TERMOS DE REFERÊNCIA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "TERMOS DE REFERÊNCIA"

Transcrição

1 TERMOS DE REFERÊNCIA Assistência Técnica para o Acompanhamento e Assessoramento dos processos de Fortalecimento Organizacional e Legalização de 6 Cooperativas nos municípios de Kuito, Kunhinga e Kamacupa 1. ANTECEDENTES Esta Assistência Técnica se enquadra no Convênio Fortalecimento Institucional e da Sociedade Civil nas zonas de actuação da Cooperação Espanhola, Angola, (Código de Convênio 10-C01-002), financiado pela Agência Espanhola de Cooperação Internacional para o Desenvolvimento (AECID), e eecutado pela Cruz Vermelha de Angola (CVA) em parceria com a Cruz Vermelha Espanhola A área de intervenção é a Província do Bié, nos municípios de Kuito, Kamacupa e Kunhinga. No âmbito do Convênio pretende-se: OE1. Fortalecer as Instituições Públicas e da Sociedade Civil; OE2. Melhorar as capacidades das famílias camponesas pertencentes a 15 ECAs e 14 Cooperativas. No marco do segundo objectivo específico, trata-se de atingir os seguintes resultados: - R1: Reforçada a estrutura organizativa e de representação das ECAs e Cooperativas. - R2: Reforçados os mecanismos de produção e comercialização das ECAs e Cooperativas tendo em conta os princípios de Concorrência Territorial. Em relação ao R1, pretende-se apoiar os processos de fortalecimento organizacional das agrupações de camponeses identificadas para o efeito, garantindo a continuidade das acções formativas iniciadas no ano 2012 no marco do Convenio em matéria de Cooperativismo e Gestão de Cooperativas. Enquanto ao R2, e uma vez finalizada a fase das formações em matéria de Cooperativismo e Gestão de Cooperativas, pretende-se acompanhar os processos de legalização das cooperativas. Por isso, torna-se indispensável a contratação de uma Assistência Técnica que elabore e implemente um programa de acompanhamento e assessoramento das acções de fortalecimento dirigidas às agrupações de camponeses. 2. OBJECTIVO A consultoria, portanto, tem como objectivo geral reforçar a estrutura organizativa e de representação de um total de 6 agrupações de camponeses dos municípios de Kuito, Kamacupa e Kunhinga (2 agrupações por cada município), dotá-las de ferramentas que permitam reforçar os seus mecanismos de produção e comercialização. Como objectivos específicos da assistência técnica apresentam-se os seguintes: 1. Dar continuidade ao fortalecimento organizacional de 6 agrupações de camponeses identificadas nos três municípios através de formações específicas em Cooperativismo e Gestão de Cooperativas.

2 2. Facilitar e acompanhar o processo de constituição de 6 cooperativas a través de uma sessão de informação e sensibilização de todos os membros das agrupações de camponeses dos três municípios, a elaboração dos estatutos das futuras cooperativas, e a celebração de uma assembléia de constituição de cada cooperativa. 3. Acompanhar e assessorar o processo de legalização de 6 cooperativas propriamente dito. O consultor/a ou equipa consultora, acompanhará e assessorará aos membros das comissões de gestão das agrupações de camponeses em cada um dos passos a dar no marco do processo legal e administrativo que deve ser feito para adquirir o status de cooperativa. 4. RESULTADOS E PRODUTOS ESPERADOS O principal resultado desta consultoria é a elaboração e implementação de um programa de acompanhamento e assessoramento para o fortalecimento organizacional e a legalização de cooperativas dirigido a 6 agrupações de camponeses identificadas nos municípios de Kuito, Kamacupa e Kunhinga. Produtos esperados 1. Elaboração do programa de acompanhamento e assessoramento para o fortalecimento de cooperativas dirigido a 6 agrupações de camponeses identificadas nos 3 municípios. O programa constará de três partes bem diferenciadas: - Uma formação sobre Cooperativismo e Gestão de Cooperativas dirigido a 6 agrupações identificadas nos municípios supracitados. - Jornadas de sensibilização dos membros e constituição das cooperativas (criação dos estatutos e assembléia de constituição). - Acompanhamento e assessoria no processo formal de legalização das 6 cooperativas (2 por cada município). 2. Eecução e implementação de uma formação sobre Cooperativismo e Gestão de Cooperativas dirigida a 6 agrupações de camponeses dos municípios de Kuito, Kunhinga e Kamacupa. O número de participantes na formação será de um máimo de 3 pessoas por agrupação (membros da Comissão de Gestão) fazendo um total de 18 participantes. O lugar de realização da formação será na cidade do Kuito, e terá uma duração máima de 5 dias consecutivos, com uma carga horária de 6 horas cada dia. 3. Produção de um relatório final da formação que recolha uma série de conclusões e recomendações respeito ao grau de desenvolvimento de cada uma das agrupações de camponeses participantes ao nível de gestão e organização interna. Também se deve incluir uma descrição do nível de apropriação das mesmas de cara ao seu futuro processo de legalização como cooperativas. Por último, deve-se elaborar uma breve folha de ruta das próimas acções a realizar no marco de trabalho com as Cooperativas. O relatório será entregue 5 dias depois do fim das sessões de trabalho da formação. O engajamento de cada uma destas organizações agrárias e a sua vontade e compromisso para se formalizar serão requisitos indispensáveis para continuar com este processo.

3 4. Eecução das jornadas de informação e sensibilização sobre o processo de constituição e legalização. Com uma duração máima de 4 dias em cada município (uma reunião por município), serão dirigidas a todos os membros das agrupações de camponeses. Estas jornadas começarão a ser realizadas no máimo 7 dias depois da entrega do relatório das formações, e incluem a fase de criação dos estatutos e da assembléia de constituição de cada cooperativa. Uma vez finalizadas estas jornadas, o consultor/a ou equipa consultora entregará à coordenação da CVA/CRE para o Convênio, num prazo máimo de 5 dias, uma cópia dos estatutos elaborados e uma cópia da acta de constituição da assembléia das cooperativas. 5. Acompanhamento e assessoria no processo de legalização das 6 cooperativas, até o fim do ano Uma vez finalizada a sessão de trabalho conjunto e com enfoque participativo, iniciarar-se-á o processo de legalização propriamente dito. O consultor/a ou equipa consultora, acompanhará e assessorará aos membros das comissões de gestão das agrupações de camponeses em cada um dos passos a dar no marco do processo legal e administrativo que deve ser feito para adquirir o estatuto da cooperativa, e por tanto, assegurar-se-à de que esses passos sejam dados e cumpridos por parte das Cooperativas. É por isso, que os Consultores deverão entregar ao pessoal do Convênio da CVA/CRE os originais dos justificantes de pago dos processos administrativos iniciados. Os processos de legalização serão levados somente até a consecução da certidão de admissibilidade da cooperativa, da escritura pública e a certidão do registro comercial. Esta fase será iniciada 5 dias depois do fim das jornadas de informação e sensibilização dos membros das cooperativas e uma vez elaborados os estatutos e constituída a assembléia de cada cooperativa.o fim da mesma é o 10 de dezembro de Entrega de um relatório final da consultoria onde se descrevem todas as actividades realizadas e os objectivos e resultados atingidos a partir da mesma. A data máima de entrega é o 15 de dezembro de LUGAR DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS As actividades da assistência técnica serão desenvolvidas nos municípios do Kuito, Kamacupa e Kunhinga, província de Bié, Angola. 6. METODOLOGIA E PLANO DE TRABALHO Metodologia: A metodologia a ser utilizada nesta consultoria será desenhada a critério dos concorrentes, pelo/a consultor/a ou equipa consultora, ficando a coordenação da CVA/CRÊ para o Convênio com o direito de fazer contrapropostas às metodologias apresentadas. No entanto, eiste uma série de especificações técnicas relacionadas com o desenho e a eecução da mesma que devem ser cumpridas com rigor pelo/a consultor/a ou equipa consultora:

4 a) É imprescindível que tanto o desenho como a eecução das distintas actividades incorpore de maneira transversal os enfoques de direitos humanos, gênero e meio ambiente. A metodologia apresentada pelo/a consultor/a ou equipa consultora no que respeita á incorporação destes enfoques no desenho e eecução das actividades será um critério fundamental na avaliação e selecção final das propostas que concorram à presente convocatória. b) Em todo caso, a preparação da formação sobre Cooperativismo e Gestão de Cooperativas terá uma duração máima de 7 dias desde a aprovação definitiva do Programa pela coordenação da CVA/CRE para o Convenio e a eecução da mesma será de um máimo de 5 dias consecutivos, com uma carga horária de 6 horas por dia, a celebrar-se na cidade do Kuito. Esta formação estará dirigida aos membros da Comissão de Gestão (Presidente, Secretário e Tesoureiro), e deve basear-se, como mínimo, nos seguintes aspectos metodológicos: i. Enfoque participativo: tomar-se sempre em conta a opinião e o conhecimento dos participantes. São eles quem epressam, discutem, e analisam a informação, em quanto que o facilitador/a aporta as ferramentas metodológicas. ii. Trabalho prático na Cooperativa: a formação deve incluir sempre a aplicação prática dos conhecimentos e capacidades adquiridas a partir do trabalho directo com os membros das próprias cooperativas. iii. Aprender fazendo: Aprendizagem baseada na acção, e não só em conceitos teóricos. Os temários devem incluir, no mínimo, os seguintes elementos: - Conceito de cooperativa: princípios básicos, natureza e tipos de cooperativas. Nesta sessão deve-se definir o tipo de cooperativa que cada agrupação de camponeses quer desenvolver em base aos serviços que os membros querem receber e em base ás fortalezas da mesma. -Análise dos diversos aspectos que fazem referencia ao grau de viabilidade econômica segundo os tipos de cooperativa e de acordo com o conteto concreto da província. -Estrutura de uma cooperativa, mecanismos de governança, funções e responsabilidades da comissão de gestão, participação dos membros, etc. O objectivo principal é consolidar os modelos de cooperativas com orientação para o mercado respondendo ás suas próprias necessidades. -Prestação de serviços e orientação ao mercado. Far-se-á uma análise interna das cooperativas para a definição das suas fortalezas e fraquezas com o objectivo de definir uma estratégia de mercado. -Eplicação do processo de legalização de uma cooperativa e primeiros passos para a organização do mesmo. Neste ponto é fundamental ressaltar a ideia de que o Convênio apoiará a legalização das mesmas, mas cada Cooperativa deverá assumir um 30% do total dos custos de legalização. Todos os conteúdos da formação serão consensuados entre o/a consultor/a ou equipa consultora e o pessoal da coordenação da CVA/CRE para o Convênio, quem deverá aprovar de maneira definitiva ditos conteúdos. c) Não obstante os membros da Comissão de Gestão, nas formações também estarão presentes os técnicos da CRE/CVA para o Convênio da área das Acções Agrícolas ubicados nas EDAs e os pontos focais das EDAs com os quais o Convênio trabalha em três municípios de intervenção.

5 Fases do Trabalho 1 : Fase I. Etapa de elaboração e aprovação definitiva por parte da coordenação da CVA/CRE para o Convênio do Programa de Acompanhamento e Assessoramento. - Entrega do rascunho. Tempo estimado: 5 dias a partir da assinatura do contrato. - Revisão por parte da CVA/CRE. Tempo estimado: 2 dias a partir da entrega do rascunho. - Entrega do produto final e aprovação definitiva por parte da CVA/CRE. Tempo estimado: 2 dias a partir da devolução do rascunho por parte da CVA/CRE. Fase II. Eecução da formação sobre Cooperativismo e Gestão de Cooperativas : o inicio terá lugar 7 dias depois da entrega do Programa definitivo. Fase III. Entrega de um relatório que inclua conclusões e recomendações derivadas da formação: 3 dias depois de ter concluído a formação. Fase IV. Jornadas de informação e sensibilização dos membros das cooperativas (inclui a entrega ao Convénio da cópia dos estatutos e constituição da assembléia da cooperativa): esta fase começará no máimo 7 dias depois da entrega do relatório da formação. A entrega dos documentos correspondentes a esta fase será feita num máimo de 5 dias depois de ter finalizado as Jornadas. Fase V. Acompanhamento e assessoramento no processo de legalização das cooperativas: esta fase iniciará 7 dias depois de finalizar as Jornadas e deverá finalizar antes do 10 de dezembro de O consultor/a ou equipa consultora deverá entregar ao pessoal do Convênio da CVA/CRE os originais dos comprovativos de pago dos procedimentos legais e administrativos iniciados pelas agrupações de camponeses no marco da sua legalização. Fase VI. Entrega do relatório final da Consultoria: 5 dias depois do fim da fase de acompanhamento e assessoria do processo de legalização, com data limite o dia 15 de dezembro de PREMISSAS DA CONSULTORIA a) Anonimato e confidencialidade A consultoria deve respeitar o direito das pessoas a proporcionar informação assegurando sempre o seu anonimato e confidencialidade. b) Integridade O/A consultor/a ou equipa consultora tem a responsabilidade de por em manifesto questões não mencionadas especificamente nos TdR, se isso fosse necessário para obter uma análise mais completa de todas as informações recolhidas. c) Incidências No suposto surgimento de problemas durante qualquer fase da consultoria, estes deverão ser comunicados ao ponto focal do Convênio que fará seguimento das actividades. A não ser assim, a 1 Se adjunta cronograma aproimado.

6 eistência de ditos problemas não poderá ser utilizada em nenhum caso para justificar a não obtenção dos resultados obtidos nos presentes TdR. d) Convalidação da informação Corresponde ao consultor/a ou equipa consultora garantir a veracidade da informação recolhida para a elaboração do informe a realizar após a formação, e em segunda instância, ser responsável da informação apresentada, de maneira que esta sempre seja sustentada com diversas fontes de verificação. e) Entrega dos produtos esperados Em caso de atraso na entrega dos diversos produtos esperados, ou no suposto de que a qualidade dos mesmos seja manifestamente inferior ao acordado, o/a consultor/a ou equipa consultora acatará a resolução na que a coordenação da CVA/CRE para o Convênio recorrerá a uma penalização dos 0.5 % diário do pagamento total da parcela que lhe corresponda receber. 7. PERFIL DO/A CONSULTOR/A OU DA EQUIPA CONSULTORA a. Requisitos imprescindíveis O/a consultor/a ou equipa consultora deve acreditar na eperiência específica relacionada com o fortalecimento de cooperativas e processos de legalização das mesmas. Eperiência de trabalho demonstrável no desenho e eecução de programas de formação no sector agrário, e concretamente, em cooperativismo e gestão de cooperativas. Eperiência profissional em desenvolvimento comunitário, e desenvolvimento rural e agrário. Domínio de Técnicas de Investigação Social. Boa capacidade analítica para formular relatórios técnicos. Domínio da língua local (Umbundo). b. Aspectos a valorar Profundo conhecimento de Angola e do seu meio rural. Inovação na aplicação da metodologia participativa. Poderão apresentar as suas propostas tanto pessoais naturais como jurídicas. Dever-se-ão especificar o nome do consultor/a ou equipa consultora e as responsabilidades de cada integrante, assim como o seu perfil e eperiência profissional em relação a esta consultoria, sendo necessário em todo caso que uma delas actue como coordenador/a da equipa e como responsável final do trabalho realizado.

7 8. ORÇAMENTO E CONDIÇÕES DE PAGAMENTO O pagamento será efetuado em quatro (4) parcelas: - 20% mediante a assinatura do contrato e a posterior aprovação final do Programa de Acompanhamento e Assessoramento pela Coordenação da CVA/CRE para o Convênio. - 30% mediante a finalização da formação em matéria de Cooperativismo e Gestão de Cooperativas, e entrega do relatório final de dita formação, aprovado pela coordenação da CVA/CRE para o Convênio. - 30% mediante a finalização das Jornadas de Informação e Sensibilização a todos os membros das cooperativas e entrega da cópia dos estatutos e da acta de constituição da assembléia ao pessoal da CVA/CRE para o Convênio, e aprovado pela Coordenação da CVA/CRE para o Convenio. - 20% mediante a entrega dos comprovativos de pago dos procedimentos legais e administrativos iniciados pelas agrupações de camponeses no marco da sua legalização, e entrega do relatório final, tudo isto aprovado pela coordenação da CVA/CRE para o Convênio. - O atrasso na entrega de qualquer dos produtos mencionados (Desenho do Programa, Informe da Formação, Copia dos Estatutos e da Acta de Constituição da Assembleia e Informe Final) dará lugar a uma penalização econômica do 0.5 % diário do pagamento total da parcela que lhe corresponda receber. - Se os gastos finais reais aos que incorre o consultor/a ou equipa consultora superam a quantidade estebelecida como preço total no contrato assinado entre o consultor/a ou equipa consultora e a CVA, a diferença será coberta pelo consultor/a ou equipa consultora. O consultor/a ou equipa consultora facturará o total dos gastos em conceito de serviços prestados pelo que não se aceitará nenhum custo adicional baio nenhum conceito. - Os custos de deslocamento serão assumidos pelo consultor/a ou equipa consultora a eceção dos deslocamentos dentro do município do Kuito, e desde o Kuito aos municípios de Kamacupa e Kunhinga durante as Fases IV e V da consultoria, pois será facilitado um transporte por parte do Convênio. As dietas também serão assumidas pelo/a consultor/a ou equipa consultora dentro do orçamento estabelecido para a consultoria, com a eceção das refeições durante os dias da formação e das jornadas de sensibilização (lanches e almoços do formador/a e dos assistentes, que durante os dias das formações serão assumidas pelo Convênio CVA/CRE). - O transporte dos participantes desde os municípios de Kamacupa e Kunhinga até o Kuito, o aluguer da sala, e as refeições (almoços e lanches) durante as sessões de trabalho da formação serão assumidas pelo Convênio da CVA/CRE. - Os pagamentos serão feitos em moeda local (Kwanzas), em uma conta aberta no país a nome do consultor/a ou equipa consultora, e o contrato será assinado com a CVA. - Qualquer carga tributária associada à prestação desses serviços deve ser da responsabilidade do/a consultor/a ou equipa consultora.

8 9. ENVIO DE PROPOSTAS 9.1) Apresentação de propostas: Os interessados deverão enviar as suas propostas por correio eletrônico até as 12 horas do dia 3 de Março de 2014 à Cruz Vermelha de Angola (CVA/Bié), à atenção do Sr. Eduardo Jonatão António, Coordenador Geral do Convênio, através do seguinte endereço de com cópia à Delegada Técnica da Cruz Vermelha Espanhola, a Sra. María Domínguez García, com e- mail A proposta deve ser devidamente datada e assinada. As candidaturas que sejam recebidas depois do prazo limite de recepção não serão admitidas no processo de seleção. Os/as candidatos/as deverão indicar claramente no assunto do correio eletrônico a sua vontade de se candidatar para a Assistência Técnica de referência: ASSISTÊNCIA TÉCNICA PARA O ACOMPANHAMENTO E ASSESSORAMENTO TÉCNICO DOS PROCESSOS DE FORTALECIMENTO E LEGALIZAÇÃO DE COOPERATIVAS, indicando todos os dados de contacto necessários para que lhe seja notificado o resultado do processo de seleção, em caso de ser seleccionado. O conteúdo da oferta deverá aportar os seguintes documentos: 1. Proposta técnica de trabalho que inclua a metodologia a ser empregada pelo consultor/a ou equipa consultora para o desenvolvimento do Programa. 2. Plano de trabalho e cronograma. 3. Proposta econômica em Kwanzas correlacionada com as fases previstas na consultoria. 2. C.V. detalhado de cada um dos membros da equipa consultora ou empresa.

9 9.2) Critérios de valoração: As ofertas recebidas serão valoradas conforme aos seguintes critérios: CRITÉRIO Eperiência profissional / eperiência como formadores. VALOR TOTAL CRITÉRIO 40% ELEMENTOS DE VALORAÇÃO Eperiência Profissional demonstrável na área de Desenvolvimento Comunitário, Cooperativismo e Gestão de Cooperativas. VALOR ELEMENTOS 20% Qualidade técnica da proposta 35% Eperiência prévia como formadores. Nível de concreção da metodologia, descrição de mecanismos e ferramentas de seguimento das actividades, etc. 20% 20% Qualidade da proposta econômica 25% Incorporação dos enfoques de direitos humanos, gênero e meio ambiente. Relação entre a proposta e as fases e produtos da consultoria. 15% 25%

10 ANEXOS: ANEXO I. CRONOGRAMA APROXIMATIVO. Etapas 02/ / / / / / / / / / /2014 Selecção da oferta e assinatura do contrato Entrega do Programa e aprovação definitiva por parte do Convênio Eecução da Formação sobre Cooperativismo e Gestão de Cooperativas Entrega do Relatório da Formação Eecução das Jornadas de Informação e Seguimento às Cooperativas (criação de estatutos e constituição da assembléia da cooperativa) Entrega ao Convenio de uma cópia dos estatutos das Cooperativas Acompanhamento e Assessoramento dos processos de legalização das cooperativas Entrega ao Convenio dos documentos derivados do processo de legalização das cooperativas Entrega de um Relatório Final da Consultoria

TERMOS DE REFERÊNCIA

TERMOS DE REFERÊNCIA TERMOS DE REFERÊNCIA Assistência Técnica para o Acompanhamento e Assessoramento do processo de Auto-diagnóstico Organizacional de 7 Organizações da Sociedade Civil do município do Kuito 1. ANTECEDENTES

Leia mais

TERMOS DE REFERÊNCIA

TERMOS DE REFERÊNCIA TERMOS DE REFERÊNCIA Assistência Técnica para o Acompanhamento e Assessoramento às Instituições Públicas nos Municípios de Kuito, Kunhinga e Kamacupa para a Promoção do Desenvolvimento Local 1. ANTECEDENTES

Leia mais

TERMOS DE REFERÊNCIA 1. ANTECEDENTES

TERMOS DE REFERÊNCIA 1. ANTECEDENTES TERMOS DE REFERÊNCIA Assistência Técnica para a Elaboração de uma Estratégia de Actuação para o Fortalecimento Institucional e da Sociedade Civil com Enfoque baseado nos Direitos Humanos 1. ANTECEDENTES

Leia mais

Elaboração de Planos Estratégicos gerais de Formação de quadros de funcionarios municipais

Elaboração de Planos Estratégicos gerais de Formação de quadros de funcionarios municipais TERMOS DE REFERÊNCIA Elaboração de Planos Estratégicos gerais de Formação de quadros de funcionarios municipais 1. ANTECEDENTES A Fundação IEPALA tem assinado com a Agencia Espanhola de Cooperação Internacional

Leia mais

TERMOS DE REFERÊNCIA REALIZAÇÃO DE UMA FORMAÇÃO SOBRE DIREITOS HUMANOS E GÉNERO NO KUITO, PROVINCIA DO BIÉ, ANGOLA

TERMOS DE REFERÊNCIA REALIZAÇÃO DE UMA FORMAÇÃO SOBRE DIREITOS HUMANOS E GÉNERO NO KUITO, PROVINCIA DO BIÉ, ANGOLA TERMOS DE REFERÊNCIA REALIZAÇÃO DE UMA FORMAÇÃO SOBRE DIREITOS HUMANOS E GÉNERO NO KUITO, PROVINCIA DO BIÉ, ANGOLA Convénio 10-CO1-005: Fortalecimento dos serviços públicos de saúde nas zonas de intervenção

Leia mais

PROJECTO DESENVOLVENDO NEGÓCIOS SUSTENTÁVEIS

PROJECTO DESENVOLVENDO NEGÓCIOS SUSTENTÁVEIS Projecto do PNUD financiado pela Cooperação Espanhola Ministério da Hotelaria e Turismo República de Angola Angola PROJECTO DESENVOLVENDO NEGÓCIOS SUSTENTÁVEIS SEMINÁRIO PNUD / CNUCED "GESTÃO DE PROJECTOS

Leia mais

TERMOS DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE ASSISTÊNCIA TÉCNICA PARA A ELABORAÇÃO DE UMA ANÁLISE SOBRE UTILIZACAO DE KITS DE ABRIGO NAS EMERGENCIAS

TERMOS DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE ASSISTÊNCIA TÉCNICA PARA A ELABORAÇÃO DE UMA ANÁLISE SOBRE UTILIZACAO DE KITS DE ABRIGO NAS EMERGENCIAS TERMOS DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE ASSISTÊNCIA TÉCNICA PARA A ELABORAÇÃO DE UMA ANÁLISE SOBRE UTILIZACAO DE KITS DE ABRIGO NAS EMERGENCIAS Código: CVM/2013/SK/DIPECHO3 KITS DE ABRIGO 1. JUSTIFICATIVA

Leia mais

TERMOS DE REFERÊNCIA

TERMOS DE REFERÊNCIA TERMOS DE REFERÊNCIA REALIZAÇÃO DE UM ESTUDO DE MERCADO PARA IDENTIFICAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DE POSSÍVEIS ACTIVIDADES GERADORAS DE RENDIMENTO NOS MUNICIPIOS DE KUITO E ANDULO, PROVINCIA DE BIÉ, ANGOLA

Leia mais

Consultoria Para Mapeamento os Actores e Serviços de Apoio as Mulheres Vitimas de Violência no País 60 dias

Consultoria Para Mapeamento os Actores e Serviços de Apoio as Mulheres Vitimas de Violência no País 60 dias TERMO DE REFERÊNCIA Consultoria Para Mapeamento os Actores e Serviços de Apoio as Mulheres Vitimas de Violência no País 60 dias 1. Contexto e Justificação O Programa conjunto sobre o Empoderamento da Mulher

Leia mais

Certificação da Qualidade dos Serviços Sociais. Procedimentos

Certificação da Qualidade dos Serviços Sociais. Procedimentos Certificação da Qualidade dos Serviços Sociais EQUASS Assurance Procedimentos 2008 - European Quality in Social Services (EQUASS) Reservados todos os direitos. É proibida a reprodução total ou parcial

Leia mais

Regulamento do Concurso

Regulamento do Concurso Regulamento do Concurso Preâmbulo Considerando que, constituem objectivos do CRÉDITO AGRÍCOLA, enquanto Entidade Promotora: - Promover iniciativas empresariais inovadoras e conciliadoras com sinergias

Leia mais

CONSULTORIA PARA SISTEMATIZAÇÃO E ELABORAÇÃO DE TEXTO DE BOA PRÁTICA NA PRODUÇÃO DE ALGODÃO PELA AGRICULTURA FAMILIAR NA PARAÍBA, BRASIL

CONSULTORIA PARA SISTEMATIZAÇÃO E ELABORAÇÃO DE TEXTO DE BOA PRÁTICA NA PRODUÇÃO DE ALGODÃO PELA AGRICULTURA FAMILIAR NA PARAÍBA, BRASIL Projeto GCP/RLA/199/BRA: Fortalecimento do Setor Algodoeiro por meio da Cooperação Sul-Sul Termos de Referência: ESPECIALISTA EM SISTEMATIZAÇÃO DE EXPERIÊNCIAS (01 Consultor/a): CONSULTORIA PARA SISTEMATIZAÇÃO

Leia mais

TERMOS DE REFERÊNCIA PARA O POSTO DE CONSELHEIRO EM GESTÃO DE FINANÇAS PUBLICAS

TERMOS DE REFERÊNCIA PARA O POSTO DE CONSELHEIRO EM GESTÃO DE FINANÇAS PUBLICAS I. Introdução TERMOS DE REFERÊNCIA PARA O POSTO DE CONSELHEIRO EM GESTÃO DE FINANÇAS PUBLICAS O melhoramento da prestação de serviços públicos constitui uma das principais prioridades do Governo da Província

Leia mais

Programa EDP SOLIDÁRIA

Programa EDP SOLIDÁRIA Programa EDP SOLIDÁRIA REGULAMENTO I. Do Programa EDP SOLIDÁRIA 1. A Fundação EDP, no âmbito das suas actividades nas áreas da solidariedade e inovação social, promove uma iniciativa anual o Programa EDP

Leia mais

INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA

INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA AGÊNCIA BRASILEIRA DE COOPERAÇÃO - ABC INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA - IICA INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E

Leia mais

TERMOS DE REFERÊNCIA

TERMOS DE REFERÊNCIA Nô Pintcha Pa Dizinvolvimentu UE-PAANE - Programa de Apoio aos Actores Não Estatais TERMOS DE REFERÊNCIA CONTRATO DE ASSISTÊNCIA TECNICA PARA FORMADOR/A EM COMUNICAÇÃO E VISIBILIDADE DAS ORGANIZAÇÕES UE-PAANE

Leia mais

TERMOS DE REFERÊNCIA

TERMOS DE REFERÊNCIA Nô Pintcha Pa Dizinvolvimentu UE-PAANE - Programa de Apoio aos Actores Não Estatais TERMOS DE REFERÊNCIA CONTRATO DE ASSISTÊNCIA TÉCNICA PARA FORMADOR EM CONTABILIDADE, GESTÃO ADMINISTRATIVA E FINANCEIRA

Leia mais

Introdução 02. CRER Metodologia Integrada de Apoio ao Empreendedor 04. Passos para criação do CRER Centro de Recursos e Experimentação 05

Introdução 02. CRER Metodologia Integrada de Apoio ao Empreendedor 04. Passos para criação do CRER Centro de Recursos e Experimentação 05 criação de empresas em espaço rural guia metodológico para criação e apropriação 0 Introdução 02 O que é o CRER 03 CRER Centro de Recursos e Experimentação 03 CRER Metodologia Integrada de Apoio ao Empreendedor

Leia mais

CURSO CERTIFICAÇÃO/QUALIFICAÇÃO DE AUDITORES INTERNOS DO AMBIENTE ISO 14001:2004

CURSO CERTIFICAÇÃO/QUALIFICAÇÃO DE AUDITORES INTERNOS DO AMBIENTE ISO 14001:2004 CURSO CERTIFICAÇÃO/QUALIFICAÇÃO DE AUDITORES INTERNOS DO AMBIENTE ISO 14001:2004 O curso de Certificação/Qualificação de Auditores Internos é constituído por 2 módulos com avaliação escrita: 1. Interpretação

Leia mais

GUIA PARA O PREENCHIMENTO DO FORMULÁRIO PROMOÇÃO DA SAÚDE PREVENÇÃO E TRATAMENTO DA DOENÇA REDUÇÃO DE DANOS E REINSERÇÃO

GUIA PARA O PREENCHIMENTO DO FORMULÁRIO PROMOÇÃO DA SAÚDE PREVENÇÃO E TRATAMENTO DA DOENÇA REDUÇÃO DE DANOS E REINSERÇÃO Para efectuar o projecto a que se propõe elaborar deve ler o Regulamento de Programa de Apoio Financeiro ao abrigo da Portaria n.º 1418/2007, de 30 de Outubro, bem como o aviso de abertura do concurso.

Leia mais

EB 3854/03. 15 novembro 2003 Original: espanhol. Projetos/Fundo Comum. Junta Executiva Londres, Inglaterra

EB 3854/03. 15 novembro 2003 Original: espanhol. Projetos/Fundo Comum. Junta Executiva Londres, Inglaterra EB 3854/03 International Coffee Organization Organización Internacional del Café Organização Internacional do Café Organisation Internationale du Café 15 novembro 2003 Original: espanhol Projetos/Fundo

Leia mais

Empresas que se mexem, são empresas que crescem!

Empresas que se mexem, são empresas que crescem! Empresas que se mexem, são empresas que crescem! Apresentação do Projecto/ Abertura de inscrições Introdução A Adere-Minho - Associação para o Desenvolvimento Regional do Minho, entidade de natureza associativa

Leia mais

OCPLP Organização Cooperativista dos Povos de Língua Portuguesa. Proposta de Plano de Atividades e Orçamento 2014-2015

OCPLP Organização Cooperativista dos Povos de Língua Portuguesa. Proposta de Plano de Atividades e Orçamento 2014-2015 Proposta de Plano de Atividades e Orçamento 2014-2015 1 Índice: I Enquadramento II Eixos de Intervenção Estratégica III Proposta de Orçamento IV Candidaturas a Programas de Apoio 2 I Enquadramento Estratégico

Leia mais

VICE-PRESIDÊNCIA DO GOVERNO REGIONAL, S.R. DO TRABALHO E SOLIDARIEDADE SOCIAL Despacho n.º 492/2009 de 28 de Abril de 2009

VICE-PRESIDÊNCIA DO GOVERNO REGIONAL, S.R. DO TRABALHO E SOLIDARIEDADE SOCIAL Despacho n.º 492/2009 de 28 de Abril de 2009 VICE-PRESIDÊNCIA DO GOVERNO REGIONAL, S.R. DO TRABALHO E SOLIDARIEDADE SOCIAL Despacho n.º 492/2009 de 28 de Abril de 2009 O Decreto Regulamentar n.º 84-A/2007, de 10 de Dezembro, estabeleceu o enquadramento

Leia mais

REGULAMENTO DO CONTROLO DE QUALIDADE DA ORDEM DOS REVISORES OFICIAIS DE CONTAS. (Artigo 68.º do Decreto-Lei n.º 487/99, de 16 de Novembro)

REGULAMENTO DO CONTROLO DE QUALIDADE DA ORDEM DOS REVISORES OFICIAIS DE CONTAS. (Artigo 68.º do Decreto-Lei n.º 487/99, de 16 de Novembro) REGULAMENTO DO CONTROLO DE QUALIDADE DA ORDEM DOS REVISORES OFICIAIS DE CONTAS (Artigo 68.º do Decreto-Lei n.º 487/99, de 16 de Novembro) CAPÍTULO I Objectivos e caracterização do controlo de qualidade

Leia mais

Moçambique. Agenda EVENTOS 2013 NEW!! INSCREVA-SE EM. Também in Company. inscrip@iirportugal.com. VISITE www.iirportugal.com

Moçambique. Agenda EVENTOS 2013 NEW!! INSCREVA-SE EM. Também in Company. inscrip@iirportugal.com. VISITE www.iirportugal.com Moçambique Agenda EVENTOS 2013 NEW!! Também in Company INSCREVA-SE EM inscrip@iirportugal.com VISITE www.iirportugal.com INOVAÇÃO Estimado cliente, Temos o prazer de lhe apresentar em exclusiva o novo

Leia mais

Concurso de Ideias Jovem Empreendedor Estarreja 2013

Concurso de Ideias Jovem Empreendedor Estarreja 2013 Concurso de Ideias Jovem Empreendedor Estarreja 2013 Preâmbulo O Concurso de Ideias é uma iniciativa promovida pela DESTAC em parceria com a DOW Portugal, a Câmara Municipal de Estarreja e a Escola Secundária

Leia mais

CEF/0910/28031 Relatório preliminar da CAE (Poli) - Ciclo de estudos em funcionamento

CEF/0910/28031 Relatório preliminar da CAE (Poli) - Ciclo de estudos em funcionamento CEF/0910/28031 Relatório preliminar da CAE (Poli) - Ciclo de estudos em funcionamento Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.9 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora:

Leia mais

COMISSÃO DA BACIA DO ZAMBEZE OPORTUNIDADES DE EMPREGO

COMISSÃO DA BACIA DO ZAMBEZE OPORTUNIDADES DE EMPREGO COMISSÃO DA BACIA DO ZAMBEZE OPORTUNIDADES DE EMPREGO Instituição: Comissão da Bacia do Zambeze (ZAMCOM) Local de Trabalho: Harare, Zimbabwe Duração: Inicialmente um ano com possibilidade de renovação

Leia mais

Projecto TERRA GCP/ANG/045/SPA

Projecto TERRA GCP/ANG/045/SPA Projecto TERRA Apoio às Instituições Governamentais para o Melhoramento da Gestão da Posse e Administração da Terra e outros Recursos Naturais nas províncias do Huambo e Bié GCP/ANG/045/SPA O Projecto

Leia mais

Termos de Referência

Termos de Referência MAPEAMENTO DE PARTES INTERESSADAS (PARCEIROS E DOADORES) Termos de Referência 1. Contexto O Fundo Mundial para a Natureza (WWF) tem vindo a trabalhar em Moçambique desde os meados dos anos 90 em áreas-chave

Leia mais

4.1. A verba máxima disponível por projecto será de 200.000 Euros. A ajuda solicitada poderá ser aplicada para financiar pessoal, aquisição de

4.1. A verba máxima disponível por projecto será de 200.000 Euros. A ajuda solicitada poderá ser aplicada para financiar pessoal, aquisição de Bases reguladoras para a concessão das ajudas destinadas a dar apoio à valorização de projectos de investigação ao abrigo da Rede Universitária Iberoamericana de Incubação de Empresas (RedEmprendia) Em

Leia mais

PROJETO SETORIAL DO POLO DE TI&C DE SÃO CAETANO DO SUL E REGIÃO TERMO DE REFERÊNCIA

PROJETO SETORIAL DO POLO DE TI&C DE SÃO CAETANO DO SUL E REGIÃO TERMO DE REFERÊNCIA PROJETO SETORIAL DO POLO DE TI&C DE SÃO CAETANO DO SUL E REGIÃO TERMO DE REFERÊNCIA Prestação de Serviços em Assessoria, Consultoria e Treinamento na área de Recursos Humanos. 1. OBJETIVO Os objetivos

Leia mais

COMISSÃO EUROPEIA Gabinete de Cooperação EuropeAid. América Latina Gestão financeira e contratual

COMISSÃO EUROPEIA Gabinete de Cooperação EuropeAid. América Latina Gestão financeira e contratual 1 Introdução ao sistema financeiro (custos elegíveis ) Custos directos elegíveis por natureza Custos não elegíveis Período de elegibilidade Repartição das despesas financeiras em conformidade com oanexo

Leia mais

TERMOS DE REFERÊNCIA. Diretor/a de Administração e Finanças

TERMOS DE REFERÊNCIA. Diretor/a de Administração e Finanças TERMOS DE REFERÊNCIA Diretor/a de Administração e Finanças O Secretariado Executivo da CPLP pretende contratar um/a (1) Diretor/a de Administração e Finanças para exercer funções nas instalações da sua

Leia mais

Enquadramento 02. Justificação 02. Metodologia de implementação 02. Destinatários 02. Sessões formativas 03

Enquadramento 02. Justificação 02. Metodologia de implementação 02. Destinatários 02. Sessões formativas 03 criação de empresas em espaço rural guia metodológico para criação e apropriação 0 Enquadramento 02 Justificação 02 de implementação 02 Destinatários 02 Sessões formativas 03 Módulos 03 1 e instrumentos

Leia mais

PROCEDIMENTO. Ref. Pcd. 3-sGRHF. Bolsas de Investigação Científica da UA, financiadas pela UA ou por outras verbas desde que não provenientes da FCT

PROCEDIMENTO. Ref. Pcd. 3-sGRHF. Bolsas de Investigação Científica da UA, financiadas pela UA ou por outras verbas desde que não provenientes da FCT PROCEDIMENTO Ref. Pcd. 3-sGRHF Bolsas de Investigação Científica da UA, financiadas pela UA ou por outras verbas desde que não provenientes da FCT Data: 14 /07/2011 Elaboração Nome: Fátima Serafim e Helena

Leia mais

PRESSUPOSTOS BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO NO ALENTEJO

PRESSUPOSTOS BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO NO ALENTEJO PRESSUPOSTOS BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO NO ALENTEJO ÍNDICE 11. PRESSUPOSTO BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO 25 NO ALENTEJO pág. 11.1. Um sistema regional de inovação orientado para a competitividade

Leia mais

Termos de Referencia

Termos de Referencia Termos de Referencia Tipo de contrato: Consultoria para a concepcao de um vídeo documentário sobre mulheres líderes no sector da energia na África Ocidental Duracao: Abril Maio, 2015 Local de trabalho:

Leia mais

TERMOS DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE CONSULTORIA ESPECIALIZADA EM AGRICULTURA FAMILIAR, COM RECORTES DE GÊNERO, RAÇA/ETNIA EM PERNAMBUCO

TERMOS DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE CONSULTORIA ESPECIALIZADA EM AGRICULTURA FAMILIAR, COM RECORTES DE GÊNERO, RAÇA/ETNIA EM PERNAMBUCO TERMOS DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE CONSULTORIA ESPECIALIZADA EM AGRICULTURA FAMILIAR, COM RECORTES DE GÊNERO, RAÇA/ETNIA EM PERNAMBUCO 1. APRESENTAÇÃO Este Termo de Referência baseia-se no Memorando

Leia mais

TORs da Avaliação do CCF Julho, 2014

TORs da Avaliação do CCF Julho, 2014 1. CONTEXTO AVALIAÇÃO DO CENTRO CRIANÇA FELIZ Termos de Referência O projecto Centro Criança Feliz é uma iniciativa da IBIS Moçambique, concebida e por si implementada desde 2008. O projecto surgiu no

Leia mais

www.iesalc.unesco.org.ve

www.iesalc.unesco.org.ve Edital para concorrer aos Fundos do Projeto Diversidade Cultural Com o propósito de apoiar a criação e o fortalecimento de programas e projetos de pesquisa e/ou de promoção do bem-estar social desenvolvidos

Leia mais

Regulamento de Funcionamento das Acções de Formação

Regulamento de Funcionamento das Acções de Formação Regulamento de Funcionamento das Acções de Formação A Ciência Viva tem como missão a difusão da Cultura Científica e Tecnológica apoiando acções dirigidas à promoção da Educação Científica e Tecnológica

Leia mais

Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento. (2010-2015) ENED Plano de Acção

Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento. (2010-2015) ENED Plano de Acção Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento (2010-2015) ENED Plano de Acção Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento (2010-2015) ENED Plano de Acção 02 Estratégia Nacional de

Leia mais

ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA

ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA Alteração ao Regime Jurídico da Avaliação do Ensino Superior Num momento em que termina o ciclo preliminar de avaliação aos ciclos de estudo em funcionamento por parte da Agência de Avaliação e Acreditação

Leia mais

REGULAMENTO BOLSA DE IDEIAS. Preâmbulo

REGULAMENTO BOLSA DE IDEIAS. Preâmbulo REGULAMENTO Preâmbulo A Bolsa de Ideias CAIE (BI) é uma iniciativa desenvolvida pelo Projecto CAIE Centro de Apoio à Inovação e ao Empreendedorismo, financiado pela Iniciativa Comunitária EQUAL. Esta iniciativa

Leia mais

Todas as empresas candidatas deverão ter, pelo menos 30 trabalhadores no momento, ou agrupações de empresas que reúnam este número de trabalhadores.

Todas as empresas candidatas deverão ter, pelo menos 30 trabalhadores no momento, ou agrupações de empresas que reúnam este número de trabalhadores. REGULAMENTO DA CONVOCATÓRIA PÚBLICA PARA EMPRESAS PARA PARTICIPAR NO VOLUNTARIADO CORPORATIVO DO PROJECTO RECUPERAÇÃO INTEGRAL E SUSTENTÁVEL DA FRONTEIRA: FRONTEIRA_NATURAL. O Agrupamento Europeu de Cooperação

Leia mais

TCP/INT/3201 Termos de Referência Consultoria Nacional São Tomé

TCP/INT/3201 Termos de Referência Consultoria Nacional São Tomé TCP/INT/3201 Termos de Referência Consultoria Nacional São Tomé Essa consultoria nacional enquadra-se no âmbito do Projecto de Cooperação Técnica CPLP/FAO TCP/INT/3201 para assessorar o Comité Nacional

Leia mais

REGULAMENTO DO CURSO DE PREPARAÇÃO PARA REVISORES OFICIAIS DE CONTAS

REGULAMENTO DO CURSO DE PREPARAÇÃO PARA REVISORES OFICIAIS DE CONTAS REGULAMENTO DO CURSO DE PREPARAÇÃO PARA REVISORES OFICIAIS DE CONTAS PREÂMBULO Na sequência da transposição para o ordenamento jurídico nacional da Directiva n.º 2006/43/CE, do Parlamento Europeu e do

Leia mais

REGULAMENTO DO VI CONCURSO DE IDEIAS DE NEGÓCIO DO CONCELHO DE CASCAIS REGULAMENTO DO CINC CASCAIS

REGULAMENTO DO VI CONCURSO DE IDEIAS DE NEGÓCIO DO CONCELHO DE CASCAIS REGULAMENTO DO CINC CASCAIS REGULAMENTO DO CINC CASCAIS VI CONCURSO DE IDEIAS DE NEGÓCIO DO CONCELHO DE CASCAIS Preâmbulo O CINC CASCAIS - VI Concurso de Ideias de Negócio do Concelho de Cascais é uma iniciativa de captação de ideias

Leia mais

ORIENTAÇÃO SOBRE PRINCÍPIOS DE AUDITORIA NP EN ISO 19011:2003. Celeste Bento João Carlos Dória Novembro de 2008

ORIENTAÇÃO SOBRE PRINCÍPIOS DE AUDITORIA NP EN ISO 19011:2003. Celeste Bento João Carlos Dória Novembro de 2008 ORIENTAÇÃO SOBRE PRINCÍPIOS DE AUDITORIA NP EN ISO 19011:2003 Celeste Bento João Carlos Dória Novembro de 2008 1 SISTEMÁTICA DE AUDITORIA - 1 1 - Início da 4 - Execução da 2 - Condução da revisão dos documentos

Leia mais

Regulamento do Concurso de Ideias do Concelho da Sertã

Regulamento do Concurso de Ideias do Concelho da Sertã Regulamento do Concurso de Ideias do Concelho da Sertã Preâmbulo O concurso de Ideias do Concelho da Sertã é uma iniciativa da Câmara Municipal da Sertã. O presente documento visa regular o Concurso Empreendedorismo

Leia mais

Strategic IT Manager +351 21 793 29 89. Gestão de Custos, Orçamentos e KPIs em IT. Como planificar, controlar e rentabilizar os investimentos

Strategic IT Manager +351 21 793 29 89. Gestão de Custos, Orçamentos e KPIs em IT. Como planificar, controlar e rentabilizar os investimentos www.iirangola.com MASTERCLASS IT Gestão de Custos, Orçamentos e KPIs em IT Strategic IT Manager Como planificar, controlar e rentabilizar os investimentos Variáveis no desenho do orçamento: objectivos,

Leia mais

O presente anúncio no sítio web do TED: http://ted.europa.eu/udl?uri=ted:notice:378383-2013:text:pt:html

O presente anúncio no sítio web do TED: http://ted.europa.eu/udl?uri=ted:notice:378383-2013:text:pt:html 1/6 O presente anúncio no sítio web do TED: http://ted.europa.eu/udl?uri=ted:notice:378383-2013:text:pt:html Polónia-Varsóvia: Contrato-quadro para desenvolvimento de Intranet com base em SharePoint, sistema

Leia mais

CHAMADA PÚBLICA SIMPLIFICADA nº 088/2015. Convênio PMSP/TERMO DE CONVÊNIO nº 025/2014/SDTE

CHAMADA PÚBLICA SIMPLIFICADA nº 088/2015. Convênio PMSP/TERMO DE CONVÊNIO nº 025/2014/SDTE CHAMADA PÚBLICA SIMPLIFICADA nº 088/2015 Convênio PMSP/TERMO DE CONVÊNIO nº 025/2014/SDTE A Central de Cooperativas e Empreendimentos Solidários do Brasil UNISOL, entidade sem fins econômicos, com sede

Leia mais

O presente anúncio no sítio web do TED: http://ted.europa.eu/udl?uri=ted:notice:213931-2013:text:pt:html

O presente anúncio no sítio web do TED: http://ted.europa.eu/udl?uri=ted:notice:213931-2013:text:pt:html 1/6 O presente anúncio no sítio web do TED: http://ted.europa.eu/udl?uri=ted:notice:213931-2013:text:pt:html B-Bruxelas: Serviços de apoio à promoção de talento Web na Europa através do incentivo à utilização

Leia mais

Programa Gulbenkian Inovar em Saúde

Programa Gulbenkian Inovar em Saúde REGULAMENTO DO CONCURSO Concurso para financiamento de projetos em Literacia em Saúde 2013 Artigo 1º Objeto O presente Regulamento estabelece as normas de acesso ao concurso para financiamento de projetos

Leia mais

Agência - Contrato de prestação de serviços - Anúncio de concurso - Concurso público

Agência - Contrato de prestação de serviços - Anúncio de concurso - Concurso público 1/7 O presente anúncio no sítio web do TED: http://ted.europa.eu/udl?uri=ted:notice:42434-2015:text:pt:html Irlanda-Dublim: Prestação de serviços para a formação e desenvolvimento do pessoal da Eurofound

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE MOBILIDADE BOLSAS SANTANDER LUSO-BRASILEIRAS CONVOCATÓRIA 2015

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE MOBILIDADE BOLSAS SANTANDER LUSO-BRASILEIRAS CONVOCATÓRIA 2015 REGULAMENTO DO PROGRAMA DE MOBILIDADE BOLSAS SANTANDER LUSO-BRASILEIRAS CONVOCATÓRIA 2015 É do interesse das Instituições de Ensino Superior promover a excelência do ensino, propiciando aos seus estudantes

Leia mais

Comunidade de Prática Internacional para apoiar o fortalecimento e liderança da BIREME OPAS/OMS Fortalecimento institucional da BIREME OPAS/OMS

Comunidade de Prática Internacional para apoiar o fortalecimento e liderança da BIREME OPAS/OMS Fortalecimento institucional da BIREME OPAS/OMS Comunidade de Prática Internacional para apoiar o fortalecimento e liderança da BIREME OPAS/OMS Fortalecimento institucional da BIREME OPAS/OMS TERMOS DE REFERÊNCIA Versão 17/07/2012 No âmbito de um processo

Leia mais

3. ORGANIZAÇÕES ELEGÍVEIS

3. ORGANIZAÇÕES ELEGÍVEIS EDITAL FLD 04/2011 SELEÇÃO DE PROJETOS DE FORTALECIMENTO DE REDES SOCIAIS QUE ATUAM NA PROMOÇÃO DO DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL COM JUSTIÇA SOCIAL, AMBIENTAL E ECONÔMICA 1. OBJETIVO Selecionar projetos

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE CONSULTORIA ESPECIALIZADA (PESSOA FÍSICA) Contrato por Produto Nacional

TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE CONSULTORIA ESPECIALIZADA (PESSOA FÍSICA) Contrato por Produto Nacional TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE CONSULTORIA ESPECIALIZADA (PESSOA FÍSICA) Contrato por Produto Nacional Número e Título do Projeto: BRA/09/004 Fortalecimento da CAIXA no seu processo de internacionalização

Leia mais

COMISSÃO EUROPEIA. o reforço de capacidades das organizações de acolhimento e a assistência técnica às organizações de envio,

COMISSÃO EUROPEIA. o reforço de capacidades das organizações de acolhimento e a assistência técnica às organizações de envio, C 249/8 PT Jornal Oficial da União Europeia 30.7.2015 COMISSÃO EUROPEIA CONVITE À APRESENTAÇÃO DE PROPOSTAS EACEA 25/15 Iniciativa Voluntários para a Ajuda da UE: Destacamento de Voluntários para a Ajuda

Leia mais

EDITAL DE SELEÇÃO DE PESSOAL 007/2014

EDITAL DE SELEÇÃO DE PESSOAL 007/2014 EDITAL DE SELEÇÃO DE PESSOAL 007/2014 A Associação das Cooperativas de Apoio a Economia Familiar - ASCOOB, entidade privada sem fins lucrativos, inscrita no Cadastro Nacional de Pessoa Jurídica do Ministério

Leia mais

PROGRAMA VISITANTE VOLUNTÁRIO DO IPPDH

PROGRAMA VISITANTE VOLUNTÁRIO DO IPPDH PROGRAMA VISITANTE VOLUNTÁRIO DO IPPDH CONSIDERANDO: Que o IPPDH tem como objetivo estratégico para o biênio 2015-2016 estimular o pensamento e a cultura de Direitos Humanos na sociedade. Que o Programa

Leia mais

Projecto ApoiarMicro - REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO

Projecto ApoiarMicro - REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO Regulamento de Funcionamento Preâmbulo Tendo como principal objectivo fomentar o empreendedorismo na Região da Lezíria do Tejo, a NERSANT Associação Empresarial em parceria com a Comunidade Intermunicipal

Leia mais

Conservação de Aves Marinhas com Pesca Produtiva

Conservação de Aves Marinhas com Pesca Produtiva No. 003/10 Santos, 26 de março de 2010 CHAMADA PARA APRESENTAÇÃO DE PROPOSTA PARA CONTRATAÇÃO DE SERVIÇO Serviço de Terceiros Pessoa Jurídica Consultoria de nível superior para processamento e análise

Leia mais

Regulamento. Preâmbulo

Regulamento. Preâmbulo Regulamento Preâmbulo As Empresas e os Empreendedores são a espinha dorsal de qualquer economia, em termos de inovação, de criação de emprego, de distribuição de riqueza e de coesão económica e social

Leia mais

VICE-PRESIDÊNCIA DO GOVERNO REGIONAL, S.R. DO TRABALHO E SOLIDARIEDADE SOCIAL Despacho n.º 751/2009 de 9 de Julho de 2009

VICE-PRESIDÊNCIA DO GOVERNO REGIONAL, S.R. DO TRABALHO E SOLIDARIEDADE SOCIAL Despacho n.º 751/2009 de 9 de Julho de 2009 VICE-PRESIDÊNCIA DO GOVERNO REGIONAL, S.R. DO TRABALHO E SOLIDARIEDADE SOCIAL Despacho n.º 751/2009 de 9 de Julho de 2009 O Decreto Regulamentar n.º 84-A/2007, de 10 de Dezembro, estabeleceu o enquadramento

Leia mais

Estatutos da. Comunidade dos Países de Língua Portuguesa

Estatutos da. Comunidade dos Países de Língua Portuguesa Estatutos da (com revisões de São Tomé/2001, Brasília/2002, Luanda/2005 e Bissau/2006) Artigo 1º (Denominação) A, doravante designada por CPLP, é o foro multilateral privilegiado para o aprofundamento

Leia mais

BOLSA PRIMITIVO DE VEGA DE ATENDIMENTO A PESSOAS IDOSAS

BOLSA PRIMITIVO DE VEGA DE ATENDIMENTO A PESSOAS IDOSAS BOLSA PRIMITIVO DE VEGA DE ATENDIMENTO A PESSOAS IDOSAS Convocatória 2015 Índice Apresentação 3 Bases da convocatória 4 Questionários: - Solicitação do Diretor do Projeto - Solicitação da equipe de pesquisa

Leia mais

- Aviso n.º 14/2009-AMCM -

- Aviso n.º 14/2009-AMCM - - Aviso n.º 14/2009-AMCM - ASSUNTO: SUPERVISÃO DA ACTIVIDADE SEGURADORA GUIA PARA AS INSTITUIÇÕES SEGURADORAS AUTORIZADAS REFERENTE AO TRATAMENTO DE QUEIXAS DE TOMADORES DOS SEGUROS/CLIENTES/TERCEIROS

Leia mais

75 Bolsas de Auxílio à Pesquisa: Seguros, Saúde, Prevenção e Meio Ambiente

75 Bolsas de Auxílio à Pesquisa: Seguros, Saúde, Prevenção e Meio Ambiente 75 Bolsas de Auxílio à Pesquisa: Seguros, Saúde, Prevenção e Meio Ambiente FUNDACIÓN MAPFRE 1 Apresentação A FUNDACIÓN MAPFRE, criada em 1975, desenvolve na Espanha e na Iberoamérica atividades de interesse

Leia mais

REGULAMENTO GERAL DO PROGRAMA BOLSAS IBERO-AMERICANAS. JOVENS PROFESSORES E INVESTIGADORES CONVOCATÓRIA 2015

REGULAMENTO GERAL DO PROGRAMA BOLSAS IBERO-AMERICANAS. JOVENS PROFESSORES E INVESTIGADORES CONVOCATÓRIA 2015 REGULAMENTO GERAL DO PROGRAMA BOLSAS IBERO-AMERICANAS. JOVENS PROFESSORES E INVESTIGADORES CONVOCATÓRIA 2015 A promoção da investigação através de programas que contribuam de maneria eficaz para a criação

Leia mais

WWOOF - ASSOCIAÇÃO PARA A PROMOÇÃO DE OPORTUNIDADES MUNDIAIS EM AGRICULTURA BIOLÓGICA

WWOOF - ASSOCIAÇÃO PARA A PROMOÇÃO DE OPORTUNIDADES MUNDIAIS EM AGRICULTURA BIOLÓGICA WWOOF - ASSOCIAÇÃO PARA A PROMOÇÃO DE OPORTUNIDADES MUNDIAIS EM AGRICULTURA BIOLÓGICA O presente Regulamento Interno destina-se a explicitar os princípios de funcionamento da Associação WWOOF. CAPITULO

Leia mais

Anúncio de concurso. Serviços

Anúncio de concurso. Serviços 1/5 O presente anúncio no sítio web do TED: http://ted.europa.eu/udl?uri=ted:notice:265083-2015:text:pt:html Bélgica-Bruxelas: Estudo relativo ao papel da digitalização e da inovação para a criação de

Leia mais

REGULAMENTO DO IV CONCURSO DE IDEIAS DE NEGÓCIO DO CONCELHO DE CASCAIS REGULAMENTO DO CINC CASCAIS

REGULAMENTO DO IV CONCURSO DE IDEIAS DE NEGÓCIO DO CONCELHO DE CASCAIS REGULAMENTO DO CINC CASCAIS REGULAMENTO DO CINC CASCAIS IV CONCURSO DE IDEIAS DE NEGÓCIO DO CONCELHO DE CASCAIS Preâmbulo O CINC CASCAIS - IV Concurso de Ideias de Negócio do Concelho de Cascais é uma iniciativa de captação de ideias

Leia mais

INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA. TERMO DE REFERÊNCIA CONS - OPE 03 01 Vaga

INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA. TERMO DE REFERÊNCIA CONS - OPE 03 01 Vaga INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA TERMO DE REFERÊNCIA CONS - OPE 03 01 Vaga 1. IDENTIFICAÇÃO DA CONSULTORIA Consultoria para promover estudos, formular proposições e apoiar as Unidades

Leia mais

PROGRAMA DO CONCURSO

PROGRAMA DO CONCURSO PROGRAMA DO CONCURSO Page 1 ÍNDICE 1.º Objecto do Concurso 3 2.º Entidade Adjudicante 3 3.º Decisão de contratar 3 4.º Preço base 3 5.º Esclarecimentos 3 6.º Prazo para apresentação das candidaturas 3

Leia mais

República de Moçambique. Ministério Das Finanças

República de Moçambique. Ministério Das Finanças República de Moçambique Ministério Das Finanças CEDSIF Centro de Desenvolvimento de Sistemas de Informação de Finanças TERMOS DE REFERÊNCIA PARA O OBJECTO 1 E/OU OBJECTO 2 MAPUTO, Setembro de 2012 2 Introdução

Leia mais

Programa de Apoio às Instituições Particulares de Solidariedade Social

Programa de Apoio às Instituições Particulares de Solidariedade Social Programa de Apoio às Instituições Particulares de Solidariedade Social Enquadramento Com base numa visão estratégica de desenvolvimento social que valorize a rentabilização dos recursos técnicos e financeiros

Leia mais

PROPOSTA DE PROJECTO DE ROTEIRO DE ELABORAÇÃO DE ESTRATÉGIA NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DE ESTATÍSTICA

PROPOSTA DE PROJECTO DE ROTEIRO DE ELABORAÇÃO DE ESTRATÉGIA NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DE ESTATÍSTICA SÃO TOMÉ E PRINCIPE PROPOSTA DE PROJECTO DE ROTEIRO DE ELABORAÇÃO DE ESTRATÉGIA NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DE ESTATÍSTICA 1. FINALIDADE Os objectivos da ENDE de São Tomé e Príncipe são reforçar o SEN

Leia mais

Entrevista à Coordenadora Nacional do PAR Programa de Apoio à Reconstrução Por Pedro Cardoso (Jornalista), 2004

Entrevista à Coordenadora Nacional do PAR Programa de Apoio à Reconstrução Por Pedro Cardoso (Jornalista), 2004 Entrevista à Coordenadora Nacional do PAR Programa de Apoio à Reconstrução Por Pedro Cardoso (Jornalista), 2004 Podíamos estar muito mais longe do que estamos, revela a Coordenadora Nacional do PAR em

Leia mais

COTAÇÃO PRÉVIA DIVULGAÇÃO ELETRÔNICADE 027/2013 UNICAFES/DENACOOP-MAPA

COTAÇÃO PRÉVIA DIVULGAÇÃO ELETRÔNICADE 027/2013 UNICAFES/DENACOOP-MAPA COTAÇÃO PRÉVIA DIVULGAÇÃO ELETRÔNICADE 027/2013 A UNIÃO NACIONAL DE COOPERATIVAS DA AGRICULTURA FAMILIAR E ECONOMIA SOLIDÁRIA (Unicafes), inscrita no CNPJ sob o n. 07.738.836/0001-37 torna público que

Leia mais

Luxemburgo-Luxemburgo: Serviços de medicina geral a prestar a favor do gabinete médico do Parlamento Europeu em Estrasburgo 2014/S 114-199811

Luxemburgo-Luxemburgo: Serviços de medicina geral a prestar a favor do gabinete médico do Parlamento Europeu em Estrasburgo 2014/S 114-199811 1/5 O presente anúncio no sítio web do TED: http://ted.europa.eu/udl?uri=ted:notice:199811-2014:text:pt:html Luxemburgo-Luxemburgo: Serviços de medicina geral a prestar a favor do gabinete médico do Parlamento

Leia mais

Aprendizagem de Português L2 Criação e aplicação de estratégias e materiais conducentes ao sucesso educativo dos alunos PLNM

Aprendizagem de Português L2 Criação e aplicação de estratégias e materiais conducentes ao sucesso educativo dos alunos PLNM Aprendizagem de Português L2 Criação e aplicação de estratégias e materiais conducentes ao sucesso educativo dos alunos PLNM Luísa Solla, ILTEC/ESE Setúbal e Fabíola Santos, ILTEC luisa.solla@sapo.pt fabiola.santos@iltec.pt

Leia mais

REGULAMENTO DO PROCESSO ESPECIAL DE ACREDITAÇÃO/RENOVAÇÃO DA ACREDITAÇÃO DE ENTIDADES CANDIDATAS À AVALIAÇÃO E CERTIFICAÇÃO DOS MANUAIS ESCOLARES

REGULAMENTO DO PROCESSO ESPECIAL DE ACREDITAÇÃO/RENOVAÇÃO DA ACREDITAÇÃO DE ENTIDADES CANDIDATAS À AVALIAÇÃO E CERTIFICAÇÃO DOS MANUAIS ESCOLARES REGULAMENTO DO PROCESSO ESPECIAL DE ACREDITAÇÃO/RENOVAÇÃO DA ACREDITAÇÃO DE ENTIDADES CANDIDATAS À AVALIAÇÃO E CERTIFICAÇÃO DOS MANUAIS ESCOLARES CAPÍTULO I Âmbito de aplicação Artigo 1.º Objeto e âmbito

Leia mais

Licenciatura em Biologia

Licenciatura em Biologia Licenciatura em Biologia Regulamento de Estágio Profissionalizante Para dar cumprimento ao estipulado no Despacho n.º 22 420/2001 da Reitoria da Universidade de Aveiro, publicado no Diário da República

Leia mais

ESTRUTURA ORGÂNICA E FUNCIONAL

ESTRUTURA ORGÂNICA E FUNCIONAL ESTRUTURA ORGÂNICA E FUNCIONAL Diretor Geral O Diretor Geral supervisiona e coordena o funcionamento das unidades orgânicas do Comité Olímpico de Portugal, assegurando o regular desenvolvimento das suas

Leia mais

Missão Empresarial Banco Asiático de Desenvolvimento (BAsD) Sector: Energia

Missão Empresarial Banco Asiático de Desenvolvimento (BAsD) Sector: Energia Missão Empresarial Banco Asiático de Desenvolvimento (BAsD) Sector: Energia Manila, 18 a 22 de Março de 2013 1 Enquadramento: No âmbito do Acordo de Parceiros celebrado entre a AICEP e o GPEARI (Ministério

Leia mais

CONVENIO ENTRE A UNIVERSIDADE DE SANTIAGO DE COMPOSTELA E...

CONVENIO ENTRE A UNIVERSIDADE DE SANTIAGO DE COMPOSTELA E... CONVENIO ENTRE A UNIVERSIDADE DE SANTIAGO DE COMPOSTELA E... O Reitor da Universidade de Santiago de Compostela com CIF Q1518001A, e domicilio na Praza do Obradoiro, s/n, 15706 Santiago de Compostela,

Leia mais

REGULAMENTO CONCURSO DE DESIGN PRODUTOS DE MERCHANDISING

REGULAMENTO CONCURSO DE DESIGN PRODUTOS DE MERCHANDISING REGULAMENTO CONCURSO DE DESIGN PRODUTOS DE MERCHANDISING Promotor: Organização: // 1. PREÂMBULO O Chapitô é um projecto em que a Formação, a Criação, a Animação e a Intervenção promovem, dia a dia, cruzamentos

Leia mais

Neste contexto, o IDIT vai intervir em 31 empresas localizadas no Norte de Portugal, e 28 empresas localizadas na Região Centro.

Neste contexto, o IDIT vai intervir em 31 empresas localizadas no Norte de Portugal, e 28 empresas localizadas na Região Centro. NEWSLETTER 1 O IDIT O IDIT Instituto de Desenvolvimento e Inovação Tecnológica é uma associação privada de utilidade pública, sem fins lucrativos, cujo objectivo primordial é contribuir para a modernização

Leia mais

Regulamento do. Programa de Estágios Curriculares. no Ministério dos Negócios Estrangeiros

Regulamento do. Programa de Estágios Curriculares. no Ministério dos Negócios Estrangeiros Regulamento do Programa de Estágios Curriculares no Ministério dos Negócios Estrangeiros Preâmbulo Na sequência do acordo tripartido celebrado entre o Governo e os parceiros sociais em junho de 2008 e

Leia mais

Regulamento Interno da Comissão Especializada APIFARMA VET

Regulamento Interno da Comissão Especializada APIFARMA VET Regulamento Interno da Comissão Especializada APIFARMA VET De harmonia com o disposto no artº 36º. dos Estatutos da APIFARMA é elaborado o presente Regulamento interno que tem por objectivo regulamentar

Leia mais

Consultor/a Local Pesquisa OPM Nordeste exceto Bahia e Maranhão

Consultor/a Local Pesquisa OPM Nordeste exceto Bahia e Maranhão PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA DE POLÍTICAS PARA AS MULHERES CCBB SCES, Trecho 2, Lote 22 Edifício Tancredo Neves, 1º andar Cep 70200-002 Brasília / DF Telefone (61) 3313-7101 Central de Atendimento

Leia mais

O presente documento suporta a apreciação do ponto 3 da Agenda da reunião da Comissão de Acompanhamento de 13/11/07, sendo composto por duas partes:

O presente documento suporta a apreciação do ponto 3 da Agenda da reunião da Comissão de Acompanhamento de 13/11/07, sendo composto por duas partes: EIXO I COMPETITIVIDADE, INOVAÇÃO E CONHECIMENTO INSTRUMENTO: SISTEMA DE INCENTIVOS À QUALIFICAÇÃO E INTERNACIONALIZAÇÃO DE PME (SI QUALIFICAÇÃO PME) O presente documento suporta a apreciação do ponto 3

Leia mais

CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO

CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO F O R M A Ç Ã O A V A N Ç A D A CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO FORMAÇÃO ESPECÍFICA PARA MEMBROS DA ORDEM DOS ENGENHEIROS ENQUADRAMENTO O CEGE/ISEG é um centro de investigação e projectos do ISEG Instituto

Leia mais

MECANISMO DE APOIO À ELABORAÇÃO DE PROJETOS DE COOPERAÇÃO PARA O DESENVOLVIMENTO

MECANISMO DE APOIO À ELABORAÇÃO DE PROJETOS DE COOPERAÇÃO PARA O DESENVOLVIMENTO MECANISMO DE APOIO À ELABORAÇÃO DE PROJETOS DE COOPERAÇÃO PARA O DESENVOLVIMENTO Na sequência dos trabalhos desenvolvidos pelo Fórum para a Cooperação, implementado em 2008, e reconhecendo o papel que

Leia mais

REGRAS DE PROCEDIMENTO DA CONFEDERAÇÃO PARLAMENTAR DAS AMÉRICAS

REGRAS DE PROCEDIMENTO DA CONFEDERAÇÃO PARLAMENTAR DAS AMÉRICAS REGRAS DE PROCEDIMENTO DA CONFEDERAÇÃO PARLAMENTAR DAS AMÉRICAS REGRAS DE PROCEDIMENTO DA CONFEDERAÇÃO PARLAMENTAR DAS AMÉRICAS 1. Desenvolvimento das reuniões do Comitê Executivo 1.1 Ordem do dia 1.2

Leia mais