SETOR DE SEMENTES prio no viveiro

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "SETOR DE SEMENTES prio no viveiro"

Transcrição

1

2 A EMPRESA Atua no mercado desde 1998; Equipe técnica especializada em trabalhos de conservação e restauração de ambientes naturais; Cerca de 100 funcionários Cerca de ha de Florestas implantadas Site:

3 SETOR DE SEMENTES Produção de sementes para uso próprio prio no viveiro e para a venda a clientes externos equipe própria de coleta e grupos de coleta distribuídos por todo o Estado de São Paulo todas as sementes comercializadas passam por um rígido controle de identificação botânica câmara de armazenamento com controle da temperatura e umidade relativa do ar, garantindo sementes de bom potencial de germinação.

4 Produção anual de 2 ton./ano de sementes de 200 espécies arbóreas reas regionais

5 SETOR DE MUDAS comérciode plântulas e de mudas em tubete e tubetão funcionários especialmente treinados mudas sadias e vigorosas mudas separadas por grupos de plantio

6 Produção de 4 milhões de mudas/ano de 200 espécies arbóreas reas regionais Inovação ão: mudas de arbustos e lianas (cip( cipós) para enriquecimento

7 SETOR DE RESTAURAÇÃO técnicas modernas de implantação reflorestamentos e condução da regeneração natural Reserva Legal com plano de aproveitamento econômico Madeira Final & preenchimento Idade da linha (anos): 0 Ano 0 3 m Madeira Inicial Madeira Média Madeira Inicial Madeira Final & preenchimento

8 Capacidade de plantio: 800 ha/ano ano Redução de custos de implantação

9 Aplicação de Glifosato Objetivos: Evita competição por nutrientes e abafamento da muda Diminui o risco de incêndios Diminuição gradual do banco de sementes Eliminação dos efeitos alelopáticos

10 Aplicação de Herbicida Aplicação do herbicida glifosato; As gotas devem cobrir no mínimo 30% da área foliar; Dosagem de 3,5 litros/ha; Mecanizado/ Pulverizador com barra acoplado ao trator; Semi-mecanizado/ pulverizador costal (20 l) / micropulverizadores

11 1 na implantação Aplicação de Herbicida 4 no primeiro ano de manutenção 3 no segundo ano Importante: não deixar sementear A partir da segunda ou terceira aplicação a operação é chamada de catação Uso do Gado, antes do plantio, em áreas sem regeneração natural, pode ajudar na redução da aplicação de herbicida.

12 Atividades operacionais de restauração florestal Controle de Formigas Cortadeiras Inicial Limpeza Geral da Área; Aplicação de Herbicida; Preparo de Solo Subsolagem, coveamento e coroamento; Fertilização das Mudas - Adubação de Base; Plantio; Replantio; Irrigação; Adubação de Cobertura; Limpeza das coroas; Roçada química ou semi-mecanizada; Controle de Formigas Repasses.

13 Controle de Formigas Cortadeiras

14 Limpeza Geral da Área Roçada mecanizada Roçada semi-mecanizada

15 Aplicação de Glifosato Aplicação mecanizada Aplicação semi-mecanizada

16 Aplicação de herbicida (glifosate)

17

18

19 Subsolagem

20 Coroamento e perfuração Coroamento Perfuração Motocoveadeira

21 Fertilização das Mudas - Adubação de Base

22 Plantio Mecanizado

23 Plantio Semi-mecanizado

24 3 litros de água por cova; Irrigação Execução de 3 a 4 irrigações pós plantio, realizadas caso se constate a necessidade.

25 Adubação de Cobertura

26 Métodos Alternativos

27 CAPINA MANUAL

28

29

30

31 PREPARO DA ÁREA PARA PLANTIO

32

33 Incorporação de Massa vegetal (gradagem)

34

35

36

37

38

39

40 Guandu Anão

41

42

43 Atividade Sem Glifosato Máq/Eqpto Obs. Custo Total R$ REP. % Total / ha HH / ha HM / ha Insumo / ha IMPLANTAÇÃO Limpeza semi- mecanizada motorroçadeira 250,00 0,00 22, ,83 Limpeza de área mecanizada Trator 80hp + roçadeira 0,00 180,00 0, ,00 Controle de Form. Rep. MIP S Isca 12,50 0,00 24, ,00 Coroamento Enxada 525,00 0,00 0, ,00 Subsolagem linha de plantio Trator de 100 hp + subsolador 0,00 180,00 0, ,00 coveamento c/ perfurador motocoveadeira 312,50 0,00 20, ,99 mudas 0,00 0, , ,50 Plantio semi-mecanizado Trator 65HP/ apoio 300,00 150,00 0, ,00 Replantio Trator 65HP/ apoio muda 25,00 15,00 0, ,00 Adubação de Base Dosador + Chucho adubo 125,00 60,00 595, ,00 Irrigação Trator 80HP/ tanque de irrigação água 112,50 300,00 0, ,00 Custo Implantação / ha ,32 MANUTENÇÃO 1 ANO Limpeza semi- mecanizada motorroçadeira 250,00 0,00 22, ,00 Controle de Form. Rep. MIP S Isca 12,50 0,00 14, ,00 Adubação de Cobertura Dosador adubo 100,00 60,00 425, ,00 Coroamento Enxada 525,00 0,00 0, ,00 Custo manutenção / ha ,00 MANUTENÇÃO 2 ANO Limpeza semi- mecanizada motorroçadeira 125,00 0,00 22, ,00 Controle de Form. Rep. MIP S Isca 12,50 0,00 14, ,50 Coroamento Enxada 275,00 0,00 0, ,00 Custo manutenção / ha 1536,50 Custo total por hectare R$ ,82

44 Atividade Com Glifosato Máq/Eqpto OBS. Custo Total R$ Rep. % Total / ha HH / ha Insumo / ha HM / ha IMPLANTAÇÃO Limpeza de área mecanizada Trator 80hp + roçadeira 0,00 180,00 0, ,00 Limpeza semi- mecanizada motorroçadeira 250,00 0,00 49, ,00 Trator 80HP + Aplicação de Herbicida c/barra Pulverizador glifosato 0,00 90,00 59, ,65 Aplicação de Herbicida costal bomba 20l glifosato 225,00 60,00 59, ,35 Combate a Formigas MIP S Isca 12,50 0,00 24, ,00 Subsolagem linha de plantio Trator de 100 hp + subsolador 0,00 180,00 0, ,00 coveamento c/ perfurador motocoveadeira 312,50 0,00 20, ,99 Adubação de Base Dosador + Chucho adubo 125,00 60,00 595, ,00 mudas 0,00 0, , ,50 Plantio semi-mecanizado Trator 65HP/ apoio 300,00 150,00 0, ,00 Replantio Trator 65HP/ apoio muda 25,00 15,00 0, ,00 Irrigação Trator 80HP/ tanque de irrigação água 150,00 300,00 132, ,00 Custo Implantação / ha ,49 MANUTENÇÃO 1 ANO 100 0,00 Herbicida área total Pulverizador Costal glifosato 162,50 60,00 59, ,00 Coroamento Enxada 525,00 0,00 0, ,00 Controle de Form. Rep. MIP S Isca 12,50 0,00 14, ,00 Adubação de Cobertura Dosador adubo 100,00 60,00 425, ,00 Custo manutenção / ha ,00 MANUTENÇÃO 2 ANO 100 0,00 Controle de Form. Rep. MIP S Isca 12,50 0,00 20, ,50 Limpeza Entrelinha Pulverizador Costal glifosato 150,00 60,00 34, ,00 Coroamento Enxada 275,00 0,00 0, ,00 Custo manutenção / ha 1104,50 Custo total por hectare 8838,99

45 Diferença de custo Ha de área plantada usando Glifosato R$ 8.838,99 Ha de área plantada sem uso de Glifosato R$ ,82 Diferença = 2.721,83 = 30,793%

46 Diferença em área Com R$ ,00 a área plantada sem uso de Glifosato (R$ ,82) será de 86,5 ha Com R$ ,00 a área plantada usando Glifosato (R$ 8.838,99) será de 113,13 ha Diferença = 26,63 = 30,793%

47 Considerações Finais O combate a capins agressivos deve ser intenso em áreas de plantio, sendo que a sua permanência na área pode reduzir drasticamente os desenvolvimento das mudas. Apesar do uso do glifosato reduzir o custo em cerca de 30% ou mais do plantio, deve ser incentivado pesquisas que busquem outros tipos de controle Trabalhos com adubação verde já estão sendo desenvolvidos nesse sentido Uso de pastoreio intensivo em áreas sem regeneração natural deve ser incentivado para redução do número de aplicações de glifosato A primeira aplicação do glifosato com o capim com porte médio ou alto, pode reduzir o número de aplicações.

48

RELATÓRIO DE PLANTIO NEUTRALIZAÇÃO DE CARBONO 2011

RELATÓRIO DE PLANTIO NEUTRALIZAÇÃO DE CARBONO 2011 RELATÓRIO DE PLANTIO NEUTRALIZAÇÃO DE CARBONO 2011 PROJETO DE RECUPERAÇÃO FLORESTAL PARQUE ECOLÓGICO DO TIETÊ 1 RELATÓRIO DE PLANTIO IBDN ANO BASE 2011/2012 O Instituto Brasileiro de Defesa da Natureza

Leia mais

TÉCNICAS DE APLICAÇÃO DE HERBICIDAS PRÉ-EMERGENTES EM REFLORESTAMENTO. EWERTON PEREIRA ROHM AND HAAS BRASIL LTDA Caixa Postal - 39 06400 - BARUERI-SP.

TÉCNICAS DE APLICAÇÃO DE HERBICIDAS PRÉ-EMERGENTES EM REFLORESTAMENTO. EWERTON PEREIRA ROHM AND HAAS BRASIL LTDA Caixa Postal - 39 06400 - BARUERI-SP. TÉCNICAS DE APLICAÇÃO DE HERBICIDAS PRÉ-EMERGENTES EM REFLORESTAMENTO DEFINIÇÃO EWERTON PEREIRA ROHM AND HAAS BRASIL LTDA Caixa Postal - 39 06400 - BARUERI-SP. Herbicidas pré-emergentes são produtos usados

Leia mais

Plano de Restauro Florestal. IBF Instituto Brasileiro de Florestas

Plano de Restauro Florestal. IBF Instituto Brasileiro de Florestas Plano de Restauro Florestal IBF Instituto Brasileiro de Florestas 28 de setembro de 2011 Plano de Recuperação Local do plantio da Floresta da Embaixada Alemã: Área para plantio A área do IBF onde são plantadas

Leia mais

Vitor Pinheiro Mercado Florestal. Apresentação Institucional

Vitor Pinheiro Mercado Florestal. Apresentação Institucional Vitor Pinheiro Mercado Florestal Apresentação Institucional Croqui do Viveiro Principal do IBF Casa de Sombra Galpão de Semeio Casa Irrigação Casa de Germinação Alojamento Escritório e área de expedição

Leia mais

Circular. Técnica. Guia para Monitoramento de Reflorestamentos para Restauração. I. Apresentação. Janeiro 2010 Número 1

Circular. Técnica. Guia para Monitoramento de Reflorestamentos para Restauração. I. Apresentação. Janeiro 2010 Número 1 Guia para Monitoramento de Reflorestamentos para Restauração 1 Circular Técnica Janeiro 2010 Número 1 Autor Antonio Carlos Galvão de Melo Coautores Claudia Macedo Reis Roberto Ulisses Resende I. Apresentação

Leia mais

Conservação, preparo de solo e plantio de eucalipto

Conservação, preparo de solo e plantio de eucalipto Conservação, preparo de solo e plantio de eucalipto José Henrique T. Rocha José Henrique Bazani Eduardo S. A. C. Melo José Leonardo de Moraes Gonçalves Departamento de Ciências Florestais ESALQ - USP Conceitos:

Leia mais

Plantio de eucalipto na pequena propriedade rural

Plantio de eucalipto na pequena propriedade rural Plantio de eucalipto na pequena propriedade rural Imbatíveis em seu crescimento rápido, os eucaliptos são fonte de matériaprima para uma série de produtos de primeira necessidade, presentes em todas as

Leia mais

PLANTIO DE MILHO COM BRAQUIÁRIA. INTEGRAÇÃO LAVOURA PECUÁRIA - ILP

PLANTIO DE MILHO COM BRAQUIÁRIA. INTEGRAÇÃO LAVOURA PECUÁRIA - ILP PLANTIO DE MILHO COM BRAQUIÁRIA. INTEGRAÇÃO LAVOURA PECUÁRIA - ILP Autores: Eng.º Agr.º José Alberto Ávila Pires Eng.º Agr.º Wilson José Rosa Departamento Técnico da EMATER-MG Trabalho baseado em: Técnicas

Leia mais

Fundação SOS Mata Atlântica. Relatório Programa Florestas do Futuro Parceria Química Amparo / Ypê.

Fundação SOS Mata Atlântica. Relatório Programa Florestas do Futuro Parceria Química Amparo / Ypê. Fundação SOS Mata Atlântica Relatório Programa Florestas do Futuro Parceria Química Amparo / Ypê. Itu SP / novembro de 2014 1. Introdução. O aumento da preocupação social com o destino dos fragmentos florestais

Leia mais

13-05-2015 EUCALIPTO. plantio. Projeção de Receitas e Resultados. Fomento. Como suprir tamanha demanda preservando as florestas nativas?

13-05-2015 EUCALIPTO. plantio. Projeção de Receitas e Resultados. Fomento. Como suprir tamanha demanda preservando as florestas nativas? 13-05-2015 Como suprir tamanha demanda preservando as florestas nativas? Através de florestas plantadas de Eucalipto e Pinus. Cada 1ha destas preservam 10ha de nativas. EUCALIPTO O plantio de Eucalipto

Leia mais

PLANTIOS FLORESTAIS E SISTEMAS AGROFLORESTAIS: ALTERNATIVAS PARA O AUMENTO O DE EMPREGO E RENDA NA PROPRIEDADE RURAL RESUMO

PLANTIOS FLORESTAIS E SISTEMAS AGROFLORESTAIS: ALTERNATIVAS PARA O AUMENTO O DE EMPREGO E RENDA NA PROPRIEDADE RURAL RESUMO PLANTIOS FLORESTAIS E SISTEMAS AGROFLORESTAIS: ALTERNATIVAS PARA O AUMENTO O DE EMPREGO E RENDA NA PROPRIEDADE RURAL RESUMO Honorino Roque Rodigheri * Este trabalho tem por objetivo apresentar indicadores

Leia mais

ASPECTO GERAL PARA O CULTIVO DA ESPÉCIE FLORESTAL PARICÁ

ASPECTO GERAL PARA O CULTIVO DA ESPÉCIE FLORESTAL PARICÁ ASPECTO GERAL PARA O CULTIVO DA ESPÉCIE FLORESTAL PARICÁ Eng.º Florestal Mauro S. Carvalho 1. Nome científico Schizolobium amazonicum 2. Local de ocorrência natural O Paricá ocorre de forma natural nas

Leia mais

VANTAGENS ECOLÓGICAS E ECONÔMICAS DE REFLORESTAMENTOS EM PROPRIEDADES RURAIS NO SUL DO BRASIL RESUMO

VANTAGENS ECOLÓGICAS E ECONÔMICAS DE REFLORESTAMENTOS EM PROPRIEDADES RURAIS NO SUL DO BRASIL RESUMO VANTAGENS ECOLÓGICAS E ECONÔMICAS DE REFLORESTAMENTOS EM PROPRIEDADES RURAIS NO SUL DO BRASIL RESUMO Honorino Roque Rodigheri * Este estudo tem o objetivo de comparar os indicadores ecológicos (uso de

Leia mais

blico-privada ( PPP ): Sinergia de sucesso no Fomento Florestal em Minas Gerais.

blico-privada ( PPP ): Sinergia de sucesso no Fomento Florestal em Minas Gerais. Parceria PúblicoP blico-privada ( PPP ): Sinergia de sucesso no Fomento Florestal em Minas Gerais. João Cancio de Andrade Araújo Superintendente Florestal ASIFLOR BRASÍLIA MARÇO/2010 ASSOCIAÇÃO DAS SIDERÚRGICAS

Leia mais

www.corredordovale.org.br 1

www.corredordovale.org.br 1 MINUTA DO CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE REFLORESTAMENTO CONTRATO Nº 001/2014 Que entre si celebram: 1. COMO CONTRATANTE: ASSOCIAÇÃO CORREDOR ECOLÓGICO VALE DO PARAÍBA - ACEVP, organização não governamental

Leia mais

INFORMAÇÕES SOBRE O PLANTIO DO EUCALIPTO NO SISTEMA DE INTEGRAÇÃO LAVOURA-PECUÁRIA-FLORESTA

INFORMAÇÕES SOBRE O PLANTIO DO EUCALIPTO NO SISTEMA DE INTEGRAÇÃO LAVOURA-PECUÁRIA-FLORESTA INFORMAÇÕES SOBRE O PLANTIO DO EUCALIPTO NO SISTEMA DE INTEGRAÇÃO LAVOURA-PECUÁRIA-FLORESTA Informações sobre o plantio do eucalipto no Sistema de Integração Lavoura-Pecuária-Floresta COLETA DE SOLO NA

Leia mais

Efeito dos custos dos insumos na rentabilidade dos projetos florestais

Efeito dos custos dos insumos na rentabilidade dos projetos florestais Ativos do Campo - Nº 04/2013 Efeito dos custos dos insumos na rentabilidade dos projetos florestais Mesmo sendo as plantações florestais intensivas em utilização de mão de obra, sobretudo em regiões montanhosas,

Leia mais

Mata ciliar Nascentes Lençol Freático Cobertura Vegetal Recuperação Ambiental Preservação Ambiental Revegetação Degradação Erosão Assoreamento

Mata ciliar Nascentes Lençol Freático Cobertura Vegetal Recuperação Ambiental Preservação Ambiental Revegetação Degradação Erosão Assoreamento glossário Mata ciliar Vegetação existente nas margens de córregos, rios e nascentes, também chamada de matas riparias ou matas de galeria; Nascentes Locais onde a água brota da terra, também chamadas de

Leia mais

Implantação de Um Sistema Agroflorestal Como Forma de Recuperação de Uma Área Degradada

Implantação de Um Sistema Agroflorestal Como Forma de Recuperação de Uma Área Degradada Implantação de Um Sistema Agroflorestal Como Forma de Recuperação de Uma Área Degradada MACIEL, Vítor Renck. Universidade Estadual Paulista, vitor_renck@hotmail.com; LEME, Marina Koketsu. marinakleme@yahoo.com.br

Leia mais

Introdução de árvores em sistemas de produção agrícola no bioma Mata Atlântica na região Sudeste

Introdução de árvores em sistemas de produção agrícola no bioma Mata Atlântica na região Sudeste Introdução de árvores em sistemas de produção agrícola no bioma Mata Atlântica na região Sudeste Maria Fernanda Guerreiro Maria Luiza Franceschi Nicodemo Carlos Eduardo Silva Santos Wander Luis Barbosa

Leia mais

Guia para Monitoramento de Reflorestamentos para Restauração

Guia para Monitoramento de Reflorestamentos para Restauração Guia para Monitoramento de Reflorestamentos para Restauração Método Monitoramento PRMC Apoio : OBJETIVOS DO PROJETO ORIGINAL Identificar indicadores estruturais de sucesso de reflorestamentos para restauração

Leia mais

Prof. Pedro Brancalion

Prof. Pedro Brancalion Prof. Pedro Brancalion Demandas legais: manter ou recuperar a vegetação nativa em determinadas porções da propriedade rural (Lei Florestal) áreas pré-determinadas espacialmente (onde recuperar?). Demandas

Leia mais

Relatório de Estágio

Relatório de Estágio Relatório de Estágio RELEVÂNCIA DA PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS COMO COMPONENTE DA CONSOLIDAÇÃO DA SILVICULTURA NA FRONTEIRA OESTE DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL Acadêmico Claudiney do Couto Guimarães CURSO DE

Leia mais

DER/PR ES-OC 15/05 OBRAS COMPLEMENTARES: PROTEÇÃO VEGETAL

DER/PR ES-OC 15/05 OBRAS COMPLEMENTARES: PROTEÇÃO VEGETAL OBRAS COMPLEMENTARES: PROTEÇÃO VEGETAL Departamento de Estradas de Rodagem do Estado do Paraná - DER/PR Avenida Iguaçu 420 CEP 80230 902 Curitiba Paraná Fone (41) 3304 8000 Fax (41) 3304 8130 www.pr.gov.br/transportes

Leia mais

RELATÓRIO DE PLANTIO. Código: 10/2011

RELATÓRIO DE PLANTIO. Código: 10/2011 Código: 10/2011 Propriedade: Chácara Paraíso Coordenadas (UTM): 556100 L 7662900 S Número de mudas plantadas: 240 (Duzentos e Quarenta) Datas do plantio: 01, 03 e 04 de novembro de 2011 Patrocinador(es):

Leia mais

ETAPAS PARA O PLANEJAMENTO E IMPLEMENTAÇÃO DE UM PROJETO DE RAD

ETAPAS PARA O PLANEJAMENTO E IMPLEMENTAÇÃO DE UM PROJETO DE RAD ETAPAS PARA O PLANEJAMENTO E IMPLEMENTAÇÃO DE UM PROJETO DE RAD Departamento de Engenharia Florestal/DEFl/DEF Lab. de Conservação de Ecossistemas e Recuperação de Áreas Prof. Israel Marinho Pereira imarinhopereira@gmail.com

Leia mais

Implantação e Manejo Florestal

Implantação e Manejo Florestal 8º. Curso de Atualização em Eucaliptocultura Implantação e Manejo Florestal Eng o. João Carlos T. Mendes jctmende@esalq.usp.br Departamento de Ciências Florestais Estação Experimental de Itatinga Outubro/2008

Leia mais

Influência do Espaçamento de Plantio de Milho na Produtividade de Silagem.

Influência do Espaçamento de Plantio de Milho na Produtividade de Silagem. Influência do Espaçamento de Plantio de Milho na Produtividade de Silagem. DAMASCENO, T. M. 1, WINDER, A. R. da S. 2, NOGUEIRA, J. C. M. 3, DAMASCENO, M. M. 2, MENDES, J. C. da F. 2, e DALLAPORTA, L. N.

Leia mais

Empresa. A missão da Tubarão Agronegócios é: Levar ao homem do campo desenvolvimento e soluções para fazer diferença no agronegócio.

Empresa. A missão da Tubarão Agronegócios é: Levar ao homem do campo desenvolvimento e soluções para fazer diferença no agronegócio. 1 Empresa A Tubarão Agronegócios é uma empresa que existe há 4 anos, atuamos na produção, comércio e distribuição de produtos agrícolas, desenvolvendo um trabalho com qualidade para o agronegócio de todo

Leia mais

Olericultura. A Cultura do Morango. Nome Cultura do Morango Produto Informação Tecnológica Data Janeiro -2001 Preço - Linha Olericultura Resenha

Olericultura. A Cultura do Morango. Nome Cultura do Morango Produto Informação Tecnológica Data Janeiro -2001 Preço - Linha Olericultura Resenha 1 de 6 10/16/aaaa 11:54 Olericultura A Cultura do Morango Nome Cultura do Morango Produto Informação Tecnológica Data Janeiro -2001 Preço - Linha Olericultura Resenha Informações gerais sobre a Cultura

Leia mais

CUSTOS E RENDIMENTOS OPERACIONAIS DE UM PLANTIO DE EUCALIPTO EM REGIÃO DE CERRADO 1

CUSTOS E RENDIMENTOS OPERACIONAIS DE UM PLANTIO DE EUCALIPTO EM REGIÃO DE CERRADO 1 361 CUSTOS E RENDIMENTOS OPERACIONAIS DE UM PLANTIO DE EUCALIPTO EM REGIÃO DE CERRADO 1 Kátia Regina Silva 2, Luciano J. Minetti 2, Nilton César Fiedler 3, Fábio Venturoli 4, Edgar Gaya Banks Machado 5,

Leia mais

NOME COMPLETO DOS COMPONENTES DA EQUIPE PROMONTÓRIO DO CABO DE SANTO AGOSTINHO: CARACTERIZAÇÃO E ZONEAMENTO PARA ADEQUAÇÃO AMBIENTAL

NOME COMPLETO DOS COMPONENTES DA EQUIPE PROMONTÓRIO DO CABO DE SANTO AGOSTINHO: CARACTERIZAÇÃO E ZONEAMENTO PARA ADEQUAÇÃO AMBIENTAL UNIVERSIDADE CATÓLICA DE PERNAMBUCO CENTRO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA CURSO DE ENGENHARIA AMBIENTAL DISCIPLINA: RECUPERAÇÃO DE ÁREAS DEGRADADAS NOME COMPLETO DOS COMPONENTES DA EQUIPE PROMONTÓRIO DO CABO

Leia mais

Plantio de Eucalipto na Pequena Propriedade Rural

Plantio de Eucalipto na Pequena Propriedade Rural DOCUMENTOS, 54 ISSN 1517-536X Plantio de Eucalipto na Pequena Propriedade Rural Rosana Clara Victoria Higa Admir Lopes Mora Antonio Rioyei Higa Curitiba, PR 2000 Apresentação Os eucaliptos são árvores

Leia mais

Procedimento IFC. Antonio José de Sousa

Procedimento IFC. Antonio José de Sousa Procedimento IFC PROJETO FLORESTAL BRASIL Antonio José de Sousa Junho 2010 LOCALIZAÇÃO PLANO DE NEGOCIO A Florestal foi constituída em julho de 2007, tendo como acionistas a J&F Participações S.A e a MCL

Leia mais

HERBICIDA DE TRANSLOCAÇÃO E TÉCNICAS DE APLICAÇÃO LUCIANO BICALIO FONSECA DANIEL CAMPOSILVAN

HERBICIDA DE TRANSLOCAÇÃO E TÉCNICAS DE APLICAÇÃO LUCIANO BICALIO FONSECA DANIEL CAMPOSILVAN HERBICIDA DE TRANSLOCAÇÃO E TÉCNICAS DE APLICAÇÃO LUCIANO BICALIO FONSECA DANIEL CAMPOSILVAN INDÚSTRIAS MONSANTO S/A RUA PAES LEME, 524 05424 - SÃO PAULO-SP 1. HERBICIDA DE TRANSLOCAÇÃO O Glyphosate [N

Leia mais

ESTUDO DO RENDIMENTO OPERACIONAL EM OPERAÇÕES DE RESTAURAÇÃO FLORESTAL EM ÁREAS DE MATAS CILIAREAS

ESTUDO DO RENDIMENTO OPERACIONAL EM OPERAÇÕES DE RESTAURAÇÃO FLORESTAL EM ÁREAS DE MATAS CILIAREAS ESTUDO DO RENDIMENTO OPERACIONAL EM OPERAÇÕES DE RESTAURAÇÃO FLORESTAL EM ÁREAS DE MATAS CILIAREAS A. M; Souza, A. S. Vieira Instituto Pró-Terra - Rua Rangel Pestana, n 961 Centro Jaú/SP/Brasil - CEP:

Leia mais

PROGRAMA DE REFLORESTAMENTO DAS MICROBACIAS HIDROGRÁFICAS DAS ÁREAS DE PROTEÇÃO AOS MANANCIAIS DA REPRESA BILLINGS NO MUNICÍPIO DE SANTO ANDRÉ SP

PROGRAMA DE REFLORESTAMENTO DAS MICROBACIAS HIDROGRÁFICAS DAS ÁREAS DE PROTEÇÃO AOS MANANCIAIS DA REPRESA BILLINGS NO MUNICÍPIO DE SANTO ANDRÉ SP PROGRAMA DE REFLORESTAMENTO DAS MICROBACIAS HIDROGRÁFICAS DAS ÁREAS DE PROTEÇÃO AOS MANANCIAIS DA REPRESA BILLINGS NO MUNICÍPIO DE SANTO ANDRÉ SP Fernanda Longhini Ferreira 1 O município de Santo André,

Leia mais

NA BUSCA DO AUMENTO DA PRODUTIVIDADE FLORESTAL E REDUÇÃO DO CUSTO OPERACIONAL.

NA BUSCA DO AUMENTO DA PRODUTIVIDADE FLORESTAL E REDUÇÃO DO CUSTO OPERACIONAL. TÉCNICAS MODERNAS DE PREPARO DO SOLO NA BUSCA DO AUMENTO DA PRODUTIVIDADE FLORESTAL E REDUÇÃO DO CUSTO OPERACIONAL. Edésio P. Bortolas 1 João Batista Rosa 2 1. INTRODUÇÃO A unidade florestal da Klabin

Leia mais

FOTO1-Preparo do solo inadequado na recuperação de pastagem, ocasionando erosão em sulcos.

FOTO1-Preparo do solo inadequado na recuperação de pastagem, ocasionando erosão em sulcos. IMPLANTAÇÃO DE SISTEMA DE INTEGRAÇÃO LAVOURA, PECUÁRIA E FLORESTA EM PROPRIEDADES DA AGRICULTURA FAMILIAR DA ZONA DA MATA DE MINAS. 1 Ricardo Tadeu Galvão Pereira- Eng o Agrônomo, Dsc, Coordenador Regional

Leia mais

SISTEMA MONITORADO DE CONTROLE DE FORMIGAS CORTADEIRAS NA MANNESMANN

SISTEMA MONITORADO DE CONTROLE DE FORMIGAS CORTADEIRAS NA MANNESMANN SISTEMA MONITORADO DE CONTROLE DE FORMIGAS CORTADEIRAS NA MANNESMANN Morais, E.J. de 1 Oliveira, A.C. de 1 Barcelos, J.A.V. 1 Cruz, J.E. da 1 Os novos tempos de recursos escassos e elevada competitividade

Leia mais

Incêndios florestais no Amapá

Incêndios florestais no Amapá FLORESTA 30(1/2): 23-36 Incêndios florestais no Amapá DORACI MILANI RESUMO Os incêndios florestais são responsáveis por grandes perdas tanto vegetais quanto animais e em sua maioria estão associados a

Leia mais

EXERCÍCIO DE FIXAÇÃO

EXERCÍCIO DE FIXAÇÃO EXERCÍCIO DE FIXAÇÃO 1. Um agricultor relata que não está tendo controle satisfatório na aplicação de um herbicida. Afirma estar aplicando conforme recomendação do fabricante do produto (x litros p.c./ha

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA RECUPERAÇÃO DA MATA CILIAR DO RIO PARAÍBA DO SUL. ÁREA 01: Bairro Três Poços, próximo a Rodovia Paulo Erlei Alves Abrantes

TERMO DE REFERÊNCIA RECUPERAÇÃO DA MATA CILIAR DO RIO PARAÍBA DO SUL. ÁREA 01: Bairro Três Poços, próximo a Rodovia Paulo Erlei Alves Abrantes ,í\ Estado do Rio de Janeiro WflB^ ^BHHBVOltt íf Prefeitura de fóeiqi AMBIENTE Secretaria de Meio Ambiente ^^ Prefeitura de TERMO DE REFERÊNCIA Rubrica: RECUPERAÇÃO DA MATA CILIAR DO RIO PARAÍBA DO SUL

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA N 5, de 08 de setembro de 2009.

INSTRUÇÃO NORMATIVA N 5, de 08 de setembro de 2009. INSTRUÇÃO NORMATIVA N 5, de 08 de setembro de 2009. Dispõe sobre os procedimentos metodológicos para restauração e recuperação das Áreas de Preservação Permanentes e da Reserva Legal instituídas pela Lei

Leia mais

Silvicultura de Nativas e a Restauração de APP e RL. Robson Oliveira Laprovitera Gerente Florestal

Silvicultura de Nativas e a Restauração de APP e RL. Robson Oliveira Laprovitera Gerente Florestal Silvicultura de Nativas e a Restauração de APP e RL Robson Oliveira Laprovitera Gerente Florestal Outubro/ 2009 Índice 1. Apresentação Institucional 2. Manejo Florestal da International Paper 3. Ecologia

Leia mais

Reflorestamento de Uso Múltiplo: Modelos de reflorestamento com funções ecológicas e aproveitamento

Reflorestamento de Uso Múltiplo: Modelos de reflorestamento com funções ecológicas e aproveitamento Dr. Sergius Gandolfi Reflorestamento de Uso Múltiplo: Modelos de reflorestamento com funções ecológicas e aproveitamento econômico Seminário Reflorestamento da Mata Atlântica no Estado do Rio de Janeiro

Leia mais

ANEXO 2 MEMORIAL DE PLANTIO. Grupo de Arborização. Abril 2012 - SVMA / PMSP

ANEXO 2 MEMORIAL DE PLANTIO. Grupo de Arborização. Abril 2012 - SVMA / PMSP ANEXO 2 MEMORIAL DE PLANTIO Grupo de Arborização Abril 2012 - SVMA / PMSP 1. PREPARAÇÃO PARA PLANTIO DE FORRAÇÃO: 1.1. Preliminarmente, eliminar todos os detritos. 1.2. Retirar todo o mato existente, inclusive

Leia mais

olímpico das 24 milhões de árvores Beto Mesquita

olímpico das 24 milhões de árvores Beto Mesquita Indução de reflorestamento no Rio de Janeiro: Das compensações ambientais ao desafio olímpico das 24 milhões de árvores Beto Mesquita Seminário Reflorestamento da Mata Atlântica no Estado do Rio de Janeiro

Leia mais

ORIENTAÇÕES TÉCNICA PARA A CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS DE CONTROLE / COMBATE A FORMIGAS CORTADEIRAS NAS ESTAÇÕES EXPERIMENTAIS.

ORIENTAÇÕES TÉCNICA PARA A CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS DE CONTROLE / COMBATE A FORMIGAS CORTADEIRAS NAS ESTAÇÕES EXPERIMENTAIS. 1. OBJETO CONSTITUI O OBJETIVO DESTA LICITAÇÃO A CONTRATAÇÃO DE EMPRESA PARA EXECUÇÃO DE SERVIÇOS DE COMBATE A FORMIGAS CORTADEIRAS NAS ESTAÇÕES EXPERIMENTAIS DE ANHEMBI E ITATINGA DO DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS

Leia mais

http://www.emater.mg.gov.br/site_emater/serv_prod/livraria/olericultura/culturama...

http://www.emater.mg.gov.br/site_emater/serv_prod/livraria/olericultura/culturama... Página 1 de 7 Olericultura A Cultura da Mandioca de Mesa Nome Cultura da Mandioca de Mesa Produto Informação Tecnológica Data Julho -2002 Preço - Linha Olericultura Informações resumidas sobre Resenha

Leia mais

Currículo de Sustentabilidade do Café (CSC)

Currículo de Sustentabilidade do Café (CSC) Currículo de Sustentabilidade do Café (CSC) ÍNDICE 1. Gestão da Propriedade...03 2. Gestão Ambiental...04 3. Material Propagativo (Sementes, mudas e estacas)...05 4. Localização e Implantação de Cafezais...06

Leia mais

CONTROLE DE FORMIGAS CORTADEIRAS NA KFPC - PR

CONTROLE DE FORMIGAS CORTADEIRAS NA KFPC - PR CONTROLE DE FORMIGAS CORTADEIRAS NA KFPC - PR Bansho,J.Y. 1 Carneiro, D.A. 1 Cordeiro, L. 1 RESUMO De forma genérica pode-se afirmar que não há áreas de pastagem, floresta nativas ou reflorestamentos no

Leia mais

DESSECAÇÃO DE BRAQUIÁRIA COM GLYPHOSATE SOB DIFERENTES VOLUMES DE CALDA RESUMO

DESSECAÇÃO DE BRAQUIÁRIA COM GLYPHOSATE SOB DIFERENTES VOLUMES DE CALDA RESUMO DESSECAÇÃO DE BRAQUIÁRIA COM GLYPHOSATE SOB DIFERENTES VOLUMES DE CALDA Valter de Oliveira Neves Júnior 1 ; Zélio de Lima Vieira 1 ; Tiago Trevizam de Freitas 1 ; Edgar Rodrigues Marques 1 ; Paulo César

Leia mais

Plantio de cana-de-açúcar

Plantio de cana-de-açúcar Plantio de cana-de-açúcar Época de plantio 1. Cana de ano e meio - Janeiro a maio; - Tempo de colheita (13 a 20 meses); - Variedades de ciclo precoce, médio e tardio; - Pode ser feito em solos de baixa,

Leia mais

Laudo Técnico Ambiental. Reflorestamento de Área Degradada

Laudo Técnico Ambiental. Reflorestamento de Área Degradada Laudo Técnico Ambiental Reflorestamento de Área Degradada Local de Compensação Remanescente do Ribeirão do Lavapés Apresentação do Laudo 02/07/2012 Município Bragança Paulista Estado São Paulo Executante

Leia mais

RENOVAÇÃO DE PASTAGENS COM PLANTIO DIRETO

RENOVAÇÃO DE PASTAGENS COM PLANTIO DIRETO RENOVAÇÃO DE PASTAGENS COM PLANTIO DIRETO EXPERIÊNCIAS DA MONSANTO DO BRASIL MARCIO SCALÉA ABRIL 2007 Manejo Genética Alimentação Sanidade GENÉTICA M A N E J O ALIMENTAÇÃO S A N I D A D E FASE PRODUTIVA

Leia mais

MONITORAMENTO DE FORMIGAS CORTADEIRAS

MONITORAMENTO DE FORMIGAS CORTADEIRAS SIMPOSIO SOBRE PRAGAS FLORESTAIS Montes Claros/MG MONITORAMENTO DE FORMIGAS CORTADEIRAS Alberto Jorge Laranjeiro Eng. Florestal, Dr. Equilíbrio Proteção Florestal HISTÓRICO DA EQUILÍBRIO PROTEÇÃO FLORESTAL

Leia mais

Fatores que determinam o sucesso na implantação da cultura da seringueira

Fatores que determinam o sucesso na implantação da cultura da seringueira Dra. Elaine Cristine Piffer Gonçalves Pesquisadora Científica IV APTA (PRDTA Alta Mogiana) Fatores que determinam o sucesso na implantação da cultura da seringueira Numa cultura perene, temos que tomar

Leia mais

CONTROLE AMBIENTAL NO SETOR DE CELULOSE E PAPEL NEI R. LIMA COORDENADOR DA COMISSÃO DE MEIO AMBIENTE

CONTROLE AMBIENTAL NO SETOR DE CELULOSE E PAPEL NEI R. LIMA COORDENADOR DA COMISSÃO DE MEIO AMBIENTE CONTROLE AMBIENTAL NO SETOR DE CELULOSE E PAPEL NEI R. LIMA COORDENADOR DA COMISSÃO DE MEIO AMBIENTE ABTCP Associação Brasileira Técnica de Celulose e Papel é uma instituição criada para dar apoio às empresas

Leia mais

Capítulo XV Custos e Rentabilidade

Capítulo XV Custos e Rentabilidade Capítulo XV Custos e Rentabilidade Marcelo do Amaral Santana Clóvis Oliveira de Almeida José da Silva Souza As estimativas de custos de produção e de rentabilidade para uma cultura podem proporcionar informações

Leia mais

Adubação Orgânica Adubação Orgânica e Adubação Verde. Informações sobre Adubação orgânica e Adubação Verde

Adubação Orgânica Adubação Orgânica e Adubação Verde. Informações sobre Adubação orgânica e Adubação Verde 1 de 5 10/16/aaaa 10:13 Adubação Orgânica Adubação Orgânica e Adubação Verde Nome Adubação Orgânica e Adubação Verde Produto Informação Tecnológica Data Abril - 2000 Preço - Linha Adubação Orgânica Resenha

Leia mais

RELATÓRIO TÉCNICO GERALDO HENRIQUE FAZENDA ESTREITO FEVEREIRO 2010

RELATÓRIO TÉCNICO GERALDO HENRIQUE FAZENDA ESTREITO FEVEREIRO 2010 RELATÓRIO TÉCNICO GERALDO HENRIQUE FAZENDA ESTREITO FEVEREIRO 2010 Segue abaixo a interpretação da análise de solo, onde cada cor tem sua leitura em correspondência com a legenda. Segue abaixo também a

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO PAISAGISMO

MEMORIAL DESCRITIVO PAISAGISMO Tribunal Regional Eleitoral de Santa Catarina Coordenadoria de Infraestrutura e Serviços Seção de Engenharia e Arquitetura MEMORIAL DESCRITIVO PAISAGISMO Cartório Eleitoral de Pinhalzinho/SC Fevereiro,

Leia mais

Controle de pragas - formigas

Controle de pragas - formigas Universidade Tecnológica Federal do Paraná Campus Dois Vizinhos Engenharia Florestal Tratos e Métodos Silviculturais Controle de pragas - formigas Eng. Ftal. Dr. Prof. Eleandro José Brun Dois Vizinhos

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO SECRETARIA DE ESTADO DO AMBIENTE INSTITUTO ESTADUAL DO AMBIENTE

GOVERNO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO SECRETARIA DE ESTADO DO AMBIENTE INSTITUTO ESTADUAL DO AMBIENTE GOVERNO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO SECRETARIA DE ESTADO DO AMBIENTE INSTITUTO ESTADUAL DO AMBIENTE RESOLUÇÃO INEA Nº 89 DE 03 DE JUNHO DE 2014 DISPÕE SOBRE AS PROPORÇÕES MÍNIMAS APLICÁVEIS PARA REPOSIÇÃO

Leia mais

http://www.emater.mg.gov.br/site_emater/serv_prod/livraria/olericultura/hortalicas...

http://www.emater.mg.gov.br/site_emater/serv_prod/livraria/olericultura/hortalicas... Página 1 de 6 Olericultura Produção Orgânica de Hortaliças Nome Hortaliças : Produção Orgânica Produto Informação Tecnológica Data Abril - 2000 Preço - Linha Olericultura Resenha Informações gerais sobre

Leia mais

Comissão Nacional de Silvicultura e Agrossilvicultura

Comissão Nacional de Silvicultura e Agrossilvicultura CONFEDERAÇÃO DA AGRICULTURA E PECUÁRIA DO BRASIL Comissão Nacional de Silvicultura e Agrossilvicultura Camila Soares Braga Assessora Técnica Bem estar humano F ood F resh water F uel F iber A gente não

Leia mais

Utilização da Técnica de Análise de Tendências Impactadas para Projeção do Cultivo de Eucalipto no Brasil. Samir Lotfi Silvia Pela

Utilização da Técnica de Análise de Tendências Impactadas para Projeção do Cultivo de Eucalipto no Brasil. Samir Lotfi Silvia Pela Utilização da Técnica de Análise de Tendências Impactadas para Projeção do Cultivo de Eucalipto no Brasil Samir Lotfi Silvia Pela Objetivos Como eventos presentes e/ou futuros irão influenciar a taxa de

Leia mais

D O S S I Ê T É C N I C O CULTIVO DO MAMÃO. Ivo Pessoa Neves. Rede de Tecnologia da Bahia RETEC/BA

D O S S I Ê T É C N I C O CULTIVO DO MAMÃO. Ivo Pessoa Neves. Rede de Tecnologia da Bahia RETEC/BA D O S S I Ê T É C N I C O CULTIVO DO MAMÃO Ivo Pessoa Neves Rede de Tecnologia da Bahia RETEC/BA ABRIL/2007 DOSSIÊ TÉCNICO Sumário INTRODUÇÃO... 2 ESCOLHA E TÉCNICA DE IMPLANTAÇÃO DA ÁREA CULTIVÁVEIS EM

Leia mais

1º Seminário sobre Cultivo Mínimo do Solo em Florestas

1º Seminário sobre Cultivo Mínimo do Solo em Florestas 1º Seminário sobre Cultivo Mínimo do Solo em Florestas DESENVOLVIMENTO DE MÁQUINAS E EQUIPAMENTOS PARA A UTILIZAÇÃO EM ÁREAS DE CULTIVO MÍNIMO EM FLORESTAS INTRODUÇÃO Antonio Batista Moreira * A evolução

Leia mais

6 Exploração florestal ATENÇÃO!

6 Exploração florestal ATENÇÃO! 6 Exploração florestal 6.1 O que depende de autorização ambiental? Uso alternativo do solo Toda intervenção na cobertura vegetal nativa (ou seja, desmatamento com ou sem destoca, raleamento ou brocamento

Leia mais

Financiamentos para o Agronegócio

Financiamentos para o Agronegócio Financiamentos para o Agronegócio Banco do Brasil Maior Parceiro do Agronegócio Carteira em Dez/2012 R$ 100 bilhões Banco do Brasil Sustentabilidade e Meio Ambiente Programa ABC Em Dezembro de 2012 R$

Leia mais

DECRETO Nº 1.654, DE 15 DE JUNHO DE 2005

DECRETO Nº 1.654, DE 15 DE JUNHO DE 2005 DECRETO Nº 1.654, DE 15 DE JUNHO DE 2005 Publicado no DOE(Pa) de 16.06.05. Altera dispositivos do Regulamento do Imposto sobre Operações Relativas à Circulação de Mercadorias e sobre Prestações de Serviços

Leia mais

SISTEMAS AGROFLORESTAIS

SISTEMAS AGROFLORESTAIS SISTEMAS AGROFLORESTAIS O que é Sistema Agroflorestal? Sistema agroflorestal é uma forma de uso da terra na qual se combinam espécies arbóreas lenhosas (frutíferas e/ou madeireiras) com cultivos agrícolas

Leia mais

CEPF RELATÓRIO FINAL DO PROJETO PEQUENO

CEPF RELATÓRIO FINAL DO PROJETO PEQUENO CEPF RELATÓRIO FINAL DO PROJETO PEQUENO I. DADOS BÁSICOS Nome da organização: Associação Mico-Leão-Dourado Título do projeto: Management Plan for Eucalyptus Trees in the União Biológical Reserve Parceiros

Leia mais

Colhedora de cana A4000

Colhedora de cana A4000 Colhedora de cana A4000 Inovação sem limites. Uma marca registrada da case ih. A Case IH é referência mundial no segmento sucroenergético. Com mais de 50 anos de conhecimento e experiência no setor, a

Leia mais

Relatório de Atividade Técnicas de Restauração Florestal PROGRAMA PLANTE BONITO. Operadora Ambiental Expedições

Relatório de Atividade Técnicas de Restauração Florestal PROGRAMA PLANTE BONITO. Operadora Ambiental Expedições Relatório de Atividade Técnicas de Restauração Florestal PROGRAMA PLANTE BONITO Operadora Ambiental Expedições 1. Objetivo Este relatório tem o objetivo de fornecer informações e imagens, referentes ao

Leia mais

TRATAMENTO QUÍMICO DE RESÍDUOS AGRÍCOLAS COM SOLUÇÃO DE URÉIA NA ALIMENTAÇÃO DE RUMINANTES

TRATAMENTO QUÍMICO DE RESÍDUOS AGRÍCOLAS COM SOLUÇÃO DE URÉIA NA ALIMENTAÇÃO DE RUMINANTES TRATAMENTO QUÍMICO DE RESÍDUOS AGRÍCOLAS COM SOLUÇÃO DE URÉIA NA ALIMENTAÇÃO DE RUMINANTES INTRODUÇÃO Onaldo Souza 1 Mariah Tenório de Carvalho Souza 2 Izabele Emiliano dos Santos 3 Cereal é a denominação

Leia mais

CARTILHA DO FAZENDEIRO FLORESTAL

CARTILHA DO FAZENDEIRO FLORESTAL CARTILHA DO FAZENDEIRO FLORESTAL 2º Edição - Revisada e Ampliada Prof. José de Castro Silva Engenheiro Florestal - Professor Adjunto Vinícius Resende de Castro Acadêmico de Engenharia Florestal Bruno Almeida

Leia mais

Uso múltiplo de eucalipto em propriedades rurais

Uso múltiplo de eucalipto em propriedades rurais Uso múltiplo de eucalipto em propriedades rurais Paulo Sérgio dos Santos Leles Prof. Instituto de Florestas / UFRRJ 02 a 04 de setembro de 2015, Vitória - ES O que é uso múltiplo / multiproduto do eucalipto?

Leia mais

Influência de métodos silviculturais para o controle de plantas infestantes sobre o crescimento de mudas de Eucalyptus L Hér.

Influência de métodos silviculturais para o controle de plantas infestantes sobre o crescimento de mudas de Eucalyptus L Hér. Influência de métodos silviculturais para o controle de plantas infestantes sobre o crescimento de mudas de Eucalyptus L Hér., 1789 Influence of the silvicultural methods of weed control on the growth

Leia mais

INSTITUTO ESTADUAL DE FLORESTAS DIRETORIA DE DESENVOLVIMENTO E CONSERVAÇÃO FLORESTAL - DDCF

INSTITUTO ESTADUAL DE FLORESTAS DIRETORIA DE DESENVOLVIMENTO E CONSERVAÇÃO FLORESTAL - DDCF INSTITUTO ESTADUAL DE FLORESTAS DIRETORIA DE DESENVOLVIMENTO E CONSERVAÇÃO FLORESTAL - DDCF Nota Técnica para o Programa de Fomento Ambiental - IEF Autores: Carlos Jose Andrade Silveira Eng. Florestal

Leia mais

CANA-DE-AÇÚCAR: custos nos diferentes sistemas de produção nas regiões do Estado de São Paulo 1

CANA-DE-AÇÚCAR: custos nos diferentes sistemas de produção nas regiões do Estado de São Paulo 1 CANA-DE-AÇÚCAR: custos nos diferentes sistemas de produção nas regiões do Estado de São Paulo Katia Nachiluk Marli Dias Mascarenhas Oliveira - INTRODUÇÃO A cana-de-açúcar, principal produto da agropecuária

Leia mais

EDITAL GERAL FUNDÁGUA/SEAMA N.º 01/2011

EDITAL GERAL FUNDÁGUA/SEAMA N.º 01/2011 EDITAL GERAL FUNDÁGUA/SEAMA N.º 0/20 ANEXO B TERMO DE REFERÊNCIA PARA ELABORAÇAO DE PROJETOS PARA O FUNDO ESTADUAL DE RECURSOS HÍDRICOS FUNDAGUA LINHA DE AÇÃO: AUMENTO DA OFERTA HÍDRICA, RECUPERAÇÃO DE

Leia mais

ADUBO DE LODO DE ESGOTO DOMÉSTICO COMPOSTADO

ADUBO DE LODO DE ESGOTO DOMÉSTICO COMPOSTADO ADUBO DE LODO DE ESGOTO DOMÉSTICO COMPOSTADO Felipe Antº N. Madureira (Julho/2010) FELIPE ANTº NASCIMENTO MADUREIRA Engenheiro Civil - UFBA Gerente da Divisão de Esgotamento Sanitário Unidade Regional

Leia mais

CAPÍTULO A15 POTENCIAIS PARA A RECUPERAÇÃO DAS ÁREAS DEGRADADAS

CAPÍTULO A15 POTENCIAIS PARA A RECUPERAÇÃO DAS ÁREAS DEGRADADAS CAPÍTULO A15 POTENCIAIS PARA A RECUPERAÇÃO DAS ÁREAS DEGRADADAS 15.1 Potenciais de Recuperação A partir dos dados levantados e descritos nos Capítulos anteriores quanto aos aspectos edafoclimáticos, sociais,

Leia mais

LEI Nº 7.055, DE 12 DE NOVEMBRO DE 2007

LEI Nº 7.055, DE 12 DE NOVEMBRO DE 2007 LEI Nº 7.055, DE 12 DE NOVEMBRO DE 2007 Publicada no DOE(Pa) de 20.11.07. Dispõe sobre a Política Estadual para o Desenvolvimento e Expansão da Apicultura e dá outras providências. A ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA

Leia mais

Linhas de Financiamento Setor Florestal. 1º Encontro Paulista de Biodiversidade São Paulo, 18 de novembro de 2009 Eduardo Canepa Raul Andrade

Linhas de Financiamento Setor Florestal. 1º Encontro Paulista de Biodiversidade São Paulo, 18 de novembro de 2009 Eduardo Canepa Raul Andrade Linhas de Financiamento Setor Florestal 1º Encontro Paulista de Biodiversidade São Paulo, 18 de novembro de 2009 Eduardo Canepa Raul Andrade Política Ambiental do BNDES O BNDES entende que investimentos

Leia mais

Sistemas de manejo do solo

Sistemas de manejo do solo Sistemas de manejo do solo Introdução Uso e preparo do solo O arado. Evolução dos conhecimentos de uso e manejo do solo. O Ecossistema tropical Temperatura elevada e solos muito imteperizados 1 Sistemas

Leia mais

PROTEÇÃO DE CULTIVOS. Manejo de plantas daninhas IMPORTÂNCIA DA CORRETA APLICAÇÃO DO GLIFOSATO PARA O DESENVOLVIMENTO E A PRODUTIVIDADE DAS CULTURAS

PROTEÇÃO DE CULTIVOS. Manejo de plantas daninhas IMPORTÂNCIA DA CORRETA APLICAÇÃO DO GLIFOSATO PARA O DESENVOLVIMENTO E A PRODUTIVIDADE DAS CULTURAS Observar os corretos parâmetros para uma boa pulverização (utilizar pontas, filtros e volumes de calda e DMV de gota adequados para cada situação). A utilização do glifosato, desde a implantação das culturas

Leia mais

Semeando Sustentabilidade em Apuí. Realizações e Perspectivas 2011-2012

Semeando Sustentabilidade em Apuí. Realizações e Perspectivas 2011-2012 Semeando Sustentabilidade em Apuí Realizações e Perspectivas 2011-2012 PA Rio Juma Semeando Sustentabilidade em Apuí, iniciado em março de 2011, completa um ano de atividades. O Oprojeto está apenas começando,

Leia mais

Implantação de espécies nativas em área de preservação no IFMG - Câmpus Bambuí José Augusto Melo de RESENDE¹; Maria Carolina Gaspar BOTREL²;

Implantação de espécies nativas em área de preservação no IFMG - Câmpus Bambuí José Augusto Melo de RESENDE¹; Maria Carolina Gaspar BOTREL²; Implantação de espécies nativas em área de preservação no IFMG - Câmpus Bambuí José Augusto Melo de RESENDE¹; Maria Carolina Gaspar BOTREL²; ¹ Aluno do curso de Agronomia e bolsista do Programa Institucional

Leia mais

USO DE TECNOLOGIA DE PRECISÃO NA SILVICULTURA DA SUZANO PAPEL E CELULOSE

USO DE TECNOLOGIA DE PRECISÃO NA SILVICULTURA DA SUZANO PAPEL E CELULOSE Manutenção de Florestas e Manejo Integrado de Pragas USO DE TECNOLOGIA DE PRECISÃO NA SILVICULTURA DA SUZANO PAPEL E CELULOSE Lindenberg Rodrigues Perpétuo 1 Tecnólogo em Gestão da Agropecuária, Especializado

Leia mais

PRODUÇÃO INTEGRADA DE CAFÉ. Caderno de informações gerais

PRODUÇÃO INTEGRADA DE CAFÉ. Caderno de informações gerais PRODUÇÃO INTEGRADA DE CAFÉ Caderno de informações gerais Propriedade Nome do Proprietário: Nome da Propriedade: Cidade: Telefone: ( ) Organização PIC a que pertence: Número de registro na PIC: Ano Agrícola:

Leia mais

Controle Fitossanitário na Cana de Açúcar : Formação do Grupo de. Dib Nunes Jr.

Controle Fitossanitário na Cana de Açúcar : Formação do Grupo de. Dib Nunes Jr. Gestão do Controle Fitossanitário na Cana de Açúcar : Formação do Grupo de Combate ao Mato. Dib Nunes Jr. O QUE É O GRUPO DE COMBATE AO MATO (GCM)? GESTÃO DO CONTROLE DO MATO É UMA ESTRATÉGIA OPERACIONAL

Leia mais

MEIO AMBIENTE E MINERAÇÃO MINERAÇÃO E MEIO AMBIENTE

MEIO AMBIENTE E MINERAÇÃO MINERAÇÃO E MEIO AMBIENTE MINERAÇÃO E MEIO AMBIENTE COLOQUE O TÍTULO DE SUA APRESENTAÇÃO AQUI RECUPERAÇÃO AMBIENTAL DA MINA DE PIÇARRÃO DADOS GERAIS SOBRE A MINA DE PIÇARRÃO Localização: Estrada de Ligação Santa Maria/Nova Era

Leia mais

Anais da 45ª Reunião Técnico-Científica do Programa Temático de Silvicultura e Manejo

Anais da 45ª Reunião Técnico-Científica do Programa Temático de Silvicultura e Manejo SÉRIE TÉCNICA IPEF v. 17, n. 38, agosto, 2013 ISSN 0100-8137 Anais da 45ª Reunião Técnico-Científica do Programa Temático de Silvicultura e Manejo Dias 15 e 16 de maio de 2012 Telêmaco Borba, Paraná, Brasil

Leia mais

EXPLORAÇÃO FLORESTAL E A PRESERVAÇÃO DA BIODIVERSIDADE Paulo Kageyama. DCBio. SBF. MMA

EXPLORAÇÃO FLORESTAL E A PRESERVAÇÃO DA BIODIVERSIDADE Paulo Kageyama. DCBio. SBF. MMA EXPLORAÇÃO FLORESTAL E A PRESERVAÇÃO DA BIODIVERSIDADE Paulo Kageyama. DCBio. SBF. MMA INTRODUÇÃO BRASIL É O CAMPEÃO DE BIODIVERSIDADE - E DAÍ? MANEJO DA FLORESTA: MADEIRA E NÃO MADEIRA PLANTAÇÕES FLORESTAIS:

Leia mais

PRESERVANDO NASCENTES E MANANCIAIS

PRESERVANDO NASCENTES E MANANCIAIS PRESERVANDO NASCENTES E MANANCIAIS A água é um recurso natural insubstituível para a manutenção da vida saudável e bem estar do homem, além de garantir auto-suficiência econômica da propriedade rural.

Leia mais

RG: Órgão expedidor: Data de expedição: / / Tipo de pessoa: física jurídica CPF/CNPJ: CEP: Logradouro: Nº: Complemento: Telefone celular: ( )

RG: Órgão expedidor: Data de expedição: / / Tipo de pessoa: física jurídica CPF/CNPJ: CEP: Logradouro: Nº: Complemento: Telefone celular: ( ) Corretor: Seguro novo Nº apólice anterior: Possui outros seguros da mesma área? Recursos para a condução de floresta: Próprio Financiado Especificação do financiamento para condução da floresta? DADOS

Leia mais