MANUAL DA QUALIDADE Edição

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "MANUAL DA QUALIDADE Edição 13 26-08-2013"

Transcrição

1 MANUAL DA QUALIDADE Edição

2 ÍNDICE 1. ORGANIZAÇÃO E GESTÃO DO MANUAL DA QUALIDADE Objetivo Âmbito e Exclusões Gestão do Manual da Qualidade ESTRUTURA ORGANIZACIONAL Apresentação da Empresa Serviços Instalações Equipamentos Organigrama Principais funções e responsabilidades SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE Comprometimento da gestão Missão Visão Valores

3 3.5. Política e Objetivos da Qualidade Referências Planeamento da Qualidade Estrutura Documental do Sistema Lista de Documentos por Ponto da Norma NP EN ISO 9001: Matriz de correspondência entre o referencial da qualidade (Portaria 851/2010 de 6 de Setembro), documentos do SGQ e modelos de registos / evidências DESCRIÇÃO E INTERACÇÃO DE PROCESSOS Matriz de Processos Descrição dos Processos REGISTO DE ALTERAÇÕES Nota: Este documento foi escrito de acordo com o novo acordo ortográfico 3

4 1. ORGANIZAÇÃO E GESTÃO DO MANUAL DA QUALIDADE 1.1. Objetivo O presente Manual da Qualidade (MQ) aplica-se aos seguintes serviços prestados pela Euroconsult: Formação; Estudos e Projetos de Investimento e Consultoria Especializada. O MQ tem por objetivo ser um meio de divulgação da Política e Objetivos da Qualidade, da Estrutura Organizacional e do Sistema de Gestão da Qualidade (SGQ) da Euroconsult, de acordo com a norma de referência NP EN ISO 9001:2008 e no que respeita à Formação de acordo com o estabelecido na Portaria 851/2010 de 6 de Setembro. Sendo um documento difundido na empresa, constitui um elemento de formação que facilita o controlo das atividades de garantia da qualidade Âmbito e Exclusões O Sistema de Gestão da Qualidade da Euroconsult está implementado na conceção e prestação de serviços de consultoria em organização e gestão empresarial, estudos técnicos e económicos, diagnósticos específicos e estratégicos, assistência técnica no cliente para implementação de procedimentos de gestão, produção, informática, qualidade, ambiente, recursos humanos e higiene e segurança e formação. O SGQ está concebido e implementado de acordo com os requisitos da norma NP EN ISO 9001:2008, exceto os requisitos da cláusula 7.6 Controlo do Equipamento de Monitorização e de Medição, daquela norma, que a Euroconsult considera como exclusão, atendendo ao referido em 1.2 Aplicação, também daquela norma. Justificação: A Euroconsult não utiliza quaisquer instrumentos, equipamentos ou dispositivos para assegurar ou verificar a conformidade do serviço relativamente aos requisitos especificados. A empresa não necessita de quaisquer instrumentos, equipamentos ou dispositivos cuja capacidade de medição deva ser controlada (calibração e/ou verificação). 4

5 1.3. Gestão do Manual da Qualidade 1. Preparação e alteração A preparação e as alterações do MQ da Euroconsult são da responsabilidade da Área da Qualidade e são efetuadas para que o MQ traduza permanentemente o Sistema de Gestão da Qualidade implementado. 2. Aprovação A aprovação do MQ da Euroconsult é da responsabilidade da Gerência. 3. Edições As edições do MQ são da responsabilidade da Área da Qualidade. Sempre que se efetue uma edição do MQ, o mesmo é disponibilizado na intranet da Euroconsult podendo ser consultado através do DOCSIGEQ Documentação do Sistema de Gestão da Qualidade. Qualquer alteração ao MQ implica uma nova edição 4. Arquivo do MQ O responsável pela Área da Qualidade mantém o arquivo do original da versão atual do MQ e o arquivo do original da edição anterior. As edições obsoletas do original são identificadas com um carimbo com a inscrição ANULADO DATA: / / na primeira página de cada capítulo. 5. Classificação de cópias A Euroconsult distingue dois tipos de cópias do seu MQ. 5

6 Cópias Controladas Original em papel do MQ e respetivo suporte digital disponibilizado em formato PDF no DOCSIGEQ, que são obrigatoriamente substituídos sempre que se verifique uma revisão ou uma nova edição do MQ. Cópias Não Controladas São todas as restantes cópias, e por isso não se verifica a obrigatoriedade da sua atualização aquando das revisões ou edições posteriores do MQ. Obtêm-se a partir de impressão do documento digital disponibilizado no DOCSIGEQ e identificam-se com uma marca de água com a inscrição de CONFORME O ORIGINAL e a inscrição em rodapé Criado a partir do documento original e arquivado na pasta de documentos do SGQ na sede da Euroconsult. 6

7 2. ESTRUTURA ORGANIZACIONAL 2.1. Apresentação da Empresa Designação da Empresa Euroconsult Consultores de Engenharia e Gestão, Lda. Sede e Escritório Morada: Rua Artilharia 1, 79-6º Andar / Lisboa Telefone: / Fax: Delegação Regional Morada: Rua Calouste Gulbenkian, 52 2 Piso (Salas E5/E6) / Porto Telefone: / Fax: Registo Comercial e número de contribuinte Registada na Conservatória do Registo Comercial de Lisboa e contribuinte n.º

8 Gerente Carlos Manuel Guedes Iglézias Ferreira Breve Historial A Euroconsult Consultores de Engenharia e Gestão, Lda., fundada em Agosto de 1997, tem como objetivo a consultoria em diversas áreas de forma a poder satisfazer as necessidades dos seus clientes. É uma empresa portuguesa que agrega experiências profissionais associadas à modernização do tecido empresarial Português nas últimas duas décadas e tem como missão promover o desenvolvimento sustentado das organizações, com e sem fins lucrativos, através da prestação de serviços especializados. Tem uma vasta experiência no âmbito da consultoria dirigida maioritariamente a pequenas e médias empresas que permitem alcançar objetivos empresariais, no âmbito da modernização tecnológica, formação e internacionalização, imprescindíveis à manutenção de níveis de competitividade e produtividade adequados ao aumento da concorrência emergente dos diferentes mercados, nomeadamente o Europeu e os países pertencentes à União Europeia. Dirigimos assim a nossa capacidade de intervenção nos domínios da consultoria especializada em organização e gestão, formação e estudos e projetos de investimento através de processos e métodos de intervenção integrantes do sistema de gestão da qualidade que espelha a nossa política da qualidade. Privilegiamos uma atuação descentralizada através das capacidades de intervenção disponíveis em Lisboa e Porto que nos permitiram e permitem estar próximos do nosso mercado e em particular dos nossos clientes. 8

9 2.2. Serviços DOMÍNIOS DE INTERVENÇÃO FORMAS DE ATUAÇÃO A Euroconsult privilegia uma atividade de dinamização empresarial, centrada no apoio à formação, inovação e introdução de novas tecnologias e possui capacidades específicas para satisfazer as mais exigentes solicitações dos seus clientes. Intervindo decisivamente na modernização tecnológica das empresas, a Euroconsult realiza um conjunto de trabalhos qualificados que vão desde a conceção e implementação de soluções até à supervisão e coordenação de projetos, passando por estudos e diagnósticos diversos. Possui capacidade e meios humanos e técnicos capazes de apoiar as empresas na análise dos problemas mais diversos, nomeadamente de formação, tecnológicos, energéticos e ambientais e da qualidade, apresentando aos clientes propostas técnicas inovadoras, assegurando um acompanhamento no terreno das atividades que desenvolve, de forma a poder avaliar a cada momento os resultados da sua atuação. Complementa a sua intervenção nos diferentes domínios de atuação com a formação técnico-profissional e outra, proporcionando aos seus clientes múltiplos programas de formação e treino, a todos os níveis. Apoia os seus clientes nas decisões, através de uma análise criteriosa dos problemas, propondo soluções estruturadas, promovendo a otimização das potencialidades das empresas, atuando com independência e respeitando o sigilo profissional. 9

10 ÂMBITO DOS SERVIÇOS FORMAÇÃO Desenvolvemos projetos de formação nas seguintes modalidades: formação de aprendizagem, formação-ação, educação e formação de adultos, profissional e modular. Estes podem organizar-se de forma presencial ou à distância, que seguem o referencial constante na Portaria 851/2010 de 6 de Setembro. A articulação destes modelos com a população-alvo quer sejam empregados ou desempregados, os objetivos de formação e os modelos organizacionais das entidades onde se desenrola a formação permitem dar resposta eficaz a um leque muito diversificado de exigências. A intervenção da Euroconsult no desenvolvimento de projetos de formação é bastante abrangente, aos quais se acrescentam outras atividades, nomeadamente elaboração e gestão de candidaturas a apoios financeiros. Deste modo referem-se as principais atividades decorrentes da organização de um Projeto de Formação. Diagnóstico de necessidades de formação Planeamento de intervenções de formação Conceção de planos de formação Organização e promoção de ações de formação Desenvolvimento e execução de ações de formação Acompanhamento e avaliação de ações de formação 10

11 ESTUDOS E PROJECTOS DE INVESTIMENTO As atividades deste domínio são dirigidas predominantemente para o sector empresarial privado no âmbito do desenvolvimento de estudos estratégicos e de desenvolvimento sustentado da atividade económica dos clientes. Atuamos nos mais diversos sectores de atividade e em todo o território nacional. Neste respeito refere-se a análise de viabilidade de projetos de investimento de modernização e expansão das empresas e de internacionalização dos seus negócios. As atividades desenvolvidas nesta área de negócios da Euroconsult resumem-se da seguinte forma: Diagnóstico específico: nas áreas Administrativo/Financeira, Comercial e Marketing, Recursos Humanos, Produção, Energia, Ambiente, Qualidade e Segurança Industrial Diagnóstico de investimento Estudo de viabilidade técnico-económica de Projetos de investimento Enquadramento de projetos de investimento nos sistemas de incentivo Nacionais e da União Europeia 11

12 CONSULTORIA ESPECIALIZADA Pautamos a nossa intervenção pela procura e identificação de oportunidades de melhoria em parceria com os responsáveis das entidades onde atuamos quer sejam do sector empresarial privado, empresas e associações, quer sejam do sector público. Inserida na vertente organizacional das empresas nossas clientes, apostamos numa atuação personalizada, envolvendo técnicos da Euroconsult e quadros dos nossos clientes, promovendo métodos e práticas de trabalho mais coerentes e enquadradas nas estratégias de desenvolvimento das organizações. Assessoria na área da gestão empresarial; Assistência técnica na implementação de sistemas de Gestão de Qualidade, do Ambiente e da Segurança e Saúde no Trabalho; Auditorias nas áreas da qualidade, ambiente e segurança e saúde no trabalho. 12

13 2.3. Instalações A Euroconsult possui instalações em Lisboa e Porto onde garante a preparação de todos os trabalhos a executar no cliente, e o exercício das atividades administrativas e o atendimento. A monitoria de ações de formação, na sua grande maioria, é realizada nas instalações do cliente sendo as restantes em salas alugadas em locais próximos da residência dos formandos. Existem protocolos com algumas entidades que nos garantem as salas para formação, sempre que necessário Equipamentos A Euroconsult tem disponível um número significativo de equipamentos a usar no exercício das atividades de todas as áreas de negócio, nomeadamente computadores fixos e portáteis, monitores, videoprojectores, telas, quadros, câmaras de vídeo, televisões, etc., que fazem parte do seu ativo, recorrendo também ao seu aluguer a entidades externas, quando se justifique. Maioritariamente os equipamentos existentes estão afetos à área da formação, e sempre que necessário recorre-se ao aluguer de outros, nomeadamente para áreas onde sejam requeridos equipamentos específicos, existindo protocolos com diversas entidades que garantem a sua disponibilização em tempo. 13

14 2.5. Organigrama 14

15 2.6. Principais funções e responsabilidades A implementação e manutenção do Sistema de Gestão da Qualidade é da responsabilidade da Área da Qualidade, no entanto todas as áreas funcionais da Euroconsult, têm responsabilidades específicas, conforme descrito seguidamente: GERÊNCIA Definir as políticas e estratégias da empresa Definir a imagem da empresa tendo em atenção a satisfação do cliente, nomeadamente nas atividades relacionadas com contractos Definir os objetivos estratégicos da empresa Motivar e valorizar os recursos humanos Gerir, coordenar e promover a implementação do Sistema de Gestão da Qualidade na empresa de modo a permitir a melhoria contínua dos processos Aplicar as diretivas definidas, motivando, valorizando e responsabilizando o trabalho de equipa no sentido de otimizar a utilização dos recursos humanos e materiais DIREÇÃO ADMINISTRATIVA E FINANCEIRA Gestão Financeira e orçamental Orientar e acompanhar a elaboração da contabilidade da empresa Gestão de Recursos Humanos Relacionamento com as autoridades fiscais Negociação com entidades financeiras Validar e acompanhar o plano de formação da empresa 15

16 DIREÇÃO COMERCIAL Assegurar o estudo e definição de produtos novos, aperfeiçoamento, manutenção ou extinção de produtos existentes, em interligação com a Direção de Técnica Estudar novos nichos de mercado e tipos de clientes Assegurar o estudo e propor à Gerência, definições de preços e condições de venda Gerir as atividades comerciais como um processo comercial, assegurando a existência de dados que permitam realizar a sua medição e monitorização Assegurar a supervisão e controlo de uma política de concessão de crédito e intervir no processo de cobranças Analisar, conceber e implementar um sistema de avaliação do grau de satisfação dos clientes Registar e tratar as reclamações de cliente dando conhecimento imediato à Gerência Assegurar a organização administrativa das vendas e definir os respetivos suportes DIREÇÃO TÉCNICA Assegurar o planeamento e a execução dos trabalhos Avaliar a capacidade dos meios técnicos, humanos e financeiros disponíveis Coordenar o processo planeamento e gestão de projetos assegurando a existência de dados que permitam realizar a sua medição e monitorização Coordenar o processo de consultoria especializada assegurando a existência de dados que permitam realizar a sua medição e monitorização Coordenar o processo de estudos e projetos de investimento assegurando a existência de dados que permitam realizar a sua medição e monitorização Participar nas reuniões do Grupo de Trabalho para a Qualidade Colaborar em atividades de planeamento com as outras áreas funcionais da Empresa Coordenar o processo de aquisição de serviços externos assegurando a existência de dados que permitam realizar a sua medição e monitorização 16

17 GESTOR DA FORMAÇÃO Participar na definição da política da empresa relacionada com a vertente de formação Participar na definição de objetivos e metas a atingir ao nível do processo de formação Promover a disseminação de informação relativa à política e objetivos da formação junto de toda a organização Participação e acompanhamento dos colaboradores para o cumprimento da política e cumprimento de objetivos Acompanhar a elaboração de referenciais de formação, identificando destinatários, objetivos gerais, conteúdos de formação Apoiar o coordenador e a equipa de técnicos no cumprimento de realização dos planos de formação Participar e apoiar a equipa técnica de formação nos processos de avaliação dos planos de formação Realizar a avaliação de desempenho dos coordenadores da formação Participar na identificação dos meios e recursos necessários ao desenvolvimento dos planos de formação Apoiar a equipa técnica de formação no cumprimento das condições de execução física da formação, tendo em conta os meios logísticos previstos Participar na identificação de relações de parceria com entidades externas que estejam direta ou indiretamente ligadas à área de formação Apoiar a equipa técnica de formação no processo de identificação de entidades para a promoção de estágios de formandos Identificação e formalização de outras parcerias que se mostrem essenciais ao cumprimento da atividade formativa 17

18 COORDENADOR PEDAGÓGICO Elaborar diagnósticos de necessidades de formação, analisando e caracterizando o meio, as organizações e as atividades profissionais Elaborar propostas de planos de intervenção formativa, identificando perfis de formação, negociando prioridades Elaborar a planificação da atividade formativa, calendarizando as intervenções, prevendo os meios físicos, os recursos humanos Elaborar referenciais de formação, identificando destinatários, objetivos gerais, conteúdos de formação Realizar o recrutamento e seleção dos formadores, assegurando a adequação das competências aos referenciais de formação a desenvolver Realizar o recrutamento e seleção dos formandos, utilizando as técnicas adequadas Assegurar as condições de execução física da formação, tendo em conta os meios logísticos previstos Acompanhar a conceção e elaboração dos suportes didáticos para a formação, assegurando a sua adequação aos objetivos estabelecidos Acompanhar a realização da formação e verificar a concretização dos objetivos, conteúdos e orientações metodológicas, concebendo e aplicando instrumentos de controlo administrativo e pedagógico Gerir os meios físicos necessários à realização da formação Conceber e aplicar modelos e instrumentos de avaliação da formação Proceder aos ajustamentos necessários, tendo em conta os resultados da análise quantitativa e qualitativa do processo e efeitos da formação 18

19 FORMADOR Analisar o projeto da ação de formação em que irá intervir, nomeadamente objetivos, programa e condições de realização; Conceber e planificar o desenvolvimento da formação, definindo, nomeadamente, objetivos, conteúdos, atividades, tempos, métodos, avaliação, recursos didáticos e documentação de apoio Elaborar os planos das sessões de formação Conduzir/mediar o processo de formação/aprendizagem, desenvolvendo os conteúdos, estabelecendo e mantendo a comunicação e a motivação dos formandos, gerindo os tempos e os meios materiais necessários, utilizando auxiliares didáticos Gerir a progressão na aprendizagem realizada pelos formandos, utilizando meios de avaliação formativa e implementando os ajustamentos necessários Proceder à avaliação final da aprendizagem realizada pelos formandos e Avaliar o processo formativo RESPONSÁVEL DA QUALIDADE Assegurar a manutenção e a melhoria contínua do Sistema de Gestão da Qualidade, garantindo a existência de dados que permitam realizar a medição e monitorização dos processos de gestão do SGQ Manter e atualizar o MQ da Empresa Manter e atualizar os Procedimentos e outros documentos em colaboração com os restantes áreas funcionais Acompanhar a implementação de ações corretivas e preventivas resultantes de não conformidades reais ou potenciais Coordenar e desencadear auditorias da qualidade internas Coordenar as atividades do Grupo de Trabalho para a Qualidade 19

20 RESTANTES COLABORADORES Elaborar e manter atualizados os registos da qualidade das suas atividades Executar as atividades operacionais, identificando e registando quaisquer problemas REPRESENTANTE DA GESTÃO PARA A QUALIDADE Carlos Iglézias é o representante da Gerência para assegurar a integração do Sistema de Gestão da Qualidade, como uma componente da gestão da empresa. O representante da Gerência é, também, responsável por: Assegurar que é estabelecido, implementado e mantido o Sistema de Gestão da Qualidade da Euroconsult de acordo com a norma NP EN ISO 9001:2008; Informar a Gerência sobre o desempenho do Sistema de Gestão da Qualidade; Assegurar todas as comunicações com entidades externas para os assuntos relativos ao Sistema de Gestão da Qualidade; Participar nas reuniões do Grupo de Trabalho para a Qualidade, 20

21 3. SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE 3.1. Comprometimento da gestão A Euroconsult encara a Qualidade como um fator chave de sucesso muito importante, procurando articular a sua gestão com a gestão da empresa. Desta forma a responsabilidade e autoridade na organização do SGQ é assumida pela Gerência como a gestão do dia-a-dia da empresa. A Gerência da Euroconsult assume a responsabilidade direta e executiva de gerir o Sistema de Gestão da Qualidade da empresa, de acordo com o estabelecido nos procedimentos e no MQ, nomeadamente: Comunicando aos seus colaboradores a importância de uma prática que visa atingir os requisitos do cliente, mediante a promoção de reuniões de formação; Estabelecendo e comunicando a Política da Qualidade e os Objetivos da Qualidade, emitindo uma declaração anual; Conduzindo as revisões do SGQ; Disponibilizando os recursos necessários para implementar, manter e melhorar continuamente a eficácia do SGQ e para aumentar a satisfação do cliente Missão A Euroconsult tem como missão promover o desenvolvimento sustentado das organizações, com e sem fins lucrativos, através da prestação de serviços especializados Visão Ser uma referência na área da consultoria e formação, pelo impacto das nossas intervenções, excelência da qualidade dos serviços e motivação dos nossos colaboradores. 21

22 3.4. Valores Rigor nas práticas e relações contratuais Responsabilidade nos domínios económicos, social e ambiental Respeito pelos clientes e fornecedores 3.5. Política e Objetivos da Qualidade A Gerência da Euroconsult compromete-se a divulgar e a fazer compreender a Política da Qualidade estabelecida junto de todos os colaboradores da empresa. Desta forma, reúne periodicamente com todos os colaboradores da empresa para que se possa analisar a adequabilidade da política estabelecida. A Gerência da Euroconsult define a sua Política da Qualidade segundo os seguintes parâmetros: Cumprir todos os requisitos legais aplicados às atividades e serviços prestados, assim como os requisitos da norma NP EN ISO 9001:2008 Adequação dos serviços às necessidades do cliente de modo a assegurar um elevado grau de satisfação do cliente Adequação das capacidades dos colaboradores da empresa às necessidades dos clientes Garantir um controlo eficiente e eficaz na aquisição de serviços externos, nomeadamente formadores, de forma a assegurar um elevado grau de qualidade do serviço prestado Cooperação com o cliente, de forma a que o serviço prestado venha de encontro aos seus requisitos Adequação das infraestruturas técnicas e organizativas de acordo com a evolução do mercado Compromisso de melhorar continuamente a eficácia do SGQ pela otimização da organização interna em todos os seus elementos, pessoas, suportes físicos e processos Estes parâmetros de desenvolvimento são estruturados de acordo com a norma de referência NP EN ISO 9001:2008 e Portaria 851/2010 de 6 de Setembro e a Política da Qualidade é suportada por um sistema formal de comunicação, planeamento de ações e controlo de execução que integra o normal funcionamento da Euroconsult. 22

23 A Gerência da Euroconsult estabelece anualmente os objetivos da qualidade, os quais são documentados e divulgados dentro da empresa através da declaração anual onde também consta a política da qualidade. Os objetivos da qualidade são quantificados e baseiam-se nos seguintes objetivos globais: Satisfação do cliente, Reclamações de Clientes; Horas de formação por colaborador. Indicadores definidos para os processos do SGQ Nas reuniões semestrais do Grupo de Trabalho para a Qualidade é feita a análise e acompanhamento dos objetivos, podendo ser determinadas ações no caso de existirem desvios que ponham em causa atingir os objetivos. A análise e o acompanhamento dos objetivos são registados em impresso próprio e é elaborada ata da reunião do GTQ Referências O Sistema de Gestão da Qualidade da Euroconsult tem como referenciais as seguintes normas e Legislação: NP EN ISO 9001:2008 Sistemas de gestão da qualidade Requisitos NP EN ISO 9000:2005 Sistemas de gestão da qualidade Fundamentos e vocabulário NP EN ISO 9004:2011 Gestão do sucesso sustentado de uma organização Uma abordagem da gestão pela qualidade NP ISO 10002:2007 Gestão da qualidade Satisfação dos clientes Linhas de orientação para tratamento de reclamações nas organizações NP ISO 10015:2002 Gestão da qualidade Linhas de orientação para a formação NP EN ISO 19011:2012 Linhas de orientação para auditorias a sistemas de gestão NP 4433:2005 Linhas de orientação para a documentação de sistemas de gestão da qualidade Portaria N.º 851/2010 Regime de Certificação de Entidades Formadoras, alterada pelo Portaria N.º 208/

24 3.7. Planeamento da Qualidade Para planear a atividade da Euroconsult são elaborados planos anuais onde o vetor qualidade é equacionado a todos os níveis da empresa e na atuação no mercado. O Planeamento das Atividades da Qualidade inclui ações corretivas, preventivas, de melhoria e de gestão corrente do SGQ e identifica a responsabilidade pela sua execução. O mapa utilizado permite registar a execução da atividade e é revisto nas reuniões semestrais de acompanhamento, nas revisões pela gestão ou na sequência de auditorias Estrutura Documental do Sistema A documentação do Sistema de Gestão da Qualidade da Euroconsult inclui: Uma declaração anual onde consta a Política da Qualidade e os Objetivos da Qualidade para o ano a que a declaração diz respeito. Esta declaração é comunicada a todos os colaboradores da empresa, por , e é disponibilizada no DOCSIGEQ e também afixada em vários locais das instalações; Este MQ, que é editado em conformidade com o estabelecido no Capítulo 1 - ORGANIZAÇÃO E GESTÃO DO MANUAL DA QUALIDADE, do MQ; Os procedimentos da qualidade: procedimento escrito relativo às cláusulas da norma de referência para as quais esta estabelece a obrigatoriedade de existir um procedimento documentado e os procedimentos estabelecidos pela empresa que descrevem as atividades e tarefas que especificam a forma de efetuar um trabalho, suas sequências e responsabilidades, que se destinam a aplicar e implementar a gestão da Qualidade: PQ01 Procedimento para Controlo dos Documentos e dos Registos PQ02 Procedimento para Auditorias Internas PQ03 Procedimento para Controlo do Produto Não Conforme PQ04 Procedimento para Ações Corretivas e Ações Preventivas PQ05 Procedimento para Recursos Humanos 24

25 PQ06 Procedimento para Realização do Produto PQ07 Procedimento para Conceção e Desenvolvimento PQ08 Procedimento para Atividade Comercial PQ09 Procedimento para Reclamações e Satisfação do Cliente PQ10 Procedimento para Aquisição de Serviços Externos PQ11 Procedimento para Gestão da Infraestrutura As fichas de caracterização de processo (documentos que caracterizam os processos chave e os processos de suporte da atividade da empresa e identificados a partir da abordagem por processos ); Especificações técnicas (documentos que caracterizam os produtos tipo da Euroconsult); As instruções de trabalho (documentação do posto de trabalho, que identificam e esclarecem as questões especificas relativas a cada processo considerado como necessário para a realização do produto); Outros Documentos: Fichas de Funções, Planos, Regulamentos. Os registos (documentos em forma de quadros e/ou tabelas, onde são registados dados pertinentes relativos ao funcionamento dos processos e do Sistema de Gestão da Qualidade) originados pela aplicação dos procedimentos e outros resultantes da concretização de determinações deste MQ, bem como registos de origem externa (certificados de formação profissional e outros). 25

26 3.9. Lista de Documentos por Ponto da Norma NP EN ISO 9001:2008 Requisitos da Norma 4.1 Requisitos Gerais 4.2 Requisitos da Documentação 5.1 Comprometimento da Gestão Documentos do SGQ MQ PQ06 Procedimento para Realização do Produto Fichas de Caracterização do Processo FP.01, FP.04, FP.05, FP.06, FP.07 MQ Declaração Anual de Política e Objetivos da Qualidade PQ01 Procedimento para Controlo dos Documentos e dos Registos PQ02 Procedimento para Auditorias Internas PQ03 Procedimento para Controlo do Produto Não Conforme PQ04 Procedimento para AçõesCorretivas e Ações Preventivas MQ Declaração Anual de Política e Objetivos da Qualidade 5.2 Focalização no Cliente MQ 5.3 Política da Qualidade 5.4 Planeamento MQ Declaração Anual de Política e Objetivos da Qualidade MQ Declaração Anual de Política e Objetivos da Qualidade FP 07 Gestão do Sistema de Gestão da Qualidade 5.5 Responsabilidade, Autoridade e MQ 26

27 Requisitos da Norma Documentos do SGQ Comunicação 5.6 Revisão pela Gestão Declaração Anual de Política e Objetivos da Qualidade PQ05 Procedimento para Recursos Humanos/Formação Fichas de Função MQ FP 07 Gestão do Sistema de Gestão da Qualidade 6.1 Provisão de Recursos MQ 6.2 Recursos Humanos 6.3 Infraestrutura MQ PQ05 Procedimento para Recursos Humanos FP 07 Gestão do Sistema de Gestão da Qualidade Fichas de Função MQ PQ11 Procedimento para Gestão da Infraestrutura 6.4 Ambiente de Trabalho MQ 7.1 Planeamento da Realização do Produto MQ FP04 Consultoria Especializada FP05 Formação FP06 Estudos e Projectos de Investimento PQ06 Procedimento para Realização do Produto PQ07 Procedimento para Conceção e Desenvolvimento Instruções de Trabalho 27

28 Requisitos da Norma 7.2 Processos Relacionados com o Cliente 7.3 Conceção e Desenvolvimento 7.4 Compras 7.5 Produção e Fornecimento do Serviço Documentos do SGQ MQ FP01 - Comercial PQ08 Procedimento para Atividade Comercial PQ09 Procedimento para Reclamações e Satisfação do Cliente Especificações Técnicas MQ FP04 Consultoria Especializada FP05 Formação FP06 Estudos e Projectos de Investimento PQ06 Procedimento para Realização do Produto PQ07 Procedimento para Conceção e Desenvolvimento MQ FP04 Consultoria Especializada FP05 Formação FP06 Estudos e Projectos de Investimento PQ10 Procedimento para Aquisição de Serviços Externos MQ FP04 Consultoria Especializada FP05 Formação FP06 Estudos e Projectos de Investimento 28

2011/07/07 MQ-01/02 01/02-2011/07/07

2011/07/07 MQ-01/02 01/02-2011/07/07 MQ-01/02 01/02-2011/07/07 2011/07/07 NOTA: No caso de imprimir este documento, o mesmo passa automaticamente a Cópia Não Controlada ; a sua utilização implica a confirmação prévia de que corresponde à

Leia mais

GUIA DE APOIO. Documento aprovado em sede do Conselho Diretivo Nacional da Ordem dos Engenheiros em 17 de setembro de 2013

GUIA DE APOIO. Documento aprovado em sede do Conselho Diretivo Nacional da Ordem dos Engenheiros em 17 de setembro de 2013 GUIA DE APOIO Documento aprovado em sede do Conselho Diretivo Nacional da Ordem dos Engenheiros em 17 de setembro de 2013 Gabinete de Qualificação Avenida António Augusto de Aguiar, 3D 1069-030 Lisboa

Leia mais

XXVIII. Qualidade do Novo Edifício Hospitalar ÍNDICE

XXVIII. Qualidade do Novo Edifício Hospitalar ÍNDICE XXVIII Qualidade do Novo Edifício Hospitalar ÍNDICE 1. Sistema de gestão de qualidade... 2 1.1 Objectivos do sistema... 2 1.2 Estrutura organizativa... 4 1.2.1 Organização interna... 4 1.2.2 Estrutura

Leia mais

Manual do Sistema de Gestão Integrado MSGI-01

Manual do Sistema de Gestão Integrado MSGI-01 Manual de Acolhimento LogicPulse Technologies, Lda. Índice PROMULGAÇÃO... 3 1. INTRODUÇÃO... 4 2. OBJETIVOS DO MANUAL... 4 3. APRESENTAÇÃO DA LOGICPULSE TECHNOLOGIES... 5 4. ORGANOGRAMA ORGANIZACIONAL...

Leia mais

MANUAL DA QUALIDADE. Câmara Municipal do Funchal. Divisão de Atendimento e Informação

MANUAL DA QUALIDADE. Câmara Municipal do Funchal. Divisão de Atendimento e Informação Câmara Municipal do Funchal Divisão de Atendimento e Informação INDICE Promulgação Âmbito Exclusões Hierarquia da documentação do Sistema de Gestão da Qualidade Política da Qualidade Missão e Visão Apresentação

Leia mais

IDENTIFICAÇÃO. Titulo: Sistema de Gestão da Qualidade CMSeixal MANUAL DE GESTÃO V09. Sistema de Gestão da Qualidade

IDENTIFICAÇÃO. Titulo: Sistema de Gestão da Qualidade CMSeixal MANUAL DE GESTÃO V09. Sistema de Gestão da Qualidade IDENTIFICAÇÃO Titulo: Sistema de Gestão da Qualidade CMSeixal MANUAL DE GESTÃO V09 Código: CMSeixalSGQ_2600204_ManualGestaoV09 Destinatários: Trabalhadores, Munícipes e Utentes da CMSeixal Campo de aplicação:

Leia mais

Pitrez Informática MANUAL DA QUALIDADE. Norma NBR ISO 9001:2008

Pitrez Informática MANUAL DA QUALIDADE. Norma NBR ISO 9001:2008 Título Manual da Qualidade Folha: 1 de 20 Pitrez Informática MANUAL DA QUALIDADE Norma NBR ISO 9001:2008 Título Manual da Qualidade Folha: 2 de 20 Título Manual da Qualidade Folha: 3 de 20 Índice 1. Apresentação...

Leia mais

Portugal Brasil Moçambique Polónia

Portugal Brasil Moçambique Polónia www.promover.pt www.greatteam.pt Portugal Brasil Moçambique Polónia QUEM SOMOS - Prestamos serviços técnicos de consultoria de gestão e formação nos diversos setores da economia. - Presentes em Lisboa,

Leia mais

Capítulo Descrição Página

Capítulo Descrição Página MANUAL DA QUALIIDADE ÍNDICE Capítulo Descrição Página 1 Apresentação da ILC Instrumentos de Laboratório e Científicos, Lda Dados sobre a ILC, sua história, sua organização e modo de funcionamento 2 Política

Leia mais

MANUAL DA QUALIDADE. Pág. 1 de 15. Actuar. Verifica r. Data: 09/05/2011 Edição: 01 Revisão: 00 Entrada em vigor:

MANUAL DA QUALIDADE. Pág. 1 de 15. Actuar. Verifica r. Data: 09/05/2011 Edição: 01 Revisão: 00 Entrada em vigor: MANUAL DA QUALIDADE Pág. 1 de 15 Planear Realizar Actuar Verifica r Rubrica: Rubrica: MANUAL DA QUALIDADE Pág. 2 de 15 INDICE: CAP. 1 - MANUAL DE GESTÃO DA QUALIDADE 1.1. - Objectivo 1.2. - Âmbito e exclusões

Leia mais

SISTEMAS INTEGRADOS DE GESTÃO

SISTEMAS INTEGRADOS DE GESTÃO PÓS-GRADUAÇÃO/ESPECIALIZAÇÃO EM SISTEMAS INTEGRADOS DE GESTÃO QUALIDADE, AMBIENTE, SEGURANÇA E RESPONSABILIDADE SOCIAL FORMAÇÃO SGS ACADEMY PORQUÊ A SGS ACADEMY? Criada, em 2003, como área de negócio da

Leia mais

CURSO Formação Pedagógica Inicial de Formadores

CURSO Formação Pedagógica Inicial de Formadores REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO CURSO Formação Pedagógica Inicial de Formadores Homologado pelo IEFP com o código de curso C1840003 Presencial 90 horas (Conforme Portaria n.º 214/2011, de 30 de maio) DPJ.FOR.FPIF.01

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE

SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE NP EN ISO 9001:2008 CAPITULO I ESTRUTURA DO MANUAL DA QUALIDADE E REGISTO DE REVISÕES CAPÍTULO I ESTRUTURA DO MANUAL DA QUALIDADE E REGISTO DE REVISÕES ÍNDICE 1. ESTRUTURA

Leia mais

www.highskills.pt geral@highskills.pt PT: 00351 217 931 365 AO: 00244 94 112 60 90 MZ: 00258 821 099 522

www.highskills.pt geral@highskills.pt PT: 00351 217 931 365 AO: 00244 94 112 60 90 MZ: 00258 821 099 522 Apresentação... 3 Como Empresa... 3 A nossa Visão... 3 A nossa Missão - A SUA VALORIZAÇÃO, A NOSSA MISSÃO!... 3 Os nossos Valores... 3 Porquê fazer um Curso de Especialização?... 4 Formação Certificada...

Leia mais

MANUAL DO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE

MANUAL DO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE DO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE DO SISTEMA DE GESTÃO Pág. 2 de 16 Se está a receber este documento, isto já significa que é alguém especial para a UEM Unidade de Estruturas Metálicas SA. Convidamo-lo

Leia mais

REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DA ATIVIDADE FORMATIVA. Março de 2015 4ª Edição

REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DA ATIVIDADE FORMATIVA. Março de 2015 4ª Edição REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DA ATIVIDADE FORMATIVA Março de 2015 4ª Edição Índice 1 O DEPARTAMENTO DE FORMAÇÃO... 3 1.1. POLÍTICA E ESTRATÉGIA... 3 1.2. ESTRUTURA... 3 2 CONDIÇÕES DE FUNCIONAMENTO DA

Leia mais

4 07-09-2011 Revisão geral acordo ortográfico. 5 04-07-2013 Revisão geral e alteração do mapa de processos

4 07-09-2011 Revisão geral acordo ortográfico. 5 04-07-2013 Revisão geral e alteração do mapa de processos Elaborado por GQ: Aprovado Por: Cópia Controlada Nº Cópia Não Controlada Revisão Data Descrição Alteração 0 2004/11/30 Emissão 1 21-06-2008 Revisão Geral 2 08-01-2009 Revisão Geral 3 13-10-2010 Revisão

Leia mais

As ações de formação ação no âmbito do presente Aviso têm, obrigatoriamente, de ser desenvolvidas com a estrutura a seguir indicada.

As ações de formação ação no âmbito do presente Aviso têm, obrigatoriamente, de ser desenvolvidas com a estrutura a seguir indicada. Anexo A Estrutura de intervenção As ações de formação ação no âmbito do presente Aviso têm, obrigatoriamente, de ser desenvolvidas com a estrutura a seguir indicada. 1. Plano de ação para o período 2016

Leia mais

REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DA FORMAÇÃO

REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DA FORMAÇÃO REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DA FORMAÇÃO O presente Regulamento pretende enquadrar as principais regras e linhas de orientação pelas quais se rege a atividade formativa da LEXSEGUR, de forma a garantir

Leia mais

MANUAL DE GESTÃO DA QUALIDADE

MANUAL DE GESTÃO DA QUALIDADE de 19/03/2015 MANUAL DE GESTÃO DA QUALIDADE Junta de Freguesia de Ramalde 003/SGQ/00 Junta de Freguesia de Ramalde Página 1 de 21 1 INTRODUÇÃO... 3 1.1 Promulgação do Manual de Gestão da Qualidade... 3

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE MQ 01 Rev. 07 MANUAL DA QUALIDADE

SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE MQ 01 Rev. 07 MANUAL DA QUALIDADE Rev. Data. Modificações 01 14/09/2007 Manual Inicial 02 12/06/2009 Revisão Geral do Sistema de Gestão da Qualidade 03 22/10/2009 Inclusão de documento de referência no item 8. Satisfação de cliente, Alteração

Leia mais

NP EN ISO 9001:2000 LISTA DE COMPROVAÇÃO

NP EN ISO 9001:2000 LISTA DE COMPROVAÇÃO NP EN ISO 9001:2000 LISTA DE COMPROVAÇÃO NIP: Nº DO RELATÓRIO: DENOMINAÇÃO DA EMPRESA: EQUIPA AUDITORA (EA): DATA DA VISITA PRÉVIA: DATA DA AUDITORIA: AUDITORIA DE: CONCESSÃO SEGUIMENTO ACOMPANHAMENTO

Leia mais

AOK TRABALHO TEMPORÁRIO

AOK TRABALHO TEMPORÁRIO AOK TRABALHO TEMPORÁRIO 09-04-2015 Manual da Qualidade C3 Avô9I Índice CAPÍTULO 1. REVISÃO 3 ELABORAÇÃO, VERIFICAÇÃO E APROVAÇÃO OESTE DOCUMENTO E RESPECTIVAS ALTERAÇÕES 3 VERSÕES DO MANUAL 3 DISTRIBU:ÇÃO

Leia mais

Manual do Sistema de Gestão da Qualidade

Manual do Sistema de Gestão da Qualidade Formamos Pessoas! Concebemos Soluções! Manual do Sistema de Gestão da Qualidade Elaborado por Revisto por Aprovado por GT-ISO GT-ISO DT 17 de Novembro de 2011 Código do Documento : MP_DG_MSGQ Versão 2.1

Leia mais

Manual do Sistema de Gestão da Qualidade na Formação

Manual do Sistema de Gestão da Qualidade na Formação NATURA-ITP, L.da Manual do Sistema de Gestão da Qualidade na Formação Elaborado por Revisto por Aprovado por GT - MSGQF - 01 Coordenador pedagógico Director Formação 17 de Julho de 2014 Código do Documento:

Leia mais

Manual de Procedimentos das Entidades Beneficiárias

Manual de Procedimentos das Entidades Beneficiárias Manual de Procedimentos das Entidades Beneficiárias ÍNDICE Introdução...2 Capítulo I Programa Formação Ação para PME...3 I.1 Objetivos...3 I.2 Metodologia de Intervenção...4 I.3 Equipas de Intervenção...11

Leia mais

I S A L I N S T I T UTO SUPERIOR DE A DMINISTRAÇÃO E L Í N G UA S. C T e S P. Cursos Técnicos Superiores Profissionais

I S A L I N S T I T UTO SUPERIOR DE A DMINISTRAÇÃO E L Í N G UA S. C T e S P. Cursos Técnicos Superiores Profissionais I S A L I N S T I T UTO SUPERIOR DE A DMINISTRAÇÃO E L Í N G UA S C T e S P Cursos Técnicos Superiores Profissionais GESTÃO ADMINISTRATIVA DE RECURSOS HUMANOS GESTÃO COMERCIAL E DE MARKETING ORGANIZAÇÃO

Leia mais

PERSPETIVA APCER. www.apcergroup.com. André Ramos Diretor de Marketing andre.ramos@apcer.pt

PERSPETIVA APCER. www.apcergroup.com. André Ramos Diretor de Marketing andre.ramos@apcer.pt PERSPETIVA APCER André Ramos Diretor de Marketing andre.ramos@apcer.pt Tópicos Perspetiva APCER Avaliação Preliminar ISO DIS 9001:2014 Transição ISO 9001:2015 e ISO 14001:2015 - disposições IAF e APCER

Leia mais

T e S P. Cursos Técnicos Superiores Profissionais 2015 / 2016. Projeto candidato a co-financiamento pelo Fundo Social Europeu

T e S P. Cursos Técnicos Superiores Profissionais 2015 / 2016. Projeto candidato a co-financiamento pelo Fundo Social Europeu T e S P Cursos Técnicos Superiores Profissionais 2015 / 2016 Projeto candidato a co-financiamento pelo Fundo Social Europeu REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA REPÚBLICA PORTUGUESA UNIÃO EUROPEIA Fundo Social Europeu

Leia mais

Gestão de Instalações Desportivas

Gestão de Instalações Desportivas Gestão de Instalações Desportivas Ambiente, Segurança, Higiene e Saúde no Trabalho Módulo 10 sessão 3 Gestão de Instalações Desportivas 1.3. Sistemas integrados de qualidade, ambiente e segurança Ambiente,

Leia mais

Matrizes de correspondência entre a ISO 9001:2008 e a ISO 9001:2015

Matrizes de correspondência entre a ISO 9001:2008 e a ISO 9001:2015 International Organization for Standardization BIBC II, Chemin de Blandonnet 8, CP 401, 1214 Vernier, Geneva, Switzerland Tel: +41 22 749 01 11, Web: www.iso.org Matrizes de correspondência entre a ISO

Leia mais

KEY Centro de Formação, Lda. Regulamento de Funcionamento da Formação

KEY Centro de Formação, Lda. Regulamento de Funcionamento da Formação Regulamento de Funcionamento da Formação KEY Centro de Formação, Lda. Regulamento de Funcionamento da Formação Página 2 de 12 ÍNDICE 1. ENQUADRAMENTO... 3 2. REQUISITOS DE ACESSO E FORMAS DE INSCRIÇÃO...

Leia mais

Manual da Qualidade. Logo da certificação 05-11-2014 MQ-01/09

Manual da Qualidade. Logo da certificação 05-11-2014 MQ-01/09 Logo da certificação 1 Apresentação do Instituto Politécnico de Lisboa Os Serviços da Presidência do Instituto Politécnico Lisboa (IPL) apoiam o Presidente na coordenação das atividades das várias unidades

Leia mais

Programa Operacional de Potencial Humano EIXO PRIORITÁRIO 3 GESTÃO E APERFEIÇOAMENTO PROFISSIONAL

Programa Operacional de Potencial Humano EIXO PRIORITÁRIO 3 GESTÃO E APERFEIÇOAMENTO PROFISSIONAL Programa Operacional de Potencial Humano EIXO PRIORITÁRIO 3 GESTÃO E APERFEIÇOAMENTO PROFISSIONAL TIPOLOGIA DE INTERVENÇÃO 3.1.1 PROGRAMA DE FORMAÇÃO-AÇÃO PARA PME REGULAMENTO DE CANDIDATURA PARA ENTIDADES

Leia mais

Escola Profissional de Desenvolvimento Rural do Rodo PLANO DE MELHORIA. Anos letivos 2014/2015 e 2015/2016. 00PDG Página 1 de 13. Mod.

Escola Profissional de Desenvolvimento Rural do Rodo PLANO DE MELHORIA. Anos letivos 2014/2015 e 2015/2016. 00PDG Página 1 de 13. Mod. Escola Profissional de Desenvolvimento Rural do Rodo PLANO DE MELHORIA Anos letivos 2014/2015 e 2015/ Página 1 de 13 ÍNDICE Títulos Pág. 1. INTRODUÇÃO 3. 2. ESTRUTURA DO PLANO DE MELHORIA 4. 3. DESCRIÇÃO

Leia mais

Escola de Condução Colinas do Cruzeiro

Escola de Condução Colinas do Cruzeiro Escola de Condução Colinas do Cruzeiro MANUAL DA QUALIDADE Índice 1. Índice 1. Índice 2 2. Promulgação do Manual da Qualidade 3 3. Apresentação da Empresa 4 3.1 Identificação da Empresa 4 3.2 Descrição

Leia mais

Tipologia de Intervenção 6.4

Tipologia de Intervenção 6.4 Documento Enquadrador Tipologia de Intervenção 6.4 Qualidade dos Serviços e Organizações Acções de consultoria inseridas no processo que visa conferir uma certificação de qualidade às organizações que

Leia mais

ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO ADMINISTRATIVA E FINANCEIRA

ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO ADMINISTRATIVA E FINANCEIRA ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO ADMINISTRATIVA E FINANCEIRA ABERTURA A People & Skills foi criada para responder às necessidades de um mercado cada vez mais apostado em desenvolver e consolidar competências que

Leia mais

Valorização & Inovação no Comércio Local: Experiências & Instrumentos de Apoio

Valorização & Inovação no Comércio Local: Experiências & Instrumentos de Apoio Valorização & Inovação no Comércio Local: Experiências & Instrumentos de Apoio Iniciativas Inovadoras de Formação e Qualificação Profissional para o Comércio CIM Alto Minho 30 de junho de 2015 Missão Sucesso

Leia mais

Regulamento do Núcleo de Formação

Regulamento do Núcleo de Formação Regulamento do Núcleo de Formação 2013 1.Nota Introdutória Qualquer processo de formação com qualidade exige medidas e instrumentos de normalização e controlo, que permitam garantir desempenhos de excelência

Leia mais

MANUAL DA QUALIDADE. Elaborado por: Aprovado por: Edição: 1. Revisão: 1 Data:02/03/2011. Gerência

MANUAL DA QUALIDADE. Elaborado por: Aprovado por: Edição: 1. Revisão: 1 Data:02/03/2011. Gerência Elaborado por: Aprovado por: Edição: 1 GAQ Gerência Revisão: 1 INDICE MANUAL DA QUALIDADE... 1 INDICE... 2 1 Introdução... 3 1.1 Apresentação do Manual da Qualidade... 3 2 Promulgação... 4 3 APRESENTAÇÃO

Leia mais

Manual de Gestão da Qualidade

Manual de Gestão da Qualidade Manual de Gestão da Qualidade A Índice A Índice... 2 B Manual da Qualidade... 3 C A nossa Organização... 4 1 Identificação... 4 2 O que somos e o que fazemos... 4 3 Como nos organizamos internamente -

Leia mais

Profico Projetos, Fiscalização e Consultoria, Lda.

Profico Projetos, Fiscalização e Consultoria, Lda. Profico Projetos, Fiscalização e Consultoria, Lda. Rua Alfredo da Silva, 11B 1300-040 Lisboa Tlf. +351 213 619 380 Fax. +351 213 619 399 profico@profico.pt www.profico.pt INDICE 1. DESCRIÇÃO GERAL DA PROFICO...

Leia mais

Estrutura da Norma. 0 Introdução 0.1 Generalidades. ISO 9001:2001 Sistemas de Gestão da Qualidade Requisitos. Gestão da Qualidade 2005

Estrutura da Norma. 0 Introdução 0.1 Generalidades. ISO 9001:2001 Sistemas de Gestão da Qualidade Requisitos. Gestão da Qualidade 2005 ISO 9001:2001 Sistemas de Gestão da Qualidade Requisitos Gestão da Qualidade 2005 Estrutura da Norma 0. Introdução 1. Campo de Aplicação 2. Referência Normativa 3. Termos e Definições 4. Sistema de Gestão

Leia mais

Norma ISO 9001:2008 Sistemas de gestão da qualidade Requisitos; Manual da Qualidade.

Norma ISO 9001:2008 Sistemas de gestão da qualidade Requisitos; Manual da Qualidade. 1. OBJETIVO Este procedimento tem como objetivo estabelecer as linhas gerais pelas quais se regem os cursos de formação desenvolvidos pelo ISEP FORGLOBE, bem como descrever as atividades e o funcionamento

Leia mais

MANUAL DA QUALIDADE Capítulo: I Edição: A Revisão: 02. ENQUADRAMENTO Data: 28-10-2010 Página 1 de 7 I ENQUADRAMENTO

MANUAL DA QUALIDADE Capítulo: I Edição: A Revisão: 02. ENQUADRAMENTO Data: 28-10-2010 Página 1 de 7 I ENQUADRAMENTO MANUAL DA QUALIDADE Capítulo: I Edição: A Revisão: 02 ENQUADRAMENTO Data: 28-10-2010 Página 1 de 7 I ENQUADRAMENTO 1.1 Índice 1.2 Promulgação do Manual da Qualidade 1.3 Âmbito e campo de aplicação do Manual

Leia mais

Norma ISO 9000. Norma ISO 9001. Norma ISO 9004 SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE REQUISITOS FUNDAMENTOS E VOCABULÁRIO

Norma ISO 9000. Norma ISO 9001. Norma ISO 9004 SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE REQUISITOS FUNDAMENTOS E VOCABULÁRIO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALDADE SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE Norma ISO 9000 Norma ISO 9001 Norma ISO 9004 FUNDAMENTOS E VOCABULÁRIO REQUISITOS LINHAS DE ORIENTAÇÃO PARA MELHORIA DE DESEMPENHO 1. CAMPO

Leia mais

Regulamento Interno. Ano de 2015. Rbb Gabinete Técnico de Peritagens, Formação e Consultoria Lda

Regulamento Interno. Ano de 2015. Rbb Gabinete Técnico de Peritagens, Formação e Consultoria Lda Ano de 2015 Rbb Gabinete Técnico de Peritagens, Formação e Consultoria Lda Índice 1º Âmbito de Aplicação... 4 2º Horário de Atendimento... 4 3º Estrutura Organizacional... 4 4º Conceito de Formação...

Leia mais

Ficha de Inscrição. Ação. *Nacionalidade País de Origem: NIF* *Morada *Código Postal - *Telefone Telemóvel Fax. E-mail Nível de Escolaridade.

Ficha de Inscrição. Ação. *Nacionalidade País de Origem: NIF* *Morada *Código Postal - *Telefone Telemóvel Fax. E-mail Nível de Escolaridade. Ficha de Inscrição Ação *Nome completo *Sexo Masculino Feminino *Naturalidade Distrito: Concelho: *Nacionalidade País de Origem: NIF* *BI CC N.º *Data Validade BI / CC / / *Data de Nascimento / / *Morada

Leia mais

Avaliação do Desempenho Docente Ano Letivo 2014/2015

Avaliação do Desempenho Docente Ano Letivo 2014/2015 Orientações da SADD 2014/15 Aprovadas no C.P. 14 janeiro 2015 Pág. 1 / 11 \FUNDAMENTAÇÃO Avaliação: Docentes em regime de contrato de trabalho a termo resolutivo Avaliação: Docentes integrados na carreira

Leia mais

MANUAL DA QUALIDADE MANUAL DA QUALIDADE. Código: Edição: Data: Página: MQ.DQ.01 04 22.03.2010 1 de 15 MANUAL DA QUALIDADE.

MANUAL DA QUALIDADE MANUAL DA QUALIDADE. Código: Edição: Data: Página: MQ.DQ.01 04 22.03.2010 1 de 15 MANUAL DA QUALIDADE. 1 de 15 Elaborado por: Verificado por: Aprovado por: 2 de 15 ÍNDICE Promulgação pela Gerência... 3 Politica da Qualidade... 3 Missão... 4 Objectivos da Qualidade... 4 Apresentação da Empresa... 4 Elementos

Leia mais

APEL Associação Promotora do Ensino Livre REGRAS DE FUNCIONAMENTO DA ATIVIDADE FORMATIVA ANEXO AO REGULAMENTO INTERNO

APEL Associação Promotora do Ensino Livre REGRAS DE FUNCIONAMENTO DA ATIVIDADE FORMATIVA ANEXO AO REGULAMENTO INTERNO APEL Associação Promotora do Ensino Livre REGRAS DE FUNCIONAMENTO DA ATIVIDADE FORMATIVA ANEXO AO REGULAMENTO INTERNO ÍNDICE 1. ENQUADRAMENTO 2. REQUISITOS DE ACESSO E FORMAS DE INSCRIÇÃO 3. CRITÉRIOS

Leia mais

MANUAL DA QUALIDADE. Elaborado por: Aprovado por: Edição: 1. Revisão: 4w Data:07/03/2013. Gerência

MANUAL DA QUALIDADE. Elaborado por: Aprovado por: Edição: 1. Revisão: 4w Data:07/03/2013. Gerência Elaborado por: Aprovado por: Edição: 1 GAQ Gerência Revisão: 4w Este Manual da Qualidade pertence à Conplan, Lda.; é proibida a sua reprodução não autorizada INDICE MANUAL DA QUALIDADE... 1 INDICE... 2

Leia mais

Manual da Qualidade. Instituto de Gestão Financeira da Segurança Social nos Açores

Manual da Qualidade. Instituto de Gestão Financeira da Segurança Social nos Açores Manual da Qualidade Instituto de Gestão Financeira da Segurança Social nos Açores EDIÇÃO 05 (ABRIL 2013) PÁGINA 2 DE 16 Índice Índice... Página 1 Promulgação do Manual... Página 2 Apresentação e gestão

Leia mais

luanda 4ª EDIÇÃO MASTER COURSE - GESTÃO DA FORMAÇÃO LOCAL EPIC SANA LUANDA HOTEL DATAS 14 A 23 JULHO 2014 Mastering People Development

luanda 4ª EDIÇÃO MASTER COURSE - GESTÃO DA FORMAÇÃO LOCAL EPIC SANA LUANDA HOTEL DATAS 14 A 23 JULHO 2014 Mastering People Development luanda www.letstalkgroup.com 4ª EDIÇÃO MASTER COURSE - GESTÃO DA FORMAÇÃO LOCAL EPIC SANA LUANDA HOTEL DATAS 14 A 23 JULHO 2014 Mastering People Development 4ª EDIÇÃO MASTER COURSE Gestão da Formação 14

Leia mais

MANUAL DA QUALIDADE. Rev.: 02. Data: 05-07-2013. Mod.41/00. pág. 1

MANUAL DA QUALIDADE. Rev.: 02. Data: 05-07-2013. Mod.41/00. pág. 1 MANUAL DA QUALIDADE Rev.: 02 Data: 05-07-2013 pág. 1 Designação Social: Dupliconta Sociedade de Contabilidade, Consultadoria e Gestão Lda. Morada: Caminho do Pilar, Conjunto Habitacional do Pilar, Lote

Leia mais

Estrutura da Norma. 0 Introdução 0.1 Generalidades. ISO 9001:2008 Sistemas de Gestão da Qualidade Requisitos

Estrutura da Norma. 0 Introdução 0.1 Generalidades. ISO 9001:2008 Sistemas de Gestão da Qualidade Requisitos ISO 9001:2008 Sistemas de Gestão da Qualidade Requisitos Gestão da Qualidade e Auditorias (Mestrado em Engenharia Alimentar) Gestão da Qualidade (Mestrado em Biocombustívies) ESAC/João Noronha Novembro

Leia mais

Edital de abertura de concurso. Curso de Especialização Tecnológica (Nível IV) Gestão da Qualidade e Ambiente

Edital de abertura de concurso. Curso de Especialização Tecnológica (Nível IV) Gestão da Qualidade e Ambiente 1. Perfil Profissional Edital de abertura de concurso Curso de Especialização Tecnológica (Nível IV) Gestão da Qualidade e Ambiente O/A Técnico/a Especialista em Gestão da Qualidade e do Ambiente é o/a

Leia mais

EDIÇÃO 2011/2012. Introdução:

EDIÇÃO 2011/2012. Introdução: EDIÇÃO 2011/2012 Introdução: O Programa Formação PME é um programa financiado pelo POPH (Programa Operacional Potencial Humano) tendo a AEP - Associação Empresarial de Portugal, como Organismo Intermédio,

Leia mais

A NORMA PORTUGUESA NP 4427 SISTEMA DE GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS REQUISITOS M. Teles Fernandes

A NORMA PORTUGUESA NP 4427 SISTEMA DE GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS REQUISITOS M. Teles Fernandes A NORMA PORTUGUESA NP 4427 SISTEMA DE GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS REQUISITOS M. Teles Fernandes A satisfação e o desempenho dos recursos humanos em qualquer organização estão directamente relacionados entre

Leia mais

TREINAMENTO ITAIM INTERPRETAÇÃO DA NORMA NBR ABNT ISO 9001:2008. Maria das Graças Ferreira mgferreira@prefeitura.sp.gov.

TREINAMENTO ITAIM INTERPRETAÇÃO DA NORMA NBR ABNT ISO 9001:2008. Maria das Graças Ferreira mgferreira@prefeitura.sp.gov. TREINAMENTO ITAIM INTERPRETAÇÃO DA NORMA NBR ABNT ISO 9001:2008 Maria das Graças Ferreira mgferreira@prefeitura.sp.gov.br 11 3104-0988 Este treinamento tem por objetivo capacitar os participantes para

Leia mais

REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DA ATIVIDADE FORMATIVA - Formação Interempresa (formação externa) -

REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DA ATIVIDADE FORMATIVA - Formação Interempresa (formação externa) - REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DA ATIVIDADE FORMATIVA - Formação Interempresa (formação externa) - CAPÍTULO I ENQUADRAMENTO 1. O presente Regulamento é aplicável às Acções de Formação promovidas pela SIPRP

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO / ESPECIALIZAÇÃO SISTEMAS DE GESTÃO DA SEGURANÇA ALIMENTAR

PÓS-GRADUAÇÃO / ESPECIALIZAÇÃO SISTEMAS DE GESTÃO DA SEGURANÇA ALIMENTAR PÓS-GRADUAÇÃO / ESPECIALIZAÇÃO SISTEMAS DE GESTÃO DA SEGURANÇA ALIMENTAR FORMAÇÃO SGS ACADEMY LOCAL: LISBOA, PORTO E FUNCHAL GRUPO SGS PORTUGAL O Grupo SGS Société Générale de Surveillance S.A é a maior

Leia mais

Auditorias da Qualidade

Auditorias da Qualidade 10 páginas sobre s da Qualidade "Não olhes para longe, despreocupando-se do que tens perto." [ Eurípedes ] VERSÃO: DATA de EMISSÃO: 9-10-2009 AUTOR: José Costa APROVAÇÃO: Maria Merino DESCRIÇÃO: Constitui

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE DAS ATIVIDADES PEDAGÓGICAS DA ESTBarreiro/IPS

SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE DAS ATIVIDADES PEDAGÓGICAS DA ESTBarreiro/IPS SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE DAS ATIVIDADES PEDAGÓGICAS DA ESTBarreiro/IPS 1. INTRODUÇÃO Este documento tem por objetivo estabelecer o Sistema de Gestão da Qualidade das Atividades Pedagógicas da ESTBarreiro/IPS

Leia mais

Criamos. valor à sua empresa

Criamos. valor à sua empresa Criamos valor à sua empresa ORGANIZAÇÃO Somos o que fazemos repetidamente. Então, a excelência não é um acto isolado, mas sim um hábito. Aristóteles Compromisso A FISCOSEGUR é uma organização que presta

Leia mais

TRANSELETRON SERVIÇOS TÉCNICOS ESPECIALIZADOS LTDA SUMÁRIO

TRANSELETRON SERVIÇOS TÉCNICOS ESPECIALIZADOS LTDA SUMÁRIO Página 2 de 26 SUMÁRIO 1. Objetivo 05 2. Definições e Termos 05 3. Apresentação da Organização 05 3.1.1 Identificação 06 3.1.2 Histórico 06 3.1.3 Principais Clientes 06 3.1.4 Principais Fornecedores 07

Leia mais

NORMA NBR ISO 9001:2008

NORMA NBR ISO 9001:2008 NORMA NBR ISO 9001:2008 Introdução 0.1 Generalidades Convém que a adoção de um sistema de gestão da qualidade seja uma decisão estratégica de uma organização. O projeto e a implementação de um sistema

Leia mais

A GESTÃO DA QUALIDADE TOTAL À LUZ DAS NORMAS DA FAMÍLIA ISO 9000 APLICABILIDADE A UMA UNIDADE TIPO REGIMENTO.

A GESTÃO DA QUALIDADE TOTAL À LUZ DAS NORMAS DA FAMÍLIA ISO 9000 APLICABILIDADE A UMA UNIDADE TIPO REGIMENTO. A GESTÃO DA QUALIDADE TOTAL À LUZ DAS NORMAS DA FAMÍLIA ISO 9000 APLICABILIDADE A UMA UNIDADE TIPO REGIMENTO. Ten Mat Jaime Coelho Ten AdMil António Martins Ten AdMil Edgar Fontes Ten AdMil Fernando Cardoso

Leia mais

MANUAL DA QUALIDADE MQ-01

MANUAL DA QUALIDADE MQ-01 Sumário 1 Objetivo 2 Últimas Alterações 3 Termos e definições 4 Sistema de gestão de qualidade 5 Responsabilidade da direção 6 Gestão de recursos 7 Realização do produto 8 Medição, análise e melhoria.

Leia mais

CURSO DE FORMAÇÃO ESPECÍFICO. Regulamento

CURSO DE FORMAÇÃO ESPECÍFICO. Regulamento CURSO DE FORMAÇÃO ESPECÍFICO ÍNDICE PREÂMBULO... 3 Procedimentos Técnico-Pedagógicos... 4 1.1. Destinatários e condições de acesso... 4 1.2. Organização dos cursos de formação... 4 1.3. Componentes de

Leia mais

Impactos na qualidade formativa

Impactos na qualidade formativa Impactos na qualidade formativa Da acreditação à certificação (principais alterações) Simplificação do regime Certificação sem prazo de validade Acompanhamento regular das entidades Pedidos de certificação

Leia mais

Índice. Quadro Referencial Avaliação do Desempenho Docente. Índice 01. Introdução 02. Pressupostos 02. Dimensões da Avaliação 03

Índice. Quadro Referencial Avaliação do Desempenho Docente. Índice 01. Introdução 02. Pressupostos 02. Dimensões da Avaliação 03 Quadro Referencial Avaliação do Desempenho Docente Índice Página Índice 01 Introdução 02 Pressupostos 02 Dimensões da Avaliação 03 Domínios e Indicadores da Avaliação 03 Níveis de Desempenho da Avaliação

Leia mais

Curso Técnico de Apoio à Gestão Desportiva

Curso Técnico de Apoio à Gestão Desportiva Componente Técnica, Tecnológica e Prática Componente Científica Componente Sociocultural Morada: Rua D. Jaime Garcia Goulart, 1. 9950 361 Madalena do Pico. Telefones: 292 623661/3. Fax: 292 623666. Contribuinte:

Leia mais

Módulo 2. Estrutura da norma ISO 9001:2008 Sistemas de Gestão da Qualidade Requisitos 0, 1, 2, 3 e 4/4, Exercícios

Módulo 2. Estrutura da norma ISO 9001:2008 Sistemas de Gestão da Qualidade Requisitos 0, 1, 2, 3 e 4/4, Exercícios Módulo 2 Estrutura da norma ISO 9001:2008 Sistemas de Gestão da Qualidade Requisitos 0, 1, 2, 3 e 4/4, Exercícios Norma NBR ISO 9001:2008 - Índice 0 - Introdução 1 - Escopo 2 - Referência Normativa 3 -

Leia mais

RELATÓRIO DE AUDITORIA

RELATÓRIO DE AUDITORIA RELATÓRIO DE AUDITORIA MUNICÍPIO DE SÁTÃO Nº EXPEDIENTE: 2008/0132/ER/01 NORMA DE APLICAÇÃO: ISO9001:2008 Nº RELATÓRIO: 08 TIPO DE AUDITORIA: AS1 Requer envio de PAC à LUSAENOR: SIM X NÃO o Data de realização

Leia mais

OFERTA IVA INTRACOMUNITÁRIO (RITI) E OPERAÇÕES COM N/RESIDENTES

OFERTA IVA INTRACOMUNITÁRIO (RITI) E OPERAÇÕES COM N/RESIDENTES FINANCEIRA IVA INTRACOMUNITÁRIO (RITI) E OPERAÇÕES COM N/RESIDENTES Colaboradores dos serviços de contabilidade implicados na contabilização do IVA que desejem melhorar os seus conhecimentos nestas matérias.

Leia mais

REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DA ATIVIDADE FORMATIVA DOS ENCONTROS DE SABEDORIA DA AMUT

REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DA ATIVIDADE FORMATIVA DOS ENCONTROS DE SABEDORIA DA AMUT REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DA ATIVIDADE FORMATIVA DOS ENCONTROS DE SABEDORIA DA AMUT Conteúdo Artigo 1º... 3 OBJECTIVO... 3 Artigo 2º... 3 CONCEITO DE ENCONTRO DE SABEDORIA... 3 Artigo 3º... 3 ÂMBITO

Leia mais

MQ-06-TM. Estrutura e Âmbito do SGQ

MQ-06-TM. Estrutura e Âmbito do SGQ Objetivo e Âmbito da Atividade O Manual da Qualidade define os princípios e os meios adotados para assegurar a qualidade adequada aos serviços fornecidos pelo Programa de Telemedicina da ARSA. O âmbito

Leia mais

Referencial técnico-pedagógico da intervenção

Referencial técnico-pedagógico da intervenção Referencial técnico-pedagógico da intervenção De seguida explicitamos os referenciais técnico-pedagógicos das fases do MOVE-PME que carecem de uma sistematização constituindo factores de diferenciação

Leia mais

Copyright Proibida Reprodução. Prof. Éder Clementino dos Santos

Copyright Proibida Reprodução. Prof. Éder Clementino dos Santos INTERPRETAÇÃO ISO 9001:2008 GESTÃO DE QUALIDADE O que é ISO? ISO = palavra grega que significa Igualdade CAPÍTULO: Preâmbulo ISO 9001:2008 0.1 - Generalidades: foi esclarecido que a conformidade com requisitos

Leia mais

Apoios às empresas no Norte 2020. Eunice Silva Valença 30.06.2015

Apoios às empresas no Norte 2020. Eunice Silva Valença 30.06.2015 Apoios às empresas no Norte 2020 Eunice Silva Valença 30.06.2015 SISTEMAS DE INCENTIVOS ÀS EMPRESAS INOVAÇÃO EMPRESARIAL EMPREENDEDORISMO QUALIFICAÇÃO DE PME INTERNACIONALIZAÇÃO DE PME I&D Produção de

Leia mais

Manual do SGI Sistema de Gestão Integrada

Manual do SGI Sistema de Gestão Integrada Manual do SGI Sistema de Gestão Integrada Revisão 02 Manual MN-01.00.00 Requisito Norma ISO 14.001 / OHSAS 18001 / ISO 9001 4.4.4 Página 1 de 14 Índice 1. Objetivo e Abrangência 2. Documentos Referenciados

Leia mais

MANUAL DA QUALIDADE MQ SGQ 01-10

MANUAL DA QUALIDADE MQ SGQ 01-10 SUMÁRIO: Apresentação da ACEP 2 Missão da Empresa 3 Escopo e Justificativas de Exclusão 4 Comprometimento da Direção 5 Política da Qualidade 7 Objetivos de Qualidade 7 Fluxo de Processos 8 Organograma

Leia mais

MANUAL DA QUALIDADE. Página: 2 Edição: 01 Revisão: 0 ÍNDICE

MANUAL DA QUALIDADE. Página: 2 Edição: 01 Revisão: 0 ÍNDICE Manual da Qualidade Página: 2 ÍNDICE CAP 1 Manual de Gestão da Qualidade 1.1 Objetivo do manual 1.2 Âmbito do Sistema de Gestão da Qualidade 1.2.1 Exclusões 1.3 Terminologia e abreviaturas usadas no manual

Leia mais

M A N U A L D A Q U A L I D A D E

M A N U A L D A Q U A L I D A D E M A N U A L D A Q U A L I D A D E Página 1 de 15 ÍNDICE 1. PROMULGAÇÃO... 3 1.1 REPRESENTANTE DO EXECUTIVO... 3 2. APRESENTAÇÃO DO MUNICÍPIO... 3 2.1 HISTÓRIA DO MUNICÍPIO... 4 2.2 IDENTIFICAÇÃO DO MUNICÍPIO...

Leia mais

Sistemas de Gestão de Energia

Sistemas de Gestão de Energia Gestão de Energia e Eficiência Energética nas Empresas Sistemas de Gestão de Energia 25 de Janeiro de 2013 Sistemas de Gestão de Energia Agenda: Gestão de Energia, porquê? Objetivos dos Sistemas de Gestão

Leia mais

Manual de Gestão da Qualidade MGQ Elaborado por: Representante da Direção (RD)

Manual de Gestão da Qualidade MGQ Elaborado por: Representante da Direção (RD) 1/22 Nº revisão Descrição da Revisão 00 Emissão do documento baseado nos requisitos da ISO 9001:2008 Vendas Gestão de Contratos Service Demais envolvidos na análise e aprovação Área / Processo Responsável

Leia mais

INTERPRETAÇÃO E IMPLEMENTAÇÃO

INTERPRETAÇÃO E IMPLEMENTAÇÃO NBR ISO 9001:2008 INTERPRETAÇÃO E IMPLEMENTAÇÃO 8 Princípios para gestão da qualidade Foco no cliente Liderança Envolvimento das pessoas Abordagem de processos Abordagem sistêmica para a gestão Melhoria

Leia mais

Laboratórios da DRAPC MANUAL DA QUALIDADE EDIÇÃO Nº DATA DESCRIÇÃO DA ALTERAÇÃO CAP. - PAG. Elaborado por: Aprovado por: Data:

Laboratórios da DRAPC MANUAL DA QUALIDADE EDIÇÃO Nº DATA DESCRIÇÃO DA ALTERAÇÃO CAP. - PAG. Elaborado por: Aprovado por: Data: MANUAL DA QUALIDADE EDIÇÃO Nº DATA DESCRIÇÃO DA ALTERAÇÃO CAP. - PAG. Elaborado por: Aprovado por: Data: ÍNDICE Pág. Cap. I ESTRUTURA E ORGANIZAÇÃO DO MANUAL DA QUALIDADE 1. Promulgação 2 2. Gestão do

Leia mais

PROGRAMA OPERACIONAL DE POTENCIAL HUMANO EIXO PRIORITÁRIO 3 GESTÃO E APERFEIÇOAMENTO PROFISSIONAL

PROGRAMA OPERACIONAL DE POTENCIAL HUMANO EIXO PRIORITÁRIO 3 GESTÃO E APERFEIÇOAMENTO PROFISSIONAL PROGRAMA OPERACIONAL DE POTENCIAL HUMANO EIXO PRIORITÁRIO 3 GESTÃO E APERFEIÇOAMENTO PROFISSIONAL TIPOLOGIA DE INTERVENÇÃO 3.1.1 PROGRAMA DE FORMAÇÃO-ACÇÃO PARA PME REGULAMENTO DE CANDIDATURA PARA ENTIDADES

Leia mais

ANEXO 19 Regulamento Interno REGIME DE FUNCIONAMENTO DOS CURSOS EFA

ANEXO 19 Regulamento Interno REGIME DE FUNCIONAMENTO DOS CURSOS EFA ANEXO 19 Regulamento Interno REGIME DE FUNCIONAMENTO DOS CURSOS EFA AGRUPAMENTO DE ESCOLAS IBN MUCANA 2011/2014 ÍNDICE Introdução 2 1. Objecto 2 2. Destinatários 2 3. Percursos Formativos 3 4. Organização

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA MARIA AMÁLIA VAZ DE CARVALHO PLANO DE MELHORIA

ESCOLA SECUNDÁRIA MARIA AMÁLIA VAZ DE CARVALHO PLANO DE MELHORIA ESCOLA SECUNDÁRIA MARIA AMÁLIA VAZ DE CARVALHO PLANO DE MELHORIA 2012-2015 PLANO DE MELHORIA (2012-2015) 1. CONTEXTUALIZAÇÃO DO PROCESSO Decorreu em finais de 2011 o novo processo de Avaliação Externa

Leia mais

SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE

SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE Objectivos do Curso. No final deste os alunos deverão: Identificar os principais objectivos associados à implementação de Sistemas de Gestão da Qualidade (SGQ) Compreender

Leia mais

DESPACHO. Estrutura Orgânica dos Serviços da Escola Superior de Tecnologia da Saúde de Lisboa.

DESPACHO. Estrutura Orgânica dos Serviços da Escola Superior de Tecnologia da Saúde de Lisboa. DESPACHO N.º07/2014 Data: 2014/02/11 Para conhecimento de: Pessoal Docente, Discente e Não Docente ASSUNTO: Estrutura Orgânica dos Serviços da Escola Superior de Tecnologia da Saúde de Lisboa. Os Estatutos

Leia mais

Lista de Verificação / Checklist

Lista de Verificação / Checklist Lista de Verificação / Checklist Avaliação NC / PC / C Departamentos Padrões de Referência /// Referências do MQ //// Referências Subjetivas A B C D E Cláusula Padrão Conforme/ Não C. 4 Sistema de Gestão

Leia mais

RELATÓRIO DE AUDITORIA

RELATÓRIO DE AUDITORIA IDENTIFICAÇÃO Data da auditoria 23-02-2015 24-02-2015 Organização Morada Sede Representante da Organização Câmara Municipal de Santa Maria da Feira - Biblioteca Municipal Av. Dr. Belchior Cardoso da Costa

Leia mais