DIAGNÓSTICO E PLANO DE AÇÃO PARA OS PROCESSOS LOGÍSTICOS DAS EMPRESAS DO APL DE BIOTECNOLOGIA DA RMBH. Ricardo S. Martins Coordenador UFMG/NIPELOG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "DIAGNÓSTICO E PLANO DE AÇÃO PARA OS PROCESSOS LOGÍSTICOS DAS EMPRESAS DO APL DE BIOTECNOLOGIA DA RMBH. Ricardo S. Martins Coordenador UFMG/NIPELOG"

Transcrição

1 DIAGNÓSTICO E PLANO DE AÇÃO PARA OS PROCESSOS LOGÍSTICOS DAS EMPRESAS DO APL DE BIOTECNOLOGIA DA RMBH Ricardo S. Martins Coordenador UFMG/NIPELOG Belo Horizonte MG Junho de 2013

2 Diagnóstico e Plano de Ação para os Processos Logísticos das Empresas do Segmento de Serviços e Insumos do APL de Biotecnologia da DIAGNÓSTICO E PLANO DE AÇÃO PARA OS PROCESSOS LOGÍSTICOS DAS EMPRESAS DO APL DE BIOTECNOLOGIA DA RMBH Núcleo Interdisciplinar em Pesquisa e Extensão em Logística (NIPELOG-UFMG) Av. Pres. Antônio Carlos, Face/UFMG - Sala CEP Belo Horizonte - MG Tels.: e Belo Horizonte MG Junho de 2013

3 Diagnóstico e Plano de Ação para os Processos Logísticos das Empresas do Segmento de Serviços e Insumos do APL de Biotecnologia da SUMÁRIO EXECUTIVO Através do levantamento de informações com 22 empresas do setor de Biotecnologia e Ciências da Vida da Região Metropolitana de Belo Horizonte, foi desenvolvido um Diagnóstico e um Plano de Ações para o aprimoramento de seus processos com vistas à alavancagem da competitividade. Em geral, o aglomerado de empresas de biotecnologia tem um relacionamento desfavorável com os fornecedores. Com pequeno ou muito pequeno poder de barganha, veem os fornecedores ditarem preços, atrasarem as entregas, pecarem na qualidade dos itens e entregarem de forma inconsistente. Por outro lado, têm estreitas oportunidades de substituí-los. Ademais, estoques de materiais são formados, implicando significativo comprometimento financeiro das empresas. Por força de exigência de lotes de venda dos fornecedores ou da racionalidade dos custos de importação, os estoques de itens de baixo giro e longo prazo de cobertura são inadequados, ao mesmo tempo em que compras emergenciais são, com certa frequência, observadas, para complementar a relação de itens necessárias aos processos de produção. Nas duas situações, custos adicionais são agregados aos produtos, corroendo as margens das empresas, num caso, pelos custos financeiros de manter estoque, e noutro, pelos custos das compras fora da programação. No que se refere às atividades de importação, as empresas importadoras são afetadas pelas ineficiências associadas aos procedimentos burocráticos de inspeção e liberação de cargas, o que torna o tempo de ciclo das importações muito longo e imprevisível. Considerando-se a característica de perecibilidade e periculosidade de boa parte dos materiais adquiridos, há unanimidade na necessidade de se intervir nestes procedimentos burocráticos, bem como no aumento do número de rotas internacionais para Confins. Na esfera da programação da produção e controle dos estoques, sobressaem as ineficiências da gestão, derivadas do uso de procedimentos baseados em sistemas de informações inadequados ou obsoletos, automatizados ou não. São situações individuais que demandam intervenções de cada empresa em seus processos e contratação de sistemas de informações mais qualificados a apoiar suas operações adequadamente. A implicação de tudo isso é a circulação atrasada ou mesmo falha das informações internas, ou por falta de alimentação do sistema, ou por ineficácia do sistema de fazer a informação chegar a quem precisa do compartilhamento. Quanto à distribuição, os problemas detectados estão no âmbito dos processos da armazenagem, da expedição e dos transportes. Na armazenagem, um problema de grande impacto é o espaço insuficiente para o armazenamento de produtos acabados, que pode ser motivado pelos requisitos variados dos itens comercializados, tais como temperatura, umidade e isolamento, pela fabricação guiada pelos lotes econômicos, que gera excedentes e pela desconexão entre a produção e a evolução da demanda.

4 Diagnóstico e Plano de Ação para os Processos Logísticos das Empresas do Segmento de Serviços e Insumos do APL de Biotecnologia da Mas, não é apenas problema de espaço. Há problemas generalizados entre as empresas de diferenças entre o estoque virtual e a contagem física de itens. Isso provoca custos adicionais, aumento do tempo de atendimento e desgaste de imagem com os clientes. Por outro lado, o frete é considerado alto e esta é a maior reclamação das empresas. Deve-se considerar que as oportunidades de compartilhamento da logística devem ser bem trabalhadas, pois algumas cargas são enviadas de maneira pulverizada para laboratórios de pequeno e médio portes em todo o país, implicando as empresas de courier como potenciais prestadores de serviço. Logicamente, esta solução não atende a todos, tais como os revendedores de equipamentos. Deve-se considerar um universo ainda pouco explorado, que a modalidade aérea. Há também deficiência de treinamento de pessoal, que compromete de maneira significativa os processos de produção e expedição, ao não manterem as informações sobre estoque de materiais e produtos atualizadas e confiáveis, e ao tornarem as atividades de separação de pedidos e emissão de documentos atividades demoradas e com recorrente necessidade de correção.

5 Diagnóstico e Plano de Ação para os Processos Logísticos das Empresas do Segmento de Serviços e Insumos do APL de Biotecnologia da SUMÁRIO Sumário Executivo CAPÍTULO 1 - DIAGNÓSTICO E PLANO DE AÇÃO PARA OS PROCESSOS LOGÍSTICOS DAS EMPRESAS DE BIOTECNOLOGIA DA REGIÃO METROPOLITANA DE BELO HORIZONTE 1. INTRODUÇÃO EMPRESAS DA AMOSTRA CARACTERÍSTICAS GERAIS Subsistema de Suprimentos Aspectos dos relacionamentos com os fornecedores Aspectos relacionados à importação de materiais Subsistema de Produção Aspectos planejamento da demanda e gestão dos estoques para materiais Aspectos de armazenagem de materiais Subsistema de Distribuição Aspectos da armazenagem de produtos acabados Processos da expedição Aspectos do transporte de produtos acabados DIAGNÓSTICO SITUACIONAL PLANO DE AÇÕES CAPÍTULO 2 EMPRESAS DO SEGMENTO DE EQUIPAMENTOS 1. INTRODUÇÃO CARACTERÍSTICAS GERAIS Subsistema de Suprimentos Aspectos dos relacionamentos com os fornecedores Aspectos relacionados à importação de materiais Subsistema de Produção Aspectos planejamento da demanda e gestão dos estoques para materiais... 30

6 Diagnóstico e Plano de Ação para os Processos Logísticos das Empresas do Segmento de Serviços e Insumos do APL de Biotecnologia da Aspectos da armazenagem de materiais Subsistema de Distribuição Aspectos da armazenagem de produtos acabados Processos da expedição Aspectos do transporte de produtos acabados DIAGNÓSTICO SITUACIONAL PLANO DE AÇÕES CAPÍTULO 3 EMPRESAS DO SEGMENTO DE SERVIÇOS E INSUMOS 1. INTRODUÇÃO CARACTERÍSTICAS GERAIS Subsistema de Suprimentos Aspectos dos relacionamentos com os fornecedores Aspectos relacionados à importação de materiais Subsistema de Produção Aspectos planejamento da demanda e gestão dos estoques para materiais Aspectos da armazenagem de materiais Subsistema de Distribuição Aspectos da armazenagem de produtos acabados Processos da expedição Aspectos do transporte de produtos acabados DIAGNÓSTICO SITUACIONAL PLANO DE AÇÕES ANEXO JUSTIFICATIVAS DAS EMPRESAS

7 CAPÍTULO 1 DIAGNÓSTICO E PLANO DE AÇÃO PARA OS PROCESSOS LOGÍSTICOS DAS EMPRESAS DE BIOTECNOLOGIA DA REGIÃO METROPOLITANA DE BELO HORIZONTE 1. INTRODUÇÃO O objetivo deste relatório foi elaborar um diagnóstico da logística em empresas que compõem o polo de Biotecnologia da Região Metropolitana de Belo Horizonte, em Minas Gerais. A intenção foi contribuir para que as empresas possam aprimorar suas atividades através do uso estratégico da logística. A justificativa principal para tal produto é a identificação, pelo SEBRAE-MG, da necessidade de aumentar a sua capacidade de resposta às demandas de pequenas e médias empresas que tenham a logística como um dos temas envolvidos. Neste contexto, estabeleceu-se um contrato entre o SEBRAE-MG e a Universidade Federal de Minas Gerais, através do Núcleo Interdisciplinar de Pesquisa e Extensão em Logística NIPELOG. Este Núcleo foi formado em 2006 e tem como Missão desenvolver atividades de pesquisa e de extensão no campo das operações logísticas, a partir de iniciativas que promovam o conhecimento técnico-científico e prático de sistemas logísticos de empresas públicas e privadas e de cadeias de suprimentos de bens e de serviços. 2. EMPRESAS DA AMOSTRA As informações que compõem este relatório foram obtidas a partir de visitas técnicas realizadas nas empresas listadas na Tabela 1. Estas empresas foram identificadas a partir da lista de associadas da Ambiotec Associação Mineira de Empresas de Biotecnologia e Ciências da Vida e também identificadas pela FIEMG. Ou seja, a amostragem foi não-probabilística e por acessibilidade, tendo atingido cerca de 25% do universo das empresas. Outras empresas da lista foram procuradas ou descartadas, conforme as justificativas contidas na Tabela 2. 1

8 Tabela 1 Relação de empresas visitadas EMPRESA RESPONSÁVEL DATA ADCA Clip Adilson e Henrique Carvalho 03/04/2013 Alere Gilton 05/04/2013 Catedral Indústria Farmacêutica Antônio Guilherme, Telma 14/05/2013 Celer Biotecnologia Andreas Flug 04/04/2013 Cenatte Embriões Júnior 30/04/2013 Endobrax Comércio de Equipamentos Médicos Cleber Batista Souza 03/04/2013 GCT Global Warley Silva 10/04/2013 Hermes Pardini Grisson Silva, Maria Beatriz e Cleber Miranda 22/04/2013 Labtest Diagnóstica Cláudia 25/04/2013 Linhagem Soluções em Genética Roberto 18/04/2013 MBiolog Diagnósticos Arlei 18/04/2013 Mediphacos Soluções em Genética Equipamentos e Serviços Fernanda e Vinícius Gonçalves 09/04/2013 Medx Indústria e Comércio Écio Figueiredo Cota 04/04/2013 Phoneutria Biotecnologia e Serviços Júnia Victoria 04/04/2013 Pró Criar Rosimeire Soares 09/05/2013 Quibasa Química Básica Sílvio Amdt 29/03/2013 Scholly Latin America Importação e Comércio Marcelo Closel 23/04/2013 Síntese Biotecnologia St. Jude Medical Henrique Vinagre Eduardo Magalhães 13 e 27/05/ e 24/05/2013 Technodry Liofilizados Médicos Cristina Martins 03/05/2013 Uniclon Biotecnologia Túlio Marcos 17/04/2013 2

9 Tabela 2 Relação de empresas identificadas mas não visitadas Empresa Justificativa 1 Enzytec Fora do Escopo 2 Ampligenix Biotech Indisponibilidade de agenda 3 Aptivalux Bioengenharia Recusa em participar 4 Axoon Soluções Fora do Escopo 5 Bioaptus Consultoria e Serv. de Biotecnologia Recusa em participar 6 Biocod Biotecnologia Recusa em participar 7 Bioeasy Diagnóstica Indisponibilidade de agenda 8 Bioeletron Localização fora da RMBH 9 Biogenetics Localização fora da RMBH 10 Biológica Des. Proj Proces em Biotecnologia Fora do Escopo 11 Biomm Technology Recusa em participar 12 Bio-Rad Não retornou contatos 13 Biotécnica Indústria e Comércio Ltda Localização fora da RMBH 14 CDMA Diagnóstico Indisponibilidade de agenda 15 Codon Biotecnologia Indisponibilidade de agenda 16 Diamed Não retornou contatos 17 Ecovec Recusa em participar 18 Ferrara Ophtalmics Recusa em participar 19 Fertilize Localização fora da RMBH 20 GE Healthcare Indicaram XPRO (grupo) 21 Hertape Caller Indisponibilidade de agenda 22 Hypofarma Inst. de Hypodermia e Farmácia Não retornou contatos 23 In Vitro Cells Fora do Escopo 24 In Vitro Diagnóstica Localização fora da RMBH 25 JHS Laboratório Recusa em participar 26 Katal Biotecnologia Não retornou contatos 27 Laboratório Analys Indisponibilidade de agenda 28 Laboratório Cera Doutor Lustosa Ltda Localização fora da RMBH 29 Laboratório Humberto Abraão Não retornou contatos 30 Laboratório Ibituruna Ltda Localização fora da RMBH 3

10 Empresa Justificativa 31 Laboratórios Osório de Moraes Ltda Recusa em participar 32 Laborkit Indústria e Comércio Ltda Localização fora da RMBH 33 Micra Biotecnologia Empresa não foi localizada 34 Nectar Farmaceutica Ltda - ME Não retornou contatos 35 Patologia Geraldo Lustosa Não retornou contatos 36 Philips Healthcare Não retornou contatos 37 Reagens do Brasil Produtos Laboratoriais Indisponibilidade de agenda 38 Renylab Química Farmacêutica Localização fora da RMBH 39 ToLife Soluções Inovadoras Recusa em participar 40 Trymed Clinical Research Não retornou contatos 41 Valid Biotecnologia Fora do Escopo 42 Waycarbon Fora do Escopo 43 XPRO Não retornou contatos 3. CARACTERÍSTICAS GERAIS As empresas do setor de Biotecnologia da Região Metropolitana de Belo Horizonte participantes da pesquisa foram caracterizadas como produtoras de insumos e serviços e/ou produzem e comercializam equipamentos voltados para o suporte a atividades distintas. As empresas possuem grande variedade quanto à data de fundação. A mais antiga foi fundada na década de 1950, mas, em sua maioria, as empresas foram fundadas na década de Em geral, têm enfoque na área médica e atividades médico-veterinárias, prestam serviços de exames e análises clínicas diversas, montam e revendem equipamentos para apoio a procedimentos laboratoriais e cirúrgicos. Uma das empresas atua no negócio de tratamento de resíduos sólidos e líquidos de indústrias. Podem ser destacados como os principais produtos: exame de paternidade, lente de contate, fertilização in vitro de bovinos, kit para diagnósticos de laboratórios de análise clínicas, reagentes, produção e comercialização de embriões, clonagem, enzimas, clips para aneurismas, Hemostáticos, material biológico para exames, cromatografia, cultivo de bactérias, equipamentos de cirurgia de oftalmologia, desfibriladores, eletrocardiógrafos, monitores de pressão, equipamentos auxiliares para realização de cirurgia vídeo-assistidas, analisador bioquímico, lavador automático de microplacas, leitora de microplacas, comercialização de equipamentos e acessórios importados. 4

11 As empresas possuem uma diversidade de clientes, dentre eles, podem ser destacados como principais: distribuidores especializados em equipamentos médicos, clínicas, hospitais, consultoria, Órgãos Públicos, tais como Embrapa, Universidades, Institutos de Pesquisa, laboratórios, Bombeiros e SAMUs, Planos de saúde e indústria alimentícia. A empresa que atua no negócio de tratamento de resíduos atende a grandes indústrias localizadas principalmente no sudeste brasileiro. Nenhuma delas exporta. Há concorrentes locais ou internacionais, localizados nos Estados Unidos, Ásia ou Europa. A empresa de tratamento de resíduos alega não ter concorrentes. 3.1 Subsistema de Suprimentos O subsistema de suprimentos tem por função prover o material certo, no local certo de operação, no instante correto e com o mínimo custo possível. Uma boa administração de materiais significa coordenar a movimentação dos suprimentos com as exigências da produção ou das vendas. Ou seja, engloba as atividades tradicionais de compras das empresas sem segmentação organizacional que consideram a logística. No subsistema de suprimento, existem algumas atividades que têm impactos diretos no fluxo e nos custos logísticos. A seguir, serão analisados os fatores que afetam o desempenho da empresa nas atividades de suprimentos Aspectos dos relacionamentos com os fornecedores As informações analisadas a seguir levam em consideração a aquisição dos três principais materiais, em termos de impacto financeiro, necessários para os processos de produção dos produtos ou serviços das empresas. O Gráfico 1 apresenta informações referentes à posição das empresas do segmento perante seus fornecedores. É possível perceber que predominam relações puramente de mercado entre empresas e os principais fornecedores. Essa conclusão é possível a partir da alta ocorrência mais de 56% dos casos das situações em que há várias empresas comprando dos fornecedores os mesmos itens, ou seja, os clientes são pequenos frente aos seus fornecedores. Sendo assim, estabelece-se uma relação de competição entre clientes pelo acesso a fontes de suprimento. Nestes casos, aqueles clientes capazes de transacionar maiores volumes obtêm vantagens a partir das economias de escala nas negociações de compra e contratação de transporte de materiais diretos. Essa situação torna-se desfavorável para empresas de pequeno porte, em especial para aquelas consideradas novas entrantes em seus mercados, como é a característica de boa parte das empresas abordadas, que surgiram nos anos 2000, ou das empresas importadoras. 5

12 Há muitos fornecedores para este item 11% Somos o único cliente do(s) fornecedor(es) 10% Este é um mercado em que há várias empresas comprando do(s) fornecedor(es) 56% Poucas empresas, além da nossa, compram do(s) fornecedor(es) 23% Gráfico 1 Posição das empresas visitadas perante os fornecedores Quando as relações se baseiam em um número restrito de clientes, aumentam as possibilidades de que fornecedores direcionem esforços no estabelecimento e na manutenção de relações duradouras com os clientes. Neste sentido, os laços entre os dois lados seriam reforçados, resultando em uma relação de interdependência. Esse tipo de relação é importante para pequenas e médias empresas, pois assegura benefícios como maior confiabilidade no suprimento, acesso a inovação gerada por fornecedores e oportunidades de inserção em mercados competitivos, dentre outros benefícios. Apenas em 34% das situações foi verificada a condição para a existência deste tipo de relação. As empresas recebem seus principais materiais ou equipamentos com baixa frequência de entrega Gráfico 2. Conforme pode ser verificado, o conjunto das frequências semestral, mensalmente e esporádica significam 80% dos casos, enquanto que frequência quinzenal ou semanal ocorrem em 16% das situações. Esporadicament e 9,09% Semanalment e 9,09% Quinzenalmen te 7,27% Semestralmen te 40,00% Mensalmente 30,91% Gráfico 2 Frequência de entrega dos fornecedores às empresas visitadas 6

13 Essa situação decorre de alguns fatores associados à origem das fontes de suprimento, quando importadas, ou do baixo consumo dos itens, no caso dos materiais. No primeiro caso, prevalece a necessidade de reunir lotes que justifiquem os custos associados com o transporte internacional. Tal necessidade de consolidação direciona as empresas para estratégias de formação de estoque, afastando-as das possibilidades de produzir guiadas pela demanda confirmada. Nos casos de suprimento nacional, o impacto da baixa frequência é a pequena demanda pelos materiais, decorrente dos volumes reduzidos vendidos pela maior parte das empresas do segmento, que acaba condicionando as compras aos lotes mínimos dos fornecedores. As estratégias de negociação de preços com os fornecedores estão apresentadas no Gráfico 3. Há uma tendência à dispersão entre as estratégias de negociação de preços, sendo a maior frequência de ocorrência no modelo de relacionamentos por contratos. Embora, não deixa de ser significativa a importância das estratégias típicas de mercado puro, em que prevalece a escolha de fornecedores pedido a pedido e aquelas em que o poder de barganha está do lado do mercado fornecedor, que impõe preço. Análise conjunta do custo do item 8,16% Pedido a pedido, pelo preço 20,41% Contrato 34,69% Negociamos um preço 14,29% O fornecedor impõe o preço 22,45% Gráfico 3 Estratégia de negociação de preços com os fornecedores pelas empresas visitadas A distribuição diversificada entre as estratégias de negociação de com fornecedores verificada no Gráfico 3 provavelmente reflete a razoável dispersão relacionada ao poder de barganha das empresas perante seus fornecedores Gráfico 4. No entanto, verifica-se que predominam as opções Pequeno e Muito pequeno 45% das situações enquanto as opções Alto e Muito alto ocorreram em 17,3% das situações. 7

14 Alto 15,52% Muito alto 1,72% Muito pequeno 25,86% Médio 36,21% Pequeno 20,69% Gráfico 4 Poder de barganha das empresas visitadas perante os fornecedores Como visto anteriormente, os principais fornecedores têm muitos clientes, sendo que estes têm pequeno ou muito pequeno poder de barganha, dando ao fornecedor a oportunidade de impor preço. No entanto, as empresas deste segmento relatam que há grande complexidade para substituir os fornecedores, por razões do conteúdo tecnológico do produto que oferecem ou do posicionamento no mercado, às vezes, por ser importador de itens de difícil acesso. Essas informações estão apresentadas no Gráfico 5. As opções Difícil ou Muito difícil ocorreram em 60% dos casos, contra 6,6% da opção fácil. Muito difícil 40,98% Fácil 6,56% Médio 32,79% Difícil 19,67% Gráfico 5 Grau de facilidade em substituir os fornecedores Ou seja, o cenário resultante das informações presentes nos Gráficos 1, 4 e 5 sugere que as empresas do segmento possuem dificuldades típicas de pequenos negócios nas aquisições estratégicas, uma vez que há competição pelas fontes, mas não há facilidade em substituir estas fontes por outras, tampouco estabelecer poder de barganha equilibrado. 8

15 O contrato é uma forma de segurança para as empresas regerem os relacionamentos e garantirem acesso aos itens necessários à elaboração de seus produtos ou serviços Aspectos relacionados à importação de materiais O recinto alfandegário de preferência é o Aeroporto de Confins, por onde são recebidas a maior parte do volume estimado relativo de cargas importadas. A EADI Granbel é o segundo recinto na preferência das empresas. Quando analisados os entraves da utilização do aeroporto de Confins para importação de cargas, sobressaíram os relatos sobre a ineficácia de operação do aeroporto, gerando custos excessivos e demora nos processos. Ainda, foi apontada a escassez de rotas internacionais diretamente para o aeroporto, que hoje está restrita às rotas Lisboa-Belo Horizonte e Miami-Belo Horizonte. Outro fator de interesse para análise tem a ver com as características das cargas movimentadas nas importações. O Gráfico 7 apresenta as informações. A partir delas, é possível verificar que as cargas importadas possuem como característica predominante o fato de serem classificadas como carga perecível, o que demanda preocupações especiais quanto à movimentação e armazenagem ocorre em 54% das situações. Gráfico 8 Característica do produto importado As maiores expectativas do segmento para que seja dinamizada a utilização do Aeroporto de Confins, seja para fins da distribuição interna, seja para fins de operações de importação e exportação e de Aeroporto Indústria, estão nos seguintes âmbitos: - Redução dos custos de armazenagem; - Ampliação da área de armazenagem; - Atuação mais ágil da ANVISA e da alfândega; - Aumento da capilaridade e do volume de operações aéreas: número de voos, frequência, horários, origens e destinos; - Atração de operadores dinâmicos. 9

16 3.2 Subsistema de Produção O subsistema de produção utiliza-se dos materiais disponibilizados pelo subsistema de suprimentos e, no processo de produção, origina o primeiro valor do produto final o valor da forma. Para tanto, racionaliza o processo definindo tempos das atividades, estudando a melhor disposição dos equipamentos e estações de trabalho (leiaute), aprimorando os atributos de qualidade, em termos de desempenho, estética, conformidade, segurança e confiabilidade, decidindo sobre atividades a terceirizar ou internalizar, estabelecendo critérios para o estabelecimento das filas e o posicionamento dos pedidos (primeiro a entrar, primeiro a ser atendido; menor tempo de atendimento; prioridade para emergências, ). A seguir, serão analisados os fatores que afetam o desempenho da empresa nas atividades de abastecimento e programação da produção: Aspectos planejamento da demanda e gestão dos estoques para materiais As empresas deste segmento se dispersão quanto aos métodos utilizados para obtenção da demanda Gráfico 6. Para 39% delas, os pedidos confirmados determinam as necessidades de materiais, em um modelo mais próximo daquele denominado puxado pela demanda. Este é um modelo que prima pela redução de custos da formação de estoque de produtos acabados, mas implica disponibilidade imediata de materiais. Outros 39% utilizam os dados históricos de vendas para estimar demanda, antecipar a demanda e programar suas necessidades, caracterizando um modelo mais próximo daquele denominado de base antecipatória. Pedidos confirmados 39,1% Estudos de mercado 8,7% Feeling 4,3% Estatística 8,7% Gráfico 6 Método de obtenção da demanda Análise histórica 39,1% 10

17 Tal estratégia tem impacto positivo na formação de estoque de produtos acabados. Mas, deve-se qualificá-la de forma complementar em termos de prazos de atendimentos aos clientes: é interessante checar a satisfação dos clientes quanto aos prazos de atendimento, pois este é um dos itens cada dia de maior relevância na avaliação dos serviços. O cliente valoriza sempre prazos menores, o que traduzse em vantagem competitiva para o negócio, fidelizando o cliente, solidificando a posição da empresa no mercado, aumentando market share e consequentemente faturamento. Esta estratégia de produção deve ter como suporte a formação de estoques de materiais. Foi constatada a ocorrência deste suporte, porém, além do requerido, motivado pelos lotes de compras exagerados frentes às necessidades de um período de planejamento razoável. Este é o principal problema na gestão de estoques de materiais, ao lado da falta de itens, bem como as diferenças entre o estoque registrado e o estoque físico Gráfico 7. Esses problemas foram os que tiveram maior frequência de ocorrência nas empresas do segmento. Os lotes de compra são muito grandes Há falta de materiais no estoque Há diferença entre registro de estoque e estoque físico Há erros de quantidade, mix ou local de entrega dos materiais adquiridos Gráfico 7 Problemas detectados nas compras e gestão de estoque Ou seja, a formação de estoque não é bem dimensionada, ou por excessos forçados pelos lotes mínimos de vendas dos fornecedores ou por falhas de gestão interna, que provoca falta de outros itens, pois as informações não são confiáveis. Ocorre que erros na programação dos materiais, na estimativa da demanda e na acuracidade do estoque podem provocar compras em volumes ou variedade inadequados para as necessidades das empresas, implicando custos adicionais aos produtos, pelo adicional de custo de formação de estoque ou dos custos das compras emergenciais, ou desgastes com clientes, por descumprimento de prazos acordados, pelos atrasos na produção e no ciclo total do pedido. As causas para os problemas de acuracidade do estoque variam, indo da ausência de procedimentos adequados para baixa dos itens no momento do consumo, sistemas de informação inadequados ou inexistentes ou falta de equipe preparada e 11

18 dedicada às atividades de controle de estoque. Há problemas também originados nos fornecedores, como erros nos mix entregues Aspectos da armazenagem de materiais Na análise pertinente às compras e materiais, foram detectadas imperfeições de natureza e impactos diversos. Quando avaliada a percepção quanto ao desempenho dos fornecedores, houve predomínio da ocorrência de problemas relacionados ao nível de serviço no atendimento Gráfico 8. Os principais problemas foram os atrasos nas entregas e longos tempos de ciclo. Em seguida, foi relatada a ocorrência de desdobramentos de problemas na produção, tais como compras emergenciais para completar lista de itens de materiais, e a qualidade dos materiais. Em seguida foram detectados problemas de integração interna, tais como o atraso das informações produção compras e a ineficácia dos sistemas de informações utilizados. Atrasos nas entregas Prazos longos atendimento Compras emergenciais Qualidade dos materiais Informações atrasadas da produção para o setor de compras Sistema de informações não apoia o fluxo de informações Gráfico 8 Problemas dos fornecedores que impactam o desempenho da Produção 3.3 Subsistema da Distribuição Uma vez que o produto esteja acabado, entram em funcionamento atividades relacionadas ao subsistema da distribuição física. A distribuição física trata da movimentação, armazenagem e processamento de pedidos dos produtos finais da empresa. O ponto final da distribuição física pode ser a loja, o varejista, a fábrica ou a residência do consumidor final. O ponto inicial pode ser uma fábrica, um atacadista, um varejista, uma empresa de serviços, etc. A seguir, serão analisados os aspectos que afetam o desempenho da empresa nas atividades de armazenagem e distribuição de produtos acabados. 12

19 3.3.1 Aspectos da armazenagem de produtos acabados Tal como ocorrido no armazenamento de materiais, as empresas possuem baixa complexidade nas operações de armazenagem de produtos acabados. Isso decorre do fato de comercializarem baixos volumes de cargas pouco volumosas. Além disso, algumas empresas não possuem distribuição física, pois são prestadoras de serviços. Em outras empresas, o estoque de produtos acabados é, na verdade, o estoque de materiais, uma vez que são revendedores. Os principais problemas de armazenagem de produtos acabados estão apresentados no Gráfico 9. Gráfico 9 Problemas detectados na armazenagem do produto acabado O principal problema apontado foi a capacidade inadequada das instalações de armazenagem de produtos acabados. Isso se deve, principalmente, à necessidade de diversidade para armazenar determinados produtos. Dessa forma, há uma complexidade quanto ao arranjo dos produtos nas diferentes unidades de resfriamento ou congelamento. Isso se reflete na ocorrência de problemas relacionados à localização de produtos acabados no armazém. O segundo principal problema é a falta da integração interna desde a expedição, passando pelo controle de estoque, chegando até a produção. Esta situação cria erros na programação da produção ou atrasos no atendimento de pedidos a clientes, pois, vende-se e promete-se entregar prontamente o que às vezes não se tem em estoque, perdem-se vendas daquilo que se tem em estoque, produz-se sem necessidade, e outras situações do gênero. Ademais, o problema da discrepância entre o estoque virtual e a contagem física também gera custos e desgastes com os clientes em situações análogas às descritas acima. 13

20 3.3.2 Processos da expedição O Gráfico 10 apresenta os principais problemas verificados no setor de expedição de cargas e preparação de documentação fiscal e de transporte. Erros na emissão de documentação (fiscal) Erros na montagem dos pedidos Erros na emissão de documentação para o transporte Emissão demorada de documentos para expedição Gráfico 10 Problemas na expedição e preparação da documentação É possível observar que representam as principais frequências de ocorrência emissão de documentos - documentação fiscal e de transporte. Tais problemas estão relacionados ao fluxo de informações internas às empresas, tal como foi verificado na gestão dos estoques. As causas estão associadas à precariedade de alguns sistemas de informações utilizados e da utilização de procedimentos inadequados para a emissão da documentação, mas principalmente, à falta de especialização das pessoas que executam tais atividades. A expedição é demorada e há a ocorrência de significativo montante de retrabalho na atividade e em seus processos. O segundo principal problema é a ocorrência de erros na montagem dos pedidos que serão despachados aos clientes. A causa principal destes erros é a complexidade do posicionamento dos produtos armazenados, descrita anteriormente. Nestes casos, a dificuldade em localizar produtos no estoque provoca erros de coleta e, consequentemente, de montagem das cargas. Este problema é potencializado pela comunicação insatisfatória entre vendas e estoque. Ao mesmo tempo, este processo é conturbado pela interferência com os processos de emissão de documentos fiscal e de transporte pelo mesmo colaborador Aspectos do transporte de produtos acabados Nas atividades de transporte, o problema que sobressai em relação aos demais é o alto valor do frete na distribuição Gráfico 11. O segundo e o terceiro principais problemas estão associados à seleção do prestador de serviço e à qualidade do serviço de transporte prestado. 14

21 Fretes altos Seleção inadequada de prestadores O serviço não é pontual Gráfico 14 Problemas no transporte de produtos acabados 4. DIAGNÓSTICO SITUACIONAL Em geral, o aglomerado de empresas de biotecnologia da Região Metropolitana de Belo Horizonte tem um relacionamento desfavorável com os fornecedores. Com pequeno ou muito pequeno poder de barganha, veem os fornecedores ditarem preços, atrasarem as entregas, pecarem na qualidade dos itens e entregarem de forma inconsistente. Este desempenho dos fornecedores tem implicações perniciosas para a produção. Alguns itens têm que ser comprados em lotes grandes, muito superior às necessidades de um bom período de tempo das empresas, enquanto, para outros, as empresas têm que recorrer periodicamente às compras emergenciais. Nas duas situações, custos adicionais são agregados aos produtos, corroendo as margens das empresas, num caso, pelos custos financeiros de manter estoque, e noutro, pelos custos das compras fora da programação. No que se refere às atividades de importação, as empresas importadoras são afetadas pelas ineficiências associadas aos procedimentos burocráticos de inspeção e liberação de cargas, o que torna o tempo de ciclo das importações muito longo e imprevisível. Considerando-se a característica de perecibilidade e periculosidade de boa parte dos materiais adquiridos, há unanimidade na necessidade de se intervir nestes procedimentos burocráticos, bem como no aumento do número de rotas internacionais para Confins. Na esfera da programação da produção e controle dos estoques, sobressaem as ineficiências da gestão, derivadas do uso de procedimentos baseados em sistemas de informações inadequados ou obsoletos, automatizados ou não. São situações individuais que demandam intervenções de cada empresa em seus processos e contratação de sistemas de informações mais qualificados a apoiar suas operações adequadamente. A implicação de tudo isso é a circulação atrasada ou mesmo falha das informações internas, ou por falta de alimentação do sistema, ou por ineficácia do sistema de fazer a informação chegar a quem precisa do compartilhamento. 15

22 Quanto à distribuição, os problemas detectados estão no âmbito dos processos da armazenagem, da expedição e dos transportes. Na armazenagem, um problema de grande impacto é o espaço insuficiente para o armazenamento de produtos acabados, que pode ser motivado pelos requisitos variados dos itens comercializados, tais como temperatura, umidade e isolamento, pela fabricação guiada pelos lotes econômicos, que gera excedentes e pela desconexão entre a produção e a evolução da demanda. Mas, não é apenas problema de espaço. Há problemas generalizados entre as empresas de diferenças entre o estoque virtual e a contagem física de itens. Isso provoca custos adicionais, aumento do tempo de atendimento e desgaste de imagem com os clientes. Por outro lado, o frete é considerado alto e esta é a maior reclamação das empresas. Deve-se considerar que as oportunidades de compartilhamento da logística devem ser bem trabalhadas, pois algumas cargas são enviadas de maneira pulverizada para laboratórios de pequeno e médio portes em todo o país, implicando as empresas de courier como potenciais prestadores de serviço. Logicamente, esta solução não atende a todos, tais como os revendedores de equipamentos. Deve-se considerar um universo ainda pouco explorado, que a modalidade aérea. 5. PLANO DE AÇÕES Problema: Fretes altos e baixo desempenho dos prestadores de serviço logístico Ação: Reavaliação e seleção de operadores e renegociação de fretes Execução: Criar grupo de trabalho para coordenar a renegociação das condições de transporte com os Correios e demais prestadores de serviços em um contrato coletivo, num modelo de logística compartilhada; Identificar os volumes, frequências de despacho e rotas para a distribuição dos equipamentos; Identificar atributos importantes para o desempenho das atividades de transporte para as empresas do setor; Identificar metas de custo do frete e do nível de serviço desejado; Levantar valores e nível de serviço da atual prestação de serviço dos prestadores, inclusive dos Correios; Renegociar condições com os Correios e demais prestadores de serviços; Elaborar modelo de seleção e avaliação dos serviços de transporte; Disponibilizar modelo para as empresas aderentes ao grupo de trabalho; Implantar iniciativa conjunta de negociação de acordos com os prestadores de serviços. Justificativa: As empresas do segmento apontaram que pagam altos valores dos fretes na distribuição, conjugados com o baixo nível de serviço dos 16

23 prestadores de serviços de transporte. Os Correios são responsáveis por significativa parcela dos fluxos de distribuição, sendo o prestador preferencial para boa parte das empresas do segmento. Além disso, há oferta de outros prestadores de serviços especializados, ainda não explorados. A atuação conjunta entre as empresas para a renegociação das condições do transporte poderá resultar em menores valores para o frete e aumento no nível de serviço. Além disso, há a necessidade de se elaborar um modelo para seleção e avaliação de serviços de transporte, que será útil para as negociações com fornecedores destes serviços. Problema: Diferença no estoque entre o volume registrado e a contagem física Ação: Aprimorar o processo de gestão de almoxarifados Execução: Mapear os processos de gestão dos almoxarifados (registro de entrada, requisição e baixa no consumo dos materiais, dentre outros); Identificar nos processos mapeados os procedimentos para registro das informações de estoque; Avaliar oportunidades de melhoria na execução destes procedimentos; Avaliar necessidade de treinar equipe responsável por executar os procedimentos; Avaliar os sistemas de informação utilizados para gerenciamento destas informações; Padronizar processos de gestão dos almoxarifados; Treinar pessoal Justificativa: O problema da diferença entre o estoque real e o estoque registrado no sistema é bastante recorrente nas empresas deste segmento. Como consequência deste problema há a ocorrência de faltas ou excesso de estoques. Assim, há atrasos nos processos produtivos e/ou no atendimento aos pedidos dos clientes, por um lado, e perdas de materiais por perecibilidade ou obsolescência, de outro lado. Ainda, informações imprecisas sobre necessidades líquidas de materiais geram ações ineficientes em compras, acarretando maiores custos para as empresas. Problema: Fluxo interno de informações entre os setores Ação: Aprimorar a gestão das informações Execução: Formar equipe de trabalho com representantes dos setores envolvidos no fluxo de materiais; Avaliar o sistema de informações utilizado, considerando a capacidade de apoiar o compartilhamento de informações entre os setores; 17

24 Identificar pontos de fragilidade na captura e disponibilização das informações; Avaliar necessidade de treinar equipe responsável por manusear o sistema de informações; Justificativa: A existência de um fluxo inadequado de informações entre os setores das empresas provoca ineficiências em várias atividades logísticas. No suprimento, a programação dos pedidos junto a fornecedores pode ser feita com atrasos e erros quanto ao mix, volume e prazos de entrega dos materiais. A capacidade dos setores de recebimento e armazenagem dos materiais pode ser comprometida, em virtude de descompasso entre as informações sobre recebimento de materiais. A programação da produção pode ser executada de maneira desalinhada com a real demanda dos produtos ou serviços. As operações de distribuição podem ser feitas de modo ineficiente, provocando aumento nos custos e redução no nível de serviço. Problema: Lotes grandes de compras Ação: Reavaliação do contexto da demanda, dos custos logísticos e aduaneiros e das exigências de lote mínimo do fornecedor Execução: Avaliar oportunidades de aprimoramento dos métodos de previsão de demanda; Aprimorar o fluxo interno de informações entre os setores; Aprimorar os processos de gestão dos almoxarifados; Apoiar ações que sejam direcionadas para a criação de infraestrutura de apoio nos processos de importação; Avaliar oportunidades de renegociação de tamanhos de lote e frequência de atendimento por parte dos fornecedores; Justificativa: Grandes lotes de compra provocam impactos no fluxo financeiro, nos custos de estoque, no risco de perdas por perecibilidade e obsolescência, e no uso da capacidade de armazenagem instalada. Por outro lado, podem provocar impacto positivo na redução dos custos de transporte e aquisição. Cabe a cada empresa avaliar seus processos internos e sua base de fornecedores, em busca de oportunidades de flexibilização dos tamanhos de lote, dentro da especificidade de cada caso. 18

25 Problema: Padronizar Processos Ação: Avaliar, Redesenhar e Padronizar os processos Execução: Avaliar oportunidade de aprimorar os processos, dentre eles, estes apontados neste relatório como pontos críticos nas operações; Redesenhar os processos, buscando aprimoramento e melhoria do desempenho; Padronização do processo para garantia de estabilidade do melhoria projetada Gestão do processo, com implantação de medidas de desempenho Justificativa: Há processos mal desenhados, o que pode ser facilmente percebido na elaboração de fluxogramas, mas, principalmente, não há uma cultura muito disseminada de padronização dos processos, talvez pela crença de que o porte do negócio não exija tal formalidade. Problema: Especializar pessoas Ação: Treinar as pessoas para executarem os processos padronizados Execução: Avaliar os colaboradores e descobrir compatibilidades de perfis para a execução de processos dentro dos padrões estabelecidos Monitorar desempenho Justificativa: Os processos não estão bem padronizados, tampouco há tarefas especializadas. Muitos fazem de tudo um pouco. Há muitos problemas de retrabalho e falhas típicas causadas por falta de treinamento e repetição. Também neste caso, a lacuna deriva do fato de não haver uma cultura muito disseminada de padronização dos processos, talvez pela crença de que o porte do negócio não exija tal formalidade. Problema: Entraves do comércio exterior Ação: Atuação conjunta, com amparo em instituições tais como AMBIOTEC e FIEMG para buscar soluções para o aprimoramentos dos processos de desembaraço aduaneiro e de embarque na origem. Execução: Criar grupo de trabalho para coordenar levantamento e análise das informações necessárias e aproximação com as entidades de interesse; Identificar e analisar as dificuldades relacionadas ao desembaraço aduaneiro das cargas (custos, atrasos, anuências de órgãos reguladores, dentre outros); 19

26 Identificar e analisar as dificuldades relacionadas ao embarque das cargas na origem dos itens (tais como tempo de espera para embarque, frequência de voos diretos, diversidade de rotas internacionais e de operadoras destas rotas); Elaborar e apresentar propostas para solução das dificuldades apontadas, considerando o apoio institucional das entidades próximas ao setor; Justificativa: As empresas do segmento enfrentam dificuldades relacionadas ao desembaraço aduaneiro das cargas no Aeroporto de Confins. Além disso, há problemas enfrentados no embarque das cargas na origem. Desta forma, os prazos de atendimento relativos ao suprimento de materiais ou equipamentos são longos e variáveis. Tais efeitos prejudicam a condição competitiva das empresas, pois implicam custos adicionais na formação de estoques e descumprimento de prazos com clientes. Problema: Morosidade dos processos da ANVISA Ação: Melhorar o relacionamento com a ANVISA, buscando amparo em instituições tais como AMBIOTEC e FIEMG para melhor detalhamento dos processos e necessidades das empresas. Execução: Criar grupo de trabalho para coordenar levantamento e análise das informações e aproximação com as entidades de interesse; Levantar características dos materiais, dos processos produtivos e dos produtos comercializados; Identificar e listar os pontos de influência da ANVISA nos processos e decisões das empresas, bem como os problemas resultantes destes pontos de influência; Quantificar os prazos médios de resposta da ANVISA às solicitações peticionadas; Elaborar sugestões para otimizar os processos da ANVISA, tendo como base a lista de pontos de influência nas empresas e as metas ideais de tempo de resposta da Agência; Apresentar propostas para as entidades próximas ao setor, solicitando apoio para a aproximação com a ANVISA. Justificativa: A ANVISA é o principal órgão regulador das atividades afetas às operações das empresas do setor. Suas decisões definem aspectos importantes dos processos de aquisição, importação, manuseio, armazenagem, produção e distribuição dos produtos das empresas. Os resultados do diagnóstico apontam que há uma morosidade na execução dos processos na Agência, o que suscita a existência de oportunidades de aprimoramento nestes processos. Estas ineficiências afetam não somente a competitividade das empresas individualmente, mas também do setor como um todo. Atuando de maneira individual, as empresas terão dificuldades em conseguir solucionar ou o problema ou reduzir o seu impacto. Portanto, a 20

27 solução deste problema precisa passar pela articulação conjunta entre elas. Problema: Necessidade de infraestrutura externa para apoio às operações de armazenagem e distribuição em Confins Ação: Melhoria da infraestrutura do Aeroporto de Confins Execução: Criar grupo de trabalho para coordenar o levantamento e análise das informações e aproximação com as entidades de interesse; Avaliar legislação referente à criação e operação de depósito alfandegado; Identificar necessidades relacionadas ao armazenamento de materiais e produtos acabados; Dimensionar volumes estimados que seriam destinados ao depósito alfandegado; Justificativa: Há necessidade de contar com infraestrutura externa de apoio que permita a consolidação e armazenagem de materiais para circulação geral (cargas nacionais e internacionais). Tal infraestrutura permitiria que as empresas pudessem operar com economias de escala e ganhos de produtividade. Problema: Dificuldades em internalizar no País a produção de equipamentos ou prestar assistência técnica para clientes internacionais Ação: Criação de Entreposto Aduaneiro no Aeroporto de Confins Execução: Criar grupo de trabalho para coordenar levantamento e análise das informações e aproximação com as entidades de interesse; Identificar e analisar oportunidades para a produção de equipamentos no país; Identificar e analisar oportunidades para a prestação de serviços de assistência técnica no país; Estimar impacto positivo na operação das empresas a partir da operação do entreposto aduaneiro; Apresentar informações e solicitar articulação das entidades próximas ao setor relativas à implantação do entreposto aduaneiro. Justificativa: As empresas do segmento possuem oportunidades de crescimento de suas operações que dependem da implantação do entreposto aduaneiro no Aeroporto de Confins. Estas oportunidades estão associadas com a possibilidade de produzir equipamentos no país para comercialização em mercados vizinhos (América Latina), além 21

28 da prestação de serviços de assistência técnica a estes mesmos mercados. 22

29 CAPÍTULO 2 EMPRESAS DO SEGMENTO DE EQUIPAMENTOS 1. INTRODUÇÃO As informações que compõem este relatório foram obtidas a partir de visitas técnicas realizadas nas empresas listadas na Tabela 1. Tabela 1 Relação de empresas visitadas EMPRESA RESPONSÁVEL DATA Celer Andreas Flug 04/04/2013 Endobrax Cleber Batista Souza 03/04/2013 GCT Warley Silva 10/04/2013 Mediphacos Vinícius Gonçalves 09/04/2013 Medx Écio Figueiredo Cota 04/04/2013 Scholly Marcelo Closel 23/04/ CARACTERÍSTICAS GERAIS As empresas deste segmento produzem e/ou comercializam equipamentos voltados para o suporte a atividades distintas. A maior parte tem enfoque na área médica, montando ou revendendo equipamentos para apoio a procedimentos laboratoriais e cirúrgicos. Uma das empresas atua no negócio de tratamento de resíduos sólidos e líquidos de indústrias. As empresas, em sua maioria, foram fundadas entre 2005 e As exceções são uma empresa fundada em 1972 e outra fundada em As empresas possuem como principais clientes distribuidores especializados em equipamentos médicos espalhados pelos principais mercados brasileiros. Algumas atendem diretamente a hospitais e clínicas de grande porte localizadas no país. A empresa que atua no negócio de tratamento de resíduos atende a grandes indústrias localizadas principalmente no sudeste brasileiro. Nenhuma delas exporta. Os principais concorrentes são os distribuidores locais de fabricantes internacionais de equipamentos, localizados na Ásia ou Europa. A empresa de tratamento de resíduos alega não ter concorrentes para o seu tipo de tratamento. 23

30 2.1 Subsistema de Suprimentos O subsistema de suprimentos tem por função prover o material certo, no local de operação certo, no instante correto e com o mínimo custo possível. Uma boa administração de materiais significa coordenar a movimentação dos suprimentos com as exigências da produção ou das vendas. Ou seja, engloba as atividades tradicionais de compras que consideram a logística nas empresas. No subsistema de suprimentos, existem algumas atividades que têm impactos diretos no fluxo e nos custos logísticos. A seguir, serão analisados os fatores que afetam o desempenho das empresas deste segmento nas atividades de suprimentos: Aspectos dos relacionamentos com os fornecedores As informações analisadas a seguir levam em consideração a aquisição dos três principais materiais necessários para os processos de produção da empresa, quando se trata de fabricantes de equipamentos. Por outro lado, nos casos em que as empresas adquirem produtos acabados para revenda, a análise foi feita em relação ao(s) principal(is) fornecedor(es) destes equipamentos. O Gráfico 1 a seguir apresenta informações referentes à posição das empresas do segmento perante seus fornecedores. Gráfico 1 Posição das empresas visitadas perante os fornecedores É possível perceber que predominam relações de interdependência entre empresas e os principais fornecedores. Essa conclusão é possível a partir da incidência em apenas um terço dos casos de relações puramente de mercado. Tais relações ocorrem quando os fornecedores atendem a vários clientes para os mesmos itens fornecidos. Sendo assim, estabelece-se uma relação de competição entre clientes pelo acesso a fontes competitivas de suprimento. Nestes casos, os clientes capazes de transacionar maiores volumes obtêm vantagens a partir das economias de escala 24

31 nas negociações de compra e contratação de transporte de materiais diretos. Essa situação torna-se desfavorável para empresas de pequeno porte, em especial para aquelas consideradas novas entrantes em seus mercados. Por outro lado, quando as relações se baseiam em um número restrito de clientes, aumentam as possibilidades de que fornecedores direcionem esforços no estabelecimento e na manutenção de relações duradouras com os clientes. Neste sentido, os laços entre os dois lados são reforçados, resultando numa relação de interdependência. Esse tipo de relação é importante para pequenas e médias empresas, pois assegura benefícios como maior confiabilidade no suprimento, acesso a inovação gerada por fornecedores e oportunidades de inserção em mercados competitivos, dentre outros benefícios. Por exemplo, este é o caso das empresas que mantêm contrato de exclusividade na distribuição, em todo o território nacional, de equipamentos produzidos por fabricantes internacionais. A prevalência de relações de interdependência afetou a questão do poder de barganha das empresas perante seus fornecedores. Em 60% das situações foi detectado um médio poder de barganha, conforme apresentado no Gráfico 2. Esse resultado contraria a tendência original de predomínio das categorias associadas a reduzido poder de barganha nas negociações conduzidas por clientes de pequeno porte, como é o caso das empresas deste segmento. O poder de barganha é pequeno ou muito pequeno para os demais 40% das situações. Gráfico 2 Poder de barganha das empresas visitadas perante os fornecedores Como consequência destas relações de interdependência predominantes no segmento, há aumento na complexidade para substituir os fornecedores por fontes alternativas de suprimento. Essas informações estão apresentadas no Gráfico 3. 25

32 Gráfico 3 Grau de facilidade em substituir os fornecedores Naquelas empresas voltadas para a comercialização de equipamentos produzidos fora do país, a substituição dos fornecedores é uma decisão estratégica, pois pode implicar a sobrevivência do próprio negócio. Para as empresas produtoras e comercializadoras de equipamentos de marca própria, a substituição dos fornecedores varia em termos de importância estratégica. Para algumas empresas, implicaria em apenas prospectar fontes alternativas, testar materiais e negociar acordos comerciais. Para outras empresas, no entanto, pode significar o desenvolvimento de nova fonte de suprimento, atividade que pode implicar longos períodos de tempo e razoável investimento financeiro por parte da empresa cliente. As empresas recebem seus principais materiais ou equipamentos com baixa frequência de entrega Gráfico 4. Conforme pode ser verificado, a soma das frequências semestral e esporádica significam 62% dos casos, enquanto frequência mensal ocorre para 38% dos casos. Não houve ocorrência de frequência quinzenal, semanal ou diária. Gráfico 4 Frequência de entrega dos fornecedores às empresas visitadas 26

33 Essa situação decorre de alguns fatores associados à origem das fontes de suprimento, quando importadas, ou do baixo consumo dos itens, no caso dos materiais. No primeiro caso, prevalece a necessidade de reunir lotes que justifiquem os custos associados com o transporte internacional. Tal necessidade de consolidação direciona as empresas para estratégias de formação de estoque, afastando-as das possibilidades de operar guiadas pela demanda confirmada. Essas situações ocorreram tanto nas aquisições de materiais para transformação quanto de equipamentos para revenda. Nos casos de suprimento nacional, o fator determinante para a baixa frequência é a pequena demanda pelos materiais, decorrente dos volumes reduzidos de equipamentos comercializados pelas empresas do segmento. A ocorrência de tais alternativas de suprimento importação de materiais e/ou equipamentos e compra local de materiais afeta, consequentemente, as estratégias de negociação de preços com os fornecedores, conforme apresentado no Gráfico 5. Nos casos de importação, predomina a dificuldade de negociação de preços com os fornecedores, restando ao cliente a possibilidade de firmar ou não contrato de fornecimento dos itens adquiridos. Nestes últimos casos se enquadram as empresas representantes com exclusividade de marcas de equipamentos importados. Nos casos das negociações locais, surgem as estratégias típicas de mercado puro, onde pode prevalecer a competição com fornecedores e a escolha destes pedido a pedido. Gráfico 5 Estratégia de negociação de preços com os fornecedores pelas empresas visitadas Quando avaliada a percepção quanto ao desempenho dos fornecedores, houve predomínio da ocorrência de problemas relacionados ao nível de serviço das entregas Gráfico 6. Os principais problemas foram os atrasos nas entregas e prazos de atendimento muito longos ou inconsistentes. Em seguida, foi relatada a ocorrência de problemas na qualidade dos materiais ou equipamentos fornecidos falta de materiais em estoque pode ser tanto uma consequência dos problemas de nível de serviço já apontados (prazos de atendimento muito longos ou inconsistentes) problemas estes de cunho externo quanto de problemas de 27

34 programação das necessidades ou de comunicação entre as áreas funcionais, portanto, internos às empresas. Atrasos nas entregas Prazos longos atendimento Qualidade Falta de materiais Embalagem inadequada Erros no mix ou local Gráfico 6 Problemas dos fornecedores que impactam o desempenho da Produção Tais problemas associados à gestão interna das informações ficam evidenciados na análise do Gráfico 7. Nele, é possível observar que merece destaque a ocorrência de problemas relacionados ao fluxo de informações entre a área de compras e os usuários internos. O primeiro em frequência de ocorrência foi o atraso na comunicação das necessidades de materiais por parte dos usuários. Esse problema pode ser interpretado como uma das causas mais relevantes na necessidade de realização de compras emergenciais, sendo este o segundo problema de maior frequência de ocorrência. Atraso info. s/ necessidades Compras emergenciais Imprecisão disponibiidade estoque Sistema interno prejudica fluxo info Gráfico 7 Incosistência da informação que impactam o desempenho da Produção Aspectos relacionados à importação de materiais Todas as empresas deste segmento são importadoras de materiais para transformação e/ou equipamentos para revenda. Em nenhum dos casos a empresa possui alternativa de fornecimento local para os itens adquiridos. 28

35 O recinto alfandegário de preferência é o Aeroporto de Confins, por onde são recebidos 53% do volume estimado relativo de cargas importadas. Pela EADI Granbel são recebidos 33% do volume, enquanto o Porto de Santos movimenta outros 8%. Quando analisados os entraves da utilização do aeroporto de Confins para importação de cargas, sobressaíram os relatos sobre a ineficácia de operação do aeroporto, gerando custos excessivos e demora nos processos. Ainda, foi apontada a escassez de rotas internacionais diretamente para o aeroporto, que hoje está restrita às rotas Lisboa-Belo Horizonte e Miami-Belo Horizonte. Tais fatores provocam efeitos no desempenho da área de suprimentos, avaliado pela habilidade em satisfazer necessidades dos clientes. Foi apontada a inconsistência nos prazos de entrega como sendo o problema de desempenho mais importante na área de suprimentos. Outro fator de interesse para análise tem a ver com as características das cargas movimentadas nas importações. O Gráfico 8 apresenta as informações. A partir delas, é possível verificar que as cargas importadas possuem como característica predominante a fragilidade, principalmente pelos componentes eletrônicos e ópticos dos equipamentos e materiais adquiridos. Outros 17% Perecível 17% Carga perigosa 16% Frágil 50% Gráfico 8 Característica do produto importado 2.2 Subsistema de Produção O subsistema de produção utiliza-se dos materiais disponibilizados pelo subsistema de suprimentos e, no processo de produção, origina o primeiro valor do produto final o valor da forma. Para tanto, racionaliza o processo definindo tempos das atividades, estudando a melhor disposição dos equipamentos e estações de trabalho (leiaute), aprimorando os atributos de qualidade, em termos de desempenho, estética, conformidade, segurança e confiabilidade, decidindo sobre atividades a terceirizar ou internalizar, estabelecendo critérios para o estabelecimento das filas e o posicionamento dos pedidos (primeiro a entrar, 29

36 primeiro a ser atendido; menor tempo de atendimento; prioridade para emergências, ). A seguir, serão analisados os fatores que afetam o desempenho da empresa nas atividades de abastecimento e programação da produção: Aspectos de armazenagem de materiais De modo geral, as empresas deste segmento possuem poucos problemas no que se refere à armazenagem dos materiais. Quando levantados os principais problemas, considerando a frequência de sua ocorrência, sobressaiu a dificuldade de destinar corretamente os materiais nos armazéns. As empresas movimentam volumes anuais pequenos, o que demanda baixa capacidade de armazenagem. No entanto, tal capacidade se mostra, em alguns casos, insuficiente para a diversidade de materiais ou equipamentos adquiridos, o que se reflete na dificuldade em definir locais no almoxarifado para endereçamento dos itens. Outros problemas apontados estão apresentados no Gráfico 9. Destinação dos materiais no armazém Tempo longo entre recebeimento e armazenamento Erros de coleta dos materiais Gráfico 9 Problemas recorrentes na armazenagem Aspectos planejamento da demanda e gestão dos estoques de materiais As empresas deste segmento se dividem quanto aos métodos utilizados para obtenção da demanda Gráfico 9. Para 43% delas, os pedidos confirmados determinam as necessidades de materiais, em um modelo mais próximo daquele denominado puxado pela demanda. Outros 43% analisam os dados históricos de vendas para estimar demanda e programas suas necessidades, caracterizando um modelo mais próximo daquele denominado de base antecipatória. Nestes casos, a empresa toma decisões baseadas em formação de estoque, principalmente. 30

37 Pedidos confirmados 43% Análise histórica 43% Feeling 14% Gráfico 10 Método de conhecimento da demanda O aspecto que sobressai na gestão dos estoques é a incidência de diferenças entre o estoque registrado e o estoque físico Gráfico 10. Esse fato ocorre em virtude de problemas quanto ao fluxo de informações internas às empresas. As causas variam, indo da negligência dos procedimentos adequados para baixa dos itens no momento do consumo ou venda, sistemas de informação inadequados ou inexistentes ou falta de equipe dedicada com exclusividade a estas atividades de controle de estoque. Diferença entre registro de estoque e estoque físico Perdas por perecibilidade Gráfico 10 Problemas detectados na gestão de estoque 2.3 Subsistema da Distribuição Uma vez que o produto esteja acabado, entram em operação as atividades relacionadas ao subsistema da distribuição física. A distribuição física trata da movimentação, armazenagem e processamento de pedidos dos produtos finais da empresa. O ponto final da distribuição física pode ser a loja, o varejista, a fábrica ou a casa do consumidor. O ponto inicial pode ser uma fábrica, um atacadista, um varejista, uma empresa de serviços, etc. A seguir, serão analisados os fatores que afetam o desempenho da empresa nas atividades de armazenagem e distribuição de produtos acabados: 31

38 2.3.1 Aspectos da armazenagem de produtos acabados Tal como ocorrido no armazenamento de materiais, as empresas possuem baixa complexidade nas operações de armazenagem de produtos acabados. Isso decorre dos pequenos volumes comercializados e das características dos equipamentos, que são de pequeno porte. Em algumas empresas, o estoque de materiais é, na verdade, o estoque de produtos acabados, uma vez que compram equipamentos para revenda. O Gráfico 12 apresenta os principais problemas verificados na área de armazenagem de produtos acabados. O que se pode verificar é que não há um problema que sobressaia em relação aos demais, e que tenha frequência de ocorrência significativa. Os mais recorrentes são a insuficiência de espaço físico, baixo giro de estoques e diferença entre estoque físico e registrado. Capacidade insuficiente espaço O giro de estoque é baixo Diferença estoque físico/registro Gráfico 12 Problemas detectados na armazenagem do produto acabado Aspectos da expedição O Gráfico 13 apresenta os principais problemas verificados no setor de expedição de cargas e preparação de documentação fiscal e de transporte. É possível observar que representam as principais frequências de ocorrência os erros de documentação fiscal e o longo tempo para emissão dos documentos. Tais ocorrências estão relacionadas ao fluxo de informações internas às empresas, tal como foi verificado na gestão dos estoques. As causas estão associadas à precariedade de alguns sistemas de informações utilizados e da utilização de procedimentos inadequados. 32

39 Erros documentação (fiscal) Emissão documentos demorada Erros montagem dos pedidos Gráfico 13 Problemas na expedição e prepação da documentação Aspectos do transporte de produtos acabados Todas as empresas deste segmento contratam terceiros para as atividades de transporte de produtos acabados. Nestas atividades, o problema que sobressai em relação aos demais é o alto custo do frete na distribuição Gráfico 14. Este principal problema está diretamente associado ao segundo e terceiro principais problemas mais frequentes a seleção inadequada e avaliação inadequada dos prestadores de serviços, respectivamente. Fretes altos Seleção inadequada prestadores Avaliação inadequada prestadores Gráfico 14 Problemas no transporte de produtos acabados 3. DIAGNÓSTICO SITUACIONAL As empresas deste segmento são muito diversas entre si, apesar da maioria atuar no fornecimento de equipamentos de apoio à área médica laboratoriais, cirúrgicos, dentre outros. Algumas montam equipamentos no Brasil, com projeto de elaboração 33

40 própria. Outras são distribuidores locais de fabricantes internacionais de equipamentos, sem etapas de fabricação no Brasil. Há ainda uma empresa que compra equipamentos para a montagem de plantas de tratamento de resíduos sólidos e líquidos. Ou seja, existe uma diversidade de negócios, que interfere de maneira distinta na logística de cada empresa. No aspecto do suprimento, por exemplo, todas são importadoras. No entanto, algumas importam equipamentos montados para revenda, sendo distribuidores exclusivos de determinados fabricantes, com os quais mantém contrato de exclusividade. Outra é subsidiária de uma empresa alemã, sendo esta, portanto, sua única fornecedora. Outras importam peças e componentes para montagem local de equipamentos, tendo flexibilidade para seleção de fornecedores. No aspecto interno, esta diversidade se reflete nas exigências distintas quanto a área de armazenagem de materiais e/ou produtos acabados. Há relatos de problemas relacionados aos casos individuais, como leiaute do setor de recebimento de materiais, capacidade de armazenamento ou fluxo de informações entre áreas funcionais. No que se refere às atividades de importação, todas são afetadas pelas ineficiências associadas aos procedimentos burocráticos de inspeção e liberação de cargas, o que torna o tempo de ciclo das importações mais longo e imprevisível. Há unanimidade na necessidade de se intervir nestes procedimentos burocráticos, bem como no aumento do número de rotas internacionais para Confins. Na esfera da programação da produção e controle dos estoques, sobressaem as ineficiências da gestão, derivadas do uso de procedimentos baseados em sistemas de informações inadequados ou obsoletos, automatizados ou não. São situações individuais que demandam intervenções de cada empresa em seus processos e contratação de sistemas de informações mais qualificados a apoiar suas operações adequadamente. Quanto à distribuição, as oportunidades de compartilhamento da logística são escassas, uma vez que as rotas principais não são coincidentes para boa parte das empresas. Para algumas, as rotas para o sul do país e Estado de São Paulo são as principais. Para outra, Minas Gerais é o principal e praticamente único mercado. Uma terceira possui Minas Gerais e Rio de Janeiro como principais mercados, enquanto outra distribui para praticamente todo o país. Em decorrência do pequeno volume de cargas, os Correios apareceram como sendo o principal parceiro. No entanto, há apontamento de problemas quanto à ineficaz seleção e avaliação dos prestadores de serviços logísticos, e as empresas apontam o alto custo do frete como sendo o principal problema logístico a ser enfrentado. 34

41 4. PLANO DE AÇÕES Problema: Atuação individual em questões relativas ao comércio exterior Ação: Atuação conjunta, com amparo em instituições tais como AMBIOTEC e FIEMG para buscar soluções para o aprimoramento dos processos de desembaraço aduaneiro e de embarque na origem. Execução: Criar grupo de trabalho para coordenar levantamento e análise das informações necessárias e aproximação com as entidades de interesse; Identificar e analisar as dificuldades relacionadas ao desembaraço aduaneiro das cargas (custos, atrasos, anuências de órgãos reguladores, dentre outros); Identificar e analisar as dificuldades relacionadas ao embarque das cargas na origem dos itens (tais como tempo de espera para embarque, frequência de voos diretos, diversidade de rotas internacionais e de operadoras destas rotas); Elaborar e apresentar propostas para solução das dificuldades apontadas, considerando o apoio institucional das entidades próximas ao setor; Justificativa: As empresas do segmento enfrentam dificuldades relacionadas ao desembaraço aduaneiro das cargas no Aeroporto de Confins. Além disso, há problemas enfrentados no embarque das cargas na origem. Desta forma, os prazos de atendimento relativos ao suprimento de materiais ou equipamentos são longos e variáveis. Tais efeitos prejudicam a condição competitiva das empresas. Problema: Morosidade dos processos da ANVISA Ação: Melhorar o relacionamento com a ANVISA, buscando amparo em instituições tais como AMBIOTEC e FIEMG para melhor detalhamento dos processos e necessidades das empresas. Execução: Criar grupo de trabalho para coordenar levantamento e análise das informações e aproximação com as entidades de interesse; Levantar características dos materiais, dos processos produtivos e dos produtos comercializados; Identificar e listar os pontos de influência da ANVISA nos processos e decisões das empresas, bem como os problemas resultantes destes pontos de influência; Quantificar os prazos médios de resposta da ANVISA às solicitações peticionadas; Elaborar sugestões para otimizar os processos da ANVISA, tendo como base a lista de pontos de influência nas empresas e as metas ideais de tempo de resposta da Agência; 35

42 Apresentar propostas para as entidades próximas ao setor, solicitando apoio para a aproximação com a ANVISA. Justificativa: A ANVISA é o principal órgão regulador das atividades afetas às operações das empresas do setor. Suas decisões definem aspectos importantes dos processos de aquisição, importação, manuseio, armazenagem, produção e distribuição dos produtos das empresas. Os resultados do diagnóstico apontam que há uma morosidade na execução dos processos na Agência, o que suscita a existência de oportunidades de aprimoramento nestes processos. Estas ineficiências afetam não somente a competitividade das empresas individualmente, mas também do setor como um todo. Atuando de maneira individual, as empresas terão dificuldades em conseguir solucionar ou o problema ou reduzir o seu impacto. Portanto, a solução deste problema precisa passar pela articulação conjunta entre elas. Problema: Necessidade de infraestrutura externa para apoio às operações de armazenagem e distribuição Ação: Melhoria da infraestrutura do Aeroporto de Confins Execução: Criar grupo de trabalho para coordenar o levantamento e análise das informações e aproximação com as entidades de interesse; Avaliar legislação referente à criação e operação de depósito alfandegado; Identificar necessidades relacionadas ao armazenamento de materiais e produtos acabados; Dimensionar volumes estimados que seriam destinados ao depósito alfandegado; Justificativa: Há necessidade de contar com infraestrutura externa de apoio que permita a consolidação e armazenagem de materiais para circulação geral (cargas nacionais e internacionais). Tal infraestrutura permitiria que as empresas pudessem operar com economias de escala e ganhos de produtividade. Problema: Dificuldades em internalizar no país a produção de equipamentos ou prestar assistência técnica para clientes internacionais Ação: Criação de Entreposto Aduaneiro no Aeroporto de Confins Execução: Criar grupo de trabalho para coordenar levantamento e análise das informações e aproximação com as entidades de interesse; 36

43 Identificar e analisar oportunidades para a produção de equipamentos no país; Identificar e analisar oportunidades para a prestação de serviços de assistência técnica no país; Estimar impacto positivo na operação das empresas a partir da operação do entreposto aduaneiro; Apresentar informações e solicitar articulação das entidades próximas ao setor relativas à implantação do entreposto aduaneiro. Justificativa: As empresas do segmento possuem oportunidades de crescimento de suas operações que dependem da implantação do entreposto aduaneiro no Aeroporto de Confins. Estas oportunidades estão associadas com a possibilidade de produzir equipamentos no país para comercialização em mercados vizinhos (América Latina), além da prestação de serviços de assistência técnica a estes mesmos mercados. Problema: Fretes altos e baixo desempenho dos prestadores de serviço logístico Ação: Reavaliação e seleção de operadores e renegociação de fretes Execução: Criar grupo de trabalho para coordenar a renegociação das condições de transporte com os Correios e demais prestadores de serviços em um contrato coletivo, num modelo de logística compartilhada; Identificar os volumes, frequências de despacho e rotas para a distribuição dos equipamentos; Identificar atributos importantes para o desempenho das atividades de transporte para as empresas do setor; Identificar metas de custo do frete e do nível de serviço desejado; Levantar valores e nível de serviço da atual prestação de serviço dos prestadores, inclusive dos Correios; Renegociar condições com os Correios e demais prestadores de serviços; Elaborar modelo de seleção e avaliação dos serviços de transporte; Disponibilizar modelo para as empresas aderentes ao grupo de trabalho; Implantar iniciativa conjunta de negociação de acordos com os prestadores de serviços. Justificativa: As empresas do segmento apontaram que pagam altos valores dos fretes na distribuição, conjugados com o baixo nível de serviço dos prestadores de serviços de transporte. Os Correios são responsáveis por significativa parcela dos fluxos de distribuição, sendo o prestador preferencial para boa parte das empresas do segmento. Além disso, há oferta de outros prestadores de serviços especializados, ainda não explorados. A atuação conjunta entre as empresas para a renegociação das condições do transporte poderá resultar em menores valores para o frete e aumento no nível de serviço. Além disso, há a necessidade de se elaborar um modelo para seleção e 37

44 avaliação de serviços de transporte, que será útil para as negociações com fornecedores destes serviços. Problema: Diferença no estoque entre o volume registrado e a contagem física Ação: Aprimorar o processo de gestão de almoxarifados Execução: Mapear os processos de gestão dos almoxarifados (registro de entrada, requisição e baixa no consumo dos materiais, dentre outros); Identificar nos processos mapeados os procedimentos para registro das informações de estoque; Avaliar oportunidades de melhoria na execução destes procedimentos; Avaliar necessidade de treinar equipe responsável por executar os procedimentos; Avaliar os sistemas de informação utilizados para gerenciamento destas informações; Justificativa: O problema da diferença entre o estoque real e o estoque registrado no sistema é bastante recorrente nas empresas deste segmento. Como consequência deste problema há a ocorrência de faltas ou excesso de estoques. Assim, há atrasos nos processos produtivos e/ou no atendimento aos pedidos dos clientes, por um lado, e perdas de materiais por perecibilidade ou obsolescência, de outro lado. Ainda, informações imprecisas sobre necessidades líquidas de materiais geram ações ineficientes em compras, acarretando maiores custos para as empresas. Problema: Fluxo interno de informações entre os setores Ação: Aprimorar a gestão das informações Execução: Formar equipe de trabalho com representantes dos setores envolvidos no fluxo de materiais; Avaliar o sistema de informações utilizado, considerando a capacidade de apoiar o compartilhamento de informações entre os setores; Identificar pontos de fragilidade na captura e disponibilização das informações; Avaliar necessidade de treinar equipe responsável por manusear o sistema de informações; Justificativa: A existência de um fluxo inadequado de informações entre os setores das empresas provoca ineficiências em várias atividades logísticas. No suprimento, a programação dos pedidos junto a fornecedores pode ser feita com atrasos e erros quanto ao mix, volume e prazos de 38

45 entrega dos materiais. A capacidade dos setores de recebimento e armazenagem dos materiais pode ser comprometida, em virtude de descompasso entre as informações sobre recebimento de materiais. A programação da produção pode ser executada de maneira desalinhada com a real demanda dos produtos ou serviços. As operações de distribuição podem ser feitas de modo ineficiente, provocando aumento nos custos e redução no nível de serviço. Problema: Lotes grandes Ação: Reavaliação do contexto da demanda, dos custos logísticos e aduaneiros e das exigências de lote mínimo do fornecedor Execução: Avaliar oportunidades de aprimoramento dos métodos de previsão de demanda; Aprimorar o fluxo interno de informações entre os setores; Aprimorar os processos de gestão dos almoxarifados; Apoiar ações que sejam direcionadas para a criação de infraestrutura de apoio nos processos de importação; Avaliar oportunidades de renegociação de tamanhos de lote e frequência de atendimento por parte dos fornecedores; Justificativa: Grandes lotes de compra provocam impactos no fluxo financeiro, nos custos de estoque, no risco de perdas por perecibilidade e obsolescência, e no uso da capacidade de armazenagem instalada. Por outro lado, podem provocar impacto positivo na redução dos custos de transporte e aquisição. Cabe a cada empresa avaliar seus processos internos e sua base de fornecedores, em busca de oportunidades de flexibilização dos tamanhos de lote, dentro da especificidade de cada caso. 39

46 CAPÍTULO 3 EMPRESAS DO SEGMENTO DE SERVIÇOS E INSUMOS 1. INTRODUÇÃO As informações que compõem este relatório foram obtidas a partir de visitas técnicas realizadas nas empresas listadas na Tabela 1. Tabela 1 Relação de empresas visitadas EMPRESA RESPONSÁVEL DATA Alere Gilson 05/04/2013 Cenatte Júnior 30/04/2013 Labtest Cláudia 25/04/2013 Linhagem Roberto 18/04/2013 Mediphacos Fernanda 09/04/2013 Quibasa Sílvio Amdt 29/03/2013 Technodry Cristina Martins 03/05/2013 Uniclon Túlio Marcos 17/04/2013 Hermes Pardini Grisson Silva, Maria Beatriz e Cleber Miranda 22/04/2013 MBiolog Arlei 18/04/2013 ADCA Adilson e Henrique Carvalho 03/04/2013 Phoneutria Junia Victoria 04/04/2013 Catedral Antônio Guilherme, Telma 14/05/2013 Síntese Henrique Vinagre 13 e 27/05/2013 St. Jude Eduardo Magalhães 16 e 24/05/2013 Pró Criar Rosimeire Soares 09/05/

47 2. CARACTERÍSTICAS GERAIS As empresas deste segmento produzem e/ou comercializam insumos voltados para o suporte a atividades médico-veterinárias, bem como prestam serviços de exames e análises clínicas diversas. A Tabela 2 apresenta os principais produtos fornecidos por cada empresa. Tabela 2 Principais produtos fornecidos pelas empresas visitadas EMPRESA Alere Cenatte Labtest PRINCIPAIS PRODUTOS Triage Marcadores Cardíacos Drogas de Abuso - (Exame) HIV testagem e monitoramento Produção e comercializaçã de embriões "girolando" Clonagem de bovinos Prestação de serviços Reagentes e equipamentos para diagnóstico in vitro Linhagem Mediphacos Quibasa Exame de paternidade animal e doenças genéticas Lentes PMMA (Catarata) Lentes Especiais (Dobráveis catarata) Lentes dobráveis Premium Lentes de contato Kit para diagnóstico de laboratório de análise clínica Technodry Uniclon Hermes Pardini MBiolog Tratamento químico com objetivo de purificação do tecido biológico Em torno de 16 Revendedor de produtos químicos => Pro-Clin 300 Envio de insumos para laboratórios Recolhimento de material biológico para análise e diagnóstico Kits de testes diagnósticos in vitro ADCA Clipes para aneurisma. Phoneutria Enzimas TAQ DNA Polimerase; tampões; reagentes As empresas possuem grande variedade quanto à data de fundação. A mais antiga foi fundada na década de 1950; duas foram fundadas na década de 1970; três na década de 1980; uma na década de 1990; e quatro na década de

48 As empresas possuem uma diversidade razoável de clientes, variando de laboratórios espalhados por todo o país, distribuidores exclusivos no país, hospitais, governos, criadores de gado, franqueados ou fabricantes de kits. Os principais concorrentes são empresas localizadas também no Brasil, mas variando de concorrentes locais, nacionais ou mesmo multinacionais instaladas no país. 2.1 Subsistema de Suprimentos O subsistema de suprimentos tem por função prover o material certo, no local de operação certo, no instante correto e com o mínimo custo possível. Uma boa administração de materiais significa coordenar a movimentação dos suprimentos com as exigências da produção ou das vendas. Ou seja, engloba as atividades tradicionais de compras das empresas sem segmentação organizacional que consideram a logística. No subsistema de suprimento, existem algumas atividades que têm impactos diretos no fluxo e nos custos logísticos. A seguir, serão analisados os fatores que afetam o desempenho da empresa nas atividades de suprimentos Aspectos dos relacionamentos com os fornecedores As informações analisadas a seguir levam em consideração a aquisição dos três principais materiais necessários para os processos de produção ou prestação de serviços das empresas. O Gráfico 1 apresenta informações referentes à posição das empresas do segmento perante seus fornecedores. Há muitos fornecedores 16,67% Somos o único cliente do(s) fornecedor(es) 7,14% Poucos compradores 14,29% Há vários compradores 64,29% Gráfico 1 Posição das empresas visitadas perante os fornecedores 42

49 É possível perceber que predominam relações puramente de mercado entre empresas e os principais fornecedores. Essa conclusão é possível a partir da alta ocorrência mais de 64% dos casos das situações em que há várias empresas comprando dos fornecedores os mesmos itens. Sendo assim, estabelece-se uma relação de competição entre clientes pelo acesso a fontes de suprimento. Nestes casos, os clientes capazes de transacionar maiores volumes obtêm vantagens a partir das economias de escala nas negociações de compra e contratação de transporte de materiais diretos. Essa situação torna-se desfavorável para empresas de pequeno porte, em especial para aquelas consideradas novas entrantes em seus mercados ou aquelas importadoras. Quando as relações se baseiam em um número restrito de clientes, aumentam as possibilidades de que fornecedores direcionem esforços no estabelecimento e na manutenção de relações duradouras com os clientes. Neste sentido, os laços entre os dois lados seriam reforçados, resultando em uma relação de interdependência. Esse tipo de relação é importante para pequenas e médias empresas, pois assegura benefícios como maior confiabilidade no suprimento, acesso a inovação gerada por fornecedores e oportunidades de inserção em mercados competitivos, dentre outros benefícios. Apenas em 21% das situações foi verificada a existência deste tipo de relação. As empresas recebem seus principais materiais ou equipamentos com baixa frequência de entrega Gráfico 2. Conforme pode ser verificado, a soma das frequências semestral e esporádica significam 40% dos casos, enquanto frequência mensal ocorre para 30% dos casos e frequência quinzenal ou semanal ocorrem em 23% das situações. Esporadicamente 7,50% Semanalmente 15,00% Quinzenalmente 7,50% Semestralmente 32,50% Mensalmente 30,00% Gráfico 2 Frequência de entrega dos fornecedores às empresas visitadas Essa situação decorre de alguns fatores associados à origem das fontes de suprimento, quando importadas, ou do baixo consumo dos itens, no caso dos materiais. No primeiro caso, prevalece a necessidade de reunir lotes que justifiquem 43

50 os custos associados com o transporte internacional. Tal necessidade de consolidação direciona as empresas para estratégias de formação de estoque, afastando-as das possibilidades de produzir guiadas pela demanda confirmada. Nos casos de suprimento nacional, o fator determinante para a baixa frequência é a pequena demanda pelos materiais decorrente dos volumes reduzidos vendidos pela maior parte das empresas do segmento. De qualquer forma, o contexto resulta em formação de estoque de longo prazo de cobertura, o que não é financeiramente saudável. As estratégias de negociação de preços com os fornecedores estão apresentadas no Gráfico 3. Mesmo com a predominância das estratégias típicas de mercado puro, em que prevalece a competição com fornecedores e a escolha dos mesmos pedido a pedido, os contratos predominam. A relação formalizada, por um lado segura as empresas de biotecnologia aos fornecedores por um prazo, por outro dá a elas a segurança da continuidade do suprimento, o que parece ser o ponto crítico do negócio. Análise conjunta com fornecedor 3,23% Pedido a pedido 12,90% O fornecedor impõe o preço 19,35% Contrato 45,16% Preço negociado e fixado 16,13% Gráfico 3 Estratégia de negociação de preços com os fornecedores pelas empresas visitadas Podemos reforçar este argumento ao avaliar o poder de barganha das empresas perante seus fornecedores Gráfico 4. Verifica-se que predominam as opções Pequeno e Muito pequeno 55% das situações enquanto as opções Alto ocorreram em 20% das situações. 44

51 Alto 20,00% Muito pequeno 32,50% Médio 30,00% Pequeno 22,50% Gráfico 4 Poder de barganha das empresas visitadas perante os fornecedores Como visto anteriormente, predominam as situações em que muitas empresas compram dos principais fornecedores. No entanto, as empresas deste segmento relatam que há grande complexidade para substituir os fornecedores por fontes alternativas de suprimento. Essas informações estão apresentadas no Gráfico 5. As opções Difícil ou Muito difícil ocorreram em 60% dos casos, contra 10% da opção Fácil. Muito difícil 42,50% Fácil 10,00% Difícil 17,50% Médio 37,50% Gráfico 5 Grau de facilidade em substituir os fornecedores Ou seja, o cenário resultante das informações presentes nos Gráficos 1, 4 e 5 sugere que as empresas do segmento possuem dificuldades típicas de pequenos negócios nas aquisições estratégicas, uma vez que há competição pelas fontes, não há facilidade em substituir estas fontes por outras, tampouco estabelecer relações igualitárias típicas de poder de barganha equilibrado. O contrato é uma forma de segurança para as empresas regerem os relacionamentos e garantirem acesso aos itens necessários à elaboração de seus produtos ou serviços. No subsistema Suprimento, quando avaliado o desempenho dos fornecedores, houve predomínio da ocorrência de problemas relacionados ao nível de serviço no 45

52 atendimento Gráfico 6. Os principais problemas foram os atrasos nas entregas e longos tempos de ciclo. Em seguida, foi relatada a ocorrência de falta de materiais, provavelmente, decorrente dos dois problemas anteriores. O quarto problema de maior ocorrência é a qualidade dos materiais. Atrasos entregas Longos tempos de ciclo Falta de materiais Problemas de qualidade Danos no transporte Erros nos pedidos Gráfico 6 Problemas dos fornecedores que impactam o desempenho da Produção Também foram percebidas falhas nos processos de gestão interna das informações, como fica evidenciado na análise do Gráfico 7. Nele, é possível observar que merece destaque a ocorrência de problemas relacionados à realização de compras emergenciais de materiais. Este problema principal provavelmente está associado com os demais problemas identificados, tais como atrasos no envio de informações, inadequação dos fluxos e dos sistemas de informações. Gráfico 7 Inconsistências da informação que impactam o desempenho da Produção 46

53 2.1.2 Aspectos relacionados à importação de materiais O recinto alfandegário de preferência é o Aeroporto de Confins, por onde são recebidas a maior parte do volume estimado relativo de cargas importadas. A EADI Granbel é o segundo recinto na preferência das empresas. Quando analisados os entraves da utilização do aeroporto de Confins para importação de cargas, sobressaíram os relatos sobre a ineficácia de operação do aeroporto, gerando custos excessivos e demora nos processos. Ainda, foi apontada a escassez de rotas internacionais diretamente para o aeroporto, que hoje está restrita às rotas Lisboa-Belo Horizonte e Miami-Belo Horizonte. Outro fator de interesse para análise tem a ver com as características das cargas movimentadas nas importações. O Gráfico 8 apresenta as informações. A partir delas, é possível verificar que as cargas importadas possuem como característica predominante o fato de serem classificadas como cargas perigosas, o que demanda preocupações especiais quanto à movimentação e armazenagem ocorre em 46% das situações. A seguir, aparecem as cargas perecíveis 27% das situações e as congeladas 18% das situações. Gráfico 8 Característica do produto importado 2.2 Subsistema de Produção O subsistema de produção utiliza-se dos materiais disponibilizados pelo subsistema de suprimentos e, no processo de produção, origina o primeiro valor do produto final o valor da forma. Para tanto, racionaliza o processo definindo tempos das atividades, estudando a melhor disposição dos equipamentos e estações de trabalho (leiaute), aprimorando os atributos de qualidade, em termos de desempenho, estética, conformidade, segurança e confiabilidade, decidindo sobre atividades a terceirizar ou internalizar, estabelecendo critérios para o estabelecimento das filas e o posicionamento dos pedidos (primeiro a entrar, primeiro a ser atendido; menor tempo de atendimento; prioridade para emergências, ). A seguir, serão analisados os fatores que afetam o desempenho da empresa nas atividades de abastecimento e programação da produção: 47

54 2.2.1 Aspectos planejamento da demanda e gestão dos estoques de materiais As empresas deste segmento se dividem quanto aos métodos utilizados para obtenção da demanda Gráfico 9. Para 30% delas, os pedidos confirmados determinam as necessidades de materiais, em um modelo mais próximo daquele denominado puxado pela demanda. Outros 30% analisam os dados históricos de vendas para estimar demanda e programas suas necessidades, caracterizando um modelo mais próximo daquele denominado de base antecipatória. Nestes casos, a empresa evitam a formação de estoque de produtos acabados, principalmente, por trabalharem com uma informação qualificada sobre a demanda. Pedidos confirmados 30,4% Estudos de mercado 8,7% Feeling 4,3% Estatística 4,3% Gráfico 9 Método de obtenção da demanda Análise histórica 30,4% Os aspectos que sobressaem na gestão dos estoques de materiais de suporte à produção são a incidência de perdas de itens por perecibilidade e obsolescência, as diferenças entre o estoque registrado e o estoque físico e problemas de acuracidade dos dados Gráfico 10. Esses problemas foram os que tiveram maior frequência de ocorrência nas empresas do segmento. As perdas estão associadas às características de parte dos materiais utilizados pelas empresas, de natureza química e biológica em algumas empresas, e tecnológica, em outras, que pode fazer parte do negócio. Ocorre que erros na programação dos materiais, na estimativa da demanda e na acuracidade do estoque podem provocar compras em volumes ou variedade inadequados para as necessidades das empresas, gerando as perdas citadas. As causas para os problemas de acuracidade do estoque variam, indo da ausência de procedimentos adequados para entrada e baixa dos itens no momento do consumo, sistemas de informação inadequados ou inexistentes ou falta de equipe preparada e dedicada às atividades de controle de estoque. 48

55 Perdas por perecibilidade Diferença estoque físico/registro Perdas por obsolescencia Baixa acuracidade Produção programada não é realizada Gráfico 10 Problemas detectados na gestão de estoque Aspectos da armazenagem de materiais De modo geral, as empresas deste segmento possuem poucos problemas no que se refere à armazenagem dos materiais. Quando levantados os principais problemas, considerando a frequência de sua ocorrência, sobressaiu a dificuldade de destinar corretamente os materiais nos armazéns Gráfico 11. As empresas movimentam volumes anuais pequenos, o que demanda baixa capacidade de armazenagem. No entanto, tal capacidade se mostra insuficiente para a diversidade de materiais ou equipamentos adquiridos, o que se reflete na dificuldade em definir locais no almoxarifado para endereçamento dos itens. Outros problemas apontados estão apresentados no referido Gráfico 11. Erros na coleta dos materiais Tempo longo para armazenar Tempo longo para coleta Tempo longo descarga veículos Gráfico 11 Problemas recorrentes na armazenagem 2.3 Subsistema da Distribuição Uma vez que o produto esteja acabado, entram em funcionamento atividades relacionadas ao subsistema da distribuição física. A distribuição física trata da movimentação, armazenagem e processamento de pedidos dos produtos finais da empresa. O ponto final da distribuição física pode ser a loja, o varejista, a fábrica ou 49

56 a casa do consumidor. O ponto inicial pode ser uma fábrica, um atacadista, um varejista, uma empresa de serviços, etc. A seguir, serão analisados os aspectos que afetam o desempenho da empresa nas atividades de armazenagem e distribuição de produtos acabados: Aspectos da armazenagem de produtos acabados Tal como ocorrido no armazenamento de materiais, as empresas possuem baixa complexidade nas operações de armazenagem de produtos acabados. Isso decorre do fato de comercializarem baixos volumes de cargas pouco volumosas. Além disso, algumas empresas não possuem distribuição física, pois são prestadoras de serviços. Os principais problemas de armazenagem de produtos acabados estão apresentados no Gráfico 12. Gráfico 12 Problemas detectados na armazenagem do produto acabado O principal problema apontado foi a capacidade inadequada das instalações de armazenagem de produtos acabados. Isso se deve, principalmente, à necessidade de armazenar determinados produtos em câmaras frias, que não podem ser compartilhadas com outros produtos acabados ou materiais. Dessa forma, há uma complexidade quanto ao arranjo dos produtos nas diferentes unidades de resfriamento ou congelamento. Isso se reflete na ocorrência de problemas relacionados à localização de produtos acabados no armazém, o terceiro principal problema identificado. O segundo principal problema é a baixa acuracidade dos registros de estoque, o que reflete, muitas vezes, em erros na programação da produção ou atrasos no atendimento de pedidos a clientes. Em seguida, o baixo giro dos estoques. Neste caso, sendo que o consumo ocorre de maneira fracionada, é uma decorrência da economia de escala na fabricação de lotes, uma vez que alguns produtos possuem alto custo para serem produzidos em lotes inferiores a uma quantidade mínima. A consequência é a formação de estoques para aguardar uma venda futura. 50

57 2.3.2 Processos da expedição O Gráfico 13 apresenta os principais problemas verificados no setor de expedição de cargas e preparação de documentação fiscal e de transporte. Erros documento fiscal Erros montagem pedidos Erros documento transporte Gráfico 13 Problemas na expedição e preparação da documentação É possível observar que representam as principais frequências de ocorrência os erros de documentação fiscal e erros de documentação de transporte, respectivamente o primeiro e o terceiro principais em frequência de ocorrência. Tais problemas estão relacionados ao fluxo de informações internas às empresas, tal como foi verificado na gestão dos estoques. As causas estão associadas à precariedade de alguns sistemas de informações utilizados e da utilização de procedimentos inadequados para a emissão da documentação. O segundo principal problema é a ocorrência de erros na montagem dos pedidos que serão despachados aos clientes. A causa principal destes erros é a complexidade do posicionamento dos produtos armazenados, descrita anteriormente. Nestes casos, a dificuldade em localizar produtos no almoxarifado provoca erros de coleta e, consequentemente, de montagem dos pedidos Aspectos do transporte de produtos acabados Nas atividades de transporte, o problema que sobressai em relação aos demais é o alto valor do frete na distribuição Gráfico 14. O segundo e o terceiro principais problemas estão associados com a qualidade do serviço de transporte prestado em termos de pontualidade e cuidado com a carga. Tais problemas podem ser uma decorrência do quarto principal problema a seleção inadequada dos prestadores de serviços de transporte. 51

58 Gráfico 14 Problemas no transporte de produtos acabados 3. DIAGNÓSTICO SITUACIONAL O segmento é caracterizado por uma considerável diversidade de negócios. Algumas empresas produzem kits para diagnósticos e insumos para laboratórios, outras, insumos que serão utilizados em procedimentos cirúrgicos ou de tratamento. Há ainda aquelas que lidam com a saúde animal, atendendo produtores rurais ou clínicas veterinárias. Ou seja, existe uma diversidade de negócios, que interfere de maneira distinta na logística de cada empresa. No aspecto interno, esta diversidade se reflete nas exigências distintas quanto à área de armazenagem de materiais e/ou produtos acabados. Há relatos de problemas relacionados aos casos individuais, como capacidade de câmara frigorificada, tanto para materiais quanto para produtos acabados, leiaute do setor de recebimento de materiais, capacidade de armazenamento ou fluxo de informações entre áreas funcionais, dentre outros problemas. No que se refere às atividades de importação, as empresas importadoras são afetadas pelas ineficiências associadas aos procedimentos burocráticos de inspeção e liberação de cargas, o que torna o tempo de ciclo das importações muito longo e imprevisível. Considerando-se a característica de perecibilidade e periculosidade de boa parte dos materiais adquiridos, há unanimidade na necessidade de se intervir nestes procedimentos burocráticos, bem como no aumento do número de rotas internacionais para Confins. Na esfera da programação da produção e controle dos estoques, sobressaem as ineficiências da gestão, derivadas do uso de procedimentos baseados em sistemas de informações inadequados ou obsoletos, automatizados ou não. São situações individuais que demandam intervenções de cada empresa em seus processos e contratação de sistemas de informações mais qualificados a apoiar suas operações adequadamente. 52

Gestão Estratégica do Suprimento e o Impacto no Desempenho das Empresas Brasileiras

Gestão Estratégica do Suprimento e o Impacto no Desempenho das Empresas Brasileiras RP1102 Gestão Estratégica do Suprimento e o Impacto no Desempenho das Empresas Brasileiras MAPEAMENTO E ANÁLISE DAS PRÁTICAS DE COMPRAS EM MÉDIAS E GRANDES EMPRESAS NO BRASIL Coordenadores Paulo Tarso

Leia mais

LOGÍSTICA EMPRESARIAL. Rodolfo Cola Santolin 2009

LOGÍSTICA EMPRESARIAL. Rodolfo Cola Santolin 2009 LOGÍSTICA EMPRESARIAL Rodolfo Cola Santolin 2009 Conteúdo Cadeia de suprimentos Custos Logísticos Administração de Compras e Suprimentos Logística Reversa CADEIA DE SUPRIMENTOS Logística Logística Fornecedor

Leia mais

GUIA ATS INFORMÁTICA: GESTÃO DE ESTOQUE

GUIA ATS INFORMÁTICA: GESTÃO DE ESTOQUE GUIA ATS INFORMÁTICA: GESTÃO DE ESTOQUE SUMÁRIO O que é gestão de estoque...3 Primeiros passos para uma gestão de estoque eficiente...7 Como montar um estoque...12 Otimize a gestão do seu estoque...16

Leia mais

ABNT NBR ISO 9001:2008

ABNT NBR ISO 9001:2008 ABNT NBR ISO 9001:2008 Introdução 0.1 Generalidades Convém que a adoção de um sistema de gestão da qualidade seja uma decisão estratégica de uma organização. O projeto e a implementação de um sistema de

Leia mais

QUESTIONÁRIO LOGISTICS CHALLENGE 2015 PRIMEIRA FASE

QUESTIONÁRIO LOGISTICS CHALLENGE 2015 PRIMEIRA FASE QUESTIONÁRIO LOGISTICS CHALLENGE 2015 PRIMEIRA FASE *Envie o nome de seu grupo, dos integrantes e um telefone de contato junto com as respostas do questionário abaixo para o e-mail COMMUNICATIONS.SLA@SCANIA.COM*

Leia mais

OS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS

OS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS OS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS Esta seção apresenta alguns dos problemas da gestão da cadeia de suprimentos discutidos em mais detalhes nos próximos capítulos. Estes problemas

Leia mais

Otimização através de LIMS e Lean Seis Sigma

Otimização através de LIMS e Lean Seis Sigma Otimização através de LIMS e Lean Seis Sigma Resumo Com uma abordagem prática este trabalho proporcionará uma visão do projeto de implantação de um sistema LIMS com o objetivo de eliminar totalmente o

Leia mais

22/02/2009 LOGÍSTICA DE DISTRIBUIÇÃO POR QUE A LOGÍSTICA ESTÁ EM MODA POSIÇÃO DE MERCADO DA LOGÍSTICA

22/02/2009 LOGÍSTICA DE DISTRIBUIÇÃO POR QUE A LOGÍSTICA ESTÁ EM MODA POSIÇÃO DE MERCADO DA LOGÍSTICA LOGÍSTICA DE DISTRIBUIÇÃO A melhor formação cientifica, prática e metodológica. 1 POSIÇÃO DE MERCADO DA LOGÍSTICA Marketing Vendas Logística ANTES: foco no produto - quantidade de produtos sem qualidade

Leia mais

LOGÍSTICA. Curso: Gestão Comercial Prof. Daniel Rossi 1.0 UMA FUNÇÃO ESSENCIAL NA EMPRESA

LOGÍSTICA. Curso: Gestão Comercial Prof. Daniel Rossi 1.0 UMA FUNÇÃO ESSENCIAL NA EMPRESA Curso: Gestão Comercial Prof. Daniel Rossi LOGÍSTICA 1.0 UMA FUNÇÃO ESSENCIAL NA EMPRESA O conceito de Logística sempre envolve um fluxo de materiais de uma origem ou destino e, no outro sentido, um fluxo

Leia mais

Terceirização total ou terceirização parcial: qual delas escolher? Dialetto Comunicação Estratégica

Terceirização total ou terceirização parcial: qual delas escolher? Dialetto Comunicação Estratégica Terceirização total ou terceirização parcial: qual delas escolher? Dialetto Comunicação Estratégica Índice Introdução Capítulo 1 - Por que terceirizar a montagem de placas? Capítulo 2 - Como escolher a

Leia mais

CADEIA DE SUPRIMENTOS MÉTODOS DE RECEBIMENTOS RESUMO

CADEIA DE SUPRIMENTOS MÉTODOS DE RECEBIMENTOS RESUMO 1 CADEIA DE SUPRIMENTOS MÉTODOS DE RECEBIMENTOS LEANDRO PANTOJO 1 PETERSON ROBERTO DE LARA 2 VAGNER FUSTINONI 3 RENATO FRANCISCO SALDANHA SILVA 4 VALDECIL DE SOUZA 5 RESUMO O objetivo deste trabalho será

Leia mais

Unidade I LOGÍSTICA INTEGRADA. Marinalva R. Barboza

Unidade I LOGÍSTICA INTEGRADA. Marinalva R. Barboza Unidade I LOGÍSTICA INTEGRADA Marinalva R. Barboza Definição do conceito de logística e evolução Logística tem origem no idioma francês Logistique se define de forma militar sendo uma parte estratégica

Leia mais

Logística Reversa Uma visão sobre os conceitos básicos e as práticas operacionais

Logística Reversa Uma visão sobre os conceitos básicos e as práticas operacionais Logística Reversa Uma visão sobre os conceitos básicos e as práticas operacionais Introdução Leonardo Lacerda Usualmente pensamos em logística como o gerenciamento do fluxo de materiais do seu ponto de

Leia mais

NORMA NBR ISO 9001:2008

NORMA NBR ISO 9001:2008 NORMA NBR ISO 9001:2008 Introdução 0.1 Generalidades Convém que a adoção de um sistema de gestão da qualidade seja uma decisão estratégica de uma organização. O projeto e a implementação de um sistema

Leia mais

REDES DE PEQUENAS EMPRESAS

REDES DE PEQUENAS EMPRESAS REDES DE PEQUENAS EMPRESAS As micro, pequenas e médias empresas, em decorrência da globalização e suas imposições,vêm buscando alcançar vantagem competitiva para sua sobrevivência no mercado. CONTEXTO

Leia mais

MANUAL DA QUALIDADE MQ-01

MANUAL DA QUALIDADE MQ-01 Sumário 1 Objetivo 2 Últimas Alterações 3 Termos e definições 4 Sistema de gestão de qualidade 5 Responsabilidade da direção 6 Gestão de recursos 7 Realização do produto 8 Medição, análise e melhoria.

Leia mais

TOTVS COLABORAÇÃO 2.0 FISCAL powered by NeoGrid

TOTVS COLABORAÇÃO 2.0 FISCAL powered by NeoGrid TOTVS COLABORAÇÃO 2.0 FISCAL powered by NeoGrid Recebimento de NF-e e CT-e Emissão de NF-e, CT-e, MDF-e e NFS-e Integração nativa com o seu ERP Exija a solução que é o melhor investimento para a gestão

Leia mais

LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza

LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza edwin@engenharia-puro.com.br www.engenharia-puro.com.br/edwin Nível de Serviço ... Serviço ao cliente é o resultado de todas as atividades logísticas ou do

Leia mais

- Como utilizar essas medidas para analisar, melhorar e controlar o desempenho da cadeia de suprimentos?

- Como utilizar essas medidas para analisar, melhorar e controlar o desempenho da cadeia de suprimentos? Fascículo 5 A medição do desempenho na cadeia de suprimentos Com o surgimento das cadeias de suprimento (Supply Chain), a competição no mercado tende a ocorrer cada vez mais entre cadeias produtivas e

Leia mais

Matriz de Especificação de Prova da Habilitação Técnica de Nível Médio. Habilitação Técnica de Nível Médio: Técnico em Logística

Matriz de Especificação de Prova da Habilitação Técnica de Nível Médio. Habilitação Técnica de Nível Médio: Técnico em Logística : Técnico em Logística Descrição do Perfil Profissional: Planejar, programar e controlar o fluxo de materiais e informações correlatas desde a origem dos insumos até o cliente final, abrangendo as atividades

Leia mais

A medição do desempenho na cadeia de suprimentos JIT e compras

A medição do desempenho na cadeia de suprimentos JIT e compras A medição do desempenho na cadeia de suprimentos JIT e compras Medição do desempenho na cadeia de suprimentos Medição do desempenho Sob a perspectiva da gestão da produção, o desempenho pode ser definido

Leia mais

Introdução e Planejamento Cap. 1

Introdução e Planejamento Cap. 1 BALLOU, Ronald H. Gerenciamenrto da Cadeia de Suprimentos / Logística Empresarial. 5ª ed. Porto Alegre: Bookman. 2006 Introdução e Planejamento Cap. 1 Prof. Luciel Henrique de Oliveira luciel@fae.br L

Leia mais

Logística e Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos. Profª Caroline Pauletto Spanhol

Logística e Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos. Profª Caroline Pauletto Spanhol Logística e Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos Profª Caroline Pauletto Spanhol Cadeia de Abastecimento Conceitos e Definições Elementos Principais Entendendo a Cadeia de Abastecimento Integrada Importância

Leia mais

Alinhamento estratégico com o cliente

Alinhamento estratégico com o cliente Alinhamento estratégico com o cliente No esforço para reduzir os custos da cadeia de suprimento e melhorar sua eficiência, muitas empresas têm adotado uma estratégica única, padrão, para os serviços de

Leia mais

Fatores de pressão da mudança do papel da logística com enfoque na DrogaFuji

Fatores de pressão da mudança do papel da logística com enfoque na DrogaFuji Universidade de Brasília Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Ciência da Informação e Documentação - FACE ADM Departamento de Administração Administração de Recursos Materiais Fatores

Leia mais

Uma indústria mantém estoque de materiais; Um escritório contábil mantém estoque de informações; e

Uma indústria mantém estoque de materiais; Um escritório contábil mantém estoque de informações; e Fascículo 2 Gestão de estoques Segundo Nigel Slack, estoque é definido como a acumulação armazenada de recursos materiais em um sistema de transformação. O termo estoque também pode ser usado para descrever

Leia mais

Introdução e Planejamento Cap. 1. Prof. Luciel Henrique de Oliveira luciel@uol.com.br

Introdução e Planejamento Cap. 1. Prof. Luciel Henrique de Oliveira luciel@uol.com.br BALLOU, Ronald H. Gerenciamenrto da Cadeia de Suprimentos / Logística Empresarial. 5ª ed. Porto Alegre: Bookman. 2006 Introdução e Planejamento Cap. 1 Prof. Luciel Henrique de Oliveira luciel@uol.com.br

Leia mais

"CRM para Inteligência de Mercado

CRM para Inteligência de Mercado "CRM para Inteligência de Mercado Patricia Rozenbojm patricia@consumer-voice.com.br CONSUMER Agenda A Empresa Conceitos CRM como ferramenta para Inteligência de Mercado Benefícios Melhores Práticas A Empresa

Leia mais

Metodologia. Pesquisa Quantitativa Coleta de dados: Público Alvo: Amostra: 500 entrevistas realizadas. Campo: 16 a 29 de Setembro de 2010

Metodologia. Pesquisa Quantitativa Coleta de dados: Público Alvo: Amostra: 500 entrevistas realizadas. Campo: 16 a 29 de Setembro de 2010 Metodologia Pesquisa Quantitativa Coleta de dados: Através de e-survey - via web Público Alvo: Executivos de empresas associadas e não associadas à AMCHAM Amostra: 500 entrevistas realizadas Campo: 16

Leia mais

17 Anos Gerando Soluções que Trazem Resultados para o Varejo. 2005 R-Dias. Todos direitos reservados.

17 Anos Gerando Soluções que Trazem Resultados para o Varejo. 2005 R-Dias. Todos direitos reservados. 17 Anos Gerando Soluções que Trazem Resultados para o Varejo 1 A Missão da R-Dias Colaborar para que o varejo obtenha melhores resultados. 2 Conheça nossas Unidades de Negócios 3 17 Anos Gerando Soluções

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DE SUPRIMENTOS GESTÃO

ADMINISTRAÇÃO DE SUPRIMENTOS GESTÃO GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS DEFINIÇÃO DE CADEIAS DE SUPRIMENTOS (SUPLLY CHAIN) São os processos que envolvem fornecedores-clientes e ligam empresas desde a fonte inicial de matéria-prima até o ponto

Leia mais

Sistemas de Informações Transacionais SIT Sistemas de Informações Gerenciais SIG. Ana Clara Araújo Gomes da Silva araujo.anaclara@gmail.

Sistemas de Informações Transacionais SIT Sistemas de Informações Gerenciais SIG. Ana Clara Araújo Gomes da Silva araujo.anaclara@gmail. Sistemas de Informações Transacionais SIT Sistemas de Informações Gerenciais SIG Ana Clara Araújo Gomes da Silva araujo.anaclara@gmail.com Papéis fundamentais dos SI Os SI desempenham 3 papéis vitais em

Leia mais

http://www.publicare.com.br/site/5,1,26,5480.asp

http://www.publicare.com.br/site/5,1,26,5480.asp Página 1 de 7 Terça-feira, 26 de Agosto de 2008 ok Home Direto da redação Última edição Edições anteriores Vitrine Cross-Docking Assine a Tecnologística Anuncie Cadastre-se Agenda Cursos de logística Dicionário

Leia mais

PLATAFORMA DE NEGÓCIOS

PLATAFORMA DE NEGÓCIOS SOBRE NOSSA PLATAFORMA COMPLETA A Plataforma de Negocio da Tommasi foi formada ao longo de 20 anos de experiência no ramo de importação e exportação e de uma equipe especializada para formação de uma estrutura

Leia mais

Sistema de gestão. Sistema de Gestão ERP

Sistema de gestão. Sistema de Gestão ERP Sistema de gestão ERP MÓDULOS E CLIENTES Os módulos podem ser adquiridos separadamente, conforme a sua necessidade. ÁREA COMERCIAL ÁREA ADMINISTRATIVA FINANCEIRA ÁREA PRODUÇÃO E SUPRIMENTOS ÁREA FISCAL

Leia mais

Sistema de gestão. Sistema de Gestão ERP

Sistema de gestão. Sistema de Gestão ERP Sistema de gestão ERP Módulo MÓDULOS E CLIENTES Os módulos podem ser adquiridos separadamente, conforme a sua necessidade. COMERCIAL ADMINISTRATIVA FINANCEIRA PEDIDOS EXPORTAÇÃO CONTAS A RECEBER TELEMARKETING

Leia mais

Sistemas de Transformação e Estratégia de produção

Sistemas de Transformação e Estratégia de produção Sistemas de Transformação e de produção A seleção do Processo de produção depende: -Tecnologia dos Processos de Transformaçã ção -Tecnologia dos meios auxiliares (dispositivos, ferramentas) -Tecnologia

Leia mais

CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DO CEARÁ CEFET/CE DEPARTMAENTO DE EDIFICAÇÕES CURSO DE VIAS E TRANSPORTES CANAIS DE DISTRIBUIÇÃO

CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DO CEARÁ CEFET/CE DEPARTMAENTO DE EDIFICAÇÕES CURSO DE VIAS E TRANSPORTES CANAIS DE DISTRIBUIÇÃO CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DO CEARÁ CEFET/CE DEPARTMAENTO DE EDIFICAÇÕES CURSO DE VIAS E TRANSPORTES CANAIS DE DISTRIBUIÇÃO PROFESSOR: HAMIFRANCY MENESES 1 TÓPICOS ABORDADOS DEFINIÇÃO DE CANAL

Leia mais

MANUAL DO SISTEMA DA QUALIDADE. Rua Acre, 291 - CEP 83.040-030 Bairro Boneca do Iguaçu - São José dos Pinhais - Paraná.

MANUAL DO SISTEMA DA QUALIDADE. Rua Acre, 291 - CEP 83.040-030 Bairro Boneca do Iguaçu - São José dos Pinhais - Paraná. ELABORADO POR: Carlos Eduardo Matias Enns MANUAL DO SISTEMA DA QUALIDADE APROVADO POR: Edson Luis Schoen 28/1/5 1 de 11 1. FINALIDADE A Saint Blanc Metalmecânica Ltda visa estabelecer as diretrizes básicas

Leia mais

ÁREA DE OPERAÇÕES INDUSTRIAIS 2 - AO2 GERÊNCIA SETORIAL DE COMÉRCIO E SERVIÇOS

ÁREA DE OPERAÇÕES INDUSTRIAIS 2 - AO2 GERÊNCIA SETORIAL DE COMÉRCIO E SERVIÇOS ÁREA DE OPERAÇÕES INDUSTRIAIS 2 - AO2 GERÊNCIA SETORIAL DE COMÉRCIO E SERVIÇOS Data: Junho/2000 N o 18 B2C: A IMPORTÂNCIA DA LOGÍSTICA 1. INTRODUÇÃO O Business-to-Consumer (B2C) refere-se à realização

Leia mais

GERENCIANDO INCERTEZAS NO PLANEJAMENTO LOGÍSTICO: O PAPEL DO ESTOQUE DE SEGURANÇA

GERENCIANDO INCERTEZAS NO PLANEJAMENTO LOGÍSTICO: O PAPEL DO ESTOQUE DE SEGURANÇA GERENCIANDO INCERTEZAS NO PLANEJAMENTO LOGÍSTICO: O PAPEL DO ESTOQUE DE SEGURANÇA Eduardo Saggioro Garcia Leonardo Salgado Lacerda Rodrigo Arozo Benício Erros de previsão de demanda, atrasos no ressuprimento

Leia mais

ASPECTOS FUNDAMENTAIS DO PROBLEMA DE LOCALIZAÇÃO DE INSTALAÇÕES EM REDES LOGÍSTICAS

ASPECTOS FUNDAMENTAIS DO PROBLEMA DE LOCALIZAÇÃO DE INSTALAÇÕES EM REDES LOGÍSTICAS ASPECTOS FUNDAMENTAIS DO PROBLEMA DE LOCALIZAÇÃO DE INSTALAÇÕES EM REDES LOGÍSTICAS Data: 10/03/2001 Peter Wanke INTRODUÇÃO Localizar instalações ao longo de uma cadeia de suprimentos consiste numa importante

Leia mais

5. Práticas de SCM na GSK

5. Práticas de SCM na GSK 5. Práticas de SCM na GSK Desde a fusão em 2001, a GSK estima que obteve cerca de 1 bilhão em economias relacionadas à racionalização da sua rede de suprimentos e das atividades de SCM. Além das economias

Leia mais

Unidade II MARKETING DE VAREJO E. Profa. Cláudia Palladino

Unidade II MARKETING DE VAREJO E. Profa. Cláudia Palladino Unidade II MARKETING DE VAREJO E NEGOCIAÇÃO Profa. Cláudia Palladino Preço em varejo Preço Uma das variáveis mais impactantes em: Competitividade; Volume de vendas; Margens e Lucro; Muitas vezes é o mote

Leia mais

TÍTULO: CADEIA DE SUPRIMENTOS DA KEIPER DO BRASIL CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO

TÍTULO: CADEIA DE SUPRIMENTOS DA KEIPER DO BRASIL CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: CADEIA DE SUPRIMENTOS DA KEIPER DO BRASIL CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS

Leia mais

Prof. Marcelo Mello. Unidade III DISTRIBUIÇÃO E

Prof. Marcelo Mello. Unidade III DISTRIBUIÇÃO E Prof. Marcelo Mello Unidade III DISTRIBUIÇÃO E TRADE MARKETING Canais de distribuição Canal vertical: Antigamente, os canais de distribuição eram estruturas mercadológicas verticais, em que a responsabilidade

Leia mais

Estratégia Competitiva 16/08/2015. Módulo II Cadeia de Valor e a Logistica. CADEIA DE VALOR E A LOGISTICA A Logistica para as Empresas Cadeia de Valor

Estratégia Competitiva 16/08/2015. Módulo II Cadeia de Valor e a Logistica. CADEIA DE VALOR E A LOGISTICA A Logistica para as Empresas Cadeia de Valor Módulo II Cadeia de Valor e a Logistica Danillo Tourinho S. da Silva, M.Sc. CADEIA DE VALOR E A LOGISTICA A Logistica para as Empresas Cadeia de Valor Estratégia Competitiva é o conjunto de planos, políticas,

Leia mais

ERP SISTEMA DE GESTÃO EMPRESARIAL. Guia Prático de Compra O QUE SABER E COMO FAZER PARA ADQUIRIR CERTO. Edição de julho.2014

ERP SISTEMA DE GESTÃO EMPRESARIAL. Guia Prático de Compra O QUE SABER E COMO FAZER PARA ADQUIRIR CERTO. Edição de julho.2014 ERP SISTEMA DE GESTÃO EMPRESARIAL Guia Prático de Compra Edição de julho.2014 O QUE SABER E COMO FAZER PARA ADQUIRIR CERTO Í n d i c e 6 perguntas antes de adquirir um sistema 4 6 dúvidas de quem vai adquirir

Leia mais

Gestão da Qualidade. Evolução da Gestão da Qualidade

Gestão da Qualidade. Evolução da Gestão da Qualidade Gestão da Qualidade Evolução da Gestão da Qualidade Grau de Incerteza Grau de complexidade Adm Científica Inspeção 100% CEQ Evolução da Gestão CEP CQ IA PQN PQN PQN TQM PQN MSC GEQ PQN PQN Negócio Sistema

Leia mais

O último capítulo desta dissertação visa tecer conclusões a respeito do trabalho e sugerir algumas recomendações para estudos futuros.

O último capítulo desta dissertação visa tecer conclusões a respeito do trabalho e sugerir algumas recomendações para estudos futuros. 7 Conclusão O último capítulo desta dissertação visa tecer conclusões a respeito do trabalho e sugerir algumas recomendações para estudos futuros. A presente dissertação, conforme exposto no Capítulo 1,

Leia mais

O PAPEL DO CONTROLE DE ESTOQUE NA CENTRALIZAÇÃO DE COMPRAS

O PAPEL DO CONTROLE DE ESTOQUE NA CENTRALIZAÇÃO DE COMPRAS O PAPEL DO CONTROLE DE ESTOQUE NA CENTRALIZAÇÃO DE COMPRAS Mauricio João Atamanczuk (UTFPR) atamanczuk@hotmail.com João Luiz Kovaleski (UTFPR) kovaleski@pg.cefetpr.br Antonio Carlos de Francisco (UTFPR)

Leia mais

Bases Tecnológicas do curso de Logística 1991 3º Módulo

Bases Tecnológicas do curso de Logística 1991 3º Módulo Bases Tecnológicas do curso de Logística 1991 3º Módulo III.1 GESTÃO DE TRANSPORTES 1.1. O desenvolvimento econômico e o transporte. 1.2. A geografia brasileira, a infraestrutura dos estados, municípios

Leia mais

a WZ é uma empresa de consultoria em logística que surgiu para melhorar e oferecer soluções simples e inteligentes.

a WZ é uma empresa de consultoria em logística que surgiu para melhorar e oferecer soluções simples e inteligentes. EMPRESA CRIADA EM 2007, a WZ é uma empresa de consultoria em logística que surgiu para melhorar e oferecer soluções simples e inteligentes. Além de fazer um diagnóstico e sugerir recomendações, a WZ acredita

Leia mais

Importação de Produtos para Saúde

Importação de Produtos para Saúde Importação de Produtos para Saúde Gerência de Inspeção de Produtos e Autorização de Empresas em Portos, Aeroportos Fronteiras e Recintos Alfandegados GIPAF Mônica Cristina A. F. Duarte Organograma - ANVISA

Leia mais

Unidade IV LOGÍSTICA INTEGRADA. Profa. Marinalva R. Barboza

Unidade IV LOGÍSTICA INTEGRADA. Profa. Marinalva R. Barboza Unidade IV LOGÍSTICA INTEGRADA Profa. Marinalva R. Barboza Supply Chain Managment - SCM Conceito: Integração dos processos industriais e comerciais, partindo do consumidor final e indo até os fornecedores

Leia mais

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0 Autor: Marco Polo Viana. Bloco Suprimentos

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0 Autor: Marco Polo Viana. Bloco Suprimentos Bloco Suprimentos Controle de Produção PCP Objetivo O objetivo deste artigo é dar uma visão geral sobre o Módulo Controle de Produção PCP, que se encontra no Bloco Suprimentos. Todas informações aqui disponibilizadas

Leia mais

Estamos presentes no mercado de prestação de serviços logísticos há 11 anos; Temos Know-how europeu;

Estamos presentes no mercado de prestação de serviços logísticos há 11 anos; Temos Know-how europeu; Estamos presentes no mercado de prestação de serviços logísticos há 11 anos; Temos Know-how europeu; Fazemos uma parceria total com o cliente, combinando redução de custos fixos e otimização de recursos

Leia mais

POLÍTICA DE LOGÍSTICA DE SUPRIMENTO DO SISTEMA ELETROBRÁS. Sistema. Eletrobrás

POLÍTICA DE LOGÍSTICA DE SUPRIMENTO DO SISTEMA ELETROBRÁS. Sistema. Eletrobrás POLÍTICA DE LOGÍSTICA DE SUPRIMENTO DO SISTEMA ELETROBRÁS Sistema Eletrobrás Política de Logística de Suprimento do Sistema Eletrobrás POLÍTICA DE LOGÍSTICA DE SUPRIMENTO 4 POLÍTICA DE Logística de Suprimento

Leia mais

Gestão em Nó de Rede Logística

Gestão em Nó de Rede Logística Gestão em Nó de Rede Logística Armando Oscar Cavanha Filho Com o crescimento das atividades de uma empresa e a sua multiplicação horizontal, ou seja, a repetição de processos semelhantes em diversos pontos

Leia mais

30/09/2010. Prof. Dr. Daniel Bertoli Gonçalves. Como surgiu o termo?

30/09/2010. Prof. Dr. Daniel Bertoli Gonçalves. Como surgiu o termo? Engenheiro Agrônomo CCA/UFSCar 1998 Mestre em Desenvolvimento Econômico, Espaço e Meio Ambiente IE/UNICAMP 2001 Doutor em Engenhariade Produção PPGEP/UFSCar 2005 Prof. Dr. Daniel Bertoli Gonçalves Consultor

Leia mais

Faça mais, com menos: Como crescer em um mercado de trabalho desafiador

Faça mais, com menos: Como crescer em um mercado de trabalho desafiador Faça mais, com menos: Como crescer em um mercado de trabalho desafiador Investir em pessoal com um programa de gestão de desempenho permite que uma operação de abastecimento não só sobreviva, mas cresça

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO PLANEJAMENTO GERENCIAL: UM ESTUDO DE CASO EM UMA PEQUENA EMPRESA DO SETOR AGRONEGÓCIO NO MUNICÍPIO DE BAMBUÍ/MG.

A IMPORTÂNCIA DO PLANEJAMENTO GERENCIAL: UM ESTUDO DE CASO EM UMA PEQUENA EMPRESA DO SETOR AGRONEGÓCIO NO MUNICÍPIO DE BAMBUÍ/MG. Bambuí/MG - 2008 A IMPORTÂNCIA DO PLANEJAMENTO GERENCIAL: UM ESTUDO DE CASO EM UMA PEQUENA EMPRESA DO SETOR AGRONEGÓCIO NO MUNICÍPIO DE BAMBUÍ/MG. Ana Cristina Teixeira AMARAL (1); Wemerton Luis EVANGELISTA

Leia mais

O que é e-ppcp? Funcionalidades adicionadas:

O que é e-ppcp? Funcionalidades adicionadas: e-ppcp / e-kanban 1 O que é e-ppcp? O e-ppcp é um aplicativo desenvolvido em ABAP/4 pela IntegrationSys para adicionar ao ERP SAP funcionalidades para suportar efetivamente o planejamento e operação de

Leia mais

Tem por objetivo garantir a existência contínua de um estoque organizado, de modo a não faltar nenhum dos itens necessários à produção.

Tem por objetivo garantir a existência contínua de um estoque organizado, de modo a não faltar nenhum dos itens necessários à produção. Resumo aula 3 Introdução à gestão de materiais A gestão de materiais é um conjunto de ações destinadas a suprir a unidade com materiais necessários ao desenvolvimento das suas atribuições. Abrange: previsão

Leia mais

O CONTROLE DE ESTOQUE COMO FERRAMENTA COMPETITIVA NAS ORGANIZAÇÕES

O CONTROLE DE ESTOQUE COMO FERRAMENTA COMPETITIVA NAS ORGANIZAÇÕES 1 O CONTROLE DE ESTOQUE COMO FERRAMENTA COMPETITIVA NAS ORGANIZAÇÕES Cesar Paulo Lomba (Discente do 4º período de Tecnologia de Gestão Financeira das Faculdades Integradas de Três Lagoas AEMS) Maria Luzia

Leia mais

Vanderléia Bárbaro Valente Hemobrás 2.012

Vanderléia Bárbaro Valente Hemobrás 2.012 COMO IMPLANTAR NOVOS KITS E METODOLOGIAS: ELEMENTOS A SEREM CONSIDERADOS NAS TOMADAS DE DECISÕES, AÇÕES E CUIDADOS TÉCNICOS PARA VIABILIZAR A IMPLANTAÇÃO Vanderléia Bárbaro Valente Hemobrás 2.012 Qualidade

Leia mais

POR QUE UTILIZAR BUSINESS INTELLIGENCE NO CALL CENTER

POR QUE UTILIZAR BUSINESS INTELLIGENCE NO CALL CENTER POR QUE UTILIZAR BUSINESS INTELLIGENCE NO CALL CENTER ÍNDICE Por que utilizar Business Intelligence no call center? Introdução Business Intelligence na área de saúde Por que usar Business Intelligence

Leia mais

Processo de Negociação. Quem somos. Nossos Serviços. Clientes e Parceiros

Processo de Negociação. Quem somos. Nossos Serviços. Clientes e Parceiros Quem somos Nossos Serviços Processo de Negociação Clientes e Parceiros O NOSSO NEGÓCIO É AJUDAR EMPRESAS A RESOLVEREM PROBLEMAS DE GESTÃO Consultoria empresarial a menor custo Aumento da qualidade e da

Leia mais

Sumário. Introdução... Diagnóstico... Objetivo: 100% de Aprovação... A Conquista...

Sumário. Introdução... Diagnóstico... Objetivo: 100% de Aprovação... A Conquista... Créditos Gilson Ribeiro Gomes Economista Jonatas Costa Monte Alto Administrador de Empresas Felipe Augusto da Silva Mendes - Psicólogo Bruna Albuquerque Graduanda em Administração de Empresas Sumário Introdução...

Leia mais

Anexo D Divisão de Análises Clínicas HU/UFSC. Versão 01. Atribuições dos Cargos

Anexo D Divisão de Análises Clínicas HU/UFSC. Versão 01. Atribuições dos Cargos DOC MQB -02 MQB.pdf 1/5 Cargo: Assistente de Laboratório 1. Planejar o trabalho de apoio do laboratório: Interpretar ordens de serviços programadas, programar o suprimento de materiais, as etapas de trabalho,

Leia mais

Política de Logística de Suprimento

Política de Logística de Suprimento Política de Logística de Suprimento Política de Logística de Suprimento Política de Logística de Suprimento 5 1. Objetivo Aumentar a eficiência e competitividade das empresas Eletrobras, através da integração

Leia mais

PORTIFÓLIO DE CONSULTORIA E ASSESSORIA

PORTIFÓLIO DE CONSULTORIA E ASSESSORIA PORTIFÓLIO DE CONSULTORIA E ASSESSORIA SUMÁRIO DE PROJETOS WORKFLOW... 03 ALINHAMENTO ESTRATÉGICO... 04 IDENTIDADE CORPORATIVA... 04 GESTÃO DE COMPETÊNCIAS... 05 TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO... 05 REMUNERAÇÃO...

Leia mais

MODELO 1 PARA SELEÇÃO DE PROPOSTAS DE ARRANJOS PRODUTIVOS LOCAIS

MODELO 1 PARA SELEÇÃO DE PROPOSTAS DE ARRANJOS PRODUTIVOS LOCAIS ANEXO 1 MODELO 1 PARA SELEÇÃO DE PROPOSTAS DE ARRANJOS PRODUTIVOS LOCAIS Este documento serve como base orientadora para a apresentação de propostas de Arranjos Produtivos Locais para enquadramento no

Leia mais

CONCEITOS E FUNÇÕES DO PLANEJAMENTO, DA PROGRAMAÇÃO E DO CONTROLE DA PRODUÇÃO PPCP (Petrônio Garcia Martins / Fernando Piero Martins Capítulo 7)

CONCEITOS E FUNÇÕES DO PLANEJAMENTO, DA PROGRAMAÇÃO E DO CONTROLE DA PRODUÇÃO PPCP (Petrônio Garcia Martins / Fernando Piero Martins Capítulo 7) CONCEITOS E FUNÇÕES DO PLANEJAMENTO, DA PROGRAMAÇÃO E DO CONTROLE DA PRODUÇÃO PPCP (Petrônio Garcia Martins / Fernando Piero Martins Capítulo 7) A ESTRATÉGIA DA MANUFATURA E O SISTEMA PPCP: A estratégia

Leia mais

UnB Universidade de Brasília. Administração de Recursos Materiais. Tema: Gestão de estoque. Alunos: - Beliza de Ávila.

UnB Universidade de Brasília. Administração de Recursos Materiais. Tema: Gestão de estoque. Alunos: - Beliza de Ávila. UnB Universidade de Brasília Administração de Recursos Materiais Tema: Gestão de estoque Alunos: - Beliza de Ávila - Felipe Jordán - Guilherme de Miranda - Jefferson Coelho O conceito de ocupação física

Leia mais

GESTÃO DO NÍVEL DE SERVIÇO E SEGMENTAÇÃO DE MERCADO PARA DIFERENCIAÇÃO DOS SERVIÇOS DE RH. PROFa. EVELISE CZEREPUSZKO

GESTÃO DO NÍVEL DE SERVIÇO E SEGMENTAÇÃO DE MERCADO PARA DIFERENCIAÇÃO DOS SERVIÇOS DE RH. PROFa. EVELISE CZEREPUSZKO GESTÃO DO NÍVEL DE SERVIÇO E SEGMENTAÇÃO DE MERCADO PARA DIFERENCIAÇÃO DOS SERVIÇOS DE RH PROFa. EVELISE CZEREPUSZKO O QUE É NÍVEL DE SERVIÇO LOGÍSTICO? É a qualidade com que o fluxo de bens e serviços

Leia mais

TREINAMENTO ITAIM INTERPRETAÇÃO DA NORMA NBR ABNT ISO 9001:2008. Maria das Graças Ferreira mgferreira@prefeitura.sp.gov.

TREINAMENTO ITAIM INTERPRETAÇÃO DA NORMA NBR ABNT ISO 9001:2008. Maria das Graças Ferreira mgferreira@prefeitura.sp.gov. TREINAMENTO ITAIM INTERPRETAÇÃO DA NORMA NBR ABNT ISO 9001:2008 Maria das Graças Ferreira mgferreira@prefeitura.sp.gov.br 11 3104-0988 Este treinamento tem por objetivo capacitar os participantes para

Leia mais

Governança de TI Evolução e Conceitos de Gestão da TI. Raimir Holanda raimir@tce.ce.gov.br

Governança de TI Evolução e Conceitos de Gestão da TI. Raimir Holanda raimir@tce.ce.gov.br Governança de TI Evolução e Conceitos de Gestão da TI Raimir Holanda raimir@tce.ce.gov.br Agenda Conceitos de Governança de TI Fatores motivadores das mudanças Evolução da Gestão de TI Ciclo da Governança

Leia mais

3.2 Madeira e Móveis. Diagnóstico

3.2 Madeira e Móveis. Diagnóstico 3.2 Madeira e Móveis Diagnóstico Durante a década de 90, a cadeia produtiva de madeira e móveis sofreu grandes transformações em todo o mundo com conseqüentes ganhos de produtividade, a partir da introdução

Leia mais

Rio de Janeiro São Paulo Belo Horizonte Brasília

Rio de Janeiro São Paulo Belo Horizonte Brasília Rio de Janeiro São Paulo Belo Horizonte Brasília Rio de Janeiro São Paulo Belo Horizonte Brasília INTEGRANDO UM DIAGNÓSTICO À GESTÃO POR PROCESSOS Pedro Barreto SUMÁRIO 1 Diagnóstico financeiro versus

Leia mais

Manual de Logística ISGH

Manual de Logística ISGH Manual de Logística ISGH Página 1 ELABORAÇÃO Juniana Torres Costa Gerente do Núcleo de Logística ISGH FORMATAÇÃO Comunicação Visual ISGH DATA Novembro de 2014 Manual de Logística ISGH Página 2 SUMÁRIO

Leia mais

Logística e Administração de Estoque. Definição - Logística. Definição. Profª. Patricia Brecht

Logística e Administração de Estoque. Definição - Logística. Definição. Profª. Patricia Brecht Administração Logística e Administração de. Profª. Patricia Brecht Definição - Logística O termo LOGÍSTICA conforme o dicionário Aurélio vem do francês Logistique e significa parte da arte da guerra que

Leia mais

1º SEMESTRE 2º SEMESTRE

1º SEMESTRE 2º SEMESTRE 1º SEMESTRE 7ECO003 ECONOMIA DE EMPRESAS I Organização econômica e problemas econômicos. Demanda, oferta e elasticidade. Teoria do consumidor. Teoria da produção e da firma, estruturas e regulamento de

Leia mais

Saiba como a Usiminas executou o Back-to-Standard com a Nota Fiscal de entrada

Saiba como a Usiminas executou o Back-to-Standard com a Nota Fiscal de entrada Saiba como a Usiminas executou o Back-to-Standard com a Nota Fiscal de entrada Gerente do Projeto: Antonio Caldas Barbosa Gerente de Faturamento: André Gonçalves Pires Parceria: FH Consulting USIMINAS

Leia mais

O impacto do e-procurement na obtenção de insumos hospitalares: o caso de um hospital da rede particular da cidade de João Pessoa

O impacto do e-procurement na obtenção de insumos hospitalares: o caso de um hospital da rede particular da cidade de João Pessoa O impacto do e-procurement na obtenção de insumos hospitalares: o caso de um hospital da rede particular da cidade de João Pessoa Andrea Regina Monteiro (UFPB) areginamonteiro@bol.com.br Mariana Moura

Leia mais

Inovação Tecnológica e Controle de Mercado de Sementes Transgênicas de Milho 1 João Carlos Garcia 2 e Rubens Augusto de Miranda 2

Inovação Tecnológica e Controle de Mercado de Sementes Transgênicas de Milho 1 João Carlos Garcia 2 e Rubens Augusto de Miranda 2 XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012 Inovação Tecnológica e Controle de Mercado de Sementes Transgênicas de Milho 1 João Carlos Garcia 2 e Rubens Augusto

Leia mais

Docente do Curso Superior de Tecnologia em Gestão Comercial UNOESTE. E mail: joselia@unoeste.br

Docente do Curso Superior de Tecnologia em Gestão Comercial UNOESTE. E mail: joselia@unoeste.br Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 141 A LOGÍSTICA COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO Douglas Fernandes 1, Josélia Galiciano Pedro 1 Docente do Curso Superior

Leia mais

Unidade I GESTÃO DE SUPRIMENTOS E LOGÍSTICA. Prof. Léo Noronha

Unidade I GESTÃO DE SUPRIMENTOS E LOGÍSTICA. Prof. Léo Noronha Unidade I GESTÃO DE SUPRIMENTOS E LOGÍSTICA Prof. Léo Noronha A administração de materiais A administração de materiais procura conciliar as necessidades de suprimentos com a otimização dos recursos financeiros

Leia mais

Passos na Importação Roteiro Básico. Eduardo Leoni Machado Fevereiro/2012

Passos na Importação Roteiro Básico. Eduardo Leoni Machado Fevereiro/2012 Roteiro Básico Eduardo Leoni Machado Fevereiro/2012 1º Passo Efetuar contatos com fornecedor (exportador). 2º Passo Formalizar as negociações com fornecedor (exportador). 3º Passo Negociar a condição de

Leia mais

Manual do SGI Sistema de Gestão Integrada

Manual do SGI Sistema de Gestão Integrada Manual do SGI Sistema de Gestão Integrada Revisão 02 Manual MN-01.00.00 Requisito Norma ISO 14.001 / OHSAS 18001 / ISO 9001 4.4.4 Página 1 de 14 Índice 1. Objetivo e Abrangência 2. Documentos Referenciados

Leia mais

Distribuição Física. A distribuição física de produtos é realizada com a participação de alguns componentes, físicos ou informacionais, a saber:

Distribuição Física. A distribuição física de produtos é realizada com a participação de alguns componentes, físicos ou informacionais, a saber: Distribuição Física Objetivo da aula: Apresentar e discutir o conceito e os componentes do sistema de distribuição física, dentro do processo logístico. O objetivo geral da distribuição física, como meta

Leia mais

Tecnologias e Sistemas de Informação

Tecnologias e Sistemas de Informação Universidade Federal do Vale do São Francisco Curso de Administração Tecnologia e Sistemas de Informação - 02 Prof. Jorge Cavalcanti jorge.cavalcanti@univasf.edu.br www.univasf.edu.br/~jorge.cavalcanti

Leia mais

Inventário Geral versus Inventário Cíclico

Inventário Geral versus Inventário Cíclico Inventário Geral versus Inventário Cíclico Qual a melhor opção para combater divergências de inventário e melhorar os indicadores de estoque e de atendimento ao cliente. Iuri Destro Coordenador de produtos

Leia mais

CONFIRA UMA BREVE DESCRIÇÃO DAS VANTAGENS COMPETITIVAS OBTIDAS A PARTIR DE CADA META COMPETITIVA VANTAGEM DA QUALIDADE

CONFIRA UMA BREVE DESCRIÇÃO DAS VANTAGENS COMPETITIVAS OBTIDAS A PARTIR DE CADA META COMPETITIVA VANTAGEM DA QUALIDADE CHÃO DE FÁBRICA A PRODUÇÃO COMPETITIVA CONFIRA UMA BREVE DESCRIÇÃO DAS VANTAGENS COMPETITIVAS OBTIDAS A PARTIR DE CADA META COMPETITIVA VANTAGEM DA QUALIDADE Foco principal das empresas que competem com

Leia mais

Sistema de gestão. Sistema de Gestão ERP

Sistema de gestão. Sistema de Gestão ERP Sistema de gestão ERP MÓDULOS E CLIENTES Os módulos podem ser adquiridos separadamente, conforme a sua necessidade. ÁREA COMERCIAL ÁREA ADMINISTRATIVA FINANCEIRA ÁREA PRODUÇÃO E SUPRIMENTOS ÁREA FISCAL

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO MERCADOLÓGICA II

ADMINISTRAÇÃO MERCADOLÓGICA II ADMINISTRAÇÃO MERCADOLÓGICA II Atividades Gerenciais de MKT Produto Testar Novos Produtos; Modificar Atuais; Eliminar; Política de Marcas; Criar Satisfação e Valor; Embalagem. 2 1 Atividades Gerenciais

Leia mais

Unidade IV. Marketing. Profª. Daniela Menezes

Unidade IV. Marketing. Profª. Daniela Menezes Unidade IV Marketing Profª. Daniela Menezes Comunicação (Promoção) Mais do que ter uma ideia e desenvolver um produto com qualidade superior é preciso comunicar a seus clientes que o produto e/ ou serviço

Leia mais

GERENCIAMENTO DE MATERIAIS HOSPITALARES. Farm. Tatiana Rocha Santana 1 Coordenadora de Suprimentos do CC

GERENCIAMENTO DE MATERIAIS HOSPITALARES. Farm. Tatiana Rocha Santana 1 Coordenadora de Suprimentos do CC GERENCIAMENTO DE MATERIAIS HOSPITALARES Farm. Tatiana Rocha Santana 1 Coordenadora de Suprimentos do CC DEFINIÇÕES GERENCIAR Ato ou efeito de manter a integridade física e funcional para algo proposta

Leia mais

Capítulo 4 - Gestão do Estoque Inventário Físico de Estoques

Capítulo 4 - Gestão do Estoque Inventário Físico de Estoques Capítulo 4 - Gestão do Estoque Inventário Físico de Estoques Celso Ferreira Alves Júnior eng.alvesjr@gmail.com 1. INVENTÁRIO DO ESTOQUE DE MERCADORIAS Inventário ou Balanço (linguagem comercial) é o processo

Leia mais

Andrés Eduardo von Simson Graduação e v r iç i os D s i ney Background Hopi Hari Hilton Brasilton Maksoud Plaza

Andrés Eduardo von Simson Graduação e v r iç i os D s i ney Background Hopi Hari Hilton Brasilton Maksoud Plaza ENGENHARIA DE NEGÓCIOS I GESTÃO ESTRATÉGICA DE ESTOQUES AULA I Prof. Andrés E. von Simson 2009 PROFESSOR Andrés Eduardo von Simson Graduação Adm. Hoteleira Adm. de Empresas Docência pela FGV Especialização

Leia mais