Evangelho segundo S. Marcos 9,2-13. cf.par. Mt 17,1-13; Lc 9,28-36

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Evangelho segundo S. Marcos 9,2-13. cf.par. Mt 17,1-13; Lc 9,28-36"

Transcrição

1 Evangelho segundo S. Marcos 9,2-13. cf.par. Mt 17,1-13; Lc 9,28-36 Seis dias depois, Jesus tomou consigo Pedro, Tiago e João e levou-os, só a eles, a um monte elevado. E transfigurou-se diante deles. As suas vestes tornaram-se resplandecentes, de tal brancura que lavadeira alguma da terra as poderia branquear assim. Apareceu-lhes Elias, juntamente com Moisés, e ambos falavam com Ele. Tomando a palavra, Pedro disse a Jesus: «Mestre, bom é estarmos aqui; façamos três tendas: uma para ti, uma para Moisés e uma para Elias.» Não sabia que dizer, pois estavam assombrados. Formou-se, então, uma nuvem que os cobriu com a sua sombra, e da nuvem fez-se ouvir uma voz: «Este é o meu Filho muito amado. Escutai-o.» De repente, olhando em redor, já não viram ninguém, a não ser só Jesus, com eles. Ao descerem do monte, ordenou-lhes que a ninguém contassem o que tinham visto, senão depois de o Filho do Homem ter ressuscitado dos mortos. Eles guardaram a recomendação, discutindo uns com os outros o que seria ressuscitar de entre os mortos. E fizeram-lhe esta pergunta: «Porque afirmam os doutores da Lei que primeiro há-de vir Elias?» Jesus respondeu-lhes: «Sim; Elias, vindo primeiro, restabelecerá todas as coisas; porém, não dizem as Escrituras que o Filho do Homem tem de padecer muito e ser desprezado? Pois bem, digo-vos que Elias já veio e fizeram dele tudo o que quiseram, conforme está escrito.» Santo Ambrósio (c ), bispo de Milão e doutor da Igreja Sobre o salmo 45, 2 O testemunho dos profetas conduz ao testemunho dos apóstolos O Senhor Jesus quis que Moisés subisse sozinho a montanha, mas a ele juntou-se Josué (Ex 24, 13). Também no Evangelho, foi a Pedro, Tiago e João, entre todos os discípulos que revelou a glória da sua ressurreição. Pretendia, assim, que o seu mistério se conservasse escondido e advertia-os frequentemente que não anunciassem facilmente, fosse a quem fosse, aquilo que tinham visto, para que um ouvinte excessivamente fraco não encontrasse nisso um obstáculo que impedisse o seu espírito inconstante de receber esses mistérios em toda a sua força. É que o próprio Pedro «não sabia o que dizia», pois que pensava que era preciso montar três tendas para o Senhor e os seus companheiros. Em seguida, não conseguiu suportar o brilho de glória do Senhor que se transfigurava, e caiu por terra (Mt 17,6), como também caíram «os filhos do trovão» (Mc 3,17), Tiago e João, quando a nuvem os cobriu... Eles entraram, pois, na nuvem para conhecerem o que é secreto e oculto, e foi lá que ouviram a voz de Deus dizendo: «Este é o meu Filho muito querido em quem pus todo o meu amor: ouvi-o». O que significa «Este é o meu filho muito querido»? Isso quer dizer Simão Pedro, não te enganes! que não deves colocar o Filho de Deus ao mesmo nível que os servidores. «Este é o meu Filho: Moisés não é o meu Filho, Elias não é o meu Filho, ainda que um tenha aberto o céu e o outro tenha fechado o céu». Com efeito, um e outro, na palavra do Senhor, venceram um elemento da Natureza (Ex 14; 1R 17,1), mas eles apenas ofereceram o seu ministério àquele que fortaleceu as águas e fechou, pela secura, o céu, que derreteu em chuva quando quis. Quando se trata de um simples anúncio da ressurreição, faz-se apelo ao ministério dos servidores, mas quando se mostra a glória do Senhor que ressuscita, a glória dos servidores

2 cai na obscuridade. É que, ao elevar-se, o sol obscurece as estrelas, e todas as suas luzes desaparecem diante do brilho do sol eterno de justiça (Ml 3,20). Santo Efrém (cerca de ), diácono na Síria, doutor da Igreja Opera Omnia O Senhor do antigo e do novo No momento da Transfiguração, o testemunho prestado ao Filho foi selado pela primeira vez pela voz do Pai e por Moisés e Elias, que aparecem junto de Jesus como seus servos. Os profetas olham para os apóstolos Pedro, Tiago e João; os apóstolos contemplam os profetas. Num só lugar, encontram-se os príncipes da antiga aliança e os da nova. O santo Moisés viu Pedro, o santificado, o pastor escolhido pelo Pai viu o pastor escolhido pelo Filho. O primeiro tinha outrora aberto o mar para que o povo de Deus pudesse passar no meio das vagas, o segundo propôs erguer uma tenda para abrigar a Igreja. O homem virgem do Antigo Testamento viu o homem virgem do Novo: Elias pôde ver João. Aquele que foi arrebatado num carro de fogo viu aquele que repousou sobre o peito do Fogo (Jo 13,23). E a montanha tornou-se então o símbolo da Igreja: no seu cume, Jesus unifica os dois Testamentos que esta Igreja acolhe. Deu a conhecer que é o Senhor de um como do outro, do Antigo que recebeu os seus mistérios, d o Novo que revelou a glória das suas acções. Pedro, o Venerável ( ), abade de Cluny Sermão n.º 1 para a Transfiguração; PL 189, 959 «Mestre, bom é estarmos aqui» «O seu rosto resplandeceu como o Sol» (Mt 17,2) [...] Envolvida pela aura da carne, hoje resplandeceu a Luz verdadeira que, ao vir ao mundo, a todo o homem ilumina (Jo 1,9). Hoje ela glorifica esta mesma carne, mostra-a deificada aos apóstolos para que estes a revelem ao mundo. E tu, cidade beatífica, fruirás eternamente a contemplação deste Sol, ao desceres do «céu, de junto de Deus [...], já preparada, qual noiva adornada para o seu esposo» (Ap 21,2). Nunca mais esse Sol se porá para ti; para sempre Ele próprio fará raiar a manhã eterna. Nunca mais esse Sol será velado por nuvem alguma, mas brilhará sem cessar, e cumular-te-á de uma luz que não declinará nunca. Nunca mais esse Sol te toldará os olhos, antes dar-te-á forças para que o olhes, e encantar-te-á com o seu esplendor divino [...] «Não mais haverá morte nem luto, nem pranto, nem dor» (Ap 21,4) que ensombre o brilho que Deus te deu, pois, como foi dito a João: «O antigo mundo pereceu». Eis o Sol de que fala o profeta: «Já não será o Sol que te iluminará durante o dia, nem a Lua durante a noite. O Senhor será a tua luz eterna, o teu Deus será o teu esplendor. (Is 60,19). Eis a luz eterna que resplandece para ti no rosto do Senhor. Escutas a voz do Senhor, contemplas o seu rosto resplandecente, e tornas-te como o Sol. Pois é pelo rosto que reconhecemos cada pessoa, e reconhecê-la, é como ficar iluminado por ela. Aqui na terra acreditas pela fé; nos céus, reconhecerás. Aqui captas com a inteligência; lá, serás captado. Aqui, vês «como num espelho»; lá, verás «face a face» (1 Co 13,12) [...] Assim se cumprirá o desejo do profeta: «Que Ele faça resplandecer em nós o seu rosto» (Sl 67,2) [...] Nessa luz exultarás para sempre; nessa luz caminharás sem cansaço. Nessa luz, verás a luz eterna.

3 Onde fala Jesus... e onde não, esclarece o pregador do Papa Padre Cantalamessa comenta o Evangelho do próximo domingo ROMA, sexta-feira, 10 de março de 2006 (ZENIT.org).- Publicamos o comentário do padre Raniero Catalamessa OFM Cap --pregador da Casa Pontifícia-- ao Evangelho da liturgia eucarística do próximo domingo, II da Quaresma. * * * II Domingo da Quaresma B (Gênesis 22, a ; Romanos 8, 31b-34; Marcos 9, 2-10) Escutai-o! «Este é meu Filho amado, escutai-o». Com estas palavras, Deus Pai dava Jesus Cristo à humanidade como seu único e definitivo Mestre, superior às Leis e aos profetas. Onde fala Jesus hoje, para que possamos escutá-lo? Fala-nos antes de tudo por meio de nossa consciência. Ela é uma espécie de «repetidor», instalado dentro de nós, da própria voz de Deus. Mas por si só ela não basta. É fácil fazê-lo dizer o que nós gostamos de escutar. Por isso, necessita ser iluminada e sustentada pelo Evangelho e pelo ensinamento da Igreja. O Evangelho é o lugar por excelência no qual Jesus fala-nos hoje. Mas sabemos por experiência que também as palavras do Evangelho podem ser interpretadas de maneiras distintas. Quem nos assegura uma interpretação autêntica é a Igreja, instituída por Cristo precisamente com tal fim: «Quem a vós escuta, a mim escuta» [Lc 10, 16. Ndt]. Por isso, é importante que busquemos conhecer a doutrina da Igreja, conhecê-la em primeira mão, como ela mesmo a entende e a propõe, não na interpretação --freqüentemente distorcida e redutiva-- dos meios de comunicação. Quase igualmente importante como saber onde fala Jesus hoje é saber onde não fala. Ele não fala certamente através de magos, adivinhos, astrólogos, pretensas mensagens extraterrestres; não fala nas sessões de espiritismo, no ocultismo. Na Escritura, lemos esta advertência a respeito: «Não haja entre ti ninguém que faça passar seu filho ou sua filha pelo fogo, que pratique adivinhação, astrologia, feitiçaria ou magia, nenhum encantador nem consultor de fantasmas ou adivinhos, nem invocador de mortos. Porque todo aquele que faz estas coisas é uma abominação para Yahweh teu Deus» (Dt 18, 10-12). Estes eram os modos típicos dos pagãos de referir-se ao divino, que buscavam a sorte consultando os astros, ou vísceras de animais, ou no vôo dos pássaros. Com essa palavra de Deus: «Escutai-o!», tudo aquilo acabou. Há um só mediador entre Deus e os homens; não estamos obrigados a ir «às cegas», para conhecer a vontade divina, a consultar isto ou aquilo. Em Cristo temos toda resposta. Lamentavelmente, hoje aqueles ritos pagãos voltam a estar na moda. Como sempre, quando diminui a verdadeira fé, aumenta a superstição. Tomemos a coisa mais inócua de todas, o horóscopo. Pode-se dizer que não existe jornal ou emissora de rádio que não ofereça

4 diariamente a seus leitores ou ouvintes o horóscopo. Para as pessoas maduras, dotadas de um mínimo de capacidade critica ou de ironia, isso não é mais que uma inócua brincadeira recíproca, uma espécie de jogo e de passa-tempo. Mas, enquanto isso, olhemos os efeitos ao largo. Que mentalidade se forma, especialmente nos jovens e nos adolescentes? Aquela segundo a qual o êxito na vida não depende do esforço, da aplicação no estudo e constância no trabalho, mas de fatores externos, imponderáveis; de conseguir dirigir em proveito próprio certos poderes, próprios ou alheios. Pior ainda: tudo isso induz a pensar que, no bem ou no mal, a responsabilidade não é nossa, mas das «estrelas», como pensava Ferrante, de lembrança manzoniana [em referência ao romance «Os noivos» de Alessandro Manzoni ( ) Ndt] Devo aludir a outro âmbito no qual Jesus não fala e onde, contudo, se lhe faz falar todo o tempo. É o das revelações privadas, mensagens celestiais, aparições e vozes de natureza variada. Não digo que Cristo ou a Virgem não possam falar também através destes meios. Fizeram-no no passado e podem fazer, evidentemente, também hoje. Só que antes de dar por certo que se trata de Jesus ou da Virgem, e não da fantasia enferma de alguém, ou pior, de farsantes que especulam com a boa fé das pessoas, é necessário ter garantias. Necessita-se neste campo esperar o juízo da Igreja, não precedê-lo. São ainda atuais as palavras de Dante: «Sede, cristãos, mais firmes ao mover-vos; / não sejais como pena a qualquer sopro» (Par. V, 73s.) São João da Cruz dizia que desde que, no Tabor, disse-se de Jesus: «Escutai-o!», Deus se fez, em certo sentido, mudo. Disse tudo; não tem coisas novas para revelar. Quem lhe pede novas revelações, ou respostas, ofende-o, como se não se houvesse explicado claramente ainda. Deus segue dizendo a todos a mesma palavra: «Escutai-o!», lede o Evangelho: aí encontrareis nem mais nem menos do que buscais». [Traduzido por Zenit] ZP S. Leão Magno (?-c.461), papa e doutor da Igreja Homilia 51/38, sobre a Transfiguração «Jesus proibiu-os de contar a alguém aquilo que tinham visto, até que o Filho do Homem ressuscitasse» Jesus queria armar os seus apóstolos com uma grande força de alma e uma constância que lhes permitissem pegar sem medo na sua própria cruz, apesar da sua rudeza. Ele queria também que eles não corassem do seu suplício, que não considerassem como uma vergonha a paciência com que devia sofrer a Sua Paixão tão cruel, sem perder em nada a glória do Seu poder. Jesus «pegou então em Pedro, Tiago e João, e subiu com eles para uma alta montanha», e aí manifestou o esplendor da Sua glória. Mesmo que tivessem percebido que a majestade divina estava nele, ignoravam ainda o poder que detinha esse corpo que escondia a divindade... O Senhor descobre pois a Sua glória diante de testemunhas que tinha escolhido, e sobre o Seu corpo, semelhante a todos os outros corpos, irradia um tal esplendor «que o Seu rosto pareceu brilhante como o sol e as Suas vestes brancas como a neve.» Sem dúvida esta transfiguração tinha acima de tudo como finalidade retirar do coração dos Seus discípulos o escândalo da cruz, não perturbar a fé deles com a humildade da Sua paixão voluntária..., mas essa revelação

5 fundava também na Sua Igreja a esperança que devia sustentá-la. Todos os membros da Igreja, o seu corpo, compreenderiam assim que transformação iria operar-se neles um dia, uma vez que está prometido aos membros que participem da honra que resplandeceu na Cabeça. O próprio Senhor tinha dito, falando da majestade da sua segunda vinda: «Então os justos resplandecerão como o Sol no Reino de seu Pai» (Mt 13,43). E o apóstolo Paulo afirma, por seu lado: «Tenho como coisa certa que os sofrimentos do tempo presente não são comparáveis à glória que se deve revelar em nós» (Rom 8, 18)... Ele escreveu também: «Porque estais mortos com Cristo, e a vossa vida está escondida com Ele em Deus. Quando Cristo, que é a vossa vida, aparecer, então manifestar-vos-eis também com Ele, na Sua glória» (Col 3,3-4). Anastácio do Sinai (' - depois de 700), monge Homilia para a Transfiguração O mistério da crucifixão e a beleza do Reino de Deus Esta montanha da Transfiguração é o sítio dos mistérios, o lugar das realidades inefáveis, o rochedo dos segredos escondidos, o alto dos céus. Foram aqui revelados os segredos do Reino futuro: o mistério da crucifixão, a beleza do Reino de Deus, a descida de Cristo aquando da sua segunda vinda na glória. Sobre esta montanha a núvem luminosa cobre o esplendor dos justos; os bens do tempo futuro realizam-se já. A núvem que envolve a montanha prefigura o arrebatamento dos justos aos céus; mostra-nos já hoje o nosso aspecto futuro, a nossa configuração a Cristo... Enquanto caminhava no meio dos discípulos, Jesus tinha falado com eles acerca do seu reino e da sua segunda vinda na glória. Mas, porque talvez eles não tivessem ficados suficientemente certos do que lhes tinha anunciado a propósito do reino, quis que se convencessem totalmente no fundo do seu coração e que os acontecimentos do presente os ajudassem a acreditar nos acontecimentos futuros. Por isso, no Monte Tabor, fez-lhes ver aquela maravilhosa manifestação divina, como uma imagem prefigurativa do Reino dos céus. É como se lhes dissesse: "Para que a demora não provoque a vossa incredulidade, em breve, agora mesmo, 'eu vo-lo digo em verdade: alguns dos que estão aqui' e que me escutam 'não conhecerão a morte sem que tenham visto vir o Filho do homem na glória do seu Pai' (Mt 16,28)". "Seis dias depois, Jesus toma consigo Pedro, Tiago e João e leva-os à parte ao alto de uma montanha. E foi transfigurado diante deles"... João Paulo II Vita Consecrata "Contemplar e seguir o Transfigurado" Jesus chama continuamente a Si novos discípulos, homens e mulheres, para lhes comunicar,

6 mediante a efusão do espírito (cf. Rm 5,5), a ágape divina, o seu modo de amar, estimulandoos assim a servirem os outros, no humilde dom de si próprios, sem cálculos interesseiros. A Pedro que, extasiado no resplendor da Transfiguração, exclama: «Senhor, é bom estarmos aqui» (Mt 17, 4), é dirigido o convite a regressar às estradas do mundo, para continuar a servir o Reino de Deus: «Desce, Pedro! Desejavas repousar no monte. Desce! Prega a palavra de Deus, insiste a todo o momento, oportuna e inoportunamente, repreende, exorta, encoraja com toda a paciência e doutrina. Trabalha, não olhes a canseiras, nem rejeites dores ou suplícios, a fim de que, pela candura e beleza das boas obras, tu possuas na caridade aquilo que está simbolizado nas vestes brancas do Senhor» (Santo Agostinho, Sermão 78, 6). O olhar fixo no rosto do Senhor não diminui no apóstolo o empenho a favor do homem; pelo contrário, reforça-o, dotando-o de uma nova capacidade de influir na história, para a libertar de tudo quanto a deforma. Evangelho segundo S. Marcos 9, cf. par. Mt 17,14-21; Lc 9,37-43 Ia ter com os seus discípulos, quando viu em torno deles uma grande multidão e uns doutores da Lei a discutirem com eles. Assim que viu Jesus, toda a multidão ficou surpreendida e acorreu a saudá-lo. Ele perguntou: «Que estais a discutir uns com os outros?» Alguém de entre a multidão disse-lhe: «Mestre, trouxe-te o meu filho que tem um espírito mudo. Quando se apodera dele, atira-o ao chão, e ele põe-se a espumar, a ranger os dentes e fica rígido. Pedi aos teus discípulos que o expulsassem, mas eles não conseguiram.» Disse Jesus: «Ó geração incrédula, até quando estarei convosco? Até quando vos hei-de suportar? Trazei-mo cá.» E levaram-lho. Ao ver Jesus, logo o espírito sacudiu violentamente o jovem, e este, caindo por terra, começou a estrebuchar, deitando espuma pela boca. Jesus perguntou ao pai: «Há quanto tempo lhe sucede isto?» Respondeu: «Desde a infância; e muitas vezes o tem lançado ao fogo e à água, para o matar. Mas, se podes alguma coisa, socorre-nos, tem compaixão de nós.» «Se podes...! Tudo é possível a quem crê», disse-lhe Jesus. Imediatamente o pai do jovem disse em altos brados: «Eu creio! Ajuda a minha pouca fé!» Vendo, Jesus, que acorria muita gente, ameaçou o espírito maligno, dizendo: «Espírito mudo e surdo, ordeno-te: sai do jovem e não voltes a entrar nele.» Dando um grande grito e sacudindo-o violentamente, saiu. O jovem ficou como morto, a ponto de a maioria dizer que tinha morrido. Mas, tomando-o pela mão, Jesus levantou-o, e ele pôs-se de pé. Quando Jesus entrou em casa, os discípulos perguntaramlhe em particular: «Porque é que nós não pudemos expulsá-lo?» Respondeu: «Esta casta de espíritos só pode ser expulsa à força de oração.» Hermas (séc. II) O Pastor «Eu creio! Ajuda a minha pouca fé!» Expulsa a dúvida da tua alma, nunca hesites em dirigir a Deus a tua oração, dizendo: «Como posso eu rezar, como posso ser escutado, depois de ter ofendido a Deus tantas vezes?» Não raciocines dessa maneira; volta-te de todo o coração para o Senhor, e reza-lhe com total confiança. Conhecerás então a extensão da Sua misericórdia; verás que, longe de te

7 abandonar, Ele cumulará os desejos do teu coração. Porque Deus não é como os homens, que nunca se esquecem do mal; Nele não há ressentimentos, mas uma terna compaixão para com as Suas criaturas. Assim, pois, purifica o teu coração de todas as vaidades do mundo, do mal e do pecado [...], e reza ao Senhor. Tudo obterás [...], se rezares com total confiança. Se, porém, a dúvida tomar o teu coração, as tuas súplicas não serão ouvidas. Aqueles que duvidam de Deus são almas dúplices; nada obtêm daquilo que pedem. [...] Quem duvida, a menos que se converta, dificilmente será ouvido e salvo. Assim, pois, purifica a tua alma da dúvida, reveste-te da fé, porque a fé é poderosa, e crê firmemente que Deus escutará todas as tuas súplicas. E, se Ele tardar um pouco a ouvir a tua oração, não te deixes arrastar pela dúvida por não teres obtido imediatamente aquilo que pedes; esse atraso destina-se a fazer-te crescer na fé. Não cesses, pois, de pedir aquilo que desejas. [...] Não te permitas duvidar, pois a dúvida é perniciosa e insensata, roubando a fé a muitos, incluindo os mais firmes. [...] A fé é forte e poderosa; tudo promete e tudo obtém; a dúvida, que é falta de confiança, tudo mina. Filoxeno de Mabboug (?-cerca 523), bispo na síria Homilia 3,52-56 Eu creio! Ajuda a minha pouca fé Inclina o teu ouvido e escuta, abre os teus olhos e vê os prodígios que são mostrados pela fé. Vem formar olhos novos, criar orelhas escondidas. Foste convidado a escutar coisas escondidas ; foste chamado a ver realidades espirituais Vem ver o que ainda não és, e renova-te entrando na nova criação. A sabedoria estava com o teu Criador desde as suas primeiras obras (Pr 8,22). Mas na segunda criação a fé estava com ele; neste segundo parto tomou a fé por auxiliar. A fé acompanha Deus em todas as coisas, e hoje, ele não faz nada de novo sem ela. Ter-lhe-ia sido fácil fazer-te nascer da água e do Espírito (Jo 3,5) sem ela, e contudo, não te fez nascer neste segundo nascimento antes que tivesses recebido o símbolo da fé, o credo. Ele podia renovarte, e de velho, te fazer novo, e contudo ele não te muda e não te renova antes de ter recebido de ti a fé em caução. É exigida a fé a quem é baptizado, e é então que, da água, ele recebe tesouros. Sem a fé, o baptismo é a água; sem a fé, os mistérios vivificantes são pão e água; sem o olho da fé, o homem antigo aparece unicamente aquilo que é; sem o olho da fé, os mistérios são vulgares e os prodígios do Espírito são vis. A fé olha, contempla e considera secretamente a força que está escondida nas coisas Porque aqui está: tu trazes sobre a mão a parte do mistério que, pela sua natureza, é pão vulgar; a fé olha-o como o corpo do Único O corpo vê o pão, o vinho, o óleo, a água, mas a fé obriga o seu olhar a ver espiritualmente o que não vê corporalmente, quer dizer, a comer o Corpo no lugar do pão, a beber o Sangue no lugar do vinho, a ver o baptismo do Espírito no lugar da água e a força de Cristo no lugar do óleo. Santo Isaac, o Sírio (séc. VII), monge em Nínive, perto de Mossul no actual Iraque Discursos ascéticos (1ª série) "Eu creio! Ajuda a minha pouca fé."

8 A fé é a porta dos mistérios. O que os olhos do corpo são para as coisas sensíveis, é a fé para os olhos escondidos da alma. Tal como temos dois olhos do corpo, também temos dois olhos espirituais da alma, dizem os Padres da Igreja, e cada um deles tem a sua visão própria. Com um deles, vemos os segredos da glória de Deus, escondida nos seres da sua criação, isto é, o seu poder, a sua sabedoria e a sua providência eterna, que nos rodeia e de que nos apercebemos quando reflectimos acerca da grandeza do alto da qual Ele nos conduz. Com esse mesmo olho, contemplamos também as ordens celestes, os anjos, nossos companheiros de serviço (Ap 22,9). Mas com o outro olho contemplamos a glória da santa natureza de Deus, quando Ele quer fazer-nos entrar nos seus mistérios espirituais e quando abre à nossa inteligência o oceano da fé. São Thomas More ( ), estadista inglês, mártir Diálogo do Conforto contra a Tribulação «Creio! Ajuda a minha incredulidade» (Mc 9, 24) «Senhor, aumenta-nos a fé!» (Lc 17, 6). Meditemos nas palavras de Cristo e compreendamos que, se não permitíssemos que a nossa fé amornasse, ou mesmo que esfriasse, que perdesse a força, fazendo devanear os nossos pensamentos por futilidades, deixaríamos de dar importância às coisas deste mundo, juntaríamos a nossa fé num cantinho da alma. Semearíamos então o grão de mostarda no jardim do nosso coração, depois de termos arrancado todas as ervas daninhas, e a semente cresceria. Com firme confiança na palavra de Deus, afastaríamos uma montanha de aflições; mas, se a nossa fé for vacilante, nem um montinho de terra seremos capazes de deslocar. Para terminar esta conversa, dir-vos-ei que, dado que o conforto espiritual pressupõe sempre uma base de fé, fé que só Deus nos pode dar, não devemos cessar nunca de lha pedir. «Membros da Igreja mediante a fé» - cardeal Eusébio Scheid Arcebispo do Rio de Janeiro (Brasil) RIO DE JANEIRO, sexta-feira, 30 de junho de 2005 (ZENIT.org).- Publicamos artigo do cardeal Eusébio Scheid, arcebispo do Rio de Janeiro. O texto compõe a seção Voz do Pastor do site da arquidiocese do Rio e foi enviado a Zenit pela assessoria do arcebispo essa quartafeira. * * * Membros da Igreja mediante a fé

9 No próximo domingo, festejaremos os Apóstolos São Pedro e São Paulo e o Dia do Papa. É uma ocasião oportuna para lembrarmos, com muito carinho, o nosso novo Papa, Bento XVI, anteriormente conhecido como Cardeal Joseph Ratzinger. Muitos talvez ainda não saibam alguns detalhes de sua origem e de sua personalidade, que vamos brevemente descrever, para torná-lo mais conhecido pelo nosso povo. Ele é originário de Munique, cidade da Baviera, no sul da Alemanha, região de impressionantes belezas naturais, cujo povo se caracteriza pela delicadeza no relacionamento, senso artístico e uma fé profunda. Além de manifestar estes traços de sua origem, nosso Papa possui outro elemento marcante de sua personalidade: uma vasta cultura. É um exímio escritor, de estilo simples e profundo, habilidade que desenvolveu principalmente nos tempos de professor catedrático. Posteriormente, tornou-se Arcebispo de Munique e Cardeal, até ser convidado por João Paulo II para o cargo de Prefeito da Congregação para a Doutrina da Fé, justamente em razão de seu profundo conhecimento teológico. Como Papa, há pouco mais de um ano, notamos suas posições firmes e corretas, dando continuidade às marcas teológicas de seu saudoso predecessor, porém preservando a marca de seu estilo pessoal, resumido no lema que escolheu: Nada se anteponha a Cristo. A nossa dedicação à Igreja passa pela devota atenção ao Santo Padre, pois a fé nos leva a reconhecê-lo como o supremo responsável pelo Magistério eclesial, tanto ordinário como extraordinário. O ensinamento extraordinário ocorre em duas oportunidades: nos concílios ecumênicos ou em declaração papal, endereçada a toda a Igreja. Toda definição ou esclarecimento deste tipo, que representa diretriz segura para nossa fé, recebe o qualificativo de ex cathedra. Em se tratando de fé, não podemos deixar de assinalar, no capítulo 11 da Carta aos Hebreus, o Hino da Fé, que faz o elogio dos antepassados, aqueles que viveram e morreram por este ideal. A partir deste texto, destacamos alguns aspectos importantes para que o fiel possa aquilatar e desenvolver a sua fé, com o auxílio da graça de Deus. Nossa oração primordial deve ser aquela que pede o aumento da fé, como nos ensina o pai do menino epilético: Se tu podes [Jesus], ajuda-nos, tem compaixão de nós. Então Jesus lhe disse: Se tu podes!... Tudo é possível àquele que crê! Imediatamente, o pai do menino gritou: Eu creio! Ajuda a minha incredulidade! (Mc 9,22-24). O primeiro ponto de apoio para a fé é a fidelidade de Deus, penhor daquilo que Ele nos propõe. A recíproca da iniciativa divina deve ser a nossa própria fidelidade em corresponder a esta promessa, jamais nos opondo à sua vontade. A fé é uma virtude, e a virtude pode sempre se intensificar, como ato constantemente repetido, a ponto de se tornar espontâneo. É este hábito da fé que pedimos possa crescer em nós. A fé exige de nós a retidão de consciência. Este é um tema difícil, pois a consciência é a instância mais íntima de uma pessoa, reflexo da retidão moral de Deus, da sua perfeição em cada ato e palavra. A reta consciência é o pressuposto para se ter uma fé verdadeiramente amadurecida. Ainda no âmbito da fidelidade, é preciso ter em vista o que Deus nos pede, quando nos fala.

10 Na própria iniciativa de Deus ao se dirigir a nós, já temos um fato extraordinário, pelo que seremos profundamente gratos. Ele falou conosco através de todas as obras criadas, mas nenhuma delas mais altiloqüente do que a pessoa humana. Deus nos fala através do irmão, pela própria maneira de colocá-lo diante de nós, como lemos no relato das origens da humanidade, quando Iahweh reconheceu não ser bom que o homem estivesse só e lhe deu uma companheira da mesma substância e dignidade. Ambos foram chamados a trabalhar em conjunto na obra divina, cultivando o jardim que é todo este mundo, a ser melhorado e preenchido de seres humanos (cf. Gn 2,18-24; 1,28). Assim, surge a família, conforme o modelo instituído por Deus. A fé é um dom, uma virtude infundida no homem, através do Batismo, inserindo-o no próprio Mistério trinitário. Esta iniciativa divina requer uma adesão livre de nossa parte. Comprometer-se com Deus é, portanto, um ato racional. Jamais existiu uma oposição entre fé e razão, alegada pelos materialistas ateus para defender uma suposta independência científica. A verdadeira ciência, sendo verídica, caminhará em consonância com a fé. Isto se demonstra nas profundas crenças religiosas manifestadas, creio, pela maioria dos cientistas. Não julguemos, entretanto, que apenas pela racionalidade possamos aprofundar a fé. Esta não contraria a razão, porém vai muito além dela. A fé também abrange a vontade, em primeiro lugar a vontade divina: O que Deus quer? O que Ele espera de mim? São Paulo nos ensina, no relato de sua conversão: Ora, aconteceu que, estando eu a caminho e aproximando-me de Damasco, de repente, por volta do meio-dia, uma grande luz vinda do céu brilhou ao redor de mim. Caí ao chão e ouvi uma voz que me dizia: Saulo, Saulo, por que me persegues? Respondi: Quem és, Senhor? Ele me disse: Eu sou Jesus, o Nazareu, a quem tu estás perseguindo. Eu prossegui: Que farei, Senhor? E o Senhor me disse: Levanta-te e entra em Damasco: lá te dirão tudo o que te é ordenado fazer (At 22,6-8.10). A pergunta de Paulo deve ser modelo para a nossa: Senhor, o que queres que eu faça? Se cada manhã a repetirmos, Jesus nos vai responder, conforme o exemplo de sua própria vida: Não procuro a minha vontade, mas a vontade daquele que me enviou, porque faço sempre o que lhe agrada (Jo 5,30; 8,29). Vemos, então, que a fé é um compromisso, no qual empenhamos todo nosso potencial racional e volitivo. Se cumprirmos apenas isso, podemos nos considerar pessoas virtuosas, santas até, completamente possuídas pelo senso de Deus. A fé também envolve os sentimentos e emoções que presidem o relacionamento com os outros, dinamizando estas nossas faculdades, de forma a tornar-nos testemunhas vibrantes da atuação de Deus em nós. A fé está seguramente firmada na fidelidade divina, porém não é evidente. Enquanto a evidência força a reconhecer algo, uma vez que é um dado comprovado, a fé não é óbvia. Acolhê-la, ou não, implica o exercício da liberdade de cada um, envolvendo a inteligência, a vontade e o sentimento. Por isso, torna-se o ato humano mais meritório. Por exemplo: nós sabemos que Jesus está presente na Eucaristia - esta é seguramente uma verdade, mas não vemos nem entendemos como isto ocorre. Mediante o milagre da transubstanciação, a Igreja se prostra em adoração silenciosa, penetrando na mística do Mistério que ali se realiza. O como penetra no mistério infinito da bondade de Deus. A fé nos fala de Deus através do mundo criado, ensina como deve ser o nosso agir, revela-nos quem somos. Por ela, nos reconhecemos muito mais preciosos do que imaginávamos. O ser humano é a obra prima de Deus neste mundo, a palavra criada mais sonora, mais linda que

11 Ele pôde pronunciar, refletindo a imagem divina em cada pessoa. Concluo, repetindo a oração daquele pai, diante de Jesus: Senhor, eu creio, mas aumentai a minha fé. Cardeal Eusébio Oscar Scheid Arcebispo do Rio de Janeiro ZP Catecismo da Igreja Católica "Eu creio! Vem em socorro da minha pouca fé" A fé é uma graça: Quando S. Pedro confessa que Jesus é Cristo, o Filho do Deus vivo, Jesus declara que esta revelação não lhe veio "da carne nem do sangue, mas do seu Pai que está nos céus" (Mt 16,17). A fé é um dom de Deus, uma virtude sobrenatural que ele mesmo infunde. "Para guardar esta fé, o homem precisa da graça constante e auxiliadora de Deus, bem como das ajudas interiores do Espírito Santo. Este toca o coração e volta-o para Deus, abre os olhos do espírito e dá a todos o suave presente de consentir e acreditar na verdade" (Vaticano II, DV). A fé é um ato humano: Acreditar só é possível pela graça e pelas ajudas interiores do Espírito Santo. Mas é igualmente verdadeiro que acreditar é um ato autenticamente humano. Não é contrário nem à liberdade nem à inteligência do homem confiar em Deus e aderir às verdades por ele reveladas. Já nas relações humanas, não é contrário à nossa própria dignidade acreditar no que outras pessoas nos dizem sobre si mesmas e sobre as suas intenções e confiar nas suas promessas (como, por exemplo, quando um homem e uma mulher se casam), para entrar assim em comunhão mútua. Dessa forma, é ainda menos contrário à nossa dignidade "apresentar pela fé a plena submissão da nossa inteligência e da nossa vontade ao Deus que se revela" (Vaticano II) e entrar assim em íntima comunhão com ele. Venerável Padre Carlos de Foucauld ( ), eremita e missionário no Sahara Escritos espirituais: Meditações sobre o Evangelho "Eu creio: vem em socorro da minha pouca fé." A virtude que Nosso Senhor recompensa, a virtude que Ele louva, é quase sempre a fé. Por vezes, louva o amor, como no caso de Madalena (Lc 7,47); por vezes a humildade; mas estes exemplos são raros: é quase sempre a fé a que recebe d'ele recompensa e louvores... Porquê?... Sem dúvida porque a fé é a virtude, se não a mais alta (a caridade passa-lhe à

12 frente), pelo menos a mais importante porque é o fundamento de todas as outras, mesmo da caridade, e também porque é a mais rara... Ter verdadeiramente fé, a fé que inspira todas as acções, essa fé no sobrenatural que despoja o mundo das suas máscaras e mostra Deus em todas as coisas; que faz desaparecer todas as impossibilidades; que faz que as palavras inquietação, perigo, temor, deixem de ter sentido; que faz caminhar na vida com uma calma, uma paz, uma alegria profunda, como uma criança pela mão de sua mãe; que estabelece a alma numa distância tão absoluta em relação a todas as coisas sensíveis cuja nulidade e puerilidade passa a ver com clareza; que dá uma tal confiança na oração, a confiança de um filho que pede a seu pai uma coisa justa; essa fé que nos mostra que, "excepto fazer o que é agradável a Deus, tudo é mentira"; essa fé que faz ver tudo a uma outra luz - os homens enquanto imagens de Deus - dai-ma, meu Deus! Meu Deus, eu creio, mas aumentai a minha fé! Meu Deus, fazei que eu creia e que eu ame, eu vo-lo peço em nome de Nosso Senhor Jesus Cristo. Amen! Evangelho segundo S. Marcos 9, cf.par. Mt 17,22-23; 18,1-9; Lc 9,43-50; 17,1-2 Partindo dali, atravessaram a Galileia, e Jesus não queria que ninguém o soubesse, porque ia instruindo os seus discípulos e dizia-lhes: «O Filho do Homem vai ser entregue nas mãos dos homens que o hão-de matar; mas, três dias depois de ser morto, ressuscitará.» Mas eles não entendiam esta linguagem e tinham receio de o interrogar. Chegaram a Cafarnaúm e, quando estavam em casa, Jesus perguntou: «Que discutíeis pelo caminho?» Ficaram em silêncio porque, no caminho, tinham discutido uns com os outros sobre qual deles era o maior. Sentando-se, chamou os Doze e disse-lhes: «Se alguém quiser ser o primeiro, há-de ser o último de todos e o servo de todos.» E, tomando um menino, colocou-o no meio deles, abraçou-o e disse-lhes: «Quem receber um destes meninos em meu nome é a mim que recebe; e quem me receber, não me recebe a mim mas àquele que me enviou.» S. Siluane ( ), monge ortodoxo Escritos espirituais «O que discutíeis vós pelo caminho?» Ó humildade de Jesus Cristo! Dás uma alegria indescritível à alma. Tenho sede de Ti, porque em ti a alma esquece a terra e eleva-se mais ardentemente para Deus. Se o mundo compreendesse o poder das palavras de Cristo: «Aprendam de mim a doçura da humildade» (cf Mat 11,29), deixaria de lado qualquer outra ciência, para adquirir esse conhecimento celeste. Os homens não conhecem a força da humildade de Cristo; e desejam as coisas da terra. Mas o homem não pode chegar ao poder destas palavras do Senhor sem o Espírito Santo. Quem os penetrou nunca mais os abandona, mesmo se todos os tesouros do mundo lhe fossem oferecidos... Aquele que saboreou este amor de Deus infinitamente doce não pode pensar mais nas coisas da terra; sente-se atraído sem cessar por esse amor.

13 Mas nós perdemo-lo pelo nosso orgulho e pela nossa vaidade, pelas nossas inimizades e pelos nossos juizos em relação aos irmãos; abandonamo-lo pelos nossos pensamentos cúpidos e pela nossa propensão para a terra. Então a graça abandona-nos, e a alma perturbada, deprimida, deseja Deus e chama-o, como Adão expulso do Paraíso. A minha alma definha e busco-te em lágrimas! Vê a minha aflição, ilumina as minhas trevas para que a minha alma esteja em alegria! Senhor, dá-me a Tua humildade, para que o Teu amor esteja em mim, e em mim viva o Teu temor. Santo Afraate (? cerca 345), monge e bispo em Ninive, perto de Mossoul no actual Iraque As Exposições, nº 6 Seguir o último de todos e o servo de todos Meu amigo, tomemos a aparência daquele que nos deu a vida. Ele que era rico, empobreceuse a si mesmo. Ele que estava colocado no alto, abaixou a sua grandeza. Ele que habitava as alturas, não teve sítio onde apoiar a cabeça. Ele que devia vir sobre as nuvens, montou um jumento para entrar em Jerusalém. Ele que é Deus e filho de Deus, tomou a aparência de servo. Ele que é o repouso para todos os trabalhos, fatigou-se com o incómodo do caminho. Ele que é a fonte que estanca a sede, teve sede e pediu água para beber. Ele que é a saciedade que satisfaz a nossa fome, teve fome quando jejuou no deserto para ser tentado. Ele que é o velador que nunca dorme, adormeceu e deitou-se no barco no meio do mar. Ele que é servido na tenda de seu Pai, deixou-se servir pelas mãos de homens. Ele que é o médico de todos os homens doentes, teve as suas mãos perfuradas pelos cravos. Ele cuja boca anunciava coisas boas, deram-lhe a beber o fel. Ele que não tinha feito mal a ninguém, foi açoitado e suportou o ultraje. Ele que tinha feito viver os mortos, entregou-se a si mesmo à morte na cruz. Nosso Vivificador, ele próprio, experimentou todos estes abaixamentos; abaixemo-nos nós mesmos, meus amigos. Teofilato (cerca de ), bispo Comentário sobre o evangelho de Marcos "Se alguém quiser ser o primeiro, há-de ser o último de todos e o servo de todos" "Chegaram a Cafarnaum e, já em casa, Jesus perguntou-lhes: "De que faláveis peloo caminho?" Os discípulos, que acalentavam ainda pensamentos muito humanos, tinham discutido uns com os outros para saber qual deles era o maior e o mais estimado por Cristo. O Senhor não lhes contraria o desejo de gozar da sua mais elevada estima. Com efeito, ele quer que desejemos atingir a primeira fila. Contudo, não quer que nos apropriemos do primeiro lugar mas que atinjamos tais alturas pela humildade. De fato, tomou um menino no meio deles e quer que sejamos, também nós, semelhantes a esse menino. Porque a criança não procura a glória, não tem inveja nem rancor. "Não só, diz ele, recebereis grande recompnesa se vos assemelhardes a ele mas, se por minha causa honrardes também os que se lhe assemelham, recebereis em troca o Reino dos Céus. Porque dessa forma é a mim que acolheis e, acolhendo-me, acolheis Aquele que me enviou". Vês então que imenso poder tem a humildade, junta à simplicidade de vida e à sinceridade:

14 tem o poder de fazer habitar em nós o Filho e o Pai e também, com toda a evidência, o Espírito Santo. Santa Teresa do Menino Jesus ( ), carmelita, doutora da Igreja Oração 20 "Se alguém quiser ser o primeiro, que seja o último de todos e o servo de todos" Jesus!... Como é grande a vossa humildade, ó divino Rei da Glória, quando vos submeteis assim aos vossos sacerdotes, sem fazer qualquer distinção entre os que vos amam e os que são, pobres deles!, mornos ou frios no vosso serviço. Quando eles chamam, Vós desceis dos céus; eles podem adiantar ou atrasar a hora do santo sacrifício: Vós estais sempre pronto. Ó meu Bem-Amado, sob o véu da branca hóstia, como me apareceis manso e humilde de coração! (Mt 11,29) Para me ensinar a humildade, não podeis abaixar-vos mais; por isso, para responder ao vosso amor, eu quero ser capaz de desejar que as minhas irmãs me ponham sempre no último lugar e convencer-me de que esse lugar me pertence... Eu sei, ó meu Deus, que Vós derrubais a alma dos orgulhosos, mas aos que se humilham dais uma eternidade de glória; quero assim pôr-me na última fila, partilhar as Vossas humilhações a fim de "tomar parte convosco" (Jo 13,8) no reino dos Céus. Mas, Senhor, conheceis bem a minha fraqueza: cada manhã, tomo a decisão de praticar a humildade e, à noite, reconheço que cometi ainda muitas faltas por orgulho. Perante isto, sinto-me tentada a perder a coragem mas sei que o desencorajamento é também orgulho. Por isso eu quero, ó meu Deus, fundar a minha esperança só em Vós; uma vez que tudo podeis, dignai-vos fazer nascer na minha alma a virtude que eu desejo. Para obter essa graça da vossa infinita misericórdia, repetir-vos-ei muitas vezes: "Ó Jesus, manso e humilde de coração, fazei o meu coração semelhante ao Vosso!" Santo Ireneu de Lyon (cerca de cerca de 208), bispo, teólogo e mártir. Contra as heresias "Quem acolher em meu nome uma criança como esta, é a mim que acolhe" Não teria Deus podido fazer o homem perfeito logo desde o princípio? Tudo é possível a Deus, que desde sempre é idêntico a si mesmo e que não foi criado. Mas os seres criados, porque a existência deles começou depois da de Deus, são necessariamente inferiores àquele que os criou... Porque são criados, não são perfeitos; quando chegam ao mundo, são como crianças e, tal como as crianças, não estão acostumados nem treinados para uma conduta perfeita... Naturalmente que Deus podia dar ao homem a perfeição desde o princípio; mas o homem era incapaz de a receber, porque era apenas uma criança. Foi por isso que Nosso Senhor, nos últimos tempos, quando recapitulou em si todas as coisas (Ef 1,10), veio até nós, não de acordo com o seu poder, mas tal como seríamos capazes de o ver. Na verdade, Ele teria podido vir na sua glória inexprimível, mas não não éramos ainda capazes de aguentar a grandeza da sua glória... O Verbo de Deus, que era perfeito, fez-se criança para com o homem, não por su a causa, mas por causa do estado de infância em que o

15 homem se encontrava. Pregador do Papa: Como ser o primeiro na «nova corrida» inventada por Cristo Comentário do Pe. Raniero Cantalamessa, ofmcap., sobre a liturgia do próximo domingo ROMA, sexta-feira, 22 de setembro de 2006 (ZENIT.org).- Publicamos o comentário do Pe. Raniero Cantalamessa, ofmcap. -- pregador da Casa Pontifícia -- sobre a liturgia do próximo domingo, XXV do tempo comum. * * * Se você quiser ser o primeiro... XXV Domingo do tempo comum (B) Sabedoria 2, ; Tiago 3, 16-4,3; Marcos 9, «Jesus sentou-se, chamou os Doze e lhes disse: Se alguém quiser ser o primeiro, que seja o último de todos e aquele que serve a todos». Será que Jesus condena, com estas palavras, o desejo de sobressair, de fazer grandes coisas na vida, de dar o melhor de si, e privilegia ao contrário a apatia, o espírito de abandono, os negligentes? Assim pensava o filósofo Nietzsche, que se sentiu no dever de combater ferozmente o cristianismo, réu, em sua opinião, de ter introduzido no mundo o «câncer» da humildade e da renúncia. Em sua obra Assim falada Zaratustra ele opõe a este valor evangélico o da «vontade de poder», encarnado pelo super homem, o homem da «grande saúde», que quer levantar-se, não abaixar-se. Pode ser que os cristãos às vezes tenham interpretado mal o pensamento de Jesus e tenham dado ocasião a este mal-entendido. Mas não é certamente isso o que o Evangelho quer nos dizer. «Se alguém quiser ser o primeiro...»: portanto, é possível querer ser o primeiro, não está proibido, não é pecado. Jesus não só não proíbe, com estas palavras, o desejo de querer ser o primeiro, mas o estimula. Só que revela uma via nova e diferente para realizá-lo: não às custas dos outros, mas a favor dos outros. Acrescenta, de fato: «... seja o último de todos e o servidor de todos». Mas quais são os frutos de uma ou outra forma de sobressair? A vontade de poder conduz a uma situação na qual a pessoa se impõe e os outros servem; e a pessoa é «feliz» (se é que pode haver felicidade nisso), enquanto os outros são infelizes; só se sai vencedor, todos os outros, derrotados; e se domina, os outros são dominados. Sabemos com que resultados se levou a cabo o ideal do super homem por Hitler. Mas não se trata só do nazismo; quase todos os males da humanidade provêm desta raiz. Na segunda leitura deste domingo, Tiago se propõe a angustiosa e perene pergunta: «De onde procedem as

16 guerras?». Jesus, no Evangelho, nos dá a resposta: do desejo de predomínio! Predomínio de um povo sobre outro, de uma raça sobre outra, de um partido sobre os outros, de um sexo sobre o outro, de uma religião sobre a outra... No serviço, ao contrário, todos se beneficiam da grandeza das pessoas. Quem é grande no serviço, é grande ele e torna os outros grandes também; mais que elevar-se acima dos outros, eleva os demais consigo. Alessandro Manzoni conclui sua evocação poética das empresas de Napoleão com a pergunta: «Foi verdadeira glória? Na posteridade, a árdua sentença». Esta dúvida, sobre se se tratou de verdadeira glória, não se propõe para a Madre Teresa de Calcutá, Raoul Follereau e todos os que diariamente servem à causa dos pobres e dos feridos das guerras, freqüentemente arriscando sua própria vida. Resta somente uma dúvida. O que pensar do antagonismo no esporte e da competência no comércio? Também estas coisas estão condenadas pela palavra de Cristo? Não; quando estão contidas dentro de limites da concorrência esportiva e comercial, estas coisas são boas, servem para aumentar o nível das prestações físicas e... para baixar os preços no comércio. Indiretamente, servem ao bem comum. O convite de Jesus a ser o último não se aplica, certamente, às corridas ciclistas ou às de Fórmula 1! Mas precisamente o esporte serve para esclarecer o limite desta grandeza com relação à do serviço: «Nas corridas do estádio, todos correm, mas um só recebe o prêmio», diz São Paulo (1 Cor 9, 24). Basta recordar o que ocorre no término de uma final de 100 metros rasos: o vencedor exulta, é rodeado de fotógrafos e levado triunfalmente; todos os outros se afastam tristes e humilhados. «Todos correm, mas um só recebe o prêmio.» São Paulo extrai das competições atléticas, contudo, também um ensinamento positivo: «Os atletas -- diz -- se privam de tudo; e isso por uma coroa corruptível!; Nós, ao contrário [para receber de Deus a], coroa incorruptível [da vida eterna]». Luz verde, portanto, à nova corrida inventada por Cristo, na qual o primeiro é quem se torna último de todos e servo de todos. [Tradução realizada por Zenit] ZP Evangelho segundo S. Marcos 9, Disse-lhe João: «Mestre, vimos alguém expulsar demónios em teu nome, alguém que não nos segue, e quisemos impedi-lo porque não nos segue.» Jesus disse-lhes: «Não o impeçais, porque não há ninguém que faça um milagre em meu nome e vá logo dizer mal de mim. Quem não é contra nós é por nós. Sim, seja quem for que vos der a beber um copo de água por serdes de Cristo, em verdade vos digo que não perderá a sua recompensa.» «E se alguém escandalizar um destes pequeninos que crêem em mim, melhor seria para ele atarem-lhe ao pescoço uma dessas mós que são giradas pelos jumentos, e lançarem-no ao mar. Se a tua mão é para ti ocasião de queda, corta-a; mais vale entrares mutilado na vida, do que, com as duas mãos, ires para a Geena, para o fogo que não se apaga, Se o teu pé é para ti ocasião de queda, corta-o; mais vale entrares coxo na vida, do que, com os dois pés, seres lançado à Geena, E se um dos teus olhos é para ti ocasião de queda, arranca-o; mais vale entrares com um só no Reino de Deus, do que, com os dois olhos, seres lançado à Geena, onde o verme não morre e

17 o fogo não se apaga. Pio XII, papa de 1939 a 1958 Encíclica Mystici Corporis Christi "Quisemos impedi-lo porque não nos segue" Imitemos a vastidão do amor de Cristo, modelo supremo de amor pela Igreja, sua Esposa; contudo, o amor do divino Esposo é tão vasto, que a ninguém exclui, e na sua Esposa abraça a todo o gênero humano; pois que o Salvador derramou o seu sangue na cruz para conciliar com Deus todos os homens de todas as nações e estirpes, e para os reunir num só corpo. Por conseguinte, o verdadeiro amor da Igreja exige não só que sejamos todos no mesmo corpo membros uns dos outros, cheios de mútua solicitude (cf. Rm 12,5;1Cor 12,25), que se alegrem com os que se alegram e sofram com os que sofrem (cf. lcor 12,26), mas que também nos outros homens ainda não incorporados conosco na Igreja, reconheçamos outros tantos irmãos de Jesus Cristo segundo a carne, chamados como nós para a mesma salvação eterna. É verdade que hoje não faltam - é um grande mal - os que vão exaltando a rivalidade, o ódio, o rancor, como coisas que elevam e nobilitam a dignidade e o valor do homem. Nós, porém, que magoados vemos os funestos frutos de tal doutrina, sigamos o nosso Rei pacífico, que nos ensinou a amar os que não são da mesma nação ou mesma estirpe (cf. Lc 10,33-37) até os próprios inimigos (cf. Lc 6,27-35; Mt 5,44-48). Nós, compenetrados dos suavíssimos sentimentos do Apóstolo das gentes, com ele cantemos o comprimento, a largura, a sublimidade, a profundeza da caridade de Cristo (cf. Ef 3,18), que nem a diversidade de nacionalidade, ou de costumes pode quebrar, nem a vastidão imensa do oceano diminuir, nem as guerras, justas ou injustas, arrefecer. Pregador do Papa: o que é mais libertador que a vontade de Deus de que todos se salvem? Comentário do Pe. Raniero Cantalamessa, ofmcap., sobre liturgia do próximo domingo ROMA, sexta-feira, 29 de setembro de 2006 (ZENIT.org).- Publicamos o comentário do Pe. Raniero Cantalamessa, ofmcap. -- pregador da Casa Pontifícia -- sobre a liturgia do próximo domingo, XXVI do tempo comum. * * * Quem não está conosco, está contra nós XXVI Domingo do tempo comum (B) Números 11, 25-29; Tiago 5, 1-6; Marcos 9, Um dos apóstolos, João, viu expulsar demônios em nome de Jesus a um que não era do

18 círculo dos discípulos e o proibiu. Ao contar o incidente ao Mestre, ouve-se que Ele responde: «Não o impeçais... Quem não está contra nós, está a nosso favor». Trata-se de um tema de grande atualidade. O que pensar dos de fora, que fazem algo bom e apresentam as manifestações do Espírito, sem crer ainda em Cristo e aderir-se à Igreja? Também eles podem se salvar? A teologia sempre admitiu a possibilidade, para Deus, de salvar algumas pessoas fora das vias comuns, que são a fé em Cristo, o batismo e a pertença à Igreja. No entanto, esta certeza se afirmou na época moderna, depois de que os descobrimentos geográficos e as aumentadas possibilidades de comunicação entre os povos obrigaram a perceber que havia incontáveis pessoas que, sem culpa sua alguma, jamais haviam ouvido o anúncio do Evangelho, ou o haviam ouvido de maneira imprópria, de conquistadores ou colonizadores sem escrúpulos que tornavam bastante difícil aceitá-lo. O Concílio Vaticano II disse que «o Espírito Santo oferece a todos a possibilidade de que, na forma só por Deus conhecida, se associem a este mistério pascoal» de Cristo e, portanto, se salvem [Constituição Pastoral Gaudium et spes sobre a Igreja e o mundo atual, nº 22, ndt]. Então a nossa fé cristã mudou? Não, com tal de que continuemos crendo em duas coisas: primeiro, que Jesus é, objetivamente e de fato, o Mediador e o Salvador único de todo o gênero humano, e que também quem não o conhece se salva, salva-se graças a Ele e à sua morte redentora. Segundo: que também os que, ainda não pertencendo à Igreja visível, estão objetivamente «orientados» a ela, fazem parte dessa Igreja mais ampla, conhecida só por Deus. Em nossa passagem do Evangelho, Jesus parece exigir duas coisas destas pessoas «de fora»: que não estejam «contra» Ele, ou seja, que não combatam positivamente a fé e seus valores, isto é, que não se ponham voluntariamente contra Deus. Segundo: que, se não são capazes de servir e amar a Deus, sirvam e amem ao menos a sua imagem, que é o homem, especialmente o necessitado. Diz de fato, a prolongação de nossa passagem, falando ainda daqueles de fora: «Todo aquele que vos dê de beber um copo de água pelo fato de que sois de Cristo, assegurovos que não perderá sua recompensa». Mas declarada a doutrina, creio que é necessário retificar também algo mais, e é a atitude interior, a nossa psicologia de crentes. Pode-se entender, mas não compartilhar, a mal escondida contrariedade de certos crentes ao ver cair todo privilégio exclusivo ligado à própria fé em Cristo e à pertença à Igreja: «Então, de que serve ser bons cristãos...?». Deveríamos, ao contrário, alegrar-nos imensamente frente a estas novas aberturas da teologia católica. Saber que nossos irmãos de fora também têm a possibilidade de salvar-se: o que existe que seja mais libertador e que confirma melhor a infinita generosidade de Deus e sua vontade de «que todos os homens se salvem» (1 Tm 2, 4)? Deveríamos apropriar-nos do desejo de Moisés recolhido na primeira leitura deste domingo: «Quero de Deus que dê a todos o seu Espírito!». Devemos, com isso, deixar a cada um tranqüilo em sua convicção e deixar de promover a fé em Cristo, dado que a pessoa pode salvar-se também de outras maneiras? Certamente não. Só deveríamos pôr mais ênfase no positivo que no negativo. O negativo é: «Creia em Jesus, porque quem não crê n Ele estará condenado eternamente»; o motivo positivo é: «Creia em Jesus, porque é maravilhoso crer n Ele, conhecê-lo, tê-lo ao lado como Salvador, na vida e na morte».

19 [Traduzido por Zenit] ZP São João Crisóstomo (c ), bispo de Antioquia, depois de Constantinopla, doutor da Igreja 3ª Homilia sobre a 1ª Carta aos Coríntios Não é daqueles que nos seguem : as divisões fazem vacilar os pequenos Que digais todos o mesmo, e que entre vós não haja divisões (1 Co 1, 10). As diversas partes da Igreja deixam de estar completas quando uma delas sofre e morre. Se todas as Igrejas fossem, por si mesmas, um corpo completo, haveria numerosas assembleias e reuniões; mas ela forma um só corpo e a divisão destrói a sua unidade. [ ] Depois de ter denunciado este mal utilizando essa amarga palavra divisões, o Apóstolo Paulo amacia a sua linguagem ao acrescentar: Sede perfeitos no mesmo espírito e no mesmo parecer. Não se trata apenas de um acordo de palavras, mas de uma união de pensamento e de sentimentos. E, como pode acontecer que as pessoas estejam unidas em determinado ponto, mas divididas noutros, Paulo insiste: Estai unidos de maneira perfeita [ ], sede perfeitos na caridade. Podemos estar unidos em pensamento e divididos nas acções, ter uma mesma fé sem estar ligados por uma mesma caridade. Era o que se passava em Corinto, onde uns se ligavam a um mestre, outros a outro. Paulo não lhes censura as divergências na fé, mas as diferentes maneiras de agir, as rivalidades humanas [ ]: Soube que entre vós há contendas. [ ] Estará Cristo dividido? (1 Co 1, 12-13). Evangelho segundo S. Marcos 9, Sim, seja quem for que vos der a beber um copo de água por serdes de Cristo, em verdade vos digo que não perderá a sua recompensa.» «E se alguém escandalizar um destes pequeninos que crêem em mim, melhor seria para ele atarem-lhe ao pescoço uma dessas mós que são giradas pelos jumentos, e lançarem-no ao mar. Se a tua mão é para ti ocasião de queda, cortaa; mais vale entrares mutilado na vida, do que, com as duas mãos, ires para a Geena, para o fogo que não se apaga, onde o verme não morre e o fogo não se apaga. Se o teu pé é para ti ocasião de queda, corta-o; mais vale entrares coxo na vida, do que, com os dois pés, seres lançado à Geena, onde o verme não morre e o fogo não se apaga. E se um dos teus olhos é para ti ocasião de queda, arranca-o; mais vale entrares com um só no Reino de Deus, do que, com os dois olhos, seres lançado à Geena, onde o verme não morre e o fogo não se apaga. Todos serão salgados com fogo. O sal é coisa boa; mas, se o sal ficar insosso, com que haveis de o temperar? Tende sal em vós mesmos e vivei em paz uns com os outros.»

20 S. João Crisóstomo (cerca ), bispo de Antioquia e de Constantinopla, doutor da Igreja Sermão sobre o diabo tentador Caminhos para entrar na vida eterna Quereis que vos indique os caminhos da conversão? São numerosos, variados e diferentes, mas todos conduzem ao céu. O primeiro caminho da conversão é a condenação das nossas faltas. Aviva a tua memória, entremos em juízo; fala para te justificares! (Is 43,26). E é por isso que o profeta dizia: Eu disse: «confessarei os meus erros ao Senhor» e Vós perdoastes a culpa do meu pecado (Sl 31,5). Condena pois, tu próprio, as faltas que cometeste, e isso será suficiente para que o Senhor te atenda. Com efeito, aquele que condena as suas faltas, tem a vantagem de recear tornar a cair nelas... Há um segundo caminho, não inferior ao referido, que é o de não guardar rancor aos nossos inimigos, de dominar a nossa cólera para perdoar as ofensas dos nossos companheiros, porque é assim que obteremos o perdão das que nós cometemos contra o Mestre; é a segunda maneira de obter a purificação das nossas faltas. Porque, se perdoardes aos homens as suas ofensas, também o vosso Pai celeste vos perdoará a vós (Mt 6,14). S. Tomás de Aquino ( ), teólogo dominicano, doutor da Igreja "Tende sal em vós mesmos" Concede-me, Deus misericordioso, que deseje com ardor o que Tu aprovas, que o procure com prudência, que o reconheça em verdade, que o cumpra na perfeição, para louvor e glória do Teu nome. Põe ordem na minha vida, ó meu Deus, e permite-me que conheça o que Tu queres que eu faça, concede-me que o cumpra como é necessário e como é útil para a minha alma. Concede-me, Senhor meu Deus, que não me perca no meio da prosperidade nem da adversidade; não deixes que a adversidade me deprima, nem que a prosperidade me exalte. Que nada me alegre ou me entristeça para além do que conduz a Ti ou de Ti me afasta.

IV FÓRMULAS DE BÊNÇÃO PARA LAUDES E VÉSPERAS

IV FÓRMULAS DE BÊNÇÃO PARA LAUDES E VÉSPERAS IV FÓRMULAS DE BÊNÇÃO PARA LAUDES E VÉSPERAS I. Nas celebrações do Tempo Advento Deus omnipotente e misericordioso, que vos dá a graça de comemorar na fé a primeira vinda do seu Filho Unigénito e de esperar

Leia mais

Lausperene. Senhor Jesus, Eu creio que estais presente no pão da Eucaristia. Senhor, eu creio em Vós.

Lausperene. Senhor Jesus, Eu creio que estais presente no pão da Eucaristia. Senhor, eu creio em Vós. Lausperene Cântico: Dá-nos um coração Refrão: Dá-nos um coração, grande para amar, Dá-nos um coração, forte para lutar. 1. Homens novos, criadores da história, construtores da nova humanidade; homens novos

Leia mais

DOMINGO VII DA PÁSCOA. Vésperas I

DOMINGO VII DA PÁSCOA. Vésperas I DOMINGO VII DA PÁSCOA (Onde a solenidade da Ascensão não é transferida para este Domingo). Semana III do Saltério Hi n o. Vésperas I Sa l m o d i a Salmos e cântico do Domingo III. Ant. 1 Elevado ao mais

Leia mais

MISSA DE ABERTURA DA CATEQUESE

MISSA DE ABERTURA DA CATEQUESE MISSA DE ABERTURA DA CATEQUESE XXV domingo do tempo comum 23/09/2012 Igreja de Cedofeita ENTRADA Eu vi meu Deus e Senhor, aleluia, aleluia. Cantai ao amor, cantai, aleluia, aleluia. ADMONIÇÃO DE ENTRADA

Leia mais

TEMPO DO NATAL I. ATÉ À SOLENIDADE DA EPIFANIA HINOS. Vésperas

TEMPO DO NATAL I. ATÉ À SOLENIDADE DA EPIFANIA HINOS. Vésperas I. ATÉ À SOLENIDADE DA EPIFANIA No Ofício dominical e ferial, desde as Vésperas I do Natal do Senhor até às Vésperas I da Epifania do Senhor, a não ser que haja hinos próprios: HINOS Vésperas Oh admirável

Leia mais

Cântico: Dá-nos um coração

Cântico: Dá-nos um coração Cântico: Dá-nos um coração Refrão: Dá-nos um coração, grande para amar, Dá-nos um coração, forte para lutar. 1. Homens novos, criadores da história, construtores da nova humanidade; homens novos que vivem

Leia mais

I DOMINGO DA QUARESMA

I DOMINGO DA QUARESMA I DOMINGO DA QUARESMA LITURGIA DA PALAVRA / I Gen 2, 7-9; 3, 1-7 Leitura do Livro do Génesis O Senhor Deus formou o homem do pó da terra, insuflou em suas narinas um sopro de vida, e o homem tornou-se

Leia mais

SE SOUBERMOS PERDOAR Ó CARA IRMÃ CLARA, SE SOUBERMOS PERDOAR

SE SOUBERMOS PERDOAR Ó CARA IRMÃ CLARA, SE SOUBERMOS PERDOAR CANTO 1 - LOUVOR DA CRIAÇÃO D Bm G Em A7 D Bm G Em A7 Aleluia! Aleluia! Aleluia! Aleluia! D F#m G Em A7 1. Javé o nosso Deus é poderoso, seu nome é grande em todas as nações D F#m G Em A7 Na boca das crianças

Leia mais

JESUS É A LUZ DO MUNDO João 8.12 Pr. Vlademir Silveira IBME 24/03/13

JESUS É A LUZ DO MUNDO João 8.12 Pr. Vlademir Silveira IBME 24/03/13 JESUS É A LUZ DO MUNDO João 8.12 Pr. Vlademir Silveira IBME 24/03/13 INTRODUÇÃO O Evangelho de João registra 7 afirmações notáveis de Jesus Cristo. Todas começam com Eu sou. Jesus disse: Eu sou o pão vivo

Leia mais

Curso de Discipulado

Curso de Discipulado cidadevoadora.com INTRODUÇÃO 2 Este curso é formado por duas partes sendo as quatro primeiras baseadas no evangelho de João e as quatro últimas em toda a bíblia, com assuntos específicos e muito relevantes

Leia mais

JESUS CRISTO FOI CONCEBIDO PELO PODER DO ESPÍRITO SANTO, E NASCEU DA VIRGEM MARIA (CONT)

JESUS CRISTO FOI CONCEBIDO PELO PODER DO ESPÍRITO SANTO, E NASCEU DA VIRGEM MARIA (CONT) JESUS CRISTO FOI CONCEBIDO PELO PODER DO ESPÍRITO SANTO, E NASCEU DA VIRGEM MARIA (CONT) 11-02-2012 Catequese com adultos 11-12 Chave de Bronze Em que sentido toda a vida de Cristo é Mistério? Toda a vida

Leia mais

igrejabatistaagape.org.br [1] Deus criou o ser humano para ter comunhão com Ele, mas ao criá-lo concedeu-lhe liberdade de escolha.

igrejabatistaagape.org.br [1] Deus criou o ser humano para ter comunhão com Ele, mas ao criá-lo concedeu-lhe liberdade de escolha. O Plano da Salvação Contribuição de Pr. Oswaldo F Gomes 11 de outubro de 2009 Como o pecado entrou no mundo e atingiu toda a raça humana? [1] Deus criou o ser humano para ter comunhão com Ele, mas ao criá-lo

Leia mais

Glória! Glória! Glória! Glória ao Senhor! Glória pelos séculos sem fim!

Glória! Glória! Glória! Glória ao Senhor! Glória pelos séculos sem fim! Page 1 of 6 GUIÃO DA CELEBRAÇÃO DA 1ª COMUNHÃO 2006 Ambientação Irmãos: Neste Domingo, vamos celebrar e viver a Eucaristia com mais Fé e Amor e também de uma maneira mais festiva, já que é o dia da Primeira

Leia mais

Por isso antes de propriamente entrares na meditação dos textos, proponho um pequeno percurso para te ajudar a fazer silêncio interior

Por isso antes de propriamente entrares na meditação dos textos, proponho um pequeno percurso para te ajudar a fazer silêncio interior Para rezar na Semana Santa Estamos em plena Semana Santa. Ao longo destes dias somos convidados a reflectir no mistério da Paixão-Morte e Ressurreição de Jesus. A tradição popular quis recordar os últimos

Leia mais

"Maria!"! !!!!!!!! Carta!de!Pentecostes!2015! Abade!Geral!OCist!

Maria!! !!!!!!!! Carta!de!Pentecostes!2015! Abade!Geral!OCist! CartadePentecostes2015 AbadeGeralOCist "Maria" Carissimos, vos escrevo repensando na Semana Santa que passei em Jerusalém, na Basílica do Santo Sepulcro, hóspede dos Franciscanos. Colhi esta ocasião para

Leia mais

A Fe Parte 3 Vivenciemos nossa Fé com alegria

A Fe Parte 3 Vivenciemos nossa Fé com alegria Ano Novo 2013 Carta Pastoral do Bispo D. Paulo Otsuka Yoshinao Diocese de Kyoto A Fe Parte 3 Vivenciemos nossa Fé com alegria Fiquem sempre alegres no Senhor! Fl.4,4. O maior presente do cristianismo é

Leia mais

20ª Hora Santa Missionária

20ª Hora Santa Missionária 20ª Hora Santa Missionária Tema: Missão é Servir Lema: Quem quiser ser o primeiro seja servo de todos Preparação do ambiente: cartaz do Mês missionário, Bíblia e fitas nas cores dos continentes, cruz e

Leia mais

CAPÍTULO 2. O Propósito Eterno de Deus

CAPÍTULO 2. O Propósito Eterno de Deus CAPÍTULO 2 O Propósito Eterno de Deus Já falamos em novo nascimento e uma vida com Cristo. Mas, a menos que vejamos o objetivo que Deus tem em vista, nunca entenderemos claramente o porque de tudo isso.

Leia mais

Adoração ao Santíssimo Sacramento. Catequese Paroquial de Nossa Senhora da Lapa. 4 de Março de 2014

Adoração ao Santíssimo Sacramento. Catequese Paroquial de Nossa Senhora da Lapa. 4 de Março de 2014 Adoração ao Santíssimo Sacramento Catequese Paroquial de Nossa Senhora da Lapa 4 de Março de 2014 Leitor: Quando nós, cristãos, confessamos a Trindade de Deus, queremos afirmar que Deus não é um ser solitário,

Leia mais

Sumário. Motivo 1 A fé sem obras é morta - 9. Motivo 2 A Igreja é lugar de amor e serviço - 15. Motivo 3 O mundo tem fome de santidade - 33

Sumário. Motivo 1 A fé sem obras é morta - 9. Motivo 2 A Igreja é lugar de amor e serviço - 15. Motivo 3 O mundo tem fome de santidade - 33 1 a Edição Editora Sumário Motivo 1 A fé sem obras é morta - 9 Motivo 2 A Igreja é lugar de amor e serviço - 15 Motivo 3 O mundo tem fome de santidade - 33 Santos, Hugo Moreira, 1976-7 Motivos para fazer

Leia mais

ASSEMBLEIA DO RENOVAMENTO CARISMÁTICO DA DIOCESE DO PORTO 21 de Abril de 2012

ASSEMBLEIA DO RENOVAMENTO CARISMÁTICO DA DIOCESE DO PORTO 21 de Abril de 2012 ASSEMBLEIA DO RENOVAMENTO CARISMÁTICO DA DIOCESE DO PORTO 21 de Abril de 2012 Mantendo-vos, portanto, firmes, tendo cingido os vossos rins com a verdade, vestindo a couraça da justiça e calçando os pés

Leia mais

Vinho Novo Viver de Verdade

Vinho Novo Viver de Verdade Vinho Novo Viver de Verdade 1 - FILHOS DE DEUS - BR-LR5-11-00023 LUIZ CARLOS CARDOSO QUERO SUBIR AO MONTE DO SENHOR QUERO PERMANECER NO SANTO LUGAR QUERO LEVAR A ARCA DA ADORAÇÃO QUERO HABITAR NA CASA

Leia mais

Pe. Nilton César Boni, cmf

Pe. Nilton César Boni, cmf EDITORA AVE-MARIA Apresentação Após a homilia na Sagrada Liturgia, rezamos solenemente o Credo como profissão de nossa fé. Em primeira pessoa, o fiel diz publicamente Creio referindo-se às verdades do

Leia mais

ORAÇÃO EM FAMÍLIA Quaresma e Tempo Pascal

ORAÇÃO EM FAMÍLIA Quaresma e Tempo Pascal 1 PARÓQUIA DE Nª SRª DA CONCEIÇÃO, MATRIZ DE PORTIMÃO ORAÇÃO EM FAMÍLIA Quaresma e Tempo Pascal (O Ícone da Sagrada Família deve ser colocado na sala, num lugar de relevo e devidamente preparado com uma

Leia mais

Jesus revela-nos que Deus é. Pai. Conselho Inter-paroquial de Catequese Esporões, 24 de Janeiro de 2008

Jesus revela-nos que Deus é. Pai. Conselho Inter-paroquial de Catequese Esporões, 24 de Janeiro de 2008 Jesus revela-nos que Deus é Pai Conselho Inter-paroquial de Catequese Esporões, 24 de Janeiro de 2008 Quem inventou Deus? Desde sempre que os homens acreditaram na existência de forças muito poderosas

Leia mais

Bem - Aventuranças. Conselho Inter-paroquial de Catequese Lamas, 22 de Novembro de 2007

Bem - Aventuranças. Conselho Inter-paroquial de Catequese Lamas, 22 de Novembro de 2007 Bem - Aventuranças Conselho Inter-paroquial de Catequese Lamas, 22 de Novembro de 2007 Eu estou à tua porta a bater, Eu estou à tua porta a bater, Se me abrires a porta entrarei para enviar. Eu preciso

Leia mais

NOVENA A SÃO PEREGRINO: PROTETOR DOS DOENTES DE CÂNCER. Comentarista: Quem foi São Peregrino? São Peregrino, foi um frade da Ordem dos

NOVENA A SÃO PEREGRINO: PROTETOR DOS DOENTES DE CÂNCER. Comentarista: Quem foi São Peregrino? São Peregrino, foi um frade da Ordem dos NOVENA A SÃO PEREGRINO: PROTETOR DOS DOENTES DE CÂNCER Comentarista: Quem foi São Peregrino? São Peregrino, foi um frade da Ordem dos Servos de Maria e ficou conhecido como o protetor contra o câncer.

Leia mais

CATEDRAL DIOCESANA DE CAMPINA GRANDE PARÓQUIA NOSSA SENHORA DA CONCEIÇÃO

CATEDRAL DIOCESANA DE CAMPINA GRANDE PARÓQUIA NOSSA SENHORA DA CONCEIÇÃO CATEDRAL DIOCESANA DE CAMPINA GRANDE PARÓQUIA NOSSA SENHORA DA CONCEIÇÃO SOBRE NÓS FAZEI BRILHAR O ESPLENDOR DE VOSSA FACE! 3 º DOMINGO DA PÁSCOA- ANO B 22 DE ABRIL DE 2012 ANIM: (Saudações espontâneas)

Leia mais

CATEQUESE 1 Estamos reunidos de novo. CATEQUESE 1 Estamos reunidos de novo

CATEQUESE 1 Estamos reunidos de novo. CATEQUESE 1 Estamos reunidos de novo CATEQUESE 1 Estamos reunidos de novo Tens uma tarefa importante para realizar: 1- Dirige-te a alguém da tua confiança. 2- Faz a pergunta: O que admiras mais em Jesus? 3- Regista a resposta nas linhas.

Leia mais

NOVENA COM AS CRIANÇAS NOSSA SENHORA APARECIDA 2015

NOVENA COM AS CRIANÇAS NOSSA SENHORA APARECIDA 2015 1 2 COM MARIA, EM JESUS, CHEGAMOS À GLÓRIA! 5º Dia (Dia 07/10 Quarta-feira) CRIANÇA: BELEZA DA TERNURA DIVINA! Na festa de Maria, unidos neste Santuário, damos graças a Deus, por meio de Maria, pela vida

Leia mais

Chamados Para a Comunhão de Seu Filho (Mensagem entregue pelo irmão Stephen Kaung em Richmound- Virginia-USA no dia 11 de fevereiro de 2007)

Chamados Para a Comunhão de Seu Filho (Mensagem entregue pelo irmão Stephen Kaung em Richmound- Virginia-USA no dia 11 de fevereiro de 2007) Chamados Para a Comunhão de Seu Filho (Mensagem entregue pelo irmão Stephen Kaung em Richmound- Virginia-USA no dia 11 de fevereiro de 2007) Por favor, poderiam abrir em primeira aos Coríntios, a primeira

Leia mais

A Apostolicidade da Fé

A Apostolicidade da Fé EMBARGO ATÉ ÀS 18H30M DO DIA 10 DE MARÇO DE 2013 A Apostolicidade da Fé Catequese do 4º Domingo da Quaresma Sé Patriarcal, 10 de Março de 2013 1. A fé da Igreja recebemo-la dos Apóstolos de Jesus. A eles

Leia mais

A Palavra de Deus. - É na Palavra de Deus que o homem encontra o conhecimento a respeito da Vida, de onde viemos e onde vamos viver a eternidade.

A Palavra de Deus. - É na Palavra de Deus que o homem encontra o conhecimento a respeito da Vida, de onde viemos e onde vamos viver a eternidade. A Palavra de Deus 2 Timóteo 3:16-17 Pois toda a Escritura Sagrada é inspirada por Deus e é útil para ensinar a verdade, condenar o erro, corrigir as faltas e ensinar a maneira certa de viver. 17 E isso

Leia mais

2º Domingo da Quaresma

2º Domingo da Quaresma 2º Domingo da Quaresma Homilia meditada para a Família Salesiana P. J. Rocha Monteiro, sdb Este é o meu filho muito amado: escutai-o Mc 9,7 Mc 9,2-10 1.Introdução As três leituras deste Domingo falam-nos

Leia mais

1ª Carta de João. A Palavra da Vida. Deus é luz. Nós somos pecadores. Cristo, nosso defensor junto a Deus

1ª Carta de João. A Palavra da Vida. Deus é luz. Nós somos pecadores. Cristo, nosso defensor junto a Deus 1ª Carta de João A Palavra da Vida 1 1 O que era desde o princípio, o que ouvimos, o que vimos com os nossos olhos, o que contemplamos e o que as nossas mãos apalparam da Palavra da Vida 2 vida esta que

Leia mais

Quem vem a mim não terá mais fome, e quem crê em mim nunca mais terá sede

Quem vem a mim não terá mais fome, e quem crê em mim nunca mais terá sede 18º DOMINGO DO TEMPO COMUM 02 de agosto de 2015 Quem vem a mim não terá mais fome, e quem crê em mim nunca mais terá sede Leituras: Êxodo 16, 2-4.12-15; Salmo 77 (78), 3.4bc.23-24.25.54; Carta de São Paulo

Leia mais

AS VIRTUDES TEOLOGAIS. A VIRTUDE DA FÉ. Catecismo de São Pio X.

AS VIRTUDES TEOLOGAIS. A VIRTUDE DA FÉ. Catecismo de São Pio X. 1 AS VIRTUDES TEOLOGAIS. A VIRTUDE DA FÉ. Catecismo de São Pio X. Precisamos aprender como devemos agir. Já que Deus nos deu tantas coisas boas, é normal que procuremos viver dentro de Sua Lei, praticando

Leia mais

Solenidade da Assunção de Nª Senhora. Ano B

Solenidade da Assunção de Nª Senhora. Ano B Solenidade da Assunção de Nª Senhora Admonição Inicial Cântico Inicial (Tu és o Sol) Refrão: Tu és o sol de um novo amanhecer! Tu és farol, a vida a renascer Maria! Maria! És poema de amor! És minha Mãe

Leia mais

"A morte e a vida estão no poder da língua; o que bem a utiliza come do seu fruto".

A morte e a vida estão no poder da língua; o que bem a utiliza come do seu fruto. Disciples of Christ Church Ministerio vida com vida Pr Joaquim Costa Junior 1 "A morte e a vida estão no poder da língua; o que bem a utiliza come do seu fruto". Proverbios 18:21 Introdução: Quando falamos

Leia mais

Igreja Batista Renovada de Boituva www.igrejabatista.boituvasp.com.br

Igreja Batista Renovada de Boituva www.igrejabatista.boituvasp.com.br 34 Lição 5 A Quem deve ser batizado? Antes de subir ao céu, o Senhor Jesus Cristo ordenou aos seus discípulos: E disse-lhes: Ide por todo o mundo, pregai o Evangelho a toda a criatura. Quem crê e for batizado

Leia mais

A grande refeição é aquela que fazemos em torno da Mesa da Eucaristia.

A grande refeição é aquela que fazemos em torno da Mesa da Eucaristia. EUCARISTIA GESTO DO AMOR DE DEUS Fazer memória é recordar fatos passados que animam o tempo presente em rumo a um futuro melhor. O povo de Deus sempre procurou recordar os grandes fatos do passado para

Leia mais

NOVENA PRIMEIRO DIA. Glória a ti Deus Pai, tu que chamaste a Rafqa à santa vida monástica e foste para ela Pai e Mãe.

NOVENA PRIMEIRO DIA. Glória a ti Deus Pai, tu que chamaste a Rafqa à santa vida monástica e foste para ela Pai e Mãe. NOVENA O verdadeiro crente deve conscientizar-se da importância da oração em sua vida. O senhor Jesus disse : Rogai sem cessar ; quando fazemos uma novena que é uma de oração, estamos seguindo um ensinamento

Leia mais

OUTRAS ORAÇÕES PAI NOSSO ORAÇÃO A SÃO JERÔNIMO. Pai nosso que estais nos céus. Santificado seja o vosso nome. Venha a nós o vosso reino

OUTRAS ORAÇÕES PAI NOSSO ORAÇÃO A SÃO JERÔNIMO. Pai nosso que estais nos céus. Santificado seja o vosso nome. Venha a nós o vosso reino OUTRAS ORAÇÕES PAI NOSSO Pai nosso que estais nos céus Santificado seja o vosso nome Venha a nós o vosso reino Seja feita a vossa vontade Assim na Terra como no Céu O pão nosso de cada dia nos dai hoje

Leia mais

Bíblia Sagrada N o v o T e s t a m e n t o P r i m e i r a E p í s t o l a d e S ã o J o ã o virtualbooks.com.br 1

Bíblia Sagrada N o v o T e s t a m e n t o P r i m e i r a E p í s t o l a d e S ã o J o ã o virtualbooks.com.br 1 Bíblia Sagrada Novo Testamento Primeira Epístola de São João virtualbooks.com.br 1 Capítulo 1 1 O que era desde o princípio, o que temos ouvido, o que temos visto com os nossos olhos, o que temos contemplado

Leia mais

Português. Sagrada Família de Jesus, Maria e José B. Leitura I Ben-Sirá 3,3-7.14-17a (gr. 2-6.12-14)

Português. Sagrada Família de Jesus, Maria e José B. Leitura I Ben-Sirá 3,3-7.14-17a (gr. 2-6.12-14) Português Sagrada Família de Jesus, Maria e José B Deus apareceu na terra e começou a viver no meio de nós. (cf. Bar 3,38) Leitura I Ben-Sirá 3,3-7.14-17a (gr. 2-6.12-14) Deus quis honrar os pais nos filhos

Leia mais

COLÉGIO AGOSTINIANO SÃO JOSÉ PASTORAL EDUCATIVA São José do Rio Preto MISSA DO DIA DOS PAIS

COLÉGIO AGOSTINIANO SÃO JOSÉ PASTORAL EDUCATIVA São José do Rio Preto MISSA DO DIA DOS PAIS COLÉGIO AGOSTINIANO SÃO JOSÉ PASTORAL EDUCATIVA São José do Rio Preto MISSA DO DIA DOS PAIS RITOS INICIAIS ANIM.: Celebramos hoje a Eucaristia, ação de graças a Deus, nosso Pai, por todos os pais do colégio.

Leia mais

"porque sem mim nada podereis fazer". (João 15:5b)

porque sem mim nada podereis fazer. (João 15:5b) Disciples of Christ Church Ministerio vida com vida Pr Joaquim Costa Junior 1 "porque sem mim nada podereis fazer". (João 15:5b) Introdução: Deus deseja que seu povo viva juntamente com Cristo nos lugares

Leia mais

PARÓQUIA DE SÃO PEDRO DO PRIOR VELHO. Procissão em honra de Nossa Senhora de Fátima

PARÓQUIA DE SÃO PEDRO DO PRIOR VELHO. Procissão em honra de Nossa Senhora de Fátima PARÓQUIA DE SÃO PEDRO DO PRIOR VELHO Procissão em honra de Nossa Senhora de Fátima PRIOR VELHO 12-05-2007 Cântico de Entrada: 1. A treze de Maio, na Cova da Iria, apareceu brilhando a Virgem Maria. Ave,

Leia mais

Plano Pedagógico do Catecismo 6

Plano Pedagógico do Catecismo 6 Plano Pedagógico do Catecismo 6 Cat Objetivos Experiência Humana Palavra Expressão de Fé Compromisso PLANIFICAÇÃO de ATIVIDADES BLOCO I JESUS, O FILHO DE DEUS QUE VEIO AO NOSSO ENCONTRO 1 Ligar a temática

Leia mais

Carta pastoral do Bispo Charles Morerod para a Quaresma de 2012. 4 Domingo de Quaresma, Ano B. 17-18 de Março de 2012. «A Fé»

Carta pastoral do Bispo Charles Morerod para a Quaresma de 2012. 4 Domingo de Quaresma, Ano B. 17-18 de Março de 2012. «A Fé» Carta pastoral do Bispo Charles Morerod para a Quaresma de 2012 4 Domingo de Quaresma, Ano B 17-18 de Março de 2012 «A Fé» Carta pastoral do Bispo Charles Morerod 4 Domingo de Quaresma, Ano B 17-18 de

Leia mais

Oração na Vida Diária

Oração na Vida Diária Oração na Vida Diária Caro jovem,, Que alegria saber que como você muitos jovens estão encontrando um caminho para a oração pessoal e diária. Continue animado com a busca de um relacionamento mais pessoal

Leia mais

O PODER DA ORAÇAO E DA SANTIFICAÇAO

O PODER DA ORAÇAO E DA SANTIFICAÇAO O PODER DA ORAÇAO E DA SANTIFICAÇAO PROGRAMA A HORA MILAGROSA Assim nos ensinou o Santo Irmão Aldo sobre o poder da oração e da santificação: Todo o filho de Deus deve ser dado à oração e à meditação.

Leia mais

Lembrança da Primeira Comunhão

Lembrança da Primeira Comunhão Lembrança da Primeira Comunhão Jesus, dai-nos sempre deste pão Meu nome:... Catequista:... Recebi a Primeira Comunhão em:... de... de... Local:... Pelas mãos do padre... 1 Lembrança da Primeira Comunhão

Leia mais

PREGAÇÃO DO DIA 30 DE NOVEMBRO DE 2013 TEMA : A LUTA PELA FÉ PASSAGEM BASE: FILIPENSES 1:27-30

PREGAÇÃO DO DIA 30 DE NOVEMBRO DE 2013 TEMA : A LUTA PELA FÉ PASSAGEM BASE: FILIPENSES 1:27-30 PREGAÇÃO DO DIA 30 DE NOVEMBRO DE 2013 TEMA : A LUTA PELA FÉ PASSAGEM BASE: FILIPENSES 1:2730 FILIPENSES 1:2730 Somente deveis portarvos dignamente conforme o evangelho de Cristo, para que, quer vá e vos

Leia mais

V DOMINGO DO TEMPO COMUM ANO B

V DOMINGO DO TEMPO COMUM ANO B CUROU MUITAS PESSOAS ATORMENTADAS POR VÁRIAS DOENÇAS V DOMINGO DO TEMPO COMUM ANO B EUCARISTIA 19H DINAMIZAÇÃO DO 8º ANO DE CATEQUESE IGREJA MATRIZ DE VILA DO CONDE Cântico Inicial Já se ouvem nossos passos

Leia mais

FEB EADE - Livro III - Módulo II Roteiro 2 A autoridade de Jesus

FEB EADE - Livro III - Módulo II Roteiro 2 A autoridade de Jesus OBJETIVOS 1) Analisar em que se resume a autoridade do Cristo. 2) Esclarecer como o Espiritismo explica essa autoridade. IDEIAS PRINCIPAIS 1) Sob a autoridade moral do Cristo, somos guiados na busca pela

Leia mais

Princípios de Fé Estudo 1

Princípios de Fé Estudo 1 Estudo 1 1 Tema: A fé e a comunhão Texto Base: o que temos visto e ouvido anunciamos também a vós outros, para que vós, igualmente, mantenhais comunhão conosco. Ora, a nossa comunhão é com o Pai e com

Leia mais

Vício é uma palavra proveniente do latim vitium que significa falha ou defeito; é um mau hábito que causa dependência física ou emocional; é uma fuga

Vício é uma palavra proveniente do latim vitium que significa falha ou defeito; é um mau hábito que causa dependência física ou emocional; é uma fuga Introdução Ouço uma voz que me diz: O homem necessita de alguém que lhe esclareça quem ele é, que o instrua acerca de seus deveres, que o dirija para a virtude, renove seu coração, que o restabeleça em

Leia mais

Dia 23 de Janeiro - Domingo

Dia 23 de Janeiro - Domingo Comunidade de Católicos Brasileiros Diocese de Arlington, Virginia EUA Leituras da missa para o domingo dia 23 de janeiro de 2011 III DOMINGO DO TEMPO COMUM Dia 23 de Janeiro - Domingo Antífona da entrada:

Leia mais

9.9 Jesus Cristo é homem perfeito

9.9 Jesus Cristo é homem perfeito 9.9 Jesus Cristo é homem perfeito Aula 48 Assim como é importante verificarmos na Palavra de Deus e crermos que Jesus Cristo é Deus, também é importante verificarmos e crermos na humanidade de Jesus após

Leia mais

Personal Commitment Guide. Guia de Compromisso Pessoal

Personal Commitment Guide. Guia de Compromisso Pessoal Personal Commitment Guide Guia de Compromisso Pessoal Nome da Igreja ou Evento Nome do Conselheiro Telefone 1. Salvação >Você já atingiu um estágio na vida em que você tem a certeza da vida eterna e que

Leia mais

No entanto, por mais dedicado, íntegro e capacitado que um líder ou pastor seja, jamais chegará, se quer, aos pés do Senhor Jesus.

No entanto, por mais dedicado, íntegro e capacitado que um líder ou pastor seja, jamais chegará, se quer, aos pés do Senhor Jesus. A sociedade, em todas as nações, encontra-se doente. A maioria das pessoas tem a alma enferma. Nesses últimos dias, o que tem acontecido no Sebastião Norões, tem nos mostrado que até as crianças estão

Leia mais

TUDO POR AMOR. Tudo por amor, divinal, infinita graça, salvou a todos nós! Jesus cumpriu o plano de amor, seu sangue, seu sofrer Foi tudo por amor!

TUDO POR AMOR. Tudo por amor, divinal, infinita graça, salvou a todos nós! Jesus cumpriu o plano de amor, seu sangue, seu sofrer Foi tudo por amor! TUDO POR AMOR A dor, o espinho vil, as lágrimas, o seu sofrer, o meu Senhor na cruz está. Não posso suportar! O que o fez se entregar, pagar o preço lá na cruz? Como um cordeiro foi morrer pra vir me resgatar!

Leia mais

1ª ESTAÇÃO: JESUS É CONDENADO À MORTE

1ª ESTAÇÃO: JESUS É CONDENADO À MORTE Romeiros da Matriz de Vila Franc a do Campo VIA SACRA EUCARÍSTICA Quaresma 2014 D: Graças e louvores se dêem a todo o momento! (3x) Todos: Ao Santíssimo e Diviníssimo Sacramento! D: Em nome do Pai, do

Leia mais

Deixando o embaraço, estabelecendo Ebenézer.

Deixando o embaraço, estabelecendo Ebenézer. Disciples of Christ Church Ministerio vida com vida Pr Joaquim Costa Junior 1 Deixando o embaraço, estabelecendo Ebenézer. Hebreus 12:1b deixemos todo embaraço e o pecado que tão de perto nos rodeia e

Leia mais

ADORAÇÃO AO SANTÍSSIMO SACRAMENTO NA ABERTURA DO ANO SACERDOTAL 19 de junho de 2009. Fidelidade de Cristo, fidelidade do Sacerdote

ADORAÇÃO AO SANTÍSSIMO SACRAMENTO NA ABERTURA DO ANO SACERDOTAL 19 de junho de 2009. Fidelidade de Cristo, fidelidade do Sacerdote ARQUIDIOCESE DE FLORIANÓPOLIS ADORAÇÃO AO SANTÍSSIMO SACRAMENTO NA ABERTURA DO ANO SACERDOTAL 19 de junho de 2009 Fidelidade de Cristo, fidelidade do Sacerdote 1 - MOTIVAÇÃO INICIAL: Dir.: Em comunhão

Leia mais

LECTIO DIVINA Domingo V da Páscoa Ano B

LECTIO DIVINA Domingo V da Páscoa Ano B LECTIO DIVINA Domingo V da Páscoa Ano B Autor: Ricardo Grzona e Cristian Buiani, frpo Tradução: Adriano Israel (PASCOM) PRIMEIR LEITURA: Atos dos Apóstolos 9, 26-31 SALMO RESPONSORIAL: Salmo 21 SEGUNDA

Leia mais

HOMILIA: A CARIDADE PASTORAL A SERVIÇO DO POVO DE DEUS (1 Pd 5,1-4; Sl 22; Mc 10, 41-45) Amados irmãos e irmãs na graça do Batismo!

HOMILIA: A CARIDADE PASTORAL A SERVIÇO DO POVO DE DEUS (1 Pd 5,1-4; Sl 22; Mc 10, 41-45) Amados irmãos e irmãs na graça do Batismo! HOMILIA: A CARIDADE PASTORAL A SERVIÇO DO POVO DE DEUS (1 Pd 5,1-4; Sl 22; Mc 10, 41-45) Amados irmãos e irmãs na graça do Batismo! A vida e o ministério do padre é um serviço. Configurado a Jesus, que

Leia mais

Eucaristia V Domingo do Tempo Comum Dinamiza 5º ano

Eucaristia V Domingo do Tempo Comum Dinamiza 5º ano Eucaristia V Domingo do Tempo Comum Dinamiza 5º ano Entrada: Em nome do Pai Refrão: Em nome do Pai, em nome do Filho, em nome do Espírito Santo, estamos aqui (BIS) 1- Para louvar e agradecer, bendizer

Leia mais

IGREJA DE CRISTO INTERNACIONAL DE BRASÍLIA ESCOLA BÍBLICA

IGREJA DE CRISTO INTERNACIONAL DE BRASÍLIA ESCOLA BÍBLICA IGREJA DE CRISTO INTERNACIONAL DE BRASÍLIA ESCOLA BÍBLICA MÓDULO I - O NOVO TESTAMENTO Aula XXII A PRIMEIRA CARTA DE PEDRO E REFLEXÕES SOBRE O SOFRIMENTO Até aqui o Novo Testamento tem dito pouco sobre

Leia mais

MELHORES MOMENTOS. Expressão de Louvor Paulo Cezar

MELHORES MOMENTOS. Expressão de Louvor Paulo Cezar MELHORES MOMENTOS Expressão de Louvor Acordar bem cedo e ver o dia a nascer e o mato, molhado, anunciando o cuidado. Sob o brilho intenso como espelho a reluzir. Desvendando o mais profundo abismo, minha

Leia mais

PERTO DE TI AUTOR: SILAS SOUZA MAGALHÃES. Tu és meu salvador. Minha rocha eterna. Tu és minha justiça, ó Deus. Tu és Jesus, amado da Minh alma.

PERTO DE TI AUTOR: SILAS SOUZA MAGALHÃES. Tu és meu salvador. Minha rocha eterna. Tu és minha justiça, ó Deus. Tu és Jesus, amado da Minh alma. PERTO DE TI Tu és meu salvador. Minha rocha eterna. Tu és minha justiça, ó Deus. Tu és Jesus, amado da Minh alma. Jesus! Perto de ti, sou mais e mais. Obedeço a tua voz. Pois eu sei que tu és Senhor, o

Leia mais

CANTOS - Novena de Natal

CANTOS - Novena de Natal 1 1 - Refrão Meditativo (Ritmo: Toada) D A7 D % G Em A7 % Onde reina o amor, frater---no amor. D A7 D % G A7 D Onde reina o amor, Deus aí está! 2 - Deus Trino (Ritmo: Balada) G % % C Em nome do Pai / Em

Leia mais

DIRECTÓRIO GERAL DA CATEQUESE - SDCIA/ISCRA -2 Oração inicial Cântico - O Espírito do Senhor está sobre mim; Ele me enviou para anunciar aos pobres o Evangelho do Reino! Textos - Mc.16,15; Mt.28,19-20;

Leia mais

EVANGELHO DE JOÃO, Cap. 3. Evangelho de João Cap. 3. 1 Havia, entre os fariseus, um homem chamado Nicodemos, um dos principais dos judeus.

EVANGELHO DE JOÃO, Cap. 3. Evangelho de João Cap. 3. 1 Havia, entre os fariseus, um homem chamado Nicodemos, um dos principais dos judeus. EVANGELHO DE JOÃO, Cap. 3 LEMBRETE IMPORTANTE: As palavras da bíblia, são somente as frases em preto Alguns comentários explicativos são colocados entre os versículos, em vermelho. Mas é apenas com o intuito

Leia mais

Evangelhos. www.paroquiadecascais.org

Evangelhos. www.paroquiadecascais.org Evangelhos 1. Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo segundo São Mateus (Mt 5, 1-12a) ao ver a multidão, Jesus subiu ao monte e sentou-se. Rodearam-n O os discípulos e Ele começou a ensiná-los, dizendo:

Leia mais

O que é o batismo nas águas? Por que o fazemos? Como deve ser ministrado, quando e para quem?

O que é o batismo nas águas? Por que o fazemos? Como deve ser ministrado, quando e para quem? O Batismo nas Águas O que é o batismo nas águas? Por que o fazemos? Como deve ser ministrado, quando e para quem? É UMA ORDENANÇA DE JESUS O batismo é uma ordenança clara de Jesus para todo aquele que

Leia mais

Mateus 4, 1-11. Respondeu-lhe Jesus: «Vai-te, Satanás, pois está escrito: Ao Senhor, teu Deus, adorarás e só a Ele prestarás culto.

Mateus 4, 1-11. Respondeu-lhe Jesus: «Vai-te, Satanás, pois está escrito: Ao Senhor, teu Deus, adorarás e só a Ele prestarás culto. Mateus 4, 1-11 Respondeu-lhe Jesus: «Vai-te, Satanás, pois está escrito: Ao Senhor, teu Deus, adorarás e só a Ele prestarás culto.». Este caminho de 40 dias de jejum, de oração, de solidariedade, vai colocar-te

Leia mais

ANO B. DOMINGO II DA PÁSCOA ou da Divina Misericórdia. (Outras intenções: adultos e crianças baptizados nesta Páscoa...).

ANO B. DOMINGO II DA PÁSCOA ou da Divina Misericórdia. (Outras intenções: adultos e crianças baptizados nesta Páscoa...). 122 ANO B DOMINGO II DA PÁSCOA ou da Divina Misericórdia (Se estiverem presentes adultos que tenham sido baptizados na última Páscoa, as intenções da oração dos fiéis poderão hoje ser propostas por eles).

Leia mais

P á g i n a 1 7 PAROQUIA N. SRA. RAINHA DOS APOSTOLOS CANTOS DA QUARESMA - 2015. Cantos de Entrada: 1) Entrada/Senhor Eis Aqui o Teu Povo

P á g i n a 1 7 PAROQUIA N. SRA. RAINHA DOS APOSTOLOS CANTOS DA QUARESMA - 2015. Cantos de Entrada: 1) Entrada/Senhor Eis Aqui o Teu Povo Cantos de Entrada: 1) Entrada/Senhor Eis Aqui o Teu Povo Refrão: Senhor, eis aqui o teu povo que vem implorar teu perdão; É grande o nosso pecado, porém é maior o teu coração. 1. Sabendo que acolheste

Leia mais

1ª Leitura - Ex 17,3-7

1ª Leitura - Ex 17,3-7 1ª Leitura - Ex 17,3-7 Dá-nos água para beber! Leitura do Livro do Êxodo 17,3-7 Naqueles dias: 3 O povo, sedento de água, murmurava contra Moisés e dizia: 'Por que nos fizeste sair do Egito? Foi para nos

Leia mais

LECTIO DIVINA 26 de julho de 2015 Domingo XVII do Tempo Comum Ano B. O mais bonito que o pão tem é poder ser partido e repartido. D.

LECTIO DIVINA 26 de julho de 2015 Domingo XVII do Tempo Comum Ano B. O mais bonito que o pão tem é poder ser partido e repartido. D. Perguntas para a reflexão pessoal Perante as necessidades com que me deparo, predisponho-me a dar da minha pobreza, a pôr generosamente à disposição o que sou e o que tenho? Acredito no potencial dos outros,

Leia mais

18 Estudos Bíblicos para Evangelismo e Discipulado

18 Estudos Bíblicos para Evangelismo e Discipulado LIÇÃO 1 - EXISTE UM SÓ DEUS 18 Estudos Bíblicos para Evangelismo e Discipulado A Bíblia diz que existe um único Deus. Tiago 2:19, Ef. 4 1- O Deus que Criou Todas as coisas, e que conduz a sua criação e

Leia mais

A Bíblia seja colocada em lugar de destaque, ao lado de uma vela acesa.

A Bíblia seja colocada em lugar de destaque, ao lado de uma vela acesa. Encontro com a Palavra Agosto/2011 Mês de setembro, mês da Bíblia 1 encontro Nosso Deus se revela Leitura Bíblica: Gn. 12, 1-4 A Bíblia seja colocada em lugar de destaque, ao lado de uma vela acesa. Boas

Leia mais

Depois de termos tratado de todos os temas da escatologia cristã, vamos falar sobre o purgatório.

Depois de termos tratado de todos os temas da escatologia cristã, vamos falar sobre o purgatório. A purificação após a morte: o estado purgatório Pe. Henrique Soares da Costa Depois de termos tratado de todos os temas da escatologia cristã, vamos falar sobre o purgatório. Nossos irmãos protestantes

Leia mais

Vivendo a Liturgia Ano A

Vivendo a Liturgia Ano A Vivendo a Liturgia Junho/2011 Vivendo a Liturgia Ano A SOLENIDADE DA ASCENSÃO DO SENHOR (05/06/11) A cor litúrgica continua sendo a branca. Pode-se preparar um mural com uma das frases: Ide a anunciai

Leia mais

Tempo do Natal Sexta-feira depois da Epifania

Tempo do Natal Sexta-feira depois da Epifania Tempo do Natal Sexta-feira depois da Epifania Lectio Primeira leitura: 1 João 5, 5-13 Caríssimos: 5* E quem é que vence o mundo senão aquele que crê que Jesus é Filho de Deus? 6* Este, Jesus Cristo, é

Leia mais

SANTÍSSIMO CORPO E SANGUE DE CRISTO

SANTÍSSIMO CORPO E SANGUE DE CRISTO Quinta-feira depois da Santíssima Trindade ou no Domingo seguinte SANTÍSSIMO CORPO E SANGUE DE CRISTO Solenidade LEITURA I Ex 24, 3-8 «Este é o sangue da aliança que Deus firmou convosco» Leitura do Livro

Leia mais

1º. Pregação: Tema: Desde o pecado de Adão e Eva somos curados por Deus

1º. Pregação: Tema: Desde o pecado de Adão e Eva somos curados por Deus SEMINÁRIO DE VIDA NO ESPÍRITO Tema geral: Cura Interior Autor: Pe. Fernando PREGAÇÃO: Tema: Curados para Amar Senhor se queres podes me curar Mt. 8, 1-4 1º. Pregação: Tema: Desde o pecado de Adão e Eva

Leia mais

LEITURA BÍBLICA A BÍBLIA LER

LEITURA BÍBLICA A BÍBLIA LER LEITURA BÍBLICA A BÍBLIA LER INTRODUÇÃO: Qualquer que seja meu objetivo, ler é a atividade básica do aprendizado. Alguém já disse: Quem sabe ler, pode aprender qualquer coisa. Se quisermos estudar a Bíblia,

Leia mais

Semana Missionária Salesiana II Manda-me, Senhor!

Semana Missionária Salesiana II Manda-me, Senhor! 2ª feira, 23 de fevereiro: Empenho missionário de D. Bosco Bom dia! Hoje iremos aprofundar uma das cenas que será representada na cerimónia de abertura dos jogos nacionais salesianos. Vamos falar sobre

Leia mais

Natal é palavra eletrizante. Natal é palavra de doce harmonia para nosso coração. Quantas belas lembranças evocam à nossa mente!

Natal é palavra eletrizante. Natal é palavra de doce harmonia para nosso coração. Quantas belas lembranças evocam à nossa mente! Círculo de Casais - Dirigentes: Abel e Lourdinha Passos Paróquia são Francisco Xavier Niterói RJ 19/12/03 Comentarista: Chegou o Natal! Natal é palavra eletrizante. Natal é palavra de doce harmonia para

Leia mais

2015 O ANO DE COLHER MAIO - 1 COMO SERÁ A CIDADE?

2015 O ANO DE COLHER MAIO - 1 COMO SERÁ A CIDADE? MAIO - 1 COMO SERÁ A CIDADE? Texto: Apocalipse 21:1-2 Então vi um novo céu e uma nova terra, pois o primeiro céu e a primeira terra tinham passado; e o mar já não existia. Vi a cidade santa, a nova Jerusalém,

Leia mais

Consolidação para o Discipulado - 1

Consolidação para o Discipulado - 1 Consolidação para o Discipulado - 1 Fortalecendo o novo convertido na Palavra de Deus Rev. Edson Cortasio Sardinha Consolidador/a: Vida consolidada: 1ª Lição: O Amor de Deus O amor de Deus está presente

Leia mais

BAPTISMO DAS CRIANÇAS (Sem Missa)

BAPTISMO DAS CRIANÇAS (Sem Missa) BAPTISMO DAS CRIANÇAS (Sem Missa) Cântico de Entrada SAUDAÇÃO E MONIÇÃO INICIAL DIÁLOGO COM OS PAIS E PADRINHOS Que nome escolhestes para o vosso filho? Pais: (dizem o nome do filho). Que pedis à Igreja

Leia mais

SOLENIDADE DO NASCIMENTO DE JESUS CRISTO 25 DE DEZEMBRO DE 2015. Paróquia de S. João Baptista de Vila do Conde Eucaristia dinamizada pelos catequistas

SOLENIDADE DO NASCIMENTO DE JESUS CRISTO 25 DE DEZEMBRO DE 2015. Paróquia de S. João Baptista de Vila do Conde Eucaristia dinamizada pelos catequistas SOLENIDADE DO NASCIMENTO DE JESUS CRISTO 25 DE DEZEMBRO DE 2015 Admonição de entrada [Matilde Carvalho] Entrada: toca o Sino Toca o sino pequenino Sino de Belém Já nasceu o Deus menino Para o nosso bem

Leia mais

Sagrado Coração de Jesus

Sagrado Coração de Jesus Trezena em honra ao Sagrado Coração de Jesus Com reflexões sobre suas doze promessas a Santa Margarida Maria de Alacoque EDITORA AVE-MARIA Introdução Antes de o prezado leitor iniciar esta Trezena em honra

Leia mais

CELEBRAÇÃO DO MATRIMÓNIO

CELEBRAÇÃO DO MATRIMÓNIO CELEBRAÇÃO DO MATRIMÓNIO Assinatura do Registo A assinatura do Registo será colocada na Liturgia, conforme prática local ou critério do Oficiante. Celebração da Santa Ceia No caso de ser pedida a Celebração

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DAS ESCRITURAS Conforme registra, por exemplo, o salmo 19.1-6, é através da Criação

A IMPORTÂNCIA DAS ESCRITURAS Conforme registra, por exemplo, o salmo 19.1-6, é através da Criação 1 LIÇÃO 1 A IMPORTÂNCIA DAS ESCRITURAS Conforme registra, por exemplo, o salmo 19.1-6, é através da Criação que Deus tem Se revelado ao homem. Deus revela-se também através da Palavra Escrita, a Bíblia

Leia mais

Os Sacramentos estão presentes em cada fase da vida do Cristão

Os Sacramentos estão presentes em cada fase da vida do Cristão Os Sacramentos estão presentes em cada fase da vida do Cristão A vida litúrgica começa muito cedo. Os Sacramentos são conhecidos como encontros pessoais com Cristo. Também são vistos como sinais da salvação.

Leia mais