MINISTÉRIO PÚBLICO DA UNIÃO MINISTÉRIO PÚBLICO DO TRABALHO Procuradoria Regional do Trabalho da 04ª Região - Porto Alegre

Save this PDF as:
Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "MINISTÉRIO PÚBLICO DA UNIÃO MINISTÉRIO PÚBLICO DO TRABALHO Procuradoria Regional do Trabalho da 04ª Região - Porto Alegre"

Transcrição

1 MINISTÉRIO PÚBLICO DA UNIÃO MINISTÉRIO PÚBLICO DO TRABALHO Procuradoria Regional do Trabalho da 04ª Região - Porto Alegre Procedimento: /0 INQUIRIDO: MUNICÍPIO DE PORTO ALEGRE - HOSPITAL DE PRONTO SOCORRO DESPACHO CIRCUNSTANCIADO O presente Inquérito Civil foi autuado nesta Procuradoria Regional do Trabalho em 31 de março de 2008, a partir de ofício expedido pela Chefe da Seção de Segurança e Saúde do Trabalhador, encaminhando os documentos de fls No relatório de fiscalização de fls. 03-4, o Auditor Fiscal Roque Puiatti referiu que nos últimos cinco anos haviam sido realizadas diversas inspeções no HPS, com a constatação de várias irregularidades no cumprimento da legislação para prevenção de acidentes e para a proteção da saúde dos trabalhadores, com a emissão de notificações, autuações e interdições de máquinas e equipamentos. Ressaltou que a maioria dos trabalhadores é regida pelo Estatuto da Prefeitura de Porto Alegre, porém que existem empregados regidos pela CLT, além de centenas de terceirizados, médicos residentes e estagiários. Ressaltou a necessidade da instituição hospitalar ser acionada para adotar as seguintes medidas: C o n s t i t u i r SESMT, composto por engenheiro de segurança, técnicos de segurança do trabalho, médico do trabalho, auxiliar de enfermagem do trabalho (técnico de enfermagem do trabalho) e enfermeiro do trabalho, considerando o Quadro II da NR4; Implementar a NR32, com a elaboração de PPRA e de PCMSO adequados à referida NR; Implantar e manter em funcionamento medidas de prevenção e combate a incêndios, previstas na NR 23 e Plano de Prevenção e Controle de Incêndios (PPCI), da Lei Municipal 420/98; I n s p e c i o n a r caldeiras e vasos de pressão, regularmente, nos prazos previstos na NR13 e manter as máquinas e equipamentos com sistemas de proteção de acidentes, conforme a NR12. Junto ao relatório foram apresentadas cópias de termos de interdição lavrados em 2005 e 2007, em relação aos seguintes

2 equipamentos: secadoras, lavadora, serra circular, caldeiras, reservatório de vácuo, boiler, reservatório de ar comprimido horizontal e reservatório de ar comprimido vertical. Além disso, constou cópia de um termo de notificação do ano de 2006, para que o HPS elaborasse e implementasse o PPRA; apresentasse esquema atualizado das instalações elétricas; elaborasse os sistemas de proteção contra incêndios; e constituísse o SESMT. Ainda, foram juntados autos de infração lavrados nos anos de 2006 e 2007, em virtude da falta de acompanhamento das medidas de segurança e saúde pelas empresas contratadas (EPI, ASO, PPRA etc.), por causar embaraço à fiscalização; por deixar de paralisar as máquinas interditadas (lavadora e secadora); por deixar de implementar disposição legal sobre segurança e saúde determinadas pelo órgão regional do MTE (PPRA, PCMSO); e por deixar implementar o sistema de proteção contra incêndio. Em 23 de setembro de 2008, foi realizada audiência administrativa (fls. 52-3), em que o inquirido afirmou ter apenas 14 empregados regidos pela CLT e 128 terceirizados; que estava constituindo o SESMT, faltando a contração dos quatro técnicos de segurança do trabalho, um enfermeiro e um auxiliar de enfermagem; que a manutenção dos vasos de pressão e caldeiras estava ocorrendo regularmente; que o programa de proteção contra incêndios havia sido elaborado, restando ser aprovado pela SMOV; que não tinha nenhuma informação quanto à elaboração do PPRA, PCMSO e às necessidades de adaptação à NR32. Nova audiência administrativa foi realizada em 09 de outubro de 2008 (fls. 54-9), na qual o inquirido foi notificado a constituir o SESMT, implementar os principais dispositivos da NR-32, implantar e manter em funcionamento medidas de proteção e combate a incêndios, e inspecionar regularmente as caldeiras e vasos de pressão. Por provocação do próprio inquirido (fls. 61-2), foi elaborado o parecer técnico de fls. 64-5, no qual a Perita Jane Escobar concluiu que o SESMT do HPS, considerando o grau de risco 3 (atividade hospitalar) e o número de empregados (1500), deveria ser composto de 04 técnicos de segurança do trabalho, 1 engenheiro de segurança do trabalho (tempo integral), 1 auxiliar de enfermagem do trabalho, 1 médico do trabalho (tempo integral) e 1 enfermeiro do trabalho (tempo integral). Às fls o inquirido apresentou manifestação pormenorizada sobre a implementação de cada um dos itens previstos na ata de audiência de fls. 54-9, bem como os documentos juntados nos anexos I, II e III. Em relação à constituição do SESMT, o inquirido

3 informou que abriu um processo administrativo para a contratação dos profissionais, o qual estava sendo analisado pela Secretaria de Saúde. Informou, também, que o PPRA foi elaborado em junho de 2005 e o PCSMO em setembro de E, mais uma vez, referiu que o Programa de Prevenção e Combate a Incêndios aguardava aprovação da SMOV e que estava realizando a inspeção periódica das caldeiras e vasos de pressão. No parecer técnico de fls. 84-8, a Perita Jane Escobar analisou a manifestação e os documentos juntados. Ressaltou que, na composição do SESMT apresentada, não foi considerada a observação do quadro II da NR4, que faz referência a empresas e estabelecimentos cujas atividades são relacionadas com a atenção à saúde. Em relação ao PPRA, concluiu que o programa não foi adaptado à NR32 e que, quanto aos vasos de pressão, deixou de explicitar as condições do equipamento utilizado pela entidade hospitalar e não apresentou dados que demonstrassem que os prazos das inspeções estavam sendo cumpridos. Ademais, o inquirido, apesar de afirmar que estava realizando as inspeções periódicas das caldeiras e vasos de pressão, não apresentou os respectivos relatórios de inspeção. Quanto ao PCMSO, constatou que em sua elaboração não foram observadas as diretrizes da NR32 e que, em relação às ações de saúde efetivamente desenvolvidas, verificou-se somente a realização de exames de rotina. Por fim, quanto a prevenção e combate a incêndios, ressaltou que no Plano de Prevenção Contra Incêndio (anexo III) não consta a assinatura dos responsáveis, o que prejudica sua validade como documento técnico. Em 1º de abril de 2009, esta Procuradora do Trabalho, juntamente com o Auditor Roque Puiatti, realizaram inspeção no HPS (fl. 97 e 101-5). Foram lavrados três autos de infração: 1) deixar de adotar as medidas necessárias e suficientes para a minimização ou o controle do risco ambiental radiações ionizantes; deixar de manter serviço especializado em Engenharia e Segurança do Trabalho; 3) operar instalações elétricas de forma que não garanta a segurança e a saúde dos trabalhadores e usuários. No dia 23 de março de 2011 foi realizada audiência administrativa com o investigado. Seus representantes afirmaram que o SESMT não foi constituído, que o PCSMO não foi atualizado e que não foram adotadas medidas para a implementação da NR32. Declararam que o setor de radiologia encontrava-se nas mesmas condições flagradas na última inspeção, contudo, informaram que foi realizada a reforma das instalações elétricas do prédio antigo e que, no prazo de 60 (sessenta) dias, seriam iniciadas obras nos setores de emergência e de diagnóstico por imagem. À fl. 121 o inquirido juntou CD contendo a cópia do PPRA,

4 a cópia do projeto de melhoramento dos setores de urgência, emergência e diagnóstico por imagem, a cópia do edital de abertura de licitação ( etapa 2 ), e a cópia do projeto das instalações elétricas ( etapa 1 ). Através do ofício de fl. 124, o inquirido informou que foi concluída a reforma no sistema de instalação elétrica e que o mesmo encontrava-se em funcionamento desde maio de 2011, porém, não apresentou o laudo de conclusão, conforme havia sido requisitado. Através do parecer técnico de fls , o Perito Luis Carlos Fujii analisou os novos documentos juntados. Nos itens 1 a 11 apontou diversas irregularidades no PPRA, sugerindo, nos itens 4, 7 e 11 a requisição de documentação complementar. Ressaltou, por fim, dúvidas quanto a elaboração do PCMSO, em virtude da alegação do inquirido na última audiência. À fl. 139 foi requisita ao inquirido a documentação complementar sugerida no parecer técnico. Através o ofício de fl. 140, foi encaminhada a referida documentação, juntada no anexo IV do presente inquérito. A documentação foi analisada pelo Perito Luis Carlos Fujii, que juntou aos autos o parecer técnico de fls Após realizada análise pormenorizada dos autos e, em especial, dos últimos dois pareceres técnicos emitidos pelo Perito Luis Carlos Fujii, determino as seguintes providências: 1) oficie-se à SEGUR, solicitando cópia dos relatórios de fiscalização e eventuais autos de infração lavrados em face do inquirido nos anos de 2010, 2011 e 2012; 2) notifique-se a inquirida para, no prazo de 90 (noventa) dias, comprovar nos autos do presente inquérito o cumprimento das seguintes obrigações, sob pena de imediato ajuizamento de Ação Civil Pública, inclusive com pedido de responsabilização pessoal dos gestores: I) ATUALIZAR e ADEQUAR o PPRA, observando, principalmente, as seguintes recomendações (constantes no parecer técnico de fls , cuja cópia deve ser encaminhada em anexo): a) citar as metologias das avaliações quantitativas realizadas (níveis de iluminamento e de ruído); b) quando identificado o risco ergonômico, deve ser especificado o tipo (movimentos repetitivos, esforço físico, postura inadequada,...);

5 c) descrever, em todas as funções, o tipo de EPI recomendado, e não usar termos genéricos (por exemplo: Uso de EPI ) que não possibilitam saber quais as medidas de proteção que estão sendo indicadas; d) descrever o risco biológico conforme a Norma Regulamentadora 32, devendo conter, na fase de reconhecimento do PPRA, as seguintes informações (item e seus subitens): Identificação dos risco biológicos mais prováveis, em função da localização geográfica e da característica do serviço de saúde e seus setores, considerando: 1) fontes de exposição e reservatórios; 2) vias de transmissão e de entrada; 3) transmissibilidade, patogenicidade e virulência do agente; 4) persistência do agente biológico no ambiente; 5) estudos epidemiológicos ou dados estatísticos; 6) outras informações científicas. e) relatar a atual condição do estabelecimento quanto às caldeiras e vasos sobre pressão, ou seja, se está cumprindo, ou não, os requisitos previstos na Norma Regulamentadora 13; f) fixação de cronograma para implementação das medidas de controle dos riscos, informando, claramente, prazos e responsável técnico pela execução das medidas de controle previstas no PPRA; g) recomendar a aplicação de vacinas da Hepatite B, Tétano e Difteria para todos os trabalhadores do hospital, e não para grupos restritos, conforme disposto na NR 32 (item ). I I ) elaborar e implementar o PCMSO, observando as diretrizes da NR 32; III) implementar o SESMT de acordo com o quadro II da NR 04 (considerando o grau de risco 3 e 1500 o número de empregados, o SESMT deverá ser composto de 04 técnicos de segurança do trabalho, 1 engenheiro de segurança do trabalho - tempo integral, 1 auxiliar de enfermagem do trabalho, 1 médico do trabalho - tempo integral, e 1 enfermeiro do trabalho - tempo integral. IV) apresentar o alvará de saúde emitido pela Vigilância Sanitária da área de radiodiagnóstico; V ) apresentar o relatório de conclusão da reforma nas instalações elétricas; V I ) apresentar o Plano de Prevenção Contra Incêndio, devidamente assinado pelo responsável e aprovado pela SMOV; V I I ) corrigir as irregularidades apontadas no parecer técnico de fls , cuja cópia deve ser encaminhada em anexo, no que diz respeito às qualificações (indicação de pessoa responsável, juntada de cópia da lista de presenças e efetiva participação dos funcionários); ao conteúdo mínimo dos Atestados de Saúde Ocupacional - ASO's; preenchimento correto das fichas de EPI; entrega de EPI's aos

6 empregados do setor de manutenção, conforme recomendado no PPRA. Porto Alegre, 07 de dezembro de 2012 Marcia Bacher Medeiros PROCURADORA DO TRABALHO

www.cpsol.com.br MODELO CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE ENGENHARIA DE SEGURANÇA E MEDICINA DO TRABALHO IDENTIFICAÇÃO DAS PARTES CONTRATANTES

www.cpsol.com.br MODELO CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE ENGENHARIA DE SEGURANÇA E MEDICINA DO TRABALHO IDENTIFICAÇÃO DAS PARTES CONTRATANTES MODELO CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE ENGENHARIA DE SEGURANÇA E MEDICINA DO TRABALHO IDENTIFICAÇÃO DAS PARTES CONTRATANTES CONTRATANTE: (Nome da Contratante), com sede em (...), na Rua (...), nº.

Leia mais

Curso Técnico Segurança do Trabalho. Higiene, Análise de Riscos e Condições de Trabalho MÄdulo 4 Programa Controle MÇdico de SaÉde Ocupacional

Curso Técnico Segurança do Trabalho. Higiene, Análise de Riscos e Condições de Trabalho MÄdulo 4 Programa Controle MÇdico de SaÉde Ocupacional Curso Técnico Segurança do Trabalho Higiene, Análise de Riscos e Condições de Trabalho MÄdulo 4 Programa Controle MÇdico de SaÉde Ocupacional PCMSO Estabelece a obrigatoriedade da elaboração e implementação,

Leia mais

NP-NORMAS E PROCEDIMENTOS EM SEGURANÇA E SAÚDE OCUPACIONAL

NP-NORMAS E PROCEDIMENTOS EM SEGURANÇA E SAÚDE OCUPACIONAL Página 1 de 5 1. OBJETIVO 1.1. Estabelecer procedimentos para controle e uso de EPI - Equipamentos de Proteção Individual 2. CAMPO DE APLICAÇÃO 2.1. Esta NP (Normas e Procedimentos) é aplicável no âmbito

Leia mais

RELATÓRIO DO ICP 02/2009 (INSTITUTO DE ASSISTÊNCIA À SAÚDE DOS SERVIDORES MUNICIPAIS DE GOIÂNIA - IMAS)

RELATÓRIO DO ICP 02/2009 (INSTITUTO DE ASSISTÊNCIA À SAÚDE DOS SERVIDORES MUNICIPAIS DE GOIÂNIA - IMAS) RELATÓRIO DO ICP 02/2009 (INSTITUTO DE ASSISTÊNCIA À SAÚDE DOS SERVIDORES MUNICIPAIS DE GOIÂNIA - IMAS) OBJETIVO DO ICP : Implantação e fiscalização do programa de saúde ocupacional (Decreto 523/2004 e

Leia mais

EDITAL DE LICITAÇÃO CONCORRÊNCIA Nº 017/2015 ANEXO Q12 DIRETRIZES DE SAÚDE, MEIO AMBIENTE E SEGURANÇA PARA CONTRATOS SERVIÇOS ÍNDICE

EDITAL DE LICITAÇÃO CONCORRÊNCIA Nº 017/2015 ANEXO Q12 DIRETRIZES DE SAÚDE, MEIO AMBIENTE E SEGURANÇA PARA CONTRATOS SERVIÇOS ÍNDICE ANEXO Q12 DIRETRIZES DE SAÚDE, MEIO AMBIENTE E SEGURANÇA PARA CONTRATOS SERVIÇOS ÍNDICE 1. OBJETIVO 2. DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA E COMPLEMENTARES 3. NOMENCLATURA 4. DEFINIÇÕES 5. RESPONSABILIDADES 6. REQUISITOS

Leia mais

CÂMARA DE COORDENAÇÃO E REVISÃO DO MINISTÉRIO PÚBLICO DO TRABALHO

CÂMARA DE COORDENAÇÃO E REVISÃO DO MINISTÉRIO PÚBLICO DO TRABALHO DO MINISTÉRIO PÚBLICO DO TRABALHO Origem: PRT 11ª Região Interessado(s) 1: Ministério Público do Trabalho e Emprego / Superintendência Regional do Trabalho no Amazonas (SRTE-AM) Interessado(s) 2: Aliança

Leia mais

RESOLUÇÃO DP Nº. 12.2012, DE 27 DE JANEIRO DE 2012.

RESOLUÇÃO DP Nº. 12.2012, DE 27 DE JANEIRO DE 2012. RESOLUÇÃO DP Nº. 12.2012, DE 27 DE JANEIRO DE 2012. ESTABELECE PROCEDIMENTOS PARA OS SERVIÇOS DE COLETA, TRANSPORTE E DESTINAÇÃO DE RESÍDUOS PROVENIENTES DE EMBARCAÇÕES NAS ÁREAS DO PORTO ORGANIZADO DE

Leia mais

NP-NORMAS E PROCEDIMENTOS EM SEGURANÇA E SAÚDE OCUPACIONAL

NP-NORMAS E PROCEDIMENTOS EM SEGURANÇA E SAÚDE OCUPACIONAL Página 1 de 7 1. OBJETIVO 1.1. Estabelecer procedimentos técnico-administrativos para Registro, Análise e Investigação de Acidente do Trabalho envolvendo os servidores públicos e empregados fundacionais

Leia mais

RELATÓRIO DE AUDITORIA RA 01/2016

RELATÓRIO DE AUDITORIA RA 01/2016 TIPO DE AUDITORIA: ACOMPANHAMENTO EXERCÍCIO/PERÍODO: 2015-2016 UNIDADE AUDITADA: PRÓ-REITORIA ADMINISTRAÇÃO RELATÓRIO DE AUDITORIA RA 01/2016 1) ESCOPO DOS EXAMES Os trabalhos de auditoria acerca da regularidade

Leia mais

EPI Conforme Norma Regulamentadora NR 6, Equipamento de Proteção Individual EPI Fundamento Legal Artigo 166 da CLT A empresa é obrigada a fornecer aos empregados, gratuitamente, equipamento de proteção

Leia mais

Abbott Laboratórios do Brasil Ltda (São Paulo) DOCUMENTOS DA EMPRESA

Abbott Laboratórios do Brasil Ltda (São Paulo) DOCUMENTOS DA EMPRESA PROCEDIMENTO PARA ENTREGA DE DOCUMENTOS PARA ACESSO Abbott Laboratórios do Brasil Ltda (São Paulo) Segue procedimento que deverá ser seguido exatamente como orientado para que o serviço contratado seja

Leia mais

RELATÓRIO DE AUDITORIA INTERNA Nº 03/2009 SERVIÇOS TERCEIRIZADOS

RELATÓRIO DE AUDITORIA INTERNA Nº 03/2009 SERVIÇOS TERCEIRIZADOS RELATÓRIO DE AUDITORIA INTERNA Nº 03/2009 SERVIÇOS TERCEIRIZADOS I. Dos Procedimentos: Visando dar cumprimento ao item de número 05 do PAINT/2009, devidamente aprovado pelo Conselho Superior desta Instituição,

Leia mais

V FORUM - NR 32. São Paulo 09.06.2010. Noeli Martins. auditora fiscal do trabalho médica do trabalho

V FORUM - NR 32. São Paulo 09.06.2010. Noeli Martins. auditora fiscal do trabalho médica do trabalho V FORUM - NR 32 São Paulo 09.06.2010 Noeli Martins auditora fiscal do trabalho médica do trabalho PORTARIA MTE 3214/78-33 Normas Regulamentadoras NR 01 Disposições Gerais NR 02 Inspeção Prévia NR 03 Embargo

Leia mais

ENGENHARIA DE SEGURANÇA

ENGENHARIA DE SEGURANÇA ESTADO DE MATO GROSSO UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO FACULDADE DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL ENGENHARIA DE SEGURANÇA P R O F ª K A R E N W R O B E L S T R A

Leia mais

PROCESSO DE LIBERAÇÃO DE ACESSO Aos prestadores de serviço AKZONOBEL Rev. 12

PROCESSO DE LIBERAÇÃO DE ACESSO Aos prestadores de serviço AKZONOBEL Rev. 12 PROCESSO DE LIBERAÇÃO DE ACESSO Aos prestadores de serviço AKZONOBEL Rev. 12 Este procedimento tem por objetivo estabelecer os critérios a serem observados pelas empresas e suas subcontratadas com relação

Leia mais

- NORMA REGULAMENTADORA Nº 9 PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCOS AMBIENTAIS

- NORMA REGULAMENTADORA Nº 9 PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCOS AMBIENTAIS - NORMA REGULAMENTADORA Nº 9 PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCOS AMBIENTAIS 9.1 - Do Objeto e Campo de Aplicação Item 9.1 da NR 9 alterado pelo art. 1º da Portaria SSST nº 25 - DOU 30/12/1994 - Republicada

Leia mais

NR.35 TRABALHO EM ALTURA

NR.35 TRABALHO EM ALTURA NR.35 TRABALHO EM ALTURA Objetivo e Campo de Aplicação Esta Norma estabelece os requisitos mínimos e as medidas de proteção para o trabalho em altura, envolvendo o planejamento, a organização e a execução,

Leia mais

Relatório de Avaliação Pericial

Relatório de Avaliação Pericial MINISTÉRIO PÚBLICO DA UNIÃO MINISTÉRIO PÚBLICO DO TRABALHO PROCURADORIA REGIONAL DO TRABALHO - 13ª REGIÃO NÚCLEO DE ASSISTÊNCIA TÉCNICO PERICIAL Relatório de Avaliação Pericial Referência: IC nº 000477.2013.13.000/6

Leia mais

Programa de Controle Médico de Saúde Ocupacional. Juarez Sabino da Silva Junior Técnico de Segurança do Trabalho

Programa de Controle Médico de Saúde Ocupacional. Juarez Sabino da Silva Junior Técnico de Segurança do Trabalho Programa de Controle Médico de Saúde Ocupacional Juarez Sabino da Silva Junior Técnico de Segurança do Trabalho Objetivo A Norma Regulamentadora 9 estabelece a obrigatoriedade da elaboração e implementação,

Leia mais

CONSIDERAÇÕES SOBRE ATESTADOS MÉDICOS. Caxias do Sul, 23 de julho de 2015

CONSIDERAÇÕES SOBRE ATESTADOS MÉDICOS. Caxias do Sul, 23 de julho de 2015 CONSIDERAÇÕES SOBRE ATESTADOS MÉDICOS Caxias do Sul, 23 de julho de 2015 Conceito de Atestado Declaração escrita e assinada que uma pessoa devidamente qualificada faz sobre a verdade de um fato, e que

Leia mais

1. CARACTERIZAÇÃO DO OBJETO... 2 2. JUSTIFICATIVA... 2 3. QUALIFICAÇÃO DA EMPRESA... 2 4. QUALIFICAÇÃO DOS INSTRUTORES... 2 5. RESPONSABILIDADE DA

1. CARACTERIZAÇÃO DO OBJETO... 2 2. JUSTIFICATIVA... 2 3. QUALIFICAÇÃO DA EMPRESA... 2 4. QUALIFICAÇÃO DOS INSTRUTORES... 2 5. RESPONSABILIDADE DA TERMO DE REFERÊNCIA SSST 004//2013 CONTRATAÇÃO DE SERVIÇO ESPECIALIZADO EM TREINAMENTO DE TÉCNICAS DE SEGURANÇA PARA TRABALHO EM ESPAÇOS CONFINADOS 1. CARACTERIZAÇÃO DO OBJETO... 2 2. JUSTIFICATIVA...

Leia mais

Estabelecer critérios para a padronização do PCMSO visando obter a uniformização dos documentos nas áreas na UNIDADE LOGÍSTICA.

Estabelecer critérios para a padronização do PCMSO visando obter a uniformização dos documentos nas áreas na UNIDADE LOGÍSTICA. 1 1 OBJETIVO Estabelecer critérios para a padronização do PCMSO visando obter a uniformização dos documentos nas áreas na UNIDADE LOGÍSTICA. 2 USUÁRIOS Componentes do SESMT Local Componentes do SESMT Corporativo

Leia mais

DECRETO Nº 50.077, DE 6 DE OUTUBRO DE 2008 Regulamenta o artigo 50 da Lei nº 14.223, de 26 de setembro de 2006, o qual dispõe sobre a celebração de

DECRETO Nº 50.077, DE 6 DE OUTUBRO DE 2008 Regulamenta o artigo 50 da Lei nº 14.223, de 26 de setembro de 2006, o qual dispõe sobre a celebração de DECRETO Nº 50.077, DE 6 DE OUTUBRO DE 2008 Regulamenta o artigo 50 da Lei nº 14.223, de 26 de setembro de 2006, o qual dispõe sobre a celebração de termos de cooperação com a iniciativa privada, visando

Leia mais

3. QUEM PODE PRESTAR O SERVIÇO DE RADCOM?

3. QUEM PODE PRESTAR O SERVIÇO DE RADCOM? 1. O QUE É RADIODIFUSÃO COMUNITÁRIA? A Radiodifusão Comunitária RadCom é o serviço de radiodifusão sonora, em frequência modulada (FM), operado em baixa potência (25 watts ERP) e que tem por finalidade

Leia mais

Avaliação de Desempenho da Contratada para Prestação de Serviços de Engenharia (Estudos e Projetos)

Avaliação de Desempenho da Contratada para Prestação de Serviços de Engenharia (Estudos e Projetos) OBJETIVO Estabelecer procedimento para avaliação de desempenho de contratada para a área de estudos e projetos de engenharia, a fim de identificar o perfil de desempenho técnico, administrativo e organizacional

Leia mais

Procedimento de Segurança para Execução de Serviços

Procedimento de Segurança para Execução de Serviços Procedimento de Segurança para Execução de Serviços 1. OBJETIVO: Este procedimento tem como objetivo estabelecer requisitos básicos de segurança na execução de serviços realizados por empresa contratada

Leia mais

Secretaria de Estado da Saúde - SES/GO SESMT

Secretaria de Estado da Saúde - SES/GO SESMT Secretaria de Estado da Saúde - SES/GO SESMT Juliana A. Nepomuceno Eng. de Seg. do Trabalho Cood. SESMT/SES SESMT O que é? Serviço Especializado em Engenharia de Segurança e em Medicina do Trabalho EQUIPES

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA n.º 11, de 21 de maio de 2012.

INSTRUÇÃO NORMATIVA n.º 11, de 21 de maio de 2012. INSTRUÇÃO NORMATIVA n.º 11, de 21 de maio de 2012. INSTITUTO DE PREVIDÊNCIA DO MUNICÍPIO DE CARAGUATATUBA CARAGUAPREV Regulamenta as atribuições do Serviço de Saúde Ocupacional da Divisão de Medicina e

Leia mais

Anexo 1.4-5 - Programa de Proteção ao Trabalhador e Segurança no Ambiente de Trabalho

Anexo 1.4-5 - Programa de Proteção ao Trabalhador e Segurança no Ambiente de Trabalho Anexo 1.4-5 - Programa de Proteção ao Trabalhador e Segurança no Ambiente de Trabalho 1 pág de 16 Programa de Proteção ao Trabalhador e Segurança no Ambiente de Trabalho 2 pág de 16 SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO...

Leia mais

O PAPEL DO SESMT NA PERÍCIA JUDICIAL TRABALHISTA. Marcelo Loutfi Ministrante. São Paulo, 08 de Outubro de 2010.

O PAPEL DO SESMT NA PERÍCIA JUDICIAL TRABALHISTA. Marcelo Loutfi Ministrante. São Paulo, 08 de Outubro de 2010. O PAPEL DO SESMT NA PERÍCIA JUDICIAL TRABALHISTA Marcelo Loutfi Ministrante São Paulo, 08 de Outubro de 2010. TÓPICOS ABORDADOS I. A reclamação Trabalhista II. A Perícia Judicial III. Documentação IV.

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA SCL SISTEMA DE COMPRAS, LICITAÇÕES E CONTRATOS Nº 001/2015.

INSTRUÇÃO NORMATIVA SCL SISTEMA DE COMPRAS, LICITAÇÕES E CONTRATOS Nº 001/2015. INSTRUÇÃO NORMATIVA SCL SISTEMA DE COMPRAS, LICITAÇÕES E CONTRATOS Nº 001/2015. DISPÕE SOBRE OS PROCEDIMENTOS PARA A AQUISIÇÃO DE BENS E SERVIÇOS MEDIANTE LICITAÇÃO, INCLUSIVE DISPENSA E INEXIGIBILIDADE,

Leia mais

Analise as Normas Regulamentadoras abaixo e apresente parecer sucinto comparando atendimento de cada item pela empresa.

Analise as Normas Regulamentadoras abaixo e apresente parecer sucinto comparando atendimento de cada item pela empresa. Analise as Normas Regulamentadoras abaixo e apresente parecer sucinto comparando atendimento de cada item pela empresa. NR 01 - Disposições Gerais Descrever alguns tópicos do que cabe ao empregador. Verificar

Leia mais

SETE BRASIL PARTICIPAÇÕES S.A.

SETE BRASIL PARTICIPAÇÕES S.A. SETE BRASIL PARTICIPAÇÕES S.A. CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO REGIMENTO INTERNO DOS COMITÊS COMITÊ DE AUDITORIA APROVADO PELO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO EM 24 DE SETEMBRO DE 2014 SUMÁRIO I INTRODUÇÃO 3 II OBJETO

Leia mais

PROCEDIMENTOS DE AUDITORIA INTERNA. 1 Objetivo Este Procedimento tem como objetivo descrever a rotina aplicável aos procedimentos de auditoria interna

PROCEDIMENTOS DE AUDITORIA INTERNA. 1 Objetivo Este Procedimento tem como objetivo descrever a rotina aplicável aos procedimentos de auditoria interna 025 1/8 Sumário 1 Objetivo 2 Aplicação 3 Documentos complementares 4 Definições 5 Procedimento 6. Formulários 7. Anexo A 1 Objetivo Este Procedimento tem como objetivo descrever a rotina aplicável aos

Leia mais

O PROCURADOR-GERAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE, no uso de suas atribuições legais,

O PROCURADOR-GERAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE, no uso de suas atribuições legais, RESOLUÇÃO N.º102 /97 - P.G.J. Estabelece normas para o exercício do controle externo da atividade de Polícia Judiciária pelo Ministério Público, previsto no artigo 129, inciso VII, da Constituição Federal

Leia mais

CONSELHO DE EDUCAÇÃO DO DISTRITO FEDERAL

CONSELHO DE EDUCAÇÃO DO DISTRITO FEDERAL CONLHO DE EDUCAÇÃO DO DISTRITO FEDERAL Homologado em 13/11/2002, publicado no DODF de 14/11/2002, p. 18. Portaria nº 474, de 29/11/2002, publicada no DODF de 9/12/2002, p.11. Parecer nº 215/2002-CEDF Processo

Leia mais

INDUSTRIAS QUIMICAS TAUBATE S A IQT - Atendimento de Saúde São Paulo

INDUSTRIAS QUIMICAS TAUBATE S A IQT - Atendimento de Saúde São Paulo Proposta INDUSTRIAS QUIMICAS TAUBATE S A IQT - Atendimento de Saúde São Paulo À INDUSTRIAS QUIMICAS TAUBATE S A IQT A\C: Camila Borges de Carvalho camila.borges@iqt.com.br Apresentação da Proposta Conforme

Leia mais

ESTRUTURA COMPLETA GERENCIAMENTO OPERACIONAL

ESTRUTURA COMPLETA GERENCIAMENTO OPERACIONAL ESTRUTURA COMPLETA DE GERENCIAMENTO DO RISCO OPERACIONAL O Conselho de Administração é o responsável pela Estrutura de Gerenciamento do Risco Operacional das cooperativas do Sicoob, a qual é composta da

Leia mais

Nota Técnica nº 446/2010/COGES/DENOP/SRH/MP. ASSUNTO: Averbação de tempo de serviço. Referência: Processo Administrativo nº 10176.

Nota Técnica nº 446/2010/COGES/DENOP/SRH/MP. ASSUNTO: Averbação de tempo de serviço. Referência: Processo Administrativo nº 10176. MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO Secretaria de Recursos Humanos Departamento de Normas e Procedimentos Judiciais Coordenação-Geral de Elaboração, Sistematização e Aplicação das Normas Nota

Leia mais

Política de Trabalho de Conclusão de Curso - TCC

Política de Trabalho de Conclusão de Curso - TCC Política de Trabalho de Conclusão de Curso - TCC A FACULDADE DINÂMICA prevê mecanismos efetivos de acompanhamento e de cumprimento do Trabalho de Conclusão de Curso, que no momento da construção do seu

Leia mais

PROCEDIMENTO OPERACIONAL

PROCEDIMENTO OPERACIONAL Coordenadoria de Recursos Humanos (CRH) Secretaria Estadual da Saúde PROCEDIMENTO OPERACIONAL Número: 3.3 Revisão: 0 Página: 1/8 Vigência: Indeterminada Titulo: Implantação e adequação do Serviço Especializado

Leia mais

RESOLUÇÃO nº 076 de 13 de setembro de 2012

RESOLUÇÃO nº 076 de 13 de setembro de 2012 RESOLUÇÃO nº 076 de 13 de setembro de 2012 Dispõe sobre a obrigatoriedade da criação do controle interno nos Poderes Legislativo, Executivo e Judiciário, bem como no Ministério Público e Tribunal de Contas,

Leia mais

Portaria nº 1109 de 10 de dezembro de 2010

Portaria nº 1109 de 10 de dezembro de 2010 Portaria nº 1109 de 10 de dezembro de 2010 Dispõe sobre a Política de Segurança e Saúde no Trabalho e de Prevenção de Riscos Ocupacionais no âmbito da UFJF. A Pró-Reitora de Recursos Humanos da Universidade

Leia mais

PROVA ESPECÍFICA Cargo 03

PROVA ESPECÍFICA Cargo 03 18 PROVA ESPECÍFICA Cargo 03 QUESTÃO 41 De acordo com a NR-01 da Portaria 3.214/78 MTE DISPOSIÇÕES GERAIS, as Normas Regulamentadoras NR relativas à segurança e medicina do trabalho são de observância

Leia mais

MANUAL ORIENTATIVO DE FISCALIZAÇÃO CÂMARA ESPECIALIZADA DE ENGENHARIA DE SEGURANÇA DO TRABALHO MODALIDADE ENGENHARIA DE SEGURANÇA DO TRABALHO

MANUAL ORIENTATIVO DE FISCALIZAÇÃO CÂMARA ESPECIALIZADA DE ENGENHARIA DE SEGURANÇA DO TRABALHO MODALIDADE ENGENHARIA DE SEGURANÇA DO TRABALHO MANUAL ORIENTATIVO DE FISCALIZAÇÃO CÂMARA ESPECIALIZADA DE ENGENHARIA DE SEGURANÇA DO TRABALHO MODALIDADE ENGENHARIA DE SEGURANÇA DO TRABALHO Laudo Ergonômico Laudo de Periculosidade/Insalubridade Laudo

Leia mais

SINSEPREM - Sindicato dos Servidores Públicos Municipais de Presidente Médici RO. CNPJ: 11: 314.436/0001-71

SINSEPREM - Sindicato dos Servidores Públicos Municipais de Presidente Médici RO. CNPJ: 11: 314.436/0001-71 PAUTA DE REIVINDICAÇÃO GERAL EM FAVOR DOS SERVIDORES MUNICIPAIS 1 Que seja contratada empresa especializada para elaboração do Laudo Técnico Pericial de Insalubridade e Periculosidade, devidamente acompanhado

Leia mais

RELATÓRIO DE AUDITORIA Nº. 01/2013

RELATÓRIO DE AUDITORIA Nº. 01/2013 RELATÓRIO DE AUDITORIA Nº. 01/2013 SUMÁRIO: 1. Apresentação... 01 2. Informações Gerais... 01 3. Resumo... 02 4. Dados das amostras... 02 5. Resultados dos trabalhos de auditoria... 03 6. Conclusão...

Leia mais

Legislação Comentada:

Legislação Comentada: Serviço Social da Indústria Departamento Regional da Bahia Legislação Comentada: NR 7 - Programa de Controle Médico de Saúde Ocupacional (PCMSO) Salvador-Bahia 2008 Legislação Comentada: NR 7 - Programa

Leia mais

PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCOS AMBIENTAIS

PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCOS AMBIENTAIS MODELO PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCOS AMBIENTAIS NOME DA EMPRESA PERÍODO Dia / Mês / Ano a Dia / Mês / Ano 1 SUMÁRIO 3 IDENTIFICAÇÃO DA EMPRESA 4 4 OBJETIVO GERAL CONDIÇÕES PRELIMINARES 5 DESENVOLVIMENTO

Leia mais

Serviço Especializado em Engenharia de Segurança e Medicina do Trabalho (SESMT) 20

Serviço Especializado em Engenharia de Segurança e Medicina do Trabalho (SESMT) 20 capítulo 1 O trabalho e a segurança do trabalho 1 Da pré-história à industrialização 2 O trabalho na era industrial 4 Primeira Guerra Mundial 5 Segunda Guerra Mundial 6 Transição da era industrial para

Leia mais

ORDEM DE SERVIÇO NR 01 RISCOS FÍSICOS QUÍMICOS BIOLÓGICOS ERGONOMICOS ACIDENTES. Micro Organismo Patogênicos Doenças Infectocontagiosas

ORDEM DE SERVIÇO NR 01 RISCOS FÍSICOS QUÍMICOS BIOLÓGICOS ERGONOMICOS ACIDENTES. Micro Organismo Patogênicos Doenças Infectocontagiosas Ordem de Serviço Logo da empresa ORDEM DE SERVIÇO NR 01 N de Registro xxx/xx Data de Atualização xx/ xx/ xxxx Função: Técnico em Radiologia Área de Aplicação: Toda área hospitalar RISCOS FÍSICOS QUÍMICOS

Leia mais

RESOLUÇÃO SMA Nº 1588 DE 11 DE JANEIRO DE 2010. O SECRETÁRIO MUNICIPAL DE ADMINISTRAÇÃO, no uso das atribuições conferidas pela legislação em vigor, e

RESOLUÇÃO SMA Nº 1588 DE 11 DE JANEIRO DE 2010. O SECRETÁRIO MUNICIPAL DE ADMINISTRAÇÃO, no uso das atribuições conferidas pela legislação em vigor, e RESOLUÇÃO SMA Nº 1588 DE 11 DE JANEIRO DE 2010. Regulamenta o Programa de Estágios em órgãos e entidades da Administração Pública Municipal Direta, Indireta e Fundacional, do Poder Executivo Município

Leia mais

Inclui no "Ementário - Elementos para Lavratura de Autos de Infração" as ementas referentes à Norma Regulamentadora nº 33

Inclui no Ementário - Elementos para Lavratura de Autos de Infração as ementas referentes à Norma Regulamentadora nº 33 SIT - Portaria nº 39/2008 25/2/2008 PORTARIA SIT Nº 39, DE 21 DE FEVEREIRO DE 2008 DOU 25.02.2008 Inclui no "Ementário - Elementos para Lavratura de Autos de Infração" as ementas referentes à Norma Regulamentadora

Leia mais

Curso Técnico Segurança do Trabalho. Higiene, Análise de Riscos e Condições de Trabalho MÄdulo 5 Programa PrevenÇÉo Riscos Ambientais (VisÉo Geral)

Curso Técnico Segurança do Trabalho. Higiene, Análise de Riscos e Condições de Trabalho MÄdulo 5 Programa PrevenÇÉo Riscos Ambientais (VisÉo Geral) Curso Técnico Segurança do Trabalho Higiene, Análise de Riscos e Condições de Trabalho MÄdulo 5 Programa PrevenÇÉo Riscos Ambientais (VisÉo Geral) Esta Norma Regulamentadora - NR estabelece a obrigatoriedade

Leia mais

5.1. Programa de Gerenciamento Ambiental. Revisão 00 NOV/2013. PCH Senhora do Porto Plano de Controle Ambiental - PCA PROGRAMAS AMBIENTAIS

5.1. Programa de Gerenciamento Ambiental. Revisão 00 NOV/2013. PCH Senhora do Porto Plano de Controle Ambiental - PCA PROGRAMAS AMBIENTAIS PROGRAMAS AMBIENTAIS 5.1 Programa de Gerenciamento Ambiental CAPA 5.1 - Programa de Gerenciamento Ambiental ÍNDICE GERAL 1. Introdução... 1/11 1.1. Ações já Realizadas... 2/11 2. Justificativa... 4/11

Leia mais

EDITAL N.º 15/2013 DISPÕE SOBRE O PROCESSO DE MATRÍCULA PARA OS CURSOS TÉCNICOS, CONCOMITANTES E SUBSEQUENTES AO ENSINO MÉDIO.

EDITAL N.º 15/2013 DISPÕE SOBRE O PROCESSO DE MATRÍCULA PARA OS CURSOS TÉCNICOS, CONCOMITANTES E SUBSEQUENTES AO ENSINO MÉDIO. EDITAL N.º 15/2013 DISPÕE SOBRE O PROCESSO DE MATRÍCULA PARA OS CURSOS TÉCNICOS, CONCOMITANTES E SUBSEQUENTES AO ENSINO MÉDIO. O, mantido pela Associação Paranaense de Cultura, torna pública a abertura

Leia mais

NR.33 Segurança e Saúde nos Trabalhos em Espaços Confinados

NR.33 Segurança e Saúde nos Trabalhos em Espaços Confinados NR.33 Segurança e Saúde nos Trabalhos em Espaços Confinados O objetivo desta NR é estabelecer os requisitos mínimos para identificação de espaços confinados e o reconhecimento, avaliação, monitoramento

Leia mais

Universidade Católica de Pelotas. Pró-Reitoria Acadêmica Edital 054/2015

Universidade Católica de Pelotas. Pró-Reitoria Acadêmica Edital 054/2015 Universidade Católica de Pelotas Pró-Reitoria Acadêmica Edital 054/2015 O Centro de Ciências Jurídicas, Econômicas e Sociais, no Programa de Pós-Graduação em Política Social, seleciona professor para o

Leia mais

PRINCIPAIS FALHAS EM AUDITORIAS DO PBQP-H

PRINCIPAIS FALHAS EM AUDITORIAS DO PBQP-H PRINCIPAIS FALHAS EM AUDITORIAS DO PBQP-H PARA COMEÇAR......A VERSÃO 2012 VERSÃO 2012 A versão 2012 do SiAC incluiu alguns requisitos, antes não verificados em obras. São eles: 1. Indicadores de qualidade

Leia mais

Núcleo de Pós-Graduação Pitágoras Escola Satélite. Curso de Especialização em Engenharia de Segurança do Trabalho

Núcleo de Pós-Graduação Pitágoras Escola Satélite. Curso de Especialização em Engenharia de Segurança do Trabalho Núcleo de Pós-Graduação Pitágoras Escola Satélite Curso de Especialização em Engenharia de Segurança do Trabalho Núcleo de Pós-Graduação Pitágoras Escola Satélite ENGº DE SEGURANÇA DO TRABALHO LUIZ PAUMGARTTEN

Leia mais

CÂMARA DE COORDENAÇÃO E REVISÃO DO MINISTÉRIO PÚBLICO DO TRABALHO

CÂMARA DE COORDENAÇÃO E REVISÃO DO MINISTÉRIO PÚBLICO DO TRABALHO CÂMARA DE COORDENAÇÃO E REVISÃO DO MINISTÉRIO PÚBLICO DO TRABALHO Origem: PRT 17ª Região Interessado 1: Sindicato dos Trabalhadores em Empresas de Asseio e Conservação do Estado do Espírito Santo - SINDILIMP/ES

Leia mais

GUIA DE ESTÁGIO CURSOS TECNOLÓGICOS

GUIA DE ESTÁGIO CURSOS TECNOLÓGICOS GUIA DE ESTÁGIO CURSOS TECNOLÓGICOS 1 SUMÁRIO 3 INTRODUÇÃO 4 DOCUMENTAÇÃO NECESSÁRIA PARA REALIZAÇÃO DO ESTÁGIO 6 RESCISÃO DO CONTRATO DE ESTÁGIO 7 CONCLUSÃO DE CURSO 7 RELATÓRIO TÉCNICO 8 AVALIAÇÃO DE

Leia mais

Considerando a necessidade de implementação de medidas para a efetiva redução das emissões de poluentes por veículos automotores;

Considerando a necessidade de implementação de medidas para a efetiva redução das emissões de poluentes por veículos automotores; Page 1 of 5 Resoluções RESOLUÇÃO N o 256, de 30 de junho DE 1999 O Conselho Nacional do Meio Ambiente CONAMA, no uso das atribuições que lhe são conferidas pela Lei 6.938, de 31 de agosto de 1981, regulamentada

Leia mais

ANEXO I TERMO DE REFERÊNCIA/ESPECIFICAÇÕES BÁSICAS

ANEXO I TERMO DE REFERÊNCIA/ESPECIFICAÇÕES BÁSICAS ANEXO I TERMO DE REFERÊNCIA/ESPECIFICAÇÕES BÁSICAS 1. OBJETO 1.1 Prestação de serviços técnicos especializados em Engenharia de segurança do Trabalho, de modo a elaborar o Programa de Prevenção de Riscos

Leia mais

Ponto Eletrônico - PORTARIA Nº 1.510, DE 21/08/2009

Ponto Eletrônico - PORTARIA Nº 1.510, DE 21/08/2009 Ponto Eletrônico - PORTARIA Nº 1.510, DE 21/08/2009 O MINISTRO DE ESTADO DO TRABALHO E EMPREGO, no uso das atribuições que lhe conferem o inciso II do parágrafo único do art. 87 da Constituição Federal

Leia mais

INSS ALTERA MAIS UMA VEZ AS CONDIÇÕES PARA A CONCESSÃO DA APOSENTADORIA ESPECIAL IMPONDO NOVOS ÔNUS PARA AS EMPRESAS

INSS ALTERA MAIS UMA VEZ AS CONDIÇÕES PARA A CONCESSÃO DA APOSENTADORIA ESPECIAL IMPONDO NOVOS ÔNUS PARA AS EMPRESAS INSS ALTERA MAIS UMA VEZ AS CONDIÇÕES PARA A CONCESSÃO DA APOSENTADORIA ESPECIAL IMPONDO NOVOS ÔNUS PARA AS EMPRESAS Jaques Sherique - Engenheiro de Segurança do Trabalho, Presidente da ABPA-SP 2º Vice-Presidente

Leia mais

RELATÓRIO DE AUDITORIA

RELATÓRIO DE AUDITORIA RELATÓRIO DE AUDITORIA Ordem de Serviço: 03/2014/CGM-AUDI Unidade Auditada: Contrato de Gestão nº 001/2013 Celebrado entre a Fundação Theatro Municipal de São Paulo e o Instituto Brasileiro de Gestão Cultural

Leia mais

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, QUALIDADE E TECNOLOGIA - INMETRO

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, QUALIDADE E TECNOLOGIA - INMETRO Serviço Público Federal MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, QUALIDADE E TECNOLOGIA - INMETRO Parecer nº 043/Audin INMETRO/SITAD/NÚMERO DO PROTOCOLO

Leia mais

EDITAL DE CREDENCIAMENTO N 001/2016 - IPMT

EDITAL DE CREDENCIAMENTO N 001/2016 - IPMT EDITAL DE CREDENCIAMENTO N 001/2016 - IPMT CREDENCIAMENTO DE INSTITUIÇÕES FINANCEIRAS E SIMILARES, SOCIEDADES CORRETORAS, DISTRIBUIDORAS DE TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS E PESSOAS JURÍDICAS QUE ATUEM COMO

Leia mais

PLANO DE CARREIRA, CARGOS E SALÁRIO DO PESSOAL TÉCNICO-ADMINISTRATIVO DA FUNDESTE

PLANO DE CARREIRA, CARGOS E SALÁRIO DO PESSOAL TÉCNICO-ADMINISTRATIVO DA FUNDESTE PLANO DE CARREIRA, CARGOS E SALÁRIO DO PESSOAL TÉCNICO-ADMINISTRATIVO DA FUNDESTE CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS E OPERACIONALIZAÇÃO Art. 1º - O Plano de Carreira do Pessoal Técnico-Administrativo da Fundeste,

Leia mais

ACIDENTE DE TRABALHO

ACIDENTE DE TRABALHO 1 - DEFINIÇÃO 1.1 - Acidente de trabalho Qualquer prejuízo à saúde ou integridade física do trabalhador ocorrida no trabalho ou em decorrência do trabalho. 1.1.1 - Acidente Típico Acidente que ocorre numa

Leia mais

MANUAL DE SEGURANÇA E SAÚDE OCUPACIONAL PARA EMPRESAS PRESTADORAS DE SERVIÇOS TIPO 1 DEPARTAMENTO DE GESTÃO DE PESSOAS DGP

MANUAL DE SEGURANÇA E SAÚDE OCUPACIONAL PARA EMPRESAS PRESTADORAS DE SERVIÇOS TIPO 1 DEPARTAMENTO DE GESTÃO DE PESSOAS DGP MANUAL DE SEGURANÇA E SAÚDE OCUPACIONAL PARA EMPRESAS PRESTADORAS DE SERVIÇOS TIPO 1 DEPARTAMENTO DE GESTÃO DE PESSOAS DGP DIVISÃO DE SEGURANÇA DO TRABALHO E SAÚDE OCUPACIONAL - DVSS Sumário 1. OBJETIVO...

Leia mais

TÓPICO 01: DISPOSIÇÕES GERAIS

TÓPICO 01: DISPOSIÇÕES GERAIS TÓPICO 01: DISPOSIÇÕES GERAIS O Programa de Controle Médico de Saúde Ocupacional PCMSO, se configura em uma obrigatoriedade legal a ser cumprida por todos os empregadores e instituições que admitam trabalhadores

Leia mais

FTST Formação Técnica em Segurança do Trabalho. Módulo de Hospitalar e Agroindústria AULA 2 Prof.º Cleverson Luis

FTST Formação Técnica em Segurança do Trabalho. Módulo de Hospitalar e Agroindústria AULA 2 Prof.º Cleverson Luis FTST Formação Técnica em Segurança do Trabalho Módulo de Hospitalar e Agroindústria AULA 2 Prof.º Cleverson Luis Competências a serem trabalhadas nesta aula Conhecer e detalhar a legislação específica

Leia mais

Resíduos de Serviços de Saúde

Resíduos de Serviços de Saúde Programa de Gerenciamento dos Serviços de Saúde no Brasil Resíduos de Serviços de Saúde PGRSS PROGRAMA DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE Responsabilidade civil: Art. 3 da Lei de Introdução

Leia mais

Processo Administrativo nº 05/08

Processo Administrativo nº 05/08 Processo Administrativo nº 05/08 Envolvida: Alpes Corretora de Câmbio, Títulos e Valores Mobiliários S.A. Assunto: Cadastramento e Identificação de Investidores Não-Residentes Conselheiro-Relator: Eduardo

Leia mais

FTST Formação Técnica em Segurança do Trabalho. Módulo de Saúde Ocupacional AULA 3

FTST Formação Técnica em Segurança do Trabalho. Módulo de Saúde Ocupacional AULA 3 FTST Formação Técnica em Segurança do Trabalho Módulo de Saúde Ocupacional AULA 3 Competências a serem trabalhadas nesta aula Estabelecer os parâmetros e diretrizes necessários para garantir um padrão

Leia mais

REGIMENTO DA COMISSÃO DE PADRONIZAÇÃO E QUALIDADE DE MATERIAIS MÉDICO-HOSPITALARES - CPQMMH DO HUJM.

REGIMENTO DA COMISSÃO DE PADRONIZAÇÃO E QUALIDADE DE MATERIAIS MÉDICO-HOSPITALARES - CPQMMH DO HUJM. REGIMENTO DA COMISSÃO DE PADRONIZAÇÃO E QUALIDADE DE MATERIAIS MÉDICO-HOSPITALARES - CPQMMH DO HUJM. Artigo. 1 o O presente Regimento estabelece o funcionamento da Comissão de Padronização e Qualidade

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO TIPO DE AUDITORIA : AUDITORIA DE GESTÃO EXERCÍCIO : 2006 PROCESSO Nº : 25106.000.849/2007-19 UNIDADE AUDITADA

Leia mais

CONSELHO SUPERIOR DA JUSTIÇA DO TRABALHO COORDENADORIA PROCESSUAL RESOLUÇÃO CSJT Nº 141, DE 26 DE SETEMBRO DE 2014.

CONSELHO SUPERIOR DA JUSTIÇA DO TRABALHO COORDENADORIA PROCESSUAL RESOLUÇÃO CSJT Nº 141, DE 26 DE SETEMBRO DE 2014. CONSELHO SUPERIOR DA JUSTIÇA DO TRABALHO COORDENADORIA PROCESSUAL RESOLUÇÃO CSJT Nº 141, DE 26 DE SETEMBRO DE 2014. Dispõe sobre as diretrizes para a realização de ações de promoção da saúde ocupacional

Leia mais

I - DA FINALIDADE II - DA CONCEITUAÇÃO

I - DA FINALIDADE II - DA CONCEITUAÇÃO I - DA FINALIDADE 1. Este Normativo de Pessoal tem por finalidade estabelecer, definir e disciplinar os procedimentos para criação, extinção, remuneração, designação, contratação, substituição, dispensa

Leia mais

PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO EDITAL/SMAR Nº 002/2013

PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO EDITAL/SMAR Nº 002/2013 1 PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO EDITAL/SMAR Nº 002/2013 A Secretaria de Municipal de Administração e Recursos Humanos do Município de Santa Teresa faz saber que fará realizar o Processo Seletivo Simplificado,

Leia mais

PLANO DE CARGOS, CARREIRA E SUBSÍDIOS DO PESSOAL DE APOIO E ADMINISTRATIVO.

PLANO DE CARGOS, CARREIRA E SUBSÍDIOS DO PESSOAL DE APOIO E ADMINISTRATIVO. PLANO DE CARGOS, CARREIRA E SUBSÍDIOS DO PESSOAL DE APOIO E ADMINISTRATIVO. INTRODUÇÃO: Em primeiro lugar se faz necessário lembrar que a construção inicial foi de um Plano de Carreira unificado elaborado

Leia mais

RESOLUÇÃO CONSEPE Nº 11/2011

RESOLUÇÃO CONSEPE Nº 11/2011 UNIVERSIDADE ESTADUAL DO SUDOESTE DA BAHIA-UESB Recredenciada pelo Decreto Estadual nº 9.996, de 02 de maio de 2006 CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO-CONSEPE RESOLUÇÃO CONSEPE Nº 11/2011

Leia mais

ATENÇÃO: A cópia impressa a partir da intranet é cópia não controlada.

ATENÇÃO: A cópia impressa a partir da intranet é cópia não controlada. Proposto por: AUXILIAR NA CONVOCAÇÃO, NOMEAÇÃO E ELIMINAÇÃO DE CANDIDATOS APROVADOS EM CONCURSO PÚBLICO PARA PROVIMENTO DE CARGO EFETIVO Serviço de Concurso Para Provimento de Cargos Efetivos (SECOC) Analisado

Leia mais

Manual de Segurança e higiene do trabalho Procedimento para CIPA - Comissão Interna de Prevenção de Acidentes

Manual de Segurança e higiene do trabalho Procedimento para CIPA - Comissão Interna de Prevenção de Acidentes Revisão: 00 Folha: 1 / 10 1. Definição CIPA Acidente 2. Objetivo A CIPA - tem como objetivo a prevenção de acidentes e doenças decorrentes do trabalho, de modo a tornar compatível permanentemente o trabalho

Leia mais

DECISÃO DE ARQUIVAMENTO Nº 15/2012

DECISÃO DE ARQUIVAMENTO Nº 15/2012 Inquérito Civil n.º 1.28.000.000886/2009-00 DECISÃO DE ARQUIVAMENTO Nº 15/2012 1. Tratam-se os autos de Inquérito Civil instaurado inicialmente como Procedimento Administrativo, no ano de 2009, a fim de

Leia mais

O Banco Central do Brasil em 29/06/2006 editou a Resolução 3380, com vista a implementação da Estrutura de Gerenciamento do Risco Operacional.

O Banco Central do Brasil em 29/06/2006 editou a Resolução 3380, com vista a implementação da Estrutura de Gerenciamento do Risco Operacional. 1 POLÍTICA DE GERENCIAMENTO DO RISCO OPERACIONAL 1.1 Introdução O Banco Central do Brasil em 29/06/2006 editou a Resolução 3380, com vista a implementação da Estrutura de Gerenciamento do Risco Operacional.

Leia mais

COTAÇÃO PRÉVIA DE PREÇO Nº 001/2012 EDITAL DE CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS DE TERCEIROS PESSOA JURÍDICA TIPO: MELHOR TÉCNICA

COTAÇÃO PRÉVIA DE PREÇO Nº 001/2012 EDITAL DE CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS DE TERCEIROS PESSOA JURÍDICA TIPO: MELHOR TÉCNICA COTAÇÃO PRÉVIA DE PREÇO Nº 001/2012 EDITAL DE CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS DE TERCEIROS PESSOA JURÍDICA TIPO: MELHOR TÉCNICA O Centro de Estudos de Cultura Contemporânea CEDEC, entidade privada sem fins lucrativos,

Leia mais

PERGUNTAS E RESPOSTAS SOBRE A RESOLUÇÃO N o 1010/05

PERGUNTAS E RESPOSTAS SOBRE A RESOLUÇÃO N o 1010/05 PERGUNTAS E RESPOSTAS SOBRE A RESOLUÇÃO N o 1010/05 As perguntas abaixo foram compiladas após a série de treinamentos sobre a Resolução nº 1.010, de 2005, ministrados pelo Confea aos Creas durante o primeiro

Leia mais

Segurança do Trabalho

Segurança do Trabalho Segurança do Trabalho Site da Vega Construtora www.vegaconstrutora.com.br Canteiros de Obras Obras GYN e BSB Atividades Palestras DDS CIPA Áreas de Vivencias Ordem e Limpeza Sinalização Equipamentos de

Leia mais

SESMT - SERVIÇOS ESPECIALIZADOS EM ENGENHARIA DE SEGURANÇA E MEDICINA DO TRABALHO

SESMT - SERVIÇOS ESPECIALIZADOS EM ENGENHARIA DE SEGURANÇA E MEDICINA DO TRABALHO SESMT - SERVIÇOS ESPECIALIZADOS EM ENGENHARIA DE SEGURANÇA E MEDICINA DO TRABALHO Aline Barbosa Pinheiro Prof. Andréia Alexandre Hertzberg Centro Universitário Leonardo da Vinci UNIASSELVI Graduação Tecnológica

Leia mais

NORMAS E PROCEDIMENTOS PARA A REALIZAÇÃO DA ATIVIDADE COMPLEMENTAR DE TRABALHO DE GRADUAÇÃO

NORMAS E PROCEDIMENTOS PARA A REALIZAÇÃO DA ATIVIDADE COMPLEMENTAR DE TRABALHO DE GRADUAÇÃO NORMAS E PROCEDIMENTOS PARA A REALIZAÇÃO DA ATIVIDADE COMPLEMENTAR DE TRABALHO DE GRADUAÇÃO 1. DA DEFINIÇÃO a) O Trabalho de Graduação (TG) compreende o estudo de um problema em profundidade, requerendo

Leia mais

NORMAS E PROCEDIMENTOS PARA A REALIZAÇÃO DA ATIVIDADE COMPLEMENTAR DE TRABALHO DE GRADUAÇÃO

NORMAS E PROCEDIMENTOS PARA A REALIZAÇÃO DA ATIVIDADE COMPLEMENTAR DE TRABALHO DE GRADUAÇÃO NORMAS E PROCEDIMENTOS PARA A REALIZAÇÃO DA ATIVIDADE COMPLEMENTAR DE TRABALHO DE GRADUAÇÃO 1. DA DEFINIÇÃO a) O Trabalho de Graduação (TG) compreende o estudo de um problema em profundidade, requerendo

Leia mais

01. Quais são os exames especificados na NR7 que devem ser realizados e que geram ASO:

01. Quais são os exames especificados na NR7 que devem ser realizados e que geram ASO: 01. Quais são os exames especificados na NR7 que devem ser realizados e que geram ASO: 01. Quais são os exames especificados na NR7 que devem ser realizados e que geram ASO: Admissional, Periódico, de

Leia mais

CALENDÁRIO PROCESSO ELEITORAL CIPA

CALENDÁRIO PROCESSO ELEITORAL CIPA DATA DA POSSE DA ATUAL GESTÃO DA CIPA VIGÊNCIA - BIANUAL CALENDÁRIO PROCESSO ELEITORAL CIPA Nº ATIVIDADES PRAZO DATA EXATA DATA CORRIGIDA DIAS ANTES DA POSSE 1 CONVOCAR OS SERVIDORES PARA ELEIÇÃO 60 DIAS

Leia mais

EXAME PRÉ-ADMISSIONAL

EXAME PRÉ-ADMISSIONAL 1 - DEFINIÇÃO É o estabelecimento da capacidade plena do indivíduo ao desempenho de sua função. 2 - REQUISITOS BÁSICOS Candidato aprovado em Concurso Público ou Processo Seletivo para Temporários que tenha

Leia mais

Diretrizes e Parâmetros Mínimos para Avaliação e Acompanhamento da Audição em Trabalhadores Expostos a Níveis de Pressão Sonora Elevados

Diretrizes e Parâmetros Mínimos para Avaliação e Acompanhamento da Audição em Trabalhadores Expostos a Níveis de Pressão Sonora Elevados MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO PORTARIA 3214 - NR 7 - ANEXO I - QUADRO II Diretrizes e Parâmetros Mínimos para Avaliação e Acompanhamento da Audição em Trabalhadores Expostos a Níveis de Pressão Sonora

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS ESCOLA DE ENGENHARIA CIVIL

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS ESCOLA DE ENGENHARIA CIVIL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS ESCOLA DE ENGENHARIA CIVIL Regulamento Específico do Curso de Especialização em Gestão e Tecnologia de Produção de Edifícios - CEGT CAPÍTULO I DAS FINALIDADES

Leia mais

NORMAS DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO - TCC

NORMAS DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO - TCC CURSO DE ENFERMAGEM NORMAS DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO - TCC Santa Maria, RS 2013 2 SUMÁRIO 1 APRESENTAÇÃO... 03 2 OBJETIVOS... 03 3 COMPETE AO COORDENADOR DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO I 03

Leia mais