ACESSO AO MEIO EM REDES SEM FIO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ACESSO AO MEIO EM REDES SEM FIO"

Transcrição

1 PÓS GRADUAÇÃO EM REDES DE COMPUTADORES MÓDULO II: REDES: SERVIÇOS TECNOLOGIA E ARQUITETURA ACESSO AO MEIO EM REDES SEM FIO Professor: Filippe Coury Jabour Grupo: * Antônio Márcio Gama Silva * Fabiana Marcato de Sousa * Flávio Alexandre dos Reis * Marcelo de Miranda Campos * Marcos Vinícius Celeste Dalamura Turma 2004/2005

2 Sumário: Página 1 - Introdução Tipos de Redes sem Fio Problemas a serem tratados Padrão Variações do Padrão A Camada Física (Modulação) Modos de Acesso ao Meio em Redes sem Fio DCF CSMA/CA PCF DCF e PCF podem coexistir SIFS PIFS DIFS EIFS Referências Bibliográficas... 09

3 TRABALHO DE REDES: SERVIÇOS, TECNOLOGIA E ARQUITETURA PÓS GRADUAÇÃO EM REDES DE COMPUTADORES - TURMA 2004/ Introdução Tema: Acesso ao Meio em Redes sem Fio As redes sem fio (wireless network) estão em franca expansão, por oferecem inúmeras vantagens. Uma das grandes vantagens deste tipo de rede é a flexibilidade oferecida. Sem a necessidade de cabos, os usuários estão livres para se moverem livremente enquanto estão conectados à rede de forma transparente. Em locais onde não é permitida a passagem de cabos, como em prédios históricos, ou o custo do cabeamento é significante, redes sem fio são, sem dúvida, uma solução de menor custo. A cada dia que passa, a taxa de transmissão das Redes sem Fio estão aumentando e o custo dos equipamentos wirelles estão caindo consideravelmente. As redes sem fio podem ser utilizadas por empresas ou por usuários domésticos que não desejam ter que cabear suas residências e não desejam utilizar cabos na conexão de seus dispositivos. Em Redes sem Fio, ao invés de detectarmos a colisão, conforme é realizado nas redes Ethernet, deveremos evita-la. No decorrer do trabalho descreveremos as técnicas utilizadas. 2 - Tipos de Redes sem Fio Existem diferentes tipos de redes sem fio que variam em tecnologia e aplicação, sendo possível classificá-las em quatro tipos: WPANs, WLANs, WMANs e WWANs. As redes pessoais sem fio (Wireless Personal Area Network WPAN) são voltadas, principalmente, para a conexão de um computador a dispositivos periféricos, como impressoras, PDAs (Personal Digital Assistants) e telefones celulares, eliminando a necessidade de cabos. As WPANs cobrem pequenas distâncias e oferecem baixas velocidades, se comparada a outras tecnologias wireless. O padrão para WPANs é conhecido como Bluetooth, sendo suportado por um grupo de mais de empresas e, atualmente, incorporado ao IEEE Personal Area Network Working Group. As redes locais sem fio (Wireless Local Area Netowrk WLAN) são redes que oferecem uma pequena dispersão geográfica e altas taxas de transmissão. As WLANs oferecem grande flexibilidade para seus usuários, principalmente os que utilizam computadores portáteis e PDAs. As WLANs são padronizadas pelo IEEE Wireless Local Area Network Working Group. As redes metropolitanas sem fio (Wireless Metropolitan Area Network WMAN) oferecem uma cobertura geográfica maior que as WLANs e altas taxas de transmissão. As WMANs são padronizadas pelo IEEE Wireless Metropolitan Area Network Working Group. As redes distribuídas sem fio (Wireless Wide Area Network WWAN) são redes com grande dispersão geográfica, voltadas para aplicações móveis que utilizem telefones celulares, pagers, PDAs etc. Existem inúmeras tecnologias para WWANs que limitam a taxa de transmissão e, conseqüentemente, o tipo de serviço que poderá ser oferecido. As redes de celulares estão caminhando rapidamente para tornarem-se a maior aplicação de WWAN. Com o crescente uso de conexões de banda larga, celulares estão transmitindo s, textos, imagens, som e vídeo, com a mesma qualidade e velocidade que os dispositivos ligados por fios.

4 3 - Problemas a serem tratados Quando se pensou em desenvolver um padrão para a transmissão de dados na rede sem fio, a Ethernet já dominava grande parte do mercado, e assim o comitê decidiu tornar o compatível com a Ethernet acima da camada de link de dados. Verificouse então que existem várias diferenças inerentes em relação a Ethernet na camada física e na camada de enlace de dados, e que teriam que ser tratadas pelo padrão. Vejamos os principais problemas: Estação oculta: Tendo em vista que nem todas as estações estão dentro do alcance de rádio uma das outras, as transmissões realizadas em uma parte de uma célula podem não ser recebidas em outros lugares na mesma célula. No exemplo ilustrado abaixo, a estação C está transmitindo para a estação B. Se A escutar o canal, não ouvirá nada e concluirá erradamente que agora pode iniciar a transmissão com B. A quer transmitir para B, mas não pode ouvir que B está ocupada. Estação exposta: Para exemplificar este problema, vamos imaginar a seguinte situação: B quer transmitir para C, e portanto escuta o canal. Quando ouve uma transmissão, a estação B conclui erradamente que não pode transmitir para C, embora A talvez esteja transmitindo para D (não mostrada). Além disso, a maioria dos rádios é half duplex, significando que eles não podem transmitir e ouvir rajadas de ruído ao mesmo tempo em uma única freqüência. B quer enviar para C, mas pensa erradamente que a transmissão falhará Atenuação multiponto: Havia a possibilidade de objetos sólidos refletirem o sinal de rádio, de forma que o sinal pudesse ser recebido várias vezes (ao longo de diversos caminhos). Software: Grande parte dos softwares não está ciente da mobilidade. Por exemplo, muitos processadores de textos têm uma lista de impressoras que os usuários podem escolher para imprimir um arquivo. Quando o computador no qual o processador de textos funciona é levado para um novo ambiente, a lista inteira de impressoras se torna inválida. Handoff: Se um notebook for afastado da estação base que ele está utilizando e entrar na faixa de alcance de uma estação base diferente, será necessária alguma forma de transferência (hadoff). Embora ocorra com telefones celulares, esse problema não acontece com aethernet e precisa ser resolvido.

5 4 - Padrão A arquitetura IEEE consiste em vários componentes que interagem para prover uma rede local com suporte a mobilidade de estações de modo transparente para as camadas superiores. O conjunto básico de serviços (Basic Service Sel BSS) é o bloco fundamental de construção da arquitetura do Um BSS e definido como um grupo de estações que estão sobre o controle direto de uma única função de coordenação que determina quando uma estação pode transmitir e receber dados. No existem dois tipos de redes sem fio: Ad-hoc e Infra-Estruturada. Uma rede Ad-hoc e composta somente por estações dentro de um mesmo BSS que se comunicam entre si sem a ajuda de uma infra-estrutura. Qualquer estação pode estabelecer uma comunicação direta com outra estação no BBS sem a necessidade que a informação passe por um ponto de acesso centralizado. O padrão refere-se a uma rede Ah-doc como um BSS independente, um exemplo típico e de duas ou mais pessoas juntas em uma sala não equipada co LANS sem fio, fazendo seus computadores se comunicarem diretamente. Já a em uma rede Infra-Estruturada, e utilizado um ponto de acesso que e responsável por quase toda a funcionalidade de rede. De modo a aumentar a cobertura de uma rede infra-estruturada, vários pontos de acesso podem ser interligados através de um Backbone chamado sistema de distribuição (distribution system). O conjunto de pontos de acesso e dos sistemas de distribuição e definido como um conjunto estendido de serviços (Extended Service Set ESS). Em particular, alguns dos muitos desafios que tinham de ser enfrentados eram: Descobrir uma banda de freqüência adequada que tivesse disponível, de preferência em todo mundo; Lidar com o fato de que os sinais de radio tem um alcance finito; Assegurar que a privacidade dos usuários seria mantida; Levar em conta a duração limitada da bateria; Considerar a segurança humana (ondas de radio causam câncer); Construir um sistema com largura de banda suficiente para ser economicamente viável. 5 - Variações do Padrão Padrão a Trabalha na banda de 5GHz, conhecida como UNII (Unlicensed National Information Infrastructure), é o sub-padrão que trabalha com as freqüências mais elevadas e encontra barreiras quanto a sua legalização em alguns países. Por ter freqüências mais altas é mais imune a interferências vindas de outras fontes. Uma grande desvantagem é que por ter freqüência mais elevada sofre mais atenuação. Sua entidade física trabalha com multiplexação por divisão ortogonal de freqüências (OFDM). O sistema OFDM provê comunicações em redes locais a taxas de 6, 9, 12, 18, 24, 36, 48 e 54Mbps. A transmissão e recepção de dados a taxas de 6, 12 e 24Mbps são obrigatórias. O sistema usa 52 sub-portadoras que são moduladas usando BPSK/QPSK, 16QAM ou 64QAM. O código de correção de erro é usado com taxa de código de 1/2, 2/3 ou 3/4.

6 b Trabalha na banda de 2,4GHz, conhecida como ISM (Industrial, Scientific and Medical) e utiliza as técnicas DSSS (Direct Sequency Spread Spectrum). Por trabalhar numa banda mais baixa está mais suscetível a interferências de outros tipos de fontes qualquer, como por exemplo, celulares, fornos de microondas, telefones sem fio, etc, que trabalham na mesma faixa de 2,4GHz. Para atingir taxas de 5,5Mbps e 11Mbps é utilizado em conjunto da técnica CCK (Complementary Code Keying). Utiliza modulação DBPSK (Differential Binary Phase Shift Keying) para taxas de 1Mbps e DQPSK (Differential Quadrature Phase Shift Keying) para taxas de 2; 5,5 e 11Mbps g É o sub-padrão mais recente e que está começando a entrar no mercado agora e que tenta reunir as principais vantagens do a e b. Trabalha na mesma faixa do padrão b por ter menor atenuação, por trabalhar na mesma faixa do padrão mais antigo, b, e assim poder interoperar com as bases já estaladas com maior facilidade apesar de diminuir suas taxas. Utiliza como o padrão a, o OFDM que vai permitir que sejam atingidas taxas de até 54Mbps 6 - A Camada Física (Modulação) Estamos assistindo ao surgimento de pessoas totalmente voltadas para o desejo de assimilar informações. Por levarem uma vida muito dinâmica, se tornaram usuários móveis de computadores. Para elas, o par trançado, o cabo coaxial e a fibra óptica não têm a menor utilidade. Precisam transferir dados para seus computadores laptop, notebook, palmtop, etc, sem estarem presas a uma estrutura física. A resposta para esses usuários está na comunicação sem fio. Com base no exposto acima, ondas de rádio, microondas, infravermelho, são algumas tecnologias que podem ser usadas na transmissão de informações. Outros meios poderiam ser: luz ultravioleta, raios X e os raios gama. O padrão especifica três métodos de transmissão permitidos na camada física de uma LAN sem fio. Olhando para a figura abaixo, falemos brevemente sobre eles. O método de infravermelho utiliza quase a mesma tecnologia dos controles remotos de televisores, aparelhos de DVD, etc. Essa técnica permite duas velocidades: 1 Mbps e 2 Mbps. Como os sinais de infravermelho não podem atravessar paredes, células em uma LAN sem fio situadas em salas diferentes em salas diferentes ficam bem

7 isoladas umas das outras. Contudo, devido à baixa largura de banda, essa não é a melhor opção para uma rede sem fio. Os outros dois métodos especificados pelo padrão empregam ondas de rádio de alcance limitado, utilizando técnicas chamadas FHSS (Frequency Hopping Spread Spectrum espectro de dispersão de saltos de freqüência) e DSSS (Direct Sequence Spread Spectrum espectro de dispersão de seqüência direta). Tais técnicas utilizam modulações diferentes. Porém, elas têm algo em comum: são restritas a 1 ou 2 Mbps. Em 1999, foram apresentadas duas novas técnicas para alcançar maior largura de banda. São chamadas OFDM (Orthogonal Frequency Division Multiplexing multiplexação ortogonal por divisão de freqüência) e HR-DSSS (High Rate Direct Sequence Spread Spectrum espectro de dispersão de seqüência direta de alta velocidade). A técnica OFDM, também chamada a, utiliza uma faixa de freqüências mais larga e funciona em velocidades de 54 Mbps. Quanto à técnica HR- DSSS, chamada padrão b, utiliza a mesma faixa de freqüências que o , mas emprega uma técnica de modulação diferente para alcançar 11 Mbps. Finalmente, em novembro de 2001, o comitê aprovou o padrão g, uma versão atualizada do b. Esse padrão utiliza o método de modulação OFDM do a, podendo operar a uma velocidade de até 54 Mbps. Portanto, esses são os métodos na camada física para as LANs sem fio, sendo as três últimas técnicas para redes de alta velocidade. 7 - Modos de Acesso ao Meio em Redes sem Fio Existem dois modos de Acesso ao Meio em Redes sem Fio. O primeiro, chamado DCF (Distributed Coordination Function - função de coordenação distribuída) não usa nenhuma espécie de controle central (nesse aspecto, ele é semelhante ao padrão Ethernet). O outro modo de operação é chamado PCF (Point Coordination Function função de coordenação de ponto) que utiliza a estação base para controlar toda atividade em sua célula. Todas as implementações devem aceitar a DCF, mas a PCF e opcional DCF O DCF mecanismo básico de acesso ao maio no , e de modo simples, em acesso múltiplo com detecção de portadora evitando colisões com reconhecimento positivo. Existem dois tipos de DCF no padrão: o baseado no CSMA/CA (obrigatório) e outro (opcional) que também utiliza pedidos e permissões para transmitir dados (Requiest To Send RTS e Clear To Send CTS) CSMA/CA 1º Modo: CSMA/CA (CSMA with Collision Avoidance CSMA com abstenção de colisão). Nesse protocolo, são usadas, tanto a detecção do canal físico quanto a do canal virtual. Quando a estação quer transmitir, ela escuta o canal. Se ele estiver ocioso, a estação simplesmente começara a transmitir. Ela não escuta o canal enquanto esta transmitindo, mas emite seu quadro inteiro, que pode muito bem ser destruído no receptor devido a interferência. Se o sinal estiver ocupado, a transmissão será adiada ate o canal ficar inativo, e então a estação começara a transmitir. Se ocorrer uma colisão, as estações que colidirem terão de esperar um tempo aleatório, usando o algoritmo de recuo binário exponencial das redes Ethernet, e então tentarão novamente mais tarde. Não pedíamos deixar de citar o Protocolo CSMA/CD, embora este método de acesso se já muito utilizado em redes IEEE 802.3, ele não e adequado as

8 redes , pois nesse caso a detecção de colisão e muito difícil por assumir que todas as estações ouvem as outras, por requerer um radio full duplex de custo muito elevado e porque a taxa de erro de bit na subcamada MAC do e de º Modo: RTS / CTS / ACK / NAV O protocolo da subcamada MAC do é bastante diferente do protocolo da Ethernet, devido à complexidade do ambiente sem fio, em comparação com o de um sistema fisicamente conectado. Assim, foi desenvolvido o protocolo CSMA/CA. Um dos modos de operação deste protocolo emprega a detecção de canal virtual, como ilustra a figura abaixo. O protocolo começa quando A decide transmitir dados para B. Ela inicia a transmissão enviando um quadro RTS para B, a fim de solicitar permissão para enviar um quadro. Quando recebe essa solicitação, B pode decidir conceder a permissão e, nesse caso, envia de volta um quadro CTS. Após a recepção do CTS, A envia seu quadro e inicia um timer ACK. Ao receber corretamente o quadro de dados, B responde com um quadro ACK, concluindo a troca de quadros. Se o timer ACK de A expirar antes de receber o quadro ACK de B, o protocolo inteiro será executado novamente. Vamos considerar agora essa troca envolvendo C e D. C está dentro do alcance de A, e então pode receber o quadro RTS. Se o fizer, C perceberá que alguém vai transmitir dados em breve e, assim, desiste de transmitir qualquer informação até a troca ser concluída. A partir das informações recebidas através do quadro RTS, C poderá avaliar quanto tempo a seqüência irá demorar, incluindo o ACK final. C passa agora a reivindicar o uso do canal, através de uma espécie de canal virtual ocupado por ela própria. Observamos em nossa figura o NAV (Network Allocation Vector vetor de alocação de rede). D não escuta o quadro RTS, mas escuta o CTS enviado por B, reivindicando também o sinal NAV para ela própria. Observe que os sinais NAV não são transmitidos; eles são apenas lembretes internos de que a estação deve se manter inativa por um determinado período de tempo.

9 7.2 - PCF O modo de operação PCF (Point Coordination Function - função de coordenação de ponto) utiliza a estação base para controlar toda a atividade de sua célula. O mecanismo de acesso controlado centralizadamente usa uma pergunta e um protocolo de resposta para eliminar a possibilidade de contenção para o meio. Este mecanismo de acesso é chamado de função de coordenação pontual (PCF). Um ponto coordenador (PC) controla o PCF. O PC sempre fica situado em um AP (Access Point). Geralmente, o PCF opera com estações solicitando que o PC as registrem em uma lista de polling, por onde o PC (Point Coordination) elege, regularmente, as estações que estão aptas para o tráfico, dando então o direito de transmissão. Com um planejamento próprio e adequado, o PCF está apto a entregar o serviço para as estações da lista de eleição (polling) DCF e PCF podem coexistir PCD e DCF podem coexistir dentro de uma única célula. À primeira vista, pode parecer impossível ter o controle central e o controle distribuído operando ao mesmo tempo, mas o fornece um meio para atingir este objetivo. Ele funciona definindo com todo cuidado o intervalo de tempo entre quadros. Depois que um quadro é enviado, é exigido um certo período de tempo de inatividade, antes que qualquer estação possa enviar um quadro. São definidos quatro intervalos distintos, casa um correspondendo a uma finalidade específica: SIFS, PIFS, DIFS e EIFS. Quadros de controle ou próximo fragmento pode ser enviado aqui SIFS Quadros PCF podem ser enviados aqui PIFS Quadros DCF podem ser enviados aqui DIFS A recuperação de quadro EIFS defeituosos é feita aqui ACK Tempo SIFS Permite que as partes de um único diálogo retenham as chances de transmitir primeiro. Exemplo: A manda um RTS para B. Seguindo o intervalo de tempo SIFS, B terá prioridade para enviar um CTS para A, que em seguida poderá enviar os fragmentos ou todo o quadro em um ACK para B, que responderá com um ACK. A transmitirá os próximos fragmentos sem ter que mandar um RTS novamente PIFS Sempre que ocorre um intervalo de tempo SIFS, existe uma estação habilitada a responder logo após o intervalo. Se a estação deixar de responder e ocorrer um tempo PIFS, a estação base poderá enviar um quadro de baliza ou um quadro de pooling. Aqui é utilizado o modo PCF.

10 DIFS Caso ocorra a situação descrita acima, e a estação base também não transmitir nada, ocorrerá o terceiro intervalo de tempo DIFS e então qualquer estação poderá tentar adquirir a posse do canal para enviar um novo quadro. Aqui é usado o modo DCF EIFS Este é o último intervalo de tempo, e só é usado por uma estação que tenha acabado de receber um quadro defeituoso ou desconhecido, a fim de informar sobre a presença do quadro defeituoso. A idéia é dar a esse evento prioridade mais baixa, pois, como o receptor talvez não tenha nenhuma idéia do que está acontecendo, ele deve esperar um tempo signi9ficativo para evitar interferir com um diálogo em andamento entre duas estações.

11 Referências Bibliográficas: Redes de Computadores e a Internet - Uma Nova Abordagem. James F. Kurose e Keith W. Ross. Editora Addison Wesley Redes de Computadores - Tradução da Quarta Edição. Andrew S. Tanenbaum. Editora Campus Trabalho: Segurança em Redes Wireless. Roberto Maia. GTA - Universidade Federal do Rio de Janeiro - RJ (www.gta.ufrj.br). Trabalho: Método de Acesso em Redes Wireless. Marcelo Fernandes Fontes. GTA - Universidade Federal do Rio de Janeiro - RJ (www.gta.ufrj.br). Trabalho: Qualidade de Serviço no Controle de Acesso ao Meio de Redes Marcelo G. Rubstein e José Ferreira de Rezende. GTA - Universidade Federal do Rio de Janeiro - RJ (www.gta.ufrj.br).

12 TRABALHO DE REDES: SERVIÇOS, TECNOLOGIA E ARQUITETURA PÓS GRADUAÇÃO EM REDES DE COMPUTADORES - TURMA 2004/2005 Professor: Filippe Jabour Equipe: Antônio Márcio Gama Silva Fabiana Marcato de Sousa Flávio Alexandre dos Reis Marcelo de Miranda Campos Marcos Vinícius Celeste Dalamura Turma 2004/2005

UNIVERSIDADE ESTÁCIO DE SÁ

UNIVERSIDADE ESTÁCIO DE SÁ UNIVERSIDADE ESTÁCIO DE SÁ CURSO DE REDES DE COMPUTADORES PROFESSOR MARCELO BERRÊDO NOTAS DE AULA PADRÃO IEEE 802.11 REVISÃO ABRIL/2004 IEEE 802.11 WIRELESS LAN 1. INTRODUÇÃO O Grupo de trabalho IEEE 802.11

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Prof. Macêdo Firmino Comunicação Wireless Macêdo Firmino (IFRN) Redes de Computadores Maio de 2012 1 / 30 Redes sem Fio Nas redes sem fio (wireless), não exite uma conexão cabeada

Leia mais

Redes IEEE 802.11. Makoto Miyagawa 1. Manaus Amazonas Brasil

Redes IEEE 802.11. Makoto Miyagawa 1. Manaus Amazonas Brasil Redes IEEE 802.11 Makoto Miyagawa 1 1 Faculdade de Tecnologia Universidade Federal do Amazonas Manaus Amazonas Brasil Resumo. A mobilidade oferecida pelas redes sem fio aos usuários, aliada ao baixo custo

Leia mais

Redes de Computadores sem Fio

Redes de Computadores sem Fio Redes de Computadores sem Fio Prof. Marcelo Gonçalves Rubinstein Programa de Pós-Graduação em Engenharia Eletrônica Faculdade de Engenharia Universidade do Estado do Rio de Janeiro Programa Introdução

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Padrão IEEE 802.11 Inst tituto de Info ormátic ca - UF FRGS Redes de Computadores IEEE 802.11 Aula 12 Modelo para arquiteturas wireless (1997) Especifica a camada de nível físico (PHY) e seu controle de

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS INSTITUTO DE INFORMÁTICA. Computação Móvel e Ubíqua. Ciência da Computação

UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS INSTITUTO DE INFORMÁTICA. Computação Móvel e Ubíqua. Ciência da Computação UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS INSTITUTO DE INFORMÁTICA Computação Móvel e Ubíqua Ciência da Computação Prof. Vagner J. do Sacramento Rodrigues vagner@inf.ufg.br www.inf.ufg.br/~vagner/ Tecnologias de Redes

Leia mais

TELECOMUNICAÇÕES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br

TELECOMUNICAÇÕES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br - Aula 4 - Padrão 802.11 - WIRELESS 1. INTRODUÇÃO O padrão IEEE 802.11 estabelece os padrões para redes locais sem fio. O modelo tem como premissa o funcionamento da rede de duas formas: - Na presença

Leia mais

Redes de Computadores I

Redes de Computadores I Redes de Computadores I REDES SEM FIO CARACTERÍSTICAS DE ENLACE LAN S SEM FIO 802.11 Slide 1 Elementos de uma Rede Sem Fio Hospedeiros sem fio Equipamentos de sistemas finais que executam aplicações Enlaces

Leia mais

INF-111 Redes Sem Fio Aula 04 Tecnologias para WLAN Prof. João Henrique Kleinschmidt

INF-111 Redes Sem Fio Aula 04 Tecnologias para WLAN Prof. João Henrique Kleinschmidt INF-111 Redes Sem Fio Aula 04 Tecnologias para WLAN Prof. João Henrique Kleinschmidt Santo André, outubro de 2014 Roteiro Introdução Camada física Subcamada MAC Estrutura do quadro Segurança Introdução

Leia mais

2. Componentes básicos (Hardware) Redes Sem Fio (Wireless) 1

2. Componentes básicos (Hardware) Redes Sem Fio (Wireless) 1 2. Componentes básicos (Hardware) Redes Sem Fio (Wireless) 1 Ementa 1. Introdução a Tecnologias Sem Fio WLAN 2. Componentes básicos (Hardware) 3. Conceitos de espectro de Frequência e tecnologia de sinais

Leia mais

Subcamada de Controle de Acesso ao Meio. Bruno Silvério Costa

Subcamada de Controle de Acesso ao Meio. Bruno Silvério Costa Subcamada de Controle de Acesso ao Meio Bruno Silvério Costa 1. O Problema de Alocação do Canal Alocação estática de canais em LANs e MANs Alocação dinâmica de canais em LANs e MANs 1.1 Alocação dinâmica

Leia mais

REDE DE COMPUTADORES

REDE DE COMPUTADORES SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL REDE DE COMPUTADORES Tecnologias de Rede Arquitetura Padrão 802.11 Prof. Airton Ribeiro de Sousa E-mail: airton.ribeiros@gmail.com 1 Arquitetura Wireless Wi-Fi

Leia mais

Brampton Telecom, PhD em Engenharia de Telecomunicações (Unicamp).

Brampton Telecom, PhD em Engenharia de Telecomunicações (Unicamp). Wireless LAN (WLAN) Este tutorial apresenta alguns aspectos da arquitetura e protocolos de comunicação das Redes Locais sem fio, ou Wireless Local Area Networks (WLAN's), que são baseados no padrão IEEE

Leia mais

Redes de Computadores I

Redes de Computadores I Redes de Computadores I Nível de Enlace (Redes Ethernet & WiFi) por Helcio Wagner da Silva. p.1/35 Introdução A Arquitetura TCP/IP não define muito bem o que deve haver no Nível de Host/rede. Neste contexto,

Leia mais

Protocolo wireless Ethernet

Protocolo wireless Ethernet Protocolo wireless Ethernet Conceituar as variações de redes sem fio (wireless) descrevendo os padrões IEEE 802.11 a, b, g e n. Em meados de 1986, o FCC, organismo norte-americano de regulamentação, autorizou

Leia mais

SSC0748 - Redes Móveis

SSC0748 - Redes Móveis - Redes Móveis Introdução Redes sem fio e redes móveis Prof. Jó Ueyama Agosto/2012 1 Capítulo 6 - Resumo 6.1 Introdução Redes Sem fo 6.2 Enlaces sem fo, características 6.3 IEEE 802.11 LANs sem fo ( wi-f

Leia mais

Wireless LANs. IEEE 802.11 e 802.11e. FEUP/DEEC Redes de Banda Larga MIEEC 2009/10 José Ruela

Wireless LANs. IEEE 802.11 e 802.11e. FEUP/DEEC Redes de Banda Larga MIEEC 2009/10 José Ruela Wireless LANs IEEE 802.11 e 802.11e FEUP/DEEC Redes de Banda Larga MIEEC 2009/10 José Ruela IEEE 802.11 IEEE 802.11 Wireless LAN Medium Access Control (MAC) and Physical Layer (PHY) specifications é uma

Leia mais

Mobilidade em Redes 802.11

Mobilidade em Redes 802.11 Mobilidade em Redes 802.11 Prof. Rafael Guimarães Redes sem Fio Aula 14 Aula 14 Rafael Guimarães 1 / 37 Sumário Sumário 1 Motivação e Objetivos 2 O protocolo MAC 802.11 3 Quadro 802.11 4 802.11: Mobilidade

Leia mais

Capítulo 6 Redes sem fio e redes móveis

Capítulo 6 Redes sem fio e redes móveis Capítulo 6 Redes sem fio e redes móveis Todo o material copyright 1996-2009 J. F Kurose e K. W. Ross, Todos os direitos reservados slide 1 2010 2010 Pearson Prentice Hall. Hall. Todos Todos os os direitos

Leia mais

Sistemas de Comunicação. WLANs Prof. Paulo Gonçalves pasg@cin.ufpe.br www.cin.ufpe.br/~pasg CIn/UFPE

Sistemas de Comunicação. WLANs Prof. Paulo Gonçalves pasg@cin.ufpe.br www.cin.ufpe.br/~pasg CIn/UFPE Sistemas de Comunicação WLANs Prof. Paulo Gonçalves pasg@cin.ufpe.br www.cin.ufpe.br/~pasg CIn/UFPE INTRODUÇÃO Introdução 1-2 O que é uma LAN? E uma WLAN? LAN: Local Area Network Rede Local Rede de dados

Leia mais

Placa de Rede. Rede de Computadores. Tipos de Redes LAN (Local Area Network) Rede local. Placa de Rede

Placa de Rede. Rede de Computadores. Tipos de Redes LAN (Local Area Network) Rede local. Placa de Rede Rede de Computadores Prof. André Cardia Email: andre@andrecardia.pro.br MSN: andre.cardia@gmail.com Placa de Rede Uma placa de rede (NIC), ou adaptador de rede, oferece capacidades de comunicações nos

Leia mais

Visão geral das redes sem fio

Visão geral das redes sem fio Visão geral das redes sem fio 1 - Introdução O termo redes de dados sem fio pode ser utilizado para referenciar desde dispositivos de curto alcance como o Bluetooth à sistemas de altas taxas de transmissão

Leia mais

Comunicação sem Fio WLAN (802.11) Edgard Jamhour

Comunicação sem Fio WLAN (802.11) Edgard Jamhour Comunicação sem Fio WLAN (802.11) Edgard Jamhour WLAN: Parte I Técnicas de Modulação, Taxas de Transmissão e Alcance Faixa de Freqüências faixa desde até comprimento da onda ELF 30 Hz 300 Hz 10 7 metros

Leia mais

Quadros. Transmitido em taxa variável. Transmitidos em uma taxa básica. Dados RTS CTS ACK

Quadros. Transmitido em taxa variável. Transmitidos em uma taxa básica. Dados RTS CTS ACK Quadros Transmitido em taxa variável Dados Transmitidos em uma taxa básica RTS CTS ACK Quadro de dados Controle de quadro (2 octetos) Subdividido em 11 campos Versão (2 bits) Tipo (2 bits) Dados Controle

Leia mais

Redes Wireless. Prof. Érico José Ferreira

Redes Wireless. Prof. Érico José Ferreira Prof. Érico José Ferreira erico.ferreira@uneb.com.br UNEB/2006 Prof. Érico José Ferreira 1 Referências Bibliográficas ENGST, Adam: Kit do Iniciante em Redes sem Fio. São Paulo, Elsevier, 2005 ROSS, John

Leia mais

Redes Locais de Computadores

Redes Locais de Computadores Redes Locais de Computadores Pós Graduação em Redes de Computadores e Telecomunicações Controle de Acesso Múltiplo Prof. Josafá de Jesus Silva A tecnologia Ethernet AlohaNet inicio da década de 1960 -

Leia mais

Redes Wireless. Padrão IEEE 802.11. Redes Sem Fio (Wireless) 1

Redes Wireless. Padrão IEEE 802.11. Redes Sem Fio (Wireless) 1 Padrão IEEE 802.11 Redes Wireless Redes Sem Fio (Wireless) 1 Topologias e pilha de protocolos 802.11 Parte da pilha de protocolos 802.11. Padrão IEEE 802.11 Redes Wireless Redes Sem Fio (Wireless) 3 Quadros

Leia mais

Redes Locais Sem Fio

Redes Locais Sem Fio Redes Locais Sem Fio Prof. Rafael Guimarães Redes sem Fio Aula 13 Aula 13 Rafael Guimarães 1 / 63 Sumário Sumário 1 Motivação e Objetivos 2 Introdução 3 Terminologia 4 WiFi 5 Arquitetura 802.11 6 Padrões

Leia mais

Tecnologias Wireless WWAN Wireless Wide Area Network WLAN Wireless Local Area Network WPAN Wireless Personal Area Network

Tecnologias Wireless WWAN Wireless Wide Area Network WLAN Wireless Local Area Network WPAN Wireless Personal Area Network Fundamentos de Tecnologias Wireless Parte 1 Assunto Tecnologias Wireless Introdução à Wireless LAN Algumas questões e desafios Tecnologias Wireless WWAN Wireless Wide Area Network WLAN Wireless Local Area

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES

REDES DE COMPUTADORES REDES DE COMPUTADORES MEMÓRIAS DE AULA AULA 1 APRESENTAÇÃO DO CURSO, HISTÓRIA, EQUIPAMENTOS E TIPOS DE REDES Prof. José Wagner Bungart CONTEÚDO PROGRAMÁTICO Definição de Redes de Computadores e Conceitos

Leia mais

Redes Sem Fio (Wireless): Fundamentos e Padrões

Redes Sem Fio (Wireless): Fundamentos e Padrões Redes Sem Fio (Wireless): Fundamentos e Padrões As redes locais sem fio (WLANs) constituem-se como uma alternativa às redes convencionais com fio, fornecendo as mesmas funcionalidades, mas de forma flexível,

Leia mais

REDE DE INFRAVERMELHOS A ALTA VELOCIDADE

REDE DE INFRAVERMELHOS A ALTA VELOCIDADE DEPARTAMENTO DE ELECTRÓNICA E TELECOMUNICAÇÕES LICENCIATURA EM ENG. ELECTRÓNICA E TELECOMUNICAÇÕES ANO 2002/2003 REDE DE INFRAVERMELHOS A ALTA VELOCIDADE RESUMO DOS DOCUMENTOS Realizado por : Pedro Nuno

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA DEPARTAMENTO DE INFORMÁTICA E ESTATÍSTICA CURSO DE CIÊNCIAS DA COMPUTAÇÃO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA DEPARTAMENTO DE INFORMÁTICA E ESTATÍSTICA CURSO DE CIÊNCIAS DA COMPUTAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA DEPARTAMENTO DE INFORMÁTICA E ESTATÍSTICA CURSO DE CIÊNCIAS DA COMPUTAÇÃO QUALIDADE DE SERVIÇO EM REDES SEM FIO AD HOC COM ÊNFASE NA DIFERENCIAÇÃO DE SERVIÇOS NA

Leia mais

Redes de Dados e Comunicações. Prof.: Fernando Ascani

Redes de Dados e Comunicações. Prof.: Fernando Ascani Redes de Dados e Comunicações Prof.: Fernando Ascani Redes Wireless / Wi-Fi / IEEE 802.11 Em uma rede wireless, os adaptadores de rede em cada computador convertem os dados digitais para sinais de rádio,

Leia mais

Cap. 1 Introdução. Redes sem Fio e Sistemas Móveis de Computação. Prof. Eduardo Barrére. Material Base: Marcelo Moreno. eduardo.barrere@ice.ufjf.

Cap. 1 Introdução. Redes sem Fio e Sistemas Móveis de Computação. Prof. Eduardo Barrére. Material Base: Marcelo Moreno. eduardo.barrere@ice.ufjf. Redes sem Fio e Sistemas Móveis de Computação Cap. 1 Introdução Prof. Eduardo Barrére eduardo.barrere@ice.ufjf.br Material Base: Marcelo Moreno Dep. Ciência da Computação 1 Computação Móvel Computação

Leia mais

A topologia em estrela é caracterizada por um determinado número de nós, conectados em uma controladora especializada em comunicações.

A topologia em estrela é caracterizada por um determinado número de nós, conectados em uma controladora especializada em comunicações. Topologia em estrela A topologia em estrela é caracterizada por um determinado número de nós, conectados em uma controladora especializada em comunicações. Como esta estação tem a responsabilidade de controlar

Leia mais

Técnicas de Múltiplo Acesso em Redes sem Fio, LANs, MANs

Técnicas de Múltiplo Acesso em Redes sem Fio, LANs, MANs Técnicas de Múltiplo Acesso em Redes sem Fio, LANs, MANs UERJ-FEN-DETEL Técnicas de Acesso Múltiplo na Comunicação sem Fio Vários esquemas de acesso múltiplo tem sido utilizados para permitir que vários

Leia mais

Wireless LAN (IEEE 802.11x)

Wireless LAN (IEEE 802.11x) Wireless LAN (IEEE 802.11x) WLAN: Wireless LAN Padrão proposto pela IEEE: IEEE 802.11x Define duas formas de organizar redes WLAN: Ad-hoc: Sem estrutura pré-definida. Cada computador é capaz de se comunicar

Leia mais

Capítulo 7 - Redes Wireless WiFi

Capítulo 7 - Redes Wireless WiFi Capítulo 7 - Redes Wireless WiFi Prof. Othon Marcelo Nunes Batista Mestre em Informática 1 de 55 Roteiro Definição Benefícios Tipos de Redes Sem Fio Métodos de Acesso Alcance Performance Elementos da Solução

Leia mais

Wireless Red e e d s e s s e s m e m fi f o

Wireless Red e e d s e s s e s m e m fi f o Wireless Redes sem fio A tecnologia Wireless (sem fio) permite a conexão entre diferentes pontos sem a necessidade do uso de cabos (nem de telefonia, nem de TV a cabo, nem de fibra óptica), através da

Leia mais

Redes sem fio e interligação com redes cabeadas UNIP. Renê Furtado Felix. rffelix70@yahoo.com.br

Redes sem fio e interligação com redes cabeadas UNIP. Renê Furtado Felix. rffelix70@yahoo.com.br e interligação com redes cabeadas UNIP rffelix70@yahoo.com.br A comunicação portátil tornou-se uma expectativa em muitos países em todo o mundo. Existe portabilidade e mobilidade em tudo, desde teclados

Leia mais

Redes Locais Sem Fio Wireless LAN (IEEE 802.11) Agenda. 1) Histórico. Vagner Sacramento

Redes Locais Sem Fio Wireless LAN (IEEE 802.11) Agenda. 1) Histórico. Vagner Sacramento Redes Locais Sem Fio Wireless LAN (IEEE 802.11) Vagner Sacramento vagner@lac.inf.puc-rio.br Laboratory for Advanced Collaboration - LAC Departamento de Informática - PUC-Rio Agenda 1 Histórico do IEEE

Leia mais

RCO2. Redes Locais (LANs): Características e requisitos

RCO2. Redes Locais (LANs): Características e requisitos RCO2 Redes Locais (LANs): Características e requisitos 1 Aplicações de LANs LANs para computadores pessoais Baixo custo Taxas de transmissão limitadas Redes de conexão Interconexão de sistemas maiores

Leia mais

Telefonia Celular: Redes WLAN. CMS60808 2015/1 Professor: Bruno Fontana da Silva

Telefonia Celular: Redes WLAN. CMS60808 2015/1 Professor: Bruno Fontana da Silva Telefonia Celular: Redes WLAN CMS60808 2015/1 Professor: Bruno Fontana da Silva REVISÃO SOBRE REDES LOCAIS - Seguem os padrões IEEE 802 Redes Locais - IEEE: Institute of Electronics and Electrical Engineers

Leia mais

Placa de Rede. Tipos de Redes LAN (Local Area Network) Rede local. MAN (Metropolitan Area Network) Rede Metropolitana

Placa de Rede. Tipos de Redes LAN (Local Area Network) Rede local. MAN (Metropolitan Area Network) Rede Metropolitana Rede de Computadores Parte 01 Prof. André Cardia Email: andre@andrecardia.pro.br MSN: andre.cardia@gmail.com Placa de Rede Uma placa de rede (NIC), ou adaptador de rede, oferece capacidades de comunicações

Leia mais

O Nível de Enlace nas Redes Locais. Ethernet. Ethernet

O Nível de Enlace nas Redes Locais. Ethernet. Ethernet O Nível de Enlace nas Redes Locais Como já foi visto, o nível de enlace deve fornecer uma interface de serviço bem definida para o nível de rede. deve determinar como os bits do nível físico serão agrupados

Leia mais

Redes de Computadores I - Meios de Transmissão. por Helcio Wagner da Silva

Redes de Computadores I - Meios de Transmissão. por Helcio Wagner da Silva Redes de Computadores I - Meios de Transmissão por Helcio Wagner da Silva Classificação Meios guiados: Par trançado. Cabo coaxial. Fibra óptica. Meios Não-guiados: Transmissão por rádio. Microondas. Infravermelho.

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Introdução Inst tituto de Info ormátic ca - UF FRGS Redes de Computadores Controle de acesso ao meio (Medium Access Control - MAC) Aula 10 Enlaces podem ser divididos em duas grandes categorias: Enlace

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES

REDES DE COMPUTADORES REDES DE COMPUTADORES Rede é um conjunto de módulos processadores capazes de trocar informações e compartilhar recursos. O tipo de rede é definido pela sua área de abrangência, podemos classificar as redes

Leia mais

WiMAX. Eduardo Mayer Fagundes e-mail: eduardo@efagundes.com

WiMAX. Eduardo Mayer Fagundes e-mail: eduardo@efagundes.com Eduardo Mayer Fagundes e-mail: eduardo@efagundes.com WiMAX é uma tecnologia padronizada de rede sem fio que permite substituir as tecnologias de acesso de banda larga por cabo e ADSL. O WiMAX permite a

Leia mais

UTP ( PAR TRANÇADO SEM PROTEÇÃO)

UTP ( PAR TRANÇADO SEM PROTEÇÃO) Par Trançado UTP ( PAR TRANÇADO SEM PROTEÇÃO) O cabo UTP é composto por pares de fios, sendo que cada par é isolado um do outro e todos são trançados juntos dentro de uma cobertura externa, que não possui

Leia mais

Fundamentos em Informática

Fundamentos em Informática Fundamentos em Informática Aula 06 Redes de Computadores francielsamorim@yahoo.com.br 1- Introdução As redes de computadores atualmente constituem uma infraestrutura de comunicação indispensável. Estão

Leia mais

TRANSMISSÃO DE DADOS

TRANSMISSÃO DE DADOS TRANSMISSÃO DE DADOS Aula 6: Controle de acesso ao meio Notas de aula do livro: FOROUZAN, B. A., Comunicação de Dados e Redes de Computadores, MCGraw Hill, 4ª edição Prof. Ulisses Cotta Cavalca

Leia mais

Figura 1 - Comparação entre as camadas do Modelo OSI e doieee. A figura seguinte mostra o formato do frame 802.3:

Figura 1 - Comparação entre as camadas do Modelo OSI e doieee. A figura seguinte mostra o formato do frame 802.3: Introdução Os padrões para rede local foram desenvolvidos pelo comitê IEEE 802 e foram adotados por todas as organizações que trabalham com especificações para redes locais. Os padrões para os níveis físico

Leia mais

UFSM-CTISM. Comunicação de Dados Meios de Transmissão Aula-03

UFSM-CTISM. Comunicação de Dados Meios de Transmissão Aula-03 UFSM-CTISM Comunicação de Dados Meios de Transmissão Aula-03 Professor: Andrei Piccinini Legg Santa Maria, 2012 Par trançado Cabo coaxial Fibra óptica Meios Não-guiados Transmissão por rádio Microondas

Leia mais

IEEE 802.11 a, b, g, n

IEEE 802.11 a, b, g, n IEEE 802.11 a, b, g, n Redes de Computadores I Professor Otto Carlos Muniz Bandeira Barreto Bruno Dias Martins Rodolfo Machado Brandão Costa Rodrigo Leite de Queiroz Sumário 1. Introdução 4. Perguntas

Leia mais

Qualidade de Serviço no Controle de Acesso ao Meio de Redes 802.11

Qualidade de Serviço no Controle de Acesso ao Meio de Redes 802.11 Qualidade de Serviço no Controle de Acesso ao Meio de Redes 802.11 Marcelo G. Rubinstein 1 e José Ferreira de Rezende 2 1 Depto. de Eng. Eletrônica e Telecomunicações - Universidade do Estado do Rio de

Leia mais

SUMÁRIO. UNIVERSIDADE DO CONTESTADO UnC CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO LABORATÓRIO DE REDES

SUMÁRIO. UNIVERSIDADE DO CONTESTADO UnC CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO LABORATÓRIO DE REDES UNIVERSIDADE DO CONTESTADO UnC CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO LABORATÓRIO DE REDES CARLOS RAFAEL GUERBER SUMÁRIO 1 AMBIENTE SEM FIO...3 1.1 CATEGORIAS, ALCANCE E APLICAÇÕES...3 1.1.1 Padrões IEEE...5

Leia mais

Formadora: Daniela Azevedo Módulo 11 IGRI13 Rui Bárcia - 15

Formadora: Daniela Azevedo Módulo 11 IGRI13 Rui Bárcia - 15 Formadora: Daniela Azevedo Módulo 11 IGRI13 Rui Bárcia - 15 Introdução, com algumas características Uma rede sem fios ou uma rede Wireless é uma infraestrutura das comunicações sem fio que permite a transmissão

Leia mais

Unidade 1. Bibliografia da disciplina 15/11/2008. Curso Superior de Tecnologia: Banco de Dados Redes de Computadores

Unidade 1. Bibliografia da disciplina 15/11/2008. Curso Superior de Tecnologia: Banco de Dados Redes de Computadores Faculdade INED Curso Superior de Tecnologia: Banco de Dados Redes de Computadores Disciplina: Redes de Computadores Prof.: Fernando Hadad Zaidan 1 Unidade 1 Conceitos básicos de Redes de Computadores 2

Leia mais

TRABALHO SOBRE REDES SEM FIO ( WIRELESS )

TRABALHO SOBRE REDES SEM FIO ( WIRELESS ) TRABALHO SOBRE REDES SEM FIO ( WIRELESS ) Equipe: Alex Nério Pedro Rodrigues Wireless Introdução O desenvolvimento da telecomunicações juntamente e da informática aliada a uma crescente necessidade das

Leia mais

WDM e suas Tecnologias

WDM e suas Tecnologias Universidade Federal do Rio de Janeiro Escola Politécnica Departamento de Eletrônica e Computação EEL 878 Redes de Computadores I Turma EL1-2004/1 Professor: Otto Carlos Muniz Bandeira Duarte Aluna: Mariangela

Leia mais

Unidade 1. Bibliografia da disciplina. Introdução. O que compartilhar? Exemplo 12/10/2009. Conceitos básicos de Redes de Computadores

Unidade 1. Bibliografia da disciplina. Introdução. O que compartilhar? Exemplo 12/10/2009. Conceitos básicos de Redes de Computadores Faculdade INED Unidade 1 Conceitos básicos de Redes de Computadores Curso Superior de Tecnologia: Banco de Dados, Sistemas para Internet e Redes de Computadores Disciplina: Fundamentos de Redes Prof.:

Leia mais

Bibliografia. Forouzan, Behrouz A. Comunicação de Dados e Redes de Computadores. 4. ed. McGraw-Hill, 2008.

Bibliografia. Forouzan, Behrouz A. Comunicação de Dados e Redes de Computadores. 4. ed. McGraw-Hill, 2008. Redes Sem Fio Você vai aprender: Contextualização das redes sem fio; Fundamentos de transmissão de sinais digitais; Fundamentos de radio comunicação; Arquiteturas em redes sem fio; Redes WLAN padrão IEEE

Leia mais

5.2 MAN s (Metropolitan Area Network) Redes Metropolitanas

5.2 MAN s (Metropolitan Area Network) Redes Metropolitanas MÓDULO 5 Tipos de Redes 5.1 LAN s (Local Area Network) Redes Locais As LAN s são pequenas redes, a maioria de uso privado, que interligam nós dentro de pequenas distâncias, variando entre 1 a 30 km. São

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Redes Sem Fio Fabricio Breve Tipos de transmissão sem fio Rádio Infravermelho Laser Aplicações Em ambientes internos: Ideal para situações onde não é possível utilizar cabeamento

Leia mais

Rede Wireless Para LAN e WAN

Rede Wireless Para LAN e WAN Rede Wireless Para LAN e WAN Marcos Macoto Iwashita CERNET Tecnologia e Sistemas macoto@cernet.com.br www.cernet.com.br INTRODUÇÃO Toda a tecnologia wireless não é nova, porém, em nossos dias apresenta

Leia mais

Redes de Computadores Aula 2. Aleardo Manacero Jr.

Redes de Computadores Aula 2. Aleardo Manacero Jr. Redes de Computadores Aula 2 Aleardo Manacero Jr. O protocolo RM OSI 1 Camada Física e Componentes Funcionalidades relacionadas à transmissão de bits Codificação Modulação Sincronismo de bits Especificação

Leia mais

O que é uma rede industrial? Redes Industriais: Princípios de Funcionamento. Padrões. Padrões. Meios físicos de transmissão

O que é uma rede industrial? Redes Industriais: Princípios de Funcionamento. Padrões. Padrões. Meios físicos de transmissão O que é uma rede industrial? Redes Industriais: Princípios de Funcionamento Romeu Reginato Julho de 2007 Rede. Estrutura de comunicação digital que permite a troca de informações entre diferentes componentes/equipamentos

Leia mais

Sistemas de Comunicação Wireless

Sistemas de Comunicação Wireless Sistemas de Comunicação Wireless Definição Uma conexão wireless é qualquer forma de conexão entre dois sistemas transmissor e receptor de dados que não requeira o uso de fios. Para tanto são utilizadas

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Considerando o circuito mostrado na figura acima, julgue os itens seguintes. 51 O valor da tensão v o é igual a 10 V. 52 O valor da corrente I 2 é igual a 1 ma. 53 O equivalente

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES Redes Sem Fio e Redes Móveis. Alexandre Augusto Giron

REDES DE COMPUTADORES Redes Sem Fio e Redes Móveis. Alexandre Augusto Giron REDES DE COMPUTADORES Redes Sem Fio e Redes Móveis Alexandre Augusto Giron ROTEIRO Introdução CDMA e CSMA/CA Mobilidade Wi-Fi: LANs sem fio 802.11 Acesso celular à Internet Roteamento móvel IP móvel Segurança

Leia mais

ROTEIRO. Introdução. Introdução. Conceitos. Introdução 07/11/2014. REDES DE COMPUTADORES Redes Sem Fio e Redes Móveis

ROTEIRO. Introdução. Introdução. Conceitos. Introdução 07/11/2014. REDES DE COMPUTADORES Redes Sem Fio e Redes Móveis REDES DE COMPUTADORES Redes Sem Fio e Redes Móveis Alexandre Augusto Giron ROTEIRO Introdução CDMA e CSMA/CA Mobilidade Wi-Fi: LANs sem fio 802.11 Acesso celular à Internet Roteamento móvel IP móvel Segurança

Leia mais

Aula 1 - Redes de computadores 15

Aula 1 - Redes de computadores 15 Aula 1 - Redes de computadores Objetivos Compreender os conceitos iniciais de redes de computadores. Compreender as principais classificações de redes. Definir e diferenciar as principais topologias de

Leia mais

Capítulo 2 Sistemas Rádio Móveis

Capítulo 2 Sistemas Rádio Móveis Capítulo 2 Sistemas Rádio Móveis 2.1. Histórico e Evolução dos Sistemas Sem Fio A comunicação rádio móvel teve início no final do século XIX [2], quando o cientista alemão H. G. Hertz demonstrou que as

Leia mais

Segurança em redes sem fio Freqüências

Segurança em redes sem fio Freqüências Segurança em redes sem fio Freqüências Carlos Lamb Fausto Levandoski Juliano Johann Berlitz Vagner Dias Universidade do Vale do Rio dos Sinos (UNISINOS) 16/08/2011 AGENDA INTRODUÇÃO ESPECTRO ELETROMAGNÉTICO

Leia mais

Padrões de Rede 15/02/2014. Padrões de rede. Padrão Ethernet IEEE 802.3 802.3

Padrões de Rede 15/02/2014. Padrões de rede. Padrão Ethernet IEEE 802.3 802.3 Padrões de Rede Fundamentos de Redes de Computadores Prof. Marcel Santos Silva Padrões de rede Existem diversos padrões Ethernet, que são utilizados pela maioria das tecnologias de rede local em uso. Definem

Leia mais

Fundamentos de Redes de Computadores. Camadas física e de enlace do modelo OSI Prof. Ricardo J. Pinheiro

Fundamentos de Redes de Computadores. Camadas física e de enlace do modelo OSI Prof. Ricardo J. Pinheiro Fundamentos de Redes de Computadores Camadas física e de enlace do modelo OSI Prof. Ricardo J. Pinheiro Resumo Camada física. Padrões. Equipamentos de rede. Camada de enlace. Serviços. Equipamentos de

Leia mais

prof.edney@superig.com.br Redes de Computadores

prof.edney@superig.com.br Redes de Computadores prof.edney@superig.com.br Redes de Computadores Apresentação do professor, da disciplina, dos métodos de avaliação, das datas de trabalhos e provas; introdução a redes de computadores; protocolo TCP /

Leia mais

Estudo de caso da Solução Unified Wireless Cisco. Jonas Odorizzi. Curso de Redes e Segurança de Sistemas. Pontifícia Universidade Católica do Paraná

Estudo de caso da Solução Unified Wireless Cisco. Jonas Odorizzi. Curso de Redes e Segurança de Sistemas. Pontifícia Universidade Católica do Paraná Estudo de caso da Solução Unified Wireless Cisco Jonas Odorizzi Curso de Redes e Segurança de Sistemas Pontifícia Universidade Católica do Paraná Curitiba, Abril de 2010 RESUMO Este artigo tem o objetivo

Leia mais

Redes sem Fio 2016.1. WMANs (IEEE 802.16) Wi-MAX. Ricardo Kléber. Ricardo Kléber

Redes sem Fio 2016.1. WMANs (IEEE 802.16) Wi-MAX. Ricardo Kléber. Ricardo Kléber Redes sem Fio 2016.1 WMANs (IEEE 802.16) Wi-MAX Curso Superior de Tecnologia em Sistemas para Internet Turma: TEC.SIS.5M Redes sem Fio Onde Estamos? Sistemas de comunicação wireless Redes locais wireless

Leia mais

Subcamada MAC. O Controle de Acesso ao Meio

Subcamada MAC. O Controle de Acesso ao Meio Subcamada MAC O Controle de Acesso ao Meio Métodos de Acesso ao Meio As implementações mais correntes de redes locais utilizam um meio de transmissão que é compartilhado por todos os nós. Quando um nó

Leia mais

3 Redes Locais sem fio IEEE 802.11

3 Redes Locais sem fio IEEE 802.11 3 Redes Locais sem fio IEEE 802.11 3.1. Padrões das redes sem fio IEEE 802.11 Uma rede sem fio (Wireless) é tipicamente uma extensão de uma rede local (Local Area Network - LAN) convencional com fio, criando-se

Leia mais

Nilton Alves Jr. - naj@cbpf.br Sandro Luiz P. da Silva - sandro@cbpf.br RESUMO

Nilton Alves Jr. - naj@cbpf.br Sandro Luiz P. da Silva - sandro@cbpf.br RESUMO CBPF-NT-003/02 Pág.1 Introdução as Redes Wireless Nilton Alves Jr. - naj@cbpf.br Sandro Luiz P. da Silva - sandro@cbpf.br RESUMO Esta nota técnica tem por objetivo mostrar uma breve introdução a nova tecnologia

Leia mais

Guia das Cidades Digitais

Guia das Cidades Digitais Guia Técnico Inatel Guia das Cidades Digitais Módulo 4: Tecnologia Wi-Fi INATEL Competence Center treinamento@inatel.br Tel: (35) 3471-9330 Este módulo trata da tecnologia de acesso sem fio mais amplamente

Leia mais

André Aziz (andreaziz.ufrpe@gmail.com) Francielle Santos (francielle.ufrpe@gmail.com) Noções de Redes

André Aziz (andreaziz.ufrpe@gmail.com) Francielle Santos (francielle.ufrpe@gmail.com) Noções de Redes André Aziz (andreaziz.ufrpe@gmail.com) Francielle Santos (francielle.ufrpe@gmail.com) Noções de Redes Noções de Redes: Estrutura básica; Tipos de transmissão; Meios de transmissão; Topologia de redes;

Leia mais

3.1. Principais características e implementações na Camada Física

3.1. Principais características e implementações na Camada Física 3 Padrão 802.11n Com o intuito de desenvolver um padrão que atendesse a crescente demanda por maior vazão, em julho de 2003 foi formado o grupo de trabalho para desenvolver o padrão 802.11n. O objetivo

Leia mais

Norma IEEE 802.11. Arquitectura IEEE 802.11

Norma IEEE 802.11. Arquitectura IEEE 802.11 Norma IEEE 802.11 Esta norma define as funções e os serviços necessários para um cliente 802.11, de maneira a este operar no modo ad-hoc ou no modo infra-estrutura. Define ainda os aspectos da mobilidade

Leia mais

TRANSMISSÃO DE DADOS

TRANSMISSÃO DE DADOS TRANSMISSÃO DE DADOS Aula 4: Multiplexação Notas de aula do livro: FOROUZAN, B. A., Comunicação de Dados e Redes de Computadores, MCGraw Hill, 4ª edição Prof. Ulisses Cotta Cavalca

Leia mais

Exercícios do livro: Tecnologias Informáticas Porto Editora

Exercícios do livro: Tecnologias Informáticas Porto Editora Exercícios do livro: Tecnologias Informáticas Porto Editora 1. Em que consiste uma rede de computadores? Refira se à vantagem da sua implementação. Uma rede de computadores é constituída por dois ou mais

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Conceitos Básicos Walter Fetter Lages w.fetter@ieee.org Universidade Federal do Rio Grande do Sul Escola de Engenharia Departamento de Engenharia Elétrica Programa de Pós-Graduação

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES

REDES DE COMPUTADORES REDES DE COMPUTADORES Rede é um conjunto de módulos processadores capazes de trocar informações e compartilhar recursos. O tipo de rede é definido pela sua área de abrangência, podemos classificar as redes

Leia mais

Prof. Edson Maia Graduado em Web Design e Programação Bacharel e Licenciado em Geografia Especialista em Gestão Ambiental Complementação para

Prof. Edson Maia Graduado em Web Design e Programação Bacharel e Licenciado em Geografia Especialista em Gestão Ambiental Complementação para Prof. Edson Maia Graduado em Web Design e Programação Bacharel e Licenciado em Geografia Especialista em Gestão Ambiental Complementação para Magistério Superior Especialista em Docência para Educação

Leia mais

Subcamada de Controle de Acesso ao Meio. Prof. Leonardo Barreto Campos 1

Subcamada de Controle de Acesso ao Meio. Prof. Leonardo Barreto Campos 1 Subcamada de Controle de Acesso ao Meio Prof. Leonardo Barreto Campos 1 Sumário Introdução; Protocolos de Acesso Múltiplo: ALOHA puro Slotted ALOHA CSMA persistente CSMA não-persistente CSMA p-persistente

Leia mais

SOLUÇÃO DE TELEMETRIA PARA SANEAMENTO

SOLUÇÃO DE TELEMETRIA PARA SANEAMENTO SOLUÇÃO DE TELEMETRIA PARA SANEAMENTO Marcelo Pessoa Engenheiro de soluções para saneamento Introdução As indústrias buscam eficiência, aumento da qualidade e a redução de custos. Para alcançar isto investem

Leia mais

Wireless Network: Comunicação sem fio

Wireless Network: Comunicação sem fio Wireless Network: Comunicação sem fio Objetivos: Identificar os tipos de redes sem fio e a utilização de cada uma delas. Descrever as técnicas de transmissão utilizadas. Descrever as características da

Leia mais

3 INTEFACES E PROTOCOLOS PARA REDES DE SENSORES INTELIGENTES SEM FIOS

3 INTEFACES E PROTOCOLOS PARA REDES DE SENSORES INTELIGENTES SEM FIOS Capítulo 3 Interfaces e Protocolos para Redes de Sensores Inteligentes sem Fios 36 3 INTEFACES E PROTOCOLOS PARA REDES DE SENSORES INTELIGENTES SEM FIOS A tecnologia sem fios vem sendo comumente utilizada

Leia mais

Redes Locais. Prof. Luiz Carlos B. Caixeta Ferreira

Redes Locais. Prof. Luiz Carlos B. Caixeta Ferreira Redes Locais. Prof. Luiz Carlos B. Caixeta Ferreira 1. Introdução 1.1 - Meios de Transmissão e Topologias 1.2 - Classificação das Redes 1.3 - Métricas de Desempenho 1.4 - Fatores que Impactam no Desempenho

Leia mais

Capítulo 6. Redes sem fio e redes móveis

Capítulo 6. Redes sem fio e redes móveis 1 Capítulo 6 Redes sem fio e redes móveis 2 Redes de computadores I Prof.: Leandro Soares de Sousa E-mail: leandro.uff.puro@gmail.com Site: http://www.ic.uff.br/~lsousa Não deixem a matéria acumular!!!

Leia mais