Cap. 3. A errar também se aprende

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Cap. 3. A errar também se aprende"

Transcrição

1 Cap. 3. A errar também se aprende O erro cometido pelo aluno constitui um fenómeno familiar ao professor. Está presente no quotidiano da sala de aula e surge através de produções orais ou escritas dos alunos em situações de aprendizagem. Mas, embora seja um fenómeno com que o professor se confronta frequentemente na sua prática lectiva, pode ser por si perspectivado de forma muito diversa. O erro pode ser entendido como: (i) um mal a erradicar, (ii) como um sintoma, (iii) como um revelador ou (iv) como uma tentativa de acção criativa. O erro é visto como um mal a erradicar quando é sinónimo de inexistência de aprendizagem. Habitualmente é-lhe associada uma conotação negativa. O professor ensina, mas o aluno não aprende, não tanto porque não pode, mas sobretudo porque não quer, não se interessa ou não faz por isso. Uma das partes não está a cumprir o que foi previamente pensado ou planeado. A penalização ou punição é um uso natural nesta perspectiva. Tal é o caso, por exemplo, da penalização através do desconto de certo valor por cada erro cometido numa prova formal de avaliação. Esta situação leva mesmo alguns autores a afirmarem que o erro é encarado de uma forma contabilística. Quanto maior o número de erros, maiores os descontos. Uma situação menos estremada corresponde à perspectiva de encarar o erro como um sintoma de um mal a eliminar. Ainda entendido como falta ou lacuna, como deficit de conhecimento, as suas causas podem ser várias. Cabe ao professor fazer o diagnóstico para remediar. As práticas de remediação passam habitualmente pela repetição de procedimentos mais ou menos normalizados. Caso o erro seja eliminado, acredita-se que o caminho seguido é adequado a todos os alunos, caso persista, o aluno terá de se confrontar com o insucesso. Nestes dois primeiros casos, em que o erro tem uma conotação negativa, de acordo com a diversidade de situações produzidas pelo aluno ao longo do tempo, o professor pode dar diferentes interpretações ao erro, atribuindo-lhe níveis distintos de importância. Assim, o erro, segundo Norrisch (1983), pode ser considerado como: (i) ausência de conhecimento, quando o aluno se desvia substancialmente da resposta correcta; (ii) um engano, quando o aluno é inconstante na sua realização face a um dado saber, umas vezes acerta, outras erra; (iii) como um lapso, quando acerta normalmente e erra pontualmente; e (iv) uma distracção, quando embora responda de forma correcta, a Cap. 3. A errar também se aprende 67

2 resposta não está exactamente conforme o perguntado, podendo tal situação decorrer de falta de atenção. Note-se que estas interpretações estão muitas vezes também associadas à imagem que o professor foi construindo do aluno ao longo do processo de ensino e aprendizagem. Se a imagem que formou é a de um aluno que sabe, raramente o erro por ele cometido é visto como ausência de conhecimento. Se, contudo, se entender a aprendizagem como um processo complexo e particular, o erro pode ser revelador da lógica associada à representação que o aluno faz de um certo saber. Como tal, o erro constitui uma oportunidade, quase única, do professor aceder a essa lógica. A sua compreensão poderá levar o professor não só a pensar em formas específicas e adequadas de ajudar o aluno a reorientar a sua representação como igualmente pode levá-lo a reflectir sobre a sua prática, ajuizando da adequação dos contextos de aprendizagem propostos. O que é valorizado face à presença de um erro não é o aluno ainda não ter atingido a representação do saber instituído, mas sim a fonte rica de informação a que se tem acesso. Ainda nesta última linha, o erro pode ser visto como um acto de pensamento divergente, muitas vezes reconhecido como essencial no aluno, por exemplo, face a tarefas não rotineiras, mas nem sempre valorizado quando o realizado não coincide com o esperado pelo professor. Por exemplo, quando o professor pergunta ao aluno o que é que tu inventaste aqui? se por um lado, parece estar a reconhecer uma acção criativa, logo a valorizar, por outro, não é claro se o está a encarar ou não de forma positiva (Jorro, 2000). Podemos assim afirmar do exposto que há duas formas distintas de olhar o erro. Uma delas toma o aluno como referência. Neste caso, centrado no indivíduo, as causas do erro são atribuídas aos alunos, quer como um mal a erradicar, quer como um sintoma de que algo vai mal. Em qualquer um destes casos o erro tem uma conotação negativa. A outra forma centra-se nos tópicos ou conceitos a ensinar. Nesta perspectiva, centrada no currículo, o erro é tomado como um indicador do grau de dificuldade na construção/apropriação do assunto ou conceito em presença, ou na forma como foi abordado e trabalhado. É um indicador da necessidade de uma intervenção pedagógica que requer adequação. Quando nos colocamos numa perspectiva de avaliação reguladora, o erro não pode deixar de ser entendido como inerente ao processo de aprendizagem, como algo que acontece apenas àqueles que aprendem, tal como as dúvidas que os alunos nos colocam. Quantas vezes, nós professores, ficamos contentes quando os nossos alunos nos dizem Cap. 3. A errar também se aprende 68

3 que não perceberam isto ou aquilo? É sinal que estão a desenvolver um processo de aprendizagem. As abordagens construtivistas da aprendizagem puseram em evidência a importância decisiva na compreensão do erro para a própria aprendizagem, reconhecendo que o acesso ao saber só se pode fazer através de um processo de mediação entre o conhecimento que uma pessoa detém e algo que produz. É a conformidade social dessa produção, que indica que se sabe ou não, que revela os erros. Contudo, para que um aluno produza algo é em primeiro lugar necessário que exista um convite à acção, que ele o entenda, que o execute. Há assim uma relação estreita entre compreensão, acção e produção. Desta forma, se existe, o erro é uma resultante de todo este processo embora o seu reconhecimento esteja associado normalmente ao produto realizado, à sua existência, qualidade ou natureza. É, contudo, de notar que existe o perigo de o erro e as suas causas poderem confundir-se ou restringirem-se à existência ou não de conformidade entre o pedido e os produtos realizados. Os produtos tendem a ganhar um ascendente sobre os processos que lhe deram origem como se de coisas distintas se tratassem. A avaliação, enquanto processo independente da aprendizagem, ajuda à consolidação deste olhar. De facto, diversos estudos sobre as práticas de avaliação mostram-nos que os processos de avaliação estão mais centrados em mostrar o erro, isto é, se existe ou não um desvio, ao que era suposto dizer, fazer ou mostrar, do que em ajudar a construir a coincidência entre o esperado e o realizado. Esta forma de fazer leva-nos a focalizar a atenção nos produtos finalizados em resultados, e não nos processos mediadores, nomeadamente a actividade ou a linguagem, entre o pedido e a resposta ao pedido. Assim, procurando inverter a tendência existente, há que pensar como rentabilizar o erro para a aprendizagem. Desde já é possível afirmar que cabe ao professor interpretar o erro para compreender a lógica do aluno. De seguida, e de acordo com essa interpretação, uma via possível é dar feedback ao aluno, procurando ajudá-lo ao reencaminhamento, de forma a construir uma nova representação e agir em conformidade. Para que este feedback posso vir a ter sucesso, é necessário que o professor: - tenha uma ideia clara do processo de resolução da tarefa em causa, sendo capaz de decompor este processo em partes; - perceba até que ponto a criança é capaz de lidar com esse processo e/ou suas partes, Cap. 3. A errar também se aprende 69

4 - conheça qual a imagem que a criança tem ainda na cabeça, descentrando-se da sua posição de conhecedor (cabe ao professor procurar colocar-se no papel do outro). Em posse destes saberes, há então que proceder ao feedback para ajudar a reorganizar e/ou a reinterpretar a acção. Contudo, alguns cuidados devem ser tidos em conta. Há que evitar incluir juízos de valor que têm poucos efeitos reguladores, nada contribuindo para o reencaminhamento do aluno, para além de poderem levantar questões de ordem ética a evitar. Que evidência temos de que tal é verdade? Um feedback que se dirige mais ao aluno ou às características da sua produção do que à tarefa corre o risco de produzir efeitos negativos na sua auto-estima ou auto-imagem, podendo ser mais nefasto do que produtivo. Na procura de ajudar a perceber o tipo de feedback, alguns autores distinguem três tipos de discurso: (i) o discurso veredicto, quando assente numa relação de poder, sobre a forma de opinião autorizada (verdade pelo poder), podendo este estar centrado nas características/atitudes do aluno ou na tarefa; (ii) o discurso profético, proferido numa postura visionária sobre a evolução do devir escolar, assente normalmente em atitudes ou características pessoais do aluno, e (iii) o discurso de incitamento e/ou de interpelação, quando se procura envolver o aluno na acção (Gipps, 1999). Neste caso o discurso está geralmente centrado na tarefa. O quadro que segue apresenta alguns exemplos que ilustram os diferentes estilos de feedback. Pouca atenção! Não estudaste! Quadro 3. Exemplos de feedback e sua apreciação Feedback Tipo Comentário O teu trabalho está cheio de erros ortográficos! Corrige-os Bem feito! Desenvolve mais esta ideia Veredicto, dirigido ao aluno Veredicto, dirigido ao aluno Veredicto, dirigido à produção Veredicto, dirigido à produção Veredicto, dirigido à tarefa O professor recorre ao seu poder, fazendo uma inferência não assente em evidência O professor recorre ao seu poder, fazendo uma inferência não assente em evidência (Mas quais são?) Não esclarece o suficiente para o aluno prosseguir (Então está perfeito? Não preciso de fazer mais nada?) Embora positivo não esclarece o que está bem feito (De que modo?) Não fornece suficientes pistas para o aluno prosseguir Pressupões que se o não fizer no futuro será complicado Tens de te esforçar mais! Profético, dirigido ao aluno Tens de estudar mais Profético, dirigido ao (Estudar o quê?) Não fornece Cap. 3. A errar também se aprende 70

5 Se em vez destes valores tivesses outros chegarias à mesma conclusão? Experimenta e compara com a tua resposta Relê o enunciado da tarefa. Vai anotando as diferentes informações. No final comparaas com as que usaste. São as mesmas? aluno De incitamento, dirigido à tarefa De incitamento, dirigido à tarefa suficientes pistas para o aluno prosseguir Dá pistas para o aluno como continuar/reformular Dá pistas para o aluno como continuar/reformular Para além disso, deve dar-se oportunidade ao aluno para ser ele próprio a identificar o erro e a corrigi-lo. São estratégias que favorecem uma aprendizagem mais duradoura no tempo. É através de questões e pistas que se procura ajudar o aluno a prosseguir o seu processo de aprendizagem, fornecendo-lhe suporte afectivo e encorajando-o à acção, quer mantendo a actividade na orientação correcta, quer controlando a sua frustração. Esta tarefa é, no entanto complexa, uma vez que uma mesma produção não corresponde necessariamente a um mesmo feedback. O que conhecemos do aluno é determinante para sabermos até que ponto as questões e pistas têm de ser mais ou menos desenvolvidas. Há, assim, que estabelecer pontes entre aquilo que o aluno já domina, compreende e é capaz de fazer, e aquilo que é necessário para resolver a tarefa. Do que acabámos de afirmar, ressalta que a actividade de dar feedback aos alunos é exigente e morosa para o professor. Assim, há que escolher criteriosamente quando o vamos fazer. Resultados da investigação apontam para que o feedback nunca deve ser dado antes do aluno ter tido oportunidade para pensar e trabalhar na tarefa, nem depois de se conhecerem as respostas, e preferencialmente devem ser escolhidas tarefas ainda não classificadas, nas quais os alunos tenham ainda oportunidade de melhorar (Black & Wiliam, 1998). Narrativa: Para não pensarmos que já está feito e despachado Experiência desenvolvida por Sónia Dias Motivações e propósitos Nas últimas décadas, a avaliação enquanto parte integrante da aprendizagem tem vindo a ganhar cada vez mais importância. Embora as orientações curriculares sobre a Cap. 3. A errar também se aprende 71

6 avaliação expressas nos diferentes programas de Matemática, assim como nos novos despachos normativos que regulamentam a avaliação das aprendizagens dos alunos, sejam muito claros quanto a esta nova orientação, a verdade é que a prática da avaliação reguladora, em particular a sua concretização através do feedback, estava pouco presente no meu dia a dia, enquanto professora de Matemática do 3º ciclo do Ensino Básico. Assim, no ano lectivo 2005/2006 desenvolvi uma experiência no âmbito do projecto AREA que teve como objectivo perceber de que forma entendem os alunos o feedback escrito que os professores dão às actividades por si realizadas. A questão central deste estudo foi O que entendem os alunos dos comentários/anotações que os professores de Matemática escrevem quando avaliam a primeira versão dos trabalhos? Neste estudo foram participantes dez alunos, que compunham quatro grupos de trabalho, de duas turmas de 9º ano de uma Escola da Área Metropolitana de Lisboa. A selecção destes grupos deveu-se a dois factores: um dos grupos melhorou significativamente da primeira para a segunda versão e os outros três grupos seguiram critérios de melhoria bastante distintos. A tarefa proposta aos alunos foi a realização de um trabalho de grupo sobre A Evolução do Conceito de Número. Neste estudo foram discutidas questões como: Como encaram os alunos este tipo de avaliação? Que tipo de feedback poderá ser mais favorecedor da aprendizagem? Que factores deverão estar presentes na escolha do feedback a dar? Como interpretam os alunos o feedback do professor? Que possíveis lógicas estão subjacentes à forma dos alunos orientarem o seu trabalho a partir do feedback dado? Os dados que serviram de base a este estudo foram as duas versões do trabalho de pesquisa, elaboradas pelos alunos, e o feedback dado na primeira versão do trabalho. Após o término desta actividade, cada grupo de alunos foi ainda entrevistado, de modo a clarificar alguns aspectos do trabalho desenvolvido, nomeadamente o significado atribuído ao feedback dado e as razões das decisões tomadas na segunda versão do trabalho de pesquisa. Depois de analisado o feedback escrito, surgiram quatro categorias de análise: (i) assinalei e corrigi um erro, (ii) assinalei um erro e não o corrigi, (iii) assinalei um erro e dei pistas, e (iv) indiquei falta de informação. No final deste estudo os resultados obtidos permitiram concluir que: 1. Todos os alunos participantes no estudo consideraram este tipo de avaliação favorável para a sua aprendizagem, por poderem melhorar o trabalho final e saberem a opinião da professora antes de o trabalho ser definitivo, poderem ver e corrigir alguns Cap. 3. A errar também se aprende 72

7 erros que tinham feito, o que na sua opinião ajuda a que não voltem a cometê-los, por dar a possibilidade de o professor perceber melhor por que erram os alunos e pelo facto de os alunos se aperceberem melhor onde têm mais dificuldades. 2. O mesmo feedback não implica a mesma resposta dos alunos. Quando a professora assinala e corrige um erro, os alunos emendam, mas quando assinala um erro com simbologia ou indica a falta de informação, para alunos com bom desempenho na disciplina de Matemática é suficiente, para alunos com desempenho razoável não é suficiente, o que faz com que não consigam melhor. Quando assinala um erro e dá pistas, a simbologia é decisiva para a alteração ou não das respostas dadas. 3. É importante conhecer os alunos e dar um feedback adequado ao perfil académico de cada um. A partir deste estudo, definiram-se novos objectivos para o ano lectivo 2006/2007: perceber a evolução da qualidade do feedback dado por mim e diversificar o feedback, fazendo-o depender dos alunos. A questão central do estudo manteve-se: o que entendem os alunos dos comentários/anotações que os professores de Matemática escrevem quando avaliam a primeira versão dos trabalhos? Contexto onde decorreu a experiência No ano lectivo 2006/2007 desenvolvi então um novo trabalho no âmbito da intencionalidade da avaliação reguladora das aprendizagens com uma turma de 7º ano da Área Metropolitana de Lisboa. Era uma turma composta por 25 alunos, 12 rapazes e 13 raparigas, com idades compreendidas entre os 11 e os 13 anos. Na turma existiam 2 alunos repetentes, sendo os restantes provenientes de três turmas de 6º ano de escolaridade. Os alunos repetentes tinham tido nível inferior a três na disciplina de Matemática. Entre os alunos provenientes do 6º ano, apenas quatro tinham transitado para o 7º ano com nível inferior a três na disciplina de Matemática. Era uma turma que indiciava portanto um nível de conhecimentos adquiridos e de competências desenvolvidas bastante razoável. Porém, após a avaliação de diagnóstico e algum tempo de trabalho com os alunos, percebi que apresentavam muitas debilidades em tarefas que fossem além da mera aplicação de procedimentos básicos, como algoritmos. Por exemplo, apresentavam muitas dificuldades a explicar raciocínios, quer por escrito, quer oralmente, o que consequentemente acarretava muitas dificuldades em tarefas do tipo resolução de problemas ou investigações. Sendo o 7º ano de escolaridade um ano inicial de ciclo, Cap. 3. A errar também se aprende 73

8 considerei pertinente que os alunos desenvolvessem de forma mais sólida aspectos da competência matemática como a resolução de problemas e a comunicação matemática. Aliada a esta situação, procurei implementar algumas tarefas que fossem simultaneamente de ensino, de aprendizagem e que possibilitassem uma avaliação reguladora das aprendizagens dos alunos. Daí ter referido que havia intencionalidade reguladora. São duas dessas tarefas que servem de base ao estudo que seguidamente descrevo e que envolve os 25 alunos da turma. Descrição da experiência A experiência que a seguir apresento assenta em duas tarefas realizadas com a turma descrita em dois momentos ao longo do ano lectivo. A primeira tarefa foi realizada em Novembro e a segunda em Janeiro. Em ambos os casos foram ocupados dois blocos de aulas de noventa minutos, um para a primeira fase do trabalho e outro para a melhoria das produções. Em ambas as tarefas houve um procedimento geral comum. No início de cada tarefa, informei os alunos que na aula seguinte teriam oportunidade de rever o que tivessem feito no sentido de melhorarem o seu trabalho. Contudo, na segunda tarefa houve que reajustar este procedimento, como explicarei mais tarde. Os alunos trabalharam em sete grupos de três ou quatro elementos e os grupos foram escolhidos aleatoriamente no início da aula da primeira tarefa. Na segunda tarefa, os alunos mantiveram os mesmos grupos. Alguns grupos ficaram contentes, para outros foi motivo de discórdia no início da aula. Geri o conflito propondo que nessa aula trabalhassem assim e que numa próxima situação de trabalho de grupo, voltaria a sortear os grupos. Em cada tarefa, cada grupo teve um único exemplar da proposta de trabalho, completada, no caso da segunda tarefa, com duas folhas com os esboços de pizzas. No final da primeira aula recolhi as produções realizadas, em grupo, pelos alunos para as comentar. Análise das práticas 1ª Tarefa Contagem de quadrados Cap. 3. A errar também se aprende 74

9 O objectivo desta tarefa era trabalhar as sequências numéricas envolvendo potências de expoente natural, levando os alunos a explicarem a lei de formação do termo geral. A proposta de trabalho, tal como foi apresentada aos alunos, foi a seguinte: No primeiro bloco, optei por não esclarecer nenhuma dúvida que os alunos tivessem durante a primeira meia hora de realização da tarefa, para os obrigar não só a fazerem um esforço para perceberem o enunciado, mas também para trabalharem cooperativamente. As dúvidas que surgiram com mais frequência prenderam-se com a não compreensão do enunciado, isto é, não percebiam o que era para fazer. No final da aula, recolhi as produções dos alunos. Os comentários escritos mais frequentes foram: (1) Explicitem por exemplo por tamanhos Quando fiz este comentário, tinha como objectivo que os alunos distinguissem os quadrados pelas suas dimensões, utilizando a unidade de medida disponível, a quadrícula. Pretendia que os alunos escrevessem 16 quadrados 1x1, 9 quadrados 2x2, 4 quadrados 3x3 e 1 quadrado 4x4, pois os alunos utilizam os termos 16 quadrados pequenos, 13 quadrados médios,, incluindo neste conjunto dos quadrados médios, Cap. 3. A errar também se aprende 75

10 quadrados de diferentes dimensões. Apresento, seguidamente, um exemplo onde se verificou esta situação. 1ª Versão 2ª Versão Para este grupo, o feedback dado pela professora foi suficiente para os alunos entenderem o que era pretendido. Porém para dois grupos, a quem foi dado exactamente o mesmo feedback, este comentário não parece ter sido perceptível, dado não terem conseguido melhorar. Dos sete alunos que integravam estes dois grupos, cinco apresentavam um aproveitamento não satisfatória na disciplina de Matemática e, os outros dois, um comportamento satisfatório. (2) Experimentem contar quadradinhos dos mais pequenos (1x1) ao maior Este comentário surgiu paralelamente ao comentário anterior, e tinha como objectivo que os alunos classificarem os quadrados por tamanhos de forma mais explícita do que utilizando apenas os termos os mais pequenos, os médios e os grandes. No Cap. 3. A errar também se aprende 76

11 entanto, a maioria dos grupos não percebeu o que eu queria dizer com 1x1. Apresento seguidamente um exemplo onde se verificou esta situação. 1ª Versão Cap. 3. A errar também se aprende 77

12 2ª Versão Este grupo opta por eliminar qualquer tipo de explicação, apesar de terem chegado ao resultado certo. (3) Tentem encontrar regularidades na tabela Este comentário foi escrito nas produções dos sete grupos, pois nenhum grupo conseguiu, na primeira fase de elaboração do relatório, encontrar o número de quadrados de diferentes dimensões que compunham o quadrado de 5x5. Apresento, seguidamente, um exemplo onde se verificou esta situação. Cap. 3. A errar também se aprende 78

13 1ª Versão Cap. 3. A errar também se aprende 79

14 2ª Versão Este comentário foi o menos explícito para os alunos, pois a maioria dos grupos sentiu necessidade de me chamar para eu lhes explicar o que queria dizer com a palavra regularidades. No exemplo apresentado, os alunos conseguiram perceber o que se pretendia após a explicação oral que eu acrescentei ao feedback escrito. Isto verificou-se em outros cinco grupos. Houve um grupo que, mesmo com a explicação oral, não conseguiu corrigir o que tinha feito na primeira versão. Esse grupo era composto por dois alunos com desempenhos não satisfatórios e um aluno com desempenho satisfatório na disciplina de Matemática. Cap. 3. A errar também se aprende 80

15 (4) Isto responde à pergunta? Quero que encontrem uma relação numérica entre o nº de quadrados mais pequenos (1x1) (quantos?) e a medida do comprimento do lado (quanto?) Este comentário foi escrito nas produções de seis grupos, o que é imediatamente um indicador que a pergunta, colocada por mim no enunciado da tarefa, não foi explícita para a grande maioria dos grupos. Com o meu comentário pretendo tornar explícito o que quero dizer quando peço uma relação e também que os alunos relacionem esta pergunta com a investigação que já tinham feito na pergunta anterior. Vejamos, de seguida, um exemplo onde se verificou esta situação. 1ª Versão Os alunos cujo trabalho se apresenta como exemplo não conseguiram corrigir a sua resposta na segunda produção e o mesmo aconteceu noutro grupo. No entanto, ambos os grupos encetaram novas estratégias de resposta. (5) Será que o que fizeram na tabela não ajuda em nada? Quando corrigi as primeiras versões dos trabalhos dos alunos verifiquei que cinco grupos encaravam as várias perguntas do guião como não tendo qualquer relação entre si, ou seja não relacionavam cada pergunta, e consequentemente cada resposta, com os Cap. 3. A errar também se aprende 81

16 resultados a que já tinham chegado em perguntas anteriores. É nesse sentido que faço este comentário escrito. Apresento um exemplo ilustrativo desta situação. 1ª Versão 2ª Versão Este grupo, conseguiu corrigir a sua resposta e o mesmo aconteceu com outro. No entanto, não apresentam os cálculos. Estes foram comentários gerais escritos em quase todos os trabalhos. No entanto, em alguns grupos, estes comentários foram ainda mais explícitos, por considerar que eram grupos compostos por alunos com mais dificuldade em compreenderem os comentários. Por exemplo, num grupo os comentários (2) e (3) foram substituídos por Tentem encontrar regularidades na tabela, contando todos os quadrados, dos mais pequenos (1x1), passando pelos outros (2x2, 3x3, ) até chegarem ao maior. Em nenhum grupo foram utilizados comentários recorrendo a simbologia, uma vez que da experiência realizada no ano lectivo anterior, e com alunos mais velhos, foi Cap. 3. A errar também se aprende 82

17 possível concluir que essa simbologia apenas é explícita para alunos com elevado nível de desenvolvimento da competência matemática, e que os outros alunos, regra geral, não a percebem e não perguntam ao professor o seu significado. Nesta tarefa optei por não corrigir nenhum dos erros cometidos pelos alunos. Na segunda aula, entreguei os trabalhos realizados na aula anterior e um novo enunciado da tarefa para que os alunos melhorarem as suas produções, mediante os meus comentários. Foi dito aos alunos que seria esta segunda versão e a evolução da primeira para a segunda que seriam classificadas. Em geral, a turma esteve menos empenhada nesta segunda aula do que tinha estado na primeira. Na minha opinião, este facto deveuse à novidade que foi para os alunos poderem melhorar as suas produções mediante comentários meus e antes de essas produções serem classificadas. É possível que alguns alunos considerassem que os trabalhos já estavam classificados e que eu apenas não queria dizer essa classificação. Muitos grupos insistiram em contar quadrados sem nenhuma estratégia definida, parecendo não ligar aos comentários escritos. Quando assinalei um erro e dei pistas, os alunos nem sempre conseguiram corrigir (quatro grupos), mas todos alteraram a resposta. Quando pedi mais explicação, três grupos conseguiram fazê-lo com sucesso, recorrendo a estratégias diferentes (texto, esquema, exemplos), um grupo retira o que escreveu e não escreve nada, um grupo não consegue explicitar, piorando a produção. Dos sete grupos, três não conseguem obter avaliação satisfatória no final das duas fases, três obtêm avaliação de nível muito bom e um obtém avaliação satisfatória. 2ª Tarefa Adição e subtracção de fracções O objectivo desta tarefa era os alunos perceberem como se soma e subtrai fracções com denominadores iguais e diferentes, atribuindo significado prático a cada uma das regras da adição e da subtracção. A tarefa tal como proposta aos alunos foi a seguinte: Cap. 3. A errar também se aprende 83

18 Cinco minutos depois de se iniciar a exploração da tarefa, tive de interromper, chamando a atenção para a primeira instrução da tarefa que pedia que os alunos escrevessem em cada fatia de pizza a fracção correspondente, uma vez que nenhum grupo o tinha feito. Ficou logo visível que os alunos não perceberam o que eu pretendia com a primeira instrução, pois ignoraram-na. Dos sete grupos, cinco iniciaram o trabalho efectivamente em grupo, discutindo o que tinham de fazer. Num dos outros grupos, havia um elemento que estava a expor o seu ponto de vista, correctamente, mas Cap. 3. A errar também se aprende 84

19 nenhum dos outros elementos o aceitava, sem no entanto apresentarem nenhuma razão plausível para não o fazerem. Fiz uma pequena intervenção no sentido de pedir aos outros alunos que justificassem por que razão não aceitavam a proposta do colega ou, então, que tentassem perceber o que o colega afirmava. O aluno que expunha o seu ponto de vista era um aluno com um desempenho não satisfatório na disciplina de Matemática, enquanto que os outros dois alunos tinham desempenho satisfatório e muito bom. Até ao final desta aula, os alunos trabalharam regularmente, não colocando muitas dúvidas. No final da aula, recolhi as produções dos alunos. Ao analisar essas produções, apercebi-me que a maior parte dos erros que os alunos tinham feito eram comuns a vários grupos. Então, decidi mudar a planificação da aula seguinte, onde os alunos melhorariam as suas produções. Em vez de comentários, coloquei questões. Na aula seguinte, daria quarenta e cinco minutos a todos os grupos para responderem a essas questões e não para corrigirem os erros. Nos outros quarenta e cinco minutos, seriam discutidas as respostas que tinham sido dadas na primeira aula e as respostas que na segunda aula os alunos teriam dado às minhas perguntas. Assim, na segunda aula, expliquei aos alunos a alteração que tinha decidido introduzir. O feedback dado a esta tarefa foi sempre do tipo assinalar um erro e colocar questões. As questões que escrevi foram: (1) As fatias da pizza 1 são iguais às fatias da pizza 2? (em cinco grupos) A pizza 1 estava dividida em oito fatias iguais enquanto que a pizza 2, do mesmo tamanho da pizza 1, estava dividida em quatro fatias. Portanto quando os alunos 1 1 respondem que comer da pizza 2 é o mesmo que comer da pizza 1, não estão a ter 4 8 em conta que os tamanhos das fatias são diferentes. Assim, o meu comentário pretendia que os alunos observassem as pizzas e concluíssem quantas fatias da pizza 1 correspondiam a uma fatia da pizza 2. Apenas um grupo não respondeu à questão. Apresento, seguidamente, um exemplo onde se verificou esta situação. Cap. 3. A errar também se aprende 85

20 1 1 1 (2) [resposta a ] seria o quê relativamente à pizza 3? (em dois grupos) Este comentário escrito foi no seguimento do comentário (1), pois, mais uma vez, os alunos não estavam a utilizar um dos recursos que tinham ao seu dispor, a folha com as pizzas desenhadas com as respectivas fatias cortadas. Quando o escrevi, pretendia que os alunos observassem a pizza 3, que tinha o mesmo tamanho das pizzas 1 e 2 e estava 1 dividida em seis fatias, e percebessem que corresponderia a meia fatia da pizza 3 e 12 que portanto, uma fatia da pizza 1 e uma fatia da pizza 2 nunca poderia corresponder a meia fatia da pizza 3. Nenhum dos grupos conseguiu responder correctamente à pergunta. Apresento seguidamente um exemplo onde se verificou esta situação. 1 1 (3) Como é que com as pizzas podemos verificar se [ ] corresponde realmente a? (em dois grupos) 8 Como se pode ver no exemplo que seguidamente apresento, este grupo determinou 1 1 correctamente. Mas, quando eu pedi que colassem as fatias correspondentes, apenas colam as fatias correspondentes a e a. O meu objectivo com a colagem 4 8 era que, para além das fatias que este grupo colou, colassem também 3 fatias da Cap. 3. A errar também se aprende 86

21 pizza 1, que estava dividida em oito fatias, e comparassem, concluindo a igualdade. Um dos grupos não conseguiu justificar a sua resposta, nem responder à minha pergunta com recurso às pizzas. (4) Então quer dizer que o que o Manuel comeu corresponde a 3 fatias da pizza 7? (em três grupos) O erro que os alunos cuja produção é apresentada no exemplo seguinte fazem ao somar 2 1 é muito comum. Quando eu fiz referência à pizza 7, foi por esta pizza 3 2 estar dividida em cinco fatias iguais. Portanto, como os alunos fazem as colagens relativas a 2 1 e a correctamente, pretendia que ao observarem a pizza concluíssem que três fatias desta pizza não equivaliam a duas fatias da pizza 4 (dividida em três partes iguais) mais uma fatia da pizza 5 (dividida em duas partes iguais). Nenhum dos três grupos conseguiu responder correctamente à minha pergunta. Cap. 3. A errar também se aprende 87

GUIÃO DE ENTREVISTA ÀS EDUCADORAS DE INFÂNCIA. 2º Momento

GUIÃO DE ENTREVISTA ÀS EDUCADORAS DE INFÂNCIA. 2º Momento 4.1.8. Orientação específica de codificação: Entrevista a educadoras de infância (2º momento) (2001) GUIÃO DE ENTREVISTA ÀS EDUCADORAS DE INFÂNCIA 2º Momento I. Questões sobre a modalidade de prática pedagógica

Leia mais

b : nas representações gráficas de funções do tipo

b : nas representações gráficas de funções do tipo do as suas escolhas a partir daí. Nesta situação, tendem a identificar as assímptotas verticais, as assímptotas horizontais e a associar as representações analítica e gráfica que têm estas características

Leia mais

Avaliação do valor educativo de um software de elaboração de partituras: um estudo de caso com o programa Finale no 1º ciclo

Avaliação do valor educativo de um software de elaboração de partituras: um estudo de caso com o programa Finale no 1º ciclo Aqui são apresentadas as conclusões finais deste estudo, as suas limitações, bem como algumas recomendações sobre o ensino/aprendizagem da Expressão/Educação Musical com o programa Finale. Estas recomendações

Leia mais

Não sei em que mês nasci!

Não sei em que mês nasci! Não sei em que mês nasci! Cristina Martins, Escola Superior de Educação do Instituto Politécnico de Bragança Paula Maria Barros, Escola Superior do Instituto Politécnico de Educação de Bragança Introdução

Leia mais

OS PROJECTOS EDUCATIVOS A PARTIR DA CRECHE O Projecto Pedagógico na Creche. Maria Teresa de Matos

OS PROJECTOS EDUCATIVOS A PARTIR DA CRECHE O Projecto Pedagógico na Creche. Maria Teresa de Matos OS PROJECTOS EDUCATIVOS A PARTIR DA CRECHE O Projecto Pedagógico na Creche Maria Teresa de Matos Projecto Pedagógico de Sala Creche Princípios Orientadores Projecto Pedagógico de Sala * Projecto Curricular

Leia mais

Otrabalho diferenciado de aprendizagem

Otrabalho diferenciado de aprendizagem REVISTA N.º 27 09/07/07 19:52 Page 38 O Tempo de Estudo Autónomo na Aprendizagem da Língua Estrangeira: Treinar, Consolidar, Aprofundar Conhecimentos e Competências Maria Dulce Abreu* A acção educativa

Leia mais

Conhecer melhor os números

Conhecer melhor os números A partir do Currículo Nacional de Matemática do 7º ano de escolaridade desenvolvem-se actividades com recurso ao computador utilizando essencialmente Excel e Geogebra Conhecer melhor os números Esta unidade

Leia mais

CIRCULAR. Assunto: Avaliação na Educação Pré- Escolar

CIRCULAR. Assunto: Avaliação na Educação Pré- Escolar CIRCULAR Data: 11/04/2011 Circular nº.: 4 /DGIDC/DSDC/2011 Assunto: Avaliação na Educação Pré- Escolar Para: Inspecção-Geral de Educação Direcções Regionais de Educação Secretaria Regional Ed. da Madeira

Leia mais

DEPARTAMENTO DO 1º CICLO ANO LETIVO 2012-2013. Critérios de avaliação

DEPARTAMENTO DO 1º CICLO ANO LETIVO 2012-2013. Critérios de avaliação DEPARTAMENTO DO 1º CICLO ANO LETIVO 2012-2013 Critérios de avaliação 0 MATRIZ CURRICULAR DO 1º CICLO COMPONENTES DO CURRÍCULO Áreas curriculares disciplinares de frequência obrigatória: Língua Portuguesa;

Leia mais

AVALIAÇÃO DE PROGRAMAS E DE PROJECTOS PEDAGÓGICOS

AVALIAÇÃO DE PROGRAMAS E DE PROJECTOS PEDAGÓGICOS AVALIAÇÃO DE PROGRAMAS E DE PROJECTOS PEDAGÓGICOS Prof. Domingos Fernandes/Portugal* A avaliação é uma prática social cuja presença é cada vez mais indispensável para caracterizar, compreender, divulgar

Leia mais

PROPOSTA DE CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO 2011/2012

PROPOSTA DE CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO 2011/2012 PROPOSTA DE CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO 2011/2012 1. INTRODUÇÃO: Na lógica do Decreto-Lei 6/2001, de 18 de janeiro, a avaliação constitui um processo regulador das aprendizagens, orientador do percurso escolar

Leia mais

Manual Prático de Avaliação do Desempenho

Manual Prático de Avaliação do Desempenho Tendo em conta o planeamento das actividades do serviço, deve ser acordado conjuntamente entre o superior hierárquico e o trabalhador, o plano individual e os objectivos definidos para o período em avaliação.

Leia mais

CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO DOS ALUNOS

CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO DOS ALUNOS Cód. 161007 AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DA MEALHADA DIRECÇÃO REGIONAL DE EDUCAÇÃO DO CENTRO Ano lectivo 2010-2011 CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO DOS ALUNOS A avaliação das crianças e dos alunos (de diagnóstico,

Leia mais

A NATUREZA DA TAREFA E OS DESAFIOS DA GESTÃO CURRICULAR

A NATUREZA DA TAREFA E OS DESAFIOS DA GESTÃO CURRICULAR A NATUREZA DA TAREFA E OS DESAFIOS DA GESTÃO CURRICULAR Resumo Cecília Felício e Margarida Rodrigues EB 2,3 de Luísa Todi e ESE de Lisboa cecilia.felicio@sapo.pt, margaridar@eselx.ipl.pt Propomo-nos reflectir

Leia mais

Aprender a Estudar. Imagem de http://www.culturamix.com/cultura/livros/fotos-livros

Aprender a Estudar. Imagem de http://www.culturamix.com/cultura/livros/fotos-livros Aprender a Estudar Imagem de http://www.culturamix.com/cultura/livros/fotos-livros Cada pessoa tem dentro dele um fragmento de boas notícias. A boa notícia é que cada um de nós não sabe o quão extraordinário

Leia mais

Planificação Anual Educação para a Cidadania

Planificação Anual Educação para a Cidadania Agrupamento de Escolas de Monforte Ano letivo - 2014-2015 Planificação Anual Educação para a Cidadania Departamento do 1º Ciclo Introdução Rua Professor Dr. Rosado Correia A escola ocupará sempre um papel

Leia mais

1. Motivação para o sucesso (Ânsia de trabalhar bem ou de se avaliar por uma norma de excelência)

1. Motivação para o sucesso (Ânsia de trabalhar bem ou de se avaliar por uma norma de excelência) SEREI UM EMPREENDEDOR? Este questionário pretende estimular a sua reflexão sobre a sua chama empreendedora. A seguir encontrará algumas questões que poderão servir de parâmetro para a sua auto avaliação

Leia mais

DIFERENCIAÇÃO PEDAGÓGICA. Formadora: Patrícia Almeida

DIFERENCIAÇÃO PEDAGÓGICA. Formadora: Patrícia Almeida DIFERENCIAÇÃO PEDAGÓGICA Formadora: Patrícia Almeida CONTEÚDOS Diferenciar Porquê? Teoria das Inteligências Múltiplas. Estilos de Aprendizagem. Hierarquia das Necessidades de Maslow. Modelo Ecológico.

Leia mais

Puzzle de Investigação

Puzzle de Investigação Atividades: Puzzle de Investigação Nivel de ensino: 9º, 10º, 11º e 12º Duração: 30 min de preparação + 30 minutos de atividade Objetivos: Figura 1- Esquema acerca do processo de investigação Compreender

Leia mais

ANÁLISE DE TAREFAS MATEMÁTICAS DOS ALUNOS DO 4 o ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL I

ANÁLISE DE TAREFAS MATEMÁTICAS DOS ALUNOS DO 4 o ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL I ANÁLISE DE TAREFAS MATEMÁTICAS DOS ALUNOS DO 4 o ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL I Diego Barboza Prestes 1 Universidade Estadual de Londrina diego_led@hotmail.com Tallys Yuri de Almeida Kanno 2 Universidade

Leia mais

Comunicação escrita: relato de uma experiência implementada numa turma do 8º ano de escolaridade Introdução

Comunicação escrita: relato de uma experiência implementada numa turma do 8º ano de escolaridade Introdução Comunicação escrita: relato de uma experiência implementada numa turma do 8º ano de escolaridade Luísa Selas Escola Secundária /3 José Régio Vila do Conde Introdução O objectivo desta comunicação é dar

Leia mais

Critérios de Avaliação. 1º Ciclo

Critérios de Avaliação. 1º Ciclo Critérios de Avaliação 1º Ciclo 2015/2016 Critérios de Avaliação do 1º ciclo Os conhecimentos e capacidades a adquirir e a desenvolver pelos alunos de cada ciclo de ensino têm como referência os conteúdos

Leia mais

Quem ensina aprende ao ensinar e quem aprende ensina ao aprender.

Quem ensina aprende ao ensinar e quem aprende ensina ao aprender. 2009-2010 Quem ensina aprende ao ensinar e quem aprende ensina ao aprender. Paulo Freire 1 ÍNDICE Introdução... 3 Objectivos... 3 Actividades... 3 Localização... 4 Horário provável de funcionamento...

Leia mais

FACULDADE DE DIREITO UNIVERSIDADE NOVA DE LISBOA 1º CICLO DE ESTUDOS LICENCIATURA

FACULDADE DE DIREITO UNIVERSIDADE NOVA DE LISBOA 1º CICLO DE ESTUDOS LICENCIATURA FACULDADE DE DIREITO UNIVERSIDADE NOVA DE LISBOA 1º CICLO DE ESTUDOS LICENCIATURA I. OBJECTIVOS O objectivo deste ciclo de estudos é garantir aos estudantes uma sólida formação jurídica de base. Tendo

Leia mais

Ficha Técnica. Título: Educação Pré-Escolar e Avaliação

Ficha Técnica. Título: Educação Pré-Escolar e Avaliação Ficha Técnica Título: Educação Pré-Escolar e Avaliação Edição: Região Autónoma dos Açores Secretaria Regional da Educação e Ciência Direcção Regional da Educação Design e Ilustração: Gonçalo Cabaça Impressão:

Leia mais

II EDIÇÃO DO CONCURSO GESTÃO DE IDEIAS PARA ECONOMIZAR

II EDIÇÃO DO CONCURSO GESTÃO DE IDEIAS PARA ECONOMIZAR II EDIÇÃO DO CONCURSO GESTÃO DE IDEIAS PARA ECONOMIZAR APRESENTAÇÃO DO CONCURSO: O concurso Gestão de Ideias para Economizar representa uma oportunidade para os estudantes se prepararem, em pequenos grupos,

Leia mais

PLANIFICAÇÃO ANUAL DO NOVO PROGRAMA DE MATEMÁTICA

PLANIFICAÇÃO ANUAL DO NOVO PROGRAMA DE MATEMÁTICA PLANIFICAÇÃO ANUAL DO NOVO PROGRAMA DE MATEMÁTICA 5º ano 2012/2013 UNIDADE: Números e Operações 1 - NÚMEROS NATURAIS OBJECTIVOS GERAIS: - Compreender e ser capaz de usar propriedades dos números inteiros

Leia mais

PROGRAMA AVES. referencial genérico

PROGRAMA AVES. referencial genérico PROGRAMA AVES referencial genérico PROGRAMA AVES referencial genérico 1. Introdução Tanto o debate sobre a eficácia dos sistemas educativos e das escolas como a larga controvérsia sobre a qualidade das

Leia mais

EBI de Angra do Heroísmo

EBI de Angra do Heroísmo EBI de Angra do Heroísmo ENQUADRAMENTO GERAL Estratégia intervenção Ministério Educação promover o empreendedorismo no ambiente escolar Consonância com linhas orientadoras da Comissão Europeia Projectos

Leia mais

A NORMA PORTUGUESA NP 4427 SISTEMA DE GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS REQUISITOS M. Teles Fernandes

A NORMA PORTUGUESA NP 4427 SISTEMA DE GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS REQUISITOS M. Teles Fernandes A NORMA PORTUGUESA NP 4427 SISTEMA DE GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS REQUISITOS M. Teles Fernandes A satisfação e o desempenho dos recursos humanos em qualquer organização estão directamente relacionados entre

Leia mais

AVALIAÇÃO EFECTUADA PELO COORDENADOR DE DEPARTAMENTO. A - Preparação e organização das actividades N A

AVALIAÇÃO EFECTUADA PELO COORDENADOR DE DEPARTAMENTO. A - Preparação e organização das actividades N A AVALIAÇÃO EFECTUADA PELO COORDENADOR DE DEPARTAMENTO Nome do Docente: Período de Avaliação:200 / 2009 Grupo de Recrutamento: Departamento: A - Preparação e organização das actividades N A A.1 Correcção

Leia mais

KIT CICLO PEDAGÓGICO ESTUDO DO MEIO. Propostas para planeamento, exploração e avaliação de visitas a museus e centros de ciência.

KIT CICLO PEDAGÓGICO ESTUDO DO MEIO. Propostas para planeamento, exploração e avaliação de visitas a museus e centros de ciência. KIT_PEDA_EST_MEIO_5:FERIAS_5_6 09/12/28 15:07 Page 1 1. o CICLO KIT PEDAGÓGICO Pedro Reis ESTUDO DO MEIO 5 Propostas para planeamento, exploração e avaliação de visitas a museus e centros de ciência ISBN

Leia mais

Programa de Formação Contínua em Matemática para Professores dos 1º e 2º Ciclos do Ensino Básico 2009-2010. Tarefa: As roupas do Tomás

Programa de Formação Contínua em Matemática para Professores dos 1º e 2º Ciclos do Ensino Básico 2009-2010. Tarefa: As roupas do Tomás Programa de Formação Contínua em Matemática para Professores dos 1º e 2º Ciclos do Ensino Básico 2009-2010 Tarefa: As roupas do Tomás ESE/IPS 8 de Julho de 2010 Enquadramento Curricular: Tema: Números

Leia mais

Regulamento Interno dos Cursos Profissionais

Regulamento Interno dos Cursos Profissionais ESCOLA SECUNDÁRIA RAINHA DONA LEONOR Proposta de Os cursos profissionais regem-se pela seguinte legislação: Decreto-Lei nº 74/2004, de 26 de Março, com as alterações introduzidas pelo Decreto-Lei nº 24/2006,

Leia mais

EXPERIMENTAR PODE SER VOAR PARA OUTRO ESPAÇO

EXPERIMENTAR PODE SER VOAR PARA OUTRO ESPAÇO EXPERIMENTAR PODE SER VOAR PARA OUTRO ESPAÇO In: Pensar avaliação, melhorar a aprendizagem /IIE Lisboa: IIE, 1994 (...) tenho de observar o mundo a partir de outra óptica, outra lógica, e outros métodos

Leia mais

Análise de conteúdo dos programas e planificações António Martins e Alexandre Ventura - 1

Análise de conteúdo dos programas e planificações António Martins e Alexandre Ventura - 1 1 Domínio perceptivo-cognitivo Visão global dos fenómenos Análise de uma situação Identificação de problemas Definição de estratégias para a resolução de problemas Pesquisa e selecção da informação Aplicação

Leia mais

Critérios de Avaliação

Critérios de Avaliação Critérios de Avaliação Ano letivo 2013/2014 Critérios de Avaliação 2013/2014 Introdução As principais orientações normativas relativas à avaliação na educação pré-escolar estão consagradas no Despacho

Leia mais

AE Lousada. aelousada.net CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO CRITÉRIO GERAIS DE AVALIAÇÃO

AE Lousada. aelousada.net CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO CRITÉRIO GERAIS DE AVALIAÇÃO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE LOUSADA CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO Escola Básica de Boavista Escola Secundária de Lousada Escola Básica Lousada Centro -Silvares Escola Básica de Boim Escola Básica de Cristelos

Leia mais

Avaliação da Aprendizagem

Avaliação da Aprendizagem Avaliação da Aprendizagem A avaliação constitui um processo regulador do ensino, orientador do percurso escolar e certificador dos conhecimentos adquiridos e capacidades desenvolvidas pelo aluno. A avaliação

Leia mais

COMO ESCREVER UM ENSAIO FILOSÓFICO 1. Artur Polónio CENTRO PARA O ENSINO DA FILOSOFIA SOCIEDADE PORTUGUESA DE FILOSOFIA

COMO ESCREVER UM ENSAIO FILOSÓFICO 1. Artur Polónio CENTRO PARA O ENSINO DA FILOSOFIA SOCIEDADE PORTUGUESA DE FILOSOFIA 1 Artur Polónio Índice 1. O que é um ensaio filosófico? 2. O que se espera que um estudante mostre ao escrever um ensaio? 3. Como escolher o título do ensaio? 4. Como se prepara um ensaio? 5. Como se deve

Leia mais

GRUPO DISCIPLINAR DE INGLÊS - 330. Critérios de Avaliação. Ano letivo 2015/2016

GRUPO DISCIPLINAR DE INGLÊS - 330. Critérios de Avaliação. Ano letivo 2015/2016 GRUPO DISCIPLINAR DE INGLÊS - 330 Critérios de Avaliação Ano letivo 2015/2016 Em conformidade com os programas e respectivas orientações e processos de operacionalização da disciplina de Inglês procurou-se

Leia mais

Orientações para avaliação

Orientações para avaliação AVALIAÇÃO A concepção de avaliação dos Parâmetros Curriculares Nacionais vai além da visão tradicional, que focaliza o controle externo do aluno mediante notas ou conceitos, para ser compreendida como

Leia mais

Construint ponts de convivència i camins alternatius per a la gestió de conflictes. Trabalho de Equipa em Sala de Aula Inclusiva

Construint ponts de convivència i camins alternatius per a la gestió de conflictes. Trabalho de Equipa em Sala de Aula Inclusiva Construint ponts de convivència i camins alternatius per a la gestió de conflictes Trabalho de Equipa em Sala de Aula Inclusiva CONTEÚDO Porque é o trabalho de equipa importante em salas de aula inclusivas?

Leia mais

Mãos na massa. com a cabeça a pensar. Actividades para crianças dos 8 aos 12 anos. Encarte NOESIS #66 6/22/06 5:43 PM Page 1. Destacável Noesis n.

Mãos na massa. com a cabeça a pensar. Actividades para crianças dos 8 aos 12 anos. Encarte NOESIS #66 6/22/06 5:43 PM Page 1. Destacável Noesis n. Encarte NOESIS #66 6/22/06 5:43 PM Page 1 Mãos na massa com a cabeça a pensar Actividades para crianças dos 8 aos 12 anos Destacável Noesis n.º 66 Concepção de Odete Valente Faculdade de Ciências, Universidade

Leia mais

saber identificar as ideias principais, organizá las e relacioná las com as anteriores;

saber identificar as ideias principais, organizá las e relacioná las com as anteriores; Leitura na diagonal É um tipo de leitura rápida, em que o objectivo é procurar uma informação específica ou identificar as ideias principais de um texto, que te vai permitir organizar melhor o teu estudo.

Leia mais

DIMENSÃO DE CONSTRUÍDO (Avaliação Formativa) DOC2. AVALIAÇÃO DO SUCESSO ACADÉMICO: como desenvolver o processo? (Part. 1)

DIMENSÃO DE CONSTRUÍDO (Avaliação Formativa) DOC2. AVALIAÇÃO DO SUCESSO ACADÉMICO: como desenvolver o processo? (Part. 1) DIMENSÃO DE CONSTRUÍDO (Avaliação Formativa) DOC2 AVALIAÇÃO DO SUCESSO ACADÉMICO: como desenvolver o processo? (Part. 1) NOTA INTRODUTÓRIA Integrado no Programa de Apoio à Avaliação do Sucesso Académico

Leia mais

Casa do Povo de Óbidos - Creche e Jardim de Infância Ano lectivo de 2011/2012 1

Casa do Povo de Óbidos - Creche e Jardim de Infância Ano lectivo de 2011/2012 1 PROJECTO DE VALÊNCIA DE CRECHE Ano lectivo de 2011/2012 1 Índice 1-INTRODUÇÃO... 1 2-PRINCÍPIOS GERAIS E OBJECTIVOS PEDAGÓGICOS DA CRECHE... 2 3-ÁREAS DE CONTEÚDO... 4 3.1 - ÁREA DE FORMAÇÃO PESSOAL E

Leia mais

CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO ANO LECTIVO

CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO ANO LECTIVO CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO ANO LECTIVO 2008/2009 A avaliação é um processo regulador das aprendizagens, orientador do percurso escolar e certifica as aquisições realizadas pelos/as alunos/as. Na avaliação

Leia mais

O PROJETO DE TRABALHO COMO MEDIADOR DE APRENDIZAGEM NO ESPAÇO CLÍNICO

O PROJETO DE TRABALHO COMO MEDIADOR DE APRENDIZAGEM NO ESPAÇO CLÍNICO O PROJETO DE TRABALHO COMO MEDIADOR DE APRENDIZAGEM NO ESPAÇO CLÍNICO GAMBA, Adriane Becker FACSUL adri_becker@hotmail.com TRENTO, Valma Andrade UFPR walmaat@yahoo.com.br Resumo O presente trabalho tem

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DE AMORA

ESCOLA SECUNDÁRIA DE AMORA ESCOLA SECUNDÁRIA DE AMORA PLANIFICAÇÃO ANUAL 2013/2014 ECONOMIA A (10º ANO) Página 1 de 10 Finalidades da disciplina de Economia A, no conjunto dos dois anos da sua leccionação: Perspectivar a Economia

Leia mais

Relatório Final da Acção de Formação

Relatório Final da Acção de Formação Acção de Formação: Sustentabilidade na Terra e Energia na Didáctica das Ciências Contexto: utilização da Web 2.0 aplicada à didáctica do ensino das Ciências Relatório Final da Acção de Formação Centro

Leia mais

Faculdade de Ciências Sociais e Humanas Universidade Nova de Lisboa

Faculdade de Ciências Sociais e Humanas Universidade Nova de Lisboa Este questionário contém perguntas sobre as tuas experiências e tipo de aprendizagem na disciplina de Ciências Naturais. Não há respostas correctas nem erradas, apenas as que correspondem à forma como

Leia mais

Núcleo do Autismo e Défices Cognitivos Síndrome de Asperger

Núcleo do Autismo e Défices Cognitivos Síndrome de Asperger Os Trrabal lhos de Casa Uma das principais causas de stress das crianças com (SA), das suas famílias e professores, é a realização satisfatória dos trabalhos de casa. Esta tarefa é muitas vezes descrita

Leia mais

Regulamento (Aprovado em Conselho Pedagógico de 12 de Maio de 2009)

Regulamento (Aprovado em Conselho Pedagógico de 12 de Maio de 2009) ESCOLA SECUNDÁRIA DE PEDRO ALEXANDRINO CURSOS EFA Educação e Formação de Adultos Regulamento (Aprovado em Conselho Pedagógico de 12 de Maio de 2009) I Legislação de Referência Portaria n.º 230/2008 de

Leia mais

O PORTEFÓLIO E A GESTÃO CURRICULAR NA EDUCAÇÃO PRÉ ESCOLAR. Teresa Bondoso EB1/JI da Telha Nova, nº 1, Projecto AREA teresabondoso@gmail.

O PORTEFÓLIO E A GESTÃO CURRICULAR NA EDUCAÇÃO PRÉ ESCOLAR. Teresa Bondoso EB1/JI da Telha Nova, nº 1, Projecto AREA teresabondoso@gmail. O PORTEFÓLIO E A GESTÃO CURRICULAR NA EDUCAÇÃO PRÉ ESCOLAR Teresa Bondoso EB1/JI da Telha Nova, nº 1, Projecto AREA teresabondoso@gmail.com Jorge Pinto ESE de Setúbal, Projecto AREA jorge.pinto@ese.ips.pt

Leia mais

O que fazer para transformar uma sala de aula numa comunidade de aprendizagem?

O que fazer para transformar uma sala de aula numa comunidade de aprendizagem? Rui Trindade Universidade do Porto Portugal trindade@fpce.up.pt I SEMINÁRIO INTERNACIONAL DA UNDIME/MG Belo Horizonte 11 de Abril de 2012 O que fazer para transformar uma sala de aula numa comunidade de

Leia mais

PROGRAMA DE METODOLOGIA DO ENSINO DE HISTÓRIA

PROGRAMA DE METODOLOGIA DO ENSINO DE HISTÓRIA PROGRAMA DE METODOLOGIA DO ENSINO DE HISTÓRIA 11ª, 12ª e 13ª classes Formação de Professores do 1º Ciclo do Ensino Secundário Ficha Técnica Título Programa de Metodologia do Ensino de História - 11ª, 12ª

Leia mais

RELATÓRIO. Oficina de Formação

RELATÓRIO. Oficina de Formação RELATÓRIO Oficina de Formação Exploração e construção de situações de aprendizagem da matemática com programação em Scratch no pré escolar e no 1º ciclo do ensino básico Formadores: Miguel Figueiredo e

Leia mais

A UTILIZAÇÃO DE MODELOS MATEMÁTICOS PARA A ESTIMAÇÃO DA PROCURA DE TRANSPORTES. José M. Viegas (Março 2000)

A UTILIZAÇÃO DE MODELOS MATEMÁTICOS PARA A ESTIMAÇÃO DA PROCURA DE TRANSPORTES. José M. Viegas (Março 2000) A UTILIZAÇÃO DE MODELOS MATEMÁTICOS PARA A ESTIMAÇÃO DA PROCURA DE TRANSPORTES José M. Viegas (Março 2000) I - A NECESSIDADE DO RECURSO AOS MODELOS MATEMÁTICOS PARA A ESTIMAÇÃO DA PROCURA DE TRANSPORTES

Leia mais

Criatividade e Inovação Organizacional: A liderança de equipas na resolução de problemas complexos

Criatividade e Inovação Organizacional: A liderança de equipas na resolução de problemas complexos Criatividade e Inovação Organizacional: A liderança de equipas na resolução de problemas complexos Dizer que o grande segredo do sucesso das empresas, especialmente em tempos conturbados, é a sua adaptabilidade

Leia mais

Anexo 1 GUIÃO DE ENTREVISTA A APLICAR À DOCENTE DE EDUCAÇÃO ESPECIAL

Anexo 1 GUIÃO DE ENTREVISTA A APLICAR À DOCENTE DE EDUCAÇÃO ESPECIAL ANEXOS 1 Anexo 1 GUIÃO DE ENTREVISTA A APLICAR À DOCENTE DE EDUCAÇÃO ESPECIAL - Saber se a escola contempla o Programa de Transição para a Vida Activa e identificar as características do Programa; 1 -

Leia mais

Em Entrevistas Profissionais

Em Entrevistas Profissionais Em Entrevistas Profissionais Amplie a sua performance na valorização das suas competências 2011 Paula Gonçalves [paula.goncalves@amrconsult.com] 1 Gestão de Comunicação e Relações Públicas As Entrevistas

Leia mais

Critérios Gerais de Avaliação

Critérios Gerais de Avaliação Agrupamento de Escolas Serra da Gardunha - Fundão Ano Lectivo 2010/2011 Ensino Básico A avaliação escolar tem como finalidade essencial informar o aluno, o encarregado de educação e o próprio professor,

Leia mais

GUIA PEDAGÓGICO. Introdução

GUIA PEDAGÓGICO. Introdução GUIA PEDAGÓGICO Introdução O objectivo deste documento é ser um condutor para os formandos que frequentam os cursos em elearning ministrados através da plataforma NetForma. Os cursos serão sempre orientados

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE MIRANDELA Critérios de Avaliação Matemática A 10º Ano Matemática Ano Letivo 2014/2015

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE MIRANDELA Critérios de Avaliação Matemática A 10º Ano Matemática Ano Letivo 2014/2015 AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE MIRANDELA Critérios de Avaliação Matemática A 10º Ano Matemática Ano Letivo 2014/2015 A avaliação deve reflectir a Matemática que todos os alunos devem saber e ser capazes de

Leia mais

A MATEMÁTICA NOS CURSOS PROFISSIONALIZANTES DE MECÂNICA.

A MATEMÁTICA NOS CURSOS PROFISSIONALIZANTES DE MECÂNICA. A MATEMÁTICA NOS CURSOS PROFISSIONALIZANTES DE MECÂNICA. Wagner José Bolzan UNESP Rio Claro-SP Introdução Nossas idéias iniciais, sobre este fenômeno de interesse, nos levaram a considerar as questões:

Leia mais

Promoção de Experiências Positivas Crianças e Jovens PEP-CJ Apresentação geral dos módulos

Promoção de Experiências Positivas Crianças e Jovens PEP-CJ Apresentação geral dos módulos Positivas Crianças e Jovens PEP-CJ Apresentação geral dos módulos Universidade do Minho Escola de Psicologia rgomes@psi.uminho.pt www.psi.uminho.pt/ www.ardh-gi.com Esta apresentação não substitui a leitura

Leia mais

ÁREAS DE CONTEÚDO: O QUE SÃO? COMO SE DEFINEM?

ÁREAS DE CONTEÚDO: O QUE SÃO? COMO SE DEFINEM? ÁREAS DE CONTEÚDO: O QUE SÃO? COMO SE DEFINEM? As Áreas de Conteúdo são áreas em que se manifesta o desenvolvimento humano ao longo da vida e são comuns a todos os graus de ensino. Na educação pré-escolar

Leia mais

Matemática Aplicada às Ciências Sociais

Matemática Aplicada às Ciências Sociais DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA Matemática Aplicada às Ciências Sociais Ensino Regular Curso Geral de Ciências Sociais e Humanas 10º Ano Planificação 2014/2015 Índice Finalidades... 2 Objectivos e competências

Leia mais

Bem-vindo à Universidade. Propostas para Aprender Matemática 1 1 o Semestre 2005/06. João Lopes Dias

Bem-vindo à Universidade. Propostas para Aprender Matemática 1 1 o Semestre 2005/06. João Lopes Dias Bem-vindo à Universidade Propostas para Aprender Matemática 1 1 o Semestre 2005/06 João Lopes Dias 1 A diferença Aprender e estudar Matemática é difícil, porém não é mais que qualquer outro assunto. É

Leia mais

1 Introdução. definido como aquele que conhece um conjunto de factos linguísticos.

1 Introdução. definido como aquele que conhece um conjunto de factos linguísticos. Capítulo I 19 20 21 1 Introdução 1.1. Motivos que conduziram ao estudo Ser um matemático já não se define como aquele que conhece um conjunto de factos matemáticos, da mesma forma que ser poeta não é definido

Leia mais

Reflexão. O ambiente na sala de aula era de muita atenção e de alguma expectativa e ansiedade para começar a montar os Robots da Lego.

Reflexão. O ambiente na sala de aula era de muita atenção e de alguma expectativa e ansiedade para começar a montar os Robots da Lego. Reflexão Tarefa Proposta: Uma Viagem ao Centro da Terra. Tema abordado: Razões Trigonométricas Unidade didática: Trigonometria Estrutura e organização da aula A realização desta Ficha de Trabalho foi dividida

Leia mais

Plano de Aula 1. Nível de Ensino: Básico e Secundário. Tópico : Finanças Tema: Consumo

Plano de Aula 1. Nível de Ensino: Básico e Secundário. Tópico : Finanças Tema: Consumo Plano de Aula 1 Nível de Ensino: Básico e Secundário. Tópico : Finanças Tema: Consumo Competências - Comparar as taxas associadas aos diferenets cartões de crédito. - Comparar as taxas com a inflação.

Leia mais

ESCOLA ESTADUAL PROFESSOR LÉO KOLHER ENSINO FUNDAMENTAL II MOSTRA CULTURAL E CIENTÍFICA LÉO KOHLER 50 ANOS CONTRUINDO HISTÓRIA

ESCOLA ESTADUAL PROFESSOR LÉO KOLHER ENSINO FUNDAMENTAL II MOSTRA CULTURAL E CIENTÍFICA LÉO KOHLER 50 ANOS CONTRUINDO HISTÓRIA ESCOLA ESTADUAL PROFESSOR LÉO KOLHER ENSINO FUNDAMENTAL II MOSTRA CULTURAL E CIENTÍFICA LÉO KOHLER 50 ANOS CONTRUINDO HISTÓRIA Projeto: Jogos matemáticos como recurso didático Professora Orientadora: Marilene

Leia mais

Perfil turma (1002) Constituição da turma

Perfil turma (1002) Constituição da turma ESCOLA SECUNDÁRIA D. SANCHO I Programa Sócrates Acção Comenius 1 Projecto de Desenvolvimento Escolar 5/6 Projecto: «Da Nascente até à Foz» Visões Transeuropeias Relacionadas com Métodos Perfil turma (1)

Leia mais

Cadernos do CNLF, Vol. XVII, Nº 04. Rio de Janeiro: CiFEFiL, 2013.

Cadernos do CNLF, Vol. XVII, Nº 04. Rio de Janeiro: CiFEFiL, 2013. 122 Círculo Fluminense de Estudos Filológicos e Linguísticos LER, ESCREVER E REESCREVER NO ENSINO MÉDIO POR MEIO DOS CLÁSSICOS DA LITERATURA BRASILEIRA José Enildo Elias Bezerra (IFAP) enildoelias@yahoo.com.br

Leia mais

Manual de Avaliação dos alunos do pré-escolar ao 9º ano de escolaridade

Manual de Avaliação dos alunos do pré-escolar ao 9º ano de escolaridade Manual de Avaliação dos alunos do pré-escolar ao 9º ano de escolaridade Índice Nota Introdutória Legislação Conceitos/Glossário de termos Princípios Orientadores e finalidades Documentos Nota Introdutória:

Leia mais

9º ANO Compreender a morfo-fisiologia do sistema reprodutor humano. Objectivos Gerais Objectivos específicos Actividades sugeridas Tempo previsto

9º ANO Compreender a morfo-fisiologia do sistema reprodutor humano. Objectivos Gerais Objectivos específicos Actividades sugeridas Tempo previsto 9º ANO Compreender a morfo-fisiologia do sistema reprodutor humano (Os conteúdos relativos à morfologia e fisiologia do sistema reprodutor humano serão leccionados na disciplina de Ciências Naturais de

Leia mais

Os Recursos Humanos na Distribuição

Os Recursos Humanos na Distribuição Os Recursos Humanos na Distribuição Tudo assenta nas pessoas. Também o sangue vital da Distribuição assenta nas pessoas, empregados ou consumidores, na medida em que uns vendem os produtos e os outros

Leia mais

Planificação Anual. Escola Secundária de Pombal - (400634) Referência ANO LECTIVO - 2010/ 2011 COMPETÊNCIAS GERAIS

Planificação Anual. Escola Secundária de Pombal - (400634) Referência ANO LECTIVO - 2010/ 2011 COMPETÊNCIAS GERAIS Planificação Anual Escola Secundária de Pombal - (400634) Referência Direcção Regional de Educação do Centro Equipa de Apoio às Escolas - Leiria ANO LECTIVO - 2010/ 2011 ÁREA DISCIPLINAR DE ECONOMIA E

Leia mais

ORIENTAÇÃO DIDÁTICA n. 8/2014 PROTOCOLO PARA ACOMPANHAMENTO E CORREÇÃO DE ATIVIDADES DOS ESTUDANTES

ORIENTAÇÃO DIDÁTICA n. 8/2014 PROTOCOLO PARA ACOMPANHAMENTO E CORREÇÃO DE ATIVIDADES DOS ESTUDANTES ORIENTAÇÃO DIDÁTICA n. 8/2014 PROTOCOLO PARA ACOMPANHAMENTO E CORREÇÃO DE ATIVIDADES DOS ESTUDANTES 1 PROCESSOS DE ACOMPANHAMENTO E CORREÇÃO DE ATIVIDADES A correção das atividades escolares (orais e escritas/

Leia mais

Agrupamento de Escolas Martim de Freitas. Ano letivo 2012/2013. Critérios de Avaliação do 1º CEB

Agrupamento de Escolas Martim de Freitas. Ano letivo 2012/2013. Critérios de Avaliação do 1º CEB Agrupamento de Escolas Martim de Freitas Ano letivo 2012/2013 Critérios de Avaliação do 1º CEB 1- Introdução Tal como o disposto no nº 1 do art. 23º do Decreto-Lei nº 139/2012, de 5 de julho, a avaliação

Leia mais

CAPÍTULO IV Apresentação, interpretação e análise de dados

CAPÍTULO IV Apresentação, interpretação e análise de dados CAPÍTULO IV Apresentação, interpretação e análise de dados Introdução Tendo explicado e descrito os instrumentos e procedimentos metodológicos utilizados para a realização deste estudo, neste capítulo,

Leia mais

Sequência (Níveis) na medida de área

Sequência (Níveis) na medida de área Sequência (Níveis) na medida de área Comparação A: Decalques da mão Rectângulo e triângulo Sobreposição das mãos Unidades não Estandardizadas Unidades Estandardizadas Concreto Representacional Símbólico

Leia mais

PLANO CURRICULAR DO ENSINO SECUNDÁRIO. Princípios orientadores

PLANO CURRICULAR DO ENSINO SECUNDÁRIO. Princípios orientadores PLANO CURRICULAR DO ENSINO SECUNDÁRIO Princípios orientadores O Ensino Secundário no Colégio Pedro Arrupe orienta-se de forma coerente para o desenvolvimento integral do aluno, promovendo um crescimento

Leia mais

RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS X METODOLOGIA DE ENSINO: COMO TRABALHAR A MATEMÁTICA A PARTIR DA RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS?

RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS X METODOLOGIA DE ENSINO: COMO TRABALHAR A MATEMÁTICA A PARTIR DA RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS? RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS X METODOLOGIA DE ENSINO: COMO TRABALHAR A MATEMÁTICA A PARTIR DA RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS? Angelita de Souza Leite Universidade do Estado da Bahia angel_lita_4@hotmail.com Maria Cristina

Leia mais

Agrupamento de Escolas da Lourinhã

Agrupamento de Escolas da Lourinhã Agrupamento de Escolas da Lourinhã Vale de Geões Apartado 13, 2534-909 Lourinhã Telefone: 261416950 Fax 261416958 email: gabinetedirector@aelourinha.pt Projeto Mais Sucesso Escolar Relatório da aplicação

Leia mais

Porquê Ensinar a Estudar e a Aprender?

Porquê Ensinar a Estudar e a Aprender? Porquê Ensinar a Estudar e a Aprender? Quando nos envolvemos na realização de diferentes tarefas, é importante avaliar os procedimentos e os meios de aprendizagem que adoptamos s face a essas tarefas:

Leia mais

PROGRAMA AVES Inquérito de Opinião, Competências e Valores - Resultados de 2004

PROGRAMA AVES Inquérito de Opinião, Competências e Valores - Resultados de 2004 PROGRAMA AVES Inquérito de Opinião, Competências e Valores - Resultados de 2004 António M. Fonseca Introdução No âmbito dos objectivos do Programa AVES Avaliação de escolas com ensino secundário, a vontade

Leia mais

24 O uso dos manuais de Matemática pelos alunos de 9.º ano

24 O uso dos manuais de Matemática pelos alunos de 9.º ano 24 O uso dos manuais de Matemática pelos alunos de 9.º ano Mariana Tavares Colégio Camões, Rio Tinto João Pedro da Ponte Departamento de Educação e Centro de Investigação em Educação Faculdade de Ciências

Leia mais

PROGRAMAS DE METODOLOGIA DE ENSINO DO PORTUGUÊS

PROGRAMAS DE METODOLOGIA DE ENSINO DO PORTUGUÊS PROGRAMAS DE METODOLOGIA DE ENSINO DO PORTUGUÊS 11ª, 12ª e 13ª Classes Formação de Professores do 1º Ciclo do Ensino Secundário Disciplina de Português Ficha Técnica Título Programas de Metodologia de

Leia mais

ROTEIRO PARA OFICINA DE ANALISE DO DESEMPENHO ESCOLAR E ELABORAÇÃO DO PLANO DE ENSINO

ROTEIRO PARA OFICINA DE ANALISE DO DESEMPENHO ESCOLAR E ELABORAÇÃO DO PLANO DE ENSINO ROTEIRO PARA OFICINA DE ANALISE DO DESEMPENHO ESCOLAR E ELABORAÇÃO DO PLANO DE ENSINO DOCUMENTOS BÁSICOS: - Cadernos Paebes; - Ata de resultados finais da Escola em 2010; - Guia de Intervenção Pedagógica;

Leia mais

O CONTROLO DA QUALIDADE NAS FIRMAS DE AUDITORIA NO ACTUAL CONTEXTO ECONÓMICO E SITUAÇÃO DA PROFISSÃO

O CONTROLO DA QUALIDADE NAS FIRMAS DE AUDITORIA NO ACTUAL CONTEXTO ECONÓMICO E SITUAÇÃO DA PROFISSÃO 10 O CONTROLO DA QUALIDADE NAS FIRMAS DE AUDITORIA NO ACTUAL CONTEXTO ECONÓMICO E SITUAÇÃO DA PROFISSÃO António Gonçalves REVISOR OFICIAL DE CONTAS 1. Introdução O presente artigo procura reflectir o entendimento

Leia mais

Prova de Aferição de Matemática

Prova de Aferição de Matemática PROVA DE AFERIÇÃO DO ENSINO BÁSICO A PREENCHER PELO ALUNO Nome A PREENCHER PELO AGRUPAMENTO Número convencional do Aluno Número convencional do Aluno A PREENCHER PELA U.A. Número convencional do Agrupamento

Leia mais

O JORNAL DE PAREDE E O SEU IMPACTO EDUCATIVO NA COMUNIDADE ESCOLAR Carina Barbosa Nádia Amorim Olga Dias Jorge Pimenta Sandra Cardoso

O JORNAL DE PAREDE E O SEU IMPACTO EDUCATIVO NA COMUNIDADE ESCOLAR Carina Barbosa Nádia Amorim Olga Dias Jorge Pimenta Sandra Cardoso O JORNAL DE PAREDE E O SEU IMPACTO EDUCATIVO NA COMUNIDADE ESCOLAR Carina Barbosa Nádia Amorim Olga Dias Jorge Pimenta Sandra Cardoso. UM JORNAL DE PAREDE NUMA COMUNIDADE ESCOLAR É certo que faz parte

Leia mais

Etapas para a aplicação de cursos de PLE (geral e para fins específicos): reflectir para agir! 1

Etapas para a aplicação de cursos de PLE (geral e para fins específicos): reflectir para agir! 1 Etapas para a aplicação de cursos de PLE (geral e para fins específicos): reflectir para agir! 1 Ana Rita Bernardo Leitão Mestre em Língua e Cultura Portuguesa, área de PLE/L2 Cientes do apelo que se impõe

Leia mais

Saber dar e receber Feedback

Saber dar e receber Feedback Saber dar e receber Feedback Imagem de http://sestudo.blogspot.com/ Um presidente da Câmara de Nova Iorque, Ed Koch, passeava nas ruas da cidade e perguntava às pessoas o que achavam do seu desempenho

Leia mais

português língua não materna (a2) Dezembro de 2013

português língua não materna (a2) Dezembro de 2013 Informação prova final / Exame Final Nacional português língua não materna (a2) Dezembro de 2013 Prova 63/93/739 2014 6.º Ano, 9.º Ano ou 12.º Ano de Escolaridade O presente documento divulga as características

Leia mais

JOGOS MATEMÁTICOS COMO RECURSO DIDÁCTICO. Paula Cristina Moura, Ana Júlia Viamonte Universidade Portucalense paulacmouraster@gmail.com, ajs@upt.

JOGOS MATEMÁTICOS COMO RECURSO DIDÁCTICO. Paula Cristina Moura, Ana Júlia Viamonte Universidade Portucalense paulacmouraster@gmail.com, ajs@upt. JOGOS MATEMÁTICOS COMO RECURSO DIDÁCTICO Paula Cristina Moura, Ana Júlia Viamonte Universidade Portucalense paulacmouraster@gmail.com, ajs@upt.pt Resumo Este trabalho pretende apresentar os Jogos Matemáticos

Leia mais