III Avaliação do Curso Técnico em Manejo Florestal da Escola Agrotécnica Federal de Manaus (EAFM): recomendações

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "III Avaliação do Curso Técnico em Manejo Florestal da Escola Agrotécnica Federal de Manaus (EAFM): recomendações"

Transcrição

1 III Avaliaçã d Curs Técnic em Manej Flrestal da Escla Agrtécnica Federal de Manaus (EAFM): recmendações Karina Rail de Mraes - Flresta Viva julh de TERCEIRA AVALIAÇÃO DO CURSO TÉCNICO FLORESTAL Cntext Objetivs e resultads esperads Metdlgia adtada Us ds resultads AVALIAÇÃO DO CURSO PELOS CONSULTADOS Infraestruturas Equipaments e materiais didátics Qualidade de atendiment ds aluns d curs Qualidade das disciplinas d curs Qualidade didática d curs e desempenh d alun Grau de ância ds cnheciments técnics Grau de ância das habilidades sciais e humanas Habilidades d técnic flrestal esperadas pelas empresas /instituições Itens a melhrar n Curs Flrestal para atender as demandas d mercad de trabalh Para que tip de trabalh técnic é mais preparad a realizar a finalizar curs flrestal Relações d curs técnic flrestal dentr da EAFM Relações d curs cm utras instituições de ensin (UEA,UFAM..) Relações d curs cm utrs parceirs (EMBRAPA, INPA, IFT...) Características que fazem a identidade d Curs Técnic em Manej Flrestal da EAFM RECOMENDAÇÕES EXECUTIVAS Sbre infraestrutura, estrutura e funcinament d Curs Técnic em Manej Flrestal Sbre frtaleciment e criaçã de parcerias cm Curs Técnic em Manej Flrestal Sbre a cnslidaçã da atuaçã prfissinal d técnic flrestal perante a sciedade e CREA RECOMENDAÇÕES DETALHADAS CONFERIR (TIMTIM, MATEUS) Sbre infraestrutura, estrutura e funcinament d Curs Técnic em Manej Flrestal Sbre frtaleciment e criaçã de parcerias cm Curs Técnic em Manej Flrestal Sbre a cnslidaçã da atuaçã prfissinal d técnic flrestal perante a sciedade e CREA Outras sugestões ANEXO 1 - RELAÇÃO DAS REUNIÕES DA EQUIPE ORGANIZADORA ANEXO 2 METODOLOGIA ADOTADA ANEXO 3 FORMULÁRIOS DE ENTREVISTAS ANEXO 4 SÍNTESE DAS ENTREVISTAS AOS EGRESSOS ANEXO 5 SÍNTESE DAS ENTREVISTAS AOS PROFESSORES ANEXO 6 SÍNTESE DAS ENTREVISTAS ÀS INSTITUIÇÕES ANEXO 7 SÍNTESE DAS DINÁMICAS DURANTE A OFICINA ANEXO 8 LISTA DE PESSOAS CONSULTADAS E CONVIDADAS ANEXO 9 LISTA DOS PARTICIPANTES NA OFICINA ANEXO 10 NOTAS RELEVANTES

2 1. Terceira avaliaçã d Curs Técnic Flrestal 1.1. Cntext A Escla Agrtécnica Federal de Manaus EAFM, em parceria cm Prjet Flresta Viva - PFV e a Secretaria Adjunta de Flrestas e Extrativism - SEAFE rganizu a 3ª. Oficina de Avaliaçã d Curs Técnic em Manej Flrestal, realizada em dia 27 de mai de 2008, n Centr Prjets e Estuds Ambientais d Amaznas CEPEAM, visand planejament estratégic d curs de tal frma que atenda a demanda d mercad de trabalh e a definiçã das atribuições ds técnics flrestais. Esta fi a terceira avaliaçã d curs seguind s mesms preceits ns quais ele fi criad, u seja, pr mei de um ampl debate cm a sciedade, principalmente cm s parceirs (técnics especializads, instituições envlvidas cm setr flrestal). Essa 3ª avaliaçã se justificu mais ainda em funçã da cmemraçã de dez ans de existência d Curs, em 2008, ferecend à sciedade uma prtunidade de frmaçã direcinada a manej flrestal e prpiciand as jvens levarem a interir d Amaznas manej sustentável ds recurss flrestais. Nessa avaliaçã, participaram diretamente e indiretamente egresss e aluns d curs, prfessres e prfissinais de várias instituições públicas e privadas ligadas a setr flrestal e/u à Escla Agrtécnica Federal de Manaus Objetivs e resultads esperads Dis principais resultads esperads d prcess de avaliaçã fram definids pela Cmissã Organizadra: Identificar adequações cncretas a serem realizadas pela EAFM n Curs Técnic em Manej Flrestal; Discutir junt cm CREA as atribuições e s limites de atuaçã ds técnics flrestais Metdlgia adtada A metdlgia adtada fi desenhada para prcurar uma ampla participaçã ds varis setres ligads: aluns e egresss, prfessres, e entidades empregadras de técnics flrestais. (ver detalhe da metdlgia n anex 2). Num primeir mment fram realizadas mais de 100 cnsultas diretas e eletrónicas à egresss, prfessres e instituições, cm base numa guia de avaliaçã estruturada em trn de 5 temas (ver anex 3): Cndições d Curs Qualidade de ensin n Curs Adequaçã d Curs à demanda d mercad d trabalh Relações d Curs, dentr da EAFM e cm entidades externas Identidade d Curs Os resultads dessas cnsultas (39% de respstas) fram prcessads e serviram de base para elabrar uma apstila que será entregue as participantes da ficina. (ver anexs 4, 5, 6). 2

3 Mais de 60 pessas, entre aluns, egresss, prfessres e representantes de varias instituições, participaram da ficina de avaliaçã que fi rganizada n dia 27 de mai, e que fi estruturada em três mments. Na primeira parte da ficina fram feitas apresentações sbre a evluiçã d cntext n qual se insere Curs, cm vista a identificar as demandas atuais e futuras da sciedade cm relaçã as técnics flrestais. Num segund mment, seis egresss d curs apresentaram as suas experiências prfissinais, ilustrand a diversidade da demanda d mercad d trabalh, e apntand s aspects a serem refrçads. Lg depis fi rganizada uma dinámica de discussã visand: Identificar adequações cncretas a serem realizadas n curs Avançar na definiçã das atribuições e limites de atuaçã ds técnics flrestais. Os resultads fram apresentads em plenária (ver anex 7) Us ds resultads O presente relatóri fi elabrad pela Cmissã Organizadra cm vista a cnservar uma memória d prcess e das cntribuições, e servir de ferramenta peracinal para que s gestres da Escla pssam tmar prvidências cncretas vltadas a cnslidar e aprimrar Curs Técnic em Manej Flrestal. A seçã 2 (Avaliaçã d curs pels cnsultads) apresenta de frma sintética a avaliaçã d curs feita pels cnsultads durante a primeira etapa d prcess. Na seçã 3 (Recmendações executivas), s gestres da Escla encntrarã s grandes temas a serem trabalhads para frtalecer s pnts fracs e valrizar s pnts frtes d curs. A seçã 4 (Recmendações detalhadas) detalha esses grandes temas, listand as prpstas e sugestões cncretas frmuladas durante as cnsultas e a ficina de avaliaçã. 3

4 2. Avaliaçã d curs pels cnsultads 2.1. Infraestruturas egresss prfessres RUIM MELHORAR BOM Transprte Lcais para Atividades Práticas Bibliteca Refeitóri Labratóri Banheirs Aljament Cmentáris e sugestões: A Escla deveria ter um espaç para que s aluns pudessem desenvlver suas práticas e nã precisassem se deslcar em viagens lngas. Aumentar a quantidade de equipaments para atividades n labratóri de infrmática. Dispnibilizar mair númer de ônibus para nã prejudicar as visitas técnicas Equipaments e materiais didátics egresss prfessres RUIM MELHORAR BOM Cmputadres Equipament audi-visual Cpiadra Apstila Acess internet Material de camp Livrs, publicações GPS, bússlas Cmentáris e sugestões: Melhrar a dispnibilidade de acess a cmputadres e internet. Melhrar a dispnibilidade de ferramentas para que alun desenvlva seus trabalhs. A Escla tem que frnecer apstilas referentes às disciplinas. A falta de cmputadres, internet, livrs, dificulta s trabalhs extra-classe Qualidade de atendiment ds aluns d curs egresss RUIM MELHORAR BOM Acess e relaçã d Curs c/ Crdenaçã Atendendiment da Secretaria Acess e relaçã d Curs c/ utras Crdenações e Diretrias Pessal de serviç Cmentáris e sugestões: A frma de atendiment as aluns serve de estímul para s mesms cntinuarem n curs Qualidade das disciplinas d curs egresss prfessres RUIM MELHORAR BOM Quantidade de aulas práticas e teóricas Dmíni das disciplinas pels prfessres Interaçã e cmplementariedade entre as disciplinas Carga hrária das aulas práticas e teóricas Visã ampla e crítica d cenári flrestal Cnteúd atualizad cm a realidade Cmentáris e sugestões: Os prfessres sã bem qualificads. Aumentar a carga hrária das aulas práticas e teóricas. Durante a disciplina de Ecnmia Flrestal, s aluns deveriam realizar atividades práticas cm pesquisa de mercad, sbre prduts flrestais. 4

5 2.5. Qualidade didática d curs e desempenh d alun egresss prfessres RUIM MELHORAR BOM Capacidade de inicitiva ds aluns Relaçã d cnteúd cm a prática Capacidade de criatividade e frmaçã de nvas idéias Participaçã ds aluns Habilidade de cmunicaçã ds prfessres Relaçã prfessr x alun Didática e us de instruments pertinentes Planejament das disciplinas e aulas Cmentáris e sugestões: A aula mdular, nã permite mair interaçã entre prfessr-alun e prfessr-prfessr. Os aluns sã participativs. Os aluns riunds d interir mstram interesse em interligar s cnheciments da disciplina cm s seus prblemas reais Grau de ância ds cnheciments técnics egresss prfessres instituições NÃO IMPORT POUCO IMPORTANTE IMPORTANTE Cnheciment e prática em Manejen Flrestal Cmunitári e de Pequena Escala Cnheciment e prática em Explraçã de Impact Reduzid Us de bússla e GPS Cnheciment de Dendrmetria e Inventári Manej e Prcessament de Prduts Nã Madeireirs Cnheciment básic em Infrmática Legislaçã Flrestal Elabraçã de prjets e relatóris Prcessament de Prduts Flrestais Madeireirs Cartgrafia, elabraçã de mapas, geprcessamet Identificaçã Btânica Gerenciament e Cmercializaçã Flrestal Cmentáris e sugestões: Tdas as disciplinas sã fundamentais para a frmaçã d técnic. A Escla precisa dispnibilizar mais material didátic. Melhrar cnheciment sbre Plíticas Públicas. Sugerem-se a inserçã de temas relacinads a metdlgias de abrdagens e/u trabalhs cm cmunidades Grau de ância das habilidades sciais e humanas egresss prfessres instituições NÃO IMPORT POUCO IMPORTANTE IMPORTANTE Cmprmetiment cm trabalh Facilidade de relacinament cm atres envlvids Iniciativa própria e liderança Relaçã pessal dentr da empresa Organizaçã e cnduçã de reuniões Dinâmica de interaçã em grup Organizaçã scial (Cperativism. e Assciativism) Cmentáris e sugestões: Vivenciar mais as experiências d setr flrestal, principalmente empresas x cmunidades. Capacidade de desenvlver atividades sciais n mei nde ele esteja inserid, cm parte de mecanisms de frtaleciment ds grups sciais. 5

6 2.8. Habilidades d técnic flrestal esperadas pelas empresas /instituições egresss instituições NÃO IMPORT POUCO IMPORTANTE IMPORTANTE Articulaçã Escritóri Cmunicaçã Elabraçã de dcuments Camp Cmentáris e sugestões: A ausência dessas habilidades cmprmete desempenh das atividades d técnic Itens a melhrar n Curs Flrestal para atender as demandas d mercad de trabalh egresss prfessres instituições NÃO IMPORT POUCO IMPORTANTE IMPORTANTE Ter mais aulas teóricas Aumentar a carga hrária d curs Ter mais aulas práticas Criar utras disciplinas Criar uma disciplina cm aulas práticas de geprcessament Cmentáris e sugestões: Precisa dar mais ância às disciplinas que dã prática as técnics. Criar uma disciplina de empreendedrism. Ter autnmia junt a órgã que regulamenta (CREA). Aumentar númer de turmas e aplicar n interir u implantar nvas turmas nessas regiões Para que tip de trabalh técnic é mais preparad a realizar a finalizar curs flrestal POUCO PREP. REGULAR BEM PREPARADO Trabalhar em empresas d setr flrestal egresss instituições Trab. em instituições gvernamentais de assist. técnica, pesquisa, extensã e de prteçã ambiental Trab. em prjets flrestais e agrflrestais cmunitáris ligads à agricultura familiar e a mviments sóci-ambientais Trab. em empresas de assessria de prjets flrestais e agrflrestais Cmentáris e sugestões: A área de Manej é pnt mais frte d Curs. Tem que estar preparad para lidar cm as dificuldades decrrentes das diferenças entre pessas e culturas Relações d curs técnic flrestal dentr da EAFM egresss prfessres RUIM MELHORAR BOM Api cm áreas desprtivas e de lazer Api cm visitas técnicas Api cm alimentaçã Api cm aljament Api cm vestiári Api cm saúde Cmentáris e sugestões: Melhrar serviç de saúde. As visitas técnicas sã de ótima qualidade. 6

7 Quant à alimentaçã, aspect psitiv é estar em preç acessível, n entant, a qualidade nã é ba Relações d curs cm utras instituições de ensin (UEA,UFAM..) egresss prfessres RUIM MELHORAR BOM Us de materiais e equipaments Relaçã cm prfessres / instrutres Us de labratóris Cmentáris e sugestões: As atividades de labratóri deveriam ser mais explradas. Estreitar as relações d curs cm as instituições de ensin. Mair interaçã entre aluns e essas instituições Relações d curs cm utrs parceirs (EMBRAPA, INPA, IFT...) egresss prfessres instituições RUIM MELHORAR BOM Dispnibilidade de estágis Dispnibilidade de cntrats Dispnibilidade de blsas Dispnibilidade de trabalh Cmentáris e sugestões: Aumentar camp de prtunidades para que alun pssa desenvlver trabalhs prátics junt à cmunidade. Participaçã da Direçã cm instituições para dispnibilizar ctas anuais em funçã ds aluns Características que fazem a identidade d Curs Técnic em Manej Flrestal da EAFM egresss prfessres instituições NÃO IMPORT POUCO IMPORTANTE IMPORTANTE Técnics cmprmetids cm Manej Flrestal Técnics cm cnheciment prátic de Manej Flrestal Técnics riunds d interir e dispsts a trab. n interir Técnics cm facilidade de trab. cm cmunidades, ppulações tradicinais, etc. Cmentáris e sugestões: Trabalhar pessas vindas d interir e capacitá-las para que vltem às cmunidades de rigem. Capacitar técnic a se adaptar às diversas realidades e situações. É precis preparar técnic para ter características de empreendedr e trabalhar n interir. 7

8 3. Recmendações executivas 3.1. Sbre infraestrutura, estrutura e funcinament d Curs Técnic em Manej Flrestal. Criar um quadr de prfessres efetivs Melhrar a infra-estrutura para atender às necessidades de aluns e prfessres Dispnibilizar materiais e equipaments para auxiliar nas atividades práticas, aulas teóricas e trabalhs extra-classe Elabrar e dispnibilizar material didátic Refrçar disciplinas existentes, cm aument da carga hrária se fr precis Criar nvas disciplinas Desenvlver atividades que estimulem a criatividade e racicíni ds aluns Envlver mais s aluns nas atividades vltadas para as cmunidades 3.2. Sbre frtaleciment e criaçã de parcerias cm Curs Técnic em Manej Flrestal Intrduzir alun em trabalhs de iniciaçã científica (direta u indiretamente) Estabelecer cnvênis cm instituições para que as mesmas tenham respald para cntinuar apiand a frmaçã d técnic na EAFM 3.3. Sbre a cnslidaçã da atuaçã prfissinal d técnic flrestal perante a sciedade e CREA Criaçã de um Sindicat ds Técnics Flrestais Dar autnmia a técnic para tmadas de decisões urgentes n camp Acrescentar a final d curs uma palestra de esclareciment sbre atribuições d técnic Elabrar junt cm representaçã ds Técnics Flrestais, Crdenaçã d Curs e CREA uma minuta técnica para definir s limites das atribuições da prfissã 8

9 4. Recmendações detalhadas 4.1. Sbre infraestrutura, estrutura e funcinament d Curs Técnic em Manej Flrestal. Criar um quadr de prfessres efetivs Melhrar a infra-estrutura para atender às necessidades de aluns e prfessres Espaç físic: equipar as salas de aula e s labratóris diverss; Salas de infrmática cm acess à internet; Labratóris cm equipaments sfisticads para auxiliar nas aulas práticas (cmputadres, GPS, cleta de sementes, análise de sementes, etc). Melhrar viveir da EAFM vltada à prática ds aluns e gerar renda para a Escla; Melhrar acess a transprtes para visitas técnicas; Dispnibilizar transprte própri para curs flrestal; Dispnibilizar materiais e equipaments para auxiliar nas atividades práticas, aulas teóricas e trabalhs extra-classe Cpiadra; GPS, bússulas, material de camp... Criar n site internet da EAFM um espaç rede d técnic flrestal a dispsiçã ds técnics flrestais (mercad de trabalh, cntats, e utrs...); Elabrar e dispnibilizar material didátic Material didátic-pedagógic (apstilas...); Ampliar acerv da bibliteca da EAFM. Refrçar disciplinas existentes, cm aument da carga hrária se fr precis Gemetria, trignmetria e álgebra; Infrmática Cartgrafia e geprcessament Prtugês Instrumental; Btânica e Identificaçã de espécies flrestais; Ecnmia flrestal Legislaçã Prduts nã madeireirs Aumentar as visitas técnicas / aulas práticas pr móduls Criar parcelas amstrais na área da EAFM que cmplemente as disciplinas; Fazer um levantament flrístic n fragment flrestal da EAFM; Dispnibilizar aulas práticas vltadas para btânica flrestal Criar nvas disciplinas Gerenciament de Unidades de Cnservaçã; Recurss Humans n setr flrestal; Elabraçã de Mapas; 9

10 Metdlgias participativas (trabalh cm cmunidades, animaçã/mderaçã de reuniões, gestã de cnflits) Organizações para prduçã (assciativism, cperativism); Recuperaçã de áreas degradadas; Impacts ambientais; Ética prfissinal / legislaçã prfissinal e relações inter-pessais. Emprendedrism Desenvlver atividades que estimulem a criatividade e racicíni ds aluns Otimizar as visitas técnicas/excursões didáticas, trabalhand a perspectiva transdiciplinar, envlvend prfessres de distintas áreas d cnheciment; Cada alun deve apresentar um prjet a cncluir curs; Reunir crp dcente peridicamente para discutir sbre as disciplinas e a cmplementaridade entre elas Prmver mair aprximaçã de natureza pedagógica; Incluir elabraçã de relatóris das atividades práticas cm prtunidade de utilizar ferramentas de infrmática (planilhas, ediçã de text, elabraçã de text); Avaliar a experiência d alun na vlta d estági nde fi inserid para verificar quais pnts frtes e fracs d curs; Fazer intercâmbi cm s aluns da EAFM Envlver mais s aluns nas atividades vltadas para as cmunidades Aprimrar a disciplina de Eclgia Humana, n que se refere às relações d hmem e as culturas lcais. O técnic tem que aprender a lidar cm as diferenças, ter nçã de scilgia, para nã agredir as culturas das cmunidades d interir 4.2. Sbre frtaleciment e criaçã de parcerias cm Curs Técnic em Manej Flrestal Intrduzir alun em trabalhs de iniciaçã científica (direta u indiretamente) Estimular a pesquisa cm fatr indutr de iniciativa, criatividade e despertar hábit da leitura e interpretaçã. Ter um módul sbre metdlgia de pesquisa; Buscar nvs parceirs para frtalecer a área da pesquisa; Estabelecer cnvênis cm instituições para que as mesmas tenham respald para cntinuar apiand a frmaçã d técnic na EAFM Desenvlver parceria cm CENAFLOR, SFB, Greenpeace... Integraçã MEC/MMA, através d plan de trabalh integrad, que cntemple api técnic / financeir a curss flrestais, para melhria d Prgrama Flrestal Brasileir; Frmalizaçã de parcerias cm ONG's c-gestras de Unidades de Cnservaçã para estágis prátics e/u análise ds dads de camp; Buscar parcerias cm instituições, empresas que tenham setr de geprcessament para executar aulas práticas de mapas, prjets, GPS, crqui; Identificar um fund de financiament para que s prfissinais frmads pssam adquirir equipaments que auxiliarã n desempenh de suas habilidades: cmputadr, gps, bússlas, etc; 10

11 4.3. Sbre a cnslidaçã da atuaçã prfissinal d técnic flrestal perante a sciedade e CREA Criaçã de um Sindicat ds Técnics Flrestais Fazer cm que a idéia d sindicat acnteça e cm iss uma mair valrizaçã e recnheciment d técnic em manej flrestal Dar autnmia a técnic para tmadas de decisões urgentes n camp Abrdagem a ensin-aprendizagem fcada mais em "prblemas" d que em "cnteúds disciplinares" Acrescentar a final d curs uma palestra de esclareciment sbre atribuições d técnic Esclarecer sbre a situaçã d técnic frente CREA Elabrar junt cm representaçã ds Técnics Flrestais, Crdenaçã d Curs e CREA uma minuta técnica para definir s limites das atribuições da prfissã Estabelecer junt a sistema CONFEA/CREA e Órgãs de representaçã de classe e crdenaçã de curss da Escla, prpsta para diminuir dúvidas sbre as prerrgativas, limites e perspectivas de atuaçã prfissinal pr parte ds técnics de manej flrestal; Especializar técnic flrestal generalista em temas específics: Inventári ftal, gestã de UC's, gerenciament de viveirs, etc.: (durante 3 meses) 4.4. Outras sugestões Criar um banc de germplasma de espécies flrestais na área da Escla; Dispnibilizar alimentaçã grátis; Avaliar a dinâmica da flresta (cresciment, mrtalidade, recrutament e regeneraçã); Fazer acmpanhament fenlógic; Mnitrar manej flrestal madeireir e nã-madeireir (certificar se estes manejs estã send bedecids). 11

12 ANEXOS 12

13 Anex 1 - Relaçã das reuniões da Equipe Organizadra Dia 13/03/08-1ª. Reuniã: Definiçã ds bjetivs da avaliaçã Definiçã da data e lcal Definiçã ds temas a serem abrdads ns questináris Definiçã das próximas atividades e reuniã psterir Dia 19/03/08 2ª. Reuniã: Definiçã d escp d prjet Melhrament ds bjetivs Verificaçã das atividades executadas Definiçã das etapas da avaliaçã: (i) entrevistas rientadas, (ii) tabulaçã das infrmações, (iii) realizaçã d event de avaliaçã Definiçã das datas para as próximas atividades: (i) elabraçã ds rteirs de entrevistas rientadas, (ii) aplicaçã das entrevistas rientadas, (iii) tabulaçã das infrmações Definiçã d api lgístic Definiçã ds custs Definiçã da prgramaçã Definiçã d públic alv e cnvidad Definiçã das datas das próximas atividades e reuniã psterir: (i) preparar questinári, (ii) preparar ds cnvites, (iii) preparar lista de cnvidads, (iv) agendar lcal, (v) buscar recurss, (vi) levantament de aluns pr turma, (vii) aplicar questinári. Dia 04/04/08 3ª. Reuniã: Verificaçã das atividades executadas Definiçã de atividades: (i) redigir carta-cnvite, (ii) levantament da situaçã ds aluns, (iii) preparar lista ds entrevistads e cnvidads, (iv) criar e gerir crrei eletrônic, (v) enviar s questináris, (vi) realizar as entrevistas, (vii) prcessar as entrevistas, (viii) envi ds cnvites, (ix) cnfirmaçã ds cnvites, (x) envi das prgramações. Definiçã de reuniões cm instituições parceiras Definiçã da redaçã d dcument (apstila) Dia 24/04/08 4ª. Reuniã: Discussã sbre Plan Ambiental da EAFM Adequaçã d rçament Definiçã de praz para a cnstruçã d dcument (apstila) Mudança da data d event 13

14 Definiçã da próxima reuniã e atividades a serem executadas: (i) mbilizaçã ds prfessres, (ii) prcessament das entrevistas, (iii) cnfecçã d lgtip, (iv) mandar cnvite. Dia 30/04/08 5ª. Reuniã: Adequaçã d rçament Definiçã da preparaçã d escp d dcument (apstila) Definiçã d lgtip d event Adequaçã da prgramaçã Adequaçã d prcessament ds questináris Definiçã ds resultads esperads Dia 09/05/08 6ª. Reuniã: Adequaçã da prgramaçã Verificaçã das atividades executadas Definiçã ds resultads esperads Prrrgaçã da preparaçã d dcument (apstila) Definiçã das atividades a serem executadas: (i) preparar e enviar a prgramaçã as palestrantes, (ii) situaçã ds egresss, (iii) preparar cnvite, (iv) preparar e enviar cnvite para egresss, definiçã de rçament para passagens. Dia 16/05/08 7ª. Reuniã: Definiçã das atividades a serem executadas: (i) preparar carta-cnvite para palestrantes, (ii) fechar prgramaçã e enviar cm cnvite, (iii) reuniã ds dcuments para a cnfecçã da apstila. Dia 19/05/08: 8ª. Reuniã: Definiçã da lgística d event Verificaçã das atividades executadas 14

15 Anex 2 Metdlgia adtada A - Cnsulta eletrônica e direta Um levantament prévi fi realizad pr mei de entrevistas eletrônicas e diretas, que serviram de base para direcinament das discussões. Três tips de questináris fram elabrads para s públics cnsultads: Egresss d Curs Técnic em Manej Flrestal Prfessres d Curs Técnic em Manej Flrestal Instituições parceiras e empregadras de técnics flrestais. Os questináris fram estruturads de maneira a subsidiar a avaliaçã ns seguintes tópics: Avaliaçã das cndições d Curs Avaliaçã da qualidade de ensin n Curs Avaliaçã da adequaçã d Curs à demanda d mercad d trabalh Avaliaçã das relações d Curs, dentr da EAFM e cm entidades externas Avaliaçã da identidade d Curs As cnsultas realizadas e respndidas sã as seguintes: cnsultas respstas % egresss % prfessres % instituições % TOTAL % Os resultads fram prcessads cnfrme as seguintes regras: > 75% de bm : BOM > 25% de ruim : RUIM restante : PODE MELHORAR > 75% de ante : IMPORTANTE > 25% de nã ante : NÃO IMPORTANTE Para facilitar a análise e interpretaçã, s resultads fram apresentads pr mei de gráfics. Para cada tópic e sub-tópic, a equipe elabru uma síntese de recmendações, que levam em cnta as avaliações e recmendações ds três públics cnsultads. 15

16 Oficina Para a realizaçã da Oficina, fram cnvidads para fazerem apresentações, pessas de diversas instituições envlvidas cm a atividade flrestal e s egresss da EAFM. A ficina fi dividida em três mments, cnfrme prgramaçã abaix: Mesa de abertura e cntextualizaçã O Curs Técnic em Manej Flrestal e a Inserçã ds Egresss n Mercad de Trabalh Apresentaçã ds Temas de Discussã e Dinâmica de Trabalh 16

17 Durante a mesa de abertura fi cntextualizada a história d curs flrestal desde planejament para sua criaçã, até a sua ância atual para sistema de extensã flrestal n Estad. As apresentações permitiram a públic presente visualizar camp de atuaçã ds prfissinais, egresss d curs, e s desafis que se clcam para s técnics flrestais n mund d trabalh. Também, fi apresentad resultad d levantament realizad pr mei das cnsultas eletrônicas. Após as apresentações, fi realizada uma dinâmica para levantar s aspects psitivs, negativs e sugestões de melhrias, em relaçã a dis temas esclhids pela equipe rganizadra, que fram: Estrutura didátic pedagógica e Atribuições prfissinais. Os temas fram apresentads em dis painéis nde s participantes fizeram suas sugestões em pedaçs de cartlina e s claram n painel cm seu respectiv tema. As infrmações geradas fram rganizadas em uma planilha e, juntamente cm s resultads das cnsultas eletrônicas, serviram de api para a cnstruçã de prpstas de melhrias para Curs Técnic em Manej Flrestal e perfil prfissinal d Técnic em Manej Flrestal. 17

18 Anex 3 Frmuláris de entrevistas QUESTIONÁRIO PARA EGRESSOS Este questinári é um instrument que visa reclher a sua avaliaçã d curs técnic flrestal ferecid pela EAFM. Os dads serã utilizads para estruturar a ficina de avaliaçã interinstitucinal d curs técnic a ser rganizada em mai de Nme: Data de nasciment: Naturalidade: Endereç Cmplet (rua, casa, apt, bairr, etc.) FICHA DE CADASTRO técnic flrestal Sex: Municípi de rigem: Municípi UF: CEP: Tel (cntats eventuais): FORMAÇÕES & CURSOS DE APERFEIÇOAMENTO Curs / instituiçã Iníci (m/a) Términ Área Curs Flrestal EAFM: EXPERIÊNCIA PROFISSIONAL (até hje) Empresa/Instituiçã Iníci Términ Atividades Desenvlvidas 1. AVALIAÇÃO DAS CONDIÇÕES DE REALIZAÇÃO DO CURSO Atribua ntas a cada subitem cnfrme a classificaçã seguinte: RUIM = 1, REGULAR = 2, BOM = 3, OTIMO = INFRAESTRUTURA Nta Sala de aula Labratóri Bibliteca Lcais para desenvlviment de atividades práticas (BVR, IFT, INPA, etc.) Aljament da EAFM Banheirs Transprte Refeitóri Outrs (especificar): 18

19 ASPECTOS POSITIVOS: ASPECTOS NEGATIVOS: 1.2 EQUIPAMENTOS E MATERIAL DIDÁTICO Nta Cmputadres Acess à Internet Cpiadra Equipament audivisual (Retrprjetr, datashw...) Apstilas Livrs, publicações GPS, bússlas Material de camp ( terçad, trenas, etc) Outrs (especificar): ASPECTOS POSITIVOS: ASPECTOS NEGATIVOS: 1.3 ATENDIMENTO AO ALUNO Nta Atendiment da Secretaria Acess e relaçã d Curs Flrestal cm a Crdenaçã Acess e relaçã d Curs Flrestal cm utras Crdenações e Diretrias Pessal de serviç (refeitóri, limpeza, etc.) Outrs (especificar): ASPECTOS POSITIVOS: ASPECTOS NEGATIVOS: 2. QUALIDADE E PEDAGOGIA DE ENSINO Atribua ntas a cada subitem cnfrme a classificaçã seguinte: RUIM = 1, REGULAR = 2, BOM = 3, OTIMO = DISCIPLINAS Nta Organizaçã curricular pssibilitand uma visã ampla e crítica em relaçã à dinâmica d cenári flrestal, cnsiderand s aspects sciais, ecnômics e ambientais. Interaçã e cmplementariedade entre as disciplinas Cnteúd atualizad das disciplinas cm a realidade Dmíni das disciplinas pels prfessres Quantidade de aulas práticas e teóricas ( carga hrária) Outrs (especificar): ASPECTOS POSITIVOS: ASPECTOS NEGATIVOS: Disciplinas fracas : Disciplinas frtes : 2.2 DIDÁTICA Nta Participaçã ds aluns ns prcesss de aprendizagem Habilidade de cmunicaçã e animaçã ds prfessres Desenvlviment da capacidade de iniciativa ds aluns Desenvlviment da capacidade de criatividade e frmaçã de nvas idéias Planejament das disciplinas e aulas Relaçã prfessr x alun Didática e us de instruments pertinentes 19

20 Relaçã d cnteúd teóric cm aplicaçã prática Outrs (especificar): ASPECTOS POSITIVOS: ASPECTOS NEGATIVOS: 3. ADEQUAÇÃO DO CURSO A DEMANDA DO MERCADO DO TRABALHO Atribua ntas a cada subitem cnfrme a classificaçã seguinte: NADA IMPORTANTE = 1, POUCO IMPORTANTE = 2, IMPORTANTE = 3, MUITO IMPORTANTE = 4, NÃO SABE = Qual a ância ds seguintes cnheciments n desempenh das atividades d técnic flrestal? Cnheciments técnics / ecnômics Us da bússla e GPS Cartgrafia, elabraçã de mapas, geprcessament Cnheciment básic em infrmática (Wrd, Windws e Excel, Pwer Pint, etc.) Cnheciment de dendrmetria e inventári Cnheciment e prática em Explraçã de Impact Reduzid Cnheciment e prática em Manej Flrestal Cmunitári e de Pequena Escala Prcessament de Prduts Flrestais Madeireirs Manej e Prcessament de Prduts Nã Madeireirs Identificaçã Btânica Legislaçã flrestal Elabraçã de prjets e relatóris Gerenciament e cmercializaçã flrestal ( Certificaçã, empreendedrism, etc.) Outrs Grau de ância 3.2. Qual a ância das seguintes habilidades sciais e humanas que técnic deve ter para um melhr desempenh das suas atividades? Relaçã scial / humana Iniciativa própria e liderança Facilidade de relacinament cm atres envlvids ( instituições municipais, gvernamentais e nã gvernamentais, cmunidades, pequens extratres e serrarias). Relaçã pessal dentr da empresa Cmprmetiment cm trabalh Dinâmica de interaçã em grup Organizaçã e cnduçã de reuniões Organizaçã scial Cperativism e Assciativism Outrs Grau de ância 3.3. Qual sã as habilidades que as empresas / instituições esperam em um técnic flrestal? Habilidades Camp Escritóri Articulaçã Cmunicaçã Grau de ância 20

21 Elabraçã de dcuments Outrs 3.4. Qual a ância ds seguintes itens para a melhra d Curs Flrestal e atender as demandas d mercad de trabalh? Grau de ância Aumentar a carga hrária d Curs Criar uma disciplina cm aulas práticas de geprcessament Criar utras disciplinas (citar) Ter mais aulas práticas Ter mais aulas teóricas Outrs 3.5 Para que tip de trabalh vcê se acha mais preparad a realizar quand sai d curs flrestal? Classifique em grau de ância. Grau de ância Trabalhar em instituições gvernamentais de assistência técnica, pesquisa, extensã e de prteçã ambiental Trabalhar em prjets flrestais e agrflrestais cmunitáris ligads à agricultura familiar e a mviments sóciambientais cm base n desenvlviment sustentável ds recurss naturais Trabalhar em empresas d setr flrestal Trabalhar em empresas de assessria de prjets flrestais e agrflrestais Outrs 4. RELAÇÕES DO CURSO COM A EAFM, INSTITUIÇÕES E OUTROS PARCEIROS Atribua ntas a cada subitem cnfrme a classificaçã seguinte: RUIM = 1, REGULAR = 2, BOM = 3, OTIMO = Relações d curs técnic flrestal dentr da EAFM (Crdenaçã geral de ensin, Direçã de ensin, Direçã geral, etc.) Nta Api cm relaçã a aljament Api cm relaçã à alimentaçã Api cm relaçã a visitas técnicas Api cm relaçã a vestiári Api cm relaçã à dispnibilidade de áreas desprtivas e de lazer Api cm relaçã a serviçs na área de saúde Outrs 4.2. Relações d curs cm utras instituições de ensin ( UEA, EAF, UFAM, etc.) Relaçã cm prfessres / instrutres Us de labratóris Us de materiais e equipaments Outrs Nta 21

REGULAMENTO DE ESTÁGIO DE INICIAÇÃO PROFISSIONAL

REGULAMENTO DE ESTÁGIO DE INICIAÇÃO PROFISSIONAL REGULAMENTO DE ESTÁGIO DE INICIAÇÃO PROFISSIONAL Intrduçã O presente Regulament cnstitui um dcument intern d curs de Ciências Cntábeis e tem pr bjetiv reger as atividades relativas a Estági de Iniciaçã

Leia mais

PLATAFORMA EMPRESAS PELO CLIMA

PLATAFORMA EMPRESAS PELO CLIMA PLATAFORMA EMPRESAS PELO CLIMA CAMINHO PARA ELABORAÇÃO DE AGENDAS EMPRESARIAIS EM ADAPTAÇÃO ÀS MUDANÇAS DO CLIMA Prpsta de Framewrk Resultad d diálg crrid em 26 de junh de 2013, n Fórum Latin-American

Leia mais

1. Objetivo Geral. Página 1 de 5 CURSO LEADER COACH BELÉM. SESI Serviço Social da Indústria. IEL Instituto Euvaldo Lodi

1. Objetivo Geral. Página 1 de 5 CURSO LEADER COACH BELÉM. SESI Serviço Social da Indústria. IEL Instituto Euvaldo Lodi O país d futur parece estar chegand para muits brasileirs que investiram em qualidade e prdutividade prfissinal, empresarial e pessal ns últims ans. O gigante adrmecid parece estar despertand. Dads d Centr

Leia mais

TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL DO PIAUÍ. PROJETO OTIMIZAR Plano do Programa

TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL DO PIAUÍ. PROJETO OTIMIZAR Plano do Programa 1. Escp u finalidade d prjet PROJETO OTIMIZAR Plan d Prgrama O Prjet Otimizar visa aprimrar ações implantadas que têm pr bjetiv a reduçã de cnsum de materiais e criar mecanisms de avaliaçã que pssam medir

Leia mais

Nome do programa, pesquisa ou produto: Projeto Censo GIFE 2005/2006

Nome do programa, pesquisa ou produto: Projeto Censo GIFE 2005/2006 1 GIFE Grup de Instituts, Fundações e Empresas Dads da rganizaçã Data de elabraçã da ficha: Fev 2008 Nme: GIFE Grup de Instituts, Fundações e Empresas Endereç: Av. Brigadeir Faria Lima, 2.413 1º andar

Leia mais

Página 1 de 10 PROJETO E RELATÓRIO DE ATIVIDADES

Página 1 de 10 PROJETO E RELATÓRIO DE ATIVIDADES Página 1 de 10 PROJETO E RELATÓRIO DE ATIVIDADES Página 2 de 10 O Prjet Aliança O Prjet Aliança é uma idéia que evluiu a partir de trabalhs realizads cm pessas da cmunidade d Bairr da Serra (bairr rural

Leia mais

INSTITUTO DE EXCELÊNCIA EM EDUCAÇÃO DE SAÚDE IEES. Excelência na Formação através da Experiência e Aplicação MARKETING FARMACÊUTICO PRÁTICO

INSTITUTO DE EXCELÊNCIA EM EDUCAÇÃO DE SAÚDE IEES. Excelência na Formação através da Experiência e Aplicação MARKETING FARMACÊUTICO PRÁTICO E IEES I EDUCAÇÃO DE SAÚDE INSTITUTO DE EXCELÊNCIA EM EDUCAÇÃO DE SAÚDE IEES Excelência na Frmaçã através da Experiência e Aplicaçã MARKETING FARMACÊUTICO PRÁTICO 1.CARGA HORÁRIA 32 Hras 2.DATA E LOCAL

Leia mais

Um «site Internet» para aprimorar a atuação do Estado e fomentar a comercialização da madeira manejada do interior do Amazonas RESUMO EXECUTIVO

Um «site Internet» para aprimorar a atuação do Estado e fomentar a comercialização da madeira manejada do interior do Amazonas RESUMO EXECUTIVO Flresta Viva Prjet de prmçã d manej sustentável das flrestas pela prduçã e cmercializaçã da madeira n Amaznas Um «site Internet» para aprimrar a atuaçã d Estad e fmentar a cmercializaçã da madeira manejada

Leia mais

PRÊMIO DE INCENTIVO À EDUCAÇÃO

PRÊMIO DE INCENTIVO À EDUCAÇÃO PRÊMIO DE INCENTIVO À EDUCAÇÃO 1. OBJETIVO O Prêmi de Incentiv à Educaçã é uma iniciativa das empresas d Pl Industrial, através d Cmitê de Fment Industrial de Camaçari - COFIC. Tem pr bjetiv estimular,

Leia mais

PIM TECNOLOGIA EM GERENCIAMENTO DE REDES DE COMPUTADORES (GR3P30)

PIM TECNOLOGIA EM GERENCIAMENTO DE REDES DE COMPUTADORES (GR3P30) UNIP Brasília - Crdenaçã CG/CW/GR/AD Senhres Aluns, Seguem infrmações imprtantes sbre PIM: 1. O QUE É? - Os PIM (Prjet Integrad Multidisciplinar) sã prjets brigatóris realizads els aluns ds curss de graduaçã

Leia mais

Regulamento para realização do Trabalho de Conclusão de Curso

Regulamento para realização do Trabalho de Conclusão de Curso Universidade Federal d Ceará Campus de Sbral Curs de Engenharia da Cmputaçã Regulament para realizaçã d Trabalh de Cnclusã de Curs Intrduçã Este dcument estabelece as regras básicas para funcinament das

Leia mais

Gabinete de Serviço Social

Gabinete de Serviço Social Gabinete de Serviç Scial Plan de Actividades 2009/10 Frmar hmens e mulheres para s utrs Despertar interesse pel vluntariad Experimentar a slidariedade Educaçã acessível a tds Precupaçã particular pels

Leia mais

REGULAMENTO 1- OBJETIVO

REGULAMENTO 1- OBJETIVO REGULAMENTO 1- OBJETIVO O Prgrama Nv Temp é um iniciativa da Cargill Agricla SA, que visa ferecer as seus funcináris e das empresas patrcinadras ds plans de previdência sb a gestã da CargillPrev Sciedade

Leia mais

MODALIDADE DE FORMAÇÃO

MODALIDADE DE FORMAÇÃO CURSO 7855 PLANO DE NEGÓCIO - CRIAÇÃO DE PEQUENOS E MÉDIOS NEGÓCIOS Iníci ------ Duraçã 50h Hrári(s) ------ OBJECTIVOS GERAIS - Identificar s principais métds e técnicas de gestã d temp e d trabalh. -

Leia mais

Art. 2º. Trata-se de uma promoção de caráter exclusivamente de estimulo cultural, profissional e acadêmico sem vínculo com sorteios.

Art. 2º. Trata-se de uma promoção de caráter exclusivamente de estimulo cultural, profissional e acadêmico sem vínculo com sorteios. Prêmi Data Pint de Criatividade e Invaçã - 2011 N an em que cmpleta 15 ans de atuaçã n mercad de treinament em infrmática, a Data Pint ferece à cmunidade a prtunidade de participar d Prêmi Data Pint de

Leia mais

CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 BNDES ANEXO II PROJETO BÁSICO: JORNADA AGIR

CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 BNDES ANEXO II PROJETO BÁSICO: JORNADA AGIR CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 BNDES ANEXO II PROJETO BÁSICO: JORNADA AGIR 1. Históric da Jrnada AGIR Ns ambientes crprativs atuais, a adçã de um mdel de gestã integrada é uma decisã estratégica n api às tmadas

Leia mais

Apresentação do Curso

Apresentação do Curso At endi m ent acl i ent e Apr es ent aç ãdc ur s Apresentaçã d Curs O curs Atendiment a Cliente fi elabrad cm bjetiv de criar cndições para que vcê desenvlva cmpetências para: Identificar s aspects que

Leia mais

Anexo V. Software de Registro Eletrônico em Saúde. Implantação em 2 (duas) Unidades de Saúde

Anexo V. Software de Registro Eletrônico em Saúde. Implantação em 2 (duas) Unidades de Saúde Anex V Sftware de Registr Eletrônic em Saúde Implantaçã em 2 (duas) Unidades de Saúde Índice 1 INTRODUÇÃO... 3 2 ESTRATÉGIAS E PROCEDIMENTOS DE IMPLANTAÇÃO... 3 4 INFRAESTRUTURA NAS UNIDADES DE SAÚDE -

Leia mais

DIRETRIZES E CRITÉRIOS PARA APLICAÇÃO DOS RECURSOS

DIRETRIZES E CRITÉRIOS PARA APLICAÇÃO DOS RECURSOS DIRETRIZES E CRITÉRIOS PARA APLICAÇÃO DOS RECURSOS Prjets n Bima Amazônia A Critéris Orientadres B C D E F Cndicinantes Mínims para Prjets Mdalidades de Aplicaçã ds Recurss Restriçã de Us ds Recurss Critéris

Leia mais

DIRETORIA DE UNIDADE COORDENAÇÃO DE CURSOS

DIRETORIA DE UNIDADE COORDENAÇÃO DE CURSOS DIRETORIA DE UNIDADE COORDENAÇÃO DE CURSOS PROJETO DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES PROJETO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA (X) PROJETO DE PESQUISA PROJETO DE EXTENSÃO Acadêmic ; Scial PROJETO DE INTERDISCIPLINARIDADE

Leia mais

Colégio Integrado EXATO

Colégio Integrado EXATO Clégi Integrad EXATO Rua: Ri de Janeir, 47 Jardim Bela Vista Mgi Guaçu SP CEP 13840-210 Telefne (19) Prpsta Plític-pedagógica d Clégi Integrad EXATO S/S Ltda. O Clégi Integrad EXATO cntextualiza sua açã

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS FACULDADE DE CIÊNCIAS APLICADAS Cidade Universitária de Limeira

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS FACULDADE DE CIÊNCIAS APLICADAS Cidade Universitária de Limeira DIRETRIZES PARA ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO DOS CURSOS DE GESTÃO 1 Sumári I. O Estági em Gestã...3 II. O Estági curricular...4 III. Acmpanhament e avaliaçã...5 IV. Mdels de Plan de Atividades e de Relatóri...5

Leia mais

Ministério da Justiça. Orientações para a preparação dos Policiais que atuam na Região

Ministério da Justiça. Orientações para a preparação dos Policiais que atuam na Região Ministéri da Justiça Departament da Plícia Federal Academia Nacinal de Plícia Secretaria Nacinal de Segurança Pública Departament de Pesquisa, Análise da Infrmaçã e Desenvlviment Humanan Orientações para

Leia mais

Fundo de Desenvolvimento das Nações Unidas para a Mulher E s c r i t ó r i o R e g i o n a l p a r a o B r a s i l e o C o n e S u l

Fundo de Desenvolvimento das Nações Unidas para a Mulher E s c r i t ó r i o R e g i o n a l p a r a o B r a s i l e o C o n e S u l Fund de Desenvlviment das Nações Unidas para a Mulher E s c r i t ó r i R e g i n a l p a r a B r a s i l e C n e S u l Fnd de Desarrll de las Nacines Unidas para la Mujer O f i c i n a R e g i n a l p

Leia mais

CIRCULAR. Circular nº 17/DSDC/DEPEB/2007. Gestão do Currículo na Educação Pré-Escolar. Contributos para a sua Operacionalização

CIRCULAR. Circular nº 17/DSDC/DEPEB/2007. Gestão do Currículo na Educação Pré-Escolar. Contributos para a sua Operacionalização CIRCULAR Data: 2007/10/10 Númer d Prcess: DSDC/DEPEB/2007 Assunt: GESTÃO DO CURRÍCULO NA EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR Circular nº 17/DSDC/DEPEB/2007 Para: Inspecçã-Geral de Educaçã Direcções Reginais de Educaçã

Leia mais

Pesquisa Oficial de Demanda Imobiliária SINDUSCON Grande Florianópolis. NÃO ASSOCIADOS Apresentação

Pesquisa Oficial de Demanda Imobiliária SINDUSCON Grande Florianópolis. NÃO ASSOCIADOS Apresentação Pesquisa Oficial de Demanda Imbiliária SINDUSCON Grande Flrianóplis. NÃO ASSOCIADOS Apresentaçã O presente trabalh tem cm principais bjetivs identificar perfil d frequentadr d Salã d Imóvel, suas demandas

Leia mais

III Jornadas de Cooperação no Sector de Saúde em Moçambique. Planificação no Sector da Saude em Moçambique

III Jornadas de Cooperação no Sector de Saúde em Moçambique. Planificação no Sector da Saude em Moçambique III Jrnadas de Cperaçã n Sectr de Saúde em Mçambique Planificaçã n Sectr da Saude em Mçambique Maput, Març de 2013 INTRODUÇÃO E ENQUADRAMENTO # Jrnadas de Cperaçã d Sectr da Saúde cnstituem um event anual:

Leia mais

Curso de Extensão: Finanças Corporativas

Curso de Extensão: Finanças Corporativas 1. Apresentaçã Curs de Extensã: Finanças Crprativas Uma crpraçã é, genericamente, caracterizada pela tmada de duas decisões fundamentais, a de financiament e a de investiment. O prcess de seleçã, análise

Leia mais

Resultado do Inquérito On-line aos Participantes dos Workshops Realizados pela Direção-Geral das Artes. Avaliação da Utilidade dos Workshops

Resultado do Inquérito On-line aos Participantes dos Workshops Realizados pela Direção-Geral das Artes. Avaliação da Utilidade dos Workshops Resultad d Inquérit On-line as Participantes ds Wrkshps Realizads pela Direçã-Geral das Artes Avaliaçã da Utilidade ds Wrkshps Títul: Resultad d Inquérit On-line as Participantes ds Wrkshps realizads pela

Leia mais

- Minuta Pesquisa CREPOP - Centro de Referência da Assistência Social CRAS/SE

- Minuta Pesquisa CREPOP - Centro de Referência da Assistência Social CRAS/SE - Minuta Pesquisa CREPOP - Centr de Referência da Assistência Scial CRAS/SE N mês de mai d an de 2010 realizu-se a pesquisa CREPOP cm psicólgas(s) que atuam ns Centrs de Referência da Assistência Scial

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE UM WEB SITE PARA A BASE DE CONHECIMENTOS DO PROGRAMA DE APOIO AOS ACTORES NÃO ESTATAIS ANGOLA

DESENVOLVIMENTO DE UM WEB SITE PARA A BASE DE CONHECIMENTOS DO PROGRAMA DE APOIO AOS ACTORES NÃO ESTATAIS ANGOLA DESENVOLVIMENTO DE UM WEB SITE PARA A BASE DE CONHECIMENTOS DO PROGRAMA DE APOIO AOS ACTORES NÃO ESTATAIS ANGOLA REQUISITOS TECNICOS O Prgrama de Api as Actres Nã Estatais publica uma slicitaçã para prestaçã

Leia mais

PORTARIA Nº 025-R, DE 14 DE MARÇO DE 2013.

PORTARIA Nº 025-R, DE 14 DE MARÇO DE 2013. PORTARIA Nº 025-R, DE 14 DE MARÇO DE 2013. ATUALIZA DIRETRIZES PARA A IMPLEMENTAÇÃO DO PROJETO ALFABETIZAÇÃO PARA ESTUDANTES DAS TURMAS DO 2º, 3º e 4º ANOS E 4ª SÉRIES DO ENSINO FUNDAMENTAL, COM DOIS ANOS

Leia mais

Florianópolis, 25 de janeiro de 2016 EDITAL PARA CANDIDATURA À SEDE DO 6º ENCONTRO NACIONAL DE ESTUDANTES DE ENGENHARIA CIVIL 2017

Florianópolis, 25 de janeiro de 2016 EDITAL PARA CANDIDATURA À SEDE DO 6º ENCONTRO NACIONAL DE ESTUDANTES DE ENGENHARIA CIVIL 2017 Flrianóplis, 25 de janeir de 2016 EDITAL PARA CANDIDATURA À SEDE DO 6º ENCONTRO NACIONAL DE ESTUDANTES DE ENGENHARIA CIVIL 2017 1) Cnsiderações Gerais: A Federaçã Nacinal ds Estudantes de Engenharia Civil

Leia mais

PRÊMIO INOVAÇÃO PGQP 2014

PRÊMIO INOVAÇÃO PGQP 2014 QUALIDADE RS PGQP PROGRAMA GAÚCHO DA QUALIDADE E PRODUTIVIDADE PRÊMIO INOVAÇÃO PGQP 2014 GUIA PARA CANDIDATURA SUMÁRIO 1. O PRÊMIO INOVAÇÃO PGQP... 3 1.1 Benefícis... 3 2. PREMIAÇÃO... 3 2.1 Diretrizes

Leia mais

Glossário das Metas Prioritárias 2010 Versão 1.2.14 Agosto/2010

Glossário das Metas Prioritárias 2010 Versão 1.2.14 Agosto/2010 Meta Priritária 5 Implantar métd de gerenciament de rtinas (gestã de prcesss de trabalh) em pel mens 50% das unidades judiciárias de 1º grau. Esclareciment da Meta Nã estã sujeits a esta meta s tribunais

Leia mais

GESTÃO DE PROJETOS. Uma visão geral Baseado nas diretrizes do PMI

GESTÃO DE PROJETOS. Uma visão geral Baseado nas diretrizes do PMI GESTÃO DE PROJETOS Uma visã geral Bead n diretrizes d PMI 1 Intrduçã Objetiv da Apresentaçã O bjetiv é frnecer uma visã geral ds prcesss de Gestã de Prjets aplicads à Gestã de Empreendiments. O que é Prjet?

Leia mais

Uma nova proposta para a Agenda Ambiental Portuária

Uma nova proposta para a Agenda Ambiental Portuária Uma nva prpsta para a Agenda Ambiental Prtuária Marcs Maia Prt Gerente de Mei Ambiente O grande desafi a tratar cm as questões ambientais prtuárias é bter um resultad equilibrad que harmnize s cnflits

Leia mais

10ª JORNADA DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA Extensão Universitária e Políticas Públicas

10ª JORNADA DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA Extensão Universitária e Políticas Públicas SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO 10ª JORNADA DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA Extensã Universitária e Plíticas Públicas Períd 05 a 07 de dezembr de 2007 A 10ª Jrnada

Leia mais

Edital Simplificado de Seleção de Monitoria 2015.1

Edital Simplificado de Seleção de Monitoria 2015.1 Institut Federal de Educaçã, Ciência e Tecnlgia d Ri de Janeir Edital Simplificad de Seleçã de Mnitria 2015.1 A Direçã Geral d IFRJ/, cmunica, pel presente Edital, que estarã abertas as inscrições para

Leia mais

Seminário de Acompanhamento SNPG. Área 21. APCNs. André F Rodacki Marcia Soares Keske Rinaldo R J Guirro

Seminário de Acompanhamento SNPG. Área 21. APCNs. André F Rodacki Marcia Soares Keske Rinaldo R J Guirro Seminári de Acmpanhament SNPG Área 21 APCNs André F Rdacki Marcia Sares Keske Rinald R J Guirr Áreas de Avaliaçã - CAPES Clégi de Humanidades Ciências Humanas Ciências Sciais Aplicadas Linguística, Letras

Leia mais

PROJETO 22ª MOSTRA ESTUDANTIL TECNOLÓGICA Dias 22 e 23 DE OUTUBRO DE 2014 CURSO: GESTÃO EMPRESARIAL

PROJETO 22ª MOSTRA ESTUDANTIL TECNOLÓGICA Dias 22 e 23 DE OUTUBRO DE 2014 CURSO: GESTÃO EMPRESARIAL PROJETO 22ª MOSTRA ESTUDANTIL TECNOLÓGICA Dias 22 e 23 DE OUTUBRO DE 2014 CURSO: GESTÃO EMPRESARIAL Objetivs: Gestã Empresarial Desenvlver cmpetências para atuar n gerenciament de prjets, prestand cnsultria

Leia mais

PROGRAMA DE AÇÃO PARA O ANO 2016

PROGRAMA DE AÇÃO PARA O ANO 2016 PROGRAMA DE AÇÃO PARA O ANO 2016 Tend presente a Missã da Federaçã Prtuguesa de Autism: Defesa incndicinal ds direits das pessas cm Perturbações d Espectr d Autism e suas famílias u representantes. Representaçã

Leia mais

METAS DE COMPREENSÃO:

METAS DE COMPREENSÃO: 1. TÓPICO GERADOR: Vivend n sécul XXI e pensand n futur. 2. METAS DE COMPREENSÃO: Essa atividade deverá ter cm meta que s aluns cmpreendam: cm se cnstrói saber científic; cm as áreas d saber estã inter-relacinadas

Leia mais

Plano de Desenvolvimento Econômico Regional e Local dos Municípios do Pontal do Paranapanema

Plano de Desenvolvimento Econômico Regional e Local dos Municípios do Pontal do Paranapanema Plan de Desenvlviment Ecnômic Reginal e Lcal ds Municípis d Pntal d Paranapanema 1ª Etapa Diagnóstic Ecnômic e Definiçã de Cenáris Apresentaçã as municípis 20/08/2014 Cnvêni: Elabraçã: Plan de Desenvlviment

Leia mais

Plano de Assessoria de Comunicação do Projeto de Estágio e Empregabilidade - PROJEM

Plano de Assessoria de Comunicação do Projeto de Estágio e Empregabilidade - PROJEM XX Prêmi Expcm 2013 Expsiçã da Pesquisa Experimental em Cmunicaçã Plan de Assessria de Cmunicaçã d Prjet de Estági e Empregabilidade - PROJEM August Sares de Mel e SOUZA 1 Felipe de Oliveira TODESCHINI

Leia mais

EDITAL Nº 025 / 2015 SELEÇÃO DE SUPERVISOR DO PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA PIBID

EDITAL Nº 025 / 2015 SELEÇÃO DE SUPERVISOR DO PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA PIBID MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Universidade Federal de Alfenas - UNIFAL-MG Pró-Reitria de Graduaçã Rua Gabriel Mnteir da Silva, 700 - Alfenas/MG - CEP 37130-000 Fne: (35) 3299-1329 Fax: (35) 3299-1078 grad@unifal-mg.edu.br

Leia mais

Software Utilizado pela Contabilidade: Datasul EMS 505. itens a serem inventariados com o seu correspondente registro contábil;

Software Utilizado pela Contabilidade: Datasul EMS 505. itens a serem inventariados com o seu correspondente registro contábil; TERMO DE REFERÊNCIA CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS ESPECIALIZADOS DE ANÁLISE DA REDUÇÃO AO VALOR RECUPERÁVEL DE ATIVO PARA CÁLCULOS DO VALOR DO IMPAIRMENT E VIDA ÚTIL RESIDUAL, EM CONFORMIDADE COM O DISPOSTO

Leia mais

ISO 9001:2008 alterações à versão de 2000

ISO 9001:2008 alterações à versão de 2000 ISO 9001:2008 alterações à versã de 2000 Já passaram quase it ans desde que a versã da ISO 9001 d an 2000 fi publicada, que cnduziu à necessidade de uma grande mudança para muitas rganizações, incluind

Leia mais

Novas Salvaguardas Ambientais e Sociais

Novas Salvaguardas Ambientais e Sociais Nvas Salvaguardas Ambientais e Sciais Discussões Técnicas de Gvern ESS10 Acess a Infrmaçã e engajament de stakehlders 15 de utubr, 2014 Objetivs da ESS10 (1/2) Delinear uma abrdagem sistemática para engajament

Leia mais

Projetos, Programas e Portfólios

Projetos, Programas e Portfólios Prjets, Prgramas e Prtfólis pr Juliana Klb em julianaklb.cm Prjet Segund PMBOK (2008): um prjet é um esfrç temprári empreendid para criar um nv prdut, serviç u resultad exclusiv. Esta definiçã, apesar

Leia mais

GUIA DE RELACIONAMENTO MT-COR: 001 Revisão: 000

GUIA DE RELACIONAMENTO MT-COR: 001 Revisão: 000 GUIA DE RELACIONAMENTO MT-COR: 001 Revisã: 000 A Mercur S.A., empresa estabelecida desde 1924, se precupa em cnduzir as suas relações de acrd cm padrões étics e cmerciais, através d cumpriment da legislaçã

Leia mais

Plano de Recuperação - Inglês

Plano de Recuperação - Inglês Escla: 9º 2005/2006 Prf. I- APOIO PEDAGÓGICO ACRESCIDO Plan de Recuperaçã - Inglês Existência de dis níveis diferenciads: Nível I aluns cm graves deficiências de base. N.º Nme Nível II aluns cm algumas

Leia mais

REGULAMENTO CONCURSO DE IDEIAS OESTECIM A MINHA EMPRESA

REGULAMENTO CONCURSO DE IDEIAS OESTECIM A MINHA EMPRESA 1. Intrduçã e Objetivs a) O Cncurs de Ideias OESTECIM a minha empresa pretende ptenciar apareciment de prjets invadres na regiã d Oeste sempre numa perspetiva de desenvlviment ecnómic e scial. b) O Cncurs

Leia mais

Faculdade de Tecnologia SENAI Florianópolis e Faculdade de Tecnologia SENAI Jaraguá do Sul EDITAL DE PROCESSO SELETIVO

Faculdade de Tecnologia SENAI Florianópolis e Faculdade de Tecnologia SENAI Jaraguá do Sul EDITAL DE PROCESSO SELETIVO Faculdade de Tecnlgia SENAI Flrianóplis e Faculdade de Tecnlgia SENAI Jaraguá d Sul EDITAL DE PROCESSO SELETIVO Pós-Graduaçã Lat Sensu MBA em Gestã de Prjets A Faculdade de Tecnlgia SENAI/SC em Flrianóplis

Leia mais

III Seminário do Agronegócio. Financiamento e Marketing 24 e 25 de novembro de 2005 Auditório da Biblioteca Central Universidade Federal de Viçosa

III Seminário do Agronegócio. Financiamento e Marketing 24 e 25 de novembro de 2005 Auditório da Biblioteca Central Universidade Federal de Viçosa III Seminári d Agrnegóci Financiament e Marketing 24 e 25 de nvembr de 2005 Auditóri da Bibliteca Central Universidade Federal de Viçsa RELATÓRIO FINAL O EVENTO O III Seminári d Agrnegóci fi realizad dias

Leia mais

Volume I: Tecnologia Sesi cultura e as leis de incentivo à cultura. Brasília: SESI/DN, 2007, 50p.

Volume I: Tecnologia Sesi cultura e as leis de incentivo à cultura. Brasília: SESI/DN, 2007, 50p. Data de elabraçã da ficha: Jun 2007 SESI Serviç Scial da Indústria Dads da rganizaçã Nme: SESI Serviç Scial da Indústria Endereç: Av Paulista, 1313, Sã Paul, SP Site: www.sesi.rg.br Telefne: (11) 3146-7405

Leia mais

REGULAMENTO DA OLIMPÍADA JURÍDICA 2014

REGULAMENTO DA OLIMPÍADA JURÍDICA 2014 1 REGULAMENTO DA OLIMPÍADA JURÍDICA 2014 PARTICIPANTES A Olimpíada Jurídica 2014 é uma cmpetiçã direcinada a aluns que estejam regularmente matriculads ns curss de graduaçã de Direit de Instituições de

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE DE JUIZ DE FORA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE DE JUIZ DE FORA UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE DE JUIZ DE FORA PROGRAMA NACIONAL DE REORIENTAÇÃO DA FORMAÇÃO PROFISSIONAL EM SAÚDE PRÓ-SAÚDE PROJETO DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM ODONTOLOGIA

Leia mais

(1) (2) (3) Estágio II Semestral 6 Inovação e Desenvolvimento de Produtos Turísticos

(1) (2) (3) Estágio II Semestral 6 Inovação e Desenvolvimento de Produtos Turísticos Estági II Semestral 6 Invaçã e Desenvlviment de Prduts Turístics Desenvlviment e Operacinalizaçã de Prjects Turístics Inglês Técnic IV Legislaçã e Ética d Turism Opçã Semestral 4 6/6 Sistemas de Infrmaçã

Leia mais

5. PLANEJAMENTO E ORGANIZAÇÃO DA MANUTENÇÃO:

5. PLANEJAMENTO E ORGANIZAÇÃO DA MANUTENÇÃO: 5. PLANEJAMENTO E ORGANIZAÇÃO DA MANUTENÇÃO: 5.1 INTRODUÇÃO A rganizaçã da manutençã era cnceituada, até há puc temp, cm planejament e administraçã ds recurss para a adequaçã à carga de trabalh esperada.

Leia mais

ROTEIRO DE RECUPERAÇÃO FINAL DE GEOGRAFIA

ROTEIRO DE RECUPERAÇÃO FINAL DE GEOGRAFIA ROTEIRO DE RECUPERAÇÃO FINAL DE GEOGRAFIA Nme: Nº 8ºAn Data: / / 2015 Prfessres: Fabiana, Mayra e Olga. Nta: (valr: 2.0) A - Intrduçã Neste an, sua nta fi inferir a 60 pnts e vcê nã assimilu s cnteúds

Leia mais

O projeto Key for Schools PORTUGAL

O projeto Key for Schools PORTUGAL O prjet Key fr Schls PORTUGAL O teste Key fr Schls O teste Key fr Schls é cncebid para aplicaçã em cntext esclar e está de acrd cm Quadr Eurpeu Cmum de Referência para as Línguas O teste Key fr Schls permite

Leia mais

ROTEIRO DE PROJETOS. 6 Email: Pirilampo.sede@hotmail.com

ROTEIRO DE PROJETOS. 6 Email: Pirilampo.sede@hotmail.com ATENÇÃO: Este frmulári cntém rientações quant a preenchiment de cada camp. Após preenchiment, excluir as rientações que aparecem em clchetes ([]). I. INFORMAÇÃO SOBRE A ORGANIZACAO RESPONSÁVEL PELO PROJETO

Leia mais

MASTERCOMP ESCOLA DE INFORMÁTICA

MASTERCOMP ESCOLA DE INFORMÁTICA www.mastercmp.net 1 www.mastercmp.net www.mastercmp.net INFORMAÇO ES ADICIONAIS DO CURSO DE PROMODEL E MS PROJECT Prgramaçã: Carga hrária: 32 Hras Lcal: Sã Sebastiã d Paraís MG Prgramas usads n curs: MS

Leia mais

PROGRAMAS/PROJECTOS. Indicador de Avaliaçã o. Programa /Projecto Objectivo Resultado

PROGRAMAS/PROJECTOS. Indicador de Avaliaçã o. Programa /Projecto Objectivo Resultado PROGRAMAS/PROJECTOS Prgrama /Prject Objectiv Resultad Indicadr de 1. Prgrama - Inserçã de Jvens na Vida Activa em particular s Candidats a Primeir Empreg Prmçã da inserçã de jvens n mercad de trabalh e

Leia mais

Inscrição do Candidato ao Processo de Credenciamento

Inscrição do Candidato ao Processo de Credenciamento Inscriçã d Candidat a Prcess de Credenciament O link de inscriçã permitirá que candidat registre suas infrmações para participar d Prcess de Credenciament, cnfrme Edital. Após tmar ciência de td cnteúd

Leia mais

Faculdade de Tecnologia SENAI Florianópolis e Faculdade de Tecnologia SENAI Jaraguá do Sul EDITAL DE PROCESSO SELETIVO

Faculdade de Tecnologia SENAI Florianópolis e Faculdade de Tecnologia SENAI Jaraguá do Sul EDITAL DE PROCESSO SELETIVO Faculdade de Tecnlgia SENAI Flrianóplis e Faculdade de Tecnlgia SENAI Jaraguá d Sul EDITAL DE PROCESSO SELETIVO Pós-Graduaçã Lat Sensu em Gestã da Segurança da Infrmaçã em Redes de Cmputadres A Faculdade

Leia mais

DEPARTAMENTO DE EXPRESSÕES

DEPARTAMENTO DE EXPRESSÕES DEPARTAMENTO DE EXPRESSÕES Critéris de Avaliaçã Direçã Reginal de Educaçã d Nrte Agrupament de Esclas AMADEO DE SOUZA-CARDOSO Telões - Amarante EDUCAÇÃO MUSICAL 2ºCICLO An Letiv 2014/2015 Dmíni Cgnitiv

Leia mais

Cursos Profissionais de Nível Secundário (Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de Março)

Cursos Profissionais de Nível Secundário (Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de Março) REFERENCIAL DE FORMAÇÃO Curss Prfissinais de Nível Secundári (Decret-Lei n.º 74/2004, de 26 de Març) Família Prfissinal: 07 - Infrmática 1. QUALIFICAÇÕES / SAÍDAS PROFISSIONAIS As qualificações de nível

Leia mais

PLANIFICAÇÃO MODULAR ANO LECTIVO 2012 / 2013

PLANIFICAÇÃO MODULAR ANO LECTIVO 2012 / 2013 Inserir data e Hra 08/10/2012 N.º PLANIFICAÇÃO MODULAR ANO LECTIVO 2012 / 2013 CURSO/CICLO DE FORMAÇÃO: Técnic De Turism 2010/2013 DISCIPLINA: Operações Técnicas em Empresas Turísticas An: 3º N.º TOTAL

Leia mais

Plano de aulas 2010 1ª série 1ª aula 2ª etapa

Plano de aulas 2010 1ª série 1ª aula 2ª etapa Plan de aulas 2010 1ª série 1ª aula 2ª etapa Escla Clégi Eng Juarez Wanderley Prfessr Fernand Nishimura de Aragã Disciplina Infrmática Objetivs Cnstruçã de um website pessal para publicaçã de atividades

Leia mais

ENCONTROCAS 2º SEMESTRE 2012 - ORIENTAÇÕES GERAIS PARA O CURSO DE PEDAGOGIA. O ENCONTROCAS é um evento semestral realizado pelo Instituto Superior de

ENCONTROCAS 2º SEMESTRE 2012 - ORIENTAÇÕES GERAIS PARA O CURSO DE PEDAGOGIA. O ENCONTROCAS é um evento semestral realizado pelo Instituto Superior de Faculdade de Ciências Sciais Aplicadas de Bel Hriznte Institut Superir de Educaçã Curs de Pedaggia ENCONTROCAS 2º SEMESTRE 2012 - ORIENTAÇÕES GERAIS PARA O CURSO DE PEDAGOGIA O ENCONTROCAS é um event semestral

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATURAIS RENOVÁVEIS

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATURAIS RENOVÁVEIS SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATURAIS RENOVÁVEIS INFORMAÇÃO TÉCNICA nº 066/2008 - COHID/CGENE/DILIC/IBAMA Brasília, 11 de agst

Leia mais

Anexo 03 Recomendação nº 3: estatuto padrão, estatuto fundamental e contrato social

Anexo 03 Recomendação nº 3: estatuto padrão, estatuto fundamental e contrato social Anex 03 Recmendaçã nº 3: estatut padrã, estatut fundamental e cntrat scial 1. Resum 01 Atualmente, Estatut da Crpraçã da Internet para a atribuiçã de nmes e númers (ICANN) tem um mecanism únic para alterações.

Leia mais

- COMO PROCURAR EMPREGO -

- COMO PROCURAR EMPREGO - GUIA PRÁTICO - COMO PROCURAR EMPREGO - e 1 de 7 Técnicas de Prcura de Empreg...3 1. Aut Avaliaçã...3 2. Meis de Divulgaçã de Ofertas de Empreg...3 3. Carta de Apresentaçã...4 4. Curriculum Vitae...4 4.1.1.

Leia mais

Dados Gerais. Código / Nome do Curso. 196 / Escola de Gestores- Curso de Especialização em Gestão Escolar. Gestão Educacional

Dados Gerais. Código / Nome do Curso. 196 / Escola de Gestores- Curso de Especialização em Gestão Escolar. Gestão Educacional Códig / Nme d Curs Status Códig - Área Subárea Especialida Dads Gerais 196 / Escla Gestres- Curs Especializaçã em Gestã Esclar Ativ 49 / Educaçã Gestã Educacinal Gestã Esclar Nivel d Curs Especializaçã

Leia mais

Passo 1 - Conheça as vantagens do employeeship para a empresa

Passo 1 - Conheça as vantagens do employeeship para a empresa Manual Cm intrduzir emplyeeship na empresa Índice Intrduçã Pass 1 - Cnheça as vantagens d emplyeeship para a empresa Pass 2 - Saiba que é a cultura emplyeeship Pass 3 - Aprenda a ter "bns" empregads Pass

Leia mais

REGULAMENTO GERAL DOS ESTÁGIOS FAFIT

REGULAMENTO GERAL DOS ESTÁGIOS FAFIT O significad das cisas nã está nas cisas em si, mas sim em nssa atitude em relaçã a elas. (Antine de Saint-Exupéry, 1943) CURSOS bacharelads: Administraçã Geral Ciências Cntábeis Direit Educaçã Física

Leia mais

PROJETO CADASTRO DE FONTES DE ABASTECIMENTO POR ÁGUA SUBTERRÂNEA

PROJETO CADASTRO DE FONTES DE ABASTECIMENTO POR ÁGUA SUBTERRÂNEA IINNTTRRODDUUÇÇÃÃO I As decisões sbre a implementaçã de ações de cnvivência cm a seca exigem cnheciment básic sbre a lcalizaçã, caracterizaçã e dispnibilidade das fntes de água superficiais e subterrâneas.

Leia mais

3. TIPOS DE MANUTENÇÃO:

3. TIPOS DE MANUTENÇÃO: 3. TIPOS DE MANUTENÇÃO: 3.1 MANUTENÇÃO CORRETIVA A manutençã crretiva é a frma mais óbvia e mais primária de manutençã; pde sintetizar-se pel cicl "quebra-repara", u seja, repar ds equipaments após a avaria.

Leia mais

Prezado Senhor Diretor Presidente CASUL- COOPERATIVA DE AGRÁRIA CAFEICULTORES DO SUL DE SÃO PAULO Olavo Morales Garcia

Prezado Senhor Diretor Presidente CASUL- COOPERATIVA DE AGRÁRIA CAFEICULTORES DO SUL DE SÃO PAULO Olavo Morales Garcia Prezad Senhr Diretr Presidente CASUL- COOPERATIVA DE AGRÁRIA CAFEICULTORES DO SUL DE SÃO PAULO Olav Mrales Garcia O IBRASS INSTITUTO BRASILEIRO DO ASSOCIATIVISMO, entidade sem fins ecnômics, frmada pr

Leia mais

PLANO DE TRABALHO DOCENTE 1º Semestre/2015. Ensino Técnico

PLANO DE TRABALHO DOCENTE 1º Semestre/2015. Ensino Técnico PLANO DE TRABALHO DOCENTE 1º Semestre/2015 Ensin Técnic Códig: 0262 ETEC ANHANGUERA Municípi: Santana de Parnaíba Cmpnente Curricular: Cntabilidade Cmercial Eix Tecnlógic: Gestã e Negócis Módul: II C.

Leia mais

Academia FI Finanças

Academia FI Finanças Academia FI Finanças A Academia é melhr caminh para especializaçã dentr de um tema n ERP da SAP. Para quem busca uma frmaçã cm certificaçã em finanças, mais indicad é participar da próxima Academia de

Leia mais

Gestão do Escopo 1. Planejamento da Gestão do Escopo: 2. Definição do Escopo: 3. Elaboração da EDT(EAP): 4. Verificação do Escopo:

Gestão do Escopo 1. Planejamento da Gestão do Escopo: 2. Definição do Escopo: 3. Elaboração da EDT(EAP): 4. Verificação do Escopo: Gestã d Escp 1. Planejament da Gestã d Escp: i. Autrizaçã d prjet ii. Definiçã d escp (preliminar) iii. Ativs em cnheciments rganizacinais iv. Fatres ambientais e rganizacinais v. Plan d prjet i. Plan

Leia mais

PLATAFORMA EMPRESAS PELO CLIMA

PLATAFORMA EMPRESAS PELO CLIMA PLATAFORMA EMPRESAS PELO CLIMA CICLO DE ELABORAÇÃO DE AGENDAS EMPRESARIAIS EM ADAPTAÇÃO ÀS MUDANÇAS DO CLIMA Prpsta de Framewrk A partir d diálg crrid em 26 de junh de 2013, n Fórum Latin-American de Adaptaçã

Leia mais

A atuação do Síndico Profissional é a busca do pleno funcionamento do condomínio. Manuel Pereira

A atuação do Síndico Profissional é a busca do pleno funcionamento do condomínio. Manuel Pereira A atuaçã d Síndic Prfissinal é a busca d plen funcinament d cndmíni Manuel Pereira Missã e Atividades Habilidade - Cnhecems prfundamente a rtina ds cndmínis e seus prblemas administrativs. A atuaçã é feita

Leia mais

DISSERTAÇÃO NOS MESTRADOS INTEGRADOS NORMAS PARA O SEU FUNCIONAMENTO

DISSERTAÇÃO NOS MESTRADOS INTEGRADOS NORMAS PARA O SEU FUNCIONAMENTO DISSERTAÇÃO NOS MESTRADOS INTEGRADOS NORMAS PARA O SEU FUNCIONAMENTO 1. PREÂMBULO... 1 2. NATUREZA E OBJECTIVOS... 1 3. MODO DE FUNCIONAMENTO... 2 3.1 REGIME DE ECLUSIVIDADE... 2 3.2 OCORRÊNCIAS... 2 3.3

Leia mais

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE RESOLUÇÃO N 379, DE 19 DE OUTUBRO DE 2006 Cria e regulamenta sistema de dads e infrmações sbre a gestã flrestal n âmbit d Sistema Nacinal

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CIÊNCIA ESCOLA SECUNDÁRIA/3 RAINHA SANTA ISABEL 402643 ESTREMOZ

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CIÊNCIA ESCOLA SECUNDÁRIA/3 RAINHA SANTA ISABEL 402643 ESTREMOZ PLANIFICAÇÃO ANUAL DA DISCIPLINA DE TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO 8º an Subdmíni Cmunicaçã e clabraçã CC8 Cnheciment e utilizaçã adequada e segura de diferentes tips de ferramentas de cmunicaçã,

Leia mais

ATRIBUIÇÕES DOS CARGOS DE SANTA EFIGÊNIA DE MINAS

ATRIBUIÇÕES DOS CARGOS DE SANTA EFIGÊNIA DE MINAS ATRIBUIÇÕES DOS CARGOS DE SANTA EFIGÊNIA DE MINAS AUXILIAR DE SECRETARIA Organizar e manter atualizad serviç de escrituraçã esclar. Redigir fícis, expsições de mtivs, atas, declarações, certidões de cntagem

Leia mais

MANUAL PARA ELABORAÇÃO DE ARTIGOS CIENTÍFICOS

MANUAL PARA ELABORAÇÃO DE ARTIGOS CIENTÍFICOS MANUAL PARA ELABORAÇÃO DE ARTIGOS CIENTÍFICOS Sã Paul 2013 1 1 INTRODUÇÃO Este Manual tem a finalidade de servir à nrmalizaçã da elabraçã de Trabalhs de Cnclusã de Curs TCC pr mei de artigs científics,

Leia mais

Proposta. Treinamento Lean Thinking Mentalidade Enxuta. Apresentação Executiva

Proposta. Treinamento Lean Thinking Mentalidade Enxuta. Apresentação Executiva Treinament Lean Thinking Mentalidade Enxuta www.masterhuse.cm.br Prpsta Cm Treinament Lean Thinking Mentalidade Enxuta Apresentaçã Executiva Treinament Lean Thinking Mentalidade Enxuta Cpyright 2011-2012

Leia mais

PASTORAL DA JUVENTUDE ARQUIDIOCESE DE LONDRINA PROJETO ESCOLA DE COORDENADORES PASSO A PASSO

PASTORAL DA JUVENTUDE ARQUIDIOCESE DE LONDRINA PROJETO ESCOLA DE COORDENADORES PASSO A PASSO PROJETO ESCOLA DE COORDENADORES PASSO A PASSO 1) Justificativa: A lharms para a realidade ds nsss grups de Pastral de Juventude, percebems a necessidade de reafirmaçã metdlógica d pnt de vista da açã eclesial.

Leia mais

Plano de curso Planejamento e Controle da Manutenção de Máquinas e Equipamentos

Plano de curso Planejamento e Controle da Manutenção de Máquinas e Equipamentos PLANO DE CURSO MSOBRPCMME PAG1 Plan de curs Planejament e Cntrle da Manutençã de Máquinas e Equipaments Justificativa d curs Nã é fácil encntrar uma definiçã cmpleta para Gestã da manutençã de máquinas

Leia mais

INSTITUTO SUPERIOR POLITÉCNICO DE VISEU ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA E GESTÃO DE LAMEGO EDITAL

INSTITUTO SUPERIOR POLITÉCNICO DE VISEU ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA E GESTÃO DE LAMEGO EDITAL EDITAL CANDIDATURA AOS CURSOS TÉCNICOS SUPERIORES PROFISSIONAIS (CTeSP) 2015 CONDIÇÕES DE ACESSO 1. Pdem candidatar-se a acess de um Curs Técnic Superir Prfissinal (CTeSP) da ESTGL tds s que estiverem

Leia mais

MANUAL dos LABORATÓRIOS De INFORMÁTICA

MANUAL dos LABORATÓRIOS De INFORMÁTICA MANUAL ds LABORATÓRIOS De INFORMÁTICA Objetiv 1. Oferecer as aluns a infra-estrutura e suprte necessári à execuçã de tarefas práticas, slicitadas pels prfessres, bservand s prazs estabelecids. 2. Oferecer

Leia mais

O desafio da regulação econômico-financeira dos operadores públicos de serviços de saneamento básico no Brasil: primeiras experiências

O desafio da regulação econômico-financeira dos operadores públicos de serviços de saneamento básico no Brasil: primeiras experiências O desafi da regulaçã ecnômic-financeira ds peradres públics de serviçs de saneament básic n Brasil: primeiras experiências Karla Bertcc Trindade VI Fr Iber American de Regulación 11/11/2013 - Mntevide,

Leia mais