A LEI DO BEM COMO INSTRUMENTO DE FOMENTO À P&D: ANÁLISE DOS RESULTADOS NA REGIÃO NORTE ( )

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A LEI DO BEM COMO INSTRUMENTO DE FOMENTO À P&D: ANÁLISE DOS RESULTADOS NA REGIÃO NORTE (2006-2010)"

Transcrição

1 A LEI DO BEM COMO INSTRUMENTO DE FOMENTO À P&D: ANÁLISE DOS RESULTADOS NA REGIÃO NORTE ( ) Moises Israel Belchior de Andrade Coelho (UEA) O objetivo deste trabalho é apresentar os resultados relacionados as políticas de incentivos à P&D na região norte, mais especificamente, a Lei do Bem. Os resultados apontam para um aumento significativo do número de empresas que passaram aa utilizar os incentivos fiscais para fomento à P&D no Brasil e no caso dos estados estudados (Amazonas, Pará e Tocantins) apresentam-se os resultados de 2006 a As considerações finais reforçam a urgência da necessidade de se repensar entre outras coisas o modelo do Polo Industrial de Manaus, principalmente, em relação ao tema inovação. Palavras-chaves: Inovação, P&D, Lei do Bem, Amazonas, Pará, Tocantins 1

2 INTRODUÇÃO A capacidade de inovação tecnológica e o avanço do conhecimento científico de uma nação é determinado pela estreita relação entre ciência e tecnologia, surgindo a relação direta entre capacidade de produção de riqueza e liderança em ciência e tecnologia (C&T). Países considerados líderes em C&T são potências econômicas e países com forte crescimento econômico apresentam matrizes cada vez mais complexas (DE NEGRI & LEMOS, 2009). O desenvolvimento tecnológico está cada vez mais dependente de suas interações com o desenvolvimento científico, pois para o desenvolvimento de tecnologias exige-se cada vez mais pesquisa, publicação e estudos científicos. Não é mais possível, no nível de nação, ser líder em tecnologia sem ser líder na produção científica (DE NEGRI et al., 2010).. A Lei de Inovação possibilitou que recursos públicos fossem utilizados para auxiliar as atividades inovativas nas empresas. A Lei do Bem estabeleceu mecanismos de depreciação acelerados e de incentivos fiscais para investimentos em pesquisa e desenvolvimento (P&D), antes desta lei os incentivos para P&D estavam vinculados aos Programas de Desenvolvimento Tecnológico Industrial e agropecuário (PDTIs e PDTAs), todavia estes mecanismos foram pouco utilizados entre outros motivos pela necessidade prévia de aprovação do projeto junto ao MCT (DE NEGRI et al., 2010). Nos dez anos do PDTI foram aprovados 196 projetos, em contrapartida durante os dois primeiros anos da Lei do Bem foram beneficiadas 320 empresas. Estes incentivos estão relativamente distribuídos por toda a base produtiva, todavia regionalmente concentrados (DE NEGRI & LEMOS, 2009). Sendo assim, o objetivo deste trabalho será de apresentar os resultados relacionados as políticas de incentivos à P&D na região norte do Brasil, mais especificamente, a Lei do Bem. Foram avaliados os resultados do período de O artigo está estruturado em três partes: a primeira trata de uma breve revisão da literatura relacionada aos incentivos fiscais à pesquisa e desenvolvimento (P&D) e a Lei do Bem (seções 1 e 2); na segunda parte apresentam-se os resultados da pesquisa (seção 3); e por fim, a última parte contém as considerações finais e as referências. 1. INCENTIVOS FISCAIS À PESQUISA E DESENVOLVIMENTO (P&D) O foco principal das políticas de ciência, tecnologia e inovação (C,T&I) dos países da OCDE tem se concentrado no incentivo a geração de conhecimento com o objetivo de dar continuidade ao processo de expansão da fronteira científica, constantemente alimentando as áreas tradicionais (ambas trazem impactos econômicos importantes) e no incentivo à inovação. A política de inovação articula-se à política industrial procurando oferecer um conjunto de orientações para os programas governamentais desses países com base na abordagem dos Sistemas Nacionais de Inovação SNI (CORDER, 2006). Nas décadas de 80 e 90 a participação média das empresas no gasto total com P&D apresentou ligeiro aumento, acentuando-se mais na década de 80. As políticas econômicas por parte dos governos dos países tem favorecido um maior grau de intervenção do Estado na promoção e orientação da atividade econômica, o apoio a P&D aparece como mais um instrumento de ação governamental. O apoio justifica-se como uma resposta a existência de falhas do mercado que impediriam a empresa de se apropriar integralmente do benefício gerado pelos resultados dos seus investimentos. A principal vantagem do financiamento público às 2

3 atividades de P&D nas empresas está associado a possibilidade de uma participação mais efetiva do poder público na orientação do esforço de P&D das empresas, focando em áreas consideradas prioritárias para o governo (GUIMARÃES, 2006). Além dos incentivos fiscais, subvenções diretas vem sendo utilizadas por estes países para apoiar os gastos privados em P&D; mesmo existindo grandes variações entre os países podese afirmar que o valor médio do estímulo concedido ao setor privado é correspondente a 13,4% do gasto privado em P&D. Metade na forma de subvenção (6,5%) e metade na forma de tratamento fiscal favorável (6,9%) (CORDER, 2006). No que tange os incentivos fiscais à P&D, principal vantagem reside em permitir que o mercado, e não a autoridade governamental defina a alocação dos investimentos em P&D segundo setores e projetos e os menores custos administrativos, todavia o mecanismo de incentivo fiscal pode tornar-se oneroso para o erário público devido a magnitude da renúncia fiscal envolvida. A não possibilidade de orientação dos investimentos em P&D para áreas e setores de maior rentabilidade social também tem sido criticado ao favorecer projetos de curto prazo e que não demandariam incentivos para serem realizados (GUIMARÃES, 2006). Os incentivos fiscais à P&D se tornaram uma tendência internacional, os mesmos apresentam algumas vantagens que os tornam atraentes para os formuladores de políticas: (1) são baseados em alocações de mercado; (2) não discriminam setores; e (3) estão prontamente disponíveis às empresas, com baixo custo administrativo para o governo (ARAÚJO, 2010). No caso Brasileiro ocorreram avanços importantes na política de inovação tecnológica a partir de Nos últimos 25 anos foi construído um sistema relativamente robusto de inovação no Brasil quando comparado a outros países latino-americanos mais desenvolvidos: pósgraduação, fundos especiais para financiamento da pesquisa entre outras ações. Da segunda metade dos anos 90 ocorreram avanços com a criação dos Fundos setoriais e com os programas de desenvolvimento tecnológico industrial e agropecuário (PDTI/PDTA). Com a PITCE de 2003 o Brasil passou a contar com um sistema mais integrado e coerente para a indução da inovação nas empresas (DE NEGRI & LEMOS, 2009). 2. A LEI DO BEM Esta modalidade de incentivo foi introduzida no Brasil pela Lei n 8.661/93 que estabeleceu o Programa de Desenvolvimento Tecnológico da Indústria (PDTI) e o Programa de Desenvolvimento Tecnológico da Agricultura (PDTA). Os incentivos do PDTI foram voltados para um grupo muito restrito de firmas, basicamente devido a três fatores (ARAÚJO, 2010): 1. A necessidade de autorização prévia do projeto de inovação; 2. O viés dos incentivos fiscais em direção as grandes empresas; e 3. A restrição dos incentivos a 4% do imposto de renda de pessoa jurídica (IRPJ) a pagar, fixada a partir de Os incentivos introduzidos pelo PDTI e PDTA referentes ao IRPJ foram os seguintes (ARAÚJO, 2010): 1. As firmas poderiam deduzir do IRPJ o valor correspondente a multiplicação dos gastos correntes em P&D e a alíquota de IRPJ aplicável a estes gastos, sem prejuízo da dedução destes gastos como despesas; 3

4 2. Depreciação acelerada incentivada dos investimentos em máquinas e equipamentos destinados à inovação em duas vezes; 3. Os ativos intangíveis relacionados à inovação poderiam ser amortizados no ano em que fossem adquiridos; 4. Despesas com royaltes e assistência técnica poderiam ser deduzidos como despesas, desde que não excedessem 10% do total das vendas dos produtos resultantes do PDTI e PDTA. Todavia, foram poucas as empresas que utilizaram o PDTI e o PDTA devido estes incentivos apenas se aplicarem a firmas que pagavam seus impostos de acordo com o sistema de lucro real, o que reduziu o público para estes incentivos. Outro problema dizia respeito à necessidade de uma aprovação prévia e a imposição do limite de redução do IRPJ (depois de 1997 o limite reduziu de 8% para 4%), diminuindo assim a sua atratividade (ARAÚJO, 2010). A criação da Lei de Inovação em 2004 complementada pelo capítulo III da Lei do Bem criou no país um ambiente propício para as empresas investirem cada vez mais em P,D&I tornando-as mais eficientes e competitivas nas suas áreas de atuação (MCT, 2010). A principal mudança promovida pela Lei do Bem foi a dedutibilidade dos gastos em P&D à proporção de 1,6 da base tributária, eliminando-se o mecanismo baseado no crédito tributário. A possibilidade de carry-forward também foi eliminada. A lei utiliza o Manual de Oslo para definir inovação, todavia os gastos relacionados à inovação são definidos de uma maneira bem mais ampla. Eles não incluem somente a P&D realizada internamente, mas também a P&D realizada contratada de empresas e universidades, os royaltes e as despesas com assistência técnica (ARAÚJO, 2010). Os benefícios previstos na Lei do Bem destinados à P&D nas empresas podem ser elencados resumidamente da seguinte forma (MCT, 2010): 1. Exclusão no IRPJ do lucro líquido e da base de cálculo da Contribuição Social sobre o Lucro Líquido - CSLL, do valor correspondente de até 60% da soma dos dispêndios, classificados como despesas operacionais pela legislação do IRPJ realizados com P&D no período; 2. Adição de até 20% no caso de aumento no número de pesquisadores dedicados exclusivamente à P&D contratados no ano de referência; 3. Adição de até 20% no caso de patente concedida ou cultivar registrado; 4. Redução de 50% do IPI incidente sobre equipamentos, máquinas, aparelhos e instrumentos adquiridos para pesquisa e desenvolvimento tecnológico; 5. Depreciação integral de equipamentos e bens intangíveis e amortização acelerada exclusivamente para P&D; 6. Redução a zero da alíquota do IR nas remessas efetuadas para o exterior destinadas ao registro e manutenção de marcas, patentes e cultivares. Como resultados atuais, a Lei do Bem ainda não foi capaz de estimular a diversificação setorial destes investimentos no Brasil, tendo em vista que a maioria dos benefícios foram capturados por setores que já desenvolviam esta atividade, todavia vale salientar a interação da Lei do Bem com demais instrumentos de apoio à inovação existentes que podem atuar de forma 4

5 complementar para o desenvolvimento tecnológico do setor produtivo nacional (ZUCOLOTO, 2010). 3. RESULTADOS DA LEI DO BEM NA REGIÃO NORTE Neste tópico será apresentada a análise das empresas que se beneficiaram da Lei do Bem entre os anos de 2006 e 2010 na região norte, os resultados são apresentados por ano baseados nos cinco relatórios do Ministério da Ciência e Tecnologia (MCT) relacionados a utilização de incentivos fiscais. Os dados oriundos dos relatórios do MCT foram filtrados para apreensão das informações referentes aos estados do Amazonas, Pará e Tocantins. A limitação da população aos três estados ocorreu devido à somente esses estados possuírem empresas beneficiadas pela Lei do Bem na região norte no período analisado. Os investimentos realizados em P&D no Brasil por empresas beneficiárias da Lei do Bem (Tabela 1) apresentou forte aumento entre os anos de 2006 e Em 2008 o volume de investimentos em P&D atingiram 8,8 bilhões de reais, o que representou 0,3% do PIB nacional. Observa-se um aumento de mais 300% no montante de investimentos em P&D no Brasil. No ano de 2010 observa-se uma ligeira queda no número de investimentos realizados no Brasil percentualmente, todavia o valor investimento somente fica abaixo do ano de Ano base Investimento PIB (bilhão) % , ,00 0,09% , ,80 0,20% , ,70 0,30% , ,00 0,27% , ,00 0,23% Fonte: MCT (2011) Tabela 1 Investimentos realizados pelas empresas em P&D (Brasil) Ano base Fonte: MCT (2011) Número de empresas Brasil Tabela 2 Empresas habilitadas por regiões Número de empresas habilitadas na região norte Participação ,77% ,00% ,96% ,11% ,41% 5

6 Os valores de investimentos em P&D no Brasil no período entre 2006 e 2008 demonstram a evolução do novo aparato institucional de forma significativa, com exceção o ano de O estado do Amazonas (estado com maior participação em todas as pesquisas) acompanhou o crescimento da Lei do Bem durante o período de 2006 a 2008 com baixa em 2009 tal como observado no apanhado geral. A participação do Amazonas em 2008 aproximou-se dos 2% de empresas beneficiárias dos incentivos fiscais. Em 2010 observa-se o reduzido crescimento de empresas que aderiram a Lei do Bem na região, todavia pela primeira vez aparece um empresa do estado do Tocantins entre as beneficiadas pela lei (Tabela 2). Em relação ao Amazonas e Pará, os investimentos em P&D entre 2007 e 2009 apresentaram aumentos consideráveis (Tabela 3), mesmo que em 2009 observa-se uma queda no volume investido. Todavia as participações em relação ao PIB, tanto dos dois estados, quanto do Brasil ainda são consideradas muito baixas quando comparadas, por exemplo, aos países da OECD, por exemplo. Ano base Investimento PIB (Milhão) % 2007 (*) 14, ,0 0,02% 2008 (*) 177, ,0 0,19% 2009 (*) 90, ,0 0,09% 2010 (**) 111, ,0 0,19% (*) Valores referentes ao PIB do Amazonas e Pará (**) Valor referente apenas ao PIB do Amazonas Fonte: MCT (2011) Tabela 3 Investimentos realizados pelas empresas em P&D Região Norte Em 2006 (tabela 4) apenas uma empresa foi beneficiária dos incentivos fiscais, a mesma localizava-se no estado do Amazonas e atuava no setor eletroeletrônico. No Amazonas a empresa informou despesas de custeio em P&D de aproximadamente R$ 6, 3 milhões, que somadas ao incentivo do desconto adicional de 60% totalizaram R$ 10 milhões, deduzidos da base de cálculo da Contribuição Social sobre o Lucro Líquido - CSLL e do imposto de renda - IR. O ganho real (renúncia fiscal) para a empresa foi de cerca de R$ 1,2 milhão. N de empresas UF Setor (es) Dispêndios efetuados dispêndio pesquisador Total geral Total dos benefícios reais x1000,00 1 AM Eletro-eletrônico 6.290, ,25 0, , ,01 Fonte: MCT (2007) Tabela 4 Empresas Beneficiárias dos incentivos fiscais Ano base 2006 Em 2007 o número de empresas beneficiárias foi de três empresas, as mesmas se localizavam em Manaus (2) e Belém (1), atuando nos setores eletroeletrônicos (2) e na agroindústria (1). As empresas informaram despesas de custeio em P&D de aproximadamente R$ 6

7 14,4 milhões, que somadas ao incentivo do desconto adicional de 60% totalizaram R$ 23,1 milhões (aumento de mais de 200% em relação a 2006), deduzidos da base de cálculo da Contribuição Social sobre o Lucro Líquido - CSLL e do imposto de renda - IR. O ganho real (renúncia fiscal) para as empresas foi de cerca de R$ 2,9 milhões (Tabela 5). N de empresas UF Setores 3 AM (2) PA (1) Fonte: MCT (2008) Dispêndios efetuados dispêndio pesquisador Tabela 5 Empresas Beneficiárias dos incentivos fiscais Ano base 2007 Total geral Total dos benefícios reais x1000,00 Eletro-eletrônico (2) Agroindústria (1) , ,39 0, , ,26 Em 2007 as empresas utilizaram recursos da ordem de R$ 14 milhões em despesas gerais com P&D no estado do Amazonas e Pará, sendo R$ 249 mil com despesas de capitais e R$ 14,4 milhões com despesas de custeio. Os dois estados representaram 0,3% do total nacional (Tabela 6). Despesas capitais Despesas de custeio Total x1000,00 Norte 249, , ,69 Brasil , , ,22 Participação 0,05% 0,33% 0,30% Fonte: MCT (2008) Tabela 6 Investimentos realizados pelas empresas em P&D Ano base 2007 Em 2008 o número de empresas beneficiárias totalizaram nove empresas (Tabela 7), as mesmas se localizavam em Manaus (8) e Belém (1), atuando nos setores eletroeletrônicos (5); alimentos; (1); telecomunicação; (1), mecânica e transporte (1); e na agroindústria (1). As empresas informaram despesas de custeio em P&D de aproximadamente R$ 176,6 milhões, que somadas ao incentivo do desconto adicional de 60% totalizaram R$ 284,6 milhões (aumento de mais de 12 vezes em relação a 2007), deduzidos da base de cálculo da Contribuição Social sobre o Lucro Líquido - CSLL e do imposto de renda - IR. O ganho real (renúncia fiscal) para as empresas foi de cerca de R$ 39,1 milhões. 7

8 N de empresas UF Setores Dispêndios efetuados dispêndio pesquisador Total geral Total dos benefícios reais x1000,00 9 AM (8) PA (1) Fonte: MCT (2009) Eletro-eletrônico (5) Alimentos (1) Telecomunicação (1) Agroindústria (1) Mecânica e transportes (1) , , , , ,19 Tabela 7 Empresas beneficiárias dos incentivos fiscais Ano base 2008 Em 2008 foram utilizados recursos da ordem de R$ 177 milhões em despesas gerais com P&D no estado do Amazonas e Pará, sendo R$ 635 mil com despesas de capitais e R$ 176,6 milhões com despesas de custeio. Os dois estados representaram 3,64% do total nacional (Tabela 8). Despesas capitais Despesas de custeio Total x1000,00 Norte 635, , ,08 Brasil , , ,22 Participação 0,12% 4,07% 3,64% Fonte: MCT (2009) Tabela 8 Investimentos realizados pelas empresas em P&D Ano base 2008 Em 2009 o número de empresas beneficiárias totalizaram seis empresas (Tabela 9), as mesmas se localizavam em Manaus (5) e Belém (1), atuando nos setores eletroeletrônicos (2); alimentos; (1); telecomunicação; (1), mecânica e transporte (1); e na agroindústria (1). As empresas informaram despesas de custeio em P&D de aproximadamente R$ 90,2 milhões, que somadas ao incentivo do desconto adicional de 60% totalizaram, em conjunto ao adicional de até 20%, no caso de incremento do número de pesquisadores contratados em 2009, totalizaram R$ 59,7 milhões deduzidos da base de cálculo da Contribuição Social sobre o Lucro Líquido - CSLL e do imposto de renda - IR. O ganho real (renúncia fiscal) para as empresas foi de cerca de R$ 20,3 milhões. 8

9 N de empresas UF Setores Dispêndios efetuados (*) dispêndio pesquisador Total geral (**) Total dos benefícios reais x1000,00 6 AM (5) PA (1) Eletro-eletrônico (2) Alimentos (1) Telecomunicação (1) Agroindústria (1) Mecânica e transportes (1) , , , , ,79 (*) Refere-se aos dispêndios reais para cálculo dos incentivos adicionais concedidos pela Lei do Bem (**) Refere-se ao total da redução incentivada na base de cálculo do IRPJ e CSLL Fonte: MCT (2010) Tabela 9 Empresas beneficiárias dos incentivos fiscais Ano base 2009 Em 2009 foram utilizados recursos da ordem de R$ 90 milhões em despesas gerais com P&D no estado do Amazonas e Pará (Tabela 10), sendo sua totalidade com despesas de custeio. Os dois estados representaram 1,08% do total nacional. Despesas de Despesas capitais custeio Total x1000,00 Norte , ,77 Brasil , , ,95 Participação 0,00% 1,11% 1,08% Fonte: MCT (2010) Tabela 10 Investimentos realizados pelas empresas em P&D Ano base 2009 Em 2010 o número de empresas beneficiárias totalizaram nove empresas (Tabela 11), as mesmas se localizavam em Manaus (7), Belém (1) e Miracema do Tocantins, atuando nos setores eletroeletrônicos (3); alimentos; (1); telecomunicação; (1), mecânica e transporte (2); agroindústria (1) e outras (1). As empresas informaram despesas de custeio em P&D de aproximadamente R$ 111,3 milhões, que somadas ao incentivo do desconto adicional de 60% totalizaram (por exclusão), em conjunto ao adicional de até 20%, no caso de incremento do número de pesquisadores contratados em 2010, totalizaram R$ 66,7 milhões deduzidos da base de cálculo da Contribuição Social sobre o Lucro Líquido - CSLL e do imposto de renda - IR. O ganho real (renúncia fiscal) para as empresas foi de cerca de R$ 22,6 milhões. 9

10 N de empresas UF Setores 9 AM (7) PA (1) TO (1) Fonte: MCT (2011) Eletro-eletrônico (3) Alimentos (1) Telecomunicação (1) Agroindústria (1) Mecânica e transportes (2) Outras (1) Dispêndios efetuados (*) dispêndio pesquisador patente/registro Tabela 11 Empresas beneficiárias dos incentivos fiscais Ano base 2010 Total geral (**) Total dos benefícios reais x1000, , ,61 0,00 0, , ,34 (*) Refere-se aos dispêndios reais para cálculo dos incentivos adicionais concedidos pela Lei do Bem (**) Refere-se ao total da redução incentivada na base de cálculo do IRPJ e CSLL Em 2010 foram utilizados recursos da ordem de R$ 111 milhões em despesas gerais com P&D no estado do Amazonas, Pará e Tocantins, sendo a maior parcela (99%) com despesas de custeio. Os três estados representaram 1,29% do total nacional, aumento de 20% nos investimentos em relação a 2009 (Tabela 12). Despesas de Despesas capitais custeio Total x1000,00 Norte 14, , ,62 Brasil , , ,09 Participação 0,01% 1,33% 1,29% Fonte: MCT (2011) Tabela 12 Investimentos realizados pelas empresas em P&D Ano base 2010 CONSIDERAÇÕES FINAIS Os resultados apontaram que nos cinco anos ( ) os investimentos em P&D no Brasil aumentaram em mais de 300% com a Lei do Bem. Os baixos números de projetos aprovados pelo PDTI foram substituídos por um aumento significativo de empresas que passaram a utilizar a Lei do Bem para a realização de P&D. O Amazonas e o Pará (e o estado do Tocantins de acordo com o último relatório) acompanharam o crescimento de empresas que utilizaram incentivos fiscais por meio da Lei do Bem, passando de apenas uma empresa em 2006 a seis empresas em 2009 e a nova empresas em Entretanto, quando se compara os investimentos em P&D em relação ao PIB dos dois estados (Amazonas e Pará) observa-se uma pequena participação resultante do pequeno número de empresas que utilizam a Lei do Bem nos dois estados. Este resultado corrobora a discussão da pouca realização de pesquisa e desenvolvimento por parte das empresas instaladas, principalmente, no Polo Industrial de Manaus. No caso do estado do Pará importantes empresas atuando nos setores de mineração não realizam suas pesquisas no estado. Os setores que mais utilizaram a Lei do Bem foram o eletroeletrônico e a agroindústria; o setor de mecânica e transportes, no qual se incluí o polo de duas rodas, apenas uma empresa 10

11 utilizou os benefícios da lei, ou seja, o segundo setor que mais concentra mão-de-obra no estado do Amazonas (polo de duas rodas) produz pouquíssima pesquisa no estado. Apenas em 2008 e 2009 observam-se empresas que utilizaram os benefícios para o incremento de pesquisadores contratados exclusivamente para P&D. Os benefícios em relação ao depósito de patentes/registro não foi utilizado pelas empresas da região norte. Desta forma, o estudo pretendeu apresentar os resultados da Lei do Bem nos estados da região norte demonstrando a necessidade de uma discussão mais ampla dos caminhos que, principalmente, o Polo Industrial de Manaus precisa tomar. Os resultados da PINTEC demonstram o foco exacerbado das indústrias em inovações em processos com pouca participação de patentes (COELHO, 2011) e no caso dessa pesquisa a baixa adesão das indústrias localizadas, principalmente, em Manaus para utilização dos incentivos fiscais para o fomento à P&D. Torna-se necessário que os governos exijam por parte das empresas residentes nestes estados uma maior participação em políticas de C,T&I que fomentem à P&D, as patentes e outros mecanismos de inovação como forma de promoção do desenvolvimento econômico e social local. REFERÊNCIAS ARAÚJO, B. C. Incentivos fiscais à pesquisa e desenvolvimento e custos de inovação no Brasil. In: INSTITUTO DE PESQUISA ECONÔMICA APLICADA - IPEA. Radar - Tecnologia, Produção e Comércio Exterior n 9. Brasília: IPEA, COELHO, M. I. B. A. Inovação tecnológica no estado do Amazonas: um estudo baseado na PINTEC. T&C Amazônia, ano IX, n. 20, CORDER, S. Políticas de inovação tecnológica no Brasil: experiência recente e perspectivas. Texto para discussão n Brasília: IPEA, DE NEGRI, J. A.; LEMOS, M. B. Avaliação das políticas de incentivo à P&D e inovação tecnológica no Brasil. Nota Técnica. Brasília: IPEA, ET AL. Metodologia de avaliação dos resultados de conjuntos de projetos apoiados por fundos e ciência, tecnologia e inovação (C,T&I). In: Conferência Nacional de Ciência, Tecnologia & Inovação, 4, 2010, Brasília. Disponível em: < Acessado em: dezembro de GUIMARÃES, E. A. Políticas de inovação: financiamento e incentivos. Texto para discussão n Brasília: IPEA, MINISTÉRIO DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA - MCT. Relatório anual da utilização dos incentivos fiscais: ano base Brasília: MCT, Relatório anual da utilização dos incentivos fiscais: ano base Brasília: MCT, Relatório anual da utilização dos incentivos fiscais: ano base Brasília: MCT, Relatório anual da utilização dos incentivos fiscais: ano base Brasília: MCT, Relatório anual da utilização dos incentivos fiscais: ano base Brasília: MCT, SILVA, E. L.; MENEZES, E. M. Metodologia da pesquisa e elaboração de dissertação. 4. ed. rev. atual. Florianópolis: UFSC, ZUCOLOTO, G. F. Lei do Bem: impactos nas atividades de P&D no Brasil. In: INSTITUTO DE PESQUISA ECONÔMICA APLICADA - IPEA. Radar - Tecnologia, Produção e Comércio Exterior n 6. Brasília: IPEA,

Inovação Tecnológica

Inovação Tecnológica Inovação Tecnológica Cliente AAA Ltda. Mensagem: O empresário que necessita de uma tecnologia tem duas opções: ele pode ou desenvolvê-la, ou adquiri-la. Agenda Introdução Arcabouço Legal Conceitos Incentivos

Leia mais

Inovação Tecnológica Histórico no Brasil

Inovação Tecnológica Histórico no Brasil www.fius.com.br Inovação Tecnológica Histórico no Brasil 1991 Lei 8.248 1993 Lei 8.661 2005 Lei 11/196 Lei da Informática Programa de Desenvolvimento Tecnológico Industrial (PDTI)/ Agropecuário (PDTA)

Leia mais

Incentivos fiscais à pesquisa e desenvolvimento e custos de inovação no Brasil

Incentivos fiscais à pesquisa e desenvolvimento e custos de inovação no Brasil 3 Incentivos fiscais à pesquisa e desenvolvimento e custos de inovação no Brasil 1 Introdução s estímulos à inovação na forma de incentivos O fiscais se tornaram, nos últimos anos, uma tendência internacional.

Leia mais

Auditoria e Consultoria para seu Negócio.

Auditoria e Consultoria para seu Negócio. Auditoria e Consultoria para seu Negócio. Contexto Local 2005 A Lei nº 11.196/2005 Lei do Bem, em seu Capítulo III, foi concebida de forma a acompanhar a tendência internacional, concedendo incentivos

Leia mais

Incentivos Fiscais à Inovação Tecnológica da Lei do Bem Workshop

Incentivos Fiscais à Inovação Tecnológica da Lei do Bem Workshop Incentivos Fiscais à Inovação Tecnológica da Lei do Bem Workshop Eduardo Grizendi Professor Titular egrizendi@inatel.br Blog: www.eduardogrizendi.blogspot.com Santa Rita do Sapucaí, 12 de Março de 2010

Leia mais

Incentivos Fiscais Pro r f. f.dr. r.a ri r st s e t u G omes T i T ninis C iab a á, á 1 5 1 5 de d ez e e z mbr b o r de 2 0 2 1 0 5

Incentivos Fiscais Pro r f. f.dr. r.a ri r st s e t u G omes T i T ninis C iab a á, á 1 5 1 5 de d ez e e z mbr b o r de 2 0 2 1 0 5 MCTI - Secretaria de Desenvolvimento Tecnológico e Inovação Incentivos Fiscais Prof. Dr. Aristeu Gomes Tininis Cuiabá, 15 de dezembro de 2015 MCTI SETEC. AGENDA Programa Inovar Auto. Lei do Bem. Possibilidades

Leia mais

OS INCENTIVOS FISCAIS À

OS INCENTIVOS FISCAIS À DECOMTEC OS INCENTIVOS FISCAIS À INOVAÇÃO TECNOLÓGICA DA LEI Nº 11.196/2005 Departamento de Competividade e Tecnologia - DECOMTEC São Paulo, 08 de outubro de 2012 Principais incentivos da Lei do Bem (Cap.

Leia mais

Benefício Fiscal da Inovação Tecnológica Definição de inovação

Benefício Fiscal da Inovação Tecnológica Definição de inovação Benefício Fiscal da Inovação Tecnológica Definição de inovação Agenda Condições gerais Benefícios fiscais Fases de pesuisa e desenvolvimento Definição de inovação tecnológica 2 Condições gerais Não limita

Leia mais

Incentivos Fiscais para captação de recursos

Incentivos Fiscais para captação de recursos Incentivos Fiscais para captação de recursos a) Dedutibilidade das doações A partir de 1º de janeiro de 1996, a Lei 9.249, de 26 de dezembro de 1996, limitou a dedutibilidade de algumas despesas operacionais,

Leia mais

Incentivos Fiscais à Inovação Tecnológica

Incentivos Fiscais à Inovação Tecnológica Incentivos Fiscais à Inovação Tecnológica Lei nº 11.196/2005 Julho 2014 Agenda Cenário de P&D no Brasil; Conceito de Inovação Tecnológica; Projeto identificação e descrição; Principais Incentivos Fiscais;

Leia mais

Políticas Públicas de Incentivo à Inovação

Políticas Públicas de Incentivo à Inovação Políticas Públicas de Incentivo à Inovação 18 de outubro de 2011 Rafael Levy Telma Ragonezi Copyright 2011 Allagi e Adm Brasil Consulting Agenda 1 2 3 4 Sistema Nacional de Inovação Marco Legal Aplicação

Leia mais

Incentivos Fiscais para P,D&I Lei 11.196/2005 (Lei do Bem)

Incentivos Fiscais para P,D&I Lei 11.196/2005 (Lei do Bem) Incentivos Fiscais para P,D&I Lei 11.196/2005 (Lei do Bem) Características Básicas dos Incentivos Fiscais: Atende empresas que operam em regime de lucro real e que realizam atividades de P&D; Introduziu

Leia mais

PRINCIPAIS LINHAS DE FINANCIAMENTO E FOMENTO PARA INOVAÇÃO

PRINCIPAIS LINHAS DE FINANCIAMENTO E FOMENTO PARA INOVAÇÃO PRINCIPAIS LINHAS DE FINANCIAMENTO E FOMENTO PARA INOVAÇÃO inovação. Dentre esses se destacam as formas especiais de financiamento a projetos inovadores através de Editais e linhas de fomento. Nesse sentido

Leia mais

Marco Legal da Inovação

Marco Legal da Inovação Marco Legal da Inovação 5 º Diálogos da MEI Confederação Nacional da Indústria CNI São Paulo, 31 de março de 2015 Adriano Macedo Ramos Chefe da Assessoria de Captação de Recursos Secretaria-Executiva do

Leia mais

LEI DE INOVAÇÃO Regulamentação e Medidas Tributárias Favoráveis às atividades de Pesquisa, Desenvolvimento Tecnológico e Inovação nas Empresas

LEI DE INOVAÇÃO Regulamentação e Medidas Tributárias Favoráveis às atividades de Pesquisa, Desenvolvimento Tecnológico e Inovação nas Empresas LEI DE INOVAÇÃO Regulamentação e Medidas Tributárias Favoráveis às atividades de Pesquisa, Desenvolvimento Tecnológico e Inovação nas Empresas 8 REPICT Encontro de Propriedade Intelectual e Comercialização

Leia mais

REFLEXÕES SOBRE OS INCENTIVOS FISCAIS APLICÁVEIS NAS CONCESSIONÁRIAS DE ENERGIA ELÉTRICA E SEUS PROCEDIMENTOS RELACIONADOS AO P&D

REFLEXÕES SOBRE OS INCENTIVOS FISCAIS APLICÁVEIS NAS CONCESSIONÁRIAS DE ENERGIA ELÉTRICA E SEUS PROCEDIMENTOS RELACIONADOS AO P&D REFLEXÕES SOBRE OS INCENTIVOS FISCAIS APLICÁVEIS NAS CONCESSIONÁRIAS DE ENERGIA ELÉTRICA E SEUS PROCEDIMENTOS RELACIONADOS AO P&D PALESTRANTES: MÁRCIO DA ROCHA MEDINA REFLEXÕES SOBRE INCENTIVOS FISCAIS

Leia mais

Os incentivos fiscais à inovação no Brasil

Os incentivos fiscais à inovação no Brasil DECOMTEC 5.5.1.1.1.1.1.1 Departamento de Competitividade e Tecnologia Os incentivos fiscais à inovação no Brasil Avaliação do Relatório Anual de Utilização dos Incentivos Fiscais divulgado pelo Ministério

Leia mais

do Bem e outras considerações

do Bem e outras considerações Politicas públicas de fomento a inovação: Lei do Bem e outras considerações 8 de setembro de 2014 Legislação Lei do Bem (Lei No. 11.196/2005) Decreto No. 5.798/2006 Lei No. 11.487/2007 (Dec. No. 6.260/2007)

Leia mais

Políticas de Propriedade

Políticas de Propriedade Políticas de Propriedade Intelectual Rubens de Oliveira Martins SETEC/MCT Ministério da Ciência e Tecnologia Propriedade Intelectual Conceito: sistema de proteção que gera direito de propriedade ou exclusividade

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 07. Subvenção e Assistência Governamentais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 07. Subvenção e Assistência Governamentais COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 07 Subvenção e Assistência Governamentais Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IAS 20 (IASB) Índice Item OBJETIVO E ALCANCE

Leia mais

Desafios da Inovação no Brasil

Desafios da Inovação no Brasil Jornada pela Inovação Audiência Pública Comissão de Ciência e Tecnologia Senado Federal Desafios da Inovação no Brasil Glauco Arbix Finep Brasília, 25 de maio de 2011 FINEP Empresa pública federal, não

Leia mais

TIAGO VASCONCELOS SCHERER A INFLUÊNCIA DA POLÍTICA DE INCENTIVO FISCAL NACIONAL NO DESEMPENHO INOVATIVO DAS EMPRESAS BENEFICIÁRIAS

TIAGO VASCONCELOS SCHERER A INFLUÊNCIA DA POLÍTICA DE INCENTIVO FISCAL NACIONAL NO DESEMPENHO INOVATIVO DAS EMPRESAS BENEFICIÁRIAS TIAGO VASCONCELOS SCHERER A INFLUÊNCIA DA POLÍTICA DE INCENTIVO FISCAL NACIONAL NO DESEMPENHO INOVATIVO DAS EMPRESAS BENEFICIÁRIAS Relatório Executivo Relatório Executivo da Dissertação de Mestrado Profissionalizante

Leia mais

JUROS SOBRE CAPITAL PRÓPRIO

JUROS SOBRE CAPITAL PRÓPRIO JUROS SOBRE CAPITAL PRÓPRIO Alunos: Gleidiane Lacerda de Souza Raichelle Piol Professor: Aldimar Rossi RESUMO: O presente trabalho tem a finalidade de falar de Juros sobre capital próprio (JSCP) é uma

Leia mais

Instituto de Pesquisa e Desenvolvimento Tecnológico da Indústria de Máquinas e Equipamentos - IPDMAQ. Apoio à Inovação

Instituto de Pesquisa e Desenvolvimento Tecnológico da Indústria de Máquinas e Equipamentos - IPDMAQ. Apoio à Inovação Instituto de Pesquisa e Desenvolvimento Tecnológico da Indústria de Máquinas e Equipamentos - IPDMAQ Apoio à Inovação Investimentos em Inovação X PIB Existe uma relação direta entre investimento público

Leia mais

LEI Nº 1047/2012. O Prefeito do Município de Pinhalão, Estado do Paraná. Faço saber que a Câmara Municipal decreta, e eu, sanciono a seguinte Lei:

LEI Nº 1047/2012. O Prefeito do Município de Pinhalão, Estado do Paraná. Faço saber que a Câmara Municipal decreta, e eu, sanciono a seguinte Lei: LEI Nº 1047/2012 O Prefeito do Município de Pinhalão,. SÚMULA: Dispõe sobre as Diretrizes Orçamentárias para o exercício de 2013 e dá outras providências. Faço saber que a Câmara Municipal decreta, e eu,

Leia mais

CHAMADAS PÚBLICAS DE SUBVENÇÃO ECONÔMICA E CHAMADAS COOPERATIVAS NA FINEP: DIFERENÇAS NO GRAU REQUERIDO DE INOVAÇÃO

CHAMADAS PÚBLICAS DE SUBVENÇÃO ECONÔMICA E CHAMADAS COOPERATIVAS NA FINEP: DIFERENÇAS NO GRAU REQUERIDO DE INOVAÇÃO CHAMADAS PÚBLICAS DE SUBVENÇÃO ECONÔMICA E CHAMADAS COOPERATIVAS NA FINEP: DIFERENÇAS NO GRAU REQUERIDO DE INOVAÇÃO José Mauro de Morais* 1 INTRODUÇÃO A Financiadora de Estudos e Projetos (FINEP) é uma

Leia mais

Guia de incentivos fiscais à inovação tecnológica

Guia de incentivos fiscais à inovação tecnológica recursos para inovação Centro de Conhecimento recursos para inovação Guia de incentivos fiscais à inovação tecnológica Lei 11.196/05 (Lei do Bem) Estratégia Incentivos Fiscais e Recursos Educação e Cultura

Leia mais

PBM. Agenda Setorial Bens de Capital

PBM. Agenda Setorial Bens de Capital PBM Agenda Setorial Bens de Capital São Paulo, 16 de janeiro de 2013 Objetivos Objetivos: Aumentar o Consumo Aparente de BK, com Redução Simultânea do Coeficiente de Importação Aumentar as Exportações

Leia mais

CIESP CAMPINAS 21-08-2014. Incentivos Fiscais à Inovação. Análise da Legislação em vigor. Susy Gomes Hoffmann

CIESP CAMPINAS 21-08-2014. Incentivos Fiscais à Inovação. Análise da Legislação em vigor. Susy Gomes Hoffmann CIESP CAMPINAS 21-08-2014 Incentivos Fiscais à Inovação Tecnológica Análise da Legislação em vigor Susy Gomes Hoffmann Breve Histórico da Legislação. Breve Histórico do Trabalho realizado pela FIESP/CIESP

Leia mais

Apoiamos grandes empresas a otimizar os investimentos em P,D&I e reduzir os riscos de inovar

Apoiamos grandes empresas a otimizar os investimentos em P,D&I e reduzir os riscos de inovar Apoiamos grandes empresas a otimizar os investimentos em P,D&I e reduzir os riscos de inovar Com quase 10 anos de atuação no Brasil, é uma das empresas pioneiras especializadas em mecanismos financeiros

Leia mais

Inovar para Sustentar o Crescimento

Inovar para Sustentar o Crescimento Café & Debate Escola Nacional de Administração Pública ENAP Inovar para Sustentar o Crescimento Glauco Depto. de Sociologia USP Brasília, 19 de abril de 2007 2007 China: volta ao patamar natural? Data

Leia mais

CHAMADA PÚBLICA MEC/MDIC/MCT 01/2007

CHAMADA PÚBLICA MEC/MDIC/MCT 01/2007 CHAMADA PÚBLICA MEC/MDIC/MCT 01/2007 O MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO - MEC, O MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR - MDIC e o MINISTÉRIO DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA - MCT, tornam público e

Leia mais

Acrescido o Anexo Único pelo Decreto n 1.349/15, efeitos a partir de 26.08.15. ANEXO ÚNICO

Acrescido o Anexo Único pelo Decreto n 1.349/15, efeitos a partir de 26.08.15. ANEXO ÚNICO Decreto nº 2.489/06 Acrescido o Anexo Único pelo Decreto n 1.349/15, efeitos a partir de 26.08.15. ANEXO ÚNICO I - CRITÉRIOS PARA DEFINIÇÃO DO BENEFÍCIO O benefício fiscal será definido em função do enquadramento

Leia mais

ATOS DO PODER EXECUTIVO DECRETO N.º 5.798, DE 7 DE JUNHO DE 2006

ATOS DO PODER EXECUTIVO DECRETO N.º 5.798, DE 7 DE JUNHO DE 2006 ATOS DO PODER EXECUTIVO DECRETO N.º 5.798, DE 7 DE JUNHO DE 2006 Regulamenta os incentivos fiscais às atividades de pesquisa tecnológica e desenvolvimento de inovação tecnológica, de que tratam os arts.

Leia mais

Revisão Tarifária Escelsa. Etapa I. Reposicionamento Tarifário. Metodologia e Critérios

Revisão Tarifária Escelsa. Etapa I. Reposicionamento Tarifário. Metodologia e Critérios Revisão Tarifária Escelsa Etapa I Reposicionamento Tarifário Metodologia e Critérios APRESENTAÇÃO A ESCELSA foi privatizada em 11 de julho de 1995, sendo as concessões outorgadas pelo Decreto de 13 de

Leia mais

APOIO FINANCEIRO PARA DESIGN NAS

APOIO FINANCEIRO PARA DESIGN NAS APOIO FINANCEIRO PARA DESIGN NAS EMPRESAS Mecanismos de apoio e financiamento para empresas investirem em design Identificação do apoio/ financiamento mais apropriado Duas questões básicas Expectativa/necessidade

Leia mais

ANÁLISE DOS RESULTADOS DOS PROGRAMAS DE APOIO ÀS PMEs NO BRASIL Resumo Executivo PARA BAIXAR A AVALIAÇÃO COMPLETA: WWW.IADB.

ANÁLISE DOS RESULTADOS DOS PROGRAMAS DE APOIO ÀS PMEs NO BRASIL Resumo Executivo PARA BAIXAR A AVALIAÇÃO COMPLETA: WWW.IADB. ANÁLISE DOS RESULTADOS DOS PROGRAMAS DE APOIO ÀS PMEs NO BRASIL Resumo Executivo PARA BAIXAR A AVALIAÇÃO COMPLETA: WWW.IADB.ORG/EVALUATION ANÁLISE DOS RESULTADOS DOS PROGRAMAS DE APOIO ÀS PMEs NO BRASIL

Leia mais

Viabilização Financeira de Projetos de Inovação para a Pequena Mineração Responsável Metodologia i9 de Gestão de Inovação

Viabilização Financeira de Projetos de Inovação para a Pequena Mineração Responsável Metodologia i9 de Gestão de Inovação Viabilização Financeira de Projetos de Inovação para a Pequena Mineração Responsável Metodologia i9 de Gestão de Inovação Prof. Giorgio de Tomi Agosto/2012 Sumário Contexto de Pequena Mineração Responsável

Leia mais

CHAMADA PÚBLICA PARA CREDENCIAMENTO NO SISTEMA EMBRAPII

CHAMADA PÚBLICA PARA CREDENCIAMENTO NO SISTEMA EMBRAPII CHAMADA PÚBLICA PARA CREDENCIAMENTO NO SISTEMA EMBRAPII A Associação Brasileira de Pesquisa e Inovação Industrial EMBRAPII torna público o processo de seleção para habilitar Polos EMBRAPII IF (PEIF). Os

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO DO VALOR ADICIONADO

DEMONSTRAÇÃO DO VALOR ADICIONADO Olá, pessoal! Hoje trago uma aula sobre a Demonstração do Valor Adicionado DVA, que foi recentemente tornada obrigatória para as companhias abertas pela Lei 11.638/07, que incluiu o inciso V ao art. 176

Leia mais

Art. 1º Este Decreto regulamenta o art. 11-B da Lei nº 9.440, de 14 de março de 1997.

Art. 1º Este Decreto regulamenta o art. 11-B da Lei nº 9.440, de 14 de março de 1997. Decreto nº 7.389, de 9 de dezembro de 2010 DOU de 10.12.2010 Regulamenta o incentivo de que trata o art. 11- B da Lei nº 9.440, de 14 de março de 1997, que estabelece incentivos fiscais para o desenvolvimento

Leia mais

ABORDAGEM DA RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL NO ÂMBITO DAS ADMINSTRAÇÕES PÚBLICA E PRIVADA

ABORDAGEM DA RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL NO ÂMBITO DAS ADMINSTRAÇÕES PÚBLICA E PRIVADA ABORDAGEM DA RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL NO ÂMBITO DAS ADMINSTRAÇÕES PÚBLICA E PRIVADA Alvaro YANAGUI 1 RESUMO: O presente artigo integra assuntos da responsabilidade social e ambiental no que tange

Leia mais

Painel: Reestruturação do Marco Legal da Inovação Marco Legal da Inovação Aprimoramento e Resultados

Painel: Reestruturação do Marco Legal da Inovação Marco Legal da Inovação Aprimoramento e Resultados Painel: Reestruturação do Marco Legal da Inovação Marco Legal da Inovação Aprimoramento e Resultados Rio de Janeiro, 1 e 2 de setembro de 2010 Marco Legal da Inovação PODER DE COMPRA DO ESTADO E MARCO

Leia mais

TEXTO PARA DISCUSSÃO N o 1212

TEXTO PARA DISCUSSÃO N o 1212 TEXTO PARA DISCUSSÃO N o 1212 POLÍTICAS DE INOVAÇÃO: FINANCIAMENTO E INCENTIVOS Eduardo Augusto Guimarães Brasília, agosto de 2006 TEXTO PARA DISCUSSÃO N o 1212 POLÍTICAS DE INOVAÇÃO: FINANCIAMENTO E

Leia mais

O SEGURO DE VIDA COM COBERTURA POR SOBREVIVÊNCIA NO MERCADO SEGURADOR BRASILEIRO UMA ANÁLISE TRIBUTÁRIA

O SEGURO DE VIDA COM COBERTURA POR SOBREVIVÊNCIA NO MERCADO SEGURADOR BRASILEIRO UMA ANÁLISE TRIBUTÁRIA O SEGURO DE VIDA COM COBERTURA POR SOBREVIVÊNCIA NO MERCADO SEGURADOR BRASILEIRO UMA ANÁLISE TRIBUTÁRIA O presente trabalho trata do seguro de vida com cobertura por sobrevivência, com especial enfoque

Leia mais

Conselho Regional de Contabilidade do Estado do Rio de Janeiro NBC TG32 TRIBUTOS SOBRE O LUCRO

Conselho Regional de Contabilidade do Estado do Rio de Janeiro NBC TG32 TRIBUTOS SOBRE O LUCRO Conselho Regional de Contabilidade do Estado do Rio de Janeiro NBC TG32 TRIBUTOS SOBRE O LUCRO contato@agmcontadores.com.br 2015 out-2015 2 Objetivo O objetivo deste Pronunciamento é estabelecer o tratamento

Leia mais

TÓPICO ESPECIAL DE CONTABILIDADE: IR DIFERIDO

TÓPICO ESPECIAL DE CONTABILIDADE: IR DIFERIDO TÓPICO ESPECIAL DE CONTABILIDADE: IR DIFERIDO! O que é diferimento?! Casos que permitem a postergação do imposto.! Diferimento da despesa do I.R.! Mudança da Alíquota ou da Legislação. Autores: Francisco

Leia mais

Plano de Contas Referencial da Secretaria da Receita Federal 1 de 32

Plano de Contas Referencial da Secretaria da Receita Federal 1 de 32 Plano de Contas Referencial da Secretaria da Receita Federal 1 de 32 Plano de Contas Referencial da Secretaria da Receita Federal após a Lei 11638/07 Quando informado o registro: as instituições sujeitas

Leia mais

NOTA SOBRE OS INCENTIVOS FISCAIS À INOVAÇÃO DA LEI DO BEM

NOTA SOBRE OS INCENTIVOS FISCAIS À INOVAÇÃO DA LEI DO BEM NOTA SOBRE OS INCENTIVOS FISCAIS À INOVAÇÃO DA LEI DO BEM Denis Borges Barbosa Sobre a lei como um todo A lei compila a legislação existente de incentivos fiscais do setor, revogando toda a bateria existente.

Leia mais

A evolução do uso dos incentivos fiscais à inovação tecnológica

A evolução do uso dos incentivos fiscais à inovação tecnológica Radar Inovação - Março de 2010 A evolução do uso dos incentivos fiscais à inovação tecnológica Bruna Soly, Carina Leão, Manuela Soares e Pollyana Souza A EVOLUÇÃO DO USO DOS INCENTIVOS FISCAIS À INOVAÇÃO

Leia mais

COMO FOMENTAR MAIS E MELHOR NAS EMPRESAS?

COMO FOMENTAR MAIS E MELHOR NAS EMPRESAS? UM OLHAR DA INVENTTA: COMO FOMENTAR MAIS E MELHOR NAS EMPRESAS? Rafael Augusto, Marina Loures e Vitor Bohnenberger 1. INTRODUÇÃO As empresas sempre nos perguntam Como obter recursos para desenvolver projetos

Leia mais

ANÁLISE DO USO DOS INCENTIVOS FISCAIS À INOVAÇÃO EM 2012

ANÁLISE DO USO DOS INCENTIVOS FISCAIS À INOVAÇÃO EM 2012 Fevereiro 2014 Um olhar da Inventta: ANÁLISE DO USO DOS INCENTIVOS FISCAIS À INOVAÇÃO EM 2012 Maria Carolina Rocha, Marina Loures e Otávio Vianna 1. Introdução A Lei do Bem, cujo principal objetivo é promover

Leia mais

D.1. Instrumentos de apoio financeiro

D.1. Instrumentos de apoio financeiro 1 2 Neste capítulo são explicitadas todas as linhas de apoio à inovação que são operadas em nível nacional. Elas consistem em recursos financeiros, transferidos ou intermediados pelos órgãos governamentais

Leia mais

MINISTÉRIO DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA Comitê Gestor do SIBRATEC. Resolução Comitê Gestor SIBRATEC nº 001, de 17 de março de 2008.

MINISTÉRIO DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA Comitê Gestor do SIBRATEC. Resolução Comitê Gestor SIBRATEC nº 001, de 17 de março de 2008. MINISTÉRIO DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA Comitê Gestor do SIBRATEC Resolução Comitê Gestor SIBRATEC nº 001, de 17 de março de 2008. Aprova as Diretrizes Gerais do Sistema Brasileiro de Tecnologia - SIBRATEC.

Leia mais

Incentivo fiscal MP do Bem permite compensar débitos previdenciários

Incentivo fiscal MP do Bem permite compensar débitos previdenciários Notíci as Artigo s Página 1 de 5 @estadao.com.br :;):: ''(**. e-mail: senha: Esqueceu sua senha? Cadastre-se Artigos > Empresarial ÍNDICE IMPRIMIR ENVIAR COMENTAR aaa Incentivo fiscal MP do Bem permite

Leia mais

Recentes alterações na legislação tributária: subcapitalização, remessa de juros ao exterior, parcelamento de débitos e outros temas

Recentes alterações na legislação tributária: subcapitalização, remessa de juros ao exterior, parcelamento de débitos e outros temas Recentes alterações na legislação tributária: subcapitalização, remessa de juros ao exterior, parcelamento de débitos e outros temas Migalhas Internacional, 14 de jul. 2010 No dia 11 de junho de 2010,

Leia mais

Normas Operacionais. Linha de Financiamento BNDES Exim Automático

Normas Operacionais. Linha de Financiamento BNDES Exim Automático Normas Operacionais Linha de Financiamento BNDES Exim Automático Capítulo I - REGULAMENTO 1. OBJETIVO Apoiar, na fase pós-embarque, a comercialização, no exterior, de bens de fabricação nacional, observadas

Leia mais

Estratégias para inovar. Carlos Alberto Aragão de Carvalho Filho IF & COPPE/UFRJ

Estratégias para inovar. Carlos Alberto Aragão de Carvalho Filho IF & COPPE/UFRJ Estratégias para inovar Carlos Alberto Aragão de Carvalho Filho IF & COPPE/UFRJ I - Razões para inovar Brasil (Pintec 2001-2003) Empresas que inovam e diferenciam produtos: têm melhor produtividade; pagam

Leia mais

Modelo de Projeto de Lei (Origem Poder Executivo) Dispõe sobre as diretrizes para a elaboração da lei orçamentária de 2011.

Modelo de Projeto de Lei (Origem Poder Executivo) Dispõe sobre as diretrizes para a elaboração da lei orçamentária de 2011. Modelo de Projeto de Lei (Origem Poder Executivo) Dispõe sobre as diretrizes para a elaboração da lei orçamentária de 2011. CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1 o São estabelecidas, em cumprimento

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº, DE 2015 (do Sr. Juscelino Rezende Filho)

PROJETO DE LEI Nº, DE 2015 (do Sr. Juscelino Rezende Filho) PROJETO DE LEI Nº, DE 2015 (do Sr. Juscelino Rezende Filho) Institui a Política Nacional de Pesquisa e Desenvolvimento Tecnológico do Setor Farmacêutico. O Congresso Nacional decreta: Art. 1º A Política

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA CADEIA DE SERVIÇOS DO FUNDAP NA ECONOMIA DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO: SÍNTESE

A IMPORTÂNCIA DA CADEIA DE SERVIÇOS DO FUNDAP NA ECONOMIA DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO: SÍNTESE A IMPORTÂNCIA DA CADEIA DE SERVIÇOS DO FUNDAP NA ECONOMIA DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO: SÍNTESE Julho 2008 AGRADECIMENTOS: Alfândega de Vitória Associação dos Permissionários (APRA) Bandes S.A. Empresas

Leia mais

Fundação Amazonas Sustentável Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2008 e parecer dos auditores independentes

Fundação Amazonas Sustentável Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2008 e parecer dos auditores independentes Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2008 e parecer dos auditores independentes 2 Balanços patrimoniais em 31 de dezembro de 2008 Em milhares de reais Ativo Passivo e patrimônio social Circulante

Leia mais

PPP. Registro de passivos e Limites

PPP. Registro de passivos e Limites PPP Registro de passivos e Limites ATENÇÃO: Os exemplos desta apresentação são válidos como regra geral. É possível que peculiaridades de cada contrato impliquem em mudança na necessidade de classificação

Leia mais

Análise econômica e suporte para as decisões empresariais

Análise econômica e suporte para as decisões empresariais Cenário Moveleiro Análise econômica e suporte para as decisões empresariais Número 01/2008 Cenário Moveleiro Número 01/2008 1 Cenário Moveleiro Análise econômica e suporte para as decisões empresariais

Leia mais

1 Introdução e formulação da situação-problema

1 Introdução e formulação da situação-problema 1 Introdução e formulação da situação-problema Na indústria farmacêutica, a inovação representa sua força motriz. Algumas inovações proporcionaram grande impacto nos tratamentos como a descoberta da penicilina,

Leia mais

Ministério da Fazenda. Reforma Tributária. Seminário Internacional sobre o Projeto de Reforma Tributária. Brasília Março de 2009

Ministério da Fazenda. Reforma Tributária. Seminário Internacional sobre o Projeto de Reforma Tributária. Brasília Março de 2009 Reforma Tributária Seminário Internacional sobre o Projeto de Reforma Tributária Brasília Março de 2009 1 O PROJETO DE REFORMA TRIBUTÁRIA RIA 2 Objetivos da Reforma Tributária ria A proposta de Reforma

Leia mais

PROJETO SABER CONTÁBIL EXAME DE SUFICIÊNCIA DICAS PARA RESOLUÇÕES DAS QUESTÕES CONTABILIDADE DE CUSTOS E GERENCIAL

PROJETO SABER CONTÁBIL EXAME DE SUFICIÊNCIA DICAS PARA RESOLUÇÕES DAS QUESTÕES CONTABILIDADE DE CUSTOS E GERENCIAL PROJETO SABER CONTÁBIL EXAME DE SUFICIÊNCIA DICAS PARA RESOLUÇÕES DAS QUESTÕES CONTABILIDADE DE CUSTOS E GERENCIAL Braulino José dos Santos TERMINOLOGIAS Terminologia em custos Gasto Investimento Custo

Leia mais

CARTILHA DE DOAÇÃO PARA O FUMCAD

CARTILHA DE DOAÇÃO PARA O FUMCAD CARTILHA DE DOAÇÃO PARA O FUMCAD ÍNDICE O que é o FUMCAD 2 Conceito e Natureza Jurídica 2 Doações 3 Dedução das Doações Realizadas no Próprio Exercício Financeiro 4 Passo a Passo para a Doação 5 Principais

Leia mais

Nível 2. Governança Corporativa

Nível 2. Governança Corporativa Nível 2 Governança Corporativa Apresentação Implantados em dezembro de 2000 pela antiga Bolsa de Valores de São Paulo (BOVESPA), o Novo Mercado e os Níveis Diferenciados de Governança Corporativa Nível

Leia mais

Instituto Brasileiro de Petróleo, Gás e Biocombustíveis Painel 1: Aspectos Regulatórios: Qual a Estrutura Apropriada para o Pré-Sal?

Instituto Brasileiro de Petróleo, Gás e Biocombustíveis Painel 1: Aspectos Regulatórios: Qual a Estrutura Apropriada para o Pré-Sal? Instituto Brasileiro de Petróleo, Gás e Biocombustíveis Painel 1: Aspectos Regulatórios: Qual a Estrutura Apropriada para o Pré-Sal?" Álvaro Alves Teixeira Secretário Executivo IBP Brasil: 11 anos de Sucesso

Leia mais

Pesquisa sobre bens a serem ativados Contabilizados no Ativo Imobilizado

Pesquisa sobre bens a serem ativados Contabilizados no Ativo Imobilizado Pesquisa sobre bens a serem ativados Contabilizados no Ativo Imobilizado ATIVO IMOBILIZADO O Ativo Imobilizado é formado pelo conjunto de bens e direitos necessários à manutenção das atividades da empresa,

Leia mais

DECRETO N 974, DE 8 DE NOVEMBRO DE 1993

DECRETO N 974, DE 8 DE NOVEMBRO DE 1993 DECRETO N 974, DE 8 DE NOVEMBRO DE 1993 Regulamenta a Lei n 8.685, de 20 de julho de 1993, que cria mecanismos de fomento à atividade audiovisual, e dá outras providências. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, no

Leia mais

Incentivos Fiscais à Inovação em Produtos e Processos TAX

Incentivos Fiscais à Inovação em Produtos e Processos TAX Incentivos Fiscais à Inovação em Produtos e Processos TAX Planejamento Tributário O debate sobre a carga tributária brasileira é incessante desde os tempos em que esta não ultrapassava 25% do PIB nacional.

Leia mais

Da gestão, da aplicação, do controle e da fiscalização dos Fundos... 5

Da gestão, da aplicação, do controle e da fiscalização dos Fundos... 5 Secretaria de Estado de Direitos Humanos, Participação Social e Cidadania Sedpac 2015 Apresentação Criado pela Lei nº 21.144, de 14 de janeiro de 2014, o Fundo Estadual dos Direitos do Idoso tem o objetivo

Leia mais

O que muda com a Lei Geral (para maiores informações acessar WWW.LEIGERAL.COM.BR)

O que muda com a Lei Geral (para maiores informações acessar WWW.LEIGERAL.COM.BR) O que muda com a Lei Geral (para maiores informações acessar WWW.LEIGERAL.COM.BR) Pontos Lei Geral Como é hoje 1 Alcance da Lei A lei do Simples está voltada para os tributos federais. Os sistemas de tributação

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RIO GRANDE DO SUL

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RIO GRANDE DO SUL 1 PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RIO GRANDE DO SUL LEI DE INFORMÁTICA E INCUBADORA RAIAR Coordenação: Prof. Edemar Antonio Wolf De Paula Gerente da Incubadora Raiar Porto Alegre, 05 de janeiro de

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI Nº 11.437, DE 28 DE DEZEMBRO DE 2006. Mensagem de veto Altera a destinação de receitas decorrentes da Contribuição para o Desenvolvimento

Leia mais

A EVOLUÇÃO DO INVESTIMENTO EXTERNO DIRETO (IED) NO BRASIL: 1995-2013 1 RESUMO

A EVOLUÇÃO DO INVESTIMENTO EXTERNO DIRETO (IED) NO BRASIL: 1995-2013 1 RESUMO 1 A EVOLUÇÃO DO INVESTIMENTO EXTERNO DIRETO (IED) NO BRASIL: 1995-2013 1 Cleidi Dinara Gregori 2 RESUMO Este artigo tem como objetivo analisar a evolução do investimento externo direto, também conhecido

Leia mais

DELIBERAÇÃO CVM Nº 534, DE 29 DE JANEIRO DE 2008

DELIBERAÇÃO CVM Nº 534, DE 29 DE JANEIRO DE 2008 TEXTO INTEGRAL DA, COM AS ALTERAÇÕES INTRODUZIDAS PELA DELIBERAÇÃO CVM Nº 624, DE 28 DE JANEIRO DE 2010 (DOCUMENTO DE REVISÃO CPC Nº 01) Aprova o Pronunciamento Técnico CPC 02 do Comitê de Pronunciamentos

Leia mais

CHAMADA PÚBLICA SEBRAE-TO / SECT-TO INOVA TOCANTINS / PAPPE INTEGRAÇÃO - Nº 01 / 2010

CHAMADA PÚBLICA SEBRAE-TO / SECT-TO INOVA TOCANTINS / PAPPE INTEGRAÇÃO - Nº 01 / 2010 CHAMADA PÚBLICA SEBRAE-TO / SECT-TO INOVA TOCANTINS / PAPPE INTEGRAÇÃO - Nº 01 / 2010 SELEÇÃO PÚBLICA DE PROPOSTAS PARA APOIO À PESQUISA, DESENVOLVIMENTO E INOVAÇÃO EM MICROEMPRESAS E EMPRESAS DE PEQUENO

Leia mais

1. CONTEXTO OPERACIONAL

1. CONTEXTO OPERACIONAL BANCO TRIÂNGULO S.A. NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS EM 30 DE JUNHO DE 2002 E 2001 (Em milhares de reais) 1. CONTEXTO OPERACIONAL O Banco Triângulo S.A. é uma sociedade privada que opera

Leia mais

INOVAÇÃO TECNOLÓGICA DO MCTI. Lei 11.196 de 21.11.2005 Lei do Bem

INOVAÇÃO TECNOLÓGICA DO MCTI. Lei 11.196 de 21.11.2005 Lei do Bem INOVAÇÃO TECNOLÓGICA DO MCTI Lei 11.196 de 21.11.2005 Lei do Bem Fevereiro/2015 ÍNDICE Quem somos e o que propomos...4 Programa de Inovação Tecnológica do MCTI...12 Metodologia de Trabalho...21 Relatório

Leia mais

Incentivos Fiscais ao Esporte

Incentivos Fiscais ao Esporte Incentivos Fiscais ao Esporte Lei nº 11.438/06 (Lei Federal de Incentivo ao Esporte) José Ricardo Rezende Advogado e Profissional de Ed. Física Autor do Manual Completo da Lei de Incentivo ao Esporte MECÂNICA

Leia mais

PROJETO DE LEI N 3476/04 EMENDA DE PLENÁRIO N

PROJETO DE LEI N 3476/04 EMENDA DE PLENÁRIO N PROJETO DE LEI N 3476/04 Dispõe sobre incentivos à inovação. EMENDA DE PLENÁRIO N Acrescente-se ao PL os seguintes dispositivos, renumerando os atuais Capítulo VII como IX e os artigos 24 a 27 como 37

Leia mais

Apoio à Inovação. Agosto, 2015

Apoio à Inovação. Agosto, 2015 Apoio à Inovação Agosto, 2015 Quem somos vídeo institucional Classificação de Porte utilizada Porte da Empresa Receita Operacional Bruta Anual M P M Es Micro Pequena Média Até R$ 2,4 milhões Até R$ 16

Leia mais

Soluções estratégicas em economia

Soluções estratégicas em economia Soluções estratégicas em economia Ampliação e aperfeiçoamento dos mecanismos de desoneração tributária dos sistemas de logística reversa e estudo de impacto econômico da desoneração Estudo preparado para

Leia mais

O monitoramento das atividades de pesquisa e desenvolvimento em um contexto de globalização competitiva.

O monitoramento das atividades de pesquisa e desenvolvimento em um contexto de globalização competitiva. O monitoramento das atividades de pesquisa e desenvolvimento em um contexto de globalização competitiva. Lia Prado Arrivabene Cordeiro 1. INTRODUÇÃO A pesquisa que em curso tem como objetivo verificar

Leia mais

Tributação e Incentivos à Inovação

Tributação e Incentivos à Inovação VIII Seminário do Setor de Saúde - BRITCHAM Tributação e Incentivos à Inovação São Paulo/SP, 17 de junho de 2009 Inovação Tecnológica no Brasil 30% das empresas industriais realizam algum tipo de inovação

Leia mais

Linhas de Financiamento

Linhas de Financiamento A história do cooperativismo no País está relacionada ao crescimento da agricultura brasileira. E o Banco do Brasil, como principal responsável pelo impulso do nosso agronegócio, é também o banco do cooperativismo.

Leia mais

METODOLOGIA PARA DECISÕES DE INVESTIMENTOS E DIMENSIONAMENTO DOS FLUXOS DE CAIXA

METODOLOGIA PARA DECISÕES DE INVESTIMENTOS E DIMENSIONAMENTO DOS FLUXOS DE CAIXA METODOLOGIA PARA DECISÕES DE INVESTIMENTOS E DIMENSIONAMENTO DOS FLUXOS DE CAIXA Flávia Fernanda Gaspari SILVA 1 Camila Pires Cremasco GABRIEL 2 Luís Roberto Almeida GABRIEL FILHO 3 RESUMO: A base da tomada

Leia mais

Fonte: http://www.sidra.ibge.gov.br/bda/pesquisas/pia/default.asp?o=16&i=p. Conceituação das variáveis (Dados a partir de 1996 - Empresa):

Fonte: http://www.sidra.ibge.gov.br/bda/pesquisas/pia/default.asp?o=16&i=p. Conceituação das variáveis (Dados a partir de 1996 - Empresa): Pesquisa Industrial Anual Fonte: http://www.sidra.ibge.gov.br/bda/pesquisas/pia/default.asp?o=16&i=p Conceituação das variáveis (Dados a partir de 1996 - Empresa): Aluguéis e arrendamentos Despesas com

Leia mais

http://www.portaldecontabilidade.com.br/guia/clientes/comercial/imobi... ATIVO IMOBILIZADO

http://www.portaldecontabilidade.com.br/guia/clientes/comercial/imobi... ATIVO IMOBILIZADO 1 de 6 31/01/2015 14:40 ATIVO IMOBILIZADO O Ativo Imobilizado é formado pelo conjunto de bens e direitos necessários à manutenção das atividades da empresa, caracterizados por apresentar-se na forma tangível

Leia mais

A Multimex é mais do que uma Empresa de Comércio Exterior, é um portal de negócios internacionais.

A Multimex é mais do que uma Empresa de Comércio Exterior, é um portal de negócios internacionais. A Multimex é mais do que uma Empresa de Comércio Exterior, é um portal de negócios internacionais. Entre outras vantagens, oferece importantes benefícios fiscais que visam diminuir o custo de seus clientes.

Leia mais

ANÁLISE FUNDAMENTALISTA COM FOCO PARA A RECOMENDAÇÃO DE COMPRA / VENDA DE AÇÕES

ANÁLISE FUNDAMENTALISTA COM FOCO PARA A RECOMENDAÇÃO DE COMPRA / VENDA DE AÇÕES ANÁLISE FUNDAMENTALISTA COM FOCO PARA A RECOMENDAÇÃO DE COMPRA / VENDA DE AÇÕES! A análise do desempenho histórico! Análise setorial! Análise de múltiplos! Elaboração de projeções de resultados! Determinação

Leia mais

OPERACIONALIZAÇÃO FISCAL DAS DOAÇÕES HENRIQUE RICARDO BATISTA

OPERACIONALIZAÇÃO FISCAL DAS DOAÇÕES HENRIQUE RICARDO BATISTA OPERACIONALIZAÇÃO FISCAL DAS DOAÇÕES HENRIQUE RICARDO BATISTA Programa de Voluntariado da Classe Contábil Com o objetivo de incentivar o Contabilista a promover trabalhos sociais e, dessa forma, auxiliar

Leia mais

IBRACON NPC nº 25 - CONTABILIZAÇÃO DO IMPOSTO DE RENDA E DA CONSTRIBUIÇÃO SOCIAL

IBRACON NPC nº 25 - CONTABILIZAÇÃO DO IMPOSTO DE RENDA E DA CONSTRIBUIÇÃO SOCIAL IBRACON NPC nº 25 - CONTABILIZAÇÃO DO IMPOSTO DE RENDA E DA CONSTRIBUIÇÃO SOCIAL PROCEDIMENTOS CONTÁBEIS APLICÁVEIS 1. Este pronunciamento tem por objetivo normatizar o tratamento contábil do imposto de

Leia mais

Vantagens e Cuidados na utilização do Valor Econômico Agregado - EVA

Vantagens e Cuidados na utilização do Valor Econômico Agregado - EVA Vantagens e Cuidados na utilização do Valor Econômico Agregado - EVA REVISANDO O CÁLCULO DO EVA QUAIS AS VANTAGENS DA UTILIZAÇÃO DA MÉTRICA EVA? COMO FAZER OS AJUSTES NA AVALIAÇÃO DOS S / INVESTIMENTOS?

Leia mais

Iniciativa Nacional de Inovação em Biotecnologia

Iniciativa Nacional de Inovação em Biotecnologia Iniciativa Nacional de Inovação em Biotecnologia Visão Atual e 2021 3º CB APL 29 de novembro de 2007. Brasília - DF 1 CONTEXTO Fórum de Competitividade de Biotecnologia: Política de Desenvolvimento da

Leia mais

PRESS KIT. Elaboração: Coordenação-Geral de Comunicação Social da Superintendência da Zona Franca de Manaus

PRESS KIT. Elaboração: Coordenação-Geral de Comunicação Social da Superintendência da Zona Franca de Manaus PRESS KIT Elaboração: Coordenação-Geral de Comunicação Social da Superintendência da Zona Franca de Manaus Informações atualizadas até: DEZEMBRO /2014 PRINCIPAIS INCENTIVOS FISCAIS DO MODELO ZFM SUFRAMA

Leia mais

A Mineração Industrial em Goiás

A Mineração Industrial em Goiás A Mineração Industrial em Goiás Luciano Ferreira da Silva 1 Resumo: A extração mineral constitui atividade de relevante importância para a economia do estado de Goiás, ocupando posição de destaque no cenário

Leia mais