MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA"

Transcrição

1 MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA ENSINO ICA CURRÍCULO MÍNIMO DO CURSO DE SEGURANÇA DE VÔO MÓDULO - PREVENÇÃO 2009

2 MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA CENTRO DE INVESTIGAÇÃO E PREVENÇÃO DE ACIDENTES AERONÁUTICOS ENSINO ICA CURRÍCULO MÍNIMO DO CURSO DE SEGURANÇA DE VÔO MÓDULO - PREVENÇÃO 2009

3 MINISTÉRIO DE DEFESA COMANDO DE AERONÁUTICA CENTRO DE INVESTIGAÇÃO E PREVENÇÃO DE ACIDENTES AERONÁUTICOS PORTARIA CENIPA Nº 3/DFA, DE 15 DE ABRIL DE Aprova a edição da ICA , que dispõe sobre o Currículo Mínimo do Curso de Segurança de Vôo - Módulo Prevenção. O CHEFE DO CENTRO DE INVESTIGAÇÃO E PREVENÇÃO DE ACIDENTES AERONÁUTICOS, no uso da atribuição que lhe confere o Art. 4º, inciso IX e Art. 12, inciso III do ROCA 21-48, Regulamento do Centro de Investigação e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos, aprovado pela Portaria nº 1.031/GC3, de 26 de outubro de 2006, resolve: Art 1º Aprovar a edição da ICA CURRÍCULO MÍNIMO DO CURSO DE SEGURANÇA DE VÔO - MÓDULO-PREVENÇÃO, que com esta baixa. Art 2º Esta Portaria entrará em vigor a partir da data de sua publicação. Brig Ar JORGE KERSUL FILHO Chefe do CENIPA (Publicada no BCA nº 095, de 26 de maio de 2009)

4 ICA /2009 SUMÁRIO 1 DISPOSIÇÕES PRELIMINARES FINALIDADE ÂMBITO CONCEPÇÃO ESTRUTURAL DO CURSO PADRÃO DE DESEMPENHO E PERFIL DO ALUNO PADRÃO DE DESEMPENHO PERFIL DO ALUNO FINALIDADE, OBJETIVOS GERAIS E DURAÇÃO DO CURSO FINALIDADE OBJETIVO GERAL DO CURSO DURAÇÃO DO CURSO CONTEÚDO CURRICULAR QUADRO GERAL DESDOBRAMENTOS DO QUADRO GERAL PROCEDIMENTOS DE AVALIAÇÃO DISPOSIÇÕES GERAIS DISPOSIÇÕES FINAIS...20 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS...21

5 ICA / DISPOSIÇÕES PRELIMINARES 1.1 FINALIDADE Esta Instrução tem por finalidade estabelecer o Currículo Mínimo para o Curso de Segurança de Vôo - Módulo-Prevenção ministrado pelo Centro de Investigação e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos e pelas Instituições homologadas pelo CENIPA. 1.2 ÂMBITO Centro de Investigação e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos e Instituições Homologadas.

6 8 ICA / CONCEPÇÃO ESTRUTURAL DO CURSO O Curso de Segurança de Vôo - Módulo-Prevenção será desenvolvido de modo a capacitar pilotos, engenheiros e tecnólogos, estes últimos com formação de nível superior, para desempenhar atividades de prevenção de acidentes aeronáuticos. O CSV-PREV abrangerá quatro disciplinas: Fundamentos do SIPAER - Ferramentas, Programas e Atividades de Prevenção de Acidentes Aeronáuticos - Fator Humano e Fator Material.

7 ICA / PADRÃO DE DESEMPENHO E PERFIL DO ALUNO 3.1 PADRÃO DE DESEMPENHO a) Planejar e gerenciar as atividades específicas de prevenção de acidentes aeronáuticos quando responsável pelo Elo-SIPAER da organização/empresa. b) Participar, sob a coordenação do Elo-SIPAER, das atividades de prevenção de acidentes aeronáuticos. 3.2 PERFIL DO ALUNO Os alunos do Curso de Segurança de Vôo - Módulo-Prevenção são profissionais brasileiros e estrangeiros, com envolvimento no seguimento aeronáutico e que preenchem os seguintes requisitos: SE CIVIL: a) Ser funcionário de instituição ligada à atividade aérea; b) Ser piloto com Certificado de Habilitação Técnica válido; ou engenheiro nas áreas de aeronáutica, mecânica, elétrica, eletrônica, e mecatrônica; ou tecnólogo com formação de nível superior nas áreas afins; ou bacharel em Ciências Aeronáuticas; e c) Ser indicado pela instituição a que pertence. SE MILITAR: a) Ter o posto de 2º Tenente a Tenente-Coronel ou equivalente; b) Ser do Quadro de Oficiais Aviadores ou de Engenheiros da Aeronáutica, estes nas áreas de aeronáutica, mecânica, elétrica e eletrônica, ou equivalente em outra força armada ou auxiliar; e c) Ser indicado pela organização a que pertence.

8 10 ICA / FINALIDADE, OBJETIVO GERAL E DURAÇÃO DO CURSO 4.1 FINALIDADE Capacitar os instruendos a exercer as atividades de prevenção de acidentes aeronáuticos visando à preservação de recursos humanos e materiais. 4.2 OBJETIVO GERAL DO CURSO Proporcionar aos instruendos condições de aprendizagem que os habilitem a desempenhar atividades de prevenção inerentes ao Sistema de Investigação e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos. 4.3 DURAÇÃO DO CURSO O Curso de Segurança de Vôo - Módulo-Prevenção terá uma duração de 15 dias letivos, perfazendo a carga horária total de 105 tempos sendo a carga horária real de 96 tempos. A diferença de 09 tempos será utilizada nas seguintes atividades: a) Complementação da Instrução; b) Avaliação da Aprendizagem; e c) Atividades Administrativas. Os tempos de aula terão a duração de 50 minutos. Quando o Curso de Segurança de Vôo - Módulo-Prevenção for ministrado por Instituições de nível superior homologadas pelo CENIPA, o mesmo deverá ser realizado de forma integral e continuada, dentro do prazo de dois semestres letivos ininterruptos entre o início e a conclusão dos mesmos, conforme a NSCA 3-10 de 21 de janeiro de 2009.

9 ICA / CONTEÚDO CURRICULAR 5.1 QUADRO GERAL CAMPO ÁREA DISCIPLINAS CH REAL Fundamentos do SIPAER 25 CIÊNCIAS AERONÁUTICAS Ferramentas, Programas e Atividades da Prevenção Fator Humano - Aspecto Operacional Fator Material 6 TÉCNICO- ESPECIALIZADO CIÊNCIAS SOCIAIS E APLICADAS Fator Humano - Aspecto Psicológico 09 CIÊNCIAS DA SAÚDE Fator Humano - Aspecto Médico 10 CH REAL 96 COMPLEMENTAÇÃO DA INSTRUÇÃO 05 AVALIAÇÃO DA APRENDIZAGEM 02 ATIVIDADES ADMINISTRATIVAS 02 CH TOTAL 105

10 12 ICA / DESDOBRAMENTOS DO QUADRO GERAL CAMPO: TÉCNICO-ESPECIALIZADO ÁREA: CIÊNCIAS AERONÁUTICAS DISCIPLINA: FUNDAMENTOS DO SIPAER CARGA HORÁRIA: 25 TEMPOS OBJETIVOS ESPECÍFICOS: a) Identificar a Filosofia SIPAER como guia para as atividades de Prevenção de Acidentes Aeronáuticos no Brasil (Cp); b) Identificar a legislação do SIPAER relativa às atividades de prevenção de acidentes aeronáuticos (Cp); e c) Valorizar a importância das atividades de Prevenção de Acidentes Aeronáuticos para a preservação de recursos humanos e materiais (Va). EMENTA: 1) SIPAER: Histórico, Estrutura, Filosofia e os Fundamentos da Prevenção 2) Conceituação de Vocábulos, Expressões e Símbolos de uso no SIPAER - NSCA 3-1 3) Estrutura e atribuições do SIPAER - NSCA 3-2 4) Gestão de Segurança Operacional - NSCA 3-3 5) Plano de Emergência Aeronáutica em Aeródromo - NSCA 3-4 6) Comunicação de Acidentes e Incidentes Aeronáuticos - NSCA 3-5 7) Investigação de Acidente e Incidente Aeronáutico e Ocorrência de Solo - NSCA 3-6 8) Responsabilidades dos operadores de aeronaves em caso de Acidente ou de Incidente Aeronáutico - NSCA 3-7 9) Recomendações de Segurança emitidas pelo SIPAER - NSCA ) Formação Técnico-Profissional do Pessoal do SIPAER - NSCA ) Formulários em uso pelo SIPAER - NSCA ) Código de Ética do SIPAER - NSCA 3-12.

11 ICA / CAMPO: TÉCNICO-ESPECIALIZADO ÁREA: CIÊNCIAS AERONÁUTICAS DISCIPLINA: FERRAMENTAS, PROGRAMAS E ATIVIDADES DE PREVENÇÃO DE ACIDENTES AERONÁUTICOS CARGA HORÁRIA 37 TEMPOS OBJETIVOS ESPECÍFICOS: a) Identificar os procedimentos relativos às ferramentas, programas e atividades de prevenção de acidentes aeronáuticos (Cp); b) Elaborar relatórios específicos da área de prevenção de acidentes Aeronáuticos (Ap); e c) Realizar vistoria de segurança operacional (Ap). EMENTA: 1) Incursão em Pista 2) FOQA (Flight Operations Quality Assurance) - Garantia da Qualidade nas Operações Aéreas 3) Safety Management System (SMS) 4) Cargas Perigosas 5) Relatório de Prevenção (RELPREV) 6) Relatório Confidencial para a Segurança de Vôo (RCSV) 7) Gerenciamento do Risco Operacional 8) Crew Resource Management (CRM) - Gerenciamento de Recursos de Tripulação 9) Perigo Aviário e Fauna 10) A Prevenção do Foreign Object Damage - F.O.D. (Dano Causado por Objeto Estranho) 11) Programa de Prevenção de Acidentes Aeronáuticos e Relatório Anual de Atividades 12) Perigo Baloeiro 13) Vistoria / Auditoria de Segurança Operacional (VSO) 14) Wind Shear - ( Tesoura-de-Vento ) 15) A Prevenção de Acidentes na Operação de Helicópteros 16) Controlled Flight Into Terrain - C.F.I.T (Colisão com o Terreno em Vôo Controlado) e Approach and Landing Accident - A.L.A. (Acidentes na Aproximação e Pouso)

12 14 ICA /2009 CAMPO: TÉCNICO-ESPECIALIZADO DISCIPLINA: FATOR HUMANO - ASPECTO OPERACIONAL ÁREA: CIÊNCIAS AERONÁUTICAS CARGA HORÁRIA 09 TEMPOS OBJETIVOS ESPECÍFICOS: a) Identificar os principais riscos à atividade aérea relacionados à meteorologia (Cn); b) Identificar os tipos mais comuns de desgaste de material (Cn); c) Conhecer o Subsistema de Segurança do Sistema de Controle do Espaço Aéreo Brasileiro - SEGCEA (Cn); d) Identificar os aspectos operacionais no pátio de manobras que mais contribuem para os acidentes, incidentes aeronáuticos e ocorrências de solo (Cn); e e) Valorizar a importância da manutenção na prevenção de acidentes aeronáuticos (Cp). EMENTA: 1) A Meteorologia na Prevenção 2) O Monitoramento do Desgaste de Material na Prevenção de Acidentes Aeronáuticos 3) A Prevenção no Sistema de Controle do Espaço Aéreo Brasileiro (SISCEAB) 4) Segurança em Pátio de Manobras 5) A Prevenção de Acidentes na Manutenção

13 ICA / CAMPO: TÉCNICO-ESPECIALIZADO ÁREA: CIÊNCIAS DA SAÚDE DISCIPLINA: FATOR HUMANO - ASPECTO MÉDICO CARGA HORÁRIA 10 TEMPOS OBJETIVOS ESPECÍFICOS: a) Descrever os efeitos da hipóxia por meio de seus aspectos clínicos e fundamentos fisiopatológicos (Cn); b) Explicar os efeitos do disbarismo sobre os diversos órgãos e funções do corpo humano, bem como suas implicações sobre o desempenho da atividade aérea (Cp); c) Explicar as limitações impostas aos principais sistemas do corpo humano quando expostos ao ambiente de vôo (Cp); d) Identificar as limitações da visão (Cn); e) Explicar as limitações impostas ao corpo humano quando exposto ao vôo de helicóptero (Cp) f) Descrever os principais aspectos relacionados aos ritmos circadianos e à dissincronose (Cn); g) Descrever as limitações do sistema auditivo (Cn); e h) Identificar os indícios que podem contribuir para fadiga de vôo (Cp). EMENTA: 1) Hipóxia e Disbarismo 2) Acelerações e Desorientação Espacial 3) Fatores Intervenientes na Visão em Aviação 4) Aspectos Fisiológicos Específicos do Vôo de Helicóptero 5) Ritmos Circadianos e a Dissincronose ou Jet Lag 6) Ruídos em Aviação 7) Fadiga de Vôo

14 16 ICA /2009 CAMPO: TÉCNICO-ESPECIALIZADO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS E APLICADAS DISCIPLINA: FATOR HUMANO - ASPECTO PSICOLÓGICO CARGA HORÁRIA 09 TEMPOS OBJETIVOS ESPECÍFICOS: a) Identificar a contribuição da Psicologia para a Prevenção de Acidentes Aeronáuticos (Cp); e b) Valorizar a importância da análise do fator humano-aspecto psicológico para a Prevenção de Acidentes Aeronáuticos (Cp). EMENTA: 1) Reações a Mudanças 2) Aspectos Psicológicos na Prevenção 3) A Prevenção do Erro Humano 4) Cultura e Clima Organizacionais.

15 ICA / CAMPO: TÉCNICO-ESPECIALIZADO DISCIPLINA: FATOR MATERIAL ÁREA: CIÊNCIAS AERONÁUTICAS CARGA HORÁRIA 06 TEMPOS OBJETIVOS ESPECÍFICOS: a) Identificar os aspectos relevantes da certificação aeronáutica no que tange à segurança de vôo (Cn). b) Identificar as medidas necessárias para prevenir a aquisição de unapproved parts (Cn); e c) Reconhecer a importância da verificação adequada da origem de uma peça (Cp). EMENTA: 1) Certificação Aeronáutica 2) Fabricação de aeronaves e seus componentes.

16 18 ICA / PROCEDIMENTOS DE AVALIAÇÃO Os procedimentos de avaliação para o Curso, objeto do presente Currículo Mínimo, serão detalhados no Plano de Avaliação do Centro de Investigação e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos - CENIPA.

17 ICA / DISPOSIÇÕES GERAIS Para as atividades práticas do Curso de Segurança de Vôo - Módulo- Prevenção será realizado um exercício de Vistoria / Auditoria de Segurança Operacional em Base Aérea e/ou aeroportos.

18 20 ICA / DISPOSIÇÕES FINAIS Esta instrução entra em vigor na data da publicação da Portaria de aprovação no Boletim do Comando da Aeronáutica. Os casos não previstos nesta instrução serão resolvidos pelo Chefe do Centro de Investigação e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos.

19 ICA / REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS Acidentes Aeronáuticos. Filosofia SIPAER. Brasília, BRASIL. Comando da Aeronáutica. Estado-Maior da Aeronáutica. Conceituação de Vocábulos, Expressões e Símbolos de uso no SIPAER: NSCA 3-1. [Brasília, DF], BRASIL. Comando da Aeronáutica. Estado-Maior da Aeronáutica. Estrutura e atribuições do SIPAER: NSCA 3-2. [Brasília, DF], BRASIL. Comando da Aeronáutica. Estado-Maior da Aeronáutica. Gestão de Segurança Operacional: NSCA 3-3. [Brasília, DF], BRASIL. Comando da Aeronáutica. Estado-Maior da Aeronáutica. Plano de Emergência Aeronáutica em Aeródromo: NSCA 3-4. [Brasília, DF], BRASIL. Comando da Aeronáutica. Estado-Maior da Aeronáutica. Comunicação de Acidentes e Incidentes Aeronáuticos: NSCA 3-5. [Brasília, DF], BRASIL. Comando da Aeronáutica. Estado-Maior da Aeronáutica. Investigação de Acidente, Incidente Aeronáutico e de Ocorrências de Solo: NSCA 3-6. [Brasília, DF], BRASIL. Comando da Aeronáutica. Estado-Maior da Aeronáutica. Responsabilidades dos Operadores de Aeronaves em Caso de Acidente e Incidente Aeronáutico: NSCA 3-7. [Brasília, DF], out BRASIL. Comando da Aeronáutica. Estado-Maior da Aeronáutica. Recomendações de Segurança emitidas pelo SIPAER: NSCA 3-9. [Brasília, DF], BRASIL. Comando da Aeronáutica. Estado-Maior da Aeronáutica. Formação Técnico-Profissional do Pessoal do SIPAER: NSCA [Brasília, DF], BRASIL. Comando da Aeronáutica. Estado-Maior da Aeronáutica. Formulários em uso pelo SIPAER: NSCA [Brasília, DF], BRASIL. Comando da Aeronáutica. Estado-Maior da Aeronáutica. Código de Ética do SIPAER: NSCA [Brasília, DF], Acidentes Aeronáuticos. Incursão em Pista. Brasília, DF, Acidentes Aeronáuticos. Cargas Perigosas. Brasília, DF, [s.d]. Acidentes Aeronáuticos. CRM (Crew Resource Management) - Gerenciamento de Recursos da Tripulação: apostila de orientação. Brasília, DF, 2005.

20 22 ICA /2009 Acidentes Aeronáuticos. Perigo Aviário. Brasília, DF, Acidentes Aeronáuticos. F.O.D. Brasília, DF, [s.d.]. Acidentes Aeronáuticos. Programa de Prevenção de Acidentes Aeronáuticos. Brasília, DF, [s.d.]. Acidentes Aeronáuticos. Vistoria de Segurança de Vôo. Brasília, DF, Acidentes Aeronáuticos. Wind Shear: guia do piloto. Brasília, DF, [s.d.]. Acidentes Aeronáuticos. A segurança na operação de helicópteros. Brasília, DF, [s.d.]. Acidentes Aeronáuticos. CFIT: Controlled Fligtht Into Terrain. Brasília, Acidentes Aeronáuticos. Segurança no Pátio de Manobras. Brasília, [s.d.]. Acidentes Aeronáuticos. Hipóxia. Brasília, DF, [s.d.]. Acidentes Aeronáuticos. Disbarismo. Brasília, DF, [s.d.]. Acidentes Aeronáuticos. Aspectos Psicológicos na Prevenção de Acidentes. Brasília, [s.d.]. BRASIL. Comando da Aeronáutica. Departamento de Controle do Espaço Aéreo. Regras do Ar e Serviços de Tráfego Aéreo: ICA [Rio de Janeiro], BRASIL. Comando da Aeronáutica. Estado-Maior da Aeronáutica. Relatório confidencial para segurança de vôo: ICA 3-7. [Brasília-DF], BRASIL. Lei no 7.565, de 19 de dezembro de Dispõe sobre o Código Brasileiro de Aeronáutica. [Brasília-DF], dez BRASIL. Lei no 7.565, de 19 de dezembro de Dispõe sobre o Código Brasileiro de Aeronáutica. [Brasília-DF], dez BRASIL. Regulamento Brasileiro de Homologação Aeronáutica (RBHA) 21: Procedimentos de homologação para produtos e partes Aeronáuticas. [Brasília, DF]: Agência Nacional de Aviação Civil (ANAC), LIMA, José Soares. A meteorologia na prevenção de acidentes aeronáuticos. Manaus: Serviço Regional de Proteção ao Vôo, 1985.

21 ICA / MONTANDON, A. A Medicina da aviação - Fisiologia do Vôo: Fundamentos essenciais para quem voa. Uberaba (MG): Universidade de Uberaba, ORGANIZAÇÃO DA AVIAÇÃO CIVIL INTERNACIONAL. Anexo 8: Aeronavegabilidade. Montreal: OACI, ORGANIZAÇÃO DA AVIAÇÃO CIVIL INTERNACIONAL. Manual de gestión de la seguridad operacional: Doc Montreal: OACI, REASON, J. Human Error. Cambridge (UK): Cambridge University Press, RIBEIRO, S. L. O. Reações às mudanças na segurança de vôo. Brasília: CENIPA, [s.d.] ROBIN, S. P. Comportamento Organizacional. São Paulo: Prentice Hall, TEIXEIRA, R. C. M. Fatores Interferentes na Visão em Aviação. Brasília: CENIPA, [s.d.] TEMPORAL, W. (org.). Medicina aeroespacial. Rio de Janeiro: Ed. Luzes,

INVESTIGAÇÃO E PREVENÇÃO DE ACIDENTES AERONÁUTICOS

INVESTIGAÇÃO E PREVENÇÃO DE ACIDENTES AERONÁUTICOS MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA INVESTIGAÇÃO E PREVENÇÃO DE ACIDENTES AERONÁUTICOS ICA 3-7 REPORTE CONFIDENCIAL PARA A SEGURANÇA OPERACIONAL (RCSO) 2009 MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA

Leia mais

INVESTIGAÇÃO E PREVENÇÃO DE ACIDENTES AERONÁUTICOS

INVESTIGAÇÃO E PREVENÇÃO DE ACIDENTES AERONÁUTICOS MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA INVESTIGAÇÃO E PREVENÇÃO DE ACIDENTES AERONÁUTICOS ICA 3-2 PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE ACIDENTES AERONÁUTICOS DA AVIAÇÃO CIVIL BRASILEIRA PARA 21 21 MINISTÉRIO

Leia mais

MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA ORGANIZAÇÃO GERAL ROCA 21-81

MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA ORGANIZAÇÃO GERAL ROCA 21-81 MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA ORGANIZAÇÃO GERAL ROCA 21-81 REGULAMENTO DA ASSESSORIA DE SEGURANÇA OPERACIONAL DO CONTROLE DO ESPAÇO AÉREO 2009 MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA

Leia mais

MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA E N S I N O ICA 37-422 CURRÍCULO MÍNIMO DO CURSO BÁSICO DE INGLÊS TÉCNICO PARA MATERIAL BÉLICO (CBIT-MB)

MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA E N S I N O ICA 37-422 CURRÍCULO MÍNIMO DO CURSO BÁSICO DE INGLÊS TÉCNICO PARA MATERIAL BÉLICO (CBIT-MB) MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA E N S I N O ICA 37-422 CURRÍCULO MÍNIMO DO CURSO BÁSICO DE INGLÊS TÉCNICO PARA MATERIAL BÉLICO (CBIT-MB) 2014 MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA INSTITUTO

Leia mais

Um Novo Modelo para Submissão de Ocorrências Aeronáuticas

Um Novo Modelo para Submissão de Ocorrências Aeronáuticas Um Novo Modelo para Submissão de Ocorrências Aeronáuticas Rogério Possi Junior Engenheiro de Aeronavegabilidade Continuada Agência Nacional de Aviação Civil (ANAC) Renato Crucello Passos Engenheiro de

Leia mais

MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA INVESTIGAÇÃO E PREVENÇÃO DE ACIDENTES AERONÁUTICOS FCA 58-1

MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA INVESTIGAÇÃO E PREVENÇÃO DE ACIDENTES AERONÁUTICOS FCA 58-1 MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA INVESTIGAÇÃO E PREVENÇÃO DE ACIDENTES AERONÁUTICOS FCA 58-1 PANORAMA ESTATÍSTICO DA AVIAÇÃO CIVIL BRASILEIRA EM 212 213 MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA

Leia mais

CENTRO DE INVESTIGAÇÃO E PREVENÇÃO DE ACIDENTES AERONÁUTICOS - CENIPA. Brig Ar CARLOS Alberto da Conceição (61) 3364-8800 cac363@gmail.

CENTRO DE INVESTIGAÇÃO E PREVENÇÃO DE ACIDENTES AERONÁUTICOS - CENIPA. Brig Ar CARLOS Alberto da Conceição (61) 3364-8800 cac363@gmail. CENTRO DE INVESTIGAÇÃO E PREVENÇÃO DE ACIDENTES AERONÁUTICOS - CENIPA Brig Ar CARLOS Alberto da Conceição (61) 3364-8800 cac363@gmail.com OBJETIVO APRESENTAR O CENTRO DE INVESTIGAÇÃO E PREVENÇÃO DE ACIDENTES

Leia mais

PROGRAMA MOSA MAINTENANCE OPERATIONS SAFETY AUDIT (PROGRAMA DE OBSERVAÇÕES DE SERVIÇOS DE MANUTENÇÃO)

PROGRAMA MOSA MAINTENANCE OPERATIONS SAFETY AUDIT (PROGRAMA DE OBSERVAÇÕES DE SERVIÇOS DE MANUTENÇÃO) PROGRAMA MOSA MAINTENANCE OPERATIONS SAFETY AUDIT (PROGRAMA DE OBSERVAÇÕES DE SERVIÇOS DE MANUTENÇÃO) - - - - - - - - - - Anais do 4º Simpósio de Segurança de Voo (SSV 2011) Direitos Reservados - Página

Leia mais

V ENCONTRO BRASILEIRO DE PSICOLOGIA APLICADA À AVIAÇÃO 13 e 14 de SETEMBRO DE 2012.

V ENCONTRO BRASILEIRO DE PSICOLOGIA APLICADA À AVIAÇÃO 13 e 14 de SETEMBRO DE 2012. V ENCONTRO BRASILEIRO DE PSICOLOGIA APLICADA À AVIAÇÃO 13 e 14 de SETEMBRO DE 2012. A Avaliação Psicológica e os Acidentes Aeronáuticos: Existe uma relação? 1 TEN PSL PATRÍCIA FAGUNDES- HARF 2 TEN PSL

Leia mais

MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA

MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA LOGÍSTICA NSCA 400-2 NORMA DO SISTEMA DE INTENDÊNCIA OPERACIONAL 2008 MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA COMANDO-GERAL DO PESSOAL LOGÍSTICA NSCA 400-2

Leia mais

MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA

MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA PROTEÇÃO AO VOO ICA 63-30 INVESTIGAÇÃO DE OCORRÊNCIAS DE TRÁFEGO AÉREO 2014 MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA DEPARTAMENTO DO CONTROLE DO ESPAÇO AÉREO

Leia mais

PROPOSTA DE EVENTO. 1. Nome do evento Formação de pilotos examinadores: CREDENCADOS DE ÓRGÃOS PÚBLICOS e INSPAC COMAER

PROPOSTA DE EVENTO. 1. Nome do evento Formação de pilotos examinadores: CREDENCADOS DE ÓRGÃOS PÚBLICOS e INSPAC COMAER PROPOSTA DE EVENTO 1. Nome do evento Formação de pilotos examinadores: CREDENCADOS DE ÓRGÃOS PÚBLICOS e INSPAC COMAER 2. Coordenação técnica Adriano Tunes de Paula /GNOS/GTNO (adriano.paula@anac.gov.br;

Leia mais

MINISTÉRIO DA DEFESA GABINETE DO MINISTRO

MINISTÉRIO DA DEFESA GABINETE DO MINISTRO MINISTÉRIO DA DEFESA GABINETE DO MINISTRO PORTARIA NORMATIVA N o 916/MD, DE 13 DE JUNHO DE 2008. Aprova a Diretriz para a Difusão e Implementação do Direito Internacional dos Conflitos Armados (DICA) nas

Leia mais

MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA SEGURANÇA DCA 205-6

MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA SEGURANÇA DCA 205-6 MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA SEGURANÇA DCA 205-6 PROCEDIMENTOS PARA OS ÓRGÃOS DO COMAER REFERENTES A SEGURANÇA DA AVIAÇÃO CIVIL CONTRA ATOS DE INTERFERÊNCIA ILÍCITA 2011 MINISTÉRIO DA DEFESA

Leia mais

MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA TELECOMUNICAÇÕES ICA 102-5 ENDEREÇAMENTO DE AERONAVES

MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA TELECOMUNICAÇÕES ICA 102-5 ENDEREÇAMENTO DE AERONAVES MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA TELECOMUNICAÇÕES ICA 102-5 ENDEREÇAMENTO DE AERONAVES 2014 MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA DEPARTAMENTO DE CONTROLE DO ESPAÇO AÉREO TELECOMUNICAÇÕES

Leia mais

MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA

MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA PROTEÇÃO AO VOO ICA 63-30 INVESTIGAÇÃO DE OCORRÊNCIAS DE TRÁFEGO AÉREO 2012 MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA DEPARTAMENTO DE CONTROLE DO ESPAÇO AÉREO

Leia mais

AÇÃO NACIONAL DE AVIAÇÃO CIVIL: Belo Horizonte Dezembro de 2012

AÇÃO NACIONAL DE AVIAÇÃO CIVIL: Belo Horizonte Dezembro de 2012 AÇÃO NACIONAL DE AVIAÇÃO CIVIL: Belo Horizonte Dezembro de 2012 A implantação do SGSO nos Aeroclubes e Escolas de Aviação Civil Objetivos Esclarecer sobre o processo de confecção do Manual de Gerenciamento

Leia mais

MANUAL DE COLETA DE DADOS PARA PROJETO PILOTO DE INDICADORES DE DESEMPENHO DA SEGURANÇA OPERACIONAL

MANUAL DE COLETA DE DADOS PARA PROJETO PILOTO DE INDICADORES DE DESEMPENHO DA SEGURANÇA OPERACIONAL MANUAL DE COLETA DE DADOS PARA PROJETO PILOTO DE INDICADORES DE DESEMPENHO DA SEGURANÇA OPERACIONAL Este manual tem como objetivo guiar os operadores dos aeródromos participantes do projeto piloto de indicadores

Leia mais

INVESTIGAÇÃO E PREVENÇÃO DE ACIDENTES AERONÁUTICOS

INVESTIGAÇÃO E PREVENÇÃO DE ACIDENTES AERONÁUTICOS MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA INVESTIGAÇÃO E PREVENÇÃO DE ACIDENTES AERONÁUTICOS ICA 3-2 PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE ACIDENTES AERONÁUTICOS DA AVIAÇÃO CIVIL BRASILEIRA 2012 MINISTÉRIO DA DEFESA

Leia mais

MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA

MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA TRÁFEGO AÉREO ICA 100-9 PROCEDIMENTOS ESPECIAIS PARA AERONAVE PRESIDENCIAL 2014 MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA DEPARTAMENTO DE CONTROLE DO ESPAÇO

Leia mais

INSTRUÇÃO TÉCNICA OPERACIONAL

INSTRUÇÃO TÉCNICA OPERACIONAL CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DE MINAS GERAIS ESTADO-MAIOR INSTRUÇÃO TÉCNICA OPERACIONAL EMPREGO DE AERONAVES EM APOIO ÀS OPERAÇÕES DO CBMMG 2007 CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DE MINAS GERAIS COMANDO GERAL INSTRUÇÃO

Leia mais

O relatório deverá ser preenchido e enviado para o e-mail relatorio.semestral@anac.gov.br. Para que serve o sistema de envio de relatório semestral?

O relatório deverá ser preenchido e enviado para o e-mail relatorio.semestral@anac.gov.br. Para que serve o sistema de envio de relatório semestral? O relatório deverá ser preenchido e enviado para o e-mail relatorio.semestral@anac.gov.br. Para que serve o sistema de envio de relatório semestral? O sistema de envio de relatório semestral tem por finalidade

Leia mais

REGULAMENTO DO CURSO DE FORMAÇÃO PARA ESPECIALISTA EM REGULAÇÃO DE AVIAÇÃO CIVIL

REGULAMENTO DO CURSO DE FORMAÇÃO PARA ESPECIALISTA EM REGULAÇÃO DE AVIAÇÃO CIVIL REGULAMENTO DO CURSO DE FORMAÇÃO PARA ESPECIALISTA EM REGULAÇÃO DE AVIAÇÃO CIVIL Agência Nacional de Aviação Civil (ANAC) CAPÍTULO I - DA NATUREZA E OBJETIVOS CAPÍTULO II - DA DIREÇÃO CAPÍTULO III - DA

Leia mais

PROGRAMAS DE GERENCIAMENTO DA SEGURANÇA OPERACIONAL

PROGRAMAS DE GERENCIAMENTO DA SEGURANÇA OPERACIONAL PROGRAMAS DE GERENCIAMENTO DA SEGURANÇA OPERACIONAL MISSÃO, VISÃO e PRINCÍPIOS 2 MISSÃO Oferecer soluções personalizadas em aviação com segurança, agilidade e qualidade. VISÃO Ser reconhecida como uma

Leia mais

TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO ICA 7-26 PROCESSO DE GESTÃO DE RISCOS DE SEGURANÇA E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO DO DEPARTAMENTO DE CONTROLE DO ESPAÇO AÉREO 2013 MINISTÉRIO

Leia mais

ESCOLA DE AVIAÇÃO CIVIL DE POUSO ALEGRE EAPA REGIMENTO INTERNO TÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO

ESCOLA DE AVIAÇÃO CIVIL DE POUSO ALEGRE EAPA REGIMENTO INTERNO TÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO ESCOLA DE AVIAÇÃO CIVIL DE POUSO ALEGRE EAPA REGIMENTO INTERNO TÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO Art. 1 - A Escola de Aviação Civil de Pouso Alegre, inscrita no CNPJ sob número

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2012. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2012. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2012 Ensino Técnico ETEC Dr. Francisco Nogueira de Lima Código: 059 Município: Casa Branca Eixo Tecnológico: Saúde Habilitação Profissional: Técnica de Nível Médio de TÉCNICO

Leia mais

RELATÓRIO TRIBUNAL DE CONTAS DA UNIÃO TC 010.692/2009-2

RELATÓRIO TRIBUNAL DE CONTAS DA UNIÃO TC 010.692/2009-2 GRUPO I CLASSE V PLENÁRIO TC 010.692/2009-2 Natureza(s): Relatório de Auditoria de Natureza Operacional Órgãos/Entidades: Agência Nacional de Aviação Civil ANAC/MD, Empresa Brasileira de Infraestrutura

Leia mais

Edição Número 30 de 12/02/2007 Pg. 17 Agência Nacional de Aviação Civil Ministério da Defesa

Edição Número 30 de 12/02/2007 Pg. 17 Agência Nacional de Aviação Civil Ministério da Defesa EDITAL Nº 3/2007 Edição Número 30 de 12/02/2007 Pg. 17 Agência Nacional de Aviação Civil Ministério da Defesa CONCURSO PÚBLICO PARA PROVIMENTO DE VAGAS EM CARGOS DE NÍVEL SUPERIOR E NÍVEL INTERMEDIÁRIO

Leia mais

Integração na Coleta de dados de Segurança Operacional Gerência Executiva de Segurança Operacional

Integração na Coleta de dados de Segurança Operacional Gerência Executiva de Segurança Operacional Integração na Coleta de dados de Segurança Operacional Gerência Executiva de Segurança Operacional O QUE SOMOS? Nome: Alexsandro Silva Função: Gerente de Qualidade Operacional Atividades: Responsável pelo

Leia mais

COMANDO DA AERONÁUTICA CENTRO DE INVESTIGAÇÃO E PREVENÇÃO DE ACIDENTES AERONÁUTICOS RELATÓRIO FINAL A - Nº 063/CENIPA/2009

COMANDO DA AERONÁUTICA CENTRO DE INVESTIGAÇÃO E PREVENÇÃO DE ACIDENTES AERONÁUTICOS RELATÓRIO FINAL A - Nº 063/CENIPA/2009 COMANDO DA AERONÁUTICA CENTRO DE INVESTIGAÇÃO E PREVENÇÃO DE ACIDENTES AERONÁUTICOS RELATÓRIO FINAL A - Nº 063/CENIPA/2009 OCORRÊNCIA AERONAVE MODELO ACIDENTE PP-KBK A-122B DATA 24 JUL 2007 ADVERTÊNCIA

Leia mais

Art. 1º Definir o ensino de graduação na UNIVILLE e estabelecer diretrizes e normas para o seu funcionamento. DA NATUREZA

Art. 1º Definir o ensino de graduação na UNIVILLE e estabelecer diretrizes e normas para o seu funcionamento. DA NATUREZA UNIVERSIDADE DA REGIÃO DE JOINVILLE UNIVILLE CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO Nº 07/04 Define o ensino de graduação na UNIVILLE e estabelece diretrizes e normas para seu funcionamento.

Leia mais

COMANDO DA AERONÁUTICA CENTRO DE INVESTIGAÇÃO E PREVENÇÃO DE ACIDENTES AERONÁUTICOS

COMANDO DA AERONÁUTICA CENTRO DE INVESTIGAÇÃO E PREVENÇÃO DE ACIDENTES AERONÁUTICOS COMANDO DA AERONÁUTICA CENTRO DE INVESTIGAÇÃO E PREVENÇÃO DE ACIDENTES AERONÁUTICOS RELATÓRIO FINAL IG - 153/CENIPA/2014 OCORRÊNCIA: AERONAVE: MODELO: DATA: INCIDENTE GRAVE PR-GEB B300 01SET2014 ADVERTÊNCIA

Leia mais

5º SSV MAJ JOSÉ ANTONIO SAZDJIAN JÚNIOR. Instituto de Pesquisas e Ensaios em Voo. Departamento de Ciência e Tecnologia Aeroespacial

5º SSV MAJ JOSÉ ANTONIO SAZDJIAN JÚNIOR. Instituto de Pesquisas e Ensaios em Voo. Departamento de Ciência e Tecnologia Aeroespacial Departamento de Ciência e Tecnologia Aeroespacial Instituto de Pesquisas e Ensaios em Voo 5º SSV MAJ JOSÉ ANTONIO SAZDJIAN JÚNIOR - - - - - - - - - - Anais do 5º Simpósio de Segurança de Voo (SSV 2012)

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO Nº.66/2010 Altera a Resolução nº. 31/2006 do CONSEPE, que aprova o Projeto Pedagógico

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS MPR-030 Revisão 01

MANUAL DE PROCEDIMENTOS MPR-030 Revisão 01 Assunto: MANUAL DE PROCEDIMENTOS MPR-030 Revisão 01 GESTÃO DA QUALIDADE INTERNA Revogação: Esta revisão substitui a revisão 00, de 30 de abril de 2009. Objetivo: Este MPR tem por objetivo estabelecer e

Leia mais

MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA

MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA ENSINO PLANO DE UNIDADES DIDÁTICAS CURSO DE MANUTENÇÃO DE INSTRUMENTOS METEOROLÓGICOS (NAV-011) 2012 MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA DEPARTAMENTO

Leia mais

REGIMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA FACULDADE DE ENGENHARIA, ARQUITETURA E URBANISMO

REGIMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA FACULDADE DE ENGENHARIA, ARQUITETURA E URBANISMO REGIMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA FACULDADE DE ENGENHARIA, ARQUITETURA E URBANISMO Res. CONSUN nº 49/03, 10/12/03 Art. 1 o O presente documento objetiva fornecer as orientações

Leia mais

Fornecemos soluções aeronáuticas inteligentes, para que você e sua empresa possam operar sempre com excelência, segurança e rentabilidade.

Fornecemos soluções aeronáuticas inteligentes, para que você e sua empresa possam operar sempre com excelência, segurança e rentabilidade. Idealizada para ser a melhor em seu ramo de atuação, a SkyBound é formada por consultores com sólida formação prática e acadêmica, profundo conhecimento aeronáutico e grande experiência em suas respectivas

Leia mais

* Subcomissão Permanente CMACOPOLIM. Carlos Eduardo M.S. Pellegrino Brasília, 07 de junho de 2011

* Subcomissão Permanente CMACOPOLIM. Carlos Eduardo M.S. Pellegrino Brasília, 07 de junho de 2011 Apresentação ao Senado Federal Audiência Pública Conjunta das Comissões de * Serviços de Infraestrutura * Desenvolvimento Regional e Turismo * Assuntos Econômicos * Meio Mi Ambiente, Df Defesa do Consumidor

Leia mais

RESOLUÇÃO CA Nº 006/2006

RESOLUÇÃO CA Nº 006/2006 RESOLUÇÃO CA Nº 006/2006 Aprova o Projeto Pedagógico do Curso de Bacharelado em Ciências Contábeis, da Faculdade Independente do Nordeste, com alteração curricular adequada às Diretrizes Curriculares Nacionais.

Leia mais

TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO NSCA 7-14 REESTRUTURAÇÃO DA INFRAESTRUTURA DE PROVIMENTO DE ACESSO À INTERNET NO COMAER 2009 MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA

Leia mais

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES CAPÍTULO I DA CARACTERIZAÇÃO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES Artigo 1º - As Atividades Complementares constituem ações a serem desenvolvidas ao longo do curso, criando

Leia mais

COMANDO DA AERONÁUTICA CENTRO DE INVESTIGAÇÃO E PREVENÇÃO DE ACIDENTES AERONÁUTICOS RELATÓRIO FINAL A - Nº 109/CENIPA/2011

COMANDO DA AERONÁUTICA CENTRO DE INVESTIGAÇÃO E PREVENÇÃO DE ACIDENTES AERONÁUTICOS RELATÓRIO FINAL A - Nº 109/CENIPA/2011 COMANDO DA AERONÁUTICA CENTRO DE INVESTIGAÇÃO E PREVENÇÃO DE ACIDENTES AERONÁUTICOS RELATÓRIO FINAL A - Nº 109/CENIPA/2011 OCORRÊNCIA: AERONAVE: MODELO: ACIDENTE PT-EPT E 720C DATA: 21 JUL 2003 ADVERTÊNCIA

Leia mais

MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA PROTEÇÃO AO VOO ICA 63-16

MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA PROTEÇÃO AO VOO ICA 63-16 MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA PROTEÇÃO AO VOO ICA 63-16 PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE ACIDENTES AERONÁUTICOS DO DEPARTAMENTO DE CONTROLE DO ESPAÇO AÉREO PARA 2011 2011 MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO

Leia mais

PORTARIA CNMP-PRESI Nº 241, DE 15 DE AGOSTO DE 2013.

PORTARIA CNMP-PRESI Nº 241, DE 15 DE AGOSTO DE 2013. PORTARIA CNMP-PRESI Nº 241, DE 15 DE AGOSTO DE 2013. Aprova o Regimento Interno da Auditoria Interna do Conselho Nacional do Ministério Público. O PRESIDENTE DO CONSELHO NACIONAL DO MINISTÉRIO PÚBLICO,

Leia mais

MANUTENÇÃO EM AERONAVES: FATOR CONTRIBUINTE PARA A SEGURANÇA DE AVIAÇÃO

MANUTENÇÃO EM AERONAVES: FATOR CONTRIBUINTE PARA A SEGURANÇA DE AVIAÇÃO R. Conex. SIPAER, v. 1, n. 2, mar. 2010. 85 MANUTENÇÃO EM AERONAVES: FATOR CONTRIBUINTE PARA A SEGURANÇA DE AVIAÇÃO Artigo submetido em 29/01/2010. Aceito para publicação em 27/03/2010. João Alexandro

Leia mais

EDITAL no. 3/2009-2010

EDITAL no. 3/2009-2010 EDITAL no. 3/2009-2010 CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM SEGURANÇA DE AVIAÇÃO E AERONAVEGABILIDADE CONTINUADA, PE-Safety Oferta na cidade do Rio de Janeiro O Instituto Tecnológico de Aeronáutica (ITA), criado

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO EM GERENCIAMENTO DE ENFERMAGEM

PÓS-GRADUAÇÃO EM GERENCIAMENTO DE ENFERMAGEM PÓS-GRADUAÇÃO EM GERENCIAMENTO DE ENFERMAGEM Instituição Certificadora: FALC Amparo Legal: Resolução- CNE-CES 1-2001 Resolução- CNE-CES 1-2007 Carga Horária: 460h Período de Duração: 12 meses (01 ano)

Leia mais

APRESENTAÇÃO GERAL DATA HORÁRIO CH UNIDADE. 8h às 9h 1 Credenciamento. 9h às 10h30 1 Aula inaugural. 22/09/2014 Segunda-feira

APRESENTAÇÃO GERAL DATA HORÁRIO CH UNIDADE. 8h às 9h 1 Credenciamento. 9h às 10h30 1 Aula inaugural. 22/09/2014 Segunda-feira APRESENTAÇÃO GERAL 8h às 9h 1 Credenciamento 9h às 10h30 1 Aula inaugural 22/09/2014 Segunda-feira 10h30 às 11h 11h às 12h30 1 Informações gerais 12h às 14h do almoço TOTAL 3 1 MÓDULO 1: SISTEMA DE AVIAÇÃO

Leia mais

FUNDAÇÃO EDUCACIONAL COMUNITÁRIA FORMIGUENSE FUOM CENTRO UNIVERSITÁRIO DE FORMIGA UNIFOR-MG CONSELHO UNIVERSITÁRIO

FUNDAÇÃO EDUCACIONAL COMUNITÁRIA FORMIGUENSE FUOM CENTRO UNIVERSITÁRIO DE FORMIGA UNIFOR-MG CONSELHO UNIVERSITÁRIO FUNDAÇÃO EDUCACIONAL COMUNITÁRIA FORMIGUENSE FUOM CENTRO UNIVERSITÁRIO DE FORMIGA UNIFOR-MG CONSELHO UNIVERSITÁRIO REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DO CURSO DE ENGENHARIA AMBIENTAL E SANITÁRIA

Leia mais

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 205, DE 2014

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 205, DE 2014 PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 205, DE 2014 Dispõe sobre a regulamentação da profissão de sanitarista e técnico sanitarista, e dá outras providências. O CONGRESSO NACIONAL decreta: Capítulo I Disposição preliminar

Leia mais

COMANDO DA AERONÁUTICA CENTRO DE INVESTIGAÇÃO E PREVENÇÃO DE ACIDENTES AERONÁUTICOS RELATÓRIO FINAL A - Nº 115/CENIPA/2011

COMANDO DA AERONÁUTICA CENTRO DE INVESTIGAÇÃO E PREVENÇÃO DE ACIDENTES AERONÁUTICOS RELATÓRIO FINAL A - Nº 115/CENIPA/2011 COMANDO DA AERONÁUTICA CENTRO DE INVESTIGAÇÃO E PREVENÇÃO DE ACIDENTES AERONÁUTICOS RELATÓRIO FINAL A - Nº 115/CENIPA/2011 OCORRÊNCIA: AERONAVE: MODELO: ACIDENTE PT-IKM 210L DATA: 10 OUT 2003 ADVERTÊNCIA

Leia mais

A PRESIDENTA DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

A PRESIDENTA DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei: Dispõe sobre o ensino na Aeronáutica; e revoga o Decreto-Lei no 8.437, de 24 de dezembro de 1945, e as Leis nos 1.601, de 12 de maio de 1952, e 7.549, de 11 de dezembro de 1986. A PRESIDENTA DA REPÚBLICA

Leia mais

ANEXO II DA DEFINIÇÃO E OBJETIVO DO ESTÁGIO

ANEXO II DA DEFINIÇÃO E OBJETIVO DO ESTÁGIO ANEXO II NORMAS ESPECÍFICAS DO ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO E ESTÁGIO NÃO OBRIGATÓRIO DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO - MODALIDADE BACHARELADO DA DEFINIÇÃO E OBJETIVO DO ESTÁGIO Art.

Leia mais

2º Simpósio Internacional de Confiabilidade e Gestão de Segurança Operacional. 09 a 11 de novembro de 2010

2º Simpósio Internacional de Confiabilidade e Gestão de Segurança Operacional. 09 a 11 de novembro de 2010 2º Simpósio Internacional de Confiabilidade e Gestão de 17 a 19 de novembro de 2009 Segurança Operacional 09 a 11 de novembro de 2010 Segurança Acima de Tudo Ferramentas de Segurança Operacional Histórico

Leia mais

EDITAL Nº 048/2016 PROGEPE CADASTRO DE INSTRUTORES PARA CURSO DE CAPACITAÇÃO

EDITAL Nº 048/2016 PROGEPE CADASTRO DE INSTRUTORES PARA CURSO DE CAPACITAÇÃO EDITAL Nº 048/2016 PROGEPE CADASTRO DE INSTRUTORES PARA CURSO DE CAPACITAÇÃO O Pró-Reitor de Gestão de Pessoas da Universidade Federal da Integração Latino- Americana - UNILA, no uso das atribuições que

Leia mais

PROGRAMA DE SEGURANÇA OPERACIONAL ESPECÍFICO DA AGÊNCIA NACIONAL DE AVIAÇÃO CIVIL. PSOE-ANAC

PROGRAMA DE SEGURANÇA OPERACIONAL ESPECÍFICO DA AGÊNCIA NACIONAL DE AVIAÇÃO CIVIL. PSOE-ANAC PROGRAMA DE SEGURANÇA OPERACIONAL ESPECÍFICO DA AGÊNCIA NACIONAL DE AVIAÇÃO CIVIL. PSOE-ANAC PROGRAMA DE SEGURANÇA OPERACIONAL ESPECÍFICO DA AGÊNCIA NACIONAL DE AVIAÇÃO CIVIL - PSOE-ANAC. PREFÁCIO De acordo

Leia mais

FACULDADES DE ENSINO SUPERIOR DE LINHARES FACELI REGULAMENTO Nº 02, DE 04 DE NOVEMBRO DE 2013

FACULDADES DE ENSINO SUPERIOR DE LINHARES FACELI REGULAMENTO Nº 02, DE 04 DE NOVEMBRO DE 2013 FACULDADES DE ENSINO SUPERIOR DE LINHARES FACELI REGULAMENTO Nº 02, DE 04 DE NOVEMBRO DE 2013 Estabelece as diretrizes para a oferta de disciplinas em regime de dependência e adaptação no âmbito dos cursos

Leia mais

MINISTÉRIO DO COMÉRCIO

MINISTÉRIO DO COMÉRCIO MINISTÉRIO DO COMÉRCIO Regulamento Interno do Centro de Documentação e Informação CAPÍTULO I Natureza e Atribuições Artigo 1º (Natureza) O Centro de Documentação e Informação, abreviadamente designado

Leia mais

INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATURAIS RENOVÁVEIS INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº-1, DE 25 DE JANEIRO DE 2013

INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATURAIS RENOVÁVEIS INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº-1, DE 25 DE JANEIRO DE 2013 INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATURAIS RENOVÁVEIS INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº-1, DE 25 DE JANEIRO DE 2013 O PRESIDENTE SUBSTITUTO DO INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS

Leia mais

Considerando o art. 47 do Programa de Segurança Operacional Específico da ANAC (PSOE-

Considerando o art. 47 do Programa de Segurança Operacional Específico da ANAC (PSOE- PORTARIA ANAC N o 280/SIA, DE 30 DE JANEIRO DE 2013. Cria projeto piloto para monitoramento de Indicadores de Desempenho da Segurança Operacional em aeródromos. O SUPERINTENDENTE DE INFRAESTRUTURA AEROPORTUÁRIA

Leia mais

PORTARIA Nº 47 DE 20 DE AGOSTO DE 2007

PORTARIA Nº 47 DE 20 DE AGOSTO DE 2007 PORTARIA Nº 47 DE 20 DE AGOSTO DE 2007 O DIRETOR DO DEPARTAMENTO NACIONAL DE TRÂNSITO - DENATRAN, no uso das atribuições que lhe foram conferidas pelo art. 19, inciso I, da Lei nº 9.503, de 23 de setembro

Leia mais

CIAAN completa 61 anos

CIAAN completa 61 anos CIAAN completa 61 anos Por Guilherme Wiltgen Com o surgimento da nova Aviação Naval, na década de 50, seria necessário criar um curso para a formação de Aviadores Navais, para que pilotassem as aeronaves

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 10/15 COPLAD

RESOLUÇÃO Nº 10/15 COPLAD RESOLUÇÃO Nº 10/15 COPLAD Estabelece o Regimento e o Organograma da Unidade de Auditoria Interna da Universidade Federal do Paraná. O CONSELHO DE PLANEJAMENTO E ADMINISTRAÇÃO, da Universidade Federal do

Leia mais

RESOLUÇÃO CRCRJ Nº 439/2014

RESOLUÇÃO CRCRJ Nº 439/2014 RESOLUÇÃO CRCRJ Nº 439/2014 APROVA NOVO REGULAMENTO DE CURSOS DE ATUALIZAÇÃO PROFISSIONAL REALIZADOS PELO CRCRJ. O Plenário do CONSELHO REGIONAL DE CONTABILIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO (CRCRJ), no

Leia mais

BOLETIM DE PESSOAL E SERVIÇO - V.3 N º 18 Brasília - DF, 02 de maio de 2008. SUMÁRIO I - DIRETORIA S/A S/A S/A S/A S/A S/A S/A S/A S/A S/A S/A

BOLETIM DE PESSOAL E SERVIÇO - V.3 N º 18 Brasília - DF, 02 de maio de 2008. SUMÁRIO I - DIRETORIA S/A S/A S/A S/A S/A S/A S/A S/A S/A S/A S/A BOLETIM DE PESSOAL E SERVIÇO - V.3 N º 18 Brasília - DF, 02 de maio de 2008. SUMÁRIO I - DIRETORIA 1 II - ÓRGÃOS DE ASSISTÊNCIA DIRETA E IMEDIATA À DIRETORIA DA ANAC a) Gabinete b) Assessoria de Relações

Leia mais

HISTÓRICO DO SMS NO BRASIL. Evolução 1º SEMINÁRIO SOBRE SISTEMAS DE GERENCIAMENTO DA SEGURANÇA OPERACIONAL DA AVIAÇÃO CIVIL ANAC - 05/12/2008

HISTÓRICO DO SMS NO BRASIL. Evolução 1º SEMINÁRIO SOBRE SISTEMAS DE GERENCIAMENTO DA SEGURANÇA OPERACIONAL DA AVIAÇÃO CIVIL ANAC - 05/12/2008 HISTÓRICO DO SMS NO BRASIL Evolução 1º SEMINÁRIO SOBRE SISTEMAS DE GERENCIAMENTO DA SEGURANÇA OPERACIONAL DA AVIAÇÃO CIVIL ANAC - 05/12/2008 OBJETIVO Conhecer a evolução do pensamento sobre Gerenciamento

Leia mais

CURSO DE PEDAGOGIA REGULAMENTOS DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES

CURSO DE PEDAGOGIA REGULAMENTOS DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES CURSO DE PEDAGOGIA REGULAMENTOS DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES 1 ANEXO II REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES CAPÍTULO I DA CARACTERIZAÇÃO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES Artigo 1º - As Atividades Complementares

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 043 CONSUPER/2013

RESOLUÇÃO Nº 043 CONSUPER/2013 RESOLUÇÃO Nº 043 CONSUPER/2013 Dispõe sobre o regulamento das Atividades Curriculares Complementares no âmbito do Instituto Federal Catarinense. O Presidente do do Instituto Federal de Educação, Ciência

Leia mais

Dificuldades em Serviço Resumo de 2010

Dificuldades em Serviço Resumo de 2010 Dificuldades em Serviço Resumo de 2010 Rogério Possi Junior Engenheiro de Aeronavegabilidade Continuada Agência Nacional de Aviação Civil Palavras Chave: Aeronavegabilidade, Dificuldades em Serviço, Segurança

Leia mais

Estabelecimento de Ensino: Instituto Universitário Militar. Unidade Orgânica: Escola Naval

Estabelecimento de Ensino: Instituto Universitário Militar. Unidade Orgânica: Escola Naval Estabelecimento de Ensino: Instituto Universitário Militar Unidade Orgânica: Escola Naval Mestrado Integrado em Ciências Militares Navais, especialidade Publicado em Diário da República 2ª série, nº 32

Leia mais

Boletim do Exército Nº 28/2006. Brasília - DF, 14 de julho de 2006. MINISTÉRIO DA DEFESA EXÉRCITO BRASILEIRO SECRETARIA-GERAL DO EXÉRCITO

Boletim do Exército Nº 28/2006. Brasília - DF, 14 de julho de 2006. MINISTÉRIO DA DEFESA EXÉRCITO BRASILEIRO SECRETARIA-GERAL DO EXÉRCITO Boletim do Exército MINISTÉRIO DA DEFESA EXÉRCITO BRASILEIRO SECRETARIA-GERAL DO EXÉRCITO Nº 28/2006 Brasília - DF, 14 de julho de 2006. BOLETIM DO EXÉRCITO N º 28/2006 Brasília - DF, 14 de julho de 2006.

Leia mais

FUNDAÇÃO EDUCACIONAL COMUNITÁRIA FORMIGUENSE FUOM CENTRO UNIVERSITÁRIO DE FORMIGA UNIFOR-MG CONSELHO UNIVERSITÁRIO

FUNDAÇÃO EDUCACIONAL COMUNITÁRIA FORMIGUENSE FUOM CENTRO UNIVERSITÁRIO DE FORMIGA UNIFOR-MG CONSELHO UNIVERSITÁRIO FUNDAÇÃO EDUCACIONAL COMUNITÁRIA FORMIGUENSE FUOM CENTRO UNIVERSITÁRIO DE FORMIGA UNIFOR-MG CONSELHO UNIVERSITÁRIO REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DO CURSO DE BIOMEDICINA (Ato de Aprovação: Resolução

Leia mais

EDITAL DE SELEÇÃO DOCENTE 2015/1 EDITAL PARA SELEÇÃO DOCENTE PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA FACULDADE MURIALDO - PRORROGADO Nº.

EDITAL DE SELEÇÃO DOCENTE 2015/1 EDITAL PARA SELEÇÃO DOCENTE PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA FACULDADE MURIALDO - PRORROGADO Nº. EDITAL PARA SELEÇÃO DOCENTE PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA FACULDADE MURIALDO - PRORROGADO Nº. 1/2015 A FACULDADE MURIALDO, localizada em Caxias do Sul, torna pública a abertura do processo seletivo de

Leia mais

Segurança Operacional no Brasil

Segurança Operacional no Brasil Rio de Janeiro, 28 de abril de 2014 Segurança Operacional no Brasil O futuro já chegou Carlos Eduardo Pellegrino Diretor de Operações de Aeronaves Estrutura Governamental Presidência CONAC Conselho Nacional

Leia mais

FACULDADE BARÃO DE PIRATININGA

FACULDADE BARÃO DE PIRATININGA REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES CAPÍTULO I DA CARACTERIZAÇÃO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES Artigo 1º - As Atividades Complementares constituem ações a serem desenvolvidas ao longo do curso, criando

Leia mais

Curso de Pós-Graduação MBA em Gestão, Auditoria e Perícia Ambiental

Curso de Pós-Graduação MBA em Gestão, Auditoria e Perícia Ambiental Curso de Pós-Graduação MBA em Gestão, Auditoria e Perícia Ambiental I - Objetivos: Formar profissionais habilitados para desempenhar as funções de Gestão, Auditoria e Perícia Ambiental. II - Público Alvo:

Leia mais

2º Simpósio Internacional de Confiabilidade e Gestão de Segurança Operacional. 09 a 11 de novembro de 2010

2º Simpósio Internacional de Confiabilidade e Gestão de Segurança Operacional. 09 a 11 de novembro de 2010 2º Simpósio Internacional de Confiabilidade e Gestão de 17 a 19 de novembro de 2009 Segurança Operacional 09 a 11 de novembro de 2010 Norma NBR de Diretrizes para a Integração do SGSO com outros Sistemas

Leia mais

Universidade do Sul de Santa Catarina. Sistema de Gerenciamento da Segurança Operacional - SGSO

Universidade do Sul de Santa Catarina. Sistema de Gerenciamento da Segurança Operacional - SGSO Universidade do Sul de Santa Catarina Sistema de Gerenciamento da Segurança Operacional - SGSO Universidade do Sul de Santa Catarina Sistema de Gerenciamento da Segurança Operacional - SGSO UnisulVirtual

Leia mais

MINISTÉRIO DA DEFESA GABINETE DO COMANDANTE DA AERONÁUTICA COMANDO DA AERONÁUTICA

MINISTÉRIO DA DEFESA GABINETE DO COMANDANTE DA AERONÁUTICA COMANDO DA AERONÁUTICA MINISTÉRIO DA DEFESA GABINETE DO COMANDANTE DA AERONÁUTICA COMANDO DA AERONÁUTICA PORTARIA N o 306/GC5, DE 25 DE MARÇO DE 2003. Aprova a Instrução sobre a cobrança das Tarifas Aeroportuárias de Embarque,

Leia mais

COMANDO DA AERONÁUTICA CENTRO DE INVESTIGAÇÃO E PREVENÇÃO DE ACIDENTES AERONÁUTICOS

COMANDO DA AERONÁUTICA CENTRO DE INVESTIGAÇÃO E PREVENÇÃO DE ACIDENTES AERONÁUTICOS COMANDO DA AERONÁUTICA CENTRO DE INVESTIGAÇÃO E PREVENÇÃO DE ACIDENTES AERONÁUTICOS RELATÓRIO FINAL A - 173/CENIPA/2013 OCORRÊNCIA: AERONAVE: MODELO: DATA: ACIDENTE PT-ANF C-170A 22SET2012 ADVERTÊNCIA

Leia mais

AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO

AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO INTERESSADO: Conselho Nacional de Educação/Câmara de Educação UF: DF Superior ASSUNTO: Diretrizes Curriculares Nacionais para

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE TURISMO

REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE TURISMO REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE TURISMO CAPÍTULO I - OBJETIVOS Art. 1º. O presente regulamento tem por finalidade normatizar as atividades de Estágio Supervisionado desenvolvidas no da

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO INTERESSADO: Conselho Nacional de Educação/Câmara de Educação UF: DF Superior ASSUNTO: Aprovação das Diretrizes Curriculares Nacionais para o curso

Leia mais

RESOLUÇÃO NORMATIVA N.º 17/CUn DE 10 DE ABRIL DE 2012. Regulamenta o Programa de Monitoria da Universidade Federal de Santa Catarina

RESOLUÇÃO NORMATIVA N.º 17/CUn DE 10 DE ABRIL DE 2012. Regulamenta o Programa de Monitoria da Universidade Federal de Santa Catarina RESOLUÇÃO NORMATIVA N.º 17/CUn DE 10 DE ABRIL DE 2012 Regulamenta o Programa de Monitoria da Universidade Federal de Santa Catarina O PRESIDENTE DO CONSELHO UNIVERSITÁRIO da Universidade Federal de Santa

Leia mais

MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA TELECOMUNICAÇÕES ICA 102-7 CERTIFICADO E HABILITAÇÃO DO OPERADOR DE TELECOMUNICAÇÕES

MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA TELECOMUNICAÇÕES ICA 102-7 CERTIFICADO E HABILITAÇÃO DO OPERADOR DE TELECOMUNICAÇÕES MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA TELECOMUNICAÇÕES ICA 102-7 CERTIFICADO E HABILITAÇÃO DO OPERADOR DE TELECOMUNICAÇÕES 2013 MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA DEPARTAMENTO DE CONTROLE

Leia mais

A POLÍCIA MILITAR E A PROTEÇÃO DE AUTORIDADES DURANTE A COPA DO MUNDO. Fábio Sérgio do Amaral 1 e Valmor Saraiva Racorti 2. Ementa

A POLÍCIA MILITAR E A PROTEÇÃO DE AUTORIDADES DURANTE A COPA DO MUNDO. Fábio Sérgio do Amaral 1 e Valmor Saraiva Racorti 2. Ementa A POLÍCIA MILITAR E A PROTEÇÃO DE AUTORIDADES DURANTE A COPA DO MUNDO Fábio Sérgio do Amaral 1 e Valmor Saraiva Racorti 2 Ementa Copa das Confederações e Copa do Mundo FIFA 2014. Segurança pública. Análise

Leia mais

REGULAMENTO DE CURSO PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC GOIÁS

REGULAMENTO DE CURSO PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC GOIÁS REGULAMENTO DE CURSO PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC GOIÁS JUNHO/2011 CAPÍTULO I Das Disposições Preliminares Art. 1º. Os cursos de Pós Graduação Lato Sensu da Faculdade de Tecnologia

Leia mais

PROPOSTA DE SUBSTITUTIVO DA FENADADOS AO PROJETO DE LEI No. 815/96 TÍTULO I

PROPOSTA DE SUBSTITUTIVO DA FENADADOS AO PROJETO DE LEI No. 815/96 TÍTULO I ... CÂMARA DOS DEPUTADOS PROPOSTA DE SUBSTITUTIVO DA FENADADOS AO PROJETO DE LEI No. 815/96 (Do Sr. Sílvio Abreu) Dispõe sobre a regulamentação do exercício das atividades profissionais de Informática

Leia mais

PORTARIA ANAC Nº 2457/SPO, DE 21 DE OUTUBRO DE 2014.

PORTARIA ANAC Nº 2457/SPO, DE 21 DE OUTUBRO DE 2014. PORTARIA ANAC Nº 2457/SPO, DE 21 DE OUTUBRO DE 2014. Define e torna pública a qualificação dos instrutores dos cursos de PPA, PPH, PCA, PCH, PLA-A, PLA-H, INVA, IFR, PAGA, PAGH, CMV, -CEL, -GMP, -AVI e

Leia mais

Art. 2º. Fazer publicar esta Portaria em Boletim de Serviço, revogando-se a Portaria 577/05-R, de 05 de dezembro de 2005.

Art. 2º. Fazer publicar esta Portaria em Boletim de Serviço, revogando-se a Portaria 577/05-R, de 05 de dezembro de 2005. PORTARIA 328/R-06 DE 22 DE JUNHO DE 2006. O REITOR DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE, no uso da competência que lhe foi atribuída pelo artigo 39, inciso XX, do Regimento Geral da UFRN; CONSIDERANDO

Leia mais

REGULAMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO (lato sensu) CAPITULO I DA CONSTITUIÇÃO, NATUREZA, FINALIDADE E OBJETIVOS DOS CURSOS

REGULAMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO (lato sensu) CAPITULO I DA CONSTITUIÇÃO, NATUREZA, FINALIDADE E OBJETIVOS DOS CURSOS MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA FARROUPILHA R E I T O R I A Rua Esmeralda, 430-97110-060 Faixa Nova Camobi Santa

Leia mais

Coordenação de Segurança e Saúde da fase de construção. José M. Cardoso Teixeira 1

Coordenação de Segurança e Saúde da fase de construção. José M. Cardoso Teixeira 1 Coordenação de Segurança e Saúde da fase de construção José M. Cardoso Teixeira 1 Universidade do Minho, Departamento de Engenharia Civil Azurém, P 4800-058 Guimarães, Portugal RESUMO De uma forma geral,

Leia mais

Carga Horária Total: 80 horas

Carga Horária Total: 80 horas COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL E PRODUÇÃO DE TEXTOS Norma linguística padrão: padrões de comunicação e níveis de linguagem. Comunicação organizacional como estratégica essencial no âmbito empresarial. Instrumentos

Leia mais

Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO EMENTA

Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO EMENTA Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO EIXO TECNOLÓGICO: Controle e Processos Industriais CURSO: Técnico em Eletromecânica FORMA/GRAU:( )integrado ( X )subsequente ( ) concomitante ( ) bacharelado ( ) licenciatura

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DA BAHIA UNEB CONSELHO UNIVERSITÁRIO CONSU

UNIVERSIDADE DO ESTADO DA BAHIA UNEB CONSELHO UNIVERSITÁRIO CONSU UNIVERSIDADE DO ESTADO DA BAHIA UNEB CONSELHO UNIVERSITÁRIO CONSU RESOLUÇÃO N.º 507/2007 Publicada no D.O.E. de 08/09-12-2007, pág. 24 Altera a Resolução Nº. 634/04 CONSEPE, que aprova o Regulamento de

Leia mais

CIRCULAR DE INFORMAÇÃO

CIRCULAR DE INFORMAÇÃO AGÊNCIA NACIONAL DE AVIAÇÃO CIVIL - BRASIL GERÊNCIA GERAL DE CERTIFICAÇÃO DE PRODUTOS AERONÁUTICOS CIRCULAR DE INFORMAÇÃO Assunto: CONTROLE DE FORNECEDOR PELO FABRICANTE AERONÁUTICO 1 - OBJETIVO Data:

Leia mais

REGULAMENTO GERAL DE ESTÁGIOS DO CENTRO UNIVERSITÁRIO DO NORTE PAULISTA - UNORP

REGULAMENTO GERAL DE ESTÁGIOS DO CENTRO UNIVERSITÁRIO DO NORTE PAULISTA - UNORP REGULAMENTO GERAL DE ESTÁGIOS DO CENTRO UNIVERSITÁRIO DO NORTE PAULISTA - UNORP CAPÍTULO I DOS FUNDAMENTOS LEGAIS Artigo 1º- O presente regulamento de estágios do Centro Universitário do Norte Paulista

Leia mais

MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA DEPARTAMENTO DE AVIAÇÃO CIVIL

MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA DEPARTAMENTO DE AVIAÇÃO CIVIL MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA DEPARTAMENTO DE AVIAÇÃO CIVIL PORTARIA Nº 631/DGAC, DE 28 DE ABRIL DE 2003 Institui a sistemática para cobrança das Tarifas Aeroportuárias pelo uso dos serviços

Leia mais