Manual de Transferências de Arquivos Para o DDA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Manual de Transferências de Arquivos Para o DDA"

Transcrição

1 Manual de Transferências de Arquivos Para o DDA - Março,

2 DDA - Manual de transferência de arquivos CÂMARA INTERBANCÁRIA DE PAGAMENTOS - CIP Manual de Transferências de arquivos para o DDA Versão 1.1 Data de Atualização:

3 PREFÁCIO O Manual de Transferência de Arquivos para o DDA tem a finalidade de descrever os procedimentos que os bancos participantes devem seguir para configurar e permitir a conexão de seus sistemas com o sistema DDA, para a transferência de arquivos via Connect:Direct e/ou XFB

4 DDA - Manual de transferência de arquivos HISTÓRICO DE ATUALIZAÇÕES Item Versão 1.0 de Descrição Primeira versão para o mercado Versão 1.1 com definições do GT-Tecnologia - 5 -

5 ÍNDICE ANALÍTICO HISTÓRICO DE ATUALIZAÇÕES ÍNDICE ANALÍTICO INTRODUÇÃO Objetivo Premissas e Considerações Gerais Plataformas de Transferência Suportadas no DDA Sterling Connect:Direct Axway Synchrony File Transfer (XFB) Características dos Arquivos no DDA Nomenclatura de Arquivos e Dinâmica de Intercâmbio no DDA Regras Para a Transferência de Arquivos no DDA CONFIGURAÇÕES DOS PRODUTOS Configurações p/ Connect:Direct Configurações p/ XFB CRIPTOGRAFIA E ASSINATURA DIGITAL Introdução Processos de ativação, substituição e revogação de certificados Especificação para a Segurança dos Arquivos Domínio MES CONTATOS TÉCNICOS

6 DDA - Manual de transferência de arquivos 1. INTRODUÇÃO 1.1. Objetivo Este documento tem como objetivo descrever os padrões, procedimentos e configurações a serem utilizados para o intercâmbio de arquivos no DDA Premissas e Considerações Gerais As regras e padrões deste documento foram concebidas para garantir o intercâmbio de arquivos entre o ambiente DDA e as instituições financeiras através da RSFN, de forma segura, controlada, com um uso eficiente dos meios de transmissão e com forte resiliência e suporte a automação. A CIP recomenda, apesar de ter condições de envio dos arquivos para as instituições financeiras, que as mesmas adotem o processo de retirada dos arquivos, após serem notificadas via protocolo do aplicativo, da disponibilidade dos mesmos. Os vários manuais referentes ao SPB e RSFN podem ser encontrados nos links: Plataformas de Transferência Suportadas no DDA O DDA suporta a troca de arquivos através das plataformas Sterling Connect:Direct ou Axway Synchrony File Transfer (XFB), ambas largamente utilizadas nos meios financeiros em virtude de suas robustez e confiabilidade. Ficará a critério das IF s a escolha da plataforma a ser utilizada Sterling Connect:Direct O Connect:Direct (C:D) é um software para a transferência de arquivos pontoa-ponto com arquitetura que permite o envio e recepção automática de arquivos, com total gerenciamento, garantindo a entrega dos dados independente da utilização de redes públicas ou privadas. O Connect:Direct oferece funcionalidades de segurança para transferências de dados, independente do tipo de informação trafegada. Transmite arquivos contendo todos os tipos de dados, através de múltiplas plataformas, sistemas de arquivos e mídias distintos. No Brasil, a solução Connect:Direct é comercializada pela empresa Sterling Commerce. Maiores informações podem ser obtidas através do site Axway Synchrony File Transfer (XFB) O Synchrony File Transfer, mais conhecido como XFB (derivado do nome anterior do produto - Axway File Broker) é um software para a transferência de arquivos ponto-a-ponto com arquitetura que permite o envio e recepção automática de arquivos, com total gerenciamento, garantindo a entrega dos dados independente da utilização de redes públicas ou privadas. O XFB oferece funcionalidades de segurança para transferências de dados, independente do tipo de informação trafegada. Transmite arquivos contendo - 7 -

7 todos os tipos de dados, através de múltiplas plataformas, sistemas de arquivos e mídias distintos. A solução XFB é comercializada pela empresa AXWAY, cujo representante legal no Brasil é a empresa SCI. Maiores informações podem ser podem ser obtidas através do site Características dos Arquivos no DDA Os arquivos que trafegam no ambiente DDA, bem como as regras e padrões que a eles se aplicam, estão descritos em detalhe no documento DDA - Manual de Leiautes, que também descreve a estrutura do conteúdo dos mesmos. Como os arquivos que trafegam no DDA são compactados, assinados digitalmente e criptografados (nesta ordem) já na sua geração, o DDA não faz uso de mecanismos adicionais de criptografia ou compactação de dados na transmissão, tais como o Secure+ da plataforma Connect:Direct, que apenas onerariam a solução final, sem benefício correspondente Nomenclatura de Arquivos e Dinâmica de Intercâmbio no DDA Existem basicamente três perfis de processos de troca/envio de arquivos no âmbito do DDA, cada um com padronizações de nomes específicas, conforme descrito na tabela abaixo (para maiores detalhes quanto à nomenclatura dos arquivos, ver documento DDA - Manual de Leiautes ). Passo Sentido Xfer Nome do Arquivo (envio / resposta) Perfil A: Resposta de solicitação oriunda de mensagem on-line Único CIP IF <nomearq>_<numctrlif> Ex:ADDA106_ Observações <NumCtrlIF> é o número de controle gerado pela IF na mensagem original de requisição. Envio do arquivo é precedido de mensagem on-line de notificação. Perfil B: Arquivos gerados pela CIP em decorrência de processamentos padrão Único CIP IF <nomearq>_<ispbif>_<datamovto>_<seqcip> Ex:ADDA001_ _ _001 Arquivos gerado pela CIP em decorrência de processamento padrão Perfil C: Arquivos gerados pela IF 1 IF CIP <nomearq>_<ispbif>_<datamovto>_<seqif> Ex:ADDA001_ _ _034 2 CIP IF <nomearq>_<ispbif>_<datamovto>_<seqif>_pro Ex:ADDA001_ _ _034_PRO 3ª CIP IF <nomearq>_<ispbif>_<datamovto>_<seqif>_ret Ex:ADDA001_ _ _034_RET 3B CIP IF <nomearq>_<ispbif>_<datamovto>_<seqif>_err Arquivo gerados pela IF em decorrência de processamento padrão Arquivos de protocolo gerado pela CIP em resposta Retorno de processamento gerado pela CIP em resposta Retorno de processamento (com - 8 -

8 DDA - Manual de transferência de arquivos Ex:ADDA001_ _ _034_ERR indicador de erro) gerado pela CIP em resposta 1.8. Regras Para a Transferência de Arquivos no DDA a. Todos os arquivos devem ser compactados com algoritmo ZIP, assinados digitalmente e criptografados, nesta ordem, por aplicação especifica, antes de serem disponibilizados para as plataformas de transferência de arquivos. Para maiores detalhes ver capítulo 5 Especificações para Segurança de Mensagens e Arquivos b. Os arquivos devem ser transferidos sempre em modo binário (pois já estão compactados e criptografados); c. Todas as transferências devem desabilitar verificação de CRC CyclicRedundancy Check, pois a integridade dos mesmos já é garantida pelo protocolo de transporte (TCP), alem de trafegarem em meios digitais de alta confiabilidade; d. Os arquivos gerados pelas IF s devem ser por elas transmitidos para a CIP. Os arquivos gerados pela CIP, destinados às IF s, ficarão disponíveis para retirada por até 3 dias úteis, o que será notificado via GEN0015. Neste caso fica a critério da IF definir o interesse que o arquivo seja enviado pela CIP, logo ao termino de sua criação; e. É obrigatória a habilitação da opção de retomada em caso de falha (checkpoint restart); após esgotarem-se as retentativas de transferência, o processo de transmissão será considerado mal sucedido e deverão ser adotados os processos operacionais da ARMO Área de monitoração da CIP. f. As IF s podem conectar-se aos servidores de transferência de arquivos da CIP, utilizando-se de resolução de nomes via serviço DNS ou conectar-se via endereçamento IP explicito. Neste caso, é responsabilidade da IF a alteração de seu ambiente, alterando o endereço IP correspondente, caso seja necessário acessar os servidores no site de contingência do DDA, com respectiva interrupção dos serviços até que esta operação se complete Regras especificas para Connect:Direct a. Para cada arquivo transferido da IF para o DDA, deverá ser incluída a chamada subseqüente de processo síncrono pré-determinado, responsável pelo pósprocessamento da transferência em questão no ambiente DDA. Isto é efetivado através da configuração dos parâmetros RUN TASK no Connect:Direct,), conforme detalhado adiante. A este processo deverão ser passados dois parâmetros em formato texto: <ISPB da IF>, e <nome do arquivo>; b. É obrigatório o uso do conceito de Proxy User, ou seja, não é admitida a autenticação direta no DDA do usuário configurado no nó remoto; - 9 -

9 2. CONFIGURAÇÕES DOS PRODUTOS 2.1. Configurações p/ Connect:Direct Abaixo estão descritas as configurações necessárias e parâmetros que precisam ser de conhecimento dos técnicos responsáveis pela configuração da solução Connect:Direct. As configurações, ativação do serviço e testes, deverão ser acordadas entre os técnicos, através dos procedimentos de gestão de mudanças do DDA e do requisitante. Node DNSNames / IP do servidor C:D Sistema Operacional Porta de Firewall Connect:Direct Ambiente CIP DDA CD_ Ambiente Produção: cdp.cip.rsfn.net.br Principal Homologação: cdh.cip.rsfn.net.br Linux RedHat 5.2 (Apenas informativo) TCP-1364 (bidirecional) Processo de Transferência Usuário de conexão Proxy User Sessões simultâneas (máx) Buffer Size Protocolo de Transporte Tipo de transmissão Compressão Criptografia (Secure+) Checkpoint Restart CRC Retries Retry Interval Banco busca o arquivo ou CIP transmite o arquivo Ambiente Produção: P Ambiente Contingência: P Ambiente Homologação: H Habilitado Envio: 5 (por IF) Recepção: 5 (por IF) 32k TCP Binário Habilitado a cada 5 MB Desabilitado Short Term: 3 Long Term: 3 Short Term: 10 segundos Long Term: 3 minutos

10 DDA - Manual de transferência de arquivos Node DNSNames / IP do servidor C:D Sistema Operacional Connect:Direct Ambiente Banco Participante IF A ser informado no formulário de cadastramento Ambiente Produção: XXX.XXX.XXX.XXX ou DNS Ambiente Homologação: XXX.XXX.XXX.XXX ou DNS *** Preencher endereço da IF *** Processo de Transferência Busca ou recebe arquivo? Porta de Firewall Usuário de conexão Proxy User Sessões simultâneas Buffer Size Protocolo de Transporte Tipo de transmissão Compressão Criptografia (Secure+) Checkpoint Restart CRC Retries Retry Interval RUN TASK Banco busca o arquivo ou CIP transmite o arquivo Explicar o motivo TCP-1364 (bidirecional) Ambiente Produção: P + ISPB da IF Ambiente Contingência: P + ISPB da IF Ambiente Homologação: H + ISPB da IF Habilitado Envio: 5 Recepção: 5 32K TCP Binário Habilitado a cada 5 MB Desabilitado Short Term: 3 Long Term: 3 Short Term: 10 segundos Long Term: 3 minutos /opt/tivit/bin/filexfer/cd_process_file_in.sh Parâmetros (varchar): 1) <ISPBIF> ( ISPB da IF de origem) 2) <filename> (nome do arquivo)

11 2.2. Configurações p/ XFB Site: DNSNames / IP do servidor XFB Sistema Operacional Processo de Transferência Portas de Firewall Aplicação Usuário de conexão Proxy User Sessões simultâneas Buffer Size Protocolo de Transporte Tipo de transmissão Blocagem / Tam Reg Compressão Criptografia Checkpoint Restart CRC Retries Protocolos XFB Ambiente CIP DDA ST_ Ambiente Produção: xfbp.cip.rsfn.net.br Principal Homologação: xfbh.cip.rsfn.net.br Linux RedHat 5.2 Somente informativo Banco busca o arquivo ou CIP transmite o arquivo TCP-6310 (bidirecional) Protocolo PEL XFB_SND_PEL Ambiente Produção: P Ambiente Contingência: P Ambiente Homologação: H Habilitado Envio: 5 Recepção: bytes TCP Binário Variável (XML) Habilitado Desabilitado 3 a cada 10 minutos PEL

12 DDA - Manual de transferência de arquivos Site: DNSNames / IP do servidor XFB Sistema Operacional XFB Ambiente Banco Participante IF ST + ISPB da IF Ambiente Produção: XXX.XXX.XXX.XXX ou DNS Ambiente Homologação: XXX.XXX.XXX.XXX ou DNS *** Preencher endereço da IF *** Somente informativo Processo de Transferência Portas de Firewall Aplicação Usuário de conexão Proxy User Sessões simultâneas Buffer Size Protocolo de Transporte Tipo de transmissão Blocagem / Tam Reg Compressão Criptografia Checkpoint Restart CRC Retries Protocolos (PEL, PSIT) Banco busca o arquivo ou CIP transmite o arquivo TCP-6310 (bidirecional) Protocolo PEL XFB_RCV_PEL Ambiente Produção: P + ISPB da IF Ambiente Contingência: P + ISPB da IF Ambiente Homologação: H + ISPB da IF Habilitado Envio: 5 Recepção: bytes TCP Binário Variável (XML) Habilitado Desabilitado 3 a cada 10 minutos PEL

13 3. CRIPTOGRAFIA E ASSINATURA DIGITAL 3.1. Introdução Os requisitos de segurança descritos a seguir visam garantir a integridade, a confidencialidade, a disponibilidade e o não repúdio dos arquivos trafegados no âmbito do DDA. A definição dos requisitos de segurança exigidos foi baseada em padrões conhecidos, utilizados no mercado e já adotados no âmbito do SPB. A CIP procurou não eleger um produto/fornecedor que atenda às especificações de segurança, mas sim especificar os requisitos de segurança. Os componentes de hardware e software necessários a atender os requisitos de segurança serão avaliados pelas próprias Instituições participantes do DDA. Com isso, os participantes podem avaliar o custo/benefício de desenvolvimento próprio ou das diversas soluções de fornecedores de hardware e software de segurança presentes no mercado e possivelmente utilizar as mesmas soluções já em utilização no SPB. Os ambientes de testes e produção deverão ser distintos. Primeiramente as transferências de arquivo deverão ser homologadas no ambiente de testes, para posteriormente serem disponibilizadas no ambiente de produção. a. Premissas i. A criptografia e assinatura digital nos arquivos do DDA adotarão as mesmas especificações de segurança contidas no Manual de Segurança (versão 2.4 novembro de 2006). ii. iii. iv. Os arquivos transmitidos entre os participantes do DDA a CIP são irrevogáveis, incondicionais e finais; Todos os arquivos enviados serão obrigatoriamente assinados digitalmente pela Instituição Participante emissora, com exceção, caso julgado necessário, dos relativos a testes de conectividade; Todos os arquivos enviados serão obrigatoriamente criptografados com exceção dos relativos a testes de conectividade e a comunicação de erros de segurança. v. Todos os arquivos devem possuir uma identificação única garantindo sua rastreabilidade e unicidade de processamento; vi. vii. Todas as Instituições participantes do DDA devem aderir às especificações de segurança do SPB, bem como ao Protocolo de Segurança para troca das mensagens e arquivos; Todo e qualquer arquivo gerado e enviado ao DDA por um de seus participantes é de exclusiva responsabilidade de quem a originou;

14 DDA - Manual de transferência de arquivos b. Diretrizes i. Os Certificados Digitais deverão ser emitidos por uma entidade certificadora que atenda aos requisitos estabelecidos pela legislação vigente e que seja devidamente credenciada para tal pelo Comitê Gestor da Infra-estrutura de Chaves Públicas Brasileira - ICP-Brasil. ii. iii. iv. As Instituições serão responsáveis pela segurança física e lógica de acesso a sua chave privada. A configuração dos ambientes de teste e de produção do DDA nas Instituições deve obedecer aos padrões estabelecidos no Manual da RSFN. As Instituições deverão criar e manter registros (logs) que capacitem a rastreabilidade e/ou a recomposição das transmissões de arquivos geradas no DDA, garantindo assim sua auditabilidade Processos de ativação, substituição e revogação de certificados Os certificados digitais utilizados para a criptografia e assinatura de arquivos no âmbito do DDA deverão respeitar os mesmos procedimentos e recomendações referentes à ativação, substituição e revogação conforme estabelecido no item 4.5 do Manual de Segurança (versão 2.4 novembro de 2006) Especificação para a Segurança dos Arquivos Os arquivos criptografados e assinados no âmbito do DDA devem seguir as especificações de segurança contidas no item 5 do Manual de Segurança (versão 2.4 novembro de 2006) Domínio MES O domínio MES (MES = Mensageria SISBACEN) surgiu com o advento de novas aplicações no âmbito do BACEN. As mensagens e arquivos do DDA transitarão neste domínio. Para utilizar certificado digital no domínio da mensageira do SISBACEN, o certificado deverá ser transmitido ao BACEN, informando no aplicativo PSTAW10 o código de documento CMES (Certificado Digital da Instituição no domínio MES). Caso seja necessário utilizar o mesmo certificado digital para mais de um domínio (Exemplo: MES e SPB), ele deverá ser enviado pelo PSTAW10 para cada um dos domínios separadamente

15 4. CONTATOS TÉCNICOS CIP Assunto Contato Telefone Transferência Arquivo TI (11) Criptografia e assinatura TI (11) digital Gestão de Mudanças TI (11) Conversão Arquivo Problemas de Negócios Monitoração Diurna Monitoração Noturna (11) Assunto Contato Telefone Assunto Contato Telefone Assunto Contato Telefone

MAPX-OP035-2012. Manual Técnico do Cheque Legal

MAPX-OP035-2012. Manual Técnico do Cheque Legal Manual Técnico do Cheque Legal OBJETIVO: O Manual Técnico do Cheque Legal tem como finalidade descrever os procedimentos que as Instituições Participantes devem seguir para configurar e permitir a conexão

Leia mais

SOLICITAÇÃO DE CADASTRO AO PRODUTO CHEQUE LEGAL NA CÂMARA INTERBANCÁRIA DE PAGAMENTOS - CIP

SOLICITAÇÃO DE CADASTRO AO PRODUTO CHEQUE LEGAL NA CÂMARA INTERBANCÁRIA DE PAGAMENTOS - CIP SOLICITAÇÃO DE CADASTRO AO PRODUTO CHEQUE LEGAL NA CÂMARA INTERBANCÁRIA DE PAGAMENTOS - CIP À - CIP Prezado Senhor, XXXXXXXXX, CNPJ nº XXXXXXXXX, Participante no Cheque Legal, representado na forma de

Leia mais

SOLICITAÇÃO DE CADASTRO AO PRODUTO CHEQUE LEGAL NA CÂMARA INTERBANCÁRIA DE PAGAMENTOS - CIP

SOLICITAÇÃO DE CADASTRO AO PRODUTO CHEQUE LEGAL NA CÂMARA INTERBANCÁRIA DE PAGAMENTOS - CIP SOLICITAÇÃO DE CADASTRO AO PRODUTO CHEQUE LEGAL NA CÂMARA INTERBANCÁRIA DE PAGAMENTOS - CIP À - CIP Prezado Senhor, Eu,...(nome completo),...(cargo),... (estado civil), portador da Carteira de Identidade

Leia mais

Projeto de Modernização do Sistema Câmbio Orientação Técnica. Versão 1.0.1

Projeto de Modernização do Sistema Câmbio Orientação Técnica. Versão 1.0.1 Orientação Técnica Versão 1.0.1 Histórico de Revisão Data Versão Descrição Autor 30/09/2010 1.0.0 Versão inicial. Bacen 03/02/2011 1.0.1 Atualização do item 2.2 Utilização do PSTA para troca de mensagens

Leia mais

Manual de Transferência de Arquivos

Manual de Transferência de Arquivos O Manual de Transferência de Arquivos apresenta a ferramenta WebEDI que será utilizada entre FGC/IMS e as Instituições Financeiras para troca de arquivos. Manual de Transferência de Arquivos WebEDI Versão

Leia mais

Cheque Legal. Janeiro 2012. Cheque Legal. Resolução 3.972 artigo 9 º / BACEN 23.01.2012

Cheque Legal. Janeiro 2012. Cheque Legal. Resolução 3.972 artigo 9 º / BACEN 23.01.2012 Cheque Legal Resolução 3.972 artigo 9 º / BACEN 23.01.2012 Agenda Abertura O que é Cheque Legal? Fluxo de negócio Leiaute da tela de consulta Aspectos técnicos Cronograma Processo de adesão Plano homologatório

Leia mais

Especificação Técnica

Especificação Técnica Pág. 1/8 CONTRATAÇÃO DE SOLUÇÃO SMS Pág. 2/8 Equipe Responsável Elaboração Assinatura Data Divisão de Padrões de Tecnologia DIPT Aprovação Assinatura Data Departamento de Arquitetura Técnica DEAT Pág.

Leia mais

Manual de utilização do STA Web

Manual de utilização do STA Web Sistema de Transferência de Arquivos Manual de utilização do STA Web Versão 1.1.7 Sumário 1 Introdução... 3 2 Segurança... 3 2.1 Autorização de uso... 3 2.2 Acesso em homologação... 3 2.3 Tráfego seguro...

Leia mais

MANUAL MAPX-OP016-2009

MANUAL MAPX-OP016-2009 MANUAL MANUAL DE Público CIP - 2010 OBJETIVO: Este documento tem como objetivo descrever os leiautes dos arquivos utilizados no DDA e as validações realizadas nos campos. A estrutura dos arquivos e o padrão

Leia mais

TUTORIAL ACESSO AO SISTEMA DE TRANSFERÊNCIA DE RESERVAS STR. Dezembro/2014

TUTORIAL ACESSO AO SISTEMA DE TRANSFERÊNCIA DE RESERVAS STR. Dezembro/2014 TUTORIAL ACESSO AO SISTEMA DE TRANSFERÊNCIA DE RESERVAS STR Dezembro/2014 1. Introdução... 2 2. Estrutura de contas no BC... 2 3. Formas de acesso ao STR... 3 Acesso via RSFN... 3 Acesso via Internet...

Leia mais

Web Service - NFS-e. Definição das especificações e critérios técnicos necessários para utilização do WebService. FREIRE INFORMÁTICA Versão 2.

Web Service - NFS-e. Definição das especificações e critérios técnicos necessários para utilização do WebService. FREIRE INFORMÁTICA Versão 2. 2014 Web Service - NFS-e Definição das especificações e critérios técnicos necessários para utilização do WebService Este manual tem como objetivo orientar os usuários, sobre os procedimentos relativos

Leia mais

CARTA-CIRCULAR N 3010. Documento normativo revogado pela Carta-Circular 3.040, de 30/08/2002, a partir de 09/09/2002.

CARTA-CIRCULAR N 3010. Documento normativo revogado pela Carta-Circular 3.040, de 30/08/2002, a partir de 09/09/2002. CARTA-CIRCULAR N 3010 Documento normativo revogado pela Carta-Circular 3.040, de 30/08/2002, a partir de 09/09/2002. Esclarece procedimentos para operação de participante em regime de contingência no âmbito

Leia mais

Mercado Eletrônico Instalação e Atualização MEConnect2

Mercado Eletrônico Instalação e Atualização MEConnect2 Manual de Usuário da Plataforma de compras do Grupo José de Mello - Mercado Eletrônico Instalação e Atualização MEConnect2 1 Índice 1. Introdução... 3 2. Visão Geral... 3 3. Instalação e Atualização...

Leia mais

Serviços Remotos Xerox Um passo na direção certa

Serviços Remotos Xerox Um passo na direção certa Serviços Remotos Xerox Um passo na direção certa Diagnóstico de problemas Avaliação dos dados da máquina Pesquisa de defeitos Segurança garantida do cliente 701P41699 Visão geral dos Serviços Remotos Sobre

Leia mais

Manual Comunica S_Line

Manual Comunica S_Line 1 Introdução O permite a comunicação de Arquivos padrão texto entre diferentes pontos, com segurança (dados criptografados e com autenticação) e rastreabilidade, isto é, um CLIENTE pode receber e enviar

Leia mais

Diretoria de Assuntos Internacionais Gerência-Executiva de Normatização de Câmbio e Capitais Estrangeiros

Diretoria de Assuntos Internacionais Gerência-Executiva de Normatização de Câmbio e Capitais Estrangeiros Diretoria de Assuntos Internacionais Gerência-Executiva de Normatização de Câmbio e Capitais Estrangeiros Geraldo Magela Siqueira Rio de Janeiro 16 / 17 de março de 2010 Contextualização As novas condições

Leia mais

É CLOUD. É ON-DEMAND.

É CLOUD. É ON-DEMAND. É CLOUD. É ON-DEMAND. Última geração de software para transferência de arquivos digitais PARA MOVIMENTAÇÃO INTELIGENTE DA SUA MÍDIA Conceito digital FedEx: A maneira mais fácil e confiável para enviar

Leia mais

Tutorial. O Trade e a Nota Fiscal Eletrônica

Tutorial. O Trade e a Nota Fiscal Eletrônica Tutorial O Trade e a Nota Fiscal Eletrônica Este tutorial explica como configurar o Trade Solution e realizar as principais atividades relacionadas à emissão e ao gerenciamento das Notas Fiscais Eletrônicas

Leia mais

Falaremos um pouco das tecnologias e métodos utilizados pelas empresas e usuários domésticos para deixar a sua rede segura.

Falaremos um pouco das tecnologias e métodos utilizados pelas empresas e usuários domésticos para deixar a sua rede segura. Módulo 14 Segurança em redes Firewall, Criptografia e autenticação Falaremos um pouco das tecnologias e métodos utilizados pelas empresas e usuários domésticos para deixar a sua rede segura. 14.1 Sistemas

Leia mais

ATA DE REUNIÃO. 1) Recebimento de eventuais questionamentos e/ou solicitações de esclarecimentos Até 18/02/2009 às 18:00 horas;

ATA DE REUNIÃO. 1) Recebimento de eventuais questionamentos e/ou solicitações de esclarecimentos Até 18/02/2009 às 18:00 horas; ATA DE REUNIÃO CONSULTA PÚBLICA PARA AQUISIÇÃO DE SOLUÇÃO WEB-EDI Troca Eletrônica de Dados. Local Dataprev Rua Cosme Velho nº 06 Cosme Velho Rio de Janeiro / RJ. Data: 06/03/2009 10:30 horas. Consolidação

Leia mais

Perguntas Frequentes de Desenvolvedores

Perguntas Frequentes de Desenvolvedores 1 Perguntas Frequentes de Desenvolvedores (Atualizado em 10/03/2014) 1. SUMÁRIO 2. POR ONDE EU COMEÇO?... 1 Sou desenvolvedor de Software (ou Software House) por onde começo?... 1 3. REGISTRO DA EMPRESA

Leia mais

Diretoria de Assuntos Internacionais Gerência-Executiva de Normatização de Câmbio e Capitais Estrangeiros

Diretoria de Assuntos Internacionais Gerência-Executiva de Normatização de Câmbio e Capitais Estrangeiros Diretoria de Assuntos Internacionais Gerência-Executiva de Normatização de Câmbio e Capitais Estrangeiros Thelma Lúcia Pacheco Gerente do Projeto - Gence Lucio Hellery Holanda Oliveira Gerente Alterno

Leia mais

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br Curso de Tecnologia em Redes de Computadores Disciplina: Tópicos Avançados II 5º período Professor: José Maurício S. Pinheiro AULA 5: Certificado Digital e Nota

Leia mais

Perguntas Frequentes de Desenvolvedores

Perguntas Frequentes de Desenvolvedores 1 Perguntas Frequentes de Desenvolvedores (Atualizado em 01/07/2014) SUMÁRIO 1. POR ONDE EU COMEÇO?... 1 Sou desenvolvedor de Software (ou Software House) por onde começo?... 1 2. REGISTRO DA EMPRESA JUNTO

Leia mais

XDR. Solução para Big Data.

XDR. Solução para Big Data. XDR Solução para Big Data. ObJetivo Principal O volume de informações com os quais as empresas de telecomunicações/internet têm que lidar é muito grande, e está em constante crescimento devido à franca

Leia mais

Visão geral do printeract, Serviços Remotos Xerox

Visão geral do printeract, Serviços Remotos Xerox Visão geral do printeract, Serviços Remotos Xerox 701P28680 Visão geral do printeract, Serviços Remotos Xerox Um passo na direção certa Diagnósticos de problemas Avaliação dos dados da máquina Pesquisa

Leia mais

CAMADA DE TRANSPORTE

CAMADA DE TRANSPORTE Curso Técnico de Redes de Computadores Disciplina de Fundamentos de Rede CAMADA DE TRANSPORTE Professora: Juliana Cristina de Andrade E-mail: professora.julianacrstina@gmail.com Site: www.julianacristina.com

Leia mais

Autoridade Certificadora CAIXA Pessoa Física CONTRATO DE ASSINANTE A1

Autoridade Certificadora CAIXA Pessoa Física CONTRATO DE ASSINANTE A1 TERMO DE CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE CERTIFICAÇÃO DIGITAL que entre si fazem, de um lado, como contratada a CAIXA ECONÔMICA FEDERAL, Empresa Pública de Direito Privado, inscrita no CNPJ/MF sob

Leia mais

LEI DE ACESSO A INFORMAÇÃO DIREITO DO CIDADÃO

LEI DE ACESSO A INFORMAÇÃO DIREITO DO CIDADÃO DESCRIÇÃO DO SIGAI O SIGAI (Sistema Integrado de Gestão do Acesso à Informação) é uma solução de software que foi desenvolvida para automatizar os processos administrativos e operacionais visando a atender

Leia mais

INFORMÁTICA PROF. RAFAEL ARAÚJO

INFORMÁTICA PROF. RAFAEL ARAÚJO INFORMÁTICA PROF. RAFAEL ARAÚJO CERTIFICADO DIGITAL O certificado digital é um arquivo eletrônico que contém dados de uma pessoa ou instituição, utilizados para comprovar sua identidade. Este arquivo pode

Leia mais

A EMPRESA. A Future Technology é uma divisão da Do Carmo voltada para o mercado de soluções em tecnologia.

A EMPRESA. A Future Technology é uma divisão da Do Carmo voltada para o mercado de soluções em tecnologia. A EMPRESA A Future Technology é uma divisão da Do Carmo voltada para o mercado de soluções em tecnologia. A experiência da Future Technology nas diversas áreas de TI disponibiliza aos mercados público

Leia mais

COMPLEMENTAÇÃO DA DEFINIÇÃO E CONFIGURAÇÃO DO SISTEMA DE INTERCÂMBIO DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA ENTRE OS ESTADOS PARTES DO MERCOSUL

COMPLEMENTAÇÃO DA DEFINIÇÃO E CONFIGURAÇÃO DO SISTEMA DE INTERCÂMBIO DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA ENTRE OS ESTADOS PARTES DO MERCOSUL MERCOSUL/CMC/DEC.Nº 18/00 COMPLEMENTAÇÃO DA DEFINIÇÃO E CONFIGURAÇÃO DO SISTEMA DE INTERCÂMBIO DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA ENTRE OS ESTADOS PARTES DO MERCOSUL TENDO EM VISTA: o Tratado de Assunção, o Protocolo

Leia mais

ROTEIRO PARA CONFIGURAÇÃO DO AMBIENTE PARA ACESSO AO PERSUS MÓDULO DE GESTÃO DE CONTAS E PROTOCOLO DE IMPUGNAÇÕES E RECURSOS ANS Agência Nacional de

ROTEIRO PARA CONFIGURAÇÃO DO AMBIENTE PARA ACESSO AO PERSUS MÓDULO DE GESTÃO DE CONTAS E PROTOCOLO DE IMPUGNAÇÕES E RECURSOS ANS Agência Nacional de ROTEIRO PARA CONFIGURAÇÃO DO AMBIENTE PARA ACESSO AO PERSUS MÓDULO DE GESTÃO DE CONTAS E PROTOCOLO DE IMPUGNAÇÕES E RECURSOS ANS Agência Nacional de Saúde Suplementar ROTEIRO PARA CONFIGURAÇÃO DO AMBIENTE

Leia mais

Reunião com Empresas Desenvolvedoras de Software

Reunião com Empresas Desenvolvedoras de Software PROJETO SAT-CF-e Sistema Autenticador e Transmissor de Cupom Fiscal Eletrônico Sefaz SP / Deat IV / Documentos Digitais Reunião com Empresas Desenvolvedoras de Software 30/05/2012 Agenda Abertura O projeto

Leia mais

Professor(es): Fernando Pirkel. Descrição da(s) atividade(s):

Professor(es): Fernando Pirkel. Descrição da(s) atividade(s): Professor(es): Fernando Pirkel Descrição da(s) atividade(s): Definir as tecnologias de redes necessárias e adequadas para conexão e compartilhamento dos dados que fazem parte da automatização dos procedimentos

Leia mais

Especificações da oferta Gerenciamento de dispositivos distribuídos: Gerenciamento de ativos

Especificações da oferta Gerenciamento de dispositivos distribuídos: Gerenciamento de ativos Visão geral do Serviço Especificações da oferta Gerenciamento de dispositivos distribuídos: Gerenciamento de ativos Os Serviços de gerenciamento de dispositivos distribuídos ajudam você a controlar ativos

Leia mais

As principais alterações entre as versões 1.0 e 2.0 da NFS-e foram: Não obrigatória. Para informar o responsável pela retenção.

As principais alterações entre as versões 1.0 e 2.0 da NFS-e foram: Não obrigatória. Para informar o responsável pela retenção. As principais alterações entre as versões 1.0 e 2.0 da NFS-e foram: 1) Campos incluídos Campo País Prestador Tomador Prestação do serviço Data de competência no RPS Tipo Num (4) Não obrigatório Não obrigatória

Leia mais

UNICOM / SEFAZ-MS / Jan. 2015 - Versão 1.00

UNICOM / SEFAZ-MS / Jan. 2015 - Versão 1.00 UNICOM / SEFAZ-MS / Jan. 2015 - Versão 1.00 Manual para Emissão da Carta de Correção eletrônica (CT-e) Este Manual tem como finalidade a apresentação do procedimento operacional de uma Carta de Correção

Leia mais

Autoridade Certificadora CAIXA Pessoa Jurídica CONTRATO DE ASSINANTE A1

Autoridade Certificadora CAIXA Pessoa Jurídica CONTRATO DE ASSINANTE A1 TERMO DE CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE CERTIFICAÇÃO DIGITAL que entre si fazem, de um lado, como contratada a CAIXA ECONÔMICA FEDERAL, Empresa Pública de Direito Privado, inscrita no CNPJ/MF sob

Leia mais

CA Nimsoft Monitor. Guia do Probe Monitoramento de resposta do ponto de extremidade do URL. url_response série 4.1

CA Nimsoft Monitor. Guia do Probe Monitoramento de resposta do ponto de extremidade do URL. url_response série 4.1 CA Nimsoft Monitor Guia do Probe Monitoramento de resposta do ponto de extremidade do URL url_response série 4.1 Aviso de copyright do CA Nimsoft Monitor Este sistema de ajuda online (o Sistema ) destina-se

Leia mais

CA Nimsoft Monitor Snap

CA Nimsoft Monitor Snap CA Nimsoft Monitor Snap Guia de Configuração do Monitoramento de conectividade de rede net_connect série 2.9 Aviso de copyright do CA Nimsoft Monitor Snap Este sistema de ajuda online (o Sistema ) destina-se

Leia mais

Rede GlobalWhitepaper

Rede GlobalWhitepaper Rede GlobalWhitepaper Janeiro 2015 Page 1 of 8 1. Visão Geral...3 2. Conectividade Global, qualidade do serviço e confiabilidade...4 2.1 Qualidade Excepcional...4 2.2 Resiliência e Confiança...4 3. Terminais

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA CG ICP-BRASIL COMITÊ GESTOR DA ICP-BRASIL

TERMO DE REFERÊNCIA CG ICP-BRASIL COMITÊ GESTOR DA ICP-BRASIL Presidência da República Casa Civil da Presidência da República TERMO DE REFERÊNCIA CG ICP-BRASIL COMITÊ GESTOR DA ICP-BRASIL 1 1. Introdução O Comitê Gestor da ICP-Brasil (CG ICP-Brasil) é a entidade

Leia mais

SEPLAN. Secretaria de Estado de Planejamento e Desenvolvimento Econômico. RESOLUÇÃO Nº 003/2006 - CEPINF de 15 de agosto de 2006.

SEPLAN. Secretaria de Estado de Planejamento e Desenvolvimento Econômico. RESOLUÇÃO Nº 003/2006 - CEPINF de 15 de agosto de 2006. RESOLUÇÃO Nº 003/2006 - CEPINF de 15 de agosto de 2006. DEFINE a Política de Informática do Estado do Amazonas. O PRESIDENTE DO COMITÊ ESTADUAL DE POLÍTICA DE INFORMÁTICA, no uso de suas atribuições legais,

Leia mais

Configuração dos clientes da rede sem fio cefetmg_aluno

Configuração dos clientes da rede sem fio cefetmg_aluno Configuração dos clientes da rede sem fio cefetmg_aluno Para realizar as configurações do cliente, é necessário que o mesmo possua conta na base institucional de autenticação de usuários de sistemas de

Leia mais

Segurança Internet. Fernando Albuquerque. fernando@cic.unb.br www.cic.unb.br/docentes/fernando (061) 273-3589

Segurança Internet. Fernando Albuquerque. fernando@cic.unb.br www.cic.unb.br/docentes/fernando (061) 273-3589 Segurança Internet Fernando Albuquerque fernando@cic.unb.br www.cic.unb.br/docentes/fernando (061) 273-3589 Tópicos Introdução Autenticação Controle da configuração Registro dos acessos Firewalls Backups

Leia mais

MANUAL PARA CREDENCIAMENTO DE ESTABELECIMENTOS PARA EMISSÃO DE NF-e

MANUAL PARA CREDENCIAMENTO DE ESTABELECIMENTOS PARA EMISSÃO DE NF-e MANUAL PARA CREDENCIAMENTO DE ESTABELECIMENTOS PARA EMISSÃO DE NF-e Este documento tem por objetivo orientar a etapa de Credenciamento para emissão de Nota Fiscal eletrônica (NF-e) por contribuintes paranaenses.

Leia mais

2013 GVDASA Sistemas Administração dos Portais

2013 GVDASA Sistemas Administração dos Portais 2013 GVDASA Sistemas Administração dos Portais 2013 GVDASA Sistemas Administração dos Portais AVISO O conteúdo deste documento é de propriedade intelectual exclusiva da GVDASA Sistemas e está sujeito a

Leia mais

Manual de utilização do STA

Manual de utilização do STA Sistema de Transferência de Arquivos Manual de utilização do STA Versão 1.0.2 Sumário 1 Introdução... 4 2 Disponibilidade... 4 3 Funcionalidades... 4 4 Segurança... 5 4.1 Autorização de uso... 5 4.2 Acesso

Leia mais

NORMAS PARA O USO DE SISTEMA DE PROTEÇÃO FIREWALL DE PERÍMETRO NO ÂMBITO DA REDE INFOVIA-MT

NORMAS PARA O USO DE SISTEMA DE PROTEÇÃO FIREWALL DE PERÍMETRO NO ÂMBITO DA REDE INFOVIA-MT CONSELHO SUPERIOR DO SISTEMA ESTADUAL DE E TECNOLOGIA DA NORMAS PARA O USO DE SISTEMA DE PROTEÇÃO FIREWALL DE PERÍMETRO NO ÂMBITO DA REDE INFOVIA-MT 1/10 CONSELHO SUPERIOR DO SISTEMA ESTADUAL DE E TECNOLOGIA

Leia mais

Data Versão Descrição Autores E-mail 22/11/2001 Elaboração L. Germano Guimarães ASBACE/ATP Frederico Burgos Bacen 22/11/2001

Data Versão Descrição Autores E-mail 22/11/2001 Elaboração L. Germano Guimarães ASBACE/ATP Frederico Burgos Bacen 22/11/2001 GT-SEGURANÇA MANUAL DE SEGURANÇA DA RSFN Versão 3.2 Abril/2013 Histórico de Revisão Data Versão Descrição Autores E-mail 22/11/2001 Elaboração L. Germano Guimarães ASBACE/ATP Frederico Burgos Bacen 22/11/2001

Leia mais

Nota Fiscal Eletrônica NOTA FISCAL ELETRÔNICA

Nota Fiscal Eletrônica NOTA FISCAL ELETRÔNICA Nota Fiscal Eletrônica NOTA FISCAL ELETRÔNICA Sistema Tributário Brasileiro (1967) Obrigações acessórias em excesso, muitas vezes redundantes Verificação Fiscal complexa e trabalhosa Altos custos com emissão,

Leia mais

Configurações necessárias para emissão de NF-e no sistema Lojamix

Configurações necessárias para emissão de NF-e no sistema Lojamix Configurações necessárias para emissão de NF-e no sistema Lojamix Versão 1.10 Data da última atualização 07/11/2011 Configurações necessárias para emissão de NF-e no sistema Lojamix. Para emissão de NF-e

Leia mais

FOUR Soluções. Projeto Integrador Documento Visão. Versão <1.0>

FOUR Soluções. Projeto Integrador Documento Visão. Versão <1.0> FOUR Soluções Projeto Integrador Documento Visão Versão Histórico de Revisões Data Versão Descrição Autor 24/11/2014 001 Reunião para discussão e divisão do trabalho Eudes Pina 24/11/2014 002 Apresentação

Leia mais

Arquitetura de Redes. Sistemas Operacionais de Rede. Protocolos de Rede. Sistemas Distribuídos

Arquitetura de Redes. Sistemas Operacionais de Rede. Protocolos de Rede. Sistemas Distribuídos Arquitetura de Redes Marco Antonio Montebello Júnior marco.antonio@aes.edu.br Sistemas Operacionais de Rede NOS Network Operating Systems Sistemas operacionais que trazem recursos para a intercomunicação

Leia mais

67 das 88 vagas no AFRF no PR/SC 150 das 190 vagas no TRF no PR/SC 150 das 190 vagas no TRF Conquiste sua vitória ao nosso lado

67 das 88 vagas no AFRF no PR/SC 150 das 190 vagas no TRF no PR/SC 150 das 190 vagas no TRF Conquiste sua vitória ao nosso lado Carreira Policial Mais de 360 aprovados na Receita Federal em 2006 67 das 88 vagas no AFRF no PR/SC 150 das 190 vagas no TRF no PR/SC 150 das 190 vagas no TRF Conquiste sua vitória ao nosso lado Apostila

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com

REDES DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com - Aula Complementar - MODELO DE REFERÊNCIA OSI Este modelo se baseia em uma proposta desenvolvida pela ISO (International Standards Organization) como um primeiro passo em direção a padronização dos protocolos

Leia mais

Fortaleza Digital. Aker FIREWALL UTM. Sua empresa mais forte com uma solução completa de segurança digital.

Fortaleza Digital. Aker FIREWALL UTM. Sua empresa mais forte com uma solução completa de segurança digital. Aker FIREWALL UTM Fortaleza Digital Sua empresa mais forte com uma solução completa de segurança digital. Ideal para o ambiente corporativo, com o Aker Firewall UTM você tem o controle total das informações

Leia mais

PORTARIA N 1279, DE 23 DE DEZEMBRO DE 2010

PORTARIA N 1279, DE 23 DE DEZEMBRO DE 2010 PORTARIA N 1279, DE 23 DE DEZEMBRO DE 2010 O DIRETOR DO DEPARTAMENTO NACIONAL DE TRÂNSITO - DENATRAN, no uso da atribuição que lhe confere o artigo 19 da Lei nº. 9.503, de 23 de setembro de 1997, que instituiu

Leia mais

II- profissional tecnicamente capacitado, com conhecimentos cientificamente

II- profissional tecnicamente capacitado, com conhecimentos cientificamente MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA PORTARIA Nº 240, DE 2 DE JUNHO DE 2014 O Presidente do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais

Leia mais

INFORMÁTICA PROF. RAFAEL ARAÚJO

INFORMÁTICA PROF. RAFAEL ARAÚJO INFORMÁTICA PROF. RAFAEL ARAÚJO CERTIFICADO DIGITAL O certificado digital é um arquivo eletrônico que contém dados de uma pessoa ou instituição, utilizados para comprovar sua identidade. Este arquivo pode

Leia mais

USO GERAL DOS PROTOCOLOS SMTP, FTP, TCP, UDP E IP

USO GERAL DOS PROTOCOLOS SMTP, FTP, TCP, UDP E IP USO GERAL DOS PROTOCOLOS SMTP, FTP, TCP, UDP E IP SMTP "Protocolo de transferência de correio simples (ou em inglês Simple Mail Transfer Protocol ) é o protocolo padrão para envio de e- mails através da

Leia mais

IBM Managed Security Services for Agent Redeployment and Reactivation

IBM Managed Security Services for Agent Redeployment and Reactivation Descrição de Serviços IBM Managed Security Services for Agent Redeployment and Reactivation EM ADIÇÃO AOS TERMOS E CONDIÇÕES ESPECIFICADOS ABAIXO, ESSA DESCRIÇÃO DE SERVIÇOS INCLUI AS IBM MANAGED SECURITY

Leia mais

A ISO 17799 esta dividida em 12 seções da seguinte forma: 1. Objetivo da norma. 2. Termos e definições: 3. Poĺıtica de segurança.

A ISO 17799 esta dividida em 12 seções da seguinte forma: 1. Objetivo da norma. 2. Termos e definições: 3. Poĺıtica de segurança. A 17799 se refere a mecanismos organizacionais para garantir a segurança da informação. Não é uma norma que define aspectos técnicos de nenhuma forma, nem define as características de segurança de sistemas,

Leia mais

Soluções em Segurança

Soluções em Segurança Desafios das empresas no que se refere a segurança da infraestrutura de TI Dificuldade de entender os riscos aos quais a empresa está exposta na internet Risco de problemas gerados por ameaças externas

Leia mais

Conecta S_Line. 2.2 Downloads Para instalar o Conecta S_Line, basta acessar www.sline.com.br/downloads.aspx

Conecta S_Line. 2.2 Downloads Para instalar o Conecta S_Line, basta acessar www.sline.com.br/downloads.aspx 1 Introdução O Conecta S_Line permite que o laboratório envie à Central S_Line os resultados de exames gerados pelo Sistema de Informação Laboratorial (LIS) em forma de arquivos digitais. Todo o processo

Leia mais

DESCRIÇÃO DO TRABALHO - VERSÃO DE 29/04/2006 15:00.

DESCRIÇÃO DO TRABALHO - VERSÃO DE 29/04/2006 15:00. DESCRIÇÃO DO TRABALHO - VERSÃO DE 29/04/2006 15:00. Descrição Geral do trabalho. O objetivo do trabalho será o desenvolvimento de um programa Cliente/Servidor para o envio e recebimento de arquivos. Os

Leia mais

MANUAL DO PERSUS OPERADORAS MÓDULO DE GESTÃO DE CONTAS ANS Agência Nacional de Saúde Suplementar

MANUAL DO PERSUS OPERADORAS MÓDULO DE GESTÃO DE CONTAS ANS Agência Nacional de Saúde Suplementar MANUAL DO PERSUS OPERADORAS MÓDULO DE GESTÃO DE CONTAS ANS Agência Nacional de Saúde Suplementar MANUAL DO PERSUS - OPERADORAS MÓDULO DE GESTÃO DE CONTAS Índice 1. INTRODUÇÃO...5 2. MÓDULO DE GESTÃO DE

Leia mais

1. A quebra de sistemas criptográficos simétricos sempre depende da descoberta da chave secreta utilizada no processo criptográfico.

1. A quebra de sistemas criptográficos simétricos sempre depende da descoberta da chave secreta utilizada no processo criptográfico. Exercícios da Parte II: Segurança da Informação Walter Cunha Criptografia (CESPE/PCF-PF 03 2002) 1. A quebra de sistemas criptográficos simétricos sempre depende da descoberta da chave secreta utilizada

Leia mais

MODULO SERVIDOR DE GERENCIAMENTO DE CHAVES DE ENCRIPTAÇÃO AÉREA OTAR P25, FASE 2

MODULO SERVIDOR DE GERENCIAMENTO DE CHAVES DE ENCRIPTAÇÃO AÉREA OTAR P25, FASE 2 MODULO SERVIDOR DE GERENCIAMENTO DE CHAVES DE ENCRIPTAÇÃO AÉREA OTAR P25, FASE 2 Servidor de Gerenciamento de Chaves de Encriptação Aérea (Criptofonia) OTAR (Over The Air Rekeying), para emprego na rede

Leia mais

TERMO DE USO DE SERVIÇO DE VALOR ADICIONADO (SVA)

TERMO DE USO DE SERVIÇO DE VALOR ADICIONADO (SVA) TERMO DE USO DE SERVIÇO DE VALOR ADICIONADO (SVA) Código do Serviço: 3005001 Nome do Serviço: Data de Publicação: 30/04/2013 Entrada em Vigor: SAN AUTENTICAÇÃO 01/06/2013 Versão: 1.0000 Status: Publicado

Leia mais

Roteiro de Instalação da NF-e no Sistema CalcExpress S U M À R I O

Roteiro de Instalação da NF-e no Sistema CalcExpress S U M À R I O Roteiro de Instalação da NF-e no Sistema CalcExpress S U M À R I O Procedimentos de Configuração no CalcExpress....2 Procedimentos de Configuração no Emissor de Nota Fiscal Eletrônica...3 Gerando Arquivo

Leia mais

SolarWinds Kiwi Syslog Server

SolarWinds Kiwi Syslog Server SolarWinds Kiwi Syslog Server Monitoramento de syslog fácil de usar e econômico O Kiwi Syslog Server oferece aos administradores de TI o software de gerenciamento mais econômico do setor. Fácil de instalar

Leia mais

ANEXO À RESOLUÇÃO Nº /2010 REGIMENTO DA DIRETORIA DE TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO

ANEXO À RESOLUÇÃO Nº /2010 REGIMENTO DA DIRETORIA DE TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO ANEXO À RESOLUÇÃO Nº /2010 REGIMENTO DA DIRETORIA DE TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO Art. 1º - A Diretoria de Tecnologia de Informação e Comunicação DTIC da Universidade FEDERAL DO ESTADO DO RIO

Leia mais

Anexo III: Solução de Rede Local - LAN (Local Area Network)

Anexo III: Solução de Rede Local - LAN (Local Area Network) Anexo III: Solução de Rede Local - LAN (Local Area Network) 1. Objeto: 1.1. Contratação de uma Solução de rede de comunicação local (LAN) para interligar diferentes localidades físicas e os segmentos de

Leia mais

1 REQUISITOS BÁSICOS PARA INSTALAR O SMS PC REMOTO

1 REQUISITOS BÁSICOS PARA INSTALAR O SMS PC REMOTO 1 ÍNDICE 1 REQUISITOS BÁSICOS PARA INSTALAR O SMS PC REMOTO... 3 1.1 REQUISITOS BASICOS DE SOFTWARE... 3 1.2 REQUISITOS BASICOS DE HARDWARE... 3 2 EXECUTANDO O INSTALADOR... 3 2.1 PASSO 01... 3 2.2 PASSO

Leia mais

Alternativas de aplicação do serviço GPRS da rede celular GSM em telemetria pela Internet

Alternativas de aplicação do serviço GPRS da rede celular GSM em telemetria pela Internet Alternativas de aplicação do serviço GPRS da rede celular GSM em telemetria pela Internet Marcos R. Dillenburg Gerente de P&D da Novus Produtos Eletrônicos Ltda. (dillen@novus.com.br) As aplicações de

Leia mais

Projeto de Integração das Clearings

Projeto de Integração das Clearings Projeto de Integração das Clearings Workshop Técnico Fase 2 Clearing de Renda Variável e Renda Fixa Privada A implantação da Fase 2 do Projeto de Integração das Clearings depende da aprovação dos órgãos

Leia mais

CERTIFICAÇÃO DIGITAL

CERTIFICAÇÃO DIGITAL CERTIFICAÇÃO DIGITAL 1. INTRODUÇÃO 2. OBJETIVOS 3.CNES - LEGISLAÇÃO EM VIGOR PARA UTILIZAÇÃO DA CERTIFICAÇÃO DIGITAL 4.CERTIFICAÇÃO DIGITAL - COMO OBTER E INICIAR UMA SOLICITAÇÃO 5.CNES - COMO INICIAR

Leia mais

Solução Planner para Nota Fiscal Eletrônica (P/NF-e 3.7)

Solução Planner para Nota Fiscal Eletrônica (P/NF-e 3.7) Solução Planner para Nota Fiscal Eletrônica (P/NF-e 3.7) Introdução Desde abril de 2008 a Nota Fiscal Eletrônica (NF-e) se tornou obrigatória para diversos setores da economia nacional. A cada 6 meses,

Leia mais

Tutorial. O Trade e a Nota Fiscal Eletrônica

Tutorial. O Trade e a Nota Fiscal Eletrônica Tutorial O Trade e a Nota Fiscal Eletrônica Este tutorial explica como configurar o Trade Solution e realizar as principais atividades relacionadas à emissão e ao gerenciamento das Notas Fiscais Eletrônicas

Leia mais

Nota Técnica 2012/003. Divulga Orientações para Utilização da SVC

Nota Técnica 2012/003. Divulga Orientações para Utilização da SVC Projeto Conhecimento de Transporte Eletrônico Nota Técnica 2012/003 Divulga Orientações para Utilização da SVC Maio 2012 Pág. 1 / 12 1. Resumo Esta Nota Técnica divulga e esclarece os procedimentos operacionais

Leia mais

PRÁTICA REQUISITOS MÍNIMOS PARA AS EMPRESAS PRESTADORAS DE SERVIÇOS DE TELECOMUNICAÇÕES PARTICIPANTES DO PROGRAMA NACIONAL DE BANDA LARGA - PNBL

PRÁTICA REQUISITOS MÍNIMOS PARA AS EMPRESAS PRESTADORAS DE SERVIÇOS DE TELECOMUNICAÇÕES PARTICIPANTES DO PROGRAMA NACIONAL DE BANDA LARGA - PNBL PÁG. 1 DE 8 PRÁTICA REQUISITOS MÍNIMOS PARA AS EMPRESAS PRESTADORAS DE SERVIÇOS DE TELECOMUNICAÇÕES PARTICIPANTES DO PROGRAMA NACIONAL DE BANDA LARGA - PNBL ITEM SUMÁRIO PÁG. 1. OBJETIVO... 2 2. CAMPO

Leia mais

A INTERNET E A NOVA INFRA-ESTRUTURA DA TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO

A INTERNET E A NOVA INFRA-ESTRUTURA DA TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO A INTERNET E A NOVA INFRA-ESTRUTURA DA TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO 1 OBJETIVOS 1. O que é a nova infra-estrutura informação (TI) para empresas? Por que a conectividade é tão importante nessa infra-estrutura

Leia mais

Pré-Requisitos Certificação IPN- SINACOR. Projeto: SINACOR - IPN

Pré-Requisitos Certificação IPN- SINACOR. Projeto: SINACOR - IPN Pré-Requisitos Certificação IPN- SINACOR Projeto: SINACOR - IPN A implantação da integração das clearings da BM&FBOVESPA e do novo sistema de risco CORE (Closeout Risk Evaluation) depende de prévia autorização

Leia mais

IPN - Integração da Pós Negociação

IPN - Integração da Pós Negociação IPN - Integração da Pós Negociação IPN Integração da Pós Negociação Manual Operacional da (Fase 1 Derivativos financeiros e de commodities e ouro disponível) Fevereiro / 2014 Índice IPN Integração da Pós

Leia mais

GUIA PARA AFILIAÇÕES

GUIA PARA AFILIAÇÕES GUIA PARA AFILIAÇÕES ÍNDICE INTRODUÇÃO... 3 REDE... 4 Gerando usuário e senha (tecnologia Komerci)... 5 Liberação dos IP s maxipago!... 6 Matriz de Responsabilidades e Prazos... 7 CIELO... 8 Pedindo o

Leia mais

Manual do Cliente NFPS-e Versão 1.6.0.1

Manual do Cliente NFPS-e Versão 1.6.0.1 Sistema de Geração e Emissão de Nota Fiscal de Prestação de Serviços Eletrônica Manual do Cliente NFPS-e Versão 1.6.0.1 FLORIANÓPOLIS - SC 1 Sumário 1 ACRÔNIMOS E ABREVIATURAS... 3 2 INTRODUÇÃO... 4 3

Leia mais

Professor: Gládston Duarte

Professor: Gládston Duarte Professor: Gládston Duarte INFRAESTRUTURA FÍSICA DE REDES DE COMPUTADORES Computador Instalação e configuração de Sistemas Operacionais Windows e Linux Arquiteturas físicas e lógicas de redes de computadores

Leia mais

6 PLANEJAMENTO DE SI 6.1 Planejamento de Segurança da Informação O planejamento em S.I é algo crucial para que haja o bom funcionamento de uma

6 PLANEJAMENTO DE SI 6.1 Planejamento de Segurança da Informação O planejamento em S.I é algo crucial para que haja o bom funcionamento de uma 6 PLANEJAMENTO DE SI 6.1 Planejamento de Segurança da Informação O planejamento em S.I é algo crucial para que haja o bom funcionamento de uma empresa. Diferente do senso comum o planejamento não se limita

Leia mais

INTERNET HOST CONNECTOR

INTERNET HOST CONNECTOR INTERNET HOST CONNECTOR INTERNET HOST CONNECTOR IHC: INTEGRAÇÃO TOTAL COM PRESERVAÇÃO DE INVESTIMENTOS Ao longo das últimas décadas, as organizações investiram milhões de reais em sistemas e aplicativos

Leia mais

Projeto SAT ISS Sistema Autenticador e Transmissor de Documentos Fiscais Eletrônicos. RPS-e SAT ISS

Projeto SAT ISS Sistema Autenticador e Transmissor de Documentos Fiscais Eletrônicos. RPS-e SAT ISS Projeto Sistema Autenticador e Transmissor de Documentos Fiscais Eletrônicos RPS-e Agenda da Apresentação Objetivo Produtos Vantagens Serviços contemplados Modelo de negócios Equipamento SAT Hardware Software

Leia mais

Introdução... 2. Contratando o produto Link2NFe... 2. Assistente de configuração de emissor... 3. Configurações Avançadas do Emissor...

Introdução... 2. Contratando o produto Link2NFe... 2. Assistente de configuração de emissor... 3. Configurações Avançadas do Emissor... 0 Conteúdo Introdução... 2 Contratando o produto Link2NFe.... 2 Assistente de configuração de emissor.... 3 Configurações Avançadas do Emissor... 5 Conhecendo o Gerenciador de Recursos da Link2business....

Leia mais

SEGURANÇA DE INFORMAÇÕES

SEGURANÇA DE INFORMAÇÕES SEGURANÇA DE INFORMAÇÕES Data: 17 de dezembro de 2009 Pág. 1 de 11 SUMÁRIO SUMÁRIO 2 1. INTRODUÇÃO 3 2. FINALIDADE 3 3. ÂMBITO DE APLICAÇÃO 3 4. PRINCÍPIOS GERAIS DE UTILIZAÇÃO DOS RECURSOS DE INFORMAÇÃO

Leia mais

Soluções em Tecnologia da Informação

Soluções em Tecnologia da Informação Soluções em Tecnologia da Informação Curitiba Paraná Salvador Bahia A DTS Sistemas é uma empresa familiar de Tecnologia da Informação, fundada em 1995, especializada no desenvolvimento de soluções empresariais.

Leia mais

Minicurso MoReq-Jus Mar/2010

Minicurso MoReq-Jus Mar/2010 Minicurso MoReq-Jus Mar/2010 Pauta O que é um Modelo de Requisitos? Modelo de Requisitos: Benefícios Pirâmide de Requisitos MoReq-Jus Motivação Objetivos Principais referências Evolução Abrangência dos

Leia mais

CONTROLADOR CENTRAL P25 FASE 1 CAPACIDADE MÍNIMA PARA CONTROLAR 5 SITES

CONTROLADOR CENTRAL P25 FASE 1 CAPACIDADE MÍNIMA PARA CONTROLAR 5 SITES CONTROLADOR CENTRAL P25 FASE 1 CAPACIDADE MÍNIMA PARA CONTROLAR 5 SITES O sistema digital de radiocomunicação será constituído pelo Sítio Central, Centro de Despacho (COPOM) e Sítios de Repetição interligados

Leia mais

Gerência de Redes e Serviços de Comunicação Multimídia

Gerência de Redes e Serviços de Comunicação Multimídia UNISUL 2013 / 1 Universidade do Sul de Santa Catarina Engenharia Elétrica - Telemática 1 Gerência de Redes e Serviços de Comunicação Multimídia Aula 3 Gerenciamento de Redes Cenário exemplo Detecção de

Leia mais

CCS Cadastro de Clientes do SFN Orientação Técnica. Versão 1.1.8

CCS Cadastro de Clientes do SFN Orientação Técnica. Versão 1.1.8 CCS Cadastro de Clientes do SFN Versão 1.1.8 Histórico de Revisão Data Versão Descrição Autor 27/12/2004 1.0.0 Versão Inicial Deinf/Dine-1 29/12/2004 1.0.1 Alterado o termo enviado para aceito na frase

Leia mais