Action RU - Modulo Run-Time Edifício SAF Grupo Orion Manual de Operação do Sistema

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Action RU - Modulo Run-Time Edifício SAF Grupo Orion Manual de Operação do Sistema"

Transcrição

1 Action RU - Modulo Run-Time Edifício SAF Grupo Orion Manual de Operação do Sistema SPIN Engenharia de Automação Ltda. Versão 7.5 Junho de 2009 SPIN Engenharia de Automação Ltda. SCLN-Quadra 212 Bloco D - Sala 101 Cep Brasília DF - Fone/Fax: (061) /

2 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO OBJETIVO AMBIENTE DO SISTEMA MÓDULOS COMPONENTES Servido Bloco A Canais de Comunicação (Servidor Bloco A) Servido Bloco B Canais de Comunicação (Servidor Bloco B) EQUIPAMENTOS MULTI-SERIAL MOXA Controladoras Delta Medidores ABB Gerado Stemac Variadores de freqüência Central de incêndio Software ORGANIZAÇÃO DA BASE DE DADOS ALARMES E EVENTOS Prioridade de Eventos Cores de alarmes TELAS DE PROCESSO APRESENTAÇÃO GERAL ORGANIZAÇÃO GERAL DAS TELAS NAVEGAÇÃO ENTRE TELAS Menu superior Objetos Menu de telas Caixa de seleção COMANDOS Comando ligar / Desligar Fancoil Comando Digital Ajuste de temperatura do fancoil Ajuste de temperatura do Danper SISTEMA DE AR CONDICIONADO FANCOILS Funcionamento dos Fancoils Estados dos Fancoils Comandos Dampers Gráfico HIDRÁULICA Estados nos quadros GERADOR STEMAC 230 KVA Pontos Monitorados MULTIMEDIDORES Pontos Monitorados ELÉTRICA DETECÇÃO DE INCÊNDIO

3 Detector óptico Detector de temperatura Multisensor Acionador Manual Módulos Simbologia do dispositivo de incêndio ARQUITETURA DO SISTEMA MANUTENÇÃO DE ARQUIVOS DO ACTIONVIEW Localização dos Arquivos Arquivos de Trabalho Registro de Bibliotecas ATUALIZAÇÃO DE VERSÃO DO ACTIONVIEW PROCEDIMENTOS DE BACKUP E RECUPERAÇÃO DO ACTIONVIEW

4 INTRODUÇÃO 1.1 Objetivo Este documento é um anexo ao manual de operação do ActionRU - módulo RunTime, contendo as informações referentes à sua parametrização para a aplicação de Automação do edifício Saf Bloco A e Bloco B. Conteúdo do Manual O capítulo 2 descreve o ambiente do sistema, apresentando a arquitetura existente, o software básico com as versões utilizadas e a organização da base de dados da aplicação. O Capítulo 3 descreve as telas de processo parametrizadas: A organização das telas; A navegação entre telas; Todos os símbolos utilizados nos objetos de visualização e seu significado; Os comandos utilizados; A apresentação das telas com seu conteúdo; O capítulo 4 apresenta algumas dicas de operação usadas para: Melhor entender a utilização dos protocolos OPC e Modbus parametrizados na aplicação. Identificar endereços de pontos nessa parametrização do ActionView; Melhor entender os canais de comunicação usados na parametrização; 1 3

5 2 AMBIENTE DO SISTEMA 2.1 Módulos Componentes O sistema é composto por dois servidores, cada servidor esta ligado a uma multiserial (moxa) responsável disponibilizar portas de comunicação RS-485 para os servidores Servido Bloco A O servidor do Bloco A alem ser responsável pela comunicação dos CLP s, variadores e demais dispositivos do Bloco A também concentra as informações provenientes do servidor do Bloco B. Ele possui 7 canais de comunicação listados abaixo. Figura 1: Arquitetura do sistema Canais de Comunicação (Servidor Bloco A) Canal 0 CENTRAL DE INCÊDIO (Protocolo Detectomat): Comunica-se através de uma porta RS-232 da placa MOXA com a central de Incêndio Detectomat 3004; Canal 1 CONTROLADORAS (Protocolo Bacnet IP): Comunica-se com as controladoras utilizando a rede Ethernet; 4

6 Canal 2 VARIADORES DE FREQÜÊNCIA (Protocolo Modbus RTU): Comunica-se através de uma linha serial multiponto, RS-485, com onze variadores de frequência Danfoss FC-102; Canal 3 Comunicação com Bloco B (Protocolo Modbus RTU): Comunica-se através rede Ethernet com o servidor do bloco B, obtendo informações referentes a programação horária dos variadores de frequência deste bloco B; Canal 4 MEDIDORES ABB (Protocolo Modbus RTU): Comunica-se através de uma linha serial multiponto, RS-485, com dois multimedidores IDM96; Canal 5 GERADOR STEMAC (Protocolo Modbus RTU): Comunica-se através de uma linha serial multiponto, RS-485, com o controlador ST2040 do gerador de 230 kv da Stemac; Canal 6 Comunicação com Bloco B (Protocolo Modbus RTU): Comunica-se através rede Ethernet com o servidor do Bloco B coletando as informações adquiridas pelo servidor deste bloco; Canal 7 Comunicação com Bloco B (Protocolo Modbus RTU): Comunica-se através rede Ethernet com o servidor do Bloco B coletando as informações referentes a horários de funcionamento dos fancoils do bloco. 5

7 Figura 1: canais de comunicação Bloco A 6

8 2.1.3 Servido Bloco B O servidor do Bloco B não possui interface gráfica, funcionando como um Gateway que transmite todos os pontos coletados dos CLP s, variadores e demais dispositivos do bloco para o bloco A, através de um canal de comunicação Modbus. Figura 2: Arquitetura do sistema Canais de Comunicação (Servidor Bloco B) Canal 0 CENTRAL DE INCÊDIO (Protocolo Detectomat): Comunica-se através de uma porta RS-232 da placa MOXA com a central de Incêndio Detectomat 3004; Canal 1 CONTROLADORAS: (Protocolo Bacnet IP) Comunica-se com as controladoras utilizando a rede Ethernet; Canal 2 VARIADORES DE FREQÜÊNCIA (Protocolo Modbus RTU): Comunica-se através de uma linha serial multiponto, RS-485, com onze variadores de frequência Danfoss FC-102; Canal 3 Comunicação com Bloco B (Protocolo Modbus RTU): Comunica-se através rede Ethernet com o servidor do Bloco B, recebendo informações referentes a programação horária dos variadores de frequência do bloco; Canal 4 MEDIDORES ABB (Protocolo Modbus RTU): Comunica-se através de uma linha serial multiponto, RS-485, com dois multimedidores IDM96. Canal 5 GERADOR STEMAC (Protocolo Modbus RTU): Comunica-se através de uma linha serial multiponto, RS-485, com o controlador ST2040 do gerador de 230 kv da Stemac; 7

9 Canal 6 Comunicação com Bloco A (Protocolo Modbus RTU): Comunica-se através rede Ethernet com o servidor do Bloco A transmitindo as informações adquiridas. 2.2 Equipamentos 2.3 Multiserial Moxa Conversor responsável por converte sinais provenientes das redes de equipamentos RS-485 e RS 232 em uma porta USB Ver anexo: CD Moxa Controladoras Delta Existem vinte e seis controladoras Delta responsáveis pela supervisão e controle dos sistemas de ar condicionado e Elétrico. Elas estão conectadas ao computador através de rede ethernet utilizando o protocolo Bacnet IP. Ver anexos: DAC-606_Installation_Guide.pdf Medidores ABB DAC-1146_Installation_Guide.pdf Existem quatro medidores de grandezas elétricas IDM96 da ABB conectados ao computador através de um conversor USB RS-485. O ActionView comunica-se com os medidores através do protocolo Modbus RTU. Ver anexo: MuIDM96.PDF Gerado Stemac O gerador Stemac de 230 kva possui um controlador ST2040 conectado ao computador através de um conversor USB RS-485. O ActionView comunica-se com o controlador através do protocolo Modbus RTU. Ver anexo: ENDEREÇOS ST2040.doc Variadores de Frequência Existem vinte dois variadores de freqüências Danfoss FC-102 conectados ao computador através de um conversor USB RS-485. O ActionView 8

10 comunica-se com os variadores através do protocolo Modbus RTU. Ver anexo: VLTHVACDriveFC102.pdf VLTHVACDriveDC102.pdf Central de incêndio Existem dois painéis de incêndio da Detectomat modelo 3004 com quatro laços conectados ao computador através de um conversor USB RS-232 O ActionView comunica-se com os variadores através do protocolo Detectomat. Vide anexo: CD Detectomat Software Os módulos de software necessário à execução do sistema são: Sistema Operacional Microsoft Windows-XP Professional ou Windows 2003 Server; Software SCADA ActionView Versão 7.5 Ver anexo: Manual ActionRu.doc 2.4 Organização da Base de Dados Apresentação Geral A base de dados foi dividida em duas regionais: Bloco A e Bloco B, cada regional possui em seis sistemas conforme mostrado abaixo BASES Sistema de grupos base: Contém a definição dos pontos de cada tipo de equipamento. Assim, para criar um novo equipamento de um tipo existente, basta criar uma nova instância (derivar) dos pontos definidos no grupo base; _AR_COND Sistema ar condicionado: Contém os pontos de supervisão e controle do ar condicionado; _HIDRA Contém os pontos de supervisão do sistema hidráulico; _ELETRIC Contém os pontos de supervisão do sistema elétrico; _INCEND Central de incêndio; _GERAL Pontos de comunicação com equipamentos de campo. 9

11 Figura 3 Organização da base de dados 10

12 2.5 Alarmes e eventos Prioridade de Eventos Na parametrização da base de dados foram usados quatro níveis de prioridade para filtrar as variáveis: (1) A prioridade 4 corresponde a alarmes da central de incêndio (2) A prioridade 1 corresponde a alarmes do sistema de ar condicionado (3) A prioridade 2 corresponde a alarmes do sistema elétrico; (4) A prioridade 3 corresponde a alarmes do sistema Hidráulico; (5) A prioridade 4 corresponde a alarmes do sistema (pontos de comunicação) Essas prioridades são usadas como filtros nas telas de alarmes e eventos, conforme mostrado na figura abaixo. Figura 4 Filtros de Variáveis Cores de alarmes Para as medidas analogias como temperaturas e grandezas elétricas são associadas 2 cores aos seus parâmetros de alarmes. Quando o valor da variável ultrapassa os valores limítrofes é gerado um alarme com a cor correspondente. 11

13 Figura 5 cores associada as variáveis analógicas Figura 6 Para cada prioridade é associada uma cor 12

14 3 Telas de Processo 3.1 Apresentação Geral As telas de parâmetros são criadas, automaticamente, pelo sistema. Sua descrição encontra-se no Manual do Operador RunTime. 1 Figura 7 Barra de Ferramentas das telas de parâmetros 3.2 Organização Geral das Telas Existem 38 telas de processo na aplicação divididas pelo Bloco e Sistema Correspondente. São elas: Ar condicionado: Bloco A Pavimentos Bloco B Pavimentos Arquitetura do sistema; Bloco A Bloco B Hidráulica Bloco A Bloco B 13

15 Elétrica Bloco A Bloco B Central de incêndio Bloco A Pavimentos Bloco B Pavimentos 3.3 Navegação entre Telas Existem quatro formas de navegar entre telas são elas: Menu superior A navegação das telas pode ser feita através do menu superior visível em todas as telas, através deste menu é possível navegar entre os sistemas Objetos Também é possível navegar entre as telas de detalhas através dos objetos presentes nas telas, sempre que o curso do mouse virar uma lupa será possível navegar para uma tela detalhe Menu de telas A navegação também pode ser feita através do menu de telas 14

16 3.3.4 Caixa de seleção Nas telas de Detalhes de Fancoils e medidores é possível navegar entre os equipamentos usando a caixa de seleção superior 3.4 Comandos A seguir serão descritos todos os comandos comuns existentes na aplicação Comando ligar / Desligar Fancoil 15

17 Para ligar ou desligar um fancoil clique sobre o estado do ventilador será apresentada uma tela de confirmação de comando clique em sim para confirmar o comando. É necessário que o variador de freqüência esteja em automático para que comando seja efetuado no campo Comando Digital O comando digital será utilizado para ligar e desligar circuitos de iluminação. Clique sobre a lâmpada (1) em seguida surgirá uma caixa de comando escolha a opção Ligar ou Desligar (2) e confirme o comando (3). É necessário que o quadro elétrico esteja em automático para que comando seja efetuado no campo Ajuste de temperatura do fancoil O comando é usado para ajustar de temperatura. Para efetuar este comando de um duplo clique sobre o controle (1), em seguida surgirá uma caixa onde deve ser escrito o valor desejado (2). Após escreve o valor desejado clique em OK (3). 16

18 3.4.4 Ajuste de temperatura do Damper O comando é usado para ajustar de temperatura. Para efetuar este comando dê um duplo clique sobre o controle (1), em seguida surgirá uma caixa onde deve ser escrito o valor desejado (2). Após escrever o valor desejado clique em comandar (3). 3.5 Sistema de ar condicionado 17

19 Esta tela apresenta o resumo de todas as informações do sistema de ar condicionado e abaixo é mostrada a simbologia dos equipamentos / estados: Simbologia 3.6 Fancoils Esta tela apresenta informações detalhadas do fancoil selecionado, sendo possível ajustar os setpoint de temperatura dos equipamentos. 18

20 3.6.1 Funcionamento dos Fancoils Cada fancoil possui um variador de frequência, responsável por controlar a velocidade do ventilador e a abertura da válvula, o variador possui dois modos de operação: manual e automático, onde em manual o operador fica encarregado de definir a frequência de giro do motor e ligar e desligar o equipamento localmente. Em automático o comando ligar e desligar é feito via o ActionView O comando da válvula é feito baseado no setpoint de referência da temperatura de retorno, ocorrendo independentemente do modo de operação do variador seguindo a lógica abaixo: Para abrir a válvula é necessário colocar um ajuste menor que a temperatura de retorno. Para fechar a válvula é necessário colocar um ajuste maior que a temperatura de retorno Estados dos Fancoils Alarme: Indica se o variador de frequência está operando normalmente, caso o 19

21 alarme esteja atuado é necessário verificar no painel o motivo do alarme. Modo de operação: Indica se o fancoil está operando em estado manual ou automático. Ventilador: Indica se o ventilador está ligado ou desligado. Temperatura: Indica a temperatura no retorno de ar do fancoil. Ajuste da temperatura: Indica o valor de temperatura de retorno desejada. Freqüência: Indica a freqüência de giro do ventilador Programação horária: Indica a hora em que a aparelho deve ser ligado e desligado Comandos Fancoil: Comando para ligar e desligar o fancoil manualmente. Ajuste da Temperatura: Mudar o valor de referência da temperatura. Ajuste da Programação horária Dampers Os dampers são responsáveis por distribuir o ar frio dos pavimentos. Cada pavimento possui quatro dampers que são controlados, automaticamente, pelos CLP Gráfico O gráfico ilustra a temperatura de conforto do ambiente onde o ponteiro amarelo indica a posição da temperatura. A temperatura de conforto é representada pela cor branca. Então, sempre que o ponteiro amarelo estiver sobre a cor branca significa que a temperatura está nos limites de conforto. O ponteiro preto indica o setpoint. 1 20

22 3.7 Hidráulica Estados nos quadros Em manutenção: ponto de entrada manual com um duplo clique sobre este botão é alterado o estado, esta informação serve como referencia em caso de manutenção do equipamento. Falta de fase: Sinalização que falta uma ou mais fase no quadro de bomba. Tempo de operação: Indica, em horas, há quanto tempo cada Bomba está operando. Chave seletora: inca a posição da chave no quadro. 21

23 3.8 Gerador Stemac 230 kva Esta tela apresenta as informações provenientes do gerador Stemac de 230 kva, sendo os dados lidos do gerador. Não existem comandos para este equipamento Pontos Monitorados Tensão fase neutro (A-N; B-N; C-N); Tensão entre as fases (A-B; B-C; C-A); Corrente de saída fase (A, B, C); Freqüência; Rede Tensão fase neutro (A-N; B-N; C-N): Controle de tensão da bateria; Temperatura da água; Horas para manutenção; Número de partidas; Tempo de operação; Velocidade do motor; Gerador em modo manual; 22

24 Excesso de velocidade; Temperatura do gerador; Alarme de baixa de pressão de óleo; Alarme de ruptura da correia; Alarme de falha no carregador de bateria; Alarme de falha na partida; Alarme de nível baixo de combustível; Alarme de sobrecarga no GMG; Alarme de tensão alta da bateria; Alarme de tensão baixa da bateria; 3.9 Multimedidores Esta tela apresenta as informações provenientes dos multimedidores Power meter presentes nos QDGES. Estes pontos são de leitura, existindo um único comando para o reset dos totalizadores de potência ativa, reativa e aparente. 23

25 3.9.1 Pontos Monitorados Tensão medida linha linha; Tensão medida linha neutro; Tensão fase neutro (A-N; B-N; C-N); Tensão entre fases (A-B; B-C; C-A); Corrente trifásica; Corrente instantânea fase (A, B, C); Fator de potência; Freqüência; Potência ativa total; Potência reativa total; Potência aparente total; 3.10 Elétrica Esta tela mostra os estados dos circuitos de iluminação 24

26 3.11 Detecção de Incêndio Esta tela apresenta informações provenientes da central de incêndio onde os leds em verde indicam que o ponto está em estado normal os leds em vermelho indicam anomalias. Ao clicar sobre o pavimento será aberta uma tela como a planta do pavimento e a localização dos dispositivos da central de incêndio: Detector óptico O detector óptico usa um LED interno pulsante e um foto-diodo a um ângulo obtuso. No evento de fumaça que entra na câmara, a luz, pulsante do LED se 25

27 espalhará e será registrada pelo foto-diodo. Um sinal é gerado e transmitido usando o mesmo método do o detector de fumaça acima Detector de temperatura O detector de temperatura tem uma caixa de baixa resistência ao fluxo de ar para bom contato entre um termistor e o ar circunvizinho. A temperatura é medida por uma rede de termistores que dá uma saída proporcional à temperatura do ar externo Multisensor Multisensor contém um sensor óptico de fumaça e um sensor de temperatura a termistor cujas saídas são combinadas para dar o valor final analógico Acionador Manual Dispositivo de acionamento manual para informar a ocorrência de um incêndio Módulos OMS - Módulo de saída do Painel; IOM - Módulo de entrada do painel; TCM Módulo concentrador de sensores Simbologia do dispositivo de incêndio 26

28 3.12 Arquitetura do Sistema Esta tela descreve a arquitetura do sistema assim como a indicação de estado de comunicação dos equipamentos do sistema onde: 27

29 4 Manutenção de Arquivos do ActionView Localização dos Arquivos Os arquivos de ActionView estão localizados em dois locais distintos: Arquivos de trabalho: Estão localizados no diretório: c:\actionview\ Arquivo de Inicialização: Está localizado no diretório c:\windows\ O arquivo de inicialização tem o nome: ACTION.INI Se o operador tiver dúvida quanto aos valores dos parâmetros definidos no arquivo de inicialização, poderá consultá-los no run-time, através do menu CONFIGURAÇÃO / OPÇÕES. Figura 32: Janela de parâmetros de inicialização dessa aplicação 28

30 4.1.2 Arquivos de Trabalho Os arquivos de trabalho estão nos diretórios: C:\ActionView\: diretório raiz; C:\ActionView\ Projects\Action\DBASE\: diretório onde está à base de dados de parâmetros (ACTION_DATA_.MDF) e a base de dados histórica (ACTMOV_DATA_MDF). Deve ser observado que essas bases de dados do tipo SQL, são apontadas por dois arquivos do tipo UDL (Universal Data Link) residentes nesse mesmo diretório: - ACTION.UDL aponta para ACTION - ACTMOV.UDL aponta para ACTMOV 1 Figura 33: Janela da UDL apontando para a base de dados de parâmetros C:\ActionView\Projects\Action\Figuras: Local onde estão os fundos de todas as telas e de todas as figuras usadas para animar objetos de visualização; C:\ActionView\HELP\: Diretório onde estão os arquivos de "help on line" do ActionView; 29

31 C:\ActionView\PRG\: Diretório onde estão os programas (*.EXE), bibliotecas (*.DLL) e arquivos de comando indireto (*.CMD) do ActionView; C:\ActionView\Projects\Action\Scripts: Diretório onde estão arquivos tipo (*.VBS) utilizados como VbScript; C:\ActionView\Projects\Action\Prnt: Diretório onde o ActionView gera arquivos tipo TSV - Tab Separated Value de backup do arquivo histórico, já que esse tem seus registros excluídos automaticamente, de forma cíclica; C:\ActionView\Projects\Action\Sons: Diretório onde estão arquivos tipo (*.WAV) utilizados no acionamento de alarmes sonoros. Deve ser observado que esses diretórios estão definidos no arquivo ACTION.INI, usado para ativar o ActionRU, na seção [Directories] Registro de Bibliotecas Sempre que se altera uma biblioteca do tipo OCX ou DLL do ActionView, devese remover o registro de instalação da biblioteca anterior e instalar a nova. Esses procedimentos são executados de forma global pelo arquivo indireto: REGOLES.CMD 1 O procedimento manual de remover/instalar uma biblioteca é executado em ambiente DOS pelos comandos: REGSVR32 /U <xxx.ocx>: Remove <xxx.ocx> REGSVR32 <xxx.ocx> : Instala <xxx.ocx> A figura abaixo mostra um exemplo desses comandos. 30

32 4.2 Atualização de Versão do ActionView Sempre que for enviada uma atualização de versão do ActionView, o usuário deverá: (1) Desativar o Run-Time; (2) Após encerrar o programa, por garantia, executar um MATATUDOXP.CMD; (3) Salvar o diretório c:\actionview\* em uma área de trabalho; (4) Copiar os arquivos enviados do tipo DLL, OCX, EXE, etc. nos respectivos diretórios de destino; (5) Executar o programa AVSTUDIO.EXE que fará a atualização de versão criando/alterando/removendo tabelas dos arquivos ACTION.MDB ou ACTMOV.MDB; (6) Executar outros procedimentos ordenados na atualização de versão. Observação: Sempre que o programa AVSTUDIO.EXE executa sobre uma base de dados, ele verifica sua versão (tabela SysConfig, campo dtlastmodification da base de dados ACTION.MDB) e, se a mesma for inferior a do programa EM EXECUÇÃO, ele irá atualizá-la. Em caso de atualização da base de dados, logo após disparar o programa AVSTUDIO.EXE é apresentada uma janela com as atualizações feitas, conforme mostra a figura 24: 1 Figura 34: Janela do AVSTUDIO indicando a atualização de versão 31

33 4.3 Procedimentos de backup e recuperação do ActionView Será enviado um CD do software ActionView com a aplicação que roda atualmente na SE Santos Brasil. Devem ser observadas as recomendações a seguir: (1) Realizar um backup do diretório C:\Actionview e do arquivo C:\Windows\ action.ini (2) Em caso de perda total do sistema operacional, proceder com a reinstalação deste e instalar o software que se encontra no CD. (3) Ativar o módulo Run time. 32

Action RU - Modulo Run-Time SE Santos Brasil Manual de Operação do Sistema

Action RU - Modulo Run-Time SE Santos Brasil Manual de Operação do Sistema Action RU - Modulo Run-Time SE Santos Brasil Manual de Operação do Sistema SPIN Engenharia de Automação Ltda. Versão 7.5 Abril de 2009 SPIN Engenharia de Automação Ltda. SCLN-Quadra 212 Bloco D - Sala

Leia mais

Software RedeMB5 Manual do Usuário (Ver. 2)

Software RedeMB5 Manual do Usuário (Ver. 2) Manual do Usuário (Ver. 2) 1. Introdução O software RedeMB5 é uma ferramenta que permite monitorar em tempo real 247 medidores de energia ou multitransdutores digitais KRON em uma rede padrão RS-485 com

Leia mais

Figura 1: tela inicial do BlueControl COMO COLOCAR A SALA DE INFORMÁTICA EM FUNCIONAMENTO?

Figura 1: tela inicial do BlueControl COMO COLOCAR A SALA DE INFORMÁTICA EM FUNCIONAMENTO? Índice BlueControl... 3 1 - Efetuando o logon no Windows... 4 2 - Efetuando o login no BlueControl... 5 3 - A grade de horários... 9 3.1 - Trabalhando com o calendário... 9 3.2 - Cancelando uma atividade

Leia mais

MANUAL DO USUÁRIO. Software de Gerenciamento. Controlador de Fator de Potência. Self Control

MANUAL DO USUÁRIO. Software de Gerenciamento. Controlador de Fator de Potência. Self Control MANUAL DO USUÁRIO Software de Gerenciamento Controlador de Fator de Potência Self Control ÍNDICE 1.0 INTRODUÇÃO 4 1.1 Aplicações 4 2.0 CARACTERÍSTICAS 4 2.1 Compatibilidade 4 3.0 INSTALAÇÃO 4 4.0 INICIALIZAÇÃO

Leia mais

IBIS_BE_Net MODO DE USO. ABB Automação. Hartmann & Braun

IBIS_BE_Net MODO DE USO. ABB Automação. Hartmann & Braun IBIS_BE_Net MODO DE USO ABB Automação Hartmann & Braun Índice 1. IBIS_BE_NET - DEFINIÇÃO... 4 2. INSTALAÇÃO... 4 2.1. PRÉ-REQUISITOS PARA INSTALAÇÃO... 4 3. INSTALAÇÃO DO IBIS_NET... 4 3.1. ARQUIVOS DE

Leia mais

ENERGIA DA BATERIA & GERENCIAMENTO DA ENERGIA

ENERGIA DA BATERIA & GERENCIAMENTO DA ENERGIA CAPÍTULO VINTE TRÊS ENERGIA DA BATERIA & GERENCIAMENTO DA ENERGIA Neste capítulo, você aprenderá os fundamentos do gerenciamento de energia e como usá-los para adquirir uma vida média da bateria mais longa.

Leia mais

MANUAL DE USO E CONFIGURAÇÃO DO SOFTWARE SUPERVISÓRIO. BETTA SSB net V 2.01

MANUAL DE USO E CONFIGURAÇÃO DO SOFTWARE SUPERVISÓRIO. BETTA SSB net V 2.01 MANUAL DE USO E CONFIGURAÇÃO DO SOFTWARE SUPERVISÓRIO BETTA SSB net V 2.01 CONSIDERAÇÕES INICIAIS: O software Supervisório Betta SSB net V 2.01 foi concebido para auxiliar o monitoramento de centrais endereçáveis

Leia mais

Medidor Powersave V2 USB

Medidor Powersave V2 USB Medidor Powersave V2 USB O medidor é formado por uma caixa plástica contendo uma placa eletrônica, uma tomada macho, uma tomada fêmea, um conector H, um barramento lateral, um conector USB e leds indicativos.

Leia mais

Redes Ponto a Ponto. Os drivers das placas de rede devem estar instalados.

Redes Ponto a Ponto. Os drivers das placas de rede devem estar instalados. Redes Ponto a Ponto É fácil configurar uma rede ponto-a-ponto em qualquer versão do Windows. Antes entretanto é preciso tomar algumas providências em relação ao hardware: Todos os computadores devem estar

Leia mais

Multimedidores Inteligentes MGE G3 Modo de uso do software IBIS_BE_cnf. ABB Automação. Hartmann & Braun

Multimedidores Inteligentes MGE G3 Modo de uso do software IBIS_BE_cnf. ABB Automação. Hartmann & Braun Multimedidores Inteligentes MGE G3 Modo de uso do software IBIS_BE_cnf ABB Automação Hartmann & Braun Índice 1. IBIS_BE_CNF - DEFINIÇÃO... 3 2. INSTALAÇÃO... 3 2.1. PRÉ-REQUISITOS PARA INSTALAÇÃO... 3

Leia mais

FieldLogger. Apresentação

FieldLogger. Apresentação Solução Completa Ethernet & USB Até 16GB de memória Conversor A/D 24 bits Até 1000 amostras por segundo Apresentação FieldLogger O FieldLogger é um módulo de leitura e registro de variáveis analógicas,

Leia mais

Maxwell Bohr Instrumentação Eletrônica Ltda. Rua Porto Alegre, 212 Londrina PR Brasil http://www.maxwellbohr.com.br KDE50. Kit Didático de Eletrônica

Maxwell Bohr Instrumentação Eletrônica Ltda. Rua Porto Alegre, 212 Londrina PR Brasil http://www.maxwellbohr.com.br KDE50. Kit Didático de Eletrônica Maxwell Bohr Instrumentação Eletrônica Ltda. Rua Porto Alegre, 212 Londrina PR Brasil http://www.maxwellbohr.com.br KDE50 Kit Didático de Eletrônica MANUAL Jul / 2011 Sumário 1.Descrição Geral...2 2.Composição

Leia mais

PowerMANAGER 2. Software para Análise de Grandezas Elétricas. Manual de Instalação e Operação

PowerMANAGER 2. Software para Análise de Grandezas Elétricas. Manual de Instalação e Operação PowerMANAGER 2 Software para Análise de Grandezas Elétricas Manual de Instalação e Operação Revisão: 1.0 Setembro de 2013 Válido para versões a partir de 2.5 www.ims.ind.br ims@ims.ind.br A IMS dispõe

Leia mais

www.bluemedia.com.br MEDIDORES

www.bluemedia.com.br MEDIDORES www.bluemedia.com.br MEDIDORES Detector de Falhas e Analisador Preditivo - PA A linha PA de Detectores de Falhas e Analisadores Preditivos KRON traz uma nova abordagem para o conceito de monitoramento

Leia mais

Notas de Aplicação. Utilizando o servidor de comunicação SCP Server. HI Tecnologia. Documento de acesso público

Notas de Aplicação. Utilizando o servidor de comunicação SCP Server. HI Tecnologia. Documento de acesso público Notas de Aplicação Utilizando o servidor de comunicação SCP Server HI Tecnologia Documento de acesso público ENA.00024 Versão 1.02 dezembro-2006 HI Tecnologia Utilizando o servidor de comunicação SCP Server

Leia mais

Soluções de Acessibilidade. VLibras - Desktop. Manual de Instalação da Ferramenta. Microsoft Windows R. Núcleo de Pesquisa e Extensão / LAViD

Soluções de Acessibilidade. VLibras - Desktop. Manual de Instalação da Ferramenta. Microsoft Windows R. Núcleo de Pesquisa e Extensão / LAViD Soluções de Acessibilidade VLibras - Desktop Manual de Instalação da Ferramenta Microsoft Windows R Núcleo de Pesquisa e Extensão / LAViD 2016 INTRODUÇÃO Objetivo Este manual contém introdução e informações

Leia mais

Manual do Software Pctel Supervisor Desktop

Manual do Software Pctel Supervisor Desktop Manual do Software Pctel Supervisor Desktop Conteúdo O que é o Pctel Supervisor Desktop?...03 O que é usuário do canal (PA)?...03 Como cadastrar usuário do canal (PA)?...04 Como remover um usuário do canal?...05

Leia mais

MinyScan Home. Leitor Manual de Código de Barras. Manual do Usuário Versão 2.0b. Data da Revisão: 26/08/05

MinyScan Home. Leitor Manual de Código de Barras. Manual do Usuário Versão 2.0b. Data da Revisão: 26/08/05 MinyScan Home Leitor Manual de Código de Barras Manual do Usuário Versão 2.0b Data da Revisão: 26/08/05 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 3 2. APRESENTANDO O MINYSCAN HOME... 4 2.1. COMPOSIÇÃO... 4 3. INSTALANDO

Leia mais

CDE4000 MANUAL 1. INTRODUÇÃO 2. SOFTWARE DE CONFIGURAÇÃO 3. COMUNICAÇÃO

CDE4000 MANUAL 1. INTRODUÇÃO 2. SOFTWARE DE CONFIGURAÇÃO 3. COMUNICAÇÃO CDE4000 MANUAL 1. INTRODUÇÃO O controlador CDE4000 é um equipamento para controle de demanda e fator de potência. Este controle é feito em sincronismo com a medição da concessionária, através dos dados

Leia mais

INDICE 1. INTRODUÇÃO... 3 2. CONFIGURAÇÃO MÍNIMA... 4 3. INSTALAÇÃO... 4 4. INTERLIGAÇÃO DO SISTEMA... 5 5. ALGUNS RECURSOS... 6 6. SERVIDOR BAM...

INDICE 1. INTRODUÇÃO... 3 2. CONFIGURAÇÃO MÍNIMA... 4 3. INSTALAÇÃO... 4 4. INTERLIGAÇÃO DO SISTEMA... 5 5. ALGUNS RECURSOS... 6 6. SERVIDOR BAM... 1 de 30 INDICE 1. INTRODUÇÃO... 3 2. CONFIGURAÇÃO MÍNIMA... 4 3. INSTALAÇÃO... 4 3.1. ONDE SE DEVE INSTALAR O SERVIDOR BAM?... 4 3.2. ONDE SE DEVE INSTALAR O PROGRAMADOR REMOTO BAM?... 4 3.3. COMO FAZER

Leia mais

AvtionView Módulo de Tempo Real PCH s Enercoop Manual de Operação do Sistema

AvtionView Módulo de Tempo Real PCH s Enercoop Manual de Operação do Sistema AvtionView Módulo de Tempo Real PCH s Enercoop Manual de Operação do Sistema SPIN Engenharia de Automação Ltda. Versão 6.1.13 Outubro de 2003 SPIN Engenharia de Automação Ltda. SCLN-Quadra 212 Bloco D

Leia mais

Multimedidores Inteligentes IDM96 Modo de uso do software IBIS_BE_cnf. ABB Automação. Hartmann & Braun

Multimedidores Inteligentes IDM96 Modo de uso do software IBIS_BE_cnf. ABB Automação. Hartmann & Braun Multimedidores Inteligentes IDM96 Modo de uso do software IBIS_BE_cnf ABB Automação Hartmann & Braun Índice 1. IBIS_BE_CNF - DEFINIÇÃO... 3 2. INSTALAÇÃO... 3 2.1. PRÉ-REQUISITOS PARA INSTALAÇÃO... 3 3.

Leia mais

Manual Introdutório do DataStudio

Manual Introdutório do DataStudio Manual de Instruções Manual N.º 012-08107 Manual Introdutório do DataStudio Manual N.º 012-08107 Manual N.º 012-08107 Manual Introdutório do DataStudio Introdução O que é o DataStudio? O DataStudio é

Leia mais

O Windows também é um programa de computador, mas ele faz parte de um grupo de programas especiais: os Sistemas Operacionais.

O Windows também é um programa de computador, mas ele faz parte de um grupo de programas especiais: os Sistemas Operacionais. MICROSOFT WINDOWS O Windows também é um programa de computador, mas ele faz parte de um grupo de programas especiais: os Sistemas Operacionais. Apresentaremos a seguir o Windows 7 (uma das versões do Windows)

Leia mais

Manual de utilização do módulo NSE METH 3E4RL

Manual de utilização do módulo NSE METH 3E4RL INSTALAÇÃO 1 - Baixe o arquivo Software Configurador Ethernet disponível para download em www.nse.com.br/downloads-manuais e descompacte-o em qualquer pasta de sua preferência. 2 - Conecte a fonte 12Vcc/1A

Leia mais

MANUAL DE OPERAÇÃO WCV EQUIPAMENTOS ELETRÔNICOS ALAMEDA DOS ANAPURUS,1939 MOEMA SÃO PAULO BRASIL

MANUAL DE OPERAÇÃO WCV EQUIPAMENTOS ELETRÔNICOS ALAMEDA DOS ANAPURUS,1939 MOEMA SÃO PAULO BRASIL MANUAL DE OPERAÇÃO WCV EQUIPAMENTOS ELETRÔNICOS ALAMEDA DOS ANAPURUS,1939 MOEMA SÃO PAULO BRASIL TEL/FAX: (11) 535-7200 / 531-5945 / 531-8784 wcvtools@uol.com.br INDÍCE PRÓLOGO 4 REQUERIMENTO DO SISTEMA

Leia mais

MANUAL DE INSTALAÇÃO E OPERAÇÃO

MANUAL DE INSTALAÇÃO E OPERAÇÃO PÉGASUS (ETHERNET) STUDIO V2.02 MANUAL DE INSTALAÇÃO E OPERAÇÃO Rua Coronel Botelho, 64 - Alto da Lapa - CEP: 05088-020 São Paulo - SP - Brasil +55 (11) 3832-6102 PÉGASUS (ETHERNET) STUDIO V2.02 - MANUAL

Leia mais

Tutorial 160 CP FBs - Elipse Scada (RS232 Protocolo MODBUS)

Tutorial 160 CP FBs - Elipse Scada (RS232 Protocolo MODBUS) Tutorial 160 CP FBs - Elipse Scada (RS232 Protocolo MODBUS) Este documento é propriedade da ALTUS Sistemas de Informática S.A., não podendo ser reproduzido sem seu prévio consentimento. Altus Sistemas

Leia mais

Usando o Conference Manager do Microsoft Outlook

Usando o Conference Manager do Microsoft Outlook Usando o Conference Manager do Microsoft Outlook Maio de 2012 Conteúdo Capítulo 1: Usando o Conference Manager do Microsoft Outlook... 5 Introdução ao Conference Manager do Microsoft Outlook... 5 Instalando

Leia mais

MANUAL CFTV DIGITAL - LINHA LIGHT 16 CANAIS 120 FPS / VID 120-LI CONFIGURAÇÃO DO COMPUTADOR 16 Canais - 120 FPS Processador Dual Core 2.0GHZ ou superior; Placa Mãe Intel ou Gigabyte com chipset Intel;

Leia mais

AUTOMAÇÃO RESIDENCIAL

AUTOMAÇÃO RESIDENCIAL AUTOMAÇÃO RESIDENCIAL Automação e Controle AR026 SUMÁRIO I. Sistemas Supervisórios... 3 II. Automação... 4 III. Arquitetura de Redes Industriais... 5 IV. Comunicação entre Supervisório e CLP...7 V. O Protocolo

Leia mais

Notas de Aplicação. Utilização do ScpDDEServer com Microsoft Excel. HI Tecnologia. Documento de acesso público

Notas de Aplicação. Utilização do ScpDDEServer com Microsoft Excel. HI Tecnologia. Documento de acesso público Notas de Aplicação Utilização do ScpDDEServer com Microsoft Excel HI Tecnologia Documento de acesso público ENA.00020 Versão 1.02 outubro-2004 HI Tecnologia Utilização do ScpDDEServer com Microsoft Excel

Leia mais

Atenção ainda não conecte a interface em seu computador, o software megadmx deve ser instalado antes, leia o capítulo 2.

Atenção ainda não conecte a interface em seu computador, o software megadmx deve ser instalado antes, leia o capítulo 2. Atenção ainda não conecte a interface em seu computador, o software megadmx deve ser instalado antes, leia o capítulo 2. Interface megadmx SA Firmware versão 1, 2 e 3 / software megadmx 2.000 (Windows/MAC

Leia mais

FEMA Fundação Educacional Machado de Assis INFORMÁTICA Técnico em Segurança do Trabalho P OW ERPOI NT. Escola Técnica Machado de Assis Imprensa

FEMA Fundação Educacional Machado de Assis INFORMÁTICA Técnico em Segurança do Trabalho P OW ERPOI NT. Escola Técnica Machado de Assis Imprensa P OW ERPOI NT 1 INTRODUÇÃO... 3 1. Iniciando o PowerPoint... 3 2. Assistente de AutoConteúdo... 4 3. Modelo... 5 4. Iniciar uma apresentação em branco... 6 5. Modo de Exibição... 6 6. Slide Mestre... 7

Leia mais

Driver da KODAK D4000 Duplex Photo Printer para WINDOWS

Driver da KODAK D4000 Duplex Photo Printer para WINDOWS ReadMe_Driver.pdf 11/2011 Driver da KODAK D4000 Duplex Photo Printer para WINDOWS Descrição O driver da D4000 Printer é um driver da impressora MICROSOFT personalizado para uso com a D4000 Duplex Photo

Leia mais

Guia de Instalação rápida - AH4 / AH8. HD IDVR manual rápida de usuário

Guia de Instalação rápida - AH4 / AH8. HD IDVR manual rápida de usuário 1 HD IDVR manual rápida de usuário 2 Manual de acesso Rápido Resumo: Obrigado por adquirir nossos produtos, o que é produto DVR 4.0, integrar alta definição, inteligente e Híbrido mesclar a medula técnica

Leia mais

Terminal de Consulta de Preço. Linha Vader. Modelo TT300 e TT1000i

Terminal de Consulta de Preço. Linha Vader. Modelo TT300 e TT1000i Terminal de Consulta de Preço Linha Vader Modelo TT300 e TT1000i Índice 1. Conhecendo o Terminal de Consulta 03 1.1 Configurando o endereço IP no terminal 04 2. Conhecendo o Software TTSocket 06 3. Instalando

Leia mais

Manual de Instalação. GPRS Universal

Manual de Instalação. GPRS Universal Manual de Instalação GPRS Universal INTRODUÇÃO O módulo GPRS Universal Pináculo é um conversor de comunicação que se conecta a qualquer painel de alarme monitorado que utilize o protocolo de comunicação

Leia mais

Astra ThinClient Manual de Configuração

Astra ThinClient Manual de Configuração 2011 www.astralab.com.br Astra ThinClient Manual de Configuração Guia para configuração do software Astra ThinClient. Equipe Documentação Astra AstraLab 20/07/2011 1 Sumário Configurando padrões... 3 Configurando

Leia mais

Manual de instalação, configuração e utilização do Enviador XML

Manual de instalação, configuração e utilização do Enviador XML Manual de instalação, configuração e utilização do Enviador XML 1. Conceitos e termos importantes XML Empresarial: é um sistema web (roda em um servidor remoto) de armazenamento e distribuição de documentos

Leia mais

Hamtronix CONTROLE REMOTO DTMF. CRD200 - Manual de Instalação e Operação. Software V 2.0 Hardware Revisão B

Hamtronix CONTROLE REMOTO DTMF. CRD200 - Manual de Instalação e Operação. Software V 2.0 Hardware Revisão B Hamtronix CRD200 - Manual de Instalação e Operação Software V 2.0 Hardware Revisão B INTRODUÇÃO Índice...01 Suporte On-line...01 Termo de Garantia...01 Em Caso de Problemas (RESET)...01 Descrição do Produto...02

Leia mais

RUA ÁLVARO CHAVES, 155 PORTO ALEGRE RS BRASIL 90220-040

RUA ÁLVARO CHAVES, 155 PORTO ALEGRE RS BRASIL 90220-040 RUA ÁLVARO CHAVES, 155 PORTO ALEGRE RS BRASIL 90220-040 MANUAL DE INSTRUÇÕES TEL: (51) 3323 3600 FAX: (51) 3323 3644 info@novus.com.br INTRODUÇÃO O é um sensor de temperatura (modelo TEMP) ou temperatura

Leia mais

LEIA O MANUAL ANTES DE USAR O PRODUTO!

LEIA O MANUAL ANTES DE USAR O PRODUTO! LEIA O MANUAL ANTES DE USAR O PRODUTO! Manual de uso Interface Lumikit WiFi 2015 Lumikit Sistemas para Iluminação rev 0 15/03/2015 Lumikit Sistemas para Iluminação www.lumikit.com.br 1 Considerações importantes,

Leia mais

Notas de Aplicação. Utilização do Driver DDE com Microsoft Excel. HI Tecnologia. Documento de acesso público

Notas de Aplicação. Utilização do Driver DDE com Microsoft Excel. HI Tecnologia. Documento de acesso público Notas de Aplicação Utilização do Driver DDE com Microsoft Excel HI Tecnologia Documento de acesso público ENA.00006 Versão 1.01 fevereiro-2014 HI Tecnologia Utilização do Driver DDE com Microsoft Excel

Leia mais

MANUAL DE INSTRUÇÕES. RELÓGIO ESPIÃO Elegance

MANUAL DE INSTRUÇÕES. RELÓGIO ESPIÃO Elegance MANUAL DE INSTRUÇÕES RELÓGIO ESPIÃO Elegance Antes de manusear leia atentamente todas as instruções deste manual: Este aparelho é constituído de mecanismos internos muito sensíveis e delicados, sendo que

Leia mais

Lync Acessando o Lync Web App

Lync Acessando o Lync Web App Lync Acessando o Lync Web App Saiba como ingressar em uma reunião, quais são os recursos disponíveis, as configurações e conheça o layout do Lync Web App. Sumário Lync Web App... 1 Ingressar em uma Reunião

Leia mais

CONCEITOS BÁSICOS DE REDES E FIREWALL

CONCEITOS BÁSICOS DE REDES E FIREWALL Secretaria Municipal de Educação SME Coordenadoria de Tecnologia da Informação e Comunicação CTIC Núcleo de Tecnologia Municipal NTM CONCEITOS BÁSICOS DE REDES E FIREWALL Amauri Soares de Brito Mário Ângelo

Leia mais

Baixando a atualização:

Baixando a atualização: Conteúdo Baixando a atualização:... 2 Descompactando o arquivo:... 3 Formatando o pendrive... 4 Copiando para o Pendrive... 5 Atualizando o televisor... 6 Através de USB:... 7 Através da Internet:... 7

Leia mais

MANUAL DO SOFTWARE. EPmfd II. Standard. Rev. Nro. Notas. Data da cópia 03/10/2008 Copiado por EGS EPSON PAULISTA LTDA. SEIKO EPSON CORPORATION

MANUAL DO SOFTWARE. EPmfd II. Standard. Rev. Nro. Notas. Data da cópia 03/10/2008 Copiado por EGS EPSON PAULISTA LTDA. SEIKO EPSON CORPORATION MANUAL DO SOFTWARE EPmfd II Rev. Nro. Notas Standard F Data da cópia 03/10/2008 Copiado por EGS EPSON PAULISTA LTDA. SEIKO EPSON CORPORATION 1 Produto: EPmfd II Rev. F Data: 03/10/2008 Pg. 2/42 Índice

Leia mais

CR20C. Manual do Usuário

CR20C. Manual do Usuário CR20C Manual do Usuário Descrição Geral Controlador para ar condicionado CR20C O CR20C é um controlador digital microprocessado de baixo custo e de fácil programação e instalação. O seu avançado software

Leia mais

NX- USB MANUAL DO USUARIO V1.2

NX- USB MANUAL DO USUARIO V1.2 NX- USB MANUAL DO USUARIO V1.2 NEVEX Tecnologia Ltda Copyright 2014 - Todos os direitos Reservados Atualizado em: 24/09/2014 IMPORTANTE Máquinas de controle numérico são potencialmente perigosas. A Nevex

Leia mais

SOBRE NoBreak s Perguntas e respostas. Você e sua empresa Podem tirar dúvidas antes de sua aquisição. Contulte-nos. E-mail = gsrio@gsrio.com.

SOBRE NoBreak s Perguntas e respostas. Você e sua empresa Podem tirar dúvidas antes de sua aquisição. Contulte-nos. E-mail = gsrio@gsrio.com. SOBRE NoBreak s Perguntas e respostas Você e sua empresa Podem tirar dúvidas antes de sua aquisição. Contulte-nos. E-mail = gsrio@gsrio.com.br O que é um nobreak? A principal função do nobreak é fornecer

Leia mais

LINEAR-HCS RUA SÃO JORGE, 269 TELEFONE: (11) 2823-8800 SÃO CAETANO DO SUL SÃO PAULO CEP: 09530-250

LINEAR-HCS RUA SÃO JORGE, 269 TELEFONE: (11) 2823-8800 SÃO CAETANO DO SUL SÃO PAULO CEP: 09530-250 LINEAR-HCS RUA SÃO JORGE, 269 TELEFONE: (11) 2823-8800 SÃO CAETANO DO SUL SÃO PAULO CEP: 09530-250 1 SOFTWARE HCS 2005 - VERSÃO 4.5 (Compatível com Guarita Vr4.03 ou superior) Recomendações Iniciais Para

Leia mais

Resumo da Instalação do Modelo HC-1180 Modbus RTU 150924V1.2. 1-Instalações Necessárias. P1- Drive USB para Windows do Conversor RS- 485 para USB.

Resumo da Instalação do Modelo HC-1180 Modbus RTU 150924V1.2. 1-Instalações Necessárias. P1- Drive USB para Windows do Conversor RS- 485 para USB. Resumo da Instalação do Modelo HC-1180 Modbus RTU 150924V1.2 1-Instalações Necessárias P1- Drive USB para Windows do Conversor RS- 485 para USB. P2- Programa Supervisório HC-1180 Rodelta. P3- Instalação

Leia mais

MANUAL DA SECRETARIA

MANUAL DA SECRETARIA MANUAL DA SECRETARIA Conteúdo Tela de acesso... 2 Liberação de acesso ao sistema... 3 Funcionários... 3 Secretaria... 5 Tutores... 7 Autores... 8 Configuração dos cursos da Instituição de Ensino... 9 Novo

Leia mais

Solução Completa em Automação. FieldLogger. Registro e Aquisição de Dados

Solução Completa em Automação. FieldLogger. Registro e Aquisição de Dados Solução Completa em Automação FieldLogger Registro e Aquisição de Dados Ethernet & USB Até 16GB de memória Conversor A/D 24 bits Até 1000 amostras por segundo Apresentação FieldLogger O FieldLogger é um

Leia mais

MANUAL DE INSTALAÇÃO E PROGRAMAÇÃO CONVERSOR - IP / USB / SERIAL - 317 RV1

MANUAL DE INSTALAÇÃO E PROGRAMAÇÃO CONVERSOR - IP / USB / SERIAL - 317 RV1 MANUAL DE INSTALAÇÃO E PROGRAMAÇÃO CONVERSOR - IP / USB / SERIAL - 317 RV1 SÃO CAETANO DO SUL 06/06/2014 SUMÁRIO Descrição do Produto... 3 Características... 3 Configuração USB... 4 Configuração... 5 Página

Leia mais

Eagle Rastreamento Veicular

Eagle Rastreamento Veicular Softech Software Brasil Ltda. Eagle Rastreamento Veicular Softech Tecnologia em Software Versão 1.4.0.0 13 2 Introdução Objetivo do manual de instruções O presente manual foi elaborado com o objetivo de

Leia mais

MANUAL DE INSTRUÇÕES. RELÓGIO ESPIÃO Elegance

MANUAL DE INSTRUÇÕES. RELÓGIO ESPIÃO Elegance MANUAL DE INSTRUÇÕES RELÓGIO ESPIÃO Elegance Antes de manusear leia atentamente todas as instruções deste manual: Este aparelho é constituído de mecanismos internos muito sensíveis e delicados, sendo que

Leia mais

SUMÁRIO. 1. Instalação... 1. 2. Operações... 3. 2.1 Comunicação... 4. 2.1.1 Modo... 4. 2.1.2 Ethernet... 5. 2.1.3 Serial... 6

SUMÁRIO. 1. Instalação... 1. 2. Operações... 3. 2.1 Comunicação... 4. 2.1.1 Modo... 4. 2.1.2 Ethernet... 5. 2.1.3 Serial... 6 SUMÁRIO 1. Instalação... 1 2. Operações... 3 2.1 Comunicação... 4 2.1.1 Modo... 4 2.1.2 Ethernet... 5 2.1.3 Serial... 6 2.1.4 Configurações da placa de rede... 6 2.2 Edição base... 7 2.2.1 Produto... 7

Leia mais

GUIA DE INSTALAÇÃO PARA DRIVER DE COMUNICAÇÃO USB Versão 2.0 IF ST120 IF ST200 IF ST 2000 IF ST 2500

GUIA DE INSTALAÇÃO PARA DRIVER DE COMUNICAÇÃO USB Versão 2.0 IF ST120 IF ST200 IF ST 2000 IF ST 2500 GUIA DE INSTALAÇÃO PARA DRIVER DE COMUNICAÇÃO USB Versão 2.0 IF ST120 IF ST200 IF ST 2000 IF ST 2500 JANEIRO 2012 Sumário Introdução...3 Preparativos para a instalação...3 Instalação no Windows 98...4

Leia mais

Eberhardt Comércio e Assist. Técnica. Ltda.

Eberhardt Comércio e Assist. Técnica. Ltda. Rua das Cerejeiras, 80 Ressacada CEP 88307-330 Itajaí SC Fone/Fax: (47) 3349 6850 Email: vendas@ecr-sc.com.br Guia de emissão de relatórios para envio ao DNPM ou arquivo e uso do software do sistema de

Leia mais

Manual de instalação, configuração e utilização do Assinador Betha

Manual de instalação, configuração e utilização do Assinador Betha Manual de instalação, configuração e utilização do Assinador Betha Versão 1.2 Histórico de revisões Revisão Data Descrição da alteração 1.0 18/09/2015 Criação deste manual 1.1 22/09/2015 Executando a instalação

Leia mais

Seu manual do usuário HP PAVILION B1400 http://pt.yourpdfguides.com/dref/852176

Seu manual do usuário HP PAVILION B1400 http://pt.yourpdfguides.com/dref/852176 Você pode ler as recomendações contidas no guia do usuário, no guia de técnico ou no guia de instalação para HP PAVILION B1400. Você vai encontrar as respostas a todas suas perguntas sobre a no manual

Leia mais

CAPÍTULO 6 COMUNICAÇÃO SERIAL

CAPÍTULO 6 COMUNICAÇÃO SERIAL CAPÍTULO 6 COMUNICAÇÃO SERIAL DEIXADO INTENCIONALMENTE EM BRANCO ÌNDICE 1 COMUNICAÇÃO SERIAL... 5 1.1 - Enviar um arquivo do Proteo... 6 1.2 - Receber um arquivo No Proteo... 9 1.3 - Verificando resultados

Leia mais

AJUDANDO-TE A CONHECER MELHORAR O BOM FUNCIONAMENTO DO TEU COMPUTADOR

AJUDANDO-TE A CONHECER MELHORAR O BOM FUNCIONAMENTO DO TEU COMPUTADOR AJUDANDO-TE A CONHECER MELHORAR O BOM FUNCIONAMENTO DO TEU COMPUTADOR Talegal Services +258 820271343 +258 848162924 +258 844459500 www.deogracio-e-raquinha.webnode.pt Aprenda a usar um pen drive como

Leia mais

Manual de Operação. Impressora Térmica Não fiscal ZP220 UBT 1-12

Manual de Operação. Impressora Térmica Não fiscal ZP220 UBT 1-12 Manual de Operação Impressora Térmica Não fiscal ZP220 UBT 1-12 1. INTRODUÇÃO ZP220-UBT é uma impressora térmica top de linha que trabalha em alta velocidade de impressão, baixo nível de ruído de impressão,

Leia mais

Permite a coleta de dados em tempo real dos processos de produção, possuindo, também, interfaces para a transferência dos dados para os sistemas

Permite a coleta de dados em tempo real dos processos de produção, possuindo, também, interfaces para a transferência dos dados para os sistemas Permite a coleta de dados em tempo real dos processos de produção, possuindo, também, interfaces para a transferência dos dados para os sistemas administrativos da empresa. Nessa configuração, o PC é a

Leia mais

CONFORTO COM SEGURANÇA CONFORTO COM SEGURANÇA. 0 P27070 - Rev

CONFORTO COM SEGURANÇA CONFORTO COM SEGURANÇA. 0 P27070 - Rev P27070 - Rev. 0 1. RESTRIÇÕES DE FUNCIONAMENTO RECEPTOR IP ÍNDICE 1. Restrições de Funcionamento... 03 2. Receptor IP... 03 3. Inicialização do Software... 03 4. Aba Eventos... 04 4.1. Botão Contas...

Leia mais

MANUAL GDS TOUCH. Versão: 1.0 Direitos reservados.

MANUAL GDS TOUCH. Versão: 1.0 Direitos reservados. MANUAL GDS TOUCH Versão: 1.0 Direitos reservados. GDS TOUCH PAINEL TOUCH-SCREEN CONTROLE RESIDENCIAL INTERATIVO O GDS Touch é um painel wireless touch-screen de controle residencial, com design totalmente

Leia mais

D4600 Duplex Photo Printer

D4600 Duplex Photo Printer KODAK D4000 Duplex Photo Printer D4600 Duplex Photo Printer Guia do driver da impressora Janeiro de 2015 TM/MC/MR Licenciado a partir da Eastman Kodak Company: Kodak Kodak Alaris Inc. 2400 Mount Read Blvd.,

Leia mais

Guia de Início Rápido SystemTweaker

Guia de Início Rápido SystemTweaker Guia de Início Rápido SystemTweaker O SystemTweaker é uma ferramenta segura e fácil de usar para personalizar o Windows de acordo com as suas preferências. Este guia de início rápido irá ajudar você a

Leia mais

Comm5 Tecnologia Manual de utilização da família MI. Manual de Utilização. Família MI

Comm5 Tecnologia Manual de utilização da família MI. Manual de Utilização. Família MI Manual de Utilização Família MI ÍNDICE 1.0 COMO LIGAR O MÓDULO... pág 03 e 04 2.0 OBJETIVO... pág 05 3.0 COMO CONFIGURAR O MÓDULO MI... pág 06, 07, 08 e 09 4.0 COMO TESTAR A REDE... pág 10 5.0 COMO CONFIGURAR

Leia mais

Guia prático para configuração, coleta e utilização de oscilografias em relés digitais

Guia prático para configuração, coleta e utilização de oscilografias em relés digitais Guia prático para configuração, coleta e utilização de oscilografias em relés digitais Rafael Cardoso 1. OBJETIVO: Este guia de aplicação tem o objetivo de apresentar uma importante ferramenta disponível

Leia mais

DigiRail-VA. MANUAL DE INSTRUÇÕES - V1.0x B

DigiRail-VA. MANUAL DE INSTRUÇÕES - V1.0x B MANUAL DE INSTRUÇÕES - V1.0x B CARACTERÍSTICAS GERAIS... 2 ESPECIFICAÇÕES... 3 INSTALAÇÃO E OPERAÇÃO... 4 INSTALAÇÃO MECÂNICA... 4 DIMENSÕES... 4 INSTALAÇÕES ELÉTRICAS E OPERAÇÃO... 4 RECOMENDAÇÕES PARA

Leia mais

CONTROLADOR LÓGICO PROGRAMAVEL

CONTROLADOR LÓGICO PROGRAMAVEL CONTROLADOR LÓGICO PROGRAMAVEL Controlador Lógico Programável ( Hardware ) Para aprendermos como funciona um CLP, é necessário uma análise de seus componentes básicos, utilizados por todos os CLPs disponíveis

Leia mais

PA-2000 Series Hardware Reference Guide. 8/31/11 Esboço de Revisão Final - CONFIDENCIAL DA EMPRESA Palo Alto Networks

PA-2000 Series Hardware Reference Guide. 8/31/11 Esboço de Revisão Final - CONFIDENCIAL DA EMPRESA Palo Alto Networks PA-2000 Series Hardware Reference Guide 8/31/11 Esboço de Revisão Final - CONFIDENCIAL DA EMPRESA Palo Alto Networks Palo Alto Networks, Inc. www.paloaltonetworks.com Copyright 2011 Palo Alto Networks.

Leia mais

Sistemas supervisórios

Sistemas supervisórios Sistemas supervisórios O software supervisório utiliza a representação de objetos estáticos e animados para representar todo o processo de uma planta, assim como uma interface IHM. Ela opera em dois modos:

Leia mais

Manual de Instalação SIM/SINASC

Manual de Instalação SIM/SINASC Manual de Instalação SIM/SINASC Agosto/2009 Versão 2.2 Índice CAPÍTULO 01 INTRODUÇÃO... 4 CAPÍTULO 02 - PERFIL DO HARDWARE... 5 CAPÍTULO 03 INSTALADOR SIM SINASC 2.2... 6 CAPÍTULO 04 - MODO DE INSTALAÇÃO...

Leia mais

Signet 3-0250 Ferramenta de Configuração/ Diagnóstico USB-para-S 3 L

Signet 3-0250 Ferramenta de Configuração/ Diagnóstico USB-para-S 3 L Signet -0250 Ferramenta de Configuração/ Diagnóstico -para-s L -022.090 Portuguese -0250.090-CD Rev. B 10/07 Portuguese A ferramenta de confi guração/diagnóstico -para-s L, modelo -0250, fornece uma interface

Leia mais

Guia de Introdução do IBM Security SiteProtector System SP3001

Guia de Introdução do IBM Security SiteProtector System SP3001 Guia de Introdução do IBM Security SiteProtector System SP3001 Este documento fornece orientação durante o processo de conexão e execução da configuração inicial do dispositivo IBM Security SiteProtector

Leia mais

Sistema Multibombas Controle Fixo CFW-11

Sistema Multibombas Controle Fixo CFW-11 Motores Energia Automação Tintas Sistema Multibombas Controle Fixo CFW-11 Manual de Aplicação Idioma: Português Documento: 10000122700 / 01 Manual de Aplicação para Sistema Multibombas Controle Fixo Série:

Leia mais

PÉGASUS (ETHERNET POCKET) STUDIO V1.00 MANUAL DE INSTALAÇÃO E OPERAÇÃO

PÉGASUS (ETHERNET POCKET) STUDIO V1.00 MANUAL DE INSTALAÇÃO E OPERAÇÃO PÉGASUS (ETHERNET POCKET) STUDIO V1.00 MANUAL DE INSTALAÇÃO E OPERAÇÃO Rua Coronel Botelho, 64 - Alto da Lapa - CEP: 05088-020 São Paulo - SP - Brasil +55 (11) 3832-6102 PÉGASUS (ETHERNET POCKET) STUDIO

Leia mais

Manual do Aplicativo NSE Mobile Control

Manual do Aplicativo NSE Mobile Control INSTALAÇÃO DO APLICATIVO Acesse www.nse.com.br/downloads-manuais e baixe os programas de acordo com o dispositivo que irá utilizar, nos links referentes ao produto número 1 - Módulo MTCP-3E4S. - Para uso

Leia mais

Guia Rápido LINKER SAT REV. 2.1 MAI / 2015

Guia Rápido LINKER SAT REV. 2.1 MAI / 2015 Guia Rápido LINKER SAT REV. 2.1 MAI / 2015 Revisão: 02 Data: 09/05/2015 ÍNDICE 1 Pré-requisitos para a Ativação do LINKER SAT... 3 1.1 Conexões... 3 1.2 Instalação do LINKER SAT Manager... 3 1.3 Instalação

Leia mais

Guia de Instalação APE USB

Guia de Instalação APE USB Neste guia serão mostrados apenas os procedimentos necessários para instalação do driver APE USB em seu sistema operacional Windows. Ao final da instalação o APE terá uma porta COM alocada pelo sistema

Leia mais

Manual do Usuário Publicador

Manual do Usuário Publicador Manual do Usuário Publicador Portal STN SERPRO Superintendência de Desenvolvimento SUPDE Setor de Desenvolvimento de Sítios e Portais DEDS2 Versão 1.1 Fevereiro 2014 Sumário Sobre o Manual... 3 Objetivo...

Leia mais

Monitor de Temperatura SMS

Monitor de Temperatura SMS MANUAL DE INSTRUÇÕES V1.0x A 1. INTRODUÇÃO... 2 2. APLICAÇÕES... 2 2.1 DESEMBALAGEM... 2 3. ESPECIFICAÇÕES... 3 4. CONEXÕES E INSTALAÇÃO... 4 4.1 INSTALAÇÃO MECÂNICA... 4 4.2 INSTALAÇÕES ELÉTRICAS... 12

Leia mais

REGISTRO DE PROJETOS

REGISTRO DE PROJETOS REGISTRO DE PROJETOS 1. REGISTRO DE PROJETOS Esta aplicação tem o objetivo de realizar o Registro de Projetos da Instituição. É possível, incluir, alterar ou excluir essas informações. 1.1. Acessando a

Leia mais

Attack 1.35. Software de controle e Monitoração de amplificadores

Attack 1.35. Software de controle e Monitoração de amplificadores Attack 1.35 Software de controle e Monitoração de amplificadores 1 Índice 1 Hardware necessário:... 3 1.1 Requisitos do computador:... 3 1.2 Cabos e conectores:... 3 1.3 Adaptadores RS-232 USB:... 4 1.4

Leia mais

O QUE É A CENTRAL DE JOGOS?

O QUE É A CENTRAL DE JOGOS? O QUE É A CENTRAL? A Central de Jogos consiste de duas partes: Um site na Internet e um programa de computador (Central) que deve ser instalado em sua máquina. No site www.centraldejogos.com.br, você pode

Leia mais

Manual de instalação e configuração do módulo de saídas NSR-08

Manual de instalação e configuração do módulo de saídas NSR-08 Manual de instalação e configuração do módulo de saídas NSR-08 Sumário DESCRIÇÃO GERAL...4 VANTAGENS...4 CARACTERÍSTICAS...4 LED DE STATUS DO MODULO...4 ESQUEMA DE LIGAÇÕES...5 LIGAÇÃO DO CABO DE COMUNICAÇÃO...6

Leia mais

1- Scilab e a placa Lab_Uino. 2- Instalação do ToolBox

1- Scilab e a placa Lab_Uino. 2- Instalação do ToolBox 1- Scilab e a placa Lab_Uino A placa Lab_Uino, é uma plataforma aberta para aprendizagem de sistemas microprocessados. Com a utilização de um firmware especifico a placa Lab_Uino é reconhecido pelo sistema

Leia mais

Guia do Usuário. Avigilon Control Center Móvel Versão 2.0 para Android

Guia do Usuário. Avigilon Control Center Móvel Versão 2.0 para Android Guia do Usuário Avigilon Control Center Móvel Versão 2.0 para Android 2011-2015 Avigilon Corporation. Todos os direitos reservados. AVIGILON é marca comercial registrada e/ou não registrada da Avigilon

Leia mais

Multimedidor Portátil MPK

Multimedidor Portátil MPK [1] Introdução O Multimedidor Portátil é um instrumento que facilita a análise de instalações elétricas em campo com alta flexibilidade. A solução é composta de: Multimedidor: Instrumento digital microprocessado,

Leia mais

CURSO OPERACIONAL TOPOLOGIA SISTEMA SIGMA 485-E

CURSO OPERACIONAL TOPOLOGIA SISTEMA SIGMA 485-E SIGMA Sistema Integrado de Combate a Incêndio CURSO OPERACIONAL TOPOLOGIA SISTEMA SIGMA 485-E CABO BLINDADO (SHIELD) 4 VIAS 2X2,50 MM + 2X0,75 MM IHM Possibilidade de até 95 loops. LOOP LOOP LOOP CABO

Leia mais

Ferramentas nddcargo 4.2.6.0 Manual de Instalação

Ferramentas nddcargo 4.2.6.0 Manual de Instalação Ferramentas nddcargo 4.2.6.0 Manual de Instalação Histórico de Alterações Data Versão Autor Descrição 15/04/2014 1 Deiviane F. R. de Souza Criação do documento. 2 1. Introdução As ferramentas nddcargo

Leia mais