Lei Nº 7/04. de 17 de Junho

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Lei Nº 7/04. de 17 de Junho"

Transcrição

1 1 Lei Nº 7/04 de 17 de Junho A Lei Constitucional vigente, consagra Angola como um Estado Democrático de Direito e pluripartidário, em que a soberania reside no povo angolano, a quem cabe o exercício do poder político através do sufrágio universal periódico, para a escolha dos seus representantes; Tendo em conta a necessidade de aprovação de uma nova Lei Eleitoral que regule de forma específica o direito de sufrágio, para a escolha do Presidente da República e dos Deputados à Assembleia Nacional; Nestes termos, ao abrigo do disposto na alínea b) do artigo 88º da Lei Constitucional, a Assembleia Nacional aprova a seguinte: LEI ELEITORAL TÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS CAPITULO I PRINCÍPIOS E OBJECTIVOS Artigo 1º (Objecto) 1. A presente lei estabelece os princípios e as regras estruturantes relativos à eleição do Presidente da República e dos Deputados à Assembleia Nacional. 2. Lei própria regula a eleição dos titulares dos órgãos autárquicos. Artigo 2º (Definições) Para efeitos de interpretação da presente lei, o significado dos termos por ela utilizados é o constante do anexo à mesma, de que é parte integrante. Artigo 3º (Tipo de eleição) 1. O Presidente da República e os Deputados à Assembleia Nacional são designados mediante eleição por sufrágio universal, igual, directo, secreto e periódico dos cidadãos com capacidade eleitoral nos termos da Lei Constitucional e da presente lei. 2. As regras relativas à determinação dos candidatos eleitos constam dos títulos relativos a cada categoria de eleição. 1

2 Artigo 4º (Convocação e marcação da data das eleições) 2 1. Compete ao Presidente da República convocar e marcar a data das eleições legislativas e presidenciais, ouvida a Comissão Nacional Eleitoral e o Conselho da República. 2. A convocação e a marcação das eleições são feitas por Decreto Presidencial. Artigo 5º (Direito e dever de votar) 1. O exercício do direito de votar constitui um dever cívico, pessoal, presencial e inalienável. 2. O registo eleitoral dos cidadãos é condição indispensável para o exercício do direito de votar. 3. As entidades públicas e privadas em serviço no dia das eleições devem organizar a sua actividade de modo a facilitar a dispensa dos seus funcionários e trabalhadores pelo tempo suficiente para o exercício do seu direito de voto. Artigo 6º (Aplicação no tempo) As eleições regem-se pela lei vigente ao tempo da sua convocação ou, havendo vacatura do cargo de Presidente da República ou dissolução da Assembleia Nacional, pela lei vigente no momento em que se verifique qualquer desses factos. Artigo 7º (Contencioso eleitoral) A apreciação da regularidade e da validade das eleições compete, em última instância, ao Tribunal Constitucional. Artigo 8º (Administração eleitoral independente e participada) A administração dos actos eleitorais compete a um órgão cuja composição é participada nos termos da lei, pelo poder judicial e outras entidades nacionais que garantam a independência do mesmo. Artigo 9º (Observação nacional e internacional) O processo eleitoral pode estar sujeito à verificação de observadores nacionais e internacionais nos termos da lei própria. Artigo 10º (Âmbito territorial) O processo eleitoral tem lugar em todo o território nacional, sem prejuízo da sua organização no estrangeiro a fim de permitir o exercício do direito de voto dos cidadãos com capacidade eleitoral activa nos termos da presente lei. TITULO II CAPACIDADE ELEITORAL CAPITULO I CAPACIDADE ELEITORAL ACTIVA E PASSIVA Secção I 2

3 Capacidade Eleitoral Activa 3 Artigo 11º (Capacidade eleitoral activa) 1. São eleitores os cidadãos angolanos maiores de dezoito anos, regularmente registados como eleitores, não abrangidos por qualquer das incapacidades previstas na presente lei. 2. Os cidadãos angolanos com residência habitual no estrangeiro têm capacidade eleitoral activa para as eleições legislativas. Não gozam de capacidade eleitoral activa: a) os interditos por sentença transitada em julgado; Artigo 12º (Incapacidade eleitoral activa) b) os notoriamente reconhecidos como dementes ainda que não estejam interditos por sentença, quando internados em estabelecimento hospitalar ou como tais declarados por atestado médico; c) os definitivamente condenados em pena de prisão, enquanto não hajam cumprido a respectiva pena, excepto os libertados condicionalmente nos termos da lei. Secção II Capacidade Eleitoral Passiva Artigo 13º (Capacidade eleitoral passiva) Gozam de capacidade eleitoral passiva os cidadãos que sejam titulares de capacidade eleitoral activa, excepto quando a lei estabeleça alguma inelegibilidade ou outro impedimento ao seu exercício. São inelegíveis quando em efectividade de funções: a) o Provedor de Justiça; Artigo 14º (Inelegibilidades) b) os membros da Comissão Nacional Eleitoral, das Comissões Provinciais Eleitorais e dos Gabinetes Municipais Eleitorais; c) os membros do Conselho Nacional de Comunicação Social; d) os Magistrados Judiciais e do Ministério Público; e) os militares e agentes militarizados. CAPITULO II CAPACIDADES ELEITORAIS ESPECIAIS Artigo 15º (Capacidade eleitoral activa para as eleições presidenciais) 3

4 São eleitores do Presidente da República os cidadãos angolanos que gozem de capacidade eleitoral activa, desde que residam no território nacional. Artigo 16º (Capacidade eleitoral passiva para as eleições presidenciais) 1. São elegíveis os cidadãos angolanos no pleno gozo dos seus direitos civis e políticos não sofrendo de qualquer inelegibilidade geral ou especial nos termos da presente lei. 2. Só podem ser eleitos para o cargo de Presidente da República os cidadãos angolanos de origem, maiores de trinta e cinco anos de idade, que se encontrem no pleno gozo dos seus direitos civis e políticos. 3. Os funcionários públicos ou de outras pessoas colectivas e os militares considerados elegíveis, não carecem de autorização para se candidatarem ao cargo de Presidente da República. Artigo 17º (Inelegibilidades especiais paras as eleições presidenciais) São inelegíveis para o cargo de Presidente da República os cidadãos que: a) tenham sido condenados em pena de prisão maior por crime doloso; b) tenham sido condenados em pena de prisão por furto, roubo, peculato, abuso de confiança, burla, falsificação ou crime cometido por funcionário público, desde que se trate de crimes dolosos, bem como os que tenham sido declarados delinquentes habituais, por sentença transitada em julgado; c) não residam habitualmente em Angola há pelo menos 10 anos à data da realização da eleição; d) tenham exercido o cargo de Presidente da República durante dois mandatos consecutivos ou três interpolados; e) tenham renunciado ao cargo de Presidente da República; f) os militares que se encontrem em serviço activo à data de apresentação da respectiva candidatura. Artigo 18º (Capacidade eleitoral activa para as eleições legislativas) São eleitores dos Deputados à Assembleia Nacional todos os cidadãos que gozem de capacidade eleitoral activa, nos termos da lei. Artigo 19º (Capacidade eleitoral passiva para as eleições legislativas) Podem ser eleitos Deputados à Assembleia Nacional os cidadãos angolanos titulares de capacidade eleitoral activa, no pleno gozo dos seus direitos civis e políticos e não sofrendo de qualquer inelegibilidade geral ou especial. Artigo 20º (Inelegibilidades especiais para as eleições legislativas) São inelegíveis para o mandato de Deputado à Assembleia Nacional os cidadãos que: a) tenham sido condenados com pena de prisão superior a dois anos; b) tenham exercido cargo de Deputado ou de membro do Governo de Estado estrangeiro; c) tenham sido candidatados, com a sua anuência, simultaneamente em mais de uma lista. 4 4

5 5 TITULO III SISTEMAS ELEITORAIS CAPITULO I PRINCIPIOS GERAIS Artigo 21º (Principio electivo) O sufrágio universal, igual, directo, secreto e periódico constitui princípio geral de eleição do Presidente da República e dos Deputados. Artigo 22º (Principio representativo) O titular do órgão colegial electivo do Estado representa todo o País e não apenas o círculo eleitoral por que foi eleito. Artigo 23º (Princípio da unicidade do voto) A cada eleitor só é permitido votar uma vez em cada sufrágio e para cada tipo de eleição. CAPITULO II SISTEMA ELEITORAL DAS ELEIÇÕES PRESIDENCIAIS Artigo 24º (Circulo eleitoral único) Para efeitos da eleição do Presidente da República, o território da República de Angola constitui um círculo eleitoral único. Artigo 25º (Data da eleição) 1. A eleição do Presidente da República deve ser convocada e realizada até sessenta dias antes do termo do mandato do Presidente em exercício. 2. O mandato do novo Presidente inicia com a sua tomada de posse e termina com a tomada de posse do novo Presidente eleito. 3. A eleição do novo Presidente realiza- se nos 90 dias posteriores à data de vacatura. Artigo 26º (Modo de eleição) O Presidente da República é eleito por sufrágio universal, igual, directo, secreto e periódico exercido pelos cidadãos eleitores, por lista uninominal apresentada, nos termos da presente lei. Artigo 27º (Sistema maioritário a duas voltas) 1. O Presidente da República é eleito segundo o sistema maioritário a duas voltas. 5

6 2. Considera-se eleito o candidato que no primeiro sufrágio eleitoral obtiver mais de metade dos votos validamente expressos, não se contando como tais os votos em branco. 3. Se nenhum dos candidatos obtiver a maioria absoluta dos votos prevista no número anterior, proceder-se-á a um segundo sufrágio eleitoral, ao qual só podem concorrer os dois candidatos que tiverem obtido o maior número de votos no primeiro sufrágio e que não tiverem desistido, nos termos da presente lei. 4. Considera-se eleito o candidato que no segundo sufrágio obtiver a maioria simples dos votos validamente expressos. Artigo 28º (Boletim de voto das eleições presidenciais) 1. O boletim de voto, nas eleições presidenciais, impresso em papel liso e não transparente, é de forma rectangular com as dimensões apropriadas para que nele caibam todas as candidaturas admitidas à votação e cujo espaçamento e apresentação gráfica sejam de molde a não induzir os eleitores em erro na identificação e sinalização exactas do candidato por si escolhido. 2. Em cada boletim de voto são impressos os nomes dos candidatos e as respectivas fotografias, tipo passe, bem como a marca do candidato, dispostas verticalmente, uns abaixo dos outros, pela ordem do sorteio efectuado pela Comissão Nacional Eleitoral, nos termos da presente lei, após a apresentação das candidaturas. 3. Cabe ao candidato escolher a marca da sua campanha, a qual pode ou não coincidir com a do partido ou coligação de partidos que o tenha candidatado ou apoiado. 4. Na linha correspondente a cada candidatura figura um quadro em branco que o eleitor preenche para assinalar a sua escolha. CAPITULO III SISTEMA ELEITORAL DAS ELEIÇÕES LEGISLATIVAS Artigo 29º (Círculos eleitorais) 1. Para efeitos de eleição dos Deputados à Assembleia Nacional, o território eleitoral divide-se em círculos eleitorais. 2. O território nacional compreende os seguintes círculos eleitorais: a) dezoito círculos eleitorais provinciais cujas áreas correspondem às de cada uma das províncias e que são designados pelo mesmo e respectivo nome; b) um círculo eleitoral nacional único; c) um círculo eleitoral exterior representativo que abrange o conjunto dos países em que residem eleitores angolanos, dividido por sua vez nas zonas da África e do resto do Mundo. Artigo 30º (Número de mandatos por círculos) O número total de mandatos correspondentes a todos os círculos eleitorais previstos no artigo anterior é de duzentos e vinte e três que constitui o total de Deputados que integram a Assembleia Nacional e assim distribuídos: a) cada círculo eleitoral provincial elege um número de cinco Deputados; b) o círculo eleitoral nacional elege cento e trinta Deputados; 6 6

7 7 c) o círculo eleitoral exterior elege três Deputados correspondendo dois pela zona de África e um do resto mundo. Artigo 31º (Modo de eleição) 1. A eleição dos Deputados à Assembleia Nacional é feita por listas plurinominais de partidos políticos ou de coligações de partidos, dispondo cada eleitor de um voto singular de lista. 2. As listas são apresentadas aos eleitores durante a campanha eleitoral para que estes tomem conhecimento dos nomes dos candidatos a Deputados de cada partido ou coligação de partidos. Artigo 32º (Distribuição dos mandatos dentro das listas) 1. Os mandatos dos Deputados à Assembleia Nacional são conferidos segundo a ordem de precedência constante da respectiva lista. 2. A existência de incompatibilidade entre a função desempenhada pelo candidato e o exercício do cargo de Deputado não impede a atribuição do mandato. 3. Em caso de morte, doença ou outra causa que determine impossibilidade física para o exercício do mandato este é conferido ao candidato imediatamente a seguir de acordo com a ordem de precedência mencionada no n.º 1. Artigo 33º (Sistema de representação proporcional) 1. Os Deputados à Assembleia Nacional são eleitos segundo o sistema de representação proporcional, obedecendo-se para a conversão dos votos em mandatos, ao critério e regras previstas nos números seguintes. 2. Para a conversão dos votos em mandatos relativos a cada círculo eleitoral provincial previstos na alínea a) do n.º 2 do artigo 29º da presente lei, é aplicado o método de Hondt, nos seguintes termos: a) apura-se em separado o número de votos validamente expressos e recebidos por cada lista no respectivo círculo eleitoral provincial; b) o número de votos apurados por cada lista é dividido, sucessivamente, por um, dois, três, quatro e cinco, sendo os quocientes alinhados pela ordem decrescente da sua grandeza numa série de cinco termos, correspondentes ao número de mandatos de cada círculo eleitoral provincial; c) os mandatos pertencem às listas a que correspondem os termos da série estabelecida pela regra anterior, recebendo cada uma das listas tantos mandatos quantos os seus termos na série; d) no caso de restar um só mandato para distribuir e de os termos seguintes serem iguais aos das listas diferentes, o mandato cabe à lista que tiver o menor número de votos. 3. A conversão dos votos em mandatos relativos ao círculo eleitoral nacional previsto na alínea b) do n.º 2 do artigo 29º da presente lei, é feita pela aplicação dos seguintes critérios: a) apurados os números de votos validamente expressos de todo o país, divide-se este número total apurado por cento e trinta que é o número de Deputados a eleger e obtém-se o quociente; b) divide-se o número de votos obtidos por cada lista pelo quociente obtido nos termos da alínea anterior e apura-se o número de Deputados de cada lista, por ordem de apresentação da lista de cada partido; 7

8 c) no caso de restarem alguns mandatos, os Deputados são distribuídos em ordem do resto mais forte de cada partido. 4. A conversão dos votos em mandatos relativos ao círculo exterior previsto na alínea c) do n.º 2 do artigo 29º é feita aplicando os seguintes critérios: a) dois Deputados são eleitos segundo o método estabelecido no n.º 2 do presente artigo com base no total dos votos validamente expressos correspondentes ás comunidades angolanas residentes em África; b) um Deputado eleito pela lista mais votada pelas comunidades de angolanos residentes no resto do Mundo. Artigo 34º (Boletim de voto das legislativas) 1. O boletim de voto, impresso em papel liso e não transparente, é de forma rectangular com as dimensões apropriadas para que nele caibam todos os partidos ou coligações de partidos concorrentes admitidas à votação e cujo espaçamento e apresentação gráfica sejam de molde a não induzir os eleitores em erro na identificação e sinalização exactas do partido ou coligação de partidos por si eleito. 2. Em cada boletim de voto são impressas a denominação, sigla e o símbolo dos partidos ou coligações de partidos proponentes de candidaturas, dispostas horizontalmente, umas abaixo das outras, pela ordem do sorteio efectuado, nos termos da presente lei pela Comissão Nacional Eleitoral, após as apresentações. 3. Na linha correspondente a cada partido ou coligação de partidos, figura um quadrado em branco, destinado a ser assinalado com a escolha do eleitor, com um xis (X), uma cruz (+) ou um visto (v). 4. O modelo dos boletins de voto de acordo com os requesitos previstos nos números anteriores, é aprovado pela Comissão Nacional Eleitoral, ouvida a Direcção Nacional de Eleições do Ministério da Administração do Território quanto aos aspectos técnico - gráficos de execução dos referidos requesitos em termos que garantam a não indução dos eleitores em erro face ao candidato da sua preferência. Artigo 35º (Vagas ocorridas na Assembleia Nacional) 1. As vagas ocorridas na Assembleia Nacional são preenchidas, segundo a respectiva ordem de precedência, pelo candidato seguinte da lista a que pertencia o titular do mandato vago e que não esteja impossibilitado de assumir o mandato. 2. Nos casos previstos no número anterior e tratando-se de candidatura em coligação, o mandato é conferido ao candidato imediatamente seguinte, ou a vaga é preenchida pelo primeiro candidato não eleito, proposto pelo partido político a que pertencia o candidato substituído. 3. Se na lista a que pertencia o titular do mandato vago já não existirem candidatos não eleitos, não se procede ao preenchimento da vaga. Artigo 36º (Substituição temporária) 1. A substituição temporária de titular do mandato na Assembleia Nacional, é admitida nas circunstâncias seguintes: a) por exercício de cargo público incompatível com o exercício do mandato, nos termos da Constituição e de mais legislação em vigor; 8 8

9 b) por doença de duração superior a quarenta e cinco dias Em caso de substituição temporária, observa-se o disposto no artigo anterior. Artigo 37º (Marcação das eleições) A marcação das eleições faz-se com a antecedência mínima de noventa dias, podendo este prazo ser excepcionalmente encurtado no caso de vacatura do lugar de Presidente da República antes de terminado o mandato, nomeadamente por renúncia, suspensão e perda do mesmo, ou no caso de dissolução da Assembleia Nacional com vista à convocação de eleições legislativas antecipadas, nos termos da Lei Constitucional. Artigo 38º (Dia da eleição) 1. A eleição realiza-se no mesmo dia em todo o território nacional. 2. A eleição só pode realizar-se ao sábado ou ao domingo. 3. A eleição pode ter lugar excepcionalmente em outro dia da semana devendo- se, nesse caso, decretar tolerância de ponto. TÍTULO IV CANDIDATURAS CAPÍTULO I ESTATUTO E APRESENTAÇÃO DAS CANDIDATURAS Secção I Estatuto dos Candidatos Artigo 39º (Direito de dispensa de funções) Os candidatos a Deputados e a Presidente da República têm direito à dispensa do exercício das respectivas funções, sejam públicas ou privadas, nos trinta dias anteriores à data do respectivo escrutínio, contando esse tempo para todos os efeitos, incluindo o direito à retribuição, como tempo efectivo de serviço. Artigo 40º (Suspensão do exercício da função e passagem à reserva) 1. Os Magistrados Judiciais e do Ministério Público que, nos termos da presente lei, pretendam concorrer às eleições presidenciais ou legislativas, devem solicitar suspensão do exercício de funções, com efeitos a partir do dia de apresentação da candidatura. 2. O período de suspensão conta para todos os efeitos, como tempo de serviço efectivo. 3. Os militares e agentes para-militares em serviço activo, que pretendam candidatar-se a Presidente da República ou a Deputado à Assembleia Nacional, devem apresentar prova documental da sua passagem à reserva ou reforma. 4. Os órgãos de que dependem os militares e agentes para-militares referidos no número anterior, devem conceder a respectiva autorização sempre que para tal sejam solicitados. 9

10 Artigo 41º (Imunidades) Nenhum candidato pode ser preso, sujeito à prisão preventiva, ou perseguido criminal ou disciplinarmente, a não ser em caso de flagrante delito por crime doloso, a que caiba pena de prisão superior a dois anos. 2. Fora de flagrante delito, nenhum candidato pode ser preso, sujeito a prisão preventiva ou perseguido criminal ou disciplinarmente, salvo por crime punível com pena de prisão superior a oito anos. 3. Movido procedimento criminal contra algum candidato que não esteja em regime de prisão preventiva e, indiciado por despacho de pronúncia ou equivalente, o processo só pode prosseguir seus termos após a publicação dos resultados eleitorais. Têm direito de propor candidaturas: Secção II Apresentação de Candidaturas Subsecção I Legitimidade e Princípios Artigo 42º (Legitimidade) a) os partidos políticos isoladamente ou em coligação, nas eleições para Presidente da República e para Deputados à Assembleia Nacional; b) grupos de cidadãos eleitores, num número mínimo de cinco mil e um máximo de dez mil cidadãos eleitores para Presidente da República. Artigo 43º (Principio da unicidade de candidatura) 1. Cada partido político, coligação partidária ou cidadão eleitor só pode ser proponente de uma única candidatura a Presidente da República, não podendo, de qualquer outro modo, propor candidaturas concorrentes entre si à mesma eleição. 2. O disposto no número anterior não prejudica o suporte de candidato diferente em segunda volta ou em caso de desistência ou impedimento definitivo do candidato apresentado. 3. Ninguém pode ser candidato a Deputado por mais de uma lista, sob pena de inelegibilidade. Artigo 44º (Denominação, sigla e símbolo de candidaturas) 1. A denominação das candidaturas propostas por partidos políticos, isoladamente ou em coligação, corresponde, consoante os casos, à denominação dos partidos proponentes ou à denominação da coligação, nos termos legais. 2. A denominação das candidaturas propostas por grupos de cidadãos eleitores corresponde, na eleição do Presidente da Republica, ao nome do candidato. 3. A sigla e o símbolo das candidaturas propostas por partidos políticos, isoladamente ou em coligação corresponde, consoante os casos, à sigla e ao símbolo dos partidos proponentes ou à sigla e ao símbolo da coligação. 10

11 Artigo 45º (Propositura por partidos políticos) Só podem propor candidaturas os partidos políticos legalmente constituídos e registados antes do início do prazo fixado para a apresentação de candidaturas. 2. As candidaturas podem integrar cidadãos não inscritos nos respectivos partidos. Artigo 46º (Coligações para fins eleitorais) 1. As coligações de partidos para fins eleitorais não constituem individualidade distinta dos partidos que as integram e representam uma única bancada parlamentar, se for o caso, deixando de existir no final de cada legislatura, sem prejuízo da sua renovação, nos termos da Lei dos Partidos Políticos. 2. As coligações de partidos políticos para fins eleitorais constituem-se e regem-se pela legislação vigente sobre partidos políticos e as disposições da presente lei. 3. Os partidos políticos que realizem convénios de coligações para fins eleitorais devem até à apresentação efectiva de candidaturas e em documento assinado conjuntamente pelos órgãos competentes dos respectivos partidos políticos, comunicar o facto ao Tribunal Constitucional que sob apreciação dos requesitos legais toma a sua decisão. 4. Da decisão judicial prevista no número anterior cabe recurso para o Plenário do Tribunal Constitucional. 5. A comunicação prevista no número anterior deve conter: a) a definição precisa do âmbito da coligação; b) a identificação da denominação, sigla e símbolos da coligação; c) a designação dos titulares dos órgãos de direcção ou de coordenação da coligação; d) o documento comprovativo da aprovação do convénio da coligação. Artigo 47º (Apreciação das denominações, siglas e símbolos) 1. O Tribunal Constitucional aprecia em sessão plenária a legalidade das denominações, siglas e símbolos das coligações, bem como a sua identidade ou semelhança com os de outros partidos ou coligações, vinte e quatro horas após a apresentação da comunicação referida no artigo anterior. 2. A decisão resultante da apreciação prevista no número anterior é imediatamente publicitada por edital mandado afixar, pelo Presidente do Tribunal Constitucional, à porta do mesmo. 3. No prazo de vinte e quatro horas a contar da afixação do edital, podem os mandatários da coligação ou de qualquer outra lista recorrer da decisão para o Plenário, que decide no prazo de quarenta e oito horas. Subsecção II Apresentação de candidaturas às eleições presidenciais Artigo 48º (Prazo de apresentação de candidaturas) 1. A apresentação de candidaturas é feita, após a convocação das eleições e até sessenta dias antes da data prevista para a eleição ao Juiz Presidente do Tribunal Supremo, que as remete para decisão do Presidente do Tribunal Constitucional. 11

12 12 2. As candidaturas propostas pelos partidos políticos ou pelas coligações de partidos são apresentadas pelas entidades competentes nos termos dos respectivos estatutos ou por delegados expressamente mandatados para o efeito. 3. As candidaturas propostas por cidadãos eleitores são apresentadas pelo candidato ou por delegado por ele mandatado para o efeito. Artigo 49º (Requerimento de apresentação) 1. A apresentação de candidaturas, em lista uninominal, ao cargo de Presidente da República, é efectuada através da entrega de requerimento. 2. Do requerimento de apresentação de candidaturas deve constar o seguinte: a) identificação completa de quem procede à apresentação da candidatura e da qualidade em que o faz; b) nome completo do candidato, idade, filiação, naturalidade, profissão, residência, número e data de emissão do bilhete de identidade e o número do cartão de eleitor; c) certificado de registo criminal do candidato; d) declaração do candidato referida no artigo seguinte. 3. No caso de candidaturas apresentadas por grupos de cidadãos, o requerimento deve ser acompanhado das assinaturas referidas na alínea b) do artigo 42º, devidamente reconhecidas pelo notário e do número do cartão de eleitor de cada co-signatário. Artigo 50º (Declaração do candidato) Ao requerimento referido no artigo anterior deve ser anexada uma declaração do candidato, com assinatura reconhecida por notário onde o mesmo faça expressamente constar que: a) aceita a candidatura apresentada pela entidade proponente; b) não se encontra abrangido por qualquer inelegibilidade; c) não se candidata por qualquer outro partido político, coligação de partidos ou grupos de cidadãos; d) aceita vincular-se ao Código de Conduta Eleitoral. Subsecção III Apresentação de Candidaturas às Eleições Legislativas Artigo 51º (Prazo) As candidaturas às eleições legislativas são apresentadas ao Juiz Presidente do Tribunal Constitucional após a convocação das eleições e até sessenta dias antes da data das eleições. Artigo 52º (Requerimento de apresentação de candidaturas) Para a apresentação das candidaturas, os partidos políticos ou coligações de partidos devem submeter ao Tribunal Constitucional um pedido em forma de requerimento, acompanhado das listas de candidatos. Artigo 53º 12

13 (Listas de candidatos e declaração de candidatura) As listas de candidatos devem conter o nome completo e o número do cartão de eleitor de cada candidato e serem acompanhadas dos seguintes documentos: a) fotocópia do bilhete de identidade; b) certificado do registo criminal de cada candidato; c) declaração de candidatura individual ou colectiva, assinada por cada candidato e reconhecida por notário; d) documento comprovativo do registo eleitoral do mandatário de cada lista. 2. Na declaração a que se refere a alínea c) do número anterior, os candidatos devem fazer constar expressamente o seguinte: a) que não estão abrangidos por qualquer inelegibilidade; b) que não figuram em mais nenhuma lista de candidatos; c) que aceitam a candidatura apresentada pelo proponente; d) que concordam com o mandatário da lista; e) que aceitam vincular-se ao Código de Conduta Eleitoral. CAPÍTULO II VERIFICAÇÃO E PUBLICAÇÃO DAS CANDIDATURAS Artigo 54º (Mandatários das candidaturas) 1. Os candidatos devem designar de entre eles ou de entre os eleitores inscritos um mandatário para os representar em todas as operações do processo eleitoral cuja representação seja permitida, nos termos da lei. 2. Deve ser sempre indicado no processo de candidatura, o endereço do mandatário para efeitos de notificação. Artigo 55º (Publicação inicial) Findo o prazo para a apresentação das candidaturas e antes da sua apreciação pelo Plenário do Tribunal Constitucional, o Presidente do Tribunal Constitucional manda afixar à porta do Tribunal, cópias das listas de candidatos ou relação de candidatos com identificação dos mesmos e dos mandatários. Artigo 56º (Impugnação pelos mandatários) Os mandatários das candidaturas podem, nos dois dias imediatos ao da publicação inicial referida no artigo anterior, impugnar a regularidade do processo ou a elegibilidade de qualquer outro candidato. Artigo 57º (Verificação das candidaturas) A verificação da regularidade do processo e da autenticidade dos documentos juntos, bem como das inelegibilidades dos candidatos, compete ao Plenário do Tribunal Constitucional, nos termos do artigo seguinte. Artigo 58º 13

14 (Suprimento de deficiências) Se se verificar a existência de irregularidades processuais ou de candidatos inelegíveis, o Tribunal Constitucional manda notificar o mandatário da candidatura, no mínimo com três dias de antecedência, para suprir as irregularidades ou substituir os candidatos inelegíveis até ao décimo dia subsequente ao termo do prazo de apresentação de candidaturas. 2. No caso de eleição para o cargo de Presidente da República, não são mandados substituir os candidatos inelegíveis e o mandatário apenas supre as irregularidades até ao sexto dia subsequente ao termo do prazo de apresentação das candidaturas, sendo notificado para o efeito com, pelo menos, dois dias de antecedência. 3. Findos os prazos previstos nos números anteriores e conforme os casos, o Presidente do Tribunal Constitucional, nos dois dias imediatos, manda proceder às rectificações ou aditamentos decididos na sequência do requerido pelos mandatários. Artigo 59º (Publicação da decisão) A decisão a que se refere o artigo anterior é imediatamente publicada por edital afixado à porta do Tribunal, do que se lavra acta no processo respectivo. Artigo 60º (Reclamações) 1. Das decisões do Plenário do Tribunal Constitucional relativas à apresentação de candidaturas podem os candidatos ou os seus mandatários reclamar para esse órgão no prazo de quarenta e oito horas após a publicação referida no artigo anterior. 2. Tratando-se de reclamação apresentada contra a admissão de qualquer candidatura, o Presidente do Tribunal Constitucional manda notificar imediatamente o mandatário da lista contestada, para, querendo, responder no prazo de vinte e quatro horas. 3. Tratando-se de reclamação apresentada contra a rejeição de qualquer candidatura, o Presidente do Tribunal Constitucional manda notificar imediatamente os mandatários das restantes listas, ainda que não admitidas, para querendo, responderem, no prazo de vinte e quatro horas. 4. Sobre as reclamações, o Plenário do Tribunal Constitucional deve decidir no prazo de quarenta e oito horas a contar do termo do prazo previsto nos números anteriores. 5. Da decisão do Plenário do Tribunal Constitucional, referida no n.º 4 anterior, não cabe recurso. Artigo 61º (Divulgação das candidaturas) 1. Não ocorrendo nenhuma das situações de impugnação e de rejeição de candidaturas ou não havendo reclamações ou uma vez decididas as que tenham sido apresentadas, o Presidente do Tribunal Constitucional envia à Comissão Nacional Eleitoral relação completa de todas as listas admitidas. 2. Um exemplar da relação a que se refere o número anterior, deve ser afixado à porta do Tribunal Constitucional e outro é enviado aos mandatários das candidaturas. Artigo 62º (Listas de candidatos) 14

15 15 1. As listas de candidatos propostos à eleição pelo partido ou coligações de partidos, devem indicar os nomes completos de cada candidato, discriminados por círculos eleitorais provinciais, círculo eleitoral nacional e círculo das comunidades de angolanos no exterior do país. 2. Os partidos políticos ou coligações de partidos devem obrigatoriamente concorrer em todos os círculos eleitorais, devendo as listas ser suportadas para o Círculo Nacional por 5000 a 5500 eleitores e para os Círculos Provinciais, por 500 a 550 eleitores. 3. Sempre que os partidos políticos ou coligações de partidos concorram às eleições num círculo eleitoral determinado devem obedecer aos limites fixados nos n.º s 4 e 5 do presente artigo. 4. O número máximo de candidatos efectivos apresentados deve ser igual ao número total de mandatos correspondente ao círculo eleitoral a que se refiram. 5. As listas de candidatos podem igualmente apresentar nomes de candidatos suplentes em cada círculo eleitoral, dentro dos seguintes limites máximos: a) círculo eleitoral nacional até 45 suplentes; b) círculos eleitorais provinciais até 5 suplentes; c) círculo das comunidades no exterior até 2 suplentes. Artigo 63º (Sorteio das listas) 1. Nos três dias posteriores à publicação das listas definitivas, a Comissão Nacional Eleitoral procede, na presença dos mandatários que compareçam, ao sorteio das listas apresentadas para o efeito de lhes atribuir uma ordem nos boletins de voto, lavrando-se acta do sorteio. 2. O resultado do sorteio é publicado na 3ª Série do Diário da República, sendo aos órgãos de Comunicação Social, enviadas cópias da acta de sorteio para divulgação. CAPÍTULO III DESISTÊNCIA, INCAPACIDADE E SUBSTITUIÇÃO DAS CANDIDATURAS Secção I Legitimidade e Tramitação Artigo 64º (Direito de desistência) 1. Qualquer candidato às eleições presidenciais ou candidatura às eleições legislativas tem o direito de desistir. 2. A desistência de candidato é admitida até setenta e duas horas antes do dia das eleições presidenciais. 3. A desistência de qualquer candidatura é admitida até quarenta e oito horas antes do dia das eleições legislativas. Artigo 65º (Processo de desistência) 1. A desistência de candidato às eleições presidenciais é comunicada ao Presidente do Tribunal Constitucional pelo candidato ou seu delegado, mediante apresentação de uma declaração escrita, com assinatura do candidato reconhecida pelo notário. 15

16 16 2. A desistência de qualquer lista de candidaturas é comunicada pelo respectivo mandatário à Comissão Nacional Eleitoral, devendo a desistência de qualquer candidato ser feita mediante declaração com assinatura do candidato reconhecida pelo notário. Artigo 66º (Publicação) Todas as situações de desistência, incapacidade ou morte dos candidatos devem ser comunicadas pelo Presidente do Tribunal Constitucional à Comissão Nacional Eleitoral, até vinte e quatro horas após ter tomado conhecimento oficial da situação, devendo em igual prazo publicar a ocorrência na 3ª Série do Diário da República e afixar editais à porta do Tribunal. Secção II Incapacidade e Morte de Candidato Presidencial Artigo 67º (Morte ou incapacidade) 1. Em caso de morte de qualquer candidato ou da ocorrência de qualquer facto que determine a incapacidade do candidato para continuar a concorrer à eleição presidencial, o facto deve ser comunicado ao Presidente do Tribunal Constitucional no prazo de vinte e quatro horas com a indicação da intenção de substituição ou não do candidato, sem prejuízo da continuidade da campanha eleitoral. 2. Nos casos em que se não pretenda indicar candidato substituto, as eleições têm lugar na data marcada. Artigo 68º (Substituição de candidato) 1. Sempre que, nos casos e termos previstos no artigo anterior, haja a intenção de substituição do candidato, o Presidente do Tribunal Constitucional concede um prazo de cinco dias para a apresentação da candidatura e comunica de imediato o facto ao Presidente da República para efeitos do previsto no n.º 3 do presente artigo. 2. O Tribunal Constitucional tem quarenta e oito horas para apreciar e decidir sobre a aceitação da candidatura do substituto. 3. O Presidente da República marca uma nova data para a eleição que não pode exceder o período de quinze dias contados da data inicialmente prevista para o escrutínio. 4. Nos casos de substituição de candidatos referidos nos números anteriores, podem ser utilizados os mesmos boletins de voto, cabendo aos proponentes, à Comissão Nacional Eleitoral e seus órgãos, realizar o trabalho de esclarecimento necessário junto dos eleitores. Secção III Desistência e Substituição de Candidatos às Eleições Legislativas Artigo 69º (Substituição de candidatos) Pode haver lugar à substituição de candidatos, até quinze dias antes das eleições legislativas, apenas nos casos seguintes: a) rejeição do candidato em virtude de inelegibilidade; b) morte ou doença de que resulte incapacidade física ou psíquica do candidato; c) desistência do candidato. 16

17 17 Artigo 70º (Nova publicação da lista) Sempre que haja substituição de candidatos ou anulação da rejeição de qualquer lista, procede-se a nova publicação da lista. Secção IV Segundo Sufrágio Presidencial Artigo 71º (Disposições aplicáveis) Além das disposições específicas constantes da presente Secção, aplicam-se ao segundo sufrágio as disposições gerais da presente lei que regulam a eleição do Presidente da República. Artigo 72º (Admissão a segundo sufrágio e desistência de candidato) 1. Na segunda votação concorrem os dois candidatos mais votados na primeira votação desde que não tenham retirado a candidatura ou ficado impossibilitados de concorrer, nos termos da Constituição e da lei. 2. Após a realização do primeiro sufrágio, a eventual desistência de qualquer dos dois candidatos mais votados, pode ocorrer até quarenta e oito horas antes do dia das eleições. 3. Em caso de desistência ou morte de um candidato à segunda volta, é substituído pelo candidato que se lhe seguir na ordem de votação do primeiro sufrágio. 4. Há lugar a abertura de um novo processo eleitoral no prazo de sessenta dias sempre que, se verifique a impossibilidade de conclusão da segunda volta, nos termos da lei. Artigo 73º (Prazo de realização) A segunda votação realiza-se no prazo de quarenta e cinco dias contados da divulgação oficial dos resultados do primeiro sufrágio. TÍTULO V CAMPANHA ELEITORAL CAPÍTULO I ÂMBITO E PRINCÍPIOS Artigo 74º (Definição e objectivos) A campanha eleitoral consiste na actividade de justificação e de promoção das candidaturas, sob diversos meios, no respeito pelas regras do Estado Democrático de Direito com vista à captação de votos através da explicitação dos princípios ideológicos, programas políticos, sociais e económicos, plataformas de governo por parte dos candidatos, dos titulares dos órgãos que os propõem, seus agentes ou quaisquer outras pessoas. 17

18 18 Artigo 75º (Abertura e termo da campanha) 1. A campanha eleitoral é aberta trinta dias antes da data que antecede a data do escrutínio e termina ás 00 horas do dia anterior ao marcado para as eleições. 2. A campanha eleitoral do segundo sufrágio tem a duração de dez dias. Artigo 76º (Promoção e âmbito da campanha) 1. A campanha eleitoral é levada a cabo pelos partidos políticos e coligações de partidos, bem como candidatos e seus proponentes, sem prejuízo da participação dos cidadãos. 2. A campanha eleitoral é desenvolvida em todo o território nacional, em igualdade de circunstâncias condições para todos os candidatos. Artigo 77º (Princípio da igualdade de tratamento) As entidades públicas e as pessoas colectivas privadas devem prestar aos candidatos igual tratamento, por forma a que estes efectuem livremente e nas melhores condições a sua campanha eleitoral. Artigo 78º (Liberdade de expressão e de informação) 1. Os partidos políticos e coligações de partidos, os candidatos e seus mandatários gozam de liberdade de expressão e de informação, sem prejuízo da responsabilidade civil ou criminal, nos termos da lei. 2. Os órgãos de Comunicação Social públicos e privados e seus agentes devem agir com rigor e profissionalismo em relação aos actos das campanhas eleitorais. 3. Durante o período da campanha eleitoral não se pode aplicar aos órgãos de Comunicação Social nem aos seus agentes sanções por actos integrados na campanha sem prejuízo da responsabilidade em que incorram, a qual só pode ser efectuada após o termo da campanha. Artigo 79º (Liberdade de reunião e de manifestação) 1. No período de campanha eleitoral a liberdade de reunião e de manifestação para fins eleitorais regese pelo disposto na lei geral aplicável ao regime de exercício das liberdades de reunião e de manifestação, com as especificidades constantes dos números seguintes do presente artigo. 2. Os cortejos e desfiles podem realizar-se em qualquer dia e hora, respeitando-se apenas os limites impostos pela liberdade de trabalho, pela manutenção da tranquilidade e ordem pública, pela liberdade e ordenamento do trânsito, bem como pelo respeito do período de descanso dos cidadãos. 3. A presença de agentes da autoridade pública em reuniões e manifestações organizadas por qualquer candidatura apenas pode ser solicitada pelos órgãos competentes das candidaturas, ficando a entidade organizadora responsável pela manutenção da ordem quando não faça tal pedido. 4. A comunicação ao Governador da Província ou ao Administrador da área sobre a intenção de se promover uma reunião ou manifestação é feita com antecedência mínima de vinte e quatro horas. 18

19 5. Caso o Governador ou o Administrador decida sugerir a alteração do local ou proibir a realização de uma reunião ou manifestação por contender com as disposições legais ou com a ordem pública, deve notificar os promotores no prazo de doze horas a contar da recepção da comunicação a que se refere o número anterior. 6. A decisão de alteração dos trajetos é informada aos promotores no prazo de vinte e quatro horas da recepção da comunicação a que se refere o n.º 4 do presente artigo. Artigo 80º (Responsabilidade civil) 1. Os partidos políticos e coligações de partidos, candidatos e os seus proponentes são civilmente responsáveis, nos termos da lei geral, pelos prejuízos directamente resultantes das actividades de campanha eleitoral que hajam promovido. 2. Os partidos políticos e coligações de partidos, candidatos e os seus proponentes são também responsáveis pelos prejuízos directamente resultantes de acções provocadas pelo incitamento ao ódio e à violência no decurso das suas actividades de campanha eleitoral. Artigo 81º (Proibição de divulgação de sondagens) Durante o período da campanha eleitoral até ao dia imediato ao da realização das eleições é proibida a divulgação de resultados de sondagens ou inquéritos relativos à atitude dos eleitores perante os concorrentes. Artigo 82º (Outras proibições) Durante o período da campanha eleitoral é proibido usar expressões que constituam crime de difamação, calúnia ou injúria, apelo à desordem ou à insurreição ou incitamento ao ódio, à violência ou à guerra. Artigo 83º (Locais interditos ao exercício de propaganda política) É interdito o exercício de propaganda política em: a) unidades militares e militarizadas; b) instituições públicas; c) instituições de ensino públicas; d) locais de culto; e) hospitais e estabelecimentos similares. CAPÍTULO II PROPAGANDA ELEITORAL Artigo 84º (Definição) A propaganda eleitoral consiste na actividade de animação, divulgação ou publicação de textos ou de imagens, por meios designadamente sonoros ou gráficos, que visem a realização dos objectivos da campanha eleitoral. Artigo 85º (Propaganda sonora) 19 19

20 A propaganda sonora não carece de autorização, nem comunicação às autoridades administrativas e só é permitida no período entre as 7 horas e as 20 horas. Artigo 86º (Propaganda gráfica) 1. Os órgãos competentes dos governos locais devem determinar quais os espaços destinados à afixação de cartazes, fotografias, jornais murais, manifestos, avisos e demais material de propaganda eleitoral. 2. Os espaços designados para a propaganda devem ser, tantos quantas as candidaturas e repartidos em termos que garantam igualdade de condições e oportunidade para todas. 3. Não é admitida a afixação de cartazes, nem a realização de inscrições ou pinturas em monumentos nacionais, em templos e edifícios religiosos, em edifícios de órgãos do Estado ou em edifícios onde vão funcionar as assembleias de voto, nos sinais de trânsito, em placas de sinalização rodoviária ou no interior de repartições públicas. 4. Também não é admitida a afixação de cartazes ou inscrições ou tintas persistentes, de difícil limpeza. Artigo 87º (Direito de antena para fins eleitorais) 1. Os candidatos ao cargo de Presidente da República, os partidos políticos e as coligações de partidos concorrentes às eleições têm direito à utilização do serviço público ou privado de radiodifusão e televisão, durante o período oficial da campanha eleitoral, nos termos seguintes: a) rádio: dez minutos diários entre as doze e as vinte e duas horas; b) televisão: cinco minutos diários entre as dezoito e as vinte e duas horas. 2. Os tempos de antena previstos no número anterior referem-se a cada candidato ao cargo de Presidente da República e, no caso das eleições legislativas, a cada partido ou coligação de partidos. 3. Os órgãos de Comunicação Social privados podem ceder tempos de antena aos candidatos, partidos políticos ou coligações de partidos concorrentes, devendo esta cedência ser aberta em igualdade de condições a todos os concorrentes e observar o previsto nesta lei e nas grelhas de distribuição estabelecidas pela Comissão Nacional Eleitoral. 4. Em caso de simultaneidade do período oficial das campanhas relativas às eleições presidenciais e legislativas, os tempos de antena mencionados no n.º 1 são concedidos em dias alternados, destinados cada dia, exclusivamente a um tipo de eleição. 5. Durante a segunda volta do sufrágio relativo à eleição presidencial, cada candidato tem direito a dez minutos de tempo de antena na televisão e quinze minutos na rádio. 6. Os emissores regionais de rádio e de televisão entram em cadeia com a programação nacional nos períodos destinados à transmissão dos tempos de antena referidos no presente artigo. 7. A distribuição da ordem de utilização dos tempos de antena é feita por sorteio pela Comissão Nacional Eleitoral. 8. A utilização dos tempos de antena é gratuita, correndo por conta dos concorrentes as despesas inerentes ao registo dos materiais a difundir. Artigo 88º (Deveres das publicações informativas) 20 20

21 21 1. As publicações periódicas, informativas, públicas e privadas devem assegurar igualdade de tratamento aos diversos concorrentes. 2. Às publicações partidárias não é aplicável o disposto no número anterior. Artigo 89º (Publicações dos órgãos subscritores de candidaturas) 1. Durante a campanha eleitoral, os candidatos e os órgãos que os propõem nos termos da lei, podem, para além da sua propaganda corrente, publicar livros, revistas, panfletos, volantes, entre outros meios, e fazer uso da imprensa escrita, da rádio e da televisão, nos termos da presente lei. 2. Toda a propaganda eleitoral deve identificar a entidade subscritora da candidatura emissora. Artigo 90º (Utilização em comum ou troca) Os concorrentes podem acordar entre si a utilização em comum ou a troca de tempo de antena ou de espaço de publicação que lhes pertençam. Artigo 91º (Esclarecimento cívico) A Comissão Nacional Eleitoral deve promover, através dos órgãos de Comunicação Social, o mais amplo esclarecimento dos cidadãos sobre os objectivos das eleições, as diversas fases do processo eleitoral e o modo como cada eleitor vota. Artigo 92º (Proibição de propaganda eleitoral) Findo o prazo da campanha eleitoral, não é permitida qualquer actividade de propaganda eleitoral. Artigo 93º (Proibição de utilização de publicidade comercial) Durante a campanha eleitoral é interdita a propaganda política feita directa ou indirectamente através dos meios de publicidade comercial. 1. A campanha eleitoral pode ser financiada por: a) contribuições do Estado; CAPÍTULO III FINANCIAMENTO DA CAMPANHA ELEITORAL Artigo 94º (Fontes de receitas da campanha eleitoral) b) contribuições dos próprios candidatos e dos partidos políticos; c) donativos de pessoas singulares ou colectivas nacionais residentes ou sediadas no país; d) produto da actividade da campanha eleitoral; e) contribuições de organizações não governamentais nacionais de cidadãos angolanos, nos termos a regulamentar pela Comissão Nacional Eleitoral; f) contribuições de partidos homólogos nos termos a regulamentar pela Comissão Nacional Eleitoral; 21

22 g) empréstimos contraídos em instituições de crédito instaladas no país È proibido o financiamento das campanhas eleitorais por: a) governos e organizações governamentais estrangeiras ou financiadas por governos estrangeiros, ainda que registadas em Angola; b) associações de direito público, institutos públicos, empresas públicas, governos locais e seus organismos, bem como de pessoas colectivas de utilidade pública; c) sociedades de capitais exclusiva ou maioritariamente públicos; d) pessoas singulares ou colectivas não nacionais. 3. As contribuições de partidos políticos e de associações políticas são certificadas por documentos passados pelos órgãos competentes dos mesmos, com identificação daquele que as prestou. Artigo 95º (Financiamento feito pelo Estado) 1. O Estado determina uma verba orçamentada de apoio à campanha dos candidatos às eleições que é distribuída de forma equitativa a todos os concorrentes. 2. A verba a que se refere o número anterior deve ser disponibilizada aos partidos políticos ou coligações de partidos e aos candidatos, declarados concorrentes, a partir de noventa dias antes da data das eleições. 3. A Comissão Nacional Eleitoral aprova os critérios de distribuição dos fundos do financiamento público às eleições presidenciais e legislativas, tendo em conta o princípio da igualdade, em relação a todos os partidos e coligações de partidos concorrentes. Artigo 96º (Contabilização de despesas e receitas) 1. As candidaturas às eleições devem contabilizar discriminadamente todas as receitas e despesas efectuadas com a campanha eleitoral, no prazo máximo de trinta dias após a proclamação oficial dos resultados do escrutínio, indicando com precisão a origem das receitas e o destino das despesas. 2. Todas as verbas atribuídas pelo Estado nos termos do artigo anterior, que não sejam utilizadas ou tenham sido utilizadas para fins distintos do estabelecido na presente lei devem ser devolvidas à Comissão Nacional Eleitoral, no prazo de trinta e cinco dias após a proclamação oficial dos resultados do escrutínio, integrando-se estas verbas no Orçamento Geral do Estado. Artigo 97º (Responsabilidade pelas contas) Os candidatos e os partidos políticos ou coligações de partidos, consoante os casos, são responsáveis pelo envio das contas da campanha eleitoral a que se referem o presente Capítulo. Artigo 98º (Fiscalização e prestação de contas) 1. As entidades concorrentes às eleições devem, no prazo máximo de sessenta dias após a proclamação oficial dos resultados do escrutínio, prestar contas discriminadas da sua campanha eleitoral à Comissão Nacional Eleitoral e publicar os mesmos num dos jornais diários mais divulgados no país. 22

Lei n.º 6/05 de 10 de Agosto

Lei n.º 6/05 de 10 de Agosto Lei n.º 6/05 de 10 de Agosto A Lei Constitucional vigente consagra Angola como um Estado Democrático de Direito e pluripartidário, em que a soberania reside no povo angolano, a quem cabe o exercício do

Leia mais

ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA

ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA Diário da República, 1.ª série N.º 12 19 de Janeiro de 2009 401 ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA Lei Orgânica n.º 1/2009 de 19 de Janeiro Primeira alteração à Lei Orgânica n.º 1/2006, de 13 de Fevereiro, Lei Eleitoral

Leia mais

Sindicato dos Oficiais de Justiça

Sindicato dos Oficiais de Justiça Sindicato dos Oficiais de Justiça Lei Orgânica nº 1/2001, de 14 de Agosto Alterações: Declaração de Rectificação 20-A/2001, 12 Outubro; Lei Orgânica 5-A/2001, 26 Novembro; Acórdão TC 243/2002, 25 Junho;

Leia mais

O PROCESSO ELEITORAL EM ANGOLA 1 - REGRAS GERAIS

O PROCESSO ELEITORAL EM ANGOLA 1 - REGRAS GERAIS O PROCESSO ELEITORAL EM ANGOLA 1 - REGRAS GERAIS A Lei n.º 5 /92 de 16 de Abril de, Lei Eleitoral, estabelece as regras relativas ao processo eleitoral angolano, nomeadamente, o registo eleitoral, a eleição

Leia mais

LEI ELEITORAL do PARLAMENTO EUROPEU. Lei nº 14/87, de 29 de abril

LEI ELEITORAL do PARLAMENTO EUROPEU. Lei nº 14/87, de 29 de abril LEI ELEITORAL do PARLAMENTO EUROPEU Lei nº 14/87, de 29 de abril Com as alterações introduzidas pelos seguintes diplomas legais: Declaração de Retificação de 7 maio 1987, Lei nº 4/94, de 9 de março, e

Leia mais

Lei Eleitoral para a Assembleia da República

Lei Eleitoral para a Assembleia da República Lei Eleitoral para a Assembleia da República Lei n.º 14/79, de 16 maio, (Declaração de Retificação de 17 de agosto de 1979 e de 10 de outubro de 1979) com as alterações introduzidas pelo Decreto-Lei n.º

Leia mais

Reitoria. Universidade do Minho, 28 de março de 2014

Reitoria. Universidade do Minho, 28 de março de 2014 Reitoria despacho RT-14/2014 Ao abrigo do disposto no n.º 2 do artigo 37.º e no n.º 2 do artigo 51.º dos Estatutos da Universidade do Minho, aprovados pelo Despacho Normativo n.º 61/2008, de 5 de dezembro

Leia mais

Lei Eleitoral dos Órgãos das Autarquias Locais e Legislação Complementar. Autores: Direção de Serviços Jurídicos e de Estudos Eleitorais / DGAI

Lei Eleitoral dos Órgãos das Autarquias Locais e Legislação Complementar. Autores: Direção de Serviços Jurídicos e de Estudos Eleitorais / DGAI Titulo: Lei Eleitoral dos Órgãos das Autarquias Locais e Legislação Complementar Autores: Direção de Serviços Jurídicos e de Estudos Eleitorais / DGAI Depósito legal: 362456/13 Design gráfico: Metropolis

Leia mais

REGULAMENTO ELEITORAL DO CDS-PP

REGULAMENTO ELEITORAL DO CDS-PP REGULAMENTO ELEITORAL DO CDS-PP (APROVADO A 24 DE NOVEMBRO DE 2007 E ALTERADO A 2 DE AGOSTO DE 2008, EM CONSELHO NACIONAL) CAPÍTULO I Disposições Preliminares Artigo 1º (Âmbito de aplicação) 1. O presente

Leia mais

REGULAMENTO ELEITORAL PARA O CONSELHO GERAL DO INSTITUTO POLITÉCNICO DO PORTO CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS. Artigo 1. Objeto

REGULAMENTO ELEITORAL PARA O CONSELHO GERAL DO INSTITUTO POLITÉCNICO DO PORTO CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS. Artigo 1. Objeto REGULAMENTO ELEITORAL PARA O CONSELHO GERAL DO INSTITUTO POLITÉCNICO DO PORTO CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1. Objeto O presente Regulamento estabelece o regime de eleição dos membros que integrarão

Leia mais

Assembleia Nacional Popular

Assembleia Nacional Popular REPÚBLICA DA GUINÉ-BISSAU Assembleia Nacional Popular Lei N. 10/2013 REVISÃO DA LEI ELEITORAL PARA PRESIDENTE DA REPÚBLICA E ASSEMBLEIA NACIONAL POPULAR A Lei Eleitoral para o Presidente da República e

Leia mais

Ministério da Administração do Território

Ministério da Administração do Território Ministério da Administração do Território Lei Eleitoral Lei N.º 06/05, De 10 de Agosto A Lei Constitucional vigente, consagra Angola como um Estado Democrático de Direito e pluripartidário, em que a soberania

Leia mais

ASSEMBLEIA DE FREGUESIA DE FERREIRA (Paços de Ferreira)

ASSEMBLEIA DE FREGUESIA DE FERREIRA (Paços de Ferreira) Assembleia de Freguesia de Ferreira (Paços de Ferreira) PROJECTO DE REGIMENTO DA ASSEMBLEIA DE FREGUESIA DE FERREIRA (Paços de Ferreira) Regimento da Assembleia de Freguesia De FERREIRA (Paços de Ferreira)

Leia mais

Regimento de Assembleia de Freguesia Santa Margarida da Coutada CAPÍTULO I DOS MEMBROS DA ASSEMBLEIA. Artigo 1 Natureza e âmbito do mandato

Regimento de Assembleia de Freguesia Santa Margarida da Coutada CAPÍTULO I DOS MEMBROS DA ASSEMBLEIA. Artigo 1 Natureza e âmbito do mandato Regimento de Assembleia de Freguesia Santa Margarida da Coutada CAPÍTULO I DOS MEMBROS DA ASSEMBLEIA Artigo 1 Natureza e âmbito do mandato 1. Os membros da Assembleia de Freguesia representam os habitantes

Leia mais

ESTATUTOS ASSOCIAÇÃO CORAÇÃO AMARELO APROVADOS EM ASSEMBLEIA - GERAL DE 13.11.2009

ESTATUTOS ASSOCIAÇÃO CORAÇÃO AMARELO APROVADOS EM ASSEMBLEIA - GERAL DE 13.11.2009 ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO CORAÇÃO AMARELO APROVADOS EM ASSEMBLEIA - GERAL DE 13.11.2009 Revistos conforme instruções da Procuradoria da República de Lisboa em Dezembro de 2010 ~~~~ ENTRADA EM VIGOR A 15

Leia mais

Regulamento Eleitoral da Real Associação Humanitária de Bombeiros Voluntários de Vizela. ARTIGO 1º 1- Os membros dos órgãos sociais da Real

Regulamento Eleitoral da Real Associação Humanitária de Bombeiros Voluntários de Vizela. ARTIGO 1º 1- Os membros dos órgãos sociais da Real Regulamento Eleitoral da Real Associação Humanitária de Bombeiros Voluntários de Vizela. ARTIGO 1º 1- Os membros dos órgãos sociais da Real Associação Humanitária de Bombeiros Voluntários de Vizela, doravante

Leia mais

Os sócios da Liga são ordinários ou honorários, designando-se por «Amigos».

Os sócios da Liga são ordinários ou honorários, designando-se por «Amigos». CAPÍTULO I (Denominação, natureza e fins) Artigo 1º 1 A Liga dos Amigos do Hospital Geral de Santo António é uma associação apolítica e inconfessional com sede na Cidade do Porto, Largo Professor Abel

Leia mais

CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA PORTUGUESA 7.ª revisão 2005 (excertos) Princípios fundamentais. ARTIGO 10.º (Sufrágio universal e partidos políticos)

CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA PORTUGUESA 7.ª revisão 2005 (excertos) Princípios fundamentais. ARTIGO 10.º (Sufrágio universal e partidos políticos) CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA PORTUGUESA 7.ª revisão 2005 (excertos) Princípios fundamentais ARTIGO 10.º (Sufrágio universal e partidos políticos) 1. O povo exerce o poder político através do sufrágio universal,

Leia mais

Deliberação n.º 72/CNE/2014, de 3 de Agosto

Deliberação n.º 72/CNE/2014, de 3 de Agosto REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE COMISSÃO NACIONAL DE ELEIÇÕES Deliberação n.º 72/CNE/2014, de 3 de Agosto Atinente a actuação dos agentes da lei e ordem em processo de recenseamento e actos eleitorais Havendo

Leia mais

ORDEM DOS MEDICOS DE ANGOLA REGULAMENTO GERAL DOS COLEGIOS DE ESPECIALIDADE SECÇÃO I. Da DEFINIÇÂO, dos CONCEITOS, dos OBJECTIVOS e da CONSTITUIÇÃO

ORDEM DOS MEDICOS DE ANGOLA REGULAMENTO GERAL DOS COLEGIOS DE ESPECIALIDADE SECÇÃO I. Da DEFINIÇÂO, dos CONCEITOS, dos OBJECTIVOS e da CONSTITUIÇÃO ORDEM DOS MEDICOS DE ANGOLA REGULAMENTO GERAL DOS COLEGIOS DE ESPECIALIDADE SECÇÃO I Da DEFINIÇÂO, dos CONCEITOS, dos OBJECTIVOS e da CONSTITUIÇÃO Art.º 1 1º A Ordem dos Médicos reconhece os seguintes

Leia mais

MINISTÉRIO DO TRABALHO E DA SOLIDARIEDADE SOCIAL

MINISTÉRIO DO TRABALHO E DA SOLIDARIEDADE SOCIAL 6910 Diário da República, 1.ª série N.º 187 25 de Setembro de 2009 Artigo 110.º Entrada em vigor 1 O presente decreto -lei entra em vigor no dia seguinte ao da sua publicação. 2 O certificado de conformidade

Leia mais

A g r u p a m e n t o d e E s c o l a s d e G u i a - P o m b a l

A g r u p a m e n t o d e E s c o l a s d e G u i a - P o m b a l 2014/2018 ÍNDICE ÍNDICE...2 PREÂMBULO...3 Capítulo I...3 Disposições Gerais...3 Artigo 1.º - Âmbito de aplicação...3 Artigo 2.º - Objeto...3 Artigo 3.º - Composição...3 Artigo 4.º - Designação dos representantes...3

Leia mais

REGULAMENTO ELEITORAL DO CLUBE GALP ENERGIA

REGULAMENTO ELEITORAL DO CLUBE GALP ENERGIA REGULAMENTO ELEITORAL DO CLUBE GALP ENERGIA Artigo 1º (Das Eleições) 1. Os Corpos Sociais Regionais do Clube Galp Energia são eleitos em cada Núcleo Regional para um mandato de três anos, conforme disposto

Leia mais

Contrato de Sociedade do Banco Espírito Santo, S.A. Capítulo I Denominação, Sede, Duração e Objecto. Artigo 1.º. Natureza e Firma

Contrato de Sociedade do Banco Espírito Santo, S.A. Capítulo I Denominação, Sede, Duração e Objecto. Artigo 1.º. Natureza e Firma Contrato de Sociedade do Banco Espírito Santo, S.A. Capítulo I Denominação, Sede, Duração e Objecto Artigo 1.º Natureza e Firma 1. A Sociedade é organizada sob a forma de sociedade anónima e adopta a firma

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DE LOURES

CÂMARA MUNICIPAL DE LOURES Aprovado na 1.ª Reunião, realizada em 25 de outubro de 2013 com as alterações havidas na 6.ª Reunião Ordinária, realizada em 22 de janeiro de 2014, na 36.ª Reunião Ordinária, realizada em 1 de abril de

Leia mais

ESTATUTOS CAPITULO I. Disposições Gerais. Artigo 1º

ESTATUTOS CAPITULO I. Disposições Gerais. Artigo 1º ESTATUTOS CAPITULO I Disposições Gerais Artigo 1º 1 É constituída a partir desta data e por tempo indeterminado uma associação de solidariedade social que adopta a denominação Associação de Idosos de Santa

Leia mais

Região Autónoma dos Açores ASSEMBLEIA DE FREGUESIA DE ALMAGREIRA MODELO DE REGIMENTO DE ASSEMBLEIA DE FREGUESIA CAPITULO I DOS MEMBROS DA ASSEMBLEIA

Região Autónoma dos Açores ASSEMBLEIA DE FREGUESIA DE ALMAGREIRA MODELO DE REGIMENTO DE ASSEMBLEIA DE FREGUESIA CAPITULO I DOS MEMBROS DA ASSEMBLEIA Região Autónoma dos Açores ASSEMBLEIA DE FREGUESIA DE ALMAGREIRA MODELO DE REGIMENTO DE ASSEMBLEIA DE FREGUESIA CAPITULO I DOS MEMBROS DA ASSEMBLEIA Artigo 1 Natureza e âmbito do mandato 1. Os membros

Leia mais

REGIMENTO DO CONSELHO DO INSTITUTO

REGIMENTO DO CONSELHO DO INSTITUTO Instituto de Ciências Sociais REGIMENTO DO CONSELHO DO INSTITUTO O Conselho do Instituto, em reunião de 21 de Julho de 2010 deliberou aprovar o presente regulamento de funcionamento. Capítulo I (Natureza

Leia mais

Quarta-feira, 24 de Agosto de 2005 ÓRGÃO OFICIAL DA REPÚBLICA DE ANGOLA ASSINATURAS

Quarta-feira, 24 de Agosto de 2005 ÓRGÃO OFICIAL DA REPÚBLICA DE ANGOLA ASSINATURAS Quarta-feira, 24 de Agosto de 2005 I Série N. 101 DIÁRIO DA REPUBLICA ÓRGÃO OFICIAL DA REPÚBLICA DE ANGOLA Preço deste número Kz: 150,00 Toda a correspondência, quer oficial, quer relati va a anúncio e

Leia mais

ESTATUTOS DA UNIÃO DISTRITAL DAS INSTITUIÇÕES PARTICULARES DE SOLIDARIEDADE SOCIAL DE AVEIRO

ESTATUTOS DA UNIÃO DISTRITAL DAS INSTITUIÇÕES PARTICULARES DE SOLIDARIEDADE SOCIAL DE AVEIRO ESTATUTOS DA UNIÃO DISTRITAL DAS INSTITUIÇÕES PARTICULARES DE SOLIDARIEDADE SOCIAL DE AVEIRO Capitulo I Da denominação, sede, âmbito, natureza e fins Artigo 1º Da denominação e sede A União Distrital das

Leia mais

e) A sustentação das vertentes científica e técnica nas actividades dos seus membros e a promoção do intercâmbio com entidades externas.

e) A sustentação das vertentes científica e técnica nas actividades dos seus membros e a promoção do intercâmbio com entidades externas. ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE DISTRIBUIÇÃO E DRENAGEM DE ÁGUAS Capítulo I DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1.º Natureza 1. A Associação Portuguesa de Distribuição e Drenagem de Águas (APDA) é uma associação sem fins

Leia mais

Ministério da Administração do Território

Ministério da Administração do Território Ministério da Administração do Território A Lei da Observação Eleitoral LEI N.º 4/05 De 4 de Julho Convindo regular a observação eleitoral quer por nacionais quer por estrangeiros; Nestes termos, ao abrigo

Leia mais

ESTATUTOS DA LIGA PARA O ESTUDO E APOIO À INSERÇÃO SOCIAL (LINADEM) Capítulo I (Constituição, denominação, sede, âmbito social e fins)

ESTATUTOS DA LIGA PARA O ESTUDO E APOIO À INSERÇÃO SOCIAL (LINADEM) Capítulo I (Constituição, denominação, sede, âmbito social e fins) ESTATUTOS DA LIGA PARA O ESTUDO E APOIO À INSERÇÃO SOCIAL (LINADEM) Capítulo I (Constituição, denominação, sede, âmbito social e fins) Artigo 1º. - A Liga para o Estudo e Apoio à Inserção Social, designada

Leia mais

EDITAL (Nº.31/09. Francisco José Caldeira Duarte, Presidente da Câmara Municipal de Castro Verde: REGIMENTO DA CÂMARA MUNICIPAL DE CASTRO VERDE

EDITAL (Nº.31/09. Francisco José Caldeira Duarte, Presidente da Câmara Municipal de Castro Verde: REGIMENTO DA CÂMARA MUNICIPAL DE CASTRO VERDE EDITAL (Nº.31/09 Francisco José Caldeira Duarte, Presidente da Câmara Municipal de Castro Verde: Torna público que, em reunião do executivo realizada no dia 11 de Novembro do ano corrente, foi aprovado

Leia mais

A.F.S.D. ASSOCIAÇÃO DE FAMÍLIAS SOLIDÁRIAS COM A DEFICIÊNCIA ESTATUTOS. Capítulo I. Denominação, sede, âmbito de acção e afins. Artigo 1.

A.F.S.D. ASSOCIAÇÃO DE FAMÍLIAS SOLIDÁRIAS COM A DEFICIÊNCIA ESTATUTOS. Capítulo I. Denominação, sede, âmbito de acção e afins. Artigo 1. A.F.S.D. ASSOCIAÇÃO DE FAMÍLIAS SOLIDÁRIAS COM A DEFICIÊNCIA ESTATUTOS Capítulo I Denominação, sede, âmbito de acção e afins. Artigo 1.º 1. A.F.S.D. - Associação de Famílias Solidárias com a Deficiência,

Leia mais

Regulamento Interno da Associação dos Bolseiros de Investigação Científica

Regulamento Interno da Associação dos Bolseiros de Investigação Científica Regulamento Interno da Associação dos Bolseiros de Investigação Científica A Associação dos Bolseiros de Investigação Científica (ABIC) rege-se pelos seus estatutos, regulamento eleitoral e por um regulamento

Leia mais

3. A autonomia político-administrativa regional não afecta a integridade da soberania do Estado e exerce-se no quadro da Constituição.

3. A autonomia político-administrativa regional não afecta a integridade da soberania do Estado e exerce-se no quadro da Constituição. TÍTULO VII - Regiões autónomas Artigo 225.º (Regime político-administrativo dos Açores e da Madeira) 1. O regime político-administrativo próprio dos arquipélagos dos Açores e da Madeira fundamenta-se nas

Leia mais

REGULAMENTO DO COLÉGIO DA ESPECIALIDADE DE URBANISMO

REGULAMENTO DO COLÉGIO DA ESPECIALIDADE DE URBANISMO REGULAMENTO DO COLÉGIO DA ESPECIALIDADE DE URBANISMO PREÂMBULO CAPÍTULO I - DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1.º Objecto Artigo 2.º Princípios Artigo 3.º Finalidades Artigo 4.º Atribuições Artigo 5.º Relações

Leia mais

Regulamento de Associados/as. Art. 1º. (Admissão e Recusa de Associados)

Regulamento de Associados/as. Art. 1º. (Admissão e Recusa de Associados) Regulamento de Associados/as Art. 1º (Admissão e Recusa de Associados) 1 Sobre proposta de um associado, qualquer pessoa pode solicitar à Direção a sua admissão como associado da Associação Fermentelense

Leia mais

Nós Servimos ASSOCIAÇÃO DE SOLIDARIEDADE INTER-LIONS. Distrito Múltiplo 115 de Lions Clubes ESTATUTOS

Nós Servimos ASSOCIAÇÃO DE SOLIDARIEDADE INTER-LIONS. Distrito Múltiplo 115 de Lions Clubes ESTATUTOS Nós Servimos ASSOCIAÇÃO DE SOLIDARIEDADE INTER-LIONS Distrito Múltiplo 115 de Lions Clubes ESTATUTOS Associação de Solidariedade Inter - Lions ESTATUTOS Capítulo I Disposições Gerais Artigo 1.º Denominação,

Leia mais

Lei Orgânica da Provedoria de Justiça

Lei Orgânica da Provedoria de Justiça Lei Orgânica da Provedoria de Justiça Decreto-Lei n.º 279/93, de 11 de Agosto (alterado pelo Decreto Lei N.º15/98, de 29 de Janeiro) (alterado pelo Decreto-Lei n.º 195/2001, de 27 de Junho) (alterado pelo

Leia mais

ESTATUTOS. CAPÍTULO I Da Denominação, Sede e Âmbito de Acção e Fins

ESTATUTOS. CAPÍTULO I Da Denominação, Sede e Âmbito de Acção e Fins CAPÍTULO I Da Denominação, Sede e Âmbito de Acção e Fins Artigo 1º A Associação Grãos de Gente Creche e Jardim-de-Infância do Campus da Quinta do Marquês é uma instituição particular de solidariedade social

Leia mais

Regulamento de Venda de Lotes na Zona Industrial de Almodôvar. Regulamento

Regulamento de Venda de Lotes na Zona Industrial de Almodôvar. Regulamento Regulamento de Venda de Lotes na Zona Industrial de Almodôvar Regulamento junho de 2011 Regulamento de Venda de Lotes na Zona Industrial de Almodôvar Projeto aprovado por Deliberação da Câmara Municipal,

Leia mais

ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO DOS ANTIGOS ALUNOS DA ESCOLA SUPERIOR DE HOTELARIA E TURISMO DO ESTORIL (ALUMNI- ESHTE)

ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO DOS ANTIGOS ALUNOS DA ESCOLA SUPERIOR DE HOTELARIA E TURISMO DO ESTORIL (ALUMNI- ESHTE) ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO DOS ANTIGOS ALUNOS DA ESCOLA SUPERIOR DE HOTELARIA E TURISMO DO ESTORIL (ALUMNI- ESHTE) CAPÍTULO I Da denominação, sede e âmbito de actividade Artigo 1.º Designação 1. É constituída,

Leia mais

8. Actos Eleitorais - Eleição do Presidente da República 8.1. Qual a data da Eleição do Presidente da República que vai realizar-se em 2011?

8. Actos Eleitorais - Eleição do Presidente da República 8.1. Qual a data da Eleição do Presidente da República que vai realizar-se em 2011? 8. Actos Eleitorais - Eleição do Presidente da República 8.1. Qual a data da Eleição do Presidente da República que vai realizar-se em 2011? Resposta: A eleição do Presidente da República realiza-se, em

Leia mais

REGULAMENTO FINANCEIRO DO CDS/PP

REGULAMENTO FINANCEIRO DO CDS/PP DO CDS/PP (APROVADO EM CONSELHO NACIONAL A 24 DE NOVEMBRO DE 2007) Capítulo I Disposições Gerais Artigo 1º (Âmbito de aplicação) 1. O presente Regulamento aplica-se a todos os órgãos nacionais, regionais

Leia mais

CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, SEDE E FINS ARTIGO 1º

CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, SEDE E FINS ARTIGO 1º ESTATUTOS CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, SEDE E FINS ARTIGO 1º (Denominação, constituição e duração) É constituída e reger-se-á pelos presentes Estatutos e pela Lei aplicável, uma Associação de âmbito nacional,

Leia mais

CONTRATO DE SOCIEDADE DA IMPRESA SOCIEDADE GESTORA DE PARTICIPAÇÕES SOCIAIS, S.A. I Denominação, objecto e sede

CONTRATO DE SOCIEDADE DA IMPRESA SOCIEDADE GESTORA DE PARTICIPAÇÕES SOCIAIS, S.A. I Denominação, objecto e sede CONTRATO DE SOCIEDADE DA IMPRESA SOCIEDADE GESTORA DE PARTICIPAÇÕES SOCIAIS, S.A I Denominação, objecto e sede ARTIGO 1º A sociedade adopta a firma IMPRESA - Sociedade Gestora de Participações Sociais,

Leia mais

ESTATUTOS DA COOPERATIVA ANTÓNIO SÉRGIO PARA A ECONOMIA SOCIAL Cooperativa de Interesse Público de Responsabilidade Limitada

ESTATUTOS DA COOPERATIVA ANTÓNIO SÉRGIO PARA A ECONOMIA SOCIAL Cooperativa de Interesse Público de Responsabilidade Limitada ESTATUTOS DA COOPERATIVA ANTÓNIO SÉRGIO PARA A ECONOMIA SOCIAL Cooperativa de Interesse Público de Responsabilidade Limitada Artigo 1.º Denominação A cooperativa de interesse público adopta a denominação

Leia mais

REGULAMENTO MUNICIPAL DO TRANSPORTE PÚBLICO DE ALUGUER EM VEÍCULOS AUTOMÓVEIS LIGEIROS TRANSPORTES EM TÁXI - DO MUNICÍPIO DE MIRANDELA

REGULAMENTO MUNICIPAL DO TRANSPORTE PÚBLICO DE ALUGUER EM VEÍCULOS AUTOMÓVEIS LIGEIROS TRANSPORTES EM TÁXI - DO MUNICÍPIO DE MIRANDELA REGULAMENTO MUNICIPAL DO TRANSPORTE PÚBLICO DE ALUGUER EM VEÍCULOS AUTOMÓVEIS LIGEIROS TRANSPORTES EM TÁXI - DO MUNICÍPIO DE MIRANDELA Nota justificativa (artigo 116.º do CPA) Em 22 de Dezembro de 2006,

Leia mais

REGIMENTO DA CÂMARA MUNICIPAL DE VILA FRANCA DO CAMPO (1) Preâmbulo

REGIMENTO DA CÂMARA MUNICIPAL DE VILA FRANCA DO CAMPO (1) Preâmbulo REGIMENTO DA CÂMARA MUNICIPAL DE VILA FRANCA DO CAMPO (1) Preâmbulo O Regimento da Câmara Municipal De Vila Franca do Campo foi elaborado de acordo com a alínea a) do número 1 do Artº 64º da Lei n.º 169/99,

Leia mais

MANUAL DE CANDIDATURA A PRESIDENTE DA REPÚBLICA

MANUAL DE CANDIDATURA A PRESIDENTE DA REPÚBLICA MANUAL DE CANDIDATURA A PRESIDENTE DA REPÚBLICA PR 2016 LEI ELEITORAL para o PRESIDENTE DA REPÚBLICA (LEPR) Decreto-Lei nº 319-A/76, de 3 de maio Com as alterações introduzidas pelas pelos seguintes diplomas

Leia mais

Regulamento Eleitoral. para a constituição das. Comissões de Elaboração dos Regulamentos das Subunidades Orgânicas da Escola de Ciências

Regulamento Eleitoral. para a constituição das. Comissões de Elaboração dos Regulamentos das Subunidades Orgânicas da Escola de Ciências Escola de Ciências Regulamento Eleitoral para a constituição das Comissões de Elaboração dos Regulamentos das Subunidades Orgânicas da Escola de Ciências Escola de Ciências da Universidade do Minho Setembro

Leia mais

ARBITRAGEM VOLUNTÁRIA

ARBITRAGEM VOLUNTÁRIA (Até às alterações do Decreto Lei n.º 38/2003, de 08 de Março) ARBITRAGEM VOLUNTÁRIA CAPÍTULO I Artigo 1.º Convenção de arbitragem 1 - Desde que por lei especial não esteja submetido exclusivamente a tribunal

Leia mais

- REGIMENTO - CAPITULO I (Disposições gerais) Artigo 1.º (Normas reguladoras)

- REGIMENTO - CAPITULO I (Disposições gerais) Artigo 1.º (Normas reguladoras) - REGIMENTO - Considerando que, a Lei 159/99, de 14 de Setembro estabelece no seu artigo 19.º, n.º 2, alínea b), a competência dos órgãos municipais para criar os conselhos locais de educação; Considerando

Leia mais

O PREFEITO MUNICIPAL DO SALVADOR, CAPITAL DO ESTADO DA BAHIA, no uso de suas atribuições,

O PREFEITO MUNICIPAL DO SALVADOR, CAPITAL DO ESTADO DA BAHIA, no uso de suas atribuições, CONSELHOS COMUNITÁRIOS Órgão/Sigla: Natureza Jurídica: Vinculação: Finalidade: CONSELHOS COMUNITÁRIOS ORGAO COLEGIADO GABINETE DO PREFEITO Tornar os cidadãos parte ativa no exercício do governo, mediante

Leia mais

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE COMISSÃO NACIONAL DE ELEIÇÕES. Directiva n.º 1/CNE/2014, De 8 de Agosto

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE COMISSÃO NACIONAL DE ELEIÇÕES. Directiva n.º 1/CNE/2014, De 8 de Agosto REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE COMISSÃO NACIONAL DE ELEIÇÕES Directiva n.º 1/CNE/2014, De 8 de Agosto Atinente a mesa da Assembleia de voto quanto à sua composição, funções, seus membros e papel dos membros indicados

Leia mais

ASSOCIAÇÃO DOS CRIADORES DE BOVINOS DE RAÇA BARROSÃ ESTATUTOS

ASSOCIAÇÃO DOS CRIADORES DE BOVINOS DE RAÇA BARROSÃ ESTATUTOS ASSOCIAÇÃO DOS CRIADORES DE BOVINOS DE RAÇA BARROSÃ ESTATUTOS 2011 AMIBA ASSOCIAÇÃO DOS CRIADORES DE BOVINOS DA RAÇA BARROSÃ CAPÍTULO PRIMEIRO DESIGNAÇÃO, SEDE E AFINS Artigo primeiro: É constituída, por

Leia mais

ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA CONTRA A LEUCEMIA ESTATUTOS. CAPÍTULO I Natureza, duração e Fins. Art 1 (Natureza)

ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA CONTRA A LEUCEMIA ESTATUTOS. CAPÍTULO I Natureza, duração e Fins. Art 1 (Natureza) ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA CONTRA A LEUCEMIA ESTATUTOS CAPÍTULO I Natureza, duração e Fins Art 1 (Natureza) A Associação Portuguesa Contra a Leucemia (APCL) é uma instituição particular de solidariedade social.

Leia mais

ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO DE SOLIDARIEDADE DE FERREL

ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO DE SOLIDARIEDADE DE FERREL ASSOCIAÇÃO DE SOLIDARIEDADE SOCIAL ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO DE SOLIDARIEDADE SOCIAL DE FERREL APROVADOS PELO DECRETO LEI N.º 119/ 83 DE 25 DE FEVEREIRO DE 2000 ALTERADOS PELO DECRETO LEI N.º 402/ 85 DE

Leia mais

REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES Vice-Presidência do Governo Emprego e Competitividade Empresarial Direção Regional de Organização e Administração Pública

REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES Vice-Presidência do Governo Emprego e Competitividade Empresarial Direção Regional de Organização e Administração Pública Propaganda eleitoral A propaganda eleitoral consiste na atividade que vise direta ou indiretamente promover candidaturas, seja dos candidatos, dos partidos políticos, dos titulares dos seus órgãos ou seus

Leia mais

ESTATUTO SOCIAL DA ASSOCIAÇÃO DE ASSISTÊNCIA MÚTUA À SAÚDE SBC CAPÍTULO I - DA ORGANIZAÇÃO E FINALIDADE

ESTATUTO SOCIAL DA ASSOCIAÇÃO DE ASSISTÊNCIA MÚTUA À SAÚDE SBC CAPÍTULO I - DA ORGANIZAÇÃO E FINALIDADE ESTATUTO SOCIAL DA ASSOCIAÇÃO DE ASSISTÊNCIA MÚTUA À SAÚDE SBC CAPÍTULO I - DA ORGANIZAÇÃO E FINALIDADE Art. 1º. - A ASSOCIAÇÃO DE ASSISTÊNCIA MÚTUA À SAÚDE SBC, fundada em 26.11.62 sob denominação de

Leia mais

ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO PORTA DO MAIS CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, FINS, DURAÇÃO E SEDE

ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO PORTA DO MAIS CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, FINS, DURAÇÃO E SEDE ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO PORTA DO MAIS CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, FINS, DURAÇÃO E SEDE Artigo 1º Denominação, sede e duração 1. A Associação Porta do Mais é uma Associação sem fins lucrativos e existe por

Leia mais

ANEXO 3 REGULAMENTO MUNICIPAL DA ACTIVIDADE DE TRANSPORTE EM TÁXI ODIVELAS. Ano VI - N.º 4-8 de Março de 2005 - Anexo 3

ANEXO 3 REGULAMENTO MUNICIPAL DA ACTIVIDADE DE TRANSPORTE EM TÁXI ODIVELAS. Ano VI - N.º 4-8 de Março de 2005 - Anexo 3 ANEXO 3 REGULAMENTO MUNICIPAL DA ACTIVIDADE DE TRANSPORTE EM TÁXI Ano VI - N.º 4-8 de Março de 2005 - Anexo 3 REGULAMENTO MUNICIPAL PARA A ACTIVIDADE DO TRANSPORTE EM TÁXI Capítulo I Disposição Gerais

Leia mais

Estatutos Associação Voluntariado Hospital S. João. Capítulo I

Estatutos Associação Voluntariado Hospital S. João. Capítulo I Estatutos Associação Voluntariado Hospital S. João Capítulo I (Natureza, Denominação, Sede e Objecto) Artigo 1º (Denominação, natureza jurídica e sede) 1. A Associação Voluntariado Hospital S. João, adiante

Leia mais

Introdução. Artigo 1.º Objecto e âmbito de aplicação

Introdução. Artigo 1.º Objecto e âmbito de aplicação 1 REGULAMENTO DA VENDA DE LOTES PARA CONSTRUÇÃO DE HABITAÇÃO EM LOTEAMENTOS MUNICIPAIS A JOVENS NATURAIS OU RESIDENTES NO CONCELHO DAS CALDAS DA RAINHA Introdução Com o objectivo de fixar jovens nas freguesias

Leia mais

LEGISLAÇÃO RELATIVA A ELEIÇÕES E REFERENDOS

LEGISLAÇÃO RELATIVA A ELEIÇÕES E REFERENDOS LEGISLAÇÃO RELATIVA A ELEIÇÕES E REFERENDOS REGIME JURÍDICO DO RECENSEAMENTO ELEITORAL Lei n.º 13/99, de 22 de Março. Artigo 1.º - Regra geral O recenseamento eleitoral é oficioso, obrigatório, permanente

Leia mais

Clube de Golfe da Academia da Força Aérea REGULAMENTO

Clube de Golfe da Academia da Força Aérea REGULAMENTO Clube de Golfe da Academia da Força Aérea REGULAMENTO CAPÍTULO I Denominação, Finalidades e Sede Artigo 1.º O Clube de Golfe da Academia da Força Aérea, abreviadamente designado por CGAFA, ou por Clube,

Leia mais

CAPÍTULO I Disposições gerais

CAPÍTULO I Disposições gerais ESTATUTOS DO CONSELHO DAS FINANÇAS PÚBLICAS Aprovados pela Lei n.º 54/2011, de 19 de outubro, com as alterações introduzidas pelo artigo 187.º da Lei n.º 82-B/2014, de 31 de dezembro (Grafia adaptada em

Leia mais

Ministérios das Finanças e dos Negócios Estrangeiros

Ministérios das Finanças e dos Negócios Estrangeiros Ministérios das Finanças e dos Negócios Estrangeiros Portaria n.º /2010 Contratação temporária para o Ensino Português no Estrangeiro Nos termos do artigo 32.º do Decreto-Lei n.º 165/2006, de 11 de Agosto,

Leia mais

GRACE GRUPO DE REFLEXÃO E APOIO À CIDADANIA EMPRESARIAL - ASSOCIAÇÃO ESTATUTOS CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, DURAÇÃO, SEDE, OBJECTO, PRINCÍPIOS E VALORES

GRACE GRUPO DE REFLEXÃO E APOIO À CIDADANIA EMPRESARIAL - ASSOCIAÇÃO ESTATUTOS CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, DURAÇÃO, SEDE, OBJECTO, PRINCÍPIOS E VALORES GRACE GRUPO DE REFLEXÃO E APOIO À CIDADANIA EMPRESARIAL - ASSOCIAÇÃO ESTATUTOS CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, DURAÇÃO, SEDE, OBJECTO, PRINCÍPIOS E VALORES Art. 1º 1. GRACE GRUPO DE REFLEXÃO E APOIO À CIDADANIA

Leia mais

ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO A CASA DO CAMINHO CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, NATUREZA E FINS ARTIGO 1º. (Denominação)

ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO A CASA DO CAMINHO CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, NATUREZA E FINS ARTIGO 1º. (Denominação) ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO A CASA DO CAMINHO CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, NATUREZA E FINS ARTIGO 1º (Denominação) A Associação A Casa do Caminho, adiante designada abreviadamente por Associação, é uma associação

Leia mais

REGULAMENTO ELEITORAL E DE DESIGNAÇÃO DOS DELEGADOS À ASSEMBLEIA GERAL DA FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE BRIDGE I PARTE GERAL

REGULAMENTO ELEITORAL E DE DESIGNAÇÃO DOS DELEGADOS À ASSEMBLEIA GERAL DA FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE BRIDGE I PARTE GERAL REGULAMENTO ELEITORAL E DE DESIGNAÇÃO DOS DELEGADOS À ASSEMBLEIA GERAL DA FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE BRIDGE I PARTE GERAL 1. O presente Regulamento aplica-se às eleições de delegados como representantes dos

Leia mais

BANCO PRIMUS ESTATUTOS CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO SEDE OBJETO E DURAÇÃO DA SOCIEDADE

BANCO PRIMUS ESTATUTOS CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO SEDE OBJETO E DURAÇÃO DA SOCIEDADE BANCO PRIMUS ESTATUTOS CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO SEDE OBJETO E DURAÇÃO DA SOCIEDADE Artigo 1.º Natureza jurídica e denominação social A Sociedade, que adota a denominação de Banco Primus SA («a Sociedade»),

Leia mais

ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO SÓCIO-PROFÍSSIONAL DOS PERÍTOS FORENSES DA POLÍCIA JUDICIÁRIA

ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO SÓCIO-PROFÍSSIONAL DOS PERÍTOS FORENSES DA POLÍCIA JUDICIÁRIA ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO SÓCIO-PROFÍSSIONAL DOS PERÍTOS FORENSES DA POLÍCIA JUDICIÁRIA CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO E OBJECTO Artigo 1º Denominação, sede e duração 1. A Associação adopta a denominação de ASSOCIAÇÃO

Leia mais

MANUAL DE CANDIDATURA DE GRUPOS DE CIDADÃOS ELEITORES

MANUAL DE CANDIDATURA DE GRUPOS DE CIDADÃOS ELEITORES MANUAL DE CANDIDATURA DE GRUPOS DE CIDADÃOS ELEITORES ELEIÇÕES AUTÁRQUICAS 2013 Elaborado com base na legislação atualmente em vigor * * Lei Eleitoral dos Órgãos das Autarquias Locais, aprovada pela Lei

Leia mais

CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE RIO MAIOR

CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE RIO MAIOR Município de Rio Maior CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE RIO MAIOR Regimento Preâmbulo A Lei nº 159/99, de 14 de Setembro, estabelece na alínea b) do nº2, do seu artigo 19, a competência dos órgãos municipais

Leia mais

DISPOSITIVOS ESTATUTÁRIOS

DISPOSITIVOS ESTATUTÁRIOS ELEIÇÃO PARA A DIRETORIA EXECUTIVA E CONSELHO FISCAL NACIONAL TRIÊNIO 2016-2019 DISPOSITIVOS ESTATUTÁRIOS CAPÍTULO III DOS DIREITOS E DEVERES DOS ASSOCIADOS/FILIADOS SEÇÃO I DOS DIREITOS Art. 10º - São

Leia mais

Regulamento Municipal de Apoio às Actividades Desportivas

Regulamento Municipal de Apoio às Actividades Desportivas Regulamento Municipal de Apoio às Actividades Desportivas Preâmbulo A Câmara Municipal de Nordeste tem vindo a apoiar ao longo dos anos de forma directa e organizada toda a actividade desportiva no concelho

Leia mais

Instituto Superior de Ciências Sociais e Políticas. Regulamento n.º 75/2006.

Instituto Superior de Ciências Sociais e Políticas. Regulamento n.º 75/2006. Instituto Superior de Ciências Sociais e Políticas Regulamento n.º 75/2006. (DIÁRIO DA REPÚBLICA II SÉRIE N.º 107 2 de Junho de 2006) Regulamento das provas especialmente adequadas a avaliar a capacidade

Leia mais

CAPÍTULO I. Da denominação, sede, âmbito da acção e fins. Artigo Primeiro. Artigo Segundo

CAPÍTULO I. Da denominação, sede, âmbito da acção e fins. Artigo Primeiro. Artigo Segundo CAPÍTULO I Da denominação, sede, âmbito da acção e fins Artigo Primeiro A Associação para o Desenvolvimento de Miragaia, é uma Instituição Particular de Solidariedade Social, com sede na Rua do Clube,

Leia mais

JUVENTUDE SOCIALISTA AÇORES

JUVENTUDE SOCIALISTA AÇORES JUVENTUDE SOCIALISTA AÇORES REGULAMENTO ELEITORAL ELEIÇÃO DO PRESIDENTE DA J.S.AÇORES E X CONGRESSO REGIONAL Capítulo I Eleição do Presidente da J.S. Açores Artigo 1º (Objecto) O presente Regulamento estabelece

Leia mais

RMABE-Regulamento Municipal de Atribuição de Bolsas de Estudo Preâmbulo

RMABE-Regulamento Municipal de Atribuição de Bolsas de Estudo Preâmbulo RMABE-Regulamento Municipal de Atribuição de Bolsas de Estudo Preâmbulo Os Municípios são as Autarquias Locais que têm como objectivo primordial a prossecução dos interesses próprios e comuns dos respectivos

Leia mais

ORDEM DOS NOTÁRIOS REGULAMENTO DE ESTÁGIO

ORDEM DOS NOTÁRIOS REGULAMENTO DE ESTÁGIO ORDEM DOS NOTÁRIOS REGULAMENTO DE ESTÁGIO Preâmbulo Nos termos do Artigo 30.º do Estatuto do Notariado, aprovado pelo Decreto Lei Nº 26/2004, de 4 de Fevereiro, vem a Ordem dos Notários aprovar Regulamento

Leia mais

CENTRO ACADÊMICO IAG PAULO MARQUES DOS SANTOS C.A.P.M.S. ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I DA ORGANIZAÇÃO E SEUS FINS

CENTRO ACADÊMICO IAG PAULO MARQUES DOS SANTOS C.A.P.M.S. ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I DA ORGANIZAÇÃO E SEUS FINS CENTRO ACADÊMICO IAG PAULO MARQUES DOS SANTOS C.A.P.M.S. ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I DA ORGANIZAÇÃO E SEUS FINS Artigo 1º. O Centro Acadêmico IAG Paulo Marques dos Santos C.A.P.M.S. dos estudantes de Geofísica

Leia mais

Tendo em conta o Tratado que institui a Comunidade Europeia, nomeadamente o terceiro parágrafo do artigo 159º,

Tendo em conta o Tratado que institui a Comunidade Europeia, nomeadamente o terceiro parágrafo do artigo 159º, REGULAMENTO (CE) Nº 1082/2006 DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO de 5 de Julho de 2006 relativo aos agrupamentos europeus de cooperação territorial (AECT) O PARLAMENTO EUROPEU E O CONSELHO DA UNIÃO EUROPEIA,

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DO INSTITUTO DE SEGUROS DE PORTUGAL

REGULAMENTO INTERNO DO INSTITUTO DE SEGUROS DE PORTUGAL REGULAMENTO INTERNO DO INSTITUTO DE SEGUROS DE PORTUGAL CAPITULO I Disposições Gerais Artigo 1º Denominação e natureza O Instituto de Seguros de Portugal, designado abreviadamente por ISP, é uma pessoa

Leia mais

Proposta de alteração aos Estatutos da Associação Académica da Faculdade de Direito de Lisboa

Proposta de alteração aos Estatutos da Associação Académica da Faculdade de Direito de Lisboa Proposta de alteração aos Estatutos da Associação Académica da Faculdade de Direito de Lisboa Proponentes: André Caldas, Francisco Rodrigues dos Santos, Gonçalo Carrilho TÍTULO I Disposições Gerais CAPÍTULO

Leia mais

Avisos do Banco de Portugal. Aviso nº 2/2007

Avisos do Banco de Portugal. Aviso nº 2/2007 Avisos do Banco de Portugal Aviso nº 2/2007 O Aviso do Banco de Portugal nº 11/2005, de 13 de Julho, procedeu à alteração e sistematização dos requisitos necessários à abertura de contas de depósito bancário,

Leia mais

PRESIDENTE DA REPÚBLICA

PRESIDENTE DA REPÚBLICA 3780 DIÁRIO DA REPÚBLICA PRESIDENTE DA REPÚBLICA Decreto Presidencial n.º 298/10 de3dedezembro Convindo adequar o sistema de contratação pública à nova realidade constitucional, bem como uniformizar a

Leia mais

APESP ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE ENSINO SUPERIOR PRIVADO ESTATUTOS

APESP ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE ENSINO SUPERIOR PRIVADO ESTATUTOS APESP ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE ENSINO SUPERIOR PRIVADO ESTATUTOS CAPÍTULO PRIMEIRO DENOMINAÇÃO, NATUREZA, DURAÇÃO, SEDE E FINS Artigo 1º Denominação e Natureza 1. A ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DO ENSINO SUPERIOR

Leia mais

Nos termos da alínea a) do n.º 1 do artigo 201.º da Constituição, o Governo decreta o seguinte: CAPÍTULO I Campo de aplicação

Nos termos da alínea a) do n.º 1 do artigo 201.º da Constituição, o Governo decreta o seguinte: CAPÍTULO I Campo de aplicação A leitura deste documento, que transcreve o conteúdo do Decreto-Lei n.º 14/90, de 8 de Janeiro, não substitui a consulta da sua publicação em Diário da República. Decreto-Lei n.º 14/90 de 8 de Janeiro

Leia mais

REGULAMENTO ELEITORAL

REGULAMENTO ELEITORAL REGULAMENTO ELEITORAL I - PROCESSO ELEITORAL 1º 1. O processo eleitoral terá a duração máxima de 90 dias. 2. Em eleições regulares, realizadas trienalmente, iniciar- se- á no dia 1 de Outubro desse ano.

Leia mais

ESTATUTOS DA TINIGUENA. (Revisão aprovada pela 9ª Assembleia Geral da Tiniguena reunida em Bissau a 30 de Agosto de 2003)

ESTATUTOS DA TINIGUENA. (Revisão aprovada pela 9ª Assembleia Geral da Tiniguena reunida em Bissau a 30 de Agosto de 2003) ESTATUTOS DA TINIGUENA (Revisão aprovada pela 9ª Assembleia Geral da Tiniguena reunida em Bissau a 30 de Agosto de 2003) Bissau, 30 de Agosto de 2003 Capítulo I (Denominação, Natureza, Sede, Âmbito e Objecto)

Leia mais

REGULAMENTO DOS REGIMES DE MUDANÇA DE CURSO, TRANSFERÊNCIA E REINGRESSO DA UNIVERSIDADE DE COIMBRA

REGULAMENTO DOS REGIMES DE MUDANÇA DE CURSO, TRANSFERÊNCIA E REINGRESSO DA UNIVERSIDADE DE COIMBRA REGULAMENTO DOS REGIMES DE MUDANÇA DE CURSO, TRANSFERÊNCIA E REINGRESSO DA UNIVERSIDADE DE COIMBRA Nos termos do n.º 1 do artigo 10.º do Regulamento dos Regimes de Mudança de Curso, Transferência e Reingresso,

Leia mais

Regulamento de Actividade de Comércio a Retalho exercida pelos Feirantes na Área do Município do Sabugal

Regulamento de Actividade de Comércio a Retalho exercida pelos Feirantes na Área do Município do Sabugal Regulamento de Actividade de Comércio a Retalho exercida pelos Feirantes na Área do Município do Sabugal Preâmbulo A regulamentação municipal sobre a actividade de comércio a retalho exercida por feirantes

Leia mais

Exercício do Direito de Petição

Exercício do Direito de Petição Exercício do Direito de Petição Lei n.º 43/90, de 10 de agosto (TP), com as alterações introduzidas pela Lei n.º 6/93, de 1 de março (TP), Lei n.º 15/2003, de 4 de junho (TP), e Lei n.º 45/2007, de 24

Leia mais

PROJECTO DE REGULAMENTO PARA VENDA DE FRACÇÕES MUNICIPAIS HABITACIONAIS DEVOLUTAS A JOVENS, ATRAVÉS DE CONCURSO POR SORTEIO

PROJECTO DE REGULAMENTO PARA VENDA DE FRACÇÕES MUNICIPAIS HABITACIONAIS DEVOLUTAS A JOVENS, ATRAVÉS DE CONCURSO POR SORTEIO PROJECTO DE REGULAMENTO PARA VENDA DE FRACÇÕES MUNICIPAIS HABITACIONAIS DEVOLUTAS A JOVENS, ATRAVÉS DE CONCURSO POR SORTEIO Preâmbulo Com o presente Regulamento pretende-se criar condições para o acesso

Leia mais

Atribuição de Bolsas de Estudo aos Alunos do Ensino Superior. Preâmbulo

Atribuição de Bolsas de Estudo aos Alunos do Ensino Superior. Preâmbulo Regulamento Municipal de Atribuição de Bolsas de Estudo aos Alunos do Ensino Superior Preâmbulo O desenvolvimento das sociedades democráticas exige cada vez mais políticas educativas que promovam uma efectiva

Leia mais