Infinitas são as coisas que consideramos boas, um amor correspondido, uma honesta riqueza, um quitute refinado. Umberto Eco em A História da Beleza

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Infinitas são as coisas que consideramos boas, um amor correspondido, uma honesta riqueza, um quitute refinado. Umberto Eco em A História da Beleza"

Transcrição

1 Belo junto com gracioso, bonito ou sublime, maravilhoso, soberbo _ é um adjetivo que usamos frequentemente para indicar algo que nos agrada. Nesse sentido, aquilo que é belo é bom e, de fato em diversas épocas históricas criou-se um laço estreito entre o Belo e o Bom. Infinitas são as coisas que consideramos boas, um amor correspondido, uma honesta riqueza, um quitute refinado. Umberto Eco em A História da Beleza

2 Algumas definições: Estética - é a disciplina que estuda filosofia da arte. Segundo Baumgarten, em Aesthetica, 1750, estética é a lógica do sensível. Porém, as discussões sobre arte e seus múltiplos significados advêm desde Platão, filósofo da Antiguidade Grega, que nos deixou diversos legados como o conceito de Belo. Para Platão o Belo se constituía no mundo das idéias sendo realizável através da música e da poesia. As artes plástiscas, pintura e escultura, estavam no âmbito da imitação, foi só pós-aristóteles que elas adquiriram o caráter de representação. A base do pensamento platônico é de que o Belo deriva da beleza universal, isto é, constitui-se na idéia, na essência do Ser, pois é um aspecto deste que se comunica com o intelecto por meio dos sentidos, não nasce, nem morre, é eterno. Os gregos consideravam o Belo a partir de três aspectos fundamentais: o moral, o estético e o espiritual. Para Kant, filósofo alemão, , distinguir se algo é belo ou não, depende de um entendimento do objeto vinculado à imaginação, aos sentimentos de prazer ou de desprazer. O juízo do gosto não é lógico, mas estético. Para se contemplar o belo não é necessário o conhecimento cognitivo, mas sim uma disposição para se praticar o exercício da atenção. Nossa experiência estética surge a partir da contemplação desinteressada.

3 Vênus de Willendorf, Pedra, a.c, Museu de História Natural, Viena

4 Vênus de Cnido, cópia romana do original de Praxíteles, mármore, 300 a.c A obra de arte só pode ser apreciada e compreendida no contexto de seu tempo.

5 Doríforo, cópia de um original grego, a.c, Mármore, alt. 1,98m, museu Nacional de Nápolis

6 Imagens comparativas, diversas representações de Vênus

7 Introdução à linguagem visual: Artistas, historiadores da arte, filósofos e especialistas de vários campos das ciências Humanas têm abordado a questão da procedência do significado nas artes visuais. Um dos trabalhos mais significativos nesse campo foi realizado pelos psicólogos da Gestalt, cujo principal interêsse tem sido os princípios da organização perceptiva, o processo da configuração de um todo a partir das partes. Rudolf Arnheim aplicou grande parte da teoria da Gestalt à interpretação das artes visuais. Em seu livro Arte e Percepção Visual ele explora não apenas o funcionamento da percepção, mas também a qualidade das unidades visuais individuais e as estratégias de sua unificação em um todo final e completo. Qualquer acontecimento visual é uma forma com conteúdo, mas o conteúdo é extrememente influenciado pela importância das partes constitutivas como a cor, o tom, a textura, a dimensão, a proporção e suas relações compositivas com o significado.

8 Texturas Nesta composição gráfica Tanaka evoca a antiguidade por meio das texturas, da imagem feminina esmaecidada sob o fundo com leves e variados tons de rosa e das letras que parecem ter sido escritas sobre uma pedra. Mas,também é clara a ponte com o moderno pelo destaque que o designer dá a letra B. Seu desenho e sua inclinação para a esquerda se contrapõem aos demais elementos do cartaz, criando uma instigante atmosfera entre o velho e o novo. Iko Tanaka, cartaz para a exposição o Homem e a Escrita, Etrúria, 1995, offset, 1030 x 728 mm, Morisawa & Co, Ltd

9 Uma das técnicas visuais mais dinâmicas é o contraste que se manifesta numa relação de polaridade com a técnica oposta, a harmonia. Contraste Instabilidade Assimetria Irregularidade Complexidade Fragmentação Profusão Exagero Espontaneidade Atividade Ousadia Ênfase Transparência Variação Distorção Profundidade Justaposição Acaso Harmonia Equilíbrio Simetria Regularidade Simplicidade Unidade Economia Minimização Previsibildade Extase Sutileza Neutralidade Opacidade Estabilidade Exatidão Planura Singularidade Sequencialidade

10 Harmonia O cartaz realizado para o teatro Ginza reúne simultâneamente elementos harmônicos como equilíbrio simétrico, regularidde, simplicidade, minimização e também, contrastantes como as cores que se iluminam quando colocadas sobre o fundo negro. Iko Tanaka, cartaz para o teatro Ginza Saison, Offset, 1030 x 728 mm, 1986, Teatro Ginza Toquio

11 Contraste As composições de Carson de um modo geral são assimétricas, irregulares, com elementos justapostos, espontâneas ao ponto do acaso. Sua comunicação é intrincada, fragmentada, reunindo imagens com texturas e universos díspares, mas que no todo se interligam. David Carson, página do livro David Carson:2nd sight, 1997, Nova Iorque

12 Composição: fundamentos sintáticos

13 Sintaxe: em termos lingüísticos sintaxe significa a disposição ordenada das palavaras, em termos visuais significa a disposição ordenada de partes. A composição é a reunião do olhar do criador e dos elementos que constituem a imagem: ponto, linha, forma, textura, cor, direção, profundidade.

14 Equilíbrio

15 A influência mais forte sobre a percepção humana é a necessidade que o homem tem de equilíbrio. Sendo assim, o equilíbrio é a referência visual mais forte e firme do homem. Ele se manifesta de diversas formas, mas sempre a partir de um eixo vertical horizontal. Equilíbrio simétrico Assimétrico Assimétrico

16 O objetivo de Mondrian foi o de criar um idioma plástico universal baseado na estruturação vertical-horizontal (uma verdadeira obcessão). Mondrian, Composição nº 3, óleo sobre tela, 1923

17 O cartaz da Bauhaus 1923, possui o eixo e a direção em sentido diagonal.

18 O equilíbrio das composições de Lissistzky baseia-se nos contrapesos. El Lissitzky, História suprematista de dois quadrados, impressão sobre papel, 1922

19 o artista concreto foi um tipo de designer, pesquisador de formas Luis Sacilotto, Concreção 5521, esmalte sobre madeira, 1955

20 Tensão

21 As tensões são os meios mais eficazes para criar efeitos em resposta ao objetivo da mensagem. As opções visuais são as polaridades. Repouso Tensão

22 Com a descoberta das superfícies moduladas, Ligia deu um passo arrojado, pois aboliu a diferença entre um quadro, um painel encaixado, um móvel. Ligia Clark, Planos em superfície modular nº 5, tinta industrial sobre madeira, 1957

23 Os artistas brasileiros concretos e neoconcretos exploraram as teorias de percepção da Gestalt, criando a poética da forma. Aluísio Carvão, Claro-vermelho, óleo sobre tela, 1959 Helio Oiticica, Metaesquema, guache sobre cartão, 1958

24 As setas de Willys de Castro conduzem o olhar do observador para várias direções, criando dinamismo visual e ritmo. Willys de Castro, Pintura, óleo sobre tela, 1957

25 Elementos de Comunicção Visual

26 A base teórica da Gestalt é a crença de que a abordagem da compreensão e da análise de todos os sistemas exige que se reconheça que o sistema, objeto ou acontecimento como um todo é formado por partes interatuantes, que podem ser isoladas e vistas como inteiramente independentes, e depois reunidas no todo. Portanto decompor uma imagem em seus elementos constitutivos é um processo que proporciona a melhor compreensão de uma obra visual.

27 O ponto O ponto é a unidade visual mais simples e mínima. Os pontos quando se ligam dirigem o olhar do observador e, quando em grande número e justapostos criam a ilusão do tom ou de cor.

28 Andy Warhol, Marylin, serigrafia

29 Cecilia Abs, Fetiches, composição digital, 2001

30 Manet, Almoço na Relva, óleo sobre tela, 1870, Museu do Impressionistas, Paris,

Curso de Design Linguagem Visual. Luciano Pedroza

Curso de Design Linguagem Visual. Luciano Pedroza Curso de Design Linguagem Visual Luciano Pedroza O Designer O designer, ao contrário do pensamento comum não é artista, mas utiliza elementos da arte no desenvolvimento do projeto. O artista, por definição,

Leia mais

As cores são ações e paixões da luz.

As cores são ações e paixões da luz. As cores são ações e paixões da luz. Goethe Robert Delunay, Drama políltico, óleo e colagem sobre cartão, 88,7 x 67,3, 1914 Cada olhar envolve uma observação, cada observação uma reflexão, cada reflexão

Leia mais

ARTES PLÁSTICAS (BACHARELADO)

ARTES PLÁSTICAS (BACHARELADO) assinatura do(a) candidato(a) Admissão por Transferência Facultativa 2. a Transferência Facultativa/2010 ARTES PLÁSTICAS (BACHARELADO) Segunda Etapa Prova Dissertativa LEIA COM ATENÇÃO AS INSTRUÇÕES ABAIXO.

Leia mais

VANGUARDA DISCIPLINA: ARTES PROFESSORA: ANA PRISCILA

VANGUARDA DISCIPLINA: ARTES PROFESSORA: ANA PRISCILA VANGUARDA DISCIPLINA: ARTES PROFESSORA: ANA PRISCILA Em seu sentido literal, vanguarda (vem do francês Avant Garde, guarda avante ) faz referência ao batalhão militar que precede as tropas em ataque durante

Leia mais

Unificação Fechamento Continuidade

Unificação Fechamento Continuidade UNIVERSIDADE COMUNITÁRIA DA REGIÃO DE CHAPECÓ Curso: 1081 - COMUNICAÇÃO SOCIAL PUBLICIDADE E PROPAGANDA Matriz: 421 - COMUNICAÇÃO SOCIAL PUBLICIDADE E PROPAGANDA Componente Curricular: EXPRESSÃO GRÁFICA

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO DE COMUNICAÇÃO E EXPRESSÃO DEPARTAMENTO DE EXPRESSÃO GRÁFICA CURSO DE DESIGN

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO DE COMUNICAÇÃO E EXPRESSÃO DEPARTAMENTO DE EXPRESSÃO GRÁFICA CURSO DE DESIGN UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO DE COMUNICAÇÃO E EXPRESSÃO DEPARTAMENTO DE EXPRESSÃO GRÁFICA CURSO DE DESIGN TEORIA DA FORMA Prof. Dr. Isaac A. Camargo INTRODUÇÃO À TEORIA DA GESTALT 1 A

Leia mais

I CFD. Área: ARTE Série: 6º ANO 1º TRIMESTRE ARTE VISUAL

I CFD. Área: ARTE Série: 6º ANO 1º TRIMESTRE ARTE VISUAL Série: 6º ANO 1º TRIMESTRE ARTE VISUAL. Arte Rupestre. Arte Africana. Arte Indígena Brasileira Valorizar o(s) autor (es) dos objetos culturais apreciados, conhecendo aspectos de suas principais obras;

Leia mais

Revisão Arte 1 Ano Ensino Médio

Revisão Arte 1 Ano Ensino Médio Revisão Arte 1 Ano Ensino Médio Um olhar sobre a Arte/ Aprendendo a olhar as artes plásticas/ Arte pré-histórica: Paleolítico e Neolítico/ Arte no Brasil da pré-história Assim como o conceito de Arte,

Leia mais

Princípios do Design Gráfico. Prof. Luis Felipe

Princípios do Design Gráfico. Prof. Luis Felipe Princípios do Design Gráfico Prof. Luis Felipe 1 2 ESTRUTURA DA CRIAÇÃO NAS AGÊNCIAS DIRETOR DE CRIAÇÃO EQUIPE DE CRIAÇÃO VP DE CRIAÇÃO DIRETOR DE CRIAÇÃO EQUIPE DE CRIAÇÃO DIRETOR DE CRIAÇÃO EQUIPE DE

Leia mais

A diagramação é o ato de distribuir os elementos gráficos pontos, linhas, formas, textos, cores, em uma representação gráfica ou digital.

A diagramação é o ato de distribuir os elementos gráficos pontos, linhas, formas, textos, cores, em uma representação gráfica ou digital. Elementos de Diagramação Comunicação Visual A diagramação é o ato de distribuir os elementos gráficos pontos, linhas, formas, textos, cores, em uma representação gráfica ou digital. É construir, estruturar

Leia mais

CENTRO EDUCACIONAL CHARLES DARWIN EDUCAÇÃO INFANTIL. DIRETRIZES CURRICULARES INFANTIL III e IV ARTE

CENTRO EDUCACIONAL CHARLES DARWIN EDUCAÇÃO INFANTIL. DIRETRIZES CURRICULARES INFANTIL III e IV ARTE CENTRO EDUCACIONAL CHARLES DARWIN EDUCAÇÃO INFANTIL 2013 DIRETRIZES CURRICULARES INFANTIL III e IV ARTE OBJETIVOS GERAIS Desenvolver o pensamento artístico, estético e crítico; Estimular a percepção visual

Leia mais

História da Arte - Linha do Tempo

História da Arte - Linha do Tempo História da Arte - Linha do Tempo PRÉ- HISTÓRIA (1000000 A 3600 a.c.) Primeiras manifestações artísticas. Pinturas e gravuras encontradas nas paredes das cavernas. Sangue de animais, saliva, fragmentos

Leia mais

COLÉGIO CEC CENTRO EDUCACIONAL CIANORTE ED. INFANTIL, ENS. FUNDAMENTAL E MÉDIO - SISTEMA ANGLO DE ENSINO. Aluno (a): Série:

COLÉGIO CEC CENTRO EDUCACIONAL CIANORTE ED. INFANTIL, ENS. FUNDAMENTAL E MÉDIO - SISTEMA ANGLO DE ENSINO. Aluno (a): Série: COLÉGIO CEC CENTRO EDUCACIONAL CIANORTE ED. INFANTIL, ENS. FUNDAMENTAL E MÉDIO - SISTEMA ANGLO DE ENSINO Aluno (a): Série: Nº. Data: / /2012 Professor(a): Rosilene Ardengui 7º Ano CALIGRAFIA TÉCNICA OU

Leia mais

Gramática Visual. Composição

Gramática Visual. Composição Gramática Visual Composição Uma comunicação visual composta de formas expressivas possui um conteúdo de valores significativos. As formas são organizadas num espaço limitado: o espaço visual ou campo

Leia mais

ANEXO III NORMAS COMPLEMENTARES DA ESCOLA DE BELAS ARTES, ESCOLA DE MEDICINA VETERINÁRIA E ESCOLA DE MÚSICA ESCOLA DE BELAS ARTES

ANEXO III NORMAS COMPLEMENTARES DA ESCOLA DE BELAS ARTES, ESCOLA DE MEDICINA VETERINÁRIA E ESCOLA DE MÚSICA ESCOLA DE BELAS ARTES ANEXO III NORMAS COMPLEMENTARES DA ESCOLA DE BELAS ARTES, ESCOLA DE MEDICINA VETERINÁRIA E ESCOLA DE MÚSICA ESCOLA DE BELAS ARTES Normas Complementares, relativas aos temas e as especificações das Provas

Leia mais

Pablo Picasso, 1907. MOMA, NY

Pablo Picasso, 1907. MOMA, NY Pablo Picasso, 1907. MOMA, NY Georges Braque, Homenagem à Bach, 1912 FrankLoyd Wright, Robie House, 1909. Chicago. Frank kloyd dwi Wright, Fallingwater house, 1936. Pensilvânia. i O art nouveau (arte

Leia mais

DATA: 18/12/2015 VALOR: 20,0 Pontos NOTA: RELAÇÃO DOCONTEÚDO PARA A RECUPERAÇÃO FINAL

DATA: 18/12/2015 VALOR: 20,0 Pontos NOTA: RELAÇÃO DOCONTEÚDO PARA A RECUPERAÇÃO FINAL DISCIPLINA: ARTE PROFESSORA: Cristiana de Souza DATA: 18/12/2015 VALOR: 20,0 Pontos NOTA: TRABALHO DE RECUPERAÇÃO FINAL SÉRIE: 6º ANO TURMA: ALUNO (A): RELAÇÃO DOCONTEÚDO PARA A RECUPERAÇÃO FINAL Nº: 01.

Leia mais

UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA FACULDADE DE COMUNICAÇÃO ESTÉTICA DA COMUNICAÇÃO ALUNA: TAJLA MEDEIROS 09/49051 A ESTÉTICA DO CORPO. 1. O que é Estética?

UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA FACULDADE DE COMUNICAÇÃO ESTÉTICA DA COMUNICAÇÃO ALUNA: TAJLA MEDEIROS 09/49051 A ESTÉTICA DO CORPO. 1. O que é Estética? UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA FACULDADE DE COMUNICAÇÃO ESTÉTICA DA COMUNICAÇÃO ALUNA: TAJLA MEDEIROS 09/49051 A ESTÉTICA DO CORPO 1. O que é Estética? Estética é o estudo da aesthesis, do universo do sentir.

Leia mais

CURSO DE LICENCIATURA EM ARTES VISUAIS

CURSO DE LICENCIATURA EM ARTES VISUAIS CURSO DE LICENCIATURA EM ARTES VISUAIS Turno: VESPERTINO Autorizado pela Resolução UNIV. nº 25, de16 de setembro de 2002. Para completar o currículo pleno do curso superior de graduação em Licenciatura

Leia mais

UNIVERSIDADE ANHEMBI MORUMBI BRESSON PROJECT DESIGN E MOBILIDADE: HENRI CARTIER-BRESSON

UNIVERSIDADE ANHEMBI MORUMBI BRESSON PROJECT DESIGN E MOBILIDADE: HENRI CARTIER-BRESSON UNIVERSIDADE ANHEMBI MORUMBI BRESSON PROJECT DESIGN E MOBILIDADE: HENRI CARTIER-BRESSON São Paulo 2009 BRESSON PROJECT DESIGN E MOBILIDADE: HENRI CARTIER-BRESSON Trabalho apresentado como exigência parcial

Leia mais

CURIOSIDADE É UMA COCEIRA QUE DÁ NAS IDÉIAS

CURIOSIDADE É UMA COCEIRA QUE DÁ NAS IDÉIAS PAUTA DO ENCONTRO Início : 13hs30 1. Parte teórica 20 2. Oficina elaboração de mapas conceituais e infográficos ( processo) 40 3. Socialização dos resultados ( produto) 40 4. Avaliação geral da proposta

Leia mais

Prova Escrita de História da Cultura e das Artes

Prova Escrita de História da Cultura e das Artes EXAME FINAL NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Prova Escrita de História da Cultura e das Artes 11.º Ano de Escolaridade Decreto-Lei n.º 139/2012, de 5 de julho Prova 724/1.ª Fase 15 Páginas Duração da Prova:

Leia mais

Técnicas de Comunicação Visual

Técnicas de Comunicação Visual DONDIS, Donis A. A sintaxe da linguagem visual. São Paulo: Martins Fontes, 1991, pp. 51-83. Técnicas de Comunicação Visual Donis A. Dondis As técnicas visuais oferecem ao designer uma grande variedade

Leia mais

22/04/2015. Publicidade Gráfica. Tipografia. Você sabe qual a importância da Tipografia no mundo em que vivemos?

22/04/2015. Publicidade Gráfica. Tipografia. Você sabe qual a importância da Tipografia no mundo em que vivemos? Publicidade Gráfica Tipografia Você sabe qual a importância da Tipografia no mundo em que vivemos? 1 Capa de Livro Capa de Revista 2 Cartaz Pôster de Filme 3 Grafitte 4 A tipografia do grego typos = forma

Leia mais

A Refiguração do Banal

A Refiguração do Banal A Refiguração do Banal As pinturas de Pedro Meyer são talvez um caso, senão único, raro do que identificaríamos hoje como uma pintura figurativa. Essa palavra surge aqui de propósito: indica que elas não

Leia mais

JAKOBSON, DUCHAMP E O ENSINO DE ARTE

JAKOBSON, DUCHAMP E O ENSINO DE ARTE JAKOBSON, DUCHAMP E O ENSINO DE ARTE Terezinha Losada Resumo: A obra Fonte de Marcel Duchamp é normalmente apontada pela crítica de arte como a síntese e a expressão mais radical da ruptura com a tradição

Leia mais

Anexo F Grelha de Categorização da Entrevista à Educadora Cooperante

Anexo F Grelha de Categorização da Entrevista à Educadora Cooperante Anexo F Grelha de Categorização da Entrevista à Educadora Cooperante CATEGORIAS SUBCATEGORIAS INDICADORES 1.1. Tempo de serviço docente ( ) 29 anos (1) 1.2. Motivações pela vertente artística ( ) porque

Leia mais

ALTERIDADE - IMPLICAÇÕES NA FORMAÇÃO DO ALUNO

ALTERIDADE - IMPLICAÇÕES NA FORMAÇÃO DO ALUNO ALTERIDADE - IMPLICAÇÕES NA FORMAÇÃO DO ALUNO Hélio de Moraes e Marques 1 Resumo: O ensino da filosofia possui características muito peculiares quanto ao seu método. Refiro-me à exposição pelo professor

Leia mais

CRITÉRIOS DE AVALIACÃO

CRITÉRIOS DE AVALIACÃO CRITÉRIOS DE AVALIACÃO Educação Visual 5º Ano Educação Visual 6º Ano Educação Tecnológica 5º Ano Educação Tecnológica 6º Ano ANO ESCOLAR 2015 / 2016 Ano letivo de 2015 / 2016 INTRODUÇÃO Sendo a avaliação

Leia mais

o que é classificação sintaxe visual percepção e significado dirigindo olhar

o que é classificação sintaxe visual percepção e significado dirigindo olhar Unidade 3 Princípios de Design composição unidade harmonia equilíbrio contraste Composição o que é classificação sintaxe visual percepção e significado dirigindo olhar O que é composição? O processo de

Leia mais

CURSO DE LICENCIATURA EM ARTES VISUAIS

CURSO DE LICENCIATURA EM ARTES VISUAIS CURSO DE LICENCIATURA EM ARTES VISUAIS AUTORIZAÇÃO: Decreto Federal nº 73.259/73 RECONHECIMENTO: Decreto Estadual nº 711/2011 PERÍODO DE CONCLUSÃO: Mínimo: 4 anos / Máximo: 7 anos NÚMERO DE VAGAS: 20 vagas

Leia mais

CURSO DE LICENCIATURA EM ARTES VISUAIS Currículo nº 2

CURSO DE LICENCIATURA EM ARTES VISUAIS Currículo nº 2 CURSO DE LICENCIATURA EM ARTES VISUAIS Turno: VESPERTINO Currículo nº 2 Reconhecido pelo Decreto nº. 3595, de 14.10.08, D.O.E. nº 7.827 de 14.10.08, e complementação do reconhecimento pelo Decreto nº.

Leia mais

Currículo Referência em Artes Visuais Ensino Médio

Currículo Referência em Artes Visuais Ensino Médio Currículo Referência em Artes Visuais Ensino Médio 1º ANO - ENSINO MÉDIO Objetivos Conteúdos Expectativas - Conhecer a área de abrangência profissional da arte e suas características; - Reconhecer e valorizar

Leia mais

HARMONIA EQUILÍBRIO CONTRASTE

HARMONIA EQUILÍBRIO CONTRASTE Gestalt do Objeto Sistema de Leitura Visual da Forma Categorias Conceituais Fundamentais HARMONIA EQUILÍBRIO CONTRASTE Prof. Dr. João Gomes Filho I 2011 BIBLIOGRAFIA www.joaogomes.com.br João Gomes Filho

Leia mais

A concisa história de um projeto pedagógico para o design

A concisa história de um projeto pedagógico para o design A concisa história de um projeto pedagógico para o design Na Europa formaram dois eixos artísticos de diferentes orientações e que marcaram atuação nas primeiras décadas do século 20. Grupos, pelo choque

Leia mais

DETERMINANTES DA LINGUAGEM VISUAL

DETERMINANTES DA LINGUAGEM VISUAL 3 EQUILÍBRIO O principal objetivo de se estudar as qualidades particulares da experiência visual é aprimorar nossa sensibilidade inata e tentar educar o nosso olhar. Assim podemos alargar as possibilidades

Leia mais

MANUAL DA MARCA DME. energética Poços de Caldas

MANUAL DA MARCA DME. energética Poços de Caldas MANUAL DA MARCA 2 3 Índice Introdução A Marca Fonte Utilizada Cores - Participações Sistema Modular Aplicação em Fundos Coloridos Proibições de Uso Cores - Energética Sistema Modular Aplicação em Fundos

Leia mais

Design de superfície e arte: processo de criação em estamparia têxtil como lugar de encontro. Miriam Levinbook

Design de superfície e arte: processo de criação em estamparia têxtil como lugar de encontro. Miriam Levinbook Design de superfície e arte: processo de criação em estamparia têxtil como lugar de encontro. Miriam Levinbook Resumo: Este artigo propõe conexões a respeito do design de superfície em estamparia têxtil

Leia mais

CATÁLOGO DE REFERÊNCIAS PARA A SÍNTESE VISUAL EM PROJETO DE DESIGN DE MODA

CATÁLOGO DE REFERÊNCIAS PARA A SÍNTESE VISUAL EM PROJETO DE DESIGN DE MODA CATÁLOGO DE REFERÊNCIAS PARA A SÍNTESE VISUAL EM PROJETO DE DESIGN DE MODA Catalogue of references for visual synthesis on fashion design project Prado, Marcela Monteiro; Discente; Universidade Estadual

Leia mais

Arte Renascentista. Prof. Arlindo F. Gonçalves Jr. http://www.mural-2.com

Arte Renascentista. Prof. Arlindo F. Gonçalves Jr. http://www.mural-2.com Arte Renascentista Prof. Arlindo F. Gonçalves Jr. http://www.mural-2.com ARTE É UM TODO ORGÂNICO E ORDENADO, DIRIGIDO POR LEIS PRÓPRIAS, QUE REGEM, QUER OS ELEMENTOS DO MACROCOSMO, DOS ASTROS, QUER DO

Leia mais

Escola Básica e Secundária de Velas LINHAS DE EXPLORAÇÃO DO QUADRO DE COMPETÊNCIAS. Educação Visual

Escola Básica e Secundária de Velas LINHAS DE EXPLORAÇÃO DO QUADRO DE COMPETÊNCIAS. Educação Visual Escola Básica e Secundária de Velas LINHAS DE EXPLORAÇÃO DO QUADRO DE COMPETÊNCIAS Educação Visual Escola Básica e Secundária de Velas DISCIPLINA: EDUCAÇÃO VISUAL COMPETÊNCIAS ESSENCIAIS REGIONAIS COMPETÊNCIAS

Leia mais

PAINEL GURUPI COMICS ESTÓRIAS DE GURUPI

PAINEL GURUPI COMICS ESTÓRIAS DE GURUPI PAINEL GURUPI COMICS ESTÓRIAS DE GURUPI João Paulo de Oliveira Maciel Graduando do Curso de Licenciatura em Artes Cênicas IFTO Prof. Pablo Marquinho Pessoa Pinheiro (Orientador) Instituto Federal de Educação,

Leia mais

INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA EDUCAÇÃO VISUAL (14) Abril de 2015

INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA EDUCAÇÃO VISUAL (14) Abril de 2015 Direção Geral dos Estabelecimentos Escolares Direção de Serviços Região Algarve Agrupamento de Escolas Manuel Teixeira Gomes - Cód.145464 ESCOLA EB 2.3 PROFESSOR JOSÉ BUÍSEL INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA

Leia mais

PLANO DE ORGANIZAÇÃO DO ENSINO APRENDIZAGEM. EDUCAÇÃO VISUAL - 7º Ano

PLANO DE ORGANIZAÇÃO DO ENSINO APRENDIZAGEM. EDUCAÇÃO VISUAL - 7º Ano Ano Lectivo 2011/2012 Covilhã PLANO DE ORGANIZAÇÃO DO ENSINO APRENDIZAGEM - A definir em função das características das Turmas e dos interesses dos alunos. COMUNICAÇÃO TEMÁTICOS CONTEÚDOS COMPETÊNCIAS

Leia mais

ARTES AVALIAÇÃO. Aula 3.2 - AVALIAÇÃO

ARTES AVALIAÇÃO. Aula 3.2 - AVALIAÇÃO Aula 3.2-2 1. A Anunciação é uma das obras mais conhecidas de Leonardo da Vinci. Feita por volta do ano de 1472, ela retrata uma das cenas bíblicas mais famosas de todos os tempos. Escreva nas linhas abaixo

Leia mais

COMPETÊNCIAS. Reconhecer a importância das artes visuais como valor cultural indispensável ao desenvolvimento do ser humano.

COMPETÊNCIAS. Reconhecer a importância das artes visuais como valor cultural indispensável ao desenvolvimento do ser humano. COMPETÊNCIAS COMPETÊNCIAS ESPECÍFICAS Ao longo do ensino básico as competências que o aluno deve adquirir em Artes Visuais articulam-se em três eixos estruturantes fruição - contemplação, produção criação,

Leia mais

O CONSUMO AMERICANO E O POSICIONAMENTO POLÍTICO BRASILEIRO

O CONSUMO AMERICANO E O POSICIONAMENTO POLÍTICO BRASILEIRO O CONSUMO AMERICANO E O POSICIONAMENTO POLÍTICO BRASILEIRO Trabalho apresentado ao módulo Realismo (1960) ou Novo Realismo, como requisito parcial para obtenção do título de especialista do curso de História

Leia mais

Nascemos a ver ou aprendemos a ver?

Nascemos a ver ou aprendemos a ver? Nascemos a ver ou aprendemos a ver? A visão é uma função essencialmente aprendida pelos organismos superiores. Podemos dizer que o processo de visão compreende a sensação e a percepção. A sensação consiste

Leia mais

A IMAGEM COMO TRANSMISSORA DE CONHECIMENTO. Korina Costa

A IMAGEM COMO TRANSMISSORA DE CONHECIMENTO. Korina Costa Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 155 A IMAGEM COMO TRANSMISSORA DE CONHECIMENTO Korina Costa Arquiteta e Urbanista, Especialista em Docência do Ensino

Leia mais

e-scrita ISSN 2177-6288

e-scrita ISSN 2177-6288 194 e-scrita ISSN 2177-6288 COMO LER IMAGENS? SANTAELLA, Lucia. Leitura de imagens. São Paulo. Melhoramentos. 2012. 184 p. (Coleção Como eu ensino). Rodrigo da Costa Araujo 1 Como ler imagens? Como elas

Leia mais

Projeto 1 (TG0090) Espaço e Forma1 (TG0091) Geometria Descritiva (TG0093) Desenho de Observação (TG0092) História da Arte e do Design 1 (TG0094)

Projeto 1 (TG0090) Espaço e Forma1 (TG0091) Geometria Descritiva (TG0093) Desenho de Observação (TG0092) História da Arte e do Design 1 (TG0094) 1 (TG0090) problemas. Abordagem do processo do design do fragmento ao conjunto organizado. Investigação, representação e comunicação através do desenho manual. Ambiente humano, dimensões de uso e significado

Leia mais

ANEXO. Universidade Federal do Pará Processo Seletivo Seriado

ANEXO. Universidade Federal do Pará Processo Seletivo Seriado ANEXO Universidade Federal do Pará Processo Seletivo Seriado EXAME DE HABILIDADE PARA OS CANDIDATOS A FACULDADE DE ARTES VISUAIS MODALIDADE LICENCIATURA E BACHARELADO ARTES VISUAIS Para candidatar-se ao

Leia mais

EVOLUÇÃO DAS ARTES VISUAIS

EVOLUÇÃO DAS ARTES VISUAIS Universidade Comunitária da Região de Chapecó CURSO DE PEDAGOGIA 4º Período EVOLUÇÃO DAS ARTES VISUAIS Profª Me Márcia Moreno 1 } Nada existe realmente a que se possa dar o nome de Arte. Existem somente

Leia mais

PINTURA COMO INSTRUMENTO DE AUXÍLIO À INTERPRETAÇÃO TEXTUAL

PINTURA COMO INSTRUMENTO DE AUXÍLIO À INTERPRETAÇÃO TEXTUAL PINTURA COMO INSTRUMENTO DE AUXÍLIO À INTERPRETAÇÃO TEXTUAL NASCIMENTO, Edna Ranielly do. niellyfersou@hotmail.com CABRAL, Juliana da Silva. julianacabralletras@hotmail.com SILVA, Jobson Soares da. PIBIC/Universidade

Leia mais

DISCIPLINA DE ARTE CONTEÚDOS:

DISCIPLINA DE ARTE CONTEÚDOS: DISCIPLINA DE ARTE OBJETIVOS: 6 ano Construir, expressar-se e comunicar-se em artes plásticas e visuais, articulando percepção, memória, imaginação, sensibilidade e reflexão. Desenvolver relação de autoconfiança

Leia mais

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DAS PROVAS TEÓRICO-PRÁTICAS MATÉRIA - PROJETO DE DECORAÇÃO

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DAS PROVAS TEÓRICO-PRÁTICAS MATÉRIA - PROJETO DE DECORAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA ESCOLA DE BELAS ARTES CONCURSO PÚBLICO PARA DOCENTE DO MAGISTÉRIO SUPERIOR CAMPI DE SALVADOR - EDITAL Nº 03/2011 DEPARTAMENTO I - HISTORIA DA ARTE E PINTURA CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO

Leia mais

Aula-passeio: como fomentar o trabalho docente em Artes Visuais

Aula-passeio: como fomentar o trabalho docente em Artes Visuais Aula-passeio: como fomentar o trabalho docente em Artes Visuais Introdução O objetivo deste trabalho é demonstrar como as artes visuais podem ser trabalhadas com visitas a museus e centros culturais. Apresenta

Leia mais

NEJAD EXAME SUPLETIVO 2016 ENSINO FUNDAMENTAL DISCIPLINA DE ARTE

NEJAD EXAME SUPLETIVO 2016 ENSINO FUNDAMENTAL DISCIPLINA DE ARTE NEJAD EXAME SUPLETIVO 2016 ENSINO FUNDAMENTAL DISCIPLINA DE ARTE ARTE RUPESTRE Arte rupestre é o nome da mais antiga representação artística da história do homem. Os mais antigos indícios dessa arte são

Leia mais

SOBRE O BELO, O SUBLIME E O GÊNIO

SOBRE O BELO, O SUBLIME E O GÊNIO SOBRE O BELO, O SUBLIME E O GÊNIO ELEINE BOURDETTE/UNIVERSO A elaboração de uma análise estética das poéticas pictóricas de Parreiras e Castagneto, fundamentada na Crítica do Juízo de Kant, é a finalidade

Leia mais

ILUSTRAÇÃO TAMBÉM SE LÊ

ILUSTRAÇÃO TAMBÉM SE LÊ 1 ILUSTRAÇÃO TAMBÉM SE LÊ Rodrigo da Costa Araujo 1 A leitura é sempre o esforço conjugado de compreender e de incorporar (SCHOLES, Robert. Protocolos de Leitura. Edições 70, 1991, p.25) A epígrafe acima,

Leia mais

DISCIPLINA DE LÍNGUA PORTUGUESA

DISCIPLINA DE LÍNGUA PORTUGUESA DISCIPLINA DE LÍNGUA PORTUGUESA OBJETIVOS: 1 ano Levar o estudante a realizar a escrita do próprio nome e outros nomes. Promover a escrita das letras do alfabeto. Utilizar a linguagem oral para conversar,

Leia mais

MATEMÁTICA E ARTE: UMA ASSOCIAÇÃO POSSÍVEL

MATEMÁTICA E ARTE: UMA ASSOCIAÇÃO POSSÍVEL MATEMÁTICA E ARTE: UMA ASSOCIAÇÃO POSSÍVEL Helena Maria Antoniazzi 1 Resumo O texto apresenta uma pesquisa realizada com alunos de Matemática, de sexta série. O objetivo do trabalho foi investigar a aplicação

Leia mais

TRIANGULAÇÃO DE IMAGENS

TRIANGULAÇÃO DE IMAGENS 1 TRIANGULAÇÃO DE IMAGENS Profa. Teresa Cristina Melo da Silveira (Teca) E.M. Professor Oswaldo Vieira Gonçalves SME/PMU 1 Comunicação Relato de Experiência Triangulação de Imagens foi o nome escolhido

Leia mais

Projecto Anual com Escolas Ano lectivo 2010/2011

Projecto Anual com Escolas Ano lectivo 2010/2011 Projecto Anual com Escolas Ano lectivo 2010/2011 1. Enquadramento O Serviço Educativo da Casa das Histórias Paula Rego é entendido como um sector de programação que visa uma mediação significativa entre

Leia mais

EXPRESSIONISMO FAUVISMO CUBISMO SÉC. XX

EXPRESSIONISMO FAUVISMO CUBISMO SÉC. XX EXPRESSIONISMO FAUVISMO CUBISMO SÉC. XX História da Arte Profª Natalia Pieroni IDADE CONTEMPORÂNEA LINHA DO TEMPO - HISTORIOGRAFIA Período PRÉ-HISTÓRIA Origens do homem até 40000 a. C IDADE ANTIGA 40000

Leia mais

PLANO DE ESTUDOS DE EDUCAÇÃO VISUAL 8.º ANO

PLANO DE ESTUDOS DE EDUCAÇÃO VISUAL 8.º ANO DE EDUCAÇÃO VISUAL 8.º ANO Ano Letivo 2015 2016 PERFIL DO ALUNO O aluno é capaz de: analisar o fenómeno de decomposição da cor; interpretar e distinguir contributos de teóricos da luz-cor; identificar

Leia mais

PLANO DE SEQUÊNCIAS DIDÁTICAS 7º ano / Ensino Fundamental Área: Linguagem códigos e suas tecnologias Disciplina: Arte carga horária: 80 horas

PLANO DE SEQUÊNCIAS DIDÁTICAS 7º ano / Ensino Fundamental Área: Linguagem códigos e suas tecnologias Disciplina: Arte carga horária: 80 horas MINISTERIO DA DEFESA DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO E CULTURA DO EXERCITO DIRETORIA DE EDUCAÇÃO PREPARATORIA E ASSISTENCIAL PLANO DE SEQUÊNCIAS DIDÁTICAS 7º ano / Ensino Fundamental Área: Linguagem códigos e

Leia mais

Home Page : www.barralink.com.br/teatro e-mail : teatro@barralink.com.br ÍNDICE

Home Page : www.barralink.com.br/teatro e-mail : teatro@barralink.com.br ÍNDICE Home Page : www.barralink.com.br/teatro e-mail : teatro@barralink.com.br ÍNDICE TEATRO ESPÍRITA... 2 A VISÃO GERAL... 2 EXERCÍCIOS TEATRAIS DRAMATICIDADE COM ESPIRITUALIDADE... 2 DIREÇÃO TEATRAL... 3 O

Leia mais

Titulo Ver e olhar: dois pólos que instrumentalizam a construção da significação no design de moda

Titulo Ver e olhar: dois pólos que instrumentalizam a construção da significação no design de moda Titulo Ver e olhar: dois pólos que instrumentalizam a construção da significação no design de moda Autor Lourdes Maria Puls Introdução As imagens são utilizadas como meio de comunicação e expressão cultural

Leia mais

Releitura da Árvore Vermelha - MONDRIAN. Escola Municipal Santa Maria Muriaé Minas Gerais

Releitura da Árvore Vermelha - MONDRIAN. Escola Municipal Santa Maria Muriaé Minas Gerais Releitura da Árvore Vermelha - MONDRIAN Escola Municipal Santa Maria Muriaé Minas Gerais 1 JUSTIFICATIVA Dar mais sentido aos conteúdos curriculares e também para que meus alunos, ao final do semestre,

Leia mais

Arte africana & Arte indígena. Histórias, mitos, crenças e filosofias

Arte africana & Arte indígena. Histórias, mitos, crenças e filosofias Arte africana & Arte indígena Histórias, mitos, crenças e filosofias ARTE AFRICANA Asartes das sociedades da África foram, antes, rotuladas no singular,porterem sido chamadas de "arte primitiva" ou "selvagem

Leia mais

FENG SHUI E A NUMEROLOGIA. 2 e 6. 7 e 9 4 e 3

FENG SHUI E A NUMEROLOGIA. 2 e 6. 7 e 9 4 e 3 FENG SHUI E A NUMEROLOGIA 8 e 3 3 2 e 6 2 e 6 4 3 e 7 7 e 9 4 e 3 5 Para localizar sua residência, é preciso o seu endereço nome da rua e o número da casa. Mas, será que estes números que nos cercam tem

Leia mais

Conteúdos Bimestrais Sugeridos para a Área Artes Visuais 6º Ano

Conteúdos Bimestrais Sugeridos para a Área Artes Visuais 6º Ano Bimestrais Sugeridos para a Área Artes Visuais 6º Ano Compreendendo as Artes Visuais como área de conhecimento, que busca a formação de um sujeito atuante nos diferentes contextos da sociedade, pretendemos

Leia mais

Estética, Filosofia, Cultura e outras Linguagens. Felipe Szyszka Karasek

Estética, Filosofia, Cultura e outras Linguagens. Felipe Szyszka Karasek Estética, Filosofia, Cultura e outras Linguagens Felipe Szyszka Karasek Arte x obras de arte. Como distinguir obras de arte de outras coisas que não são arte? Para estar em um terreno artístico é necessário

Leia mais

Iluminação de Espaços Urbanos. Necessidades e Limites da Valorização Cênica. Valmir Perez

Iluminação de Espaços Urbanos. Necessidades e Limites da Valorização Cênica. Valmir Perez Iluminação de Espaços Urbanos Necessidades e Limites da Valorização Cênica Valmir Perez Definição O espaço urbano é uma abstração do espaço social, que é o espaço total. Atribui-se, ao termo urbano, o

Leia mais

TEXTURAS E SENSAÇÕES COM PINTURAS DE AMILCAR DE CASTRO: REFLEXÕES SOBRE A EXPERIÊNCIA DO PIBID DE PEDAGOGIA EDUCAÇÃO INFANTIL.

TEXTURAS E SENSAÇÕES COM PINTURAS DE AMILCAR DE CASTRO: REFLEXÕES SOBRE A EXPERIÊNCIA DO PIBID DE PEDAGOGIA EDUCAÇÃO INFANTIL. TEXTURAS E SENSAÇÕES COM PINTURAS DE AMILCAR DE CASTRO: REFLEXÕES SOBRE A EXPERIÊNCIA DO PIBID DE PEDAGOGIA EDUCAÇÃO INFANTIL. Arachele Maria Santos 1 Maria Joseilda da Silva Oliveira 2 RESUMO Este projeto

Leia mais

CENTRO EDUCACIONAL CHARLES DARWIN EDUCAÇÃO INFANTIL DIRETRIZES CURRICULARES INFANTIL IV ARTE

CENTRO EDUCACIONAL CHARLES DARWIN EDUCAÇÃO INFANTIL DIRETRIZES CURRICULARES INFANTIL IV ARTE CENTRO EDUCACIONAL CHARLES DARWIN EDUCAÇÃO INFANTIL 2015 DIRETRIZES CURRICULARES INFANTIL IV ARTE OBJETIVOS GERAIS Desenvolver o pensamento artístico, estético e crítico; Estimular a percepção visual e

Leia mais

4.1.1) ATUALIZAÇÃO. (1) www.nuevamirada.cl/la_pedagogiahtml

4.1.1) ATUALIZAÇÃO. (1) www.nuevamirada.cl/la_pedagogiahtml Figura 96 - Trecho do desenho da paisagem local, formado por desenhos individuais colados justapostos um no outro, constituindo uma só peça, um extenso rolo A localização da escola, no tocante a sua topografia,

Leia mais

PLANO DE ENSINO 2009

PLANO DE ENSINO 2009 PLANO DE ENSINO 2009 Fundamental I ( ) Fundamental II ( ) Médio ( ) Médio Profissionalizante ( ) Profissionalizante ( ) Graduação ( X ) Pós-graduação ( ) I. Dados Identificadores Curso Pedagogia Disciplina

Leia mais

ARTES VISUAIS EDUCAÇÃO INFANTIL MATERNAL II DATA: PERÍODO:

ARTES VISUAIS EDUCAÇÃO INFANTIL MATERNAL II DATA: PERÍODO: ARTES VISUAIS EDUCAÇÃO INFANTIL MATERNAL II DATA: PERÍODO: Prática Social: VIVÊNCIA do conteúdo: CONTEÚDO: Obra: Gustavo Rosa. Cooper em família. 2003. Óleo sobre tela, 160 x 250 cm. Coleção Particular

Leia mais

RE-ENCONTRANDO COM O ENSINO DA ARTE EM UMA ESCOLA ESTADUAL DO ENSINO FUNDAMENTAL

RE-ENCONTRANDO COM O ENSINO DA ARTE EM UMA ESCOLA ESTADUAL DO ENSINO FUNDAMENTAL RE-ENCONTRANDO COM O ENSINO DA ARTE EM UMA ESCOLA ESTADUAL DO ENSINO FUNDAMENTAL Joelma Cellin Escola Estadual de Ensino Fundamental Eliseu Lofego, Cachoeiro de Itapemirim-ES 1 INTRODUÇÃO Após um período

Leia mais

A Pedagogia Clínica Biográfica

A Pedagogia Clínica Biográfica A Pedagogia Clínica Biográfica Josef David Yaari Sim, é isso que devo fazer, é isso que eu sou! Ocorre a urgência! O mundo, as empresas, iniciativas e muitos empreendimentos precisam de gente. Há uma demanda

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO EM DESIGN 514502 INTRODUÇÃO AO DESIGN Conceituação e história do desenvolvimento do Design e sua influência nas sociedades contemporâneas no mundo e no Brasil.

Leia mais

WORKSHOPS Jovens dos 12 aos 15 anos

WORKSHOPS Jovens dos 12 aos 15 anos VERÃO 2011 WORKSHOPS Jovens dos 12 aos 15 anos Oficina de BD Neste workshop não se faz apenas banda desenhada: faz-se um fanzine de banda desenhada! Vamos criar uma história com base no teu imaginário

Leia mais

COMUNICAÇÃO I-D-E-N-T-I-D-A-D-E-S e Outros Olhares Inclusão social de jovens infratores através das artes plásticas

COMUNICAÇÃO I-D-E-N-T-I-D-A-D-E-S e Outros Olhares Inclusão social de jovens infratores através das artes plásticas COMUNICAÇÃO I-D-E-N-T-I-D-A-D-E-S e Outros Olhares Inclusão social de jovens infratores através das artes plásticas PORFIRO, André Luiz 1 Palavras-Chave: Ensino de arte, Inclusão social e Ressignificação

Leia mais

BASES PSICOLÓGICAS DO PACTO SOCIAL

BASES PSICOLÓGICAS DO PACTO SOCIAL BASES PSICOLÓGICAS DO PACTO SOCIAL GESTALT Max WERTHEIMER (1880 1943) Kurt KOFFKA (1886 1941) Wolfgang KÖHLER (1887 1967) Alemanha, 1912 O TERMO ALEMÃO QUER DIZER FORMA OU CONFIGURAÇÃO. Os gestaltistas

Leia mais

Seminários Filosóficos: Uma investigação artística da filosofia antiga.

Seminários Filosóficos: Uma investigação artística da filosofia antiga. Seminários Filosóficos: Uma investigação artística da filosofia antiga. COLÉGIO DR. JOSÉ FERREIRA DEPARTAMENTO DE FILOSOFIA E SOCIOLOGIA 1º ANO DO ENSINO MÉDIO DEPARTAMENTO DE FILOSOFIA E SOCIOLOGIA OBJETIVOS

Leia mais

QUESTÃO 1. 1. a Certificação de Habilidade Específica de 2011 Prova de Habilidades Específicas Artes Plásticas (Bacharelado e Licenciatura) 1

QUESTÃO 1. 1. a Certificação de Habilidade Específica de 2011 Prova de Habilidades Específicas Artes Plásticas (Bacharelado e Licenciatura) 1 QUESTÃO 1 Eugène Delacroix (1798-1863). A Liberdade Guiando o Povo. 260 cm 325 cm, óleo sobre tela, 1830, Museu do Louvre, Paris. Lorenzo Bernini (1598-1680). Êxtase de Santa Teresa D'Ávila. Altura = 350

Leia mais

Futurismo. 1ºAno 2015 4º Bimestre Artes - Juventino

Futurismo. 1ºAno 2015 4º Bimestre Artes - Juventino Futurismo 1ºAno 2015 4º Bimestre Artes - Juventino A modernidade trouxe grandes modificações no modo de viver como: o capitalismo do consumo, as indústrias, as cidades, os automóveis, a velocidade. Via-se

Leia mais

FERNANDO AUGUSTO. Desenho, pintura, fotografia, livro de artista... Alguns projetos realizados. UMBIGO MUNDO 2002-20012

FERNANDO AUGUSTO. Desenho, pintura, fotografia, livro de artista... Alguns projetos realizados. UMBIGO MUNDO 2002-20012 FERNANDO AUGUSTO Desenho, pintura, fotografia, livro de artista... Alguns projetos realizados. UMBIGO MUNDO 2002-20012 Conjunto de 100 fotografias de umbigos feitos ao longo de 10 anos em várias partes

Leia mais

TIPO 1. IFC Concurso Público Edital 048/2015 Cargo: 1047 - Artes Visuais - 40h-DE

TIPO 1. IFC Concurso Público Edital 048/2015 Cargo: 1047 - Artes Visuais - 40h-DE Atenção: Nas próximas três questões, considera-se uso correto da Língua Portuguesa o que está de acordo com a norma padrão escrita. Texto I A arte pós-moderna vai se diferenciar dos movimentos do alto

Leia mais

Curso Técnico Integrado em Comunicação Visual CÂMPUS PALHOÇA BILÍNGUE MATRIZ CURRICULAR. Módulo/Semestre 1 Carga horária total: 400h

Curso Técnico Integrado em Comunicação Visual CÂMPUS PALHOÇA BILÍNGUE MATRIZ CURRICULAR. Módulo/Semestre 1 Carga horária total: 400h Curso Técnico Integrado em Comunicação Visual CÂMPUS PALHOÇA BILÍNGUE MATRIZ CURRICULAR Módulo/Semestre 1 Carga horária total: 400h Introdução à Comunicação Visual 40 horas Não tem Desenho I 40 horas Não

Leia mais

É possível conjugar uma sessão de cinema com uma oficina.

É possível conjugar uma sessão de cinema com uma oficina. 7 12 Anos ESTAS IMAGENS SÃO UM RODOPIO!///////////////////// 3 CINEMA EM CASA!//////////////////////////////////////////////////// 4 QUE FEITIÇO É ESTE?/////////////////////////////////////////////////

Leia mais

Salão de Arte Contemporânea de Campinas S.P. 1965 66 67 68 Salão do Trabalho S. P. 1962 64 Salão de Arte de Macaé Rio de Janeiro 1959 Salão de Arte

Salão de Arte Contemporânea de Campinas S.P. 1965 66 67 68 Salão do Trabalho S. P. 1962 64 Salão de Arte de Macaé Rio de Janeiro 1959 Salão de Arte Salão de Arte Contemporânea de Campinas S.P. 1965 66 67 68 Salão do Trabalho S. P. 1962 64 Salão de Arte de Macaé Rio de Janeiro 1959 Salão de Arte de Jaboticabal S.P. 1965 66 1 0 Salão de Pesquisa Operacional

Leia mais

Através das mudanças políticas e sociais que muda a visão européia que possibilitou esse momento de revolução. Na França as letras juntou-se a arte

Através das mudanças políticas e sociais que muda a visão européia que possibilitou esse momento de revolução. Na França as letras juntou-se a arte UNIVERSIDADE ESTADUAL DE FEIRA DE SANTANA CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM FILOSOFIA CONTEMPORÂNEA ÉTICA E CONTEMPORANEIDADE PROFESSOR ANTÔNIO CÉSAR ACADÊMICA RITA MÁRCIA AMPARO MACEDO Texto sobre o Discurso

Leia mais

CENTRO EDUCACIONAL CHARLES DARWIN ENSINO FUNDAMENTAL. DIRETRIZES CURRICULARES 1º ao 5º ANO ARTE

CENTRO EDUCACIONAL CHARLES DARWIN ENSINO FUNDAMENTAL. DIRETRIZES CURRICULARES 1º ao 5º ANO ARTE CENTRO EDUCACIONAL CHARLES DARWIN ENSINO FUNDAMENTAL 2015 DIRETRIZES CURRICULARES 1º ao 5º ANO ARTE OBJETIVOS GERAIS Conhecimento da Arte enquanto auto expressão e conhecimento, apreensão e comunicação

Leia mais

FILOSOFIA. Platão. OpenRose

FILOSOFIA. Platão. OpenRose FILOSOFIA Platão OpenRose 1 PLATÃO Filósofo grego (427 a.c.?-347 a.c.?). Um dos mais importantes filósofos de todos os tempos. Suas teorias, chamadas de platonismo, concentram-se na distinção de dois mundos:

Leia mais

AGOSTINHO DE HIPONA E TOMÁS DE AQUINO (3ª SÉRIE, REVISÃO TESTÃO)

AGOSTINHO DE HIPONA E TOMÁS DE AQUINO (3ª SÉRIE, REVISÃO TESTÃO) AGOSTINHO DE HIPONA E TOMÁS DE AQUINO (3ª SÉRIE, REVISÃO TESTÃO) PERÍODOS DA FILOSOFIA MEDIEVAL 1º Patrística: século II (ou do V) ao VIII (Agostinho de Hipona). 2º Escolástica: século IX ao XV (Tomás

Leia mais

COLÉGIO CEC CENTRO EDUCACIONAL CIANORTE ED. INFANTIL, ENS. FUNDAMENTAL E MÉDIO - SISTEMA ANGLO DE ENSINO

COLÉGIO CEC CENTRO EDUCACIONAL CIANORTE ED. INFANTIL, ENS. FUNDAMENTAL E MÉDIO - SISTEMA ANGLO DE ENSINO COLÉGIO CEC CENTRO EDUCACIONAL CIANORTE ED. INFANTIL, ENS. FUNDAMENTAL E MÉDIO - SISTEMA ANGLO DE ENSINO Aluno (a): Série: Nº. Data: / /2012 Professor (a): Rosilene Ardengui 8º Ano Conceito de Arte A arte

Leia mais

ARTE E LINGUAGEM UNIVERSAL

ARTE E LINGUAGEM UNIVERSAL ARTE E LINGUAGEM UNIVERSAL ANGELO JOSÉ SANGIOVANNI - Professor da Universidade Estadual do Paraná (UNESPAR)/CAMPUS II FAP) Email: ajsangiovanni@yahoo.com.br Resumo: A partir da análise da tragédia antiga,

Leia mais