ENRIQUECIMENTO DO SOLO EM QUINTAIS NA TERRA INDÍGENA ARAÇÁ E SUAS APLICAÇÕES

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ENRIQUECIMENTO DO SOLO EM QUINTAIS NA TERRA INDÍGENA ARAÇÁ E SUAS APLICAÇÕES"

Transcrição

1 ENRIQUECIMENTO DO SOLO EM QUINTAIS NA TERRA INDÍGENA ARAÇÁ E SUAS APLICAÇÕES Rachel Pinho Sonia Alfaia Robert Miller Katell Uguen Leovone Magalhães Marta Ayres Viviane Freitas Ralph Trancoso 1. INTRODUÇÃO Os habitantes da Terra Indígena (TI) Araçá, das etnias Macuxi, Wapixana, Taurepang e Sapará, assim como de outras terras indígenas do Lavrado de Roraima, plantam ao redor de suas casas, em sítios e quintais, uma grande diversidade de fruteiras, principalmente mangueiras, cajueiros, limoeiros, bananeiras, e também outras espécies com diversas finalidades como sombra, alimentação para os animais, uso medicinal, fornecimento de pequenas peças de madeira, entre outras (Figura 1 e Tabela 1). Com tempo, há também o crescimento espontâneo de outras árvores, nativas, como jatobá e jenipapo, que tem suas sementes jogadas no solo pelas pessoas que consomem a fruta, ou outras plantas que têm suas sementes trazidas por animais (pássaros, porcos etc) ou pelo vento. Esses sítios localizados no entorno das casas são de grande importância alimentar para as comunidades indígenas, com uma grande variedade de fruteiras que produzem em diferentes épocas do ano, se desenvolvendo com pouco ou nenhum uso de insumos externos (adubos químicos, por exemplo). Ao contrário dos solos das roças em áreas de mata que empobrecem após dois a três anos de cultivo, o solo dos sítios se enriquece com o passar do tempo, devido ao aumento de matéria orgânica, proveniente dos resíduos orgânicos domésticos (cascas e restos de alimentos, ossos, palha etc), e também do material vegetal das próprias plantas do sítio (folhas, galhos, raízes etc), todos os quais são fontes dos nutrientes essenciais para o crescimento das plantas. Além disso, as fezes e urina dos animais presentes nos sítios (galinhas, patos, porcos e etc.) e também as que são trazidas como adubo (esterco de gado, por exemplo) contribuem para o enriquecimento do solo ao longo do tempo. No presente estudo são apresentados os resultados do Projeto Wazaka ye sobre este processo de melhoria da qualidade do solo em sítios com diferentes idades, para avaliar como os teores de nutrientes aumentam com o passar dos anos. Também foi feita a comparação do solo dos sítios com solos de áreas de Lavrado, capoeira e mata. Nesta publicação, reúne-se, portanto, os resultados de duas dissertações de mestrado desenvolvidas no âmbito do Projeto Wazaka ye, realizadas pelas estudantes Rachel

2 Pinho 1 e Viviany Freitas 2. O objetivo é levar as informações obtidas nestes trabalhos para o conhecimento e uso por parte das comunidades indígenas. Embora o estudo tenha focalizado a TI Araçá 3, espera-se que seus resultados tenham aplicação para outras terras indígenas do Lavrado. Figura 1. Sítios (quintais) na TI Araçá, Roraima. A: Sítio novo; B: Sítio antigo; C: Dentro do sítio, mostrando a área de terreiro em volta da casa. (FIGURAS COLORIDAS) 1 Quintais agroflorestais indígenas em área de savana (Lavrado) na Terra Indígena Araçá, Roraima INPA/UFAM, Dinâmica dos nutrientes em capoeiras e florestas em savanas de Roraima INPA/UFAM, A TI Araçá, localizada em área de Lavrado no município de Amajari, foi demarcada em 1982 com extensão de hectares. Na TI Araçá há cinco comunidades (Araçá, Guariba, Mangueira, Mutamba e Três Corações) onde vivem cerca de 1490 habitantes pertencentes às etnias Macuxi, Wapichana, Taurepang e Sapará.

3 Tabela 1. Espécies encontradas nos 60 quintais estudados na TI Araçá. ESPÉCIE Nome popular Nome científico Família FREQÜÊNCIA (Número de quintais onde cada espécie foi encontrada, de um total de 60 quintais) ABUNDÂNCIA (N úmero total de plantas de cada espécie, de um total de 6677 plantas) Manga Mangifera indica Anacardiaceae Limão Citrus aurantifolia Rutaceae Coco Cocos nucifera Arecaceae Caju Anacardium occidentale Anacardiaceae Goiaba Psidium guajava Myrtaceae Laranja Citrus sinensis Rutaceae Ata Annona squamosa Annonaceae Araçá Psidium guineens Myrtaceae Ingá Inga spp. Mimosaceae Jenipapo Genipa americana Rubiaceae Acerola Malpighia punicifolia Malpighiaceae Azeitona Syzygium cumini Myrtaceae Dão Ziziphus mauritiana Rhamnaceae Graviola Annona muricata Annonaceae Maracujá Passiflora edulis Passifloraceae 22 - Peão Roxo Jatropha gossypifolia Euphorbiaceae Banana Musa paradisiaca Musaceae 21 - Pitomba Talisia esculenta Sapindaceae Abacate Persea americana Lauraceae Algodão Gossypium Malvaceae Mamão Carica papaya Caricaceae Tangerina Citrus reticulata Rutaceae Jatobá Hymenaea courbaril Caesalpinaceae Mirixi Byrsonima spp. Malpighiaceae Lima Citrus limetta Rutaceae Maria Preta Vitex polygama Verbenaceae 12 4 Abacaxi Ananas comosus Bromeliaceae 11 - Tamarindo Tamarindus indica Caesalpinaceae 9 18 Peão Branco Jatropha curcas Euphorbiaceae 9 66 Pimenta Capiscum spp. Solanaceae 9 25 Caimbé Curatella americana Dilleniaceae 8 21 Buriti Mauritia flexuosa Arecaceae 7 20 Vara Branca Casearia sp. Flacourtiaceae 7 16 Carambola Averrhoa carambola Oxalidaceae 7 11 Seriguela Spondias purpurea Anacardiaceae 6 9 Jaca Artocarpus heterophyllus Moraceae 6 6 Jambo Syzygium malaccense Myrtaceae 6 14 Urucum Bixa orellana Bixaceae 5 10 Embaúba Cecropia sp. Cecropiaceae 5 8 Romã Punica granatum Punicaceae 5 6

4 Tabela 1. CONTINUAÇÃO Nome popular Nome científico Família FREQÜÊNCIA (Número de quintais onde foi encontrada) ABUNDÂNCIA (N úmero total de plantas) Açaí Euterpe sp. Arecaceae 4 5 Jucá Casealpinia ferrea Caesalpinaceae 4 64 Paricarana Bowdichia virgilioides Fabaceae 4 6 Cupuaçu Theobroma grandifolium Sterculiaceae 4 11 Sucúba Himatanthus sucuuba Apocynaceae 3 3 Inajá Maximiliana maripa Arecaceae 3 11 Tucumã Astrocarium tucuma Arecaceae 3 8 Feijão Guandú Cajanus cajan Fabaceae 3 26 Tento Adenanthera pavonina Fabaceae 3 3 Acácia Acacia mangium Mimosaceae 3 4 Marfim Agonandra brasiliensis Opiliaceae 3 5 Mari-Mari Cassia moschata Caesalpinaceae 2 32 Peão verde Jatropha sp. Euphorbiaceae 2 51 Pitanga Eugenia uniflora Myrtaceae 2 2 Maracujá da mata Passiflora sp. Passifloraceae 2 6 Pitomba da mata Talisia sp. Sapindaceae 2 5 Abiu Pouteria caimito Sapotaceae 2 2 Tabacorana Aegiphila sp. Verbenaceae 2 4 Taperebá Spondias sp. Anacardiaceae 1 2 Conde Annona glabra Annonaceae 1 1 Graviola do mato Annona sp. Annonaceae 1 1 Coco Babão Acrocomia aculeata Arecaceae 1 2 Pau d arco branco Godmania aesculifolia Bignoniaceae 1 2 Pata de Vaca Bauhinia sp. Caesalpinaceae 1 5 Pau-Brasil Caesalpinia echinata Caesalpinaceae 1 1 Oiti Licania tomentosa Chrysobalanaceae 1 1 Lacre Vismia guianensis Clusiaceae 1 3 Mamona Ricinus communis Euphorbiaceae 1 2 Pau-Pajé Fissiocalyx fendleri Fabaceae 1 1 Umiriri Humiria balsamifera Humiriaceae 1 1 Algodão da mata Gossypium sp. Malvaceae 1 10 Angico Anadenanthera sp. Mimosaceae 1 1 Apuí Ficus sp. Moraceae 1 1 Jaboticaba Myrcia cauliflora Myrtaceae 1 1 Tachi Triplaris surinamensis Polygonaceae 1 1 Café Coffea sp. Rubiaceae 1 1 Sapoti Manilkara zapota Sapotaceae 1 1 Mutamba Guazuma ulmifolia Sterculiaceae 1 2 Uva Vitis sp. Vitaceae 1 1 Total 6677

5 Os sítios encontrados ao redor das casas na TI Araçá correspondem ao que se chama de quintal agroflorestal na literatura científica. Embora pouco estudados em Roraima, os quintais agroflorestais são considerados o sistema agroflorestal mais difundido no mundo, sendo encontrados em praticamente todas as regiões tropicais. Os sistemas agroflorestais (SAFs) são sistemas agrícolas onde são consorciadas árvores com culturas agrícolas ou a criação de animais, podendo abranger uma grande variedade de tipos, desde os quintais agroflorestais ao redor das casas até situações como o manejo da rebrota de pau rainha e outras madeiras em meio aos cultivos das roças, sistema também praticado na TI Araçá. Embora existam muitos estudos sobre a composição de espécies dos quintais agroflorestais em vários lugares do Brasil e do mundo, há poucas pesquisas sobre a dinâmica dos nutrientes nos solos nesses quintais. Esta publicação visa apresentar informações úteis a partir dos resultados obtidos nesse estudo, que poderão ser aplicadas em plantios agroflorestais nas comunidades indígenas do lavrado. 2. MÉTODOS 2.1 Coleta e análise das amostras de solo A partir do levantamento de 60 sítios na TI Araçá, foram escolhidos aleatoriamente 15 sítios para amostragem de solo. Estes 15 sítios foram classificados de acordo com a idade, sendo feita a coleta de solo em 3 quintais em cada uma das 5 comunidades, nas seguintes categorias: um quintal novo (idade de 0 a 10 anos), um quintal estabelecido (15 a 35 anos) e um quintal antigo (mais de 40 anos), onde foram coletadas amostras de solo (Tabela 2 e Figura 2). Tabela 2. Descrição dos sítios (quintais) estudados (TI Araçá, Roraima). Comunidade Classificação Idade Quintal novo 5 anos Araçá Quintal estabelecido 21 anos Quintal antigo mais de 40 anos Quintal novo 8 anos Guariba Quintal estabelecido 25 anos Quintal antigo mais de 40 anos Quintal novo 3 anos Mangueira Quintal estabelecido 15 anos Quintal antigo mais de 40 anos Quintal novo 9 anos Mutamba Quintal estabelecido 15 anos Quintal antigo mais de 40 anos Quintal novo 2 anos Três Corações Quintal estabelecido 17 anos Quintal antigo mais de 40 anos

6 Figura 2. Locais onde foram realizadas as coletas de solos nas 5 comunidades da Terra Indígena Araçá. FIGURA COLORIDA, TRADUZIR As coletas de solo evitaram os terreiros próximos da casa, pois são locais que são sempre mantidos limpos, e não há acúmulo de matéria orgânica. As amostras de solo foram retiradas de locais um pouco mais afastados, onde se acumulam folhas e outros materiais orgânicos, conforme mostra a Figura 2. Para coletar o solo, delimitouse uma parcela de 10 x 15 m, a uma distância de, no mínimo, 2 metros do final do terreiro. Para fins de comparação, para cada quintal amostrado foi feito também uma coleta em área de Lavrado (savana), ao lado do sítio. Essas coletas no Lavrado foram feitas a uma distância de 7 metros da beira do sítio (medindo a partir das últimas árvores), seguindo os mesmos procedimentos (Figura 4). As coletas de solo evitaram os terreiros próximos da casa, pois são locais que são sempre mantidos limpos, e não há acúmulo de matéria orgânica. As amostras de solo foram retiradas de locais um pouco mais afastados, onde se acumulam folhas e outros materiais orgânicos, conforme mostra a Figura 3. Para coletar o solo, delimitou-se uma parcela de 10 x 15 m, a uma distância de, no mínimo, 2 metros do final do terreiro.

7 A SÉRIE PROJETO WAZAKA YE - RESULTADOS B C D SÉRIE PROJETO WAZAKA YE - RESULTADOS Figura 3. Exemplos de locais dos sítios onde foi feita a coleta de solos. A: sítio novo; B: sítio estabelecido; C: sítio antigo; D: Lavrado ao lado do sítio. SÍTIO LAVRADO 2 m Terreiro 15 m 7 m 15 m 10 m 10 m Figura 4. Desenho esquemático da localização das parcelas para coleta de solo nos sítios e na área no Lavrado próximo.

8 Para avaliar os teores dos nutrientes encontrados em diferentes camadas do solo, foram retiradas amostras em 3 profundidades de solo: 0 a 10 cm, 10 a 20 cm e 20 a 30 cm. As amostras foram levadas para o Laboratório de Solos do INPA em Manaus, onde foi feita análise química para determinar o teor de nutrientes, de matéria orgânica e acidez no solo de cada um dos 15 sítios estudados e no Lavrado ao lado. Nos gráficos desse trabalho, os valores representados pelas barras foram obtidos calculando-se a média das 3 profundidades. Para se ter uma idéia melhor do processo de enriquecimento do solo dos sítios no contexto mais geral da TI Araçá, os valores encontrados nos sítios foram comparados com os valores obtidos em outro estudo feito pelo Projeto Wazaka ye, com o solo debaixo de capoeiras de diferentes idades e floresta, nas ilhas de mata usadas para a agricultura. Nas matas e capoeiras, a coleta de solos foi feita da mesma maneira, porém o tamanho da parcela foi maior: 45 x 45 m. No laboratório do INPA, foram realizadas análises de: - macronutrientes: Ca (cálcio), Mg (magnésio), K (potássio), P (fósforo) - micronutrientes: Cu (cobre), Zn (zinco), Mn (manganês) e Fe (ferro) - ph (potencial hidrogeniônico) e Al (alumínio), que medem a acidez - matéria orgânica

9 3. RESULTADOS 3.1 Teores de nutrientes Os gráficos de barras a seguir mostram os resultados para cada um dos nutrientes analisados, em vários locais: Lavrado, quintal novo, quintal estabelecido, quintal antigo, capoeira (de 10 anos) e mata. Cada barra cinza no gráfico mostra a concentração do nutriente em um desses locais: quanto maior for a altura da barra, maior é a quantidade (teor) do nutriente naquele local. Para chegar nesses valores, foram tiradas as médias das três profundidades amostradas, e dos quintais do mesmo grupo de idade (novo, estabelecido e antigo). Potássio (K) A seguir, apresentamos o gráfico para o potássio (K), que é um nutriente que ajuda a planta a resistir à seca e ao ataque de pragas, e a encher os grãos. A unidade de medição do potássio nos diferentes tipos de solo é o cmol.kg -1, que representa a quantidade do elemento encontrado em um quilograma (Kg) de solo. (cmolckg -1 ) A primeira barra, referente ao solo de Lavrado (próximo dos sítios) é menor que as demais barras, mostrando que o solo do Lavrado possui baixo teor desse nutriente. Nas três barras seguintes, que mostram os valores dos nutrientes nos sítios (sítio novo, sítio estabelecido e sítio antigo), podemos constatar que o teor de potássio vai aumentando gradativamente com o passar dos anos. A barra do quintal novo é um pouco maior que a do Lavrado, mostrando que em menos de 10 anos as práticas

10 desenvolvidas no sítio já começam a contribuir significativamente para enriquecer o solo. No quintal estabelecido (15 a 25 anos), a barra aumenta mais um pouco, mostrando o acúmulo desse nutriente. E o solo dos quintais antigos possui a barra ainda maior, mostrando que após 40 anos o solo do sítio possui mais do que o dobro de potássio do que o solo original de Lavrado. As duas últimas barras mostram os valores dos nutrientes na capoeira e na mata. Antes de fazer a comparação, temos que lembrar que as ilhas de mata na TI Araçá possuem tipos de solo (geralmente o barro vermelho ) que são naturalmente diferentes do Lavrado (e também dos quintais), pois são formadas em cima de rochas. Ainda assim, é impressionante perceber que o teor de potássio é maior nos quintais do que na mata e na capoeira. Ou seja, mesmo que, em geral, os solos das áreas de mata sejam considerados mais férteis que o Lavrado, isso não acontece no caso específico do nutriente potássio, e também do fósforo, como veremos a seguir. Fósforo (P) O fósforo (P) é um nutriente importante no crescimento das raízes e na produção e amadurecimento de frutos. A unidade de medição do fósforo nos diferentes tipos de solo é mg Kg -1 que corresponde a quantos miligramas do elemento são encontrados em um quilograma de solo. (mg Kg -1 ) Nesse caso, vamos começar analisando pelas duas últimas barras, da capoeira e da mata. Na capoeira, o teor de fósforo é baixo, parecido com o do Lavrado (primeira

11 barra), indicando que o uso agrícola do solo leva ao esgotamento deste nutriente, e que a área precisa descansar ainda por mais alguns anos para recuperar a mesma quantidade de fósforo que tem na mata (última barra). Essa recuperação acontece, em parte, pelo fato das árvores da capoeira retirarem fósforo das camadas mais profundas do solo e promoverem sua reciclagem a partir da queda de folhas, galhos e outras partes das plantas. Nos sítios novos de mesma idade da capoeira (10 anos), a quantidade de fósforo já é bem maior nos sítios do que na capoeira. Com o passar do tempo, o teor aumenta nos solos dos quintais estabelecidos (entre 25 e 35 anos), e mais ainda nos quintais antigos (mais de 40 anos), que possuem trinta vezes mais fósforo que o Lavrado, onde o sítio começou (barra 30 vezes maior), e possuem 4 vezes mais fósforo do que os solos da mata (barra 4 vezes maior). O fósforo (P) e o potássio (K), quando em falta, podem ser adicionados ao solo de várias maneiras. Ambos elementos são encontrados no adubo químico NPK, junto com o nitrogênio (N), mas também podem ser acrescentados ao solo de outras formas, no caso do fósforo, como rocha fosfática moída ou como farinha de osso. Os ossos são compostos basicamente de fósforo e cálcio, sendo que um preparado de adubo caseiro consiste de fazer a queima incompleta de ossos e depois pilar. Essa farinha de ossos é muito útil para a adubação de covas onde serão plantadas árvores frutíferas. O potássio está presente nas cinzas (junto com cálcio e magnésio, principalmente), de forma que não devem ser desperdiçadas as cinzas dos fogões de lenha e fornos de farinha. Essas cinzas podem ser usadas para adubar as plantas, especialmente fruteiras como o coqueiro e a bananeira, que são exigentes em potássio. Cálcio (Ca) e Magnésio (Mg) O cálcio e o magnésio apresentaram comportamento parecido, portanto os gráficos serão apresentados juntos. O cálcio é um nutriente que ajuda a planta a resistir ao ataque de pragas, a ficar rígida (faz parte da parede celular) e também estimula o crescimento das raízes. Já o magnésio participa na fotossíntese (transformação da luz do sol em energia para a planta crescer). Ambos os elementos tem como unidade de medição o cmol Kg -1, que representa a quantidade do elemento encontrado em um quilograma de solo

12 5 (cmolckg -1 ) (cmolckg -1 ) (cmolckg -1 ) A quantidade de cálcio e magnésio nos sítios novos é quase igual no Lavrado, mostrando que mesmo após 10 anos o acúmulo desses nutrientes é muito lento. Já nos sítios estabelecidos (com 15 a 25 anos de idade), as quantidades começam a subir, e nos sítios antigos, após 40 anos, a quantidade de cálcio e magnésio no solo é mais do que o dobro do que há no Lavrado, ou em sítios novos. Apesar do cálcio e magnésio aumentarem no solo dos sítios com o passar do tempo, eles não chegam a alcançar as altas quantidades presentes na capoeira e na mata, por causa da fertilidade natural dos solos das ilhas de mata. Os gráficos anteriores mostraram os valores de macronutrientes (nutrientes que as plantas precisam em grande quantidade). Os próximos gráficos mostram os valores de micronutrientes (nutrientes que as plantas precisam em pequena quantidade), a começar pelo zinco.

13 Zinco (Zn) O zinco é um nutriente importante para a planta conseguir produzir o hormônio do crescimento e também é essencial na composição de muitas enzimas. As plantas variam quanto a sua exigência de zinco, sendo que o milho é considerado uma cultura muito exigente em relação a esse nutriente. Juntamente com o boro (B), o zinco é considerado muito importante no cultivo das frutas cítricas (laranja, limão, mexerica etc.) (mg Kg -1 ) (mg Kg -1 ) A quantidade de zinco no solo dos sítios variou de maneira parecida com o cálcio e magnésio: no sítio novo, ainda não há acréscimo de zinco, comparando-se com o Lavrado. O teor de zinco começa a crescer nos sítios estabelecidos, e mais ainda nos antigos, atingindo valores um pouco superiores aos da capoeira e da mata. Ferro (Fe) O ferro também é importante para possibilitar a fotossíntese, e está envolvido nos processos que ocorrem no DNA da planta como a multiplicação das células, formação das estruturas reprodutivas, como pólen por exemplo, dentre outras funções. Geralmente, os solos tropicais não possuem problemas por falta de ferro, a não ser em solos alcalinos formados sobre rochas calcárias, com ph alto.

14 Avaliando o teor de ferro nos sítios, aparentemente ocorre um aumento deste elemento ao longo dos anos, pois os sítios antigos apresentaram teores maiores do que os sítios de menor idade, e também do que o Lavrado. Porém, no caso do ferro, pode ser que esse aumento não seja por causa das práticas desenvolvidas no sítio, mas sim porque alguns sítios antigos se desenvolveram sobre solo com muita piçarra, que é naturalmente rico em ferro. Os solos das ilhas de mata também se mostraram com grande quantidade desse nutriente. Cobre (Cu) e Manganês (Mn) O cobre é um nutriente importante na fotossíntese, e também ajuda a planta a resistir à seca. O manganês acelera a germinação da semente e ajuda os frutos a amadurecerem. (mg Kg -1 ) (mg Kg -1 )

15 Para o manganês e o cobre aparentemente não há aumento nos teores com o passar dos anos, pois as barras dos sítios das 3 idades possuem tamanhos parecidos, e são parecidos também com o tamanho da barra do Lavrado. Já a capoeira e a mata possuem altos valores desses nutrientes, provavelmente devido ao tipo de solo diferente. Os próximos gráficos mostrarão os teores de matéria orgânica, ph e alumínio. Matéria orgânica do solo A matéria orgânica encontrada no solo representa os restos de plantas e animais, depositados na superfície do solo e depois transformados e incorporados pelo processo de decomposição, com a ajuda de minhocas, insetos, bactérias e fungos. Também inclui os restos de raízes e organismos vivem no interior do solo. A matéria orgânica não é um nutriente, mas sim um material que libera nutrientes, dentre outras funções importantes. Ao alimentar a vida do solo, a matéria orgânica tem dois efeitos principais: (1) ao ser decomposta, disponibiliza os nutrientes que faziam parte dos tecidos das plantas e animais, permitindo que sejam novamente aproveitados pelas raízes das plantas; e (2) mantém a estrutura física do solo, a partir da formação de agregados ou grumos. Estes agregados são formados pela ação dos vários organismos presentes no solo, que cimentam as partículas de areia, argila e silte, permitindo que o solo tenha uma estrutura de macroporos ou canais. Esse espaço entre as partículas do solo facilita o crescimento das raízes e sua oxigenação, bem como a penetração da água da chuva. Entre os principais responsáveis pela formação dos agregados e a manutenção da estrutura do solo estão as minhocas, que usam a matéria orgânica como alimento. Além de alimentar a vida do solo, a presença de matéria orgânica sobre a superfície tem o efeito de amenizar a temperatura do solo, manter sua umidade e proteger contra o impacto das gotas de chuva, que pode causar a desagregação dos grumos e a perda da estrutura do solo, bem como a erosão. Por fim, os processos biológicos no solo criam um grupo de compostos orgânicos estáveis denominados húmus, que além de atuar na estrutura do solo, são responsáveis por reter e promover a lenta liberação dos nutrientes que as plantas precisam.

16 (g kg -1 ) Nos quintais novos o teor de matéria orgânica é baixo, parecido com o do Lavrado, mas na medida em que o quintal vai ficando antigo, a matéria orgânica aumenta. A capoeira e a mata possuem os maiores teores de matéria orgânica, provavelmente porque a produção farta de matéria orgânica é uma característica do ecossistema florestal. Pode haver também uma relação com o teor de argila nesses solos, pois nas ilhas de mata os solos são mais argilosos do que no Lavrado (e que os quintais, por conseqüência), e a argila ajuda o solo a segurar mais a matéria orgânica. A decomposição da matéria orgânica nos sítios acontece principalmente nas áreas um pouco mais afastadas da casa, pois é para onde se varrem as folhas, onde se amontoa o mato capinado, e onde se joga os restos de alimentos. Potencial Hidrogeniônico (ph) O ph não é um nutriente, mas sim uma medida que pode influenciar na disponibilidade dos outros nutrientes no solo. O ph é inverso à acidez do solo, sendo que quanto maior o ph, menor é a acidez. Quando o valor do ph é muito baixo, indicando solo com muita acidez, alguns nutrientes importantes se tornam indisponíveis para absorção pelas raízes das plantas. O fósforo (P), por exemplo, tem a tendência de formar compostos insolúveis com ferro (Fe) e alumínio (Al) em solos muito ácidos, tornando-se indisponível para as plantas.

17 O gráfico mostra que o ph nos sítios é um pouco maior que no Lavrado, mostrando que as práticas desenvolvidas nos sítios ajudam a aumentar a disponibilidade dos outros nutrientes para as plantas. A queima das folhas e capim nos sítios, gerando as cinzas, contribui para aumentar o ph do solo. O solo da floresta e da capoeira naturalmente tem um ph mais alto, associado ao tipo diferente de solo. Alumínio (Al) O alumínio é um elemento geralmente tóxico para muitas plantas, principalmente nos solos mais ácidos. Algumas plantas, como o milho, são mais sensíveis ao excesso de alumínio, enquanto outras, como a mandioca, são menos sensíveis. O gráfico abaixo mostra que os sítios contribuem para diminuir a quantidade de alumínio disponível no solo, pois no Lavrado o teor de alumínio é maior. Nas capoeiras e mata, o teor de alumínio é tão baixo que nem aparece no gráfico. (mg Kg -1 )

18 3.4 Enriquecimento do solo nos sítios lições práticas No sítio acontece não só a decomposição (ou queima) das folhas caídas e do mato capinado, mas também dos restos de alimentos que são consumidos nas casas, do esterco que pode ser trazido para adubar as plantas, e das palhas de buriti que são trocadas de quando em quando. A decomposição de todos esses materiais naturais no sítio é responsável pelo enriquecimento do solo, conforme constatado pelo estudo. Porém isso acontece de maneira muito lenta, com o passar dos anos. Como podemos acelerar e aproveitar melhor esse processo natural, pensando na produtividade de fruteiras e outras plantas dos sítios? Aqui estão algumas dicas: - Colocar cinzas no pé das plantas, especialmente as mais exigentes, como o coqueiro; - Varrer as folhas para fazer cobertura vegetal ao redor das plantas, principalmente aquelas ainda pequenas (isso também ajuda a diminuir o calor e evita o ressecamento do solo); - Utilizar material vegetal bem decomposto (terra preta), cinzas, ossos e esterco bem curtido para adubar as covas quando for fazer o plantio de mudas; - Plantar leguminosas (plantas que produzem vagens), pois suas folhas são ricas em nitrogênio e ajudam a fertilizar o solo no processo conhecido como adubação verde. - Alguns restos de alimentos podem ser jogados diretamente no pé das plantas, como borra de café e cascas secas de macaxeirae mandioca. Deve-se ter cuidado com alimentos que acumulam moscas ou produzem mal cheiro, como carne. Nesses casos é melhor enterrar ou fazer compostagem. - Utilizar o esterco para adubar as plantas, tomando cuidado para não queimar as plantas mais sensíveis (como cupuaçu) com estrume verde. As Figuras 5, 6 e 7 a seguir ilustram várias dessas técnicas sendo utilizadas.

19 A B C D E Figura 5. Exemplos de cobertura vegetal ao redor das plantas (A e B: capim; C: tronco de bananeira, D: folhas de bananeira; E: palha de inajá). Comunidade Araçá, TI Araçá, RR.

20 Figura 6. Casca do fruto de buriti sendo jogada diretamente no pé de uma planta. Comunidade Guariba, TI Araçá, RR. A B C B D Figura 7. Exemplos de plantas usadas como adubação verde: feijão-guandu em área de roça (A) e caiçara (B e C). D: Feijão-de-porco plantado na caiçara, ajudando a combater o crescimento do mato. Comunidade Mutamba, TI Araçá, RR.

21 Outra forma de melhorar o solo do Lavrado que também é uma prática comum nas comunidades indígenas é a caiçara, onde a adubação é feita pelo gado, que dorme em uma área cercada por um determinado período de tempo. Quando a área da caiçara recebe estrume suficiente, passa a ser utilizada para o plantio de bananeiras, mandioca e outras culturas. Em muitos casos, as caiçaras ficam afastadas das casas, portanto são locais menos adequados para o plantio de frutíferas. No entanto, seria interessante experimentar nelas o plantio de árvores madeireiras, tal como o pau rainha, que tem se tornado escasso em várias comunidades. Diferente do sítio, aonde o solo vai sendo enriquecido ao passar dos anos, as caiçaras geralmente são abandonadas após poucos anos. No entanto, é provável que as caiçaras plantadas com árvores possam desenvolver um solo mais rico, a partir da contribuição das folhas e da possibilidade das raízes poderem explorar e reciclar nutrientes de camadas mais profundas do solo. 4. CONCLUSÕES Quando comparados com áreas de Lavrado, os solos dos sítios (quintais agroflorestais) na TI Araçá apresentaram um importante aumento de nutrientes ao longo do tempo. Em alguns casos, os nutrientes atingiram níveis parecidos ou maiores que solos de florestas e capoeiras, que possuem solos naturalmente mais férteis. A prática de plantar árvores frutíferas nos sítios, junto com as atividades domésticas que caracterizam a ocupação do local, resulta na criação de ilhas de fertilidade no meio do Lavrado, onde os solos geralmente são muito pobres. Esse aumento de nutrientes nos sítios acontece em razão dos resíduos orgânicos depositados ao redor das casas, como restos de alimentos, esterco de gado, palhas, madeira, entre outros, ou provenientes das próprias plantas do quintal, como folhas que caem no chão e são varridas, galhos podados e mato capinado. Ao invés de esperar o longo processo de enriquecimento do solo dos quintais que demora muitos anos, os agricultores indígenas podem aproveitar os princípios envolvidos de maneira mais rápida, usando materiais disponíveis nas comunidades (cinzas, folhas, esterco, ossos, restos de alimentos etc.) para adubar plantios e enriquecer o solo.

22 Outra tecnologia indígena que merece estudos mais aprofundados é a caiçara, que apresenta potencial para o cultivo de árvores em áreas de Lavrado. AGRADECIMENTOS A equipe do projeto Wazaka ye agradece aos tuxauas das comunidades Araçá, Guariba, Mutamba, Mangueira e Três Corações bem como aos estudantes e técnicos agrícolas indígenas Marcelo, Geronildo, Carlos e Toniéllison, aos professores, alunos e demais lideranças e membros das comunidades da TI Araçá que nos acompanharam e apoiaram esse trabalho. Agradecemos também ao CIR (Conselho Indígena de Roraima) pelo apoio e parceria. E à Comunidade Européia, CNPq (Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico) e CAPES (Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior) pelo financiamento e concessão das bolsas de estudo. ESCLARECIMENTO SOBRE AUTORIZAÇÕES Os estudos dos solos dos sítios e das matas e capoeiras foram realizados no âmbito do projeto Wazaka ye-guyagrofor: Estudo de solos, roças e florestas em Roraima, que obteve autorização do CGEN (Conselho de Gestão do Patrimônio Genético) em dezembro/2006 para realização de pesquisa científica com acesso a conhecimento tradicional associado na TI Araçá. A autorização se baseou em parte no Termo de Anuência Prévia (TAP) discutido e assinado pelas comunidades envolvidas. O TAP é um documento que esclarece como serão feitas as atividades do projeto, de maneira a assegurar aos indígenas que seus direitos e costumes serão respeitados, inclusive o direito de impedirem a realização do projeto. A autorização da Funai (Fundação Nacional do Índio) para entrada em Terra Indígena se baseou em análise interna e em parecer sobre o mérito científico emitido pelo CNPq (Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico, do Ministério da Ciência e Tecnologia) e na consulta às comunidades. Os projetos de mestrado também foram submetidos à aprovação pelo Comitê de Ética em Pesquisa do INPA (CEP-INPA) e pelo Comitê Nacional de Ética em Pesquisa (CONEP), em Brasília.

Levantamento Florístico De Um Quintal Florestal No Norte De Minas

Levantamento Florístico De Um Quintal Florestal No Norte De Minas Levantamento Florístico De Um Quintal Florestal No Norte De Minas Alisson Farley Soares Durães (1) ;Jaciara Dias Macedo (2) ;Kelly Marianne Guimarães Pereira (3) ; Leticia Renata de Carvalho (4) (1) Estudante;

Leia mais

COMPOSTAGEM. Produção de adubo a partir de resíduos orgânicos

COMPOSTAGEM. Produção de adubo a partir de resíduos orgânicos COMPOSTAGEM Produção de adubo a partir de resíduos orgânicos Produzir adubo na propriedade rural é uma prática fácil porque a matéria prima a ser usada éobtida de resíduos orgânicos como o lixo doméstico

Leia mais

REDE CTPETRO AMAZÔNIA PROJETO PI2 CARACTERIZAÇÃO E ANÁLISE DA DINÂMICA DO SOLO

REDE CTPETRO AMAZÔNIA PROJETO PI2 CARACTERIZAÇÃO E ANÁLISE DA DINÂMICA DO SOLO REDE CTPETRO AMAZÔNIA PROJETO PI2 CARACTERIZAÇÃO E ANÁLISE DA DINÂMICA DO SOLO Coordenadora: Maria do Rosário Rodrigues B R OBJETIVO GERAL Por meio de uma avaliação integrada dos atributos do meio físico

Leia mais

SAF no Estado do Amazonas - Brasil. Acácia Neves - INCRA

SAF no Estado do Amazonas - Brasil. Acácia Neves - INCRA SAF no Estado do Amazonas - Brasil Acácia Neves - INCRA Sistemas Agroflorestais no Estado do Amazonas - Brasil SAF mais ocorrentes 1. Quintais (Várzea e Terra Firme) - Alta diversidade de espécies, em

Leia mais

Prof. José Roberto e Raphaella. 6 anos.

Prof. José Roberto e Raphaella. 6 anos. Prof. José Roberto e Raphaella. 6 anos. Solo É a camada mais estreita e superficial da crosta terrestre, a qual chamamos habitualmente de Terra. Essa parte da crosta terrestre esta relacionada à manutenção

Leia mais

Compostagem: a arte de transformar o lixo em adubo orgânico. 1 - Compostagem e Composto: definição e benefícios

Compostagem: a arte de transformar o lixo em adubo orgânico. 1 - Compostagem e Composto: definição e benefícios Compostagem: a arte de transformar o lixo em adubo orgânico 1 - Compostagem e Composto: definição e benefícios A compostagem é o processo de transformação de materiais grosseiros, como palhada e estrume,

Leia mais

Compostagem doméstica: como fazer?

Compostagem doméstica: como fazer? Compostagem, o que é? É um processo dereciclagem de resíduos orgânicos (de cozinha, da horta, do jardim...) realizado através de microrganismos que transformam os resíduos biodegradáveis num fertilizante

Leia mais

Utilização de Composto Orgânico na Adubação de Plantas

Utilização de Composto Orgânico na Adubação de Plantas Utilização de Composto Orgânico na Adubação de Plantas Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO Ministro: Jorge Alberto Portanova Mendes Ribeiro

Leia mais

SISTEMAS AGROFLORESTAIS

SISTEMAS AGROFLORESTAIS SISTEMAS AGROFLORESTAIS O que é Sistema Agroflorestal? Sistema agroflorestal é uma forma de uso da terra na qual se combinam espécies arbóreas lenhosas (frutíferas e/ou madeireiras) com cultivos agrícolas

Leia mais

Projeto: PRESERVE O PLANETA TERRA DISTRIBUIÇÃO DE MUDAS PARA PLANTIO

Projeto: PRESERVE O PLANETA TERRA DISTRIBUIÇÃO DE MUDAS PARA PLANTIO PARCERIA: ROTARY / CECL-PEFI 1) Grupo de Espécies Preferenciais DISTRIBUIÇÃO DE MUDAS PARA PLANTIO Área Tipo Nome comum Nome científico Família 14/out Área 1 Área 2 Área 4 3 5 Abio Pouteria caimito Sapotaceae

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE RORAIMA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM RECURSOS NATURAIS ESPECIALIZAÇÃO EM RECURSOS NATURAIS RONIEL RODRIGUES ROCHA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE RORAIMA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM RECURSOS NATURAIS ESPECIALIZAÇÃO EM RECURSOS NATURAIS RONIEL RODRIGUES ROCHA UNIVERSIDADE FEDERAL DE RORAIMA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM RECURSOS NATURAIS ESPECIALIZAÇÃO EM RECURSOS NATURAIS RONIEL RODRIGUES ROCHA RECURSOS NATURAIS URBANOS: ÁRVORES FRUTÍFERAS NOS QUINTAIS DE BOA

Leia mais

Agroecologia. Curso Agroecologia e Tecnologia Social um caminho para a sustentabilidade. Módulo 3 Aplicações da Agroecologia

Agroecologia. Curso Agroecologia e Tecnologia Social um caminho para a sustentabilidade. Módulo 3 Aplicações da Agroecologia Agroecologia Agroecologia Curso Agroecologia e Tecnologia Social um caminho para a sustentabilidade Módulo 3 Aplicações da Agroecologia Agroecologia aspectos teóricos e conceituais Capítulo 4 Aplicações

Leia mais

Jefferson Ferreira Lima

Jefferson Ferreira Lima Jefferson Ferreira Lima PONTAL DO PARANAPANEMA Mato Grosso do Sul 400.000 hactares de terras devolutas; 102 assentamentos; 6.000 famílias de produtores assentados; Renda media de US$ 130,00/familia/mês;

Leia mais

A Vida no Solo. A vegetação de um local é determinada pelo solo e o clima presentes naquele local;

A Vida no Solo. A vegetação de um local é determinada pelo solo e o clima presentes naquele local; A Vida no Solo A Vida no Solo A vegetação de um local é determinada pelo solo e o clima presentes naquele local; O solo é constituído por alguns componentes: os minerais, o húmus, o ar, a água e os seres

Leia mais

Nº 06. sistema agroflorestal

Nº 06. sistema agroflorestal EMEIO AMBIENT Nº 06 sistema agroflorestal Em uma sala de aula na zona rural... Bom dia! Bom dia, professor! Hoje vamos falar sobre o futuro do planeta! O senhor disse que iríamos estudar agricultura e

Leia mais

Manejo de recursos naturais e desenvolvimento de alternativas econômicas sustentáveis.

Manejo de recursos naturais e desenvolvimento de alternativas econômicas sustentáveis. Manejo de recursos naturais e desenvolvimento de alternativas econômicas sustentáveis. O projeto de manejo de recursos naturais desenvolve conceitos e técnicas que permitem a identificação e o manejo dos

Leia mais

COMPOSTAGEM DOMÉSTICA, O QUE É?

COMPOSTAGEM DOMÉSTICA, O QUE É? ECO-ESCOLA PROJETO: Na Natureza tudo se transforma COMPOSTAGEM DOMÉSTICA, O QUE É? É um processo de reciclagem de matéria orgânica (de cozinha, da horta, do jardim ) realizado através de microrganismos

Leia mais

PRESERVANDO NASCENTES E MANANCIAIS

PRESERVANDO NASCENTES E MANANCIAIS PRESERVANDO NASCENTES E MANANCIAIS A água é um recurso natural insubstituível para a manutenção da vida saudável e bem estar do homem, além de garantir auto-suficiência econômica da propriedade rural.

Leia mais

Composição do solo. 3 partes: Física: granulometria, porosidade, textura, dadas principalmente pelos. Químico: nutrientes disponíveis e ph

Composição do solo. 3 partes: Física: granulometria, porosidade, textura, dadas principalmente pelos. Químico: nutrientes disponíveis e ph JARDINAGEM O que é solo? O solo é a camada superficial da crosta terrestre, sendo formado basicamente por aglomerados minerais, matéria orgânica oriunda da decomposição de animais e plantas e organismos

Leia mais

Manual básico para oficina de compostagem

Manual básico para oficina de compostagem Manual básico para oficina de compostagem Adaptação do Manual Básico de Compostagem USP RECICLA Henrique Cerqueira Souza MSc Engenheiro Agronomia Agricultor Agroflorestal Nelson Araujo Filho Técnico Ambiental

Leia mais

O MOVIMENTO GAIA BROCHURA NO 8 COMO: CULTIVAR SEU PRÓPRIO FERTILIZANTE E TAMBÉM ADQUIRIR FORRAGEM PARA ANIMAIS E LENHA. www.gaia-movement.

O MOVIMENTO GAIA BROCHURA NO 8 COMO: CULTIVAR SEU PRÓPRIO FERTILIZANTE E TAMBÉM ADQUIRIR FORRAGEM PARA ANIMAIS E LENHA. www.gaia-movement. O MOVIMENTO GAIA BROCHURA NO 8 Depois da colheita os galhos cortados são usados para cobrir a terra. Isto protege contra erosão, guarda a humidade e melhora a terra com matéria orgânica, assim que segura

Leia mais

Compostagem. Gersina N. da R. Carmo Junior

Compostagem. Gersina N. da R. Carmo Junior Compostagem Gersina N. da R. Carmo Junior Compostagem É um processo de transformação da matéria orgânica do lixo em um composto orgânico (húmus). Composto orgânico Produto final da compostagem Compostagem

Leia mais

PRODUÇÃO DE PORTA-ENXERTO DE MANGUEIRA EM SUBSTRATO COMPOSTO POR RESÍDUOS DA AGROINDÚSTRIA CANAVIEIRA

PRODUÇÃO DE PORTA-ENXERTO DE MANGUEIRA EM SUBSTRATO COMPOSTO POR RESÍDUOS DA AGROINDÚSTRIA CANAVIEIRA Fertilidade do Solo e Nutrição de Plantas PRODUÇÃO DE PORTA-ENXERTO DE MANGUEIRA EM SUBSTRATO COMPOSTO POR RESÍDUOS DA AGROINDÚSTRIA CANAVIEIRA Luiz Augusto Lopes Serrano 1 ; André Guarçoni M. 2 ; Cesar

Leia mais

1º FÓRUM PAULISTA DE AGROECOLOGIA INOVAÇÃO E EMPODERAMENTO NA EXTENSÃO RURAL PARA DIVERSIFICAÇÃO DA PRODUÇÃO EM ASSENTAMENTOS RURAIS

1º FÓRUM PAULISTA DE AGROECOLOGIA INOVAÇÃO E EMPODERAMENTO NA EXTENSÃO RURAL PARA DIVERSIFICAÇÃO DA PRODUÇÃO EM ASSENTAMENTOS RURAIS INOVAÇÃO E EMPODERAMENTO NA EXTENSÃO RURAL PARA DIVERSIFICAÇÃO DA PRODUÇÃO EM ASSENTAMENTOS RURAIS COSTA JUNIOR, Edgar Alves da¹; LEITE, Eliana Cardoso¹; RODRIGUES, Fátima Conceição Marques Piña¹; GONÇALVES¹,

Leia mais

Plantio de eucalipto na pequena propriedade rural

Plantio de eucalipto na pequena propriedade rural Plantio de eucalipto na pequena propriedade rural Imbatíveis em seu crescimento rápido, os eucaliptos são fonte de matériaprima para uma série de produtos de primeira necessidade, presentes em todas as

Leia mais

Adubação Orgânica Adubação Orgânica e Adubação Verde. Informações sobre Adubação orgânica e Adubação Verde

Adubação Orgânica Adubação Orgânica e Adubação Verde. Informações sobre Adubação orgânica e Adubação Verde 1 de 5 10/16/aaaa 10:13 Adubação Orgânica Adubação Orgânica e Adubação Verde Nome Adubação Orgânica e Adubação Verde Produto Informação Tecnológica Data Abril - 2000 Preço - Linha Adubação Orgânica Resenha

Leia mais

Compostagem como alternativa para minimizar impactos ambientais em pequenos empreendimentos. Leandro Kanamaru Franco de Lima

Compostagem como alternativa para minimizar impactos ambientais em pequenos empreendimentos. Leandro Kanamaru Franco de Lima Compostagem como alternativa para minimizar impactos ambientais em pequenos empreendimentos Leandro Kanamaru Franco de Lima Classificação de resíduos sólidos Resíduos sólidos, segundo a NBR 10.004 (ABNT,

Leia mais

EFEITO DE SISTEMAS DE CULTIVO E MANEJO NA CONSERVAÇÃO DO SOLO E PRODUTIVIDADE DAS CULTURAS PARA AGRICULTURA DE SEQUEIRO

EFEITO DE SISTEMAS DE CULTIVO E MANEJO NA CONSERVAÇÃO DO SOLO E PRODUTIVIDADE DAS CULTURAS PARA AGRICULTURA DE SEQUEIRO EFEITO DE SISTEMAS DE CULTIVO E MANEJO NA CONSERVAÇÃO DO SOLO E PRODUTIVIDADE DAS CULTURAS PARA AGRICULTURA DE SEQUEIRO Nielson Gonçalves Chagas, João Tavares Nascimento, Ivandro de França da Silva & Napoleão

Leia mais

Elementos essenciais a vida: Zn, Mo e o Co. - Água; - Macronutrientes: C, H, O, N e o P mais importantes, mas também S, Cl, K, Na, Ca, Mg e Fe;

Elementos essenciais a vida: Zn, Mo e o Co. - Água; - Macronutrientes: C, H, O, N e o P mais importantes, mas também S, Cl, K, Na, Ca, Mg e Fe; Elementos essenciais a vida: - Água; - Macronutrientes: C, H, O, N e o P mais importantes, mas também S, Cl, K, Na, Ca, Mg e Fe; - Micronutrientes principais: Al, Bo, Cr, Zn, Mo e o Co. Bio organismos

Leia mais

Grandes mudanças ocorreram na forma de fazer agricultura depois da utilização de tratores e o uso intensivo de adubos químicos e agrotóxicos. Muitos agricultores mudaram seus sistemas e técnicas e passaram

Leia mais

PRODUTOS ELABORADOS MADEIRA PLÁSTICA

PRODUTOS ELABORADOS MADEIRA PLÁSTICA MADEIRA PLÁSTICA A Madeira Plástica é uma opção sustentável para quem se preocupa com a causa ambiental. O grande diferencial deste produto é que sua fabricação dá-se a partir da reciclagem de toneladas

Leia mais

Livro de Resumos elaborado pela Comissão Organizadora:

Livro de Resumos elaborado pela Comissão Organizadora: Livro de Resumos elaborado pela Comissão Organizadora: Programa de Conservação do Gavião-real (INPA) Tânia Margarete Sanaiotti Francisca Helena Aguiar da Silva Ivany Pereira Pinto INPA- COORDENAÇÃO DE

Leia mais

Compostagem doméstica

Compostagem doméstica Compostagem doméstica Na Natureza tudo se transforma 1 2 3 Este guia vai ser-lhe útil! Com este pequeno guia pode, finalmente, tirar partido do seu lixo e sentir-se bem por isso! Os restos de comida, as

Leia mais

EDUCAÇÃO AMBIENTAL DESENVOLVIDA ATRAVÉS DA ATIVIDADE AGRÍCOLA Promove mudança comportamental de alunos da rede pública.

EDUCAÇÃO AMBIENTAL DESENVOLVIDA ATRAVÉS DA ATIVIDADE AGRÍCOLA Promove mudança comportamental de alunos da rede pública. EDUCAÇÃO AMBIENTAL DESENVOLVIDA ATRAVÉS DA ATIVIDADE AGRÍCOLA Promove mudança comportamental de alunos da rede pública. Glauco Yves Gomes dos Santos Rocha, Graduado do curso de Engenharia Agronômica da

Leia mais

ESCOLA EB 2,3 DE EIRÍZ. O caderno

ESCOLA EB 2,3 DE EIRÍZ. O caderno ESCOLA EB 2,3 DE EIRÍZ O caderno da compostagem Saudações ambientais! Um dos maiores problemas ambientais dos nossos dias é a enorme quantidade de lixo que todos produzimos. A compostagem permite não só

Leia mais

COMPOSTAGEM COMO ESTRATÉGIA DE GESTÃO DE RESÍDUOS VERDES E ORGÂNICOS

COMPOSTAGEM COMO ESTRATÉGIA DE GESTÃO DE RESÍDUOS VERDES E ORGÂNICOS COMPOSTAGEM COMO ESTRATÉGIA DE GESTÃO DE RESÍDUOS VERDES E ORGÂNICOS ÍNDICE 03 07 12 16 A compostagem como estratégia de gestão de resíduos verdes e orgânicos O que é a compostagem? O que é a vermicompostagem?

Leia mais

Informações básicas para fazer compostagem 1.

Informações básicas para fazer compostagem 1. Educação Ambiental Desenvolvimento Sustentável. www.ecophysis.com.br Informações básicas para fazer compostagem 1. COMPOSTAR para reduzir a quantidade de resíduos orgânicos 2. REUSAR os resíduos compostados

Leia mais

Combate a Fome. Acções Defensivas Locais. www.gaia-movement.org THE GAIA-MOVEMENT TRUST LIVING EARTH GREEN WORLD ACTION

Combate a Fome. Acções Defensivas Locais. www.gaia-movement.org THE GAIA-MOVEMENT TRUST LIVING EARTH GREEN WORLD ACTION THE GAIA-MOVEMENT TRUST LIVING EARTH GREEN WORLD ACTION Combate a Fome THE GAIA-MOVEMENT TRUST LIVING EARTH GREEN WORLD ACTION Acções Defensivas Locais www.gaia-movement.org A Fome no Mundo Hoje A Fome

Leia mais

Com este pequeno guia pode, finalmente, tirar partido do seu lixo... e sentir-se bem por isso!

Com este pequeno guia pode, finalmente, tirar partido do seu lixo... e sentir-se bem por isso! Com este pequeno guia pode, finalmente, tirar partido do seu lixo... e sentir-se bem por isso! Os restos de comida, as folhas do jardim ou as plantas secas do quintal ganham vida nova através de um processo

Leia mais

MÉTODOS DE CORREÇÃO DO SOLO

MÉTODOS DE CORREÇÃO DO SOLO MÉTODOS DE CORREÇÃO DO SOLO O laudo (Figura 1) indica os valores determinados no laboratório para cada camada do perfil do solo, servindo de parâmetros para direcionamento de métodos corretivos. Figura

Leia mais

BIOVESTIBA.NET BIOLOGIA VIRTUAL Profº Fernando Teixeira UFRGS FISIOLOGIA VEGETAL

BIOVESTIBA.NET BIOLOGIA VIRTUAL Profº Fernando Teixeira UFRGS FISIOLOGIA VEGETAL UFRGS FISIOLOGIA VEGETAL 1. (Ufrgs 2015) A coluna à esquerda, abaixo, lista dois hormônios vegetais; a coluna à direita, funções que desempenham. Associe adequadamente a coluna direita com a esquerda.

Leia mais

FLORESTA AMAZÔNICA F 5 M A 2

FLORESTA AMAZÔNICA F 5 M A 2 FLORESTA AMAZÔNICA F 5 M A 2 Editora F-5MA2 Rua Floriano Peixoto Santos, 55 Morumbi CEP 05658-080 São Paulo - SP Tel.: (11) 3749 3250 Apresentação A população crescendo, florestas sumindo, calor aumentando,

Leia mais

MANUAL TÉCNICO, 03 ISSN 1983-5671. Fábio Cunha Coelho. julho de 2008

MANUAL TÉCNICO, 03 ISSN 1983-5671. Fábio Cunha Coelho. julho de 2008 MANUAL TÉCNICO, 03 ISSN 1983-5671 Fábio Cunha Coelho 03 Niterói-RJ julho de 2008 MANUAL TÉCNICO, 03 ISSN 1983-5671 Fábio Cunha Coelho 03 Niterói-RJ julho de 2008 PROGRAMA RIO RURAL Secretaria de Estado

Leia mais

Fertilização em Viveiros para Produção de Mudas

Fertilização em Viveiros para Produção de Mudas Fertilização em Viveiros para Produção de Mudas Produção de Mudas - No sistema de raiz nua Produção de mudas de Pinus no sul do BR - No interior de recipientes - Sacos plásticos - Tubetes Fertilização

Leia mais

Compostagem Paula Lazaro Pinto 17/06/2013

Compostagem Paula Lazaro Pinto 17/06/2013 Compostagem Paula Lazaro Pinto 17/06/2013 Introdução Atualmente os resíduos sólidos gerados na sociedade tornaram-se um grande problema para a administração pública. Existe um entrave entre a geração dos

Leia mais

O que é compostagem?

O que é compostagem? O que é compostagem? Consideraremos compostagem como um processo de decomposição da matéria orgânica encontrada no lixo, em adubo orgânico. Como se fosse uma espécie de reciclagem do lixo orgânico, pois

Leia mais

http://www.emater.mg.gov.br/site_emater/serv_prod/livraria/olericultura/culturama...

http://www.emater.mg.gov.br/site_emater/serv_prod/livraria/olericultura/culturama... Página 1 de 7 Olericultura A Cultura da Mandioca de Mesa Nome Cultura da Mandioca de Mesa Produto Informação Tecnológica Data Julho -2002 Preço - Linha Olericultura Informações resumidas sobre Resenha

Leia mais

Comida suficiente e nutritiva. 25 Introdução. Comida 25 - Introdução

Comida suficiente e nutritiva. 25 Introdução. Comida 25 - Introdução Comida 25 - Introdução 63 4 Comida suficiente e nutritiva 25 Introdução Existem vários sistemas simples e de baixo custo que podem melhorar a segurança alimentar e a nutrição. Estes incluem, por exemplo,

Leia mais

ANÁLISE DA DIVERSIDADE ENTRE SISTEMAS AGROFLORESTAIS EM ASSENTAMENTOS RURAIS NO SUL DA BAHIA. Evandro Luiz Mendonça Machado. Emílio Manabu Higashikawa

ANÁLISE DA DIVERSIDADE ENTRE SISTEMAS AGROFLORESTAIS EM ASSENTAMENTOS RURAIS NO SUL DA BAHIA. Evandro Luiz Mendonça Machado. Emílio Manabu Higashikawa REVISTA CIENTÍFICA ELETRÔNICA DE ENGENHARIA FLORESTAL PERIODICIDADE SEMESTRAL EDIÇÃO NÚMERO 5 JANEIRO DE 2005 - ISSN 1678-3867 ----------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Leia mais

A AGROFLORESTA AGROECOLÓGICA: UM MOMENTO DE SÍNTESE DA AGROECOLOGIA, UMA AGRICULTURA QUE CUIDA DO MEIO AMBIENTE.

A AGROFLORESTA AGROECOLÓGICA: UM MOMENTO DE SÍNTESE DA AGROECOLOGIA, UMA AGRICULTURA QUE CUIDA DO MEIO AMBIENTE. A AGROFLORESTA AGROECOLÓGICA: UM MOMENTO DE SÍNTESE DA AGROECOLOGIA, UMA AGRICULTURA QUE CUIDA DO MEIO AMBIENTE. Alvori Cristo dos Santos, Deser, Fevereiro 2007. Há alguns anos atrás, um movimento social

Leia mais

Adubação verde. tecnologia simples e sustentável. Sanidade vegetal Manejo adequado da Lagarta-do-Cartucho nas plantações de milho

Adubação verde. tecnologia simples e sustentável. Sanidade vegetal Manejo adequado da Lagarta-do-Cartucho nas plantações de milho CONFIRA OS ATRATIVOS DA VERSÃO SPORT DA FORD RANGER PAG. 16 Sanidade vegetal Manejo adequado da Lagarta-do-Cartucho nas plantações de milho 00102 810001 771806 9 Revista Produz - Ano XI Nº 102 2015 R$

Leia mais

Recuperação De áreas DegraDaDas e nascentes na agricultura familiar

Recuperação De áreas DegraDaDas e nascentes na agricultura familiar Recuperação De áreas DegraDaDas e nascentes na agricultura familiar O plantio de árvores nativas e frutíferas auxilia na recuperação de áreas degradadas e nascentes d'água e também contribui na produção.

Leia mais

Projeto 10.000 Hortas na á frica. Projecto de hortas

Projeto 10.000 Hortas na á frica. Projecto de hortas Projeto 10.000 Hortas na á frica Projecto de hortas w w w. s l o w f o o d f o u n d a t i o n. c o m As hortas são um sistema em contínua evolução que responde às solicitações: do ambiente externo, das

Leia mais

CALAGEM PARA O FEIJÃO-CAUPI [Vigna unguiculata (L.) WALP], CV. BR3 TRACUATEUA, EM SOLO ÁCIDO DE SALVATERRA, MARAJÓ, PARÁ

CALAGEM PARA O FEIJÃO-CAUPI [Vigna unguiculata (L.) WALP], CV. BR3 TRACUATEUA, EM SOLO ÁCIDO DE SALVATERRA, MARAJÓ, PARÁ Área: Solos e Nutrição de Plantas CALAGEM PARA O FEIJÃO-CAUPI [Vigna unguiculata (L.) WALP], CV. BR3 TRACUATEUA, EM SOLO ÁCIDO DE SALVATERRA, MARAJÓ, PARÁ João Elias Lopes Rodrigues 1 ; Sonia Maria Botelho

Leia mais

Floresta Temperada é um bioma típico do hemisfério norte situado abaixo da Taiga, mais precisamente no leste da América do Norte, Europa, leste da

Floresta Temperada é um bioma típico do hemisfério norte situado abaixo da Taiga, mais precisamente no leste da América do Norte, Europa, leste da Floresta Temperada é um bioma típico do hemisfério norte situado abaixo da Taiga, mais precisamente no leste da América do Norte, Europa, leste da Ásia (Coreia, Japão, e partes da China), sul da Austrália

Leia mais

Reconhecer as diferenças

Reconhecer as diferenças A U A UL LA Reconhecer as diferenças Nesta aula, vamos aprender que os solos são o resultado mais imediato da integração dos processos físicos e biológicos na superfície da Terra. A formação e o desenvolvimento

Leia mais

Regiões Litorâneas. Javali. https://meadd.com/seviero/43049322. http://pt.wikipedia.org/wiki/javali

Regiões Litorâneas. Javali. https://meadd.com/seviero/43049322. http://pt.wikipedia.org/wiki/javali Javali A4 Regiões Litorâneas A3 http://pt.wikipedia.org/wiki/javali https://meadd.com/seviero/43049322 O javali tem uma grande distribuição geográfica. Aparece em parte da Europa e Norte da África (juntamente

Leia mais

do corte e queima para o corte e cobertura Georges Félix

do corte e queima para o corte e cobertura Georges Félix Mudança de estratégia Agricultores(as) e técnicos(as) trabalhando em conjunto para a produção de conhecimentos sobre o manejo da fertilidade Fotos: Georges Félix Mudança de estratégia: do corte e queima

Leia mais

Saneamento Básico na Área Rural. Fontes dispersas com ênfase nos resíduos orgânicos

Saneamento Básico na Área Rural. Fontes dispersas com ênfase nos resíduos orgânicos Saneamento Básico na Área Rural Fontes dispersas com ênfase nos resíduos orgânicos MSc. Lilian F. de Almeida Martelli São Carlos, 30 de Outubro de 2013 BRASIL: o Celeiro do mundo Destaque na produção agrícola

Leia mais

Passo a Passo Para Pequenos Produtores Produzirem Mudas Com Qualidade

Passo a Passo Para Pequenos Produtores Produzirem Mudas Com Qualidade PRODUÇÃO E PLANTIO DE MUDAS NATIVAS DA CAATINGA (através de sementes) ELABORAÇÃO MAGNUM DE SOUSA PEREIRA Engº Agrônomo Coordenador de Projetos da Associação Caatinga FUAD PEREIRA NOGUEIRA FILHO Graduando

Leia mais

Centro de Tecnologias Alternativas da Zona da Mata

Centro de Tecnologias Alternativas da Zona da Mata Centro de Tecnologias Alternativas da Zona da Mata SOMOS UM GRUPO BEM GRANDE DE COMPANHEIROS E CADA UM DÁ A MÃO AO OUTRO. O CTA - Centro de Tecnologias Alternativas da Zona da Mata é uma organização não

Leia mais

UTILIZAÇÃO DE DIFERENTES RESÍDUOS NO PROCESSO DE VERMICOMPOSTAGEM E ESTUDO DA HUMIFICAÇÃO

UTILIZAÇÃO DE DIFERENTES RESÍDUOS NO PROCESSO DE VERMICOMPOSTAGEM E ESTUDO DA HUMIFICAÇÃO UTILIZAÇÃO DE DIFERENTES RESÍDUOS NO PROCESSO DE VERMICOMPOSTAGEM E ESTUDO DA HUMIFICAÇÃO Nayhana Lara Chaves e Carvalho¹; Túlio da Silva Brum¹; Jussara Aparecida de Oliveira Cotta*¹; Evaneide Nascimento

Leia mais

uma produtividade de 153 kg ha, enquanto a Bahia obteve em 2004 uma produção de 2.350 t (61 % do

uma produtividade de 153 kg ha, enquanto a Bahia obteve em 2004 uma produção de 2.350 t (61 % do Utilização de Resíduos de Carvão Vegetal Associado a Fontes Orgânicas de Nutrientes no Manejo Sustentável do Solo e do Guaranazeiro (Paullinia cupana var. sorbilis (Mart.) Ducke) na Amazônia Central Murilo

Leia mais

Mata ciliar Nascentes Lençol Freático Cobertura Vegetal Recuperação Ambiental Preservação Ambiental Revegetação Degradação Erosão Assoreamento

Mata ciliar Nascentes Lençol Freático Cobertura Vegetal Recuperação Ambiental Preservação Ambiental Revegetação Degradação Erosão Assoreamento glossário Mata ciliar Vegetação existente nas margens de córregos, rios e nascentes, também chamada de matas riparias ou matas de galeria; Nascentes Locais onde a água brota da terra, também chamadas de

Leia mais

Recomendação de Adubação N, P e K....para os estados do RS e SC

Recomendação de Adubação N, P e K....para os estados do RS e SC Recomendação de Adubação N, P e K...para os estados do RS e SC Recomendação de Adubação Objetivo Elevar os teores dos nutrientes (N, P e K) no solo a níveis considerados adequados para as culturas expressarem

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO PAISAGISMO

MEMORIAL DESCRITIVO PAISAGISMO Tribunal Regional Eleitoral de Santa Catarina Coordenadoria de Infraestrutura e Serviços Seção de Engenharia e Arquitetura MEMORIAL DESCRITIVO PAISAGISMO Cartório Eleitoral de Pinhalzinho/SC Fevereiro,

Leia mais

13-05-2015 EUCALIPTO. plantio. Projeção de Receitas e Resultados. Fomento. Como suprir tamanha demanda preservando as florestas nativas?

13-05-2015 EUCALIPTO. plantio. Projeção de Receitas e Resultados. Fomento. Como suprir tamanha demanda preservando as florestas nativas? 13-05-2015 Como suprir tamanha demanda preservando as florestas nativas? Através de florestas plantadas de Eucalipto e Pinus. Cada 1ha destas preservam 10ha de nativas. EUCALIPTO O plantio de Eucalipto

Leia mais

LAUDO TÉCNICO DE COBERTURA VEGETAL

LAUDO TÉCNICO DE COBERTURA VEGETAL LAUDO TÉCNICO DE COBERTURA VEGETAL ÁREA LOCALIZADA NA AVENIDA DR. SEZEFREDO AZAMBUJA VIEIRA, LOTE 37, ESQUINA AV. FARROUPILHA (projetada), CANOAS, RS. Outubro de 2013. SUMÁRIO 1. IDENTIFICAÇÃO 3 1.1 Dados

Leia mais

Utilização de Lodo de Esgoto para Fins Agrícolas

Utilização de Lodo de Esgoto para Fins Agrícolas !"#$# $%$$& Utilização de Lodo de Esgoto para Fins Agrícolas Dr. Marcos Omir Marques Professor Adjunto e Sua Contribuição na Preservação Ambiental Departamento de Tecnologia Mailto: omir@fcav.unesp.br

Leia mais

ANEXO AULA 12: CONSERVAÇÃO DO SOLO NA AGROECOLOGIA

ANEXO AULA 12: CONSERVAÇÃO DO SOLO NA AGROECOLOGIA ANEXO AULA 12: CONSERVAÇÃO DO SOLO NA AGROECOLOGIA NESTA AULA SERÁ ABORDADO Importância de conservar o solo e sua influência sobre as plantas As formas e métodos de conservação do terreno Como combater

Leia mais

Experiências... Um alerta sobre o FOMENTO FLORESTAL: e alternativas. ... e alternativas

Experiências... Um alerta sobre o FOMENTO FLORESTAL: e alternativas. ... e alternativas Experiências... Um alerta sobre o FOMENTO FLORESTAL: e alternativas... e alternativas EXPEDIENTE Esta cartilha é uma produção do Movimento dos Pequenos Agricultores (MPA) do estado do Espírito Santo. Texto:

Leia mais

AVALIAÇÃO DOS ATRIBUTOS QUÍMICOS DE UM SOLO SOB FLORESTA ATLÂNTICA NA FAZENDA SANTA RITA, FARIA LEMOS, MG

AVALIAÇÃO DOS ATRIBUTOS QUÍMICOS DE UM SOLO SOB FLORESTA ATLÂNTICA NA FAZENDA SANTA RITA, FARIA LEMOS, MG AVALIAÇÃO DOS ATRIBUTOS QUÍMICOS DE UM SOLO SOB FLORESTA ATLÂNTICA NA FAZENDA SANTA RITA, FARIA LEMOS, MG Maria José Reis da Rocha 1, Camila Aparecida da Silva Martins 2, Aderbal Gomes da Silva 3, Mauro

Leia mais

ARBORIZAÇÃO URBANA DO CENTRO DE GURUPI: IDENTIFICAÇÃO DAS PRINCIPAIS ESPÉCIES DE ÁRVORES OCORRENTES NA MALHA URBANA

ARBORIZAÇÃO URBANA DO CENTRO DE GURUPI: IDENTIFICAÇÃO DAS PRINCIPAIS ESPÉCIES DE ÁRVORES OCORRENTES NA MALHA URBANA ARBORIZAÇÃO URBANA DO CENTRO DE GURUPI: IDENTIFICAÇÃO DAS PRINCIPAIS ESPÉCIES DE ÁRVORES OCORRENTES NA MALHA URBANA SILVA, S. M. O. 1 ; SANTOS, A.F. 2 1 Aluna do Curso de Engenharia Florestal; Campus de

Leia mais

XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012

XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012 XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012 Aplicação de Adubo em Milho Verde Orgânico Irrigado Leandro Barradas Pereira 1, Lauro Kenji Komuro 1, Neli Cristina

Leia mais

Sistemas de manejo do solo

Sistemas de manejo do solo Sistemas de manejo do solo Introdução Uso e preparo do solo O arado. Evolução dos conhecimentos de uso e manejo do solo. O Ecossistema tropical Temperatura elevada e solos muito imteperizados 1 Sistemas

Leia mais

CIÊNCIAS - 6ª série / 7º ano U.E - 02

CIÊNCIAS - 6ª série / 7º ano U.E - 02 CIÊNCIAS - 6ª série / 7º ano U.E - 02 A crosta, o manto e o núcleo da Terra A estrutura do planeta A Terra é esférica e ligeiramente achatada nos polos, compacta e com um raio aproximado de 6.370 km. Os

Leia mais

Índice. O que é a Compostagem Caseira? ----------- 3. Por que praticar a compostagem? ---------- 3. O que vai precisar? ---------------------- 4

Índice. O que é a Compostagem Caseira? ----------- 3. Por que praticar a compostagem? ---------- 3. O que vai precisar? ---------------------- 4 Compostagem Caseira Certamente muitas das coisas que cobramos que o governo faça por nós, poderíamos nós mesmos realizar, o problema é que nem sempre sabemos como. Uma delas é a reciclagem do lixo orgânico,

Leia mais

RELATÓRIO DE PLANTIO. Código: 10/2011

RELATÓRIO DE PLANTIO. Código: 10/2011 Código: 10/2011 Propriedade: Chácara Paraíso Coordenadas (UTM): 556100 L 7662900 S Número de mudas plantadas: 240 (Duzentos e Quarenta) Datas do plantio: 01, 03 e 04 de novembro de 2011 Patrocinador(es):

Leia mais

MANEJO E CONSERVAÇÃO DO SOLO ADUBAÇÃO

MANEJO E CONSERVAÇÃO DO SOLO ADUBAÇÃO UNIPAC Faculdade Presidente Antônio Carlos GRANDES CULTURAS I MANEJO E CONSERVAÇÃO DO SOLO ADUBAÇÃO Profª Fernanda Basso Manejo e Conservação do Solo Sistema de manejo conjunto de operações que contribuem

Leia mais

GABARITO DE BIOLOGIA FRENTE 3

GABARITO DE BIOLOGIA FRENTE 3 Módulo 09 GABARITO DE BIOLOGIA FRENTE 3 Quando ocorre o fechamento dos estômatos a condução de seiva bruta fica prejudicado bem como a entrada de gás carbônico para o processo fotossintético. 02. C O deslocamento

Leia mais

SISTEMAS DE PRODUÇÃO VEGETAL AGROECOLÓGICA

SISTEMAS DE PRODUÇÃO VEGETAL AGROECOLÓGICA SISTEMAS DE PRODUÇÃO VEGETAL AGROECOLÓGICA III Ciclo de Palestras Produção Animal, Meio Ambiente e Desenvolvimento - UFPR Julio Carlos B.V.Silva Instituto Emater juliosilva@emater.pr.gov.br A produção

Leia mais

Documentos 89. Uso da Compostagem em Sistemas Agrícolas Orgânicos

Documentos 89. Uso da Compostagem em Sistemas Agrícolas Orgânicos ISSN 1677-1915 Dezembro, 2004 Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária Centro Nacional de Pesquisa de Agroindústria Tropical Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Documentos 89 Uso da

Leia mais

Adaptação à mudança do clima*

Adaptação à mudança do clima* Agropecuária: Vulnerabilidade d e Adaptação à mudança do clima* Magda Lima - Embrapa Meio Ambiente Bruno Alves - Embrapa Agrobiologia OCB Curitiba Março de 2010 * Apresentação baseada em artigo publicado

Leia mais

Fonte: Rondônia Rural Disponível em: Rondônia Rural.com

Fonte: Rondônia Rural Disponível em: Rondônia Rural.com I. INTRODUÇÃO O estado de Rondônia está localizado na região Norte do Brasil, a região Norte é a maior das cinco regiões do Brasil definidas pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE)

Leia mais

Fogo. Melhor prevenir que apagar incêndios

Fogo. Melhor prevenir que apagar incêndios Fogo. Melhor prevenir 1 2 Fogo. Melhor prevenir Uso do fogo na Pré-história Há milhares de anos, o homem descobriu o fogo. Aos poucos, aprendeu maravilhas: iluminar cavernas, afastar o medo do escuro,

Leia mais

2) Aprendendo a fazer a compostagem. 4)Composteira: solução para em pequenos espaços.

2) Aprendendo a fazer a compostagem. 4)Composteira: solução para em pequenos espaços. Compostagem: a arte de transformar o lixo em adubo orgânico 2) Aprendendo a fazer a compostagem 4)Composteira: solução para em pequenos espaços. 3)Manutenção e cuidados com o composto Microorganismos:

Leia mais

Seu Alcides conta sua experiência com tecnologias de captação de água de chuva para a convivência com o semiárido

Seu Alcides conta sua experiência com tecnologias de captação de água de chuva para a convivência com o semiárido Seu Alcides conta sua experiência com tecnologias de captação de água de chuva para a convivência com o semiárido Introdução Alcides Peixinho Nascimento 1 Alaíde Régia Sena Nery de Oliveira 2 Fabrício

Leia mais

- Visa otimizar e diversificar a produção;

- Visa otimizar e diversificar a produção; Sistemas Agroflorestais (SAF) - Combinação de espécies arbóreas com cultivos agrícolas (fruticultura, plantas anuais, etc) ou criação de animais; - Visa otimizar e diversificar a produção; Sistemas Agroflorestais

Leia mais

RELATÓRIO FINAL. AVALIAÇÃO DO PRODUTO CELLERON-SEEDS e CELLERON-FOLHA NA CULTURA DO MILHO CULTIVADO EM SEGUNDA SAFRA

RELATÓRIO FINAL. AVALIAÇÃO DO PRODUTO CELLERON-SEEDS e CELLERON-FOLHA NA CULTURA DO MILHO CULTIVADO EM SEGUNDA SAFRA RELATÓRIO FINAL AVALIAÇÃO DO PRODUTO CELLERON-SEEDS e CELLERON-FOLHA NA CULTURA DO MILHO CULTIVADO EM SEGUNDA SAFRA Empresa solicitante: FOLLY FERTIL Técnicos responsáveis: Fabio Kempim Pittelkow¹ Rodrigo

Leia mais

Olericultura. A Cultura do Morango. Nome Cultura do Morango Produto Informação Tecnológica Data Janeiro -2001 Preço - Linha Olericultura Resenha

Olericultura. A Cultura do Morango. Nome Cultura do Morango Produto Informação Tecnológica Data Janeiro -2001 Preço - Linha Olericultura Resenha 1 de 6 10/16/aaaa 11:54 Olericultura A Cultura do Morango Nome Cultura do Morango Produto Informação Tecnológica Data Janeiro -2001 Preço - Linha Olericultura Resenha Informações gerais sobre a Cultura

Leia mais

APROVEITAMENTO DE RESÍDUOS DO COQUEIRO NA INDÚSTRIA E NA AGRICULTURA

APROVEITAMENTO DE RESÍDUOS DO COQUEIRO NA INDÚSTRIA E NA AGRICULTURA APROVEITAMENTO DE RESÍDUOS DO COQUEIRO NA INDÚSTRIA E NA AGRICULTURA Maria Urbana Corrêa Nunes Pesquisadora da Embrapa Tabuleiros Costeiros. Avenida Beira Mar, 3250, Caixa Postal 44, CEP: 49025-040, Aracaju/SE.

Leia mais

Há sempre resposta à adubação de manutenção do eucalipto? Um estudo de caso em Porto Velho (RO)

Há sempre resposta à adubação de manutenção do eucalipto? Um estudo de caso em Porto Velho (RO) Há sempre resposta à adubação de manutenção do eucalipto? Um estudo de caso em Porto Velho (RO) Henrique Nery Ciprian*; Abadio Hermes Vieira** ; Angelo Mansur Mendes***; Alaerto Luiz Marcolan**** A exportação

Leia mais

XIII OLIMPÍADA REGIONAL DE CIÊNCIAS - 2011 Florestas Gabarito Segunda Fase

XIII OLIMPÍADA REGIONAL DE CIÊNCIAS - 2011 Florestas Gabarito Segunda Fase XIII OLIMPÍADA REGIONAL DE CIÊNCIAS - 2011 Florestas Gabarito Segunda Fase 1. Sabe-se que uma área de quatro hectares de floresta na região tropical pode conter cerca de 375 espécies de plantas, enquanto

Leia mais

Embrapa Mandioca e Fruticultura e a Cooperação Internacional. Tecnologia da Raiz ao Fruto

Embrapa Mandioca e Fruticultura e a Cooperação Internacional. Tecnologia da Raiz ao Fruto Embrapa Mandioca e Fruticultura e a Cooperação Internacional Tecnologia da Raiz ao Fruto Viabilizar soluções de pesquisa, desenvolvimento e inovação para a sustentabilidade da agricultura, com foco em

Leia mais

Agrofloresta: Sustentabilidade na Comunidade Indígena Assunção do Içana AM

Agrofloresta: Sustentabilidade na Comunidade Indígena Assunção do Içana AM Agrofloresta: Sustentabilidade na Comunidade Indígena Assunção do Içana AM Agroforestry: Sustainability In The Indigenous Community Assunção Do Içana AM PINTO,Ilzon Castro.IFAM-São Gabriel da Cachoeira,icppinto@yahoo.com.br;

Leia mais

Anacardiaceae Schinus terebinthifolius Nativa terebinthifolius ou Schinus Terebinthifolia

Anacardiaceae Schinus terebinthifolius Nativa terebinthifolius ou Schinus Terebinthifolia Árvores do campus São Roque Levantamento das espécies de arvores nativas e exóticas existente no Instituto Federal São Paulo (IFSP) no campus São Roque. As espécies abaixo estão dividas por áreas: Área

Leia mais

CALENDÁRIO PARA CULTIVO DE FLORESTA PLANTADA COM FINS COMERCIAL PARA O ESTADO DE RONDÔNIA

CALENDÁRIO PARA CULTIVO DE FLORESTA PLANTADA COM FINS COMERCIAL PARA O ESTADO DE RONDÔNIA CALENDÁRIO PARA CULTIVO DE FLORESTA PLANTADA COM FINS COMERCIAL PARA O ESTADO DE RONDÔNIA Cultura Espaçamento (m) Variedade Cultivar Época de Abate Produtividade Média/ha Sementes ou Mudas/ha Pinho Cuiabano

Leia mais

Pedologia. Professor: Cláudio Custódio. www.espacogeografia.com.br

Pedologia. Professor: Cláudio Custódio. www.espacogeografia.com.br Pedologia Professor: Cláudio Custódio Conceitos: Mineração: solo é um detrito que deve ser separado dos minerais explorados. Ecologia: é um sistema vivo composto por partículas minerais e orgânicas que

Leia mais

Fatores de cultivo CLIMA:

Fatores de cultivo CLIMA: Fatores de cultivo CLIMA: Os fatores climáticos influenciam de forma acentuada o desenvolvimento dos PMAC, bem como a produção dos princípios ativos. Estes fatores podem influenciar isoladamente ou em

Leia mais

ELOBiomass.com. Como Comprar a Energia da Biomassa Lignocelulósica!

ELOBiomass.com. Como Comprar a Energia da Biomassa Lignocelulósica! ELOBiomass.com Como Comprar a Energia da Biomassa Lignocelulósica! ÍNDICE Introdução... I Biomassa Lignocelulósica Energética... 1 Energia de Fonte Renovável... 2 Nova Matriz Energética Mundial... 3 Geração

Leia mais