MEMÓRIA DA REUNIÃO COM CORPO DE BOMBEIROS 06 DE NOVEMBRO DE 2012, às 08h30

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "MEMÓRIA DA REUNIÃO COM CORPO DE BOMBEIROS 06 DE NOVEMBRO DE 2012, às 08h30"

Transcrição

1 MEMÓRIA DA REUNIÃO COM CORPO DE BOMBEIROS 06 DE NOVEMBRO DE 2012, às 08h30 1. QUORUM: Aos seis (06) dias do mês de novembro do ano dois mil e doze (2012), às oito horas e quarenta minutos (08h40), no Plenário do CREA-PR, em Curitiba-PR realizou-se reunião com o representante do alto comando do Corpo de Bombeiros do Paraná, Capitão Ivan; e representando o CREA-PR o Diretor 1º Tesoureiro Eng. Civil André Luis Gonçalves e o Coordenador do CDER-PR Eng. Eletr. Fauzi Geraix Filho. Além de integrantes e convidados do Colégio de Entidades de Classe do Paraná - CDER/PR (conforme lista de presença em anexo). 2. ABERTURA: Com a palavra o Eng. André Gonçalves agradeceu a presença de todos. Indicou se tratar de reunião com presença do CDER-PR (explicou o funcionamento do Colégio de Entidades de Classe do Paraná), órgão consultivo que demanda questões e oportunidades de melhoria ao CREA-PR, para que este possa viabilizálas. Explanou especialmente aos representantes do CDER-PR que faz-se importante destacar o objetivo desta reunião. Lembrou da demanda advinda das quatro representações do SINDUSCON no Estado, referente a nova norma do CB, em que o CREA-PR interagiu em diálogo com a corporação. Destacou a necessidade de atuarmos de forma colaborativa buscando solução para nossos profissionais que atuam e se relacionam com o CB. Ressaltou que em todos os momentos o CB se fez presente no intuito de promover as melhorias pretendidas pelos profissionais. Em nome do presidente novamente agradece a presença e oportunidade. Capitão Ivan do CB apresentou uma série de demandas para explanação da nova norma, e com o passar do tempo houve a percepção de diversos pontos de melhoria pretendidos por diversos públicos no estado. Destacou que a reunião provavelmente deverá tratar de duas questões distintas, quais sejam: - minimamente quanto a melhorias técnicas da norma, pois na verdade não há necessidade de reunião específica para tal, considerando que há canal de comunicação permanente do CB para incorporar melhorias no código; - mais especificamente quanto ao pessoal, ao trato de pessoas, principalmente. Somos sabedores que há dificuldades e para melhorar isto nós instituímos um calendário bimestral de reuniões, destacadamente pela falta de orientação e harmonização pelo nosso pessoal. Temos alguns pontos críticos no estado e o alto comando está disposto a melhorar destacadamente as questões que envolvem o trato com as pessoas nos grupamentos de todo o estado. Em relação ao CDER-PR, pontuou que a ideia é que o CB (no grupamento regional) participe das reuniões do CDER-Regional, e tal proposta será encaminhada para que ocorram as participações do CB em cada CDER-Regional (compromisso 4.1) Coordenador do CDER-PR Fauzi explanou que atua na coordenação estadual e explanou também sobre as coordenadorias regionais. Historiou indicando que em uma das reuniões do CDER-PR levantou-se a necessidade de realização de reunião com o alto comando do CB, destacadamente quanto a questão de comunicação e trato nos atendimentos aos profissionais. Citou que houve reunião prévia, onde levantou-se os principais pontos problemáticos observados nas diversas localidades do estado. Encaminhou para apresentação de cada presente, conforme lista de presença em anexo a esta memória.

2 Em sua apresentação, a Eng. Suzely, representando o CDER-RCSC (Colégio de Entidades de Classe da Regional Cascavel) e presidente AEAC (Associação de Engenheiros e Arquitetos de Cascavel). Já destacou o bom trato e visão que o Capitão Ivan apresenta nas discussões e debates; salientando que seria desejável que todos do CB tivessem mesma forma de atuação. Capitão Ivan justificou que por este motivo os analistas dos grupamentos participarão das reuniões do CDER-Regionais. 3. PROPOSIÇÕES, MOTIVAÇÕES, DEBATES e COMPROMISSOS 3.1 Inserção de profissionais engenheiros, habilitados pelo CREA-PR, como analistas. Motivo: havendo profissional(is) com dedicação exclusiva para esta análise e atendimentos, haverá liberação dos demais para as funções operacionais do Corpo de Bombeiros. Cap Ivan: não há dependência apenas da Instituição CB, mas também do Governo do Estado; justificando que se trata da dependência do governo. Houve concurso recente da SEIL em que se percebeu dificuldade de contratação pelo governo em função da remuneração baixa. Sinceramente acredita ser difícil ocorrer o proposto em função de dificuldades do governo em contratar profissionais. José Luiz: o Capitão entende como possível atuação do CREA-PR junto ao governo, demonstrando ao governador da importância de incrementar o quadro técnico do CB? (compromisso 4.2) Cap Ivan: comentou como positivo a sugestão; e que ocorra exclusividade, especificamente quanto a ética do profissional contratado em não atuar na mesma área. Altair: destacou da possibilidade de se pagar profissionais através do FUNREBOM. E salientou sobre a forma do contrato (destacando a exclusividade). Fauzi: proposta: que através das EC em convênio com as prefeituras, CB e CREA-PR, possibilitar a contratação de profissional para as análises (compromisso 4.3) Suzely: indica que se trata de uma boa proposta, considerando que a própria EC poderá controlar e fiscalizar a atuação do profissional indicado Edson: citou que participa via CEAL das discussões, e sugere também que ocorram debates com as instituições de ensino (com uso de estagiários, por exemplo) Cap Ivan: indica dificuldades em função do caráter temporário da função do estágio, com forte esforço do CB que perde a mão de obra especializada dentro da instituição após o período do estágio. Marcelo: reforça a necessidade de haver profissional nas análises Cap Ivan: indica dificuldade em aceitar a proposta como obrigatório 3.2 Que as análises sejam executadas conforme item da norma, permanecendo análise pelo mesmo analista para cada projeto, até a sua aprovação. Motivo: a análise... verificação minuciosa,... e única (sem reincidência de análises), ou seja, não se deve solicitar por mais de uma vez; que ocorra análise minuciosa de tal forma que não ocorra análise fragmentada. Observa-se mudanças de analistas a cada análise nos mesmos projetos (até a sua aprovação), o que dificulta o andamento do processo de análise. Cap Ivan: indica que tentamos fazer, porém férias e demais operações (operação verão, por exemplo) dificultam a manutenção desta situação. Questionou qual a quantidade de processos que isto ocorre. Indica

3 que o canal de comunicação FAT existe para indicar situações como esta. Ocorre também mudança de projetos, que naturalmente traz como conseqüência nova análise do projeto completo. Altair Ferri: indica que a orientação do alto comando parece não ser seguida. Cita ainda as altas taxas pagas para ao serviço de análise. André: pontuou que há o FAT e questiona se há a demanda, sugerindo a todos que utilizemos este canal de comunicação. Proposta: que o CREA-PR divulgue mais intensamente o canal FAT do CB, bem como incentive seu uso (compromisso 4.4). 3.3 Apresentar toda e qualquer correção/adaptação, fundamentando conforme o código de normas do Corpo de Bombeiros, indicando seus itens e sub-itens Motivo: são solicitados com freqüência pelos analistas correções/adaptações baseadas em interpretações simplistas e sem base técnica. Que o analista cumpra com sua função estrita, indicada no próprio código. Cap Ivan: trata-se de um item conhecido e problema reconhecido do CB. O Alto Comando do CB precisa de exemplos práticos e reais de análises em que seja indicado. Observou que a ficha de análise do projeto pretende tornar objetiva a análise que, por vezes, é subjetiva. Altair: podíamos pactuar que itens indicados no campo observação (fora do check-list) constem a fundamentação dos itens da norma. André: sugere que exemplos sejam encaminhados ao CDER-PR, que encaminhará a demanda para solução do CB. Cap Ivan: sugere novamente que sejam encaminhados exemplos. 3.4 Obedecer a ordem cronológica dos protocolos e o prazo máximo de 30 dias, implantando acompanhamento online de todos os protocolos, com transparência das informações Motivo: Projetos com entrada posterior são analisados e/ou aprovados antes. Cap Ivan: se a análise ocorrer no prazo de 1 semana ou 15 dias esta situação é automaticamente eliminado. Novamente, é importante que sejam apresentados exemplos práticos. Explana que os analistas demonstram certo receio nas análises, por cautela e segurança. 3.5 Retornar como rotineira a análise prévia de projetos arquitetônicos Motivo: garantir aos profissionais envolvidos na elaboração dos demais projetos complementares (estrutural, hidráulico, prevenção de incêndio, elétrico) de que o projeto arquitetônico está adequado às normas. Ainda, que seja aplicado o item da NPT do CB: Havendo interesse do proprietário e/ou responsável técnico, os projetos arquitetônicos poderão ser analisados pelo CBMPR, quanto a conformidade das vias de abandono da edificação, não sendo obrigatória a apresentação do projeto arquitetônico para obtenção da aprovação do PSCIP. Cap Ivan: informa que na verdade defendeu que não houvesse mesmo a analise do proj arq. A idéia é optar, pois a grande maioria dos itens, se não for a totalidade dos quesitos do proj arq são observados no proj prev incêndio. A idéia é diminuir o prazo das análises e valorizar os profissionais que atuam na elaboração dos projetos de prev incêndio. Acredita ser difícil levar a demanda para frente dentro do CB.

4 Aprovar o projeto de prevenção contra incêndios em qualquer grupamento, desde que o projeto arquitetônico esteja previamente aprovado pela gestão municipal da cidade referente ao projeto. Motivo: facilitar e agilizar o tramite, considerando que a norma do Corpo de Bombeiros tem abrangência estadual. Cap Ivan: o ideal é que o atendimento das análises ocorram onde possa acontecer o incêndio,para que o grupamento tenha conhecimento da edificação. Suzely: Proposta: que seja possibilitado protocolar em qualquer local e que o CB distribua (compromisso 4.5). 3.7 Que sejam instituídas a Comissão especial de avaliação (CEA) e a Comissão técnica de prevenção de incêndios (CTPI), conforme preconizado pela própria norma do Corpo de Bombeiros, no entanto que em ambas as Comissões sejam possibilitadas participação de integrantes de entidades públicas e privadas, como, por exemplo o CDER-PR (itens e da NPT 003). Motivo: amplificar o debate das situações especiais em fase de análise no Corpo de Bombeiros, cumprir o código, bem como possibilitar participação de profissionais nas revisões da norma, visando solucionar casos omissos a norma. Cap Ivan: aprova o sugerido e pede que o CREA-PR encaminhe a sugestão. NO entanto indica que a CTPI com envolvimento de agentes externos não é possível considerando que sobrecarregaria a atuação do tenente, dentre outras dificuldades de encaminhe esta demanda no CB. Proposta: instituir a CEA (compromissos 4.6 e 4.7) 3.8 Que ocorra o atendimento para profissionais no horário comercial, inclusive às quartasfeiras (período da tarde), especialmente nas maiores cidades (acima de habitantes). Motivo: dificuldades no agendamento de atendimentos. Cap Ivan: concorda e pede o envio da proposta formalmente (compromisso 4.8). 3.9 Que seja opcional a entrega dos projetos em arquivos eletrônicos. Motivo: o arquivo eletrônico representa a propriedade intelectual e segurança do profissional responsável técnico, mesmo nas situações de arquivos em formatos - a princípio - não editáveis (ex.: PDF, PLT, etc.). Cap Ivan: o motivo desta solicitação é para melhorar o atendimento operacional em casos de incêndio. Marcelo: relata que tal solicitação envolve receio dos profissionais que os arquivos podem ser copiados para uso de outros, por má fé. Cap Ivan: solicitou que sejam encaminhados casos práticos de situações que ocorreu cópia de arquivos eletrônicos para melhor debate do tema dentro da corporação. Fauzi: promoverá debate através do CDER-PR, com levantamento de formatos de arquivos (arquivos de imagens) para entrega de arquivos eletrônicos.

5 COMPROMISSOES ASSUMIDOS 4.1 Promover a participação dos grupamentos regionais (equipe técnica do CB local e regional) nas reuniões dos CDER-Regionais. Os coordenadores regionais dos CDER-Regionais organização previamente coleta de exemplos práticos para apresentação nas reuniões regionais, e também para envio ao CDER- Estadual visando formalização junto ao CB. Ação: Formatar em modelo de proposta de reunião de Governança Cooperativa o compromisso 4.1. Responsável: Hélio (Regional Maringá) 4.2 Interagir com governo do Estado demandando e justificando a contratação de profissionais, através de Agenda Parlamentar. Ação: Formatar o compromisso como proposta (seguir moldes de EBDM e seus itens). Responsável: Edson (Regional Londrina) 4.3 Elaborar piloto via convênio entre Município, ASENARAG, CREA-PR e CB, para inserir profissional na análise dos projetos. Ação: Formatar o compromisso como proposta (minuta de convênio, interagir com Vivian/ARI). Responsável: Fauzi (Regional Apucarana) 4.4 Divulgar mais intensamente o canal FAT do CB, bem como incentivar seu uso, através dos canais de comunicação do CREA-PR (site, acesso restrito, etc.). Ação: Organizar o compromisso, estruturando a divulgação através de ferramentas de comunicação. Apresentar a proposta de divulgação do FAT pelo CREA-PR, na próxima reunião do CDER-PR. Responsável: Anna Caroline (ACS- Assessoria de Comunicação Social do CREA-PR) 4.5 Possibilitar protocolar projetos para análise em qualquer local e que o CB distribua. Ação: Organizar documento de solicitação formal do compromisso, com justificativas. Aprovar na próxima reunião do CDER-PR. Responsável: Susely (Regional Cascavel) 4.6 Que seja instituída a Comissão especial de avaliação (CEA), conforme preconizado pela própria norma do Corpo de Bombeiros, e que seja possibilitada participação de integrantes de entidades públicas e privadas, como, por exemplo, o CDER-PR (item da NPT 003). Ação: Organizar documento de solicitação formal do compromisso, com justificativas. Aprovar na próxima reunião do CDER-PR. Responsável: Altair (Regional Maringá)

6 Que seja instituída a Comissão técnica de prevenção de incêndios (CTPI), e que seja possibilitada participação de integrantes de entidades públicas e privadas, como, por exemplo o CDER-PR, como ouvinte (item da NPT 003). Ação: Organizar documento de solicitação formal do compromisso, com justificativas. Aprovar na próxima reunião do CDER-PR. Responsável: Fauzi (Regional Apucarana) 4.8 Disponibilizar o atendimento aos profissionais no horário comercial, durante todo dia da semana, nas maiores cidades (acima de habitantes). Ação: Organizar documento de solicitação formal do compromisso, com justificativas. Aprovar na próxima reunião do CDER-PR. Responsável: Susely (Regional Cascavel) 5. ENCERRAMENTO Nada mais havendo a ser tratado, o coordenador do CDER-PR Coordenador do CDER-PR Eng. Eletr. Fauzi Geraix Filho declara encerrada a presente reunião, às dez horas e cinqüenta minutos (10h50). O Gerente Regional Maringá Eng. Civ. Hélio Xavier da Silva Filho que assessorou grupo presente, validará esta memória com os Coordenadores do CDER-PR Fauzi e Altair, bem como providenciará envio desta memória (inclusive lista de presença) ao Corpo de Bombeiros

7 258 Anexo - Lista de Presença 259

8 260

MANUAL DO PIM Programa de Integração com o Mercado

MANUAL DO PIM Programa de Integração com o Mercado MANUAL DO PIM Programa de Integração com o Mercado Curitiba 2015 Manual do PIM Regras Gerais 2 S U M Á R I O 1. O QUE É O PIM... 3 2. OBJETIVOS DO TRABALHO DE APLICAÇÃO TECNOLÓGICA... 3 3. CARACTERÍSTICAS

Leia mais

Regulamento Projeto interdisciplinar

Regulamento Projeto interdisciplinar Regulamento Projeto interdisciplinar 1 Apresentação O presente manual tem como objetivo orientar as atividades relativas à elaboração do Projeto Interdisciplinar (PI). O PI é o estudo sobre um tema específico

Leia mais

CRITÉRIOS PARA ACEITAÇÃO DE TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO (TCC) DA FACULDADE DE TECNOLOGIA DE BOTUCATU

CRITÉRIOS PARA ACEITAÇÃO DE TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO (TCC) DA FACULDADE DE TECNOLOGIA DE BOTUCATU CENTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA PAULA SOUZA CRITÉRIOS PARA ACEITAÇÃO DE TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO (TCC) DA FACULDADE DE TECNOLOGIA DE BOTUCATU (Versão Professor) Botucatu - SP Junho 2015 SUMÁRIO

Leia mais

REGULAMENTO DE MONOGRAFIA DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM DIREITO

REGULAMENTO DE MONOGRAFIA DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM DIREITO REGULAMENTO DE MONOGRAFIA DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM DIREITO CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Institui o Regulamento de Monografia (Trabalho de Conclusão de Curso) do Curso de Direito da Celer Faculdades

Leia mais

ÍNDICE. SPO Módulo de Descentralização de Créditos no SIMEC 2

ÍNDICE. SPO Módulo de Descentralização de Créditos no SIMEC 2 ÍNDICE 1. Visão Geral - Funcionamento do sistema... 3 2. Descrição dos perfis do sistema... 4 3. Operação Novo termo de execução descentralizada... 5 a. Cadastramento do termo no sistema pela Unidade Técnica...

Leia mais

ATA DA ASSEMBLEIA GERAL EXTRAORDINÁRIA ASIBAMA-DF IBAMA-SEDE 08/04/2015

ATA DA ASSEMBLEIA GERAL EXTRAORDINÁRIA ASIBAMA-DF IBAMA-SEDE 08/04/2015 ATA DA ASSEMBLEIA GERAL EXTRAORDINÁRIA ASIBAMA-DF IBAMA-SEDE 08/04/2015 A Assembleia Geral Extraordinária da ASIBAMA-DF foi iniciada às 09h40min, do dia oito de abril de dois mil e quinze, no Auditório

Leia mais

PORTARIA FATEC / PRESIDENTE PRUDENTE Nº 90/2015 DE 08 DE SETEMBRO DE 2015. Regulamenta os trabalhos de graduação dos cursos superiores da Faculdade de Tecnologia de Presidente Prudente. O diretor da Faculdade

Leia mais

MANUAL DE TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO CENTRO DE AGRÁRIAS

MANUAL DE TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO CENTRO DE AGRÁRIAS MANUAL DE TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO CENTRO DE AGRÁRIAS PALMAS TO, 2015 1. Informações Gerais O presente Manual da Católica do Tocantins, mantida pela União Brasiliense de Educação e Cultura (UBEC)

Leia mais

REITORIA EDITAL Nº 21/2015 FOMENTO À PESQUISA VINCULADA AOS PROGRAMAS STRICTO SENSU

REITORIA EDITAL Nº 21/2015 FOMENTO À PESQUISA VINCULADA AOS PROGRAMAS STRICTO SENSU REITORIA EDITAL Nº 21/2015 FOMENTO À PESQUISA VINCULADA AOS PROGRAMAS STRICTO SENSU O Reitor da Universidade Vila Velha UVV torna público a todos os interessados que estão abertas, de 10 de junho de 2014

Leia mais

INSTITUTO FEDERAL CATARINENSE Curso: BACHAREL EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

INSTITUTO FEDERAL CATARINENSE Curso: BACHAREL EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO FLUXO DO TCC 6o SEM 7o SEM 8o SEM PESQUISA EM INFORMÁTICA Além da ementa da disciplina, o aluno desenvolverá uma proposta de pesquisa, que poderá ou não continuar a ser trabalhada nas disciplinas de TCC1,

Leia mais

Coleta de Digital. Coleta

Coleta de Digital. Coleta Seção de Registro Coleta de imagens Coleta de Digital O sistema computadorizado identificará a pessoa utilizando cálculos através das variações na digital. São vários os tipos de impressões digitais e

Leia mais

-------------------------------------------------------------------------------- RESOLUÇÃO CFM Nº 1772/2005

-------------------------------------------------------------------------------- RESOLUÇÃO CFM Nº 1772/2005 Normas para certificado de atualização profissional O Conselho Federal de Medicina aprovou, em sessão plenária encerrada no dia 12 de agosto, a Resolução 1772/2005, que institui o certificado de atualização

Leia mais

REGULAMENTO PARA A REALIZAÇÃO DE ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO

REGULAMENTO PARA A REALIZAÇÃO DE ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA BAIANO CAMPUS DE GUANAMBI Distrito de Ceraíma, s/n - Zona Rural - Cx Postal

Leia mais

2.2.1. Caso seja protocolado mais de 01 (um) projeto, será aceito o último projeto protocolado.

2.2.1. Caso seja protocolado mais de 01 (um) projeto, será aceito o último projeto protocolado. EDITAL DE CONCURSO N 002/2015 8 EDITAL DO FUNDO MUNICIPAL DE APOIO À CULTURA A FUNDAÇÃO CULTURAL DE BRUSQUE, inscrita no CNPJ sob o nº 04.894.677/0001-71, com sede na Rua Germano Schaefer, 110 Praça da

Leia mais

MANUAL PASSO-A-PASSO DO SISTEMA ONLINE

MANUAL PASSO-A-PASSO DO SISTEMA ONLINE MANUAL PASSO-A-PASSO DO SISTEMA ONLINE Junho 2015 Editor, ler com atenção as orientações informadas neste manual. Informamos que documentação preenchida incompleta e/ou que não atenda as normas da Agência

Leia mais

COMUNICADO n o 003/2012 ÁREA DE GEOGRAFIA ORIENTAÇÕES PARA NOVOS APCNS 2012

COMUNICADO n o 003/2012 ÁREA DE GEOGRAFIA ORIENTAÇÕES PARA NOVOS APCNS 2012 COMUNICADO n o 003/2012 ÁREA DE GEOGRAFIA ORIENTAÇÕES PARA NOVOS APCNS 2012 Brasília, 03 de Abril de 2012 IDENTIFICAÇÃO ÁREA DE AVALIAÇÃO: GEOGRAFIA PERÍODO DE AVALIAÇÃO: 2012 ANO DE PUBLICAÇÃO DESTE DOCUMENTO:

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE SANTA CATARINA DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE SANTA CATARINA DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA PROCESSO SELETIVO nº33/2014/dead/2014/dead EDITAL PARA SELEÇÃO DE PROFESSOR ORIENTADOR DEAD RETIFICADO A Reitora do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Santa Catarina (IFSC), no uso

Leia mais

CONSELHO FEDERAL DE MEDICINA

CONSELHO FEDERAL DE MEDICINA CONSELHO FEDERAL DE MEDICINA RESOLUÇÃO CFM Nº 1.980/2011 (Publicada no D.O.U. 13 dez. 2011, Seção I, p.225-226) Fixa regras para cadastro, registro, responsabilidade técnica e cancelamento para as pessoas

Leia mais

8º CONCURSO ESTADUAL DE PLANOS DE NEGÓCIO PARA UNIVERSITÁRIOS 2015 REALIZAÇÃO: SEBRAE/SC REGULAMENTO

8º CONCURSO ESTADUAL DE PLANOS DE NEGÓCIO PARA UNIVERSITÁRIOS 2015 REALIZAÇÃO: SEBRAE/SC REGULAMENTO 8º CONCURSO ESTADUAL DE PLANOS DE NEGÓCIO PARA UNIVERSITÁRIOS 2015 REALIZAÇÃO: SEBRAE/SC REGULAMENTO CAPÍTULO 1 DOS OBJETIVOS Art. 1º O Concurso Estadual de Planos de Negócio para Universitários é uma

Leia mais

Reabertura de Inscriçõ es

Reabertura de Inscriçõ es Instituto de Pesquisas Científicas e Tecnológicas do Estado do Amapá Diretoria de Pesquisa Científica e Desenvolvimento Tecnológico EDITAL PIBIC/CNPq/IEPA 2015/2016 PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE

Leia mais

Manual de Estágio Supervisionado

Manual de Estágio Supervisionado NEP Manual de Estágio Supervisionado Sumário Apresentação.................................................................... 3 Considerações Iniciais............................................................

Leia mais

EDITAL FAPES Nº 003/2010

EDITAL FAPES Nº 003/2010 EDITAL FAPES Nº 003/2010 Seleção de propostas a serem apresentadas pelos Programas de Pósgraduação stricto sensu do estado do Espírito Santo, visando à concessão de quotas de bolsas para formação de recursos

Leia mais

Lucia Maria Sá Barreto de Freitas

Lucia Maria Sá Barreto de Freitas RESOLUÇÃO DO CONSEPE Nº 12/2010 Aprova o Regulamento das Atividades de Estágio do Curso de Engenharia de Produção da FSSS e dá outras Providências. A PRESIDENTE DO CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO-

Leia mais

SÚMULA DA 68ª REUNIÃO ORDINÁRIA DA CÂMARA ESPECIALIZADA DE ENGENHARIA DE SEGURANÇA DO TRABALHO

SÚMULA DA 68ª REUNIÃO ORDINÁRIA DA CÂMARA ESPECIALIZADA DE ENGENHARIA DE SEGURANÇA DO TRABALHO Data: 26 de novembro de 2013 Local: Sala de GT s - Edifício "Santo Antônio de Sant'Anna Galvão" Av. Rebouças, 1028 2º andar Jardim Paulista São Paulo / SP Coordenação: Eng. civil, eng. oper. mec. máq.

Leia mais

TÍTULO I DA NATUREZA, DAS FINALIDADES CAPÍTULO I DA NATUREZA. PARÁGRAFO ÚNICO Atividade curricular com ênfase exclusiva didático-pedagógica:

TÍTULO I DA NATUREZA, DAS FINALIDADES CAPÍTULO I DA NATUREZA. PARÁGRAFO ÚNICO Atividade curricular com ênfase exclusiva didático-pedagógica: REGULAMENTO GERAL PARA REALIZAÇÃO DE ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DOS CURSOS DO IFRR N A regulamentação geral de estágio tem por objetivo estabelecer normas e diretrizes gerais que definam uma política

Leia mais

Objetivo: O I FESTIVAL VIOLA ENCENA DE UBERABA visa incentivar a atual produção

Objetivo: O I FESTIVAL VIOLA ENCENA DE UBERABA visa incentivar a atual produção REGULAMENTO Objetivo: O I FESTIVAL VIOLA ENCENA DE UBERABA visa incentivar a atual produção musical independente executada com a Viola de dez cordas. O objetivo principal é integrar o meio artístico e

Leia mais

COMUNICADO DE PROCESSO SELETIVO SESI DR/ES N 052/2015 04/10/2015

COMUNICADO DE PROCESSO SELETIVO SESI DR/ES N 052/2015 04/10/2015 COMUNICADO DE PROCESSO SELETIVO SESI DR/ES N 052/2015 04/10/2015 O SESI Serviço Social da Indústria divulga a realização de processo seletivo com o propósito de formar banco de cadastro de profissionais

Leia mais

PROCEDIMENTO DE MONOGRAFIA / CERTIFICAÇÃO

PROCEDIMENTO DE MONOGRAFIA / CERTIFICAÇÃO COMPANHIA DOS CURSOS Página: 1 de 14 1.0 OBJETIVO A Companhia dos Cursos tem como objetivo informar o aluno sobre o trâmite de realização de monografia e de orientação ao Trabalho de Conclusão de Curso.

Leia mais

CHAMADA PARA O PROCESSO DE INSCRIÇÃO 2014/2015 DO PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA E TECNOLÓGICA DA FUNCAP

CHAMADA PARA O PROCESSO DE INSCRIÇÃO 2014/2015 DO PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA E TECNOLÓGICA DA FUNCAP CHAMADA PARA O PROCESSO DE INSCRIÇÃO 2014/2015 DO PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA E TECNOLÓGICA DA FUNCAP CHAMADA Nº. 13/2013 DETALHAMENTO GERAL INTRODUÇÃO A (FUNCAP), vinculada

Leia mais

MEMÓRIA: 11ª. Reunião do Comitê de Comércio Exterior

MEMÓRIA: 11ª. Reunião do Comitê de Comércio Exterior Assunto: MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR Fórum Permanente de Microempresas e Empresas de Pequeno Porte MEMÓRIA: 11ª. Reunião do Comitê de Comércio Exterior 11ª. Reunião do

Leia mais

REGULAMENTO DO ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DO CURSO DE ENGENHARIA CIVIL

REGULAMENTO DO ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DO CURSO DE ENGENHARIA CIVIL REGULAMENTO DO ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DO CURSO DE ENGENHARIA CIVIL Aprovado pela Resolução CONSUNI nº 44/15, de 09/12/2015. CAPÍTULO I AS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º O presente Regulamento

Leia mais

Política de Trabalho de Conclusão de Curso - TCC

Política de Trabalho de Conclusão de Curso - TCC Política de Trabalho de Conclusão de Curso - TCC A FACULDADE DINÂMICA prevê mecanismos efetivos de acompanhamento e de cumprimento do Trabalho de Conclusão de Curso, que no momento da construção do seu

Leia mais

Minuta de Termo de Referência

Minuta de Termo de Referência Minuta de Termo de Referência Contratação de serviço para elaboração do mapeamento, análise, propostas e implantação de melhorias nos processos de trabalho da Coordenadoria Geral de Licenciamento Ambiental

Leia mais

REGIMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO (TCC) DE PSICOLOGIA CAPÍTULO 1 DAS DISPOSIÇÕES GERAIS

REGIMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO (TCC) DE PSICOLOGIA CAPÍTULO 1 DAS DISPOSIÇÕES GERAIS REGIMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO (TCC) DE PSICOLOGIA CAPÍTULO 1 DAS DISPOSIÇÕES GERAIS Art. 1º. O TCC é uma atividade acadêmica de natureza científica, técnica, filosófica e ou artística com

Leia mais

EDITAL 2016 PERÍODO DE VIGÊNCIA: ABERTURA: 26/10/2015 ENCERRAMENTO: 11/09/2016

EDITAL 2016 PERÍODO DE VIGÊNCIA: ABERTURA: 26/10/2015 ENCERRAMENTO: 11/09/2016 EDITAL 2016 PERÍODO DE VIGÊNCIA: ABERTURA: 26/10/2015 ENCERRAMENTO: 11/09/2016 SELEÇÃO DE NOVOS PROJETOS / EMPRESAS, PARA O PROGRAMA DE INCUBAÇÃO DE EMPRESAS E PROJETOS DO INATEL INSTITUTO NACIONAL DE

Leia mais

Profª PEDRA SANTANA ALVES Reitora

Profª PEDRA SANTANA ALVES Reitora 0 PORTARIA Nº 11/11 APROVA AD REFERENDUM O REGULAMENTO PARA PROJETO FINAL DOS CURSOS DE ENGENHARIA DA UNERJ. A Reitora do Centro Universitário de Jaraguá do Sul UNERJ, e Presidente do Conselho Universitário

Leia mais

DEFESA DE DISSERTAÇÃO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU DO IAPAR

DEFESA DE DISSERTAÇÃO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU DO IAPAR 1 DEFESA DE DISSERTAÇÃO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU DO IAPAR 1 OBJETIVO A presente norma tem por objetivo definir e orientar procedimentos para a defesa de Dissertação pelo corpo discente

Leia mais

Os anexos não serão contabilizados. O limite de 3 (três) folhas é para o texto da estratégia de mídia, sem os anexos.

Os anexos não serão contabilizados. O limite de 3 (três) folhas é para o texto da estratégia de mídia, sem os anexos. Florianópolis, 20 de janeiro de 2016. Para que todos tenham o mesmo entendimento, abaixo os questionamentos formulados por interessado na licitação Concorrência nº 23/2015, bem como os devidos esclarecimentos

Leia mais

MANUAL DE ACESSO AO SITE DA CERTIFICAÇÃO

MANUAL DE ACESSO AO SITE DA CERTIFICAÇÃO MANUAL DE ACESSO AO SITE DA CERTIFICAÇÃO Para acesso das instituições participantes ao site da certificação Data da Elaboração: 01/11/2009 Última atualização: 29/01/2014 D.04.34.00 APROVADOR: Gerência

Leia mais

UNIVERSIDADE SÃO JUDAS TADEU USJT REGULAMENTO INTERNO DO CURSO DE MESTRADO PROFISSIONAL DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA CIVIL

UNIVERSIDADE SÃO JUDAS TADEU USJT REGULAMENTO INTERNO DO CURSO DE MESTRADO PROFISSIONAL DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA CIVIL UNIVERSIDADE SÃO JUDAS TADEU USJT REGULAMENTO INTERNO DO CURSO DE MESTRADO PROFISSIONAL DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA CIVIL Área de concentração: Materiais de Construção Civil CEPE 08/2015

Leia mais

CRITÉRIOS DE MATRÍCULA FACULDADE DE ENGENHARIA CIVIL 2º SEMESTRE 2014. 1) Matrícula em disciplinas Série e Período (Matutino e Noturno):

CRITÉRIOS DE MATRÍCULA FACULDADE DE ENGENHARIA CIVIL 2º SEMESTRE 2014. 1) Matrícula em disciplinas Série e Período (Matutino e Noturno): CRITÉRIOS DE MATRÍCULA FACULDADE DE ENGENHARIA CIVIL 2º SEMESTRE 2014 Critérios em ordem de prioridade: 1) Matrícula em disciplinas Série e Período (Matutino e Noturno): a) As dependências são incluídas

Leia mais

Plano de Estágio do Curso Técnico em Segurança do Trabalho

Plano de Estágio do Curso Técnico em Segurança do Trabalho Centro Estadual de Educação Profissional de Ponta Grossa Rua Júlia da Costa, 229. Colônia Dona Luiza. Ponta Grossa/ PR CEP: 84001-970 Plano de Estágio do Curso Técnico em Segurança do Trabalho 1. Identificação

Leia mais

A2. A modalidade Gestão de Pessoas / Acadêmica está dividida nas seguintes categorias:

A2. A modalidade Gestão de Pessoas / Acadêmica está dividida nas seguintes categorias: PRÊMIO SER HUMANO PAULO FREIRE 2015 MODALIDADE: GESTÃO DE PESSOAS / ACADÊMICA A. OBJETIVO A1. O Prêmio Ser Humano Paulo Freire Modalidade Gestão de Pessoas / Acadêmica premia trabalhos de caráter técnico

Leia mais

NORMAS E PROCEDIMENTOS PARA A REALIZAÇÃO DA ATIVIDADE COMPLEMENTAR DE TRABALHO DE GRADUAÇÃO

NORMAS E PROCEDIMENTOS PARA A REALIZAÇÃO DA ATIVIDADE COMPLEMENTAR DE TRABALHO DE GRADUAÇÃO NORMAS E PROCEDIMENTOS PARA A REALIZAÇÃO DA ATIVIDADE COMPLEMENTAR DE TRABALHO DE GRADUAÇÃO 1. DA DEFINIÇÃO a) O Trabalho de Graduação (TG) compreende o estudo de um problema em profundidade, requerendo

Leia mais

Manual do Trabalho de Conclusão de Curso

Manual do Trabalho de Conclusão de Curso UNIVERSIDADE ESTADUAL DE PONTA GROSSA SETOR DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS E DE TECNOLOGIA Departamento de Informática Curso de Engenharia de Computação/Bacharelado em Informática Coordenadoria do Trabalho de Conclusão

Leia mais

COMUNICADO DE PROCESSO SELETIVO SESI DR/ES N 004/2016 22/01/2016

COMUNICADO DE PROCESSO SELETIVO SESI DR/ES N 004/2016 22/01/2016 COMUNICADO DE PROCESSO SELETIVO SESI DR/ES N 004/2016 22/01/2016 O SESI Serviço Social da Indústria torna pública a realização de processo seletivo para provimento de vagas, observados os requisitos mínimos

Leia mais

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR E DESENVOLVIMENTO FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS FACULDADE DE CIÊNCIAS MÉDICAS DE CAMPINA GRANDE

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR E DESENVOLVIMENTO FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS FACULDADE DE CIÊNCIAS MÉDICAS DE CAMPINA GRANDE CENTRO DE ENSINO SUPERIOR E DESENVOLVIMENTO FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS FACULDADE DE CIÊNCIAS MÉDICAS DE CAMPINA GRANDE ESCOLA SUPERIOR DE AVIAÇÃO CIVIL COORDENAÇÃO DE TCC TRABALHO DE CONCLUSÃO

Leia mais

ANEXO I TERMO DE REFERÊNCIA I Prestação de Serviço de Assessoria de Comunicação

ANEXO I TERMO DE REFERÊNCIA I Prestação de Serviço de Assessoria de Comunicação ANEXO I TERMO DE REFERÊNCIA I Prestação de Serviço de Assessoria de Comunicação 1. DA JUSTIFICATIVA O Conselho de Arquitetura e Urbanismo de Santa Catarina CAU/SC, por sua criação recente e característica

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO CENTRO DE ESTUDOS EM EDUCAÇÃO E LINGUAGEM (CEEL)

REGIMENTO INTERNO DO CENTRO DE ESTUDOS EM EDUCAÇÃO E LINGUAGEM (CEEL) REGIMENTO INTERNO DO CENTRO DE ESTUDOS EM EDUCAÇÃO E LINGUAGEM (CEEL) TÍTULO 1 Da Instituição e seus Fins Art. 1 0 O Centro de Estudos em Educação e Linguagem (CEEL), criado em 2004, para integrar uma

Leia mais

Edital SENAI SESI de Inovação 2012 PERGUNTAS FREQUENTES

Edital SENAI SESI de Inovação 2012 PERGUNTAS FREQUENTES Edital SENAI SESI de Inovação 2012 PERGUNTAS FREQUENTES Brasília 2012 Edital SENAI SESI de Inovação 2012 PERGUNTAS FREQUENTES Brasília 2012 Edital SENai SESi de inovação 2012 PERGUNTAS FREQUENTES 3 1)

Leia mais

Carteira de Transporte Escolar Metropolitano. Manual de Orientação aos Estudantes Com direito ao PASSE LIVRE. Região Metropolitana de Sorocaba

Carteira de Transporte Escolar Metropolitano. Manual de Orientação aos Estudantes Com direito ao PASSE LIVRE. Região Metropolitana de Sorocaba MA-GRS-004 Versão: 01 Vigência: 2016 Página: 1 / 19 Carteira de Transporte Escolar Metropolitano 2016 Manual de Orientação aos Estudantes Com direito ao PASSE LIVRE Região Metropolitana de Sorocaba MA-GRS-004

Leia mais

EDITAL DE DIVULGAÇÃO E SELEÇÃO PROGRAMA CALENDÁRIO CULTURAL 2015

EDITAL DE DIVULGAÇÃO E SELEÇÃO PROGRAMA CALENDÁRIO CULTURAL 2015 EDITAL DE DIVULGAÇÃO E SELEÇÃO PROGRAMA CALENDÁRIO CULTURAL 2015 1. INTRODUÇÃO 1.1. O Programa Calendário Cultural edição 2015 é uma iniciativa da Fundação FEAC, desenvolvida pelo Escritório de Projetos,

Leia mais

NORMAS E PROCEDIMENTOS PARA A REALIZAÇÃO DA ATIVIDADE COMPLEMENTAR DE TRABALHO DE GRADUAÇÃO

NORMAS E PROCEDIMENTOS PARA A REALIZAÇÃO DA ATIVIDADE COMPLEMENTAR DE TRABALHO DE GRADUAÇÃO NORMAS E PROCEDIMENTOS PARA A REALIZAÇÃO DA ATIVIDADE COMPLEMENTAR DE TRABALHO DE GRADUAÇÃO 1. DA DEFINIÇÃO a) O Trabalho de Graduação (TG) compreende o estudo de um problema em profundidade, requerendo

Leia mais

PROCESSO SELETIVO 2012 GERAÇÃO DE RENDA (NEGÓCIOS INCLUSIVOS) REGULAMENTO

PROCESSO SELETIVO 2012 GERAÇÃO DE RENDA (NEGÓCIOS INCLUSIVOS) REGULAMENTO PROCESSO SELETIVO 2012 GERAÇÃO DE RENDA (NEGÓCIOS INCLUSIVOS) REGULAMENTO Criado em 2006, o é responsável por gerenciar o investimento social do Grupo HSBC Brasil e tem como missão contribuir para o desenvolvimento

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE SANTA CATARINA DEPÁRTAMENTO DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA PROGRAMA ESCOLA TÉCNICA ABERTA DO BRASIL

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE SANTA CATARINA DEPÁRTAMENTO DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA PROGRAMA ESCOLA TÉCNICA ABERTA DO BRASIL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE SANTA CATARINA DEPÁRTAMENTO DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA PROGRAMA ESCOLA TÉCNICA ABERTA DO BRASIL PROCESSO SELETIVO nº. 27/2015/DEAD EDITAL PARA SELEÇÃO DE PROFESSOR

Leia mais

CHAMADA PÚBLICA PARA CREDENCIAMENTO NO SISTEMA EMBRAPII

CHAMADA PÚBLICA PARA CREDENCIAMENTO NO SISTEMA EMBRAPII CHAMADA PÚBLICA PARA CREDENCIAMENTO NO SISTEMA EMBRAPII A Associação Brasileira de Pesquisa e Inovação Industrial EMBRAPII torna público o processo de seleção para habilitar Polos EMBRAPII IF (PEIF). Os

Leia mais

INSTITUTO DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA AMBIENTAL NORMAS COMPLEMENTARES DE ESTÁGIO DE GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA AMBIENTAL

INSTITUTO DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA AMBIENTAL NORMAS COMPLEMENTARES DE ESTÁGIO DE GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA AMBIENTAL INSTITUTO DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA AMBIENTAL NORMAS COMPLEMENTARES DE ESTÁGIO DE GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA AMBIENTAL Art. 1 o O Estágio regulamentado pela Lei N o 11.788, de

Leia mais

EDITAL Nº 005/2016 - PIBITI/CNPq/UFSM

EDITAL Nº 005/2016 - PIBITI/CNPq/UFSM Ministério da Educação Universidade Federal de Santa Maria Pró-Reitoria de Pós-Graduação e Pesquisa EDITAL Nº 005/2016 - PIBITI/CNPq/UFSM A Pró-reitoria de Pós-graduação e Pesquisa e o Núcleo de Inovação

Leia mais

PRÊMIO GRANDES CASES DE EMBALAGEM 2015, da Revista EmbalagemMarca 9ª Edição

PRÊMIO GRANDES CASES DE EMBALAGEM 2015, da Revista EmbalagemMarca 9ª Edição PRÊMIO GRANDES CASES DE EMBALAGEM 2015, da Revista EmbalagemMarca 9ª Edição Iniciativa: Revista EmbalagemMarca Realização: Ciclo de Conhecimento Organização de Eventos Apoio operacional: Centro Universitário

Leia mais

1. DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

1. DISPOSIÇÕES PRELIMINARES O presente regulamento institui as regras e os procedimentos para a instituição do 1 ciclo do Programa de Certificação Profissional da Fundação Nacional da Qualidade (FNQ), nas categorias AVALIADOR, INSTRUTOR

Leia mais

DESCRITIVO DE VAGA (S) Local: SESC C. Grande/MS (Administração Regional)

DESCRITIVO DE VAGA (S) Local: SESC C. Grande/MS (Administração Regional) DESCRITIVO DE VAGA (S) Local: SESC C. Grande/MS (Administração Regional) O SESC/MS torna público que, nos termos da Resolução SESC nº 1163/2008, está aberto processo seletivo para contratação de pessoal,

Leia mais

REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS (ADS) IFSP VOTUPORANGA

REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS (ADS) IFSP VOTUPORANGA REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS (ADS) IFSP VOTUPORANGA Regulamento aprovado pelo Colegiado de Curso do em 04/11/2015 de

Leia mais

1. HISTÓRICO E OBJETIVOS... 2

1. HISTÓRICO E OBJETIVOS... 2 UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO ESCOLA SUPERIOR DE DESENHO INDUSTRIAL INCUBADORA DE EMPRESAS DE DESIGN I EDITAL DE SELEÇÃO DA INCUBADORA DE EMPRESAS DE DESIGN ANO 2012 SUMÁRIO 1. HISTÓRICO E OBJETIVOS...

Leia mais

Edital FAPERJ n.º 17/2010 Parceria CAPES/FAPERJ PROGRAMA EQUIPAMENTO SOLIDÁRIO CAPES/FAPERJ 2010

Edital FAPERJ n.º 17/2010 Parceria CAPES/FAPERJ PROGRAMA EQUIPAMENTO SOLIDÁRIO CAPES/FAPERJ 2010 Edital n.º 17/2010 Parceria / PROGRAMA EQUIPAMENTO SOLIDÁRIO / 2010 O Ministério da Educação, por meio da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior, e o Governo do Estado do Rio de Janeiro,

Leia mais

RESOLUÇÃO UnC-CONSUN 001/2015

RESOLUÇÃO UnC-CONSUN 001/2015 RESOLUÇÃO UnC-CONSUN 001/2015 Aprovar ad referendum do Conselho Universitário- CONSUN, o Regulamento para a Pós-Graduação Lato Sensu da Universidade do Contestado - UnC. A Presidente do Conselho Universitário

Leia mais

ATA DA 22ª REUNIÃO DA CÂMARA TÉCNICA INSTITUCIONAL DO COMITÊ DA

ATA DA 22ª REUNIÃO DA CÂMARA TÉCNICA INSTITUCIONAL DO COMITÊ DA 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29 30 31 32 33 34 35 36 37 38 ATA DA 22ª REUNIÃO DA CÂMARA TÉCNICA INSTITUCIONAL DO COMITÊ DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO PIABANHA

Leia mais

EDITAL Nº 60 /Unoesc/2011

EDITAL Nº 60 /Unoesc/2011 EDITAL Nº 60 /Unoesc/2011 Dispõe sobre processo de seleção externa de funcionários técnico-administrativos para atuarem na Universidade do Oeste de Santa Catarina - Unoesc, na Unoesc Campus de Joaçaba.

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO OBRIGATÓRIO DO CURSO DE ENGENHARIA DE ALIMENTOS I INTRODUÇÃO

REGULAMENTO DE ESTÁGIO OBRIGATÓRIO DO CURSO DE ENGENHARIA DE ALIMENTOS I INTRODUÇÃO REGULAMENTO DE ESTÁGIO OBRIGATÓRIO DO CURSO DE ENGENHARIA DE ALIMENTOS I INTRODUÇÃO O estágio curricular do curso de Engenharia de Alimentos é uma atividade obrigatória, em consonância com as Diretrizes

Leia mais

Regulamento Trabalho de Conclusão de Curso. Das Disposições Preliminares

Regulamento Trabalho de Conclusão de Curso. Das Disposições Preliminares Regulamento Trabalho de Conclusão de Curso Das Disposições Preliminares Art. 1. Respaldado pelo disposto nos termos do parágrafo terceiro do Artigo 65 do Regimento Unificado da Associação Educativa Evangélica

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA EDITAL 015/2015 - PRPGP/UFSM Auxílio à pesquisa de recém-doutores ( FIPE Enxoval ) A Pró-Reitoria de

Leia mais

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE ATENDIMENTO PSICOPEDAGÓGICO

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE ATENDIMENTO PSICOPEDAGÓGICO REGULAMENTO DO NÚCLEO DE ATENDIMENTO PSICOPEDAGÓGICO CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º O presente regulamento tem por finalidade normatizar as atividades do Núcleo de Atendimento Psicopedagógico

Leia mais

RESOLUÇÃO N o 53 de 28/01/2013 - CAS RESOLVE: CAPÍTULO I DAS DEFINIÇÕES

RESOLUÇÃO N o 53 de 28/01/2013 - CAS RESOLVE: CAPÍTULO I DAS DEFINIÇÕES Regulamento de Estágios Estágios Não Obrigatórios Remunerados (ENOR) e Estágios Curriculares Obrigatórios (ECO) de alunos dos cursos superiores da Universidade Positivo. Aprovado pela Resolução n o 53

Leia mais

XVI SEACON COMISSAO TÉCNICA NORMAS PARA SUBMISSÃO E APRESENTAÇÃO DE TRABALHOS

XVI SEACON COMISSAO TÉCNICA NORMAS PARA SUBMISSÃO E APRESENTAÇÃO DE TRABALHOS XVI SEACON COMISSAO TÉCNICA NORMAS PARA SUBMISSÃO E APRESENTAÇÃO DE TRABALHOS Os trabalhos serão submetidos à avaliação da Comissão Técnica e, uma vez aprovados, serão selecionados para apresentação nos

Leia mais

PROF. FILINTO BASTOS

PROF. FILINTO BASTOS CONCURSO DE ARTIGOS PROF. FILINTO BASTOS EDITAL I. DISPOSIÇÕES GERAIS 1. O Concurso de Artigos Prof. Filinto Bastos, promovido pela equipe de monitoria da Unidade Damásio Educacional de Feira de Santana,

Leia mais

I - DA FINALIDADE II - DA CONCEITUAÇÃO

I - DA FINALIDADE II - DA CONCEITUAÇÃO I - DA FINALIDADE 1. Este Normativo de Pessoal tem por finalidade estabelecer, definir e disciplinar os procedimentos para criação, extinção, remuneração, designação, contratação, substituição, dispensa

Leia mais

REGULAMENTO GERAL DE ESTÁGIO CURRICULAR DO CURSO DE ENGENHARIA AMBIENTAL E SANITÁRIA E DO CURSO DE ENGENHARIA CIVIL.

REGULAMENTO GERAL DE ESTÁGIO CURRICULAR DO CURSO DE ENGENHARIA AMBIENTAL E SANITÁRIA E DO CURSO DE ENGENHARIA CIVIL. REGULAMENTO GERAL DE ESTÁGIO CURRICULAR DO CURSO DE ENGENHARIA AMBIENTAL E SANITÁRIA E DO CURSO DE ENGENHARIA CIVIL. ORIENTAÇÕES E NORMAS SOBRE O ESTÁGIO CURRICULAR PARA ESTUDANTES DO CURSO DE ENGENHARIA

Leia mais

Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná

Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná CEP - Comitê de Ética em Pesquisa com Seres Humanos REGULAMENTO DO COMITÊ DE ÉTICA EM PESQUISA ENVOLVENDO SERES HUMANOS DA UNIVERSIDADE

Leia mais

RELATÓRIO DE AUTOAVALIAÇÃO COORDENAÇÃO DO CURSO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL-HABILITAÇÃO EM JORNALISMO

RELATÓRIO DE AUTOAVALIAÇÃO COORDENAÇÃO DO CURSO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL-HABILITAÇÃO EM JORNALISMO RELATÓRIO DE AUTOAVALIAÇÃO COORDENAÇÃO DO CURSO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL-HABILITAÇÃO EM JORNALISMO O presente relatório toma por base os dados apresentados na Avaliação Institucional no segundo semestre de

Leia mais

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM REDES DE COMPUTADORES

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM REDES DE COMPUTADORES CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM REDES DE COMPUTADORES REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DO CURSO 2 Sumário 1 CARACTERÍSTICAS GERAIS... 3 1.1 Atividade acadêmica... 3 1.2 Estruturação... 3 1.3 Localização

Leia mais

Programa de Fluxo Contínuo para Apoio a Projetos Especiais

Programa de Fluxo Contínuo para Apoio a Projetos Especiais Chamada Pública nº 03/2012 Programa de Fluxo Contínuo para Apoio a Projetos Especiais A FUNDAÇÃO ARAUCÁRIA de Apoio ao Desenvolvimento Científico e Tecnológico do Paraná, em conformidade com suas finalidades,

Leia mais

Art. 6º A inscrição deverá ser realizada de acordo com a ficha constante no anexo I, desta Lei.

Art. 6º A inscrição deverá ser realizada de acordo com a ficha constante no anexo I, desta Lei. LEI Nº 1.947, DE 13 DE OUTUBRO DE 2015. Autoriza o Poder Executivo a premiar os Profissionais da Educação Básica, na categoria de Gestor e Professor, da Rede Municipal de Ensino, que obtiverem experiências

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CAMPUS UNIVERSITÁRIO DO MARAJÓ- BREVES FACULDADE DE LETRAS

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CAMPUS UNIVERSITÁRIO DO MARAJÓ- BREVES FACULDADE DE LETRAS SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CAMPUS UNIVERSITÁRIO DO MARAJÓ- BREVES FACULDADE DE LETRAS REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE LICENCIATURA EM LETRAS/PORTUGUÊS INTRODUÇÃO

Leia mais

CRONOGRAMA DO CONCURSO PÚBLICO PARA DOCENTES 2015/2º SEM.

CRONOGRAMA DO CONCURSO PÚBLICO PARA DOCENTES 2015/2º SEM. CRONOGRAMA DO CONCURSO PÚBLICO PARA DOCENTES 2015/2º SEM. ATIVIDADES DATAS Publicação do Edital 29 de agosto de 2015 Período de inscrições de 31 de agosto a 29 de setembro de 2015 Período de realização

Leia mais

REGULAMENTO DA DISCIPLINA ESTÁGIO SUPERVISIONADO OBRIGATÓRIO DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM PROCESSOS METALÚRGICOS

REGULAMENTO DA DISCIPLINA ESTÁGIO SUPERVISIONADO OBRIGATÓRIO DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM PROCESSOS METALÚRGICOS Serviço Público Federal Ministério da Educação Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul Câmpus Caxias do Sul REGULAMENTO

Leia mais

INSTITUTO BRASILEIRO DE GOVERNANÇA CORPORATIVA CNPJ nº 01.082.331/0001-80

INSTITUTO BRASILEIRO DE GOVERNANÇA CORPORATIVA CNPJ nº 01.082.331/0001-80 INSTITUTO BRASILEIRO DE GOVERNANÇA CORPORATIVA CNPJ nº 01.082.331/0001-80 ATA DE REUNIÃO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO REALIZADA EM 03 DE SETEMBRO DE 2013 DATA, HORÁRIO e LOCAL: 03 de setembro de 2013,

Leia mais

NÚCLEO DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES (NAC) REGULAMENTO

NÚCLEO DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES (NAC) REGULAMENTO NÚCLEO DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES (NAC) REGULAMENTO E-1/11 FACULDADES SÃO JOSÉ NÚCLEO DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES REGULAMENTO I - DA NATUREZA DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES Art. 1º - Designamos atividades

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL CONSELHO DE ARQUITETURA E URBANISMO DO RIO GRANDE DO NORTE

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL CONSELHO DE ARQUITETURA E URBANISMO DO RIO GRANDE DO NORTE ATO NORMATIVO Nº 01, DE 28 DE MARÇO DE 2012. Institui o Normativo de Pessoal EMPREGO DE LIVRE PROVIMENTO E DEMISSÃO DE NÍVEL SUPERIOR, EMPREGOS TEMPORÁRIOS DE NÍVEL SUPERIOR E EMPREGOS TEMPORÁRIOS DE NÍVEL

Leia mais

Planejamento e Avaliação de Resultados CREA-PR

Planejamento e Avaliação de Resultados CREA-PR Planejamento e Avaliação de Resultados CREA-PR Eng. Civil Diogo Artur Tocacelli Colella Gerente Departamento de Fiscalização CREA-PR A apresentação: - Sistema de Gestão - Formulação Estratégica - Adoção

Leia mais

Guia Básico de Processos Corporativos do Sistema Indústria

Guia Básico de Processos Corporativos do Sistema Indústria Guia Básico de Processos Corporativos do Sistema Indústria 1ª Versão 1 Guia Básico de Processos Corporativos do Sistema Indústria PROCESSO DE RECRUTAMENTO E SELEÇÃO 1ª Versão 2 ÍNDICE 1 - INTRODUÇÃO 2

Leia mais

EDITAL DE APOIO A INFRA-ESTRUTURA DE PESQUISA DE CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU DA UNIPAMPA

EDITAL DE APOIO A INFRA-ESTRUTURA DE PESQUISA DE CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU DA UNIPAMPA Pró-Reitoria de Pesquisa EDITAL DE APOIO A INFRA-ESTRUTURA DE PESQUISA DE CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU DA UNIPAMPA A Pró-Reitoria de Pesquisa da Universidade Federal do Pampa UNIPAMPA torna público

Leia mais

EXTRATO DO EDITAL Nº 021/2012

EXTRATO DO EDITAL Nº 021/2012 EXTRATO DO EDITAL Nº 021/2012 EDITAL DE SELEÇÃO PÚBLICA PARA O PROJETO DE APOIO SÓCIO- PEDAGÓGICO E FINANCEIRO PARA ESTUDANTES DE ORIGEM POPULAR: UM CONTRIBUTO PARA A CONSTRUÇÃO DA POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA

Leia mais

EDITAL / REGULAMENTO TREZE: O PALCO DA CULTURA 10ª EDIÇÃO

EDITAL / REGULAMENTO TREZE: O PALCO DA CULTURA 10ª EDIÇÃO EDITAL / REGULAMENTO TREZE: O PALCO DA CULTURA 10ª EDIÇÃO I. DO OBJETO 1.1. Através de processo de seleção, irá proporcionar a apresentação de 25 trabalhos produzidos por artistas, grupos ou companhias

Leia mais

PROJETO DE FINAL DE CURSO (PFC)

PROJETO DE FINAL DE CURSO (PFC) PROJETO DE FINAL DE CURSO (PFC) Aula inaugural 02-03-11 Prof. Paulo Borges (Coordenador da disciplina) Email: pborges@civil.cefetmg.br ORIENTAÇÕES GERAIS SOBRE O PFC Ementa Planejamento, desenvolvimento

Leia mais

TERMO DE REFERENCIA REVISÃO DO PLANO DE CARGOS E SALÁRIOS

TERMO DE REFERENCIA REVISÃO DO PLANO DE CARGOS E SALÁRIOS TERMO DE REFERENCIA REVISÃO DO PLANO DE CARGOS E SALÁRIOS 1) OBJETO Escolha de instituição pública ou privada, sem fins lucrativos, para desenvolvimento de estudo do Planejamento da Força de Trabalho e

Leia mais

REGULAMENTO DO III CONCURSO DE PRODUTOS, PROCESSOS E SERVIÇOS INOVADORES DO IF SUDESTE MG

REGULAMENTO DO III CONCURSO DE PRODUTOS, PROCESSOS E SERVIÇOS INOVADORES DO IF SUDESTE MG IF DO SUDESTE DE MINAS GERAIS REITORIA NITTEC NÚCLEO DE INOVAÇÃO E TRANSFERÊNCIA DE TECNOLOGIA Av. Francisco Bernardino, 165 6º andar Centro 36.013-100 Juiz de Fora MG Telefax: (32) 3257-4161 / 4113 REGULAMENTO

Leia mais

CONSELHO ACADÊMICO DO ENSINO DE GRADUAÇÃO ATA DA 26ª REUNIÃO

CONSELHO ACADÊMICO DO ENSINO DE GRADUAÇÃO ATA DA 26ª REUNIÃO Aos dezessete dias do mês de maio de dois mil e doze, às oito horas e trinta minutos, na sala de 5 10 15 20 25 reuniões da Reitoria, teve início a 26ª Reunião do Conselho Acadêmico de Ensino de Graduação

Leia mais

ATO NORMATIVO N 001 NDE ENGENHARIA DE ALIMENTOS/2013

ATO NORMATIVO N 001 NDE ENGENHARIA DE ALIMENTOS/2013 1 Ministério da Educação Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Catarinense Câmpus Concórdia Curso de Bacharelado em Engenharia de Alimentos

Leia mais

Universidade Federal da Integração Latino Americana MANUAL DO ESTAGIÁRIO

Universidade Federal da Integração Latino Americana MANUAL DO ESTAGIÁRIO Universidade Federal da Integração Latino Americana MANUAL DO ESTAGIÁRIO MANUAL DO ESTAGIÁRIO PROGRAD - Pró-Reitoria de Graduação DEAC - Divisão de Estágios e Atividades Complementares Sumário 1. Apresentação...

Leia mais

Orientações para Inscrição dos Candidatos à Bolsa de Estágio Pós-Doutoral do Programa CAPES/ NUFFIC

Orientações para Inscrição dos Candidatos à Bolsa de Estágio Pós-Doutoral do Programa CAPES/ NUFFIC Orientações para Inscrição dos Candidatos à Bolsa de Estágio Pós-Doutoral do Programa CAPES/ NUFFIC 1. APRESENTAÇÃO As orientações, a seguir, buscam esclarecê-lo(a) com relação aos aspectos práticos do

Leia mais

COMUNICADO DE PROCESSO SELETIVO SENAI DR/ES N 011/2016 20/05/2016

COMUNICADO DE PROCESSO SELETIVO SENAI DR/ES N 011/2016 20/05/2016 COMUNICADO DE PROCESSO SELETIVO SENAI DR/ES N 011/2016 20/05/2016 O SENAI Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial torna pública a realização de processo seletivo para provimento de vagas observados

Leia mais