EQB353 Microbiologia Industrial Escola de Química / UFRJ

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "EQB353 Microbiologia Industrial Escola de Química / UFRJ"

Transcrição

1 DESINFECÇÃO E ESTERILIZAÇÃO

2 O crescimento de micro-organismos pode ser controlado através de métodos químicos e físicos. Este controle pode levar à eliminação total dos micróbios ou não. Dentre os métodos de eliminação parcial de microrganismos de determinado material ou ambiente, os mais conhecidos são os de desinfecção e anti-sepsia. Os agentes químicos são utilizados para controlar o crescimento de micróbios tanto em tecidos vivos como em objetos inanimados. A maioria dos agentes químicos somente reduz a população bacteriana. Nenhum desinfetante isolado será apropriado para todas as circunstâncias. i

3 Condições que afetam a atividade antimicrobiana ana i) Tamanho da população; p ii) Intensidade ou concentração do agente microbiocida; iii) Tempo de exposição ao agente; iv) Temperatura na qual os microorganismos são expostos ao agente microbiocida; v) Natureza do material contendo os micro-organismos; organismos; vi) Características dos microorganismos; vii) Condições ambientais (ph, concentração de carboidratos, presença de matéria orgânica)

4 Intensidade ou concentração do agente Temperatura na qual os microrganismos são expostos ao agente Células de Escherichia coli expostas à várias concentrações de fenol a 35 o C Células de Escherichia coli expostas à solução de fenol 4,62 g/l em temperaturas entre 30 o C e 42 o C

5 Anti-sepsia Inativação ou redução do número de microrganismos presentes em um tecido vivo, com substâncias anti-sépticas. Desinfecção Inativação ou redução do número de microrganismos s presentes em um material inanimado, não implicando na eliminação de todos os microrganismos viáveis. Porém elimina a potencialidade infecciosa do objeto ou superfície de trabalho (eliminação de microrganismos patogênicos). Assepsia Impede a entrada de microrganismos em áreas de trabalho (manobras assépticas). Esterilização eliminação de toda e qualquer forma de vida presente em um determinado material ou ambiente. Sanitização é o tratamento que leva à diminuição da vida microbiana nos utensílios alimentares e equipamentos de manipulação de alimentos até os í i d úd úbli níveis segurosde saúde pública.

6 AGENTES QUÍMICOS Desinfecção e Esterilização por Agentes Químicos

7 Agentes Químicos bactericida = mata os microorganismos presentes num meio bacteriostático = apenas inibe as atividades metabólicas dos microorganismos presentes num meio

8 DESINFETANTES compostos químicos utilizados na desinfecção FENOL (alteração da estrutura de proteínas coagulação) açã a) % - antisséptico b) 5% - desinfetante c) 89% - cauterizante Alterações na estrutura do fenol aumento da ação antimicrobiana e diminuição da toxicidade (alquil-fenóis orto, meta e para-cresóis; creolina).

9 FENOL Atividade antimicrobiana de compostos fenólicos

10 HALOGÊNIOS (agentes oxidantes inibição de enzimas com grupos SH e NH 2 ) a) Hipoclorito de Sódio (água sanitária) NaOCl b) Cloro Cl 2 NaOCl + H 2 O NaOH + HOCl Ácido hipocloroso Cl 2 +H 2 O HOCl + H + +Cl - a) Desinfecção hospitalar e de água (alimentação e piscinas) b) VANTAGEM: permanência de atividade residual (sem recontaminação) OZÔNIO (desinfecção da água O 3 ) a) VANTAGEM: microbicida sem contaminantes b) DESVANTAGEM: custo oneroso, sem atividade residual

11 DESINFETANTES SURFACTANTES diminuição da tensão superficial entre regiões de caráter polar e apolar que estão em contato. a) ALVO: interface da membrana celular com o meio polar ao redor b) Estrutura do surfactante: Região Polar: grupo polar catiônico Região Apolar: hidrocarboneto de cadeia longa a) Exemplo: compostos quartenários de amônia (QUATS)

12 AGENTES ALQUILANTES promovem a alquilação de grupos COOH, -OH, -SH e -NH 2 de enzimas, inativando-as. Formaldeído (3-8%) Lisofórmio (38%) Glutaraldeído germicida (instrumentos médicos) Superfície das células, com as proteínas, aumentando a elevação do ph, reagindo com grupos aminas livres das proteínas - aglutinação celular. Óxido de etileno gás esterilizante, tóxico e inflamável Substitui o átomo de hidrogênio (alquilação) de grupos funcionais de proteínas, ácidos nucléicos e outras moléculas desnatura proteínas e danifica RNA e DNA.

13 AGENTES ALQUILANTES Decréscimo do número de esporos de Bacillus subtilis com 1200 mg/l de óxido de etileno e 40% de umidade

14 ANTI-SÉPTICOS compostos utilizados para fazer antissepsia Uso em tecidos vivos (uso tópico) Não podem ser ingeridos intoxicação Índice de toxicidade (I) = éuma medida da toxicidade seletiva do anti- séptico.ostestessãofeitosemculturasdecélulasevisamaverificar a toxicidade do agente químico. O ideal é não superar o valor de 1,0. I = Maior diluição que mata células de cultura em 10 min Maior diluição que mata bactérias em 10 min

15 ÁLCOOL (etílico ou isopropílico) a) desnaturação de proteínas b) desorganização dos lipídeos de membrana c) agente desidratante d) Antisséptico e desinfetante e) Maior ação em células vegetativas do que em esporos f) Aumento da eficácia: diluição a 70% em água ETANOL assepsia de pele (seca rápido e desidrata a pele) ISOPROPANOL mais eficiente, menos volátil, mais tóxico.

16 ALCOOIS Atividade antimicrobiana de álcoois

17 IODO (forte agente oxidante complexação e inativação de proteínas) a) AÇÃO: age sobre esporos, fungos e vírus b) USO: 2% em água ou solução alcoólica c) Assepsia de tecidos / sabonete de iodo Observação: o iodo combina com o aminoácido tirosina, inibindo suas funções, além de oxidar grupos SH de certos aminoácidos. É um excelenteanti-séptico,utilizadoemsoluções2%emáguaouemsolução alcoólica para anti-sepsia de tecidos e tratamento de feridas.

18 HEXACLOROFENO derivado clorado do fenol (mesma ação) a) USO: sabonetes (assepsia das mãos em pré-operatório), antiperspirantes / pastas de dente Biguanidas semelhante ao hexaclorofeno (composto clorado derivado do Fenol)

19 PERÓXIDO DE HIDROGÊNIO (H 2 O 2 ) antisséptico fraco (3%) a) USO: anti-sepsia de feridas pela liberação rápida de O 2 (catalase) b)ação: breve AGENTES SURFACTANTES sabonetes (lauril sulfato de sódio) - AÇÃO: rompimento da membrana celular, diminuição da tensão superficial, altera a permeabilidade celular.

20 Modo de Ação de Agentes Anti-microbianos i

21 Métodos para Avaliação da Potência Anti-microbiana

22 Métodos para Avaliação da Potência Anti-microbiana

23 Técnica do Coeficiente de Fenol Exemplo de um resultado do método para teste da potência de desinfetantes organismo empregado: Salmonela typhi

24

25 AGENTES FÍSICOS Esterilização de Equipamentos e Meios por Métodos Físicos

26 CALOR O calor é um dos mais importantes métodos utilizados para o controle do crescimento e para eliminar os micro-organismos. É seguro, barato e não forma produtos tóxicos. Acima da temperatura ideal de crescimento, o calor vai promover a desnaturação de proteínas estruturais t e enzimas, levando a perda da integridade celular e conseqüentemente a morte. O calor pode ainda ser dividido em calor seco e calor úmido. O calor seco elimina micro-organismos também por processo de oxidação. O calor na forma úmida de vapor tem maior poder de penetração e elimina as formas vegetativas de procariotos, vírus, fungos e esporos. A morte pelo calor é uma função exponencial que ocorre a medida que atemperatura se eleva.

27 Características ti dos micro-organismos i

28 Agentes Físicos Filtração Calor Radiações

29 Depende do tipo de micro-organismo = endosporos necessitam de maior tempo de contato (Endosporo Bacillus sterarothermophilus a 105ºC = 250 minutos)

30 Calor Úmido Temperatura Elevada + Umidade Maior efetividade para destruir micro-organismos organismos Desnaturação irreversível de proteínas Resistência das proteínas ao calor é um função da hidratação da célula ( água entrada nos domínios protéicos mudança conformacional = desnaturação)

31 Calor Úmido Carboidratos alterações em função do calor (caramelização produtos tóxicos) Papel importante na esterilização ESTERILIZAÇÃO A VAPOR SOB PRESSÃO (AUTOCLAVE) ESTERILIZAÇÃO CALOR ÚMIDO CONTÍNUO ESTERILIZAÇÃO CALOR ÚMIDO FRACIONADO

32 Calor Úmido 1. Autoclave utiliza o calor na forma de vapor d água dágua sob pressão. Utilizado no preparo de meios para o cultivo de microrganismos, vidrarias. Quando o vapor em fluxo livre, a 100 C C, é colocado sob uma pressão de 1 atmosfera acima da pressão do nível do mar, a temperatura sob para 121 C. Et Este método destrói formas vegetativas ti e esporuladas (121ºC/15-30 min.) de procariotos, fungos, promovendo a esterilização.

33

34 AUTOCLAVAÇÃO Tempo de exposição requerido para esterilização em autoclave de soluções aquosas em vários recipientes Temperatura superior a 100ºC VAPOR SATURADO SOB PRESSÃO

35

36 2. Água em Ebulição utiliza o calor na forma de vapor d água livre. Destrói apenas formas vegetativas (100ºC/20 min.). 3. Tindalização utiliza o calor na forma de vapor d água livre. Visa destruir formas vegetativas e esporuladas. É também denominada esterilização fracionada ou intermitente (100ºC/20 min, durante 3 dias consecutivos). Uili Utilizado no preparo de alguns medicamentos, vacinas, etc.

37 4. Pasteurização É um método muito utilizado nas indústrias de alimentos no preparo do leite, cremes, cerveja, etc e que só podem ser submetidos ao calor em condições controladas para não desnaturar os nutrientes. Ocorre uma redução no número de populações microbianas pela exposição breve a uma temperatura relativamente alta. Porém não necessariamente todas as formas vegetativas são destruídas. Existem 3 tipos de pasteurização: Ultra-temperatura t t (UHT) 141 C por 2 seg. Alta temperatura (HTST) 72ºC por 15 seg Baixa temperatura (LHT) 63ºC por 30 min

38 Calor Seco Destruição por oxidação dos constituintes químicos Requer maior tempo e menor eficiência (calor úmido) Transferência lenta do calor e o nível de hd hidratação das células tende a diminuir FORNO PASTEUR INCINERAÇÃO FLAMBAGEM

39 Calor Seco Fornos ou Estufas Têm menor poder de penetração que o calor úmido, utilizando tempos e temperaturas maiores. De um modo geral, utiliza o calor seco a 180ºC durante 30 minutos ou 160 C por 2 horas. Muito utilizado paravidrarias i eparamateriais is danificáveis ispela umidade d como os metais ou óleos.

40 Flambagem Ocorre a combustão completa dos micro-organismos em alças e agulhas microbiológicas, esterelizando-as: aquecimento ao rubro na chama do bico de Bunsen ( ºC). Incineração É a combustão completa para descontaminação de material hospitalar de uso descartável (luvas, material plástico) além de lixo contaminado e animais de laboratório (> 1.000ºC)

41 Uso de temperaturas t para o controle microbiano

42 RADIAÇÕES As radiações constituem um método eficaz para reduzir ou eliminar os micro-organismos. Existem vários tipos de radiações eletromagnéticas como o Raio X e outras radiações ionizantes, ultravioleta, feixes de elétrons e microondas. Radiações Ionizantes (X, γ, α, β) As principais i i fontes de radiação ionizante são o cobalto 60 e o césio 137. Geração de moléculas altamente reativas Um átomo emite elétrons de alta energia, ionizando a molécula receptora A morte celular resulta da formação de uma cadeia de ionização do DNA

43 RADIAÇÕES Ultravioleta (U.V.) Radiação não-ionizante com atividade microbicida efetiva na faixa de comprimento de onda entre 220 e 300 nm. nm Purinas e Pirimidinas = absorção em 260 O poder de penetração é muito baixo PIRIMIDINAS = produção de ligações cruzadas entre pirimidinas adjacentes na mesma m fita DNA, formando dímeros de timina - MUTAÇÃO (também ocorre no RNA)

44 FILTRAÇÃO Filtros Bacteriológicos i empregados para esterilizar materiais termolábeis como soro, enzimas, antibióticos, etc. São filtros de materiais diversos como ésteres (acetato ou nitrato) de celulose ou amianto. Também existem os filtros HEPA, que são filtros de alta eficiência para retenção de partículas do ar, encontrado no fluxo laminar.

45

46 Câmaras de Fluxo Laminar Filtros de ar de alta eficiência (90%) Membranas de acetato de celulose

47 Baseado nos agentes químicos e físicos... Material Limpo x Material Sujo Qual o procedimento para esterilizar material limpo? -Ação física ou ação química? Qual o procedimento para descartar material sujo? - Ação física ou ação química?

48 EFICIÊNCIA DE AGENTES FÍSICOS E QUÍMICOS NA ESTERILIZAÇÃO E DESINFECÇÃO DE MATERIAIS E COMPONENTES INDUSTRIAIS CONHECIMENTO DOS ASPECTOS FISIOLÓGICOS DOS MICRO-ORGANISMOS CONHECIMENTO DOS ASPECTOS FÍSICO- QUÍMICOS DOS COMPONENTES A SEREM ESTERILIZADOS

Esterilização e desinfecção

Esterilização e desinfecção Esterilização e desinfecção História 1683 Leeuwenhoek 1857 Pasteur Ignatz Semmelweis (1816-1865) Joseph Lister (1827-1912) Introduz a higienização hospitalar: - Lavagem de mãos - Lavagem de material cirúrgico

Leia mais

04/06/2009. 1. Introdução. Esterilização: É a destruição de todas as formas de vida microbiana, incluindo endosporos.

04/06/2009. 1. Introdução. Esterilização: É a destruição de todas as formas de vida microbiana, incluindo endosporos. CONTROLE DO CRESCIMENTO MICROBIANO Verônica Ortiz Alvarenga 1. Introdução Esterilização: É a destruição de todas as formas de vida microbiana, incluindo endosporos. Esterilização comercial: É o tratamento

Leia mais

Prática 1 MATERIAL E TÉCNICAS BÁSICAS UTILIZADAS NO LABORATÓRIO DE MICROBIOLOGIA

Prática 1 MATERIAL E TÉCNICAS BÁSICAS UTILIZADAS NO LABORATÓRIO DE MICROBIOLOGIA Prática 1 MATERIAL E TÉCNICAS BÁSICAS UTILIZADAS NO LABORATÓRIO DE MICROBIOLOGIA Prática 1 Microrganismos Localização em todos os ambientes naturais; Populações mistas; Necessidade de isolamento. Cultura

Leia mais

Controle de populações microbianas: eficácia da ação de desinfetantes sobre superfícies inertes

Controle de populações microbianas: eficácia da ação de desinfetantes sobre superfícies inertes Departamento de Microbiologia Instituto de Ciências Biológicas Universidade Federal de Minas Gerais http://www.icb.ufmg.br/mic Controle de populações microbianas: eficácia da ação de desinfetantes sobre

Leia mais

ESTERILIZAÇÃO. Eliminação de todas as formas de vida

ESTERILIZAÇÃO. Eliminação de todas as formas de vida ESTERILIZAÇÃO Eliminação de todas as formas de vida SISTEMA BEDA BARREIRAS - avental, máscara, gorro, luvas, óculos de proteção. ESTERILIZAÇÃO DESINFECÇÃO ANTI-SEPSIA ESTERILIZAÇÃO Materiais ( instrumental

Leia mais

Esterilização e Desinfecção

Esterilização e Desinfecção Esterilização e Desinfecção O objectivo fundamental é o estudo de cada microorganismo per si, para posteriormente o poder enquadrar e observar nas suas relações com outros elementos, não só no seu ecossistema,

Leia mais

Princípios e métodos de esterilização

Princípios e métodos de esterilização Princípios e métodos de esterilização FUNDAMENTOS DE ESTERILIZAÇÃO Bactérias (forma vegetativa ou esporulada) São os menores organismos vivos; Existem em maior número; São as maiores responsáveis pelos

Leia mais

F) Degermação: remoção física superficial de gorduras, fragmentos e sujidades da pele, para reduzir a carga microbiana. Semelhante à sanitização.

F) Degermação: remoção física superficial de gorduras, fragmentos e sujidades da pele, para reduzir a carga microbiana. Semelhante à sanitização. Segunda-feira, 18 de setembro de 2006. Ação de agentes físicos e químicos sobre microrganismos. Profa. Sônia Controle por agentes físicos e químicos: agentes que possam controlar a população microbiana.

Leia mais

MEIOS DE CULTURA DESENVOLVIMENTO OU PRODUÇÃO DE MEIOS DE CULTURA. Necessidade Bactérias Leveduras

MEIOS DE CULTURA DESENVOLVIMENTO OU PRODUÇÃO DE MEIOS DE CULTURA. Necessidade Bactérias Leveduras MEIOS DE CULTURA Associação equilibrada de agentes químicos (nutrientes, ph, etc.) e físicos (temperatura, viscosidade, atmosfera, etc) que permitem o cultivo de microorganismos fora de seu habitat natural.

Leia mais

CRESCIMENTO BACTERIANO

CRESCIMENTO BACTERIANO CRESCIMENTO BACTERIANO Definição => aumento do número de células continuidade da geração (genes) entendimento leva a desenhos para controle CRESCIMENTO BACTERIANO Célula bacteriana => máquina para síntese

Leia mais

CENTRAL DE MATERIAL ESTERILIZADO

CENTRAL DE MATERIAL ESTERILIZADO CENTRAL DE MATERIAL ESTERILIZADO Clique para editar o estilo do subtítulo mestre Sala de Preparo e Esterilização Equipe: Carla, Marcela e Maria Cristina 6º Período de Enfermagem UNIS Sala de preparo A

Leia mais

ESTERILIZAÇAO PELO CALOR

ESTERILIZAÇAO PELO CALOR Faculdade de Farmácia da UFMG ESTERILIZAÇÃO NA INDÚSTRIA FARMACÊUTICA ESTERILIZAÇAO PELO CALOR CALOR SECO Accácia Júlia Guimarães Pereira Messano ABRIL 2010 Mecanismo de destruição de microrganismos pelo

Leia mais

Hermann Blumenau Complexo Educacional Curso Técnico em Saúde Bucal BIOSSEGURANÇA

Hermann Blumenau Complexo Educacional Curso Técnico em Saúde Bucal BIOSSEGURANÇA Hermann Blumenau Complexo Educacional Curso Técnico em Saúde Bucal BIOSSEGURANÇA Professora Patrícia Cé Histórico Primeira referência de desinfetante foi feita por Homero em A Odisséia (800a.C), onde

Leia mais

CURSO DE PROCESSAMENTO DE MATERIAIS MÉDICO-HOSPITALARES EDUCAÇÃO CONTINUADA MÓDULO II E ODONTOLÓGICOS

CURSO DE PROCESSAMENTO DE MATERIAIS MÉDICO-HOSPITALARES EDUCAÇÃO CONTINUADA MÓDULO II E ODONTOLÓGICOS CURSO DE PROCESSAMENTO DE MATERIAIS MÉDICO-HOSPITALARES E ODONTOLÓGICOS EDUCAÇÃO CONTINUADA MÓDULO II Métodos de esterilização a baixa temperatura Denise Demarzo Curitiba, 17 de novembro de 2010-2010 Primeiros

Leia mais

Desinfecção de alto nível ou esterilização de endoscópios: o necessário, o bom e o suficiente.

Desinfecção de alto nível ou esterilização de endoscópios: o necessário, o bom e o suficiente. Desinfecção de alto nível ou esterilização de endoscópios: o necessário, o bom e o suficiente. Dr Dirceu Carrara Enfermeiro Chefe CCIH InCor HCFMUSP Rutala, W. In: Mayhall, 1999 Desinfetante É um agente

Leia mais

Esterilização de Baixa Temperatura e Uso de Termodesinfectora: Práticas x Resoluções

Esterilização de Baixa Temperatura e Uso de Termodesinfectora: Práticas x Resoluções Esterilização de Baixa Temperatura e Uso de Termodesinfectora: Práticas x Resoluções 1 Legislações pertinentes: RDC156:2006 (reprocessamento) RE 2605:2006 (lista de proibições) RE2606:2006 (protocolo de

Leia mais

BOAS PRÁTICAS EM CONSULTÓRIOS MÉDICOS. Alessandra Lima

BOAS PRÁTICAS EM CONSULTÓRIOS MÉDICOS. Alessandra Lima BOAS PRÁTICAS EM CONSULTÓRIOS MÉDICOS Alessandra Lima PROGRAMA DE QUALIFICAÇÃO DOS 2005: 5 ENF 2006: 2 ENF 2007: 3 ENF CONSULTÓRIOS MÉDICOS 2009: 2 ENF 2008 3 ENF Necessidade de mudança do foco: Preocupação

Leia mais

HIGIENIZAÇÃO, LIMPEZA E PARAMENTAÇÃO

HIGIENIZAÇÃO, LIMPEZA E PARAMENTAÇÃO Bem Vindos! HIGIENIZAÇÃO, LIMPEZA E PARAMENTAÇÃO Quem sou? Farmacêutica Bioquímica e Homeopata. Especialista em Análises Clínicas, Micologia, Microbiologia e Homeopatia. 14 anos no varejo farmacêutico

Leia mais

Diversidade nas técnicas de esterilização

Diversidade nas técnicas de esterilização Esterilização Diversidade nas técnicas de esterilização Métodos físicos, físico-químicos e químicos compõem os mecanismos utilizados para a esterilização, que visa eliminar micro-organismos capazes de

Leia mais

HIGIENIZAÇÃO HOSPITALAR

HIGIENIZAÇÃO HOSPITALAR HIGIENIZAÇÃO HOSPITALAR Enf.ª Fabiane da Silva SCIH HCAN/MT ccih@hcancer.com.br Histórico da Higienização Hospitalar... Florence Nigthingale em 1854, revolucionou a forma de se pensar e planejar os hospitais.

Leia mais

12/18/2014. Ana Luiza ASSESSORA TÉCNICA SEALED DIVERSEY. Tecnologias de Higienização Hospitalar

12/18/2014. Ana Luiza ASSESSORA TÉCNICA SEALED DIVERSEY. Tecnologias de Higienização Hospitalar Ana Luiza ASSESSORA TÉCNICA SEALED DIVERSEY CARE Tecnologias de Higienização Hospitalar Cenário A taxa de infecção hospitalar; Alto índice de infecções hospitalares; Alto custo no tratamento; Limpeza e

Leia mais

HIDROPONIA Qualidade da água. Prof. Dr. Osmar Souza dos Santos UFSM

HIDROPONIA Qualidade da água. Prof. Dr. Osmar Souza dos Santos UFSM HIDROPONIA Qualidade da água Prof. Dr. Osmar Souza dos Santos UFSM CURIOSIDADES DA ÁGUA 75% da terra está coberta com água Terra plana: cobertura de 2,5 km de água 0,005% se move por dia no ciclo hidrológico

Leia mais

Controle do crescimento de micro organismos nos alimentos

Controle do crescimento de micro organismos nos alimentos Departamento de Microbiologia Instituto de Ciências Biológicas Universidade Federal de Minas Gerais Controle do crescimento de micro organismos nos alimentos Introdução Os micro organismos estão diretamente

Leia mais

Métodos de esterilização de artigos médico-hospitalares

Métodos de esterilização de artigos médico-hospitalares Métodos de esterilização de artigos médico-hospitalares 1 Esterilização de artigos médico-hospitalares: qual a melhor solução? 3 1 A esterilização é um processo multiparamétrico Depende dos fatores físicos

Leia mais

AEMS- FACULDADES INTEGRADAS DE TRÊS LAGOAS MS

AEMS- FACULDADES INTEGRADAS DE TRÊS LAGOAS MS AEMS- FACULDADES INTEGRADAS DE TRÊS LAGOAS MS ASSEPSIA E CONTROLE DE INFECÇÃO Prof. MARCELO ALESSANDRO RIGOTTI LICENCIADO EM ENFERMAGEM e ESPECIALISTA EM CONTROLE DE INFEÇÃO Mestrando pela Escola de Enfermagem

Leia mais

BIOSSEGURANÇA/RISCO. S e r v i ç o s O d o n t o l ó g i c o s : prevenção e controle de risco.

BIOSSEGURANÇA/RISCO. S e r v i ç o s O d o n t o l ó g i c o s : prevenção e controle de risco. BIOSSEGURANÇA/RISCO S e r v i ç o s O d o n t o l ó g i c o s : prevenção e controle de risco. SIGLÁRIO ANVISA Agência Nacional de Vigilância Sanitária CAT Comunicação de Acidente de Trabalho CDC Centro

Leia mais

RESOLUÇÃO DA PROVA DE QUÍMICA DA UFRGS 2011

RESOLUÇÃO DA PROVA DE QUÍMICA DA UFRGS 2011 RESOLUÇÃO DA PROVA DE QUÍMICA DA UFRGS 2011 Questão 26 Como a questão pede a separação do sólido solúvel do líquido, o único processo recomendado é a destilação simples. Lembrando que filtração e decantação

Leia mais

2. DEFINIÇÕES E CONCEITOS

2. DEFINIÇÕES E CONCEITOS NORMA Utilização de antisséticos Elaborado em: Abril 2014 Revisão: 2017 Aprovado em: 09.04.2014 1. INTRODUÇÃO Devido à incidência crescente de infeções nosocomiais e ao aparecimento de estirpes de bactérias

Leia mais

ANEXO IV. II- um armário para armazenagem de solventes, com construção resistente ao fogo.

ANEXO IV. II- um armário para armazenagem de solventes, com construção resistente ao fogo. ANEXO IV ARMAZENAMENTO DE PRODUTOS QUÍMICOS. No laboratório, almoxarifado e em locais em que se tenha que armazenar ou manipular substâncias químicas, deve-se ter em conta sua composição, pois muitas delas

Leia mais

Os métodos químicos líquidos utilizam glutaraldeído, peróxido de hidrogênio, formaldeído ou acido peracético.

Os métodos químicos líquidos utilizam glutaraldeído, peróxido de hidrogênio, formaldeído ou acido peracético. 21 2 Esterilização A esterilização é um processo utilizado para eliminar microorganismos viáveis de um produto. O nível de garantia de esterilidade deve ser estabelecido por meio de estudos de validação

Leia mais

CONSERVAÇÃO DE ALIMENTOS PELO CALOR

CONSERVAÇÃO DE ALIMENTOS PELO CALOR CONSERVAÇÃO DE ALIMENTOS PELO CALOR Prof. ª Elessandra da Rosa Zavareze elessandrad@yahoo.com.br 1 Estratégias para controlar os agentes de alteração dos alimentos 2 Conhecimento dos seguintes fatores:

Leia mais

APOIO PARCEIROS ESTRATÉGICOS

APOIO PARCEIROS ESTRATÉGICOS Soluções Tecnoecológicas com ozônio APOIO PARCEIROS ESTRATÉGICOS A BrasilOzônio Localizada no CIETEC/USP Mais de 5 anos de pesquisa; Parcerias com especialistas e grandes centros tecnológicos do país como

Leia mais

Unidade I Métodos convencionais em microbiologia

Unidade I Métodos convencionais em microbiologia Unidade I Métodos convencionais em microbiologia Margarida Casal, Dorit Schuller, Georgina Rodrigues e Célia Pais 1. Considerações gerais sobre segurança no laboratório 2 2. Agentes de desinfecção e de

Leia mais

PESQUISAS COM AGENTES BIOLÓGICOS POTENCIALMENTE PERIGOSOS

PESQUISAS COM AGENTES BIOLÓGICOS POTENCIALMENTE PERIGOSOS PESQUISAS COM AGENTES BIOLÓGICOS POTENCIALMENTE PERIGOSOS Projetos que utilizem microorganismos (bactérias, vírus, viróides, fungos, parasitas, etc.), tecnologias com DNA recombinante (rdna) ou tecidos,

Leia mais

TECNOLOGIA DE ALIMENTOS

TECNOLOGIA DE ALIMENTOS TECNOLOGIA DE ALIMENTOS NUTRIÇÃO UNIC Profª Andressa Menegaz Conservação por irradiação A irradiação pode servir para: -destruir os microrganismos; -retardar a germinação de certos legumes; -destruir os

Leia mais

SUSPENSÕES E SOLUÇÕES

SUSPENSÕES E SOLUÇÕES SUSPENSÕES E SOLUÇÕES Definições SUSPENSÃO Mistura heterogênea de substâncias Ex.: sangue (suspensão de plasma e células) água e óleo; água e areia, água e açúcar SOLUÇÃO Mistura homogênea de substâncias

Leia mais

Caracterizar a estrutura e o funcionamento de um laboratório de microbiologia; Executar técnicas de preparo e montagem para esterilização.

Caracterizar a estrutura e o funcionamento de um laboratório de microbiologia; Executar técnicas de preparo e montagem para esterilização. Caracterizar a estrutura e o funcionamento de um laboratório de microbiologia; Executar técnicas de preparo e montagem para esterilização. Uma laboratório de microbiologia destina-se principalmente em

Leia mais

- CROMATOGRAFIA EM CAMADA FINA (CCF)

- CROMATOGRAFIA EM CAMADA FINA (CCF) - CROMATOGRAFIA EM CAMADA FINA (CCF) Técnica de identificação e separação de compostos orgânicos Aplicações: - Identificação de componentes de uma mistura - Acompanhamento da evolução de uma reação - Análise

Leia mais

Qual é o método mais fácil e seguro de desinfecção d água e superfícies?

Qual é o método mais fácil e seguro de desinfecção d água e superfícies? Qual é o método mais fácil e seguro de desinfecção d água e superfícies? Compostos que liberam cloro em contato com a água são os desinfetantes mais comuns. Cloro Gás Hipoclorito de sódio Hipoclorito de

Leia mais

Bem-estar e saúde: excelência nos atendimentos com aplicação de Boas Práticas. Profª Drª Adriana Gibotti agibotti@ig.com.br

Bem-estar e saúde: excelência nos atendimentos com aplicação de Boas Práticas. Profª Drª Adriana Gibotti agibotti@ig.com.br Bem-estar e saúde: excelência nos atendimentos com aplicação de Boas Práticas Profª Drª Adriana Gibotti agibotti@ig.com.br Bem-estar e saúde: excelência nos atendimentos com aplicação de Boas Práticas

Leia mais

ESTERILIZAÇÃO POR ÓXIDO DE ETILENO

ESTERILIZAÇÃO POR ÓXIDO DE ETILENO ESTERILIZAÇÃO POR ÓXIDO DE ETILENO Legenda 1 - Introdução 2 - Características do Óxido de Etileno 3- Apresentação das Misturas Esterilizantes 4 - Mecanismo de ação 5 - Processo de esterilização 6 - Toxicidade

Leia mais

A) organização do laboratório e bancada; B)uso de EPI; C) uso de EPC; D)descontaminação:

A) organização do laboratório e bancada; B)uso de EPI; C) uso de EPC; D)descontaminação: Biossegurança Conjunto de medidas voltadas para prevenção, minimização ou eliminação de riscos inerentes às atividades de pesquisa, produção, ensino, desenvolvimento tecnológico e prestação de serviços

Leia mais

TRATAMENTO ÁGUAS ULTRAVIOLETA

TRATAMENTO ÁGUAS ULTRAVIOLETA TRATAMENTO ÁGUAS ULTRAVIOLETA AquaAmbiente 2004 Índice 1. Introdução... 3 2. Aplicação... 4 3. Desinfecção... 5 3.1 Tipos de Lâmpadas... 8 3.1.1 Lâmpadas de Baixa Pressão... 8 3.1.1.1 Baixa Pressão...

Leia mais

PROCESSO SELETIVO 2006 QUESTÕES OBJETIVAS

PROCESSO SELETIVO 2006 QUESTÕES OBJETIVAS 3 PROCESSO SELETIVO 2006 QUESTÕES OBJETIVAS QUÍMICA 01 - O dispositivo de segurança que conhecemos como air-bag utiliza como principal reagente para fornecer o gás N 2 (massa molar igual a 28 g mol -1

Leia mais

Processo de Avaliação Seriada

Processo de Avaliação Seriada QUÍMICA Considera-se importante que o ensino da Química não promova a necessidade de uma excessiva memorização, mas possibilite ao estudante adquirir a capacidade de observar e descrever fenômenos, de

Leia mais

NÍVEIS DE TRATAMENTO DE ESGOTO

NÍVEIS DE TRATAMENTO DE ESGOTO Universidade Federal do Espírito Santo Programa de Pós-graduação em Engenharia Ambiental NÍVEIS DE TRATAMENTO DE ESGOTO Ricardo Franci Gonçalves Giovana Martinelli da Silva Tratamento de Esgoto Procedimentos

Leia mais

MÉTODOS DE ESTERILIZAÇÃO. Enfª Giovana Abrahão de Araújo Moriya

MÉTODOS DE ESTERILIZAÇÃO. Enfª Giovana Abrahão de Araújo Moriya MÉTODOS DE ESTERILIZAÇÃO Enfª Giovana Abrahão de Araújo Moriya PROCESSAMENTO DE MATERIAIS EAS LIMPEZA PREPARO ESTERILIZAÇÃO ATIVIDADE DE NATUREZA COMPLEXA EVITAR QUALQUER EVENTO RELACIONADO AO SEU USO

Leia mais

Fatores intrínsecos e extrínsecos que interferem no crescimento microbiano em alimentos

Fatores intrínsecos e extrínsecos que interferem no crescimento microbiano em alimentos Departamento de Microbiologia Instituto de Ciências Biológicas Universidade Federal de Minas Gerais http://www.icb.ufmg.br/mic Fatores intrínsecos e extrínsecos que interferem no crescimento microbiano

Leia mais

Segurança Biológica (2) - práticas de assepsia

Segurança Biológica (2) - práticas de assepsia UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE FURG EENF CURSO DE GRADUAÇÃO Disciplina: Semiologia e Semiotécnica II Segurança Biológica (2) - práticas de assepsia Profª Marta Riegert Borba - 2012 8. ASSEPSIA 8.1

Leia mais

DURAÇÃO DA PROVA: 03 HORAS

DURAÇÃO DA PROVA: 03 HORAS PRCESS SEETIV 00/1 - CPS INSTRUÇÕES: PRVA DISCURSIVA DE QUÍMICA CURS DE GRADUAÇÃ EM MEDICINA 1. Só abra a prova quando autorizado.. Veja se este caderno contém 5 (cinco) questões discursivas. Caso contrário,

Leia mais

Ubiquidade de microorganismos. Introdução. Materiais Necessários

Ubiquidade de microorganismos. Introdução. Materiais Necessários dução Os microorganismos (fungos, bactérias e vírus) são chamados assim por terem um tamanho bastante reduzido. Eles são tão pequenos que não conseguimos enxergá-los a olho nu, mas apenas utilizando microscópio

Leia mais

Controle da população microbiana

Controle da população microbiana Controle da população microbiana Microbiologia Prof a. Vânia Taxa de Morte Microbiana Quando as populações bacterianas são aquecidas ou tratadas com substâncias químicas antimicrobianas, elas normalmente

Leia mais

Autoclavagem. Microondas. Manejo de Resíduos Sólidos e de Serviços de Saúde Tratamento preliminar e destinação

Autoclavagem. Microondas. Manejo de Resíduos Sólidos e de Serviços de Saúde Tratamento preliminar e destinação USP Incineração Manejo de Resíduos Sólidos e de Serviços de Saúde Profa. Dra. Vera Letticie de Azevedo Ruiz 2014 1 Deve seguir a Resolução CONAMA nº 316 de 2002 Processo cuja operação seja realizada acima

Leia mais

PLURAL CENTRO EDUCACIONAL ÁGUA E A SUA POLUIÇÃO

PLURAL CENTRO EDUCACIONAL ÁGUA E A SUA POLUIÇÃO PLURAL CENTRO EDUCACIONAL ÁGUA E A SUA POLUIÇÃO CUIABÁ-MT 2010 2 PLURAL CENTRO EDUCACIONAL ÁGUA E POLUIÇÃO Discentes: Enzo Fortunato, Mariana Bonjour, Thiago Schumann, Victória Machado e Vitória Abreu.

Leia mais

ÁGUA REAGENTE NO LABORATÓRIO CLÍNICO

ÁGUA REAGENTE NO LABORATÓRIO CLÍNICO ÁGUA REAGENTE NO LABORATÓRIO RIO CLÍNICO Água reagente no laboratório rio clínico Água de grau reagente (água( pura); Processos de purificação: destilação e deionização (+ usado atualmente). Especificações

Leia mais

Sistema INERCO. Fabrícia Figueiredo Paulo André Yamin Pedro Lobo Antunes Priscila Tralba Rampin Rafael Baldo Beluti Thalia Lino Dias

Sistema INERCO. Fabrícia Figueiredo Paulo André Yamin Pedro Lobo Antunes Priscila Tralba Rampin Rafael Baldo Beluti Thalia Lino Dias Sistema INERCO Fabrícia Figueiredo Paulo André Yamin Pedro Lobo Antunes Priscila Tralba Rampin Rafael Baldo Beluti Thalia Lino Dias Sistema INERCO Instalação Ergonomia Controle de infecção Instalação O

Leia mais

Microbiologia ambiental Engenharia do Ambiente. Escola Superior Agrária Instituto Politécnico de Coimbra abelho@esac.pt www.esac.

Microbiologia ambiental Engenharia do Ambiente. Escola Superior Agrária Instituto Politécnico de Coimbra abelho@esac.pt www.esac. Microbiologia ambiental Engenharia do Ambiente Escola Superior Agrária Instituto Politécnico de Coimbra abelho@esac.pt www.esac.pt/abelho Módulo 1.Ecologia microbiana Parte 2. Introdução 1.2 NOÇÕES BÁSICAS

Leia mais

Como funciona uma autoclave. Introdução. Materiais Necessários. A autoclave

Como funciona uma autoclave. Introdução. Materiais Necessários. A autoclave Intro 01 Introdução A autoclave A autoclave é um aparelho muito utilizado em laboratórios de pesquisas e hospitais para a esterilização de materiais. O processo de autoclavagem consiste em manter o material

Leia mais

Cursos de Enfermagem e Obstetrícia, Medicina e Nutrição Disciplina Mecanismos Básicos de Saúde e Doença MCW 240 Estudo Dirigido P2 / Parte I 2012/1

Cursos de Enfermagem e Obstetrícia, Medicina e Nutrição Disciplina Mecanismos Básicos de Saúde e Doença MCW 240 Estudo Dirigido P2 / Parte I 2012/1 Cursos de Enfermagem e Obstetrícia, Medicina e Nutrição Disciplina Mecanismos Básicos de Saúde e Doença MCW 240 Estudo Dirigido P2 / Parte I 2012/1 1. Agentes que matam bactérias são: (A) inibitórios (B)

Leia mais

ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC 17025 ENSAIO

ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC 17025 ENSAIO ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC 17025 ENSAIO Norma de Origem: NIT-DICLA-016 Folha: 1 Total de Folhas: 8 RAZÃO SOCIAL/DESIGNAÇÃO DO LABORATÓRIO LABORATÓRIOS ECOLYZER LTDA QUÍMICOS COSMÉTICOS, VETERINÁRIOS,

Leia mais

INSTRUÇÕES GERAIS AOS CANDIDATOS

INSTRUÇÕES GERAIS AOS CANDIDATOS INSTRUÇÕES GERAIS AOS CANDIDATOS 1. Confira se este boletim contém 40 questões. 2. Verifique se não há imperfeições gráficas. Caso exista algum problema, comunique imediatamente ao fiscal. 3. Confira se

Leia mais

Samy Menasce. Associação Brasileira de Esterilização - ABE. Esterilização de material cirúrgico pelo Gás Ozônio ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE ESTERILIZAÇÃO

Samy Menasce. Associação Brasileira de Esterilização - ABE. Esterilização de material cirúrgico pelo Gás Ozônio ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE ESTERILIZAÇÃO RUA DO ROSÁRIO, 135 4º ANDAR / CENTRO RIO DE JANEIRO / RJ CEP.: 20041-005 (21) 2224-2237 (31) 2224-3237 www.abebrasil.org.br Associação Brasileira de Esterilização - ABE Esterilização de material cirúrgico

Leia mais

Esterilização por ÓXIDO DE ETILENO

Esterilização por ÓXIDO DE ETILENO Esterilização por ÓXIDO DE ETILENO Índice A confiabilidade do ETO Características físico-químicas do Óxido de Etileno Mecanismo de atuação do ETO na esterilização Misturas esterilizantes características

Leia mais

Estrutura e função dos ácidos nucléicos. Profa. Melissa de Freitas Cordeiro-Silva

Estrutura e função dos ácidos nucléicos. Profa. Melissa de Freitas Cordeiro-Silva Estrutura e função dos ácidos nucléicos Profa. Melissa de Freitas Cordeiro-Silva > Polímeros de nucleotídeos Funções: DNA (ácido desoxirribonucléico) : > Armazenar as informações necessárias para a construção

Leia mais

Resistência aos antimicrobianos em Salmonella spp.

Resistência aos antimicrobianos em Salmonella spp. Resistência aos antimicrobianos em Salmonella spp. Síntese das investigações desde a descoberta de novos antimicrobianos Final do século XIX: Pasteur efetuou relatos sobre antagonismo entre diferentes

Leia mais

PROCEDIMENTO OPERACIONAL CÓDIGO: PO-LQT-001

PROCEDIMENTO OPERACIONAL CÓDIGO: PO-LQT-001 Folha: 1/21 1. OBJETIVO Descrever a sistemática dos processos de execução de Qualificação Térmica. 2 REFERÊNCIA ABNT NBR ISO 17665-1 Esterilização de produtos para à saúde Requerimento para validação e

Leia mais

Pág. 1. COMISSÃO PERMANENTE DE SELEÇÃO - COPESE PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO - PROGRAD CONCURSO VESTIBULAR 2009 2ª Fase PROVA DE QUÍMICA

Pág. 1. COMISSÃO PERMANENTE DE SELEÇÃO - COPESE PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO - PROGRAD CONCURSO VESTIBULAR 2009 2ª Fase PROVA DE QUÍMICA Questão 1: As bebidas alcoólicas contêm etanol e podem ser obtidas pela destilação do álcool (ex. whiskey e vodka) ou pela fermentação de uma variedade de produtos como frutas e outros vegetais (ex. vinho

Leia mais

Helena Campos (Engenharia Química)

Helena Campos (Engenharia Química) Tipos de água Laboratorial e suas aplicações Helena Campos (Engenharia Química) 28 de Setembro de 2010 Principais contaminantes da água Particulas Suspensas: Sílica (SiO 2 ) Resíduos das tubagens Matéria

Leia mais

QUÍMICA PRIMEIRA ETAPA - 1997 - TARDE

QUÍMICA PRIMEIRA ETAPA - 1997 - TARDE QUÍMICA PRIMEIRA ETAPA - 1997 - TARDE QUESTÃO 01 Um estudante listou os seguintes processos como exemplos de fenômenos que envolvem reações químicas: I adição de álcool à gasolina. II fermentação da massa

Leia mais

A INFLUÊNCIA DO ELETROPOLIMENTO NA LIMPEZA E DESINFECÇÃO DE EQUIPAMENTOS DAS INDÚSTRIAS DE PROCESSO

A INFLUÊNCIA DO ELETROPOLIMENTO NA LIMPEZA E DESINFECÇÃO DE EQUIPAMENTOS DAS INDÚSTRIAS DE PROCESSO A INFLUÊNCIA DO ELETROPOLIMENTO NA LIMPEZA E DESINFECÇÃO DE EQUIPAMENTOS DAS INDÚSTRIAS DE PROCESSO GRUPO HUMMA Eng Fawler Morellato Av. Fagundes Filho, 191 - Cj. 103D Depto. Engenharia e Desenvolvimento

Leia mais

O interesse da Química é analisar as...

O interesse da Química é analisar as... O interesse da Química é analisar as... PROPRIEDADES CONSTITUINTES SUBSTÂNCIAS E MATERIAIS TRANSFORMAÇÕES ESTADOS FÍSICOS DOS MATERIAIS Os materiais podem se apresentar na natureza em 3 estados físicos

Leia mais

Classificação das áreas limpas. Preparo de estéreis (Resolução - RDC nº 17, de 16 de abril de 2010)

Classificação das áreas limpas. Preparo de estéreis (Resolução - RDC nº 17, de 16 de abril de 2010) Preparo de estéreis (Resolução - RDC nº 17, de 16 de abril de 2010) Considerações gerais A produção de preparações estéreis deve ser realizada em áreas limpas, cuja entrada de pessoal e de materiais deve

Leia mais

Aula 04 - Equipamentos de proteção coletiva - EPC

Aula 04 - Equipamentos de proteção coletiva - EPC Equipamentos de Proteção Coletiva EPC O que são EPCs São equipamentos de contenção que possibilitam a proteção do trabalhador e do meio ambiente em uma determinada área. Devem estar instalados em locais

Leia mais

Valongo- 24 de abril de 2014. Ana Heitor ana.heitor@arsnorte.min-saude.pt

Valongo- 24 de abril de 2014. Ana Heitor ana.heitor@arsnorte.min-saude.pt Ana Heitor ana.heitor@arsnorte.min-saude.pt Água, o princípio de todas as coisas Tales de Mileto, 625 a.c. Ideias são sementes Há 2.000 anos, a população mundial correspondia a 3% da população actual,

Leia mais

CCIH COMISSÃO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR

CCIH COMISSÃO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR CCIH COMISSÃO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR Prof. Grasiele Busnello LEI nº 9.431 de 06 de janeiro de 1997 Dispõe sobre a obrigatoriedade da manutenção de programa de Controle de Infecções Hospitalares.

Leia mais

3 METODOLOGIA EXPERIMENTAL E MATERIAIS UTILIZADOS

3 METODOLOGIA EXPERIMENTAL E MATERIAIS UTILIZADOS 51 3 METODOLOGIA EXPERIMENTAL E MATERIAIS UTILIZADOS 3.1. Biocidas utilizados Os compostos químicos utilizados nos experimentos de corrosão e análise microbiológica foram o hipoclorito de sódio e o peróxido

Leia mais

UFMG - 2004 3º DIA QUÍMICA BERNOULLI COLÉGIO E PRÉ-VESTIBULAR

UFMG - 2004 3º DIA QUÍMICA BERNOULLI COLÉGIO E PRÉ-VESTIBULAR UFMG - 2004 3º DIA QUÍMICA BERNOULLI COLÉGIO E PRÉ-VESTIBULAR Química Questão 01 Os metais alcalinos, ao reagirem com água, produzem soluções dos respectivos hidróxidos e gás hidrogênio. Esta tabela apresenta

Leia mais

Biossegurança na manipulação de microrganismos patogênicos ao homem e animais. Erna Geessien Kroon Laboratório de Vírus ICB UFMG

Biossegurança na manipulação de microrganismos patogênicos ao homem e animais. Erna Geessien Kroon Laboratório de Vírus ICB UFMG Biossegurança na manipulação de microrganismos patogênicos ao homem e animais Erna Geessien Kroon Laboratório de Vírus ICB UFMG Como evitar a cadeia? Perigo Acidente Dano pessoal e material Plantas, animais,

Leia mais

Saneamento I Tratamento de água. Eduardo Cohim edcohim@gmail.com

Saneamento I Tratamento de água. Eduardo Cohim edcohim@gmail.com Saneamento I Tratamento de água Eduardo Cohim edcohim@gmail.com 1 Concepção de sistemas de abastecimento de água Estação de tratamento ETA Conjunto de unidades destinado a tratar a água, adequando suas

Leia mais

QUÍMICA CELULAR NUTRIÇÃO TIPOS DE NUTRIENTES NUTRIENTES ENERGÉTICOS 4/3/2011 FUNDAMENTOS QUÍMICOS DA VIDA

QUÍMICA CELULAR NUTRIÇÃO TIPOS DE NUTRIENTES NUTRIENTES ENERGÉTICOS 4/3/2011 FUNDAMENTOS QUÍMICOS DA VIDA NUTRIÇÃO QUÍMICA CELULAR PROFESSOR CLERSON CLERSONC@HOTMAIL.COM CIESC MADRE CLÉLIA CONCEITO CONJUNTO DE PROCESSOS INGESTÃO, DIGESTÃO E ABSORÇÃO SUBSTÂNCIAS ÚTEIS AO ORGANISMO ESPÉCIE HUMANA: DIGESTÃO ONÍVORA

Leia mais

Fisiologia e Crescimento Bacteriano

Fisiologia e Crescimento Bacteriano UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA DEPARTAMENTO DE PARASITOLOGIA, MICROBIOLOGIA E IMUNOLOGIA Fisiologia e Crescimento Bacteriano Disciplina: Biologia de Microrganismos Professora: Alessandra Machado

Leia mais

ASSEPSIA E ANTISSEPSIA: TÉCNICAS DE ESTERILIZAÇÃO

ASSEPSIA E ANTISSEPSIA: TÉCNICAS DE ESTERILIZAÇÃO Medicina, Ribeirão Preto, Simpósio: FUNDAMENTOS EM CLÍNICA CIRÚRGICA - 1ª Parte 2008; 41 (3): 265-73 Capítulo III ASSEPSIA E ANTISSEPSIA: TÉCNICAS DE ESTERILIZAÇÃO ASEPSY AND ANTISEPSY TECHNICS OF STERILIZATION

Leia mais

GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO HOSPITAL NOSSA SENHORA DA CONCEIÇÃO LABORATÓRIO DE ANÁLISES CLÍNICAS

GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO HOSPITAL NOSSA SENHORA DA CONCEIÇÃO LABORATÓRIO DE ANÁLISES CLÍNICAS POP: L 20 Página 1 de 7 1. Identificação do Equipamento: Autoclave 1.1 Setor Alocado: Setor de Microbiologia. 1.2 Assistência Técnica: Gerência de Engenharia e Patrimônio. Ramal: 2017, 2008 e 2142. 1.3.1

Leia mais

Parágrafo Único - A execução da N.T.E de que trata esse artigo será de competência do Instituto de Saúde do Paraná.

Parágrafo Único - A execução da N.T.E de que trata esse artigo será de competência do Instituto de Saúde do Paraná. Resolução Estadual n 18, 21 de março de 1994. O Secretário de Estado de Saúde do Paraná, no uso de suas atribuições que lhe conferem o artigo 45, inciso XVI da Lei Estadual n 8485 de 03 de junho de 1987

Leia mais

Controle de Microrganismos

Controle de Microrganismos Controle de Microrganismos Esterilização, Desinfecção e Antisepsia Andrea Cecília Mercaldi Favero afavero@anhembimorumbi.edu.br Biossegurança Conjunto de medidas preventivas desinfecção do ambiente esterilização

Leia mais

Formulações de Adjuvantes Agrícolas

Formulações de Adjuvantes Agrícolas ADJUVANTES Formulações de Adjuvantes Agrícolas ADJUVANTES: - Substância inerte adicionados à formulação ou à calda para melhorar a eficiência da aplicação. Podem ser divididos em 2 grupos: a) Surfatantes:

Leia mais

Generalidades: Operações Unitárias e Fluxogramas

Generalidades: Operações Unitárias e Fluxogramas Generalidades: Operações Unitárias e Fluxogramas 1) Oxidações de Componentes das Águas 2) Tratamentos de Desinfecção 21 de Março de 2006 Em Engenharia Química, é muito conveniente descrever uma unidade

Leia mais

Questão 31. Questão 33. Questão 32. alternativa D. alternativa E

Questão 31. Questão 33. Questão 32. alternativa D. alternativa E Questão 31 2007 é considerado pela UNESCO como o ano Heliofísico. O Sol é responsável pelos ventos, pela formação das nuvens e pela chuva. Graças a ele, a água evapora, as plantas fazem fotossíntese, crescem

Leia mais

CURSO II - PRÉ-CONGRESSO

CURSO II - PRÉ-CONGRESSO RUA DO ROSÁRIO, 135 4º ANDAR / CENTRO RIO DE JANEIRO / RJ CEP.: 20041-005 (21) 2224-2237 (31) 2224-3237 www.abebrasil.org.br 11º Congresso Mundial de Esterilização e 7 Edição do Simpósio Internacional

Leia mais

Central de Material e Esterilização

Central de Material e Esterilização Central de Material e Esterilização Um pouco de história... 1536 - Ambroise Paré: cirurgiões barbeiros substituíram o tratamento de feridas com pó de múmia para limpeza e aplicação de gemas de ovo e essências

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA. Curso Básico de Controle de Infecção Hospitalar. Caderno C Métodos de Proteção Anti-Infecciosa

AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA. Curso Básico de Controle de Infecção Hospitalar. Caderno C Métodos de Proteção Anti-Infecciosa AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA Curso Básico de Controle de Infecção Hospitalar Caderno C Métodos de Proteção Anti-Infecciosa AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA Diretor-Presidente Gonzalo

Leia mais

LIMPEZA, DESINFECÇÃO E ESTERILIZAÇÃO DE ARTIGOS COMO MEDIDAS DE PREVENÇÃO E CONTROLE DE INFECÇÕES RELACIONADAS À ASSISTÊNCIA À SAÚDE IRAS

LIMPEZA, DESINFECÇÃO E ESTERILIZAÇÃO DE ARTIGOS COMO MEDIDAS DE PREVENÇÃO E CONTROLE DE INFECÇÕES RELACIONADAS À ASSISTÊNCIA À SAÚDE IRAS LIMPEZA, DESINFECÇÃO E ESTERILIZAÇÃO DE ARTIGOS COMO MEDIDAS DE PREVENÇÃO E CONTROLE DE INFECÇÕES RELACIONADAS À ASSISTÊNCIA À SAÚDE IRAS Ana Luiza Rammé IRAS - multifatorial Relacionado ao Paciente Relacionado

Leia mais

onsiderando que é responsabilidade da ANVISA a atualização e revisão periódica da Farmacopéia Brasileira;

onsiderando que é responsabilidade da ANVISA a atualização e revisão periódica da Farmacopéia Brasileira; Agência Nacional de Vigilância Sanitária www.anvisa.gov.br Consulta Pública nº 39, de 29 de abril de 2010. D.O.U de 30/04/2010 A Diretoria Colegiada da Agência Nacional de Vigilância Sanitária, no uso

Leia mais

PROBLEMAS AMBIENTAIS INVERSÃO TÉRMICA INVERSÃO TÉRMICA 14/02/2014. Distribuição aproximada dos principais poluentes do ar de uma cidade (SP)

PROBLEMAS AMBIENTAIS INVERSÃO TÉRMICA INVERSÃO TÉRMICA 14/02/2014. Distribuição aproximada dos principais poluentes do ar de uma cidade (SP) PROBLEMAS AMBIENTAIS Distribuição aproximada dos principais poluentes do ar de uma cidade (SP) Liga-se com a hemoglobina impedindo o O2 de ser conduzido INVERSÃO TÉRMICA *Inversão térmica é um fenômeno

Leia mais

LIMPEZA. Água / sabão /escova Solução multi - uso Soluções desencrostrantes Detergentes enzimáticos

LIMPEZA. Água / sabão /escova Solução multi - uso Soluções desencrostrantes Detergentes enzimáticos DESINFECÇÃO É o processo de eliminação de formas vegetativas, existentes em superfícies inanimadas, mediante a aplicação de agentes químicos e/ou físicos. LIMPEZA Antes do procedimento de Desinfecção deve-se

Leia mais

O primeiro forno de microondas -1949. O inventor do forno de microondas INTRODUÇÃO MICROONDAS: Microondas PROCESSAMENTO DE ALIMENTOS POR MICROONDAS

O primeiro forno de microondas -1949. O inventor do forno de microondas INTRODUÇÃO MICROONDAS: Microondas PROCESSAMENTO DE ALIMENTOS POR MICROONDAS FACULDADE DE FARMÁCIA DA UFMG DEPARTAMENTO DE ALIMENTOS ALM 024- Processamento de Alimentos PROCESSAMENTO DE ALIMENTOS POR MICROONDAS INTRODUÇÃO São empregadas em alimentos porque geram calor O forno de

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE MATO GROSSO HOSPITAL UNIVERSITÁRIO JÚLIO MÜLLER SERVIÇO DE CONTROLE INFECÇAO HOSPITALAR

UNIVERSIDADE FEDERAL DE MATO GROSSO HOSPITAL UNIVERSITÁRIO JÚLIO MÜLLER SERVIÇO DE CONTROLE INFECÇAO HOSPITALAR UNIVERSIDADE FEDERAL DE MATO GROSSO HOSPITAL UNIVERSITÁRIO JÚLIO MÜLLER SERVIÇO DE CONTROLE INFECÇAO HOSPITALAR SCIH Recomendações para o uso de Germicidas em Hospitais Introdução Para que a limpeza atinja

Leia mais

PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia.

PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. Métodos de esterilização utilizados na indústria farmacêutica, farmácias, laboratórios e clínicas veterinárias Anderson Barros Archanjo 1, Daiane

Leia mais