Código de Ética move. Código de Ética em Consultoria e Pesquisa em Avaliação e Planejamento Estratégico da Move.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Código de Ética move. Código de Ética em Consultoria e Pesquisa em Avaliação e Planejamento Estratégico da Move."

Transcrição

1 Código de Ética move Código de Ética em Consultoria e Pesquisa em Avaliação e Planejamento Estratégico da Move.

2 o que é Este documento visa apresentar o conjunto de normas éticas que regem o trabalho da Move em avaliação e planejamento, nas atividades que envolvem funcionários, sócios, colaboradores e clientes. Sua construção está inspirada pela Resolução 196/96 do Conselho Nacional de Saúde sobre Pesquisa com Seres Humanos, pelo Estatuto da Criança e do Adolescente, pelos Standards for Program Evaluation e os Guiding Principles for Evaluators, da American Evaluation Association, e foi objeto de diálogo, pactuação e compromisso dos sócios e colaboradores da Move.

3 Art. 1º - A Move preza e promove relações e práticas éticas nas consultorias em que atua envolvendo avaliação, monitoramento e planejamento estratégico. Art. 2º - As normas estabelecidas neste documento devem ser seguidas por todos os profissionais que trabalham para e na Move com vistas a garantir a qualidade do trabalho, bem como o sigilo e a integridade de todos os envolvidos nas consultorias, sejam eles clientes, pesquisadores ou informantes das coletas de dados. Art. 3º - Toda e qualquer atividade de consultoria, inclusive no formato pro-bono, deve se pautar pelas normas aqui expressas. Art. 4º - As normas éticas devem ser respeitadas em todas as etapas da consultoria, englobando: I - a negociação e produção da proposta 1 ; II - execução da consultoria 2 e III - comunicação e publicização dos resultados envolvendo todos os tipos de atividades de consultoria. DISPOSIÇÕES GERAIS 1 - Esta etapa compreende as seguintes atividades: a) chegada da demanda; b) desenho da proposta; c) precificação; d) contratação. 2 - Esta etapa compreende as seguintes atividades: e) coleta de dados e informações em campo, f) produção de informações, g) análise dos materiais e das informações coletadas.

4 I NEGOCIAÇÃO E PRODUÇÃO DA PROPOSTA Art. 5º - Os processos de consultoria devem garantir relações calcadas na honestidade e integridade dos envolvidos possibilitando: I. negociar honestamente com os clientes e atores envolvidos os custos, atividades, limitações metodológicas e escopo de resultados. II. esclarecer o cliente dos possíveis conflitos de interesse que possam surgir ou tornarem-se visíveis em decorrência da consultoria, apoiando-o na melhor tomada de decisão quanto aos seus investimentos. III. declinar de conduzir uma consultoria se o processo não trouxer avanços para a organização ou se eles não necessitarem da intervenção solicitada. IV. sempre comunicar de forma clara e inteligível o andamento da consultoria, assim como os detalhes necessários para o entendimento, interpretação e crítica do trabalho a ser realizada pela pelo cliente. Art. 6º - As informações de clientes e organizações terão seu sigilo preservado não havendo a divulgação de qualquer informações que possa prejudica-los. II EXECUÇÃO DA CONSULTORIA Art. 7º - A execução da consultoria deve garantir a segurança e a dignidade dos clientes e quaisquer outros envolvidos no processo de consultoria. Art. 8º - A coleta de dados e informações deve respeitar as seguintes orientações: I. garantir entrevistas junto a uma variedade representativa de atores que pertençam ou participam de projetos e organizações, a fim de que a consultoria tenha elementos para triangular informações e evitar análises unilaterais. II. construir com o cliente formas de comunicar ao público participante da coleta de informações os resultados da avaliação, sempre objetivando democratizar os processos avaliativos e colaborar para a auto reflexão de instituições e pessoas. III. diferenças culturais, físicas e subjetivas, tais como religião, gênero, deficiências físicas e mentais, idade, orientação sexual e cor/raça/etnia dos participantes das coletas de informações exigem a construção de instrumentos e dispositivos que os respeitem. Art. 9º - A participação nas atividades de coleta de informações, sejam elas imagens, questionários, entrevistas, é voluntária em qualquer etapa da pesquisa e deve ocorrer somente após o consentimento livre e esclarecido dos sujeitos, indivíduos ou grupos envolvidos, respeitando as seguintes orientações: I. a livre participação dos sujeitos também deve contemplar menores de 18 anos, garantindo, inclusive, o direito das crianças pequenas não participarem das atividades propostas. II. quaisquer atividades de coleta de dados, informações e imagens com menores de 18 anos deverá ser expressamente autorizada pelos seus responsáveis legais. III. pesquisas realizadas no interior de instituições escolares, de saúde, assistência social, segurança pública e espaços privados e públicos que tenham circulação restrita devem ser previamente autorizadas pelos responsáveis destas instituições.

5 Art. 10º - Os Termos de Consentimento Informado e os instrumentos de coleta de dados devem explicitar: IV. o nome do programa, projeto, política ou cliente contratante; V. a justificativa, os objetivos e os procedimentos de pesquisa; VI. o período da coleta de dados e informações; VII. o nome e contato dos responsáveis pela consultoria; VIII. potenciais riscos e danos aos participantes. IX. nos casos de participantes não alfabetizados, devem ser utilizadas outras maneiras que permitam sua aprovação, como impressões digitais ou gravações orais afirmando sua concordância. X. o sigilo e a privacidade dos sujeitos quanto a seus dados confidenciais, garantindo que os respondentes não terão seu nome divulgado e nem vinculado a nenhuma informação além do que estiver expresso no Termo de Consentimento Informado. XI. as possíveis formas de ressarcimento das despesas decorrentes da participação na pesquisa. Art. 11º - O armazenamento de materiais e documentos tais como questionários, entrevistas, grupos focais etc., deverá respeitar um tempo mínimo conforme o seu tipo e importância. Com base nesses critérios definimos os seguintes prazos: I. materiais impressos devem permanecer arquivados por até 2 anos após a consultoria ser considerada encerrado. II. materiais digitais, tais como áudios, fotografias, transcrições e relatórios de campo devem ser arquivados por até 3 anos após a consultoria ser considerada encerrada. III. relatórios finais e infográficos no formato digital devem ser arquivados indefinidamente, sendo tomados como materiais do acervo da Move. V COMUNICAÇÃO E PUBLICIZAÇÃO DOS RESULTADOS Art. 12º - A fim de fortalecer as práticas de avaliação, monitoramento e planejamento estratégico no Brasil, a Move reafirma seu compromisso com a disseminação do conhecimento através de artigos, seminários e entrevistas que tenham sido resultados de suas consultorias. Art. 13º - Os clientes serão sempre consultados a respeito do uso de conteúdos das consultorias e logos para a produção de artigos, papers, capítulos em revistas e livros, entrevistas, relatórios externos e internos, pôster e outros materiais de comunicação. Art. 14º - Quando os conteúdos metodológicos e de resultados das consultorias forem divulgados nos espaços de disseminação de conhecimento a Move estará isenta a pagar qualquer taxa, patente ou royats relativo a divulgação, estando unicamente obrigada a obter a autorização do cliente para sua divulgação. O presente Código de Ética da Move entra em vigor na sua primeira versão em 1º de janeiro de 2015.

6 Fale com a move facebook.com/movesocial Código de Ética Move Rua Cardoso de Almeida, 2101 São Paulo - SP Tel

REGULAMENTO DO COMITÊ DE ÉTICA EM PESQUISA

REGULAMENTO DO COMITÊ DE ÉTICA EM PESQUISA REGULAMENTO DO COMITÊ DE ÉTICA EM PESQUISA TÍTULO I DA NATUREZA E FINALIDADE Art. 1º - O Comitê de Ética em Pesquisa da Faculdade Unida de Vitória CEP/FACULDADE UNIDA, reger-se-á pelo presente Regulamento,

Leia mais

Documentos Necessários ao Protocolo de Pesquisa

Documentos Necessários ao Protocolo de Pesquisa Documentos Necessários ao Protocolo de Pesquisa 3. PROTOCOLO DE PESQUISA 3.1) Protocolo de pesquisa: é o conjunto de documentos, que pode ser variável a depender do tema, incluindo o projeto, e que apresenta

Leia mais

ÉTICA E PESQUISA. Ética e Pesquisa

ÉTICA E PESQUISA. Ética e Pesquisa ÉTICA E PESQUISA Diretrizes e Normas Regulamentadoras de Pesquisas Envolvendo Seres Humanos Conselho Nacional de Saúde Resolução 196/96 ASPECTOS ÉTICOS DA PESQUISA ENVOLVENDO SERES HUMANOS Dados históricos

Leia mais

RESOLUÇÃO CFP Nº 010/2010

RESOLUÇÃO CFP Nº 010/2010 RESOLUÇÃO CFP Nº 010/2010 Institui a regulamentação da Escuta Psicológica de Crianças e Adolescentes envolvidos em situação de violência, na Rede de Proteção O CONSELHO FEDERAL DE PSICOLOGIA, no uso de

Leia mais

Projeto de Lei n.º 36/2013-L

Projeto de Lei n.º 36/2013-L Projeto de Lei n.º 36/2013-L AUTORIZA A CRIAÇÃO DE UMA CASA DE PASSAGEM PARA MULHERES NO ÂMBITO DO MUNICÍPIO DA ESTÂNCIA TURÍSTICA DE BARRA BONITA. Art. 1º Fica o Executivo autorizado a criar no âmbito

Leia mais

RESOLUÇÃO CFP Nº 016/2000 DE 20 DE DEZEMBRO DE 2000

RESOLUÇÃO CFP Nº 016/2000 DE 20 DE DEZEMBRO DE 2000 RESOLUÇÃO CFP Nº 016/2000 DE 20 DE DEZEMBRO DE 2000 Ementa: Dispõe sobre a realização de pesquisa em Psicologia com seres humanos. O CONSELHO FEDERAL DE PSICOLOGIA, no uso de suas atribuições legais e

Leia mais

Resolução 158/Reitoria/Univates Lajeado, 23 de novembro de 2011

Resolução 158/Reitoria/Univates Lajeado, 23 de novembro de 2011 Resolução 158/Reitoria/Univates Lajeado, 23 de novembro de 2011 Estabelece a Política Institucional de Propriedade Intelectual e Transferência de Tecnologia do Centro Universitário UNIVATES O Reitor do

Leia mais

6.2.2 RISCO SOCIOAMBIENTAL NA CONCESSÃO DE CRÉDITO 6.3 RELACIONAMENTO COM FUNCIONÁRIOS E COLABORADORES

6.2.2 RISCO SOCIOAMBIENTAL NA CONCESSÃO DE CRÉDITO 6.3 RELACIONAMENTO COM FUNCIONÁRIOS E COLABORADORES Índice 1. INTRODUÇÃO 2. PARTES INTERESSADAS. NORMATIVOS. ESTRUTURA DE GOVERNANÇA. PRINCÍPIOS 6. DIRETRIZES 6.1 NORMATIZAÇÃO 6.2 GERENCIAMENTO DO RISCO SOCIOAMBIENTAL 6.2.1 RISCO SOCIOAMBIENTAL DA INSTITUIÇÃO

Leia mais

Lista de checagem do protocolo

Lista de checagem do protocolo MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DA GRANDE DOURADOS PRÓ-REITORIA DE ENSINO DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA Comitê de Ética em Pesquisa Lista de checagem do protocolo A avaliação do projeto

Leia mais

Programa de Voluntariado FLL

Programa de Voluntariado FLL Programa de Voluntariado FLL Temporada 2013/2014 Para ser um voluntário do Torneio FLL, é preciso ter acima de 18 anos e disponibilidade de horário para atender as atividades oferecidas pela instituição.

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA DGJ N. 1 DE 2 DE JULHO DE 2015.

INSTRUÇÃO NORMATIVA DGJ N. 1 DE 2 DE JULHO DE 2015. INSTRUÇÃO NORMATIVA DGJ N. 1 DE 2 DE JULHO DE 2015. Dispõe sobre o funcionamento do Museu do Judiciário Catarinense. O DIRETOR-GERAL JUDICIÁRIO DO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SANTA CATARINA, considerando

Leia mais

2. PÚBLICO ALVO PRÉ-REQUISITOS. Página 1 de 6

2. PÚBLICO ALVO PRÉ-REQUISITOS. Página 1 de 6 O presente Regulamento rege o Edital e Processo de Seleção da Turma 2015 da BERRINI VENTURES, primeira aceleradora de empresas do setor de Saúde do Brasil. Criada com a experiência da Live Healthcare Media

Leia mais

Código de Ética para Psicólogos de acordo com a FEAP

Código de Ética para Psicólogos de acordo com a FEAP Código de Ética para Psicólogos de acordo com a FEAP Federação Europeia de Associações de Psicólogos Código Geral de Ética Aceite pela Assembleia Geral, Atenas, 1 Julho 1995. 1. Preâmbulo. Os Psicólogos

Leia mais

Engenharia e Consultoria CÓDIGO DE ÉTICA

Engenharia e Consultoria CÓDIGO DE ÉTICA CÓDIGO DE ÉTICA SUMÁRIO APRESENTAÇÃO COLABORADORES Princípios éticos funcionais Emprego e Ambiente de trabalho Conflito de interesses Segredos e informações comerciais SEGURANÇA, SAÚDE E MEIO AMBIENTE

Leia mais

RESOLUÇÃO NORMATIVA N.º 01/Conselho da Unidade/CCE, DE 29 DE NOVEMBRO DE 2012.

RESOLUÇÃO NORMATIVA N.º 01/Conselho da Unidade/CCE, DE 29 DE NOVEMBRO DE 2012. SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO DE COMUNICAÇÃO E EXPRESSÃO CAMPUS UNIVERSITÁRIO REITOR JOÃO DAVID FERREIRA LIMA - TRINDADE CEP: 88040-900 - FLORIANÓPOLIS - SC TELEFONE:

Leia mais

Conselho Nacional de Ética em Pesquisa nas Ciências Humanas (CECiHu / MCTI)

Conselho Nacional de Ética em Pesquisa nas Ciências Humanas (CECiHu / MCTI) Conselho Nacional de Ética em Pesquisa nas Ciências Humanas (CECiHu / MCTI) Processo de sua criação no âmbito do Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação, com vistas ao estabelecimento de um Código

Leia mais

Código de Ética e Conduta Profissional da MRC Consultoria e Sistema de Informática Ltda. - ME

Código de Ética e Conduta Profissional da MRC Consultoria e Sistema de Informática Ltda. - ME 1 - Considerações Éticas Fundamentais Como um colaborador da. - ME eu devo: 1.1- Contribuir para a sociedade e bem-estar do ser humano. O maior valor da computação é o seu potencial de melhorar o bem-estar

Leia mais

MANUAL DE CONDUTA I INTRODUÇÃO:

MANUAL DE CONDUTA I INTRODUÇÃO: MANUAL DE CONDUTA I INTRODUÇÃO: A SKOPOS, em razão das atividades desenvolvidas, está sujeita a rigoroso controle de suas operações pela Comissão de Valores Mobiliários e demais órgãos reguladores do mercado

Leia mais

CONTRATO DE PARCERIA

CONTRATO DE PARCERIA CONTRATO DE PARCERIA 1. DAS PARTES INTOO SERVIÇOS FINANCEIROS E DE INFORMAÇÃO NA INTERNET LTDA., sociedade limitada inscrita no CNPJ/MF sob nº 18.027.353/0001-40, com sede na Praça Dom José Gaspar, 76,

Leia mais

REGULAMENTO DA V MOSTRA DE FOTOGRAFIA SAÚDE DA FAMÍLIA

REGULAMENTO DA V MOSTRA DE FOTOGRAFIA SAÚDE DA FAMÍLIA REGULAMENTO DA V MOSTRA DE FOTOGRAFIA SAÚDE DA FAMÍLIA 1. A MOSTRA 1.1 A V Mostra de Fotografia Saúde da Família acontecerá no 13º Congresso Brasileiro de Medicina de Família e Comunidade (13º CBMFC),

Leia mais

CONSELHO DE REGULAÇÃO E MELHORES PRÁTICAS DELIBERAÇÃO Nº 04

CONSELHO DE REGULAÇÃO E MELHORES PRÁTICAS DELIBERAÇÃO Nº 04 CONSELHO DE REGULAÇÃO E MELHORES PRÁTICAS DELIBERAÇÃO Nº 04 O Conselho de Regulação e Melhores Práticas, no exercício das atribuições a ele conferidas pelo Código ANBIMA de Regulação e Melhores Práticas

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO DE ARARAQUARA UNIARA COMITÊ DE ÉTICA EM PESQUISA

CENTRO UNIVERSITÁRIO DE ARARAQUARA UNIARA COMITÊ DE ÉTICA EM PESQUISA ROTEIRO SUGERIDO PELA RESOLUÇÃO Nº 466/12 O respeito à dignidade humana exige que toda pesquisa se processe após o consentimento livre e esclarecido dos sujeitos, indivíduos ou grupos que por si e/ou por

Leia mais

Caderno de Propostas. 26, 27 e 28 de abril de 2013 Espaço APAS - São Paulo

Caderno de Propostas. 26, 27 e 28 de abril de 2013 Espaço APAS - São Paulo Caderno de Propostas VIII COREP - SP Congresso Regional de Psicologia Psicologia, Ética e Cidadania: Práticas Profissionais a Serviço da Garantia de Direitos 26, 27 e 28 de abril de 2013 Espaço APAS -

Leia mais

RESOLUÇÃO CFM Nº 1.821/07

RESOLUÇÃO CFM Nº 1.821/07 RESOLUÇÃO CFM Nº 1.821/07 (Publicada no D.O.U. de 23 nov. 2007, Seção I, pg. 252) Aprova as normas técnicas concernentes à digitalização e uso dos sistemas informatizados para a guarda e manuseio dos documentos

Leia mais

CÓDIGO DE CONDUTA DO FORNECEDOR SODEXO APRIL 2014

CÓDIGO DE CONDUTA DO FORNECEDOR SODEXO APRIL 2014 CÓDIGO DE CONDUTA DO FORNECEDOR SODEXO APRIL 2014 Índice INTRODUÇÃO INTEGRIDADE NOS NEGÓCIOS DIREITOS HUMANOS E DIREITOS FUNDAMENTAIS NO TRABALHO Eliminação de todas as formas de trabalho forçado ou compulsório

Leia mais

POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL

POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL Versão 2015.2 Editada em julho de 2015 SUMÁRIO 1. Objetivo da Política...3 2. Abrangência...3 3. Princípios...3 4. Das Diretrizes Estratégicas...4 5. Da Estrutura

Leia mais

Índice. Missão, Visão, Valores e Princípios Objetivo Aplicabilidade Organização Interna Relacionamento Externo

Índice. Missão, Visão, Valores e Princípios Objetivo Aplicabilidade Organização Interna Relacionamento Externo Código de Conduta Índice Missão, Visão, Valores e Princípios Objetivo Aplicabilidade Organização Interna Relacionamento Externo 3 4 5 6 9 Missão, Visão, Valores e Princípios Missão Visão Princípios Valores

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA DA BB PREVIDÊNCIA FUNDO DE PENSÃO BANCO DO BRASIL INTRODUÇÃO

CÓDIGO DE ÉTICA DA BB PREVIDÊNCIA FUNDO DE PENSÃO BANCO DO BRASIL INTRODUÇÃO CÓDIGO DE ÉTICA DA BB PREVIDÊNCIA FUNDO DE PENSÃO BANCO DO BRASIL INTRODUÇÃO Este Código de Ética é público e reúne diretrizes que norteiam o comportamento dos Conselheiros, Dirigentes e Colaboradores

Leia mais

Direitos e Deveres do Pesquisado

Direitos e Deveres do Pesquisado Comitê de Ética em Pesquisa CEP- Faciplac Registrado na SIPAR- Ministério da Saúde sob o nº 147057/2007 Direitos e Deveres do Pesquisado Direitos do Pesquisado I- Em caso de danos ao pesquisado por ato

Leia mais

Código de. Ética e Conduta. de Fornecedores

Código de. Ética e Conduta. de Fornecedores Código de Ética e Conduta de Fornecedores Fev/2012 Caro Fornecedor, Palavra do Presidente Este Código de Ética e Conduta de Fornecedores busca orientá-lo sobre as diretrizes da relação entre a Cielo e

Leia mais

A construção participativa da Base Nacional Comum Curricular

A construção participativa da Base Nacional Comum Curricular Ministério da Educação Secretaria de Educação Básica A construção participativa da Base Nacional Comum Curricular Direitos e Objetivos de Aprendizagem e Desenvolvimento Diretrizes Curriculares Nacionais

Leia mais

Regulamento CONCURSO CULTURAL MAIS AMOR, POR FAVOR - MFVC

Regulamento CONCURSO CULTURAL MAIS AMOR, POR FAVOR - MFVC Regulamento CONCURSO CULTURAL MAIS AMOR, POR FAVOR - MFVC REGULAMENTO Qualquer casal, residente e domiciliado no Brasil, pode participar do Concurso, que tem caráter exclusivamente cultural ( Concurso

Leia mais

CÓDIGO DE CONDUTA DA MULTIPLAN EMPREENDIMENTOS IMOBILIÁRIOS S.A.

CÓDIGO DE CONDUTA DA MULTIPLAN EMPREENDIMENTOS IMOBILIÁRIOS S.A. CÓDIGO DE CONDUTA DA MULTIPLAN EMPREENDIMENTOS IMOBILIÁRIOS S.A. O presente Código de Conduta da Multiplan Empreendimentos Imobiliários S.A. (a Companhia ), visa cumprir com as disposições do Regulamento

Leia mais

CÓDIGO DE CONDUTA E ÉTICA

CÓDIGO DE CONDUTA E ÉTICA CÓDIGO DE CONDUTA E ÉTICA Índice Nossos princípios diretivos 03 Proteção do patrimônio e uso dos ativos 04 Informação confidencial 05 Gestão e Tratamento dos Colaboradores 06 Conflitos de interesse 07

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA. APFF Administração do Porto da Figueira da Foz, S.A.

CÓDIGO DE ÉTICA. APFF Administração do Porto da Figueira da Foz, S.A. CÓDIGO DE ÉTICA APFF Administração do Porto da Figueira da Foz, S.A. Índice 1. Preâmbulo 2. Disposições Gerais 2.1. Âmbito de aplicação 2.2. Objectos do 2.3. Dimensões éticas da empresa 2.4. Cumprimento

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 002/ProEn/ProPPEC/2005

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 002/ProEn/ProPPEC/2005 INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 002/ProEn/ProPPEC/2005 REGULAMENTA A REALIZAÇÃO DE PROJETOS DE PESQUISA, EXTENSÃO, TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO, DISSERTAÇÕES E TESES DE CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS COM SERES HUMANOS.

Leia mais

ANEXO 2 TERMO DE CONFIDENCIALIDADE. Ao Comitê Organizador dos Jogos Olímpicos Rio 2016 (Rio 2016).

ANEXO 2 TERMO DE CONFIDENCIALIDADE. Ao Comitê Organizador dos Jogos Olímpicos Rio 2016 (Rio 2016). ANEXO 2 TERMO DE CONFIDENCIALIDADE Ao Comitê Organizador dos Jogos Olímpicos Rio 2016 (Rio 2016). Considerando que a empresa pretende participar do PROCESSO DE SELEÇÃO Rio 2016 BRM Nº 001/2012 e considerando

Leia mais

POLITICA DE QUALIDADE

POLITICA DE QUALIDADE CÓDIGO ÉTICA ÍNDICE: PALAVRA DO DIRETOR POLITICA DE QUALIDADE MISSÃO VISÃO VALORES CONFIDENCIALIDADE DE INFORMAÇÃO CLIENTES FORNECEDORES ACIONISTAS COMUNIDADE RESPONSABILIDADE SOCIAL IMPRENSA ORGÃOS GOVERNAMENTAIS

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL REGULAMENTO DO PROGRAMA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL Fortaleza, 2012 INDICE CAPÍTULO I... 3 DO OBJETIVO GERAL... 3 CAPÍTULO II... 3 DOS OBJETIVOS ESPECÍFICOS... 3 CAPÍTULO III... 4 DA ORGANIZAÇÃO DO PROGRAMA

Leia mais

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 211, DE 2014

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 211, DE 2014 PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 211, DE 2014 O CONGRESSO NACIONAL decreta: Altera o art. 241-D da Lei nº 8.069, de 13 de julho de 1990 (Estatuto da Criança e do Adolescente ECA), para tornar crime a conduta

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO PAULO CAMPUS BAIXADA SANTISTA SERVIÇO-ESCOLA DE PSICOLOGIA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO PAULO CAMPUS BAIXADA SANTISTA SERVIÇO-ESCOLA DE PSICOLOGIA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO PAULO CAMPUS BAIXADA SANTISTA SERVIÇO-ESCOLA DE PSICOLOGIA Capítulo I Caracterização Artigo 1 º O Serviço-Escola de Psicologia (SEP) da UNIFESP é uma instância do campus Baixada

Leia mais

CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇO TRANS-MUX (EXPLORAÇÃO INDUSTRIAL DE LINHA DEDICADA EILD) ANEXO 3 TERMO DE COMPROMISSO DE CONFIDENCIALIDADE

CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇO TRANS-MUX (EXPLORAÇÃO INDUSTRIAL DE LINHA DEDICADA EILD) ANEXO 3 TERMO DE COMPROMISSO DE CONFIDENCIALIDADE CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇO TRANS-MUX (EXPLORAÇÃO INDUSTRIAL DE LINHA DEDICADA EILD) ANEXO 3 TERMO DE COMPROMISSO DE CONFIDENCIALIDADE 1. OBJETIVO Este Anexo ao Contrato de Prestação de Serviço TRANS-MUX

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE Coordenadoria de Serviços de Saúde INSTITUTO DANTE PAZZANESE DE CARDIOLOGIA

SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE Coordenadoria de Serviços de Saúde INSTITUTO DANTE PAZZANESE DE CARDIOLOGIA DOCUMENTOS NECESSÁRIOS PARA ANÁLISE DE PROJETOS DE PESQUISA 1 Folha de Rosto http://portal2.saude.gov.br/sisnep/pesquisador - está folha de rosto deverá ser impressa em 3 vias; deverá ser assinada pelo

Leia mais

Diretrizes de Aplicação Saúde mental de servidores públicos da Administração direta, autárquica e funcacional

Diretrizes de Aplicação Saúde mental de servidores públicos da Administração direta, autárquica e funcacional Diretrizes de Aplicação Saúde mental de servidores públicos da Administração direta, autárquica e funcacional CAPÍTULO I PRINCÍPIOS NORTEADORES Art. 1º Os procedimentos em saúde mental a serem adotados

Leia mais

Roteiro Básico para Elaboração do Termo de Consentimento Livre e Esclarecido (TCLE)

Roteiro Básico para Elaboração do Termo de Consentimento Livre e Esclarecido (TCLE) Roteiro Básico para Elaboração do Termo de Consentimento Livre e Esclarecido (TCLE) Sumário 1. Que tipo de pesquisa necessita do TCLE?... 1 2. Como elaborar o TCLE?... 2 Informar claramente quem é o responsável

Leia mais

Código de Conduta Ética Setorial do Profissional de Compras - Organização Bradesco

Código de Conduta Ética Setorial do Profissional de Compras - Organização Bradesco Código de Conduta Ética Setorial do Profissional de Compras - Organização Bradesco Caros Colaboradores, A Organização Bradesco busca constantemente os mais altos padrões de comportamento ético e está comprometida

Leia mais

REGULAMENTO. a) Os filmes participantes do Festival Internacional Pequeno Cineasta devem ser feitos por crianças e jovens entre 8 e 17 anos.

REGULAMENTO. a) Os filmes participantes do Festival Internacional Pequeno Cineasta devem ser feitos por crianças e jovens entre 8 e 17 anos. REGULAMENTO Objetivos O Festival Internacional Pequeno Cineasta tem como objetivo promover o debate sobre o universo infantil, discutindo os conceitos educacionais atuais e os valores dentro da diversidade

Leia mais

POLÍTICA EMRPESARIAL DA INT.4

POLÍTICA EMRPESARIAL DA INT.4 POLÍTICA EMRPESARIAL DA INT.4 INTRODUÇÃO Desde que foi fundada em 2001, a ética, a transparência nos processos, a honestidade a imparcialidade e o respeito às pessoas são itens adotados pela interação

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA E RESPONSABILIDADE SOCIAL Laboratório Weinmann Ltda.

CÓDIGO DE ÉTICA E RESPONSABILIDADE SOCIAL Laboratório Weinmann Ltda. CÓDIGO DE ÉTICA E RESPONSABILIDADE SOCIAL Laboratório Weinmann Ltda. 1 Objetivo Descrever e comunicar os princípios que norteiam o relacionamento do Laboratório Weinmann Ltda. com as suas partes interessadas

Leia mais

EDITAL DO CONCURSO DE FOTOGRAFIA DO ECOMUSEU ILHA GRANDE OLHARES: ÁGUA E VIDA NA ILHA GRANDE

EDITAL DO CONCURSO DE FOTOGRAFIA DO ECOMUSEU ILHA GRANDE OLHARES: ÁGUA E VIDA NA ILHA GRANDE EDITAL DO CONCURSO DE FOTOGRAFIA DO ECOMUSEU ILHA GRANDE OLHARES: ÁGUA E VIDA NA ILHA GRANDE DO CONCURSO 1. O CONCURSO de fotografia Olhares: Água e Vida na Ilha Grande, doravante denominado simplesmente

Leia mais

Política de Privacidade

Política de Privacidade Política de Privacidade Este documento tem por objetivo definir a Política de Privacidade da Bricon Security & IT Solutions, para regular a obtenção, o uso e a revelação das informações pessoais dos usuários

Leia mais

International Coaching Community

International Coaching Community International Coaching Community Código de Standards e Ética 1 5 Standards e Ética da ICC Estes são os standards e a ética oficial da ICC- International Coaching Community. Estes standards de conduta para

Leia mais

Banco Local de Voluntariado de Gondomar

Banco Local de Voluntariado de Gondomar Regulamento Interno do Banco Local de Voluntariado de Gondomar (Aprovado em reunião de Câmara de 12 de Fevereiro e Assembleia Municipal de 18 de Fevereiro de 2009) Preâmbulo Entende-se por voluntariado

Leia mais

IINSTRUÇÃO DO SISTEMA. Código de conduta

IINSTRUÇÃO DO SISTEMA. Código de conduta 1 de 7 Revisão Data Assunto / revisão / modificação 00 16/04/15 Emissão Inicial. Nome Cargo Data Assinatura Consultor / Gerente EMITENTE Maciel Amaro Técnico / RD Valéria Ap. R. Amaro Diretora administrativa

Leia mais

Código de Conduta Ética

Código de Conduta Ética Código de Conduta Ética MENSAGEM DA DIRETORIA A todos os dirigentes e empregados A Companhia de Seguros Aliança do Brasil acredita no Respeito aos princípios éticos e à transparência de conduta com as

Leia mais

Com base nesses pressupostos, o objetivo deste estudo foi conhecer como vem se dando a inserção e a empregabilidade, nas empresas do Pólo Industrial

Com base nesses pressupostos, o objetivo deste estudo foi conhecer como vem se dando a inserção e a empregabilidade, nas empresas do Pólo Industrial Introdução Esta proposta de estudo insere-se na linha de pesquisa Trabalho, Gênero e Políticas Sociais do Programa de Pós-Graduação em Serviço Social da PUCRJ e buscou conhecer questões referentes à inserção

Leia mais

Código de Conduta FBN Brasil Instituto de Negócios Familiares (The Family Business Network - Brasil)

Código de Conduta FBN Brasil Instituto de Negócios Familiares (The Family Business Network - Brasil) Código de Conduta FBN Brasil Instituto de Negócios Familiares (The Family Business Network - Brasil) Revisado em Novembro de 2009. 1. Apresentação O FBN Brasil (The Family Business Network Brasil), cuja

Leia mais

Código de Ética. 31 de março

Código de Ética. 31 de março Código de Ética 31 de março 2015 ÍNDICE 1. OBJETIVO... 4 2. MISSÃO, VISÃO E VALORES DA CETIP... 4 3. PÚBLICO-ALVO... 4 4. REGRAS E PRINCÍPIOS NORTEADORES DAS ATIVIDADES... 4 4.1. RELACIONAMENTO INTERNO...

Leia mais

Proteger as informações da empresa para a qual trabalhamos é um dever de todos nós!

Proteger as informações da empresa para a qual trabalhamos é um dever de todos nós! Prezado Colaborador, O conteúdo desta cartilha tem como objetivo compartilhar alguns conceitos relacionados ao tema Segurança da Informação. Além de dicas de como tratar os recursos e as informações corporativas

Leia mais

A/C: Dra. Carolina Pecorari

A/C: Dra. Carolina Pecorari Proposta Comercial SP 0190/14 E Empresa: AMBEV S/A A/C: Dra. Carolina Pecorari Proposta SP 0190/14 E São Paulo, 25 de julho de 2014. AMBEV S/A Rua Dr. Renato Paes de Barros, 1017-4º andar Itaim Bibi São

Leia mais

TERMOS DE USO. Decathlon.com.br

TERMOS DE USO. Decathlon.com.br TERMOS DE USO Decathlon.com.br INTRODUÇÃO 1 - RECURSOS OFERECIDOS PELO SITE 2 - CONDIÇÕES DE USO 3 - DEPÓSITO DE CONTEÚDO NO SITE 4 - CONDUTA NO SITE 5 - DIREITOS DE PROPRIEDADE INTELECTUAL 6 - RESPONSABILIDADE

Leia mais

Bem-vindo à Política de Relacionamento do Click Oportunidades!

Bem-vindo à Política de Relacionamento do Click Oportunidades! Bem-vindo à Política de Relacionamento do Click Oportunidades! Esta política reflete os valores e a cultura do CLICK OPORTUNIDADES no relacionamento com as empresas, os alunos e os ex-alunos do SENAC RJ.

Leia mais

Código. de Conduta do Fornecedor

Código. de Conduta do Fornecedor Código de Conduta do Fornecedor 03/2014 Índice 1. Considerações... 03 2. Decisões... 04 3. Diretrizes... 05 3.1. Quanto à Integridade nos Negócios... 05 3.2. Quanto aos Direitos Humanos Universais... 06

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO UNIVERSITÁRIO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO UNIVERSITÁRIO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO Nº 32/2014 Institui a política de segurança da informação da UFPB, normatiza procedimentos com esta finalidade e

Leia mais

TERMOS DE SERVIÇO. Bem vindo ao Color+City. 1. Visão Geral

TERMOS DE SERVIÇO. Bem vindo ao Color+City. 1. Visão Geral TERMOS DE SERVIÇO Bem vindo ao Color+City 1. Visão Geral 1.1. Este documento regula a utilização do Color+City disponibilizado ao usuário através do endereço http://www.colorpluscity.com 1.2. Trata-se

Leia mais

Programa de Voluntariado FLL

Programa de Voluntariado FLL Programa de Voluntariado FLL VENHA VIVER UMA EXPERIÊNCIA PARA TODA VIDA O Instituto Aprender Fazendo oferece diversas possibilidades para que estudantes, pais, professores, profissionais e demais interessados

Leia mais

SISTEMA DE AUTO ATENDIMENTO TREND OPERADORA TERMO DE USO

SISTEMA DE AUTO ATENDIMENTO TREND OPERADORA TERMO DE USO SISTEMA DE AUTO ATENDIMENTO TREND OPERADORA TERMO DE USO DA EMPRESA A TREND FAIRS E CONGRESSES OPERADORA DE VIAGENS PROFISSIONAIS LTDA, empresa com sede na Cidade de São Paulo, SP, na Rua Sete de Abril,

Leia mais

CÓDIGO INTERNACIONAL ICC/ESOMAR (Jan/2008)

CÓDIGO INTERNACIONAL ICC/ESOMAR (Jan/2008) CÓDIGO INTERNACIONAL ICC/ESOMAR (Jan/2008) EM PESQUISA DE MERCADO E PESQUISA SOCIAL Traduzido pela ABEP Revisado por: Vera Marchesi (IBOPE Mediainformation) Milton Fontoura (Gismarket) Direitos Autorais

Leia mais

CÓDIGO DE AUTO-REGULAMENTAÇÃO FRANCHISING

CÓDIGO DE AUTO-REGULAMENTAÇÃO FRANCHISING CÓDIGO DE AUTO-REGULAMENTAÇÃO DO FRANCHISING PREFÁCIO OBJETIVO E PRINCÍPIOS GERAIS DEFINIÇÕES Franchising ou Sistema de Franquia Franquia Master Franquia Franqueador Franqueado Fornecedor do Sistema de

Leia mais

DIREITOS DOS CANDIDATOS

DIREITOS DOS CANDIDATOS DIREITOS DOS CANDIDATOS Isso acontece quando menos se espera. De repente você recebe um telefonema de uma empresa de executive search, querendo saber se está interessado numa posição que estão trabalhando

Leia mais

Protocolo de Pesquisa

Protocolo de Pesquisa I.1. Título do Projeto: _ I.2. Pesquisador Responsável* Nome: Identidade: _ CPF: _ Endereço: _ Correspondência: _ Telefone: Fax: Correio eletrônico: * Orientador(a) e Aluno(a) em caso de programas de mestrado

Leia mais

SETE BRASIL PARTICIPAÇÕES S.A.

SETE BRASIL PARTICIPAÇÕES S.A. SETE BRASIL PARTICIPAÇÕES S.A. CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO REGIMENTO INTERNO DOS COMITÊS COMITÊ DE FINANÇAS E ORÇAMENTO APROVADO PELO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO EM 24 DE SETEMBRO DE 2014 SUMÁRIO I INTRODUÇÃO

Leia mais

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE ANUNCIANTES

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE ANUNCIANTES ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE ANUNCIANTES MANUAL DE GOVERNANÇA 2015 ABA MANUAL DE GOVERNANÇA I. INTRODUÇÃO É norma e política da Associação Brasileira de Anunciantes ("ABA"), o estrito cumprimento de todas

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA E TERMO DE COMPROMISSO DE CONFIDENCIALIDADE

CÓDIGO DE ÉTICA E TERMO DE COMPROMISSO DE CONFIDENCIALIDADE CÓDIGO DE ÉTICA E TERMO DE COMPROMISSO DE CONFIDENCIALIDADE CÓDIGO DE ÉTICA E TERMO DE COMPROMISSO DE CONFIDENCIALIDADE DIRETRIZES DA SANKYU 4 HONRAR O COMPROMISSO. 4 REALIZAR UMA AUTO AVALIAÇÃO CONSTANTE.

Leia mais

DECLARAÇÃO UNIVERSAL SOBRE BIOÉTICA E DIREITOS HUMANOS

DECLARAÇÃO UNIVERSAL SOBRE BIOÉTICA E DIREITOS HUMANOS DECLARAÇÃO UNIVERSAL SOBRE BIOÉTICA E DIREITOS HUMANOS Tradução sob a responsabilidade da Cátedra UNESCO de Bioética da UnB por solicitação da Sociedade Brasileira de Bioética SBB Tradução: Mauro Machado

Leia mais

A presente é uma tradução de um documento em língua inglesa, exclusivamente para sua comodidade. O texto do original em inglês regerá, em todos os

A presente é uma tradução de um documento em língua inglesa, exclusivamente para sua comodidade. O texto do original em inglês regerá, em todos os A presente é uma tradução de um documento em língua inglesa, exclusivamente para sua comodidade. O texto do original em inglês regerá, em todos os aspectos, os seus direitos e as suas obrigações. O original

Leia mais

ESTADO DE MATO GROSSO CÂMARA MUNICIPAL DE CUIABÁ

ESTADO DE MATO GROSSO CÂMARA MUNICIPAL DE CUIABÁ INSTRUÇÃO NORMATIVA SC Nº. 001/2011 DISPÕE SOBRE OS PROCEDIMENTOS E EXECUÇÃO DAS ATIVIDADES DE COMUNICAÇÃO DA CÂMARA MUNICIPAL DE CUIABÁ. Versão: 01 Aprovação: 26/09/2011 Ato de aprovação: 26/09/2011 Unidade

Leia mais

Proposta Comercial AP 0216/15 A. Empresa: JBS S/A. Sra. Camila Castiglio de Souza

Proposta Comercial AP 0216/15 A. Empresa: JBS S/A. Sra. Camila Castiglio de Souza Proposta Comercial AP 0216/15 A Empresa: JBS S/A A/C: Sra. Camila Castiglio de Souza Proposta AP 0216/15 A 26 de Março de 2015. JBS S/A Av. Marginal Direita do Tietê, 500 Vila Jaguara São Paulo - SP A/C:

Leia mais

PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO EM DIREITOS HUMANOS

PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO EM DIREITOS HUMANOS PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO EM DIREITOS HUMANOS EDUCAÇÃO BÁSICA ENSINO SUPERIOR EDUCAÇÃO NÃO-FORMAL EDUCAÇÃO DOS PROFISSIONAIS DO SISTEMA DE JUSTIÇA E SEGURANÇA EDUCAÇÃO E MÍDIA Comitê Nacional de Educação

Leia mais

Princípios Gerais para a Prevenção dos Riscos Penais Endesa Brasil

Princípios Gerais para a Prevenção dos Riscos Penais Endesa Brasil Princípios Gerais para a Prevenção dos Riscos Penais Endesa Brasil Introdução 5 INTRODUÇÃO A seguir, são descritos os comportamentos e princípios gerais de atuação esperados dos Colaboradores da Endesa

Leia mais

A beleza é resultado do trabalho de todos. Responsabilidade Compartilhada

A beleza é resultado do trabalho de todos. Responsabilidade Compartilhada Responsabilidade Compartilhada A beleza é resultado do trabalho de todos A preocupação e o fortalecimento do relacionamento com nossos públicos estão presentes em toda a história do Grupo Boticário. Desde

Leia mais

FACULDADE MORAES JÚNIOR MACKENZIE RIO REGULAMENTO DA COORDENADORIA DE PESQUISA E EXTENSÃO CAPÍTULO I - DIRETRIZES GERAIS

FACULDADE MORAES JÚNIOR MACKENZIE RIO REGULAMENTO DA COORDENADORIA DE PESQUISA E EXTENSÃO CAPÍTULO I - DIRETRIZES GERAIS FACULDADE MORAES JÚNIOR MACKENZIE RIO REGULAMENTO DA COORDENADORIA DE PESQUISA E EXTENSÃO CAPÍTULO I - DIRETRIZES GERAIS A Coordenadoria de Pesquisa e Extensão - CPE, da Faculdade Moraes Junior Mackenzie

Leia mais

Código de Ética e Conduta

Código de Ética e Conduta Código de Ética e Conduta O Código de Ética e Conduta do ESA - Externato Santo Antônio estabelece o comportamento esperado de todos aqueles que trabalham na, para e com a instituição, e tem por objetivo

Leia mais

RONY VAINZOF rony@opiceblum.com.br

RONY VAINZOF rony@opiceblum.com.br RONY VAINZOF rony@opiceblum.com.br 1 A INTERNET NÃO É UM MUNDO SEM LEIS!!! 11/7/2014 2 INVASÃO FÍSICA OU ELETRÔNICA? X X 11/7/2014 3 Lei 12.737/12 CRIME DE INVASÃO Violação de domicílio Pena - detenção,

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DA ASSOCIAÇÃO DOS AMIGOS DO HOSPITAL MATERNO INFANTIL PRESIDENTE VARGAS. Capítulo I Da denominação e sede

REGIMENTO INTERNO DA ASSOCIAÇÃO DOS AMIGOS DO HOSPITAL MATERNO INFANTIL PRESIDENTE VARGAS. Capítulo I Da denominação e sede REGIMENTO INTERNO DA ASSOCIAÇÃO DOS AMIGOS DO HOSPITAL MATERNO INFANTIL PRESIDENTE VARGAS Capítulo I Da denominação e sede Art. 1º A Associação dos Amigos do Hospital Materno-Infantil Presidente Vargas,

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO NÚCLEO DE INOVAÇÃO E TRANSFERÊNCIA DE TECNOLOGIA CAPÍTULO I DA NATUREZA, FINALIDADE E OBJETIVOS

REGIMENTO INTERNO DO NÚCLEO DE INOVAÇÃO E TRANSFERÊNCIA DE TECNOLOGIA CAPÍTULO I DA NATUREZA, FINALIDADE E OBJETIVOS REGIMENTO INTERNO DO NÚCLEO DE INOVAÇÃO E TRANSFERÊNCIA DE TECNOLOGIA CAPÍTULO I DA NATUREZA, FINALIDADE E OBJETIVOS Art. 1 o. O Núcleo de Inovação e Transferência de Tecnologia - NITTEC é um Órgão Executivo

Leia mais

TERMOS E CONDIÇÕES DE USO DO WEBSITE. Leia estes Termos e Condições com atenção antes de utilizar o Site.

TERMOS E CONDIÇÕES DE USO DO WEBSITE. Leia estes Termos e Condições com atenção antes de utilizar o Site. TERMOS E CONDIÇÕES DE USO DO WEBSITE Leia estes Termos e Condições com atenção antes de utilizar o Site. Este website (o "Site") é fornecido pela C.M.E. Blasting and Mining Equipment Ltd. ("Empresa"),

Leia mais

CÓDIGO DE CONDUTA E PRINCÍPIOS ÉTICOS CLÍNICA SOCIAL DE PSICANÁLISE HÉLIO PELLEGRINO PSI.Q

CÓDIGO DE CONDUTA E PRINCÍPIOS ÉTICOS CLÍNICA SOCIAL DE PSICANÁLISE HÉLIO PELLEGRINO PSI.Q CÓDIGO DE CONDUTA E PRINCÍPIOS ÉTICOS CLÍNICA SOCIAL DE PSICANÁLISE HÉLIO PELLEGRINO PSI.Q APRESENTAÇÃO Este documento apresentam as condutas e os princípios éticos norteadores do trabalho clínico dos

Leia mais

AVALIAÇÃO DE PROGRAMAS DE VOLUNTARIADO EMPRESARIAL: OPORTUNIDADES E LIMITES

AVALIAÇÃO DE PROGRAMAS DE VOLUNTARIADO EMPRESARIAL: OPORTUNIDADES E LIMITES MOVE 2015 AVALIAÇÃO DE PROGRAMAS DE VOLUNTARIADO EMPRESARIAL: OPORTUNIDADES E LIMITES CONFERÊNCIAS MOVE CENTRO DE VOLUNTARIADO DE SÃO PAULO INVESTIMENTO SOCIAL INTELIGENTE A Move foi cuidadosamente desenhada

Leia mais

2º. - A cada ano, o Plano Nacional do Livro e Leitura será revisado e adequado às disponibilidades orçamentárias do exercício seguinte.

2º. - A cada ano, o Plano Nacional do Livro e Leitura será revisado e adequado às disponibilidades orçamentárias do exercício seguinte. Minuta de Decreto de Regulamentação da Lei do Livro - 10.753/03. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que lhe confere o art. 84, incisos IV e VI, alínea "a", da Constituição, e tendo em vista

Leia mais

O 9 FESTIVAL DE CINEMA CURTA CABO FRIO, acontecerá no mês de outubro de 2015 na cidade de Cabo Frio - Região dos Lagos - Rio de Janeiro.

O 9 FESTIVAL DE CINEMA CURTA CABO FRIO, acontecerá no mês de outubro de 2015 na cidade de Cabo Frio - Região dos Lagos - Rio de Janeiro. O 9 FESTIVAL DE CINEMA CURTA CABO FRIO, acontecerá no mês de outubro de 2015 na cidade de Cabo Frio - Região dos Lagos - Rio de Janeiro. Nos meses posteriores ao Festival serão realizadas mostras itinerantes

Leia mais

Atuação do psicólogo na Assistência Social. Iolete Ribeiro da Silva Conselho Federal de Psicologia

Atuação do psicólogo na Assistência Social. Iolete Ribeiro da Silva Conselho Federal de Psicologia Atuação do psicólogo na Assistência Social Iolete Ribeiro da Silva Conselho Federal de Psicologia Concepção de Assistência Social Assistência social direito social e dever estatal Marco legal: Constituição

Leia mais

REGULAMENTO PROGRAMA DE APOIO AO DISCENTE - PADI DA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS DE GUARANTÂ DO NORTE

REGULAMENTO PROGRAMA DE APOIO AO DISCENTE - PADI DA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS DE GUARANTÂ DO NORTE REGULAMENTO PROGRAMA DE APOIO AO DISCENTE - PADI DA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS DE GUARANTÂ DO NORTE 2013 REGULAMENTO DO PROGRAMA DE APOIO AO DISCENTE PADI DA FACULDADE DE DE CIÊNCIAS SOCIAIS DE GUARANTÃDO

Leia mais

RESOLUÇÃO N 002/2007 - DG. Regulamenta Procedimentos para o Funcionamento da Biblioteca da FCV.

RESOLUÇÃO N 002/2007 - DG. Regulamenta Procedimentos para o Funcionamento da Biblioteca da FCV. RESOLUÇÃO N 002/2007 - DG Regulamenta Procedimentos para o Funcionamento da Biblioteca da FCV. O Conselho Superior - CONSU, aprovou em 30 de março de 2007, e eu, Prof. José Carlos Barbieri, Diretor da

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE ÉTICA EM PESQUISA COM HUMANOS E ANIMAIS DO INSTITUTO FEDERAL DO SERTÃO PERNAMBUCANO

REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE ÉTICA EM PESQUISA COM HUMANOS E ANIMAIS DO INSTITUTO FEDERAL DO SERTÃO PERNAMBUCANO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO CIÊNCIA E TECNOLÓGIA DO SERTÃO PERNAMBUCANO PRÓ-REITORIA DE PESQUISA, INOVAÇÃO

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO SUMÁRIO

POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO SUMÁRIO POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO SUMÁRIO I - Aspectos Gerais... 2 II - Proteção da Informação... 2 III - Responsabilidades... 3 IV - Informações Confidenciais... 3 V - Informações Privilegiadas... 4

Leia mais

RESOLUÇÃO CNAS Nº 11, DE 23 DE SETEMBRO DE 2015.

RESOLUÇÃO CNAS Nº 11, DE 23 DE SETEMBRO DE 2015. RESOLUÇÃO CNAS Nº 11, DE 23 DE SETEMBRO DE 2015. Caracteriza os usuários, seus direitos e sua participação na Política Pública de Assistência Social e no Sistema Único de Assistência Social, e revoga a

Leia mais

Política de Proteção Infantil

Política de Proteção Infantil Política de Proteção Infantil Diga SIM à Proteção Infantil! Como uma organização internacional de desenvolvimento comunitário centrado na criança e no adolescente, cujo trabalho se fundamenta na Convenção

Leia mais