ET ID3 - Interface de Acesso à Rede Telefónica Pública Comutada INTERFACE DE PPCAE RDIS A 2 MBIT/S (Acesso Primário)

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ET ID3 - Interface de Acesso à Rede Telefónica Pública Comutada INTERFACE DE PPCAE RDIS A 2 MBIT/S (Acesso Primário)"

Transcrição

1 TÍTULO: ET ID3 - INTERFACE DE PPCAE RDIS A 2 MBIT/S (Acesso Primário) Versão 1/52 Autoria: PT Comunicações Aprovação: DEC/TEC/TRC3 Data: ET ID3 - Interface de Acesso à Rede Telefónica Pública Comutada INTERFACE DE PPCAE RDIS A 2 MBIT/S (Acesso Primário) CONTROLO DE VERSÕES Ver Data Ver Data Ver Data Ver Data Ver Data /06/ /11/ /11/13

2 2/52 Índice 1. Objectivo Características Físicas e Eléctricas do Interface (ponto C) Características de Codificação Características de Estrutura de Trama Características Funcionais Sinalização Layer Layer Layer Chamada básica Serviços suplementares ANEXO 1 - EXCEPÇÕES E CLARIFICAÇÕES AO NÍVEL 1 DO DSS ANEXO 2 - EXCEPÇÕES E CLARIFICAÇÕES AO NÍVEL 2 DO DSS ANEXO 3 - EXCEPÇÕES E CLARIFICAÇÕES AO NÍVEL 3 DO DSS1 - CHAMADA BÁSICA; ACESSO PRIMÁRIO Introdução Referências ETSI ITU-T Excepções e clarificações ETSI ITU-T Anexo 1 ao Anexo 3 - Codification of the Information Elements Anexo 2 ao Anexo 3 - CAUSES TRANSLATION Anexo 3 ao Anexo 3 - TABELA DE TRADUÇÃO DO "NOTIFICATION INDICATOR" Anexo 4 ao Anexo 3 - "PROGRESS INDICATOR" TRANSLATION Anexo 5 ao Anexo 3 - Compatibilização de estados (secção Receiving a status message) Classes de Serviço RDIS... 50

3 3/52 1. Objectivo Esta especificação define as características técnicas do interface RDIS de acesso primário a 2 MBits para ligação entre a rede da PT Comunicações e a terminação de rede (NT). 2. Características Físicas e Eléctricas do Interface (ponto C) O interface de junção deverá satisfazer as Recomendações G do ITU-T e T/TR da CEPT no que concerne às características físicas e eléctricas das junções a 2048 kbit/s sobre cabos coaxiais com impedância nominal de 75 Ω, devendo portanto ser usado o código HDB3. Comutador público Acesso Primário (2 Mbit/s) TR PPCAE RDIS Interface no ponto C 3. Características de Codificação A codificação dos sinais analógicos deverá estar de acordo com a Recomendação G.711 do ITU-T, devendo ser considerada somente a lei A, em conformidade com a Recomendação CEPT T/TR Características de Estrutura de Trama A estrutura de trama deverá estar de acordo com a Recomendação G.704 do ITU-T. 5. Características Funcionais As características funcionais deverão estar de acordo com a Recomendação G.732 do ITU- T. 6. Sinalização

4 6.1. Layer 1 4/52 A Especificação da PT Comunicações segue as seguintes normas do ETSI e ITU-T (no Anexo 1 encontram-se as excepções e clarificações às mesmas): ETSI - ETS ( ISDN Primary Rate User-Network Interface Layer 1 Specification and Test Principles ) - ETS ( Access Digital Section for ISDN Primary Rate ) ITU-T - Rec. I.431 ( Primary Rate User-Network Interface - Layer 1 Specification ) - Rec. G.703 ( Physical/Electrical Characteristics of Hierarchical Digital Interfaces ) - Rec. G.704 ( Synchronous Frame Structures Used at Primary and Secondary Hierarchical Levels ) - Rec. G706 ( Frame Alignment and Cyclic Redundancy Check - CRC - Procedures Relating to Basic Frames Structures Defined in Recommendation G.704 ) 6.2. Layer 2 A Especificação da PT Comunicações segue a norma do ETSI ETS (Anexo 2). De referir no entanto os seguintes pontos: - Ligação lógica LAPB no canal D não é implementado. - Os valores de SAPI (Service Access Point Identifier) implementados são: SAPI=0 (sinalização) SAPI=16 (modo pacote) SAPI=63 (gestão da layer 2) - É mandatório o uso do TEI (Terminal Endpoint Identifier) com valor zero. - O procedimento XID (Exchange Identification command/response) não é implementado. - É possível subscrever uma ligação lógica permanentemente activa Layer 3 A Especificação da PT Comunicações segue a norma do ETSI ETS para o controle de chamada básica e as normas ETSI referentes a cada um dos serviços suplementares implementados, quando aplicável.

5 Chamada básica 5/52 Em relação à norma ETSI ETS (ver anexo 3), de referir os seguintes pontos: - Ligações de sinalização temporária (temporary signalling connections) não são implementadas. - Apenas são definidos elementos de informação no Codeset 0. - Os elementos de informação: More data Network specific facilities Repeat indicator Signal Transit network selection não são implementados. - O procedimento de selecção do canal B é sempre indicado pela rede fornecendo esta para o efeito, as seguintes indicações: O canal é o indicado, sem alternativa aceitável (channel is indicated, no acceptance alternative). O canal é o indicado, outra alternativa é aceitável (channel is indicated, any alternative is acceptable). Canais B indisponíveis (no B-channel available). - Em configuração ponto-a-ponto os procedimentos de suspend/resume (suspensão/retoma de chamada) não são aplicáveis. - Os procedimentos de estabelecimento de ligação de suporte antes da aceitação da chamada (establishment of bearer connection prior to call acceptance) não são implementados Serviços suplementares Os serviços suplementares disponíveis na rede da PT Comunicações são: 1) Direct Dialling In (DDI) 2) Closed User Group (CUG) 3) Subaddressing (SUB) 4) Calling Line Identification Presentation (CLIP)

6 5) Calling Line Identification Restriction (CLIR) 6) Connected Line Identification Presentation (COLP) 7) Connected Line Identification Restriction (COLR) 8) Malicious Call Identification (MCID) 9) Call waiting (CW) 10) Advice of charge (AOC) 6/52 AOC-S (AOC in the call Setup phase) AOC-D (AOC During the call) AOC-E (AOC by the End of the call) 11) User-to-user Signalling (UUS) 12) Diversion services (CFU, CFB, CFNR, CD) CFU - Call Forwarding Unconditional CFB - Call Forwarding Busy CFNR - Call Forwarding No Reply CD - Call Deflection 13) Call Hold (HOLD) 14) User-to-user Signalling (UUS) UUS1 (implicit invocation) UUS3 15) Call Completion to Busy Subscribers (CCBS) 16) Call Completion on No Reply (CCNR) 17) Incoming Call Forwarding Screening 18) Anonymous Call Rejection (ACR)

7 7. ANEXO 1 - EXCEPÇÕES E CLARIFICAÇÕES AO NÍVEL 1 DO DSS1 7/52 Tabela 1 - Excepções e clarificações à norma ETS ISDN user-network interface-layer 1 specification for primary rate access 1 Scope Aplicável 2 Normative References Aplicável 3 Definitions Aplicável 4 Abbreviations and symbols Aplicável 5 Conformance As opções relevantes são clarificadas no texto principal 6 Requirements Aplicável com os comentários indicados nas tabelas 1, 2, 3 e 4 Annex A Application of the Standard for Não é aplicável PTNX Interconnections Annex B Application of ETS to Não é aplicável the S Reference Point Annex C Conformance Test Principle Não é aplicável requirements for the user and the network side of the interface Annex D Characteristics of loopbacks D2 - O loopback 2 é obrigatório D3 - Não é aplicável

8 Tabela 2 Excepções e clarificações à Rec. ITU I.431 Primary Rate UserNetwork Interface Layer 1 Specification 1 Introduction Aplicável 2 Type of Configuration Aplicável 3 Functional Characteristics Aplicável 3.1 Summary of Functions Notas gerais : Os canais H 0, H 11, e H 12 não são aplicáveis. Para procedimentos de manutenção, devem ser implementados os loopbacks 0, 1 e 2 de acordo com rec. I Estes loopbacks são controlados pela rede (ver anexo 1). 3.2 Interchange Circuits Aplicável 3.3 Activation/Deactivation Aplicável 3.4 Operational Functions Aplicável (ver ) Definition of Signals at the Interface Aplicável Notas gerais : Para indicar algumas situações de erro na secção digital são necessários alguns sinais adicionais definidos de acordo com da ETS Definitions of state tables at Aplicável network and user sides Layer 1 states on the user Aplicável side of the interface Layer 1 states on the network side of the interface Aplicável Notas gerais : O estado da interface T deve estar disponível para a rede Definition of Primitives Aplicável State Tables Aplicável 4 Interface at 1544 Kbit/s Notas gerais: Esta interface não é usada em Portugal 5 Interface at 2048 Kbit/s Aplicável Notas gerais : As notas indicadas nas subcláusulas 5.2.3, e devem ser adoptadas Assignents of bits in time slot Localization of the CRC functions in the subscriber acces from the user point of view No CRC processing in the transmission link CRC processing in the digital transmission link Notas gerais: Outras atribuições destes bits, relevantes para as interfaces U e V são indicadas no anexo 1 deste documento. Notas gerais : O NT1 deve processar o CRC de acordo com a rec. I.604, anexo A (opção 2). A Figura 12/I.431 é aplicável. O ponto não é aplicável. Indicações de CRC local e remoto devem estar disponíveis. Não é aplicável Aplicável Notas gerais : O CRC local e remoto devem estar disponíveis Maintenance functions Notas à tabela 8/I.431: O sinal RAI (indicação de alarme remoto) não é usado para indicar excesso de erros de CRC, portanto este sinal não é aplicável em situações de taxa de erros excessiva. Geração de erros de CRC não está disponível (opção 1) na situação de perca de alinhamento de trama. 8/52

9 Tabela 2 Excepções e clarificações à Rec. ITU I.431 Primary Rate UserNetwork Interface Layer 1 Specification 6 Interface Connector Nota geral: Para o lado utilizador, devem ser disponibilizadas 2 tipos de interface: 1) fichas ISO DIS de 8 terminais 2) duas fichas coaxiais de 75 Ohm (IEC 169-8). 7 Interface wiring Aplicável 8 Power feedind Nota geral: O NT1 deve ter a interface de linha (interface U) alimentada pela rede. Deve também ser possível a utilização de uma fonte de alimentação ininterrupta a partir da rede de distribuição de energia. 8.1 Provision of Power Aplicável 8.2 Power available at the NT1 Aplicável 8.3 Feeding voltage Nota geral: A tensão normal à entrada do NT1 deverá ser cerca de -40V, com tolerância de ± 10% 8.4 Safety Requirements Aplicável ANNEX A Time slot assignment for Não é aplicável. interfaces having only H 0 channels ANNEX B Time slot assignment for Não é aplicável kbit/s interfaces having an H 11 - channel APPENDIX I Pulse mask for interfaces at 1544 Kbit/s Não é aplicável 9/52

10 Tabela 3 - Excepções e clarificações à Rec. ITU-T T G.703 Physical/electrical Characteristics of Hierarchical Digital Interfaces 1 a 5 Interface at 64, 1544, 6312, Não é aplicável e Kbit/s 6 Interface at 2048 Kbit/s Aplicável 6.1 General Chracteristics Aplicável 6.2 Specifications at the output Aplicável ports 6.3 Specifications at the input Aplicável ports 6.4 Earthing of outer conductor or Aplicável screen 7 a 11 Interface at 8448, 34368, Não é aplicável , Kbit/s and 2048 Khz synchronization interface Annex A Definition of codes Aplicável Annex B Specification of the Aplicável overvoltage protection requirement 10/52

11 11/52 Tabela 4 - Excepções e clarificações à Rec. ITU-T T G.704 Synchronous Frame Structures Used at Primary and Secondary Hierarchical Levels 1 General Aplicável 2 Basic frame structures Aplicável 2.1 Basic frame structure at 1544 Não é aplicável Kbit/s 2.2 Basic frame structure at 6312 Não é aplicável Kbit/s 2.3 Basic frame structure at 2048 Aplicável Kbit/s Frame lenght Aplicável Allocation of bits nº 1 to 8 of the frame Nota geral : Os bits Sa devem ser usados para efeitos de manutenção de acordo com o anexo I desta especificação Description of the CRC4 Aplicável procedure in bit 1 of the frame 2.4 Basic Frame structure at 8448 Não é aplicável Kbit/s 3 Characteristics of frame Não é aplicável structure carrying channels at various bit rates in 1544 Kbit/s interface 4 Characteristics of frame Não é aplicável structure carrying channels at various bit rates in 6312 Kbit/s interface 5 Characteristics of frame Não é aplicável structure carrying channels at various bit rates in 2048 Kbit/s interface 6 Characteristics of frame Não é aplicável structure carrying channels at various bit rates in 8448 Kbit/s interface Tabela 5 - Excepções e clarificações à Rec. ITU-T T G.706 Frame Alignment and Cyclic Redundancy Check (CRC) Procedures Relating to Basic Frames Structures Defined in Recommendation G General Aplicável

12 12/52 Tabela 5 - Excepções e clarificações à Rec. ITU-T T G.706 Frame Alignment and Cyclic Redundancy Check (CRC) Procedures Relating to Basic Frames Structures Defined in Recommendation G Frame alignment and CRC Não é aplicável procedures at 1544 Kbit/s interface 3 Frame alignment and CRC Não é aplicável procedures at 6312 Kbit/s interface 4 Frame alignment and CRC Aplicável procedures at 2048 Kbit/s interface 4.1 Loss and recovery of frame Aplicável alignment Loss of frame alignment Aplicável Strategy for frame alignment Aplicável recovery 4.2 CRC multiframe alignment Aplicável using information in bit 1 of the basic frame 4.3 CRC bit monitoring Aplicável Monitoring procedure Aplicável Monitoring for false frame Aplicável alignment Error performance monitoring using CRC4 Aplicável Nota geral : Este procedimento é obrigatório 5 Frame alignment procedures at 8448 Kbit/s interface Não é aplicável

13 FEs a) relacionados com operação e manutenção Estado NT - ET A Sa5 Sa6 FE a) Notas 13/52 Operação normal do NT1 X 1 00XX A Operação normal do ET X B Loopback não intencional X 0 XXXX C NOTA 1 LOS/LFA no TE (FC2 a) ) XX D NOTA 8 LOS no NT1 - interface U - ou no ponto de refª V3 do LT apenas (FC3 a) ) E NOTAS 2 e 8 LOS/LFA no ponto de refª V3 (V3 ) do ET (FCL a) ) F LOS/LFA no ponto de refª T do NT1 (FC4 a) ) G FC3 a) e FC4 a) em simultâneo Falta de alimentação do NT1 Falta de alimentação no NT1 e simultâneamente LOS/LFA no TE LOS no lado linha do LT (FC1 a) ) Recepção de AIS no ponto de refª V3 do LT (reacção a FCDL ou FCET) M N NOTAS 5 e 8 NOTAS 5 e 8 Recepção de AIS no ponto de refª V3 do LT e FC4 a) simultâneamente AIS O FCET a) no ET ou FCDLd a) entre pontos de refª V3 e V3 (figs. 2 e 7 da ETS ) AIS P FCDLu a) entre V3 e V3 (figs. 2 e 7 da ETS ) NOTA 1 : Quando se completa um loopback, o bit Sa5 enviado do NT1 para o ET, deve ser 0. Este bit deve ser usado como confirmação da realização de loopback. No caso do loopback 1 através do seu reenvio para o ET, no caso do loopback 2 deve ser colocado a zero pelo NT AUXP H I K L NOTA 8 NOTAS 6 e 7 NOTAS 6 e 7 NOTAS 2 e 4 NOTA 2 : No caso de perca de sinal ( LOS - Loss of Signal ) de um dos lados do LT, este deve enviar o sinal AUXP ( Auxiliary Pattern ), conforme definido na sub-cláusula da ETS na direcção correspondente NOTA 3 : Quando o NT1 recebe o sinal AUXP ( Auxiliary Pattern ) e detecta perca de alinhamento de trama ( LFA - Loss of Frame Alignment ), informa o ET desse facto e gera AIS ( Alarm Indication Signal ) na direcção do TE. NOTA 4 : Se LT e ET estiverem combinados numa unidade (ver anexo B da ETS ) NOTA 5 : AIS ( Alarm Indication Signal ) gerado pelo ET e recebido pela secção digital deve ser transferido transparentemente para o NT1 e para o TE. O NT1 deve informar o ET deste facto NOTA 6 : Este FE e o estado correspondente deve ter prioridade sobre os restantes NOTA 7 : Este estado é transitório, deve no entanto durar pelo menos 60 ms. NOTA 8 : O ET deve ser capaz de detectar estes FE s, mesmo com um desvio de ± 50 ppm

14 FEs a) relacionados com operações de loopback Estado NT - ET A Sa5 Sa6 FE a) Notas 14/52 Comando Loopback Q NOTA 2 Comando Loopback R Confirmação de Loopback 1 0 XXXX S NOTA 1 Comando de desligamento do X T NOTA 3 Loopback NOTA 1 : Quando se completa um loopback, o bit Sa5 enviado do NT para o ET, deve ser 0. Este bit deve ser usado como confirmação da realização de loopback. No caso do loopback 1 através do seu reenvio para o ET, no caso do loopback 2 deve ser colocado a zero pelo NT1. NOTA 2 : Se LT e ET estiverem combinados numa unidade (ver anexo B da ETS ) NOTA 3 : Ver sub-cláusula da ETS a) Definidos de acordo com sub-cláusula 9.3 da ETS FEs a) relacionados com detecção de erros de CRC-4 Estado NT - ET A Sa5 Sa6 E - bit FE a) Notas Indicação de erros de CRC pelo NT1 - interface U X 1 XXXX 0 U Indicação de erros de CRC pelo ET Indicação de erros de CRC pelo TE Indicação de erros de CRC pelo NT1 - interface T Ocorrência simultânea de FE W e FE X X X X X X V W X NOTA NOTA X X Y NOTA NOTA : Quando este estado coincide com FE E, FE G, FE I e FE M, este último tem prioridade a) Definidos de acordo com sub-cláusula 9.3 da ETS Legendas e NOTAS às tabelas : Definidos de acordo com sub-cláusula 9.3 da ETS NOTA GERAL : O bit Sa4 será utilizado como canal de manutenção (Canal M), entre o equipamento terminal e o ET, passando transparentemente pelo NT1.

15 15/52 8. ANEXO 2 - EXCEPÇÕES E CLARIFICAÇÕES AO NÍVEL 2 DO DSS1 Tabela 1 - Excepções e clarificações à norma ETS Excepções e clarificações à recomendação Q.920 (I.441) ISDN user-network interface-data link layer - General aspects todas Não há excepções. Tabela 2 - Excepções e clarificações à norma ETS Excepções e clarificações à recomendação Q.921 (I.441) ISDN user-network interface-data link layer specification 2.3 Address field Note to note: In the Network a LAPB data link connection within the D-channel will not be supported. Therefore, the address field will always be 2 octets long Service access point identifier (SAPI) Note to table 2/Q.921: In the Network the following values for SAPI shall be supported by the network: SAPI=0 (signalling) SAPI=16 (packet mode) SAPI=63 (layer 2 management) Terminal endpoint identifier (TEI) General note: In the Network, the following subscriber options shall be available: a) Point-to-point configuration: in this configuration a minimum of one logical signalling connection shall be allowed. TEI=0 shall be mandatory. b) Point-to-multipoint configuration: in this configuration a minimum of 8 simultaneous logical signalling connections shall be allowed with TEI values allocated to non-automatic range (except TEI=0), automatic or both. TEI=127 shall be mandatory Exchange identification (XID) Not applicable. command/response MDL-XID Not applicable. 5 Definition of the peer-to-peer c) Not applicable. procedures of data link layer Acknowledged multiple frame information transfer Note to note: In the Network a LAPB data link connection within the D-channel will not be supported TEI assignement procedure General note: In the Network, for a terminal with a nonautomatic TEI value, the network shall consider that TEI value allocated only after the acceptance of a SABME frame General Note to 2 nd : In the Network, the TEI verify procedure shall be mandatory to the network and optional to the terminal. 5.5 Procedures for establishment and release of multiple frame operation General note: In the Network, permanent logical links will be available on a subscription basis in point-topoint configurations.

16 Tabela 2 - Excepções e clarificações à norma ETS Excepções e clarificações à recomendação Q.921 (I.441) ISDN user-network interface-data link layer specification Establishment of multiple frame operation General note: In the Network, only the extended multiple frame operation (modulo 128 sequencing) shall be used TEI-assigned state Note to 3 rd item: In the Network, the receipt of an unsolicited DM response with the F bit set to 0, shall always be ignored because LAPB operation is not supported Unsolicited DM response and SABME or DISC command Note to 3 rd : In the Network, the receipt of an unsolicited DM response with the F bit set to 0, shall always be ignored because LAPB operation is not supported Criteria for re-establishment Note to 6 th condition: In the Network, the receipt of an unsolicited DM response with the F bit set to 0, shall always be ignored because LAPB operation is not supported N(S) sequence error Note to last : In the Network, the optional procedure for the retransmission of a REJ response frame as described in Appendix I is not supported Unsolicited response frames Note to Table 9/Q.921: In the Network, the receipt of an unsolicited DM response with the F bit set to 0, shall always be ignored because LAPB operation is not supported. 5.9 List of system parameters General note: In the Network, the values of the system parameters K, T200, T201, T202, T203, N200, N201 and N202 are the ones mentioned on table 3/T/S Appendix I Retransmission of REJ response frames Appendix II Occurence of MDL-ERROR- INDICATION within the basic states and actions to be taken by the management entity II.3 Preferred Management Actions Appendix III Optional basic access deactivation procedures Appendix IV IV.2 IV.4 Automatic negotiation of data link layer parameters Parameter initialization Automatic notification of data link layer parameter values Not Applicable. Clarification: This appendix is normative. General note: In the Network, the default value for errors C and D shall be "TEI check procedure". a) General note: In the Network all types of layer 2 errors shall be recorded, namely the ones presented in table II-1/Q.921. c) Optional to the terminal. Optional. General note: In the Network it shall be possible: to deactivate the basic access if the logical connections are deactivated. to keep the access permanently active, on a subscription request. General note: In the Network only the internal initialization procedure will be supported. Not applicable. 16/52

17 17/52 9. ANEXO 3 - EXCEPÇÕES E CLARIFICAÇÕES AO NÍVEL 3 DO DSS1 - CHAMADA BÁSICA; ACESSO PRIMÁRIO 9.1. Introdução As tabelas da secção 3 contêm as excepções e clarificações às normas/recomendações relevantes do DSS1 nível 3 (chamada básica). De salientar que, quando na recomendação Q.931 é mencionada a frase Aplicável, de acordo com as alterações introduzidas pela ETS , deve-se ter em consideração, não só o texto da ETS , mas também os comentários, caso existam, efectuadas nesta especificação a essa ETS, conforme tabela 1, Referências ETSI 1. ETS (Agosto 1995) - User-network interface layer 3 specification for basic call control - Part 1: Protocol specification 2. ETS (Agosto 1995) - User-network interface layer 3 specification for basic call control - Part 2: Specification and Description Language (SDL) diagrams ITU-T 1. Q.931 (03/93) - User-Network Interface Layer 3 Specification for Basic Call Control 9.3. Excepções e clarificações

18 18/ ETSI Tabela 1 - Excepções e clarificações à norma do ETSI User-network interface layer 3 specification for basic call control Part 1: Protocol specification Foreword Scope Normative references Definitions Throughout the text of ITU-T Recommendations Q.931 Aplicável. Aplicável. Aplicável. Aplicável. Aplicável. Nota à note 6 da table 3-7/Q.931: O IE keypad facility é usado em procedimentos de serviços suplementares em modo stimulus. Nota à note 9 da table 3-7/Q.931: O IE cause é usado em procedimentos de serviços suplementares em modo stimulus. Nota à note 10 da table 3-7/Q.931: O IE keypad facility não é suportado no sentido rede-utilizador. Nota à note 9 da table 3-15/Q.931: O IE keypad facility é usado em procedimentos de serviços suplementares em modo stimulus. Nota à note 19 da table 3-15/Q.931: O IE keypad facility não é suportado no sentido rede-utilizador. Nota à note 20 da table 3-15/Q.931: Os procedimentos de sinalização para selecção do serviço de suporte ( 5.11) são suportados. Nota à subclause Segment: Os procedimentos de segmentação são aplicáveis. Nota à table 4-1/Q.931: Apenas a codificação (Q.931 user-network call control messages) é aplicável. Nota à note 3 da table 4-2/Q.931: Os procedimentos de segmentação são aplicáveis. Nota à subclause (Codeset 0) - table 4-3: As seguintes codificações não são aplicáveis: Reserved Network specific facilities Transit network selection Escape for extension Nota à subclause (Codeset 5): Não aplicável. Nota à subclause (Extensions of codesets): Não aplicável. Nota à subclause (Locking shift procedure): Este procedimento não é realizado, mas é reconhecido. A recepção de um codeset diferente de zero é considerado IE desconhecido, sendo tratado de acordo com os procedimentos do (unrecognized information element). Nota à subclause (Non-locking shift procedure): Este procedimento não é realizado, mas é reconhecido. A recepção de um codeset diferente de zero é considerado IE desconhecido, sendo tratado de acordo

19 Tabela 1 - Excepções e clarificações à norma do ETSI User-network interface layer 3 specification for basic call control Part 1: Protocol specification 19/52 com os procedimentos do (unrecognized information element). Nota à subclause , figure 4-17 bis: O campo diagnostic é aplicável. Nota ao 2º da subclause : O IE channel identification não é repetido. Nota ao number/map (octet 3.2) table 4-13/Q.931: Os procedimentos de multirate (64 kbit/s base rate) não são aplicáveis. Nota à note da subclause , figure 4-22/Q.931: A informação a ser incluída no campo display information é mencionada nesta especificação e nas especificações relativas aos serviços suplementares. Nota ao 5º da clause 5: O IE keypad facility não é suportado no sentido rede-utilizador. Nota à note da subclause 5.1.1: O caractér #, também é reconhecido como indicador de sending complete. Nota ao 1º da subclause 5.1.3: O fornecimento de dial tone é acompanhado do IE progress indicator com valor #8 quando o IE bearer capability indica 3,1 khz audio, speech ou unrestricted digital information with tones/announcements. Nota à note 3 da subclause 5.1.3: O caractér # é reconhecido como indicador de sending complete. Nota ao item a) da subclause : A opção 3) (any channel is acceptable) não é aplicável. Nota ao único da subclause 5.2.6: O temporizador de rede T304 não é aplicável. Nota ao 1º e 2º da subclause bis (Absence of response during call clearing): O segundo IE cause com o valor #102 (recovery on timer expiry) bem como o campo diagnostic são inseridos na mensagem Release. Nota à note da subclause bis (Absence of response during call clearing): Os procedimentos de restart definidos na subclause 5.5, são usados nos canais B que estejam em maintenance condition. Nota ao 4º da subclause 5.5: Em todos os casos diferentes dos indicados nos items a), b) e c), os procedimentos de restart não são aplicáveis. Nota ao 5º da subclause 5.5.1: O número de tentativas consecutivas de restart são duas. Nota às note 2 e 3 da subclause 5.5.1: Em qualquer das situações (i.e, os canais não indicados ou indicados por excesso na mensagem de Restart Acknowledge ) são considerados fora de serviço. Nota ao último da subclause 5.5.2: O campo diagnóstico é inserido. Nota ao último da subclause (Restart error handling procedures): Os procedimentos de restart são suportados de acordo com o definido na subclause 5.5. Nota à note da subclause 5.6.1: A note não é aplicável.

20 Tabela 1 - Excepções e clarificações à norma do ETSI User-network interface layer 3 specification for basic call control Part 1: Protocol specification 20/52 Nota ao único da subclause 5.6.3: A recepção de uma mensagem Suspend de um acesso primário origina o envio de uma mensagem Suspend reject com causa # 29 (facility rejected) Nota ao 2º e 3º da subclause 5.8: Não estão definidos outros procedimentos de Handling of error conditions para além dos especificados nesta subclause desta ETS. Nota ao 4º da subclause 5.8: É implementada a opção a). Nota ao único da subclause : Os procedimentos de restart são suportados de acordo com o definido na subclause 5.5. Nota ao 1º e 2º da subclause 5.8.4: A rede distingue entre mensagens não existentes ou não implementadas e mensagens não compativeís com o estado da chamada, enviando assim uma mensagem Status com causa #97 ou #101 incluindo o respectivo diagnóstico. Nota ao 5º e 7º da subclause 5.8.4: O estado N25 (overlap receiving) e consequentemente o temporizador T304, não são aplicáveis. Nota à note da subclause 5.8.5: Relativamente aos procedimentos de locking and non-locking shift, aplicam-se os comentários efectuados às subclauses e Nota ao único da subclause : Se uma mensagem DISC, REL ou REL COMP for recebida com erro num IE não-mandatório, aplicam -se os procedimentos da subclause , 3º, com envio da causa #100 (invalid information element contents). Nota à note 2 da subclause 5.8.9: A causa #41 (temporary failure) é enviada. Nota ao 2º da subclause : Nos procedimentos de Status enquiry é implementada a causa #97 (message type non existent or not implemented). Nota ao 4º da subclause : A mensagem de Status enquiry só é retransmitida uma vez. Nota à note da subclause : A causa #41 (temporary failure) é enviada. Nota ao 6º da subclause : A verificação do perfil de serviços do utilizador origem, é efectuada apenas em relação ao IE Bearer Capability (e High Layer Compatibility, se disponível) de prioridade mais alta. Nota ao 7º da subclause : A verificação do perfil de serviços do utilizador destino, é efectuada para todas as combinações válidas definidas para o serviço solicitado. Nota ao annex C: Não aplicável. Nota ao annex E: Não aplicável. Nota ao annex K: Estes procedimentos não são implementados por defeito, mas poderão ser activados para determinados acessos.

21 Tabela 1 - Excepções e clarificações à norma do ETSI User-network interface layer 3 specification for basic call control Part 1: Protocol specification 21/52 Annex ZA Identification of changes since Informativo. ETS (1990) ZA.1 Editorial changes Informativo. ZA.2 Technical changes Informativo. Annex ZB Identification of differences Informativo. affecting terminal interchangability with private ISDNs Tabela 2 - Excepções e clarificações à norma do ETSI User-network interface layer 3 specification for basic call control Part 2: Specification and Description Language (SDL) diagrams todas Aplicável ITU-T Tabela 3 - Excepções e clarificações à rec. da ITU-T T Q.931 (03/93) User-Network Interface Layer 3 Specification for Basic Call Control 1 General Aplicável, de acordo com as alterações introduzidas pela 1.1 Scope of the Recommendation Aplicável, de acordo com as alterações introduzidas pela 1.2 Application to interface structures Aplicável. 2 Overview of call control Aplicável, de acordo com as alterações introduzidas pela 2.1 Circuit switched calls Aplicável, de acordo com as alterações introduzidas pela Call states at the user side of the interface Aplicável Null state (U0) Aplicável Call initiated (U1) Aplicável Overlap sending (U2) Aplicável Outgoing call proceeeding (U3) Aplicável Call delivered (U4) Aplicável Call present (U6) Aplicável Call received (U7) Aplicável Connect request (U8) Aplicável Incoming call proceeding (U9) Aplicável.

Acessos Básicos e Primários

Acessos Básicos e Primários PUBLICAÇÃO DE INTERFACES DE CLIENTE SFT - Interface Digital Características Técnicas dos Interfaces Versão: v1.0 Data: outubro/2001 Este documento não é parte de nenhum contrato com clientes ou fornecedores.

Leia mais

Interface de Acesso à Rede Telefónica Ar Telecom Comutada

Interface de Acesso à Rede Telefónica Ar Telecom Comutada I NTERFACE DE PPCAE RDIS A 2 MBIT/S (Acesso Primário) 2.0 Página 1/5 Interface de Acesso à Rede Telefónica Ar Telecom Comutada Interface de RDIS Primário (2Mb/s) Autor: DEV Aprovação: DIR Data: 2005-09-13

Leia mais

5. PROTOCOLO DE ACESSO À REDE

5. PROTOCOLO DE ACESSO À REDE 5. PROTOCOLO DE ACESSO À REDE 1 Protocolo de Nível Rede B1 B2 Ent s Ent p Ent t 3 - Rede B1 B2 LAP-D 2 - Ligação Nível 1 1 Protocolo de Nível Físico Meio Físico (Ligação ) Q.930/1 Interface Utilizador-Rede:

Leia mais

INTERFACE RDIS - ACESSO BÁSICO E ACESSO PRIMÁRIO SERVIÇOS SUPLEMENTARES

INTERFACE RDIS - ACESSO BÁSICO E ACESSO PRIMÁRIO SERVIÇOS SUPLEMENTARES TÍTULO: ET IDSS - Especificação de Serviços Suplementares RDIS 1/95 Autoria: PT Comunicações Aprovação: DEC/TEC/TRC3 Data: 2003-10-23 ESPECIFICAÇÃO DE INTERFACE COM A REDE PT COMUNICAÇÕES INTERFACE RDIS

Leia mais

Especificações das Interfaces da Rede Fixa da Sonaecom Serviços de Comunicações, SA V1.1

Especificações das Interfaces da Rede Fixa da Sonaecom Serviços de Comunicações, SA V1.1 Especificações das Interfaces da Rede Fixa da Sonaecom Serviços de Comunicações, SA V1.1 MARÇO 2009 ÍNDICE ESPECIFICAÇÕES DAS INTERFACES DA REDE... 1 FIA DA SONAECOM SERVIÇOS DE... 1 COMUNICAÇÕES, SA...

Leia mais

PIC 01 PUBLICAÇÃO DE INTERFACES DE CLIENTE SFT - Interface Digital APÊNDICE II. Especificações e Condições Técnicas Sinalização DSS1 - Layer 3

PIC 01 PUBLICAÇÃO DE INTERFACES DE CLIENTE SFT - Interface Digital APÊNDICE II. Especificações e Condições Técnicas Sinalização DSS1 - Layer 3 PUBLICAÇÃO DE INTERFACES DE CLIENTE SFT - Interface Digital APÊNDICE II Especificações e Condições Técnicas Versão: v1.0 Data: outubro/2001 Este documento não é parte de nenhum contrato com clientes ou

Leia mais

ANEXO I INTERFACE TÉCNICO ENTRE REDES

ANEXO I INTERFACE TÉCNICO ENTRE REDES ANEXO I INTERFACE TÉCNICO ENTRE REDES ÍNDICE 1 INTRODUÇÃO... 3 2 REFERÊNCIAS... 3 2.1 ETSI...3 2.2 ITU -T...3 3 ABREVIATURAS... 4 4 CENÁRIOS DE PORTABILIDADE DE OPERADOR... 5 4.1 ORIGEM NACIONAL...5 4.1.1

Leia mais

ET IA1 - Interface de Acesso à Rede Telefónica Pública Comutada

ET IA1 - Interface de Acesso à Rede Telefónica Pública Comutada ET IA1 - Interface de Acesso à Rede Telefónica Pública Comutada Interface de Linha de Rede Analógica (2 fios) Data: 2004.08.06 Página 1 / 22 Versão: 5.2 ÍNDICE 0 Âmbito...3 1 Ponto de Terminação da Rede

Leia mais

Interface de Acesso a Circuitos Dedicados Digitais a 64Kbit/s e Nx64Kbit/s

Interface de Acesso a Circuitos Dedicados Digitais a 64Kbit/s e Nx64Kbit/s Especificações técnicas dos interfaces de rede da PT Comunicações Interface de Acesso a Circuitos Dedicados Digitais a 64Kbit/s e Nx64Kbit/s Especificação do interface Cliente-Rede Data: 2004.01.20 Página

Leia mais

Rede Digital com Integração de Serviços

Rede Digital com Integração de Serviços Princípios gerais erviços Nível físico dos acessos básico e primário Nível de ligação lógica do canal D Nível de rede Aplicações Mário Jorge Leitão 2 Intencionalmente em branco Princípios gerais 3 Características

Leia mais

MTP: Message Transfer Part

MTP: Message Transfer Part MTP: Message Transfer Part Implementa um sistema de transporte fiável para a transferência das mensagens de sinalização. Fornece um serviço similar ao de uma rede de comutação de pacotes. Cada mensagem

Leia mais

Sinalização em Redes de Comutação de Circuitos. Sinalização em Comutação de Circuitos

Sinalização em Redes de Comutação de Circuitos. Sinalização em Comutação de Circuitos Sinalização em Redes de Comutação de Circuitos Princípios gerais Sinalização de assinante analógico Sinalização de canal associado entre comutadores Sinalização de canal comum entre comutadores Sinalização

Leia mais

Interface Acesso Rádio Informação e normas aplicáveis ao desenvolvimento e testes de equipamento terminal

Interface Acesso Rádio Informação e normas aplicáveis ao desenvolvimento e testes de equipamento terminal Interface Acesso Rádio Informação e normas aplicáveis ao desenvolvimento e testes de equipamento terminal Versão: 1.5 Vodafone 2009. Reservados todos os direitos. A reprodução e uso escrito ou verbal de

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Protocolos da camada de ligação de Escola Superior de Tecnologia e Gestão Instituto Politécnico de Bragança Maio de 2006 Modelo OSI Redes de Computadores 2 1 Camada de Ligação de

Leia mais

Interfaces V5. Engenheiro de Telecomunicações formado pela UFMG com bacharelado em Eng. Elétrica em 1997 e mestrado em Telecomunicações em 2001.

Interfaces V5. Engenheiro de Telecomunicações formado pela UFMG com bacharelado em Eng. Elétrica em 1997 e mestrado em Telecomunicações em 2001. Interfaces V5 Este tutorial descreve as Interfaces V5, seus elementos e camadas e exemplifica algumas trocas de mensagens entre o nó de acesso e a central local. Diaulas Hedin Gonzaga Engenheiro de Telecomunicações

Leia mais

REDES COM INTEGRAÇÃO DE SERVIÇOS

REDES COM INTEGRAÇÃO DE SERVIÇOS REDES COM INTEGRAÇÃO DE SERVIÇOS (1ª Parte) Rede Digital com Integração de Serviços () 1 1. INTRODUÇÃO 2 EVOLUÇÃO DAS REDES PÚBLICAS DE TELECOMUNICAÇÕES 1: Rede Telefónica Analógica 2: Rede Telefónica

Leia mais

ANEXO I INTERFACE TÉCNICO ENTRE REDES

ANEXO I INTERFACE TÉCNICO ENTRE REDES ANEXO I INTERFACE TÉCNICO ENTRE REDES ÍNDICE 1 INTRODUÇÃO... 1 2 REFERÊNCIAS... 1 2.1 ETSI... 1 2.2 ITU-T... 2 3 ABREVIATURAS... 2 4 CENÁRIOS DE PORTABILIDADE DE OPERADOR ( CALL RELATED )... 4 4.1 ORIGEM

Leia mais

UNIDADE II REDE DIGITAL DE SERVIÇOS INTEGRADOS INTEGRATED SERVICE DIGITAL NETWORK (RDSI) (ISDN)

UNIDADE II REDE DIGITAL DE SERVIÇOS INTEGRADOS INTEGRATED SERVICE DIGITAL NETWORK (RDSI) (ISDN) UNIDADE II REDE DIGITAL DE SERVIÇOS INTEGRADOS (RDSI) INTEGRATED SERVICE DIGITAL NETWORK (ISDN) Rede Digital de Serviços Integrados - RDSI Página II - 1 RDSI - Definição CCITT - 1984 Uma rede em geral

Leia mais

3.3 Protocolos comerciais ponto a ponto Camada ligação de dados

3.3 Protocolos comerciais ponto a ponto Camada ligação de dados 3.2.1.3 Protocol os em Pipeline Interfaces e transmissão de dados 3.3 Protocolos comerciais ponto a ponto Camada ligação de dados 1/30 3.2.1.3 Protocol os em Pipeline Interfaces e transmissão de dados

Leia mais

Tipos de Redes. Dois tipos fundamentais de redes

Tipos de Redes. Dois tipos fundamentais de redes Redes de Tipos de Redes Dois tipos fundamentais de redes LAN = Local Area Network Interliga um conjunto de computadores locais, próximos Tecnologias mais típicas: Ethernet / FastEthernet / GigabitEthernet

Leia mais

TCP/IP - NÍVEL APLICAÇÃO (utilizador)

TCP/IP - NÍVEL APLICAÇÃO (utilizador) Protocolos de Aplicação (Telnet, FTP, SMTP, POP, HTTP) TCP/IP - NÍVEL APLICAÇÃO (utilizador) TCP UDP ICMP IP ARP Acesso à rede Secção de Redes de Comunicação de Dados Redes de Computadores Correio Electrónico

Leia mais

Linha de Rede Analógica

Linha de Rede Analógica PUBLICAÇÃO DE INTERFACES DE CLIENTE Características Técnicas dos Interfaces Versão: v2.0 Data: abril/2009 Este documento não é parte de nenhum contrato com clientes ou fornecedores. Os utilizadores deste

Leia mais

Tipos de Redes. Redes de Dados. Comunicação em Rede Local. Redes Alargadas. Dois tipos fundamentais de redes

Tipos de Redes. Redes de Dados. Comunicação em Rede Local. Redes Alargadas. Dois tipos fundamentais de redes Tipos de Redes Redes de Sistemas Informáticos I, 2005-2006 Dois tipos fundamentais de redes LAN = Local Area Network Interliga um conjunto de computadores locais, próximos Tecnologias mais típicas: Ethernet

Leia mais

MANUAL DO USUÁRIO v.1.2.0

MANUAL DO USUÁRIO v.1.2.0 MANUAL DO USUÁRIO v.1.2.0 Copyright 2007-2009 Bichara Tecnologia Manual elaborado por: Bichara Tecnologia www.bichara.com.br VoIPzilla Media Gateway Bichara Tecnologia pág. 1 Índice 1. Introdução...3 1.1

Leia mais

REDES DIGITAIS COM INTEGRAÇÃO DE SERVIÇOS (RDIS)

REDES DIGITAIS COM INTEGRAÇÃO DE SERVIÇOS (RDIS) MÁRIO SERAFIM NUNES REDES DIGITAIS COM INTEGRAÇÃO DE SERVIÇOS (RDIS) Adaptado de REDES DIGITAIS COM INTEGRAÇÃO DE SERVIÇOS Mário Serafim Nunes, Augusto Júlio Casaca Editorial Presença 992 (esgotado) Folhas

Leia mais

Spanning Tree Protocol: Evoluções

Spanning Tree Protocol: Evoluções Spanning Tree Protocol: Evoluções Fast Switching PVST Per VLAN Spanning Tree (Cisco) PVST+ Per VLAN Spanning Tree plus (Cisco) MSTP Multiple Spanning Tree Protocol - IEEE 802.1s RSTP Rapid Spanning Tree

Leia mais

Sinalização em redes de telecomunicações

Sinalização em redes de telecomunicações Sinalização em redes de telecomunicações Necessidade e evalução da sinalização Sinalização na rede telefónica tradicional (PSTN) e IN Tipos de sinalização Sinalização no lacete local Sinalização entre

Leia mais

Interface de Acesso a Circuitos Ethernet, Fast Ethernet e Gigabit Ethernet

Interface de Acesso a Circuitos Ethernet, Fast Ethernet e Gigabit Ethernet Interface de Acesso a Circuitos Ethernet, Fast Ethernet e Gigabit Ethernet Especificação do interface Cliente-Rede Data: 2014-12-30 Página 1 / 6 Versão: 4.0 MEO Serviços de Comunicações e Multimédia, S.A.

Leia mais

Índice. TIPO DE DOCUMENTO Nota Técnica. Designação VERSÃO 3.0. 30 de Julho de 2009. TÍTULO ADSL sobre ISDN - Interface Utilizador-Rede 1/10 3.

Índice. TIPO DE DOCUMENTO Nota Técnica. Designação VERSÃO 3.0. 30 de Julho de 2009. TÍTULO ADSL sobre ISDN - Interface Utilizador-Rede 1/10 3. 1/10 TIPO DE DOCUMENTO Nota Técnica Designação VERSÃO 30 de Julho de 2009 Índice 1 ÂMBITO... 3 2 MODELOS DE REFERÊNCIA... 4 3 INTERFACE UNI USER TO NETWORK... 5 2/10 3.1 PONTO DE TERMINAÇÃO DA REDE......

Leia mais

6.3 Tecnologias de Acesso

6.3 Tecnologias de Acesso Capítulo 6.3 6.3 Tecnologias de Acesso 1 Acesso a redes alargadas Acesso por modem da banda de voz (através da Rede Fixa de Telecomunicações) Acesso RDIS (Rede Digital com Integração de Serviços) Acesso

Leia mais

Small Computer Systems Interface (SCSI)

Small Computer Systems Interface (SCSI) Small Computer Systems Interface (SCSI) ASPI Rômulo Silva de Oliveira www.das.ufsc.br/~romulo DAS - UFSC www.hochfeiler.it/alvise/aspi_1.htm www.cdrlabs.com/articles/index.php?articleid=3&page=1 scsifaq.org:9080/scsi_faq/

Leia mais

Redes de Computadores II

Redes de Computadores II Redes de Computadores II Prof. Celio Trois portal.redes.ufsm.br/~trois/redes2 Roteamento Dinâmico Os protocolos de roteamento utilizados em redes pertencem a duas categorias: IGP (Interior Gateway Protocol)

Leia mais

ALARM REPORT ALARM TYPE = (A)... ALARM-NUMBER = 1 (1)... STATUS AT ABORTION: (3)... (4)... ERROR REASON: (6)... (7)...

ALARM REPORT ALARM TYPE = (A)... ALARM-NUMBER = 1 (1)... STATUS AT ABORTION: (3)... (4)... ERROR REASON: (6)... (7)... Informe de Alarme RRN 05835 Causa de Ativação da Mensagem Informe de alarme gerado nas seguintes condições: D algum erro ocorreu durante o Backup Contínuo de Dados o que leva a um cancelamento dessa função

Leia mais

Rede Digital com Integração de Serviços de Banda Larga ATM Asynchronous Transfer Mode

Rede Digital com Integração de Serviços de Banda Larga ATM Asynchronous Transfer Mode Universidade do Minho Escola de Engenharia Departamento de Electrónica Industrial Rede Digital com Integração de Serviços de Banda Larga ATM Asynchronous Transfer Mode Princípios Básicos Mestrado Integrado

Leia mais

Interface de Acesso a Circuitos Dedicados Digitais a 2 Mbit/s

Interface de Acesso a Circuitos Dedicados Digitais a 2 Mbit/s Interface de Acesso a Circuitos Dedicados Digitais a 2 Mbit/s Especificação Técnica do interface Cliente-Rede MEO Serviços de Comunicações e Multimédia, S.A. 30 de dezembro de 2014 Data: 2014-12-30 Página

Leia mais

DSX. MANUAL DO USUÁRIO v.2.0.20. Copyright 2010-2013 Bichara Tecnologia. Manual elaborado por: Bichara Tecnologia www.bichara.com.

DSX. MANUAL DO USUÁRIO v.2.0.20. Copyright 2010-2013 Bichara Tecnologia. Manual elaborado por: Bichara Tecnologia www.bichara.com. DSX MANUAL DO USUÁRIO v.2.0.20 Copyright 2010-2013 Bichara Tecnologia Manual elaborado por: Bichara Tecnologia www.bichara.com.br DSX Bichara Tecnologia / O3 pág. 1 Índice 1. Introdução...3 1.1 O que é

Leia mais

Redes de Nova Geração (NGN) O Desafio para a Regulação

Redes de Nova Geração (NGN) O Desafio para a Regulação Redes de Nova Geração (NGN) O Desafio para a Regulação Índice Interfaces e Interligação Obrigações legais Numeração, Nomes e Endereçamento 2 Interfaces e Interligação Modelo de Evolução da Interligação

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Camada de Enlace Antonio Alfredo Ferreira Loureiro loureiro@dcc.ufmg.br Departamento de Ciência da Computação Universidade Federal de Minas Gerais 1 Camada de enlace Responsável pela

Leia mais

Alarmes e Erros CNC Proteo

Alarmes e Erros CNC Proteo Alarmes e Erros CNC 1 Códigos de Erro 1.1 Erro ( 0 ) : NO ERROR Texto: "Código de erro inválido" "Invalid Error Code" 1.2 Erro ( 1 ) : ERROR_BP_WAS_UNABLE_TO_OPEN_INPUT_FILE Texto: "Não foi possível abrir

Leia mais

ÍNDICE PORTUGUÊS INDEX ENGLISH

ÍNDICE PORTUGUÊS INDEX ENGLISH ÍNDICE PORTUGUÊS 1. Características... 2 2. Conteúdo da Embalagem... 3 3. Como usar o Receptor de TV Digital... 3 4. Tela de Vídeo... 6 5.Requisitos Mínimos... 6 6. Marcas Compatíveis... 8 INDEX ENGLISH

Leia mais

Interface de Acesso a Circuitos Ethernet, Fast Ethernet, Gigabit Ethernet e 10Gigabit Ethernet

Interface de Acesso a Circuitos Ethernet, Fast Ethernet, Gigabit Ethernet e 10Gigabit Ethernet Interface de Acesso a Circuitos Ethernet, Fast Ethernet, Gigabit Ethernet e 10Gigabit Ethernet Especificação do interface Cliente -Rede MEO Serviços de Comunicações e Multimédia, S.A. 26 de agosto de 2015

Leia mais

H323 : serviços suplementares

H323 : serviços suplementares H323 : serviços suplementares Paulo Aguiar Tel. (0xx21) 2598-3165 e-mail: aguiar@nce.ufrj.br Núcleo de Computação Eletrônica e Departamento de Computação /IM da UFRJ Serviços Suplementares (SS) Estabelece

Leia mais

Encaminhamento exterior BGP-4

Encaminhamento exterior BGP-4 Encaminhamento exterior BGP-4 (quarto trabalho laboratorial) FEUP/DEEC Redes de Banda Larga MIEEC 2009/10 José Ruela Bancada de trabalho Topologia genérica (OSPF e BGP) Objectivo e descrição sumária Os

Leia mais

REDES DE TELECOMUNICAÇÕES

REDES DE TELECOMUNICAÇÕES Hierarquia Digital Plesiócrona (PHD) REDES DE TELECOMUNICAÇÕES SDH (Synchronous Digital Hierarchy) Engª de Sistemas e Informática UALG/FCT/ADEEC 2003/2004 1 Redes de Telecomunicações Hierarquia Digital

Leia mais

Integrated Network Operations Support System ISO 9001 Certified A Plataforma Integradora Integrated Platform O INOSS V2 é uma poderosa plataforma de operação e gestão centralizada de redes e serviços de

Leia mais

5. Camada ATM (I.361)

5. Camada ATM (I.361) 5. Camada ATM (I.361) 5.1 Estrutura da célula Bits8 7 6 5 4 3 2 1 Cabeçalho (5 octetos) Campo de informação (48 octetos) 1... 5 6..... 53 octetos - Os octetos são enviados por ordem crescente começando

Leia mais

Telekit, Componentes Electrónicos S.A. - 2004. Manual Técnico do Interface GSM LEVEL GB RDIS - Sincronismo

Telekit, Componentes Electrónicos S.A. - 2004. Manual Técnico do Interface GSM LEVEL GB RDIS - Sincronismo Manual Técnico do Interface GSM LEVEL GB RDIS - Sincronismo Configuração / Parâmetros: Quando iniciar o programa, os parâmetros de configuração só ficam acessíveis quando os seus valores forem lidos a

Leia mais

Módulo 6 Conceitos Básicos sobre Ethernet

Módulo 6 Conceitos Básicos sobre Ethernet CCNA 1 Conceitos Básicos de Redes Módulo 6 Conceitos Básicos sobre Ethernet Fundamentos de Ethernet Introdução à Ethernet A maior parte do tráfego da Internet tem origem em ligações Ethernet. Razões do

Leia mais

GlobalPhone - Central Telefónica. Manual de Configuração do ATA SPA3102 Linksys

GlobalPhone - Central Telefónica. Manual de Configuração do ATA SPA3102 Linksys Manual de Configuração do ATA SPA3102 Linksys Indíce 1 Introdução... 3 2 Upgrade de Firmware... 3 2.1 Verificação da Versão da FW... 3 2.2 Configuração do IP Fixo sem DHCP Server... 4 2.3 Obtenção do IP

Leia mais

Descrição das facilidades

Descrição das facilidades HiPath 3000 / HiPath 5000 Versão 4.0 Descrição das facilidades hp3hp5featuretoc.fm Conteúdo Conteúdo 0 1.......................................................... 1-1 1.1 Vista geral..........................................................

Leia mais

Encaminhamento interior OSPF

Encaminhamento interior OSPF Encaminhamento interior OSPF (terceiro trabalho laboratorial) FEUP/DEEC Redes de Banda Larga MIEEC 2009/10 José Ruela Bancada de trabalho Topologia genérica (OSPF e BGP) Objectivo e descrição sumária Os

Leia mais

Troubleshooting de ISDN BRI Layer 1

Troubleshooting de ISDN BRI Layer 1 Troubleshooting de ISDN BRI Layer 1 Índice Introdução Pré-requisitos Requisitos Componentes Utilizados Convenções Status da camada 1: DESATIVADO Status da camada 1: ATIVADO Outros estados da Camada 1 Referência

Leia mais

Módulo 9 Conjunto de Protocolos TCP/IP e endereçamento IP

Módulo 9 Conjunto de Protocolos TCP/IP e endereçamento IP CCNA 1 Conceitos Básicos de Redes Módulo 9 Conjunto de Protocolos TCP/IP e endereçamento IP Introdução ao TCP/IP 2 Modelo TCP/IP O Departamento de Defesa dos Estados Unidos (DoD) desenvolveu o modelo de

Leia mais

Product Compliance Specialists Ltd Tel: +44 1844 273 277 The Malthouse, Malthouse Square, Fax: +44 1844 273 278

Product Compliance Specialists Ltd Tel: +44 1844 273 277 The Malthouse, Malthouse Square, Fax: +44 1844 273 278 Product Compliance Specialists Ltd Tel: +44 1844 273 277 The Malthouse, Malthouse Square, Fax: +44 1844 273 278 Princes Risborough www.productcompliancespecialists.com Bucks, HP27 9AZ info@productcompliancespecialists.com

Leia mais

MODELO 827 CARACTERÍSTICAS. Controlador Trunking

MODELO 827 CARACTERÍSTICAS. Controlador Trunking MODELO 827 Controlador Trunking CARACTERÍSTICAS Obedece completamente ao Standard MPT1327/1343 e é compatível com os radiotelefones MPT1352/1327. Tem estrutura modular e o seu sistema de controlo com informação

Leia mais

Introdução ao Frame Relay. Prof. José Marcos Câmara Brito Inatel - 05/99

Introdução ao Frame Relay. Prof. José Marcos Câmara Brito Inatel - 05/99 Introdução ao Frame Relay Prof. José Marcos Câmara Brito Inatel - 05/99 Objetivo Prover o usuário com uma rede privativa virtual (VPN) capaz de suportar aplicações que requeiram altas taxas de transmissão

Leia mais

H.323. Laboratório VoIP Núcleo de Computação Eletrônica/UFRJ

H.323. Laboratório VoIP Núcleo de Computação Eletrônica/UFRJ H.323 Laboratório VoIP Núcleo de Computação Eletrônica/UFRJ Histórico de H.323 Início: SG-16 do ITU-T (Maio 1995) H.323 v1, Jun 1996 H.323 v2, Fev 1998 H.323: Packet-based multimedia communication systems

Leia mais

Frame Relay. Serviços de Suporte em Modo Trama FEUP/DEEC/RBL 2005/06. José Ruela. Serviços de Suporte em Modo Trama

Frame Relay. Serviços de Suporte em Modo Trama FEUP/DEEC/RBL 2005/06. José Ruela. Serviços de Suporte em Modo Trama Frame Relay Serviços de Suporte em Modo Trama FEUP/DEEC/RBL 2005/06 José Ruela Serviços de Suporte em Modo Trama A expressão Frame Relay é habitualmente usada, em sentido lato, para designar serviços baseados

Leia mais

GlobalPhone - Central Telefónica. Manual de Configuração do ATA SPA2102 Linksys

GlobalPhone - Central Telefónica. Manual de Configuração do ATA SPA2102 Linksys Manual de Configuração do ATA SPA2102 Linksys Indíce 1 Introdução... 3 2 Upgrade de Firmware... 3 2.1 Verificação da Versão da FW... 3 2.2 Configuração do IP Fixo sem DHCP Server... 4 2.3 Obtenção do IP

Leia mais

Redes de Computadores II. Módulo 1 Introdução e a camada de enlace

Redes de Computadores II. Módulo 1 Introdução e a camada de enlace Redes de Computadores II Módulo 1 Introdução e a camada de enlace 1 A Camada de Enlace Principal objetivo da camada: Comunicar dados entre dois equipamentos de rede conectados ao mesmo meio de transmissão

Leia mais

Para iniciar um agente SNMP, usamos o comando snmpd. Por padrão, aceita requisições na porta 161 (UDP).

Para iniciar um agente SNMP, usamos o comando snmpd. Por padrão, aceita requisições na porta 161 (UDP). EN3610 Gerenciamento e interoperabilidade de redes Prof. João Henrique Kleinschmidt Prática SNMP 1 MIBs RMON No Linux os arquivos MIB são armazenados no diretório /usr/share/snmp/mibs. Cada arquivo MIB

Leia mais

TC - IOT CSD M2M Emulator. Emulador de ligações comutadas de comunicação de dados (Circuit Switched Data) Versão: 1.

TC - IOT CSD M2M Emulator. Emulador de ligações comutadas de comunicação de dados (Circuit Switched Data) Versão: 1. TC - IOT CSD M2M Emulator Emulador de ligações comutadas de comunicação de dados (Circuit Switched Data) Versão: 1.0 Data: 2014-02-10 Nome do Documento: TC-IOT CSDM2M Emulator Versão: 1.0 Data: 2014-01-22

Leia mais

Software de Telecomunicações. Introdução ao Cinderella

Software de Telecomunicações. Introdução ao Cinderella Software de Telecomunicações Introdução ao Cinderella Prof RG Crespo Software de Telecomunicações Cinderella : 1/26 Descrição Ambiente de desenvolvimento, que inclui: Editor gráfico em SDL Analisador Simulador

Leia mais

Especificação, Verificação e Teste de Protocolos

Especificação, Verificação e Teste de Protocolos EVTP 1 Especificação, Verificação e Teste de Protocolos FEUP/MRSC/AMSR MPR EVTP 2 Bibliografia Aula preparada com base nos seguintes documentos» Gerard J. Holzmann, "Design and Validation of Computer Protocols",

Leia mais

ICMP. Tipos de mensagens ICMP

ICMP. Tipos de mensagens ICMP ICMP Tipos de mensagens ICMP ICMP (Internet Control Message Protocol) Normalmente considera-se que o ICMP faz parte da camada de rede Comunica mensagens de erro, mensagens de informação, mensagens de resposta

Leia mais

2 Arquitetura do UMTS

2 Arquitetura do UMTS 2 Arquitetura do UMTS Este capítulo apresenta a arquitetura física do UMTS, com a descrição de todos os seus componentes. Em seguida é analisada a arquitetura de protocolos, com a apresentação das principais

Leia mais

Multilink PPP em roteadores back-to-back com interfaces seriais múltiplas

Multilink PPP em roteadores back-to-back com interfaces seriais múltiplas Multilink PPP em roteadores back-to-back com interfaces seriais múltiplas Índice Introdução Pré-requisitos Requisitos Componentes Utilizados Produtos Relacionados Convenções Configurar Diagrama de Rede

Leia mais

INTERFACE DE ACESSO REDE TELEFÓNICA PÚBLICA COMUTADA. IA-RTPC xxxx. Edição nº: Data: / /

INTERFACE DE ACESSO REDE TELEFÓNICA PÚBLICA COMUTADA. IA-RTPC xxxx. Edição nº: Data: / / INTERFACE DE ACESSO À REDE TELEFÓNICA PÚBLICA COMUTADA IA-RTPC xxxx Edição nº: Data: / / 0. Índice (deverá conter um índice sobre o conteúdo da publicação sobre as interfaces) 1. Âmbito (deverá estar claro

Leia mais

Para iniciar um agente SNMP, usamos o comando snmpd. Por padrão, aceita requisições na porta 161 (UDP).

Para iniciar um agente SNMP, usamos o comando snmpd. Por padrão, aceita requisições na porta 161 (UDP). EN3610 Gerenciamento e interoperabilidade de redes Prof. João Henrique Kleinschmidt Prática SNMP Net-SNMP (http://www.net-snmp.org) é um conjunto de aplicações usado para implementar SNMPv1, SNMPv2 e SNMPv3.

Leia mais

ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC 17025 ENSAIO

ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC 17025 ENSAIO Norma de Origem: NIT-DICLA-013 Folha: 1 / 9 RAZÃO SOCIAL/DESIGNAÇÃO DO LABORATÓRIO Precision Solutions Precision Soluções em Engenharia e Representações Ltda. COMUTAÇÃO DIGITAL / COMUTAÇÃO E CONTROLE CCC

Leia mais

LICENCIATURA EM ENG. DE SISTEMAS E INFORMÁTICA Redes e Serviços de Banda Larga. Laboratório 4. OSPF Backbone

LICENCIATURA EM ENG. DE SISTEMAS E INFORMÁTICA Redes e Serviços de Banda Larga. Laboratório 4. OSPF Backbone Laboratório 4 OSPF Backbone Equipamento necessário: Três OmniSwitches Objectivo: Este laboratório tem como objectivo familiarizar os alunos com as configurações RIP em comutadores OmniSwitch. Sintaxe dos

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES II. Ricardo José Cabeça de Souza www.ricardojcsouza.com.br

REDES DE COMPUTADORES II. Ricardo José Cabeça de Souza www.ricardojcsouza.com.br REDES DE COMPUTADORES II Ricardo José Cabeça de Souza www.ricardojcsouza.com.br REDE PÚBLICA x REDE PRIVADA Rede Pública Circuitos compartilhados Rede Privada Circuitos dedicados Interligação entre Dispositivos

Leia mais

SATA 3.5. hd:basic. hdd enclosure caixa externa para disco rígido

SATA 3.5. hd:basic. hdd enclosure caixa externa para disco rígido SATA 3.5 hd:basic hdd enclosure caixa externa para disco rígido hd:basic USER S GUIDE SPECIFICATIONS HDD support: SATA 3.5 Material: Aluminium Input connections: SATA HDD Output connections: USB 2.0

Leia mais

Protocolos, DNS, DHCP, Ethereal e comandos em Linux

Protocolos, DNS, DHCP, Ethereal e comandos em Linux Redes de Computadores Protocolos, DNS, DHCP, Ethereal e comandos em Linux Escola Superior de Tecnologia e Gestão Instituto Politécnico de Bragança Março de 2006 Endereços e nomes Quaisquer duas estações

Leia mais

ICMP Internet Control Message Protocol

ICMP Internet Control Message Protocol TCP UDP ICMP Internet Control Message Protocol ARP IP ICMP Acesso à rede Funcionalidade Mensagens ICMP Internet Control Message Protocol - ICMP Funcionalidades Informar máquina de origem da ocorrência

Leia mais

Caracterização dos servidores de email

Caracterização dos servidores de email Caracterização dos servidores de email Neste documento é feita a modulação de um servidor de email, com isto pretende-se descrever as principais funcionalidades e características que um servidor de email

Leia mais

3 Camada de ligação de dados

3 Camada de ligação de dados 3 Camada de ligação de dados Interfaces e transmissão de dados 3 Camada de ligação de dados 1/28 3.1 Sincronismo detecção e cor recção de err os Interfaces e transmissão de dados 3.1 Sincronismo, Detecção

Leia mais

Motores I Automação I Energia I Transmissão & Distribuição I Tintas. CANopen PLC300. Manual do Usuário

Motores I Automação I Energia I Transmissão & Distribuição I Tintas. CANopen PLC300. Manual do Usuário Motores I Automação I Energia I Transmissão & Distribuição I Tintas CANopen PLC300 Manual do Usuário Manual do Usuário CANopen Série: PLC300 Idioma: Português N º do Documento: 10000849433 / 01 Data da

Leia mais

Case Study. Metro do Porto. Projecto de Radio Trunking

Case Study. Metro do Porto. Projecto de Radio Trunking Metro do Porto Projecto de Radio Trunking Esta solução providencia um sistema de rádio operacional, privado, que pode ser utilizada para comunicações de emergências, quer pelos condutores dos veículos,

Leia mais

Gerência de Redes de Computadores - SNMPv1 & SNMPv2c

Gerência de Redes de Computadores - SNMPv1 & SNMPv2c Gerência de Redes de Computadores - SNMPv1 & SNMPv2c Prof.: Helcio Wagner / Iguatemi Eduardo Agosto de 2009. p.1/50 Gerência Internet = Introdução Nos primórdios da Internet, as únicas ferramentas utilizadas

Leia mais

Motores I Automação I Energia I Transmissão & Distribuição I Tintas. CANespecial 1 SCA06. Manual do Usuário

Motores I Automação I Energia I Transmissão & Distribuição I Tintas. CANespecial 1 SCA06. Manual do Usuário Motores I Automação I Energia I Transmissão & Distribuição I Tintas CANespecial 1 SCA06 Manual do Usuário Manual do Usuário CANespecial 1 Série: SCA06 Idioma: Português N º do Documento: 10002922105 /

Leia mais

EAP (Extensible Authentication Protocol) RFC 3748

EAP (Extensible Authentication Protocol) RFC 3748 EAP (Extensible Authentication Protocol) RFC 3748 Redes de Comunicação Departamento de Engenharia da Electrónica e Telecomunicações e de Computadores Instituto Superior de Engenharia de Lisboa EAP (Extensible

Leia mais

Curso de especialização em Teleinformática Disciplina Sistemas Distribuídos Prof. Tacla

Curso de especialização em Teleinformática Disciplina Sistemas Distribuídos Prof. Tacla - 1 - - 2 - COMUNICAÇÃO INTER PROCESSOS DISTRIBUÍDOS. - 3 - - 4 - Os sockets UDP e TCP são a interface provida pelos respectivos protocolos. Pode-se dizer que estamos no middleware de sistemas distribuídos

Leia mais

Protocolo CAN Controller Area Network

Protocolo CAN Controller Area Network Universidade Federal do Rio Grande do Norte Programa de Pós-graduação em Engenharia Elétrica Protocolo CAN Controller Area Network Carlo Frederico Campos Danielle Simone Prof. Luiz Affonso Maio / 2005

Leia mais

ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC 17025 ENSAIO. Precision Solutions Precision Soluções em Engenharia e Representações Ltda.

ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC 17025 ENSAIO. Precision Solutions Precision Soluções em Engenharia e Representações Ltda. Norma de Origem: NIT-DICLA-016 Folha: 1 Total de Folhas: 18 RAZÃO SOCIAL/DESIGNAÇÃO DO LABORATÓRIO Precision Solutions Precision Soluções em Engenharia e Representações Ltda. INSTALAÇÃO PERMANENTE NORMA

Leia mais

SISTEMAS DE TELECOMUNICAÇÕES I

SISTEMAS DE TELECOMUNICAÇÕES I FACULDADE DE ENGENHARIA DA UNIVERSIDADE DO PORTO LICENCIATURA EM ENGENHARIA ELECTROTÉCNICA E DE COMPUTADORES SISTEMAS DE TELECOMUNICAÇÕES I 4ºAno Ramo TEC 1999/2000 Trabalho Prático de RDIS Alunos: Filipe

Leia mais

É o resultado da execução do seguinte comando.

É o resultado da execução do seguinte comando. Rotinas RRN 05194 Causa da Ativação da Mensagem É o resultado da execução do seguinte comando. CRN 05454 HANDLE-RESTORE-DATA O informe de resultados também é exibido como um informe não solicitado, se

Leia mais

Asterisk, usando R2/MFC. DigiVoice Tecnologia em Eletrônica Ltda.

Asterisk, usando R2/MFC. DigiVoice Tecnologia em Eletrônica Ltda. Asterisk, usando R2/MFC DigiVoice Tecnologia em Eletrônica Ltda. Por que R2/MFC? Não é uma opção, mas a sinalização predominante para troncos digitais E1 nas centrais telefônicas no Brasil. É uma evolução

Leia mais

Manual de utilização do Terminal de Pagamento Electrónico Virtual

Manual de utilização do Terminal de Pagamento Electrónico Virtual TPEV Manual de utilização do Terminal de Pagamento Electrónico Virtual Versão: 0.2 Data: 19/07/2011 1/12 INDÍCE Página 1. Introdução 1.1. Objecto do documento 3 1.2. Contactos 3 2. Login no Terminal de

Leia mais

A Subcamada MAC. Figura 1 - A Camada MAC

A Subcamada MAC. Figura 1 - A Camada MAC A Subcamada MAC Na arquitetura em camadas do padrão 802.15.4, a subcamada MAC provê uma entre interface entre a subcamada de convergência de serviços (SSCS - Service Specific Convergence Sublayer) e a

Leia mais

APOSTILA SUCOSOFT S4 MARÇO DE 2009

APOSTILA SUCOSOFT S4 MARÇO DE 2009 APOSTILA DO SUCOSOFT S4 MARÇO DE 2009 1 SUCOSOFT S4 O primeiro exercício no CLP PS4-201-MM1 e o de partida de motor trifásico por meio de contator com acionamento por botões liga e desliga e com proteção

Leia mais

Internet Control Message Protocol - ICMP. Rodolfo Riyoei Goya http://rgoya.sites.uol.com.br rgoya@uol.com.br

Internet Control Message Protocol - ICMP. Rodolfo Riyoei Goya http://rgoya.sites.uol.com.br rgoya@uol.com.br Internet Control Message Protocol - ICMP Rodolfo Riyoei Goya http://rgoya.sites.uol.com.br rgoya@uol.com.br Pauta Cabeçalho ICMP Funções do ICMP Bibliografia Stevens, R.W. TCP/IP Illustrated Volume 1 Addison-Wesley

Leia mais

Page 1. VERS - Versão do Protocolo IPv4 = 4. HLEN - Dimensão do Cabeçalho (header) em múltiplos de 32 bits mínimo = 5 (sem opções; 5*32 = 160 bits)

Page 1. VERS - Versão do Protocolo IPv4 = 4. HLEN - Dimensão do Cabeçalho (header) em múltiplos de 32 bits mínimo = 5 (sem opções; 5*32 = 160 bits) INTERNET Colecção de redes e gateways que utiliza o protocolo TCP/, e funciona como uma única rede virtual. - Internet Protocol Providencia - Conectividade Universal - Serviços - connectionless - connection

Leia mais

Criar o diagrama entidade associação do exemplo do hotel no Oracle Designer

Criar o diagrama entidade associação do exemplo do hotel no Oracle Designer Criar o diagrama entidade associação do exemplo do hotel no Oracle Designer 1 escolher o tipo de dados de cada atributo 2 escolher as chaves Gerar as tabelas Correr o "Database Design Transformer" 3 Seleccionar

Leia mais

O protocolo MODBUS define também o tipo diálogo entre os equipamentos, define por exemplo quem pode enviar dados e em que altura.

O protocolo MODBUS define também o tipo diálogo entre os equipamentos, define por exemplo quem pode enviar dados e em que altura. Universidade de Aveiro Departamento de Engenharia Mecânica Informática Industrial 2010/2011 5 PROTOCOLO DE COMUNICAÇÃO MODBUS 5.1 Protocolo de comunicação MODBUS Este protocolo foi proposto em 1979 pela

Leia mais

O que é a ferramenta e-commerce Applications (Pegasus)?

O que é a ferramenta e-commerce Applications (Pegasus)? Guia do Usuário O que é a ferramenta e-commerce Applications (Pegasus)? Submeter novas e atualizadas Shipping Instructions (draft) via On-Line (web site). Com a opção de copiar Shipping Instructions a

Leia mais

Placa Interface E1. Parabéns, você acaba de adquirir um produto com a qualidade e segurança Intelbras.

Placa Interface E1. Parabéns, você acaba de adquirir um produto com a qualidade e segurança Intelbras. MANUAL DO USUÁRIO Placa Interface E1 Parabéns, você acaba de adquirir um produto com a qualidade e segurança Intelbras. A Interface E1 R2/RDSI Impacta é um acessório que poderá ser utilizado nas centrais

Leia mais

Tratamento de erros. Escola Superior de Tecnologia e Gestão Instituto Politécnico de Bragança Abril de 2006

Tratamento de erros. Escola Superior de Tecnologia e Gestão Instituto Politécnico de Bragança Abril de 2006 Redes de Computadores Tratamento de erros Escola Superior de Tecnologia e Gestão Instituto Politécnico de Bragança Abril de 2006 Ligação de dados Conceitos e objectivos Uma ligação física caracteriza-se

Leia mais

CARACTERÍSTICAS GERAIS...

CARACTERÍSTICAS GERAIS... Driver de Comunicação LOPER Driver para comunicação serial com dispositivos LOPER Index 1 INTRODUÇÃO... 2 2 CARACTERÍSTICAS GERAIS... 3 2.1 CARACTERÍSTICAS DO EQUIPAMENTO... 3 2.2 CARACTERÍSTICAS DE LIGAÇÃO...

Leia mais