INTRODUÇÃO À ADMINISTRAÇÃO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "INTRODUÇÃO À ADMINISTRAÇÃO"

Transcrição

1 TÉCNICO EM ADMINISTRAÇÃO 01 INTRODUÇÃO À ADMINISTRAÇÃO A empresa e seus recursos Valdenício Rafael Vieira Júnior

2 Governo Federal Ministério da Educação Projeto Gráfico Secretaria de Educação a Distância SEDIS EQUIPE SEDIS UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE UFRN Coordenadora da Produção dos Materias Marta Maria Castanho Almeida Pernambuco Coordenador de Edição Ary Sergio Braga Olinisky Coordenadora de Revisão Giovana Paiva de Oliveira Design Gráfico Ivana Lima Diagramação Ivana Lima José Antônio Bezerra Júnior Mariana Araújo de Brito Vitor Gomes Pimentel Arte e ilustração Adauto Harley Carolina Costa Heinkel Huguenin Revisão Tipográfica Adriana Rodrigues Gomes Design Instrucional Janio Gustavo Barbosa Luciane Almeida Mascarenhas de Andrade Jeremias Alves A. Silva Margareth Pereira Dias Revisão de Linguagem Maria Aparecida da S. Fernandes Trindade Revisão das Normas da ABNT Verônica Pinheiro da Silva Adaptação para o Módulo Matemático Joacy Guilherme de Almeida Ferreira Filho Revisão Técnica Rosilene Alves de Paiva

3 Capítulo 1 Você verá por aqui... Nesta aula, vamos discutir como os administradores e suas equipes transformam seus recursos para atingir os objetivos das empresas. Veremos quais são esses recursos e como gerenciá-los para obter o melhor resultado possível. Identifi car os principais recursos que as empresas utilizam no processo gerencial. Objetivo Compreender o processo de transformação desses recursos em bens e serviços.

4 Para começo de conversa... Fonte: <http://bp2.blogger.com/_pdtoo2algvq/rtclfopzsmi/aaaaaaaaa60/ Vfgz9Fz2kzc/s1600-h/taylorism.jpg>. Acesso em: 16 set Figura 1 Linha de produção em massa e a transformação de recursos As empresas trabalham com diferentes elementos. Tomando como base a sua noção sobre o termo recursos, quais deles você consegue identificar observando a figura acima? Os recursos nas empresas Na natureza, poucos animais utilizam racionalmente os recursos existentes para aumentar a sua utilidade. O homem se destaca quando o tema é o emprego racional de recursos. As grandes invenções humanas surgiram justamente da criatividade com a qual o homem transforma elementos da natureza em itens que satisfazem as suas necessidades.

5 Por exemplo, um pedaço de pano (que provém do algodão cultivado), quando trabalhado pela criatividade humana acaba resultando em uma roupa, que o protege do frio, atendendo, assim, a uma necessidade fundamental. Ao longo da história, os sistemas produtivos implantados em diferentes sociedades corresponderam ao modo como o homem trabalhava os recursos que possuía para atender as suas necessidades imediatas. Nesse contexto, o progresso tecnológico e científico impulsionou as diferentes formas de tratar os recursos nas organizações produtivas. Por meio dos sistemas produtivos, os recursos são transformados de acordo com a lógica apresentada na figura abaixo: RECURSOS PROCESSO DE TRANSFORMAÇÃO BENS E SERVIÇOS Figura 2 Processo input transformação output Fonte: Slack et al (2007). Em Administração, os recursos que são utilizados no processo produtivo são chamados de inputs. Quando estes passam pelo processo de transformação geram bens e serviços que são chamados de outputs. Assim, o processo de transformação corresponde à utilização de recursos para mudar o estado ou condição de algo para produzir outputs. É nesse processo de transformação que ocorre o fenômeno da agregação de valor. Para entender esse conceito imagine uma pedra em estado bruto. Quando um escultor lapida essa pedra e dá uma nova forma, ela passará a ter um valor adicionado, por causa do trabalho que foi empregado para torná-la um bem artístico. O escultor, inclusive, conseguirá vender seu trabalho por uma quantia de dinheiro maior se comparado à venda da pedra em estado bruto. INPUTS Recursos utilizados no processo produtivo. OUTPUTS Bens e serviços fornecidos pela empresa.

6 Figura 3 Esquema do processo de agregação de valor na escultura Nesse exemplo do escultor, estão evidentes apenas dois recursos: Matéria-Prima e Trabalho. Contudo, existem outros recursos envolvidos no processo de agregar valor, os quais estaremos agora definindo e explicando de forma detalhada. Para atingir os seus objetivos, as organizações, independente do ramo de atividade ou porte, irão utilizar basicamente quatro recursos fundamentais: as pessoas, os materiais, o capital e as informações. Assim podemos definir recursos como sendo os elementos que as organizações trabalham por meio do processo de agregação de valor para concretizarem a sua missão. Praticando... 1 Classifique os recursos abaixo como input ou output: a) Borracha para fabricação de pneus: b) Livros prontos para venda: c) Cimento utilizado na construção de uma casa: d) Ferro para a fabricação de máquinas: e) Remédios vendidos nas farmácias:

7 Responda aqui a) Quais são os principais recursos que as empresas utilizam para atingir a sua missão? b) Com base no texto, apresente um exemplo de processo de agregação de valor de que você tenha conhecimento. INPUT TRANSFORMAÇÃO OUTPUT Os recursos humanos (as pessoas) Fonte: <http://coastal.pt/adm/fotos/ recur soshumanos.jpg>. Acesso em: 16 set Figura 4 Equipe de trabalho

8 Muito se discute sobre o papel das pessoas nas empresas. Quando ocorreu o desenvolvimento das primeiras teorias administrativas, sob o enfoque Taylorista Fordista, os trabalhadores eram vistos como uma peça na engrenagem do sistema produtivo. A partir do advento da Abordagem Humanística da Administração, as pessoas dentro das organizações passaram a ser analisadas sob o enfoque individual e social. Atualmente, há um consenso de que o elemento humano corresponde a um parceiro da organização. CONHECIMENTOS Informações e experiências adquiridas no decorrer da vida. HABILIDADES Capacidade, aptidão e destreza para fazer algo. ATITUDES Iniciativa de aplicar as habilidades e conhecimentos em situações práticas. Como parceiros das organizações, as pessoas contribuem com o trabalho na expectativa de obter um retorno por essa contribuição. O trabalho consiste nas atividades desempenhadas pelos funcionários, quando estes aplicam seus conhecimentos, habilidades e atitudes na realização de tarefas que agregam valor. O conhecimento compreende as informações e experiências adquiridas no decorrer da vida, nas escolas, universidades, cursos, treinamentos, etc. A capacidade, aptidão e a destreza para pôr esses conhecimentos em prática correspondem às habilidades. Mas é necessário ainda que o funcionário tenha atitude, ou seja, a iniciativa de aplicar suas habilidades e conhecimentos nos processos organizacionais. Assim, é de supor que uma equipe integrada, criativa e motivada para enfrentar os desafi os do mercado atual, que se torna cada vez mais competitivo, trata-se de um elemento essencial para o sucesso das modernas organizações. Esses recursos são gerenciados principalmente pelo Departamento de Recursos Humanos. Os recursos materiais Fonte: <http://www.sanremy.com.br/imagens/fotos/galpao3.jpg>. Acesso em: 16 set Figura 5 Estoque de materiais

9 Os recursos materiais serão trabalhados pelas pessoas ou por outros recursos materiais (como máquinas) passando pelo processo de agregação de valor, o que resultará em produtos ou serviços que satisfazem necessidades. Esses recursos podem ser classificados em duas categorias: Recursos transformados aqueles que são tratados, transformados ou convertidos de alguma forma, a exemplo das matérias-primas de um modo geral. Recursos de transformação aqueles que agem sobre os recursos transformados, como as máquinas e ferramentas. As principais operações que processam materiais podem realizar as seguintes transformações: Propriedades físicas mudança na forma, composição ou características de um elemento. O petróleo é um exemplo claro da mudança de propriedades físicas, pois de acordo com a manipulação de seu material na indústria, ele pode ser convertido em combustível, plástico e uma infinidade de outros bens. Localização a transformação sobre materiais pode se dar, também, pelo transporte desses bens de uma localidade para outra. Os Correios correspondem a um serviço que afeta a localização de materiais, permitindo o transporte de bens para diferentes locais de todo o país. Posse nesse caso, os materiais mudam de propriedade, mudam de dono. Um supermercado por meio de suas atividades varejistas muda a posse de uma grande quantidade de bens de sua propriedade para seus clientes, que pagam para adquirirem o direito de uso desses bens. Estoque outra forma de processamento de materiais é a acomodação desses elementos, garantindo a sua segurança e preservação até o instante do consumo. Essas atividades são desempenhadas por armazéns. Por se constituírem nos elementos que acompanham ou fazem parte da natureza dos produtos comercializados pelas empresas no mercado, as estratégias de gestão de materiais são fundamentais para a oferta de bens e serviços de qualidade e competitivos. Esses recursos são gerenciados principalmente pelo Departamento de Produção e Logística.

10 Os recursos financeiros (capital) Fonte: <http://www.revistafator.com.br/imagens/fotos/ dinheiro_real>. Acesso em: 16 set Figura 6 Moeda brasileira No sistema capitalista o dinheiro é o meio usado na troca de bens e serviços. O dinheiro, seja em que forma se apresente, vale pelas mercadorias e serviços que pode comprar, pois dá ao seu portador o direito de usufruir, através do poder de compra, de tudo o que pode ser vendido. CAPITAL PRÓPRIO Dinheiro investido na empresa por seus sócios e proprietários. CAPITAL DE TERCEIROS Dinheiro usado na empresa que não vem dos sócios ou proprietários, como os empréstimos e financiamentos bancários. Assim, os demais recursos utilizados pela empresa na geração de bens e serviços para a sociedade são adquiridos com o capital possuído, ou seja, com os recursos financeiros disponíveis. Todas as organizações recebem ou levantam, gastam ou investem dinheiro para atingir seus objetivos. Há basicamente duas fontes fundamentais de recursos financeiros para as empresas: capital próprio e capital de terceiros. Capital próprio Ao iniciar as atividades, os sócios da empresa investem uma quantia de dinheiro que será utilizada para formar o Patrimônio, que corresponde ao conjunto de bens e direitos pertencentes a uma organização. Aqui estão incluídas as instalações físicas, máquinas, matérias-primas, etc. No decorrer do tempo, os atuais proprietários podem investir mais dinheiro ou ainda aceitar novos sócios, que irão aplicar mais recursos fi nanceiros, aumentando o patrimônio da empresa.

11 Vale lembrar que, no desenvolvimento das atividades comerciais, as organizações obtêm lucros, ou seja, o retorno positivo do investimento realizado na empresa. Parte desse lucro é distribuída aos sócios da empresa como forma de retribuição pelo investimento realizado. Outra parte pode ser reinvestida na organização a fi m de ampliar o seu patrimônio, na expectativa de se obter retornos ainda maiores no futuro. As empresas de capital aberto, que são aquelas que negociam ações em bolsas de valores, conseguem obter um volume grande de capital nas transações que são realizadas no mercado fi nanceiro. O princípio é o mesmo que o apresentado acima. São aceitos novos sócios vendendo parcelas do patrimônio da empresa, representado por títulos chamados Ações. Os recursos financeiros são gerenciados principalmente pelo Departamento de Finanças e Contabilidade. Capital de terceiros Muitas vezes os empresários não têm recursos financeiros suficientes para implantarem os seus próprios negócios. Então, eles recorrem ao capital de outras instituições para obterem os valores monetários necessários para iniciar ou ampliar as atividades desenvolvidas. As instituições financeiras são os principais agentes financiadores das empresas que buscam no capital de terceiros os recursos para os investimentos nas suas atividades. Essas instituições são responsáveis pela captação e oferta de recursos financeiros sob a forma de empréstimos e financiamentos. Um exemplo claro de instituição que oferta dinheiro para quem necessita corresponde aos bancos. O empréstimo é a forma de crédito destinado ao atendimento de necessidades, sem destinação específi ca anteriormente pactuada, estando o cliente livre para adquirir qualquer bem com os recursos emprestados. Já o financiamento consiste em uma operação bancária de concessão de crédito com destinação especificada em contrato, como aquisição de um computador ou automóvel. Por exemplo, no fi nanciamento de uma casa você só pode aplicar o dinheiro liberado na compra de uma casa e não de outro produto. No empréstimo, você decide sozinho aquilo que você irá comprar. As empresas, ao captarem recursos financeiros, negociam com a instituição financeira a quantia de dinheiro, a taxa de juros e o prazo para a quitação da dívida. A concessão do empréstimo ou financiamento depende da capacidade da empresa de saldar a dívida contraída.

12 Os recursos de informação Servidor Gateway HUB internet Figura 7 Esquema de uma rede de computadores Para os administradores e seus funcionários tomarem decisões sobre os processos desenvolvidos na empresa, eles necessitam estar bem informados sobre os acontecimentos internos e externos. Sem essas informações, os administradores não conseguiriam saber que caminho seguir, nem os empregados saberiam a forma como deveriam proceder na execução de suas tarefas. Hoje, no mundo, é produzida uma quantidade gigante de informações. Abrindo um site de notícias na internet você se depara com uma infinidade de acontecimentos. Um exemplo claro de empresa que tem informações como principal recurso são os bancos. A maior parte das atividades bancárias está ligada ao processamento de informações sobre assuntos financeiros de interesse de seus clientes. Imagine se um funcionário do banco entendesse uma ordem do cliente de forma errada e realizasse uma transação incorreta... O cliente ficaria muito insatisfeito, podendo até mesmo deixar de ser correntista do banco, já que ao procurarmos uma instituição fi nanceira para cuidar de nosso dinheiro escolhemos aquela que garanta ausência de erros, rapidez e eficiência no processamento de informações. Outro exemplo de empresa que tem informação como um recurso fundamental são os hospitais. Os médicos precisam ter um arquivo organizado e um suporte muito cuidadoso dos demais funcionários para que não venha a cometer erros irreparáveis para seus clientes. Por exemplo, uma informação incorreta sobre uma cirurgia ou aplicação de um remédio pode ser fatal, pois pode afetar para sempre a vida de um paciente. Os contadores, nas empresas, também fazem um trabalho voltado para a informação. Ao elaborarem os relatórios contábeis, obrigatórios por Lei, eles prestam informações sobre o desempenho da empresa aos administradores, ao governo e a todos aqueles que tenham interesse na organização.

13 Mas você acha que todas as informações que chegam a nós são de fato importantes para os nossos objetivos de vida ou de trabalho? Você deve imaginar que não. Existem informações que são mais adequadas para o nosso trabalho do que outras. Por exemplo, uma notícia sobre a vitória de um grande time de futebol pode ser irrelevante para uma determinada fábrica de refrigerante. Mas imagine que essa fábrica de refrigerante seja a patrocinadora do clube de futebol... Essa informação valerá muito, concorda? Então, no atual ambiente no qual nos encontramos, o maior desafio não é conseguir as notícias ou dados sobre algo, mas conseguir as informações certas e realmente úteis dentro dessa imensa quantidade de fontes de informação. Com o desenvolvimento das novas tecnologias da informação, como os sistemas e as redes de computadores e de telecomunicação, é possível realizar a busca e a filtragem das informações que realmente são úteis. Por isso, o profi ssional do presente e do futuro tem que ter uma boa noção das novas tecnologias que estão surgindo. Praticando... 2 Classifique os itens abaixo de acordo com a seguinte numeração: (1) Recursos humanos (2) Recursos materiais (3) Recursos financeiros (4) Recursos de informação ITENS ( ) Máquinas ( ) Relatórios contábeis ( ) Empréstimos obtidos no banco ( ) Estoque ( ) Vendedores ( ) Normas e procedimentos de produção ( ) Contratos ( ) Móveis ( ) Gerentes ( ) Lucros investidos na empresa ( ) Contador da empresa ( ) Caixa

14 Leitura complementar SLACK, Nigel et al. Administração da produção. ed. compacta. São Paulo: Atlas, O livro Administração da Produção apresenta uma visão muito clara e didática da gestão de produção. Podemos encontrar um texto rico sobre a forma como os recursos materiais são dispostos no sistema produtivo para tornálo cada vez mais eficiente e efetivamente agregar valor aos produtos e serviços. O livro foi publicado pela editora Atlas e é a tradução da obra escrita pelos professores Nigel Slack, Stuart Chambers, Christine Harland, Alan Harrison e Robert Johnston. Nesta aula, vimos que as empresas utilizam e trabalham os recursos de modo a atingir seus objetivos e tornar a sua missão uma realidade. Os recursos passam por um processo de transformação que agrega valor, convertendo os inputs em outputs. Os principais recursos utilizados pelas empresas são os materiais, humanos, financeiros e de informação. Esses 0empresa no mercado.

15 1. O que são recursos? 2. Explique o processo de transformação de recursos. 3. Como as pessoas contribuem para que os objetivos das empresas sejam alcançados? 4. Cite as principais operações realizadas com os recursos materiais. 5. Qual a principal diferença entre capital próprio e capital de terceiros? 6. Explique a importância do conhecimento das novas tecnologias da informação para os administradores de empresas. Referências GITMAN, Lawrence J. Princípios de administração financeira. 10. ed. São Paulo: Addison Wesley, MAXIMIANO, Antonio Cesar Amaru. Introdução à administração. ed. compacta. São Paulo: Atlas, SLACK, Nigel et al. Administração da produção. ed.compacta. São Paulo: Atlas, 2007.

16 Anotações

17 Anotações

18 Anotações

19

20 Capítulo 2 Você verá por aqui... REVISÃO Na aula anterior, vimos quais recursos movimentam as atividades das empresas. Agora, vamos estudar como os administradores organizam as atividades desenvolvidas para atingir os objetivos de produção, vendas e resultados. Compreender o modo como é organizada a estrutura de uma empresa. Identificar os diferentes modelos de departamentalização. Objetivo Verificar as situações a que se aplicam os critérios de departamentalização.

21 Para começo de conversa... REVISÃO A administração é universal. Essa afirmação está correta porque os princípios e técnicas administrativas podem ser aplicados em qualquer empresa. Mas e com relação às empresas? Todas são iguais? Refl ita um pouco sobre essa questão observando o ambiente de duas empresas, mostradas nas figuras a seguir.

22 Processo de departamentalização de empresas comerciais Para começarmos os estudos sobre departamentalização, vamos nos colocar como empresários. Imagine que você está com todos os recursos necessários para abrir o seu próprio negócio e que você é o único proprietário e administrador. Inicialmente, a sua empresa era de pequeno porte, pois você conseguiu levantar pouco capital. Foi escolhido como ramo de atividade o têxtil, sendo confeccionadas e vendidas roupas masculinas e femininas. Para tanto, foram contratadas três costureiras e uma secretária. No início, a produção estava de acordo com o que o mercado exigia e sua empresa começou a apresentar resultados favoráveis. A demanda,, ou seja, a procura pelos produtos fabricados, começou a aumentar e seus quatro funcionários já não conseguiam atender todos os pedidos. Você decide então que é hora de expandir o negócio. São compradas novas máquinas e contratadas mais duas pessoas para a produção, a fim de aumentar a produtividade e, assim, atender a demanda do mercado. Você deve imaginar que agora você terá mais trabalho para controlar o desempenho da sua equipe, já que ela está aumentando. Chegará a um ponto em que você terá uma equipe muito grande para ser administrada por apenas uma pessoa. Imagine se sua empresa se tornasse um sucesso de mercado e ela crescesse a ponto de você vender dezenas de produtos diferentes, possuir centenas de máquinas em operação, empregar mais de mil funcionários e atender diferentes regiões do país... Você conseguiria dar conta de tanto trabalho sozinho? REVISÃO Certamente que sua resposta é Não!, pois no instante em que a empresa se tornar de maior porte, você terá que contratar novos funcionários que façam o trabalho de gerenciamento dos diferentes grupos de trabalho que surgirão. Para solucionar essa situação, teremos que dividir todas as tarefas que são realizadas na empresa em blocos de trabalho chamados departamentos. Cada departamento fi cará encarregado de cuidar de atividades específi cas que serão desenvolvidas por um grupo de trabalho. A escolha das tarefas que serão desenvolvidas pelos departamentos é baseada em critérios de departamentalização. Desse modo, pode-se conceituar departamentalização como sendo a atividade de atribuir tarefas e de especializar os grupos de trabalho da organização. Por exemplo, quem cuida do capital da empresa é o Departamento Financeiro, enquanto que a gestão de pessoas é realizada pelo Departamento de Recursos Humanos. Cada um tem uma especialidade diferente, funcionários especializados em determinada atividade e trabalham com a gestão de recursos distintos. Demanda Procura e compra dos produtos ou serviços ofertados pela empresa no mercado. Controlar Acompanhamento das ações desenvolvidas na empresa a fim de verificar se estão sendo realizadas de acordo com o planejamento. Tarefas Atividades desenvolvidas sob a responsabilidade dos funcionários de uma empresa. Departamento Unidade de trabalho administrativa responsável pela realização de atividades específicas. Critérios de departamentalização Unidade de trabalho administrativa responsável pela realização de atividades específicas. Departamentalização Atividade de atribuir tarefas e especializar os grupos de trabalho da empresa.

23 Os critérios de departamentalização mais comuns de serem adotados pelas empresas comerciais são: por função, por território, por produto e por cliente. Praticando... Relacione a primeira coluna com a segunda (1) Departamento (2) Critério de departamentalização (3) Departamentalização 1 ( ) Atividade de atribuir tarefas e de especializar os grupos de trabalho da organização. ( ) Unidade de trabalho administrativa responsável pela realização de tarefas específicas. ( ) Elementos considerados na escolha das tarefas que serão realizadas pelos departamentos. REVISÃO Departamentalização por função (Organização funcional) Ao visitar uma empresa você deve ter percebido que muitas vezes há placas nas portas que indicam a equipe de trabalho que se encontra em cada sala. Se você estivesse indo a uma empresa para deixar um currículo para uma seleção, certamente que você iria procurar a sala do Departamento de Recursos Humanos, pois nesse local fi ca a equipe de trabalho responsável pelos processos seletivos e de contratação de pessoal.

24 De acordo com o problema que você tenha que resolver junto à empresa, você irá entrar na sala do departamento que trabalha com aquela atividade determinada. Essa forma de organizar a estrutura de departamentos da empresa é chamada de Funcional. A departamentalização funcional consiste em atribuir a cada uma das unidades de trabalho a responsabilidade por uma função exercida na empresa operações, marketing, finanças, recursos humanos e assim por diante. PRODUÇÃO ADMINISTRAÇÃO LOGÍSTICA MARKETING FINANÇAS RECURSOS HUMANOS Figura 1 Departamentalização por função Fonte: Maximiano (2008). Você pode observar, pela figura anterior, que na estrutura organizacional que segue a departamentalização funcional, há um administrador principal que comanda o conjunto de atividades e, logo abaixo, cada integrante do primeiro escalão na hierarquia é responsável por uma determinada função: produção, logística, marketing, finanças ou recursos humanos. REVISÃO Esse estilo de departamentalização é ideal para as seguintes empresas: Departamentalização Funcional Critério de departamentalização que atribui a cada uma das unidades de trabalho a responsabilidade por uma função exercida na empresa. Pequeno porte: essas empresas têm um número reduzido de funcionários e de atividades a serem organizadas, podendo usar uma estrutura simples e funcional, como é o caso de um restaurante self-service que vende comida em uma pequena cidade do interior. Fornecem apenas um produto ou serviço: essas empresas fabricam apenas um produto ou prestam um serviço a um determinado grupo de clientes, que são poucos ou vivem em uma região específi ca, a exemplo de um salão de beleza voltado apenas para mulheres. É importante lembrar que em todos os tipos de estrutura, as funções sempre estão presentes. Os demais critérios de departamentalização são originados desse modelo fundamental, diferenciando-se apenas no que diz respeito ao elemento que será utilizado para a classificação, que pode ser o Território, os Produtos ou os Clientes.

25 Departamentalização por território (Organização territorial) Muitas vezes, quando compramos um produto, ele vem com a expressão Made in China, que significa Feito na China, indicando onde o bem foi fabricado. Nem sempre as empresas que estão vendendo esses produtos têm sua sede na China. Tecnologia da Informação Conjunto de recursos destinados ao armazenamento, processamento e disseminação de informações, como as redes de computadores e a internet. Globalização Processo de integração econômica, política, cultural e social entre os diferentes países do mundo. Abertura dos mercados Permissão e facilitação da entrada de empresas estrangeiras em outros países, para fabricarem ou venderem os seus respectivos produtos no exterior. Várias empresas americanas e européias, principalmente, têm negócios espalhados por todo o mundo. Essas empresas costumam comprar matérias-primas de um lugar, fabricar o produto em outro país e vender a produção para outro continente. São empresas globais ou multinacionais. A venda da produção para outras regiões distantes surgiu com o desenvolvimento dos sistemas de transporte que permitem a movimentação de todo tipo de carga por caminhões, trens, navios, avião, etc. REVISÃO Figura 2 Vista área do Porto de Santos, no Brasil, considerado o maior porto da América Latina Outro fator que muito contribuiu para a comercialização de produtos e serviços em escala mundial foram os avanços na tecnologia da informação, a exemplo da internet e das grandes redes de computadores e de telecomunicações, que garantem uma comunicação rápida, segura e de qualidade em qualquer parte do mundo. Mas foram a globalização e a abertura dos mercados os principais impulsionadores do comércio internacional. Muitos países facilitaram os processos de importação e exportação de bens e serviços com outros países, tornando o mundo cada vez mais integrado comercialmente. Fonte: <http://www.revistaportuaria.com.br/arquivos/ noticia_ ed4bdd.jpg>. Acesso em: 23 set

26 As empresas que produzem e vendem em diferentes regiões normalmente adotam o critério territorial para realizar a departamentalização da empresa. Por esse modelo de estrutura organizacional, os administradores e funcionários de cada região tornam-se especialistas em seus respectivos territórios. É importante destacar que a departamentalização por território não é exclusividade das empresas multinacionais. Basta que a empresa atue em diferentes regiões (mesmo que seja em um mesmo país ou estado), que estará apta a adotar esse tipo de departamentalização, desde que essa forma de organização seja a melhor para atingir os objetivos da empresa. REGIÃO SUL REGIÃO SUDESTE ADMINISTRAÇÃO REGIÃO CENTRO- OESTE REGIÃO NORDESTE Figura 3 Departamentalização territorial REGIÃO NORTE Fonte: Maximiano (2008). Conforme você está observando no esquema acima, na departamentalização territorial há uma Administração Central, mas a empresa está dividida em departamentos especializados, cada um, em uma região geográfica do Brasil. Os gerentes da Região Nordeste tratam dos negócios da empresa nessa região, tornando-se responsáveis unicamente pelo desempenho da empresa no Nordeste brasileiro. O mesmo princípio se aplica aos demais departamentos. REVISÃO Departamentalização por produto (Organização por produto) Quando vamos ao supermercado, deparamos com uma grande quantidade de marcas e produtos diferentes. Muitas vezes temos produtos diferentes da mesma marca. Então, pode-se perceber que a maior parte das empresas não fabrica um único produto. Elas apostam em novidades para atrair os consumidores e ofertam muitos outros produtos diferentes, mas que estejam dentro do ramo de atuação da empresa.

27 As empresas que trabalham com vários produtos ou serviços, que apresentam diferenças claras entre si, podem realizar a departamentalização adotando esse critério. Assim, cada departamento tem responsabilidade e autoridade sobre as atividades desenvolvidas para comercializar um determinado produto ou serviço. Haverá outros departamentos que se responsabilizarão pelos outros produtos ou serviços da empresa. Departamentalização por produto Critério de departamentalização que atribui a cada uma das unidades de trabalho a responsabilidade por um tipo de produto ou serviço ofertado pela empresa no mercado em que atua. Departamentalização por cliente Critério de departamentalização que atribui a cada uma das unidades de trabalho a responsabilidade por um tipo de produto ou serviço ofertado pela empresa no mercado em que atua. PERFUMES ADMINISTRAÇÃO (EMPRESA DE COSMÉTICOS) SABONETES SHAMPOOS HIDRATANTES FILTRO SOLAR Figura 4 Departamentalização por produto Acima temos o exemplo de uma empresa fabricante de cosméticos que fez a sua departamentalização baseada na linha de produtos vendida. Esse critério segue a mesma noção dos critérios anteriormente explicados. Veja que cada produto terá uma equipe para gerenciá-lo. Essa forma de departamentalização permite que seja feito o planejamento, a fabricação e a distribuição dos diferentes produtos, por meio de uma equipe especializada no bem fabricado e vendido. Desse modo, os funcionários se tornam muito competentes no conhecimento dos produtos, seu modo de fabricação e suas aplicações. REVISÃO Departamentalização por cliente (Organização por cliente) Hoje em dia, as empresas não têm apenas um tipo de cliente. As pessoas, de um modo geral, têm necessidades distintas e buscam produtos ou serviços que as satisfaçam. Assim, as empresas precisam atender seu mercado considerando as características de seus diferentes consumidores. Por exemplo, você acredita que toda roupa satisfaz a necessidade de todos? A sua resposta certamente será Não!. Além do gosto, nem sempre o tamanho da roupa é compatível com o corpo do cliente. Uma roupa vendida na seção infantil provavelmente não servirá para um adulto. São clientes diferentes, com necessidades diferentes.

CURSO TÉCNICO EM OPERAÇÕES COMERCIAIS CONTABILIDADE. Sônia Maria de Araújo. Conceito e Formação do Patrimônio Inicial

CURSO TÉCNICO EM OPERAÇÕES COMERCIAIS CONTABILIDADE. Sônia Maria de Araújo. Conceito e Formação do Patrimônio Inicial CURSO TÉCNICO EM OPERAÇÕES COMERCIAIS 02 CONTABILIDADE Conceito e Formação do Patrimônio Inicial Sônia Maria de Araújo Governo Federal Ministério da Educação Projeto Gráfico Secretaria de Educação a Distância

Leia mais

CURSO TÉCNICO EM OPERAÇÕES COMERCIAIS CONTABILIDADE. Sônia Maria de Araújo. Classificação e função das contas

CURSO TÉCNICO EM OPERAÇÕES COMERCIAIS CONTABILIDADE. Sônia Maria de Araújo. Classificação e função das contas CURSO TÉCNICO EM OPERAÇÕES COMERCIAIS 06 CONTABILIDADE Classificação e função das contas Sônia Maria de Araújo Governo Federal Ministério da Educação Projeto Gráfico Secretaria de Educação a Distância

Leia mais

CURSO TÉCNICO EM OPERAÇÕES COMERCIAIS CONTABILIDADE. Sônia Maria de Araújo. Conceito, Débito, Crédito e Saldo. Maria Selma da Costa Cabral

CURSO TÉCNICO EM OPERAÇÕES COMERCIAIS CONTABILIDADE. Sônia Maria de Araújo. Conceito, Débito, Crédito e Saldo. Maria Selma da Costa Cabral CURSO TÉCNICO EM OPERAÇÕES COMERCIAIS 05 CONTABILIDADE Sônia Maria de Araújo Conceito, Débito, Crédito e Saldo Maria Selma da Costa Cabral Governo Federal Ministério da Educação Projeto Gráfico Secretaria

Leia mais

CURSO TÉCNICO EM OPERAÇÕES COMERCIAIS CONTABILIDADE. Sônia Maria de Araújo Maria Selma da Costa Cabral. Operações com mercadorias / Preço de vendas

CURSO TÉCNICO EM OPERAÇÕES COMERCIAIS CONTABILIDADE. Sônia Maria de Araújo Maria Selma da Costa Cabral. Operações com mercadorias / Preço de vendas CURSO TÉCNICO EM OPERAÇÕES COMERCIAIS 14 CONTABILIDADE Operações com mercadorias / Preço de vendas Sônia Maria de Araújo Maria Selma da Costa Cabral Governo Federal Ministério da Educação Projeto Gráfico

Leia mais

CURSO TÉCNICO EM OPERAÇÕES COMERCIAIS CONTABILIDADE. Sônia Maria de Araújo. Custos. Maria Selma da Costa Cabral

CURSO TÉCNICO EM OPERAÇÕES COMERCIAIS CONTABILIDADE. Sônia Maria de Araújo. Custos. Maria Selma da Costa Cabral CURSO TÉCNICO EM OPERAÇÕES COMERCIAIS 13 CONTABILIDADE Sônia Maria de Araújo Custos Maria Selma da Costa Cabral Governo Federal Ministério da Educação Projeto Gráfico Secretaria de Educação a Distância

Leia mais

C U R S O T É C N I C O E M S E G U R A N Ç A D O T R A B A L H O. matemática. Juros Compostos. Elizabete Alves de Freitas

C U R S O T É C N I C O E M S E G U R A N Ç A D O T R A B A L H O. matemática. Juros Compostos. Elizabete Alves de Freitas C U R S O T É C N I C O E M S E G U R A N Ç A D O T R A B A L H O 10 matemática Juros Compostos Elizabete Alves de Freitas Governo Federal Ministério da Educação Projeto Gráfico Secretaria de Educação

Leia mais

CURSO TÉCNICO EM OPERAÇÕES COMERCIAIS CONTABILIDADE. Sônia Maria de Araújo. Planos de Contas

CURSO TÉCNICO EM OPERAÇÕES COMERCIAIS CONTABILIDADE. Sônia Maria de Araújo. Planos de Contas CURSO TÉCNICO EM OPERAÇÕES COMERCIAIS 07 CONTABILIDADE Planos de Contas Sônia Maria de Araújo Governo Federal Ministério da Educação Projeto Gráfico Secretaria de Educação a Distância SEDIS EQUIPE SEDIS

Leia mais

CONTABILIDADE. Apuração e Contabilização de Lucro Bruto, Apuração e Contabilização das Provisões. Sônia Maria de Araújo Maria Selma da Costa Cabral

CONTABILIDADE. Apuração e Contabilização de Lucro Bruto, Apuração e Contabilização das Provisões. Sônia Maria de Araújo Maria Selma da Costa Cabral CURSO TÉCNICO EM OPERAÇÕES COMERCIAIS 12 CONTABILIDADE Apuração e Contabilização de Lucro Bruto, Apuração e Contabilização das Provisões Sônia Maria de Araújo Maria Selma da Costa Cabral Governo Federal

Leia mais

matemática Taxa de porcentagem e outros tópicos de matemática financeira Elizabete Alves de Freitas

matemática Taxa de porcentagem e outros tópicos de matemática financeira Elizabete Alves de Freitas C U R S O T É C N I C O E M S E G U R A N Ç A D O T R A B A L H O 08 matemática Taxa de porcentagem e outros tópicos de matemática financeira Elizabete Alves de Freitas Governo Federal Ministério da Educação

Leia mais

CONTABILIDADE. Atividades de lançamentos, razonetes e balancete. Sônia Maria de Araújo Maria Selma da Costa Cabral

CONTABILIDADE. Atividades de lançamentos, razonetes e balancete. Sônia Maria de Araújo Maria Selma da Costa Cabral CURSO TÉCNICO EM OPERAÇÕES COMERCIAIS 10 CONTABILIDADE Atividades de lançamentos, razonetes e balancete Sônia Maria de Araújo Maria Selma da Costa Cabral Governo Federal Ministério da Educação Projeto

Leia mais

INFORMÁTICA I. BrOffi ce Writer Mala Direta e Etiqueta. Raimundo Nonato Camelo Parente

INFORMÁTICA I. BrOffi ce Writer Mala Direta e Etiqueta. Raimundo Nonato Camelo Parente C U R S O T É C N I C O E M O P E R A Ç Õ E S C O M E R C I A I S 13 INFORMÁTICA I BrOffi ce Writer Mala Direta e Etiqueta Raimundo Nonato Camelo Parente Governo Federal Ministério da Educação Projeto

Leia mais

CURSO TÉCNICO EM OPERAÇÕES COMERCIAIS CONTABILIDADE. Balancete de verificação. Sônia Maria de Araújo

CURSO TÉCNICO EM OPERAÇÕES COMERCIAIS CONTABILIDADE. Balancete de verificação. Sônia Maria de Araújo CURSO TÉCNICO EM OPERAÇÕES COMERCIAIS 09 CONTABILIDADE Balancete de verificação Sônia Maria de Araújo Governo Federal Ministério da Educação Projeto Gráfico Secretaria de Educação a Distância SEDIS EQUIPE

Leia mais

EMPREENDEDORISMO NO AGRONEGÓCIO

EMPREENDEDORISMO NO AGRONEGÓCIO CURSO TÉCNICO EM PESCA 05 EMPREENDEDORISMO NO AGRONEGÓCIO Cadeia produtiva da pesca/aquicultura e Arranjos Produtivos Locais Soniamar Zschornack Rodrigues Saraiva Governo Federal Ministério da Educação

Leia mais

BrOffice Calc Inserindo Funções

BrOffice Calc Inserindo Funções C U R S O T É C N I C O E M S E G U R A N Ç A D O T R A B A L H O 14 Informática BrOffice Calc Inserindo Funções Raimundo Nonato Camelo Parente Governo Federal Ministério da Educação Projeto Gráfico Secretaria

Leia mais

C U R S O T É C N I C O E M O P E R A Ç Õ E S C O M E R C I A I S INFORMÁTICA I. BrOffi ce Impress terceira parte. Raimundo Nonato Camelo Parente

C U R S O T É C N I C O E M O P E R A Ç Õ E S C O M E R C I A I S INFORMÁTICA I. BrOffi ce Impress terceira parte. Raimundo Nonato Camelo Parente C U R S O T É C N I C O E M O P E R A Ç Õ E S C O M E R C I A I S 08 INFORMÁTICA I BrOffi ce Impress terceira parte Raimundo Nonato Camelo Parente Governo Federal Ministério da Educação Projeto Gráfico

Leia mais

CURSO TÉCNICO EM ADMINISTRAÇÃO. Contabilidade. Origem da Contabilidade. Sônia Maria de Araújo

CURSO TÉCNICO EM ADMINISTRAÇÃO. Contabilidade. Origem da Contabilidade. Sônia Maria de Araújo CURSO TÉCNICO EM ADMINISTRAÇÃO 01 Contabilidade Origem da Contabilidade Sônia Maria de Araújo Governo Federal Ministério da Educação Projeto Gráfico Secretaria de Educação a Distância SEDIS equipe sedis

Leia mais

FUNDAMENTOS E PRÁTICAS NA EAD

FUNDAMENTOS E PRÁTICAS NA EAD CURSO TÉCNICO EM SEGURANÇA DO TRABALHO 03 FUNDAMENTOS E PRÁTICAS NA EAD O que é Educação a Distância Artemilson Alves de Lima Governo Federal Ministério da Educação Projeto Gráfico Secretaria de Educação

Leia mais

C U R S O T É C N I C O E M S E G U R A N Ç A D O T R A B A L H O. matemática. Moeda, câmbio e conversões monetárias. Elizabete Alves de Freitas

C U R S O T É C N I C O E M S E G U R A N Ç A D O T R A B A L H O. matemática. Moeda, câmbio e conversões monetárias. Elizabete Alves de Freitas C U R S O T É C N I C O E M S E G U R A N Ç A D O T R A B A L H O 07 matemática Moeda, câmbio e conversões monetárias Elizabete Alves de Freitas Governo Federal Ministério da Educação Projeto Gráfico Secretaria

Leia mais

CURSO TÉCNICO EM OPERAÇÕES COMERCIAIS CONTABILIDADE. Escrituração e o Método das Partidas Dobradas. Sônia Maria de Araújo

CURSO TÉCNICO EM OPERAÇÕES COMERCIAIS CONTABILIDADE. Escrituração e o Método das Partidas Dobradas. Sônia Maria de Araújo CURSO TÉCNICO EM OPERAÇÕES COMERCIAIS 08 CONTABILIDADE Escrituração e o Método das Partidas Dobradas Sônia Maria de Araújo Governo Federal Ministério da Educação Projeto Gráfico Secretaria de Educação

Leia mais

Empreendedorismo no Agronegócio

Empreendedorismo no Agronegócio C U R S O T É C N I C O E M P E S C A 07 Empreendedorismo no Agronegócio Planejando uma Pesquisa de Mercado Soniamar Zschornack Rodrigues Saraiva Governo Federal Ministério da Educação Projeto Gráfico

Leia mais

Empreendedorismo no Agronegócio

Empreendedorismo no Agronegócio CURSO TÉCNICO EM PESCA 09 Empreendedorismo no Agronegócio O que é Marketing? Soniamar Zschornack Rodrigues Saraiva Governo Federal Ministério da Educação Projeto Gráfico Secretaria de Educação a Distância

Leia mais

XVI SEMINÁRIO DE PESQUISA DO CCSA ISSN 1808-6381

XVI SEMINÁRIO DE PESQUISA DO CCSA ISSN 1808-6381 GESTÃO DE PESSOAS APLICADA ÀS UNIDADES DE INFORMAÇÃO 1 Mailza Paulino de Brito e Silva Souza 2 Sandra Pontual da Silva 3 Sara Sunaria Almeida da Silva Xavier 4 Orientadora: Profª M.Sc. Luciana Moreira

Leia mais

C U R S O T É C N I C O E M S E G U R A N Ç A D O T R A B A L H O. matemática. Função: definição, domínio e imagem. Elizabete Alves de Freitas

C U R S O T É C N I C O E M S E G U R A N Ç A D O T R A B A L H O. matemática. Função: definição, domínio e imagem. Elizabete Alves de Freitas C U R S O T É C N I C O E M S E G U R A N Ç A D O T R A B A L H O 11 matemática Função: definição, domínio e imagem Elizabete Alves de Freitas Governo Federal Ministério da Educação Projeto Gráfico Secretaria

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO PLANEJAMENTO GERENCIAL: UM ESTUDO DE CASO EM UMA PEQUENA EMPRESA DO SETOR AGRONEGÓCIO NO MUNICÍPIO DE BAMBUÍ/MG.

A IMPORTÂNCIA DO PLANEJAMENTO GERENCIAL: UM ESTUDO DE CASO EM UMA PEQUENA EMPRESA DO SETOR AGRONEGÓCIO NO MUNICÍPIO DE BAMBUÍ/MG. Bambuí/MG - 2008 A IMPORTÂNCIA DO PLANEJAMENTO GERENCIAL: UM ESTUDO DE CASO EM UMA PEQUENA EMPRESA DO SETOR AGRONEGÓCIO NO MUNICÍPIO DE BAMBUÍ/MG. Ana Cristina Teixeira AMARAL (1); Wemerton Luis EVANGELISTA

Leia mais

Administração das Operações Produtivas

Administração das Operações Produtivas UNIP UNIVERSIDADE PAULISTA ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS Administração das Operações Produtivas Prof. Rodolpho Antonio Mendonça WILMERS São Paulo 2011 Administração das Operações Produtivas Introdução Nada

Leia mais

C U R S O T É C N I C O E M S E G U R A N Ç A D O T R A B A L H O. matemática. Regra de três. Elizabete Alves de Freitas

C U R S O T É C N I C O E M S E G U R A N Ç A D O T R A B A L H O. matemática. Regra de três. Elizabete Alves de Freitas C U R S O T É C N I C O E M S E G U R A N Ç A D O T R A B A L H O 02 matemática Regra de três Elizabete Alves de Freitas Governo Federal Ministério da Educação Projeto Gráfico Secretaria de Educação a

Leia mais

FUNDAMENTOS E PRÁTICAS NA EAD

FUNDAMENTOS E PRÁTICAS NA EAD CURSO TÉCNICO EM SEGURANÇA DO TRABALHO 06 FUNDAMENTOS E PRÁTICAS NA EAD Professores, Tutores e Alunos de Educação a Distância Artemilson Alves de Lima Governo Federal Ministério da Educação Projeto Gráfico

Leia mais

SISTEMAS DE NEGÓCIOS B) INFORMAÇÃO GERENCIAL

SISTEMAS DE NEGÓCIOS B) INFORMAÇÃO GERENCIAL 1 SISTEMAS DE NEGÓCIOS B) INFORMAÇÃO GERENCIAL 1. SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GERENCIAL (SIG) Conjunto integrado de pessoas, procedimentos, banco de dados e dispositivos que suprem os gerentes e os tomadores

Leia mais

Sistemas de Informações Transacionais SIT Sistemas de Informações Gerenciais SIG. Ana Clara Araújo Gomes da Silva araujo.anaclara@gmail.

Sistemas de Informações Transacionais SIT Sistemas de Informações Gerenciais SIG. Ana Clara Araújo Gomes da Silva araujo.anaclara@gmail. Sistemas de Informações Transacionais SIT Sistemas de Informações Gerenciais SIG Ana Clara Araújo Gomes da Silva araujo.anaclara@gmail.com Papéis fundamentais dos SI Os SI desempenham 3 papéis vitais em

Leia mais

Sistemas de Informação Gerencial SUPPLY CHAIN MANAGEMENT

Sistemas de Informação Gerencial SUPPLY CHAIN MANAGEMENT CIÊNCIAS CONTÁBEIS e ADMINISTRAÇÃO Sistemas de Informação Gerencial SUPPLY CHAIN MANAGEMENT maio/2014 APRESENTAÇÃO Em um ambiente onde a mudança é a única certeza e o número de informações geradas é desmedido,

Leia mais

capítulo 5 O CONTROLE FINANCEIRO DA ORGANIZAÇÃO Senhores, aqui estão os relatórios financeiros do ano passado. Podemos pagar nossas dívidas?

capítulo 5 O CONTROLE FINANCEIRO DA ORGANIZAÇÃO Senhores, aqui estão os relatórios financeiros do ano passado. Podemos pagar nossas dívidas? 22 capítulo 5 O CONTROLE FINANCEIRO DA ORGANIZAÇÃO A Contabilidade é o instrumento que as empresas usam para controlar suas finanças e operações. E os demonstrativos contábeis balanço patrimonial e demonstração

Leia mais

Organizando e administrando o negócio

Organizando e administrando o negócio NEGÓCIO CERTO COMO CRIAR E ADMINISTRAR BEM SUA EMPRESA Organizando e administrando o negócio Manual Etapa 4/Parte 1 Boas vindas! Olá, caro empreendedor! É um prazer estar com você nesta etapa de sua viagem

Leia mais

CAPITAL INTELECTUAL COMO VANTAGEM COMPETITIVA NAS ORGANIZAÇÕES EMPRESARIAIS

CAPITAL INTELECTUAL COMO VANTAGEM COMPETITIVA NAS ORGANIZAÇÕES EMPRESARIAIS CAPITAL INTELECTUAL COMO VANTAGEM COMPETITIVA NAS ORGANIZAÇÕES EMPRESARIAIS Cesar Aparecido Silva 1 Patrícia Santos Fonseca 1 Samira Gama Silva 2 RESUMO O presente artigo trata da importância do capital

Leia mais

Informática. Configuração do sistema operacional e ferramenta de sistema. Raimundo Nonato Camelo Parente

Informática. Configuração do sistema operacional e ferramenta de sistema. Raimundo Nonato Camelo Parente C U R S O T É C N I C O E M S E G U R A N Ç A D O T R A B A L H O 04 Informática Configuração do sistema operacional e ferramenta de sistema Raimundo Nonato Camelo Parente Governo Federal Ministério da

Leia mais

FACULDADE PITÁGORAS DISCIPLINA: FUNDAMENTOS DA ADMINISTRAÇÃO

FACULDADE PITÁGORAS DISCIPLINA: FUNDAMENTOS DA ADMINISTRAÇÃO FACULDADE PITÁGORAS DISCIPLINA: FUNDAMENTOS DA ADMINISTRAÇÃO Prof. Ms. Carlos José Giudice dos Santos carlos@oficinadapesquisa.com.br www.oficinadapesquisa.com.br Organizações Nenhuma organização existe

Leia mais

Administração e Gestão de Pessoas

Administração e Gestão de Pessoas Administração e Gestão de Pessoas Aula Gestão de Pessoas Prof.ª Marcia Aires www.marcia aires.com.br mrbaires@gmail.com Percepção x trabalho em equipe GESTÃO DE PESSOAS A Gestão de Pessoas é responsável

Leia mais

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS. Turno/Horário Noturno PROFESSOR: Salomão Soares AULAS Apostila nº.

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS. Turno/Horário Noturno PROFESSOR: Salomão Soares AULAS Apostila nº. Disciplina Contabilidade e Sistemas de Custos CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS TURMA 5º CCN Turno/Horário Noturno PROFESSOR: Salomão Soares AULAS Apostila nº. 01 Introdução

Leia mais

EMPREENDEDORISMO NO AGRONEGÓCIO

EMPREENDEDORISMO NO AGRONEGÓCIO CURSO TÉCNICO EM PESCA 14 EMPREENDEDORISMO NO AGRONEGÓCIO Elaborando um Plano de Negócios: O plano financeiro Soniamar Zschornack Rodrigues Saraiva Governo Federal Ministério da Educação Projeto Gráfico

Leia mais

Coleção ajuda no sucesso profissional

Coleção ajuda no sucesso profissional COLEÇÃO Unic Josafá Vilarouca Renata Tomasetti (11) 5051-6639 josafa@unicbuilding.com.br renata@unicbuilding.com.br Coleção ajuda no sucesso profissional Série lançada pela Publifolha possui 36 títulos,

Leia mais

VERSÃO DO PROFESSOR INFORMÁTICA. BrOffi ce Impress primeira parte. Raimundo Nonato Camelo Parente

VERSÃO DO PROFESSOR INFORMÁTICA. BrOffi ce Impress primeira parte. Raimundo Nonato Camelo Parente Material APROVADO (conteúdo e imagens) Data: / / Nome: VERSÃO DO C U R S O T É C N I C O E M S E G U R A N Ç A D O T R A B A L H O 06 INFORMÁTICA BrOffi ce Impress primeira parte Raimundo Nonato Camelo

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL

A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL Aldemar Dias de Almeida Filho Discente do 4º ano do Curso de Ciências Contábeis Faculdades Integradas de Três Lagoas AEMS Élica Cristina da

Leia mais

1. INTRODUÇÃO SISTEMA INTEGRADO DE CONTABILIDADE

1. INTRODUÇÃO SISTEMA INTEGRADO DE CONTABILIDADE 1. INTRODUÇÃO A contabilidade foi aos poucos se transformando em um importante instrumento para se manter um controle sobre o patrimônio da empresa e prestar contas e informações sobre gastos e lucros

Leia mais

Aula 15. Tópicos Especiais I Sistemas de Informação. Prof. Dr. Dilermando Piva Jr.

Aula 15. Tópicos Especiais I Sistemas de Informação. Prof. Dr. Dilermando Piva Jr. 15 Aula 15 Tópicos Especiais I Sistemas de Informação Prof. Dr. Dilermando Piva Jr. Site Disciplina: http://fundti.blogspot.com.br/ Conceitos básicos sobre Sistemas de Informação Conceitos sobre Sistemas

Leia mais

COMO A GIR NA CRI $E 1

COMO A GIR NA CRI $E 1 1 COMO AGIR NA CRI$E COMO AGIR NA CRISE A turbulência econômica mundial provocada pela crise bancária nos Estados Unidos e Europa atingirá todos os países do mundo, com diferentes níveis de intensidade.

Leia mais

Plataforma da Informação. Finanças

Plataforma da Informação. Finanças Plataforma da Informação Finanças O que é gestão financeira? A área financeira trata dos assuntos relacionados à administração das finanças das organizações. As finanças correspondem ao conjunto de recursos

Leia mais

Ficha Técnica 2015 Mania de Empreender Informações e Contatos

Ficha Técnica 2015 Mania de Empreender Informações e Contatos FORMAR SEU PREÇO Ficha Técnica 2015 Mania de Empreender TODOS OS DIREITOS RESERVADOS Não é permitida a reprodução total ou parcial de qualquer forma ou por qualquer meio. Informações e Contatos Mania de

Leia mais

C U R S O T É C N I C O E M O P E R A Ç Õ E S C O M E R C I A I S INFORMÁTICA I. Raimundo Nonato Camelo Parente. BrOffice Impress primeira parte

C U R S O T É C N I C O E M O P E R A Ç Õ E S C O M E R C I A I S INFORMÁTICA I. Raimundo Nonato Camelo Parente. BrOffice Impress primeira parte C U R S O T É C N I C O E M O P E R A Ç Õ E S C O M E R C I A I S 06 INFORMÁTICA I BrOffice Impress primeira parte Raimundo Nonato Camelo Parente Governo Federal Ministério da Educação Projeto Gráfico

Leia mais

1 - Por que a empresa precisa organizar e manter sua contabilidade?

1 - Por que a empresa precisa organizar e manter sua contabilidade? Nas atividades empresariais, a área financeira assume, a cada dia, funções mais amplas de coordenação entre o operacional e as expectativas dos acionistas na busca de resultados com os menores riscos.

Leia mais

Tecnologias e Sistemas de Informação

Tecnologias e Sistemas de Informação Universidade Federal do Vale do São Francisco Curso de Administração Tecnologia e Sistemas de Informação - 02 Prof. Jorge Cavalcanti jorge.cavalcanti@univasf.edu.br www.univasf.edu.br/~jorge.cavalcanti

Leia mais

INTRODUÇÃO A ECONOMIA AULA 01 : CONCEITOS BÁSICOS TÓPICO 01: FUNDAMENTOS DE ECONOMIA MULTIMÍDIA Ligue o som do seu computador! OBS.: Alguns recursos de multimídia utilizados em nossas aulas, como vídeos

Leia mais

Ana Claudia M. dos SANTOS 1 Edson Leite Lopes GIMENEZ 2

Ana Claudia M. dos SANTOS 1 Edson Leite Lopes GIMENEZ 2 O desempenho do processo de recrutamento e seleção e o papel da empresa neste acompanhamento: Um estudo de caso na Empresa Ober S/A Indústria E Comercio Ana Claudia M. dos SANTOS 1 Edson Leite Lopes GIMENEZ

Leia mais

TÍTULO: O PAPEL DA LIDERANÇA NA MOTIVAÇÃO DENTRO DO AMBIENTE ORGANIZACIONAL UM ESTUDO NA EMPRESA VISÃO DIGITAL 3D E-COMMERCE

TÍTULO: O PAPEL DA LIDERANÇA NA MOTIVAÇÃO DENTRO DO AMBIENTE ORGANIZACIONAL UM ESTUDO NA EMPRESA VISÃO DIGITAL 3D E-COMMERCE TÍTULO: O PAPEL DA LIDERANÇA NA MOTIVAÇÃO DENTRO DO AMBIENTE ORGANIZACIONAL UM ESTUDO NA EMPRESA VISÃO DIGITAL 3D E-COMMERCE CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO

Leia mais

INTRODUÇÃO À GESTÃO DE PESSOAS Comparativo entre idéias

INTRODUÇÃO À GESTÃO DE PESSOAS Comparativo entre idéias FACULDADE GOVERNADOR OZANAM COELHO PÓS-GRADUAÇÃO EM GESTÃO DE PESSOAS INTRODUÇÃO À GESTÃO DE PESSOAS Comparativo entre idéias ALINE GUIDUCCI UBÁ MINAS GERAIS 2009 ALINE GUIDUCCI INTRODUÇÃO À GESTÃO DE

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO. Aula 02

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO. Aula 02 SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Aula 02 SOCIEDADE PÓS-INDUSTRIAL Valorização das características humanas; Querer Fazer (atitude, determinação, interesse); Saber como fazer (habilidade, técnica); Saber o que e porque

Leia mais

Finanças para Executivos Porque Educação Executiva Insper Cursos de Curta e Média Duração Educação Executiva

Finanças para Executivos Porque Educação Executiva Insper Cursos de Curta e Média Duração Educação Executiva 1 Porque Educação Executiva Insper A dinâmica do mundo corporativo exige profissionais multidisciplinares, capazes de interagir e formar conexões com diferentes áreas da empresa e entender e se adaptar

Leia mais

EMPREENDEDORISMO. Outubro de 2014

EMPREENDEDORISMO. Outubro de 2014 #5 EMPREENDEDORISMO Outubro de 2014 ÍNDICE 1. Apresentação 2. Definição 3. Empreendedorismo: necessidade ou oportunidade? 4. Características do comportamento empreendedor 5. Cenário brasileiro para o empreendedorismo

Leia mais

Profa. Lenimar Vendruscolo Mery 2013 APOSTILA DE GESTÃO DE PESSOAS

Profa. Lenimar Vendruscolo Mery 2013 APOSTILA DE GESTÃO DE PESSOAS APOSTILA DE GESTÃO DE PESSOAS SUMÁRIO 1. O QUE SIGNIFICA GESTÃO DE PESSOAS... 3 2. PRINCIPAIS PROCESSOS DE GESTÃO DE PESSOAS... 3 3. O CONTEXTO DA GESTÃO DE PESSOAS... 4 4. EVOLUÇÃO DOS MODELOS DE GESTÃO...

Leia mais

Rotinas de DP- Professor: Robson Soares

Rotinas de DP- Professor: Robson Soares Rotinas de DP- Professor: Robson Soares Capítulo 2 Conceitos de Gestão de Pessoas - Conceitos de Gestão de Pessoas e seus objetivos Neste capítulo serão apresentados os conceitos básicos sobre a Gestão

Leia mais

Unidade II GESTÃO ESTRATÉGICA DE. Professora Ani Torres

Unidade II GESTÃO ESTRATÉGICA DE. Professora Ani Torres Unidade II GESTÃO ESTRATÉGICA DE RECURSOS HUMANOS Professora Ani Torres Gestão de Pessoas Conjunto de métodos, políticas,técnicas e práticas definidos com o objetivo de orientar o comportamento humano

Leia mais

AGENDA SEBRAE OFICINAS CURSOS PALESTRAS JUNHO A DEZEMBRO - 2015 GOIÂNIA. Especialistas em pequenos negócios. / 0800 570 0800 / sebraego.com.

AGENDA SEBRAE OFICINAS CURSOS PALESTRAS JUNHO A DEZEMBRO - 2015 GOIÂNIA. Especialistas em pequenos negócios. / 0800 570 0800 / sebraego.com. AGENDA SEBRAE OFICINAS CURSOS PALESTRAS JUNHO A DEZEMBRO - 2015 GOIÂNIA Especialistas em pequenos negócios. / 0800 570 0800 / sebraego.com.br COM O SEBRAE, O SEU NEGÓCIO VAI! O Sebrae Goiás preparou diversas

Leia mais

Universidade. Estácio de Sá. Gestão e Negócios

Universidade. Estácio de Sá. Gestão e Negócios Universidade Estácio de Sá Gestão e Negócios A Estácio Hoje reconhecida como a maior instituição particular de ensino superior do país, a Universidade Estácio de Sá iniciou suas atividades em 1970, como

Leia mais

Conceitos. - Sistema de Informação, Estruturas e Classificação. - Dados x Informações. Edson Almeida Junior www.edsonalmeidajunior.com.

Conceitos. - Sistema de Informação, Estruturas e Classificação. - Dados x Informações. Edson Almeida Junior www.edsonalmeidajunior.com. Conceitos - Sistema de Informação, Estruturas e Classificação - Dados x Informações Edson Almeida Junior www.edsonalmeidajunior.com.br Definição de Sistema Uma coleção de objetos unidos por alguma forma

Leia mais

Formar LÍDERES e equipes. Atrair e reter TALENTOS. www.grupovalure.com.br

Formar LÍDERES e equipes. Atrair e reter TALENTOS. www.grupovalure.com.br Formar LÍDERES e equipes. Atrair e reter TALENTOS. www.grupovalure.com.br www.grupovalure.com.br Estes são alguns dos grandes desafios da atualidade no mundo profissional e o nosso objetivo é contribuir

Leia mais

OS NEGÓCIOS LUCRO = VOLUME PRODUZIDO X PREÇO - CUSTO

OS NEGÓCIOS LUCRO = VOLUME PRODUZIDO X PREÇO - CUSTO OS NEGÓCIOS Odilio Sepulcri* INTRODUÇÃO A sobrevivência dos negócios, dentre outros fatores, se dará pela sua capacidade de gerar lucro. O lucro, para um determinado produto, independente da forma como

Leia mais

Apresentação. Quem Somos

Apresentação. Quem Somos Apresentação Quem Somos A UAI Tecnologia e Comunicação, nome fantasia da UAI Software LTDA., (que significa "Unidade de Apoio à Informação do Software") foi fundada em 19 de Março de 2004, por Luiz Gustavo

Leia mais

Unidade I FUNDAMENTOS DA GESTÃO. Prof. Jean Cavaleiro

Unidade I FUNDAMENTOS DA GESTÃO. Prof. Jean Cavaleiro Unidade I FUNDAMENTOS DA GESTÃO FINANCEIRA Prof. Jean Cavaleiro Introdução Definir o papel da gestão financeira; Conceitos de Gestão Financeira; Assim como sua importância na gestão de uma organização;

Leia mais

Administrando o Fluxo de Caixa

Administrando o Fluxo de Caixa Administrando o Fluxo de Caixa O contexto econômico do momento interfere no cotidiano das empresas, independente do seu tamanho mercadológico e, principalmente nas questões que afetam diretamente o Fluxo

Leia mais

ASSUNTO DA APOSTILA: SISTEMAS DE INFORMAÇÃO E AS DECISÕES GERENCIAIS NA ERA DA INTERNET

ASSUNTO DA APOSTILA: SISTEMAS DE INFORMAÇÃO E AS DECISÕES GERENCIAIS NA ERA DA INTERNET AULA 02 ASSUNTO DA APOSTILA: SISTEMAS DE INFORMAÇÃO E AS DECISÕES GERENCIAIS NA ERA DA INTERNET JAMES A. O BRIEN CAPÍTULO 01 continuação Páginas 03 à 25 1 COMPONENTES DE UM SISTEMA DE INFORMAÇÃO Especialistas

Leia mais

FACULDADE PITÁGORAS DISCIPLINA: FUNDAMENTOS DA ADMINISTRAÇÃO

FACULDADE PITÁGORAS DISCIPLINA: FUNDAMENTOS DA ADMINISTRAÇÃO FACULDADE PITÁGORAS DISCIPLINA: FUNDAMENTOS DA ADMINISTRAÇÃO Prof. Ms. Carlos José Giudice dos Santos carlos@oficinadapesquisa.com.br www.oficinadapesquisa.com.br Objetivo Geral da Disciplina: Compreender

Leia mais

GABARITO OFICIAL(preliminar)

GABARITO OFICIAL(preliminar) QUESTÃO RESPOSTA COMENTÁRIO E(OU) REMISSÃO LEGAL 051 A 052 A 053 A RECURSO Recrutar faz parte do processo de AGREGAR OU SUPRIR PESSOAS e é o ato de atrair candidatos para uma vaga (provisão). Treinar faz

Leia mais

Administração de Recursos Humanos

Administração de Recursos Humanos Administração de Recursos Humanos Profª Ma. Máris de Cássia Ribeiro Vendrame O que é a Administração de Recursos Humanos? Refere-se às práticas e às políticas necessárias para conduzir os aspectos relacionados

Leia mais

5 CCN 1 Apostila baseada exclusivamente na Obra de Clovis Luis Padoveze 1

5 CCN 1 Apostila baseada exclusivamente na Obra de Clovis Luis Padoveze 1 SISTEMAS DE INFORMAÇÕES CONTÁBEIS PROFESSOR Edmundo Tork APOSTILA 3 TURMA: EMPRESA E SISTEMA 5 CCN 1 Apostila baseada exclusivamente na Obra de Clovis Luis Padoveze 1 2 EMPRESA COMO SISTEMA E SEUS SUBSISTEMAS

Leia mais

MARKETING DE RELACIONAMENTO: UM ESTUDO DE CASO NO COMÉRCIO DE TRÊS LAGOAS

MARKETING DE RELACIONAMENTO: UM ESTUDO DE CASO NO COMÉRCIO DE TRÊS LAGOAS MARKETING DE RELACIONAMENTO: UM ESTUDO DE CASO NO COMÉRCIO DE TRÊS LAGOAS ADRIELI DA COSTA FERNANDES Aluna da Pós-Graduação em Administração Estratégica: Marketing e Recursos Humanos da AEMS PATRICIA LUCIANA

Leia mais

DEFENSORIA PÚBLICA DO ESTADO DE SERGIPE - ADMINISTRAÇÃO QUESTÕES

DEFENSORIA PÚBLICA DO ESTADO DE SERGIPE - ADMINISTRAÇÃO QUESTÕES QUESTÕES 01) A Administração recebeu influência da Filosofia e diversos filósofos gregos contribuíram para a Teoria da Administração. A forma democrática de administrar os negócios públicos é discutida

Leia mais

Ementa do MBA Executivo em Gestão Empresarial com ênfase em Locação de Equipamento Turma: SINDILEQ

Ementa do MBA Executivo em Gestão Empresarial com ênfase em Locação de Equipamento Turma: SINDILEQ Um jeito Diferente, Inovador e Prático de fazer Educação Corporativa Ementa do MBA Executivo em Gestão Empresarial com ênfase em Locação de Equipamento Turma: SINDILEQ Objetivo: Auxiliar o desenvolvimento

Leia mais

FUNDAMENTOS E PRÁTICAS NA EAD

FUNDAMENTOS E PRÁTICAS NA EAD CURSO TÉCNICO EM SEGURANÇA DO TRABALHO 02 FUNDAMENTOS E PRÁTICAS NA EAD As tecnologias da informação e da comunicação no nosso cotidiano Artemilson Alves de Lima Governo Federal Ministério da Educação

Leia mais

EVOLUÇÃO DO PENSAMENTO ADMINISTRATIVO

EVOLUÇÃO DO PENSAMENTO ADMINISTRATIVO EVOLUÇÃO DO PENSAMENTO ADMINISTRATIVO MÓDULO 3 - A organização O conceito fundamental para a administração é o de ORGANIZAÇÃO, uma vez que toda a aplicação administrativa vai ocorrer numa organização e

Leia mais

Visão Geral dos Sistemas de Informação

Visão Geral dos Sistemas de Informação Visão Geral dos Sistemas de Informação Existem muitos tipos de sistemas de informação no mundo real. Todos eles utilizam recursos de hardware, software, rede e pessoas para transformar os recursos de dados

Leia mais

A COORDENAÇÃO E A GESTÃO DE CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO: Um estudo de caso em faculdade privada RESUMO

A COORDENAÇÃO E A GESTÃO DE CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO: Um estudo de caso em faculdade privada RESUMO A COORDENAÇÃO E A GESTÃO DE CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO: Um estudo de caso em faculdade privada Wesley Antônio Gonçalves 1 RESUMO O MEC, ao apontar padrões de qualidade da função de coordenador de

Leia mais

EMPREENDEDORISMO Marketing

EMPREENDEDORISMO Marketing Gerenciando o Marketing EMPREENDEDORISMO Marketing De nada adianta fabricar um bom produto ou prestar um bom serviço. É preciso saber colocálo no mercado e conseguir convencer as pessoas a comprá-lo. O

Leia mais

Sistemas Empresariais. Capítulo 3: Sistemas de Negócios. Colaboração SPT SIG

Sistemas Empresariais. Capítulo 3: Sistemas de Negócios. Colaboração SPT SIG Capítulo 3: Sistemas de Negócios Colaboração SPT SIG Objetivos do Capítulo Explicar como os SI empresariais podem apoiar as necessidades de informação de executivos, gerentes e profissionais de empresas.

Leia mais

Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais

Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais Capítulo 3: Sistemas de Apoio Gerenciais Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais Objetivos do Capítulo Explicar como os SI empresariais podem apoiar as necessidades de informação de executivos,

Leia mais

Unidade I GESTÃO DE SUPRIMENTOS E LOGÍSTICA. Prof. Léo Noronha

Unidade I GESTÃO DE SUPRIMENTOS E LOGÍSTICA. Prof. Léo Noronha Unidade I GESTÃO DE SUPRIMENTOS E LOGÍSTICA Prof. Léo Noronha A administração de materiais A administração de materiais procura conciliar as necessidades de suprimentos com a otimização dos recursos financeiros

Leia mais

Gestão da Produção e Operações. Prof. Dr. José Carlos de Souza Lima Produção e Operações na Organização

Gestão da Produção e Operações. Prof. Dr. José Carlos de Souza Lima Produção e Operações na Organização Gestão da Produção e Operações Prof. Dr. José Carlos de Souza Lima Produção e Operações na Organização Objetivo Analisar a importância da função produção e operações nas organizações e sua hierarquia identificando

Leia mais

2015 Manual de Parceiro de Educação. Suas soluções. Nossa tecnologia. Mais inteligentes juntos.

2015 Manual de Parceiro de Educação. Suas soluções. Nossa tecnologia. Mais inteligentes juntos. 2015 Manual de Parceiro de Educação Suas soluções. Nossa tecnologia. Mais inteligentes juntos. Prêmios Reais, a Partir de Agora Bem-vindo ao Intel Technology Provider O Intel Technology Provider é um programa

Leia mais

Sejam Bem Vindos! Disciplina: Gestão de Pessoas 1 Prof. Patrício Vasconcelos. *Operários (1933) Tarsila do Amaral.

Sejam Bem Vindos! Disciplina: Gestão de Pessoas 1 Prof. Patrício Vasconcelos. *Operários (1933) Tarsila do Amaral. Sejam Bem Vindos! Disciplina: Gestão de Pessoas 1 Prof. Patrício Vasconcelos *Operários (1933) Tarsila do Amaral. A Função Administrativa RH É uma função administrativa compreendida por um conjunto de

Leia mais

Entendendo custos, despesas e preço de venda

Entendendo custos, despesas e preço de venda Demonstrativo de Resultados O empresário e gestor da pequena empresa, mais do que nunca, precisa dedicar-se ao uso de técnicas e instrumentos adequados de gestão financeira, para mapear a situação do empreendimento

Leia mais

Ementário do Curso de Administração Grade 2008-1 1 Administração da Produção I Fase: Carga Horária: Créditos: Ementa:

Ementário do Curso de Administração Grade 2008-1 1 Administração da Produção I Fase: Carga Horária: Créditos: Ementa: 1 da Produção I Ementário do Curso de Introdução à administração da produção; estratégias para definição do sistema de produção; estratégias para o planejamento do arranjo físico; técnicas de organização,

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DO RELACIONAMENTO COM O CLIENTE

ADMINISTRAÇÃO DO RELACIONAMENTO COM O CLIENTE ADMINISTRAÇÃO DO RELACIONAMENTO COM O CLIENTE Módulo 2 CLIENTES: DEFINIÇÕES E ENTENDIMENTOS Objetivo: Ao final desse módulo, você estará capacitado a termos, como: cliente, comprador, cliente final, consumidor,

Leia mais

PLANO DE NEGÓCIOS Faça você mesmo

PLANO DE NEGÓCIOS Faça você mesmo PLANO DE NEGÓCIOS Faça você mesmo INTRODUÇÃO É um instrumento que visa estruturar as principais concepções e alternativas para uma análise correta de viabilidade do negócio pretendido, proporcionando uma

Leia mais

Guia CARREIRAS E SALÁRIOS

Guia CARREIRAS E SALÁRIOS Guia CARREIRAS E SALÁRIOS em contabilidade Guia Carreiras e Salários Se você é gestor de alguma empresa contábil, está procurando melhorar sua posição profissional ou é dono de um escritório de contabilidade:

Leia mais

Gestão de Pessoas: Retrospectiva Histórica

Gestão de Pessoas: Retrospectiva Histórica Glaucia Falcone Fonseca O objetivo dessa aula é que você conheça as quatro grandes correntes existentes com relação ao tema gestão de pessoas. (Glaucia Falcone Fonseca) 1 Vimos na aula passada o que é

Leia mais

Gestão Estratégica de Estoques um Estudo em Grupo de Empresas do Setor de Móveis

Gestão Estratégica de Estoques um Estudo em Grupo de Empresas do Setor de Móveis Gestão Estratégica de Estoques um Estudo em Grupo de Empresas do Setor de Móveis Hélio José Reis Aguiar arthouse@hotmail.com Faculdade de Guaçuí Simone de Souza simones@ifes.edu.br IFES Guarapari Flávio

Leia mais

A pesquisa de campo foi realizada com questões para os núcleos administrativo, pessoal e acadêmico e procura explorar duas situações distintas:

A pesquisa de campo foi realizada com questões para os núcleos administrativo, pessoal e acadêmico e procura explorar duas situações distintas: 4 Pesquisa de campo Neste capitulo será apresentado o resultado dos questionários da pesquisa de campo que serviu para o estudo de caso. A coleta de dados será dividida em: Núcleo administrativo Núcleo

Leia mais

Professora Débora Dado. Prof.ª Débora Dado

Professora Débora Dado. Prof.ª Débora Dado Professora Débora Dado Prof.ª Débora Dado Planejamento das aulas 7 Encontros 19/05 Contextualizando o Séc. XXI: Equipes e Competências 26/05 Competências e Processo de Comunicação 02/06 Processo de Comunicação

Leia mais

ERP. Enterprise Resource Planning. Planejamento de recursos empresariais

ERP. Enterprise Resource Planning. Planejamento de recursos empresariais ERP Enterprise Resource Planning Planejamento de recursos empresariais O que é ERP Os ERPs em termos gerais, são uma plataforma de software desenvolvida para integrar os diversos departamentos de uma empresa,

Leia mais

E-Business global e colaboração

E-Business global e colaboração E-Business global e colaboração slide 1 2011 Pearson Prentice Hall. Todos os direitos reservados. 2.1 Copyright 2011 Pearson Education, Inc. publishing as Prentice Hall Objetivos de estudo Quais as principais

Leia mais

Clima organizacional e o desempenho das empresas

Clima organizacional e o desempenho das empresas Clima organizacional e o desempenho das empresas Juliana Sevilha Gonçalves de Oliveira (UNIP/FÊNIX/UNESP) - jsgo74@uol.com.br Mauro Campello (MC Serviços e Treinamento) - mcampello@yahoo.com Resumo Com

Leia mais

Palavras-Chave: Organizações, Colaboradores, Recursos, Gestão de Pessoas

Palavras-Chave: Organizações, Colaboradores, Recursos, Gestão de Pessoas DA ADMINISTRAÇÃO DE RECURSOS HUMANOS À GESTAO DE PESSOAS Josiane de C. Aparecida Lacerda 1, Renata Valentina Bigolotti 2, Nivaldo Carleto 3 1 Fatec-Taquaritinga. Gestão do Agronegócio. Taquaritinga-SP

Leia mais