Autores do Artigo: Grupo de Pesquisa: Desenvolvimento Agrário e Regional. Forma de Apresentação: Pôster

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Autores do Artigo: Grupo de Pesquisa: Desenvolvimento Agrário e Regional. Forma de Apresentação: Pôster"

Transcrição

1 Autores do Artigo: Adelmo Golynski Universidade Estadual do Norte Fluminense Darcy Ribeiro - UENF Centro de Ciências e Tecnologias Agropecuárias CCTA Laboratório de Engenharia Agrícola - LEAG Av. Alberto Lamego, Parque Califórnia - CEP: Campos dos Goytacazes RJ. Tel.: () /1548 Fax: () Endereço eletrônico: Poliana Daré Zampirolli Universidade Estadual do Norte Fluminense Darcy Ribeiro - UENF Centro de Ciências e Tecnologias Agropecuárias CCTA Laboratório de Engenharia Agrícola - LEAG Av. Alberto Lamego, Parque Califórnia - CEP: Campos dos Goytacazes RJ. Tel.: () /1548 Fax: () Endereço eletrônico: Niraldo José Ponciano Universidade Estadual do Norte Fluminense Darcy Ribeiro - UENF Centro de Ciências e Tecnologias Agropecuárias CCTA Laboratório de Engenharia Agrícola - LEAG Av. Alberto Lamego, Parque Califórnia - CEP: Campos dos Goytacazes RJ. Tel.: () /1548 Fax: () Endereço eletrônico: Paulo Marcelo de Souza Universidade Estadual do Norte Fluminense - UENF Centro de Ciências e Tecnologias Agropecuárias - CCTA Laboratório de Engenharia Agrícola - LEAG Av. Alberto Lamego, Parque Califórnia - CEP: Campos dos Goytacazes RJ. Tel.: () /1548 Fax: () Endereço eletrônico: Grupo de Pesquisa: Desenvolvimento Agrário e Regional Forma de Apresentação: Pôster

2 APICULTURA COMO ALTERNATIVA ECONÔMICA PARA OS PEQUENOS PRODUTORES RURAIS DA REGIÃO NORTE DO RIO GRANDE DO SUL RESUMO Adelmo Golynski 1 Poliana D. Zampirolli Niraldo José Ponciano 3 Paulo Marcelo de Souza 4 A pesquisa teve como objetivo determinar, mediante o cálculo do valor presente líquido e da taxa interna de retorno, a rentabilidade da produção de mel na região Norte do Rio Grande do Sul, bem como identificar, por meio da análise de sensibilidade, os itens de maior peso na determinação dessa rentabilidade. A apicultura apresenta-se como atividade viável para essa Região. Todos os indicadores utilizados apresentaram resultados satisfatórios. O preço de venda do mel foi identificado como a variável de maior efeito sobre a rentabilidade do empreendimento, sendo importantes também o preço da cera aveolada e do açúcar nos custos de produção. A apicultura praticamente não ofereceu risco econômico em seu projeto. Palavras Chave: apicultura, desenvolvimento econômico regional, viabilidade econômica. 1. INTRODUCÃO A Região Norte do Rio Grande do Sul abrange 31 municípios, com uma população de cerca de.95 habitantes, dos quais 35,88 % residem no meio rural e 64,1 % na zona urbana. Á área territorial é de 5.79,9 quilômetros quadrados, o PIB per capita R$ 5.867, que é 6,0 % menor do PIB per capita do Rio Grande do Sul. Embora a região esteja sendo caracterizada como urbana devido a sua maior proporção populacional estar localizada na cidade, esta região não pode ser considerada urbana devido ao fato de que dos 31 municípios pertencentes à região apenas quatro municípios são realmente urbanos, enquanto outros 7 municípios têm sua população na zona rural com proporções maiores de 70 %, tendo sua base econômica na agricultura familiar, que corresponde por mais da metade da atividade produtiva. Entretanto, percebe-se nitidamente o esgotamento do atual modelo de produção. (Data Norte, 004). Devido ao fato de a mesma possuir uma topografia acidentada, um tipo de solo nem sempre adequado ao plantio de culturas anuais e a situação imprópria dos terrenos utilizados, ela tende, ainda, a se transformar numa região imprópria para o desenvolvimento sustentável da agricultura tradicional. Diante dessa situação, torna-se fundamental a busca de alternativas para diversificação da agricultura desses municípios, e que venham gerar emprego e renda com a finalidade de promover a recuperação da economia regional. Dentre essas alternativas, destaca-se a apicultura, como uma importante atividade capaz de aumentar a produtividade do setor primário, estimulando o crescimento e a diversificação da produção agrícola, reduzindo o subemprego ou o desemprego e promovendo a interiorização do desenvolvimento. Tem sido constatada a criação de abelhas nessa região, mas, porém com técnicas rudimentares e ultrapassadas as quais praticamente não trazem retornos financeiros. A falta de 1 Mestrando em Produção Vegetal da Univ. Est. do Norte Fluminense, Campos, RJ. Mestranda em Produção Vegetal da Univ. Est. do Norte Fluminense, Campos, RJ. 3 Professor da Universidade Estadual do Norte Fluminense, Campos, RJ. 4 Professor da Universidade Estadual do Norte Fluminense, Campos, RJ. 1

3 conhecimento das novas técnicas de produção, por parte desses produtores rurais, faz com que os mesmos não consigam explorar todo o potencial dessa região para a atividade apícola. Estudos sobre a produção apícola no Brasil mostram dados contraditórios quanto ao número de apicultores e colméias, produção e produtividade. Quanto aos apicultores, as pesquisas apontam os extremos entre e ; estes produtores, juntos, possuem entre e colméias e um faturamento anual entre R$ ,00 e ,00 (SAMPAIO, 000; WIESE, 001). Os dados conflitantes refletem a dificuldade em se obter informações precisas quanto à produção e comercialização no setor agropecuário; entretanto, conseguem passar a idéia da importância desta atividade para o país (Embrapa Meio-Norte, 004). A alocação de recursos pelos agricultores é influenciada pelo nível de riscos envolvidos. Assim, qualquer avaliação de projeto que não contemple a possibilidade de reduzir os riscos dificilmente produzirá resultados adequados. Uma boa avaliação de um projeto precisa indicar a taxa de rentabilidade esperada, como também fornecer elementos que permitam medir o grau de confiança que se pode associar aquela taxa de retorno. Isso orienta e subsidia a tomada de decisão, tornando-a mais eficiente. A realização dessa pesquisa teve como ponto de partida a constatação de que a região em estudo, apresenta características propícias para a expansão e implementação da apicultura, desde que esses produtores utilizem as novas tecnologias de produção vigentes hoje, nessa área de produção. A hipótese formulada é de que, além de contar com características propícias a implementação e a expansão da apicultura, a mesma possa constituir uma atividade econômica alternativa para a região. Especificamente, o trabalho teve, como principal objetivo, determinar, mediante o cálculo de indicadores de resultados econômicos, a rentabilidade da produção de um dos produtos provindos da apicultura que é o mel. Adicionalmente, buscou-se determinar, por meio das análises de sensibilidade e de risco, maior eficiência na tomada de decisão por parte dos produtores rurais da região Norte do Rio Grande do Sul.. METODOLOGIA.1. Avaliação da viabilidade econômica A análise da viabilidade financeira foi realizada em duas etapas, a primeira delas consistindo na construção dos fluxos de caixa que, uma vez obtidos, possibilitaram o cálculo dos indicadores de rentabilidade das atividades consideradas. Os fluxos de caixa são estimativas, as melhores possíveis de acordo com o tempo disponível, do empenho dedicado e do dispêndio de dinheiro empregado num projeto de investimento. A característica comum a todos os projetos de investimento é a possibilidade de estimar o desembolso e os retornos futuros do fluxo de caixa correspondente (LAPPONI, 000). Todos os preços empregados na análise econômica, sejam de produtos, de equipamentos ou de insumos, foram coletados na própria região, para refletir o real potencial econômico das alternativas testadas. Foram utilizados, como indicadores de resultado econômico, o valor presente líquido (VPL) e a taxa interna de retorno (TIR) que têm, como vantagem, o fato de considerar o efeito da dimensão tempo dos valores monetários. O VPL representa o resultado de todas as entradas e saídas do projeto, depois de tomar-se o custo de oportunidade do capital (BUARQUE, 1991). Consiste em transferir para o instante atual todas as variações de caixa esperadas, descontá-las a uma determinada taxa de juros, e somá-las algebricamente (NOGUEIRA, 1999). Segundo LAPPONI (000), o modelo matemático do valor presente líquido do projeto de investimento pode ser escrito da seguinte forma:

4 VPL = I FC1 FC FC K1 (1 + K1)(1 + K ) (1 + K 1)(1 + K )(1 + K 3 ) Ou seja, VPL = I + FC n t t t = 1 (1 + K) Em que, VPL é o valor presente líquido; I é o investimento de capital na data zero, FC t representa o retorno na data t do fluxo de caixa; n é o prazo de análise do projeto; e, k é a taxa mínima para realizar o investimento, ou custo de capital do projeto de investimento. O critério para seleção, segundo esse método, é de que devem ser aceitos somente projetos com valor presente positivo. Em outras palavras, devem ser aceitos apenas os projetos cujo valor presente dos retornos, calculado com a taxa mínima requerida k, supera o valor presente do investimento. A TIR de um projeto é a taxa de juro que zera o VPL de seu fluxo de caixa. É aquela que torna o valor presente dos lucros futuros equivalentes aos dos gastos realizados com o projeto, caracterizando, assim, a taxa de remuneração do capital investido (FRIZZONE e SILVEIRA, 000). Uma das vantagens desse indicador, relativamente ao valor presente líquido, é que ele não requer o conhecimento prévio da taxa de desconto, visto que esta é determinada endogenamente, como resultado da anulação do fluxo descontado do projeto. Como principal desvantagem, esse método pode apresentar resultados múltiplos ou indeterminados, em situações onde o fluxo de caixa não se apresenta na forma convencional, isso é, com uma única inversão de sinal. Matematicamente, seu valor é obtido por: FC1 FC FCt FCn VPL = 0 = I t n 1+ TIR (1 + TIR) (1 + TIR) (1 + TIR) que, com o somatório dos retornos descontados, pode ser escrita: FC 0 = I + () n t t t= 1 (1 + TIR) De acordo com esse método, devem ser aceitos investimentos que apresentem taxa interna de retorno superior à taxa mínima requerida k... A tomada de decisão sob condições de risco Aparentemente existe uma relação positiva entre a rentabilidade e a receita de uma empresa; o aumento de receita é acompanhado do aumento de rentabilidade e vice-versa. Essa relação não é tão simples, pois enquanto a melhor receita possível pode ser zero, a menor rentabilidade possível poderá ser negativa. Para lidar com os riscos e incertezas na análise de projetos pode se utilizar o ponto de equilíbrio, que se refere ao nível mínimo de produção e vendas necessárias para que o projeto, uma vez instalado, possa operar sem prejuízo. É admissível que, com a redução da produção, as receitas e os custos variáveis devem cair na mesma proporção, enquanto permanecem constantes a custos fixos. O ponto de equilíbrio pode ser escrito como: CF n = (3) RT CV (1) 3

5 Em que: n é a fração da produção necessária para que não haja prejuízo; CF representa os custos fixos; RT representa a receita total e CV representa os custos variáveis. Embora o ponto de equilíbrio não seja muito recomendado para avaliação de projetos agropecuários, devido à falta de controle por parte do produtor, sobre a produção, ele ainda se faz muito importante para esta avaliação, por identificar a que margem de produtividade deve-se trabalhar sobre a produtividade admitida pelo projeto, para que se tenha segurança de retornos financeiros, ela também nos mostra a que margem começa a ter desembolso, por parte do produtor para cobrir os custos fixos de produção. Além da produtividade considerada por colméias, outros elementos que afetam o orçamento possuem probabilidade de variarem, como por exemplo, os preços dos insumos e produtos. Na avaliação econômica de um projeto precisa-se decidir que preços usar no orçamento para se fazer às recomendações. Algumas vezes é difícil de prever a que níveis estarão os preços um ano ou vários mais tarde ou é difícil estimar os custos de oportunidade de um determinado insumo, como a mão-de-obra, por exemplo. Para estimar a amplitude desses preços usamos o método da análise de sensibilidade. A análise de sensibilidade consiste em estimar o impacto que cada um dos itens do projeto, sejam eles de custo ou de receita, têm sobre o resultado financeiro do projeto. Esse procedimento permite avaliar de que forma as alterações de cada uma das variáveis do projeto podem influenciar na rentabilidade dos resultados esperados (BUARQUE, 1991). O procedimento básico para se fazer uma análise de sensibilidade consiste em escolher um indicador a sensibilizar; definir uma função em que o indicador apresenta-se como dependente dos itens do projeto; implementar choques ou variações em uma ou mais variáveis, mantendo-se constantes todas as demais e fazer a comparação do novo indicador com o indicador inicialmente calculado. Qualquer empreendimento está sujeito a riscos e incertezas, sobretudo os empreendimentos agropecuários, devido ao diverso número de variáveis aleatórias que envolvem, razão pela qual é de fundamental importância à utilização e aperfeiçoamento de instrumentos auxiliares no processo de tomada de decisão sob condições de incerteza. Para avaliar o risco envolvido nos diversos sistemas, será empregada a técnica da simulação de Monte Carlo, que é dentre os métodos que utilizam probabilidade na análise dos riscos, o mais simples do ponto de vista prático, além de apresentar custo razoavelmente baixo. O princípio básico do processo de simulação reside no fato de que a freqüência relativa de ocorrência do acontecimento de certo fenômeno tende a aproximar-se da probabilidade matemática de ocorrência desse mesmo fenômeno, quando a experiência é repetida um grande número de vezes e assume valores aleatórios dentro dos limites estabelecidos (HERTZ, 1964). De acordo com WOILER e MATHIAS (1996), o processo de simulação pode ser resumido na seguinte seqüência: 1. Seleciona-se um valor para cada uma das variáveis, dentro das distribuições preestabelecidas. A determinação destes valores deve ser feita de modo aleatório.. Tendo os valores, calculam-se os quadros financeiros correspondentes. 3. A seguir, calculam-se os indicadores que serão utilizados na análise como, por exemplo, a taxa de retorno. 4. os passos anteriores são repetidos certo número de vezes, de modo que seja obtida uma distribuição estatisticamente adequada do resultado. 5. Finalmente, tendo a distribuição da taxa de retorno, será possível fazer os cálculos dos indicadores que permitem medir o risco associado à determinada alternativa de investimento. Dada a impossibilidade de se estudar a distribuição de probabilidade de todas as variáveis do projeto, a melhor alternativa consiste em identificar, através da análise de 4

6 sensibilidade, aquelas que têm maior efeito sobre o resultado financeiro do projeto. Outro aspecto é que, embora existam, estatisticamente, vários tipos de distribuições de probabilidade, a tarefa de identificar a distribuição específica de uma determinada variável é freqüentemente difícil e custosa. Em face da dificuldade envolvida na identificação das distribuições de probabilidade de cada uma das variáveis mais relevantes, é procedimento usual empregar a distribuição triangular, como se fez no presente trabalho. Essa distribuição é definida pelo nível médio mais provável ou moda (m), por um nível mínimo (a) e um nível máximo (b) que é especialmente importante quando não se dispõe de conhecimento suficiente sobre as variáveis. A Figura 1, adaptada de CASAROTTO FILHO e KOPITTKE (000), ilustra o processo de simulação de Monte Carlo para uma situação de quatro variáveis. Início Resoluç ão determinística Estimar distribuição mais adequada a cada variável Seleção da variável 1 Seleção da variável Repete -se n v ez Seleção da variável 3 Cálculo do indicador de rentabilidade Seleção da variável 4 Gera distribuição do indicador Fim Figura 1 Processo de simulação de Monte Carlo para uma situação de quatro variáveis Fonte: CASAROTTO FILHO e KOPITTKE (000). 5

7 .3. Fonte dos dados As informações necessárias, isto é, os coeficientes técnicos e os dados de preço, utilizados para formar o fluxo de caixa das atividades, foram obtidos a partir de experiências de produção desenvolvidas em localidades específicas da região Norte do Rio Grande do Sul. O sistema de produção, e conseqüentemente os coeficientes técnicos empregados na constituição do fluxo de caixa representam condições de tecnologia média, que é a mais representativa da situação vivenciada pelos produtores da região. A produtividade utilizada para este projeto se encontra entre a máxima produtividade relatada na região com o uso do atual sistema de produção e a média produtividade atingida com o uso da nova tecnologia proposta. 3. RESULTADOS E DISCUSÃO Observa-se na Figura que o ponto de equilíbrio é de 3,50% (7,05 Kg por colméia) da produtividade planejada no projeto em questão (30 Kg por colméia). Nesse sentido, o risco desse empreendimento não obter êxito é muito baixo. Mesmo assim, é conveniente observar outro ponto de equilíbrio que é a interceptação do CT e RT, onde é descontada do custo fixo a depreciação. Este nível de produtividade ainda é menor (3.5 Kg por colméia) e indica o nível abaixo do qual o apicultor incorre em desembolsos efetivos. O ponto de equilíbrio apresenta-se reduzido, permitindo uma grande capacidade ociosa, dado ao fato deste tipo de empreendimento requerer um pequeno montante de investimento fixo ,00 0,10 0,0 0,30 0,40 0,50 0,60 0,70 0,80 0,90 1,00 RT CF1 CF CV CT1 CT Figura Ponto de equilíbrio da produtividade planejada no projeto, medida em kg de mel por colméia. Os indicadores de rentabilidade obtidos para a atividade estão apresentados na Tabela 1. O VPL apresentou-se positivo, para todas as taxas de desconto consideradas. No que se refere à taxa interna de retorno, a atividade é recomendada uma vez que este indicador apresentou-se superior a maior taxa mínima de atratividade que é de 1,00%. 6

8 Tabela 1- Valor Presente Líquido, e Taxa Interna de Retorno para a produção de mel, na Região Norte do Rio Grande do Sul. Taxa Média de Atratividade Valor Presente Líquido Taxa Interna de Retorno,00% 9.37,60 70,114% 6,00% 3.330,45 8,00% 0.9,91 10,00% ,56 1,00% ,48 Projeto com horizonte de duração de 10 anos. A Tabela apresenta os resultados da análise de sensibilidade, mostrando o efeito, sobre a taxa interna de retorno e do valor presente líquido do projeto, advindo de uma variação, no sentido desfavorável, de 1% nos preços de insumos e produto. Os itens que se mostraram mais sensíveis em ordem decrescente foram, preço do produto, insumos, enxames, mão de obra, colméias e a tela excluidora. Observa-se na Tabela, que para o projeto analisado a variável de maior impacto sobre a TIR e o VPL do sistema de produção considerado foi o preço pago pelo quilo de mel. Assim, para uma diminuição de 1% no preço pago pelo quilo de mel, ocorreria no sistema proposto pela pesquisa, uma redução da taxa interna de retorno, em pontos percentuais de.67% e uma redução no VPL de.4%. Tabela - Redução em pontos percentuais na TIR e no VPL decorrente de uma variação desfavorável de 1% no preço do produto e dos insumos. ITEM VPL (%) TIR VARIAÇÃO 1. PREÇO DO PRODUTO , , INSUMOS ,18-0,68 69,51% -0,61% 3. ENXAMES DE ABELHAS ,06-0,3 69,61% -0,50% 4. MÃO DE OBRA ,61-0,0 69,95% -0,16% 5. COLMEIAS LANGSTROTH ,06-0,15 69,79% -0,3% 6. TELA EXCLUIDORA ,96-0,05 70,01% -0,10% Pode-se dizer que o apicultor convive com a incerteza freqüentemente e uma das finalidades da avaliação econômica de projetos é diminuir o grande risco assumido nas decisões, interessando ao produtor saber qual a margem de segurança dos resultados da análise, antes de tomar sua decisão final. A avaliação econômica baseada nos indicadores e na análise de sensibilidade é necessária, porém insuficiente para uma tomada de decisão segura, cabendo assim, acrescentar a análise de risco para oferecer uma estimativa numérica dos riscos do projeto. Nesse sentido, a análise de sensibilidade realizada anteriormente é apenas o primeiro passo para lidar com riscos uma vez que considera a influência das variáveis independentemente, quando se sabe que variáveis positivamente correlacionadas devem ser analisadas em conjunto. É importante que se tenha noção das probabilidades de ocorrência de situações adversas, bem como suas conseqüências sobre os resultados do projeto. A Simulação de Monte Carlo nos forneceu a probabilidade dessas situações adversas acontecerem, observou-se pela simulação que a probabilidade do apicultor obter um VPL negativo para o projeto é de 0,00% do VPL < 0, este dado nos diz que a probabilidade deste projeto não nos dar retorno financeiro é praticamente nula, e por isso é facilmente recomendado. 7

9 4. CONCLUSÃO De modo geral, os resultados possibilitaram concluir que a apicultura apresenta-se como atividade viável para a região Norte do Estado do Rio Grande do Sul. Todos indicadores de avaliação econômica mostraram-se favoráveis à implementação deste projeto, apresentando-se com uma baixa probabilidade de não atingir sucesso neste empreendimento. Por meio do ponto de equilíbrio conclui que esse projeto praticamente não oferece risco, uma vez que mesmo em hipóteses de produtividades baixas o empreendimento ainda apresentou-se lucrativo. A análise de sensibilidade revelou que o preço de venda do mel é a variável cuja mudança tem maiores impactos sobre a rentabilidade. Pela freqüência com que aparece como item de peso na determinação dos resultados financeiros, a cera alveolada e o açúcar, depois do preço do produto, são os insumos de maior importância para o sucesso da apicultura. Pode se concluir a respeito de risco, que não houve probabilidade do VPL apresentarse negativo pelo método de simulação de Monte Carlo que é considerado o mais robusto para o cálculo do value-at-risk, uma vez que este contemplou uma grande variedade de riscos financeiros. Neste momento cabe ressaltar que não é pelo motivo que todos indicadores apresentarem favoráveis, que este projeto não tenha limites, estes podem existir e até mesmo com alguma intensidade como as questões técnicas, por exemplo, a quantidade de floradas adequadas à produção de mel e o manejo inadequado de alguns apicultores. Por outro lado, a região em estudo tem apresentado um grande potencial produtivo e pode ser uma alternativa de complementação de renda pelos agricultores. 5. BIBLIOGRAFIA AGRIANUAL 003. Anuário da Agricultura Brasileira. Rio de Janeiro: Editora Agros Comunicação, 003, 544p. BUARQUE, C. Avaliação econômica de projetos. 6 ed. Rio de Janeiro: Campus, p. CASAROTTO FILHO, N., KOPITTKE, B. H. Análise de investimentos: matemática financeira, engenharia econômica, tomada de decisão, estratégia empresarial. 9 ed. São Paulo: Atlas, p. FRIZZONE, J. A., SILVEIRA, S. F. R. Análise econômica de projetos hidroagrícolas. In: SILVA, D. D, PRUSKI, F. F. Gestão de recursos hídricos: aspectos legais, econômicos, administrativos e sociais. Brasília: Secretaria de Recursos Hídricos; Viçosa: Universidade Federal de Viçosa; Porto Alegre: Associação Brasileira de Recursos Hídricos, p. HERTZ, O.B. Risk analysis in capital investment. Harvard Business Review, 4(1) , jan.feb IBGE, Levantamento Sistemático da Produção Agrícola. Brasília: IBGE. Disponível em: Acesso em 15/1/003. LAPPONI, J.C. Projetos de investimento: construção e avaliação do fluxo de caixa: modelos em Excel. São Paulo: Lapponi Treinamento e Editora, p. 8

10 NOGUEIRA, E. Análise de investimentos. In: BATALHA, M. O. Gestão agroindustrial..v. São Paulo: Atlas, P WOILER, S., MATHIAS, W. F. Projetos: planejamento, elaboração, análise. São Paulo: Atlas,1996, 94p. Produção de mel Importância econômica. Acesso em: 19 de janeiro de Caracterização da Região Norte do Estado do Rio Grande do Sul. Acesso em: 19 de janeiro de

Análise de risco em incorporações imobiliárias: construção de cenários e simulação de Monte Carlo

Análise de risco em incorporações imobiliárias: construção de cenários e simulação de Monte Carlo Análise de risco em incorporações imobiliárias: construção de cenários e simulação de Monte Carlo Pedro Beck Di Bernardi (UFSC) pedrodibernardi@hotmail.com Norberto Hochheim (UFSC) hochheim@ecv.ufsc.br

Leia mais

ELEMENTOS DO PLANEJAMENTO FINANCEIRO NO PLANO DE NEGÓCIOS Prof. Ms. Marco Arbex

ELEMENTOS DO PLANEJAMENTO FINANCEIRO NO PLANO DE NEGÓCIOS Prof. Ms. Marco Arbex ELEMENTOS DO PLANEJAMENTO FINANCEIRO NO PLANO DE NEGÓCIOS Prof. Ms. Marco Arbex Alguns conceitos Custos fixos: aqueles que não sofrem alteração de valor em caso de aumento ou diminuição da produção. Independem

Leia mais

Unidade III AVALIAÇÃO DE EMPRESAS. Prof. Rubens Pardini

Unidade III AVALIAÇÃO DE EMPRESAS. Prof. Rubens Pardini Unidade III AVALIAÇÃO DE EMPRESAS Prof. Rubens Pardini Conteúdo programático Unidade I Avaliação de empresas metodologias simples Unidade II Avaliação de empresas metodologias aplicadas Unidade III Avaliação

Leia mais

Introdução. Key words: Saccharum sp. No-tillage. Net present value. Internal rate of return.

Introdução. Key words: Saccharum sp. No-tillage. Net present value. Internal rate of return. Avaliação econômica de cana-de-açúcar em sistema de plantio direto em comparação ao convencional em Campos dos Goytacazes-RJ Avaliação econômica de cana-de-açúcar em sistema de plantio direto em comparação

Leia mais

ELEMENTOS BÁSICOS NA ELABORAÇÃO DO ORÇAMENTO DE CAPITAL

ELEMENTOS BÁSICOS NA ELABORAÇÃO DO ORÇAMENTO DE CAPITAL ELEMENTOS BÁSICOS NA ELABORAÇÃO DO ORÇAMENTO DE CAPITAL 16/08/2011 1 CAPITAL: Refere-se aos ativos de longo prazo utilizados na produção; ORÇAMENTO: é o plano que detalha entradas e saídas projetadas durante

Leia mais

APOSTILA CONSIDERAÇÃO DO RISCO NA AVALIAÇÃO DE PROJETOS

APOSTILA CONSIDERAÇÃO DO RISCO NA AVALIAÇÃO DE PROJETOS Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão Secretaria de Planejamento e Investimentos Estratégicos AJUSTE COMPLEMENTAR ENTRE O BRASIL E CEPAL/ILPES POLÍTICAS PARA GESTÃO DE INVESTIMENTOS PÚBLICOS CURSO

Leia mais

As técnicas mais difundidas para avaliar propostas de investimentos são:

As técnicas mais difundidas para avaliar propostas de investimentos são: 18 CAPÍTULO 1 INVESTIMENTO A LONGO PRAZO (continuação) 2. Técnicas de Orçamento de Capital 2.1 Técnicas de análise de Orçamento de Capital As técnicas de análise de orçamentos de capital são utilizadas

Leia mais

Unidade III FUNDAMENTOS DA GESTÃO FINANCEIRA

Unidade III FUNDAMENTOS DA GESTÃO FINANCEIRA Unidade III 8 GESTÃO DE RISCOS Neste módulo, trabalharemos a importância do gerenciamento dos riscos econômicos e financeiros, focando alguns exemplos de fatores de riscos. Estudaremos também o cálculo

Leia mais

Circular. Técnica. GestFrut_Pêssego: Sistema para Avaliações Econômico-financeiras da Produção de Pêssego. Apresentação Geral do Sistema.

Circular. Técnica. GestFrut_Pêssego: Sistema para Avaliações Econômico-financeiras da Produção de Pêssego. Apresentação Geral do Sistema. ISSN 1808-6810 104 Circular Técnica Bento Gonçalves, RS Novembro, 2014 Autores Joelsio José Lazzarotto Med. Vet., Dr., Pesquisador, Embrapa Uva e Vinho, Bento Gonçalves, RS, joelsio.lazzarotto@embrapa.br

Leia mais

Capítulo XV Custos e Rentabilidade

Capítulo XV Custos e Rentabilidade Capítulo XV Custos e Rentabilidade Marcelo do Amaral Santana Clóvis Oliveira de Almeida José da Silva Souza As estimativas de custos de produção e de rentabilidade para uma cultura podem proporcionar informações

Leia mais

ANHANGUERA EDUCACIONAL ANHANGUERA - PÓS-GRADUAÇÃO

ANHANGUERA EDUCACIONAL ANHANGUERA - PÓS-GRADUAÇÃO ANHANGUERA EDUCACIONAL ANHANGUERA - PÓS-GRADUAÇÃO ANHANGUERA EDUCACIONAL 6 Aula Disciplina : GESTÃO FINANCEIRA Prof.: Carlos Nogueira Agenda 19h00-19h15: Breve revisão 19h15-20h30: Exercícios/Estudos de

Leia mais

A UTILIZAÇÃO DE FERRAMENTAS COMPUTACIONAIS NO ENSINO DA DISCIPLINA DE ENGENHARIA ECONÔMICA

A UTILIZAÇÃO DE FERRAMENTAS COMPUTACIONAIS NO ENSINO DA DISCIPLINA DE ENGENHARIA ECONÔMICA A UTILIZAÇÃO DE FERRAMENTAS COMPUTACIONAIS NO ENSINO DA DISCIPLINA DE ENGENHARIA ECONÔMICA Álvaro Gehlen de Leão Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul Faculdade de Engenharia Departamento

Leia mais

CUSTO DIRETO 1 - INTRODUÇÃO

CUSTO DIRETO 1 - INTRODUÇÃO UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS UNICAMP INSTITUTO DE FILOSOFIA E CIÊNCIAS HUMANAS IFCH DEPARTAMENTO DE ECONOMIA E PLANEJAMENTO ECONÔMICO DEPE CENTRO TÉCNICO ECONÔMICO DE ASSESSORIA EMPRESARIAL CTAE CUSTO

Leia mais

MS 777 Projeto Supervisionado Professor: Laércio Luis Vendite Ieda Maria Antunes dos Santos RA: 033337

MS 777 Projeto Supervisionado Professor: Laércio Luis Vendite Ieda Maria Antunes dos Santos RA: 033337 1 Análise de Investimentos MS 777 Projeto Supervisionado Professor: Laércio Luis Vendite Ieda Maria Antunes dos Santos RA: 033337 2 Sumário 1- Juros------------------------------------------------------------------------------------------------------

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CENTRO UNIVERSITÁRIO NORTE DO ESPÍRITO SANTO DISCIPLINA: ECONOMIA DA ENGENHARIA

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CENTRO UNIVERSITÁRIO NORTE DO ESPÍRITO SANTO DISCIPLINA: ECONOMIA DA ENGENHARIA UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CENTRO UNIVERSITÁRIO NORTE DO ESPÍRITO SANTO DISCIPLINA: ECONOMIA DA ENGENHARIA Métodos para Análise de Fluxos de Caixa A análise econômico-financeira e a decisão

Leia mais

Administração Financeira - Profs. Nelson Antonio Vascon e Marisa Gomes da Costa 42

Administração Financeira - Profs. Nelson Antonio Vascon e Marisa Gomes da Costa 42 Administração Financeira - Profs. Nelson Antonio Vascon e Marisa Gomes da Costa 42 2.8. GESTÃO DE DUPLICATAS A RECEBER Entre os objetivos do gestor financeiro destaca-se como principal a maximização do

Leia mais

04/08/2013. Custo. são os gastos com a obtenção de bens e serviços aplicados na produção ou na comercialização. Despesa

04/08/2013. Custo. são os gastos com a obtenção de bens e serviços aplicados na produção ou na comercialização. Despesa DECISÕES DE INVESTIMENTOS E ORÇAMENTO DE CAPITAL Orçamento de capital Métodos e técnicas de avaliação de investimentos Análise de investimentos Leia o Capítulo 8 do livro HOJI, Masakazu. Administração

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ INSTITUTO SÓCIO ECONÔMICO FACULDADE DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS ANA RUTH MESQUITA DOS SANTOS - 05010004901

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ INSTITUTO SÓCIO ECONÔMICO FACULDADE DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS ANA RUTH MESQUITA DOS SANTOS - 05010004901 UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ INSTITUTO SÓCIO ECONÔMICO FACULDADE DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS ANA RUTH MESQUITA DOS SANTOS - 05010004901 SIDNEY SOARES DE LIMA 05010004401 TURMA: 01030 TURNO: NOITE PLANO DE NEGÓCIOS

Leia mais

(ROA) 1) 20010 10% 2011 11%. A

(ROA) 1) 20010 10% 2011 11%. A CURSO LISTA DE EXERC CÍCIOS 2012.2 UNIDADE II ADM SEMESTRE 2º BLOCOO DISCIPLINA Gestão Financeira NOTA TURMA ADM 5NB ESTUDANTES PROFESSOR (A) Dr. Wellington Ribeiro Justo DATA 01/12/2012 Responda com responsabilidade

Leia mais

TÉCNICAS DE AVALIAÇÃO ECONÔMICA. comunicação técnica do CETEM Avaliação Econômica de Projetos Prof. Raul Oliveira Neto

TÉCNICAS DE AVALIAÇÃO ECONÔMICA. comunicação técnica do CETEM Avaliação Econômica de Projetos Prof. Raul Oliveira Neto TÉCNICAS DE AVALIAÇÃO ECONÔMICA comunicação técnica do CETEM Avaliação Econômica de Projetos Prof. Raul Oliveira Neto Introdução As técnicas de avaliação econômica são utilizadas para converter os dados

Leia mais

Prof. Msc. David Custódio de Sena sena@ufersa.edu.br

Prof. Msc. David Custódio de Sena sena@ufersa.edu.br Prof. Msc. David Custódio de Sena sena@ufersa.edu.br ESTUDO DE VIABILIDADE FINANCEIRA DE PROJETOS Projeto de viabilidade É um projeto de estudo e análise, ou seja, é um projeto que procura verificar a

Leia mais

ANÁLISE CUSTO - VOLUME - LUCRO COMO FERRAMENTA DE GESTÃO NAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS.

ANÁLISE CUSTO - VOLUME - LUCRO COMO FERRAMENTA DE GESTÃO NAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS. ANÁLISE CUSTO - VOLUME - LUCRO COMO FERRAMENTA DE GESTÃO NAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS. Thaisa Rodrigues Marcondes 1, Maria Auxiliadora Antunes 2 ¹ Universidade do Vale do Paraíba/Faculdade de Ciências

Leia mais

ADOÇÃO DO SISTEMA DE FRANQUIA NO SETOR ALIMENTÍCIO: UM ESTUDO DE VIABILIDADE ECONÔMICA FINANCEIRA

ADOÇÃO DO SISTEMA DE FRANQUIA NO SETOR ALIMENTÍCIO: UM ESTUDO DE VIABILIDADE ECONÔMICA FINANCEIRA ADOÇÃO DO SISTEMA DE FRANQUIA NO SETOR ALIMENTÍCIO: UM ESTUDO DE VIABILIDADE ECONÔMICA FINANCEIRA Rafael Ribeiro Gaia (Unifran) rafael.gaia@unifran.edu.br Gabriela Azevedo Motta (Unifran) gabriela@dep.ufscar.br

Leia mais

Administração Financeira e Orçamentária II

Administração Financeira e Orçamentária II Administração Financeira e Orçamentária II Capítulo 6 Matemática Financeira Série Uniforme de Pagamentos e de Desembolsos Sistemas de Amortização Análise de Fluxo de Caixa Séries Uniformes de Pagamentos

Leia mais

AJES - FACULDADE DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS E ADMINISTRAÇÃO DO VALE DO JURUENA BACHARELADO EM ADMINISTRAÇÃO

AJES - FACULDADE DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS E ADMINISTRAÇÃO DO VALE DO JURUENA BACHARELADO EM ADMINISTRAÇÃO AJES - FACULDADE DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS E ADMINISTRAÇÃO DO VALE DO JURUENA BACHARELADO EM ADMINISTRAÇÃO ELABORAÇÃO DE PROJETO DE VIABILIDADE ECONÔMICA: Estudo de caso em uma loja varejista em Juína-MT em

Leia mais

TIR Taxa Interna de Retorno

TIR Taxa Interna de Retorno Universidade Católica Dom Bosco Departamento de Pós-Graduação Lato Sensu Pós-Graduação em Contabilidade Financeira e Controladoria TIR Taxa Interna de Retorno Andressa Agostinis Bianca da Costa Lima Brandão

Leia mais

Planejamento e Gestão do Negócio Agrícola. Aparecido Porto da Costa E-mail: aparecidoport@hotmail.com

Planejamento e Gestão do Negócio Agrícola. Aparecido Porto da Costa E-mail: aparecidoport@hotmail.com Planejamento e Gestão do Negócio Agrícola Aparecido Porto da Costa E-mail: aparecidoport@hotmail.com Introdução Organização Sistema aberto sucesso Ambiente 2 Conceitos Básicos Planejar Criar esquemas para

Leia mais

ELEMENTOS DO PLANO DE NEGÓCIOS

ELEMENTOS DO PLANO DE NEGÓCIOS INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO PIAUÍ - CAMPUS DE PARNAÍBA CURSO: Técnico em Informática DISCIPLINA: Empreendedorismo PROFESSORA: CAROLINE PINTO GUEDES FERREIRA ELEMENTOS DO PLANO

Leia mais

Contabilidade Gerencial PROFESSOR: Salomão Soares VPL E TIR

Contabilidade Gerencial PROFESSOR: Salomão Soares VPL E TIR Contabilidade Gerencial PROFESSOR: Salomão Soares VPL E TIR Data: VPL(VAL) Valor Presente Líquido ou Valor Atual Líquido O valor presente líquido (VPL), também conhecido como valor atual líquido (VAL)

Leia mais

CARTILHA. Previdência. Complementar NOVA TRIBUTAÇÃO. www.sulamericaonline.com.br

CARTILHA. Previdência. Complementar NOVA TRIBUTAÇÃO. www.sulamericaonline.com.br CARTILHA Previdência Complementar NOVA TRIBUTAÇÃO www.sulamericaonline.com.br Índice 1. Os Planos de Previdência Complementar e o Novo Regime Tributário 4 2. Tratamento Tributário Básico 5 3. Características

Leia mais

MODELO DE PLANO DE NEGÓCIO

MODELO DE PLANO DE NEGÓCIO MODELO DE PLANO DE NEGÓCIO 1 Informações sobre o responsável pela proposta. Nome : Identidade: Órgão Emissor: CPF: Endereço: Bairro: Cidade: Estado: CEP: Telefone: FAX: E-mail Formação Profissional: Atribuições

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ SETOR DE CIÊNCIAS SOCIAIS E APLICADAS DEPARTAMENTO DE CONTABILIDADE CURSO DE CONTABILIDADE E FINANÇAS

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ SETOR DE CIÊNCIAS SOCIAIS E APLICADAS DEPARTAMENTO DE CONTABILIDADE CURSO DE CONTABILIDADE E FINANÇAS UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ SETOR DE CIÊNCIAS SOCIAIS E APLICADAS DEPARTAMENTO DE CONTABILIDADE CURSO DE CONTABILIDADE E FINANÇAS ANÁLISE DE INVESTIMENTOS PARA UMA EMPRESA DO RAMO DE TRANSPORTE ALEXANDRO

Leia mais

TÉCNICAS DE ANÁLISE DE ORÇAMENTO DE CAPITAL

TÉCNICAS DE ANÁLISE DE ORÇAMENTO DE CAPITAL Adm. Financeira II Aula 05 - Técnicas Orç. Capital - Pg. 1/8 TÉCNICAS DE ANÁLISE DE ORÇAMENTO DE CAPITAL 1. Introdução 1.1. Considerar fatores importantes fora do controle da empresa 1.2. Fatores qualitativos

Leia mais

Março/2012 - Parte3. Pag.1. Prof. Alvaro Augusto

Março/2012 - Parte3. Pag.1. Prof. Alvaro Augusto Pag.1 Pag.2 Pag.3 Métodos de Análise Valor Presente Líquido (VPL): Fácil de entender, fácil de calcular. Depende do conhecimento prévio de uma taxa de desconto. Taxa Interna de Retorno (TIR): Difícil de

Leia mais

PERFIL EMPREENDEDOR DOS APICULTORES DO MUNICIPIO DE PRUDENTÓPOLIS

PERFIL EMPREENDEDOR DOS APICULTORES DO MUNICIPIO DE PRUDENTÓPOLIS PERFIL EMPREENDEDOR DOS APICULTORES DO MUNICIPIO DE PRUDENTÓPOLIS Elvis Fabio Roman (Bolsista programa universidade sem fronteiras/projeto associativismo apícola no município de Prudentópolis), e-mail:

Leia mais

APLICAÇÃO DOS MÉTODOS DE CUSTEIO: VARIÁVEL E POR ABSORÇÃO, PARA O PROCESSO DECISÓRIO GERENCIAL DOS CUSTOS

APLICAÇÃO DOS MÉTODOS DE CUSTEIO: VARIÁVEL E POR ABSORÇÃO, PARA O PROCESSO DECISÓRIO GERENCIAL DOS CUSTOS APLICAÇÃO DOS MÉTODOS DE CUSTEIO: VARIÁVEL E POR ABSORÇÃO, PARA O PROCESSO DECISÓRIO GERENCIAL DOS CUSTOS ANACLETO G. 1 1. INTRODUÇÃO Este estudo tem a finalidade de apuração dos resultados aplicados pelos

Leia mais

CURITIBA, FEVEREIRO DE

CURITIBA, FEVEREIRO DE PLANO DE NEGÓCIO CURITIBA, FEVEREIRO DE 2004 2 PLANO DE NEGÓCIO Odilio Sepulcri 1. Introdução: Antes de implementar novas atividades ou alternativas econômicas no sistema de produção, seja para a sua mudança

Leia mais

ESTUDO DE VIABILIDADE ECONÔMICO-FINANCEIRO MERCADO IMOBILIÁRIO

ESTUDO DE VIABILIDADE ECONÔMICO-FINANCEIRO MERCADO IMOBILIÁRIO ESTUDO DE VIABILIDADE ECONÔMICO-FINANCEIRO MERCADO IMOBILIÁRIO O estudo de viabilidade econômica para o setor de empreendimento imobiliário representa uma consultoria completa. Com ele será possível obter

Leia mais

Mamão Hawai uma análise de preços e comercialização no Estado do Ceará.

Mamão Hawai uma análise de preços e comercialização no Estado do Ceará. Mamão Hawai uma análise de preços e comercialização no Estado do Ceará. Débora Gaspar Feitosa Freitas 1 José Nilo de Oliveira Júnior 2 RESUMO O Brasil é o principal produtor mundial de mamão e tem grande

Leia mais

UNIDADE. Noções de análise de investimentos

UNIDADE. Noções de análise de investimentos UNIDADE 6 Noções de análise de investimentos Curso de Graduação em Administração a Distância Objetivo Nesta Unidade, você vai descrever e aplicar os dois mais importantes métodos de avaliação de projetos

Leia mais

XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012

XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012 XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012 Custo de Produção e Lucratividade da Cultura de Milho Sequeiro: um estudo de caso no município de Sud Mennucci, SP

Leia mais

ANÁLISE DE FLUXOS DE CAIXA EM AMBIENTES DE INCERTEZA E SUA APLICAÇÃO NO CONTROLE EXTERNO

ANÁLISE DE FLUXOS DE CAIXA EM AMBIENTES DE INCERTEZA E SUA APLICAÇÃO NO CONTROLE EXTERNO ANÁLISE DE FLUXOS DE CAIXA EM AMBIENTES DE INCERTEZA E SUA APLICAÇÃO NO CONTROLE EXTERNO Valéria C. Gonzaga / Tribunal de Contas do Estado de Minas Gerais/vgonzaga@tce.mg.gov.br RESUMO A concessão de serviços

Leia mais

7 etapas para construir um Projeto Integrado de Negócios Sustentáveis de sucesso

7 etapas para construir um Projeto Integrado de Negócios Sustentáveis de sucesso 7 etapas para construir um Projeto Integrado de Negócios Sustentáveis de sucesso Saiba como colocar o PINS em prática no agronegócio e explore suas melhores opções de atuação em rede. Quando uma empresa

Leia mais

ANEXO IV DIRETRIZES PARA ELABORAÇÃO DA PROPOSTA COMERCIAL

ANEXO IV DIRETRIZES PARA ELABORAÇÃO DA PROPOSTA COMERCIAL ANEXO IV DIRETRIZES PARA ELABORAÇÃO DA PROPOSTA COMERCIAL 1. INTRODUÇÃO Este anexo objetiva apresentar as informações necessárias a orientar a LICITANTE quanto à apresentação e conteúdo da sua PROPOSTA

Leia mais

TAXA INTERNA DE RETORNO - IRR

TAXA INTERNA DE RETORNO - IRR TAXA INTERNA DE RETORNO - IRR A taxa interna de retorno é a taxa de juros (desconto) que iguala, em determinado momento do tempo, o valor presente das entradas (recebimentos) com o das saídas (pagamentos)

Leia mais

Como calcular o Índice de Lucratividade (IL)

Como calcular o Índice de Lucratividade (IL) Como calcular o Índice de Lucratividade (IL) A análise de novos investimentos pelo IL Qual a taxa mínima de lucratividade de um projeto? Como determinar o IL ideal de um novo investimento? Francisco Cavalcante

Leia mais

CONCILIAÇÃO ENTRE A TIR E O ROI: UMA ABORDAGEM MATEMÁTICA E CONTÁBIL DO RETORNO DE

CONCILIAÇÃO ENTRE A TIR E O ROI: UMA ABORDAGEM MATEMÁTICA E CONTÁBIL DO RETORNO DE UP-TO-DATE. ANO I. NÚMERO 27 CONCILIAÇÃO ENTRE A TIR E O ROI: UMA ABORDAGEM MATEMÁTICA E CONTÁBIL DO RETORNO DE INVESTIMENTO INTEGRAÇÃO ENTRE O CAIXA E O LUCRO CAVALCANTE & ASSOCIADOS Autor: Francisco

Leia mais

ANÁLISE DE INVESTIMENTOS. Análise de Investimentos

ANÁLISE DE INVESTIMENTOS. Análise de Investimentos ANÁLISE DE INVESTIMENTOS Prof. Me. Jorge França Análise de Investimentos Jorge França: Graduado em Engenharia pela UFF-RJ; Pós-graduado em Gestão da Qualidade (UFMG), Marketing (ESPM e UFRJ), Gestão Empresarial

Leia mais

CAP. 2 CONSIDERAÇÕES SOBRE OS CRITÉRIOS DE DECISÃO

CAP. 2 CONSIDERAÇÕES SOBRE OS CRITÉRIOS DE DECISÃO CAP. 2 CONSIDERAÇÕES SOBRE OS CRITÉRIOS DE DECISÃO 1. OS CRITÉRIOS DE DECISÃO Dentre os métodos para avaliar investimentos, que variam desde o bom senso até os mais sofisticados modelos matemáticos, três

Leia mais

Análise de Fluxos de Caixa em ambientes de incerteza e sua aplicação no Controle Externo. Valéria Cristina Gonzaga - TCEMG ENAOP 2011

Análise de Fluxos de Caixa em ambientes de incerteza e sua aplicação no Controle Externo. Valéria Cristina Gonzaga - TCEMG ENAOP 2011 Análise de Fluxos de Caixa em ambientes de incerteza e sua aplicação no Controle Externo Valéria Cristina Gonzaga - TCEMG ENAOP 2011 ANÁLISE DE FLUXOS DE CAIXA EM AMBIENTES DE NCERTEZA E SUA APLICAÇÃO

Leia mais

VIABILIDADE ECONÔMICA DA IRRIGAÇÃO LOCALIZADA NA CULTURA DA CANA DE AÇÚCAR 1.

VIABILIDADE ECONÔMICA DA IRRIGAÇÃO LOCALIZADA NA CULTURA DA CANA DE AÇÚCAR 1. 8. GESTÃO DO AGRO-NEGÓCIO VIABILIDADE ECONÔMICA DA IRRIGAÇÃO LOCALIZADA NA CULTURA DA CANA DE AÇÚCAR 1. Thomaz Machado Universidade de São Paulo FEARP Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade

Leia mais

PERGUNTAS MAIS FREQÜENTES SOBRE VALOR PRESENTE LÍQUIDO (VPL)

PERGUNTAS MAIS FREQÜENTES SOBRE VALOR PRESENTE LÍQUIDO (VPL) PERGUNTAS MAIS FREQÜENTES SOBRE VALOR PRESENTE LÍQUIDO (VPL) Melhor método para avaliar investimentos 16 perguntas importantes 16 respostas que todos os executivos devem saber Francisco Cavalcante(f_c_a@uol.com.br)

Leia mais

Economia na produção de helicônias no Estado do Rio de Janeiro

Economia na produção de helicônias no Estado do Rio de Janeiro Ciência 1858 Rural, Santa Maria, v.41, n.10, p.1858-1863, out, Machado 2011 Neto et al. ISSN 0103-8478 Economia na produção de helicônias no Estado do Rio de Janeiro Economy in helicônias production in

Leia mais

5 Plano Financeiro. Investimento total. investimentos fixos; capital de giro; investimentos pré-operacionais. 5.1 Estimativa dos investimentos fixos

5 Plano Financeiro. Investimento total. investimentos fixos; capital de giro; investimentos pré-operacionais. 5.1 Estimativa dos investimentos fixos 5 Plano Financeiro Investimento total Nessa etapa, você irá determinar o total de recursos a ser investido para que a empresa comece a funcionar. O investimento total é formado pelos: investimentos fixos;

Leia mais

PERDAS EM SISTEMAS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA: DIAGNÓSTICO, POTENCIAL DE GANHOS COM SUA REDUÇÃO E PROPOSTAS DE MEDIDAS PARA O EFETIVO COMBATE

PERDAS EM SISTEMAS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA: DIAGNÓSTICO, POTENCIAL DE GANHOS COM SUA REDUÇÃO E PROPOSTAS DE MEDIDAS PARA O EFETIVO COMBATE PERDAS EM SISTEMAS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA: DIAGNÓSTICO, POTENCIAL DE GANHOS COM SUA REDUÇÃO E PROPOSTAS DE MEDIDAS PARA O EFETIVO COMBATE SUMÁRIO EXECUTIVO ABES Associação Brasileira de Engenharia Sanitária

Leia mais

Influência dos custos de transação no lucro de uma empresa: aplicação do modelo de caixa de Miller-Orr

Influência dos custos de transação no lucro de uma empresa: aplicação do modelo de caixa de Miller-Orr Influência dos custos de transação no lucro de uma empresa: aplicação do modelo de caixa de Miller-Orr Dany Rogers (FAGEN/UFU) danyrogers@yahoo.com.br Pablo Rogers (FAGEN/UFU) pablorogerss@yahoo.com.br

Leia mais

4 Referencial teórico

4 Referencial teórico 4 Referencial teórico Um projeto de investimento pode ter diferentes avaliações dependendo dos critérios utilizados na análise. Em geral, somente são considerados fatores tangíveis, aqueles que podem ser

Leia mais

APLICAÇÃO DA MODELAGEM ECONÔMICA NA SUBSTITUIÇÃO DE AUTOMÓVEL POPULAR

APLICAÇÃO DA MODELAGEM ECONÔMICA NA SUBSTITUIÇÃO DE AUTOMÓVEL POPULAR APLICAÇÃO DA MODELAGEM ECONÔMICA NA SUBSTITUIÇÃO DE AUTOMÓVEL POPULAR Bruno Cesar Linhares (UFRN ) brunoclcs@yahoo.com.br Mariama Saskya Araujo da Silva (UFRN ) mariama.saskya01@gmail.com Gilberto Alves

Leia mais

1- METODOLOGIA DE ORÇAMENTO DE OBRAS. NOVO CONCEITO PARA O BDI

1- METODOLOGIA DE ORÇAMENTO DE OBRAS. NOVO CONCEITO PARA O BDI 1- METODOLOGIA DE ORÇAMENTO DE OBRAS. NOVO CONCEITO PARA O BDI 1.1- INTRODUÇÃO Para a elaboração de orçamentos consistentes de serviços de engenharia, entende-se que algumas premissas devam prevalecer.

Leia mais

Formação do Preço de Venda

Formação do Preço de Venda CURSO DE ADM - 5º PERÍODO - FASF Objetivo Refletir sobre a importância de se conhecer e identificar a FORMAÇÃO DE PREÇO, como fator determinante para a sobrevivência da exploração da atividade da empresa.

Leia mais

UNIDADE IV : ANÁLISE DE INVESTIMENTOS (A.I.) (ENGENHARIA ECONÔMICA) CONCEITO:

UNIDADE IV : ANÁLISE DE INVESTIMENTOS (A.I.) (ENGENHARIA ECONÔMICA) CONCEITO: UNIDADE IV : ANÁLISE DE INVESTIMENTOS (A.I.) (ENGENHARIA ECONÔMICA) 1 CONCEITO: Quando da realização de um determindado investimento, levantamos várias alternativas para sua execução final. Ao conjunto

Leia mais

Resumo sobre Métodos de Análise de Investimentos

Resumo sobre Métodos de Análise de Investimentos 1. Introdução Resumo sobre Métodos de Análise de Investimentos Pode-se definir Investimento como sendo um sacrifício hoje em prol da obtenção de uma série de benefícios futuros. Sob o enfoque das finanças

Leia mais

ANÁLISE DE RISCO EM INCORPORAÇÕES IMOBILIÁRIAS: CONSTRUÇÃO DE CENÁRIOS E SIMULAÇÃO DE MONTE CARLO

ANÁLISE DE RISCO EM INCORPORAÇÕES IMOBILIÁRIAS: CONSTRUÇÃO DE CENÁRIOS E SIMULAÇÃO DE MONTE CARLO ANÁLISE DE RISCO EM INCORPORAÇÕES IMOBILIÁRIAS: CONSTRUÇÃO DE CENÁRIOS E SIMULAÇÃO DE MONTE CARLO Pedro Beck Di Bernardi (1); Norberto Hochheim (2) (1) Departamento de Engenharia Civil Centro Tecnológico

Leia mais

VIABILIDADE ECONÔMICO-FINANCEIRA DA PRODUÇÃO E INDUSTRIALIZAÇÃO DO PINHÃO MANSO

VIABILIDADE ECONÔMICO-FINANCEIRA DA PRODUÇÃO E INDUSTRIALIZAÇÃO DO PINHÃO MANSO VIABILIDADE ECONÔMICO-FINANCEIRA DA PRODUÇÃO E INDUSTRIALIZAÇÃO DO PINHÃO MANSO Aziz Galvão da Silva Júnior 1 Ronaldo Perez 2 Raphael Augusto Motta 3 Joélcio Cosme Carvalho Ervilha 4 Marco Antônio Viana

Leia mais

ALGODÃO 2ª SAFRA NA SAFRA 14/15 DEZEMBRO - ANO 6 - EDIÇÃO 67

ALGODÃO 2ª SAFRA NA SAFRA 14/15 DEZEMBRO - ANO 6 - EDIÇÃO 67 ALGODÃO 2ª SAFRA NA SAFRA 14/15 DEZEMBRO - ANO 6 - EDIÇÃO 67 A decisão sobre o plantio do algodão segunda safra a esta altura já foi tomada. Seu Custo Operacional (CO) é estimado pelo Cepea em R$ 5.614,63/ha

Leia mais

ANÁLISE DE INVESTIMENTOS EM EMPREENDIMENTOS IMOBILIÁRIOS

ANÁLISE DE INVESTIMENTOS EM EMPREENDIMENTOS IMOBILIÁRIOS S EM EMPREENDIMENTOS IMOBILIÁRIOS Banco de Dados Análise de Investimentos Aspectos Econômicos e Financeiros de Empreendimentos Imobiliários Data: 23/maio/2014 1. Objetivo SUMÁRIO 2. Incorporação Imobiliária

Leia mais

Unidade II. Unidade II

Unidade II. Unidade II Unidade II REESTRUTURAÇÃO FINANCEIRA NAS ORGANIZAÇÕES Neste módulo, estudaremos como ocorre a reestruturação financeira nas empresas, apresentando um modelo de planejamento de revitalização, com suas características

Leia mais

MODELO DE AVALIAÇÃO EM PROJETOS DE INVESTIMENTO DE CAPITAL

MODELO DE AVALIAÇÃO EM PROJETOS DE INVESTIMENTO DE CAPITAL MODELO DE AVALIAÇÃO EM PROJETOS DE INVESTIMENTO DE CAPITAL Marcelo Maciel Monteiro Universidade Federal Fluminense, Engenharia de Produção Rua Martins Torres 296, Santa Rosa, Niterói, RJ, Cep 24240-700

Leia mais

A IMPORTÃNCIA DO CAPITAL DE GIRO E ALGUMAS SOLUÇÕES PARA O PROBLEMA DE CAPITAL DE GIRO

A IMPORTÃNCIA DO CAPITAL DE GIRO E ALGUMAS SOLUÇÕES PARA O PROBLEMA DE CAPITAL DE GIRO A IMPORTÃNCIA DO CAPITAL DE GIRO E ALGUMAS SOLUÇÕES PARA O PROBLEMA DE CAPITAL DE GIRO Este artigo cientifico, apresenta de maneira geral e simplificada, a importância do capital de giro para as empresas,

Leia mais

Identificação e análise de gargalos produtivos: impactos potenciais sobre a rentabilidade empresarial

Identificação e análise de gargalos produtivos: impactos potenciais sobre a rentabilidade empresarial Identificação e análise de gargalos produtivos: impactos potenciais sobre a rentabilidade empresarial Pedro F. Adeodato de Paula Pessoa (EMBRAPA) pedro@cnpat.embrapa.br José Ednilson de Oliveira Cabral

Leia mais

ANÁLISE DE VIABILIDADE ECONÔMICA DE UM NOVO EQUIPAMENTO: UM ESTUDO DE CASO PARA INDÚSTRIA MOVELEIRA

ANÁLISE DE VIABILIDADE ECONÔMICA DE UM NOVO EQUIPAMENTO: UM ESTUDO DE CASO PARA INDÚSTRIA MOVELEIRA UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ DEPARTAMENTO ACADÊMICO DE MECÂNICA I CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM ENGENHARIA DE PRODUÇÃO EVERTON LAZARE ANÁLISE DE VIABILIDADE ECONÔMICA DE UM NOVO EQUIPAMENTO:

Leia mais

Introdução ao Value-at-Risk

Introdução ao Value-at-Risk 1 Introdução ao Value-at-Risk Objetivos da aprendizagem Discutir o conceito de Value-at-Risk. Apresentar as principais características do Value-at- Risk. Explicar o conceito de Value-at-Risk, evidenciando

Leia mais

FLUXO DE CAIXA: IMPORTANTE FERRAMENTA PARA AS DECISÕES EMPRESARIAIS Cristiane Aparecida MOTA 1 Hiroshi Wilson YONEMOTO 2 Marcela de Souza CABRAL 3

FLUXO DE CAIXA: IMPORTANTE FERRAMENTA PARA AS DECISÕES EMPRESARIAIS Cristiane Aparecida MOTA 1 Hiroshi Wilson YONEMOTO 2 Marcela de Souza CABRAL 3 1 FLUXO DE CAIXA: IMPORTANTE FERRAMENTA PARA AS DECISÕES EMPRESARIAIS Cristiane Aparecida MOTA 1 Hiroshi Wilson YONEMOTO 2 Marcela de Souza CABRAL 3 RESUMO: Este trabalho tem a intenção de demonstrar a

Leia mais

Ponto de Equilíbrio Contábil

Ponto de Equilíbrio Contábil CONTABILIDADE DE CUSTOS Prof. Viviane da Costa Freitag 3. ANÁLISE CUSTO X VOLUME X LUCRO A análise da relação Custo x Volume x Lucro, busca apresentar o comportamento dos custos e do lucro em função do

Leia mais

1 Fundamentos de Avaliação de Projetos 1

1 Fundamentos de Avaliação de Projetos 1 Sumário Prefácio xiii 1 Fundamentos de Avaliação de Projetos 1 A EMPRESA 6 CUSTO DE OPORTUNIDADE 8 PROJETO DE INVESTIMENTO 9 VALOR DO PROJETO 10 LUCRO ECONÔMICO DO PROJETO 14 VALOR PRESENTE LÍQUIDO DO

Leia mais

CAPITAL DE GIRO: ESSÊNCIA DA VIDA EMPRESARIAL

CAPITAL DE GIRO: ESSÊNCIA DA VIDA EMPRESARIAL CAPITAL DE GIRO: ESSÊNCIA DA VIDA EMPRESARIAL Renara Tavares da Silva* RESUMO: Trata-se de maneira ampla da vitalidade da empresa fazer referência ao Capital de Giro, pois é através deste que a mesma pode

Leia mais

Comparação de Projetos de Inves3mentos

Comparação de Projetos de Inves3mentos Parte II ENGENHARIA ECONÔMICA Comparação de Projetos de Inves3mentos Prof. Wanderson S. Paris, M.Eng. prof@cronosquality.com.br Análise de Investimentos Introdução Método do Valor Anual Uniforme Equivalente

Leia mais

José Lincoln Pinheiro Araújo 1 Rebert Coelho Correia 2 Edílson Pinheiro Araújo 3 RESUMO

José Lincoln Pinheiro Araújo 1 Rebert Coelho Correia 2 Edílson Pinheiro Araújo 3 RESUMO APLICAÇÃO DA ANÁLISE CUSTO-VOLUME-LUCRO (CVL) NA DETERMINAÇÃO DA VIABILIDADE ECONOMICA DE UNIDADE PRODUTIVA FAMILIAR LOCALIZADA EM PERIMETRO IRRIGADO DA REGIÃO DO SUBMÉDIO SÃO FRANCISCO. RESUMO José Lincoln

Leia mais

PARTE ANÁLISE DE INVESTIMENTO

PARTE ANÁLISE DE INVESTIMENTO PARTE V ANÁLISE DE INVESTIMENTO FLUXO DE CAIXA Fluxo de Caixa é uma série de pagamentos ou de recebimentos ao longo de um intervalo de tempo. Entradas (+) Saídas (-) Segundo Samanez (1999), os fluxos de

Leia mais

ÍNDICE SUBSTITUIÇÃO DE EQUIPAMENTOS...3 ESTUDOS DOS INSUMOS PASSADOS...4 HORIZONTE DO PLANEJAMENTO...5 CUSTO PRESENTE LÍQUIDO...6

ÍNDICE SUBSTITUIÇÃO DE EQUIPAMENTOS...3 ESTUDOS DOS INSUMOS PASSADOS...4 HORIZONTE DO PLANEJAMENTO...5 CUSTO PRESENTE LÍQUIDO...6 COMO DEFINIR A SUBSTITUIÇÃO DE UM A substituição de um equipamento por outro selecionado entre dois outros com vidas úteis iguais! Devemos considerar os insumos passados na substituição de um equipamento?!

Leia mais

de inverno que viraram opção para o pecuarista da região para conseguir ter pasto na época da seca.

de inverno que viraram opção para o pecuarista da região para conseguir ter pasto na época da seca. CUSTO DE PRODUÇÃO DE BOVINOCULTURA DE CORTE EM GUARAPUAVA/PR Com a iniciativa da Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA), em parceria com o Serviço Nacional de Aprendizagem (SENAR) e o Centro

Leia mais

Vantagens e Cuidados na utilização do Valor Econômico Agregado - EVA

Vantagens e Cuidados na utilização do Valor Econômico Agregado - EVA Vantagens e Cuidados na utilização do Valor Econômico Agregado - EVA REVISANDO O CÁLCULO DO EVA QUAIS AS VANTAGENS DA UTILIZAÇÃO DA MÉTRICA EVA? COMO FAZER OS AJUSTES NA AVALIAÇÃO DOS S / INVESTIMENTOS?

Leia mais

PLANEJAR, ELABORAR E CUMPRIR METAS

PLANEJAR, ELABORAR E CUMPRIR METAS PLANEJAR, ELABORAR E CUMPRIR METAS Fernanda Micaela Ribeiro Theiss Prof. Ademar Lima Júnior Centro Universitário Leonardo da Vinci UNIASSELVI Bacharelado em Ciências Contábeis (CTB 561) 14/05/2012 RESUMO

Leia mais

SIND PME 4.0 SIMULAÇÃO INDUSTRIAL DE PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS

SIND PME 4.0 SIMULAÇÃO INDUSTRIAL DE PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS SIND PME 4.0 SIMULAÇÃO INDUSTRIAL DE PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS MANUAL DA EMPRESA TODOS OS DIREITOS SÃO RESERVADOS À BERNARD SISTEMAS LTDA. BERNARD SISTEMAS LTDA. Florianópolis, Julho de 2007. Todos os

Leia mais

METODOLOGIA GERAL DE AVALIAÇÃO DE EMPRESAS

METODOLOGIA GERAL DE AVALIAÇÃO DE EMPRESAS METODOLOGIA GERAL DE AVALIAÇÃO DE EMPRESAS Camila Pires Cremasco Gabriel 1 Luis Roberto Almeida Gabriel Filho 2 Thiago Ariceto 3 Chádia Priscila Cardoso Gonçalves 4 Matheus Choueri 5 RESUMO: A definição

Leia mais

CUSTO DE PRODUÇÃO DE BOVINOCULTURA DE CORTE EM LONDRINA/PR

CUSTO DE PRODUÇÃO DE BOVINOCULTURA DE CORTE EM LONDRINA/PR CUSTO DE PRODUÇÃO DE BOVINOCULTURA DE CORTE EM LONDRINA/PR Com a iniciativa da Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA), em parceria com o Serviço Nacional de Aprendizagem (SENAR) e o Centro

Leia mais

III-258 UTILIZAÇÃO DA COMPOSTAGEM NA PRODUÇÃO DE ESPÉCIES PAISAGÍSTICAS DESTINADAS A ARBORIZAÇÃO URBANA NO MUNICÍPIO DE VIÇOSA - MG

III-258 UTILIZAÇÃO DA COMPOSTAGEM NA PRODUÇÃO DE ESPÉCIES PAISAGÍSTICAS DESTINADAS A ARBORIZAÇÃO URBANA NO MUNICÍPIO DE VIÇOSA - MG III-258 UTILIZAÇÃO DA COMPOSTAGEM NA PRODUÇÃO DE ESPÉCIES PAISAGÍSTICAS DESTINADAS A ARBORIZAÇÃO URBANA NO MUNICÍPIO DE VIÇOSA - MG Fabiano de Jesus Ribeiro (1) Técnico em Topografia pela Escola Média

Leia mais

Gerenciamento de Risco em Custos

Gerenciamento de Risco em Custos Gerenciamento de Risco em Custos Edson de Oliveira Pamplona Brasil Universidade Federal de Itajubá Pamplona@unifei.edu.br Palavras-chave: Custos, Risco, Valor em risco Tema: Aplicaciones Matemáticas a

Leia mais

Viabilidade Econômica: Revisão Bibliográfica

Viabilidade Econômica: Revisão Bibliográfica Universidade de São Paulo Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz Programa de Educação Tutorial Gerenciamento e Administração da Empresa Agrícola Viabilidade Econômica: Revisão Bibliográfica Felipe

Leia mais

ANEXO III MECANISMO DE REEQUILÍBRIO ECONÔMICO-FINANCEIRO

ANEXO III MECANISMO DE REEQUILÍBRIO ECONÔMICO-FINANCEIRO ANEXO III MECANISMO DE REEQUILÍBRIO ECONÔMICO-FINANCEIRO PÁGINA 1 DE 13 SUMÁRIO PARTE I DA ALOCAÇÃO DOS RISCOS... 3 1. DISPOSIÇÕES GERAIS... 3 2. SEÇÃO 1: DOS RISCOS DO PODER CONCEDENTE... 3 3. SEÇÃO 2:

Leia mais

Gestão econômica e financeira na produção de frutas de clima temperado

Gestão econômica e financeira na produção de frutas de clima temperado Gestão econômica e financeira na produção de frutas de clima temperado Joelsio José Lazzarotto 17 Introdução A eficiência gerencial constitui fator-chave para que qualquer empreendimento agropecuário possa

Leia mais

ESTACIONAMENTO COMO DIFERENCIAL NA ANÁLISE DE INVESTIMENTOS: UMA APLICAÇÃO EM AMBULATÓRIO EM SÃO PAULO

ESTACIONAMENTO COMO DIFERENCIAL NA ANÁLISE DE INVESTIMENTOS: UMA APLICAÇÃO EM AMBULATÓRIO EM SÃO PAULO XXIX ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO. ESTACIONAMENTO COMO DIFERENCIAL NA ANÁLISE DE INVESTIMENTOS: UMA APLICAÇÃO EM AMBULATÓRIO EM SÃO PAULO Katia Abbas (UEM) katia_abbas@yahoo.com.br Maury

Leia mais

PLANEJAMENTO DA PROPRIEDADE RURAL FAMILIAR Proposta de Treinamento Prático/ Teórica Roteiro para o instrutor

PLANEJAMENTO DA PROPRIEDADE RURAL FAMILIAR Proposta de Treinamento Prático/ Teórica Roteiro para o instrutor PLANEJAMENTO DA PROPRIEDADE RURAL FAMILIAR Proposta de Treinamento Prático/ Teórica Roteiro para o instrutor CURITIBA, SETEMBRO DE 2004 2 PLANEJAMENTO DA PROPRIEDADE RURAL Proposta de Treinamento Prático/

Leia mais

DECISÃO DE COMPRAR OU PRODUZIR: UM ESTUDO REALIZADO EM UMA EMPRESA NA ÁREA TÊXTIL

DECISÃO DE COMPRAR OU PRODUZIR: UM ESTUDO REALIZADO EM UMA EMPRESA NA ÁREA TÊXTIL DECISÃO DE COMPRAR OU PRODUZIR: UM ESTUDO REALIZADO EM UMA EMPRESA NA ÁREA TÊXTIL Edzana Roberta Ferreira Da Cunha Vieira Lucena UFRN Jefferson Douglas Barbosa UFRN (84) 99932-3975 jeffersondouglasg3hotmail.com

Leia mais

Revista da Graduação

Revista da Graduação Revista da Graduação Vol. 4 No. 2 2011 13 Seção: FACULDADE DE ENGENHARIA Título: Estudo da viabilidade econômica de um novo negócio do ramo alimentício no Aeroporto Salgado Filho em Porto Alegre Autor:

Leia mais

Suporte técnico a pequenos e médios apicultores do município de Cassilandia-MS

Suporte técnico a pequenos e médios apicultores do município de Cassilandia-MS Suporte técnico a pequenos e médios apicultores do município de Cassilandia-MS Wagner da Paz Andrade 1 ; Gustavo Haralampidou da Costa Vieira 2 1 Estudante do Curso de Agronomia da UEMS, Unidade Universitária

Leia mais

Índices Zootécnicos Taxa de mortalidade 1,0% Idade de abate do boi gordo ou venda do animal Taxa de desfrute 45,81%

Índices Zootécnicos Taxa de mortalidade 1,0% Idade de abate do boi gordo ou venda do animal Taxa de desfrute 45,81% CUSTO DE PRODUÇÃO DE BOVINOCULTURA DE CORTE EM UMUARAMA/PR. Com a iniciativa da Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA), em parceria com o Serviço Nacional de Aprendizagem (SENAR) e o Centro

Leia mais

ANEXO III PROPOSTA ECONÔMICO FINANCEIRA DA SABESP PARA A REGIÃO METROPOLITANA DA BAIXADA SANTISTA - RMBS MUNICÍPIO DE SANTOS

ANEXO III PROPOSTA ECONÔMICO FINANCEIRA DA SABESP PARA A REGIÃO METROPOLITANA DA BAIXADA SANTISTA - RMBS MUNICÍPIO DE SANTOS ANEXO III PROPOSTA ECONÔMICO FINANCEIRA DA SABESP PARA A REGIÃO METROPOLITANA DA BAIXADA SANTISTA - RMBS MUNICÍPIO DE SANTOS 1 Sumário 1. Equilíbrio econômico-financeiro metropolitano...3 2. Proposta econômico-financeira

Leia mais

ANÁLISE DE VIABILIDADE DE EMPREENDIMENTOS IMOBILIÁRIOS

ANÁLISE DE VIABILIDADE DE EMPREENDIMENTOS IMOBILIÁRIOS ANÁLISE DE VIABILIDADE DE EMPREENDIMENTOS IMOBILIÁRIOS Avaliação da Performance Financeira de Projetos 4.690.000 Veículos x 4,50 R$/veículo = 21.105.000 Receita bruta + (3.165.750) 15,0% Prefeituras e

Leia mais

Índices Zootécnicos Taxa de mortalidade 1,0% Idade de abate do boi gordo ou venda do animal Taxa de desfrute 38,34%

Índices Zootécnicos Taxa de mortalidade 1,0% Idade de abate do boi gordo ou venda do animal Taxa de desfrute 38,34% CUSTO DE PRODUÇÃO DE BOVINOCULTURA DE CORTE EM PARANAVAÍ/PR. Com a iniciativa da Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA), em parceria com o Serviço Nacional de Aprendizagem (SENAR) e o Centro

Leia mais