ESTATÍSTICAS DA AGRICULTURA E PESCA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ESTATÍSTICAS DA AGRICULTURA E PESCA"

Transcrição

1

2 ESTATÍSTICAS DA AGRICULTURA E PESCA DA REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA 2013 Direção Regional de Estatística da Madeira Uma porta aberta para um universo de informação estatística

3 Catalogação Recomendada Estatísticas da Agricultura e Pesca da Região Autónoma da Madeira. Funchal, 2003 Estatísticas da Agricultura e Pesca da Região Autónoma da Madeira / Direção Regional de Estatística da Madeira.- Funchal: D.R.E.M., Anual Estatísticas da Agricultura e Pesca da Região Autónoma da Madeira ISSN ISBN Diretora Regional Dr.ª Emília Alves Técnicos Responsáveis Dr. Paulo Vieira Dr. Óscar Nascimento Editor: Direção Regional de Estatística da Madeira Calçada de Santa Clara 38, 1º Funchal Telefone: (+351) Fax: (+351) Impressão: Direção Regional de Estatística da Madeira Data de disponibilidade da informação Junho 2014 Tiragem: 5 exemplares Depósito Legal n.º /08 Preço: 3,50 (Isento de IVA nos termos do nº2 do artº2 do CIVA) A DRE na Internet ou / DREM, Funchal, *A reprodução de quaisquer páginas desta obra é autorizada, exceto para fins comerciais, com indicação da fonte bibliográfica.

4 NOTA INTRODUTÓRIA A publicação anual Estatísticas da Agricultura e Pesca relativa a 2013 faculta aos utilizadores um conjunto de informação que permite conhecer a realidade do setor agrícola na Região Autónoma da Madeira. Nesta edição e comparativamente à publicação do ano transato, foram acrescentados os dados da comercialização de banana. A informação relativa ao índice de preços agrícolas foi retirada pois neste momento encontram-se a decorrer os trabalhos de mudança de base e o índice de 2013 não está ainda disponível. A Direção Regional de Estatística agradece a todos os que tornaram possível a edição desta publicação, nomeadamente à Direção Regional de Agricultura e Desenvolvimento Rural, ao Instituto do Vinho, Bordado e Artesanato da Madeira, à Direção Regional das Pescas e a todas as outras entidades que facultaram informação em tempo oportuno. Como é hábito nas publicações da DRE, este volume contém além dos quadros de apuramentos, os principais conceitos e uma análise dos principais resultados com o objetivo de fornecer ao utilizador as ferramentas necessárias a uma melhor compreensão das operações estatísticas e da informação recolhida. Sabendo de antemão que a crítica construtiva serve de estímulo para a melhoria e aperfeiçoamento do trabalho estatístico, a Direção Regional de Estatística agradece todas as sugestões que contribuam para a valorização da informação relativa à área da agricultura e pesca. Funchal, junho de 2014 A Diretora Regional, Emília Alves

5 6

6 ÍNDICE NOTA INTRODUTÓRIA... 3 SINAIS CONVENCIONAIS... 7 SIGLAS... 7 ANÁLISE DOS PRINCIPAIS RESULTADOS Agricultura Principais indicadores estruturais da agricultura da RAM, por município Utilização das terras Efetivos animais Estimativa da área e produção de algumas culturas temporárias Estimativa da área e produção de algumas culturas permanentes Venda de plantas hortícolas e aromáticas em modo de produção convencional por viveiristas regionais Espécies de permanentes vendidas por viveiristas regionais Venda de plantas ornamentais por viveiristas regionais Produtores e áreas em modo de produção biológico (MPB) Comercialização de banana, por categoria e mês Produção de uvas de castas Vitis Vinifera Produção de vinho (sem álcool vínico), por ano de vindima Algumas produções regionais agrícolas e agro-industriais Estimativa anual dos principais grupos de efetivos animais Produção de ovos e abate de frango e coelhos Reses abatidas e aprovadas para consumo, segundo as principais espécies Pesca Embarcações licenciadas por segmento de pesca Pescadores matriculados em 31-XII, por segmento de pesca Licenças de pesca emitidas por tipo de arte Pesca descarregada Pesca descarregada por espécie e mês Produção de aquicultura

7 3. Contas económicas da agricultura e exportações de produtos agrícolas Principais agregados das contas económicas da agricultura regionais ( ) Produção por tipo de bens e serviços ( ) Produção animal ( ) Produção vegetal por tipo de bens ( ) Consumo intermédio por tipo de bens e serviços ( ) Formação bruta de capital fixo ( ) Transferências de capital ( ) Volume de mão-de-obra ( ) Principais exportações de produtos agrícolas Silvicultura Superfície florestal da R. A. da Madeira CONCEITOS E NOTAS EXPLICATIVAS

8 SINAIS CONVENCIONAIS Valor confidencial... Valor não disponível Valor inferior a metade do módulo da unidade utilizada x ə Não aplicável // Quebra de série Valor previsto Valor provisório Valor preliminar Valor retificado Valor revisto Valor com coeficiente de variação elevado (aplicado no caso em que o valor é divulgado) f P e P o R c R v SIGLAS Arqueação bruta Cabeças Hectare Hectolitro Litro Quilograma Quilowatt Número Tonelada Volume Exploração Unidade Unidade de trabalho ano Valor acrescentado bruto GT cab. ha hl l kg kw N.º t vol expl. unid. UTA VAB 7

9

10 ANÁLISE DOS PRINCIPAIS RESULTADOS 1. Áreas e produções agrícolas No ano de 2013 verificou-se uma evolução positiva na maioria das áreas e produções das principais culturas. A batata continua a ser a cultura com maior volume de produção a nível regional ( t), observando-se um aumento de produção de cerca de t entre 2012 e A batata-doce surge como a segunda produção mais relevante no grupo das culturas temporárias com t, registando um incremento de t comparativamente a Segue-se o tomate, com t, que também observou um aumento de 8,0% entre 2012 e Nas culturas permanentes destacaram-se as produções de banana ( t) e de uva de castas vitis vinifera (4 541 t), embora com decréscimos face a 2012 de 6,5% e 9,7%, respetivamente. No caso da uva é de referir que 83,5% da produção foi de tinta negra mole. No domínio das culturas permanentes, uma nota ainda para a produção de anona que em 2013 aumentou 31,0%, fixando-se nas t. No capítulo da agricultura biológica contabilizaram-se 84 agricultores com uma área agrícola respetiva de 118,6 ha em produção biológica. É de referir que adicionalmente existem ainda 28 agricultores a converterem um total de 30,7 ha para este tipo de produção. 2. Produção animal No ramo da avicultura industrial, destaque para a produção de ovos, que ultrapassou os 31,7 milhões de unidades, mais 12,5% que em Por sua vez, o abate de frango atingiu as 4 074,5 toneladas (peso limpo), decrescendo 2,0% em relação a O total em peso de reses abatidas e aprovadas para consumo da população em 2013 foi de 1 105,5 toneladas (peso limpo), uma redução de 32,1% face a Para esta acentuada diminuição contribuiu fortemente a redução no abate de gado suíno (-90,9%) que passou a ter 9

11 um peso pouco expressivo relativamente ao total do abate. No caso dos bovinos, assistiu-se também a uma variação negativa entre 2012 e 2013, embora ligeira (-1,4%). 3. Pesca Passando ao setor da pesca, é de referir que no final de 2013, encontravam-se licenciadas para a atividade 106 embarcações, menos oito que no ano anterior. O número de pescadores matriculados aumentou, passando de 429 em 2012 para 434 em O total de pesca descarregada nos portos da Região diminuiu 27,7% face a 2012, rondando as 4 171,5 toneladas. O valor correspondente a este quantitativo cifrou-se em 10,9 milhões de euros, uma variação negativa de 13,9% face ao ano anterior. Para o decréscimo verificado contribuiu fortemente a queda na quantidade e no valor das capturas do atum e similares (de -48,9% no peso e de -25,4% no valor) comparativamente a Por sua vez, o peixe- -espada preto foi o mais abundante atingindo 1 757,6 t na quantidade (+2,4%) e 5,3 milhões de euros (+1,1%) em valor. O preço médio do pescado na primeira venda passou de 2,20 em 2012 para 2,62 em 2013, o que representou um aumento de 19,1%. 4. Contas económicas e exportações de produtos agrícolas Os dados provisórios das Contas Económicas da Agricultura Regionais mostram que a produção do ramo agrícola apresentou um crescimento de 3,3% entre 2011 e Neste ano, o valor daquele agregado económico cifrou-se em 102,5 milhões de euros. No ano em análise, a RA Madeira exportou 12,7 mil toneladas de banana e 219,2 toneladas de batata-doce. De salientar ainda, a saída de cerca de 66 mil próteas e 12 mil cymbidiums. 10

12 1. Agricultura

13

14 1.1 - Principais indicadores estruturais da agricultura da RAM, por município Ano: 2009 Terra arável limpa Culturas permanentes Municípios Calheta Câmara de Lobos Funchal Machico Ponta do Sol Porto Moniz Ribeira Brava Santa Cruz Santana São Vicente Porto Santo Explorações Da qual c/ (em cult. principal): Das quais com: Total Total Batata Hortícolas Subtropicais Vinha N.º ha ha ,3 542, , ,4 848, , ,7 74,4 64,5 191,4 100,6 66, ,2 29,0 124,5 495,9 137,1 218, ,8 5,1 39,0 267,8 213,4 24, ,0 76,5 98,1 216,4 42,5 148, ,7 40,8 76,3 186,0 155,8 12, ,2 75,2 12,6 94,5 2,3 79, ,8 60,1 137,2 172,2 73,9 44, ,5 34,8 190,6 156,1 66,2 26, ,3 115,4 194,0 360,1 44,4 217, ,0 30,2 66,6 282,0 12,5 234, ,1 0,8 6,8 60,1 0,4 57,8 Fonte: DRE, INE, Recenseamento Agrícola 2009 Ano: 2009 Área: ha Municípios Horta familiar Pastagens permanentes Superfície agrícola utilizada (SAU) 1 Superfície total agrícola População agrícola familiar (milhares) % Sup. total agrícola/área total do município Calheta Câmara de Lobos Funchal Machico Ponta do Sol Porto Moniz Ribeira Brava Santa Cruz Santana São Vicente Porto Santo 183,1 520, , ,0 40,8 8,91 33,6 75,0 516,7 619,0 4,1 5,55 10,4 4,8 710,4 907,1 7,4 17,40 15,0 19,1 375,6 559,8 3,5 7,35 24,6 32,5 548,5 680,6 4,3 9,96 10,6 14,5 423,8 483,5 3,7 10,47 4,2 65,1 275,0 303,1 1,2 3,65 21,8 13,4 466,2 578,8 4,5 8,85 12,4 19,8 452,7 640,7 3,6 7,86 19,1 54,9 911, ,1 4,5 14,14 31,0 11,8 438,8 645,8 3,3 8,19 0,5 209,6 309,3 368,6 0,6 8,65 Fonte: DRE, INE, Recenseamento Agrícola SAU = Terra arável limpa + culturas permanentes + horta familiar + pastagens permanentes 13

15 1.2 - Utilização das terras Ano: 2009 Explorações (N.º) Superfície total Superfície agrícola utilizada (SAU) Terra arável Cereais para grão Prados temporários e culturas forrageiras Batata Culturas industriais Unidade: ha , , ,3 61,3 79,1 542,4 118,4 Das quais: Cana-de-açúcar Hortícolas extensivas Hortícolas intensivas Flores e plantas ornamentais Batata doce e inhame Restantes culturas temporárias Pousio 114,9 230,0 780,1 54,3 304,4 2,9 69,4 Horta familiar Culturas permanentes Frutos frescos Frutos subtropicais 183, ,4 277,9 848,9 Das quais: Anona 79,9 Abacate 23,4 Banana 696,9 Das quais: Citrinos Frutos de casca rija Vinha Castas europeias Produtores diretos Uva de mesa Restantes culturas permanentes 99,9 104, ,2 502,2 623,9 5,1 20,3 Pastagens permanentes Matas e florestas Superfície agrícola não utilizada (SANU) Outras superfícies Superfície irrigável População familiar agrícola (N.º) Trabalhadores permanentes agrícolas (N.º) Trabalhadores eventuais (N.º de dias de trabalho) 520,6 762,4 614,6 332, , Fonte: DRE, INE, Recenseamento Agrícola

16 1.3 - Efetivos animais (1) Efetivo animal Bovinos Unidade: cab / Ano: Vacas leiteiras Outras vacas Ovinos Caprinos Equídeos Suínos Porcas reprodutoras Aves Coelhos Colmeias povoadas (N.º) Dimensão média do efetivo (cab./expl.) (2) Bovinos 4,6 Vacas leiteiras Outras vacas 3,6 2,9 Ovinos Caprinos Equídeos Suínos 4,8 3,1 2,6 7,8 Porcas reprodutoras 11,4 Aves Coelhos Colmeias (N.º/expl.) 83,2 9,0 9,6 Fontes: DRE, INE, Recenseamento Agrícola 2009 (1) Os animais são contabilizados no dia de passagem do entrevistador. (2) A dimensão média do efetivo é a relação entre o número de cabeças de determinado efetivo sobre as explorações que têm esse tipo de efetivo. 15

17 1.4 - Estimativa da área e produção de algumas culturas temporárias Culturas Área Produção Área Produção Área Produção ha t ha t ha t Abóbora Alface Batata Batata-doce Cana-de-açúcar Cebola Cenoura Courgette x x x x x 120 Couve bróculo Couve flor Couve repolho Feijão maduro Feijão verde Inhame Milho p/ maçaroca Morango Nabo Pepino x x x x x 250 Pimento x x x x x 120 Tomate Fonte: DRADR - Direção Regional de Agricultura e Desenvolvimento Rural Estimativa da área e produção de algumas culturas permanentes (1) Culturas Área Produção Área Produção Área Produção ha t ha t ha t Abacate Ameixa Anona Banana Castanha Cereja Kiwi Limão Maçã Manga Maracujá Papaia Pera Pero para sidra Tangerina Vinha (vitis vinifera ) Fonte: DRADR - Direção Regional de Agricultura e Desenvolvimento Rural (1) A superfície ocupada pelas árvores de fruto engloba os pomares em povoamento regular, assim como a correspondente à dos pés dispersos. 16

18 1.6 - Venda de plantas hortícolas e aromáticas em modo de produção convencional por viveiristas regionais (1) Unidade: N.º Plantas vendidas Culturas Abóbora Acelga Alface Alho francês Basílico Beringela Beterraba Bróculos Cebola Cenoura Chicória Coentros Courgette Couve flor Couves Feijão maduro Melancia Milho doce Morango Nabo Pepino Pimenta Pimento Rúcula Salsa Segurelha Tomate Tomateiro arbóreo Outras aromáticas Outras hortícolas Fonte: DRADR - Direção Regional de Agricultura e Desenvolvimento Rural (1) Inclui os serviços da DRADR e viveiristas certificados pela DRADR. 17

19 1.7 - Espécies de permanentes vendidas por viveiristas regionais (1) Unidade: N.º Culturas Plantas vendidas Abacateiro Ameixeira Amoreira Anoneira Araçaleiro Bananeira Castanheiro Cerejeira Figueira Goiabeira Laranjeira Limoeiro Macieira Mangueiro Maracujazeiro Nespereira Papaieira Pessegueiro Pitangueira Romanzeira Tangerineira Vinha (bacelos ou porta-enxertos) Vinha (enxertos prontos) Outras Fonte: DRADR - Direção Regional de Agricultura e Desenvolvimento Rural (1) Inclui os serviços da DRADR e viveiristas certificados pela DRADR. 18

20 1.8 - Venda de plantas ornamentais por viveiristas regionais (1) Ano: 2013 Espécie Plantas vendidas Nº Acácia-rubra Amores-perfeitos Antúrios Árvore-do-fogo Buganvílias Buxo Cardeais (Hibiscos) Cateleias Cedros Cicas Cíclames Cimbídios Ciprestes Clívias Coralina-cristada Coroas-de-Henrique Cravinas Dracenas Eufórbias Faias Feto real Grama-preta Heras Hortênsias (Novelos) Loureiro Malvas (Gerânios) Maravilhas Martinetes Molucela Outras orquídeas Palmeiras Petúnias Pluméria (Planta-dos-dentes) Poinsétias (Manhãs-de-Páscoa) Ruscos Sevadilha (Aloendro) Tuyas Urze falsa (Cuphea hyssopifolia) Urzes Vinhático Outras ornamentais Fonte: DRADR - Direção Regional de Agricultura e Desenvolvimento Rural (1) Inclui os serviços da DRADR e viveiristas certificados pela DRADR. 19

21 1.9 - Produtores e áreas em modo de produção biológico (MPB) Ano: 2013 Modo de produção biológico Em conversão Totais Cultura Área Produtores Área Produtores Área Produtores ha N.º ha N.º ha N.º Total 125, , ,8 105 Total agrícola 118, , ,2 105 Banana 3,5 10 1,9 4 5,4 14 Fruticultura 54,3 53 5, ,3 67 Frutos secos 16,1 19 2,1 2 18,2 21 Horticultura 19,8 37 3, ,0 49 Pastagens 6,8 1 11,0 1 17,8 2 Plantas forrageiras 6,1 1 0,0 0 6,1 1 Plantas aromáticas 0,2 2 0,0 0 0,2 2 Pousio 2,1 6 0,6 3 2,6 9 Vinha 7,7 13 0,5 4 8,3 17 Outras áreas 1,9 8 6,4 6 8,3 14 Área florestal 6, ,1 3 16,6 15 Fonte: DRADR - Direção Regional de Agricultura e Desenvolvimento Rural 20

22 Comercialização de banana, por categoria e mês Total Categoria extra Meses Variação Variação Kg % Kg % Total , ,5 Janeiro , ,5 Fevereiro , ,7 Março , ,6 Abril , ,7 Maio , ,5 Junho , ,8 Julho , ,3 Agosto , ,1 Setembro , ,9 Outubro , ,4 Novembro , ,0 Dezembro , ,3 Fonte: DRADR - Direção Regional de Agricultura e Desenvolvimento Rural Primeira categoria Segunda categoria Meses Variação Variação Kg % Kg % Total , ,5 Janeiro , ,8 Fevereiro , ,4 Março , ,3 Abril , ,2 Maio , ,9 Junho , ,8 Julho , ,8 Agosto , ,3 Setembro , ,9 Outubro , ,7 Novembro , ,6 Dezembro , ,6 Fonte: DRADR - Direção Regional de Agricultura e Desenvolvimento Rural 21

23 Produção de uvas de castas Vitis Vinifera Ano: 2013 Rubricas Viticultores Produção Total Boal Complexa Malvasias Sercial Tinta negra Verdelho Outras castas N.º kg Total Calheta Câmara de Lobos Funchal Machico Ponta de Sol Porto Moniz Ribeira Brava Santa Cruz Santana São Vicente Porto Santo Fonte: IVBAM - Instituto do Vinho, Bordado e do Artesanato da Madeira, I.P Produção de vinho (sem álcool vínico), por ano de vindima Unidade: hl Rubricas Vinho licoroso com DOP Vinho com DOP "Madeira" (1) Vinho licoroso (2) Vinho com DOP «Madeirense» (3) Vinho com IGP "Terras Madeirenses" (4) Outros vinhos (5) Vitis vinifera Híbridos produtores diretos Total Branco Rosado Tinto Po Po Po Po // // // // // // // // // // // // // // // // // // Fonte: IVBAM - Instituto do Vinho, Bordado e do Artesanato da Madeira, I.P. (1) - Vinho com "DOP «Madeira»" - vinho licoroso com denominação de origem protegida «Madeira». (2) - Vinho Licoroso - Vinho licoroso produzido na RAM suscetível de obter a "DOP «Madeira»". (3) - Vinho com "DOP «Madeirense»" - vinho com denominação de origem protegida «Madeirense». (4) - Vinho com "IGP «Terras Madeirenses»" - vinho com indicação geográfica protegida «Terras Madeirenses». (5) - Outros "Vinhos" - Vinhos produzidos na RAM sem DO e sem IG. 22

24 Algumas produções regionais agrícolas e agro-industriais Anos Requeijão e queijo fresco Mel Mel de cana Rum agrícola a 100% Leite t milhares de litros Fontes: DRE - Direção Regional de Estatística DRADR - Direção Regional de Agricultura e Desenvolvimento Rural IVBAM - Instituto do Vinho, Bordado e do Artesanato da Madeira, I.P Estimativa anual dos principais grupos de efetivos animais Unidade: cab. Efetivo Bovinos Suínos Caprinos Ovinos Fonte: INE - Instituto Nacional de Estatística Produção de ovos e abate de frango e coelhos Produção de ovos Abate de frango Abate de coelhos Meses Variação Variação Variação milhares % t % Kg % Total , ,0 Rc 4 074,5-2, ,0 Janeiro ,7 422,8 370,3-12, ,0 Fevereiro ,5 360,3 327,5-9, ,0 Março ,3 439,4 321,1-26, ,6 Abril ,2 391,1 374,2-4, ,0 Maio ,1 355,0 374,2 5, ,0 Junho ,3 335,2 315,0-6, ,4 Rc Julho ,9 310,8 341,7 9, ,9 Agosto ,3 387,9 376,8 Rc -2, ,0 Setembro ,0 276,9 281,4 1, ,0 Outubro ,9 357,7 330,3-7,7 0 0 // Novembro ,6 229,2 296,6 29, ,3 Dezembro ,5 290,5 365,4 25, ,0 Fonte: DRE - Direção Regional de Estatística 23

25 Reses abatidas e aprovadas para consumo, segundo as principais espécies Bovinos Suínos Meses Cabeças Peso Cabeças Peso Variação Variação Variação Variação N.º % t % N.º % t % Total , , ,4-1, ,4 561,8 51,0-90,9 Janeiro ,9 63,1 74,8 18, ,1 65,6 9,6-85,4 Fevereiro ,3 65,5 57,8-11, ,7 49,0 2,9-94,1 Março ,0 59,8 68,2 14, ,0 49,6 3,7-92,5 Abril ,8 78,1 79,2 1, ,7 63,0 8,7-86,2 Maio ,4 73,4 70,7-3, ,2 49,4 3,6-92,7 Junho ,5 75,1 80,5 7, ,1 54,6 6,1-88,8 Julho ,8 110,6 106,8-3, ,1 69,9 6,9-90,1 Agosto ,1 160,0 146,2-8, ,7 27,2 0,2-99,3 Setembro ,4 95,9 89,2-7, ,1 23,6 4,6-80,5 Outubro ,8 90,5 89,2-1, ,6 49,6 2,1-95,8 Novembro ,4 60,4 61,8 2, ,4 33,5 0,5-98,5 Dezembro ,1 133,5 126,9-4, ,3 26,9 2,2-91,8 Fonte: DRE - Direção Regional de Estatística Ovinos Caprinos Meses Cabeças Peso Cabeças Peso Variação Variação Variação Variação N.º % t % N.º % t % Total ,7 0,7 1,3 85, ,3 1,0 1,8 80,0 Janeiro 0 0 // 0,0 0,0 // 0 0 // 0,0 0,0 // Fevereiro 0 2 // 0,0 ə // 0 1 // 0,0 ə // Março ,0 0,2 0,6 200, ,0 ə 0,5 // Abril ,8 0,2 0,1-50, ,1 0,7 0,1-85,7 Maio ,0 ə 0,0-100, ,0 ə 0,1 // Junho ,0 0,1 0,1 0, ,0 0,1 0,1 0,0 Julho 0 8 // 0,0 0,2 // ,0 ə 0,2 // Agosto 0 4 // 0,0 0,1 // ,0 ə 0,1 // Setembro ,0 ə ə // ,0 0,1 0,2 100,0 Outubro ,7 0,1 ə // ,0 ə 0,1 // Novembro 0 4 // 0,0 0,1 // 0 14 // 0,0 0,3 // Dezembro ,0 0,1 0,1 0, ,0 ə 0,1 // Fonte: DRE - Direção Regional de Estatística 24

26 2. Pesca

27

28 2.1 - Embarcações licenciadas por segmento de pesca Ano: 2013 Rubricas Embarcações N.º GT kw Total Artes fixas pequena pesca <12m Artes fixas >= 12m Cerco Fonte: INE - Instituto Nacional de Estatística Pescadores matriculados em 31-XII, por segmento de pesca Rubricas Total geral Pescadores Unidade: N.º / Ano: 2013 Entre 16 e 34 anos Entre 35 e 54 anos Mais de 55 anos Total Cerco local Cerco costeiro Polivalente local Polivalente costeiro Polivalente largo Fonte: INE - Instituto Nacional de Estatística Licenças de pesca emitidas por tipo de arte Unidade: Nº Rubricas Total Anzol Armadilhas Cerco 3 3 Outras artes Fonte: INE - Instituto Nacional de Estatística 27

29 2.4 - Pesca descarregada Meses Quantidade Valor Variação Variação kg % euros % Total , ,9 Janeiro , ,0 Fevereiro , ,4 Março , ,0 Abril , ,3 Maio , ,0 Junho , ,5 Julho , ,7 Agosto , ,8 Setembro , ,6 Outubro , ,2 Novembro , ,8 Dezembro , ,0 Fonte: DRP - Direção Regional das Pescas Quantidade (t) Valor (milhares de euros) J F M A M J J A S O N D J F M A M J J A S O N D 28

30 2.5 - Pesca descarregada por espécie e mês (Continua) Janeiro Espécies Quantidade (kg) Valor (euros) Variação (%) 2012 (%) 2013 (%) 2012 (%) 2013 (%) Quantidade Valor Total , , , ,0 5,1-1,0 Abrótea , , , ,4-39,3-34,4 Atum e similares , , , ,1 30,4-16,3 Bicuda 0 0, ,1 0 0, ,1 // // Bodião 69 ə 0 0, ,1 0 0,0-100,0-100,0 Boga 922 0, , , ,1 26,7-0,1 Cavala , , , ,8 2,7 62,2 Cherne 2 ə 0 0,0 26 ə 0 0,0-100,0-100,0 Chicharro , , , ,0 20,3 15,9 Garoupa 308 0, , , ,2-38,6-41,6 Goraz 277 0,1 14 ə ,3 131 ə -94,9-93,0 Peixe - Espada preto , , , ,4 9,5 1,3 Pargo , , , ,6-59,5-61,4 Sargos 50 ə 15 ə 242 ə 75 ə -70,0-69,0 Xara branca , , , ,7-37,7-10,9 Outros , , , ,6-52,0-21,7 Fonte: DRP - Direção Regional das Pescas Fevereiro Espécies Quantidade (kg) Valor (euros) Variação (%) 2012 (%) 2013 (%) 2012 (%) 2013 (%) Quantidade Valor Total , , , ,0 1,9-6,4 Abrótea , , , ,5-32,3-31,8 Atum e similares , , , ,7-16,4-4,3 Bicuda 371 0, , , ,2-17,8-25,9 Bodião 60 ə 0 0, ,1 0 0,0-100,0-100,0 Boga 556 0, , , ,2 264,9 143,5 Cavala , , , ,3 22,0-21,9 Cherne 12 ə 35 ə 169 ə 479 0,1 191,7 183,4 Chicharro , , , ,7-16,6-31,6 Garoupa 160 0, , , ,4 40,6 30,9 Goraz 61 ə 12 ə 388 0,1 99 ə -80,3-74,5 Peixe - Espada preto , , , ,9 12,4-2,2 Pargo 638 0, , , ,6-34,2-31,1 Sargos 3 ə 119 0,1 15 ə 691 0, , ,7 Xara branca , , , ,5-45,7-8,3 Outros , , , ,8-14,6-14,7 Fonte: DRP - Direção Regional das Pescas 29

31 2.5 - Pesca descarregada por espécie e mês (Continuação) Março Espécies Quantidade (kg) Valor (euros) Variação (%) 2012 (%) 2013 (%) 2012 (%) 2013 (%) Quantidade Valor Total , , , ,0-14,0 1,0 Abrótea , , , ,4-46,9-35,9 Atum e similares 655 0, , , , , ,2 Bicuda 21 ə 127 0,1 72 ə 444 0,1 504,8 516,7 Bodião 134 ə 0 0, ,1 0 0,0-100,0-100,0 Boga 279 0, ,5 317 ə 764 0,1 290,7 141,0 Cavala , , , ,2-33,8-54,1 Cherne 252 0,1 83 ə , ,2-67,1-60,8 Chicharro , , , ,9-20,6-25,9 Garoupa 147 0,1 85 ə , ,1-42,2-36,4 Goraz 74 ə 39 ə 625 0,1 349 ə -47,3-44,2 Peixe - Espada preto , , , ,5-33,0-30,0 Pargo 450 0, , , ,3-28,7-14,4 Sargos 11 ə 119 0,1 67 ə 757 0,1 981, ,9 Xara branca , , , ,4-47,3-6,3 Outros , , , ,2-66,7-76,8 Fonte: DRP - Direção Regional das Pescas Abril Espécies Quantidade (kg) Valor (euros) Variação (%) 2012 (%) 2013 (%) 2012 (%) 2013 (%) Quantidade Valor Total , , , ,0-21,3-9,3 Abrótea , , , ,2 9,2 2,5 Atum e similares , , , ,3-24,2-3,5 Bicuda 5 ə 39 ə 23 ə 109 ə 680,0 373,9 Bodião 20 ə 52 ə 93 ə 251 ə 160,0 169,9 Boga 33 ə ,2 27 ə 747 0, , ,7 Cavala , , , ,0-44,5-31,0 Cherne 864 0,1 31 ə ,5 387 ə -96,4-95,6 Chicharro , , , ,9 17,4-7,3 Garoupa 226 ə 300 0, , ,2 32,7 18,1 Goraz 87 ə 81 ə 637 ə 584 ə -6,9-8,3 Peixe - Espada preto , , , ,3-15,6-17,5 Pargo 534 0, , , ,3 76,8 59,4 Sargos 2 ə 145 ə 8 ə 793 0, , ,5 Xara branca , , , ,4-32,7 2,8 Outros , , , ,2-44,8-45,2 Fonte: DRP - Direção Regional das Pescas 30

REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA

REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA SECRETARIA REGIONAL DO PLANO E FINANÇAS DIRECÇÃO REGIONAL DE ESTATÍSTICA INDICADORES DE ACTIVIDADE ECONÓMICA ESTATÍSTICAS DA AGRICULTURA E PESCA Ano de 2008 Catalogação Recomendada

Leia mais

ESTATÍSTICAS DA AGRICULTURA E PESCA

ESTATÍSTICAS DA AGRICULTURA E PESCA ESTATÍSTICAS DA AGRICULTURA E PESCA DA REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA 2014 Direção Regional de Estatística da Madeira Uma porta aberta para um universo de informação estatística Catalogação Recomendada Estatísticas

Leia mais

REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA

REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA SECRETARIA REGIONAL DO PLANO E FINANÇAS DIRECÇÃO REGIONAL DE ESTATÍSTICA INDICADORES DE ACTIVIDADE ECONÓMICA ESTATÍSTICAS DA AGRICULTURA E PESCA Ano de 2009 Catalogação Recomendada

Leia mais

Rendimento da Atividade Agrícola deverá aumentar 4,5% em 2013

Rendimento da Atividade Agrícola deverá aumentar 4,5% em 2013 Contas Económicas da Agricultura 213 1ª estimativa 13 de dezembro de 213 Rendimento da Atividade Agrícola deverá aumentar 4,5% em 213 De acordo com a primeira estimativa das Contas Económicas da Agricultura

Leia mais

CONFERÊNCIA DE IMPRENSA - AJUDAS AO RENDIMENTO 2010

CONFERÊNCIA DE IMPRENSA - AJUDAS AO RENDIMENTO 2010 1 CONFERÊNCIA DE IMPRENSA - AJUDAS AO RENDIMENTO 2010 1. A partir de hoje, dia 18 de Fevereiro e até 8 de Maio, todos os agricultores da Madeira e Porto Santo podem candidatar-se aos 21,3 M de ajudas ao

Leia mais

Condições de Acesso da Empresa e do Produto

Condições de Acesso da Empresa e do Produto Condições de Acesso da Empresa e do Produto 1. Condições de Elegibilidade da Empresa A empresa candidata à atribuição do selo Portugal Sou Eu deve observar as seguintes condições de elegibilidade: a) Encontrar-se

Leia mais

SECTOR EMPRESARIAL DA REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA

SECTOR EMPRESARIAL DA REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA SECTOR EMPRESARIAL DA REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA 2013 Direção Regional de Estatística da Madeira Uma porta aberta para um universo de informação estatística Catalogação Recomendada Sector Empresarial da

Leia mais

A diversificação não deve ser iniciada antes dos 4 meses nem depois dos 6 meses

A diversificação não deve ser iniciada antes dos 4 meses nem depois dos 6 meses Início da Diversificação A diversificação não deve ser iniciada antes dos 4 meses nem depois dos 6 meses Substituir uma refeição de leite por: Papa sem glúten ou sopa de legumes (antes dos 6 meses) Papa

Leia mais

FRUTAS HORTÍCOLAS FLORES DIAGNÓSTICO SECTORIAL

FRUTAS HORTÍCOLAS FLORES DIAGNÓSTICO SECTORIAL FRUTAS HORTÍCOLAS FLORES DIAGNÓSTICO SECTORIAL 2007 DOCUMENTO COORDENADO PELO GABINETE DE PLANEAMENTO E POLÍTICAS MADRP Fevereiro 2007 2 Índice Geral 1. Caracterização do Sector... 12 1.1. Importância

Leia mais

Esclarecimento 8/2014

Esclarecimento 8/2014 Segurança Alimentar Aprovação de estabelecimentos industriais em casas particulares Esclarecimento 8/2014 Resumo: O presente esclarecimento pretende clarificar o enquadramento legal da aprovação e atribuição

Leia mais

QUADRO DO SETOR ALIMENTAR EM SANTA CATARINA 1. PANORAMA DO SETOR DE ALIMENTOS EM SANTA CATARINA

QUADRO DO SETOR ALIMENTAR EM SANTA CATARINA 1. PANORAMA DO SETOR DE ALIMENTOS EM SANTA CATARINA Câmara Italiana de Comércio e Indústria de Santa Catarina (Órgão reconhecido pelo Governo Italiano Decreto Mise29/7/2009) Tel.: +55 48 3027 2710 / Fax: +55 48 3222 2898 www.brasileitalia.com.br info@brasileitalia.com.br

Leia mais

ECONOMIA AGRÁRIA. O sector agrícola. Estruturas, recursos e resultados económicos: alguns conceitos. Sinopse das aulas Versão Provisória

ECONOMIA AGRÁRIA. O sector agrícola. Estruturas, recursos e resultados económicos: alguns conceitos. Sinopse das aulas Versão Provisória ECONOMIA AGRÁRIA Sinopse das aulas Versão Provisória O sector agrícola Estruturas, recursos e resultados económicos alguns conceitos O sector agrícola A agricultura e o complexo agroflorestal alguns conceitos

Leia mais

O que mudou na agricultura portuguesa nos últimos dez anos

O que mudou na agricultura portuguesa nos últimos dez anos RECENSEAMENTO AGRÍCOLA DADOS PRELIMINARES 15 Dezembro 2010 15 de Dezembro de 2010 O que mudou na agricultura portuguesa nos últimos dez anos O INE divulga os primeiros resultados do Recenseamento Agrícola

Leia mais

Pagamentos Diretos Regime de Pagamento Base. Esclarecimento sobre o pagamento por práticas agrícolas benéficas para o clima e o ambiente Greening

Pagamentos Diretos Regime de Pagamento Base. Esclarecimento sobre o pagamento por práticas agrícolas benéficas para o clima e o ambiente Greening Pagamentos Diretos Regime de Pagamento Base Esclarecimento sobre o pagamento por práticas agrícolas benéficas para o clima e o ambiente Greening A presente nota de divulgação tem por objectivo facultar

Leia mais

Amadora Sintra ALIMENTAÇÃO

Amadora Sintra ALIMENTAÇÃO Amadora Sintra ALIMENTAÇÃO no 1º ano de vida INÍCIO DA DIVERSIFICAÇÃO A diversificação pode ser iniciada após os 4 meses. Substituir uma refeição de leite por: Papa sem glúten ou caldo de legumes (antes

Leia mais

Câmaras e Equipamentos Frigoríficos Refrigeração Aquecimento Umidade Relativa São Paulo/SP (11) 6636-5851

Câmaras e Equipamentos Frigoríficos Refrigeração Aquecimento Umidade Relativa São Paulo/SP (11) 6636-5851 www.tectermica.com.br Câmaras e Equipamentos Frigoríficos Refrigeração Aquecimento Relativa São Paulo/SP (11) 6636-5851 FRUTAS Produto Propriedades dos Alimentos Perecíveis Abacate 7,2 a 12,8 85 a 90 65,4-1

Leia mais

Sessão de Divulgação PDR2020. NERA Loulé 2 de Julho de 2015. Júlio Cabrita - DRAPAlg

Sessão de Divulgação PDR2020. NERA Loulé 2 de Julho de 2015. Júlio Cabrita - DRAPAlg Sessão de Divulgação PDR2020 NERA Loulé 2 de Julho de 2015 Júlio Cabrita - DRAPAlg (Continuação) 25,0% PRODER - TOTAL (Região Algarve) Investimento total por concelho (%), em 2015-03-23 22,5% 20,0% 17,3%

Leia mais

PORTFÓLIO DOS CURSOS - 2015 PRONATEC - SENAR-AR/RN

PORTFÓLIO DOS CURSOS - 2015 PRONATEC - SENAR-AR/RN PORTFÓLIO DOS CURSOS - 2015 PRONATEC - SENAR-AR/RN 1. Agricultor Orgânico (160 horas) Perfil Profissional: Executa com base nas técnicas da produção orgânica, o manejo do solo e das culturas, a produção

Leia mais

(Texto relevante para efeitos do EEE)

(Texto relevante para efeitos do EEE) 26.6.2015 L 161/9 REGULAMENTO (UE) 2015/1005 DA COMISSÃO de 25 de junho de 2015 que altera o Regulamento (CE) n. o 1881/2006 no que diz respeito aos teores máximos de chumbo em certos géneros alimentícios

Leia mais

Versão Consolidada. Portaria n.º 229-A/2008, de 6 de Março

Versão Consolidada. Portaria n.º 229-A/2008, de 6 de Março Portaria n.º 229-A/2008, de 6 de Março O Regulamento (CE) n.º 1698/2005, do Conselho, de 20 de Setembro, que estabelece as regras gerais do apoio ao desenvolvimento rural sustentável, tem como objetivo,

Leia mais

Ação 1.1.1. Modernização e Capacitação das Empresas

Ação 1.1.1. Modernização e Capacitação das Empresas Junho 2014 Ação 1.1.1. Modernização e Capacitação das Empresas Índice Enquadramento..3 Tipos de Apoio da Ação 1.1.1....4 Quem são os beneficiários?...5 Critérios de elegibilidade dos beneficiários...6

Leia mais

Unidade de Saúde do Afonsoeiro DIVERSIFICAÇÃO ALIMENTAR

Unidade de Saúde do Afonsoeiro DIVERSIFICAÇÃO ALIMENTAR Unidade de Saúde do Afonsoeiro DIVERSIFICAÇÃO ALIMENTAR GRUPO A Batata Cenoura Abóbora Dente de alho Nabo Cebola 4 5 meses SOPA DE LEGUMES GRUPO B Alho Francês Alface Brócolos Nabiça Agrião Espinafres

Leia mais

Comércio Internacional Saídas aumentam 15,1% e Entradas diminuem 3,6%

Comércio Internacional Saídas aumentam 15,1% e Entradas diminuem 3,6% 09 de janeiro de 2012 Estatísticas do Comércio Internacional Novembro de 2011 Comércio Internacional Saídas aumentam 15,1% e Entradas diminuem 3,6% No período de setembro a novembro de 2011, as saídas

Leia mais

ANEXO C CAPITAÇÃO DOS ALIMENTOS TABELA 1 FRUTOS (diversas utilizações) PRODUTOS CAPITAÇÕES OBSERVAÇÕES

ANEXO C CAPITAÇÃO DOS ALIMENTOS TABELA 1 FRUTOS (diversas utilizações) PRODUTOS CAPITAÇÕES OBSERVAÇÕES ANEXO C CAPITAÇÃO DOS ALIMENTOS TABELA 1 FRUTOS (diversas utilizações) ALPERCE 150 gr Calibre mínimo 30 mm AMEIXA 150 gr Calibre mínimo 30 mm BANANA 150 gr 1 unidade CEREJA 150 gr Calibre mínimo 17 mm

Leia mais

Pagamentos Diretos Regime de Pagamento Base. Esclarecimento sobre o pagamento por práticas agrícolas benéficas para o clima e o ambiente Greening

Pagamentos Diretos Regime de Pagamento Base. Esclarecimento sobre o pagamento por práticas agrícolas benéficas para o clima e o ambiente Greening Pagamentos Diretos Regime de Pagamento Base Esclarecimento sobre o pagamento por práticas agrícolas benéficas para o clima e o ambiente Greening A presente nota de divulgação tem por objectivo facultar

Leia mais

Relatório OP Outros Sectores Agrícolas e Pecuários

Relatório OP Outros Sectores Agrícolas e Pecuários Relatório OP Outros Sectores Agrícolas e Pecuários DRAPLVT Triénio 2010-2012 Agricultura Presente, um Projeto com Futuro Ficha técnica Ficha técnica Edição: DRAP LVT DADR Quinta das Oliveiras, Estrada

Leia mais

VICE-PRESIDÊNCIA DO GOVERNO, EMPREGO E COMPETITIVIDADE EMPRESARIAL, S.R. DA AGRICULTURA E AMBIENTE Portaria n.º 143/2015 de 3 de Novembro de 2015

VICE-PRESIDÊNCIA DO GOVERNO, EMPREGO E COMPETITIVIDADE EMPRESARIAL, S.R. DA AGRICULTURA E AMBIENTE Portaria n.º 143/2015 de 3 de Novembro de 2015 VICE-PRESIDÊNCIA DO GOVERNO, EMPREGO E COMPETITIVIDADE EMPRESARIAL, S.R. DA AGRICULTURA E AMBIENTE Portaria n.º 143/2015 de 3 de Novembro de 2015 Considerando o Decreto-Lei n.º 162/2015, de 14 de agosto,

Leia mais

Região Autónoma da Madeira

Região Autónoma da Madeira Região Autónoma da Madeira Área () km 2 801,0 Densidade populacional () Hab/Km 2 309,0 População residente (31.12.) Nº 247.568 População < 15 anos Nº 42.686 População > 65 anos Nº 32.188 Taxa conclusão

Leia mais

1. O objetivo desta Norma é estabelecer o tratamento contábil e a evidenciação das atividades agrícolas.

1. O objetivo desta Norma é estabelecer o tratamento contábil e a evidenciação das atividades agrícolas. NBC TSP 27 Ativo Biológico e Produto Agrícola Objetivo 1. O objetivo desta Norma é estabelecer o tratamento contábil e a evidenciação das atividades agrícolas. Alcance 2. Uma entidade que prepare e apresente

Leia mais

CAMARA SETORIAL DA BORRACHA CARLOS ALFREDO B GUEDES BRASILIA JULHO 2015

CAMARA SETORIAL DA BORRACHA CARLOS ALFREDO B GUEDES BRASILIA JULHO 2015 CAMARA SETORIAL DA BORRACHA A CARLOS ALFREDO B GUEDES BRASILIA JULHO 2015 LEGISLAÇÃO Decreto nº 68.678, de 25 de maio de 1971 cria a Comissão Especial de Planejamento, Controle e Avaliação das Estatísticas

Leia mais

PDR 2020. 3.3 - Investimento na Transformação e Comercialização de Produtos Agrícolas

PDR 2020. 3.3 - Investimento na Transformação e Comercialização de Produtos Agrícolas PDR 2020 3.3 - Investimento na Transformação e Comercialização de Produtos Agrícolas Equipa Portal dos Incentivos Nov 2014 Índice 1 Apresentação de Tema... 2 1.1 Descrição da Operação... 2 1.2 Beneficiários...

Leia mais

Incentivos Fiscais: SIFIDE Internacionalização Investimento Produtivo. Data de Apresentação:14 de Abril de2010

Incentivos Fiscais: SIFIDE Internacionalização Investimento Produtivo. Data de Apresentação:14 de Abril de2010 Incentivos Fiscais: SIFIDE Internacionalização Investimento Produtivo Data de Apresentação:14 de Abril de2010 1 Agenda 1 SIFIDE 2 Internacionalização 3 Investimento Produtivo 2 Incentivos Fiscais SIFIDE

Leia mais

As diversas etapas indispensáveis à sua realização são as que passamos a descrever:

As diversas etapas indispensáveis à sua realização são as que passamos a descrever: Sistema de Aconselhamento Agrícola Trata-se de um sistema que é composto por serviços de aconselhamento agrícola e que visa fundamentalmente consciencializar e ajudar os agricultores a cumprirem as normas

Leia mais

Volume de Negócios do setor do Comércio estabilizou, mas o número de empresas e pessoal ao serviço diminuíram

Volume de Negócios do setor do Comércio estabilizou, mas o número de empresas e pessoal ao serviço diminuíram Estatísticas do Comércio 2013 26 de dezembro de 2014 Volume de Negócios do setor do Comércio estabilizou, mas o número de empresas e pessoal ao serviço diminuíram Em 2013 o setor do Comércio era constituído

Leia mais

Diminui ritmo de reajustes dos preços dos alimentos

Diminui ritmo de reajustes dos preços dos alimentos 1 São Paulo, 06 de junho de 2014. NOTA À IMPRENSA Diminui ritmo de reajustes dos preços dos alimentos Em maio, o custo de vida no município de São Paulo aumentou 0,14%, segundo cálculo do DIEESE Departamento

Leia mais

Sementes em Modo de Produção Biológico Legislação em Vigor

Sementes em Modo de Produção Biológico Legislação em Vigor Sementes em Modo de Produção Biológico Legislação em Vigor Porto, 29 de novembro de 2014 Divisão de Variedades e Sementes PRINCÍPIOS BASE DO COMÉRCIO DE SEMENTE Inscrição de variedades Certificação de

Leia mais

Agricultura Presente, um Projecto com Futuro

Agricultura Presente, um Projecto com Futuro Direcção Regional de Agricultura e Pescas de Lisboa e Vale do Tejo Agricultura Presente, Agricultura Presente, um Projecto com Futuro um Projecto com Futuro (LVT) 4.878 projetos aprovados Investimento

Leia mais

MEDIDA 1.1 DO PRODER INOVAÇÃO E DESENVOLVIMENTO EMPRESARIAL

MEDIDA 1.1 DO PRODER INOVAÇÃO E DESENVOLVIMENTO EMPRESARIAL MEDIDA 1.1 DO PRODER INOVAÇÃO E DESENVOLVIMENTO EMPRESARIAL ANÁLISE DO IMPACTO POTENCIAL DAS CANDIDATURAS CONTRATADAS SOBRE O SECTOR AGRÍCOLA E AGRO-INDUSTRIAL NOVEMBRO DE 2011 1 ÍNDICE 0. INTRODUÇÃO...

Leia mais

Projeções da demanda por fertilizantes no Brasil

Projeções da demanda por fertilizantes no Brasil Projeções da demanda por fertilizantes no Brasil índice 3 4 5 6 8 9 o mercado Números e importância do setor projeções de longo prazo planos/produtos metodologia condições, prazo e investimento formulário

Leia mais

Fiscalidade na Floresta. 8 de Junho de 2011

Fiscalidade na Floresta. 8 de Junho de 2011 Fiscalidade na Floresta 8 de Junho de 2011 1 Agenda Introdução Principais questões IVA IRC Benefícios fiscais 2 Introdução O Grupo Portucel Soporcel assume uma posição de relevo no mercado internacional

Leia mais

Grau de autossuficiência alimentar nacional situa-se nos 81%

Grau de autossuficiência alimentar nacional situa-se nos 81% 02 de abril de 2013 Abastecimento Alimentar em Portugal Grau de autossuficiência alimentar nacional situa-se nos 81% Portugal apresenta um grau de autossuficiência 1 alimentar de 81%, expresso em valor,

Leia mais

Engenharia Florestal. Desenvolvimento Rural

Engenharia Florestal. Desenvolvimento Rural Engenharia Florestal Desenvolvimento Rural 2/05/2010 Trabalho realizado por : Ruben Araújo Samuel Reis José Rocha Diogo Silva 1 Índice Introdução 3 Biomassa 4 Neutralidade do carbono da biomassa 8 Biomassa

Leia mais

Capítulo 12. Sementes e frutos oleaginosos; grãos, sementes e frutos diversos; plantas industriais ou medicinais; palhas e forragens

Capítulo 12. Sementes e frutos oleaginosos; grãos, sementes e frutos diversos; plantas industriais ou medicinais; palhas e forragens Capítulo 12 Sementes e frutos oleaginosos; grãos, sementes e frutos diversos; plantas industriais ou medicinais; palhas e forragens Notas. 1. Consideram-se sementes oleaginosas, na acepção da posição 12.07,

Leia mais

A PIRÂMIDE QUE SEGUE ABAIXO É A BRASILEIRA, ADAPTADA POR SÔNIA TUCUNDUVA PHILIPPI AOS NOSSOS HÁBITOS ALIMENTARES.

A PIRÂMIDE QUE SEGUE ABAIXO É A BRASILEIRA, ADAPTADA POR SÔNIA TUCUNDUVA PHILIPPI AOS NOSSOS HÁBITOS ALIMENTARES. PARA SABERMOS COMO A ALIMENTAÇÃO DEVE SER EQUILIBRADA, PRECISAMOS CONHECER A PIRÂMIDE ALIMENTAR, QUE É A REPRESENTAÇÃO GRÁFICA DOS ALIMENTOS E SUAS QUANTIDADES QUE DEVEM ESTAR PRESENTES EM NOSSA DIETA

Leia mais

02-11-2010. Formador: Rui Carvalho. Carga horária 25 horas. Objectivo

02-11-2010. Formador: Rui Carvalho. Carga horária 25 horas. Objectivo Carga horária 25 horas Objectivo (s) Realização de apoio administrativo e logístico, ligada à função de aprovisionamento. Formador: Rui Carvalho Formador: Rui Carvalho 2 1. Ficheiros de armazém Códigos

Leia mais

ANEXO 7 CONSTITUIÇÃO DAS REFEIÇÕES ESCOLAS A TEMPO INTEIRO

ANEXO 7 CONSTITUIÇÃO DAS REFEIÇÕES ESCOLAS A TEMPO INTEIRO ANEXO 7 CONSTITUIÇÃO DAS REFEIÇÕES ESCOLAS A TEMPO INTEIRO CARATERÍSTICAS DAS REFEIÇÕES: COMPOSIÇÃO E CAPITAÇÕES 1. O adjudicatário obriga-se a fornecer, durante o período previsto e diariamente, 2 lanches

Leia mais

Pagamento dos Prémios Ajudas do POSEI. Campanha 2007-2008. (16 de Outubro de 2008)

Pagamento dos Prémios Ajudas do POSEI. Campanha 2007-2008. (16 de Outubro de 2008) Pagamento dos Prémios Ajudas do POSEI Campanha 2007-2008 (16 de Outubro de 2008) Informa-se os agricultores que decorrerá no próximo dia 16 de Outubro, o pagamento das seguintes ajudas do POSEI campanha

Leia mais

Consumo de proteínas e gorduras em Portugal é três vezes superior ao recomendado

Consumo de proteínas e gorduras em Portugal é três vezes superior ao recomendado Consumo de proteínas e gorduras em Portugal é três vezes superior ao recomendado A Balança Alimentar Portuguesa revela que os portugueses apresentam uma dieta alimentar desequilibrada com uma alimentação

Leia mais

União Europeia, 2010 Reprodução autorizada mediante indicação da fonte

União Europeia, 2010 Reprodução autorizada mediante indicação da fonte Comissão Europeia DOCUMENTO DE TRABALHO DOS SERVIÇOS DA COMISSÃO destinado a facilitar a compreensão de determinadas disposições de flexibilidade previstas no pacote legislativo em matéria de higiene Perguntas

Leia mais

Balança alimentar portuguesa evidencia desequilíbrio da roda dos alimentos. Figura 1

Balança alimentar portuguesa evidencia desequilíbrio da roda dos alimentos. Figura 1 BALANÇA ALIMENTAR PORTUGUESA 14 de Dezembro de 26 - CONSUMO DE PROTEÍNAS E GORDURAS EM PORTUGAL É TRÊS VEZES SUPERIOR AO RECOMENDADO CONSUMO DE BEBIDAS ALCOÓLICAS DIMINUI 16% EM 14 ANOS E É ULTRAPASSADO

Leia mais

redução dos preços internacionais de algumas commodities agrícolas; aumento dos custos de

redução dos preços internacionais de algumas commodities agrícolas; aumento dos custos de Desempenho da Agroindústria No fechamento do primeiro semestre de 2005, a agroindústria registrou crescimento de 0,3%, taxa bastante inferior à assinalada pela média da indústria brasileira (5,0%) no mesmo

Leia mais

A PAC pós-2013 - Áreas potencialmente elegíveis e suas implicações nas decisões nacionais

A PAC pós-2013 - Áreas potencialmente elegíveis e suas implicações nas decisões nacionais A PAC pós-2013 - Áreas potencialmente elegíveis e suas implicações nas decisões nacionais Francisco Avillez (Professor Emérito do ISA, UTL e Coordenador Científico da AGRO.GES) CAP, 29 de Novembro de 2012

Leia mais

CUSTO DE PRODUÇÃO DE LEITE DA EMBRAPA E O PREÇO DO LEITE

CUSTO DE PRODUÇÃO DE LEITE DA EMBRAPA E O PREÇO DO LEITE CUSTO DE PRODUÇÃO DE LEITE DA EMBRAPA E O PREÇO DO LEITE Sebastião Teixeira Gomes 1 1. INTRODUÇÃO Desde sua criação, em 1977, o Centro Nacional de Pesquisa de Gado de Leite (CNPGL), da EMBRAPA, vem se

Leia mais

OS ATIVOS BIOLÓGICOS

OS ATIVOS BIOLÓGICOS Santarém, 5 de junho de 2012 Auditório CNEMA OS ATIVOS BIOLÓGICOS Abreu & Cipriano, Sumário Estruturas Agrícolas Âmbito e Conceito Aspetos Contabilísticos Informação para a Gestão Estruturas Agrícolas

Leia mais

CONTABILIDADE NACIONAL 1

CONTABILIDADE NACIONAL 1 CONTABILIDADE NACIONAL 1 Ópticas de cálculo do valor da produção O produto de um país pode ser obtido por três ópticas equivalentes: Óptica do Produto permite-nos conhecer o valor do produto por sector

Leia mais

Dados Agronómicos. 0,185kg (grão) 0,03 /kg (palha)

Dados Agronómicos. 0,185kg (grão) 0,03 /kg (palha) Dados Agronómicos Cultura Produtividade Preço de venda Milho grão de regadio 12.000 kg/ha 9 a 12.000kg palha 1/1,7 palha 0,185kg (grão) 0,03 /kg (palha) Custos de Produção Taxa Região 70% 4% Évora Milho

Leia mais

Efeito do Sistema de Normalização Contabilística na Agricultura

Efeito do Sistema de Normalização Contabilística na Agricultura Efeito do Sistema de Normalização Contabilística na Agricultura Programa da Rede Rural Nacional FEADER Fundo Europeu Agrícola de Desenvolvimento Rural A Europa investe nas zonas Rurais - Enquadramento

Leia mais

RELATÓRIO SOBRE INDICADORES DE RESULTADOS - ORIENTAÇÕES PARA PEQUENOS AGRICULTORES

RELATÓRIO SOBRE INDICADORES DE RESULTADOS - ORIENTAÇÕES PARA PEQUENOS AGRICULTORES RELATÓRIO SOBRE INDICADORES DE RESULTADOS - ORIENTAÇÕES PARA PEQUENOS AGRICULTORES APLICÁVEL A PARTIR DA COLHEITA DE 2014 Visão Geral Este documento explica como usar os modelos fornecidos pela BCI, para

Leia mais

Esclarecimento 1/2015

Esclarecimento 1/2015 Segurança Alimentar Produção primária de vegetais e operações conexas Esclarecimento 1/2015 Clarificam-se: o conceito de produção primária de vegetais e operações conexas, as medidas a adotar para o controlo

Leia mais

vel Produção de leite / Produção de queijo Gouveia, 14 de Dezembro de 2011

vel Produção de leite / Produção de queijo Gouveia, 14 de Dezembro de 2011 Gouveia, 14 de Dezembro de 2011 Exploração viável vel Produção de leite / Produção de queijo Direcção Regional de Agricultura e Pescas do Centro Relator: Carlos Alarcão (Equipa técnica do PROSE) 1. A envolvente

Leia mais

RELATÓRIO DE EVOLUÇÃO

RELATÓRIO DE EVOLUÇÃO ASF Autoridade de Supervisão de Seguros e Fundos de Pensões SUMÁRIO I PRODUÇÃO E CUSTOS COM SINISTROS 1. Análise global 2. Ramo Vida 3. Ramos Não Vida a. Acidentes de Trabalho b. Doença c. Incêndio e Outros

Leia mais

N. de Horas. 1 Agricultura Biológica Agricultura Biológica 144 Média Duração Formação Sem Legislação de Suporte

N. de Horas. 1 Agricultura Biológica Agricultura Biológica 144 Média Duração Formação Sem Legislação de Suporte Anexo II - Técnicos. Correspondência dos Cursos realizados no Entre Douro e Minho, entre 94 e 03, por área temática, tema do curso, duração, 1 Agricultura Biológica Agricultura Biológica 144 Média Duração

Leia mais

DERAL - Departamento de Economia Rural. Fruticultura - Análise da Conjuntura Agropecuária

DERAL - Departamento de Economia Rural. Fruticultura - Análise da Conjuntura Agropecuária Fruticultura - Análise da Conjuntura Agropecuária Dezembro de 2012 PANORAMA MUNDIAL A produção mundial de frutas se caracteriza pela grande diversidade de espécies cultivadas, e constituí-se em grande

Leia mais

PDR 2014-2020. 3.3.2 Pequenos Investimentos na Transformação e Comercialização de Produtos Agrícolas

PDR 2014-2020. 3.3.2 Pequenos Investimentos na Transformação e Comercialização de Produtos Agrícolas PDR 2014-2020 3.3.2 Pequenos Investimentos na Transformação e Comercialização de Produtos Agrícolas Portal dos Incentivos Maio 2015 Índice 1 Apresentação de Tema... 2 1.1 Enquadramento... 2 1.2 Beneficiários...

Leia mais

ABASTECIMENTO DE ÁGUA, SANEAMENTO DE ÁGUAS RESIDUAIS E GESTÃO DE RESÍDUOS URBANOS

ABASTECIMENTO DE ÁGUA, SANEAMENTO DE ÁGUAS RESIDUAIS E GESTÃO DE RESÍDUOS URBANOS ABASTECIMENTO DE ÁGUA, SANEAMENTO DE ÁGUAS RESIDUAIS E GESTÃO DE RESÍDUOS URBANOS O setor de serviços de águas compreende: as atividades de abastecimento de água às populações urbanas e rurais e às atividades

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº. 02 DE 11 DE OUTUBRO DE 2006

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº. 02 DE 11 DE OUTUBRO DE 2006 INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº. 02 DE 11 DE OUTUBRO DE 2006 Estabelece valores de referência para outorga de uso de recursos hídricos em corpos de água de domínio do Distrito Federal e dá outras providências.

Leia mais

ANTEPROPOSTA DE LEI Institui um regime de apoio à Agricultura Familiar na Região Autónoma dos Açores

ANTEPROPOSTA DE LEI Institui um regime de apoio à Agricultura Familiar na Região Autónoma dos Açores ANTEPROPOSTA DE LEI Institui um regime de apoio à Agricultura Familiar na Região Autónoma dos Açores A agricultura familiar, entendida enquanto a pequena atividade agrícola que emprega sobretudo a mão-de-obra

Leia mais

Relatório de evolução da atividade seguradora

Relatório de evolução da atividade seguradora Relatório de evolução da atividade seguradora 1.º Semestre 214 I. Produção e custos com sinistros 1. Análise global 2. Ramo Vida 3. Ramos Não Vida a. Acidentes de Trabalho b. Doença c. Incêndio e Outros

Leia mais

Linhas de Crédito PISCICULTURA INVESTIMENTO CUSTEIO. Obs.: As informações atinentes às linhas de crédito estão sujeitas a alterações.

Linhas de Crédito PISCICULTURA INVESTIMENTO CUSTEIO. Obs.: As informações atinentes às linhas de crédito estão sujeitas a alterações. PISCICULTURA CUSTEIO INVESTIMENTO Obs.: As informações atinentes às linhas de crédito estão sujeitas a alterações. financiar as despesas normais de custeio da produção agrícola e pecuária. Linhas de Crédito

Leia mais

Proposta de DIRETIVA DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO

Proposta de DIRETIVA DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO COMISSÃO EUROPEIA Bruxelas, 11.2.2014 COM(2014) 4 final 2014/0033 (COD) Proposta de DIRETIVA DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO que altera as Diretivas 89/608/CEE, 90/425/CEE e 91/496/CEE no que diz respeito

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 11, DE 4 DE ABRIL DE 2003 Aprovada pela Resolução/CD nº 7/2003 - DOU 74, de 16/04/03 seção 1, p. 101 B.S.

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 11, DE 4 DE ABRIL DE 2003 Aprovada pela Resolução/CD nº 7/2003 - DOU 74, de 16/04/03 seção 1, p. 101 B.S. INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 11, DE 4 DE ABRIL DE 2003 Aprovada pela Resolução/CD nº 7/2003 - DOU 74, de 16/04/03 seção 1, p. 101 B.S. 16, de 21/04/03 Estabelece diretrizes para fixação do Módulo Fiscal de cada

Leia mais

EMENTA JI "A ÁRVORE" JI "A CEGONHA" Segunda Sopa» Sopa de Legumes Prato» Almôndegas Com Esparguete e Cenoura Ripada Sobremesa» Fruta Da Época

EMENTA JI A ÁRVORE JI A CEGONHA Segunda Sopa» Sopa de Legumes Prato» Almôndegas Com Esparguete e Cenoura Ripada Sobremesa» Fruta Da Época 1 Sopa» Sopa de Legumes Prato» Almôndegas Com Esparguete e Cenoura Ripada Sopa» Creme de Ervilhas Prato» Pescada cozida c/ todos LANCHE» PÃO C/ FIAMBRE E COPO SUMO Sopa» Sopa de Alho Francês Prato» Febras

Leia mais

OBJETIVOS DESTE MATERIAL

OBJETIVOS DESTE MATERIAL TEMA: CPC PME / NBC TG 1000 - Resolução CFC nº 1.255/2009 Seção 34 - Atividades Especializadas OBJETIVOS DESTE MATERIAL Este material tem como objetivo específico uma complementação dos principais aspectos

Leia mais

Estudos sobre Estatísticas Estruturais das Empresas 2008. Micro, Pequenas. e Médias. Empresas. em Portugal

Estudos sobre Estatísticas Estruturais das Empresas 2008. Micro, Pequenas. e Médias. Empresas. em Portugal Estudos sobre Estatísticas Estruturais das Empresas 2008 28 de Junho de 2010 Micro, Pequenas e Médias Empresas em Portugal Em 2008, existiam 349 756 micro, pequenas e médias empresas (PME) em Portugal,

Leia mais

CONCEITOS DA CONTABILIDADE RURAL

CONCEITOS DA CONTABILIDADE RURAL CONCEITOS DA CONTABILIDADE RURAL Instituto Federal Goiano Disciplina de Elaboração e Gestão de Projetos Agronegócio (Noturno) Bruno Maia, Eng Agrônomo, M. Sc. ROTEIRO Classificação das atividades agrícolas.

Leia mais

INVESTIMENTO E RETORNO NA FRUTICULTURA. Prof. Dr. Ricardo Antonio Ayub 1 e Mariane Gioppo 2

INVESTIMENTO E RETORNO NA FRUTICULTURA. Prof. Dr. Ricardo Antonio Ayub 1 e Mariane Gioppo 2 INVESTIMENTO E RETORNO NA FRUTICULTURA Prof. Dr. Ricardo Antonio Ayub 1 e Mariane Gioppo 2 1 Universidade Estadual de Ponta Grossa - Professor Doutor Associado Departamento de Fitotecnia e Fitossanidade

Leia mais

A Pecuária é uma actividade agrária que consiste na criação de animais (gado) para a obtenção de carne, leite, lã, peles e, ainda, de força de

A Pecuária é uma actividade agrária que consiste na criação de animais (gado) para a obtenção de carne, leite, lã, peles e, ainda, de força de A Pecuária é uma actividade agrária que consiste na criação de animais (gado) para a obtenção de carne, leite, lã, peles e, ainda, de força de trabalho nas actividades agrícolas. Por gado entende-se o

Leia mais

REGISTO FITOSSANITÁRIO / LICENCIAMENTO DE FORNECEDORES DE MATERIAIS DE PROPAGAÇÃO E DE OPERADORES DE OUTROS PRODUTOS VEGETAIS

REGISTO FITOSSANITÁRIO / LICENCIAMENTO DE FORNECEDORES DE MATERIAIS DE PROPAGAÇÃO E DE OPERADORES DE OUTROS PRODUTOS VEGETAIS REGISTO FITOSSANITÁRIO / LICENCIAMENTO DE FORNECEDORES DE MATERIAIS DE PROPAGAÇÃO E DE OPERADORES DE OUTROS PRODUTOS VEGETAIS 1 IDENTFICAÇÃO Nº de Identificação Fiscal (NIF): (Reservado à DGADR) Nº de

Leia mais

ANEXO I GOVERNO DO ESTADO DO PIAUÍ SECRETARIA ESTADUAL DE EDUCAÇÃO E CULTURA RELAÇÃO DOS GÊNEROS ALIMENTÍCIOS DA AGRICULTURA FAMILIAR PARA ALIMENTAÇÃO ESCOLAR E SUAS ESPECIFICAÇÕES. GÊNERO ALIMENTÍCIO

Leia mais

Circuito Económico e Contabilidade Nacional

Circuito Económico e Contabilidade Nacional Circuito Económico e Contabilidade Nacional Visão das actividades económicas em termos de circuito. Relacionamento dos agentes pelas operações: - relacionamento em termos de equilíbrio ou, - desequilíbrio.

Leia mais

Atlas Digital de MINAS GERAIS 1 de 18

Atlas Digital de MINAS GERAIS 1 de 18 Atlas Digital de MINAS GERAIS 1 de 18 Características Agropecuárias A sociedade brasileira viveu no século XX uma transformação socioeconômica e cultural passando de uma sociedade agrária para uma sociedade

Leia mais

DIRETORIA DE PESQUISAS - DPE COORDENAÇÃO DE CONTAS NACIONAIS CONAC. Sistema de Contas Nacionais - Brasil Referência 2000. Nota metodológica nº 6

DIRETORIA DE PESQUISAS - DPE COORDENAÇÃO DE CONTAS NACIONAIS CONAC. Sistema de Contas Nacionais - Brasil Referência 2000. Nota metodológica nº 6 DIRETORIA DE PESQUISAS - DPE COORDENAÇÃO DE CONTAS NACIONAIS CONAC Sistema de Contas Nacionais - Brasil Referência 2000 Nota metodológica nº 6 Conta da Produção das Atividades (versão para informação e

Leia mais

São aquelas que exploram a capacidade do solo por meio do. cultivo da terra, da criação de animais e da

São aquelas que exploram a capacidade do solo por meio do. cultivo da terra, da criação de animais e da 1 São aquelas que exploram a capacidade do solo por meio do cultivo da terra, da criação de animais e da transformação de determinados produtos agropecuários com vistas à obtenção de produtos que venham

Leia mais

REGRAS DE ACESSO E UTILIZAÇÃO APROVADAS POR DELIBERAÇÃO DE CÂMARA DE 08/02/2012

REGRAS DE ACESSO E UTILIZAÇÃO APROVADAS POR DELIBERAÇÃO DE CÂMARA DE 08/02/2012 REGRAS DE ACESSO E UTILIZAÇÃO APROVADAS POR DELIBERAÇÃO DE CÂMARA DE 08/02/2012 REGRAS DE ACESSO E UTILIZAÇÃO NOTA JUSTIFICATIVA As quintas da periferia da cidade de Évora já representaram um importante

Leia mais

Regime vigente até 31/12/2012 e alterações em 2013 27-03-2013 1

Regime vigente até 31/12/2012 e alterações em 2013 27-03-2013 1 Regime vigente até 31/12/2012 e alterações em 2013 27-03-2013 1 Introdução O regime vigente até 31/12/2012 IRS IVA Alterações introduzidas pela Lei nº 66-B/2012 IVA Faturação e comunicação à AT ( Dec.Lei

Leia mais

C I R C U L AR. Seca 2012 - Linha de Crédito de Apoio à Alimentação Animal. Continente INDICE

C I R C U L AR. Seca 2012 - Linha de Crédito de Apoio à Alimentação Animal. Continente INDICE CONSELHO DIRECTIVO C I R C U L AR CLASSIFICAÇÃO- DATA DE EMISSÃO: 09-04-2012 ENTRADA EM VIGOR: 10-04-2012 Âmbito: Continente INDICE 1. ÂMBITO E ENQUADRAMENTO LEGISLATIVO 2. INTERVENIENTES 3. BENEFICIÁRIOS

Leia mais

MODULO 1: INQUÉRITO AO NIVEL DO AGREGADO FAMILIAR

MODULO 1: INQUÉRITO AO NIVEL DO AGREGADO FAMILIAR As informações do inquérito são rigorosamente confidenciais (Decreto 12/82 de 22 de Julho de 1982) DIST ALD AF REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE Ministério de Agricultura e Desenvolvimento Rural Departamento de

Leia mais

COMO TER UMA ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL?

COMO TER UMA ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL? COMO TER UMA ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL? O Ministério da Saúde está lançando a versão de bolso do Guia Alimentar para a População Brasileira, em formato de Dez Passos para uma Alimentação Saudável, com o objetivo

Leia mais

Desempenho da Agroindústria em 2004. histórica iniciada em 1992. Como tem sido freqüente nos últimos anos (exceto em 2003), os

Desempenho da Agroindústria em 2004. histórica iniciada em 1992. Como tem sido freqüente nos últimos anos (exceto em 2003), os Desempenho da Agroindústria em 2004 Em 2004, a agroindústria obteve crescimento de 5,3%, marca mais elevada da série histórica iniciada em 1992. Como tem sido freqüente nos últimos anos (exceto em 2003),

Leia mais

A Atividade das Empresas Agrícolas em Portugal 2004-2010

A Atividade das Empresas Agrícolas em Portugal 2004-2010 26 de setembro de 2012 A Atividade das Empresas Agrícolas em Portugal 2004-2010 Empresas agrícolas: o futuro da agricultura portuguesa? As 43 972 empresas da atividade agrícola (divisão 01 da CAE Rev.3)

Leia mais

SEGURANÇA ALIMENTAR. b) Nota de rodapé 3: que outros produtos pode o produtor fornecer para além dos ovos, leite cru e mel?

SEGURANÇA ALIMENTAR. b) Nota de rodapé 3: que outros produtos pode o produtor fornecer para além dos ovos, leite cru e mel? 27.11.2014 SEGURANÇA ALIMENTAR Requisitos relativos à produção animal Questão 1 Relativamente ao indicador 1.1 da Área n.º 2 do Ato 12 do Aviso n.º 8269/2010 Existência de registo atualizado de tipo documental,

Leia mais

NORMAS DE ACESSO E UTILIZAÇÃO DAS HORTAS DE ÁGUEDA

NORMAS DE ACESSO E UTILIZAÇÃO DAS HORTAS DE ÁGUEDA NORMAS DE ACESSO E UTILIZAÇÃO DAS HORTAS DE ÁGUEDA PREÂMBULO O projeto Agricultura semente de sustentabilidade tem como desígnio trazer para um sector de atividade tradicional de baixa tecnologia, um elevado

Leia mais

Discente: Marcelo Caetano de Oliveira Orientador: José Darlan Ramos

Discente: Marcelo Caetano de Oliveira Orientador: José Darlan Ramos Serra da Mantiqueira: Turismo e Fruticultura Discente: Marcelo Caetano de Oliveira Orientador: José Darlan Ramos Objetivo Apresentar uma síntese sobre a Serra da Mantiqueira, desafios e potencialidades

Leia mais

Comissão Consultiva Setorial LEITE. GPP, 5 de junho 2015

Comissão Consultiva Setorial LEITE. GPP, 5 de junho 2015 Comissão Consultiva Setorial LEITE GPP, 5 de junho 2015 AGENDA I - Situação de mercado II Medidas PAC/Setor do Leite (pagamentos diretos, contratos, comunicação de entregas) III- Relatório da Comissão

Leia mais

(c) Activos biológicos relacionados com a actividade agrícola e produto agrícola na altura da colheita (ver a NCRF 17 - Agricultura).

(c) Activos biológicos relacionados com a actividade agrícola e produto agrícola na altura da colheita (ver a NCRF 17 - Agricultura). NCRF 18 Inventários Esta Norma Contabilística e de Relato Financeiro tem por base a Norma Internacional de Contabilidade IAS 2 - Inventários, adoptada pelo texto original do Regulamento (CE) n.º 1126/2008

Leia mais

O uso sustentável dos Produtos Fitofarmacêuticos

O uso sustentável dos Produtos Fitofarmacêuticos O uso sustentável dos Produtos Fitofarmacêuticos Fiscalização da venda e distribuição de Produtos Fitofarmacêuticos Fitofarmacêuticos São as substâncias ativas e as preparações, que contendo uma ou mais

Leia mais

BOAS PRÁTICAS. Fonte: Manual Boas Práticas Agrícolas para a Agricultura Familiar http://rlc.fao.org/es/agricultura/bpa

BOAS PRÁTICAS. Fonte: Manual Boas Práticas Agrícolas para a Agricultura Familiar http://rlc.fao.org/es/agricultura/bpa BOAS PRÁTICAS AGRÍCOLAS Fonte: Manual Boas Práticas Agrícolas para a Agricultura Familiar http://rlc.fao.org/es/agricultura/bpa O QUE SÃO AS BOAS PRÁTICAS AGRÍCOLAS (BPA)? Os consumidores estão cada vez

Leia mais

Em termos nominais, as exportações aumentaram 2,1% e as importações diminuíram 3,5%

Em termos nominais, as exportações aumentaram 2,1% e as importações diminuíram 3,5% Estatísticas do Comércio Internacional Fevereiro 2015 09 de abril de 2015 Em termos nominais, as exportações aumentaram 2,1% e as importações diminuíram 3,5% As exportações de bens aumentaram 2,1% e as

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO E DIMENSIONAMENTO DO AGRONEGÓCIO BRASILEIRO

CARACTERIZAÇÃO E DIMENSIONAMENTO DO AGRONEGÓCIO BRASILEIRO CARACTERIZAÇÃO E DIMENSIONAMENTO DO AGRONEGÓCIO BRASILEIRO Eduardo Pereira Nunes Elisio Contini Apresentação à Diretoria da ABAG 13 de setembro de 2000 - São Paulo O PROBLEMA Controvérsias sobre contribuição

Leia mais

CONTAS REGIONAIS DO AMAZONAS 2009 PRODUTO INTERNO BRUTO DO ESTADO DO AMAZONAS

CONTAS REGIONAIS DO AMAZONAS 2009 PRODUTO INTERNO BRUTO DO ESTADO DO AMAZONAS CONTAS REGIONAIS DO AMAZONAS 2009 PRODUTO INTERNO BRUTO DO ESTADO DO AMAZONAS APRESENTAÇÃO A Secretaria de Estado de Planejamento e Desenvolvimento Econômico SEPLAN em parceria com a SUFRAMA e sob a coordenação

Leia mais