MERIDIANO DO PULMÃO 11 PONTOS PONTO LOCALIZAÇÃO FUNÇÃO PAREDE TORÁCIA ANTERIOR, 1 CUN ABAIXO DE P2

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "MERIDIANO DO PULMÃO 11 PONTOS PONTO LOCALIZAÇÃO FUNÇÃO PAREDE TORÁCIA ANTERIOR, 1 CUN ABAIXO DE P2"

Transcrição

1 MERIDIANO DO PULMÃO 11 PONTOS PONTO LOCALIZAÇÃO FUNÇÃO P1 NA PARTE SUPERIOR LATERAL DA PAREDE TORÁCIA ANTERIOR, 1 CUN ABAIXO DE P2 P2 P3 NA PARTE SUPERIOR LATERAL DA PAREDE TORÁCICA ANTERIOR, ACIMA DA INSERÇÃO DO LIGAMENTO COROCOCLAVICULAR NO PROCESSO CORACÓIDE DA ESCÁPULA, NA FOSSA INFRACLAVICULAR, 6 CUN LATERAL À LINHA MÉDIA ANTERIOR NA FACE ANTERO-LATERAL DO BRAÇO, NA BORDA EXTERNA DO BÍCEPS BRAQUIAL, 3 CUN DISTAL À PONTA DA PREGA AXILAR ANTERIOR - PONTO COLETA FRONTAL DO P - UTILIZADO PRINCIPALMENTE NOS PADRÕES AGUDOS - TOSSE, DOR NA REGIÃO DORSAL SUPERIOR E TÓRAX P4 NA FACE ANTERO-LATERAL DO BRAÇO, NA BORDA EXTERNA DO BÍCEPS BRAQUIAL, 4 CUN DISTAL À PONTA DA PREGA AXILAR ANTERIOR P5 SOBRE A PREGA CUBITAL, NA DEPRESSÃO DO LADO RADIAL DO TENDÃO DO MÚSCULO BÍCEPS BRAQUIAL - UTILIZADO PARA PADRÕES INTERIORES DE EXCESSO TOSSE, FEBRE, EXPECTORAÇÃO AMARELA P6 NO LADO RADIAL DA FACE FLEXORA DO ANTEBRAÇO, SOBRE A LINHA QUE LIGA P5 A P9, 5 CUN DISTAL À PREGA CUBITAL P7 NO LADO RADIAL DA FACE FLEXORA DO ANTEBRAÇO, PRÓXIMO AO PROCESSO ESTILÓIDE DO RÁDIO, 1,5 CUN PROXIMAL À PREGA DO PULSO, ENTRE O TENDÃO DO MÚSCULO BRAQUIORADIAL E O TENDÃO DO ADUTOR LONGO DO POLEGAR - PONTO DE CONEXÃO - PONTO MUITO IMPORTANTE DO PONTO DE VISTA EMOCIONAL E PSICOLÓGICO - UTILIZADO PARA PROBLEMAS EMOCIONAIS CAUSADOS POR PREOCUPAÇÃO, AFLIÇÃO OU TRISTEZA - EDEMA DE FACE

2 P8 P9 P10 NO LADO RADIAL DA FACE FLEXORA DO ANTEBRAÇO, 1 CUN PROXIMAL À PREGA DO PULSO, NA DEPRESSÃO ENTRE O PROCESSO ESTILÓIDE DO RÁDIO E DA ARTÉRIA RADIAL NA EXTREMIDADE RADIAL DA PREGA DO PULSO, ONDE A PULSAÇÃO DA ARTÉRIA RADIAL É PALPÁVEL, A AGULHA DEVE SER INSERIDA AO LADO DA ARTÉRIA NA DIREÇÃO RADIAL SOBRE A EMINÊNCIA TENAR, A 1 CUN DISTAL A P9, NA METADE DO 1º METACARPIANO E NA JUNÇÃO ENTRE A PELE DA PALMA E DO DORSO DA MÃO - PONTO FONTE - PONTO DE TONIFICAÇÃO - PRINCIPAL PONTO PARA TONIFICAR O QI P E O YIN DO P, ESPECIALMENTE NAS CONDIÇÕES CRÔNICAS - BENEFICIA A GARGANTA AMIGDALITE, DOR DE GARGANTA, AFONIA P11 NO LADO RADIAL DA FALANGE DISTAL DO POLEGAR, 0,1 CUN DO ÂNGULO DA UNHA DO DEDO - PONTO NASCENTE - EXPELE VENTO

3 MERIDIANO DO INTESTINO GROSSO 20 PONTOS PONTO LOCALIZAÇÃO FUNÇÃO IG1 NO LADO RADIAL DA FALANGE DISTAL DO DEDO INDICADOR, 0,1 CUN DO ÂNGULO UNGUEAL IG2 IG3 NA DEPRESSÃO, DO LADO RADIAL DO DEDO INDICADOR, IMEDIATAMENTE DISTAL À 2ª ARTICULAÇÃO METACARPOFALANGIANA, COM A MÃO SEMICERRADA, AO NÍVEL DA TRANSIÇÃO DA PELE DA PALMA PARA O DORSO DA MÃO NA DEPRESSÃO DO LADO RADIAL DO DEDO INDICADOR, IMEDIATAMENTE PROXIMAL À 2ª ARTICULAÇÃO METACARPOFALANGIANA, COM A MÃO SEMICERRADA, AO NÍVEL DA TRANSIÇÃO DA PELE DA PALMA PARA O DORSO DA MÃO IG4 NO DORSO DA MÃO, ENTRE O 1º E 2º METACARPIANOS COM A MÃO SEMICERRADA, A NÍVEL DA METADE DO 2º METACARPIANO, OU, COM O POLEGAR ADUZIDO, NO PONTO MAIS ALTO DO 1º INTERÓSSEO DORSAL IG5 REGIÃO DENOMINADA TABAQUEIRA ANATÔMICA - PONTO NASCENTE - EXPELE VENTO E OBSTRUÇÕES RAPIDAMENTE - AMPLAMENTE USADO PARA SINDROME DA OBSTRUÇÃO DOLOROSA DA MÃO - PONTO DISTAL PARA TODOS OS PROBLEMAS DE FACE DOR DE DENTE, DOR DE CABEÇA, DOR NO OLHO - CONTRA-INDICADO DURANTE A GESTAÇÃO - FREQUENTEMENTE UTILIZADO PARA SINDROME BI DA MÃO E DO PULSO IG6 IG7 COM O COTOVELO LIGEIRAMENTE FLEXIONADO, NO LADO RADIAL DA SUPERFÍCIE DORSAL DO ANTEBRAÇO, NA LINHA QUE LIGA IG5 A IG11, 3 CUN ACIMA DA PREGA DO PULSO COM O COTOVELO FLEXIONADO, NO LADO RADIAL DA SUPERFÍCIE DORSAL DO ANTEBRAÇO, NA LINHA QUE LIGA IG5 A IG11, 5 CUN ACIMA DA PREGA DO PULSO - REGULA AS PASSAGENS DE ÁGUA DO P EDEMA, EDEMA ABDOMINAL - PONTO DE ACÚMULO - INTERROMPE A DOR E REMOVE OBSTRUÇÕES DO CANAL, PRINCIPALMENTE NAS SITUAÇÕES AGUDAS

4 IG8 NO LADO RADIAL DA SUPERFÍCIE DORSAL DO ANTEBRAÇO, NA LINHA QUE LIGA IG5 A IG11, 4 CUN DISTAL À PREGA DO COTOVELO IG9 NO LADO RADIAL DA SUPERFÍCIE DORSAL DO ANTEBRAÇO, NA LINHA QUE LIGA IG5 A IG11, 3 CUN DISTAL À PREGA DO COTOVELO IG10 IG11 IG12 NO LADO RADIAL DA SUPERFÍCIE DORSAL DO ANTEBRAÇO, NA LINHA QUE LIGA IG5 A IG11, 2 CUN DISTAL À PREGA DO COTOVELO COM O COTOVELO FLEXIONADO, NA EXTREMIDADE RADIAL DA PREGA DO COTOVELO COM O COTOVELO FLEXIONADO, NA FACE LATERAL DO BRAÇO, 1 CUN PROXIMAL A IG11, NA BORDA LATERAL DO UMERO - PONTO IMPORTANTE PARA TRATAR PROBLEMAS DO CANAL DO IG DOR ABDOMINAL, DIARRÉIA - TONICO DO QI E XUE - FADIGA - CLAREIA O CALOR FEBRE, SEDE, VERMELHIDÃO NO OLHO, PADRÕES DO FOGO DO F - ESFRIA SANGUE UTILIZADO EM DOENÇAS DE PELE DECORRENTES DE CALOR NO SANGUE URTICÁRIA, PSORÍASE IG13 IG14 NA FACE LATERAL DO BRAÇO, NA LINHA QUE LIGA IG11 A IG15, 3 CUN PROXIMAL A IG11 NA FACE LATERAL DO BRAÇO, NA INSERÇÃO DO DELTÓIDE, NA LINHA QUE LIGA IG11 A IG15, 7 CUN ACIMA DE IG11 IG15 NO ASPECTO ÂNTERO-LATERAL DO OMBRO, COM O BRAÇO ABDUZIDO À ALTURA DO OMBRO, ENTRE AS FIBRAS MÉDIAS E AS FIBRAS ANTERIORES DO DELTÓIDE, IMEDIATAMENTE ABAIXO DA ARTIC ACROMIOCLAVICULAR - PONTO PRINCIPAL PARA SINDROME BI DO OMBRO INABILIDADE PARA LEVANTAR O BRAÇO (ABDUZIR),

5 IG16 NA PARTE SUPERIOR DO OMBRO, IMEDIATAMENTE MEDIAL À ARTICULAÇÃO ACROMIOCLAVICULAR IG17 IG18 IG19 NA REGIÃO ANTERO-LATERAL DO PESCOÇO, NA BORDA POSTERIOR DA CABEÇA ESTERNAL DO ECOM, AO NÍVEL DA BORDA INFERIOR DA CARTILAGEM TIROIDIANA NA REGIÃO ANTERO-LATERAL DO PESCOÇO, AO NÍVEL DA BORDA SUPERIOR DA CARTILAGEM TIROIDIANA, ONDE SE PALPA A SEPARAÇÃO DAS CABEÇAS ESTERNAL E CLAVICULAR DO ECOM NO LÁBIO SUPERIOR, DIRETAMENTE ABAIXO DA BORDA DA ASA DO NARIZ, 0,5 CUN LATERAL A VG26 - PONTO LOCAL PARA TRATAR PROBLEMAS DA GARGANTA, TAIS COMO AMIGDALITE, LARINGITE, VOZ ROUCA - PARA TRATAR NÓDULOS NAS CORDAS VOCAIS, BÓCIO - PARA TRATAR PROBLEMAS NA TIREOIDE IG20 NO SULCO NASOLABIAL, AO LADO DO PONTO MÉDIO DA BORDA LATERAL DA ASA NASAL - PONTO LOCAL IMPORTANTE PARA TRATAR PROBLEMAS DO NARIZ DE QUALQUER TIPO SINUSITE, PERDA DE OLFATO, SECREÇÃO NASAL, OBSTRUÇÃO NASAL

6 MERIDIANO DO ESTÔMAGO 45 PONTOS PONTO LOCALIZAÇÃO FUNÇÃO E1 NA FACE, DIRETAMENTE ABAIXO DA PUPILA QUANDO ELA ESTIVER CENTRALIZADA, ENTRE O GLOBO OCULAR E A BORDA INFRA ORBITAL E2 NA FACE, DIRETAMENTE ABAIXO DA PUPILA QUANDO ELA ESTIVER CENTRALIZADA, NA DEPRESSÃO DO FORAME INFRA-ORBITAL E3 NA FACE, DIRETAMENTE ABAIXO DA PUPILA QUANDO ELA ESTIVER CENTRALIZADA, NA ALTURA DA BORDA INFERIOR DA ASA DO NARIZ, AO LADO DO SULCO NASOLABIAL E4 NA FACE, DIRETAMENTE ABAIXO DA PUPILA QUANDO ELA ESTIVER CENTRALIZADA, AO LADO DA COMISSURA LABIAL E5 E6 E7 ANTERIOR AO ÂNGULO MANDIBULAR, NA BORDA ANTERIOR DO MASSETER, ONDE A PULSAÇÃO DA ARTÉRIA FACIAL É PALPÁVEL NA FACE, UM DEDO DE LARGURA (DEDO MÉDIO) ANTERIOR E SUPERIOR AO ÂNGULO MANDIBULAR, NO PONTO ONDEO O MASSETER É MAIS PROEMINENTE, QUANDO A MANDÍBULA FORTEMENTE CERRADA NA FACE, ANTERIOR À ORELHA, NA DEPRESSÃO ENTRE O ARCO ZIGOMÁTICO E A INCISURA DA MANDÍBULA, COM A BOCA ENTREABERTA - TRATA PARALISIA FACIAL, PRINCIPALMENTE QUANDO HOUVER DESVIO BUCAL - DOR NA BOCHECHA, DOR DE DENTE

7 E8 NA PARTE LATERAL DA CABEÇA, 0,5 CUN ACIMA DA LINHA ANTERIOR DE INSERÇÃO DO CABELO, NA TRANSIÇÃO DA REIGÃO FRONTAL PARA A PARIETAL, A 4,5 CUN LATERA À LINHA MÉDIA DA CABEÇA, SOBRE A SUTURA CORONAL E9 NA REGIÃO ÂNTERO-LATERAL DO PESCOÇO, LATERAL À CARTILAGEM TIROIDIANA, NA BORDA ANTERIOR DO ECOM, ONDE A PULSAÇÃO DA ARTÉRIA CARÓTIDA COMUM É PALPÁVEL, APROXIMADAMENTE 1,5 CUN DA LINHA MÉDIA ANTERIOR. INSERIR A AGULHA MEDIALMENTE À ARTÉRIA E10 NA REGIÃO ÂNTERO-LATERAL DO PESCOÇO, NA BORDA ANTERIOR DO ECOM, NO PONTO MÉDIO DA LINHA QUE LIGA E9 E E11 E11 NO PESCOÇO E NA BORDA SUPERIOR DA EXTREMIDADE MEDIAL DA CLAVÍCULA, ENTRE AS CABEÇAS ESTERNAL E CLAVICULAR DO ECOM, APROXIMADAMENTE A 1,5 CUN DA LINHA MÉDIA ANTERIOR E12 NO CENTRO DA FOSSA SUPRACLAVICULAR, 4 CUN LATERAL À LINHA MÉDIA ANTERIOR, SOBRE A LINHA MAMILAR E13 NO TÓRAX, IMEDIATAMENTE ABAIXO DO PONTO MÉDIO DA BORDA INFERIOR DA CLAVÍCULA, 4 CUN LATERAL À LINHA MÉDIA, NO CENTRO DA FOSSA INFRACLAVIUCLAR, SOBRE A LINHA MAMILAR, ENTRE A CLAVÍCULA E A 1ª COSTELA - DOR DE CABEÇA INTENSA COMO SE A CABEÇA ESTIVESSE RACHADA - TRATA TONTURA DECORRENTE DE UMIDADE E FLEUMA, CEFALÉIA E SENSAÇÃO DE PESO NA CABEÇA - PROBLEMAS OCULARES CONJUNTIVITE, LACRIMAÇÃO EXCESSIVA E14 NO TÓRAX, NO 1º ESPAÇO INTERCOSTAL, 4 CUN LATERAL À LINHA MÉDIA ANTERIOR, SOBRE A LINHA MAMILAR

8 E15 NO TÓRAX, NO 2º ESPAÇO INTERCOSTAL, 4 CUN LATERAL À LINHA MÉDIA ANTERIOR, SOBRE A LINHA MAMILAR, LIMITE SUPERIOR DO CONE MAMÁRIO E16 NO TÓRAX, NO 3º ESPAÇO INTERCOSTAL, 4 CUN LATERAL À LINHA MÉDIA ANTERIOR, SOBRE A LINHA MAMILAR E17 NO TÓRAX, NO 4º ESPAÇO INTERCOSTAL, NO CENTRO DO MAMILO, 4 CUN LATERAL À LINHA MÉDIA ANTERIOR E18 NO TÓRAX, NO 5º ESPAÇO INTERCOSTAL, 4 CUN LATERAL À LINHA MÉDIA ANTERIOR, SOBRE A LINHA MAMILAR, NO SULCO INFAMAMÁRIA E19 E20 E21 NO ABDOMEN SUPERIOR, 6 CUN ACIMA DO CENTRO DA CICATRIZ UMBILICAL, 2 CUN LATERAL À LINHA MÉDIA ANTERIOR, AO MESMO NÍVEL DE VC14 NO ABDOMEN SUPERIOR, 5 CUN ACIMA DO CENTRO DA CICATRIZ UMBILICA, 2 CUN LATERAL À LINHA MÉDIA ANTERIOR, NO MESMO NÍVEL DE VC 13 NO ABDOMEN SUPERIOR, 4 CUN ACIMA DO CENTRO DA CICATRIZ UMBILICAL, 2 CUN LATERAL À LINHA MÉDIA ANTERIOR, NO MESMO NÍVEL QUE VC 12 - PONTO LOCAL PARA PROBLEMAS DA MAMA MASTITE, NÓDULOS MAMÁRIOS, INCHAÇO PRÉ-MENSTRUAL - TOSSE, FALTA DE AR, SENSAÇÃO DE OPRESSÃO DO TÓRAX E22 E23 NO ABDOMEN SUPERIOR, 3 CUN ACIMA DO CENTRO DA CICATRIZ UMBILICAL, 2 CUN LATERAL À LINHA MÉDIA ANTERIOR, NO MESMO NÍVEL QUE VC 11 NO ABDOMEN SUPERIOR, 2 CUN ACIMA DO CENTRO DA CICATRIZ UMBILICAL, 2 CUN LATERAL À LINHA MÉDIA ANTERIOR, NO MESMO NÍVEL QUE VC 10

9 E24 E25 E26 E27 E28 E29 E30 E31 E32 NO ABDOMEN SUPERIOR, 1 CUN ACIMA DO CENTRO DA CICATRIZ UMBILICAL, 2 CUN LATERAL À LINHA MÉDIA ANTERIOR, NO MESMO NÍVEL QUE VC 9 NO MEIO DO ABDOMEN, 2 CUN LATERAL AO CENTRO DA CICATRIZ UMBILICAL NO ABDOMEN INFERIOR, 1 CUN ABAIXO DO CENTRO DO ABDOMEN, 2 CUN LATERAL À LINHA MÉDIA ANTERIOR, NO MESMO NÍVEL QUE VC 7 NO ABDOMEN INFERIOR, 2 CUN ABAIXO DO CENTRO DO ABDOMEN, 2 CUN LATERAL À LINHA MÉDIA ANTERIOR, NO MESMO NÍVEL QUE VC 5 NO ABDOMEN INFERIOR, 3 CUN ABAIXO DO CENTRO DO ABDOMEN, 2 CUN LATERAL À LINHA MÉDIA ANTERIOR, NO MESMO NÍVEL QUE VC 4 NO ABDOMEN INFERIOR, 4 CUN ABAIXO DO CENTRO DO ABDOMEN, 2 CUN LATERAL À LINHA MÉDIA ANTERIOR, NO MESMO NÍVEL QUE VC 3 NA MARGEM SUPERIOR DO LIGAMENTO INGUINAL, 5 CUN ABAIXO DO CENTRO DA CICATRIZ UMBILICAL, 2 CUN LATERAL À LINHA MÉDIA ANTERIOR, NO MESMO NÍVEL QUE VC 2 NO ASPECTO ÂNTERO-LATERAL DA COXA, LATERALMENTE AO SARTÓRIO, SOBRE A LINHA QUE LIGA A ESPINHA ILÍACA ÂNTERO-SUPERIOR AO ÂNGULO SUPERIOR LATERAL DA PATELA, 2 CUN ABAIXO DO TROCANTER MAIOR, OU A NÍVEL DO PERÍNEO COM O PACIENTE EM DECÚBITO LATERAL E A COXA FLETICA A 90 NO ASPECTO ÂNTERO-LATERAL DA COXA, SOBRE A LINHA QUE LIGA A ESPINHA ILÍACA ÂNTERO-SUPERIOR AO ÂNGULO SUPERIOR LATERAL DA PATELA, 6 CUN ACIMA DESTE ÂNGULO - PONTO DE ALARME DO IG - TRATA DISTENSÃO E DOR ABDOMINAL, DOR UMBILICA, CONSTIPAÇÃO

10 E33 E34 E35 NO ASPECTO ÂNTERO-LATERAL DA COXA, SOBRE A LINHA QUE LIGA A ESPINHA ILÍACA ÂNTERO-SUPERIOR AO ÂNGULO SUPERIOR LATERAL DA PATELA, 3 CUN ACIMA DESTE ÂNGULO COM O JOELHO FLEXIONADO, NA PARTE ANTERIOR DA COXA E NA LINHA DE CONEXÃO ENTRE A ESPINHA ILÍACA ÂNTERO-SUPERIOR E O ÂNGULO SUPÉRIOR LATERAL DA PATELA, 2 CUN ACIMA DESTE ÂNGULO COM O JOELHO FLEXIONADO A 90, NA DEPRESSÃO LATERAL À PATELA E AO TENDÃO PATELAR, NO NÍVEL DA CAVIDADE ARTICULAR - PONTO DE ACÚMULO - UTILIZADO PARA PADRÕES AGUDOS DE EXCESSO E DOLORIMENTO DO E - UTILIZADO NO TRATAMENTO DOS JOELHOS - INCHAÇO E DOR DA ARTICULAÇÃO DO JOELHO, DIFICULDADE DE DOBRAR E ESTENDER O JOELHO, JOELHOS FRACOS E36 E37 E38 E39 E40 NO ASPECTO ÂNTERO-LATERAL DA PERNA, 3 CUN ABAIXO DE E35, UM DEDO DE LARGURA (DEDO MÉDIO) DA BORDA ANTERIOR DA TÍBIA, SOBRE O TIBIAL ANTERIOR NO ASPECTO ÂNTERO-LATERAL DA PERNA, 6 CUN ABAIXO DE E35, UM DEDO DE LARGURA DA BORDA ANTERIOR DA TÍBIA, SOBRE O TIBIAL ANTERIOR NO ASPECTO ÂNTERO-LATERAL DA PERNA, 8 CUN ABAIXO DE E35, UM DEDO DE LARGURA (DEDO MÉDIO) DA BORDA ANTERIOR DA TÍBIA, SOBRE O TIBIAL ANTERIOR NO ASPECTO ÂNTERO-LATERAL DA PERNA, 9 CUN ABAIXO DE E35, UM DEDO DE LARGURA DA BORDA ANTERIOR DA TÍBIA, SOBRE O TIBIAL ANTERIOR NO ASPECTO ÂNTERO-LATERAL DA PERNA, 8 CUN ACIMA DA EXTREMIDADE DO MALÉOLO EXTERNO, LATERAL A E 38 E DOIS DEDOS DE LARGURA DA BORDA ANTERIOR DA TÍBIA - PONTO IMPORTANTE PARA TONIFICAR QI E XUE - FORTALECE CORPO E MENTE EM PESSOAS MUITO DEBILITADAS - PONTO DISTAL IMPORTANTE PARA TRATAR OMBRO DOR E RIGIDEZ ARTICULAR - RESOLVE UMIDADE E FLEUMA DRENA UMIDADE, CEFALÉIA EM PESO, INCHAÇO EM FACE, SENSAÇÃO DE PESO NO CORPO,

11 E41 NO ASPECTO ANTERIOR DO TORNOZELO, NO PONTO MÉDIO DA PREGA DE FLEXÃO ENTRE OS TENDÕES DO EXTENSOR LONGO DO HÁLUX E O TENDÃO DO EXTENSOR COMUM DOS ARTELHOS - TRATA PROBLEMAS ARTICULARES DO TORNOZELO ENTORCE - ELIMINA CALOR FACE E OLHOS VERMELHOS, DOENÇAS FEBRIS, COMPORTAMENTO MANÍACO, AGITAÇÃO E42 E43 E44 NO PONTO MAIS ALTO DO DORSO DO PÉ, ENTRE OS TENDÕES DO EXTENSOR LONGO DO HÁLUX E O EXTENSOR COMUM DOS ARTELHOS, ONDE A PUSAÇÃO DA ARTÉRIA DORSAL DO PÉ É PALPÁVEL NO DORSO DO PÉ, NA PARTE PROXIMAL DA DEPRESSÃO ENTRE O 2º E 3º OSSOS METATARSIANOS NA PREGA INTERDIGITAL ENTRE O 2º E 3º ARTELHOS, PROXIMAL À JUNÇÃO DA PELE DA PLANTA E DO DORSO DO PÉ - PONTO FONTE TONIFICA E E BP - DISTENSÃO ABDOMINAL, DOR EPIGÁSTRICA - ELIMINA CALOR DO CANAL DO E SANGRAMENTOS GENGIVAIS, QUALQUER QUEIXA DE CALOR DO E, AFTAS E45 NA LATERAL DA FALANGE DISTAL DO 2º PODODÁCTILO, A 0,1 CUN DO ÂNGULO UNGUEAL - ACALMA A MENTE INSÔNIA, SONHOS EXCESSIVOS

12 MERIDIANO DO BAÇO-PANCREAS 21 PONTOS PONTO LOCALIZAÇÃO FUNÇÃO BP1 NO LADO MEDIAL DA FALANGE DISTAL - ACALMA A MENTE NOS PADRÕES DE DO HALUX, A 0,1 CUN POSTERIOR AO EXCESSO DE BAÇO AGITAÇÃO, SONHOS ÂNGULO UNGUEAL EXCESSIVOS, INSÔNIA - MOXA INTERROMPE SANGRAMENTO PRINCIPALMENTE DO ÚTERO BP2 BP3 BP4 BP5 BP6 NA BORDA MEDIAL DO PÉ, NA DEPRESSÃO DA LINHA DE TRANSIÇÃO ENTRE A PELE DO DORSO E DA SOLA DO PÉ, ANTERIOR E INFERIOR À 1ª ARTICULAÇÃO METATARSOFALANGEANA NA BORDA MEDIAL DO PÉ, NA LINHA DE TRNSIÇÃO ENTRE A PELE DO DORSO E DA SOLA DO PÉ, POSTERIOR E INFERIOR A 1ª ARTICULAÇÃO METATARSOFALANGEANA NO ASPECTO MEDIAL DO PÉ, ANTERIOR E INFERIOR À EPÍFISE PROXIMAL DO 1º METATARSIANO NA DEPRESSÃO ANTERIOR E INFERIOR AO MALÉOLO MEDIAL NO ASPECTO MEDIAL DA PERNA, 3 CUN PROXIMAL À EXTREMIDADE DO MALÉOLO MEDIAL, POSTERIOR À BORDA MEDIAL DA TÍBIA - TONIFICA BAÇO - DIARRÉIA, VÔMITO, DISTENSÃO ABDOMINAL - PRINCIPAL PONTO PARA TONIFICAR O BAÇO - ESTIMULA CÉREBRO, PROMOVE A MEMÓRIA, INDUZ À LUCIDEZ MENTAL - RESOLVE UMIDADE NOS TRÊS AQUECEDORES - REGULA A MENSTRUAÇÃO E INTERROMPE O SANGRAMENTO EXCESSIVO - ACALMA A MENTE ANSIEDADE, INQUIETUDE MENTAL - PLENITUDE, DISTENSÃO E DOR ABDOMINAL, DIARREIA, ALIMENTOS NÃO DIGERIDOS NAS FEZES - DEFICIÊNCIA DO BP CANSAÇO, SONOLÊNCIA, LETARGIA - PONTO IMPORTANTE PARA TENDÕES E ARTICULAÇÕES - PONTO DE ENCONTRO DOS TRÊS CANAIS YIN DA PERNA - PORTANTO, PROMOVE LIVRE FLUXO DO QI, E NUTRE O YIN - UTILIZADO EM TODOS OS PADRÕES DE DEF BP CANSAÇO, FEZES AMOLECIDAS, SENSAÇÃO DE PESO, EDEMA

13 BP7 BP8 BP9 BP10 BP11 BP12 BP13 BP14 BP15 BP16 NO ASPECTO MEDIAL DA PERNA E NA LINHA DE CONEXÃO ENTRE A EXTREMIDADE DO MALÉOLO MEDIAL E BP9, 6 CUN PROXIMAL À EXTREMIDADE DO MALÉOLO MEDIAL, POSTERIOR A BORDA MEDIAL DA TÍBIA NO ASPECTO MEDIAL DA PERNA E NA LINHA DE CONEXÃO ENTRE A EXTREMIDADE DO MALÉOLO MEDIAL E BP9, 3 CUN DISTAL A BP9 NO ASPECTO MEDIAL DA PERNA, NA DEPRESSÃO POSTERIOR E INFERIOR AO CÔNDILO MEDIAL DA TÍBIA, 2 CUN DISTAL À INTERLINHA ARTICULAR DO JOELHO, INFERIOR À TUBEROSIDADE DA TÍBIA COM O JOELHO FLEXIONADO, NO ASPECTO MEDIAL DA COXA, 2 CUN ACIMA DO ÂNGULO SUPERIOR MEDIAL DA PATELA, NA PROEMINÊNCIA DA CABEÇA MEDIAL DO QUADRÍCEPS CRURAL NO ASPECTO MEDIAL DA COXA E NA LINHA DE CONEXÃO ENTRE BP10 E BP12, 6 CUN PROXIMAL A BP10, ANTERIOR AO SARTÓRIO NA PARTE LATERAL DA PREGA INGUINAL, 3,5 CUN LATERAL AO PONTO MÉDIO DA BORDA SUPERIOR DA SÍNFISE PUBIANA, SOBRE A LINHA QUE O LIGA À ESPINHA ILÍACA ÂNTERO-SUPERIOR, LATERAL À ARTÉRIA ILÍACA EXTERNA NO ABDOME INFERIOR, 4 CUN ABAIXO DO CENTRO DO UMBIGO, 0,7 CUN ACIMA DE BP12, 4 CUN LATERAL À LINHA MÉDIA ANTERIOR NO ABDOME INFERIOR, 1,3 CUN ABAIXO DE BP15, 4 CUN LATERAL À LINHA MÉDIA ANTERIOR NO ABDOME, 4 CUN LATERAL À CICATRIZ UMBILICAL NO ABDOME SUPERIOR, 3 CUN ACIMA DE BP15, E 4 CUN LATERAL À LINHA MÉDIA ANTERIOR - TRATA DOR, NOS CASOS AGUDOS DE DISMENORREIA - INTERROMPE SANGRAMENTO MENSTRUAL EXCESSIVO - PRINCIPAL PONTO PARA RESOLVER UMIDADE DO AQUECEDOR INFERIOR - UTILIZADO PARA TRATAR SINTOMAS COMO MICÇÃO DOLORIDA, SECREÇÃO VAGINAL, EDEMA NAS PERNAS OU NO ABDOME - ESFRIA O SANGUE NAS DOENÇAS DA PELE URTICÁRIA, ERUPÇÕES CUTÂNEAS - UTILIZADO NA CONSTIPAÇÃO CRÔNICA - TRATA MEMBROS FRIOS E FRACOS

14 BP17 BP18 BP19 BP20 BP21 NO ASPECTO ÂNTERO-LATERAL DO TÓRAX, NO 5º ESPAÇO INTERCOSTAL, 6 CUN LATERAL À LINHA MÉDIA ANTERIOR NO ASPECTO ÂNTERO-LATERAL DO TÓRAX, NO 4º ESPAÇO INTERCOSTAL, A 6 CUN LATERAL À LINHA MÉDIA ANTERIOR NO ASPECTO ÂNTERO-LATERAL DO TÓRAX, NO 3º ESPAÇO INTERCOSTAL, A 6 CUN LATERAL À LINHA MÉDIA ANTERIOR NO ASPECTO ÂNTERO-LATERAL DO TÓRAX, NO 2º ESPAÇO INTERCOSTAL, A 6 CUN LATERAL À LINHA MÉDIA ANTERIOR NA LATERAL DO TÓRAX, SOBRE A LINHA MÉDIA AXILAR, NO 6º ESPAÇO INTERCOSTAL

15 MERIDIANO DO CORAÇÃO 9 PONTOS PONTO LOCALIZAÇÃO FUNÇÃO C1 NO CENTRO DA FOSSA AXILAR, ONDE A PULSAÇÃO DA ARTÉRIA AXILAR É PALPÁVEL, DESVIAR MEDIALMENTE DA ARTÉRIA C2 NO LADO MEDIAL DO BRAÇO E NA LINHA DE CONEXÃO ENTRE C1 E C3, 3 CUN ACIMA DA PREGA CUBITAL, MEDIAL AO BÍCEPS BRAQUIAL C3 C4 C5 COM O COTOVELO FLEXIONADO, NO PONTO MÉDIO DA LINHA QUE LIGA A EXTREMIDADE MEDIAL DA PREGA DO COTOVELO AO EPICÔNDILO MEDIAL DO ÚMERO NA FACE PALMAR DO ANTEBRAÇO, DO LADO RADIAL DO TENDÃO DO FLEXOR ULNAR DO CARPO, 1,5 CUN PROXIMAL À PREGA DE FLEXÃO DO PULSO NA FACE PALMAR DO ANTEBRAÇO, DO LADO RADIAL DO TENDÃO DO FLEXOR ULNAR DO CARPO, 1 CUN PROXIMAL À PREGA DE FLEXÃO DO PULSO - ACALMA A MENTE ANSIEDADE, INQUIETUDE MENTAL - PARA PESSOAS COM DESÂNIMO BOM PARA IDOSOS - AÇÃO MARCANTE SOBRE A LÍNGUA PERDA DA VOZ, GAGUEIRA, PACIENTE AVC COM SEQUELA NA FALA - ACALMA A MENTE C6 C7 C8 C9 NA FACE PALMAR DO ANTEBRAÇO, DO LADO RADIAL DO TENDÃO DO FLEXOR ULNAR DO CARPO, 0,5 CUN PROXIMAL À PREGA DE FLEXÃO DO PULSO NO PULSO, NA EXTREMIDADE ULNAR DA PREGA DE FLEXÃO DO PULSO, DO LADO RADIAL DO TENDÃO DO FLEXOR ULNAR DO CARPO NA PALMA, ENTRE O 4º E 5º OSSOS METACARPIANOS, NO PONTO ONDE A EXTREMIDADE DO DEDO MÍNIMO TOCA A PALMA DA MÃO QUANDO A MÃO ESTÁ CERRADA NO LADO RADIAL DA FALANGE DISTAL DO DEDO MÍNIMO, 0,1 CUN DO ÂNGULO UNGUEAL - É O PONTO MAIS IMPORTANTE DO CANAL DO C PRINCIPAL AÇÃO É ACALMAR A MENTE - NUTRE SANGUE DO C ANSIEDADE, INSÔNIA, MEMÓRIA FRACA, PALPITAÇÕES - TRATA FOGO NO C PONTA DA LÍNGUA VERMELHA INSÔNIA COM SONHOS INQUIETANTES, SEDE, GOSTO AMARGO, AFTAS NA LÍNGUA

16 MERIDIANO DO INTESTINO DELGADO 19 PONTOS PONTO LOCALIZAÇÃO FUNÇÃO ID1 NO LADO ULNAR DA FALANGE DISTAL DO DEDO MÍNIMO, 0,1 CUN DO ÂNGULO UNGUEAL ID2 NA TRANSIÇÃO DA PELE DO DORSO PARA A PALMA DA MÃO, DO LADO ULNAR DA MÃO, NA EXTREMIDADE ULNAR DA PREGA DE FLEXÃO DA 5ª ARTICULAÇÃO METACARPOFALANGIANA QUANDO A MÃO ESTÁ SEMICERRADA ID3 NA TRANSIÇÃO DA PELE DO DORSO PARA A PALMA DA MÃO, DO LADO ULNAR DA MÃO, NA EXTREMIDADE ULNAR DA PREGA PALMAR DISTAL QUANDO A MÃO ESTÁ SEMICERRADA, PROXIMAL À 5ª ARTICULAÇÃO METACARPOFALANGIANA ID4 ID5 NA TRANSIÇÃO DA PELE DO DORSO PARA A DA PALMA DA MÃO, DO LADO ULNAR DA MÃO, A NÍVEL DA ARTICULAÇÃO ENTRE O 5º METACARPIANO E O HAMATO NA EXTREMIDADE ULNAR DA PREGA DE FLEXÃO DO PULSO, NA DEPRESSÃO ENTRE O PROCESSO ESTILÓIDE ULNAR E O PISIFORME - MUITO UTILIZADO PARA TORCICOLO E CERVICALGIA. - ABRE VG PARA AFECÇÕES DE TODA A COLUNA E DA REGIÃO DORSAL, AGUDOS E CRÔNICOS DE DOR NAS COSTAS - REMOVE OBSTRUÇÃO DO CANAL DEDOS, PUNHO, COTOVELO, OMBRO - AÇÃO LOCAL - ACALMA A MENTE AUXILIA A PESSOA A TER LUCIDEZ - ELIMINA UMIDADE DOS JOELHOS QUANDO ESTIVEREM QUENTES E INCHADOS ID6 ID7 NA SUPERFÍCIE POSTERIOR DO ANTEBRAÇO, DO LADO RADIAL DA ULNA, NA DEPRESSÃO PROXIMAL AO PROCESSO ESTILÓIDE DA ULNA NO LADO ULNAR DA SUPERFÍCIE POSTERIOR DO ANTEBRAÇO, NA LINHA QUE LIGA ID5 A ID8, 5 CUN PROXIMAL À PREGA DORSAL DO PUNHO

17 ID8 ID9 ID10 ID11 ID12 NO LADO MEDIAL DO COTOVELO, NA DEPRESSÃO ENTRE O OLÉCRANO E O EPICÔNDILO MEDIAL DO ÚMERO, SOBRE O SULCO DO NERVO ULNAR POSTERIOR E INFERIOR À ARTICULAÇÃO DO OMBRO, 1 CUN ACIMA DA EXTREMIDADE POSTERIOR DA PREGA AXILAR POSTERIOR, COM O BRAÇO ADUZIDO NO OMBRO, SOBRE A LINHA VERTICAL QUE É UMA CONTINUAÇÃO DA PREGA AXILAR POSTERIOR, NA DEPRESSÃO ABAIXO DA BORDA INFERIOR DA ESPINHA DA ESCÁPULA NA ESCÁPULA, NA DEPRESSÃO DO CENTRO DA FOSSA INFRA-ESPINHOSA DA ESCÁPULA NA ESCÁPULA, NO CENTRO DA FOSSA SUPRA-ESPINHOSA DA ESCÁPULA, SOBRE A LINHA VERTICAL QUE PASSA POR ID11, NA DEPRESSÃO QUE SE FORMA QUANDO O BRAÇO É LEVANTADO - REMOVE OBSTRUÇÃO DO CANAL DOR NO OMBRO E ANTEBRAÇO, DOR NA ESCÁPULA - REMOVE OBSTRUÇÃO DO CANAL DOR NO OMBRO, DOR NA ESCÁPULA, DOR NO COTOVELO - ABRE O TÓRAX SENSAÇÃO DE PLENITUDE DO TÓRAX E LATERAIS DAS COSTELAS ID13 ID14 ID15 ID16 NA ESCÁPULA, NA EXTREMIDADE MEDIAL DA FOSSA SUPRA-ESPINHOSA DA ESCÁPULA, NO PONTO MÉDIO QUE LIGA ID10 AO PROCESSO ESPINHOSO DA 2ª VÉRTEBRA TORÁCICA NO DORSO, 3 CUN LATERAL À LINHA MÉDIA POSTERIOR, SOBRE A LINHA HORIZONTAL QUE PASSA ENTRE T1 E T2 NAS COSTAS, 2 CUN LATERAL À LINHA MÉDIA POSTERIOR, SOBRE A LINHA HORIZONTAL QUE PASSA ENTRE C7 E T1, OU 2 CUN LATERAL A VG14 NO ASPECTO LATERAL DO PESCOÇO, POSTERIOR AO ECOM, E A IG18, A NÍVEL DA INCISURA TIEREÓIDEA DA CARTILAGEM TIROIDIANA

18 ID17 ID18 ID19 NO ASPECTO LATERAL DO PESCOÇO, POSTERIOR AO ÂNGULO DA MANDÍBULA, IMEDIATAMENTE ANTERIOR À BORDA AO ECOM NA FACE, DIRETAMENTE ABAIXO DO ÂNGULO EXTERNO DO OLHO, IMEDIATAMENTE A BAIXO DO ARCO ZIGOMÁTICO NA FACE, ANTERIOR AO TRAGO E POSTERIOR AO PROCESSO CONDILÓIDE DA MANDÍBULA, NA DEPRESSÃO ENCONTRADA QUANDO A BOCA ESTÁ ENTREABERTA - PONTO LOCAL IMPORTANTE PARA TRATAR PARALISIA FACIAL, TIQUE OU NEURALGIA TRIGEMIAL - BENEFICIA OUVIDOS TINIDO, SURDEZ, DOR DE OUVIDO, PRURIDO DENTRO DO OUVIDO

CIRCULAÇÃO-SEXO Meridiano do PERICÁRDIO (MP) ou Mestre do Coração (MC) Estação: Verão Horário: 19 às 21 h Elemento: Fogo Yin CARACTERÍTICAS GERAIS Também conhecido como Mestre do Coração (MC), possui 9

Leia mais

MÚSCULOS DO ANTEBRAÇO

MÚSCULOS DO ANTEBRAÇO FACULDADE DE PINDAMONHANGABA 1 MÚSCULOS DO ANTEBRAÇO REGIÃO ANTERIOR (flexores do punho e dos dedos e pronadores) GRUPO SUPERFICIAL MÚSCULO PRONADOR REDONDO cabeça umeral: epicôndilo medial do úmero cabeça

Leia mais

** Pessoas jovens com má alimentação e estresse emocional que também geram vento no Fígado também estão propícios a ter Parkinson.

** Pessoas jovens com má alimentação e estresse emocional que também geram vento no Fígado também estão propícios a ter Parkinson. Doença de Parkinson A Doença de Parkinson é uma síndrome caracterizada por lentidão de movimento, rigidez e tremor resultante de disfunção nos glânglios da base, com diminuição da dopamina e aumento da

Leia mais

E S T U D O D O M O V I M E N T O - V

E S T U D O D O M O V I M E N T O - V 1 Pronação A pronação corresponde ao movimento que coloca a face palmar da mão virada para trás, colocando o 1º dedo (polegar) da mão mais próximo do plano sagital. Supinação A supinação corresponde ao

Leia mais

dr-cesar TERAPIAS ENERGÉTICAS CURSOS AMBULATÓRIO E CONSULTORIA

dr-cesar TERAPIAS ENERGÉTICAS CURSOS AMBULATÓRIO E CONSULTORIA CRANIOPUNTURA DE YAMAMOTO - YNSA Dr. Wu Tou Kwang www.ceata.com.br Na YNSA, como em qualquer outro microssistema, não existem pontos, nem regiões delimitadas, mas apenas áreas com limites dinâmicos, variando

Leia mais

ESTUDO DOS TRAJETOS DOS CANAIS DE ENERGIA TENDINO-MUSCULARES

ESTUDO DOS TRAJETOS DOS CANAIS DE ENERGIA TENDINO-MUSCULARES 1 ESTUDO DOS TRAJETOS DOS CANAIS DE ENERGIA TENDINO-MUSCULARES. Os Canais de Energia Tendino-Musculares não acompanham a alternância do Yang e do Yin, nem a relação Interior-Exterior, mas sim o sistema

Leia mais

PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Cód. 07. Acerca da história da Acupuntura, todas as afirmativas estão corretas, EXCETO:

PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Cód. 07. Acerca da história da Acupuntura, todas as afirmativas estão corretas, EXCETO: 8 PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Cód. 07 QUESTÃO 17 Acerca da história da Acupuntura, todas as afirmativas estão corretas, EXCETO: a) Há 3.000 anos, agulhas de bronze e a pedra bian eram usadas como

Leia mais

Elementos de Fisiologia Feminina Tradicional

Elementos de Fisiologia Feminina Tradicional Centro Brasileiro de Acupuntura Acupuntura Aplicada a Ginecologia e Obstetrícia Prof.: Marcelo Brum Elementos de Fisiologia Feminina Tradicional Aparelho Genital Feminino: Abrange: Útero; Ovários; Trompas

Leia mais

Elemento: Metal Horário: 05:00 às 07:00 hs. Estação: Outono Trajeto: Centrípeto

Elemento: Metal Horário: 05:00 às 07:00 hs. Estação: Outono Trajeto: Centrípeto Elemento: Metal Horário: 05:00 às 07:00 hs. Estação: Outono Trajeto: Centrípeto O Meridiano do Intestino Grosso recebe energia do Meridiano do Pulmão, transmitindo-a ao Meridiano Estômago. Possui 20 pontos

Leia mais

Reitora Suely Vilela. Diretor da Faculdade de Saúde Pública Chester Luiz Galvão César. Chefe do Departamento de Nutrição Carlos Augusto Monteiro

Reitora Suely Vilela. Diretor da Faculdade de Saúde Pública Chester Luiz Galvão César. Chefe do Departamento de Nutrição Carlos Augusto Monteiro Reitora Suely Vilela Diretor da Faculdade de Saúde Pública Chester Luiz Galvão César Chefe do Departamento de Nutrição Carlos Augusto Monteiro Chefe do Laboratório de Avaliação Nutricional de Populações

Leia mais

AVALIAÇÃO DO OMBRO ANATOMIA DO OMBRO ANATOMIA DO OMBRO ANATOMIA DO OMBRO ANATOMIA DO OMBRO ANATOMIA DO OMBRO Articulação Sinovial Forma de sela Três graus de liberdade Posição de Repouso Posição de aproximação

Leia mais

EXERCÍCIOS SISTEMA ESQUELÉTICO

EXERCÍCIOS SISTEMA ESQUELÉTICO EXERCÍCIOS SISTEMA ESQUELÉTICO 1. Quais as funções do esqueleto? 2. Explique que tipo de tecido forma os ossos e como eles são ao mesmo tempo rígidos e flexíveis. 3. Quais são as células ósseas e como

Leia mais

O TUI NA NO TRATAMENTO DA ANSIEDADE

O TUI NA NO TRATAMENTO DA ANSIEDADE O TUI NA NO TRATAMENTO DA ANSIEDADE ANSIEDADE A ansiedade é uma reação ligada ao instinto de sobrevivência frente a situações e momentos de medo, perigo ou de tensão, que prepara a pessoa para o que poderá

Leia mais

CONGRESSO BRASILEIRO DE MEDICINA CHINESA EBRAMEC- SP julho/2012. Palestra: ACUPUNTURA DO BALANCEAMENTO Prof. Silvia Ferreira

CONGRESSO BRASILEIRO DE MEDICINA CHINESA EBRAMEC- SP julho/2012. Palestra: ACUPUNTURA DO BALANCEAMENTO Prof. Silvia Ferreira CONGRESSO BRASILEIRO DE MEDICINA CHINESA EBRAMEC- SP julho/2012 Palestra: ACUPUNTURA DO BALANCEAMENTO Prof. Silvia Ferreira Método desenvolvido pelo prof Wang Wen Yuan, da província de Shandong China.

Leia mais

RECOMENDAÇÕES: 1) - Mantenha a respiração fluida; 2) Relaxe em cada alongamento. Alongar-se é, em grande parte uma atividade passiva Coloque-se na

RECOMENDAÇÕES: 1) - Mantenha a respiração fluida; 2) Relaxe em cada alongamento. Alongar-se é, em grande parte uma atividade passiva Coloque-se na RECOMENDAÇÕES: 1) - Mantenha a respiração fluida; 2) Relaxe em cada alongamento. Alongar-se é, em grande parte uma atividade passiva Coloque-se na posição e aguarde a musculatura soltar-se; 3) Não balance

Leia mais

Meridianos Principais

Meridianos Principais Meridianos Principais 1. MERIDIANO DO FEI (Pulmão) - Tai Yin da mão 1. Trajeto externo: Inicia-se na fossa infraclavicular no ponto denominado P1. Segue pela margem ânterolateral do antebraço e na altura

Leia mais

Ossos - órgãos passivos do movimento. Músculos - órgãos ativos do movimento. Introdução

Ossos - órgãos passivos do movimento. Músculos - órgãos ativos do movimento. Introdução Ossos - órgãos passivos do movimento Músculos - órgãos ativos do movimento Introdução Organização dos músculos esqueléticos Sistema muscular: anatomia microscópica Porção ativa ventre muscular Porções

Leia mais

Acupuntura Escalpeana Craniopuntura de Yamamoto. Escola Chinesa Escola Japonesa. Professora Tânia Mara Flores Email: taniamaraflores@gmail.

Acupuntura Escalpeana Craniopuntura de Yamamoto. Escola Chinesa Escola Japonesa. Professora Tânia Mara Flores Email: taniamaraflores@gmail. Acupuntura Escalpeana Craniopuntura de Yamamoto Escola Chinesa Escola Japonesa Professora Tânia Mara Flores Email: taniamaraflores@gmail.com A craniopuntura divide-se em duas escolas: Chinesa e Japonesa

Leia mais

Teórica: Aula expositiva dialogada com projeção de imagens e manipulação do esqueleto de resina, articulado.

Teórica: Aula expositiva dialogada com projeção de imagens e manipulação do esqueleto de resina, articulado. Aulas 2 e 3 Tema: Sistema esquelético Objetivos Mediar os conhecimentos científicos dos conteúdos propostos para que o aluno seja capaz de: Identificar a estrutura geral do Esqueleto Humano; Identificar

Leia mais

de avaliação Paulo Minoru Minazaki Junior Palestra supervisionado pelos professores Edgar Cantelli e Helena Guimarães

de avaliação Paulo Minoru Minazaki Junior Palestra supervisionado pelos professores Edgar Cantelli e Helena Guimarães O Tui Na como método terapêutico e de avaliação Paulo Minoru Minazaki Junior Palestra supervisionado pelos professores Edgar Cantelli e Helena Guimarães Shiatsu Técnica japonesa; An Fa; Trabalha em uma

Leia mais

LOMBALGIA. Segundo Bernard Auteroche. instituto de acupuntura tradicional 1

LOMBALGIA. Segundo Bernard Auteroche. instituto de acupuntura tradicional 1 LOMBALGIA Segundo Bernard Auteroche instituto de acupuntura tradicional 1 instituto de acupuntura tradicional 2 Fisiologia Energética n A MTC, através da acupuntura, nos ensina que o corpo humano é recoberto

Leia mais

Testes para o Joelho

Testes para o Joelho Testes para o Joelho Teste de compressão de Apley Pcte em dec. ventral, fletir a perna a 90º. Segurar o tornozelo, aplicar pressão para baixo e girar a perna lateral//e emedial//e. Teste de compressão

Leia mais

Métodos Diagnósticos na MTC. Prof. Thiago Resende

Métodos Diagnósticos na MTC. Prof. Thiago Resende Métodos Diagnósticos na MTC Prof. Thiago Resende Observações da Forma do Corpo Existem cinco diferentes maneiras de se classificar: Yin e Yang Cinco Elementos (Constitucional) Influências pré e pós natais

Leia mais

Apostila de Anatomia e Fisiologia Humana Sistema Muscular - Professor Raphael Varial. Sistema Muscular

Apostila de Anatomia e Fisiologia Humana Sistema Muscular - Professor Raphael Varial. Sistema Muscular Introdução Sistema Muscular Os músculos representam cerca de 50 a 60% do peso do corpo, quando eles se contraem afetam o movimento de todo o corpo, do sangue, do alimento e da respiração por exemplo. Existem

Leia mais

Reumatismos de Partes Moles Diagnóstico e Tratamento

Reumatismos de Partes Moles Diagnóstico e Tratamento Reumatismos de Partes Moles Diagnóstico e Tratamento MARINA VERAS Reumatologia REUMATISMOS DE PARTES MOLES INTRODUÇÃO Também denominado de reumatismos extra-articulares Termo utilizado para definir um

Leia mais

67 PONTOS PONTO LOCALIZAÇÃO FUNÇÃO

67 PONTOS PONTO LOCALIZAÇÃO FUNÇÃO MERIDIANO DA BEXIGA 67 PONTOS PONTO LOCALIZAÇÃO FUNÇÃO B1 NA FACE, NA DEPRESSÃO LIGEIRAMENTE ACIMA DO ÂNGULO INTERNO DA FENDA PALPEBRAL B2 NA FACE, NA EXTREMIDADE MEDIAL DA SOMBRANCELHA, NA LINHA DE B1

Leia mais

Universidade Federal do Espírito Santo Centro Biomédico Curso de Psicologia. Reflexos Medulares. Elio waichert

Universidade Federal do Espírito Santo Centro Biomédico Curso de Psicologia. Reflexos Medulares. Elio waichert Universidade Federal do Espírito Santo Centro Biomédico Curso de Psicologia Reflexos Medulares Elio waichert # Objetivos Apresentar as características da medula espinhal; Classificar os receptores sensoriais

Leia mais

CANAIS DE ENERGIA UNITÁRIOS

CANAIS DE ENERGIA UNITÁRIOS CANAIS DE ENERGIA UNITÁRIOS Um canal de energia tem a sua parte Yang, que é a mão, e a sua parte Yin, que é o pé. As 2 partes têm a mesma Função e formam um Canal de Energia Unitário. Portanto, os 12 Canais

Leia mais

PADRÕES DO FÍGADO (GAN)

PADRÕES DO FÍGADO (GAN) PADRÕES DO FÍGADO (GAN) ESTAGNAÇÃO DO QI DO FÍGADO (GAN) SENSAÇÃO DE DISTENSÃO E DOR NOS HIPOCÔNDRIOS - NO NÍVEL FÍSICO A ESTAGNAÇÃO DE FÍGADO SE MANIFESTA PRINCIPALMENTE NESTA REGIÃO, EM AMBOS OS LADOS.

Leia mais

AVALIAÇÃO DE ACUPUNTURA E MEDICINA TRADICIONAL CHINESA

AVALIAÇÃO DE ACUPUNTURA E MEDICINA TRADICIONAL CHINESA AVALIAÇÃO DE ACUPUNTURA E MEDICINA TRADICIONAL CHINESA Ficha No.: Data: Nome: Data Nasc.: Naturalidade: Estado civil: Filhos: Endereço: Profissão: Fone(s): 1. Queixa Principal (QP): 2. História da Moléstia

Leia mais

Adutores da Coxa. Provas de função muscular MMII. Adutor Longo. Adutor Curto. Graduação de força muscular

Adutores da Coxa. Provas de função muscular MMII. Adutor Longo. Adutor Curto. Graduação de força muscular Provas de função muscular MMII Graduação de força muscular Grau 0:Consiste me palpar o músculo avaliado e encontrar como resposta ausência de contração muscular. Grau 1:Ao palpar o músculo a ser avaliado

Leia mais

Anatomia - Coluna Cervical

Anatomia - Coluna Cervical Anatomia - Coluna Cervical C1 e C2 diferem das demais vértebras da coluna por particularidades anatômicas. Massas laterais. Dente do áxis. Coluna Cervical Alta Ligamento do ápice do dente Ligamento alar

Leia mais

ANATOMIA TEMA DA AULA: O SISTEMA MUSCULAR

ANATOMIA TEMA DA AULA: O SISTEMA MUSCULAR ANATOMIA TEMA DA AULA: O SISTEMA MUSCULAR Objetivos Mediar os conhecimentos científicos dos conteúdos propostos para que o aluno seja capaz de: Entender a morfologia dos músculos estriados esqueléticos;

Leia mais

SISTEMA LOCOMOTOR OSSOS E MÚSCULOS. Profa. Cristiane Rangel Ciências 8º ano

SISTEMA LOCOMOTOR OSSOS E MÚSCULOS. Profa. Cristiane Rangel Ciências 8º ano SISTEMA LOCOMOTOR OSSOS E MÚSCULOS Profa. Cristiane Rangel Ciências 8º ano O esqueleto FOTOS: ROGER HARRIS / SCIENCE PHOTO LIBRARY / LATINSTOCK Como saber se um esqueleto é de homem ou de mulher? Que funções

Leia mais

MEDICINA TRADICIONAL CHINESA, ACUPUNTURA E TERAPIAS AFINS INDICAÇÕES

MEDICINA TRADICIONAL CHINESA, ACUPUNTURA E TERAPIAS AFINS INDICAÇÕES MEDICINA TRADICIONAL CHINESA, ACUPUNTURA E TERAPIAS AFINS INDICAÇÕES www.shenqui.com.br Na década de 80, após 25 anos de pesquisas, em renomadas instituições do mundo, a OMS publicou o documento Acupuncture:

Leia mais

Aula de Localização de Pontos e Meridianos do Movimento Metal. Pulmão e Intestino Grosso. Instituto Quallitas. Novembro de 2009.

Aula de Localização de Pontos e Meridianos do Movimento Metal. Pulmão e Intestino Grosso. Instituto Quallitas. Novembro de 2009. Aula de Localização de Pontos e Meridianos do Movimento Metal Pulmão e Intestino Grosso Instituto Quallitas Novembro de 2009 Funções do Pulmão 1. Governar Qi e a Respiração Controla o Qi da respiração

Leia mais

SISTEMA MUSCULAR. Profª Fabíola Alves dos Reis 2014

SISTEMA MUSCULAR. Profª Fabíola Alves dos Reis 2014 SISTEMA MUSCULAR Profª Fabíola Alves dos Reis 2014 OBJETIVOS Diferenciar os tipos de músculos. Conhecer as estruturas micro e macroscópicas dos músculos. Conceituar: estados de contração e de relaxamento,

Leia mais

OS PONTOS DO MERIDIANO DO INTESTINO DELGADO Elemento: Fogo Horário: 13:00 às 15:00 hs. Estação: Verão YANG O Meridiano Principal do Intestino Delgado, é o Meridiano Yang do nível Tae Yang, dos membros

Leia mais

3. Pressione o cotovelo, com a maior força possível com a outra mão, em direção ao outro ombro. Fique nesta posição por 10 segundos. Repita 3X.

3. Pressione o cotovelo, com a maior força possível com a outra mão, em direção ao outro ombro. Fique nesta posição por 10 segundos. Repita 3X. THIAGO MURILO EXERCÍCIOS PARA DEPOIS DO TÊNIS 1. Em Pé de costas para um canto de parede flexione a sua perna mais forte para frente, alinhe a coluna e leve os braços para trás até apoiar as palmas das

Leia mais

EXAME CLÍNICO DE MEMBROS SUPERIORES E COLUNA ATIVO CONTRA-RESISTÊNCIA MOVIMENTAÇÃO ATIVA

EXAME CLÍNICO DE MEMBROS SUPERIORES E COLUNA ATIVO CONTRA-RESISTÊNCIA MOVIMENTAÇÃO ATIVA Logomarca da empresa Nome: N.º Registro ESQUERDA EXAME CLÍNICO DE MEMBROS SUPERIORES E COLUNA ATIVO CONTRA-RESISTÊNCIA MOVIMENTAÇÃO ATIVA PESCOÇO (COLUNA CERVICAL) Inclinação (flexão lateral) OMBROS Abdução

Leia mais

Pontos e Meridianos em Eqüinos Curso de Especialização em Acupuntura Veterinária

Pontos e Meridianos em Eqüinos Curso de Especialização em Acupuntura Veterinária Instrutor: Jean G. Fernandes Joaquim, DVM, Msc., Dr., LAC. IVAS, ABRAVET, IVAPM, Neurolatinvet member. Assunto: Pontos do Meridiano do Intestino Grosso em Eqüinos. Data: 2011 Estudo dos pontos do Meridiano

Leia mais

Meridiano do Estômago Wei (Yang Ming) Localização e Indicação dos acupontos Meridiano do Estômago. Meridiano do Estômago

Meridiano do Estômago Wei (Yang Ming) Localização e Indicação dos acupontos Meridiano do Estômago. Meridiano do Estômago Localização e Indicação dos acupontos Meridiano do Estômago Mariana Aya Hashizume Qualittas nov/2011 Meridiano do Estômago Wei (Yang Ming)! Inicia-se no ponto E1 próximo ao olho, dirigindo-se aos lábios,

Leia mais

Fernanda Bento dos Santos

Fernanda Bento dos Santos Fernanda Bento dos Santos Protetor do Coração:Invasões de fatores patogênicos exteriores Residência da Mente:Problemas mental-emocionais Centro do Tórax :doença do canal Três fatores principais que diferenciam

Leia mais

Alterações. Músculo- esqueléticas

Alterações. Músculo- esqueléticas Alterações Músculo- esqueléticas Sistema Neurológico Alteração no tempo de reação e equilíbrio. A instabilidade articular. Alteração da visão Sensibilidade da córnea. c Aumento ou diminuição dos sentidos

Leia mais

AVALIAÇÃO NEUROLÓGICA SIMPLIFICADA

AVALIAÇÃO NEUROLÓGICA SIMPLIFICADA AVALIAÇÃO NEUROLÓGICA SIMPLIFICADA AVALIAÇÃO NEUROLÓGICA SIMPLIFICADA Linda Faye Lehman Maria Beatriz Penna Orsini Priscila Leiko Fuzikawa Ronise Costa Lima Soraya Diniz Gonçalves AVALIAÇÃO NEUROLÓGICA

Leia mais

SÍNDROMES DOLOROSAS 1 de 5 FATORES PREDISPONENTES QUADRO CLÍNICO EXAMES PARA DIAGNÓSTICO ESTRUTURA COMPROMETIDA PATOLOGIA

SÍNDROMES DOLOROSAS 1 de 5 FATORES PREDISPONENTES QUADRO CLÍNICO EXAMES PARA DIAGNÓSTICO ESTRUTURA COMPROMETIDA PATOLOGIA SÍNDROMES DOLOROSAS 1 de 5 Impacto Tendão do Manguito Rotador Tipos de Acrômio e Artrose Acrômio- Clavicular Dor periarticular e impotência funcional a partir de 30º de abdução, sendo clássico, o arco

Leia mais

Antebraço, Fossa Cubital e Mão

Antebraço, Fossa Cubital e Mão Universidade Federal do Rio Grande do Sul Instituto de Ciências Básicas da Saúde Departamento de Ciências Morfológicas Curso de Fisioterapia DISCIPLINA DE ANATOMIA HUMANA Antebraço, Fossa Cubital e Mão

Leia mais

ESTUDO DO MOVIMENTO OSTEOLOGIA COLUNA VERTEBRAL E TÓRAX 1 TERMOS DIRECCIONAIS ORIENTAÇÃO DO TIPOS DE OSSOS MOVIMENTOS ARTICULARES

ESTUDO DO MOVIMENTO OSTEOLOGIA COLUNA VERTEBRAL E TÓRAX 1 TERMOS DIRECCIONAIS ORIENTAÇÃO DO TIPOS DE OSSOS MOVIMENTOS ARTICULARES TERMOS DIRECCIONAIS EB 23S DE CAMINHA CURSO PROFISSIONAL TÉCNICO GESTÃO DESPORTIVA ESTUDO DO MOVIMENTO TÓRAX POSIÇÃO DESCRITIVA ANATÓMICA PLANOS DESCRITIVOS PLANO SAGITAL PLANO HORIZONTAL INFERIOR ANTERIOR

Leia mais

Atualmente = o objetivo é conseguir, durante a sessão e fora dela, a funcionalidade do paciente (o tônus se adequa como consequência).

Atualmente = o objetivo é conseguir, durante a sessão e fora dela, a funcionalidade do paciente (o tônus se adequa como consequência). CONCEITO BOBATH PARA ADULTOS Profª Ms. Daniela Vincci Lopes Ruzzon INTRODUÇÃO 1943 pintor com hemiplegia grave à direita. Tratamento da espasticidade: Iniciou com vibração no deltóide = sem resultados.

Leia mais

Cecth. Este símbolo, de origem Taoísta, representa a dualidade presente em todas as coisas manifestadas no universo.

Cecth. Este símbolo, de origem Taoísta, representa a dualidade presente em todas as coisas manifestadas no universo. Tratamento Do-in Contribuição de Administrador 03/12/2007 {mosloadposition 009} O Do-In é um dos métodos orientais de massagem, ou melhor, de automassagem, que, além de oferecer um diagnóstico, pode servir

Leia mais

CIÊNCIAS E PROGRAMA DE SAÚDE

CIÊNCIAS E PROGRAMA DE SAÚDE GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO CIÊNCIAS E PROGRAMA DE SAÚDE 14 CEEJA MAX DADÁ GALLIZZI PRAIA GRANDE - SP ACREDITE EM VOCÊ Profª Elaine Terroso Esse material foi elaborado

Leia mais

Proteger a medula espinal e os nervos espinais. Fornece um eixo parcialmente rígido e flexível para o corpo e um pivô para a cabeça

Proteger a medula espinal e os nervos espinais. Fornece um eixo parcialmente rígido e flexível para o corpo e um pivô para a cabeça Cinthya Natel Baer Cristiane Schwarz Gelain Isabella Mauad Patruni Laila Djensa S. Santos Laiza Tabisz Mariana Escani Guerra Paula Moreira Yegros Veronica Dalmas Padilha Ana Paula Trotta Aline Sudoski

Leia mais

A Lesão. A Lesão. A lesão provoca congestão local causada por obstrução de QiE XUE nas articulações

A Lesão. A Lesão. A lesão provoca congestão local causada por obstrução de QiE XUE nas articulações Acupuntura Acupuntura e Traumatologia e Traumatologia É o estudo das patologias próprias do sistema esquelético, causadas principalmente por traumatismos utilizando a especialidade de acupuntura como recurso

Leia mais

Anatomia Geral. http://d-nb.info/1058614592. 1 Filogênese e Ontogênese Humanas. 5 Músculos. 6 Vasos. 2 Visão Geral do Corpo Humano

Anatomia Geral. http://d-nb.info/1058614592. 1 Filogênese e Ontogênese Humanas. 5 Músculos. 6 Vasos. 2 Visão Geral do Corpo Humano Anatomia Geral 1 Filogênese e Ontogênese Humanas 1.1 Filogênese Humana 2 1.2 Ontogênese Humana: Visão Geral, Fecundação e Estágios Iniciais do Desenvolvimento 4 1.3 Gastrulação, Neurulação e Formação dos

Leia mais

Teste de Flexibilidade

Teste de Flexibilidade Teste de Flexibilidade Introdução O teste de Fleximetria foi aprimorado pelo ICP à partir do teste do Flexômetro de LEIGHTON deve ser aplicado com a intenção de se coletar informações sobre o funcinamento

Leia mais

TRATAMENTOS DE UM SÓ PONTO

TRATAMENTOS DE UM SÓ PONTO TRATAMENTOS DE UM SÓ PONTO Wu Tou Kwang Costuma-se dizer em Acupuntura que um bom terapeuta consegue tratar pacientes com 1 só ponto. É a mística de um grande acupunturista! Na China, isto é até relativamente

Leia mais

Padrões de Desarmonia do Movimento Metal

Padrões de Desarmonia do Movimento Metal [Digite texto] Curso de Especialização em Acupuntura Veterinária Padrões de Desarmonia do Movimento Metal Prof a. Márcia Valéria Rizzo Scognamillo marciascognamillo@yahoo.com.br Junho de 2011 Geral I.

Leia mais

1) PANTURRILHAS. b) Músculos envolvidos Gastrocnêmios medial e lateral, sóleo, tibial posterior, fibular longo e curto, plantar (débil),

1) PANTURRILHAS. b) Músculos envolvidos Gastrocnêmios medial e lateral, sóleo, tibial posterior, fibular longo e curto, plantar (débil), 1 1) PANTURRILHAS 1.1 GERAL De pé, tronco ereto, abdômen contraído, de frente para o espaldar, a uma distância de um passo. Pés na largura dos quadris, levar uma das pernas à frente inclinando o tronco

Leia mais

A Vesícula Biliar (DAN)

A Vesícula Biliar (DAN) A Vesícula Biliar (DAN) 44 pontos bilaterais Natureza YANG Elemento Madeira Acoplado ao Fígado (GAN) A Vesícula Biliar (DAN) A Vesícula Biliar (DAN) é considerada uma víscera de comportamento particular,

Leia mais

ANATOMIA E FISIOLOGIA HUMANA Apostila de Exercícios de Fixação Sistema Esquelético ESQUELETO AXIAL ESQUELETO APENDICULAR

ANATOMIA E FISIOLOGIA HUMANA Apostila de Exercícios de Fixação Sistema Esquelético ESQUELETO AXIAL ESQUELETO APENDICULAR ASSOCIAÇÃO PESTALOZZI DE NITERÓI CURSO TÉCNICO ALMIR MADEIRA Estrada Caetano Monteiro, 857 Pendotiba. Niterói- RJ Tel: 21994400/21.26202173 (Centro) CURSO: DISCIPLINA: Anatomia e Fisiologia Humana DOCENTE:

Leia mais

OITO PRINCÍPI P O I S

OITO PRINCÍPI P O I S OITO PRINCÍPIOS TEM COMO FUNÇÃO IDENTIFICAR, ATRAVÉS DOS DADOS OBTIDOS DO PACIENTE: A LOCALIZAÇÃO DA DESARMONIA A NATUREZA DA DESARMONIA AS CONDIÇÕES DOS FATORES PATOGÊNICOS E DE RESISTÊNCIA DO ORGANISMO

Leia mais

Sintomas de excesso ou insuficiência do INN ou IANG

Sintomas de excesso ou insuficiência do INN ou IANG Sintomas de excesso ou insuficiência do INN ou IANG 1. Excesso Geral do Iang (energia): pulsos direitos mais fortes que os esquerdos pulsos superficiais mais tensos, amplos e duros que os médios e profundos

Leia mais

ANATOMIA. Osso. VISTA LATERAL DO SACRO (Braço maior e menor e fixações musculares)

ANATOMIA. Osso. VISTA LATERAL DO SACRO (Braço maior e menor e fixações musculares) SACRO CBES ANATOMIA Osso O sacro é formado por 5 vértebras fundidas. Os forâmens de conjugação se transformam em forâmens sacrais anteriores e posteriores. Sua face anterior é côncava e lisa Sua face posterior

Leia mais

DORES RECORRENTES MOMENTO II Abril 2010 DORES RECORRENTES - DENOMINADOR COMUM ETIOLOGIA: Maioria - dores primárias; Dicotomia: Orgânico x Emocional. Associação de vários tipos de dores; Presença de dores

Leia mais

PROVA ESPECÍFICA DE FISIOTERAPIA. Conforme a Síndrome de De Quervain, estão corretas as afirmações, EXCETO:

PROVA ESPECÍFICA DE FISIOTERAPIA. Conforme a Síndrome de De Quervain, estão corretas as afirmações, EXCETO: 12 PROVA ESPECÍFICA DE FISIOTERAPIA QUESTÃO 41: Conforme a Síndrome de De Quervain, estão corretas as afirmações, EXCETO: a) É a inflamação da bainha dos tendões do abdutor longo e do extensor curto do

Leia mais

Osteologia. Estudo da estrutura dos ossos oste = osso; logia = estudo de

Osteologia. Estudo da estrutura dos ossos oste = osso; logia = estudo de Osteologia Estudo da estrutura dos ossos oste = osso; logia = estudo de Ossos Ossos são orgãos esbranquiçados, muito duros, que unindo-se aos outros por meio de junturas ou articulações, constituem o esqueleto.

Leia mais

Rafael Vercelino Fisioterapeuta Especialista em Dor e Acupuntura

Rafael Vercelino Fisioterapeuta Especialista em Dor e Acupuntura Neuropatias sob a visão da Medicina Chinesa Rafael Vercelino Fisioterapeuta Especialista em Dor e Acupuntura Neuropatias sob a visão da Medicina Chinesa Revisão da neurofisiologia da dor, Revisão da fisiopatologia

Leia mais

PONTOS ESPECIAIS PARA DIVERSOS TRATAMENTOS. Camille Elenne Egídio INSTITUTO LONG TAO

PONTOS ESPECIAIS PARA DIVERSOS TRATAMENTOS. Camille Elenne Egídio INSTITUTO LONG TAO PONTOS ESPECIAIS PARA DIVERSOS TRATAMENTOS Camille Elenne Egídio INSTITUTO LONG TAO "A saúde é o resultado não só de nossos atos como também de nossos pensamentos." (Mahatma Gandhi) SHIATSU TERAPIA Terapia

Leia mais

Seqüência completa de automassagem

Seqüência completa de automassagem Seqüência completa de automassagem Os exercícios descritos a seguir foram inspirados no livro Curso de Massagem Oriental, de Armando S. B. Austregésilo e podem ser feitos em casa, de manhã ou à tardinha.

Leia mais

Algumas das Doenças Tratáveis com Acupuntura

Algumas das Doenças Tratáveis com Acupuntura Algumas das Doenças Tratáveis com Acupuntura REGIÃO CERVICAL, OMBROS E MEMBROS SUPERIORES Dor muscular dor decorrente de traumatismo esportivo, por erro de postura e/ou tensão emocional. Exemplo: dor no

Leia mais

Capsulite Adesiva ou Ombro Congelado Congelado

Capsulite Adesiva ou Ombro Congelado Congelado 1 Consiste em uma articulação do ombro com dor e rigidez que não pode ser explicada por nenhuma alteração estrutural. Obs: Embora seja comum o uso destes termos nas aderências pós traumáticas do ombro,

Leia mais

ARES KINESIOLOGY TAPE

ARES KINESIOLOGY TAPE Guia de Aplicações ARES KINESIOLOGY TAPE > Instruções Gerais > Instruções de Aplicações Básicas > Aplicações Clínicas Conteúdo O que é ARES TAPE Como funciona? Instruções gerais 8 9 10 Pescoço / Ombro

Leia mais

ARTICULAÇÕES DO MEMBRO INFERIOR

ARTICULAÇÕES DO MEMBRO INFERIOR UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO Instituto de Ciências Biomédicas Departamento de Anatomia ARTICULAÇÕES DO MEMBRO INFERIOR Profa. Elen H. Miyabara elenm@usp.br OSSOS DO MEMBRO INFERIOR OSSOS DO QUADRIL FÊMUR

Leia mais

CANAIS E COLATERAIS (JING-LUO)

CANAIS E COLATERAIS (JING-LUO) CANAIS E COLATERAIS (JING-LUO) A TEORIA DE JING-LUO ESTUDA AS ALTERAÇÕES FISIOPATOLÓGICAS DOS CANAIS E COLATERAIS E A RELAÇÃO ENTRE ESTES E OS ÓRGÃOS INTERNOS DO CORPO JING-LUO É O NOME DADO AO CONJUNTO

Leia mais

Departamento de Fisioterapia, Fonoaudiologia e Terapia Ocupacional-FMUSP. Profa. Dra. Sílvia Maria Amado João

Departamento de Fisioterapia, Fonoaudiologia e Terapia Ocupacional-FMUSP. Profa. Dra. Sílvia Maria Amado João Avaliação Fisioterapêutica do Cotovelo Departamento de Fisioterapia, Fonoaudiologia e Terapia Ocupacional-FMUSP Profa. Dra. Sílvia Maria Amado João 1. Anatomia Aplicada Articulação ulnoumeral ou troclear:

Leia mais

artrite reumatoide Um guia para pacientes e seus familiares

artrite reumatoide Um guia para pacientes e seus familiares artrite reumatoide Um guia para pacientes e seus familiares artrite reumatoide Um guia para pacientes e seus familiares A artrite reumatoide não é o único desafio na vida dos pacientes. Mas muitos problemas

Leia mais

PROVAS NEUROMUSCULARES 1 2009

PROVAS NEUROMUSCULARES 1 2009 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE UNIDADE DE TRAUMA ORTOPÉDICO Hospital Universitário Miguel Riet Corrêa - Rua Visconde de Paranaguá, 102 Rio Grande, RS CEP 96200/190 Telefone:

Leia mais

RETALHOS LIVRES PARA O COTOVELO E ANTEBRAÇO

RETALHOS LIVRES PARA O COTOVELO E ANTEBRAÇO RETALHOS LIVRES PARA O COTOVELO E ANTEBRAÇO Mário Yoshihide Kuwae 1, Ricardo Pereira da Silva 2 INTRODUÇÃO O antebraço e cotovelo apresentam características distintas quanto a cobertura cutânea, nas lesões

Leia mais

CÃO FILA DE SÃO MIGUEL

CÃO FILA DE SÃO MIGUEL CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE CINOFILIA Fédération Cynologique Internationale GRUPO 2 Padrão FCI N o 340 20/06/2007 Padrão Oficial da Raça CÃO FILA DE SÃO MIGUEL CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE CINOFILIA Filiada

Leia mais

Acupuntura do. Acupuntura do 2 Metacarpo

Acupuntura do. Acupuntura do 2 Metacarpo Acupuntura do Material elaborado pelo corpo docente da EBRAMEC / CIEFATO Para os cursos da Escola Brasileira de Medicina Chinesa Direção Geral: Reginaldo de Carvalho Silva Filho Introdução Apresentação

Leia mais

APRESENTAÇÕES Comprimidos com 50 mg ou 100 mg de cilostazol. Embalagens contendo 15, 30 ou 60 comprimidos.

APRESENTAÇÕES Comprimidos com 50 mg ou 100 mg de cilostazol. Embalagens contendo 15, 30 ou 60 comprimidos. CEBRALAT cilostazol APRESENTAÇÕES Comprimidos com 50 mg ou 100 mg de cilostazol. Embalagens contendo 15, 30 ou 60 comprimidos. USO ORAL USO ADULTO COMPOSIÇÃO Cada comprimido contém 50 mg de cilostazol.

Leia mais

Exame Fisico do Quadril Celso HF Picado

Exame Fisico do Quadril Celso HF Picado Exame Fisico do Quadril Celso HF Picado Introdução A cintura pélvica é composta pela articulação sacro-ilíaca, pela sínfise púbica e pela articulação coxo-femoral. Esta última corresponde à articulação

Leia mais

Terceira Série aplicada na Fazenda Esperança 1 [entre a segunda quinzena de fevereiro e primeira quinzena de maio]

Terceira Série aplicada na Fazenda Esperança 1 [entre a segunda quinzena de fevereiro e primeira quinzena de maio] Terceira Série aplicada na Fazenda Esperança 1 [entre a segunda quinzena de fevereiro e primeira quinzena de maio] Sarvananda Deva 1. Postura da Águia Garuda [Garudasana]: Esta postura de equilíbrio em

Leia mais

Constituição do Esqueleto

Constituição do Esqueleto O ESQUELETO HUMANO Funções do Esqueleto O esqueleto humano constitui a estrutura que dá apoio ao corpo, protege os órgãos internos e assegura a realização dos movimentos, juntamente com o sistema muscular.

Leia mais

Exercícios para a activação geral e o retorno à calma

Exercícios para a activação geral e o retorno à calma Exercícios para a activação geral e o retorno à calma Mobilização da articulação do ombro 1 Objectivos: Aumentar a amplitude dos ombros e parte superior das costas. Mobiliza os deltóides, rotadores da

Leia mais

Artroscopia do Cotovelo

Artroscopia do Cotovelo Artroscopia do Cotovelo Dr. Marcello Castiglia Especialista em Cirurgia do Ombro e Cotovelo Artroscopia é uma procedimento usado pelos ortopedistas para avaliar, diagnosticar e reparar problemas dentro

Leia mais

FLUIDOS CORPÓREOS (JIN YE) YE = FLUIDO DE ORGANISMOS VIVOS (DAS FRUTAS, POR EXEMPLO)

FLUIDOS CORPÓREOS (JIN YE) YE = FLUIDO DE ORGANISMOS VIVOS (DAS FRUTAS, POR EXEMPLO) FLUIDOS CORPÓREOS (JIN YE) OU FLUIDOS ORGÂNICOS JIN = ÚMIDO = ALGO LÍQUIDO YE = FLUIDO DE ORGANISMOS VIVOS (DAS FRUTAS, POR EXEMPLO) JIN - FLUIDOS YE - LÍQUIDOS PUROS, CLAROS, AQUOSOS, DILUÍDOS TURVOS,

Leia mais

ACUPUNTURA NO TRATAMENTO DE CEFALÉIAS. Camille Elenne Egídio INSTITUTO LONG TAO

ACUPUNTURA NO TRATAMENTO DE CEFALÉIAS. Camille Elenne Egídio INSTITUTO LONG TAO ACUPUNTURA NO TRATAMENTO DE CEFALÉIAS Camille Elenne Egídio INSTITUTO LONG TAO Se o problema tem solução, não esquente a cabeça, porque tem solução. Se o problema não tem solução, não esquente a cabeça,

Leia mais

Unidade 6 Locomoção ossos e músculos

Unidade 6 Locomoção ossos e músculos Sugestões de atividades Unidade 6 Locomoção ossos e músculos 8 CIÊNCIAS 1 Esqueleto humano 1. Observe a ilustração do esqueleto humano. Dê exemplos dos seguintes tipos de ossos que existem no corpo humano

Leia mais

Podemos didaticamente dividir a musculatura dos membros superiores em doze grupos principais: Músculo Origem Inserção Ação

Podemos didaticamente dividir a musculatura dos membros superiores em doze grupos principais: Músculo Origem Inserção Ação MIOLOGIA DO ESQUELETO APENDICULAR MIOLOGIA DO MEMBRO SUPERIOR Podemos didaticamente dividir a musculatura dos membros superiores em doze grupos principais: MÚSCULOS QUE ACIONAM A CINTURA ESCAPULAR Trapézio

Leia mais

Confederação Brasileira de Tiro Esportivo Originária da Confederação do Tiro Brasileiro decreto 1503 de 5 de setembro de 1906

Confederação Brasileira de Tiro Esportivo Originária da Confederação do Tiro Brasileiro decreto 1503 de 5 de setembro de 1906 Exercícios com Elástico Os Exercícios com elástico irão trabalhar Resistência Muscular Localizada (RML). Em cada exercício, procure fazer a execução de maneira lenta e com a postura correta. Evitar o SOLAVANCO

Leia mais

www.josegoe s.com.br Prof. Ms. José Góes Página 1

www.josegoe s.com.br Prof. Ms. José Góes Página 1 Página 1 01. Ossos da coluna vertebral A coluna vertebral é formada por um número de 33 ossos chamados vértebras. Estas se diferenciam pela sua forma e função. Vértebras semelhantes se agrupam em regiões

Leia mais