CAPITULO I DOS OBJETIVOS E DA FUNDAMENTA<:Ao

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CAPITULO I DOS OBJETIVOS E DA FUNDAMENTA<:Ao"

Transcrição

1 f'?2_ JL7ljL'{f2 :C: o.-l- f' l.f}/_. 8.8., _~ 1: _'.:.2::'LC}!..t;J: Estabelece procedimentos administrativos e tecnicos para a edi~ao de decreto declaratorio de interesse social das terras ocupadas por remanescentes das comunidades de quilombos e para a desintrusao de ocupantes nao quilombolas inseridos nos perimetros objeto do decreto, visando it regulariza~ao de territorios quilombolas. o DlRETOR DE ORDENAMENTO DA ESTRUTURA FUNDIA.RIA - DF E 0 DlRETOR DE OBTEN<:Ao DE TERRAS E IMPLANTA<:Ao DE PROJETOS DE ASSENTAMENTO - DT DO INSTITUTO NACIONAL DE COLONIZA<:Ao E REFORMA AGRARIA - INCRA, no uso das atribuiyoes que the sao conferidas pelo art. 15 e 16 da Estrutura Regimental do lncra aprovada pelo Decreto n 6.812, de 3 de abril de 2009, e pelo art. 68 e 79 do Regimento lnterno da Autarquia, aprovado pela Portaria MDA n 20, de 8 de abril de 2009, tendo em vista 0 disposto no art. 68 do Ato das Disposiyoes Constitucionais Transit6rias e no Decreto n , de 20 de novembro de 2003 e considerando 0 que consta do processo administrativo n / , resolve: CAPITULO I DOS OBJETIVOS E DA FUNDAMENTA<:Ao LEGAL Art. 1 0 Estabelecer, no ambito do lncra, procedimentos administrativos e tecnicos para a ediyao do decreto declarat6rio de interesse social e para a desintrusao de ocupantes nao quilombolas inseridos em perimetros objeto do decreto para fins de regularizayao de territ6rios quilombolas, e tern como fundamento: I - 0 art. 215 e 216 da Constituiyao Federal e 0 art. 68 do Ato das Disposiyoes Constitucionais Transit6rias; II - 0 Decreto-Lei n 3.365, de 21 dejunho de 1941 que dispoe sobre desapropriayao por utilidade publica; III - a Lei n 4.132, de 10 de setembro de 1962, que define os casos de desapropriayao por interesse social e dispoe sobre sua aplicayao; IV - a Lei no4.771, de 15 de setembro de 1965 que institui 0 novo c6digo florestal; e, demais legislayoes e normas relativas it conservayao dos recursos naturais e it preservayao do meio ambiente; V - a Lei n 8.629, de 25 de fevereiro de 1993 que regulamenta os dispositivos constitucionais relativos it reforma agniria, previstos n Capitulo III, Titulo VII, da Constituiyao Federal;

2 VI - a Lei n 9.784, de 29 de janeiro de 1999, que regula 0 processo administrativo ambito do poder executivo federal; no VII - 0 Decreto no4.887, de 20 de novembro 2003 que regula os procedimentos para identifica9ao, reconhecimento, delimita9ao, demarca9ao e titula9ao das terras ocupadas por remanescentes das comunidades de quilombos, de que trata 0 art.68 do Ato das Disposi90es Constitucionais Transitorias; VIII - a Instru9ao Normativallncra n 36, de 20 de novembro de 2006, que estabelece diretrizes para descentraliza9ao das decisoes, fixa as al9adas decisorias dos orgaos colegiados e o fluxo de procedimentos relativos a desapropria9ao por interesse social para fins de reforma agniria; IX - a Instru9ao Normativa no 48, de 16 de setembro de 2008, que dispoe sobre 0 procedimento administrativo de ratifica9ao das aliena90es e concessoes de terras devolutas feitas pelos Estados na faixa de fronteira; X - a Instru9ao Normativallncra n 57, de 20 de outubro de 2009, que regulamenta 0 procedimento para identifica9ao, reconhecimento, delimita9ao, demarca9ao, desintrusao, titula9ao e registro das terras ocupadas por remanescentes das comunidades dos quilombos; XI - a Norma de Execu9ao/IncraiDT no 83, de 26 de maio de 2009, que estabelece procedimentos administrativos e tecnicos nas a90es de obten9ao de terras para assentamento de trabalhadores rurais. Panigrafo Unico. Consideram-se terras ocupadas por remanescentes das comunidades de quilombos todas as terras utilizadas para a garantia da reprodu9ao fisica, social, economic a e cultural dessa popula9ao. DOS PROCEDIMENTOS CAPITULO II RELATIVOS A EDI<;Ao DO DECRETO DECLARATORIO DE INTERESSE SOCIAL Art. 2. Concluidas as fases de contesta9ao, julgamento e analise de sobreposi90es, nos termos da Instru9ao NormativaiIncra n 57/2009, 0 Presidente do Incra editara, no prazo maximo de 30 (trinta) dias, portaria reconhecendo e declarando os limites das terras ocupadas pelos remanescentes de comunidades dos quilombos processo administrativo de regulariza9ao permanecera na Superintendencia Regional - SR(OO), encaminhando-se a Diretoria de Ordenamento da Estrutura Fundiaria as pe9as que constituem 0 Conjunto Portaria Quilombola que devera conter os seguintes documentos: III - copia do parecer tecnico e juridico de que trata 0 inciso VI do art. 10 da Instru9ao Normativa INCRA N 57/2009; IV - relatorio contendo 0 resumo das alega90es nas co se houver; esta90es e dos indeferimentos,

3 v - relatorio contendo 0 resume das manifestayoes dos orgaos e entidades e dos encaminhamentos pertinentes; VI - copia da ata de reuniao do Comite de Decisao Regional - CDR que julgou as contestayoes; VII - relatorio contendo 0 resume das alegayoes nos recursos e dos improvimentos, houver; se IX - copia dos oficios enviados aos contestantes e recorrentes comunicando colegiado competente; a decisao do a) relatorio circunstanciado; b) amilise da regularidade das notificayoes; c) fundamentayao legal; d) conclusao. XI - parecer revisor da Divisao de Ordenamento da Estrutura Fundiaria - SR (OO)F,que contera: a) historico da area reconhecida; b) aspectos fundiarios; c) recursos administrativos; d) conclusao. XII - copia da planta e do memorial descritivo do perimetro do territorio, impressos e em meio digital; 2 Apos a publicayao da portaria deverao ser encaminhadas a DF as peyas que constituem 0 Conjunto Decreto Quilombola para instruyao dos procedimentos relativos a ediyao do decreto declaratorio de interesse social, permanecendo na Superintendencia Regional - SR(OO)0 processo administrativo de regularizayao. V - copia da publicayao no Diario Oficial da reconhecimento do territorio quilombola, editada pelo Presiden

4 VI - c6pia da planta e do memorial descritivo do perimetro do territ6rio, impressos e em meio digital; a) relat6rio circunstanciado; b) fundamentayao legal da desapropriayao; c) conclusao. VIII - parecer revisor da Divisao de Ordenamento da Estrutura Fundiaria - SR(OO)F, sobre a instruyao processual, que contera: a) hist6rico da area reconhecida; b) aspectos fundiarios da desapropriayao; c) conclusao. 4 0 Conjunto Decreto Quilombola sera analisado pela Coordenayao-Geral de Regularizayao de Territ6rios Quilombolas - DFQ, com posterior envio a DT, para elaborayao das minutas dos atos necessarios a ediyao de decreto de interesse social. CAPITULO III DA VISTORIA E AVALIA<;AO DE IMOVEIS RURAIS Se~ao I Do Processo Administrativo Art. 3. Ap6s a ediyao do decreto de interesse social, serao formalizados processos adrninistrativos de vistoria e avaliayao para cada urn dos irn6veis rurais inseridos no perimetro do territ6rio quilornbola. 1 0 processo adrninistrativo sera forrnalizado a requerirnento do Chefe da SR(OO)F, corn a juntada dos seguintes documentos: a) c6pia do decreto declarat6rio de interesse social; b) certidao irnobiliaria atualizada do irn6vel rural ou documento cornprobat6rio de posse; c) espelho da Declarayao para Cadastro de Irn6veis Rurais, constante do Sistema Nacional de Cadastro Rural- SNCR, se houver. r Tratando-se de irn6vel rural omisso no SNCR, proceder-se-a ao cadastramento ex officio corn os dados constantes da certidao dorninial atualizada. 3 Tratando-se de irn6vel rural do rnesrno detentor cornposto por titulo registrado e posse em area continua abrir-se-a apenas urn processo, conternplando-se as duas situayoes. 4 Tratando-se de im6vel rural inserto na faixa de fronteira, submeter-se-a 0 procedimento, primeiramente, ao que esta definido na Instruyao NormativaJlncra n 48/2008, observando se ha processo de ratificayao do irn6vel rural: a) em analise; b) sobrestado; c) concluido, sern 0 titulo levado a registro;

5 d) caso haja qualquer das situac;oes previstas nas aline as "a", "b", ou "c", devera ser aberto processo de avaliac;ao paralelo, solicitando 0 bloqueio do valor total referente a terra nua depositado em juizo, ate que se conciua 0 processo ratificatorio. 5 Tratando-se de imovel cujo titulo for oriundo de ac;ao discriminatoria administrativa realizada pelo lncra, com regular destaque do patrimonio publico para 0 privado, deve-se observar se houve 0 cumprimento das ciausulas resolutivas, bem como se houve a quitac;ao do titulo. Art. 4. Apos a autuac;ao, 0 processo sera encaminhado ao Chefe da Divisao de Obtenc;ao - SR(OO)T para a elaborac;ao de ordem de servic;o que determinani a realizac;ao da vistoria e avaliac;ao do imovel rural. 1 As vistorias para avaliac;ao de imoveis rurais serao realizadas por Engenheiro Agronomo, subscritor do laudo respectivo, com a devida Anotac;ao de Responsabilidade Tecnica - ART, no Conselho Regional de Engenharia, Arquitetura e Agronomia - CREA, cujo comprovante integrara 0 laudo. r Nos imoveis rurais com alto grau de complexidade para a determinac;ao do valor indenizatorio, 0 Chefe da SR(OO)T devera designar Comissao de Vistoria e Avaliac;ao composta por dois ou mais Engenheiros Agronomos e, se necessario, outros profissionais especializados. 3 Para efeito desta norma considera-se alto grau de complexidade para a determinac;ao do valor indenizatorio quando no imovel rural houver: a) instalac;oes de complexo agroindustrial; b) obras de engenharia de grande porte; c) projeto de irrigac;ao com areas sistematizadas, canais, pivos centrais e outros de custos expressivos; d) remanescente de floresta nativa em regiao antropizada, area de reflorestamento ou plano de manejo florestal sustentado, devidamente aprovado pelo orgao federal competente ou orgaos afins; e) outros fatores que ensejem alto grau de complexidade no processo avaliatorio. Se~ao II Do Lando de Vistoria e Avalia~ao - L VA Art. 5. A vistoria e avaliac;ao para a determinac;ao do valor do imovel rural e 0 respectivo laudo obedecerao ao disposto no Modulo III do Manual de Obtenc;ao de Terras e Pericia Judicial. 2 Para efeitos desta norma 0 resumo da avaliac;ao descrito no topico 7 (sete) do Modulo III do Manual, contera: a) valor total do imovel rural e seu respectivo parfunetro unitario; b) valor das benfeitorias indenizaveis.

6 a) nlimero de familias por im6vel rural; b) custo do im6vel rural por familia. Art. 6. Em respeito aos principios da publicidade e da economicidade, ap6s a aprova<;ao do Grupo Tecnico de Vistoria e Avalia<;ao, 0 extrato simplificado do LV A sera publicado no portal do Incra na rede mundial de computadores e afixados em local visivel ao publico nas instala<;oes das Superintendencias Regionais, por urn periodo de 5 (cinco) dias. Panigrafo Unico. 0 extrato simplificado a que se refere 0 caput devera conter: a) 0 nlimero do laudo correspondente; b) a denominayao do im6vel rural e suas confrontayoes; c) 0 municipio de sua localizayao; d) a area total registrada no Cart6rio de Registro de Im6veis competente; e) a explora<;ao predominante no im6vel rural (agricola, pecuaria, extrativista, etc.); f) 0 valor total do im6vel rural - VTI, 0 valor da terra nua - VTN e 0 valor das benfeitorias - VB. Se~ao III Do Grupo Tecnico de Vistoria e Avalia~ao Art. 7. Ao Grupo Tecnico de Vistoria e Avalia<;ao, instituido na forma do art. 3 da Instruyao Normativa/lncra n 36/2006, compete a analise do LVA, com posterior aprova<;ao ou rejei<;ao. 1 A analise do Grupo Tecnico de Vistoria e Avalia<;ao sera consignada em ata que devera conter: a) data, local de realizayao, nome e identifica<;ao dos participantes, b) identifica<;ao, municipio e microrregiao de localiza<;ao do im6vel rural; c) numero do processo; d) quadro resume da avalia<;ao contendo, no minimo: area avaliada, valor total, valor das benfeitorias, valor da terra nua e custo da recupera<;ao ambiental; e) porcentagem das classes de capacidade de uso e nota agronomica; f) analise comparativa do valor total do im6vel rural e valor da terra nua com a Planilha de Pre<;osReferenciais - PPR; g) outras informa<;oes que 0 grupo julgar necessarias para subsidiar decisao superior. 2 Os elementos de pesquisa relativos aos neg6cios realizados, ofertas e opinioes serao inseridos em banco de dados de pre<;osde terras. Se~ao IV Do Conjunto Avalia~ao Quilombola Art processo administrativo de avalia<;ao de al<;ada do CDR permanecera na SR(OO), encaminhando-se a DT 0 Conjunto Avalia<;ao Quilombola para instru<;ao dos procedimentos necessarios a descentralizayao de recursos para indeniza<;ao do im6vel rural, constituido das seguintes pe<;as:

7 v - fichas agronomicas, nas quais as seguintes informac;oes nao necessitam ser preenchidas: custo por familia, capacidade de assentamento e classificac;ao do im6vel rural; digital; VI - planilha de homogeneizac;ao de dados e tratamento estatistico, impressa e em meio VII - parecer fundamentado da SR(OO)PFE/R, que conteni relat6rio circunstanciado, analise da autenticidade, regularidade e legalidade do dominio, fundamentac;ao legal e conclusao; Art Conjunto Avaliac;ao Quilombola ou 0 processo administrativo sera encaminhado a DF para fins de descentralizac;ao dos recursos correspondentes e autorizac;ao para 0 ajuizamento da respectiva ac;ao de desapropriac;ao. 2 Os valores em dinheiro serlio depositados em juizo objetivando a transferencia do im6vel rural para 0 dominio da Autarquia. CAPiTULO IV AL<;ADAS DECISORIAS DOS ORGAos COLEGIADOS Art. 10. Tratando-se de obtenc;ao e avaliac;ao de im6veis rurais inseridos em perimetros objeto de decreto para fins de regularizac;ao de territ6rios quilombolas deverao ser observados a competencia e os limites de alc;adas fixados no anexo I da Instruc;ao Normativa/lncra no36/ Quando a materia for de alc;ada do CD 0 processo administrativo, contendo a ata do CDR aprovando a proposta, sera encaminhado a Coordenac;ao-Geral de Obtenc;ao de Terras - DTO para instruc;ao complementar visando a submeter a proposta ao CD. 2 0 Diretor da DF, mediante solicitac;ao substanciada da DFQ, podera optar pel a descentralizac;ao de recursos mediante estimativa de prec;o de acordo com a PPR, recurso esse que podera ser empenhado em nome do possuidor ou titular do dominio do im6vel rural, observando-se que qualquer pagamento somente ocorrera no ambito judicial da desapropriac;ao. 3 Os processos de vistoria e avaliac;ao cujos recursos foram empenhados nos termos do 2 deste artigo seguirao os mesmos tramites dos demais, no ano seguinte ao empenho estimativo.

8 CAPITULO V CRITERIOS E PROCEDIMENTOS PARA REALIZA<;AO DE ACORDO Sec;ao I Realizac;ao de Acordo Judicial e Extrajudicial Art. 11. A transayao ou acordo judicial em ayoes de desapropriayao para desintrusao de nao quilombolas em territ6rios quilombolas sera realizado quando atender aos principios constitucionais e legais da administrayao publica. Paragrafo Unico. A transayao ou acordo judicial previsto nesta Norma ocorrera apos ser constatado que: a) existam recursos oryamentarios e financeiros disponiveis; b) nao exista questionamento administrativo ou judicial de valor superestimado para pagamento da indenizayao, salvo quando dirimido; e c) nao haja questionamento da autenticidade, da legalidade e regularidade do titulo de dominio nas esferas judicial ou administrativa. Art. 12. Transayao judicial ou acordo envolvendo imovel rural somente produzira efeito apos a indispensavel manifestayao do Ministerio Publico Federal e a homologayao judicial pelo Juizo competente. Art. 13. A transayao ou 0 acordo judicial contera, obrigatoriamente, clausula assecuratoria de renuncia do expropriado a quaisquer direitos sobre os quais possam se fundar ayoes, recursos ou outros procedimentos judiciais ou extrajudiciais, nos quais sejam parte 0 Incra ou a Uniao, relativamente ao bem expropriado. Panigrafo Unico. A transayao ou 0 acordo judicial devera ser firmado pessoalmente pelo expropriado ou por seu representante legal, com poderes especiais para transigir e renunciar aos direitos mencionados no caput deste artigo. Art valor total do acordo sera pago na forma estabelecida no art. 32 do Decreto- Lei n.o3.365, de 21 de junho de Art. 15. Para a celebrayao da transayao ou acordo devera ser observada a competencia e os limites de alyada fixados no Anexo I da Instruyao NormativaJlncra n 36/2006, Art. 16. Nao sera realizado acordo nos casos em que haja expediyao de oficio requisitorio relativo a pagamento de precatorios judiciarios. Sec;ao II Dos Acordos em Processos Judiciais antes da Sentenc;a de 1 0 Grau de Jurisdic;ao Art. 17. Os Chefes das SR(OO)PFEIR ficam autorizados a firmar transayoes ou acordos judiciais nas ayoes de desapropriayao por interesse social, a fim de se fixar a justa indenizayao devida pel a transferencia de dominio dos imoveis rurais desapropriados, nos processos judiciais em que ainda nao tenham sido proferidas sentenyas de merito na area de jurisdiyao do juiz de primeiro grau, observadas as regras presentes nesta Norma. '

9 1 Fica vedada a inclusao, nas transayoes ou acordos firmados, de pagamento de juros de mora, juros compensat6rios, parcelas relativas a hononirios de advogado, de assistente tecnico do expropriado e de parcelas indenizat6rias. 2 Nos casos em que 0 LVA do Incra apresente valor superior ao laudo pericial, sera este utilizado como panlmetro para 0 acordo. Art. 18. Havendo concordancia do expropriado quanta ao prevo, a transayao podeni ser homologada por sentenya, nos termos do art. 22 do Decreto-Lei n. D 3.365/ Nao havendo concordancia expressa quanta ao prevo, a transayao podeni ser proposta em audiencia a ser designada no curso da ayao da desapropriayao, conforme os arts. 331 do C6digo de Processo Civil e 24 do Decreto-Lei n. D 3.365/1941, submetendo-a a deliberayao das instancias competentes do Incra e a manifestayao do representante do Ministerio Publico Federal que oficie no feito para posterior homologayao judicial. 2 Na audiencia de conciliayao e obrigat6ria a presenya de Engenheiro Agronomo do Incra ou de entidade conveniada, para acompanhar 0 Procurador Federal que atua no feito, no sentido de prestar esclarecimentos no que tange ao laudo de avaliayao do im6vel rural e valores apurados. Art. 19. Formalizada devera, sucessivamente: a proposta de acordo na audiencia de conciliayao, a SR(OO)PFE/R I - instruir 0 processo administrativo de desapropriayao com a proposta de acordo apresentada em audiencia, com manifestayao circunstanciada que aborde os seguintes itens: a) razoes que ensejaram a realizayao do acordo; b) legitimidade da parte proponente; c) inexistencia de onus e gravames sobre 0 objeto da transayao ou de obstaculos de natureza legal ou processual que possam impedi-ia; d) preservayao do interesse de terceiros; e) val ores apresentados pelo proponente, ap6s manifestayao do setor de caiculos judiciais; f) aspectos que onerem substancialmente a indenizayao e que possam ser objeto de negociayao; g) condiyoes legais em que se devera formalizar 0 acordo; h) andamento dos processos judiciais e a juntada de suas peyas no processo administrativo; i) atendimento as alineas "b" e "c" do paragrafo linico do art. 11 desta Norma. II - remeter 0 processo a SR(OO)T, que submetera 0 feito a deliberayao do CDR, manifestando-se, antes, de forma circunstanciada sobre: a) os aspectos tecnico-agronomicos do im6vel rural con stante dos laudos administrativo e pericial, quando houver; b) a razoabilidade dos val ores propostos no acordo, em relayao ao mercado de terras; c) as condiyoes para a realizayao da transayao ou acord.udicial; d) definiyao da alvada de competencia.

10 Art. 20. Ap6s a aprovac;ao pelo CDR, a proposta de acordo sera encaminhada it DF, para pronunciamento relativo it alinea "a" do paragrafo linico do art. 11 desta Norma e autorizac;ao da descentralizac;ao dos recursos financeiros, com posterior remessa it Diretoria de Gestao Administrativa - DA. Panigrafo Unico. Os valores em dinheiro serao depositados em juizo para homologac;ao do acordo, objetivando a transferencia do im6vel rural para 0 dominio da Autarquia. Se.;ao III Dos Acordos em Processos Judiciais apos a Senten.;a de 1 0 Grau de Jurisdi.;ao Art. 21. A proposta de acordo apresentada na ac;ao de desapropriac;ao, que ja tenha sentenc;a de merito, sera juntada ao processo administrativo de desapropriac;ao respectivo, acompanhada dos seguintes documentos: II - laudo tecnico de avaliac;ao que deu suporte aos val ores constantes da oferta inicial na ac;ao expropriat6ria; IX - decisoes que tenham julgado 0 merito da ac;ao desapropriat6ria em qualsquer instancias; XI - calculo de liquidac;ao de sentenc;a e sentenya homologat6ria houver; dos calculos, quando Panigrafo Unico. Sera admitido acordo ate 0 valor fixado na condenac;ao desde que este nao ultrapasse 0 valor de mercado do im6vel rural, observadas as vedac;oes do 1 0 do art. 17 desta Norma.

11 Se~ao IV Das Al~adas de Decisao em Pro posta de Acordo Art. 22. Ultrapassada a al«ada atribuida ao CDR, na forma do art. 15 desta Norma, antes da homologa«ao judicial, e ap6s delibera«ao do CDR, devera a SR(OO) submeter a proposta a delibera«ao do CD. 1 0 Para delibera«ao pelo CD, devera 0 processo ser instruido com manifesta«ao sucessiva da: a) Diretoria de Obten«ao de Terras e Implanta«ao de Projetos de Assentamento - DT, na forma do art. 19, inciso II desta Norma e com a verifica«ao da disponibilidade de saldo or«amentario. b) Procuradoria Federal Especializada - PFE nos moldes do inciso I do art. 19 desta Norma. Art. 23. Aprovada a realiza«ao do acordo pelo 6rgao colegiado, a proposta sera encaminhada na forma estabelecida no art. 20 desta Norma. CAPiTULO VI DAS DISPOSI<;OES FINAlS Art. 24. Concluida a fase de avalia«ao do im6vel rural nos termos desta Norma, os tramites de titula«ao e registro seguirao os procedimentos regulamentados na Instru«ao Normativa/lncra no57/2009. Art. 25. As situa«oes nao previstas nesta Norma serao submetidas a aprecia«ao do Incra ap6s analise e manifesta«ao conclusiva conjunta da DF e DT. Art. 26. Revogam-se as disposi«oes em contrario, em especial a Norma de Execu«ao/ConjJm DF e DT N 02, de 29 de mar«o de 2010, publicada no Boletim de Servi«o N 14 de 05 de abri de 2010.

PUBLICAções 0.0 JOQ de ()gi.0,6 106

PUBLICAções 0.0 JOQ de ()gi.0,6 106 ,", PUBLICAções 0.0 JOQ de ()gi.0,6 106 S,.eçao_- -.1 I' r,' ag. ~ r-k Jt. 8.S. N dt;. dam I 061. 06 INSTRUÇÃO NORMA TIVA N 34 DE 23 DE MAIO DE 2006. Estabelece critérios e procedimentos para a realização

Leia mais

Art. 2º Recebidos os ofícios requisitórios (precatórios) da Autarquia, estes serão remetidos, de imediato, à Procuradoria Jurídica.

Art. 2º Recebidos os ofícios requisitórios (precatórios) da Autarquia, estes serão remetidos, de imediato, à Procuradoria Jurídica. NORMA DE EXECUÇÃO/INCRA/Nº 14, DE 31 DE MAIO DE 2001 (Publicação: Diário Oficial n 110-E, de 7/6/2001, seção 1, pág. 123 e Boletim de Serviço n 24, de 11/6/2001) Estabelece procedimentos técnicos e administrativos

Leia mais

CAPÍTULO I DA FUNDAMENTAÇÃO LEGAL

CAPÍTULO I DA FUNDAMENTAÇÃO LEGAL INSTRUÇÃO NORMATIVA, N.º 09, DE 13 DE NOVEMBRO DE 2002. Aprovada: Resolução/CD nº 37/2002 - D.O 222, de 18/11/02, seção 1, p.86 e B.S. nº 46, de 18/11/02 Define diretrizes básicas da atividade de fiscalização

Leia mais

a.1) em área desapropriada ou em desapropriação por Estado, por Município, pelo Distrito Federal ou pela União;

a.1) em área desapropriada ou em desapropriação por Estado, por Município, pelo Distrito Federal ou pela União; INSTRUÇÃO NORMATIVA STN Nº 4, DE 17 DE MAIO DE 2007 DOU de 18.5.2007 _ Retificação _DOU de 21.5.2007 Altera dispositivos, que especifica, da Instrução Normativa nº 1, de 15 de janeiro de 1997, disciplinadora

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA TCE-TO Nº 003, DE 23 DE SETEMBRO DE 2009. Consolidada pela IN nº 03/2012 de 02/05/2012.

INSTRUÇÃO NORMATIVA TCE-TO Nº 003, DE 23 DE SETEMBRO DE 2009. Consolidada pela IN nº 03/2012 de 02/05/2012. INSTRUÇÃO NORMATIVA TCE-TO Nº 003, DE 23 DE SETEMBRO DE 2009. Consolidada pela IN nº 03/2012 de 02/05/2012. Acresce o 7 ao artigo 9º da Instrução Normativa nº 003, de 23 de setembro de 2009, que estabelece

Leia mais

I requerimento preenchido e assinado pelo requerente ou representante legal;

I requerimento preenchido e assinado pelo requerente ou representante legal; Instrução Normativa nº 006, de 30 de setembro de 2013. O Diretor Presidente do Instituto de Defesa Agropecuária e Florestal do Espírito Santo- IDAF, usando das atribuições que lhe confere o artigo 35 da

Leia mais

2240INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 28, DE 24 DE JANEIRO DE 2006. (DOU nº 18, de 25/1/2006 e Boletim de Serviços nº 05, de 30/1/2006).

2240INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 28, DE 24 DE JANEIRO DE 2006. (DOU nº 18, de 25/1/2006 e Boletim de Serviços nº 05, de 30/1/2006). 2240INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 28, DE 24 DE JANEIRO DE 2006. (DOU nº 18, de 25/1/2006 e Boletim de Serviços nº 05, de 30/1/2006). Dispõe sobre a regulamentação dos procedimentos administrativos visando promover

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.Br

BuscaLegis.ccj.ufsc.Br BuscaLegis.ccj.ufsc.Br Reforma Agrária Marceloednilson Marins* CONCEITO Considera-se Reforma Agrária o conjunto de medidas que visem a promover, melhor distribuição da terra, mediante modificações do regime

Leia mais

TOMADA DE CONTAS ESPECIAL

TOMADA DE CONTAS ESPECIAL TOMADA DE CONTAS ESPECIAL COMPARATIVO ENTRE A IN TCU Nº 13/1996 E A IN TCU Nº 56/2007 IN TCU Nº 13/1996 IN TCU Nº 56/2007 Art. 1º Diante da omissão no dever de prestar contas, da não comprovação da Aplicação

Leia mais

NOTA TÉCNICA Nº 15/2013 VALOR DA TERRA NUA PARA FINS DE RECOLHIMENTO DO IMPOSTO TERRITORIAL RURAL - ITR.

NOTA TÉCNICA Nº 15/2013 VALOR DA TERRA NUA PARA FINS DE RECOLHIMENTO DO IMPOSTO TERRITORIAL RURAL - ITR. NOTA TÉCNICA Nº 15/2013 Brasília, 4 de abril de 2013. ÁREA: TÍTULO: Finanças/tributação VALOR DA TERRA NUA PARA FINS DE RECOLHIMENTO DO IMPOSTO TERRITORIAL RURAL - ITR. REFERÊNCIA: Convênio de 100% do

Leia mais

Dispõe sobre a Autorização Prévia à Análise Técnica de Plano de Manejo Florestal Sustentável- APAT, e dá outras providências

Dispõe sobre a Autorização Prévia à Análise Técnica de Plano de Manejo Florestal Sustentável- APAT, e dá outras providências INSTRUÇÃO NORMATIVA MMA Nº 4, DE 11 DE DEZEMBRO DE 2006 Dispõe sobre a Autorização Prévia à Análise Técnica de Plano de Manejo Florestal Sustentável- APAT, e dá outras providências A MINISTRA DE ESTADO

Leia mais

Instrução Normativa 004 de 16 de maio de 2005 da Bahia

Instrução Normativa 004 de 16 de maio de 2005 da Bahia Instrução Normativa 004 de 16 de maio de 2005 da Bahia Publicado no D.O.E. de 17 de maio de 2005. Orienta os órgãos da Administração Pública do Poder Executivo Estadual, quanto à incorporação de imóveis

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL CONSELHO REGIONAL DE ENGENHARIA E AGRONOMIA DO ESTADO DE SÃO PAULO - CREA-SP

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL CONSELHO REGIONAL DE ENGENHARIA E AGRONOMIA DO ESTADO DE SÃO PAULO - CREA-SP INSTRUÇÃO Nº 2560 Dispõe sobre procedimentos para a interrupção de registro profissional. O PRESIDENTE DO CONSELHO REGIONAL DE ENGENHARIA E AGRONOMIA, no uso das atribuições que lhe confere o art. 34,

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 01 TCE-TO de 07 de março de 2012. Dispõe sobre o processo eletrônico no âmbito do Tribunal de Contas do Estado do Tocantins.

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 01 TCE-TO de 07 de março de 2012. Dispõe sobre o processo eletrônico no âmbito do Tribunal de Contas do Estado do Tocantins. INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 01 TCE-TO de 07 de março de 2012. Dispõe sobre o processo eletrônico no âmbito do Tribunal de Contas do Estado do Tocantins. O TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO DO TOCANTINS, no uso de

Leia mais

PORTARIA Nº 98 DE 11/06/2010 (Estadual - Minas Gerais) Data D.O.: 12/06/2010

PORTARIA Nº 98 DE 11/06/2010 (Estadual - Minas Gerais) Data D.O.: 12/06/2010 PORTARIA Nº 98 DE 11/06/2010 (Estadual - Minas Gerais) Data D.O.: 12/06/2010 Dispõe sobre a autorização para recebimento e homologação de laudos técnico-ambientais e plantas georreferenciadas, elaborados

Leia mais

VERITAE TRABALHO - PREVIDÊNCIA SOCIAL - SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO LEX TRABALHO

VERITAE TRABALHO - PREVIDÊNCIA SOCIAL - SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO LEX TRABALHO VERITAE TRABALHO - PREVIDÊNCIA SOCIAL - SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO LEX TRABALHO Orientador Empresarial Despachante Aduaneiro e Ajudante de Despachante Aduaneiro-Exercício das Profissões INSTRUÇÃO NORMATIVA

Leia mais

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO AGRÁRIO - MDA INSTITUTO NACIONAL DE COLONIZAÇÃO E REFORMA AGRÁRIA INCRA SUPERINTENDÊNCIA REGIONAL DO MARANHÃO

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO AGRÁRIO - MDA INSTITUTO NACIONAL DE COLONIZAÇÃO E REFORMA AGRÁRIA INCRA SUPERINTENDÊNCIA REGIONAL DO MARANHÃO AVISO DE EDITAL O SUPERINTENDENTE REGIONAL DO INSTITUTO NACIONAL DE COLONIZAÇÃO E REFORMA AGRÁRIA INCRA, no Estado do Maranhão, com base na Lei n. 4.504, de 30.11.64, artigo 2º e 2º, alínea a e 17, alínea

Leia mais

PROVIMENTO CONJUNTO Nº 13, DE 5 DE NOVEMBRO DE 2014.

PROVIMENTO CONJUNTO Nº 13, DE 5 DE NOVEMBRO DE 2014. PROVIMENTO CONJUNTO Nº 13, DE 5 DE NOVEMBRO DE 2014. Regulamenta os procedimentos a serem adotados no âmbito da Justiça do Trabalho da 4ª Região em virtude da implantação do PJe- JT, revoga o Provimento

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA - TCU Nº 56, DE 5 DEZEMBRO DE 2007

INSTRUÇÃO NORMATIVA - TCU Nº 56, DE 5 DEZEMBRO DE 2007 INSTRUÇÃO NORMATIVA - TCU Nº 56, DE 5 DEZEMBRO DE 2007 Dispõe sobre instauração e organização de processo de tomada de contas especial e dá outras providências. O TRIBUNAL DE CONTAS DA UNIÃO, no uso do

Leia mais

NORMA PARA REGULAMENTAÇÃO DAS ATRIBUIÇÕES DOS AGENTES DE COMPRAS DA UNIFEI

NORMA PARA REGULAMENTAÇÃO DAS ATRIBUIÇÕES DOS AGENTES DE COMPRAS DA UNIFEI NORMA PARA REGULAMENTAÇÃO DAS ATRIBUIÇÕES DOS AGENTES DE COMPRAS DA UNIFEI NORMA PARA REGULAMENTAÇÃO DAS ATRIBUIÇÕES DOS AGENTES DE COMPRAS DA UNIFEI Dispõe sobre as atribuições dos agentes de compras

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DE RONDÔNIA SECRETARIA DE ESTADO DO DESENVOLVIMENTO AMBIENTAL SEDAM.

GOVERNO DO ESTADO DE RONDÔNIA SECRETARIA DE ESTADO DO DESENVOLVIMENTO AMBIENTAL SEDAM. GOVERNO DO ESTADO DE RONDÔNIA SECRETARIA DE ESTADO DO DESENVOLVIMENTO AMBIENTAL SEDAM. INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 01 DE 30 DE MAIO DE 2011 Normatiza a atividade de silvicultura econômica com espécies nativas

Leia mais

Responsabilidade Técnica na Pesquisa com Agrotóxicos. Eng. Agr. Gilberto Guarido Coordenador da Câmara Especializada de Agronomia

Responsabilidade Técnica na Pesquisa com Agrotóxicos. Eng. Agr. Gilberto Guarido Coordenador da Câmara Especializada de Agronomia Responsabilidade Técnica na Pesquisa com Agrotóxicos Eng. Agr. Gilberto Guarido Coordenador da Câmara Especializada de Agronomia CONFEA CONSELHO FEDERAL DE ENGENHARIA E AGRONOMIA CREA CONSELHO REGIONAL

Leia mais

SUMÁRIO NOTA DO AUTOR À TERCEIRA EDIÇÃO

SUMÁRIO NOTA DO AUTOR À TERCEIRA EDIÇÃO SUMÁRIO NOTA DO AUTOR À TERCEIRA EDIÇÃO... 15 PREFÁCIO... 17 INTRODUÇÃO... 19 Capítulo I FLEXIBILIZAÇÃO... 21 1.1. Definição... 21 1.2. Flexibilização da norma... 23 1.3. Flexibilizar a interpretação e

Leia mais

Portaria PGFN nº 164, de 27.02.2014 - DOU de 05.03.2014

Portaria PGFN nº 164, de 27.02.2014 - DOU de 05.03.2014 Portaria PGFN nº 164, de 27.02.2014 - DOU de 05.03.2014 Regulamenta o oferecimento e a aceitação do seguro garantia judicial para execução fiscal e seguro garantia parcelamento administrativo fiscal para

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DO MINISTÉRIO PÚBLICO

CONSELHO NACIONAL DO MINISTÉRIO PÚBLICO RESOLUÇÃO N.º 13, DE 02 DE OUTUBRO DE 2006. (Alterada pela Res. 111/2014) Regulamenta o art. 8º da Lei Complementar 75/93 e o art. 26 da Lei n.º 8.625/93, disciplinando, no âmbito do Ministério Público,

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 3681 - ANTAQ, DE 6 DE OUTUBRO DE 2014.

RESOLUÇÃO Nº 3681 - ANTAQ, DE 6 DE OUTUBRO DE 2014. RESOLUÇÃO Nº 3681 - ANTAQ, DE 6 DE OUTUBRO DE 2014. APROVA A ESTRUTURA ORGANIZACIONAL E OS PROCEDIMENTOS DE ASSESSORAMENTO E CONSULTORIA JURÍDICA DA PROCURADORIA FEDERAL JUNTO À AGÊNCIA NACIONAL DE TRANSPORTES

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DE MINAS GERAIS Advocacia-Geral do Estado. Compensação de Precatórios sob a ótica do Decreto Estadual nº 45.

GOVERNO DO ESTADO DE MINAS GERAIS Advocacia-Geral do Estado. Compensação de Precatórios sob a ótica do Decreto Estadual nº 45. GOVERNO DO ESTADO DE MINAS GERAIS 2011 Compensação de Precatórios sob a ótica do Decreto Estadual nº 45.564/11 COMPENSAÇÃO DE PRECATÓRIOS SOB A ÓTICA DO DECRETO ESTADUAL Nº 45.564/11 PASSO A PASSO O credor

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA - TCU Nº 71, DE 28 DE NOVEMBRO DE 2012

INSTRUÇÃO NORMATIVA - TCU Nº 71, DE 28 DE NOVEMBRO DE 2012 INSTRUÇÃO NORMATIVA - TCU Nº 71, DE 28 DE NOVEMBRO DE 2012 Dispõe sobre a instauração, a organização e o encaminhamento ao Tribunal de Contas da União dos processos de tomada de contas especial. O TRIBUNAL

Leia mais

VERITAE TRABALHO PREVIDÊNCIA SOCIAL SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO LEX PREVIDÊNCIA SOCIAL. Débitos Previdenciários Municípios Parcelamento Normatização

VERITAE TRABALHO PREVIDÊNCIA SOCIAL SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO LEX PREVIDÊNCIA SOCIAL. Débitos Previdenciários Municípios Parcelamento Normatização TRABALHO PREVIDÊNCIA SOCIAL SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO LEX PREVIDÊNCIA SOCIAL Orientador Empresarial Débitos Previdenciários Municípios Parcelamento Normatização INSTRUÇÃO NORMATIVA SRP 10/2005 DOU:

Leia mais

TÍTULO I Do Instituto de Terras do Estado do Tocantins. CAPÍTULO I Definição, Encargos e Finalidades

TÍTULO I Do Instituto de Terras do Estado do Tocantins. CAPÍTULO I Definição, Encargos e Finalidades LEI Nº 87, DE 27 DE OUTUBRO DE 1989. Publicado no Diário Oficial nº 23 *Restaurada pela Lei 2.830, de 27/03/2014. Cria o Instituto de Terras do Estado do Tocantins - ITERTINS, o Fundo Agrário Estadual,

Leia mais

COMANDO DA AERONÁUTICA CAIXA DE FINANCIAMENTO IMOBILIÁRIO DA AERONÁUTICA GABINETE ADMINISTRATIVO DATAS NS Nº 038G/DE/2014 10/09/2014 10/09/2014 GERAL

COMANDO DA AERONÁUTICA CAIXA DE FINANCIAMENTO IMOBILIÁRIO DA AERONÁUTICA GABINETE ADMINISTRATIVO DATAS NS Nº 038G/DE/2014 10/09/2014 10/09/2014 GERAL COMANDO DA AERONÁUTICA CAIXA DE FINANCIAMENTO IMOBILIÁRIO DA AERONÁUTICA GABINETE ADMINISTRATIVO DATAS EMISSÃO EFETIVAÇÃO DISTRIBUIÇÃO NS Nº 038G/DE/2014 10/09/2014 10/09/2014 GERAL ASSUNTO ANEXOS 1 DISPOSIÇÕES

Leia mais

GABINETE DO PREFEITO

GABINETE DO PREFEITO LEI Nº. 1.193/2015 AUTOR: MESA DIRETORA SÚMULA: CRIA O CONSELHO E O FUNDO MUNICIPAL DE REGULARIZAÇÃO FUNDIÁRIA E DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO SUSTENTÁVEL DO MUNICÍPIO DE ARIPUANÃ, ESTADO DE MATO GROSSO, E

Leia mais

DECRETO N 28.265, DE 05 DE JUNHO DE 2006

DECRETO N 28.265, DE 05 DE JUNHO DE 2006 DECRETO N 28.265, DE 05 DE JUNHO DE 2006 05/06/2006 * Publicado no DOE em 08/06/2006. Regulamenta a Lei nº 13.707, de 7 de dezembro de 2005, que trata da compensação de crédito tributário com precatórios

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA AGE N.º 10, DE 20 DE MAIO DE 2010.

INSTRUÇÃO NORMATIVA AGE N.º 10, DE 20 DE MAIO DE 2010. AUDITORIA GERAL DO ESTADO ATOS DO AUDITOR-GERAL INSTRUÇÃO NORMATIVA AGE N.º 10, DE 20 DE MAIO DE 2010. Estabelece normas de organização e apresentação das prestações de contas de convênios que impliquem

Leia mais

BOLETIM ADMINISTRATIVO Nº 020 DE 12 a 16/05/14

BOLETIM ADMINISTRATIVO Nº 020 DE 12 a 16/05/14 Leia-se:...Art. 1º DELEGAR COMPETÊNCIA e as responsabilidades decorrentes ao Superintendente Regional do DNIT nos estados de Goiás e Distrito Federal para Lavrar o Termo Aditivo de Prorrogação de prazo,

Leia mais

c Publicada no DOU de 16-12-2004.

c Publicada no DOU de 16-12-2004. LEI N o 10.999, de 15 DE DEZEMBRO DE 2004 Autoriza a revisão dos benefícios previdenciários concedidos com data de início posterior a fevereiro de 1994 e o pagamento dos valores atrasados nas condições

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 3, DE 19 DE ABRIL DE 1993 (DOU de 23/04/93)

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 3, DE 19 DE ABRIL DE 1993 (DOU de 23/04/93) INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 3, DE 19 DE ABRIL DE 1993 (DOU de 23/04/93) Disciplina a celebração de convênios, acordos, ajustes ou instrumentos similares, que envolvam a transferência de recursos financeiros

Leia mais

Portaria CAT 29, de 4.3.2011.

Portaria CAT 29, de 4.3.2011. Portaria CAT 29, de 4.3.2011. LEGISLAÇÃO ESTADUAL (Diário Oficial do Estado de São Paulo) Portaria COORDENAÇÃO DA ADMINISTRAÇÃO TRIBUTÁRIA DO ESTADO DE SÃO PAULO CAT/SP nº 29, de 04.03.2011 D.O.E.: 05.03.2011.

Leia mais

PORTARIA Nº PGE - 089/2012

PORTARIA Nº PGE - 089/2012 PORTARIA Nº PGE - 089/2012 O PROCURADOR GERAL DO ESTADO, no uso das atribuições que lhe são conferidas pelo art. 32 da Lei Complementar nº 34, de 06 de fevereiro de 2009, considerando a necessidade de

Leia mais

PUBLICADA NO DIÁRIO OFICIAL Nº 1.786 DE 24/04/98. LEI Nº 197 DE 08 DE ABRIL DE 1998

PUBLICADA NO DIÁRIO OFICIAL Nº 1.786 DE 24/04/98. LEI Nº 197 DE 08 DE ABRIL DE 1998 PUBLICADA NO DIÁRIO OFICIAL Nº 1.786 DE 24/04/98. LEI Nº 197 DE 08 DE ABRIL DE 1998 Dispõe sobre as terras de domínio do Estado de Roraima e sua atuação no processo de Reforma Agrária, Regularização Fundiária

Leia mais

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, no uso das atribuições que lhe confere o art. 84, incisos IV e VI, da Constituição,

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, no uso das atribuições que lhe confere o art. 84, incisos IV e VI, da Constituição, DECRETO 3.100, de 30 de Junho de 1999. Regulamenta a Lei nº 9.790, de 23 de março de 1999, que dispõe sobre a qualificação de pessoas jurídicas de direito privado, sem fins lucrativos, como Organizações

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 3, DE 18 DE DEZEMBRO DE 2014

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 3, DE 18 DE DEZEMBRO DE 2014 INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 3, DE 18 DE DEZEMBRO DE 2014 Institui a Política de Integração e Segurança da Informação do Sistema de Cadastro Ambiental Rural e dá outras providências. A MINISTRA DE ESTADO DO

Leia mais

Sipaf; IX - Proponente: pessoa física ou jurídica que solicita a permissão de uso do Sipaf.

Sipaf; IX - Proponente: pessoa física ou jurídica que solicita a permissão de uso do Sipaf. PORTARIA Nº 7, DE 13 DE JANEIRO DE 2012 Institui o selo de identificação da participação da agricultura familiar e dispõe sobre os critérios e procedimentos relativos à permissão, manutenção, cancelamento

Leia mais

TRIBUNAL SUPERIOR DO TRABALHO PRESIDÊNCIA ATO Nº 497/GDGSET.GP, DE 24 DE SETEMBRO DE 2014

TRIBUNAL SUPERIOR DO TRABALHO PRESIDÊNCIA ATO Nº 497/GDGSET.GP, DE 24 DE SETEMBRO DE 2014 TRIBUNAL SUPERIOR DO TRABALHO PRESIDÊNCIA ATO Nº 497/GDGSET.GP, DE 24 DE SETEMBRO DE 2014 Institui no âmbito do Tribunal Superior do Trabalho o Termo Circunstanciado Administrativo (TCA). O PRESIDENTE

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 001/2010

RESOLUÇÃO Nº 001/2010 RESOLUÇÃO Nº 001/2010 ALTERA O REGIMENTO INTERNO DA OUVIDORIA DO MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DE GOIÁS. O COLÉGIO DE PROCURADORES DE JUSTIÇA, no uso das atribuições conferidas pelo artigo 18, inciso XVII,

Leia mais

RESOLUÇÃO PGE Nº 3743 18 DE MARÇO DE 2015.

RESOLUÇÃO PGE Nº 3743 18 DE MARÇO DE 2015. RESOLUÇÃO PGE Nº 3743 18 DE MARÇO DE 2015. ESTABELECE NORMAS SOBRE OS RELATÓRIOS DOS ÓRGÃOS LOCAIS E SETORIAIS DO SISTEMA JURÍDICO E REVOGA A RESOLUÇÃO PGE Nº 2.928, DE 16 DE FEVEREIRO DE 2011. A PROCURADORA-GERAL

Leia mais

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE Conselho Nacional do Meio Ambiente CONAMA

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE Conselho Nacional do Meio Ambiente CONAMA MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE Conselho Nacional do Meio Ambiente CONAMA Procedência: 38ª Reunião da Câmara Técnica de Assuntos Jurídicos Data: 04 e 05 de dezembro de 2007 Processo n 02000.003674/2005-12

Leia mais

PROVIMENTO Nº 04/2008

PROVIMENTO Nº 04/2008 PROVIMENTO Nº 04/2008 Disciplina os procedimentos relativos aos débitos das Fazendas Públicas Federal, Estadual e Municipal, em virtude de sentença judicial transitada em julgado, sujeitos ao regime de

Leia mais

LEI Nº 5.194, DE 24 DE DEZEMBRO DE 1966

LEI Nº 5.194, DE 24 DE DEZEMBRO DE 1966 LEI Nº 5.194, DE 24 DE DEZEMBRO DE 1966 Regula o exercício das profissões de Engenharia, Arquiteto e Engenheiro-Agrônomo, e dá outras providências. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA: Faço saber que o CONGRESSO

Leia mais

RESOLUÇÃO CFP Nº 007/01 DE 01 DE JUNHO DE 2001.

RESOLUÇÃO CFP Nº 007/01 DE 01 DE JUNHO DE 2001. RESOLUÇÃO CFP Nº 007/01 DE 01 DE JUNHO DE 2001. Aprova o Manual para Credenciamento de Cursos com finalidade de Concessão do Título de Especialista e respectivo registro. O CONSELHO FEDERAL DE PSICOLOGIA,

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DA FUNDAÇÃO INSTITUTO TECNOLÓGICO DE JOINVILLE - (FITEJ)

REGIMENTO INTERNO DA FUNDAÇÃO INSTITUTO TECNOLÓGICO DE JOINVILLE - (FITEJ) REGIMENTO INTERNO DA FUNDAÇÃO INSTITUTO TECNOLÓGICO DE JOINVILLE - (FITEJ) CAPÍTULO I NATUREZA E FINALIDADES Art 1º. A Fundação Instituto Tecnológico de Joinville, doravante denominada FITEJ, entidade

Leia mais

SPU 25/2/2003 ON-GEADE-004 ASSUNTO: AVALIAÇÃO TÉCNICA DE BENS IMÓVEIS DA UNIÃO OU DE SEU INTERESSE FUNDAMENTAÇÃO LEGAL:

SPU 25/2/2003 ON-GEADE-004 ASSUNTO: AVALIAÇÃO TÉCNICA DE BENS IMÓVEIS DA UNIÃO OU DE SEU INTERESSE FUNDAMENTAÇÃO LEGAL: 25/2/2003 ON-GEADE-004 ASSUNTO: AVALIAÇÃO TÉCNICA DE BENS IMÓVEIS DA UNIÃO OU DE SEU INTERESSE MP FUNDAMENTAÇÃO LEGAL: ART. 67 DO DECRETO LEI Nº 9.760, DE 5 DE SETEMBRO DE 1946 SPU SUMÁRIO 1 OBJETIVO...2

Leia mais

INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 76, DE 2 DE DEZEMBRO DE 2014

INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 76, DE 2 DE DEZEMBRO DE 2014 INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 76, DE 2 DE DEZEMBRO DE 2014 Dispõe sobre os procedimentos complementares relativos à jornada de trabalho e ao controle de assiduidade e pontualidade

Leia mais

LEI N. 1.382, DE 5 DE MARÇO DE 2001. Dispõe sobre as terras públicas do Estado do Acre e dá outras providências. GOVERNADOR DO ESTADO DO ACRE

LEI N. 1.382, DE 5 DE MARÇO DE 2001. Dispõe sobre as terras públicas do Estado do Acre e dá outras providências. GOVERNADOR DO ESTADO DO ACRE LEI N. 1.382, DE 5 DE MARÇO DE 2001 D.O.E. N. 7.985, de 12.3.2001 EMENTA: "Dispõe sobre as terras públicas do Estado do Acre, e dá outras providências." ORIGEM: Projeto de Lei n. 1/2001 AUTORIA: PODER

Leia mais

MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria da Receita Federal do Brasil Inspetoria da Receita Federal do Brasil em São Paulo

MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria da Receita Federal do Brasil Inspetoria da Receita Federal do Brasil em São Paulo MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria da Receita Federal do Brasil Inspetoria da Receita Federal do Brasil em São Paulo ORDEM DE SERVIÇO IRF/SPO Nº 12, DE 24 DE MAIO DE 2011 Dispõe, provisoriamente, sobre a

Leia mais

E S T A D O D O M A T O G R O S S O Prefeitura Municipal de Jaciara

E S T A D O D O M A T O G R O S S O Prefeitura Municipal de Jaciara INSTRUÇÃO NORMATIVA SJU SISTEMA JURÍDICO N.º 001/2011 Versão: 001/2011 Aprovação em: 28/11/2011 Ato de aprovação: Decreto nº. 2995/2011. Unidade Responsável: Sistema Jurídico I - FINALIDADE: Representar

Leia mais

INOVAÇÕES NO GEORREFERENCIAMENTO E NA CERTIFICAÇÃO DE IMÓVEIS RURAIS

INOVAÇÕES NO GEORREFERENCIAMENTO E NA CERTIFICAÇÃO DE IMÓVEIS RURAIS INOVAÇÕES NO GEORREFERENCIAMENTO E NA CERTIFICAÇÃO DE IMÓVEIS RURAIS Kilder José Barbosa Engenheiro Agrimensor Analista/INCRA Kilder Barbosa - Engenheiro Agrimensor Analista em Reforma e Desenvolvimento

Leia mais

Divisão de. Avaliação e Perícia

Divisão de. Avaliação e Perícia Divisão de Avaliação e Perícia índice 3 5 6 a scot consultoria serviços de avaliação e perícia avaliação de imóveis rurais SUgestão de divisão de propriedades rurais Laudo de comprovação de produtividade

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO AMAPÁ

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO AMAPÁ PROVIMENTO Nº 0060/97 O Desembargador GILBERTO DE PAULA PINHEIRO, Vice- Presidente/Corregedor-Geral da Justiça do Estado do Amapá, no uso de suas atribuições legais, Considerando que a Lei Federal nº 6.766,

Leia mais

LEI COMPLEMENTAR Nº 350/2015, DE 29 DE JUNHO DE 2015.

LEI COMPLEMENTAR Nº 350/2015, DE 29 DE JUNHO DE 2015. LEI COMPLEMENTAR Nº 350/2015, DE 29 DE JUNHO DE 2015. CRIA O CONSELHO E O FUNDO MUNICIPAL DE REGULARIZAÇÃO FUNDIÁRIA E DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO SUSTENTÁVEL CONREDES/FUMREDES, E CRIA O PROGRAMA MUNICIPAL

Leia mais

Código de Processo Civil, encontramos regras nesse sentido nos artigos 1003 e seguintes, 1022 e seguintes, artigo 1026.

Código de Processo Civil, encontramos regras nesse sentido nos artigos 1003 e seguintes, 1022 e seguintes, artigo 1026. Escritura pública de inventário e partilha Documentos Necessários A relação de documentos necessários para uma escritura pública de inventário e partilha, especialmente quando contemplam bens imóveis,

Leia mais

PONTO 1: Execução Trabalhista. Fase de Liquidação de Sentença Trabalhista é uma fase preparatória da execução trabalhista art. 879 da CLT.

PONTO 1: Execução Trabalhista. Fase de Liquidação de Sentença Trabalhista é uma fase preparatória da execução trabalhista art. 879 da CLT. 1 DIREITO PROCESSUAL DO TRABALHO PONTO 1: Execução Trabalhista 1. EXECUÇÃO TRABALHISTA: ART. 876 ART. 892 da CLT Fase de Liquidação de Sentença Trabalhista é uma fase preparatória da execução trabalhista

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE MUNIZ FREIRE - ES

PREFEITURA MUNICIPAL DE MUNIZ FREIRE - ES DECRETO Nº 6.106/2013 REGULAMENTA AS LICENÇAS PARA TRATAMENTO DE SAÚDE, DE QUE TRATAM OS ARTS. 80, I; 82 A 100, DA LEI MUNICIPAL Nº 1.132, DE 02 DE JULHO DE 1990 (ESTATUTO DOS SERVIDORES PÚBLICOS DO MUNICÍPIO

Leia mais

COMISSÃO DE FINANÇAS E TRIBUTAÇÃO. PROJETO DE LEI N o 637, DE 2011 I - RELATÓRIO

COMISSÃO DE FINANÇAS E TRIBUTAÇÃO. PROJETO DE LEI N o 637, DE 2011 I - RELATÓRIO COMISSÃO DE FINANÇAS E TRIBUTAÇÃO PROJETO DE LEI N o 637, DE 2011 Altera a Lei nº 6.830, de 22 de setembro de 1980, para incluir o segurogarantia dentre os instrumentos de garantia nas ações de execução

Leia mais

PORTARIA Nº 2.113, DE 09 DE NOVEMBRO DE 2010

PORTARIA Nº 2.113, DE 09 DE NOVEMBRO DE 2010 PORTARIA Nº 2.113, DE 09 DE NOVEMBRO DE 2010 O REITOR DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SÃO PAULO, no uso de suas atribuições legais e, CONSIDERANDO o disposto no Decreto nº 7003,

Leia mais

Instrução Normativa nº 008, de 08 de agosto de 2014.

Instrução Normativa nº 008, de 08 de agosto de 2014. Instrução Normativa nº 008, de 08 de agosto de 2014. O diretor-presidente do Instituto de Defesa Agropecuária e Florestal do Espírito Santo - IDAF, usando das atribuições que lhe confere o artigo 48 do

Leia mais

ÂMBITO E FINALIDADE SERVIÇO DE EMPRÉSTIMO DE VALORES MOBILIÁRIOS

ÂMBITO E FINALIDADE SERVIÇO DE EMPRÉSTIMO DE VALORES MOBILIÁRIOS Dispõe sobre empréstimo de valores mobiliários por entidades de compensação e liquidação de operações com valores mobiliários, altera as Instruções CVM nºs 40, de 7 de novembro de 1984 e 310, de 9 de julho

Leia mais

Prof. Vilmar A. Silva DIREITO AGRÁRIO. Terras Devolutas

Prof. Vilmar A. Silva DIREITO AGRÁRIO. Terras Devolutas 1 Prof. Vilmar A. Silva DIREITO AGRÁRIO Terras Devolutas Terras devolutas são terras pertencentes ao Poder Público, mas que não tem uma destinação pública definida, pois não estão sendo utilizadas pelo

Leia mais

INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL. INSTRUÇÃO NORMATIVA N.º 60, DE 20 DE AGOSTO DE 2012 (DOU de 21/08/2012 Seção I Pág. 54)

INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL. INSTRUÇÃO NORMATIVA N.º 60, DE 20 DE AGOSTO DE 2012 (DOU de 21/08/2012 Seção I Pág. 54) INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL INSTRUÇÃO NORMATIVA N.º 60, DE 20 DE AGOSTO DE 2012 (DOU de 21/08/2012 Seção I Pág. 54) Dispõe sobre os procedimentos operacionais a serem adotados pelas Unidades de

Leia mais

NOTAS SOBRE OS EMPRÉSTIMOS POR DEBÊNTURES OSCAR FONTES TORRES. Oficial do Registro de Imóveis da 8.ª Circunscrição da Capital I - LEIS REGULADORAS

NOTAS SOBRE OS EMPRÉSTIMOS POR DEBÊNTURES OSCAR FONTES TORRES. Oficial do Registro de Imóveis da 8.ª Circunscrição da Capital I - LEIS REGULADORAS NOTAS SOBRE OS EMPRÉSTIMOS POR DEBÊNTURES OSCAR FONTES TORRES Oficial do Registro de Imóveis da 8.ª Circunscrição da Capital I - LEIS REGULADORAS Os empréstimos por meio de obrigações ao portador, chamadas

Leia mais

FUNDO MUNICIPAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL - FMAS

FUNDO MUNICIPAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL - FMAS FUNDO MUNICIPAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL Órgão/Sigla: Natureza Jurídica: Vinculação: Finalidade: FUNDO MUNICIPAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL - FMAS FUNDO SECRETARIA MUNICIPAL DO TRABALHO, ASSISTÊNCIA SOCIAL E DIREITOS

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL RESOLUÇÃO NORMATIVA Nº 82, DE 13 DE SETEMBRO DE 2004

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL RESOLUÇÃO NORMATIVA Nº 82, DE 13 DE SETEMBRO DE 2004 AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL RESOLUÇÃO NORMATIVA Nº 82, DE 13 DE SETEMBRO DE 2004 Estabelece as condições para atendimento com redes de energia elétrica nos lotes situados em loteamentos

Leia mais

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA DA FACULDADE INTEGRADA BRASIL AMAZÔNIA FIBRA CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA DA FACULDADE INTEGRADA BRASIL AMAZÔNIA FIBRA CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS REGULAMENTO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA DA FACULDADE INTEGRADA BRASIL AMAZÔNIA FIBRA Regula o funcionamento do Núcleo de Prática Jurídica NPJ do curso de Direito Bacharelado da Fibra. CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES

Leia mais

LEI N 547, DE 03 DE SETEMBRO DE 2010.

LEI N 547, DE 03 DE SETEMBRO DE 2010. Pág. 1 de 5 LEI N 547, DE 03 DE SETEMBRO DE 2010. CRIA O FUNDO MUNICIPAL DE HABITAÇÃO DE INTERESSE SOCIAL FMHIS E INSTITUI O CONSELHO GESTOR DO FMHIS. O PREFEITO MUNICIPAL DE CRUZEIRO DO SUL ACRE, EM EXERCÍCIO,

Leia mais

DECRETO N 001 A / 2015 De 02 de janeiro de 2015.

DECRETO N 001 A / 2015 De 02 de janeiro de 2015. DECRETO N 001 A / 2015 De 02 de janeiro de 2015. EMENTA: Regulamenta o Sistema de Registro de Preços SRP previsto no art. 15 da Lei nº 8.666/93, no âmbito do Município de Central Bahia. O PREFEITO DO MUNICÍPIO

Leia mais

PARECER CONJUR / MCIDADES Nº 1796/2007. Processo nº 80000.014403/2007-50

PARECER CONJUR / MCIDADES Nº 1796/2007. Processo nº 80000.014403/2007-50 PARECER CONJUR / MCIDADES Nº 1796/2007 CONSULTA EFETUADA PELA CAIXA. ANÁLISE DE ESCRI- TURA DE ÁREA DE INTERVENÇÃO, REFERENTE A CON- TRATO DE REPASSE CELEBRADO COM O MUNICÍPIO DE (...). IMÓVEL ORIUNDO

Leia mais

RESOLUÇÃO N 3.518. Documento normativo revogado pela Resolução 3.919, de 25/11/2010.

RESOLUÇÃO N 3.518. Documento normativo revogado pela Resolução 3.919, de 25/11/2010. RESOLUÇÃO N 3.518 Documento normativo revogado pela Resolução 3.919, de 25/11/2010. Disciplina a cobrança de tarifas pela prestação de serviços por parte das instituições financeiras e demais instituições

Leia mais

RESOLVE: Profª. MARIA CERES RODRIGUES MURAD Diretora Acadêmica

RESOLVE: Profª. MARIA CERES RODRIGUES MURAD Diretora Acadêmica RESOLUÇÃO Nº 5, DE 16 DE JULHO DE 2014 REGIMENTO DE PRÁTICA JURÍDICA Dispõe sobre a Prática Jurídica no âmbito da UNDB. O CONSELHO TÉCNICO- ADMINISTRATIVO, no uso das competências que lhe confere o art.

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLEIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLEIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa DECRETO Nº 49.111, DE 16 DE MAIO DE 2012. (publicado no DOE nº 095, 17 de maio de 2012) Regulamenta, no âmbito da Administração Pública Estadual, a Lei Federal nº 12.527, de 18 de novembro de 2011, que

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA DA FACULDADE DE DIREITO DE VITÓRIA FDV

REGIMENTO INTERNO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA DA FACULDADE DE DIREITO DE VITÓRIA FDV REGIMENTO INTERNO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA DA FACULDADE DE DIREITO DE VITÓRIA FDV REGIMENTO INTERNO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA TÍTULO I Dos Princípios gerais Art. 1. Este regimento Interno disciplina

Leia mais

ADVOCACIA-GERAL DA UNIÃO PROCURADORIA-GERAL FEDERAL PROCURADORIA FEDERAL JUNTO ao IFC

ADVOCACIA-GERAL DA UNIÃO PROCURADORIA-GERAL FEDERAL PROCURADORIA FEDERAL JUNTO ao IFC ORDEM DE SERVIÇO CONJUNTA Nº 01/GR/PF-IFC, DE 28 DE FEVEREIRO DE 2014. O REITOR DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA CATARINENSE E O PROCURADOR-CHEFE DA PROCURADORIA FEDERAL JUNTO AO

Leia mais

MINISTÉRIO DA JUSTIÇA CONSELHO ADMINISTRATIVO DE DEFESA ECONÔMICA

MINISTÉRIO DA JUSTIÇA CONSELHO ADMINISTRATIVO DE DEFESA ECONÔMICA Ref.: Consulta Pública nº 04/2014 DESPACHO nº 339/2014/PRES/CADE Submeto a Resolução anexa que institui o Sistema Eletrônico de Informações SEI como sistema oficial de gestão de documentos eletrônicos

Leia mais

LEGISLAÇÃO COMPLEMENTAR

LEGISLAÇÃO COMPLEMENTAR ATUALIZAÇÃO 9 De 1.11.2014 a 30.11.2014 VADE MECUM LEGISLAÇÃO 2014 CÓDIGO CIVIL PÁGINA LEGISLAÇÃO ARTIGO CONTEÚDO 215 Lei 10.406/2002 Arts. 1.367 e 1.368-B Art. 1.367. A propriedade fiduciária em garantia

Leia mais

REGULAMENTO DE HONORÁRIOS DO IBAPE-ES

REGULAMENTO DE HONORÁRIOS DO IBAPE-ES REGULAMENTO DE HONORÁRIOS DO IBAPE-ES CAPÍTULO I - EXPOSIÇÕES DE MOTIVOS O presente Regulamento tem por objetivo estabelecer valores e formas de compatibilizar os interesses entre contratante e contratado,

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 4, de 08 de setembro de 2009.

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 4, de 08 de setembro de 2009. INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 4, de 08 de setembro de 2009. Dispõe sobre procedimentos técnicos para a utilização da vegetação da Reserva Legal sob regime de manejo florestal sustentável, e dá outras providências.

Leia mais

ESTADO DO MARANHÃO SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO PORTARIA N.º 652, DE 19 DE MAIO DE 2011 RESOLVE: CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES INICIAIS

ESTADO DO MARANHÃO SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO PORTARIA N.º 652, DE 19 DE MAIO DE 2011 RESOLVE: CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES INICIAIS PORTARIA N.º 652, DE 19 DE MAIO DE 2011 A SECRETÁRIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO, no uso de suas atribuições legais, especialmente em referência ao disposto no artigo 25, da Constituição Federal de 1988, e ao

Leia mais

DECRETO Nº 30226 DE 8 DE DEZEMBRO DE 2008

DECRETO Nº 30226 DE 8 DE DEZEMBRO DE 2008 DECRETO Nº 30226 DE 8 DE DEZEMBRO DE 2008 Regulamenta o Fundo Especial Projeto Tiradentes, criado pela Lei nº 3.019, de 2000, de 3 de maio de 2000. O PREFEITO DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO, no uso de suas

Leia mais

ATO Nº 20/2011. O PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 7ª REGIÃO, no uso de suas atribuições legais e regimentais,

ATO Nº 20/2011. O PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 7ª REGIÃO, no uso de suas atribuições legais e regimentais, ATO Nº 20/2011 Disciplina a concessão de licenças-médicas aos servidores em exercício neste Regional e dá outras providências. O PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 7ª REGIÃO, no uso de suas

Leia mais

PORTARIA Nº 29 DE 10 DE MAIO DE 2005. RESOLVE:

PORTARIA Nº 29 DE 10 DE MAIO DE 2005. RESOLVE: Salvador Quarta-feira 11 de maio de 2005 Ano LXXXIX No 18.837 PORTARIA Nº 29 DE 10 DE MAIO DE 2005. Dispõe sobre diretrizes para a exploração florestal, o plano de manejo florestal, a supressão de vegetação

Leia mais

PROVIMENTO Nº 148, DE 16 DE ABRIL DE 2008. (Ver Provimento n. 70, de 9.1.2012 DJMS, de 17.1.2012.)

PROVIMENTO Nº 148, DE 16 DE ABRIL DE 2008. (Ver Provimento n. 70, de 9.1.2012 DJMS, de 17.1.2012.) PROVIMENTO Nº 148, DE 16 DE ABRIL DE 2008. (Ver Provimento n. 70, de 9.1.2012 DJMS, de 17.1.2012.) Institui, no âmbito da Justiça de Primeiro Grau do Estado de Mato Grosso do Sul, o sistema eletrônico

Leia mais

EDITAL PARA AQUISIÇÃO DE IMÓVEIS RURAIS PELO INCRA

EDITAL PARA AQUISIÇÃO DE IMÓVEIS RURAIS PELO INCRA SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO AGRÁRIO - MDA INSTITUTO NACIONAL DE COLONIZAÇÃO E REFORMA AGRÁRIA - INCRA SUPERINTENDÊNCIA REGIONAL DE SANTA CATARINA - SR(10)SC EDITAL PARA AQUISIÇÃO

Leia mais

CAPÍTULO I OBJETO E ÂMBITO DE APLICAÇÃO

CAPÍTULO I OBJETO E ÂMBITO DE APLICAÇÃO RESOLUÇÃO NORMATIVA RN Nº 392, DE 9 DE DEZEMBRO DE 2015 Dispõe sobre aceitação, registro, vinculação, custódia, movimentação e diversificação dos ativos garantidores das operadoras no âmbito do sistema

Leia mais

CAPÍTULO I DA FUNDAMENTAÇÃO LEGAL

CAPÍTULO I DA FUNDAMENTAÇÃO LEGAL REGULAMENTO PARA SOLICITAÇÃO, CONCESSÃO E USUFRUTO DA LICENÇA PARA CAPACITAÇÃO DOS SERVIDORES TÉCNICO- ADMINISTRATIVOS DE QUE TRATA A NS Nº 570 de 22/05/2006 CAPÍTULO I DA FUNDAMENTAÇÃO LEGAL 1.1 A licença

Leia mais

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE Conselho Nacional do Meio Ambiente CONAMA

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE Conselho Nacional do Meio Ambiente CONAMA MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE Conselho Nacional do Meio Ambiente CONAMA Procedência: 11ª Reunião da Câmara Técnica de Unidades de Conservação e 36ª Câmara Técnica de Assuntos Jurídicos Data: 27 e 28 de agosto

Leia mais

INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATURAIS RENOVÁVEIS

INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATURAIS RENOVÁVEIS INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATURAIS RENOVÁVEIS INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 12, DE 6 DE AGOSTO DE 2014 O PRESIDENTE DO INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATURAIS

Leia mais

á Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

á Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos á Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 8.465, DE 8 DE JUNHO DE 2015 Regulamenta o 1º do art. 62 da Lei nº 12.815, de 5 de junho de 2013, para dispor sobre os

Leia mais

NORMA DE EXECUÇÃO/INCRA/N o 8, DE 6 DE ABRIL DE 2001. (Publicação: Diário Oficial n 71-E, de 11/4/2001, seção 1, pág. 202)

NORMA DE EXECUÇÃO/INCRA/N o 8, DE 6 DE ABRIL DE 2001. (Publicação: Diário Oficial n 71-E, de 11/4/2001, seção 1, pág. 202) NORMA DE EXECUÇÃO/INCRA/N o 8, DE 6 DE ABRIL DE 2001. (Publicação: Diário Oficial n 71-E, de 11/4/2001, seção 1, pág. 202) Dispõe sobre o procedimento administrativo para alienação de imóveis rurais em

Leia mais

GENILDO LINS DE ALBUQUERQUE NETO

GENILDO LINS DE ALBUQUERQUE NETO MINISTÉRIO DAS COMUNICAÇÕES GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 126, DE 25 DE JUNHO DE 2014 O MINISTRO DE ESTADO DAS COMUNICAÇÕES Interino, no uso das atribuições que lhe confere o inciso II do parágrafo

Leia mais

ESTADO DE SANTA CATARINA SECRETARIA DE ESTADO DA INFRA-ESTRUTURA DEPARTAMENTO DE TRANSPORTES E TERMINAIS

ESTADO DE SANTA CATARINA SECRETARIA DE ESTADO DA INFRA-ESTRUTURA DEPARTAMENTO DE TRANSPORTES E TERMINAIS ESTADO DE SANTA CATARINA SECRETARIA DE ESTADO DA INFRA-ESTRUTURA DEPARTAMENTO DE TRANSPORTES E TERMINAIS RESOLUÇÃO N o 03/06 Aprova Manual de Instrução para Inscrição de Créditos do DETER, em Dívida Ativa.

Leia mais

ASSOCIAÇÃO CATARINENSE DE ENSINO - ACE FACULDADE DE DIREITO DE JOINVILLE. Regulamento do Núcleo de Prática Jurídica - NPJ

ASSOCIAÇÃO CATARINENSE DE ENSINO - ACE FACULDADE DE DIREITO DE JOINVILLE. Regulamento do Núcleo de Prática Jurídica - NPJ ASSOCIAÇÃO CATARINENSE DE ENSINO - ACE FACULDADE DE DIREITO DE JOINVILLE Regulamento do Núcleo de Prática Jurídica - NPJ Resolução n. º02/2007. Dispõe sobre as atividades relacionadas ao Estágio Supervisionado,

Leia mais