UNIVERSIDADE SÃO FRANCISCO CURSO DE ENGENHARIA ELÉTRICA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UNIVERSIDADE SÃO FRANCISCO CURSO DE ENGENHARIA ELÉTRICA"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE SÃO FRANCISCO CURSO DE ENGENHARIA ELÉTRICA REDE DE ACESSO FTTX Área de Comunicações Ópticas por Renato Pinto de Souza Jorge Salomão Pereira, Mestre Orientador Campinas (SP), dezembro de 2006

2 UNIVERSIDADE SÃO FRANCISCO CURSO DE ENGENHARIA ELÉTRICA REDE DE ACESSO FTTX Área de Comunicações Ópticas por Renato Pinto de Souza Relatório apresentado à Banca Examinadora do Trabalho de Conclusão do Curso de Engenharia Elétrica para análise e aprovação. Orientador: Jorge Salomão Pereira, Mestre Campinas (SP), dezembro de 2006 i

3 SUMÁRIO LISTA DE ABREVIATURAS... iv LISTA DE FIGURAS... vi LISTA DE TABELAS...vii LISTA DE EQUAÇÕES...viii RESUMO... ix ABSTRACT... x 1. INTRODUÇÃO HISTÓRICO APLICAÇÕES VISÃO GERAL OBJETIVO DO TRABALHO METODOLOGIA ESTRUTURA DO TRABALHO REDE DE ACESSO FTTX COMUNICAÇÕES ÓPTICAS Fibras Ópticas Características de propagação REDES ÓPTICAS REDE DE ACESSO EVOLUÇÃO DA REDE ÓPTICA COMO REDE DE ACESSO REDE ÓPTICA PASSIVA ARQUITETURA FTTX RECOMENDAÇÃO PON TIPOS DE PON ATM-PON GIGABIT-PON ii

4 Ethernet-PON Avaliação das Tecnologias APON, GPON e EPON DIMENSIONAMENTO DA REDE PON SISTEMA LIMITADO POR ATENUAÇÃO Potência média na transmissão (P Tx ) Sensibilidade na recepção (P Rx ) Perda na fibra óptica (α FIBRA ) Perda total nas emendas (α EMENDAS ) Perda total nos conectores (α CONECT ) Perda total nos divisores ópticos (α SPLITTER ) Margem SISTEMA LIMITADO POR DISPERSÃO EXEMPLO 1: CÁLCULO DO LIMITE DE DISPERSÃO EXEMPLO 2: CÁLCULO DO LIMITE DE ATENUAÇÃO CONSIDERAÇÕES FINAIS REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS iii

5 LISTA DE ABREVIATURAS ADSL APON ATM BER BPON BT CATV DBA DS DT EM FSAN FTTB FTTC FTTCab FTTH GFP GPON IEEE IP ITU KPN LAN MAC MAN MPCP NRZ NTT NZD OAM&P Asymmetrical Digital Subscriber Line ATM Passive Optival Network Asynchronous Transfer Mode Bit Error Rate Broadband Passive Optival Network British Telecom Cable TV Dynamic Bandwidth Allocation Dispersion Shifted Deutshe Telekom Encapsulation Method Full Service Access Network Fiber-to-the-Business Fiber-to-the-Curb Fiber-to-the-Cabnet Fiber-to-the-Home Generic Framing Procedure Gigabit Passive Optival Network Institute of Electrical and Electronics Engineers Internet Protocol International Telecommunication Union Dutch Telecom Local Area Network Medium Access Control Metropolitan Area Network Multi-Point Control Protocol Non Return to Zero Nippon Telegraph and Telephone Non Zero Dispersion Operation, Administration, Maintenance and Provisioning iv

6 OLT ONT ONU OPAL OSI PLOAM PMD PON POTS QoS RDSI SDH SLA TC TCC TDMA TPON USF VoD WDM Optical Line Terminal Optical Network Terminal Optical Network Unit Optical Passive Access Line Open Systems Interconnection Physical Layer Operation, Administration and Maintenance Physical Media Dependent Passive Optival Network Plain Old Telephone Service Qualidade de Servico Rede Digital de Servicos Integrados Synchronous Digital Hierarchy Service-Level Agreement Transmission Convergence Trabalho de Conclusão de Curso Time Division Multiple Access Telephony over Passive Optival Network Universidade São Francisco Vídeo on Demand Wavelength Division Multiplexing v

7 LISTA DE FIGURAS Figura 1. Estrutura básica da fibra óptica...5 Figura 2. Ilustracão da Lei de Snell...6 Figura 3. Fibra óptica de perfil de índice de degrau...7 Figura 4. Curva de Atenuação em função do comprimento de Onda...8 Figura 5. Fibra óptica de perfil de índice gradual...9 Figura 6. Curva da Dispersão para a fibra Convencional (G.652)...11 Figura 7. Curva da Dispersão para a fibra de Dispersão Deslocada (G.653)...12 Figura 8. Curva da Dispersão para a fibra de Dispersão Deslocada Não Nula (G.655)...12 Figura 9. Arquitetura geral de um sistems de comunicacões ópticas...13 Figura 10. Aplicacões Típicas e respectivas taxas de transmissão...14 Figura 11. Fibra óptica dedicada...15 Figura 12. Rede óptica comutada...16 Figura 13. Rede óptica passiva...16 Figura 14. Esquemático de uma rede óptica passiva...17 Figura 15. Arquitetura FTTx...18 Figura 16. Quadro ATM no sentido downstream...20 Figura 17. Quadro ATM no sentido upstream...20 Figura 18. Operacão nas células APON...21 Figura 19. Modelo de rede GPON...22 Figura 20. Quadro GPON no sentido downstream...23 Figura 21. Quadro GPON no sentido upstream...23 Figura 22. Formato do quadro EPON...24 Figura 23. Fluxo do quadro EPON no sentido downstream...25 Figura 24. Fluxo do quadro EPON no sentido upstream...25 Figura 25. Sinal óptico recebido no OLT...26 Figura 26. Comparativos de custos entre ATM e Ethernet...28 Figura 27. Modelo de PON...30 Figura 28. Quantidade de derivações (N) em função do limite de atenuação (L)...38 vi

8 LISTA DE TABELAS Tabela 1. Vantagens e desvantagens dos sistemas de comunicacão óptica...4 Tabela 2. Coeficientes de atenuacão por comprimento de onda...8 Tabela 3. Recomendacões G.652, G.653 e G Tabela 4. Coeficientes de dispersão das fibras G.652, G.653 e G Tabela 5. Taxas de transmissão em funcão da distância até o usuário da ADSL...14 Tabela 6. Recomendacões G.983 e G Tabela 7. Características das redes PON...27 vii

9 LISTA DE EQUAÇÕES Equação Equação Equação Equação Equação Equação Equação Equação Equação Equação Equação Equação viii

10 RESUMO SOUZA, Renato Pinto de. Rede de Acesso FTTx. Campinas, Trabalho de Conclusão de Curso, Universidade São Francisco, Campinas, As redes de acesso FTTx utilizam o conceito de Rede Óptica Passiva (Passive Optical Network PON) para oferecer serviços simultâneos de voz, dados e vídeo aos diversos usuários e mercados. Com o mérito de reduzir custos na construção, manutenção e gerenciamento das redes de acesso, as redes ópticas passivas estendem a largura de banda sem a necessidade do aumento de componentes ópticos ativos na rede. Neste contexto, este trabalho define as Redes Ópticas Passivas, seu funcionamento, suas evoluções e apresenta uma ferramenta simples de dimensionamento das redes PON. Palavras-chave: Rede de acesso. Rede óptica passiva. GPON. ix

11 ABSTRACT The FTTx access networks use the concept of Passive Optical Network (PON) to offer simultaneous services of voice, data and video to the diverse users and markets. With the merit to reduce costs in the construction, maintenance and management of the access networks, the passive optical network extend the bandwidth without the necessity of the increase of active optic components in the network. In this context, this work defines the Passive Optical Network, its functioning, its evolutions and presents a simple tool of sizing of networks PON. Keywords: Access network. Passive optical network. GPON. x

12 1. INTRODUÇÃO 1.1. HISTÓRICO As redes ópticas passivas foram desenvolvidas nas duas últimas décadas do século XX, quando várias empresas de telecomunicações montaram e testaram redes PON em diversas partes do mundo [1]: a) British Telecom (BT) na Inglaterra, em 1986, desenvolveu a Telephony over PON (TPON), destinada à transmissão residencial de banda estreita, e a Broadband PON (BPON), destinada à transmissão de banda larga para empresas [1]; b) Deutshe Telekom (DT) na Alemanha, em 1991, desenvolveu o projeto Optical Passive Access Line (OPAL), destinado aos clientes residenciais e empresariais no sistema PON [1]; c) Alcatel na Antuérpia, no início de 1990, implantou uma Asynchronous Transfer Mode PON (ATM-PON) [1]; d) Dutch Telecom (KPN) na Holanda, no ano de 1990, realizou pequenos testes comerciais [1]; e) Nippon Telegraph and Telephone (NTT) no Japão, em 1996, realizou teste em um sistema proprietário BPON [1]; f) Bellsouth na América do Norte, em 1999, implantou o primeiro sistema Fiber-to-the-Home (FTTH BPON) [1]. Nestas redes foram fornecidos vários serviços simultâneos de voz, dados e vídeo: Asymmetrical Digital Subscriber Line (ADSL), Plain Old Telephone Service (POTS), Video-ondemand (VoD), Cable TV (CATV), serviços de Rede Digital de Serviços Integrados (RDSI), etc APLICAÇÕES VISÃO GERAL As operadoras de telecomunicações necessitam atender os novos cenários que se formaram após o aumento significativo do número de usuários de banda larga. O mercado atual não se satisfaz somente com o fornecimento de voz ou de dados. É necessário agregar novos serviços, como por exemplo, o triple play, que oferece aos clientes telefone, internet em banda larga e TV por assinatura em um único canal. 1

13 Porém, as tecnologias atualmente utilizadas pelas operadoras não atendem esta necessidade. A tecnologia Asymmetrical Digital Subscriber Line (ADSL), a mais utilizada nas redes de acesso no Brasil, não está provendo para as operadoras este mix de serviços que os clientes necessitam, além de não oferecer uma relação custo benefício atraente para os serviços de banda larga. Outro fator que onera a utilização destas tecnologias é o custo para a implementação de uma planta em cobre, que, atualmente, é idêntico ao de uma planta em fibra óptica. Isto aumenta o uso de fibra nas redes de acesso em detrimento do cobre, trazendo a PON como uma tecnologia alternativa. Dentro destes novos cenários destacam-se dois segmentos: o mercado residencial e o mercado corporativo. O mercado de banda larga residencial precisa de modelos viáveis para oferecer serviços de vídeo, dados e voz, o que também está acelerando o emprego de fibra via PON. Os serviços corporativos que despontam no momento como Storage (Armazenamento de dados em rede com contingência e segurança) ou Back-up (Armazenamento de dados em servidores gerenciados), põem em cheque a capacidade limitada dos circuitos E1 (2 Mbps), porém ainda não demandam capacidades hoje disponibilizadas por sistemas Synchronous Digital Hierarchy (SDH 2,5 Gbps). Neste caso, a PON aparece como uma tecnologia intermediária entre os circuitos E1 e os sistemas SDH. Como solução, este trabalho apresenta a rede óptica passiva como uma tecnologia viável a ser utilizada pelas operadoras de telecomunicações para atender as necessidades do mercado, ou seja, para atender os novos cenários do mercado de telecomunicações OBJETIVO DO TRABALHO O objetivo é desenvolver uma ferramenta para dimensionamento de uma rede PON, sendo necessário estudar os seguintes tópicos: Os conceitos básicos de uma PON; A estrutura e os principais componentes de uma PON; As aplicações e os principais tipos de PON; O modelo de uma PON limitada pela atenuação e dispersão. 2

14 1.4. METODOLOGIA O trabalho foi desenvolvido em três fases. A primeira fase consiste na realização de pesquisas bibliográficas e análise de documentos e artigos sobre a tecnologia PON e sobre as arquiteturas de rede FTTx. A segunda fase consiste no estudo das referências bibliográficas pesquisadas e na consolidação dos dados em uma monografia. A terceira e última fase, consiste na elaboração de uma ferramenta de dimensionamento de uma PON, apresentada como um projeto ESTRUTURA DO TRABALHO O trabalho está estruturado em quatro capítulos. O primeiro capítulo é a introdução, onde se encontram um histórico do desenvolvimento da rede óptica passiva, além do objetivo, da metodologia e da estrutura de apresentação deste documento. O segundo capítulo, Rede de Acesso FTTx, consolida os conceitos obtidos da pesquisa bibliográfica sobre as redes PON. Ainda neste capítulo, são apresentados os tipos de PON e os novos cenários do mercado de telecomunicações. O terceiro capítulo, Dimensionamento da Rede PON, apresenta uma ferramenta para dimensionamento de uma rede PON ou uma rede GPON limitada por atenuação e por dispersão. O quarto capítulo contém as considerações finais do trabalho. 3

15 2. REDE DE ACESSO FTTX 2.1. COMUNICAÇÕES ÓPTICAS Um sistema de comunicação óptica utiliza a fibra óptica como meio de transmissão, cuja principal característica é a alta capacidade de transmissão. A equação de Shannon fornece a capacidade de transmissão de um sistema de comunicação [2]: C = Bw. ln (1 + SNR) (1) Onde: C Bw SNR = capacidade do canal = banda passante = relação sinal/ruído A banda passante (Bw) de um sistema de comunicação óptica é cerca de dezenas de Tera Hertz (THz), o que permite relações sinal/ruído (SNR) mais desfavoráveis. As propriedades dos sistemas ópticos estão associadas às propriedades das fibras ópticas. Desta forma, na Tabela 1 são descritas as principais vantagens e desvantagens dos sistemas ópticos. Tabela 1. Vantagens e desvantagens dos sistemas de comunicação óptica Sistema de Comunicação Óptica Imunidade à interferência eletromagnética. Isolante elétrico, o que não requer aterramento específico entre bastidores. Vantagens Custo atrativo. Resistência à tração. Alta capacidade de transmissão em banda passante. Confiabilidade. 4

16 Desvantagens Fragilidade em relação ao cisalhamento. Aumento de atenuação por contaminação com hidroxila (OH - ). Fragilidades das conectorizações. Fonte: Adaptado de Comunicações Ópticas (2006) [2] Fibras Ópticas As fibras ópticas são estruturas cilíndricas, maciças e, geralmente, construídas com vidro de elevada pureza. Estas estruturas têm diâmetros variáveis, dependendo da aplicação, indo desde diâmetros ínfimos, da ordem de uma dezena de micrometros (mais finos que um fio de cabelo) até vários milímetros. [2] Na Figura 1, é apresentada a estrutura básica de uma fibra óptica, destacando-se duas camadas: o núcleo e a casca. Figura 1. Estrutura básica da fibra óptica Fonte: Adaptado de Clube do Hardware (2002) [3] Num sistema de comunicação óptica, a fibra proporciona o confinamento da luz, que ocorre através da reflexão interna total na interface núcleo casca. O confinamento da luz pode ser explicado pela lei de Snell. A luz ao se propagar de um meio com índice de refração n 1 para um meio com índice de refração n 2 e n 1 maior que n 2, pode sofrer reflexão ou refração (Willebrod Snell, 1621) [2] Desta forma, considerando que a relação n 1 / n 2 é maior do que 1 (um) poderá existir um ângulo crítico (θ I ) tal que, para qualquer ângulo (θ) maior que θ I, não haverá feixe refratado. Esta condição é conhecida como a condição de reflexão interna total e fundamenta o guiamento da luz na fibra. 5

17 Na Figura 2, são ilustrados os raios incidente, refletido e refratado com seus respectivos ângulos, além dos índices de refração de cada meio, para um melhor entendimento da Lei de Snell. Figura 2. Ilustração da Lei de Snell [2] Onde: θ I = ângulo de incidência θ RE = ângulo de reflexão θ R = ângulo de refração n 1 = índice de refração do núcleo n 2 = índice de refração da casca Na Equação 2, é apresentado um modelo matemático da Lei de Snell. [2] sen θ I / sen θ R = n 2 / n 1 (2) 6

18 Esta estrutura básica de fibra óptica é conhecida como estrutura de perfil de índice em degrau (Step Index Fiber), sendo o índice de refração do núcleo maior do que o índice de refração da casca. [2] Na Figura 3, é apresentada a estrutura de perfil de índice em degrau (Step Index Fiber). Figura 3. Fibra óptica de perfil de índice em degrau [2] Características de propagação A propagação de uma onda eletromagnética é descrita pela atenuação e dispersão. A atenuação depende do tipo de material do guia e a dispersão depende da geometria do guia Atenuação nas Fibras Ópticas A atenuação, definida como a perda da intensidade de sinal, é uma característica de propagação de uma onda eletromagnética. Na fibra óptica, para um dado comprimento de onda, a atenuação dependerá do tipo do material que o guia é formado. [2] O limite teórico da atenuação no vidro é estabelecido pelo retro-espalhamento da luz devido à inomogeneidade do vidro, processo conhecido como retro-espalhamento de Rayleigh. Na Equação 3, é apresentada a atenuação associada ao retro-espalhamento. [2] α R = k / λ 4 (3) Onde: k = é uma constante; 7

19 λ = comprimento de onda da onda eletromagnética (nm); α R = é a atenuação associada ao retro-espalhamento. A atenuação no vidro aumenta também na região espectral da ultra-violeta e do infravermelho, e com a absorção de metais e de água na fibra. Na Tabela 2, são apresentados os coeficientes de atenuação para os dois comprimentos de onda centrais da segunda e terceira janela. Estes coeficientes, multiplicados pelo comprimento da fibra óptica, representam a atenuação do sinal ao percorrer a fibra. [2] Tabela 2. Coeficientes de atenuação por comprimento de onda Comprimento de onda ( nm ) Coeficiente de Atenuação ( db / km ) , ,25 Fonte: Adaptado de Comunicações Ópticas (2006) [2] Na Figura 4, é apresentada a curva de atenuação em função do comprimento de onda. Figura 4. Curva de atenuação em função do comprimento de Onda [2] 8

20 Dispersão nas Fibras Ópticas A dispersão, definida como o alargamento temporal do sinal, depende da geometria da fibra óptica e do perfil de índice de refração. Os modos de propagação de uma equação de onda podem ser entendidos como uma solução estável do campo elétrico gerado na onda. [2] Desta forma, as fibras ópticas podem ser classificadas em função da luz, que se propaga através de um único modo ou de múltiplos modos Fibra Multimodo As fibras multimodo apresentam diâmetro do núcleo de 50 µm (as mais antigas) ou 62,5 µm (as mais modernas). Sua capacidade de transmissão é limitada principalmente pela dispersão, podendo ser associada aos modos de propagação os raios da óptica geométrica. Três raios (ou miolos) podem ser notados: Raio Direto: propaga-se em coincidência com o eixo da fibra óptica e percorre a menor trajetória; [2] Raio Elíptico: descreve uma trajetória que não contém o eixo da fibra óptica; [2] Raio refletido (zig-zag): descreve uma trajetória com múltiplas reflexões na interface núcleo casca, passando (todas) pelo eixo da fibra de modo a minimizar o efeito dispersivo de multiplicidade de caminhos. O perfil de índice de refração do núcleo das fibras multimodo é construído de modo a proporcionar maior velocidade de propagação dos raios de maior percurso e menor velocidade ao raio direto. [2] Na Figura 5, é apresentada a estrutura de perfil de índice gradual (Gradual Index Multimode Fiber). As fibras multímodo são construídas com esse perfil para diminuir o efeito da dispersão. Figura 5. Fibra óptica de perfil de índice gradual [2] 9

21 O efeito da dispersão é avaliado pela capacidade de transmissão, sendo que, para as fibras multimodo, é de 1,0 GHz. km. Apesar de serem pouco utilizadas pelas operadoras de telecomunicações, podem ser encontradas em redes locais, ou seja, redes que exigem baixo alcance. Sua principal vantagem é a robustez da conectorização. [2] Fibra Momomodo As fibras monomodo são aquelas em que o diâmetro do núcleo não é muito superior ao comprimento de onda. Na prática as fibras monomodo têm diâmetro do núcleo de 9 µm e são monomodo a partir do comprimento de onda (λ) igual a 1,2 µm. [2] Em princípio a dispersão não deve ser estudada na fibra monomodo, no entanto, deve ser verificado que: O índice de refração depende do comprimento de onda; Parte da luz em uma fibra monomodo está na casca. O sinal que se propaga na fibra óptica é modulado em amplitude, tendo, portanto, uma largura espectral finita. Portanto a luz que se propaga tem, para cada uma de suas componentes espectrais, um valor de índice de refração, o que eleva a dispersão do sinal. [2] Em uma fibra monomodo, uma parte significativa da luz propaga-se pela casca, conhecido como modo evanescente. Como os índices de refração serão diferentes resultará em um efeito dispersivo chamado dispersão de guia de onda. [2] A dispersão de guia de onda é uma variável de projeto da fibra e dela foram criadas as fibras baseadas em várias recomendações do International Telecom Union Telecommunication Standardization Sector (ITU-T). Na Tabela 3, são apresentadas as recomendações elaboradas pelo ITU-T para fabricação das fibras monomodo. Neste contexto, as fibras monomodo podem ser classificadas como Convencional (G.652), Dispersão Deslocada (Dispersion-shifted DS G.653) e de Dispersão Deslocada Não Nula (Non Zero Dispersion NZD G.655). [4] 10

22 Tabela 3. Recomendações G.652, G.653 e G.655 Recomendação Título Data Publicação G.652 Characteristics of a single-mode optical fiber and cable 04/1997 G.653 G.655 Characteristics of a dispersion-shifted single-mode optical fiber and cable Characteristics of a cut-off shifted single-mode optical fiber and cable 04/ /1997 Fonte: Adaptado de Comunicações Ópticas (2006) [2] Na Tabela 4, são apresentados, para cada tipo de fibra monomodo, os coeficientes de dispersão (D) medidos em ps/nm.km e separados pelos comprimentos de onda centrais da segunda e terceira janela. Tabela 4. Coeficientes de dispersão das fibras G.652, G.653 e G.655 Coeficiente de Dispersão (ps / nm. km) Convencional G.652 DS G.653 NZD + G.655 NZD G.655 D (1310 nm) 0 < -50 < -50 < -50 D (1550 nm) 17 < Fonte: Adaptado de ITU (2006) [2] Na Figura 6, é apresentada a curva da dispersão em função do comprimento de onda para a fibra monomodo Convencional (G.652). 11

23 Figura 6. Curva da Dispersão para a fibra Convencional (G.652) [2] Na Figura 7, é apresentada a curva da dispersão em função do comprimento de onda para a fibra monomodo de Dispersão Deslocada (G.653). Figura 7. Curva da Dispersão para a fibra de Dispersão Deslocada (G.653) [2] Na Figura 8, é apresentada a curva da dispersão em função do comprimento de onda para a fibra monomodo de Dispersão Deslocada Não Nula (G.655). Figura 8. Curva da Dispersão para a fibra de Dispersão Deslocada Não Nula (G.655) [2] As fibras monomodo são amplamente utilizadas pelas operadoras de telecomunicações, pois são adequadas para aplicações que envolvam grandes distâncias REDES ÓPTICAS As redes ópticas podem ser classificadas em três categorias principais: núcleo, metropolitana e acesso. Estas redes são diferenciadas através da escala de suas operações e da taxa de transmissão, não havendo limites geográficos [1]: 12

24 Rede núcleo: sua taxa de transmissão varia desde centenas de Gigabits por segundo até alguns terabits por segundo, operando em escala nacional, continental e mundial [1]; Rede metropolitana: sua taxa varia desde algumas centenas de megabits por segundo até dezenas de Gigabits por segundo, operando em escala regional [1]; Rede de acesso: sua taxa varia desde algumas dezenas de quilobits por segundo até dezenas de megabits por segundo, operando em escala local [1]. Na Figura 9, é apresentada a arquitetura das redes ópticas. Figura 9. Arquitetura geral de um sistema de comunicações ópticas Fonte: Adaptado de Takeuti (2005) [1] Atualmente, para não se tornar um ponto de estrangulamento da rede mundial, a rede de acesso necessita de altas taxas de transmissão. Este estrangulamento deve-se as ampliações das 13

25 capacidades de tráfego da rede núcleo, com o uso da tecnologia de multiplexação por divisão de comprimento de onda (Wavelength Division Multiplexing WDM), e da rede metropolitana, com a utilização de anéis interconectados por sistemas Synchronous Digital Hierarchy (SDH). A necessidade de altas taxas de transmissão também é justificada com o desenvolvimento das redes locais (Local Área Networks LANs), o que aumenta a pressão sobre a rede de acesso REDE DE ACESSO A rede de acesso proporciona ao usuário o acesso à rede mundial de telecomunicações. O uso da tecnologia PON nesta categoria atende o crescimento exponencial do volume de tráfego gerado pelo fornecimento simultâneo de voz, dados e vídeo em acessos de banda larga [1]. Na Figura 10, são mostradas algumas aplicações e suas respectivas demanda de banda. Figura 10. Aplicações típicas e respectivas demanda de banda Fonte: Adaptado de Takeuti (2005) [1] Atualmente, para oferecer serviços simultâneos de banda larga, as operadoras empregam a tecnologia Asymmetrical Digital Subscriber Line (ADSL), que utiliza o mesmo par metálico da rede de voz para transmissão simultânea de dados e vídeos. Esta tecnologia está sendo utilizada para atender os usuários de forma imediata, a fim de retê-los, até o início do uso de fibras ópticas. [1] 14

26 Na Tabela 5, são apresentadas as distâncias em função das taxas de transmissão que a ADSL provê, destacando o baixo alcance de 3,4 km para uma taxa de até 2 Mb/s no sentido downstream. Tabela 5. Taxas de transmissão em função da distância até o usuário da ADSL Taxa de transmissão (Mbps) Diâmetro do par metálico (mm) Distância até o usuário (km) 1,5 2,0 0,4 3,0 0,5 3,4 6,1 0,4 2,0 0,5 2,7 Fonte: Adaptado de Takeuti (2005) [1] Além disso, diversos outros fatores diminuem a capacidade de transmissão do canal ADSL formado pelos pares de fios de cobre: perda de inserção, relação sinal/ruído, variação na geometria dos condutores metálicos com diâmetros nominais de 0,4 mm e 0,5 mm, paralelismo da rede (derivações) e a existência de bobinas de pupinização EVOLUÇÃO DA REDE ÓPTICA COMO REDE DE ACESSO O mais importante problema a ser resolvido para aplicação da PON nas redes de acesso é o custo de instalação e operação destas redes. A seguir serão descritas três arquiteturas de redes ópticas como uma evolução na redução destes custos. Na Figura 11, é apresentada a instalação de fibras ópticas dedicadas para cada usuário. A quantidade de fibras e o número de transmissores de dados (transceptores) no concentrador da prestadora de telecomunicações oneram esta arquitetura [1]. Figura 11. Fibra óptica dedicada Fonte: Adaptado de Takeuti (2005) [1] 15

27 Na Figura 12, é apresentada a utilização de uma única fibra óptica desde a operadora até um concentrador de linhas localizado próximo aos clientes. A partir deste concentrador a arquitetura permanece igual a anterior. O aspecto negativo é que este concentrador pode ser um elemento ativo na planta externa, necessitando de energia elétrica para seu funcionamento, o que implica no aumento do custo de operação da rede. A alternativa é a divisão deste custo entre os clientes, o que representa a fundamentação da PON [1]. Figura 12. Rede óptica comutada Fonte: Adaptado de Takeuti (2005) [1] Na Figura 13, é mostrada a substituição do concentrador por um elemento óptico passivo, ilustrando uma rede ponto-multiponto sem elementos ativos na rede de acesso, com fibras ópticas e divisores ópticos passivos. Um Terminal de Linha Óptica (Optical Line Terminal OLT) transmite um sinal óptico, que é distribuído para os diversos usuários através dos divisores ópticos passivos e é convertido em um formato eletrônico nas Unidades de Rede Óptica (Optical Network Unit ONU). Na saída da ONU são disponibilizados sinais elétricos para os telefones, computadores entre outros equipamentos dos clientes [1]. Figura 13. Rede óptica passiva Fonte: Adaptado de Takeuti (2005) [1] 16

28 2.5. REDE ÓPTICA PASSIVA As Redes Ópticas Passivas são redes de acesso que utilizam fibras ópticas interligadas na topologia estrela e na configuração ponto-multiponto, sendo constituídas apenas por componentes ópticos passivos entre o Terminal de Linha Óptica (Optical Line Terminal OLT) e a Unidade de Rede Óptica (Optical Network Unit ONU) [1]. Na Figura 14, é apresentado um esquemático de uma rede óptica passiva. O OLT, localizado dentro do ambiente da operadora, e a ONU, localizado próximo do cliente, são componentes ativos e responsáveis pela conversão óptico/elétrica/óptico (O/E/O) dos sinais recebidos em diferentes formatos. O divisor óptico passivo, que pode ser localizado em ambos os ambientes e na planta externa, é responsável pela divisão do sinal óptico em uma dada taxa de fracionamento. Figura 14. Esquemático de uma rede óptica passiva Fonte: Adaptado de Takeuti (2005) [1] O OLT e a ONU possuem um transmissor e um receptor. Um transmissor é basicamente constituído por um diodo laser operando em 1550 nm no sentido downstream e/ou outro operando em 1310 nm no sentido upstream. Um receptor é basicamente formado por um fotodetector. O divisor óptico passivo divide a potência do sinal na entrada pela quantidade de saídas. Um divisor 1:4, por exemplo, disponibilizará em cada saída um quarto da potência de entrada, o que pode implicar como uma limitação de distância para a arquitetura PON. 17

29 2.6. ARQUITETURA FTTX A fundamentação da PON é dividir o custo de instalação e de operação entre os diversos usuários da rede de acesso. Por ser composta de componentes passivos, a PON tem como estratégia trazer a ONU o mais próximo do usuário, diminuindo assim a extensão da rede metálica. Na Figura 15, podem ser observadas as diferentes topologias da arquitetura FTTX. O primeiro estágio Fiber-to-the-Cabnet (FTTCab) prevê a ONU dentro de um ponto concentrador, localizado na calçada ou no poste. O próximo estágio Fiber-to-the-Curb (FTTC) a ONU está no quarteirão do usuário, ou seja, nas suas imediações. O último estágio Fiber-to-the-Business (FTTB) ou Fiber-to-the-Home (FTTH) prevê a ONU dentro do ambiente do usuário, no qual a rede de acesso é totalmente formada por fibra óptica. Neste caso a ONU é identificada como Optical Network Terminal (ONT) por estar dentro do ambiente do usuário [1]. Figura 15. Arquitetura FTTX Fonte: Adaptado de Takeuti (2005) [1] 18

30 2.7. RECOMENDAÇÃO PON O comitê Full Service Access Network (FSAN) foi criado em 1995 para desenvolver padrões de serviços de banda larga. Atualmente interage junto com os organismos de regulamentação e normativos internacionais, tal como a ITU Telecommunication Standardization Sector (ITU-T). [4] Na Tabela 6, é apresentado o resumo das recomendações que especificam a rede PON, elaborados pelo FSAN e aprovados pelo ITU-T. [4] Tabela 6. Recomendações G.983 e G.984 Recomendação Título Data Publicação G G G G Broadband Optical Access Systems based on Passive Optical Network (PON) ONT management and control interface specification for B-PON A broadband optical access system with increased service capability by wavelength allocation A broadband optical access system with increased service capability using dynamic bandwidth assignment 10/ / / /2001 G A broadband optical access system with enhanced survivability 01/2002 G Gigabit-capable Passive Optical Networks (GPON): General charscteristics 03/2003 G G G Gigabit-capable Passive Optical Networks (GPON): Physical Media Dependent (PMD) layer specification Gigabit-capable Passive Optical Networks (G-PON): Transmission convergence layer specification Gigabit-capable Passive Optical Networks (G-PON): ONT management and control interface specification 03/ / /2004 Fonte: Adaptado de ITU (2006) [4] 19

PASSIVE OPTICAL NETWORK - PON

PASSIVE OPTICAL NETWORK - PON PASSIVE OPTICAL NETWORK - PON É uma solução para a rede de acesso, busca eliminar o gargalo das atuais conexões entre as redes dos usuários e as redes MAN e WAN. A solução PON não inclui equipamentos ativos

Leia mais

TÉCNICAS DE ACESSO MÚLTIPLO NO DOMINIO ÓPTICO. José Valdemir dos Reis Junior

TÉCNICAS DE ACESSO MÚLTIPLO NO DOMINIO ÓPTICO. José Valdemir dos Reis Junior TÉCNICAS DE ACESSO MÚLTIPLO NO DOMINIO ÓPTICO José Valdemir dos Reis Junior ROTEIRO Gerações das redes PON Componentes das Redes Ópticas Passivas Técnicas de acesso múltiplo nas redes PON: - Acesso Multiplo

Leia mais

1 Fibra Óptica e Sistemas de transmissão ópticos

1 Fibra Óptica e Sistemas de transmissão ópticos 1 Fibra Óptica e Sistemas de transmissão ópticos 1.1 Introdução Consiste em um guia de onda cilíndrico, conforme ilustra a Figura 1, formado por núcleo de material dielétrico (em geral vidro de alta pureza),

Leia mais

Agenda WWW.PARKS.COM.BR

Agenda WWW.PARKS.COM.BR Agenda Localização de aplicações GPON no espectro eletromagnético; Principio Fibra Óptica ; Ângulos de inserção; Relação Comprimento de onda e atenuação; Vantagens de aplicação de fibra e GPON; Cuidados;

Leia mais

REDES DE ACESSO ÓPTICO

REDES DE ACESSO ÓPTICO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SANTA CATARINA CAMPUS DE SÃO JOSÉ CURSO SUPERIOR TECNOLÓGICO EM SISTEMAS

Leia mais

ETEP FACULDADES CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM REDES DE COMPUTADORES

ETEP FACULDADES CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM REDES DE COMPUTADORES ETEP FACULDADES CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM REDES DE COMPUTADORES WESLLEY RICHARD FORNARI TECNOLOGIA GPON EM REDES DE FIBRA ÓPTICA MONOGRAFIA Jacareí 2015 2 ETEP FACULDADES CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA

Leia mais

Redes Ópticas Passivas. Rodovias Sistemas de ITS

Redes Ópticas Passivas. Rodovias Sistemas de ITS Redes Ópticas Passivas Rodovias Sistemas de ITS Fibra Óptica Meio Ideal para Backbones e Redes de Acesso Arquitetura Rede de Acesso PON para Operadoras & ISP TECNOLOGIA PON Padronização ITU & IEEE ITU-T

Leia mais

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA ELÉTRICA

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA ELÉTRICA UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA ELÉTRICA MAURÍCIO MODERNO DE CARVALHO UM NOVO ESQUEMA DE PROTEÇÃO PARA REDES PON TDM São Paulo 2008 MAURÍCIO MODERNO DE CARVALHO

Leia mais

GPON. Rede Óptica Passiva GigabitG. Leonardo F. Oliveira. Especialista Lato Sensu em Rede de Computadores Leonardo@uesb.edu.br

GPON. Rede Óptica Passiva GigabitG. Leonardo F. Oliveira. Especialista Lato Sensu em Rede de Computadores Leonardo@uesb.edu.br GPON Rede Óptica Passiva GigabitG Leonardo F. Oliveira Especialista Lato Sensu em Rede de Computadores Leonardo@uesb.edu.br GPON O que égpon? Utilização da fibra óptica para interligar pontos distantes

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA I - REDE GPON... 1. II - REDES FTTx... 8. III - DESCRIÇÃO DO PROJETO REDE FIBRAS OPTICAS FTTx... 10

TERMO DE REFERÊNCIA I - REDE GPON... 1. II - REDES FTTx... 8. III - DESCRIÇÃO DO PROJETO REDE FIBRAS OPTICAS FTTx... 10 TERMO DE REFERÊNCIA Conteúdo I - REDE GPON... 1 II - REDES FTTx... 8 III - DESCRIÇÃO DO PROJETO REDE FIBRAS OPTICAS FTTx... 10 IV RESUMO DE ATENDIMENTO DA REDE DE DUTOS POR SETOR... 15 1 I - REDE GPON

Leia mais

Transmissão e Multiplexação. Rodolfo I. Meneguette

Transmissão e Multiplexação. Rodolfo I. Meneguette Transmissão e Multiplexação Rodolfo I. Meneguette Redes de Acesso e Meios Físicos P: Como conectar os sistemas finais aos roteadores de borda? Redes de acesso residencial redes de acesso institucional

Leia mais

PON PASSIVE OPTICAL NETWORK

PON PASSIVE OPTICAL NETWORK Cleiber Marques da Silva PON PASSIVE OPTICAL NETWORK Texto sobre a tecnologia de Redes ópticas passivas (PON) apresenta conceitos básicos, características e modelos existentes CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA

Leia mais

IEEE 802.3ah (EPON) Inatel. Inatel. www.inatel.br Parte III Redes Metro.: EPO e RPR. www.inatel.br. Instituto Nacional de Telecomunicações

IEEE 802.3ah (EPON) Inatel. Inatel. www.inatel.br Parte III Redes Metro.: EPO e RPR. www.inatel.br. Instituto Nacional de Telecomunicações 311 Parte III Redes Metro.: EPO e RPR 312 IEEE 802.3ah (EPON) 1 313 Tecnologias de última milha disponíveis DSL - ADSL, VDSL Cable modem - HFC Wireless - WiFi ou WiMax Power Line FTTX - FTTH, FTTB, FTTC,

Leia mais

Exercícios de Redes de Computadores Assuntos abordados: Conceitos gerais Topologias Modelo de referência OSI Modelo TCP/IP Cabeamento 1.

Exercícios de Redes de Computadores Assuntos abordados: Conceitos gerais Topologias Modelo de referência OSI Modelo TCP/IP Cabeamento 1. Exercícios de Redes de Computadores Assuntos abordados: Conceitos gerais Topologias Modelo de referência OSI Modelo TCP/IP Cabeamento 1. (CODATA 2013) Em relação à classificação da forma de utilização

Leia mais

2 Meios de transmissão utilizados em redes de telecomunicações 2.1. Introdução

2 Meios de transmissão utilizados em redes de telecomunicações 2.1. Introdução 2 Meios de transmissão utilizados em redes de telecomunicações 2.1. Introdução Atualmente, as estruturas das redes de comunicação são classificadas conforme a escala: rede de acesso, rede metropolitana

Leia mais

TI Aplicada. Aula 05 Redes de Computadores (parte 2) Prof. MSc. Edilberto Silva edilms@yahoo.com http://www.edilms.eti.br

TI Aplicada. Aula 05 Redes de Computadores (parte 2) Prof. MSc. Edilberto Silva edilms@yahoo.com http://www.edilms.eti.br TI Aplicada Aula 05 Redes de Computadores (parte 2) Prof. MSc. Edilberto Silva edilms@yahoo.com http://www.edilms.eti.br Conceitos Básicos Equipamentos, Modelos OSI e TCP/IP O que são redes? Conjunto de

Leia mais

Prof. Samuel Henrique Bucke Brito

Prof. Samuel Henrique Bucke Brito - Cabeamento Óptico (Norma ANSI/TIA-568-C.3) www.labcisco.com.br ::: shbbrito@labcisco.com.br Prof. Samuel Henrique Bucke Brito Meio de Transmissão Meio de transmissão é o caminho físico (enlace) que liga

Leia mais

UNIVERSIDADE SÃO FRANCISCO CURSO DE ENGENHARIA ELÉTRICA REDES ÓPTICAS ATÉ O ASSINANTE. Área de Engenharia Elétrica. por. Anderson Toshiake Chiba

UNIVERSIDADE SÃO FRANCISCO CURSO DE ENGENHARIA ELÉTRICA REDES ÓPTICAS ATÉ O ASSINANTE. Área de Engenharia Elétrica. por. Anderson Toshiake Chiba UNIVERSIDADE SÃO FRANCISCO CURSO DE ENGENHARIA ELÉTRICA REDES ÓPTICAS ATÉ O ASSINANTE Área de Engenharia Elétrica por Anderson Toshiake Chiba João Hermes Clerici, Engenheiro Orientador Campinas (SP), Dezembro

Leia mais

1 Introduc ao 1.1 Hist orico

1 Introduc ao 1.1 Hist orico 1 Introdução 1.1 Histórico Nos últimos 100 anos, o setor de telecomunicações vem passando por diversas transformações. Até os anos 80, cada novo serviço demandava a instalação de uma nova rede. Foi assim

Leia mais

Redes de Dados e Comunicações. Prof.: Fernando Ascani

Redes de Dados e Comunicações. Prof.: Fernando Ascani Redes de Dados e Comunicações Prof.: Fernando Ascani Redes Wireless / Wi-Fi / IEEE 802.11 Em uma rede wireless, os adaptadores de rede em cada computador convertem os dados digitais para sinais de rádio,

Leia mais

WDM e suas Tecnologias

WDM e suas Tecnologias Universidade Federal do Rio de Janeiro Escola Politécnica Departamento de Eletrônica e Computação EEL 878 Redes de Computadores I Turma EL1-2004/1 Professor: Otto Carlos Muniz Bandeira Duarte Aluna: Mariangela

Leia mais

Possíveis soluções para o gargalo da última milha são: instalação de fibra óptica diretamente para todos os clientes; uso de tecnologia de rádio

Possíveis soluções para o gargalo da última milha são: instalação de fibra óptica diretamente para todos os clientes; uso de tecnologia de rádio 1 Introdução O estudo da propagação óptica no espaço livre recebeu considerável impulso após a Segunda Guerra Mundial com a descoberta do laser. Os cientistas iniciaram diversas pesquisas nessa área com

Leia mais

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br Curso Tecnológico de Redes de Computadores Disciplina: Infraestrutura de Redes de Computadores - 1º período Professor: José Maurício S. Pinheiro AULA 03 Cabeamento

Leia mais

Curso Técnico Integrado em Manutenção e Suporte em Informática

Curso Técnico Integrado em Manutenção e Suporte em Informática Curso Técnico Integrado em Manutenção e Suporte em Informática Disciplina: Infraestrutura de Redes de Computadores 04. Meios Físicos de Transmissão Prof. Ronaldo Introdução n

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES

REDES DE COMPUTADORES REDES DE COMPUTADORES Prof. Esp. Fabiano Taguchi http://fabianotaguchi.wordpress.com fabianotaguchi@gmail.com RESUMO 1 COMUTAÇÃO DE CIRCUITOS Reservados fim-a-fim; Recursos são dedicados; Estabelecimento

Leia mais

PROJETO E DIMENSIONAMENTO DE REDES ÓPTICAS PASSIVAS (PONs)

PROJETO E DIMENSIONAMENTO DE REDES ÓPTICAS PASSIVAS (PONs) PROJETO E DIMENSIONAMENTO DE REDES ÓPTICAS PASSIVAS (PONs) Paulo Takeuti Dissertação apresentada à Escola de Engenharia de São Carlos da Universidade de São Paulo, como parte dos requisitos para a obtenção

Leia mais

26. Dentre as dimensões a seguir, núcleo/casca, quais representam tipicamente fibras monomodo e fibras multimodos, respectivamente?

26. Dentre as dimensões a seguir, núcleo/casca, quais representam tipicamente fibras monomodo e fibras multimodos, respectivamente? CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CÓDIGO 05 UCs de Eletrônica e/ou de Telecomunicações 26. Dentre as dimensões a seguir, núcleo/casca, quais representam tipicamente fibras monomodo e fibras multimodos, respectivamente?

Leia mais

Cabeamento Óptico 14/03/2014. Vantagens de utilização. Noções Ópticas. Vantagens de utilização. Sistema de comunicação Fibra. Funcionamento da Fibra

Cabeamento Óptico 14/03/2014. Vantagens de utilização. Noções Ópticas. Vantagens de utilização. Sistema de comunicação Fibra. Funcionamento da Fibra Cabeamento Óptico Fundamentos de Redes de Computadores Prof. Marcel Santos Silva Vantagens de utilização Total imunidade às interferências eletromagnéticas; Dimensões reduzidas; Maior segurança no tráfego

Leia mais

Davidson Rodrigo Boccardo flitzdavidson@gmail.com

Davidson Rodrigo Boccardo flitzdavidson@gmail.com Fundamentos em Sistemas de Computação Davidson Rodrigo Boccardo flitzdavidson@gmail.com Camada Física Primeira cada do modelo OSI (Camada 1) Função? Processar fluxo de dados da camada 2 (frames) em sinais

Leia mais

Estrutura de um Rede de Comunicações. Redes e Sistemas Distribuídos. Tarefas realizadas pelo sistema de comunicação. Redes de comunicação de dados

Estrutura de um Rede de Comunicações. Redes e Sistemas Distribuídos. Tarefas realizadas pelo sistema de comunicação. Redes de comunicação de dados Estrutura de um Rede de Comunicações Profa.. Cristina Moreira Nunes Tarefas realizadas pelo sistema de comunicação Utilização do sistema de transmissão Geração de sinal Sincronização Formatação das mensagens

Leia mais

Redes Físicas de Acesso em Banda Larga

Redes Físicas de Acesso em Banda Larga Redes Físicas de Acesso em Banda Larga Prof. Rafael Guimarães Redes de Alta Velocidade Tópico 5 - Aula 1 Tópico 5 - Aula 1 Rafael Guimarães 1 / 58 Sumário Sumário 1 Motivação 2 Objetivos 3 Introdução 4

Leia mais

Slide: 1. FTTx Equipamentos GEPON

Slide: 1. FTTx Equipamentos GEPON Slide: 1 FTTx Equipamentos GEPON FTTx - Definição FTTx é um termo genérico para designar arquiteturas de redes de transmissão de alto desempenho, baseadas em tecnologia óptica. São redes totalmente passivas

Leia mais

História da Fibra Óptica

História da Fibra Óptica História da Fibra Óptica Em 1870, o físico inglês Jonh Tyndall, demonstrou o princípio de guiamento da luz através de uma experiência muito simples, utilizando um recipiente furado com água, um balde e

Leia mais

Segunda Lista de Exercícios

Segunda Lista de Exercícios INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA Segunda Lista de Exercícios 1. Qual é a posição dos meios de transmissão no modelo OSI ou Internet? Os meios de transmissão estão localizados abaixo

Leia mais

Redes de Nova Geração e o ITED

Redes de Nova Geração e o ITED Redes de Nova Geração e o ITED A explosão da procura telefónica dos anos 80 induziu a implantação do RITA O incremento da Internet e a liberalização do mercado das telecomunicações influenciou claramente

Leia mais

O Nível de Enlace nas Redes Locais. Ethernet. Ethernet

O Nível de Enlace nas Redes Locais. Ethernet. Ethernet O Nível de Enlace nas Redes Locais Como já foi visto, o nível de enlace deve fornecer uma interface de serviço bem definida para o nível de rede. deve determinar como os bits do nível físico serão agrupados

Leia mais

Prof. Luís Rodolfo. Unidade I REDES DE COMPUTADORES E

Prof. Luís Rodolfo. Unidade I REDES DE COMPUTADORES E Prof. Luís Rodolfo Unidade I REDES DE COMPUTADORES E TELECOMUNICAÇÃO C Redes de computadores e telecomunicação Objetivo: apresentar os conceitos iniciais e fundamentais com relação às redes de computadores

Leia mais

Redes de Dados. Aula 1. Introdução. Eytan Mediano

Redes de Dados. Aula 1. Introdução. Eytan Mediano Redes de Dados Aula 1 Introdução Eytan Mediano 1 6.263: Redes de Dados Aspectos fundamentais do projeto de redes e análise: Arquitetura Camadas Projeto da Topologia Protocolos Pt - a Pt (Pt= Ponto) Acesso

Leia mais

TIPOS DE FIBRA FIBRA MULTIMODO ÍNDICE DEGRAU. d 1. diâmetro do núcleo de 50 µm a 200 µm. (tipicamente 50 µm e 62,5 µm) d 2

TIPOS DE FIBRA FIBRA MULTIMODO ÍNDICE DEGRAU. d 1. diâmetro do núcleo de 50 µm a 200 µm. (tipicamente 50 µm e 62,5 µm) d 2 TIPOS DE FIBRA FIBRA MULTIMODO ÍNDICE DEGRAU d 1 diâmetro do núcleo de 50 µm a 200 µm (tipicamente 50 µm e 62,5 µm) d 2 diâmetro da fibra óptica (núcleo + casca) de 125 µm a 280 µm (tipicamente 125 µm)

Leia mais

Integrou a equipe do Teleco para contribuir na área de Sistemas de Telecomunicações Fotônicos.

Integrou a equipe do Teleco para contribuir na área de Sistemas de Telecomunicações Fotônicos. Conceitos Básicos de Fibra Óptica (Módulo III) Este tutorial apresenta conceitos básicos sobre Perdas e Tipos de Fibra Óptica. É o terceiro de uma série contendo conceitos básicos de fibra óptica preparada

Leia mais

Meios de transmissão. Professor Leonardo Larback

Meios de transmissão. Professor Leonardo Larback Meios de transmissão Professor Leonardo Larback Meios de transmissão Na comunicação de dados são usados muitos tipos diferentes de meios de transmissão. A escolha correta dos meios de transmissão no projeto

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Professor: Rodrigo Caetano Filgueira Tecnologias WAN TECNOLOGIAS WAN Quando uma empresa cresce e passa a ter instalações em várias localidades, é necessário interconectar as redes

Leia mais

Rede Telefónica Pública Comutada - Principais elementos -

Rede Telefónica Pública Comutada - Principais elementos - Equipamento terminal: Rede Telefónica Pública Comutada - Principais elementos - o telefone na rede convencional Equipamento de transmissão: meio de transmissão: cabos de pares simétricos, cabo coaxial,

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA DE ENGENHARIA DE SÃO CARLOS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA ELÉTRICA

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA DE ENGENHARIA DE SÃO CARLOS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA ELÉTRICA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA DE ENGENHARIA DE SÃO CARLOS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA ELÉTRICA Algoritmos para Alocação de Banda em Redes de Acesso GPON

Leia mais

fibra optica:layout 1 27-01-2011 00:23 Page 23

fibra optica:layout 1 27-01-2011 00:23 Page 23 fibra optica:layout 1 27-01-2011 00:23 Page 23 Fibra Óptica fibra optica:layout 1 27-01-2011 00:23 Page 24 FIBRA ÓPTICA Fibra Óptica é um pedaço de vidro com capacidade de transmitir luz. Tal filamento

Leia mais

6.3 Tecnologias de Acesso

6.3 Tecnologias de Acesso Capítulo 6.3 6.3 Tecnologias de Acesso 1 Acesso a redes alargadas Acesso por modem da banda de voz (através da Rede Fixa de Telecomunicações) Acesso RDIS (Rede Digital com Integração de Serviços) Acesso

Leia mais

Multiplexação. Multiplexação. Multiplexação - FDM. Multiplexação - FDM. Multiplexação - FDM. Sistema FDM

Multiplexação. Multiplexação. Multiplexação - FDM. Multiplexação - FDM. Multiplexação - FDM. Sistema FDM Multiplexação É a técnica que permite a transmissão de mais de um sinal em um mesmo meio físico. A capacidade de transmissão do meio físico é dividida em fatias (canais), com a finalidade de transportar

Leia mais

PROPOSTA DE UM MÉTODO PARA OTIMIZAÇÃO E DIMENSIONAMENTO DE REDES GPON

PROPOSTA DE UM MÉTODO PARA OTIMIZAÇÃO E DIMENSIONAMENTO DE REDES GPON FRANCISCO CARLOS DE LIMA PEREIRA PROPOSTA DE UM MÉTODO PARA OTIMIZAÇÃO E DIMENSIONAMENTO DE REDES GPON Projeto de Dissertação de Mestrado apresentada ao Programa de Pós-Graduação em Informática da Pontifícia

Leia mais

Rede Telefónica Pública Comutada - Principais elementos -

Rede Telefónica Pública Comutada - Principais elementos - - Principais elementos - Equipamento terminal: o telefone na rede convencional Equipamento de transmissão: meio de transmissão, e.g. cabos de pares simétricos, cabo coaxial, fibra óptica, feixes hertzianos,

Leia mais

UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM TELEINFORMÁTICA E REDES DE COMPUTADORES

UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM TELEINFORMÁTICA E REDES DE COMPUTADORES UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM TELEINFORMÁTICA E REDES DE COMPUTADORES LUIZ GUSTAVO VILLELA LOEPPER GPON: UMA ABORDAGEM PRÁTICA

Leia mais

Comunicação de Dados. Aula 9 Meios de Transmissão

Comunicação de Dados. Aula 9 Meios de Transmissão Comunicação de Dados Aula 9 Meios de Transmissão Sumário Meios de Transmissão Transmissão guiada Cabo par trançado Coaxial Fibra ótica Transmissão sem fio Ondas de rádio Micro ondas Infravermelho Exercícios

Leia mais

Redes 10 Gigabit Ethernet

Redes 10 Gigabit Ethernet Redes 10 Gigabit Ethernet Ederson Luis Posselt 1, Joel Henri Walter 2 1 Instituto de Informática Universidade de Santa Cruz do Sul (UNISC) Bairro Universitário na Av. Independência 2293 Santa Cruz do Sul

Leia mais

Figura 1 - Comparação entre as camadas do Modelo OSI e doieee. A figura seguinte mostra o formato do frame 802.3:

Figura 1 - Comparação entre as camadas do Modelo OSI e doieee. A figura seguinte mostra o formato do frame 802.3: Introdução Os padrões para rede local foram desenvolvidos pelo comitê IEEE 802 e foram adotados por todas as organizações que trabalham com especificações para redes locais. Os padrões para os níveis físico

Leia mais

Redes PON II: Novas Tecnologias e Tendências

Redes PON II: Novas Tecnologias e Tendências Redes PON II: Novas Tecnologias e Tendências Esta série de tutoriais tem por objetivo descrever as tecnologias PON da forma mais clara possível e com o maior número de informações relevantes para uma eventual

Leia mais

Redes PON I: Novas Tecnologias e Tendências

Redes PON I: Novas Tecnologias e Tendências Redes PON I: Novas Tecnologias e Tendências Esta série de tutoriais tem por objetivo descrever as tecnologias PON da forma mais clara possível e com o maior número de informações relevantes para uma eventual

Leia mais

Faculdade Integrada do Ceará FIC Graduação em Redes de Computadores

Faculdade Integrada do Ceará FIC Graduação em Redes de Computadores Faculdade Integrada do Ceará FIC Graduação em Redes de Computadores Disciplina Redes de Banda Larga Prof. Andrey Halysson Lima Barbosa Aula 6 Redes xdsl Sumário Introdução; Taxas de transmissão DSL e qualidade

Leia mais

Informática. Prof. Macêdo Firmino. Redes de Computadores. Macêdo Firmino (IFRN) Informática Novembro de 2011 1 / 41

Informática. Prof. Macêdo Firmino. Redes de Computadores. Macêdo Firmino (IFRN) Informática Novembro de 2011 1 / 41 Informática Prof. Macêdo Firmino Redes de Computadores Macêdo Firmino (IFRN) Informática Novembro de 2011 1 / 41 Sistema Computacional Macêdo Firmino (IFRN) Informática Novembro de 2011 2 / 41 O que é

Leia mais

NT 239 2015. Redes ópticas passivas para a rede de comunicação de equipamentos de ITS

NT 239 2015. Redes ópticas passivas para a rede de comunicação de equipamentos de ITS NT 239 2015 Redes ópticas passivas para a rede de comunicação de equipamentos de ITS Introdução Sun Hsien Ming Com o advento de ITS (Intelligent Transportation System), a necessidade de redes de comunicação

Leia mais

Camada Física. Bruno Silvério Costa

Camada Física. Bruno Silvério Costa Camada Física Bruno Silvério Costa Sinais Limitados por Largura de Banda (a) Um sinal digital e suas principais frequências de harmônicas. (b) (c) Sucessivas aproximações do sinal original. Sinais Limitados

Leia mais

Prof. Manuel A Rendón M

Prof. Manuel A Rendón M Prof. Manuel A Rendón M Tanenbaum Redes de Computadores Cap. 1 e 2 5ª. Edição Pearson Padronização de sistemas abertos à comunicação Modelo de Referência para Interconexão de Sistemas Abertos RM OSI Uma

Leia mais

(Versão revista e atualizada do tutorial original publicado em 11/11/2002).

(Versão revista e atualizada do tutorial original publicado em 11/11/2002). ADSL (Speedy, Velox, Turbo) Este tutorial apresenta a tecnologia ADSL (Asymetric Digital Subscriber Line) desenvolvida para prover acesso de dados banda larga a assinantes residenciais ou escritórios através

Leia mais

Bateria REDES MPU Prof. Walter Cunha http://www.waltercunha.com/blog http://twitter.com/timasters http://br.groups.yahoo.com/group/timasters/

Bateria REDES MPU Prof. Walter Cunha http://www.waltercunha.com/blog http://twitter.com/timasters http://br.groups.yahoo.com/group/timasters/ Bateria REDES MPU Prof. Walter Cunha http://www.waltercunha.com/blog http://twitter.com/timasters http://br.groups.yahoo.com/group/timasters/ STJ 2008 Com relação a transmissão de dados, julgue os itens

Leia mais

Meios Físicos de Transmissão

Meios Físicos de Transmissão Meios Físicos de Transmissão O meios de transmissão diferem com relação à banda passante, potencial para conexão ponto a ponto ou multiponto, limitação geográfica devido à atenuação característica do meio,

Leia mais

Fundamentos de Rede e Cabeamento Estruturado. A camada Física

Fundamentos de Rede e Cabeamento Estruturado. A camada Física Fundamentos de Rede e Cabeamento Estruturado A camada Física Largura de banda Compartilhada ou shared bandwidth Comutada ou switched bandwidth Banda base e banda larga Banda base existe a possibilidade

Leia mais

UNIDADE II. Fonte: SGC Estácio e Marco Filippetti

UNIDADE II. Fonte: SGC Estácio e Marco Filippetti UNIDADE II Metro Ethernet Fonte: SGC Estácio e Marco Filippetti Metro Ethernet é um modo de utilizar redes Ethernet em áreas Metropolitanas e geograficamente distribuídas. Esse conceito surgiu pois, de

Leia mais

Este tutorial apresenta as características e as aplicações das Redes WDM.

Este tutorial apresenta as características e as aplicações das Redes WDM. Redes WDM Este tutorial apresenta as características e as aplicações das Redes WDM. Carlos Eduardo Almeida Freitas Engenheiro de Teleco (FEI/01), tendo atuado especificamente na área de Redes Ópticas,

Leia mais

Engenheira Eletricista com Habilitação em Telecomunicações pela Faculdade Pitágoras (Julho de 2010).

Engenheira Eletricista com Habilitação em Telecomunicações pela Faculdade Pitágoras (Julho de 2010). Soluções de Atendimento em Fibra Óptica II Esta série de tutoriais apresenta o estudo para implantação da tecnologia GPON aplicada à solução FTTH em um condomínio de alto padrão fornecendo serviços como

Leia mais

Redes de Alta Velocidade

Redes de Alta Velocidade Redes de Alta Velocidade IEEE 802.3z e IEEE 802.3ab Gigabit Ethernet Redes de Alta Velocidade IEEE 802.3z e IEEE 802.3ab Gigabit Ethernet Parte I IEEE 802.3 Ethernet Parte II IEEE 802.3u Fast Ethernet

Leia mais

Transmissão digital em pares simétricos na rede de acesso

Transmissão digital em pares simétricos na rede de acesso Transmissão digital em pares simétricos na rede de acesso Acesso em banda base Acesso com modulação digital Acesso RDIS, HDSL Acesso com modems de banda de voz, ADSL, VDSL Códigos de linha Bipolar (AMI),

Leia mais

Transceptor WDM-PON com Apagamento e Reuso de Portadora

Transceptor WDM-PON com Apagamento e Reuso de Portadora 1 IA364 MÉTODOS DE PESQUISA EM ENGENHARIA DA COMPUTAÇÃO Transceptor WDM-PON com Apagamento e Reuso de Portadora Aluno: Fernando R. Pereira - RA 026946 Prof.: Ivan Ricarte Junho - 2014 2 Agenda Introdução

Leia mais

O que é uma rede industrial? Redes Industriais: Princípios de Funcionamento. Padrões. Padrões. Meios físicos de transmissão

O que é uma rede industrial? Redes Industriais: Princípios de Funcionamento. Padrões. Padrões. Meios físicos de transmissão O que é uma rede industrial? Redes Industriais: Princípios de Funcionamento Romeu Reginato Julho de 2007 Rede. Estrutura de comunicação digital que permite a troca de informações entre diferentes componentes/equipamentos

Leia mais

Sistema de comunicação óptica. Keylly Eyglys Orientador: Adrião Duarte

Sistema de comunicação óptica. Keylly Eyglys Orientador: Adrião Duarte Sistema de comunicação óptica Keylly Eyglys Orientador: Adrião Duarte História A utilização de transmissão de informação através de sinais luminosos datam de épocas muito remotas. Acredita-se que os gregos

Leia mais

Modos de Propagação. Tecnologia em Redes de Computadores 5º Período Disciplina: Sistemas e Redes Ópticas Prof. Maria de Fátima F.

Modos de Propagação. Tecnologia em Redes de Computadores 5º Período Disciplina: Sistemas e Redes Ópticas Prof. Maria de Fátima F. Modos de Propagação Tecnologia em Redes de Computadores 5º Período Disciplina: Sistemas e Redes Ópticas Prof. Maria de Fátima F. Bueno Marcílio 1 Modos de Propagação Antes de iniciarmos o estudo dos tipos

Leia mais

Certificação de redes ópticas de 10GbE

Certificação de redes ópticas de 10GbE CABEAMENTO ESTRUTURADO Certificação de redes ópticas de 10GbE 70 RTI DEZ 2008 JDSU (Brasil) As redes ópticas baseadas em 10GbE exigem um bom processo de certificação. O artigo a seguir detalha os principais

Leia mais

INSTITUTO LABORO ESCOLA TECNICA

INSTITUTO LABORO ESCOLA TECNICA INSTITUTO LABORO ESCOLA TECNICA PESQUISA CABO COAXIAIS ASPECTOS TECNICOS FIBRA OPTICA SISTEMA TIPICO DE COMUNICAÇÃO PTICA ESTRUTURA DE UMA FIBRA OPTICA TIPOS DE FIBRA OPTICA Por Ítalo da Silva Rodrigues

Leia mais

Mídias Físicas Utilizadas Cabo Coaxial e Par Trançado. Prof. Alexandre Beletti Ferreira

Mídias Físicas Utilizadas Cabo Coaxial e Par Trançado. Prof. Alexandre Beletti Ferreira Mídias Físicas Utilizadas Cabo Coaxial e Par Trançado Prof. Alexandre Beletti Ferreira Cabo Coaxial COMPOSTO POR: Fio de cobre rígido que forma o núcleo Envolto por um material isolante, O isolante, por

Leia mais

REDES GPON COMO SOLUÇÃO PARA FTTH

REDES GPON COMO SOLUÇÃO PARA FTTH UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ DEPARTAMENTO ACADÊMICO DE ELETRÔNICA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM SISTEMAS DE TELECOMUNICAÇÕES ANDRINE MARIANA VARELA DA CRUZ MAURICIO RICARDO KONOPACKI REDES

Leia mais

Cabeamento Estruturado

Cabeamento Estruturado Cabeamento Estruturado Infra-estrutura de cabeamento metálico ou óptico, capaz de atender a diversas aplicações proporcionando flexibilidade de layout, facilidade de gerenciamento, administração e manutenção

Leia mais

MÓDULO 4 Meios físicos de transmissão

MÓDULO 4 Meios físicos de transmissão MÓDULO 4 Meios físicos de transmissão Os meios físicos de transmissão são compostos pelos cabos coaxiais, par trançado, fibra óptica, transmissão a rádio, transmissão via satélite e são divididos em duas

Leia mais

Análise Crítica de Plataformas GPON e EPON para Aplicação em Redes Ópticas de Acesso de Alta Capacidade

Análise Crítica de Plataformas GPON e EPON para Aplicação em Redes Ópticas de Acesso de Alta Capacidade UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS FACULDADE DE ENGENHARIA ELÉTRICA E DE COMPUTAÇÃO DEPARTAMENTO DE SEMICONDUTORES, INSTRUMENTOS E FOTÔNICA DISSERTAÇÃO DE MESTRADO Análise Crítica de Plataformas GPON e

Leia mais

Análise da Rede Óptica Passiva Baseada em Multiplexação por Divisão no Tempo como alternativa para acesso banda larga no cenário brasileiro

Análise da Rede Óptica Passiva Baseada em Multiplexação por Divisão no Tempo como alternativa para acesso banda larga no cenário brasileiro Análise da Rede Óptica Passiva Baseada em Multiplexação por Divisão no Tempo como alternativa para acesso banda larga no cenário brasileiro Rafael Jales Lima Ferreira 1, Guilherme Enéas Vaz Silva 12. 1

Leia mais

Sistemas de Comunicação Óptica

Sistemas de Comunicação Óptica Sistemas de Comunicação Óptica Mestrado em Engenharia Electrotécnica e e de Computadores Docente : Prof. João Pires Objectivos Estudar as tecnologias que servem de base à transmisssão óptica, e analisar

Leia mais

PREFEITURA DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO CDURP COMPANHIA DE DESENVOLVIMENTO URBANO DA REGIÃO DO PORTO DO RIO DE JANEIRO

PREFEITURA DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO CDURP COMPANHIA DE DESENVOLVIMENTO URBANO DA REGIÃO DO PORTO DO RIO DE JANEIRO ANEXO 6 CARACTERÍSTICAS OPERACIONAIS DA REDE DE FIBRAS ÓPTICAS INTRODUÇÃO Tecnologia de rede GPON A Concessionária, quando da implantação da Rede de Fibras Ópticas, deverá utilizar a tecnologia GPON (Gigabit-capable

Leia mais

IFRS Campus POA. Elétrica Aplicada Turma Redes II Noite. Prof. Sergio Mittmann. Grupo : Nilo Cesar Ferreira Alvira. Caroline Silva Tolfo

IFRS Campus POA. Elétrica Aplicada Turma Redes II Noite. Prof. Sergio Mittmann. Grupo : Nilo Cesar Ferreira Alvira. Caroline Silva Tolfo IFRS Campus POA Elétrica Aplicada Turma Redes II Noite Prof. Sergio Mittmann Grupo : Nilo Cesar Ferreira Alvira Caroline Silva Tolfo Claudia Silva Machado Marcelo Lucas A Fibra Óptica é um filamento extremamente

Leia mais

Redes de Computadores IEEE 802.3

Redes de Computadores IEEE 802.3 Redes de Computadores Ano 2002 Profª. Vívian Bastos Dias Aula 8 IEEE 802.3 Ethernet Half-Duplex e Full-Duplex Full-duplex é um modo de operação opcional, permitindo a comunicação nos dois sentidos simultaneamente

Leia mais

Instituto Federal de Santa Catarina. Redes de Computadores RES 12502

Instituto Federal de Santa Catarina. Redes de Computadores RES 12502 Instituto Federal de Santa Catarina Redes de Computadores RES 12502 2014 2 O material para essas apresentações foi retirado das apresentações disponibilizadas pela Editora Pearson para o livro Redes de

Leia mais

Provedores de Internet

Provedores de Internet Fibra Óptica Meio Ideal para Backbones Fibra x Cobre Fibra x Cobre A Taxa de Transmissão no FTTH não é afetada pela distância do cliente até o equipamento da Central l(olt) Tecnologias sobre Cobre como

Leia mais

Prof. Samuel Henrique Bucke Brito

Prof. Samuel Henrique Bucke Brito - Metro-Ethernet (Carrier Ethernet) www.labcisco.com.br ::: shbbrito@labcisco.com.br Prof. Samuel Henrique Bucke Brito - Ethernet na LAN www.labcisco.com.br ::: shbbrito@labcisco.com.br Prof. Samuel Henrique

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com

REDES DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com - Aula Complementar - MODELO DE REFERÊNCIA OSI Este modelo se baseia em uma proposta desenvolvida pela ISO (International Standards Organization) como um primeiro passo em direção a padronização dos protocolos

Leia mais

Modelo de Referência OSI. Modelo de Referência OSI. Modelo de Referência OSI. Nível Físico (1)

Modelo de Referência OSI. Modelo de Referência OSI. Modelo de Referência OSI. Nível Físico (1) Modelo de Referência OSI OSI (Open Systems Interconnection) Criado pela ISO (International Standards Organization) É um modelo abstrato que relaciona funções e serviços de comunicações em sete camadas.

Leia mais

2 Conceitos de transmissão de dados

2 Conceitos de transmissão de dados 2 Conceitos de transmissão de dados 2 Conceitos de transmissão de dados 1/26 2.2 Meios físicos de transmissão de dados 2/26 Tipos de meios de transmissão Pares de fios Pares entrançados Cabo coaxial Fibras

Leia mais

Anatomia de uma rede de acesso banda-larga (Parte I) GTER 33

Anatomia de uma rede de acesso banda-larga (Parte I) GTER 33 Anatomia de uma rede de acesso banda-larga (Parte I) GTER 33 2012 Grupo Algar Negócios Algar Setor TI/Telecom Setor Agro Setor Serviços Turismo Algar Telecom Negócios & Atuação: Varejo Empresas Dados &

Leia mais

ADSL. Esta tecnologia é utilizada pelo Speedy da Telefonica, Turbo da Brasil Telecom, Velox da Telemar e Turbonet da GVT.

ADSL. Esta tecnologia é utilizada pelo Speedy da Telefonica, Turbo da Brasil Telecom, Velox da Telemar e Turbonet da GVT. ADSL Este tutorial apresenta a tecnologia ADSL (Asymetric Digital Subscriber Line) desenvolvida para prover acesso de dados banda larga a assinantes residenciais ou escritórios através da rede de pares

Leia mais

Engenheira Eletricista com Habilitação em Telecomunicações pela Faculdade Pitágoras (Julho de 2010).

Engenheira Eletricista com Habilitação em Telecomunicações pela Faculdade Pitágoras (Julho de 2010). Soluções de Atendimento em Fibra Óptica I Esta série de tutoriais apresenta o estudo para implantação da tecnologia GPON aplicada à solução FTTH em um condomínio de alto padrão fornecendo serviços como

Leia mais

Infraestrutura para Redes de 100 Gb/s. André Amaral Marketing andre.amaral@padtec.com Tel.: + 55 19 2104-0408

Infraestrutura para Redes de 100 Gb/s. André Amaral Marketing andre.amaral@padtec.com Tel.: + 55 19 2104-0408 Infraestrutura para Redes de 100 Gb/s 1 André Amaral Marketing andre.amaral@padtec.com Tel.: + 55 19 2104-0408 Demanda por Banda de Transmissão: 100 Gb/s é Suficiente? Demanda por Banda de Transmissão:

Leia mais

Distribuição de Divisores de Potência em Redes Ópticas Passivas Utilizando Algoritmos Genéticos.

Distribuição de Divisores de Potência em Redes Ópticas Passivas Utilizando Algoritmos Genéticos. Universidade de São Paulo USP Escola de Engenharia de São Carlos EESC Departamento de Engenharia Elétrica Distribuição de Divisores de Potência em Redes Ópticas Passivas Utilizando Algoritmos Genéticos.

Leia mais

Tecnologias de Banda Larga

Tecnologias de Banda Larga Banda Larga Banda larga é uma comunicação de dados em alta velocidade. Possui diversas tecnologia associadas a ela. Entre essas tecnologias as mais conhecidas são a ADSL, ISDN, e o Cable Modem. Essas tecnologias

Leia mais

Na Classe A Temos um numero menor de redes e um numero maior de hosts

Na Classe A Temos um numero menor de redes e um numero maior de hosts Na Classe A Temos um numero menor de redes e um numero maior de hosts Multicast: Ex; Precisamos enviar mensagem para grupo de computadores. Atualizar antivirus Para 70 maquinas, criamos um grupo multicast

Leia mais

Comunicação Comunicação é o ato de transmissão de informações de uma pessoa à outra. Emissor: Receptor: Meio de transmissão Sinal:

Comunicação Comunicação é o ato de transmissão de informações de uma pessoa à outra. Emissor: Receptor: Meio de transmissão Sinal: Redes - Comunicação Comunicação é o ato de transmissão de informações de uma pessoa à outra. Comunicação sempre foi, desde o início dos tempos, uma necessidade humana buscando aproximar comunidades distantes.

Leia mais