Universidade Federal de Goiás Escola de Veterinária e Zootecnia. Endocrinopatias

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Universidade Federal de Goiás Escola de Veterinária e Zootecnia. Endocrinopatias"

Transcrição

1 Universidade Federal de Goiás Escola de Veterinária e Zootecnia Endocrinopatias MSc. Saura Nayane de Souza O sistema endócrino é constituído por glândulas localizadas em todo o corpo, que secretam hormônios que são transportados no sangue Um hormônio, por definição, é uma substância que é secretada por uma glândula, mas exerce o seu efeito em qualquer outra parte do corpo A disfunção de qualquer uma destas glândulas irá produzir graves problemas sistêmicos 1

2 Principais endocrinopatias Hipotireoidismo Hiperadrenocorticismo Diabetes mellitus Hipotireoidismo Doença multissistêmica caracterizada pela baixa produção de hormônios tireoidianos 2

3 Hipotireoidismo Tireóide Região cervical caudal à traquéia Intensa vascularização entre os folículos células endoteliais fenestradas facilita a passagem dos hormônios para os vasos Estímulo TSH triiodotironina(t3) e tiroxina(t4) estimulam o metabolismo Células parafoliculares síntese e secreção de calcitonina (regulação do cálcio) Hipotireoidismo Hipotireoidismo pode ocorrer a partir de uma falha em qualquer ponto do eixo hipotalâmicohipofisário-tireóide 3

4 Funções dos Hormônios Tireoidianos Atuam em grande parte dos processos metabólicos Sinais clínicos variados Influenciam a atividade e concentração de enzimas Metabolismo de substratos, vitaminas e minerais Síntese de proteínas e no metabolismo de lipídios Secreção e desintegração de quase todos os hormônios Estimulam eritropoiese Regulação da temperatura corporal - produzir calor Hipotireoidismo primário 95% destruição gradual da tireóide Tireoidite linfocítica Atrofia da tireóide Congênito, neoplasia, iatrogênico Hipotireoidismo secundário e terciário 5% Neoplasia, infecções,hemorragias,etc.. Secundário deficiência de TSH Terciário - Raro deficiência na secreção de TRH Etiologia 4

5 Etiologia Mais comum em cães Raro em gatos Gatos submetidos a cirurgia de tireóide Gatos submetidos a radioterapia no pescoço Sexo não há predisposição Idade : meia idade e idosos Raça : GoldenRetriever, llabrador, Rotweiller, Cocker Spaniel, Beagle, Doberman, Teckel e outras... Sinais metabólicos Letargia Fraqueza Intolerância ao exercício Intolerância ao frio status mental Ganho de peso sem aumento do apetite Intolerância a exercícios 44% são obesos ou estão acima do peso! Sinais clínicos 5

6 Sinais clínicos Alterações cutâneas Pelame seco Disqueratinizacao Hiperpigmentacao Alopecia Cauda de rato Discromia do pelame Comedos Otite ceruminosa Piodermite recidivante Alterações cutâneas 6

7 Alterações cutâneas Sinais clínicos Alterações reprodutivas Fêmeas Anestro persistente Cio silencioso Aumento do intervalo interestral Infertilidade, aborto Ginecomastia, galactorreia Machos Atrofia testicular Queda de libido 7

8 Sinais clínicos Alterações nervosas Casos severos : Polineuropatias Doença vestibular periférica Paralisia do nervo facial Sintomas do SNC o Convulsão, ataxia, andar em círculos Fraqueza generalizada Para e tetraparesia Déficit de propriocepção Sinais clínicos Casos severos: Alterações cardíacas Alterações oftálmicas 8

9 Gatos Alopecia Hipotricose Seborréia Letargia Alteração de humor Ganho de peso Diminuição FC Intolerância ao frio Embotamento Alteração de crescimento Irritação Dor Exames laboratoriais Hemograma Anemia normocítica normocrômica não-regenerativa eritropoietina Bioquímica Hipercolesterolemia e hipertrigliceridemia excreção biliar de colesterol receptores LDL hepáticos lipase lipoprotéica e hepática Aumento da CK - miopatia 9

10 Diagnóstico Suspeita clínica + dosagens hormonais T3 total T4 total T4 livre TSH canino ACS anti-tireoglobulina, anti-t3 e anti-t4 Exames laboratoriais Qual a melhor opção??? T4 total: principal produto de secreção da glândula tireóide- reservatório T4 livre = hormônio disponível aos tecidos T3: 40-60% é derivado do metabolismo periférico (fígado, rins, músculos) 10

11 Suspeita clínica + dosagens hormonais Diagnóstico T3 total Pouco significativo ogrande parte é formado pela deionizaçãodo T4 pelo fígado, rins e músculos T4 total Doenças sistêmicas não tireoideanas diminuem o T4 total Interferência de ACS anti- T4 5 % dos cães hipotireoideos têm T4t normal T4 livre Menos influenciado pelas doenças não tiroideanas e drogas TSH canino 20 a 40% dos casos níveis normais de TSH ACS anti-tireoglobulina, anti-t3 e anti-t4 cães + desenvolvem a doença em alguns anos estágios finais : exame negativo Exames laboratoriais Comparação da sensibilidade e especificidade do T4 total, T4livre e TSH em cães hipotireoideos Sensibilidade Especificidade Acurácia T4 total % 75-82% 85% T4 livre 80-98% 94% 95% TSH 63-87% 83-93% 80-84% 11

12 Doenças que alteram os níveis de T3 e T4 séricos Deficiência de calorias Diabetes mellitus Hiperadrenocorticismo Hepatopatia Hipoadrenocorticismo Insuficiência renal Afecções neuromusculares Piodermites Dermatopatias crônicas Tratamento Levotiroxina sódica (T4 sintético) 0,022mg/KG SID OU BID cães 10 a 22mcg/KG SID OU BID gatos Liotironina(T3 sintético) 4 A 6 μg/kg TID cães 4 A 6 μg/kg TID gatos TIREOTOXICOSE!! 12

13 Hiperadrenocorticismo ou Doença de Cushing Sinais clínicos e às anormalidades bioquímicas que resultam de exposição crônica a um excesso de glicocorticóides Hiperfunção do córtex adrenal Hiperadrenocorticismo Zona Glomerulosa(+ externa) Mineralocorticoides aldosterona - estimula reabsorção Na + pelos túbulos renais Zona Fasciculada (media) Glicocorticoides cortisol - metabolismo protéico Zona reticulada (interna) Glicocorticoides Hormônios sexuais - andrógenos 13

14 Predisposição Racial Poodle, Teckel, Beagle, Maltês, Yorkshire Boxer, Labrador Etária HAC hipofisário > 6 anos Tumor adrenocortical > 9 anos Sexual Fêmeas 50-60% dos casos Etiologia Causas exógenas Hiperadrenocorticismo iatrogênico Administração excessiva de glicocorticóides Causas Endógenas Hiperadrenocorticismo hipófise-dependente 80 % dos casos em cães Tumores e hiperplasia da hipófise Hiperadrenocorticismo adrenal-dependente Tumores Hipoplasia e atrofia da mesma por desuso 14

15 Principais sinais clínicos Polifagia Poliúria Polidipsia Abdome abaulado Obesidade visceral Hepatomegalia Fraqueza muscular Taquipnéia Intolerância ao calor Infecções cutâneas e urinárias recorrentes Principais alterações cutâneas Alopecia simétrica e bilateral Pelame seco, sem brilho Disqueratinização Hiperpigmentação Comedos Atrofia cutânea Telangiectasia Hematomas Calcinose cutânea 15

16 Calcinose cutânea Telangiectasia Comedo Alopecia simétrica e bilateral Complicações clínicas Hipertensão Consequências Hemorragia intra-ocular Deslocamento de retina Hipertrofia do ventrículo esquerdo Insuficiência cardíaca Glomerulopatias Tratamento da hipertensão Verificar outras causas associadas Tratar o hiperadrenocorticismo 16

17 Complicações Diabetes mellitus Cetoacidose diabética Pielonefritee cálculos urinários Glomerulopatias Perda de proteínas pelos glomérulos ICC Apatia Inapetência Anorexia Desorientação Cegueira Intranquilidade Alteração de comportamento Sinais nervosos: Crises epilépticas Andar compulsivo Paraneoplasias Pancreatite Tromboembolismo Aumento de concentração dos fatores de coagulação Obesidade Diagnóstico Clínico Dosagem hormonal Hiperadrenocorticismo e Dislipidemia Cortisol síntese e liberação de lipoproteínas 17

18 Cortisol basal Diagnóstico hormonal Teste de supressão com dexametasona Teste de estimulação com ACTH ACTH endógeno Sem significado diagnóstico! Estresse e doenças crônicas: cor sol Hidrocortisona, cortisona, prednisona, prednisolona, e metilprednisolona: cortisol (reação cruzada em ensaios) Cortisol basal Administração crônica de glicocorticóides : cortisol ENDÓGENO 18

19 Testes de estimulação de ACTH Mais utilizado na veternária Seguro, barato e confiável O cão recebe uma dose de ACTH Cães enfermos- responderão à injeção de ACTH alta taxa de cortisol no sangue, após a injeção Este teste não diferencia a forma pituitária da forma adrenal da doença Teste de supressão com dose baixa com dexametasona Pequenas doses de dexametasona Cães normais -acentuada queda da taxa de cortisol no sangue após 8 horas. Cães enfermos-não há queda dos níveis de cortisol sanguíneo após a administração de dexametasona Este teste também não distingue entre a forma pituitária e a forma adrenal da doença Usar testes de estimulação do ACTH e baixas doses de dexametasona em conjunto 19

20 Teste de supressão de doses altas de Dexametasona Após a confirmação do hiperadrenocorticismo diferenciar as duas formas da doença Forma pituitária-dependente decréscimo do cortisol sanguíneo após receberem doses altas de dexametasona Forma adrenal-dependente Não apresentarão decréscimo no nível de cortisol do sangue, ao receberem doses altas de dexametasona Hemograma Bioquímica Urinálise: Sedimento urinário Radiografia Ultrassonografia Exames complementares 20

21 Tratamento Medicamentoso Mitotano Trilostano Cetoconazol L-deprenil(Anipril) Cirúrgico Hipofisectomia transfenoidal Adrenalectomia Mitotano op DDD (Lisodren 500 mg Bristol-Meyers Squibb) Mecanismo de ação duplo: Agente adrenocorticolítico: efeito citotóxico sobre a córtex adrenal - necrose e atrofia Inibe a esteroidogênese: bloqueia a clivagem da cadeia lateral do colesterol e 11β hidroxilase Base do Inseticida: DDT 21

22 Mitotano- fase de indução 25 mg/kg/bid com alimento Duração: 5-10 d (7d) Efeitos colaterais: 25% dos casos Necessidade de monitorização intensiva Indução inadequada compromete a fase de manutenção Mitotano- Fase de manutenção Início: 50 mg/kg/semana (dividido 2 doses) Monitorizaçãoa cada 2 meses teste : ACTH Exames bioquímicos, hematológicos, urina, glicemia IDEAL: cortisol basal e pós-acth 2-5 µg/dl 22

23 Trilostano Inibidor competitivo da enzima 3 b-hidroxiesteróide desidrogenase Impede a conversão da pregnenolonaem progesterona Cortisol, aldosterona e andrógenos Inibição reversível e dose-dependente Dose: 2-10 mg/kg/sid (3 mg/kg/sid ou Bid) Cetoconazol Anti-fúngico oral década de 80 Efeito colateral : interferir na síntese de hormônios esteróides Porém, com o surgimento da L-deprenil(Anipril), o cetoconazolraramente é utilizado no tratamento do hiperadrenocorticismo 23

24 L-deprenil (Anipril) Mais novo disponível no mercado Única droga aprovada e licenciada para tratamento de doença de Cushingem cães Inibição do excesso de produção ACTH pela glândula pituitária Atua somente nos casos de hiperadrenocorticismo pituitária- dependente (80% dos casos de doença de Cushingem cães são pituitária-dependentes) L-deprenil (Anipril) Vantagens: não produz tantos efeitos colaterais indesejáveis Não há risco de destruir excessivamente a glândula adrenal Não é necessária a monitorizaçãoda glândula adrenal e exames laboratoriais com tanta freqüência, porque a droga não afeta diretamente a glândula adrenal Desvantagens: Preço Sem efeito quando a doença está relacionada diretamente à glândula adrenal 24

25 DIABETES MELLITUS Diabetes Mellitusse caracteriza como uma desordem multissistêmicacrônica atribuída à parcial ou total falta de insulina ou deficiência de ligação aos seus receptores 25

26 Insulina DIABETES = JORRAR MELLITUS = MEL Principal hormônio anabólico dos mamíferos Possui duas funções importantes: Estimular o metabolismo de carboidratos e lipídeos (indução de enzimas celulares, especialmente nos hepatócitos) Transportar glicose principalmente nas células adiposas e da musculatura esquelética Potente inibidor da lise de gordura e sua deficiência é acompanhada da lipólise 26

27 INSULINA Resumindo...funções de: Transporte de glicose Formação de glicogênio Produção de triglicérides Síntese de ácidos nucléicos Alta frequência em cães e gatos Idade: 7 a 15 anos Gatos machos castrados e obesos Cadelas não castradas INCIDÊNCIA 27

28 Classificação e etiologia Diabetes mellitus tipo I- dependente de insulina Diabetes mellitus tipo II- Diabetes mellitus secundaria Diabetes mellitus tipo I Forma mais comum em cães Destruição imunomediada + Predisposição genética das células beta Deficiência absoluta de secreção de insulina Diabetes mellitus 28

29 Predisposição genética Destruição imunomediada Pancreatite Obesidade Drogas diabetogênicas Etiologia Etiologia Depósitos amilóides insulinares - gatos Agentes químicos : aloxano, estreptozotacina Outras endocrinopatias Stress 29

30 Etiologia- Amiloidose na ilhotas pancreáticas Resistência a insulina (obesidade, fatores ambientais, drogas antagonistas da insulina, doenças concomitantes...) secreção de insulina secreção de amilina (hormônio neuroendocrino, co-secretado com a insulina, com atividade glicorreguladora) AMILOIDOSE Etiologia Pancreatite crônica 30% dos casos Estados de resistência insulínica Corticoideterapia Progestágenos Diestro Obesidade Acromegalia 30

31 Glicocorticóides X diabetes gliconeogenese hepática utilização periférica de glicose afinidade do receptor pela insulina número e afinidade dos transportadores de glicose sensibilidade a insulina + hiperglicemia Sinais Clínicos Poliúria Polidipsia Polifagia Perda de peso Cistite Piodermite Pancreatite Hepatomegalia Desidratação Catarata/ retinopatias Neuropatia diabética 31

32 Diagnóstico Histórico Anamnese Exame clínico Exames laboratoriais Diagnóstico Sintomatologia clínica Alterações laboratorias hiperglicemia em jejum + glicosúria Cães > 180 mg/dl Gatos estressados (360 mg/dl) Frutosamina sérica (> 400 Tmol/L) 32

33 Alterações laboratoriais Hiperglicemia Glicosúria, cetonúria Leucocitúria, bacteriúria, proteinúria ALT e FA Colesterol e triglicérides Hipocalemia(gatos) Terapia insulínica Insulina: duração x intensidade de ação Tipos: Regular, NPH, Lenta, PZI, Glargina Espécies: bovina, suína, humana Tratamento 33

34 34

35 35

36 Dietas gatos Dosar a glicemia a cada 2 dias, no horários de pico Em caso de hipoglicemia seguir o esquema: Menor que 60mg/dl glicose ou açúcar na face interna da bochecha do animal, depois dar ração úmida Entre 60 e 80mg/dl dar ração úmida De 80 a 100 dar 1/3 de ração úmida e 2/3 de ração seca 36

37 Dietas cães Dieta para diabeticos: Ração Hill sw/d ou Royal CaninWeightControlDiabeticou ração light Receita caseira: 1/3 arroz integral + 1/3 legumes verdes + 1/3 frango ou carne magra ou Papinhade neném da Nestlé Frutas: só não pode manga, melancia e abacate. Queijo cotage ou ricota Dosar a glicemia a cada 2 dias, no horários de pico Em caso de ataxia, convulsões e tremores dar 5 ml de mel Karo 37

38 DÚVIDAS?? 38

O que é HAC? Hiperadrenocorticismo em cães: diagnóstico e tratamento. Fisiologia glândula adrenal. Tipos de HAC 01/10/2013

O que é HAC? Hiperadrenocorticismo em cães: diagnóstico e tratamento. Fisiologia glândula adrenal. Tipos de HAC 01/10/2013 O que é HAC? Hiperadrenocorticismo em cães: diagnóstico e tratamento Profa. Mestre Leila Taranti Veterinária da equipe NAYA Endocrinologia& VESP DocenteFundaçãoMunicipal de EnsinoSuperior de Bragança Paulista(FESB)

Leia mais

Abordagem Diagnóstica e Terapêutica da Diabete Melito Não Complicada em Cães

Abordagem Diagnóstica e Terapêutica da Diabete Melito Não Complicada em Cães Abordagem Diagnóstica e Terapêutica da Diabete Melito Não Complicada em Cães Cecilia Sartori Zarif Residente em Clínica e Cirurgia de Pequenos Animais da UFV Distúrbio do Pâncreas Endócrino Diabete Melito

Leia mais

HIPOTIROIDISMO. O que é??? Fisiologia tiróide. Etiologia. Hipotiroidismo primário 01/10/2013. Profa. Leila Taranti leilataranti@gmail.

HIPOTIROIDISMO. O que é??? Fisiologia tiróide. Etiologia. Hipotiroidismo primário 01/10/2013. Profa. Leila Taranti leilataranti@gmail. HIPERTIROIDISMO X HIPOTIROIDISMO HIPOTIROIDISMO Profa. Leila Taranti leilataranti@gmail.com 1 2 O que é??? Fisiologia tiróide Deficiência dos hormônios tiroidianos (T3 = triiodotironina e T4= tiroxina)

Leia mais

Diabetes Mellitus em animais de companhia. Natália Leonel Ferreira 2º ano Medicina Veterinária

Diabetes Mellitus em animais de companhia. Natália Leonel Ferreira 2º ano Medicina Veterinária Diabetes Mellitus em animais de companhia Natália Leonel Ferreira 2º ano Medicina Veterinária O que é Diabetes Mellitus? É uma doença em que o metabolismo da glicose fica prejudicado pela falta ou má absorção

Leia mais

Boletim Informativo 2-2007. Estamos disponibilizando as matérias sobre a especialidade de endocrinologia, a primeira trata

Boletim Informativo 2-2007. Estamos disponibilizando as matérias sobre a especialidade de endocrinologia, a primeira trata PEETT IMAGEEM I DIAGNÓSSTTI ICOSS VEETTEERRI INÁRRI IOSS NNO VVO LLAABBO RRAATTÓ RRI IO DD EE AANNAATTOMI IIAA PPAATTOLLÓGI IICAA Estamos comunicando com satisfação nossos novos serviços na especialidade

Leia mais

Alterações Metabolismo Carboidratos DIABETES

Alterações Metabolismo Carboidratos DIABETES 5.5.2009 Alterações Metabolismo Carboidratos DIABETES Introdução Diabetes Mellitus é uma doença metabólica, causada pelo aumento da quantidade de glicose sanguínea A glicose é a principal fonte de energia

Leia mais

HIPERADRENOCORTICISMO EM CÃES

HIPERADRENOCORTICISMO EM CÃES 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 HIPERADRENOCORTICISMO EM CÃES Veruska Martins da Rosa 1, Caio Henrique de Oliveira Carniato 2, Geovana Campanerutti Cavalaro 3 RESUMO: O hiperadrenocorticismo

Leia mais

10/09/2015. Glândula pineal. Hormônio Melatonina : produzido à noite, na ausência de luz. Crescimento; Regulação do sono; CONTROLE HORMONAL

10/09/2015. Glândula pineal. Hormônio Melatonina : produzido à noite, na ausência de luz. Crescimento; Regulação do sono; CONTROLE HORMONAL Glândulas endócrinas e tecidos que secretam hormônios; Coordena funções do organismo CONTROLE HORMONAL S. Nervoso + S. endócrino = Homeostase Mensageiros químicos; Atuam em um tecido ou órgão alvo específico;

Leia mais

Diabetes mellitus tipo I. Classificação e Etiologia 26/08/2010. Terapia do Diabetes mellitus em cães e gatos. Diabetes mellitus tipo I

Diabetes mellitus tipo I. Classificação e Etiologia 26/08/2010. Terapia do Diabetes mellitus em cães e gatos. Diabetes mellitus tipo I Terapia do Diabetes mellitus em cães e gatos X Profa Dra Viviani De Marco Universidade Guarulhos Hospital Veterinário Pompéia SP Patofisiologia do Diabetes Hiperglicemia do estresse Doenças x resistência

Leia mais

Hipotiroidismo Canino. Realizado por : Joana Lourenço Vasco Machado

Hipotiroidismo Canino. Realizado por : Joana Lourenço Vasco Machado Hipotiroidismo Canino Realizado por : Joana Lourenço Vasco Machado O que é uma glândula? Órgão que tem como função produzir uma secreção específica e eliminá-la do organismo, ou lançá-la no sangue ou na

Leia mais

PERFIL PANCREÁTICO. Prof. Dr. Fernando Ananias. MONOSSACARÍDEOS Séries das aldoses

PERFIL PANCREÁTICO. Prof. Dr. Fernando Ananias. MONOSSACARÍDEOS Séries das aldoses PERFIL PANCREÁTICO Prof. Dr. Fernando Ananias MONOSSACARÍDEOS Séries das aldoses 1 DISSACARÍDEO COMPOSIÇÃO FONTE Maltose Glicose + Glicose Cereais Sacarose Glicose + Frutose Cana-de-açúcar Lactose Glicose

Leia mais

DIABETES MELLITUS. Caracteriza-se pela DESTRUIÇÃO das cel s beta, c/ PERDA PROGRESSIVA e eventualmente COMPLETA da secreção de INSULINA.

DIABETES MELLITUS. Caracteriza-se pela DESTRUIÇÃO das cel s beta, c/ PERDA PROGRESSIVA e eventualmente COMPLETA da secreção de INSULINA. DIABETES MELLITUS Ilhotas de Langerhans: cél s alfa que secretam glucagon horm hiperglicemiante; E as cél s beta que secretam insulina horm hipoglicemiante; Glicose para o sg entra dentro das células (PELO

Leia mais

Células A (25%) Glucagon Células B (60%) Insulina Células D (10%) Somatostatina Células F ou PP (5%) Polipeptídeo Pancreático 1-2 milhões de ilhotas

Células A (25%) Glucagon Células B (60%) Insulina Células D (10%) Somatostatina Células F ou PP (5%) Polipeptídeo Pancreático 1-2 milhões de ilhotas Instituto Biomédico Departamento de Fisiologia e Farmacologia Disciplina: Fisiologia II Curso: Medicina Veterinária Pâncreas Endócrino Prof. Guilherme Soares Ilhotas Células A (25%) Glucagon Células B

Leia mais

Sistema endócrino. Apostila 3 Página 22

Sistema endócrino. Apostila 3 Página 22 Sistema endócrino Apostila 3 Página 22 Sistema mensageiro Hormônios: informacionais, produzidas pelas glândulas endócrinas e distribuídas pelo sangue. Órgão-alvo: reage ao estímulo do hormônio. Sistema

Leia mais

Diabetes mellitus em felinos Ricardo Duarte www.hospitalveterinariopompeia.com.br

Diabetes mellitus em felinos Ricardo Duarte www.hospitalveterinariopompeia.com.br Diabetes mellitus em felinos Ricardo Duarte www.hospitalveterinariopompeia.com.br Síndrome que abrange uma série de doenças de etiologia diferente e clinicamente heterogêneas, que se caracterizam pela

Leia mais

Boletim Informativo 7 e 8-2010

Boletim Informativo 7 e 8-2010 PPEETT IMAGEEM I DDI IAGNÓSSTTI ICOSS VVEETTEERRI INÁRRI IOSS KKI IITTSS PPAARRAA LLAABBORRAATTÓRRI IIO EE RREEQUUI IISSI IIÇÇÕEESS Vamos lembrar novamente que para reposição de materiais de coleta laboratorial

Leia mais

Anatomia e Fisiologia Animal Sistema Endócrino. Profa. Valdirene Zabot Unochapecó

Anatomia e Fisiologia Animal Sistema Endócrino. Profa. Valdirene Zabot Unochapecó Anatomia e Fisiologia Animal Sistema Endócrino Profa. Valdirene Zabot Unochapecó Sistema de Comunicação Corpórea: Endócrino Nervoso Produtos = Hormônios: ajudam a enviar informações para outras células

Leia mais

Diabetes mellitus em felinos

Diabetes mellitus em felinos Definição Diabetes mellitus em felinos Profa Mestre Leila Taranti (NAYA Endocrinologia&VESP/FESB) Diabetes mellitus é definido como hiperglicemia persistente causada pela relativa ou absoluta deficiência

Leia mais

Sistema Endócrino: controle hormonal

Sistema Endócrino: controle hormonal Sistema Endócrino: controle hormonal Todos os processos fisiológicos estudados até agora, como digestão, respiração, circulação e excreção, estão na dependência do sistema que fabrica os hormônios. O sistema

Leia mais

DIABETES MELLITUS. Prof. Claudia Witzel

DIABETES MELLITUS. Prof. Claudia Witzel DIABETES MELLITUS Diabetes mellitus Definição Aumento dos níveis de glicose no sangue, e diminuição da capacidade corpórea em responder à insulina e ou uma diminuição ou ausência de insulina produzida

Leia mais

TIREÓIDE E PARATIREÓIDE

TIREÓIDE E PARATIREÓIDE Disciplina de Fisiologia Veterinária TIREÓIDE E PARATIREÓIDE Prof. Fabio Otero Ascoli Localização: TIREÓIDE Caudalmente à traquéia, na altura do primeiro ou segundo anel traqueal Composição: Dois lobos,

Leia mais

SISTEMA ENDÓCRINO. Prof. Diego Ceolin

SISTEMA ENDÓCRINO. Prof. Diego Ceolin SISTEMA ENDÓCRINO Prof. Diego Ceolin INTRODUÇÃO Função: Atua juntamente com o sistema nervoso para o equilíbrio corporal ( Homeostase ) HOMEOSTASE Tendência permanente do organismo manter a constância

Leia mais

Corticóides na Reumatologia

Corticóides na Reumatologia Corticóides na Reumatologia Corticóides (CE) são hormônios esteróides produzidos no córtex (área mais externa) das glândulas suprarrenais que são dois pequenos órgãos localizados acima dos rins. São produzidos

Leia mais

Anatomia e Fisiologia Humana

Anatomia e Fisiologia Humana Introdução Boa parte do funcionamento do corpo humano depende da comunicação entre as células por meio de mensageiros químicos que viajam pelos sangue. Conjunto de células produtoras de hormônios. Hormônios

Leia mais

47 Por que preciso de insulina?

47 Por que preciso de insulina? A U A UL LA Por que preciso de insulina? A Medicina e a Biologia conseguiram decifrar muitos dos processos químicos dos seres vivos. As descobertas que se referem ao corpo humano chamam mais a atenção

Leia mais

+ + - + + Hormônios da Hipófise 30/06/2010. Patologia do Sistema Endócrino. Prof. Dr. Raimundo Alberto Tostes

+ + - + + Hormônios da Hipófise 30/06/2010. Patologia do Sistema Endócrino. Prof. Dr. Raimundo Alberto Tostes UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ COORDENAÇÃO DO CURSO DE MEDICINA VETERINÁRIA DISCIPLINA DE PATOLOGIA VETERINÁRIA Patologia do Sistema Endócrino Prof. Dr. Raimundo Alberto Tostes Patologia do Sistema Endócrino

Leia mais

Diabetes INVESTIGAÇÕES BIOQUÍMICAS ESPECIALIZADAS

Diabetes INVESTIGAÇÕES BIOQUÍMICAS ESPECIALIZADAS DIABETES Diabetes INVESTIGAÇÕES BIOQUÍMICAS ESPECIALIZADAS Homeostasia da glucose ACÇÃO DA INSULINA PÂNCREAS Gluconeogénese Glicogenólise Lipólise Cetogénese Proteólise INSULINA GO GO GO GO GO Absorção

Leia mais

Sistema endócrino + Sistema nervoso. integração e controle das funções do organismo

Sistema endócrino + Sistema nervoso. integração e controle das funções do organismo Sistema endócrino Sistema endócrino + Sistema nervoso integração e controle das funções do organismo Sistema endócrino Conjunto de glândulas endócrinas que secretam hormônio Relembrando Glândulas que liberam

Leia mais

Bases Moleculares da Obesidade e Diabetes Síndromes que Causam Obesidade Prof. Carlos Castilho de Barros

Bases Moleculares da Obesidade e Diabetes Síndromes que Causam Obesidade Prof. Carlos Castilho de Barros Bases Moleculares da Obesidade e Diabetes Síndromes que Causam Obesidade Prof. Carlos Castilho de Barros http://wp.ufpel.edu.br/obesidadediabetes/ Fígado Estômago e Intestino delgado Localização Córtex

Leia mais

Tipos de Diabetes. Diabetes Gestacional

Tipos de Diabetes. Diabetes Gestacional Tipos de Diabetes Diabetes Gestacional Na gravidez, duas situações envolvendo o diabetes podem acontecer: a mulher que já tinha diabetes e engravida e o diabetes gestacional. O diabetes gestacional é a

Leia mais

Glândulas endócrinas:

Glândulas endócrinas: SISTEMA ENDOCRINO Glândulas endócrinas: Funções: Secreções de substâncias (hormônios) que atuam sobre célula alvo Regulação do organismo (homeostase) Hormônios: Substâncias químicas que são produzidas

Leia mais

GLICOCORTICÓIDES PRINCIPAIS USOS DOS FÁRMACOS INIBIDORES DOS ESTERÓIDES ADRENOCORTICAIS

GLICOCORTICÓIDES PRINCIPAIS USOS DOS FÁRMACOS INIBIDORES DOS ESTERÓIDES ADRENOCORTICAIS GLICOCORTICÓIDES - Hormônios esteroidais: Hormônios sexuais e Hormônios do Córtex da Adrenal. - Hormônios do Córtex da Adrenal: o Adrenocorticosteróides [glicocorticóides e (cortisol) e Mineralocorticóides

Leia mais

Curso: Integração Metabólica

Curso: Integração Metabólica Curso: Integração Metabólica Aula 7: Suprarrenal e tireoide Prof. Carlos Castilho de Barros Algumas pessoas podem apresentar distúrbios que provocam a obesidade. Estórias como Eu como pouco mas continuo

Leia mais

Insulinoterapia em cães diabé4cos

Insulinoterapia em cães diabé4cos Insulinoterapia em cães diabé4cos Profa Dra Viviani De Marco (NAYA Endocrinologia&VESP/UNISA) Profa Mestre Leila TaranF (NAYA Endocrinologia&VESP/Fundação Municipal de Ensino Superior de Bragança Paulista)

Leia mais

Excreção. Manutenção do equilíbrio de sal, água e remoção de excretas nitrogenadas.

Excreção. Manutenção do equilíbrio de sal, água e remoção de excretas nitrogenadas. Fisiologia Animal Excreção Manutenção do equilíbrio de sal, água e remoção de excretas nitrogenadas. Sistema urinario Reabsorção de açucar, Glicose, sais, água. Regula volume sangue ADH: produzido pela

Leia mais

VI - Diabetes hiperglicémia

VI - Diabetes hiperglicémia VI - Diabetes A Diabetes mellitus é uma doença caracterizada por deficiência na produção da insulina, aumento da sua destruição ou ineficiência na sua acção. Tem como consequência principal a perda de

Leia mais

Curso: Integração Metabólica

Curso: Integração Metabólica Curso: Integração Metabólica Aula 9: Sistema Nervoso Autônomo Prof. Carlos Castilho de Barros Sistema Nervoso Sistema Nervoso Central Sistema Nervoso Periférico Sensorial Motor Somático Autônomo Glândulas,

Leia mais

Fisiologia da glândula Tireóide

Fisiologia da glândula Tireóide Universidade Federal do Espírito Santo PSICOLOGIA Fisiologia da glândula Tireóide Élio Waichert Júnior Localização anatômica Secreta 3 Hormônios: Tiroxina (T4) Triiodotironina (T3) Calcitonina Prof. Élio

Leia mais

Pontifícia Universidade Católica de Goiás Departamento de Ciências Aeronáuticas. Sistema Endócrino. Prof. Raimundo Júnior M.Sc.

Pontifícia Universidade Católica de Goiás Departamento de Ciências Aeronáuticas. Sistema Endócrino. Prof. Raimundo Júnior M.Sc. Pontifícia Universidade Católica de Goiás Departamento de Ciências Aeronáuticas Sistema Endócrino Prof. Raimundo Júnior M.Sc. Sistema Hormonal atua como um sistema de controle e regulação (assim como o

Leia mais

Cartilha de Prevenção. ANS - nº31763-2. Diabetes. Fevereiro/2015

Cartilha de Prevenção. ANS - nº31763-2. Diabetes. Fevereiro/2015 Cartilha de Prevenção 1 ANS - nº31763-2 Diabetes Fevereiro/2015 Apresentação Uma das missões da Amafresp é prezar pela qualidade de vida de seus filiados e pela prevenção através da informação, pois esta

Leia mais

Sistema Endócrino. Introdução. Glândulas e suas secreções. 1. Hipotálamo: 2. Hipófise anterior (adeno-hipófise):

Sistema Endócrino. Introdução. Glândulas e suas secreções. 1. Hipotálamo: 2. Hipófise anterior (adeno-hipófise): Introdução Sistema Endócrino O sistema endócrino é composto por um grupo de tecidos especializados (glândulas) cuja função é produzir e liberar na corrente sanguínea substâncias chamadas Hormônios. Os

Leia mais

DIABETES MELLITUS. Dra. Luciana N Cosenso Martin Disciplina de Clínica Médica FAMERP

DIABETES MELLITUS. Dra. Luciana N Cosenso Martin Disciplina de Clínica Médica FAMERP DIABETES MELLITUS Dra. Luciana N Cosenso Martin Disciplina de Clínica Médica FAMERP DIABETES MELLITUS DEFINIÇÃO Síndrome de etiologia múltipla decorrente da falta de ação de insulina e/ou da incapacidade

Leia mais

ALTERAÇÕES METABÓLICAS NA GRAVIDEZ

ALTERAÇÕES METABÓLICAS NA GRAVIDEZ ALTERAÇÕES METABÓLICAS NA GRAVIDEZ CUSTO ENERGÉTICO DA GRAVIDEZ CRESCIMENTO E DESENVOLVIMENTO FETAL SÍNTESE DE TECIDO MATERNO 80.000 kcal ou 300 Kcal por dia 2/4 médios 390 Kcal depósito de gordura- fase

Leia mais

SISTEMA ENDÓCRINO. Ornólia Paracampos

SISTEMA ENDÓCRINO. Ornólia Paracampos SISTEMA ENDÓCRINO Ornólia Paracampos CARACTERÍSTICAS Sistema de regulação e integração de funções O mediador químico é um hormônio Alcança o alvo via sangue Aã Ação mais lenta e mais duradoura d São glândulas

Leia mais

PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. Hiperadrenocorticismo canino: relato de caso

PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. Hiperadrenocorticismo canino: relato de caso PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. Hiperadrenocorticismo canino: relato de caso Mariane Pacheco dos Santos 1, Gabriela Morais Madruga 2, Renato Linhares Sampaio 3, Rodrigo Supranzetti

Leia mais

Sistema Endócrino Sistema Endócrino Sistema Endócrino Sistema Endócrino Sistema Endócrino Sistema Endócrino Mensagem Química: Hormônios Os hormônios são substâncias químicas liberadas na corrente sanguínea

Leia mais

ZOOLOGIA E HISTOLOGIA ANIMAL

ZOOLOGIA E HISTOLOGIA ANIMAL ZOOLOGIA E HISTOLOGIA ANIMAL Sistema Endócrino Prof. Fernando Stuchi Introdução Os mensageiros químicos do corpo (hormônios) são produzidos pelas glândulas endócrinas ou glândulas de secreção interna,

Leia mais

0800 30 30 03 www.unimedbh.com.br

0800 30 30 03 www.unimedbh.com.br ANS - Nº 34.388-9 0800 30 30 03 www.unimedbh.com.br Março 2007 Programa de Atenção ao Diabetes O que é diabetes? AUnimed-BH preocupa-se com a saúde e o bem-estar dos seus clientes, por isso investe em

Leia mais

Hipófise. 1.1. Relações anatômicas. Hipotálamo interface entre os sistemas nervoso e endócrino. Remoção cirúrgica morte 1 a 2 dias

Hipófise. 1.1. Relações anatômicas. Hipotálamo interface entre os sistemas nervoso e endócrino. Remoção cirúrgica morte 1 a 2 dias 1. CARACTERÍSTICAS GERAIS DO SISTEMA HIPOTÂMICO HIPÓFISÁRIO 1.1. Relações anatômicas Hipófise Hipotálamo interface entre os sistemas nervoso e endócrino Infundíbulo Controla a função hipofisária através

Leia mais

EXERCÍCIO E DIABETES

EXERCÍCIO E DIABETES EXERCÍCIO E DIABETES Todos os dias ouvimos falar dos benefícios que os exercícios físicos proporcionam, de um modo geral, à nossa saúde. Pois bem, aproveitando a oportunidade, hoje falaremos sobre a Diabetes,

Leia mais

Principal função exócrina = produção, secreção e estoque de enzimas digestivas (gordura, proteínas e polissacarideos) Cães: Possuem dois ductos

Principal função exócrina = produção, secreção e estoque de enzimas digestivas (gordura, proteínas e polissacarideos) Cães: Possuem dois ductos Principal função exócrina = produção, secreção e estoque de enzimas digestivas (gordura, proteínas e polissacarideos) Cães: Possuem dois ductos pancreáticos (principal e acessório) Gatos: Ducto biliar

Leia mais

Sistema Endócrino II - Hormônios

Sistema Endócrino II - Hormônios Ciências Morfofuncionais III Sistema Endócrino II - Hormônios Natureza, química e funções Professores: Felipe, Jean-Pierre e Olivia Endocrinologia Estudo das secreções internas do organismo Hormônios São

Leia mais

Aula 10: Diabetes Mellitus (DM)

Aula 10: Diabetes Mellitus (DM) Aula 10: Diabetes Mellitus (DM) Diabetes Mellitus (DM) Doença provocada pela deficiência de produção e/ou de ação da insulina, que leva a sintomas agudos e a complicações crônicas características; Insulina:

Leia mais

EFICÁCIA DA INSULINA GLARGINA NO TRATAMENTO DA DIABETES MELLITUS TIPO I EM CÃES

EFICÁCIA DA INSULINA GLARGINA NO TRATAMENTO DA DIABETES MELLITUS TIPO I EM CÃES 26 a 29 de outubro de 2010 ISBN 978-85-61091-69-9 EFICÁCIA DA INSULINA GLARGINA NO TRATAMENTO DA DIABETES MELLITUS TIPO I EM CÃES Veruska Martins da Rosa Buchaim 1 ; Carlos Maia Bettini 2 RESUMO: A diabetes

Leia mais

HIPOTIROIDISMO INTRODUÇÃO

HIPOTIROIDISMO INTRODUÇÃO HIPOTIROIDISMO INTRODUÇÃO Deficiência hormonal mais comum Produção ou ação deficiente dos hormônios tiroidianos Prevalência de 2 a 3% na população geral Mais comum em mulheres (10:1), idosos e brancos

Leia mais

DIABETES MELLITUS PATRÍCIA DUPIM

DIABETES MELLITUS PATRÍCIA DUPIM DIABETES MELLITUS PATRÍCIA DUPIM Introdução É um conjunto de doenças metabólicas que provocam hiperglicemia por deficiência de insulina Essa deficiência pode ser absoluta, por baixa produção, ou relativa

Leia mais

DIABETES MELLITUS DIABETES MELLITUS DIABETES MELLITUS DIABETES MELLITUS DIABETES MELLITUS DIABETES MELLITUS 18/9/2014

DIABETES MELLITUS DIABETES MELLITUS DIABETES MELLITUS DIABETES MELLITUS DIABETES MELLITUS DIABETES MELLITUS 18/9/2014 UNESC ENFERMAGEM SAÚDE DO ADULTO PROFª.: FLÁVIA NUNES O Diabetes Mellitus configura-se hoje como uma epidemia mundial, traduzindo-se em grande desafio para os sistemas de saúde de todo o mundo. O envelhecimento

Leia mais

Lista de Exercícios. Aluno(a): Nº. Pré Universitário Uni-Anhanguera. Disciplina: Biologia

Lista de Exercícios. Aluno(a): Nº. Pré Universitário Uni-Anhanguera. Disciplina: Biologia Lista de Exercícios Pré Universitário Uni-Anhanguera Aluno(a): Nº. Professor: Mário Neto Série: 2 Ano Disciplina: Biologia 1) (Fuvest-1998) Uma jovem que sempre foi saudável chegou a um hospital em estado

Leia mais

TIREÓIDE. O que é tireóide?

TIREÓIDE. O que é tireóide? TIREÓIDE O que é tireóide? A tireóide é uma glândula em forma de borboleta, situada no pescoço, logo abaixo do ossinho do pescoço, popularmente conhecido como gogó. A tireóide produz um hormônio capaz

Leia mais

SISTEMA ENDÓCRINO. Prof. Me. Leandro Parussolo

SISTEMA ENDÓCRINO. Prof. Me. Leandro Parussolo SISTEMA ENDÓCRINO Prof. Me. Leandro Parussolo Sistema Endócrino Função de garantir o fluxo de informações entre diferentes cells, permitindo a integração funcional de todo o organismo; Garantir a reprodução;

Leia mais

FISIOLOGIA ENDÓCRINA

FISIOLOGIA ENDÓCRINA EXERCÍCIOS DE APRENDIZAGEM FISIOLOGIA ENDÓCRINA 01. Os chamados hormônios trópicos da hipófise são aqueles que estimulam: a) o desenvolvimento e a função de outras glândulas b) a produção e a eliminação

Leia mais

Diabetes Mellitus Tipo 1

Diabetes Mellitus Tipo 1 Diabetes Mellitus Tipo 1 Doença decorrente do mal funcionamento das células β do pâncreas, que são produtoras do hormônio insulina. Este tem a função de colocar a glicose sanguínea dentro das células.

Leia mais

Disciplina de Fisiologia Veterinária. GH e PROLACTINA. Prof. Fabio Otero Ascoli

Disciplina de Fisiologia Veterinária. GH e PROLACTINA. Prof. Fabio Otero Ascoli Disciplina de Fisiologia Veterinária GH e PROLACTINA Prof. Fabio Otero Ascoli GH Sinônimos: Hormônio do crescimento ou somatotrópico ou somatotropina Histologia: Em torno de 30 a 40% das células da hipófise

Leia mais

SISTEMA ENDÓCRINO. Jatin Das TIREÓIDE

SISTEMA ENDÓCRINO. Jatin Das TIREÓIDE SISTEMA ENDÓCRINO Jatin Das Os hormônios tireoidianos são fundamentais para o desenvolvimento de vários órgãos no período embrionário, rio, mas também m são responsáveis pelo crescimento, a diferenciação

Leia mais

BIOLOGIA - 2 o ANO MÓDULO 13 SUPRARRENAL, PÂNCREAS E GÔNADAS

BIOLOGIA - 2 o ANO MÓDULO 13 SUPRARRENAL, PÂNCREAS E GÔNADAS BIOLOGIA - 2 o ANO MÓDULO 13 SUPRARRENAL, PÂNCREAS E GÔNADAS Fixação 1) (UERJ) O esquema abaixo representa a ação de alguns hormônios a captação ou na liberação de glicose pela célula hepática. Cite:

Leia mais

Hipertensão arterial. Casos clínicos. A. Galvão-Teles 22º CURSO NEDO PÓS-GRADUADO DE ENDOCRINOLOGIA ENDOCRINOLOGIA EM CASOS CLÍNICOS

Hipertensão arterial. Casos clínicos. A. Galvão-Teles 22º CURSO NEDO PÓS-GRADUADO DE ENDOCRINOLOGIA ENDOCRINOLOGIA EM CASOS CLÍNICOS 22º CURSO NEDO PÓS-GRADUADO DE ENDOCRINOLOGIA ENDOCRINOLOGIA EM CASOS CLÍNICOS Casos clínicos Hipertensão arterial A. Galvão-Teles Viseu, Outubro de 2012 Caso Clínico 1 Motivo consulta: Bócio Mulher de

Leia mais

Clínica Médica de Pequenos Animais

Clínica Médica de Pequenos Animais V e t e r i n a r i a n D o c s Clínica Médica de Pequenos Animais Enfermidades Endocrinológicas Referências Hormonais Tabela 1. Referências hormonais para caninos e felinos Hormônio Valores de Referência

Leia mais

Disciplina de BIOQUÍMICA do Ciclo Básico de MEDICINA Universidade dos Açores. 1º Ano ENSINO PRÁTICO DIABETES MELLITUS

Disciplina de BIOQUÍMICA do Ciclo Básico de MEDICINA Universidade dos Açores. 1º Ano ENSINO PRÁTICO DIABETES MELLITUS Disciplina de BIOQUÍMICA do Ciclo Básico de MEDICINA Universidade dos Açores 1º Ano ENSINO PRÁTICO DIABETES MELLITUS Diabetes Mellitus É a doença endócrina mais comum encontrada na clínica; - Caracterizada

Leia mais

IMUNOCASTRAÇÃO. Universidade Estadual de Londrina Camila Lorena de Lucio 4º ano de Zootecnia.

IMUNOCASTRAÇÃO. Universidade Estadual de Londrina Camila Lorena de Lucio 4º ano de Zootecnia. IMUNOCASTRAÇÃO Universidade Estadual de Londrina Camila Lorena de Lucio 4º ano de Zootecnia. Cronograma 1.Introdução 2. Suínos 3. Bovinos 4.Imunocastração 5. Considerações finais 1. Introdução A castração

Leia mais

Hormonas e mensageiros secundários

Hormonas e mensageiros secundários Hormonas e mensageiros secundários Interrelação entre os tecidos Comunicação entre os principais tecidos Fígado tecido adiposo hormonas sistema nervoso substratos em circulação músculo cérebro 1 Um exemplo

Leia mais

TÍTULO: AVALIAÇÃO DA EFICÁCIA TERAPÊUTICA E POSOLOGIA DO TRILOSTANO MANIPULADO EM CÃES COM HIPERADRENOCORTICISMO ESPONTÂNEO

TÍTULO: AVALIAÇÃO DA EFICÁCIA TERAPÊUTICA E POSOLOGIA DO TRILOSTANO MANIPULADO EM CÃES COM HIPERADRENOCORTICISMO ESPONTÂNEO TÍTULO: AVALIAÇÃO DA EFICÁCIA TERAPÊUTICA E POSOLOGIA DO TRILOSTANO MANIPULADO EM CÃES COM HIPERADRENOCORTICISMO ESPONTÂNEO CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: MEDICINA VETERINÁRIA

Leia mais

Sistema endócrino I. As células produtoras de hormônios estão geralmente reunidas em órgãos denominados glândulas endócrinas.

Sistema endócrino I. As células produtoras de hormônios estão geralmente reunidas em órgãos denominados glândulas endócrinas. RESUMO DE AULA Sistema endócrino I O funcionamento e equilíbrio fisiológico do corpo humano dependem em parte da comunicação entre as células por meio de mensageiros químicos denominados de hormônios.

Leia mais

Universidade Federal de Pernambuco Centro de Ciências Biológicas Departamento de Bioquímica. Aula Teórica: Hormônios I

Universidade Federal de Pernambuco Centro de Ciências Biológicas Departamento de Bioquímica. Aula Teórica: Hormônios I Universidade Federal de Pernambuco Centro de Ciências Biológicas Departamento de Bioquímica Aula Teórica: Hormônios I Disciplina: Bioquímica Curso: Ciências Farmacêuticas Priscilla Stela Santana de Oliveira

Leia mais

CAD. choque! CAD. Ricardo Duarte www.hospitalveterinariopompeia.com.br. hiperglicemia - + H + glicose. glucagon. catecolaminas cortisol GH

CAD. choque! CAD. Ricardo Duarte www.hospitalveterinariopompeia.com.br. hiperglicemia - + H + glicose. glucagon. catecolaminas cortisol GH Ricardo Duarte www.hospitalveterinariopompeia.com.br hiperglicemia CAD acidose cetose neoglicogênese glicogenólise + amino ácidos insulina insuficiente suspensão da insulina resistência insulínica deficiência

Leia mais

O beneficio da atividade física no tratamento do diabetes tipo 2. ALVIN. Fabiano A. Folgate. Resumo:

O beneficio da atividade física no tratamento do diabetes tipo 2. ALVIN. Fabiano A. Folgate. Resumo: O beneficio da atividade física no tratamento do diabetes tipo 2 ALVIN. Fabiano A. Folgate Resumo: O objetivo do trabalho foi analisar o beneficio do exercício físico no individuo diabético tipo 2, tratando

Leia mais

Doenças da Tireóide. Prof. Fernando Ramos

Doenças da Tireóide. Prof. Fernando Ramos Doenças da Tireóide Prof. Fernando Ramos Introdução A tireóide é uma glândula localiza na porção anterior do pescoço e responde pela produção de hormônios como Triiodotironina (T3) e Tiroxina (T4) que

Leia mais

Pâncreas. Pancreatite aguda. Escolha uma das opções abaixo para ler mais detalhes.

Pâncreas. Pancreatite aguda. Escolha uma das opções abaixo para ler mais detalhes. Pâncreas Escolha uma das opções abaixo para ler mais detalhes. Pancreatite aguda Pancreatite crônica Cistos pancreáticos Câncer de Pancrêas Pancreatite aguda O pâncreas é um órgão com duas funções básicas:

Leia mais

SISTEMA ENDÓCRINO - HORMONAL

SISTEMA ENDÓCRINO - HORMONAL SISTEMA ENDÓCRINO - HORMONAL As funções corporais são reguladas por dois grandes sistemas de controle: 1. Sist. Nervoso 2. Sist. Hormonal ou Endócrino envolvido com: - diferentes funções metabólicas -

Leia mais

06/05/2012. Ausência das manifestações clínicas da doença, apesar da suspensão do tratamento Possibilidade de recidiva Remissão cura (?

06/05/2012. Ausência das manifestações clínicas da doença, apesar da suspensão do tratamento Possibilidade de recidiva Remissão cura (? Prof. Dr. Ricardo Duarte Ausência das manifestações clínicas da doença, apesar da suspensão do tratamento Possibilidade de recidiva Remissão cura (?) Etiologia multifatorial 80% diabetes tipo 2 em seres

Leia mais

ESTUDO DIRIGIDO MORFOLOGIA MICROSCOPICA

ESTUDO DIRIGIDO MORFOLOGIA MICROSCOPICA 1 ESTUDO DIRIGIDO MORFOLOGIA MICROSCOPICA 1- As glândulas adrenais têm uma das mais altas taxas de fluxo sanguíneo por grama de tecido do organismo, sendo que o córtex abrange 80% e a medula, 20% do órgão.

Leia mais

Profª Leticia Pedroso

Profª Leticia Pedroso Profª Leticia Pedroso Sistema Endócrino O homem apresenta em seu organismo várias glândulas endócrinas (glândulas que secretam hormônios para dentro do sangue). Hormônios são mensageiros químicos responsáveis

Leia mais

estimação tem diabetes?

estimação tem diabetes? Será que o seu animal de estimação tem diabetes? Informação acerca dos sinais mais comuns e dos factores de risco. O que é a diabetes? Diabetes mellitus, o termo médico para a diabetes, é uma doença causada

Leia mais

DIABETES MELLITUS ( DM ) Autor: Dr. Mauro Antonio Czepielewski www.abcdasaude.com.br/artigo.php?127

DIABETES MELLITUS ( DM ) Autor: Dr. Mauro Antonio Czepielewski www.abcdasaude.com.br/artigo.php?127 DIABETES MELLITUS ( DM ) Autor: Dr. Mauro Antonio Czepielewski www.abcdasaude.com.br/artigo.php?127 Sinônimos: Diabetes, hiperglicemia Nomes populares: Açúcar no sangue, aumento de açúcar. O que é? Doença

Leia mais

Estrutura adrenal. Função da medula adrenal. Função da medula adrenal. Funções do córtex adrenal. Funções do córtex adrenal. Funções do córtex adrenal

Estrutura adrenal. Função da medula adrenal. Função da medula adrenal. Funções do córtex adrenal. Funções do córtex adrenal. Funções do córtex adrenal Estrutura adrenal Função da medula adrenal O córtex compreende a zona glomerulosa, secretora dos minelocorticóides, e a zona reticulada, secretora de glicocorticóides e dos androgênios adrenais. A medula

Leia mais

D I R E T O R I A D E S A Ú D E

D I R E T O R I A D E S A Ú D E Saúde In Forma Junho/2013 Dia 26 de Junho Dia Nacional do Diabetes Diabetes é uma doença metabólica caracterizada por um aumento anormal da glicose ou açúcar no sangue. A glicose é a principal fonte de

Leia mais

SISTEMA ENDÓCRINO. Informações gerais

SISTEMA ENDÓCRINO. Informações gerais SISTEMA ENDÓCRINO Algumas das mais importantes funções do nosso corpo são reguladas e integradas pelo sistema endócrino, frequentemente interagindo com o sistema nervoso: o sistema nervoso pode fornecer

Leia mais

A PESSOA COM DIABETES

A PESSOA COM DIABETES A PESSOA COM DIABETES A diabetes mellitus é uma doença crónica com elevados custos humanos, sociais e económicos, em rápida expansão por todo o mundo. Calcula-se que Portugal terá, na segunda década deste

Leia mais

Hormônio do Crescimento

Hormônio do Crescimento Texto de apoio ao curso de Especialização Atividade Física Adaptada e Saúde Prof. Dr. Luzimar Teixeira Hormônio do Crescimento O Hormônio do Crescimento Humano é um dos muitos hormônios que tem sua produção

Leia mais

Deposteron cipionato de testosterona

Deposteron cipionato de testosterona Deposteron cipionato de testosterona EMS SIGMA PHARMA LTDA Solução I.M. 100 mg/ ml MODELO DE BULA - PACIENTE Deposteron cipionato de testosterona APRESENTAÇÕES Solução oleosa injetável 100 mg/ml em embalagem

Leia mais

Pâncreas. Glucagon. Insulina

Pâncreas. Glucagon. Insulina Diabetes Mellitus Pâncreas Pâncreas Glucagon Insulina Insulina Proteína composta de 2 cadeias de aminoácidos Seqüência de aa semelhante entre as espécies domésticas e humana Absorção de glicose glicemia

Leia mais

TRATAMENTO MEDICAMENTOSO DO DIABETES MELLITUS: SULFONILUREIAS E BIGUANIDAS

TRATAMENTO MEDICAMENTOSO DO DIABETES MELLITUS: SULFONILUREIAS E BIGUANIDAS UNIVERSIDADE DE UBERABA LIGA DE DIABETES 2013 TRATAMENTO MEDICAMENTOSO DO DIABETES MELLITUS: SULFONILUREIAS E BIGUANIDAS PALESTRANTES:FERNANDA FERREIRA AMUY LUCIANA SOUZA LIMA 2013/2 CRITÉRIOS PARA ESCOLHA

Leia mais

COMPOSIÇÃO QUÍMICA DA CARNE. Profª Sandra Carvalho

COMPOSIÇÃO QUÍMICA DA CARNE. Profª Sandra Carvalho COMPOSIÇÃO QUÍMICA DA CARNE Profª Sandra Carvalho A carne magra: 75% de água 21 a 22% de proteína 1 a 2% de gordura 1% de minerais menos de 1% de carboidratos A carne magra dos diferentes animais de abate

Leia mais

Saiba quais são os diferentes tipos de diabetes

Saiba quais são os diferentes tipos de diabetes Saiba quais são os diferentes tipos de diabetes Diabetes é uma doença ocasionada pela total falta de produção de insulina pelo pâncreas ou pela quantidade insuficiente da substância no corpo. A insulina

Leia mais

Texto de apoio ao curso de Especialização. Atividade física adaptada e saúde. Prof. Dr. Luzimar Teixeira TIREÓIDE

Texto de apoio ao curso de Especialização. Atividade física adaptada e saúde. Prof. Dr. Luzimar Teixeira TIREÓIDE Texto de apoio ao curso de Especialização Atividade física adaptada e saúde Prof. Dr. Luzimar Teixeira TIREÓIDE "A tireóide é uma importante glândula do nosso organismo e produz hormônios que tem como

Leia mais

TERAPÊUTICA DA HIPERTENSÃO ARTERIAL SISTÊMICA

TERAPÊUTICA DA HIPERTENSÃO ARTERIAL SISTÊMICA Disciplina: Farmacologia Curso: Enfermagem TERAPÊUTICA DA HIPERTENSÃO ARTERIAL SISTÊMICA Professora: Ms. Fernanda Cristina Ferrari Controle da Pressão Arterial Sistêmica Controle Neural estimulação dos

Leia mais

Sistema Endócrino É UM SISTEMA SOFISTICADO E SENSÍVEL FORMADO POR VÁRIOS ÓRGÃOS OU

Sistema Endócrino É UM SISTEMA SOFISTICADO E SENSÍVEL FORMADO POR VÁRIOS ÓRGÃOS OU SISTEMA ENDRÓCRINO Sistema Endócrino É UM SISTEMA SOFISTICADO E SENSÍVEL FORMADO POR VÁRIOS ÓRGÃOS OU GLÂNDULAS DIFERENTES QUE SECRETAM HORMÔNIOS. OS HORMÔNIOS SÃO MENSAGEIROS QUÍMICOS,GERALMENTE TRANSPORTADOS

Leia mais

Existem três tipos de glândulas: endócrinas (tireóide, suprarrenal), exócrinas (lacrimais, mamárias) e anfícrinas ou mistas (pâncreas)

Existem três tipos de glândulas: endócrinas (tireóide, suprarrenal), exócrinas (lacrimais, mamárias) e anfícrinas ou mistas (pâncreas) Existem três tipos de glândulas: endócrinas (tireóide, suprarrenal), exócrinas (lacrimais, mamárias) e anfícrinas ou mistas (pâncreas) É formado pelas glândulas endócrinas Essas tem origem no tecido epitelial

Leia mais

Tópicos da Aula. Classificação CHO. Processo de Digestão 24/09/2012. Locais de estoque de CHO. Nível de concentração de glicose no sangue

Tópicos da Aula. Classificação CHO. Processo de Digestão 24/09/2012. Locais de estoque de CHO. Nível de concentração de glicose no sangue Universidade Estadual Paulista DIABETES E EXERCÍCIO FÍSICO Profª Dnda Camila Buonani da Silva Disciplina: Atividade Física e Saúde Tópicos da Aula 1. Carboidrato como fonte de energia 2. Papel da insulina

Leia mais

Sistema neuro-hormonal

Sistema neuro-hormonal Sistema neuro-hormonal O que é o sistema neuro-hormonal? Qualquer alteração no exterior ou no interior do corpo corresponde a um Estímulo que provoca uma resposta do sistema neurohormonal. Como funciona

Leia mais

DISTÚRBIOS DA TIREÓIDE

DISTÚRBIOS DA TIREÓIDE UNESC ENFERMAGEM SAÚDE DO ADULTO PROFª: FLÁVIA NUNES DISTÚRBIOS DA TIREÓIDE CONCEITO HORMÔNIOS A tireóide é um órgão em forma de borboleta situado na região inferior do pescoço, anteriormente à traquéia.

Leia mais