Art. 4º Esta Instrução Normativa entra em vigor na data de sua publicação.

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Art. 4º Esta Instrução Normativa entra em vigor na data de sua publicação."

Transcrição

1 MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SECRETARIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 22, DE 8 DE SETEMBRO DE 2010 O SECRETÁRIO SUBSTITUTO DE DEFESA AGROPECUÁRIA DO MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO, no uso da atribuição que lhe confere o inciso IV do art. 103, combinado com o disposto no inciso V do art. 9º, todos do Anexo da Portaria nº 45, de 22 de março de 2007, tendo em vista o disposto na Instrução Normativa nº 42, de 31 de dezembro de 2008, na Instrução Normativa nº 21, de 30 de junho de 2009, e o que consta do Processo nº / , resolve: Art. 1º Promover a publicação dos resultados dos Programas Nacionais de Controle de Resíduos e Contaminantes nas culturas agrícolas de abacaxi, alface, amendoim, arroz, banana, batata, castanha-dobrasil, limão ou lima ácida, maçã, mamão, manga, melão, milho, morango, pimenta-do-reino, tomate e uva, de que trata o Plano Nacional de Controle de Resíduos e Contaminantes em Produtos de Origem Vegetal - PNCRC/Vegetal, no ano-safra 2009/2010, na forma dos anexos I a III desta Instrução Normativa. Art. 2º Informar que ações de investigação a campo foram adotadas pelo Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento - MAPA para identificar as possíveis causas da presença de resíduos de agrotóxicos não autorizados, assim como resíduos de agrotóxicos e contaminantes acima dos limites máximos permitidos pela legislação em vigor. Art. 3º Recomendar aos setores produtivos contemplados pelo PNCRC/Vegetal, com base nas violações detectadas pelos respectivos programas, que sejam adotadas medidas de educação sanitária a campo para atendimento às boas práticas agrícolas. Art. 4º Esta Instrução Normativa entra em vigor na data de sua publicação. JOSÉ GUILHERME TOLLSTADIUS LEAL ANEXO I QUADRO GERAL CONSOLIDADO DOS RESULTADOS DO MONITORAMENTO DO PLANO NACIONAL DE CONTROLE DE RESÍDUOS E CONTAMINANTES EM PRODUTOS DE ORIGEM VEGETAL NO ANO-SAFRA 2009/2010 RESÍDUOS DE AGROTÓXICOS Cultura Abacaxi ,00% Alface ,67% Banana ,00% Batata ,67% Limão ,00% Maçã ,79% Mamão ,61% Manga ,71% Melão ,33% Morango ,67% Tomate ,67% Uva ,00%

2 AFLATOXINAS Cultura Nº de Amostras Realizadas Nº de Amostras Conformes Amendoim ,00% Arroz ,67% Castanha-do-brasil ,14% Milho ,00% SALMONELA Cultura Pimenta-do-reino ,00% LEGENDA - ESCOPO ANALÍTICO DO PLANO NACIONAL DE CONTROLE DE RESÍDUOS E CONTAMINANTES EM PRODUTOS DE ORIGEM VEGETAL DO ANO-SAFRA 2009/2010 ANÁLISE MULTIRRESÍDUOS: Acefato, Acetamipride, Aldicarbe, Aldicarbe sulfona, Aldrin, Aletrina, Ametrina, Azinfós etílico, Azinfós metílico, Azoxistrobina, Benomil, Bifentrina, Bioaletrina 1 e 2, Bitertanol, Boscalida, Bromopropilato, Bromuconazole, Buprofezina, Captana, Carbaril,, Carbofenotiona, Carbofurano, Carbosulfano, Ciflutrina 1, 2, 3 e 4, Cimoxanil, Cipermetrina 1, 2, 3 e 4, Ciproconazol, Ciprodinil, Clordano alfa e gama, Clofentezina, Clorfenvinfós 1 e 2, Clorotalonil, Clorpirifós, Clorpirifós metil, DDT-Total (OP-DDD, PP-DDD, OP-DDE, PP-DDE, OP-DDT e PP-DDT), Deltametrina, Diazinona, Diclofluanide, Diclorvós, Dicofol, Dieldrin, Difenoconazol 1 e 2, Dimetoato, Dimetomorfe, Diniconazole, Dissulfotona, Ditiocarbamatos em CS2, Diurom, Dodemorfe, Endosulfam alfa e beta, Endrin, Epoxiconazole, Esfenvalerato, Espinosade, Espiroxamine, Etiofencarbe sulfona, Etiona, Etofenprox, Etoprofós, Etrinfós, Famoxadona, Fenamifós, Fenarimol, Fenazaquina, Fenhexamide, Fenitrotiona, Fenpiroximato, Fenpropatrina, Fentiona, Fentoato, Fenvarelato, Fipronil, Fluasifopepbutílico, Flusilazole, Flutriafol, Folpete, Forato, Fosalona, Fosmete, Fostiazato, Furatiocarbe, HCB, HDH alfa, beta e delta, Heptacloro, Heptacloro-epóxido, Hexaconazole, Imazalil, Imidacloprido, Iprodiona, Iprovalicarbe, Kresoxim metílico, Lambda-cialotrina, Lindano, Linurom, Malationa, Metalaxil-M, Metamidofós, Metconazole, Metidationa, Metiocarbe, Metiocarbe sulfona, Metiocarbe sulfóxido, Metomil, Mevinfós cis e trans, Miclobutanil, Mirex, Monocrotofós, Nuarimol, Ometoato, Oxadixil, Oxifluorfem, Paclobutrazol, Parationa etílica, Parationa metílica, Pencicuron, Penconazol, Permetrina cis e trans, Piraclostrobina, Pirazofós, Piridabem, Piridafentiona, Pirimicarbe, Pirifenoxi, Pirimetanil, Pirimifós etílico, Pirimifós metílico, Piriproxifen, Procimidona, Procloraz, Profenofós, Propargito, Propiconazol 1 e 2, Propoxur, Tebuconazol, Tebufenozida, Tebufenpirade, Terbufós, Tetraconazole, Tetradifona, Tiabendazol, Tiacloprido, Tiametoxan, Tiobencarbe, Tiodicarbe, metílico, Triadimefon, Triadimenol, Triazofós, Triclorfom, Trifloxistrobina, Triflumizole, Trifluralina, Vamidotiona e Vinclozolina. AFLATOXINAS: Aflatoxinas B1, B2, G1 e G2 SALMONELA: Salmonellas spp. ANEXO II QUADRO DOS RESULTADOS POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO/PAÍS DO MONITORAMENTO DO PLANO NACIONAL DE CONTROLE DE RESÍDUOS E CONTAMINANTES EM PRODUTOS DE ORIGEM VEGETAL NO ANO-SAFRA 2009/2010 RESÍDUOS DE AGROTÓXICOS

3 ABACAXI BA ,00% MG ,00% PA ,00% PB ,00% PR ,00% RN ,00% SP ,89% TO ,00% ALFACE Nº de Amostras Realizadas Nº de Amostras Conformes SP ,67% BANANA MG ,00% SC ,00% SP ,00% BATATA GO 1 0 0,00% MG ,00% PR ,00% SC ,00% SP ,00% LIMÃO SP ,00% MAÇÃ / País ARGENTINA ,00% CHILE ,00% ITÁLIA ,00% FRANÇA ,00%

4 PR ,00% RS ,00% SC ,00% SP ,00% MAMÃO BA ,43% ES ,60% MG ,00% PB ,00% RN ,00% SP ,00% MANGA BA ,00% PE ,78% RN ,00% SP ,86% MELÃO CE ,00% PE ,67% RN ,00% SP ,00% MORANGO MG ,00% PR ,00% RS ,00% SP ,95% TOMATE MG ,00% PE ,00% RJ ,00% RS ,00% SP ,45%

5 UVA BA ,00% PE ,00% PR ,00% RS ,00% SC ,00% SP ,00% AFLATOXINAS AMENDOIM SP ,00% ARROZ MA ,00% RS ,00% SC ,00% TO ,00% CASTANHA-DO-BRASIL AC 1 0 0,00% AM ,00% PA ,00% MILHO GO ,00% MT ,00% SALMONELA PIMENTA-DO-REINO SP ,00% ES ,00% ANEXO III QUADRO GERAL DAS VIOLAÇÕES DETECTADAS NO PLANO NACIONAL DE CONTROLE DE RESÍDUOS E CONTAMINANTES EM PRODUTOS DE ORIGEM VEGETAL NO ANO-SAFRA 2009/2010

6 Cultura Abacaxi Alface Tipo de Análise de Agrotóxicos 30 de Agrotóxicos 30 Arroz Aflatoxinas 30 Batata de Agrotóxicos Castanha-do-brasil Aflatoxinas 7 Limão Maçã Mamão Número de Amostras Analisadas 30 Ingredientes Ativos Metílico) (05) Valor LMR/LMT Encontrado (mg/kg) (mg/kg) 0,5 Trifloxistrobina (I) 0,1 Dimetoato (I) 0,01 Carbaril (I) 0,2 Metílico) (02) 1,2 / 1,7 / 10,0 / 3,2 / 3,7 (I) 0,2 / 0,05 Ditiocarbamatos CS2 (I) 0,3 Metomil (I) 0,04 Piraclostrobina (I) 0,3 Pencicurom (02) 0,05 0,09 / 0,1 Metalaxil (I) 0,1 Espinosade (A E D) (I) 0,2 Tiametoxam (02) 0,05 0,08 / 0,1 Aflatoxinas (B1 + 0,03 G1) 0,199 (I) 0,038 Metílico) Aflatoxinas (B1 + G1) (03) 0,03 0,074 / 0,177 / 0,127 Procloraz (I) 1,7 de Agrotóxicos 30 Carbofurano (I) 0,02 Flutriafol (I) 0,02 Tiobencarbe (I) 0,01 de Agrotóxicos 218 Azinfós Metílico 0,1 / 0,04 / (I) (04) 0,03 / 0,03 Metidationa (02) 0,02 0,03 / 0,07 Propiconazol 1 e 2 (I) 0,02 Procloraz 1,0 3,5 0,6 / 0,8 / 1,9 / 0,99 0,5 / 3,33 / 2,5 / 5,3 / 1,1 / de Agrotóxicos 181 Metílico) (10) 1,3 / 1,2 Ciproconazol (I) 0,02 / 0,01 (02) Tiabendazol 6,0 9,0 Metamidofos (I) 0,03

7 Manga Melão Morango Tomate Lambda-cialotrina (I) 0,16 0,5 / 1,54 / Procloraz (03) 0,2 de Agrotóxicos 28 0,3 Acetamiprido (I) 0,036 Clorpirifós (I) 0,4 de Agrotóxicos 30 Fenpropatrina (I) 0,01 Dimetoato (I) 0,196 Acefato (I) 0,01 Clorpirifós Metil (I) 0,06 de Agrotóxicos 30 de Agrotóxicos Dissulfotona (I) 0,03 Imidacloprido (I) 0,02 Piraclostrobina (03) (I) Propiconazol 1 e 2 (I) 0,01 Tiabendazol (I) 0,01 30 Clorpirifós (I) 0,03 0,01 / 0,03 / 0,05 LMR - Limite Máximo de Resíduo LMT - Limite Máximo Tolerado (I) Para aquelas substâncias com LMR igual a ZERO ou aquelas sem LMRs estabelecidos, o Nível de Ação é igual ao Limite de Quantificação do método de confirmação. Obs.: Uma amostra pode apresentar mais de uma violação. D.O.U., 10/09/ Seção 1

LABORATÓRIO NACIONAL AGROPECUÁRIO EM GOIÁS

LABORATÓRIO NACIONAL AGROPECUÁRIO EM GOIÁS Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Data de atualização: 23.10.2014 Secretaria de Defesa Agropecuária SDA CoordenaçãoGeral de Apoio Laboratorial CGAL/SDA LABORATÓRIO NACIONAL AGROPECUÁRIO

Leia mais

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO. SECRETARIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA. INSTRUÇÃO NORMATIVA No- 1, DE 4 DE JANEIRO DE 2013

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO. SECRETARIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA. INSTRUÇÃO NORMATIVA No- 1, DE 4 DE JANEIRO DE 2013 Data: 03/01/2013 Nº 002 Pág: 1 de 13 MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO. SECRETARIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA INSTRUÇÃO NORMATIVA No- 1, DE 4 DE JANEIRO DE 2013 O SECRETÁRIO DE DEFESA AGROPECUÁRIA,

Leia mais

Anexos Gerais. Volume 9 TOMO II. EIA Estudo de Impacto Ambiental. AHE São Luiz do Tapajós Aproveitamento Hidrelétrico São Luiz do Tapajós

Anexos Gerais. Volume 9 TOMO II. EIA Estudo de Impacto Ambiental. AHE São Luiz do Tapajós Aproveitamento Hidrelétrico São Luiz do Tapajós Anexos Gerais Volume 9 TOMO II EIA Estudo de Impacto Ambiental AHE São Luiz do Tapajós Aproveitamento Hidrelétrico São Luiz do Tapajós SUMÁRIO VOLUME 9 ANEXO GERAL Tomo II ANEXO GERAL 7.4.1.1.4/02 Qualidade

Leia mais

Programa de Análise de Resíduos de Agrotóxicos em Alimentos (PARA) - Resultados de 2009

Programa de Análise de Resíduos de Agrotóxicos em Alimentos (PARA) - Resultados de 2009 Programa de Análise de Resíduos de Agrotóxicos em Alimentos (PARA) - Resultados de 2009 Brasília - DF, 24 de junho de 2010 Até 2007 2008 2009 e 2010 104 IAs 167 IAs 234 IAs ALIMENTOS ANALISADOS: 9 Alface

Leia mais

Programa de Análise de Resíduos de Agrotóxicos em Alimentos. Relatório PARA

Programa de Análise de Resíduos de Agrotóxicos em Alimentos. Relatório PARA Agência Nacional de Vigilância Sanitária Gerência Geral de Toxicologia Programa de Análise de Resíduos de Agrotóxicos em Alimentos Relatório PARA 2011 2012 Brasília, 22 de Outubro de 2013 GGTOX/ANVISA

Leia mais

EXEMPLAR DE ASSINANTE DA IMPRENSA NACIONAL

EXEMPLAR DE ASSINANTE DA IMPRENSA NACIONAL ISSN 677-7042 Ano CXLVIII N o - 29 Brasília - DF, quarta-feira, 6 de novembro de 20 Sumário. PÁGINA Presidência da República... Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento... Ministério da Ciência,

Leia mais

II - Esta Resolução entra em vigor a partir desta data. Belém (PA), 8 de maio de JORGE ERNESTO SANCHEZ RUIZ Diretor-Presidente

II - Esta Resolução entra em vigor a partir desta data. Belém (PA), 8 de maio de JORGE ERNESTO SANCHEZ RUIZ Diretor-Presidente 4 ISSN 1677-7042 c) Os serviços executados para dar destinação à mercadoria, por determinação de autoridade federal, estadual ou municipal, serão cobrados dos respectivos donos, acrescidos dos valores

Leia mais

PROGRAMA DE ANÁLISE DE RESÍDUOS DE AGROTÓXICOS EM ALIMENTOS (PARA)

PROGRAMA DE ANÁLISE DE RESÍDUOS DE AGROTÓXICOS EM ALIMENTOS (PARA) PROGRAMA DE ANÁLISE DE RESÍDUOS DE AGROTÓXICOS EM ALIMENTOS (PARA) MONITORAMENTO DE RESÍDUOS DE AGROTÓXICOS NOS ALIMENTOS: TRABALHO DESENVOLVIDO PELA ANVISA, COM AS VIGILÂNCIAS SANITÁRIAS DOS ESTADOS DO

Leia mais

USO DA ESPECTROMETRIA DE MASSA SEQUENCIAL PARA AVALIAR RESÍDUOS DE AGROTÓXICOS EM AMOSTRAS DE ALIMENTAÇÃO ANIMAL

USO DA ESPECTROMETRIA DE MASSA SEQUENCIAL PARA AVALIAR RESÍDUOS DE AGROTÓXICOS EM AMOSTRAS DE ALIMENTAÇÃO ANIMAL USO DA ESPECTROMETRIA DE MASSA SEQUENCIAL PARA AVALIAR RESÍDUOS DE AGROTÓXICOS EM AMOSTRAS DE ALIMENTAÇÃO ANIMAL USE OF SEQUENTIAL MASS SPECTROMETRY TO EVALUATE WASTE PESTICIDES IN SAMPLES OF ANIMAL FEED

Leia mais

(Texto relevante para efeitos do EEE)

(Texto relevante para efeitos do EEE) 16.4.2015 L 99/7 REGULAMENTO DE EXECUÇÃO (UE) 2015/595 DA COMISSÃO de 15 de abril de 2015 relativo a um programa de controlo coordenado plurianual da União para 2016, 2017 e 2018, destinado a garantir

Leia mais

Artigo Original/Original Article. Rev Inst Adolfo Lutz. 2014; 73(1):40-58

Artigo Original/Original Article. Rev Inst Adolfo Lutz. 2014; 73(1):40-58 Rev Inst Adolfo Lutz DOI: 10.18241/0073-98552014731588 Artigo Original/Original Article Validação de metodologia QuEChERS-acetato para a análise de multirresíduo de agrotóxicos em amostras de soja e de

Leia mais

Classe de Ensaio/Descrição do Ensaio

Classe de Ensaio/Descrição do Ensaio Folha: 1 de 49 ALIMENTOS E BEBIDAS ALIMENTOS DE ORIGEM VEGETAL: CEREAIS EM GRÃOS E SEUS PRODUTOS, FARINHAS E FARELOS, CULTURA COM ALTO CONTEÚDO DE PROTEÍNA, CULTURA COM ALTO CONTEÚDO DE AMIDO ENSAIOS QUÍMICOS

Leia mais

L 256/14 Jornal Oficial da União Europeia

L 256/14 Jornal Oficial da União Europeia L 256/14 Jornal Oficial da União Europeia 29.9.2009 REGULAMENTO (CE) N. o 901/2009 DA COMISSÃO de 28 de Setembro de 2009 relativo a um programa comunitário coordenado plurianual de controlo para 2010,

Leia mais

Programa de Análise de Resíduos de Agrotóxicos em Alimentos PARA. Nota Técnica para divulgação dos resultados do PARA de 2008

Programa de Análise de Resíduos de Agrotóxicos em Alimentos PARA. Nota Técnica para divulgação dos resultados do PARA de 2008 Programa de Análise de Resíduos de Agrotóxicos em Alimentos PARA Nota Técnica para divulgação dos resultados do PARA de 2008 Brasília, 15 de abril de 2009 1 Introdução O Programa de Análise de Resíduos

Leia mais

Perfil Analítico dos Laboratórios Centrais de Saúde Pública Ano 2013

Perfil Analítico dos Laboratórios Centrais de Saúde Pública Ano 2013 MINAS GERAIS Instituto Octávio Magalhães Fundação Ezequiel Dias (Lacen/MG) Rua Conde Pereira Carneiro, 80 - Gameleira - CEP: 30510-010 - Belo Horizonte/MG Tel. (31) 3314-4653 3314-4668/4679 E-mail: iomlacen@funed.mg.gov.br

Leia mais

(Texto relevante para efeitos do EEE)

(Texto relevante para efeitos do EEE) L 94/12 REGULAMENTO DE EXECUÇÃO (UE) 2017/660 DA COMISSÃO de 6 de abril de 2017 relativo a um programa de controlo coordenado plurianual da União para 2018, 2019 e 2020, destinado a garantir o respeito

Leia mais

Programa de Análise de Resíduos de Agrotóxicos em Alimentos PARA

Programa de Análise de Resíduos de Agrotóxicos em Alimentos PARA Gerência Geral de Toxicologia Programa de Análise de Resíduos de Agrotóxicos em Alimentos PARA Rejeane Gonçalves Silva Especialista em Regulação e Vigilância Sanitária Gerência Geral de Toxicologia Goiânia,

Leia mais

Programa de Análise de Resíduos de Agrotóxicos em Alimentos (PARA)

Programa de Análise de Resíduos de Agrotóxicos em Alimentos (PARA) Agência Nacional de Vigilância Sanitária Gerência Geral de Toxicologia Programa de Análise de Resíduos de Agrotóxicos em Alimentos (PARA) Carlos Alexandre Oliveira Gomes MSc. Ciências e Tecnologia de Alimentos

Leia mais

Ministério da Saúde - MS Agência Nacional de Vigilância Sanitária - ANVISA. (Publicada em DOU nº 169, de 1º de setembro de 2016)

Ministério da Saúde - MS Agência Nacional de Vigilância Sanitária - ANVISA. (Publicada em DOU nº 169, de 1º de setembro de 2016) RESOLUÇÃO DE DIRETORIA COLEGIADA - RDC N 105, DE 31 DE AGOSTO DE 2016 (Publicada em DOU nº 169, de 1º de setembro de 2016) Altera a Resolução da Diretoria Colegiada - RDC nº 26, de 13 de maio de 2014,

Leia mais

L 263/26 Jornal Oficial da União Europeia 28.9.2012

L 263/26 Jornal Oficial da União Europeia 28.9.2012 L 263/26 Jornal Oficial da União Europeia 28.9.2012 REGULAMENTO DE EXECUÇÃO (UE) N. o 889/2012 DA COMISSÃO de 27 de setembro de 2012 que altera o anexo I do Regulamento (CE) n. o 669/2009 que dá execução

Leia mais

EXEMPLAR DE ASSINANTE DA IMPRENSA NACIONAL

EXEMPLAR DE ASSINANTE DA IMPRENSA NACIONAL ISSN 1677-7042 Ano CXLVII 197 Brasília - DF, quinta-feira, 14 de outubro de 2010.. Sumário PÁGINA Atos do Poder Executivo... 1 Presidência da República... 5 Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento...

Leia mais

Área de Atividade/Produto Classe de Ensaio/Descrição do Ensaio Norma e/ou Procedimento

Área de Atividade/Produto Classe de Ensaio/Descrição do Ensaio Norma e/ou Procedimento Folha: 1 de 20 ALIMENTOS E BEBIDAS ENSAIOS QUÍMICOS MATRIZES VEGETAIS IN NATURA E PROCESSADAS Determinação de Multiresíduos por Cromatografia Gasosa com acefato; acrinatrina; alacloro; aldrin; HCH- Alfa;

Leia mais

1296 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-A N. o 59 10 de Março de 2004

1296 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-A N. o 59 10 de Março de 2004 1296 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-A N. o 59 10 de Março de 2004 Artigo 53. o 1 O resultado do exercício é apurado deduzindo-se ao total de proveitos e outros lucros imputáveis ao exercício as verbas correspondentes

Leia mais

Portaria N /2014 RESOLVE:

Portaria N /2014 RESOLVE: Portaria N /2014 Estabelece parâmetros adicionais de agrotóxicos ao padrão de potabilidade para substâncias químicas, no controle e vigilância da qualidade da água para consumo humano no RS. O SECRETÁRIO

Leia mais

Agrotóxicos na perspectiva da Segurança Alimentar: sete minutos de reflexões

Agrotóxicos na perspectiva da Segurança Alimentar: sete minutos de reflexões AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA GERÊNCIA GERAL DE TOXICOLOGIA Agrotóxicos na perspectiva da Segurança Alimentar: sete minutos de reflexões Seminário de Segurança Alimentar - para onde vai a sustentabilidade

Leia mais

Relatório Técnico. Área demonstrativa: Barragem Subterrânea - Cafundó II

Relatório Técnico. Área demonstrativa: Barragem Subterrânea - Cafundó II UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DE PERNAMBUCO UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO PROJETO KaR Relatório Técnico Área demonstrativa: Barragem Subterrânea - Cafundó II É muito bom quando os meninos da universidade

Leia mais

Avanços e Desafios. Programa de Análise de Resíduos de Agrotóxicos em Alimentos PARA. Gerência Geral de Toxicologia

Avanços e Desafios. Programa de Análise de Resíduos de Agrotóxicos em Alimentos PARA. Gerência Geral de Toxicologia Gerência Geral de Toxicologia Programa de Análise de Resíduos de Agrotóxicos em Alimentos PARA Avanços e Desafios Carlos Alexandre Oliveira Gomes Especialista em Regulação e Vigilância Sanitária Gerência

Leia mais

Programa de avaliação, reavaliação e controle de resíduos de agrotóxicos em alimentos

Programa de avaliação, reavaliação e controle de resíduos de agrotóxicos em alimentos Gerência Geral de Toxicologia Seminário Nacional de Política de Alimentação e Nutrição no SUS Painel 2 :A Política de Alimentação e Nutrição e a Regulação de alimentos Programa de avaliação, reavaliação

Leia mais

INÁCIO AFONSO KROETZ

INÁCIO AFONSO KROETZ PLANTEC PLANEJAMENTO E TECNOLOGIA AGRICOLA Nome Empresarial: PLANTEC PLANEJAMENTO E TECNOLOGIA AGRICOLA LTDA CNPJ: 01.579.398/0002-06 Endereço: Rodovia SP 147 Km 128 Bairro: Marrafon CEP: 13495-000 Cidade:

Leia mais

PROGRAMA DE ANÁLISE DE RESÍDUOS DE AGROTÓXICOS EM ALIMENTOS (PARA)

PROGRAMA DE ANÁLISE DE RESÍDUOS DE AGROTÓXICOS EM ALIMENTOS (PARA) PROGRAMA DE ANÁLISE DE RESÍDUOS DE AGROTÓXICOS EM ALIMENTOS (PARA) RELATÓRIO DE ATIVIDADES DE 2011 E 2012 Gerência-Geral de Toxicologia Brasília, 29 de outubro de 2013. PROGRAMA DE ANÁLISE DE RESÍDUOS

Leia mais

GRADE DE AGROTÓXICOS PARA A CULTURA DO MELÃO

GRADE DE AGROTÓXICOS PARA A CULTURA DO MELÃO GRADE DE AGROTÓXICOS PARA A CULTURA DO MELÃO Nome Técnico Marca Comercial Classe Grupo Químico Classif. Tox. Amb. g/100 l água Dosagem ml/100 l água Interv. de Enxofre Thiovit Sandoz Acaricida Inorgânico

Leia mais

Agência Nacional de Vigilância Sanitária Diretoria José agenor Álvares-DIAGE Gerência Geral de Toxicologia. ll Seminário DENGUE

Agência Nacional de Vigilância Sanitária Diretoria José agenor Álvares-DIAGE Gerência Geral de Toxicologia. ll Seminário DENGUE Diretoria José agenor Álvares-DIAGE Gerência Geral de Toxicologia ll Seminário DENGUE Desafios para políticas integradas de ambiente, atenção e promoção da saúde O papel da ANVISA na regulação, avaliação

Leia mais

Revisão. Quim. Nova, Vol. 31, No. 3, 623-636, 2008

Revisão. Quim. Nova, Vol. 31, No. 3, 623-636, 2008 Quim. Nova, Vol. 31, No. 3, 623-636, 2008 O ESTADO DA ARTE DA CROMATOGRAFIA ASSOCIADA À ESPECTROMETRIA DE MASSAS ACOPLADA À ESPECTROMETRIA DE MASSAS NA ANÁLISE DE COMPOSTOS TÓXICOS EM ALIMENTOS Mariza

Leia mais

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, DO DESENVOLVIMENTO RURAL E DAS PESCAS

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, DO DESENVOLVIMENTO RURAL E DAS PESCAS Diário da República, 1.ª série N.º 196 11 de Outubro de 2007 7283 referência definida na alínea v) do artigo 16.º serão verificados com base nos requisitos de absorção de energia especificados no capítulo

Leia mais

Programa de Análise de Resíduos de Agrotóxicos em Alimentos PARA

Programa de Análise de Resíduos de Agrotóxicos em Alimentos PARA ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE CENTRO ESTADUAL DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE Programa de Análise de Resíduos de Agrotóxicos em Alimentos PARA Exposição a agrotóxicos Dietética Ocupacional

Leia mais

ANEXO I BICICLETA ESCOLAR. Modelo de ofício para adesão à ata de registro de preços (GRUPO 1)

ANEXO I BICICLETA ESCOLAR. Modelo de ofício para adesão à ata de registro de preços (GRUPO 1) ANEXO I BICICLETA ESCOLAR Modelo de ofício para adesão à ata de registro de preços (GRUPO 1) Assunto: Adesão à ata de registro de preços nº 70/2010 do pregão eletrônico nº 40/2010. 1 2 BICICLETA 20 - AC,

Leia mais

Programa Nacional de Análise de Resíduos de Agrotóxicos PARA

Programa Nacional de Análise de Resíduos de Agrotóxicos PARA ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE CENTRO ESTADUAL DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE Programa Nacional de Análise de Resíduos de Agrotóxicos PARA Suzana Andreatta Nietiedt Especialista em Saúde

Leia mais

PROGRAMA DE ANÁLISE DE RESÍDUOS DE AGROTÓXICOS EM ALIMENTOS (PARA)

PROGRAMA DE ANÁLISE DE RESÍDUOS DE AGROTÓXICOS EM ALIMENTOS (PARA) PROGRAMA DE ANÁLISE DE RESÍDUOS DE AGROTÓXICOS EM ALIMENTOS (PARA) RELATÓRIO COMPLEMENTAR RELATIVO À SEGUNDA ETAPA DAS ANÁLISES DE AMOSTRAS COLETADAS EM 2012 Gerência-Geral de Toxicologia Brasília, outubro

Leia mais

INFORME SARGSUS. Situação da Alimentação do Relatório de Gestão Ano 2013-2014 Informações sobre Plano e Programação Anual de Saúde

INFORME SARGSUS. Situação da Alimentação do Relatório de Gestão Ano 2013-2014 Informações sobre Plano e Programação Anual de Saúde INFORME SARGSUS Situação da Alimentação do Relatório de Gestão Ano 2013-2014 Informações sobre Plano e Programação Anual de Saúde 1 ESFERA MUNICIPAL 1.1 Relatório de Gestão Ano 2013 Até a presente data,

Leia mais

Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento

Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento . 2 ISSN 1677-7042 MINISTÉRIO DAS RELAÇÕES EXTERIORES DECRETO DE 16 DE JUNHO DE 2016 O VICE-PRESIDENTE DA REPÚBLICA, no exercício do cargo de PRESIDENTE DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que lhe confere

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DE AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SEAPA SUBSECRETARIA DO AGRONEGÓCIO

SECRETARIA DE ESTADO DE AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SEAPA SUBSECRETARIA DO AGRONEGÓCIO SECRETARIA DE ESTADO DE AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SEAPA SUBSECRETARIA DO AGRONEGÓCIO VALOR BRUTO DA PRODUÇÃO (VBP) AGROPECUÁRIO Julho/2015 R$ milhões VBP PRINCIPAIS PRODUTOS AGRÍCOLAS LAVOURAS

Leia mais

Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento

Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Nº 136, segunda-feira, 20 de julho de 2015 1 ISSN 1677-7042 5 XVI - a Portaria DAC nº 247/DGAC/R, de 14 de junho de 5, publicada no Boletim do Comando da Aeronáutica, de 22 de junho de 5, que aprova a

Leia mais

Programa de Análises de Resíduos de Agrotóxicos em Alimentos RELATÓRIO DE DADOS 2014

Programa de Análises de Resíduos de Agrotóxicos em Alimentos RELATÓRIO DE DADOS 2014 1 GOVERNO DO ESTADO DA BAHIA Secretaria da Saúde do Estado da Bahia Diretoria de Vigilância Sanitária e Ambiental Programa de Análises de Resíduos de Agrotóxicos em Alimentos RELATÓRIO DE DADOS 2014 O

Leia mais

Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento

Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento C o m p an h i a N ac io n a l d e Abastecimento D i r e t o r i a d e Opercações e A b a stecimento S u p erintedência de O p erações Comerciais G e r ên c i a d e Formação e Controle de Estoques P o

Leia mais

BOLETIM DE PESSOAL E SERVIÇO - V.3 N º 45 Brasília - DF, 07 de Novembro de 2008 SUMÁRIO I - DIRETORIA

BOLETIM DE PESSOAL E SERVIÇO - V.3 N º 45 Brasília - DF, 07 de Novembro de 2008 SUMÁRIO I - DIRETORIA BOLETIM DE PESSOAL E SERVIÇO - V.3 N º 45 Brasília - DF, 07 de Novembro de 2008 SUMÁRIO I - DIRETORIA 01 II - ÓRGÃOS DE ASSISTÊNCIA DIRETA E IMEDIATA À DIRETORIA DA ANAC a) Gabinete b) Assessoria de Relações

Leia mais

MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO CONCURSO PÚBLICO PARA PROVIMENTO DE VAGAS EM CARGOS DE NÍVEL SUPERIOR E DE NÍVEL MÉDIO DEMANDA DE CANDIDATOS POR VAGA

MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO CONCURSO PÚBLICO PARA PROVIMENTO DE VAGAS EM CARGOS DE NÍVEL SUPERIOR E DE NÍVEL MÉDIO DEMANDA DE CANDIDATOS POR VAGA Nível superior Cargo 1: Contador DF Brasília/Sede da Administração Central 35 1820 52,00 Nível médio Cargo 2: Agente Administrativo AC Rio Branco/Sede da SRTE 2 1496 748,00 Nível médio Cargo 2: Agente

Leia mais

Leticia Rodrigues da Silva Gerência Geral de Toxicologia

Leticia Rodrigues da Silva Gerência Geral de Toxicologia Reavaliação de Agrotóxicos no Brasil Leticia Rodrigues da Silva Gerência Geral de Toxicologia Bases para a Reavaliação Lei 7.802/89 Quando organizações internacionais responsáveis pela saúde, alimentação

Leia mais

Departamento de Engenharia de Saúde Pública/CGEAR LICENCIAMENTO AMBIENTAL NAS OBRAS DE ESGOTAMENTO SANITÁRIO DA FUNASA.

Departamento de Engenharia de Saúde Pública/CGEAR LICENCIAMENTO AMBIENTAL NAS OBRAS DE ESGOTAMENTO SANITÁRIO DA FUNASA. Departamento de Engenharia de Saúde Pública/CGEAR LICENCIAMENTO AMBIENTAL NAS OBRAS DE ESGOTAMENTO SANITÁRIO DA FUNASA Brasília 2005 O Licenciamento Ambiental nasceu de uma exigência social, fruto de uma

Leia mais

CONTROLE HIGIÊNICO- SANITÁRIO DE PRODUTOS VEGETAIS

CONTROLE HIGIÊNICO- SANITÁRIO DE PRODUTOS VEGETAIS Secretaria de Defesa Agropecuária Departamento de Inspeção de Produtos de Origem Vegetal CONTROLE HIGIÊNICO- SANITÁRIO DE PRODUTOS VEGETAIS Brasília/DF, 26 de novembro de 2010 LUZIA M. SOUZA FFA(ENGª AGRª,

Leia mais

VALOR BRUTO DA PRODUÇÃO - junho/2017 CAFÉ TOTAL (valores em Reais*)

VALOR BRUTO DA PRODUÇÃO - junho/2017 CAFÉ TOTAL (valores em Reais*) CAPA - 13/07/2017 VALOR BRUTO DA PRODUÇÃO - junho/2017 CAFÉ TOTAL REGIÃO-UF's / ANO 2008 2009 2010 2011 2012 2013 2014 2015 2016 2017 REGIÃO NORTE 940.028.686 778.153.936 1.235.490.401 550.568.691 569.079.592

Leia mais

AVALIAÇÃO DE RESÍDUOS DE AGROTÓXICOS EM POLPAS DE MORANGO INDUSTRIALIZADAS

AVALIAÇÃO DE RESÍDUOS DE AGROTÓXICOS EM POLPAS DE MORANGO INDUSTRIALIZADAS AVALIAÇÃO DE RESÍDUOS DE AGROTÓXICOS EM POLPAS DE MORANGO INDUSTRIALIZADAS VANESSA HELOISA FERREIRA DE FARIA * BÁRBARA MESQUITA DIAS ** MÁRCIA CASSIMIRA MARCOS DA COSTA *** VIRGINIA RIBEIRO DA SILVA ****

Leia mais

Pendências de Envio do Relatório de Gestão Municipal-2013 aos CMS

Pendências de Envio do Relatório de Gestão Municipal-2013 aos CMS INFORME SARGSUS Situação da Alimentação do Relatório de Gestão Ano 2013-2014 Informações sobre Plano e Programação Anual de Saúde 1 ESFERA MUNICIPAL 1.1 Relatório de Gestão Ano 2013 Até a presente data,

Leia mais

PROGRAMA DE CONTROLE DE RESÍDUOS E CONTAMINANTES EM CARNES - PNCRC/2010

PROGRAMA DE CONTROLE DE RESÍDUOS E CONTAMINANTES EM CARNES - PNCRC/2010 MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SECRETARIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 8, DE 29 DE ABRIL DE 2010 O SECRETÁRIO DE DEFESA AGROPECUÁRIA DO MINISTÉRIO DA AGRICULTURA,

Leia mais

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SECRETARIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SECRETARIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SECRETARIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA INSTRUÇÃO NORMATIVA SDA N o 11, DE 07 DE MAIO DE 2014. O SECRETÁRIO DE DEFESA AGROPECUÁRIA, DO MINISTÉRIO DA AGRICULTURA,

Leia mais

Agência Pernambucana de Vigilância Sanitária

Agência Pernambucana de Vigilância Sanitária 1 Programa de Monitoramento de Resíduos de Agrotóxicos em Alimentos Comercializados em Pernambuco: Uma Parceria entre o Ministério Público e Vigilância Sanitária Estadual 2 Antecedentes Ano 2001 3 1. Criação

Leia mais

Art. 3º O PNCRC/Vegetal 2010/2011 inicia-se em julho de 2010 e tem vigência até junho de 2011.

Art. 3º O PNCRC/Vegetal 2010/2011 inicia-se em julho de 2010 e tem vigência até junho de 2011. MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SECRETARIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 21, DE 2 DE SETEMBRO DE 2010 O SECRETÁRIO SUBSTITUTO DE DEFESA AGROPECUÁRIA DO MINISTÉRIO DA

Leia mais

O QUE É A LEI DE INCENTIVO AO ESPORTE?

O QUE É A LEI DE INCENTIVO AO ESPORTE? O QUE É A LEI DE INCENTIVO AO ESPORTE? Instrumento que permite o financiamento, por meio de incentivos fiscais, de projetos esportivos aprovados pelo Ministério do Esporte. BASE LEGAL: Lei 11.438/06 -

Leia mais

Portaria MS nº 2.914 12/12/2011

Portaria MS nº 2.914 12/12/2011 Ministério da Saúde Secretaria de Vigilância em Saúde Departamento de Vigilância em Saúde Ambiental e Saúde do Trabalhador Coordenação Geral de Vigilância em Saúde Ambiental REUNIÃO ANUAL VIGIAGUA - 2012

Leia mais

A Regulação e o Mercado de Agrotóxicos no Brasil. José Agenor Alvares da Silva Diretor da ANVISA

A Regulação e o Mercado de Agrotóxicos no Brasil. José Agenor Alvares da Silva Diretor da ANVISA A Regulação e o Mercado de Agrotóxicos no Brasil José Agenor Alvares da Silva Diretor da ANVISA Agrotóxicos Por que regular? Agrotóxicos Art. 2º Lei 7.802/89 consideram-se agrotóxicos e afins: a) os produtos

Leia mais

Programa de Análise de Resíduos de Agrotóxicos em Alimentos PARA. Minuta de Nota Técnica para divulgação dos resultados do PARA

Programa de Análise de Resíduos de Agrotóxicos em Alimentos PARA. Minuta de Nota Técnica para divulgação dos resultados do PARA Programa de Análise de Resíduos de Agrotóxicos em Alimentos PARA Brasília 10 de abril de 2008 Minuta de Nota Técnica para divulgação dos resultados do PARA 1- O Sistema Nacional de Vigilância Sanitária

Leia mais

Programa de Análise de Resíduos de Agrotóxicos em Alimentos - PARA RELATÓRIO COMPLEMENTAR

Programa de Análise de Resíduos de Agrotóxicos em Alimentos - PARA RELATÓRIO COMPLEMENTAR Agência Nacional de Vigilância Sanitária Gerência-Geral de Toxicologia Programa de Análise de Resíduos de Agrotóxicos em Alimentos - PARA RELATÓRIO COMPLEMENTAR - 2012 Brasília, 14 de novembro de 2014

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE TELECOMUNICAÇÕES Acessos Quantidade de Acessos no Brasil Dividido por Tecnologia/Velocidade/UF

AGÊNCIA NACIONAL DE TELECOMUNICAÇÕES Acessos Quantidade de Acessos no Brasil Dividido por Tecnologia/Velocidade/UF AGÊNCIA NACIONAL DE TELECOMUNICAÇÕES Acessos Quantidade de Acessos no Brasil Dividido por Tecnologia/Velocidade/UF UF Tecnologia Velocidade Quantidade de Acessos AC ATM 12 Mbps a 34Mbps 3 AC ATM 34 Mbps

Leia mais

ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC 17025 ENSAIO. ENSAIOS QUÍMICOS Determinação de metais por espectrofotometria de absorção atômica

ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC 17025 ENSAIO. ENSAIOS QUÍMICOS Determinação de metais por espectrofotometria de absorção atômica ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC 17025 ENSAIO Norma de Origem: NIT-DICLA-016 Folha: 1 Total de Folhas: 65 RAZÃO SOCIAL/DESIGNAÇÃO DO LABORATÓRIO NSF BIOENSAIOS - PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE ANÁLISES

Leia mais

MINISTÉRIO DA FAZENDA CONSELHO NACIONAL DE SEGUROS PRIVADOS. RESOLUÇÃO CNSP N o 227, DE 2010.

MINISTÉRIO DA FAZENDA CONSELHO NACIONAL DE SEGUROS PRIVADOS. RESOLUÇÃO CNSP N o 227, DE 2010. MINISTÉRIO DA FAZENDA CONSELHO NACIONAL DE SEGUROS PRIVADOS RESOLUÇÃO CNSP N o 227, DE 2010. Dispõe sobre o capital mínimo requerido para autorização e funcionamento e sobre planos corretivo e de recuperação

Leia mais

VALOR BRUTO DA PRODUÇÃO - julho/2017 CAFÉ TOTAL (valores em Reais*)

VALOR BRUTO DA PRODUÇÃO - julho/2017 CAFÉ TOTAL (valores em Reais*) CAPA - 16/08/2017 VALOR BRUTO DA PRODUÇÃO - julho/2017 CAFÉ TOTAL (valores em Reais*) REGIÃO-UF's / ANO 2008 2009 2010 2011 2012 2013 2014 2015 2016 2017 REGIÃO NORTE 937.253.216 775.856.407 1.231.842.568

Leia mais

Mortos e Acidentes por Unidade Federativa

Mortos e Acidentes por Unidade Federativa e Acidentes por Unidade Federativa - 2016 Data: 23/05/2017 FILTROS: Veículos: Todos, Caminhões, Ônibus Valores: Absolutos Estado: Todos BR: Todas Estados com maior número de mortes e acidentes - 2016 Este

Leia mais

SONDAGEM INDUSTRIAL PRIMEIRO TRIMESTRE DE 2004 RESULTADOS DE RIO BRANCO - ACRE

SONDAGEM INDUSTRIAL PRIMEIRO TRIMESTRE DE 2004 RESULTADOS DE RIO BRANCO - ACRE O QUE É A SONDAGEM INDUSTRIAL A Sondagem é uma pesquisa qualitativa realizada trimestralmente pela CNI e pelas Federações das s de 19 estados do país (AC, AL, AM, BA, CE, ES, GO, MG, MS, MT, PA, PB, PE,

Leia mais

Resíduos de Pesticidas em Grãos no Brasil

Resíduos de Pesticidas em Grãos no Brasil Resíduos de Pesticidas em Grãos no Brasil Lêda Rita D Antonino Faroni 1 ; Fernanda Fernandes Heleno 2 ; Mariane Borges Rodrigues de Ávila 3-1 Professora do Departamento de Engenharia Agrícola, Universidade

Leia mais

ÍNDICE RELATÓRIO SIOR 2012. Pág. 02 NOTÍCIAS 2011/2012. Pág. 03 ANÁLISE DAS DEMANDAS. Pág. 04 GRÁFICO DE DEMANDAS POR ESTADO. Pág.

ÍNDICE RELATÓRIO SIOR 2012. Pág. 02 NOTÍCIAS 2011/2012. Pág. 03 ANÁLISE DAS DEMANDAS. Pág. 04 GRÁFICO DE DEMANDAS POR ESTADO. Pág. RELATÓRIO SIOR 2012 ÍNDICE NOTÍCIAS 2011/2012 ANÁLISE DAS DEMANDAS GRÁFICO DE DEMANDAS POR ESTADO TEMPO DE ATENDIMENTO DEMANDAS CONSIDERADAS PROCEDENTES MAPA DAS PRINCIPAIS DEMANDAS CONSIDERADAS PROCEDENTES

Leia mais

Unidade Tipo de Serviço Análise da proposta Análise da proposta (em 15/10/2014, após diligência)

Unidade Tipo de Serviço Análise da proposta Análise da proposta (em 15/10/2014, após diligência) Unidade Tipo de Serviço Análise da proposta Análise da proposta (em 15/10/2014, após diligência) MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO AGRÁRIO SECRETARIA EXECUTIVA SUBSECRETARIA DE PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E ADMINISTRAÇÃO

Leia mais

Monitoramento de agrotóxicos em água para consumo humano

Monitoramento de agrotóxicos em água para consumo humano Seminário de Vigilância em Saúde de Populações Expostas a Agrotóxicos Mesa Redonda I Exposição humana a agrotóxicos: ações em desenvolvimento Monitoramento de agrotóxicos em água para consumo humano Coordenação

Leia mais

EDITAL SG/MPU N.º 27, DE 2 DE OUTUBRO DE 2007.

EDITAL SG/MPU N.º 27, DE 2 DE OUTUBRO DE 2007. VA PUBLICADO NO DIÁRIO OFICIAL DA UNIÃO DE 4/10/2007, SEÇÃO 3, PÁG.. EDITAL SG/MPU N.º 27, DE 2 DE OUTUBRO DE 2007. Divulgar a distribuição de vagas do Concurso Público para provimento de cargos e formação

Leia mais

O VENENO ESTA NA MESA: MODELO DE ALIMENTAÇÃO, AGRICULTURA E SAÚDE NO BRASIL

O VENENO ESTA NA MESA: MODELO DE ALIMENTAÇÃO, AGRICULTURA E SAÚDE NO BRASIL O VENENO ESTA NA MESA: MODELO DE ALIMENTAÇÃO, AGRICULTURA E SAÚDE NO BRASIL Marilia Carla de Mello Gaia 1 Qual a primeira coisa que nos vem à cabeça quando nos deparamos com as lindas frutas e legumes

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 20, DE 2 DE AGOSTO DE 2004

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 20, DE 2 DE AGOSTO DE 2004 ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE SEMENTES E MUDAS SCS - Edifício BARACAT Sala 501 Brasília DF CEP 70309-900 Fones/Fax: (061) 226-9022 / 226-8806 / 226-9990 e-mail: abrasem@abrasemcombr TEMÁRIO: 1

Leia mais

EXAME NACIONAL DO ENSINO MÉDIO ENEM 2013. Aloizio Mercadante Ministro de Estado da Educação

EXAME NACIONAL DO ENSINO MÉDIO ENEM 2013. Aloizio Mercadante Ministro de Estado da Educação EXAME NACIONAL DO ENSINO MÉDIO ENEM 2013 Aloizio Mercadante Ministro de Estado da Educação Cartão de Confirmação de Inscrição Entregues: 99,98% UF Participantes Entregues AC 58.364 100,00% AL 122.356 99,00%

Leia mais

Políticas de garantia de acesso aos recursos naturais: como evoluir?

Políticas de garantia de acesso aos recursos naturais: como evoluir? EXPOSIBRAM 2011 14º Congresso Brasileiro de Mineração Painel 5 Políticas de garantia de acesso aos recursos naturais: como evoluir? Márcio Pereira Meio Ambiente e Sustentabilidade Belo Horizonte, 28.9.2011

Leia mais

EVOLUÇÃO & PROGNÓSTICOS

EVOLUÇÃO & PROGNÓSTICOS APRESENTAÇÃO POPULAÇÃO CARCERÁRIA BRASILEIRA O objetivo deste trabalho, elaborado pela Comissão de Monitoramento e Avaliação do DEPEN, é realizar um levantamento, de forma sucinta, sobre o quadro evolutivo

Leia mais

ESPORTE E UNIVERSIDADE: a reestruturação do esporte universitário no Brasil

ESPORTE E UNIVERSIDADE: a reestruturação do esporte universitário no Brasil ESPORTE E UNIVERSIDADE: a reestruturação do esporte universitário no Brasil Wadson Ribeiro Secretário Nacional de Esporte Educacional Ministério do Esporte A DÉCADA DO ESPORTE BRASILEIRO Criação do Ministério

Leia mais

ATA DE REGISTRO DE PREÇOS Nº 05/2016-AG UTILIZAÇÃO DA ATA DE REGISTRO DE PREÇOS CONDIÇÕES DE FORNECIMENTO E RECEBIMENTO

ATA DE REGISTRO DE PREÇOS Nº 05/2016-AG UTILIZAÇÃO DA ATA DE REGISTRO DE PREÇOS CONDIÇÕES DE FORNECIMENTO E RECEBIMENTO ATA DE REGISTRO DE PREÇOS Nº 05/2016-AG PROCESSO Nº 143/2016-AG MODALIDADE DE LICITAÇÃO: PREGÃO PRESENCIAL Nº 01/2016-AG. TIPO DE LICITAÇÃO: Menor preço unitário por item PREÂMBULO CLÁUSULA PRIMEIRA CLÁUSULA

Leia mais

Efeito de acidez da água sobre produtos fitossanitários

Efeito de acidez da água sobre produtos fitossanitários Arbore/dng de triclorfom e o da água Cooperativa dos Agricultores de Plantio Direto Informativo 061 Efeito de acidez da água sobre produtos fitossanitários A qualidade da água é fator fundamental na eficácia

Leia mais

Grade de Agroquímicos

Grade de Agroquímicos Produção Integrada de Manga PI Manga Grade de Agroquímicos Fungicidas, inseticidas, acaricidas e agroquímicos de uso geral registrado no MAPA para uso na cultura da Manga. Os fungicidas, inseticidas, acaricidas

Leia mais

EXEMPLAR DE ASSINANTE DA IMPRENSA NACIONAL

EXEMPLAR DE ASSINANTE DA IMPRENSA NACIONAL ISSN 1677-7042 Ano CLI N o - 147 Brasília - DF, segunda-feira, 4 de agosto de 2014 Sumário. PÁGINA Atos do Poder Judiciário... 1 Presidência da República... 2 Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento...

Leia mais

Arnaldo Muniz Garcia. 8º Encontro de Fiscalização e Seminário Nacional sobre Agrotóxicos

Arnaldo Muniz Garcia. 8º Encontro de Fiscalização e Seminário Nacional sobre Agrotóxicos 8º Encontro de Fiscalização e Seminário Nacional sobre Agrotóxicos Programa de Análise de Resíduos de Agrotóxicos em Alimentos PARA MA - 2010 Arnaldo Muniz Garcia Lei 8.080 de 1990 Art. 6º Estão incluídas

Leia mais

Gestão de risco rural, Proagro, seguro rural e Fundo de Catástrofe. Mesquita de Sant Ana Coordenador-Geral de Seguro Rural SPA/DEGER

Gestão de risco rural, Proagro, seguro rural e Fundo de Catástrofe. Mesquita de Sant Ana Coordenador-Geral de Seguro Rural SPA/DEGER Gestão de risco rural, Proagro, seguro rural e Fundo de Catástrofe Eustáquio Mesquita de Sant Ana Coordenador-Geral de Seguro Rural SPA/DEGER RR AP AM PA MA CE RN AC 90 s RO MT TO PI BA PB PE AL SE 80

Leia mais

Diagnóstico da realidade médica no país

Diagnóstico da realidade médica no país Diagnóstico da realidade médica no país Médicos por mil habitantes Peru 0,9 Chile 1,0 Paraguai 1,1* Bolívia 1,2* Colômbia 1,4* Equador 1,7 Brasil 1,8 Venezuela 1,9* México 2,0 Canadá 2,0 Estados Unidos

Leia mais

Novas tecnologias para o desenvolvimento produtivo baseado na experiência do desenvolvimento do Cerrado Brasileiro

Novas tecnologias para o desenvolvimento produtivo baseado na experiência do desenvolvimento do Cerrado Brasileiro Novas tecnologias para o desenvolvimento produtivo baseado na experiência do desenvolvimento do Cerrado Brasileiro Cláudio Takao Karia Chefe Adjunto de P&D Embrapa Cerrados VI Foro por el desarrollo de

Leia mais

GUIA DOS PRODUTOS FITOFARMACÊUTICOS LISTA DOS PRODUTOS COM VENDA AUTORIZADA

GUIA DOS PRODUTOS FITOFARMACÊUTICOS LISTA DOS PRODUTOS COM VENDA AUTORIZADA ISSN 0871-0287 GUIA DOS PRODUTOS FITOFARMACÊUTICOS LISTA DOS PRODUTOS COM VENDA AUTORIZADA 2012 MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, DO MAR, DO AMBIENTE E DO ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO DIREÇÃO-GERAL DE ALIMENTAÇÃO

Leia mais

Agência Nacional de Telecomunicações. Entidade Aferidora da Qualidade

Agência Nacional de Telecomunicações. Entidade Aferidora da Qualidade Agência Nacional de Telecomunicações Entidade Aferidora da Qualidade Qualidade da Banda Larga Publicação de Indicadores (julho/2015) Medição Banda Larga Fixa (SCM) Para a medição da banda larga fixa (SCM)

Leia mais

DEMANDA DE CANDIDATOS POR CARGO / UF NÍVEL SUPERIOR

DEMANDA DE CANDIDATOS POR CARGO / UF NÍVEL SUPERIOR EM CARGOS DE E DE NÍVEL INTERMEDIÁRIO Administrador AC 1 14 14.00 Administrador AL 1 53 53.00 Administrador AP 1 18 18.00 Administrador BA 1 75 75.00 Administrador DF 17 990 58.24 Administrador MT 1 55

Leia mais

CAF: CONTAG: CPR: FETRAF: NPT: ONG: PNCF: SAC: SAT: SIB: SIC: SQD: UTE:

CAF: CONTAG: CPR: FETRAF: NPT: ONG: PNCF: SAC: SAT: SIB: SIC: SQD: UTE: Lista de Siglas do Pa CAF: CONTAG: CPR: FETRAF: NPT: ONG: PNCF: SAC: SAT: SIB: SIC: SQD: UTE: Boletim Ano VI - Edição nº 2/211 Boletim Ano VI - Edição nº 1 / 211 Painel de Indicador Nº 2/215 Técnicos Responsáv

Leia mais

Desenvolvimento e Oportunidades da Agricultura Familiar. Marco Antonio Viana Leite Diretor PAC e Mais Alimentos

Desenvolvimento e Oportunidades da Agricultura Familiar. Marco Antonio Viana Leite Diretor PAC e Mais Alimentos Desenvolvimento e Oportunidades da Agricultura Familiar Marco Antonio Viana Leite Diretor PAC e Mais Alimentos Agricultura Familiar no Mundo São 500 milhões de estabelecimentos da agricultura familiar

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO DA UNIÃO 8º CONCURSO PÚBLICO PARA PROVIMENTO DE VAGAS NOS CARGOS DE ANALISTA E DE TÉCNICO DO MINISTÉRIO PÚBLICO DA UNIÃO

MINISTÉRIO PÚBLICO DA UNIÃO 8º CONCURSO PÚBLICO PARA PROVIMENTO DE VAGAS NOS CARGOS DE ANALISTA E DE TÉCNICO DO MINISTÉRIO PÚBLICO DA UNIÃO Cargo 1: Analista do MPU Área de Atividade: Apoio Técnico-Administrativo Especialidade: Arquivologia Distrito Federal / DF 596 4 149,00 Especialidade: Biblioteconomia Acre / AC 147 1 147,00 Especialidade:

Leia mais

ARROZ, SOJA 35 II- ALTAMENTE TÓXICO

ARROZ, SOJA 35 II- ALTAMENTE TÓXICO RELAÇÃO DE PRODUTOS AGROTÓXICOS E AFINS CADASTRADOS NA ADEPARÁ ANO 2012 Nº MARCA COMERCIAL EMPRESA CLASSE DE USO INGREDIENTE ATIVO CLASSE TOXICOLÓGICA CULTURAS 1 2,4 D AMINA 72 ATANOR DO BRASIL LTDA HERBICIDA

Leia mais

6º Censo da Reciclagem de PET no Brasil 2009/2010

6º Censo da Reciclagem de PET no Brasil 2009/2010 6º Censo da Reciclagem de PET no Brasil 2009/2010 Reciclagem de PET no Brasil 2009 Censo Por quê? O Censo é a metodologia mais indicada quando a população é pequena e a variabilidade dentro da população

Leia mais

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SECRETARIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 42, DE 31 DE DEZEMBRO DE 2008

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SECRETARIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 42, DE 31 DE DEZEMBRO DE 2008 MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SECRETARIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 42, DE 31 DE DEZEMBRO DE 2008 O SECRETÁRIO DE DEFESA AGROPECUÁRIA DO MINISTÉRIO DA AGRICULTURA,

Leia mais

ANÁLISE DE RISCO: AVALIAÇÃO DO POTENCIAL DE CONTAMINAÇÃO DE ÁGUAS SUPERFICIAIS POR AGROTÓXICOS.

ANÁLISE DE RISCO: AVALIAÇÃO DO POTENCIAL DE CONTAMINAÇÃO DE ÁGUAS SUPERFICIAIS POR AGROTÓXICOS. ANÁLISE DE RISCO: AVALIAÇÃO DO POTENCIAL DE CONTAMINAÇÃO DE ÁGUAS SUPERFICIAIS POR AGROTÓXICOS. Erlan Silva de Sousa 1 ; Liliana Pena Naval 2 1 Aluno do Curso de Engenharia Ambiental; Campus de Palmas;

Leia mais

Serviço Auxiliar CAUC. Hiromi Cristina Santos Doi Agosto/2015

Serviço Auxiliar CAUC. Hiromi Cristina Santos Doi Agosto/2015 Serviço Auxiliar CAUC Hiromi Cristina Santos Doi Agosto/2015 Apresentação CAUC Serviço Auxiliar - CAUC O Serviço Auxiliar de Informações para Transferências Voluntárias (CAUC) foi CAUC instituído pela

Leia mais

SECRETARIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA DEPARTAMENTO DE SAÚDE ANIMAL COORDENAÇÃO GERAL DE COMBATE ÀS DOENÇAS COORDENAÇÃO DA RAIVA DOS HERBÍVOROS E DAS EETS

SECRETARIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA DEPARTAMENTO DE SAÚDE ANIMAL COORDENAÇÃO GERAL DE COMBATE ÀS DOENÇAS COORDENAÇÃO DA RAIVA DOS HERBÍVOROS E DAS EETS SECRETARIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA DEPARTAMENTO DE SAÚDE ANIMAL COORDENAÇÃO GERAL DE COMBATE ÀS DOENÇAS COORDENAÇÃO DA RAIVA DOS HERBÍVOROS E DAS EETS PROGRAMA NACIONAL DE CONTROLE DA RAIVA DOS HERBIVOROS

Leia mais