Quadro de acompanhamento e avaliação da política agrícola comum Agricultura e Desenvolvimento

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Quadro de acompanhamento e avaliação da política agrícola comum 2014-2020. Agricultura e Desenvolvimento"

Transcrição

1 Quadro de acompanhamento e avaliação da política agrícola comum Agricultura e Desenvolvimento Rural

2 Europe Direct é um serviço que responde às suas perguntas sobre a União Europeia Linha telefónica gratuita (*): (*) As informações prestadas são gratuitas, tal como a maior parte das chamadas, embora alguns operadores, cabinas telefónicas ou hotéis as possam cobrar. Estão disponíveis mais informações sobre a União Europeia na rede Internet, via servidor Europa (http://europa.eu) Luxemburgo: Serviço das Publicações da União Europeia, 2015 ISBN (online version) ISBN (print version) doi: /37542 (online version) doi: / (print version) União Europeia, 2015 Reprodução autorizada mediante indicação da fonte. Fotos Capítulos 1, 2, 3, 4: istock-thinkstock; capítulo 5: Thinkstock Printed in Belgium Impresso em papel branqueado sem cloro elementar (ECF)

3 Índice 1. Introdução Uma nova política agrícola comum para Por que motivo são necessários o acompanhamento e a avaliação? Abordagem do acompanhamento e avaliação Realização do acompanhamento e da avaliação Resultados do quadro de acompanhamento e avaliação para Por último

4 1 Introdução Uma nova política agrícola comum para A política agrícola comum (PAC) é, há mais de 50 anos, a política comum mais importante da União Europeia (UE). Os principais objetivos da PAC estabelecidos no Tratado de Roma permaneceram relevantes ao longo dos anos. No entanto, a PAC propriamente dita evoluiu e a trajetória de reforma introduzida no início da década de 90 conduziu a uma nova estrutura política que reflete a evolução das circunstâncias socioeconómicas, ambientais e políticas que afetam a agricultura da UE, bem como as mudanças ocorridas nos setores agrícola, alimentar e florestal e nas zonas rurais. Em 2013, a PAC foi alvo de mais uma importante reforma. Embora essa reforma tivesse por objetivo principal reagir aos novos desafios com que o setor agrícola se defronta, a PAC foi também adaptada para contribuir melhor para os objetivos da estratégia «Europa 2020», ao estimular o crescimento inteligente, sustentável e inclusivo ( 1 ). ( 1 ) A estratégia «Europa 2020» é a estratégia de crescimento da UE para a próxima década. Num mundo em evolução, a economia da UE tornar se á uma economia inteligente, sustentável e inclusiva. Estas três prioridades que se reforçam mutuamente deverão contribuir para que a UE e os Estados Membros atinjam elevados níveis de emprego, de produtividade e de coesão social. 2

5 Neste contexto, foram estabelecidos para a PAC ( 2 ) três objetivos principais e os instrumentos de que a PAC dispunha tiveram de ser adaptados para atingir estes objetivos políticos a longo prazo: produção alimentar viável: contribuir para a segurança alimentar através do reforço da competitividade da agricultura da UE, proporcionando simultaneamente os meios para responder aos desafios enfrentados pelo setor em termos de perturbações do mercado e do funcionamento da cadeia alimentar; gestão sustentável dos recursos naturais e ações climáticas: assegurar a longo prazo a sustentabilidade e o potencial da agricultura da UE, protegendo os recursos naturais de que a produção agrícola depende; desenvolvimento territorial equilibrado: contribuir para o desenvolvimento socioeconómico das zonas rurais, fomentando simultaneamente as condições adequadas para salvaguardar a diversidade estrutural em toda a UE. ( 2 ) Artigo 110.º, n.º 2, do Regulamento (UE) n.º 1306/2013 do Parlamento Europeu e do Conselho, de 17 de dezembro de 2013, relativo ao financiamento, à gestão e ao acompanhamento da política agrícola comum e que revoga os Regulamentos (CEE) n.º 352/78, (CE) n.º 165/94, (CE) n.º 2799/98, (CE) n.º 814/2000, (CE) n.º 1290/2005 e (CE) n.º 485/2008 do Conselho (JO L 347 de ). 3

6 Embora tenha vindo a diminuir constantemente ao longo dos anos, a parte da PAC no orçamento da UE é elevada: 37,7% das despesas totais da UE planeadas para , gastos de três formas diferentes: 1) Apoio ao rendimento dos agricultores e assistência para o respeito de práticas agrícolas sustentáveis: os agricultores recebem pagamentos diretos desde que respeitem normas estritas em matéria de segurança dos alimentos, proteção do ambiente e saúde e bem estar dos animais. Estes pagamentos representam aproximadamente 70% do orçamento da PAC. A reforma de 2013 prevê que 30% dos pagamentos diretos dependam do cumprimento pelos agricultores europeus de práticas agrícolas sustentáveis, benéficas para a qualidade dos solos, a biodiversidade e o ambiente em geral, como, por exemplo, a diversificação das culturas, a manutenção de prados permanentes ou a preservação de superfícies ecológicas nas explorações. 2) Medidas de apoio ao mercado: sob a forma de rede de segurança, estas medidas são sobretudo aplicadas quando condições adversas tendem a desestabilizar os mercados. Os pagamentos para estas medidas representam aproximadamente 5% do orçamento da PAC. 4

7 As medidas de apoio ao rendimento e ao mercado constituem o chamado «primeiro pilar» da PAC. 3) Programas de Desenvolvimento Rural (PDR): estas medidas baseiam se numa análise aprofundada da zona de programação e numa seleção de medidas destinadas a ajudar os agricultores a modernizar as suas explorações e a tornarem se mais competitivos, a proteger o ambiente e a contribuir para a diversificação das atividades agrícolas e não agrícolas e para a vitalidade das comunidades rurais. Estes programas formam o «segundo pilar» da PAC. São plurianuais e parcialmente financiados pelos Estados Membros, representando quase 25% do orçamento da PAC. Enquanto parte da PAC, foi estabelecido um novo quadro de acompanhamento e avaliação. Este quadro proporcionará às administrações, bem como a todos os interessados na agricultura e no desenvolvimento rural, informações essenciais sobre a aplicação da PAC, seus resultados e impactos. O quadro quantificará as ações nos diferentes Estados Membros, descreverá os seus resultados, assinalará quais são os instrumentos mais eficientes e verificará em que medida os objetivos foram alcançados. 5

8 2 Por que motivo são necessários o acompanhamento e a avaliação? Durante o nosso mandato, o comissário da Agricultura e Desenvolvimento Rural centrar se á no seguinte: «Acompanhamento regular dos benefícios da ação a nível da UE, análise da eficácia dos programas de despesas e informação sobre o desempenho dos programas e os resultados alcançados». Jean-Claude Juncker Presidente da Comissão Europeia Os resultados do acompanhamento e avaliação fornecem informações valiosas que podem ser utilizadas para diferentes fins. Estes resultados: fornecem uma base analítica consistente para a definição de políticas futuras, proporcionando uma compreensão sobre a eficácia das medidas e intervenções e o alcance dos objetivos fixados, apoiando assim a evolução das políticas; ajudam a estabelecer objetivos das políticas e programas e são, em seguida, utilizados para medir o grau de alcance destes objetivos a longo prazo; contribuem para a responsabilização pelas despesas públicas, desempenhando assim um importante papel ao dar resposta às preocupações e questões dos cidadãos sobre a utilização do dinheiro dos contribuintes. 6

9 Em que consistem o acompanhamento e a avaliação? O acompanhamento e a avaliação são exercícios diferentes mas complementares. O acompanhamento é uma tarefa contínua de análise das informações e de inventário sistemático dos recursos orçamentais e das atividades financiadas. Gera dados quantitativos e proporciona informações sobre a aplicação de instrumentos e medidas, facilitando a correção de desvios em relação aos objetivos operacionais e específicos. O acompanhamento contribui deste modo para que sejam prestadas contas sobre as despesas públicas e fornece informações valiosas sobre a gestão dos programas. A avaliação, por outro lado, implica um julgamento das intervenções em função dos resultados, impactos e necessidades que pretendem atingir. É uma ferramenta sistemática que proporciona informações para a tomada de decisões e melhora a eficácia, utilidade e eficiência. A avaliação contribui para a transparência, a aprendizagem e a responsabilização. Permite assim tirar lições para o futuro sobre o que funciona, em que circunstâncias e porquê (ou por que não). Objetivo da realização de avaliações Contribuir para a definição das intervenções Prestar assistência na atribuição eficiente dos recursos Melhorar a qualidade das intervenções Comunicar os resultados das intervenções Desempenho Responsabilização Eficiência Transparência 7

10 Objetivo das avaliações Fornecer conclusões úteis e atempadas e fazer recomendações políticas Um exemplo Avaliação do regime europeu de distribuição de fruta nas escolas De acordo com a avaliação, o regime de distribuição de fruta nas escolas constitui um instrumento adequado para aumentar o consumo de fruta e produtos hortícolas pelas crianças. A análise dos fatores potenciais de sucesso do regime mostrou que uma grande diversidade de frutos, a elevada frequência da oferta de fruta e produtos hortícolas e a distribuição gratuita contribuíram para o impacto positivo. Pode concluir se que o regime tem um papel extremamente importante no aumento do consumo de fruta e produtos hortícolas pelas crianças a curto prazo, contribuindo a longo prazo para a realização de escolhas utricionais mais saudáveis. Recomendações principais Elevada continuidade na distribuição ( 35 semanas letivas), pois a análise da avaliação revela que o impacto na melhoria dos hábitos alimentares dos mais jovens é mais duradouro se os períodos de participação forem mais longos. Uma frequência de pelo menos três vezes por semana para a oferta de fruta e produtos hortícolas parece otimizar a eficácia do regime. A oferta deve incluir uma escolha de pelo menos 5 a 10 frutos e produtos hortícolas diferentes, a fim de manter o interesse dos alunos. Objetivo do acompanhamento Demonstrar os progressos na aplicação da política A Comissão acompanha hoje em dia a evolução dos mercados agrícolas, o desenvolvimento rural e a utilização dos fundos da PAC através de diversas fontes de dados e instrumentos como: o sistema comum de acompanhamento e avaliação para o desenvolvimento rural; a base de dados CATS («Clearance Audit Trail System»); as comunicações e relatórios enviados pelos Estados Membros à Comissão. 8

11 O que é novo no quadro de acompanhamento e avaliação da PAC ? Pela primeira vez, o quadro de acompanhamento e avaliação abrangerá toda a PAC (ambos os pilares). Foram efetuadas algumas alterações a este quadro em termos de simplificação e coerência, sem deixar de manter, no entanto, uma cobertura aprofundada das intervenções políticas. O quadro de acompanhamento e avaliação para a PAC é estabelecido por regulamentos da UE a diferentes níveis: O Regulamento Horizontal [Regulamento (UE) n.º 1306/2013], artigo 110.º, estabelece um quadro comum de acompanhamento e avaliação destinado a avaliar o desempenho da PAC. Abrange todos os instrumentos relacionados com o acompanhamento e avaliação das medidas da PAC, em especial os pagamentos diretos, as medidas de mercado e as medidas de desenvolvimento rural. 9

12 Mais especificamente para o segundo pilar (desenvolvimento rural), o sistema de acompanhamento e avaliação é estabelecido pelos seguintes atos: o Regulamento relativo às Disposições Comuns [Regulamento (UE) n.º 1303/2013] ( 3 ), que define os elementos comuns de acompanhamento e avaliação para os Fundos Europeus Estruturais e de Investimento, e o Regulamento relativo ao Desenvolvimento Rural [Regulamento (UE) n.º 1305/2013] ( 4 ), que trata as especificidades dos programas de desenvolvimento rural. ( 3 ) Regulamento (UE) n.º 1303/2013 do Parlamento Europeu e do Conselho, de 17 de dezembro de 2013, que estabelece disposições comuns relativas ao Fundo Europeu de Desenvolvimento Regional, ao Fundo Social Europeu, ao Fundo de Coesão, ao Fundo Europeu Agrícola de Desenvolvimento Rural e ao Fundo Europeu dos Assuntos Marítimos e das Pescas, que estabelece disposições gerais relativas ao Fundo Europeu de Desenvolvimento Regional, ao Fundo Social Europeu, ao Fundo de Coesão e ao Fundo Europeu dos Assuntos Marítimos e das Pescas, e que revoga o Regulamento (CE) n.º 1083/2006 do Conselho (JO L 347 de ). ( 4 ) Regulamento (UE) n.º 1305/2013 do Parlamento Europeu e do Conselho, de 17 de dezembro de 2013, relativo ao apoio ao desenvolvimento rural pelo Fundo Europeu Agrícola de Desenvolvimento Rural (Feader) e que revoga o Regulamento (CE) n.º 1698/2005 do Conselho (JO L 347 de ). 10

13 Em geral, esses regulamentos devem ser tidos em conta conjuntamente, dado que as respetivas disposições se complementam mutuamente ( 5 ). O desempenho das medidas da PAC será avaliado em relação aos três objetivos gerais desta política (produção alimentar viável, gestão sustentável dos recursos naturais e ações climáticas e desenvolvimento territorial equilibrado) e, no caso do segundo pilar, em relação aos objetivos temáticos da estratégia «Europa 2020» de crescimento inteligente, sustentável e inclusivo. ( 5 ) Para mais especificações, consultar o Regulamento de Execução (UE) n.º 834/2014 da Comissão, de 22 de julho de 2014, que estabelece regras para a aplicação do quadro comum de acompanhamento e avaliação da política agrícola comum (JO L 230 de ), e o Regulamento de Execução (UE) n.º 808/2014 da Comissão, de 17 de julho de 2014, que estabelece normas de execução do Regulamento (UE) n.º 1305/2013 do Parlamento Europeu e do Conselho, relativo ao apoio ao desenvolvimento rural pelo Fundo Europeu Agrícola de Desenvolvimento Rural (Feader) (JO L 227 de ). 11

14 3 Abordagem do acompanhamento e avaliação A fim de permitir um acompanhamento e avaliação adequados, os objetivos da política devem estar ligados às medidas previstas. Neste contexto, os objetivos gerais da PAC são discriminados segundo objetivos específicos, dos quais alguns são comuns ao primeiro pilar (apoio ao rendimento e apoio ao mercado) e ao segundo pilar (desenvolvimento rural), enquanto outros estão ligados quer ao primeiro quer ao segundo pilar. A figura 1 representa a forma como os objetivos gerais estão relacionados com os objetivos específicos. Os instrumentos do primeiro pilar contribuem para alcançar os objetivos específicos e, por último, os objetivos gerais da PAC. Os pagamentos diretos apoiam e estabilizam o rendimento dos agricultores, melhoram a competitividade e contribuem para o fornecimento de bens públicos ambientais e para a atenuação das alterações climáticas e a adaptação às mesmas. As medidas de mercado proporcionam uma rede de segurança em tempos de crise ou perturbações do mercado, mantendo, assim, a estabilidade do mercado e contribuindo para satisfazer as expectativas dos consumidores. Para o segundo pilar há seis prioridades no âmbito das quais as medidas são programadas para contribuir para os objetivos da política. Existe uma prioridade geral, que consiste na promoção da transferência de conhecimentos e inovação, e três objetivos transversais (inovação, ambiente e atenuação das alterações climáticas e adaptação às mesmas) relevantes para todas as outras cinco prioridades. 12

15 FIGURA 1: Objetivos gerais e específicos da PAC Objetivos gerais da PAC Produção alimentar viável Gestão sustentável dos recursos naturais e ações climáticas Desenvolvimento territorial equilibrado Objetivos específicos da PAC Manter a estabilidade do mercado Responder às expetativas dos consumidores Aumentar o rend. das expl. Aumentar a competitividade da agricultura Promover o desenvolvimento socioeconómico das zonas rurais Objetivos temáticos do QEC (*) Manter uma agricultura diversa em toda a UE Promover a inovação Fornecer bens públicos ambientais Obj. específicos do 1.º pilar Promover a atenuação das alt. climáticas e adaptação às mesmas Prioridades do 2.º pilar (*) QEC: Quadro Estratégico Comum, incluindo o Fundo Europeu de Desenvolvimento Regional, o Fundo Social Europeu, o Fundo de Coesão, o Fundo Europeu Agrícola de Desenvolvimento Rural e o Fundo Europeu dos Assuntos Marítimos e das Pescas. Indicadores Em geral, um indicador é uma ferramenta para medir o alcance de um objetivo, por exemplo, a mobilização de um recurso, o alcance de um resultado ou a obtenção de um efeito, ou para descrever o contexto (económico, social ou ambiental). As informações fornecidas por um indicador constituem um dado utilizado para medir factos ou opiniões. Os indicadores são agregados de dados que permitem a quantificação (e a simplificação) de fenómenos. 13

16 FIGURA 2: Hierarquia dos indicadores Indicadores do contexto Objetivos gerais da PAC Indicadores do impacto Situação & tendências Objetivos específicos da PAC (Objetivos específicos do 1.º pilar, prioridades do 2.º pilar) Instrumentos do 1.º pilar & medidas do 2.º pilar Indicadores dos resultados Indicadores do produto 14

17 Existem três níveis diferentes de indicadores: os indicadores do produto mostram o «produto» direto da medida (por exemplo, 50 investimentos na poupança de energia financiados através de uma medida); os indicadores dos resultados mostram o efeito direto e imediato da medida/programa (por exemplo, 500 postos de trabalho criados em resultado da medida de investimento). Os indicadores do impacto vão para além do efeito direto e imediato, tendo uma perspetiva de longo prazo (por exemplo, a taxa de desemprego rural). De um modo geral, os indicadores do impacto estão ligados aos objetivos gerais da PAC, os indicadores dos resultados aos objetivos específicos e os indicadores do produto às intervenções individuais. Por último, existe um conjunto de indicadores do contexto, que fornecem informações sobre as tendências gerais da economia, o estado do ambiente, indicadores gerais do clima, estatísticas agrícolas e rurais, etc. Conjuntamente, os indicadores podem ser considerados como o «painel de bordo» da política da PAC, proporcionando um conjunto de informações essenciais. Mas, da mesma forma que o conta quilómetros do nosso automóvel não indica se 50 km/h é ou não uma velocidade excessiva, os valores dos indicadores da PAC devem ser apreciados no seu contexto. Por outras palavras, os indicadores são o ponto de partida para que os avaliadores façam uma apreciação da PAC. Com este sistema, a Comissão, juntamente com os Estados Membros, poderá medir o alcance da PAC e avaliar se está bem concebida. Os Estados Membros e a Comissão reunirão regularmente para procederem ao intercâmbio de experiências e boas práticas, a nível do primeiro e do segundo pilares. 15

18 4 Realização do acompanhamento e da avaliação Quem participa efetivamente no acompanhamento e avaliação? O quadro de acompanhamento e avaliação conta com diferentes intervenientes, designadamente os Estados Membros, as autoridades de gestão e os organismos pagadores (agindo pelos/em nome dos Estados Membros) e os serviços da Comissão a que incumbem várias responsabilidades. As avaliações das medidas do primeiro pilar são efetuadas por contratantes externos independentes sob a responsabilidade dos serviços da Comissão, com base num plano de avaliação plurianual. O contratante externo independente efetua a avaliação segundo as especificações do seu contrato, sob a supervisão de um grupo diretor, num período acordado, fixado contratualmente. Em relação ao segundo pilar, as avaliações são efetuadas pelos/em nome dos Estados Membros, sendo a síntese dessas avaliações a nível da UE efetuada sob a responsabilidade dos serviços da Comissão. 16

19 Esta estrutura organizativa corresponde essencialmente à prática do período , com exceção da novidade da medição do impacto da PAC no seu conjunto (isto é, ambos os pilares combinados para fornecerem uma imagem clara). Para organizar futuras avaliações da forma mais eficiente possível, optou se por uma estrutura temática, de acordo com os objetivos gerais da PAC. A PAC é aplicada segundo um sistema de gestão partilhada. Isto significa que as informações utilizadas são essencialmente provenientes dos Estados Membros. Na conceção do quadro de acompanhamento e avaliação, foi dada especial atenção aos aspetos da proporcionalidade, simplificação e redução da carga administrativa. Em consequência, o número total de indicadores foi limitado, tendo sido dada ênfase ao uso de indicadores baseados, na medida do possível, em fontes de dados existentes, bem estabelecidas, bem como na reutilização das informações já fornecidas pelos Estados Membros. A utilização destas bases de dados bem estabelecidas contribui também para a fiabilidade dos indicadores. 17

20 Recolha de informações e fontes de dados Enquanto parte do quadro de acompanhamento e avaliação da PAC , foi definido um conjunto de indicadores para apoiar a avaliação do desempenho da PAC. Existe uma ampla gama de fontes de dados utilizadas para o quadro global de acompanhamento e avaliação da PAC, tais como as comunicações e notificações dos Estados Membros, as estatísticas oficiais do Eurostat, os dados recolhidos pela Agência Europeia do Ambiente, os dados do Banco Mundial, etc. Para cada um dos indicadores utilizados, foi elaborada uma folha de informações pormenorizadas que explica a definição exata dos dados, a fonte dos dados, o nível de pormenor geográfico, a frequência e prazo de comunicação, etc., a fim de garantir que todos os fornecedores de dados trabalhem na mesma base e que os utilizadores dos dados compreendam o que estes representam. 18

21 5 Resultados do quadro de acompanhamento e avaliação para Relatórios A fim de acompanhar a eficácia da política em relação aos seus objetivos, garantindo a responsabilização e a transparência ao longo do processo, a Comissão apresentará ao Parlamento Europeu e ao Conselho o relatório previsto no artigo 318.º do Tratado sobre o Funcionamento da União Europeia. Artigo 318.º do Tratado sobre o Funcionamento da União Europeia «A Comissão apresenta também ao Parlamento Europeu e ao Conselho um relatório de avaliação das finanças da União baseado nos resultados obtidos, nomeadamente em relação às indicações dadas pelo Parlamento Europeu e pelo Conselho nos termos do artigo 319.º» 19

22 O primeiro relatório ao Parlamento Europeu e ao Conselho sobre o acompanhamento e avaliação da PAC em 2018 incidirá na aplicação da política e nos primeiros resultados. Está prevista para 2021 uma avaliação mais completa do impacto da PAC. Na figura 3 é apresentado um calendário com todas as datas principais para apresentação dos relatórios. Concretamente para o segundo pilar, os Estados Membros apresentarão anualmente, a partir de 2016 e até 2024, um relatório anual de execução (RAE) do PDR do ano civil anterior. Em 2017 e 2019, será apresentado um relatório anual de execução desenvolvido que incluirá informações adicionais sobre os PDR relacionadas com a aplicação do acordo de parceria, o documento elaborado a nível dos Estados Membros que abrange todos os fundos estruturais e de investimento, a fim de assegurar o alinhamento com a estratégia «Europa 2020» e com os objetivos específicos do fundo ( 6 ). ( 6 ) Entende se por «Acordo de parceria» um documento elaborado por um Estado Membro, com a participação de parceiros, em conformidade com a abordagem de governação a vários níveis, que estabelece a estratégia, as prioridades e as modalidades de utilização dos fundos estruturais e de investimento por esse Estado Membro de forma eficaz e eficiente a fim de executar a estratégia da União para um crescimento inteligente, sustentável e inclusivo, aprovado pela Comissão após avaliação e diálogo com o Estado Membro em causa. 20

23 Em paralelo, está previsto que a DG AGRI publique regularmente informações sobre os indicadores do estado da PAC. FIGURA 3: Exigências de apresentação de relatórios no âmbito da PAC Etapas fundamentais para os relatórios sobre o desempenho da PAC A nova PAC entra em vigor em PILAR Elaboração dos PDR, incluindo a avaliação ex ante, os planos de avaliação e de indicadores RAE do PDR (*) até RAE desenvolvido RAE Primeiro relatório sobre o desempenho da PAC RAE desenvolvido RAE RAE Segundo relatório sobre o desempenho da PAC RAE PILAR Os Estados-Membros enviam à Comissão notificações sobre a execução dos pagamentos diretos e das medidas de mercado (*) A partir de 2016 e até 2024 inclusive, os Estados-Membros apresentam um relatório anual relativo à execução do PDR no ano civil anterior. O relatório apresentado em 2016 abrange os anos civis de 2014 e

24 Avaliações Os resultados das avaliações são comunicados de forma a garantir a utilização máxima dos resultados e a satisfazer as necessidades dos interessados, ou seja, o Conselho, o Parlamento Europeu e o Tribunal de Contas Europeu. Os resultados das avaliações são comunicados de forma efetiva a todos os decisores e outros interessados. Além disso, os resultados da avaliação são também disponibilizados ao público ( 7 ), sendo publicadas nos seguintes sítios web da DG AGRI determinadas informações sintéticas que facilitam a comunicação ao público em geral: Relatórios de avaliação Políticas de mercado e de rendimentos and income reports/index_en.htm Relatórios de avaliação Desenvolvimento Rural development reports/index_en.htm ( 7 ) A não ser por razões de confidencialidade abrangidas por uma das exceções previstas no artigo 4.º do Regulamento (CE) n.º 1049/2001 do Parlamento Europeu e do Conselho de 30 de maio de 2001, relativo ao acesso público aos documentos do Parlamento Europeu, Conselho e Comissão (JO L 145 de ). 22

25 Utilização dos resultados das avaliações As avaliações constituem uma importante fonte de informação para avaliar o desempenho da política. As conclusões e recomendações resultantes das avaliações efetuadas podem contribuir para uma avaliação de impacto, da mesma forma que as avaliações contribuem para, e melhoram, as futuras decisões e orientações políticas (ver figura 4). FIGURA 4: Utilização dos resultados das avaliações Política aplicada As avaliações contribuem para, e melhoram, a futura tomada de decisões e definição da política As avaliações são uma importante fonte de informações para avaliar o desempenho da política Os resultados das avaliações podem contribuir para uma avaliação do impacto 23

26 6 Por último o acompanhamento e a avaliação não são meros requisitos legais, constituindo também contribuições vitais para melhorar futuras decisões e orientações políticas. Assim, o quadro de acompanhamento e avaliação da PAC foi concebido para fornecer orientações úteis que devem ajudar todos os intervenientes, em função da sua responsabilidade, a manter um elevado nível de execução política a fim de contribuir para os objetivos da estratégia «Europa 2020». O quadro apresenta o ponto da situação no respeitante à legislação atualmente aplicável. Dado que a política está em evolução constante, o quadro melhorará paralelamente e adaptar se á a fim de enfrentar os desafios futuros. No entanto, os esforços exigidos têm de ser proporcionais, atempados e utilizados eficazmente a fim de melhorar a conceção e a execução das políticas e dos programas. 24

27 COMO OBTER PUBLICAÇÕES DA UNIÃO EUROPEIA Publicações gratuitas: um exemplar: via EU Bookshop (http://bookshop.europa.eu); mais do que um exemplar/cartazes/mapas: nas representações da União Europeia (http://ec.europa.eu/represent_pt.htm), nas delegações em países fora da UE (http://eeas.europa.eu/delegations/index_pt.htm), contactando a rede Europe Direct (http://europa.eu/europedirect/index_pt.htm) ou pelo telefone (gratuito em toda a UE) (*). (*) As informações prestadas são gratuitas, tal como a maior parte das chamadas, embora alguns operadores, cabinas telefónicas ou hotéis as possam cobrar. Publicações pagas: via EU Bookshop (http://bookshop.europa.eu).

28 26 KF PT-C

SEGUNDO PILAR DA PAC: A POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO RURAL

SEGUNDO PILAR DA PAC: A POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO RURAL SEGUNDO PILAR DA PAC: A POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO RURAL A última reforma da política agrícola comum (PAC) manteve a estrutura em dois pilares desta política, continuando o desenvolvimento rural a representar

Leia mais

DIREITOS DOS CONSUMIDORES. de energia europeus. O que cada consumidor de energia ganha com a legislação europeia. Energia

DIREITOS DOS CONSUMIDORES. de energia europeus. O que cada consumidor de energia ganha com a legislação europeia. Energia DIREITOS DOS CONSUMIDORES de energia europeus O que cada consumidor de energia ganha com a legislação europeia Energia Europe Direct é um serviço que responde às suas perguntas sobre a União Europeia Linha

Leia mais

POLÍTICA DE COESÃO 2014-2020

POLÍTICA DE COESÃO 2014-2020 DESENVOLVIMENTO LOCAL ORIENTADO PARA A COMUNIDADE POLÍTICA DE COESÃO 2014-2020 A Comissão Europeia aprovou propostas legislativas no âmbito da política de coesão para 2014-2020 em outubro de 2011 Esta

Leia mais

POLÍTICA DE COESÃO 2014-2020

POLÍTICA DE COESÃO 2014-2020 INSTRUMENTOS FINANCEIROS NA POLÍTICA DE COESÃO 2014-2020 POLÍTICA DE COESÃO 2014-2020 A Comissão Europeia aprovou propostas legislativas no âmbito da política de coesão para 2014-2020 em outubro de 2011

Leia mais

Resumo do Acordo de Parceria para Portugal, 2014-2020

Resumo do Acordo de Parceria para Portugal, 2014-2020 COMISSÃO EUROPEIA Bruxelas, 30 de julho de 2014 Resumo do Acordo de Parceria para Portugal, 2014-2020 Informações gerais O Acordo de Parceria abrange cinco fundos: Fundo Europeu de Desenvolvimento Regional

Leia mais

DECISÃO DE EXECUÇÃO DA COMISSÃO. de 12.12.2014

DECISÃO DE EXECUÇÃO DA COMISSÃO. de 12.12.2014 COMISSÃO EUROPEIA Bruxelas, 2.2.204 C(204) 9788 final DECISÃO DE EXECUÇÃO DA COMISSÃO de 2.2.204 que aprova determinados elementos do programa operacional "Capital Humano" do apoio do Fundo Social Europeu

Leia mais

POLÍTICA DE COESÃO 2014-2020

POLÍTICA DE COESÃO 2014-2020 INVESTIMENTO TERRITORIAL INTEGRADO POLÍTICA DE COESÃO 2014-2020 As novas regras e legislação para os investimentos futuros da política de coesão da UE durante o período de programação 2014-2020 foram formalmente

Leia mais

POLÍTICA DE COESÃO 2014-2020

POLÍTICA DE COESÃO 2014-2020 INSTRUMENTOS FINANCEIROS NA POLÍTICA DE COESÃO 2014-2020 POLÍTICA DE COESÃO 2014-2020 As novas regras e legislação para os investimentos futuros da política de coesão da UE durante o período de programação

Leia mais

Estratégia Europeia para o Emprego Promover a melhoria do emprego na Europa

Estratégia Europeia para o Emprego Promover a melhoria do emprego na Europa Estratégia Europeia para o Emprego Promover a melhoria do emprego na Europa Comissão Europeia O que é a Estratégia Europeia para o Emprego? Toda a gente precisa de um emprego. Todos temos necessidade de

Leia mais

L 347/320 Jornal Oficial da União Europeia 20.12.2013

L 347/320 Jornal Oficial da União Europeia 20.12.2013 L 347/320 Jornal Oficial da União Europeia 20.12.2013 REGULAMENTO (UE) N. o 1303/2013 DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO de 17 de dezembro de 2013 que estabelece disposições comuns relativas ao Fundo

Leia mais

POLÍTICA DE COESÃO 2014-2020

POLÍTICA DE COESÃO 2014-2020 DESENVOLVIMENTO URBANO SUSTENTÁVEL INTEGRADO POLÍTICA DE COESÃO 2014-2020 As novas regras e legislação para os investimentos futuros da política de coesão da UE durante o período de programação 2014-2020

Leia mais

CONFERÊNCIA: O futuro dos territórios rurais. - Desenvolvimento Local de Base Comunitária. Painel 1: Coesão e Sustentabilidade Territorial

CONFERÊNCIA: O futuro dos territórios rurais. - Desenvolvimento Local de Base Comunitária. Painel 1: Coesão e Sustentabilidade Territorial Painel 1: Coesão e Sustentabilidade Territorial 5 Augusto Ferreira Departamento Técnico - CONFAGRI MINHA TERRA - Federação Portuguesa de Associações de Desenvolvimento Local 20.Set.2013 Hotel da Estrela

Leia mais

Programa de Desenvolvimento Rural do Continente para 2014-2020

Programa de Desenvolvimento Rural do Continente para 2014-2020 Programa de Desenvolvimento Rural do Continente para 2014-2020 Medida 1 INOVAÇÃO Ação 1.1 GRUPOS OPERACIONAIS Enquadramento Regulamentar Artigos do Regulamento (UE) n.º 1305/2013, do Conselho e do Parlamento

Leia mais

PROGRAMA DESENVOLVIMENTO RURAL CONTINENTE 2014-2020. DESCRIÇÃO DA MEDIDA Versão:1 Data:28/10/2013

PROGRAMA DESENVOLVIMENTO RURAL CONTINENTE 2014-2020. DESCRIÇÃO DA MEDIDA Versão:1 Data:28/10/2013 PROGRAMA DESENVOLVIMENTO RURAL CONTINENTE 2014-2020 DESCRIÇÃO DA MEDIDA Versão:1 Data:28/10/2013 REDE RURAL NACIONAL NOTA INTRODUTÓRIA O desenvolvimento das fichas de medida/ação está condicionado, nomeadamente,

Leia mais

Políticas e programas de apoio à investigação e inovação no setor agrícola e agroalimentar em Portugal

Políticas e programas de apoio à investigação e inovação no setor agrícola e agroalimentar em Portugal Políticas e programas de apoio à investigação e inovação no setor agrícola e agroalimentar em Portugal O apoio Inovação na Programação do Desenvolvimento Rural Eduardo Diniz Diretor do GPP Seminário Investigação,

Leia mais

(18) Capitalização de bonificações de juros, contribuições para prémios de garantias (se for caso disso)

(18) Capitalização de bonificações de juros, contribuições para prémios de garantias (se for caso disso) L 271/20 ANEXO I Índice anotado de um acordo de financiamento entre uma autoridade de gestão e um intermediário financeiro Índice: (1) Preâmbulo (2) Definições (3) Âmbito e objeto (4) Objetivos políticos

Leia mais

Visualização. O questionário só pode ser preenchido em linha.

Visualização. O questionário só pode ser preenchido em linha. Visualização. O questionário só pode ser preenchido em linha. Questionário «Para uma avaliação intercalar da Estratégia Europa 2020 do ponto de vista dos municípios e regiões da UE» Contexto A revisão

Leia mais

Principais diferenças entre 2007-2013 / 2014-2020

Principais diferenças entre 2007-2013 / 2014-2020 Principais diferenças entre 2007-2013 / 2014-2020 Fundos 2 Objetivos 2 Etapas formais de programação 2 Abordagem estratégica 2 Âmbito Geográfico 3 Concentração Temática 4 Condicionalidades Ex ante 5 Adicionalidade

Leia mais

(2006/C 297/02) considerando o seguinte: constatando que:

(2006/C 297/02) considerando o seguinte: constatando que: C 297/6 Resolução do Conselho e dos Representantes Governos dos Estados-Membros, reunidos no Conselho, relativa à realização dos objectivos comuns em matéria de participação e informação dos jovens para

Leia mais

PRINCÍPIOS PARA A AVALIAÇÃO DA AJUDA AO DESENVOLVIMENTO

PRINCÍPIOS PARA A AVALIAÇÃO DA AJUDA AO DESENVOLVIMENTO COMITÉ DE AJUDA AO DESENVOLVIMENTO PRINCÍPIOS PARA A AVALIAÇÃO DA AJUDA AO DESENVOLVIMENTO PARIS 1991 ÍNDICE I. INTRODUÇÃO 3 II. FINALIDADE DA AVALIAÇÃO 5 III. IMPARCIALIDADE E INDEPENDÊNCIA 6 IV. CREDIBILIDADE

Leia mais

NOVAS REGRAS PARA AS CONCESSÕES E OS CONTRATOS PÚBLICOS MAIS SIMPLES E MAIS FLEXÍVEIS

NOVAS REGRAS PARA AS CONCESSÕES E OS CONTRATOS PÚBLICOS MAIS SIMPLES E MAIS FLEXÍVEIS NOVAS REGRAS PARA AS CONCESSÕES E OS CONTRATOS PÚBLICOS MAIS SIMPLES E MAIS FLEXÍVEIS Mercado Interno e Serviços 1 Europe Direct é um serviço que responde às suas perguntas sobre a União Europeia. Número

Leia mais

O CONSELHO DA UE E OS REPRESENTANTES DOS GOVERNOS DOS ESTADOS-MEMBROS, REUNIDOS NO CONSELHO,

O CONSELHO DA UE E OS REPRESENTANTES DOS GOVERNOS DOS ESTADOS-MEMBROS, REUNIDOS NO CONSELHO, C 172/8 PT Jornal Oficial da União Europeia 27.5.2015 Conclusões do Conselho sobre a maximização do papel do desporto de base no desenvolvimento de competências transversais, especialmente entre os jovens

Leia mais

O Desenvolvimento Local no período de programação 2014-2020 - A perspetiva do FSE - 10 de maio de 2013

O Desenvolvimento Local no período de programação 2014-2020 - A perspetiva do FSE - 10 de maio de 2013 O Desenvolvimento Local no período de programação 2014-2020 - A perspetiva do FSE - 10 de maio de 2013 Quadro Financeiro Plurianual 2014-2020 Conselho europeu 7 e 8 fevereiro 2013 Política de Coesão (Sub-rubrica

Leia mais

PROJETO DE RELATÓRIO

PROJETO DE RELATÓRIO Parlamento Europeu 2014-2019 Comissão do Desenvolvimento Regional 2014/2247(INI) 18.6.2015 PROJETO DE RELATÓRIO sobre a política de coesão e as comunidades marginalizadas (2014/2247(INI)) Comissão do Desenvolvimento

Leia mais

(Atos legislativos) DECISÕES

(Atos legislativos) DECISÕES 9.10.2015 L 264/1 I (Atos legislativos) DECISÕES DECISÃO (UE) 2015/1814 DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO de 6 de outubro de 2015 relativa à criação e ao funcionamento de uma reserva de estabilização

Leia mais

O BANCO EUROPEU DE INVESTIMENTO

O BANCO EUROPEU DE INVESTIMENTO O BANCO EUROPEU DE INVESTIMENTO O Banco Europeu de Investimento (BEI) promove os objetivos da União Europeia ao prestar financiamento a longo prazo, garantias e aconselhamento a projetos. Apoia projetos,

Leia mais

Relatório da. Avaliação intercalar da execução do Plano de Acção da UE para as Florestas Contrato de Serviço N.º 30-CE-0227729/00-59.

Relatório da. Avaliação intercalar da execução do Plano de Acção da UE para as Florestas Contrato de Serviço N.º 30-CE-0227729/00-59. Relatório da Avaliação intercalar da execução do Plano de Acção da UE para as Florestas Contrato de Serviço N.º 30-CE-0227729/00-59 Resumo Novembro de 2009 Avaliação intercalar da execução do Plano de

Leia mais

Fundos Comunitários. geridos pela Comissão Europeia. M. Patrão Neves. www.mpatraoneves.pt. www.mpatraoneves.pt. www.mpatraoneves.

Fundos Comunitários. geridos pela Comissão Europeia. M. Patrão Neves. www.mpatraoneves.pt. www.mpatraoneves.pt. www.mpatraoneves. Fundos Comunitários geridos pela Comissão Europeia M. Patrão Neves Fundos comunitários: no passado Dependemos, de forma vital, dos fundos comunitários, sobretudo porque somos um dos países da coesão (e

Leia mais

EUROPA CRIATIVA (2014-2020) Subprograma «Cultura» Convite à apresentação de candidaturas n.º

EUROPA CRIATIVA (2014-2020) Subprograma «Cultura» Convite à apresentação de candidaturas n.º EUROPA CRIATIVA (2014-2020) Subprograma «Cultura» Convite à apresentação de candidaturas n.º EACEA 32/2014 : Projetos de cooperação europeia Execução das ações do subprograma «Cultura»: projetos de cooperação

Leia mais

BANCO CENTRAL EUROPEU

BANCO CENTRAL EUROPEU 22.2.2014 Jornal Oficial da União Europeia C 51/3 III (Atos preparatórios) BANCO CENTRAL EUROPEU PARECER DO BANCO CENTRAL EUROPEU de 19 de novembro de 2013 sobre uma proposta de diretiva do Parlamento

Leia mais

PROJETO DE RELATÓRIO

PROJETO DE RELATÓRIO PARLAMENTO EUROPEU 2009-2014 Comissão da Indústria, da Investigação e da Energia 2011/2284(INI) 7.2.2012 PROJETO DE RELATÓRIO sobre a proteção das infraestruturas críticas da informação Realizações e próximas

Leia mais

20.12.2013 Jornal Oficial da União Europeia L 347/281

20.12.2013 Jornal Oficial da União Europeia L 347/281 20.12.2013 Jornal Oficial da União Europeia L 347/281 REGULAMENTO (UE) N. o 1300/2013 DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO de 17 de dezembro de 2013 relativo ao Fundo de Coesão e que revoga o Regulamento

Leia mais

Política agrícola e protecção e gestão eficiente da água

Política agrícola e protecção e gestão eficiente da água Política agrícola e protecção e gestão eficiente da água Francisco Cordovil Director do GPP Conselho Nacional da Água Ponto 4 da ordem de trabalhos Lisboa 3 de Dezembro de 2010 Política agrícola e protecção

Leia mais

Programa de Desenvolvimento Rural do Continente para 2014-2020

Programa de Desenvolvimento Rural do Continente para 2014-2020 Programa de Desenvolvimento Rural do Continente para 2014-2020 Medida 2 CONHECIMENTO Ação 2.1 CAPACITAÇÃO E DIVULGAÇÃO Enquadramento Regulamentar Regulamento (UE) n.º 1305/2013, do Conselho e do Parlamento

Leia mais

Cofinanciado pela Comissão Europeia

Cofinanciado pela Comissão Europeia Cofinanciado pela Comissão Europeia A NOVA PAC Em vigor a partir de janeiro 2015 Mais direcionado e flexível que nunca Maior escolha de regimes e medidas opcionais Transferências entre pilares Alguns dos

Leia mais

As regiões Portuguesas: Lisboa: Competitividade e Emprego; Madeira: Phasing-in; Algarve: Phasing-out; Norte, Centro, Alentejo, Açores: Convergência

As regiões Portuguesas: Lisboa: Competitividade e Emprego; Madeira: Phasing-in; Algarve: Phasing-out; Norte, Centro, Alentejo, Açores: Convergência A Nova Agenda da Política de Coesão no Espaço Europeu Nuno Teixeira CCDR-LVT 26.Novembro.2010 A Nova Agenda da Política de Coesão no Espaço Europeu 1 ÍNDICE I. A coesão no espaço europeu II. O Tratado

Leia mais

Desenvolvimento Local nos Territórios Rurais: desafios para 2014-2020

Desenvolvimento Local nos Territórios Rurais: desafios para 2014-2020 Desenvolvimento Local nos Territórios Rurais: desafios para 2014-2020 Seminário Turismo Sustentável no Espaço Rural: Experiências de Sucesso em Portugal e na Europa Castro Verde - 06 de Março 2013 Joaquim

Leia mais

O Conselho Europeu O Conselho

O Conselho Europeu O Conselho PT SECRETARIADO-GERAL DO CONSELHO COLEÇÃO «INFORMAÇÕES» O Conselho Europeu O Conselho Duas instituições na ação europeia SETEMBRO DE 2013 Advertência A presente brochura é publicada pelo Secretariado-Geral

Leia mais

Código de Conduta para as Estatísticas Europeias

Código de Conduta para as Estatísticas Europeias Código de Conduta para as Estatísticas Europeias Adotado pelo Comité do Sistema Estatístico Europeu em 28 de setembro de 2011 Tradução realizada pelo INE, IP Preâmbulo Visão do Sistema Estatístico Europeu

Leia mais

Programa de Desenvolvimento Rural 2014 2020 Seminário A PAC rumo a 2020: fazer face aos desafios da sustentabilidade João Marques DSPP 19 de Abril de 2013 1 1 Programação do Desenvolvimento Rural 2014-2020

Leia mais

Estratégia de Biodiversidade da UE para 2020

Estratégia de Biodiversidade da UE para 2020 Dezembro 2011 PT Estratégia de Biodiversidade da UE para 2020 A biodiversidade Na Europa, perto de um quarto das espécies selvagens está agora ameaçado de extinção A biodiversidade a extraordinária variedade

Leia mais

CURRÍCULO DE FORMAÇÃO DO EASO

CURRÍCULO DE FORMAÇÃO DO EASO European Asylum Support Office CURRÍCULO DE FORMAÇÃO DO EASO Março de 2014 SUPPORT IS OUR MISSION European Asylum Support Office CURRÍCULO DE FORMAÇÃO DO EASO Março de 2014 SUPPORT IS OUR MISSION Europe

Leia mais

Assegurar que o Progress produz resultados

Assegurar que o Progress produz resultados Assegurar que o Progress produz resultados Quadro estratégico para a execução do Progress, programa comunitário para o emprego e a solidariedade social (2007 2013) Comissão Europeia Assegurar que o Progress

Leia mais

Programa de Desenvolvimento Rural do Continente para 2014-2020

Programa de Desenvolvimento Rural do Continente para 2014-2020 Programa de Desenvolvimento Rural do Continente para 2014-2020 Medida 3 - VALORIZAÇÃO DA PRODUÇÃO AGRÍCOLA Ação 3.1 JOVENS AGRICULTORES Enquadramento Regulamentar Art. 19º do Regulamento (UE) 1305/2013,

Leia mais

REGULAMENTO DELEGADO (UE) N.º /.. DA COMISSÃO. de 4.3.2014

REGULAMENTO DELEGADO (UE) N.º /.. DA COMISSÃO. de 4.3.2014 COMISSÃO EUROPEIA Bruxelas, 4.3.2014 C(2014) 1229 final REGULAMENTO DELEGADO (UE) N.º /.. DA COMISSÃO de 4.3.2014 que completa o Regulamento (UE) n.º 1299/2013 do Parlamento Europeu e do Conselho no que

Leia mais

Programa de Desenvolvimento Rural

Programa de Desenvolvimento Rural Programa de Desenvolvimento Rural PDR 2020 do Continente Terra no Horizonte 2014-2020 Tavira, 13 Março 2014 1 2 Panorama Principais constatações Atuação Constrangimentos e Necessidades 3 Arquitetura 4

Leia mais

XX CONGRESSO ENGENHARIA 2020 UMA ESTRATÉGIA PARA PORTUGAL 17 a 19 de outubro de 2014 ALFÂNDEGA DO PORTO

XX CONGRESSO ENGENHARIA 2020 UMA ESTRATÉGIA PARA PORTUGAL 17 a 19 de outubro de 2014 ALFÂNDEGA DO PORTO XX CONGRESSO ENGENHARIA 2020 UMA ESTRATÉGIA PARA PORTUGAL 17 a 19 de outubro de 2014 ALFÂNDEGA DO PORTO Desenvolvimento Rural, Agricultura, Florestas e Sustentabilidade 17 de outubro de 2014 / GPP Eduardo

Leia mais

15071/15 ip/arg 1 DG B 3A

15071/15 ip/arg 1 DG B 3A Conselho da União Europeia Bruxelas, 7 de dezembro de 2015 15071/15 SOC 711 EMPL 464 RESULTADOS DOS TRABALHOS de: Secretariado Geral do Conselho data: 7 de dezembro de 2015 para: Delegações n.º doc. ant.:

Leia mais

Estabelecer a ligação entre o desenvolvimento de competências e o trabalho digno Academia sobre o Desenvolvimento de Competências Centro de Turim

Estabelecer a ligação entre o desenvolvimento de competências e o trabalho digno Academia sobre o Desenvolvimento de Competências Centro de Turim Estabelecer a ligação entre o desenvolvimento de competências e o trabalho digno Academia sobre o Desenvolvimento de Competências Centro de Turim Girma Agune Chefe a.i. Serviço das Competências e da Empregabilidade

Leia mais

Investir na ação climática. investir no LIFE PANORÂMICA DO NOVO SUBPROGRAMA LIFE AÇÃO CLIMÁTICA 2014-2020. Ação Climática

Investir na ação climática. investir no LIFE PANORÂMICA DO NOVO SUBPROGRAMA LIFE AÇÃO CLIMÁTICA 2014-2020. Ação Climática Investir na ação climática investir no LIFE PANORÂMICA DO NOVO SUBPROGRAMA LIFE AÇÃO CLIMÁTICA 2014-2020 Ação Climática O que é o novo subprograma LIFE Ação Climática? Em fevereiro de 2013, os Chefes de

Leia mais

O CONSELHO DA UNIÃO EUROPEIA E OS REPRESENTANTES DOS GOVERNOS DOS ESTADOS-MEMBROS, I. INTRODUÇÃO

O CONSELHO DA UNIÃO EUROPEIA E OS REPRESENTANTES DOS GOVERNOS DOS ESTADOS-MEMBROS, I. INTRODUÇÃO 14.6.2014 PT Jornal Oficial da União Europeia C 183/5 Resolução do Conselho e dos Representantes dos Governos dos Estados Membros, reunidos no Conselho, de 20 de maio de 2014, sobre um Plano de Trabalho

Leia mais

Juventude em Movimento: apoio da Europa aos jovens

Juventude em Movimento: apoio da Europa aos jovens Juventude em Movimento: apoio da Europa aos jovens ESTUDAR FORMAR-SE TRABALHAR PARTICIPAR OS TEUS DIREITOS APRENDER VIAJAR VOLUNTÁRIO CRIAR na EUROPA Nem a Comissão Europeia nem qualquer pessoa que atue

Leia mais

10668/16 pbp/ml 1 DGG 2B

10668/16 pbp/ml 1 DGG 2B Conselho da União Europeia Bruxelas, 27 de junho de 2016 (OR. en) 10668/16 RESULTADOS DOS TRABALHOS de: para: Secretariado-Geral do Conselho Delegações FSTR 36 FC 30 REGIO 43 SOC 435 AGRISTR 37 PECHE 244

Leia mais

Número 7/junho 2013 O PROGRAMA URBACT II

Número 7/junho 2013 O PROGRAMA URBACT II Número 7/junho 2013 O PROGRAMA URBACT II PARTILHA DE EXPERIÊNCIAS E APRENDIZAGEM SOBRE O DESENVOLVIMENTO URBANO SUSTENTÁVEL O URBACT permite que as cidades europeias trabalhem em conjunto e desenvolvam

Leia mais

(Atos legislativos) REGULAMENTOS

(Atos legislativos) REGULAMENTOS 24.4.2014 L 122/1 I (Atos legislativos) REGULAMENTOS REGULAMENTO (UE) N. o 375/2014 DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO de 3 de abril de 2014 que cria o Corpo Voluntário Europeu para a Ajuda Humanitária

Leia mais

Proposta da Comissão Europeia de quadro financeiro plurianual para 2014-2020

Proposta da Comissão Europeia de quadro financeiro plurianual para 2014-2020 Proposta da Comissão Europeia de quadro financeiro plurianual para 2014-2020 COMISSÃO EUROPEIA 1 Europe Direct é um serviço que responde às suas perguntas sobre a União Europeia. Linha telefónica gratuita

Leia mais

Programa de trabalho da Presidência Portuguesa para o Conselho Ecofin

Programa de trabalho da Presidência Portuguesa para o Conselho Ecofin Programa de trabalho da Presidência Portuguesa para o Conselho Ecofin A Presidência Portuguesa na área dos Assuntos Económicos e Financeiros irá centrar-se na prossecução de três grandes objectivos, definidos

Leia mais

3º Programa de Saúde 2014-2020

3º Programa de Saúde 2014-2020 2014-2020 INFARMED, 25 de junho de 2014 1. Enquadramento estratégico 2. Apresentação 3. Objetivos 4. Prioridades temáticas 5. Ações 6. Beneficiários 7. Tipos de subvenção 8. Regras de financiamento 9.

Leia mais

27.5.2013 Jornal Oficial da União Europeia L 140/11

27.5.2013 Jornal Oficial da União Europeia L 140/11 27.5.2013 Jornal Oficial da União Europeia L 140/11 REGULAMENTO (UE) N. o 473/2013 DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO de 21 de maio de 2013 que estabelece disposições comuns para o acompanhamento e a

Leia mais

A REFORMA DA PAC E O APOIO À ACTIVIDADE DE RESINAGEM. Francisco Avillez (Prof. Emérito do Isa/UTL e Coordenador Científico da AGROGES)

A REFORMA DA PAC E O APOIO À ACTIVIDADE DE RESINAGEM. Francisco Avillez (Prof. Emérito do Isa/UTL e Coordenador Científico da AGROGES) A REFORMA DA PAC E O APOIO À ACTIVIDADE DE RESINAGEM Francisco Avillez (Prof. Emérito do Isa/UTL e Coordenador Científico da AGROGES) Esquema da apresentação: Objectivos da PAC pós-2013 Orientações propostas

Leia mais

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS. Proposta de DIRECTIVA DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS. Proposta de DIRECTIVA DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS Bruxelas, 3.8.2005 COM(2005) 361 final 2005/0147 (COD) Proposta de DIRECTIVA DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO que revoga a Directiva 90/544/CEE do Conselho relativa

Leia mais

CONFERÊNCIA INTERNACIONAL DO TRABALHO

CONFERÊNCIA INTERNACIONAL DO TRABALHO CONFERÊNCIA INTERNACIONAL DO TRABALHO (Tradução não oficial 1 ) Recomendação 202 RECOMENDAÇÃO RELATIVA AOS PISOS NACIONAIS DE PROTEÇÃO SOCIAL A Conferência Geral da Organização Internacional do Trabalho,

Leia mais

Programa de Desenvolvimento Rural do Continente para 2014-2020. Medida 9 MANUTENÇÃO DA ATIVIDADE AGRÍCOLA EM ZONAS DESFAVORECIDAS

Programa de Desenvolvimento Rural do Continente para 2014-2020. Medida 9 MANUTENÇÃO DA ATIVIDADE AGRÍCOLA EM ZONAS DESFAVORECIDAS Programa de Desenvolvimento Rural do Continente para 2014-2020 Medida 9 MANUTENÇÃO DA ATIVIDADE AGRÍCOLA EM ZONAS DESFAVORECIDAS Enquadramento Regulamentar Artigos do Regulamento (UE) n.º 1305/2013, do

Leia mais

INSTRUMENTOS DE ENGENHARIA FINANCEIRA NA PAC PÓS 2013

INSTRUMENTOS DE ENGENHARIA FINANCEIRA NA PAC PÓS 2013 NA PAC PÓS 2013 Pedro M.S.Raposo Ribeiro SEMINÁRIO Lisboa, Auditório da CAP 26 Junho 2013 COM O APOIO DE: GÉNESE E OBJETIVOS DO ESTUDO 2 ENQUADRAMENTO O recurso à utilização de Instrumentos Financeiros

Leia mais

PROGRAMA DE ACÇÃO COMUNITÁRIO RELATIVO À VIGILÂNCIA DA SAÚDE PROJECTO DE PROGRAMA DE TRABALHO 1998-1999 (Art. 5.2.b da Decisão Nº 1400/97/CE)

PROGRAMA DE ACÇÃO COMUNITÁRIO RELATIVO À VIGILÂNCIA DA SAÚDE PROJECTO DE PROGRAMA DE TRABALHO 1998-1999 (Art. 5.2.b da Decisão Nº 1400/97/CE) PROGRAMA DE ACÇÃO COMUNITÁRIO RELATIVO À VIGILÂNCIA DA SAÚDE PROJECTO DE PROGRAMA DE TRABALHO 1998-1999 (Art. 5.2.b da Decisão Nº 1400/97/CE) 1. INTRODUÇÃO As actividades da União Europeia no domínio da

Leia mais

EFIÊNCIA DOS RECURSOS E ESTRATÉGIA ENERGIA E CLIMA

EFIÊNCIA DOS RECURSOS E ESTRATÉGIA ENERGIA E CLIMA INTRODUÇÃO Gostaria de começar por agradecer o amável convite para participar neste debate e felicitar os organizadores pela importância desta iniciativa. Na minha apresentação irei falar brevemente da

Leia mais

Programa de Desenvolvimento Rural do Continente para 2014-2020

Programa de Desenvolvimento Rural do Continente para 2014-2020 Programa de Desenvolvimento Rural do Continente para 2014-2020 Medida 6 GESTÃO DO RISCO E RESTABELECIMENTO DO POTENCIAL PRODUTIVO Ação 6.1 SEGUROS Enquadramento Regulamentar Artigos do Regulamento (UE)

Leia mais

As ações de formação ação no âmbito do presente Aviso têm, obrigatoriamente, de ser desenvolvidas com a estrutura a seguir indicada.

As ações de formação ação no âmbito do presente Aviso têm, obrigatoriamente, de ser desenvolvidas com a estrutura a seguir indicada. Anexo A Estrutura de intervenção As ações de formação ação no âmbito do presente Aviso têm, obrigatoriamente, de ser desenvolvidas com a estrutura a seguir indicada. 1. Plano de ação para o período 2016

Leia mais

Conclusões do Conselho sobre o critério de referência da mobilidade para a aprendizagem (2011/C 372/08)

Conclusões do Conselho sobre o critério de referência da mobilidade para a aprendizagem (2011/C 372/08) 20.12.2011 Jornal Oficial da União Europeia C 372/31 Conclusões do Conselho sobre o critério de referência da mobilidade para a aprendizagem (2011/C 372/08) O CONSELHO DA UNIÃO EUROPEIA, TENDO EM CONTA

Leia mais

DIÁLOGO SOCIAL EUROPEU: PROJECTO DE ORIENTAÇÕES MULTISSECTORIAIS PARA O COMBATE DA VIOLÊNCIA E ASSÉDIO DE TERCEIROS RELACIONADOS COM O TRABALHO

DIÁLOGO SOCIAL EUROPEU: PROJECTO DE ORIENTAÇÕES MULTISSECTORIAIS PARA O COMBATE DA VIOLÊNCIA E ASSÉDIO DE TERCEIROS RELACIONADOS COM O TRABALHO DIÁLOGO SOCIAL EUROPEU: PROJECTO DE ORIENTAÇÕES MULTISSECTORIAIS PARA O COMBATE DA VIOLÊNCIA E ASSÉDIO DE TERCEIROS RELACIONADOS COM O TRABALHO EPSU, UNI Europa, ETUCE, HOSPEEM, CEMR, EFEE, EuroCommerce,

Leia mais

MEMORANDUM 2014 ELEIÇÕES EUROPEIAS

MEMORANDUM 2014 ELEIÇÕES EUROPEIAS MEMORANDUM 2014 ELEIÇÕES EUROPEIAS A Importância da Economia Social Economia social é uma realidade muito importante na Europa, proporcionando emprego remunerado a mais de 14,5 milhões de europeus que

Leia mais

Programa de Desenvolvimento Rural do Continente para 2014-2020

Programa de Desenvolvimento Rural do Continente para 2014-2020 Programa de Desenvolvimento Rural do Continente para 2014-2020 Medida 2 CONHECIMENTO Ação 2.2 ACONSELHAMENTO Enquadramento Regulamentar Artigos do Regulamento (UE) n.º 1305/2013, do Conselho e do Parlamento

Leia mais

9200/16 fmm/hrl/ml 1 DG B 3A - DG G 1A

9200/16 fmm/hrl/ml 1 DG B 3A - DG G 1A Conselho da União Europeia Bruxelas, 13 de junho de 2016 (OR. en) 9200/16 ECOFIN 452 UEM 199 SOC 316 EMPL 212 COMPET 286 ENV 331 EDUC 186 RECH 178 ENER 194 JAI 440 NOTA de: para: n. doc. Com.: Assunto:

Leia mais

PERGUNTAS E RESPOSTAS RELATIVAS À CONSULTA PÚBLICA SOBRE A PROPOSTA DE REGULAMENTO-QUADRO DO BCE RELATIVO AO MECANISMO ÚNICO DE SUPERVISÃO

PERGUNTAS E RESPOSTAS RELATIVAS À CONSULTA PÚBLICA SOBRE A PROPOSTA DE REGULAMENTO-QUADRO DO BCE RELATIVO AO MECANISMO ÚNICO DE SUPERVISÃO PERGUNTAS E RESPOSTAS RELATIVAS À CONSULTA PÚBLICA SOBRE A PROPOSTA DE REGULAMENTO-QUADRO DO BCE RELATIVO AO MECANISMO ÚNICO DE SUPERVISÃO 1 QUANDO É QUE O BCE ASSUMIRÁ A SUPERVISÃO DOS BANCOS? O BCE assumirá

Leia mais

DIRETIVA 2013/56/UE DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO

DIRETIVA 2013/56/UE DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO 10.12.2013 Jornal Oficial da União Europeia L 329/5 DIRETIVA 2013/56/UE DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO de 20 de novembro de 2013 que altera a Diretiva 2006/66/CE do Parlamento Europeu e do Conselho

Leia mais

PORTUGAL 2020: FINANCIAMENTO ATRAVÉS

PORTUGAL 2020: FINANCIAMENTO ATRAVÉS 25 de maio de 2015 PORTUGAL 2020: FINANCIAMENTO ATRAVÉS ATRAVÉ DO RECURSO AOS FUNDOS FUNDO EUROPEUS ESTRUTURAIS IS E DE INVESTIMENTO O estímulo ao tecido empresarial trazido pelo programa Portugal 2020

Leia mais

O que é o Portugal 2020?

O que é o Portugal 2020? O que é o Portugal 2020? Portugal 2020 é o novo ciclo de programação dos fundos europeus, que substitui o antigo QREN (Quadro Estratégico de Referência Nacional). Foi acordado entre Portugal e a Comissão

Leia mais

Quadro Europeu de Qualificações para a aprendizagem ao longo da vida (QEQ)

Quadro Europeu de Qualificações para a aprendizagem ao longo da vida (QEQ) Quadro Europeu de Qualificações Quadro Europeu de Qualificações para a aprendizagem ao longo da vida (QEQ) Europe direct é um serviço que o ajuda a encontrar respostas às suas perguntas sobre a União Europeia

Leia mais

Programa de Desenvolvimento Rural do Continente para 2014-2020

Programa de Desenvolvimento Rural do Continente para 2014-2020 Programa de Desenvolvimento Rural do Continente para 2014-2020 Medida 3 - VALORIZAÇÃO DA PRODUÇÃO AGRÍCOLA Versão submetida à CE a 5 de maio de 2014 sujeita a aprovação Ação 3.1 JOVENS AGRICULTORES Nota

Leia mais

L 347/470 Jornal Oficial da União Europeia 20.12.2013

L 347/470 Jornal Oficial da União Europeia 20.12.2013 L 347/470 Jornal Oficial da União Europeia 20.12.2013 REGULAMENTO (UE) N. o 1304/2013 DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO de 17 de dezembro de 2013 relativo ao Fundo Social Europeu e que revoga o Regulamento

Leia mais

Promoção da actividade resineira em Portugal no âmbito da PAC pós 2013

Promoção da actividade resineira em Portugal no âmbito da PAC pós 2013 Promoção da actividade resineira em Portugal no âmbito da PAC pós 2013 Francisco Avillez (Professor Emérito do ISA, UTL e coordenado científico da AGR.GES) 16 de Abril de 2013 1. Evolução do pinheiro bravo

Leia mais

20.12.2013 Jornal Oficial da União Europeia L 347/487

20.12.2013 Jornal Oficial da União Europeia L 347/487 20.12.2013 Jornal Oficial da União Europeia L 347/487 REGULAMENTO (UE) N. o 1305/2013 DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO de 17 de dezembro de 2013 relativo ao apoio ao desenvolvimento rural pelo Fundo

Leia mais

COMISSÃO EUROPEIA. o reforço de capacidades das organizações de acolhimento e a assistência técnica às organizações de envio,

COMISSÃO EUROPEIA. o reforço de capacidades das organizações de acolhimento e a assistência técnica às organizações de envio, C 249/8 PT Jornal Oficial da União Europeia 30.7.2015 COMISSÃO EUROPEIA CONVITE À APRESENTAÇÃO DE PROPOSTAS EACEA 25/15 Iniciativa Voluntários para a Ajuda da UE: Destacamento de Voluntários para a Ajuda

Leia mais

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS Bruxelas, 8.10.2007 SEC(2007)907 DOCUMENTO DE TRABALHO DOS SERVIÇOS DA COMISSÃO documento de acompanhamento da Comunicação da Comissão sobre um programa para ajudar as

Leia mais

Parcerias para a investigação e inovação no âmbito da Programação para o Desenvolvimento Rural 2014-2020

Parcerias para a investigação e inovação no âmbito da Programação para o Desenvolvimento Rural 2014-2020 Parcerias para a investigação e inovação no âmbito da Programação para o Desenvolvimento Rural 2014-2020 PDR 2014-2020 do Continente Cláudia Costa Diretora Adjunta do Gabinete de Planeamento e Políticas

Leia mais

Comissão da Agricultura e do Desenvolvimento Rural PROJETO DE PARECER. da Comissão da Agricultura e do Desenvolvimento Rural

Comissão da Agricultura e do Desenvolvimento Rural PROJETO DE PARECER. da Comissão da Agricultura e do Desenvolvimento Rural PARLAMENTO EUROPEU 2009-2014 Comissão da Agricultura e do Desenvolvimento Rural 2012/0295(COD) 5.2.2013 PROJETO DE PARECER da Comissão da Agricultura e do Desenvolvimento Rural dirigido à Comissão do Emprego

Leia mais

CONSELHO DA UNIÃO EUROPEIA. Bruxelas, 22 de Julho de 2004 (08.11) (OR. en) 11636/04 Dossier interinstitucional: 2004/0165 COD

CONSELHO DA UNIÃO EUROPEIA. Bruxelas, 22 de Julho de 2004 (08.11) (OR. en) 11636/04 Dossier interinstitucional: 2004/0165 COD CONSELHO DA UNIÃO EUROPEIA Bruxelas, 22 de Julho de 2004 (08.11) (OR. en) 11636/04 Dossier interinstitucional: 2004/0165 COD FSTR 17 SOC 367 CADREFIN 22 PROPOSTA Origem: Comissão Europeia Data: 16 de Julho

Leia mais

SUSTENTABILIDADE FINANCEIRA, PRESTAÇÃO DE CONTAS E RESPONSABILIDADE

SUSTENTABILIDADE FINANCEIRA, PRESTAÇÃO DE CONTAS E RESPONSABILIDADE V EUROSAI/OLACEFS CONFERENCE SUSTENTABILIDADE FINANCEIRA, PRESTAÇÃO DE CONTAS E RESPONSABILIDADE CONCLUSÕES E RECOMENDAÇÕES A V Conferência EUROSAI/OLACEFS reuniu, em Lisboa, nos dias 10 e 11 de Maio de

Leia mais

PERSPETIVA FUTURA DO SEGURO DE COLHEITAS SEGUROS AGRÍCOLAS. Colóquio - Debate. Pedro Ribeiro

PERSPETIVA FUTURA DO SEGURO DE COLHEITAS SEGUROS AGRÍCOLAS. Colóquio - Debate. Pedro Ribeiro PERSPETIVA FUTURA DO SEGURO DE COLHEITAS SEGUROS AGRÍCOLAS Colóquio - Debate Pedro Ribeiro 1 ENQUADRAMENTO Importância crescente da gestão de risco, no âmbito da atividade agrícola, face ao contexto de

Leia mais

Programa Operacional Regional Alentejo 2014/2020. Identidade, Competitividade, Responsabilidade

Programa Operacional Regional Alentejo 2014/2020. Identidade, Competitividade, Responsabilidade Programa Operacional Regional Alentejo 2014/2020 Identidade, Competitividade, Responsabilidade ACORDO DE PARCERIA Consagra a política de desenvolvimento económico, social, ambiental e territorial Define

Leia mais

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS PT PT PT COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS Bruxelas, 18.2.2009 COM(2009) 64 final COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO AO PARLAMENTO EUROPEU, AO CONSELHO, AO COMITÉ ECONÓMICO E SOCIAL EUROPEU E AO COMITÉ DAS REGIÕES

Leia mais

Programa de Desenvolvimento Rural do Continente para 2014-2020. Medida 4 - VALORIZAÇÃO dos RECURSOS FLORESTAIS

Programa de Desenvolvimento Rural do Continente para 2014-2020. Medida 4 - VALORIZAÇÃO dos RECURSOS FLORESTAIS Programa de Desenvolvimento Rural do Continente para 2014-2020 Medida 4 - VALORIZAÇÃO dos RECURSOS FLORESTAIS Enquadramento Regulamentar Artigos do Regulamento (UE) n.º 1305/2013 do Conselho e do Parlamento

Leia mais

PORTUGAL 2020. Quadro Comunitário de Apoio 2014-2020

PORTUGAL 2020. Quadro Comunitário de Apoio 2014-2020 Quadro Comunitário de Apoio 2014-2020 ÌNDICE Principais orientações e dotação orçamental Programas Operacionais e dotação orçamental específica Órgãos de Governação (Decreto-Lei n.º 137/2014 de 12 de setembro)

Leia mais

Parecer do Comité das Regiões Parceria entre zonas urbanas e rurais e respetiva governação (2013/C 356/03)

Parecer do Comité das Regiões Parceria entre zonas urbanas e rurais e respetiva governação (2013/C 356/03) 5.12.2013 Jornal Oficial da União Europeia C 356/9 Parecer do Comité das Regiões Parceria entre zonas urbanas e rurais e respetiva governação (2013/C 356/03) O COMITÉ DAS REGIÕES reconhece que há barreiras

Leia mais

Relações verticais na cadeia de abastecimento alimentar: Princípios de boas práticas

Relações verticais na cadeia de abastecimento alimentar: Princípios de boas práticas Relações verticais na cadeia de abastecimento alimentar: Princípios de boas práticas Propostos pelos seguintes membros nucleares da plataforma B2B AIM CEJA CELCAA CLITRAVI Copa Cogeca ERRT EuroCommerce

Leia mais

VIII Congresso da EUROSAI Lisboa, 30 de Maio 2 de Junho de 2011 CONCLUSÕES E RECOMENDAÇÕES

VIII Congresso da EUROSAI Lisboa, 30 de Maio 2 de Junho de 2011 CONCLUSÕES E RECOMENDAÇÕES VIII Congresso da EUROSAI Lisboa, 30 de Maio 2 de Junho de 2011 CONCLUSÕES E RECOMENDAÇÕES 1 Preâmbulo O VIII Congresso da EUROSAI realizado em Lisboa entre 30 de Maio e 2 de Junho de 2011 concentrou-se

Leia mais

PORTUGAL 2020. Quadro Comunitário de Apoio 2014-2020

PORTUGAL 2020. Quadro Comunitário de Apoio 2014-2020 PORTUGAL 2020 Quadro Comunitário de Apoio 2014-2020 ÍNDICE PORTUGAL 2020 A. Principais orientações e dotação orçamental B. Programas Operacionais e dotação orçamental específica C. Regras gerais de aplicação

Leia mais

PROGRAMA DESENVOLVIMENTO RURAL CONTINENTE 2014-2020. DESCRIÇÃO DA AÇÃO Versão: 1 Data: 28-10-2013

PROGRAMA DESENVOLVIMENTO RURAL CONTINENTE 2014-2020. DESCRIÇÃO DA AÇÃO Versão: 1 Data: 28-10-2013 PROGRAMA DESENVOLVIMENTO RURAL CONTINENTE 2014-2020 DESCRIÇÃO DA AÇÃO Versão: 1 Data: 28-10-2013 M3. VALORIZAÇÃO DA PRODUÇÃO AGRÍCOLA AÇÃO 3.1 JOVENS AGRICULTORES NOTA INTRODUTÓRIA O desenvolvimento das

Leia mais

Pilhas e acumuladores portáteis que contenham cádmio ***I

Pilhas e acumuladores portáteis que contenham cádmio ***I P7_TA-PROV(2013)0417 Pilhas e acumuladores portáteis que contenham cádmio ***I Resolução legislativa do Parlamento Europeu, de 10 de outubro de 2013, sobre a proposta de diretiva do Parlamento Europeu

Leia mais

Auditoria: Desafio e Confiança. 13 de setembro de 2013

Auditoria: Desafio e Confiança. 13 de setembro de 2013 XI Congresso da Ordem dos Revisores Oficiais de Contas Auditoria: Desafio e Confiança 13 de setembro de 2013 Senhor Bastonário da Ordem dos Revisores Oficiais de Contas, Dr. José Azevedo Rodrigues, Senhoras

Leia mais