Folha do CJF. Informativo Bimestral do Conselho da Justiça Federal. CJF recebe especialistas da Espanha para debater ética no Judiciário p.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Folha do CJF. Informativo Bimestral do Conselho da Justiça Federal. CJF recebe especialistas da Espanha para debater ética no Judiciário p."

Transcrição

1 Folha do CJF Informativo Bimestral do Conselho da Justiça Federal n. 4 - setembro/outubro 2007 Resoluções do CJF e PNC Servidores em alta p. 5 a 9 Eventos do CEJ CJF recebe especialistas da Espanha para debater ética no Judiciário p. 4 Tecnologia Proposta visa preservar o patrimônio digital da Justiça Federal p. 11 Juizados Dirigentes de RH do CJF e da Justiça Federal Cinco aeroportos do país recebem Juizados Especiais p. 12

2 Série Planejamento Estratégico CJF lança projeto para padronizar contratos da Justiça Federal A apresentação do programa Auditoria Informatizada da Aplicação dos Recursos (AUDINF), pela Secretaria de Controle Interno (SCI) do Conselho da Justiça Federal (CJF), trouxe a possibilidade de padronizar e unificar contratos de serviços terceirizados no CJF e nos Tribunais Regionais Federais. O sistema faz parte do Planejamento Estratégico do CJF. Segundo o gestor Kleb Amâncio, chefe da Seção de Auditoria Temática da SCI/CJF, o AUDINF é uma ferramenta Folha do CJF Número 4 setembro/outubro 2007 Conselho da Justiça Federal Ministro Raphael de BARROS MONTEIRO Filho Presidente Ministro Francisco PEÇANHA MARTINS Vice-Presidente Ministro GILSON Langaro DIPP Coordenador-Geral da Justiça Federal e Diretor do Centro de Estudos Judiciários Ministro ALDIR Guimarães PASSARINHO JÚNIOR Ministro HAMILTON CARVALHIDO Desembargadora Federal ASSUSETE MAGALHÃES Desembargador Federal Joaquim Antonio CASTRO AGUIAR Desembargadora Federal MARLI Marques FERREIRA Desembargadora Federal SÍLVIA Maria Gonçalves GORAIEB Desembargador Federal JOSÉ BAPTISTA de Almeida Filho Membros efetivos Ministra ELIANA CALMON Alves Ministro PAULO Benjamin Fragoso GALLOTTI Ministro FRANCISCO Cândido de Melo FALCÃO NETO Desembargador Federal CARLOS OLAVO Pacheco de Medeiros Desembargador Federal FERNANDO JOSÉ MARQUES Desembargadora Federal SUZANA de CAMARGO Gomes Desembargador Federal JOÃO SURREAUX Chagas Desembargador Federal PAULO de Tasso Benevides GADELHA Membros suplentes Alcides Diniz da Silva Secretário-Geral Roberta Bastos Cunha Nunes FENAJ 4235/14/12/DF Chefe da Assessoria de Comunicação Social Cláudia Lucena Aires Moura Coordenadora de Comunicação Impressa Ana Cristina Sampaio Alves Chefe da Seção de Imprensa Raul Cabral Méra Chefe da Seção de Planejamento Visual Thais Del Fiaco Rocha Repórter Lucas von Glehn Santos Filgueira Esdras Gomes Freitas Estagiários Claudia Pires El-moor Projeto Gráfico Raul Cabral Méra Diagramação Coordenadoria de Serviços Gráficos do Conselho da Justiça Federal Impressão específica para auditoria de órgãos públicos e trabalha sobre informações de despesas freqüentes. O sistema funciona a partir da reunião de dados sobre contratos de setores terceirizados na Justiça Federal e compara dados com base no fator K. O fator K é a divisão do custo total de um contrato pelo salário devido ao cargo, gerando uma média que não deve ser ultrapassada, estipulada pelos órgãos. O uso dessa ferramenta vai diminuir o tempo gasto nas tarefas de auditoria, além de permitir economia de papel, uma vez que o processo é todo informatizado. Campanha Campanha para humanizar os presídios brasileiros O Centro de Produção da Justiça Federal (CPJUS), coordenado pelo Conselho da Justiça Federal (CJF) e formado pelas Assessorias de Comunicação dos Tribunais Regionais Federais e respectivas seccionais, engajou-se em campanha para humanizar os presídios brasileiros. A Campanha Nacional de Doação de Livros a Bibliotecas dos Presídios tem o objetivo de arrecadar livros instrutivos, que contribuam para a ressocialização dos detentos. Os livros podem ser entregues em postos de arrecadação espalhados pelo país, cujos endereços estão disponíveis no site da Comissão de Direitos Humanos (CDH) da Câmara dos Deputados, no site gov.br/cdh - link onde doar. A Campanha está sendo promovida pela CDH e pelo Movimento Nacional Kleb Amâncio: sistema permite auditoria mais ágil de Direitos Humanos, com apoio do CPJUS. Os interessados também podem ajudar divulgando a campanha pela televisão, rádio, internet e cartazes; criando um posto de arrecadação e transportando livros para os postos de coleta. No site da campanha há links com spots da propaganda de rádio e cartazes para download. Para ser um colaborador a pessoa pode escrever para

3 Acordos Causas previdenciárias serão agilizadas O presidente do Conselho da Justiça Federal e do Superior Tribunal de Justiça, ministro Raphael de Barros Monteiro Filho, assinou no dia 9 de outubro Acordo de Cooperação Técnica para estudar a adoção de procedimentos administrativos e judiciais que tornem mais eficiente o trâmite de processos envolvendo a Previdência Social. Será sempre muito bemvinda qualquer iniciativa que vise aprimorar a prestação jurisdicional, declarou Barros Monteiro. Além do ministro, assinaram também o acordo a presidente do Supremo Tribunal Federal e do Conselho Nacional de Justiça, ministra Ellen Gracie, o ministro de Estado da Previdência Social, Luiz Marinho, o advogadogeral da União, José Antônio Dias Toffoli, e o presidente Acordo quer evitar recursos em ações pacificadas, combater fraudes e agilizar processos do Instituto Nacional do Seguro Social, Marco Antonio de Oliveira. A solenidade de assinatura foi realizada no Plenário do CNJ, em Brasília (DF). O acordo prevê a formação de grupo técnico para detalhar e coordenar as ações, já constituído por portaria conjunta das duas instituições. Dentre outras medidas, o grupo irá estudar mecanismos para evitar recursos em ações já pacificadas nos tribunais, formas de combater as fraudes e projetos que utilizem a tecnologia da informação em prol da agilização dos processos. O ministro Barros Monteiro ressaltou, dentre as medidas que podem ser adotadas a partir do acordo, a adoção da liqüidação de sentença de forma eletrônica, uma prevenção, por exemplo, contra fraudes como a duplicidade de pedidos. Segundo ele, além de beneficiar a Justiça Federal e em especial os Juizados Especiais Federais, com a agilização e simplificação de procedimentos, o acordo favorece sobretudo os segurados do INSS, que terão um atendimento pronto e efetivo. As estatísticas do STF, segundo informou a ministra Ellen Gracie, apontam que, ao lado da União e da Caixa Econômica Federal, o INSS está entre as entidades cuja distribuição processual já ultrapassa a casa dos dois dígitos. Muitas dessas demandas, sublinha a ministra, são questões repetitivas, que comportam uma solução uniformizável. Forum de Corregedores Ministro Dipp propõe debate sobre jurisdição delegada A conveniência de se manter ou não a jurisdição delegada no ordenamento jurídico brasileiro foi um dos temas mais amplamente debatidos durante o Fórum de Corregedores-Gerais da Justiça Federal, reunido na Coordenação-Geral da Justiça Federal, em Brasília, no dia 28 de setembro. O coordenador-geral da Justiça Federal e presidente do Fórum de Corregedores, ministro Gilson Dipp, comunicou aos corregedores a intenção de propor uma ampla discussão sobre o tema. Segundo o ministro Dipp, a jurisdição delegada, sobretudo em matéria previdenciária, suscita um grau de recorribilidade muito grande, o que contribui para aumentar o número de processos nos Tribunais Regionais Federais, mesmo se considerada a criação dos Juizados Especiais Federais. Para ele, a execução fiscal merece uma discussão à parte, pois não envolve apenas a problemática da jurisdição delegada, mas estende-se à possibilidade de restrição dos casos de cobrança judicial, ampliando as hipóteses de execução extrajudicial. Ele lembrou que a Procuradoria-Geral da Fazenda Nacional lançou proposta de execução fiscal administrativa. Na prática, a proposta transfere para a competência do Poder Executivo determinados atos da execução que hoje são de responsabilidade Poder Judiciário, tais como penhora, notificação do contribuinte, leilão e arrematação dos bens do devedor. A execução iria para a esfera judicial apenas nos casos de embargos. Participaram da reunião, além do ministro Dipp, os corregedores-gerais das 1ª, 2ª, 3ª, 4ª e 5ª Regiões, desembargadores federais Jirair Aram Meguerian, Sérgio Feltrin, André Nabarrete Neto, Maria de Fátima Labarrére e Francisco Wildo Lacerda Dantas.

4 Eventos do CEJ Seminário debate ética no Judiciário A ética no Judiciário e suas tendências internacional e nacional são tema do seminário que o Centro de Estudos Judiciários (CEJ) do Conselho da Justiça Federal (CJF) realiza nos dias 19 e 20 de novembro, no auditório do Superior Tribunal de Justiça, em Brasília (DF). Um tema atual, que interessa não somente ao Judiciário e aos poderes constituídos, mas a toda a sociedade, observa o diretor do CEJ/CJF, ministro Gilson Dipp (foto). O evento conta com a colaboração da Escola Judicial da Espanha e tem por objetivo difundir o Código Iberoamericano de Ética Judicial. As discussões serão voltadas às peculiaridades do momento atual e às especificidades da ética do juiz, muito mais rigorosa, comenta o ministro. Ele ressalta que o CEJ/CJF está trazendo ao Brasil, para proferirem palestra no seminário, os maiores especialistas mundiais no tema: os espanhóis Jorge Carrera Domenéch, diretor executivo da Secretaria Permanente da Cúpula Judicial Iberoamericana e Manuel Atienza, professor de Filosofia do Direito da Universidade de Alicante, na Espanha, e o argentino Rodolfo Luís Vigo, ministro da Corte Suprema de Justiça de Santa Fé. Também participam do evento palestrantes brasileiros, como o ministro Ari Pargendler, o desembargador federal Abel Fernandes, do TRF da 2a Região, e o juiz federal do Paraná Friedmann Anderson Wendpap. A programação preliminar do evento inclui temas como princípios da ética judicial no Brasil e no mundo, ética e filosofia jurídica brasileira e iberoamericana e os limites da atuação do juiz. As pré-inscrições, gratuitas, pode ser feitas até 11 de novembro, no Portal da Justiça Federal (www.justicafederal. gov.br), item Ensino Portal da Educação. Agenda de eventos do CEJ NOVEMBRO data evento local clientela 7 a 9 8ª Mostra Nacional de Trabalhos da Qualidade do Judiciário Presencial STJ Servidores do Judiciário 12 Oficina PNC T&D 3ª Região (inscrições de 16 a 26/10) Na região Servidores da JF 14 Oficina PNC T&D 2ª Região (inscrições de 16 a 26/10) Na região Servidores da JF 19 e 20 Seminário Ética no Judiciário: tendência internacional e nacional Presencial Magistrados, servidores da JF (inscrições de 17/10 a 5/11) auditório do STJ e público convidado 21 Oficina PNC T&D 4ª Região (inscrições de 16 a 26/10) Na região Servidores da JF 22 e 23 Treinamento sobre autos findos Presencial a definir Servidores da JF 27 Oficina PNC T&D 1ª Região e CJF Presencial (inscrições de 15 a 26/10) Auditório TRF Servidores da JF 28 a 30 Oficina PNC: Diagnóstico T&D (inscrições de 5 a 18/11) Presencial Auditório TRF Servidores da JF DEZEMBRO data evento local clientela 3 a 5 Curso de auditoria governamental Presencial a definir Servidores da JF

5 Recursos Humanos CJF aprova Programa Permanente de Capacitação dos Servidores da Justiça Federal Com o intuito de minimizar esforços, racionalizar a aplicação de recursos e implantar uma gestão de pessoas baseada nas competências foi aprovado pelo colegiado do Conselho da Justiça Federal (CJF), em agosto, o Programa Permanente de Capacitação dos Servidores (PNC) para o biênio O Programa é direcionado aos servidores do CJF e da Justiça Federal de 1º e 2º graus. O PNC se destina a cerca de 22 mil servidores, dos quais são gestores. A missão do Programa é implementar uma política de aperfeiçoamento profissional para esses servidores como forma de contribuir para a melhoria da qualidade dos serviços judiciários. Entre os objetivos traçados está a formação de uma rede nacional dinâmica e contínua de aprendizagem; o fortalecimento das áreas de treinamento e desenvolvimento; a formação e o desenvolvimento de profissionais da Justiça Federal para atuarem em funções gerenciais e o desenvolvimento de Pedro Paulo Carbone, gestor de pessoas do Banco do Brasil, profere palestra para dirigentes de RH da Justiça Federal conteúdos. O PNC dá ênfase ao ensino à distância. As metas para o biênio são capacitar 90% dos profissionais de treinamento e desenvolvimento, bem como 80% dos gerentes da Justiça Federal, e mapear as competências específicas de 70% das unidades sistêmicas da Justiça Federal. A operacionalização das ações será feita por intermédio de um comitê técnico-operativo que coordenará, no âmbito nacional, o planejamento, acompanhamento e monitoramento do programa. No âmbito regional, contará com a participação de sub comitês. A elaboração do Programa foi iniciada em outubro de De lá para cá, técnicos do Conselho da Justiça Federal e dos Tribunais Regionais Federais esboçaram as linhas mestras que irão pautar a capacitação dos funcionários da Justiça Federal nos próximos dois anos. Para a construção do projeto político-pedagógico foram realizadas seis oficinas regionais: uma no CJF, e as demais sediadas nos TRFs. Dos encontros participaram profissionais de treinamento e desenvolvimento das diversas seccionais. De acordo com Silvana Dias, subsecretária de Desenvolvimento de Recursos Humanos do CJF, com esse Programa conceitos antigos caem por terra e novos vão sendo construídos a várias mãos. Hoje, trabalhamos com foco na gestão de competências, que é a soma do conhecimento, habilidade e atitude. Uma coisa é o domínio meramente técnico, a outra é fomentarmos a sua aplicação no ambiente organizacional, pondera. Ocupação de cargos em comissão tem regras novas Os órgãos da Justiça Federal de 1º e 2º graus que em 15 de dezembro de 2006 não tinham pelo menos 50% dos cargos em comissão ocupados por servidores do quadro devem se enquadrar a esse limite até o final de Esta é uma das regras da Resolução aprovada pelo Conselho da Justiça Federal (CJF) em 31 de agosto, a qual estabelece critérios para a ocupação de funções comissionadas e cargos em comissão. A medida adequa-se ao disposto na Portaria Conjunta nº 3/2007 do STF e Tribunais Superiores. Para a investidura em cargos em comissão, ressalvadas situações constituídas, será exigida formação superior compatível e, preferencialmente, experiência na área. Em relação às funções comissionadas (FC1 a FC6), cada órgão deve destinar no mínimo 80% do seu total para servidores dos quadros de pessoal do Poder Judiciário da União. Os 20% restantes deverão ser servidores públicos ocupantes de cargos de provimento efetivo. Outra inovação trazida pela Resolução é a obrigatoriedade de participação dos titulares de cargos e funções de natureza gerencial em cursos de aperfeiçoamento com carga horária mínima de 30 horas a cada dois anos. A responsabilidade pelo custeio do treinamento será do órgão ao qual o titular do cargo estiver vinculado. A recusa injustificada do servidor em participar dos cursos pode motivar a perda da função comissionada ou cargo em comissão.

6 Recursos Humanos Resolução amplia possibilidades de remoção dos servidores Servidores do Conselho da Justiça Federal e de qualquer órgão da Justiça Federal de 1º e 2º graus passam a ter a possibilidade de serem removidos para qualquer um desses órgãos, independentemente do Tribunal ao qual estejam vinculados. A Resolução nº 575 do Conselho da Justiça Federal (CJF), de 9/10/2007, aprovada na sessão de 21/9, adota o entendimento de que os quadros de pessoal do CJF, dos Tribunais Regionais Federais e suas respectivas Seções Judiciárias são considerados um mesmo quadro, em conjunto. A Secretaria de Recursos Humanos (SRH) do CJF, que preparou a minuta de resolução juntamente com os setores de RH dos órgãos da Justiça Federal, responde às principais dúvidas sobre a remoção. Quais as principais mudanças nas regras para remoção trazidas pela Resolução aprovada pelo CJF? A principal mudança é que a remoção, antes realizada somente entre as seções judiciárias de uma mesma Região, hoje pode ser realizada entre todos os órgãos da Justiça Federal: Seções Judiciárias, Tribunais Regionais Federais e Conselho da Justiça Federal. Todos esses órgãos, para os fins estritos da remoção, são considerados como tendo um único quadro de pessoal. É importante lembrar que com a remoção, sob qualquer modalidade, o servidor continua vinculado ao seu órgão de origem, ocupa vaga daquele quadro de pessoal e é remunerado por ele. É similar a uma cessão/requisição, independentemente do exercício de FC/CJ. Qualquer servidor da Justiça Federal pode requerer sua remoção? Todo servidor ocupante de cargo efetivo pode requerer a remoção por permuta, salvo aquele que tiver sido indiciado em sindicância ou processo administrativo disciplinar, ou sofrido penalidade de advertência no último ano ou de suspensão nos últimos três anos anteriores ao pedido. O servidor em estágio probatório também pode requerer a remoção por permuta. O que irá distinguir os requerentes, em caso de empate, serão critérios como tempo de serviço público, tempo de serviço no órgão, período transcorrido desde a última remoção, entre outros. A quem ele deve dirigir esse requerimento? Ao dirigente máximo de seu órgão. No caso da remoção por permuta há período específico para esse requerimento (habilitação à remoção nacional): março de cada ano. Como ele pode acompanhar a Em que casos o servidor pode requerer sua remoção? Há duas formas de remoção a pedido: aquela condicionada ao interesse da Administração (será processada somente mediante permuta de servidores) e aquela que independe do interesse da Administração (restrita ao acompanhamento de cônjuge e a motivo de saúde, do servidor ou de seu dependente). Há também a remoção de ofício, no interesse da Administração. Reunião do Conselho da Justiça Federal (CJF) realizada em 21 de setembro, no TRF 5ª Região, em Recife/PE

7 Recursos Humanos tramitação de seu pedido? Esse controle é específico de cada órgão. Ainda não foi pensado, no Conselho, a forma de acompanhamento quando centralizados aqui os pedidos, mas há garantia de publicidade e transparência de todo o procedimento. Em caso de permuta, como será o procedimento? O servidor requer a permuta no seu órgão, quando aberta a seleção nacional (o período para habilitação foi fixado como março de cada ano), indicando localidades de sua preferência. Não há número máximo de opções, mas preferência entre elas. O requerimento deve ser instruído com documentos que comprovem, por exemplo, o tempo de serviço na Justiça Federal e no serviço público, data da última remoção, se for o caso, não ter sofrido suspensão ou advertência disciplinares no último ano antes do pedido e não estar indiciado em processo administrativo disciplinar ou sindicância. Consolidados todos os pedidos, o CJF irá verificar a compatibilidade entre eles, a fim de definir quais localidades podem receber servidores removidos e, a partir daí, quais pedidos podem ser atendidos, verificados, em caso de empate, critérios próprios. Em quanto tempo, aproximadamente, o servidor terá uma resposta ao seu pedido de permuta? O período fixado como de efetivação da permuta é agosto de cada ano. Não há previsão, ainda, do tempo médio de todo o procedimento, somente a fixação desse prazo máximo. Quem arca com as despesas decorrentes da mudança de localidade no caso de remoção a pedido? O servidor será o único responsável por essas despesas, em ambas as hipóteses de remoção a pedido e tanto na ida quanto na volta ao órgão de origem, se ocorrer. O servidor pode desistir de seu pedido de remoção? Sim, mas quando a remoção for mediante permuta a desistência deverá ser informada até o mês de Foto: Getulio Bessoni / TRF5 junho, sob pena de não ser processado novo pedido do mesmo servidor nos 24 meses seguintes. Em caso de remoção para acompanhamento de cônjuge, quais são as condições? Só existe o direito quando o cônjuge for removido no interesse da Administração, em princípio não importando a época desse deslocamento, desde que posterior à união do casal. Se o cônjuge já reside em uma localidade e o servidor interessado na remoção presta concurso para região diversa, por exemplo, em tese não há fundamento para pedir posteriormente sua remoção para a localidade do cônjuge que não sofreu deslocamento. Em caso de remoção por motivo de saúde, que documentos devem embasar o pedido? O requerimento deverá indicar qual a doença que acomete o servidor ou seu dependente. Deverão ser indicados, ainda, quais os motivos de agravamento do estado de saúde pela permanência na localidade onde está prestando serviços, bem como os benefícios da mudança para a localidade pretendida. Que tipos de problemas de saúde podem justificar um pedido de remoção? Todos os requerimentos com fundamento em motivo de saúde serão submetidos à avaliação por junta médica, com participação de especialista na área da doença alegada. Não há um rol prévio. A decisão será tomada caso a caso. O laudo médico deverá ser conclusivo, não só quanto à doença alegada, mas, principalmente, quanto à necessidade de mudança de lotação. A Administração, conforme seu interesse, poderá indicar localidade diversa da pleiteada, desde que satisfatória às necessidades de saúde do servidor.

8 Recursos Humanos Novas regras para ingresso e enquadramento de servidores são aprovadas Os cargos de Técnico Judiciário, no âmbito da Justiça Federal de 1º e 2º graus, atualmente enquadrados na área judiciária deverão ser reenquadrados na área administrativa. A regra faz parte da Resolução aprovada pelo Conselho da Justiça Federal (CJF) no final de agosto, que disciplina o ingresso e o enquadramento dos servidores do Conselho e da Justiça Federal de 1º e 2º graus. Outra mudança trazida pela Resolução refere-se aos cargos de Técnico Judiciário e Auxiliar Judiciário enquadrados na área de atividade de serviços gerais. Esses servidores deverão ser enquadrados na área de atividade administrativa, sem prejuízo de especialidade, e observados o concurso público de ingresso e o enquadramento decorrente da Lei n /96. A Resolução faculta ao CJF e aos órgãos da Justiça Federal a alteração das áreas de atividade ou especialidades de cargos vagos, se não houver concurso público em andamento. Poderão também ser criadas novas especialidades para atender às necessidades dos serviços. Para os fins da Resolução, consideram-se áreas de atividade os conjuntos de serviços afins ou complementares que podem ser divididos em especialidades, constituídas por áreas judiciária, administrativa e apoio especializado. Sessão do CJF realizada em 31 de agosto CJF regulamenta concessão de auxílio-moradia a servidores comissionados Ocupantes de cargos em comissão (níveis CJ-2 a CJ-4), no âmbito do Conselho da Justiça Federal e da Justiça Federal de 1º e 2º graus, terão direito a receber auxílio-moradia quando nomeados para cargos em nova sede, se preenchidos os requisitos legais. Resolução do CJF dispondo sobre a concessão desse benefício foi aprovada pelo colegiado do Conselho em 21 de setembro. O auxílio-moradia consiste no ressarcimento das despesas realizadas pelo servidor com aluguel ou hospedagem em hotel. Será concedido ao servidor que, em razão da investidura no cargo, se mudar do município em que resida. O auxílio-moradia não será concedido por prazo superior a cinco anos, dentro de cada período de oito anos, ainda que o servidor mude de cargo. Até 30 de junho do ano que vem, o valor máximo do ressarcimento não poderá ultrapassar R$ 1.800,00. Abono de permanência não é devido quando há isenção de PSS na gratificação natalina Não é devido o pagamento do abono de permanência cumulativo com a gratificação natalina quando o servidor, por decisão judicial, estiver isento de pagar contribuição para o Plano de Seguridade Social (PSS). Com este entendimento, obtido por maioria de votos, o colegiado do Conselho da Justiça Federal (CJF) respondeu a consulta formulada pelo Tribunal Regional Federal da 1ª Região. O abono é devido ao servidor que tenha preenchido todas as exigências para a aposentadoria voluntária e que tenha ingressado no serviço público até 16 de dezembro de 1998, mas que permaneça em atividade até se completarem as exigências para sua aposentadoria compulsória. Seu valor será equivalente ao da sua contribuição previdenciária, ou seja, na verdade trata-se de uma compensação o servidor paga o PSS mas o valor equivalente é recebido a título de abono.

9 Recursos Humanos Servidores do CJF participam de Programa de Formação Gerencial Ativa por uma série de encontros ao longo do ano, é incentivar o gestor, considerado como observador, a reconhecer que seus atos e pensamentos são influentes no ambiente de trabalho. O coach é uma ferramenta conversacional, e, como tal, refere-se ao modo como as pessoas são capazes de interagir diante dos acontecimentos que vivenciam. Tal ferramenta capacita o gestor a entender o que se passa na conversa entre diferentes observadores. Possibilita-o a Oficina de coach realizada em 8 de agosto, no Jardim Botânico de Brasília Metodologia interagir e gerir de modo mais efetivo e ser capaz de criar alternativas para uma ação focada em melhores resultados, explica Homero. Foto: Paulo Rosemberg Durante o ano de 2007, o Conselho da Justiça Federal (CJF), por intermédio da Secretaria de Ensino do Centro de Estudos Judiciários (CEJ) e da Secretaria de Recursos Humanos (SRH), está instituindo o Programa de Formação Gerencial Ativa, visando à formação e aperfeiçoamento profissional dos seus servidores. O programa faz parte da atuação estratégica do CJF quanto ao seu desenvolvimento gerencial, atendendo à necessidade de capacitar os gestores como educadores para que eles dêem suporte aos seus subordinados, identificando suas necessidades de desenvolvimento. O Programa de Formação Gerencial Ativa atua com a ferramenta coaching organizacional, conhecida como umas das estratégias mais potentes de intervenção nas instituições. O coach organizacional é um agente de mudança e de aprendizagem capaz de dissolver grande parte das resistências, o que facilita os processos de transformação, garantindo adequada integração das equipes e fortalecendo a instituição. O consultor Homero Reis (foto) foi escolhido para executar esse trabalho. O objetivo do Programa, composto Oficina de coach realizada em 29 de junho, no Clube ASSTJ O programa introduz inovações no processo de ensino - aprendizagem. Os participantes aprendem a partir do próprio ambiente de trabalho, aplicando com sua equipe os diferentes temas desenvolvidos no programa. São realizados seminários quinzenais que exercitam a prática do coach. Depois de cada seminário, o gestor reúne seu grupo de trabalho e realiza curso de disseminação para troca de conhecimentos. Segundo Homero Reis, a aplicação da ferramenta ainda encontra, em determinados casos, a resistência do observador em entender que as mudanças ocorrem primeiro em si mesmos para depois se realizarem no ambiente. As pessoas, de modo geral, querem que as coisas mudem para melhor, contudo, têm dificuldade em assumir a responsabilidade por seu próprio crescimento e desenvolvimento, culpando ou responsabilizando o outro por seu eventual fracasso, diz ele.

10 Decisões da TNU Portador de HIV discriminado pode receber benefício assistencial A Turma Nacional de Uniformização da Jurisprudência dos Juizados Especiais Federais (TNU) deu provimento em 09/10 a pedido de uniformização que requeria a concessão de benefício assistencial a um portador do vírus HIV. O requerente, baseado em acórdão proferido pela Turma Recursal da Seção Judiciária do Paraná, alegava ser possível a concessão do benefício tendo em vista as suas condições pessoais e o preconceito que sofre perante a sociedade, o que impede sua inserção no mercado de trabalho formal. Embora o laudo pericial do INSS não tenha considerado o requerente incapaz para o trabalho, mesmo sendo portador do vírus HIV, a Turma entendeu que os fatores estigmatizantes que pesam sobre o paciente são relevantes ao Soldados da borracha obtém direito a pensão vitalícia O documento de identidade e a certidão de nascimento foram considerados como prova material para efeito de concessão de pensão mensal vitalícia a seringueiro que atuou como soldado da borracha na 2ª Guerra Mundial. A Turma Recursal do Amazonas teve esse entendimento confirmado pela Turma Nacional de Uniformização da Jurisprudência dos Juizados Especiais Federais (TNU), em julgamento realizado em 9/10. A pensão vitalícia, instituída pelo artigo 54 do Ato Das Disposições Constitucionais Transitórias, é destinada a seringueiros que exerceram atividade extrativista para produção de borracha, na época da 2ª Guerra Mundial. Não é razoável exigir de tais trabalhadores documentos formais para comprovação de trabalho desenvolvido há mais de 60 anos, em circunstâncias absolutamente insalubres e degradantes, nos confins da inóspita selva amazônica, enfatiza a relatora dos processos na TNU, juíza federal Maria Divina Vitória. Processos nº /AM; /AM; Tempo de serviço é disciplinado pela lei vigente na época em que foi prestado O tempo de serviço é disciplinado pela lei vigente na época em que foi efetivamente prestado. Em data anterior à promulgação da Lei n /91, o fator de conversão do tempo de serviço especial em comum para fins de aposentadoria deve ser o previsto na legislação de regência no período. Este foi o entendimento da TNU em 09/10, que por maioria deu provimento a pedidos de uniformização interpostos pelo INSS contra acórdãos da Turma Recursal dos JEFs de Santa Catarina. Em recurso apresentado contra os acórdãos, o INSS asseverou que, como o benefício do autor foi concedido em data anterior à promulgação da Lei n , a conversão do tempo de serviço de 25 para 30 anos deve ser feita pelo multiplicador 1,2, nos termos do Decreto n /84 (norma vigente no período da contagem do tempo de serviço). Processos nº /SC e /SC ponto da discriminação impossibilitálo de conseguir um emprego formal. De acordo com a relatora do processo, a juíza federal Maria Divina Vitória, a deficiência não deve ser encarada só do ponto de vista médico, mas também social. A maior intolerância é negar as diferenças. O preconceito existe, afirma. Processo n /PB Juiza federal Maria Divina Vitória Carteira de Trabalho pode comprovar opção pelo FGTS A cópia da Carteira de Trabalho e Previdência Social (CTPS) juntada aos autos pode servir como comprovante da opção do trabalhador pelo regime do Fundo de Garantia por Tempo de Serviço (FGTS). A TNU, em 09/10, por maioria, conheceu de pedido de uniformização para anular acórdão da Turma Recursal de São Paulo que não levou em consideração a apresentação da CTPS nos autos. Processo nº /SP 10

11 Tecnologia Modelo de preservação do patrimônio digital da JF sob consulta pública A Unesco publicou um alerta sobre a possibilidade de desaparecimento do legado digital - a Carta de Preservação do Patrimônio Digital, sugerindo que os Estados membros adotem medidas para salvaguardar esse patrimônio. Preocupados com essa questão, especialistas em Informação Documental e Tecnologia da Informação do Conselho da Justiça Federal (CJF) e das instituições da Justiça Federal, elaboraram o Modelo de Requisitos para Sistemas Informatizados de Gestão de Processos e Documentos da Justiça Federal (MoReq-Jus), disponível no site do CJF (www.jf.gov.br) para consulta pública. As sugestões para o aprimoramento do modelo podem ser encaminhadas para o Pesquisas indicam que a vida média de uma mídia óptica é de 30 anos, mas o seu equipamento de leitura estará obsoleto em 10 anos, ressalta a secretária de Pesquisa e Informação Jurídicas do Centro de Estudos Judiciários do CJF, Neide De Sordi (foto), uma das coordenadoras do MoReq-Jus. Para ela, este é o momento de propor uma política institucional para a preservação digital. Na Justiça Federal, já tramitam mais de 2 milhões de processos eletrônicos, cuja utilização foi regulamentada pela Lei nº /2006. No entanto, essa norma é procedimental, e os tribunais terão de estudar a melhor maneira de se adaptar a ela. O MoReq-Jus visa dar unidade a essa adaptação, explica De Sordi. Segundo ela, o modelo estabelece requisitos para a gestão de documentos digitais, com o objetivo de garantir sua confiabilidade, autenticidade e acessibilidade. Esses requisitos, somados à segurança da informação, já começam a ser atendidos com a criação da Autoridade Certificadora da Justiça - AC- JUS, iniciativa do CJF, Superior Tribunal de Justiça e Tribunais Regionais Federais, com a posterior adesão dos demais tribunais superiores. De acordo com De Sordi, outras medidas precisam ser implementadas para garantir a segurança e a preservação de longo prazo. Ela esclarece, ainda, que a instituição que aderir ao MoReq-Jus necessitará implementar um programa de gestão de documentos para garantir a guarda e o acesso aos documentos em todos os seus estágios de vida. Depois de compiladas as sugestões colhidas na consulta pública, o MoReq-Jus será encaminhado para análise do colegiado do CJF. Um selo Moreqjus a ser concedido aos sistemas que apresentarem um percentual de aderência ao modelo deve ser criado. Projetos tecnológicos são destaque no Canadá A Autoridade Certificadora da Justiça (AC-JUS) e o Portal da Justiça Federal foram apresentados pelo secretário de Tecnologia da Informação do Conselho da Justiça Federal (CJF), Lúcio Melre da Silva, em Ottawa, no Canadá, durante o evento Gtec Week, entre 14 e 18 de outubro. Presentes ao evento representantes do Executivo e Judiciário brasileiros, que apresentaram projetos de governo eletrônico. O Gtec (Government Technology Exhibition and Conference) Week é um evento de governo eletrônico, que conta com o apoio do governo do Canadá. Este ano o Brasil foi eleito país de destaque. Além do CJF, o Judiciário brasileiro foi representado pelo Superior Tribunal de Justiça (STJ), Supremo Tribunal Federal (STF) e Conselho Nacional de Justiça (CNJ), que também apresentaram cases de sucesso. A AC-JUS - primeira autoridade certificadora no mundo a reunir apenas órgãos do Poder Judiciário - foi criada por iniciativa conjunta do CJF, STJ e Tribunais Regionais Federais, com a posterior adesão dos tribunais superiores. O Portal da Justiça Federal (www.justicafederal. gov.br), site oficial do CJF, reúne em um único sítio informações estratégicas sobre a Justiça Federal. No Pavilhão do Governo Brasileiro, um estande exibiu soluções de excelência em governo eletrônico. Os representantes do Judiciário apresentaram vídeo produzido pelo Centro de Produção da Justiça Federal (CPJUS) que mostra como os avanços tecnológicos estão revolucionando a prestação jurisdicional. O evento serve para mostrarmos ao mundo nossas soluções de tecnologia, principalmente porque muitos desconhecem o grau de capacitação tecnológica de nossos tribunais, observa Lúcio Melre. 11

12 Juizados JEFs começam a funcionar nos aeroportos de Brasília, São Paulo e Rio de Janeiro O presidente do Superior Tribunal de Justiça (STJ) e do Conselho da Justiça Federal (CJF), ministro Raphael de Barros Monteiro Filho, participou no dia 8 de outubro da cerimônia de instalação do Juizado Especial Federal no aeroporto Juscelino Kubitschek, em Brasília. Ao lado da presidente do Supremo Tribunal Federal (STF) e do Conselho Nacional de Justiça (CNJ), ministra Ellen Gracie, da presidente do Tribunal Regional Federal da 1ª Região, Assusete Magalhães e do presidente do Tribunal de Justiça do DF, Lécio Resende da Silva, ele descerrou a faixa de inauguração do quinto Juizado instalado em aeroportos brasileiros. De acordo com a ministra Ellen Gracie, a atuação do ministro Barros Monteiro foi decisiva para a criação dos juizados, que consolidam a contribuição da Justiça na busca da melhoria no atendimento aos usuários dos aeroportos. Instalados em caráter provisório até o começo de 2008, os juizados têm por objetivo solucionar problemas decorrentes da crise aérea, como cancelamentos de vôos, atrasos e overbooking, mediante a realização de audiências de conciliação. Os cinco juizados funcionarão nos aeroportos de Congonhas Legislação Corte do STJ aprova anteprojeto de custas do CJF O coordenador-geral da Justiça Federal, ministro Gilson Dipp, apresentou em Sessão da Corte Especial do Superior Tribunal de Justiça (STJ), realizada em 5 de setembro, o anteprojeto de lei que dispõe sobre as custas devidas à União na Justiça Federal de 1º e 2º graus. O texto, já aprovado pelo colegiado do Conselho da Justiça Federal (CJF), foi apreciado e aprovado pela Corte Especial do STJ e encaminhado para apreciação do Poder Executivo. O anteprojeto propõe a alteração da Lei nº 9.289/96, que atualmente trata do assunto, instituindo o reajuste dos valores da atual tabela de custas, além de modificar outros dispositivos. Dentre as principais alterações, destacam-se a inclusão da Defensoria Pública entre os isentos; a dispensa do pagamento de custas para retirada de certidão de distribuição; a cobrança de custas ao final dos embargos à execução; o fim da exclusividade e Cumbica, em São Paulo, Santos Dumont e Tom Jobim (Galeão), no Rio de Janeiro, e Juscelino Kubitschek, em Brasília. As unidades funcionarão todos os dias, inclusive finais de semana e feriados. Ministro Dipp inaugura juizados em SP O coordenador-geral da Justiça Federal, ministro Gilson Dipp, participou da solenidade de inauguração dos Juizados Especiais Estadual e Federal nos aeroportos de Congonhas e Cumbica, em São Paulo (SP). Em Congonhas, a solenidade de inauguração foi conduzida pela presidente do TRF da 3ª Região, desembargadora federal Marli Ferreira, pela coordenadora dos JEFs da 3ª Região, desembargadora federal Marisa Santos, que recepcionaram o ministro Gilson Dipp. O ministro coordenou a comissão de implantação desses juizados. Barros Monteiro e Ellen Gracie instalam Juizado Especial Federal no Na solenidade, o ministro aeroporto de Brasília lembrou que os problemas causados pela crise aérea repercutiram no dia-a-dia do cidadão brasileiro e fez necessária a parcela de contribuição do Judiciário. Ele espera que quanto mais temporária for a presença da Justiça nos aeroportos, maior o sinal de que a efetividade do serviço público brasileiro volta a funcionar. Foto: Luis Antonio / SCO / STJ da Caixa Econômica Federal para recebimento das custas; e a nãovinculação a um indexador específico para a correção da tabela de custas. Pela lei vigente, o índice que deveria corrigir a tabela seria a UFIR, unidade que foi extinta, o que impediu até agora o reajuste da tabela. O anteprojeto propõe que a atribuição para decidir sobre esse reajuste seja do CJF, que não poderá exceder ao índice utilizado para correção monetária dos precatórios. 12

A Estratégia do Conselho da Justiça Federal 2015/2020 CJF-POR-2015/00359, de 26 de agosto de 2015

A Estratégia do Conselho da Justiça Federal 2015/2020 CJF-POR-2015/00359, de 26 de agosto de 2015 A Estratégia do Conselho da Justiça Federal CJF-POR-2015/00359, de 26 de agosto de 2015 SUEST/SEG 2015 A estratégia do CJF 3 APRESENTAÇÃO O Plano Estratégico do Conselho da Justiça Federal - CJF resume

Leia mais

Resolução nº 126 do Conselho Nacional de Justiça, de 22 de fevereiro de 2011

Resolução nº 126 do Conselho Nacional de Justiça, de 22 de fevereiro de 2011 Resolução nº 126 do Conselho Nacional de Justiça, de 22 de fevereiro de 2011 Dispõe sobre o Plano Nacional de Capacitação Judicial de magistrados e servidores do Poder Judiciário (Publicada no DJ-e nº

Leia mais

SEÇÃO JUDICIÁRIA DO PARANÁ

SEÇÃO JUDICIÁRIA DO PARANÁ SEÇÃO JUDICIÁRIA DO PARANÁ MISSÃO: Garantir prestação jurisdicional rápida, acessível e efetiva no âmbito da sua competência. DESCRIÇÃO DA MISSÃO: A Justiça Federal no Paraná existe para garantir direitos

Leia mais

RELATÓRIO. Poder Judiciário JUSTIÇA FEDERAL

RELATÓRIO. Poder Judiciário JUSTIÇA FEDERAL Poder Judiciário JUSTIÇA FEDERAL Órgão: TURMA REGIONAL DE UNIFORMIZAÇÃO DE JURISPRUDÊNCIA N. Processo: 0500029-74.2008.4.05.8103 Origem: Primeira Turma Recursal do Estado do Ceará Recorrente: João Ferreira

Leia mais

EDITAL INTERCÂMBIO DE ATUALIZAÇÃO EM DIREITO

EDITAL INTERCÂMBIO DE ATUALIZAÇÃO EM DIREITO PODER JUDICIÁRIO DE PERNAMBUCO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DE PERNAMBUCO EDITAL INTERCÂMBIO DE ATUALIZAÇÃO EM DIREITO O Presidente do Tribunal de Justiça do Estado de Pernambuco no uso de suas atribuições legais,

Leia mais

ÍNDICE. Introdução 2. Missão 4. Visão de Futuro 5. Objetivos Estratégicos 6. Mapa Estratégico 7. Metas, Indicadores e Ações 8. Considerações Finais 22

ÍNDICE. Introdução 2. Missão 4. Visão de Futuro 5. Objetivos Estratégicos 6. Mapa Estratégico 7. Metas, Indicadores e Ações 8. Considerações Finais 22 ÍNDICE Introdução 2 Missão 4 Visão de Futuro 5 Objetivos Estratégicos 6 Mapa Estratégico 7 Metas, Indicadores e Ações 8 Considerações Finais 22 1 INTRODUÇÃO O Plano Estratégico do Supremo Tribunal de Federal,

Leia mais

12.1 AÇÕES E INDICAÇÕES DE PROJETOS

12.1 AÇÕES E INDICAÇÕES DE PROJETOS 43 Considerando os Objetivos Estratégicos, Indicadores e Metas, foram elaboradas para cada Objetivo, as Ações e indicados Projetos com uma concepção corporativa. O Plano Operacional possui um caráter sistêmico,

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 521/2007

RESOLUÇÃO Nº 521/2007 Publicação: 10/01/07 (*) Retificação: 30/03/07 RESOLUÇÃO Nº 521/2007 Revoga a Resolução nº 401/2002 e passa a dispor sobre a estrutura organizacional e o regulamento da Escola Judicial Desembargador Edésio

Leia mais

ESTADO DE MATO GROSSO PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA PROVIMENTO N. 6/2013/CM

ESTADO DE MATO GROSSO PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA PROVIMENTO N. 6/2013/CM PROVIMENTO N. 6/2013/CM Revoga o Provimento n. 017/2011/CM e estabelece critérios para a remoção e movimentação interna dos servidores do Poder Judiciário do Estado de Mato Grosso. O EGRÉGIO CONSELHO DA

Leia mais

O PRESIDENTE DO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE GOIÁS, usando das atribuições legais e regimentais,

O PRESIDENTE DO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE GOIÁS, usando das atribuições legais e regimentais, DECRETO JUDICIÁRIO Nº 1543/2013. Dispõe sobre a Regulamentação da concessão de Bolsa de Graduação e Pós-Graduação no âmbito do Poder Judiciário do Estado de Goiás. O PRESIDENTE DO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO DA UNIÃO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 18ª REGIÃO SECRETARIA DO TRIBUNAL PLENO RESOLUÇÃO ADMINISTRATIVA Nº 29/2011

PODER JUDICIÁRIO DA UNIÃO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 18ª REGIÃO SECRETARIA DO TRIBUNAL PLENO RESOLUÇÃO ADMINISTRATIVA Nº 29/2011 PODER JUDICIÁRIO DA UNIÃO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 18ª REGIÃO SECRETARIA DO TRIBUNAL PLENO RESOLUÇÃO ADMINISTRATIVA Nº 29/2011 Referenda a Portaria TRT 18ª GP/DG/SGPe nº 066/2011, que dispõe sobre

Leia mais

MINUTA DE MACROPROCESSOS FINALÍSTICOS

MINUTA DE MACROPROCESSOS FINALÍSTICOS FL. 114 166 MINUTA DE MACROPROCESSOS FINALÍSTICOS MACROPROCESSO PROCESSO SUBPROCESSO Atermação- 1º grau Distribuição 1º e 2º graus Triagem Inicial 1º e 2º graus Providências Preliminares Redistribuição

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 002, DE 05 DE FEVEREIRO DE 2013. O PLENO DO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE ALAGOAS, no uso de suas atribuições legais,

RESOLUÇÃO Nº 002, DE 05 DE FEVEREIRO DE 2013. O PLENO DO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE ALAGOAS, no uso de suas atribuições legais, RESOLUÇÃO Nº 002, DE 05 DE FEVEREIRO DE 2013 DISPÕE SOBRE A ESTRUTURA E ATIVIDADES DA ASSESSORIA DE PLANEJAMENTO E MODERNIZAÇÃO DO PODER JUDICIÁRIO APMP, CRIA A DIVISÃO DE GERENCIAMENTO DE PROJETOS DIGEP,

Leia mais

DECLARAÇÃO DE BUENOS AIRES (2012) 1

DECLARAÇÃO DE BUENOS AIRES (2012) 1 DECLARAÇÃO DE BUENOS AIRES (2012) 1 Sobre a atuação dos Juízes e Poderes Judiciários Iberoamericanos relativamente à informação, à participação pública e ao acesso à justiça em matéria de meio ambiente

Leia mais

*486EBBAA* PROJETO DE LEI N.º, de 2014. (DO TRIBUNAL SUPERIOR DO TRABALHO)

*486EBBAA* PROJETO DE LEI N.º, de 2014. (DO TRIBUNAL SUPERIOR DO TRABALHO) ** PROJETO DE LEI N.º, de 2014. (DO TRIBUNAL SUPERIOR DO TRABALHO) Dispõe sobre a criação de cargos de provimento efetivo e de cargos em comissão no Quadro de Pessoal da Secretaria do Tribunal Regional

Leia mais

Manual de Orientações

Manual de Orientações Dúvidas? Fale Conosco! SRH/Coordenadoria de Desenvolvimento de Pessoal Seção de Educação e Desenvolvimento de Pessoal 3403-3752, 3403-3753, 3403-3757 Manual de Orientações Fevereiro / 2008 Penalidades

Leia mais

ESCOLA NACIONAL DE FORMAÇÃO E APERFEIÇOAMENTO DE MAGISTRADOS MINISTRO SÁLVIO DE FIGUEIREDO TEIXEIRA RESOLUÇÃO Nº 3, DE 4 DE DEZEMBRO DE 2013.

ESCOLA NACIONAL DE FORMAÇÃO E APERFEIÇOAMENTO DE MAGISTRADOS MINISTRO SÁLVIO DE FIGUEIREDO TEIXEIRA RESOLUÇÃO Nº 3, DE 4 DE DEZEMBRO DE 2013. ESCOLA NACIONAL DE FORMAÇÃO E APERFEIÇOAMENTO DE MAGISTRADOS MINISTRO SÁLVIO DE FIGUEIREDO TEIXEIRA RESOLUÇÃO Nº 3, DE 4 DE DEZEMBRO DE 2013. Dispõe sobre o curso oficial para ingresso, o curso de formação

Leia mais

O PRESIDENTE DO CONSELHO NACIONAL DE JUSTIÇA, no uso de suas atribuições constitucionais e regimentais;

O PRESIDENTE DO CONSELHO NACIONAL DE JUSTIÇA, no uso de suas atribuições constitucionais e regimentais; Recomendação nº 37, de 15 de agosto de 2011 Texto Original Recomendação nº 46/2013 Recomenda aos Tribunais a observância das normas de funcionamento do Programa Nacional de Gestão Documental e Memória

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 149/2010. O Tribunal de Justiça do Estado do Acre, no uso das atribuições legais,

RESOLUÇÃO Nº 149/2010. O Tribunal de Justiça do Estado do Acre, no uso das atribuições legais, RESOLUÇÃO Nº 149/2010 Autoriza a implantação do Processo Eletrônico no âmbito do Tribunal de Justiça do Estado do Acre e dá outras providências. O Tribunal de Justiça do Estado do Acre, no uso das atribuições

Leia mais

Planejamento Estratégico de TIC

Planejamento Estratégico de TIC Planejamento Estratégico de TIC Tribunal de Justiça do Estado de Sergipe 2010 a 2014 Versão 1.1 Sumário 2 Mapa Estratégico O mapa estratégico tem como premissa de mostrar a representação visual o Plano

Leia mais

PROVIMENTO CONJUNTO Nº 13, DE 5 DE NOVEMBRO DE 2014.

PROVIMENTO CONJUNTO Nº 13, DE 5 DE NOVEMBRO DE 2014. PROVIMENTO CONJUNTO Nº 13, DE 5 DE NOVEMBRO DE 2014. Regulamenta os procedimentos a serem adotados no âmbito da Justiça do Trabalho da 4ª Região em virtude da implantação do PJe- JT, revoga o Provimento

Leia mais

A EXPERIÊNCIA DO TRT DA 10ª REGIÃO NA IMPLANTAÇÃO DA GESTÃO ESTRATÉGICA

A EXPERIÊNCIA DO TRT DA 10ª REGIÃO NA IMPLANTAÇÃO DA GESTÃO ESTRATÉGICA A EXPERIÊNCIA DO TRT DA 10ª REGIÃO NA IMPLANTAÇÃO DA GESTÃO ESTRATÉGICA Fabiana Alves de Souza dos Santos Diretora de Gestão Estratégica do TRT 10 1/29 O TRT da 10ª Região Criado em 1982 32 Varas do Trabalho

Leia mais

RESULTADOS FINAIS DO ENCONTRO NACIONAL - ÁREA MEIO - ESTRATÉGIA NACIONAL DO MINISTÉRIO PÚBLICO

RESULTADOS FINAIS DO ENCONTRO NACIONAL - ÁREA MEIO - ESTRATÉGIA NACIONAL DO MINISTÉRIO PÚBLICO RESULTADOS FINAIS DO ENCONTRO NACIONAL - ÁREA MEIO - ESTRATÉGIA NACIONAL DO MINISTÉRIO PÚBLICO SISTEMATIZAÇÃO DOS RESULTADOS Atendendo a solicitação do CNMP, o presente documento organiza os resultados

Leia mais

JFES realiza último mutirão do ano

JFES realiza último mutirão do ano JFES realiza último mutirão do ano Ano 6 - Número 246 - Dezembro/2013 A Justiça Federal do Espírito Santo, através do Centro Judiciário de Solução de Conflitos e Cidadania, realizou na quarta-feira (18),

Leia mais

Diagnóstico da Governança - Práticas de Gestão Recomendadas v02

Diagnóstico da Governança - Práticas de Gestão Recomendadas v02 1 de 30 16/11/2015 15:16 Diagnóstico da Governança - Práticas de Gestão Recomendadas v02 Prezado(a) Como o OBJETIVO de apurar o nível de maturidade em governança da Justiça Federal, foi desenvolvido instrumento

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DE JUSTIÇA RECOMENDAÇÃO Nº 37, DE 15 DE AGOSTO DE 2011

CONSELHO NACIONAL DE JUSTIÇA RECOMENDAÇÃO Nº 37, DE 15 DE AGOSTO DE 2011 CONSELHO NACIONAL DE JUSTIÇA RECOMENDAÇÃO Nº 37, DE 15 DE AGOSTO DE 2011 Recomenda aos Tribunais a observância das normas de funcionamento do Programa Nacional de Gestão Documental e Memória do Poder Judiciário

Leia mais

PORTARIA TRT 18ª GP/DG/SGPe Nº 066/2011 Dispõe sobre a estrutura da Escola Judicial do Tribunal Regional do Trabalho da 18ª Região e dá outras

PORTARIA TRT 18ª GP/DG/SGPe Nº 066/2011 Dispõe sobre a estrutura da Escola Judicial do Tribunal Regional do Trabalho da 18ª Região e dá outras PORTARIA TRT 18ª GP/DG/SGPe Nº 066/2011 Dispõe sobre a estrutura da Escola Judicial do Tribunal Regional do Trabalho da 18ª Região e dá outras providências. O DESEMBARGADOR-PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DE JUSTIÇA RESOLUÇÃO Nº 99, DE 24 DE NOVEMBRO DE 2009

CONSELHO NACIONAL DE JUSTIÇA RESOLUÇÃO Nº 99, DE 24 DE NOVEMBRO DE 2009 CONSELHO NACIONAL DE JUSTIÇA RESOLUÇÃO Nº 99, DE 24 DE NOVEMBRO DE 2009 Institui o Planejamento Estratégico de Tecnologia da Informação e Comunicação no âmbito do Poder Judiciário. O PRESIDENTE DO CONSELHO

Leia mais

PORTARIA CONJUNTA Nº 1, DE 7 DE MARÇO DE 2007

PORTARIA CONJUNTA Nº 1, DE 7 DE MARÇO DE 2007 PORTARIA CONJUNTA Nº 1, DE 7 DE MARÇO DE 2007 A PRESIDENTE DO SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL E DO CONSELHO NACIONAL DE JUSTIÇA E OS PRESIDENTES DOS TRIBUNAIS SUPERIORES, DO CONSELHO DA JUSTIÇA FEDERAL, DO CONSELHO

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS No que se refere à gestão, recrutamento e seleção de pessoas, julgue os itens a seguir. 51 A gestão de pessoas recebeu forte influência dos estudos de Hawthrone, especialmente

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 4.073, DE 3 DE JANEIRO DE 2002. Regulamenta a Lei n o 8.159, de 8 de janeiro de 1991, que dispõe sobre a política nacional

Leia mais

(ANEXO 2) FICHA DOS PROJETOS

(ANEXO 2) FICHA DOS PROJETOS (ANEXO 2) FICHA DOS PROJETOS 1 - SUAP - Sistema Unificado de Acompanhamento Processual Implantar, a partir de diretrizes do CSJT, sistema único de acompanhamento processual, em substituição aos diversos

Leia mais

RESOLUÇÃO ADMINISTRATIVA Nº 82/2007 Dispõe sobre o afastamento de magistrados para participar de cursos ou seminários de aperfeiçoamento e estudos.

RESOLUÇÃO ADMINISTRATIVA Nº 82/2007 Dispõe sobre o afastamento de magistrados para participar de cursos ou seminários de aperfeiçoamento e estudos. RESOLUÇÃO ADMINISTRATIVA Nº 82/2007 Dispõe sobre o afastamento de magistrados para participar de cursos ou seminários de aperfeiçoamento e estudos. CERTIFICO E DOU FÉ que o Pleno do Egrégio Tribunal Regional

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 506, DE 28 DE JUNHO DE 2013

RESOLUÇÃO Nº 506, DE 28 DE JUNHO DE 2013 Publicada no DJE/STF, n. 127, p. 1-3 em 3/7/2013. RESOLUÇÃO Nº 506, DE 28 DE JUNHO DE 2013 Dispõe sobre a Governança Corporativa de Tecnologia da Informação no âmbito do Supremo Tribunal Federal e dá outras

Leia mais

CNJ REDUZ PRESSÃO SOBRE TRIBUNAIS E JUÍZES EM 2.011

CNJ REDUZ PRESSÃO SOBRE TRIBUNAIS E JUÍZES EM 2.011 CNJ REDUZ PRESSÃO SOBRE TRIBUNAIS E JUÍZES EM 2.011 Mariana Ghirello Todo ano, o Conselho Nacional de Justiça se reúne com os presidentes dos Tribunais de Justiça para identificar as necessidades do Poder

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA PRIMEIRA REGIÃO

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA PRIMEIRA REGIÃO Publicada no Boletim de Serviço de 30/03/2009 Publicada no e-dj1 de 30/03/2009 PODER JUDICIÁRIO 10.100.02 RESOLUÇÃO/PRESI 600-007 DE 13 DE MARÇO DE 2009 (*) Dispõe sobre o realinhamento administrativo

Leia mais

TRIBUNAL DE JUSTIÇA MILITAR DE MG Rua Tomaz Gonzaga 686 Bairro de Lourdes CEP 30180 140 Belo Horizonte MG RESOLUÇÃO

TRIBUNAL DE JUSTIÇA MILITAR DE MG Rua Tomaz Gonzaga 686 Bairro de Lourdes CEP 30180 140 Belo Horizonte MG RESOLUÇÃO TRIBUNAL DE JUSTIÇA MILITAR DE MG Rua Tomaz Gonzaga 686 Bairro de Lourdes CEP 30180 140 Belo Horizonte MG RESOLUÇÃO RESOLUÇÃO N. 162/2015 Institui o Regimento Interno da Escola Judicial Militar do Estado

Leia mais

Advogado(s): PB011003 - Luciana Pereira Almeida Diniz (REQUERENTE)

Advogado(s): PB011003 - Luciana Pereira Almeida Diniz (REQUERENTE) Page 1 of 4 PEDIDO DE PROVIDÊNCIAS - CONSELHEIRO 0005778-92.2011.2.00.0000 Requerente: Associação dos Servidores da Secretaria do Tribunal de Justiça do Estado da Paraíba - Asstje/pb Requerido: Tribunal

Leia mais

TURMA REGIONAL DE UNIFORMIZAÇÃO DE JURISPRUDÊNCIA - TRUJ

TURMA REGIONAL DE UNIFORMIZAÇÃO DE JURISPRUDÊNCIA - TRUJ Página 1 de 8 PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL - 5a. REGIÃO Cais do Apolo, s/n - Edifício Ministro Djaci Falcão, 15o. Andar - Bairro do Recife - Recife - PE TURMA REGIONAL DE UNIFORMIZAÇÃO DE

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br Virtualização do processo judicial André Luiz Junqueira 1. INTRODUÇÃO A Associação dos Juizes Federais do Brasil (AJUFE) encaminhou um projeto de lei sobre a informatização do processo

Leia mais

RESOLUÇÃO N. 23, DE 19 DE SETEMBRO DE 2008.

RESOLUÇÃO N. 23, DE 19 DE SETEMBRO DE 2008. Anexo II Consolidação Normativa da Gestão Documental RESOLUÇÃO N. 23, DE 19 DE SETEMBRO DE 2008. Estabelece a Consolidação Normativa do Programa de Gestão Documental da Justiça Federal de 1º e 2º Graus.

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº XXX, DE XXX DE XXXXX DE 2015. O PRESIDENTE DO CONSELHO NACIONAL DE JUSTIÇA (CNJ), no uso de suas atribuições legais e regimentais,

RESOLUÇÃO Nº XXX, DE XXX DE XXXXX DE 2015. O PRESIDENTE DO CONSELHO NACIONAL DE JUSTIÇA (CNJ), no uso de suas atribuições legais e regimentais, RESOLUÇÃO Nº XXX, DE XXX DE XXXXX DE 2015 Regulamenta o teletrabalho no âmbito do Poder Judiciário e dá outras providências. O PRESIDENTE DO CONSELHO NACIONAL DE JUSTIÇA (CNJ), no uso de suas atribuições

Leia mais

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2013

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2013 PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2013 Dispõe sobre a mediação extrajudicial. O CONGRESSO NACIONAL decreta: Capítulo I Disposições Gerais Art. 1º Esta lei dispõe sobre mediação extrajudicial. Parágrafo único.

Leia mais

NOTA TÉCNICA 48 2013. Lei nº 12.873 de 24/10/2013: PROSUS Registros de preços

NOTA TÉCNICA 48 2013. Lei nº 12.873 de 24/10/2013: PROSUS Registros de preços NOTA TÉCNICA 48 2013 Lei nº 12.873 de 24/10/2013: PROSUS Registros de preços Brasília, 29 de outubro de 2013 INTRODUÇÃO A Lei 12.873 de 24/10/13 trata de vários assuntos, altera algumas leis e entre os

Leia mais

DO CONSELHO NACIONAL DE ARQUIVOS

DO CONSELHO NACIONAL DE ARQUIVOS DECRETO Nº 4.073, DE 3 DE JANEIRO DE 2002 Regulamenta a Lei no 8.159, de 8 de janeiro de 1991, que dispõe sobre a política nacional de arquivos públicos e privados. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, no uso da

Leia mais

PREFEITURA DE RIO BRANCO INSTITUTO DE PREVIDÊNCIA DO MUNICÍPIO DE RIO BRANCO - RBPREV. Programa de Capacitações Exercicio de 2015

PREFEITURA DE RIO BRANCO INSTITUTO DE PREVIDÊNCIA DO MUNICÍPIO DE RIO BRANCO - RBPREV. Programa de Capacitações Exercicio de 2015 Prefeitura Municipal de Rio Branco RBPREV Programa de Capacitações Exercicio de 2015 Equipe do RBPREV Raquel de Araújo Nogueira Diretora-Presidente Maria Gecilda Araújo Ribeiro Diretora de Previdência

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DE JUSTIÇA SEPN Quadra 514 Norte Lote 7 Bloco B CEP 70760 542 Brasília DF www.cnj.jus.br INSTRUÇÃO NORMATIVA

CONSELHO NACIONAL DE JUSTIÇA SEPN Quadra 514 Norte Lote 7 Bloco B CEP 70760 542 Brasília DF www.cnj.jus.br INSTRUÇÃO NORMATIVA CONSELHO NACIONAL DE JUSTIÇA SEPN Quadra 514 Norte Lote 7 Bloco B CEP 70760 542 Brasília DF www.cnj.jus.br INSTRUÇÃO NORMATIVA INSTRUÇÃO NORMATIVA 67, DE 5 DE AGOSTO DE 2015 Regulamenta a Portaria SEI

Leia mais

REGULAMENTO GERAL DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU

REGULAMENTO GERAL DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU REGULAMENTO GERAL DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU TÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º - O Programa de Pós-graduação lato sensu da FAZU - Faculdades Associadas de Uberaba, tem por objetivo

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 139, DE 29 DE JUNHO DE 2012

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 139, DE 29 DE JUNHO DE 2012 Publicada no Boletim de Serviço, n. 7, p. 13-18 em 6/7/2012 INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 139, DE 29 DE JUNHO DE 2012 Dispõe sobre o fornecimento e a autenticação de cópias e impressões e dá outras providências.

Leia mais

RESOLUÇÃO CNJ nº 90/09

RESOLUÇÃO CNJ nº 90/09 RESOLUÇÃO CNJ nº 90/09 29 de setembro de 2009 PLANO DE TRABALHO - PDTI O presente Plano de Trabalho objetiva o nivelamento do Tribunal de Justiça do Estado de Roraima aos requisitos de tecnologia da informação

Leia mais

Resoluções ResoluçÃo CoNJuNTA PResI/CoGeR/CoJeF 20 De 18/10/2012 CAPÍTulo I Do PRoCeDIMeNTo De IMPlANTAçÃo Do AJG/CJF

Resoluções ResoluçÃo CoNJuNTA PResI/CoGeR/CoJeF 20 De 18/10/2012 CAPÍTulo I Do PRoCeDIMeNTo De IMPlANTAçÃo Do AJG/CJF RESOLUÇÃO CONJUNTA PRESI/COGER/COJEF 20 DE 18/10/2012 Resoluções Regulamenta os procedimentos para a implantação do novo Sistema Eletrônico de Assistência Judiciária Gratuita da Justiça Federal (AJG/ CJF),

Leia mais

Planejamento Estratégico de TIC. da Justiça Militar do Estado. do Rio Grande do Sul

Planejamento Estratégico de TIC. da Justiça Militar do Estado. do Rio Grande do Sul Planejamento Estratégico de TIC da Justiça Militar do Estado do Rio Grande do Sul MAPA ESTRATÉGICO DE TIC DA JUSTIÇA MILITAR DO ESTADO (RS) MISSÃO: Gerar, manter e atualizar soluções tecnológicas eficazes,

Leia mais

ROSA MARIA WEBER CANDIOTA DA ROSA

ROSA MARIA WEBER CANDIOTA DA ROSA ROSA MARIA WEBER CANDIOTA DA ROSA Ministra do Supremo Tribunal Federal, empossada em 19 de dezembro de 2011. Nascida em Porto Alegre, Rio Grande do Sul, em 02 de outubro de 1948. Filha do médico José Júlio

Leia mais

PORTARIA PGR/MPF Nº 918 DE 18 DE DEZEMBRO DE 2013 CAPÍTULO I DOS PRINCÍPIOS E DIRETRIZES

PORTARIA PGR/MPF Nº 918 DE 18 DE DEZEMBRO DE 2013 CAPÍTULO I DOS PRINCÍPIOS E DIRETRIZES PORTARIA PGR/MPF Nº 918 DE 18 DE DEZEMBRO DE 2013 Institui a Política Nacional de Comunicação Social do Ministério Público Federal. O PROCURADOR-GERAL DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que lhe confere

Leia mais

Garantir a economicidade dos recursos e a melhor alocação dos recursos necessários à prestação jurisdicional.

Garantir a economicidade dos recursos e a melhor alocação dos recursos necessários à prestação jurisdicional. Tema 1: Eficiência Operacional Buscar a excelência na gestão de custos operacionais. Garantir a economicidade dos recursos e a melhor alocação dos recursos necessários à prestação jurisdicional. Agilizar

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO PARÁ RESOLUÇÃO Nº 005/2008-GP.

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO PARÁ RESOLUÇÃO Nº 005/2008-GP. PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO PARÁ RESOLUÇÃO Nº 005/2008-GP. Dispõe sobre a Implantação e estabelece normas para o funcionamento do processo judicial eletrônico no Poder Judiciário

Leia mais

ANEXO I A Estratégia de TIC do Poder Judiciário

ANEXO I A Estratégia de TIC do Poder Judiciário RESOLUÇÃO Nº 99, DE 24 DE NOVEMBRO DE 2009 Dispõe sobre o Planejamento Estratégico de TIC no âmbito do Poder Judiciário e dá outras providências. ANEXO I A Estratégia de TIC do Poder Judiciário Planejamento

Leia mais

Portaria nº 3156, de 5 de dezembro de 2013.

Portaria nº 3156, de 5 de dezembro de 2013. O PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 14ª REGIÃO, no uso de suas atribuições legais, CONSIDERANDO o Planejamento Estratégico Participativo em execução (2009/2014), aprovado pela Resolução Administrativa

Leia mais

Dpto. Jurídico do Direito Administrativo da ANSEF/RJ

Dpto. Jurídico do Direito Administrativo da ANSEF/RJ Dpto. Jurídico do Direito Administrativo da ANSEF/RJ É bom saber... LEI Nº 12.618, DE 30 DE ABRIL DE 2012. Institui o regime de previdência complementar para os servidores públicos federais titulares de

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO RESOLUÇÃO nº483/2009 Data da Norma: 04/03/2009 Órgão expedidor: ÓRGÃO ESPECIAL DO TRIBUNAL DE JUSTIÇA Fonte: DJE de 22/06/2009, p. 1-77 Ementa: Cria o Programa de Gestão de Documentos Arquivísticos do

Leia mais

CONSELHO SUPERIOR DA JUSTIÇA DO TRABALHO COORDENADORIA PROCESSUAL

CONSELHO SUPERIOR DA JUSTIÇA DO TRABALHO COORDENADORIA PROCESSUAL CONSELHO SUPERIOR DA JUSTIÇA DO TRABALHO COORDENADORIA PROCESSUAL RESOLUÇÃO CSJT N.º 137, DE 30 DE MAIO DE 2014 (*) (*) Republicada em cumprimento ao art. 3º da Resolução CSJT n.º 152, de 28 de agosto

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CONSELHO UNIVERSITÁRIO CÂMARA DE GESTÃO ADMINISTRATIVO-FINANCEIRA

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CONSELHO UNIVERSITÁRIO CÂMARA DE GESTÃO ADMINISTRATIVO-FINANCEIRA SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CONSELHO UNIVERSITÁRIO CÂMARA DE GESTÃO ADMINISTRATIVO-FINANCEIRA RESOLUÇÃO Nº 02/2012 Regulamenta o processo de remoção de Servidores Técnico-Administrativos,

Leia mais

Edição nº 141/2015 Brasília - DF, segunda-feira, 10 de agosto de 2015 INSTRUÇÃO NORMATIVA 67, DE 5 DE AGOSTO DE 2015

Edição nº 141/2015 Brasília - DF, segunda-feira, 10 de agosto de 2015 INSTRUÇÃO NORMATIVA 67, DE 5 DE AGOSTO DE 2015 INSTRUÇÃO NORMATIVA 67, DE 5 DE AGOSTO DE 2015 Regulamenta a Portaria-SEI 1 de 4 de agosto de 2015, que instituiu o Sistema Eletrônico de Informações - SEI no âmbito do Conselho Nacional de Justiça. O

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE MATO GROSSO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE MATO GROSSO RESOLUÇÃO CONSUNI N.º 04, DE 26 DE MARÇO DE 2014. Dispõe sobre normas de afastamento de servidores técnicoadministrativos, do quadro efetivo da Universidade Federal de Mato Grosso, para qualificação stricto

Leia mais

RESOLUÇÕES APROVADAS NA PLENÁRIA DO II ENCONTRO NACIONAL DA JUSTIÇA DO TRABALHO

RESOLUÇÕES APROVADAS NA PLENÁRIA DO II ENCONTRO NACIONAL DA JUSTIÇA DO TRABALHO RESOLUÇÕES APROVADAS NA PLENÁRIA DO II ENCONTRO NACIONAL DA JUSTIÇA DO TRABALHO A preservação dos processos da Justiça do Trabalho é, portanto, uma necessidade e um dever. Responsáveis pela produção e

Leia mais

TCU - Ciclo de Palestras 2011. Papel da Alta Administração na Governança de TI

TCU - Ciclo de Palestras 2011. Papel da Alta Administração na Governança de TI TCU - Ciclo de Palestras 2011 Papel da Alta Administração na Governança de TI Missão do CNJ O Conselho Nacional de Justiça tem o propósito de realizar a gestão estratégica e o controle administrativo do

Leia mais

TRIBUNAL SUPERIOR DO TRABALHO PRESIDÊNCIA ATO Nº 520/CDOC.SEJUD.GP, DE 4 DE NOVEMBRO DE 2010.

TRIBUNAL SUPERIOR DO TRABALHO PRESIDÊNCIA ATO Nº 520/CDOC.SEJUD.GP, DE 4 DE NOVEMBRO DE 2010. TRIBUNAL SUPERIOR DO TRABALHO PRESIDÊNCIA ATO Nº 520/CDOC.SEJUD.GP, DE 4 DE NOVEMBRO DE 2010. Dispõe sobre os procedimentos para publicação de documentos na Biblioteca Digital do Tribunal Superior do Trabalho

Leia mais

RESOLUCAO TJ/OE Nº 16, de 30/11/2009 (ESTADUAL) DJERJ, ADM 60 (8) - 01/12/2009

RESOLUCAO TJ/OE Nº 16, de 30/11/2009 (ESTADUAL) DJERJ, ADM 60 (8) - 01/12/2009 RESOLUCAO TJ/OE Nº 16, de 30/11/2009 (ESTADUAL) DJERJ, ADM 60 (8) - 01/12/2009 RESOLUÇÃO Nº. 16/2009 Autoriza a implantação do Processo Eletrônico no âmbito do Tribunal de Justiça do Estado do Rio de Janeiro

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA 4ª REGIÃO

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA 4ª REGIÃO PORTARIA Nº 59, DE 14 DE MARÇO DE 2008. Dispõe sobre alterações no Manual de Atribuições da Seção Judiciária do Paraná e estabelece outras providências. O VICE-PRESIDENTE, NO EXERCÍCIO DA PRESIDÊNCIA DO

Leia mais

Tribunal do Trabalho da Paraíba 13ª Região

Tribunal do Trabalho da Paraíba 13ª Região Tribunal do Trabalho da Paraíba 13ª Região Apresentação 1.Identificação do órgão:tribunal do Trabalho da Paraíba/ Assessoria de Comunicação Social 2.E-mail para contato:rdaguiar@trt13.jus.br, rosa.jp@terra.com.br

Leia mais

Edição nº 232/2013 Brasília - DF, segunda-feira, 9 de dezembro de 2013. Presidência RESOLUÇÃO N. 184, DE 06 DE DEZEMBRO DE 2013

Edição nº 232/2013 Brasília - DF, segunda-feira, 9 de dezembro de 2013. Presidência RESOLUÇÃO N. 184, DE 06 DE DEZEMBRO DE 2013 Edição nº 232/2013 Brasília - DF, segunda-feira, 9 de dezembro de 2013 Presidência RESOLUÇÃO N. 184, DE 06 DE DEZEMBRO DE 2013 Dispõe sobre os critérios para criação de cargos, funções e unidades judiciárias

Leia mais

INSTITUTO FÓRUM NACIONAL DOS SECRETÁRIOS E DIRIGENTES ESTADUAIS DE TURISMO - INFORUM ESTATUTO SOCIAL SUMÁRIO

INSTITUTO FÓRUM NACIONAL DOS SECRETÁRIOS E DIRIGENTES ESTADUAIS DE TURISMO - INFORUM ESTATUTO SOCIAL SUMÁRIO 1 INSTITUTO FÓRUM NACIONAL DOS SECRETÁRIOS E DIRIGENTES ESTADUAIS DE TURISMO - INFORUM ESTATUTO SOCIAL SUMÁRIO CAPITULO I - DA DENOMINAÇÃO, DOS FINS, DA SEDE E DO PRAZO Art. 2º Para a consecução dos seus

Leia mais

RECURSO ESPECIAL Nº 502.765 - RS (2003/0023756-0)

RECURSO ESPECIAL Nº 502.765 - RS (2003/0023756-0) RECURSO ESPECIAL Nº 502.765 - RS (2003/0023756-0) RELATOR : MINISTRO JOSÉ DELGADO RECORRENTE : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS PROCURADOR : PATRÍCIA VARGAS LOPES E OUTROS RECORRIDO : OSTRA OBRAS

Leia mais

Supremo Tribunal Federal PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO (2009-2013)

Supremo Tribunal Federal PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO (2009-2013) Supremo Tribunal Federal PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO (2009-2013) Aprovado em Sessão Administrativa de 05.08.2009 COMPOSIÇÃO Ministro GILMAR MENDES Presidente Ministro CEZAR PELUSO Vice-Presidente Ministro

Leia mais

EDUARDO ABREU BIONDI

EDUARDO ABREU BIONDI EDUARDO ABREU BIONDI Formação acadêmica: UMSA Doutorado em Ciências Jurídicas Buenos Aires - Argentina Início: Agosto de 2010 Previsão de Conclusão: Agosto de 2012 Universidade Cândido Mendes Pós Graduaç

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA FEDERAL TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL - 2ª REGIÃO

PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA FEDERAL TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL - 2ª REGIÃO OFÍCIO CIRCULAR Nº T2-OCI-2010/00037 Rio de Janeiro, 25 de março de 2010. Senhor(a) Juiz(a), No 3º Encontro Nacional do Poder Judiciário, promovido pelo Conselho Nacional de Justiça e ocorrido no último

Leia mais

:: Portal da Justiça Federal da 3ª Região::

:: Portal da Justiça Federal da 3ª Região:: Página 1 de 5 DIÁRIO ELETRÔNICO DA JUSTIÇA FEDERAL DA 3ª REGIÃO Edição nº43/0 -São Paulo, quinta-feira, 05 de março de 2015 SEÇÃO JUDICIÁRIA DO ESTADO DE SÃO PAULO PUBLICAÇÕES ADMINISTRATIVAS NUCLEO DE

Leia mais

Manual de Rotinas do Procedimento Cível Comum Ordinário. Protocolo

Manual de Rotinas do Procedimento Cível Comum Ordinário. Protocolo 29 Protocolo 2. DISTRIBUIÇÃO A previsão legal dos atos de distribuição e registro está no Código de Processo Civil, nos artigos 251 a 257. A distribuição tem a função de dividir os processos entre juízos

Leia mais

Panorama da educação a distância na formação dos magistrados brasileiros

Panorama da educação a distância na formação dos magistrados brasileiros Panorama da educação a distância na formação dos magistrados brasileiros Práticas e desafios 7 e 8 de maio de 2015 Encontro de integração das Escolas da Magistratura Práticas e Desafios da Educação a Distância

Leia mais

*F69F3DF9* PROJETO DE LEI N.º, de de 2012. (DO TRIBUNAL SUPERIOR DO TRABALHO)

*F69F3DF9* PROJETO DE LEI N.º, de de 2012. (DO TRIBUNAL SUPERIOR DO TRABALHO) ** PROJETO DE LEI N.º, de de 2012. (DO TRIBUNAL SUPERIOR DO TRABALHO) Dispõe sobre a criação de cargos de provimento efetivo no Quadro de Pessoal da Secretaria do Tribunal Regional do Trabalho da 1ª Região.

Leia mais

RELATÓRIO DE ATIVIDADES PCTI 2014

RELATÓRIO DE ATIVIDADES PCTI 2014 PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 7ª REGIÃO PROGRAMA DE COMBATE AO TRABALHO INFANTIL (PCTI) GESTÃO REGIONAL RELATÓRIO DE ATIVIDADES PCTI 2014 www.trt7.jus.br/trabalhoinfantil SEMANA CEARENSE

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça Superior Tribunal de Justiça RESOLUÇÃO STJ/GP N. 11 DE 12 DE NOVEMBRO DE 2015. Institui a política de segurança da informação do Superior Tribunal de Justiça e dá outras providências. O PRESIDENTE DO SUPERIOR

Leia mais

Coordenação-Geral de Tributação

Coordenação-Geral de Tributação Fls. 2 1 Coordenação-Geral de Tributação Solução de Consulta nº 143 - Data 2 de junho de 2014 Processo Interessado CNPJ/CPF ASSUNTO: CONTRIBUIÇÕES SOCIAIS PREVIDENCIÁRIAS ISENÇÃO. CERTIFICAÇÃO DA ENTIDADE

Leia mais

ESTADO DE MATO GROSSO PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA PROVIMENTO N. 20/2015-CM

ESTADO DE MATO GROSSO PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA PROVIMENTO N. 20/2015-CM PROVIMENTO N. 20/2015-CM Regulamenta o Programa de incentivo à graduação dos servidores efetivos do Poder Judiciário do Estado de Mato Grosso. O PRESIDENTE DO CONSELHO DA MAGISTRATURA DO, no uso de suas

Leia mais

A Aposentadoria dos. Emendas Constitucionais

A Aposentadoria dos. Emendas Constitucionais A Aposentadoria dos Agentes Públicos P depois das Emendas Constitucionais Carlos Alberto Pereira de Castro Juiz do Trabalho Mestre em Direito Previdenciário rio Introdução Estudo da aposentadoria dos servidores

Leia mais

PLANO DE AÇÃO DO MOVIMENTO PELA CONCILIAÇÃO DE 2009

PLANO DE AÇÃO DO MOVIMENTO PELA CONCILIAÇÃO DE 2009 MOVIMENTO NACIONAL PELA CONCILIAÇÃO PLANO DE AÇÃO DO MOVIMENTO PELA CONCILIAÇÃO DE 2009 Conciliar é legal Janeiro de 2009 ÓRGÃO REALIZADOR Tribunal de Justiça do Estado de Goiás GESTOR Tribunal de Justiça

Leia mais

Eva Maria Ferreira Barros Secretária-Geral

Eva Maria Ferreira Barros Secretária-Geral CONSELHO DA JUSTIÇA FEDERAL Ministro ARI PARGENDLER Presidente Ministro FELIX FISCHER Vice-Presidente Ministro JOÃO OTÁVIO DE NORONHA Corregedor-Geral da Justiça Federal e Diretor do Centro de Estudos

Leia mais

= PIB Dados D PJ PIB G 1

= PIB Dados D PJ PIB G 1 ANO-BASE 2003 1. INSUMOS, DOTAÇÕES E GRAUS DE UTILIZAÇÃO DESPESAS 1.1. DESPESA DA JUSTIÇA FEDERAL SOBRE O PIB G 1 DPJ PIB Dados D PJ PIB G 1 1ª Região 735.982.911 418.705.626.864 0,176% 2ª Região 433.545.338

Leia mais

Indicadores - Perspectiva Sociedade

Indicadores - Perspectiva Sociedade Indicadores - Perspectiva Sociedade Fortalecer a imagem institucional da Justiça do Trabalho IMAGEM ORGANIZACIONAL GRAU DE CONFIANÇA NA JUSTIÇA DO TRABALHO Mede o grau de confiança dos advogados e partes

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA FEDERAL SEÇÃO JUDICIÁRIA DO RIO DE JANEIRO

PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA FEDERAL SEÇÃO JUDICIÁRIA DO RIO DE JANEIRO EDITAL Nº JFRJ-EDT-2015/00168 EDITAL DE SELEÇÃO DE ENTIDADES, PÚBLICAS OU PRIVADAS, INTERESSADAS EM ACOLHER, GRATUITAMENTE, BENEFICIÁRIOS DE SANÇÃO ALTERNATIVA DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS, E DE SELEÇÃO DE

Leia mais

0003/09-TJAP. LEI Nº. 1.377, DE 07 DE OUTUBRO DE

0003/09-TJAP. LEI Nº. 1.377, DE 07 DE OUTUBRO DE Referente ao Projeto de Lei nº 0003/09-TJAP. LEI Nº. 1.377, DE 07 DE OUTUBRO DE 2009. Publicada no Diário Oficial do Estado nº 4597, de 07/10/2009. Autor: Tribunal de Justiça do Estado do Amapá Altera

Leia mais

A JUÍZA PRESIDENTE E CORREGEDORA DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA DÉCIMA TERCEIRA REGIÃO, no uso de suas atribuições legais e regimentais;

A JUÍZA PRESIDENTE E CORREGEDORA DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA DÉCIMA TERCEIRA REGIÃO, no uso de suas atribuições legais e regimentais; ATO TRT GP Nº 280/2008 João Pessoa, 14 de novembro de 2008. A JUÍZA PRESIDENTE E CORREGEDORA DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA DÉCIMA TERCEIRA REGIÃO, no uso de suas atribuições legais e regimentais;

Leia mais

Supremo Tribunal Federal PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO (2009-2013)

Supremo Tribunal Federal PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO (2009-2013) Supremo Tribunal Federal PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO (2009-2013) Aprovado em Sessão Administrativa de 05.08.2009 COMPOSIÇÃO Ministro GILMAR MENDES Presidente Ministro CEZAR PELUSO Vice-Presidente Ministro

Leia mais

MINISTÉRIO DA JUSTIÇA CONSELHO ADMINISTRATIVO DE DEFESA ECONÔMICA

MINISTÉRIO DA JUSTIÇA CONSELHO ADMINISTRATIVO DE DEFESA ECONÔMICA Ref.: Consulta Pública nº 04/2014 DESPACHO nº 339/2014/PRES/CADE Submeto a Resolução anexa que institui o Sistema Eletrônico de Informações SEI como sistema oficial de gestão de documentos eletrônicos

Leia mais

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, no uso das atribuições que lhe confere o art. 84, incisos IV e VI, da Constituição,

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, no uso das atribuições que lhe confere o art. 84, incisos IV e VI, da Constituição, DECRETO 3.100, de 30 de Junho de 1999. Regulamenta a Lei nº 9.790, de 23 de março de 1999, que dispõe sobre a qualificação de pessoas jurídicas de direito privado, sem fins lucrativos, como Organizações

Leia mais

Tribunal deve dar meios para petição virtual

Tribunal deve dar meios para petição virtual Page 1 of 5 Texto publicado terça, dia 23 de fevereiro de 2010 NOTÍCIAS Tribunal deve dar meios para petição virtual POR MARINA ITO O processo eletrônico no Judiciário é uma realidade sem volta. Em decisão

Leia mais

Conselho Nacional de Justiça

Conselho Nacional de Justiça Conselho Nacional de Justiça PROCEDIMENTO DE CONTROLE ADMINISTRATIVO N. 0006328-24.2010.2.00.0000 RELATOR : CONSELHEIRO FELIPE LOCKE CAVALCANTI REQUERENTE : ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL - SECCIONAL DO

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO. PORTARIA Nº CF-POR-2012/00116 de 11 de maio de 2012

PODER JUDICIÁRIO. PORTARIA Nº CF-POR-2012/00116 de 11 de maio de 2012 PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA FEDERAL CONSELHO DA JUSTIÇA FEDERAL PORTARIA Nº CF-POR-2012/00116 de 11 de maio de 2012 Dispõe sobre a composição, o funcionamento e as atribuições dos Comitês Gestores do Código

Leia mais

A PREVIDÊNCIA NO SERVIÇO PÚBLICO

A PREVIDÊNCIA NO SERVIÇO PÚBLICO MPS Ministério da Previdência Social SPS Secretaria de Previdência Social A PREVIDÊNCIA NO SERVIÇO PÚBLICO SALVADOR-BA, 17 DE JULHO DE 2004 PREVIDÊNCIA NO SERVIÇO PÚBLICO RPPS INSTITUÍDOS NO BRASIL Possibilidade

Leia mais