Análise da expansão urbana de Feira de Santana através de condomínios fechados

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Análise da expansão urbana de Feira de Santana através de condomínios fechados"

Transcrição

1 Análise da expansão urbana de Feira de Santana através de condomínios fechados Bethsaide Souza Santos Rosangela Leal Santos Resumo Feira de Santana é uma cidade importante no Estado da Bahia e tem apresentado uma rápida expansão urbana nos últimos tempos. Seguindo uma tendência global, o surgimento de condomínios fechados tem sido intensificado na região e como consequência, houve uma inversão de papéis entre o poder público e a iniciativa privada. Construtoras e imobiliárias assumiram uma função determinante no direcionamento dos vetores de expansão urbana. Noutros tempos, tal função era exercida, principalmente pelos órgãos públicos relacionados ao planejamento urbano. Neste artigo, portanto, analisa-se a expansão urbana ao longo do tempo e o surgimento e proliferação de condomínios fechados nas últimas duas décadas. Foi analisada também a tendência de expansão urbana em direção aos eixos Leste e Norte da cidade e verificou-se que esta tendência existe desde o século XIX e ainda permanece nos dias atuais. Palavras-Chave: Expansão urbana, Condomínios Fechados, Feira de Santana. 1. Introdução Feira de Santana está localizada a aproximadamente 110 km da capital estadual, Salvador. Trata-se da segunda cidade mais populosa do estado da Bahia, com habitantes, numa área de 1338 km², segundo dados do censo demográfico do IBGE em A Figura 1 mostra a localização da cidade na Bahia e no Brasil.

2 Figura 1: Localização de Feira de Santana na Bahia. Fonte: GOMES, 2011 Feira de Santana é privilegiada por sua localização: é onde ocorre o encontro de três Rodovias: BRs 101, 116 e 324. Assim, se apresenta como um ponto de passagem para o tráfego que vem do Sul e do Centro Oeste e se dirige para Salvador e outras importantes cidades nordestinas. Além de estar relativamente próxima a Salvador, possui um diversificado setor de comércio e serviços, além de indústrias de transformação. Outros aspectos influenciadores na urbanização da região serão analisados adiante. 2. Evolução do desenho urbano de Feira de Santana Segundo Freitas (1998), um dos fatos marcantes na urbanização da cidade foi a inauguração da Bahia-Feira (hoje, denominada BR-324), em 1926, com 144 quilômetros. 2

3 A ligação com a capital do Estado foi importante para a expansão da zona sul da cidade. A transferência do Terminal Ferroviário da Praça da Matriz para a área denominada hoje, Ponto Central promoveu a urbanização da região. A estrada de ferro também influenciou na formação do bairro Tomba ao Sul. Após a década de 40, a expansão se dá em todas as direções e no final da década de 60, evidencia-se o aparecimento de bairros populares mais afastados do centro, fazendo com que a cidade apresente uma forma estrelada. A instalação do campus da UEFS às margens da BR-116 norte, evidencia a expansão da zona norte. Além disto, foi construído pela URBIS, em 1968, o primeiro conjunto habitacional Feira I, denominado Cidade Nova, com unidades habitacionais. No mesmo ano, foi elaborado o Plano de Desenvolvimento Local Integrado (PDLI), com o objetivo de corrigir as distorções, ordenar e disciplinar o uso e ocupação do solo urbano. No ano seguinte, foi aprovada a 1ª Lei de Zoneamento, que dividia a cidade em oito zonas de quatro tipos: comercial, industrial, residencial e mista. A Lei deixa clara, também, a localização do Centro Industrial do Subaé (CIS), que foi implantado em 1970, na zona sul da cidade, como citado por Freitas (1998). Nas proximidades do Feira I, o Instituto de Orientação às Cooperativas Habitacionais (INOCOOP) constrói vários conjuntos residenciais, citados na tabela 1. Tabela 1: Conjuntos habitacionais construídos pela INOCOOP, nas décadas de 70 a 90 Nome Ano Tipo de construção Unidades Localização na cidade Conj. Centenário 1972 Casas 291 Norte Conj. ACM 1977 Casas 178 Norte Conj. Milton Gomes 1978 Casas 203 Norte Conj. Morada das Árvores 1979 Casas 270 Norte Conj. João Paulo II 1980 Casas 410 Norte Cond. Vale dos Rios 1980 Apartamento 126 Norte Conj. Morada do Sol 1981 Casas 340 Oeste Cond. José Falcão 1983 Apartamento 126 Norte Cond. J. J. Lopes de 1985 Apartamento 224 Noroeste 3

4 Brito Cond. Parque das Acácias 1988 Apartamento 210 Centro Cond. Prisco Viana 1989 Apartamento 168 Norte Cond. Parque Cajueiro 1991 Apartamento 360 Sul Cond. Lagoa Grande 1991 Apartamento 640 Norte Fonte: (Lima, 1994, apud, Freitas, 1998) A URBIS também construiu vários conjuntos habitacionais voltados para a população de baixa renda: Tabela 2: Conjuntos habitacionais construídos pela URBIS, nas décadas de 60 a 80. Nome Ano Tipo de construção Unidades Localização na cidade Feira I 1968 Casas 291 Norte Feira II 1970 Casas 178 Norte Feira III 1977 Casas 203 Sul Feira IV 1980 Casas 270 Oeste Feira V 1983 Casas 410 Norte Feira VI 1984 Casas 126 Norte Feira X 1985 Casas 340 Sudoeste Fonte: Lima, 1994, apud Freitas, Nas proximidades do CIS, foram construídos pela iniciativa privada, nos anos 90, os conjuntos Francisco Pinto, Luciano Barreto e Oyama Figueiredo, através de Financiamento da Caixa Econômica Federal. Foram construídos ainda, os conjuntos Feira VII e Feira IX. Na Figura 2, mostram-se os conjuntos habitacionais supracitados, construídos pela URBIS e pela INOCOOP. 4

5 Figura 2: Conjuntos habitacionais construídos pela URBIS e INOCOOP (Figura editada pela autora) Até o final da década de 1980, a expansão urbana em Feira de Santana era determinada principalmente pelo poder público, através de estratégias de zoneamento, criação dos conjuntos habitacionais citados. Já a partir da década de 90, começaram a surgir os condomínios fechados em Feira de Santana, acompanhando assim, a tendência de várias outras cidades no Brasil e no mundo. A partir daí a iniciativa privada passou a 5

6 exercer uma função determinante no crescimento da cidade. A especulação imobiliária se tornou o direcionador dos vetores de expansão e o valor da terra aumentou absurdamente. As causas desse processo de inversão também tem muito em comum com outros centros urbanos. Segundo CALDEIRA (2000), a difusão do medo do crime é o principal motivo que levou pessoas de todas as classes a buscar formas mais seguras de moradia. Essa nova forma de habitat traz algumas consequências, que se refletem na vida dos moradores e na sociedade de maneira geral. Segundo MOURA (2004, apud Baumgartner, 1988), surge um código de sociabilidade, baseado na evitação de conflito aberto entre pessoas. Há baixo índice de conflitos, mas, por outro lado há também pouca cooperação entre amigos ou vizinhos. Essa evitação pessoal é apenas um reflexo de um contexto maior, no qual a separação se dá também numa esfera espacial (através dos muros que isolam os condomínios do restante da cidade) e numa esfera social (separação entre ricos e pobres). TAVARES E COSTA (2010) afirmam que uma das implicações do processo é a privatização da cidade, através da apropriação privada de espaços que deveriam estar disponíveis a toda sociedade local, como ruas, praças e áreas de lazer. Os autores ainda destacam outro aspecto evidenciador da privatização de espaços públicos: a impermeabilização do tecido urbano. O termo refere-se à impossibilidade de os cidadãos transitarem livremente pela cidade, devido à existência de barreiras físicas. A pesquisa feita para a elaboração deste trabalho foi baseada em coleta de dados históricos a partir de A Figura 3 mostra a evolução do número de condomínios fechados em Feira de Santana ao longo dos anos. 6

7 Número de condomínios Figura 3: Evolução da Quantidade de Condomínios Fechados em Feira de Santana-BA (1995 a 2010) Fonte: Secretaria de Desenvolvimento Urbano (figura editada pela autora) Para a análise dos dados, o período compreendido entre 1995 e 2010 foi dividido em três partes. A primeira delas é correspondente aos anos entre 1995 e Neste intervalo de tempo, poucos condomínios foram lançados, com uma média anual aproximada equivalente a 4. Percebe-se que há um primeiro pico no ano 2000, com a construção de 12 condomínios, valor este que só voltou a se repetir em O segundo período, de 2001 a 2004 corresponde a uma fase intermediária, se configurando como um período de transição. No último período, de 2005 a 2010, houve um significativo aumento do número de condomínios construídos em Feira de Santana e a média anual foi de mais de 16 condomínios. Essa fase se caracteriza também pela tendência de aumento dessa média. Percebe-se um segundo pico em 2007, no qual foram construídos 23 7

8 condomínios, quase o dobro do ano anterior. Esse aumento é consequência, principalmente, das políticas habitacionais criadas ao longo desses anos. 3. Análise da expansão A Fig. 4 mostra a expansão de Feira de Santana no período entre 1787 e Observa-se, já nesse período a tendência de expansão em direção aos setores Leste e Norte da cidade. Figura 4: Evolução do crescimento urbano de Feira de Santana, origens até

9 Fatores diversos influenciam diretamente na densidade e distribuição ocupacional construtiva da área urbana de Feira de Santana, das quais podemos destacar a localização das edificações e seus usos, predominância das atividades desenvolvidas, ação da iniciativa privada (empreendimentos imobiliários) consonantes com as ações da administração pública, em seus diversos níveis, e suas relações com a construção (BITTENCOUT et al, 2008; SANTO et al, 2009). Quanto aos aspectos de localização, destinação funcional e incidência quantitativa, pode se dizer que esta ocorre em forma de faixas concêntricas, onde a densidade e a incidência das áreas de expansão se processam em proporção inversa à sua distância com relação ao centro ou zona central de negócios do aglomerado urbano, exceção feita àquelas adjacentes as principais artérias de tráfego, tais como Avenida Getúlio Vargas, Maria Quitéria, Presidente Dutra, Voluntários da Pátria, Aurivaldo de Carvalho e Araújo Pinho (GUIMARÃES et al., 1976; BITTENCOUT et al, 2008; SANTO et al, 2009; LIMA 2010). 4. Análise dos resultados A Fig. 5 mostra a localização dos condomínios fechados construídos entre 1995 e 2010 na cidade. Antes de 2000, os condomínios eram localizados, em sua maioria, dentro dos limites do anel de contorno. Percebe-se que após esse ano, as ocorrências extrapolaram os limites do anel de contorno. Além disto, é possível notar nitidamente a tendência de expansão a Leste. 9

10 Figura 5: Localização dos condomínios construídos em Feira de Santana entre 1995 e 2010 Fonte: SEDUR (Figura editada pela autora) Foi feita a análise espacial dos dados mostrados na Figura 5. Após várias simulações com diferentes valores, chegou-se, por tentativa e erro, à conclusão que a distância ideal seria de 1.500m, por gerar uma distribuição de melhor visualização. Foram utilizadas quatro classes de intensidade. A Figura 6 mostra o mapa resultante da análise espacial, feita no SIG SPRING. 10

11 Figura 6: Intensidade de Concentração de Condomínios Fechados em Feira de Santana (BA) a 2010 A análise dos dois mapas (Figuras 4 e 6) permite perceber uma semelhança no que tange à direção de expansão urbana. Ainda antes da década de 1980, era clara a tendência de expansão a Leste e Norte, que ainda permanece nos tempos atuais. Isso é evidenciado com a análise da Figura 6: classes que indicam maior densidade estão concentradas neste lado da cidade. 11

12 Verifica-se também que há tendências locais de crescimento. Na figura 6, são identificados dois principais pólos de aglomeração de condomínios: (1) bairros Santa Mônica e Parque Getúlio Vargas, (2) Conceição. Nestas áreas, constatou-se intensidade muito alta, que significa dizer que estas são região de maior densidade de condomínios. Além destes, há também um eixo de expansão: a Avenida Artêmia Pires, que tem passado por um processo intenso de urbanização. Praticamente toda a Avenida foi enquadrada na classe média alta. Esta classe também apareceu nos bairros Cidade Nova e Parque Ipê, ao Norte da cidade e Brasília e Capuchinhos, região próxima ao centro da cidade. Toda a parte Oeste e Sul da cidade se enquadraram na classe baixa, registrando valores nulos ou mínimos de intensidade. 5. Conclusão A expansão de Feira de Santana sempre se caracterizou por uma tendência de crescimento a Leste. Apesar da influência predominante da iniciativa privada no desenho urbano de Feira de Santana, fato relativamente recente na cidade, o modelo de expansão continua o mesmo. Essa informação é importante, pois permite que sejam feitas previsões sobre a zona urbana para os próximos anos. Com isso, os órgãos responsáveis pelo planejamento municipal e desenvolvimento urbano podem planejar os instrumentos de política urbana de forma mais eficiente. A ocorrência de condomínios fechados na cidade é crescente, acompanhando a tendência de outras cidades no Brasil e no mundo. Há bairros onde há uma concentração maior, como Conceição, Santa Monica e Lagoa Salgada. Além destes, foi identificado um eixo de expansão, ao longo de toda a extensão da Avenida Artêmia Pires. 6. Referências BITTENCOURT, D. C.; SANTOS, R. L.; SANTO, S. M. Identificação de classes de uso e cobertura do solo de Feira de Santana (BA). In: V Seminário Latino-Americano e I 12

13 Ibero-Americano de Geografia Física, 2008, Santa Maria. Anais do V Seminário Latino- Americano e I Ibero-Americano de Geografia Física, CALDEIRA, T. P. do R. Cidade de muros. Crime, segregação e cidadania em São Paulo. São Paulo. Editora 34/ Editora da Universidade de São Paulo, FREITAS, N. B. Urbanização em Feira de Santana: Influência da industrialização UFBA. Salvador, GUIMARÃES, A. C. M.; PIRES, R. A.; VALE, J. I. C. de; TORRES, R. J. de S. Feria de Santana: Território, o Município, a Cidade: Plano de Desenvolvimento Local Integrado - PDLI. Feira de Santana: SUDENE, (acessado em 29 de setembro de 2011) MOURA, C. P. Urbanidade e estilos de vida: Gated Communitiese Condomínios Horizontais. In: I JORNADA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO. Anais. Anápolis. Universidade Estadual de Goiás, SANTO, S. M. O desenvolvimento urbano em Feira de Santana. Sitientibus. Feira de Santana, n.28, p. 9-20, jan./jun., SANTO, S. M.; FERNANDES, R. B.; SANTOS, R. L. O impacto da habitação sobre o meio ambiente: a questão da água em Feira de Santana - Bahia - Brasil. In: XII Encuentro de Geografos de América Latina, 2009, Montevideo. Anais do XII Encuentro de Geografos de América Latina, TAVARES, M. A., COSTA, A. A. da. Dinâmica urbana e condomínios horizontais fechados na cidade de Natal. Natal. UFRN,

ANÁLISE DA ORGANIZAÇÃO ESPACIAL DOS CONDOMÍNIOS FECHADOS HORIZONTAIS DE ALTO PADRÃO NO MUNICÍPIO DE INDAIATUBA (SP)

ANÁLISE DA ORGANIZAÇÃO ESPACIAL DOS CONDOMÍNIOS FECHADOS HORIZONTAIS DE ALTO PADRÃO NO MUNICÍPIO DE INDAIATUBA (SP) 105 ANÁLISE DA ORGANIZAÇÃO ESPACIAL DOS CONDOMÍNIOS FECHADOS HORIZONTAIS DE ALTO PADRÃO NO MUNICÍPIO DE INDAIATUBA (SP) LETÍCIA BARBOSA RIBEIRO 1 e LINDON FONSECA MATIAS 2 leticia.b.ribeiro@hotmail.com,

Leia mais

LÓGICA TERRITORIAL NA ORGANIZAÇÃO SÓCIO-ESPACIAL DA CIDADE DE SALVADOR: APLICANDO AS GEOTECNOLOGIAS

LÓGICA TERRITORIAL NA ORGANIZAÇÃO SÓCIO-ESPACIAL DA CIDADE DE SALVADOR: APLICANDO AS GEOTECNOLOGIAS LÓGICA TERRITORIAL NA ORGANIZAÇÃO SÓCIO-ESPACIAL DA CIDADE DE SALVADOR: APLICANDO AS GEOTECNOLOGIAS RIOS, R.B. 1 RESUMO: Nos dias atuais o ordenamento territorial, torna-se de suma importância frente aos

Leia mais

A DINÂMICA AMBIENTAL VERIFICADA NO BAIRRO DO IMBUÍ SALVADOR BAHIA BRASIL

A DINÂMICA AMBIENTAL VERIFICADA NO BAIRRO DO IMBUÍ SALVADOR BAHIA BRASIL A DINÂMICA AMBIENTAL VERIFICADA NO BAIRRO DO IMBUÍ SALVADOR BAHIA BRASIL Antonio Leonardo Guimarães de Mello: Geógrafo formado pela Universidade Federal da Bahia UFBA, Salvador, Bahia, Brasil. uleonardo@bol.com.br

Leia mais

Urban View. Urban Reports. Êxodo urbano: por que as cidades de médio porte estão atraindo os moradores das metrópoles?

Urban View. Urban Reports. Êxodo urbano: por que as cidades de médio porte estão atraindo os moradores das metrópoles? Urban View Urban Reports Êxodo urbano: por que as cidades de médio porte Morar nos grandes centros tem suas vantagens, como mais opções de trabalho, educação e lazer. Mas também tem seu lado negativo.

Leia mais

MARÇO DE 2010 JORGE WILHEIM PLANOS URBANÍSTICOS

MARÇO DE 2010 JORGE WILHEIM PLANOS URBANÍSTICOS MARÇO DE 2010 QUADRO HABITACIONAL DAS METRÓ- POLES PAULISTAS São Paulo. Cliente: Emplasa - Empresa Paulista de Planejamento Metropolitano SA 2009 Consultoria compreendendo a compartimentação espacial georeferenciada

Leia mais

Situação Geográfica e Demográfica

Situação Geográfica e Demográfica Guarulhos História A memória é a base para a construção da identidade, da consciência do indivíduo e dos grupos sociais de um determinado local. A maioria das fontes de memória de Guarulhos traz que sua

Leia mais

A Criação de Espaços Particulares. Condomínios horizontais: das vilas aos condomínios suburbanos

A Criação de Espaços Particulares. Condomínios horizontais: das vilas aos condomínios suburbanos A Criação de Espaços Particulares dos jardins aos espaços condominiais Condomínios horizontais: das vilas aos condomínios suburbanos Sílvio Soares MACEDO PAISAGISMO BRASILEIRO (São Paulo, 2012) EDUSP e

Leia mais

SECRETARIA MUNICIPAL ADJUNTA DE HABITAÇÃO POLÍTICA MUNICIPAL DE HABITAÇÃO

SECRETARIA MUNICIPAL ADJUNTA DE HABITAÇÃO POLÍTICA MUNICIPAL DE HABITAÇÃO SECRETARIA MUNICIPAL ADJUNTA DE HABITAÇÃO POLÍTICA MUNICIPAL DE HABITAÇÃO Carlos Henrique Cardoso Medeiros Secretário POLÍTICA MUNICIPAL DE HABITAÇÃO Orçamento Participativo da Habitação participaçãopopular

Leia mais

-Esta apresentação foi realizada no âmbito do projeto Moradia é Central durante a Oficina 3 - Financiamento para habitação social em Centros.

-Esta apresentação foi realizada no âmbito do projeto Moradia é Central durante a Oficina 3 - Financiamento para habitação social em Centros. -Esta apresentação foi realizada no âmbito do projeto Moradia é Central durante a Oficina 3 - Financiamento para habitação social em Centros. -Data: 05/12/2008 -Local: Instituto Pólis MORADIA É CENTRAL

Leia mais

DISPARIDADES ENTRE A ZONA SUL E A ZONA NORTE DE SÃO JOSÉ DO RIO PRETO/SP

DISPARIDADES ENTRE A ZONA SUL E A ZONA NORTE DE SÃO JOSÉ DO RIO PRETO/SP DISPARIDADES ENTRE A ZONA SUL E A ZONA NORTE DE SÃO JOSÉ DO RIO PRETO/SP Luiz Henrique Mateus Lima lugano_lima@yahoo.com.br Mestrado em Geografia FCT UNESP Campus de Presidente Prudente 1088 Resumo As

Leia mais

OCUPAÇÕES IRREGULARES E IMPACTOS SÓCIO-AMBIENTAIS NA REGIÃO NOROESTE DE GOIÂNIA

OCUPAÇÕES IRREGULARES E IMPACTOS SÓCIO-AMBIENTAIS NA REGIÃO NOROESTE DE GOIÂNIA OCUPAÇÕES IRREGULARES E IMPACTOS SÓCIO-AMBIENTAIS NA REGIÃO NOROESTE DE GOIÂNIA Wellington Nunes de Oliveira Universidade Federal de Goiás, Tecnólogo em Geoprocessamento, Especialista em Perícia Ambiental,

Leia mais

Seminário de Políticas de Desenvolvimento Regional. Seis cidades buscando soluções regionais para problemas em comum

Seminário de Políticas de Desenvolvimento Regional. Seis cidades buscando soluções regionais para problemas em comum Seminário de Políticas de Desenvolvimento Regional Seis cidades buscando soluções regionais para problemas em comum Abril de 2011 2 CONISUD Seminário de Políticas de Desenvolvimento Regional abril de 2011

Leia mais

Anexo II.1 Informações sobre a Cidade e seu Serviço de Transporte Coletivo Atual

Anexo II.1 Informações sobre a Cidade e seu Serviço de Transporte Coletivo Atual Anexo II.1 Informações sobre a Cidade e seu Serviço de Transporte Coletivo Atual PREFEITURA MUNICIPAL DE VOLTA REDONDA ÍNDICE 1 INTRODUÇÃO... 2 1.1 A Cidade... 2 1.2 Padrão de mobilidade... 5 1.2.1 Frota

Leia mais

DIRETRIZES PROJETUAIS PARA A REABILITAÇÃO DO CENTRO OLÍMPICO DE PRESIDENTE PRUDENTE SP

DIRETRIZES PROJETUAIS PARA A REABILITAÇÃO DO CENTRO OLÍMPICO DE PRESIDENTE PRUDENTE SP Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 213 DIRETRIZES PROJETUAIS PARA A REABILITAÇÃO DO CENTRO OLÍMPICO DE PRESIDENTE PRUDENTE SP Melina Yumi Koyama¹; Hélio

Leia mais

ESPACIAL DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO - RJ Gisele dos Santos de Miranda Clarisse da Cunha Müller PUC Rio gigisa@gmail.com

ESPACIAL DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO - RJ Gisele dos Santos de Miranda Clarisse da Cunha Müller PUC Rio gigisa@gmail.com AS TRANSFORMAÇÕES LOCAIS NO BAIRRO RIO DA PRATA, EM CAMPO GRANDE, A PARTIR DA EXPANSÃO DE CONDOMÍNIOS FECHADOS: UMA PERSPECTIVA MULTIESCALAR DA DINÂMICA INTRODUÇÃO ESPACIAL DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO

Leia mais

INDUSTRIALIZAÇÃO EM SÃO JOSÉ DOS CAMPOS, SP: UMA ANÁLISE DAS ATIVIDADES ECONÔMICAS DO DISTRITO INDUSTRIAL DO CHÁCARAS REUNIDAS

INDUSTRIALIZAÇÃO EM SÃO JOSÉ DOS CAMPOS, SP: UMA ANÁLISE DAS ATIVIDADES ECONÔMICAS DO DISTRITO INDUSTRIAL DO CHÁCARAS REUNIDAS INDUSTRIALIZAÇÃO EM SÃO JOSÉ DOS CAMPOS, SP: UMA ANÁLISE DAS ATIVIDADES ECONÔMICAS DO DISTRITO INDUSTRIAL DO CHÁCARAS REUNIDAS Gustavo Andreiev Nunes Serra 1, Adriane Aparecida Moreira de Souza 2 Universidade

Leia mais

A COPA DE 2014: IMPACTOS OU LEGADO PARA AS CIDADES-SEDES DO NORDESTE?.

A COPA DE 2014: IMPACTOS OU LEGADO PARA AS CIDADES-SEDES DO NORDESTE?. A COPA DE 2014: IMPACTOS OU LEGADO PARA AS CIDADES-SEDES DO NORDESTE?. AS CIDADES-SEDES DO NORDESTE. Hipótese: Os processos de reestruturação urbana implementados para as cidades sedes da região Nordeste

Leia mais

Amazônia : Uma Abordagem Geográfica da Dinâmica Populacional Recente. José Antonio Sena do Nascimento

Amazônia : Uma Abordagem Geográfica da Dinâmica Populacional Recente. José Antonio Sena do Nascimento Amazônia : Uma Abordagem Geográfica da Dinâmica Populacional Recente José Antonio Sena do Nascimento Jorge Kleber Teixeira Silva 1 O trabalho em questão faz parte de uma linha de pesquisa desenvolvida

Leia mais

CONFLITOS NO SUBCENTRO DA PERIFERIA: UM ESTUDO DA AVENIDA FREI BENJAMIM VITÓRIADA CONQUISTA / BA

CONFLITOS NO SUBCENTRO DA PERIFERIA: UM ESTUDO DA AVENIDA FREI BENJAMIM VITÓRIADA CONQUISTA / BA CONFLITOS NO SUBCENTRO DA PERIFERIA: UM ESTUDO DA AVENIDA FREI BENJAMIM VITÓRIADA CONQUISTA / BA Bruno Pereira Marques Graduando, em Geografia/UESB e Bolsistado PIBID/CAPES. E-mail: brunop_marques@hotmail.com

Leia mais

Palavras-chave: Ambiente Urbano, Produção do Espaço, Problemática Ambiental, Áreas de Risco.

Palavras-chave: Ambiente Urbano, Produção do Espaço, Problemática Ambiental, Áreas de Risco. Revista Geográfica de América Central Número Especial EGAL, 2011- Costa Rica II Semestre 2011 pp. 1-15 INDICADORES DE VULNERABILIDADE E CLASSIFICAÇÃO DE ÁREAS DE RISCO AMBIENTAL NA VERTENTE SUL DA SERRA

Leia mais

CONTRIBUIÇÃO PARA O ESTUDO DA GESTÃO DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL EM BELO HORIZONTE E REGIÃO

CONTRIBUIÇÃO PARA O ESTUDO DA GESTÃO DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL EM BELO HORIZONTE E REGIÃO Porto Alegre/RS 23 a 26/11/2015 CONTRIBUIÇÃO PARA O ESTUDO DA GESTÃO DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL EM BELO HORIZONTE E REGIÃO Sarah Moreira de Almeida ( * ), Raphael Tobias Vasconcelos Barros, Aylton

Leia mais

Mas com tantas contradições, desigualdades e injustiças, será que houve realmente uma evolução do tecido urbano?

Mas com tantas contradições, desigualdades e injustiças, será que houve realmente uma evolução do tecido urbano? 112 Mas com tantas contradições, desigualdades e injustiças, será que houve realmente uma evolução do tecido urbano? Ao levantar este questionamento é pertinente esclarecer qual deve ser a real evolução.

Leia mais

O Caminho do Apartamento Moderno no Brasil

O Caminho do Apartamento Moderno no Brasil - SEPesq O Caminho do Apartamento Moderno no Brasil Vivian K.Levy Mestranda em Arquitetura e Urbanismo Unirriter Vivianklevy@gmail.com Resumo Este artigo trata da evolução, do caminho que a tipologia do

Leia mais

I STRUME TOS DIGITAIS COMO SUPORTE DE A ÁLISE DO ESPAÇO URBA O. J. De ardin, R. A. Ribeiro e J. Francisco

I STRUME TOS DIGITAIS COMO SUPORTE DE A ÁLISE DO ESPAÇO URBA O. J. De ardin, R. A. Ribeiro e J. Francisco I STRUME TOS DIGITAIS COMO SUPORTE DE A ÁLISE DO ESPAÇO URBA O J. De ardin, R. A. Ribeiro e J. Francisco RESUMO O presente artigo trata de parte de metodologia adotada para o desenvolvimento da dissertação

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CULTURA MEC UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ UFPI PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO PRPPG

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CULTURA MEC UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ UFPI PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO PRPPG MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CULTURA MEC UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ UFPI PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO PRPPG Coordenadoria Geral de Pesquisa CGP Campus Universitário Ministro Petrônio Portela,

Leia mais

Emanuel Barros Roma Graduando em Geografia - UEPB mano_dui@yahoo.com.br

Emanuel Barros Roma Graduando em Geografia - UEPB mano_dui@yahoo.com.br TURISMO E EXCLUSÃO SOCIOESPACIAL: relato de experiência acerca do Hotel Resort Garden e Centro de Convenções Raymundo Asfora no município de Campina Grande-PB Emanuel Barros Roma Graduando em Geografia

Leia mais

ZONAS ESPECIAIS DE INTERESSE SOCIAL ZEIS

ZONAS ESPECIAIS DE INTERESSE SOCIAL ZEIS ZONAS ESPECIAIS DE INTERESSE SOCIAL ZEIS De acordo com o Plano Diretor as ZONAS ESPECIAIS DE INTERESSE SOCIAL ZEIS são porções do território destinadas, prioritariamente, à recuperação urbanística, à regularização

Leia mais

Etapas do PLHIS PROPOSTAS

Etapas do PLHIS PROPOSTAS Plano Local de Habitação de Interesse Social de Boituva Seminário de Homologação do PLHIS de Boituva 25 de Fevereiro de 2010 Etapas do PLHIS etapa 1 etapa 2 etapa 3 METODOLOGIA DIAGNÓSTICO PROPOSTAS Princípios

Leia mais

TERESINA - PERFIL DOS BAIRROS - REGIONAL SDU SUL BAIRRO ANGELIM

TERESINA - PERFIL DOS BAIRROS - REGIONAL SDU SUL BAIRRO ANGELIM TERESINA - PERFIL DOS BAIRROS - REGIONAL SDU SUL BAIRRO ANGELIM Teresina (PI), Agosto/2014 ANGELIM 0 Agosto/2014 EXPEDIENTE PREFEITURA MUNICIPAL DE TERESINA PREFEITO MUNICIPAL DE TERESINA Firmino da Silveira

Leia mais

INTRODUÇÃO 2.1 O MUNICÍPIO E A REGIÃO

INTRODUÇÃO 2.1 O MUNICÍPIO E A REGIÃO 2 INTRODUÇÃO 2.1 O MUNICÍPIO E A REGIÃO O Município de Manaus está localizado na Região Norte do Brasil, no centro geográfico da Amazônia. A superfície total do Município é de 11.458,5km 2 (Lei Municipal

Leia mais

AVALIAÇÃO DE DRENAGEM NA BACIA DO RIO VERRUGA EM VITÓRIA DA CONQUISTA

AVALIAÇÃO DE DRENAGEM NA BACIA DO RIO VERRUGA EM VITÓRIA DA CONQUISTA Porto Alegre/RS 23 a 26/11/2015 AVALIAÇÃO DE DRENAGEM NA BACIA DO RIO VERRUGA EM VITÓRIA DA CONQUISTA UERITON DA COSTA FIGUEIREDO FILHO (*), ORLEANE SOUZA DE BRITO 2, LEONARDO GOMES MARTINS 3, ENDEL DE

Leia mais

Plano Regional Estratégico da Subprefeitura São Miguel - MP

Plano Regional Estratégico da Subprefeitura São Miguel - MP Plano Regional Estratégico da Subprefeitura São Miguel - MP RETORNAR Sumário Título I Das Políticas Públicas Regionais. Capítulo I Da Política de Desenvolvimento Urbano e Ambiental da Região. Capítulo

Leia mais

PRODUÇÃO DO ESPAÇO E A VERTICALIZAÇÃO EM PONTA NEGRA, NATAL-RN

PRODUÇÃO DO ESPAÇO E A VERTICALIZAÇÃO EM PONTA NEGRA, NATAL-RN Mariana de Vasconcelos Pinheiro¹ Márcio Moraes Valença (Orientador da Pesquisa)² ¹UFRN - marianavasconcelos@globo.com ²UFRN marciovalenca@ufrnet.br PRODUÇÃO DO ESPAÇO E A VERTICALIZAÇÃO EM PONTA NEGRA,

Leia mais

O USO DO TERRITÓRIO PELOS SERVIÇOS PRIVADOS DE SAÚDE EM NATAL/RN E A FORMAÇÃO DE UM CORREDOR SANITÁRIO EM PETRÓPOLIS E TIROL

O USO DO TERRITÓRIO PELOS SERVIÇOS PRIVADOS DE SAÚDE EM NATAL/RN E A FORMAÇÃO DE UM CORREDOR SANITÁRIO EM PETRÓPOLIS E TIROL Edseisy Silva Barbalho Tavares Mestre em Geografia pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN); Graduanda em Geografia Bacharelado pela UFRN e professora da rede municipal de ensino de Parnamirim/RN

Leia mais

Transporte fluvial Mobilidade com Desenvolvimento Turístico Urbano e Inclusão Social

Transporte fluvial Mobilidade com Desenvolvimento Turístico Urbano e Inclusão Social Transporte fluvial Mobilidade com Desenvolvimento Turístico Urbano e Inclusão Social O Rio Capibaribe já foi navegável e suas águas limpas serviam para banhos medicinais. Ele serviu de escoamento para

Leia mais

NECESSIDADES HABITACIONAIS EM SÃO LOURENÇO DO OESTE: PMHIS COMO INSTRUMENTO DE TRANSFORMAÇÃO

NECESSIDADES HABITACIONAIS EM SÃO LOURENÇO DO OESTE: PMHIS COMO INSTRUMENTO DE TRANSFORMAÇÃO NECESSIDADES HABITACIONAIS EM SÃO LOURENÇO DO OESTE: PMHIS COMO INSTRUMENTO DE TRANSFORMAÇÃO Giane Roberta Jansen Paula Batistello Docente, Mestre em Engenharia Ambiental, Curso de Arquitetura e Urbanismo

Leia mais

DESIGUALDADE AMBIENTAL DO MUNICÍPIO DE SALINAS MG

DESIGUALDADE AMBIENTAL DO MUNICÍPIO DE SALINAS MG DESIGUALDADE AMBIENTAL DO MUNICÍPIO DE SALINAS MG BRENO FURTADO LIMA 1, EDUARDO OLIVEIRA JORGE 2, FÁBIO CHAVES CLEMENTE 3, GUSTAVO ANDRADE GODOY 4, RAFAEL VILELA PEREIRA 5, ALENCAR SANTOS 6 E RÚBIA GOMES

Leia mais

TERESINA - PERFIL DOS BAIRROS - REGIONAL SDU SUDESTE BAIRRO GURUPI

TERESINA - PERFIL DOS BAIRROS - REGIONAL SDU SUDESTE BAIRRO GURUPI TERESINA - PERFIL DOS BAIRROS - REGIONAL SDU SUDESTE BAIRRO GURUPI Teresina (PI), Agosto/2014 GURUPI 0 Agosto/2014 EXPEDIENTE PREFEITURA MUNICIPAL DE TERESINA PREFEITO MUNICIPAL DE TERESINA Firmino da

Leia mais

PROGRAMA SALVADOR 500

PROGRAMA SALVADOR 500 PROGRAMA SALVADOR 500 SALVADOR E SUA REGIÃO METROPOLITANA DESAFIOS DA MOBILIDADE URBANA GRACE GOMES MARÇO 2015 REGIÃO METROPOLITANA DE SALVADOR REGIÃO METROPOLITANA DE SALVADOR A RMS possui a condição

Leia mais

GEOGRAFIA DAS DESIGUALDADES: PROBREZA ESTRUTURAL E USO DO TERRITÓRIO EM SÃO JOSÉ DA LAJE- AL

GEOGRAFIA DAS DESIGUALDADES: PROBREZA ESTRUTURAL E USO DO TERRITÓRIO EM SÃO JOSÉ DA LAJE- AL GEOGRAFIA DAS DESIGUALDADES: PROBREZA ESTRUTURAL E USO DO TERRITÓRIO EM SÃO JOSÉ DA LAJE- AL Antônio Lopes da Silva Neto Universidade Estadual de Alagoas UNEAL netto-loppes@hotmail.com Amistson Lopes da

Leia mais

A PRODUÇÃO DO ESPAÇO URBANO NO BAIRRO DA MARAMBAIA, BELÉM-PA: UM ESTUDO DE CASO

A PRODUÇÃO DO ESPAÇO URBANO NO BAIRRO DA MARAMBAIA, BELÉM-PA: UM ESTUDO DE CASO A PRODUÇÃO DO ESPAÇO URBANO NO BAIRRO DA MARAMBAIA, BELÉM-PA: UM ESTUDO DE CASO Evandro Neves evandronevez@live.com Universidade do Estado do Pará Filipe Dias Evandro Neves li.pedias@hotmail.com Universidade

Leia mais

NOVAS FORMAS DE EXPANSÃO URBANA: OS LOTEAMENTOS FECHADOS E OS CONDOMÍNIOS RESIDENCIAIS HORIZONTAIS NA CIDADE DE JACAREÍ/SP.

NOVAS FORMAS DE EXPANSÃO URBANA: OS LOTEAMENTOS FECHADOS E OS CONDOMÍNIOS RESIDENCIAIS HORIZONTAIS NA CIDADE DE JACAREÍ/SP. NOVAS FORMAS DE EXPANSÃO URBANA: OS LOTEAMENTOS FECHADOS E OS CONDOMÍNIOS RESIDENCIAIS HORIZONTAIS NA CIDADE DE JACAREÍ/SP. Alex Pires Rabelo¹, Harley Rogério Sant Anna², Kell en Suleyzy Sant Anna³. Orientador

Leia mais

6. Leitura e Interpretação da Situação Urbana PLANO DE AÇÃO PARA REABILITAÇÃO URBANA DA ÁREA CENTRAL DE PIRACICABA 27

6. Leitura e Interpretação da Situação Urbana PLANO DE AÇÃO PARA REABILITAÇÃO URBANA DA ÁREA CENTRAL DE PIRACICABA 27 6. Leitura e Interpretação da Situação Urbana PLANO DE AÇÃO PARA REABILITAÇÃO URBANA DA ÁREA CENTRAL DE PIRACICABA 27 6. Leitura e Interpretação da Situação Urbana 6.1. A Dinâmica de Uso e Ocupação do

Leia mais

COORDENAÇÃO. PREFEITURA DE BELO HORIZONTE Marcio Lacerda Prefeito Municipal

COORDENAÇÃO. PREFEITURA DE BELO HORIZONTE Marcio Lacerda Prefeito Municipal PLANOS DIRETORES REGIONAIS COORDENAÇÃO PREFEITURA DE BELO HORIZONTE Marcio Lacerda Prefeito Municipal SECRETARIA MUNICIPAL DE DESENVOLVIMENTO Marcello de Lima Santiago Faulhaber Campos Secretário Municipal

Leia mais

EXPANSÃO DO CULTIVO DO EUCALIPTO EM ÁREAS DE MATA ATLÂNTICA NA MICRORREGIÃO DE PORTO SEGURO, BAHIA, BRASIL

EXPANSÃO DO CULTIVO DO EUCALIPTO EM ÁREAS DE MATA ATLÂNTICA NA MICRORREGIÃO DE PORTO SEGURO, BAHIA, BRASIL EXPANSÃO DO CULTIVO DO EUCALIPTO EM ÁREAS DE MATA ATLÂNTICA NA MICRORREGIÃO DE PORTO SEGURO, BAHIA, BRASIL Gabriela Nunes Wicke 1, Antonio Fontes de Faria Filho 2, Quintino Reis de Araujo 3, Gabriel Paternostro

Leia mais

O Estado de Goiás e a Região Metropolitana de Goiânia no Censo 2010

O Estado de Goiás e a Região Metropolitana de Goiânia no Censo 2010 O Estado de Goiás e a Região Metropolitana de Goiânia no Censo 2010 Coordenação Aristides Moysés Equipe Responsável: Aristides Moysés 1, Débora Ferreira Cunha 2, Elcileni de Melo Borges 3 Colaboração:

Leia mais

O Colégio de Aplicação UFRJ e o Seu Entorno Um Olhar Geográfico

O Colégio de Aplicação UFRJ e o Seu Entorno Um Olhar Geográfico O Colégio de Aplicação UFRJ e o Seu Entorno Um Olhar Geográfico Alex Gomes dos Prazeres Departamento de Geografia/ UFRJ alexgomesdosprazeres@gmail.com Everton Pereira da Silva Departamento de Geografia/

Leia mais

CENTRALIDADE POLINUCLEADA: UMA ANÁLISE DOS SUBCENTROS POPULARES DE GOIÂNIA O CASO DO SETOR CAMPINAS

CENTRALIDADE POLINUCLEADA: UMA ANÁLISE DOS SUBCENTROS POPULARES DE GOIÂNIA O CASO DO SETOR CAMPINAS CENTRALIDADE POLINUCLEADA: UMA ANÁLISE DOS SUBCENTROS POPULARES DE GOIÂNIA O CASO DO SETOR CAMPINAS Flavia Maria de Assis Paula 1,3 Elaine Alves Lobo Correa 2,3 José Vandério Cirqueira Pinto 2,3 RESUMO

Leia mais

BREVES NOTAS SOBRE O PLANEJAMENTO FÍSICO-TERRITORIAL. Prof. Leandro Cardoso Trabalho Integralizador Multidisciplinar 1 (TIM-1) Engenharia Civil

BREVES NOTAS SOBRE O PLANEJAMENTO FÍSICO-TERRITORIAL. Prof. Leandro Cardoso Trabalho Integralizador Multidisciplinar 1 (TIM-1) Engenharia Civil BREVES NOTAS SOBRE O PLANEJAMENTO FÍSICO-TERRITORIAL Prof. Leandro Cardoso Trabalho Integralizador Multidisciplinar 1 (TIM-1) Engenharia Civil PLANEJAMENTO URBANO O planejamento urbano é o processo de

Leia mais

AS PRINCIPAIS MUDANÇAS PROPOSTAS PELA PREFEITURA DE SÃO PAULO PARA O NOVO PLANO DIRETOR ESTRATÉGICO DO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO

AS PRINCIPAIS MUDANÇAS PROPOSTAS PELA PREFEITURA DE SÃO PAULO PARA O NOVO PLANO DIRETOR ESTRATÉGICO DO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO AS PRINCIPAIS MUDANÇAS PROPOSTAS PELA PREFEITURA DE SÃO PAULO PARA O NOVO PLANO DIRETOR ESTRATÉGICO DO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO Marcia Heloisa P. S. Buccolo, consultora jurídica de Edgard Leite Advogados

Leia mais

HABITAÇÃO DE INTERESSE SOCIAL E SEU CONTROLE POR MEIO DO PLANO DIRETOR MUNICIPAL DE 1996

HABITAÇÃO DE INTERESSE SOCIAL E SEU CONTROLE POR MEIO DO PLANO DIRETOR MUNICIPAL DE 1996 229 HABITAÇÃO DE INTERESSE SOCIAL E SEU CONTROLE POR MEIO DO PLANO DIRETOR MUNICIPAL DE 1996 Jéssica Telles Zanateli¹; Lennon Gomes¹; Marcela do Carmo Vieira²; Sibila Corral de Arêa Leão Honda³ 1 Discente

Leia mais

EDITAL Nº. 002/2010/CAA/PrG/UEG

EDITAL Nº. 002/2010/CAA/PrG/UEG UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO COORDENAÇÃO ACADÊMICA BR 153, km 98 - CAMPUS Henrique Santillo- FONES: 62 3328-1175 / 1168 ANÁPOLIS - GO. CEP: 75.001-970 EDITAL Nº. 002/2010/CAA/PrG/UEG

Leia mais

CIDADE DO RIO DE JANEIRO WORKSHOP 8 BIENAL 2009

CIDADE DO RIO DE JANEIRO WORKSHOP 8 BIENAL 2009 CIDADE DO RIO DE JANEIRO WORKSHOP 8 BIENAL 2009 Equipe: Arq. Nelson Andrade (coordenador) Arq. Luis Fernando Menezes Salgado Arq. Marconi Marinho Arq. Mariana Rial Arq. Paula Amadei Arq. Rodrigo Serafino

Leia mais

10/12/2014. Objetivos:

10/12/2014. Objetivos: Transformações sócio territoriais do município de Londrina Paraná/Brasil Experiência de planejamento e gestão urbanos no PDMP Plano Diretor Municipal Participativo de Londrina Ideni Terezinha Antonello

Leia mais

limites definidos por barreiras físicas significativas como linha da TRENSURB, Av. Farrapos, Av.

limites definidos por barreiras físicas significativas como linha da TRENSURB, Av. Farrapos, Av. ÁREA 3-3 Limites e potencialidades limites definidos por barreiras físicas significativas como linha da TRENSURB, Av. Farrapos, Av. dos Estados e a free-way/ RS- 290. espaço adequado para novas atividades

Leia mais

Política Habitacional no Orçamento Participativo de Porto Alegre

Política Habitacional no Orçamento Participativo de Porto Alegre Política Habitacional no Orçamento Participativo de Porto Alegre Nadia Andréa Hilgert 1 Introdução O Orçamento Participativo de Porto Alegre é um dos exemplos mais importantes de espaços públicos participativos

Leia mais

Aluno: Antero Vinicius Portela Firmino Pinto Orientadora: Regina Célia de Mattos. Considerações Iniciais

Aluno: Antero Vinicius Portela Firmino Pinto Orientadora: Regina Célia de Mattos. Considerações Iniciais AS TRANSFORMAÇÕES ESPACIAIS NA ZONA OESTE DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO A PARTIR DOS INVESTIMENTOS EM INFRAESTRUTURA PARA COPA DO MUNDO EM 2014 E AS OLIMPÍADAS DE 2016 Aluno: Antero Vinicius Portela Firmino

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DA BAHIA

UNIVERSIDADE DO ESTADO DA BAHIA Convênio que entre si celebram a Universidade do Estado da Bahia, a Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia, a Universidade Estadual de Santa Cruz e a Universidade Estadual de Feira de Santana para

Leia mais

TERESINA - PERFIL DOS BAIRROS - REGIONAL SDU CENTRO NORTE BAIRRO JACINTA ANDRADE

TERESINA - PERFIL DOS BAIRROS - REGIONAL SDU CENTRO NORTE BAIRRO JACINTA ANDRADE TERESINA - PERFIL DOS BAIRROS - REGIONAL SDU CENTRO NORTE BAIRRO JACINTA ANDRADE Teresina (PI), Março/2015 JACINTA ANDRADE 0 Março/2015 PREFEITURA MUNICIPAL DE TERESINA PREFEITO MUNICIPAL DE TERESINA Firmino

Leia mais

Publicado originalmente em: XIII Encontro Nacional de Geógrafos. João Pessoa, 2002.

Publicado originalmente em: XIII Encontro Nacional de Geógrafos. João Pessoa, 2002. Publicado originalmente em: XIII Encontro Nacional de Geógrafos. João Pessoa, 2002. MUDANÇAS NO USO DO SOLO URBANO NO ENTORNO DA FEIRA HIPPIE EM GOÂNIA-GO: O CASO DA RUA 44 Cleusa Silva Ribeiro - E-mail:

Leia mais

30/11/2012. do adensamento populacional. crescimento desordenado. ocupação de áreas naturais e frágeis

30/11/2012. do adensamento populacional. crescimento desordenado. ocupação de áreas naturais e frágeis Universidade Metodista Recuperação Ambiental de Áreas Degradadas Impactos gerados pelo uso e ocupação do solo no meio urbano Final século XVIII Revolução Industrial Migração do homem do campo objetivo

Leia mais

Dinâmicas urbanas. condomínios fechados, transformações espaciais e processos de mobilidade residencial

Dinâmicas urbanas. condomínios fechados, transformações espaciais e processos de mobilidade residencial Reconfigurações Espaciais e Diferenciação Social em Cidades de Angola e Moçambique Lisboa, Junho de 2014 Dinâmicas urbanas condomínios fechados, transformações espaciais e processos de mobilidade residencial

Leia mais

ANÁLISE DE UNIDADES DE PAISAGEM NO JARDIM PAULISTA EM PRESIDENTE PRUDENTE SP

ANÁLISE DE UNIDADES DE PAISAGEM NO JARDIM PAULISTA EM PRESIDENTE PRUDENTE SP Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 196 ANÁLISE DE UNIDADES DE PAISAGEM NO JARDIM PAULISTA EM PRESIDENTE PRUDENTE SP Elaine Cristina Barboza, Larissa

Leia mais

VISITAS TÉCNICAS DIA 11 DE NOVEMBRO DE 2015 VISITA 01: Prédio - Construtora Dutra (Leo Dutra: 98868-1234) Rua TG 06, nº 06, Alto da Boa Vista Prédio com elementos estruturais 8:00 às 9:30h Dia 11/11 (Quarta-feira)

Leia mais

Pesquisa Origem e Destino 2007 Região Metropolitana de São Paulo. Síntese das Informações Pesquisa Domiciliar Dezembro de 2008

Pesquisa Origem e Destino 2007 Região Metropolitana de São Paulo. Síntese das Informações Pesquisa Domiciliar Dezembro de 2008 Pesquisa Origem e Destino 2007 Região Metropolitana de São Paulo Síntese das Informações Pesquisa Domiciliar Dezembro de 2008 PESQUISA ORIGEM E DESTINO 2007 SÍNTESE DAS INFORMAÇÕES PESQUISA DOMICILIAR

Leia mais

SL-27. Valor e renda imobiliária na cidade contemporânea: uma articulação complexa Coordenador: Nelson Baltrusis (Universidade Católica de Salvador)

SL-27. Valor e renda imobiliária na cidade contemporânea: uma articulação complexa Coordenador: Nelson Baltrusis (Universidade Católica de Salvador) SL-27. Valor e renda imobiliária na cidade contemporânea: uma articulação complexa Coordenador: Nelson Baltrusis (Universidade Católica de Salvador) Resumo: A renda imobiliária está associada com a ideia

Leia mais

Danilo Munhoz Alves Corrêa Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro - PUC-Rio danilomunhoz@globo.com. 1 - Introdução

Danilo Munhoz Alves Corrêa Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro - PUC-Rio danilomunhoz@globo.com. 1 - Introdução Sistema Modal de Transportes no Município do Rio de Janeiro: a modernização dos eixos de circulação na cidade carioca para a Copa do Mundo de Futebol em 2014 e as Olimpíadas em 2016. 1 - Introdução Danilo

Leia mais

CORREDOR LESTE-OESTE: LIGAÇÃO ENTRE A ÁREA CENTRAL DO RECIFE E A CIDADE DA COPA EM SÃO LOURENÇO DA MATA 1

CORREDOR LESTE-OESTE: LIGAÇÃO ENTRE A ÁREA CENTRAL DO RECIFE E A CIDADE DA COPA EM SÃO LOURENÇO DA MATA 1 Andresa Maria Mendes da Silva¹ Ana Regina Marinho Dantas Barboza da Rocha Serafim² ¹ Graduanda do Curso de Licenciatura em Geografia do Campus Mata Norte da Universidade de Pernambuco. Bolsista PFA/UPE.

Leia mais

RESULTADOS E/ OU DISCUSSÕES:

RESULTADOS E/ OU DISCUSSÕES: 1761 A INFLUÊNCIA DA INDUSTRUALIZAÇÃO COMO CONDICIONANTE PARA AS MUDANÇAS NO ESPAÇO URBANO EM FEIRA DE SANTANA- BAHIA Juliana da Silva Correia 1 ; Juarez Duarte Bomfim 2 1. Bolsista PROBIC/UEFS, Graduanda

Leia mais

Introdução. Universidade Federal do Rio de Janeiro. Endereço eletrônico: danielyviveiros@hotmail.com

Introdução. Universidade Federal do Rio de Janeiro. Endereço eletrônico: danielyviveiros@hotmail.com TÍTULO:REINSERÇÃO SOCIAL DE PACIENTES PSIQUIÁTRICOS ATRAVÉS DA CAPACITAÇÃO PARA O TRABALHO E GERAÇÃO DE RENDA NO MUNICIPIO DE CARMO, RJ AUTORES: Maria Paula Cerqueira Gomes 1 ; Daniely Silva de Viveiros

Leia mais

RELATÓRIO DA 2ª CONFERÊNCIA DOS MUNICÍPIOS DA MICRORREGIÃO DE FEIRA DE SANTANA

RELATÓRIO DA 2ª CONFERÊNCIA DOS MUNICÍPIOS DA MICRORREGIÃO DE FEIRA DE SANTANA RELATÓRIO DA 2ª CONFERÊNCIA DOS MUNICÍPIOS DA MICRORREGIÃO DE FEIRA DE SANTANA FEIRA DE SANTANA BA AGOSTO DE 2005 1 APRESENTAÇÃO A 2ª Conferência dos Municípios da Microrregião de Feira de Santana, aconteceu

Leia mais

GESTÃO DE RESÍDUOS EM FEIRA DE SANTANA IDENTIFICAÇÃO DE ATORES SOCIAIS

GESTÃO DE RESÍDUOS EM FEIRA DE SANTANA IDENTIFICAÇÃO DE ATORES SOCIAIS 1 XXIX CONGRESO INTERAMERICANO DE INGENIERÍA SANITARIA Y AMBIENTAL (AIDIS) 22 al 27 de agosto de 2004 San Juan, Puerto Rico GESTÃO DE RESÍDUOS EM FEIRA DE SANTANA IDENTIFICAÇÃO DE ATORES SOCIAIS Maria

Leia mais

Cidade de São Paulo. 3ª CLÍNICA INTEGRADA ENTRE USO DO SOLO E TRANSPORTES Rio, out/2011

Cidade de São Paulo. 3ª CLÍNICA INTEGRADA ENTRE USO DO SOLO E TRANSPORTES Rio, out/2011 Cidade de São Paulo 3ª CLÍNICA INTEGRADA ENTRE USO DO SOLO E TRANSPORTES Rio, out/2011 LOCALIZAÇÃO POPULAÇÃO (Censo 2010) RMSP...19.683.975 habitantes Município de São Paulo...11.253.563 habitantes Estatuto

Leia mais

DINÂMICA IMOBILIÁRIA NA REGIÃO METROPOLITANA DE CURITIBA: O MERCADO FORMAL E INFORMAL E A ESTRUTURAÇÃO DA METRÓPOLE

DINÂMICA IMOBILIÁRIA NA REGIÃO METROPOLITANA DE CURITIBA: O MERCADO FORMAL E INFORMAL E A ESTRUTURAÇÃO DA METRÓPOLE DINÂMICA IMOBILIÁRIA NA REGIÃO METROPOLITANA DE CURITIBA: O MERCADO FORMAL E INFORMAL E A ESTRUTURAÇÃO DA METRÓPOLE Profª. Drª. Gislene Pereira 1 Profª. MSc. Madianita Nunes da Silva 2 O trabalho procura

Leia mais

Modernos conceitos de acessibilidade (estacionamento, assentos, banheiros, rampas e elevadores para o Portadores de Necessidades Especiais);

Modernos conceitos de acessibilidade (estacionamento, assentos, banheiros, rampas e elevadores para o Portadores de Necessidades Especiais); ARENA DAS DUNAS ARENA DAS DUNAS Descrição da Obra Construção de ARENA MULTIUSO para utilização na Copa 2014; PPP (Participação Público Privada) entre Governo do Estado do Rio Grande do Norte e a Arena

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE QUIXADÁ PLANO DIRETOR DE DESENVOLVIMENTO URBANO PDDU LEI DO SISTEMA VIÁRIO

PREFEITURA MUNICIPAL DE QUIXADÁ PLANO DIRETOR DE DESENVOLVIMENTO URBANO PDDU LEI DO SISTEMA VIÁRIO PREFEITURA MUNICIPAL DE QUIXADÁ KL Serviços e Engenharia S/C PLANO DIRETOR DE DESENVOLVIMENTO URBANO PDDU LEI DO SISTEMA VIÁRIO LEI Nº Dispõe sobre o sistema Viário do Município de Quixadá e dá outras

Leia mais

NATAL: Transformações na Ordem Urbana

NATAL: Transformações na Ordem Urbana NATAL: Transformações na Ordem Urbana Observatório das Metrópoles Núcleo RMNatal Editores : Maria do Livramento M. Clementino Observatório das Metrópoles Núcleo Natal Universidade Federal do Rio Grande

Leia mais

Adensamento em áreas vazias em São Paulo

Adensamento em áreas vazias em São Paulo Ad e n s a me n t oe má r e a sv a z i a se ms ã op a u l o. Adensamento em áreas vazias em São Paulo O potencial imobiliário de São Paulo está bastante limitado devido ao crescimento rápido e desordenado

Leia mais

PARTICIPAÇÃO E CONTROLE SOCIAL NO SISTEMA NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO URBANO - SNDU

PARTICIPAÇÃO E CONTROLE SOCIAL NO SISTEMA NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO URBANO - SNDU PARTICIPAÇÃO E CONTROLE SOCIAL NO SISTEMA NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO URBANO - SNDU EIXO 1 PARTE 1 - A PARTICIPAÇÃO E O CONTROLE SOCIAL NO SNDU DEVERÃO SER EXERCIDOS: (i) no âmbito federal, pelo Conselho

Leia mais

2.3 A segregação social e a segregação espacial

2.3 A segregação social e a segregação espacial CONDOMÍNIOS VERTICAIS RESIDENCIAIS NA CIDADE DE SÃO PAULO (2000-2008): CONDOMÍNIOS - CLUBE 2.3 A segregação social e a segregação espacial Villaça (1998:142) comenta que há segregações das mais variadas

Leia mais

Alternativas para as propostas da Copa em Belo Horizonte

Alternativas para as propostas da Copa em Belo Horizonte 8ª BIENAL INTERNACIONAL DA ARQUITETURA Workshop para Qualificação Urbana em Cidades-Sede da COPA 2014 Belo Horizonte Alternativas para as propostas da Copa em Belo Horizonte 24 a 27 de novembro de 2009

Leia mais

A dinâmica imobiliária da Região Metropolitana do Recife e perspectivas futuras. São Paulo, 13 de setembro de 2012 Marcello Chagas Gomes

A dinâmica imobiliária da Região Metropolitana do Recife e perspectivas futuras. São Paulo, 13 de setembro de 2012 Marcello Chagas Gomes A dinâmica imobiliária da Região Metropolitana do Recife e perspectivas futuras São Paulo, 13 de setembro de 2012 Marcello Chagas Gomes Dinâmica Imobiliária: Demanda Oferta Condicionantes Potencial Efetiva

Leia mais

PORTARIA IPHAN Nº 231, DE 13 DE JULHO DE 2007 DOU 19.07.2007

PORTARIA IPHAN Nº 231, DE 13 DE JULHO DE 2007 DOU 19.07.2007 PORTARIA IPHAN Nº 231, DE 13 DE JULHO DE 2007 DOU 19.07.2007 Define os critérios para controle de intervenções sobre o conjunto Histórico, Arquitetônico e Paisagístico do Pátio Ferroviário da Estrada de

Leia mais

VI Cinform PROJETO: MAPEAMENTO DO CONHECIMENTO SOCIAL

VI Cinform PROJETO: MAPEAMENTO DO CONHECIMENTO SOCIAL VI Cinform PROJETO: MAPEAMENTO DO CONHECIMENTO SOCIAL MARCUS TÚLIO DE FREITAS PINHEIRO * mtuliop@globo.com O trabalho apresenta um relato de pesquisa voltada para análise do conhecimento gerado em comunidades

Leia mais

PLANO DE PRESERVAÇÃO DO CONJUNTO URBANÍSTICO DE BRASÍLIA PPCUB - PLC 078/2013 PRINCIPAIS ALTERAÇÕES PROPOSTAS

PLANO DE PRESERVAÇÃO DO CONJUNTO URBANÍSTICO DE BRASÍLIA PPCUB - PLC 078/2013 PRINCIPAIS ALTERAÇÕES PROPOSTAS PLANO DE PRESERVAÇÃO DO CONJUNTO URBANÍSTICO DE BRASÍLIA PPCUB - PLC 078/2013 PRINCIPAIS ALTERAÇÕES PROPOSTAS Vera Ramos - Arquiteta e Urbanista Diretora de Patrimônio Cultural Instituto Histórico e Geográfico

Leia mais

GAPTEC. Estudos de Orientação Para o Planeamento do Concelho de Odivelas. Relatório Final Volume II. Maio 2003

GAPTEC. Estudos de Orientação Para o Planeamento do Concelho de Odivelas. Relatório Final Volume II. Maio 2003 GAPTEC Departamento de Planeamento Estratégico Divisão do Plano Director Municipal Estudos de Orientação Para o Planeamento do Concelho de Odivelas Maio 2003 Relatório Final Volume II EQUIPA Coordenadores

Leia mais

1217 LOTEAMENTOS E CONDOMÍNIOS: LEI PARA QUE, LEI PARA QUE? MAS QUAL LEI?

1217 LOTEAMENTOS E CONDOMÍNIOS: LEI PARA QUE, LEI PARA QUE? MAS QUAL LEI? 1217 LOTEAMENTOS E CONDOMÍNIOS: LEI PARA QUE, LEI PARA QUE? MAS QUAL LEI? Gisela Cunha Viana Leonelli Resumo Este artigo pretende compor o quadro de regulação sobre a produção de loteamentos e condomínios

Leia mais

XI SHCU SESSÃO DE INTERLOCUÇÃO DE GRUPOS DE PESQUISA

XI SHCU SESSÃO DE INTERLOCUÇÃO DE GRUPOS DE PESQUISA XI SHCU SESSÃO DE INTERLOCUÇÃO DE GRUPOS DE PESQUISA Esta seção contém a contribuição de pesquisadores que abordam aspectos do processo de urbanização e novas formas de tecido urbano mais recentes manifestadas

Leia mais

Palavras chave: movimento pendular, região metropolitana de Belo Horizonte

Palavras chave: movimento pendular, região metropolitana de Belo Horizonte Quem entra e quem sai de Belo Horizonte Uma análise das características dos trabalhadores que realizam o movimento pendular na Região Metropolitana de Belo Horizonte Elisângela Oliveira Camargos 1 Cláudia

Leia mais

O papel do estado na formação espacial urbana da conurbação Aparecida- Guaratinguetá: breve estudo do passado socioeconômico.

O papel do estado na formação espacial urbana da conurbação Aparecida- Guaratinguetá: breve estudo do passado socioeconômico. Ivo Francisco Barbosa¹ Universidade Federal Fluminense ivo_francisco@hotmail.com O papel do estado na formação espacial urbana da conurbação Aparecida- Guaratinguetá: breve estudo do passado socioeconômico.

Leia mais

PLANO MUNICIPAL DE REDUÇÃODE RUÍDO DA PÓVOA DE VARZIM

PLANO MUNICIPAL DE REDUÇÃODE RUÍDO DA PÓVOA DE VARZIM PLANO MUNICIPAL DE REDUÇÃODE RUÍDO DA PÓVOA DE VARZIM Equipa Técnica: Luís Conde Santos, Director Técnico Márcia Melro, Técnica Superior RUA ENG. FREDERICO ULRICH, 1583, 1º ESQ., 4475-130 MAIA * TEL: 22

Leia mais

Análise da cobertura vegetal em Natal:

Análise da cobertura vegetal em Natal: V.3 - N.3 - Agosto de 2015 21 Análise da cobertura vegetal em Natal: Elementos para a Sustentabilidade Urbana W. Júnior Fernando Antonio Carneiro de Medeiros Engenheiro Civil do Parque da Cidade Estudar

Leia mais

O uso do gvsig na Identificação de locais estratégicos para instalação de uma loja de confecções

O uso do gvsig na Identificação de locais estratégicos para instalação de uma loja de confecções O uso do gvsig na Identificação de locais estratégicos para instalação de uma loja de confecções Dionísio Costa Cruz Junior dionisiojunior@iquali.com.br (orientador) Ismael Fiuza Ramos maelfiuza@gmail.com

Leia mais

Shopping bonsucesso. Transformando o perfil de consumo de guarulhos.

Shopping bonsucesso. Transformando o perfil de consumo de guarulhos. Shopping bonsucesso. Transformando o perfil de consumo de guarulhos. No centro de uma área em pleno desenvolvimento, que vem recebendo novos empreendimentos imobiliários e constantes investimentos em infraestrutura,

Leia mais

REGULARIZAÇÃO FUNDIÁRIA DE ÁREAS PÚBLICAS. Cartilha de orientação sobre o Programa de Regularização Urbanística e Fundiária

REGULARIZAÇÃO FUNDIÁRIA DE ÁREAS PÚBLICAS. Cartilha de orientação sobre o Programa de Regularização Urbanística e Fundiária REGULARIZAÇÃO FUNDIÁRIA DE ÁREAS PÚBLICAS Cartilha de orientação sobre o Programa de Regularização Urbanística e Fundiária APRESENTAÇÃO Esta Cartilha foi desenvolvida como suporte ao trabalho da Prefeitura

Leia mais

A PRODUÇÃO DO ESPAÇO RURAL NO ESTADO DA BAHIA: UMA LEITURA DA CONCENTRAÇÃO FUNDIÁRIA DE COMUNIDADES QUILOMBOLAS DO MUNICÍPIO DE ANTONIO CARDOSO

A PRODUÇÃO DO ESPAÇO RURAL NO ESTADO DA BAHIA: UMA LEITURA DA CONCENTRAÇÃO FUNDIÁRIA DE COMUNIDADES QUILOMBOLAS DO MUNICÍPIO DE ANTONIO CARDOSO A PRODUÇÃO DO ESPAÇO RURAL NO ESTADO DA BAHIA: UMA LEITURA DA CONCENTRAÇÃO FUNDIÁRIA DE COMUNIDADES QUILOMBOLAS DO MUNICÍPIO DE ANTONIO CARDOSO Ozeias de Almeida Santos Graduando em Geografia Universidade

Leia mais

A MORFOLOGIA URBANA DE UMA CIDADE MÉDIA: considerações sobre Montes Claros

A MORFOLOGIA URBANA DE UMA CIDADE MÉDIA: considerações sobre Montes Claros A MORFOLOGIA URBANA DE UMA CIDADE MÉDIA: considerações sobre Montes Claros Bruno Rodrigues Freitas Aluno do curso de Pós-Graduação em Meio Ambiente e Desenvolvimento Regional Universidade Estadual de Montes

Leia mais

Zonas Especiais de Interesse Social (ZEIS) em cidades brasileiras: trajetória recente de implementação de um instrumento de política urbana

Zonas Especiais de Interesse Social (ZEIS) em cidades brasileiras: trajetória recente de implementação de um instrumento de política urbana Zonas Especiais de Interesse Social (ZEIS) em cidades brasileiras: trajetória recente de implementação de um instrumento de política urbana Paula Freire Santoro Profa. Faculdade de Arquitetura e Urbanismo

Leia mais

Dispõe sobre o Sistema Viário Básico do Município de Nova Mutum e dá outras providências.

Dispõe sobre o Sistema Viário Básico do Município de Nova Mutum e dá outras providências. LEI COMPLENTAR Nº 136, DE 15 DE JULHO DE 2015 Dispõe sobre o Sistema Viário Básico do Município de Nova Mutum e dá outras providências. O Sr. Adriano Xavier Pivetta, Prefeito Municipal de Nova Mutum, Estado

Leia mais

PRODUÇÃO DO ESPAÇO URBANO: A APROPRIAÇÃO DA PLANICIE DE INUNDAÇÃO DO RIO MARANGUAPINHO EM FORTALEZA-CEARÁ.

PRODUÇÃO DO ESPAÇO URBANO: A APROPRIAÇÃO DA PLANICIE DE INUNDAÇÃO DO RIO MARANGUAPINHO EM FORTALEZA-CEARÁ. PRODUÇÃO DO ESPAÇO URBANO: A APROPRIAÇÃO DA PLANICIE DE INUNDAÇÃO DO RIO MARANGUAPINHO EM FORTALEZA-CEARÁ. Denis Melo da Silva Universidade Estadual do Ceará UECE. Bolsista do Programa de Educação Tutorial

Leia mais