INVENTÁRIO SEMESTRAL EXTRAORDINÁRIO JULHO DE Introdução

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "INVENTÁRIO SEMESTRAL EXTRAORDINÁRIO JULHO DE 2014. Introdução"

Transcrição

1 SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO SUPERINTENDÊNCIA REGIONAL DE ENSINO DE SÃO JOÃO DEL-REI DIRETORIA ADMINISTRATIVO-FINANCEIRA SETOR DE PATRIMÔNIO INVENTÁRIO SEMESTRAL EXTRAORDINÁRIO JULHO DE 2014 Introdução O controle patrimonial dos bens permanentes do Estado de Minas é realizado por meio do Sistema Integrado de Administração de Material e Serviço SIAD, no entanto, este controle tem se apresentado como um desafio à gestão patrimonial de todos os seus órgãos, inclusive da Secretaria de Estado de Educação de Minas Gerais (SEE/MG). Sobretudo por possuir formas diferenciadas de aquisição e por anteriormente ter sido dada autonomia aos(às) diretores(as) das Escolas Estaduais e Superintendências Regionais de Ensino (SREs) para recebimento e desfazimento de bens, além de uma grande variedade de situações vivenciadas por cada unidade, o cadastramento e a correta identificação dos seus acervos patrimoniais ainda não contemplaram todos os itens existentes, principalmente nas Unidades Escolares. Embora cada Unidade Escolar esteja cadastrada individualmente no SIAD, elas não possuem acesso direto ao sistema, sendo responsáveis as SREs as quais estão vinculadas, para registrar e operacionalizar as alterações patrimoniais no SIAD e também no Sistema Integrado de Administração Financeira SIAFI. Na busca de equalizar a diferença entre a realidade física e o cadastrado no SIAD, a Diretoria de Patrimônio (DPAT) da SEE-MG vem solicitando a contínua conferência dos bens por meio de inventários regulares e a incorporação dos bens ainda não cadastrados no SIAD por meio do envio dos respectivos Termos de Doação (conforme Resolução SEE 1313/2009). A fim de que os níveis de controle possam apresentar aumento de qualidade e eficiência, faz-se necessária a integração de esforços de todos os níveis envolvidos nesta demanda. As Escolas Estaduais, responsáveis pela formação e gestão de seus patrimônios, as SREs, que dentre outras atividades, operacionalizam as movimentações físicas no SIAD, e a DPAT, que promove a incorporação de bens recebidos em doação no sistema, sendo também responsável por orientar e normatizar o controle dos patrimônios vinculados às unidades da SEE-MG. Visando o aperfeiçoamento da gestão patrimonial da SEE/MG a DPAT instituiu nos anos de 2012 e 2013 o Inventário Quadrimestral que tinha, dentre outros objetivos, prover a SRE de informações que possibilitassem efetuar os lançamentos patrimoniais em período mais próximo de seu acontecimento real. Contudo, apesar do empenho das unidades escolares e administrativas, persiste ainda um passivo considerável de bens que foram adquiridos por meio de Termo de Compromissos celebrados com milhares de Caixas Escolares Página 1 de 7

2 e que ainda não foram devidamente cadastros no SIAD, além de bens adquiridos por outros meios, como doações e transferências. Além desse volume de bens que não constam neste sistema oficial de controle, existe grande quantidade de materiais permanente que necessitam de alterações ou correções de seus dados no SIAD, decorrentes de falhas no cadastramento realizado entre os anos de 2008 e Visando minimizar o quantitativo de bens não cadastrados e possibilitar a correção dos itens que possuam inconformidades no SIAD, a DPAT alterou em 2014 a sistemática de inventários periódicos, que ocorrerá semestralmente, possibilitando com essa única etapa prévia de conferência o alcance dos objetivos mencionados. Desse inventário semestral, que ocorrerá nos meses de julho e agosto deste ano, serão levantados dados que darão base a ações que permitam a atualização da carga patrimonial das escolas. Esta atualização ganha importância cada vez maior, sobretudo em decorrência da integração dos sistemas SIAD e SIAFI ocorrida no início de 2014, que operacionalizou todos os lançamentos realizados no SIAD, de forma que eles agora são atualizados automaticamente no SIAFI, aumentando de forma considerável a importância da consistência dos dados lançados. Dito isto, informa-se que na SEE/MG o Inventário Semestral Extraordinário de Julho de 2014 deverá ser realizado tanto no Nível Central, como nas SREs e em suas respectivas Unidades Escolares, em cada um desses níveis havendo especificidades em seu processo de realização. A seguir são descritos detalhadamente o cronograma e procedimentos que deverão ser observados pelos(as) Diretores(as) para que as Escolas Estaduais realizem os seus Inventários da melhor maneira possível e facilitem os fechamentos patrimoniais e contábeis da SRE São João del-rei, e consequentemente da SEE/MG, evitando problemas com os órgão de Auditoria responsáveis. Página 2 de 7

3 Objetivos Sobre o Inventário Semestral Extraordinário Realizar a conferência de todos os materiais permanentes existentes na escola, por meio da confrontação da carga patrimonial cadastrada no SIAD. Promover a retificação de bens permanentes que necessitam de alterações/correções no SIAD, decorrentes de falhas no cadastramento realizado entre os anos de 2008 e Propósitos Atualização da carga patrimonial das Unidades Escolares; Levantamento dos dados que necessitam de correção no SIAD; Prover as escolas do conhecimento dos bens que ainda não foram cadastrados no SIAD, para posterior implantação por meio de processo de incorporação de bem móveis; Facilitar e antecipar atividades patrimoniais, sobretudo para realização de ações, como o diagnóstico de rede física e o inventário de encerramento de exercício. Período: De 07 de julho a 08 de agosto de Ressalta-se que, por força de Decreto específico, todas as unidades da administração devem realizar o inventário físico que compõe a documentação do relatório de encerramento de exercício financeiro, no qual são consideradas duas posições de inventário, sendo a preliminar com data-base de 30 de Novembro e a conclusiva em 31 de Dezembro. Procedimentos Da Montagem da Comissão Inventariante Deverá ser designada pela Direção da Escola, composta por no mínimo três servidores efetivos, sendo pelo menos um deles membro do colegiado. Não há necessidade de publicação da comissão inventariante, sendo recomendado o registro no livro de atas do colegiado. Dos trabalhos Deverão ser inventariados TODOS OS BENS existentes na escola, por meio da confrontação da carga patrimonial cadastrada no SIAD. Informações sobre como acessar as cargas patrimoniais de sua respectiva escola estão disponíveis em: Atentar para o fato de que estas cargas começaram a ser geradas no primeiro semestre de 2014, podendo ter havido modificações.. No site está disponível o Manual de acesso aos arquivos que contém orientações quanto aos procedimentos, passo a passo, que deverão ser realizados para o acesso aos arquivos da escola. Cada escola terá os seguintes arquivos para download: carga patrimonial (em formato excel), e arquivo em pdf com modelos das etiquetas com a numeração patrimonial cadastrada no SIAD. Os bens cadastrados no SIAD que apresentam erros de cadastramento deverão ser informamos em planilha específica para esta tarefa, devendo a mesma ser encaminhada à SRE para que estas enviem tais arquivos de forma consolidada para a DPAT para a realização das futuras correções. Importante: As carteiras e conjuntos de carteiras (mesa e cadeira) de sala de aula ainda não são objetos de implantação patrimonial e controle no SIAD (não precisam de plaquetas). Página 3 de 7

4 Para facilitar o entendimento dos procedimentos do Inventário, fazem-se necessárias as definições de alguns conceitos: 1. Aquisição É fundamental o entendimento de que as escolas estaduais não realizam a compra de material. Assim, os bens integrados à carga patrimonial das escolas são oriundos de transferências ou movimentações internas de outras unidades administrativas da SEE (SRE ou EE), de outros Órgãos da Administração Direta Estadual ou de doações realizadas por entidades estaduais da administração indireta (autarquias e fundações), por outros entes federados (municipais ou federais), por entidades privadas (caixa escolar ou empresas, com ou sem fins lucrativos) ou por pessoas físicas. Reforça-se que de acordo com o Decreto nº /2009, as Caixas Escolares deverão apresentar como requisito para a celebração de Termos de Compromisso a comprovação do cumprimento de seus objetivos estatutários, dentre eles, documento atestando que os bens adquiridos no exercício anterior foram revertidos ao patrimônio do Estado, por meio de processo de Incorporação de Bens Móveis (constituído pelo Termo de Doação e respectivo anexo, conforme Resolução SEE nº 1.313/2009, cópia do Termo de Compromisso, cópia do Plano de Trabalho, cópia das notas fiscais e a Justificativa do Aceite dos bens) elaborado pela Direção das Unidades Escolares. 2. Baixa Como estabelece o Decreto nº /2009, o remanejamento de material entre unidades do mesmo órgão (ex: entre escolas, SRE s) é denominada de movimentação interna. Deve ser registrada, cabendo a unidade que cedeu o bem realizar os ajustes da baixa de sua carga patrimonial que, consequentemente, deverá ser incluída na carga da escola que recebe. Assim, se o bem estiver cadastrado no SIAD, a direção escolar deverá comunicar à Superintendência Regional de Ensino para a operacionalização da movimentação no sistema. Tal ocorrência deverá constar no inventário, após devidamente ajustada no sistema. Outras formas de baixa de material na carga patrimonial das escolas, de acordo com o estabelecido pela Resolução SEPLAG nº 37, de 09/07/10, são: a) ALIENAÇÃO: que é a transferência de direito de propriedade de materiais para qualquer pessoa física ou jurídica, por meio de: o Doação: para municípios ou entidades sem fins lucrativos; o Leilão: quando ocorre a venda dos materiais inservíveis por essa modalidade de licitação. b) BAIXA POR FURTO/ROUBO: quando comprovado, por meio de procedimentos de sindicância devidamente instruídos. É importante salientar que, conforme Decreto nº /2009 e Resolução nº 37, somente poderá ocorrer baixa patrimonial mediante autorização do Dirigente máximo da SEE, após a análise dos processos que demonstrem a motivação e conveniência administrativa para a baixa do bem. Página 4 de 7

5 Da conclusão Como já realizado anteriormente, os dados deverão ser agrupados em formulário de inventário, de acordo com a classificação contábil. Deverão também constar as pendências e divergências existentes em relação à carga patrimonial, sendo relatados os procedimentos adotados para solução das mesmas. Os relatórios deverão ser assinados e enviados a SRE. Visando facilitar a consolidação dos dados por parte das SRE's, as escolas deverão encaminhar cópia eletrônica do inventário para o indicado pela unidade regional. Das ações das SREs À SRE, caberá à cobrança do envio dos formulários pelas escolas, a confrontação com o inventário anterior e a determinação de apuração das divergências. A consolidação dos dados deverá ser encaminhada para a Diretoria de Patrimônio, pelo até a data estabelecida no cronograma de atividades. Não será necessário o envio das cargas patrimoniais das escolas. A SRE deverá informar o nome das escolas que não encaminharam o relatório dentro do prazo estipulado. Ressaltamos que, dentre os propósitos de realização de inventário periódico semestral está em prover as SRE's de informações que possibilitem acompanhar a gestão patrimonial das escolas. Assim, baseado neste levantamento, recomenda-se que as Unidades Regionais indiquem as ações que possam contribuir para o efetivo controle dos materiais permanentes nas unidades de ensino com vistas à adequação à legislação. Cronograma Etapa de Julho/2014 DATAS De 07/07/14 a 31/07/14 A partir de 07/07/14 Até 01/08/14 Até 08/08/14 PROCEDIMENTOS Interrupção das movimentações de bens móveis nas escolas estaduais, sendo vedada, portanto, a transferência ou alienação (leilão) de quaisquer bens móveis. Realização nas escolas estaduais do inventário físico-financeiro com o preenchimento dos relatórios de carga patrimonial com a posição de 31/07/2014. Envio dos arquivos eletrônicos de relatório de consolidação e de correção de bens no SIAD à SRE pelo Observações: No campo Assunto do , preencher da seguinte forma: EE XXX (onde XXX é a sigla da escola) - Inventario Semestral posição Julho/2014 O formato do arquivo será exclusivamente EXCEL (.xls), e não serão aceitos arquivos escaneados ou em qualquer outro formato, como imagem (jpg, png, gif), texto (doc, odt, pdf), etc... O modelo do Relatório de Consolidação e demais arquivos disponibilizados pela DPAT estarão disponíveis na área do Setor de Patrimônio no site da SRE SJDR. Para os elementos-itens da despesa que a escola não possua bens, os respectivos campos devem ser preenchidos com zero. Envio dos seguintes documentos impressos em papel tamanho A4 e assinados: 1 Cópia da ata da reunião do colegiado na qual foi constituída a comissão; 2 Ata de abertura do inventário; 3 Ata encerramento do inventário; 4 Relatório da carga patrimonial da escola com os documentos que comprovem a incorporação ou baixa de bens (termos de doação, guias de transferência, etc); 5 Relatório de consolidação; 6 Relatório de pendências; 7 Listagem de correção de bens implantados no SIAD; 8 Termo de responsabilidade; Página 5 de 7

6 Observações 1 - Apesar das orientações já repassadas aos(às) diretores(as) e corresponsáveis pelo patrimônio das escolas, ainda tem havido inclusões de materiais de consumo nos Inventário de Bens Móveis Permanentes. Para confirmar se o material é permanente ou de consumo, deverá ser consultado o Portal de Compras do Estado de Minas Gerais. 2 A nomenclatura dos bens permanentes deve ser padronizada conforme a lista de materiais do Portal de Compras do Estado de Minas Gerais. Para pesquisar qualquer material por nome deve-se acessar o site https://www1.compras.mg.gov.br/catalogo/consultaitensmateriaiscadastrados.html e, no campo Item de Material pesquisar a Especificação com as palavras, sendo possível selecionar TODAS ou QUALQUER das palavras inseridas. (Ex.: lupa, balança de precisão, globo terrestre, etc...) 3 Foi verificado nos relatórios dos inventários realizados anteriormente que ainda existem incorreções quanto à classificação dos bens quanto ao seu elemento-item, que é o código de agrupamento dos bens segundo suas características e finalidade, conforme a tabela abaixo: Códigos dos elementos-itens de bens permanentes do SIAD Aeronaves e componentes estruturais Máquinas, aparelhos, utensílios e equipamentos de uso administrativo Animais de trabalho, produção e/ou reprodução Material esportivo e recreativo Armamento e equipamento de uso policial Mobiliário Máquinas, aparelhos, utensílios e equipamentos de uso industrial Objetos de arte e antiguidades Embarcações, pontões, diques, flutuantes e componentes estruturais Tratores, similares e implementos Equipamentos de comunicação e telefonia Veículos Equipamentos de informática Coleção e materiais bibliográficos Equipamentos de som, vídeo, fotográfico e cinematográfico Instrumentos musicais e artísticos Equipamentos hospitalares, odontológicos e de laboratório Equipamentos de segurança eletrônica Ferramentas, equipamentos e instrumentos para oficina, medição e inspeção Material didático Instrumentos de laboratório, médicos e odontológicos Outros materiais permanentes Portanto, os relatórios do inventário deverão ser elaborados de forma a seguir fielmente os códigos dos elementos-itens e nomenclatura utilizada no Portal de Compras. 4 Há também nos relatórios dos inventários realizados anteriormente, erros de valor do bem permanente e erro na soma dos valores por elemento-item; esclarecemos que o valor de cada bem é o que consta na nota fiscal de compra, no termo de doação ou na guia de transferência do bem para a escola. 5 No relatório do inventário cada bem permanente deve ser listado individualmente (um por linha), com seu respectivo número de patrimônio, sua especificação correta (sem abreviação), seu estado de conservação e o seu valor unitário. Relembramos que, para os bens que já foram cadastrados pela SEE/MG (ver planilha com a relação dos bens recebida pela escola em março de 2010) os dados não podem ser modificados. Se houver alguma divergência entre o registro na planilha e o bem permanente, deverá ser relatado à parte. Somente carteiras escolares poderão ser listadas pelas quantidades totais conforme constarem nas notas fiscais de compra. 6 No relatório de pendências, deverão ser listados os bens permanentes com as seguintes possíveis pendências: o Bem não localizado Refere-se ao bem pertencente à escola e não encontrado em suas dependências pela comissão de inventário no momento da conferência. o Bem furtado Refere-se ao bem que foi furtado da escola e para o qual ainda não houve a autorização de baixa pela Secretaria de Estado de Educação. Página 6 de 7

7 Como registrar as ocorrências no relatório de pendências: Coluna 1 Coluna 2 Coluna 3 Coluna 4 Coluna 5 Nº Sequência Nº de Patrimônio DESCRIÇÃO DO BEM Descrição da ocorrência Medida adotada para solução Coluna 1 Nº Sequência: Ordenar de forma sequencial os itens das pendências Coluna 2 Nº de Patrimônio: registrar, corretamente, o número de patrimônio que consta na plaqueta ou etiqueta de identificação afixada no bem patrimonial. Se o bem ainda não possuir número de patrimônio, registrar: sem plaqueta (não abreviar). Os bens patrimoniais serão listados sempre individualmente (um em cada linha), independentemente de possuir ou não o número de patrimônio. Coluna 3 Descrição do Bem: registrar a especificação correta do bem patrimonial, sem abreviações e de acordo com a nomenclatura utilizada pela Secretaria de Estado de Educação de Minas Gerais (consultar relação de materiais enviada a todas as escolas em 03/04/2013 e Portal de Compras do Estado de Minas Gerais). Coluna 4 - Descrição da ocorrência: registrar qual é a pendência referente ao bem patrimonial descrito. A ocorrência poderá ser uma das seguintes: o Bem não localizado o Bem furtado Coluna 5 Medida adotada para solução: registrar o procedimento que foi adotado pela escola para resolver a pendência referente ao bem patrimonial. Alguns exemplos de medidas adotadas, conforme o tipo de ocorrência: Descrição da ocorrência Bem não localizado Bem furtado Medida adotada para solução Processo de alienação nº.../20... aguardando autorização para baixa Processo de apuração de furto nº.../20... aguardando autorização para baixa ATENÇÃO! O fato do bem patrimonial não possuir a plaqueta ou etiqueta de identificação não será considerado pendência. Os bens permanentes recebidos do MEC/FNDE deverão ser incluídos na carga patrimonial da escola, com os dados corretos, observando as notas fiscais de recebimento dos mesmos e ao final da descrição, identifica-lo como BEM DO MEC. Setor de Patrimônio Diretoria Administrativo-Financeira SRE São João del-rei Página 7 de 7

GUIA SOBRE RELATÓRIOS DO INVENTÁRIO DE MATERIAL PERMANENTE COM USO COLETOR DE DADOS

GUIA SOBRE RELATÓRIOS DO INVENTÁRIO DE MATERIAL PERMANENTE COM USO COLETOR DE DADOS GUIA SOBRE RELATÓRIOS DO INVENTÁRIO DE MATERIAL PERMANENTE COM USO COLETOR DE DADOS 0 GOVERNO DO ESTADO DE MINAS GERAIS Antônio Augusto Junho Anastasia Governador do Estado de Minas Gerais Renata Maria

Leia mais

SRP Sistema de Controle de Ata de Registro de Preço. Passo a Passo Gestor de Compras

SRP Sistema de Controle de Ata de Registro de Preço. Passo a Passo Gestor de Compras SRP Sistema de Controle de Ata de Registro de Preço Passo a Passo Gestor de Compras Como acessar Como Acessar O acesso ao Sistema se faz através da página da SEPLAG Clicando no Link destacado Como Acessar

Leia mais

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO AGRÁRIO - MDA INSTITUTO NACIONAL DE COLONIZAÇÃO E REFORMA AGRÁRIA - INCRA DIRETORIA DE GESTÃO ADMINISTRATIVA - DA

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO AGRÁRIO - MDA INSTITUTO NACIONAL DE COLONIZAÇÃO E REFORMA AGRÁRIA - INCRA DIRETORIA DE GESTÃO ADMINISTRATIVA - DA MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO AGRÁRIO - MDA INSTITUTO NACIONAL DE COLONIZAÇÃO E REFORMA AGRÁRIA - INCRA DIRETORIA DE GESTÃO ADMINISTRATIVA - DA NORMA DE EXECUÇÃOIDAIN. -11/0 DE 39 DE ~~rt-o Dispõe sobre

Leia mais

ORIENTAÇÕES SOBRE O ACESSO AOS ARQUIVOS DE PATRIMÔNIO E EMISSÃO DE PLAQUETAS

ORIENTAÇÕES SOBRE O ACESSO AOS ARQUIVOS DE PATRIMÔNIO E EMISSÃO DE PLAQUETAS ORIENTAÇÕES SOBRE O ACESSO AOS ARQUIVOS DE PATRIMÔNIO E EMISSÃO DE PLAQUETAS 4ª Edição - Junho de 2014 Orientações sobre o acesso aos arquivos de patrimônio e emissão de plaquetas 4ª Edição Junho/2014

Leia mais

CONTROLE PATRIMONIAL ÍNDICE

CONTROLE PATRIMONIAL ÍNDICE ÍNDICE 00 FOLHA 01 05/98 ASSUNTO FOLHA GENERALIDADES 01 01/02 NORMAS GERAIS 02 01/01 SOLICITAÇÃO DE BENS MÓVEIS 03 01/01 CADASTRAMENTO E TOMBAMENTO DE BENS MÓVEIS 04 01/02 CONTROLE DA MOVIMENTAÇÃO DE BENS

Leia mais

Manual do Usuário - Cliente Externo

Manual do Usuário - Cliente Externo Versão 3.0 SGCL - Sistema de Gestão de Conteúdo Local SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO... 4 1.1. Referências... 4 2. COMO ESTÁ ORGANIZADO O MANUAL... 4 3. FUNCIONALIDADES GERAIS DO SISTEMA... 5 3.1. Acessar a Central

Leia mais

Controladoria Geral do Estado de Alagoas CGE. Guia Prático para Implantação do SERVIÇO DE INFORMAÇÕES AO CIDADÃO SIC (LEI 12.

Controladoria Geral do Estado de Alagoas CGE. Guia Prático para Implantação do SERVIÇO DE INFORMAÇÕES AO CIDADÃO SIC (LEI 12. Controladoria Geral do Estado de Alagoas CGE Guia Prático para Implantação do SERVIÇO DE INFORMAÇÕES AO CIDADÃO SIC (LEI 12.527/2011) 1 CONTROLADORIA GERAL DO ESTADO DE ALAGOAS - CGE Praça Marechal Floriano

Leia mais

Manual de Procedimentos ISGH Gestão de Patrimônio Página 1

Manual de Procedimentos ISGH Gestão de Patrimônio Página 1 Manual de Procedimentos ISGH Gestão de Patrimônio Página 1 ELABORAÇÃO Gracília dos Santos Gonçalves FORMATAÇÃO Silvânia Oliveira Teixeira REVISÃO Cristina Isidio Rodrigues Aguiar Albuquerque DATA Estabelecido

Leia mais

1.2. O acompanhamento de Editais e comunicados referentes a este Processo Seletivo é de responsabilidade exclusiva do candidato.

1.2. O acompanhamento de Editais e comunicados referentes a este Processo Seletivo é de responsabilidade exclusiva do candidato. EDITAL Nº 11/2015, de 28 de abril de 2015 PROCESSO DE SELEÇÃO PARA SERVIDORES PÚBLICOS DE ENSINO PARA INGRESSO NO CURSO TÉCNICO DE NÍVEL MÉDIO SUBSEQUENTE AO ENSINO MÉDIO, DO PROFUNCIONÁRIO CURSOS A DISTÂNCIA

Leia mais

PROJETO BRA/04/029 Seleciona CONSULTOR na modalidade PRODUTO* CÓD. PROFI

PROJETO BRA/04/029 Seleciona CONSULTOR na modalidade PRODUTO* CÓD. PROFI PROJETO BRA/04/029 Seleciona CONSULTOR na modalidade PRODUTO* CÓD. PROFI Os currículos e as fichas de cadastro deverão ser encaminhados para o endereço eletrônico seguranca.cidada@mj.gov.br até o dia 16/03/2014.

Leia mais

MANUAL OPERACIONAL GESTÃO DE PATRIMÔNIO

MANUAL OPERACIONAL GESTÃO DE PATRIMÔNIO MANUAL OPERACIONAL GESTÃO DE PATRIMÔNIO ÍNDICE: CAPÍTULO 01 NORMA E PROCEDIMENTOS 1 - OBJETIVO 03 2 - VISÃO 03 3 - DISPOSIÇÕES GERAIS 03 4 - DEFINIÇÕES 03 5 - CLASSIFICAÇÃO 03 6 - PEDIDO DE MATERIAL PERMANENTE

Leia mais

Acompanhamento e Execução de Projetos

Acompanhamento e Execução de Projetos Acompanhamento e Execução de Projetos Manual do Usuário Atualizado em: 28/11/2013 Página 1/24 Sumário 1. INTRODUÇÃO... 3 2. ABRANGÊNCIA DO SISTEMA... 3 3. DESCRIÇÃO DO SISTEMA... 3 4. COMO ACESSAR O SISTEMA...

Leia mais

ÍNDICE. SPO Módulo de Descentralização de Créditos no SIMEC 2

ÍNDICE. SPO Módulo de Descentralização de Créditos no SIMEC 2 ÍNDICE 1. Visão Geral - Funcionamento do sistema... 3 2. Descrição dos perfis do sistema... 4 3. Operação Novo termo de execução descentralizada... 5 a. Cadastramento do termo no sistema pela Unidade Técnica...

Leia mais

EDITAL DE CREDENCIAMENTO SELEÇÃO DE MÚSICAS

EDITAL DE CREDENCIAMENTO SELEÇÃO DE MÚSICAS EDITAL DE CREDENCIAMENTO SELEÇÃO DE MÚSICAS OBJETO: SELEÇÃO E CREDENCIAMENTO DE PROPOSTAS DE MÚSICAS PARA O PROJETO FEMUCIC ANO 36 MOSTRA DE MÚSICA CIDADE CANÇÃO- DO SESC MARINGÁ O SERVIÇO SOCIAL DO COMÉRCIO

Leia mais

Gestão de Suprimento de Fundos

Gestão de Suprimento de Fundos Suporte Institucional MANUAL DE NORMAS E PROCEDIMENTOS Gestão de Suprimento de Fundos Esta edição do Manual foi atualizada até 26/06/2014. Ministério Público Federal Procuradoria da República do Rio Grande

Leia mais

PROCEDIMENTOS DE COMPRAS

PROCEDIMENTOS DE COMPRAS PROCEDIMENTOS DE COMPRAS Estas instruções têm como objetivo a padronização dos procedimentos para a realização das compras de materiais de consumo, bens permanentes e prestações de serviços necessários

Leia mais

2015 GVDASA Sistemas Patrimônio 1

2015 GVDASA Sistemas Patrimônio 1 2015 GVDASA Sistemas Patrimônio 1 2015 GVDASA Sistemas Patrimônio 2 AVISO O conteúdo deste documento é de propriedade intelectual exclusiva da GVDASA Sistemas e está sujeito a alterações sem aviso prévio.

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO DO PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA

SISTEMA DE GESTÃO DO PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA SISTEMA DE GESTÃO DO PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA GUIA DE NAVEGAÇÃO APLICATIVO DE SOLICITAÇÃO DE FORMULÁRIOS (SASF) USUÁRIOS MUNICIPAIS VERSÃO 1.1 BRASÍLIA DF Agosto/2015 2011 Ministério do Desenvolvimento Social

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO RELATÓRIO DE AUDITORIA ANUAL DE CONTAS TIPO DE AUDITORIA : AUDITORIA DE GESTÃO EXERCÍCIO : 2008 PROCESSO Nº

Leia mais

EDITAL Nº 05/2015 PROGRAMA DE INCENTIVO DE QUALIFICAÇÃO DOCENTE EM NÍVEL DE PÓS - GRADUAÇÃO STRICTO SENSU

EDITAL Nº 05/2015 PROGRAMA DE INCENTIVO DE QUALIFICAÇÃO DOCENTE EM NÍVEL DE PÓS - GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EDITAL Nº 05/2015 PROGRAMA DE INCENTIVO DE QUALIFICAÇÃO DOCENTE EM NÍVEL DE PÓS - GRADUAÇÃO STRICTO SENSU A Coordenação de Pesquisa e Extensão - COPEX torna público, no âmbito interno da Faculdade Leão

Leia mais

TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO SISTEMA INTEGRADO DE GESTÃO FISCAL MÓDULO DELIBERAÇÃO 260/13 MANUAL DE UTILIZAÇÃO PARTE I - INTRODUÇÃO

TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO SISTEMA INTEGRADO DE GESTÃO FISCAL MÓDULO DELIBERAÇÃO 260/13 MANUAL DE UTILIZAÇÃO PARTE I - INTRODUÇÃO TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO SISTEMA INTEGRADO DE GESTÃO FISCAL MÓDULO DELIBERAÇÃO 260/13 MANUAL DE UTILIZAÇÃO PARTE I - INTRODUÇÃO VERSÃO 2014 Junho de 2014 SIGFIS-Sistema Integrado

Leia mais

Portal dos Convênios SICONV

Portal dos Convênios SICONV MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO ORÇAMENTO E GESTÃO SECRETARIA DE LOGÍSTICA E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO DEPARTAMENTO DE LOGÍSTICA E SERVIÇOS GERAIS Portal dos Convênios SICONV Execução Processo de Compra, Contrato,

Leia mais

Sistema de Desenvolvimento Institucional PO - Procedimento Operacional

Sistema de Desenvolvimento Institucional PO - Procedimento Operacional Unidade Universidade Federal da Bahia Pró-Reitoria de Administração Sistema de Desenvolvimento Institucional PO - Procedimento Operacional Processo PO/PROAD/CMP/ 1 de 10 Glossário de Termos e Siglas AGU

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA N 001/2013

INSTRUÇÃO NORMATIVA N 001/2013 1 INSTRUÇÃO NORMATIVA N 001/2013 "Estabelece normas de controle para o Patrimônio do Poder Executivo Municipal." A Unidade Central de Controle Interno, no uso de suas atribuições, conforme determina o

Leia mais

CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES DECRETO Nº 45.463, de 30 de agosto de 2010 Dispõe sobre a política de aquisição e locação de bens e contratação de serviços da Família Frota de Veículos, cria o Comitê Executivo de Gestão Estratégica de

Leia mais

CHAMADA PARA O PROCESSO DE INSCRIÇÃO 2014/2015 DO PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA E TECNOLÓGICA DA FUNCAP

CHAMADA PARA O PROCESSO DE INSCRIÇÃO 2014/2015 DO PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA E TECNOLÓGICA DA FUNCAP CHAMADA PARA O PROCESSO DE INSCRIÇÃO 2014/2015 DO PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA E TECNOLÓGICA DA FUNCAP CHAMADA Nº. 13/2013 DETALHAMENTO GERAL INTRODUÇÃO A (FUNCAP), vinculada

Leia mais

Universidade Federal de Itajubá - Unifei Campus de Itabira

Universidade Federal de Itajubá - Unifei Campus de Itabira Revisão: 001 Página 1 de 11 Dispõe sobre: diretrizes, responsabilidades e procedimentos para registro, encaminhamento, devolução e formas de desfazimento de objetos perdidos e/ou achados em área da Universidade

Leia mais

PERGUNTAS MAIS FREQUENTES DA GESTÃO DO TRABALHO FRENQUENTLY ANSWER QUESTIONS (FAQ S) ATIVIDADES PARA FORMAÇÃO

PERGUNTAS MAIS FREQUENTES DA GESTÃO DO TRABALHO FRENQUENTLY ANSWER QUESTIONS (FAQ S) ATIVIDADES PARA FORMAÇÃO PERGUNTAS MAIS FREQUENTES DA GESTÃO DO TRABALHO FRENQUENTLY ANSWER QUESTIONS (FAQ S) ATIVIDADES PARA FORMAÇÃO 1 FORMAÇÃO 1.1 O que é formação? Todas atividades relacionadas ao processo de educação, que

Leia mais

Aquisição. Manual APC

Aquisição. Manual APC Sumário 1. ORÇAMENTO... 1 1.1 CADASTRO DAS VERBAS...3 1.2 UNIDADE ORGANIZACIONAL...4 1.1.1 Orçamento...6 2. SUGESTÕES DE COMPRA... 1 1.3 ITENS...3 2.1.1 VISUALIZAÇÃO...7 1.4 CONSULTA GERAL E GERAÇÃO DE

Leia mais

Manual de utilização

Manual de utilização Manual de utilização 1 Índice Calendário... 3 Usuários... 4 Contato... 5 Alterar... 5 Excluir... 5 Incluir... 5 Feriados... 9 Nacionais... 9 Regionais... 9 Manutenção... 9 Obrigações... 9 Obrigações Legais...

Leia mais

INCLUSÃO DO PROCESSO IMPORTAR TABELA IBPT :

INCLUSÃO DO PROCESSO IMPORTAR TABELA IBPT : INCLUSÃO DO PROCESSO IMPORTAR TABELA IBPT : Importar tabela IBPT Através desta tela você pode importar a tabela Ibptax, fornecida pelo instituto brasileiro de planejamento tributário (IBPT). Esta tabela

Leia mais

SIGA Manual -1ª - Edição

SIGA Manual -1ª - Edição SIGA Manual -1ª - Edição ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO 4 2. MÓDULO DE PROCESSOS 4 3. ACESSO AO SISTEMA 4 3.1 Acessando o Sistema 4 3.2 Primeiro Acesso 5 3.3 Login do Fornecedor 5 o Teclado Virtual 5 o Máquina Virtual

Leia mais

PROCEDIMENTOS PARA GESTÃO DO PATRIMÔNIO MÓVEL DO INSTITUTO FEDERAL DE ALAGOAS

PROCEDIMENTOS PARA GESTÃO DO PATRIMÔNIO MÓVEL DO INSTITUTO FEDERAL DE ALAGOAS MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE ALAGOAS REITORIA ANEXO À PORTARIA 137/GR, DE 21 DE JANEIRO DE 2016. PROCEDIMENTOS PARA GESTÃO DO PATRIMÔNIO

Leia mais

Nota Fiscal Cidadã Manual do Registro de Reclamações

Nota Fiscal Cidadã Manual do Registro de Reclamações Nota Fiscal Cidadã Manual do Registro de Reclamações Versão 6 Objetivo do Manual Orientar sobre os procedimentos necessários para comunicação à SEFA da ocorrência de infrações à legislação do Programa

Leia mais

Guia SPED. Sumário. Guia SPED. Introdução ... 4. Copyright 2014 MV. Todos os direitos reservados.

Guia SPED. Sumário. Guia SPED. Introdução ... 4. Copyright 2014 MV. Todos os direitos reservados. Sumário Introdução 3... 4 Programa validador e assinador do EFD-PIS/COFINS... 5 Configuração do... MV2000 8 Geração do arquivo digital em.txt... 12 2 3 Introdução Este guia tem por objetivo auxiliar na

Leia mais

Considerando a necessidade de promover o efetivo acompanhamento dos contratos de materiais e serviços no âmbito da Administração Pública Estadual;

Considerando a necessidade de promover o efetivo acompanhamento dos contratos de materiais e serviços no âmbito da Administração Pública Estadual; INSTRUÇÃO NORMATIVA nº 02/SEA - de 25/03/2013 Orienta quanto à utilização do Módulo de Gerenciamento de Contratos do Sistema Integrado de Planejamento e Gestão Fiscal do Estado de Santa Catarina SIGEF

Leia mais

CONSELHO MUNICIPAL DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE COMISSÃO DE AVALIAÇÃO E MONITORAMENTO DE PROJETOS DO FMDCA EDITAL N 02/2014

CONSELHO MUNICIPAL DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE COMISSÃO DE AVALIAÇÃO E MONITORAMENTO DE PROJETOS DO FMDCA EDITAL N 02/2014 CONSELHO MUNICIPAL DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE COMISSÃO DE AVALIAÇÃO E MONITORAMENTO DE PROJETOS DO FMDCA EDITAL N 02/2014 EDITAL DE SELEÇÃO PÚBLICA DE PROJETOS PARA FINANCIAMENTO COM RECURSOS

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO MARANHÃO FUNDAÇÃO DE AMPARO À PESQUISA E AO DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO DO MARANHÃO PROGRAMA MARANHÃO MAIS MÚSICA

GOVERNO DO ESTADO DO MARANHÃO FUNDAÇÃO DE AMPARO À PESQUISA E AO DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO DO MARANHÃO PROGRAMA MARANHÃO MAIS MÚSICA GOVERNO DO ESTADO DO MARANHÃO FUNDAÇÃO DE AMPARO À PESQUISA E AO DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO DO MARANHÃO PROGRAMA MARANHÃO MAIS MÚSICA EDITAL FAPEMA Nº 43/2013 MÚSICA PRORROGAÇÃO Atividades Datas Data

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO CONSELHO DELIBERATIVO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO CONSELHO DELIBERATIVO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO CONSELHO DELIBERATIVO RESOLUÇÃO/ FNDE/CD/ Nº 044, DE 29 DE DEZEMBRO DE 2006. FUNDAMENTAÇÃO LEGAL: Constituição Federal de 1988 artigos

Leia mais

Execução de Despesa. DNT/SSSCI/SF Abril 2013

Execução de Despesa. DNT/SSSCI/SF Abril 2013 DNT/SSSCI/SF Abril 2013 Realização Secretaria da Fazenda Subsecretaria do Sistema de Controle Interno Departamento de Normas Técnicas Apresentação David Fabri Monique Junqueira Ferraz Zanella INTRODUÇÃO

Leia mais

REGISTRO ELETRÔNICO DE PRODUTOS MANUAL DE UTILIZAÇÃO

REGISTRO ELETRÔNICO DE PRODUTOS MANUAL DE UTILIZAÇÃO Ministério da Fazenda SUPERINTENDÊNCIA DE SEGUROS PRIVADOS REGISTRO ELETRÔNICO DE PRODUTOS MANUAL DE UTILIZAÇÃO Versão 01/08/2016 Coordenação Geral de Produtos CGPRO/DIRAT SUMÁRIO COORDENAÇÃO GERAL DE

Leia mais

MANUAL DO USUÁRIO PORTAL DO PROFESSOR

MANUAL DO USUÁRIO PORTAL DO PROFESSOR MANUAL DO USUÁRIO PORTAL DO PROFESSOR ACESSANDO O PORTAL DO PROFESSOR Para acessar o portal do professor, acesse o endereço que você recebeu através da instituição de ensino ou acesse diretamente o endereço:

Leia mais

BIBLIOTECA UEZO REGULAMENTO CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

BIBLIOTECA UEZO REGULAMENTO CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES REGULAMENTO CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º Este documento tem por finalidade formalizar e instituir as normas de utilização da biblioteca, no que tange aos produtos e serviços oferecidos pela

Leia mais

EDITAL DE SELEÇÃO DE PROPOSTAS DE ARTES VISUAIS PARA REALIZAÇÃO DE EXPOSIÇÕES NO CENTRO CULTURAL BOULEVARD LONDRINA SHOPPING

EDITAL DE SELEÇÃO DE PROPOSTAS DE ARTES VISUAIS PARA REALIZAÇÃO DE EXPOSIÇÕES NO CENTRO CULTURAL BOULEVARD LONDRINA SHOPPING 1 EDITAL DE SELEÇÃO DE PROPOSTAS DE ARTES VISUAIS PARA REALIZAÇÃO DE EXPOSIÇÕES NO CENTRO CULTURAL BOULEVARD LONDRINA SHOPPING Regulamento editado pelo Boulevard Londrina Shopping, inscrito sob CNPJ 09.191.802/0002-81,

Leia mais

PROJETO GESTÃO DE ESTOQUES. Frente Almoxarifado

PROJETO GESTÃO DE ESTOQUES. Frente Almoxarifado PROJETO GESTÃO DE ESTOQUES Frente Almoxarifado Belo Horizonte, setembro de 2011 Agenda Projeto Gestão de Estoques Cartilhas Agendamento de Recebimentos e de Expedições Recebimento Armazenagem Carregamento

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO CONSELHO DELIBERATIVO RESOLUÇÃO Nº 42 DE 28 DE AGOSTO DE 2012

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO CONSELHO DELIBERATIVO RESOLUÇÃO Nº 42 DE 28 DE AGOSTO DE 2012 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO CONSELHO DELIBERATIVO RESOLUÇÃO Nº 42 DE 28 DE AGOSTO DE 2012 FUNDAMENTAÇÃO LEGAL: Constituição Federal artigos 205, 206, 208, 211 e

Leia mais

Conselho Federal de Contabilidade Vice-presidência de Controle Interno INSTRUÇÃO DE TRABALHO INT/VPCI Nº 008/2013

Conselho Federal de Contabilidade Vice-presidência de Controle Interno INSTRUÇÃO DE TRABALHO INT/VPCI Nº 008/2013 Conselho Federal de Contabilidade Vice-presidência de Controle Interno INSTRUÇÃO DE TRABALHO INT/VPCI Nº 008/2013 Brasília-DF Dezembro/2013 INSTRUÇÃO DE TRABALHO INT/VPCI Nº 008/2013 Assunto: Orientação

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DA FAZENDA DIRETORIA DE ADMINISTRAÇÃO TRIBUTÁRIA - DIAT GERÊNCIA DE SISTEMAS E INFORMAÇÕES TRIBUTÁRIAS - GESIT

SECRETARIA DE ESTADO DA FAZENDA DIRETORIA DE ADMINISTRAÇÃO TRIBUTÁRIA - DIAT GERÊNCIA DE SISTEMAS E INFORMAÇÕES TRIBUTÁRIAS - GESIT SECRETARIA DE ESTADO DA FAZENDA DIRETORIA DE ADMINISTRAÇÃO TRIBUTÁRIA - DIAT GERÊNCIA DE SISTEMAS E INFORMAÇÕES TRIBUTÁRIAS - GESIT Atualizado em 03/04/14 MANUAL DOS APLICATIVOS: SUBSTITUIÇÃO TRIBUTÁRIA

Leia mais

CALEDÁRIO ESCOLAR. Página 1 de 24

CALEDÁRIO ESCOLAR. Página 1 de 24 Página 1 de 24 SISTEMA DE CALENDÁRIO ESCOLAR O Sistema de Calendário Escolar é a primeira etapa de uma grande evolução que ocorrerá nos sistemas de informatização da Secretaria de Estado da Educação. As

Leia mais

Manual Espelho de NF para Materiais

Manual Espelho de NF para Materiais Manual Espelho de NF para Materiais Índice 1 Objetivo... 3 2 O Projeto e-suprir... 3 3 Introdução... 3 4 Informações Básicas... 4 4.1 Painel de Controle Vendas... 4 5 Acessando o Pedido... 5 5.1 Lista

Leia mais

Programa de Fortalecimento das Cadeias e Arranjos Produtivos Locais - APLs

Programa de Fortalecimento das Cadeias e Arranjos Produtivos Locais - APLs Programa de Fortalecimento das Cadeias e Arranjos Produtivos Locais - APLs Realização de Convênios Convênios São acordos firmados por entidades públicas, ou entre estas e organizações particulares para

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PROCESSO Nº 0541.000060/2014-00. Página 1 de 11

TERMO DE REFERÊNCIA PROCESSO Nº 0541.000060/2014-00. Página 1 de 11 TERMO DE REFERÊNCIA PROCESSO Nº 0541.000060/2014-00 Página 1 de 11 1. DO OBJETO Contratação de desenvolvimento de aplicativo mobile de auditoria interna patrimonial. 1.1. Modalidade de Aquisição: Contratação

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO PATRIMONIAL SIGEP MANUAL

SISTEMA DE GESTÃO PATRIMONIAL SIGEP MANUAL SISTEMA DE GESTÃO PATRIMONIAL SIGEP MANUAL 1. Introdução O DECRETO Nº 2.807, de 9 de dezembro de 2009 estabelece a implantação, no âmbito dos órgãos da Administração Pública Estadual Direta, inclusive

Leia mais

Edital FAPERJ n.º 17/2010 Parceria CAPES/FAPERJ PROGRAMA EQUIPAMENTO SOLIDÁRIO CAPES/FAPERJ 2010

Edital FAPERJ n.º 17/2010 Parceria CAPES/FAPERJ PROGRAMA EQUIPAMENTO SOLIDÁRIO CAPES/FAPERJ 2010 Edital n.º 17/2010 Parceria / PROGRAMA EQUIPAMENTO SOLIDÁRIO / 2010 O Ministério da Educação, por meio da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior, e o Governo do Estado do Rio de Janeiro,

Leia mais

Câmara Municipal dos Barreiros

Câmara Municipal dos Barreiros Barreiros, 30 de Abril de 2010 SISTEMA DE CONTROLE INTERNO Ofício nº 006/2010 SCI EXMO. SR. JOSÉ GERALDO DE SOUZA LEÃO M.D. Presidente da Câmara de Vereadores dos Barreiros NESTA O Coordenador do Sistema

Leia mais

Universidade Federal de Santa Maria Empresa Brasileira de Serviços Hospitalares Hospital Universitário de Santa Maria

Universidade Federal de Santa Maria Empresa Brasileira de Serviços Hospitalares Hospital Universitário de Santa Maria Universidade Federal de Santa Maria Empresa Brasileira de Serviços Hospitalares Hospital Universitário de Santa Maria Norma Geral de Funcionamento da UNIDADE DE PATRIMÔNIO COLEGIADO EXECUTIVO EBSERH/HUSM

Leia mais

EDITAL DE CHAMADA PÚBLICA Nº 02/2012 SNBP-FBN X ENTIDADES PÚBLICAS E PRIVADAS SEM FINS LUCRATIVOS

EDITAL DE CHAMADA PÚBLICA Nº 02/2012 SNBP-FBN X ENTIDADES PÚBLICAS E PRIVADAS SEM FINS LUCRATIVOS EDITAL DE CHAMADA PÚBLICA Nº 02/2012 SNBP-FBN X ENTIDADES PÚBLICAS E PRIVADAS SEM FINS LUCRATIVOS SELEÇÃO PÚBLICA DE PROPOSTA PARA PROJETO DE APOIO A INSTALAÇÃO DE BIBLIOTECAS PÚBLICAS NO BRASIL REFERENTE

Leia mais

GESTÃO DE ESTOQUES Volume 5

GESTÃO DE ESTOQUES Volume 5 GESTÃO DE ESTOQUES Volume 5 INVENTÁRIO 1 GOVERNO DO ESTADO DE MINAS GERAIS Antonio Augusto Junho Anastasia Governador do Estado de Minas Gerais Renata Maria Paes de Vilhena Secretária de Estado de Planejamento

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS MPR/SGP-500-R00 ARQUIVAMENTO DE PROCESSOS NA SGP

MANUAL DE PROCEDIMENTOS MPR/SGP-500-R00 ARQUIVAMENTO DE PROCESSOS NA SGP MANUAL DE PROCEDIMENTOS MPR/SGP-500-R00 ARQUIVAMENTO DE PROCESSOS NA SGP 02/2016 PÁGINA INTENCIONALMENTE EM BRANCO 2 03 de fevereiro de 2016. Aprovado, Carolina dos Santos Costa 3 PÁGINA INTENCIONALMENTE

Leia mais

Cartilha do SIMBA para as Instituições Financeiras

Cartilha do SIMBA para as Instituições Financeiras Considerando que o Lavagem de Dinheiro - tem como responsabilidade, dentre outras, realizar o processamento e a análise dos dados obtidos por meio de decisão judicial ou por intermédio de banco de dados

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS MPR/ASCOM-004-R00 PLANEJAMENTO, ORGANIZAÇÃO E EXECUÇÃO DE EVENTOS

MANUAL DE PROCEDIMENTOS MPR/ASCOM-004-R00 PLANEJAMENTO, ORGANIZAÇÃO E EXECUÇÃO DE EVENTOS MANUAL DE PROCEDIMENTOS MPR/ASCOM-004-R00 PLANEJAMENTO, ORGANIZAÇÃO E EXECUÇÃO DE EVENTOS 09/2015 PÁGINA INTENCIONALMENTE EM BRANCO 2 30 de setembro de 2015. Aprovado, Gabriela de Souza Leal 3 PÁGINA INTENCIONALMENTE

Leia mais

Processo de Compras GENS

Processo de Compras GENS Processo de Compras GENS Manual do Colaborador Versão 2.0 ÍNDICE 1. APRESENTAÇÃO... 3 1.1 Objetivos... 3 1.1.1 Objetivo da definição do Processo de Compras... 3 1.1.2 Objetivo deste Manual... 3 2. PROCESSO

Leia mais

Manual Operacional do Assessor Jurídico

Manual Operacional do Assessor Jurídico Manual Operacional do Assessor Jurídico SISTEMA INTEGRADO DE ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS E SERVIÇOS - MÓDULO COMPRAS - EMISSÃO DE PARECER JURÍDICO PARA PROCESSOS DE COMPRA COM EDITAL OU DE DISPENSA DE LICITAÇÃO

Leia mais

Sistema de Desenvolvimento Institucional PO - Procedimento Operacional

Sistema de Desenvolvimento Institucional PO - Procedimento Operacional Unidade Universidade Federal da Bahia Pró-Reitoria de Administração Sistema de Desenvolvimento Institucional PO - Procedimento Operacional Processo Preço 1 de 5 Glossário de Termos: AGU Advocacia Geral

Leia mais

Novas formas de trabalhar estão se desenvolvendo a partir do uso das. Lotacional, com o propósito de facilitar o controle mediante a

Novas formas de trabalhar estão se desenvolvendo a partir do uso das. Lotacional, com o propósito de facilitar o controle mediante a Apresentação Novas formas de trabalhar estão se desenvolvendo a partir do uso das tecnologias de comunicação. A Diretoria de Material e Patrimônio vem disponibilizar o Manual de Gestão Patrimonial para

Leia mais

EDITAL Nº 04/2014 PAPEC - PROGRAMA DE APOIO À PROMOÇÃO DE EVENTOS CULTURAIS E CURSOS 2014

EDITAL Nº 04/2014 PAPEC - PROGRAMA DE APOIO À PROMOÇÃO DE EVENTOS CULTURAIS E CURSOS 2014 EDITAL Nº 04/2014 PAPEC - PROGRAMA DE APOIO À PROMOÇÃO DE EVENTOS CULTURAIS E CURSOS 2014 1. DISPOSIÇÕES GERAIS A Pró-Reitoria de Extensão e Cultura PROEXT, da Universidade Federal do Pampa - UNIPAMPA

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 1.061, DE 10 DE NOVEMBRO DE 2009

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 1.061, DE 10 DE NOVEMBRO DE 2009 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 1.061, DE 10 DE NOVEMBRO DE 2009 Dispõe sobre a instituição do Prêmio Experiências Educacionais Inclusivas - A escola aprendendo com as diferenças,

Leia mais

Guia Prático da Escrituração Fiscal DIgital - EFD Infrmações Gerais sobre a EFD

Guia Prático da Escrituração Fiscal DIgital - EFD Infrmações Gerais sobre a EFD Guia Prático da Escrituração Fiscal DIgital - EFD Infrmações Gerais sobre a EFD Sumário: 1. INFORMAÇÕES GERAIS SOBRE A EFD 1. 1 APRESENTAÇÃO 1. 2 LEGISLAÇÃO 1. 3 DA APRESENTAÇÃO DO ARQUIVO DA EFD 1. 4

Leia mais

Edital. Ações para o desenvolvimento integral na Primeira Infância

Edital. Ações para o desenvolvimento integral na Primeira Infância Edital Ações para o desenvolvimento integral na Primeira Infância 1. OBJETIVO 1.1. Este edital tem o objetivo de apoiar financeiramente projetos de extensão universitária voltados a ações para o desenvolvimento

Leia mais

Conta Centralizadora das Bandeiras Tarifárias. Título: PO CCB-01 Operacionalização da Conta Bandeiras. Tipo do documento: Procedimento.

Conta Centralizadora das Bandeiras Tarifárias. Título: PO CCB-01 Operacionalização da Conta Bandeiras. Tipo do documento: Procedimento. Conta Centralizadora das Bandeiras Tarifárias Título: PO CCB-01 Operacionalização da Conta Bandeiras Tipo do documento: Procedimento Número: 01 Versão: 01 Classificação do documento: Público Vigência:

Leia mais

Ajuda On-line - Sistema de Central de Materiais Esterilizados. Versão 1.0

Ajuda On-line - Sistema de Central de Materiais Esterilizados. Versão 1.0 Ajuda On-line - Sistema de Central de Materiais Esterilizados Versão 1.0 Sumário Central de Materiais Esterilizados 3 1 Manual... de Processos - Central de Materiais Esterilizados 4 Fluxos do... Processo

Leia mais

OBRIGATORIEDADE DA EXIGÊNCIA DA CERTIDÃO NEGATIVA DE DÉBITOS TRABALHISTAS NAS LICITAÇÕES

OBRIGATORIEDADE DA EXIGÊNCIA DA CERTIDÃO NEGATIVA DE DÉBITOS TRABALHISTAS NAS LICITAÇÕES OBRIGATORIEDADE DA EXIGÊNCIA DA CERTIDÃO NEGATIVA DE DÉBITOS TRABALHISTAS NAS LICITAÇÕES A Lei 8.666/93 foi alterada em 11 de julho de 2011 (artigos 27 e 29), pela Lei 12.440, sendo implementada a exigência

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 019/2014

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 019/2014 Salvador, Bahia Sexta-Feira 21 de novembro de 2014 Ano XCIX N o 21.577 INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 019/2014 Orienta os órgãos e entidades da Administração Pública do Poder Executivo Estadual, sobre a realização

Leia mais

GUIA DO COORDENADOR DE PROJETOS

GUIA DO COORDENADOR DE PROJETOS GUIA DO COORDENADOR DE PROJETOS Sumário 1. Introdução... 2 2. Início Portal Coordenador... 2 2.1. Novos Pedidos... 2 2.2. Pendências... 3 2.3. Menu... 4 2.4. Sair... 4 3. Saldo de Projetos... 5 4. Extrato

Leia mais

Art. 2º. Fazer publicar esta Portaria em Boletim de Serviço, revogando-se a Portaria 577/05-R, de 05 de dezembro de 2005.

Art. 2º. Fazer publicar esta Portaria em Boletim de Serviço, revogando-se a Portaria 577/05-R, de 05 de dezembro de 2005. PORTARIA 328/R-06 DE 22 DE JUNHO DE 2006. O REITOR DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE, no uso da competência que lhe foi atribuída pelo artigo 39, inciso XX, do Regimento Geral da UFRN; CONSIDERANDO

Leia mais

Manual do Sistema de Almoxarifado P á g i n a 2. Manual do Sistema de Almoxarifado Geral. Núcleo de Tecnologia da Informação

Manual do Sistema de Almoxarifado P á g i n a 2. Manual do Sistema de Almoxarifado Geral. Núcleo de Tecnologia da Informação Divisão de Almoxarifado DIAX/CGM/PRAD Manual do Sistema de Almoxarifado Geral Versão On-Line Núcleo de Tecnologia da Informação Universidade Federal de Mato Grosso do Sul Manual do Sistema de Almoxarifado

Leia mais

www.fundep.br/programacaptar, juntamente com este regulamento.

www.fundep.br/programacaptar, juntamente com este regulamento. PROGRAMA DE CAPTAÇÃO DE RECURSOS FUNDEP REGULAMENTO PARA CADASTRAMENTO DE PROJETOS UFMG A Fundep//Gerência de Articulação de Parcerias convida a comunidade acadêmica da UFMG a cadastrar propostas de acordo

Leia mais

CHAMADA PÚBLICA MCT/FINEP CT-INFO- 01/2006 SELEÇÃO PÚBLICA DE PROPOSTAS DE PROJETOS INOVADORES EM SOFTWARE

CHAMADA PÚBLICA MCT/FINEP CT-INFO- 01/2006 SELEÇÃO PÚBLICA DE PROPOSTAS DE PROJETOS INOVADORES EM SOFTWARE CHAMADA PÚBLICA MCT/FINEP CT-INFO- 01/2006 SELEÇÃO PÚBLICA DE PROPOSTAS DE PROJETOS INOVADORES EM SOFTWARE 1. OBJETIVO O MINISTÉRIO DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA MCT, por intermédio da Financiadora de Estudos

Leia mais

PORTARIA INTERMINISTERIAL Nº 1, DE 25 DE JULHO DE 2012

PORTARIA INTERMINISTERIAL Nº 1, DE 25 DE JULHO DE 2012 MINISTÉRIO DA INTEGRAÇÃO NACIONAL GABINETE DO MINISTRO PORTARIA INTERMINISTERIAL Nº 1, DE 25 DE JULHO DE 2012 MINISTÉRIO DA INTEGRAÇÃO NACIONAL GABINETE DO MINISTRO DOU de 26/07/2012 (nº 144, Seção 1,

Leia mais

Regulamento Projeto interdisciplinar

Regulamento Projeto interdisciplinar Regulamento Projeto interdisciplinar 1 Apresentação O presente manual tem como objetivo orientar as atividades relativas à elaboração do Projeto Interdisciplinar (PI). O PI é o estudo sobre um tema específico

Leia mais

Minuta de Termo de Referência

Minuta de Termo de Referência Minuta de Termo de Referência Contratação de serviço para elaboração do mapeamento, análise, propostas e implantação de melhorias nos processos de trabalho da Coordenadoria Geral de Licenciamento Ambiental

Leia mais

MANUAL DE ORIENTAÇÃO SISTEMA CCA

MANUAL DE ORIENTAÇÃO SISTEMA CCA MANUAL DE ORIENTAÇÃO SISTEMA CCA Versão.0 Sistema de Controle de Concessão de Adiantamentos Sumário O Sistema CCA ----------------------------------------------------- 3 Iniciando a operacionalização do

Leia mais

Agência Nacional de Energia Elétrica ANEEL. Procedimentos do Programa de Eficiência Energética PROPEE

Agência Nacional de Energia Elétrica ANEEL. Procedimentos do Programa de Eficiência Energética PROPEE Agência Nacional de Energia Elétrica ANEEL Procedimentos do Programa de Eficiência Energética PROPEE Módulo 10 Controle e Fiscalização Revisão Motivo da Revisão 1 Correções e aperfeiçoamentos Instrumento

Leia mais

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE MATO GROSSO

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE MATO GROSSO DO ESTADO DE MATO GROSSO INSTRUÇÃO NORMATIVA SPA Nº 03/2011 Versão: 01 Publicação: DJE nº de / /2012 Unidade Responsável: Departamento de Material e Patrimônio - DMP I FINALIDADE Dispor sobre os procedimentos

Leia mais

Manual do Fornecedor/cedente (MPE) Balcão Financeiro

Manual do Fornecedor/cedente (MPE) Balcão Financeiro Manual do Fornecedor/cedente (MPE) Balcão Financeiro Painel de recebíveis e Painel de linhas de crédito Versão 1.0 1 As informações contidas neste documento, incluindo quaisquer URLs e outras possíveis

Leia mais

Portal de Chamados Softplan Guia prático para abertura de Chamados Perfil 2

Portal de Chamados Softplan Guia prático para abertura de Chamados Perfil 2 Portal de Chamados Softplan Guia prático para abertura de Chamados Perfil 2 Descrição: Guia prático para abertura Responsável: Jailson Martins Revisão: 1.0.1 de Chamados Detalhes: Detalhamento dos passos

Leia mais

NOTA DE AUDITORIA Nº 03/2014

NOTA DE AUDITORIA Nº 03/2014 Destino(s): Pró-Reitoria de Administração (ProAd) / Coordenação-Geral de Suprimentos e Aquisições (CGSA) / Divisão de Convênios Assunto: Avaliação dos planos de providências da Divisão de Convênios sobre

Leia mais

REGULAMENTO DE MONOGRAFIA DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM DIREITO

REGULAMENTO DE MONOGRAFIA DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM DIREITO REGULAMENTO DE MONOGRAFIA DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM DIREITO CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Institui o Regulamento de Monografia (Trabalho de Conclusão de Curso) do Curso de Direito da Celer Faculdades

Leia mais

POLÍTICA DE PATROCINIO DA CAGECE

POLÍTICA DE PATROCINIO DA CAGECE POLÍTICA DE PATROCINIO DA CAGECE A Política de Patrocínio da Cagece que compreende o apoio financeiro concedido a projetos institucionais, culturais, sociais, ambientais e esportivos de iniciativa de terceiros,

Leia mais

Dúvidas Freqüentes IMPLANTAÇÃO. 1- Como aderir à proposta AMQ?

Dúvidas Freqüentes IMPLANTAÇÃO. 1- Como aderir à proposta AMQ? Dúvidas Freqüentes IMPLANTAÇÃO 1- Como aderir à proposta AMQ? A adesão é realizada através do preenchimento e envio do Formulário de Cadastramento Municipal no site do projeto. O gestor municipal da saúde

Leia mais

OS CONSELHOS MUNICIPAIS DE ESPORTE E O ICMS ESPORTIVO - ALTERAÇÕES NA LEGISLAÇÃO DO. Nome do Projeto 2016 ICMS ESPORTIVO

OS CONSELHOS MUNICIPAIS DE ESPORTE E O ICMS ESPORTIVO - ALTERAÇÕES NA LEGISLAÇÃO DO. Nome do Projeto 2016 ICMS ESPORTIVO OS CONSELHOS MUNICIPAIS DE ESPORTE E O ICMS ESPORTIVO - ALTERAÇÕES NA LEGISLAÇÃO DO ICMS ESPORTIVO Constituição Federal (artigo 158-inciso IV) Determina que 25% do total arrecadado com ICMS nos Estados

Leia mais

ORIENTAÇÃO TÉCNICA - CONTABILIDADE

ORIENTAÇÃO TÉCNICA - CONTABILIDADE 1 ORIENTAÇÃO TÉCNICA - CONTABILIDADE ABERTURA DE EXERCÍCIO DE 2014 e NOVA CONTABILIDADE APLICADA AO SETOR PÚBLICO CASP E SICOM/2014. O ano de 2014 será de grandes mudanças que afetarão muito a estabilidade

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL PARA CONCESSÃO DE BOLSAS DE INCENTIVO À INICIAÇÃO CIENTÍFICA (MODALIDADES IC/ICJR) EDITAL n 02/2012/DIPESP/IFAM-CMC/IC-ICJR

PROGRAMA INSTITUCIONAL PARA CONCESSÃO DE BOLSAS DE INCENTIVO À INICIAÇÃO CIENTÍFICA (MODALIDADES IC/ICJR) EDITAL n 02/2012/DIPESP/IFAM-CMC/IC-ICJR MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO MÉDIA E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO AMAZONAS DIRETORIA GERAL DO CAMPUS MANAUS CENTRO DIRETORIA DE PESQUISA E POS-GRADUAÇÃO

Leia mais

Assessoria Técnica de Tecnologia da Informação - ATTI. Projeto de Informatização da Secretaria Municipal de Saúde do Município de São Paulo

Assessoria Técnica de Tecnologia da Informação - ATTI. Projeto de Informatização da Secretaria Municipal de Saúde do Município de São Paulo Assessoria Técnica de Tecnologia da Informação - ATTI Projeto de Informatização da Secretaria Municipal de Saúde do Município de São Paulo Programa AMG Manual de Operação Conteúdo 1. Sumário 3 2. Programa

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS MPR/SPI-702-R00 LEVANTAMENTO E ATUALIZAÇÃO DO RELATÓRIO GERENCIAL DE INFORMAÇÕES DA AVIAÇÃO CIVIL

MANUAL DE PROCEDIMENTOS MPR/SPI-702-R00 LEVANTAMENTO E ATUALIZAÇÃO DO RELATÓRIO GERENCIAL DE INFORMAÇÕES DA AVIAÇÃO CIVIL MANUAL DE PROCEDIMENTOS MPR/SPI-702-R00 LEVANTAMENTO E ATUALIZAÇÃO DO RELATÓRIO GERENCIAL DE INFORMAÇÕES DA AVIAÇÃO CIVIL 04/2016 PÁGINA INTENCIONALMENTE EM BRANCO 2 13 de abril de 2016. Aprovado, Tiago

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS POSTALCAP. SOCIEDADE DE CAPITALIZAÇÃO: Brasilcap Capitalização S.A. CNPJ: 15.138.043/0001-05 PROCESSO SUSEP Nº: 15414.

CONDIÇÕES GERAIS POSTALCAP. SOCIEDADE DE CAPITALIZAÇÃO: Brasilcap Capitalização S.A. CNPJ: 15.138.043/0001-05 PROCESSO SUSEP Nº: 15414. CONDIÇÕES GERAIS POSTALCAP I INFORMAÇÕES INICIAIS SOCIEDADE DE CAPITALIZAÇÃO: Brasilcap Capitalização S.A. CNPJ: 15.138.043/0001-05 POSTALCAP MODALIDADE: POPULAR PROCESSO SUSEP Nº: 15414.902353/2014-65

Leia mais

ORIENTAÇÕES QUANTO À PRESTAÇÃO DE CONTAS FUNDO ROTATIVO E PROGRAMAS FEDERAIS

ORIENTAÇÕES QUANTO À PRESTAÇÃO DE CONTAS FUNDO ROTATIVO E PROGRAMAS FEDERAIS SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO 1 ORIENTAÇÕES QUANTO À PRESTAÇÃO DE CONTAS FUNDO ROTATIVO E PROGRAMAS FEDERAIS 1. INTRODUÇÃO Com o final do ano se aproximando, faz-se necessário observar alguns procedimentos

Leia mais

MANUAL DE TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO CENTRO DE AGRÁRIAS

MANUAL DE TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO CENTRO DE AGRÁRIAS MANUAL DE TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO CENTRO DE AGRÁRIAS PALMAS TO, 2015 1. Informações Gerais O presente Manual da Católica do Tocantins, mantida pela União Brasiliense de Educação e Cultura (UBEC)

Leia mais

Módulo de Contratos Manual: Orientações ao usuário

Módulo de Contratos Manual: Orientações ao usuário Módulo de Contratos Manual: Orientações ao usuário SUMÁRIO 1. APRESENTAÇÃO 2 2. O QUE É? 2 3. FINALIDADES DO MÓDULO DE CONTRATOS 2 4. INTEGRAÇÕES 3 5. ATORES 3 6. DEFINIÇÕES 3 7. FUNCIONALIDADES 5 8. MANTER

Leia mais

Manual do Usuário. Declaração de Substituição Tributária, Diferencial de Alíquota e Antecipação - DeSTDA

Manual do Usuário. Declaração de Substituição Tributária, Diferencial de Alíquota e Antecipação - DeSTDA Livro Super Simples Manual do Usuário Declaração de Substituição Tributária, Diferencial de Alíquota e Antecipação - DeSTDA Secretarias de Fazenda Estaduais, do Distrito Federal e Comitê Gestor do Simples

Leia mais