PANORAMA DA ATIVIDADE EXPORTADORA DO PORTO INTERMODAL DO MUNICÍPIO DE PEDERNEIRAS(SP) E SEUS BENEFÍCIOS PARA O MUNICÍPIO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PANORAMA DA ATIVIDADE EXPORTADORA DO PORTO INTERMODAL DO MUNICÍPIO DE PEDERNEIRAS(SP) E SEUS BENEFÍCIOS PARA O MUNICÍPIO"

Transcrição

1 PANORAMA DA ATIVIDADE EXPORTADORA DO PORTO INTERMODAL DO MUNICÍPIO DE PEDERNEIRAS(SP) E SEUS BENEFÍCIOS PARA O MUNICÍPIO Fernanda Angélica Savedra 1 ; Flavio Scalco 2 12 Faculdade de Tecnologia de Jahu FATEC-JAHU Resumo A atividade exportadora é um setor da economia que pode trazer inúmeras benfeitorias para os municípios que possuem empresas exportadoras, tais como geração de empregos diretos e indiretos, arrecadação municipal, melhoria da infraestrutura geral, entre outras. Este artigo apresenta dados estatísticos sobre a ascensão da atividade exportadora da cidade de Pederneiras, situada no interior do estado de São Paulo, bem como o destaque nacional que tal atividade vem propiciando a cidade e seus benefícios e contribuição para o desenvolvimento de setores como o de empregos, geração de renda, educação e infraestrutura para a cidade. Destacando aspectos que contribuem para a ascensão da exportação no município foco do estudo, como a instalação de um Porto Intermodal, um agrupamento de Indústrias de Induzidos e a sua localização estratégica no que se diz respeito à logística de transportes. Palavras Chave: EXPORTAÇÃO; DESENVOLVIMENTO; TRANSPORTES; INFRAESTRUTURA. Abstract The export activity is an industry that can bring numerous improvements to the municipalities that have exporting companies, such as generating direct and indirect employment, municipal tax collection, improving the general infrastructure, among others. This article presents statistics on the rise of export activity Pederneiras city located in the state of São Paulo, as well as the national prominence that such activity is providing the city and its benefits and contribution to the development of sectors such as employment, income generation, education and infrastructure to the city. Highlighting aspects that contribute to the rise of the export focus of the study in the city, such as the installation of an Intermodal Harbor, a grouping of Armature Industries and its strategic location as it relates to transportation logistics. Keywords: Export; Development; Transport; Infrastructure. Introdução A cidade de Pederneiras, localizada no interior do estado de São Paulo vem se destacando no cenário nacional mediante a sua crescente ascensão entre os pólos de metalurgia e mecânica com um agrupamento de pequenas e médias empresas, que se concentram no que hoje já é chamado de APL Arranjo Produtivo Local na área de fabricação e recondicionamento de peças elétricas automotivas, principalmente induzidos de motor de partida, rotores e estatores. O município de Pederneiras a partir deste APL, acabou sendo conhecido nacionalmente como sendo a capital nacional do induzido, onde o setor é responsável por aproximadamente 100 indústrias na cidade e empregando cerca de 10% da população, segundo dados da Prefeitura Municipal no ano de Além do setor metalúrgico, com grande participação no município de Pederneiras, existe uma forte atividade exportadora que tem feito com que o município se destaque perante cidades da região.

2 Um fator que contribui com notoriedade para esse crescimento nas exportações é a presença de um Porto Intermodal 1 instalado na cidade, que estrategicamente está localizado às margens da Hidrovia Tiete-Paraná, localização que vem atraindo empresas que buscam soluções logísticas mais baratas para o escoamento de seus produtos. O resultado do montante de suas exportações fez com que a cidade ocupasse o 28º lugar no estado de São Paulo e a 79ª posição no ranking nacional segundo dados divulgado pela Secretaria de Comércio Exterior Secex (2008), órgão vinculado ao Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior. O destaque da pauta de exportações da cidade é para os setores de máquinas acabadas, alimentos e peças, puxadas pelas multinacionais instaladas na cidade. Neste artigo, além de uma contextualização técnica sobre exportações, buscar-se-á apresentar a importância das exportações no desenvolvimento do município. Objetivos Apresentar uma análise dos dados estatísticos sobre a crescente atividade exportadora do município de Pederneiras, com o objetivo de entender, mesmo que concisamente, como essas atividades contribuem para o desenvolvimento de setores essenciais do município, tais como infraestrutura, educação e geração de empregos, entre outros. Serão destacados aspectos que elevaram a cidade ao nível de cidade exportadora, como sua localização estratégica e o suporte logístico que a cidade propicia às empresas que buscar a cidade para construir suas instalações. Paralelamente, o trabalho vai relacionar os crescentes números da exportação com os possíveis fatores que alavancaram esses números. Metodologia A metodologia de um trabalho científico, segundo Marconi e Lakatos (2010) tem por finalidade obter uma resposta para determinada inquietude, por intermédio da comprovação de determinadas hipóteses, que ligam a observação da realidade com a teoria científica, explicando por sua vez a própria realidade. Para iniciar este processo é necessário que seja definido um tipo de pesquisa, que para este artigo será o bibliográfico que para Marconi e Lakatos (2011) utiliza-se de matérias já escritos para seu desenvolvimento. Onde aqui o foco será dado aos dados secundários disponíveis no Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (MDIC) e Prefeitura Municipal de Pederneiras. Para Lakatos e Markoni (2006) as bases secundárias para coleta de dados podem estar presentes também na imprensa em geral e obras literárias. A forma de análise dos dados se dará por interpretação que é a verificação das relações entre as variáveis, a fim de ampliar os conhecimentos sobre o fenômeno. (MARCONI E LAKATOS, 2010). Revisão Bibliográfica Para contextualizar este artigo, alguns temas de referência foram pesquisados e serão discutidos a seguir. Deve ser destacado, que pela necessidade de atendimento das normas deste encontro, esta revisão teve quer ser mais concisa que o habitual. O começo do desenvolvimento do município Segundo o IBGE em seu estudo de estimativa de população baseado no censo demográfico realizado no ano de 2010, o município de Pederneiras conta atualmente com uma população estimada de pessoas, o estudo ainda mostrou que a cidade teve um crescimento populacional de 13,43% na última década e o fator que mais influenciou nesse crescimento foi o numero expressivo de pequenas e médias empresas que se instalaram na cidade nos últimos anos. No ano de 2012, segundo o Centro das Indústrias do Estado de São Paulo (Ciesp), o PIB do município de Pederneiras ficou na faixa R$ 630,06 milhões. 1 Porto intermodal = Local no qual se reúne várias modalidades de transporta (modais).

3 O município apresenta vários estabelecimentos industriais distribuídos entre os segmentos de mecânica, química, minerais não metálicos, beneficiamento de produtos agrícolas, artefatos de madeira e outros. E destaca-se a indústria de induzidos de motores elétricos pela quantidade de empresas e por empregar uma quantidade significativa da população. Conforme o mesmo estudo, até os anos 80 a economia do município era baseada nas atividades econômicas da agricultura e pecuária. A partir dos anos 90, com o crescimento urbano o setor industrial passou a ser a principal atividade econômica do município. Esse fato ocorreu devido o surgimento de empresas de médio e grande porte como a Volvo, Torque, Quintela e Mauri do Brasil. Hoje, destacam-se na cidade as multinacionais Volvo ConstructionEquipment empresa de grande porte com sede mundial na Suécia, que produz equipamentos pesados de construção, empilhadeiras, máquinas pré-carregadeiras e caminhões pesados, a AB/BRASIL (Mauri do Brasil) sua filial na cidade é responsável por produzir fermentos e ingredientes para panificação, e a mais recente multinacional a se instalar na cidade foi a japonesa Ajinomoto que em sua unidade fabril local produz aminoácidos para ração animal. Outras empresas que atuam com expressão no município: Torque, Pedertractor, Thermic, Caramuru, Coimbra, Cartonagem Salinas, Grupo Arielo, Grupo Incol-Lub, Axial Distribuidora de Petróleo, Grupo Libra da Companhia de Navegação do Amazonas (CNA), Grupo Serrana, LouisDreyfus Commodities (antiga Quintela), ADM (Archer Daniels Midland maior operadora de soja dos Estados Unidos) entre outras. O Porto Intermodal Pederneiras está inserida em uma região bastante influenciada pela Hidrovia Tietê-Paraná e vem se beneficiando com o transporte multimodal. O Porto Intermodal de Pederneiras integra o sistema de circulação e transportes da Hidrovia Tietê-Paraná, e representa a utilização da multimodalidade nos transportes. A hidrovia tem como principal rio do município o Tietê, esse potencial aliou-se ao fato da cidade possuir a melhor faixa de rio da região, o que contribuiu pra que o município fosse escolhido para ser sede portuária. A viabilização da estrada que liga a cidade ao Porto, a extensão da linha férrea (3 trilho) e o aeroporto fizeram com que a cidade reunisse as quatro modalidades do setor de transportes, o aeroviário, rodoviário, hidroviário e ferroviário, colocando-se numa posição privilegiada na região centro-oeste do estado. Essa otimização dos meios de transportes multimodais acaba por integrar os mercados, já que no transporte intermodal, os modais não competem entre si, e sim, se completam, contribuindo para o aumento do volume de cargas a serem transportadas para os mercados consumidores e portos de exportação. O que coloca o município de Pederneiras em uma posição logisticamente estratégica, transformando a cidade em um pólo industrial de grande atratividade, já que a multimodalidade oferece várias opções de escoamento, deixando a critério das indústrias da cidade qual modalidade de transporte mais se adéqua ao produto a ser transportado e a situação financeira em que a mesma se encontra. Considerando o fato de que cada modalidade de transporte apresenta uma característica diferente, tanto em capacidade de transporte como também em tempo de transporte e consequentemente em termos econômicos, o transporte hidro-ferroviário ganha notoriedade tanto na cidade como em todo o Estado, já que este se enquadra como uma alternativa de transporte de menor custo e menos poluente se comparado ao transporte rodoviário, ou seja, muito mais eficaz para o escoamento da produção. Segundo o Departamento Hidroviário do Governo do estado de São Paulo, dentre as seis empresas que operam atualmente na Hidrovia Tietê-Paraná, duas de grande expressão estão localizadas no porto de Pederneiras, são elas Comercial Quintella (atual Louis Dreyfus Commodities) e EPN-Torque. A Secretaria de Transportes do Estado ainda destaca as principais vantagens do transporte hidroviário como maior eficiência energética, maior capacidade de concentração de cargas, e maior vida útil da infraestrutura e dos equipamentos e veículos, sendo ainda essa

4 modalidade de transporte mais econômica no consumo de combustível, menos geradora de resíduos poluentes e impacto ambiental, menos congestionamento de tráfego, menos custo em infraestrutura, menor número de acidentes e custo operacional reduzido. Essa diversificação nas modalidades de transportesvem propiciando um rompimento de uma estrutura basicamente rodoviária de transportes no Brasil, permitindo maior eficiência e redução de custos com o escoamento da produção e possibilitando tornar o preço dos produtos que saem do porto mais competitivo, assim facilitando sua inserção nos mercados internos e externos. Figura 1: Terminal Intermodal de Pederneiras Loius Dreyfus Commodities Fonte: Internet Flickr.com Na figura 1 é possível observar a relação entre diferentes modais, como a Hidrovia, a Ferrovia, e infelizmente, fora da figura, existe a Rodovia Comandante João Ribeiro de Barros importante meio de escoamento da região e também o Aeroporto Municipal de Pederneiras usado exclusivamente para o transporte de carga. Os números da exportação Conforme dados divulgados pela Secretaria de Comércio Exterior (Secex), órgão vinculado ao Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior, a balança comercial de Pederneiras que é um balanço entre as importações e exportações do município, fechou o ano de 2012 com um superávit de US$ , número relativamente maior do que a maioria das cidades da região. Se contarmos só os valores das exportações da cidade, os números são bastante expressivos, já que em doze anos houve um aumento de mais de 400%, pois, no ano de 2000 a cidade exportou US$ enquanto em 2012 o resultado das exportações foi de US$ Esses números se consolidaram em uma crescente constante, com exceção ao ano de 2009, onde a crise mundial afetou com maior rigor os principais países que exportam do município, consequentemente afetando as empresas instaladas na cidade. O gráfico a seguir ilustra o crescente valor dessas exportações no decorrer dos últimos doze anos, em dólares.

5 Gráfico 1: Valor das exportações de Pederneiras Fonte: Autora Segundo o mesmo órgão, os principais países de destino das exportações de Pederneiras no ano de 2012 em ordem de valores foram China, Estados Unidos, Holanda, Reino Unido e Chile. A lista apresenta mais de 30 países para onde as atividades exportadoras se voltaram com maior expressão, e os blocos econômicos onde essas atividades foram mais recorrentes foram União Europeia, Ásia (exclusive Oriente Médio), Estados Unidos (inclusive Porto Rico), Aladi (exclusive Mercosul) e África (exclusive Oriente Médio). A tabela abaixo mostra quais foram esses países e a quantidade em dólares exportados. Tabela 1: Principais países e blocos econômicos de destino Ord Descrição 2012 (Jan/Dez) US$ F.O.B Part % TOTAL DA ÁREA ,00 TOTAL DOS PRINCIPAIS PAÍSES DE DESTINO ,46 1 China ,64 2 Estados Unidos ,81 3 Países Baixos (Holanda) ,00 4 Reino Unido ,10 5 Chile ,89 PRINCIPAIS BLOCOS ECONÔMICOS 1 União Europeia - UE ,69 2 Ásia (Exclusive Oriente Médio ,58 3 Estados Unidos (Inclusive Porto Rico) ,81 4 Aladi (Exclusive Mercosul) ,64 5 África (Exclusive Oriente Médio) ,53 6 Demais Blocos ,75 Fonte: Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior, 2012.

6 O MDIC ainda listou quais foram os principais produtos e grupos de produtos exportados pelo município no ano de 2012, esses seguem listados na tabela e a seguir. Tabela 2: Principais produtos exportados Ord Descrição 2012 (Jan/Dez) US$ F.O.B Part % Kg Líquido TOTAL DA ÁREA , TOTAL DOS PRINCIPAIS PRODUTOS EXPORTADOS , SOJA, MESMO TRITURADA, EXCETO PARA SEMEADURA , ESTERES E SAIS, DA LISINA , BAGAÇOS E OUTS. RESÍDUOS SÓLIDOS, DA EXTR. DO ÓLEO DE SOJA , OUTROS NIVELADORES , OUTS. DUMPERS P/ TRANSP. MERCADORIA, UTIL. FORA DE RODOVIAS , OUTS. CARREGADORAS/PAS CARREGADORAS. DE CARREGAM. FRONTAL , OUTS. ESCAVADORAS COM CAPACID. CARGA >=19M , OUTS. PARTES DE MAQS. E APARELHOS DE TERRAPLANAGEM E ETC , MILHO EM GRÃO, EXCETO PARA SEMEADURA , COMPACTADORES E ROLOS/CILINDROS COMPRESSORES, AUTOPROPUL , PARTES DE APARS. DISPOSIT. ELETR. IGNIÇÃO, ETC. P/ MOTOR EXPL , ÓLEOS LUBRIFICANTES COM ADITIVOS , OUTROS RESERVATÓRIOS, ETC. DE FERRO/AÇO, C<50L , MISTURAS E PASTAS, P/PREPAR. PRODS. PADARIA, PASTELARIA, ETC , OUTS. QUADROS, ETC. C/APARS. INTERRUP. CIRCUITO ELETR. T <=1KV , OUTROS PRODUTOS SEMIMANUFATURADOS, DE AÇOS INOXIDAVEIS , SILENCIOSOS E TUBOS DE ESCAPE P/ TRATORES/VEIC. AUTOMOV , OUTROS APARELHOS DE AR CONDICIONADO, P/ VEICS. AUTOMOVEIS , OUTS. VALVULAS P/ TRANSMISSÕES OLEO-HIDRAULICAS/PNEUMAT , CAÇAMBAS, PÁS, GANCHOS, ETC. P/ MAQS E APARS. TERRAPLANAGEM , OUTROS MOTORES DIESEL/SEMIDIESEL , OUTROS MOTORES HIDRAULICOS , LÍQUIDOS P/ TRANSMISSÕES HIDRAULICAS , INDICADORES DE VELOCIDADE E TACOMETROS , CILINDROS HIDRAULICOS , OUTRAS OBRAS DE FERRO OU AÇO , OUTRAS OBRAS MOLDADAS, DE FERRO FUNDIDO OU FERRO , OUTRAS PARTES E ACESS. P/TRATORES E VEICULOS AUTOMOVEIS , MOTOR ELETR. DE CORRENTE CONTINUA, 750W<POT<=75KW , PARTES DE APARS. ELETR. ILUMIN/SINALIZ.P/AUTOMOVEIS, ETC , TUBO BORRACHA VULCAN.N/ENDUR.N/REFORC.S/ACESS , CORREA TRANSM. SEC. TRAPEZ. ESTRIAD.60<C<=180CM , TROCADORES (PERMUTADORES) DE CALOR, TUBULARES METÁLICOS , PARTES DE TORNEIRAS, OUTS. DISPOSITIV.P/CANALIZAÇÕES, ETC , OUTS. FREIOS E PARTES P/ TRATORES/VEIC.AUTS , OUTS. GUARNIÇÕES, ETC. DE METAIS COMUNS, P/ VEICS. AUTOMOVEIS 953 0, PARTES DE ARVORES DE TRANSMISSÃO, MANIVELAS, MANCAIS, ETC 924 0, OUTROS RELES, 60 VOLTS<TENSÃO<=1000VOLTS 783 0, OUTROS ARTEFATOS N/ROSCADOS, DE FERRO FUNDIDO/FERRO/AÇO 737 0, POLIAS EXC. AS DE ROLAMENTOS REGULADORES DE TENSÃO 502 0, DEMAIS PRODUTOS ,00 Fonte: Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior, 2012.

7 As tabelas acima mostram os dados referentes à atividade exportadora do município de Pederneiras, são eles que contribuem para a arrecadação municipal, gerando assim recursos para investir em setores de principal desenvolvimento da cidade. Desenvolvimento Uma vez que o artigo é basicamente uma revisão bibliográfica, feito anteriormente, optou-se para utilizar este tópico como forma de apresentação dos benefícios obtidos por um município exportador. Infraestrutura A infraestrutura é fundamental para o desenvolvimento econômico de um município. Sem ela, as empresas não conseguem desenvolver adequadamente seus negócios. Fazem parte da infraestrutura de uma cidade: rodovias, portos, ferrovias, aeroportos, sistema de telecomunicações, rede de distribuição de água e esgoto sistema de transmissão de energia. Decorrente de uma infraestrutura adequada temos o processo de urbanização que representa geograficamente o desenvolvimento das cidades com a presença de escolas, creches, hospitais, casas, ruas, avenidas, praças, clubes, cinema, teatro, entre outros. O município de Pederneiras, conta com bons investimentos no processo de urbanização, parte deles oriundos da arrecadação através das atividades exportadoras, o que se torna um atrativo a mais para novas empresas. Figura 2: Construção de casas populares em Pederneiras Fonte: Prefeitura Municipal de Pederneiras, Saúde O município possui 9 unidades básicas de saúde que atendem gratuitamente a população. Possui ainda, um Centro de Especialidades Odontológicas que beneficia aproximadamente 1000 pessoas todos os meses, um Centro de Atenção à Saúde da Mulher com exames de ultrassom e mamografia gratuitamente e um Posto de Saúde da Família. Figura 3: Centro de Atenção à Saúde da Mulher Fonte: Prefeitura Municipal de Pederneiras, 2013.

8 Educação O ensino no município é proporcionado por 09 escolas estaduais de primeiro e segundo graus, 03 escolas municipais de ensino fundamental, 15 escolas de educação infantil (maternal, Jardim I, Jardim II e Pré) mantidas pela Prefeitura Municipal, escolas com cursos técnicos, e ensino supletivo. Há ainda escolas de línguas e de informática e 7 creches, sendo 5 municipais e 2 mantidas por órgãos assistenciais. A cidade possui ainda 03 faculdades: Uniararas e Facinter são telesalas e a FGP presencial. Figura 4: Centro de Educação Infantil em Pederneiras Fonte: Prefeitura Municipal de Pederneiras, As imagens acima são obras da Prefeitura Municipal de Pederneiras e são exemplos de como o processo de urbanização contribui para o desenvolvimento do município, gerando benefícios diretos à população assim propiciando melhor qualidade de vida. Conclusão O crescente número das atividades exportadoras do município de Pederneiras fez com que a cidade ganhasse destaque nacional no setor, sendo reconhecida por suas empresas no segmento de máquinas e equipamentos de uso na extração mineral e na construçãocivil, produtos de lavouras temporárias e produtos químicos orgânicos. A indústria de induzidos de motores elétricos, nos últimos anos vem sendo um importante destaque na utilização da mão-de-obra local, alimentando assim a economia interna, não só através da já citada geração de empregos mas também pela geração de impostos para o município de Pederneiras. A localização estratégica da cidade e a multimodalidade nos transportes é outro fator que faz com que a cidade atraia novas empresas, situada as margens do rio Tiete e sendo sede portuária da Hidrovia Tiete-Paraná, Pederneiras escoa grande parte da sua produção pela hidrovia, o que faz com que os produtos cheguem a seus destinos de forma mais barata, e de também de forma ecologicamente responsável, e se tornem mais competitivos e atrativos tanto no mercado interno quanto no externo. Através das atividades exportadoras, o município de Pederneiras tem registrado uma economia aquecida nos últimos 12 anos com exceção apenas do ano de 2009, pois não fica vulnerável aos problemas conjunturais da economia nacional, desta forma a cidade dispõe de investimentos em infraestrutura, propiciando melhor qualidade de vida aos seus munícipes, o que a médio e longo prazo, acaba se tornando um atrativo a mais para a instalação de novas empresas que procuram cidades que ofereçam melhores oportunidades de investimentos conjugada à uma qualidade de vida melhor para seus funcionários. Funciona como um ciclo virtuoso, em que a instalação de novas empresas gera recursos para o investimento em infraestrutura e uma cidade bem estruturada se torna atrativa para a instalação de novas empresas.

9 Referências CIESP Centro das Indústrias do Estado de São Paulo. Disponível em <http://www.ciesp.com.br/bauru>. Acesso em 7 abr DEPARTAMENTO HIDROVIÁRIO DO ESTADO DE SÃO PAULO. Hidrovia Tietê-Paraná: Transporte econômico e de baixo impacto ambiental. São Paulo: DIAS, E. F. Aspectos econômicos da cidade de Pederneiras: a indústria de induzido f. Trabalho de Graduação (Graduação em Tecnologia e Logística de Transportes) - Faculdade de Tecnologia de Jahu, FATEC, Jaú, FELIPE JR, N.F.; SILVEIRA, M.R. A hidrovia tiête-paraná e as redes intermodais: o caso do porto de Pederneiras-SP. Revista Formação, Presidente Prudente, v.1, n.15, p , FELIPE JR, N. F. O porto intermodal de pederneiras e sua contribuição para o crescimento econômico do município f. Trabalho de Graduação (Graduação em Geografia) Faculdade de Ciências e Tecnologia, FCT/UNESP, Presidente Prudente, GABRIEL OTTOBONI Ranking estadual de exportações destaca Pederneiras e Bauru. Disponível em: <http://www.jcnet.com.br>. Acesso em: 27 mar IBGE, Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Disponível em: <http://www.ibge.gov.br> Acesso em: 22 mar LAKATOS, E.M.; MARCONI, M.de A. Metodologia do Trabalho científico.4. ed. São Paulo: Atlas, MARCONI, M.de A.; LAKATOS, E.M. Metodologia Científica. 5. ed. São Paulo: Atlas, Técnicas de Pesquisa. 7. ed. São Paulo: Atlas, MDIC Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior. Disponível em: <http://www.desenvolvimento.gov.br/sitio/>. Acesso em 2 abr PREFEITURA MUNICIPAL DE PEDERNEIRAS-SP. Disponível em: <http://www.pederneiras.sp.gov.br>. Acesso em 2 abr

RADAR COMERCIAL Análise do Mercado de Luxemburgo. 1 Panorama do País

RADAR COMERCIAL Análise do Mercado de Luxemburgo. 1 Panorama do País Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior - MDIC Secretaria de Comércio Exterior SECEX Departamento de Planejamento e Desenvolvimento do Comércio Exterior DEPLA Coordenação Geral de

Leia mais

As atuais condições da infraestrutura de transporte e logística do Brasil têm

As atuais condições da infraestrutura de transporte e logística do Brasil têm ESTUDO DA CNT APONTA QUE INFRAESTRUTURA RUIM AUMENTA CUSTO DO TRANSPORTE DE SOJA E MILHO As atuais condições da infraestrutura de transporte e logística do Brasil têm impacto significativo na movimentação

Leia mais

ARGENTINA Comércio Exterior

ARGENTINA Comércio Exterior Ministério das Relações Exteriores - MRE Departamento de Promoção Comercial e Investimentos - DPR Divisão de Inteligência Comercial - DIC ARGENTINA Comércio Exterior Agosto de 2014 Índice. Dados Básicos.

Leia mais

PAÍSES BAIXOS Comércio Exterior

PAÍSES BAIXOS Comércio Exterior Ministério das Relações Exteriores - MRE Departamento de Promoção Comercial e Investimentos - DPR Divisão de Inteligência Comercial - DIC PAÍSES BAIXOS Comércio Exterior Outubro de 2014 Índice. Dados Básicos.

Leia mais

Estruturar informações econômicas básicas sobre a caracterização da indústria mineira no Estado de Minas Gerais e em suas Regionais.

Estruturar informações econômicas básicas sobre a caracterização da indústria mineira no Estado de Minas Gerais e em suas Regionais. Maio/2014 OBJETIVO Estruturar informações econômicas básicas sobre a caracterização da indústria mineira no Estado de Minas Gerais e em suas Regionais. Permitir ainda, uma análise comparativa da evolução

Leia mais

REINO UNIDO Comércio Exterior

REINO UNIDO Comércio Exterior Ministério das Relações Exteriores - MRE Departamento de Promoção Comercial e Investimentos - DPR Divisão de Inteligência Comercial - DIC REINO UNIDO Comércio Exterior Setembro de 2014 Índice. Dados Básicos.

Leia mais

Aspectos recentes do Comércio Exterior Brasileiro

Aspectos recentes do Comércio Exterior Brasileiro Aspectos recentes do Comércio Exterior Brasileiro Análise Economia e Comércio / Integração Regional Jéssica Naime 09 de setembro de 2005 Aspectos recentes do Comércio Exterior Brasileiro Análise Economia

Leia mais

RADAR COMERCIAL Análise do Mercado da Croácia

RADAR COMERCIAL Análise do Mercado da Croácia Secretaria de Comércio Exterior SECEX - MDIC Departamento de Planejamento e Desenvolvimento do Comércio Exterior DEPLA Coordenação Geral de Produção Estatística CGPE RADAR COMERCIAL A Croácia foi a sexagésima

Leia mais

A Infra-estrutura e os Desafios Logísticos das Exportações Brasileiras

A Infra-estrutura e os Desafios Logísticos das Exportações Brasileiras A Infra-estrutura e os Desafios Logísticos das Exportações Brasileiras P. Fernando Fleury Um dos principais efeitos do processo de globalização que vem afetando a grande maioria das nações, é o aumento

Leia mais

Hidrovia Tapajós Teles Pires A hidrovia do agronegócio

Hidrovia Tapajós Teles Pires A hidrovia do agronegócio Hidrovia Tapajós Teles Pires A hidrovia do agronegócio Escoamentodaproduçãoagrícoladaregiãocentro-oeste VantagensComparativasdoTransporteHidroviário EstudodeCaso Agência Nacional de Transportes Aquaviários

Leia mais

- 300. Saldo BC Importações Importações s/gás Exportações

- 300. Saldo BC Importações Importações s/gás Exportações Carta de Conjuntura nº2 Dezembro de 2015 Setor Externo As cotações do dólar recuaram em relação aos últimos meses, chegando a taxa média em novembro a ficar em R$ 3,77, cerca de 2,77% abaixo da taxa média

Leia mais

Gráfico 01 - Evolução do comércio exterior da Dinamarca - 2008-2010. 2008 2009 2010 Anos

Gráfico 01 - Evolução do comércio exterior da Dinamarca - 2008-2010. 2008 2009 2010 Anos Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior - MDIC Secretaria de Comércio Exterior SECEX Departamento de Planejamento e Desenvolvimento do Comércio Exterior DEPLA Coordenação Geral de

Leia mais

THIAGO DE MORAES thiagoraes@hotmail.com. ORIENTADOR: CRISTIANO MORINI Estágio Supervisionado em ADM-GNI - UNIMEP cmorini@unimep.br

THIAGO DE MORAES thiagoraes@hotmail.com. ORIENTADOR: CRISTIANO MORINI Estágio Supervisionado em ADM-GNI - UNIMEP cmorini@unimep.br Panorama Recente do Comércio Exterior Brasileiro: Um Estudo Comparativo (2003 2006) Entre as Cinco Principais Cidades Exportadoras do Estado de São Paulo. THIAGO DE MORAES thiagoraes@hotmail.com ORIENTADOR:

Leia mais

Balança Comercial 2003

Balança Comercial 2003 Balança Comercial 2003 26 de janeiro de 2004 O saldo da balança comercial atingiu US$24,8 bilhões em 2003, o melhor resultado anual já alcançado no comércio exterior brasileiro. As exportações somaram

Leia mais

COMÉRCIO EXTERIOR JANEIRO DE 2013. Bens de consumo puxam alta das exportações, mas déficit comercial aumenta

COMÉRCIO EXTERIOR JANEIRO DE 2013. Bens de consumo puxam alta das exportações, mas déficit comercial aumenta Bens de consumo puxam alta das exportações, mas déficit comercial aumenta O saldo da balança comercial brasileira de janeiro de 2013 apresentou aumento do déficit de 208,9% em relação a janeiro de 2012,

Leia mais

Superintendência de Desenvolvimento Industrial Setembro, 2011

Superintendência de Desenvolvimento Industrial Setembro, 2011 Integração de Cadeias Produtivas Superintendência de Desenvolvimento Industrial Setembro, 2011 Agenda 1. Crescimento do Mercado Consumidor e Ascensão da Classe Média 1. Áreas de Investimento e Adensamento

Leia mais

Exportações no período acumulado de janeiro até março de 2015. Total das exportações do Rio Grande do Sul.

Exportações no período acumulado de janeiro até março de 2015. Total das exportações do Rio Grande do Sul. Este relatório tem por objetivo apresentar os principais números referentes ao comércio internacional do agronegócio do Rio Grande do Sul no mês de março de 2015. Total das exportações do Rio Grande do

Leia mais

A EMERGÊNCIA DA CHINA. Desafios e Oportunidades para o Brasil Dr. Roberto Teixeira da Costa

A EMERGÊNCIA DA CHINA. Desafios e Oportunidades para o Brasil Dr. Roberto Teixeira da Costa A EMERGÊNCIA DA CHINA Desafios e Oportunidades para o Brasil Dr. Roberto Teixeira da Costa Crescimento médio anual do PIB per capita - 1990-2002 10 8,8 5 0 Fonte: PNUD 1,3 Brasil China dinamismo econômico

Leia mais

PLATAFORMA LOGÍSTICA Instrumento Importante para maior eficiência logística dos Portos Brasileiros O Caso do Porto de Santos

PLATAFORMA LOGÍSTICA Instrumento Importante para maior eficiência logística dos Portos Brasileiros O Caso do Porto de Santos PLATAFORMA LOGÍSTICA Instrumento Importante para maior eficiência logística dos Portos Brasileiros O Caso do Porto de Santos José Newton Barbosa Gama Assessor Especial Dezembro de 2011 SUMÁRIO Problemática

Leia mais

COREIA DO SUL Comércio Exterior

COREIA DO SUL Comércio Exterior Ministério das Relações Exteriores - MRE Departamento de Promoção Comercial e Investimentos - DPR Divisão de Inteligência Comercial - DIC COREIA DO SUL Comércio Exterior Dezembro de 2014 Índice. Dados

Leia mais

M A C R O C H I N A Ano 2 Nº 8 15 de maio de 2007

M A C R O C H I N A Ano 2 Nº 8 15 de maio de 2007 M A C R O C H I N A Ano 2 Nº 8 1 de maio de 27 Síntese gráfica trimestral do comércio bilateral e do desempenho macroeconômico chinês Primeiro trimestre de 27 No primeiro trimestre de 27, a economia chinesa

Leia mais

CAZAQUISTÃO Comércio Exterior

CAZAQUISTÃO Comércio Exterior Ministério das Relações Exteriores - MRE Departamento de Promoção Comercial e Investimentos - DPR Divisão de Inteligência Comercial - DIC CAZAQUISTÃO Comércio Exterior Agosto de 2014 Índice. Dados Básicos.

Leia mais

I - Resultado mensal: 60,82%, acum. ano: 66,55% acum. 12 meses: 68,50%

I - Resultado mensal: 60,82%, acum. ano: 66,55% acum. 12 meses: 68,50% dez/12 fev/13 abr/13 jun/13 ago/13 out/13 dez/12 fev/13 abr/13 jun/13 ago/13 out/13-870 -953-919 -937-1.015-601 -623-714 -780-780 -860-266 Novembro de edição n. 28 I - Resultado mensal: 60,82%, acum. ano:

Leia mais

Exportações no período acumulado de janeiro até abril de 2015. Total das exportações do Rio Grande do Sul. 2015 com abril de 2014.

Exportações no período acumulado de janeiro até abril de 2015. Total das exportações do Rio Grande do Sul. 2015 com abril de 2014. Este relatório tem por objetivo apresentar os principais números referentes ao comércio internacional do agronegócio do Rio Grande do Sul no mês de abril de 2015. Total das exportações do Rio Grande do

Leia mais

Título do Trabalho. Ambiente Macroeconômico e Evolução dos Mercados de Produtos Estampados de Chapas Metálicas

Título do Trabalho. Ambiente Macroeconômico e Evolução dos Mercados de Produtos Estampados de Chapas Metálicas Título do Trabalho Ambiente Macroeconômico e Evolução dos Mercados de Produtos Estampados de Chapas Metálicas Autores: Antonio Carlos de Oliveira, Eng. Dr. Professor Pleno e Diretor e da Faculdade de Tecnologia

Leia mais

SURINAME Comércio Exterior

SURINAME Comércio Exterior Ministério das Relações Exteriores - MRE Departamento de Promoção Comercial e Investimentos - DPR Divisão de Inteligência Comercial - DIC SURINAME Comércio Exterior Novembro de 2014 Índice. Dados Básicos.

Leia mais

6 A cadeia de suprimentos da soja no Mato Grosso sob o ponto de vista dos atores da cadeia

6 A cadeia de suprimentos da soja no Mato Grosso sob o ponto de vista dos atores da cadeia 6 A cadeia de suprimentos da soja no Mato Grosso sob o ponto de vista dos atores da cadeia Complementando o que foi exposto sobre a gerência da cadeia de suprimentos analisada no Capítulo 3, através de

Leia mais

BRASIL Comércio Exterior

BRASIL Comércio Exterior Ministério das Relações Exteriores - MRE Departamento de Promoção Comercial e Investimentos - DPR Divisão de Inteligência Comercial - DIC BRASIL Comércio Exterior Novembro de 2014 Índice. Dados Básicos.

Leia mais

COREIA DO NORTE Comércio Exterior

COREIA DO NORTE Comércio Exterior Ministério das Relações Exteriores - MRE Departamento de Promoção Comercial e Investimentos - DPR Divisão de Inteligência Comercial - DIC COREIA DO NORTE Comércio Exterior Dezembro de 2014 Índice. Dados

Leia mais

As Megatendências por Setores da Economia CRI Minas 25 de Setembro de 2014

As Megatendências por Setores da Economia CRI Minas 25 de Setembro de 2014 As Megatendências por Setores da Economia CRI Minas 25 de Setembro de 2014 Fortune Top companies: Biggest by Market Value Fortune Top companies: Most profitable VALOR V = Valor percebido pelo cliente (

Leia mais

Pesquisa Industrial- Empresa. Pesquisa Industrial- Produto. Data 21/06/2013

Pesquisa Industrial- Empresa. Pesquisa Industrial- Produto. Data 21/06/2013 Pesquisa Industrial- Empresa 2011 Pesquisa Industrial- Produto Data 21/06/2013 Apresentação Aspectos metodológicos Análise de resultados Resultados gerais em 2011 Estrutura das receitas, dos custos e despesas,

Leia mais

Análise Setorial. Fabricação de artefatos de borracha Reforma de pneumáticos usados

Análise Setorial. Fabricação de artefatos de borracha Reforma de pneumáticos usados Análise Setorial Fabricação de artefatos de borracha Reforma de pneumáticos usados Abril de 2015 Sumário 1. Perspectivas do Cenário Econômico em 2015... 3 2. Balança Comercial de Março de 2015... 5 3.

Leia mais

Monitor do Déficit Tecnológico. Análise Conjuntural das Relações de Troca de Bens e Serviços Intensivos em Tecnologia no Comércio Exterior Brasileiro

Monitor do Déficit Tecnológico. Análise Conjuntural das Relações de Troca de Bens e Serviços Intensivos em Tecnologia no Comércio Exterior Brasileiro Monitor do Déficit Tecnológico Análise Conjuntural das Relações de Troca de Bens e Serviços Intensivos em Tecnologia no Comércio Exterior Brasileiro de 2012 Monitor do Déficit Tecnológico de 2012 1. Apresentação

Leia mais

Boletim de Comércio Exterior da Bahia Abril 2013

Boletim de Comércio Exterior da Bahia Abril 2013 ISSN 2179-8745 Boletim de Comércio Exterior da Bahia Abril 2013 Sumário SUMÁRIO Governo do Estado da Bahia Jaques Wagner Secretaria do Planejamento José Sergio Gabrielli Superintendência de Estudos Econômicos

Leia mais

ESPANHA DADOS BÁSICOS E PRINCIPAIS INDICADORES ECONÔMICO-COMERCIAIS

ESPANHA DADOS BÁSICOS E PRINCIPAIS INDICADORES ECONÔMICO-COMERCIAIS Ministério das Relações Exteriores - MRE Departamento de Promoção Comercial e Investimentos - DPR Divisão de Inteligência Comercial - DIC DADOS BÁSICOS E PRINCIPAIS INDICADORES ECONÔMICO-COMERCIAIS ESPANHA

Leia mais

Dados gerais referentes às empresas do setor industrial, por grupo de atividades - 2005

Dados gerais referentes às empresas do setor industrial, por grupo de atividades - 2005 Total... 147 358 6 443 364 1 255 903 923 1 233 256 750 157 359 927 105 804 733 1 192 717 909 681 401 937 511 315 972 C Indústrias extrativas... 3 019 126 018 38 315 470 32 463 760 4 145 236 2 657 977 35

Leia mais

M A C R O C H I N A Ano 2 Nº 4 11 de maio de 2006

M A C R O C H I N A Ano 2 Nº 4 11 de maio de 2006 M A C R O C H I N A Ano Nº 11 de maio de 6 Síntese gráfica trimestral do comércio bilateral e do desempenho macroeconômico chinês - Primeiro trimestre de 6. Para surpresa de muitos analistas, o Banco Central

Leia mais

ANÁLISE DAS EXPORTAÇÕES MATO-GROSSENSES Janeiro a Dezembro / 2007

ANÁLISE DAS EXPORTAÇÕES MATO-GROSSENSES Janeiro a Dezembro / 2007 ANÁLISE DAS EXPORTAÇÕES MATO-GROSSENSES / 2007 1- Balança Comercial Mato Grosso continua tendo superávit na Balança Comercial registrando em 2007 um expressivo saldo de US$ 4,38 bilhões valor que representa

Leia mais

CONDOMINIO INDUSTRIAL MARITIMO

CONDOMINIO INDUSTRIAL MARITIMO PORTO CENTRAL CONDOMINIO INDUSTRIAL MARITIMO VITORIA, 01/8/2012 Jose Maria Novaes 3-8-2012 Copyright - PORTO CENTRAL - 2012 1 Porto Central Visão Ser um complexo portuário indústrial de águas profundas

Leia mais

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos SUCO DE LARANJA NOVEMBRO DE 2015

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos SUCO DE LARANJA NOVEMBRO DE 2015 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos SUCO DE LARANJA NOVEMBRO DE 2015 PRODUTOS DISTRIBUIÇÃO DA PRODUÇÃO DE LARANJA NO CINTURÃO CITRÍCOLA 49% Farelo 85% laranja para indústria 45% Suco 98%

Leia mais

As mudanças no comércio exterior brasileiro no primeiro semestre de 2008

As mudanças no comércio exterior brasileiro no primeiro semestre de 2008 As mudanças no comércio exterior brasileiro no primeiro semestre de 2008 Julio Gomes de Almeida Mauro Thury de Vieira Sá Daniel Keller de Almeida Texto para Discussão. IE/UNICAMP n. 149, nov. 2008. ISSN

Leia mais

Desafios da Internacionalização O papel da AICEP. APAT 10 de Outubro, 2015

Desafios da Internacionalização O papel da AICEP. APAT 10 de Outubro, 2015 Desafios da Internacionalização O papel da AICEP APAT 10 de Outubro, 2015 Internacionalização - Desafios Diversificar Mercados Alargar a Base Exportadora 38º PORTUGAL TEM MELHORADO A SUA COMPETITIVIDADE

Leia mais

SEGMENTO EMPRESA PRODUTOS OBJETIVOS

SEGMENTO EMPRESA PRODUTOS OBJETIVOS SEGMENTO EMPRESA PRODUTOS OBJETIVOS OFERECE PRODUTOS E SERVIÇOS NA ÁREA DE COMUNICAÇÃO, SEGURANÇA E ENERGIA SOLAR. SEUS PRINCIPAIS PRODUTOS SÃO: - CENTRAIS DE ATENDIMENTO; COMUNICAÇÃO / ENERGIA / SEGURANÇA

Leia mais

O impacto da expansão do setor de mineração, metalurgia e de materiais no Espírito Santo na Academia

O impacto da expansão do setor de mineração, metalurgia e de materiais no Espírito Santo na Academia 1 O impacto da expansão do setor de mineração, metalurgia e de materiais no Espírito Santo na Academia Eng. Maristela Gomes da Silva, Dr. 1 Os objetivos desta primeira intervenção são apresentar a situação

Leia mais

Agronegócio no Brasil e em Mato Grosso

Agronegócio no Brasil e em Mato Grosso Agronegócio no Brasil e em Mato Grosso Índice 1 - Conceito de Agronegócio e a atuação do Imea 2 - Agronegócio no Brasil e em Mato Grosso 2.1 Agronegócio Soja 2.2 Agronegócio Milho 2.3 Agronegócio Algodão

Leia mais

São Paulo: múltiplas oportunidades que impulsionam seus negócios

São Paulo: múltiplas oportunidades que impulsionam seus negócios São Paulo: múltiplas oportunidades que impulsionam seus negócios A importância da economia paulista transcende as fronteiras brasileiras. O Estado é uma das regiões mais desenvolvidas de toda a América

Leia mais

Sede Nacional Sede N a N ci c o i nal l - SP

Sede Nacional Sede N a N ci c o i nal l - SP Brasil: Potência ou Colônia? Uma reflexão necessária... Sede Nacional Sede Nacional -SP Fundação: 1937- origem em um sindicato têxtil; Possui 1.500 empresas associadas e representa 4,5 mil empresas; O

Leia mais

Exportação e importação

Exportação e importação 17 Exportação e importação Este capítulo, com 12 tabelas, possui informações sobre uma série histórica da Balança Comercial de Mato Grosso no período de 1995 a 2004. Para o ano de 2004 são apresentadas

Leia mais

MINISTÉRIO DA INTEGRAÇÃO NACIONAL GABINETE DO MINISTRO

MINISTÉRIO DA INTEGRAÇÃO NACIONAL GABINETE DO MINISTRO MINISTÉRIO DA INTEGRAÇÃO NACIONAL GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 204, DE 28 DE AGOSTO DE 2015 Estabelece diretrizes e orientações gerais para definição de prioridades e aprovação de projetos de investimentos

Leia mais

ESTUDO DA CRIAÇÃO DE UMA PLATAFORMA MULTIMODAL Prof. Ph.D. Cláudio Farias Rossoni Área delimitada onde em um mesmo local se encontram disponibilizados: DUTOVIAS HIDROVIAS RODOVIAS AEROVIAS FERROVIAS Área

Leia mais

. CONSUMO DE ÓLEO DIESEL

. CONSUMO DE ÓLEO DIESEL TRANSPORTES Os transportes têm como finalidade o deslocamento e a circulação de mercadorias e de pessoas de um lugar para outro. Nos países subdesenvolvidos, cuja economia sempre foi dependente dos mercados

Leia mais

Diretoria de Pesquisas COIND. Índice de Preços ao Produtor

Diretoria de Pesquisas COIND. Índice de Preços ao Produtor Diretoria de Pesquisas COIND Índice de Preços ao Produtor Índice de Preços ao Produtor Indústrias de Transformação Resultados Agosto 2012 Principais Indicadores Indústrias de Transformação JUN JUL AGO

Leia mais

Courobusiness em Alagoas

Courobusiness em Alagoas Courobusiness em Alagoas Descrição Atração e instalação de empreendimentos de curtumes para o desenvolvimento e consolidação da cadeia produtiva do couro no Estado de Alagoas. Entidades responsáveis Célula

Leia mais

A Indústria de Autopeças Brasileira. Elaboração: Assessoria de Economia

A Indústria de Autopeças Brasileira. Elaboração: Assessoria de Economia A Indústria de Autopeças Brasileira Elaboração: Assessoria de Economia São Paulo, maio de 2012 Números da indústria de autopeças Associadas Parque industrial Qualidade 494 empresas 749 unidades industriais

Leia mais

Oportunidades de Negócios e Parcerias entre Santa Catarina e China

Oportunidades de Negócios e Parcerias entre Santa Catarina e China Oportunidades de Negócios e Parcerias entre Santa Catarina e China China Brazil Santa Catarina Santa Catarina Dados Gerais SANTA CATARINA Área: 95,442 Km² População: 6,38 Milhões (2012) Densidade: 67 habitantes/km²

Leia mais

Título do Trabalho. Perspectivas de Mercado para Produtos Estampados

Título do Trabalho. Perspectivas de Mercado para Produtos Estampados Título do Trabalho Perspectivas de Mercado para Produtos Estampados Autores: Antonio Carlos de Oliveira, Eng. Dr. Professor Pleno e Diretor e da Faculdade de Tecnologia de Sorocaba (FATEC-So) Luiz Carlos

Leia mais

101/15 30/06/2015. Análise Setorial. Fabricação de artefatos de borracha Reforma de pneumáticos usados

101/15 30/06/2015. Análise Setorial. Fabricação de artefatos de borracha Reforma de pneumáticos usados 101/15 30/06/2015 Análise Setorial Fabricação de artefatos de borracha Reforma de pneumáticos usados Junho de 2015 Sumário 1. Perspectivas do CenárioEconômico em 2015... 3 2. Balança Comercial de Março

Leia mais

O crescimento da China e seus impactos sobre a economia mineira

O crescimento da China e seus impactos sobre a economia mineira SETOR EXTERNO E ECONOMIA INTERNACIONAL O crescimento da China e seus impactos sobre a economia mineira Gilberto Libânio * RESUMO - O presente trabalho busca discutir a importância do setor externo no desempenho

Leia mais

A SUA EMPRESA PRETENDE EXPORTAR? - CONHEÇA O ESSENCIAL E GARANTA O SUCESSO DA ABORDAGEM AO MERCADO EXTERNO

A SUA EMPRESA PRETENDE EXPORTAR? - CONHEÇA O ESSENCIAL E GARANTA O SUCESSO DA ABORDAGEM AO MERCADO EXTERNO A SUA EMPRESA PRETENDE EXPORTAR? - CONHEÇA O ESSENCIAL E GARANTA O SUCESSO DA ABORDAGEM AO MERCADO EXTERNO PARTE 03 - MERCADOS PRIORITÁRIOS Introdução Nas últimas semanas dedicamos a nossa atenção ao

Leia mais

O Transporte Aquaviário como Solução Logística e Ambiental

O Transporte Aquaviário como Solução Logística e Ambiental O Transporte Aquaviário como Solução Logística e Ambiental Missão Rússia Seminário Portos Fernando Fialho Diretor-Geral da ANTAQ Data: 14/05/2010 Local: Hotel Ritz-Carlton Uma breve visão do Brasil Fatos

Leia mais

O indicador de sentimento económico melhorou em Novembro, quer na União Europeia (+2.0 pontos), quer na Área Euro (+1.4 pontos).

O indicador de sentimento económico melhorou em Novembro, quer na União Europeia (+2.0 pontos), quer na Área Euro (+1.4 pontos). Nov-02 Nov-03 Nov-04 Nov-05 Nov-06 Nov-07 Nov-08 Nov-09 Nov-10 Nov-12 Análise de Conjuntura Dezembro 2012 Indicador de Sentimento Económico O indicador de sentimento económico melhorou em Novembro, quer

Leia mais

O COMÉRCIO EXTERIOR BRASILEIRO NO PERÍODO DE 1985-2009: BÊNÇÃO OU MALDIÇÃO DAS COMMODITIES? Stela Luiza de Mattos Ansanelli (Unesp)

O COMÉRCIO EXTERIOR BRASILEIRO NO PERÍODO DE 1985-2009: BÊNÇÃO OU MALDIÇÃO DAS COMMODITIES? Stela Luiza de Mattos Ansanelli (Unesp) O COMÉRCIO EXTERIOR BRASILEIRO NO PERÍODO DE 1985-2009: BÊNÇÃO OU MALDIÇÃO DAS COMMODITIES? Stela Luiza de Mattos Ansanelli (Unesp) Objetivo Qual padrão de especialização comercial brasileiro? Ainda fortemente

Leia mais

Atuando desde 1981 (mil novecentos e oitenta e um), a Henfel fabrica caixas para

Atuando desde 1981 (mil novecentos e oitenta e um), a Henfel fabrica caixas para Atuando desde 1981 (mil novecentos e oitenta e um), a Henfel fabrica caixas para rolamentos, acoplamentos hidrodinâmicos e flexíveis, e hidrovariadores de velocidade, produtos destinados a atender os mais

Leia mais

DADOS GERAIS BÁSICOS E PRINCIPAIS INDICADORES SÓCIO-ECONÔMICOS E COMERCIAIS EGITO

DADOS GERAIS BÁSICOS E PRINCIPAIS INDICADORES SÓCIO-ECONÔMICOS E COMERCIAIS EGITO DADOS GERAIS BÁSICOS E PRINCIPAIS INDICADORES Indice: - Dados Gerais Básicos e Indicadores Sócio-Econômicos - Balanço de Pagamentos - Comércio Exterior - Composição do Comércio Exterior - Direção do Comércio

Leia mais

DESEMPENHO DA INDÚSTRIA CATARINENSE

DESEMPENHO DA INDÚSTRIA CATARINENSE DESEMPENHO DA INDÚSTRIA CATARINENSE SANTA CATARINA e BRASIL Desempenho econômico em 2013 INDICADOR SANTA CATARINA BR % % acumulado 2013/2012 % acumulado 2012/2011 acumulado 2013/2012 Produção Ind. (jan-ago)

Leia mais

Logística e Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos. Profª Caroline Pauletto Spanhol

Logística e Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos. Profª Caroline Pauletto Spanhol Logística e Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos Profª Caroline Pauletto Spanhol Cadeia de Abastecimento Conceitos e Definições Elementos Principais Entendendo a Cadeia de Abastecimento Integrada Importância

Leia mais

Perfil Econômico Municipal

Perfil Econômico Municipal indústria Extração de carvão mineral Extração de petróleo e gás natural Extração de minerais metálicos Extração de minerais não-metálicos Fabricação de alimentos e bebidas Fabricação de produtos do fumo

Leia mais

Paraná Cooperativo EDIÇÃO ESPECIAL EXPORTAÇÕES Informe Diário nº 2.092 Sexta-feira, 08 de maio de 2009 Assessoria de Imprensa da Ocepar/Sescoop-PR

Paraná Cooperativo EDIÇÃO ESPECIAL EXPORTAÇÕES Informe Diário nº 2.092 Sexta-feira, 08 de maio de 2009 Assessoria de Imprensa da Ocepar/Sescoop-PR Paraná Cooperativo EDIÇÃO ESPECIAL EXPORTAÇÕES Informe Diário nº 2.092 Sexta-feira, 08 de maio de 2009 Assessoria de Imprensa da Ocepar/Sescoop-PR EXPORTAÇÕES DAS COOPERATIVAS NO AGRONEGÓCIO EM 1. RESULTADO

Leia mais

4. O Ciclo das Substancias na Termoelétrica Convencional De uma maneira geral todas as substâncias envolvidas na execução do trabalho são o

4. O Ciclo das Substancias na Termoelétrica Convencional De uma maneira geral todas as substâncias envolvidas na execução do trabalho são o 1.Introdução O fenômeno da corrente elétrica é algo conhecido pelo homem desde que viu um raio no céu e não se deu conta do que era aquilo. Os efeitos de uma descarga elétrica podem ser devastadores. Há

Leia mais

SECRETARIA DE AGRICULTURA, IRRIGAÇÃO E REFORMA AGRÁRIA SUPERINTENDÊNCIA DE POLÍTICA DO AGRONEGÓCIO Salvador, Maio de 2011 NOTA TÉCNICA:

SECRETARIA DE AGRICULTURA, IRRIGAÇÃO E REFORMA AGRÁRIA SUPERINTENDÊNCIA DE POLÍTICA DO AGRONEGÓCIO Salvador, Maio de 2011 NOTA TÉCNICA: SECRETARIA DE AGRICULTURA, IRRIGAÇÃO E REFORMA AGRÁRIA SUPERINTENDÊNCIA DE POLÍTICA DO AGRONEGÓCIO Salvador, Maio de 2011 NOTA TÉCNICA: INFORMAÇÕES SOBRE A CORÉIA DO SUL Com a rápida recuperação da crise

Leia mais

Comércio Exterior Cearense Fevereiro de 2014

Comércio Exterior Cearense Fevereiro de 2014 Enfoque Econômico é uma publicação do IPECE que tem por objetivo fornecer informações de forma imediata sobre políticas econômicas, estudos e pesquisas de interesse da população cearense. Por esse instrumento

Leia mais

Assessoria de Imprensa

Assessoria de Imprensa Assessoria de Imprensa Alex Branco Neto MTB: 12.834 Telefone:(11) 3021 4830 e mail: alex.branco@uol.com.br Release Um Grupo 100% brasileiro Somos o principal Grupo de capital nacional no processamento

Leia mais

Boletim de Comércio Exterior da Bahia Janeiro 2014

Boletim de Comércio Exterior da Bahia Janeiro 2014 ISSN 2179-8745 Boletim de Comércio Exterior da Bahia Janeiro 2014 Sumário SUMÁRIO Governo do Estado da Bahia Jaques Wagner Secretaria do Planejamento José Sergio Gabrielli Superintendência de Estudos Econômicos

Leia mais

MACAÉ SOLUÇÕES PARA OS DESAFIOS DA INDÚSTRIA DO PETRÓLEO. Câmara Britânica de Comércio e Indústria no Brasil - BRITCHAM

MACAÉ SOLUÇÕES PARA OS DESAFIOS DA INDÚSTRIA DO PETRÓLEO. Câmara Britânica de Comércio e Indústria no Brasil - BRITCHAM MACAÉ SOLUÇÕES PARA OS DESAFIOS DA INDÚSTRIA DO PETRÓLEO Câmara Britânica de Comércio e Indústria no Brasil - BRITCHAM 31/10/2013 1 Sumário 1 DADOS ESTATISTICOS DE MACAÉ 2 MACAÉ CIDADE DO PETRÓLEO 3 AÇÕES

Leia mais

BRASIL 16.783.231 13.806.365 21,56 SANTA CATARINA 585.066 578.707 1,10 Fonte: MDIC

BRASIL 16.783.231 13.806.365 21,56 SANTA CATARINA 585.066 578.707 1,10 Fonte: MDIC BALANÇA COMERCIAL DE SC BALANÇA COMERCIAL EXPORTAÇÕES E IMPORTAÇÕES CATARINENSES 1 EXPORTAÇÕES CATARINENSES - DEZEMBRO/2015 As exportações catarinenses cresceram 1,10 no mês de dezembro de 2015 em relação

Leia mais

A REALIDADE LOGÍSTICA

A REALIDADE LOGÍSTICA A REALIDADE LOGÍSTICA Logística NO BRASIL Por Marco Aurélio O Brasil teve, até o ano de 2010, 1,76 milhão de quilômetros de vias rodoviárias. Desse total, somente 212.000 quilômetros estavam pavimentados.

Leia mais

Agronegócio no Brasil e em Mato Grosso

Agronegócio no Brasil e em Mato Grosso Agronegócio no Brasil e em Mato Grosso Índice 1 - Agronegócio no Brasil e em Mato Grosso 1.1 Agronegócio Soja 1.2 Agronegócio Milho 1.3 Agronegócio Algodão 1.4 Agronegócio Boi 2 Competitividade 2.1 Logística

Leia mais

TEMA: DESAFIOS LOGÍSTICOS

TEMA: DESAFIOS LOGÍSTICOS Câmara dos Deputados Comissão Especial PL 0037/11 Audiência Pública em 18 de Setembro de 2013 TEMA: DESAFIOS LOGÍSTICOS (Brasília-DF) INSTITUTO BRASILEIRO DE MINERAÇÃO SUMÁRIO 1) A MINERAÇÃO HOJE 2) MINERAÇÃO

Leia mais

9 entidades + de 100 empresas fabricantes ASSOCIADAS DISTRIBUIDORES E COOPERATIVAS SEGMENTOS DO AGRONEGÓCIO PRODUTORES RURAIS FABRICANTES

9 entidades + de 100 empresas fabricantes ASSOCIADAS DISTRIBUIDORES E COOPERATIVAS SEGMENTOS DO AGRONEGÓCIO PRODUTORES RURAIS FABRICANTES SISTEMA CAMPO LIMPO L O G I S T I C A BRASIL POSSUI 1,7 MILHÕES DE KM DE RODOVIAS 12% PAVIMENTADAS (90% PISTAS SIMPLES) 62% APRESENTAM ALGUM TIPO DE PROBLEMA RESPONDE POR 61% DE TODO TRAFEGO DE MERCADORIAS

Leia mais

Análise da utilização de Terminais Intermodais Hidroviários-Fluviais do Corredor Logístico do Centro-Oeste.

Análise da utilização de Terminais Intermodais Hidroviários-Fluviais do Corredor Logístico do Centro-Oeste. ANÁLISE DA UTILIZAÇÃO DE TERMINAIS INTERMODAIS HIDROVIÁRIOS- FLUVIAIS DO CORREDOR LOGÍSTICO DO CENTRO-OESTE. campeao@nin.ufms.br Código d Apresentação Oral-Economia e Gestão no Agronegócio PATRICIA CAMPEÃO;

Leia mais

Brasil: Potência ou Colônia? Uma reflexão necessária...

Brasil: Potência ou Colônia? Uma reflexão necessária... Brasil: Potência ou Colônia? Uma reflexão necessária... Sede Nacional Sede Nacional - SP Fundação: 1937 - origem em um sindicato têxtil; Possui 1.500 empresas associadas e representa 4,5 mil empresas;

Leia mais

Inovações organizacionais e de marketing

Inovações organizacionais e de marketing e de marketing Pesquisa de Inovação 2011 Tabela 1.1.22 -, total e as que não implementaram produto ou processo e sem projetos, com indicação das inovações e gás - Brasil - período 2009-2011 (continua)

Leia mais

A PRODUÇÃO AGRÍCOLA SOBRE TRILHOS EM MATO GROSSO. Valéria Cristina Campos¹

A PRODUÇÃO AGRÍCOLA SOBRE TRILHOS EM MATO GROSSO. Valéria Cristina Campos¹ A PRODUÇÃO AGRÍCOLA SOBRE TRILHOS EM MATO GROSSO Valéria Cristina Campos¹ Resumo. A eficiência ferroviária em transporte de grandes quantidades a grandes distâncias, adequada aos países de dimensões continentais

Leia mais

Colégio Policial Militar Feliciano Nunes Pires

Colégio Policial Militar Feliciano Nunes Pires Colégio Policial Militar Feliciano Nunes Pires Professor: Josiane Vill Disciplina: Geografia Série: 2ª Ano Tema da aula: transporte e Telecomunicação Objetivo da aula:. Entender as principais formas de

Leia mais

Produção de Pavers com Areia Descartada de Fundição

Produção de Pavers com Areia Descartada de Fundição Tupy S/A Joinville (SC) Produção de Pavers com Areia Descartada de Fundição Categoria Conservação de Insumos de Produção Recursos Minerais 1. Sobre a organização participante: Razão social: - Tupy S.A.

Leia mais

redução dos preços internacionais de algumas commodities agrícolas; aumento dos custos de

redução dos preços internacionais de algumas commodities agrícolas; aumento dos custos de Desempenho da Agroindústria No fechamento do primeiro semestre de 2005, a agroindústria registrou crescimento de 0,3%, taxa bastante inferior à assinalada pela média da indústria brasileira (5,0%) no mesmo

Leia mais

Investe São Paulo. Campinas, 17 de março de 2015

Investe São Paulo. Campinas, 17 de março de 2015 Investe São Paulo Campinas, 17 de março de 2015 Missão Ser a porta de entrada para novos investimentos e a expansão dos negócios existentes, gerando inovação tecnológica, emprego e renda. Promover a competitividade

Leia mais

Balança Comercial do Rio Grande do Sul Janeiro 2014. Unidade de Estudos Econômicos UNIDADE DE ESTUDOS ECONÔMICOS

Balança Comercial do Rio Grande do Sul Janeiro 2014. Unidade de Estudos Econômicos UNIDADE DE ESTUDOS ECONÔMICOS Balança Comercial do Rio Grande do Sul Janeiro 2014 Unidade de Estudos Econômicos O COMÉRCIO EXTERIOR DO RS EM JANEIRO Exportações Apesar do bom crescimento de Produtos Alimentícios e Máquinas e Equipamentos,

Leia mais

TÍTULO: BENEFÍCIOS DE UM PORTO INTERMODAL NA REGIÃO DE RUBINEIA (SP) CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO

TÍTULO: BENEFÍCIOS DE UM PORTO INTERMODAL NA REGIÃO DE RUBINEIA (SP) CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO TÍTULO: BENEFÍCIOS DE UM PORTO INTERMODAL NA REGIÃO DE RUBINEIA (SP) CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO INSTITUIÇÃO: FACULDADES INTEGRADAS DE SANTA FÉ DO SUL AUTOR(ES):

Leia mais

CUSTOS LOGÍSTICOS NO BRASIL 2014. Logística, Supply Chain e Infraestrutura. Núcleo de Logística, Supply Chain e Infraestrutura

CUSTOS LOGÍSTICOS NO BRASIL 2014. Logística, Supply Chain e Infraestrutura. Núcleo de Logística, Supply Chain e Infraestrutura CUSTOS LOGÍSTICOS NO BRASIL 2014 Logística, Supply Chain e Infraestrutura Núcleo de Logística, Supply Chain e Infraestrutura Paulo Tarso Vilela de Resende Paulo Renato de Sousa Bolsistas Fapemig Gustavo

Leia mais

Visão dos armadores sobre potencial, investimentos e obstáculos no corredor Centro Norte SINDARPA

Visão dos armadores sobre potencial, investimentos e obstáculos no corredor Centro Norte SINDARPA Visão dos armadores sobre potencial, investimentos e obstáculos no corredor Centro Norte SINDARPA SINDARPA INSTITUCIONAL O Sindicato das Empresas de Navegação Fluvial e Lacustre e das Agências de Navegação

Leia mais

People. Passion. Performance.

People. Passion. Performance. People. Passion. Performance. Apresentando Chicago Pneumatic É simples assim. Você tem trabalho a fazer e clientes a atender. A CP está aqui para ajudá-lo a realizar seu trabalho, sem compromisso. Nosso

Leia mais

SANTA CATARINA EM NÚMEROS. Brusque JARAGUÁ DO SUL

SANTA CATARINA EM NÚMEROS. Brusque JARAGUÁ DO SUL SANTA CATARINA EM NÚMEROS Brusque JARAGUÁ DO SUL Jaraguá do Sul Apresentação Jaraguá do Sul Fonte: Fontes: Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística, 2012. - Governo do Estado de Santa Catarina,

Leia mais

Por uma nova etapa da cooperação econômica Brasil - Japão Câmara de Comércio e Indústria Japonesa do Brasil São Paulo, 11 de Julho de 2014

Por uma nova etapa da cooperação econômica Brasil - Japão Câmara de Comércio e Indústria Japonesa do Brasil São Paulo, 11 de Julho de 2014 1 Por uma nova etapa da cooperação econômica Brasil - Japão Câmara de Comércio e Indústria Japonesa do Brasil São Paulo, 11 de Julho de 2014 Brasil: Fundamentos Macroeconômicos (1) Reservas International

Leia mais

Comércio Exterior Cearense Fevereiro de 2012

Comércio Exterior Cearense Fevereiro de 2012 Enfoque Econômico é uma publicação do IPECE que tem por objetivo fornecer informações de forma imediata sobre políticas econômicas, estudos e pesquisas de interesse da população cearense. Por esse instrumento

Leia mais

ANO 3 NÚMERO 14 Março de 2013 PROFESSORES RESPONSÁVEIS: FLÁVIO RIANI & RICARDO RABELO

ANO 3 NÚMERO 14 Março de 2013 PROFESSORES RESPONSÁVEIS: FLÁVIO RIANI & RICARDO RABELO ANO 3 NÚMERO 14 Março de 2013 PROFESSORES RESPONSÁVEIS: FLÁVIO RIANI & RICARDO RABELO 1 - CONSIDERAÇÕES INICIAIS Dados consolidados de 2012 indicam que as condições de oferta de bens e serviços no país

Leia mais

UMA SOLUÇÃO PARA O ETANOL BRASILEIRO

UMA SOLUÇÃO PARA O ETANOL BRASILEIRO UMA SOLUÇÃO PARA O ETANOL BRASILEIRO O Brasil tem o programa mais bem sucedido de substituição de combustível fóssil por combustível renovável no mundo. Esse resultado só foi possível pela resposta do

Leia mais