RELATÓRIO FINAL DE CONSULTORIA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "RELATÓRIO FINAL DE CONSULTORIA"

Transcrição

1 PCT IICA/EMBRAPA PROJETO DE APOIO AO DESENVOLVIMENTO E TRANSFERÊNCIA DE TECNOLOGIA PARA O PRODETAB RELATÓRIO FINAL DE CONSULTORIA Contrato: (Fonte: PRODETAB CONSULTORIA NACIONAL) Consultor: CLOVIS GUIMARÃES FILHO

2 RELATÓRIO FINAL DE CONSULTORIA Nome do Consultor: CLOVIS GUIMARÃES FILHO Projeto: PCT IICA/EMBRAPA PROJETO DE APOIO AO DESENVOLVIMENTO E TRANSFERÊNCIA DE TECNOLOGIA PARA O PRODETAB Número do Contrato: (Fonte: PRODETAB II CONSULTORIA NACIONAL) Tema: TRANSFERÊNCIA DE TECNOLOGIA PARA A AGRICULTURA FAMILIAR DO SEMIÁRIDO Objetivo da Consultoria: PLANEJAMENTO E EXECUÇÃO DAS AÇÕES DE TRANSFERÊNCIA DE TECNOLOGIA NO ÂMBITO DO I AGRISHOW SEMIÁRIDO Número de produtos elaborados: 04 (quatro) Período correspondente do relatório: 01/11/2005 A 31/03/2006 Palavraschave: TRANSFERÊNCIA DE TECNOLOGIA, AGRICULTURA FAMILIAR, SEMIÁRIDO, AGRISHOW 2

3 1. APRESENTAÇÃO Esta consultoria teve como meta principal estabelecer uma base de apoio técnicocientífico qualificada para assegurar que os objetivos do evento AGRISHOW SEMIÁRIDO possam ser plenamente atingidos. O evento, que tem por natureza a missão de transferência de tecnologia se apresenta como de grande importância para o os produtores da região semiárida, basicamente constituída de agricultores familiares O evento O Nordeste brasileiro tem km 2 de extensão, representando 18% do território nacional, onde a região semiárida ocupa metade das terras e apresenta baixas precipitações pluviométricas, com distribuição acentuadamente irregular de chuvas. Essa região abriga quase metade dos estabelecimentos de base familiar do país e sua porção semiárida abrange cerca de 90 milhões de hectares caracterizados por uma grande diversidade agroecológica e sócioeconômica. Nela são explorados sistemas agrícolas de base familiar, de baixa eficiência de produção, responsáveis por uma predominante economia de subsistência e por uma contínua e crescente degradação dos seus recursos naturais. A par de sua relevância social, traduzida na produção de alimentos para a subsistência e no grande contingente de mãodeobra ocupada, algumas atividades agropecuárias do Semi Árido apresentam enorme potencial para assegurar a plena inserção no mercado da maioria dos segmentos de agricultores familiares. Este potencial já foi comprovado pela pesquisa e por um sem número de experiências de sucesso protagonizadas pelo produtor organizado. O grande desafio para esse potencial possa se expressar é, sem dúvidas, o acesso à informação, o acesso à tecnologia. Imbuídos desse espírito, A Associação Brasileira de Agribusiness ABAG, a Associação Brasileira da Indústria de Máquinas e Equipamentos ABIMAQ, a Associação Nacional para Difusão de Adubos ANDA, e a Sociedade Rural Brasileira SRB, realizadores do sistema AGRISHOW, junto com a Secretaria de Desenvolvimento Econômico, Turismo e Esportes do Estado de Pernambuco, a Secretaria de Produção Rural e Reforma Agrária do Estado de Pernambuco e o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento MAPA, tomaram a iniciativa de realizar a AGRISHOW SEMIÁRIDO. Será a primeira feira voltada para agricultura de sequeiro, de dimensão regional, a ser realizada no Nordeste. Seu objetivo é levar até os produtores regionais toda tecnologia desenvolvida pela Embrapa e por outras organizações afins, promovendo via inserção no mercado, a sua inclusão social. Neste sentido, o evento assume um caráter de relevante responsabilidade social. A espectativa é de 10 a 15 mil visitantes, a grande maioria formada de produtores rurais da região. A AGRISHOW SEMIÁRIDO acontecerá no período de 11 a 15 de julho de 2006, numa área de 20 hectares pertencente à Embrapa SNT, distante 42 km da cidade de PetrolinaPE e 5 km da cidade de Lagoa GrandePE. 3

4 1.2. A consultoria A consultoria realizada situase nesse contexto. O espaço que se delineia com a efetivação do evento terá o grande papel não apenas de mostrar ao vivo essas experiências de sucesso aos demais produtores, mas, principalmente, de promover a articulação entre esses atores, confrontando o encontro dos saberes do demandante e do facilitador, de modo a permitir a reprodução adequada das informações geradas em outros espaços e em escalas maiores. O evento proporá, em outras palavras, a formulação participativa de proposta inovadoras e demonstrativas para os diversos espaços do SemiÁrido, capazes de contemplar todas as dimensões (econômica, sóciocultural, políticoinstitucional e ambiental). O trabalho específico da consultoria considerou a capacitação como o grande instrumento estruturador do desenvolvimento rural da região através da potencialização das habilidades do produtor, elevando a produtividade de sua mãodeobra, do estímulo à mudança de suas atitudes e valores, do fortalecimento de sua autoconfiança e do seu nível de ambição e da redução da dependência externa de suas unidades produtivas. As atividades da consultoria abrangeram o planejamento e a organização das ações de transferência de tecnologia, a serem desenvolvidas pelas unidades da Embrapa e seus parceiros institucionais, nos segmentos estático, dinâmico e de capacitação dos produtores, componentes da programação do evento. 2. AS ATIVIDADES DESENVOLVIDAS NO PERÍODO 2.1. Em apoio à organização geral e promoção do evento Identificação e seleção preliminar de parceiros institucionais potenciais, públicos e privados, para uma efetiva participação nos segmentos de transferência de tecnologia da Agrishow e levantamento dos diversos tipos de máquinas e equipamentos com maior potencial de demonstração e comercialização durante o evento; Elaboração e encaminhamento, através do CPATSA, de correspondência informando a realização da Agrishow SemiÁrido e solicitando apoio e participação efetiva: às secretarias estaduais de agricultura e de produção rural de todos os estados nordestinos; às chefias gerais de todas as unidades da Embrapa localizadas no Nordeste; aos presidentes de todas as empresas estaduais de pesquisa dos estados do Nordeste; aos dirigentes de associações, cooperativas e organizaçõesnãogovernamentais, parceiras da Embrapa, responsáveis por demonstrações de campo e aos reitores/próreitores de universidades que desenvolvem ações efetivas de apoio ao desenvolvimento da região semiárida; Contatos locais mantidos, na região de PetrolinaJuazeiro, com diversos parceiros institucionais públicos, com potencial relevante de apoio a organização do evento, visando o apoio logístico à organização das caravanas de produtores de diversos estados para o evento e, visando o apoio na implementação da infraestrutura básica do local do evento; 4

5 Contatos com Dr. Girley Brazileiro, da Secretaria de Desenvolvimento Econômico e representante do Governo do Estado de Pernambuco junto ao evento e, em Salvador, com Dr. Pedro Barbosa de Deus, Secretário de Agricultura do Estado da Bahia, discutindo formas de apoio e de participação dos estados; Visitas de campo e análise de informações secundárias (mapas de solo, etc.), em apoio ao pessoal do CPATSA e do SNT, para definição da área do evento, identificação das espécies vegetais a serem preservadas, planejamento da infraestrutura básica de água e energia e outras providências; Apoio ao arquiteto da ABIMAQ, Dr. Luiz Arena, na elaboração do mapa preliminar do Agrishow (áreas de estandes, de demonstrações de campo, de estacionamento, etc.); Assessoramento técnico na elaboração e revisão do modelo de folder específico para promoção do evento, já disponibilizado; Proposição de criação de comitês a diferentes níveis (modelo tentativo apresentado em reunião) para melhor eficácia nas ações de planejamento e preparação do evento; Organização de reunião, realizada em , em Petrolina, com diretores da Embrapa (Dr. Geraldo Eugênio, Dra. Tatiana Deane), chefes/representantes de UDs (CPAMN, CNPC, CNPAT, CNPA, CPATSA, CPATC, CNPMF, CNPS, CTAA, CNPTIA, CNPDIA, SNT e ACS) e dirigentes da ABIMAQ (Nilton Mello, Newton Araújo), Publiê (Odilão Batista Teixeira), e apresentação, durante a mesma, das principais ações de cunho emergencial, demandadas e de sugestões para equacionamento dos principais problemas discutidos, abaixo sintetizadas: Ações demandadas a curto e médio prazos apresentadas durante a reunião de Definição por parte dos organizadores das atribuições institucionais, dos recursos financeiros e suas fontes a serem alocados em cada um dos segmentos e atividades do evento; 2. Definição do cronograma de execução físicofinanceira e disponibilização dos recursos necessários ao SNT para continuação dos trabalhos de implementação da infraestrutura básica (água, energia, cercas, portões, área de acesso, nivelamento, compactação das áreas de estacionamento, correção de solo e instalação da vitrine tecnológica permanente); 3. Formalização do papel do CPATSA como unidade coordenadora ou articuladora da participação das demais unidades da Embrapa, no que concerne às demonstrações de campo, com definição e disponibilização dos recursos financeiros necessários ao desempenho desse papel; 5

6 4. Definição do papel da ACS em relação ao estande institucional e dos recursos para viabilizar a participação das unidades da Embrapa (estandes e demonstrações de campo) no evento; 5. Indicação por cada unidade envolvida de um articulador da Agrishow, de modo a permitir a urgente definição das demonstrações de campo, o dimensionamento e a locação das áreas necessárias (plots) e o início imediato de sua preparação (plantios, tratos culturais, etc.); 6. Definição por parte das entidades parceiras das demonstrações de campo, de modo a permitir o início imediato da preparação dos plots (plantios, etc.); 7. Elaboração e início imediato de um plano de divulgação e promoção do evento nas mídias regional e nacional. Ações sugeridas durante a reunião para atendimento das demandas 1. Gestões da Embrapa junto ao MAPA e a organizadores privados do Agrishow (ABIMAQ, Publiê, etc.); 2. Promoção de uma reunião em Petrolina, ainda em janeiro, envolvendo representantes credenciados da ABIMAQ/Publiê, MAPA, Embrapa e outras instituições responsáveis maiores pela promoção do evento; 3. Encaminhamento de correspondência formal da D.E. às chefias das diversas unidades envolvidas; 4. Solicitação de urgência no encaminhamento dos orçamentos estimativos por parte de cada UD para aprovação por parte da diretoria; 5. Promoção de uma reunião em Petrolina, ainda em janeiro, envolvendo todos os ChefesAdjuntos de Comunicação e Negócios das UDs envolvidas e outra com os representantes das instituições parceiras; 6. Gestões da EmbrapaACS, junto aos organizadores privados do evento para elaboração do plano de marketing do evento e sua execução imediata. Reunião com Dr.Ricardo Rodrigues, Secretário Estadual de Produção Rural de Pernambuco, em Recife, para discussão da participação dos órgãos estaduais vinculados ao desenvolvimento agropecuário no evento. Desta reunião participaram, também o Dr. Pedro Gama, do CPATSA, a direção do IPA e os principais assessores daquela secretaria; Proposição de articulação com o Dr.Pedro Barbosa de Deus, recém escolhido como o novo presidente do Fórum de Secretários de Agricultura, para efetivação de uma das sessões do Fórum durante o evento. A proposição foi bem aceita e se encontra em fase de articulação; 6

7 Elaboração (ainda em curso) de um modelo de monitoramento técnico dos diversos eventos de transferência de tecnologia programados, de modo a permitir: (1) uma acurada avaliação dos resultados e dos impactos por eles causados junto ao públicometa; (2) pronta identificação de fatores responsáveis por eventuais problemas, permitindo rápidos procedimentos dos ajustes e correções, ou, na sua impossibilidade, a sua não repetição nas próximas edições do evento. O modelo se baseia no monitoramento de campo e na aplicação de questionários simplificados a uma amostra de produtores e de técnicos abordando questões relativas aos estandes, demonstrações de campo, fóruns, minicursos e aspectos de apoio (transporte, alimentação, pousada, instalações sanitárias, segurança, etc.); Elaboração, juntamente com o Dr. Elias Moura Reis, da Embrapa SemiÁrido, de um modelo operacional de mobilização das caravanas de produtores que deverão visitar o evento, a partir de cicnco estados do Nordeste. Este modelo serviu de base para a reunião de planejamento geral do evento, que o Dr. Newton da Silva Araújo, da ABIMAQ, manteve com os principais organizadores do evento, no final de março, em Brasília. O objetivo é de estimular e apoiar a participação planejada dos produtores dos diversos estados do Nordeste na Agrishow SemiÁrido, tendo como espaço referencial um raio de 300 km,a partir do local de realização do evento. Essa estratégia não exclui a montagem de outras ações e estratégias que venham a ser montadas para viabilizar a participação de produtores das áreas mais distantes. O modelo prevê a utilização da capilaridade e estrutura dos serviços estaduais de extensão rural localizados no espaço selecionado. Os técnicos da extensão rural que atuam nessas áreas promoverão ações de mobilização, planejamento e acompanhamento das caravanas de produtores, de maneira articulada e participativa com as associações de produtores, cooperativa, sindicatos e demais entidades, públicas e privadas, envolvidas com o desenvolvimento rural local. O trabalho a ser desenvolvido obedecerá as seguintes etapas: Contato com os Serviços Estaduais de Extensão Rural no nível de diretorias para solicitar o apoio na execução da estratégia de mobilização e participação dos produtores no evento; Identificação dos municípios, localizados dentro da área delimitada, pelos respectivos serviços de extensão rural dos estados; Identificação dos escritórios regionais e locais da extensão rural existentes na área delimitada; Articulações com os serviços estaduais de extensão rural no nível regional/local para definição da estratégia de mobilização dos produtores, formação dos grupos, determinação dos horários de saída das caravanas de produtores para a Agrishow e do retorno aos municípios de origem. Essa definição da estratégia de participação dos 7

8 produtores no evento deve ser preparada por cada técnico municipal do serviço de extensão rural em articulação com outras entidades locais envolvidas com o desenvolvimento rural local (associações de produtores, cooperativas, sindicatos de produtores, etc.); Após a definição dos grupos de produtores, articulação com a coordenação técnica do evento, informando número de produtores, datas das visitas, etc.; Operacionalização das viagens. Os ônibus devem permanecer nos municípios de origem, sob a responsabilidade de cada técnico local do serviço de extensão rural. As caravanas de produtores devem sair, de seus municípios no período da manhã e retornar no período da tarde; Avaliação dos resultados da visita mediante aplicação de questionários específicos aos produtores de cada caravana, pelos técnicos responsáveis No planejamento das ações de transferência de tecnologia da EMBRAPA Realização de inventário das tecnologias geradas e disponibilizadas pela pesquisa, seguida de discussão e préseleção das tecnologias, produtos e serviços a serem apresentados nos segmentos estático e dinâmico do Agrishow e dos temas dos fóruns de debates e minicursos, no segmento de capacitação, pelas unidades da Embrapa, empresas estaduais e demais parceiros públicos e privados da Embrapa; Visita ao CNPMF, em Cruz das Almas, para apresentação do evento e discussão com a chefia sobre a participação da unidade nos diversos segmentos do evento; Visita ao CNPS UEP Recife, para discutir a participação da unidade nos diversos segmentos de transferência de tecnologia do evento; Visita ao CNPA, em Campina Grande, para discutir os detalhes técnicos da participação da unidade, especialmente no que tange às demonstrações de campo e ao fórum sobre mamonabiodiesel; Discussão e definição, junto ao Dr. Edson Raimundo (SNT) e Dr. Lázaro Paiva (ENT Petrolina) das tecnologias e produtos a comporem o modelo de vitrine tecnológica da Embrapa, a ser exposto no evento; Discussão com pesquisadores e definição dos temas e dos modelos ( croquis ) de demonstrações de campo a serem apresentadas pelo CPATSA: aproveitamento de rejeitos da dessalinização para produção de tilápias e de forragens, barragens subterrâneas, captação de água in situ, sistema de produção de cabrito ecológico e produção e processamento de frutas nativas da caatinga; 8

9 Reunião com Dr. Geraldo Eugenio, no dia , em Petrolina, e com dirigentes do SNT e do CPATSA para inspeção local dos trabalhos de preparo da área e apresentação e discussão dos diversos aspectos da implantação da infraestrutura do local e da participação técnica da Embrapa; Reunião, em , com representantes das diversas unidades participantes, com apresentação individual das propostas de participação e orçamentos associados, seguida de discussão de uma proposta unificada de participação da Embrapa e do estabelecimento de um modelo de articulação das diversas unidades com o CPATSA e o ENTPetrolina, permitindolhes o apoio local (modelo proposto, com base na indicação de um articulador da Agrishow em cada UD foi aprovado). A reunião equacionou e criou as condições para solucionar quase todas as demandas anteriormente mencionadas; O consultor elaborou uma matriz de priorização e de orçamentação relativa a participação de cada UD (estande, demonstração de campo e capacitação) de modo a definir uma programação que permitisse uma participação eqüitativa por parte das mesmas. Respondida pelas diversas unidades participantes foi feita a sistematização dos resultados e a transformação destes em proposta única para a empresa. Início do detalhamento técnico das demonstrações de campo de cada UD; Reunião, ainda em janeiro (dia 20), em Brasília, com a participação do diretor Dr.Geraldo Eugênio, chefe geral do CPATSA, Dr.Pedro Gama, e de representantes da ACS, DAF, SNT, para, com base no resultado do levantamento feito junto às UDs pelo consultor, fechar a programação técnica e definir uma proposta orçamentária a ser levada ao presidente da Embrapa; Elaboração, com orçamento estimativo, da proposição final da participação das diversas unidades da Embrapa (sintetizada adiante), encaminhada ao diretor Geraldo Eugênio, no dia , para apresentação ao presidente da Embrapa; Reunião com dirigentes da Associação dos Criadores de Caprinos e Ovinos de Petrolina e RegiãoASCCOPER, com a presença do Dr. Newton Silva Araújo, da ABIMAQ, para discutir e definir a realização do evento anual desta associação (a feira AGROBODE), em espaço interno da Agrishow. Apesar das resistências iniciais do Sebrae (apoiador tradicional da ASCCOPER), a realização da feira na Agrishow foi aceita; Elaboração de correspondência e contatos outros mantidos com todas as UDs envolvidas, insistindo no encaminhamento urgente das informações anteriormente solicitadas, bem como no envio de material (sementes, mudas, dados técnicos) para iniciar a implantação das áreas de demonstração e de um pesquisador, em caráter de urgência, para definilas e orientar o pessoal local no seu preparo e cultivo. 9

10 SÍNTESE DA PROPOSTA DE PARTICIPAÇÃO TÉCNICA DA EMBRAPA NA AGRISHOW SEMIÁRIDO QUADRO 1. SEGMENTO ESTÁTICO ESTANDE INSTITUCIONAL ÁREAS/TEMAS PARA EXPOSIÇÃO/DEMONSTRAÇÃO UNIDADE RESPONSÁVEL Vitrine tecnológica; Exposição de produtos associados aos principais cultivos (sementes, mudas, produtos processados, maquetes, artesanato, etc.); SNT Todas Produtos para degustação (amendoim, gergelim, caju, laticínios, embutidos e defumados de carnes, galinha caipira, produtos apícolas, frutas processadas, feijão caupi, produtos da mandioca, etc.); Todas, exceto CNPS, CNPTIA e CNPDIA Exposição/demonstrações de softs/programas: zoneamentos agroecológicos, análise de fertilidade de solo, risco climático, agritempo, agência de informação, etc.); Demonstração de equipamentos de pequeno porte (máquina de abrir castanha, detector de prenhez, língua eletrônica, etc.); Divulgação de TPS (distribuição e vendas de folders, banners, cartilhas, vídeos, etc.); Lançamentos de livros e outras publicações; Lançamento de novos cultivares, variedades, etc.; Demonstração do sistema SISPAF e cadastramento de produtores; Consultas técnicas sobre os principais produtos. CNPS, CNPTIA CNPDIA, CNPAT (outras em discussão) Todas CNPC (outras em discussão) Em discussão CPAMN Todas 10

11 QUADRO 2. SEGMENTO DINÂMICO UNIDADE DEMONSTRAÇÃO DE TECNOLOGIAS A CAMPO FÓRUM DE DEBATES MINICURSO CPAMN 1. Campo cultivado com feijão caupi 2. Campo cultivado com consórcio caupi x mamona x mandioca 3. Sistema de produção de galinha caipira 4. Sistema de produção de apicultura Apicultura no SemiÁrido: situação atual do mel e perspectivas para outros produtos apícolas CNPC 1. Sistema de engorda confinada de ovinos 2. Processamento de carnes caprina e ovina cortes especiais 3. Processamento de leite caprino ordenha higiênica e fabricação de queijos e outros derivados O papel da agroecologia no desenvolvimento sustentado dos recursos do semiárido 1. Viabilidade econômica na caprinocultura leiteira do SemiÁrido 2. Terminação de cordeiros: confinado ou a pasto? 3. CNPAT 1. Minifábrica de castanha de caju 2. Máquina transformação da casca de coco em pó 3. Máquina de extração de água de coco Valorização e certificação dos produtos da agricultura familiar do SemiÁrido Cultivo e processamento do cajueiro em condições de sequeiro CNPA 1. Minidescaroçadeira de algodão 2. Campo cultivado com variedades de algodão 3. Campo cultivado com variedades de mamona 4. Campo cultivado com variedades de amendoim 5. Campo cultivado com variedades de gergelim O programa de biodiesel e o agricultor do Semi Árido Cultivo da mamoneira para produção de biodiesel 11

12 CPATC 1. Campo cultivado com milho superprecoce CNPMF 1. Unidade de panificação de fécula e raspa de mandioca 2. Unidade de produção de farinha de banana 3. Campo cultivado com variedades de mandioca Inovações tecnológicas no cultivo e processamento da mandioca CTAA Produção e processamento de frutas nativas da caatinga CPATSA 1. Barragem subterrânea 2. Aproveitamento dos rejeitos da dessalinização para produção de tilápias e forragem 3. Cultivo de guandu em sistema de captação de água in situ 4. Produção de frutas nativas da caatinga 5. Sistema de produção de cabrito ecológico Potencialidades e limitações para o desenvolvimento do SemiÁrido Captação, armazenamento e uso racional da água para consumo humano, animal e vegetal no SemiÁrido 12

13 QUADRO 3. SEGMENTO CAPACITAÇÃO TEMAS PARA CAPACITAÇÃO UDs/INSTITUIÇÕES RESPONSÁVEIS FÓRUNS DE DEBATES Potencialidades e limitações para o desenvolvimento do SemiÁrido Valorização e certificação dos produtos da agricultura familiar do SemiÁrido O papel da agroecologia no desenvolvimento sustentado do SemiÁrido O programa de biodiesel e o agricultor do SemiÁrido CPATSA CPATSA/CNPAT CNPC/CPATSA/ASPTA CNPA MINICURSOS (*) Manejo de recursos hídricos no SemiÁrido Cultivo da mamoneira para produção de biodiesel Cultivo e processamento do caju (de sequeiro) Cultivo e processamento de frutas Cultivo e processamento de mandioca Caprinocultura de leite Ovinocultura de corte Apicultura e meliponicultura CPATSA CNPA CNPAT CTAA CNPMF CNPC CNPC CPAMN (*) cada minicurso será realizado duas vezes 13

14 QUADRO 4. ORÇAMENTO GERAL ESTIMADO DA PARTICIPAÇÃO DA EMBRAPA (R$) UNIDADE PARTICIPAÇÃO SEGMENTOS APOIO A UDs APOIO A PARCEIROS TOTAL CPAMN , ,00 CNPC , ,00 CNPAT , ,00 CNPA , ,00 CPATSA , , , ,00 CPATC , ,00 CNPMF , ,00 CNPS , ,00 CTAA , ,00 CNPTIA , ,00 CNPDIA 9.045, ,00 SNT (Vitrine) , ,00 ACS (Estande) , ,00 TOTAL , , , ,00 14

15 QUADRO 5. RESUMO DA PARTICIPAÇÃO DA EMBRAPA POR UNIDADE UNIDADE ESTANDE DEMONSTRAÇÕES DE CAMPO FÓRUNS DE DEBATE MINICURSOS CPAMN SIM CNPC SIM CNPAT SIM CNPA SIM CPATSA SIM CPATC SIM CNPMF SIM CNPS SIM CTAA SIM CNPTIA SIM CNPDIA SIM SNT (Vitrine) SIM TOTAL

16 2.3. No planejamento das ações de transferência de tecnologia de instituições parceiras As ações de apoio aos parceiros institucionais deverão ser constituídas de: 1. Disponibilização de áreas para estande 2. Disponibilização de áreas para demonstrações de campo 3. Apoio técnico no planejamento e na implantação das áreas de demonstração Levantamento preliminar e contatos formais, através de correspondência/telefonemas, dos potenciais parceiros institucionais da Embrapa para participação individual ou conjunta nos processos de transferência de tecnologia a serem apresentados no evento. Ficou estabelecida prioridade na parceria para os parceiros relacionados no Quadro 6: Viagem para contatos in loco com instituições no Estado do Piauí, visando promover o evento e discutir sua participação no mesmo. Foram visitadas, entre outras, as seguintes instituições/empresas: AAPI, com associados, exportadora de produtos apícolas; EMATERPI (Projeto Cajuína, Feijão Canapu, Galinha Caipira e outros); COROATÁ DOCES (maior produtor estadual de cajuína e frutas nativas); APIAGRO (fabricante de equipamentos para a apicultura nacional, a partir de tecnologias próprias) e CAMPIL (Cooperativa Apícola da Microrregião de Picos); Viagem para contatos in loco com instituições no Estado da Bahia, visando promover o evento e discutir a sua participação no mesmo. Foram visitadas, entre outras, as seguintes instituições/organizações: APAEB, organizaçãomodelo de agricultores familiares da região sisaleira da Bahia, hoje dispondo de indústrias de tapetes de sisal (exportados para Europa e USA), curtumes e laticínios; COGRISA, com caprinoovinocultores associados; UEFS (Universidade Estadual de Feira de Santana), com importantes trabalhos de pesquisa sobre o bioma Caatinga. Todos apresentaram uma boa receptividade ao evento, manifestada no desejo de participação no mesmo; Contatos locais e regionais, com os mesmos propósitos, iniciados (municípios de Petrolina, Santa Maria da Boa Vista, Afrânio e Juazeiro) com diversos parceiros institucionais públicos, incluindo o escritório regional da EBDA, a Companhia de Desenvolvimento do Vale do São Francisco CODEVASF, a Universidade Federal do Vale do São Francisco UNIVASF e o Centro Regional de Tecnologia de Alimentos SENAICERTA. Foi iniciada a discussão com INCRA sobre a provável realização de uma feira agroecológica dos produtos dos assentamentos regionais da reforma agrária, no recinto da Agrishow; Associações e cooperativas de produtores também foram trabalhados com maior dedicação, procedendose vários contatos e reuniões com cada uma delas, no sentido de assegurar uma participação mais significativa na Agrishow. Dentre estas, destacamos a Associação dos Criadores de Caprinos e Ovinos de Petrolina e Região ASCCOPER (realização do Agrobode); a Cooperativa Agroindustrial do SemiÁrido COGRISA, com sede em JaguararíBA (demonstração de campo e montagem de um restaurante específico para degustação de produtos da gastronomia caprina e ovina, produzidos pelos seus associados e a 16

17 Cooperativa de Artesanato em Peles do Cariri ARTEZA (CabaceirasPB). No mesmo sentido, discussões foram iniciadas também com as associações APRISCO do VALE (Santa Maria da Boa VistaPE), Cooperativa Agrícola Mista de Afrânio Ltda (AfrânioPE); Duas das mais importantes ONGs da região SemiÁrida foram também trabalhadas pelo consultor: o Centro de Assessoria e Apoio aos Trabalhadores e Instituições Não Goverrnamentais Alternativas CAATINGA (OuricuriPE) e o Instituto Regional da Pequena Agropecuária Apropriada IRPAA (JuazeiroBA). A primeira deve mostrar os resultados de seu bom trabalho junto às comunidades de pequenos agricultores das regiões do Sertão Central e do Araripe, em Pernambuco, e a segunda, as suas ações em conjunto com o projeto CUC (CuraçáUauáCanudos), no qual as comunidades desses três municípios baianos já beneficiam e comercializam anualmente toneladas de frutas nativas (umbu e maracujádomato) para grandes centros urbanos; Foi discutida ainda, em Recife, a participação no evento do GTZ (Serviço Alemão de Cooperação Econômica e Social), organismo de ação relevante de apoio ao desenvolvimento do SemiÁrido, especialmente em programas de capacitação e de inserção nos mercados de comunidades de agricultores familiares. Atualmente esta organização desenvolve um importante programa, com esses objetivos, na área de produção de mamona para biodiesel. 17

18 QUADRO 6. INSTITUIÇÕES PARCEIRAS PARTICIPANTES INSTITUIÇÕES/ORGANIZAÇÕES TECNOLOGIAS /PRODUTOS/SERVIÇOS PÚBLICOS Empresa Baiana de Desenvolvimento Agrícola EBDA Empresa Paraibana de Pesquisa Agropecuária EMEPA Empresa Pernambucana de Pesquisa Agropecuária IPA Empresa de Pesquisa Agropecuária do Rio Grande do Norte EMPARN Ovinocaprinocultura, mandioca, mamona, bovinocultura de leite, apicultura, galinha caipira, sorgo, sisal, piscicultura de águas interiores recursos hídricos, convivência com a seca ORGANIZAÇÕES DE PRODUTORES Associação dos Pequenos Agricultores do Município de Valente APAEB (BA) Cooperativa AgroIndustrial do SemiÁrido COGRISA (BA) Associação dos Criadores de Caprinos e Ovinos de Petrolina e Região ASCCOPER (PE) Associação de Apicultores da MicroRegião de Simplício Mendes AAPI (PI) Cooperativa de Artesanato em Peles do Cariri ARTEZA (PB) Sisal, ovinocaprinocultura, peles, laticínios Ovinocaprinocultura Ovinocaprinocultura Produtos apícolas Artesanato em peles ORGANIZAÇÕESNÃOGOVERNAMENTAIS Centro de Assessoria e Apoio aos Trabalhadores e Instituições Não Governamentais Alternativas CAATINGA Instituto Regional da Pequena Agricultura Apropriada IRPAA Práticas de convivência com a seca Práticas de convivência com a seca 18

19 QUADRO 7. PRINCIPAIS CONTATOS MANTIDOS PESSOAS CONTATADAS INSTITUIÇÃO/ATIVIDADE CARGO/FUNÇÃO Alberto Duarte Vilarinhos Ana Lúcia Atrosos Angélica Maria Luchese Antonio Alexandre Confessor Júnior Antonio Félix Costa Antonio Leopoldino Antonio Pedro Matias Honório Brás Lomanto Neto Celso Vainer Manzatto Dalfran Gonçalves Vale Denis F. Carvalho Dionísio Mauriz Domingos Magalhães Edílson P. Fragalle Edson Bastos Nascimento Edson Raimundo da Silva Alves Elias Moura Reis Emanuel de Carvalho Donald Espedito Rufino de Araújo Everaldo Rocha Porto Everaldo Valério Teixeira Fernando Bezerra Coelho Fernando Teixeira Silva Flávio Luiz Gonçalves Guimarães Flávio Ramos Oliveira Francisco Nilton Cavalcanti Francisco Pinheiro de Araújo Francisco Zuza de Oliveira Genival da Silva Passos George Ricardo Bandeira Embrapa Mandioca e Fruticultura Embrapa ACS Univ. Estadual Feira SantanaBA EMATERRN IPAPE CAMPILPI/CASA APIS Embrapa SemiÁrido SEBRAEPE Embrapa Solos Embrapa Algodão Pref. Municipal JuazeiroBA Nutritivo Mel AAPI APAEBBA Embrapa ACS Aprisco do Vale Embrapa Negócios Tecnológicos Embrapa SemiÁrido Embrapa Tabuleiros Costeiros Projeto Dom Helder Câmara Embrapa SemiÁrido CAATINGA Prefeitura Municipal de Petrolina Embrapa Agroind. de Alimentos SENAI CERTA Assoc. Criadores de Avestruzes ASCCOPERPE Embrapa SemiÁrido Sec. Agricultura e PecuáriaCE APIAGROPI EBDABA Coordenador de Pesquisa Assessora PróReitora Gerente Estadual Diretor de Produção Diretor Difusor de Tecnologia Coord. CapriOvinocultura Chefe Geral Pesquisador Coordenador Gerente Gerente Técnico Chefe Presidente Assessor Brasília Assessor de Difusão Coordenado de Difusão Diretor Pesquisador Técnico em Apicultura Prefeito Pesquisador Diretor MédicoVeterinário Presidente Pesquisador Assessor Técnico Diretor Gerente Regional 19

20 (continuação) Geraldo Eugênio de França Gherman Garcia Leal de Araújo Gicélio Oliveira Arraes Girley Brasileiro Giuberto de Lima Ramos Guilherme \Costa Lima Harald Schistek Henrique Gonçalves dos Santos Ingo Melchers José Antonio de Souza Batista José Batista Cavalcanti José Dias Ferreira José Éden de Medeiros José Flamarion de Oliveira José Itamar Ramos José Joaquim Santana E Silva José Marcos H. de Farias José Moacir dos Santos José Nilton Moreira José Pacelli José Renato Cortez Bezerra José Ruy Porto de Carvalho Lázaro Eurípedes Paiva Luisa Teixeira de Brito Luiza Toshiko Matsuo Luiz Arena Luiz Cláudio Souza Macedo Lucas Antonio de Souza Leite Marcone C.M.Chagas Maria Pinheiro F. Correia Maria do Remédio S. Leite Maria Leonice de Freitas Newton de Melo Newton Silva Araújo Embrapa Embrapa SemiÁrido EMATERPI Sec.de Desenv. EconômicoPE IPAPE EMPARNRN IRPAABA CAATINGA GTZDED EMATERPI ASCCOPERPE Coop. Agrícola Mista AfrânioPE Embrapa DAF EMPARNRN Cooperativa ARTEZAPB EBDABA Cooperativa ARTEZAPB IRPAABA Embrapa SemiÁrido EMATERPI Embrapa Algodão Embrapa Informática Agropec. Embrapa Negócios Tecnológicos Embrapa SemiÁrido Embrapa ACS Brasília Agrishow EMATERRN Embrapa Agroind. TropicalCE EMPARNRN Embrapa Caprinos COGRISA/FAESABA EMATERRN ABIMAQ Publiê/Projeto Agrishow Diretor Chefe de Negócios Gerente Paulistana Assessor Diretor de Extensão Pesquisador Assessor Técnico Presidente Coordenador Coord.Regional Picos Diretor Eng. Agrônomo Chefe Coordenador de P&D Presidente Diretor Presidente Diretor Técnico Presidente Pesquisador Gerente Simplício Mendes Chefe de Negócios Coordenador de Pesquisa Gerente Petrolina Pesquisadora Assessora Arquiteto Diretor Geral Chefe Geral Diretor de P&D Chefe Geral Presidente Coord. Planejamento Presidente Diretor 20

SEMIÁRIDOSHOW Edição 2011

SEMIÁRIDOSHOW Edição 2011 SEMIÁRIDOSHOW Edição 2011 Tecnologias Agrícolas: Água e Produção de Alimentos na Agricultura Familiar. De 22 a 25 de agosto de 2011 Local: Embrapa Transferência de Tecnologia BR 122 Km 50 (BR 428 Km 148)

Leia mais

As ações do Pacto serão delineadas de acordo com as seguintes prioridades:

As ações do Pacto serão delineadas de acordo com as seguintes prioridades: Finalidade A conservação da biodiversidade e de demais atributos da Mata Atlântica depende de um conjunto articulado de estratégias, incluindo a criação e a implantação de Unidades de Conservação, Mosaicos

Leia mais

Desenvolvimento da Agricultura Irrigada no Brasil, sob Cenários Sustentáveis (PCT BRA/IICA/08/002)

Desenvolvimento da Agricultura Irrigada no Brasil, sob Cenários Sustentáveis (PCT BRA/IICA/08/002) Desenvolvimento da Agricultura Irrigada no Brasil, sob Cenários Sustentáveis (PCT BRA/IICA/08/002) Data do Início: 01/01/2008 Data do Término: 31/12/2011 Valor: R$ 21.000.000,00 Objetivo: Desenvolvimento

Leia mais

FOMENTO A IMPLANTAÇÃO DE BANCOS DE PROTEINA PARA ALIMENTAÇÃO ANIMAL NO PERÍODO SECO

FOMENTO A IMPLANTAÇÃO DE BANCOS DE PROTEINA PARA ALIMENTAÇÃO ANIMAL NO PERÍODO SECO FOMENTO A IMPLANTAÇÃO DE BANCOS DE PROTEINA PARA ALIMENTAÇÃO ANIMAL NO PERÍODO SECO APRESENTAÇÃO: A região Semi-árida é caracterizada de um modo geral pela aridez do clima, deficiência hídrica, precipitações

Leia mais

SÍNTESE BARRA DO GARÇAS RP IV

SÍNTESE BARRA DO GARÇAS RP IV SÍNTESE BARRA DO GARÇAS RP IV Realizar projetos para destinação de resíduos sólidos * Meio Ambiente Desenvolver programas de educação ambiental Apresentar pequenos e médios projetos de recuperação (seqüestro

Leia mais

A transição Agroecológica da Cajucultura familiar no Município de Barreira, Ceará, Brasil.

A transição Agroecológica da Cajucultura familiar no Município de Barreira, Ceará, Brasil. A transição Agroecológica da Cajucultura familiar no Município de Barreira, Ceará, Brasil. GIRÃO, Enio G. Eng. Agrônomo, Embrapa Agroindústria Tropical, Fortaleza CE, enio@cnpat.embrapa.br; OLIVEIRA, Francyálisson

Leia mais

PROPOSTAS DO III SEMINARIO SUL BRASILEIRO DE AGRICULTURA SUSTENTÁVEL GRUPO DE TRABALHO PRODUÇÃO DE ALIMENTOS PARA O TURISMO RURAL

PROPOSTAS DO III SEMINARIO SUL BRASILEIRO DE AGRICULTURA SUSTENTÁVEL GRUPO DE TRABALHO PRODUÇÃO DE ALIMENTOS PARA O TURISMO RURAL O Seminário Sul Brasileiro vem sendo organizado desde 2005, como um evento paralelo a Suinofest, festa gastronômica de derivados da carne suína, por um grupo formado pela UERGS, ACI-E, EMATER e Secretaria

Leia mais

Sumário Executivo Rio Cancã / Moinho

Sumário Executivo Rio Cancã / Moinho Sumário Executivo Rio Cancã / Moinho 2 SUMÁRIO EXECUTIVO Microbacias: Cancã/Joanópolis - SP e Moinho/Nazaré Paulista - SP Mapas das bacias e do recorte espacial escolhido: Cancã Joanópolis (Escopo geográfico

Leia mais

O papel do engenheiro agrônomo no desenvolvimento das plantas medicinais

O papel do engenheiro agrônomo no desenvolvimento das plantas medicinais O papel do engenheiro agrônomo no desenvolvimento das plantas medicinais Alexandre Sylvio Vieira da Costa 1 1.Engenheiro Agrônomo. Professor Universidade Vale do Rio Doce/Coordenador Adjunto da Câmara

Leia mais

Ambiente de Gerenciamento do PRONAF e Programas de Crédito Fundiário

Ambiente de Gerenciamento do PRONAF e Programas de Crédito Fundiário Ambiente de Gerenciamento do PRONAF e Programas de Crédito Fundiário Janeiro - 2011 Banco do Nordeste Apoio à Agricultura Familiar Programa Nacional de Fortalecimento Da Agricultura Familiar OBJETIVO Fortalecer

Leia mais

(E-MAIL): marfa.alessandra@seagro.to.gov.br. Fortalecimento dos Serviços Públicos Selecionados

(E-MAIL): marfa.alessandra@seagro.to.gov.br. Fortalecimento dos Serviços Públicos Selecionados NOME DO PROJETO: PROJETO DE DESENVOLVIMENTO REGIONAL INTEGRADO E SUSTENTÁVEL PDRIS Nº ACORDO EMPRÉSTIMO: 8185-0/BR NÃO OBJEÇÃO - (TERMO DE REFERÊNCIA) Nº DO TDR: 02/2015 DATA: 01/02/2015 COMPONENTE: SUBCOMPONENTE:

Leia mais

Estratégias para a implantação do T&V

Estratégias para a implantação do T&V 64 Embrapa Soja, Documentos, 288 Estratégias para a implantação do T&V Lineu Alberto Domit 1 A estratégia de ação proposta está baseada na experiência acumulada na implantação do sistema T&V no estado

Leia mais

III CONGRESSO BRASILEIRO DO CACAU: INOVAÇÃO TECNOLÓGICA E SUSTENTABILIDADE

III CONGRESSO BRASILEIRO DO CACAU: INOVAÇÃO TECNOLÓGICA E SUSTENTABILIDADE III CONGRESSO BRASILEIRO DO CACAU: INOVAÇÃO TECNOLÓGICA E SUSTENTABILIDADE Painel 8: O papel de Instituições Públicas para Desenvolvimento da Cacauicultura Brasileira O Cacau e a Agricultura Familiar Adriana

Leia mais

8ª Edição do Prêmio Prefeito Empreendedor

8ª Edição do Prêmio Prefeito Empreendedor 8ª Edição do Prêmio Prefeito Empreendedor Projeto nº: 2. 250650/2013 Município: UF: Prefeito: Gurjão PB RONALDO RAMOS DE QUEIROZ Orçamento total da Prefeitura: R$ 10.386.175,36 Qtd. Emp. Form.ME, EPP.

Leia mais

Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro Programa de Pós-graduação de Ciências Sociais em Desenvolvimento, Agricultura e Sociedade (CPDA)

Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro Programa de Pós-graduação de Ciências Sociais em Desenvolvimento, Agricultura e Sociedade (CPDA) Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro Programa de Pós-graduação de Ciências Sociais em Desenvolvimento, Agricultura e Sociedade (CPDA) Relatório com as principais notícias divulgadas pela mídia

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA. Local de atuação: Brasília/DF com disponibilidade para viagens em todo o território nacional.

TERMO DE REFERÊNCIA. Local de atuação: Brasília/DF com disponibilidade para viagens em todo o território nacional. TERMO DE REFERÊNCIA Denominação: Consultor(a) especializado(a) para atuação na área de suporte técnico e avaliação das políticas de fortalecimento da agricultura familiar, com enfoque nos princípios da

Leia mais

Codevasf investe mais de R$ 260 milhões em ações de inclusão produtiva

Codevasf investe mais de R$ 260 milhões em ações de inclusão produtiva Codevasf investe mais de R$ 260 milhões em ações de inclusão produtiva A realidade de milhares de famílias da zona rural está mudando graças ao apoio da Companhia de Desenvolvimento dos Vales do São Francisco

Leia mais

Diagnóstico de oportunidades de quebra de barreiras para acesso às políticas públicas da Agricultura Familiar em São Félix do Xingu, Pará.

Diagnóstico de oportunidades de quebra de barreiras para acesso às políticas públicas da Agricultura Familiar em São Félix do Xingu, Pará. TERMO DE REFERÊNCIA Diagnóstico de oportunidades de quebra de barreiras para acesso às políticas públicas da Agricultura Familiar em São Félix do Xingu, Pará. 1. Título: Diagnóstico de oportunidades para

Leia mais

PERFIL DOS ESTADOS E DOS MUNICÍPIOS BRASILEIROS: INCLUSÃO PRODUTIVA.

PERFIL DOS ESTADOS E DOS MUNICÍPIOS BRASILEIROS: INCLUSÃO PRODUTIVA. PERFIL DOS ESTADOS E DOS MUNICÍPIOS BRASILEIROS: INCLUSÃO PRODUTIVA. FICHA TÉCNICA Coordenação de População e Indicadores Sociais: Bárbara Cobo Soares Gerente de Pesquisas e Estudos Federativos: Antônio

Leia mais

PLANEJAMENTO E ESTRATÉGIAS 1. O CENÁRIO DO SETOR AGROPECUÁRIO BRASILEIRO

PLANEJAMENTO E ESTRATÉGIAS 1. O CENÁRIO DO SETOR AGROPECUÁRIO BRASILEIRO PLANEJAMENTO E ESTRATÉGIAS 1. O CENÁRIO DO SETOR AGROPECUÁRIO BRASILEIRO A economia brasileira tem passado por rápidas transformações nos últimos anos. Neste contexto ganham espaço novas concepções, ações

Leia mais

Clipping de notícias. Recife, 15 de julho de 2015.

Clipping de notícias. Recife, 15 de julho de 2015. Clipping de notícias Recife, 15 de julho de 2015. Cepe Recife, 15 de julho de 2015. 14/07/2015 ATÉ QUE ENFIM: 'Secretaria de Agricultura de Tabira instala balança no Curral do Gado' O prefeito de Tabira,

Leia mais

RELATÓRIO DAS OFICINAS SOBRE LICENCIAMENTO AMBIENTAL DOS PROJETOS DE ASSENTAMENTO DO PROGRAMA NACIONAL DE REFORMA AGRÁRIA

RELATÓRIO DAS OFICINAS SOBRE LICENCIAMENTO AMBIENTAL DOS PROJETOS DE ASSENTAMENTO DO PROGRAMA NACIONAL DE REFORMA AGRÁRIA MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE MMA MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO AGRÁRIO MDA INSTITUTO NACIONAL DE COLONIZAÇÃO E REFORMA AGRÁRIA INCRA RELATÓRIO DAS OFICINAS SOBRE LICENCIAMENTO AMBIENTAL DOS PROJETOS DE

Leia mais

INSTITUTO AGRONÔMICO DE PERNAMBUCO ASSESSORIA DE COMUNICAÇÃO CLIPPING ELETRÔNICO

INSTITUTO AGRONÔMICO DE PERNAMBUCO ASSESSORIA DE COMUNICAÇÃO CLIPPING ELETRÔNICO INSTITUTO AGRONÔMICO DE PERNAMBUCO ASSESSORIA DE COMUNICAÇÃO CLIPPING ELETRÔNICO De 30 de janeiro de 2014 Simpósio Riquezas e Problemas do Semiárido chega ao fim Na próxima sexta-feira, dia 31, chega ao

Leia mais

SEMINÁRIO. Agricultura Familiar no Amazonas: Desafios para Inovação e Sustentabilidade. 25 a 27 de novembro de 2014. Felipe Santos da Rosa

SEMINÁRIO. Agricultura Familiar no Amazonas: Desafios para Inovação e Sustentabilidade. 25 a 27 de novembro de 2014. Felipe Santos da Rosa SEMINÁRIO Agricultura Familiar no Amazonas: Desafios para Inovação e Sustentabilidade 25 a 27 de novembro de 2014 Felipe Santos da Rosa APRESENTAÇÃO A agropecuária do Estado do Amazonas é desenvolvida

Leia mais

DESAFIOS E OPORTUNIDADES PARA O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL

DESAFIOS E OPORTUNIDADES PARA O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL 1 APRESENTAÇÃO Com o objetivo de definir políticas de desenvolvimento integrado para o setor sisaleiro, nos âmbitos estaduais, nacional e internacional, e consolidar a posição brasileira para a 32 a Reunião

Leia mais

EDITAL DE SELEÇÃO 08-2015 PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO DE CONTRATAÇÃO DE PESSOAL POR TEMPO DETERMINADO

EDITAL DE SELEÇÃO 08-2015 PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO DE CONTRATAÇÃO DE PESSOAL POR TEMPO DETERMINADO EDITAL DE SELEÇÃO 08-2015 PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO DE CONTRATAÇÃO DE PESSOAL POR TEMPO DETERMINADO A Cáritas Brasileira Regional Minas Gerais, organismo da CNBB (Conferência Nacional dos Bispos do

Leia mais

CONSULTORIA DE ESTUDO SOBRE A PRODUÇAO DE AÇAÍ NO ESTADO DO AMAPÁ

CONSULTORIA DE ESTUDO SOBRE A PRODUÇAO DE AÇAÍ NO ESTADO DO AMAPÁ - TERMO DE REFERÊNCIA - CONSULTORIA DE ESTUDO SOBRE A PRODUÇAO DE AÇAÍ NO ESTADO DO AMAPÁ 1. ANTECEDENTES O Estado do Amapá possui uma área de 143.453 km², o que representa aproximadamente 2% do território

Leia mais

8ª Edição do Prêmio Prefeito Empreendedor

8ª Edição do Prêmio Prefeito Empreendedor 8ª Edição do Prêmio Prefeito Empreendedor Projeto nº: 1. 293050/2013 Município: UF: Prefeito: Serrinha BA Orçamento total da Prefeitura: R$ 58.680,00 Qtd. Emp. Form.ME, EPP. EI: Estimativa de Emp. Informais:

Leia mais

Programa de Aquisição de Alimentos

Programa de Aquisição de Alimentos Programa de Aquisição de Alimentos Programa de Aquisição de Alimentos Produção Consumo Rede Socioassistencial Agricultura Familiar Inclui: Agricultores Familiares; Assentados; Povos e Comunidades Tradicionais;

Leia mais

CRIAÇÃO DE GALINHA CAIPIRA INTEGRADA ÀS POLÍTICAS PÚBLICAS - Brasil Sem Miséria (BSM) e Programa de Aquisição de Alimento (PAA): A EXPERIÊNCIA DE UMA

CRIAÇÃO DE GALINHA CAIPIRA INTEGRADA ÀS POLÍTICAS PÚBLICAS - Brasil Sem Miséria (BSM) e Programa de Aquisição de Alimento (PAA): A EXPERIÊNCIA DE UMA CRIAÇÃO DE GALINHA CAIPIRA INTEGRADA ÀS POLÍTICAS PÚBLICAS - Brasil Sem Miséria (BSM) e Programa de Aquisição de Alimento (PAA): A EXPERIÊNCIA DE UMA FAMÍLIA SERRATALHADENSE. Serra Talhada, 2014 CRIAÇÃO

Leia mais

Rede de Produção de Plantas Medicinais, Aromáticas e Fitoterápicos

Rede de Produção de Plantas Medicinais, Aromáticas e Fitoterápicos Rede de Produção de Plantas Medicinais, Aromáticas e Fitoterápicos Atores envolvidos Movimentos Sociais Agricultura Familiar Governos Universidades Comunidade Científica em Geral Parceiros Internacionais,

Leia mais

Em busca da sustentabilidade na gestão do saneamento: instrumentos de planejamento

Em busca da sustentabilidade na gestão do saneamento: instrumentos de planejamento Em busca da sustentabilidade na gestão do saneamento: instrumentos de planejamento Marcelo de Paula Neves Lelis Gerente de Projetos Secretaria Nacional de Saneamento Ambiental Ministério das Cidades Planejamento

Leia mais

Territórios, Água e Agroecologia: Base para a vida no Semiárido DATA: 20 A 23 DE OUTUBRO HORÁRIO: DAS 8H ÀS 17H

Territórios, Água e Agroecologia: Base para a vida no Semiárido DATA: 20 A 23 DE OUTUBRO HORÁRIO: DAS 8H ÀS 17H FEIRA DA AGRICULTURA FAMILIAR Territórios, Água e Agroecologia: Base para a vida no Semiárido PROGRAMAÇÃO DATA: 20 A 23 DE OUTUBRO HORÁRIO: DAS 8H ÀS 17H Embrapa Produtos e Mercado BR 428, KM 148, Petrolina-PE

Leia mais

Manejo de Recursos Hídricos no Semi-árido. Julho de 2004 BNDES Rio de Janeiro

Manejo de Recursos Hídricos no Semi-árido. Julho de 2004 BNDES Rio de Janeiro Manejo de Recursos Hídricos no Semi-árido Julho de 2004 BNDES Rio de Janeiro Vulnerabilidades do Nordeste Brasileiro Principais causas: - Instabilidade Climática: Distribuição irregular das chuvas, com

Leia mais

Participação da Febraban no Projeto Cisternas Programa de Formação e Mobilização para a Convivência com o Semi-Árido

Participação da Febraban no Projeto Cisternas Programa de Formação e Mobilização para a Convivência com o Semi-Árido Participação da Febraban no Projeto Cisternas Programa de Formação e Mobilização para a Convivência com o Semi-Árido Projeto para construção de cisternas, Mobilização e Capacitação de famílias parceria

Leia mais

Desenvolvimento Regional Sustentável - DRS. Crise Mundial e o Desenvolvimento Regional: Desafios e Oportunidades

Desenvolvimento Regional Sustentável - DRS. Crise Mundial e o Desenvolvimento Regional: Desafios e Oportunidades Desenvolvimento Regional Sustentável - DRS Crise Mundial e o Desenvolvimento Regional: Desafios e Oportunidades Grandes números do Banco do Brasil Ativos totais: R$ 598 bilhões Clientes: 48,1 milhões Carteira

Leia mais

Orgânicos e desenvolvimento sustentável

Orgânicos e desenvolvimento sustentável Orgânicos e desenvolvimento sustentável SÉRGIO ANGHEBEN Gestor do Programa Desenvolvimento Rural Sustentável da Itaipu Binacional A princípio, gostaria de chamar atenção no quadro 1 para a área plantada

Leia mais

INSTITUT0 AGRONÔMICO DE PERNAMBUCO POTENCIALIDADES AGRÍCOLAS DO POLO GESSEIRO DO ARARIPE. PESQUISAS E DIFUSÃO DE CONHECIMENTOS

INSTITUT0 AGRONÔMICO DE PERNAMBUCO POTENCIALIDADES AGRÍCOLAS DO POLO GESSEIRO DO ARARIPE. PESQUISAS E DIFUSÃO DE CONHECIMENTOS Instituto Agronômico de Pernambuco-IPA POTENCIALIDADES AGRÍCOLAS DO POLO GESSEIRO DO ARARIPE. PESQUISAS E DIFUSÃO DE CONHECIMENTOS Distribuição das áreas da Chapada do Araripe para os estados de Ceará,

Leia mais

O APL da. Ovinocaprinocultura Granito-PE

O APL da. Ovinocaprinocultura Granito-PE O APL da Ovinocaprinocultura Granito-PE Nível de Organização Comissão Estadual de Caprinovinocultura da FAEPE Fórum da Ovinocaprinocultura do Araripe ACOCAG Associação dos Criadores de Ovinos e Caprinos

Leia mais

Apoio à comercialização da agricultura familiar

Apoio à comercialização da agricultura familiar Apoio à comercialização da agricultura familiar Programa de Aquisição de Alimentos 1. Contexto Liberalização dos mercados de produtos agrícolas (anos 90) Intenso processo de concentração de capitais no

Leia mais

Carta de São Paulo 1º FEIRATUR Feira Nacional de Turismo Rural

Carta de São Paulo 1º FEIRATUR Feira Nacional de Turismo Rural Carta de São Paulo 1º FEIRATUR Feira Nacional de Turismo Rural No período compreendido entre os dias 16 e 19 do mês de setembro de 2004, realizou-se a Primeira Feira Nacional do Turismo Rural - 1º FEIRATUR,

Leia mais

alimentos para o brasil APRESENTAÇÃO

alimentos para o brasil APRESENTAÇÃO 2014-2015 APRESENTAÇÃO O Plano Safra da Agricultura Familiar 2014/2015 Alimentos Para o Brasil vem consolidar mais de uma década de políticas públicas que melhoram a vida de quem vive no Brasil Rural.

Leia mais

EDITAL DE SELEÇÃO DE PESSOAL Nº 254/2014

EDITAL DE SELEÇÃO DE PESSOAL Nº 254/2014 EDITAL DE SELEÇÃO DE PESSOAL Nº 254/2014 O Presidente do Instituto Pauline Reichstul-IPR, torna público que receberá inscrições para o processo seletivo de pessoal para atuação no projeto Ações Integradas

Leia mais

Governo do Estado do Rio Grande do Norte Sistema Integrado para Administração Financeira Anexo de Metas e Prioridades

Governo do Estado do Rio Grande do Norte Sistema Integrado para Administração Financeira Anexo de Metas e Prioridades Programa 1704 - APOIO À AGRICULTURA FAMILIAR 17000 - Secretaria de Estado da Agricultura, da Pecuária e da Pesca Fortalecer a agricultura familiar, através de um conjunto de ações implementadas em parceria

Leia mais

PLANO DE AÇÃO PARA EXECUÇÃO DO ACORDO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA MAPA x ABRAS

PLANO DE AÇÃO PARA EXECUÇÃO DO ACORDO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA MAPA x ABRAS PLANO DE AÇÃO PARA EXECUÇÃO DO ACORDO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA MAPA x ABRAS Rosilene Ferreira Souto Luzia Souza Setembro 2014 Parceria Institucional com foco na rastreabilidade Acordo de Cooperação entre

Leia mais

RESÍDUOS AGROSSILVOPASTORIS

RESÍDUOS AGROSSILVOPASTORIS RESÍDUOS AGROSSILVOPASTORIS Diretriz 01: Desenvolvimento e inovação de tecnologias para o aproveitamento de resíduos agrossilvopastoris 1.Estabelecimento de linhas de financiamento em condições específicas

Leia mais

Ovinocaprinocultura na Agricultura Familiar

Ovinocaprinocultura na Agricultura Familiar Ovinocaprinocultura na Agricultura Familiar Oscar Arroyo Barreto y Cristina Matossian de Pardo PROCABRA - Jr. Ramón Zavala N 341, Miraflores, Lima Historicamente, a agricultura familiar é mundialmente

Leia mais

EDITAL FLD 02/2015 - JUSTIÇA SOCIOAMBIENTAL SELEÇÃO DE PROJETOS PARA CONSERVAÇÃO DO BIOMA PAMPA E QUALIDADE DE VIDA DA POPULAÇÃO

EDITAL FLD 02/2015 - JUSTIÇA SOCIOAMBIENTAL SELEÇÃO DE PROJETOS PARA CONSERVAÇÃO DO BIOMA PAMPA E QUALIDADE DE VIDA DA POPULAÇÃO EDITAL FLD 02/2015 - JUSTIÇA SOCIOAMBIENTAL SELEÇÃO DE PROJETOS PARA CONSERVAÇÃO DO BIOMA PAMPA E QUALIDADE DE VIDA DA POPULAÇÃO O projeto deve ser elaborado no formulário em WORD, disponível para download

Leia mais

Objetivos Consolidar uma política garantidora de direitos Reduzir ainda mais a desigualdade social

Objetivos Consolidar uma política garantidora de direitos Reduzir ainda mais a desigualdade social AGENDA SOCIAL AGENDA SOCIAL Estamos lutando por um Brasil sem pobreza, sem privilégios, sem discriminações. Um país de oportunidades para todos. A melhor forma para um país crescer é fazer que cada vez

Leia mais

alimentos para o brasil APRESENTAÇÃO

alimentos para o brasil APRESENTAÇÃO 2014-2015 alimentos para o brasil APRESENTAÇÃO O Plano Safra da Agricultura Familiar 2014/2015 Alimentos Para o Brasil vem consolidar mais de uma década de políticas públicas que melhoram a vida de quem

Leia mais

CONTROLE SOCIAL NA GARANTIA DA QUALIDADE DOS PRODUTOS ORGÂNICOS DA AGRICULTURA FAMÍLIAR

CONTROLE SOCIAL NA GARANTIA DA QUALIDADE DOS PRODUTOS ORGÂNICOS DA AGRICULTURA FAMÍLIAR 11. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( X) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA CONTROLE SOCIAL

Leia mais

Clipping de notícias. Recife, 15 de setembro de 2015.

Clipping de notícias. Recife, 15 de setembro de 2015. Clipping de notícias Recife, 15 de setembro de 2015. Recife, 15 de setembro de 2015. Recife,15 de setembro de 2015. Recife,15 de setembro de 2015. Recife, 15 de setembro de 2015. 14/09/2015 ProRURAL DEBATE

Leia mais

SEBRAE CE. Projetos na Área Rural

SEBRAE CE. Projetos na Área Rural SEBRAE CE Projetos na Área Rural Projetos na Agricultura Fruticultura do Vale do Jaguaribe PRINCIPAIS AÇÕES Consultoria SEBRAETEC Central de Frutas Tabuleiros de Russas. RESULTADOS ALCANÇADOS 15% de toda

Leia mais

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2016

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2016 PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2016 Institui a Política de Desenvolvimento Sustentável da Caatinga. O CONGRESSO NACIONAL decreta: Art. 1º Esta Lei institui a Política de Desenvolvimento Sustentável da

Leia mais

NÚCLEOS DE EXTENSÃO EM DESENVOLVIMENTO TERRITORIAL. PARCERIA MDA / CNPq. Brasília, 13 de maio de 2014

NÚCLEOS DE EXTENSÃO EM DESENVOLVIMENTO TERRITORIAL. PARCERIA MDA / CNPq. Brasília, 13 de maio de 2014 NÚCLEOS DE EXTENSÃO EM DESENVOLVIMENTO TERRITORIAL PARCERIA MDA / CNPq Brasília, 13 de maio de 2014 A política de desenvolvimento territorial Desde 2004 a SDT implementa a estratégia de desenvolvimento

Leia mais

PROJETO DE DESENVOLVIMENTO RURAL SUSTENTÁVEL DO ESTADO DA BAHIA. Banco Mundial

PROJETO DE DESENVOLVIMENTO RURAL SUSTENTÁVEL DO ESTADO DA BAHIA. Banco Mundial PROJETO DE DESENVOLVIMENTO RURAL SUSTENTÁVEL DO ESTADO DA BAHIA POR QUE O PROJETO Decisão Estratégica do Governo do Estado da Bahia Necessidade de avançar na erradicação da pobreza rural Existência de

Leia mais

PROJETO TÉCNICO SAF/ATER 120/2010. PROJETO ATER - DESENVOLVIMENTO Rural Inclusivo e Sustentável Região da Grande Dourados, MS

PROJETO TÉCNICO SAF/ATER 120/2010. PROJETO ATER - DESENVOLVIMENTO Rural Inclusivo e Sustentável Região da Grande Dourados, MS PROJETO TÉCNICO SAF/ATER 120/2010 PROJETO ATER - DESENVOLVIMENTO Rural Inclusivo e Sustentável Região da Grande Dourados, MS Propósito da Coopaer Identificar problemas oriundos da Cadeia produtiva leite;

Leia mais

Biodiversidade, Agrobiodiversidade e Agroecologia

Biodiversidade, Agrobiodiversidade e Agroecologia Biodiversidade, Agrobiodiversidade e Agroecologia Hoje, um grande desafio para a agropecuária, principalmente em relação à inovação tecnológica, é a harmonização do setor produtivo com os princípios da

Leia mais

Programas 2013. Abril de 2013

Programas 2013. Abril de 2013 Programas 2013 Abril de 2013 A nova SUDENE -Lei Complementar n 125, de 03 de janeiro de 2007 -Decreto n 6.219/2007 Autarquia especial, administrativa e financeiramente autônoma,... vinculada ao Ministério

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DO MEIO AMBIENTE Unidade de Gestão Local UGL Projeto de Desenvolvimento Rural Sustentável Microbacias II TERMO DE REFERÊNCIA

SECRETARIA DE ESTADO DO MEIO AMBIENTE Unidade de Gestão Local UGL Projeto de Desenvolvimento Rural Sustentável Microbacias II TERMO DE REFERÊNCIA TERMO DE REFERÊNCIA CONTRATAÇÃO DE CONSULTORIA PARA AVALIAÇÃO FINANCEIRA E ACOMPANHAMENTO DE PROJETOS 1. IDENTIFICAÇÃO DO TERMO DE REFERÊNCIA 1.1. Número: 05/2011 2. IDENTIFICAÇÃO DO CONTRATANTE 2.1. Contratante

Leia mais

Nome: Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural do Ceará -EMATERCE

Nome: Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural do Ceará -EMATERCE MODELO DE INSCRIÇÃO DADOS DA INSTITUIÇÃO Nome: Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural do Ceará -EMATERCE Endereço: Avenida Bezerra de Menezes, 1900 Executora de Chamada pública de Ater ( x ) Sim

Leia mais

EXO ANEXO TEMÁTICO 2: Tema Prioritário II Manejo de Paisagem Linha de Ação Temática 2.1 Manejo Florestal Sustentável

EXO ANEXO TEMÁTICO 2: Tema Prioritário II Manejo de Paisagem Linha de Ação Temática 2.1 Manejo Florestal Sustentável EXO ANEXO TEMÁTICO 2: Tema Prioritário II Manejo de Paisagem Linha de Ação Temática 2.1 Manejo Florestal Sustentável 1. Objetivos da Chamada de Projetos para esta Linha de Ação Temática O objetivo da chamada

Leia mais

NÚCLEO NÓS PODEMOS BAHIA. Plano de Ação. Articular e integrar os segmentos da sociedade e recursos para desenvolver ações que contribuam

NÚCLEO NÓS PODEMOS BAHIA. Plano de Ação. Articular e integrar os segmentos da sociedade e recursos para desenvolver ações que contribuam NÚCLEO NÓS PODEMOS BAHIA Plano de Ação A - MISSÃO Articular e integrar os segmentos da sociedade e recursos para desenvolver ações que contribuam diretamente para o alcance dos Objetivos de Desenvolvimento

Leia mais

CONTEXTUALIZAÇÃO/ JUSTIFICATIVA

CONTEXTUALIZAÇÃO/ JUSTIFICATIVA TERMO DE REFERÊNCIA SERVIÇOS NÃO CONTINUADOS (não alterar os campos em cinza) TR nº MODALIDADE TEMA PROCESSO SELETIVO Produto Planejamento Territorial TR_02_2015_PDHC Participativo Parecer Nº 00558/2015/CONJUR-MDA/CGU/AGU,

Leia mais

Consultor/a Local Pesquisa OPM Nordeste exceto Bahia e Maranhão

Consultor/a Local Pesquisa OPM Nordeste exceto Bahia e Maranhão PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA DE POLÍTICAS PARA AS MULHERES CCBB SCES, Trecho 2, Lote 22 Edifício Tancredo Neves, 1º andar Cep 70200-002 Brasília / DF Telefone (61) 3313-7101 Central de Atendimento

Leia mais

MINISTÉRIO DA INTEGRAÇÃO NACIONAL SECRETARIA DE DESENVOLVIMENTO REGIONAL ROTAS DE INTEGRAÇÃO NACIONAL

MINISTÉRIO DA INTEGRAÇÃO NACIONAL SECRETARIA DE DESENVOLVIMENTO REGIONAL ROTAS DE INTEGRAÇÃO NACIONAL MINISTÉRIO DA INTEGRAÇÃO NACIONAL SECRETARIA DE DESENVOLVIMENTO REGIONAL ORIENTAÇÕES PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS DE INCLUSÃO PRODUTIVA ROTAS DE INTEGRAÇÃO NACIONAL O presente documento tem por objetivo

Leia mais

Implantação de unidades de observação para avaliação técnica de culturas de clima temperado e tropical no estado do Ceará Resumo

Implantação de unidades de observação para avaliação técnica de culturas de clima temperado e tropical no estado do Ceará Resumo Implantação de unidades de observação para avaliação técnica de culturas de clima temperado e tropical no estado do Ceará Resumo Os polos irrigados do Estado do Ceará são seis, conforme relacionados: Baixo

Leia mais

Orientações para o Apoio do Fundo Amazônia ao Cadastramento Ambiental Rural

Orientações para o Apoio do Fundo Amazônia ao Cadastramento Ambiental Rural Orientações para o Apoio do Fundo Amazônia ao Cadastramento Ambiental Rural 1. Apoio do Fundo Amazônia ao Cadastramento Ambiental Rural no bioma Amazônia... 2 2. Apoio do Fundo Amazônia ao Cadastramento

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº 51/2008. Institui a Política Estadual de Combate e Prevenção à Desertificação e dá outras providências.

PROJETO DE LEI Nº 51/2008. Institui a Política Estadual de Combate e Prevenção à Desertificação e dá outras providências. PROJETO DE LEI Nº 51/2008 Institui a Política Estadual de Combate e Prevenção à Desertificação e dá outras providências. A ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA DO ESTADO DO ESPIRITO SANTO DECRETA: Art. 1º Esta lei institui

Leia mais

Secretaria Municipal de Educação, Cultura e Esporte Eunápolis Bahia

Secretaria Municipal de Educação, Cultura e Esporte Eunápolis Bahia Secretaria Municipal de Educação, Cultura e Esporte Eunápolis Bahia PORTARIA Nº 14/2009 Aprova o Regulamento da I Conferência Municipal de Cultura de Eunápolis-BA e dá outras providências. A SECRETÁRIA

Leia mais

O MATOPIBA e o desenvolvimento "destrutivista" do Cerrado

O MATOPIBA e o desenvolvimento destrutivista do Cerrado O MATOPIBA e o desenvolvimento "destrutivista" do Cerrado Paulo Rogerio Gonçalves* No dia seis de maio de 2015 o decreto n. 8447 cria o Plano de Desenvolvimento Agropecuário do Matopiba e seu comitê gestor.

Leia mais

CLIPPING De 05 de maio de 2015

CLIPPING De 05 de maio de 2015 CLIPPING De 05 de maio de 2015 VEÍCULO EDITORIA DATA 2 3 VEÍCULO DATA 04/05/2015 Cultivares do IPA contam com proteção de direitos de propriedade intelectual A Tomate Ferraz IPA 8 será a primeira cultivar,

Leia mais

A Política Nacional de Ater Pnater e seus Impactos no Desenvolvimento Municipal Sustentável

A Política Nacional de Ater Pnater e seus Impactos no Desenvolvimento Municipal Sustentável Seminário: A Extensão Rural Pública e seus Impactos no Desenvolvimento Municipal Sustentável Belo Horizonte, 17 de Outubro 2007 A Política Nacional de Ater Pnater e seus Impactos no Desenvolvimento Municipal

Leia mais

Feira Internacional de tecnologia e negócios. 05 a 09 de março de 2012 Não-Me-Toque/RS

Feira Internacional de tecnologia e negócios. 05 a 09 de março de 2012 Não-Me-Toque/RS EXPODIRETO 2012 Feira Internacional de tecnologia e negócios 05 a 09 de março de 2012 Não-Me-Toque/RS EXPODIRETO 2012 Feira Internacional de tecnologia e negócios Você é nosso convidado para participar

Leia mais

METODOLOGIA SEBRAE BAHIA PARA PÓLOS DE EMPREENDEDORISMO CULTURAL

METODOLOGIA SEBRAE BAHIA PARA PÓLOS DE EMPREENDEDORISMO CULTURAL Trabalho apresentado no III ENECULT Encontro de Estudos Multidisciplinares em Cultura, realizado entre os dias 23 a 25 de maio de 2007, na Faculdade de Comunicação/UFBa, Salvador-Bahia-Brasil. METODOLOGIA

Leia mais

Clipping de notícias. Recife, 11 de setembro de 2015.

Clipping de notícias. Recife, 11 de setembro de 2015. Clipping de notícias Recife, 11 de setembro de 2015. Recife, 11 de setembro de 2015. 10/09/2015 Feira da Mandioca realiza palestras e comercializa produtos em Petrolina Evento vai acontecer no dia 13 de

Leia mais

PROJETO DE RECUPERAÇÃO DE MATAS CILIARES

PROJETO DE RECUPERAÇÃO DE MATAS CILIARES TERMOS DE REFERÊNCIA PARA A CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS DE CONSULTORIA PARA MONITORAMENTO DE PROJETOS DE RECUPERAÇÃO DE MATAS CILIARES DESENVOLVIDOS POR MEIO DE TÉCNICAS DE NUCLEAÇÃO 1. IDENTIFICAÇÃO DOS TERMOS

Leia mais

Programa Garantia Safra no Rio Grande TÍTULO do Sul

Programa Garantia Safra no Rio Grande TÍTULO do Sul Programa Garantia Safra no Rio Grande TÍTULO do Sul Secretaria do Desenvolvimento Rural, Pesca e Cooperativismo do Governo do Estado do Rio Grande do Sul Programa Garantia Safra - RS Secretaria do Desenvolvimento

Leia mais

Utilização Das Tecnologias De Captação De Água De Chuva Na Região Semi-Árida Do Nordeste Brasileiro

Utilização Das Tecnologias De Captação De Água De Chuva Na Região Semi-Árida Do Nordeste Brasileiro Utilização Das De Captação De Água De Chuva Na Região Semi-Árida Do Nordeste Brasileiro Nilton de Brito Cavalcanti, Carlos Alberto Vasconcelos de Oliveira, Luiza Teixeira de Lima Brito, Geraldo Milanez

Leia mais

Edital 03.2014 TERMO DE REFERÊNCIA 01

Edital 03.2014 TERMO DE REFERÊNCIA 01 Edital 03.2014 TERMO DE REFERÊNCIA 01 ELABORAÇÃO DE PLANOS DE SUSTENTABILIDADE ECONÔMICA PARA EMPREENDIMENTOS ECONÔMICOS SOLIDÁRIOS ORGANIZADOS EM REDES DE COOPERAÇÃO NOS TERRITÓRIOS DA MATA SUL/PE, MATA

Leia mais

Órgão/Sigla: SISTEMA MUNICIPAL DE PLANEJAMENTO E GESTÃO - SMPG SECRETARIA MUNICIPAL DE URBANISMO E TRANSPORTE - SEMUT

Órgão/Sigla: SISTEMA MUNICIPAL DE PLANEJAMENTO E GESTÃO - SMPG SECRETARIA MUNICIPAL DE URBANISMO E TRANSPORTE - SEMUT Órgão/Sigla: SISTEMA MUNICIPAL DE PLANEJAMENTO E GESTÃO - SMPG Natureza Jurídica: Gestão: Finalidade: ÓRGÃO COLEGIADO SECRETARIA MUNICIPAL DE URBANISMO E TRANSPORTE - SEMUT Coordenar as ações planejadas

Leia mais

{ 2 } Parque Tecnológico Capital Digital

{ 2 } Parque Tecnológico Capital Digital { 2 } Parque Tecnológico Capital Digital { 3 } 1. INTRODUÇÃO: PARQUE TECNOLÓGICO CAPITAL DIGITAL - PTCD Principal polo de desenvolvimento Científico, Tecnológico e de Inovação do Distrito Federal, o PTCD

Leia mais

Núcleo Estratégico do Turismo Nacional

Núcleo Estratégico do Turismo Nacional Núcleo Estratégico do Turismo Nacional Fórum Nacional dos Secretários e Dirigentes Estaduais de Turismo Ministério do Turismo MTur Conselho Nacional de Turismo Fóruns Estaduais Câmaras Temáticas Secretaria

Leia mais

Problemas e desafios Soluções e ações propostas

Problemas e desafios Soluções e ações propostas FÓRUM DAS OFICINAS DO GRUPO DE TRABALHO DE AGRICULTURA ORGÂNICA E AGROECOLOGIA I - Introdução/Apresentações II - Comercialização III - Produção/Pesquisa/Assistência Técnica IV - Produção Animal V - Impactos

Leia mais

Estudos e projetos para o Oceanário de Salvador. Categoria Valorização e gestão de atrativos turísticos e criação de novos produtos

Estudos e projetos para o Oceanário de Salvador. Categoria Valorização e gestão de atrativos turísticos e criação de novos produtos Componente 1 Título da Ação Estratégia de Produto Turístico Item 1.4 Objetivos Estudos e projetos para o Oceanário de Salvador Categoria Valorização e gestão de atrativos turísticos e criação de novos

Leia mais

Estimular a competitividade do agronegócio paranaense.

Estimular a competitividade do agronegócio paranaense. 1 Ano de Referência 2013 Órgão Secretaria de Estado da Agricultura e do Abastecimento - SEAB Unidade Unidade de Gerenciamento dos Contratos de Gestão UGCG Sub Unidade Área de Desenvolvimento Econômico

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE CONSULTORIA ESPECIALIZADA (PESSOA FÍSICA)

TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE CONSULTORIA ESPECIALIZADA (PESSOA FÍSICA) TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE CONSULTORIA ESPECIALIZADA (PESSOA FÍSICA) Contrato por Produto Nacional CONSULTOR JÚNIOR Número e Título do Projeto: BRA/09/004 Fortalecimento da CAIXA no seu processo

Leia mais

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO AGRÁRIO - MDA SECRETARIA DE DESENVOLVIMENTO TERRITORIAL - SDT ACORDO DE EMPRÉSTIMO FIDA Nº

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO AGRÁRIO - MDA SECRETARIA DE DESENVOLVIMENTO TERRITORIAL - SDT ACORDO DE EMPRÉSTIMO FIDA Nº TERMO DE REFERÊNCIA SERVIÇOS NÃO CONTINUADOS (não alterar os campos em cinza) TR nº MODALIDADE TEMA PROCESSO SELETIVO TR_16_2015_PDHC Produto Sistematização de Experiências Inovadoras Parecer Nº 00558/2015/CONJUR-MDA/CGU/AGU,

Leia mais

EDITAL DE PROJETOS DA CESE

EDITAL DE PROJETOS DA CESE Igreja Católica Apostólica Romana Igreja Episcopal Anglicana do Brasil Igreja Evangélica de Confissão Luterana no Brasil Igreja Presbiteriana Independente do Brasil Igreja Presbiteriana Unida do Brasil

Leia mais

Reunião da Comissão Executiva do COEP Brasília-DF, 4 a 6 de Junho de 2013 A seca no Nordeste Brasília, 04 de junho de 2013

Reunião da Comissão Executiva do COEP Brasília-DF, 4 a 6 de Junho de 2013 A seca no Nordeste Brasília, 04 de junho de 2013 A seca no Nordeste Pedro Carlos Gama da Silva Embrapa Semiárido Brasília, 04 de junho de 2013 Nordeste Brasileiro Zoneamento Agroecológico do Nordeste - ZANE Grande diversidade agroecológica e socioeconômica.(172

Leia mais

Observatórios Socioambientais

Observatórios Socioambientais Observatórios Socioambientais Angelo José Rodrigues Lima Programa Água para a Vida Superintendência de Conservação WWF Brasil Uberlândia, 18 de setembro de 2014 Missão do WWF-Brasil Contribuir para que

Leia mais

Programa de Gestão Econômica, Social e Ambiental da Soja Brasileira SÃO PAULO SP 22 / 05 / 2013

Programa de Gestão Econômica, Social e Ambiental da Soja Brasileira SÃO PAULO SP 22 / 05 / 2013 Programa de Gestão Econômica, Social e Ambiental da Soja Brasileira SÃO PAULO SP 22 / 05 / 2013 SOJA BRASILEIRA A soja é a principal cultura agrícola do Brasil - 28 milhões de ha (25% da área mundial plantada)

Leia mais

AGRICULTURA FAMILIAR NO MUNICÍPIO DE MOGI MIRIM-SP: Principais políticas publicas. Arthur Moriconi harthus94@gmail.com.

AGRICULTURA FAMILIAR NO MUNICÍPIO DE MOGI MIRIM-SP: Principais políticas publicas. Arthur Moriconi harthus94@gmail.com. AGRICULTURA FAMILIAR NO MUNICÍPIO DE MOGI MIRIM-SP: Principais políticas publicas Arthur Moriconi harthus94@gmail.com. Acadêmico do Curso de Ciências Econômicas/UNICENTRO Fabio Junior Penteado fabioturvo@gmail.com.

Leia mais

INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA. TERMO DE REFERÊNCIA CONS - OPE 03 01 Vaga

INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA. TERMO DE REFERÊNCIA CONS - OPE 03 01 Vaga INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA TERMO DE REFERÊNCIA CONS - OPE 03 01 Vaga 1. IDENTIFICAÇÃO DA CONSULTORIA Consultoria para promover estudos, formular proposições e apoiar as Unidades

Leia mais

O passo a passo da participação popular Metodologia e diretrizes

O passo a passo da participação popular Metodologia e diretrizes O passo a passo da participação popular Metodologia e diretrizes Com o objetivo de garantir a presença da população na construção e no planejamento de políticas públicas, o Governo de Minas Gerais instituiu

Leia mais

AÇÕES PARA DINAMIZAR O FUNCIONAMENTO DAS ASSOCIAÇÕES E COOPERATIVAS RURAIS

AÇÕES PARA DINAMIZAR O FUNCIONAMENTO DAS ASSOCIAÇÕES E COOPERATIVAS RURAIS AÇÕES PARA DINAMIZAR O FUNCIONAMENTO DAS ASSOCIAÇÕES E COOPERATIVAS RURAIS Objetivo Consolidar os resultados positivos alcançados pelas associações rurais, assistidas pela EMATER e dinamizar as suas ações,

Leia mais

EMATER RS. Seminário. A Extensão Rural Pública e Seus Impactos no Desenvolvimento Municipal Sustentável

EMATER RS. Seminário. A Extensão Rural Pública e Seus Impactos no Desenvolvimento Municipal Sustentável Seminário A Extensão Rural Pública e Seus Impactos no Desenvolvimento Municipal Sustentável e Mário Augusto Ribas do Nascimento Presidente da EMATER/RS Associação Riograndense de Empreendimentos de Assistência

Leia mais

Projeto de Inovação Tecnológica - (PIT) da Câmara Brasileira da Indústria da Construção. Projeto 6 Capacitação para a Inovação

Projeto de Inovação Tecnológica - (PIT) da Câmara Brasileira da Indústria da Construção. Projeto 6 Capacitação para a Inovação Projeto de Inovação Tecnológica - (PIT) da Câmara Brasileira da Indústria da Construção Projeto 6 Capacitação para a Inovação Vicente Mattos Sinduscon-BA Coordenador Geral: Equipe Técnica Vicente Mattos

Leia mais

Projeto Execução Expositores

Projeto Execução Expositores Projeto Execução Expositores Realização: Cooperativa Agropecuária Petrópolis PIA EMATER RS ASCAR Prefeitura Municipal de Nova Petrópolis A ENTIDADE PROMOTORA DO RURALSHOW 2014. COOPERATIVA AGROPECUÁRIA

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA (TR)

TERMO DE REFERÊNCIA (TR) INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA TERMO DE REFERÊNCIA (TR) 1 IDENTIFICAÇÃO DA CONSULTORIA Contratação de consultor para a elaboração e execução do Projeto Conceitual e do Planejamento

Leia mais