Pessoas e processos irmãos gémeos da transformação

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Pessoas e processos irmãos gémeos da transformação"

Transcrição

1 Pessoas e processos irmãos gémeos da transformação A consultoria de transformação: atacar a raiz dos problemas por meio de uma abordagem sistémica e transdisciplinar João Paulo Feijoo Partner da Cranberry Associated Business Consultants, Lda TEXTO PRINCIPAL Uma cena familiar A situação é frequente e familiar aos consultores que atuam no domínio do capital humano: o cliente, perante o problema que se lhe depara, faz um pedido específico: O meu pessoal de front-office não sabe lidar com os clientes; preciso de um programa de formação em atendimento, ou As minhas equipas de vendas andam desmotivadas; preciso que me ajude a rever o sistema de incentivos. Na esmagadora maioria dos casos, o consultor esclarecido não precisa de muito tempo para perceber que estes pedidos, tal como são verbalizados, apontam para intervenções que se limitariam a aflorar a superfície dos problemas, e que estes radicam em causas muito mais profundas. Para pegar no primeiro exemplo, vai ter de explicar ao cliente que o seu problema de atendimento não pode ser resolvido com receitas de chá e simpatia quando, metaforicamente, o próprio serviço de chá está rachado ou lhe faltam peças. Para ser bem-sucedida, a intervenção de consultoria terá necessariamente que abordar dois domínios que andam sempre de mãos dadas, quais irmãos gémeos da transformação : o domínio das pessoas, e o domínio dos processos, ou seja, do negócio propriamente dito. E, em ambos os casos, terá também que penetrar muito abaixo da superfície. Contudo, antes de nos debruçarmos sobre quais poderão ser as melhores práticas, vale a pena refletir sobre a propensão para circunscrever aqueles pedidos de ajuda à esfera das pessoas e do seu comportamento. A ilusão da especialização e as suas causas Por que razão tantos gestores experimentados cedem à tentação da superficialidade, simplificando o problema, quando noutras circunstâncias sabem lidar com a complexidade? 1 / 7

2 Não existe certamente uma resposta única a esta questão. Uma das razões pode ter origem na própria experiência pessoal do gestor: foi daquela forma que foram abordados muitos dos problemas organizacionais em que ele próprio foi parte interessada, à medida que ascendia na carreira rumo ao cargo que presentemente ocupa. Uma manifestação particularmente resiliente deste hábito é a que afeta de forma mais específica a formação (que, não sendo o único domínio de intervenção no âmbito da gestão do capital humano, é certamente o mais procurado), elevando-a a panaceia organizacional: temos um problema, logo precisamos de formação. Uma outra razão pode estar relacionada com uma tendência para aquilo a que podemos chamar a produtização das soluções porventura uma manifestação da cultura consumista que a nossa civilização desenvolveu. Esta produtização ocorre quando os decisores atribuem mais atenção às potenciais soluções disponíveis no mercado do que aos problemas que precisam de ser resolvidos ou, por outras palavras, quando se deixam tentar pela oferta de soluções à procura de problemas. É isto que explica que muitas organizações saltitem de formação em formação ao sabor das modas num ano a inteligência emocional, noutro as estratégias blue ocean, e noutro ainda a open innovation ; ou que alguns decisores prescrevam a leitura do best-seller do último guru a todos os seus quadros diretivos, e por aí adiante. Não há, evidentemente, nada de errado com essas formações, nem com esses livros ou esses autores aliás, quase sempre fonte de excelentes ideias. O problema reside na aplicação precipitada de receitas sem qualquer relação com os problemas que pretendem resolver, sem uma reflexão prévia que permita validá-las à luz da estratégia, do modelo de negócio, da cultura, dos processos e da estrutura da organização ou seja, daquilo que se pretende reforçar ou alterar em cada um daqueles domínios. Como dizia um líder divisional de uma empresa do Fortune 50, Gastamos 120 milhões de dólares por ano nestas coisas, e se amanhã deixassem de existir nem íamos dar por isso. A formação (de dirigentes) nesta empresa não passa de uma série de programas desconexos vendidos por consultores a responsáveis de formação que não fazem ideia do que é o nosso negócio. Por fim, e talvez com mais peso do que as anteriores, temos o divórcio que se estabeleceu entre negócio, por um lado, e recursos humanos, por outro, com responsabilidades de parte a parte. Este divórcio está patente na acusação que o responsável divisional atrás citado faz aos responsáveis de formação da sua empresa: Não fazem ideia do que é o nosso negócio. Tem sido tão comentado nas duas últimas décadas, que quase não vale a pena falar nele. A crítica dirigida aos gestores de recursos humanos é em grande parte certeira e, convém não o escamotear, aplica-se também aos outros profissionais do ramo, consultores incluídos: durante muito tempo, as suas preocupações dominantes focalizaram-nos num aspeto particular da vida das organizações, alienaram-nos progressivamente do papel central que o negócio não pode deixar de ter, e acabaram por remetê-los à irrelevância no que toca à formulação de estratégias e à tomada das grandes decisões. É certo que este divórcio também é da responsabilidade do line management, que aceitou ver nos seus colegas dos recursos humanos meros especialistas funcionais, a quem se pediam contributos limitados a uma disciplina que os line managers viam como demasiado hermética e afastada da sua linguagem e das suas competências para nela intervirem diretamente. A reconciliação entre as duas partes está em curso desde há algum tempo: por um lado, algumas organizações adotaram o princípio hoje prevalecente, pelo menos nominalmente de que os line managers também são gestores de pessoas; e os melhores gestores de recursos 2 / 7

3 humanos souberam alargar as suas preocupações e as suas aptidões à gestão do negócio e reconquistar um lugar à mesa da estratégia. E contudo, esta dicotomia tarda em desaparecer É ela que explica que muitos decisores, quando confrontados com uma disfunção que se manifesta à superfície na forma de um problema de pessoas, reajam automaticamente chamando os recursos humanos (e os consultores de capital humano), sem se preocuparem em diagnosticar a sua verdadeira extensão e profundidade. Impera a lógica da segregação: problemas de pessoas = problema de especialistas, logo entregue-se a eles. Outros, mais esclarecidos, apercebem-se que a disfunção tem raízes mais fundas e exige uma intervenção interdisciplinar orientada por preocupações de negócio. Aí, porém, debatem-se com um dilema: será que os especialistas em talento possuem essa visão e essa capacidade interdisciplinares? Ou continuam exclusivamente centrados nas suas disciplinas? E na hipótese alternativa da convocação de consultores de processos de negócio, terão eles as valências necessárias para intervir ao nível dos talentos, da cultura, e dos processos sociais? Entra a consultoria de transformação A capacidade de intervir de forma integrada nos planos social e técnico define aquilo a que podemos chamar consultoria de transformação. Esta abordagem baseia-se em dois princípios muito simples, repetidamente confirmados pela experiência: i. Não é possível obter mudanças estáveis e duradouras sem mexer simultânea e articuladamente nos dois sistemas social e técnico; ii. As intervenções em cada um destes sistemas, além de articuladas entre si, têm de descer abaixo da superfície, isto é, abranger várias camadas em cada um deles. A Figura 1 descreve, de forma esquemática, esta dupla dinâmica de intervenção - transversal e em profundidade. Figura 1 Em anexo, é detalhado o possível percurso de uma intervenção de consultoria de transformação construída para responder ao problema de atendimento citado no início do artigo. Este percurso ilustra bem a necessidade de examinar sistematicamente as diferentes origens e implicações do problema, presentes tanto na vertente humana como na técnica, e distribuídas pelos diferentes níveis organizacionais. 3 / 7

4 O exemplo analisado reflete a perspetiva do consultor de capital humano a quem um decisor de negócio dirige um pedido orientado para uma intervenção limitada a um domínio específico do sistema social muitas vezes, formação, mas também mapeamento de competências, sistemas de incentivos, leadership development, etc. para demonstrar que só uma intervenção de âmbito mais sistémico reúne condições para resolver a disfunção que motivou o pedido. Contudo, esta miopia também se verifica noutros domínios da consultoria ou noutros serviços B2B. É normal um fornecedor ou um implementador de software ser convidado a instalar uma nova aplicação na esperança de que ela resolva um conjunto de disfunções sem tocar no sistema social, nem noutros níveis do próprio sistema técnico. Imaginemos que a aplicação é instalada sem uma análise prévia dos processos que vai suportar (ou seja, do seu mapeamento, modelização, e eventual redesenho) nem das operações em que estes se desdobram; sem uma reflexão sobre as implicações ao nível das responsabilidades e das competências das pessoas que neles intervêm; e sem uma sensibilização das hierarquias para estas alterações e para os ajustamentos a que terão que esta atentos. Será de espantar que a tal aplicação milagrosa (além do mais adquirida a um custo punitivo) se quede por resultados muito aquém dos esperados? A abordagem integrada e sistémica preconizada neste artigo tem um risco: o de assustar os decisores de negócio pela sua dimensão. Perante a complexidade, a duração e os custos de um projeto de uma envergadura muito maior do que aquela que tinham imaginado, podem ser levados a hesitar sobre a sua exequibilidade ou sobre a sua relação custo-benefício. Mas isso não a torna menos incontornável, e a coragem para atacar os problemas de frente e extirpar as suas raízes mais profundas é o fator que distingue as organizações ambiciosas e vencedoras. Na prática, é em regra possível limitar o scope de um projeto sistémico sem reduzir significativamente os seus benefícios. Na maioria dos casos, a disfunção está circunscrita a um processo específico, e é suficiente uma intervenção centrada nas duas ou três unidades mais diretamente afetadas, e envolvendo dois ou três níveis hierárquicos para mais tendo em conta que os graus de envolvimento não são os mesmos em todas essas unidades ou níveis hierárquicos. Seja como for, um projeto com as caraterísticas descritas continua a ter uma natureza muito diferente da de um projeto de âmbito funcional especializado, e sobretudo um potencial transformador claramente superior. Em síntese A mudança é o novo normal em que indivíduos e organizações vivem e se movimentam nesta segunda década do Século XXI. Deixou de fazer sentido procurar soluções estáveis e duradouras, capazes de fornecer respostas adequadas durante um período mais ou menos longo. A evolução não pode ser encarada como uma sucessão de patamares estáticos relativamente longos, interrompidos por curtos períodos de transformação rápida. É ao inverso que assistimos todos os dias: mudança contínua e permanente, entrecortada por períodos de estabilidade cada vez mais raros e mais curtos. A consultoria de transformação surge como uma tentativa de resposta aos desafios colocados por mudanças que afetam todas as dimensões da vida das organizações das pessoas que nelas trabalham e das suas interações aos modelos de negócio que e aos processos com que criam valor, às tecnologias que os suportam, e à cultura que as carateriza. Para enfrentar a diversidade e a interdependência das causas das disfunções que afetam as organizações, a consultoria de transformação adota uma orientação transdisciplinar: não está 4 / 7

5 mais focalizada no talento ou no capital humano, como não o está apenas nos processos ou nas tecnologias. Está atenta a ambas as realidades, e atua na charneira onde umas e outras se cruzam para maximizar o valor entregue a clientes, acionistas e trabalhadores. TEXTO E INFOGRAMA A INCLUIR NUMA CAIXA Um exemplo concreto SISTEMA TÉCNICO SISTEMA SOCIAL Ferramentas, tecnologia 3 Os atendedores de front office dispõem de ferramentas (sistemas, comunicações) que suportem/potenciem as suas competências? 3 2 Os atendedores de front office possuem as competências e a informação adequadas para executar as sua atividades? Competências, informação Atividades, operações 5 Estão definidas regras e procedimentos de atendimento no front office? 1 Desajustados (constatação original) 4 Comportamentos, responsabilidades Processos Arquitetura Estratégia As atividades do front office integram-se em processos definidos? o workflow é suportado a montante e a jusante? 7 A organização tem uma cultura de processo? Os processos são bem suportados pelas funções organizacionais? Os processos estão alinhados com a estratégia? Contribuem para criar valor? As chefias do front office apoiam as mudanças? Os responsáveis trabalham em equipa com os colegas das unidades a montante e a jusante? O top management promove uma cultura de cooperação? 9 8 Liderança funcional Liderança empresarial Visão Para compreender a necessidade de articular o sistema social com o sistema técnico examinando, em cada um deles, as implicações do problema nos vários níveis organizacionais 5 / 7

6 pode, tomemos como exemplo o primeiro dos convites descritos no início deste artigo: O meu pessoal de front-office não sabe lidar com os clientes; preciso de um programa de formação em atendimento. Em primeiro lugar, importa determinar se os colaboradores do front office têm uma noção clara da forma como devem atuar perante os clientes (1): a organização tem uma política definida? Foi difundida? O atendimento tem prioridade sobre outras atividades? Existem regras e procedimentos a seguir? Estão codificados momentos da verdade para lidar com vários tipos de situações? Todos temos experiência de episódios de atendimento em que fomos feitos esperar por um funcionário convencido de que a sua prioridade era lidar com um monte de formulários, ou falar ao telefone com um colega, ou Na verdade, episódios destes acontecem pura e simplesmente porque as organizações não têm uma política clara, ou claramente comunicada, de quais devem ser a essência da atividade de front office e as suas prioridades. Em rigor, responder àquelas questões deve ser uma preocupação de todo o projeto de formação nas suas fases iniciais de análise e diagnóstico; mas se a resposta for negativa, a formação não vai resolver o problema enquanto persistir a indefinição relativa à atuação esperada dos atendedores de front office. É indispensável definir as atividades e responsabilidades destes para, a partir delas, identificar as competências de que precisam para as executar eficazmente, e só então, por meio da formação, procurar desenvolver essas competências (2). E, ainda assim, o desenvolvimento das competências exigidas pode não ser suficiente para eliminar a disfunção, se os atendedores não dispuserem, nos seus postos de trabalho, das ferramentas adequadas para executar as suas atividades tirando o melhor partido das primeiras (3). Ou se as chefias se mantiverem cristalizadas nos velhos hábitos (4), não encorajarem a melhoria contínua e não suportarem as competências exigidas. Prosseguindo a análise com vista a formar uma visão completa do problema, importa averiguar se este não reside na falta de articulação entre o front office e as unidades que têm por missão suportá-lo ou dar andamento à sua ação (5). Imaginemos uma clínica onde os atendedores têm de lidar com pacientes exasperados por atrasos no horário de uma consulta ou de um tratamento, ou pelo seu frequente adiamento. De que lhes serve conhecerem bem as suas responsabilidades, e terem tido formação sobre comunicação interpessoal, assertividade, e gestão do stresse e das emoções, se a raiz do problema estiver nas falhas do processo de agendamento de atos médicos, ou em ineficiências na execução destes (por exemplo devido à escassez de gabinetes, falta de pontualidade dos médicos, falhas de manutenção de equipamentos, etc.). E que responsabilidades podemos assacar ao colaborador do balcão da companhia de seguros que aliás nos tinha atendido de forma exemplar quando fomos participar um sinistro pelo atraso na sua regularização, quando o problema está na ineficiência do processo de peritagem? As razões deste desalinhamento das intervenções ao longo de um processo podem estar em múltiplos elementos tanto do sistema técnico como do sistema social. O primeiro é a falta de cooperação entre as chefias das várias unidades funcionais que contribuem para o processo. Os respetivos responsáveis estão mais preocupados em preservar a sua suposta liberdade de ação do que em criar valor (6). As várias funções são como que silos fechados e estanques, que só funcionam na vertical: numa fábrica, a equipa de vendas não se concerta com a de produção, e a de produção não fala com as compras; numa escola, os professores da mesma turma não falam uns com os outros para preservar a sua autonomia na sala de aulas, perdendo assim a oportunidade de explorar as abundantes 6 / 7

7 oportunidades de sinergia entre as disciplinas que lecionam. As razões desta falta de diálogo estão na ausência de uma cultura de processo (7), em que cada unidade orgânica funcional (produção, vendas, finanças, logística ) compreende que o seu papel consiste em acrescentar valor, de acordo com a sua especialidade, a um produto ou serviço que tem como destinatário um cliente final, e não como um sistema fechado cujos objetivos se esgotam em si mesmos. Porém, esta cultura de processo não nasce sozinha de um momento para o outro. Exige uma visão clara da forma como os processos de negócio criam valor (9), e uma ação determinada por parte do top management, que por exemplo não pode fazer vista grossa à falta de comunicação, nem tolerar que dirigentes na sua dependência hierárquica não se concertem entre si para entregar valor ao cliente (8). 7 / 7

A Importância dos Recursos Humanos (Gestão de

A Importância dos Recursos Humanos (Gestão de A Importância dos Recursos Humanos (Gestão de Pessoas) na Gestão Empresarial Marketing Interno Licenciatura de Comunicação Empresarial 3º Ano Docente: Dr. Jorge Remondes / Discente: Ana Teresa Cardoso

Leia mais

Os 7 Mandamentos da Destroika

Os 7 Mandamentos da Destroika Os 7 Mandamentos da Destroika 1 Intitula-se DESTROIKA. Trata-se de um Programa de Gestão de Mudança inovador. Afirma-se positivo e centrado nas pessoas e tem como objetivo salvar empresas e empregos. Este

Leia mais

A Dimensão RH e sua Otimização no Relacionamento das Condições de Trabalho na Câmara Municipal de Cascais Ana Maria Canas

A Dimensão RH e sua Otimização no Relacionamento das Condições de Trabalho na Câmara Municipal de Cascais Ana Maria Canas A Dimensão RH e sua Otimização no Relacionamento das Condições de Trabalho na Câmara Municipal de Cascais Ana Maria Canas 20 de Março de 2015 Auditório da Casa das Histórias da Paula Rego GESTÃO DE RECURSOS

Leia mais

Conceito O2. O futuro tem muitos nomes. Para a Conceito O2 é Coaching. Sinta uma lufada de ar fresco. :!:!: em foco

Conceito O2. O futuro tem muitos nomes. Para a Conceito O2 é Coaching. Sinta uma lufada de ar fresco. :!:!: em foco :!:!: em foco Conceito O2 Sinta uma lufada de ar fresco Executive Coaching Através do processo de Executive Coaching a Conceito O2 realiza um acompanhamento personalizado dos seus Clientes com objectivo

Leia mais

As cinco disciplinas

As cinco disciplinas As cinco disciplinas por Peter Senge HSM Management julho - agosto 1998 O especialista Peter Senge diz em entrevista exclusiva que os programas de aprendizado podem ser a única fonte sustentável de vantagem

Leia mais

ORDEM DOS FARMACÊUTICOS - RESPOSTA A PEDIDO DE CREDITAÇÃO

ORDEM DOS FARMACÊUTICOS - RESPOSTA A PEDIDO DE CREDITAÇÃO Filipe Leonardo De: suporte@sensocomum.pt Enviado: sexta-feira, 16 de Novembro de 2012 17:40 Para: mguedes.silva@mjgs.pt ; joanaviveiro@ordemfarmaceuticos.pt; joaomartinho@ordemfarmaceuticos.pt Assunto:

Leia mais

de empresas ou de organizações de todos os tipos? O que fazem os líderes eficazes que os distingue dos demais?

de empresas ou de organizações de todos os tipos? O que fazem os líderes eficazes que os distingue dos demais? TEMA - liderança 5 LEADERSHIP AGENDA O Que fazem os LÍDERES eficazes Porque é que certas pessoas têm um sucesso continuado e recorrente na liderança de empresas ou de organizações de todos os tipos? O

Leia mais

HR Scorecard Linking Strategy, People and Performance

HR Scorecard Linking Strategy, People and Performance www.pwc.pt/academy Linking Strategy, People and Performance Lisboa, 8 e 9 de abril de 2013 Academia da PwC Um curso onde irá conhecer as tendências e melhores práticas de alinhamento da estratégia com

Leia mais

Estruturando o modelo de RH: da criação da estratégia de RH ao diagnóstico de sua efetividade

Estruturando o modelo de RH: da criação da estratégia de RH ao diagnóstico de sua efetividade Estruturando o modelo de RH: da criação da estratégia de RH ao diagnóstico de sua efetividade As empresas têm passado por grandes transformações, com isso, o RH também precisa inovar para suportar os negócios

Leia mais

Anexo VI (A que se refere o artigo 2.º) LISTA DE COMPETÊNCIAS DIRIGENTES INTERMÉDIOS

Anexo VI (A que se refere o artigo 2.º) LISTA DE COMPETÊNCIAS DIRIGENTES INTERMÉDIOS Anexo VI (A que se refere o artigo 2.º) LISTA DE COMPETÊNCIAS DIRIGENTES INTERMÉDIOS N.º ORIENTAÇÃO PARA RESULTADOS: Capacidade para se focalizar na concretização dos objectivos do serviço e garantir que

Leia mais

Master in Management for Human Resources Professionals

Master in Management for Human Resources Professionals Master in Management for Human Resources Professionals Em colaboração com: Master in Management for Human Resources Professionals Em colaboração com APG Um dos principais objectivos da Associação Portuguesa

Leia mais

Experiência: O novo olhar sobre a gestão de pessoas do setor público, na nova idade da democracia no Brasil.

Experiência: O novo olhar sobre a gestão de pessoas do setor público, na nova idade da democracia no Brasil. Experiência: O novo olhar sobre a gestão de pessoas do setor público, na nova idade da democracia no Brasil. RADIOBRÁS Empresa Brasileira de Comunicação S. A. Diretoria de Gestão de Pessoas e Administração

Leia mais

O Papel Estratégico da Gestão de Pessoas para a Competitividade das Organizações

O Papel Estratégico da Gestão de Pessoas para a Competitividade das Organizações Projeto Saber Contábil O Papel Estratégico da Gestão de Pessoas para a Competitividade das Organizações Alessandra Mercante Programa Apresentar a relação da Gestão de pessoas com as estratégias organizacionais,

Leia mais

Política Corporativa Setembro 2012. Política de Recursos Humanos da Nestlé

Política Corporativa Setembro 2012. Política de Recursos Humanos da Nestlé Política Corporativa Setembro 2012 Política de Recursos Humanos da Nestlé Autoria/Departamento Emissor Recursos Humanos Público-Alvo Todos os Colaboradores Aprovação Concelho Executivo, Nestlé S.A. Repositório

Leia mais

Jornadas dos Assistentes Técnicos de Saúde do CHP. Competências/ apetências e exigências no âmbito do assistente técnico no CHP

Jornadas dos Assistentes Técnicos de Saúde do CHP. Competências/ apetências e exigências no âmbito do assistente técnico no CHP Jornadas dos Assistentes Técnicos de Saúde do CHP Competências/ apetências e exigências no âmbito do assistente técnico no CHP Fui atrás de definições Competência: conhecimento aprofundado e reconhecido

Leia mais

Linhas de Reforma do Ensino Superior Contributos e Comentários da Universidade de Coimbra dezembro 2013

Linhas de Reforma do Ensino Superior Contributos e Comentários da Universidade de Coimbra dezembro 2013 Linhas de Reforma do Ensino Superior Contributos e Comentários da Universidade de Coimbra dezembro 2013 Contributos conjuntos do Conselho Geral e do Reitor em resposta à solicitação de 22 de outubro de

Leia mais

Competitividade e Resultados: conseqüência do alinhamento de estratégia, cultura e competências.

Competitividade e Resultados: conseqüência do alinhamento de estratégia, cultura e competências. 1 Programa Liderar O Grupo Solvi é um conglomerado de 30 empresas que atua nas áreas de saneamento, valorização energética e resíduos. Como alicerce primordial de seu crescimento encontrase o desenvolvimento

Leia mais

Design Estratégico e Inovação

Design Estratégico e Inovação Os programas de Pós-Graduação oferecidos pela Faculdade de Tecnologia do Istituto Europeo di Design estão em conformidade legal e atendem as Resoluções CNE/CES nº 1, de 3 de abril de 2001 e nº 1, de 8

Leia mais

Plano Nacional de Saúde 2012-2016. Brochura PNS

Plano Nacional de Saúde 2012-2016. Brochura PNS Plano Nacional de Saúde 2012-2016 Brochura PNS OBJETIVOS GERAIS DO PLANO NACIONAL DE SAÚDE O Plano Nacional de Saúde 2012-2016 (PNS 2012-2016) propõe-se reforçar a capacidade de planeamento e operacionalidade

Leia mais

Melhorar o desempenho Promover o sucesso: Aprender mais Aprender melhor PLANO ESTRATÉGICO DE MELHORIA 2014/ 2017

Melhorar o desempenho Promover o sucesso: Aprender mais Aprender melhor PLANO ESTRATÉGICO DE MELHORIA 2014/ 2017 Melhorar o desempenho Promover o sucesso: Aprender mais Aprender melhor PLANO ESTRATÉGICO DE MELHORIA 2014/ 2017 um fruto não se colhe às pressas. Leva seu tempo, de verde-amargo até maduro-doce Mia Couto

Leia mais

Comunicação e Reputação. 10 dicas para manter o alinhamento e assegurar resultados

Comunicação e Reputação. 10 dicas para manter o alinhamento e assegurar resultados Comunicação e Reputação 10 dicas para manter o alinhamento e assegurar resultados 1 Introdução Ao contrário do que alguns podem pensar, reputação não é apenas um atributo ou juízo moral aplicado às empresas.

Leia mais

OS QUATRO PAPÉIS DA GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS (UM MODELO)

OS QUATRO PAPÉIS DA GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS (UM MODELO) CRANBERRY TOOLBOX: OS QUATRO PAPÉIS DA GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS (UM MODELO) EM POUCAS PALAVRAS A função gestão de pessoas tem hoje de demonstrar a sua contribuição para a criação de valor e para suportar

Leia mais

Auto-formação para colaboradores

Auto-formação para colaboradores Formação e familiarização directa com o posto de trabalho é, muitas vezes, da responsabilidade da organização. Para uma organização eficaz desta tarefa, o instrutor/tutor necessita não só do conhecimento

Leia mais

"Criatividade e Inovação para o Aprendizado de Resultados" Apresentado por Jorge Pinheiro

Criatividade e Inovação para o Aprendizado de Resultados Apresentado por Jorge Pinheiro "Criatividade e Inovação para o Aprendizado de Resultados" Apresentado por Jorge Pinheiro Pessoal Relacional Organizacional = Equilibrado, Maduro e Responsável = Amigo, Atencioso, Excelente ouvinte = Desalinhado

Leia mais

PRINCÍPIOS PARA A AVALIAÇÃO DA AJUDA AO DESENVOLVIMENTO

PRINCÍPIOS PARA A AVALIAÇÃO DA AJUDA AO DESENVOLVIMENTO COMITÉ DE AJUDA AO DESENVOLVIMENTO PRINCÍPIOS PARA A AVALIAÇÃO DA AJUDA AO DESENVOLVIMENTO PARIS 1991 ÍNDICE I. INTRODUÇÃO 3 II. FINALIDADE DA AVALIAÇÃO 5 III. IMPARCIALIDADE E INDEPENDÊNCIA 6 IV. CREDIBILIDADE

Leia mais

O CONSELHO DA UNIÃO EUROPEIA E OS REPRESENTANTES DOS GOVERNOS DOS ESTADOS-MEMBROS, I. INTRODUÇÃO

O CONSELHO DA UNIÃO EUROPEIA E OS REPRESENTANTES DOS GOVERNOS DOS ESTADOS-MEMBROS, I. INTRODUÇÃO 14.6.2014 PT Jornal Oficial da União Europeia C 183/5 Resolução do Conselho e dos Representantes dos Governos dos Estados Membros, reunidos no Conselho, de 20 de maio de 2014, sobre um Plano de Trabalho

Leia mais

NOSSOS PRINCÍPIOS ORIENTADORES

NOSSOS PRINCÍPIOS ORIENTADORES NOSSOS PRINCÍPIOS ORIENTADORES Por cerca de 50 anos, a série Boletim Verde descreve como a John Deere conduz os negócios e coloca seus valores em prática. Os boletins eram guias para os julgamentos e as

Leia mais

Criatividade e Inovação Organizacional: A liderança de equipas na resolução de problemas complexos

Criatividade e Inovação Organizacional: A liderança de equipas na resolução de problemas complexos Criatividade e Inovação Organizacional: A liderança de equipas na resolução de problemas complexos Dizer que o grande segredo do sucesso das empresas, especialmente em tempos conturbados, é a sua adaptabilidade

Leia mais

Curso Geral de Gestão. Pós Graduação

Curso Geral de Gestão. Pós Graduação Curso Geral de Gestão Pós Graduação Curso Geral de Gestão Pós Graduação Participamos num processo acelerado de transformações sociais, políticas e tecnológicas que alteram radicalmente o contexto e as

Leia mais

www.highskills.pt geral@highskills.pt PT: 00351 217 931 365 AO: 00244 94 112 60 90 MZ: 00258 821 099 522

www.highskills.pt geral@highskills.pt PT: 00351 217 931 365 AO: 00244 94 112 60 90 MZ: 00258 821 099 522 Apresentação... 3 Como Empresa... 3 A nossa Visão... 3 A nossa Missão - A SUA VALORIZAÇÃO, A NOSSA MISSÃO!... 3 Os nossos Valores... 3 Porquê fazer um Curso de Especialização?... 4 Formação Certificada...

Leia mais

Nosso negócio é a melhoria da Capacidade Competitiva de nossos Clientes

Nosso negócio é a melhoria da Capacidade Competitiva de nossos Clientes Nosso negócio é a melhoria da Capacidade Competitiva de nossos Clientes 1 SÉRIE DESENVOLVIMENTO HUMANO FORMAÇÃO DE LÍDER EMPREENDEDOR Propiciar aos participantes condições de vivenciarem um encontro com

Leia mais

Manual de Procedimentos das Entidades Beneficiárias

Manual de Procedimentos das Entidades Beneficiárias Manual de Procedimentos das Entidades Beneficiárias ÍNDICE Introdução...2 Capítulo I Programa Formação Ação para PME...3 I.1 Objetivos...3 I.2 Metodologia de Intervenção...4 I.3 Equipas de Intervenção...11

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 506, DE 28 DE JUNHO DE 2013

RESOLUÇÃO Nº 506, DE 28 DE JUNHO DE 2013 Publicada no DJE/STF, n. 127, p. 1-3 em 3/7/2013. RESOLUÇÃO Nº 506, DE 28 DE JUNHO DE 2013 Dispõe sobre a Governança Corporativa de Tecnologia da Informação no âmbito do Supremo Tribunal Federal e dá outras

Leia mais

GESTÃO E OTIMIZAÇÃO DE PROCESSOS. Vanice Ferreira

GESTÃO E OTIMIZAÇÃO DE PROCESSOS. Vanice Ferreira GESTÃO E OTIMIZAÇÃO DE PROCESSOS Vanice Ferreira 12 de junho de 2012 GESTÃO E OTIMIZAÇÃO DE PROCESSOS: conceitos iniciais DE QUE PROCESSOS ESTAMOS FALANDO? GESTÃO E OTIMIZAÇÃO DE PROCESSOS: conceitos iniciais

Leia mais

Novos Caminhos Grupo JCA Uma estratégia de transformação organizacional a partir da cultura e dos valores.

Novos Caminhos Grupo JCA Uma estratégia de transformação organizacional a partir da cultura e dos valores. Novos Caminhos Grupo JCA Uma estratégia de transformação organizacional a partir da cultura e dos valores. Período: Março 2010 a junho 2011 Categoria: Adesão dos Colaboradores Sumário: O trabalho relata

Leia mais

AS DIFERENÇAS DO BSC NO SECTOR PRIVADO E NO SECTOR PÚBLICO... 7

AS DIFERENÇAS DO BSC NO SECTOR PRIVADO E NO SECTOR PÚBLICO... 7 Í N D I C E INTRODUÇÃO... 3 DEFINIÇÃO DO BALANCED SCORECARD - SECTOR PÚBLICO... 4 AS DIFERENÇAS DO BSC NO SECTOR PRIVADO E NO SECTOR PÚBLICO... 7 MISSÃO E ESTRATÉGIA... 7 PERSPECTIVA FINANCEIRA... 8 PERSPECTIVA

Leia mais

IT Governance. Alinhar as Tecnologias de Informação (TI s) com o negócio! www.pwc.pt/academy

IT Governance. Alinhar as Tecnologias de Informação (TI s) com o negócio! www.pwc.pt/academy www.pwc.pt/academy IT Governance Alinhar as Tecnologias de Informação (TI s) com o negócio! PwC s Academy Formação de profissionais para profissionais IT Governance Alinhar as TI s com o negócio Os projetos

Leia mais

FORMAR EQUIPE COMEÇA CONTRATAÇÃO www.propan.com.br

FORMAR EQUIPE COMEÇA CONTRATAÇÃO www.propan.com.br FORMAR EQUIPE COMEÇA NA CONTRATAÇÃO 1 Capital Valor de Mercado da Empresa Financeiro Capital Intelectual FORMAR EQUIPE COMEÇA NA CONTRATAÇÃO A metáfora do iceberg 2 O QUE AS EMPRESAS TEM PELA FRENTE A

Leia mais

Coaching I Formação I Certificação

Coaching I Formação I Certificação Coaching I Formação I Certificação 2011 Business Consultants, Inc. Publicado por EHP, Elemento Humano Portugal. www.thehumanelement.com.pt 1 Uma solução integrada à problemática humana nas organizações

Leia mais

Segredos e Estratégias para Equipes Campeãs

Segredos e Estratégias para Equipes Campeãs Segredos e Estratégias para Equipes Campeãs Ultrapassando barreiras e superando adversidades. Ser um gestor de pessoas não é tarefa fácil. Existem vários perfis de gestores espalhados pelas organizações,

Leia mais

O PROBLEMA E O SEU CONTEXTO

O PROBLEMA E O SEU CONTEXTO CRANBERRY TOOLBOX: LIDERANÇA SITUACIONAL (HERSEY E BLANCHARD) EM POUCAS PALAVRAS A teoria da Liderança Situacional baseia-se no princípio de que não há comportamentos por parte do líder que sejam intrinsecamente

Leia mais

CAMINHO DAS PEDRAS Renata Neves

CAMINHO DAS PEDRAS Renata Neves CAMINHO DAS PEDRAS Renata Neves Estado de Minas Março de 2001 O método criado pelo professor Fernando Dolabela ensina empreendedorismo a 40 mil alunos por ano. Fernando Dolabela da aula de como abrir um

Leia mais

NOSSO OBJETIVO. GESTÃO DO DESEMPENHO: uma possibilidade de ampliar o negócio da Organização

NOSSO OBJETIVO. GESTÃO DO DESEMPENHO: uma possibilidade de ampliar o negócio da Organização NOSSO OBJETIVO GESTÃO DO DESEMPENHO: uma possibilidade de ampliar o negócio da Organização RHUMO CONSULTORIA EMPRESARIAL Oferecer soluções viáveis em tempo hábil e com qualidade. Essa é a receita que a

Leia mais

PROMOVER UM SISTEMA DE SAÚDE MAIS EFICIENTE

PROMOVER UM SISTEMA DE SAÚDE MAIS EFICIENTE Ciclo de Conferências APIFARMA SABER INVESTIR/SABER INOVAR ADICIONAR VALOR AO SISTEMA DE SAÚDE EM PORTUGAL PROMOVER UM SISTEMA DE SAÚDE MAIS EFICIENTE Centro Cultural de Belém, 2 de Junho 2015 Francisco

Leia mais

AVALIAÇÃO DO PLANO DE T&D

AVALIAÇÃO DO PLANO DE T&D AVALIAÇÃO DO PLANO DE T&D Ariadne Cedraz 1 Léa Monteiro Rocha 2 Luciana Cristina Andrade Costa Franco 3 A quarta e última etapa do processo refere-se à avaliação que tem por objetivo averiguar se os resultados

Leia mais

Avaliação do Desempenho do Pessoal Docente 2012/2013. Agrupamento de Escolas de Condeixa-a-Nova 21.03.2013

Avaliação do Desempenho do Pessoal Docente 2012/2013. Agrupamento de Escolas de Condeixa-a-Nova 21.03.2013 2012 2013 Avaliação do Desempenho do Pessoal Docente 2012/2013 Agrupamento de Escolas de Condeixa-a-Nova 21.03.2013 1. ÂMBITO Dando cumprimento ao disposto no decreto regulamentar nº 26/2012, de 21 de

Leia mais

Contributos para a Consulta Pública sobre o Estudo sobre a Concorrência no Setor Portuário

Contributos para a Consulta Pública sobre o Estudo sobre a Concorrência no Setor Portuário Contributos para a Consulta Pública sobre o Estudo sobre a Concorrência no Setor Portuário O presente documento destina-se a dar um breve contributo do Centro de Estudos Económicos e Institucionais da

Leia mais

Consultoria em Treinamento & Desenvolvimento de Pessoas

Consultoria em Treinamento & Desenvolvimento de Pessoas Consultoria em Treinamento & Desenvolvimento de Pessoas Evolução PMC têm atuação diferenciada na gestão de pessoas e clima organizacional, gerando na equipe mais agilidade para a mudança e maior capacidade

Leia mais

Como primeiro passo, a celebração do Acordo de Parceria constitui a assunção clara e inequívoca de um conjunto de princípios, dos quais salientaria:

Como primeiro passo, a celebração do Acordo de Parceria constitui a assunção clara e inequívoca de um conjunto de princípios, dos quais salientaria: Exma. Senhora Diretora Regional da Qualificação Profissional, Exmo. Senhor Presidente do Instituto de Desenvolvimento Empresarial, Exmo. Senhor Presidente do Instituto de Emprego, Exmo. Senhor Presidente

Leia mais

Leader Coach. Creating high performance teams. Lisboa, 25 e 26 de junho de 2013. www.pwc.pt/academy. Academia da PwC

Leader Coach. Creating high performance teams. Lisboa, 25 e 26 de junho de 2013. www.pwc.pt/academy. Academia da PwC www.pwc.pt/academy Creating high performance teams Lisboa, 25 e 26 de junho de 2013 Academia da PwC Um curso onde irá conhecer as melhores práticas de gestão e desenvolvimento e equipas. Creating high

Leia mais

José Alves Marques Presidente do Conselho de Administração da Link Consulting

José Alves Marques Presidente do Conselho de Administração da Link Consulting José Alves Marques Presidente do Conselho de Administração da Link Consulting A integração de SI é uma questão de Alinhamento de Processos e Sistemas Nos dias de hoje, as tecnologias deixaram de ser um

Leia mais

1 Introdu ç ão. 1.1. A questão de pesquisa

1 Introdu ç ão. 1.1. A questão de pesquisa 1 Introdu ç ão 1.1. A questão de pesquisa A temática estratégia é muito debatida no meio acadêmico e também possui destacado espaço nas discussões no meio empresarial. Organizações buscam continuamente

Leia mais

Manual de administração

Manual de administração Manual de administração Como fazer outsourcing dos sistemas de informação Índice Introdução Passo 1 - Definir o enquadramento Passo 2 - Analisar os recursos e serviços internos Passo 3 - Analisar os recursos

Leia mais

ESCOLA SUPERIOR DE ENFERMAGEM DO PORTO

ESCOLA SUPERIOR DE ENFERMAGEM DO PORTO ESCOLA SUPERIOR DE ENFERMAGEM DO PORTO Norma de serviço n.º 2012/10 CRIAÇÃO E FUNCIONAMENTO DE GABINETES E GRUPOS A ESEP tem, estatutariamente, como missão nuclear, a oferta formativa no domínio da Enfermagem

Leia mais

2. O que informatizar?

2. O que informatizar? A INFORMÁTICA NO CONSULTÓRIO MÉDICO No fascículo anterior, comentamos como a gestão de custos, mesmo sendo feita de maneira simplista, auxilia o consultório a controlar e avaliar seus resultados, permitindo

Leia mais

Gestão por Competências

Gestão por Competências Gestão por Competências 2 Professora: Zeila Susan Keli Silva 2º semestre 2012 1 Contexto Economia globalizada; Mudanças contextuais; Alto nível de complexidade do ambiente; Descoberta da ineficiência dos

Leia mais

Consultoria de Gestão Sistemas Integrados de Gestão Contabilidade e Fiscalidade Recursos Humanos Marketing e Comunicação Consultoria Financeira JOPAC SOLUÇÕES GLOBAIS de GESTÃO jopac.pt «A mudança é a

Leia mais

Agradeço muito o convite que me foi endereçado para encerrar este XI Congresso da Ordem dos Revisores Oficias de Contas.

Agradeço muito o convite que me foi endereçado para encerrar este XI Congresso da Ordem dos Revisores Oficias de Contas. Senhor Bastonário da Ordem dos Revisores Oficiais de Contas, Dr. José Azevedo Rodrigues; Senhor Vice-Presidente do Conselho Diretivo da Ordem dos Revisores Oficiais de Contas e Presidente da Comissão Organizadora

Leia mais

O Engajamento em Programas Empresariais: funcionários, gestão e áreas parceiras. Trabalho em Grupo Encontro de 03/08/2011

O Engajamento em Programas Empresariais: funcionários, gestão e áreas parceiras. Trabalho em Grupo Encontro de 03/08/2011 O Engajamento em Programas Empresariais: funcionários, gestão e áreas parceiras Trabalho em Grupo Encontro de 03/08/2011 Resumo Mesa 1 Questão 1 O que dá significado/contribui para a participação do funcionário

Leia mais

Business & Executive Coaching - BEC

Business & Executive Coaching - BEC IAC International Association of Coaching Empresas são Resultados de Pessoas José Roberto Marques - JRM O Atual Cenário no Mundo dos Negócios O mundo dos negócios está cada vez mais competitivo, nesse

Leia mais

20.03.2007. O Planejamento Empresarial

20.03.2007. O Planejamento Empresarial 20.03.2007 02 O Planejamento Empresarial Planejamento empresarial talvez seja um dos temas mais instigantes e sedutores, basicamente porque é tema didático, ensina-nos a agir na cena empresarial e talvez

Leia mais

MÓDULO 1. Psicoeducação, organização e planejamento

MÓDULO 1. Psicoeducação, organização e planejamento MÓDULO 1 Psicoeducação, organização e planejamento Psicoeducação e introdução a habilidades de organização e planejamento Sessão 1 (Corresponde aos Capítulos 1, 2 e 4 do Manual do paciente) MATERIAIS NECESSÁRIOS

Leia mais

SISTEMAS DE GESTÃO - ERP

SISTEMAS DE GESTÃO - ERP A IMPORTÂNCIA DA CONSULTORIA NA SELEÇÃO / IMPLANTAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO - ERP Alinhamento das expectativas; O por que diagnosticar; Fases do diagnóstico; Critérios de seleção para um ERP; O papel da

Leia mais

Formulário de Avaliação de Desempenho

Formulário de Avaliação de Desempenho Formulário de Avaliação de Desempenho Objetivos da Avaliação de Desempenho: A avaliação de desempenho será um processo anual e sistemático que, enquanto processo de aferição individual do mérito do funcionário

Leia mais

Desenvolvimento de Líderes

Desenvolvimento de Líderes Desenvolvimento de Líderes Desempenho da Liderança by Ser Humano Consultoria Liderança é a competência de alguém em exercer influência sobre indivíduos e grupos, de modo que tarefas, estratégias e missões

Leia mais

PROGRAMA DE FORMAÇÃO

PROGRAMA DE FORMAÇÃO PROGRAMA DE FORMAÇÃO 1. Identificação do Curso Pós-Graduação em Gestão Estratégica de Recursos Humanos 2. Destinatários Profissionais em exercício de funções na área de especialização do curso ou novos

Leia mais

BEST WORK PORQUE O MELHOR TRABALHO É SÓ UM. O SEU!

BEST WORK PORQUE O MELHOR TRABALHO É SÓ UM. O SEU! BEST WORK PORQUE O MELHOR TRABALHO É SÓ UM. O SEU! ENQUANTO UNS ESTÃO CONFUSOS, VOCÊ DEMONSTRA CLAREZA ENQUANTO UNS ESTÃO CONSTRANGIDOS, VOCÊ É FLEXÍVEL ENQUANTO UNS VEEM ADVERSIDADE, VOCÊ DESCOBRE OPORTUNIDADES

Leia mais

Comunicação à 1ª secção

Comunicação à 1ª secção Comunicação à 1ª secção Denomina-se Ordem dos Advogados a associação pública representativa dos licenciados em Direito que, em conformidade com os preceitos deste Estatuto e demais disposições legais aplicáveis,

Leia mais

De mãos dadas: RH e marketing

De mãos dadas: RH e marketing De mãos dadas: RH e marketing A união de RH e marketing é um dos melhores caminhos para a sobrevivência de uma empresa - e das próprias áreas Não é incomum, em tempos de turbulência e incertezas econômicas,

Leia mais

Entrevista a Idalberto Chiavenato, guru mundial de recursos humanos

Entrevista a Idalberto Chiavenato, guru mundial de recursos humanos Entrevista a Idalberto Chiavenato, guru mundial de recursos humanos Entrada: Um dos maiores peritos em administração de empresas e recursos humanos, o brasileiro Idalberto Chiavenato, está de regresso

Leia mais

Carteira. de formação. análise às nossas oportunidades e recursos. Missão, Visão e Objectivos. Desenvolver competências técnicas e transversais

Carteira. de formação. análise às nossas oportunidades e recursos. Missão, Visão e Objectivos. Desenvolver competências técnicas e transversais conteúdos: Programa de formação avançada centrado nas competências e necessidades dos profissionais. PÁGINA 2 Cinco motivos para prefirir a INOVE RH como o seu parceiro, numa ligação baseada na igualdade

Leia mais

Perfil do Líder no Paraná

Perfil do Líder no Paraná Perfil do Líder no Paraná O importante é não parar nunca de questionar Albert Einstein Em 2006, a Caliper do Brasil, empresa multinacional de consultoria em gestão estratégica de talentos, buscando inovar,

Leia mais

A busca de Competitividade Empresarial através da Gestão Estratégica

A busca de Competitividade Empresarial através da Gestão Estratégica A busca de Competitividade Empresarial através da Gestão Estratégica No início dos anos 90, as organizações passaram a incorporar a visão de processos nos negócios na busca pela qualidade, produtividade

Leia mais

Uma Administração pública em rede

Uma Administração pública em rede Uma Administração pública em rede Maria Manuel Leitão Marques Unidade de Coordenação da Modernização Administrativa ucma@ucma.gov.pt Resumo Por detrás dos mais variados produtos e serviços que consumimos

Leia mais

Unidade II GESTÃO DO CONHECIMENTO. Profa. Leonor Cordeiro Brandão

Unidade II GESTÃO DO CONHECIMENTO. Profa. Leonor Cordeiro Brandão Unidade II GESTÃO DO CONHECIMENTO Profa. Leonor Cordeiro Brandão Relembrando Vimos alguns conceitos importantes: O que são dados; O que é informação; Quando uma informação se transforma em conhecimento;

Leia mais

Módulo 4.3 FORMULAÇÃO ESTRATÉGICA

Módulo 4.3 FORMULAÇÃO ESTRATÉGICA Módulo 4.3 FORMULAÇÃO ESTRATÉGICA A Gestão do desempenho e outros requisitos Planejamento Estratégico A Importância do Planejamento Estratégico Menos de 10% das estratégias efetivamente formuladas são

Leia mais

PHC Dashboard CS. Diversidade de análises de dados pré-configuradas. Representação gráfica da informação do sistema

PHC Dashboard CS. Diversidade de análises de dados pré-configuradas. Representação gráfica da informação do sistema PHC Dashboard CS Um novo nível de gestão A gestão da informação empresarial de forma sintética, visual e abrangente, possibilitando uma tomada de decisão mais rápida, correta e precisa. BUSINESS AT SPEED

Leia mais

O que é Balanced Scorecard?

O que é Balanced Scorecard? O que é Balanced Scorecard? A evolução do BSC de um sistema de indicadores para um modelo de gestão estratégica Fábio Fontanela Moreira Luiz Gustavo M. Sedrani Roberto de Campos Lima O que é Balanced Scorecard?

Leia mais

28 DOSSIER MODELO DE NEGÓCIO PERSPECTIVAS DE GESTÃO NO

28 DOSSIER MODELO DE NEGÓCIO PERSPECTIVAS DE GESTÃO NO 28 DOSSIER MODELO DE NEGÓCIO PERSPECTIVAS DE GESTÃO NO APÓS-VENDA DOSSIER 29 JORGE ZÓZIMO DA FONSECA Se fosse um concessionário, o meu negócio era o após-venda Ao longo das duas últimas décadas o mercado

Leia mais

Para Entender o Resultado Do Seu Autodiagnóstico: EM QUE CASOS O EMAIL É MAIS RECOMENDADO?

Para Entender o Resultado Do Seu Autodiagnóstico: EM QUE CASOS O EMAIL É MAIS RECOMENDADO? Para Entender o Resultado Do Seu Autodiagnóstico: EM QUE CASOS O EMAIL É MAIS RECOMENDADO? Saber se o email é mais ou menos apropriado para o seu negócio depende do tipo de produto ou serviço que vende,

Leia mais

Os Desafios da Gestão e da Liderança Marco Antonio Ornelas

Os Desafios da Gestão e da Liderança Marco Antonio Ornelas Os Desafios da Gestão e da Liderança Marco Antonio Ornelas Marco Antonio Ornelas Psicólogo com Especialização em Comportamento Organizacional pela Califórnia American University. Formação em Coaching pelo

Leia mais

Cegoc Moçambique O MAIOR GRUPO EUROPEU DE FORMAÇÃO PROFISSIONAL AGORA EM MOÇAMBIQUE. cegoc.co.mz

Cegoc Moçambique O MAIOR GRUPO EUROPEU DE FORMAÇÃO PROFISSIONAL AGORA EM MOÇAMBIQUE. cegoc.co.mz Cegoc Moçambique Formação e Consultoria em Capital Humano O MAIOR GRUPO EUROPEU DE FORMAÇÃO PROFISSIONAL AGORA EM MOÇAMBIQUE cegoc.co.mz O maior grupo europeu de formação profissional agora em Moçambique

Leia mais

Recursos Humanos e Qualidade

Recursos Humanos e Qualidade K Recursos Humanos e Qualidade na Gestão das Organizações do 3.º Sector S. Brás de Alportel, 11 de Dezembro de 2009 S. l Brás de Alportel, 11 de Dezembro de 2009_Isaque Dias O que é que fazem as Organizações

Leia mais

Equipe com mais de 17 anos de experiência em Avaliação de Executivos, Coaching e Desenvolvimento de Lideranças

Equipe com mais de 17 anos de experiência em Avaliação de Executivos, Coaching e Desenvolvimento de Lideranças Equipe com mais de 17 anos de experiência em Avaliação de Executivos, Coaching e Desenvolvimento de Lideranças Responsável pela elaboração e realização de projetos em empresas de porte que foram reconhecidos

Leia mais

Open Doors A SHL Portugal abre as portas às Organizações

Open Doors A SHL Portugal abre as portas às Organizações Open Doors A SHL Portugal abre as portas às Organizações Lisboa, 25 de maio de 2011 People Intelligence. Business Results. 1 2011 SHL Group Limited www.shl.com Gestão Integrada do Talento People Intelligence.

Leia mais

FERRAMENTAS? a alterar, em muitas organizações, um. instrumento tão abrangente como um orçamento

FERRAMENTAS? a alterar, em muitas organizações, um. instrumento tão abrangente como um orçamento O QUE É IMPRESCINDÍVEL NUMA SOLUÇÃO DE ORÇAMENTAÇÃO E PREVISÃO? Flexibilidade para acomodar mudanças rápidas; Usabilidade; Capacidade de integração com as aplicações a montante e a jusante; Garantir acesso

Leia mais

CALENDARIZAÇÃO DA ATIVIDADE FORMATIVA 2014. www.navegantescf.pt

CALENDARIZAÇÃO DA ATIVIDADE FORMATIVA 2014. www.navegantescf.pt CALENDARIZAÇÃO DA ATIVIDADE FORMATIVA 2014 FORMAÇÃO Início Fim Duração Horário Inscrição Contabilidade e Fiscalidade 01-10-2014 29-10-2014 21h P.L/S 100 Sensibilização e Orientação para o Cliente 02-10-2014

Leia mais

Os Sete Níveis de Consciência da Liderança

Os Sete Níveis de Consciência da Liderança Os Sete Níveis de Consciência da Liderança Existem sete níveis bem definidos de liderança, que correspondem aos sete níveis de consciência organizacional. Cada nível de liderança se relaciona com a satisfação

Leia mais

MAIS MUDANÇA COM MENOS MUDANÇAS: Notas sobre a reforma do Estado e o paradoxo da mudança

MAIS MUDANÇA COM MENOS MUDANÇAS: Notas sobre a reforma do Estado e o paradoxo da mudança MAIS MUDANÇA COM MENOS MUDANÇAS: Notas sobre a reforma do Estado e o paradoxo da mudança Miguel Pina e Cunha Nova School of Business and Economics Arménio Rego Universidade de Aveiro As dimensões do hardware

Leia mais

De forma a consolidar o nosso percurso neste domínio, em 2010 aderimos aos

De forma a consolidar o nosso percurso neste domínio, em 2010 aderimos aos 2 3 O nosso compromisso Iniciamos o nosso compromisso formal com a Responsabilidade Social em 2002, quando, integrámos a Associação Portuguesa de Ética Empresarial, com o objetivo de promover a reflexão

Leia mais

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu. MBA em Estratégia e Liderança Empresarial

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu. MBA em Estratégia e Liderança Empresarial Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Estratégia e Liderança Empresarial Apresentação O programa de MBA em Estratégia e Liderança Empresarial tem por objetivo preparar profissionais para

Leia mais

EDIÇÃO 2011/2012. Introdução:

EDIÇÃO 2011/2012. Introdução: EDIÇÃO 2011/2012 Introdução: O Programa Formação PME é um programa financiado pelo POPH (Programa Operacional Potencial Humano) tendo a AEP - Associação Empresarial de Portugal, como Organismo Intermédio,

Leia mais

CURSOS GERENCIAIS 20/12/2010 Antonio Roberto Grazzia, MBA, PMP

CURSOS GERENCIAIS 20/12/2010 Antonio Roberto Grazzia, MBA, PMP CURSOS GERENCIAIS 20/12/2010 Antonio Roberto Grazzia, MBA, PMP Em um ambiente de negócios competitivo, a condução de projetos de forma eficiente e sem desperdícios é um grande diferencial para o sucesso.

Leia mais

Executive Revolution Programs Competitive intelligence e inovação

Executive Revolution Programs Competitive intelligence e inovação Executive Revolution Programs Competitive intelligence e inovação Neste curso serão abordadas as melhores práticas que permitem gerir estrategicamente a informação, tendo em vista a criação de valor para

Leia mais

SQUADRA TRAINING IMPROVE YOUR BUSINESS PERFORMANCE! ÍNDICE CALENDÁRIO 2º SEMESTRE 2014 APRESENTAÇÃO PORTFÓLIO CONTACTOS E INFORMAÇÕES

SQUADRA TRAINING IMPROVE YOUR BUSINESS PERFORMANCE! ÍNDICE CALENDÁRIO 2º SEMESTRE 2014 APRESENTAÇÃO PORTFÓLIO CONTACTOS E INFORMAÇÕES SQUADRA TRAINING ÍNDICE 2 CALENDÁRIO 2º SEMESTRE 2014 3 APRESENTAÇÃO 5 PORTFÓLIO 14 1 CONTACTOS E INFORMAÇÕES IMPROVE YOUR BUSINESS PERFORMANCE SQUADRA TRAINING CALENDÁRIO 2º SEM. 2014 2 VENDER COM SUCESSO

Leia mais

APOSTILA DE FILOSOFIA E ÉTICA NAS ORGANIZAÇÕES

APOSTILA DE FILOSOFIA E ÉTICA NAS ORGANIZAÇÕES APOSTILA DE FILOSOFIA E ÉTICA NAS ORGANIZAÇÕES 2º. Bimestre Capítulos: I Ética: noções e conceitos básicos II Processo de Decisão Ética III - Responsabilidade Social Apostila elaborada pela Profa. Ana

Leia mais

Dinamizar e Implementar a Estratégia Gabriel Silva

Dinamizar e Implementar a Estratégia Gabriel Silva Dinamizar e Implementar a Estratégia Gabriel Silva Tempos de Mudança Mercados Tecnologia Pessoas Papel do Estado Escassez de Recursos Úteis no Longo Prazo Desdobramento dos Recursos 1 Missão Porque é que

Leia mais

31 descobertas sobre liderança

31 descobertas sobre liderança ALTA GERÊNCIA 31 descobertas sobre liderança Estudo Leadership Forecast 2005-2006, realizado pela firma de consultoria Development Dimensions International (DDI), buscou analisar como são percebidas em

Leia mais

Consciências de Desempenho Empresarial

Consciências de Desempenho Empresarial Quando o Design Thinking surgiu como uma alternativa para Solucionar Problemas, apresentando um novo perfil de raciocínio, considerando as partes interessadas como eixo de referência, ousando em pensar

Leia mais