PROCESSO SELETIVO PARA ESTAGIÁRIOS DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO PROVA OBJETIVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS INSTRUÇÕES AO CANDIDATO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PROCESSO SELETIVO PARA ESTAGIÁRIOS DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO PROVA OBJETIVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS INSTRUÇÕES AO CANDIDATO"

Transcrição

1 PROCESSO SELETIVO PARA ESTAGIÁRIOS DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO PROVA OBJETIVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS INSTRUÇÕES AO CANDIDATO 1. Preencha cuidadosamente o cartão de respostas, indicando seu nome e número de inscrição. Ao assinalar a alternativa faça-o de forma a preencher toda a Ietra escolhida. 2. Não será substituído, o cartão de respostas e as rasuras e questões em branco serão consideradas erradas. 3. Não deixe de assinar a folha de presença, pois a falta de assinatura, mesmo se apresentado o cartão de respostas, implicará na exclusão do processo seletivo. 4. A prova terá duração de 4 (quatro) horas, contadas da autorização dos fiscais de sala para o início da prova. 5. Você poderá, ao final das 3 (três) primeiras horas de prova, levar o seu caderno de questões. Se pretender entregara cartão de respostas antes de completadas 03 (três) horas de duração da prova, devera deixar os cadernos de provas objetiva e subjetiva com o fiscal de mesa, mas poderá pegar o seu gabarito, com a utilização do papel recado que lhe será fornecido pelo fiscal de sala; 6. Nos dois dias seguintes ao de realização da prova (entre 14 e 18h), você poderá obter seu caderno de questões na sede da Procuradoria da República no Estado do Pará; 7. Antes de iniciar a prova: verifique atentamente o caderno de questões, afim de verificar eventual problema de impressão. 8. A prova objetiva será composta por 40 (quarenta) de múltipla escolha de conhecimentos específicos, elaboradas em consonância com o programa constante no Anexo II deste Edital. Cada questão objetiva terá 5 (cinco) alternativas, indicadas pelas letras "A","B","C","D" e"e", devendo o candidato marcar apenas uma delas. A nota em cada questão das provas objetivas, feita com base na marcação das folhas de respostas, será igual a 01 (um) ponto, caso a resposta do candidato seja em concordância com o gabarito oficial definitivo, num total de 40 (quarenta) pontos. 9. Não será permitido ao candidato utilizar qualquer meio de consulta a textos, legislação ou jurisprudência, apontamento ou qualquer outro material durante a realização das provas, bem como o uso de celulares e outros aparelhos eletrônicos. 10. Tenha Calma ao ler as questões e boa prova.

2 1) Inicialmente, julgue os seguintes itens a respeito de comandos do SQL: I INSERT INTO é o comando utilizado para inserir dados em uma tabela. II DELETE FROM é o comando usado sempre para deletar completamente um banco de dados. III DISTINCT é uma cláusula que combinada com SELECT, INSERT, UPDATE e DELETE não exibe registros duplicados de uma tabela. IV ORDER BY é uma condição que permite sortear os registros no resultado de uma consulta e pode ser combinada com SELECT, INSERT, UPDATE e DELETE. V UPDATE é o comando que permite atualizar um ou mais registros em uma tabela. Após, marque abaixo a única alternativa em que todas as proposições são verdadeiras: a) O item I está certo, o item II não está certo, não é verdade que o item III está certo, é falso que o item IV está errado e, por fim, é mentira que o item V não está certo. b) O item I não está errado, o item II não está certo, não é verdade que o item III está certo, é falso que o item IV está certo e, por fim, é mentira que o item V não está certo. c) O item I está errado, o item II está correto, não é verdade que o item III está errado, é falso que o item IV está certo e, por fim, é mentira que o item V está errado. d) O item I não está errado, o item II não está certo, não é verdade que o item III está errado, é falso que o item IV está certo e, por fim, é mentira que o item V não está certo. e) O item I está certo, o item II não está correto, não é verdade que o item III não está errado, é falso que o item IV está certo e, por fim, é mentira que o item V está certo. 2) Analise os seguintes itens a respeito do Plone/Zope: P é um Sistema de Gerenciamento de Conteúdo (CMS) utilizado para construir um web site. Q é um poderoso utilitário que auxilia na instalação, criação ou atualização de scripts ligados ao Plone, Zope e Python. R é considerado um complemento empacotado do Plone. S é um framework baseado na linguagem de programação Python utilizado para construir aplicações web seguras. T é uma ferramenta pronta para uso, tem forma de caixa editável, pode estar localizada na barra lateral direita ou esquerda da interface de usuário do Plone e alguns exemplos dela incluem calendário de eventos, exibição de notícias do site, menu de navegação, enquete e buscas no site. As letras S, T, R, P e Q correspondem, respectivamente, a apenas uma opção abaixo, assinale-a: a) Plone, Buildout, Egg, Zope e Portlet b) Buildout, Plone, Zope, Portlet e Egg c) Portlet, Egg, Zope,Buildout e Plone d) Zope, Portlet, Egg, Plone e Buildout e) Egg, Plone, Buildout, Portlet e Zope

3 3) Um técnico de informática digitou como root no shell do Linux os seguintes comandos: tar zxf Plone UnifiedInstaller.tar.gz cd Plone UnifiedInstaller./install.sh zeo Sobre esses comandos, marque a alternativa correspondente a tudo que foi realizado: a) Foi realizada a instalação parcial do Plone em modo stand alone. b) Foi extraído o arquivo do Plone para a pasta de mesmo nome, depois foi feita a verificação da integridade do arquivo e instalado o Plone em modo stand alone. c) Foi copiado o arquivo do Plone para a pasta Plone UnifiedInstaller e instalado o utilitário zeo. d) Foi removida a instalação anterior do Plone, copiada e instalada a nova versão zeo. e) Foi descompactado o arquivo Plone UnifiedInstaller e após acessar sua pasta, instalado o Plone em modo zeo. 4) Leia o texto abaixo: Um banco de dados relacional é uma coleção de informações relacionadas, organizadas em (1). Cada (1) armazena dados em (2). Os dados destas(destes) (2) estão divididos em (3), as(os)(o) (1) são(é) organizadas(organizados)(organizado) em (4) de banco de dados, que são áreas onde os usuários podem armazenar suas próprias tabelas. Um usuário pode conceder (5) a outros usuários para que eles possam acessar outras(outro) (1). Um ponto importante a ser lembrado é que as informações que compõem um banco de dados são diferentes do sistema usado para acessar essas informações. O Software usado para acessar um banco de dados é conhecido como (6). Evidentemente, todo banco de dados precisa ter um modo de inserir e extrair dados, preferencialmente usando uma linguagem comum, entendida por todos os bancos. O(Os)(As) (6) implementa uma linguagem padrão conhecida como Structured Query Language ou SQL. (Adaptado de: PRICE, Jason. Oracle Database 11G SQL: Domine SQL e PL/SQL no banco de dados Oracle. Editora Bookman. Porto Alegre, RS p ). Em seguida, marque corretamente a opção que contém a ordem em que se apresentam os itens abaixo com o respectivo número de cada termo acima: a) tabelas, linhas, colunas, esquemas, permissões, Sistema de Gerenciamento de Banco de Dados. b) tabelas, esquemas, linhas, colunas, permissões, Sistema de Gerenciamento de Banco de Dados. c) esquemas, tabelas, linhas, colunas, permissões, Sistema de Gerenciamento de Banco de Dados. d) Sistema de Gerenciamento de Banco de Dados, tabelas, linhas, colunas, permissões, esquemas. e) Sistema de Gerenciamento de Banco de Dados, tabelas, linhas, colunas, esquemas, permissões.

4 5) A linguagem SQL usa uma sintaxe relativamente simples e apresenta cinco tipos de instruções a saber: Instruções de consulta, DML(Data Manipulation Language), DDL(Data Definition Language), TC (Transaction Control) e DCL (Data Control Language). Nas alternativas abaixo, assinala aquela em que todos os itens são comandos da DDL a) INSERT, UPDATE, SELECT, DELETE b) ALTER, CREATE, REVOKE, GRANT c) RENAME, CREATE, DROP, ALTER d) SAVEPOINT, REVOKE, UPDATE, GRANT e) DROP, TRUNCATE, COMMIT, ROLLBACK 6) A linguagem Java foi desenvolvida pela empresa Sun Microsystems na década de 90. Baseado nos seus conhecimentos dessa linguagem de programação, analise as seguintes proposições a respeito dela: (01) Um arquivo.java pode conter mais de uma classe public. (02) Um comentário que começa com // é chamado de comentário de uma única linha. (04) Os caracteres de espaço em branco fora dos strings são ignorados pelo compilador. (08) A palavra-chave class introduz uma definição de classe sendo logo após seguida pelo nome da classe. (16) Java é case sensitive. (32) Aplicativos Java começam a executar no método main. (64) A palavra-chave extends, seguida por um nome de classe, indica a classe da qual uma nova classe herda. Some os números em parênteses de todas as proposições verdadeiras e marque a única alternativa abaixo correspondente a esse total: a) 63 b) 95 c) 105 d) 114 e) 126 7) Analise as proposições abaixo sobre Java: (64) Supondo int c = 3, d = 5; c += 7; d -= 4; teremos c =7 e d = -4. (32) Operadores ++ e -- são chamados de operadores unários. (16) O compilador usa instruções import para localizar classes necessárias para compilar programas java. (08) Toda variável deve ser declarada com um nome e um tipo de dados antes de poder ser utilizada. (04) Variáveis do tipo int armazenam números inteiros. (02) Tipos como int, float, double e char são usualmente chamados de tipos primitivos de dados. (01) Os operadores =!, => e =< são chamados de operadores de igualdade. Some os números em parênteses de todas as proposições verdadeiras e marque a única alternativa abaixo correspondente a esse total: a) 03 b) 15 c) 46 d) 62 e) 126

5 8) Das alternativas abaixo, assinale a única incorreta: a) Herança é uma forma de reutilização de sofware em que novas classes são criadas a partir de classes existentes, absorvendo seus atributos e comportamentos e sofisticando-os com capacidades que as novas classes exigem. Em outras palavras, as heranças, que são princípios de orientação a objetos, permitem o compartilhamento de atributos e métodos pelas classes e são usadas com o intuito de se reaproveitar código ou comportamento generalizado ou especializar operações ou atributos. b) Com a herança simples, uma classe é derivada de uma superclasse. Java suporta a noção de interfaces ou o uso de herança múltipla, mas não ambas simultaneamente. As interfaces são a melhor opção, pois ajudam Java a alcançar muitas das vantagens de herança múltipla sem os problemas associados dessa última. c) O polimorfismo permite-nos escrever programas de uma forma geral para tratar uma ampla variedade de classes relacionadas existentes e ainda a serem especificadas. Assim, o polimorfismo torna fácil adicionar novos recursos a um sistema. Herança e Polimorfismo são técnicas eficazes para lidar com a complexidade de software. d) Ao criar uma nova classe, em vez de escrever completamente novas variáveis de instância e métodos de instância, o programador pode determinar que a nova classe deve herdar as variáveis de instâncias e métodos de instância de uma superclasse definida previamente. A nova classe é referida como uma subclasse. Cada subclasse torna-se uma candidata a ser uma superclasse para alguma subclasse futura. e) A superclasse direta de uma subclasse é a superclasse da qual a subclasse explicitamente herda (através da palavra-chave extends). Uma superclasse indireta é herdada de dois ou mais níveis acima na hierarquia da classe. 9) Das alternativas abaixo sobre acessibilidade em páginas web, assinale a única que está em desacordo com as recomendações de acessibilidade definidas pela W3C: a) Coibir o controle sobre as alterações temporais do conteúdo pelo usuário: Assegurar que não haja interrupção momentânea ou definitiva do movimento, intermitência, transcurso ou atualização automática de objetos ou páginas por parte do usuário. b) Fornecer mecanismos de navegação claros: Fornecer mecanismos de navegação coerentes e sistematizados informações de orientação, barras de navegação, mapa do site para aumentar as probabilidades de uma pessoa encontrar o que procura em um dado site. c) Assegurar a clareza e a simplicidade dos documentos: Assegurar a produção de documentos claros e simples, para que sejam mais fáceis de compreender. d) Utilizar soluções de transição: Utilizar soluções de acessibilidade transitórias, para que as tecnologias de apoio e os navegadores mais antigos funcionem corretamente. e) Não recorrer apenas à cor: Assegurar a percepção do texto e dos elementos gráficos quando vistos sem cores.

6 10) Foram criadas as tabelas no MYSQL para o PSE/2013 conforme a seguir: CREATE TABLE `candidato` (`ID_CANDIDATO` int(11) NOT NULL auto_increment, `NOME` varchar(45) default NULL, `CPF` varchar(11) NOT NULL default '', `NASCIMENTO_DT` date default NULL, `SEXO` char(1) default NULL, `E_MAIL` varchar(45) default NULL, `ENDERECO` varchar(100) default NULL, PRIMARY KEY (`ID_CANDIDATO`), UNIQUE KEY `cpf_ind` (`CPF`), KEY `candidato_fkindex1` (`ENDERECO_MUNICIPIO`), KEY `candidato_fkindex2` (`NASCIMENTO_MUNICIPIO`), KEY `candidato_fkindex3` (`RG_UF`), CONSTRAINT `candidato_ibfk_1` FOREIGN KEY (`RG_UF`) REFERENCES `uf` (`ID_UF`), CONSTRAINT `candidato_ibfk_2` FOREIGN KEY (`ENDERECO_MUNICIPIO`) REFERENCES `municipio` (`ID_MUNICIPIO`) ON DELETE NO ACTION ON UPDATE NO ACTION, CONSTRAINT `candidato_ibfk_3` FOREIGN KEY (`NASCIMENTO_MUNICIPIO`) REFERENCES `municipio` (`ID_MUNICIPIO`) ON DELETE NO ACTION ON UPDATE NO ACTION) ENGINE=InnoDB AUTO_INCREMENT=4811 DEFAULT CHARSET=latin1; CREATE TABLE `candidato_curso` (`ID_CANDIDATO` int(11) NOT NULL default '0', `ID_CURSO` int(11) unsigned NOT NULL default '0', `ANO_INGRESSO` int(2) unsigned default NULL, `SEMESTRE_INGRESSO` int(2) unsigned default NULL, PRIMARY KEY (`ID_CANDIDATO`,`ID_CURSO`), KEY `candidato_has_curso_fkindex1` (`ID_CANDIDATO`), KEY `candidato_has_curso_fkindex2` (`ID_CURSO`), CONSTRAINT `candidato_curso_ibfk_1` FOREIGN KEY (`ID_CANDIDATO`) REFERENCES `candidato` (`ID_CANDIDATO`) ON DELETE NO ACTION ON UPDATE NO ACTION, CONSTRAINT `candidato_curso_ibfk_2` FOREIGN KEY (`ID_CURSO`) REFERENCES `curso` (`ID_CURSO`) ON DELETE NO ACTION ON UPDATE NO ACTION) ENGINE=InnoDB DEFAULT CHARSET=latin1; CREATE TABLE `curso` (`ID_CURSO` int(11) unsigned NOT NULL auto_increment, `ID_IE` int(11) NOT NULL default '0', `NOME` varchar(100) default NULL, PRIMARY KEY (`ID_CURSO`), KEY `curso_fk_id_ie` (`ID_IE`), CONSTRAINT `curso_ibfk_1` FOREIGN KEY (`ID_IE`) REFERENCES `ie` (`ID_IE`) ON DELETE NO ACTION ON UPDATE NO ACTION) ENGINE=InnoDB AUTO_INCREMENT=66 DEFAULT CHARSET=latin1; CREATE TABLE `ie` (`ID_IE` int(11) NOT NULL auto_increment, `SIGLA` varchar(20) default NULL, `NOME` varchar(200) default NULL, `ENDERECO` varchar(100) default NULL, `CONTATO` varchar(45) default NULL, `CONTATO_FONE` varchar(8) default NULL, `ATIVO` tinyint(1) unsigned default NULL, PRIMARY KEY (`ID_IE`)) ENGINE=InnoDB AUTO_INCREMENT=26 DEFAULT CHARSET=latin1; CREATE TABLE `pse` (`ID_PSE` int(11) NOT NULL auto_increment, `DT_EDITAL` date default NULL, `NOME` varchar(100) default NULL, `STATUS` varchar(20) default NULL, `DT_INICIAL` date default NULL, `DT_FINAL` date default NULL, `SIGLA` varchar(12) default NULL, PRIMARY KEY (`ID_PSE`)) ENGINE=InnoDB AUTO_INCREMENT=26 DEFAULT CHARSET=latin1;

7 CREATE TABLE `pse_candidato` (`ID_PSE` int(11) NOT NULL default '0', `ID_CANDIDATO` int(11) NOT NULL default '0', `NUM_INSCRICAO` int(6) default NULL, `INSCRICAO_DT` date default NULL, PRIMARY KEY (`ID_PSE`,`ID_CANDIDATO`), KEY `pse_has_candidato_fkindex1` (`ID_PSE`), KEY `pse_has_candidato_fkindex2` (`ID_CANDIDATO`), CONSTRAINT `pse_candidato_ibfk_1` FOREIGN KEY (`ID_PSE`) REFERENCES `pse` (`ID_PSE`) ON DELETE NO ACTION ON UPDATE NO ACTION, CONSTRAINT `pse_candidato_ibfk_2` FOREIGN KEY (`ID_CANDIDATO`) REFERENCES `candidato` (`ID_CANDIDATO`) ON DELETE NO ACTION ON UPDATE NO ACTION) ENGINE=InnoDB DEFAULT CHARSET=latin1; Depois de devidamente feita a carga de dados, deseja-se uma consulta do PSE de TI (pse_candidato.id_pse=1) que retorne apenas o nome dos candidatos, o nome do curso que estão fazendo, o semestre que estão estudando e o nome da universidade que estão matriculados, ordenado primeiramente pelo nome da universidade e, em seguida, pelo nome do candidato. Marque a alternativa que atende plenamente a essas exigências: a) SELECT can.nome Nome, c.nome Curso, cc.semestre_ingresso Semestre, i.nome Universidade FROM candidato can, candidato_curso cc, curso c, ie i, pse p, pse_candidato pc WHERE can.id_candidato = cc.id_candidato AND cc.id_curso = c.id_curso AND c.id_ie = i.id_ie AND p.id_pse = pc.id_pse AND pc.id_pse='1' ORDER BY Universidade, Nome; b) SELECT can.nome Nome, c.nome Curso, cc.semestre_ingresso Semestre, i.nome Universidade FROM candidato can, candidato_curso cc, curso c, ie i, pse p, pse_candidato pc WHERE cc.id_curso = c.id_curso AND c.id_ie = i.id_ie AND p.id_pse = pc.id_pse AND pc.id_candidato =can.id_candidato OR pc.id_pse=1 GROUP BY Universidade, ORDER BY Nome. c) SELECT can.nome Nome, c.nome Curso, cc.semestre_ingresso Semestre, i.nome Universidade FROM candidato can, candidato_curso cc, curso c, ie i, pse p, pse_candidato pc WHERE can.id_candidato = cc.id_candidato AND cc.id_curso = c.id_curso AND c.id_ie = i.id_ie AND p.id_pse = pc.id_pse AND pc.id_candidato = can.id_candidato AND pc.id_pse=1 ORDER BY Universidade, Nome; d) SELECT can.nome Nome, c.nome Curso, cc.semestre_ingresso Semestre, i.nome Universidade FROM candidato can, candidato_curso cc, curso c, ie i, pse p, pse_candidato pc WHERE can.id_candidato = cc.id_candidato AND cc.id_curso = c.id_curso AND c.id_ie = i.id_ie AND p.id_pse = pc.id_pse AND pc.id_pse=1 HAVING Universidade FIRST Nome SECOND; e) SELECT can.nome Nome, c.nome Curso, cc.semestre_ingresso Semestre, i.nome Universidade FROM candidato can, candidato_curso cc, curso c, ie i, pse p, pse_candidato pc WHERE can.id_candidato = cc.id_candidato AND cc.id_curso = c.id_curso AND c.id_ie = i.id_ie AND p.id_pse = pc.id_pse AND pc.id_candidato = can.id_candidato AND pc.id_pse like '1' ORDER BY universidade, nome;

8 11) A respeito de SOA e Web Services, analise as proposições abaixo: I Arquitetura Orientada a Serviços (SOA) é um software mantido pela Apache Software Foundation com a finalidade de implementar um modelo conceitual de arquitetura que propõe a representação das funcionalidades de um sistema através de serviços, que podem ser consumidos por aplicações diferentes através de interfaces bem definidas, legíveis do ponto de vista dos negócios e independente da plataforma de desenvolvimento das aplicações. II Um Web Service é um sistema de software projetado para permitir interoperabilidade na interação entre máquinas através de uma rede. É descrito através de uma interface padronizada que disponibiliza um serviço em uma rede de computadores, geralmente a Internet. Uma vez descrito na forma padrão e catalogado, o serviço se torna um componente de software totalmente reutilizável, permitindo a comunicação e a interoperabilidade entre aplicações e plataformas heterogêneas. III Os Web Services estão baseados em XML, são fortemente acoplados, definem serviços de granularidade fina e possibilitam chamadas síncronas e assíncronas. IV Os serviços Web são descritos e acessados utilizando uma notação padronizada de XML que cobre todos os detalhes necessários para interagir com o serviço, descrevendo as funcionalidades, a localização, o modo de invocação e os protocolos utilizados para isso. V O tripé XML que mantém a arquitetura de implementação dos serviços Web está focada em três elementos: WSDL (Web Service Description Language) um formato XML que permite a descrição dos serviços; SOAP (Simple Object Access Protocol) um protocolo para comunicação que encapsula os dados transferidos no formato XML; e UDDI (Universal Description, Discovery, and Integration) um catálogo de serviços para publicar e descobrir metadados sobre serviços Web, permitindo que aplicações descubram estes metadados tanto em tempo de projeto quanto de execução. Após, marque abaixo a única alternativa em que todas as proposições são verdadeiras: a) O item I está certo, o item II não está certo, não é verdade que o item III está certo, é falso que o item IV está errado e, por fim, é mentira que o item V não está certo. b) O item I não está errado, o item II não está certo, não é verdade que o item III está certo, é falso que o item IV está certo e, por fim, é mentira que o item V não está certo. c) O item I está errado, o item II não está errado, é verdade que o item III está errado, é falso que o item IV está errado e, por fim, é mentira que o item V está errado. d) O item I não está certo, o item II está certo, não é verdade que o item III está certo, é falso que o item IV está certo e, por fim, é mentira que o item V não está certo. e) O item I está errado, o item II não está errado, não é verdade que o item III não está errado, é falso que o item IV está certo e, por fim, é mentira que o item V não está errado.

9 12) Sobre a Governança de TI, analise os itens a seguir: I é a capacidade organizacional exercida pela alta direção, gerência de negócios e gerência de TI para controlar a formulação e implementação da estratégia de TI e, com isso, assegurar o alinhamento entre negócios e TI. II é um framework de boas práticas de gestão em tecnologia de informação, mantido pelo ISACA Information Systems Audit and Control Association) e se divide em quatro domínios com dois objetivos cada e 34 processos. Os domínios são: Planejar e Organizar, Adquirir e Implementar, Entregar e Manter e Monitorar e Avaliar. III é o framework mais adotado no mundo para ITSM IT Service Management, ele é utilizado para a identificação, planejamento, entrega e suporte de serviços de TI para o negócio, que aliás, ele defende que estejam sempre alinhados. Assim, este descreve as melhores práticas para ITSM e provê um framework para a governança de TI. IV é um modelo de integração da maturidade da capacidade de desenvolver projetos de sistemas, tem como propósito estabelecer um guia para melhorar o processo da organização e sua capacidade para gerenciar o desenvolvimento, aquisição e manutenção de produtos e serviços e está divido em cinco fases a saber: Inicial, Gerenciado, Definido, Quantitativamente Gerenciado e Em Otimização. V é um subconjunto do abrangente conjunto de conhecimentos em gerenciamento de projetos. O conhecimento de gerenciamento de projetos descrito nesse guia consiste em: Definição do ciclo de vida do projeto, grupos de processos de gerenciamento de projetos e áreas de conhecimento. Em seguida, relacione corretamente a ordem dos itens acima com o respectivo número de cada termo abaixo: (1) Governança de TI (2) COBIT (3) ITIL (4) PMBOK (5) CMMI Após, marque a opção em que todos os relacionamentos estão INCORRETOS: a) I1, II2, III3, IV4, V5 b) I1, II2, III3, IV5, V4 c) I2, II1, III5, IV3, V4 d) I2, II4, III5, IV3, V1 e) I3, II2, III5, IV1, V4

10 13) Leia o texto a seguir: X é uma metodologia para gerenciar o desenvolvimento ágil de projetos de software. X não é um processo ou uma técnica para construir produtos; em vez disso, é um framework dentro do qual você pode empregar vários processos ou técnicas. O X deixa claro a eficácia relativa das práticas de gerenciamento e desenvolvimento de produtos, de modo que você possa melhorá-las. X é fundamentado nas teorias empíricas de controle de processo, ou empirismo e emprega uma abordagem iterativa e incremental para aperfeiçoar a previsibilidade e o controle de riscos. Três pilares apoiam a implementação de controle de processo empírico: transparência, inspeção e adaptação. Na transparência, aspectos significativos do processo devem estar visíveis aos responsáveis pelos resultados. Esta transparência requer aspectos definidos por um padrão comum para que os observadores compartilharem um mesmo entendimento do que está sendo visto. Na inspeção, os usuários X devem, frequentemente, inspecionar os artefatos X e o progresso em direção ao objetivo, para detectar indesejáveis variações. Esta inspeção não deve, no entanto, ser tão frequente a ponto de atrapalhar a própria execução das tarefas. As inspeções são mais benéficas quando realizadas de forma diligente por inspetores especializados no trabalho a se verificar. Na adaptação, se um inspetor determina que um ou mais aspectos de um processo desviou para fora dos limites aceitáveis, e que o produto resultado será inaceitável, o processo ou o material sendo produzido deve ser ajustado. O ajuste deve ser realizado o mais breve possível para minimizar mais desvios. O X prescreve quatro oportunidades formais para inspeção e adaptação, são elas: reunião de planejamento da Sprint, reunião diária, reunião de revisão da Sprint e retrospectiva da Sprint. O Time X é composto pelo Product Owner, a Equipe de Desenvolvimento e o X Master. A letra X deverá ser substituída corretamente e apenas por um termo abaixo, assinale-o: a) SCRUM b) SCRAM c) SCRAWL d) SCREW e) SCREAM 14) Apresenta sete níveis de maturidade (principal diferença em relação aos outros padrões de processo): A Em Otimização; B Gerenciado quantitativamente; C Definido; D Largamente Definido; E Parcialmente Definido; F Gerenciado; G Parcialmente Gerenciado. Estamos falando do: a) RUP b) MPS-BR c) CMMI d) CMM e) PMBOK

11 15) Analise os dois códigos abaixo: Código A: Código B: A seguir, assinale a alternativa correta: a) Em ambos os códigos foi utilizada a técnica de programação estruturada. b) Em ambos os códigos foi utilizada a técnica de programação orientada a objetos. c) No código B foi utilizada a técnica de programação estruturada e no A a orientada a objetos. d) No código A foi utilizada a técnica de programação estruturada e no B a orientada a objetos. e) Não é possível definir a técnica de programação (estruturada ou orientada a objetos) usada em A e B.

12 16) Analise os códigos abaixo: Código A: body{ background-color:#d0e4fe; } h1{ color:orange; text-align:center; } p { font-family:"times New Roman"; font-size:20px; } Código B: <!DOCTYPE html> <html> <body> document.write("<h1>pse DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO</h1>"); document.write("<p>boa SORTE</p>"); </body> </html> Código C: <!DOCTYPE html> <html> <body> <h1>pse DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO</h1> <p>boa SORTE</p> </body> </html> Código D: <!DOCTYPE html> <html> <body> <? echo "PSE DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO";?> </body> </html> A seguir, assinale a alternativa correta: a) Dentre todos os códigos acima, há pelo menos dois usando javascrip. b) A linguagem PHP está presente em pelo menos dois códigos acima. c) Há pelo menos dois scripts dentre os códigos acima. d) É possível encontrar pelo menos duas linguagens de marcação nos códigos acima. e) Há pelo menos dois códigos usando linguagem de folhas de estilo dentre os acima.

13 17) Podemos destacar alguns objetivos do tuning de banco de dados abaixo, exceto: a) fazer com que as aplicações sejam executadas mais rapidamente. b) criticar os dados a serem inseridos ou atualizados no banco. c) diminuir o tempo de resposta de consultas. d) melhorar o desempenho geral das transações de inserção, atualização e exclusão. e) diminuir o tempo de resposta de transações. 18) Abaixo temos várias estruturas de controle do PHP, exceto: a) function b) switch c) foreach d) break e) include 19) Leia o texto a seguir: A criptografia está intimamente relacionada com a segurança dos dados, assumindo um papel cada vez mais importante devido à grande quantidade de informações que são movimentadas e a utilização crescente da rede de computadores. A criptografia X é a mais antiga. Utiliza-se somente de uma chave, a qual está vinculada ao processo de cifragem e decifragem. Na criptografia Y é utilizado um par de chaves, uma delas a pública, podendo ser amplamente conhecida, e a outra, a privada, conhecida apenas por seu proprietário. Ambas independentes e complementares. Z é a pessoa encarregada de fornecer os pares de chaves. É uma entidade independente e legalmente habilitada para exercer a função de distribuidor das chaves, além de poder consultá-las a qualquer tempo, certificando que determinada pessoa é a titular da assinatura digital da chave pública e da correspectiva chave privada. Z, Y, e X devem ser trocadas, respectivamente, por: a) assimétrica, simétrica e autoridade certificadora. b) simétrica, assimétrica e autoridade certificadora. c) autoridade certificadora, estrangeira e primária. d) autoridade certificadora, estrangeira e primária. e) autoridade certificadora, assimétrica e simétrica.

14 20) A tirinha abaixo ilustra uma cena entre o programador e o atendente, qual alternativa melhor a explica: Fonte: a) O programador liga para o suporte querendo configurar seu aplicativo no host apropriado e é atendido por Alonsohost avisando que o Apache não está instalado naquela máquina, mas o problema será resolvido com a troca do PHP pelo MySQL. b) O programador liga para o suporte querendo configurar o Apache, como este não está instalado, ele pergunta qual Servidor de Aplicação é usado. A resposta que ele esperava ouvir poderia ser qualquer uma dessas: Glassfish, Jboss, Tomcat, WebSphere, WebLogic, Zope ou Plone, e não PHP ou MySQL. c) É notável a falta de expertise do atendente, pois ele não sabe o que é um servidor de aplicação, mas o programador conseguirá configurar o Apache se for feita a instalação do MySQL e do PHP pelo atendente. d) O programador, por falta de expertise para configurar o Apache, solicitou esse serviço a Alonsohost, mas este não atenderá ao chamado por não poder instalar o Apache ou qualquer outro servidor de aplicação, exceto o PHP e o MySQL. e) O programador requer acesso ao Apache para configurar sua aplicação, mas o atendente, sem expertise, apresenta respostas inconsistentes a ponto de deixar o programador estupefato.

15 21) Indique a alternativa que contém uma camada descrita no modelo de referência TCP/IP: a) Camada lógica. b) Camada de aplicação. c) Camada de sessão. d) Camada de apresentação. e) Camada física. 22) Julgue os itens a seguir, marcando-os com V (Verdadeiro) ou F (Falso). ( ) O HTML, desde sua primeira versão, permite o uso de formulários em páginas web, sendo esse um dos recursos responsáveis por disseminar o uso da Internet no mundo todo. ( ) SOA, A e CNAME são exemplos de parâmetros de um servidor DNS que não mais serão utilizados com o IPv6. ( ) Embora largamente utilizada atualmente, a persistência é uma característica do protocolo HTTP que não existia em sua versão original. ( ) No modelo de referência TCP/IP não estão presentes todas as camadas descritas no modelo de referência OSI. Assinale a alternativa que possui a sequência correta a) F, V, V, V b) V, F, V, F c) F, F, V, V d) V, V, F, F e) F, V, V, F 23) Assinale a alternativa correta. a) A prevenção à contaminação por vírus não pode ser realizada por meio da utilização de antivírus no computador que se deseja proteger. b) Um servidor de correio eletrônico bem configurado deve permitir que qualquer usuário da Internet possa utilizá-lo sem restrições. c) Na auditoria de uma rede de computadores, não podem ser verificados os serviços e portas de seus servidores. Para essa verificação, não podem ser usadas ferramentas classificadas como scanners de vulnerabilidade. d) Para a prevenção de ataques do tipo DoS, é obrigatório o aumento do tamanho da fila de conexão combinado com a diminuição do valor do tempo limite de conexão. e) Todas as alternativas estão incorretas.

Faculdade Pitágoras 16/08/2011. Curso Superior de Tecnologia: Banco de Dados Sistemas para Internet

Faculdade Pitágoras 16/08/2011. Curso Superior de Tecnologia: Banco de Dados Sistemas para Internet Faculdade Pitágoras Curso Superior de Tecnologia: Banco de Dados Sistemas para Internet Disciplina: Banco de Dados Prof.: Fernando Hadad Zaidan SQL A linguagem SQL é responsável por garantir um bom nível

Leia mais

Faculdade Pitágoras. Curso Superior de Tecnologia: Banco de Dados. Disciplina: Banco de Dados Prof.: Fernando Hadad Zaidan SQL

Faculdade Pitágoras. Curso Superior de Tecnologia: Banco de Dados. Disciplina: Banco de Dados Prof.: Fernando Hadad Zaidan SQL Faculdade Pitágoras Curso Superior de Tecnologia: Banco de Dados Disciplina: Banco de Dados Prof.: Fernando Hadad Zaidan SQL A linguagem SQL é responsável por garantir um bom nível de independência do

Leia mais

3. ( ) Para evitar a contaminação de um arquivo por vírus, é suficiente salvá-lo com a opção de compactação.

3. ( ) Para evitar a contaminação de um arquivo por vírus, é suficiente salvá-lo com a opção de compactação. 1. Com relação a segurança da informação, assinale a opção correta. a) O princípio da privacidade diz respeito à garantia de que um agente não consiga negar falsamente um ato ou documento de sua autoria.

Leia mais

PHP INTEGRAÇÃO COM MYSQL PARTE 1

PHP INTEGRAÇÃO COM MYSQL PARTE 1 INTRODUÇÃO PHP INTEGRAÇÃO COM MYSQL PARTE 1 Leonardo Pereira leonardo@estudandoti.com.br Facebook: leongamerti http://www.estudandoti.com.br Informações que precisam ser manipuladas com mais segurança

Leia mais

SQL Structured Query Language

SQL Structured Query Language Janai Maciel SQL Structured Query Language (Banco de Dados) Conceitos de Linguagens de Programação 2013.2 Structured Query Language ( Linguagem de Consulta Estruturada ) Conceito: É a linguagem de pesquisa

Leia mais

UNIVERSIDADE VEIGA DE ALMEIDA CURSO DE BACHARELADO EM CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM PROCESSAMENTO DE DADOS BANCO DE DADOS

UNIVERSIDADE VEIGA DE ALMEIDA CURSO DE BACHARELADO EM CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM PROCESSAMENTO DE DADOS BANCO DE DADOS CURSO DE BACHARELADO EM CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM PROCESSAMENTO DE DADOS CLAUDIO RIBEIRO DA SILVA MARÇO 1997 2 1 - CONCEITOS GERAIS DE 1.1 - Conceitos Banco de Dados - Representa

Leia mais

SQL - Banco de Dados. Disciplina: Banco de Dados. Professor: José Antônio. José Antônio - CEFET-RN 23/09/2015

SQL - Banco de Dados. Disciplina: Banco de Dados. Professor: José Antônio. José Antônio - CEFET-RN 23/09/2015 SQL - Banco de Dados 1 Disciplina: Banco de Dados Professor: José Antônio 2 Tópicos de discussão Criando um banco de dados Incluindo, atualizando e excluindo linhas nas tabelas Pesquisa básica em tabelas

Leia mais

Introdução à Engenharia da Computação. Banco de Dados Professor Machado

Introdução à Engenharia da Computação. Banco de Dados Professor Machado Introdução à Engenharia da Computação Banco de Dados Professor Machado 1 Sistemas isolados Produção Vendas Compras Banco de Dados Produtos... Banco de Dados Produtos... Banco de Dados Produtos... Desvantagens:

Leia mais

Introdução à Banco de Dados. Nathalia Sautchuk Patrício

Introdução à Banco de Dados. Nathalia Sautchuk Patrício Introdução à Banco de Dados Nathalia Sautchuk Patrício Histórico Início da computação: dados guardados em arquivos de texto Problemas nesse modelo: redundância não-controlada de dados aplicações devem

Leia mais

Considerando-se a especificação de requisitos de um software, é INCORRETO afirmar que esse documento

Considerando-se a especificação de requisitos de um software, é INCORRETO afirmar que esse documento QUESTÕES DE TI QUESTÃO 16 Considerando-se o número de pontos de função para a estimativa do tamanho de um software, é INCORRETO afirmar que, na contagem de pontos, leva-se em consideração A) as compilações

Leia mais

SQL Linguagem de Definição de Dados. Banco de Dados Profa. Dra. Cristina Dutra de Aguiar Ciferri

SQL Linguagem de Definição de Dados. Banco de Dados Profa. Dra. Cristina Dutra de Aguiar Ciferri SQL Linguagem de Definição de Dados Banco de Dados SQL Structured Query Language Uma das mais importantes linguagens relacionais (se não a mais importante) Exemplos de SGBD que utilizam SQL Oracle Informix

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DE BANCO DE DADOS

ADMINISTRAÇÃO DE BANCO DE DADOS ADMINISTRAÇÃO DE BANCO DE DADOS ARTEFATO 02 AT02 Diversos I 1 Indice ESQUEMAS NO BANCO DE DADOS... 3 CRIANDO SCHEMA... 3 CRIANDO TABELA EM DETERMINADO ESQUEMA... 4 NOÇÕES BÁSICAS SOBRE CRIAÇÃO E MODIFICAÇÃO

Leia mais

Banco de Dados I. Aula 12 - Prof. Bruno Moreno 04/10/2011

Banco de Dados I. Aula 12 - Prof. Bruno Moreno 04/10/2011 Banco de Dados I Aula 12 - Prof. Bruno Moreno 04/10/2011 Plano de Aula SQL Definição Histórico SQL e sublinguagens Definição de dados (DDL) CREATE Restrições básicas em SQL ALTER DROP 08:20 Definição de

Leia mais

Esta aula tem o objetivo de nos orientar durante este período em nossas aulas de Banco de Dados, não tem a pretensão de ser a única fonte de

Esta aula tem o objetivo de nos orientar durante este período em nossas aulas de Banco de Dados, não tem a pretensão de ser a única fonte de BD Esta aula tem o objetivo de nos orientar durante este período em nossas aulas de Banco de Dados, não tem a pretensão de ser a única fonte de informação para nosso êxito no curso. A intenção de elaborar

Leia mais

Banco de Dados. Maurício Edgar Stivanello

Banco de Dados. Maurício Edgar Stivanello Banco de Dados Maurício Edgar Stivanello Agenda Conceitos Básicos SGBD Projeto de Banco de Dados SQL Ferramentas Exemplo Dado e Informação Dado Fato do mundo real que está registrado e possui um significado

Leia mais

INTRODUÇÃO À LINGUAGEM SQL CRIAÇÃO DE BANCO DE DADOS E OTIMIZAÇÃO DE CONSULTAS

INTRODUÇÃO À LINGUAGEM SQL CRIAÇÃO DE BANCO DE DADOS E OTIMIZAÇÃO DE CONSULTAS Esclarecimento Licenciamento de Uso Este documento é propriedade intelectual 2012 da NRSYSTEM COMÉRCIO E SERVIÇOS DE INFORMÁTICA LTDA-ME, consiste de uma compilação de diversos materiais entre livros,

Leia mais

2008.1 SQL. Autor: Renata Viegas

2008.1 SQL. Autor: Renata Viegas SQL Autor: Renata Viegas A linguagem SQL SQL - Structured Query Language. Foi definida nos laboratórios de pesquisa da IBM em San Jose, California, em 1974. Teve seus fundamentos no modelo relacional Sua

Leia mais

SQL. SQL (Structured Query Language) Comando CREATE TABLE. SQL é uma linguagem de consulta que possibilita:

SQL. SQL (Structured Query Language) Comando CREATE TABLE. SQL é uma linguagem de consulta que possibilita: SQL Tópicos Especiais Modelagem de Dados Prof. Guilherme Tavares de Assis Universidade Federal de Ouro Preto UFOP Instituto de Ciências Exatas e Biológicas ICEB Mestrado Profissional em Ensino de Ciências

Leia mais

BANCO DE DADOS CONCEITOS BÁSICOS

BANCO DE DADOS CONCEITOS BÁSICOS Universidade Federal da Paraíba UFPB Centro de Energias Alternativas e Renováveis - CEAR Departamento de Eng. Elétrica DEE BANCO DE DADOS CONCEITOS BÁSICOS Isaac Maia Pessoa Introdução O que é um BD? Operações

Leia mais

CÓDIGO DA VAGA: TP08 QUESTÕES DE MÚLTIPLAS ESCOLHAS

CÓDIGO DA VAGA: TP08 QUESTÕES DE MÚLTIPLAS ESCOLHAS QUESTÕES DE MÚLTIPLAS ESCOLHAS 1) Em relação à manutenção corretiva pode- se afirmar que : a) Constitui a forma mais barata de manutenção do ponto de vista total do sistema. b) Aumenta a vida útil dos

Leia mais

Structured Query Language (SQL) Ambiente Simplificado de um SGBD

Structured Query Language (SQL) Ambiente Simplificado de um SGBD Structured Query Language (SQL) Ambiente Simplificado de um SGBD 2 1 Características dos SGBDs Natureza auto-contida de um sistema de banco de dados: metadados armazenados num catálogo ou dicionário de

Leia mais

O que são Bancos de Dados?

O que são Bancos de Dados? SQL Básico Liojes de Oliveira Carneiro professor.liojes@gmail.com www.professor-liojes.blogspot.com O que são Bancos de Dados? É o software que armazena, organiza, controla, trata e distribui os dados

Leia mais

BANCO DE DADOS BANCO DE DADOS. Prof. Patrícia Lucas 3º Trimestre

BANCO DE DADOS BANCO DE DADOS. Prof. Patrícia Lucas 3º Trimestre BANCO DE DADOS BANCO DE DADOS Prof. Patrícia Lucas 3º Trimestre ROTEIRO PARA O 3º TRIMESTRE 1. O MySQL DDL SQL 1. Como funciona o MySQL 2. Como criar um banco de dados no MySQL 3. Como criar tabelas: comandos

Leia mais

APOSTILA BANCO DE DADOS INTRODUÇÃO A LINGUAGEM SQL

APOSTILA BANCO DE DADOS INTRODUÇÃO A LINGUAGEM SQL 1. O que é Linguagem SQL 2. Instrução CREATE 3. CONSTRAINT 4. ALTER TABLE 5. RENAME TABLE 6. TRUCANTE TABLE 7. DROP TABLE 8. DROP DATABASE 1 1. O que é Linguagem SQL 2. O SQL (Structured Query Language)

Leia mais

INSTRUÇÕES NÃO SERÃO ACEITAS RECLAMAÇÕES FORMULADAS APÓS O INÍCIO DA PROVA. NÃO ESQUEÇA de assinar a LISTA DE PRESENÇA.

INSTRUÇÕES NÃO SERÃO ACEITAS RECLAMAÇÕES FORMULADAS APÓS O INÍCIO DA PROVA. NÃO ESQUEÇA de assinar a LISTA DE PRESENÇA. INSTRUÇÕES Verifique, com muita atenção, este Caderno de QUESTÕES que deve conter 14 (quatorze) questões, sendo 03 (três) de Língua Portuguesa e 10 (dez) de Conhecimentos Específicos e 1 (uma) questão

Leia mais

Structure Query Language SQL Guilherme Pontes lf.pontes.sites.uol.com.br

Structure Query Language SQL Guilherme Pontes lf.pontes.sites.uol.com.br 1. Abordagem geral Structure Query Language SQL Guilherme Pontes lf.pontes.sites.uol.com.br Em primeiro plano, deve-se escolher com qual banco de dados iremos trabalhar. Cada banco possui suas vantagens,

Leia mais

Exercícios de Lógica Exercícios de Fixação 08

Exercícios de Lógica Exercícios de Fixação 08 Exercícios Exercícios de Lógica Exercícios de Fixação 08 1. A linguagem SQL apresenta uma série de comandos que permitem a definição dos dados, chamada de DDL (Data Definition Language). Assinale a alternativa

Leia mais

LEI DE ACESSO A INFORMAÇÃO DIREITO DO CIDADÃO

LEI DE ACESSO A INFORMAÇÃO DIREITO DO CIDADÃO DESCRIÇÃO DO SIGAI O SIGAI (Sistema Integrado de Gestão do Acesso à Informação) é uma solução de software que foi desenvolvida para automatizar os processos administrativos e operacionais visando a atender

Leia mais

16º PROCESSO SELETIVO PARA CONTRATAÇÃO DE ESTAGIÁRIOS ÁREAS: COMUNICAÇÃO SOCIAL, DIREITO, INFORMÁTICA E SECRETARIADO EXECUTIVO. PROVA: INFORMÁTICA

16º PROCESSO SELETIVO PARA CONTRATAÇÃO DE ESTAGIÁRIOS ÁREAS: COMUNICAÇÃO SOCIAL, DIREITO, INFORMÁTICA E SECRETARIADO EXECUTIVO. PROVA: INFORMÁTICA 16º PROCESSO SELETIVO PARA CONTRATAÇÃO DE ESTAGIÁRIOS ÁREAS: COMUNICAÇÃO SOCIAL, DIREITO, INFORMÁTICA E SECRETARIADO EXECUTIVO. PROVA: INFORMÁTICA Candidato: PROVA OBJETIVA E SUBJETIVA APLICAÇÃO: 19/10/2014

Leia mais

SQL é uma linguagem de consulta que implementa as operações da álgebra relacional de forma bem amigável.

SQL é uma linguagem de consulta que implementa as operações da álgebra relacional de forma bem amigável. SQL (Structured Query Language) SQL é uma linguagem de consulta que implementa as operações da álgebra relacional de forma bem amigável. Além de permitir a realização de consultas, SQL possibilita: definição

Leia mais

Descrição Tinyint[(M)] Inteiro pequeno. Varia de 128 até +127

Descrição Tinyint[(M)] Inteiro pequeno. Varia de 128 até +127 Disciplina: Tópicos Especiais em TI PHP Este material foi produzido com base nos livros e documentos citados abaixo, que possuem direitos autorais sobre o conteúdo. Favor adquiri-los para dar continuidade

Leia mais

Implementação de Banco de Dados. Cassio Diego cassiodiego.com/bd

Implementação de Banco de Dados. Cassio Diego cassiodiego.com/bd Implementação de Banco de Dados Cassio Diego cassiodiego.com/bd 1 Conteúdo: Aula 3 UNIDADE 2: LINGUAGEM SQL 1. Linguagens de Definição de Dados (DDL) 1.1. Criação de tabela: CREATE 1.2. Alteração de Tabela:

Leia mais

Núcleo de Pós Graduação Pitágoras

Núcleo de Pós Graduação Pitágoras Núcleo de Pós Graduação Pitágoras Professor: Fernando Zaidan Disciplina: Modelagem e Projeto de Banco de Dados Especialização em Tecnologia da Informação - Ênfases Março- 2009 1 Modelo Físico Introdução

Leia mais

AULA 2 INTERAÇÃO COM O BANCO DE DADOS

AULA 2 INTERAÇÃO COM O BANCO DE DADOS AULA 2 INTERAÇÃO COM O BANCO DE DADOS BANCO DE DADOS POSTGRESQL O PostgreSQL é um sistema gerenciador de banco de dados dos mais robustos e avançados do mundo. Seu código é aberto e é totalmente gratuito,

Leia mais

LINGUAGEM SQL. SQL Server 2008 Comandos iniciais

LINGUAGEM SQL. SQL Server 2008 Comandos iniciais 1 LINGUAGEM SQL SQL Server 2008 Comandos iniciais SQL - STRUCTURED QUERY LANGUAGE Quando os Bancos de Dados Relacionais estavam sendo desenvolvidos, foram criadas linguagens destinadas à sua manipulação.

Leia mais

Banco de Dados. Marcio de Carvalho Victorino www.dominandoti.eng.br. Exercícios SQL

Banco de Dados. Marcio de Carvalho Victorino www.dominandoti.eng.br. Exercícios SQL Banco de Dados Exercícios SQL 1 TRF (ESAF 2006) 32. Analise as seguintes afirmações relacionadas a Bancos de Dados e à linguagem SQL: I. A cláusula GROUP BY do comando SELECT é utilizada para dividir colunas

Leia mais

Concurso Público. Prova Prática - parte 2. Técnico Laboratório Informática. Técnico Administrativo em Educação 2014

Concurso Público. Prova Prática - parte 2. Técnico Laboratório Informática. Técnico Administrativo em Educação 2014 Concurso Público Técnico Administrativo em Educação 2014 Prova Prática - parte 2 Técnico Laboratório Informática NÃO escreva seu nome ou assine em nenhuma folha da prova PROVA PRÁTICA - TÉCNICO LABORATÓRIO

Leia mais

2008.1. A linguagem SQL

2008.1. A linguagem SQL SQL 2008.1 A linguagem SQL SQL - Structured Query Language. Foi definida nos laboratórios de pesquisa da IBM em San Jose, California, em 1974. Teve seus fundamentos no modelo relacional Sua primeira versão

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE PONTA GROSSA

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE PONTA GROSSA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE PONTA GROSSA SECRETARIA MUNICIPAL DE GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS CONCURSO PÚBLICO PARA ANALISTA DE SUPORTE 08 DE NOVEMBRO DE 2009... (NOME COMPLETO EM LETRA DE FORMA) INSTRUÇÕES

Leia mais

Programação WEB II. PHP e Banco de Dados. progweb2@thiagomiranda.net. Thiago Miranda dos Santos Souza

Programação WEB II. PHP e Banco de Dados. progweb2@thiagomiranda.net. Thiago Miranda dos Santos Souza PHP e Banco de Dados progweb2@thiagomiranda.net Conteúdos Os materiais de aula, apostilas e outras informações estarão disponíveis em: www.thiagomiranda.net PHP e Banco de Dados É praticamente impossível

Leia mais

Curso de Aprendizado Industrial Desenvolvedor WEB

Curso de Aprendizado Industrial Desenvolvedor WEB Curso de Aprendizado Industrial Desenvolvedor WEB Disciplina: Programação Orientada a Objetos II Professor: Cheli dos S. Mendes da Costa Modelo Cliente- Servidor Modelo de Aplicação Cliente-servidor Os

Leia mais

Prof. Carlos Majer Aplicações Corporativas UNICID

Prof. Carlos Majer Aplicações Corporativas UNICID Este material pertence a Carlos A. Majer, Professor da Unidade Curricular: Aplicações Corporativas da Universidade Cidade de São Paulo UNICID Licença de Uso Este trabalho está licenciado sob uma Licença

Leia mais

LINGUAGEM SQL. DML - Linguagem de Manipulação de Dados

LINGUAGEM SQL. DML - Linguagem de Manipulação de Dados LINGUAGEM SQL Structured Query Language, ou Linguagem de Consulta Estruturada ou SQL, é uma linguagem de pesquisa declarativa para banco de dados relacional (base de dados relacional). Muitas das características

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO QUESTÃO 1 - Desenvolvido por uma comunidade de programadores e engenheiros e construído com código aberto, o BrOffice é uma suíte de escritório que integra

Leia mais

EXERCÍCIOS PRÁTICOS. Banco de Dados

EXERCÍCIOS PRÁTICOS. Banco de Dados EXERCÍCIOS PRÁTICOS Banco de Dados Introdução ao uso do SQL Structured Query Language, considerando tanto DDL Data Definition Language quanto DML Data Manipulation Language. Banco de Dados selecionado:

Leia mais

Gerenciamento de um Sistema de

Gerenciamento de um Sistema de SBD Gerenciamento de um Sistema de Banco de Dados Prof. Michel Nobre Muza ua michel.muza@ifsc.edu.br Prof. Marcos Antonio Viana Nascimento Por que é importante: Motivação Participar na organização e no

Leia mais

Banco de Dados. Prof. Antonio

Banco de Dados. Prof. Antonio Banco de Dados Prof. Antonio SQL - Structured Query Language O que é SQL? A linguagem SQL (Structure query Language - Linguagem de Consulta Estruturada) é a linguagem padrão ANSI (American National Standards

Leia mais

Linguagem SQL (Parte I)

Linguagem SQL (Parte I) Universidade Federal de Sergipe Departamento de Sistemas de Informação Itatech Group Jr Softwares Itabaiana Site: www.itatechjr.com.br E-mail: contato@itatechjr.com.br Linguagem SQL (Parte I) Introdução

Leia mais

Linguagem de Consulta Estruturada SQL- DML

Linguagem de Consulta Estruturada SQL- DML Linguagem de Consulta Estruturada SQL- DML INTRODUÇÃO A SQL - Structured Query Language, foi desenvolvido pela IBM em meados dos anos 70 como uma linguagem de manipulação de dados (DML - Data Manipulation

Leia mais

Comandos DDL. id_modulo = id_m odulo

Comandos DDL. id_modulo = id_m odulo Comandos DDL Estudo de Caso Controle Acadêmico Simplificado Uma escola contém vários cursos, onde cada aluno possui uma matricula num determinado curso. Estes cursos, por sua vez, possuem módulos, aos

Leia mais

Linguagem SQL Parte I

Linguagem SQL Parte I FIB - Centro Universitário da Bahia Banco de Dados Linguagem SQL Parte I Francisco Rodrigues Santos chicowebmail@yahoo.com.br Slides gentilmente cedidos por André Vinicius R. P. Nascimento Conteúdo A Linguagem

Leia mais

Kassius Vargas Prestes

Kassius Vargas Prestes Kassius Vargas Prestes Agenda 1. Introdução Web Services 2. XML, SOAP 3. Apache Tomcat 4. Axis 5. Instalação Tomcat e Axis 6. Criação de um Web Service 7. Criação de um cliente Baixar http://www.inf.ufrgs.br/~kvprestes/webservices/

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO FEDERAL JUSTIÇA FEDERAL DE PRIMEIRO GRAU Seção Judiciária do Rio Grande do Norte Rua Dr. Lauro Pinto, nº 245, Lagoa Nova, Natal/RN

PODER JUDICIÁRIO FEDERAL JUSTIÇA FEDERAL DE PRIMEIRO GRAU Seção Judiciária do Rio Grande do Norte Rua Dr. Lauro Pinto, nº 245, Lagoa Nova, Natal/RN PODER JUDICIÁRIO FEDERAL JUSTIÇA FEDERAL DE PRIMEIRO GRAU Seção Judiciária do Rio Grande do Norte Rua Dr. Lauro Pinto, nº 245, Lagoa Nova, Natal/RN PROCESSO SELETIVO PARA ESTÁGIO REMUNERADO EM INFORMÁTICA

Leia mais

ANALISTA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

ANALISTA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO 14 CEFET CARGOS DE CLASSE E EDITAL N o 0011/2014, DE 25 DE MARÇO DE 2014 LEIA ATENTAMENTE AS INSTRUÇÕES ABAIXO. 01 - O candidato recebeu do fiscal o seguinte material: a) este CADERNO DE QUESTÕES, com

Leia mais

Prof.: Clayton Maciel Costa clayton.maciel@ifrn.edu.br

Prof.: Clayton Maciel Costa clayton.maciel@ifrn.edu.br Programação com acesso a BD Prof.: Clayton Maciel Costa clayton.maciel@ifrn.edu.br 1 Modelos de Dados, Esquemas e Instâncias 2 Modelos de Dados, Esquemas e Instâncias Modelo de dados: Conjunto de conceitos

Leia mais

ROTEIRO. A Linguagem SQL (I parte) CEFET.PHB - PI Prof. Jefferson Silva. As partes da linguagem SQL. A Linguagem de Definição de Dados (SQL-DDL)

ROTEIRO. A Linguagem SQL (I parte) CEFET.PHB - PI Prof. Jefferson Silva. As partes da linguagem SQL. A Linguagem de Definição de Dados (SQL-DDL) CEFET.PHB - PI Prof. Jefferson Silva SQL (MySql) ROTEIRO I PARTE - INTRODUÇÃO AO SQL COMANDOS E SUAS PARTES DA LINGUAGEM SQL II PARTE ADMINSTRAÇÃO DE BANCO DE DADOS UTILIZANDO MYSQL PRINCIPAIS INSTRUÇÕES

Leia mais

Disciplina: Unidade V: Prof.: E-mail: Período:

Disciplina: Unidade V: Prof.: E-mail: Período: Encontro 17 Disciplina: Sistemas de Banco de Dados Unidade V: Introdução à Linguagem SQL Prof.: Mario Filho E-mail: pro@mariofilho.com.br Período: 5º. SIG - ADM 13. Introdução à Linguagem SQL Introdução

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO ESCOLA DE ENGENHARIA DEPARTAMENTO DE ELETRÔNICA. Sistema de Gerenciamento Eletrônico de Documentos

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO ESCOLA DE ENGENHARIA DEPARTAMENTO DE ELETRÔNICA. Sistema de Gerenciamento Eletrônico de Documentos UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO ESCOLA DE ENGENHARIA DEPARTAMENTO DE ELETRÔNICA Sistema de Gerenciamento Eletrônico de Documentos Autor: Evandro Bastos Tavares Orientador: Antônio Claudio Gomez

Leia mais

UFCD 787. Administração de base de dados. Elsa Marisa S. Almeida

UFCD 787. Administração de base de dados. Elsa Marisa S. Almeida UFCD 787 Administração de base de dados Elsa Marisa S. Almeida 1 Objectivos Replicação de base de dados Gestão de transacções Cópias de segurança Importação e exportação de dados Elsa Marisa S. Almeida

Leia mais

C A D E R N O D E P R O V A S

C A D E R N O D E P R O V A S CONCURSO PÚBLICO ASSEMBLEIA LEGISLATIVA DO ESTADO DE MINAS GERAIS C A D E R N O D E P R O V A S CADERNO 3 ESPECIALIDADE: ANALISTA DE SISTEMAS/ÁREA III (SUPORTE TÉCNICO) PROVA: CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

Leia mais

TCP/IP TCP UDP IP HTTP HTTPS FTP TFTP TELNET POP3 IMAP SMTP SNMP DHCP

TCP/IP TCP UDP IP HTTP HTTPS FTP TFTP TELNET POP3 IMAP SMTP SNMP DHCP TCP/IP TCP UDP IP HTTP HTTPS FTP TFTP TELNET POP3 IMAP SMTP SNMP DHCP HTTP (Hypertext Transfer Protocol ) Protocolo usado na Internet para transferir as páginas da WWW (WEB). HTTPS (HyperText Transfer

Leia mais

Universidade Federal de Goiás Centro de Recursos Computacionais - CERCOMP Divisão de Sistemas. Criação de uma Serviço de Geração de Relatórios

Universidade Federal de Goiás Centro de Recursos Computacionais - CERCOMP Divisão de Sistemas. Criação de uma Serviço de Geração de Relatórios Universidade Federal de Goiás Centro de Recursos Computacionais - CERCOMP Divisão de Sistemas Criação de uma Serviço de Geração de Relatórios Goiânia 12/2011 Versionamento 12/12/2011 Hugo Marciano... 1.0

Leia mais

Prova de pré-requisito

Prova de pré-requisito Prova de pré-requisito Curso Python e Django 1. Ao se acessar o site www.google.com qual comando e parâmetros são enviados para o servidor pelo navegador? a. GET / b. GET www.google.com c. PAGE index.html

Leia mais

Prof. Omero, pág. 63. Banco de Dados InterBase.

Prof. Omero, pág. 63. Banco de Dados InterBase. Prof. Omero, pág. 63 O que é o InterBase? O InterBase é um SGBDR - Sistema Gerenciador de Banco de Dados Cliente/Servidor Relacional 1 que está baseado no padrão SQL ANSI-9, de alta performance, independente

Leia mais

INSTALAÇÃO PRINTERTUX Tutorial

INSTALAÇÃO PRINTERTUX Tutorial INSTALAÇÃO PRINTERTUX Tutorial 2 1. O Sistema PrinterTux O Printertux é um sistema para gerenciamento e controle de impressões. O Produto consiste em uma interface web onde o administrador efetua o cadastro

Leia mais

6 PLANEJAMENTO DE SI 6.1 Planejamento de Segurança da Informação O planejamento em S.I é algo crucial para que haja o bom funcionamento de uma

6 PLANEJAMENTO DE SI 6.1 Planejamento de Segurança da Informação O planejamento em S.I é algo crucial para que haja o bom funcionamento de uma 6 PLANEJAMENTO DE SI 6.1 Planejamento de Segurança da Informação O planejamento em S.I é algo crucial para que haja o bom funcionamento de uma empresa. Diferente do senso comum o planejamento não se limita

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE

DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE VARIAÁ VEL Antes de iniciarmos os comandos referentes a Banco de Dados, precisamos de uma breve descrição técnica sobre Variáveis que serão uma constante em programação seja qual for sua forma de leitura.

Leia mais

Banco de dados 1. Linguagem SQL DDL e DML. Professor: Victor Hugo L. Lopes

Banco de dados 1. Linguagem SQL DDL e DML. Professor: Victor Hugo L. Lopes Banco de dados 1 Linguagem SQL DDL e DML Professor: Victor Hugo L. Lopes Agenda: Introdução à linguagem de dados; DDL; DML; CRUD; Introdução à linguagem SQL. 2 Por que precisamos da linguagem SQL? A algebra

Leia mais

COMPETÊNCIAS ESPECÍFICAS Compreender e utilizar a linguagem SQL, na construção e manutenção de uma base de dados.

COMPETÊNCIAS ESPECÍFICAS Compreender e utilizar a linguagem SQL, na construção e manutenção de uma base de dados. PLANIFICAÇÃO DA DISCIPLINA DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO 12.ºH CURSO PROFISSIONAL DE TÉCNICO MULTIMÉDIA ANO LECTIVO 2013/2014 6. LINGUAGENS DE PROGRAMAÇÃO IV Pré-requisitos: - Planificar e estruturar bases

Leia mais

acoplamento Exprime o grau de conexão entre os módulos; os módulos de um software devemapresentar um baixo coeficiente de acoplamento.

acoplamento Exprime o grau de conexão entre os módulos; os módulos de um software devemapresentar um baixo coeficiente de acoplamento. SOA Arquitetura Orientada a Serviços Conceitos e Aplicações Prof. MSc. Edilberto Silva edilms@yahoo.com/ http://edilms.eti.br Gestão de TI Conceitode SOA SOA - Service OrientedArchitecture (Arquitetura

Leia mais

Geração e execução de scripts de teste em aplicações web a partir de casos de uso direcionados por comportamento 64

Geração e execução de scripts de teste em aplicações web a partir de casos de uso direcionados por comportamento 64 direcionados por comportamento 64 5 Estudo de caso Neste capítulo serão apresentadas as aplicações web utilizadas na aplicação da abordagem proposta, bem como a tecnologia em que foram desenvolvidas, o

Leia mais

UNIVERSIDADE. Sistemas Distribuídos

UNIVERSIDADE. Sistemas Distribuídos UNIVERSIDADE Sistemas Distribuídos Ciência da Computação Prof. Jesus José de Oliveira Neto Web Services Web Services Existem diferentes tipos de comunicação em um sistema distribuído: Sockets Invocação

Leia mais

Introdução à linguagem SQL

Introdução à linguagem SQL Introdução à linguagem SQL 1 Histórico A linguagem de consulta estruturada (SQL - Structured Query Language) foi desenvolvida pela empresa IBM, no final dos anos 70. O primeiro banco de dados comercial

Leia mais

Falaremos um pouco das tecnologias e métodos utilizados pelas empresas e usuários domésticos para deixar a sua rede segura.

Falaremos um pouco das tecnologias e métodos utilizados pelas empresas e usuários domésticos para deixar a sua rede segura. Módulo 14 Segurança em redes Firewall, Criptografia e autenticação Falaremos um pouco das tecnologias e métodos utilizados pelas empresas e usuários domésticos para deixar a sua rede segura. 14.1 Sistemas

Leia mais

PROJETO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA INTERNACIONAL. Diretrizes e Estratégias para Ciência, Tecnologia e Inovação no Brasil

PROJETO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA INTERNACIONAL. Diretrizes e Estratégias para Ciência, Tecnologia e Inovação no Brasil PROJETO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA INTERNACIONAL Diretrizes e Estratégias para Ciência, Tecnologia e Inovação no Brasil Projeto 914 BRA5065 - PRODOC-MTC/UNESCO DOCUMENTO TÉCNICO Nº 02 IMPLANTAÇÃO DE 1 (UM)

Leia mais

Introdução ao SQL. O que é SQL?

Introdução ao SQL. O que é SQL? Introdução ao SQL 1 O que é SQL? Inicialmente chamada de Sequel, SQL (Structured Query Language), é a linguagem padrão utilizada para comunicar-se com um banco de dados relacional. A versão original foi

Leia mais

BANCO DE DADOS: SQL. Edson Anibal de Macedo Reis Batista. 27 de janeiro de 2010

BANCO DE DADOS: SQL. Edson Anibal de Macedo Reis Batista. 27 de janeiro de 2010 BANCO DE DADOS: SQL UERN - Universidade do Estado do Rio Grande do Norte. Departamento de Ciências da Computação. 27 de janeiro de 2010 índice 1 Introdução 2 3 Introdução SQL - Structured Query Language

Leia mais

Sistemas de Informação James A. O Brien Editora Saraiva Capítulo 5

Sistemas de Informação James A. O Brien Editora Saraiva Capítulo 5 Para entender bancos de dados, é útil ter em mente que os elementos de dados que os compõem são divididos em níveis hierárquicos. Esses elementos de dados lógicos constituem os conceitos de dados básicos

Leia mais

Segurança da Informação Prof. Jeferson Cordini jmcordini@hotmail.com

Segurança da Informação Prof. Jeferson Cordini jmcordini@hotmail.com Segurança da Informação Prof. Jeferson Cordini jmcordini@hotmail.com Segurança da Informação Segurança da Informação está relacionada com proteção de um conjunto de dados, no sentido de preservar o valor

Leia mais

SQL DDL. Frederico D. Bortoloti freddb@ltc.ufes.br

SQL DDL. Frederico D. Bortoloti freddb@ltc.ufes.br Banco de Dados I SQL DDL Frederico D. Bortoloti freddb@ltc.ufes.br Introdução Modelo relacional encontra-se padronizado pela indústria de informática. Ele é chamado de padrão SQL (Structured Query Language)

Leia mais

AULA 2 INTERAÇÃO COM O BANCO DE DADOS

AULA 2 INTERAÇÃO COM O BANCO DE DADOS AULA 2 INTERAÇÃO COM O BANCO DE DADOS BANCO DE DADOS POSTGRESQL O PostgreSQL é um sistema gerenciador de banco de dados dos mais robustos e avançados do mundo. Seu código é aberto e é totalmente gratuito,

Leia mais

Modelo de Dados Relacional Restrições de um Banco de Dados Relacional

Modelo de Dados Relacional Restrições de um Banco de Dados Relacional Modelo de Dados Relacional e as Restrições de um Banco de Dados Relacional Modelo de Dados Relacional Conceitos do Modelo Relacional Representa o banco de dados como uma coleção de relações. Comparação

Leia mais

Service Oriented Architecture (SOA)

Service Oriented Architecture (SOA) São Paulo, 2011 Universidade Paulista (UNIP) Service Oriented Architecture (SOA) Prof. MSc. Vladimir Camelo vladimir.professor@gmail.com 04/09/11 vladimir.professor@gmail.com 1 04/09/11 vladimir.professor@gmail.com

Leia mais

LEIA COM ATENÇÃO AS INSTRUÇÕES ABAIXO

LEIA COM ATENÇÃO AS INSTRUÇÕES ABAIXO MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL PROCESSO SELETIVO PARA ESTAGIÁRIO DE INFORMÁTICA CI/ESTAGIO/01/2013 LEIA COM ATENÇÃO AS INSTRUÇÕES ABAIXO 1. Ao receber o caderno de provas e as folhas de respostas, preencha

Leia mais

BANCO DE DADOS. info 3º ano. Prof. Diemesleno Souza Carvalho diemesleno@iftm.edu.br www.diemesleno.com.br

BANCO DE DADOS. info 3º ano. Prof. Diemesleno Souza Carvalho diemesleno@iftm.edu.br www.diemesleno.com.br BANCO DE DADOS info 3º ano Prof. Diemesleno Souza Carvalho diemesleno@iftm.edu.br www.diemesleno.com.br Na última aula estudamos Unidade 4 - Projeto Lógico Normalização; Dicionário de Dados. Arquitetura

Leia mais

ATA - Exercícios Informática Carlos Viana. 2012 Copyright. Curso Agora eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor.

ATA - Exercícios Informática Carlos Viana. 2012 Copyright. Curso Agora eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. ATA - Exercícios Informática Carlos Viana 2012 Copyright. Curso Agora eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. ATA EXERCÍCIOS CARLOS VIANA 22 - ( ESAF - 2004 - MPU - Técnico Administrativo ) O

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS 9. A respeito da linguagem SQL, das afirmativas abaixo, é INCORRETO afirmar que a) é uma linguagem declarativa, ao contrário das linguagens tradicionais, que são do tipo procedimental. b) é constituída

Leia mais

ANEXO 9 DO PROJETO BÁSICO DA FERRAMENTA DE MONITORAMENTO, SEGURANÇA E AUDITORIA DE BANCO DE DADOS

ANEXO 9 DO PROJETO BÁSICO DA FERRAMENTA DE MONITORAMENTO, SEGURANÇA E AUDITORIA DE BANCO DE DADOS ANEXO 9 DO PROJETO BÁSICO DA FERRAMENTA DE MONITORAMENTO, SEGURANÇA E AUDITORIA DE BANCO DE DADOS Sumário 1. Finalidade... 2 2. Justificativa para contratação... 2 3. Premissas para fornecimento e operação

Leia mais

INTERNET OUTLOOK. 1. Considerando os conceitos e os modos de navegação na Internet, assinale a opção correta.

INTERNET OUTLOOK. 1. Considerando os conceitos e os modos de navegação na Internet, assinale a opção correta. Prof. Júlio César S. Ramos P á g i n a 1 INTERNET OUTLOOK 1. Considerando os conceitos e os modos de navegação na Internet, assinale a opção correta. A O Outlook Express permite criar grupo de pessoas

Leia mais

Desenvolvendo e Integrando Serviços Multiplataforma de TV Digital Interativa

Desenvolvendo e Integrando Serviços Multiplataforma de TV Digital Interativa Desenvolvendo e Integrando Serviços Multiplataforma de TV Digital Interativa Agenda Introdução Aplicações interativas de TV Digital Desafios de layout e usabilidade Laboratório de usabilidade Desafios

Leia mais

SQL Linguagem de Definição de Dados. Laboratório de Bases de Dados Profa. Dra. Cristina Dutra de Aguiar Ciferri

SQL Linguagem de Definição de Dados. Laboratório de Bases de Dados Profa. Dra. Cristina Dutra de Aguiar Ciferri SQL Linguagem de Definição de Dados SQL Structured Query Language Uma das mais importantes linguagens relacionais (se não a mais importante) Exemplos de SGBD que utilizam SQL Oracle Informix Ingress SQL

Leia mais

Faça um Site PHP 5.2 com MySQL 5.0 Comércio Eletrônico

Faça um Site PHP 5.2 com MySQL 5.0 Comércio Eletrônico Editora Carlos A. J. Oliviero Faça um Site PHP 5.2 com MySQL 5.0 Comércio Eletrônico Orientado por Projeto 1a Edição 2 Reimpressão São Paulo 2011 Érica Ltda. Noções Livrarse Preparação muitas muita Sumário

Leia mais

Banco de Dados. StructuredQuery Language- SQL. Prof. Walteno Martins Parreira Jr www.waltenomartins.com.br waltenomartins@yahoo.

Banco de Dados. StructuredQuery Language- SQL. Prof. Walteno Martins Parreira Jr www.waltenomartins.com.br waltenomartins@yahoo. Banco de Dados StructuredQuery Language- SQL Prof. Walteno Martins Parreira Jr www.waltenomartins.com.br waltenomartins@yahoo.com 2015 A Origem Em 1970, Ted Codd (pesquisador da IBM) publicou o primeiro

Leia mais

Conectando Bancos de Dados Microsoft Access no BrOffice.org Base. fornecido pelo Projeto de Documentação do BrOffice.org

Conectando Bancos de Dados Microsoft Access no BrOffice.org Base. fornecido pelo Projeto de Documentação do BrOffice.org Conectando Bancos de Dados Microsoft Access no BrOffice.org Base fornecido pelo Projeto de Documentação do BrOffice.org Índice 1 Introdução...2 1.1 Versão... 2 1.2 Licenciamento...2 1.3 Mensagem do Projeto

Leia mais

Structured Query Language (SQL)

Structured Query Language (SQL) SQL Histórico Structured Query Language (SQL) Foi desenvolvido pela IBM em meados dos anos 70 como uma linguagem de manipulação de dados (DML - Data Manipulation Language) para suas primeiras tentativas

Leia mais

Desenvolvimento Web. Saymon Yury C. Silva Analista de Sistemas. http://www.saymonyury.com.br

Desenvolvimento Web. Saymon Yury C. Silva Analista de Sistemas. http://www.saymonyury.com.br Desenvolvimento Web Saymon Yury C. Silva Analista de Sistemas http://www.saymonyury.com.br Vantagens Informação em qualquer hora e lugar; Rápidos resultados; Portabilidade absoluta; Manutenção facilitada

Leia mais

ENTERPRISE JAVABEANS 3. Msc. Daniele Carvalho Oliveira

ENTERPRISE JAVABEANS 3. Msc. Daniele Carvalho Oliveira ENTERPRISE JAVABEANS 3 Msc. Daniele Carvalho Oliveira Apostila Servlets e JSP www.argonavis.com.br/cursos/java/j550/index.html INTRODUÇÃO Introdução Enterprise JavaBeans é um padrão de modelo de componentes

Leia mais

Capitulo 2. Prof.º Espc. Fábio Margarito Martins de Barros - Tecnologia de banco de dados

Capitulo 2. Prof.º Espc. Fábio Margarito Martins de Barros - Tecnologia de banco de dados Capitulo 2 1. MODELO LÓGICO DE BANCO DE DADOS... 2 1.1 Definição... 2 1.2 Mapeando o modelo conceitual para o modelo lógico... 2 1.2 Dicionário de dados... 3 2. MODELO FÍSICO DO BANCO DE DADOS... 4 2.1

Leia mais

Programação SQL. Introdução

Programação SQL. Introdução Introdução Principais estruturas duma Base de Dados: Uma BD relacional é constituída por diversas estruturas (ou objectos ) de informação. Podemos destacar: Database: designa a própria BD; Table/Tabela:

Leia mais