40 Processador Core I7; 8 Gb de RAM; 500 Gb de disco rígido; monitor de LED de 20 polegadas. m 2 por estação ,75 6,48 6,48

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "40 Processador Core I7; 8 Gb de RAM; 500 Gb de disco rígido; monitor de LED de 20 polegadas. m 2 por estação 03 129,75 6,48 6,48"

Transcrição

1 LABORATÓRIOS DE INFORMÁTICA Como apoio às suas atividades didáticas, o curso de Tecnologia em Jogos Digitais conta com uma excelente infraestrutura de laboratórios Processador pentium core 2 duo ghz, 2gb de RAM, 320 gb de disco rígido, Placa mãe intel dg31pr, Placa de video geforce xfx 9400gt 1gb ddr2, 20 monitores lcd 20. Pol Processador Core I7; 8 Gb de RAM; 500 Gb de disco rígido; monitor de LED de 20 polegadas ,75 6,48 6,48 20 Processador Intel(R) Pentium(R) Dual CPU E2180 2,00GHZ, 2,00GB de RAM, 250GB de disco rígido, Placa de Vídeo GForce 256m 7200, monitor LCD 15pol

2 04 30 Microcomputadores Intel Core 2Duo, 2GB DDR de Ram e Hd de 160 Gb, Placa de Vídeo GeForce 256, monitor LG (2º andar) 30 Processador Intel(R) Celeron(R) CPU 2.53GHz, 2.53GHz, 1GB de RAM, 40 GB de Disco Rígido, monitor CRT 15pol Processador Pentium Dual Core e GHz, 2GB de RAM, 500 GB de Disco Rígido Placa de Vídeo GForce 256mb 7200, 25 monitores. Usa-se o Software buddy transformando-se em 25 estações de trabalho. 07

3 20 Processador Intel Core I Ghz; 4 Gb de RAM; 500 Gb de disco rígido, monitor LCD de 20 pol. 08 (Oficina de Criação) 10 Processador Intel Core I Ghz; 4 Gb de RAM; 500 Gb de disco rígido, monitor LCD de 20 pol. *Temos ainda o laboratório de hardware (Arquitetura de hardware). Os laboratórios se encontram abertos de segunda a sexta: das 7:30 às 12:00, das 12:10 às 18:40 e das 19:10 às 23:30. Nos sábados das 7:30 às 17:30. Plano de atualização tecnológica e manutenção dos equipamentos Com vista a uma utilização que seja simultaneamente de qualidade, ordeira, e satisfatória dos laboratórios a IES estabeleceu um conjunto de orientações abaixo enunciadas. A manutenção e conservação dos laboratórios será executada por funcionários dos próprios cursos ou por pessoal especializado ou treinado para exercer estas funções. A coordenação da manutenção e conservação das instalações fica a cargo dos coordenadores das sub-áreas didáticas dos cursos. Haverá supervisores para cada laboratório ou instalação ou grupos de laboratórios definidos pela administração. Os procedimentos de manutenção são divididos em 3 grupos: manutenção preventiva, manutenção corretiva e manutenção de emergência. Os procedimentos de manutenção incluem as atividades de: Substituição de peças ainda em condições de uso ou funcionamento cujo tempo de uso esteja próximo ao final do tempo de vida útil; As reformas de instalações e equipamentos de forma a minimizar a probabilidade da ocorrência de incidentes e interrupções nas rotinas de trabalho; As reformas necessárias à implementação de novas atividades; As reformas necessárias para a ampliação e/ou aumento da capacidade das atividades já existentes; Os consertos e reformas necessárias após a ocorrência de acidentes e/ou incidentes;

4 Reformas que atendem a minimização e/ou eliminação de riscos de acidentes de alta ou altíssima probabilidade. Os responsáveis estarão providenciando a manutenção preventiva e corretiva, bem como a expansão e atualização sempre que houver necessidade, evitando assim que os laboratórios se tornem obsoletos. Faz parte do plano de expansão e atualização: Administrar a utilização dos equipamentos de uso comunitário e reorganizar os itens de consumo e produtos periodicamente; Analisar mudanças e melhorias realizadas nos softwares adquiridos e efetuar divulgação através de documentos, palestras e cursos; Apoiar os usuários na utilização dos equipamentos e das ferramentas existentes no Centro; Elaborar projeto de instalação de máquinas e equipamentos de processamento de dados e das redes de comunicação de dados; Especificar e acompanhar o processo de compra de equipamentos de informática, de softwares e demais equipamentos necessários aos laboratórios específicos; Instalar, acompanhar e controlar a performance dos equipamentos e das redes de comunicação de dados; Planejar e implantar rotinas que melhorem a operação e segurança no uso dos equipamentos; Planejar e ministrar cursos internos sobre utilização de recursos computacionais e dos demais equipamentos. A cada 12 meses os equipamentos serão atualizados de acordo com o padrão existente no mercado, observando a velocidade do processador, capacidade de disco e desempenho de outros periféricos como CD ROM e impressoras. A atualização e aquisição de software serão feitas conforme a necessidade do curso e surgimento de novas ferramentas de desenvolvimento de aplicações. Como recurso didático contamos com 11 projetores multimídia fixos em laboratórios e sala de projeção e 7 projetores multimídia móveis, além de 3 retroprojetores. O uso destes recursos se faz por agendamento prévio. Técnicos do Laboratório de Informática Cláudio de Carvalho Paschoal Técnico em Processamento de dados, RT:44h (diurno e vespertino) Antonio Eduardo Boato Tecnólogo em Processamento de Dados, RT; 44 h (vespertino e noturno)

5 Regimento do Laboratório de Informática Este Regulamento destina-se a disciplinar o funcionamento e a política de utilização dos recursos computacionais do Laboratório de informática do UniSALESIANO, fixando responsabilidades, normas de utilização e punições em geral. DOS RECURSOS COMPUTACIONAIS Artigo 1º - Por Recursos Computacionais entende-se todos os equipamentos, instalações, banco de dados localizados nas dependências do LABORATÓRIO DE INFORMÁTICA, tais como: computadores e seus acessórios; impressoras, equipamentos de redes, equipamentos audiovisuais, softwares e banco de dados ou documentos gravados em disco, fita ou outros meios; DA FINALIDADE Artigo 2 º - Os Recursos Computacionais do LABORATÓRIO DE INFORMÁTICA têm por finalidade servir ao Ensino, à Pesquisa, Extensão e às Atividades Administrativas, destinando-se única e exclusivamente a seus professores, alunos, funcionários ou pessoas autorizadas. DO CONTROLE DE UTILIZAÇÃO Artigo 3 º - A utilização do LABORATÓRIO DE INFORMÁTICA para aulas práticas de Informática somente serão permitidas com agendamento prévio pelo professor da disciplina. Esse agendamento deverá ser feito com prazo mínimo de uma semana antes da realização da aula prática. No ato do agendamento o professor deverá informar data, hora, curso e turma, bem como quais softwares e equipamentos audiovisuais serão utilizados. Durante a aula o professor e os alunos ficarão responsáveis pelos equipamentos utilizados e, ao término da mesma, o professor deverá solicitar a um Monitor ou Técnico que verifique a integridade dos equipamentos. Artigo 4 º - A utilização dos equipamentos audiovisuais do LABORATÓRIO DE INFORMÁTICA, tais como retroprojetor, projetor multimídia, datashow, TV e vídeo somente poderão ser feitos com agendamento prévio e nas salas audiovisuais ou nas salas de computadores do LABORATÓRIO DE INFORMÁTICA. Não será permitido o deslocamento desses equipamentos, exceto quando da utilização em eventos da própria Faculdade, tais como simpósios, semanas de estudo ou palestras realizadas nos anfiteatros da mesma; Artigo 5 º - O LABORATÓRIO DE INFORMÁTICA ficará disponível aos usuários nos dias letivos do ano, de segunda a sexta-feira no período das 07:30 as 23:00 horas, e aos sábados das 8:00 as 17:30.

6 Artigo 6 º - O LABORATÓRIO DE INFORMÁTICA não fornecerá material de consumo, tais como cartuchos de tinta ou fitas para impressoras, papel, disquetes, etc. O usuário deverá trazer o material a ser por ele utilizado. DA RESPONSABILIDADE DO MONITOR Artigo 7 º - Constituem responsabilidades do MONITOR: I Controlar a entrada nos Laboratórios de Informática, solicitando identificação dos usuários, auxiliar na utilização dos equipamentos e softwares e fiscalizar sua utilização; II Fazer uma verificação de cada equipamento do LABORATÓRIO DE INFORMÁTICA sob sua responsabilidade, sempre no início e final de seu turno, e toda vez que algum usuário constatar problema em algum equipamento; III Comunicar ao Técnico de Informática qualquer problema constatado durante seu período de Monitoria, através de relatório em formulário próprio. IV Auxiliar professores em aulas práticas sempre que necessário; V Auxiliar e orientar alunos na utilização de aplicativos e linguagens para execução de trabalhos. Entretanto, o Monitor fica expressamente proibido de elaborar, executar ou digitar trabalhos de alunos; VI Cuidar do cumprimento das normas de utilização dos equipamentos do LABORATÓRIO DE INFORMÁTICA, advertindo os usuários quando os mesmos estiverem infringindo alguma norma e relatando o ocorrido para que sejam tomadas as devidas providências. DA RESPONSABILIDADE DO USUÁRIO Artigo 8 º - Constituem responsabilidades do usuário: I Durante sua permanência no LABORATÓRIO DE INFORMÁTICA, o usuário ficará responsável pelo equipamento e periféricos que estiver usando; II- Os usuários são responsáveis pela segurança de suas contas e de suas senhas; III- Os usuários devem relatar imediatamente ao Monitor ou Técnico qualquer suspeita de tentativa de violação de segurança, com referência as suas contas, senhas etc.; IV - Os usuários devem respeitar os direitos de propriedade intelectual, em particular a lei de direitos autorais de softwares, sendo proibida a instalação e manipulação de qualquer tipo de software não autorizado ( pirata ). DAS PROIBIÇÕES EM GERAL Artigo 9 º - Fica ao usuário proibido:

7 I Usar qualquer equipamento do LABORATÓRIO DE INFORMÁTICA conectado à INTERNET para entretenimento de qualquer natureza, tais como: acesso a sites de batepapo; sites de música (rádio); sites com figuras pornográficas ou de qualquer outro tipo que possa gerar congestionamento do Link de Acesso ou constrangimento aos demais Usuários no recinto. II Deixar arquivos pessoais nos computadores do LABORATÓRIO DE INFORMÁTICA; III Alterar configurações dos computadores e softwares do LABORATÓRIO DE INFORMÁTICA ou de terceiros; IV Fumar no recinto do LABORATÓRIO DE INFORMÁTICA; V- Consumir qualquer tipo de alimento e bebida no recinto do LABORATÓRIO DE INFORMÁTICA; VI Ligar aparelhos sonoros tais como rádios, ou ouvir música através dos recursos de áudio dos computadores, atrapalhando os demais usuários do recinto; VII Distribuir voluntária ou despercebidamente mensagens eletrônicas indesejadas, como correntes de cartas ou outros esquemas que possam prejudicar o trabalho de terceiros, causar excessivo tráfego na rede ou sobrecarregar os sistemas computacionais da faculdade, ou outras instituições fora dela; VII Ligar ou desligar fisicamente ou eletricamente a um Recurso Computacional do LABORATÓRIO DE INFORMÁTICA, componente externo, como cabos, impressoras, discos ou sistemas de vídeo. DAS PUNIÇÕES Artigo 11 º - As penalidades a serem aplicadas pela Direção da Faculdade por infração às normas constantes nesse Regulamento são: Parágrafo 1º - Quando o usuário for aluno: I Advertência; II Repreensão; III Suspensão; IV Desligamento. Parágrafo 2º - Quando o usuário for empregado da Instituição (Professor ou Funcionário Administrativo): I Advertência; II Suspensão;

8 III Dispensa, por justa causa. Parágrafo 3º - Quando o usuário for pessoa autorizada que não se enquadre nos parágrafos anteriores: I Proibição da utilização dos Recursos Computacionais. Parágrafo 4º - Além das punições previstas nos parágrafos anteriores, o infrator estará sujeito a responsabilidade Civil e Penal. Infraestrutura Física total do terreno = ,84 m 2 QUADRO DE ÁREAS BLOCO A ITEM AMBIENTE ÁREA m 2 1 SUBSOLO TÉRREO BLOCO ADMINISTRATIVO 639, ,25 2 PAVTO 1 BLOCO DIDÁTICO 2.191,22 3 PAVTO 2 BLOCO DIDÁTICO 2.444,34 4 PAVTO 3 BLOCO DIDÁTICO 2.374,44 TOTAL GERAL ,85 QUADRO DE ÁREAS BLOCO B ITEM AMBIENTE ÁREA m 2 1 TÉRREO 1.830,00 2 PAVTO 1 BLOCO DIDÁTICO 1.819,00 3 PAVTO 2 BLOCO DIDÁTICO 1.819,00 4 PAVTO 3 BLOCO DIDÁTICO 1.802,60 TOTAL GERAL 7.270,60 Descrição Dos ambientes do Bloco A Bloco A ÁREA (M 2 ) Térreo Secretaria 77,56 Financeiro 76,60

9 Administrativo 93,65 Sala do Vice-Diretor 52,07 Sala de Espera do Vice-Diretor 35,32 Sala das Coordenações 121,04 Biblioteca 722,97 Banco 21,24 Sanitário Feminino 66,17 Sanitário Masculino 66,17 Primeiro pavimento 5 Salas de aula 95,55 3 Salas de aula 98,54 2 Auditórios 171,,58 Sanitário Feminino 66,17 Sanitário Masculino 66,17 Segundo pavimento Depto de Estágio 51,42 Reprografia 98,54 Sala do Reitor 46,07 Sala de Reuniões da Reitoria 44,35 Recepção da reitoria 52,67 Depto de Comunicação 28,67 5 Salas de aula 95,55 1 Sala de aula 98,54 2 Auditórios 171,58 Sanitário Feminino 66,17 Sanitário Masculino 66,17 Terceiro Pavimento Cartório Virtual 80,44 Delegacia Escola 80,17

10 6 Salas de aula 95,55 2 Salas de aula 98,54 2 Auditórios 164,58 Sanitário Feminino 52,07 Sanitário Masculino 52,07 Descrição dos ambientes do Bloco B Bloco B ÁREA (M 2 ) Térreo 1 Sala 169,35 1 Sala 96,52 2 Salas 95,55 Assistência Social 95,55 1 Salas 98,14 Agência-Escola 98,14 1 Sala de Professores 87,95 2 Salas 98,54 1 Sala 47,50 Depósito 38,00 1 Sala 147,60 Primeiro pavimento 4 Salas de aula 95,55 5 Salas de aula 98,54 1 Auditório 171,,58 1 Sala de aula 80,93 1 Sala de aula 75,14 Segundo pavimento

11 1 Auditório 171,58 1 Sala de Aula 80,93 1 Sala de aula 75,14 4 Salas de aula 95,55 2 Salas de aula 98,54 2 Salas de aula 98,14 1 Sala de professores 87,95 1 Sala de aula 47,50 Terceiro Pavimento 2 Salas de aula 95,55 1 Sala de aula 80,93 1 Sala de aula 75,14 Núcleo de Prática de Ciência Juridica -NPCJ 47,22 13 Salas de aula 47,22 1 Sala de aula 47,50 1 Auditório 164,58 Sanitário Feminino 52,07 Sanitário Masculino 52,07

SOCIEDADE DE EDUCAÇÃO E CULTURA DE GOIANIA LTDA FACULDADE PADRÃO SUMÁRIO CAPÍTULO I 4 DA ORGANIZAÇÃO 4 CAPÍTULO II 5 DOS FUNCIONÁRIOS 5

SOCIEDADE DE EDUCAÇÃO E CULTURA DE GOIANIA LTDA FACULDADE PADRÃO SUMÁRIO CAPÍTULO I 4 DA ORGANIZAÇÃO 4 CAPÍTULO II 5 DOS FUNCIONÁRIOS 5 SUMÁRIO CAPÍTULO I 4 DA ORGANIZAÇÃO 4 CAPÍTULO II 5 DOS FUNCIONÁRIOS 5 CAPÍTULO III 5 DA INFRAESTRUTURA 5 Seção I 6 Das Dependências 6 Seção II 6 Do Hardware e Software 6 Seção III 7 Das Manutenções 7

Leia mais

m 2 por estação 40 Processador Core I7-2600; 8 Gb de RAM; 500 Gb de disco rígido; monitor de LED de 20 polegadas ,75 6,48 6,48

m 2 por estação 40 Processador Core I7-2600; 8 Gb de RAM; 500 Gb de disco rígido; monitor de LED de 20 polegadas ,75 6,48 6,48 LABORATÓRIOS DE INFORMÁTICA Como apoio às suas atividades didáticas, o curso de Engenharia da Computação, Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas e Tecnologia em Jogos Digitais contam com uma

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DOS LABORATÓRIOS DE INFORMÁTICA

REGULAMENTO INTERNO DOS LABORATÓRIOS DE INFORMÁTICA CAPITULO I Dos Princípios Gerais DA DEFINIIÇÃO Art. 1º Entende-se por laboratório de informática toda e qualquer sala equipada com microcomputadores com fins exclusivamente acadêmicos e que estejam, formalmente,

Leia mais

NORMAS DO LABORATÓRIO DE INFORMÁTICA DA FACULDADE DE MANTENA FAMA /2010

NORMAS DO LABORATÓRIO DE INFORMÁTICA DA FACULDADE DE MANTENA FAMA /2010 NORMAS DO LABORATÓRIO DE INFORMÁTICA DA FACULDADE DE MANTENA FAMA /2010 1. MATERIAIS Os materiais que ficam no laboratório são de uso exclusivo dos professores e alguns de uso exclusivo da coordenação

Leia mais

POLÍTICA DE USO DOS RECURSOS DE. Versão 1.0

POLÍTICA DE USO DOS RECURSOS DE. Versão 1.0 POLÍTICA DE USO DOS RECURSOS DE Versão 1.0 Versão 1.0 Pág. 1 Considerações Gerais 1 - A Tecnologia da Informação fica definida como a responsável pela gestão dos Sistemas de Informação e dos Recursos de

Leia mais

LOCALIZAÇÃO HORÁRIO DE FUNCIONAMENTO DA ORGANIZAÇÃO

LOCALIZAÇÃO HORÁRIO DE FUNCIONAMENTO DA ORGANIZAÇÃO REGULAMENTO INTERNO DO LABORATÓRIO DE INFORMÁTICA FACULDADE DE DIREITO DE VARGINHA LOCALIZAÇÃO 1º andar do prédio novo (piso abaixo do Salão de Eventos). HORÁRIO DE FUNCIONAMENTO De segunda à sexta-feira,

Leia mais

FEATI Faculdade de Educação, Administração e Tecnologia de Ibaiti Mantida pela União das Instituições Educacionais do Estado de São Paulo UNIESP Av.

FEATI Faculdade de Educação, Administração e Tecnologia de Ibaiti Mantida pela União das Instituições Educacionais do Estado de São Paulo UNIESP Av. REGULAMENTO Laboratórios de Informática da Faculdade de Educação, Administração e Tecnologia de Ibaiti - FEATI SUMÁRIO Objetivo... 3 1 Uso dos recursos... 3 2 Proibições... 4 3 Manutenções... 4 4 Responsabilidades...

Leia mais

Regulamento do Laboratório de Controle Operacional - LCO TÍTULO I DOS OBJETIVOS E USUÁRIOS. CAPÍTULO I Dos Objetivos

Regulamento do Laboratório de Controle Operacional - LCO TÍTULO I DOS OBJETIVOS E USUÁRIOS. CAPÍTULO I Dos Objetivos MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS REGIONAL CATALÃO UNIDADE ACADÊMICA ESPECIAL DE MATEMÁTICA E TECNOLOGIA Regulamento do Laboratório de Controle Operacional - LCO TÍTULO I DOS OBJETIVOS

Leia mais

REGULAMENTO DOS LABORATÓRIOS DE INFORMÁTICA - 2015

REGULAMENTO DOS LABORATÓRIOS DE INFORMÁTICA - 2015 REGULAMENTO DOS LABORATÓRIOS DE INFORMÁTICA - 2015 Os laboratórios de informática utilizados pelos alunos das Faculdades Integradas Camões se encontram nas duas sedes: Treze de Maio e Muricy, funcionando

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 22/2007, DE 19 DE JULHO DE 2007

RESOLUÇÃO Nº 22/2007, DE 19 DE JULHO DE 2007 RESOLUÇÃO Nº 22/2007, DE 19 DE JULHO DE 2007 Normatiza a utilização dos recursos de tecnologia da informação e comunicação da Fundação Universidade Regional de Blumenau FURB, na forma do Anexo. O PRESIDENTE

Leia mais

Faculdade AlfaCastelo

Faculdade AlfaCastelo Faculdade AlfaCastelo REGULAMENTO DO LABORATÓRIO DE INFORMÁTICA BARUERI - 2015 REGULAMENTO DO LABORATÓRIO DE INFORMÁTICA A Faculdade AlfaCastelo possui dois laboratórios de informática composto por uma

Leia mais

Universidade Federal de Pernambuco Curso de Engenharia Naval Departamento de Engenharia Mecânica

Universidade Federal de Pernambuco Curso de Engenharia Naval Departamento de Engenharia Mecânica REGULAMENTO LABORATÓRIO DE SIMULAÇÃO E VISUALIZAÇÃO (LSIVI) Este regulamento visa melhorar o aproveitamento dos recursos computacionais do Laboratório de Simulação e Visualização da Engenharia Naval, satisfazendo

Leia mais

FACULDADE DA ALDEIA DE CARAPICUÍBA - FALC REGULAMENTO INTERNO DO LABORATÓRIO DE INFORMÁTICA

FACULDADE DA ALDEIA DE CARAPICUÍBA - FALC REGULAMENTO INTERNO DO LABORATÓRIO DE INFORMÁTICA FACULDADE DA ALDEIA DE CARAPICUÍBA - FALC REGULAMENTO INTERNO DO LABORATÓRIO DE INFORMÁTICA O Laboratório de Informática oferece espaço e equipamento de informática para as atividades de ensino e pesquisa.

Leia mais

FACULDADE DE ARARAQUARA REGULAMENTO DO LABORATÓRIO DE INFORMÁTICA

FACULDADE DE ARARAQUARA REGULAMENTO DO LABORATÓRIO DE INFORMÁTICA O Laboratório de Informática é um espaço destinado ao acesso de usuários, estando aberto para livre utilização pelo público interno da Faculdade. O Laboratório oferece espaço e equipamento de informática

Leia mais

REGULAMENTO DE UTILIZAÇÃO DOS LABORATÓRIOS DE INFORMÁTICA DA FESB

REGULAMENTO DE UTILIZAÇÃO DOS LABORATÓRIOS DE INFORMÁTICA DA FESB REGULAMENTO DE UTILIZAÇÃO DOS LABORATÓRIOS DE INFORMÁTICA DA FESB I Da Caracterização Art. 1 Os Laboratórios de Informática da FESB, sob responsabilidade do Departamento de Informática, dispõem de infra-estrutura

Leia mais

Regimento dos Laboratórios de Informática

Regimento dos Laboratórios de Informática Regimento dos Laboratórios de Informática O presente regimento dispõe sobre as normas de conduta e utilização do espaço físico destinado ao Laboratório de Informática destinados as atividades de ensino,

Leia mais

O Prefeito Constitucional de Picuí/PB, usando de suas atribuições legais,

O Prefeito Constitucional de Picuí/PB, usando de suas atribuições legais, DECRETO Nº 012, de 05 de agosto de 2009. DISPÕE SOBRE O USO DOS SERVIÇOS DE ACESSO À INTERNET AOS ÓRGÃOS E DEPARTAMENTOS QUE INTEGRAM A ADMINISTRAÇÃO MUNICIPAL DE PICUÍ E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. O Prefeito

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DOS LABORATÓRIOS DE INFORMÁTICA DA FFB FACULDADE FARIAS BRITO

REGIMENTO INTERNO DOS LABORATÓRIOS DE INFORMÁTICA DA FFB FACULDADE FARIAS BRITO REGIMENTO INTERNO DOS LABORATÓRIOS DE INFORMÁTICA DA FFB FACULDADE FARIAS BRITO Fortaleza CE 2010 Laboratórios de Informática A Faculdade Farias Brito tem um forte compromisso com a competência de seu

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL GOIANO CÂMPUS POSSE-GO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL GOIANO CÂMPUS POSSE-GO Normas para uso dos Laboratórios de Informática vinculados a Coordenação do Curso de Informática e ao Departamento de Tecnologia da Informação do IF Goiano Câmpus Posse GO. POSSE GO 2015 Sumário TÍTULO

Leia mais

INVENTÁRIO ACADÊMICO UNIDADE - I

INVENTÁRIO ACADÊMICO UNIDADE - I INVENTÁRIO ACADÊMICO UNIDADE - I LABORATÓRIOS LABORATÓRIO 1 - INTERLIGADO EM REDE NA SEGUINTE CONFIGURAÇÃO: 30 - MICRO-COMPUTADORES - C&A COMPUTADORES LTDA GABINETE TORRE PROCESSADOR INTEL CORE I 5 IVY

Leia mais

REGIMENTO INTERNO Aprovação:

REGIMENTO INTERNO Aprovação: REGIMENTO INTERNO Aprovação: Data: REGIMENTO INTERNO DOS CENTROS DIGITAIS DE CIDADANIA Art. 1º - Este Regimento estabelece as normas de organização e funcionamento dos Centros Digitais de Cidadania CDC,

Leia mais

Faculdade de Tecnologia de Barueri Padre Danilo José de Oliveira Ohl. Portaria nº 05/2014

Faculdade de Tecnologia de Barueri Padre Danilo José de Oliveira Ohl. Portaria nº 05/2014 Página 1 de 9 Portaria nº 05/2014 Estabelece e Regulamenta a Política de Uso dos Computadores, Laboratórios de Informática e Equipamentos Eletrônicos da Faculdade de Tecnologia de Barueri. O Diretor da

Leia mais

REGULAMENTO DO USO DOS LABORATÓRIOS DE INFORMÁTICA UNISSA

REGULAMENTO DO USO DOS LABORATÓRIOS DE INFORMÁTICA UNISSA REGULAMENTO DO USO DOS LABORATÓRIOS DE INFORMÁTICA UNISSA Tem o presente regulamento a função de nortear as ações e procedimentos necessários ao bom funcionamento dos laboratórios de informática, bem como

Leia mais

FACULDADE ALDETE MARIA ALVES Instituição Ituramense de Ensino Superior

FACULDADE ALDETE MARIA ALVES Instituição Ituramense de Ensino Superior REGULAMENTO DOS LABORATÓRIOS DE INFORMÁTICA 1 CAPÍTULO I DA ORGANIZAÇÃO Art. 1º - Os Laboratórios de Informática da FAMA são destinados exclusivamente aos docentes, discentes e corpo técnico-administrativo,

Leia mais

frozza@ifc-camboriu.edu.brcamboriu.edu.br

frozza@ifc-camboriu.edu.brcamboriu.edu.br Informática Básica Conceitos Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. frozza@ifc-camboriu.edu.brcamboriu.edu.br Conceitos INFOR MÁTICA Informática INFOR MAÇÃO AUTO MÁTICA Processo de tratamento da informação

Leia mais

REGULAMENTO DOS LABORATÓRIOS DE INFORMÁTICA

REGULAMENTO DOS LABORATÓRIOS DE INFORMÁTICA REGULAMENTO DOS LABORATÓRIOS DE INFORMÁTICA Normatiza o uso e aproveitamento dos recursos computacionais dos Laboratórios de Informática, visando os recursos disponíveis e as necessidades dos usuários.

Leia mais

PERGUNTAS FREQUENTES. O que é PROINFO?

PERGUNTAS FREQUENTES. O que é PROINFO? PERGUNTAS FREQUENTES O que é PROINFO? O Programa Nacional de Tecnologia Educacional (ProInfo) é um programa educacional criado pela Portaria nº 522/MEC, de 9 de abril de 1997, para promover o uso pedagógico

Leia mais

Informática. Aulas: 01 e 02/12. Prof. Márcio Hollweg. www.conquistadeconcurso.com.br. Visite o Portal dos Concursos Públicos WWW.CURSOAPROVACAO.COM.

Informática. Aulas: 01 e 02/12. Prof. Márcio Hollweg. www.conquistadeconcurso.com.br. Visite o Portal dos Concursos Públicos WWW.CURSOAPROVACAO.COM. Informática Aulas: 01 e 02/12 Prof. Márcio Hollweg UMA PARCERIA Visite o Portal dos Concursos Públicos WWW.CURSOAPROVACAO.COM.BR Visite a loja virtual www.conquistadeconcurso.com.br MATERIAL DIDÁTICO EXCLUSIVO

Leia mais

[Ano] NORMATIZAÇÃO DE USO DOS LABORATÓRIOS DE INFORMÁTICA DO INSTITUTO FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL CÂMPUS IBIRUBÁ

[Ano] NORMATIZAÇÃO DE USO DOS LABORATÓRIOS DE INFORMÁTICA DO INSTITUTO FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL CÂMPUS IBIRUBÁ [Ano] NORMATIZAÇÃO DE USO DOS LABORATÓRIOS DE INFORMÁTICA DO INSTITUTO FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL CÂMPUS IBIRUBÁ Coordenadoria de Tecnologia da Informação 2013 AUTORES Aurélio Ricardo Batú Maicá Laura

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS UNIDADE UNIVERSITÁRIA DE GOIÁS CURSO DE LICENCIATURA EM GEOGRAFIA

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS UNIDADE UNIVERSITÁRIA DE GOIÁS CURSO DE LICENCIATURA EM GEOGRAFIA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS UNIDADE UNIVERSITÁRIA DE GOIÁS CURSO DE LICENCIATURA EM GEOGRAFIA REGIMENTO INTERNO DO LABORATÓRIO DE CARTOGRAFIA E GEOPROCESSAMENTO JOSÉ COELHO Seção I - Das Disposições

Leia mais

Departamento de Engenharia Civil e Arquitectura ESPAÇO DE ENSINO DE PÓS-GRADUAÇÃO REGRAS PARA UTILIZAÇÃO E GESTÃO DO ESPAÇO

Departamento de Engenharia Civil e Arquitectura ESPAÇO DE ENSINO DE PÓS-GRADUAÇÃO REGRAS PARA UTILIZAÇÃO E GESTÃO DO ESPAÇO Departamento de Engenharia Civil e Arquitectura ESPAÇO DE ENSINO DE PÓS-GRADUAÇÃO REGRAS PARA UTILIZAÇÃO E GESTÃO DO ESPAÇO 1. ÂMBITO O Departamento de Engenharia Civil e Arquitectura (DECivil) dispõe

Leia mais

Política de uso de recursos tecnológicos, serviços de infraestrutura de rede de computadores e sistemas de apoio acadêmico do UniCEUB

Política de uso de recursos tecnológicos, serviços de infraestrutura de rede de computadores e sistemas de apoio acadêmico do UniCEUB Política de uso de recursos tecnológicos, serviços de infraestrutura de rede de computadores e sistemas de apoio acadêmico do UniCEUB Com o objetivo de prover a segurança, a disponibilidade e a integridade

Leia mais

REGULAMENTO DO LABORATÓRIO DE INFORMÁTICA REGULAMENTO PARA UTILIZAÇÃO DO LABORATÓRIO DE INFORMÁTICA

REGULAMENTO DO LABORATÓRIO DE INFORMÁTICA REGULAMENTO PARA UTILIZAÇÃO DO LABORATÓRIO DE INFORMÁTICA REGULAMENTO DO LABORATÓRIO DE INFORMÁTICA REGULAMENTO PARA UTILIZAÇÃO DO LABORATÓRIO DE INFORMÁTICA 1. DOS HORÁRIOS DE FUNCIONAMENTO 1.1 O Laboratório de informática pode ser utilizado das 7:30 às 22:30

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO LABORATÓRIO DE INFORMÁTICA

REGIMENTO INTERNO DO LABORATÓRIO DE INFORMÁTICA REGIMENTO INTERNO DO LABORATÓRIO DE INFORMÁTICA "Este regulamento visa melhorar o aproveitamento dos recursos computacionais dos Laboratórios de Informática, satisfazendo ao máximo as necessidades de seus

Leia mais

REGIMENTO DOS LABORATORIOS DE INFORMÁTICA

REGIMENTO DOS LABORATORIOS DE INFORMÁTICA REGIMENTO DOS LABORATORIOS DE INFORMÁTICA Dos Laboratórios Art 1º O objetivo dos laboratórios de informática é suprir necessidades laboratoriais, de informática, nas áreas de ensino, pesquisa, extensão,

Leia mais

MENINO JESUS Educando para a Paz e o respei t o à vi da

MENINO JESUS Educando para a Paz e o respei t o à vi da Centro Educacional MENINO JESUS Educando para a Paz e o respei t o à vi da Rua Esteves Júnior, 696 CEP: 88015-130 Fone/Fax: (48) 3251-1900 Centro - Florianópolis - SC www.meninojesus.com.br P O L Í T I

Leia mais

Normas de Utilização e de Funcionamento da Biblioteca Campus Cachoeiro de Itapemirim

Normas de Utilização e de Funcionamento da Biblioteca Campus Cachoeiro de Itapemirim Normas de Utilização e de Funcionamento da Biblioteca Campus Cachoeiro de Itapemirim Título I Disposições Gerais Art. 1º - As normas tem por finalidade regular o funcionamento e a utilização da Biblioteca

Leia mais

PRÓ-REITORIA ACADÊMICA REGULAMENTO PARA A UTILIZAÇÃO DO LABORATÓRIO DE ELETRÔNICA DIGITAL, REDES E ARQUITETURA DE COMPUTADORES

PRÓ-REITORIA ACADÊMICA REGULAMENTO PARA A UTILIZAÇÃO DO LABORATÓRIO DE ELETRÔNICA DIGITAL, REDES E ARQUITETURA DE COMPUTADORES PRÓ-REITORIA ACADÊMICA REGULAMENTO PARA A UTILIZAÇÃO DO LABORATÓRIO DE ELETRÔNICA DIGITAL, REDES E ARQUITETURA DE COMPUTADORES Responsável: Prof. Paulo Henrique Gonçalves Coordenador geral: profa. Milene

Leia mais

O Diretor do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais - INPE, no uso de suas atribuições,

O Diretor do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais - INPE, no uso de suas atribuições, flas RESOLUÇÃO 01 05 NORMAS DE USO ACEITÁVEL DOS RECURSOS COMPUTACIONAIS DO INPE IMEDIATA O Diretor do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais - INPE, no uso de suas atribuições, RESOLVE Estabelecer

Leia mais

REGULAMENTO DAS BIBLIOTECAS. Art. 2º As Bibliotecas da Univás estão a serviço da comunidade, oferecendo aos usuários:

REGULAMENTO DAS BIBLIOTECAS. Art. 2º As Bibliotecas da Univás estão a serviço da comunidade, oferecendo aos usuários: REGULAMENTO DAS BIBLIOTECAS CAPÍTULO I DA FINALIDADE Art. 1 Este Regulamento normatiza o funcionamento das Bibliotecas da Universidade do Vale do Sapucaí Univás, mantida pela Fundação de Ensino Superior

Leia mais

REGULAMENTO DA BIBLIOTECA DA FACULDADE DO VALE DO ITAPECURU

REGULAMENTO DA BIBLIOTECA DA FACULDADE DO VALE DO ITAPECURU REGULAMENTO DA BIBLIOTECA DA FACULDADE DO VALE DO ITAPECURU Este regulamento visa estabelecer padrões e normas referente ao funcionamento da Biblioteca da Faculdade do Vale do Itapecuru - FAI, objetivando

Leia mais

TÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

TÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Regulamento TÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º - Este regulamento objetiva normalizar os aspectos de funcionamento da estrutura e administração da Biblioteca Júlio Bordignon da. TÍTULO II DOS

Leia mais

PORTARIA Nº 2529, DE 27 DE NOVEMBRO DE 2015

PORTARIA Nº 2529, DE 27 DE NOVEMBRO DE 2015 PORTARIA Nº 2529, DE 27 DE NOVEMBRO DE 2015 Dispõe sobre as normas para utilização dos laboratórios de informática do Campus São Sebastião. O DIRETOR GERAL DO CAMPUS SÃO SEBASTIÃO DO INSTITUTO FEDERAL

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO NÚCLEO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO TÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

REGIMENTO INTERNO DO NÚCLEO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO TÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES REGIMENTO INTERNO DO NÚCLEO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO TÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º O presente Regimento tem por finalidade disciplinar as atividades do Núcleo de Tecnologia da Informação,

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DOS LABORATÓRIOS DE INFORMÁTICA DA FACULDADE INTEGRADA DE ENSINO SUPERIOR DE COLINAS DO TOCANTINS - FIESC

REGULAMENTO INTERNO DOS LABORATÓRIOS DE INFORMÁTICA DA FACULDADE INTEGRADA DE ENSINO SUPERIOR DE COLINAS DO TOCANTINS - FIESC . REGULAMENTO INTERNO DOS LABORATÓRIOS DE INFORMÁTICA DA FACULDADE INTEGRADA DE ENSINO SUPERIOR DE COLINAS DO TOCANTINS - FIESC CAPITULO I DA CONSTITUIÇÃO DO LABORATÓRIO DE INFORMÁTICA Art. 1º. O Presente

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 06/2012 CONCECERES

RESOLUÇÃO Nº 06/2012 CONCECERES RESOLUÇÃO Nº 06/2012 CONCECERES Dispõe sobre o Regimento Interno do Laboratório de Topografia e Geoprocessamento LABGEO, do Centro de Educação Superior da Região Sul - CERES. O Presidente do Conselho de

Leia mais

DIRETORIA DE GESTÃO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO CAPÍTULO I DA DIRETORIA DE GESTÃO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E SEUS FINS

DIRETORIA DE GESTÃO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO CAPÍTULO I DA DIRETORIA DE GESTÃO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E SEUS FINS DIRETORIA DE GESTÃO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO CAPÍTULO I DA DIRETORIA DE GESTÃO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E SEUS FINS Art. 1º A Diretoria de Gestão de Tecnologia da Informação da Universidade Federal

Leia mais

Regulamento dos Laboratórios de Informática. Descritivo de T.I.

Regulamento dos Laboratórios de Informática. Descritivo de T.I. Regulamento dos Laboratórios de Informática Descritivo de T.I. Regulamento dos Laboratórios de Informática UNIDADE CENECISTA DE CAMPO LARGO Art. 1º - A missão do Laboratório de Informática da Unidade Cenecista

Leia mais

REGIMENTO DOS LABORATÓRIOS DE INFORMÁTICA

REGIMENTO DOS LABORATÓRIOS DE INFORMÁTICA Página 1 de 11 Título I Dos laboratórios de Informática Capítulo I - Da Organização Artigo 1º - O Núcleo de Tecnologia de Informação, ao qual os laboratórios de Informática das Faculdades Integradas de

Leia mais

Regulamento do Laboratório

Regulamento do Laboratório Regulamento do Laboratório Faculdade da Cidade de Santa Luzia - 2014 SUMÁRIO CAPÍTULO I - APRESENTAÇÃO... 1 CAPÍTULO II - FUNCIONAMENTO... 1 CAPÍTULO II - DOS USUÁRIOS... 1 CAPÍTULO III - DO USO DOS LABORATÓRIOS...

Leia mais

Baixa o Regulamento Geral para Uso e Administração de Recursos de Tecnologia da Informação e Comunicação na UNESP

Baixa o Regulamento Geral para Uso e Administração de Recursos de Tecnologia da Informação e Comunicação na UNESP Portaria UNESP - 385, de 25-06-2012 Baixa o Regulamento Geral para Uso e Administração de Recursos de Tecnologia da Informação e Comunicação na UNESP O Vice-Reitor no Exercício da Reitoria da Universidade

Leia mais

1.1. Sistema Sumus Tarifador for Windows BI (Business Intelligence)

1.1. Sistema Sumus Tarifador for Windows BI (Business Intelligence) 1. Descrição dos produtos e serviços da solução 1.1. Sistema Sumus Tarifador for Windows BI (Business Intelligence) É um sistema Sumus de tarifação indicado para médias empresas. Ele realiza desde a coleta

Leia mais

1. Objetivos dos Laboratórios de Informática fixo e móveis; Os Laboratórios de Informática têm como objetivo atender às seguintes necessidades da IES:

1. Objetivos dos Laboratórios de Informática fixo e móveis; Os Laboratórios de Informática têm como objetivo atender às seguintes necessidades da IES: REGULAMENTO PARA USO DOS LABORATORIOS DE INFORMATICA E DA INTERNET NA FACULDADE REDENTOR POR PARTE DE PROFESSORES E ALUNOS 1. Objetivos dos Laboratórios de Informática fixo e móveis; Os Laboratórios de

Leia mais

Regulamento do Laboratório de Informática FACOS - MARQUÊS

Regulamento do Laboratório de Informática FACOS - MARQUÊS Regulamento do Laboratório de Informática FACOS - MARQUÊS Art. 1º A missão do Laboratório de Informática da FACOS/Marquês é buscar a excelência no atendimento aos seus usuários. seguintes: informática.

Leia mais

Aprova o Regulamento da Biblioteca do Campus Curitiba do Instituto Federal do Paraná (IFPR).

Aprova o Regulamento da Biblioteca do Campus Curitiba do Instituto Federal do Paraná (IFPR). RESOLUÇÃO Nº 001/2012 DA DIREÇÃO GERAL Aprova o Regulamento da Biblioteca do Campus Curitiba do Instituto Federal do Paraná (IFPR). O Diretor Geral, no uso de suas atribuições, resolve disciplinar as normas

Leia mais

REGULAMENTO DA BIBLIOTECA DA FACULDADE E ESCOLA TÉCNICA NOVO RUMO

REGULAMENTO DA BIBLIOTECA DA FACULDADE E ESCOLA TÉCNICA NOVO RUMO REGULAMENTO DA BIBLIOTECA DA FACULDADE E ESCOLA TÉCNICA NOVO RUMO SUMÁRIO TÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES... 3 DA INSTITUIÇÃO BIBLIOTECA... 3 DA FINALIDADE DESTE REGULAMENTO... 3 PRINCÍPIOS DA BIBLIOTECA...

Leia mais

REGULAMENTO DA UTILIZAÇÃO DA REDE DE COMPUTADORES DA FACULDADE CENECISTA DE OSÓRIO

REGULAMENTO DA UTILIZAÇÃO DA REDE DE COMPUTADORES DA FACULDADE CENECISTA DE OSÓRIO REGULAMENTO DA UTILIZAÇÃO DA REDE DE COMPUTADORES DA FACULDADE CENECISTA DE OSÓRIO 1. INTRODUÇÃO O presente documento define o regulamento para o uso apropriado da rede de computadores da Faculdade Cenecista

Leia mais

EXPLORITAS ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA LTDA MANUAL DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO

EXPLORITAS ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA LTDA MANUAL DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO EXPLORITAS ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA LTDA MANUAL DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO Janeiro 2016 O NÃO CUMPRIMENTO DESTE MANUAL PODERÁ RESULTAR EM AÇÕES DISCIPLINARES APROPRIADAS, INCLUINDO ADVERTÊNCIAS, QUE PODERÃO

Leia mais

Regulamento da Biblioteca da Escola Superior da Magistratura da AJURIS

Regulamento da Biblioteca da Escola Superior da Magistratura da AJURIS Regulamento da Biblioteca da Escola Superior da Magistratura da AJURIS Preâmbulo Ficam sujeitos a este regulamento, sem prejuízo de outras normas vigentes, todos os usuários da Biblioteca da Escola Superior

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO E SERVIÇOS DE REDE

ADMINISTRAÇÃO E SERVIÇOS DE REDE ADMINISTRAÇÃO E SERVIÇOS DE REDE Introdução O administrador de redes geovanegriesang@ifsul.edu.br www.geovanegriesang.com Gerenciamento de redes Gerenciamento de rede é o ato de iniciar, monitorar e modificar

Leia mais

Site : Sniperpspg1.besaba.com. Email : profdjair@sniperpspg1.besaba.com

Site : Sniperpspg1.besaba.com. Email : profdjair@sniperpspg1.besaba.com Site : Sniperpspg1.besaba.com Email : profdjair@sniperpspg1.besaba.com Introdução ao PC ( Personal Computer ) Entre as décadas de 1950 e 1970, nós primórdios da disseminação da informática, vários fabricantes

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO PARA UTILIZAÇÃO DO LABORATÓRIO DE INFORMÁTICA DO PPGEQ

REGULAMENTO INTERNO PARA UTILIZAÇÃO DO LABORATÓRIO DE INFORMÁTICA DO PPGEQ MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO INSTITUTO DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA QUÍMICA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA QUÍMICA Endereço: BR. 465, km 7, Centro

Leia mais

DTI - DEPARTAMENTO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

DTI - DEPARTAMENTO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO Índice 1. APRESENTAÇÃO...: 2 2. OBJETIVOS...: 2 3. INFRAESTRUTURA OPERACIONAL...: 3 3.1. Sala dos Professores...: 3 3.2. Secretaria das Coordenações...: 3 3.3. Secretaria Geral...: 3 3.4. Biblioteca...:

Leia mais

Departamento de Dermatologia da Universidade Federal de São Paulo Núcleo detecnologia da Informação (NUTI)

Departamento de Dermatologia da Universidade Federal de São Paulo Núcleo detecnologia da Informação (NUTI) Departamento de Dermatologia da Universidade Federal de São Paulo Núcleo detecnologia da Informação (NUTI) Coordenador: Paulo Celso Budri Freire Aprovada pelo Conselho do Departamento de Dermatologia da

Leia mais

Informações e Requisitos para o software NextSoft para 2016

Informações e Requisitos para o software NextSoft para 2016 Informações e Requisitos para o software NextSoft para 2016 Neste documento, você encontrará informações sobre: Parte 1 Informações sobre requisitos técnicos do computador, impressoras, e demais questões

Leia mais

FACULDADE ESTÁCIO DE BELÉM ESTÁCIO BELÉM REGULAMENTO DOS LABORATÓRIOS DE INFORMÁTICA

FACULDADE ESTÁCIO DE BELÉM ESTÁCIO BELÉM REGULAMENTO DOS LABORATÓRIOS DE INFORMÁTICA FACULDADE ESTÁCIO DE BELÉM ESTÁCIO BELÉM REGULAMENTO DOS LABORATÓRIOS DE INFORMÁTICA BELÉM PA 2015 1 TÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES INICIAIS Art. 1º. Os Laboratórios de Informática visam atender: I. alunos dos

Leia mais

Regulamento dos Laboratórios de Informática da Faculdade Arthur Thomas REGULAMENTO DOS LABORATÓRIOS DE INFORMÁTICA DA FACULDADE ARTHUR THOMAS

Regulamento dos Laboratórios de Informática da Faculdade Arthur Thomas REGULAMENTO DOS LABORATÓRIOS DE INFORMÁTICA DA FACULDADE ARTHUR THOMAS REGULAMENTO DOS LABORATÓRIOS DE INFORMÁTICA DA FACULDADE ARTHUR THOMAS TÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES INICIAIS Art. 1º. Os Laboratórios de Informática visam atender: I. alunos dos cursos, das áreas de Graduação,

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE OURO PRETO PATRIMÔNIO

PREFEITURA MUNICIPAL DE OURO PRETO PATRIMÔNIO Praça Barão do Rio Branco, 12 Pilar Ouro Preto MG 35400 000 Cria a Superintendência de Tecnologia da Informação dentro da estrutura administrativa do Executivo Municipal. O povo do Município de Ouro Preto,

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DO MINISTÉRIO PÚBLICO PRESIDÊNCIA PORTARIA CNMP-PRESI N.030, DE 07 DE ABRIL DE 2010.

CONSELHO NACIONAL DO MINISTÉRIO PÚBLICO PRESIDÊNCIA PORTARIA CNMP-PRESI N.030, DE 07 DE ABRIL DE 2010. CONSELHO NACIONAL DO MINISTÉRIO PÚBLICO PRESIDÊNCIA PORTARIA CNMP-PRESI N.030, DE 07 DE ABRIL DE 2010. Dispõe sobre critérios de uso e segurança dos recursos de Tecnologia da Informação do Conselho Nacional

Leia mais

versão 1.0 26/02/2010

versão 1.0 26/02/2010 Ministério da Educação Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica Instituto Federal do Espírito Santo POLÍTICA DE USO DOS RECURSOS DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO versão 1.0 26/02/2010 Pró-Reitoria

Leia mais

TERMINAIS LEVES COM LTSP (LINUX TERMINAL SERVER PROJECT) Lucas Queiroz Braga ¹, Hermes Nunes Pereira Júnior ²

TERMINAIS LEVES COM LTSP (LINUX TERMINAL SERVER PROJECT) Lucas Queiroz Braga ¹, Hermes Nunes Pereira Júnior ² 295 TERMINAIS LEVES COM LTSP (LINUX TERMINAL SERVER PROJECT) Lucas Queiroz Braga ¹, Hermes Nunes Pereira Júnior ² Resumo: O Linux Terminal Server Project (LTSP) é um conjunto de serviços que proporcionam

Leia mais

REGULAMENTO DOS LABORATÓRIOS DE INFORMÁTICA

REGULAMENTO DOS LABORATÓRIOS DE INFORMÁTICA REGULAMENTO DOS LABORATÓRIOS DE INFORMÁTICA Departamento: Tecnologia da Informação Faculdade Adventista da Bahia 1 P á g i n a Normas de Utilização dos Laboratórios de Informática Da Faculdade Adventista

Leia mais

Políticas de utilização dos laboratórios de informática

Políticas de utilização dos laboratórios de informática FACULDADE VALE DO SALGADO ICÓ CEARÁ Missão: Formar profissionais capazes de contribuir para o desenvolvimento do país, embasados na responsabilidade social e na ética, visando o bem estar e a qualidade

Leia mais

Regulamento dos Laboratórios de Informática da Faculdade Arthur Thomas REGULAMENTO DOS LABORATÓRIOS DE INFORMÁTICA DA FACULDADE ARTHUR THOMAS

Regulamento dos Laboratórios de Informática da Faculdade Arthur Thomas REGULAMENTO DOS LABORATÓRIOS DE INFORMÁTICA DA FACULDADE ARTHUR THOMAS REGULAMENTO DOS LABORATÓRIOS DE INFORMÁTICA DA FACULDADE ARTHUR THOMAS TÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES INICIAIS Art. 1º. Os Laboratórios de Informática visam atender: I. alunos dos cursos, das áreas de Graduação,

Leia mais

FUNDAÇÃO HEMOCENTRO DE RIBEIRÃO PRETO REGULAMENTO DA BIBLIOTECA

FUNDAÇÃO HEMOCENTRO DE RIBEIRÃO PRETO REGULAMENTO DA BIBLIOTECA REGULAMENTO DA BIBLIOTECA Este regulamento tem por objetivo estabelecer normas referentes ao funcionamento da Biblioteca. CAPÍTULO I MISSÃO INSTITUCIONAL DA FUNDAÇÃO HEMOCENTRO DE RIBEIRÃO PRETO (FUNDHERP)

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DA BIBLIOTECA CAPÍTULO I DA COMPETÊNCIA

REGIMENTO INTERNO DA BIBLIOTECA CAPÍTULO I DA COMPETÊNCIA DA BIBLIOTECA CAPÍTULO I DA COMPETÊNCIA Art.1º À gerência da biblioteca da FASAM compete desenvolver e implantar a política de desenvolvimento do seu acervo bibliográfico e promover: o tratamento, organização

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº. 009/2012 D.G.

RESOLUÇÃO Nº. 009/2012 D.G. RESOLUÇÃO Nº. 009/2012 D.G. Ementa: Normas de aquisição e atualização de equipamentos de Tecnologia e Informação O Professor Amaury Antonio Meller, Diretor Geral da Faculdade Maringá, no uso de suas atribuições

Leia mais

PLANO DE ATUALIZAÇÃO E MANUTENÇÃO DOS EQUIPAMENTOS

PLANO DE ATUALIZAÇÃO E MANUTENÇÃO DOS EQUIPAMENTOS INSTITUTO EDUCACIONAL DO ESTADO DE SÃO PAULO FACULDADE DE BAURU PLANO DE ATUALIZAÇÃO E MANUTENÇÃO DOS EQUIPAMENTOS BAURU 2014 PLANO DE ATUALIZAÇÃO E MANUTENÇÃO DOS EQUIPAMENTOS. 1. INTRODUÇÃO A Faculdade

Leia mais

POLÍTICA DE USO REDE UFAL.MACEIO / SERVIDOR SAMBA-MACEIO

POLÍTICA DE USO REDE UFAL.MACEIO / SERVIDOR SAMBA-MACEIO POLÍTICA DE USO REDE UFAL.MACEIO / SERVIDOR SAMBA-MACEIO O objetivo desta política de uso é prestar esclarecimentos sobre os recursos disponíveis na rede local UFAL.MACEIO e no servidor SAMBA-MACEIO, informando

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº. 021/2003 CONEPE

RESOLUÇÃO Nº. 021/2003 CONEPE RESOLUÇÃO Nº. 021/2003 CONEPE Aprova o Regimento Geral para Uso e Administração do Laboratório de Informática e Redes do Campus Deputado Estadual Rene Barbour. O Presidente do Conselho de Ensino, Pesquisa

Leia mais

Software de Tarifação para centrais PABX e ambiente Windows

Software de Tarifação para centrais PABX e ambiente Windows Software de Tarifação para centrais PABX e ambiente Windows Um tarifador fácil de usar e poderoso. Com o tarifador STI Windows Atenas você poderá controlar os gastos com telefone, reduzir custos e otimizar

Leia mais

XXIII PRÊMIO JOVEM CIENTISTA. Tema: Educação para Reduzir as Desigualdades Sociais REGULAMENTO

XXIII PRÊMIO JOVEM CIENTISTA. Tema: Educação para Reduzir as Desigualdades Sociais REGULAMENTO XXIII PRÊMIO JOVEM CIENTISTA Tema: Educação para Reduzir as Desigualdades Sociais REGULAMENTO CAPÍTULO I DO PRÊMIO Art. 1º. O Prêmio Jovem Cientista é uma iniciativa do CNPq, do Grupo Gerdau, da Fundação

Leia mais

INFORmação. O que é um Computador?

INFORmação. O que é um Computador? Professor: M. Sc. Luiz Alberto Filho Conceitos básicos Evolução histórica Hardware Sistemas de numeração Periféricos Software Unidades Básicas de Medidas 2 Facilidade de armazenamento e recuperação da

Leia mais

REGULAMENTO DAS BIBLIOTECAS CENTRO UNIVERSITÁRIO LUSÍADA - UNILUS

REGULAMENTO DAS BIBLIOTECAS CENTRO UNIVERSITÁRIO LUSÍADA - UNILUS REGULAMENTO DAS BIBLIOTECAS CENTRO UNIVERSITÁRIO LUSÍADA - UNILUS Este regulamento visa estabelecer padrões e normas referentes ao funcionamento do Sistema de Bibliotecas do Centro Universitário Lusíada

Leia mais

PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE PORTO VELHO SECRETARIA MUNICIPAL DE ADMINISTRAÇÃO ASSESSORIA TÉCNICA DIVISÃO DE APOIO TÉCNICO

PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE PORTO VELHO SECRETARIA MUNICIPAL DE ADMINISTRAÇÃO ASSESSORIA TÉCNICA DIVISÃO DE APOIO TÉCNICO PORTARIA Nº 018/DIAT/ASTEC/SEMAD Porto Velho, 17 de dezembro de 2007. Normatiza os procedimentos e critérios para uso e segurança dos equipamentos de informática e banco de dados da Prefeitura de Porto

Leia mais

Plano de Segurança da Informação

Plano de Segurança da Informação Faculdade de Tecnologia SENAC - Goiás Projeto Integrador Governança da Tecnologia da Informação Plano de Segurança da Informação Diego Miranda José Rodrigues Neto Romário Sena Warley Gabriel Plano de Segurança

Leia mais

Regulamento do uso do Laboratório de Informática da Faculdade de Amambai-MS para o Curso de Ciências Contábeis

Regulamento do uso do Laboratório de Informática da Faculdade de Amambai-MS para o Curso de Ciências Contábeis Regulamento do uso do Laboratório de Informática da Faculdade de Amambai-MS para o Curso de Ciências Contábeis Amambai-MS 2010 Regulamento do uso do laboratório de informática da Faculdade de Amambai para

Leia mais

Estado do Piauí Tribunal de Contas

Estado do Piauí Tribunal de Contas RESOLUÇÃO TCE N O 08/2015, de 12 de março de 2015. Disciplina a utilização dos recursos de Tecnologia da Informação no Tribunal de Contas do Estado do Piauí O TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO DO PIAUÍ, no

Leia mais

Regulamento da utilização dos laboratórios de informática do CRP/UFV

Regulamento da utilização dos laboratórios de informática do CRP/UFV Regulamento da utilização dos laboratórios de informática do CRP/UFV Capítulo I Do regimento e seus objetivos O presente regimento, elaborado pela Central de Processamento de dados da UFV- CRP, visa disciplinar

Leia mais

PORTARIA FATEC / PRESIDENTE PRUDENTE Nº 18/2008 DE 23 DE JUNHO DE 2008.

PORTARIA FATEC / PRESIDENTE PRUDENTE Nº 18/2008 DE 23 DE JUNHO DE 2008. PORTARIA FATEC / PRESIDENTE PRUDENTE Nº 18/2008 DE 23 DE JUNHO DE 2008. Estabelece normas para utilização da Biblioteca da Faculdade de Tecnologia de Presidente Prudente. O Diretor da Faculdade de Tecnologia

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DA BIBLIOTECA FAME

REGIMENTO INTERNO DA BIBLIOTECA FAME REGIMENTO INTERNO DA BIBLIOTECA FAME Letícia do Carmo Miranda Bibliotecária FAME - CRB 6 / 2443 BARBACENA/MG 2014 Capítulo I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º O presente regimento contém as normas que disciplinarão

Leia mais

REGIMENTO INTERNO REDE DE BIBLIOTECAS FACULDADE PADRÃO

REGIMENTO INTERNO REDE DE BIBLIOTECAS FACULDADE PADRÃO REGIMENTO INTERNO REDE DE BIBLIOTECAS FACULDADE PADRÃO 2015 REGIMENTO REDE DE BIBLIOTECAS FACULDADE PADRÃO Título I Das Disposições Preliminares Capítulo I Das Disposições Gerais Art. 1º - Este regulamento

Leia mais

b) Estabilizador de tensão, fonte no-break, Sistema Operacional, memória principal e memória

b) Estabilizador de tensão, fonte no-break, Sistema Operacional, memória principal e memória CURSO TÉCNICO EM INFORMÁTICA SISUTEC DISCIPLINA: INTRODUÇÃO A COMPUTAÇÃO PROF.: RAFAEL PINHEIRO DE SOUSA ALUNO: Exercício 1. Assinale a opção que não corresponde a uma atividade realizada em uma Unidade

Leia mais

REGULAMENTO DO LABORATÓRIO DIDÁTICO DE PRÁTICAS EM ADMINISTRAÇÃO E ESCRITÓRIO MULTIMÍDIA DO DEPARTAMENTO ACADÊMICO DE ADMINISTRAÇÃO - UNIR - CACOAL

REGULAMENTO DO LABORATÓRIO DIDÁTICO DE PRÁTICAS EM ADMINISTRAÇÃO E ESCRITÓRIO MULTIMÍDIA DO DEPARTAMENTO ACADÊMICO DE ADMINISTRAÇÃO - UNIR - CACOAL REGULAMENTO DO LABORATÓRIO DIDÁTICO DE PRÁTICAS EM ADMINISTRAÇÃO E ESCRITÓRIO MULTIMÍDIA DO DEPARTAMENTO ACADÊMICO DE ADMINISTRAÇÃO - UNIR - CACOAL TÍTULO I - DO LABORATÓRIO DIDÁTICO CAPÍTULO I - DA ORGANIZAÇÃO

Leia mais

Guia de instalação do driver RICOH

Guia de instalação do driver RICOH Guia de instalação do driver RICOH Este documento fornece explicações sobre o método de instalação do driver RICOH exigido para usar a impressora jato de tinta RICOH Pro L4130/L4160. O driver RICOH é exigido

Leia mais

LABORATÓRIOS DE INFORMÁTICA DA ASSOCIAÇÃO EDUCACIONAL TOLEDO

LABORATÓRIOS DE INFORMÁTICA DA ASSOCIAÇÃO EDUCACIONAL TOLEDO LABORATÓRIOS DE INFORMÁTICA DA ASSOCIAÇÃO EDUCACIONAL TOLEDO Melissa Marchiani Palone ZANATTA 1 João Augusto de Rocha DALBEN 2 Rodrigo Abucarma de FRANÇA 3 Resumo: Este artigo tem por objetivo descrever

Leia mais

REGULAMENTO PARA USO DOS COMPUTADORES DO LABORATORIO DE INFORMATICA E BIBLIOTECA DA FACULDADE ESEFAP

REGULAMENTO PARA USO DOS COMPUTADORES DO LABORATORIO DE INFORMATICA E BIBLIOTECA DA FACULDADE ESEFAP REGULAMENTO PARA USO DOS COMPUTADORES DO LABORATORIO DE INFORMATICA E BIBLIOTECA DA FACULDADE ESEFAP CAPÍTULO I DA FINALIDADE Art. 1 - O presente regulamento tem por finalidade facilitar e democratizar

Leia mais

LABORATÓRIO DE INFORMÁTICA POLÍTICA DE USO DE FUNCIONAMENTO

LABORATÓRIO DE INFORMÁTICA POLÍTICA DE USO DE FUNCIONAMENTO FACULDADE DE ENSINO SUPERIOR DO PIAUÍ - FACULDADE DE ENSINO SUPERIOR DO PIAUÍ Rua 1º de Maio Nº 2235/N Bairro Primavera Qualidade em Educação Teresina PI Brasil Fone:(86) 2107-2200 www.faespi.com.br/faespi.edu@gmail.com

Leia mais

Regulamento da Biblioteca São José

Regulamento da Biblioteca São José 1 Regulamento da Biblioteca São José Pato Branco - PR 2 SUMÁRIO DO REGULAMENTO E SUA APLICAÇÃO... 3 DA NATUREZA E FINS... 3 DO ACERVO... 4 DO HORÁRIO DE FUNCIONAMENTO... 4 DA ORGANIZAÇÃO... 5 DO PESSOAL...

Leia mais