Introdução resumida ao Active Directory (AD)

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Introdução resumida ao Active Directory (AD)"

Transcrição

1 Introdução resumida ao Active Directory (AD) Nuno Alexandre Magalhães Pereira; Novembro de O Active Directory (AD) é, com toda a certeza, o componente mais importante do Windows 2000/2003 (W2K/2K3). Infelizmente é também um dos componentes mais complexos e um dos mais omnipresentes: Uma boa partes das funcionalidades mais relevantes do W2K/2K3 requerem o AD. O AD é, na sua essência, uma base de dados. No seu âmago encontra-se um motor de base de dados, chamado ESE (Extensible Storage Engine), que é uma variante do motor do Access (chamado JET Joint Engine Technology). Mas Active Directory... isso não é um nome um pouco estranho para uma base de dados? (à maior parte das pessoas faz lembrar a estrutura de organização dos discos...) Este tipo de bases de dados (de utilizadores, grupos, máquinas,...) tende a ser mais lida que escrita e isto permite introduzir algumas optimizações no motor da base de dados, para aproveitar esse facto. Isto não esclarece muito sobre o nome encontrado para esta tecnologia, mas acontece que, os especialistas de bases de dados, costumam dar o nome de directory a este tipo de bases de dados. Adicionalmente, costumava-se utilizar listas de pessoas às quais, em inglês, se atribui o nome de office directories ou phone directories. Os diversos recursos armazenados no AD recebem o nome de objectos, estes objectos podem ser máquinas, utilizadores, informação sobre estes, impressoras, políticas de segurança, etc. Cada objecto contém um conjunto de atributos que o caracterizam. Por exemplo, os atributos de uma conta de utilizador podem incluir o primeiro e último nome do utilizador, departamento, endereço de correio electrónico, etc. Figura 1. Objectos e atributos no AD

2 Uma questão importante sobre o AD é a interface que este disponibiliza: Antigamente (ou talvez nem tanto...), poderia acontecer que, para cada serviço da rede, o utilizador se tivesse de autenticar perante esse serviço (BD, NetWare, Mail,...). O ideal seria poder fazer login no sistema operativo e depois este trataria de autenticar o utilizador junto de outros serviços. O problema era: Como os fabricantes de software iriam fazer os seus produtos perguntar ao SO se um utilizador particular pode utilizar o seu serviço? E como podiam confiar que a Microsoft não iria mudar essa interface, caso existisse, numa futura versão? Bom, com o W2K a Microsoft tentou responder a esta questão: Baseou a interface para o AD num standard chamado LDAP (Lightweight Directory Access Protocol), definido no padrão X.500. Desta forma abriu o AD para outros fabricantes de software. Resumindo algumas das propriedades mais relevantes do AD: - Dispõe de uma interface padrão: LDAP (Lightweight Directory Access Protocol); - Contas de utilizadores e máquinas centralizadas; - Servidores que funcionam como servidores de autenticação: Controladores de domínio; - Funciona como um índice dos recursos na rede; - Domínios muito maiores (comparado com versões anteriores de servidores Windows); - Subdivisão de domínios em unidades lógicas; - Delegação de tarefas administrativas; - Melhoria dos processos de replicação. Através da criação de sites; - Facilita o processo de construir e manter múltiplos domínios; - Unificação do sistema de nomes: Baseado em DNS; - Implementação de políticas de utilização do sistema (Group Policies). Nas secções seguintes, iremos abordar alguns conceitos básicos sobre o AD. Componentes básicos do AD Os objectos que podem ser armazenados no AD estão definidos no AD Schema. Este define não só os tipos de objectos como os tipos dos atributos de cada objecto. As definições em si são também elas próprias objectos, de forma a poderem ser geridas da mesma forma que os restantes objectos. O AD contém componentes que permitem representar as estruturas lógicas da organização: Domínios, Unidades Organizacionais (organizational units - OUs), árvores e florestas. No Global Catalog encontra-se um resumo dos objectos no AD. Adicionalmente, existem componentes que permitem representar a estrutura física: Sites e Controladores de Domínio. Vamos agora ver cada um destes componentes. Domínios Esta é a unidade básica da estrutura lógica do AD. Um domínio pode armazenar milhões de objectos. De uma forma simples, um domínio é uma unidade de segurança, que define os direitos administrativos sobre um grupo de recursos. No entanto, o AD permite que estes direitos possam ser delegados a sub-divisões do domínio, chamadas Unidades Organizacionais (Organizational Units - OUs).

3 Figura 2. Recursos organizados hierarquicamente em estruturas lógicas. O AD permite a criação de domínios com milhões de objectos, tornando possível desenvolver domínios a uma escala muito alargada: É perfeitamente aceitável o cenário de uma empresa de dimensão mundial, com apenas um domínio. Em versões anteriores (NT4), este era um cenário impossível principalmente porque os domínios eram muito mais limitados na quantidade de utilizadores que suportavam, não permitiam a criação de divisões do domínio com diferentes poderes de administração e também porque Controladores de Domínio não possuíam forma de saber como estavam conectados entre si, assim iriam efectuar as tarefas de cópia de informação respeitante ao domínio da mesma forma, quer estivessem na mesma rede local, ou ligados através de uma conexão de área alargada com muito menor capacidade. Existem, no entanto, algumas razões para criar domínios diferentes no W2K, estas podem ser razões políticas ou razões técnicas. Não nos iremos alargar nas razões políticas. Quanto às razões técnicas, estas podem incluir: problemas de cópia da informação respeitante ao AD, devido a uma largura de banda muito reduzida ou conexões muito pouco fiáveis. Embora o W2K possua mecanismos para lidar com este aspecto (criação de Sites), podem existir casos em que as conexões não permitem a replicação normal entre os Controladores de Domínio; Políticas de contas de utilizadores diferentes. O W2K apenas permite a definição de políticas como quantas vezes um utilizador pode falhar a introdução da sua palavra-chave ou quando deve um utilizador ser obrigado a trocar de palavra-chave a um nível de domínio; Ou por razões de segurança: Como cada Controlador de Domínio contém uma cópia do AD para toda a organização. Se alguém mal intencionado conseguir obter o AD (por exemplo, simplesmente roubando o disco de um controlador numa delegação distante onde são mais descuidados em termos de segurança física dos servidores) poderá eventualmente conseguir decifrar a informação aí contida e conseguir as palavras-chave de todo o domínio. Unidades Organizacionais (OU) Como referido, os domínios podem ser divididos em OUs. Estas são utilizadas como contentores, para organizar objectos dentro de um domínio em grupos administrativos lógicos que reflectem de alguma forma a estrutura organizacional ou estrutura de negócio da organização. Utilizando OUs é possível delegar direitos administrativos sobre grupos de recursos. Na figura 3, foram criadas três OUs: US, ORDERS e DISP, estas podem reflectir conjuntos de direitos

4 administrativos diferentes. Por exemplo poderia ser desejado que os administradores da ORDERS tenham capacidade para adicionar/remover utilizadores, e permitir acesso aos ficheiros e impressoras afectos a essas OUs. Mas, aos administradores da DISP, não se desejava dar a permissão para criar modificar os utilizadores. Figura 3. Recursos organizados hierarquicamente em estruturas lógicas. Por omissão, as permissões das OUs são herdadas dos seus superiores. Portanto (observando a Figura 3), se ORDERS e DISP fossem filhos de US seria possível atribuir uma gama mais alargada de permissões a US e restringir, através das propriedades da herança, as permissões específicas para cada uma das OUs. Árvores e Florestas Árvores e Florestas são estruturas que permitem poupar o administrador da tarefa de construir relações de confiança entre os domínios que administra. As árvores são grupos de domínios. Entre os domínios de uma árvore são criadas relações de confiança bidireccionais (domínio A confia no domínio B e B confia em A) e transitivas (por exemplo, na figura 4, se sls.uk.microsoft.com possuí uma relação de confiança com uk.microsoft.com, então também possuí uma relação de confiança com microsoft.com). Figura 5. Uma árvore de domínios As florestas não são mais do que grupos de árvores (como seria de esperar ). Entre as árvores de uma floresta são também criadas relações de confiança bidireccionais e transitivas. Mas porque necessitamos de florestas afinal? Não poderíamos passar apenas com árvores? Os grupos de domínios criados pelas árvores têm um problema: Os nomes têm de estar dentro de

5 uma hierarquia. Ou seja, os sub-domínios têm de incluir os nomes dos domínios superiores. Pode acontecer que este arranjo não seja possível para uma determinada organização. E é para isso que existem as florestas. Figura 6. Uma floresta de árvores Escondido nesta admirável noção de juntar domínios em árvores e árvores em florestas existe um problema: Não é possível juntar domínios já existentes a uma árvore ou juntar árvores já existentes a uma floresta. A única forma de adicionar um domínio a uma árvore ou uma árvore a uma floresta é construindo o domínio de raiz dentro de uma árvore ou floresta já existente. Acontece também que não é possível criar relações de confiança bidireccionais e transitivas manualmente. Apenas relações num só sentido e não transitivas. A solução para o problema de inserir um domínio já existente a uma árvore ou floresta seria criar um novo domínio vazio e depois copiar toda a informação deste para o novo domínio. O W2K3 veio colmatar de alguma forma este problema, pois é possível criar relações de confiança bidireccionais e transitivas entre florestas. No entanto, para tal será necessário ter todos os controladores de domínio da floresta com W2K3. Grupos Os grupos permitem juntar conjuntos de utilizadores, sobre os quais serão aplicadas as mesmas permissões. Na sua essência, grupos são um tipo especial de conta, que podem incluir não só utilizadores como também máquinas. É necessário chamar à atenção para o facto de, apesar do seu nome, as políticas de grupo (Group Policies, são o substituto das políticas de sistema (system policies) do NT, basicamente permitem manipular atributos do registry, de forma a implementar políticas de utilização do sistema. Exemplos: Ajustar os direitos dos utilizadores; Restringir as aplicações que os utilizadores podem utilizar; Configuração do ambiente de trabalho dos utilizadores; etc) não são aplicadas a grupos, mas sim a OUs. Existe 4 tipos diferentes de grupos: Machine local groups; Domain local groups o Grupos locais; Para atribuição de privilégios locais e acesso a recursos locais. Deve-se tentar colocar outros grupos dentro dos grupos locais e tentar manter o número de membros pequeno.

6 Domain global groups o Grupos globais; Para reunir utilizadores e outros grupos globais no mesmo domínio que necessitam dos mesmos privilégios ou acesso aos mesmos recursos. Colocar estes grupos dentro de grupos locais que possuem os privilégios pretendidos. Universal groups o Grupos Universais; Apenas podem ser utilizados quando estamos em modo nativo (modo nativo do W2K refere-se ao modo de funcionamento do domínio, por razões de compatibilidade com versões anteriores. Os grupos universais são uma das principais razões para a existência de diferentes modos de funcionamento, pois este tipo de grupos não é compatível com NT4 1 ). Deve-se manter o número de membros pequeno. A melhor forma para utilizar estes grupos é colocar grupos globais dentro destes, evitando colocar utilizadores ou máquinas directamente dentro de grupos universais (na secção seguinte, respeitante ao Global Catalog, explica-se porquê). Deve-se tentar evitar fazer muitos níveis imbricados de grupos, pois tal terá uma forma impacto sobre o desempenho do sistema. A imagem seguinte mostra a forma como os grupos podem ser colocados dentro de outros grupos. Figura 7. Que grupos vão para dentro de outros grupos Global Catalog (GC) O GC é uma versão abreviada da informação sobre cada um dos domínios na floresta, servindo como elo de ligação entre os domínios. Contém uma relação dos UPNs (User Principal Name, que será discutido mais adiante) dos utilizadores e dos domínios a que pertencem, informação sobre os grupos globais e também sobre os grupos universais. No caso dos grupos universais, o GC também guarda cada um dos seus membros. Devido a este facto, não é aconselhada a utilização de muitos grupos universais. 1 Neste aspecto, o W2K3 introduziu ainda mais complexidade. Enquanto no W2K existiam apenas dois modos de funcionamento, (nativo - native e combinado - mixed), no W2K3, os modos de funcionamento passam a denominar-se functional levels. Existem (quatro) ao nível do domínio (domain functional levels) e (dois) ao nível da floresta (forest functional levels).

7 Figura 8. Global Catalog O GC foi concebido para permitir respostas a consultas sobre objectos do AD com o maior desempenho e menor tráfego possíveis. Porque contém informação sobre todos os domínios da floresta, permite que as consultas não necessitem de percorrer vários domínios até encontrar a resposta. Para motivar a importância do GC, podemos dizer que este é uma peça fundamental para o login de utilizadores nos domínios W2K. Sem um servidor do GC disponível, um utilizador apenas conseguirá fazer login de localmente. Vamos ver porquê. (Já agora, como é que uma máquina encontra o servidor do GC, para fazer a sua consulta? - Através do DNS.) Com o W2K, qualquer utilizador de um domínio pode (a menos que existam políticas de segurança que digam o contrário) entrar em qualquer máquina pertencente à floresta, sendo identificado pelo seu UPN (User Principal Name). O UPN é uma simplificação na forma como os utilizadores se identificam perante o sistema. Um UPN tem um formato semelhante a um endereço de correio electrónico o utilizador pode entrar no sistema introduzindo o seu nome (zé) e o domínio a que pertence (dei-isep.pt), ou pode simplesmente indicar o seu UPN. Adicionalmente, o sufixo UPN (neste caso: dei-isep.pt) não necessita de ter nada a ver com o nosso domínio, por exemplo podíamos atribuir o UPN mas o nosso utilizador ser, na realidade, um utilizador do domínio dei-isep.pt. Para isso teríamos apenas de definir o sufixo asi1.pt como um sufixo UPN válido (na ferramenta Active Directory Domains and Trusts ). Esta simplificação para os utilizadores adiciona complexidade ao processo de autenticação do utilizador, pois quando um utilizador se identifica desta forma, é depois necessário descobrir a que domínio o utilizador pertence na realidade. Esta é uma das funções do GC. Num domínio com apenas um controlador (que, deve-se dizer, é uma situação pouco recomendável), o GC encontra-se no próprio Controlador de Domínio. No caso de existirem múltiplos Controladores de Domínio, é possível designar quais terão também o papel de serem servidores do GC (Global Catalog Servers).

8 Sites Os Sites existem para reflectirem as interligações físicas entre as máquinas de um domínio. Desta forma, os Controladores de Domínio ficam a saber se estão a comunicar via uma conexão de alta velocidade ou se devem usar de maior parcimónia na utilização da conexão. Tipicamente os Sites são definidos pelas redes de área local da organização. Todas as máquinas de uma determinada rede local estarão, à partida, no mesmo site. Controladores de Domínio Os Controladores de Domínio são máquinas com o W2K Server que guardam uma cópia do AD. Em W2K, um domínio pode ter vários Controladores de Domínio e estes encarregam-se de manter cada uma das suas cópias do AD consistentes entre si, através de um processo de replicação explicado adiante. É necessário ter em conta que, a replicação junto de um determinado Controlador de Domínio por todos os outros controladores, pode demorar algum tempo. Por isso, as alterações submetidas a um determinado Controlador de Domínio (por exemplo, alteração de palavras-chave, adição de utilizadores) podem demorar algum tempo a se propagar pelos outros controladores. Replicação O processo de transferência de informação do AD, entre Controladores de Domínio de uma floresta, de modo a manter a homogeneidade é denominado de replicação. A replicação ocorre de uma forma periódica. A informação sobre os Sites (como vimos, são estruturas que definem as interligações entre as máquinas de um domínio) definidos é utilizada para gerir a forma como a replicação acontece. A replicação entre controladores do mesmo Site acontece de forma mais frequente que entre controladores em Sites diferentes. Entre Controladores de Domínio que se encontram dentro do mesmo Site, um programa denominado KCC (Knowledge Consistency Checker) executa periodicamente e elabora uma topologia para a replicação da informação de uma eficiente. Figura 9. Topologia de Replicação

9 Quando temos os nossos Controladores de Domínio a operar em modo nativo, estes não irão efectuar replicação com os controladores de versões anteriores ao W2K. A replicação entre controladores de Sites diferentes dá-se de uma forma semelhante, no entanto existe um cuidado especial na utilização das ligações entre os Sites e a informação das actualizações é comprimida.

Introdução resumida ao Active Directory (AD)

Introdução resumida ao Active Directory (AD) Introdução resumida ao Active Directory (AD) Nuno Alexandre Magalhães Pereira; Novembro de 2005. O Active Directory (AD) é, com toda a certeza, o componente mais importante do Windows 2000/2003 (W2K/2K3).

Leia mais

Introdução ao Active Directory AD

Introdução ao Active Directory AD Introdução ao Active Directory AD Curso Técnico em Redes de Computadores SENAC - DF Professor Airton Ribeiro O Active Directory, ou simplesmente AD como é usualmente conhecido, é um serviço de diretórios

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DE SISTEMA OPERACIONAL DE REDE (AULA 4)

ADMINISTRAÇÃO DE SISTEMA OPERACIONAL DE REDE (AULA 4) Prof. Breno Leonardo Gomes de Menezes Araújo brenod123@gmail.com http://blog.brenoleonardo.com.br ADMINISTRAÇÃO DE SISTEMA OPERACIONAL DE REDE (AULA 4) Serviço de diretório Serviço de diretório é um conjunto

Leia mais

Elementos. Setores, departamentos, diretorias etc.

Elementos. Setores, departamentos, diretorias etc. O Active Directory Active directory Serviço de diretório extensível para gerenciar recursos da rede de modo eficiente Armazena informações detalhadas sobre cada recurso na rede Possibilidade de armazenar

Leia mais

INTRODUÇÃO AO WINDOWS SERVER 2003

INTRODUÇÃO AO WINDOWS SERVER 2003 INTRODUÇÃO AO WINDOWS SERVER 2003 1 FUNÇÕES DE UM SERVIDOR Um servidor é um computador que tem como função disponibilizar serviços numa rede. Uma das funções do Windows Server 2003 é gerir um domínio da

Leia mais

Sistemas Operacionais de Rede INTRODUÇÃO AO ACTIVE DIRECTORY

Sistemas Operacionais de Rede INTRODUÇÃO AO ACTIVE DIRECTORY Sistemas Operacionais de Rede INTRODUÇÃO AO ACTIVE DIRECTORY Conteúdo Programático! Introdução ao Active Directory (AD)! Definições! Estrutura Lógica! Estrutura Física! Instalação do Active Directory (AD)!

Leia mais

Conceitos de relação de confiança www.jpinheiro.net jeferson@jpinheiro.net

Conceitos de relação de confiança www.jpinheiro.net jeferson@jpinheiro.net Conceitos de relação de confiança www.jpinheiro.net jeferson@jpinheiro.net Procedimento para criar uma árvore O procedimento usado para criar uma árvore com o Assistente para instalação do Active Directory

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DE SISTEMA OPERACIONAL DE REDE (AULA 5)

ADMINISTRAÇÃO DE SISTEMA OPERACIONAL DE REDE (AULA 5) Prof. Breno Leonardo Gomes de Menezes Araújo brenod123@gmail.com http://blog.brenoleonardo.com.br ADMINISTRAÇÃO DE SISTEMA OPERACIONAL DE REDE (AULA 5) Uma conta de usuário é um objeto de Active Directory,

Leia mais

MINICURSO WINDOWS SERVER 2008 UTILIZANDO O VMWARE PLAYER

MINICURSO WINDOWS SERVER 2008 UTILIZANDO O VMWARE PLAYER MINICURSO WINDOWS SERVER 2008 UTILIZANDO O VMWARE PLAYER TÁSSIO JOSÉ GONÇALVES GOMES tassiogoncalvesg@gmail.com MINICURSO WINDOWS SERVER 2008 TÁSSIO GONÇALVES - TASSIOGONCALVESG@GMAIL.COM 1 CONTEÚDO Arquitetura

Leia mais

Windows 2008 Server. Windows 2008 Server IFSP Boituva Prof. Sérgio Augusto Godoy. www.profsergiogodoy.com sergiogutogodoy@hotmail.

Windows 2008 Server. Windows 2008 Server IFSP Boituva Prof. Sérgio Augusto Godoy. www.profsergiogodoy.com sergiogutogodoy@hotmail. Windows 2008 Server IFSP Boituva Prof. Sérgio Augusto Godoy www.profsergiogodoy.com sergiogutogodoy@hotmail.com Serviços DHCP Server: O DHCP ("Dynamic Host Configuration Protocol" ou "protocolo de configuração

Leia mais

Conteúdo Programático

Conteúdo Programático Conteúdo Programático Introdução ao Active (AD) Definições Estrutura Lógica Estrutura Física Instalação do Active (AD) Atividade Prática 1 Definições do Active Em uma rede do Microsoft Windows Server 2003,

Leia mais

Windows Server 2003. Trabalho realizado por: Adriana Luís Paulo Tiago Conceição

Windows Server 2003. Trabalho realizado por: Adriana Luís Paulo Tiago Conceição Windows 2003 Trabalho realizado por: Adriana Luís Paulo Tiago Conceição Introdução Lançado pela Microsoft em 24 de Abril de 2003, o Microsoft Windows 2003, também conhecido como W2K3 ou simplesmente Windows

Leia mais

edgebox - PTEDU edgebox como servidor de autenticação nas escolas Copyright @ 2009 Critical Links S.A. All rights reserved. Saturday, July 18, 2009

edgebox - PTEDU edgebox como servidor de autenticação nas escolas Copyright @ 2009 Critical Links S.A. All rights reserved. Saturday, July 18, 2009 edgebox - PTEDU edgebox como servidor de autenticação nas escolas 1 Agenda Introdução 802.1x Cenários eradmanager Clientes 802.1x Q & A Introdução 3 O que é o edgebox? Um equipamento de rede com uma interface

Leia mais

Tutorial de Active Directory Parte 3

Tutorial de Active Directory Parte 3 Tutorial de Active Directory Parte 3 Introdução Prezados leitores, esta é a terceira parte de uma série de tutoriais sobre o Active Directory. O Active Directory foi a grande novidade introduzida no Windows

Leia mais

Administração de Sistemas Operacionais. Prof. Rodrigo Siqueira

Administração de Sistemas Operacionais. Prof. Rodrigo Siqueira Administração de Sistemas Operacionais Prof. Rodrigo Siqueira Lição 1: Funções de servidor Edições do Windows Server 2008 O que são funções de servidor? O que são as funções de serviços de infra-estrutura

Leia mais

ATIVIDADE 1. Redes Windows. 1.1 Histórico do SMB

ATIVIDADE 1. Redes Windows. 1.1 Histórico do SMB ATIVIDADE 1 Redes Windows Falar sobre Samba e redes mistas Windows / Linux, sem antes explicar o conceito básico de uma rede não parece correto e ao mesmo tempo, perder páginas e mais páginas explicando

Leia mais

Criação de um Servidor Windows

Criação de um Servidor Windows Laboratório de Processamento de Sinais Laboratório de Sistemas Embarcados Universidade Federal do Pará 30 de janeiro de 2012 Sumário 1 Introdução ao Windows Server 2 Algumas ferramentas 3 Instalação do

Leia mais

Controle de Acesso em Rede

Controle de Acesso em Rede Segurança de Rede Segurança de rede e segurança de sistema (servidor individual) têm muito em comum Há redes onde o usuário faz login no domínio da rede para ter acesso aos recursos; em outras, se conecta

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DE SISTEMAS OPERACIONAIS

ADMINISTRAÇÃO DE SISTEMAS OPERACIONAIS ADMINISTRAÇÃO DE SISTEMAS OPERACIONAIS FUNDAMENTOS DE Visão geral sobre o Active Directory Um diretório é uma estrutura hierárquica que armazena informações sobre objetos na rede. Um serviço de diretório,

Leia mais

Administração de Utilizadores e grupos

Administração de Utilizadores e grupos CURSO DE EDUCAÇÃO E FORMAÇÃO TIPO 5 2º ANO TÉCNICO DE INFORMÁTICA/INSTALAÇÃO E GESTÃO DE REDES 2008/2009 INSTALAÇÃO R EDES C LIENTE SERVIDOR O que é uma conta de utilizador? Contas de utilizador local

Leia mais

Professor: Macêdo Firmino Disciplina: Sistemas Operacionais de Rede

Professor: Macêdo Firmino Disciplina: Sistemas Operacionais de Rede Professor: Macêdo Firmino Disciplina: Sistemas Operacionais de Rede Um serviço de diretório, como o Active Directory, fornece os métodos para armazenar os dados de diretório (informações sobre objetos

Leia mais

Active Directory. João Medeiros (joao.fatern@gmail.com) 1 / 15

Active Directory. João Medeiros (joao.fatern@gmail.com) 1 / 15 Active Directory João Medeiros (joao.fatern@gmail.com) 1 / 15 Baseado no LDAP Estrutura hierárquica organizacional Diretório de serviços que pode ser distribuído através de vários servidores com tolerância

Leia mais

Data de Aplicação. Rede Local e Segurança Informática Básica

Data de Aplicação. Rede Local e Segurança Informática Básica FICHA TÉCNICA Exercício nº 9 NOME DO EXERCÍCIO DESTINATÁRIOS Duração Pré Requisitos Recursos / Equipamentos Orientações Pedagógicas OBJECTIVOS Resultado Esperado Rede Local e Segurança Informática Básica

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DE SISTEMAS OPERACIONAIS SERVIÇOS DE RESOLUÇÃO DE NOMES (DNS E WINS). Professor Carlos Muniz

ADMINISTRAÇÃO DE SISTEMAS OPERACIONAIS SERVIÇOS DE RESOLUÇÃO DE NOMES (DNS E WINS). Professor Carlos Muniz ADMINISTRAÇÃO DE SISTEMAS OPERACIONAIS SERVIÇOS DE RESOLUÇÃO DE NOMES (DNS Domain Name System (DNS) e Windows Internet Name Service (WINS) são os protocolos usados para resolver nomes para endereços IP.

Leia mais

Introdução ao Windows Server System. José Carlos Libardi Junior

Introdução ao Windows Server System. José Carlos Libardi Junior Introdução ao Windows Server System José Carlos Libardi Junior Computer Roles Grupo de Trabalho X Domínio O que é Active Directory Termos do Active Directory Tópicos Principais Um computador com o Windows

Leia mais

Senado Federal Questões 2012

Senado Federal Questões 2012 Senado Federal Questões 2012 Sistemas Operacionais Prova de Analista de Sistemas Prof. Gustavo Van Erven Senado Federal Questões 2012 Rede Social ITnerante http://www.itnerante.com.br/ Vídeo Aulas http://www.provasdeti.com.br/

Leia mais

Curso Profissional de Técnico de Gestão e Programação de Sistemas Informáticos. Sistemas Operativos - 2º Ano

Curso Profissional de Técnico de Gestão e Programação de Sistemas Informáticos. Sistemas Operativos - 2º Ano Curso Profissional de Técnico de Gestão e Programação de Sistemas Informáticos Sistemas Operativos - 2º Ano 2012/2013 O Windows Server 2003 surgiu em 2003 e substituiu o Windows Server 2000. O Windows

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores São dois ou mais computadores ligados entre si através de um meio.a ligação pode ser feita recorrendo a tecnologias com fios ou sem fios. Os computadores devem ter um qualquer dispositivo

Leia mais

INSTALANDO E CONFIGURANDO O ACTIVE DIRECTORY NO WINDOWS SERVER 2008

INSTALANDO E CONFIGURANDO O ACTIVE DIRECTORY NO WINDOWS SERVER 2008 INSTALANDO E CONFIGURANDO O ACTIVE DIRECTORY NO WINDOWS SERVER 2008 Objetivo Esse artigo tem como objetivo demonstrar como instalar e configurar o Active Directory no Windows Server 2008. Será também apresentado

Leia mais

4 Serviços de Aplicação

4 Serviços de Aplicação 4 Serviços de Aplicação A existência de um suporte de comunicação permite a interligação de diversos dispositivos e também a disponibilização de diversas aplicações que adicionam funcionalidades ao sistema.

Leia mais

TABELA 3.1 Requisitos do Windows Server 2008 Standard

TABELA 3.1 Requisitos do Windows Server 2008 Standard 3 3INSTALAÇÃO DE UM SERVIDOR 2008 Feita a apresentação das funcionalidades do Windows Server 2008, eis que chega a hora mais desejada: a da implementação do nosso servidor. No entanto não é de todo recomendável

Leia mais

GESTÃO DE SISTEMAS E REDES SERVIÇOS DE DIRETÓRIOS MS AD

GESTÃO DE SISTEMAS E REDES SERVIÇOS DE DIRETÓRIOS MS AD GESTÃO DE SISTEMAS E REDES SERVIÇOS DE DIRETÓRIOS MS AD OUTLINE UMA BREVE HISTÓRIA DOS DIRETÓRIOS FUNDAMENTOS DO ACTIVE DIRECTORY COMO SÃO GUARDADOS E IDENTIFICADOS OS OBJETOS IDENTIFICAÇÃO ÚNICA DE OBJETOS

Leia mais

Manual Passo a Passo do Microsoft Windows Server Update Services 3.0 SP2

Manual Passo a Passo do Microsoft Windows Server Update Services 3.0 SP2 Manual Passo a Passo do Microsoft Windows Server Update Services 3.0 SP2 Microsoft Corporation Autor: Anita Taylor Editor: Theresa Haynie Resumo Este manual fornece instruções detalhadas para instalar

Leia mais

Laboratório de Redes de Computadores e Sistemas Operacionais

Laboratório de Redes de Computadores e Sistemas Operacionais Laboratório de Redes de Computadores e Sistemas Operacionais O Active Directory Fabricio Breve Introdução Domínios: grupo de servidores e estações de trabalho que concordam em centralizar os nomes de contas

Leia mais

SISTEMA DE CONTROLO DE ACESSOS

SISTEMA DE CONTROLO DE ACESSOS SISTEMA DE CONTROLO DE ACESSOS Versão 4.6.0 Manual de Utilização Portugal Telecom Inovação, S.A. Versão Data Responsabilidades Justificação Edição: 4.6.0 Revisão: Aprovação: Copyright (c) 2011 PT Inovação,

Leia mais

Tutorial 02 Promovendo o Windows 2000/2003 Server a um Controlador de Domínio

Tutorial 02 Promovendo o Windows 2000/2003 Server a um Controlador de Domínio Tutorial 02 Promovendo o Windows 2000/2003 Server a um Controlador de Domínio Muitos tutoriais iniciam a explicação do processo em uma fase adiantada, ou seja, considerando que o leitor já sabe algumas

Leia mais

Laboratório de Sistemas e Redes. Nota sobre a Utilização do Laboratório

Laboratório de Sistemas e Redes. Nota sobre a Utilização do Laboratório Nota sobre a Utilização do Laboratório 1. Introdução O laboratório de Sistemas e Redes foi criado com o objectivo de fornecer um complemento prático de qualidade ao ensino das cadeiras do ramo Sistemas

Leia mais

Os documentos à distância de um clique!

Os documentos à distância de um clique! Os documentos à distância de um clique! iportaldoc Os Documentos à distância de um clique! O iportaldoc é um Serviço de Gestão Documental e Workflow para empresas e instituições que sintam a necessidade

Leia mais

Sistemas Informáticos

Sistemas Informáticos Sistemas Informáticos Sistemas Distribuídos Eng.ª Sistemas de Informação Escola Superior de Tecnologia e Gestão - IPVC Ano Lectivo 2005-2006 1.º Semestre Gestão de Nomes 1 - Objectivos - Os nomes são fundamentais

Leia mais

Lista de Exercícios-01 DISCIPLINA DE ARQUITETURA FECHADA WINDOWS SERVER Estrutura lógica estrutura física

Lista de Exercícios-01 DISCIPLINA DE ARQUITETURA FECHADA WINDOWS SERVER Estrutura lógica estrutura física Lista de Exercícios-01 1. Faça uma breve descrição sobre o Active Directory-AD Serviço de diretório é um conjunto de Atributos sobre recursos e serviços existentes na rede, isso significa que é uma maneira

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DE SISTEMAS OPERACIONAIS SISTEMA DE ARQUIVOS

ADMINISTRAÇÃO DE SISTEMAS OPERACIONAIS SISTEMA DE ARQUIVOS ADMINISTRAÇÃO DE SISTEMAS OPERACIONAIS SISTEMA DE ARQUIVOS DISTRIBUÍDOS (DFS) Visão geral sobre o Sistema de Arquivos Distribuídos O Sistema de Arquivos Distribuídos(DFS) permite que administradores do

Leia mais

1.1 A abordagem seguida no livro

1.1 A abordagem seguida no livro 1- Introdução A área de administração de sistemas e redes assume cada vez mais um papel fundamental no âmbito das tecnologias da informação. Trata-se, na realidade, de uma área bastante exigente do ponto

Leia mais

Permissões de compartilhamento e NTFS - Parte 1

Permissões de compartilhamento e NTFS - Parte 1 Permissões de compartilhamento e NTFS - Parte 1 Autor: Júlio Battisti - Site: www.juliobattisti.com.br Segurança, sem dúvidas, é um dos temas mais debatidos hoje, no mundo da informática. Nesse tutorial

Leia mais

Capítulo 8 - Aplicações em Redes

Capítulo 8 - Aplicações em Redes Capítulo 8 - Aplicações em Redes Prof. Othon Marcelo Nunes Batista Mestre em Informática 1 de 31 Roteiro Sistemas Operacionais em Rede Modelo Cliente-Servidor Modelo P2P (Peer-To-Peer) Aplicações e Protocolos

Leia mais

FTIN Formação Técnica em Informática. Sistema Operacional Proprietário Windows Prof. Walter Travassos

FTIN Formação Técnica em Informática. Sistema Operacional Proprietário Windows Prof. Walter Travassos FTIN Formação Técnica em Informática Sistema Operacional Proprietário Windows Prof. Walter Travassos Aula 03 SISTEMA OPERACIONAL PROPRIETÁRIO WINDOWS Competências Instalação do Active Directory e serviços

Leia mais

Guia IPBRICK Billing 2.0

Guia IPBRICK Billing 2.0 Guia IPBRICK Billing 2.0 iportalmais 4 de Janeiro de 2013 1 Conteúdo 1 Introdução 3 2 Características 3 2.1 Novas características no Billing 2.0................... 3 3 Procedimento Básico 4 4 Instalação

Leia mais

ICORLI. INSTALAÇÃO, CONFIGURAÇÃO e OPERAÇÃO EM REDES LOCAIS e INTERNET

ICORLI. INSTALAÇÃO, CONFIGURAÇÃO e OPERAÇÃO EM REDES LOCAIS e INTERNET INSTALAÇÃO, CONFIGURAÇÃO e OPERAÇÃO EM REDES LOCAIS e INTERNET 2010/2011 1 Protocolo TCP/IP É um padrão de comunicação entre diferentes computadores e diferentes sistemas operativos. Cada computador deve

Leia mais

ISEP. Instituto Superior de Engenharia do Porto. Análise de Sistemas Informáticos

ISEP. Instituto Superior de Engenharia do Porto. Análise de Sistemas Informáticos ISEP Instituto Superior de Engenharia do Porto Análise de Sistemas Informáticos Armazenamento de Dados em Rede A Revolução do Armazenamento Partilhado A crise económica e a crescente necessidade de armazenamento

Leia mais

Internet ou Net. É uma rede mundial de computadores ligados entre si através s de linhas telefónicas comuns.

Internet ou Net. É uma rede mundial de computadores ligados entre si através s de linhas telefónicas comuns. Internet Internet ou Net É uma rede mundial de computadores ligados entre si através s de linhas telefónicas comuns. Como Comunicam os computadores Os computadores comunicam entre si utilizando uma linguagem

Leia mais

MANUAL DE INTRODUÇÃO AO ALFRESCO 3.0

MANUAL DE INTRODUÇÃO AO ALFRESCO 3.0 MANUAL DE INTRODUÇÃO AO ALFRESCO 3.0 Alfresco é uma marca registada da Alfresco Software Inc. 1 / 42 Índice de conteúdos Alfresco Visão geral...4 O que é e o que permite...4 Página Inicial do Alfresco...5

Leia mais

geral@centroatlantico.pt www.centroatlantico.pt Impressão e acabamento: Inova 2ª edição: Março de 2006 ISBN: 989-615-024-9 Depósito legal: 240.

geral@centroatlantico.pt www.centroatlantico.pt Impressão e acabamento: Inova 2ª edição: Março de 2006 ISBN: 989-615-024-9 Depósito legal: 240. Reservados todos os direitos por Centro Atlântico, Lda. Qualquer reprodução, incluindo fotocópia, só pode ser feita com autorização expressa dos editores da obra. Microsoft Windows XP SP2, 2ª edição Colecção:

Leia mais

TABELA 2.1 Requisitos do Windows Server 2012 Standard

TABELA 2.1 Requisitos do Windows Server 2012 Standard 2INSTALAÇÃO DE UM SERVIDOR 2012 Feita a apresentação das funcionalidades do Windows Server 2012, eis que chega a hora mais desejada: a da implementação do servidor. No entanto, não é de todo recomendável

Leia mais

Ahsay Online Backup. Backup de mensagens para MS Exchange

Ahsay Online Backup. Backup de mensagens para MS Exchange Backup de mensagens para MS Exchange Versão 5.x Junho 2007 Índice 1 Introdução...3 2 Como fazer o backup de Emails individuais...4 2.1 Conceder acessos com privilégios totais às caixas de correio...4 2.1.1

Leia mais

FTIN Formação Técnica em Informática Módulo Sistema Proprietário Windows AULA 04. Prof. André Lucio

FTIN Formação Técnica em Informática Módulo Sistema Proprietário Windows AULA 04. Prof. André Lucio FTIN Formação Técnica em Informática Módulo Sistema Proprietário Windows AULA 04 Prof. André Lucio Competências da aula 3 Servidor de DHCP. Servidor de Arquivos. Servidor de Impressão. Aula 04 CONCEITOS

Leia mais

SoftPhone e Integração de diretório ativo

SoftPhone e Integração de diretório ativo SoftPhone e Integração de diretório ativo Índice Introdução Pré-requisitos Requisitos Componentes Utilizados Convenções Integre o diretório ativo com SoftPhone Prepare para integrar o diretório ativo com

Leia mais

Redes de Computadores I Licenciatura em Eng. Informática e de Computadores 1 o Semestre, 26 de Outubro de 2005 1 o Teste A

Redes de Computadores I Licenciatura em Eng. Informática e de Computadores 1 o Semestre, 26 de Outubro de 2005 1 o Teste A Redes de Computadores I Licenciatura em Eng. Informática e de Computadores 1 o Semestre, 26 de Outubro de 2005 1 o Teste A Número: Nome: Duração: 1 hora O teste é sem consulta O teste deve ser resolvido

Leia mais

PARANÁ GOVERNO DO ESTADO

PARANÁ GOVERNO DO ESTADO PROTOCOLOS DA INTERNET FAMÍLIA TCP/IP INTRODUÇÃO É muito comum confundir o TCP/IP como um único protocolo, uma vez que, TCP e IP são dois protocolos distintos, ao mesmo tempo que, também os mais importantes

Leia mais

FAT32 ou NTFS, qual o melhor?

FAT32 ou NTFS, qual o melhor? FAT32 ou NTFS, qual o melhor? Entenda quais as principais diferenças entre eles e qual a melhor escolha O que é um sistema de arquivos? O conceito mais importante sobre este assunto, sem sombra de dúvidas,

Leia mais

FIG I. Para configurar o MULTICENTRAL para ligação a várias centrais temos que ( ver FIG I ):

FIG I. Para configurar o MULTICENTRAL para ligação a várias centrais temos que ( ver FIG I ): CS. M ARKETING Janeiro 2012 PG 1 O MULTICENTRAL é uma versão do que permite em um único software receber registos de chamadas de várias centrais. Numa versão multicentral podemos criar várias centrais

Leia mais

Guia de Rede MediCap USB300

Guia de Rede MediCap USB300 Guia de Rede MediCap USB300 Aplica-se às versões de firmware 110701 e mais recentes 1 Introdução... 2 Instruções Preliminares... 2 Como Configurar o Acesso Através da Rede ao Disco Rígido do USB300...

Leia mais

Instituto Superior Politécnico Gaya Escola Superior de Ciência e Tecnologia

Instituto Superior Politécnico Gaya Escola Superior de Ciência e Tecnologia Instituto Superior Politécnico Gaya Escola Superior de Ciência e Tecnologia Engenharia Informática Redes e Computadores 2006/2007 Levantamento e Inventariação de Rede Privada Rafael Esteves Alves Forno

Leia mais

Data de Aplicação 2/04/2009

Data de Aplicação 2/04/2009 FICHA TÉCNICA Exercício nº 9 Data de Aplicação 2/04/2009 NOME DO EXERCÍCIO Instalação de Software Base DESTINATÁRIOS Duração Pré Requisitos Recursos / Equipamentos Orientações Pedagógicas OBJECTIVOS Resultado

Leia mais

- - flow é uma suíte de ferramentas de workflow que permite desenhar e automatizar os processos de negócio das organizações.

- - flow é uma suíte de ferramentas de workflow que permite desenhar e automatizar os processos de negócio das organizações. - - flow é uma suíte de ferramentas de workflow que permite desenhar e automatizar os processos de negócio das organizações. Com Q-flow, uma organização pode tornar mais eficientes os processos que permitem

Leia mais

O endereço IP (v4) é um número de 32 bits com 4 conjuntos de 8 bits (4x8=32). A estes conjuntos de 4 bits dá-se o nome de octeto.

O endereço IP (v4) é um número de 32 bits com 4 conjuntos de 8 bits (4x8=32). A estes conjuntos de 4 bits dá-se o nome de octeto. Endereçamento IP Para que uma rede funcione, é necessário que os terminais dessa rede tenham uma forma de se identificar de forma única. Da mesma forma, a interligação de várias redes só pode existir se

Leia mais

Especificação do Sistema Operativo CAMES - CAixa Mágica Enterprise Server

Especificação do Sistema Operativo CAMES - CAixa Mágica Enterprise Server Especificação do Sistema Operativo CAMES - CAixa Mágica Enterprise Server Versão: 1.06 Data: 2010-11-15 SO CAMES 1 ÍNDICE A Apresentação do CAMES - CAixa Mágica Enterprise Server - Sistema Operativo de

Leia mais

GESTÃO DE SISTEMAS E REDES DOMAIN NAME SYSTEM

GESTÃO DE SISTEMAS E REDES DOMAIN NAME SYSTEM GESTÃO DE SISTEMAS E REDES DOMAIN NAME SYSTEM OUTLINE DOMAIN NAME SYSTEM NOMES DE DOMINIO CONSULTAS DNS SERVIDORES DE NOMES NAVEGAÇÃO E CONSULTA REGISTO DE RECURSOS O DNS é um serviço de nomes, normalizado

Leia mais

MANUAL DE NOÇÕES DE ADMINISTRAÇÃO DE REDES DE DADOS

MANUAL DE NOÇÕES DE ADMINISTRAÇÃO DE REDES DE DADOS MANUAL DE NOÇÕES DE ADMINISTRAÇÃO DE REDES DE DADOS Qualidade Nome do documento: Noções de Administração de Redes de Dados Versão: 1.00 Nome do ficheiro: Manual AGR.doc Responsável pelo documento: Luís

Leia mais

Sistemas Operacionais II. Prof. Gleison Batista de Sousa

Sistemas Operacionais II. Prof. Gleison Batista de Sousa Sistemas Operacionais II Prof. Gleison Batista de Sousa Objetivos de aprendizagem Conhecer o funcionamento dos sistemas operacionais para redes de computadores. Aprender como é feito o gerenciamento do

Leia mais

SISTEMAS OPERACIONAIS LIVRES SERVICOS DE REDE LOCAL. Professor Carlos Muniz

SISTEMAS OPERACIONAIS LIVRES SERVICOS DE REDE LOCAL. Professor Carlos Muniz SISTEMAS OPERACIONAIS LIVRES SERVICOS DE REDE LOCAL Na internet, cada computador conectado à rede tem um endereço IP. Todos os endereços IPv4 possuem 32 bits. Os endereços IP são atribuídos à interface

Leia mais

Sumário Instalando o Windows 2000 Server... 19

Sumário Instalando o Windows 2000 Server... 19 O autor... 11 Agradecimentos... 12 Apresentação... 13 Introdução... 13 Como funcionam as provas de certificação... 13 Como realizar uma prova de certificação... 13 Microsoft Certified Systems Engineer

Leia mais

Apresentação de REDES DE COMUNICAÇÃO

Apresentação de REDES DE COMUNICAÇÃO Apresentação de REDES DE COMUNICAÇÃO Curso Profissional de Técnico de Gestão e Programação de Sistemas Informáticos MÓDULO VIII Serviços de Redes Duração: 20 tempos Conteúdos (1) 2 Caraterizar, instalar

Leia mais

UNIVERSIDADE CATÓLICA PORTUGUESA DSI

UNIVERSIDADE CATÓLICA PORTUGUESA DSI UNIVERSIDADE CATÓLICA PORTUGUESA DSI Gestor de Listas de Distribuição de Emails versão: 0.9.1 Nelson Rodrigues DSI 20-07-2010 ÍNDICE: Introdução... 3 Definição de Mailing List... 3 Grupos de endereços

Leia mais

Advanced Group Policy Management (AGPM) 2.5

Advanced Group Policy Management (AGPM) 2.5 Advanced Group Policy Management (AGPM) 2.5 Última revisão feita em 02 de Setembro de 2008. Objetivo Neste artigo iremos conhecer um dos cinco componentes do MDOP 2008. Você vai aprender sobre o Advanced

Leia mais

ZS Rest. Manual Avançado. Instalação em Rede. v2011

ZS Rest. Manual Avançado. Instalação em Rede. v2011 Manual Avançado Instalação em Rede v2011 1 1. Índice 2. Introdução... 2 3. Hardware... 3 b) Servidor:... 3 c) Rede:... 3 d) Pontos de Venda... 4 4. SQL Server... 5 e) Configurar porta estática:... 5 5.

Leia mais

Servidores Windows para empresas

Servidores Windows para empresas Servidores Windows para empresas Vinicius F. Teixeira 1, André Moraes 1 1 Tecnologia em Redes de Computadores - Faculdade de Tecnologia senac Pelotas - RS - Brasil {vinicius,andré}viniciusfteixeira@gmail.com,

Leia mais

PCCRBE 1 - Manual de procedimentos técnicos para a criação de catálogos colectivos

PCCRBE 1 - Manual de procedimentos técnicos para a criação de catálogos colectivos PCCRBE 1 - Manual de procedimentos técnicos para a criação de catálogos colectivos 1. Introdução O objectivo deste documento é a criação de um memorando que sirva de apoio à instalação e manutenção do

Leia mais

Active Directory What s New. Windows Server 2008. Active Directory. Nuno Picado nuno.picado@rumos.pt NOVAS TECNOLOGIAS MICROSOFT

Active Directory What s New. Windows Server 2008. Active Directory. Nuno Picado nuno.picado@rumos.pt NOVAS TECNOLOGIAS MICROSOFT Active Directory What s New Windows Server 2008 Active Directory Nuno Picado nuno.picado@rumos.pt NOVAS TECNOLOGIAS MICROSOFT Evolução Active Directory Secure Branch-Office Improved Manageability & Administration

Leia mais

3 SERVIÇOS IP. 3.1 Serviços IP e alguns aspectos de segurança

3 SERVIÇOS IP. 3.1 Serviços IP e alguns aspectos de segurança 3 SERVIÇOS IP 3.1 Serviços IP e alguns aspectos de segurança Os serviços IP's são suscetíveis a uma variedade de possíveis ataques, desde ataques passivos (como espionagem) até ataques ativos (como a impossibilidade

Leia mais

Segurança da Informação

Segurança da Informação Segurança da Informação Banco de Dados LDAP Rodrigo Rubira Branco - rodrigo@firewalls.com.br O que é Serviço de Diretorio? Banco de dados especializado em armazenar informações sobre objetos Caracteristicas

Leia mais

Data de Aplicação. Rede Local e Segurança Informática Básica

Data de Aplicação. Rede Local e Segurança Informática Básica FICHA TÉCNICA Exercício nº 10 NOME DO EXERCÍCIO DESTINATÁRIOS Duração Pré Requisitos Recursos / Equipamentos Orientações Pedagógicas OBJECTIVOS Resultado Esperado Rede Local e Segurança Informática Básica

Leia mais

O que são DNS, SMTP e SNM

O que são DNS, SMTP e SNM O que são DNS, SMTP e SNM O DNS (Domain Name System) e um esquema de gerenciamento de nomes, hierárquico e distribuído. O DNS define a sintaxe dos nomes usados na Internet, regras para delegação de autoridade

Leia mais

Capítulo 5 Noções sobre TCP/IP

Capítulo 5 Noções sobre TCP/IP Capítulo 5 Noções sobre TCP/IP Endereços IP Arquitetura TCP/IP DHCP Redes classe A, B e C Protocolos TCP/IP Estudos complementares 3 Estudos complementares Consulte os capítulos 5 e 12 do livro: Capítulo

Leia mais

GERENCIAMENTO CENTRALIZADO DELL POWERVAULT DL 2000 BASEADO EM TECNOLOGIA SYMANTEC

GERENCIAMENTO CENTRALIZADO DELL POWERVAULT DL 2000 BASEADO EM TECNOLOGIA SYMANTEC GERENCIAMENTO CENTRALIZADO DELL POWERVAULT DL 2000 BASEADO EM TECNOLOGIA SYMANTEC RESUMO EXECUTIVO O PowerVault DL2000, baseado na tecnologia Symantec Backup Exec, oferece a única solução de backup em

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES

REDES DE COMPUTADORES CURSO TÉCNICO DE INFORMÁTICA Módulo A REDES DE COMPUTADORES Protocolos de Rede FALANDO A MESMA LÍNGUA Um protocolo pode ser comparado a um idioma, onde uma máquina precisa entender o idioma de outra máquina

Leia mais

Empacotar o software TI-Nspire com o Microsoft SMS 2003

Empacotar o software TI-Nspire com o Microsoft SMS 2003 Empacotar o software TI-Nspire com o Microsoft SMS 2003 Este documento fornece informações detalhadas para criar e implementar um pacote de rede do TI-Nspire com a plataforma do Microsoft SMS 2003. Este

Leia mais

FTIN Formação Técnica em Informática Módulo Sistema Proprietário Windows AULA 07. Prof. André Lucio

FTIN Formação Técnica em Informática Módulo Sistema Proprietário Windows AULA 07. Prof. André Lucio FTIN Formação Técnica em Informática Módulo Sistema Proprietário Windows AULA 07 Prof. André Lucio ACI Competências da aula 7 ACI Compreende todo conteúdo abordado em sala, abordando de maneira geral.

Leia mais

IP significa Internet Protocol. A Internet é uma rede, e assim como ocorre em qualquer tipo de rede, os seus nós (computadores, impressoras, etc.

IP significa Internet Protocol. A Internet é uma rede, e assim como ocorre em qualquer tipo de rede, os seus nós (computadores, impressoras, etc. Endereços IP Endereços IP IP significa Internet Protocol. A Internet é uma rede, e assim como ocorre em qualquer tipo de rede, os seus nós (computadores, impressoras, etc.) precisam ter endereços. Graças

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES

REDES DE COMPUTADORES REDES DE COMPUTADORES O QUE É PROTOCOLO? Na comunicação de dados e na interligação em rede, protocolo é um padrão que especifica o formato de dados e as regras a serem seguidas. Sem protocolos, uma rede

Leia mais

Active Directory - Criação de seu primeiro domínio Windows 2003

Active Directory - Criação de seu primeiro domínio Windows 2003 Active Directory - Criação de seu primeiro domínio Windows 2003 O Active Directory é o serviço de diretório utilizado em uma rede Windows 2003. O AD, sendo um serviço de diretório, serve à nossa rede como

Leia mais

Acronis Backup & Recovery 10 Advanced Server Virtual Edition

Acronis Backup & Recovery 10 Advanced Server Virtual Edition Acronis Backup & Recovery 10 Advanced Server Virtual Edition Manual de introdução rápido Este documento descreve a forma de instalar e começar a utilizar o Acronis Backup & Recovery 10 Advanced Server

Leia mais

Roteamento e Comutação

Roteamento e Comutação Roteamento e Comutação Design de Rede Local Design Hierárquico Este design envolve a divisão da rede em camadas discretas. Cada camada fornece funções específicas que definem sua função dentro da rede

Leia mais

Optimização da infra-estrutura de servidores

Optimização da infra-estrutura de servidores Melhores práticas para reduzir os custos operacionais em TI Resumo Este documento mostra aos decisores técnicos e aos directores responsáveis pelas TI como é que as organizações podem reduzir custos e

Leia mais

SOFTWARE. A parte lógica do Computador. Escola Superior de Tecnologia e Gestão Instituto Politécnico de Bragança Novembro de 2006

SOFTWARE. A parte lógica do Computador. Escola Superior de Tecnologia e Gestão Instituto Politécnico de Bragança Novembro de 2006 Introdução à Informática SOFTWARE A parte lógica do Computador Escola Superior de Tecnologia e Gestão Instituto Politécnico de Bragança Novembro de 2006 Conceito de Software Parte lógica do sistema de

Leia mais

Desafio Atingir máxima eficiência e segurança por meio da administração centralizada de recursos de redes distribuídas geograficamente

Desafio Atingir máxima eficiência e segurança por meio da administração centralizada de recursos de redes distribuídas geograficamente Setor Corporativo Desafio Atingir máxima eficiência e segurança por meio da administração centralizada de recursos de redes distribuídas geograficamente Solução Tecnológica Librix AD SUMÁRIO EXECUTIVO

Leia mais

Módulo de Administração MANUAL DO UTILIZADOR

Módulo de Administração MANUAL DO UTILIZADOR MANUAL DO UTILIZADOR Versão 1.5 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO 2 2. REQUISITOS DO SISTEMA 3 3. INÍCIO DA UTILIZAÇÃO 4 4. IDENTIFICAÇÃO DO OPERADOR 5 4.1 MUDAR SENHA DE ACESSO 5 5. GESTÃO DE UTILIZADORES 6 5.1 PERMISSÕES

Leia mais

Implementando e Gerenciando Diretivas de Grupo

Implementando e Gerenciando Diretivas de Grupo Implementando e Gerenciando Diretivas de João Medeiros (joao.fatern@gmail.com) 1 / 37 Introdução a diretivas de grupo - GPO Introdução a diretivas de grupo - GPO Introdução a diretivas de grupo Criando

Leia mais

Manual do GesFiliais

Manual do GesFiliais Manual do GesFiliais Introdução... 3 Arquitectura e Interligação dos elementos do sistema... 4 Configuração do GesPOS Back-Office... 7 Utilização do GesFiliais... 12 Outros modos de utilização do GesFiliais...

Leia mais

manual instalação e configuração v13 1

manual instalação e configuração v13 1 manual instalação e configuração v13 1 Conteúdo Introdução... 3 Conteúdo do DVD:... 3 Instalação e configuração do ERP... 4 Instalação do ERP... 4 Configuração do ERP... 6 Como actualização de versão...

Leia mais