Projecto Integrado da Baixa da Banheira

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Projecto Integrado da Baixa da Banheira"

Transcrição

1 Projecto Integrado da Baixa da Banheira 1. INTRODUÇÃO O Projecto Integrado da Baixa da Banheira nasce de uma parceria entre a Câmara Municipal da Moita e o ICE tendo em vista induzir as Associações da Freguesia da Baixa da Banheira a potenciar o seu desenvolvimento endógeno, criando alternativas de recomposição do tecido social local na perspectiva da inter ajuda, dando visibilidade ao que existe e conduzindo ao reconhecimento exterior. Concebido há cerca de seis anos e implicando de forma activa a Junta de Freguesia em questão promoveu um conjunto diverso de iniciativas envolvendo escolas do 1º ciclo e colectividades locais que se traduziu nomeadamente na constituição de uma associação de pais e encarregados de educação. Com o propósito de reimpulsioná-lo reuniram-se várias associações da Freguesia que reflectindo sobre o seu desenvolvimento definiu 4 grandes eixos: 1- Responder às expectativas de cada associação/instituição e dar visibilidade à (grande) riqueza existente na Baixa da Banheira; 2 Criar grupos específicos que respondam às problemáticas existentes promovendo um trabalho de parceria e de dinamização da comunidade local levando ao empowerment (elevando a capacidade de decisão) da população; 3 Organizar momentos congregadores através de fóruns de discussão, actividades lúdicas, etc;

2 4 Criar um ciclo de conversas com os filhos da terra que poderá promover a edição de um Livro de Ouro. Desta reunião surge um grupo *, que ficou responsável, no âmbito do projecto, por dar corpo às dinâmicas a desenvolver na freguesia, o qual ficou designado como GRUPO DINAMIZADOR. Para uma melhor dinamização este subdividiu-se em 3 pequenos grupos de trabalho, que são: Baixa da Banheira em Rede Propõe-se divulgar o projecto e criar dinâmicas de intercomunicação entre as associações; Fóruns de Reflexão Pretende-se a organização de um espaço de reflexão que responda às problemáticas que preocupam a comunidade; Projecto Artístico e Educativo Intenta dar corpo a eventos congregadores da comunidade. Grupo composto por elementos do ICE, Câmara Municipal da Moita, Junta de Freguesia da Baixa da Banheira, Associação de Moradores da Zona Norte, Corpo Nacional de Escutas (371), Sociedade Recreativa da Baixa da Serra., Associação de Pais dos Agrupamentos de Escolas de D. João I e Mouzinho da Silveira, Ginásio Atlético Clube, União Desportiva e Cultural Banheirense.

3 2. BAIXA DA BANHEIRA EM REDE Espaço de informação/divulgação do projecto e simultaneamente de indução da intercomunicação. Propõe-se no imediato promover uma iniciativa de qualificação dos corpos dirigentes das associações no domínio das NTIC, através da aquisição de competências e ferramentas que lhes permita participar na divulgação de informação da sua Associação, com recurso à Informática e à Internet. Assim e sem recorrer a uma calendarização muito rígida definem-se como objectivos a atingir e acções a desenvolver, os seguintes: OBJECTIVOS Divulgar o Projecto e os eventos que o mesmo se propõe realizar através da criação de instrumentos promotores do empowerment da freguesia Identificar necessidades das Associações da Baixa da Banheira ao nível de Equipamento Informático e respectiva ligação à Internet, assim como dos recursos e competências existentes para o seu manuseamento ACÇÃO A DESENVOLVER PARA CADA OBJECTIVO Espaço para a divulgação de eventos e ou actividades desenvolvidas pelas associações/ instituições (recurso a: Jornal da Moita, Boletim da Rede Social da Câmara Municipal da Moita, Federação Portuguesa das Colectividades de Cultura, Recreio e Desporto, etc.). Publicação de Textos soltos/folha Informativa/página web, etc. Recolher e tratamento documentação/informação das associações (que manifestem interesse em publicar, desde que seja no âmbito do Projecto). Questionário Levantamento material existente e/ou necessário, assim como das competências das pessoas a qualificar para o seu manuseamento) CALENDARIZAÇÃO A começar em Outubro Setembro/Outubro

4 Promover junto dos corpos dirigentes das associações a aquisição de competências no domínio das NTIC qualificando-os para a utilização das mesmas. Acompanhar a aquisição dos saberes depois da formação junto de cada associação. Dotar as associações, que assim o desejarem, de Computador e ligação à Internet. Acção de formação que dote as pessoas de competências que lhes permitam a utilização do computador e da Internet a) Elaborar um Plano de Formação b) Encontrar financiamentos para o funcionamento da mesma c) Encontrar uma instituição que se disponibilize a ceder uma sala de informática d) Encontrar formador(es) disponíveis e habilitados para a realização da AF. - Formação em contexto e à medida das necessidades de cada pessoa/ instituição. - Constituição de uma equipa responsável por prestar este tipo de apoio sempre que solicitado. Angariação de apoios junto de pessoas/instituições de modo a nos facultarem equipamento informático (em bom estado) que já não utilizem. Elaboração de Documentação e contactos: A iniciar em Setembro de 2008 Acção de formação: A Começar no inicio do próximo ano. Duração: 30 a 40 horas Durante o 1º ano após a conclusão da formação

5 2. FORUM DO MOVIMENTO ASSOCIATIVO Pretende criar-se momentos de relacionamento entre as Instituições (Associações, Autarquias, Estruturas Federativas e Confederativas, bem como com Entidades Governamentais), por forma a encontrar em conjunto, formas de solução de problemas e realização de acções. OBJECTIVOS Promover o diálogo e o estreitar de relações entre as várias Associações da Freguesia, retomando a realização de encontros anteriormente realizados; Promover o reforço de relações institucionais e informais entre as Associações e outras estruturas institucionais. Reflectir em conjunto sobre resolução de problemas da comunidade, aspirações e sonhos Reflectir e discutir conjuntamente estratégias de organização e realização de eventos Contribuir para um maior envolvimento das populações na organização e colaboração da vida das Associações (culturais, de recreio, desportivas, de pais e encarregados de educação) ACÇÃO A DESENVOLVER PARA CADA OBJECTIVO Realização do I Fórum do Movimento Associativo espaço onde será possível divulgar o Projecto Integrado da Baixa da Banheira e sejam debatidas cada uma das três propostas de intervenção, até agora definidas, bem como outras que cada Associação queira propor à discussão. Proposta de realização de encontros nas várias Associações, em conjunto com a Federação e Confederação das Colectividades de Cultura, Desporto e Recreio, de forma a promover Acções de Formação para dirigentes associativos e voluntários CALENDARIZAÇÃO 16.Novembro Datas a indicar após aprovação das conclusões do Fórum

6 3. PROJECTO ARTÍSTICO E EDUCATIVO Através de actividades baseadas em eventos educativos e artísticos pretende-se reforçar laços, explorar capacidades já existentes nas Associações da Freguesia da Baixa da Banheira, valorizando e preservando valores locais assim como reforçar o trabalho de todos contribuindo para uma maior visibilidade da Baixa da Banheira. OBJECTIVOS Criar momentos congregadores entre as Associações da Freguesia da Baixa da Banheira Dinamizar o Parque Zeca Afonso. Reforçar laços entre Associações, Escolas, Jardins-de-infância, Centros de Actividades de Tempos Livres, Famílias e comunidade em geral Valorizar os saberes locais Desenvolver actividades de socialização e partilha de saberes entre a comunidade educativa e a idosa Incentivar à criatividade e, socialização e desinibição ACÇÃO A DESENVOLVER PARA CADA OBJECTIVOS No sentido de se fazerem cumprir os objectivos propostos, estão já previstas a realização de algumas actividades: 1. Actividade Inter-Geracional integrado nas comemorações do mês do idoso. Exposição de materiais recicláveis relacionados com música (Ag. Vertical Mouzinho da Silveira), jogos tradicionais e brincadeiras de outros tempos com a colaboração dos Reformados do Norte. Teatro musical tema Reciclagem pelos alunos do 1º Ciclo do Ag. Vertical Escola Mouzinho da Silveira. Aula de ginástica intergeracional realizada por professor cedido pela Associação de Moradores da Zona Norte. 2. Animação de Fórum, grupo encarregue das demonstrações artísticas Demonstrações artísticas em representação das Associações e Colectividades da Baixa da Banheira. Incentivar uma melhor relação entre a Comunidade / Famílias / Associações. CALENDARIZAÇÃO 28 de Outubro 15 de Novembro

7 3. Concerto de Natal Gala dos Pequenos Cantores Fórum José Manuel Figueiredo Convidar um Coro (por expl: Sto. Amaro de Oeiras), apresentarmos coros da comunidade educativa da Baixa da Banheira e também um coro de idosos a definir 4. Cantar as Janeiras Pesquisa sobre canções e trajes da época (junto da comunidade mais idosa) Envolver a comunidade educativa na interpretação e apresentação das canções (grupos de alunos e professores). A decorrer na 1ª Quinzena de Dezembro, data a determinar Janeiro durante a semana dos Reis Temos ainda previsto colaborar na dinamização do Núcleo Museológico da Junta de Freguesia da Baixa da Banheira, que se encontra em fase de organização, bem como lançar a ideia de uma geminação entre escolas e associações, isto é, a criação de laços privilegiados de relacionamento e colaboração entre uma escola / uma associação.

EDITAL Nº 21/10. Regulamento

EDITAL Nº 21/10. Regulamento MUNICÍPIO DO BARREIRO ASSEMBLEIA MUNICIPAL EDITAL Nº 21/10 Regulamento - - - Frederico Fernandes Pereira, Presidente da Assembleia Municipal do Barreiro, torna público que, por deliberação deste órgão

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DE ALCOCHETE REGULAMENTO INTERNO DO CONSELHO LOCAL DE ACÇÃO SOCIAL

CÂMARA MUNICIPAL DE ALCOCHETE REGULAMENTO INTERNO DO CONSELHO LOCAL DE ACÇÃO SOCIAL CÂMARA MUNICIPAL DE ALCOCHETE REGULAMENTO INTERNO DO CONSELHO LOCAL DE ACÇÃO SOCIAL CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1.º Denominação, Sede e Âmbito 1. O Conselho Local de Acção Social do Concelho de

Leia mais

Plano Anual de Atividades (2014/2015) Intervenientes Calendarização Objetivos da Atividade. 1º Período Setembro de 2014

Plano Anual de Atividades (2014/2015) Intervenientes Calendarização Objetivos da Atividade. 1º Período Setembro de 2014 Plano Anual de Atividades (2014/2015) Atividade Curricular Intervenientes Calendarização Objetivos da Atividade 1º Período Setembro de 2014 Início do ano lectivo /Pais 1ª Quinzena de Setembro Reunião de

Leia mais

Índice. Introdução 1. Caracterização do Projecto..3. Recursos Humanos 4. Actividades a Desenvolver 5. Avaliação...7. Programa de Voluntariado.

Índice. Introdução 1. Caracterização do Projecto..3. Recursos Humanos 4. Actividades a Desenvolver 5. Avaliação...7. Programa de Voluntariado. Índice Introdução 1 Caracterização do Projecto..3 Recursos Humanos 4 Actividades a Desenvolver 5 Avaliação...7 Programa de Voluntariado.11 Parceiros do Projecto..13 Anexos..14 0 Introdução O projecto que

Leia mais

Lisboa 2014 FICHA DE CANDIDATURA

Lisboa 2014 FICHA DE CANDIDATURA Lisboa 2014 Refª: 148 Janela 1750 Grupo de Trabalho dos Bairros e Zonas de Intervenção Prioritária (BIP/ZIP) Rua Nova do Almada, nº 2-3º Andar 1100-060 Lisboa Telefone: 21 322 73 60 Email - bip.zip@cm-lisboa.pt

Leia mais

3. Caracterização e cadastro do Movimento Associativo do concelho

3. Caracterização e cadastro do Movimento Associativo do concelho De : DCED/DICUL Carlos Anjos Proc. Nº Para : ANA JOSÉ CARVALHO, CHEFE DA DICUL Assunto : PROPOSTA DE PLANO DE ACTIVIDADES DO GRUPO DE TRABALHO PARA O MOVIMENTO ASSOCIATIVO - 2011 Para os efeitos tidos

Leia mais

INTRODUÇÃO. Projecto Curricular de Turma SALA DO ATL

INTRODUÇÃO. Projecto Curricular de Turma SALA DO ATL INTRODUÇÃO A Educação não formal distingue-se, nas últimas décadas da Educação formal ou ensino tradicional, uma vez que confere outro tipo de reconhecimento, organização, qualificação e estrutura. A Educação

Leia mais

Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento. (2010-2015) ENED Plano de Acção

Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento. (2010-2015) ENED Plano de Acção Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento (2010-2015) ENED Plano de Acção Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento (2010-2015) ENED Plano de Acção 02 Estratégia Nacional de

Leia mais

Plano de Formação Sensibilização / Informação

Plano de Formação Sensibilização / Informação Plano de Formação 2008 Acção de Formação/ Dinamização Parcerias Partilha de Informação SETEMBRO Última Semana Dirigentes das Dirigentes e - Contactar Dr.ª Rosinha Madeira Saúde da U.A.) União das IPSS

Leia mais

Politicas Municipais de Apoio à Criança

Politicas Municipais de Apoio à Criança Politicas Municipais de Apoio à Criança MUNICIPIO DA MOITA DASC / Divisão de Assuntos Sociais Projectos Dirigidos à Comunidade em Geral Bibliotecas - Biblioteca Fora d Horas - Pé Direito Juventude - Férias

Leia mais

Ficha de Caracterização de Projecto

Ficha de Caracterização de Projecto Ficha de Caracterização de Projecto Projecto +Skillz E5G Programa Escolhas Promotor: Associação Mais Cidadania 2 A. IDENTIFICAÇÃO GERAL DA ENTIDADE Projecto Projecto +Skillz E5G Promotor: Associação Mais

Leia mais

CPCCRD FOLHA INFORMATIVA INICIOU OS TRABALHOS C DO CONGRESSO NACIONAL COMISSÃO ORGANIZADORA EDITORIAL

CPCCRD FOLHA INFORMATIVA INICIOU OS TRABALHOS C DO CONGRESSO NACIONAL COMISSÃO ORGANIZADORA EDITORIAL FOLHA INFORMATIVA CPCCRD www.confederacaodascolectividades.com facebook.com/confederacao.colectividades CONFEDERAÇÃO PORTUGUESA DAS COLECTIVIDADES DE CULTURA, RECREIO E DESPORTO Fundada em 31 de Maio de

Leia mais

CONSELHO LOCAL DE ACÇÃO SOCIAL (MAIO 2014 ) REDE SOCIAL DE ALANDROAL

CONSELHO LOCAL DE ACÇÃO SOCIAL (MAIO 2014 ) REDE SOCIAL DE ALANDROAL CONSELHO LOCAL DE ACÇÃO SOCIAL (MAIO ) REDE SOCIAL DE ALANDROAL CLAS /2015 Área de Intervenção: Equipamentos e Respostas Sociais e Serviços 1 Objetivo Geral Objetivos Específicos Ação População - Alvo

Leia mais

Deliberações de 24 de Setembro de 2008

Deliberações de 24 de Setembro de 2008 Deliberações de 24 de Setembro de 2008 24 de Setembro de 2008 Acção Social. Aprovada a atribuição de apoios financeiros a instituições e entidades com intervenção social, no valor total de 50.850, distribuídos

Leia mais

Rede Social Plano de Ação 2015

Rede Social Plano de Ação 2015 Rede Social Plano de Ação 2015 1 R E D E SOCIAL DO CONCELHO DE VILA DO BISPO Rede Social Rede Social do Concelho de Vila do Bispo PLANO DE AÇÃO 2015 Ficha Técnica Entidade Promotora: Câmara Municipal de

Leia mais

Câmara Municipal de Estarreja PREÂMBULO

Câmara Municipal de Estarreja PREÂMBULO PREÂMBULO O projecto Estarreja COMpartilha surge da necessidade que se tem verificado, na sociedade actual, da falta de actividades e práticas de cidadania. Traduz-se numa relação solidária para com o

Leia mais

Plano Anual de Atividades 2014/2015

Plano Anual de Atividades 2014/2015 Plano Anual de Atividades 2014/2015 Designação Objectivos Grupo alvo Calendarização Responsáveis pela actividade Recursos a afectar J F M A M J J A S O N D Humanos Materiais Logísticos Sensibilização para

Leia mais

Plano de Acção. Rede Social 2011/2012

Plano de Acção. Rede Social 2011/2012 Plano de Acção - Rede Social Plano de Acção Rede Social Conselho Local da Acção Social de Figueira de Castelo Plano de Acção Rede Social Acções a desenvolver Objectivos Resultados esperados Calendarização

Leia mais

Projecto GPS Gabinete de Proximidade para a Sustentabilidade

Projecto GPS Gabinete de Proximidade para a Sustentabilidade Projecto GPS Gabinete de Proximidade para a Sustentabilidade Actividade Formativa - Intervenção Comunitária Data - 1 de Abril de 2009 Local Auditório do Edifício Cultural Município de Peniche Participação:

Leia mais

2011/2012. CÂMARA MUNICIPAL ALENQUER-Divisão de Ambiente

2011/2012. CÂMARA MUNICIPAL ALENQUER-Divisão de Ambiente PLANO DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL 2011/2012 CÂMARA MUNICIPAL ALENQUER-Divisão de Ambiente 2011/2012 Índice: Introdução Ações de Sensibilização: Ateliers: Datas Comemorativas: Visitas de Estudo: Concursos: Projetos:

Leia mais

Plano de Acção da CSIFCPS para 2007

Plano de Acção da CSIFCPS para 2007 Plano de Acção da CSIFCPS para Ao nível dos problemas da deestruturação Familiar nas Finalidade 1: Criar uma rede de trabalho articulada de Apoio às Famílias em risco Objectivo Geral 1: Dinamização das

Leia mais

Conhecer, sentir e viver a Floresta

Conhecer, sentir e viver a Floresta Projeto de Sensibilização e Educação da População Escolar Conhecer, sentir e viver a Floresta 2011-12 Floresta, Fonte de Vida Guia das Atividades - - Dia de S. Martinho, Castanhas e Castanheiros - Dia

Leia mais

plano anual de educação ambiental

plano anual de educação ambiental plano anual de educação ambiental 2009/2010 complexo de educação ambiental da quinta da gruta PROGRAMA FAMÍLIAS Grelha Resumo por Sector Sector Rios/Espaços Verdes Animais Dias comemorativos Férias Datas

Leia mais

RELATÓRIO DE ACTIVIDADES ANO DE 2004

RELATÓRIO DE ACTIVIDADES ANO DE 2004 APD- DELEGAÇÃO LOCAL DE MEM MARTINS RELATÓRIO DE ACTIVIDADES ANO DE 2004 INTRODUÇÃO O ano de 2004 ficou marcado por alguns acontecimentos relevantes, sinal de que, apesar do passar dos anos, a Delegação

Leia mais

PLANO DE ACÇÃO E ORÇAMENTO PARA 2008

PLANO DE ACÇÃO E ORÇAMENTO PARA 2008 PLANO DE ACÇÃO E ORÇAMENTO PARA 2008 O ano de 2008 é marcado, em termos internacionais, pela comemoração dos vinte anos do Movimento Internacional de Cidades Saudáveis. Esta efeméride terá lugar em Zagreb,

Leia mais

Plano Anual de atividades 2014/2015 1º Periodo

Plano Anual de atividades 2014/2015 1º Periodo Plano Anual de atividades 2014/2015 1º Periodo Designação Objectivos Grupo alvo Calendarização Responsáveis pela actividade Recursos a afectar J F M A M J J A S O N D Humanos Materiais Logísticos Exercício

Leia mais

HÁ NORTE! ACREDITAR E MOBILIZAR

HÁ NORTE! ACREDITAR E MOBILIZAR HÁ NORTE! ACREDITAR E MOBILIZAR Programa da lista candidata à eleição para os órgãos regionais do Norte da Associação Portuguesa de Bibliotecários, Arquivistas e Documentalistas Triénio 2011-2013 25 de

Leia mais

Plano de Actividades. Orçamento ASSOCIAÇÃO DO COMÉRCIO, INDÚSTRIA E SERVIÇOS DOS CONCELHOS DE VILA FRANCA DE XIRA E ARRUDA DOS VINHOS

Plano de Actividades. Orçamento ASSOCIAÇÃO DO COMÉRCIO, INDÚSTRIA E SERVIÇOS DOS CONCELHOS DE VILA FRANCA DE XIRA E ARRUDA DOS VINHOS Plano de Actividades e Orçamento Exercício de 2012 Plano de Actividades e Orçamento para o exercício de 2012 Preâmbulo: O Plano de Actividades do ano de 2012 foi concebido com a prudência que resulta da

Leia mais

Plano de atividades de 2012

Plano de atividades de 2012 Plano de atividades de 2012 Introdução A Confederação Portuguesa do Voluntariado (CPV) congrega, à data de votação do presente Plano de actividades, 18 associações, federações e confederações, de diferentes

Leia mais

CLUBE DE MÚSICA Agrupamento Vertical de Escolas de Briteiros Ano Letivo 2014/2015

CLUBE DE MÚSICA Agrupamento Vertical de Escolas de Briteiros Ano Letivo 2014/2015 CLUBE DE MÚSICA 1. JUSTIFICAÇÃO DO PROJETO: O Projeto do Clube de Música nasce da necessidade de se desenvolver com os alunos atividades diferenciadas que não podem ser devidamente exploradas e aprofundadas

Leia mais

Câmara Municipal do Cadaval Saúde em Rede

Câmara Municipal do Cadaval Saúde em Rede Câmara Municipal do Cadaval Saúde em Rede Promoção da Saúde A promoção da saúde é o processo que permite capacitar as pessoas a melhorar e a aumentar o controle sobre a sua saúde (e seus determinantes

Leia mais

Integrado do Vale do Minho. Av. Miguel Dantas, n.º 69. 4930-678 Valença. Tel.: +351 251 825 811/2. Fax: +351 251 825 620. adriminho@mail.telepac.

Integrado do Vale do Minho. Av. Miguel Dantas, n.º 69. 4930-678 Valença. Tel.: +351 251 825 811/2. Fax: +351 251 825 620. adriminho@mail.telepac. Eixo 3 do PRODER Dinamização das zonas Rurais Englobam no eixo 3 do PRODER Abordagem Leader as seguintes Medidas e Acções Medida 3.1 Diversificação da Economia e Criação de Emprego 3.1.1 Diversificação

Leia mais

UDAL - União Desportiva Alta de Lisboa ISU - Instituto de Solidariedade e Cooperação Universitária

UDAL - União Desportiva Alta de Lisboa ISU - Instituto de Solidariedade e Cooperação Universitária REFERÊNCIA: 062 DESIGNAÇÃO: Altarix Empreende BIP/ZIP em que pretende intervir: 20. Sete Céus 21. Galinheiras - a) Ameixoeira b) Charneca 26. Pedro Queiróz Pereira 66. Charneca do Lumiar 67. Alta de Lisboa

Leia mais

Calendarização Atividade Objetivos Responsáveis Destinatários 1º PERÍODO

Calendarização Atividade Objetivos Responsáveis Destinatários 1º PERÍODO 1 Calendarização Atividade Objetivos Responsáveis Destinatários 1º PERÍODO Setembro Acolhimento das crianças - Integração e adaptação das crianças ao Centro Infantil Setembro Reunião de Pais e Encarregados

Leia mais

PLANO DE ATIVIDADES 2015/2016. Associação Sénior de Odivelas

PLANO DE ATIVIDADES 2015/2016. Associação Sénior de Odivelas PLANO DE ATIVIDADES 2015/2016 Associação Sénior de Odivelas A Universidade Sénior de Odivelas é um projecto inovador que tem por base a promoção da qualidade de vida dos seniores de Odivelas, fomentando

Leia mais

PROGRAMA REDE SOCIAL Co-financiado pelo Estado Português, Ministério da Segurança Social e do Trabalho PLANO DE ACÇÃO 2005-2006

PROGRAMA REDE SOCIAL Co-financiado pelo Estado Português, Ministério da Segurança Social e do Trabalho PLANO DE ACÇÃO 2005-2006 PROGRAMA REDE SOCIAL Co-financiado pelo Estado Português, Ministério da Segurança Social e do Trabalho PLANO DE ACÇÃO 2005-2006 Documento elaborado pelo: Conselho Local de Acção Social do Concelho do Núcleo

Leia mais

PROTOCOLO DE COOPERAÇÃO

PROTOCOLO DE COOPERAÇÃO PROTOCOLO DE COOPERAÇÃO ENTRE O MUNICIPIO DE SETÚBAL E A CONFEDERAÇÃO PORTUGUESA DAS COLECTIVIDADES DE CULTURA, RECREIO E DESPORTO Considerando: a) As atribuições da Câmara Municipal de Setúbal, conferida

Leia mais

as s FESTIVAL DE ARTES

as s FESTIVAL DE ARTES as s ARTES MÚSICA WORKSHOPS SOLIDÁRIO FESTIVAL DE ARTES Festival ASAS Apresentação: ATB e Município de Penela Conceito Método Objetivos Cronograma/programação Projetos de intervenção social A região de

Leia mais

Plano de Promoção de Leitura no Agrupamento

Plano de Promoção de Leitura no Agrupamento AGRUPAMENTO DE ESCOLAS MOSTEIRO E CÁVADO Plano de Promoção de Leitura no Agrupamento 1. Apresentação do plano 2. Objectivos gerais 3. Orientações 4. Objectivos específicos 5. Actividades 6. Avaliação 1

Leia mais

Semente de Futuro Cooperativa de Solidariedade Social, IPSS Relatório de Actividades de 2014

Semente de Futuro Cooperativa de Solidariedade Social, IPSS Relatório de Actividades de 2014 Semente de Futuro Cooperativa de Solidariedade Social, IPSS Relatório de Actividades de 2014 Introdução No ano de 2014, foi consensual que todo o trabalho se realizasse na dupla perspectiva de empreendedorismo

Leia mais

NOTA INTRODUTÓRIA... 3 DESENHO E MONTEGEM DAS ACÇÕES...4. Eixo de Desenvolvimento 1: Situações de Risco Social... 5

NOTA INTRODUTÓRIA... 3 DESENHO E MONTEGEM DAS ACÇÕES...4. Eixo de Desenvolvimento 1: Situações de Risco Social... 5 INDICE NOTA INTRODUTÓRIA... 3 DESENHO E MONTEGEM DAS ACÇÕES...4 Eixo de Desenvolvimento 1: Situações de Risco Social... 5 Eixo de Desenvolvimento 2: Empregabilidade de Formação Profissional... 13 Eixo

Leia mais

1. Como pensam integrar, no âmbito dos poderes e competências da autarquia, as questões da educação intercultural e do combate ao racismo?

1. Como pensam integrar, no âmbito dos poderes e competências da autarquia, as questões da educação intercultural e do combate ao racismo? Gostaríamos de iniciar a resposta a este questionário com uma nota prévia relativamente às questões que nos foram colocadas: as questões da discriminação e do racismo constituem, desde o surgimento desta

Leia mais

Centro Comunitário Bairro Social de Paradinha

Centro Comunitário Bairro Social de Paradinha A Cáritas Diocesana de Viseu no Bairro Social de Paradinha A Cáritas continua com um trabalho de relevante interesse social no Bairro Social de Paradinha. No ano de 2008, a Cáritas continuou a desenvolver

Leia mais

PLANO DE ACÇÃO ANUAL 2009/2010. Rede de Bibliotecas de Carregal do Sal GRUPO DE TRABALHO

PLANO DE ACÇÃO ANUAL 2009/2010. Rede de Bibliotecas de Carregal do Sal GRUPO DE TRABALHO GRUPO DE TRABALHO Rede de Bibliotecas de Carregal do Sal PLANO DE ACÇÃO ANUAL 2009/2010 O Plano de Acção da Rede de Bibliotecas de Carregal do Sal é um instrumento de trabalho ao nível da organização e

Leia mais

Ação Piloto para a Regeneração Urbana. Avenida da Liberdade, Braga. Concurso de Ideias Profissionais de Arquitectura

Ação Piloto para a Regeneração Urbana. Avenida da Liberdade, Braga. Concurso de Ideias Profissionais de Arquitectura Ação Piloto para a Regeneração Urbana Avenida da Liberdade, Braga Concurso de Ideias Profissionais de Arquitectura Cientes da importância de promover uma intervenção capaz de revitalizar o centro histórico

Leia mais

AGENDA 21 LOCAL CONDEIXA-A-NOVA

AGENDA 21 LOCAL CONDEIXA-A-NOVA AGENDA 21 LOCAL CONDEIXA-A-NOVA PLANO DE COMUNICAÇÃO E DIVULGAÇÃO Deliverable 4 Fase 2 Novembro 2008 1 P á g i n a Índice 1. Objectivos... 3 2. Públicos-alvo... 4 3. Estratégia de Comunicação... 5 3.1

Leia mais

APEX- APOIO À PROMOÇÃO DA EXPORTAÇÃO DAS PME 2012

APEX- APOIO À PROMOÇÃO DA EXPORTAÇÃO DAS PME 2012 APEX- APOIO À PROMOÇÃO DA EXPORTAÇÃO DAS PME 2012 A aposta no apoio à internacionalização tem sido um dos propósitos da AIDA que, ao longo dos anos, tem vindo a realizar diversas acções direccionadas para

Leia mais

ANJO DE NATAL - REGULAMENTO DE PARTICIPAÇÃO

ANJO DE NATAL - REGULAMENTO DE PARTICIPAÇÃO ANJO DE NATAL - REGULAMENTO DE PARTICIPAÇÃO TEMA No âmbito do Programa de Educação Ambiental 2010/11, a Câmara Municipal de Oeiras, através do Departamento de Ambiente e Equipamento promove o concurso

Leia mais

Projeto Curricular do 1.º Ciclo

Projeto Curricular do 1.º Ciclo Projeto Curricular do 1.º Ciclo Tema Felizes os que constroem a vida na verdade e no bem. INTRODUÇÃO Este ano letivo 2014/2015 ficou definido como tema geral Felizes os que constroem a vida na verdade

Leia mais

Rede Social PLANO DE AÇÃO

Rede Social PLANO DE AÇÃO Rede Social PLANO DE AÇÃO 2011 R E D E SOCIAL DO CONCELHO DE VILA DO BISPO 1 Rede Social Rede Social do Concelho de Vila do PLANO DE ACÇÃO 2011 Ficha Técnica Entidade Promotora: Câmara Municipal de Vila

Leia mais

Apresentação. Serviço de Apoio às Bibliotecas Escolares. Oliveira de Azeméis Novembro 2007

Apresentação. Serviço de Apoio às Bibliotecas Escolares. Oliveira de Azeméis Novembro 2007 Apresentação Serviço de Apoio às Bibliotecas Escolares Oliveira de Azeméis Novembro 2007 Apresentação SABE 12-11-2007 2 Apresentação O conceito de Serviço de Apoio às Bibliotecas Escolares (SABE) que se

Leia mais

COMPONENTE DE APOIO À FAMÍLIA JARDIM DE INFÂNCIA Nº1 PROJETO EDUCATIVO / PLANO DE ATIVIDADES ANO LETIVO 2014/2015 PROJETO: CHUVA DE CORES

COMPONENTE DE APOIO À FAMÍLIA JARDIM DE INFÂNCIA Nº1 PROJETO EDUCATIVO / PLANO DE ATIVIDADES ANO LETIVO 2014/2015 PROJETO: CHUVA DE CORES COMPONENTE DE APOIO À FAMÍLIA JARDIM DE INFÂNCIA Nº1 PROJETO EDUCATIVO / PLANO DE ATIVIDADES ANO LETIVO 2014/2015 PROJETO: CHUVA DE CORES INTRODUÇÃO «Será a emergência do sentido e conteúdo curricular

Leia mais

ACTIVIDADES DE ANIMAÇÃO E APOIO À FAMÍLIA NOS JI PRÉ-ESCOLAR

ACTIVIDADES DE ANIMAÇÃO E APOIO À FAMÍLIA NOS JI PRÉ-ESCOLAR PRÉ-ESCOLAR PRINCÍPIOS ORIENTADORES DA ORGANIZAÇÃO E GESTÃO DAS ACTIVIDADES DE ANIMAÇÃO E APOIO À FAMÍLIA NOS JI Ano lectivo 2009/2010 1 Princípios Orientadores de acordo com o Projecto Educativo A Lei

Leia mais

(2006/C 297/02) considerando o seguinte: constatando que:

(2006/C 297/02) considerando o seguinte: constatando que: C 297/6 Resolução do Conselho e dos Representantes Governos dos Estados-Membros, reunidos no Conselho, relativa à realização dos objectivos comuns em matéria de participação e informação dos jovens para

Leia mais

Regulamento Interno» Pré-Diagnóstico» Diagnóstico» PDS» Diagnósticos 2014» PDS 2015-2017»

Regulamento Interno» Pré-Diagnóstico» Diagnóstico» PDS» Diagnósticos 2014» PDS 2015-2017» Regulamento Interno» Pré-Diagnóstico» Diagnóstico» PDS» Diagnósticos 2014» PDS 2015-2017» A Rede Social foi criada através de uma Resolução do Conselho de Ministros, e 18 de Novembro de 1997, num contexto

Leia mais

ACORDO DE COLABORAÇÃO. Programa Atividades de Enriquecimento Curricular

ACORDO DE COLABORAÇÃO. Programa Atividades de Enriquecimento Curricular ACORDO DE COLABORAÇÃO Programa Atividades de Enriquecimento Curricular Primeiro: Município de Cascais titular do cartão de identificação de pessoa coletivo número 505187531, com sede na Praça 5 de Outubro,

Leia mais

GESTÃO MUSEOLÓGICA E SISTEMAS DE QUALIDADE Ana Mercedes Stoffel Fernandes Outubro 2007 QUALIDADE E MUSEUS UMA PARCERIA ESSENCIAL

GESTÃO MUSEOLÓGICA E SISTEMAS DE QUALIDADE Ana Mercedes Stoffel Fernandes Outubro 2007 QUALIDADE E MUSEUS UMA PARCERIA ESSENCIAL CADERNOS DE MUSEOLOGIA Nº 28 2007 135 GESTÃO MUSEOLÓGICA E SISTEMAS DE QUALIDADE Ana Mercedes Stoffel Fernandes Outubro 2007 QUALIDADE E MUSEUS UMA PARCERIA ESSENCIAL INTRODUÇÃO Os Sistemas da Qualidade

Leia mais

União Europeia Fundo Social Europeu

União Europeia Fundo Social Europeu Conselho Local de Acção Social de Arouca PLANO DE TRABALHO Período: Outubro, Novembro e Dezembro 2005 Janeiro/Dezembro 2006 União Europeia Fundo Social Europeu INTRODUÇÃO No seguimento das actividades

Leia mais

Teatro com Teias e Histórias

Teatro com Teias e Histórias Teatro com Teias e Histórias 3 em Pipa Associação de Criação Teatral e Animação Cultural Organização de um grupo de voluntários que, integrados num projecto comunitário de vertente artística, actuam junto

Leia mais

1) Breve apresentação do AEV 2011

1) Breve apresentação do AEV 2011 1) Breve apresentação do AEV 2011 O Ano Europeu do Voluntariado 2011 constitui, ao mesmo tempo, uma celebração e um desafio: É uma celebração do compromisso de 94 milhões de voluntários europeus que, nos

Leia mais

Plano de Acção 2010-11. Escola Básica 2.3 Professor Noronha Feio Queijas, Oeiras. Página 1 de 7

Plano de Acção 2010-11. Escola Básica 2.3 Professor Noronha Feio Queijas, Oeiras. Página 1 de 7 Página 1 de 7 Diagnóstico Objectivos Diagnóstico Acções Recursos Intervenientes Calendarização Água Resíduos Energia Transportes Biodiversidade Mar Plano de Acção Elementos do Plano de Acção Temas em que

Leia mais

RESUMO DAS OBRAS VISITADAS:

RESUMO DAS OBRAS VISITADAS: RESUMO DAS OBRAS VISITADAS: Bairro da Laje, freguesia de Porto Salvo: - Parque Urbano Fase IV Os Arranjos Exteriores do Parque Urbano Fase IV do bairro da Laje, inserem-se num vasto plano de reconversão

Leia mais

EMPREENDEDORISMO JOVEM METODOLOGIA DESCRITIVA E ORIENTADORA DE ACÇÕES PARA ENQUADRAMENTO DE INICIATIVAS DE EMPREGO LOCAL PARA JOVENS DESEMPREGADOS/AS

EMPREENDEDORISMO JOVEM METODOLOGIA DESCRITIVA E ORIENTADORA DE ACÇÕES PARA ENQUADRAMENTO DE INICIATIVAS DE EMPREGO LOCAL PARA JOVENS DESEMPREGADOS/AS 1 2 EMPREENDEDORISMO JOVEM METODOLOGIA DESCRITIVA E ORIENTADORA DE ACÇÕES PARA ENQUADRAMENTO DE INICIATIVAS DE EMPREGO LOCAL PARA JOVENS DESEMPREGADOS/AS 3 4 TÍTULO: Empreendedorismo jovem - metodologia

Leia mais

CARTA EUROPEIA DO DESPORTO INTRODUÇÃO

CARTA EUROPEIA DO DESPORTO INTRODUÇÃO CARTA EUROPEIA DO DESPORTO INTRODUÇÃO A Carta Europeia do Desporto do Conselho da Europa é uma declaração de intenção aceite pelos Ministros europeus responsáveis pelo Desporto. A Carta Europeia do Desporto

Leia mais

Regulamento da Raízes para o voluntariado

Regulamento da Raízes para o voluntariado Regulamento da Raízes para o voluntariado Capítulo I Disposições Gerais Artigo 1º Âmbito de Aplicação O presente Regulamento visa definir as regras de actuação do voluntariado, nas actividades desenvolvidas

Leia mais

Clube Web 2.0. Biblioteca Escolar. PROPONENTES: - Maria José Domingues - Marta Medeiros MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CIÊNCIA

Clube Web 2.0. Biblioteca Escolar. PROPONENTES: - Maria José Domingues - Marta Medeiros MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CIÊNCIA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CIÊNCIA AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DR. ANTÓNIO GRANJO Biblioteca Escolar Clube Web 2.0 PROPONENTES: - Maria José Domingues - Marta Medeiros Ano letivo 2012-2013 Introdução Hoje é tido

Leia mais

Rede Social do Concelho de Pampilhosa da Serra

Rede Social do Concelho de Pampilhosa da Serra Rede Social do Concelho de Pampilhosa da Serra O Plano de para o ano de 2006 constitui-se enquanto instrumento de trabalho tendo sido construído com base no Plano Desenvolvimento Social. Apresenta um conjunto

Leia mais

INED PROJETO EDUCATIVO INSTITUTO DE EDUCAÇÃO E DESENVOLVIMENTO MAIA

INED PROJETO EDUCATIVO INSTITUTO DE EDUCAÇÃO E DESENVOLVIMENTO MAIA INED INSTITUTO DE EDUCAÇÃO E DESENVOLVIMENTO PROJETO EDUCATIVO MAIA PROJETO EDUCATIVO I. Apresentação do INED O Instituto de Educação e Desenvolvimento (INED) é uma escola secundária a funcionar desde

Leia mais

Relatório de Actividades 2008

Relatório de Actividades 2008 Relatório de Actividades 2008 Elaborado por: Grupo Dinamizador da Comissão Social de Freguesia de Stº Antº dos Cavaleiros, 2009 Nota Introdutória O presente documento tem como principal objectivo a avaliação

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE ALCABIDECHE ESCOLA BÁSICA 2,3 DE ALCABIDECHE Sede

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE ALCABIDECHE ESCOLA BÁSICA 2,3 DE ALCABIDECHE Sede AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE ALCABIDECHE ESCOLA BÁSICA 2,3 DE ALCABIDECHE Sede 1. Identificação DEPARTAMENTO: Pré-Escolar PLANO ANUAL DE ACTIVIDADES - PROPOSTA DE ACTIVIDADES ANO LECTIVO - 2010 / 2011 Coordenador(a):

Leia mais

PROPOSTA DE REGULAMENTO INTERNO

PROPOSTA DE REGULAMENTO INTERNO PROPOSTA DE REGULAMENTO INTERNO VOLUNTARIOS SOCIAIS DO CONCELHO DE ALBERGARIA-A-VELHA - PROGRAMA ALBERGARIA SOLIDÁRIA NOTA JUSTIFICATIVA No âmbito de uma política social que se vem orientando para potenciar

Leia mais

Plano Municipal de Cascais contra a Violência Doméstica 2008-2011

Plano Municipal de Cascais contra a Violência Doméstica 2008-2011 Plano Municipal de Cascais contra a Violência Doméstica 2008-2011 A violência doméstica é um fenómeno complexo que requer uma intervenção concertada e multidisciplinar. 1 PLANO MUNICIPAL CONTRA A VIOLÊNCIA

Leia mais

Mais e Melhor no Desenvolvimento Comunitário

Mais e Melhor no Desenvolvimento Comunitário Mais e Melhor no Desenvolvimento Comunitário Responsabilidade Social Como estratégia de Sustentabilidade a Responsabilidade Social das Organizações, tornou-se de vital importância para o Terceiro Sector,

Leia mais

PLANO ANUAL DE ACTIVIDADES (3ª ACTUALIZAÇÃO)

PLANO ANUAL DE ACTIVIDADES (3ª ACTUALIZAÇÃO) AGRUPAMENTO DE ESCOLAS PÚBLICAS DO CONCELHO DE PROENÇA-A-NOVA (3ª ACTUALIZAÇÃO) (3ª Actualização JULHO/2008) 1 Mês: Abril/2008 ANULAR (Estava na 1ª versão sem data) ANULAR (estava na 2ª versão para o 3º

Leia mais

Projetos de Voluntariado no Concelho de Odemira

Projetos de Voluntariado no Concelho de Odemira Projetos de Voluntariado no Concelho de Odemira Inscreva-se! Uma mão, um amigo Casa do Povo de Relíquias Através da realização de atividades lúdicas, visitas domiciliárias, apoio na alimentação e acompanhamento

Leia mais

As propostas do. Dimensão Histórica Cívica Artística Social Pedagógica

As propostas do. Dimensão Histórica Cívica Artística Social Pedagógica As propostas do LIVRO Livre Dimensão Histórica Cívica Artística Social Pedagógica Dimensão Histórica: Conhecimento do passado histórico: 25 de Abril, Estado Novo, Guerra Colonial, Descolonização e Democracia;

Leia mais

Plano de Acção 2010. Concelho do Marco de Canaveses. CLAS mc. Conselho Local de Acção Social do Marco de Canaveses Fevereiro de 2010

Plano de Acção 2010. Concelho do Marco de Canaveses. CLAS mc. Conselho Local de Acção Social do Marco de Canaveses Fevereiro de 2010 Plano de Acção 2010 Concelho do Marco de Canaveses 2010 2011 CLAS mc Conselho Local de Acção Social do Marco de Canaveses Fevereiro de 2010 Nível de Incidência Principais Conteúdos CONCEPÇÃO Pertinência

Leia mais

6 Plano de Acção 2005/2006

6 Plano de Acção 2005/2006 1 6 Plano de Acção 2005/ A Rede social iniciou actividades efectivas em em 2003, tendo sido realizado, até 2004 o Pré-Diagnóstico, o Diagnóstico Social, o Plano de Desenvolvimento Social e o Plano de Acção

Leia mais

GUIA DO VOLUNTÁRIO. Sociedade Central de Cervejas

GUIA DO VOLUNTÁRIO. Sociedade Central de Cervejas GUIA DO VOLUNTÁRIO Sociedade Central de Cervejas ÍNDICE 1. A RESPONSABILIDADE SOCIAL NA SCC: O NOSSO COMPROMISSO... 3 2. O NOSSO COMPROMISSO COM O VOLUNTARIADO... 4 2.1 A ESTRUTURAÇÃO DO VOLUNTARIADO EMPRESARIAL...

Leia mais

EU AMO SAC E5G 1 OBJECTIVOS. inteira responsabilidade da respectiva entidade.

EU AMO SAC E5G 1 OBJECTIVOS. inteira responsabilidade da respectiva entidade. EU AMO SAC E5G 1 OBJECTIVOS O projecto "Eu amo SAC E5G" é um projecto que visa promover a capacitação de crianças e jovens dos 6 aos 24 anos de contextos socioeconómicos vulneráveis e as suas famílias

Leia mais

::ENQUADRAMENTO ::ENQUADRAMENTO::

::ENQUADRAMENTO ::ENQUADRAMENTO:: ::ENQUADRAMENTO:: :: ENQUADRAMENTO :: O actual ambiente de negócios caracteriza-se por rápidas mudanças que envolvem a esfera politica, económica, social e cultural das sociedades. A capacidade de se adaptar

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO. Preâmbulo

REGULAMENTO INTERNO. Preâmbulo REGULAMENTO INTERNO Preâmbulo O (adiante designado de Pacto Territorial), é uma plataforma de intervenção integrada, criada no âmbito do Projecto EQUAL Migrações e Desenvolvimento com vista à dinamização

Leia mais

Linhas de Acção. 1. Planeamento Integrado. Acções a desenvolver: a) Plano de Desenvolvimento Social

Linhas de Acção. 1. Planeamento Integrado. Acções a desenvolver: a) Plano de Desenvolvimento Social PLANO DE ACÇÃO 2007 Introdução O CLASA - Conselho Local de Acção Social de Almada, de acordo com a filosofia do Programa da Rede Social, tem vindo a suportar a sua intervenção em dois eixos estruturantes

Leia mais

CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE REDONDO REGIMENTO

CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE REDONDO REGIMENTO y Câmara Municipal de Redondo CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE REDONDO REGIMENTO O DL 7/2003, de 15 de Janeiro, que prevê a constituição do Conselho Municipal de Educação, regulou as suas competências

Leia mais

UNIÃO DAS FREGUESIAS DE BAIXA DA BANHEIRA E VALE DA AMOREIRA ACTA Nº 45-UF/2014

UNIÃO DAS FREGUESIAS DE BAIXA DA BANHEIRA E VALE DA AMOREIRA ACTA Nº 45-UF/2014 UNIÃO DAS FREGUESIAS DE BAIXA DA BANHEIRA E VALE DA AMOREIRA ACTA Nº 45-UF/2014 12/11/2014 (Executivo) Aos doze dias do mês de Novembro de dois mil e catorze, pelas vinte e uma horas, na Sede da União

Leia mais

A MOBILIDADE URBANA E A SUSTENTABILIDADE DAS CIDADES. Opções da União Europeia e posição de Portugal

A MOBILIDADE URBANA E A SUSTENTABILIDADE DAS CIDADES. Opções da União Europeia e posição de Portugal A MOBILIDADE URBANA E A SUSTENTABILIDADE DAS CIDADES Opções da União Europeia e posição de Portugal 1 I Parte - O Plano de Acção da EU Plano de Acção para a Mobilidade Urbana Publicado pela Comissão Europeia

Leia mais

Encontro Os Jovens e a Política

Encontro Os Jovens e a Política Encontro Os Jovens e a Política Grupo de Trabalho de Política Local 2 Recomendações às Organizações de Juventude - Promover a formação de líderes e dirigentes associativos juvenis. 3 Recomendações ao Governo

Leia mais

REDE SOCIAL DIAGNÓSTICO SOCIAL

REDE SOCIAL DIAGNÓSTICO SOCIAL REDE SOCIAL INQUÉRITOS POR QUESTIONÁRIO ASSOCIAÇÕES INQUÉRITO POR QUESTIONÁRIO ÁS ASSOCIAÇÕES DO CONCELHO DE A pobreza e a exclusão social embora não sendo fenómenos recentes, têm vindo a surgir nas nossas

Leia mais

OBJECTIVOS PARA O BIÉNIO 2005/2006

OBJECTIVOS PARA O BIÉNIO 2005/2006 OBJECTIVOS PARA O BIÉNIO 2005/2006 Objectivos Gerais: Continuar a lutar pela criação de Emprego Científico; o Organizar uma nova conferência sobre o Emprego Científico; Exigir a regulamentação do novo

Leia mais

COMPONENTE DE APOIO À FAMÍLIA PRÉ-ESCOLAR PROJETO EDUCATIVO / PLANO DE ATIVIDADES PROJETO: CHUVA DE CORES

COMPONENTE DE APOIO À FAMÍLIA PRÉ-ESCOLAR PROJETO EDUCATIVO / PLANO DE ATIVIDADES PROJETO: CHUVA DE CORES COMPONENTE DE APOIO À FAMÍLIA PRÉ-ESCOLAR PROJETO EDUCATIVO / PLANO DE ATIVIDADES PROJETO: CHUVA DE CORES INTRODUÇÃO «Será a emergência do sentido e conteúdo curricular que permitirá distinguir e recriar

Leia mais

Avaliação do Projecto Curricular

Avaliação do Projecto Curricular Documento de Reflexão Avaliação do Projecto Curricular 2º Trimestre Ano Lectivo 2006/2007 Actividade Docente desenvolvida Actividade não lectiva Com base na proposta pedagógica apresentada no Projecto

Leia mais

CARTA EUROPEIA DO DESPORTO

CARTA EUROPEIA DO DESPORTO CARTA EUROPEIA DO DESPORTO Objectivo da Carta... 3 Definição e âmbito de aplicação da Carta... 3 O movimento desportivo... 4 Instalações e actividades... 4 Lançar as bases... 4 Desenvolver a participação...

Leia mais

CONTRATO LOCAL DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL (CLDS) ESPINHO VIVO

CONTRATO LOCAL DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL (CLDS) ESPINHO VIVO CONTRATO LOCAL DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL (CLDS) ESPINHO VIVO EIXO 1 EMPREGO, FORMAÇÃO, QUALIFICAÇÃO E EMPREENDEDORISMO 01 - BALCÃO DE EMPREGABILIDADE; O Balcão de Empregabilidade pretende apoiar os desempregados

Leia mais

O Fórum Económico de Marvila

O Fórum Económico de Marvila Agenda O Fórum Económico de Marvila A iniciativa Cidadania e voluntariado: um desafio para Marvila A Sair da Casca O voluntariado empresarial e as políticas de envolvimento com a comunidade Tipos de voluntariado

Leia mais

CENTRO DE FORMAÇÃO DESPORTIVA DE XADREZ

CENTRO DE FORMAÇÃO DESPORTIVA DE XADREZ CENTRO DE FORMAÇÃO DESPORTIVA DE XADREZ Câmara Municipal de Vila Nova de Gaia Gaianima, E. M., Equipamentos Municipais Departamento do Desporto Escolar Escola Profissional de Gaia Academia de Xadrez de

Leia mais

Câmara Municipal Gondomar REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE GONDOMAR

Câmara Municipal Gondomar REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE GONDOMAR Câmara Municipal Gondomar REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE GONDOMAR Aprovado pela Câmara em 6/02/2003, alterado em Reunião de Câmara de 18/09/2003 Aprovado pela Assembleia Municipal em

Leia mais

O Livro Vai ao Jardim de Infância

O Livro Vai ao Jardim de Infância O Livro Vai ao Jardim de Infância Título: A BE-A vai ao Jardim de Infância Subtítulo: A Biblioteca que conta histórias Equipa da BE-A/ Coordenadora dos JI Natércia Rasteiro Lúcia Clemente Margarida Matos

Leia mais

5.5.2.1. MESTRADO EM DESPORTO, ESPECIALIZAÇÕES EM TREINO DESPORTIVO, CONDIÇÃO FÍSICA E SAÚDE, DESPORTO DE NATUREZA, EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR

5.5.2.1. MESTRADO EM DESPORTO, ESPECIALIZAÇÕES EM TREINO DESPORTIVO, CONDIÇÃO FÍSICA E SAÚDE, DESPORTO DE NATUREZA, EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR 5.5.2. CURSOS DE FORMAÇÃO AVANÇADA (2.º CICLO MESTRADOS) E PÓS-GRADUAÇÃO 5.5.2.1. MESTRADO EM DESPORTO, ESPECIALIZAÇÕES EM TREINO DESPORTIVO, CONDIÇÃO FÍSICA E SAÚDE, DESPORTO DE NATUREZA, EDUCAÇÃO FÍSICA

Leia mais

NORMAS DE FUNCIONAMENTO PROGRAMA VIVER SOLIDÁRIO. Programa Viver Solidário/ Normas Página 1

NORMAS DE FUNCIONAMENTO PROGRAMA VIVER SOLIDÁRIO. Programa Viver Solidário/ Normas Página 1 NORMAS DE FUNCIONAMENTO PROGRAMA VIVER SOLIDÁRIO Programa Viver Solidário/ Normas Página 1 PROGRAMA VIVER SOLIDÁRIO NORMAS DE FUNCIONAMENTO 1.INTRODUÇÃO A prática de actividades de animação regular e sistemática,

Leia mais