METODOLOGIAS E PRESSUPOSTOS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "METODOLOGIAS E PRESSUPOSTOS"

Transcrição

1 4 METODOLOGIAS E PRESSUPOSTOS 4.1 Introdução Vimos atrás, no ponto 2.9.3, uma justificação e uma descrição resumidas dos pontos que devem ser tratados sob este tema metodologias e pressupostos a adoptar no business case. Embora a maioria das pessoas encare o business case como sendo essencialmente um exercício de matemática financeira, a questão central é, na realidade, determinar de onde são extraídos os valores para os custos e benefícios a analisar. Que itens de custos deverão ser considerados? Que tipos de benefícios pertencem ao caso? Que valores lhes devem ser atribuídos? Como a compreensão dos métodos é crucial para a construção e leitura do relatório do business case, este deve incluir sempre uma secção de metodologias, de modo que os destinatários possam compreender, de forma clara e completa, os resultados apresentados. Actualmente, a construção de business cases é aplicada em todos os tipos de temas, incluindo projectos ambientais, programas de marketing, lançamento de novos produtos, projectos de investigação, projectos governamentais de infra-estruturas, planos de reorganização, desenvolvimento de software, investimentos em instalações e equipamentos, etc. O resultado destes estudos depende fortemente dos critérios usados na escolha de custos e benefícios. No entanto, existe igualmente uma preocupação crescente em tratar as decisões numa óptica empresarial. É exigido cada vez mais às pessoas que tratem todas as decisões como decisões de negócio, que documentem os seus critérios de decisão e que demonstrem possuir bons critérios de julgamento. Mas como é que elas conseguem demonstrar credibilidade quando todos sabem que os autores de business cases possuem uma liberdade considerável para seleccionar ou ignorar custos e benefícios e moldar a estrutura da análise? Os projectos de investigação constituem um excelente termo de referência, ao incluírem sempre nos seus relatórios uma secção em que especificam os métodos utilizados para atingir os resultados apresentados. Os destinatários de um relatório não necessitam apenas conhecer o resultado do estudo, mas precisam saber também o modo como os dados foram obtidos e analisados, a fim de poderem avaliar se os resultados apresentados são válidos e significam realmente aquilo que o autor afirma. Existe uma ênfase crescente nas empresas, organismos governamentais e organizações sem fins lucrativos em tratar todas as decisões numa óptica empresarial, em documentar os critérios de decisão e em evidenciar critérios de avaliação sólidos. Para entregar resultados que os outros possam compreender, a equipa do business case deve seguir o exemplo dos pesquisadores em ciência, que incluem sempre uma secção de metodologia nos seus relatórios de pesquisa. Ao avaliarem resultados científicos ou resultados de um business case, os seus destinatários precisam saber mais do que apenas o resultado da experiência ou os valores

2 70 Avaliação de Projectos dos critérios financeiros usados (por exemplo, o VAL). Os destinatários precisam conhecer o modo como os dados foram obtidos e analisados, a fim de poderem ajuizar, por eles mesmos, se os resultados significam realmente aquilo que o relatório diz. A Figura 4.1 mostra esquematicamente os principais temas a serem cobertos na secção de Metodologias e Pressupostos do relatório do business case. Estrutura do business case 1. Resumo de gestão 2. Introdução 3. Metodologias e pressupostos 4. Análise dos resultados 5. Sensibilidade, riscos e contingências 6. Conclusões e recomendações 3. Metodologias e Pressupostos Definições do âmbito e fronteiras; Métricas financeiras e outros critérios de decisão; Principais pressupostos; Origem e estrutura dos dados; Modelo de custos; Modelo de benefícios. FIGURA 4.1 PRINCIPAIS TEMAS DA SECÇÃO DE METODOLOGIAS E PRESSUPOSTOS DO BUSINESS CASE Quando diferentes autores analisam o mesmo assunto e chegam a resultados diferentes, os destinatários têm de ser capazes de avaliar os motivos dessas diferenças, na secção de metodologias. Vamos agora aprofundar os elementos a considerar nesta secção de metodologias, que não foram objecto de detalhe no ponto Definição do Âmbito e Fronteiras do Caso Após se ter a descrição do propósito e do objecto do business case e não antes disso é necessário responder a questões como: Quais os custos e benefícios que pertencem ao caso? Qual o horizonte temporal em que se devem fazer projecções dos resultados? As respostas a este tipo de questões permitem definir o âmbito e as fronteiras do business case e são usadas como regras para decidir quais os dados que pertencem ao caso e quais os que não pertencem. Para poder desenhar o resto do business case a equipa que o desenvolve necessita acordar e fixar os respectivos âmbito e fronteiras. Por outro lado, os destinatários do relatório final necessitam vê- -los no início da secção de Metodologias e Pressupostos, a fim de poderem saber exactamente o que é que o caso cobre.

3 Metodologias e Pressupostos 71 Após ter definido o objecto e o propósito do caso a ser analisado, a equipa de projecto necessita acordar e fixar o âmbito e as fronteiras respectivas, de modo a poder construir o resto do caso. Os destinatários do relatório final necessitam ver estes elementos no início do documento, a fim de saberem o que o caso cobre exactamente. O âmbito é o intervalo de cobertura abrangido pelo caso ao longo de várias dimensões. As fronteiras definem, com precisão, o âmbito. Um business case pode ter um período de análise de quatro anos (âmbito temporal), que começa a 1 de Setembro de 2005 e termina a 31 de Agosto de 2008 (fronteiras temporais). Vamos analisar as diversas categorias de âmbito e fronteiras a definir Período de Análise O tempo é uma dimensão que tem de ser definida para cada caso sob a forma de um período de análise, o qual identifica o número de semanas, meses ou anos, no futuro, para os quais se estimam os benefícios e custos. A linha temporal do período de análise torna-se a espinha dorsal da análise do cash flow e dá credibilidade ao caso porque ajuda todos a compreenderem as origens das entradas e saídas de tesouraria. É importante ter em mente três pontos: A escolha do período de análise é arbitrária; Os resultados do caso dependem fortemente da dimensão do período de análise; Normalmente é preferível ter períodos de análise longos, em oposição a períodos curtos. A escolha do período de análise não é um facto trivial, pois pode produzir resultados positivos ou negativos conforme o período de análise decidido. Suponhamos que estamos a analisar um projecto de investimento cujas projecções de cash flows são mostradas no gráfico seguinte Projecções dos cash flows a cinco anos Receitas Despesas Período de análise (anos) Trata-se de uma curva de investimento típica, em que as receitas e despesas são mostradas separadamente para cada trimestre do período de análise de cinco anos.

4 72 Avaliação de Projectos Para responder à questão: Trata-se de uma boa decisão de negócio?, teremos de considerar diversos critérios, ou métricas financeiras. A tabela que se segue resume as métricas usadas cash flow acumulado, VAL e TIR. ANO 1 ANO 2 ANO 3 ANO 4 ANO 5 CASH FLOW ACUMULADO VAL (*) TIR N/A N/A 2% 76% 109% (*) Taxa anual de 10%, descontada trimestralmente Como se pode ver na tabela, a mensagem de um período de análise curto é bastante diferente da obtida com uma visão de longo prazo. Após dois anos, este investimento mostra uma perda líquida em todos os critérios. Cada ano extra no período de análise melhora substancialmente os resultados globais. Assim, a resposta à questão: Trata-se de uma boa decisão de negócio? depende do número de períodos de tempo em que olhamos no futuro. O exemplo acima ilustra igualmente o motivo porque períodos de análise mais longos são preferíveis a períodos de análise mais curtos. A acções tomadas hoje têm consequências que se prolongam no futuro, por vezes muito depois de os activos originais estarem pagos e totalmente amortizados, ou de a pessoa inicialmente responsável pela implementação e exploração ter deixado a empresa. As acções num ambiente complexo podem ter muitas consequências e estas podem desenrolar-se ao longo de um período de tempo mais ou menos longo. O business case recolhe algumas dessas consequências ao longo de um segmento temporal definido, designado por período de análise. Este período pode ser consubstanciado em semanas, meses ou anos, no futuro, para os quais se estimam os benefícios e os custos do projecto em análise. Como referido anteriormente, os resultados do business case são fortemente influenciados pela dimensão do período de análise As empresas e organizações prescrevem frequentemente períodos de análise standard para os seus business cases e business plans. Os motivos para esta padronização assentam, muitas vezes, em critérios de consistência e harmonização, ou têm como objectivo assegurar a justeza da comparação de business cases em concorrência. Embora estes objectivos sejam louváveis, permanece o facto de a dimensão do período de análise ser puramente arbitrária, independentemente de ser escolhido pela equipa que constrói o business case ou estar definido por uma política da empresa. Por vezes, o standard prescrito é adequado para as necessidades de planeamento, decisão ou comparação; outras vezes não o é. Embora não existam regras certas para a escolha do período de análise, o conjunto de princípios que se enumeram de seguida pode ajudar o chefe de projecto do business case e a sua equipa nessa tarefa: Verificar se os destinatários do caso esperam, ou exigem, um determinado período de análise definido se, por exemplo, o comité de revisão de produtos que irá analisar o business case quer ver os benefícios e custos durante o período de seis anos do ciclo de vida,

5 Metodologias e Pressupostos 73 a equipa não vai certamente querer entregar um relatório com um período de análise de três anos; Recordar que os resultados do business case são fortemente afectados pela escolha do período de análise vimos atrás que um fluxo de tesouraria pode produzir resultados financeiros positivos ou negativos, dependendo do período de análise escolhido. Regra geral, períodos de análise mais longos proporcionam resultados mais favoráveis que períodos mais curtos; Determinar se existe uma escolha lógica ou natural para o período de análise se o caso tratar de uma decisão de compra para equipamentos, veículos ou qualquer outro activo que tenha numa esperança de vida determinável em termos globais, é natural escolher um período de análise que cubra a vida útil desse item. Ou, se o assunto do business case for um programa com um período de vida predeterminado, esse poderá ser a escolha óbvia para o período de análise; Uma boa escolha para o período de análise poderá ser o horizonte temporal do planeamento estratégico da organização se a organização efectua o seu planeamento estratégico a um horizonte de, por exemplo, cinco anos, poderão já estar disponíveis boas estimativas de desempenho do negócio (vendas, lucros, etc.), de custos, de preços e de outras tendências significativas ao longo desse período. Para além desse período de planeamento, a qualidade da informação poderá diminuir substancialmente; Não estender o período de análise demasiado no futuro, para não tornar as previsões inúteis e desprovidas de sentido se uma organização estiver a decidir sobre o melhor plano de reforma a oferecer aos seus funcionários, será razoável olhar para um horizonte futuro de trinta anos; no entanto, se a mesma organização quiser tomar uma decisão sobre qual o equipamento informático a adquirir, o período de análise terá de ser muito mais curto, no máximo cinco anos; Se houver incerteza sobre qual o melhor período de análise, deve-se escolher o período mais longo que seja razoável em termos empresariais é fácil encurtar esse período, mais tarde, caso se revele adequado. 4.3 Métricas Financeiras Antes de estimarem os custos e os benefícios, o chefe de projecto e a sua equipa devem identificar claramente os tipos de resultados que satisfazem as necessidades dos destinatários do business case. Se os destinatários tiverem de tomar alguma decisão baseada nos resultados, o que é que eles necessitam saber para poderem decidir? Se os resultados servirem para planear algo (por exemplo, estabelecer patamares orçamentais ou desenvolver um business plan) que tipo de informação é necessária para tal? Uma grande parte das questões será respondida em termos das métricas financeiras a serem utilizadas. O paralelo entre o processo de construção do business case e a estrutura do relatório aplica-se igualmente às métricas financeiras e outros critérios de decisão. A equipa necessita conhecer, desde o início, os requisitos de informação, para poder assegurar que escolhe os dados correctos e com a qualidade exigida.

6 74 Avaliação de Projectos Quando o relatório completo chegar às mãos dos destinatários, é muito provável que estes procurem imediatamente os resultados expressos em métricas financeiras como: Cash flow líquido para o período em análise; Valor actual líquido (VAL) do cash flow; Taxa interna de rendibilidade (TIR); Rendibilidade do investimento (ROI); Período de recuperação do investimento (payback period). Cada uma destas métricas mede um aspecto diferente do cash flow total. No entanto, outras métricas financeiras poderão ser igualmente importantes, se não mais, para os destinatários. S Custo médio por transacção; Custo médio por empregado; Custo total do ciclo de vida (life cycle cost) 24 ; Lucros projectados para o período em análise Se o business case suportar uma decisão, a equipa de projecto e os destinatários precisam saber, desde o início, como é que as métricas irão ser usadas. Esta secção poderá indicar critérios de avaliação importantes como, por exemplo: Para obterem aprovação, as propostas de financiamento devem evidenciar um período de recuperação do investimento não superior a dois anos e uma TIR não inferior a 25%; As propostas de financiamento serão avaliadas fundamentalmente com base no custo total do ciclo de vida. Para saber quais as métricas financeiras a aplicar, a equipa de projecto deve perguntar aos próprios destinatários do business case quais os tipos de informação que querem ver nos resultados. Outra medida sensata consiste em analisar relatórios de casos anteriores similares, para ver que métricas foram usadas. Se estas duas iniciativas se mostrarem insuficientes (os destinatários não sabem ou não existem casos anteriores similares), a equipa de projecto terá de escolher as métricas mais adequadas, tendo como princípios orientadores: O conhecimento sobre as características e utilidade de cada métrica potencial; O objecto do business case; Os objectivos de negócio importantes tratados pelo caso. Finalmente, é importante notar que nem todos os benefícios do caso terão uma expressão financeira. Benefícios intangíveis importantes poderão constituir igualmente importantes critérios de decisão para os destinatários. 24 Designado igualmente por TCO Total Cost of Ownership. Integra todos os custos incorridos nas diversas fases do ciclo de vida do produto ou serviço (custos de investigação + custos de desenvolvimento + custos de operação e manutenção).

7 Metodologias e Pressupostos 75 Melhoria da imagem da organização; Maior fiabilidade dos processos; Aumento da moral dos empregados; Obter uma certificação de qualidade; Ganhar um prémio internacional pela excelência do serviço. 4.4 Principais Pressupostos Cada business case inclui, pelo menos, um cenário, ou seja, uma imagem concreta e detalhada de um futuro possível. Como tudo aquilo que tiver a ver com o futuro é um pressuposto e os cenários têm normalmente muitos detalhes, é provável que o business case exija muitos pressupostos. Os pressupostos assumem um papel central na determinação e análise dos resultados do business case. A este propósito, é importante ter em consideração dois pontos fundamentais: 1. Registar todos os pressupostos e os motivos que lhe estão subjacentes. Qualquer business case, desde o mais simples ao mais complexo, assenta em muitos pressupostos; se eles não forem registados à medida que são criados, o mais provável é serem esquecidos. Quando, mais tarde, o autor do relatório tiver de defender ou justificar o caso, a discussão ir-se-á centrar de forma acentuada nos pressupostos assumidos; 2. Garantir que os pressupostos são escritos no relatório, quando se revelarem importantes e sempre que não se puder garantir que todos os destinatários irão assumir automaticamente os mesmos pressupostos. Alguns aparecerão na Introdução para clarificar o motivo porque alguns objectivos empresariais são importantes. Os restantes pressupostos importantes aqueles que se têm de conhecer para que os resultados do caso tenham sentido devem ser incluídos na secção de Métodos e Pressupostos, eventualmente numa subsecção específica ou na subsecção em que são definidos os cenários (ver ponto 4.6.). Os pressupostos que não forem fundamentais para a compreensão dos resultados, podem ser incluídos num anexo ao relatório (ou constar apenas das notas pessoais do chefe de projecto do business case). 4.5 Fontes de Dados Os destinatários do business case quererão saber certamente como foram estimados os benefícios e os custos, ou de que fontes foram extraídos. Esta informação ajudá-los-á a avaliar a qualidade dos dados e assumindo que as fontes escolhidas são credíveis dá credibilidade ao caso. Quando os dados são extraídos de outros documentos, ou quando foram desenvolvidos anteriormente para satisfazer um outro objectivo, é importante especificar a fonte. S Business plan; Business case;

8 76 Avaliação de Projectos Propostas ou cotações de fornecedores; Publicação de indústria ou benchmark; Lista de preços publicada; Estimativa de um consultor externo. É igualmente importante descrever os métodos utilizados para a escolha dos valores dos custos e benefícios. Deve ser-se especialmente claro sobre a fonte e o método de cálculo aplicados a todos os benefícios que têm um valor arbitrário atribuído. Ao atribuir um valor ao benefício ganhos de eficiência no pessoal administrativo, pode indicar-se que os ganhos esperados foram estimados a partir da análise do fluxo de trabalho e de entrevistas com gestores de linha (fonte dos dados), ao passo que os valores atribuídos representam os custos médios dos salários e gastos gerais de administração para as pessoas desse grupo (modo de cálculo). 4.6 Construção de Cenários A equipa do business case tem, em determinado momento, de criar um ou mais cenários futuros possíveis, antes de poder efectuar medições e realizar análises. Quantos cenários deve ter um business case? Quais os elementos constituintes de um cenário e como é que se estimam os seus custos e benefícios? Vamos analisar a resposta a estas questões. É importante recordar que o motivo fundamental da construção de um business case é obter resposta para questões como estas: Que proposta representa a melhor decisão empresarial? O retorno justifica o investimento? Qual o impacto destas acções no desempenho da nossa organização? Estas questões só poderão ser respondidas se a estrutura lógica do business case estiver construída com esse objectivo. E essa estrutura lógica assenta em três pilares: A construção de cenários; O modelo de custos; O modelo de benefícios e sua justificação. O termo cenário significa simplesmente uma história mostrando uma forma possível para o desenrolar dos acontecimentos. Um cenário adequadamente desenhado torna possível descobrir e tornar tangível qualquer impacto (custo e benefício) que pertença ao caso. A história pode ser contada utilizando informação extraída de planos de negócios, planos de projectos, propostas de fornecedores, experiência anterior, etc. Contar a história implica assumir um grande número de pressupostos/premissas sobre coisas como dimensão do mercado, aumentos salariais, preço do petróleo e outros bens, assim como tudo o resto que for necessário especificar para fazer projecções dos custos e benefícios para o futuro. Para além disso, um cenário pode incorporar modelos formais, regras e justificações lógicas, com o objectivo de não deixar qualquer dúvida sobre aquilo que pertence ao caso e aquilo que não pertence. A construção de cenários começa com a decisão sobre qual o conjunto de opções que responde ao objectivo do caso. Se o objectivo for suportar uma decisão leasing ou aquisição, o caso necessita obviamente de dois cenários, no mínimo: um cenário de leasing e um cenário de

9 Metodologias e Pressupostos 77 aquisição. Para decidir qual das alternativa constitui a melhor decisão de negócio, comparam-se os dois cenários. Se a opção manter a situação actual, isto é, não fazer nada, for uma alternativa possível, então a equipa de projecto deve desenvolver igualmente um cenário que a contemple. Em que circunstâncias é aconselhável construir e analisar um cenário do tipo manter a situação actual? Se o objectivo subjacente à acção for melhorar algo (desempenho, vendas, etc.), ou reduzir qualquer coisa (custos, rotação de pessoal, etc.), ou mudar qualquer coisa, então é provável que necessitemos incluir um cenário não fazer nada para poder medir o impacto das mudanças incorporadas pelos outros cenários. No entanto, se o facto de não tomar qualquer tipo de acção significar que a empresa pode ficar fora do mercado, ou se os gestores, os accionistas ou a lei exigirem algum tipo de acção, então manter a situação actual não constitui uma opção. Um hospital quer construir um business case para estimar as melhorias que poderão resultar da renovação das enfermarias, do bloco operatório e das salas de consulta. Como os objectivos por detrás da intenção de renovar são prestar melhores cuidados aos pacientes, reduzir as despesas de exploração e ter um ambiente de trabalho mais eficiente para os profissionais de saúde, é necessário ter um cenário base (o actual) que permita medir quanto as coisas irão mudar com o cenário proposto. Termos como melhor e mais são relativos e apenas adquirem significado quando o novo nível esperado é comparado com um nível base já conhecido. Assim, o cenário manter a situação actual antecipa níveis de cuidados aos pacientes, despesas de exploração e qualidade profissional do ambiente de trabalho, se as instalações actuais não forem renovadas (mesmo que a não renovação seja uma solução impensável). A maioria dos business cases

10 78 Avaliação de Projectos Note-se que nem todos os casos da Tabela 4.1 apresentam um cenário manter a situação actual. O desenho dos cenários começa com a identificação das acções, condições e pressupostos específicos de cada cenário. Estas definições podem aparecer na secção Métodos e Pressupostos. Se o caso apenas tiver dois cenários, Solução proposta e Manter a situação actual, então já temos a definição do objecto de ambos, pois o cenário manter a situação actual é definido simplesmente como a continuação nas condições actuais. O caso terá alguns pressupostos globais, isto é, que se aplicam a todos os cenários, bem como pressupostos específicos de cada cenário. Ao comparar um cenário de compra com um cenário de leasing para uma frota de carros de serviço, os pressupostos poderão incluir os mostrados no quadro a seguir. TIPO Pressupostos globais Pressupostos do cenário compra Pressupostos do cenário leasing DESCRIÇÃO - Número de veículos da frota; - Modelo dos veículos; - Número de quilómetros percorridos por veículo e por ano; - Nível de assistência e serviço a cada veículo; - Custos de combustível por 1000 quilómetros. - Preço de aquisição de cada veículo; - Descontos especiais de quantidade; - Valor de revenda ou valor de mercado no final da vida do veículo; - Reduções nos impostos por efeito das amortizações. - Tipo de leasing proposto e respectivas implicações financeiras; - Período temporal do leasing; - Valor do pagamento à cabeça e prestações; - Opções de compra no término do leasing; - Condições de rescisão antecipada do contrato. O desenho de cenários em torno deste tipo de pressupostos permite construir o caso com apenas um cenário para cada decisão alternativa principal. O autor e os destinatários do estudo irão certamente querer colocar questões do tipo Que acontece se? acerca de alterações aos pressupostos. Por exemplo: Como é que ficam os resultados da compra e do leasing, se quisermos 50 veículos? E se forem 100 veículos? Como é que fica a comparação com um serviço de assistência por três anos? E com um serviço de seis anos? Como é que fica a comparação se o período do leasing for três anos? E se forem cinco anos? A utilização dos pressupostos permite-nos, como é mostrado no exemplo, as denominadas análise de sensibilidade e análise de risco dos cenários.

11 4.7 Estrutura dos Dados Metodologias e Pressupostos 79 O papel do cenário manter a situação actual está intimamente relacionado com uma questão muito importante, embora frequentemente ignorada: a estrutura dos dados. Por outras palavras, a questão de apresentar dados incrementais ou dados totais: Apresentação em valores totais são apresentados os valores dos benefícios e das despesas para ambos os cenários ( solução proposta e manter a situação actual ) e apontadas as diferenças entre eles; Apresentação em valores incrementais são calculadas as diferenças entre os itens idênticos nos dois cenários. Embora o autor do business case não tenha de lidar com as implicações práticas desta opção (desenvolver e analisar dados) até ao momento de analisar os impactos respectivos, é fundamental conhecer as suas características e implicações, neste momento, pois tem de escolher os cenários a desenvolver para o caso. Vamos considerar um exemplo que nos vai mostrar a importância desta questão e o motivo porque muitos resultados de business cases carecem de significado. Suponhamos uma pequena empresa que pretende analisar alternativas muito simples para a melhoria da qualidade dos seus serviços. O quadro abaixo resume os resultados da análise. MANTER A SITUAÇÃO ACTUAL CENÁRIO PROPOSTO CASH FLOW INCREMENTAL Benefícios Vendas Despesas Custos Apoio a clientes Benefícios Vendas Despesas Custos Apoio a clientes Benefícios Aumento das vendas Redução Custos de Apoio Despesas Aumento de Custos Cash flow Líquido Cash flow Líquido.20 Cash flow Líquido O cenário manter a situação actual mostra as projecções para o próximo ano, caso não se faça nada para melhorar a qualidade do serviço. A empresa tem vendas de e, por simplificação, assumimos aqui que as vendas são iguais às entradas de tesouraria (cash inflow). Do quadro vê-se igualmente que as despesas somam , o que resulta num prejuízo líquido de O cash flow do cenário proposto mostra os resultados esperados caso se implemente a melhoria da qualidade do serviço. O departamento de marketing prevê vendas no valor de , um aumento dos custos de vendas para e um volume de custos de apoio aos clientes de O total é um lucro líquido de A questão agora é de saber: Como é que vamos apresentar os resultados? Aqui temos duas possibilidades, como já vimos: Método dos valores totais apresentam-se ambos cenários e depois apontam-se as diferenças entre eles;

DOCUMENTOS DE GESTÃO FINANCEIRA Realizado por GESTLUZ - Consultores de Gestão

DOCUMENTOS DE GESTÃO FINANCEIRA Realizado por GESTLUZ - Consultores de Gestão DOCUMENTOS DE GESTÃO FINANCEIRA Realizado por GESTLUZ - Consultores de Gestão A Análise das Demonstrações Financeiras Este artigo pretende apoiar o jovem empreendedor, informando-o de como utilizar os

Leia mais

GESTÃO ESTRATÉGICA. Texto de Apoio 1. Análise Económica e Financeira

GESTÃO ESTRATÉGICA. Texto de Apoio 1. Análise Económica e Financeira INSTITUTO POLITÉCNICO DE SETÚBAL ESCOLA SUPERIOR DE CIÊNCIAS EMPRESARIAIS Departamento de Economia e Gestão (ce.deg@esce.ips.pt) GESTÃO ESTRATÉGICA Texto de Apoio 1 à Análise Económica e Financeira Silva

Leia mais

CURSO DE GESTÃO BANCÁRIA

CURSO DE GESTÃO BANCÁRIA CURSO DE GESTÃO BANCÁRIA PLANO CURRICULAR A análise referente ao Programa de Ensino e, em particular ao conteúdo do actual Plano de Estudos (ponto 3.3. do Relatório), merece-nos os seguintes comentários:

Leia mais

COMO ELABORAR UM PLANO DE NEGÓCIOS DE SUCESSO

COMO ELABORAR UM PLANO DE NEGÓCIOS DE SUCESSO COMO ELABORAR UM PLANO DE NEGÓCIOS DE SUCESSO 1 Sumário: Conceito e Objectivos Estrutura do PN o Apresentação da Empresa o Análise do Produto / Serviço o Análise de Mercado o Estratégia de Marketing o

Leia mais

OFERTA COBRANÇAS E RECUPERAÇÃO EXTRA-JUDICIAL DE INCOBRÁVEIS

OFERTA COBRANÇAS E RECUPERAÇÃO EXTRA-JUDICIAL DE INCOBRÁVEIS COBRANÇAS E RECUPERAÇÃO EXTRA-JUDICIAL DE INCOBRÁVEIS Directores financeiros, Directores Comerciais responsáveis de controlo de crédito, membros de equipas de cobranças, credit managers. Prevenir a cobrança

Leia mais

Norma contabilística e de relato financeiro 9. e divulgações apropriadas a aplicar em relação a locações financeiras e operacionais.

Norma contabilística e de relato financeiro 9. e divulgações apropriadas a aplicar em relação a locações financeiras e operacionais. Norma contabilística e de relato financeiro 9 Locações Esta Norma Contabilística e de Relato Financeiro tem por base a Norma Internacional de Contabilidade IAS 17 Locações, adoptada pelo texto original

Leia mais

Norma contabilística e de relato financeiro 27

Norma contabilística e de relato financeiro 27 Norma contabilística e de relato financeiro 27 Instrumentos financeiros Esta Norma Contabilística e de Relato Financeiro tem por base as Normas Internacionais de Contabilidade IAS 32 Instrumentos Financeiros:

Leia mais

Eficiência e qualidade: mitos e contradições

Eficiência e qualidade: mitos e contradições 1 Eficiência e qualidade: mitos e contradições Colóquio-debate Eficiência e Justiça em Cuidados de Saúde Academia das Ciências, Lisboa, 25 de Maio de 1999 Pedro Pita Barros * 1. Introdução O tema de discussão

Leia mais

(a) Propriedade detida por locatários que seja contabilizada como propriedade de investimento (ver NCRF 11 - Propriedades de Investimento);

(a) Propriedade detida por locatários que seja contabilizada como propriedade de investimento (ver NCRF 11 - Propriedades de Investimento); NCRF 9 Locações Esta Norma Contabilística e de Relato Financeiro tem por base a Norma Internacional de Contabilidade IAS 17 - Locações, adoptada pelo texto original do Regulamento (CE) n.º 1126/2008 da

Leia mais

Implicações da alteração da Taxa de Juro nas Provisões Matemáticas do Seguro de Vida

Implicações da alteração da Taxa de Juro nas Provisões Matemáticas do Seguro de Vida Implicações da alteração da Taxa de Juro nas Provisões Matemáticas do Seguro de Vida 1. Algumas reflexões sobre solvência e solidez financeira Para podermos compreender o que se entende por solvência,

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 06. Operações de Arrendamento Mercantil

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 06. Operações de Arrendamento Mercantil COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 06 Operações de Arrendamento Mercantil Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IAS 17 (IASB) PRONUNCIAMENTO Índice Item OBJETIVO

Leia mais

Definições (parágrafo 9) 9 Os termos que se seguem são usados nesta Norma com os significados

Definições (parágrafo 9) 9 Os termos que se seguem são usados nesta Norma com os significados Norma contabilística e de relato financeiro 14 Concentrações de actividades empresariais Esta Norma Contabilística e de Relato Financeiro tem por base a Norma Internacional de Relato Financeiro IFRS 3

Leia mais

ANTÓNIO BALTAZAR MORTAL PROFESSOR ADJUNTO DA ESCOLA SUPERIOR DE GESTÃO HOTELARIA E TURISMO DA UNIVERSIDADE DO ALGARVE

ANTÓNIO BALTAZAR MORTAL PROFESSOR ADJUNTO DA ESCOLA SUPERIOR DE GESTÃO HOTELARIA E TURISMO DA UNIVERSIDADE DO ALGARVE ANTÓNIO BALTAZAR MORTAL PROFESSOR ADJUNTO DA ESCOLA SUPERIOR DE GESTÃO HOTELARIA E TURISMO DA UNIVERSIDADE DO ALGARVE GLOSSÁRIO DE CONTABILIDADE ANALÍTICA NOVEMBRO 2001 NOTA PRÉVIA O principal objectivo

Leia mais

NORMA CONTABILISTICA E DE RELATO FINANCEIRO 14 CONCENTRAÇÕES DE ACTIVIDADES EMPRESARIAIS. Objectivo ( 1) 1 Âmbito ( 2 a 8) 2

NORMA CONTABILISTICA E DE RELATO FINANCEIRO 14 CONCENTRAÇÕES DE ACTIVIDADES EMPRESARIAIS. Objectivo ( 1) 1 Âmbito ( 2 a 8) 2 NORMA CONTABILISTICA E DE RELATO FINANCEIRO 14 CONCENTRAÇÕES DE ACTIVIDADES EMPRESARIAIS Esta Norma Contabilística e de Relato Financeiro tem por base a Norma Internacional de Contabilidade IFRS 3 Concentrações

Leia mais

a dinheiro deve ser reconhecida como um juro de acordo com a NCP 13, refletindo o rendimento efetivo sobre a conta a receber.

a dinheiro deve ser reconhecida como um juro de acordo com a NCP 13, refletindo o rendimento efetivo sobre a conta a receber. compensações por terceiros, e qualquer compra ou construção subsequente de ativos de substituição, constituem acontecimentos económicos separados e devem ser contabilizados da seguinte forma: (a) A imparidade

Leia mais

Análise Financeira. Universidade do Porto Faculdade de Engenharia Mestrado Integrado em Engenharia Electrotécnica e de Computadores Economia e Gestão

Análise Financeira. Universidade do Porto Faculdade de Engenharia Mestrado Integrado em Engenharia Electrotécnica e de Computadores Economia e Gestão Análise Financeira Universidade do Porto Faculdade de Engenharia Mestrado Integrado em Engenharia Electrotécnica e de Computadores Economia e Gestão Introdução Objectivos gerais avaliar e interpretar a

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 28. Propriedade para Investimento

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 28. Propriedade para Investimento COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 28 Propriedade para Investimento Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IAS 40 Índice OBJETIVO 1 Item ALCANCE 2 4 DEFINIÇÕES

Leia mais

Fundação Denise Lester

Fundação Denise Lester Relatório e Contas 2010 Fundação Denise Lester Fundação Denise Lester 1/14 Balanço ACTIVO Notas Exercício findo a 31/12/2010 Exercício findo a 31/12/2009 Activo não corrente Activos fixos tangíveis 2.291.289,31

Leia mais

O valor do dinheiro varia ao longo do tempo, ou seja, não é indiferente dispor hoje ou daqui a um ano de uma dada quantia em dinheiro.

O valor do dinheiro varia ao longo do tempo, ou seja, não é indiferente dispor hoje ou daqui a um ano de uma dada quantia em dinheiro. Tópico complementar 5. Valor temporal do dinheiro Objectivo específico: No final deste capítulo, o leitor deverá estar apto a: - Conhecer o significado e o modo de utilização da taxa de actualização (medida

Leia mais

De Arte a Ciência: Regras para o Desenho de Software

De Arte a Ciência: Regras para o Desenho de Software De Arte a Ciência: Regras para o Desenho de Software Neste artigo é apresentado um conjunto de regras de desenho um padrão de desenho universal associado ao princípio fundamental e aos requisitos axiomáticos.

Leia mais

Capítulo 9: Análise de Projectos de Investimento. 9.1. A dimensão temporal e o cálculo financeiro

Capítulo 9: Análise de Projectos de Investimento. 9.1. A dimensão temporal e o cálculo financeiro Capítulo 9: Análise de Projectos de Investimento Conteúdo Temático 1. A dimensão temporal e o cálculo financeiro 2. Critérios de análise da rendibilidade de projectos de investimento 9.1. A dimensão temporal

Leia mais

NCRF 25 Impostos sobre o rendimento

NCRF 25 Impostos sobre o rendimento NCRF 25 Impostos sobre o rendimento Esta Norma Contabilística e de Relato Financeiro tem por base a Norma Internacional de Contabilidade IAS 12 - Impostos sobre o Rendimento, adoptada pelo texto original

Leia mais

UNIVERSIDADE CATÓLICA PORTUGUESA Faculdade de Ciências Económicas e Empresariais CONTABILIDADE FINANCEIRA II EXAME FINAL

UNIVERSIDADE CATÓLICA PORTUGUESA Faculdade de Ciências Económicas e Empresariais CONTABILIDADE FINANCEIRA II EXAME FINAL CONTABILIDADE FINANCEIRA II Equipa Docente: Cristina Neto de Carvalho Gioconda Magalhães Data: 30 de Junho de 2007 Sílvia Cortês Duração: 2 horas e 30 minutos Joana Peralta Sofia Pereira Luiz Ribeiro EXAME

Leia mais

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS. Recomendação de PARECER DO CONSELHO

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS. Recomendação de PARECER DO CONSELHO COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS Bruxelas, 13.2.2007 SEC(2007) 190 final Recomendação de PARECER DO CONSELHO em conformidade com o n.º 3 do artigo 9º do Regulamento (CE) n.º 1466/97 do Conselho, de 7

Leia mais

VAL- 1 VALOR EM FINANÇAS

VAL- 1 VALOR EM FINANÇAS VAL- 1 VALOR EM FINANÇAS VAL- 2! Objectivo: " Identificação de uma teoria do valor (ainda rudimentar)! Caso os mercados funcionem bem os preços igualarão o valor dos diferentes produtos e serviços.! Qual

Leia mais

GOVERNO. Orçamento Cidadão 2015

GOVERNO. Orçamento Cidadão 2015 REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE GOVERNO Orçamento Cidadão 2015 Os recursos públicos do Estado são recursos públicos do povo e para o povo, condição que dá ao cidadão o direito de saber como

Leia mais

As instituições de auditoria chinesas no desenvolvimento da auditoria de resultados

As instituições de auditoria chinesas no desenvolvimento da auditoria de resultados Comunicação da cerimónia de abertura (Bao Guoming, Directora do Departamento de Auditoria do Sector Público Administrativo do Gabinete Nacional de Auditoria da China) As instituições de auditoria chinesas

Leia mais

Gestão do Risco e da Qualidade no Desenvolvimento de Software

Gestão do Risco e da Qualidade no Desenvolvimento de Software Gestão do Risco e da Qualidade no Desenvolvimento de Software Questionário Taxinómico do Software Engineering Institute António Miguel 1. Constrangimentos do Projecto Os Constrangimentos ao Projecto referem-se

Leia mais

EMPREENDEDORISMO: O CONTEXTO NACIONAL

EMPREENDEDORISMO: O CONTEXTO NACIONAL EMPREENDEDORISMO: O CONTEXTO NACIONAL Entrevista com Eng.º Victor Sá Carneiro N uma época de grandes transformações na economia dos países, em que a temática do Empreendedorismo assume uma grande relevância

Leia mais

Manual do Revisor Oficial de Contas IAS 7 (1) NORMA INTERNACIONAL DE CONTABILIDADE IAS 7 (REVISTA EM 1992) Demonstrações de Fluxos de Caixa

Manual do Revisor Oficial de Contas IAS 7 (1) NORMA INTERNACIONAL DE CONTABILIDADE IAS 7 (REVISTA EM 1992) Demonstrações de Fluxos de Caixa IAS 7 (1) NORMA INTERNACIONAL DE CONTABILIDADE IAS 7 (REVISTA EM 1992) Demonstrações de Fluxos de Caixa Esta Norma Internacional de Contabilidade revista substitui a NIC 7, Demonstração de Alterações na

Leia mais

Visão de Futuro 2010. F3M Information Systems, S.A.

Visão de Futuro 2010. F3M Information Systems, S.A. 1 Reunir várias entidades do sector óptico nacional e discutir o futuro do sector bem como os temas cruciais para os empresários e intervenientes da área foram os objectivos do evento Visão de Futuro 2010,

Leia mais

Contabilidade Geral e Financeira. Enunciado da Prova

Contabilidade Geral e Financeira. Enunciado da Prova Governo da Região Administrativa Especial de Macau Comissão de Registo dos Auditores e dos Contabilistas Ano de 2015 (1.ª É poca) Prestação de provas para registo como auditor de contas 30 de Maio de 2015

Leia mais

NORMA CONTABILISTICA E DE RELATO FINANCEIRO 26 MATÉRIAS AMBIENTAIS. Objectivo ( 1 e 2) 2 Âmbito ( 3 e 4) 2 Definições ( 5 a 11) 2

NORMA CONTABILISTICA E DE RELATO FINANCEIRO 26 MATÉRIAS AMBIENTAIS. Objectivo ( 1 e 2) 2 Âmbito ( 3 e 4) 2 Definições ( 5 a 11) 2 NORMA CONTABILISTICA E DE RELATO FINANCEIRO 26 MATÉRIAS AMBIENTAIS Esta Norma Contabilística e de Relato Financeiro adopta a Recomendação da Comissão Europeia de 30 de Maio de 2001 respeitante ao reconhecimento,

Leia mais

Organização de Eventos

Organização de Eventos Organização de Eventos Página de Rosto Aluna: Tânia Marlene Silva Ano/ Turma: 12º ano do Curso Profissional Técnico de Secretariado Disciplina: Técnicas de Secretariado Modulo: 20 Organização de Eventos

Leia mais

Norma Interpretativa 2 Uso de Técnicas de Valor Presente para mensurar o Valor de Uso

Norma Interpretativa 2 Uso de Técnicas de Valor Presente para mensurar o Valor de Uso Norma Interpretativa 2 Uso de Técnicas de Valor Presente para mensurar o Valor de Uso Esta Norma Interpretativa decorre da NCRF 12 - Imparidade de Activos. Sempre que na presente norma existam remissões

Leia mais

Manual do Revisor Oficial de Contas. Projecto de Directriz de Revisão/Auditoria 860

Manual do Revisor Oficial de Contas. Projecto de Directriz de Revisão/Auditoria 860 Índice Projecto de Directriz de Revisão/Auditoria 860 PROJECTO DE DIRECTRIZ DE REVISÃO/AUDITORIA 860 Dezembro de 2008 Relatório Sobre o Sistema de Controlo Interno das Instituições de Crédito e Sociedades

Leia mais

SIMCO 5.0 SIMULAÇÃO COMERCIAL

SIMCO 5.0 SIMULAÇÃO COMERCIAL SIMCO 5.0 SIMULAÇÃO COMERCIAL MANUAL DA EMPRESA TODOS OS DIREITOS SÃO RESERVADOS À BERNARD SISTEMAS LTDA. BERNARD SISTEMAS LTDA. Florianópolis, Janeiro de 2008. Todos os direitos são reservados. Nenhuma

Leia mais

INSPECÇÃO-GERAL DA EDUCAÇÃO PROGRAMA AFERIÇÃO

INSPECÇÃO-GERAL DA EDUCAÇÃO PROGRAMA AFERIÇÃO INSPECÇÃO-GERAL DA EDUCAÇÃO PROGRAMA AFERIÇÃO EFECTIVIDADE DA AUTO-AVALIAÇÃO DAS ESCOLAS PROJECTO ESSE Orientações para as visitas às escolas 1 Introdução As visitas às escolas realizadas segundo o modelo

Leia mais

O desenvolvimento da Contabilidade está naturalmente ligado ao desenvolvimento económico

O desenvolvimento da Contabilidade está naturalmente ligado ao desenvolvimento económico INTRODUÇÃO 1. Desenvolvimento histórico O desenvolvimento da Contabilidade está naturalmente ligado ao desenvolvimento económico Alguns marcos de desenvolvimento: Séc. XV introdução das partidas dobradas

Leia mais

Análise de um Projecto de Investimento Trabalho 3

Análise de um Projecto de Investimento Trabalho 3 FACULDADE DE ENGENHARIA DA UNIVERSIDADE DO PORTO Licenciatura em Engenharia Electrotécnica e de Computadores Economia e Gestão Análise de um Projecto de Investimento Trabalho 3 Helder Joaquim Gomes Correia

Leia mais

IV Fórum do Sector Segurador e Fundos de Pensões. Lisboa, 15 de Abril de 2009

IV Fórum do Sector Segurador e Fundos de Pensões. Lisboa, 15 de Abril de 2009 IV Fórum do Sector Segurador e Fundos de Pensões Lisboa, 15 de Abril de 2009 Foi com todo o gosto e enorme interesse que aceitei o convite do Diário Económico para estar presente neste IV Fórum do sector

Leia mais

NBC TSP 29 - Instrumentos Financeiros: Reconhecimento e Mensuração

NBC TSP 29 - Instrumentos Financeiros: Reconhecimento e Mensuração NBC TSP 29 - Instrumentos Financeiros: Reconhecimento e Mensuração Objetivo 1 O objetivo desta Norma é estabelecer princípios para reconhecer e mensurar ativos financeiros, passivos financeiros e alguns

Leia mais

INSPECÇÃO-GERAL DA EDUCAÇÃO PROGRAMA AFERIÇÃO

INSPECÇÃO-GERAL DA EDUCAÇÃO PROGRAMA AFERIÇÃO INSPECÇÃO-GERAL DA EDUCAÇÃO PROGRAMA AFERIÇÃO EFECTIVIDADE DA AUTO-AVALIAÇÃO DAS ESCOLAS PROJECTO ESSE Indicadores de qualidade I Introdução Baseado em investigação anterior e na recolha de informação

Leia mais

CONTABILIDADE, TOMADA DE DECISÃO E AMBIENTE: CONTRIBUTOS PARA REFORÇO DO DESEMPENHO ECONÓMICO DAS ORGANIZAÇÕES

CONTABILIDADE, TOMADA DE DECISÃO E AMBIENTE: CONTRIBUTOS PARA REFORÇO DO DESEMPENHO ECONÓMICO DAS ORGANIZAÇÕES 3D CONTABILIDADE, TOMADA DE DECISÃO E AMBIENTE: CONTRIBUTOS PARA REFORÇO DO DESEMPENHO ECONÓMICO DAS ORGANIZAÇÕES Maria da Conceição da Costa Marques, Ph.D Doutora em Gestão, especialidade em Contabilidade

Leia mais

ELEMENTOS DO PLANO DE NEGÓCIOS

ELEMENTOS DO PLANO DE NEGÓCIOS INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO PIAUÍ - CAMPUS DE PARNAÍBA CURSO: Técnico em Informática DISCIPLINA: Empreendedorismo PROFESSORA: CAROLINE PINTO GUEDES FERREIRA ELEMENTOS DO PLANO

Leia mais

IDC Portugal: Av. António Serpa, 36 9º Andar, 1050-027 Lisboa, Portugal Tel. 21 796 5487 www.idc.com

IDC Portugal: Av. António Serpa, 36 9º Andar, 1050-027 Lisboa, Portugal Tel. 21 796 5487 www.idc.com CADERNO IDC Nº 53 IDC Portugal: Av. António Serpa, 36 9º Andar, 1050-027 Lisboa, Portugal Tel. 21 796 5487 www.idc.com ROI - Retorno do Investimento OPINIÃO IDC Os anos 90 permitiram a inclusão das tecnologias

Leia mais

7692 Diário da República, 1.ª série N.º 178 11 de setembro de 2015

7692 Diário da República, 1.ª série N.º 178 11 de setembro de 2015 7692 Diário da República, 1.ª série N.º 178 11 de setembro de 2015 36 Os royalties são acrescidos de acordo com os termos do contrato relevante e são usualmente reconhecidos nessa base, a menos que, tendo

Leia mais

NORMA BRASILEIRA DE CONTABILIDADE TÉCNICA DO SETOR PÚBLICO NBCT (IPSAS)

NORMA BRASILEIRA DE CONTABILIDADE TÉCNICA DO SETOR PÚBLICO NBCT (IPSAS) NORMA BRASILEIRA DE CONTABILIDADE TÉCNICA DO SETOR PÚBLICO NBCT (IPSAS) Temas para Discussão 1) DISPOSIÇÕES GERAIS 2) DEFINIÇÕES GERAIS 3) CARACTERÍSTICAS E ATRIBUTOS DA INFORMAÇÃO DE CUSTOS 4) EVIDENCIAÇÃO

Leia mais

GESTÃO FINANCEIRA UMA ANÁLISE SIMPLIFICADA

GESTÃO FINANCEIRA UMA ANÁLISE SIMPLIFICADA GESTÃO FINANCEIRA UMA ANÁLISE SIMPLIFICADA Pág. 1 Índice 1. BALANCETE... 3 2. BALANÇO... 5 3. DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS... 10 4. RESUMO... 12 Pág. 2 1. BALANCETE O balancete é um documento contabilístico

Leia mais

SIND PME 4.0 SIMULAÇÃO INDUSTRIAL DE PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS

SIND PME 4.0 SIMULAÇÃO INDUSTRIAL DE PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS SIND PME 4.0 SIMULAÇÃO INDUSTRIAL DE PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS MANUAL DA EMPRESA TODOS OS DIREITOS SÃO RESERVADOS À BERNARD SISTEMAS LTDA. BERNARD SISTEMAS LTDA. Florianópolis, Julho de 2007. Todos os

Leia mais

Controle e execute tudo o que está relacionado com Pessoal e Salários com um software eficaz e preparado para completar todas as tarefas nesta área

Controle e execute tudo o que está relacionado com Pessoal e Salários com um software eficaz e preparado para completar todas as tarefas nesta área Descritivo completo Pessoal 2008 Controle e execute tudo o que está relacionado com Pessoal e Salários com um software eficaz e preparado para completar todas as tarefas nesta área Benefícios Solução completa;

Leia mais

B. O mercado de seguros de doença

B. O mercado de seguros de doença B. O mercado de seguros de doença 1. Tipos de coberturas associadas ao risco de doença Os seguros de doença e algumas coberturas específicas de outros riscos com eles intimamente relacionados têm vindo

Leia mais

Formação do Preço de Venda

Formação do Preço de Venda CURSO DE ADM - 5º PERÍODO - FASF Objetivo Refletir sobre a importância de se conhecer e identificar a FORMAÇÃO DE PREÇO, como fator determinante para a sobrevivência da exploração da atividade da empresa.

Leia mais

ASSUNTO: Processo de Auto-avaliação da Adequação do Capital Interno (ICAAP)

ASSUNTO: Processo de Auto-avaliação da Adequação do Capital Interno (ICAAP) Manual de Instruções do Banco de Portugal Instrução nº 15/2007 ASSUNTO: Processo de Auto-avaliação da Adequação do Capital Interno (ICAAP) A avaliação e a determinação com rigor do nível de capital interno

Leia mais

GESTÃO. 6. A Informação Financeira. 6. A Informação financeira 1

GESTÃO. 6. A Informação Financeira. 6. A Informação financeira 1 GESTÃO 6. A Informação Financeira 6. A Informação financeira 1 Conteúdo Temático 1. A organização da informação financeira: o papel da Contabilidade; Introdução aos principais mapas e conceitos 2. O Balanço

Leia mais

http://www.econeteditora.com.br/boletim_imposto_renda/ir-11/boletim-19/cont_demonstracoes_...

http://www.econeteditora.com.br/boletim_imposto_renda/ir-11/boletim-19/cont_demonstracoes_... http://www.econeteditora.com.br/boletim_imposto_renda/ir-11/boletim-19/cont_demonstracoes_... Página 1 de 14 CONTABILIDADE DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS Considerações ROTEIRO 1. INTRODUÇÃO 1. INTRODUÇÃO 2. OBJETIVO

Leia mais

Aula 12. Definição do Orçamento do Plano de Marketing. Profa. Daniela Cartoni

Aula 12. Definição do Orçamento do Plano de Marketing. Profa. Daniela Cartoni Aula 12 Definição do Orçamento do Plano de Marketing Profa. Daniela Cartoni Orçamento do Plano de Marketing Em paralelo ao plano de ação, é necessário que a empresa constitua um orçamento de apoio. Na

Leia mais

Autoridade Bancária e de Pagamentos de Timor-Leste

Autoridade Bancária e de Pagamentos de Timor-Leste Autoridade Bancária e de Pagamentos de Timor-Leste Banking and Payments Authority of Timor-Leste Av a Bispo Medeiros, PO Box 59, Dili, Timor-Leste Tel. (670) 3 313 718, Fax. (670) 3 313 716 Briefing Paper

Leia mais

PPP O que são e quais as suas consequências para o SNS e para os portugueses Pág. 2

PPP O que são e quais as suas consequências para o SNS e para os portugueses Pág. 2 PPP O que são e quais as suas consequências para o SNS e para os portugueses Pág. 1 PARCERIAS PUBLICO-PRIVADAS (PPP) NA SAÚDE :- O que são, e quais são as suas consequências para o Serviço Nacional de

Leia mais

Instruções. Passos para a elaboração de uma análise custo-benefíco de um investimento em Segurança, Higiene e Saúde no Trabalho (SH&ST):

Instruções. Passos para a elaboração de uma análise custo-benefíco de um investimento em Segurança, Higiene e Saúde no Trabalho (SH&ST): Instruções Passos para a elaboração de uma análise custo-benefíco de um investimento em Segurança, Higiene e Saúde no Trabalho (SH&ST): 1º Ler integralmente a folha "Instruções" Antes do preenchimento

Leia mais

PLANEJAMENTO OPERACIONAL - MARKETING E PRODUÇÃO MÓDULO 11 PESQUISA DE MERCADO

PLANEJAMENTO OPERACIONAL - MARKETING E PRODUÇÃO MÓDULO 11 PESQUISA DE MERCADO PLANEJAMENTO OPERACIONAL - MARKETING E PRODUÇÃO MÓDULO 11 PESQUISA DE MERCADO Índice 1. Pesquisa de mercado...3 1.1. Diferenças entre a pesquisa de mercado e a análise de mercado... 3 1.2. Técnicas de

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 31. Ativo Não Circulante Mantido para Venda e Operação Descontinuada

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 31. Ativo Não Circulante Mantido para Venda e Operação Descontinuada COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 31 Ativo Não Circulante Mantido para Venda e Operação Descontinuada Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IFRS 5 Índice OBJETIVO

Leia mais

POLÍTICA DE DIVERSIDADE DO GRUPO EDP

POLÍTICA DE DIVERSIDADE DO GRUPO EDP POLÍTICA DE DIVERSIDADE DO GRUPO EDP CONTEXTO Respeitar a diversidade social e a representatividade presente nas comunidades em que as organizações se inserem é um dever ético e simultaneamente um fator

Leia mais

CONSIDERE ESTRATÉGIAS DE AQUISIÇÃO DE SELOS MECÂNICOS QUE SEJAM MUTUAMENTE BENÉFICAS. por Heinz P. Bloch

CONSIDERE ESTRATÉGIAS DE AQUISIÇÃO DE SELOS MECÂNICOS QUE SEJAM MUTUAMENTE BENÉFICAS. por Heinz P. Bloch CONSIDERE ESTRATÉGIAS DE AQUISIÇÃO DE SELOS MECÂNICOS QUE SEJAM MUTUAMENTE BENÉFICAS por Heinz P. Bloch Para TECÉM - tecem.com.br 05/10/2013 Parcerias com um único fornecedor de selo mecânico nem sempre

Leia mais

Relatório de análise sobre uma queixa relacionada com omissão administrativa

Relatório de análise sobre uma queixa relacionada com omissão administrativa Relatório de análise sobre uma queixa relacionada com omissão administrativa Parte I: Assunto * 1. A Associação Novo Macau apresentou, em 11 de Setembro de 2012, uma queixa ao Comissariado contra a Corrupção

Leia mais

Manual do Revisor Oficial de Contas. Directriz de Revisão/Auditoria 910

Manual do Revisor Oficial de Contas. Directriz de Revisão/Auditoria 910 Directriz de Revisão/Auditoria 910 Setembro de 2003 Exames Simplificados ÍNDICE Parágrafos INTRODUÇÃO 1-3 OBJECTIVO 4 ÂMBITO 5-6 TERMOS DO COMPROMISSO 7-9 PLANEAMENTO E EXECUÇÃO 10-15 CONCLUSÕES E RELATO

Leia mais

CUSTOS. Custo = sacrifício de recursos com vista a atingir determinados objectivos (representa utilização de recursos).

CUSTOS. Custo = sacrifício de recursos com vista a atingir determinados objectivos (representa utilização de recursos). Controlo de Gestão é o conjunto de instrumentos que visam motivar os gestores a atingir os objectivos estratégicos da empresa, privilegiando a acção e a tomada de decisão em tempo útil e favorecendo a

Leia mais

Enquadramento Fiscal dos Advogados em. sede de IRS, IVA e segurança social

Enquadramento Fiscal dos Advogados em. sede de IRS, IVA e segurança social Enquadramento Fiscal dos Advogados em sede de IRS, IVA e segurança social Fiscalidade IVA / IRS / Segurança social Março 2015 1 IAE -Instituto dos Advogados de Empresa da Ordem dos Advogados 1 Formas de

Leia mais

Page 1 of 6. Regulamentos da CMVM - 2003. Regulamento da CMVM n.º 11/2003

Page 1 of 6. Regulamentos da CMVM - 2003. Regulamento da CMVM n.º 11/2003 A CMVM Comunicados Sistema de Difusão de Informação Recomendações Estudos e Documentos Legislação e Publicações Apoio ao Investidor / Mediação de Conflitos Sistema de Indemnização aos Investidores Consultas

Leia mais

Inovação e Criação de Novos Negócios

Inovação e Criação de Novos Negócios INOVAÇÃO E TECNOLOGIA NA FORMAÇÃO AGRÍCOLA Inovação e Criação de Novos Negócios Luís Mira da Silva Cristina Mota Capitão Isabel Alte da Veiga Carlos Noéme Inovação INOVAÇÃO Inovação: introdução INOVAR

Leia mais

REQUISITOS MÍNIMOS DE INFORMAÇÕES E DADOS PARA OS ESTUDOS DE VIABILIDADE TÉCNICA, ECONÓMICA E FINANCEIRA (EVTEF) DOS PROJECTOS

REQUISITOS MÍNIMOS DE INFORMAÇÕES E DADOS PARA OS ESTUDOS DE VIABILIDADE TÉCNICA, ECONÓMICA E FINANCEIRA (EVTEF) DOS PROJECTOS PROCESSOS DE CANDIDATURA A FINANCIAMENTO DO BANCO DE DESENVOLVIMENTO DE ANGOLA REQUISITOS MÍNIMOS DE INFORMAÇÕES E DADOS PARA OS ESTUDOS DE VIABILIDADE TÉCNICA, ECONÓMICA E FINANCEIRA (EVTEF) DOS PROJECTOS

Leia mais

DIRECTRIZ DE REVISÃO/AUDITORIA 872

DIRECTRIZ DE REVISÃO/AUDITORIA 872 DIRECTRIZ DE REVISÃO/AUDITORIA 872 Revista em Março de 2009 Entidades Municipais, Intermunicipais e Metropolitanas ÍNDICE Parágrafos INTRODUÇÃO 1 8 OBJECTIVO 9 FUNÇÕES EQUIVALENTES AO COMPROMISSO DO REVISOR

Leia mais

As 5 métricas mais importantes para mostrar a eficiência do seu marketing. Apresente esses números para seu chefe e prove como seu marketing é eficaz.

As 5 métricas mais importantes para mostrar a eficiência do seu marketing. Apresente esses números para seu chefe e prove como seu marketing é eficaz. As 5 métricas mais importantes para mostrar a eficiência do seu marketing Apresente esses números para seu chefe e prove como seu marketing é eficaz. AS 5 MÉTRICAS MAIS IMPORTANTES PARA MOSTRAR A EFICIÊNCIA

Leia mais

Marketing Pessoal. Prof. Me. Richard Allen de Alvarenga

Marketing Pessoal. Prof. Me. Richard Allen de Alvarenga Marketing Pessoal Prof. Me. Richard Allen de Alvarenga Estratégia de Marketing Pessoal De que forma se pode autopromover? O que é fundamental para alcançar os objetivos próprios? Qual a importância de

Leia mais

SEMINÁRIOS AVANÇADOS GESTÃO DE PROJECTOS

SEMINÁRIOS AVANÇADOS GESTÃO DE PROJECTOS SEMINÁRIOS AVANÇADOS DE GESTÃO DE PROJECTOS 2007 Victor Ávila & Associados - Victor Ávila & Associados Centro Empresarial PORTUGAL GLOBAL, Rua do Passeio Alegre, nº 20 4150- Seminários Avançados de Gestão

Leia mais

INVESTIMENTO A LONGO PRAZO 1. Princípios de Fluxo de Caixa para Orçamento de Capital

INVESTIMENTO A LONGO PRAZO 1. Princípios de Fluxo de Caixa para Orçamento de Capital 5 INVESTIMENTO A LONGO PRAZO 1. Princípios de Fluxo de Caixa para Orçamento de Capital 1.1 Processo de decisão de orçamento de capital A decisão de investimento de longo prazo é a decisão financeira mais

Leia mais

DISCURSO PROFERIDO POR VÍTOR CALDEIRA, PRESIDENTE DO TRIBUNAL DE CONTAS EUROPEU

DISCURSO PROFERIDO POR VÍTOR CALDEIRA, PRESIDENTE DO TRIBUNAL DE CONTAS EUROPEU TRIBUNAL DE CONTAS EUROPEU ECA/09/69 DISCURSO PROFERIDO POR VÍTOR CALDEIRA, PRESIDENTE DO TRIBUNAL DE CONTAS EUROPEU ******* APRESENTAÇÃO DO RELATÓRIO ANUAL RELATIVO AO EXERCÍCIO DE 2008 À COMISSÃO DO

Leia mais

Discurso do IGT na conferência da EDP

Discurso do IGT na conferência da EDP Discurso do IGT na conferência da EDP 1. A Segurança e Saúde no Trabalho é, hoje, uma matéria fundamental no desenvolvimento duma política de prevenção de riscos profissionais, favorecendo o aumento da

Leia mais

ESSE CURSO FOI CRIADO E É PROMOVIDO PELA INSTITUIÇÃO. Todos os Direitos Reservados

ESSE CURSO FOI CRIADO E É PROMOVIDO PELA INSTITUIÇÃO. Todos os Direitos Reservados Curso Online 1 2 ESSE CURSO FOI CRIADO E É PROMOVIDO PELA INSTITUIÇÃO Todos os Direitos Reservados 3 1 O Que é Fluxo de Caixa _Fatores que Afetam o Fluxo de Caixa (Internos e Externos) _Desequilíbrio Financeiro

Leia mais

4. Sistemas de custeio

4. Sistemas de custeio Contabilidade Analítica 4º semestre Conceição Gomes, Nuno Arroteia 4. Sistemas de custeio 2 Custeio total Custeio variável Custeio racional (SNC) 3 Custeio total Custeio total MD MOD Custo do produto Prod.

Leia mais

Análise de Custos de Projetos Como calcular o custo de um projeto de viabilidade financeira

Análise de Custos de Projetos Como calcular o custo de um projeto de viabilidade financeira Análise de Custos de Projetos Como calcular o custo de um projeto de viabilidade financeira Eduardo Regonha Doutor pela UNIFESP / EPM Pós Graduado em Administração Hospitalar pela FGV Consultor na Área

Leia mais

Elementos Operacionais e Não Operacionais nas Demonstrações Contábeis

Elementos Operacionais e Não Operacionais nas Demonstrações Contábeis Elementos Operacionais e Não Operacionais nas Demonstrações Contábeis Autoria: Clóvis Luís Padoveze Resumo As demonstrações publicadas de acordo com o formato aprovado pelos órgãos regulatórios, tanto

Leia mais

. VALORES MOBILIÁRIOS

. VALORES MOBILIÁRIOS . VALORES 2.. V MOBILIÁRIOS 2. Valores Mobiliários O QUE SÃO VALORES MOBILIÁRIOS? Valores mobiliários são documentos emitidos por empresas ou outras entidades, em grande quantidade, que representam direitos

Leia mais

ANEXO A à. Proposta de REGULAMENTO DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO. relativo ao Sistema europeu de contas nacionais e regionais na União Europeia

ANEXO A à. Proposta de REGULAMENTO DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO. relativo ao Sistema europeu de contas nacionais e regionais na União Europeia PT PT PT COMISSÃO EUROPEIA Bruxelas, 20.12.2010 COM(2010) 774 final Anexo A/Capítulo 08 ANEXO A à Proposta de REGULAMENTO DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO relativo ao Sistema europeu de contas nacionais

Leia mais

Abaixo segue a demonstração dos resultados da empresa.

Abaixo segue a demonstração dos resultados da empresa. Exercício de Acompanhamento II A NAS Car produz acessórios esportivos personalizados para automóveis. Ela se especializou em manoplas de câmbio, tendo desenvolvida uma linha padronizada em alumínio polido

Leia mais

SIND 4.0 SIMULAÇÃO INDUSTRIAL MANUAL DA EMPRESA TODOS OS DIREITOS SÃO RESERVADOS À BERNARD SISTEMAS LTDA.

SIND 4.0 SIMULAÇÃO INDUSTRIAL MANUAL DA EMPRESA TODOS OS DIREITOS SÃO RESERVADOS À BERNARD SISTEMAS LTDA. SIND 4.0 SIMULAÇÃO INDUSTRIAL MANUAL DA EMPRESA TODOS OS DIREITOS SÃO RESERVADOS À BERNARD SISTEMAS LTDA. BERNARD SISTEMAS LTDA. Florianópolis, Fevereiro de 2007. Todos os direitos são reservados. Nenhuma

Leia mais

Sistemas de gestão em confronto no SNS Pág. 1

Sistemas de gestão em confronto no SNS Pág. 1 Sistemas de gestão em confronto no SNS Pág. 1 OS QUATRO SISTEMAS DE GESTÃO ACTUALMENTE EM CONFRONTO NO ÂMBITO SERVIÇO NACIONAL DE SAÚDE (SNS) E O PROGRAMA DO PS PARA A SAÚDE RESUMO DESTE ESTUDO Neste momento

Leia mais

Dossiê de Preços de Transferência

Dossiê de Preços de Transferência Dossiê de Preços de Transferência Fiscalidade 2011 3 Índice Pág. 1. Preços de Transferência 03 1.1 Conceito 03 1.2 O que são Preços de Transferência 03 1.3 Porquê os Preços de Transferência? 03 1.4 Entidades

Leia mais

3º Trabalho - Análise de um Projecto de Investimento Economia e Gestão

3º Trabalho - Análise de um Projecto de Investimento Economia e Gestão Trabalho realizado por: Alvaro Manuel Pinto de Magalhães Vitor Jesus Freitas Oliveira ee97029 ee97076 INTRODUÇÃO: Introduz-se aqui o relatório, relativo ao 3º trabalho da cadeira de, que tem como objectivo

Leia mais

A Energia em Portugal Perspectiva de quem a utiliza

A Energia em Portugal Perspectiva de quem a utiliza A Energia em Portugal Perspectiva de quem a utiliza 2 Introdução A Associação Portuguesa da Energia (APE) publica a terceira edição de A Energia em Portugal - perspectiva de quem a utiliza, estudo que

Leia mais

AS 7 ETAPAS PARA ELABORAR UMA BOA ANÁLISE DE INVESTIMENTO

AS 7 ETAPAS PARA ELABORAR UMA BOA ANÁLISE DE INVESTIMENTO AS 7 ETAPAS PARA ELABORAR UMA BOA ANÁLISE DE Quais são? Quais são os principais cuidados e lembretes de cada etapa? Francisco Cavalcante (francisco@fcavalcante.com.br) Sócio-Diretor da Cavalcante Associados,

Leia mais

GESTÃO DE PREÇOS E CUSTOS 1 GESTÃO ESTRATÉGICA DE CUSTOS CONCEITOS BÁSICOS HHJ 1

GESTÃO DE PREÇOS E CUSTOS 1 GESTÃO ESTRATÉGICA DE CUSTOS CONCEITOS BÁSICOS HHJ 1 GESTÃO DE PREÇOS E CUSTOS CONTEÚDO DO CURSO 1 - Gestão Estratégica de Custos 2 - Planejamento Tributário 3 - Custos para tomada de decisão 4 - Formação de Preços 5 Margem de segurança Só conseguimos gerir

Leia mais

NCRF 19 Contratos de construção

NCRF 19 Contratos de construção NCRF 19 Contratos de construção Esta Norma Contabilística e de Relato Financeiro tem por base a Norma Internacional de Contabilidade IAS 11 - Contratos de Construção, adoptada pelo texto original do Regulamento

Leia mais

Contabilidade. Com este artigo pretende abordar-se e. Enquadramento e contabilização de custos de desmantelamento

Contabilidade. Com este artigo pretende abordar-se e. Enquadramento e contabilização de custos de desmantelamento TOC Maio 2006 #74 27 Com este artigo pretende abordar-se e clarificar os aspectos relacionados com o enquadramento normativo dos custos de desmantelamento e do restauro de locais contaminados, nomeadamente

Leia mais

EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO VERSÃO 2

EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO VERSÃO 2 EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO 10.º/11.º ou 11.º/12.º Anos de Escolaridade (Decreto-Lei n.º 286/89, de 29 de Agosto Programas novos e Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de Março) PROVA 712/12 Págs. Duração

Leia mais

Proposta de revisão do modelo de avaliação de desempenho de docentes

Proposta de revisão do modelo de avaliação de desempenho de docentes Proposta de revisão do modelo de avaliação de desempenho de docentes 1 II Avaliação de desempenho 1. Introdução A adopção de um modelo de avaliação de desempenho de docentes pressupõe, para a FNE, a consideração

Leia mais

UML (Unified Modelling Language) Diagrama de Classes

UML (Unified Modelling Language) Diagrama de Classes UML (Unified Modelling Language) Diagrama de Classes I Classes... 2 II Relações... 3 II. Associações... 3 II.2 Generalização... 9 III Exemplos de Modelos... III. Tabelas de IRS... III.2 Exames...3 III.3

Leia mais

Premier. Quando os últimos são os Primeiros

Premier. Quando os últimos são os Primeiros Premier Quando os últimos são os Primeiros Fundada em 1997 Especializada no desenvolvimento de soluções informáticas de apoio à Gestão e consultoria em Tecnologias de Informação. C3im tem como principais

Leia mais

Manual da Qualidade. Rodrigo Barata Mediação de Seguros. Revisão n. 01 Data de Publicação: 2009-04-2408 Elaborado por: RodrigoBarata Estado:

Manual da Qualidade. Rodrigo Barata Mediação de Seguros. Revisão n. 01 Data de Publicação: 2009-04-2408 Elaborado por: RodrigoBarata Estado: Rodrigo Barata Página 2 de 14 Indice 1. Promulgação 3 2. Politica da Qualidade 3 3. Missão da Empresa 4 4. Campo de aplicação 4 4.1 Referências 4 5. Apresentação da Empresa Rodrigo Barata Unipessoal 5

Leia mais

MELHORES PRÁTICAS DA OCDE

MELHORES PRÁTICAS DA OCDE MELHORES PRÁTICAS DA OCDE PARA A TRANSPARÊNCIA ORÇAMENTÁRIA INTRODUÇÃO A relação entre a boa governança e melhores resultados econômicos e sociais é cada vez mais reconhecida. A transparência abertura

Leia mais