Implementação de um emarketplace para Serviços de Apoio Social

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Implementação de um emarketplace para Serviços de Apoio Social"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE DE TRÁS-OS-MONTES E ALTO DOURO Implementação de um emarketplace para Serviços de Apoio Social Luís Filipe Moreira Domingues Mestrado em Tecnologias da Informação e Comunicação Orientadores: Prof. Doutor João Eduardo Quintela Varajão e Prof. Doutora Maria Manuela Cunha Junho de 2010

2

3 Resumo A oferta de serviços de saúde e de apoio social é determinada pela disponibilidade, tipo, localização geográfica e quantidade de serviços e recursos (financeiros, humanos e tecnológicos), destinados aos apoios sociais. Um emarketplace pode ser definido como uma solução de comércio e de colaboração de muitos-para-muitos, que permite às empresas comprar, vender e colaborar de uma forma mais simples e eficiente numa escala global. Permite a participação de vendedores e compradores num mercado central para trocar informação sobre os preços e ofertas de produtos mais adequados para eles, facilitando a troca de informação, produtos, serviços e pagamentos, e fornecendo uma infraestrutura que permite o funcionamento eficiente do mercado. Com os emarketplaces Sociais procura-se possibilitar a todos os indivíduos, serviços de apoio social, principalmente àqueles mais condicionados em termos de deslocações, assegurando-lhes, assim, melhor qualidade de vida. Os emarketplaces Sociais pretendem diminuir distâncias e esbater as desigualdades sociais a que muitas pessoas estão sujeitas. Na presente dissertação apresenta-se o trabalho desenvolvido no desenho de um mercado electrónico de serviços sociais e o processo de implementação de um protótipo de um emarketplace Social. i

4 ii

5 Abstract The offer of health services and social support is determined by the availability, type, geographic location and quantity of services and resources (financial, human and technological) for social support. An emarketplace can be defined as a commercial and many-to-many" collaboration solution, which allows companies to buy, sell and collaborate in a more efficiently way on a global scale. It allows the participation of sellers and buyers in a central market for exchanging information about products prices and offerings most suitable for them, facilitating the exchange of information, products, services and payments, and providing an infrastructure that allows the efficient functioning of market. Social emarketplaces intended to enable all individuals, especially those more constrained in terms of dislocation, social support services assuring a better quality of life. The E-marketplaces aimed at decreasing social distance and the social inequalities that many people are subject. In this dissertation is presented the design of an electronic market of social services and the process of implementing a prototype of a Social emarketplace. iii

6 iv

7 Agradecimentos Embora uma dissertação seja, pela sua finalidade académica, um trabalho individual, há contributos de natureza diversa que não podem nem devem deixar de ser realçados. Por essa razão, desejo expressar os meus sinceros agradecimentos: Ao Professor Doutor João Varajão, orientador desta dissertação, por todo empenho, compreensão e exigência. À Professora Doutora Maria Manuela, orientadora desta dissertação, pela sua ajuda, interesse e motivação. Ao Professor António Tavares, pela sua colaboração e empenho ao longo da dissertação. Aos meus familiares que sempre me deram amor e força, valorizando o meu potencial. A todos os meus amigos e amigas, que sempre estiveram presentes aconselhando-me e incentivando a realização deste projecto. À minha colega e amiga Patrícia Fernandes pela sua colaboração, disponibilidade e troca de saberes e experiência que muito contribuíram para a realização da dissertação. Finalmente, a todas as pessoas que, directa ou indirectamente, contribuíram para a execução deste projecto. A todos o meu sincero Obrigado! v

8 vi

9 "Tudo o que chega, chega sempre por uma razão. Fernando Pessoa vii

10 viii

11 Índice Geral 1 Introdução Enquadramento Motivações, objectivos e contributos fundamentais Estrutura da dissertação Enquadramento Internet Negócio electrónico (NE) Comércio Electrónico (CE) Comércio electrónico Business to Business (B2B) emarketplaces Evolução dos emarketplaces Tipos de emarketplaces Serviços disponibilizado pelos emarketplaces Soluções de Apoio Social Modelo de emarketplace Social Diagramas de Casos-de-Uso Identificação dos actores Funcionalidades do Utilizador Visitante Funcionalidades do Utilizador Registado Funcionalidades do Cliente Funcionalidades do Prestador de Serviços Funcionalidades do Prescritor Funcionalidades do Gestor Funcionalidades do Administrador emarketplace Social Desenvolvimento do Protótipo Tecnologias utilizadas PHP Zend Framework Apache Sistema de Gestão de Base de Dados MySQL Desenvolvimento do emarketplace Acessibilidade Estruturação do conteúdo Layout Página Inicial ix

12 x ÍNDICE GERAL Consultar Serviços Consultar Notícias Registar Utilizador Área de Cliente Área de Prestador de Serviços Área de Gestor do emarketplace Conclusão Síntese da dissertação Trabalho Futuro Referências 49 A Funcionalidades dos emarketplaces 53 B Manual de instalação do emarketplace Social 79 B.1 Requisitos B.2 Instalação WAMP B.3 Criação e importação da base de dados B.4 Criação do directório B.5 Habilitar o módulo rewrite do Apache B.6 Criação de um virtual host B.7 Configurações do emarketplace Social B.8 Abrir Portal emarketplace

13 Lista de Figuras 2.1 Exemplo de um emarketplace many-to-many Os modelos de emarketplaces one-to-one e many-to-many Visão geral de um emarketplace Social Esquema de funcionamento de uma página PHP Quantidade de artigos sobre Zend indexados no motor de busca Google, comparativamente com artigos sobre Symfony e Cake PHP (http://www.google. com/trends) Padrão MVC da Zend Framework Estrutura padrão de um projecto Zend Framework Apresentação do emarketplace Social com as posições das diferentes funcionalidades Página inicial do emarketplace Social Listagem de serviços existentes no emarketplace Social Visualização dos detalhes sobre um serviço existente no emarketplace Social Listagem de notícias do emarketplace Social Página de registo de novo utilizador Área de Cliente no emarketplace Social Área de Prestador de Serviços no emarketplace Social Área do Gestor no emarketplace Social B.1 Manual instalação criar uma base dados B.2 Manual instalação importar base de dados B.3 Manual de instalação estrutura do directório B.4 Manual de instalação reeniciar o servidor xi

14 xii LISTA DE FIGURAS

15 Lista de Tabelas 3.1 emarketplace Social - Descrição das funcionalidades do actor utilizador Visitante emarketplace Social - Descrição das funcionalidades do actor utilizador Registado emarketplace Social - Descrição das funcionalidades do actor utilizador Cliente emarketplace Social - Descrição das funcionalidades do actor utilizador Prestador de Serviços emarketplace Social - Descrição das funcionalidades do actor utilizador Prescritor emarketplace Social - Descrição das funcionalidades do actor utilizador Gestor emarketplace Social - Descrição das funcionalidades do actor utilizador Administrador Síntese dos contributos do trabalho realizado xiii

16 xiv LISTA DE TABELAS

17 Siglas e Acrónimos API B2B B2C CE FTP MID MVC PDO PHP CSS W3C WAI WAMP WEB WWW TIC URL XML ZF Application Programming Interface Business to Business Business to Consumer Comércio Electrónico Electronic Mail File Transfer Protocol Mobile Internet Device Model View Controller PHP Data Objects PHP - Hypertext Preprocessor Cascading Styles Sheets World Wide Web Consortium Web Accessibility Initiative Windows, Apache, Mysql, PHP World Wide Web World Wide Web Tecnologias da Informação e Comunicação Uniform Resource Locator extensible Markup Language Zend Framework xv

18 xvi SIGLAS E ACRÓNIMOS

19 Capítulo 1 Introdução Os avanços das Tecnologias da Informação nas últimas décadas originaram um ambiente no qual as organizações são forçadas a procurar activamente novas opções para a redução de custos enquanto simultaneamente procuram competir mais eficazmente nos seus mercados. Este ambiente requer organizações focadas, ágeis, mais flexíveis e competitivas, sendo as organizações levadas a efectuar mudanças muitas vezes radicais na forma como conduzem os negócios, empregam pessoas e utilizam tecnologias [44]. A revolução das tecnologias da informação e a profunda disseminação da Internet que ocorreram na última década, conduziram a um desenvolvimento sem precedentes do comércio electrónico (CE), tornando-o num dos pilares da sociedade da informação [6]. O CE pode ser definido como o processo de compra, venda e troca de produtos, serviços e informação com o uso de redes de computadores incluindo a Internet. O crescimento explosivo da Internet revolucionou a forma como os produtos e os serviços são transaccionados, em que os electronic marketplaces (emarketplace) estão a surgir como um veículo eficiente e importante para as transacções na indústria do CE. Um emarketplace pode ser definido como uma solução de comércio e de colaboração de muitos-para-muitos, que permite as empresas comprar, vender e colaborar de uma forma mais simples e eficiente numa escala global. Actualmente as tecnologias da informação e comunicação (TIC) estão a ser adoptadas e utilizadas em diferentes áreas da sociedade. As áreas de carácter social não são uma excepção, possibilitando as TIC uma maior qualidade de vida aos utilizadores. O debate gerado em torno do envelhecimento e das respostas sociais de apoio aos cidadãos com necessidades especiais, tem adquirido nos últimos anos e particularmente nas sociedades ocidentais crescente actualidade e relevância. A notoriedade desta questão, encontra-se na centralidade que o tema tem tido no discurso político e social e na proliferação de iniciativas mais ou menos visíveis e mediáticas que têm como preocupação central questões ligadas à velhice e ao apoio social. Apesar de só a partir dos anos 70 o apoio social constituir um quadro teórico integrado 1

20 2 Introdução e consistente, encontram-se já anteriormente inúmeros estudos ligados à psicologia (sobretudo a comunitária) cujos contributos foram decisivos para o seu desenvolvimento [49]. É neste âmbito que surge este projecto, com a finalidade de especificar um mercado electrónico de serviços sociais e implementar uma plataforma Web de suporte. Procura-se, assim, o encontro entre indivíduos e entidades habilitadas a prestar serviços e os indivíduos ou entidades que pretendem adquirir serviços. 1.1 Enquadramento Actualmente é cada vez maior o número de pessoas que faz compras em plataformas electrónicas. Usufruindo das novas tecnologias, optimizam tarefas para conseguir libertar tempo para outras actividades de maior valor e enriquecimento pessoal e familiar. A tendência para abraçar os meios de compra electrónicos é global, estando mais desenvolvida em países como os Estados Unidos da América, Japão e países do Norte da Europa [15]. Um emarketplace consiste numa plataforma electrónica onde as empresas, ora assumindo a posição de comprador, ora a de vendedor, se reúnem à volta de um mesmo objectivo, que consiste em estabelecer laços comerciais entre si [6]. Hoje em dia vários são os exemplos da utilização das TIC em áreas consideradas sociais, exemplo disso mesmo, são o caso de centros de saúde que enviam mensagens SMS para o telemóvel dos seus utentes para avisar de consultas ou mesmo para avisar que têm vacinas em atraso. Segundo Loreto [13], o apoio social é um processo dinâmico e transaccional de influência mútua entre o indivíduo e a sua rede de apoio, num contexto ecológico e que representa duas componentes. O apoio refere-se as actividades dos domínios instrumental e expressivo, enquanto o Social, reflecte o vínculo da pessoa ao meio social que pode ser considerado em três vertentes: comunitária, de rede social e do relacionamento íntimo. A aplicação do conceito emarketplace à área social, resulta no desenvolvimento de um mercado electrónico de serviços sociais com base na implementação de uma plataforma Web, onde se pretende centralizar todas as entidades e respectivos serviços e todos os indivíduos ou entidades que deles necessitem, contribuindo para uma significativa melhoria da qualidade de vida de todos os utilizadores em geral e muito particularmente daqueles que maiores dificuldades sentem diariamente. 1.2 Motivações, objectivos e contributos fundamentais Actualmente, a informação disponível à escala global é cada vez mais e mais diversificada. Os computadores e redes passaram a fazer parte do nosso quotidiano e com eles veio a mudança, onde são exigidas novas práticas e novos comportamentos. Por força da constatação desta realidade, as compras electrónicas ocupam um lugar de peso nas estratégias das empresas havendo evidências que têm vindo a demonstrar essa importância. Citem-se os casos dos emarketplaces que surgiram em Portugal nos últimos anos [1].

21 1.3 Estrutura da dissertação 3 Estabelece-se como finalidade do presente trabalho, implementar um protótipo de um emarketplace para serviços de apoio social, com vista à oferta integrada de um catálogo alargado de possíveis prestadores de serviços sociais, e capaz de promover o encontro entre indivíduos e entidades habilitadas a prestar serviços e os indivíduos ou entidades que pretendem adquirir serviços, numa lógica de um mercado electrónico. Este trabalho tem por finalidade criar um mercado electrónico de serviços sociais com base numa plataforma Web (usando tecnologias open source), através de participação no desenho de um mercado electrónico, acompanhamento da identificação dos utilizadores e das suas necessidades, assim como definir um modelo de funcionamento e o desenho da solução para sua implementação. Com o desenvolvimento deste projecto procura-se também combater o isolamento a que indivíduos com necessidades especiais (idosos na sua maioria, mas não exclusivamente) habitam, quer pela distância da sua residência a centros de prestação de cuidados de saúde, quer pela necessidade de acesso a diversas formas de apoio social, a que se adiciona por vezes a falta de recursos nas famílias para prestar assistência aos familiares com necessidades especiais. Nem sempre estes indivíduos têm acesso aos diversos recursos que tornariam o seu dia-a-dia mais confortável e independente. Concretamente, pode-se referir serviços de apoio domiciliário, cuidados primários de saúde, serviços complementares de cuidados de saúde (pontuais ou de carácter permanente/continuado), de higiene, de alimentação, de acompanhamento, tarefas domésticas, entre outros. A concepção de um emarketplace, utilizando um sistema de plataforma Web, irá integrar os diferentes negócios numa base de dados centralizada possibilitando a utilização da plataforma para a realização de compra e vendas, reduzindo tempo, distâncias, custos e possibilitando a agilidade e eficiência na relação com clientes, fornecedores e parceiros de negócios. 1.3 Estrutura da dissertação Esta secção apresenta sucintamente a organização e conteúdo do presente trabalho. No primeiro capítulo, introdutório, é realizado o enquadramento de todo trabalho. No capítulo 2 é efectuada a caracterização da área de comércio electrónico, principalmente focando os emarketplaces e é feito o enquadramento deste sector na actividade da prestação de serviços sociais. Este capítulo é também dedicado à identificação e análise das soluções de emarketplace social existentes, tanto a nível nacional como internacional. Ao longo do 3 capítulo, é apresentada e especificada uma solução de emarketplace para o sector da prestação de serviços sociais. Para a modelação do sistema seguiu-se o processo normal de modelação com casos-de-uso. Para isso foram identificadas as fronteiras do sistema, os actores e os casos-de-uso, efectuando-se a respectiva especificação. No capítulo 4 é apresentado o protótipo para a solução de um emarketplace para o sector de prestação de serviços de acção social. A solução apresentada neste capítulo reúne características apresentadas no capítulo 3. São apresentadas as tecnologias utilizadas, maioritariamente open source, tais como PHP, a Web Framework Zend e o MySQL, assim como é feita a apresentação

22 4 Introdução das diferentes secções do emarketplace, sob os diferentes pontos de vista de cada utilizador do sistema. O capítulo 5 fornece uma generalização de tudo o que foi desenvolvido, através da discussão dos resultados obtidos e dos principais contributos para o desenvolvimento dos emarketplaces sociais. Este capítulo termina com algumas reflexões sobre a continuidade desejada deste projecto.

23 Capítulo 2 Enquadramento Este capítulo visa a exposição de um conjunto de conceitos que se pensa serem de importância para a compreensão do CE e de uma infra-estrutura que lhe dá suporte aos emarketplaces, estabelecendo-se, desta forma, os fundamentos gerais que facilitam a compreensão da informação tratada nos capítulos subsequentes. Nesta linha, proceder-se-á à revisão e realce dos aspectos fundamentais relativos ao CE como, por exemplo, a influência da Internet na evolução do CE e do B2B nas empresas. Também são apresentados conceitos importantes no contexto do B2B. 2.1 Internet No início dos anos 90, com o advento da World Wide Web, WWW, a Internet tornou-se comercial e amplamente difundida. Diversas são as suas facetas, sendo usada para comunicação pessoal ( , chats, fóruns virtuais), para troca de arquivos electrónicos (serviços FTP, Gopher), para recuperação de informação (directórios e dispositivos de busca de páginas HTML na WWW) e, mesmo, para transacções comerciais (B2C, B2B, leilões). Como uma tecnologia em constante desenvolvimento, o papel e a importância conferidos à Internet vêm se alterando ao longo do tempo. Laudon [32] destaca quatro papéis fundamentais da Internet: a aceleração do acesso às informações, a melhoria de comunicação e colaboração entre pessoas, a aceleração da divulgação de novos conhecimentos e do ritmo das descobertas científicas e a facilitação do comércio electrónico, das transacções comerciais e dos serviços aos clientes. Com a Internet, a forma como as pessoas interagem umas com as outras mudou significativamente. As tecnologias da informação e comunicação (TICs), alteraram a forma de fazer comércio, o modo de pesquisar, de se relacionar, enfim, de comunicar. O processo de comunicação e difusão da informação passou a ser diversificado, dinâmico e, sobretudo, interactivo, a partir da 5

24 6 Enquadramento comunicação electrónica. Barreto [2] afirma que a mesma modifica estruturalmente o fluxo de informação e do conhecimento, actuando basicamente nos seguintes pontos: interacção do receptor com a informação; estrutura da mensagem; e tempo de interacção. Mais do que um fruto da globalização, a Internet representa um dos seus principais instrumentos. Foi insistentemente fomentada, no âmbito de uma política destinada a alcançar a circulação da informação em tempo real em todo o mundo. A disponibilização da tecnologia WWW, durante os anos 90, permitiu a grande parte do tecido empresarial reequacionar as estratégias de actuação no mercado, provocando alterações profundas no ambiente negocial tradicional, designadamente no modo de relacionamento entre clientes e fornecedores. Esta alteração deu origem a uma nova forma de vender e comprar o Comércio Electrónico que se tem convertido num factor fundamental de competitividade e num fortíssimo indutor de produtividade para a generalidade das empresas [6]. É amplamente reconhecido que a Internet é hoje o principal pilar do CE, sendo os mercados electrónicos uma infra-estrutura de suporte ao CE entre empresas capaz de alterar a forma de relacionamento entre clientes e fornecedores ou entre parceiros de negócios [53]. Segundo um estudo da emarketer [52], o mundo chegou a 1 bilião de utilizadores da Internet no final de 2005, com aproximadamente 845 milhões de pessoas a usar regularmente a Web. Os Estados Unidos são o país com a maior população de Internet, com 175,4 milhões de internautas, seguido pela China, com 111 milhões. Os norte-americanos devem seguir na frente até o final da década. As conexões por banda larga cresceram de 142 milhões de casas em 2004 para 195 milhões em A região que apresenta a maior taxa de expansão no número de assinantes é a América Latina, com 70,7%. Ela é seguida pelo Leste Europeu, com 42,2%, e pela Ásia-Pacífico, com 37,7%. 2.2 Negócio electrónico (NE) As empresas enfrentam uma competitividade crescente e ciclos de vida cada vez mais curtos para os produtos e serviços que exigem conhecimento profundo dos clientes e dos fornecedores. Pode-se considerar que neste novo paradigma empresarial a empresa alarga a sua tradicional fronteira para abarcar no seu perímetro de actuação as entidades com que se relaciona [3]. A criação desta nova forma de organização, radica fundamentalmente na possibilidade de as empresas e organizações em geral se reinventarem, ou seja, aproveitarem o seu conhecimento e as suas potencialidades internas para, com base nas possibilidades oferecidas pela tecnologia, se reposicionarem nas cadeias de valor, redefinirem os seus processos de negócio, aumentarem a produtividade e se globalizarem [3]. A IBM define NE como uma forma segura, flexível e integrada de fornecer um valor diferenciado pela combinação dos sistemas e processos que regem as operações do núcleo das empresas com a simplicidade possibilitada pela tecnologia Internet [11, 10].

25 2.2 Negócio electrónico (NE) 7 O NE é uma nova forma de estruturar todos os processos de negócio de uma empresa ou organização suportada em informação electrónica e comunicações, que permitem uma ligação directa entre [3]: A empresa e os clientes; A empresa e os seus parceiros de negócio; A empresa e a sua gestão; A empresa e os seus colaboradores ou, de outra forma, entre o conhecimento que a empresa possui e os seus funcionários e o conhecimento pessoal que estes detêm. Naturalmente que a ligação entre os diferentes participantes nos processos de negócio existe desde a génese do mercado. O factor significativo de alteração, introduzido pela tecnologia actual dos computadores, é o conjunto das características do novo tipo de relacionamento económico, que passou a ser [3]: Directo; Interactivo; Activo a todo momento; Omnipresente. É de realçar que este entendimento do negócio electrónico transcende o mero conceito de comércio electrónico, entendido apenas como a capacidade de fazer transacções na rede. A capacidade disponibilizada pelos computadores interligados em vários níveis de rede vai para além do mercado, permite transferir e partilhar informação e conhecimento, melhorar o processo de decisão, eliminar esforço duplicado, favorecer o trabalho em equipa mesmo remotamente, conectar estreitamente quem trabalha, em suma, repensar toda a organização da empresa e dos seus processos de negócio [3]. O NE é uma prova da capacidade criativa humana e da constante renovação de um velho e secular hábito que as pessoas (felizmente) têm: fazer negócios. Permite o desenvolvimento e coordenação de processos de negócio fundamentais através da utilização intensiva das tecnologias de informação e comunicação e de informação digital [7]. Sewell e McCarthey [36] identificam negócio electrónico como negócio facilitado pelas Tecnologias de Informação e Comunicação. Outros argumentam, que o negócio electrónico compreende todas as actividades realizadas electronicamente quer sejam internas ou externas [48]. Existem muitos modelos de negócio de comércio electrónico, e outros estão a ser criados diariamente. A quantidade destes modelos é limitada somente pela imaginação Humana [32]. Todavia, não obstante à abundância de potenciais modelos, é possível identificar os tipos de modelos mais genéricos que foram desenvolvidos para o comércio electrónico. Utilizando uma classificação de acordo com os diferentes sectores, podemos identificar para o caso do B2C (Business to

26 8 Enquadramento Consumer) os tipos: Portal, Fornecedor de Conteúdos, Corrector de Transacções, Potenciador de Mercado, Fornecedor de Serviços e Fornecedor de Comunidades. No caso do B2B (Business to Business) os seguintes tipos: Distribuidor Electrónico, Aquisição Electrónica, Troca, Consórcios Industriais e Redes Industriais Privadas. Existem também modelos de negócio em áreas emergentes tais como: modelos de negócio C2C (Consumer to Consumer), Peer-to-Peer e modelos de negócio de comércio móvel [32]. Uma das principais características do NE é a capacidade de conectar pessoas, grupos e organizações mundialmente [51]. Oferece vantagens importantes, porque em primeiro lugar, representa uma forma mais eficiente de controlar o fluxo da informação, o que reduz os custos elevados de comunicação, obtenção da informação ou realização de transacções. Em segundo lugar, suporta uma maior colaboração de valor acrescentado, entre as unidades de uma empresa, e entre uma empresa e os seus parceiros de negócio. A integração da cadeia de valor e o valor completo do sistema implica que cada fase da cadeia de valor pode ter novas oportunidades de criar novos produtos ou serviços [24, 38]. A principal característica da nova economia é o facto de tudo estar ligado e funcionar em rede. Na nova economia para vencer e aumentar o crescimento e valor do negócio da empresa, o primeiro passo deve ser o desenvolvimento de uma estratégia que considere objectivos futuros, fundos e recursos e tenha o NE como ferramenta principal [45]. 2.3 Comércio Electrónico (CE) A Internet constitui uma poderosa ferramenta para facilitar e multiplicar a comunicação global entre pessoas e instituições. Do ponto de vista económico, o seu potencial é reflectido principalmente através do comércio electrónico, uma aplicação das tecnologias de informação direccionada para apoiar processos produtivos e transacções de bens e serviços. O chamado e-commerce permite fortalecer a rede global de produção, comércio e tecnologia e os vínculos internos das corporações em várias situações [43]. As definições de CE são inúmeras e têm variado ao longo do tempo [23, 50, 57, 20, 47]. O comércio electrónico é um termo relativamente novo que diz respeito à utilização das TIC nas operações de uma organização, ou seja, o uso da tecnologia para oferecer e vender a linha de produtos de uma empresa. No entanto, o comércio electrónico é um conceito e uma filosofia mais vasta que inclui muito mais do que a venda aos consumidores [10]. O CE é definido como sendo o desenvolvimento de actividades económicas através das redes de telecomunicações e baseia-se na transmissão electrónica de dados, incluindo texto, sons e imagens [33, 29, 14, 56, 28, 30]. Uma definição mais ampla e abrangente do CE é a que considera este, como sendo todo e qualquer tipo de negócio, transacção administrativa ou intercâmbio de informação utilizando qualquer uma das tecnologias da informação e comunicação [22, 30].

27 2.4 Comércio electrónico Business to Business (B2B) 9 Wigand [55], sugere que o comércio electrónico é a aplicação das Tecnologias de Informação e Comunicação desde a origem até ao destino, com os processos de negócio conduzidos electronicamente ao longo da cadeia de valor de modo a acompanhar os objectivos do negócio. Segundo Turban [17], comércio electrónico é o processo de comprar, vender, transferir, ou trocar produtos, serviços e/ou informação através de redes de computadores, incluindo a Internet. O desenvolvimento do comércio electrónico tem uma profunda influência sobre a forma como os serviços são promovidos, distribuídos, vendidos e entregues. A intangibilidade, tradicionalmente atribuída aos serviços, tem no comércio electrónico um grande aliado. Dada a natureza imaterial dos serviços pode ser feita sem a entrega física do produto, de modo que os fornecedores podem conseguir economias significativas nos custos de gestão e de marketing através de operações comércio electrónico [16]. O comércio electrónico é a forma mais avançada de venda ao consumidor (final ou não). É importante, no entanto, distinguir as transacções que são realizadas entre empresas e consumidores e aquelas que são realizadas entre empresas. Dizendo de outra maneira, é importante fazer a distinção entre comércio electrónico Business to commerce e comércio electrónico Business to business [44]. 2.4 Comércio electrónico Business to Business (B2B) Existem várias formas de realizar comércio electrónico. O B2B e o B2C são duas dessas formas. Sendo que o B2B diz respeito ao acto de realizar negócios entre empresas através de vias electrónicas. E o B2C refere-se ao acto de realizar negócios entre uma empresa e um consumidor, utilizando também vias electrónicas. No âmbito desta dissertação dar-se-á um maior relevo ao comércio electrónico B2B, onde os emarketplaces surgem como uma das suas principais plataformas. O comércio electrónico entre empresas (B2B) é definido como a transmissão electrónica de dados e a execução de transacções entre entidades em negociação (clientes, fornecedores e terceiros relacionados) usando a Internet ou outras redes [53]. O B2B é o conjunto de transacções comerciais entre empresas utilizando meios electrónicos, em especial a Internet. A utilização do B2B é fundamental para reduzir os custos de transacção e remover ou minimizar a ineficiência na cadeia de fornecimento [21]. A contribuição essencial do B2B é constituir uma cadeia de fornecimento mais eficiente, proporcionando menores custos nos processos e nos consumos internos utilizados pela empresa, sejam eles parte do processo produtivo ou ligados a tarefas de apoio. Mayer-Guell [34] afirma esta posição ao escrever que o B2B é usado para coordenar todas as facetas da cadeia de fornecimento. Organizações podem efectivamente gerir os stocks, agendar a produção e entregar os seus produtos no prazo certo através de uma ligação electrónica entre fornecedores de matérias-primas, produtores, distribuidores, comerciantes e, finalmente, os consumidores [19].

emarketplace Social proposta de um modelo funcional

emarketplace Social proposta de um modelo funcional emarketplace Social proposta de um modelo funcional Patrícia Fernandes Mestrado em TIC/UTAD João Varajão Departamento de Engenharias/UTAD Manuela Cunha IPCA Resumo: A oferta de serviços de saúde e de apoio

Leia mais

128 educação, ciência e tecnologia

128 educação, ciência e tecnologia 128 A RELEVÂNCIA DO APOIO SOCIAL NA VELHICE ROSA MARIA LOPES MARTINS * 1. INTRODUÇÃO O debate gerado em torno do envelhecimento e das respostas sociais de apoio aos cidadãos idosos, têm adquirido nos últimos

Leia mais

GESTÃO. Gestão dos Processos e Operações Gestão de Sistemas e Tecnologias de Informação (dentro do capítulo 6) CLF

GESTÃO. Gestão dos Processos e Operações Gestão de Sistemas e Tecnologias de Informação (dentro do capítulo 6) CLF GESTÃO Gestão dos Processos e Operações Gestão de Sistemas e Tecnologias de Informação (dentro do capítulo 6) Informação e Decisões Gerir envolve tomar muitas e frequentes decisões Para decidir com eficácia

Leia mais

A versão básica disponibiliza a informação criada no Microsoft Navision em unidades de informação

A versão básica disponibiliza a informação criada no Microsoft Navision em unidades de informação O Business Analytics for Microsoft Business Solutions Navision ajuda-o a ter maior controlo do seu negócio, tomar rapidamente melhores decisões e equipar os seus funcionários para que estes possam contribuir

Leia mais

Síntese do estudo sobre A ADESÃO DAS PME NACIONAIS À PRÁTICA DO COMÉRCIO ELECTRÓNICO

Síntese do estudo sobre A ADESÃO DAS PME NACIONAIS À PRÁTICA DO COMÉRCIO ELECTRÓNICO Síntese do estudo sobre A ADESÃO DAS PME NACIONAIS À PRÁTICA DO COMÉRCIO ELECTRÓNICO 1. PRINCIPAIS CONCLUSÕES Há um entendimento razoável das vantagens da prática do comércio electrónico no seio das PME

Leia mais

Objectivos de aprendizagem

Objectivos de aprendizagem Capítulo 6 1 Telecomunicações e redes 2 Objectivos de aprendizagem ƒ Identificar as principais tendências e os grandes desenvolvimentos nas empresas, nas tecnologias e nas aplicações de negócio, das telecomunicações

Leia mais

Estratégias em Tecnologia da Informação. Posição e Vantagem Competitiva Aplicações integradas Aplicações Web

Estratégias em Tecnologia da Informação. Posição e Vantagem Competitiva Aplicações integradas Aplicações Web Estratégias em Tecnologia da Informação Capítulo 09 Posição e Vantagem Competitiva Aplicações integradas Aplicações Web Material de apoio 2 Esclarecimentos Esse material é de apoio para as aulas da disciplina

Leia mais

Factor PME. Junho 2011

Factor PME. Junho 2011 Projecto Factor PME Junho 2011 Índice Âmbito e Objectivos 03 Condições de Elegibilidade _Entidade beneficiária 04 _Projecto 05 Investimentos Elegíveis _Componentes de financiamento 06 _Despesas elegíveis

Leia mais

NORMALIZAÇÃO Comércio Electrónico e a sua Importância na Cadeia de Distribuição 14 de Dezembro 2010 Nuno Miranda

NORMALIZAÇÃO Comércio Electrónico e a sua Importância na Cadeia de Distribuição 14 de Dezembro 2010 Nuno Miranda NORMALIZAÇÃO Comércio Electrónico e a sua Importância na Cadeia de Distribuição 14 de Dezembro 2010 Nuno Miranda The global language of business O que é ecommerce? Da perspectiva de processo de negócio,

Leia mais

Conceito. As empresas como ecossistemas de relações dinâmicas

Conceito. As empresas como ecossistemas de relações dinâmicas Conceito As empresas como ecossistemas de relações dinâmicas PÁG 02 Actualmente, face à crescente necessidade de integração dos processos de negócio, as empresas enfrentam o desafio de inovar e expandir

Leia mais

PRIMAVERA BUSINESS SOFTWARE SOLUTIONS, SA

PRIMAVERA BUSINESS SOFTWARE SOLUTIONS, SA PRIMAVERA BUSINESS SOFTWARE SOLUTIONS, SA Introdução Nesta edição do Catálogo de Serviços apresentamos os vários tipos de serviços que compõe a actual oferta da Primavera na área dos serviços de consultoria.

Leia mais

Gestão Total da Manutenção: Sistema GTM

Gestão Total da Manutenção: Sistema GTM Gestão Total da Manutenção: Sistema GTM por Engº João Barata (jbarata@ctcv.pt), CTCV Inovação Centro Tecnológico da Cerâmica e do Vidro 1. - INTRODUÇÃO Os sub-sistemas de gestão, qualquer que seja o seu

Leia mais

Plano tecnológico? Ou nem tanto?

Plano tecnológico? Ou nem tanto? Plano tecnológico? Ou nem tanto? WEB: ÉDEN?APOCALIPSE? OU NEM TANTO? Plano Tecnológico Mas, Senhor Presidente, Senhoras e Senhores Deputados, além deste Contrato, o Novo Contrato para a Confiança, o nosso

Leia mais

Guia de Websites para a Administração Pública

Guia de Websites para a Administração Pública Guia de Websites para a Administração Pública Portugal precisa de um desafio de exigência e de conhecimento que nos eleve aos níveis de competência e de produtividade dos países mais desenvolvidos, de

Leia mais

PHC dteamcontrol Externo

PHC dteamcontrol Externo PHC dteamcontrol Externo A gestão remota de projectos e de informação A solução via Internet que permite aos seus Clientes participarem nos projectos em que estão envolvidos, interagindo na optimização

Leia mais

SIBS PROCESSOS cria solução de factura electrónica com tecnologias Microsoft

SIBS PROCESSOS cria solução de factura electrónica com tecnologias Microsoft SIBS PROCESSOS cria solução de factura electrónica com tecnologias Microsoft A solução MB DOX oferece uma vantagem competitiva às empresas, com a redução do custo de operação, e dá um impulso à factura

Leia mais

ARTIGO: SOLUÇÕES PARA O SECTOR AUTARQUIAS in IGOV Maio 2010

ARTIGO: SOLUÇÕES PARA O SECTOR AUTARQUIAS in IGOV Maio 2010 CÂMARA MUNICIPAL DE SANTARÉM - R EVOLUÇÃO ADMINISTRATIVA A Autarquia de Santarém, em parceria com a PT Prime, desenvolveu um sistema de soluções integradas e inter-operantes que lhe possibilitaram operacionalizar

Leia mais

Os Sistemas de Informação Regionais das Cidades e Regiões Digitais na vertente Infraestrutural

Os Sistemas de Informação Regionais das Cidades e Regiões Digitais na vertente Infraestrutural Os Sistemas de Informação Regionais das na vertente Infraestrutural 1, 2 1 Instituto Politécnico de Tomar Tomar, Portugal 2 Centre of Human Language Tecnnology and Bioinformatics Universidade da Beira

Leia mais

A MOBILIDADE NAS EMPRESAS E A TRANSFORMAÇÃO DOS ERP

A MOBILIDADE NAS EMPRESAS E A TRANSFORMAÇÃO DOS ERP A MOBILIDADE NAS EMPRESAS E A TRANSFORMAÇÃO DOS ERP Conteúdos A MOBILIDADE NAS EMPRESAS E A TRANSFORMAÇÃO DOS ERP... 3 PREPARA-SE PARA UMA MAIOR MOBILIDADE... 4 O IMPACTO DOS ERP NO MOBILE... 5 CONCLUSÕES...

Leia mais

Tópicos de Ambiente Web Internet: negócios eletrônicos, novas tendencias e tecnologias

Tópicos de Ambiente Web Internet: negócios eletrônicos, novas tendencias e tecnologias Tópicos de Ambiente Web Internet: negócios eletrônicos, novas tendencias e tecnologias Professora: Sheila Cáceres Uma mensagem enviada em internet é dividida em pacotes de tamanho uniforme. Cada pacote

Leia mais

UNIVERSIDADE DE AVEIRO

UNIVERSIDADE DE AVEIRO UNIVERSIDADE DE AVEIRO DEPARTAMENTO DE ECONOMIA, GESTÃO E ENGENHARIA INDUSTRIAL MESTRADO EM GESTÃO DA INFORMAÇÃO DISCIPLINA: GESTÃO DA INFORMAÇÃO CAPACIDADE DE RESPOSTA A SOLICITAÇÕES DO EXTERIOR - DIÁLOGO

Leia mais

PHC TeamControl CS. A gestão de equipas e de departamentos

PHC TeamControl CS. A gestão de equipas e de departamentos PHC TeamControl CS A gestão de equipas e de departamentos A solução que permite concretizar projectos no tempo previsto e nos valores orçamentados contemplando: planeamento; gestão; coordenação; colaboração

Leia mais

Catálogo IDA de INSTRUMENTOS e TÉCNICAS COMUNS. Interchange of Data between Administrations COMISSÃO EUROPEIA

Catálogo IDA de INSTRUMENTOS e TÉCNICAS COMUNS. Interchange of Data between Administrations COMISSÃO EUROPEIA Interchange of Data between Administrations COMISSÃO EUROPEIA DIRECÇÃO- GERAL DA EMPRESA INTERCHANGE OF DATA BETWEEN ADMINISTRATIONS PROGRAMME Catálogo IDA de INSTRUMENTOS Interchange of Data between Administrations

Leia mais

COMÉRCIO ELETRÔNICO UM BREVE HISTÓRICO

COMÉRCIO ELETRÔNICO UM BREVE HISTÓRICO UM BREVE HISTÓRICO COMÉRCIO ELETRÔNICO O comércio sempre existiu desde que surgiram as sociedades. Ele é dito como o processo de comprar, vender e trocar produtos e serviços. Inicialmente praticado pelos

Leia mais

sistemas de informação nas organizações

sistemas de informação nas organizações sistemas de nas organizações introdução introdução aos sistemas de objectivos de aprendizagem avaliar o papel dos sistemas de no ambiente empresarial actual definir um sistema de a partir de uma perspectiva

Leia mais

UFG - Instituto de Informática

UFG - Instituto de Informática UFG - Instituto de Informática Especialização em Desenvolvimento de Aplicações Web com Interfaces Ricas EJB 3.0 Prof.: Fabrízzio A A M N Soares professor.fabrizzio@gmail.com Aula 13 Web Services Web Services

Leia mais

Primeira Unidade Empresarial de Serviços Partilhados em Saúde arranca em Portugal

Primeira Unidade Empresarial de Serviços Partilhados em Saúde arranca em Portugal Primeira Unidade Empresarial de Serviços Partilhados em Saúde arranca em Portugal É hoje apresentada publicamente a primeira Unidade Empresarial de Serviços Partilhados em Saúde a funcionar em Portugal.

Leia mais

De acordo com os objectivos previamente definidos para esta investigação, apresentamos de seguida as respectivas conclusões:

De acordo com os objectivos previamente definidos para esta investigação, apresentamos de seguida as respectivas conclusões: 7.1 Conclusões De acordo com os objectivos previamente definidos para esta investigação, apresentamos de seguida as respectivas conclusões: 1 - Descrever os instrumentos/modelos de gestão e marketing estratégicos

Leia mais

O Programa de Reforço e Dinamização da Cooperação Empresarial SISCOOP constitui-se como

O Programa de Reforço e Dinamização da Cooperação Empresarial SISCOOP constitui-se como SISTEMA DE DIAGNÓSTICO E AVALIAÇÃO DO POTENCIAL DE DESENVOLVIMENTO DAS OPORTUNIDADES DE COOPERAÇÃO EM REDE Nota: documento elaborado pela INTELI Inteligência em Inovação, no âmbito da consultadoria prestada

Leia mais

A Internet nas nossas vidas

A Internet nas nossas vidas Economia Digital A Internet nas nossas vidas Nos últimos anos a internet revolucionou a forma como trabalhamos, comunicamos e até escolhemos produtos e serviços Economia Digital Consumidores e a Internet

Leia mais

2.3. Sistemas de Informação

2.3. Sistemas de Informação 2.3. Sistemas de Informação 2.3.1. Sistema Comecemos por observar como definem diversos autores o que será um sistema, sistema é um conjunto complexo de inúmeras partes que interagem (MAXIMIANO, Antonio

Leia mais

INFORMÁTICA PARA GESTÃO I Curso Superior de Gestão de Marketing

INFORMÁTICA PARA GESTÃO I Curso Superior de Gestão de Marketing INFORMÁTICA PARA GESTÃO I Curso Superior de Gestão de Marketing Docente (Teóricas): E-mail: vmnf@yahoo.com Web: http://www.vmnf.net/ipam Aula 13 Sumário A Internet: Modelos de Negócio, Publicidade e Meios

Leia mais

NOTAS DE AULA - TELECOMUNICAÇÕES

NOTAS DE AULA - TELECOMUNICAÇÕES NOTAS DE AULA - TELECOMUNICAÇÕES 1. Conectando a Empresa à Rede As empresas estão se tornando empresas conectadas em redes. A Internet e as redes de tipo Internet dentro da empresa (intranets), entre uma

Leia mais

SAÚDEGLOBAL. AON Portugal

SAÚDEGLOBAL. AON Portugal SAÚDEGLOBAL AON Portugal Breve Apresentação do Negócio DADOS DE CARACTERIZAÇÃO Designação Comercial Saúdeglobal N.º Colaboradores N.º de Estabelecimentos Dispersão Geográfica Nacional Facturação em 2010

Leia mais

IDC Portugal: Av. António Serpa, 36 9º Andra, 1050-027 Lisboa, Portugal Tel. 21 796 5487 www.idc.com

IDC Portugal: Av. António Serpa, 36 9º Andra, 1050-027 Lisboa, Portugal Tel. 21 796 5487 www.idc.com CADERNO IDC Nº 49 IDC Portugal: Av. António Serpa, 36 9º Andra, 1050-027 Lisboa, Portugal Tel. 21 796 5487 www.idc.com Web Services OPINIÃO IDC Apesar de não constituírem uma alteração tecnológica radical,

Leia mais

Guimarães, 13 de Maio de 2002. Luis Amaral. Universidade do Minho

Guimarães, 13 de Maio de 2002. Luis Amaral. Universidade do Minho Prefácio A Arquitectura dos Sistemas de Informação, enquanto assunto central da área disciplinar das Tecnologias e Sistemas de Informação é, na minha opinião, um dos seus temas mais importantes e, simultaneamente,

Leia mais

PRESSUPOSTOS BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO NO ALENTEJO

PRESSUPOSTOS BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO NO ALENTEJO PRESSUPOSTOS BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO NO ALENTEJO ÍNDICE 11. PRESSUPOSTO BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO 25 NO ALENTEJO pág. 11.1. Um sistema regional de inovação orientado para a competitividade

Leia mais

Ferramentas Web para controle e supervisão: o que está por vir

Ferramentas Web para controle e supervisão: o que está por vir Artigos Técnicos Ferramentas Web para controle e supervisão: o que está por vir Marcelo Salvador, Diretor de Negócios da Elipse Software Ltda. Já faz algum tempo que ouvimos falar do controle e supervisão

Leia mais

Secção I. ƒ Sistemas empresariais cruzados

Secção I. ƒ Sistemas empresariais cruzados 1 Secção I ƒ Sistemas empresariais cruzados Aplicações empresariais cruzadas 2 ƒ Combinações integradas de subsistemas de informação, que partilham recursos informativos e apoiam processos de negócio de

Leia mais

O RELACIONAMENTO COM O CIDADÃO A importância do Território

O RELACIONAMENTO COM O CIDADÃO A importância do Território Conferência Ibero-Americana WWW/Internet 2004 7/8 Outubro, Madrid, Espanha O RELACIONAMENTO COM O CIDADÃO A importância do Território Jorge Xavier Aluno de Mestrado DEGEI UA Campus Universitário de Santiago.

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO - SI

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO - SI SISTEMAS DE INFORMAÇÃO - SI Elaborado e adaptado por: Prof.Mestra Rosimeire Ayres Sistemas Colaborativos Empresariais (ECS) Os sistemas colaborativos nas empresas nos oferecem ferramentas para nos ajudar

Leia mais

2. Enquadramento metodológico

2. Enquadramento metodológico 1. A Agenda 21 LOCAL 1. Em 1992, no Rio de Janeiro, a Conferência das Nações Unidas sobre Ambiente e Desenvolvimento (CNUAD) aprovou um Plano de Acção para o Século 21, intitulado Agenda 21. Realizada

Leia mais

... 1º Período. Metas/Objetivos Descritores Conceitos/Conteúdos Estratégias/Metodologias Avaliação

... 1º Período. Metas/Objetivos Descritores Conceitos/Conteúdos Estratégias/Metodologias Avaliação DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA E INFORMÁTICA DISCIPLINA: TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO PLANIFICAÇÃO DE 8º ANO... 1º Período Domínio COMUNICAÇÃO E COLABORAÇÃO CC8 Conhecimento e utilização adequada

Leia mais

21º Congresso Quantificar o Futuro. Venture Lounge 23 e 24 de Novembro - CCL

21º Congresso Quantificar o Futuro. Venture Lounge 23 e 24 de Novembro - CCL 21º Congresso Quantificar o Futuro Venture Lounge 23 e 24 de Novembro - CCL Programa Data Hora Actividade 23/Nov. 11:30 Inauguração Oficial Innovation Lounge Visita efectuada ao Venture Lounge por Sua

Leia mais

Sistemas. ções Gerenciais

Sistemas. ções Gerenciais Sistemas Como elaborar seu currículo? de Informaçõ 04/2006 ções Gerenciais Um currículo bem feito não garante sua contratação mas um currículo mal elaborado elimina-o do processo seletivo. Novas Tecnologias...

Leia mais

Universidade Fernando Pessoa

Universidade Fernando Pessoa Objectivos da cadeira reconhecer, criar e explorar um recurso de informação usar tecnologias de informação emergentes para a gestão eficaz do recurso informação discutir o impacto das tecnologias de informação

Leia mais

ServidorEscola Plataforma Web de apoio Administrativo

ServidorEscola Plataforma Web de apoio Administrativo ServidorEscola Plataforma Web de apoio Administrativo Introdução Co-habitamos uma sociedade de informação universal, aliados ao paradigma da evolução tecnológica que se verifica e se revela como um meio

Leia mais

Unidade III PRINCÍPIOS DE SISTEMAS DE. Prof. Luís Rodolfo

Unidade III PRINCÍPIOS DE SISTEMAS DE. Prof. Luís Rodolfo Unidade III PRINCÍPIOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Prof. Luís Rodolfo Vantagens e desvantagens de uma rede para a organização Maior agilidade com o uso intenso de redes de computadores; Grandes interações

Leia mais

SESSÃO DE ENCERRAMENTO DO VENTURE CAPITAL IT 2006

SESSÃO DE ENCERRAMENTO DO VENTURE CAPITAL IT 2006 SESSÃO DE ENCERRAMENTO DO VENTURE CAPITAL IT 2006 Jaime Andrez Presidente do CD do IAPMEI 10 de Maio de 2006 Minhas Senhoras e meus Senhores, 1. Em nome do Senhor Secretário de Estado Adjunto, da Indústria

Leia mais

PALAVRAS CHAVE RESUMO

PALAVRAS CHAVE RESUMO ESIG2001 SPATIAL INTELLIGENCE INFORMAÇÃO GEOGRÁFICA COMO MEIO DE SUPORTE À DECISÃO João Machado Costa, Rui Marques Ferreira Novabase www.novabase.pt joao.machado@novabase.pt PALAVRAS CHAVE Spatial Information

Leia mais

Tecnologia da Informação. Aula 3 e-business. Prof. Adrian Kemmer Cernev. Prof. Adrian Cernev. Tec. da Informação

Tecnologia da Informação. Aula 3 e-business. Prof. Adrian Kemmer Cernev. Prof. Adrian Cernev. Tec. da Informação Tecnologia da Informação Aula 3 e-business Prof. Adrian Kemmer Cernev Questão-chave Como eu faço, então, esse negócio online deslanchar? Nascimento e evolução da Internet 1969 ARPAnet - rede baseada em

Leia mais

» apresentação. WORKFLOW que significa?

» apresentação. WORKFLOW que significa? » apresentação WORKFLOW que significa? WORKFLOW não é mais que uma solução que permite sistematizar de forma consistente os processos ou fluxos de trabalho e informação de uma empresa, de forma a torná-los

Leia mais

Introdução ao projecto Gaia Global

Introdução ao projecto Gaia Global Introdução ao projecto Gaia Global Autarquia de Vila Nova de Gaia Luís BorgesGouveia A sociedade da informação A Sociedade da Informação é uma sociedade que predominantemente utiliza o recurso às tecnologias

Leia mais

Informática. Aula 9. A Internet e seu Uso nas Organizações

Informática. Aula 9. A Internet e seu Uso nas Organizações Informática Aula 9 A Internet e seu Uso nas Organizações Curso de Comunicação Empresarial 2º Ano O Que é a Internet? A Internet permite a comunicação entre milhões de computadores ligados através do mundo

Leia mais

Comércio Eletrônico. Comércio Eletrônico. Grau de digitalização. Caracteriza-se Comércio eletrônico pelo grau de digitalização:

Comércio Eletrônico. Comércio Eletrônico. Grau de digitalização. Caracteriza-se Comércio eletrônico pelo grau de digitalização: Comércio Eletrônico FTS Faculdade Taboão da Serra Curso de Administração de Sistemas de Informações Disciplina: Comércio Eletrônico Comércio Eletrônico Caracteriza-se Comércio eletrônico pelo grau de digitalização:

Leia mais

10. Defina Sistemas Distribuídos: Um conjunto de computadores independentes que se apresenta a seus usuários como um sistema único e coerente

10. Defina Sistemas Distribuídos: Um conjunto de computadores independentes que se apresenta a seus usuários como um sistema único e coerente 1. Quais os componentes de um sistema cliente-servidor? Clientes e servidores 2. Na visão do hardware, defina o que é cliente e o que é servidor: Clientes. Qualquer computador conectado ao sistema via

Leia mais

A plataforma de software modular ud121 E-Business, oferece uma das mais sofisticadas ferramentas para comunicações integradas multi-canal.

A plataforma de software modular ud121 E-Business, oferece uma das mais sofisticadas ferramentas para comunicações integradas multi-canal. A plataforma de software modular ud121 E-Business, oferece uma das mais sofisticadas ferramentas para comunicações integradas multi-canal. Adoptada por diversas empresas líderes de mercado em vários sectores

Leia mais

Uma Administração pública em rede

Uma Administração pública em rede Uma Administração pública em rede Maria Manuel Leitão Marques Unidade de Coordenação da Modernização Administrativa ucma@ucma.gov.pt Resumo Por detrás dos mais variados produtos e serviços que consumimos

Leia mais

As empresas estão hoje em ciclos económicos em que existe uma competitividade crescente e ciclos de vida mais curtos para os produtos

As empresas estão hoje em ciclos económicos em que existe uma competitividade crescente e ciclos de vida mais curtos para os produtos C a d e r n o s L i n k Arquitectura do negócio electrónico José Alves Marques Presidente do Conselho de Administração da Link A arquitectura do negócio electrónico As empresas estão hoje em ciclos económicos

Leia mais

Seminário de apresentação da Rede Gestus

Seminário de apresentação da Rede Gestus Seminário de apresentação da Rede Gestus Rede Gestus O LOGOTIPO Rede Gestus Internacionalização Zona 4 Gestus Compras Cartão ECOTUR Portal Gestus Cartão Gestus Contact Center CRM Zona 4 O LOGOTIPO Características:

Leia mais

Autoria Web Apresentação e Visão Geral sobre a Web

Autoria Web Apresentação e Visão Geral sobre a Web Apresentação e Visão Geral sobre a Web Apresentação Thiago Miranda Email: mirandathiago@gmail.com Site: www.thiagomiranda.net Objetivos da Disciplina Conhecer os limites de atuação profissional em Web

Leia mais

e-business Os tipos básicos de ebusiness são (PEDREIRA, 2007):

e-business Os tipos básicos de ebusiness são (PEDREIRA, 2007): e-business (Extraído do Artigo ebusiness: A Atual Maneira de Efetuar Transações Ana Cristina Matos, Gabriela Villanova, Gianluca Nese, Juan Pablo, Maraiana Orrico e Antônio Cardoso) 1. Definição ebusiness,

Leia mais

É uma rede mundial de computadores ligados entre si. INTERNET

É uma rede mundial de computadores ligados entre si. INTERNET INTERNET O QUE É A INTERNET? O QUE É NECESSÁRIO PARA ACEDER À INTERNET? QUAL A DIFERENÇA ENTRE WEB E INTERNET? HISTÓRIA DA INTERNET SERVIÇOS BÁSICOS DA INTERNET 2 1 INTERCONNECTED NETWORK INTERNET A Internet

Leia mais

O GRUPO AITEC. Breve Apresentação

O GRUPO AITEC. Breve Apresentação O GRUPO AITEC Breve Apresentação Missão Antecipar tendências, identificando, criando e desenvolvendo empresas e ofertas criadoras de valor no mercado mundial das Tecnologias de Informação e Comunicação

Leia mais

IP Communications Platform

IP Communications Platform IP Communications Platform A Promessa de Convergência, Cumprida As comunicações são essenciais para os negócios mas, em última análise, estas são conduzidas a nível pessoal no ambiente de trabalho e por

Leia mais

Sistemas web e comércio eletrônico. Aula 02 Arquiteturas de comércio eletrônico

Sistemas web e comércio eletrônico. Aula 02 Arquiteturas de comércio eletrônico Sistemas web e comércio eletrônico Aula 02 Arquiteturas de comércio eletrônico Tópicos abordados Arquitetura do e-commerce Aspectos importantes do e-commerce Modelos de negócios Identificação do modelo

Leia mais

Luís Magalhães Presidente, UMIC - Agência para a Sociedade do Conhecimento

Luís Magalhães Presidente, UMIC - Agência para a Sociedade do Conhecimento A Internet,os computadores, os telefones móveis, a TV digital estão a transformar profundamente a maneira como as pessoas vivem - como aprendem, trabalham, ocupam os tempos livres e interagem, tanto nas

Leia mais

CAPÍTULO 3 A ANATOMIA DA ECONOMIA DE MERCADO. Introdução

CAPÍTULO 3 A ANATOMIA DA ECONOMIA DE MERCADO. Introdução CAPÍTULO 3 A ANATOMIA DA ECONOMIA DE MERCADO Introdução Em aulas anteriores discutimos três conceitos fundamentais na Ciência Económica: escassez, escolha e custo de oportunidade. O fenómeno da escassez

Leia mais

António Amaro Marketing Digital Junho 2014 INTRODUÇÃO E OBJECTIVOS

António Amaro Marketing Digital Junho 2014 INTRODUÇÃO E OBJECTIVOS INTRODUÇÃO E OBJECTIVOS FACTOS A Internet mudou profundamente a forma como as pessoas encontram, descobrem, compartilham, compram e se conectam. INTRODUÇÃO Os meios digitais, fazendo hoje parte do quotidiano

Leia mais

II Fórum do sector segurador e de fundos de pensões. Lisboa, 7 de Março de 2007. Novas regras de solvência Implementação e gestão de risco

II Fórum do sector segurador e de fundos de pensões. Lisboa, 7 de Março de 2007. Novas regras de solvência Implementação e gestão de risco II Fórum do sector segurador e de fundos de pensões Lisboa, 7 de Março de 2007 Novas regras de solvência Implementação e gestão de risco Foi com todo o gosto, e também com enorme interesse, que aceitei

Leia mais

Enunciado do Projecto

Enunciado do Projecto C O M P U T A Ç Ã O M Ó V E L 2 0 0 7 / 2 0 0 8 Enunciado do Projecto 17 de Março de 2008 1. Objectivos Desenvolver uma aplicação num domínio aplicacional específico que envolva replicação e sincronização

Leia mais

SISTEMAS DE INCENTIVOS ÀS EMPRESAS

SISTEMAS DE INCENTIVOS ÀS EMPRESAS SISTEMAS DE INCENTIVOS ÀS EMPRESAS Sistema de Incentivos às Empresas O que é? é um dos instrumentos fundamentais das políticas públicas de dinamização económica, designadamente em matéria da promoção da

Leia mais

Sistema de Incentivos à Inovação e I&DT (Sector Automóvel) Quadro de Referência Estratégico Nacional [QREN]

Sistema de Incentivos à Inovação e I&DT (Sector Automóvel) Quadro de Referência Estratégico Nacional [QREN] Sistema de Incentivos à Inovação e I&DT (Sector Automóvel) Quadro de Referência Estratégico Nacional [QREN] Frederico Mendes & Associados Sociedade de Consultores Lda. Frederico Mendes & Associados é uma

Leia mais

1. Objectivos do Observatório da Inclusão Financeira

1. Objectivos do Observatório da Inclusão Financeira Inclusão Financeira Inclusão Financeira Ao longo da última década, Angola tem dado importantes passos na construção dos pilares que hoje sustentam o caminho do desenvolvimento económico, melhoria das

Leia mais

O que é comércio eletrônico?

O que é comércio eletrônico? COMÉRCIO ELETRÔNICO O que é comércio eletrônico? O comércio eletrônico ou e-commerce é a compra e venda de mercadorias ou serviços por meio da Internet, onde as chamadas Lojas Virtuais oferecem seus produtos

Leia mais

milenaresende@fimes.edu.br

milenaresende@fimes.edu.br Fundação Integrada Municipal de Ensino Superior Sistemas de Informação A Internet, Intranets e Extranets milenaresende@fimes.edu.br Uso e funcionamento da Internet Os dados da pesquisa de TIC reforçam

Leia mais

IDC Portugal aumenta produtividade e reduz custos operacionais com Microsoft Dynamics CRM em modelo hosted

IDC Portugal aumenta produtividade e reduz custos operacionais com Microsoft Dynamics CRM em modelo hosted Microsoft Dynamics CRM Online Customer Solution Case Study IDC Portugal IDC Portugal aumenta produtividade e reduz custos operacionais com Microsoft Dynamics CRM em modelo hosted Sumário País Portugal

Leia mais

Consultoria de Gestão Sistemas Integrados de Gestão Contabilidade e Fiscalidade Recursos Humanos Marketing e Comunicação Consultoria Financeira JOPAC SOLUÇÕES GLOBAIS de GESTÃO jopac.pt «A mudança é a

Leia mais

Carta de Segurança da Informação

Carta de Segurança da Informação Estrutura Nacional de Segurança da Informação (ENSI) Fevereiro 2005 Versão 1.0 Público Confidencial O PRESENTE DOCUMENTO NÃO PRESTA QUALQUER GARANTIA, SEJA QUAL FOR A SUA NATUREZA. Todo e qualquer produto

Leia mais

Escola Superior de Gestão de Santarém. Instalação e Manutenção de Redes e Sistemas Informáticos. Peça Instrutória G

Escola Superior de Gestão de Santarém. Instalação e Manutenção de Redes e Sistemas Informáticos. Peça Instrutória G Escola Superior de Gestão de Santarém Pedido de Registo do CET Instalação e Manutenção de Redes e Sistemas Informáticos Peça Instrutória G Conteúdo programático sumário de cada unidade de formação TÉCNICAS

Leia mais

Neves & Freitas Consultores, Lda.

Neves & Freitas Consultores, Lda. A gerência: Cristian Paiva Índice 1. Introdução... 3 2. Apresentação... 4 2.2 Missão:... 4 2.3 Segmento Alvo... 4 2.4 Objectivos... 5 2.5 Parceiros... 5 2.6 Organização... 5 3. Organigrama da empresa...

Leia mais

Inquérito à Utilização de Tecnologias da Informação e da Comunicação nas Empresas

Inquérito à Utilização de Tecnologias da Informação e da Comunicação nas Empresas INSTITUTO NACIONAL DE ESTATÍSTICA Departamento de Estatísticas Sociais Serviço de Estatísticas da Sociedade da Informação e do Conhecimento Inquérito à Utilização de Tecnologias da Informação e da Comunicação

Leia mais

Valor Comercial das Telecomunicações. Telecomunicações nas Empresas. Superar barreiras geográficas. Superar barreiras do tempo

Valor Comercial das Telecomunicações. Telecomunicações nas Empresas. Superar barreiras geográficas. Superar barreiras do tempo Valor Comercial das Telecomunicações Superar barreiras geográficas Atendimento ao cliente/preenchimento de pedidos Superar barreiras do tempo Consultas de crédito (POS) Superar barreiras de custo Videoconferência

Leia mais

APRESENTAÇÃO DO GRUPO INCENTEA

APRESENTAÇÃO DO GRUPO INCENTEA APRESENTAÇÃO DO GRUPO INCENTEA Quem Somos Somos um grupo de empresas de prestação de serviços profissionais nas áreas das Tecnologias de Informação, Comunicação e Gestão. Estamos presente em Portugal,

Leia mais

Planificação Anual. Planificação de Médio Prazo (1.º Período) Tecnologias da Informação e Comunicação. 9º Ano

Planificação Anual. Planificação de Médio Prazo (1.º Período) Tecnologias da Informação e Comunicação. 9º Ano Escola Básica do 2º e 3º Ciclos João Afonso de Aveiro Departamento de Matemática e Ciências Experimentais Secção de Informática Planificação Anual (1.º Período) Ano lectivo 2010/2011 Tecnologias da Informação

Leia mais

Trabalho sobre Social Media Como implementar Social Media na empresa

Trabalho sobre Social Media Como implementar Social Media na empresa Como implementar Social Media na empresa 1 As razões: Empresas ainda desconhecem benefícios do uso de redes sociais Das 2,1 mil empresas ouvidas em estudo do SAS Institute e da Harvard Business Review,

Leia mais

IV. Intercâmbio Eletrônico de Dados (EDI)

IV. Intercâmbio Eletrônico de Dados (EDI) IV. Intercâmbio Eletrônico de Dados (EDI) 1. Funcionamento do EDI 2. EDI tradicional X WEB EDI 3. EDI Tradicional 4. WEB EDI Intercâmbio Eletrônico de Dados (EDI) EDI: Electronic Data Interchange Troca

Leia mais

Hospitais 2004. Inquérito à Utilização das Tecnologias da Informação e da Comunicação DOCUMENTO METODOLÓGICO

Hospitais 2004. Inquérito à Utilização das Tecnologias da Informação e da Comunicação DOCUMENTO METODOLÓGICO Hospitais 2004 Inquérito à Utilização das Tecnologias da Informação e da Comunicação DOCUMENTO METODOLÓGICO ÍNDICE 1. IDENTIFICAÇÃO E OBJECTIVOS DO PROJECTO... 3 2. RECOLHA E TRATAMENTO DA INFORMAÇÃO...

Leia mais

Departamento Comercial e Marketing. Escola Secundaria de Paços de Ferreira 2009/2010. Técnicas de Secretariado

Departamento Comercial e Marketing. Escola Secundaria de Paços de Ferreira 2009/2010. Técnicas de Secretariado Escola Secundaria de Paços de Ferreira 2009/2010 Técnicas de Secretariado Departamento Comercial e Marketing Módulo 23- Departamento Comercial e Marketing Trabalho realizado por: Tânia Leão Departamento

Leia mais

1 Descrição sumária. Varajão, Santana, Cunha e Castro, Adopção de sistemas CRM nas grandes empresas portuguesas, Computerworld, 2011 1

1 Descrição sumária. Varajão, Santana, Cunha e Castro, Adopção de sistemas CRM nas grandes empresas portuguesas, Computerworld, 2011 1 Adopção de sistemas CRM nas grandes empresas portuguesas João Varajão 1, Daniela Santana 2, Manuela Cunha 3, Sandra Castro 4 1 Escola de Ciências e Tecnologia, Departamento de Engenharias, Universidade

Leia mais

T ecnologias de I informação de C omunicação

T ecnologias de I informação de C omunicação T ecnologias de I informação de C omunicação 9º ANO Prof. Sandrina Correia TIC Prof. Sandrina Correia 1 Objectivos Aferir sobre a finalidade da Internet Identificar os componentes necessários para aceder

Leia mais

Internet ou Net. É uma rede mundial de computadores ligados entre si através s de linhas telefónicas comuns.

Internet ou Net. É uma rede mundial de computadores ligados entre si através s de linhas telefónicas comuns. Internet Internet ou Net É uma rede mundial de computadores ligados entre si através s de linhas telefónicas comuns. Como Comunicam os computadores Os computadores comunicam entre si utilizando uma linguagem

Leia mais

Plataforma de Gestão de Actualizações de Software Descrição do Problema

Plataforma de Gestão de Actualizações de Software Descrição do Problema Plataforma de Gestão de Actualizações de Software Descrição do Problema Pedro Miguel Barros Morgado Índice Introdução... 3 Ponto.C... 4 Descrição do Problema... 5 Bibliografia... 7 2 Introdução No mundo

Leia mais

1 Descrição sumária. Varajão, Trigo e Barroso, O Gestor de Sistemas de Informação nas grandes empresas portuguesas, Computerworld, 2011.

1 Descrição sumária. Varajão, Trigo e Barroso, O Gestor de Sistemas de Informação nas grandes empresas portuguesas, Computerworld, 2011. O Gestor de Sistemas de Informação nas grandes empresas portuguesas João Varajão 1, António Trigo 2, João Barroso 1 1 Escola de Ciências e Tecnologia, Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro 2 Instituto

Leia mais

Unidade 4 Concepção de WEBSITES. Fundamentos do planeamento de um website 1.1. Regras para um website eficaz 1.1.1.

Unidade 4 Concepção de WEBSITES. Fundamentos do planeamento de um website 1.1. Regras para um website eficaz 1.1.1. Unidade 4 Concepção de WEBSITES Fundamentos do planeamento de um website 1.1. Regras para um website eficaz 1.1.1. Sobre o conteúdo 1 Regras para um website eficaz sobre o conteúdo Um website é composto

Leia mais

12. Da discussão e dos seminários, surgiu um consenso sobre as ideias seguintes

12. Da discussão e dos seminários, surgiu um consenso sobre as ideias seguintes Conclusões «Inovação e sustentabilidade ambiental. A inovação e a tecnologia como motor do desenvolvimento sustentável e da coesão social. Uma perspectiva dos governos locais». 1. O Fórum irá estudar,

Leia mais

Negócios Internacionais

Negócios Internacionais Negócios Internacionais Capítulo IX Produção e Logística Global Carina Viveiros Carla Pereira Ruben Dias Rui Ponte Produção e Logística Global Objectivos: Descrever as diferentes dimensões da estratégia

Leia mais

Os novos usos da tecnologia da informação na empresa

Os novos usos da tecnologia da informação na empresa Os novos usos da tecnologia da informação na empresa Internet promoveu: Transformação Novos padrões de funcionamento Novas formas de comercialização. O maior exemplo desta transformação é o E- Business

Leia mais