SISTEMAS DE CONTROLE I

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "SISTEMAS DE CONTROLE I"

Transcrição

1 UNIVERSIDDE FEDERL DO RIO GRNDE DO NORTE CENTRO DE TECNOLOGI DEPRTMENTO DE ENG. DE COMPUTÇÃO E UTOMÇÃO SISTEMS DE CONTROLE I Proor: Fáio Mghi Ugulio rújo Nl-RN, mrço

2 ÍNDICE INTRODUÇÃO...4. DEFINIÇÕES...4. EXEMPLOS...5. CONTROLE DE PROCESSOS INDUSTRIIS PROLEMS DE CONTROLE EM ENGENHRI RESUMO D HISTÓRI DO CONTROLE UTOMÁTICO TRNSFORMD DE LPLCE...8 CLSSIFICÇÃO DE SISTEMS.... MONOVRIÁVEIS E MULTIVRIÁVEIS.... CONTÍNUOS E DISCRETOS.... VRINTES E INVRINTES NO TEMPO....4 SISTEM PRÂMETROS CONCENTRDOS E DISTRIUÍDOS....5 DETERMINÍSTICOS E ESTOCÁSTICOS....6 COM MEMÓRI E SEM MEMÓRI....7 SISTEMS LINERES E NÃO-LINERES Sim Lir Sim Não-Lir Lirizção Sim Não-Lir...6 MODELOS MTEMÁTICOS DE SISTEMS...8. FUNÇÃO DE TRNSFERÊNCI F.T REPRESENTÇÃO EM VRIÁVEIS DE ESTDO V.E..... RELÇÃO ENTRE VRIÁVEIS DE ESTDO E FUNÇÃO DE TRNSFERÊNCI....4 MODELGEM DE SISTEMS FÍSICOS Vriávi Grliz Elmo Sim Fíico Ircoão Elmo Sim Sim Mcâico Trlcioi Sim Mcâico Rocioi Sim Elromcâico Sim Fluíico Sim Térmico DIGRMS DE LOCOS Diição Compo Digrm loco um Sim m Mlh Fch Procimo pr Corução Rução um Digrm loco GRÁFICOS DE FLUXO DE SINL Iroução Diiçõ Digrm Fluo Sil Prir o Digrm loco Fórmul Gho Mo...4

3 4 ESTILIDDE DEFINIÇÃO IO - OUNDED INPUT, OUNDED OUTPUT CRITÉRIO DE ESTILIDDE DE ROUTH CRCTERÍSTICS EM MLH FECHD SENSIILIDDE À VRIÇÃO DE PRÂMETROS EFEITO DE PERTURÇÕES O CUSTO D RELIMENTÇÃO NÁLISE DE DESEMPENHO TRNSITÓRIO E EM REGIME ESTCIONÁRIO DE SISTEMS NÁLISE DE RESPOST TRNSITÓRI Sim Primir Orm Sim Sgu Orm Sim Orm Suprior DESEMPENHO EM REGIME PERMNENTE Iroução Er Dgru Er Rmp Er Práol CONTROLDORES PID INTRODUÇÃO ÇÕES DE CONTROLE PID IMPLEMENTÇÃO ELETRÔNIC NLÓGIC DE CONTROLDORES PID MODIFICÇÕES DS ÇÕES DE CONTROLE NÁLISE DE SISTEMS POR VRIÁVEIS DE ESTDO DESCRIÇÃO POR VRIÁVEIS DE ESTDO SOLUÇÃO D EQUÇÃO DE ESTDO ESTILIDDE CONTROLILIDDE OSERVILIDDE RELIZÇÕES DE FUNÇÕES DE TRNSFERÊNCI Rlizção Form Côic Orvávl Rlizção Form Côic Corolávl RELIMENTÇÃO DE ESTDO OSERVDORES DE ESTDO SEGUIDOR DE REFERÊNCI...8

4 INTRODUÇÃO. Diiçõ SISTEM É um ipoição, cojuo ou colção pr coc ou rlcio l mir ormrm um oo. Po r íico, iológico, coômico, c. Er Sim Sí CONTROLE Eu como gir or um o im moo or um rulo rirrim pciico. CONTROLDOR Dipoiivo uilizo pr oção o corol um im. SISTEM DE CONTROLE Cojuo ormo plo im r corolo o corolor. SISTEM DE CONTROLE MLH ERT É qul m qu í ou rpo ão poui hum iluêci or r. Rpo j Dipoiivo ução Sim Sí SISTEM DE CONTROLE MLH FECHD É qul m qu í ou rpo iluci r o im. Rpo j S Poi SP Comprção Sil corol Vriávl mipul MV Corolor Sim Sí Vriávl Proco PV Dipoiivo mi Sor Trmior 4

5 . Emplo Sr humo o pgr um ojo Poição o ojo olho - Corolor Cérro Sim rço mão Poição mão Corol mprur um l Tmprur j Trmoo - Corolor r Coicioo Sim Sl Tmprur pr Corol o ívl um rrvório Nívl jo - Corolor om Sim Rrvório Nívl águ ói. Corol Proco Iurii N úlim éc houv um vrir rvolução o quipmo irumção. Qur o rá, muio quipmo rm mcâico pumáico. Eiim uo r ligo o quipmo o proco l corol. ulm, o im corol ão iriuío com microprocor corolo mui mlh imulm. pio muç, o cocio áico im corol lgorimo corol prmcm cilm o mmo. gor é mi ácil implmr ruur corol, poi rprogrmr um compuor. r o ghiro corol é mm: projr um im corol qu à pciicçõ, j ávl, rouo. igur io mor o pricipi lmo um im corol ípico um proco iuril: 5

6 SPoi SP Corolor Elmo il corol Vriávl Mipul MV Proco Vriávl Proco PV mprur prão ívl vzão Trmior Sor léric pumáic hiráulic ão mcâic locmo ão léric impâci O im mlh ch é compoo por um or qu c vriávl proco PV, um rmior qu covr o il o or m um il quo um il o ipo r prurizo m im pumáico ou um il lérico m im lrôico o rmi pr um corolor qu compr o vlor vriávl proco PV com o vlor o S Poi SP jo prouz um il corol proprio um lmo il corol qu mu vriávl mipul MV. Uulm o lmo il corol é um válvul corol opr por r qu r ch moiico um rzão luo. O or, rmior válvul corol ão loclizo iicm o cmpo, o á o proco. O corolor é uulm loclizo m um pil ou compuor m um l como i o proco. ligção r o pil o cmpo é i rvé ii lérico qu ão vio o rmior pr o corolor o corolor pr o lmo il corol. O quipmo corol uilizo m pl químic ou m pl ípic ár prólo ão lógico prão ou lrôico ou igii. O im lógico uilizm ii r prurizo 5 pi ou ii corr/ão 4- m, -5 m, - V DC. Sim pumáico rmim ii rvé pquo uo, quo im lrôico um io. Vio qu mui válvul ão i cio por r prurizo, ii corr ão uulm covrio pr r prurizo. Um covror I/P corr pr prão é uo pr covrr ii 4- m m ii -5 pi. Um corolor iuril poui um moo oprção mul mlh r ou uomáico mlh ch. Dur pri ou m coiçõ ormi, o opror o 6

7 proco po uilizr o moo oprção mul, rmio rur válvul corol, ipm o corolor. O chvmo é uulm io o pil corol ou o compuor. lém io, o gho o corolor po r io givo ou poiivo lcioo- r ção ir rvr o corolor. Um gho poiivo rul m um í o corolor crco mi qu vriávl o proco crc ção rvr. Já um gho givo rul m um í o corolor crco mi qu vriávl o proco crc ção ir. colh corr r ção ir rvr p ção o rmior qu é uulm ir, ção válvul r pr rir, O, ou r pr chr, C o io vriávl mipul MV vriávl proco PV. iéi uml r gui pr colh corr ção o corolor, é qu ção om plo corolor v lvr vriávl proco PV proimr o S Poi SP. Em rumo, um corolor iuril v pouir gui crcríic:. Iicr o vlor Vriávl Proco PV: o il qu chg o rmior. Iicr o vlor o il vio pr válvul: í o corolor uulm omi MV. Iicr o S Poi SP 4. Tr um chv pr lcior r moo mul ou uomáico 5. Tr um orm lrr o vlor o SPoi quo o corolor á m uomáico 6. Tr um orm lrr o il pr válvul quo o corolor á m mul 7. Tr um moo lção r çõ ir rvr o corolor.4 Prolm Corol m Eghri Sim Molo Mmáico áli Projo o pciicçõ mpho Implmção 7

8 .5 Rumo Hióri o Corol uomáico 769 Máqui vpor Jm W 868 J. C. Mwll volv o molo mmáico pr o corol um máqui vpor 9 Hry For volv um máqui mogm uiliz proução uomóvi 97 H. W. o li mpliicor rlimo 9 H. Nyqui volv um méoo pr lir ili im 95 Corol umérico volvio plo MIT 954 Gorg Dvol volv o primiro projo iuril rooizo 97 Tori vriávi o corol óimo é volvi 98 Projo im corol rouo é volvio 99 uomção muur é iui 994 Corol uomáico é lrgm uilizo m uomóvi. Sim rouo ão uilizo muur.6 Trorm Lplc Diição Sj Fução o mpo com p/ < Vriávl compl L Opror Lplc F Trorm Lplc L [] F Trorm lgum Fuçõ Priculr - Dgru uiário < F 8

9 - Rmp uiári < F - Práol uiári < F - Fução pocil F - Sói F - Fução pulo uiário p - Fução impulo uiário i δ δ lim p Fp 9

10 Fi Fp lim lim lim Propri Trorm Lplc Homogi L [ ] L [ ] F iivi L [ ± ] L [ ] ± L [ ] F ± F c Trlção o mpo L [ ] - F Muç cl mpo L [ αf α α Trlção o omíio L F Dircição L F... g Vlor il lim lim F S F ão ivr pólo o io imgiário ou mi-plo irio ro pólo é vlor pr o qul F

11 h Vlor iicil lim lim F j Igrl covolução L F F τ τ τ Igrção L F o [ ] Trormção Ivr Lplc Epão m Frçõ Prcii F F F... F L [ F ]... Em corol: N F D N p p... p o p, p,..., p polo F Co: Pólo ri impl C C F... C... C p p p p C [ p F ] p L C C p p Pr um pólo muliplici r

12 C r C r C r i... C p r p r p r i p i C r i i i p r F i,,..., r -! p L C ri Cr i p r i r i! r-i- p c Pr um pr pólo complo cojugo p σ j p σ j C p C p [ ] C p F p C C L C C C σ 9 p p C o CLSSIFICÇÃO DE SISTEMS. Moovriávi Mulivriávi u y u u u p y y y r moovriávl mulivriávl. Coíuo Dicro Coíuo To vriávi ão uçõ um mpo coíuo Dicro Evolv um ou mi vriávi qu ão cohci om m rmio i mpo.. Vri Ivri o Tmpo S:

13 u y im ivri o mpo u y im vri o mpo Ou j, m um im ivri o mpo, í ão p o i m qu r é plic..4 Sim Prâmro Cocro Diriuío Prâmro Cocro Prâmro Diriuío Equçõ ircii oriári Equçõ ircii prcii.5 Drmiíico Eocáico Um im corol é rmiíico u í é progoicávl rpívl. Co corário, l é ocáico..6 COM MEMÓRI E SEM MEMÓRI Um im é m mmóri rpo ul é um ução om r ul, o ip r p. Co corário, o im é io com mmóri..7 SISTEMS LINERES E NÃO-LINERES.7. Sim Lir Um im iicilm m rpouo é io lir om pr gui propri: iivi: Pricípio uprpoição u y u y u u y y

14 Homogi u y αu αy α R Comio : αu β u αy β y α,β R Emplo y u u y u u y u u αu αu βu α u β u αy β βu y y Ou, j, o im é LINER y y u u y y u u y y u y y αu βu α y y β y y αy βy y Logo, αy β y αy βy o im é LINER 4

15 .7. Sim Não-Lir αu β u y y α β y EXEMPLOS y co u u y co u u y co u u αu αu βu α co u β co u αy β βu y co y im, y αy βy o im é NÃO-LINER y y y u u u u y y y u u y y y u u y y y αu βu αu βu α y αy y β y βy y αy βy αy y βy y Logo, y αy βy o im é NÃO-LINER Lir com Surção 5

16 í r 4 Lig-Dlig í r.7. Lirizção Sim Não-Lir y y Poo oprção,y y ução po r pi m éri Tylor m oro o poo, y y!... 6

17 o riv,,... ão clcul m S é pquo, ão qução rior po r cri como: y Diio, mo y y Um im cuj í p vriávi y,,..., m po r lirizo m oro o poo oprção [ y,,,..., ], rulo,,..., y j j j j,,..., Domio j j,,..., mo, y y... EXEMPLOS Pêulo Simpl 7

18 m T mgl Poo oprção ; T Lirizo, T T mglco T mgl T y y y y u y y y y u Lirizo, mo: Poo oprção y y u u y y PO y y y y PO Clculo riv, y u y y u y u u y y PO y y u u y u PO MODELOS MTEMÁTICOS DE SISTEMS Eim, icm, oi ipo molo mmáico im: crição r ou por ução rrêci crição ir ou por vriávi o.. Fução Trrêci F.T. Coir um im lir, ivri o mpo, prâmro cocro crio pl gui qução ircil: 8

19 y y... y y u u... u u plico rorm Lplc m mo o lo qução cim, com coiçõ iicii ul:... Y... U Y U OS: G - F.T. é um propri o im, ip mgiu urz r ou ução cição. - F.T. iclui ui cári pr rlcior r com í, ão orco qulqur iormção rliv à ruur íic o im. - S F.T. or cohci, í po r u pr vári orm r. - F.T. po r oi primlm. - Mmicm, G po r ii como rorm Lplc rpo o impulo o im. Fução Trrêci po r cri como: G z z... z K p p... p K N D o z, z,..., z ão chmo zro o im ; G p, p,..., p ão chmo pólo o im ; G Im Plo complo pólo zro R EXEMPLO: 9

20 i C L R i L v C RC LC I I G L. Rprção m Vriávi Eo V.E. Iéi: rprr um qução ircil -éim por um cojuo quçõ ircii ª orm. Coiro gui qução ircil ão volv riv r: u y y... y y com coiçõ iicii y y,..., y,. Diio: y : y y u... : Diio : : : : : : : [ ]... C Tmo: u EQUÇÃO DE ESTDO

21 y C EQUÇÃO D SÍD S qução ircil volv riv r: u u... u u y y... y y pomo r gui rprção m V.E.: [ ]... ; : ; : : : : : C OS: - rprção m V.E. á iormção or ruur ir o im - colh vriávi o ão é úic. im, im iii orm rprr um mmo im m vriávi o. EXEMPLO: i C L R i L v C L C i v u i i C i v L R L C i v L c L c. Rlção Er Vriávi Eo Fução Trrêci C y u Y U CX X X

22 I X X X I U Logo, G Y U C I M, I j N G K D I I Compro rê úlim quçõ: KN C j I D I im, o vlor qu izm I uovlor mriz Tmém izm D Ríz D Pólo G.4 Molgm Sim Fíico Pr r corolr im complo, vmo or molo mmáico quiivo im. Como o im m coirção ão iâmico, u quçõ criiv ão quçõ ircii. Ti quçõ qu crvm o compormo iâmico um im íico ão oi rvé li íic o proco. E procimo plic igulm im mcâico, lérico, luío rmoiâmico..4. Vriávi Grliz

23 Vio grlizr o prolm molgm, ou j, prr um moologi qu ip o im íico r ro, irmo iir um pr vriávi,, o qui mo o om vriávi grliz. groo moo, pomo izr qu vriávi grliz um o im ão qul cujo prouo é igul ou proporciol poêci rgi o mpo ro ou io o im. N pr vriávi grliz, iiicmo oi ipo vriávi, qu pm orm com qu l gm o lmo o im. im, mo vriávi TRVÉS corr, orç vriávi ENTRE ão, vloci. Nor qu igção mém á rlcio o ipo irumo rqurio pr mir c vriávl m um im íico: mior orç corr ão uo m éri pr mir o qu rv o lmo, mior vloci ão ão coco m prllo pr mir irç r o lmo. l guir mor vriávi grliz pr ir im íico. Sim Vriávl rvé Vriávl Er Elérico Corr, i Tão, v Mcâico Forç, F Vloci, v Rociol Torqu, τ Vloci gulr, Fluio Vzão, Q Prão, P Térmico Fluo Clor, q Tmprur, T E pr vriávi grliz ão chmo mém vriávi ESFORÇO r FLUXO rvé. E omição rá uiliz prir gor: orço, luo..4. Elmo Sim Fíico So o oqu rgéico uo iição vriávi grliz, pomo cliicr o lmo im m rê ipo:

24 Fo rgi - o vriávi r ESFORÇO - o vriávi rvé FLUXO rmzor rgi - rmzor vriávi r ESFORÇO - rmzor vriávi rvé FLUXO Diipor rgi l guir mor o lmo ir im íico, pro-o m rmzor luo, rmzor orço iipor. Sim rmzor rmzor Diipor Fluo Eorço Elérico Mcâico Rociol Fluio Térmico Cpcior i C v M F M v τ Iérci J Rrvório Q C P Corpo v v Iuor L i Mol F K Mol Torciol τ K Iérci lui P q C T I r Q Rior i v R rio Vicoo F v rio Vicoo Ro. τ r Riêci lui Q P R Riêci Térmic q R T.4. Ircoão Elmo Sim orm com qu o lmo um im ão coco gr um ovo cojuo rlçõ, qu ipm crcríic o lmo u rlçõ iâmic. Eim u mir ir cocr lmo im: Coão Séri 4

25 ; Coão Prllo ; rlçõ m um im compoo pom r coloc como rriçõ compiili orço coiui luo. RESTRIÇÃO DE COMPTIILIDDE DE ESFORÇO RESTRIÇÃO DE CONTINUIDDE DE FLUXO E rriçõ pom r plic o mi ivro ipo im íico, pr or o u molo mmáico quçõ ircii qu o crvm. 5

26 Em rumo, molgm mmáic po r irpr como io: rlçõ áic Rriçõ ircociv v v v rlçõ coiuiv v Ri rlçõ iâmic v comição vriávi o F.T molo mmico.4.4 Sim Mcâico Trlcioi logi: orç corr vloci orç E: Rrição Ircociv RI: Rlçõ Coiuiv RC: v m M v v Rlçõ Diâmic RD v v ; Logo M v v M M K X F X F M 6 K

27 v - - M M M - - y M M [ ] E: RI: RC: y m M ; v y - v u ; v y - v u ; RD: y vy vu u m y y - u y - u m y y y u u y y y u u m m m m 7

28 8 ] [ y u m m m - m - u m m - u m m - u m - m y E: RI: RC RD: z z - z z m z z z - z z m z z m m z z z z - z z - z z z m m

29 9 Eo: 4 z ; z ; z ; z m - m m - m m - m m - E4: Trormor mcâico RI: RC: v v v M F m RD: F y y My l l F v v v M Logo, y v l l.4.5 Sim Mcâico Rocioi E:

30 RI: RC: T T - T T T Ι Ι Ι Ι RD: - T Ι Ι ] I I [ I I I T - I I [ I I I T I - I I T I - I T I I - - I T / / E: Molo um hélic

31 Τ I - c Sim Elromcâico Pricípio: Mqui Eléric Roiv Mqui C.C: São uiliz corol, poi pom r rpr por molo impl lir m um v oprção. Gror C.C.

32 R R i lir i ; ; L R i i i i g g g φ φ plico Lplc: g g g g L R E E ; I E ; I L R E Moor C.C Τ φ Τ ; J i i ; i Moor C.C Corolo Pl rmur ] J [ ] J [ J J ; R L JR L E L R E L R E I L R E I i L R i J i i i i Τ Τ φ :

33 Τ E L m m o: co mpo o moor gho o moor m m R JR R Τ E: Gror moor C.C [ ] [ ] ] [ ; ; g g g g g g g J L R L R E J L R L R E J L R I J L R E J I J i i L R i i i L i R Τ.4.7 Sim Fluíico Q Vzão Fluo Prão P Eorço

34 E: Q i H ; R H Q i R R E: E: Tqu prurizo com luio comprívl Corvção m: m Pr líquio: ρv ρq ρ ρ P β co β Pr g: ρ ρ P. P ρ V ρq 4 V ρ Q ρ. -.4 p quo rpim o luio é comprio

35 E4: cumulor com mol luio icomprívl p p ; Q p Q.. p p Q c ; c p E4: Irâci lui F P Q v.l P P /. ; m. Q V i ρ..l. / P ρl Q álogo V L i Di P Γ.4.8 Sim Térmico mprur luo Τ q Q C m.c. q Q 5

36 6 E: Trmômro impl m m v m C R ; v m r m v r r m m m v m R C C R C R m 678 ; ; ; R Τ m v R C R r C R S v m E: Sim rrêci clor Coirçõ: - Não há rmzmo clor o iolmo - To gu o rcipi á mm mprur - i é co o mio mi pr clor vio o como o luio clor pciico c vzão c R R R C q i i

37 .5 Digrm loco.5. Diição Digrm loco um im é um rprção ilur uçõ mph por c um o compo o im o luo ii i..5. Compo LOCO Er U Fução Trrêci G Y G.U. Sí Y PONTO DE JUNÇÃO PONTO DE SOM - -c c.5. Digrm loco um Sim m Mlh Fch R - E G H Y Fução Trrêci mlh r GH E Y Fução Trrêci limção ir G E 7

38 Fução Trrêci o cl rlimção Y H Fução Trrêci Mlh Fch Y R G GH Y GE E R - R - HY Y RG - GHY Y R G GH.5.4 Procimo pr Corução i. Ecrvr quçõ qu crvm o compormo iâmico c compo; ii. Or rorm Lplc quçõ, miio coiçõ iicii ul; iii. Rprr c qução m rorm Lpc orm um loco; iv. Mor o lmo m um igrm loco complo..5.5 Rução um Digrm loco Um igrm loco po r impliico ou ruzio por um rrrjo po po, uo rgr álgr o igrm loco: 8

39 9

40 EXEMPLO: mpli. K Cmpo c R GERDORR L i L K J, g K m i g T m K Vl. c MOTOR N N ENG. J, VÁLVUL K i RESERVTÓRIO q i r h - ói TNQUE K p R h q o rlçõ ão gui: K r h; K; q i K i K g co orç lromoriz o gror V/ K co orç cor-lromoriz o moor V./r K m co orqu o moor N/ Clculr ução rrêci H R pl rução o igrm loco. Coirr oo o prâmro igui, co N H K R K.6 Gráico Fluo Sil.6. Iroução Um gráico luo il é igrm qu rpr um im quçõ lir imulâ. 4

41 Coi um r m qu ó ão coco por rmo orio. C ó rpr um vriávl o im, c rmo coco r oi ó u como um muliplicor ii. y OS: C ó om o ii qu chgm l, rmi om..6. Diiçõ Nó 4 r Nó r c 5 Nó í Nó r Nó í Cmiho Lço Gho um cmiho Lço qu ão ocm Cmiho iro.6. Digrm Fluo Sil Prir o Digrm loco loco U Y U G G Y Poo Tom 4

42 Poo Som - c -c - c Sim Corol Mlh Fch R - E G H Y R E G -H Y.6.4 Fórmul Gho Mo Qulqur ução rrêci r um ó r um ó í po r clcul uilizo órmul gho Mo: P P o: P Gho ol r um ó r um ó í P Gho o -éimo cmiho iro Drmi o gráico - om oo o gho o lço iiviui - om o prouo o gho o comiçõ poívi oi lço qu ão ocm om o prouo o gho o comiçõ poívi rê lço qu ão ocm -... Coor o -éimo rmi cmiho iro o gráico com o lço qu ocm o -éimo cmiho iro rmovio, io é, o coor é oio rmovo o lço qu ocm o cmiho P. 4

43 4 4 ESTILIDDE 4. Diição IO - ou Ipu, ou Oupu Um im qulqur é ávl om pr o qulqur r limi, í corrpo mém or limi. Torm Um im lir, ivri o mpo com prâmro cocro é ávl om o móulo u rpo o impulo uiário or igrávl m um irvlo iiio, io é, g pr um vlor iio. Um im lir mlh ch, ivri o mpo, prâmro cocro é ávl om oo o pólo u ução rrêci mlh ch ão o miplo quro ro o plo complo. GH é chm qução crcríic o im corol mlh ch ríz qução ão o pólo mlh ch im. 4. Criério Eili Rouh Coir gui ução rrêci mlh ch: D N R Y m m m m Mor gui l: g : :... c c : c c o: ; 5 4 ; 7 6 ;...

44 44 O cálculo o coiu é qu o r jm ulo. Pr o c,, mo: c ; 5 c ; 4 7 c ;... M c c c ; c c c ;... O proco coiu é qu -éim lih h io compl. CRITÉRIO DE ESTILIDDE DE ROUTH O úmro ríz qução crcríic com pr ri poiiv é igul o úmro muç il o coici colu l. EXEMPLO: D Du ríz iávi Co Epcii Primiro rmo um lih é ulo: - Suiuir o rmo ulo por um úmro poiivo muio pquo coiur complr l ou - Muliplicr o poliômio por coruir l

45 EXEMPLO: 5 4 D ε c 4 6 4ε 6c ε c ; 6 ε ε c Du ríz iávi Too o coici m um lih ão ulo: - O ro l po r coiuo ormo um poliômio uilir com o coici úlim lih uo o coici riv poliômio lih gui. EXEMPLO: 5 4 D p Um pólo iávl 45

46 j ávl EXERCÍCIO Drmir o vlor K pr o qui o im corol mlh ch io R - K Y Y R 4 K K K 7 K K K 9 4 K > K < 7 9 K > 5 CRCTERÍSTICS EM MLH FECHD Eim icm u gr vg m uilizrmo um im corol mlh ch o ivé mlh r: rução iili o im à vriçõ prâmro mior rjição à iúrio Por ouro lo, im mém vg m uilizr rlimção, i como: mior úmro compo pr gho. E vg vg rão li im. 46

47 5. Siili à Vrição Prâmro R G Mlh r Y R - E G H C Pr ilurr o io vrição prâmro, coirrmo um muç G ução rrêci pl G. Pr o co um im m mlh r muç corrpo í rá Y G R No co um im mlh ch, mo: G G Y Y R G G H Eão, muç í rá G Y R GH GH GH Quo GH >> GH, mo G Y R GH Ou j, muç í é ruzi por um or GH qu é uulm muio mior qu i rqüêci ir. iili um im é ii como rzão r muç prcul ução rrêci mlh ch Gm muç prcul ução rrêci pl G 47

48 S G m / G m G / G S G Gm / Gm No limi, pr pqu vriçõ icrmi, mo: S G / G im, iili ução rrêci mlh ch vrição m G é: G G m G G m GH iili à vrição m H é: S H Gm H H G m GH GH Quo GH é lvo, iili proim- ui muç m H m irm rpo o im. im, é cário uilizr compo prcio mlh rlimção. 5. Eio Prurçõ prurção P P R G Mlh r Y R G Y Y P P P R - E G H Y R E G -H Y Y P GH 48

49 Ocorr um rução o io prurçõ í o im quo o mmo á m mlh ch m rlção mlh r. Eim lgum vg icioi m uilizr rlimção, qui rão icui uurm: poiili ilizção, mlhori o mpho riório mlhori o mpho m rgim prm um im. 5. O Cuo Rlimção vg irouzi com o uo rlimção êm um cuo, o qul v r lio. icm, pricipi vg rlimção m rlção mlh r ão: umo Compli Em mlh ch m- ci o uo um mior úmro compo o im. Como mplo, cimo o or, grlm o compo mi cro m um im corol. Pr Gho O gho um im mlh ch é ruzio por um or /GH m rlção um im mlh r. Poiili Iili Um im qu m mlh r é ávl, po ão r mpr ávl m mlh ch. Como mplo, cimo o mplo o corol ívl vio riorm, o ili o im m mlh ch pi o gho o mpliicor K. 6 NÁLISE DE DESEMPENHO TRNSITÓRIO E EM REGIME ESTCIONÁRIO DE SISTEMS rpo mporl um im coi u pr: rpo rióri rpo m rgim prm cioári. Rpo Trióri pr rpo qu vi o o iicil é o o il. Rpo Ecioári mir com í compor quo iiio. 49

50 6. áli Rpo Trióri 6.. Sim Primir Orm Coir gui qução ircil orm: c c r o c é í o im r é r o im. Diio T co mpo o im ; K gho o im mo Tc c Kr im ução rrêci é: C R K G T R K - E T C Coiro K, mo: G T Rpo o Dgru Uiário C T / T c / T 5

51 5 Rpo Rmp Uiári T T T T C T T T c / T T c r / Logo: T Emplo im orm: circuio RC, rrvório com válvul, im mprur, c. 6.. Sim Sgu Orm Coir gui qução ircil gu orm:: r c c c Diio: K ; ; ξ

52 o ξ é o or morcimo, é rqüêci url K é o gho o im, mo: c ξ c c Kr C K plico Lplc com C.I. ul: R ξ R K - E ξ C Coiro C K : R ξ Pólo o im: ξ ξ ± ξ Emplo im rvomcimo poição... orm: circuio RLC, im m-mol-rio, Tmo rê co: < ξ < : Co SUMORTECIDO. O im m oi pólo complo cojugo pr ocilçõ ξ : Co CRITICMENTE MORTECIDO. Doi pólo ri igui. prir vlor ξ o im p ão r mi ocilçõ. 5

53 5 c ξ >: Co SOREMORTECIDO. Doi pólo ri iio. mi qu ξ um, o compormo o im proim o compormo um im orm. Rpo o Dgru Uiário Co Sumorcio: ξ ξ ξ ξ g c o: ξ é rqüêci url morci. S ζ, ão: co c Co criicm morcio: c c Co ormorcio: ξ c o ξ ξ ξ ξ igur io mor curv rpo o gru uiário um im orm m ução o or morcimo ξ.

54 ESPECIFICÇÕES DE RESPOST TRNSITÓRI Diiçõ Tmpo Sui, r : É o mpo cário pr qu í ij pl primir vz o u vlor il 54

55 r π β o β g ξ ξ Tmpo Pico, p : É o i mpo m qu rpo ig o primiro pico o or-il. p π c Sor-Sil Máimo Ovrhoo, M p : É o vlor máimo pico curv rpo mio prir o vlor il. M p c p c % % c c p ξπ / ξ Logo: M p % ξπ / ξ OS: O or-il máimo p om o vlor o coici morcimo ξ. Tmpo comoção ilizção, : É o mpo cário pr qu rpo lcc prmç ro um i m oro o vlor il. E i é pciic por um porcgm olu o vlor il % ou 5%. 4 criério % ξ criério 5% ξ OS: curv pciicçõ clcul ão váli om pr im orm, cuj ução rrêci pr oi pólo hum zro. 55

56 Sim Orm Suprior Coir rpo o gru uiário um im orm uprior: q j r j m i i p z K C ξ o q r. Epio qução cim m rçõ prcii, mo: q j r j j c p C ξ ξ ξ Logo, r r q j p j c c j co ξ ξ ξ ξ - curv rpo um im ávl orm uprior é om um cro úmro curv pocii curv oii morci - O ipo rpo rióri é rmio plo pólo mlh ch, o po qu orm rpo rióri é rmi priciplm plo zro mlh ch. EXEMPLO: c c c c K c K c K c K C PÓLOS DOMINDOS E DOMINNTES S um im é ávl, ão o pólo qu ão log o io j m pr ri giv vlor gr, o rmo pocii corrpo pólo cm rpim zro.

57 omiâci rliv pólo mlh ch é rmi pl rlção pr ri o pólo mlh ch, m como plo vlor rlivo o ríuo clculo o pólo mlh ch. O vlor o ríuo p o o pólo quo o zro mlh ch. S rlçõ r pr ri o pólo cm cico ão im zro vizihç, ão o pólo mlh ch mi próimo o io j omirão rpo rióri. E pólo ão chmo DOMINNTES o mi i o io j ão chmo DOMINDOS. EXEMPLO: G Rpo o gru uiário: C /9 /8 / 7 c E im é omi gu orm, poi o pólo - á muio i o io j. im, pomo zr um proimção pr um im gu orm. Pr przr o io um pólo m um ução rrêci, vmo zr pr corrpo pólo. No mplo, mo: G im, rpo o gru uiário é: C c igur io mor curv proim: 57

58 curv proim curv 58

59 6. Dmpho m Rgim Prm áli o mpho m rgim prm um im coi o uo o compormo rpo o im quo o mpo iiio. 6.. Iroução CLSSIFICÇÃO DE SISTEMS Pomo cliicr um im corol coro com u hili pr guir r m gru, rmp, práol, c... Coiro um im m mlh ch orm: R - E G H C o G H K m i N N z pi i i O mpho o im quo zro p o úmro igror N. O úmro igror é rqüm chmo TIPO o im N. ERRO ESTCIONÁRIO Coiro o im corol m mlh ch, mo qu o rro u E é o por: E R C H R E G H logo: E R G H é o por: plico o orm o vlor il, mo qu o rro u cioário ou rgim 59

60 lim lim E R lim G H OS: O rro u E ó coici com o rro E R - C quo H. O rro E é o por: [ G H G ] E R C R G H 6.. Er Dgru O rro rgim pr um r gru mgiu é: / lim G H G H Diio co rro poição áico K p como: K limg H P G H o rro rgim é o por: K p Pr um im ipo iio K Pr um im ipo ou mior N ulo 6.. Er Rmp O rro rgim pr um r rmp iclição é: / lim lim lim G H G H G H Diio co rro vloci áico K v como: K v lim G H o rro rgim pr um r rmp é o por: K v 6

61 Pr um im ipo iiio Pr um im ipo iio K Pr um im ipo ou mior N ulo 6..4 Er Práol O rro rgim pr um r práol r / é: / lim lim lim G H G H G H Diio co rro clrção áico K como: K lim G H o rro rgim pr um r práol é o por: K Pr um im ipo ou N iiio Pr um im ipo iio K Pr um im ipo ou mior N ulo RESUMO DE ERROS ESTCIONÁRIOS Er Dgru Er Rmp Er Práol r r r / Tipo K p Tipo K v Tipo K Tipo 6

62 7 CONTROLDORES PID 7. Iroução r - Corolor Séri u Pl c Corolor Rlimção Elmo Mi Corolor Séri Em grl, o projo corolor éri é mi impl qu o corolor compor por rlimção. Ero, ormlm ig mpliicor icioi pr umr o gho o im. Emplo: - corolor ão-lir: rlé, rlé com hir, c. - corolor lir: comição çõ PID Proporciol, Igrl, Driviv, ro, vço. Corolor por Rlimção Em grl, o úmro compo cário compção por rlimção rá mor qu o úmro compo compção éri. Emplo: - Rlimção coméric, rlimção o o. 7. çõ Corol PID Corol Proporciol P u K ; U KE o: r - y SP - PV - O corolor proporciol é um mpliicor, com gho juávl K; - O umo o gho K, imiui o rro rgim; 6

63 - Em grl, o umo K or o im mi ocilório, poo iilizá-lo; - Mlhor o rgim pior o riório, o limio. E: r - K T c Pr r gru uiário K O rro rá ulo om pr K, o qu m mpr é poívl. Muio irumo um um rmo lrivo, Proporciol P, o ivé o gho: P K O rmo Proporciol rr à i or qul o rro v vrir pr qu í o corolor MV curcio m o u i. O gho o corolor po r io poiivo ou givo. Um gho poiivo rul m um í o corolor MV imiuio quo vriávl proco PV á crco ção REVERS. Pr um gho givo í o corolor MV imiui quo vriávl proco PV crc ção DIRET. O il corro p ção o rmior uulm ir, ção o válvul r-pr-rir O ou r-pr-chr C o io o il corol CS vriávl proco PV. Como mplo upoh o proco mprur í um rocor clor moro igur io: 6

64 N co, ção corr o corolor é ção REVERS gho poiivo, poi o our çõ volvi ão poiiv. Corolor Proporciol Igrl PI ção igrl o corolor mov vriávl corol CS igrl o mpo o rro u K p τ τ ; τ i K K i U E p o K i τ i é o mpo igrivo ou mpo r com ui orm miuo. τ i - Zr o rro rgim, poi um o ipo o im m ui; - É uilizo quo mo rpo rióri ciávl rpo m rgim iióri; - icio um pólo m p um zro m z - K i /K p ; - Como um orm o im, mo poiili iili ir o im origil. Po grr o mpho o corolor m mlh ch. E: 64

65 PI r - K p K i T c Pr r gru uiário Muio corolor ão cliro m miuo ou miuo/rpição, um rmo qu origi o colocr o corolor m um rro io vriicr quo mpo ção igrl lv pr prouzir mm muç í o corolor qu o corolor proporciol m com gho ; igrl rp ção o corolor proporciol. c Corolor Proporciol Drivivo PD u K p τ ; U K K E o K τ é co riviv m miuo. p - Lv m co vrição o rro; - É uilizo quo mo rpo m rgim ciávl rpo rióri iióri; - icio um zro m z - K p /K ; - Irouz um io cipção o im, zo com qu o mmo rj ão om à mgiu o il rro, como mém à u êci pr o i uuro, iicio, im, um ção corriv mi co; - ção riviv m vgm mpliicr o ii ruío, o qu po cur um io urção o uor o im. E: PD r - K p K J c C R J K K p K K p 65

66 66 Corolor Proporciol Igrl Drivivo PID K K K E K K K U i p i p E U - É uilizo quo mo rpo rióri m rgim iióri; - icio um pólo m p zro, qu pm o prâmro o corolor; ção riviv po r u or o il rro SP-PV ou or vriávl proco PV. Uulm é u or úlim. lém io, grlm ção riviv é pr ção PI vj igur io.

67 7. Implmção Elrôic lógic Corolor PID mpliicor Oprciol o 5 6 Crcríic: Z i Z ou Ivror i ' i ; R i ' o ' ' ; i i ; o ; R Logo: i R o R ou o i R R D um mir grl: E o E i Z Z Tl çõ Corol: 67

68 7.4 Moiicçõ çõ Corol PID Origil Pr Driviv -Filro T γt ; com γ. PI-D 68

69 Ojivo: Não rivr vriçõ ruc o il rrêci. I-PD Ojivo: Não rivr, m mpliicr vriçõ ruc o il rrêci. 8 NÁLISE DE SISTEMS POR VRIÁVEIS DE ESTDO 8. Dcrição Por Vriávi Eo É plicávl im múlipl r múlipl í, qu pom r lir ou ão-lir, ivri ou vri o mpo com coiçõ iicii ão-ul. O o um im o i é qui iormção m qu, juo com r u m., rmi uivocm o compormo o im pr oo ; : Vor o i Vriávl o 69

70 7 éim r - i Vor r ; : i u u u u p U U éim í - i Vor í ; : i y y y y q Y Y ; p ; C q ; D qp N rprção por vriávi o: U Equção Eo iâmic o im DU C Y Equção Sí orvção o im plico Trorm Lplc mo: X I U I X X U X I Pr coiçõ iicii ul X [ ] U D I C Y Y G U o: D I C G Mriz Fução Trrêci 8. Solução Equção Eo Co Eclr [ ] U X u L { } { } { } * U L L X L τ τ τ u

71 Co Voril U τ U ττ { } o: L I mriz pocil po r clcul rvé éri: I!...!... qu covrg pr oo iio pr oo. 8. Eili Coir um rprção m vriávi o um im SISO: u y C u - Torm Um im é ávl quo u, pr oo, mo qu lim OS: u - Corolário Um im é ávl oo o uovlor mriz prm pr rl giv. OS: O uovlor um mriz ão ríz u qução crcríic: I 7

72 7 EXEMPLO: u 4 4 I Logo, o im é iávl. 8.4 Corolili - Diição O im,,c, é corolávl, quiqur qu jm T, i u T qu rr o o pr o o T m um mpo iio. - Torm O im,,c, é corolávl om o poo mriz corolili U p oci é igul. [ ] U... OS: Um mriz R é i pouir poo r, ρr, igul m, iir um umriz M m m moo qu o rmi M é ão ulo o rmi o umriz r r o r > m R é zro. Emplo: R R ρ R R ρ

73 7 EXEMPLO: u u u [ ] < U U ρ Não-Corolávl 8.5 Orvili - Diição O im,,c, é orvávl pr oo, o cohcimo r u í y m um mpo iio é uici pr rmir. - Torm O im,,c, é orvávl om o poo mriz orvili V q oci é igul. : C C C C V

74 74 EXEMPLO: u [ ] y < V C C C V ρ Não-orvávl 8.6 Rlizçõ Fuçõ Trrêci D gui rprção m vriávi o um im SISO: u y u C,,C, é um rlizção G : G I C com: D N G U Y α α α β β β

75 Rlizção Form Côic Orvávl [ ]... ; ; C β β β β α α α α 8.6. Rlizção Form Côic Corolávl [ ]... ; ; β β β β α α β α C

76 8.7 Rlimção D Eo Iéi: locr o pólo mlh ch uovlor mriz iâmic uo rlimção o o, moiico, im, iâmic o im. D um rprção m vriávi o um im: u y C u Uo rlimção o, c vriávl o é muliplic por um gho rlim pr o rmil r, ou j: o: u K r [... ] K é o vor gho rlimção im, mo: K r K r y C u OS: Dvmo r co oo o o o im. 76

77 77 - Torm S,,C, or corolávl, uo u r K pomo colhr rirrim o uovlor K. Méoo pr rmir K Fórmul crm - Formr... com o pólo jo. - Clculr K gui orm [ ]... U K c q o: [ ] I U c q EXEMPLO: Do: [ ] y u Uo r u K, rmi K pr qu o uovlor o im jm - -. Solução: [ ] [ ] [ ] 6 6 K I U U q c

78 Simulção o Ml Scrip Curv % Progrm pr Rlimção Eo whig; [ ; -]; [ ]'; C[ ]; ; K[- ]; [*K] []; C[ ]; :.:5; u*; [ ]' [Y,X] LSIM,,C,,u,,; [Y,X] LSIM,,C,,u,,; plo,y il'sí m rlimção o' ipu' ' plo,y il'sí com rlimção o' 8.8 Orvor Eo Pr rlimção o é cário qu o o j murávl. Quo io ão ocorr, há ci coruir um ipoiivo omio orvor ou imor o. S $ é um imiv, ão, rlimção o uiliz- u K ˆ r. Sj u y C 78

79 cohco-, C, mição y u, corói- o imor. Eurmo o imor ióico: ˆ ˆ L y yˆ u y Cˆ o: L [ l l... ] T l Erro r ~ ˆ ˆ : ~ ˆ u ˆ L y yˆ u ~ ˆ LC ˆ ~ LC ~ Pr qu lim ~ rro r vlor rl imo o o ulo é cário qu o uovlor -LC hm pr rl giv. - Torm S,,C, or orvávl, ão um imor o ióico com quiqur uovlor po r coruío. 79

80 8 Méoo pr rmir L Fórmul crm - Formr... com o pólo jo pr o orvor. - Clculr K gui orm [ ] T L... q V L o: I C C C C V L q... : EXEMPLO: Do [ ] y u Projr um orvor o com uovlor -, - Solução: L I V C C V q L

Análises de sistemas no domínio da frequência

Análises de sistemas no domínio da frequência prmno d Engnhri Químic d Prólo UFF iciplin: TEQ0- COTROLE E PROCESSOS náli d im no domínio d frquênci Prof inok Boorg Rpo d Frquênci Cliqu pr dir o ilo do xo mr COCEITO: Coni d um méodo gráfico-nlíico

Leia mais

RESOLUÇÃO DE EQUAÇÕES POR MEIO DE DETERMINANTES

RESOLUÇÃO DE EQUAÇÕES POR MEIO DE DETERMINANTES RESOLUÇÃO DE EQUAÇÕES POR EIO DE DETERINANTES Dtrmt um mtrz su orm Sj mtrz: O trmt st mtrz é: Emlo: Vmos suor o sstm us quçõs om us óts y: y y Est sstm quçõs o sr srto orm mtrl: y Est qução r três mtrzs:.

Leia mais

CMC INTRODUÇÃO AO ESTUDO DE SISTEMAS DE CONTROLE. Aulas: 3 e 4 SISTEMAS LINEARES E EQUAÇÕES DIFERENCIAIS (ED)

CMC INTRODUÇÃO AO ESTUDO DE SISTEMAS DE CONTROLE. Aulas: 3 e 4 SISTEMAS LINEARES E EQUAÇÕES DIFERENCIAIS (ED) CMC-- - INTRODUÇÃO AO ESTUDO DE SISTEMAS DE CONTROLE Auls: 3 4 SISTEMAS LINEARES E EQUAÇÕES DIFERENCIAIS (ED). Iroução Sisms, sisms físico sisms ghri Excição & rspos um sism Diâmic - Aális iâmic sus ságios:

Leia mais

Sistemas Lineares Entrada/Saída 30

Sistemas Lineares Entrada/Saída 30 Sim Lir Erd/Síd 3 3- Sim Lir Erd/Síd 3.- Fuçõ Sigulr (Sii Elmr Hyi) Muio ii d xcição uilizdo o udo d im diâmico ão uçõ impl o domíio do mpo, xpro mmicm por um couo d uçõ domid uçõ igulr, qu coium um couo

Leia mais

Ac esse o sit e w w w. d e ca c lu b.c om.br / es t u dos 2 0 1 5 e f a ç a s u a insc riçã o cl ica nd o e m Pa r t i c i p e :

Ac esse o sit e w w w. d e ca c lu b.c om.br / es t u dos 2 0 1 5 e f a ç a s u a insc riçã o cl ica nd o e m Pa r t i c i p e : INSCRIÇÕES ABERTAS ATÉ 13 DE JULH DE 2015! Ac esse o sit e w w w. d e ca c lu b.c om.br / es t u dos 2 0 1 5 e f a ç a s u a insc riçã o cl ica nd o e m Pa r t i c i p e : Caso vo cê nunca t e nh a pa

Leia mais

Transformadas de Laplace

Transformadas de Laplace Trformd de plce O MÉTODO O méodo de rformd de plce é um méodo muio úil pr reolver equçõe diferecii ordiári EDO. Com rformd de plce, pode-e coverer mui fuçõe comu, i como, eoidi e morecid, em equçõe lgébric

Leia mais

Questionário sobre o Ensino de Leitura

Questionário sobre o Ensino de Leitura ANEXO 1 Questionário sobre o Ensino de Leitura 1. Sexo Masculino Feminino 2. Idade 3. Profissão 4. Ao trabalhar a leitura é melhor primeiro ensinar os fonemas (vogais, consoantes e ditongos), depois as

Leia mais

SÉRIES - TRANSFORMADAS NOTAS DE AULA

SÉRIES - TRANSFORMADAS NOTAS DE AULA SÉRIES - TRANSFORMADAS NOTAS DE AUA Não é proo ir qu o oo momo ipirção mi óric pomo r o mi próimo poívl o plicçõ mi práic A N Whih (86-97) E obr é um compêio o ul, orgi ur () mr livo 7/, pr icipli Cálculo

Leia mais

SÉRIES - TRANSFORMADAS

SÉRIES - TRANSFORMADAS UTFPR Uivri Tcológic Frl o Prá DAMAT Dprmo Acêmico Mmáic Cálculo Dircil Igrl (MA6A) SÉRIES - TRANSFORMADAS NOTAS DE AUA Ruimr ui Nó o mr/ Não é proo ir qu o oo momo ipirção mi óric pomo r o mi próimo

Leia mais

Prgrmçã O Mu s u Év r, p r l ém f rcr s s i g ns «vi s i t s cl áss i cs» qu cri m s p nt s c nt ct nt r s di v rs s p úb l ic s qu vi s it m s c nt ú d s d s u ri c s p ó l i, p r cu r, c nc m i t nt

Leia mais

1. A TRANSFORMADA DE LAPLACE

1. A TRANSFORMADA DE LAPLACE Equaçõ Difrciai - Traformada d Laplac A TRANSFORMADA DE LAPLACE Dfiição: Sja f() uma fução ral dfiida para > Eão a raformada d Laplac d f(), doada por L [ ( ) ] f é dfiida por: L [ f ( ) ] F( ) f( )d,

Leia mais

1 Introdução e Base Matemática

1 Introdução e Base Matemática J. A. M. Flipp Souz Iroução Bs Mmáic Iroução Bs Mmáic Iroução Bs Mmáic 3. O úmro imgiário 3. Númros complxos 4.3 Oprçõs com úmros complxos 9.4 O so o co-so.5 A qução Eulr 5.6 A g 7.7 As ivrss so, co-so

Leia mais

CONTROLADOR ADAPTATIVO POR MODELO DE REFERÊNCIA E ESTRUTURA VARIÁVEL APLICADO AO CONTROLE DE UM GERADOR SÍNCRONO

CONTROLADOR ADAPTATIVO POR MODELO DE REFERÊNCIA E ESTRUTURA VARIÁVEL APLICADO AO CONTROLE DE UM GERADOR SÍNCRONO OROLAOR AAAIVO OR MOELO E REFERÊIA E ESRUURA VARIÁVEL ALIAO AO OROLE E UM GERAOR SÍROO MARUS V A FERAES ARE LIMA E ALAYR ARAÚJO Lboóo Acoo ool Ição o Eh Eléc Uv Fl o Ro G o o 9-9 - l R Bl E-l: cv@lco @yhooco

Leia mais

P R E G Ã O P R E S E N C I A L N 145/2010

P R E G Ã O P R E S E N C I A L N 145/2010 P R E G Ã O P R E S E N C I A L N 145/2010 D A T A D E A B E R T U R A : 2 9 d e d e z e m b r o d e 2 0 1 0 H O R Á R I O : 9:0 0 h o r a s L O C A L D A S E S S Ã O P Ú B L I C A: S a l a d a C P L/

Leia mais

5 ANÁLISE EM TERMOS DE MODELOS ENTRADA/SAÍDA DO TIPO FUNÇÃO DE TRANSFERÊNCIA. 5.1 Respostas a Perturbações Típicas dos Sistemas Contínuos

5 ANÁLISE EM TERMOS DE MODELOS ENTRADA/SAÍDA DO TIPO FUNÇÃO DE TRANSFERÊNCIA. 5.1 Respostas a Perturbações Típicas dos Sistemas Contínuos 5 ANÁLISE EM ERMOS DE MODELOS ENRADA/SAÍDA DO IPO FUNÇÃO DE RANSFERÊNCIA Arovio lhç ooro r i oío iro o o, iiil rá rli áli r o o o i oío. O ooro o i iro o irio rá lio o fil o ílo, ro riii ifrç oo o i oío.

Leia mais

Uma publicação que é referência no setor

Uma publicação que é referência no setor ublic qu é rfrêci Vlt r rfiii ii frcêuc, viári, c, bitclgi, litíci, quíic fi, quit hitlr, i vi qu cl cti é u xigêci, rvit Cl Cti fc luçõ tclógic r rli brilir. C iibui irigi, ublic g rtt ghri ut, r Quli,

Leia mais

Soluções E-Procurement

Soluções E-Procurement Soluçõs -Procurm Móulos Vgs Aprsção Dspss Tomé A. Gl Jro/2003 Sumáro: Soluçõs - Procurm 2 Soluçõs - Procurm m xrp 3 Prcps Vgs 4 Solução 5 Móulo vgs 7 Móulo Rlóros Aprsção spss 8 Cls 9 Cocos Ús 10 www.scrgl.com

Leia mais

= 1, independente do valor de x, logo seria uma função afim e não exponencial.

= 1, independente do valor de x, logo seria uma função afim e não exponencial. 6. Função Eponncil É todo função qu pod sr scrit n form: f: R R + = Em qu é um númro rl tl qu 0

Leia mais

Quadro de conteúdos. Eu Gosto M@is Integrado 1 o ano. Lição 1 As crianças e os lugares onde vivem

Quadro de conteúdos. Eu Gosto M@is Integrado 1 o ano. Lição 1 As crianças e os lugares onde vivem Quadro de conteúdos Eu Gosto M@is Integrado 1 o ano Língua Portuguesa Matemática História Geografia Ciências Naturais Arte Inglês ABC da passarinhada O alfabeto Quantidade A ideia de quantidade Eu, criança

Leia mais

P i s cina s : 2 P i s ci n a e x te rior de á g u a d e m a r a q u e cida P i s ci n a i n te ri or d e á g u a

P i s cina s : 2 P i s ci n a e x te rior de á g u a d e m a r a q u e cida P i s ci n a i n te ri or d e á g u a E M P R IM E I R A MÃO T h e O i ta v os é o e x c lu s i v o h o te l d e 5 e s tre la s q u e co m p le t a e v a l ori za a ofe rta d a Q u i n ta d a M a ri n h a, co n s olid a n d o -a c om o d e

Leia mais

TÓPICOS. Números complexos. Plano complexo. Forma polar. Fórmulas de Euler e de Moivre. Raízes de números complexos.

TÓPICOS. Números complexos. Plano complexo. Forma polar. Fórmulas de Euler e de Moivre. Raízes de números complexos. Not m: litur dsts potmtos ão disps d modo lgum litur tt d iliogrfi pricipl d cdir Chm-s tção pr importâci do trlho pssol rlir plo luo rsolvdo os prolms prstdos iliogrfi, sm cosult prévi ds soluçõs proposts,

Leia mais

ERROS ESTACIONÁRIOS. Controle em malha aberta. Controle em malha fechada. Diagrama completo. Análise de Erro Estacionário CONSTANTES DE ERRO

ERROS ESTACIONÁRIOS. Controle em malha aberta. Controle em malha fechada. Diagrama completo. Análise de Erro Estacionário CONSTANTES DE ERRO ERROS ESTACIONÁRIOS Control Mlh Abrt Fhd Constnts d rro Tios d sistms Erros unitários Exmlo Control m mlh brt Ação bási, sm rlimntção A ntrd do ontroldor é um sinl d rrêni A síd do ontroldor é o sinl d

Leia mais

Valoração de Grafos. Fluxo em Grafos. Notas. Teoria dos Grafos - BCC 204, Fluxo em Grafos. Notas. Exemplos. Fluxo em Grafos. Notas.

Valoração de Grafos. Fluxo em Grafos. Notas. Teoria dos Grafos - BCC 204, Fluxo em Grafos. Notas. Exemplos. Fluxo em Grafos. Notas. Teori o Grfo - BCC 204 Fluxo em Grfo Hrolo Gmini Sno Univerie Feerl e Ouro Preo - UFOP 19 e ril e 2011 1 / 19 Vlorção e Grfo Exemplo vlore eáio: iâni roovi que lig ie e ie é e 70 kilômero vlore inâmio:

Leia mais

Capítulo 4: Derivada A Reta Tangente. y = uma curva definida no intervalo ( a, ) e sejam ( x, y ) e Q( x y ) P dois pontos

Capítulo 4: Derivada A Reta Tangente. y = uma curva definida no intervalo ( a, ) e sejam ( x, y ) e Q( x y ) P dois pontos Isio d Ciêcis Es - Dprmo d Mmáic Cálclo I Proª Mri Jli Vr Crlo d Arjo Cpílo : Drid - A R T Sj b disios d cr Sj s r sc q pss plos poos P Q Cosidrdo o riâlo râlo PMQ, ir o ldo, mos q iclição d r s, o coici

Leia mais

4. Análise de Sistemas de Controle por Espaço de Estados

4. Análise de Sistemas de Controle por Espaço de Estados Sisma para vrificação Lógica do Corolo Dzmro 3 4. ális d Sismas d Corol por Espaço d Esados No capiulo arior, vimos qu a formulação d um Prolma Básico d Corolo Ópimo Liar, ra cosidrado um sisma diâmico

Leia mais

GRAVITAÇÃO UNIVERSAL

GRAVITAÇÃO UNIVERSAL GVIÇÃO UNIVESL z- u ci féric u fr chubo rio, l qu u uprfíci ngnci uprfíci xrn fr chubo p plo cnro priii fr chubo r D coro co Li Grição Unirl, qul rá forç co qu fr chubo rirá u pqun fr locliz à iânci, o

Leia mais

O Uso da Álgebra Linear nas Equações Diferenciais

O Uso da Álgebra Linear nas Equações Diferenciais Uso d Álgr ir s Equçõs ifriis íi Gri ol úi Rsd rir Bofim Fuldd d mái FT Uivrsidd Fdrl d Urlâdi UFU 88 - Urlâdi ril d 8 Rsumo Álgr ir é um supor mmáio pr muis árs d iêi Vrmos omo lgus d sus rsuldos podm

Leia mais

Associação de Resistores e Resistência Equivalente

Associação de Resistores e Resistência Equivalente Associção d sistors sistêci Equivlt. Itrodução A ális projto d circuitos rqurm m muitos csos dtrmição d rsistêci quivlt prtir d dois trmiis quisqur do circuito. Além disso, pod-s um séri d csos práticos

Leia mais

Como a x > 0 para todo x real, segue que: a x = y y 1. Sendo f -1 a inversa de f, tem-se que f -1 (y)= log a ( y y 1 )

Como a x > 0 para todo x real, segue que: a x = y y 1. Sendo f -1 a inversa de f, tem-se que f -1 (y)= log a ( y y 1 ) .(TA - 99 osidere s firmções: - Se f: é um fução pr e g: um fução qulquer, eão composição gof é um fução pr. - Se f: é um fução pr e g: um fução ímpr, eão composição fog é um fução pr. - Se f: é um fução

Leia mais

MATERIAL DO ALUNO PARA RECORTAR

MATERIAL DO ALUNO PARA RECORTAR MATERIAL DO ALUNO PARA RECORTAR O Sonho de Renato O Sonho de Renato a e i o u A E I O U so nho de Re na to Eu sou Renato Valadares Batista. Tenho 14 anos. Sou filho de Pedro Batista e Luzia Valadares.

Leia mais

EM NOME DO PAI ====================== j ˆ«. ˆ««=======================

EM NOME DO PAI ====================== j ˆ«. ˆ««======================= œ» EM NOME O PI Trnscçã Isbel rc Ver Snts Pe. Jãzinh Bm & # #6 8 j. j... Œ. ll { l l l l n me d Pi e d Fi lh ed_es & #. 2. #. _. _ j.. Œ. Œ l l l j {.. l. pí t Sn t_ mém Sn t_ mém LÓRI O PI Trnscçã Isbel

Leia mais

(Às Co missões de Re la ções Exteriores e Defesa Na ci o nal e Comissão Diretora.)

(Às Co missões de Re la ções Exteriores e Defesa Na ci o nal e Comissão Diretora.) 32988 Quarta-feira 22 DIÁRIO DO SENADO FEDERAL Ou tu bro de 2003 Art. 3º O Gru po Parlamentar reger-se-á pelo seu regulamento in ter no ou, na falta deste, pela decisão da ma i o ria absoluta de seus mem

Leia mais

4.2. Veio Cilíndrico de Secção Circular

4.2. Veio Cilíndrico de Secção Circular Cpíulo IV Torção de Peçs Lineres 1 CPÍTULO IV TORÇÃO DE PEÇS LINERES.1. Inrodução. sorção ou rnsmissão de esforços de orção: o Veios ou árvores de rnsmissão o Brrs de orção; ols; Esruurs uulres (veículos

Leia mais

Organização e Arquitetura de computadores

Organização e Arquitetura de computadores gaização Aquiua compuao oução Pipliigéuma écica implmação m qu váia iuçõ ão obpoa a xcução Exmplo: lavagm oupa Mlhoao o mpho com pipliig Pof. D. Luciao Joé Sg Pipliig abalho é iviio m apa ou ágio Técica

Leia mais

Uniforme Exponencial Normal Gama Weibull Lognormal. t (Student) χ 2 (Qui-quadrado) F (Snedekor)

Uniforme Exponencial Normal Gama Weibull Lognormal. t (Student) χ 2 (Qui-quadrado) F (Snedekor) Prof. Lorí Vili, Dr. vili@pucrs.br vili@m.ufrgs.br hp://www.pucrs.br/fm/vili/ hp://www.m.ufrgs.br/~vili/ Uniform Exponncil Norml Gm Wibull Lognorml (Sudn) χ (Qui-qudrdo) F (Sndkor) Um VAC X é uniform no

Leia mais

ÁLGEBRA DE MATRIZES. Baseado no Capítulo 2 do livro: Linear Models in Statistics, A. C. Rencher, 2000 John Wiley & Sons, New York.

ÁLGEBRA DE MATRIZES. Baseado no Capítulo 2 do livro: Linear Models in Statistics, A. C. Rencher, 2000 John Wiley & Sons, New York. ÁGEBRA DE ATRIZES Bseo o Cpíulo o livro: ier oels i Sisics, A. C. Recher, Joh Wiley & Sos, New York. eril prepro pelo Prof. Dr. Césr Goçlves e im E-mil: ceglim@usp.r DCE/ESAQ USP Fevereiro e 7 Í N D I

Leia mais

FUNÇÃO EXPONENCIAL. a 1 para todo a não nulo. a. a. a a. a 1. Chamamos de Função Exponencial a função definida por: f( x) 3 x. f( x) 1 1. 1 f 2.

FUNÇÃO EXPONENCIAL. a 1 para todo a não nulo. a. a. a a. a 1. Chamamos de Função Exponencial a função definida por: f( x) 3 x. f( x) 1 1. 1 f 2. 49 FUNÇÃO EXPONENCIAL Professor Lur. Potêcis e sus proprieddes Cosidere os úmeros ( 0, ), mr, N e, y, br Defiição: vezes por......, ( ), ou sej, potêci é igul o úmero multiplicdo Proprieddes 0 pr todo

Leia mais

RESULTADOS DA PESQUISA DE SATISFAÇÃO DO USUÁRIO EXTERNO COM A CONCILIAÇÃO E A MEDIAÇÃO

RESULTADOS DA PESQUISA DE SATISFAÇÃO DO USUÁRIO EXTERNO COM A CONCILIAÇÃO E A MEDIAÇÃO RESULTADOS DA PESQUISA DE SATISFAÇÃO DO USUÁRIO EXTERNO COM A CONCILIAÇÃO E A MEDIAÇÃO 1. RESULTADOS QUESTIONÁRIO I - PARTES/ CONCILIAÇÃO 1.1- QUESTIONÁRIO I - PARTES/ CONCILIAÇÃO: AMOSTRA REFERENTE AS

Leia mais

Integrais. A integral indefinida de uma função f(t) é representada como. Por outro lado, a integral definida, representada como

Integrais. A integral indefinida de uma função f(t) é representada como. Por outro lado, a integral definida, representada como J. A. M. Flipp d Soz Igris (rsmo l) Igris A igrl idfiid d m fção f() é rprsd como f ( τ) Por oro ldo, igrl dfiid, rprsd como f ( τ), f ( τ) τ o f ( τ) dτ 3 d fz Som d Rim q clcl ár so crv m m irvlo m dfiido

Leia mais

Sistemas e Sinais (LEIC) Resposta em Frequência

Sistemas e Sinais (LEIC) Resposta em Frequência Sismas Siais (LEIC Rsposa m Frquêcia Carlos Cardira Diaposiivos para acompahamo da bibliografia d bas (Srucur ad Irpraio of Sigals ad Sysms, Edward A. L ad Pravi Varaiya Sumário Dfiiçõs Sismas sm mmória

Leia mais

soluções sustentáveis soluções sustentáveis

soluções sustentáveis soluções sustentáveis soluções sustentáveis 1 1 1 2 3 KEYAS S OCIADOS UNIDADES DE NEGÓCIO ALGUNS CLIENTES 2 2 1 2 3 KEYAS S OCIADOS UNIDADES DE NEGÓCIO ALGUNS CLIENTES 3 3 APRES ENTAÇÃO A KEYAS S OCIADOS a tu a d e s d e 1

Leia mais

+12V. 0.1uF/ 100V RL4 :A ULN2003A C3 3 U1:D LIGA/ DESLIGA CARREGADOR. 10uF/ 16V C2 4 1N4148 D1 1 1N K GND 10K BC337 R2 5 CRISTAL DE 2 0 MHZ

+12V. 0.1uF/ 100V RL4 :A ULN2003A C3 3 U1:D LIGA/ DESLIGA CARREGADOR. 10uF/ 16V C2 4 1N4148 D1 1 1N K GND 10K BC337 R2 5 CRISTAL DE 2 0 MHZ ДХILUIR P/ LRR RL_ R To l. er a l es. Num. QU M PRVR IOO P O RROR MIOR V R LMJ U: UZZR R 0 ILUIR P M PRLLO OM ONTTO O RL 0.u/ 00V V R 0 0 R 0 verm elho U: ULN00 U: LMJ 0 ULN00 U: LI/ LI RROR V N R 0u/

Leia mais

09. Se. 10. Se. 12. Efetue: 13. Calcule C. a é:, determine a matriz X

09. Se. 10. Se. 12. Efetue: 13. Calcule C. a é:, determine a matriz X LIST DE EER MTRIZES E DETERMINNTES PROF ROGERINHO º ENSINO MÉDIO NOME Nº TURM Rrsn n for d l rz, co s, s, Dd rz, co, scrv rz (M O rço d u rz qudrd é so dos lnos d su dgonl rncl O rço d rz ) (, l qu é:

Leia mais

1 Capítulo 2 Cálc l u c lo l I ntegra r l l em m R

1 Capítulo 2 Cálc l u c lo l I ntegra r l l em m R píulo álculo Ingrl m R píulo - álculo Ingrl SUMÁRIO rimiivs imdis ou qus-imdis rimiivção por prs por subsiuição rimiivção d unçõs rcionis Ingris órmul d Brrow ropridds do ingrl dinido Ingris prméricos

Leia mais

Resolução de Matemática da Prova Objetiva FGV Administração - 06-06-10

Resolução de Matemática da Prova Objetiva FGV Administração - 06-06-10 QUESTÃO 1 VESTIBULAR FGV 010 JUNHO/010 RESOLUÇÃO DAS 15 QUESTÕES DE MATEMÁTICA DA PROVA DA MANHÃ MÓDULO OBJETIVO PROVA TIPO A O mon i tor de um note book tem formato retangular com a di ag o nal medindo

Leia mais

Resolução feita pelo Intergraus! Módulo Objetivo - Matemática FGV 2010/1-13.12.2009

Resolução feita pelo Intergraus! Módulo Objetivo - Matemática FGV 2010/1-13.12.2009 FGV 010/1-13.1.009 VESTIBULAR FGV 010 DEZEMBRO 009 MÓDULO OBJETIVO PROVA TIPO A PROVA DE MATEMÁTICA QUESTÃO 1 (Prova: Tipo B Resposta E; Tipo C Resposta C; Tipo D Resposta A) O gráfico abaio fornece o

Leia mais

MECANISMOS DE DEFESA DE PLANTAS CONTRA FITOPATÓGENOS

MECANISMOS DE DEFESA DE PLANTAS CONTRA FITOPATÓGENOS ECANIO DE DEFEA DA PLANTA Dç: r â ECANIO DE DEFEA DE PLANTA CONTRA FITOPATÓGENO ABIENTE DOENÇA rgr Crg FCAV/UNEP 2015 PLANTA PATÓGENO P R O C E O F I I L Ó G I C O ECANIO DE DEFEA DA PLANTA (AGRIO, 1997)

Leia mais

Universidade Federal do Rio Grande FURG. Instituto de Matemática, Estatística e Física IMEF Edital 15 CAPES. FUNÇÕES Parte B

Universidade Federal do Rio Grande FURG. Instituto de Matemática, Estatística e Física IMEF Edital 15 CAPES. FUNÇÕES Parte B Universidde Federl do Rio Grnde FURG Instituto de Mtemátic, Esttístic e Físic IMEF Editl 5 CPES FUNÇÕES Prte B Prof. ntônio Murício Medeiros lves Profª Denise Mri Vrell Mrtinez UNIDDE FUNÇÕES PRTE B. FUNÇÂO

Leia mais

COLÉGIO MACHADO DE ASSIS. 1. Sejam A = { -1,1,2,3,} e B = {-3,-2,-1,0,1,2,3,4,5}. Para a função f: A-> B, definida por f(x) = 2x-1, determine:

COLÉGIO MACHADO DE ASSIS. 1. Sejam A = { -1,1,2,3,} e B = {-3,-2,-1,0,1,2,3,4,5}. Para a função f: A-> B, definida por f(x) = 2x-1, determine: COLÉGIO MACHADO DE ASSIS Disciplin: MATEMÁTICA Professor: TALI RETZLAFF Turm: 9 no A( ) B( ) Dt: / /14 Pupilo: 1. Sejm A = { -1,1,2,3,} e B = {-3,-2,-1,0,1,2,3,4,5}. Pr função f: A-> B, definid por f()

Leia mais

ESTABILIDADE. Pólos Zeros Estabilidade

ESTABILIDADE. Pólos Zeros Estabilidade ESTABILIDADE Pólo Zero Etbilidde Itrodução Um crcterític importte pr um item de cotrole é que ele ej etável. Se um etrd fiit é plicd o item de cotrole, etão íd deverá er fiit e ão ifiit, ito é, umetr em

Leia mais

Processamento Digital de Sinais

Processamento Digital de Sinais Procssmto Digitl Siis Mrclo Bsílio Joquim São Crlos - Íic Aprstção i Cpítulo Siis Sistms tmpo iscrto. Itroução. Siis Tmpo Discrto. Siis tmpo iscrto básicos.. Squêci mostr uitári.. Squêci gru uitário..

Leia mais

1. DISPOSITIVOS SEMICONDUTORES

1. DISPOSITIVOS SEMICONDUTORES . DISPOSIIOS SMICODUORS. Itroução: isositivos ltrôicos Fisicmt, são struturs cujo comortmto létrico romit : s PROPRIDDS DOS MRIIS DS IRFCS os PRÂMROS GOMÉRICOS COSRUIOS Plcs mtálics Por xmlo, um strutur

Leia mais

CASA DE DAVI CD VOLTARÁ PARA REINAR 1. DEUS, TU ÉS MEU DEUS. E B C#m A DEUS, TU ÉS MEU DEUS E SENHOR DA TERRA

CASA DE DAVI CD VOLTARÁ PARA REINAR 1. DEUS, TU ÉS MEU DEUS. E B C#m A DEUS, TU ÉS MEU DEUS E SENHOR DA TERRA S VI VOLTRÁ PR RINR 1. US, TU ÉS MU US #m US, TU ÉS MU US SNHOR TRR ÉUS MR U T LOUVRI #m SM TI NÃO POSSO VIVR M HGO TI OM LGRI MOR NST NOV NÇÃO #m #m OH...OH...OH LVNTO MINH VOZ #m LVNTO MINHS MÃOS #m

Leia mais

Estratégico. III Seminário de Planejamento. Rio de Janeiro, 23 a 25 de fevereiro de 2011

Estratégico. III Seminário de Planejamento. Rio de Janeiro, 23 a 25 de fevereiro de 2011 Estratégico III Seminário de Planejamento Rio de Janeiro, 23 a 25 de fevereiro de 2011 G es tão Em pre sa rial O rie nta ção pa ra om erc ado Ino vaç ão et

Leia mais

Código G R$ 51,99 ICMS

Código G R$ 51,99 ICMS f O V - º37 - MO/JUHO/JULHO/2013 MEO 2013 Vh v E ( ul) 01 04 m x ul/ Há: 14h à 21h 15 18 m ul/ Há: 13h à 20h QUÍMEO L - Ml Quml - p 0-100 mm; - Lu 0,01 mm; - 0,02mm; - 3 õ: - lg/lg, - mm/plg, - z; - u

Leia mais

PATR IMÔNIO PALEONTOLÓG IC O

PATR IMÔNIO PALEONTOLÓG IC O PATR IMÔNIO PALEONTOLÓG IC O O s depós itos fos s ilíferos, o s s ítios paleontológ icos (paleobiológicos ou fossilíferos) e o s fós s eis q u e a p r e s e n ta m valores científico, educativo o u cultural

Leia mais

GUARITA / FACHADA GUARITA / PLANTA COBERTURA

GUARITA / FACHADA GUARITA / PLANTA COBERTURA MP i:% MP i:% MP i:.0% ÚLMO ÁO LZ O VO: OMO FÊ L00 PLJMO LVMO O PL00 PLJMO PLJMO XÇÃO O OOL O POJO FLVOPP_Levantamento_ev0..0.0.0.0.0.0.0.00.0.0.0.0.0.0.0 MOLOG FÇÃO X V. OL FO.. PO LHO V G GÇ..0... L

Leia mais

MOVIMENTOS SOB A AÇÃO DE UMA FORÇA RESULTANTE DE INTENSIDADE CONSTANTE

MOVIMENTOS SOB A AÇÃO DE UMA FORÇA RESULTANTE DE INTENSIDADE CONSTANTE MOVIMENTOS SOB A AÇÃO DE UMA ORÇA RESULTANTE DE INTENSIDADE CONSTANTE Trjóris Tmos os sguins csos: 1º) S forç rsuln ivr dirção d vlocidd só vrirá o módulo ds rjóri srá rilín. v R Ou R v º) S forç rsuln

Leia mais

Código PE-ACSH-2. Título:

Código PE-ACSH-2. Título: CISI Ctro Itrção Srvços Iformtc rão Excução Atv Itr o CISI Cóo Emto por: Grêc o Stor 1. Objtvo cmpo plcção Est ocumto tm como fl fr o prão brtur chmos suport o CISI. A brtur chmos é rlz o sstm hlpsk, qu

Leia mais

Resumo. Sinais e Sistemas Transformada Z. Introdução. Transformada Z Bilateral

Resumo. Sinais e Sistemas Transformada Z. Introdução. Transformada Z Bilateral Resumo Sinis e Sistems Trnsformd Luís Clds de Oliveir lco@istutlpt Instituto Superior Técnico Definição Região de convergênci Trnsformd invers Proprieddes d trnsformd Avlição geométric d DTFT Crcterição

Leia mais

Vestibular Unificado PUC-SP/2014 (Verão) Por Instituição / Curso / Turno

Vestibular Unificado PUC-SP/2014 (Verão) Por Instituição / Curso / Turno 11 AE11 ADMINISTRACAO MATUTINO PUC-SP (MONTE ALEGRE) 0 11 AE13 ADMINISTRACAO NOTURNO PUC-SP (MONTE ALEGRE) 0 13 AE11 ADMINISTRACAO MATUTINO PUC-SP (BARUERI) 16 AE13 ADMINISTRACAO NOTURNO PUC-SP (IPIRANGA)

Leia mais

MONITORAMENTO DE INFORMAÇÃO

MONITORAMENTO DE INFORMAÇÃO Consórcio muda d ndrço Corrio Lagano - 20/01/2016 5 - Colunista - Olivt Salmória Mídia Imprssa Co m d n 1 Içara prd vantagm comptitiva 9/01) Diário d Notícias/Criciúma - 20/01/2016 7 - Gral Mídia Imprssa

Leia mais

1. Dorme, neném. œ» ======================= & 2 G ======================= & «Œ. « mãe. tão ======================= & ˆ« ção.

1. Dorme, neném. œ» ======================= & 2 G ======================= & «Œ. « mãe. tão ======================= & ˆ« ção. »» ======================= & 2 4 _ Dor me, ne 1. Dorme, neném ném, Letr: Pe. José Dis ourt SSP Músic: Ir. Egnd Roch II Soo: Edur Tostto d Mtt ======================= & Que m mãe Dor es _ tá me fe qui.

Leia mais

n o m urd ne Hel e n o mis

n o m urd ne Hel e n o mis Em nosso cotidiano existem infinitas tarefas que uma criança autista não é capaz de realizar sozinha, mas irá torna-se capaz de realizar qualquer atividade, se alguém lhe der instruções, fizer uma demonstração

Leia mais

Técnicas de Análise de Circuitos

Técnicas de Análise de Circuitos Coordendori de utomção Industril Técnics de nálise de Circuitos Eletricidde Gerl Serr 0/005 LIST DE FIGURS Figur - Definição de nó, mlh e rmo...3 Figur LKC...4 Figur 3 Exemplo d LKC...5 Figur 4 plicção

Leia mais

DATAPREV Divisão de Gestão Operacional e Controle - D1GC Serviço Técnico a Softwares de Produção STSP

DATAPREV Divisão de Gestão Operacional e Controle - D1GC Serviço Técnico a Softwares de Produção STSP GIS Gertran Integration Suite Guia de T ransferência de Arquivos Entidade x DATAPREV Versão 1.0 HTTPS G I S G ui a de T ra n sf er ên ci a d e Ar qu i vo s 1/ 8 ÍNDICE ANALÍT ICO 1. INTRODU ÇÃO......4

Leia mais

CAPÍTULO 1 MATRIZES, DETERMINANTES E SISTEMAS LINEARES

CAPÍTULO 1 MATRIZES, DETERMINANTES E SISTEMAS LINEARES INTRODUÇÃO O ESTUDO D ÁGER INERR ui Friso ru Dprmo mái Usp/uru PÍTUO TRIZES DETERINNTES E SISTES INERES s mris os sisms lirs êm lr plição m prolms práios spilm ár Ehri Por mplo oção frquêi url o io rsiro

Leia mais

Classificação Periódica dos Elementos

Classificação Periódica dos Elementos Classificação Periódica dos Elementos 1 2 3 1 Massa atômica relativa. A incerteza no último dígito é 1, exceto quando indicado entre parênteses. Os valores com * referemse Número Atômico 18 ao isótopo

Leia mais

BANCO DE FÓRMULAS PROF. FRED MOURA. Movimento Circular 1 T. a cp. = velocidade angular. = espaço angular. Unidades de medida

BANCO DE FÓRMULAS PROF. FRED MOURA. Movimento Circular 1 T. a cp. = velocidade angular. = espaço angular. Unidades de medida O D ÓMUL O. D MOU MU & MU Moo ul Lço Oblíuo p = lo ul * opo l - MU y y y y y s y y y = lo é = ção spço = spço ul = o H s = Ilo po = üê * opo hozol - MU = spço (l) = píoo x os = spço Il = lo = lo l = lção

Leia mais

1 3Centrs e PP esq is II DD C n MM n Astr l i Astri C h i n Re. C h e H n g K n g F i n l n i I n i F rn 0 4 C n I n n si Al e m n h E st s U n i s I

1 3Centrs e PP esq is II DD C n MM n Astr l i Astri C h i n Re. C h e H n g K n g F i n l n i I n i F rn 0 4 C n I n n si Al e m n h E st s U n i s I 1 3Mr P e re s, R e s e r h D i re t r I D C B rs i l Br 0 0metr Cis e Bn L rg n Brsil, 2005-201 0 R e s l t s P ri m e i r T ri m e s t re e 2 0 0 7 Prer r Prer r Met e Bn Lrg em 2 0 1 0 n Brs i l : 10

Leia mais

Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de março. Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de março

Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de março. Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de março EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de março Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de março Prova Escrita de Física e Química A Prova Escrita

Leia mais

Visão Geral Métodos construtivos Métodos construtivos O Mercado Visão de Negócios Alguns números Principais diferenciais

Visão Geral Métodos construtivos Métodos construtivos O Mercado Visão de Negócios Alguns números Principais diferenciais Shw C TÓPICOS Vã Gl Mé cv Mé cv O Mc Vã Ngóc Alg ú Pcp fc Rl N vç Pc Q fz Vã Gl A ESTRUTURA ECOLÓGICA CONSTRUTORA, g c l é c cçã à v pcpçã q lz écc clógc. Sb p v é pf pívl v, p g cl c fã. N çã ppc c, c

Leia mais

GASTRONOMIA. Cer ti fi que-se de que está es cre ven do de acor do com o tema pro pos to e dê um tí tu lo a seu tex to.

GASTRONOMIA. Cer ti fi que-se de que está es cre ven do de acor do com o tema pro pos to e dê um tí tu lo a seu tex to. GASTRONOMIA Instruções Cer ti fi que-se de que está es cre ven do de acor do com o tema pro pos to e dê um tí tu lo a seu tex to. Res pe i te mar gens e en tra das de pa rá gra fo. Use as in for ma ções

Leia mais

J u i n 2 0 0 9 L e ttr e d 'i n fo r m a ti o n n 1 9 E d i to r i al E p p u r si m u o ve «E t p o u r ta n t e l l e b o u g e» m u r m u r a G a l l i l é e s u r s o n c h a m p e s t l a r g e.

Leia mais

NESS-A TOUCH SCREEN 7" C/ MODEM

NESS-A TOUCH SCREEN 7 C/ MODEM 6 7 8 9 0 QUIPMNTOS ONTROLOS OMPRSSOR LTRNTIVO // LTRÇÃO LYOUT-IM MUTI PR SOPOST OTÃO MRÊNI LLN9 0 07/0/ LTRÇÃO O MOM O LYOUT LOUV 7 0 06// INLUSÃO O ORINTTIVO O LÇO OMUNIÇÃO IO V. 00 8/0/ INIIL TOS R.

Leia mais

Geometricamente, um esboço da interpolante g(x) sobre a função f(x) é visto na figura 3.1.

Geometricamente, um esboço da interpolante g(x) sobre a função f(x) é visto na figura 3.1. 4 APROXIMAÇÃO DE FUNÇÕES 4- INTERPOAÇÃO POINOMIA Itroução: A iterpolção Iterpolr um ução () cosiste em proimr ess ução por um outr ução g() escolhi etre um clsse e uções eii priori e que stisç lgums propriees

Leia mais

Cálculo Numérico Faculdade de Engenharia, Arquiteturas e Urbanismo FEAU

Cálculo Numérico Faculdade de Engenharia, Arquiteturas e Urbanismo FEAU Cálculo Numérico Fculdde de Enenhri, Arquiteturs e Urnismo FEAU Pro. Dr. Serio Pillin IPD/ Físic e Astronomi V Ajuste de curvs pelo método dos mínimos qudrdos Ojetivos: O ojetivo dest ul é presentr o método

Leia mais

O EMPREITEIRO. Copatrocínio

O EMPREITEIRO. Copatrocínio KH T M W TÃ G A N F NAL UC Lp D CA -A 1200 ÁT X A JT - / A ã 5 1 0 2 D m 26 A A ç p 27 MW c áb fz h C J F g c h Lb 290/ -116 6 1 0 y 2 w h çã f pc G pc m D x f L ª 4 G c M A Jg q A b é C gh H V V g ã M

Leia mais

Programação Linear Introdução

Programação Linear Introdução Progrmção Liner Introdução Prof. Msc. Fernndo M. A. Nogueir EPD - Deprtmento de Engenhri de Produção FE - Fculdde de Engenhri UFJF - Universidde Federl de Juiz de For Progrmção Liner - Modelgem Progrmção

Leia mais

ESCOAMENTO SECUNDÁRIO EM DUTOS DE SEÇÃO NÃO CIRCULAR USANDO UM MODELO DE TURBULÊNCIA k-ε NÃO LINEAR

ESCOAMENTO SECUNDÁRIO EM DUTOS DE SEÇÃO NÃO CIRCULAR USANDO UM MODELO DE TURBULÊNCIA k-ε NÃO LINEAR ESCOAMENTO SECUNDÁRIO EM DUTOS DE SEÇÃO NÃO CIRCULAR USANDO UM MODELO DE TURBULÊNCIA - NÃO LINEAR Marclo Aao -mail: aao@mciabr Marclo JS d-lmo -mail: dlmo@mciabr Dparamo d Ergia - IEME, Iiuo Tcológico

Leia mais

REGULAMENTO DE INSTALAÇÃO E FUNCIONAMENTO DOS ESTABELECIMENTOS DE HOSPEDAGEM No u s o d a c o mp e t ê n c i a p r e v i s t a al í n e a v ) d o n. º 1 d o ar t i g o 64º d o De c r e t o -Le i n. º 1

Leia mais

FOI DEUS QUEM FEZ VOCÊ

FOI DEUS QUEM FEZ VOCÊ FOI DEUS QUEM FEZ OCÊ AMELINHA Arr Neton W Mcedo Crmo Gregory c c c Deus que fez vo - Deus quem fez vo - Deus quem fez vo- c Deus quem fez vo - J De-us 4 Deus quem fez vo - Deus quem fez vo - J Deus quem

Leia mais

======================== Œ œ»» Œ C7 ˆ_ ««G 7

======================== Œ œ»» Œ C7 ˆ_ ««G 7 1) É tã bnit n tr (ntrd) cminh cm Jesus (Miss d Temp mum cm crinçs) & 2 4 m œ É tã b ni t n_ tr me s s gr d, & œ t h brn c, ve ce s. & _ Mis s vi c me çr n ns s_i gre j; _u & j im c ris ti cm e gri, v

Leia mais

Correção da fuvest ª fase - Matemática feita pelo Intergraus

Correção da fuvest ª fase - Matemática feita pelo Intergraus da fuvest 009 ª fase - Matemática 08.0.009 MATEMÁTIA Q.0 Na figura ao lado, a reta r tem equação y x no plano cartesiano Oxy. Além dis so, os pontos 0,,, estão na reta r, sendo 0 = (0,). Os pontos A 0,

Leia mais

Resumo. Sinais e Sistemas Transformada Z. Introdução. Transformada Z Bilateral

Resumo. Sinais e Sistemas Transformada Z. Introdução. Transformada Z Bilateral Resumo Sinis e Sistems Trnsformd lco@ist.utl.pt Instituto Superior Técnico Definição Região de convergênci Trnsformd invers Proprieddes d trnsformd Avlição geométric d DTFT Crcterição de SLITs usndo trnsformd.

Leia mais

Sazonais da Floresta ENQUADRAMENTO GERAL. Sazonais da Floresta

Sazonais da Floresta ENQUADRAMENTO GERAL. Sazonais da Floresta ub ub ENQUADRAMENTO GERAL A f é um m u cm múp pu, qu ó é pív pv m m épc fc p um vgm qu pb m u p u u mm m p- pv m qu um cu f fm m cv g. Ex um g v u qu ó xm m m épc. T- pv m v pu f, qu mu v ã já u m m vu

Leia mais

Acervo de documentos oficiais da Força Aérea Brasileira (SIOANI), convertidos em arquivo digital por Edison Boaventura Jr / GUG Grupo Ufológico de

Acervo de documentos oficiais da Força Aérea Brasileira (SIOANI), convertidos em arquivo digital por Edison Boaventura Jr / GUG Grupo Ufológico de UHIDi;.DE R:'::U16m0 OliI I DADOS DO RZLAT6aIO 1. Hur'ero:._RIl_. 2. D:J.t2, r'e preencl',jr',cnto :/~Lj'_.c~~l..L/l'~f.._... 3. Locd de o)soi'vu:';qo c10 Od:.rtq _Rrr-: _.... _.._.... 4. 5. AnGJ:os: -.--.-..

Leia mais

DIAGRAMA DE INTERLIGAÇÃO DE AUTOMAÇÃO NESS LRC MULTILINHAS C/ IHM

DIAGRAMA DE INTERLIGAÇÃO DE AUTOMAÇÃO NESS LRC MULTILINHAS C/ IHM 4 5 6 7 8 9 0 QUIPNOS ONROLOS 5 LINS RSRIOS OU LINS ONLOS LIN RSRIOS IR INRLIÇÃO UOÇÃO NSS LR ULILINS O I 8 0/0/5 URÇÃO LRÇÃO OS UNIUS, RPOSIIONNO O POLI LRÇÂO N LIS RIIS LOUV 7 7 0/0/5 LRO O LYOU, SUSIUIO

Leia mais

NPQV Variável Educação Prof. Responsáv el : Ra ph a el B i c u d o

NPQV Variável Educação Prof. Responsáv el : Ra ph a el B i c u d o NPQV Variável Educação Prof. Responsáv v el :: Ra ph aa el BB ii cc uu dd o ATIVIDADES DESENVOLVIDAS NA ÁREA DE EDUCAÇÃO 2º Semestre de 2003 ATIVIDADES DESENVOLVIDAS NA ÁREA DE EDUCAÇÃO As atividades realizadas

Leia mais

Matemática Régis Cortes FUNÇÃO DO 2 0 GRAU

Matemática Régis Cortes FUNÇÃO DO 2 0 GRAU FUNÇÃO DO 2 0 GRAU 1 Fórmul de Bháskr: x 2 x 2 4 2 Utilizndo fórmul de Bháskr, vmos resolver lguns exeríios: 1) 3x²-7x+2=0 =3, =-7 e =2 2 4 49 4.3.2 49 24 25 Sustituindo n fórmul: x 2 7 25 2.3 7 5 7 5

Leia mais

IN S A In s titu t N a tio n a l

IN S A In s titu t N a tio n a l IN S A : U m a re d e d e 5 e s c o la s s u p e rio re s d e e n g e n h a ria O INS A de Rennes existe desde 1966 R ouen O INS A de Rouen existe desde 1985 O INS A de S trasbourg existe desde 2003 R

Leia mais

6/16/2011. Relações de Girard Relações entre raizes e coeficientes. a x. a 1. Considere-se as raízes i, i=1,2,...n, e P(x) na forma fatorada:

6/16/2011. Relações de Girard Relações entre raizes e coeficientes. a x. a 1. Considere-se as raízes i, i=1,2,...n, e P(x) na forma fatorada: 66 Numero de Rizes Reis Teorem de Bolzo Sej = um equção lgébric com coeficietes reis,b. Se b , etão eiste um úmero pr de rízes reis, ou ão eistem

Leia mais

RESOLUÇÃO Matemática APLICADA FGV Administração - 06-06-10

RESOLUÇÃO Matemática APLICADA FGV Administração - 06-06-10 QUESTÃO 1 VESTIBULAR FGV 2010 JUNHO/2010 RESOLUÇÃO DAS 10 QUESTÕES DE MATEMÁTICA DA PROVA DA TARDE - MÓDULO DISCURSIVO São curiosos os números. Às vezes é mis útil rredondá-los do que trblhr com seu vlor

Leia mais

BAGS LIFE BAGS FOR ENTREG

BAGS LIFE BAGS FOR ENTREG , N M DIF QU M 4 c liz v l Id v u c u Y BG LIF BG F bg v w 5 g.c y-b www. IM PDUZ LIZM PN M XP IMDI NG N MN P K Y BG BG IF F L IM PDUZ M IZ L N P M XP DI IM G N N N M P K G b v w 66 D Y BG D L L D LIF

Leia mais

... Soma das áreas parciais sob a curva que fornece a área total sob a curva.

... Soma das áreas parciais sob a curva que fornece a área total sob a curva. CAPÍTULO 7 - INTEGRAL DEFINIDA OU DE RIEMANN 7.- Notção Sigm pr Soms A defiição forml d itegrl defiid evolve som de muitos termos, pr isso itroduzimos o coceito de somtório ( ). Eemplos: ( + ) + + + +

Leia mais

Diagrama de Blocos. Estruturas de Sistemas Discretos. Grafo de Fluxo. Sistemas IIR Forma Directa I

Diagrama de Blocos. Estruturas de Sistemas Discretos. Grafo de Fluxo. Sistemas IIR Forma Directa I Estruturs de Sistems Discretos Luís Clds de Oliveir Digrm de Blocos As equções às diferençs podem ser representds num digrm de locos com símolos pr:. Representções gráfics ds equções às diferençs som de

Leia mais

O P a pel da M ídia no C o ntro le da s P o lític a s de S a úde

O P a pel da M ídia no C o ntro le da s P o lític a s de S a úde B ra s ília, 26 de s etem bro de 2009 C o ntro le da s P o lític a s de L uiz R ibeiro FU N Ç Ã O D O J O R N A L I S M O J o r n a lis m o é a a tiv id a d e p r o fis s io n a l q u e c o n s is te e

Leia mais

ES. 61 ES. 62 ES. 63 ES. 64 ES. 65 ES. 70 ES. 71 ES. 72 ES. 73 ES. 80 ES. 81 ES. 82 ES. 83 ES. 84 ES. 106 ES. 105 PS. 55 PS. 54

ES. 61 ES. 62 ES. 63 ES. 64 ES. 65 ES. 70 ES. 71 ES. 72 ES. 73 ES. 80 ES. 81 ES. 82 ES. 83 ES. 84 ES. 106 ES. 105 PS. 55 PS. 54 2013 ES. 61 ES. 62 ES. 63 ES. 64 ES. 65 ES. 70 ES. 71 ES. 72 ES. 73 ES. 80 ES. 81 ES. 82 ES. 83 ES. 84 ES. 106 ES. 105 PS. 55 PS. 54 PS. 75 PS. 74 PS. 76 ES. 78 ES. 79 ES. 40 ES. 41 ES. 44 ES. 42 ES. 43

Leia mais

GLOSSÁRIO PREV PEPSICO

GLOSSÁRIO PREV PEPSICO GLOSSÁRIO PREV PEPSICO A T A A ABRAPP Aã Aã I Aí I R ANAPAR A A M A A A Lí Aá S C é ç í ê çõ 13ª í ã. Açã B E F Pê P. Cí ê, ã ê. V Cê Aã P ( á). N í, - I R P Fí (IRPF), S R F, à í á, ( 11.053 2004), çã.

Leia mais

. D A D O S I N I C I A I S 1.1 N a t u r e z a e fi n a l i d a d e d a e d i f i c a ç ã o : i n d i ca r o ti p o d e e d ifi ca ç ã o ( e x : e s c o l a r u r a l co m 0 2 s a l a s, e sc o la u r

Leia mais