COMPOSTAGEM. INFLUENCIA NA TEORIA ZERI, NA SUSTENTABILIDADE GLOBAL E NA REDUÇÃO DA POLUIÇÃO URBANA

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "COMPOSTAGEM. INFLUENCIA NA TEORIA ZERI, NA SUSTENTABILIDADE GLOBAL E NA REDUÇÃO DA POLUIÇÃO URBANA"

Transcrição

1 COMPOSTAGEM. INFLUENCIA NA TEORIA ZERI, NA SUSTENTABILIDADE GLOBAL E NA REDUÇÃO DA POLUIÇÃO URBANA Jorge Orlando Cuéllar Noguera Doutorando e Gestão abiental - UFSC -c.p CEP Santa Maria R.S. Abstract The article presents a description of the copostage with finality to situate and show a solution on the proble generated in the production of organic solid residues, origin in sites that have treatent condition. This presentation odel give a technical and siple solution that herds lowering the aount of residues generated on disposed of producer an output of high utility to the soil of the good environental anageent will result the anteroo of progra in the future Key Words: Copostage, sustentability, Zeri eissions Resuo Neste artigo faz-se ua descrição da copostage co a finalidade de situar e ostrar ua solução ao problea gerado na produção dos resíduos sólidos orgânicos, e lugares que possue condições de trataento. Este odelo de apresentação dá ua solução técnica, objetiva e caseira que ale de diinuir o volue de lixo a ser coletado e depositado no destino final (geralente lixões), produz u produto de grande benefício para o solo, fechando u ciclo do desenvolviento sustentável. Do bo planejaento e gerenciaento abiental, dependerá o êxito ou fracasso dos prograas que sobre este tea realize-se. Palavras chaves: Copostage, sustentabilidade, eissão zeri. 1.INTRODUÇÃO Dentro do arco do desenvolviento sustentável e eissões zeri, será analisado o problea da copostage liitado a: escolas, associações de bairro e a pessoas que deseja trabalhar de fora individual co a reciclage de resíduos sólidos urbanos. É iportante observar que este trabalho é ua abordage da gestão abiental failiar e segundo Donnaire ( 1995 ) Gestão abiental é u conjunto de edidas e procedientos be definidos que visa reduzir e controlar os ipactos introduzidos por u epreendiento sobre o eio abiente. Este conjunto de pessoas geralente te e cou o desejo e a necessidade de contribuir de algua fora co o eio e que ora, para iniizar a agressão a natureza. O problea encontra-se co as liitações que as pessoas encontra na aplicação de alguas técnicas de processo.

2 2 Estas liitações deve-se: a falta de inforação ou ao desconheciento do tea, sendo que uitas vezes a iprovisação deterina o processo. Portanto, este artigo ostrará as edidas e procedientos básicos para que este conjunto de pessoas possa toar decisões técnicas, sociais e ecológicas, dentro de u planejaento e assi evitar as iprovisações que geralente afeta negativaente estes prograas. 2. COMPOSTAGEM Definição: Copostage é a transforação de resíduos orgânicos, através de processos físicos quíicos e biológicos, e ua atéria orgânica ais estável e resistente á ação de espécies consuidoras, sendo utilizado coo corretivo de solos.. CLASSIFICAÇÃO DO PROCESSO DE COMPOSTAGEM: O processo de COMPOSTAGEM de lixo doéstico, pode ser desenvolvido basicaente sob a classificação de Kiehl (1986). Classificação do Processo de Copostage Biologia Teperatura Abiente Processo * Aeróbio * Anaeróbio * Facultativo * Criofílico * Mesofílico * Terofílico * Aberto * Fechado encharcada ou copletaente iersa e água. Processo Facultativo: Mistura dos processos anteriores. Quanto À Teperatura * Estático O Natural * Dinâico Acelerado Fig. Nº 01 Classificação Do Processo De Copostage Pode-se classificar segundo a seguinte tabela: Quanto À Biologia: Processo Aeróbio: A ferentação ocorre e presença de ar, onde a teperatura da assa e decoposição é elevada, ocorrendo desprendiento de gases CO, CO 2 e vapor de água. Para operacionalizar o sistea procurase garantir a presença do oxigênio do ar atosférico. Processo Anaeróbio: Neste processo, a ferentação é realizada por icrorganisos que pode viver e abientes isento de ar. Geralente esta decoposição ocorre co a assa Teperatura Criofílico Mesofílico Terofílico º C < 5 [ 5-55 ] > 55

3 Quanto Ao Abiente: Aberto Copostage realizada a céu aberto, e pátio ou caixa de aturação. Exige aior tepo para ua copleta estabilização. No aterial disposto e pilhas, ou caixas o reoviento pode ser feito através de pás. Fechado Copostage é feita através de dispositivos especiais, tais coo digestores, bioestabilizadores, torres, células de ferentação, tanques e silos, co reoviento ecânico para ovientação da atéria orgânica. Quanto ao Processaento: Estáticos Considera-se estáticos ou naturais aqueles e que a atéria-pria disposta e caixas e/ou ontes nos pátios de copostage, recebe revolvientos periódicos durante o processo. Dinâicos: Tabé chaados processos acelerados, onde adiciona-se enzias, elhora-se o arejaento através da injeção de ar atosférico e aqueciento forçado. Para nosso trabalho a copostage será: aeróbia, aberta ou fechada (nos nuerais.5 e 6 explicasse claraente), e terá u processaento estático. 4. FASES DO PROCESSO DE COMPOSTAGEM O processo de copostage aeróbio realiza-se e três fases que serão plotadas na fig. nº 2 e explicadas a seguir: Fase De Ferentação. Segundo Sistro, no livro A Vida Dos Micróbios, pag (51: Ferentação é ua oxidação que fornece energia na qual o oxidante é u coposto orgânico. As ferentações de açúcares siples, glicose, são típicas pois as ferentações dos outros açucares difere soente e detalhe, e os polisacarídeos são sepre hidrolizados ate os açúcares constituintes, antes de sere ferentados. Todas as ferentações da glicose ocorre e duas etapas. O prieiro estagio copreende a quebra da cadeia carbônica da glicose, co reoção no ínio de dois pares de átoos de hidrogênio, forando copostos carbônicos ais oxidados que a glicose. Na segunda etapa, a redutora, os copostos oxidados são reduzidos pêlos átoos de hidrogênio reovidos no prieiro estagio Pode-se observar e coprovar que esta etapa caracteriza- se pelo desprendiento de energia e fora de calor, devido a quebra da cadeia carbônica da glicose, auentando a teperatura ate valores de 70 C, e por conseguinte retirando água e fora de vapor, diinuindo a porcentage de uidade e u pouco o volue inicial. Há tabé o desprendiento de gases, especialente CO e CO 2. Deve-se esperar desta etapa inicial que os ateriais ais facilente degradáveis (ex: açucares) seja utilizados pelos icrorganisos para auentar a população, iniciando a elevação da teperatura, resultado do início da atividade dos icrorganisos.

4 4 Fase De Bioestabilização Caracteriza-se por ua grande atividade de bactérias e fungos, e especialente pela aparição de actinoicetes, que segundo sua quantidade pode- se dizer que a assa orgânica está ais ou enos bioestabiliazada. Há desprendiento de: água, calor, e gases coo CO e CO 2. Os Actinoicetes são bactérias gra. - positivas que caracteriza-se pela foração de filaentos raificados. A parte referente aos actinoicetes pode-se procurar no livro de:michel j. pelczar Jr; E.C.S. Chan; Noel R. Krieg. Microbiologia Conceitos e Aplicações 2 a edição, na paginas: 298, 11,20 e 440, Fase De Huidificação Caracteriza-se pela aparição de Protozoários, Neatóides, Veres e Insetos Ferentação Bioestabilização Huidificação CO 2 H 2 O Calor CO 2 H 2 O Calor CO 2 H 2 O Calor O 2 Lixo O 2 Bacterias - Fungos - Actinoicetes Huus Total Bacterias e Fungos produtores de acidos Protozoãrios Neatóides Veres Insetos Tepo / s ph Acido Básico (ax) Básico Ligeiraente Neutro T 0 C superior 70 8 superior ao abiente Mesofilico Terofilico Mesofilico ao abiente C:N Uidade % Volue V 0 1 V 0 Odor Acre Terra Mofada Cor Acizentada se Brilho Fig. 02 Gráfico De Fases Fonte: Cuellar N. Jorge Orlando Negra assa aoldável quando estiver olhada

5 5 5.FATORES QUE ATUAM NA COMPOSTAGEM Todos os fatores que atua na copostage são na realidade aqueles que influencia direta ou indiretaente na atividade icrobiana deterinando quantitativaente e qualitativaente essa atividade (KIEHL 1985). Os principais fatores que deve ser analisados são : ph, Teperatura, Porcentage de uidade, Relação carbono nitrogênio..estes fatores terão, aproxiadaente, o seguinte coportaento: veja (fig. n 0).Estas relações obedece aos critérios coentados anteriorente. Na Fase De Ferentação os resíduos Ferentação Bioestabilização Huidificação Parcial Total ph T ºC % U C:N Fig Nº0 : Fatores que atua na copostage orgânicos inicialente ficara ais ácidos, as apos iniciará ua etapa totalente básica, até alcançar valores aproxiados a oito (8).A teperatura que inicialente é u pouco superior.a teperatura abiente, auentará até valores superiores dos sessenta e cinco graus centígrados ( 65 C ). É iportante observar que a esta teperatura ovos de osca e outros insetos não sobrevive. Ale disso, é iportante controlar a teperatura e a quantidade de oxigênio (O 2 ) provenientes do ar, para que as baterias e especialente os Lactinoicetos encontre u eio de sobrevivência. A uidade, devido a evaporação da água, diinui e por isso e tepo de verão ou e lugares que predoine teperaturas altas, é aconselhavel uedecer u pouco este coposto orgânico. Por ultio devido ao crakeaento do carbono e seu desprendiento de CO 2 e CO, a relação carbono nitrogênio coença a diinuir gradativaente. Na Fase De Bioestabilização o ph caracteriza-se pela diinuição de sua basisidade; a teperatura inicia a diinuir, até alcançar valores u pouco superiores aos valores do eio. A uidade pode chegar a pontos críticos para a sobrevivência das bactérias e a relação carbono nitrogênio chega quase a sua estabilização. Na Fase De Foração De Húus Observa-se o apareciento de Protozoários, Neatóides, Veres e Insetos, razão pela qual deve-se trabalhar sepre co luvas. Para este processo de transforação controla-se: Teperatura Para o processo adotado, (aeróbio) o etaboliso dos icrorganisos é exotérico, e acontece co o decorrer do tepo e rápido aqueciento da assa co a ultiplicação da população icrobiana. Segundo LIMA, pode-se estabelecer teperaturas de 2 a 70 graus para a copostage, onde, e teperaturas inferi7ores a 7 graus, torna o processo ais lento e não eliina seentes e ovos viáveis presentes na assa.

6 6 Teperaturas acia de 60 graus pode inibir o processo ou acessa-lo rapidaente, pois tais teperaturas poderão prejudicar o coplexo enziático, perdendose assi, as propriedades catalíticas. O fator teperatura está ligado ao fator C/N, onde ateriais ricos e proteínas, co relação C/N baixa, aquece ais rapidaente que os ateriais celulósicos co relação C/N ais alta. Aeração Para anter a integridade biológica porque garante o forneciento do oxigênio para a oxidação, e perite que a decoposição seja aeróbia. Outro fator é que favorece o aqueciento do coposto, eliinando patogênicos. Evita-se tabé geração de aus odores e a presença de oscas, iportantes tanto para o processo quanto para o eio abiente. Para o caso, a aeração se dará através do reoviento. Uidade: Os processos bioquíicos de decoposição exige água, sendo antida ua faixa de uidade entre 40 a 60%, e peso seco, de atéria orgânica decoponível. Se esta estiver abaixo de 40% retarda o processo, acia de 60% torna o eio anaeróbio por baixar o potencial de oxidação redução. Outro inconveniente é que quanto aior a uidade, aior será a quantidade de chorue produzido. Na revirada da leira deve-se isturar as caadas externas ais secas, co as caadas internas ais úidas, a fi de se ter hoogeneização e distribuição da uidade. Recoenda-se que, para a coleta de aostras, co o intuito de edir a uidade, seja feitas coletas e diversos locais da pilha e isturadas, quarteadas para retirar ua aostra representativa e após enviadas ao laboratório e recipientes be lacrados. Sendo que, se a uidade da leira baixar e a uidade relativa tabé baixar, recoenda-se olhar a leira durante o revolviento, pois co uidades inferiores a 12%, estagna o processo. Relação Carbono Nitrogênio: Serve coo indicador de fases, onde no inicio deve ser da orde de 0:1 e no final do processo, ou seja aturação copleta 10:1. O Carbono, durante a copostage, representa aterial energético necessário para ativação do processo da síntese celular, sendo que outra parte é eliinado sob a fora de gás carbônico, aterial básico para a constituição da atéria celular sintética. 6. COMO FAZER A COMPOSTAGEM Os seguintes passos deve ser levados e conta para o processo de copostage: Analise A Quantidade De Lixo Orgânico Produzido: O leitor pode fazer u cálculo aproxiado da quantidade de lixo produzido e seu habitat, lebrando que esta quantidade de lixo vai depender da época, dos costues etc. Por isto é iportante que observe o volue de seu lixo ( veja quanto pode caber nu saquinho de lixo) e se possível pese e observe seu volue. Pode-se aditir que ua pessoa produz 500 g de lixo e que deste, 75% é de resíduos orgânicos. A densidade do lixo si copactar, que tenho encontrado e inhas pesquisas é de 75 Kg/. Assi, podeos concluir que ua pessoa produz: 500 g lixo 0, 75 g lixo organico 75 = g lixo 75 g lixo organico lixo organico g lixo organico g lixo organico = 10 lixo organico

7 7 Tipo De Resíduos Produzidos Geralente produze- se quatro tipos de resíduos que são: Resíduos Orgânicos. Forados por todos os resíduos de orige anial ou vegetal. Estos resíduos produze-se dentro de casa, coo restos de alientos, cascas etc., ou fora de casa, folhas, galhos secos, restos de capina etc. Estes resíduos serão a atéria pria da copostage. Resíduos Secos, ou aterial que pode ser reciclado, co por exeplo: papel, vidro, Plásticos etc. Resíduos Rejeitáveis Ou Lixo Sujo, estes resíduos pode pertencer a ua ou as duas classes de resíduos anteriores. Deve ser retirados co a coleta regular, por exeplo, papel higiênico, fraldas, resíduos de varrição, lâpadas, pilhas etc.(pilhas e lâpadas deveria ter u trataento especial). Resíduos Da Saúde, ou resíduos provenientes da área de edicaentos utilizados no lar e nunca deve ser isturados co os residuos orgânicos. Quantidade Minina A Ser Tratada. Coo é de esperar, estes resíduos 50 c orgânicos por sua esa natureza, serve 50 c de coida, bebida e lar de pequenos e grandes aniais. Por esta razão deve-se construir coposteras co u ínio de ua área de 50 x 50 c, visando anipular os resíduos co facilidade e segurança, e 50 c evitar a entrada de ratos e baratas, os resíduos trabalhan-se preferivelente co Fig N 0 04 Coposteiras ua pá, sua altura pode ser de aproxiadaente 50 c, devendo-se utilizar aproxiadaente u 80% de sua capacidade. A prieira caixa deve ter, no ínio, a capacidade de receber o lixo produzido e ua seana. E iportante observar que cascas de frutas especialente elancia, deve ser trituradas, assi a superfície de contato destas co os icroorganisos é aior, e por conseguinte o tepo de descoposição será enor. Se construirão 5 caixas co a finalidade de revirar seanalente o lixo da 1 a coposteira para a 2 a, da 2 a para a e assi sucessivaente. Desta fora, quando o coposto sair da 5 a caixa, estará pronto para seu destino final.. Tabé é iportante observar que estas caixas deve ser construídas co u pequeno declive, que chegará a ua valeta coletora do possível chorue produzido, que pode ser captado e regressando sepre a prieira caixa e servirá coo catalisador inicial. Deve-se considerar que estareos trabalhando co ateriais ricos e carbono, nitrogênio ou abos. Carbono é fonte de energia e o nitrogênio, de nutrientes. Materiais ricos e carbono entra facilente e ferentação e os resíduos de constituição lenhosa e celulósica, coo por exeplo, capins, folhas, cascas de feijão, trigo, arroz, serrage etc., os ateriais ricos e nitrogênio são os responsáveis pela ultiplicação e disseinação dos icroorganisos. Exeplo destes ateriais: lixo orgânico doestico, estercos etc. Co as condições anteriorente expostas tereos: Volue da coposteira = 0,5 x 0,5 x 0,5 = 0,125 coo a coposteira devera ser utilizada e 80% seanalente

8 8 0125, a produzir 08, aterial utilizado 01, = seana a produzir 0, 1 u seana seana 7 s 10 1 pessoa a produzir aterial seana PESSOAS 5 Pessoas utilizado O fator da fórula indica que ireos isturar ua parte de resíduos orgânicos, provenientes dos resíduos alientares, co duas partes de resíduos orgânicos, produzidos fora de casa. (veja tipos de resíduos). Localização Das Coposteras. As coposteiras podera localizar-se no patio da casa, evitando uita proxiidade a residências. Ale disto deve-se procurar u lugar que evite inundações, é iportante observar que as coposteiras deve ter u lugar de escoaento para água, coo foi indicado anteriorente Planejaento Do Trabalho. A prieira coposteira receberá lixo durante 7 s, sendo que estes resíduos serão depositados ua vez durante o, e cobertos (por ua quantidade igual a duas vezes a quantidade disposta de resíduos alientares) co, graa, resíduos de capina, ou co o resíduo já tratado e que saiu da ultia coposteira. Aos 7 s se reove co a pá esta atéria, que está e inicio de ferentação da prieira coposteira para a segunda coposteira, e desta para a terceira, assi sucessivaente ate a ultia coposteira. O resíduo assi tratado por cinco seanas estará copletaente ferentado e e etapa de Bioestabilização, então pode-se fazer ua pilha que será revolvida de 8 a 12 seanas dependendo da estação, obtendo-se então u bo corretivo de solo, que se isturado co uréia, fosfato ou potássio, segundo as necessidades do solo, resultara e u bo produto que servirá coo adubo. Este produto pode tabé servir para trabalhar u bo inhocario para produção de húus. 7. BIBLIOGRAFIA CONSULTADA CARVALHO.B. Glossário de Saneaento e Ecologia. ABES. Rio de Janeiro. 62 P CUELLAR N. J O. Gerenciaento de resíduos sólidos urbanos Bogotá Colôbia, Universidade Javeriana, LEPSCH, I.F. Solos, foração e conservação. SÃO PAULO. Melhoraentos (serie pria n o 1). LIMA L.M.Q. Trataento De Lixo, Heus Editora LTDA., METCALF, LEONARD & EDDY, H.P. Wastewater engineering. NEW YORK, M C GRAWHILL; MICHEL. J.: PELCZAR. JR.: E.C.S. CHAN.: NOEL. R. KRIEG.: Microbiologia Conceitos e Aplicações. 2 a edição. São Paulo. Makron Books Do Brasil Editora Ltda VALLE. C. E. Qualidade Abiental - O Desafio de ser copetitivo protegendo o eio abiente. São Paulo. Pioneira VARGAS, M. Introdução á ecânica de solos. SÃO PAULO, EDUSP, 1987 SISTROM. W.R. A Vida dos Micróbios. São Paulo Livraria Pioneira Editora E Convênio co o MEC.1969.

Aula 6 Primeira Lei da Termodinâmica

Aula 6 Primeira Lei da Termodinâmica Aula 6 Prieira Lei da Terodinâica 1. Introdução Coo vios na aula anterior, o calor e o trabalho são foras equivalentes de transferência de energia para dentro ou para fora do sistea. 2. A Energia interna

Leia mais

Curso Profissional de Técnico de Energias Renováveis 1º ano. Módulo Q 2 Soluções.

Curso Profissional de Técnico de Energias Renováveis 1º ano. Módulo Q 2 Soluções. Curso Profissional de Técnico de Energias Renováveis 1º ano Docuento de apoio Módulo Q 2 Soluções. 1. Dispersões 1.1. Disperso e dispersante Dispersão Ua dispersão é ua istura de duas ou ais substâncias,

Leia mais

QUÍMICA PRISE II SOLUÇÕES 4.1 FENÔMENO DE SATURAÇÃO DE UMA SOLUÇÃO. Sal (soluto) Água (solvente) 1. INTRODUÇÃO

QUÍMICA PRISE II SOLUÇÕES 4.1 FENÔMENO DE SATURAÇÃO DE UMA SOLUÇÃO. Sal (soluto) Água (solvente) 1. INTRODUÇÃO 1. INTRODUÇÃO QUÍMICA PRISE II SOLUÇÕES 4.1 FENÔMENO DE SATURAÇÃO DE UMA SOLUÇÃO Quando a istura apresenta as esas características e toda a extensão do recipiente teos ua istura hoogênea e, se tiver ais

Leia mais

CALORIMETRIA. Relatório de Física Experimental III 2004/2005. Engenharia Física Tecnológica

CALORIMETRIA. Relatório de Física Experimental III 2004/2005. Engenharia Física Tecnológica Relatório de Física Experiental III 4/5 Engenharia Física ecnológica ALORIMERIA rabalho realizado por: Ricardo Figueira, nº53755; André unha, nº53757 iago Marques, nº53775 Grupo ; 3ªfeira 6-h Lisboa, 6

Leia mais

SOBRE O PROBLEMA DA VARIAÇÃO DE TEMPERATURA DE UM CORPO

SOBRE O PROBLEMA DA VARIAÇÃO DE TEMPERATURA DE UM CORPO 44 SOBRE O PROBLEMA DA VARIAÇÃO DE TEMPERATURA DE UM CORPO Resuo Jair Sandro Ferreira da Silva Este artigo abordará a aplicabilidade das Equações Diferenciais na variação de teperatura de u corpo. Toareos

Leia mais

COMPOSTAGEM COMO PRÁTICA DE VALORIZAÇÃO DOS RESÍDUOS ALIMENTARES COM FOCO INTERDISCIPLINAR NA EDUCAÇÃO AMBIENTAL

COMPOSTAGEM COMO PRÁTICA DE VALORIZAÇÃO DOS RESÍDUOS ALIMENTARES COM FOCO INTERDISCIPLINAR NA EDUCAÇÃO AMBIENTAL 16 COMPOSTAGEM COMO PRÁTICA DE VALORIZAÇÃO DOS RESÍDUOS ALIMENTARES COM FOCO INTERDISCIPLINAR NA EDUCAÇÃO AMBIENTAL Jorge Orlando Cuéllar Noguera Universidade Federal de Santa Maria (UFSM). Brasil - jocunoguera@hotail.co

Leia mais

b) Dalton proporções definidas. c) Richter proporções recíprocas. d) Gay-Lussac transformação isobárica. e) Proust proporções constantes.

b) Dalton proporções definidas. c) Richter proporções recíprocas. d) Gay-Lussac transformação isobárica. e) Proust proporções constantes. APRFUDAMET QUÍMIA 2012 LISTA 9 Leis ponderais e voluétricas, deterinação de fórulas, cálculos quíicos e estudo dos gases. Questão 01) A Lei da onservação da Massa, enunciada por Lavoisier e 1774, é ua

Leia mais

Programa de Pós-Graduação em Eng. Mecânica. Introdução aos ciclos de refrigeração

Programa de Pós-Graduação em Eng. Mecânica. Introdução aos ciclos de refrigeração Nov/03 Prograa de Pós-Graduação e Eng. Mecânica Disciplina: Siulação de Sisteas Téricos Introdução aos ciclos de refrigeração Organização: Ciclo de Carnot Ciclo padrão de u estágio de copressão Refrigerantes

Leia mais

3.3. O Ensaio de Tração

3.3. O Ensaio de Tração Capítulo 3 - Resistência dos Materiais 3.1. Definição Resistência dos Materiais é u rao da Mecânica plicada que estuda o coportaento dos sólidos quando estão sujeitos a diferentes tipos de carregaento.

Leia mais

A Teoria dos Jogos é devida principalmente aos trabalhos desenvolvidos por von Neumann e John Nash.

A Teoria dos Jogos é devida principalmente aos trabalhos desenvolvidos por von Neumann e John Nash. Teoria dos Jogos. Introdução A Teoria dos Jogos é devida principalente aos trabalhos desenvolvidos por von Neuann e John Nash. John von Neuann (*90, Budapeste, Hungria; 957, Washington, Estados Unidos).

Leia mais

Centro Universitário Anchieta Engenharia Química Físico Química I Prof. Vanderlei I Paula Nome: R.A. Gabarito 4 a lista de exercícios

Centro Universitário Anchieta Engenharia Química Físico Química I Prof. Vanderlei I Paula Nome: R.A. Gabarito 4 a lista de exercícios Engenharia Quíica Físico Quíica I. O abaixaento da pressão de vapor do solvente e soluções não eletrolíticas pode ser estudadas pela Lei de Raoult: P X P, onde P é a pressão de vapor do solvente na solução,

Leia mais

07. Obras célebres da literatura brasileira foram ambientadas em regiões assinaladas neste mapa:

07. Obras célebres da literatura brasileira foram ambientadas em regiões assinaladas neste mapa: 6 FUVEST 09/0/202 Seu é Direito nas Melhores Faculdades 07. Obras célebres da literatura brasileira fora abientadas e regiões assinaladas neste apa: Co base nas indicações do apa e e seus conhecientos,

Leia mais

Capítulo 14. Fluidos

Capítulo 14. Fluidos Capítulo 4 luidos Capítulo 4 - luidos O que é u luido? Massa Especíica e ressão luidos e Repouso Medindo a ressão rincípio de ascal rincípio de rquiedes luidos Ideais e Moviento Equação da continuidade

Leia mais

AVALIAÇÃO DO MODELO DE TRANSFORMADORES EM FUNÇÃO DA FREQUÊNCIA

AVALIAÇÃO DO MODELO DE TRANSFORMADORES EM FUNÇÃO DA FREQUÊNCIA Universidade de Brasília Faculdade de Tecnologia Departaento de Engenaria Elétrica AVALIAÇÃO DO MODELO DE TANSFOMADOES EM FUNÇÃO DA FEQUÊNCIA Por Alexandre de Castro Moleta Orientador: Prof.Dr. Marco Aurélio

Leia mais

F. Jorge Lino Módulo de Weibull MÓDULO DE WEIBULL. F. Jorge Lino

F. Jorge Lino Módulo de Weibull MÓDULO DE WEIBULL. F. Jorge Lino MÓDULO DE WEIBULL F. Jorge Lino Departaento de Engenharia Mecânica e Gestão Industrial da Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto, Rua Dr. Roberto Frias, 4200-465 Porto, Portugal, Telf. 22508704/42,

Leia mais

UMA HEURÍSTICA PARA RESOLUÇÃO DO PROBLEMA DE CARREGAMENTO DE CONTAINER

UMA HEURÍSTICA PARA RESOLUÇÃO DO PROBLEMA DE CARREGAMENTO DE CONTAINER Pesquisa Operacional na Sociedade: Educação, Meio Aente e Desenvolviento 2 a 5/09/06 Goiânia, GO UMA HEURÍSTICA PARA RESOLUÇÃO DO PROBLEMA DE CARREGAMENTO DE CONTAINER E. Vendraini Universidade Estadual

Leia mais

Estudo da viabilidade económica da implementação de uma microturbina

Estudo da viabilidade económica da implementação de uma microturbina Departaento de Engenharia Mecânica Rao de Terodinâica e fluidos Gestão da Energia Estudo da viabilidade econóica da ipleentação de ua icroturbina Coordenação do trabalho: Professor Fausto Freire André

Leia mais

Compostagem. Gersina N. da R. Carmo Junior

Compostagem. Gersina N. da R. Carmo Junior Compostagem Gersina N. da R. Carmo Junior Compostagem É um processo de transformação da matéria orgânica do lixo em um composto orgânico (húmus). Composto orgânico Produto final da compostagem Compostagem

Leia mais

Estudo da Resistividade Elétrica para a Caracterização de Rejeitos de Minério de Ferro

Estudo da Resistividade Elétrica para a Caracterização de Rejeitos de Minério de Ferro Estudo da Resistividade Elétrica para a Caracterização de Rejeitos de Minério de Ferro Hector M. O. Hernandez e André P. Assis Departaento de Engenharia Civil & Abiental, Universidade de Brasília, Brasília,

Leia mais

4 UM MODELO DE SAZONALIZAÇÃO DA GARANTIA FÍSICA DE PCHS EM PORTFOLIOS PCH+BIOMASSA

4 UM MODELO DE SAZONALIZAÇÃO DA GARANTIA FÍSICA DE PCHS EM PORTFOLIOS PCH+BIOMASSA EM PORTFOLIOS PCH E BIOMASSA 48 4 UM MODELO DE SAZONALIZAÇÃO DA GARANTIA FÍSICA DE PCHS EM PORTFOLIOS PCH+BIOMASSA Confore explicado no capitulo anterior, a decisão do agente hidráulico de coo sazonalizar

Leia mais

Tubos Jaquetados e com Isolamento

Tubos Jaquetados e com Isolamento www.swagelok.co s Jaquetas e co Isolaento Características Disponíveis nos taanhos 1/4" a " e 6 a 12 e aço inoxidável 316/316L e cobre s e aço inoxidável co e se costura Jaqueta e PVC para baixa teperatura

Leia mais

Exercícios 1. Deduzir a relação:

Exercícios 1. Deduzir a relação: setor 1322 13220509 13220509-SP Aula 35 RELAÇÕES ENTRE ÁRIOS TIPOS DE CONCENTRAÇÃO Tipo de concentração Cou E ol/l As conversões entre esses tipos de concentração pode ser feitas: Aditindo-se 1,0 L de

Leia mais

Ficha de Dados de Segurança

Ficha de Dados de Segurança Ficha de Dados de Segurança SECÇÃO 1: Identificação da substância/istura e da sociedade/epresa 1.1. Identificador do produto: Tinteiro EPSON T6309 1.2. Utilizações identificadas relevantes da substância

Leia mais

Compostagem doméstica: como fazer?

Compostagem doméstica: como fazer? Compostagem, o que é? É um processo dereciclagem de resíduos orgânicos (de cozinha, da horta, do jardim...) realizado através de microrganismos que transformam os resíduos biodegradáveis num fertilizante

Leia mais

Building Services. Circuladores para sistemas de aquecimento, sanitários e refrigeração Série ECOCIRC TLC FLC

Building Services. Circuladores para sistemas de aquecimento, sanitários e refrigeração Série ECOCIRC TLC FLC Circuladores para sisteas de aqueciento, sanitários e refrigeração Série ECOCIRC TLC FLC Série Ecocirc TLC FLC O otivo da escolha A vasta gaa de circuladores da ITT Lowara é a sua prieira escolha devido

Leia mais

2 O Preço Spot de Energia Elétrica do Brasil

2 O Preço Spot de Energia Elétrica do Brasil 2 O Preço Spot de Energia Elétrica do Brasil Inicialente, vai se expor de ua fora uita sucinta coo é criado o preço spot de energia elétrica do Brasil, ais especificaente, o CMO (Custo Marginal de Operação).

Leia mais

LÍNGUA PORTUGUESA Leia o texto abaixo e responda às questões propostas. Viajar para dentro

LÍNGUA PORTUGUESA Leia o texto abaixo e responda às questões propostas. Viajar para dentro 14 e 85 LÍNGUA PORTUGUESA Leia o texto abaixo e responda às questões propostas 1 5 10 15 20 25 30 35 40 45 50 Viajar para dentro Os brasileiros estão viajando ais. Pouco iporta o destino: a verdade é que

Leia mais

Escala na Biologia. Na natureza, há uma grande variação dos tamanhos dos seres vivos.

Escala na Biologia. Na natureza, há uma grande variação dos tamanhos dos seres vivos. Escala na Biologia Na natureza há ua grande variação dos taanhos dos seres vivos O copriento característico de u ser vivo é definido coo qualquer copriento conveniente para cálculos aproxiados Exeplos:

Leia mais

IPT, DACR, Química 1, 08/09, Soluções 1. Classificação das soluções (cont( IPT Conservação e Restauro

IPT, DACR, Química 1, 08/09, Soluções 1. Classificação das soluções (cont( IPT Conservação e Restauro IPT Conservação e Restauro Quíica 1 oluções uário Tipos de soluções Dispersões A água Mecaniso da dis João uís Farinha Antunes Escola uperior de Tecnologia de Toar Unidades de concentração de soluções

Leia mais

ATIVIDADE DE COMPOSTAGEM

ATIVIDADE DE COMPOSTAGEM ATIVIDADE DE COMPOSTAGEM 1. Identificação Epresa/Interessado: Endereço: Bairro: Município: CEP: CNPJ/CPF: Telefone: Fax: E-ail: Atividade: Localização do epreendiento (Endereço): Bairro: CEP: Contato:

Leia mais

Projetos de Redes Aéreas Urbanas de Distribuição de Energia Elétrica

Projetos de Redes Aéreas Urbanas de Distribuição de Energia Elétrica Projetos de Redes Aéreas Urbanas de Distribuição Revisão 05 07/2015 NORMA ND.22 ELEKTRO Eletricidade e Serviços S.A. Diretoria de Operações Gerência Executiva de Engenharia, Planejaento e Operação Rua

Leia mais

física GREF leituras de

física GREF leituras de versão preliinar leituras de física GREF Física Térica. para ler, fazer e pensar 3 14. Terra: Planeta Ägua. 15. Os ateriais e as técnicas. 16. Mudanças sob pressão. 17. O ais frio dos frios. 18. Transfornações

Leia mais

Palavras-Chave: Tratamento de resíduos sólidos orgânicos; adubo orgânico, sustentabilidade.

Palavras-Chave: Tratamento de resíduos sólidos orgânicos; adubo orgânico, sustentabilidade. GESTÃO DOS RESÍDUOS SÓLIDOS ORGÂNICOS GERADOS NO CAMPUS DA UNIVERSIDADE FEDERAL DA GRANDE DOURADOS ATRAVÉS DO USO DA COMPOSTAGEM TERMOFÍLICA EM LEIRA ESTÁTICA COM AERAÇÃO NATURAL. Jéssica Lopes Piesanti

Leia mais

Índice de Custo Benefício (ICB) de Empreendimentos de Geração Termelétrica

Índice de Custo Benefício (ICB) de Empreendimentos de Geração Termelétrica Índice de Custo Benefício (ICB) de Epreendientos de Geração Terelétrica Metodologia de Cálculo Coordenação Geral Maurício Tiono Tolasqui José Carlos de Miranda Farias Equipe Técnica Danielle Bueno de Andrade

Leia mais

Ensino Fundamental no Brasil: a Média do Gasto Por Aluno, o IDEB e Sua Correlação nos Municípios Brasileiros.

Ensino Fundamental no Brasil: a Média do Gasto Por Aluno, o IDEB e Sua Correlação nos Municípios Brasileiros. Ensino Fundaental no Brasil: a Média do Gasto Por Aluno, o IDEB e Sua Correlação nos Municípios Brasileiros. Autoria: Jaie Crozatti Resuo: Para contribuir co a discussão da gestão de políticas públicas

Leia mais

c) Escreva a reação química de decomposição da azida de sódio formando sódio metálico e nitrogênio gasoso.

c) Escreva a reação química de decomposição da azida de sódio formando sódio metálico e nitrogênio gasoso. 1. (Fuvest 015) O sistea de airbag de u carro é forado por u sensor que detecta rápidas diinuições de velocidade, ua bolsa inflável e u dispositivo contendo azida de sódio (NaN 3 ) e outras substâncias

Leia mais

QS.1. Química Solucionada 9.9999.0111 / 9.8750.0050 / 9.9400. / 9.8126.0630. www.quimicasolucionada.com.br hedilbertoalves@ig.com.

QS.1. Química Solucionada 9.9999.0111 / 9.8750.0050 / 9.9400. / 9.8126.0630. www.quimicasolucionada.com.br hedilbertoalves@ig.com. Quíica Solucionada 9.9999.0111 / 9.8750.0050 / 9.9400. / 9.8126.060 Título: Revisando (quíica eleentar) Data: / / 2016 EXERCÍCIOS DE REVISÃO O ferro raraente é encontrado livre na crosta terrestre e si

Leia mais

= C. (1) dt. A Equação da Membrana

= C. (1) dt. A Equação da Membrana A Equação da Mebrana Vaos considerar aqui ua aproxiação e que a célula nervosa é isopotencial, ou seja, e que o seu potencial de ebrana não varia ao longo da ebrana. Neste caso, podeos desprezar a estrutura

Leia mais

KPCLASSEASIM: UMA FERRAMENTA PARA ESTIMATIVA DO COEFICIENTE DO TANQUE CLASSE A

KPCLASSEASIM: UMA FERRAMENTA PARA ESTIMATIVA DO COEFICIENTE DO TANQUE CLASSE A KPCLASSEASIM: UMA FERRAMENTA PARA ESTIMATIVA DO COEFICIENTE DO TANQUE CLASSE A T. D. C. Peixoto 1 ; S. L. A. Levien ; A. H. F. Bezerra 3 ; S. T. A. da Silva 4 RESUMO: A evapotranspiração de referência

Leia mais

Análise de risco aplicada a instalaçõe industriais de refrigeração que utilizam amônia

Análise de risco aplicada a instalaçõe industriais de refrigeração que utilizam amônia http://dx.doi.org/10.5902/2236117016368 Revista do Centro do Ciências Naturais e Exatas - UFSM, Santa Maria Revista Eletrônica e Gestão, Educação e Tecnologia Abiental - ReGet e-issn 2236 1170 - V. 19,

Leia mais

ENEM Prova resolvida Química

ENEM Prova resolvida Química ENEM 2001 - Prova resolvida Quíica 01. Nua rodovia pavientada, ocorreu o tobaento de u cainhão que transportava ácido sulfúrico concentrado. Parte da sua carga fluiu para u curso d' não poluído que deve

Leia mais

Método Simbólico. Versus. Método Diagramas de Euler. Diagramas de Venn

Método Simbólico. Versus. Método Diagramas de Euler. Diagramas de Venn IV Método Sibólico Versus Método Diagraas de Euler E Diagraas de Venn - 124 - Método Sibólico Versus Método Diagraas de Euler e Diagraas de Venn Para eplicar o que é o Método Sibólico e e que aspecto difere

Leia mais

LOCALIZAÇÃO ÓTIMA DE ATUADORES E SENSORES EM ESTRUTURAS INTELIGENTES

LOCALIZAÇÃO ÓTIMA DE ATUADORES E SENSORES EM ESTRUTURAS INTELIGENTES XIV CONRESSO NACIONAL DE ESUDANES DE ENENHARIA MECÂNICA Universidade Federal de Uberlândia Faculdade de Engenharia Mecânica LOCALIZAÇÃO ÓIMA DE AUADORES E SENSORES EM ESRUURAS INELIENES Sione Nishioto

Leia mais

ecotec pro O futuro é Vaillant Vaillant, especialistas em Condensação www.vaillant.pt info@vaillant.pt

ecotec pro O futuro é Vaillant Vaillant, especialistas em Condensação www.vaillant.pt info@vaillant.pt O futuro é Vaillant Vaillant, especialistas e Condensação ecotec pro www.vaillant.pt info@vaillant.pt Caldeira ural ista de condensação, co pré-aqueciento de A.Q.S. Vaillant Group International GbH Berghauser

Leia mais

XXXII ENCONTRO NACIONAL DE ECONOMIA SISTEMA BRASILEIRO DE FINANCIAMENTO À EDUCAÇÃO BÁSICA: PRINCIPAIS CARACTERÍSTICAS, LIMITAÇÕES E ALTERNATIVAS

XXXII ENCONTRO NACIONAL DE ECONOMIA SISTEMA BRASILEIRO DE FINANCIAMENTO À EDUCAÇÃO BÁSICA: PRINCIPAIS CARACTERÍSTICAS, LIMITAÇÕES E ALTERNATIVAS XXXII ENCONTRO NACIONAL DE ECONOMIA SISTEMA BRASILEIRO DE FINANCIAMENTO À EDUCAÇÃO BÁSICA: PRINCIPAIS CARACTERÍSTICAS, LIMITAÇÕES E ALTERNATIVAS Reynaldo Fernandes reynaldo.fernandes@fazenda.gov.br Ministério

Leia mais

XRV 1000 SD5 XRW 1000 SD5 XRXS 566 XRYS 557 / 577 OEM OILTRONIX. Atlas Copco Compressores de Ar Portáteis Maior produtividade em todas as situações

XRV 1000 SD5 XRW 1000 SD5 XRXS 566 XRYS 557 / 577 OEM OILTRONIX. Atlas Copco Compressores de Ar Portáteis Maior produtividade em todas as situações Atlas Copco Copressores de Ar Portáteis Maior produtividade e todas as situações XRV 1000 SD5 XRW 1000 SD5 XRXS 566 XRYS 557 / 577 OEM OILTRONIX A Atlas Copco é líder undial e copressores de ar portáteis,

Leia mais

Exercícios. setor 1302. Aulas 39 e 40. 1L (mar) 30 g x 60 10 3 g x = 2 10 3 L ou m 1 C = V 60 10. τ = m 1 V = 2 10 3 L

Exercícios. setor 1302. Aulas 39 e 40. 1L (mar) 30 g x 60 10 3 g x = 2 10 3 L ou m 1 C = V 60 10. τ = m 1 V = 2 10 3 L setor 1302 13020508 Aulas 39 e 40 CONCENTRAÇÃO COMUM, PORCENTAGEM EM MASSA DE SOLUTO E NOÇÃO DE PPM (PARTES POR MILHÃO) Concentração Concentração Cou (C) C 1 Densidade (d) g/l; g/ 3, etc d 1+ 2 g/c 3,

Leia mais

OTIMIZAÇÃO DA REAÇÃO DE TRANSESTERIFICAÇÃO DO ÓLEO DE MAMONA

OTIMIZAÇÃO DA REAÇÃO DE TRANSESTERIFICAÇÃO DO ÓLEO DE MAMONA Página 168 OTIMIZAÇÃO DA REAÇÃO DE TRANSESTERIFICAÇÃO DO ÓLEO DE MAMONA Marcos Luciano Guiarães Barreto 1 ; Gabrielly Pereira da Silva 1 ; Fernanda Rocha Morais; Gabriel Francisco da Silva 1 1 Universidade

Leia mais

Cabo Foreplast BWF Flexível 750V

Cabo Foreplast BWF Flexível 750V Cabo Foreplast BWF Flexível 7V Devido à sua flexibilidade, os cabos Foreplast BWF flexíveis são recoendados para fiações de quadros e painéis, alé das instalações fixas de construção civil. : Cobre nu,

Leia mais

Espaço SENAI. Missão do Sistema SENAI

Espaço SENAI. Missão do Sistema SENAI Sumário Introdução 5 Corrente elétrica 6 Descargas elétricas 6 Unidade de medida da intensidade de corrente elétrica 8 Cargas que se movimentam 10 Corrente contínua 10 Resistência elétrica 11 Origem da

Leia mais

Exercícios sobre Densidade

Exercícios sobre Densidade Exercícios sobre Densidade 01. (Ita 2015) Ua istura de etanol e água a 25 C apresenta o volue parcial olar de água igual a 1 17,8c ol 1 e o volue parcial olar do etanol igual a 8,4 c ol. Co base nestas

Leia mais

APLICAÇÃO DO MÉTODO DOS MÍNIMOS QUADRADOS: PROBLEMA DO PARAQUEDISTA EM QUEDA LIVRE

APLICAÇÃO DO MÉTODO DOS MÍNIMOS QUADRADOS: PROBLEMA DO PARAQUEDISTA EM QUEDA LIVRE APLICAÇÃO DO MÉTODO DOS MÍNIMOS QUADRADOS: PROBLEMA DO PARAQUEDISTA EM QUEDA LIVRE Tatiana Turina Kozaa 1 Graziela Marchi Tiago E diversas áreas coo engenharia, física, entre outras, uitas de suas aplicações

Leia mais

VESTIBULAR 2012.1 2 a FASE - 2ºDIA FÍSICA E QUÍMICA

VESTIBULAR 2012.1 2 a FASE - 2ºDIA FÍSICA E QUÍMICA UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ COMISSÃO EXECUTIVA DO VESTIBULAR VESTIBULAR 2012.1 2 a FASE - 2ºDIA FÍSICA E QUÍMICA APLICAÇÃO: 12 de DEZEMBRO de 2011 DURAÇÃO: 04 HORAS INÍCIO: 09h00in TÉRMINO: 13h00in

Leia mais

TEORIA ELETRÔNICA DA MAGNETIZAÇÃO

TEORIA ELETRÔNICA DA MAGNETIZAÇÃO 113 17 TEORA ELETRÔNCA DA MANETZAÇÃO Sabeos que ua corrente elétrica passando por u condutor dá orige a u capo agnético e torno deste. A este capo daos o noe de capo eletro-agnético, para denotar a sua

Leia mais

Termodinâmica Aplicada

Termodinâmica Aplicada TERMODINÂMICA Disciplina: Terodinâica Professor: Caruso APLICAÇÕES I Motores de autoóveis Turbinas Bobas e Copressores Usinas Téricas (nucleares, cobustíveis fósseis, bioassa ou qualquer outra fonte térica)

Leia mais

:: Física :: é percorrida antes do acionamento dos freios, a velocidade do automóvel (54 km/h ou 15 m/s) permanece constante.

:: Física :: é percorrida antes do acionamento dos freios, a velocidade do automóvel (54 km/h ou 15 m/s) permanece constante. Questão 01 - Alternativa B :: Física :: Coo a distância d R é percorrida antes do acionaento dos freios, a velocidade do autoóvel (54 k/h ou 15 /s) peranece constante. Então: v = 15 /s t = 4/5 s v = x

Leia mais

4.2-Setor da Construção apresenta ao Governo proposta para resolver a questão do déficit habitacional.

4.2-Setor da Construção apresenta ao Governo proposta para resolver a questão do déficit habitacional. BOLETIM ECONÔMICO NOVEMBRO/07 Suário 1.Conjuntura: No ês de outubro, IPCA e INPC auenta, IGPM recua e INCC é o eso do ês anterior. IPCA cheio de outubro (0,30%) é superior ao de setebro (0,18%). As aiores

Leia mais

Simulado 2 Física AFA/EFOMM 2012. B)30 2 m. D)50 2 m. 1 P r o j e t o F u t u r o M i l i t a r w w w. f u t u r o m i l i t a r. c o m.

Simulado 2 Física AFA/EFOMM 2012. B)30 2 m. D)50 2 m. 1 P r o j e t o F u t u r o M i l i t a r w w w. f u t u r o m i l i t a r. c o m. Prof. André otta - ottabip@hotail.co Siulado 2 Física AFA/EFO 2012 1- Os veículos ostrados na figura desloca-se co velocidades constantes de 20 /s e 12/s e se aproxia de u certo cruzaento. Qual era a distância

Leia mais

Modelagem e Simulação de um Sistema de Comunicação Digital via Laço Digital de Assinante no Ambiente SIMOO

Modelagem e Simulação de um Sistema de Comunicação Digital via Laço Digital de Assinante no Ambiente SIMOO Modelage e Siulação de u Sistea de Counicação Digital via Laço Digital de Assinante no Abiente SIMOO Luciano Agostini 1 Gaspar Steer 2 Tatiane Capos 3 agostini@inf.ufrgs.br gaspar@inf.ufrgs.br tatiane@inf.ufrgs.br

Leia mais

2007.2. Como o Pensamento Sistêmico pode Influenciar o Gerenciamento de Projetos

2007.2. Como o Pensamento Sistêmico pode Influenciar o Gerenciamento de Projetos UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO - UFPE CENTRO DE INFORMÁTICA CIN GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO 2007.2 Coo o Pensaento Sistêico pode Influenciar o Gerenciaento de Projetos TRABALHO DE GRADUAÇÃO

Leia mais

Propagação do Potencial de Ação ao Longo do Axônio

Propagação do Potencial de Ação ao Longo do Axônio 5910187 Biofísica II FFCLRP USP Prof. Antônio Roque Aula 1 Propagação do Potencial de Ação ao Longo do Axônio Os experientos originais de Hodgkin e Huxley que os levara ao seu odelo era realizados e condições

Leia mais

INDICADORES DA QUALIDADE DE MISTURA DE SÓLIDOS PARTICULADOS

INDICADORES DA QUALIDADE DE MISTURA DE SÓLIDOS PARTICULADOS VI CONGRESSO NACIONAL DE ENGENHARIA MECÂNICA VI NATIONAL CONGRESS OF MECHANICAL ENGINEERING 18 a 1 de agosto de 010 Capina Grande Paraíba - Brasil August 18 1, 010 Capina Grande Paraíba Brazil INDICADORES

Leia mais

OBS.: Os autores agradecem a citação deste documento nas referências bibliográficas.

OBS.: Os autores agradecem a citação deste documento nas referências bibliográficas. CONCEITOS DE PROCESSO E EQUIPAMENTOS DE SECAGEM KIL JIN PARK GRAZIELLA COLATO ANTONIO RAFAEL AUGUSTUS DE OLIVEIRA KIL JIN BRANDINI PARK http://.feagri.unicap.br/ctea/projpesq.htl Capinas, Março de 007.

Leia mais

SIMULADOR DO COMPORTAMENTO DO DETECTOR DE ONDAS GRAVITACIONAIS MARIO SCHENBERG. Antônio Moreira de Oliveira Neto * IC Rubens de Melo Marinho Junior PQ

SIMULADOR DO COMPORTAMENTO DO DETECTOR DE ONDAS GRAVITACIONAIS MARIO SCHENBERG. Antônio Moreira de Oliveira Neto * IC Rubens de Melo Marinho Junior PQ SIMULADOR DO COMPORTAMENTO DO DETECTOR DE ONDAS GRAVITACIONAIS MARIO SCHENBERG Antônio Moreira de Oliveira Neto * IC Rubens de Melo Marinho Junior PQ Departaento de Física, ITA, CTA, 18-9, São José dos

Leia mais

XVII CONGRESSO DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UFLA I ENCONTRO DE ENGENHARIA DE SISTEMAS IV WORKSHOP DE LASER E ÓPTICA NA AGRICULTURA 27 a 31 de outubro de 2008

XVII CONGRESSO DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UFLA I ENCONTRO DE ENGENHARIA DE SISTEMAS IV WORKSHOP DE LASER E ÓPTICA NA AGRICULTURA 27 a 31 de outubro de 2008 ESTUDO DA COMPOSIÇÃO FÍSICA DO BAGAÇO DE CANA JOYCE MARIA GOMES COSTA 1* ; JOHNSON CLAY PEREISA SANTOS 2 ; JEFFERSON LUIZ GOMES CORRÊA 3 ; VIVIANE MACHADO DE AZEVEDO 4 RESUMO O objetivo deste trabalho

Leia mais

Capítulo VII. Por Sérgio Feitoza Costa*

Capítulo VII. Por Sérgio Feitoza Costa* 44 Equipaentos para subestações de T&D Capítulo VII Distâncias de segurança de subestações e sisteas de proteção contra incêndios e subestações Este fascículo ve apresentando conceitos de engenharia para

Leia mais

FÍSICA DADOS. 10 v som = 340 m/s T (K) = 273 + T( o C) s = 38) 27) Q = mc T = C T 39) i = 30) U = Q τ 42) 31) Instruções:

FÍSICA DADOS. 10 v som = 340 m/s T (K) = 273 + T( o C) s = 38) 27) Q = mc T = C T 39) i = 30) U = Q τ 42) 31) Instruções: FÍSICA DADOS 9 N. g = 0 k 0 = 9,0 0 s C 8 c = 3,0 0 v so = 340 /s T (K) = 73 + T( o C) s 0) d = d 0 + v 0 t + at 4) E p = gh 6) 0) v = v 0 + at 5) E c = v 03) v = 04) T= f 05) 0 PV P V = 38) T T V = k0

Leia mais

1ª LISTA DE DINÂMICA E ESTÁTICA. está inicialmente em repouso nas coordenadas 2,00 m, 4,00 m. (a) Quais são as componentes da

1ª LISTA DE DINÂMICA E ESTÁTICA. está inicialmente em repouso nas coordenadas 2,00 m, 4,00 m. (a) Quais são as componentes da Universidade do Estado da Bahia UNEB Departaento de Ciências Exatas e da Terra DCET I Curso de Engenharia de Produção Civil Disciplina: Física Geral e Experiental I Prof.: Paulo Raos 1 1ª LISTA DE DINÂMICA

Leia mais

Manipulação, Armazenamento, Comercialização e Utilização de Gás Liquefeito de Petróleo (GLP)

Manipulação, Armazenamento, Comercialização e Utilização de Gás Liquefeito de Petróleo (GLP) É ESTADO DE GOIÁS SECRETARIA DA SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR COMANDO DE OPERAÇÕES DE DEFESA CIVIL Departaento de Proteção Contra Incêndio, Explosão e Pânico NORMA TÉCNICA n. 28/2008 Manipulação,

Leia mais

KpClasseASIM: UMA FERRAMENTA PARA ESTIMATIVA DO COEFICIENTE DO TANQUE CLASSE A RESUMO

KpClasseASIM: UMA FERRAMENTA PARA ESTIMATIVA DO COEFICIENTE DO TANQUE CLASSE A RESUMO Revista Brasileira de Agricultura Irrigada v.6, nº. 4, p. 96-30, 01 ISSN 198-7679 (On-line) Fortaleza, CE, INOVAGRI http://www.inovagri.org.br DOI: 10.717/rbai.v6n400094 Protocolo 094.1 4/08/01 Aprovado

Leia mais

Revisões de análise modal e análise sísmica por espectros de resposta

Revisões de análise modal e análise sísmica por espectros de resposta Revisões de análise odal e análise sísica por espectros de resposta Apontaentos da Disciplina de Dinâica e Engenharia Sísica Mestrado e Engenharia de Estruturas Instituto Superior Técnico Luís Guerreiro

Leia mais

Compostagem Paula Lazaro Pinto 17/06/2013

Compostagem Paula Lazaro Pinto 17/06/2013 Compostagem Paula Lazaro Pinto 17/06/2013 Introdução Atualmente os resíduos sólidos gerados na sociedade tornaram-se um grande problema para a administração pública. Existe um entrave entre a geração dos

Leia mais

UM MODELO DE PROGRAMAÇÃO DINÂMICA PARA COMPRA DE ENERGIA ELÉTRICA DE GERADORES HIDRELÉTRICOS E EÓLICOS POR CONSUMIDORES LIVRES

UM MODELO DE PROGRAMAÇÃO DINÂMICA PARA COMPRA DE ENERGIA ELÉTRICA DE GERADORES HIDRELÉTRICOS E EÓLICOS POR CONSUMIDORES LIVRES UM MODELO DE PROGRAMAÇÃO DINÂMICA PARA COMPRA DE ENERGIA ELÉTRICA DE GERADORES HIDRELÉTRICOS E EÓLICOS POR CONSUMIDORES LIVRES George Martins Silva Universidade Estadual do Ceará - UECE Av. Dr. Silas Munguba,

Leia mais

PADRÃO DE RESPOSTA - FÍSICA - Grupos H e I

PADRÃO DE RESPOSTA - FÍSICA - Grupos H e I PDRÃO DE RESPOST - FÍSC - Grupos H e a UESTÃO: (, pontos) valiador Revisor Íãs são frequenteente utilizados para prender pequenos objetos e superfícies etálicas planas e verticais, coo quadros de avisos

Leia mais

CIÊNCIAS AGRÁRIAS. Instituição: Faculdade de Ciências Agrárias

CIÊNCIAS AGRÁRIAS. Instituição: Faculdade de Ciências Agrárias 15 D Avaliação CIÊNCIAS AGRÁRIAS Agronôica e Industrial de Variedades Cítricas Luiz Carlos Donadio Faculdade de Ciências Agrárias e Veterinárias de JaboticabaiiUnesp Montecitrus Trading SIA Valor aprovado:

Leia mais

Uma abordagem neurocomputacional na otimização de um sistema linear com restrições

Uma abordagem neurocomputacional na otimização de um sistema linear com restrições ABR. MAI. JUN. 005 ANO XI, Nº 4 59-68 INTEGRAÇÃO 59 Ua abordage neurocoputacional na otiização de u sistea linear co restrições WALTER R. HERNANDEZ VERGARA* Resuo Nesta pesquisa discutios o problea de

Leia mais

A Unicamp comenta suas provas COMISSÃO PERMANENTE PARA OS VESTIBULARES

A Unicamp comenta suas provas COMISSÃO PERMANENTE PARA OS VESTIBULARES A Unicap coenta suas provas COMISSÃO PERMANENTE PARA OS VESTIBULARES As questões de Física do Vestibular Unicap versa sobre assuntos variados do prograa (que consta do Manual do Candidato). Elas são foruladas

Leia mais

III-120 - PRODUÇÃO DE COMPOSTO ORGÂNICO A PARTIR DE FOLHAS DE CAJUEIRO E MANGUEIRA

III-120 - PRODUÇÃO DE COMPOSTO ORGÂNICO A PARTIR DE FOLHAS DE CAJUEIRO E MANGUEIRA 22º Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental 14 a 19 de Setembro 2003 - Joinville - Santa Catarina III-120 - PRODUÇÃO DE COMPOSTO ORGÂNICO A PARTIR DE FOLHAS DE CAJUEIRO E MANGUEIRA Vicente

Leia mais

Coleta seletiva de lixo e Reciclagem

Coleta seletiva de lixo e Reciclagem Etec. Prof. Mário Antônio Verza Coleta seletiva de lixo e Reciclagem Realização: CIPA Responsável CIPA: Micaiser Faria Silva (2015/2016) A reciclagem é o processo de reaproveitamento do lixo descartado,

Leia mais

A escolha inteligente em conforto

A escolha inteligente em conforto Refrigerante Condicionadores de Ar Split A escolha inteligente e conforto FUJITSU GENERAL DO BRASIL High Wall Inverter ASBA09J ASBA12J C C 9.000 12.000 ASBA09L C 9.000 H 10.000 ASBA12L C 12.000 H 14.000

Leia mais

1) Durante a noite a temperatura da Terra não diminui tanto quanto seria de esperar

1) Durante a noite a temperatura da Terra não diminui tanto quanto seria de esperar Escola ásica e Secundária Gonçalves Zarco Física e Quíica A, º ano Ano lectivo 006 / 00 Ficha de rabalho nº 8 - CORRECÇÃO Noe: n.º aluno: ura: 1) Durante a noite a teperatura da erra não diinui tanto quanto

Leia mais

Nome. Instituição. Linha de ação

Nome. Instituição. Linha de ação Noe RESERVATÓRIO DE MADEIRA TRATADA PARA CAPTAÇÃO DE ÁGUA DA CHUVA Instituição ESCOLA DE EDUCAÇÃO BÁSICA PROFESSOR MANSUETO BOFF Linha de ação Atualente, devido ao cresciento populacional, a água te se

Leia mais

LEITURA E INTERPRETAÇÃO NBR ISO 9001:2008

LEITURA E INTERPRETAÇÃO NBR ISO 9001:2008 LEITURA E INTERPRETAÇÃO NBR ISO 9001:2008 APRESENTAÇÃO Instrutora: Noe: Márcia Assunção Foração: Graduada e Pós-graduada... Exp. Profissional:... 10 anos Objetivo do curso: Disseinar a interpretação dos

Leia mais

ANÁLISE DE UMA REFEIÇÃO VEGETARIANA

ANÁLISE DE UMA REFEIÇÃO VEGETARIANA Laboratório de Broatologia e Análises Broatológicas ANÁLISE DE UMA REFEIÇÃO VEGETARIANA Trabalho realizado por: Ana Gonçalves José Nogueira Luís Tavares Laboratório de Broatologia e Análises Broatológicas

Leia mais

Cálculo da Velocidade na Secção de Medida

Cálculo da Velocidade na Secção de Medida DIMENSIONAMENTO DAS UNIDADES DE MISTURA RÁPIDA E LENTA Dados do Projeto Vazão: 1,0 /s Mistura rápida: Calha Parshall Mistura lenta: Sistea de floculação hidráulico ou ecanizado 1. Diensionaento da Calha

Leia mais

FISPQ - Ficha de Informações de Segurança de Produto Químico

FISPQ - Ficha de Informações de Segurança de Produto Químico FISPQ - Ficha de Informações de Segurança de Produto Químico 1 IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do produto: FUNDO PREPARADOR BASE ÁGUA PREMIUM NOVOTOM Código interno: Empresa: FLEXOTOM INDÚSTRIA

Leia mais

Resumo com exercícios resolvidos do assunto: Sistemas de Partículas

Resumo com exercícios resolvidos do assunto: Sistemas de Partículas www.engenhariafacil.weebly.co Resuo co exercícios resolvidos do assunto: Sisteas de Partículas (I) (II) (III) Conservação do Moento Centro de Massa Colisões (I) Conservação do Moento Na ecânica clássica,

Leia mais

Análise comparativa do ambiente de aviários de postura com diferentes sistemas de acondicionamento

Análise comparativa do ambiente de aviários de postura com diferentes sistemas de acondicionamento Revista Brasileira de Engenharia Agrícola e Abiental v.13, n.6, p.788 794, 2009 Capina Grande, PB, UAEA/UFCG http://www.agriabi.co.br Protocolo 016.08 22/01/2008 Aprovado e 27/03/2009 Análise coparativa

Leia mais

CONSTRUÇÃO DE UM CALORÍMETRO ISOTÉRMICO DIFERENCIAL DE ALTA SENSIBILIDADE E BAIXO CUSTO

CONSTRUÇÃO DE UM CALORÍMETRO ISOTÉRMICO DIFERENCIAL DE ALTA SENSIBILIDADE E BAIXO CUSTO Qui. Nova, Vol. 32, No. 6, 1651-1654, 29 CONSTRUÇÃO DE UM CALORÍMETRO ISOTÉRMICO DIFERENCIAL DE ALTA SENSIBILIDADE E BAIXO CUSTO Rafael Bergao Trinca*, Carlos Eduardo Perles e Pedro Luiz Onófrio Volpe

Leia mais

1- IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA 2- COMPOSIÇÃO E INFORMAÇÕES SOBRE OS INGREDIENTES 3- IDENTIFICAÇÃO DE PERIGOS

1- IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA 2- COMPOSIÇÃO E INFORMAÇÕES SOBRE OS INGREDIENTES 3- IDENTIFICAÇÃO DE PERIGOS 20 de agosto de 2011 PÁGINA: 1 de 5 1- IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do Produto: Código Interno de Identificação do Produto: PA - Nome da Empresa: DORIGON INDÚSTRIA DE TENSOATIVOS LTDA. Endereço:

Leia mais

A Metrologia da Transferência de Custódia de Petróleo e seus Derivados Líquidos: do fornecedor ao cliente

A Metrologia da Transferência de Custódia de Petróleo e seus Derivados Líquidos: do fornecedor ao cliente A Metrologia da Transferência de Custódia de Petróleo e seus Derivados Líquidos: do fornecedor ao cliente Sistea Supervisório Dados analógicos Controle FT DT TT PT FT Instruentação ROTEIRO Incerteza na

Leia mais

Construção de um sistema de Realidade Virtual (1 a Parte) O Engine Físico

Construção de um sistema de Realidade Virtual (1 a Parte) O Engine Físico Construção de u sistea de Realidade Virtual (1 a Parte) O Engine Físico Roberto Scalco, Fabrício Martins Pedroso, Jorge Tressino Rua, Ricardo Del Roio, Wellington Francisco Centro Universitário do Instituto

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA SUMÁRIO CONTEÚDO PG.. Cabos Elétricos e Acessórios 02.1. Geral 02.2. Noras 02.3. Escopo de Forneciento 02 T-.1. Tabela 02.4. Características Construtivas 04.4.1. Aplicação 04.4.2. Diensionaento 04.4.3.

Leia mais

5 Controle de Tensão através de Transformador com Tap Variável no Problema de Fluxo de Potência

5 Controle de Tensão através de Transformador com Tap Variável no Problema de Fluxo de Potência 5 Controle de Tensão através de Transforador co Tap Variável no Problea de Fluxo de Potência 5.1 Introdução E sisteas elétricos de potência, os ódulos das tensões sofre grande influência das variações

Leia mais

2 Podemos representar graficamente o comportamento de (1) para alguns ângulos φ, que são mostrado nas figuras que se seguem.

2 Podemos representar graficamente o comportamento de (1) para alguns ângulos φ, que são mostrado nas figuras que se seguem. POTÊNCIA EM CARGAS GENÉRICAS Prof. Antonio Sergio C. de Menezes. Depto de Engenharia Elétrica Muitas cargas nua instalação elétrica se coporta de fora resistiva ou uito aproxiadaente coo tal. Exeplo: lâpadas

Leia mais

Universidade do Estado do Rio de Janeiro Campus Regional de Resende 1. TRATAMENTO DE ÁGUA PARA ABASTECIMENTO PÚBLICO

Universidade do Estado do Rio de Janeiro Campus Regional de Resende 1. TRATAMENTO DE ÁGUA PARA ABASTECIMENTO PÚBLICO MÓDULO II 1. TRATAMENTO DE ÁGUA PARA ABASTECIMENTO PÚBLICO O objetivo do trataento é a produção da água que satisfaça os padrões físico-quíicos, quíicos e icrobiológicos para fins potáveis. No abasteciento

Leia mais

Soluções em manejo florestal eficiente.

Soluções em manejo florestal eficiente. Soluções e anejo florestal eficiente. Leveza Utiliza ateriais co alta resistência e chapas de espessura reduzida, oferecendo baixo peso e garantindo aior capacidade de carga. Baixo Custo Laço de angueiras

Leia mais

Semana 05. em que m e e m a são as massas de etanol e de água na mistura, respectivamente, a uma temperatura de 20 o C.

Semana 05. em que m e e m a são as massas de etanol e de água na mistura, respectivamente, a uma temperatura de 20 o C. Seana 05 Seana 05 01. (Ene 016) Para cada litro de etanol produzido e ua indústria de cana-de-açúcar são gerados cerca de 18 L de vinhaça que é utilizada na irrigação das plantações de cana-de-açúcar,

Leia mais

Transformadores e bobinas de alta frequência

Transformadores e bobinas de alta frequência Transforadores e bobinas de alta frequência 007 Profª Beatriz Vieira Borges 1 Transforadores e bobinas de alta frequência ideal v 1 v úcleo de ferrite i 1 i + + v 1 v - - v 1 1 1 v i 1 i 007 Profª Beatriz

Leia mais

UTILIZAÇÃO DE DIFERENTES RESÍDUOS NO PROCESSO DE VERMICOMPOSTAGEM E ESTUDO DA HUMIFICAÇÃO

UTILIZAÇÃO DE DIFERENTES RESÍDUOS NO PROCESSO DE VERMICOMPOSTAGEM E ESTUDO DA HUMIFICAÇÃO UTILIZAÇÃO DE DIFERENTES RESÍDUOS NO PROCESSO DE VERMICOMPOSTAGEM E ESTUDO DA HUMIFICAÇÃO Nayhana Lara Chaves e Carvalho¹; Túlio da Silva Brum¹; Jussara Aparecida de Oliveira Cotta*¹; Evaneide Nascimento

Leia mais