ESTADOS UNIDOS SECURITIES AND EXCHANGE COMMISSION Washington, D.C FORMULÁRIO 20-F

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ESTADOS UNIDOS SECURITIES AND EXCHANGE COMMISSION Washington, D.C. 20549 FORMULÁRIO 20-F"

Transcrição

1 ESTADOS UNIDOS SECURITIES AND EXCHANGE COMMISSION Washington, D.C FORMULÁRIO 20-F (Assinalar Uma Opção) TERMO DE REGISTRO DE ACORDO COM O ARTIGO 12(b) OU (g) DO SECURITIES EXCHANGE ACT (Lei de Mercado de Capitais) DE 1934 OU RELATÓRIO ANUAL DE ACORDO COM O ARTIGO 13 OU 15(d) DO SECURITIES EXCHANGE ACT DE 1934 Relativo ao exercício fiscal encerrado em 31 de dezembro de 2011 OU RELATÓRIO DE TRANSIÇÃO DE ACORDO COM O ARTIGO 13 OU 15(d) DO SECURITIES EXCHANGE ACT DE 1934 Relativo ao período de transição de a OU RELATÓRIO DE SHELL COMPANY DE ACORDO COM O ARTIGO 13 OU 15(d) DO SECURITIES EXCHANGE ACT DE 1934 Data de evento que requeira este relatório de shell company Número do arquivo na comissão: BANCO SANTANDER (Brasil) S.A. (Denominação exata da Requerente especificada em seu ato constitutivo) República Federativa do Brasil (Jurisdição de Constituição) Avenida Presidente Juscelino Kubitschek, 2041 e 2235 Bloco A Vila Olímpia São Paulo, SP República Federativa do Brasil (Endereço da sede) James H. Bathon, Diretoria Executiva Banco Santander S.A. Filial de Nova York 45 E. 53rd Street Nova York, Nova York 10022, (212) (Nome, Telefone, de e/ou número de Fax e Endereço de Pessoa de Contato da Companhia) Valores Mobiliários registrados ou que serão registrados de acordo com o Artigo 12(b) da Lei: Título de cada classe American Depositary Shares, cada qual representativa do direito de receber 55 ações ordinárias, sem valor nominal, e 50 ações preferenciais, sem valor nominal, do Banco Santander (Brasil) S.A. Nome de cada bolsa de valores na qual estão registrados Bolsa de Valores de Nova York Valores mobiliários registrados ou que serão registrados de acordo com o Artigo 12(g) da Lei: Nenhum (Título da Classe)

2 Valores mobiliários com relação aos quais existe obrigação de prestação de informações de acordo com o Artigo 15(d) da Lei: Nenhum (Título da Classe) Especificar o número de ações em circulação de cada uma das classes de capital social ou ação ordinária da emissora no encerramento da negociação coberta pelo relatório anual ações ordinárias ações preferenciais Assinalar se a requerente for emissora conhecida e tradicional, conforme definição contida na Regra 405 do Securities Act. Sim Não Caso este relatório seja um relatório anual ou de transição, assinalar se a requerente não for obrigada a arquivar relatórios de acordo com o Artigo 13 ou 15(d) do Securities Exchange Act de Sim Não Assinalar se a requerente (1) tiver arquivado todos os relatórios que devam ser arquivados nos termos do Artigo 13 ou 15(d) do Securities Exchange Act de 1934 no período precedente de 12 meses (ou período menor durante o qual a requerente fosse obrigada a arquivar os relatórios), e (2) estiver sujeita a essas exigências de arquivamento nos últimos 90 dias. Sim Não Assinalar se a requerente tiver submetido eletronicamente e postado em seu site corporativo, se houver, todos os Arquivos de Dados Interativos que devam ser submetidos e postados de acordo com a Regra 405 do Regulamento S-T no período precedente de 12 meses (ou período menor durante o qual a requerente fosse obrigada a submeter e postar os arquivos). Sim Não Assinalar se a requerente for registrante antecipada de grande porte (large accelerated filer), registrante antecipada (accelerated filer) ou registrante não antecipada (non-accelerated filer). Vide definição de registrante antecipada (acclerated filer) e registrante antecipada de grande porte (large accelerated filer) na Regra 12b-2 do Exchange Act. (Assinalar uma opção): Registrante antecipada de grande porte Registrante antecipada Registrante não antecipada Assinalar a base contábil empregada pela requerente na elaboração das demonstrações financeiras incluídas neste arquivamento: US GAAP Normas Internacionais de Relatórios Financeiros emitidos pelo Conselho Internacional de Normas Contábeis Outros Caso o campo Outros tenha sido assinalado com relação à pergunta anterior, assinalar que item da demonstração financeira a requerente optou por adotar. Item 17 Item 18 Caso este relatório seja anual, assinalar se a requerente for empresa não negociável (conforme definição contida na Regra 12b-2 do Exchange Act). Sim Não

3 BANCO SANTANDER (BRASIL) S.A. ÍNDICE APRESENTAÇÃO DAS INFORMAÇÕES FINANCEIRAS E OUTRAS INFORMAÇÕES... 1 CONSIDERAÇÕES SOBRE PERSPECTIVAS E PROJEÇÕES... 3 PARTE I... 4 ITEM 1. DESCRIÇÃO DOS CONSELHEIROS, DIRETORES E ALTA ADMINISTRAÇÃO... 4 A. Diretores e Alta Administração... 4 B. Conselheiros... 4 C. Auditores... 4 ITEM 2. ESTATÍSTICAS DA OFERTA E CRONOGRAMA PREVISTO... 4 A. Estatísticas da Oferta... 4 B. Metodologia e Cronograma Previsto... 4 ITEM 3. INFORMAÇÕES RELEVANTES... 5 A. Dados Financeiros Selecionados... 5 B. Capitalização e endividamento C. Motivos da oferta e uso dos resultados D. Fatores de Risco ITEM 4. INFORMAÇÕES SOBRE A COMPANHIA A. Histórico e desenvolvimento da Companhia B. Visão Geral do Negócio C. Estrutura Organizacional D. Imobilizado ITEM 4A. COMENTÁRIOS NÃO RESOLVIDOS ITEM 5. ANÁLISE E DISCUSSÃO DA ADMINISTRAÇÃO SOBRE A SITUAÇÃO FINANCEIRA E OS RESULTADOS OPERACIONAIS A. Resultados Operacionais B. Liquidez e Recursos de Capital C. Pesquisa e desenvolvimento, patentes e licenças, etc D. Informações sobre tendência E. Contratos registrados em contas de compensação F. Obrigações Contratuais ITEM 6. CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO, DIRETORIA E FUNCIONÁRIOS A. Administração B. Remuneração C. Práticas do Conselho

4 D. Funcionários E. Titularidade de Ações ITEM 7. PRINCIPAIS ACIONISTAS E TRANSAÇÕES COM PARTES RELACIONADAS A. Principais Acionistas B. Operações com partes relacionadas C. Participação de peritos e advogados ITEM 8. INFORMAÇÕES FINANCEIRAS A. Demonstrações Contábeis Consolidadas e Outras Informações Financeiras B. Mudanças Significativas ITEM 9. A OFERTA E LISTAGEM A. Detalhes da oferta e listagem B. Plano de distribuição C. Informações Sobre o Mercado D. Acionistas vendedores E. Diluição F. Despesas da emissão ITEM 10. INFORMAÇÕES ADICIONAIS A. Capital social B. Estatuto Social C. Contratos Relevantes D. Controles Cambiais E. Tributação F. Dividendos e agentes de pagamento G. Declaração de peritos H. Documentos disponibilizados I. Informações de Subsidiárias ITEM 11. DIVULGAÇÕES QUANTITATIVAS E QUALITATIVAS SOBRE RISCO ITEM 12. DESCRIÇÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS QUE NÃO AÇÕES A. Títulos de Dívida B. Bônus de Subscrição e Direitos C. Outros Valores Mobiliários D. Descrição dos American Depositary Shares PARTE II ITEM 13. INADIMPLÊNCIASE OUTROS ATRASOS A. Inadimplências B. Atrasos e Falhas ITEM 14. MODIFICAÇÕES RELEVANTES DOS DIREITOS DOS DETENTORES DE VALORES MOBILIÁRIOS E DESTINAÇÃO DOS RECURSOS ITEM 15. CONTROLES E PROCEDIMENTOS DE DIVULGAÇÃO

5 A. Procedimentos e controles de divulgação B. Relatório anual da administração sobre controle interno e sobre relatórios financeiros C. Relatório de auditoria da empresa de contabilidade pública registrado D. Mudanças no controle interno sobre a emissão de relatórios financeiros ITEM 16. [RESERVADO] ITEM 16A. Especialista Financeiro do Comitê de Auditoria ITEM 16B. Código de Ética ITEM 16C. Honorários e Serviços dos Principais Auditores ITEM 16D. Isenções das Normas de Registro para os Comitês de Auditoria ITEM 16E. Compra de Ações pelo Emissor e Compradores Afiliados ITEM 16F. Mudança na Auditoria Independente do Registrante ITEM 16G. Governança Corporativa ITEM 16H. Mine Safety Disclosure PARTE III ITEM 17. DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS ITEM 18. DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS ITEM 19. ANEXOS

6 APRESENTAÇÃO DAS INFORMAÇÕES FINANCEIRAS E OUTRAS INFORMAÇÕES Neste relatório anual, os termos Santander Brasil, o Banco, nós, nosso e nossa companhia significam Banco Santander (Brasil) S.A. e suas subsidiárias consolidadas (incluindo, a partir de 30 de agosto de 2008, as entidades do Banco Real), exceto quando indicado de outra forma. Referências ao Banco Real significam Banco ABN AMRO Real S.A. e ABN AMRO Brasil Dois Participações S.A. e suas respectivas subsidiárias consolidadas, exceto quando indicado de outra forma. Referências ao Banespa significam Banco do Estado de São Paulo S.A. Banespa, uma de nossas entidades predecessoras. Os termos Santander Espanha e nossa matriz significam Banco Santander, S.A. Referências ao Santander Grupo ou Grupo Santander significam as operações globais do conglomerado Santander Espanha, como indiretamente controladas pelo Santander Espanha e suas subsidiárias consolidadas, incluindo o Santander Brasil. Todas as referências neste documento a real, reais ou R$ são referências a reais brasileiros, a moeda oficial do Brasil. Todas as referências a dólares norte-americanos, dólares ou US$ são a dólares norte-americanos. Todas as referências a euro, euros ou são à moeda comum oficial dos estados-membros da União Econômica e Monetária Europeia. Referências a CI$ são a dólares das Ilhas Cayman. Vide Item 3. Informações Relevantes A. Dados Financeiros Selecionados Taxas de Câmbio para obter informações sobre as taxas de câmbio da moeda brasileira. Exclusivamente para a conveniência do leitor, convertemos determinados valores incluídos em Item 3. Informações Relevantes A.Dados Financeiros Selecionados e em outros locais deste relatório anual de reais para dólares norte-americanos, utilizando a taxa de câmbio informada pelo Banco Central do Brasil, o Banco Central do Brasil ou BACEN, em 31 de dezembro de 2011, de R$1,8758 por US$1,00, ou nas datas indicadas (sujeitas a arredondamentos). Não garantimos que quantias em real ou em dólares norte-americanos de fato representam, podem ter sido ou poderão ser convertidos em dólares norte-americanos nas taxas indicadas, nas taxas específicas ou em qualquer taxa em geral. Determinados números incluídos neste relatório anual foram objeto de arredondamentos. Portanto, alguns dos números totais constantes de determinadas tabelas podem não representar a soma exata dos valores que os precedem. Demonstrações Financeiras Consolidadas Mantemos nossos livros e registros em reais, nossa moeda funcional e moeda de apresentação para nossas demonstrações financeiras consolidadas. Este relatório anual contém nossas demonstrações financeiras consolidadas em 31 de dezembro de 2011, 2010 e 2009, e dos exercícios fiscais encerrados em 31 de dezembro de 2011, 2010 e Tais demonstrações financeiras consolidadas foram preparadas de acordo com as Normas Internacionais de Contabilidade ( IFRS ) estabelecidas pelo International Accounting Standards Board ( IASB ) e com as interpretações emitidas pelo International Financial

7 Reporting Interpretations Committee ( IFRIC ) e foram auditadas pela Deloitte Touche Tohmatsu Auditores Independentes, escritório de auditores independentes, cujo parecer encontra-se aqui incluído. Em 29 de agosto de 2008, o Banco ABN AMRO Real S.A. e a ABN AMRO Brasil Dois Participações S.A. (em conjunto, o Banco Real ) se tornaram nossas subsidiárias integrais através de uma incorporação de ações. As IFRS diferem em determinados aspectos significantes dos U.S. GAAP. As IFRS também diferem em certos aspectos significativos dos BR GAAP. A nota explicativa 45 às nossas demonstrações financeiras consolidadas auditadas para os exercícios fiscais encerrados em 31 de dezembro de 2011, 2010 e 2009, incluídas neste documento, contêm informações relacionadas a determinadas diferenças entre IFRS e BR GAAP. Por questões legais, de acordo com a Resolução N do Conselho Monetário Nacional ( CMN ), datada de 24 de setembro de 2009, temos que cumprir com as exigências do Banco Central do Brasil relativas à elaboração das demonstrações financeiras consolidadas de acordo com as IFRS, conforme divulgado pelo IASB. No entanto, também continuaremos a elaborar demonstrações financeiras estatutárias em conformidade com as práticas contábeis estabelecidas pela lei de sociedades por ações brasileira e normas estabelecidas pelo CMN, pelo Banco Central do Brasil e pelo modelo de documento fornecido pelo Plano Contábil das Instituições Financeiras Nacional ( Cosif ), e pela Comissão de Valores Mobiliários ( CVM ) na medida em que tais práticas não entrem em conflito com as normas do BACEN, Comitê de Pronunciamentos Contábeis ( CPC ), o Conselho Nacional de Seguros Privados ( CNSP ) e a Superintendência de Seguros Privados ( SUSEP ). Referimos-nos a essas práticas contábeis brasileiras como BR GAAP. Vide Item 4. Informações sobre a Companhia B. Visão Geral do Negócio Visão Regulatória Exigências de Auditoria. Participação no Mercado e Outras Informações Extraímos as informações de mercado e de posicionamento em relação à concorrência, inclusive previsões de mercado, utilizadas em todo este relatório anual, de pesquisas internas, pesquisa de mercado, informações disponíveis ao público e publicações do nosso setor. Esses dados são atualizados de acordo com as informações disponíveis mais recentes referentes a Essas declarações foram baseadas em informações de terceiros, que acreditamos serem fontes confiáveis, como a Associação Brasileira de Empresas de Cartões de Crédito e Serviços, ou ABECS, a Associação Brasileira de Empresas de Leasing, ou ABEL, a Associação Brasileira das Entidades de Crédito Imobiliário e Poupança, ou ABECIP, a Associação Nacional das Instituições de Crédito, Financiamento e Investimento, ou ACREFI, a Federação Brasileira de Bancos, ou FEBRABAN, o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social, ou BNDES, o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística, ou IBGE ; o Banco Central do Brasil; o Sistema do Banco Central, ou SISBACEN, um banco de dados do Banco Central do Brasil, a Fundação Getúlio Vargas, ou FGV ; a Superintendência de Seguros Privados, ou SUSEP ; a Associação Brasileira das Entidades dos Mercados Financeiro e de Capitais, ou ANBIMA e a Federação Nacional de Previdência Privada e Vida, ou FENAPREVI, entre outros. As publicações do setor e governamentais, inclusive aquelas 2

8 mencionadas neste relatório anual, de forma geral indicam que as informações apresentadas foram obtidas de fontes consideradas confiáveis, mas que a exatidão e integralidade dessas informações não são garantidas. Ainda que não tenhamos motivos para acreditar que as informações ou relatórios sejam imprecisos em algum aspecto relevante, não verificamos de modo independente os dados relativos ao posicionamento em relação à concorrência, nossa participação de mercado, dimensão do mercado, crescimento do mercado ou outros dados fornecidos por terceiros ou extraídos de publicações setoriais ou outras publicações. Não prestamos qualquer declaração quanto à exatidão dessas informações. CONSIDERAÇÕES SOBRE PERSPECTIVAS E PROJEÇÕES Este relatório anual contém considerações sobre estimativas e projeções, principalmente nas seções Item 3. Informações Relevantes D. Fatores de Risco, Item 5. Análise e Perspectiva da Situação Financeira e Operacional e Item 4. Informações sobre a Companhia B. Visão Geral do Negócio. Algumas questões discutidas com relação ao desempenho de nossas atividades operacionais e financeira incluem considerações sobre estimativas e projeções, dentro do significado do Securities Act Norte-Americano de 1933 (o Securities Act ) e do Securities Exchange Act Norte- Americano de 1934 (o Exchange Act ). Nossas considerações sobre estimativas e projeções estão baseadas principalmente em nossas atuais expectativas e projeções sobre eventos futuros e tendências que afetam ou podem afetar nossos negócios e resultados operacionais. Embora essas considerações sobre estimativas e projeções estejam baseadas em premissas que consideramos razoáveis, elas estão sujeitas a determinados riscos e incertezas e são feitas tendo em vista as informações atualmente disponíveis. Entre os fatos que podem exercer tal influência estão: aumento no índice de inadimplência pelos tomadores e perdas por redução ao valor recuperável; redução no nível de depósitos, perdas com clientes ou perda de receita; aumento nas provisões para ações judiciais; nossa capacidade de manter ou melhorar nosso desempenho, alterações nas taxas de juros que podem, entre outros efeitos, prejudicar nossas margens; concorrência no segmento de serviços bancários, financeiros, de cartão de crédito, seguro, gestão de ativos e segmentos relacionados; regulamentação governamental e questões fiscais; controvérsias ou processos judiciais ou regulatórios contrários; riscos de crédito, de mercado e outros riscos inerentes às atividades de empréstimo e investimento; 3

9 quedas em nosso nível de capitalização; oscilações no valor de mercado de títulos brasileiros, particularmente títulos do governo brasileiro; alterações na situação comercial e econômica regional, nacional e internacional e níveis de inflação; os efeitos contínuos da crise dos mercados financeiros globais; e outros fatores de risco são apresentados na Seção Item 3. Informações Relevantes D. Fatores de Risco. As palavras acreditar, poderá, será, estimar, continuar, antecipar, pretender, esperar e palavras semelhantes são utilizadas neste relatório anual para identificar consideração sobre estimativas e projeções. As considerações sobre estimativas e projeções referem-se apenas à data em que foram elaboradas, e não assumimos obrigação alguma de atualizar ou revisar essas considerações sobre estimativas e/ou projeções de forma a refletir novas informações, eventos futuros ou outros fatores. Tais considerações sobre estimativas e projeções envolvem riscos e incertezas e não são garantias de desempenho futuro e podem divergir substancialmente de nossos resultados futuros. Não se deve tomar nenhuma decisão de investimento com base nessas considerações sobre estimativas e projeções. PARTE I ITEM 1. DESCRIÇÃO DOS CONSELHEIROS, DIRETORES E ALTA ADMINISTRAÇÃO A. Diretores e Alta Administração Não se aplica. B. Conselheiros Não se aplica. C. Auditores Não se aplica. ITEM 2. ESTATÍSTICAS DA OFERTA E CRONOGRAMA PREVISTO A. Estatísticas da Oferta Não se aplica. B. Metodologia e Cronograma Previsto Não se aplica. 4

10 ITEM 3. INFORMAÇÕES RELEVANTES A. Dados Financeiros Selecionados Os dados financeiros do Santander Brasil relativos aos exercícios fiscais encerrados em 31 de dezembro de 2011, 2010, 2009, 2008 e 2007 foram obtidos a partir das nossas demonstrações financeiras consolidadas auditadas preparadas de acordo com as IFRS. Vide Item 18. Demonstrações Financeiras. As informações financeiras sobre o Banco Real passaram a ser consolidadas às nossas demonstrações financeiras consolidadas desde 30 de agosto de Os resultados de nossas operações do exercício encerrado em 31 de dezembro de 2008 não são comparáveis aos resultados de nossas operações dos exercícios encerrados em 31 de dezembro de 2007 ou 31 de dezembro de 2009, tendo em vista a consolidação do Banco Real às nossas demonstrações financeiras consolidadas desde 30 de agosto de Essas informações financeiras devem ser lidas em conjunto com nossas demonstrações financeiras consolidadas auditadas e as respectivas notas explicativas, bem como a seção Item 5. Análise e Perspectivas Operacionais e Financeiras incluída neste relatório anual. Demonstrações do Resultado de acordo com o IFRS Santander Brasil Exercício encerrado em 31 de dezembro de (em milhões de US$, exceto se indicado de outra forma) (1) (em milhões de R$, exceto se indicado de outra forma) Receitas com juros e similares Despesas com juros e similares... (12.706) (23.834) (16.814) (17.176) (12.330) (7.002) Receita líquida com juros Receitas de instrumentos de patrimônio Resultado de equivalência patrimonial Receitas de tarifas e comissões Despesas de tarifas e comissões... (762) (1.430) (998) (910) (555) (266) Ganhos (perdas) com ativos e passivos financeiros (líquidos)... (61) (114) (1.286) Variações cambiais (líquidas)... (65) (121) 417 (51) Outras receitas (despesas) operacionais... (202) (379) (348) (115) (60) 133 Total de receitas Despesas administrativas... (6.596) (12.373) (11.231) (10.947) (7.185) (4.460) Depreciação e amortização... (779) (1.462) (1.237) (1.249) (846) (580) Provisões (líquidas) (2)... (1.632) (3.061) (1.974) (3.481) (1.230) (1.196) Perdas com ativos financeiros (líquidas) (3)... (5.001) (9.382) (8.234) (9.966) (4.100) (2.160) Perdas com outros ativos (líquidas)... (21) (39) (21) (901) (77) (298) Resultado na alienação de ativos não classificados como ativos não correntes mantidos para venda (59) Resultado na alienação de ativos não correntes mantidos para venda não classificados como operações descontinuadas

11 Santander Brasil Exercício encerrado em 31 de dezembro de Lucro operacional antes da tributação Imposto de renda... (616) (1.155) (2.614) (2.629) (170) (784) Lucro liquid consolidado do exercício Lucro por ação Lucro básico e diluído por ações Ações ordinárias (em reais)... 18,55 17,67 15,32 11,59 14,02 Ações preferenciais (em reais)... 20,41 19,44 16,85 12,75 15,43 Ações ordinárias (em US$) (1)... 9,89 10,61 9,19 6,69 8,41 Ações preferenciais (em US$) (1)... 10,88 11,67 10,11 7,65 9,26 Dividendos e juros sobre o capital próprio por ações (4) Ações ordinárias (em reais)... 7,61 8,47 4,11 4,26 16,30 Ações preferenciais (em reais)... 8,37 9,32 4,52 4,69 17,93 Ações ordinárias (em US$) (1)... 4,06 5,08 2,47 2,56 9,78 Ações preferenciais (em US$) (1)... 4,46 5,59 2,71 2,81 10,76 Média ponderada de ações em circulação (em milhares) básica e diluída Ações ordinárias Ações preferenciais (1) Conversão exclusivamente a título de conveniência, usando a taxa de câmbio de venda reportada pelo Banco Central do Brasil em 31 de dezembro de 2011 de reais para dólares de R$1,87 por U.S.$1,00 (2) Principalmente provisões para obrigações legais, impostos e previdência social e litígios empregatícios e civis. (3) Provisões líquidas para perdas de crédito deduzidas de recuperação de empréstimos previamente baixados a prejuízo. (4) Inclui dividendos baseados na receita líquida e dividendos distribuídos com base em reservas. Balanço Patrimonial de Acordo com o IFRS Santander Brasil Em 31 de dezembro de (em milhões de US$ (1) (em milhões de R$) Ativo Disponibilidades e reservas no Banco Central do Brasil Ativos financeiros para negociação Outros ativos financeiros ao valor justo no resultado (2) Ativos financeiros disponíveis para venda Empréstimos e recebíveis Derivativos utilizados como hedge Ativos não correntes mantidos para venda Particpações em coligadas

12 Santander Brasil Em 31 de dezembro de (em milhões de US$ (1) (em milhões de R$) Ativo tangível Ativo intangível Créditos tributários Outros ativos Total do ativo Passivo Passivos financeiros para negociação Outros passivos financeiros ao valor justo no resultado Passivos financeiros ao custo amortizado Depósitos do Banco Central do Brasil e depósitos de instituições de crédito Depósitos de clientes Obrigações por títulos e valores mobiliários Dívidas subordinadas Outros passivos financeiros Derivativos utilizados como hedge Passivos por contraltos de seguro Provisões (3) Passivos fiscais Outras obrigações Total do passivo Patrimônio líquido Ajustes ao valor de mercado Participações não-controladoras Total do patrimônio líquido Total do passive e patrimônio líquido Ativos médios Passivo remunerado médio Patrimônio líqido médio (1) Conversão exclusivamente a título de conveniência, usando a taxa de câmbio de venda reportada pelo Banco Central do Brasil em 31 de dezembro de 2011 de reais para U.S. dólares de R$1,87 por U.S.$1,00. (2) Em 2010 e 2009, este item inclui Investimento em unidades de fundos de Garantidores de Planos de Benefícios - PGBL/VGBL, no valor de R$ milhões e R$ milhões, respectivamente, relacionados aos passivos referentes aos contratos de seguro mantidos pela Santander Seguros, que não eram mais incluídos no âmbito da consolidação em 2011, após a venda da Santander Seguros. Vide Item 4. Informações sobre a Companhia A. Histórico e Desenvolvimento da Companhia Eventos Importantes Venda da Santander Seguros. (3) Principalmente obrigações legais, imposto processos trabalhistas, civeis, fiscais e previdenciários. 7

13 Índices Lucratividade e Performance No exercício fiscal encerrado em 31 de dezembro de Receita líquida (1)... 8,6% 8,8% 9,7% 8,6% 7,2% Retorno sobre o ativo médio total... 2,0% 2,2% 1,8% 1,5% 1,9% Retorno sobre o patrimônio líquido total médio... 10,2% 10,3% 9,8% 10,3% 18,1% Retorno ajustado sobre o patrimônio líquido médio (2)... 16,2% 16,9% 19,3% 16,8% 18,1% Adequação de Capital Patrimônio líquido médio como percentual do ativo total médio... 19,2% 21,1% 18,8% 14,1% 10,5% Patrimônio líquido médio excluindo ágio como percentual do ativo total médio excluindo ágio (2)... 13,0% 13,9% 10,5% 9,2% 10,5% Índice de Basiléia (3)... 19,9% 22,1% 25,6% 14,7% 14,2% Qualidade do Ativo 8

14 Ativos não recuperáveis como percentual da carteira total de No exercício fiscal encerrado em 31 de dezembro de empréstimos (4)... 6,7% 5,8% 7,2% 5,4% 4,1% Ativos não recuperáveis como percentual do ativo total (4)... 3,3% 2,7% 3,1% 2,6% 2,2% Ativos não recuperáveis como percentual do risco de crédito calculável (4)(5)... 6,0% 5,1% 6,2% 4,7% 3,2% Provisão para perdas como percentual de ativos não recuperáveis (4)... 85,5% 98,3% 101,7% 105,8% 107,5% Provisão para perdas como percentual do total de empréstimos... 5,7% 5,8% 7,2% 5,4% 4,4% Baixa de empréstimos líquida como percentual do total de empréstimos... 4,7% 6,2% 6,2% 2,3% 4,7% Ativos não recuperáveis como percentual do patrimônio líquido (4)...17,0% 12,9% 14,4% 15,7% 24,1% Ativos não recuperáveis como percentual do patrimônio Liquidez líquido excluindo ágio (2)(4)... 26,2% 21,1% 24,5% 35,4% 24,1% Total de empréstimos líquido como percentual da capitalização total... 66,4% 63,0% 66,4% 66,0% 60,7% Depósitos como percentual da capitalização total... 82,0% 87,6% 88,2% 89,5% 91,3% Outras informações Eficiência Índice de eficiência (6)... 35,6% 34,5% 35,0% 45,0% 39,2% (1) Margem de juros líquida é definida como de receita de juros líquida (incluindo dividendos de participações societárias) dividida por ativos remunerados médios. (2) Retorno ajustado sobre o patrimônio líquido médio, Patrimônio líquido médio excluindo o ágio como percentual do ativo médio total excluindo ágio e Ativos inadimplentes como percentual do patrimônio líquido excluindo o ágio são índices não adotados pelos GAAP que ajustam Retorno sobre o patrimônio líquido médio, Patrimônio líquido médio como percentual do ativo médio total e Ativos inadimplentes como percentual do patrimônio líquido para excluir os R$27 bilhões de ágio decorrentes da aquisição do Banco Real em A reconciliação abaixo apresenta os cálculos desses índices não adotados pelos GAAP a partir de seus índices mais diretamente comparáveis e aceitos pelos GAAP. Tal reconciliação foi feita apenas para os exercícios encerrados 9

15 em 31 de dezembro de 2011, 2010, 2009 e 2008, pois o ágio não foi relevante no exercício encerrado em 31 de dezembro de 2007 e, assim, os índices não seriam afetados pela exclusão do ágio. Retorno sobre o patrimônio líquido médio: No exercício fiscal encerrado em 31 de dezembro de (Em milhões de reais, exceto quando indicado) Lucro líquido consolidado para o período Patrimônio líquido médio Retorno sobre o patrimônio líquido médio... 10,2% 10,3% 9,8% 10,3% Retorno ajustado sobre o patrimônio líquido médio: Lucro líquido consolidado para o período Patrimônio líquido médio Ágio médio Patrimônio líquido médio excluindo ágio Retorno ajustado sobre o patrimônio líquido médio... 16,2% 16,9% 19,3% 16,8% Patrimônio líquido médio como percentual do ativo total médio: Patrimônio líquido médio Ativo total médio Patrimônio líquido médio como percentual do ativo total médio... 19,2% 21,1% 18,8% 14,1% Patrimônio líquido médio excluindo ágio como percentual do ativo total médio excluindo ágio: Patrimônio líquido médio Ágio médio Patrimônio líquido médio excluindo ágio Ativo total médio Ágio médio Ativo total médio excluindo ágio Patrimônio líquido médio excluindo ágio como percentual do ativo total médio excluindo ágio... 13,0% 13,9% 10,5% 9,2% Ativos não recuperáveis como percentual do patrimônio líquido: Ativos inadimplentes Patrimônio líquido

16 Ativos não recuperáveis como percentual do patrimônio No exercício fiscal encerrado em 31 de dezembro de líquido... 17,0% 12,9% 14,4% 15,7% Ativos não recuperáveis como percentual do patrimônio líquido excluindo ágio: Ativos não recuperáveis Patrimônio líquido Ágio Patrimônio líquido excluindo ágio Ativos não recuperáveis como percentual do patrimônio líquido excluindo ágio... 26,2% 21,1% 24,5% 35,4% Nossos cálculos dos índices não reconhecidos pelos GAAP podem divergir do cálculo de índices de denominação semelhantes usados por outras companhias. Acreditamos que tais índices não reconhecidos pelos GAAP fornecem informações úteis aos investidores porque o impacto significativo do ágio de R$27 bilhões da aquisição do Banco Real durante o exercício encerrado em 31 de dezembro de 2008 obscurece a importância de outros fatores que afetam o patrimônio líquido e os índices correspondentes. Além disso, de forma consistente com a orientação fornecida pela estrutura da Basiléia II com respeito à mensuração de capital, em todas as mensurações usadas para administrar nossos negócios, consideramos o patrimônio líquido excluindo o ágio. Acreditamos que a exclusão do ágio do patrimônio líquido, além de ser consistente com a Basiléia II, reflete a substância econômica do nosso capital porque o ágio não é um ativo que pode absorver prejuízos de caixa e não é, de qualquer outra forma, levado em conta pelo Banco na administração de nossas operações. Dessa forma, acreditamos que as mensurações não baseadas no GAAP apresentadas são úteis aos investidores porque elas refletem a substância econômica do nosso capital. As limitações associadas com a exclusão do ágio do patrimônio líquido é que ela tem o efeito de excluir uma parcela do investimento total nos nossos ativos. Compensamos esta limitação ao também levar em conta o patrimônio líquido incluindo o ágio, conforme estabelecido nas tabelas acima. (3) Em julho de 2008, novas regras de mensuração de capital regulatório, que implementam a abordagem padronizada da Basiléia II, entraram em vigor no Brasil, incluindo uma nova metodologia para mensuração, análise e administração de risco de crédito e operacional. Como resultado, nossos índices de adequação de capital a partir de qualquer data após julho de 2008 não são passíveis de comparação com nossos índices de capital em qualquer data anterior. Nossos índices de adequação de capital da Basiléia são calculados excluindo o ágio, de acordo com a abordagem padronizada da Basiléia II (fornecida pela Convergência Internacional de Mensuração de Capital e Padrões de Capital Uma Versão Abrangente de Estrutura Revisada emitida pelo Comitê da Basiléia sobre Supervisão Bancária do Banco de Liquidações Internacionais). Em dezembro de 2010, o Banco Central do Brasil 11

17 emitiu a Circular que introduziu à regra ponderação de 150% para operações de empréstimo de 24 meses, permitindo algumas exceções, considerando o tipo de operação, vencimento e garantias. Em novembro de 2011, a Circular foi revogada e o Banco Central do Brasil emitiu a Circular que exigia a aplicação de ponderação de 150% para financiamento de veículos, redução da ponderação de risco para empréstimos consignados originados até julho de 2011, de 150% para 75% ou 100%, e aumentou a ponderação de risco para 300% para empréstimos consignados e pessoais que não tenham finalidade específica e um prazo superior a 60 meses, originados a partir de 14 de novembro de (4) Os ativos em atraso incluem todos os créditos em atraso devidos por mais de 90 dias e outros créditos de liquidação duvidosa. Para obter informações adicionais, vide Item 4. Informações sobre a Companhia Informações Estatísticas Selecionadas Ativos não recuperáveis. (5) Risco de crédito calculável é a soma dos valores de face dos empréstimos e leasings (incluindo ativos inadimplentes), garantias e créditos documentários. (6) Índice de eficiência é definido como despesas administrativas divididas pelo total da receita. Nosso cálculo do índice de eficiência divulgado neste difere de outro, de nome similar, utilizado por nós em nossos relatórios trimestrais da administração, devido a um ajuste feito nos relatórios trimestrais que refletem os resultados do hedge do investimento na agência das Ilhas Cayman, que está incluído em nossa receita total. O ajuste, que tem impacto sobre os items imposto de renda, ganhos (perdas) com ativos e passivos financeiros e diferenças de taxa de câmbio, não afeta o lucro líquido. Nossa administração acredita que o índice de eficiência ajustado proporciona estrutura mais coerente para avaliar e conduzir o negócio, em consequência da exclusão, de nossas receitas, do efeito da volatilidade acarretada por possíveis ganhos e perdas em nossas estratégias de hedge para fins de imposto. Por exemplo, em 2011 os efeitos da desvalorização do real em relação ao dólar norte-americano impactaram no hedge sobre os investimentos mantidos em nossa agência das Ilhas Cayman gerando perdas de R$1.646 milhões registradas em ganhos/perdas com ativos e passivos financeiros (líquido), equivalentes a 1,6 pontos percentuais de variação no índice de eficiência. Em 2010 e 2009, o impacto do hedge sobre os investimentos mantidos em nossa agência das Ilhas Cayman foi um ganho de R$272 milhões e R$1.146 milhões, respectivamente, correspondendo à variação no índice de eficiência de 0,3 pontos percentuais em 2010 e 1,3 pontos percentuais em Considerando o cálculo ajustado, que exclui o efeito do hedge do investimento na nossa agência das Ilhas Cayman, bem como a variação na taxa de câmbio do real em reação ao dólar, o índice de eficiência foi de 34,0% em 2011, 34,8% em 2010 e 36,3% em A tabela abaixo apresenta a reconciliação de nosso índice de eficiência ajustado para a mensuração financeira do GAAP mais diretamente comparável para cada um dos períodos apresentados. 12

18 Em 31 de dezembro de (Em milhares de reais, exceto quando indicado) Índice de eficiência Despesasa administrativas... 12,373 11,231 10,947 7,185 4,460 Receita total... 34,775 32,553 31,280 15,971 11,367 da qual: Ganhos (perdas) com ativos e passivos financeiros (líquidos)... (235) 1,875 2, ,899 Índice de eficiência % 34.5% 35.0% 45.0% 39.2% Receita total Imposto de renda incluindo efeitos de hedge fiscal de Cayman Receita total excluindo efeitos de hedge fiscal de Cayman Despesas administrativas Receita total excluindo os efeitos do hedge fiscal de Cayman da qual: Ganhos (perdas) com ativos e passivos financeiros (líquidos) excluindo efeitos fiscais do hedge fiscal de Cayman Índice de eficiência ajustado por efeitos fiscais do hedge de Cayman... 34,0% 34,8% 36,3% 45,0% 39,2% Taxas de câmbio O sistema cambial brasileiro permite a compra e a venda de moeda estrangeira e a transferência internacional de reais por qualquer pessoa física ou jurídica, independentemente do valor, sujeito a determinados procedimentos regulatórios. Desde 1999, o Banco Central do Brasil vem permitindo a livre flutuação da taxa real/dólar norte-americano, o que levou em aumento da volatilidade cambial. Até o início de 2003, o real seguiu trajetória de depreciação em relação ao dólar norte-americano. Desde então a tendência tem sido de fortalecimento do real, exceto durante o auge da crise global. No passado, o Banco Central do Brasil interveio ocasionalmente para controlar movimentos instáveis nas taxas de câmbio. Não podemos prever se o Banco Central do Brasil ou o governo brasileiro continuará a permitir a livre flutuação do real ou se intervirá na taxa de câmbio através de um sistema de bandas de flutuação ou de outra forma. O real poderá flutuar substancialmente em relação ao dólar norte-americano no futuro. Para maiores informações sobre estes riscos, vide D. Fatores de Risco Riscos Relacionados ao Brasil A volatilidade cambial poderá ter efeito negativo substancial sobre a economia brasileira e nossos negócios. As tabelas abaixo trazem a cotação do dólar, expressa em reais por dólar (R$/US$), nos períodos indicados: Ano: Final do Período Média (1) Mínima Máxima (por dólar norte-americano) ,77 1,95 1,73 2, ,33 1,84 1,56 2, ,74 1,99 1,70 2, ,66 1,76 1,65 1,88 13

19 Final do Período Média (1) Mínima Máxima (por dólar norte-americano) ,87 1,67 1,53 1,90 Mês Encerrado em: Final do Período Média (1) Mínima Máxima Outubro de ,69 1,77 1,69 1,89 Novembro de ,81 1,79 1,73 1,89 Dezembro de ,87 1,84 1,78 1,88 Janeiro de ,74 1,79 1,74 1,87 Fevereiro de ,71 1,72 1,70 1,74 Março de 2012 (até [ ] de março)... [ ] [ ] [ ] [ ] Fonte: Banco Central do Brasil (1) Representa a média das taxas diárias no encerramento de cada dia oficial durante o período. As flutuações cambiais afetarão o preço de mercado equivalente em dólares norte-americanos de nossas units na Bolsa de Valores, Mercadorias e Futuros ou BM&FBOVESPA, bem como o valor em dólares norte-americanos de quaisquer distribuições que façamos com relação às nossas units. Vide D. Fatores de Risco Riscos Relacionados ao Brasil. Nossa matriz, Santander Espanha, informa sua situação financeira e resultados operacionais em euros. Em 31 de dezembro de 2011, a taxa de câmbio euro/real era R$2,43 por 1,00. B. Capitalização e endividamento Não se aplica. C. Motivos da oferta e uso dos resultados Não se aplica. D. Fatores de Risco Nossas atividades, condição financeira e resultados operacionais poderão ser significativamente e negativamente afetados em razão da concretização de um ou mais fatores de risco descritos abaixo. Consequentemente, poderá ocorrer a desvalorização de nossas Units e American Depositary Shares ( ADSs ) e o investidor poderá perder o seu investimento, total ou parcialmente. Podemos enfrentar riscos e incertezas adicionais àqueles de que temos conhecimento no momento ou que atualmente julgamos irrelevantes, que também poderão afetar nossos negócios. 14

20 Riscos Relacionados ao Brasil O Governo Federal já exerceu e continua a exercer influência significativa sobre a economia brasileira. Esse envolvimento, aliado às condições políticas e econômicas brasileiras, poderá afetar negativamente nossa condição, impactando também o preço de mercado de nossos títulos e valores mobiliários. O Governo Federal intervém frequentemente na economia brasileira e altera significativamente, em certas ocasiões, suas políticas e regulamentos. As medidas do Governo Federal para controlar a inflação e suas demais políticas e regulamentos já envolveram historicamente, entre outras medidas, aumentos das taxas de juros, alterações das políticas tributárias, controles de preços, flutuações da moeda, tributação sobre fluxos de investimentos, controles de capital e restrições às importações. As atividades, a situação financeira, os nossos resultados operacionais e o preço de mercado de nossos títulos e valores mobiliários poderão ser afetados negativamente por alterações das políticas ou regulamentos que envolvam, entre outros: taxas de juros; taxas de câmbio e controles ou restrições à movimentação de capitais para o exterior, tais como as impostas em 1989 e início de 1990; oscilações cambiais; inflação; liquidez dos mercados domésticos de capitais e de crédito; e políticas tributárias e regulatórias. Embora o Governo Federal tenha adotado o que acreditamos serem políticas econômicas sólidas nos últimos anos, a incerteza quanto à implementação pelo Governo Federal de alterações das políticas ou regulamentos no futuro poderá contribuir para a incerteza econômica no Brasil e para o aumento da volatilidade dos mercados brasileiros de títulos e valores mobiliários emitidos no exterior por emitentes brasileiras. Essas incertezas e outros eventos na economia brasileira poderão nos afetar negativamente e afetar o valor de mercado de nossos títulos e valores mobiliários. Próximo ao final de 2010, para estabilizar o crescimento econômico e impedir o superaquecimento da economia, o Banco Central do Brasil começou a implementar determinadas políticas monetárias restritivas e outras medidas que visam o controle de empréstimo ao consumidor. Essas medidas incluíram o aumento da exigência de capital mínimo para determinados empréstimos, estabelecendo padrões para titulares de cartão de crédito fazerem pagamentos mínimos sobre os saldos em aberto de cartões de crédito (estabelecidos em 15% dos saldos em aberto em junho de 2011 e aumentados para 20% em dezembro de 2011), e expandindo os depósitos compulsórios para instituições financeiras. Com início no segundo semestre de 2011, em virtude de os indicadores terem refletido uma moderação e até mesmo um 15

ESTADOS UNIDOS SECURITIES AND EXCHANGE COMMISSION Washington, D.C. 20549 FORMULÁRIO 20-F

ESTADOS UNIDOS SECURITIES AND EXCHANGE COMMISSION Washington, D.C. 20549 FORMULÁRIO 20-F (Assinalar Uma Opção) ESTADOS UNIDOS SECURITIES AND EXCHANGE COMMISSION Washington, D.C. 20549 FORMULÁRIO 20-F TERMO DE REGISTRO DE ACORDO COM O ARTIGO 12(b) OU (g) DO SECURITIES AND EXCHANGE ACT DE 1934

Leia mais

Riscos relacionados ao Santander Brasil e ao setor de Serviços Financeiros Brasileiro

Riscos relacionados ao Santander Brasil e ao setor de Serviços Financeiros Brasileiro Riscos relacionados ao Santander Brasil e ao setor de Serviços Financeiros Brasileiro Estamos expostos aos efeitos das perturbações e volatilidade nos mercados financeiros globais e nas economias nos países

Leia mais

BANCO BRADESCO S.A. (Nome exato do Requerente conforme especificado em seu contrato social) BANK BRADESCO (Tradução do nome do Requerente em inglês)

BANCO BRADESCO S.A. (Nome exato do Requerente conforme especificado em seu contrato social) BANK BRADESCO (Tradução do nome do Requerente em inglês) COMISSÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS DOS ESTADOS UNIDOS DA AMÉRICA Washington, D.C. 20549 FORMULÁRIO 20-F DECLARAÇÃO DE REGISTRO EM CONFORMIDADE COM O ARTIGO 12(b) OU (g) DA LEI DE MERCADO DE CAPITAIS DE 1934

Leia mais

SECURITIES AND EXCHANGE COMMISSION Washington D.C. 20549 FORMULÁRIO 20-F

SECURITIES AND EXCHANGE COMMISSION Washington D.C. 20549 FORMULÁRIO 20-F Arquivado na Securities and Exchange Commission em 30 de junho de 2005 SECURITIES AND EXCHANGE COMMISSION Washington D.C. 20549 FORMULÁRIO 20-F [ ] Documento de registro nos termos do artigo 12(b) ou 12(g)

Leia mais

Banco Santander (Brasil) S.A.

Banco Santander (Brasil) S.A. Banco Santander (Brasil) S.A. Resultados em BR GAAP 4T14 3 de Fevereiro de 2015 INFORMAÇÃO 2 Esta apresentação pode conter certas declarações prospectivas e informações relativas ao Banco Santander (Brasil)

Leia mais

COMISSÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS DOS ESTADOS UNIDOS DA AMÉRICA Washington, D.C. 20549 FORMULÁRIO 20-F

COMISSÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS DOS ESTADOS UNIDOS DA AMÉRICA Washington, D.C. 20549 FORMULÁRIO 20-F COMISSÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS DOS ESTADOS UNIDOS DA AMÉRICA Washington, D.C. 20549 FORMULÁRIO 20-F DECLARAÇÃO DE REGISTRO EM CONFORMIDADE COM O ARTIGO 12(b) OU (g) DA LEI DE MERCADO DE CAPITAIS DE 1934

Leia mais

Resultado da Oferta Pública Voluntária de Permuta. Novembro de 2014

Resultado da Oferta Pública Voluntária de Permuta. Novembro de 2014 Resultado da Oferta Pública Voluntária de Permuta Novembro de 2014 OFERTA VOLUNTÁRIA DE PERMUTA DE AÇÕES No dia 30 de outubro realizamos o leilão da oferta voluntária. A adesão dos minoritários do Santander

Leia mais

SUMÁRIO APRESENTAÇÃO DE INFORMAÇÕES FINANCEIRAS E OUTRAS INFORMAÇÕES. 4 DECLARAÇÕES PROSPECTIVAS. 5 PARTE I. 6 ITEM 1. 6 ITEM 2. 6 ITEM 3.

SUMÁRIO APRESENTAÇÃO DE INFORMAÇÕES FINANCEIRAS E OUTRAS INFORMAÇÕES. 4 DECLARAÇÕES PROSPECTIVAS. 5 PARTE I. 6 ITEM 1. 6 ITEM 2. 6 ITEM 3. COMISSÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS DOS ESTADOS UNIDOS DA AMÉRICA Washington, D.C. 20549 FORMULÁRIO 20-F DECLARAÇÃO DE REGISTRO EM CONFORMIDADE COM O ARTIGO 12(b) OU (g) DA LEI DE MERCADO DE CAPITAIS DE 1934

Leia mais

UNITED STATES SECURITIES AND EXCHANGE COMMISSION Washington, D.C. 20549 FORMÚLARIO 20-F

UNITED STATES SECURITIES AND EXCHANGE COMMISSION Washington, D.C. 20549 FORMÚLARIO 20-F (Tradução livre do original em inglês arquivado na Securities and Exchange Commission SEC em 30 de junho de 2006) UNITED STATES SECURITIES AND EXCHANGE COMMISSION Washington, D.C. 20549 FORMÚLARIO 20-F

Leia mais

UNITED STATES SECURITIES AND EXCHANGE COMMISSION WASHINGTON D.C. 20549. FORMULÁRIO 20-F/A Alteração Nº 1

UNITED STATES SECURITIES AND EXCHANGE COMMISSION WASHINGTON D.C. 20549. FORMULÁRIO 20-F/A Alteração Nº 1 1 UNITED STATES SECURITIES AND EXCHANGE COMMISSION WASHINGTON D.C. 20549 FORMULÁRIO 20-F/A Alteração Nº 1 DECLARAÇÃO DE REGISTRO EM CONFORMIDADE COM O ARTIGO 12(b) OU (g) DA LEI DE BOLSAS E VALORES MOBILIÁRIOS

Leia mais

UNITED STATES SECURITIES AND EXCHANGE COMMISSION WASHINGTON, D.C. 20549 FORMULÁRIO 20-F

UNITED STATES SECURITIES AND EXCHANGE COMMISSION WASHINGTON, D.C. 20549 FORMULÁRIO 20-F 1 UNITED STATES SECURITIES AND EXCHANGE COMMISSION WASHINGTON, D.C. 20549 FORMULÁRIO 20-F DECLARAÇÃO DE REGISTRO EM CONFORMIDADE COM O ARTIGO 12(b) OU (g) DA LEI DE BOLSAS E VALORES MOBILIÁRIOS DE 1934

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 03 DEMONSTRAÇÃO DE FLUXOS DE CAIXA

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 03 DEMONSTRAÇÃO DE FLUXOS DE CAIXA COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 03 DEMONSTRAÇÃO DE FLUXOS DE CAIXA Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IAS 7 (IASB) PRONUNCIAMENTO Conteúdo Item OBJETIVO

Leia mais

BANCO ITAÚ S.A. (Nome exato do Requerente conforme especificado em seu estatuto)

BANCO ITAÚ S.A. (Nome exato do Requerente conforme especificado em seu estatuto) COMISSÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS FORMULÁRIO 20-F DECLARAÇÃO DE REGISTRO EM CONFORMIDADE COM O ARTIGO 12(B) OU (G) DA LEI DE BOLSAS E VALORES MOBILIÁRIOS DE 1934 OU RELATÓRIO ANUAL EM CONFORMIDADE COM O

Leia mais

Formulário de Referência - 2011 - BANCO SANTANDER (BRASIL) S.A. Versão : 13. 1.1 - Declaração e Identificação dos responsáveis 1

Formulário de Referência - 2011 - BANCO SANTANDER (BRASIL) S.A. Versão : 13. 1.1 - Declaração e Identificação dos responsáveis 1 Índice 1. Responsáveis pelo formulário 1.1 - Declaração e Identificação dos responsáveis 1 2. Auditores independentes 2.1/2.2 - Identificação e remuneração dos Auditores 2 2.3 - Outras informações relevantes

Leia mais

Demonstrações Financeiras Consolidadas Preparadas de acordo com normas de contabilidade Internacional IFRS. Banco Santander (Brasil) S.A.

Demonstrações Financeiras Consolidadas Preparadas de acordo com normas de contabilidade Internacional IFRS. Banco Santander (Brasil) S.A. Demonstrações Financeiras Consolidadas Preparadas de acordo com normas de contabilidade Internacional IFRS Banco Santander (Brasil) S.A. 31 de Dezembro de 2011 DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS CONSOLIDADAS ÍNDICE

Leia mais

DFP - Demonstrações Financeiras Padronizadas - 31/12/2013 - BANCO BRADESCO SA Versão : 2. Composição do Capital 1. Proventos em Dinheiro 2

DFP - Demonstrações Financeiras Padronizadas - 31/12/2013 - BANCO BRADESCO SA Versão : 2. Composição do Capital 1. Proventos em Dinheiro 2 Índice Dados da Empresa Composição do Capital 1 Proventos em Dinheiro 2 DFs Individuais Balanço Patrimonial Ativo 5 Balanço Patrimonial Passivo 9 Demonstração do Resultado 12 Demonstração do Resultado

Leia mais

Earnings Release 1s14

Earnings Release 1s14 Earnings Release 1s14 1 Belo Horizonte, 26 de agosto de 2014 O Banco Bonsucesso S.A. ( Banco Bonsucesso, Bonsucesso ou Banco ), Banco múltiplo, de capital privado, com atuação em todo o território brasileiro

Leia mais

Demonstrações Financeiras Intermediárias Consolidadas (não auditadas) Preparadas de acordo com normas de contabilidade Internacional IFRS

Demonstrações Financeiras Intermediárias Consolidadas (não auditadas) Preparadas de acordo com normas de contabilidade Internacional IFRS Demonstrações Financeiras Intermediárias Consolidadas (não auditadas) Preparadas de acordo com normas de contabilidade Internacional IFRS Banco Santander (Brasil) S.A. 30 de Setembro de 2011 DEMONSTRAÇÕES

Leia mais

4 trimestre de 2010. Sumário Executivo. Itaú Unibanco Holding S.A.

4 trimestre de 2010. Sumário Executivo. Itaú Unibanco Holding S.A. 4 trimestre de 2010 Sumário Executivo Apresentamos, abaixo, informações e indicadores financeiros do (Itaú Unibanco) do quarto trimestre de 2010 e do exercício findo em 31 de dezembro de 2010. (exceto

Leia mais

Conforme arquivado junto à Securities and Exchange Commission em 30 de junho de 2009

Conforme arquivado junto à Securities and Exchange Commission em 30 de junho de 2009 Conforme arquivado junto à Securities and Exchange Commission em 30 de junho de 2009 SECURITIES AND EXCHANGE COMMISSION DOS ESTADOS UNIDOS WASHINGTON D.C. 20549 FORMULÁRIO 20-F TERMO DE REGISTRO AO AMPARO

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 03 (R1) DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 03 (R1) DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 03 (R1) DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IAS 7 (IASB) PRONUNCIAMENTO Conteúdo OBJETIVO

Leia mais

TRADUÇÃO DA VERSÃO EM INGLÊS ARQUIVADA NA SEC EM 25 DE MARÇO DE 2010. EM CASO DE INFORMAÇÕES DIVERGENTES, PREVALECE A VERSÃO EM INGLÊS.

TRADUÇÃO DA VERSÃO EM INGLÊS ARQUIVADA NA SEC EM 25 DE MARÇO DE 2010. EM CASO DE INFORMAÇÕES DIVERGENTES, PREVALECE A VERSÃO EM INGLÊS. TRADUÇÃO DA VERSÃO EM INGLÊS ARQUIVADA NA SEC EM 25 DE MARÇO DE 2010. EM CASO DE INFORMAÇÕES DIVERGENTES, PREVALECE A VERSÃO EM INGLÊS. UNITED STATES SECURITIES AND EXCHANGE COMMISSION Washington, D.C.

Leia mais

Salus Infraestrutura Portuária S.A.

Salus Infraestrutura Portuária S.A. Salus Infraestrutura Portuária S.A. Demonstrações Financeiras Referentes ao Exercício Findo em 31 de Dezembro de 2014 e Relatório dos Auditores Independentes sobre as Demonstrações Financeiras Deloitte

Leia mais

Demonstrações Contábeis Consolidadas em IFRS. Dezembro de 2014

Demonstrações Contábeis Consolidadas em IFRS. Dezembro de 2014 Demonstrações Contábeis Consolidadas em IFRS Dezembro de 2014 Índice Geral Pág. Relatório dos Auditores Independentes 02 Demonstrativos Contábeis 05 Notas Explicativas da Administração 11 Relatório dos

Leia mais

Conforme registrado na Securities and Exchange Commission em 30 de junho de 2008.

Conforme registrado na Securities and Exchange Commission em 30 de junho de 2008. 1 Conforme registrado na Securities and Exchange Commission em 30 de junho de 2008. UNITED STATES SECURITIES AND EXCHANGE COMMISSION WASHINGTON D.C. 20549 FORMULÁRIO 20-F DECLARAÇÃO DE REGISTRO EM CONFORMIDADE

Leia mais

Demonstrações Contábeis Consolidadas em IFRS 31 de dezembro de 2014

Demonstrações Contábeis Consolidadas em IFRS 31 de dezembro de 2014 Demonstrações Contábeis Consolidadas em IFRS 31 de dezembro de 2014 2 RELATÓRIO DOS AUDITORES INDEPENDENTES Aos Acionistas e Administradores do Banco Daycoval S.A. São Paulo - SP Examinamos as demonstrações

Leia mais

Demonstrações Financeiras. Banco Santander (Brasil) S.A.

Demonstrações Financeiras. Banco Santander (Brasil) S.A. Demonstrações Financeiras Banco Santander (Brasil) S.A. 31 de Março de 2012 DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS INTERMEDIÁRIAS CONSOLIDADAS ÍNDICE Pág. Relatório sobre Revisão Limitada dos Auditores Independentes

Leia mais

Normas Internacionais de Relatório Financeiro Modelo de demonstrações financeiras para 2009

Normas Internacionais de Relatório Financeiro Modelo de demonstrações financeiras para 2009 Normas Internacionais de Relatório Financeiro Modelo de demonstrações financeiras para 2009 2 Demonstrações financeiras para o exercício findo em 31 de dezembro de 2009 As demonstrações financeiras, modelo

Leia mais

OU RELATÓRIO DE COMPANHIA SHELL EM CONFORMIDADE COM O ARTIGO 13 OU 15(d) DO SECURITIES

OU RELATÓRIO DE COMPANHIA SHELL EM CONFORMIDADE COM O ARTIGO 13 OU 15(d) DO SECURITIES ESTADOS UNIDOS SECURITIES AND EXCHANGE COMMISSION (SEC) Washington, D.C. 20549 FORMULÁRIO 20-F DECLARAÇÃO DE REGISTRO EM CONFORMIDADE COM O ARTIGO 12(b) OU (g) DO SECURITIES EXCHANGE ACT DE 1934 OU RELATÓRIO

Leia mais

DFP - Demonstrações Financeiras Padronizadas - 31/12/2012 - COMPANHIA DE BEBIDAS DAS AMÉRICAS-AMBEV Versão : 1. Composição do Capital 1

DFP - Demonstrações Financeiras Padronizadas - 31/12/2012 - COMPANHIA DE BEBIDAS DAS AMÉRICAS-AMBEV Versão : 1. Composição do Capital 1 Índice Dados da Empresa Composição do Capital 1 Proventos em Dinheiro 2 DFs Individuais Balanço Patrimonial Ativo 4 Balanço Patrimonial Passivo 6 Demonstração do Resultado 9 Demonstração do Resultado Abrangente

Leia mais

Relatório da Administração Dommo 2014

Relatório da Administração Dommo 2014 Relatório da Administração Dommo 2014 A Administração da Dommo Empreendimentos Imobiliários S.A. apresenta o Relatório da Administração e as correspondentes Demonstrações Financeiras referentes aos exercícios

Leia mais

TELEFÔNICA DATA BRASIL HOLDING S.A. Resultado Consolidado para o Terceiro Trimestre de 2005 Publicação, 08 de novembro de 2005 (07 páginas)

TELEFÔNICA DATA BRASIL HOLDING S.A. Resultado Consolidado para o Terceiro Trimestre de 2005 Publicação, 08 de novembro de 2005 (07 páginas) TELEFÔNICA DATA BRASIL HOLDING S.A. Resultado Consolidado para o Terceiro Trimestre de 2005 Publicação, 08 de novembro de 2005 (07 páginas) Para maiores informações, contatar: Daniel de Andrade Gomes TELEFÔNICA

Leia mais

MOORE STEPHENS AUDITORES E CONSULTORES

MOORE STEPHENS AUDITORES E CONSULTORES DURATEX COMERCIAL EXPORTADORA S.A. AVALIAÇÃO DO PATRIMÔNIO LÍQUIDO CONTÁBIL APURADO POR MEIO DOS LIVROS CONTÁBEIS EM 31 DE AGOSTO DE 2015 Escritório Central: Rua Laplace, 96-10 andar - Brooklin - CEP 04622-000

Leia mais

3. Pronunciamento Técnico CPC 03 Demonstração dos Fluxos de Caixa

3. Pronunciamento Técnico CPC 03 Demonstração dos Fluxos de Caixa TÍTULO : PLANO CONTÁBIL DAS INSTITUIÇÕES DO SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL - COSIF 1 3. Pronunciamento Técnico CPC 03 Demonstração dos Fluxos de Caixa Aplicação 1 - As instituições financeiras e demais instituições

Leia mais

RBS Participações S.A. e empresas controladas

RBS Participações S.A. e empresas controladas Balanços patrimoniais consolidados em 31 de dezembro Em milhares de reais (Tradução livre do original em inglês) Ativo Nota 2013 2012 Passivo e patrimônio líquido Nota 2013 2012 Circulante Circulante Caixa

Leia mais

Demonstrações financeiras consolidadas em IFRS Banco Cooperativo Sicredi S.A. e Empresas Controladas

Demonstrações financeiras consolidadas em IFRS Banco Cooperativo Sicredi S.A. e Empresas Controladas Demonstrações financeiras consolidadas em IFRS Banco Cooperativo Sicredi S.A. e Empresas Controladas Com Relatório dos Auditores Independentes Demonstrações financeiras consolidadas Conteúdo Relatório

Leia mais

FORPART S.A. - EM LIQUIDAÇÃO

FORPART S.A. - EM LIQUIDAÇÃO DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2013 E 2012 Demonstrações Contábeis Em 31 de Dezembro de 2013 e 2012 Conteúdo Relatório da Administração e do Liquidante Relatório dos Auditores Independentes

Leia mais

Participações Industriais do Nordeste S.A. e Empresas Controladas

Participações Industriais do Nordeste S.A. e Empresas Controladas Participações Industriais do Nordeste S.A. e Empresas Controladas Demonstrações financeiras de acordo com as práticas contábeis adotadas no Brasil e com o IFRS, em 31 de dezembro de 2013 e Relatório dos

Leia mais

Release de Resultado 2T14

Release de Resultado 2T14 BANCO BMG ANUNCIA SEUS RESULTADOS CONSOLIDADOS DO 2T14 São Paulo, 07 de agosto de 2014 O Banco BMG S.A. e suas controladas ( BMG ou Banco ) divulgam seus resultados consolidados referentes ao período encerrado

Leia mais

Abril Educação S.A. Informações Proforma em 30 de junho de 2011

Abril Educação S.A. Informações Proforma em 30 de junho de 2011 Abril Educação S.A. Informações Proforma em 30 de junho de 2011 RESULTADOS PRO FORMA NÃO AUDITADOS CONSOLIDADOS DA ABRIL EDUCAÇÃO As informações financeiras consolidadas pro forma não auditadas para 30

Leia mais

DFP - Demonstrações Financeiras Padronizadas - 31/12/2012 - PARTICIPAÇÕES INDUST. DO NORDESTE S.A. Versão : 1. Composição do Capital 1

DFP - Demonstrações Financeiras Padronizadas - 31/12/2012 - PARTICIPAÇÕES INDUST. DO NORDESTE S.A. Versão : 1. Composição do Capital 1 Índice Dados da Empresa Composição do Capital 1 DFs Individuais Balanço Patrimonial Ativo 2 Balanço Patrimonial Passivo 4 Demonstração do Resultado 6 Demonstração do Resultado Abrangente 7 Demonstração

Leia mais

BRASIL TELECOM PARTICIPAÇÕES S.A. (Nome exato da registrante conforme especificado em seu estatuto social)

BRASIL TELECOM PARTICIPAÇÕES S.A. (Nome exato da registrante conforme especificado em seu estatuto social) Minuta em português do documento a ser entregue na Securities and Exchange Commission (Comissão de Títulos e Valores Mobiliários dos EUA) em 13 de julho de 2009 COMISSÃO DE TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS

Leia mais

Raízen Combustíveis S.A.

Raízen Combustíveis S.A. Balanço patrimonial consolidado e condensado (Em milhares de reais, exceto quando indicado de outra forma) Ativo 30.06.2014 31.03.2014 Passivo 30.06.2014 31.03.2014 Circulante Circulante Caixa e equivalentes

Leia mais

COMPANHIA DE BEBIDAS DAS AMÉRICAS - AMBEV (Razão social exata da Companhia sob Registro conforme especificado em seus atos constitutivos)

COMPANHIA DE BEBIDAS DAS AMÉRICAS - AMBEV (Razão social exata da Companhia sob Registro conforme especificado em seus atos constitutivos) C O M I S S Ã O D E V A L O R E S M O B I L I Á R I O S D O S E S T A D O S U N I D O S Washington, D.C. 20549 F O R M U L Á R I O 2 0 - F (Marque um) DECLARAÇÃO DE REGISTRO CONFORME A SEÇÃO 12(b) OU (g)

Leia mais

DFP - Demonstrações Financeiras Padronizadas - 31/12/2014 - Encalso Participações em Concessões S.A. Versão : 1. Composição do Capital 1

DFP - Demonstrações Financeiras Padronizadas - 31/12/2014 - Encalso Participações em Concessões S.A. Versão : 1. Composição do Capital 1 Índice Dados da Empresa Composição do Capital 1 DFs Individuais Balanço Patrimonial Ativo 2 Balanço Patrimonial Passivo 3 Demonstração do Resultado 4 Demonstração do Resultado Abrangente 5 Demonstração

Leia mais

RESUMO DO RELATÓRIO DO COMITÊ DE AUDITORIA

RESUMO DO RELATÓRIO DO COMITÊ DE AUDITORIA RESUMO DO RELATÓRIO DO COMITÊ DE AUDITORIA 1- INTRODUÇÃO O Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico Social, por meio do Decreto nº 5.212, de 22 de setembro de 2004, teve o seu Estatuto Social alterado

Leia mais

Curso Novas Regras de Contabilidade para Pequenas e Médias Empresas

Curso Novas Regras de Contabilidade para Pequenas e Médias Empresas Curso Novas Regras de Contabilidade para Pequenas e Médias Empresas Conhecimento essencial em Gestão de Controladoria Depois de sucessivas crises econômicas, os investidores pressionam cada vez mais pela

Leia mais

00009-4 PANATLANTICA SA 92.693.019/0001-89

00009-4 PANATLANTICA SA 92.693.019/0001-89 01 - CONTEXTO OPERACIONAL A Companhia, com sede em Gravataí (RS) e unidade industrial em Glorinha (RS), tem por objeto a industrialização, comércio, importação, exportação e beneficiamento de aços e metais,

Leia mais

UNITED STATES SECURITIES AND EXCHANGE COMMISSION WASHINGTON, D.C. 20549 Formulário 20-F

UNITED STATES SECURITIES AND EXCHANGE COMMISSION WASHINGTON, D.C. 20549 Formulário 20-F UNITED STATES SECURITIES AND EXCHANGE COMMISSION WASHINGTON, D.C. 20549 Formulário 20-F TERMO DE REGISTRO CONFORME ARTIGO 12(b) ou (g) DO SECURITIES EXCHANGE ACT DE 1934 ou RELATÓRIO ANUAL CONFORME ARTIGO

Leia mais

Resultados 1T07 10 de maio de 2007

Resultados 1T07 10 de maio de 2007 PUBLICIDADE CAIXA CRESCEU 102% BASE DE ASSINANTES BANDA LARGA CRESCEU 32% São Paulo, O UOL (BOVESPA: UOLL4) anuncia hoje os resultados do 1T07. As demonstrações financeiras da Companhia são elaboradas

Leia mais

HENCORP COMMCOR DISTRIBUIDORA DE TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS LTDA. Parecer dos auditores independentes

HENCORP COMMCOR DISTRIBUIDORA DE TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS LTDA. Parecer dos auditores independentes HENCORP COMMCOR DISTRIBUIDORA DE TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS LTDA. Parecer dos auditores independentes Demonstrações contábeis Em 31 de dezembro de 2009 e 2008 HENCORP COMMCOR DISTRIBUIDORA DE TÍTULOS

Leia mais

Demonstrações financeiras consolidadas em 31 de dezembro de 2013

Demonstrações financeiras consolidadas em 31 de dezembro de 2013 KPDS 83595 Conteúdo Relatório dos auditores independentes sobre as demonstrações financeiras consolidadas 3 Balanços patrimoniais consolidados 5 Demonstrações de resultados consolidadas 6 Demonstrações

Leia mais

BM&FBOVESPA S.A. Bolsa de Valores, Mercadorias e Futuros DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS TRIMESTRAIS

BM&FBOVESPA S.A. Bolsa de Valores, Mercadorias e Futuros DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS TRIMESTRAIS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS TRIMESTRAIS 3º trimestre de 2015 C O M E N T Á R I O S S O B R E O D E S E M P E N H O 3T15 Senhores (as) Acionistas, A BM&FBOVESPA S.A. Bolsa de Valores, Mercadorias e Futuros

Leia mais

Demonstrações Financeiras Ático Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários Ltda.

Demonstrações Financeiras Ático Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários Ltda. Demonstrações Financeiras Ático Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários Ltda. com Relatório dos Auditores Independentes sobre as Demonstrações Financeiras Demonstrações financeiras Índice Relatório

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 45. Divulgação de Participações em Outras Entidades

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 45. Divulgação de Participações em Outras Entidades COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 45 Divulgação de Participações em Outras Entidades Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IFRS 12 (IASB - BV 2012) Índice Item

Leia mais

Empresa Concessionária de Rodovias do Sul S.A. - ECOSUL

Empresa Concessionária de Rodovias do Sul S.A. - ECOSUL Empresa Concessionária de Rodovias do Sul S.A. - ECOSUL Demonstrações Financeiras Referentes ao Exercício Findo em 31 de Dezembro de 2011 e Relatório dos Auditores Independentes sobre as Demonstrações

Leia mais

Abril Comunicações S.A.

Abril Comunicações S.A. Abril Comunicações S.A. e empresas controladas DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS em 31 de Dezembro de 2012 e Relatório dos Auditores Independentes Abril Comunicações S.A. e empresas controladas DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS

Leia mais

Raízen Combustíveis S.A. Índice

Raízen Combustíveis S.A. Índice Raízen Combustíveis S.A. Índice Balanço patrimonial...2 Demonstração do resultado...4 Demonstração do resultado abrangente...5 Demonstração das mutações do patrimônio líquido...6 Demonstração dos fluxos

Leia mais

COMUNICADO AO MERCADO

COMUNICADO AO MERCADO . COMUNICADO AO MERCADO Convergência às Normas Internacionais de Contabilidade IFRS Apresentamos as principais alterações em nossas demonstrações contábeis decorrentes da adoção do padrão contábil internacional

Leia mais

Reunião Pública Apresentação de Resultados 1º Semestre 2011

Reunião Pública Apresentação de Resultados 1º Semestre 2011 Reunião Pública Apresentação de Resultados 1º Semestre 2011 Rio de Janeiro, 09 de Agosto 2011 1 Informação importante Esta apresentação foi preparada pelo Banco Santander (Brasil) S.A., eventuais declarações

Leia mais

CEMEPE INVESTIMENTOS S/A

CEMEPE INVESTIMENTOS S/A CEMEPE INVESTIMENTOS S/A RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO Senhores Acionistas, Em cumprimento às disposições legais e estatutárias, submetemos à apreciação de V.Sas. as demonstrações contábeis do exercício encerrado

Leia mais

Demonstrações financeiras em 30 de junho de 2015 e 2014

Demonstrações financeiras em 30 de junho de 2015 e 2014 MSB Bank S.A. Banco de Câmbio KPDS 125950 MSB Bank S.A. Banco de Câmbio Conteúdo Relatório da Administração 3 Relatório dos auditores independentes sobre as demonstrações financeiras 4 Balanços patrimoniais

Leia mais

Comparações entre Práticas Contábeis

Comparações entre Práticas Contábeis IAS 12, SIC-21, SIC-25 SFAS 109, I27, muitas questões EITF NPC 25 do Ibracon, Deliberação CVM 273/98 e Instrução CVM 371/02 Pontos-chave para comparar diferenças D i f e r e n ç a s S i g n i f i c a t

Leia mais

PARTICIPAÇÕES INDUSTRIAIS DO NORDESTE S.A.

PARTICIPAÇÕES INDUSTRIAIS DO NORDESTE S.A. PARTICIPAÇÕES INDUSTRIAIS DO NORDESTE S.A. DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2014 E 2013 Demonstrações Financeiras Em 31 de Dezembro de 2014 e 2013 Conteúdo Relatório da Administração Relatório

Leia mais

Crescimento expressivo. Conjuntura econômica

Crescimento expressivo. Conjuntura econômica Resultados 2010 Resultados 2010 Crescimento expressivo A SulAmérica registrou lucro líquido de R$ 614 milhões, que corresponde a uma elevação de 48,5% em relação a 2009 Conjuntura econômica O ano de 2010

Leia mais

DELIBERAÇÃO CVM Nº 641 DE 07/10/2010 DOU de 08/10/2010

DELIBERAÇÃO CVM Nº 641 DE 07/10/2010 DOU de 08/10/2010 PRESIDENTE DA COMISSÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS - CVM DELIBERAÇÃO CVM Nº 641 DE 07/10/2010 DOU de 08/10/2010 Aprova o Pronunciamento Técnico CPC 03(R2) do Comitê de Pronunciamentos Contábeis - CPC sobre

Leia mais

Normas Internacionais de Relatório Financeiro Modelo de demonstrações financeiras para 2010

Normas Internacionais de Relatório Financeiro Modelo de demonstrações financeiras para 2010 Normas Internacionais de Relatório Financeiro Modelo de demonstrações financeiras para 2010 Equipe técnica Deloitte Touche Tohmatsu Auditores Independentes Ed Ruiz Rogério Mota Emerson Ferreira Jonas Dal

Leia mais

Demonstrações Financeiras preparadas de acordo com a Circular SUSEP 483/2014. Santander Capitalização S.A.

Demonstrações Financeiras preparadas de acordo com a Circular SUSEP 483/2014. Santander Capitalização S.A. Demonstrações Financeiras preparadas de acordo com a Circular SUSEP 483/2014 Santander Capitalização S.A. 30 de junho de 2014 DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS ÍNDICE Pág. Relatório dos Auditores Independentes

Leia mais

DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS DAS INSTITUIÇÕES FINANCEIRAS 1

DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS DAS INSTITUIÇÕES FINANCEIRAS 1 DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS DAS INSTITUIÇÕES FINANCEIRAS 1 Sandra Figueiredo 1. Aspectos econômicos e jurídicos das instituições financeiras O Aparecimento das instituições financeiras foi motivado pelas relações

Leia mais

(Tradução livre do original em inglês)

(Tradução livre do original em inglês) (Tradução livre do original em inglês) RBS Participações S.A. e Subsidiárias Demonstrações Financeiras Intermediárias Consolidadas em 30 de setembro de 2011 e Relatório de Revisão dos Auditores Independentes

Leia mais

Large Accelerated Filer Accelerated Filer Non-accelerated Filer

Large Accelerated Filer Accelerated Filer Non-accelerated Filer Conforme arquivado na Securities and Exchange Commission em 27 de fevereiro de 2015 ESTADOS UNIDOS SECURITIES AND EXCHANGE COMMISSION Washington, D.C. 20549 (Marque Uma) FORMULÁRIO 20-F DECLARAÇÃO DE REGISTRO

Leia mais

BR Towers SPE1 S.A. Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2012 e relatório dos auditores independentes

BR Towers SPE1 S.A. Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2012 e relatório dos auditores independentes Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2012 e relatório dos auditores independentes Demonstração do resultado Exercício/período findo em 31 de dezembro Receita líquida (Nota 14) 13.913 Custo

Leia mais

sumário executivo Itaú Unibanco Holding S.A. 3º trimestre de 2013 Análise Gerencial da Operação

sumário executivo Itaú Unibanco Holding S.A. 3º trimestre de 2013 Análise Gerencial da Operação sumário executivo 3º trimestre de 2013 (Esta página foi deixada em branco intencionalmente) 4 Apresentamos, abaixo, informações e indicadores financeiros do (Itaú Unibanco). Destaques (exceto onde indicado)

Leia mais

Banco Fator S.A. Demonstrações Financeiras Consolidadas em IFRS

Banco Fator S.A. Demonstrações Financeiras Consolidadas em IFRS Banco Fator S.A. Demonstrações Financeiras Consolidadas em IFRS 31 de dezembro 2013 e 2012 BANCO FATOR S.A. BALANÇOS PATRIMONIAIS CONSOLIDADOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2013 E DE 2012 (Valores expressos em

Leia mais

MBK Securitizadora S.A. Relatório sobre as demonstrações financeiras Período de 13 de abril de 2012 (Data de constituição da Companhia) a 31 de

MBK Securitizadora S.A. Relatório sobre as demonstrações financeiras Período de 13 de abril de 2012 (Data de constituição da Companhia) a 31 de MBK Securitizadora S.A. Relatório sobre as demonstrações financeiras Período de 13 de abril de 2012 (Data de constituição da Companhia) a 31 de dezembro de 2012 MBK Securitizadora S.A. Demonstrações Financeiras

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 03 (R2) Demonstração dos Fluxos de Caixa

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 03 (R2) Demonstração dos Fluxos de Caixa COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 03 (R2) Demonstração dos Fluxos de Caixa Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IAS 7 (IASB BV2010) Índice OBJETIVO Item ALCANCE

Leia mais

ITR - Informações Trimestrais - 30/06/2012 - BPMB I Participações S.A. Versão : 1. Composição do Capital 1. Balanço Patrimonial Ativo 2

ITR - Informações Trimestrais - 30/06/2012 - BPMB I Participações S.A. Versão : 1. Composição do Capital 1. Balanço Patrimonial Ativo 2 Índice Dados da Empresa Composição do Capital 1 DFs Individuais Balanço Patrimonial Ativo 2 Balanço Patrimonial Passivo 3 Demonstração do Resultado 4 Demonstração do Resultado Abrangente 5 Demonstração

Leia mais

Officer Distribuidora de Produtos de Informática S.A.

Officer Distribuidora de Produtos de Informática S.A. Officer Distribuidora de Produtos de Informática S.A. Demonstrações Financeiras Individuais e Consolidadas Referentes ao Exercício Findo em 31 de Dezembro de 2012 e Relatório dos Auditores Independentes

Leia mais

Demonstrações Contábeis

Demonstrações Contábeis Demonstrações Contábeis 31 de Dezembro de 2014 ÍNDICE GERAL Página Demonstrativos Contábeis 02 Notas Explicativas da Administração 09 Resumo do Relatório do Comitê de Auditoria 112 Relatório dos Auditores

Leia mais

Abril S.A. e empresas controladas

Abril S.A. e empresas controladas Abril S.A. e empresas controladas DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS CONSOLIDADAS Referentes ao Exercício Findo em 31 de Dezembro de 2010 e Relatório dos Auditores Independentes 1 Abril S.A. e empresas controladas

Leia mais

Demonstrações Financeiras Consolidadas Preparadas de Acordo com as Normas Contábeis Internacionais - IFRS. Banco Original S.A.

Demonstrações Financeiras Consolidadas Preparadas de Acordo com as Normas Contábeis Internacionais - IFRS. Banco Original S.A. Demonstrações Financeiras Consolidadas Preparadas de Acordo com as Normas Contábeis Internacionais - IFRS Banco Original S.A. 31 de Dezembro de ÍNDICE DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS CONSOLIDADAS ÍNDICE

Leia mais

FORM 20-F/A Alteração No. 2

FORM 20-F/A Alteração No. 2 Conforme arquivamento junto à Comissão de Valores Mobiliários dos EUA em 11 de abril de 2012 COMISSÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS DOS ESTADOS UNIDOS Washington, D.C. 20549 FORM 20-F/A Alteração No. 2 DECLARAÇÃO

Leia mais

ING. Demonstrações Financeiras

ING. Demonstrações Financeiras ING Demonstrações Financeiras 30/junho/2002 ÍNDICE ING BANK N.V. DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS SEMESTRAIS DE 2002 E 2001... 3 ING CORRETORA DE CÂMBIO E TÍTULOS S.A. DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS SEMESTRAIS DE

Leia mais

Banco BMG S.A Demonstrações financeiras consolidadas de acordo com as normas internacionais de relatórios financeiros (IFRS) em 31 de dezembro de

Banco BMG S.A Demonstrações financeiras consolidadas de acordo com as normas internacionais de relatórios financeiros (IFRS) em 31 de dezembro de Banco BMG S.A Demonstrações financeiras consolidadas de acordo com as normas internacionais de relatórios financeiros (IFRS) em de 2010 Relatório dos auditores independentes Aos Administradores e Acionistas

Leia mais

RELEASE DE RESULTADOS 3T14 I 9M14

RELEASE DE RESULTADOS 3T14 I 9M14 RELEASE DE RESULTADOS 3T14 I 9M14 Contate RI: Adolpho Lindenberg Filho Diretor Financeiro e de Relações com Investidores Telefone: +55 (11) 3041-2700 ri@lindenberg.com.br www.grupoldi.com.br/relacao DIVULGAÇÃO

Leia mais

Guararapes Confecções S.A. e Controladas

Guararapes Confecções S.A. e Controladas 1 Informações gerais Atividades operacionais A Guararapes Confecções S.A. ( Companhia ) e suas controladas (conjuntamente, "o Grupo"), constituída em 6 de outubro de 1956, é uma sociedade anônima de capital

Leia mais

NOVAS REGRAS CONTÁBEIS PARA 2010 CONTINUAÇÃO DE PADRONIZAÇÃO INTERNACIONAL CONTÁBIL

NOVAS REGRAS CONTÁBEIS PARA 2010 CONTINUAÇÃO DE PADRONIZAÇÃO INTERNACIONAL CONTÁBIL NOVAS REGRAS CONTÁBEIS PARA 2010 CONTINUAÇÃO DE PADRONIZAÇÃO INTERNACIONAL CONTÁBIL Ana Beatriz Nunes Barbosa Em 31.07.2009, a Comissão de Valores Mobiliários (CVM) aprovou mais cinco normas contábeis

Leia mais

Demonstrações Financeiras 31 de Dezembro de 2013 e 2012

Demonstrações Financeiras 31 de Dezembro de 2013 e 2012 Demonstrações Financeiras com Relatório dos Auditores Independentes Demonstrações financeiras Índice Relatório dos auditores independentes sobre as demonstrações financeiras... 1 Demonstrações financeiras

Leia mais

MÁXIMA S/A. CORRETORA DE CÂMBIO, TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS. Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2014

MÁXIMA S/A. CORRETORA DE CÂMBIO, TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS. Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2014 MÁXIMA S/A. CORRETORA DE CÂMBIO, TÍTULOS E VALORES Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2014 Crowe Horwath Bendoraytes & Cia. Member of Crowe Horwath International Avenida das Américas, 4200

Leia mais

Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2013 e 2012

Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2013 e 2012 Ourinvest Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários S.A. Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2013 e 2012 KPDS 82388 Ourinvest Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários S.A. Demonstrações

Leia mais

III. FATORES DE RISCO

III. FATORES DE RISCO III. FATORES DE RISCO 1. RISCOS RELACIONADOS A FATORES MACROECONÔMICOS Política Econômica do Governo Federal O Governo Federal intervém freqüentemente na economia brasileira e realiza, ocasionalmente,

Leia mais

CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE

CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE ANEXO I DETALHAMENTO DO CONTEÚDO PROGRAMÁTICO APLICÁVEL À PROVA DE QUALIFICAÇÃO TÉCNICA GERAL 10º EXAME DE QUALIFICAÇÃO TÉCNICA 1. LEGISLAÇÃO E ÉTICA PROFISSIONAL. a) A LEGISLAÇÃO SOBRE A ÉTICA PROFISSIONAL

Leia mais

Divulgação de resultados 3T13

Divulgação de resultados 3T13 Brasil Brokers divulga seus resultados do 3º Trimestre do ano de 2013 Rio de Janeiro, 13 de novembro de 2013. A Brasil Brokers Participações S.A. (BM&FBovespa: BBRK3) uma empresa com foco e atuação no

Leia mais

ADOÇÃO DO IFRS PELO GRUPO GERDAU GERALDO TOFFANELLO DIRETOR CORPORATIVO CONTÁBIL

ADOÇÃO DO IFRS PELO GRUPO GERDAU GERALDO TOFFANELLO DIRETOR CORPORATIVO CONTÁBIL ADOÇÃO DO IFRS PELO GRUPO GERDAU GERALDO TOFFANELLO DIRETOR CORPORATIVO CONTÁBIL Outubro/2009 Agenda Adoção do IFRS pelo Grupo Gerdau GRUPO GERDAU EXPERIÊNCIA IFRS / CPC BENEFÍCIOS PARA O GRUPO GERDAU

Leia mais

Demonstrações Contábeis Cimento Tupi S.A. e Empresas Controladas

Demonstrações Contábeis Cimento Tupi S.A. e Empresas Controladas Demonstrações Contábeis Cimento Tupi S.A. e Empresas Controladas 31 de dezembro de 2012 com o Relatório dos Auditores Independentes sobre as Demonstrações Contábeis Demonstrações contábeis 31 de dezembro

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 03 (R2) Demonstração dos Fluxos de Caixa

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 03 (R2) Demonstração dos Fluxos de Caixa COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 03 (R2) Demonstração dos Fluxos de Caixa Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IAS 7 (IASB BV2010) Índice OBJETIVO Item ALCANCE

Leia mais

EARNINGS RELEASE 2T12 e 1S12

EARNINGS RELEASE 2T12 e 1S12 São Paulo, 15 de agosto de 2012 - A Inbrands S.A. ( Inbrands ou Companhia ), uma empresa de consolidação e gestão de marcas de lifestyle e moda premium do Brasil, anuncia hoje os resultados do segundo

Leia mais

Instrumentos financeiros - A norma completa

Instrumentos financeiros - A norma completa Instrumentos financeiros - A norma completa Mudanças nos fundamentos requerem planejamento cuidadoso Setembro de 2014, Edição 04/2014 IFRS EM DESTAQUE kpmg.com/br A nova norma irá ter um impacto significativo

Leia mais

Bolsa de Valores de Nova York* Ações Depositárias Americanas (conforme evidenciado

Bolsa de Valores de Nova York* Ações Depositárias Americanas (conforme evidenciado Conforme arquivamento junto à Comissão de Valores Mobiliários dos EUA em 7 de maio de 2009. COMISSÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS DOS ESTADOS UNIDOS Washington, D.C. 20549 FORMULÁRIO 20-F DECLARAÇÃO DE REGISTRO

Leia mais