I. VESÍCULA E VIAS BILIARES

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "I. VESÍCULA E VIAS BILIARES"

Transcrição

1 Ecografia Clínica para Gastrenterologistas - Curso Prático 2014 I. VESÍCULA E VIAS BILIARES Pedro Bastos* A patologia do sistema biliar é muito frequente na prática clínica. A avaliação de doentes com dor no hipocôndrio direito ou outros sintomas em que a patologia biliar deve ser procurada/excluída faz parte do nosso dia-a-dia. A ultra-sonografia deve ser o primeiro exame na suspeita de doença vesicular e dá indicações valiosas ou fornece o diagnóstico na maior parte dos casos. No estudo da colestase e das doenças das vias biliares deve também ser o primeiro exame pela sua inocuidade e por indicar o segmento de obstrução. Necessita, neste último caso, frequentemente de ser complementada por ultra-sonografia endoscópica e/ou CPRM e/ou CPRE, dependendo do caso clínico, experiência local e necessidade de abordagem terapêutica. A ecografia trata-se de um exame simples, seguro, barato e facilmente acessível, com elevada sensibilidade e especificidade na detecção de litiase e obstrução biliar. A visualização do sistema biliar é excelente ao nível da vesícula, das vias biliares intra-hepáticas e dos 2/3 proximais da via biliar principal (VBP). No entanto é difícil ao nível do ducto cístico e na porção distal do colédoco. Este aspecto diminui a capacidade diagnóstica do exame quando o problema (cálculo, *Hospital tumor, de Braga etc ) reside nestes segmentos. 31

2 Ecografia Clínica para Gastrenterologistas - Curso Prático 2014 As principais limitações desta técnica de imagem residem sobretudo no facto de ser um exame operador-dependente, e na avaliação de doentes obesos ou com interposição de gás intestinal. ANATOMIA A vesicula biliar é uma estrutura sacular, com a forma de pêra ou lágrima, situada na fossa vesicular, na parte posterior do lobo hepático direito. Divide-se em fundo, corpo, infundíbulo ( bolsa de Hartmann, a porção do corpo que se une ao colo) e colo. Localiza-se lateralmente à 2ª porção duodenal e anteriormente ao rim direito e cólon transverso. Quando totalmente distendida, mede cerca de 10 cm de comprimento e 3 cm de diâmetro, contendo aproximadamente 50 ml de bile (valores médios). AVALIAÇÃO ULTRA-SONOGRÁFICA DA VESÍCULA BILIAR Para o estudo ecográfico é utilizada geralmente uma sonda convexa, com frequências permutáveis entre os 2 e os 5 MHz. Idealmente, a avaliação da vesicula deve ser realizada com o doente em jejum (6 a 8 horas), uma vez que a vesicula é assim melhor visualizada, apresentando-se totalmente distendida. Além do mais, o jejum reduz o ar intestinal melhorando as condições do 32

3 Ecografia Clínica para Gastrenterologistas - Curso Prático 2014 exame. Em situações de urgência, o exame deve ser realizado, obviamente, mesmo com a vesícula parcialmente contraída. Recomenda-se a realização de uma breve anamnese e exame físico do abdómen antes do início do exame. O exame inicia-se com o doente em decúbito dorsal, alterando depois a posição para decúbito lateral esquerdo (um conteúdo livre no interior da vesícula irá mobilizar-se com a mudança de posição). Por vezes, para demonstrar a mobilidade do conteúdo pode também ser pedido ao doente que se sente ou mesmo que assuma a posição vertical. Para visualizar melhor a vesícula é conveniente pedir ao doente que inspire profundamente e sustenha a respiração de forma a fazer descer o fígado e vesícula abaixo da grelha costal (melhor janela ecográfica). Deverão ser usados vários cortes para o estudo da vesícula e vias biliares (sagitais, transversais e oblíquos) (Figura 3.1). 33

4 Ecografia Clínica para Gastrenterologistas - Curso Prático 2014 Figura 3.1 Corte sagital (a) e transversal (b) da Vesicula Biliar Como referências úteis para a localização da vesícula são uteis o bordo do lobo hepático direito e o hilo hepático. No corte subcostal oblíquo direito, a estrutura a usar como referencia é a fissura interlobar e a vesícula poderá ser encontrada alinhando a sonda com a fissura e depois inclinando-a ligeiramente (Figura 3.2). Figura 3.2 Vesicula Biliar no corte subcostal obliquo direito A vesícula encontra-se inferior ou lateralmente à fissura (entre os segmentos IV e V). A vesícula normal possui paredes finas (1-3 mm) e conteúdo anecóico. Se o doente não tiver o jejum adequado a vesícula estará parcialmente contraída e as paredes parecerão mais espessas. Caso ocorram dificuldades na exploração da vesícula por abordagem sub-costal, como por exemplo no caso de interposição gasosa, a mesma pode ser realizada de forma eficaz por abordagem intercostal. O canal cístico pode ser ocasionalmente visualizado partindo do infundíbulo da vesícula, e é mais fácil com o doente em inspiração profunda e em decúbito dorsal ou lateral esquerdo. 34

5 Ecografia Clínica para Gastrenterologistas - Curso Prático 2014 Existem alguns parâmetros que podem ser optimizados de forma a obterem-se imagens de maior qualidade da vesícula e da sua patologia: usar a frequência máxima: 5 MHz ou superior pode ser útil em vesículas de localização muito anterior. colocar o foco na parede posterior da vesícula. alterar o ganho parcial de forma a diminuir ou eliminar artefactos anteriores ou ecos de reverberação. utilizar a 2ª harmónica para reduzir artefactos e aumentar a nitidez da parede vesicular. Há ainda algumas variantes anatómicas e morfológicas que convém enumerar: Barrete frígio É a mais frequente variação anatómica, consistindo numa vesícula alongada e com múltiplas angulações, por vezes mesmo com um divertículo no fundo. Duplicação da vesícula entidade rara, em que a vesícula é dividida por um septo. Pode ser confundida com liquido pericolecístico. Ausência congénita da vesícula biliar (frequência=0,03) Vesícula ectópica com ligamento mesentérico longo, podendo estar localizada inclusivamente na cavidade pélvica. Pode ocorrer o oposto, em que a vesícula se encontra como que embutida no parênquima hepático. 35

6 Ecografia Clínica para Gastrenterologistas - Curso Prático 2014 Espessamento da parede vesicular - A espessura da parede vesicular normal é de 2 mm. Quando acima de 3 mm considera-se alterada, frequentemente devido a alterações inflamatórias. Convém não esquecer que o espessamento pode não ser devido a doença primária da vesícula, como são os casos observados na ausência de jejum e em doentes com ascite, hipoproteinémia ou hepatite aguda. AVALIAÇÃO ULTRA-SONOGRÁFICA DAS VIAS BILIARES O próximo passo na avaliação do sistema biliar é a visualização da VBP. Esta pode ser explorada com o doente em decúbito dorsal ou lateral esquerdo usando um corte perpendicular ao rebordo costal direito. A via biliar principal surge como uma estrutura canalicular em posição anterior à veia porta. Neste mesmo corte, a artéria hepática surgirá como uma estrutura arredondada entre a VBP e a veia porta (Figura 3.3). Por vezes, quando há uma boa janela ecográfica, a VBP pode ser seguida até à sua porção retropancreática. 36

7 Ecografia Clínica para Gastrenterologistas - Curso Prático 2014 Figura 3.3a e b Hilo hepático em corte longitudinal Em cortes transversais à veia porta no hilo hepático pode ver-se o aspecto chamado de rato Mickey (cabeça e orelhas). A veia porta encontra-se em baixo, com maior calibre, e as orelhas são, à esquerda a VBP, e à direita a artéria hepática (Figura 3.4). Figura 3.4 Hilo hepático em corte transversal imagem rato Mickey O segmento extra-hepático da VBP é de mais dificil exploração, uma vez que é frequentemente obscurecido pelo ar duodenal. A sua avaliação exige alguma perseverância por parte do operador, mas deve ser sempre tentado, particularmente em doentes ictéricos. Algumas manobras úteis para a visualização do segmento exra-hepático da VBP são a rotação obliqua do doente para esquerda, exercer alguma pressão com a sonda contra a parede abdominal e o enchimento da cavidade gástrica com água. 37

8 Ecografia Clínica para Gastrenterologistas - Curso Prático 2014 A VBP deve ser avaliada quanto ao seu diâmetro (normal até 6 mm), espessura da parede e conteúdo. Em doentes colescistectomizados a VBP pode ter calibre aumentado, aumentando também o calibre com a idade. Habitualmente os canais biliares intra-hepáticos não são observados (tornam-se visíveis quando se encontram dilatados). Ocasionalmente, em situações fisiológicas, podem ser visualizados no lobo hepático esquerdo, acompanhando os ramos porta, podendo ser diferenciados destes pela avaliação de fluxo através do modo doppler a cores. 38

9 Ecografia Clínica para Gastrenterologistas - Curso Prático 2014 II. PÂNCREAS Miguel Bispo e Pedro Barreiro* A avaliação ecográfica do pâncreas constitui um desafio, contudo o recurso a determinadas manobras que facilitam a observação deste órgão retroperitoneal e a experiência do operador possibilitam uma avaliação criteriosa do pâncreas numa proporção significativa dos doentes. É fundamental que o exame seja realizado em jejum, uma vez que a presença de alimentos no estômago pode impedir a visualização do órgão e aumentar os artefactos de reverberação. ANATOMIA O pâncreas tem localização retroperitoneal, posterior ao estômago e lobo hepático esquerdo e anterior à coluna vertebral e grandes vasos abdominais. Tem limites ecográficos mal definidos, confundindo-se com a gordura peri-pancreática. As referências anatómicas que mais ajudam na abordagem ecográfica do pâncreas são os vasos, particularmente a veia esplénica e o confluente espleno-portal. *Centro Hospitalar de Lisboa Ocidental - Hospital de Egas Moniz RELAÇÕES ANATÓMICAS VASCULARES 39

10 Ecografia Clínica para Gastrenterologistas - Curso Prático 2014 Veia esplénica O segmento retro-pancreático da veia esplénica constitui a referência principal na abordagem do pâncreas, limitando posteriormente o corpo e cauda (Figura 4.1). A origem da veia no hilo esplénico pode ser observada em corte intercostal esquerdo, caminhando inicialmente no bordo superior da cauda do pâncreas. O confluente espleno-portal é o ponto de referência do istmo pancreático (anterior ao confluente). Vasos mesentéricos superiores A veia e a artéria mesentéricas superiores localizam-se posteriormente ao istmo e corpo do pâncreas, respectivamente (Figuras 4.1 e 4.2). Em corte transversal, a artéria localiza-se à esquerda da veia, tem menor diâmetro e parede mais perceptível (mais espessa). Tronco celíaco Referencia o bordo superior do pâncreas (Figura 4.3). Após identificado o tronco celíaco em corte transversal (imagem em gaivota ), a deflexão inferior da sonda intersecta o parênquima pancreático. SEGMENTAÇÃO DO PÂNCREAS 40

11 Ecografia Clínica para Gastrenterologistas - Curso Prático 2014 O pâncreas é dividido em 4 segmentos: - Cabeça, envolvida pelo arco duodenal, com um prolongamento posterior em relação ao pedículo mesentérico superior (processo unciforme); - Istmo, que une a cabeça ao corpo, anterior ao confluente espleno-portal; - Corpo, estendendo-se da direita para a esquerda e de baixo para cima, anterior à veia esplénica; - Cauda, que se dirige para o baço, anterior à veia esplénica. ECOESTRUTURA PANCREÁTICA A ecogenicidade do parênquima pancreático normal é habitualmente superior à do fígado (podendo tornar-se significativamente mais hiperecogénico no idoso e mais hipoecogénico na criança). Apesar destas variações na ecogenicidade, o parênquima normal é sempre fino e homogéneo, de limites mal definidos em relação à gordura mesentérica. As dimensões dos segmentos pancreáticos são variáveis, desvalorizando-se a sua medição por rotina. Salienta-se que o objectivo primordial da avaliação pancreática deve ser o despiste de alterações estruturais. A medição mais fácil de realizar é a do corpo (em corte transversal), com um diâmetro antero-posterior habitual de mm. O diâmetro antero-posterior máximo da glândula 41

12 Ecografia Clínica para Gastrenterologistas - Curso Prático 2014 (habitualmente atingido na cabeça pancreática) deve ser inferior a 40 mm. O canal de Wirsung pode ser visualizado, particularmente no jovem, devendo ser fino e regular, com um diâmetro inferior a 3 mm na cabeça, 2 mm no corpo e 1 mm na cauda (mnemónica 3 : 2 : 1). No istmo inflecte-se para baixo e para trás (genu), atravessando a cabeça pancreática em direcção ao confluente bilio-pancreático. A avaliação da cabeça pancreática deve incluir a identificação da via biliar principal (VBP). São usados cortes recorrentes subcostais direitos para visualizar a VBP no hilo hepático e na extremidade distal (intra-pancreática). O posicionamento do doente em decúbito lateral esquerdo poderá facilitar a sua visualização. AVALIAÇÃO ULTRA-SONOGRÁFICA DO PÂNCREAS Recomenda-se a utilização de uma sonda convexa, com uma frequência 3,5 MHz, podendo ser útil o ajuste da frequência para 5 MHz em doentes magros. A dificuldade da observação, determinada essencialmente pela interposição gasosa gástrica e intestinal, pode ser ultrapassada com certas manobras: - A ingestão de água imediatamente antes do exame optimiza a janela acústica através da distensão líquida do estômago e duodeno; 42

13 Ecografia Clínica para Gastrenterologistas - Curso Prático A realização de manobra de Valsalva com protrusão abdominal; - A compressão extrínseca e angulação da sonda; - A posição sentada ou em ortostatismo, que condiciona a descida do cólon transverso; O sucesso da avaliação ecográfica dos diferentes segmentos pancreáticos (cabeça, istmo, corpo e cauda) depende da realização de cortes transversais e longitudinais no epigastro superior, bem como de cortes recorrentes (oblíquos) subcostais direitos (utilizando o fígado como janela acústica) e intercostais esquerdos (utilizando o baço como janela acústica) (Figuras 4.1 a 4.6). Os cortes recorrentes subcostais direitos e intercostais esquerdos são particularmente relevantes para visualização da cabeça e cauda, respectivamente. Os cortes transversais e recorrentes são muito informativos, permitindo acompanhar o grande eixo do órgão, tendo em conta que a cauda tem orientação superior e posterior relativamente à cabeça e corpo do pâncreas (Figuras 4.1 a 4.3). Os cortes transversais permitem estabelecer a relação do pâncreas com as principais estruturas vasculares, em particular com a veia esplénica, que constitui a referência principal do corpo e cauda do pâncreas (Figura 4.1). 43

14 Ecografia Clínica para Gastrenterologistas - Curso Prático 2014 Figura 4.1a e b - Corte transversal, ao nível da veia esplénica (referencia o limite posterior do corpo do pâncreas). Figura 4.2a e b - Corte transversal, intersectando o istmo e corpo do pâncreas. Salientam- se os grandes vasos abdominais, posteriores à veia esplénica: à direita, aorta e artéria mesentérica superior; à esquerda, veia cava inferior a receber a veia renal esquerda. 44

15 Ecografia Clínica para Gastrenterologistas - Curso Prático 2014 Figura 4.3a e- b Corte transversal, intersectando o tronco celíaco (referencia o bordo superior do pâncreas). Os cortes longitudinais são particularmente importantes a nível do eixo mesentérico, permitindo, em conjunto com os cortes oblíquos subcostais direitos, visualizar a cabeça pancreática e o processo uncinado, que se projectam posteriormente em relação aos vasos mesentéricos (Figuras 4.4 e 4.5). Os cortes intercostais esquerdos, utilizando o baço como janela acústica, permitem visualizar a extremidade distal da cauda do pâncreas e a origem da veia esplénica (muitas vezes de difícil visualização nos cortes transversais) (Figura 4.6). 45

16 Ecografia Clínica para Gastrenterologistas - Curso Prático 2014 Figura 4.4a e b - Corte longitudinal, intersectando a veia cava inferior e a cabeça do pâncreas. Figura 4.5a e b - Corte longitudinal, intersectando a veia mesentérica superior. O processo uncinado é um prolongamento da cabeça pancreática, posterior ao eixo mesentérico. Figura 4.6a e b - Corte intercostal esquerdo, intersectando a cauda do pâncreas e a origem da veia esplénica. O baço é utilizado como janela acústica. 46

17 Ecografia Clínica para Gastrenterologistas - Curso Prático 2014 III. BAÇO Bruno Rosa, Ana Rebelo e Silvia Leite* ANATOMIA O baço é um órgão intraperitoneal localizado no hipocôndrio esquerdo, totalmente recoberto pela grelha costal, entre as linhas axilares média e posterior. O seu eixo principal é oblíquo para baixo, para a frente e lateralmente (Figura 5.1). Morfologicamente, o baço assemelha-se a um tetraedro irregular, em que se identificam: Figura 5.1 Anatomia do baço *Centro Hospitalar do Alto Ave - Guimarães de Vila Nova de Gaia 47

18 Ecografia Clínica para Gastrenterologistas - Curso Prático ) Face póstero-lateral (diafragmática), convexa, em relação com o hemidiafragma esquerdo ao nível do 8º, 9º e 10º espaços intercostais. 2) Face póstero-medial (renal), côncava, em relação com o rim esquerdo e glândula supra-renal. 3) Face ântero-medial (gástrica), côncava, contém o hilo esplénico e relaciona-se com o estômago e a cauda do pâncreas. 4) Face ântero-inferior (cólica), côncava, em relação com o ângulo esplénico. Sob o ponto de vista prático da exploração ultra-sonográfica, a eco-anatomia do baço compreende duas faces (face diafragmática, convexa, dirigida superior, posterior e lateralmente e face medial, côncava, que contém o hilo esplénico e se dirige inferior, anterior e medialmente), dois bordos (superior e inferior) e duas extremidades (anterior e posterior). AVALIAÇÃO ULTRA-SONOGRÁFICA DO BAÇO A exploração ecográfica do baço faz-se habitualmente com sondas convexas de 3,5 a 5MHz, com o doente em jejum, em decúbito dorsal, elevando o membro superior esquerdo acima da cabeça. Em alguns casos poderá ser útil posicionar o doente em decúbito lateral direito (Figura 5.2). 48

19 Ecografia Clínica para Gastrenterologistas - Curso Prático 2014 Figura 5.2 Abordagem do baço em decúbito lateral direito A respiração suave é geralmente preferível à inspiração forçada, uma vez que esta faz descer as bases pulmonares prejudicando a observação. A abordagem preferencial é a obtenção de cortes intercostais, entre as linhas axilares média e posterior (habitualmente entre o 9º e o 11º espaços intercostais). Obtêm-se cortes longitudinais com diferentes graus de obliquidade (Figuras 5.3 e 5.4). A angulação da sonda entre as costelas permite evitar as sombras costais e definir: - Cortes longitudinais posteriores (interessam o rim esquerdo) - Cortes longitudinais médios (interessam a região hilar) - Cortes longitudinais anteriores (interessam o estômago) 49

20 Ecografia Clínica para Gastrenterologistas - Curso Prático 2014 Figura 5.3 Corte longitudinal posterior do baço Figura 5.4 Corte longitudinal anterior do baço Durante o exame muda-se a posição da sonda e rodando-a 90º, de modo a ficar perpendicular às costelas, obtêm-se cortes transversais do baço. 50

21 Ecografia Clínica para Gastrenterologistas - Curso Prático 2014 ECO-ESTRUTURA O parênquima esplénico normal apresenta uma ecoestrutura homogénea, com ecogenicidade idêntica ou ligeiramente inferior à do fígado saudável. do baço. DIMENSÕES Deve efectuar-se sistematicamente a medição de 2 dimensões 5.5): Em corte longitudinal, mede-se, ao nível da região hilar (Figura Figura Diâmetro longitudinal (também designado diâmetro crâneocaudal ou comprimento) <12cm Em indivíduos longilíneos, um diâmetro longitudinal do baço de 13cm pode ser considerado normal. 51

22 Ecografia Clínica para Gastrenterologistas - Curso Prático Diâmetro transversal (também designado diâmetro perpendicular ou espessura) <5cm Em algumas situações poderá ser útil a determinação do diâmetro ântero-posterior (<10cm) e da área de superfície do baço, que no baço normal é <50 cm 2. ASPECTOS PARTICULARES - Baço acessório: Encontrado em aproximadamente 10% da população, habitualmente em localização peri-hilar, com configuração nodular, contorno regular e parênquima homogéneo, raramente ultrapassando os 2cm de diâmetro (Figura 5.6). Figura Baço ectópico: Acessível ao exame ecográfico. Deve pensar se na sua possibilidade perante a ausência ecográfica do baço no local habitual. 52

23 Ecografia Clínica para Gastrenterologistas - Curso Prático IV. PAREDE DIGESTIVA Rosa Ferreira* e Margarida Ferreira** ASPECTOS GERAIS A exploração ultra-sonográfica (US) abdominal permite a observação do tracto gastrointestinal em quase toda a sua extensão, tendo correntemente grande valor diagnóstico na investigação de patologia neoplásica e inflamatória, entre outras. Para a sua observação recomenda-se o início do exame utilizando uma sonda convexa de 3,5 MHz, que pode ser seguidamente substituída por sondas lineares de maior frequência (5-7,5-10MHz) para uma melhor visualização das várias estruturas, nomeadamente a parede. Podemos, ainda, socorrermo-nos de técnicas que permitem melhorar a qualidade das imagens, nomeadamente a utilização de líquido no interior das cavidades (ingestão de água ou sumos para observação do tubo digestivo superior ou realização de limpeza cólica e enema para melhor observação do cólon), assim como a utilização de Doppler. O exame US do tubo digestivo possui uma imagem mais ou menos arredondada em cortes transversais, na qual podemos distinguir o lúmen e a parede digestiva. O primeiro assume a parte * Hospital Beatriz Ângelo ** Hospitais da Universidade de Coimbra 53

24 Ecografia Clínica para Gastrenterologistas - Curso Prático 2014 central na imagem e apresenta ecogenicidade variável de acordo com o material que contém (quando contém ar atinge a sua maior intensidade e quando contém água assume o aspecto mais anecogénico). A parede digestiva surge hipoecogénica e para a sua correta observação devem ser avaliados os seguintes parâmetros: 1 - Espessura geral: dependente do órgão e do grau de distensibilidade, é considerada normal quando <5mm e claramente patológica se >10mm (para obter correctamente esta medição o feixe de US deve incidir perpendicularmente ao centro do lúmen já que desvios em relação ao eixo originam falsas imagens de espessamento parietal); 2 Camadas: podemos distinguir 5 diferentes camadas que, de acordo com correlação histológica, se traduzem da forma esquematizada na Figura 6.1: 1ª camada: Interna, hiperecogénica que corresponde ao limite entre a mucosa e o lúmen digestivo; 2ª camada: Hipoecogénica, que representa mucosa, lâmina própria e muscularis mucosa; 3ª camada: Hiperecogénica correspondendo à submucosa; 4ª camada: Hipoecogénica formada pela muscular própria; 5ª camada: Hiperecogécnia devida à interface entre a muscular e serosa com o meio extra-digestivo; 54

25 Ecografia Clínica para Gastrenterologistas - Curso Prático Distensibilidade/rigidez; 4 Mobilidade/peristaltismo; 5 Vascularização. Figura 6.1 Camadas da parede digestiva normal e sua correlação histológica. A: (esquema das 5 camadas observadas em US abdominal em que as áreas claras são hiperecogénicas e as escuras hipoecogénicas), B: Imagem US da parede digestiva com respectiva correlação histológica. AVALIAÇÃO ULTRA-SONOGRÁFICA DO TUBO DIGESTIVO ESÓFAGO Pode ser reconhecido por US a nível cervical, através da janela acústica da tiroide, e nos últimos 3 cm do seu segmento distal (última porção torácica, passagem diafragmática e porção intra-abdominal a nível do cardia continuando pelo fornix) em cortes epigástricos médio-esquerdo, por detrás do lobo esquerdo do fígado e à frente da aorta (Figura 6.2). A sua imagem pode variar entre tubular, redonda ou oval dependendo dos diferentes cortes ecográficos realizados (Figura 6.2 e 6.3). Pedindo ao doente que ingira água enquanto está 55

26 Ecografia Clínica para Gastrenterologistas - Curso Prático 2014 sentado podemos observar a passagem desta através da sua porção distal. Figura 6.2a e b Esquema US do esófago num corte longitudinal (a) e respectiva imagem ecográfica (b); ( * - esófago; 1 - Aorta, 6 Artéria gástrica esquerda ; 22 Lobo quadrado (Segmento IV) ; 96 Diafragma) Figura 6.3a e b Esquema US do esófago num corte transversal (a) e respectiva imagem ecográfica (b); (1 - Aorta ; 10 Veia cava inferior ; 12- Veia hepática média ; 21 Lobo hepático esquerdo ; 71 Fundo gástrico ; 94 - Artefacto ; 96 - Diafragma ) 56

27 Ecografia Clínica para Gastrenterologistas - Curso Prático 2014 ESTÔMAGO Examina-se geralmente a região epigástrica em decúbito dorsal efectuando cortes longitudinais, transversais e subcostais sistemáticos. Para uma melhor observação da parede (espessura, distensibilidade e camadas) e de todas as regiões anatómicas da cavidade gástrica pode-se recorrer à técnica da repleção líquida, denominada US hidrogástrica, que consiste na ingestão de cerca de 500 a 800 cc de água ou sumo diluído sem gás, 10 a 15 minutos antes do exame. O fundo e corpo gástricos podem ser observados (habitualmente de forma parcial) em cortes epigástricos com o doente em decúbito lateral esquerdo ou em supinação localizando-se à esquerda do fígado e da aorta, à direita do baço e por cima do rim esquerdo (Figura 6.4). O antro é reconhecido no epigastro como uma estrutura arredondada ou oval a nível da linha média. Nos cortes longitudinais localiza-se imediatamente abaixo ou posterior à margem inferior do fígado e nos cortes transversais anterior ao corpo pancreático (Figura 6.5 e 6.6). Se existir conteúdo no lúmen a sua morfologia muda adquirindo uma forma mais alongada. A espessura da parede varia entre os 4 e 6 mm. O antro distal e região pilórica podem ter até 8 mm. A espessura da parede pode variar se houver fraca distensibilidade ou durante a peristalse de forma transitória. É 57

28 Ecografia Clínica para Gastrenterologistas - Curso Prático 2014 possível efectuar estudos funcionais mediante ecografia, objectivando a motilidade gastrointestinal nomeadamente o esvaziamento gástrico (Figura 6.7). Figura 6.4a e b Aspecto US do corpo gástrico em corte longitudinal com respectiva imagem ecográfica (21- Lobo hepático esquerdo; 72 Corpo gástrico, 96 - Diafragma) Figura 6.5a e b Aspecto US do antro gástrico em corte longitudinal (5 Artéria esplénica ; 21 Lobo hepático esquerdo ; 42 Corpo pancreático ; 45 Ducto pancreático ; 73 Antro gástrico ; 77 Ansa do intestino delgado ) 58

29 Ecografia Clínica para Gastrenterologistas - Curso Prático 2014 Figura 6.6a e b Aspecto US do antro gástrico em corte transversal (b) (1 - Aorta; 10 Veia cava inferior; 19 Veia mesentérica superior ; 20 Lobo hepático direito, 21 Lobo hepático esquerdo ; 24 Ligamento redondo ; 30 Vesícula biliar ; 41 Cabeça pancreática ; 42 Corpo pancreático ; 45 Ducto pancreático ; 73 Antro gástrico; 75 Bulbo duodenal ) Figura 6.7 Imagens US evidenciando as paredes gástricas 59

30 Ecografia Clínica para Gastrenterologistas - Curso Prático 2014 DUODENO Em condições normais o duodeno é de difícil visualização, salvo quando contem líquido no seu interior. O bulbo duodenal que continua o antro gástrico pode ser identificado em cortes transversais no epigastro, localizando-se medialmente à vesícula biliar e à frente da cabeça pancreática, aparecendo como uma área hiperecogénica mínima com sombra acústica posterior devido ao seu conteúdo aéreo, podendo, por vezes, ser confundido com litíase biliar (Figura 6.7). A segunda e terceira porção (DII e DIII) localizam-se à direita e inferiormente à cabeça pancreática rodeando-a. A espessura da parede duodenal geralmente não excede os 3 mm de espessura. Figura 6.7 Aspecto US do bulbo duodenal em corte transversal INTESTINO DELGADO O intestino delgado não é facilmente acessível à exploração US devido ao seu conteúdo gasoso e reduzido em líquido. A identificação ecográfica das ansas intestinais só é possível quando a 60

31 Ecografia Clínica para Gastrenterologistas - Curso Prático 2014 quantidade de líquido intraluminal é suficiente para causar dilatação, ou quando existe liquido livre intraperitoneal. Habitualmente é necessário a utilização de sondas lineares de 5-7 MHz. O seu aspecto ecográfico é de estruturas tubulares anecogénicas ou ecogénicas com diâmetro transversal <3 cm, com uma espessura da parede <3-4 mm, da qual partem para o seu interior as válvulas coniventes (excepto no íleon), notando-se os movimentos peristálticos com a passagem da sonda (a falta de deformação sugere patologia tumoral ou inflamatória) (Figura 6.8). A exploração do íleon terminal (Figura 6.9) é de particular interesse podendo o doente ser instalado em decúbito dorsal ou lateral direito e a repleção vesical pode ser útil. Inicia-se a sua observação com cortes transversais baixos explorando desde a região vesical até ao cego. Figura 6.8 Aspecto US normal de uma ansa jejunal notando- se as válvulas coniventes 61

32 Ecografia Clínica para Gastrenterologistas - Curso Prático 2014 Figura 6.9 Aspecto US do íleon terminal APÊNDICE CECAL O apêndice normal é mais difícil de localizar (observado em 30-80% dos casos de acordo com a experiência do observador) do que o apêndice patológico podendo ser útil a utilização de sondas lineares de alta frequência. Poderá ser identificado através de cortes transversais, longitudinais e oblíquos na região lateral direita após localização do ascendente e cego seguindo para a válvula ileocecal (ecogénica) e procurando-o caudalmente a esta (Figura 6.10). Identifica-se uma estrutura digestiva tubular (ovóide em cortes transversais) com diâmetro inferior a 6 mm e parede estratificada com < 2-3 mm de espessura, depressível e sem persistaltismo. 62

33 Ecografia Clínica para Gastrenterologistas - Curso Prático 2014 Figura 6.10 Aspecto US do apêndice normal em corte transversal (a) e longitudinal (b) CÓLON O estudo ecográfico do cólon não é fácil sob circunstâncias normais, pois o seu elevado conteúdo em gás prejudica a exploração do mesmo (Figura 6.11). Num corte sagital, o cólon descendente aparece como um tubo contendo ar e, em secção transversal, assume o aspecto de olho de búfalo (Figura 6.12). A técnica de US hidrocólica melhora a sua exploração, através da introdução de enema de 1500 cc de água. Para obtenção de bons resultados é imprescindível uma adequada limpeza prévia do cólon. Com esta técnica o cólon é visualizado como estrutura tubular livre de ecos com 4 a 5 cm de diâmetro e com bandas ecogénicas finas curtas que partem da parede para o lúmen correspondendo às haustras (Figura 6.13). A espessura da parede é geralmente considerada normal até 2-3 mm. 63

I. APARELHO URINÁRIO E GENITAL

I. APARELHO URINÁRIO E GENITAL Ecografia Clínica para Gastrenterologistas - Curso Prático 2014 I. APARELHO URINÁRIO E GENITAL Ana Nunes* A ultra-sonografia do rim e aparelho urinário é um método importante na abordagem diagnóstica da

Leia mais

7º Curso Teórico-Prático de Ultrassonografia Clínica para Gastrenterologistas - Pâncreas PÂNCREAS

7º Curso Teórico-Prático de Ultrassonografia Clínica para Gastrenterologistas - Pâncreas PÂNCREAS Anatomia e Ecoanatomia PÂNCREAS Localização e meios de fixação O pâncreas é uma glândula volumosa anexa ao arco duodenal. Localiza-se transversalmente em frente dos grandes vasos e do rim esquerdo, desde

Leia mais

SISTEMATIZAÇÃO DO EXAME ULTRASSONOGRÁFICO DO ABDOME

SISTEMATIZAÇÃO DO EXAME ULTRASSONOGRÁFICO DO ABDOME Introdução SISTEMATIZAÇÃO DO EXAME ULTRASSONOGRÁFICO DO ABDOME Wagner Iared; José Eduardo Mourão; David C. Shigueoka A ultrassonografia é provavelmente o método de imagem mais frequentemente solicitado

Leia mais

Anatomia do abdome superior DEPARTAMENTO DE DIAGNÓSTICO POR IMAGEM(H.U. H.U.-UNOESTE) UNOESTE) DR.FÁBIO VINICIUS DAVOLI BIANCO ESTÔMAGO CÁRDIA FUNDO CORPO CANAL PILÓRICO Relações anatômicas Fundo hemicúpula

Leia mais

TOMOGRAFIA COMPUTADORIZADA DO ABDOME

TOMOGRAFIA COMPUTADORIZADA DO ABDOME TOMOGRAFIA COMPUTADORIZADA DO ABDOME PROTOCOLO DE ABDOME TOTAL POSIÇÃO DORSAL: Paciente em decúbito dorsal, entrando primeiro com a cabeça, apoiada sobre o suporte reto, braços elevados acima da cabeça.

Leia mais

SISTEMA DIGESTÓRIO DEFINIÇÃO:

SISTEMA DIGESTÓRIO DEFINIÇÃO: SISTEMA DIGESTÓRIO DEFINIÇÃO: CONJUNTO DE ÓRGÃOS FORMANDO UM CANAL ALIMENTAR COM A FINALIDADE DE NUTRIÇÃO DO ORGANISMO. FUNÇÕES: Sistema Digestório INSERÇÃO MASTIGAÇÃO DEGLUTIÇÃO DIGESTÃO ABSORÇÃO EXCREÇÃO

Leia mais

ROTEIRO DE ESTUDO Abdome

ROTEIRO DE ESTUDO Abdome ROTEIRO DE ESTUDO Abdome ARTÉRIAS O suprimento arterial do abdome é todo proveniente da aorta, que torna-se aorta abdominal após passar pelo hiato aórtico do diafragma ao nível de T12, e termina dividindose

Leia mais

7º Curso Teórico-Prático de Ultra-sonografia Clínica para Gastrenterologistas - Baço BAÇO

7º Curso Teórico-Prático de Ultra-sonografia Clínica para Gastrenterologistas - Baço BAÇO 7º Curso Teórico-Prático de Ultra-sonografia Clínica para Gastrenterologistas - Baço Anatomia BAÇO O baço é um órgão linfático encapsulado, ricamente vascularizado, que levanta algumas dificuldades ao

Leia mais

7º Curso Teórico-Prático de Ultra-sonografia Clínica para Gastrenterologistas - Fígado FÍGADO

7º Curso Teórico-Prático de Ultra-sonografia Clínica para Gastrenterologistas - Fígado FÍGADO 7º Curso Teórico-Prático de Ultra-sonografia Clínica para Gastrenterologistas - Fígado FÍGADO Introdução A exploração ecográfica do fígado é, actualmente, um exame de primeira linha, seja no diagnóstico

Leia mais

ÍNDICE AUTORES 2 PREFÁCIO 4 I.FÍSICA DOS ULTRA-SONS E ARTEFACTOS 5 II.FÍGADO 21 III.VESICULA E VIAS BILIARES 31 IV.PÂNCREAS 39 V.

ÍNDICE AUTORES 2 PREFÁCIO 4 I.FÍSICA DOS ULTRA-SONS E ARTEFACTOS 5 II.FÍGADO 21 III.VESICULA E VIAS BILIARES 31 IV.PÂNCREAS 39 V. Ecografia Clínica para Gastrenterologistas - Curso Prático 2014 ÍNDICE AUTORES 2 PREFÁCIO 4 I.FÍSICA DOS ULTRA-SONS E ARTEFACTOS 5 II.FÍGADO 21 III.VESICULA E VIAS BILIARES 31 IV.PÂNCREAS 39 V.BAÇO 47

Leia mais

FÍGADO. Veia cava inferior. Lobo direito. Lobo esquerdo. Ligamento (separa o lobo direito do esquerdo) Vesícula biliar

FÍGADO. Veia cava inferior. Lobo direito. Lobo esquerdo. Ligamento (separa o lobo direito do esquerdo) Vesícula biliar FÍGADO É o maior órgão interno È a maior glândula É a mais volumosa de todas as vísceras, pesa cerca de 1,5 kg no homem adulto, e na mulher adulta entre 1,2 e 1,4 kg Possui a coloração arroxeada, superfície

Leia mais

7º Curso Teórico-Prático de Ultra-sonografia Clínica para Gastrenterologistas - Parede digestiva PAREDE DIGESTIVA

7º Curso Teórico-Prático de Ultra-sonografia Clínica para Gastrenterologistas - Parede digestiva PAREDE DIGESTIVA Introdução PAREDE DIGESTIVA A aplicação da ultrassonografia (US) ao estudo do tracto gastrointestinal (TGI) foi inicialmente escassa, ao se considerar que este lhe oferecia enormes dificuldades. Em 1º

Leia mais

Abordagem. Fisiologia Histologia. Aspectos Clínicos. ANATOMIA -Partes constituintes -Vascularização e Inervação -Relações

Abordagem. Fisiologia Histologia. Aspectos Clínicos. ANATOMIA -Partes constituintes -Vascularização e Inervação -Relações Intestino Delgado Abordagem ANATOMIA -Partes constituintes -Vascularização e Inervação -Relações Fisiologia Histologia Aspectos Clínicos Anatomia Do estômago ao intestino grosso Maior porção do trato digestivo

Leia mais

ESTUDO DIRIGIDO EMBRIOLOGIA E ANATOMIA DO SISTEMA DIGESTÓRIO

ESTUDO DIRIGIDO EMBRIOLOGIA E ANATOMIA DO SISTEMA DIGESTÓRIO DISCIPLINA: SISTEMA GASTROINTESTINAL Área do conhecimento: Anatomia Professora: Jákina Guimarães Vieira ESTUDO DIRIGIDO EMBRIOLOGIA E ANATOMIA DO SISTEMA DIGESTÓRIO 1. Qual (is) o (s) folheto (s) embrionário

Leia mais

17/02/2012. Diafragma

17/02/2012. Diafragma Diafragma Topografia Repouso - linha retilínea da 7º costela à 13º costela. Inspiração - linha ligeiramente convexa da 7º costela à 3º vértebra lombar. Expiração - linha convexidade cranial da 7º costela

Leia mais

Roteiro de aulas teórico-práticas

Roteiro de aulas teórico-práticas Roteiro de aulas teórico-práticas Sistema digestório O sistema digestório humano é formado por um longo tubo musculoso, ao qual estão associados órgãos e glândulas que participam da digestão. Apresenta

Leia mais

PROTOCOLOS E ORIENTAÇÃO PRÁTICA PARA A REALIZAÇÃO DE ULTRASSONOGRAFIA

PROTOCOLOS E ORIENTAÇÃO PRÁTICA PARA A REALIZAÇÃO DE ULTRASSONOGRAFIA PROTOCOLOS E ORIENTAÇÃO PRÁTICA PARA A REALIZAÇÃO DE ULTRASSONOGRAFIA 1 Sumário PROTOCOLOS E ORIENTAÇÃO PRÁTICA PARA A REALIZAÇÃO DE ULTRASSONOGRAFIA... 4 Preâmbulo:... 4 Introdução... 4 Qualificações

Leia mais

AORTA ABDOMINAL IRRIGAÇÃO E DRENAGEM DA REGIÃO ABDOMINAL. Tronco celíaco (ímpar e visceral) (2) Artérias frênicas inferiores (1)

AORTA ABDOMINAL IRRIGAÇÃO E DRENAGEM DA REGIÃO ABDOMINAL. Tronco celíaco (ímpar e visceral) (2) Artérias frênicas inferiores (1) AORTA ABDOMINAL IRRIGAÇÃO E DRENAGEM DA REGIÃO ABDOMINAL Prof. Erivan Façanha Tem início no hiato aórtico do diafragma (T12). Trajeto descendente, anterior aos corpos vertebrais e à esquerda da veia cava

Leia mais

TC de pelve deixa um pouco a desejar. Permite ver líquido livre e massas. US e RM são superiores para estruturas anexiais da pelve.

TC de pelve deixa um pouco a desejar. Permite ver líquido livre e massas. US e RM são superiores para estruturas anexiais da pelve. 24 de Outubro de 2006. Professor Amphilophio. Tomografia computadorizada do abdome e da pelve TC de pelve deixa um pouco a desejar. Permite ver líquido livre e massas. US e RM são superiores para estruturas

Leia mais

SISTEMA DIGESTÓRIO CONCEITO: DIVISÃO DO SISTEMA DIGESTÓRIO 05/10/2013

SISTEMA DIGESTÓRIO CONCEITO: DIVISÃO DO SISTEMA DIGESTÓRIO 05/10/2013 CONCEITO: SISTEMA DIGESTÓRIO Conjunto de órgãos responsáveis pela preensão, mastigação, transformação química e absorção dos alimentos, e a expulsão dos resíduos, eliminados sob a forma de fezes. Prof.Msc.MoisésMendes

Leia mais

SISTEMA DIGESTÓRIO CONCEITO SISTEMA DIGESTÓRIO SISTEMA DIGESTÓRIO FUNÇÕES SISTEMA DIGESTÓRIO DIVISÃO

SISTEMA DIGESTÓRIO CONCEITO SISTEMA DIGESTÓRIO SISTEMA DIGESTÓRIO FUNÇÕES SISTEMA DIGESTÓRIO DIVISÃO SISTEMA DIGESTÓRIO Universidade Federal do Ceará Departamento de Morfologia Prof. Erivan Façanha SISTEMA DIGESTÓRIO CONCEITO Órgãos que no conjunto cumprem a função de tornar os alimentos solúveis, sofrendo

Leia mais

ANATOMIA DO TÓRAX POR IMAGEM. Prof. Dante L. Escuissato

ANATOMIA DO TÓRAX POR IMAGEM. Prof. Dante L. Escuissato ANATOMIA DO TÓRAX POR IMAGEM Prof. Dante L. Escuissato Figura 1. O tórax é composto por um conjunto de estruturas que pode ser dividido em parede torácica, espaços pleurais, pulmões, hilos pulmonares e

Leia mais

ANATOMIA E FISIOLOGIA

ANATOMIA E FISIOLOGIA ANATOMIA E FISIOLOGIA SITEMA DIGESTÓRIO Enfª Renata Loretti Ribeiro 2 3 SISTEMA DIGESTÓRIO Introdução O trato digestório e os órgãos anexos constituem o sistema digestório. O trato digestório é um tubo

Leia mais

7º Curso Teórico-Prático de Ultra-sonografia Clínica para Gastrenterologistas Equipamento e artefactos. Equipamento

7º Curso Teórico-Prático de Ultra-sonografia Clínica para Gastrenterologistas Equipamento e artefactos. Equipamento Equipamento A ultra-sonografia é uma ferramenta na qual, através de um conjunto complexo de instrumentos e software, nos é permitido adquirir e aperfeiçoar projecções de imagens num monitor. Desta forma

Leia mais

ANATOMIA HUMANA I. Sistema Digestório. Prof. Me. Fabio Milioni. Função: - Preensão - Mastigação - Deglutição - Digestão - Absorção - Defecação

ANATOMIA HUMANA I. Sistema Digestório. Prof. Me. Fabio Milioni. Função: - Preensão - Mastigação - Deglutição - Digestão - Absorção - Defecação ANATOMIA HUMANA I Sistema Digestório Prof. Me. Fabio Milioni Função: - Preensão - Mastigação - Deglutição - Digestão - Absorção - Defecação Sistema Digestório 1 Órgãos Canal alimentar: - Cavidade oral

Leia mais

A IMAGIOLOGIA NA PATOLOGIA PANCREÁTICA 5º ANO

A IMAGIOLOGIA NA PATOLOGIA PANCREÁTICA 5º ANO 5º ANO SUMÁRIO Métodos de imagem (MI) Pancreatite aguda (PA) Pancreatite crónica (PC) Tumores do pâncreas MÉTODOS DE IMAGEM Ecografia ( ECO ) Tomografia computorizada ( TC ) Ressonância magnética ( RM

Leia mais

ANATOMIA HUMANA. Faculdade Anísio Teixeira Curso de Férias Prof. João Ronaldo Tavares de Vasconcellos Neto

ANATOMIA HUMANA. Faculdade Anísio Teixeira Curso de Férias Prof. João Ronaldo Tavares de Vasconcellos Neto ANATOMIA HUMANA Faculdade Anísio Teixeira Curso de Férias Prof. João Ronaldo Tavares de Vasconcellos Neto Sistema responsável pelo processamento (transformações químicas) de nutrientes, para que possam

Leia mais

5ª Reunião de Casos. www.digimaxdiagnostico.com.br/

5ª Reunião de Casos. www.digimaxdiagnostico.com.br/ 5ª Reunião de Casos www.digimaxdiagnostico.com.br/ Caso 1 Paciente J.M., 81 anos, sexo masculino. TC sem contraste TC com contraste Diagnóstico Aneurisma roto da aorta abdominal, parcialmente trombosado,

Leia mais

Protocolo abdome. Profº Cláudio Souza

Protocolo abdome. Profº Cláudio Souza Protocolo abdome Profº Cláudio Souza Abdome Quando falamos em abdome dentro da tomografia computadorizada por uma questão de radioproteção e também financeira o exame é dividido em, abdome superior e inferior

Leia mais

RIM E VIAS EXCRETORAS PROXIMAIS

RIM E VIAS EXCRETORAS PROXIMAIS RIM E VIAS EXCRETORAS PROXIMAIS A exploração ecográfica do rim é essencial ao diagnóstico da maior parte da patologia do sistema genito-urinário. É um exame de primeira linha dado o seu carácter não-invasivo,

Leia mais

Apostila de Anatomia e Fisiologia humana Sistema Digestório-Prof. Raphael Garcia. Sistema Digestório

Apostila de Anatomia e Fisiologia humana Sistema Digestório-Prof. Raphael Garcia. Sistema Digestório Introdução Apostila de Anatomia e Fisiologia humana Sistema Digestório-Prof. Raphael Garcia Sistema Digestório O sistema digestório se resume em um longo tubo muscular que tem início nos lábios e termina

Leia mais

RADIOLOGIA DO ESÔFAGO

RADIOLOGIA DO ESÔFAGO RADIOLOGIA DO ESÔFAGO Esofagograma : administração de substância com densidade diferente do órgão. São elas sulfato de bário (rotina) e soluções iodadas (casos de suspeita de ruptura) na dose de 2 a 6

Leia mais

MANUAL BÁSICO DE ULTRASSONOGRAFIA

MANUAL BÁSICO DE ULTRASSONOGRAFIA Universidade Federal de São Paulo Escola Paulista de Medicina Departamento de Diagnóstico por Imagem Liga Acadêmica de Radiologia MANUAL BÁSICO DE ULTRASSONOGRAFIA 2013 Autores Ivan Barraviera Masselli

Leia mais

SEMIOLOGIA DO ABDOME. Prof. Semi Haurani Semiologia Médica II

SEMIOLOGIA DO ABDOME. Prof. Semi Haurani Semiologia Médica II SEMIOLOGIA DO ABDOME Prof. Semi Haurani Semiologia Médica II ABDOME ABDOME INSPEÇÃO PELE: CICATRIZES, ESTRIAS, VEIAS E LESÕES UMBIGO CONTORNO ABDOMINAL: FORMA, SIMETRIA, VOLUME, MASSAS E VÍSCERAS PERISTALSE

Leia mais

O Nosso Corpo Volume XXVI Sistema circulatório Parte 2

O Nosso Corpo Volume XXVI Sistema circulatório Parte 2 O Nosso Corpo Volume XXVI Sistema circulatório Parte 2 um Guia de O Portal Saúde Dezembro 2010 / Janeiro 2011 O Portal Saúde Rua Braancamp, 52-4º 1250-051 Lisboa Tel. 212476500 geral@oportalsaude.com Copyright

Leia mais

04/06/2012 INTRODUÇÃO À RAGIOLOGIA SIMPLES DO TÓRAX. Dante L. Escuissato RADIOGRAFIAS DO TÓRAX INCIDÊNCIAS: FRONTAL (PA) PERFIL TÓRAX

04/06/2012 INTRODUÇÃO À RAGIOLOGIA SIMPLES DO TÓRAX. Dante L. Escuissato RADIOGRAFIAS DO TÓRAX INCIDÊNCIAS: FRONTAL (PA) PERFIL TÓRAX INTRODUÇÃO À RAGIOLOGIA SIMPLES DO TÓRAX Dante L. Escuissato RADIOGRAFIAS DO TÓRAX INCIDÊNCIAS: FRONTAL (PA) PERFIL TÓRAX 1 RADIOGRAFIAS AS RADIOGRAFIAS APRESENTAM 4 DENSIDADES BÁSICAS: AR: traquéia, pulmões,

Leia mais

Sistema Digestório. Destina-se. se à retirada dos

Sistema Digestório. Destina-se. se à retirada dos SISTEMA DIGESTIVO OU DIGESTÓRIO Sistema Digestório Destina-se se à retirada dos nutrientes (carboidratos, açucares, lipides, gorduras, proteínas, vitaminas, sais minerais e água) dos alimentos para assegurar

Leia mais

Introdução. Renata Loretti Ribeiro - Enfermeira

Introdução. Renata Loretti Ribeiro - Enfermeira Introdução A função do sistema respiratório é facilitar ao organismo uma troca de gases com o ar atmosférico, assegurando permanente concentração de oxigênio no sangue, necessária para as reações metabólicas,

Leia mais

Professora: Edilene biologolena@yahoo.com.br O SISTEMA DIGESTÓRIO

Professora: Edilene biologolena@yahoo.com.br O SISTEMA DIGESTÓRIO Professora: Edilene biologolena@yahoo.com.br O SISTEMA DIGESTÓRIO O SISTEMA DIGESTÓRIO A DIGESTÃO A digestão é o conjunto das transformações, mecânicos e químicos, que os alimentos orgânicos sofrem ao

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ CAMPUS DE PALOTINA HOSPITAL VETERINÁRIO RELATÓRIO DE EXAME NECROSCÓPICO

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ CAMPUS DE PALOTINA HOSPITAL VETERINÁRIO RELATÓRIO DE EXAME NECROSCÓPICO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ CAMPUS DE PALOTINA HOSPITAL VETERINÁRIO RELATÓRIO DE EXAME NECROSCÓPICO Identificação do animal Nome/número RG do HV Espécie: Raça: Idade: Sexo: Peso: Cor: Data e hora do

Leia mais

Princípios da Ultrassonografia

Princípios da Ultrassonografia Princípios da Ultrassonografia Ana Paula Araujo Costa Es pecialista em Residênica Médico-Veterinária (Diagnóstico por Imagem) Mes tranda em Ciência Animal Conceitos Gerais Exame altamente interativo Interpretação

Leia mais

TN, Emerson Siraqui TOMOGRAFIA COMPUTADORIZADA DO TÓRAX

TN, Emerson Siraqui TOMOGRAFIA COMPUTADORIZADA DO TÓRAX TN, Emerson Siraqui TOMOGRAFIA COMPUTADORIZADA DO TÓRAX SCOUT Posição do paciente: paciente em DDH, com a cabeça para o gantry e os MMSS, elevados acima da cabeça. Radiografia digital em AP. Técnica: 100

Leia mais

Oferecemos uma ampla gama de tratamentos entre os que podemos destacar:

Oferecemos uma ampla gama de tratamentos entre os que podemos destacar: A cirurgia endovascular agrupa uma variedade de técnicas minimamente invasivas mediante as quais CIRURGIA ENDOVASCULAR = CIRURGIA SEM CORTES! Técnicas Minimamente Invasivas As técnicas de cirurgia endovascular

Leia mais

7ª Reunião Luso-Galaica de Endocrinologia, Diabetes e Metabolismo. Caso Clínico. Hospital de Braga

7ª Reunião Luso-Galaica de Endocrinologia, Diabetes e Metabolismo. Caso Clínico. Hospital de Braga 7ª Reunião Luso-Galaica de Endocrinologia, Diabetes e Metabolismo Hospital de Braga Serviço de Cirurgia Director: Dr. Mesquita Rodrigues Sónia Ribas 12 de Dezembro F.C.R, sexo masculino, 69 anos Antecedentes

Leia mais

TÉCNICA EM RADIOLOGIA

TÉCNICA EM RADIOLOGIA UFF UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE CCM CENTRO DE CIÊNCIAS MÉDICAS HUAP HOSPITAL UNIVERSITÁRIO ANTONIO PEDRO Hospital Universitário TÉCNICA EM RADIOLOGIA Parte I: Múltipla Escolha Hospital Universitário

Leia mais

[251] 114. AVALIAÇÃO SISTEMÁTICA DE RADIOGRAFIAS DO TÓRAX

[251] 114. AVALIAÇÃO SISTEMÁTICA DE RADIOGRAFIAS DO TÓRAX [251] 114. AVALIAÇÃO SISTEMÁTICA DE RADIOGRAFIAS DO TÓRAX a. CONSIDERAÇÕES TÉCNICAS Exposição A aquisição adequada da radiografia de tórax é mais difícil que a de outras partes do corpo devido ao contraste

Leia mais

SISTEMA DIGESTIVO. Ciências Naturais 9º ano

SISTEMA DIGESTIVO. Ciências Naturais 9º ano SISTEMA DIGESTIVO Ciências Naturais 9º ano Digestão e Sistema Digestivo A digestão é o processo através do qual moléculas complexas dos alimentos são desdobradas, em moléculas mais simples que podem ser

Leia mais

TRAUMA ABDOMINAL. Leonardo Oliveira Moura

TRAUMA ABDOMINAL. Leonardo Oliveira Moura TRAUMA ABDOMINAL Leonardo Oliveira Moura Trauma Abdominal Órgãos sólidos: Fígado, baço, pâncreas e rins Órgãos ocos: Esôfago, estômago, intestino delgado, intestino grosso, reto e bexiga Vasos calibrosos:

Leia mais

Co C mo m o é cons n tituído o aparel e ho di d ge g sti e vo v? Sistema Digestivo - Helena Carreiro 2010 1

Co C mo m o é cons n tituído o aparel e ho di d ge g sti e vo v? Sistema Digestivo - Helena Carreiro 2010 1 Como é constituído o aparelho digestivo? 1 Morfologia do aparelho digestivo Glândulas salivares Boca Faringe Esófago Fígado Vesícula biliar Estômago Intestino delgado pâncreas Apêndice Recto Intestino

Leia mais

Sistema Digestivo - Função

Sistema Digestivo - Função Sistema Digestivo Fome Saciedade Sistema Digestivo - Função O organismo humano recebe os nutrientes através dos alimentos. Estes alimentos têm de ser transformados em substâncias utilizáveis, envolvendo

Leia mais

Pâncreas: Vascularização e Inervação

Pâncreas: Vascularização e Inervação Universidade de Rio Verde UniRV Faculdade de Medicina de Rio Verde Famerv Liga de Acadêmica de Anatomia Humana - LiAAna Pâncreas: Vascularização e Inervação Ligantes: Janayna Matumoto Mota Thiago Huei

Leia mais

Programação Preliminar do 41 Curso de Atualização em Cirurgia do Aparelho Digestivo, Coloproctologia e Transplantes de Órgãos do Aparelho Digestivo

Programação Preliminar do 41 Curso de Atualização em Cirurgia do Aparelho Digestivo, Coloproctologia e Transplantes de Órgãos do Aparelho Digestivo Programação Preliminar do 41 Curso de Atualização em Cirurgia do Aparelho Digestivo, Coloproctologia e Transplantes de Órgãos do Aparelho Digestivo Cirurgia do Esôfago Painel de perguntas e filmes cirúrgicos

Leia mais

Desenvolvimento Gastrointestinal. Intestino de humanos; 6-7X tamanho do corpo Intestinto de ruminantes: 20x tamanho do corpo

Desenvolvimento Gastrointestinal. Intestino de humanos; 6-7X tamanho do corpo Intestinto de ruminantes: 20x tamanho do corpo Desenvolvimento Gastrointestinal Intestino de humanos; 6-7X tamanho do corpo Intestinto de ruminantes: 20x tamanho do corpo As duas regiões onde o Ectoderma se funde com o Endoderma, excluindo o mesoderma,

Leia mais

EXAMES MÉDICOS / ESPECIAL SAÚDE

EXAMES MÉDICOS / ESPECIAL SAÚDE EXAMES MÉDICOS / ESPECIAL SAÚDE Tomografia Axial Computorizada A Tomografia Axial Computorizada (TAC) define com nitidez os contornos dos órgãos, a sua densidade e a sua vascularização. Permite o diagnóstico

Leia mais

PROPEDÊUTICA DO APARELHO DIGESTIVO. gesep. Dor Abdominal Pontos Chave. Tipos de Dor Abdominal 4/13/09 ANTES DE INICIAR O EXAME FÍSICO...

PROPEDÊUTICA DO APARELHO DIGESTIVO. gesep. Dor Abdominal Pontos Chave. Tipos de Dor Abdominal 4/13/09 ANTES DE INICIAR O EXAME FÍSICO... PROPEDÊUTICA DO APARELHO DIGESTIVO gesep ANTES DE INICIAR O EXAME FÍSICO... 2009 Converse com o paciente... A Anamnese e o Ex. Físico 70% dos diagnósncos são baseados apenas na história 90% dos diagnósncos

Leia mais

Hysterosalpingography: A Reemerging Study

Hysterosalpingography: A Reemerging Study Hysterosalpingography: A Reemerging Study William L. Simpson,, Laura G. Beitia, Jolinda Mester RadioGraphics 2006 Andrea a Canelas 31-05 05-2006 HSG - Introdução HSG avaliação radiológica do útero e trompas

Leia mais

1. INTRODUÇÃO 2. MORFOLOGIA

1. INTRODUÇÃO 2. MORFOLOGIA 1. INTRODUÇÃO O diafragma é o principal músculo da respiração. Muito já foi estudado sobre sua forma e ação na mecânica respiratória. O objetivo deste trabalho é realizar uma breve revisão destes aspectos,

Leia mais

Aparelho Gastrointestinal Dor Abdominal Aguda

Aparelho Gastrointestinal Dor Abdominal Aguda Aparelho Gastrointestinal Dor Abdominal Aguda Dor abdominal Difusa Localizada Abdome agudo Sem abdome agudo Exames específicos Tratamento específico Estabilizar paciente (vide algoritmo específico) Suspeita

Leia mais

Helena Borges Departamento de Anatomia F20-24. Sistema Digestivo. Sistema Digestivo, Digestório, Alimentar

Helena Borges Departamento de Anatomia F20-24. Sistema Digestivo. Sistema Digestivo, Digestório, Alimentar Helena Borges Departamento de Anatomia F20-24 Sistema Digestivo Sistema Digestivo, Digestório, Alimentar Funções: Suprir constantemente o organismo de material nutritivo; Modificar mecânica e quimicamente

Leia mais

Infecções e inflamações do trato urinário, funçao sexual e reprodutiva Urologia Denny

Infecções e inflamações do trato urinário, funçao sexual e reprodutiva Urologia Denny DATA hora AULA PROGRAMADA Módulo PROFESSOR 25/10/2013 14:00-14:55 Abdome Agudo - inflamatório e obstrutivo Clínica Cirúrgica João Marcos 14:55-15:50 Abdome Agudo - perfurativo e vascular/hemorrágico Clínica

Leia mais

Aulas teórica s PROFESSOR DATA HORA AULA PROGRAMADA MÓDULO. Sessão Avaliação ED Supervisão TOTAL

Aulas teórica s PROFESSOR DATA HORA AULA PROGRAMADA MÓDULO. Sessão Avaliação ED Supervisão TOTAL DATA HORA AULA PROGRAMADA MÓDULO PROFESSOR Aulas teórica s Amb. Sessão Avaliação ED Supervisão TOTAL 13:15 Abdome Agudo - inflamatório e obstrutivo Clínica Cirúrgica João Marcos 24/7/2015 Abdome Agudo

Leia mais

Avaliação por Imagem do Pâncreas. Aula Prá8ca Abdome 4

Avaliação por Imagem do Pâncreas. Aula Prá8ca Abdome 4 Avaliação por Imagem do Pâncreas Aula Prá8ca Abdome 4 Obje8vos 1. Entender papel dos métodos de imagem (RX, US, TC e RM) na avaliação de lesões focais e difusas do pâncreas. 2. Revisar principais aspectos

Leia mais

ANATOMIA HUMANA I. Educação Física. Prof. Me. Fabio Milioni. Introdução à anatomia Principais formas de estudar a anatomia

ANATOMIA HUMANA I. Educação Física. Prof. Me. Fabio Milioni. Introdução à anatomia Principais formas de estudar a anatomia ANATOMIA HUMANA I Educação Física Prof. Me. Fabio Milioni Introdução à anatomia Principais formas de estudar a anatomia Anatomia Sistêmica Estudo macroscópico dos sistemas do organismo Anatomia Topográfica

Leia mais

Anatomia e Fisiologia Humana SISTEMA DIGESTÓRIO. DEMONSTRAÇÃO (páginas iniciais)

Anatomia e Fisiologia Humana SISTEMA DIGESTÓRIO. DEMONSTRAÇÃO (páginas iniciais) Anatomia e Fisiologia Humana SISTEMA DIGESTÓRIO DEMONSTRAÇÃO (páginas iniciais) 1ª edição janeiro/2007 SISTEMA DIGESTÓRIO SUMÁRIO Sobre a Bio Aulas... 03 Sistema Digestório... 04 Boca... 05 Características

Leia mais

2 Imagens Médicas e Anatomia do Fígado

2 Imagens Médicas e Anatomia do Fígado 2 Imagens Médicas e Anatomia do Fígado Neste capítulo são apresentados os tipos de dados utilizados neste trabalho e a anatomia do fígado, de onde foram retiradas todas as heurísticas adotadas para segmentação

Leia mais

PROVA TEÓRICO-PRÁTICA

PROVA TEÓRICO-PRÁTICA PROVA TEÓRICO-PRÁTICA 1. Na atresia de esôfago pode ocorrer fistula traqueoesofágica. No esquema abaixo estão várias opções possíveis. A alternativa indica a forma mais freqüente é: Resposta B 2. Criança

Leia mais

RADIOLOGIA DO SISTEMA URINÁRIO

RADIOLOGIA DO SISTEMA URINÁRIO RADIOLOGIA DO SISTEMA URINÁRIO Aspectos Radiográficos Normais de Rins e Ureteres Visualização variável da imagem renal quanto ao número, forma, contorno, tamanho, posição e densidade (intermediária entre

Leia mais

Prof. Dr. Jorge Eduardo F. Matias Cirurgia do Aparelho Digestivo Departamento de Cirurgia UFPR - HC

Prof. Dr. Jorge Eduardo F. Matias Cirurgia do Aparelho Digestivo Departamento de Cirurgia UFPR - HC DIAGNÓSTICO DIFERENCIAL DOS NÓDULOS HEPÁTICOS BENIGNOS Prof. Dr. Jorge Eduardo F. Matias Cirurgia do Aparelho Digestivo Departamento de Cirurgia UFPR - HC DIAGNÓSTICO DIFERENCIAL DOS NÓDULOS HEPÁTICOS

Leia mais

Para quê precisamos comer?

Para quê precisamos comer? Para quê precisamos comer? Para a reposição de água, substratos energéticos, vitaminas e sais minerais. O TUBO DIGESTIVO E SUAS PRINCIPAIS ESTRUTURAS O Trato Gastrointestinal (TGI) Digestive System (Vander,

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO PAULO Escola Paulista de Medicina Departamento de Diagnóstico por Imagem Adenocarcinoma de Pâncreas Bruno Sérgio de Souza Bernardes Sólidos: Tumores do Pâncreas Classificação

Leia mais

SISTEMA RESPIRATÓRIO. Prof.: Lazaro Antonio dos Santos

SISTEMA RESPIRATÓRIO. Prof.: Lazaro Antonio dos Santos SISTEMA RESPIRATÓRIO Prof.: Lazaro Antonio dos Santos SISTEMA RESPIRATÓRIO CONCEITO Conjunto de órgãos que nutrem o organismo por meio de alimentos no estado gasoso, completando a função do Sistema Digestório.

Leia mais

PROTOCOLOS RAIO-X CONTRASTADOS

PROTOCOLOS RAIO-X CONTRASTADOS Pg. Página 1 de 14 ÍNDICE PROTOCOLO DE ENEMA OPACO... 2 PROTOCOLO DE ESOFAGOGRAMA... 4 PROTOCOLO DE ESTUDO DE ESÔFAGO-ESTÔMAGO E DUODENO (EED)... 5 PROTOCOLO DE ESTUDO DE ESÔFAGO-ESTÔMAGO PÓS GASTROPLASTIA...

Leia mais

Caso Clínico. Andrea Canelas

Caso Clínico. Andrea Canelas Caso Clínico Andrea Canelas 28-06 06-2006 Identificação Sexo: Idade: 79 anos Raça: a: Caucasiana Naturalidade: Coimbra História da doença a actual Seguida na consulta de Gastro desde Novembro de 2005:

Leia mais

Métodos imagiológicos de avaliação do Tórax

Métodos imagiológicos de avaliação do Tórax FORMAÇÃO CLÍNICA COMPLEMENTAR 15.Out.2007 Imagiologia do Tórax I FORMAÇÃO DOCENTE: Dr.ª CLÍNICA Paula Campos COMPLEMENTAR DISCENTE: Carina Ruano 1 ª Aula 06.10.2006 FISCALIZADOR: Métodos imagiológicos

Leia mais

Subespecialidade de Gastrenterologia Pediátrica conteúdo funcional, formação e titulação

Subespecialidade de Gastrenterologia Pediátrica conteúdo funcional, formação e titulação Subespecialidade de Gastrenterologia Pediátrica conteúdo funcional, formação e titulação 1. Tipo de trabalho e responsabilidades principais O Gastrenterologista Pediátrico é um médico com formação em Pediatria

Leia mais

O Ouvido Humano e a Audição

O Ouvido Humano e a Audição 36 Capítulo 4 O Ouvido Humano e a Audição Neste capítulo faremos um estudo sobre o ouvido humano, a fisiologia da audição e a sensibilidade do nosso sistema auditivo. 1. Conceitos básicos sobre a anatomia

Leia mais

Anatomia e Fisiologia Humana SISTEMA URINÁRIO. DEMONSTRAÇÃO (páginas iniciais)

Anatomia e Fisiologia Humana SISTEMA URINÁRIO. DEMONSTRAÇÃO (páginas iniciais) Anatomia e Fisiologia Humana SISTEMA URINÁRIO DEMONSTRAÇÃO (páginas iniciais) 1ª edição janeiro/2007 SISTEMA URINÁRIO SUMÁRIO Sobre a Bio Aulas... 03 Rins... 04 Localização... 04 Anatomia macroscópica...

Leia mais

CHUC Clínica Universitária de Radiologia

CHUC Clínica Universitária de Radiologia CHUC Clínica Universitária de Radiologia Director: Prof. Dr. Filipe Caseiro Alves Mafalda Magalhães 04/03/2013 Introdução Ecografia: 1º exame a ser realizado em mulheres com suspeita de doença pélvica

Leia mais

[ECOGRAFIA ABDOMINAL]

[ECOGRAFIA ABDOMINAL] 2013 Universidade de Évora Margarida Fragoso Costa [ECOGRAFIA ABDOMINAL] Texto de apoio às aulas práticas de Imagiologia do curso de Medicina Veterinária da Universidade de Évora Índice 1. INTRODUÇÃO À

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO JOÃO DEL-REI CAMPUS CENTRO OESTE Planilha de aulas - Internato em Cirurgia 1º semestre de 2015

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO JOÃO DEL-REI CAMPUS CENTRO OESTE Planilha de aulas - Internato em Cirurgia 1º semestre de 2015 UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO JOÃO DEL-REI CAMPUS CENTRO OESTE Planilha de aulas - Internato em Cirurgia 1º semestre de 2015 DATA SALA HORA AULA PROGRAMADA MÓDULO PROFESSOR 6/2/2015 102. D 13:15-14:10 Tratamento

Leia mais

Sistematização técnica da gastrectomia total

Sistematização técnica da gastrectomia total Sistematização técnica da gastrectomia total Cláudio Bresciani, Fábio Pinatel Lopasso, Donato Roberto Mucerino,Marcelo Mester,Carlos Eduardo Jacob,Osmar Kenji Yagi,Leandro Cardoso Barchi,Rodrigo,José de

Leia mais

Sistema Digestivo dos Peixes

Sistema Digestivo dos Peixes Sistema Digestivo dos Peixes Seminário Histologia SISTEMA DIGESTIVO DOS PEIXES Camila Bedulli Do Carmo Gabriel Cohen Guilherme G. Da Silva Miranda Izabela Franca Marcela C. Biondo Patricia Mayumi Bellete

Leia mais

ANATOMIA DO ABDOME. Campinas. Professora do departamento de anatomia da Universidade Federal do Paraná.

ANATOMIA DO ABDOME. Campinas. Professora do departamento de anatomia da Universidade Federal do Paraná. ANATOMIA DO ABDOME Djanira Aparecida da Luz Veronez 1 Michele Patrícia Müller Mansur Vieira 2 INTRODUÇÃO O abdome é uma região corporal que contém a maior cavidade, servindo como um recipiente dinâmico

Leia mais

Como escolher um método de imagem? - Dor abdominal. Aula Prá:ca Abdome 1

Como escolher um método de imagem? - Dor abdominal. Aula Prá:ca Abdome 1 Como escolher um método de imagem? - Dor abdominal Aula Prá:ca Abdome 1 Obje:vos Entender como decidir se exames de imagem são necessários e qual o método mais apropriado para avaliação de pacientes com

Leia mais

RADIOGRAFIA ABDOMINAL. Profª Drª Naida Cristina Borges

RADIOGRAFIA ABDOMINAL. Profª Drª Naida Cristina Borges RADIOGRAFIA ABDOMINAL Profª Drª Naida Cristina Borges Produção de Radiografias Diagnósticas Preparo adequado jejum/enema Pausa da inspiração evita o agrupamento das vísceras Indicações para a Radiologia

Leia mais

Prof. Dr. José Gomes Pereira

Prof. Dr. José Gomes Pereira Prof. Dr. José Gomes Pereira 1. Considerações preliminares Série: órgãos tubulares e glandulares 1.1. Funções estruturas modificadas e especializadas Ingestão Mastigação Deglutição Digestão Absorção Eliminação

Leia mais

Imagem da Semana: Radiografia e tomografia computadorizada (TC)

Imagem da Semana: Radiografia e tomografia computadorizada (TC) Imagem da Semana: Radiografia e tomografia computadorizada (TC) Figura 1: Radiografia de abdome em incidência anteroposterior, em ortostatismo (à esquerda) e decúbito dorsal (à direita) Figura 2: Tomografia

Leia mais

CHUC Clínica Universitária de Radiologia

CHUC Clínica Universitária de Radiologia CHUC Clínica Universitária de Radiologia Director: Prof. Dr. Filipe Caseiro Alves Reunião Bibliográfica 03/06/2013 Mafalda Magalhães Introdução Incidência dos tumores da tiróide aumentou nos últimos anos

Leia mais

ANATOMIA RADIOLÓGICA DA REGIÃO CERVICAL

ANATOMIA RADIOLÓGICA DA REGIÃO CERVICAL ANATOMIA RADIOLÓGICA DA REGIÃO CERVICAL INTRODUÇÃO A Anatomia da região cervical, divide-se em duas partes, coluna vertebral segmento cervical e ou pescoço. Esta região pode ser bem estudada pelos métodos

Leia mais

Sistema reprodutivo Alexandre P. Rosa

Sistema reprodutivo Alexandre P. Rosa Fisiologia das aves Sistema reprodutivo Aparelho Reprodutor da Fêmea Espécie Gallus gallus domesticus Até o sétimo dia do desenvolvimento embrionário não existe uma diferenciação entre macho e fêmea. As

Leia mais

03/05/2012. Radiografia simples do abdome

03/05/2012. Radiografia simples do abdome Radiografia simples do abdome 3 1 Contrastados: Urografia Excretora Injeção EV Contraste iodado Opacificação: 1. Parênquima renal 2. Sistema coletor 3. Bexiga e uretra 4 Litíase urinária Caso cr Rx simples:

Leia mais

Generalidades: Porção de Condução I Nariz Externo:

Generalidades: Porção de Condução I Nariz Externo: SISTEMA RESPIRATÓRIO Generalidades: Porção de Condução I Nariz Externo: Respiração é definida como a absorção do oxigênio pelo organismo, com liberação subseqüente de energia para o trabalho, calor e a

Leia mais

AFECÇÕES TORÁCICAS CIRÚRGICAS EM PEDIATRIA

AFECÇÕES TORÁCICAS CIRÚRGICAS EM PEDIATRIA AFECÇÕES TORÁCICAS CIRÚRGICAS EM PEDIATRIA Diafragma Hérnia diafragmática o Hérnia de Bochdalek o Hérnia de Morgagni o Hérnia do hiato esofágico o Hérnia traumática Eventração ou elevação Ausência congênita

Leia mais

ESTUDO DO MOVIMENTO OSTEOLOGIA COLUNA VERTEBRAL E TÓRAX 1 TERMOS DIRECCIONAIS ORIENTAÇÃO DO TIPOS DE OSSOS MOVIMENTOS ARTICULARES

ESTUDO DO MOVIMENTO OSTEOLOGIA COLUNA VERTEBRAL E TÓRAX 1 TERMOS DIRECCIONAIS ORIENTAÇÃO DO TIPOS DE OSSOS MOVIMENTOS ARTICULARES TERMOS DIRECCIONAIS EB 23S DE CAMINHA CURSO PROFISSIONAL TÉCNICO GESTÃO DESPORTIVA ESTUDO DO MOVIMENTO TÓRAX POSIÇÃO DESCRITIVA ANATÓMICA PLANOS DESCRITIVOS PLANO SAGITAL PLANO HORIZONTAL INFERIOR ANTERIOR

Leia mais

GABARITO DE CIRURGIA GERAL

GABARITO DE CIRURGIA GERAL GABARITO DE CIRURGIA GERAL QUESTÃO 1 Paciente com febre, tosse e escarro purulento bastante fétido, apresenta os exames abaixo. Qual é a conduta mais adequada? A. Antibioticoterapia e fisioterapia. B.

Leia mais

SISTEMA RESPIRATÓRIO

SISTEMA RESPIRATÓRIO ANATOMIA HUMANA I SISTEMA RESPIRATÓRIO Prof. Me. Fabio Milioni Roteiro Sistema Respiratório Conceito Função Divisão Estruturas Nariz Faringe Laringe Traquéia e Brônquios Pulmão Bronquíolos e Alvéolos 1

Leia mais

DISCIPLINA DE RADIOLOGIA UFPR

DISCIPLINA DE RADIOLOGIA UFPR DISCIPLINA DE RADIOLOGIA UFPR MÓDULO ABDOME AULA 2 AVALIAÇÃO INTESTINAL POR TC E RM Prof. Mauricio Zapparoli Neste texto abordaremos protocolos de imagem dedicados para avaliação do intestino delgado através

Leia mais

Anatomia e Fisiologia Humana

Anatomia e Fisiologia Humana Componentes Vias Respiratórias A) Cavidades ou Fossas Nasais; B) Boca; C) Faringe; D) Laringe; E) Traqueia; F) Brônquios; G) Bronquíolos; H) Pulmões Cavidades ou Fossas Nasais; São duas cavidades paralelas

Leia mais