e divulgação de resultados. Em relação aos instrumentos de controle e fiscalização, destacam-se os seguintes aspectos para aprimoramento: a) reporte direto e maior supervisão das auditorias interna e independente pelo conselho de administração, incluindo avaliação de desempenho dos trabalhos da auditoria independente pelo conselho; b) seleção da auditoria independente, que idealmente deveria ser feita pelos conselheiros não participantes da gestão da empresa nem ligados aos acionistas controladores; e c) discussão da função do conselho fiscal vis-a-vis o comitê de auditoria, incluindo balanço de ambos os órgãos à luz das melhores práticas de governança. 1 Atualmente cerca de 36% das empresas listadas vão além da Lei e concedem tag along maior que os 80% previstos na Lei das Sociedades Anônimas. Prof. Dr. Alexandre Di Miceli da Silveira 4

5 Finalmente, em relação à dimensão da ética e conflitos de interesses, um tema se destaca: as operações com partes relacionadas (OPRs), com a necessidade da definição de regras claras pelas companhias para tais operações e a divulgação periódica de todas as operações realizadas para seus investidores. Além disso, a criação de procedimentos internos para difusão e aplicação dos códigos de conduta e para a implementação das políticas de negociação de valores mobiliários são outros temas a serem discutidos e aprimorados. Além de todas as práticas e questões mencionadas acima, outro ponto-chave dos próximos passos da governança corporativa no Brasil diz respeito ao seu nível de regulação. Em um extremo, temos o caso norte-americano, nas quais diversas práticas de governança são simplesmente exigidas por Lei. No outro extremo, temos o caso brasileiro, nas quais as empresas podem voluntariamente optar por suas práticas de governança, sem qualquer exigência legal além dos requisitos mínimos estabelecidos pela Lei das Sociedades por Ações. Um caminho intermediário, que consideramos extremamente interessante para o Brasil, seria um sistema de pratique ou explique (comply or explain). Neste sistema, presente em países como Reino Unido e Alemanha, um determinado código é assumido como oficial, sendo as empresas obrigadas a divulgar seu nível de conformidade em relação a tal código (mas não obrigando-as a necessariamente cumprir as recomendações previstas). Desta forma, os investidores teriam uma visão clara do nível de adequação de cada empresa às melhores práticas de governança, sem terem que analisar individualmente (em inúmeros documentos), as práticas adotadas por cada uma. Estudos recentes mostram que, apesar de não obrigatório, a adoção de tal sistema induz as empresas a melhorarem substancialmente suas práticas de governança. Adicionalmente, poderiam ser elaboradas algumas recomendações diferenciadas para empresas com estrutura de propriedade pulverizada ou concentrada, tendo em vista suas peculiaridades e diferentes conflitos potenciais. Em resumo, três conclusões principais podem ser extraídas do estágio atual da governança corporativa no Brasil e de seus próximos passos: 1) o mercado ainda não testou de fato a qualidade das práticas de governança das empresas pertencentes ao Nível 2 e Novo Mercado, principalmente em função do excelente desempenho da Bolsa no período de 2004 a 2007 e da valorização do real frente ao dólar no período; 2) a governança não se encerra com a adesão ao Novo Mercado, já que diversas práticas não previstas neste segmento de listagem precisam ser adotadas ou aprimoradas; e 3) a avaliação das práticas de governança deve evoluir de uma abordagem meramente estrutural (de marcar caixinhas ) para modelos que propiciem uma compreensão correta do seu nível de efetividade e de geração de valor aos negócios.em resumo, os mitos da governança corporativa apresentados são resultado da não Prof. Dr. Alexandre Di Miceli da Silveira 5

6 observação de conceitos básicos exigidos dos participantes do mundo dos negócios: mensuração dos retornos ajustados ao risco, avaliação dos benefícios privados do controle, separação entre propriedade e gestão, distinção entre disclosure e transparência, relação entre risco incorrido e retorno esperado, e função objetivos das empresas. Tais conceitos devem ser reforçados nas escolas de negócios e entidades de mercado, visando diminuir a disseminação desses e de outros mitos da governança corporativa no Brasil. * Alexandre Di Miceli da Silveira é professor doutor da FEA-USP, Coordenador Executivo do Centro de Estudos em Governança Corporativa CEG da Fipecafi e colunista da Revista Capital Aberto. Este texto reflete as opiniões pessoais do pesquisador, não necessariamente o ponto de vista das instituições onde atua. O autor agradece à Angela Donaggio da KPMG pela minuciosa revisão do texto. Todos os erros e omissões são de responsabilidade do autor. Prof. Dr. Alexandre Di Miceli da Silveira 6

Alexandre Di Miceli: Casos de empresas

Alexandre Di Miceli: Casos de empresas Alexandre Di Miceli: Há uma sensação de que governança corporativa é um tema bem resolvido aqui no Brasil. Falo isso porque houve algumas matérias recentes que colocaram a governança corporativa como um

Leia mais

CONSULTA PÚBLICA GOVERNANÇA CORPORATIVA: PONTOS RELEVANTES PARA EVOLUÇÃO DOS SEGMENTOS ESPECIAIS DA BM&FBOVESPA

CONSULTA PÚBLICA GOVERNANÇA CORPORATIVA: PONTOS RELEVANTES PARA EVOLUÇÃO DOS SEGMENTOS ESPECIAIS DA BM&FBOVESPA CONSULTA PÚBLICA GOVERNANÇA CORPORATIVA: PONTOS RELEVANTES PARA EVOLUÇÃO DOS SEGMENTOS ESPECIAIS DA BM&FBOVESPA QUESTÕES I. IDENTIFICAÇÃO 1. Assinale a alternativa que identifica seu perfil como respondente

Leia mais

Diretrizes de Governança Corporativa

Diretrizes de Governança Corporativa Diretrizes de Governança Corporativa DIRETRIZES DE GOVERNANÇA CORPORATIVA DA BM&FBOVESPA Objetivo do documento: Apresentar, em linguagem simples e de forma concisa, o modelo de governança corporativa da

Leia mais

Melhores práticas. Cada vez mais cientes das

Melhores práticas. Cada vez mais cientes das Número de empresas brasileiras que procuram se aprimorar em governança corporativa aumentou na última edição do estudo Melhores práticas Estudo aponta que as empresas investem mais no aprimoramento dos

Leia mais

CEG Centro de Estudos em Governança Corporativa da FIPECAFI

CEG Centro de Estudos em Governança Corporativa da FIPECAFI CEG Centro de Estudos em Governança Corporativa da FIPECAFI Prof. Marcelo de Aguiar Coimbra Graduado e Mestre em Direito pela USP/Doutorando pela Universidade de Colônia, Alemanha Coordenador do Grupo

Leia mais

Evolução constante. Desde a criação dos níveis diferenciados de governança da Bovespa, em 2000, o Brasil vem procurando

Evolução constante. Desde a criação dos níveis diferenciados de governança da Bovespa, em 2000, o Brasil vem procurando Evolução constante Desde a criação dos níveis diferenciados de governança da, em 2000, o Brasil vem procurando se posicionar na vanguarda em relação às boas práticas de governança corporativa. O momento

Leia mais

Novo Mercado: Gestão de Propriedades e Abertura de Capital

Novo Mercado: Gestão de Propriedades e Abertura de Capital Novo Mercado: Gestão de Propriedades e Abertura de Capital 2 Crescimento do Agronegócio Brasileiro Fluxo de caixa/custos Evolução da Gestão Vendas Futuras 90/00 Evolução de Comercialização Produtividade

Leia mais

Tendências da Governança Corporativa Tá na Mesa Porto Alegre, 7/04/2010. Gilberto Mifano

Tendências da Governança Corporativa Tá na Mesa Porto Alegre, 7/04/2010. Gilberto Mifano Tendências da Governança Corporativa Tá na Mesa Porto Alegre, 7/04/2010 Gilberto Mifano Agenda Panorama atual da GC no Brasil 2009 x 2003 Temas em discussão no Brasil e no Mundo 2 GOVERNANÇA CORPORATIVA

Leia mais

Estruturas de Governança a no Setor Público: P Contribuições do TCU. Laércio Vieira, MSc, CGAP Tribunal de Contas da União

Estruturas de Governança a no Setor Público: P Contribuições do TCU. Laércio Vieira, MSc, CGAP Tribunal de Contas da União Estruturas de Governança a no Setor Público: P Contribuições do TCU Laércio Vieira, MSc, CGAP Tribunal de Contas da União LOGO Sumário da Apresentação Origens... Um pouco sobre Governança O papel da Unidade

Leia mais

Nível 2. Governança Corporativa

Nível 2. Governança Corporativa Nível 2 Governança Corporativa Apresentação Implantados em dezembro de 2000 pela antiga Bolsa de Valores de São Paulo (BOVESPA), o Novo Mercado e os Níveis Diferenciados de Governança Corporativa Nível

Leia mais

Unidade I GOVERNANÇA CORPORATIVA. Profa. Ligia Vianna

Unidade I GOVERNANÇA CORPORATIVA. Profa. Ligia Vianna Unidade I GOVERNANÇA CORPORATIVA Profa. Ligia Vianna Conceito Termo governança corporativa: criado no início da década de 1990, nos Estados Unidos e na Grã-Bretanha. Objetiva definir as regras que regem

Leia mais

POLÍTICA DE NEGOCIAÇÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS DE EMISSÃO DA CCX CARVÃO DA COLÔMBIA S.A.

POLÍTICA DE NEGOCIAÇÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS DE EMISSÃO DA CCX CARVÃO DA COLÔMBIA S.A. 1. Objetivo A presente Política de Negociação de es Mobiliários de emissão da CCX Carvão da Colômbia S.A. ( Política e Companhia, respectivamente) tem por objetivo estabelecer as regras e procedimentos

Leia mais

Certificações Deloitte Programa de Inteligência em Riscos

Certificações Deloitte Programa de Inteligência em Riscos Certificações Deloitte Programa de Inteligência em Riscos Certificação Deloitte A Deloitte é referência mundial em soluções integradas em todas as indústrias e vem atendendo as demandas corporativas em

Leia mais

SÉRIE IPO s: TUDO O QUE VOCÊ PRECISA SABER SOBRE ABERTURA DE CAPITAL. Parte 1: Casos Recentes no Brasil

SÉRIE IPO s: TUDO O QUE VOCÊ PRECISA SABER SOBRE ABERTURA DE CAPITAL. Parte 1: Casos Recentes no Brasil SÉRIE IPO s: TUDO O QUE VOCÊ PRECISA SABER SOBRE ABERTURA DE CAPITAL Parte 1: Casos Recentes no Brasil o O interesse das pessoas físicas e investidores estrangeiros o A relação demanda x oferta das aberturas

Leia mais

Ano X - nº 146 - Edição de 02 de Março de 2009

Ano X - nº 146 - Edição de 02 de Março de 2009 Ano X - nº 146 - Edição de 02 de Março de 2009 Agende-se 2 de Abril - IBRI prepara Seminário TI e o Mercado de Capitais O IBRI (Instituto Brasileiro de Relações com Investidores) e a revista Executivos

Leia mais

Diretoria de Tecnologia Dr. Antônio Cesar Azevedo Neves

Diretoria de Tecnologia Dr. Antônio Cesar Azevedo Neves Diretoria de Tecnologia Dr. Antônio Cesar Azevedo Neves GOVERNANÇA CORPORATIVA Conceitos e Prática Alfredo Martini Neto Superintendente de Gestão do Conhecimento Agenda Conceito básico Origens e evolução

Leia mais

Conheça mais sobre dividendos, direitos de subscrição e bonificações clicando aqui.

Conheça mais sobre dividendos, direitos de subscrição e bonificações clicando aqui. Fonte: CVM O que é uma Ação? Ação é a menor parcela do capital social das companhias ou sociedades anônimas. É, portanto, um título patrimonial e, como tal, concede aos seus titulares, os acionistas, todos

Leia mais

PERFIL DO COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS CPC. Élen Cristiane dos Santos¹, Robernei Aparecido Lima ²

PERFIL DO COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS CPC. Élen Cristiane dos Santos¹, Robernei Aparecido Lima ² PERFIL DO COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS CPC Élen Cristiane dos Santos¹, Robernei Aparecido Lima ² 1 Universidade do Vale do Paraíba/Faculdade de Ciências Contábeis, Avenida Dr.Januário Miráglia,

Leia mais

SETE BRASIL PARTICIPAÇÕES S.A.

SETE BRASIL PARTICIPAÇÕES S.A. SETE BRASIL PARTICIPAÇÕES S.A. CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO REGIMENTO INTERNO DOS COMITÊS COMITÊ DE AUDITORIA APROVADO PELO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO EM 24 DE SETEMBRO DE 2014 SUMÁRIO I INTRODUÇÃO 3 II OBJETO

Leia mais

O valor de ser sustentável

O valor de ser sustentável Visão Sustentável O valor de ser sustentável Os investimentos socialmente responsáveis vêm ganhando espaço mundialmente. No Brasil, há fundos de ações com foco em sustentabilidade, além do ISE Criselli

Leia mais

DIVULGAÇÃO DE RESULTADOS 4T05 e 2005

DIVULGAÇÃO DE RESULTADOS 4T05 e 2005 DIVULGAÇÃO DE RESULTADOS 4T05 e 2005 Americana SP, 23 de março de 2005 A VIVAX S.A. (Bovespa: VVAX11), ou Companhia, segunda maior operadora de TV a Cabo do Brasil, em número de assinantes, e uma das principais

Leia mais

CÓDIGO DE CONDUTA E ÉTICA POLÍTICA SOBRE COMUNICAÇÃO CUIDADOSA

CÓDIGO DE CONDUTA E ÉTICA POLÍTICA SOBRE COMUNICAÇÃO CUIDADOSA CÓDIGO DE CONDUTA E ÉTICA POLÍTICA SOBRE COMUNICAÇÃO CUIDADOSA POLÍTICA SOBRE COMUNICAÇÃO CUIDADOSA Esta política se destina a ajudar empregados e outras pessoas que agem em nome da Magna, incluindo dirigentes,

Leia mais

A Bolsa e a sustentabilidade

A Bolsa e a sustentabilidade A Bolsa e a sustentabilidade Izalco Sardenberg Diretor Instituto BM&FBOVESPA Outubro/2009 BM&FBOVESPA Quem somos Maior bolsa da América Latina. Uma das 5 maiores do mundo em valor de mercado (US$ 15 bilhões).

Leia mais

O IMPACTO DA LEI 11.638 NA AUDITORIA DAS DEMONSTRAÇÕES FINACEIRAS

O IMPACTO DA LEI 11.638 NA AUDITORIA DAS DEMONSTRAÇÕES FINACEIRAS O IMPACTO DA LEI 11.638 NA AUDITORIA DAS DEMONSTRAÇÕES FINACEIRAS Fernanda de Fátima Teixeira Arantes, 1 José César de Faria 2 1 Universidade do Vale do Paraíba/Faculdade de Ciências Sociais Aplicadas

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO. Relatório Perfil Curricular

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO. Relatório Perfil Curricular PERÍODO: 1º CT460- CONTABILIDADE INTRODUTÓRIA HISTÓRIA DA CONTABILIDADE, ELEMENTOS INTRODUTÓRIOS DE CONTABILIDADE: OBJETO DE ESTUDO E SUA REPRESENTAÇÃO GRÁFICA, CAMPO DE ATUAÇÃO, INFORMAÇÕES CONTÁBEIS

Leia mais

AS PRÁTICAS DE GOVERNANÇA CORPORATIVA ADOTADAS EM IPOS REGISTRADOS NO BRASIL

AS PRÁTICAS DE GOVERNANÇA CORPORATIVA ADOTADAS EM IPOS REGISTRADOS NO BRASIL ANEXO I AS PRÁTICAS DE GOVERNANÇA CORPORATIVA ADOTADAS EM IPOS REGISTRADOS NO BRASIL (Proposta de linha de pesquisa em iniciação científica a ser desenvolvida em cooperação entre DIREITO GV e Souza, Cescon,

Leia mais

CESA COMITÊ SOCIETÁRIO

CESA COMITÊ SOCIETÁRIO CESA COMITÊ SOCIETÁRIO GOVERNANÇA CORPORATIVA Heloisa de Oliveira Herrera Agosto/2008 Processo Histórico Governança Corporativa APRESENTAÇÃO Razões internas e externas determinantes para adoção da Governança

Leia mais

CODIM. PRONUNCIAMENTO DE ORIENTAÇÃO Nº 18, de 09 de Setembro de 2015.

CODIM. PRONUNCIAMENTO DE ORIENTAÇÃO Nº 18, de 09 de Setembro de 2015. CODIM COMITÊ DE ORIENTAÇÃO PARA DIVULGAÇÃO DE INFORMAÇÕES AO MERCADO (ABRAPP - ABRASCA AMEC ANBIMA ANCORD - ANEFAC APIMEC BM&FBOVESPA CFC IBGC IBRACON IBRI) PRONUNCIAMENTO DE ORIENTAÇÃO Nº 18, de 09 de

Leia mais

Disciplina: Governança Corporativa Professora: Rosely Gaeta

Disciplina: Governança Corporativa Professora: Rosely Gaeta Disciplina: Governança Corporativa Professora: Rosely Gaeta NOTA DE AULA 04 ORIGENS E FUNDAMENTOS DA GOVERNANÇA CORPORATIVA - FUNDAMENTOS Fonte: Nota de Aula 05 Governança Corporativa - Prof Fábio Gomes

Leia mais

Governança Corporativa ao Alcance de Todos

Governança Corporativa ao Alcance de Todos Autor: Charles Holland* Governança Corporativa ao Alcance de Todos Segundo o Instituto Brasileiro de Governança Corporativa IBGC, governança corporativa são as práticas e os relacionamentos entre acionistas/quotistas,

Leia mais

MAHLE REPORTA EBITDA DE R$ 104,6 MILHÕES NO 2T14; MARGEM DE 17,7%

MAHLE REPORTA EBITDA DE R$ 104,6 MILHÕES NO 2T14; MARGEM DE 17,7% MAHLE REPORTA EBITDA DE R$ 104,6 MILHÕES NO 2T14; MARGEM DE 17,7% Mogi Guaçu (SP), 11 de agosto de 2014 - A MAHLE Metal Leve S.A. (BM&FBOVESPA: LEVE3), Companhia líder na fabricação e comercialização de

Leia mais

Comitê Consultivo de Educação Programa TOP XI Regulamento

Comitê Consultivo de Educação Programa TOP XI Regulamento Apresentação: O Programa TOP é uma iniciativa conjunta das instituições que formam o Comitê Consultivo de Educação, criado pela Deliberação CVM n 498/06, que tem os seguintes objetivos: - propor e apoiar

Leia mais

Regra de Governança Corporativa da NYSE para Emissoras Norte-Americanas. Abordagem da Vale

Regra de Governança Corporativa da NYSE para Emissoras Norte-Americanas. Abordagem da Vale Comparação das práticas de governança corporativa adotadas pela VALE com aquelas adotadas pelas companhias norte-americanas em cumprimento às exigências da Bolsa de Valores de Nova Iorque De acordo com

Leia mais

Programa de Formação, Fortalecimento e Consolidação

Programa de Formação, Fortalecimento e Consolidação Programa de Formação, Fortalecimento e Consolidação da Cultura de Companhia Aberta 2 0 0 6 Governança Corporativa nas Diversas Instâncias da Companhia 28 e 29 de agosto BOVESPA São Paulo, SP coordenação

Leia mais

BANRISUL AUTOMÁTICO FUNDO DE INVESTIMENTO CURTO PRAZO CNPJ/MF nº 01.353.260/0001-03

BANRISUL AUTOMÁTICO FUNDO DE INVESTIMENTO CURTO PRAZO CNPJ/MF nº 01.353.260/0001-03 BANRISUL AUTOMÁTICO FUNDO DE INVESTIMENTO CURTO PRAZO CNPJ/MF nº 01.353.260/0001-03 PROSPECTO AVISOS IMPORTANTES I. A CONCESSÃO DE REGISTRO PARA A VENDA DAS COTAS DESTE FUNDO NÃO IMPLICA, POR PARTE DA

Leia mais

FUNDO DE INVESTIMENTO EM COTAS DE FUNDOS DE INVESTIMENTO MULTIMERCADO CRÉDITO PRIVADO TITAN TI 14.115.121/0001-93 Mês de Referência: Junho de 2016

FUNDO DE INVESTIMENTO EM COTAS DE FUNDOS DE INVESTIMENTO MULTIMERCADO CRÉDITO PRIVADO TITAN TI 14.115.121/0001-93 Mês de Referência: Junho de 2016 FUNDO DE INVESTIMENTO EM COTAS DE FUNDOS DE INVESTIMENTO MULTIMERCADO CRÉDITO PRIVADO TITAN TI 14.115.121/0001-93 Mês de Referência: Junho de 2016 Formulário de Informações Complementares O formulário

Leia mais

6º Congresso Brasileiro de Jornalismo Empresarial, Assessoria de Imprensa e Relações Públicas

6º Congresso Brasileiro de Jornalismo Empresarial, Assessoria de Imprensa e Relações Públicas 6º Congresso Brasileiro de Jornalismo Empresarial, Assessoria de Imprensa e Relações Públicas Abril de 2003 O que muda na Comunicação das Empresas com o Mercado com o novo Código Civil SÉRGIO TUFFY SAYEG

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Variação Monetária nas Demonstrações Contábeis

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Variação Monetária nas Demonstrações Contábeis Variação 05/05/2014 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 1.1. Exemplo de tratamento no sistema... 3 2. Normas Apresentadas pelo Cliente... 3 2.1. RIR/1999... 4 2.2. Lei 9.718/1998... 4 2.3. Lei

Leia mais

ACORDO PARA A PROMOÇÃO E A PROTEÇÃO RECÍPROCA DE INVESTIMENTOS ENTRE O GOVERNO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL E O GOVERNO DA REPÚBLICA DA CORÉIA

ACORDO PARA A PROMOÇÃO E A PROTEÇÃO RECÍPROCA DE INVESTIMENTOS ENTRE O GOVERNO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL E O GOVERNO DA REPÚBLICA DA CORÉIA ACORDO PARA A PROMOÇÃO E A PROTEÇÃO RECÍPROCA DE INVESTIMENTOS ENTRE O GOVERNO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL E O GOVERNO DA REPÚBLICA DA CORÉIA O Governo da República Federativa do Brasil e o Governo

Leia mais

Programa de Iniciação Científica da Escola de Direito de São Paulo da Fundação Getulio Vargas. Edital n o 02/2012

Programa de Iniciação Científica da Escola de Direito de São Paulo da Fundação Getulio Vargas. Edital n o 02/2012 Programa de Iniciação Científica da Escola de Direito de São Paulo da Fundação Getulio Vargas Edital n o 02/2012 Seleção de Projetos de Pesquisa para desenvolvimento no âmbito do convênio firmado com o

Leia mais

S a c h o Auditores Independentes Auditoria e Assessoria

S a c h o Auditores Independentes Auditoria e Assessoria CLIPPING COMENTÁRIOS, REGULAMENTAÇÕES E NORMATIVOS SOCIEDADES CORRETORAS, COOPERATIVAS DE CRÉDITO, ADMINISTRADORAS DE CONSÓRCIO, E INSTITUIÇÕES FINANCEIRAS EM GERAL Nº 16 ref: Setembro/2009 São Paulo,

Leia mais

PREFEITURA DE PORTO VELHO

PREFEITURA DE PORTO VELHO LEI Nº. 1628, DE 27 DE OUTUBRO DE 2005. Institui a Política Municipal de fomento à Economia Popular e Solidária na Cidade de Porto Velho e estabelece outras disposições. O PREFEITO DO MUNICÍPIO DE PORTO

Leia mais

Relatório da Administração 2009

Relatório da Administração 2009 Relatório da Administração 2009 Prezados Senhores: Submetemos à apreciação dos Senhores Acionistas, Clientes, Fornecedores de Serviços e Produtos, Comunidade Financeira e à Sociedade em Geral o Relatório

Leia mais

ACORDO ECONÔMICO ENTRE A REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL E O REINO DA ESPANHA, INTEGRANTE DO TRATADO GERAL DE COOPERAÇÃO E AMIZADE BRASIL-ESPANHA

ACORDO ECONÔMICO ENTRE A REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL E O REINO DA ESPANHA, INTEGRANTE DO TRATADO GERAL DE COOPERAÇÃO E AMIZADE BRASIL-ESPANHA ACORDO ECONÔMICO ENTRE A REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL E O REINO DA ESPANHA, INTEGRANTE DO TRATADO GERAL DE COOPERAÇÃO E AMIZADE BRASIL-ESPANHA A República Federativa do Brasil e O Reino da Espanha, (doravante

Leia mais

A Prática na Unimed João Pessoa

A Prática na Unimed João Pessoa A Prática na Unimed João Pessoa 27º Encontro Nacional de Núcleos de Desenvolvimento Humano e Comitês Educativos Unimed do Brasil São Paulo, Julho/2015 COOPERATIVISMO E GOVERNANÇA Princípios e Características

Leia mais

02 a 05 de junho de 2009 Expo Center Norte - SP

02 a 05 de junho de 2009 Expo Center Norte - SP 02 a 05 de junho de 2009 Expo Center Norte - SP Eventos Oficiais: 0 A Saúde Rompendo Paradigmas para o Crescimento Sustentável Profissionalização na Gestão da Saúde Suplementar Governança Corporativa no

Leia mais

Governança Corporativa

Governança Corporativa Mercado Financeiro Prof. Dr. Alexandre Di Miceli da Silveira aula 1A 1 Conceitos Fundamentais de Aula 1 Parte A Ao final desta aula você : - Identificará a importância da governança corporativa de acordo

Leia mais

AS FERRAMENTAS DE GOVERNANÇA: O CASO DO CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE 1

AS FERRAMENTAS DE GOVERNANÇA: O CASO DO CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE 1 AS FERRAMENTAS DE GOVERNANÇA: O CASO DO CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE 1 Bruna Faccin Camargo 2, Jaciara Treter 3, Daniel Knebel Baggio 4. 1 Artigo de Conclusão do Curso em Ciências Contábeis 2 Aluna

Leia mais

RESUMO FUNÇÃO DO COMPLIANCE

RESUMO FUNÇÃO DO COMPLIANCE RESUMO FUNÇÃO DO COMPLIANCE O foco da Cartilha Função de Compliance é integrar as atividades de compliance com as boas práticas de governança corporativa e de Gestão de Riscos, os quais os bancos têm buscado

Leia mais

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DAS COMPANHIAS ABERTAS - ABRASCA ATA DA ASSEMBLEIA GERAL EXTRAORDINÁRIA REALIZADA EM 30 DE JUNHO DE 2011

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DAS COMPANHIAS ABERTAS - ABRASCA ATA DA ASSEMBLEIA GERAL EXTRAORDINÁRIA REALIZADA EM 30 DE JUNHO DE 2011 ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DAS COMPANHIAS ABERTAS - ABRASCA ATA DA ASSEMBLEIA GERAL EXTRAORDINÁRIA REALIZADA EM 30 DE JUNHO DE 2011 Às 10h do dia 30 de junho de 2011, reuniram-se, em primeira convocação, em

Leia mais

Assembléia Geral Extraordinária e Ordinária de 29 de abril de 2011 às 15:00 horas

Assembléia Geral Extraordinária e Ordinária de 29 de abril de 2011 às 15:00 horas FUNDAÇÃO ITAUBANCO PARTICIPAÇÃO EM ASSEMBLÉIA DE ACIONISTAS Em cumprimento ao disposto na Resolução CGPC nº 23 de 06 de dezembro de 2006, a qual estabelece que as Entidades Fechadas de Previdência Complementar

Leia mais

Conselho Regional de Administração de São Paulo. Mercado de Capitais no Brasil: a BOVESPA construindo estruturas. 03 de Maio de 2007.

Conselho Regional de Administração de São Paulo. Mercado de Capitais no Brasil: a BOVESPA construindo estruturas. 03 de Maio de 2007. Conselho Regional de Administração de São Paulo Mercado de Capitais no Brasil: a BOVESPA construindo estruturas 03 de Maio de 2007 Gilberto Mifano Rossi Superintendente Geral Maria Cecilia Conselheira

Leia mais

POLÍTICA DE NEGOCIAÇÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS DA GAEC EDUCAÇÃO S.A. SEÇÃO I DEFINIÇÕES

POLÍTICA DE NEGOCIAÇÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS DA GAEC EDUCAÇÃO S.A. SEÇÃO I DEFINIÇÕES POLÍTICA DE NEGOCIAÇÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS DA GAEC EDUCAÇÃO S.A. SEÇÃO I DEFINIÇÕES 1. Os termos e expressões relacionados abaixo, quando utilizados nesta Política, terão o seguinte significado: 1.1.

Leia mais

REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO INTRODUÇÃO

REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO INTRODUÇÃO REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO INTRODUÇÃO Considerando o objetivo de formação de docentes em que a atividade prática de prestação de serviços especializados é relevante à sociedade, torna-se necessário

Leia mais

PRÊMIO DE PRÁTICAS EXITOSAS DO SISTEMA ÚNICO DE ASSISTÊNCIA SOCIAL SUAS COEGEMAS/CE

PRÊMIO DE PRÁTICAS EXITOSAS DO SISTEMA ÚNICO DE ASSISTÊNCIA SOCIAL SUAS COEGEMAS/CE EDITAL COEGEMAS/CE Nº 01/ 2016 PRÊMIO DE PRÁTICAS EXITOSAS DO SISTEMA ÚNICO DE ASSISTÊNCIA SOCIAL SUAS COEGEMAS/CE A Diretoria Executiva do Colegiado Estadual de Gestores Municipais de Assistência Social

Leia mais

MARCOS HISTÓRICOS DA GOVERNANÇA CORPORATIVA: O ATIVISMO DE MONKS X OS PRINCÍPIOS DA ORGANIZAÇÃO DE COOPERAÇÃO PARA O DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO

MARCOS HISTÓRICOS DA GOVERNANÇA CORPORATIVA: O ATIVISMO DE MONKS X OS PRINCÍPIOS DA ORGANIZAÇÃO DE COOPERAÇÃO PARA O DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO 235 MARCOS HISTÓRICOS DA GOVERNANÇA CORPORATIVA: O ATIVISMO DE MONKS X OS PRINCÍPIOS DA ORGANIZAÇÃO DE COOPERAÇÃO PARA O DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO JovelinoMárcio de Souza¹, Ronise Suzuki de Oliveira² Resumo:

Leia mais

CÓDIGO DE CONDUTA 1. MENSAGEM IESC

CÓDIGO DE CONDUTA 1. MENSAGEM IESC CÓDIGO DE CONDUTA 1. MENSAGEM IESC De origem grega, o termo ethos significa costumes e deve ser entendido com um conjunto de princípios básicos que visam disciplinar e regular, a moral e a conduta das

Leia mais

ENFRENTANDO OS DESAFIOS DA POBREZA E APERFEIÇOANDO AS AÇÕES SOCIAIS NAS AMÉRICAS

ENFRENTANDO OS DESAFIOS DA POBREZA E APERFEIÇOANDO AS AÇÕES SOCIAIS NAS AMÉRICAS ENFRENTANDO OS DESAFIOS DA POBREZA E APERFEIÇOANDO AS AÇÕES SOCIAIS NAS AMÉRICAS Explorando Novas Opções para o Incremento da Doação de Fundos e Re-canalização da Dívida Apresentado pela Agência Inter-Americana

Leia mais

A REALIDADE DA CONCENTRAÇÃO DO CAPITAL NO BRASIL: UM ESTUDO COMPARATIVO COM OUTRAS ECONOMIAS EMERGENTES 1.

A REALIDADE DA CONCENTRAÇÃO DO CAPITAL NO BRASIL: UM ESTUDO COMPARATIVO COM OUTRAS ECONOMIAS EMERGENTES 1. A REALIDADE DA CONCENTRAÇÃO DO CAPITAL NO BRASIL: UM ESTUDO COMPARATIVO COM OUTRAS ECONOMIAS EMERGENTES 1. Alexandre Assaf Neto 2 Fabiano Guasti Lima Adriana Maria Procópio de Araujo Resumo O artigo tem

Leia mais

POLÍTICA DE DIVULGAÇÃO E USO DE INFORMAÇÕES RELEVANTES E PRESERVAÇÃO DE SIGILO DA COMPANHIA BRASILEIRA DE DISTRIBUIÇÃO

POLÍTICA DE DIVULGAÇÃO E USO DE INFORMAÇÕES RELEVANTES E PRESERVAÇÃO DE SIGILO DA COMPANHIA BRASILEIRA DE DISTRIBUIÇÃO POLÍTICA DE DIVULGAÇÃO E USO DE INFORMAÇÕES RELEVANTES E PRESERVAÇÃO DE SIGILO DA COMPANHIA BRASILEIRA DE DISTRIBUIÇÃO Aprovada em Reunião do Conselho de Administração da Companhia realizada em 29 de agosto

Leia mais

LEI Nº 8.798 de 22 de fevereiro de 2006.

LEI Nº 8.798 de 22 de fevereiro de 2006. LEI Nº 8.798 de 22 de fevereiro de 2006. Institui a Política Estadual de fomento à Economia Popular Solidária no Estado do Rio Grande do Norte e estabelece outras disposições. O PRESIDENTE DA ASSEMBLÉIA

Leia mais

1) Andamento dos Assuntos tratados na reunião de 24/abr/06:

1) Andamento dos Assuntos tratados na reunião de 24/abr/06: ATA DA REUNIÃO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO DO IBRI - INSTITUTO BRASILEIRO DE RELAÇÕES COM INVESTIDORES, REALIZADA NO DIA 19 DE JUNHO DE 2006, ÀS 12:30 HORAS, NO CLUBE SÃO PAULO, SITUADO À AV. HIGIENÓPOLIS,

Leia mais

ANEXO 5 ESCOPO DO ESTUDO DE VIABILIDADE TÉCNICA, ECONÔMICA E JURÍDICA

ANEXO 5 ESCOPO DO ESTUDO DE VIABILIDADE TÉCNICA, ECONÔMICA E JURÍDICA ANEXO 5 ESCOPO DO ESTUDO DE VIABILIDADE TÉCNICA, ECONÔMICA E JURÍDICA O estudo a ser entregue deverá avaliar a viabilidade do projeto de PPP proposto segundo a ótica de todos os fornecedores de capital

Leia mais

Col t e i e mprensa 30/julh lh / o 2007 /2007

Col t e i e mprensa 30/julh lh / o 2007 /2007 Coletiva de Imprensa 30/julho/2007 /2007 1 CODIM Comitê de Orientação para Divulgação de Informações ao Mercado Criado com o objetivo de ser uma nova e eficiente ferramenta de trabalho para o aperfeiçoamento

Leia mais

Proposta de Modelo de Avaliação de Gestão e Governança para Bancos

Proposta de Modelo de Avaliação de Gestão e Governança para Bancos Proposta de Modelo de Avaliação de Gestão e Governança para Bancos Sílvia Marques de Brito e Silva Amaro Luiz de Oliveira Gomes Bacen/Denor Estrutura da Apresentação 1. Objetivo do trabalho 2. Importância

Leia mais

Política de Divulgação de Informações Relevantes e Preservação de Sigilo

Política de Divulgação de Informações Relevantes e Preservação de Sigilo Índice 1. Definições... 2 2. Objetivos e Princípios... 3 3. Definição de Ato ou Fato Relevante... 4 4. Deveres e Responsabilidade... 5 5. Exceção à Imediata Divulgação... 7 6. Dever de Guardar Sigilo...

Leia mais

PORTARIA Nº 185, DE 12 DE JULHO DE 2012

PORTARIA Nº 185, DE 12 DE JULHO DE 2012 PORTARIA Nº 185, DE 12 DE JULHO DE 2012 Torna públicas as teses e diretrizes para a elaboração de uma Política Nacional de Empreendedorismo e Negócios PNEN, e dá outras providências. O MINISTRO DO DESENVOLVIMENTO,

Leia mais

CSU CardSystem - 2010

CSU CardSystem - 2010 CSU CardSystem - 2010 Considerações Iniciais Esta apresentação pode incluir declarações que representem expectativas sobre eventos ou resultados futuros de acordo com a regulamentação de valores mobiliários

Leia mais

O que é Governança Corporativa?

O que é Governança Corporativa? O que é Governança Corporativa? O que é Governança Corporativa? Tradução literal de Corporate Governance conduz à percepção equivocada da abrangência e limites de aplicabilidade da Governança Corporativa.

Leia mais

AVALIAÇÃO DOS RESULTADOS OBTIDOS NA RECENTE EXPERIÊNCIA DE FURNAS EM P&D

AVALIAÇÃO DOS RESULTADOS OBTIDOS NA RECENTE EXPERIÊNCIA DE FURNAS EM P&D SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GPD - 07 16 a 21 Outubro de 2005 Curitiba - Paraná GRUPO XV GRUPO DE INOVAÇÃO TECONOLÓGICA, PESQUISA E DESENVOLVIMENTO - GPD AVALIAÇÃO

Leia mais

e$tratégia acionária p a r a v e n c e r n a bolsa de valores Rivadavila S. Malheiros Novatec

e$tratégia acionária p a r a v e n c e r n a bolsa de valores Rivadavila S. Malheiros Novatec e$tratégia acionária p a r a v e n c e r n a bolsa de valores Rivadavila S. Malheiros Novatec capítulo 1 Mercado de ações na bovespa 1.1 Mercado de ações Tudo começa com uma grande idéia que se transforma

Leia mais

TRAProhe TRATR MANUAL TRABALHO INTERDISCIPLINAR. Curso Superior Tecnológico de Gestão em Finanças. Currículo 2009-2

TRAProhe TRATR MANUAL TRABALHO INTERDISCIPLINAR. Curso Superior Tecnológico de Gestão em Finanças. Currículo 2009-2 TRATR TRAProhe MANUAL TRABALHO INTERDISCIPLINAR Curso Superior Tecnológico de Gestão em Finanças Currículo 2009-2 Coordenador Geral: Coordenador do Curso: Centro de Excelência no Ensino: Alexandre Miserani

Leia mais

Processo de Acompanhamento de Divulgação das Informações por parte das Companhias Abertas

Processo de Acompanhamento de Divulgação das Informações por parte das Companhias Abertas 1 Processo de Acompanhamento de Divulgação das Informações por parte das Companhias Abertas Nilza Maria Silva de Oliveira Gerente da Superintendência de Acompanhamento de Empresas (SEP) Praia, Cabo Verde

Leia mais

AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO

AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO INTERESSADO: Conselho Nacional de Educação/Câmara de Educação Superior UF: DF ASSUNTO: Reexame do Parecer CNE/CES nº 162/2010,

Leia mais

DIAGNÓSTICOS DA AMÉRICA S/A CNPJ/MF n.º 61.486.650/0001-83 NIRE n.º 35.300.172.507. Companhia Aberta

DIAGNÓSTICOS DA AMÉRICA S/A CNPJ/MF n.º 61.486.650/0001-83 NIRE n.º 35.300.172.507. Companhia Aberta DIAGNÓSTICOS DA AMÉRICA S/A CNPJ/MF n.º 61.486.650/0001-83 NIRE n.º 35.300.172.507 Companhia Aberta ATA DA REUNIÃO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO REALIZADA EM 12 DE NOVEMBRO DE 2015 ANEXO I Política de Divulgação

Leia mais

Questionário de Levantamento de Informações

Questionário de Levantamento de Informações Questionário de Levantamento de Informações Critérios para Inclusão de Empresas no Fundo Ethical 1 INTRODUÇÃO Nos últimos anos se observou um aumento significativo da preocupação das empresas com questões

Leia mais

SÉRIE IPO s: TUDO O QUE VOCÊ PRECISA SABER SOBRE ABERTURA DE CAPITAL. Parte 2: A Valorização das Ações

SÉRIE IPO s: TUDO O QUE VOCÊ PRECISA SABER SOBRE ABERTURA DE CAPITAL. Parte 2: A Valorização das Ações SÉRIE IPO s: TUDO O QUE VOCÊ PRECISA SABER SOBRE ABERTURA DE CAPITAL Parte 2: A Valorização das Ações o A valorização das ações no 1º dia o A valorização dos IPO s x A valorização do o Como as ações vão

Leia mais

EDITAL DE AUDIÊNCIA PÚBLICA SNC Nº 27/2009. Prazo: 25 de outubro de 2009

EDITAL DE AUDIÊNCIA PÚBLICA SNC Nº 27/2009. Prazo: 25 de outubro de 2009 Prazo: 25 de outubro de 2009 A Comissão de Valores Mobiliários CVM, em conjunto com o Comitê de Pronunciamentos Contábeis (CPC), submete à Audiência Pública, nos termos do art. 8º, 3º, I, da Lei nº 6.385,

Leia mais

MINISTÉRIO DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA Comitê Gestor do SIBRATEC. Resolução Comitê Gestor SIBRATEC nº 001, de 17 de março de 2008.

MINISTÉRIO DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA Comitê Gestor do SIBRATEC. Resolução Comitê Gestor SIBRATEC nº 001, de 17 de março de 2008. MINISTÉRIO DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA Comitê Gestor do SIBRATEC Resolução Comitê Gestor SIBRATEC nº 001, de 17 de março de 2008. Aprova as Diretrizes Gerais do Sistema Brasileiro de Tecnologia - SIBRATEC.

Leia mais

Melhores Práticas de Divulgação de Informações IBRI dezembro/2003

Melhores Práticas de Divulgação de Informações IBRI dezembro/2003 Melhores Práticas de Divulgação de Informações IBRI dezembro/2003 1 Tema: Divulgação de Informações A empresa Governança Corporativa Divulgação de Informações Caso CCR CCR e seus desafios 2 CCR visão geral

Leia mais

a importância de um sistema de auditoria independente como suporte indispensável ao órgão regulador;

a importância de um sistema de auditoria independente como suporte indispensável ao órgão regulador; 1) INTRODUÇÃO Ref.: Instrução CVM Nº 308, de 14 de maio de 1999, que dispõe sobre o registro e o exercício da atividade de auditoria independente no âmbito do mercado de valores mobiliários, define os

Leia mais

MINISTÉRIO DA FAZENDA CONSELHO NACIONAL DE SEGUROS PRIVADOS. RESOLUÇÃO CNSP N o 118, DE 2004.

MINISTÉRIO DA FAZENDA CONSELHO NACIONAL DE SEGUROS PRIVADOS. RESOLUÇÃO CNSP N o 118, DE 2004. MINISTÉRIO DA FAZENDA CONSELHO NACIONAL DE SEGUROS PRIVADOS RESOLUÇÃO CNSP N o 118, DE 2004. Dispõe sobre a prestação de serviços de auditoria independente para as sociedades seguradoras, de capitalização

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL, COM HABILITAÇÃO EM RELAÇÕES PÚBLICAS, BACHARELADO REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO

Leia mais

O Papel das Auditorias Internas e Externas na Governança das Empresas CRC CE, 16/10/2009

O Papel das Auditorias Internas e Externas na Governança das Empresas CRC CE, 16/10/2009 O Papel das Auditorias Internas e Externas na Governança das Empresas CRC CE, 16/10/2009 O Papel das Auditorias Internas e Externas na Governança das Empresas (*) Palestrante: Vinícius Sampaio (*) Contará

Leia mais

ASPECTOS LEGAIS DA ALTERAÇÃO DO VALOR DA RESERVA DE REAVALIAÇÃO

ASPECTOS LEGAIS DA ALTERAÇÃO DO VALOR DA RESERVA DE REAVALIAÇÃO INTRODUÇÃO Ref.: Instrução CVM n o 189, de 25 de junho de 1992, que estipula o tratamento contábil a ser dado à reserva de reavaliação, inclusive impostos e contribuições incidentes, em consonância com

Leia mais

PANORAMA MUNDIAL DA EDUCAÇÃO E O BRASIL: CENÁRIOS E PERSPECTIVAS

PANORAMA MUNDIAL DA EDUCAÇÃO E O BRASIL: CENÁRIOS E PERSPECTIVAS PANORAMA MUNDIAL DA EDUCAÇÃO E O BRASIL: CENÁRIOS E PERSPECTIVAS Márcio de Souza Pires, Dr.¹ A educação mundial é fortemente analisada e acompanhada por importantes instituições, em busca de avanços no

Leia mais

DURATEX S.A. CNPJ. 97.837.181/0001-47 Companhia Aberta NIRE 35300154410

DURATEX S.A. CNPJ. 97.837.181/0001-47 Companhia Aberta NIRE 35300154410 DURATEX S.A. CNPJ. 97.837.181/0001-47 Companhia Aberta NIRE 35300154410 REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO (Aprovado na RCA de 14.06.2010 e alterado nas RCAs de 25.04.2012, 22.04.2013, 28.10.2013

Leia mais

Princípios da Gestão Empresarial

Princípios da Gestão Empresarial Princípios da Gestão Empresarial ideias mercado cenário Processos bem definidos e entendidos por toda organização Plano de negócios precisa de uma estratégia Fluxo realimentado a cada nova estratégia ou

Leia mais

PERIODICIDADE MÍNIMA PARA DIVULGAÇÃO DA COMPOSIÇÃO DA CARTEIRA DO FUNDO Mensal, até o dia 10 do mês subsequente ao de referência.

PERIODICIDADE MÍNIMA PARA DIVULGAÇÃO DA COMPOSIÇÃO DA CARTEIRA DO FUNDO Mensal, até o dia 10 do mês subsequente ao de referência. NORTHVIEW FUNDO DE INVESTIMENTO EM COTAS DE FUNDOS DE INVESTIMENTO MULTIMERCADO CRÉDITO PRIVADO 11.806.097/0001-40 Mês de Referência: Março de 2016 Formulário de Informações Complementares O formulário

Leia mais

POLÍTICA DE DIVULGAÇÃO DE ATO OU FATO RELEVANTE DA RAÍZEN ENERGIA S.A.

POLÍTICA DE DIVULGAÇÃO DE ATO OU FATO RELEVANTE DA RAÍZEN ENERGIA S.A. POLÍTICA DE DIVULGAÇÃO DE ATO OU FATO RELEVANTE DA RAÍZEN ENERGIA S.A. 1. OBJETIVO 1.1. O objetivo da presente Política de Divulgação é estabelecer as regras e procedimentos a serem adotados pela Raízen

Leia mais

Governança Corporativa e Sustentabilidade. Carlos Eduardo Lessa Brandão celb@iname.com (11) 9221-7444

Governança Corporativa e Sustentabilidade. Carlos Eduardo Lessa Brandão celb@iname.com (11) 9221-7444 Governança Corporativa e Sustentabilidade Carlos Eduardo Lessa Brandão celb@iname.com (11) 9221-7444 Londrina, 21 de outubro de 2010 Conteúdo Governança Corporativa Sustentabilidade Cooperativas IBGC Perguntas

Leia mais

LOJAS COLOMBO S.A. - COMÉRCIO DE UTILIDADES DOMÉSTICAS E EMPRESAS CONTROLADAS

LOJAS COLOMBO S.A. - COMÉRCIO DE UTILIDADES DOMÉSTICAS E EMPRESAS CONTROLADAS LOJAS COLOMBO S.A. - COMÉRCIO DE UTILIDADES DOMÉSTICAS E EMPRESAS CONTROLADAS RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO Senhores Acionistas: Atendendo às disposições legais e estatutárias, a administração de Lojas Colombo

Leia mais

GOVERNANÇA CORPORATIVA: CASO BANCO DO BRASIL

GOVERNANÇA CORPORATIVA: CASO BANCO DO BRASIL FACULDADE DE TECNOLOGIA E CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS - FATECS CURSO: ADMINISTRAÇÃO DISCIPLINA: MONOGRAFIA GOVERNANÇA CORPORATIVA: CASO BANCO DO BRASIL CELSO DO NASCIMENTO SANTOS NETO RA Nº 2035105/6 PROF.

Leia mais

Boletim de Proteção do Consumidor/Investidor CVM/Senacon

Boletim de Proteção do Consumidor/Investidor CVM/Senacon 7A Ouvidoria no Mercado de Capitais Boletim de Proteção do Consumidor/Investidor CVM/Senacon Departamento de Proteção e Defesa do Consumidor Secretaria Nacional do Consumidor Ministério da Justiça Introdução

Leia mais

REGULAMENTO DE LISTAGEM DO

REGULAMENTO DE LISTAGEM DO REGULAMENTO DE LISTAGEM DO NívEL 2 ÍNDICE REGULAMENTO DE LISTAGEM DO NÍVEL 2 DE GOVERNANÇA CORPORATIVA... 5 OBJETO...5 DEFINIÇÕES...5 AUTORIZAÇÃO PARA NEGOCIAÇÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS NO NÍVEL 2 DE GOVERNANÇA

Leia mais

RELATÓRIO DE GESTÃO 1º TRI/2015

RELATÓRIO DE GESTÃO 1º TRI/2015 RELATÓRIO DE GESTÃO 1º TRI/2015 Leia o Prospecto e o Regulamento antes de investir. Cenário Econômico Neste primeiro trimestre, vivemos um período de informações mistas, bastante interessante para nossa

Leia mais

Discurso do Ministro Alexandre Tombini, Presidente do Banco. Central do Brasil, na Comissão Mista de Orçamento do. Congresso Nacional

Discurso do Ministro Alexandre Tombini, Presidente do Banco. Central do Brasil, na Comissão Mista de Orçamento do. Congresso Nacional Brasília, 18 de setembro de 2013. Discurso do Ministro Alexandre Tombini, Presidente do Banco Central do Brasil, na Comissão Mista de Orçamento do Congresso Nacional Exmas. Sras. Senadoras e Deputadas

Leia mais

COMENTÁRIO DO DESEMPENHO CONSOLIDADO

COMENTÁRIO DO DESEMPENHO CONSOLIDADO COMENTÁRIO DO DESEMPENHO CONSOLIDADO Uberlândia MG, Maio de 2013 A Algar Telecom, Companhia completa e integrada de telecomunicações e TI, detentora da marca CTBC, divulga seus resultados do 1º Trimestre

Leia mais

REGULAÇÃO MÍNIMA DO MERCADO DE CAPITAIS

REGULAÇÃO MÍNIMA DO MERCADO DE CAPITAIS MERCOSUL/CMC/DEC. N 8/93 REGULAÇÃO MÍNIMA DO MERCADO DE CAPITAIS TENDO EM VISTA: o Art. 1 do Tratado de Assunção, a Decisão N 4/91 do Conselho do Mercado Comum e a Recomendação N 7/93 do Subgrupo de Trabalho

Leia mais

Relatório da administração, um estudo da sua apresentação como elemento de evidenciação.

Relatório da administração, um estudo da sua apresentação como elemento de evidenciação. Relatório da administração, um estudo da sua apresentação como elemento de evidenciação. MARCOS ROBERTO DE SOUZA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO DANIEL GUSTAVO VIEGAS DE LIMA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO RESUMO

Leia mais