CORPOS E VOZES IMPOSSÍVEIS: SUBJETIVAÇÕES QUE RESISTEM

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CORPOS E VOZES IMPOSSÍVEIS: SUBJETIVAÇÕES QUE RESISTEM"

Transcrição

1 CORPOS E VOZES IMPOSSÍVEIS: SUBJETIVAÇÕES QUE RESISTEM Mário Ferreira Resende 1 Cláudio Leite Leandro 2 Resumo: Esta comunicação pretende promover um diálogo sobre corpo, voz, subjetivação e erotismo. Apresentamos, de um lado, uma discussão teórica e empírica sobre corpos deficientes na qual se discutirá essa experiência enquanto processos de subjetivação que constituem o sujeito em um corpo outro que foge às normatizações e ao assujeitamento ao discurso biomédico, para atender a uma estética da existência. De outro lado colocamos em discussão as vozes de pacientes psiquiátricos, engajados ao tratamento farmacológico imposto e presos à infâmia em que foram destinados. Essas vozes, quando ecoadas num procedimento empírico que as retiram do assujeitamento psiquiátrico, compõem um espaço outro, onde nem o sentido é certo nem o sujeito é visível, fazendo a linguagem ultrapassar sua função de comunicar palavras de ordem para assumirse enquanto fala da resistência. Enquanto experiências com o Fora, loucura e subjetivação podem instituir não a marca indelével que distingue limites seguros, mas cortes que instituem limiares indiscerníveis quando, por devir, por vizinhança, o possível cede lugar ao impossível que há em nós, nos corpos que se dão a ler também como voz, à espreita de um lugar simbólico que os façam existir em subjetivações que resistem ao ocupar imprevisíveis veios de linguagem. Palavras-chave: Subjetivação. Corpo. Voz. Resistência. Vozes do Fora Quando contemplamos uma rocha pintada numa tela de Magritte, flutuando no céu, ao lado de uma nuvem, temos acesso à potência revolucionária do agenciamento desse encontro, o devirrocha-nuvem de tudo que fica parado, suspenso no ar, parindo silêncio. Não podemos trocar a rocha pela nuvem ou vice-versa, mas elas assumem entre si uma relação de tal intensidade que são deslocadas das séries que compõem e sem abolir a distância que as aproxima, tocam-se testemunhando suas existências, simples presença no mundo. Como elemento impossível no céu, a rocha apresenta seu devir-nuvem e assume no seu peso a primeira das necessidades para os que desejam voar; a nuvem, por outro lado, apresenta seu devir-rocha e revela no volume do seu corpo o peso daqueles que carregam a verdade das coisas que duram. A linguagem perde sua eloquência e se assume enquanto potência artística, tornando-se minoritária, revolucionária ao ponto de escutar o murmúrio incessante das coisas e pessoas tornadas invisíveis e caladas. Deslocamentos, reversões, inversões, dança, é o que a tela do pintor produz no nosso olhar. Entrar no Hospital Psiquiátrico São 1 Professor, Instituto Federal Catarinense Campus Videira, Videira, Brasil e pesquisador pelo Grupo Corpo, Arte, Clínica, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, Brasil. 2 Doutorando em Ciências Sociais, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, Brasil. 1

2 Pedro, na periferia de Porto Alegre, é também entrar num universo paradoxal como uma tela de magritte. Lá estão as rochas que compõem as paredes do antigo prédio, inaugurado pela princesa Isabel, no século XIX; lá estão também vidas abolidas, tornadas pedras, interditadas pela infâmia em que foram atiradas. Lá também é preciso subverter os sinais, deslocar os sentidos, reverter os índices, enfim, redistribuir as coordenadas que nos organizam para então alcançar o rumor dessas pedras, o canto que insiste nessas pessoas. E a paradoxal mistura de corpos que se experimenta: como na tela de Magritte ou num universo proposto por Proust, onde as pedras sussurram segredos que são nossos, o Hospital Psiquiátrico inteiro constitui um campo, uma zona indiscernível que nos desloca de muitas categorias que balizam o nosso pensamento. Dentre elas, a aparente oposição entre corpo e linguagem. Sabemos que o corpo encontra-se, desde sempre, submetido ao simbólico e mesmo a sua pretensa unidade orgânica não é de forma alguma uma evidência em si mesma, mas já a articulação significante na construção de tudo aquilo que entendemos como sendo essa unidade. Assim, não falamos do corpo, como se houvesse nele qualquer constante estável, a-histórica, mas falamos ao corpo, dando-lhe formas, visibilidades, reconhecimento e interdições. Sujeitos de linguagem, nomeamos o mundo, o corpo, as formas, o possível. Conforme assinala E. Benveniste (1991), diferente dos insetos, cuja comunicação vai sempre de um visto a um dito; a linguagem humana se estabelece inteira sobre o dito, sobre a própria linguagem enquanto gesto de transmissão sucessiva de algo já comunicado. A linguagem perde então sua dimensão representativa de apenas designar o lugar das coisas no mundo para se tornar ela mesma prática que constitui sujeitos, corpos, lugares. Linguagem e corpo estão tão vinculados que, como mostra Deleuze, temos transformações corpóreas como efeito de gestos de linguagem. Vemos isso no exemplo do avião repleto de passageiros quando subitamente um deles levanta, com a arma na mão, afirmando o sequestro e fazendo dessa enunciação o gesto que conduz a mudança de todos os corpos que estão ali da posição de passageiros para a de reféns. Os pacientes do hospital psiquiátrico também tiveram seus corpos transformados, e não apenas pelo efeito de suportar a alta carga de medicamentos, mas sobretudo pela captura no discurso hegemônico da psiquiatria que os trancafiou no quadro da doença mental. Sabemos, a partir de Michel Foucault (2009), da longa história que inscreve a experiência da loucura nos mais diversos e antagônicos lugares - do visionário ao maldito - até que ela assumisse a sua forma moderna de doença mental, esquadrinhada por um pretenso saber jurídico e psiquiátrico. Jogados na desrazão, os pacientes psicóticos não encontram outro lugar para se constituir sujeitos que não seja apenas para reificar a marca da infâmia em que foram delimitados. 2

3 Submetidos a uma política de dominação ligada a uma maioria que busca constantes, modelos explicativos, e exclui as variáveis, aniquila a singularidade, os pacientes psiquiátricos giram em círculos medicamentosos de contenção e embotamento. As Oficinas de Criatividade realizadas no Hospital aparecem para esses pacientes como verdadeiro agir revolucionário que desenvolve condições de expressão que não são apenas de comandos e interdições. Diversas oficinas são oferecidas, desde pinturas, cerâmicas, teatro, bordado e o ateliê de escrita, onde realizei meu trabalho de pós-doutorado. A expressão artística permite acessar a fala esvaziada da ordem porque deixa de querer representar algo ou alguém para assumir-se enquanto fluxo de intensidade que apenas afirma a grandeza de uma vida, mesmo que trôpega, mesmo que franzina. No Ateliê de Escrita, realizado todas as quintas-feiras, no Hospital, o procedimento consistia na produção textual individual seguida pela imediata leitura e partilha com o grupo, em torno de 6 frequentadores, mais dois doutorandos. Todos escreviam, às vezes a partir de algum tema lançado por alguém, outras a partir de alguma situação recém vivida ou ainda temas livres. Quando estava presente, meu trabalho somava gravar a performance vocal do autor do texto no exato momento em que, em voz alta, ele o partilhava com o grupo. Esse procedimento no qual instala-se a pesquisa busca perseguir aquilo que Deleuze (1997) recupera como essência de qualquer procedimento: a de estender a linguagem ao máximo introduzindo uma tensão brutal que, amparada pela expressão artística, mostra-se sempre afirmativa da diferença e da potência, introduzindo variações na linguagem, fazendo-a recuar de sua forma maior (nesse caso, o discurso psiquiátrico da doença mental), tornando-a menor, rica em potenciais de transformação. Inscrita na fala maior que o organiza, a expressão do psicótico nada fala além daquilo que apenas repete e reifica sua condição patológica. Sua fala recolhe sentido num lugar que a pré-significa, como doença. Em giro artístico, a expressão rompe a cadeia dessa fala maior, levando-a ao limite ao introduzir a variação, a diferença, o rumor de um povo menor que foge à tessitura do agenciamento social. Os procedimentos desfazem as formas, fazendo-as fugir; introduzem elementos saturadores que desfazem os conjuntos, as unidades fazendo da proximidade que afirma a diferença aquilo que orienta a construção das séries, do cenário. Tal como a tela de Magritte onde rocha e nuvem avizinham-se sem constituírem uma síntese, mas ao contrário, estabelecem sua força justamente no tipo de aproximação que estabelecem, fazendo todo o conjunto da tela correr e alegrando as potências da sensação, que vibram em festa, alheias à racionalidade. 3

4 Após as leitura do texto e a partilha com o grupo, o autor ouvia o áudio de sua própria voz para então tomá-la como matéria prima de sua intervenção, substância daquilo que poderia moldar, distender, estender, fazer emudecer. O programa utilizado (Garage Band) permite produzir efeitos nos arquivos de áudio, interferências na voz, interferências de sons, aparecimento de instrumentos musicais. Após ouvir sua própria performance sonora, os donos da voz quase sempre introduziam pequenos ruídos ou algum som de fundo, um instrumento musical de sua preferência, ou de algum colega de grupo, já que essa parte também era feita na coletividade, imediatamente após a performance da leitura do texto recém escrito. Gostaria de assinalar a presença do que Deleuze chama por tensores da linguagem, presentes em todos os procedimentos. Sem coincidir com nenhuma categoria linguística, os tensores se caracterizam pela sua propriedade de desorganizar as formas de expressão e conteúdo, criando zonas de intensidade. Podemos dizer que submeter o psicótico à escuta da sua própria voz, oferecendo-a enquanto massa moldável para o seu exercício criativo constitui o procedimento que leva o discurso psiquiátrico ao limite (ouvir vozes), agenciando a passagem de uma voz que apenas gritava o seu sintoma para outra, que ecoa seu canto, nosso canto. Vejamos agora um exemplo. Trago a voz de Cida que, nesse dia, escreveu sobre a própria voz. Vejam a bela transição daquela que chama a atenção para aquilo que a voz traz de mais simples: o som de vida que carregam quando chamam ao invés de dizer. O Ateliê de Escrita funciona, montado sobre um procedimento, como o lugar da articulação de um discurso menor, que faz ecoar uma loucura impessoal, fora do quadro da doença mental e cujos signos, soberanos, não se submetem à organização da linguagem, mas apontam para a potência da psicose enquanto possibilidade de pensamento humano que se faz diante de uma diferença radical, liberada das categorias que fundamentam o pensamento racional, mostrando também para a sociedade o que ela faz com os psicóticos em sua forma estabelecida, hegemônica e maior. Deficiência Física e Erotismo: dissidências sexuais O que pode um corpo? A pergunta sobre o possível não pretende pressupor uma expressão aritmética do possível, num cálculo em que a soma quer sempre mais: potência, independência, autonomia, controle. Antes, a pergunta sobre o possível coloca a questão do impossível: o imprevisto na experiência do corpo. A reinvenção de si, a estética da existência (Ortega, 1999) como modos de subjetivação que deslocam o sujeito do lugar do normal e do patológico ao 4

5 subverter o idealismo que encerra o ser humano num retrato imóvel e definitivo (Moraes, 2002). Corpo e erotismo são as duas dimensões evocadas para se falar do corpo mutilado, amputado, deformado, paraplégico, com extensões mecânicas, ou seja, o corpo deficiente da biomedicina e o corpo da pessoa com deficiência física, das políticas públicas 3. Convenções, fronteiras e dissidências entre saberes, desejos e práticas sociais (Piscitelli et al., 2004; Díaz-Benítez, 2009) é o que se pretende colocar em jogo, e daí indicar a crise do corpo e o modo como lesões e patologias são transmutadas em corporalidades, novos erotismos e modos de subjetivação (Gregori, 2011, 2012). A inspiração para formulação da pesquisa teve como ponto de partida o campo da Arte, determinantemente a exposição Metacorpos, sob curadoria de Vitória Bousso (2003) 4. É de tal exposição que extraio a categoria metacorpo e a lanço enquanto aposta analítica. Por metacorpo não refiro a modificações deliberadas pelos indivíduos, como a body modification (cf. Braz, 2006), mas à constituição de uma subjetividade que toma o corpo deficiente como plataforma de significação, conferindo positividade ao produzir, ou não, reparações, modificações ou adequações sem, no entanto, situá-lo no registro do normal. Nesse sentido, o prefixo meta teria o objetivo de trazer o caráter construído da subjetividade e seria válido na medida em que permite obter do sujeito os sentidos de um corpo que, apesar do caráter socialmente desviante, é um corpo desejante e desejável. A noção teria sua produtividade no fato de permitir lançar a análise para um campo do bem-estar que vai muito além de categorias estereotipadas que formulam padrões hegemônicos de saúde, doença, beleza, feiúra, sensualidade, erotismo. Em um quadro amplo, tal pesquisa compreende como central a relação entre corpo e direitos sexuais. Assim, o contexto empírico é formado por quatro eixos etnográficos: o primeiro aborda a experiência do erotismo em sujeitos com deficiência física" 5, procurando entender como se constituem corporalidades e erotismos; o segundo é o campo biomédico, cujas formulações são predominantes na determinação do que se entende por deficiência e do que se deve fazer ou não em relação a ela; um terceiro eixo é formado por instituições que compõem o chamado Terceiro 3 Nesse momento primário da pesquisa os sujeitos da pesquisa são aqueles que possuem lesões corporais causadas principalmente por doenças e acidentes que debilitam funções motoras como o andar, ou as que causem mutilações, amputações ou deformações corporais que operam como signos de diferença corporal, ou seja, que produzam estigmas a partir da imagem corporal. 4 Metacorpos é também um conceito explorado por Vitória Bousso em sua tese de doutorado em Comunicação e Semiótica pela PUC-SP, sob o título Metacorpos: a trajetória da subjetividade ao longo de um século (Bousso, 2006). 5 O uso do termo deficiência física nesse momento primário da pesquisa é utilizado para classificar lesões corporais causadas principalmente por doenças e acidentes que debilitam funções motoras como o andar, causem mutilações, amputações ou deformações corporais que operam como signos de diferença corporal, ou seja, que produzam estigmas a partir da imagem corporal. 5

6 Setor : organizações não governamentais (ONG s), organizações da sociedade civil de interesse público (OSCIP s), centros de reabilitação e convivência; o quarto e último eixo de pesquisa é o campo jurídico, abordado especificamente a partir de análise documental. Para a presente discussão, destaca-se a relação entre corpo, erotismo e arte, tendo como interlocutor um dançarino, artista plástico e arteterapeuta 6, cuja relação de pesquisa se dá a partir da internet, mais exatamente a partir de um blog intitulado O Corpo Perturbador. Edu O., autor do blog, possui escoliose, doença congênita que atrofia o tecido da pele das pernas e causa uma distorção na coluna vertebral, impedindo, por exemplo, a prática do andar. O artista produz arte cênica de um corpo com escoliose em performances que enunciam o corpo enquanto plataforma de criação ao uni-lo a objetos que passam a integrar uma corporalidade performática, erótica e, nas palavras do artista, perturbadora. A possibilidade que esse campo apresenta se dá no caráter de inventividade que a dança produz ao colocar o sujeito em produção de uma corporalidade que desloca a escoliose da patologia para a arte enquanto reinvenção de si. A reinvenção no sentido de Michel Foucault, enquanto ascese da verdade, ou seja, verdade, não como verdade da essência ou da origem que o sujeito deve descobrir em si, mas como trabalho sobre si, verdade como produção e ethos. (Ortega, 1999: 104). Escoliose, arte e erotismo são, nesse contexto, não apenas representação performática, mas corporalidade produzida pela experiência da dança, na qual a enfermidade é experiência de doença transmutada em uma experiência outra de relação com a matéria corporal, ou seja, o corpo em estatuto de agência, pois constitui subjetividade pelo embodiment, assim como sugere Thomas Csordas (2008). Entender a escoliose não como patologia, mas como plataforma de criação de uma corporalidade reinventada e que tensiona padrões hegemônicos que definem o corpo enquanto saudável, belo, sensual, normal, perfeito, e a própria noção de corpo enquanto totalidade. O quanto a experiência do erotismo a partir da dança é capaz de resignificar a experiência da sexualidade? Esse cenário destaca aquilo que Maria Filomena Gregori chama de novos erotismos (Gregori, 2011), apontando o contexto urbano contemporâneo como lugar onde a fruição sexual ganha maior peso, mobilizando aspectos de legitimidade e visibilidade a práticas sexuais socialmente marginais. Nesse contexto estão os estudos sobre erotismo e pornografia, que possibilitam pensar o quanto imagens sexuais remetem tanto a uma ampliação das demandas 6 Tal blog foi encontrado por meio do buscador Google, com os termos deficiência e sexualidade. A identificação de dançarino, artista plástico e arteterapeuta foram extraídas do blog. Disponível em: < Acesso em 31/05/13. 6

7 relativas à expressão do desejo sexual (Gregori, 2011, 2012), quanto a limites impostos socialmente, especialmente em razão de moralidades que, assim como destaca Foucault (2007: 13), relegam ao silêncio e à separação social aqueles que passam pela nosografia médica sendo classificados enquanto monstros, os quais a razão deve curar. Razão esta que se utilizada dos mecanismos da instituição para silenciar os corpos anormais: silêncio de razão e silêncio de sexo, como no caso dos deficientes físicos, cuja sexualidade é silenciada, por exemplo, ao ser deslocada para o registro da infância, lugar supostamente imune aos ditames do desejo sexual, assim como critica Tom Shakespeare (1998). O autor elenca os prejuízos que os deficientes teriam em razão de sua condição corporal, formuladas a partir de representações estereotipadas: assexuados ; sexualmente incompetentes ; que não podem ovular, menstruar, conceber, nem dar a luz, ter orgasmos, ereções, ejaculações nem fecundar ; se não estão casados é porque ninguém os quer e não porque seja uma decisão pessoal permanecer solteiros e viver sozinhos ; se não têm filhos é em razão de alguma lástima ; se alguém não deficiente se casa com um deficiente é sempre por um motivo suspeito e nunca por amor ; se o companheiro também é deficiente, se uniram justamente pela circunstância da deficiência e não pelas qualidades que possam ter. No campo do erotismo e da pornografia a internet é certamente um dos meios de comunicação contemporâneos mais utilizados para se veicular materiais ligados ao erotismo e à sexualidade, fator que distende uma imensa segmentação de produtos e serviços ligados à indústria do sexo, como a pornografia (Parreiras, 2012). É nesse espaço que se percebe também uma positivação da relação entre erotismo e deficiência, por meio da utilização de mecanismos tecnológicos que buscam a socialização de pessoas que são ou querem se relacionar afetiva ou sexualmente com deficientes 7. No caso em questão, trata-se da presença de deficientes físicos nas práticas do BDSM enquanto expressão erótica que se utiliza da plataforma corporal lesionada enquanto sujeito de prazer 8. 7 É o caso, por exemplo, de redes de sites de relacionamento como a Deficiente Sim. Disponível na rede social Facebook: <www.facebook.com/deficientesim> e em um website: < E também o blog Cantinho dos Cadeirantes. Disponível em: < cantinhodoscadeirantes.blogspot.com.br/>. Todos acessados em 03/07/13. Uma classificação observada em buscas realizadas no buscador Google apontou para uma classificação que tipifica três sujeitos distintos nesse contexto: 1) devotees : pessoas que tem interesse afetivo e sexual por pessoas com deficiência; 2) Pretenders : pessoas que disfarçam alguma deficiência física para seduzir outras sexualmente; 3) Wannabes : pessoas que querem se tornar deficientes físicas. Não há consenso sobre a definição de cada uma dessas categorias. Para uma abordagem sobre estas categorias classificatórias, ver Bruno (1997) e Stevens (2011). 8 Observado no blog Gladius Maximus diário de um dominador. O artigo que trata especificamente da deficiência física chama-se Deficientes Físicos no BDSM. Disponível em: < E ainda no blog Vozes e Domínios, no artigo de nome Dicionário BDSM ----> W. Disponível em: < 7

8 Nos Estados Unidos se verifica a produção de um tipo de pornografia associada à deficiência, a chamada amputee porn 9. Nesse quadro empírico, a pornografia é um importante elemento, pois coloca em relevo tensões, ressignificações e fissuras das normatividades de gênero e de sexualidade, conforme aponta Gregori (2012: 58) a partir de Simone de Beauvoir. Seguindo Gregori, podemos interpretar a amputee porn como um desdobramento dos direitos sexuais, mas num campo do privado, do subjetivo que subverte na prática sexual dissidente ao produzir efeitos sobre um universo político que tenta traduzir marcas em direitos (Idem). Tais marcas são perceptíveis principalmente através das imagens corporais da deficiência física, imagens que traduzem o caráter socialmente monstruoso da pele deformada, do membro amputado, do corpo incompleto, naquilo que Michel Foucault denomina como o monstro humano (2001a), o caráter de horror associado às imagens sexuais bizarras (Leite Junior, 2006), ou ainda às complexas relações que modulam a pornografia (Díaz-Benítez, 2010) 10. O campo empírico apresentado se dispôs a tematizar, por fim, a livre expressão sexual dos sujeitos deficientes, com deficiência, descapacitados, e o modo como convenções são postuladas por médicos, fisioterapeutas, terapeutas ocupacionais, nutricionistas, assistentes sociais, militantes, operadores do direito, gestores governamentais, numa perspectiva que segue a de Piscitelli, Gregori e Carrara (2004). De outra forma, são campos que tensionam os limites da sexualidade, apontam as fronteiras entre saberes e criam novas demandas eróticas traduzidas na busca por direitos sexuais (Gregori, 2004; Díaz-Benítez e Fígari, 2009), como é o caso expresso pelas práticas do BDSM com deficientes físicos, a existência de uma amputte porn, da articulação política em prol do serviço de assistência sexual, ou ainda o cuidado de si expresso na dança que concebe o corpo com escoliose não como lesionado, mas como desejante e desejável. Loucura e Deficiência: resistência das margens Ambos acessados em 02/07/13. Conforme Francisco Ortega (1999: 147) a prática do sadomaquismo permite dessexualizar o prazer, ou seja, retirar do centro do prazer o sexo genital, criando novas formas possibilidades de obter prazer. Trata-se da tentativa de criar novos centros de prazer fazendo uso de objetos estranhos, em partes raras do corpo e em situações irregulares. Sobre corpo, erotismo e objetos ver Gregori (2011). 9 No buscador Google é possível ter uma idéia das imagens predominantemente heterossexuais denominada com a categoria amputee porn. Disponível em: <www.google.com.br/search?q=amputee+porn&safe=off&hl=pt- BR&source=lnms&tbm=isch&sa=X&ei=ssuoUZTmNou49gTnx4CgCQ&ved=0CAcQ_AUoAQ&biw=1280&bih=671 >. Além de imagens, a busca resulta também em uma séria de vídeos. Disponível em: < BR&source=lnms&tbm=vid&sa=X&ei=8cuoUZTuEZTS9gSI1ICgDA&ved=0CAoQ_AUoBA&bav=on.2,or.r_qf.&fp= 38db0e4186a891cb&biw=1280&bih=671>. Ambos acessados em 03/07/ Maria Filomena Gregori (2012: 59) menciona o aspecto crítico dos estudos contemporâneos sobre novas formas de sexualidade, que pretendem entender as convenções eróticas e o que elas dizem sobre diferença e transgressão. 8

9 O Hospital Psiquiátrico São Pedro nos remete às experiências de linguagem que tornam esses sujeitos deslocados do lugar da loucura patologizada e trancafiada em um "manicômio". Em suma, se consegue dar um estatuto para esses sujeitos, alavancados que são por vozes relegadas à margem. A arte aí se revela como um estado de fala que se enuncia pelo vazio e que se distancia, como por um abismo, da noção vulgar de arte como o "incompreendido", o "belo", o "exótico". Ou seja, não é arte porque estes "loucos" conseguem escrever algo que se verifica enquanto verdade diante de saberes psiquiátricos, mas produção de si e resistência ao fazer brotar das margens a negação da ordem e da norma. E resiste não porque aposta numa "política" orquestrada de antemão, ou mesmo por aquilo que os retiraria da posição de sujeito da loucura, de loucos; resiste porque se impõe, no campo da linguagem, pelo imprevisível, criando veios impossíveis de linguagem. Nesse sentido, a inclusão, essa aposta que sustenta as políticas públicas contemporâneas, tanto no campo da loucura quanto no da deficiência, corresponde à instituição de um corpo e uma voz imersos em ideais universalistas, amplamente embebidos de iluminismo, modernidade e bemestar social, os quais apresentam limites no que se refere ao que há de resistência na arte. Numa concepção distinta, pela subjetivação vem justamente o movimento de trazer do minoritário um som, uma voz, um corpo e assim desestabilizar o discurso que, ao patologizar, trancafia e sobrepõe a doença à experiência da verdade enquanto produção e ethos, como em Foucault (Ortega, 1999). Nesse caso, a voz que testemunha de si e o corpo que dança não "incluem" aritmeticamente sujeito algum, ou seja, a questão não é se a inclusão é um elemento que traz o sujeito para o lugar civilizado e de cidadania. Não traz porque não se trata de um corpo da biopolítica, que se deve perseguir, mas um corpo impossível porque não produzido a partir de reificações fadadas à captura pelo disciplinar e normatizado. Corpo e voz reconduzidos ao estatuto de fazer propagar um pensamento do Fora, arrancando da linguagem uma língua menor, com seus elementos minoritários, variações, potências desconhecidas, impensadas, indizíveis. Trata-se disso que a arte, os signos tornados artísticos, incluem: o minoritário, o resistente, o criativo, a fuga que desfaz as formas do estabelecido, subtraindo a representação e simultaneamente conduzindo a linguagem para regiões de intensidade e as subjetividades para zonas impessoais. Vozes e corpos elevados ao estatuto de operar a resistência frente a projetos políticos já modulados e encarcerados - precisam incessantemente dar respostas dentro de um quadro circunscrito de poder no qual a idéia de autonomia do sujeito é traduzida em uma concepção de corpo enquanto totalidade, distante do corpo sem órgãos de Deleuze e Guatari (1996), cuja fragmentação é ponto de produção de saídas para novas possibilidades de prazer. 9

10 Referências BENVENISTE, Emilio. Da subjetividade na linguagem. Em: Problemas de Linguítica Geral I. 3 ed. São Paulo: Pontes, BOUSSO, Vitória Daniela. Metacorpos: a trajetória da subjetividade longo de um século. Tese de doutoramento Pontifícia Universidade Católica. Comunicação e Semiótica. São Paulo, BOUSSO, Vitória Daniela. Metacorpos. In: Exposição Metacorpos (impresso). Paço das Artes, São Paulo, BRAZ, Camilo Albuquerque de. Além da pele: um olhar antropológico sobre a body modification em São Paulo. Dissertação (mestrado) - Universidade Estadual de Campinas, Instituto de Filosofia e Ciências Humanas, CSORDAS, Thomas. A corporeidade como um Paradigma para a antropologia. In: Corpo, significado, cura. Porto Alegre: Ed. UFRGS , DELEUZE, Gilles; GUATTARI, Félix. Mil Platôs: capitalismo e esquizofrenia. Vol. 3. São Paulo: Editora 34, DELEUZE, Gilles. Crítica e Clínica. São Paulo: Editora 34, DÍAZ-BENÍTEZ, María Elvira. Os bastidores do pornô brasileiro. Rio de Janeiro: Zahar, DÍAZ-BENÍTEZ, Maria Elvira; FÍGARI, Carlos Eduardo (Orgs.). Prazeres dissidentes. Rio de Janeiro: Garamond, FOUCAULT, Michel. Os Anormais: curso no Collège de France. São Paulo: Martins Fontes, 2001a. FOUCAULT, Michel. A ordem do discurso. São Paulo: Loyola, FOUCAULT, Michel. História da Loucura. São Paulo: Perspectiva, GREGORI, Maria Filomena. Erotismo, mercado e gênero. Uma etnografia dos sex shops de São Paulo.Cadernos Pagu, Campinas, v. 38, 2012, p GREGORI, Maria Filomena. Usos de Sex Toys: a circulação erótica entre objetos e pessoas. Mana, Rio de Janeir, v. 17, 2011, p LEITE JÚNIOR, Jorge. Das maravilhas e prodígios sexuais. São Paulo: Annablume, MORAES, Eliane Robert. O corpo impossível. São Paulo: Iluminuras, ORTEGA, Francisco. Amizade e Estética da Existência em Foucault. Rio de Janeiro: Graal, PARREIRAS, Carolina. Altporn, corpos, categorias e cliques: notas etnográficas sobre pornografia online. Cadernos Pagu, (38), janeiro-junho, p , PISCITELLI, Adriana; GREGORI, Maria Filomena; CARRARA, Sérgio (Orgs.) Sexualidade e saberes: convenções e fronteiras. Rio de Janeiro: Garamond,

11 SHAKESPEARE, Tom. Poder y prejuicio: los temas de gênero, sexualidad y discapacidad. In: BARTON, Len (org.). Discapacidad, y Sociedad. Madrid: Ediciones Morata; La Corunã: Fundación Paideia, Impossible Bodies and voices: resisting subjectivations Astract: This communication intends to promote a dialogue about body, voice, subjectivity and eroticism. Here, on one side, a theoretical and empirical discussion of disableds bodies in which they discuss this experience as subjective processes that constitute the subject in a body other fleeing to standardizations and subjection to the biomedical discourse, to meet an aesthetics of existence. On the other hand we put in discussion the voices of psychiatric patients, committed to drug treatment and tax arrested infamy in which they were intended. These voices echoed when an empirical procedure that derive from psychiatric subjection, others compose a space where meaning is neither right nor the subject is visible, making the language exceeds its function of communicating slogans to take up while speaking of resistance. While experimenting with the Outside, madness and subjectivity can not establish the indelible mark that distinguishes safe limits, but cuts indiscernible when establishing thresholds for becoming, by neighborhood, gives way to the impossible possible that is within us, the bodies that occur also like to read voice on the prowl for a symbolic place that do exist in subjectivation that resist occupy unpredictable shafts language. Keywords: Subjectivity. Body. Voice. Resistance. 11

O REAL DA LÍNGUA O REAL DA HISTÓRIA considerações a partir do texto La Lengua de Nunca Acabar. Pêcheux e Gadet (1987)

O REAL DA LÍNGUA O REAL DA HISTÓRIA considerações a partir do texto La Lengua de Nunca Acabar. Pêcheux e Gadet (1987) O REAL DA LÍNGUA O REAL DA HISTÓRIA considerações a partir do texto La Lengua de Nunca Acabar. Pêcheux e Gadet (1987) Blanca de Souza Viera MORALES (UFRGS) Para Pêcheux e Gadet a lingüística não pode reduzir-se

Leia mais

ALGUMAS CONSIDERAÇÕES ACERCA DO DISCURSO SIMBOLISTA NO BRASIL

ALGUMAS CONSIDERAÇÕES ACERCA DO DISCURSO SIMBOLISTA NO BRASIL ALGUMAS CONSIDERAÇÕES ACERCA DO DISCURSO SIMBOLISTA NO BRASIL Élcio Aloisio Fragoso 1 INTRODUÇÃO Neste texto, faremos algumas considerações acerca do discurso simbolista no Brasil, relativamente à história

Leia mais

CORPO E SEXUALIDADE MASCULINA EM DEVIR. Palavras-chave: corpo masculino, sexualidade masculina, Filosofia da Diferença.

CORPO E SEXUALIDADE MASCULINA EM DEVIR. Palavras-chave: corpo masculino, sexualidade masculina, Filosofia da Diferença. CORPO E SEXUALIDADE MASCULINA EM DEVIR Marcelo Valente de Souza (UFPA) RESUMO: O tema da sexualidade masculina toma foco neste estudo por entendermos que ela pouco aparece na literatura. O texto aborda,

Leia mais

(Re)buscando Pêcheux: algumas reflexões in-certas 1

(Re)buscando Pêcheux: algumas reflexões in-certas 1 (Re)buscando Pêcheux: algumas reflexões in-certas 1 Beatriz Maria ECKERT-HOFF 2 Doutoranda em Lingüística Aplicada/UNICAMP Este texto se insere no painel 04, intitulado Mises au point et perspectives à

Leia mais

O ENSINO DE FILOSOFIA NA ESCOLA BÁSICA: UMA LEITURA FOUCAULTIANA Liliana Souza de Oliveira - UFSM

O ENSINO DE FILOSOFIA NA ESCOLA BÁSICA: UMA LEITURA FOUCAULTIANA Liliana Souza de Oliveira - UFSM O ENSINO DE FILOSOFIA NA ESCOLA BÁSICA: UMA LEITURA FOUCAULTIANA Liliana Souza de Oliveira - UFSM Introdução O artigo 36 da Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional (Lei n. 9.394/96) determina que

Leia mais

Bordas e dobras da imagem teatral Angela Materno Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro

Bordas e dobras da imagem teatral Angela Materno Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro Bordas e dobras da imagem teatral Angela Materno Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro RESUMO: A autora problematiza a questão da imagem teatral, vista além do pictórico que se inscreve no tempo

Leia mais

RESISTÊNCIA E DESAFIO: TRAÇOS DO PENSAMENTO DE PÊCHEUX NO BRASIL

RESISTÊNCIA E DESAFIO: TRAÇOS DO PENSAMENTO DE PÊCHEUX NO BRASIL RESISTÊNCIA E DESAFIO: TRAÇOS DO PENSAMENTO DE PÊCHEUX NO BRASIL Luiz Francisco DIAS Universidade Federal de Minas Gerais Passados 20 anos da morte de Michel Pêcheux, os estudos em torno das suas idéias

Leia mais

FORMAÇÃO IDEOLÓGICA: O CONCEITO BASILAR E O AVANÇO DA TEORIA

FORMAÇÃO IDEOLÓGICA: O CONCEITO BASILAR E O AVANÇO DA TEORIA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL IV SEAD - SEMINÁRIO DE ESTUDOS EM ANÁLISE DO DISCURSO 1969-2009: Memória e história na/da Análise do Discurso Porto Alegre, de 10 a 13 de novembro de 2009 FORMAÇÃO

Leia mais

Feminilidade e Violência

Feminilidade e Violência Feminilidade e Violência Emilse Terezinha Naves O tema sobre a violência e a feminilidade apresenta-se, nas mais diversas áreas do conhecimento, como um tema de grande interesse, quando encontramos uma

Leia mais

2 Público não é político. É o espaço coletivo, do cidadão.

2 Público não é político. É o espaço coletivo, do cidadão. A MÚSICA NA SOCIALIZAÇÃO DAS MENINAS DE SINHÁ GIL, Thais Nogueira UFMG thaisgil@terra.com.br GT: Movimentos Sociais e Educação / n.03 Agência Financiadora: CAPES O que acontece quando os sujeitos excluídos

Leia mais

ESCOLA E SONHO E VAN GOGH E VIDA... OU, POR QUE AINDA VALE A PENA SONHAR COM A EDUCAÇÃO?

ESCOLA E SONHO E VAN GOGH E VIDA... OU, POR QUE AINDA VALE A PENA SONHAR COM A EDUCAÇÃO? ESCOLA E SONHO E VAN GOGH E VIDA... OU, POR QUE AINDA VALE A PENA SONHAR COM A EDUCAÇÃO? Carlos Eduardo Ferraço Marco Antonio Oliva Gomes DIALOGANDO COM UM SONHO DE KUROSAWA Escolhemos o sonho Corvos de

Leia mais

A FORMA EDUCANDO COMO EXPERIÊNCIA DE SI: UM ESTUDO DA SUBJETIVIDADE SOB A PERSPECTIVA DE MICHEL FOUCAULT

A FORMA EDUCANDO COMO EXPERIÊNCIA DE SI: UM ESTUDO DA SUBJETIVIDADE SOB A PERSPECTIVA DE MICHEL FOUCAULT 1 A FORMA EDUCANDO COMO EXPERIÊNCIA DE SI: UM ESTUDO DA SUBJETIVIDADE SOB A PERSPECTIVA DE MICHEL FOUCAULT RAMOS, Douglas Rossi 1 ; CARDOSO JR, Hélio Rebello; ROCHA, Luiz Carlos da (Universidade Estadual

Leia mais

A LINGUAGEM MUSICAL DO MUSICOTERAPEUTA

A LINGUAGEM MUSICAL DO MUSICOTERAPEUTA A LINGUAGEM MUSICAL DO MUSICOTERAPEUTA Rita Bomfati. UNESPAR- FAP ritabomfati1@gmail.com Resumo: A importância da formação musical do musicoterapeuta (conhecimento de ritmos e instrumentos, história da

Leia mais

CIDADANIA LEGAL: DESAFIO E ENFRENTAMENTO DA FORMAÇÃO DE LIDERANÇA SOCIAL NA CIDADE DE LAGES, SC.

CIDADANIA LEGAL: DESAFIO E ENFRENTAMENTO DA FORMAÇÃO DE LIDERANÇA SOCIAL NA CIDADE DE LAGES, SC. CIDADANIA LEGAL: DESAFIO E ENFRENTAMENTO DA FORMAÇÃO DE LIDERANÇA SOCIAL NA CIDADE DE LAGES, SC. Neusa Maria Zangelini - Universidade do Planalto Catarinense Agência Financiadora: Prefeitura de Lages/SC

Leia mais

Como a educação integral vem sendo pensada nas escolas? Como ela está sendo feita? Por que é tão difícil consolidá-la no contexto da prática escolar?

Como a educação integral vem sendo pensada nas escolas? Como ela está sendo feita? Por que é tão difícil consolidá-la no contexto da prática escolar? ORGANIZAÇÃO CURRICULAR E AS DIFERENÇAS NA ESCOLA NA PERSPECTIVA DA EDUCAÇÃO INTEGRAL Rosângela Machado Secretaria Municipal de Educação de Florianópolis A palestra intitulada Organização Curricular e as

Leia mais

Diálogos entre Gestalt-terapia e dança: corpo, expressão e sentido

Diálogos entre Gestalt-terapia e dança: corpo, expressão e sentido Diálogos entre Gestalt-terapia e dança: corpo, expressão e sentido Carla do Eirado Silva carlaeirado@gmail.com 11º período Instituto de Psicologia Cintia Siqueira de Oliveira cintia_imjc@hotmail.com 10º

Leia mais

UM OLHAR SOBRE A IDENTIDADE SURDA

UM OLHAR SOBRE A IDENTIDADE SURDA UM OLHAR SOBRE A IDENTIDADE SURDA Márcia do Socorro E. da Silva 1 INTRODUÇÃO Há uma luta pela prevalência sobre os poderes e os saberes que operam nas sociedades e o palco desta luta é o meio social como

Leia mais

Resumos. Seminário de Pesquisa do Programa de Pós-Graduação em Teoria Psicanalítica

Resumos. Seminário de Pesquisa do Programa de Pós-Graduação em Teoria Psicanalítica Seminário de Pesquisa do Programa de Pós-Graduação em Teoria Psicanalítica Inovação em psicanálise: rumos e perspectivas na contemporaneidade Quarta-feira 10/6 10h30-12h Mesa-redonda Saúde mental e psicanálise

Leia mais

AS RELAÇÕES ENTRE O BRINCAR E A MÚSICA NA EDUCAÇÃO INFANTIL A PARTIR DE UMA NOVA CONCEPÇÃO DE SUJEITO

AS RELAÇÕES ENTRE O BRINCAR E A MÚSICA NA EDUCAÇÃO INFANTIL A PARTIR DE UMA NOVA CONCEPÇÃO DE SUJEITO AS RELAÇÕES ENTRE O BRINCAR E A MÚSICA NA EDUCAÇÃO INFANTIL A PARTIR DE UMA NOVA CONCEPÇÃO DE SUJEITO Igor Guterres Faria¹ RESUMO: Este estudo é parte integrante do projeto de pesquisa de iniciação científica

Leia mais

Lembro de uma cena em especial, no Hospital Psiquiátrico Cyro Martins, que muito

Lembro de uma cena em especial, no Hospital Psiquiátrico Cyro Martins, que muito UM TÊNUE LIMIAR... 1 Graciella Leus Tomé Lembro de uma cena em especial, no Hospital Psiquiátrico Cyro Martins, que muito me chocou. Foi a internação de uma jovem senhora, mãe, casada, profissão estável,

Leia mais

Opção Lacaniana online nova série Ano 3 Número 8 julho 2012 ISSN 2177-2673. Há um(a) só. Analícea Calmon

Opção Lacaniana online nova série Ano 3 Número 8 julho 2012 ISSN 2177-2673. Há um(a) só. Analícea Calmon Opção Lacaniana online nova série Ano 3 Número 8 julho 2012 ISSN 2177-2673 Analícea Calmon Seguindo os passos da construção teórico-clínica de Freud e de Lacan, vamos nos deparar com alguns momentos de

Leia mais

A experiência de criação de uma máscara-educação

A experiência de criação de uma máscara-educação 1 A experiência de criação de uma máscara-educação Eduardo Silveira 1 Resumo: O presente texto é parte de uma intervenção artística realizada em setembro de 2011 no IFSC (Campus Florianópolis) por um grupo

Leia mais

Uma Perspectiva Sócio-Histórica do Processo de Alfabetização com Conscientização do Contexto Sociocultural

Uma Perspectiva Sócio-Histórica do Processo de Alfabetização com Conscientização do Contexto Sociocultural Uma Perspectiva Sócio-Histórica do Processo de Alfabetização com Conscientização do Contexto Sociocultural Camila Turati Pessoa (Universidade Federal de Uberlândia) camilatpessoa@gmail.com Ruben de Oliveira

Leia mais

PROGRAMA DE ENSINO ÁREA EDUCAÇÃO. Área: CONCENTRAÇÃO ( ) Curso: MESTRADO ( X) DOUTORADO ( X) DOMÍNIO CONEXO ( )

PROGRAMA DE ENSINO ÁREA EDUCAÇÃO. Área: CONCENTRAÇÃO ( ) Curso: MESTRADO ( X) DOUTORADO ( X) DOMÍNIO CONEXO ( ) PROGRAMA DE ENSINO Disciplina Educação, Poder e Subjetividade: uma Leitura Filosófica Semestre Código Ano Letivo ÁREA EDUCAÇÃO Área: CONCENTRAÇÃO ( ) Curso: MESTRADO ( X) DOUTORADO ( X) DOMÍNIO CONEXO

Leia mais

O exterior da inclusão e a inclusão do exterior

O exterior da inclusão e a inclusão do exterior O exterior da inclusão e a inclusão do exterior www.voxinstituto.com.br O tema do V Simpósio Derdic- "Mecanismos de exclusão, estratégias de inclusão" permitiu que a problemática da inclusão social do

Leia mais

"Crise ou tentativa de cura? - desafios para uma clínica do sujeito numa enfermaria psiquiátrica". 1

Crise ou tentativa de cura? - desafios para uma clínica do sujeito numa enfermaria psiquiátrica. 1 V Congresso de Psicopatologia Fundamental "Crise ou tentativa de cura? - desafios para uma clínica do sujeito numa enfermaria psiquiátrica". 1 Autora: Lorenna Figueiredo de Souza. Resumo: O trabalho apresenta

Leia mais

OS TERRITÓRIOS SAGRADOS DOS CANTOS NEGROS: UMA PROPOSTA DE MUSEU A CÉU ABERTO

OS TERRITÓRIOS SAGRADOS DOS CANTOS NEGROS: UMA PROPOSTA DE MUSEU A CÉU ABERTO CONGRESSO INTERNACIONAL INTERDISCIPLINAR EM SOCIAIS E HUMANIDADES Niterói RJ: ANINTER-SH/ PPGSD-UFF, 03 a 06 de Setembro de 2012, ISSN 2316-266X OS TERRITÓRIOS SAGRADOS DOS CANTOS NEGROS: UMA PROPOSTA

Leia mais

RELAÇÕES DE GÊNERO NO TRABALHO DOMÉSTICO

RELAÇÕES DE GÊNERO NO TRABALHO DOMÉSTICO RELAÇÕES DE GÊNERO NO TRABALHO DOMÉSTICO Conceição Garcia Martins 1 Nanci Stancki da Luz 2 Marília Gomes de Carvalho 3 1 Introdução Na tradicional divisão sexual do trabalho, às mulheres sempre coube a

Leia mais

Abril, 2009. Clínica de Projetos

Abril, 2009. Clínica de Projetos Abril, 2009 Clínica de Projetos Apresentação O Programa Clínica de Projetos Dispositivos da Clínica Ampliada: - Tramando a Rede - Site - Interlocuções - Eventos Clínica de Projetos Clínica de Projetos

Leia mais

ARGUMENTAÇÃO, TEXTUALIDADE E DESIGNAÇÃO NA SEMÂNTICA DO ACONTECIMENTO: OS SENTIDOS NOS DIFERENTES MODOS DE ESCRAVIDÃO

ARGUMENTAÇÃO, TEXTUALIDADE E DESIGNAÇÃO NA SEMÂNTICA DO ACONTECIMENTO: OS SENTIDOS NOS DIFERENTES MODOS DE ESCRAVIDÃO ARGUMENTAÇÃO, TEXTUALIDADE E DESIGNAÇÃO NA SEMÂNTICA DO ACONTECIMENTO: OS SENTIDOS NOS DIFERENTES MODOS DE ESCRAVIDÃO Soeli Maria Schreiber da SILVA (UFSCar) xoila@terra.com.br Na pesquisa atual desenvolvida

Leia mais

2. OBJETIVO E CONCEPÇÃO DA PROVA

2. OBJETIVO E CONCEPÇÃO DA PROVA Aptidão Dança 1. INTRODUÇÃO O Curso de Graduação em Dança da Unicamp tem como objetivo formar o intérprete e criador em Dança, profissional capaz de contribuir como agente transformador da realidade, responsável

Leia mais

A LINGUAGEM ESCRITA COMO UMA DAS MÚLTIPLAS

A LINGUAGEM ESCRITA COMO UMA DAS MÚLTIPLAS A LINGUAGEM ESCRITA COMO UMA DAS MÚLTIPLAS LINGUAGENS DA CRIANÇA Professor(a), no tema anterior, A criança de seis anos no ensino fundamental, falamos sobre quem são e como são essas crianças que ingressam

Leia mais

Filosofia, Arte e Ciência : modos de pensar o acontecimento e o virtual segundo Gilles Deleuze

Filosofia, Arte e Ciência : modos de pensar o acontecimento e o virtual segundo Gilles Deleuze Filosofia, Arte e Ciência : modos de pensar o acontecimento e o virtual segundo Gilles Deleuze Catarina Pombo Nabais No seu último livro, intitulado O que é a Filosofia?, Deleuze e Guattari desenham uma

Leia mais

CURRÍCULO NA EDUCAÇÃO INFANTIL

CURRÍCULO NA EDUCAÇÃO INFANTIL CURRÍCULO NA EDUCAÇÃO INFANTIL Claudia Maria da Cruz Consultora Educacional FEVEREIRO/2015 CURRÍCULO NA EDUCAÇÃO INFANTIL A ênfase na operacionalização escrita dos documentos curriculares municipais é

Leia mais

REDES PÚBLICAS DE ENSINO

REDES PÚBLICAS DE ENSINO REDES PÚBLICAS DE ENSINO Na atualidade, a expressão redes públicas de ensino é polêmica, pois o termo público, que as qualifica, teve suas fronteiras diluídas. Por sua vez, o termo redes remete à apreensão

Leia mais

LÍNGUA ESTRANGEIRA E ESCRITA NORMALIZADA: SUJEITO NA/PELA LÍNGUA DO OUTRO

LÍNGUA ESTRANGEIRA E ESCRITA NORMALIZADA: SUJEITO NA/PELA LÍNGUA DO OUTRO LÍNGUA ESTRANGEIRA E ESCRITA NORMALIZADA: SUJEITO NA/PELA LÍNGUA DO OUTRO Deusa Maria de SOUZA-PINHEIRO-PASSOS deusa@usp.br Universidade de São Paulo (USP) Tomando a atividade de escrita como uma das maneiras

Leia mais

Reestruturação Produtiva em Saúde

Reestruturação Produtiva em Saúde Trabalho em Saúde O trabalho Toda atividade humana é um ato produtivo, modifica alguma coisa e produz algo novo. Os homens e mulheres, durante toda a sua história, através dos tempos, estiveram ligados,

Leia mais

ENSINO FUNDAMENTAL DE NOVE ANOS: que lugar é este?

ENSINO FUNDAMENTAL DE NOVE ANOS: que lugar é este? Universidade do Sul de Santa Catarina UNISUL maria.schlickmann@unisul.br Palavras iniciais... As reflexões que apresento neste texto são um recorte de estudo que venho realizando na minha tese de doutorado.

Leia mais

O Solista (The Soloist), O Alienista e outras divagações sobre as representações de loucura e normalidade APRESENTAÇÃO E PROBLEMÁTICA DESENVOLVIDA

O Solista (The Soloist), O Alienista e outras divagações sobre as representações de loucura e normalidade APRESENTAÇÃO E PROBLEMÁTICA DESENVOLVIDA O Solista (The Soloist), O Alienista e outras divagações sobre as representações de loucura e normalidade Fernanda Gabriela Soares dos Santos 1 Eu posso até parecer careta De perto ninguém é normal...

Leia mais

Walter Benjamin - Questões de Vestibulares

Walter Benjamin - Questões de Vestibulares Walter Benjamin - Questões de Vestibulares 1. (Uem 2011) A Escola de Frankfurt tem sua origem no Instituto de Pesquisa Social, fundado em 1923. Entre os pensadores expoentes da Escola de Frankfurt, destaca-se

Leia mais

MOURA, Marisa Decat de (ORG). Psicanálise e hospital: a criança e sua dor. Revinter: Rio de Janeiro, 1999.

MOURA, Marisa Decat de (ORG). Psicanálise e hospital: a criança e sua dor. Revinter: Rio de Janeiro, 1999. MOURA, Marisa Decat de (ORG). Psicanálise e hospital: a criança e sua dor. Revinter: Rio de Janeiro, 1999. Prefácio Só as crianças têm segredos, Dos quais mais tarde já nem lembram! A dor talvez é um deles.

Leia mais

Na superfície da pele: modificações corporais e subjetividade contemporânea 1. Resumo

Na superfície da pele: modificações corporais e subjetividade contemporânea 1. Resumo Na superfície da pele: modificações corporais e subjetividade contemporânea 1 Elisa Vieira 2 Resumo Trata-se de investigar os processos contemporâneos de subjetivação através de uma reflexão sobre as modificações

Leia mais

1 Noções Gerais sobre o Poder em Michel Foucault

1 Noções Gerais sobre o Poder em Michel Foucault 1 Noções Gerais sobre o Poder em Michel Foucault É como se, enfim, algo de novo surgisse depois de Marx. É como se uma cumplicidade em torno do Estado fosse rompida. Foucault não se contenta em dizer que

Leia mais

CURSO DE PEDAGOGIA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS 2015.1 BRUSQUE (SC) 2015 1 EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA

CURSO DE PEDAGOGIA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS 2015.1 BRUSQUE (SC) 2015 1 EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA 1 CURSO EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS 2015.1 BRUSQUE (SC) 2015 2 SUMÁRIO 1ª FASE... 4 01 INVESTIGAÇÃO DA PRÁTICA DOCENTE I... 4 02 LEITURA E PRODUÇÃO DE TEXTO... 4 03 PROFISSIONALIDADE DOCENTE... 4 04 RESPONSABILIDADE

Leia mais

A ESCOLHA DAS LÍNGUAS OFICIAIS DO MERCOSUL: HEGEMONIA E SILENCIAMENTO 1

A ESCOLHA DAS LÍNGUAS OFICIAIS DO MERCOSUL: HEGEMONIA E SILENCIAMENTO 1 A ESCOLHA DAS LÍNGUAS OFICIAIS DO MERCOSUL: HEGEMONIA E SILENCIAMENTO 1 Daiana Marques Sobrosa 2 1. Introdução Em 26 de março de 1991, Brasil, Argentina, Uruguai e Paraguai assinaram o Tratado de Assunção

Leia mais

O PROCESSO TERAPÊUTICO EM UM CAPSad: A VISÃO DOS TRABALHADORES

O PROCESSO TERAPÊUTICO EM UM CAPSad: A VISÃO DOS TRABALHADORES 122 O PROCESSO TERAPÊUTICO EM UM CAPSad: A VISÃO DOS TRABALHADORES Carlise Cadore Carmem Lúcia Colomé Beck Universidade Federal de Santa Maria Resumo Os movimentos da Reforma Sanitária e da Reforma Psiquiátrica

Leia mais

Daniel no mundo do silêncio

Daniel no mundo do silêncio Guia para pais Daniel no mundo do silêncio Walcyr Carrasco série todos juntos ilustrações de Cris Eich Daniel perde a audição nos primeiros anos de vida, e sua família dá todo o apoio para ele se comunicar

Leia mais

8 Andréa M.C. Guerra

8 Andréa M.C. Guerra Introdução A loucura sempre suscitou curiosidade, temor, atração. Desde a época em que os loucos eram confinados em embarcações errantes, conforme retratado na famosa tela Nau dos loucos, de Hieronymus

Leia mais

Attached File: Proposta de Curso para Pós.doc

Attached File: Proposta de Curso para Pós.doc nome: Adilson José Gonçalves enviado_por: professor proposta: Ampliar as discuss~eos sobre o redesenho, apontando para a excelencia, agilidade, flexibilidade e aprofundamento da democratização da instituição.

Leia mais

Edital Nº. 04/2009-DIGPE 10 de maio de 2009

Edital Nº. 04/2009-DIGPE 10 de maio de 2009 Caderno de Provas EDUCAÇÃO FÍSICA Edital Nº. 04/2009-DIGPE 10 de maio de 2009 INSTRUÇÕES GERAIS PARA A REALIZAÇÃO DA PROVA Use apenas caneta esferográfica azul ou preta. Escreva o seu nome completo e o

Leia mais

Introdução: Este é um estudo sobre atividades culturais praticadas por

Introdução: Este é um estudo sobre atividades culturais praticadas por SOCIABILIDADE DOS IDOSOS: FATOR DE PROMOÇÃO DA SAÚDE Autores: Natália Aparecida de Meira Franco Beltrina Côrte Instituição: Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC-SP) Introdução: Este é um

Leia mais

O discurso sobre a profissão docente: construindo sentidos. Luciana Aleva Cressoni. PPGPE/UFSCar

O discurso sobre a profissão docente: construindo sentidos. Luciana Aleva Cressoni. PPGPE/UFSCar O discurso sobre a profissão docente: construindo sentidos Luciana Aleva Cressoni PPGPE/UFSCar Depois de uma palavra dita. Às vezes, no próprio coração da palavra se reconhece o Silêncio. Clarice Lispector

Leia mais

Interdisciplinareidade: a arte rompendo fronteiras entre as áreas do conhecimento

Interdisciplinareidade: a arte rompendo fronteiras entre as áreas do conhecimento Interdisciplinareidade: a arte rompendo fronteiras entre as áreas do conhecimento Donald Hugh de Barros Kerr Júnior 1 Como pensar em ensino de arte e contemporaneidade, sem perceber as transformações que

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO DE ENFERMAGEM PLANO DE ENSINO TÍTULO: CORPOREIDADE E O PROCESSO DE CUIDAR

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO DE ENFERMAGEM PLANO DE ENSINO TÍTULO: CORPOREIDADE E O PROCESSO DE CUIDAR UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL ESCOLA DE ENFERMAGEM PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO DE ENFERMAGEM I. CÓDIGO: ENF 504 PLANO DE ENSINO II. TÍTULO: CORPOREIDADE E O PROCESSO DE CUIDAR III. SEMESTRE:

Leia mais

IMAGEM E MOVIMENTO DO VAZIO NO CINEMA DE OZU: TRADUÇÕES EM EDUCAÇÃO

IMAGEM E MOVIMENTO DO VAZIO NO CINEMA DE OZU: TRADUÇÕES EM EDUCAÇÃO IMAGEM E MOVIMENTO DO VAZIO NO CINEMA DE OZU: TRADUÇÕES EM EDUCAÇÃO Olívia de Andrade Soares/UFRGS Cnpq Resumo: Este trabalho integra os projetos Dramatização do infantil na comédia intelectual do currículo:

Leia mais

Doutores da Alegria Arte, Formação e Desenvolvimento

Doutores da Alegria Arte, Formação e Desenvolvimento A organização Doutores da Alegria Arte, Formação e Desenvolvimento informa aos interessados os procedimentos para o envio de projetos artísticos para a programação de 2014 do projeto Plateias Hospitalares

Leia mais

RIO DE JANEIRO SELEÇÃO DE PROJETOS ARTÍSTICOS 2015/2016

RIO DE JANEIRO SELEÇÃO DE PROJETOS ARTÍSTICOS 2015/2016 RIO DE JANEIRO SELEÇÃO DE PROJETOS ARTÍSTICOS 2015/2016 1. Introdução Doutores da Alegria Arte, Formação e Desenvolvimento informa aos interessados os procedimentos para o envio de projetos artísticos

Leia mais

A ESCOLA NA VISÃO DAS CRIANÇAS. SILVEIRA, Débora de Barros - UEMS/UFSCar GT: Educação da Criança de 0 a 6 anos / n. 07 Agencia de Financiadora: CNPq

A ESCOLA NA VISÃO DAS CRIANÇAS. SILVEIRA, Débora de Barros - UEMS/UFSCar GT: Educação da Criança de 0 a 6 anos / n. 07 Agencia de Financiadora: CNPq A ESCOLA NA VISÃO DAS CRIANÇAS SILVEIRA, Débora de Barros - UEMS/UFSCar GT: Educação da Criança de 0 a 6 anos / n. 07 Agencia de Financiadora: CNPq Este trabalho é parte da minha tese de doutorado que

Leia mais

Patrícia Dorneles 1) Por que é necessária a desinstitucionalização na Saúde Mental?

Patrícia Dorneles 1) Por que é necessária a desinstitucionalização na Saúde Mental? Entrevista com Patrícia Dorneles, terapeuta ocupacional, professora do curso de Terapia Ocupacional da UFRJ e ex-assessora técnica do Ministério da Cultura na implementação de políticas públicas de Cultura

Leia mais

II ENCONTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO DO MINISTÉRIO PÚBLICO DA BAHIA A EDUCAÇÃO COMO MATRIZ DE TODAS AS RELAÇÕES HUMANAS E SOCIAIS SALVADOR, BA 2013

II ENCONTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO DO MINISTÉRIO PÚBLICO DA BAHIA A EDUCAÇÃO COMO MATRIZ DE TODAS AS RELAÇÕES HUMANAS E SOCIAIS SALVADOR, BA 2013 II ENCONTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO DO MINISTÉRIO PÚBLICO DA BAHIA A EDUCAÇÃO COMO MATRIZ DE TODAS AS RELAÇÕES HUMANAS E SOCIAIS SALVADOR, BA 2013 TEMÁTICA: EDUCAÇÃO, QUESTÃO DE GÊNERO E DIVERSIDADE EDUCAÇÃO

Leia mais

A BOCA CALA, O CORPO FALA: VIOLÊNCIA SEXUAL, SEGREDO E PSICANÁLISE.

A BOCA CALA, O CORPO FALA: VIOLÊNCIA SEXUAL, SEGREDO E PSICANÁLISE. A BOCA CALA, O CORPO FALA: VIOLÊNCIA SEXUAL, SEGREDO E PSICANÁLISE. Desde os primeiros passos de Freud em suas investigações sobre o obscuro a respeito do funcionamento da mente humana, a palavra era considerada

Leia mais

Violência Simbólica: possíveis lugares subjetivos para uma criança diante da escolha materna

Violência Simbólica: possíveis lugares subjetivos para uma criança diante da escolha materna Violência Simbólica: possíveis lugares subjetivos para uma criança diante da escolha materna Henrique Figueiredo Carneiro Liliany Loureiro Pontes INTRODUÇÃO Esse trabalho apresenta algumas considerações,

Leia mais

GOVERNAMENTALIDADE NEOLIBERAL E A PRODUÇÃO DE SUJEITOS PARA A DINÂMICA INCLUSIVA

GOVERNAMENTALIDADE NEOLIBERAL E A PRODUÇÃO DE SUJEITOS PARA A DINÂMICA INCLUSIVA GOVERNAMENTALIDADE NEOLIBERAL E A PRODUÇÃO DE SUJEITOS PARA A DINÂMICA INCLUSIVA Juliane Marschall Morgenstern 1 - UNISINOS Agência Financiadora: Capes/Proex Resumo: O presente trabalho compõe uma proposta

Leia mais

1 Hospital Universitário Lauro Wanderley, UFPB.

1 Hospital Universitário Lauro Wanderley, UFPB. TÍTULO:TRABALHO CRIATIVO NUMA EXPERIÊNCIA EM UM AMBULATÓRIO PSIQUIÁTRICo AUTORES: Margarida Maria Elia Assad 1 Cleide Pereira Monteiro 2 João Mendes de Lima Júnior 3 Alzira Edjane da Nóbrega Xavier, Elizabeth

Leia mais

UMA SUPERVISORA ESCOLAR NA RELAÇÃO SEDU-ESCOLAS

UMA SUPERVISORA ESCOLAR NA RELAÇÃO SEDU-ESCOLAS UMA SUPERVISORA ESCOLAR NA RELAÇÃO SEDU-ESCOLAS Priscila S. Moreira 1, UFES. Este relato de experiência é proveniente da função que exerci enquanto supervisão escolar, sendo essa criada a partir da Portaria

Leia mais

Latusa Digital Ano 8 N. 46 Setembro de 2011.

Latusa Digital Ano 8 N. 46 Setembro de 2011. Cifra-me ou te devoro Dinah Kleve 1 Resumo O texto trata do trabalho desenvolvido em oficinas de arte, junto a pacientes psicóticos, como forma de promover a possibilidade de uma escrita e de viabilizar

Leia mais

Palavras-chave: Medicalização da educação, Fracasso escolar e Problemas de Aprendizagem.

Palavras-chave: Medicalização da educação, Fracasso escolar e Problemas de Aprendizagem. A MEDICALIZAÇÃO DO FRACASSO ESCOLAR EM ESCOLAS PÚBLICAS MUNICIPAIS DE ENSINO FUNDAMENTAL DE VITÓRIA-ES Elizabete Bassani UFES Mirela Santos Bleidão UFES Resumo Esta pesquisa documental teve como objetivo

Leia mais

A (DES)CONSTRUÇÃO DA MATERNIDADE PINTO, Maria das Graças C. da S. M. G. Uniplac/Unifra profgra@terra.com.br GT:Gênero, Sexualidade e Educação / n.

A (DES)CONSTRUÇÃO DA MATERNIDADE PINTO, Maria das Graças C. da S. M. G. Uniplac/Unifra profgra@terra.com.br GT:Gênero, Sexualidade e Educação / n. A (DES)CONSTRUÇÃO DA MATERNIDADE PINTO, Maria das Graças C. da S. M. G. Uniplac/Unifra profgra@terra.com.br GT:Gênero, Sexualidade e Educação / n. 23 Introdução A maternidade tem se constituído cada vez

Leia mais

ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A REFERÊNCIA DO AUTOR.

ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A REFERÊNCIA DO AUTOR. ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A REFERÊNCIA DO AUTOR. ÉTICA E SERVIÇO SOCIAL: Elementos para uma breve reflexão e debate. Perspectiva de Análise Teoria Social Crítica (Marx e alguns marxistas)

Leia mais

EXPERIÊNCIAS COLETIVAS POPULARES: PRÁTICAS SOCIAIS NASCIDAS NAS PERIFERIAS

EXPERIÊNCIAS COLETIVAS POPULARES: PRÁTICAS SOCIAIS NASCIDAS NAS PERIFERIAS Círculo de Cultura: Eixo 1 - A educação que emancipa frente às injustiças, desigualdades e vulnerabilidades. EXPERIÊNCIAS COLETIVAS POPULARES: PRÁTICAS SOCIAIS NASCIDAS NAS PERIFERIAS Cezar Luiz De Mari

Leia mais

Por uma prática educativa centrada na pessoa do educando

Por uma prática educativa centrada na pessoa do educando Por uma prática educativa centrada na pessoa do educando Cipriano Carlos Luckesi 1 Recentemente participei, no Programa de Mestrado em Educação, da Universidade do Estado da Bahia --- UNEB, Campus de Salvador,

Leia mais

10 Como ler Foucault

10 Como ler Foucault Introdução Michel Foucault (1926-84) foi um filósofo de extraordinário talento, um ativista político, teórico social, crítico cultural, historiador criativo, professor na mais prestigiosa instituição acadêmica

Leia mais

FLADEM 2011. Fundamentação Teórica para a Mostra de Musicalização: Compositores e Intérpretes : a criação na aula de instrumento

FLADEM 2011. Fundamentação Teórica para a Mostra de Musicalização: Compositores e Intérpretes : a criação na aula de instrumento FLADEM 2011 Fundamentação Teórica para a Mostra de Musicalização: Compositores e Intérpretes : a criação na aula de instrumento Sandra Mara da Cunha e Claudia Maradei Freixedas Breve introdução A experiência

Leia mais

BASE NACIONAL COMUM CURRICULAR DA EDUCAÇÃO INFANTIL

BASE NACIONAL COMUM CURRICULAR DA EDUCAÇÃO INFANTIL BASE NACIONAL COMUM CURRICULAR DA EDUCAÇÃO INFANTIL 1988 CONSTITUIÇÃO FEDERAL ANTECEDENTES Art. 210. Serão fixados conteúdos mínimos para o ensino fundamental, de maneira a assegurar formação básica comum

Leia mais

O BICHO. Anair Holanda Cavalcante

O BICHO. Anair Holanda Cavalcante O BICHO VI ONTEM um bicho Na imundície do pátio Catando comida entre os detritos. Quando achava alguma coisa, Não examinava nem cheirava: Engolia com voracidade. O bicho não era um cão, Não era um gato,

Leia mais

A função especular da fala materna e suas referências. ao psiquismo e à constituição do si mesmo.

A função especular da fala materna e suas referências. ao psiquismo e à constituição do si mesmo. A função especular da fala materna e suas referências ao psiquismo e à constituição do si mesmo. Alexandre Socha No artigo O papel de espelho da mãe e da família no desenvolvimento infantil (1967), Winnicott

Leia mais

APRE(E)NDENDO A PSICOLOGIA: UMA ANÁLISE CURRICULAR A PARTIR DAS RELAÇÕES SABER-PODER E PODER-SABER

APRE(E)NDENDO A PSICOLOGIA: UMA ANÁLISE CURRICULAR A PARTIR DAS RELAÇÕES SABER-PODER E PODER-SABER APRE(E)NDENDO A PSICOLOGIA: UMA ANÁLISE CURRICULAR A PARTIR DAS RELAÇÕES SABER-PODER E PODER-SABER Isaac Alencar Pinto 1 isaacalencar@gmail.com Segundo Foucault (2002), saber é poder. Ambos estão correlacionados

Leia mais

Desdobramentos: A mulher para além da mãe

Desdobramentos: A mulher para além da mãe Desdobramentos: A mulher para além da mãe Uma mulher que ama como mulher só pode se tornar mais profundamente mulher. Nietzsche Daniela Goulart Pestana Afirmar verdadeiramente eu sou homem ou eu sou mulher,

Leia mais

Área de Formação Pessoal e Social

Área de Formação Pessoal e Social Área de Formação Pessoal e Social Identidade/ Auto-estima Independência/ Autonomia Convivência democrática/ Cidadania Brincar com o outro (s); Ouvir os outros; Saber identificar-se a si e o outro; Esperar

Leia mais

A Arte e as Crianças

A Arte e as Crianças A Arte e as Crianças A criança pequena consegue exteriorizar espontaneamente a sua personalidade e as suas experiências inter-individuais, graças aos diversos meios de expressão que estão à sua disposição.

Leia mais

DITADURA MILITAR: O DISCURSO DE MULHERES NO CONFLITO POR TERRA NA REGIÃO DO ARAGUAIA

DITADURA MILITAR: O DISCURSO DE MULHERES NO CONFLITO POR TERRA NA REGIÃO DO ARAGUAIA DITADURA MILITAR: O DISCURSO DE MULHERES NO CONFLITO POR TERRA NA REGIÃO DO ARAGUAIA Juliany Teixeira Reis 1 Judite Gonçalves Albuquerque 2 Esta pesquisa foi inicialmente objeto de uma monografia de graduação

Leia mais

LITERATURA E AUTORIA FEMININA: REFLEXÕES SOBRE O CÂNONE LITERÁRIO E MARTHA MEDEIROS

LITERATURA E AUTORIA FEMININA: REFLEXÕES SOBRE O CÂNONE LITERÁRIO E MARTHA MEDEIROS LITERATURA E AUTORIA FEMININA: REFLEXÕES SOBRE O CÂNONE LITERÁRIO E MARTHA MEDEIROS Mestranda Kézia Dantas Félix 1, UEPB 1 Resumo: Neste artigo estudo o debate estabelecido em torno do cânone literário,

Leia mais

Artigo: Educação e Inclusão: Projeto Moral ou Ético. Autora: Sandra Dias ( Buscar na internet o texto completo)

Artigo: Educação e Inclusão: Projeto Moral ou Ético. Autora: Sandra Dias ( Buscar na internet o texto completo) Artigo: Educação e Inclusão: Projeto Moral ou Ético. Autora: Sandra Dias ( Buscar na internet o texto completo) Os ideais e a ética que nortearam o campo da educação Comenius: A educação na escola deve

Leia mais

Título: A formação do professor para o uso do jornal na sala de aula no ensino

Título: A formação do professor para o uso do jornal na sala de aula no ensino Título: A formação do professor para o uso do jornal na sala de aula no ensino fundamental Resumo O projeto de iniciação científica está vinculado à pesquisa Uso do jornal em sala de aula e compreensão

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS FACULDADE DE EDUCAÇÃO PESQUISA OBSERVATÓRIO DA EDUCAÇÃO REDE MUNICIPAL DA EDUCAÇÃO DE GOIÂNIA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS FACULDADE DE EDUCAÇÃO PESQUISA OBSERVATÓRIO DA EDUCAÇÃO REDE MUNICIPAL DA EDUCAÇÃO DE GOIÂNIA UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS FACULDADE DE EDUCAÇÃO PESQUISA OBSERVATÓRIO DA EDUCAÇÃO REDE MUNICIPAL DA EDUCAÇÃO DE GOIÂNIA ESCOLA MUNICIPAL JALLES MACHADO DE SIQUEIRA PROFESSORA BOLSISTA ROSA CRISTINA

Leia mais

Círculo Fluminense de Estudos Filológicos e Linguísticos

Círculo Fluminense de Estudos Filológicos e Linguísticos O SILÊNCIO: POSSÍVEIS LUGARES E SIGNIFICAÇÕES Wanderson Fernandes Fonseca (UEMS/ UCG) wandersonviol@hotmail.com Miguél Eugenio Almeida (UEMS/UCG) mealmeida_99@yahoo.com.br Era um silêncio esquisito imenso,

Leia mais

Diferentes Abordagens em Dependência Química: Quais os limites?

Diferentes Abordagens em Dependência Química: Quais os limites? Diferentes Abordagens em Dependência Química: Quais os limites? Cláudia Fabiana de Jesus Psicóloga e Mestre em Psicologia da Saúde Estimular a reflexão sobre os limites das abordagens Repensar sobre os

Leia mais

UMA ESTÉTICA PARA A ESTÉTICA

UMA ESTÉTICA PARA A ESTÉTICA UMA ESTÉTICA PARA A ESTÉTICA Por Homero Alves Schlichting Doutorando no PPGE UFSM homero.a.s@gmail.com Quando falares, procura que tuas palavras sejam melhores que teus silêncios. (Provérbio da cultura

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL IV SEAD - SEMINÁRIO DE ESTUDOS EM ANÁLISE DO DISCURSO 1969-2009: Memória e história na/da Análise do Discurso Porto Alegre, de 10 a 13 de novembro de 2009 MODERNA

Leia mais

A CENA SE FEZ OVO E HABITOU ENTRE NÓS

A CENA SE FEZ OVO E HABITOU ENTRE NÓS A CENA SE FEZ OVO E HABITOU ENTRE NÓS Ismael Scheffler Universidade Tecnológica Federal do Paraná UTFPR Processo de criação, dramaturgia, pesquisa sonora e corporal. Introdução Em março de 2006, estreou

Leia mais

A arte da sobrevivência ou sobre a vivência da arte *

A arte da sobrevivência ou sobre a vivência da arte * DOI: 10.1590/1807-57622013.0890 A arte da sobrevivência ou sobre a vivência da arte * criação The art of survival or about experience of art El arte de la sobrevivencia o sobre la vivencia del arte Carla

Leia mais

IMAGENS LABIRÍNTICAS: a narrativa fílmica de Kim Ki Duk RESUMO

IMAGENS LABIRÍNTICAS: a narrativa fílmica de Kim Ki Duk RESUMO 1 IMAGENS LABIRÍNTICAS: a narrativa fílmica de Kim Ki Duk Melissa Rubio dos Santos 1 Profa. Dra. Rita Lenira de Freitas Bitencourt (orientadora) 2 RESUMO Investigar a narrativa imagética do cineasta sul-coreano

Leia mais

PROJETO TERAPÊUTICO PARA AS RESIDÊNCIAS TERAPÊUTICAS: RELATO DE EXPERIÊNCIA

PROJETO TERAPÊUTICO PARA AS RESIDÊNCIAS TERAPÊUTICAS: RELATO DE EXPERIÊNCIA PROJETO TERAPÊUTICO PARA AS RESIDÊNCIAS TERAPÊUTICAS: RELATO DE EXPERIÊNCIA Fabiana Camara 1 A partir da experiência de supervisão em dois, dos 22 SRTs pertencententes à rede de saúde mental da prefeitura

Leia mais

Palavra: Dispositivo/ Word: Device

Palavra: Dispositivo/ Word: Device 39 Palavra: Dispositivo/ Word: Device Mozahir Salomão Bruck 1 Resumo O objetivo do texto é resgatar os olhares múltiplos que o termo dispositivo recebeu nos últimos anos nos diversos campos de conhecimento

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL IV SEAD - SEMINÁRIO DE ESTUDOS EM ANÁLISE DO DISCURSO 1969-2009: Memória e história na/da Análise do Discurso Porto Alegre, de 10 a 13 de novembro de 2009 DO ACONTECIMENTO

Leia mais

A PROFUSÃO DE IMAGENS EM AS MENINAS DE DIEGO VELÁSQUEZ

A PROFUSÃO DE IMAGENS EM AS MENINAS DE DIEGO VELÁSQUEZ A PROFUSÃO DE IMAGENS EM AS MENINAS DE DIEGO VELÁSQUEZ JOÃO MARIA CLAUDINO UFRN O mundo se faz de imagens. Imagens de representação, imagens além da representação, além da referência e além da estética.

Leia mais

DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS ESPECÍFICAS DA EDUCAÇÃO BÁSICA

DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS ESPECÍFICAS DA EDUCAÇÃO BÁSICA DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS ESPECÍFICAS DA EDUCAÇÃO BÁSICA SUBSÍDIOS PARA A REVISÃO DAS DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL TRABALHO ENCOMENDADO PELO MEC/SEB DIRETORIA DE CONCEPÇÕES

Leia mais

O uso do desenho e da gravura sobre fotografia como práxis poética da memória

O uso do desenho e da gravura sobre fotografia como práxis poética da memória O uso do desenho e da gravura sobre fotografia como práxis poética da memória Vinicius Borges FIGUEIREDO; José César Teatini CLÍMACO Programa de pós-graduação em Arte e Cultura Visual FAV/UFG viniciusfigueiredo.arte@gmail.com

Leia mais