2012 CONTROLO DE QUALIDADE ÁGUA DE ABASTECIMENTO PARA CONSUMO HUMANO

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "2012 CONTROLO DE QUALIDADE ÁGUA DE ABASTECIMENTO PARA CONSUMO HUMANO"

Transcrição

1 2012 CONTROLO DE QUALIDADE ÁGUA DE ABASTECIMENTO PARA CONSUMO HUMANO SMAS GUARDA GGICQ / FEVEREIRO 2013 Mª Fátima Duarte

2 No presente Relatório são apresentados os resultados do Plano de Controlo de Qualidade efectuado em 2012, nas Águas de Abastecimento para Consumo Humano, que os SMAS fornecem aos seus consumidores, sendo a Qualidade é um dos Objectivos anuais destes Serviços. 1. OBJECTIVO Foi estabelecido como objectivo operacional de Eficácia dos SMAS, para 2012: Qualidade das Águas para Consumo Humano: Fornecer Água de Boa Qualidade aos Clientes Indicador Chave: Resultados das análises microbiológicas efectuadas nas amostras colhidas em todas as Zonas de Abastecimento (ZA s) do Concelho (Caldeirão, Sabugal, Captações Próprias e Fontanários Tratados), segundo o PCQA 2011, aprovado pela ERSAR (Entidade Reguladora de Saneamento, Águas e Resíduos) Meta: 92% de Conformidade com o DL306/07,em todos os parâmetros microbiológicos das amostras no ano de Superação: 95% de Conformidade com o DL306/07,em todos os parâmetros microbiológicos das amostras no ano de A partir dos resultados de todas as análises microbiológicas efectuadas nas amostras previstas e aprovadas pela ERSAR, constantes do nosso Plano de Controlo de Qualidade para 2012, pode-se afirmar que o Objectivo foi claramente superado: Nº Total parâmetros microbrobiológicos efectuados Nº Total parâmetros microbrobiológicos em incumprimento ao DL 306/07 % Percentagem de Conformidade com o DL 306/ % 2. CONTROLO DE QUALIDADE 2012 Apresenta-se, em seguida, a avaliação do Controlo de Qualidade, efectuado por estes Serviços nas Águas de Abastecimento para Consumo Humano, de todas as ZA s do Concelho da Guarda, durante o ano de 2012, no âmbito do estabelecido pelo Dec. Lei 306/07, e do PCQA aprovado. 1

3 O nosso PCQA foi atempado e devidamente apresentado e aprovado pela ERSAR, que coordena e fiscaliza o Controlo de Qualidade das Águas para Consumo Humano, das Entidades Gestoras de todo o país. A população do Concelho da Guarda é abastecida por vários sistemas: Caldeirão, Sabugal, Captações Próprias e Fontanários tratados origem única de água. O DL 306/07 estabelece quais os Parâmetros a analisar e qual a sua frequência, encontrando-se reunidos em 3 Grupos, Controlo de Rotina 1 (CR1), Controlo de Rotina 2 (CR2) e Controlo de Inspecção (CI), bem como os Valores Paramétricos Limite (VP) a observar para cada um dos parâmetros. Também estabelece diferença entre águas de origem superficial (barragens, rios) e subterrânea (nascentes, poços, furos). Relativamente ao PCQA efectuado em 2012, em todas as ZA s do Concelho da Guarda, podemos afirmar que, salvo as inconformidades de ph que foram 66, correspondendo a 80.5% das inconformidades registadas ao longo do ano (as nossas águas são predominantemente ácidas, devido á natureza granítica do solo), as restantes foram casos pontuais, em que as medidas correctivas, de imediato tomadas, repuseram a situação de conformidade. Quanto ao Total de parâmetros analisados em todas as ZA s, podemos afirmar que as águas que fornecemos, revelam Boa Qualidade: Os incumprimentos verificados foram os seguintes: Atendendo ao facto da diversidade na origem das águas que distribuímos 2 de origem superficial tratadas em ETA, 25 Captações próprias (nascentes, poços e furos) com sistema de desinfecção por cloro e 14 2

4 fontanários origem única de água, com tratamento por lâmpada de UV, podemos considerar que os resultados obtidos são bons e que os nossos consumidores são abastecidos com água de boa qualidade. 3. ÁGUA DE ABASTECIMENTO DE ORIGEM SUPERFICIAL Água comprada pelos SMAS à AZC. É da responsabilidade dos SMAS o Controlo de Qualidade em baixa, das águas de origem superficial: - Zona de Abastecimento do Caldeirão (ZA Caldeirão), água proveniente da Barragem do Caldeirão, tratada na ETA do Caldeirão pela AZC e fornecida em alta, que abastece a cidade da Guarda e 22 freguesias do Concelho. - Zona de Abastecimento da ETA Sabugal (ZA ETA Sabugal), água proveniente da Barragem do Sabugal, tratada na ETA do Sabugal, pela AZC e fornecida em alta, e que abastece 7 aldeias. O Controlo de Qualidade das águas de origem superficial efectua-se segundo o DL306/07, com uma frequência de amostragem calculada em função dos m3/dia fornecidos em cada Zona de Abastecimento (ZA) e obedecendo aos grupos de parâmetros seguintes: I. PARÂMETROS DO GRUPO ROTINA 1 (CR1): Pelo DL 306/07 neste Grupo encontram-se incluídos os seguintes Parâmetros Microbiológicos e o Cloro Residual: Parâmetros Microbiológicos: Bactérias coliformes, Escherichia coli Cloro residual II. PARÂMETROS DO GRUPO DE ROTINA 2 (CR2) Parâmetros Microbiológicos: Clostridium perfringens, Bactérias mesófilas a 37º, Bactérias mesófilas a 22º Parâmetros Organolépticos: Cor, Sabor, Cheiro Parâmetros Físicos: Condutividade, Turvação Parâmetros Químicos: ph, Alumínio (nas águas tratadas na ETA com compostos de alumínio), Manganês, Nitratos, Azoto Amoniacal, Oxidabilidade. III. PARÂMETROS DO GRUPO DE INSPECÇÃO (CI): Parâmetros Microbiológicos: Enterococos 3

5 QUALIDADE DA ÁGUA DE ABASTECIMENTO PARA CONSUMO HUMANO Parâmetros Químicos: Antimónio, Arsénio, Benzeno, Boro, Bromatos, Cádmio, Cálcio, Chumbo, Cianetos, Cloretos, Cobre, Crómio, Dureza total, 1,2,dicloroetano, Fluoretos, Magnésio, Mercúrio, Níquel, Selénio, Tetracloroeteno, Tricloroeteno, Clorofórmio, Bromodiclorometano, Sódio, Sulfatos, Cloreto de Vinilo, Hidrocarbonetos Aromáticos policíclicos, Pesticidas (estamos isentos da determinação de pesticidas, por decisão do Ministério da Agricultura). IV. FREQUÊNCIA DAS ANÁLISES DE CONTROLO: Determinada a partir dos caudais diários fornecidos na Zona de Abastecimento. 3.1 ZA CALDEIRÃO: Zona de Abastecimento que abrange a Cidade e várias Aldeias. I. GRUPO ROTINA 1 (CR1): a)parâmetros: Todos os referidos, incluídos neste Grupo (I). b) NÚMERO DE ANÁLISES REGULAMENTARES: Foram efectuadas 124 recolhas de amostras para análise deste grupo, uma média de 2/3 por semana, de modo a cobrir toda a rede de distribuição, o que corresponde ao cumprimento da Lei, no que respeita ao número e frequência de análises. c) QUALIDADE MICROBIOLÓGICA DA ÁGUA: Das 124 amostras analisadas aos parâmetros microbiológicos do Grupo CR1, todos os resultados foram conformes com os Valores Paramétricos da Lei, ou seja todos os 242 parâmetros em conformidade com os limites da lei.. d) DETERMINAÇÕES DE CLORO RESIDUAL: Encontrámos vários teores de cloro mais altos que os recomendáveis, embora este parâmetro não tenha valor limite no DL. O desinfectante (Cloro) é adicionado à água na ETA, responsabilidade da AZC. e) AVALIAÇÃO QUALIDADE: BOA MEDIDAS CORRECTIVAS: NÃO FORAM NECESSÁRIAS II. GRUPO DE ROTINA 2 (CR2) a) PARÂMETROS: Todos os referidos, incluídos neste Grupo (II). b) NÚMERO DE ANÁLISES REGULAMENTARES: Pelo referido Decreto, tendo em conta o caudal diário consumido nesta Zona de Abastecimento, cumprenos analisar 28 amostras/ano, sendo a amostragem realizada em conjunto com o CR1, em média uma de 15 em 15 dias, o que corresponde ao cumprimento integral da Lei, no que respeita ao número e frequência de análises. 4

6 c) QUALIDADE MICROBIOLÓGICA E FÍSICO-QUÍMICA DA ÁGUA: Das 28 amostras analisadas aos parâmetros microbiológicos do Grupo CR2, todos os resultados foram conformes com os Valores Paramétricos da Lei, ou seja todos os 392 parâmetros determinados revelaram resultados em conformidade com os limites da lei. QUALIDADE: BOA MEDIDAS CORRECTIVAS: NÃO FORAM NECESSÁRIAS III. PARÂMETROS DO GRUPO DE INSPECÇÃO (CI): a) PARÂMETROS: Como se trata de uma água que é controlada em alta pela Empresa fornecedora e em baixa pelos SMAS, os parâmetros a analisar, por determinação da ERSAR, são os seguintes: Enterococos, Ferro, Nitritos, Cálcio, Magnésio, Dureza total, Chumbo, Cobre, Níquel, Trihalometanos e Hidrocarbonetos Aromáticos policíclicos. b) NÚMERO DE ANÁLISES REGULAMENTARES: Pelo referido Decreto, tendo em conta o caudal diário fornecido nesta Zona de Abastecimento, devemos analisar 4 amostras/ano para o CI, sendo a amostragem trimestral e realizada em conjunto com o CR1 e o CR2. Foram efectuadas as análises nas 4 amostras, o que corresponde ao cumprimento integral da Lei, no que respeita ao número e frequência de análises. c) QUALIDADE QUÍMICA DA ÁGUA: QUALIDADE: BOA MEDIDAS CORRECTIVAS: NÃO FORAM NECESSÁRIAS AVALIAÇÃO GLOBAL DO PCQA/2012 NA ZA CALDEIRÃO BOA QUALIDADE 3.2 ZA ETA SABUGAL: Zona de Abastecimento que abrange as Aldeias: Adão, Pega, Rochoso, Monte Margarida e Penedo da Sé, Carvalhal Meão e Quinta de Gonçalo Martins. I. GRUPO ROTINA 1 (CR1): 5

7 a) PARÂMETROS: QUALIDADE DA ÁGUA DE ABASTECIMENTO PARA CONSUMO HUMANO Todos os já referidos (3.1 I), incluídos neste Grupo. b) NÚMERO DE ANÁLISES REGULAMENTARES: Foram efectuadas 12 recolhas de amostras para análise deste grupo, 1 amostra por mês, de modo a cobrir toda a rede de distribuição, o que corresponde ao cumprimento da Lei, no que respeita ao número e frequência de análises. c) QUALIDADE MICROBIOLÓGICA DA ÁGUA: Das 12 amostras analisadas aos parâmetros microbiológicos do Grupo R1, todos os resultados foram conforme com os Valores Paramétricos da Lei, ou seja todos os 24 parâmetros em conformidade com os limites da lei. d) DETERMINAÇÕES DE CLORO RESIDUAL: Não houve anomalias a registar. e) AVALIAÇÃO E MEDIDAS CORRECTIVAS: QUALIDADE: BOA MEDIDAS CORRECTIVAS: NÃO FORAM NECESSÁRIAS. II. GRUPO DE ROTINA 2 (CR2) a) PARÂMETROS: Todos os já referidos (3.1 II), incluídos neste Grupo. b) NÚMERO DE ANÁLISES REGULAMENTARES: Pelo referido Decreto, tendo em conta o caudal diário consumido nesta Zona de Abastecimento, cumpre-nos analisar 4 amostras/ano, sendo a amostragem realizada em conjunto com o CR1, 1 por trimestre, o que corresponde ao cumprimento integral da Lei, no que respeita ao número e frequência de análises. c) QUALIDADE MICROBIOLÓGICA E FÍSICO-QUÍMICA DA ÁGUA: Das 4 amostras analisadas aos parâmetros microbiológicos do Grupo CR2, todos os resultados foram conformes com os Valores Paramétricos da Legislação em vigor. QUALIDADE: BOA MEDIDAS CORRECTIVAS: NÃO FORAM NECESSÁRIAS. III. PARÂMETROS DO GRUPO DE INSPECÇÃO (CI): a) PARÂMETROS : Como se trata de uma água que é controlada em alta pela Empresa fornecedora e em baixa pelos SMAS, os parâmetros a analisar, por determinação da ERSAR, são os seguintes: Enterecocos, Ferro, Nitritos, Cálcio, Chumbo, Magnésio, Dureza total, Cobre, Níquel. b) NÚMERO DE ANÁLISES REGULAMENTARES: Pelo referido Decreto, tendo em conta o caudal diário consumido nesta Zona de Abastecimento, devemos analisar 1 amostra/ano para o CI, sendo a amostragem realizada em conjunto com o CR1 e o CR2. c) QUALIDADE QUÍMICA DA ÁGUA: QUALIDADE : BOA 6

8 MEDIDAS CORRECTIVAS: NÃO FORAM NECESSÁRIAS AVALIAÇÃO GLOBAL DO PCQA/2012 NA ZA ETA SABUGAL BOA QUALIDADE :::::::::::::::::::: X :::::::::::::::::::: 4. ÁGUA DE ABASTECIMENTO DE ORIGEM SUBTERRÂNEA: Inclui todas as nossas Captações Próprias e Fontanários Tratados. Em 2012, efectuámos o Controlo de Qualidade em 25 Captações/Zonas de Abastecimento (ZA s), e 14 Fontanários. No que respeita a estes pequenos abastecimentos domiciliários e fontanários tratados, de que somos responsáveis exclusivos, foi objectivo deste Gabinete obter: 95% DOS RESULTADOS MICROBIOLÓGICOS COM VALORES EM CONFORMIDADE COM A LEI FOI OBTIDO 99.43% DE CONFORMIDADE OBJECTIVO SUPERADO Nestas pequenas zonas de abastecimento as condições climatéricas (seca, chuva intensa), a natureza do solo e os problemas operacionais, são sempre condicionantes com que temos de lidar e que podem influenciar os resultados analíticos e, como é óbvio a qualidade da água. Conseguimos, no entanto, manter o fornecimento de água aos nossos consumidores com BOA 7

9 QUALIDADE, com algumas excepções pontuais, que, logo que detectadas, foram resolvidas, ficando restabelecida a conformidade, comprovada com análises de verificação. Para cumprir este objectivo é efectuada a Vigilância constante das várias ZA s e Fontanários, para alerta imediato de anomalias e suas medidas correctivas e com procedimentos no âmbito do Controlo Operacional: A) Controlo permanente dos Sistemas de Desinfecção: Cloro e lâmpadas de UV; B) Lavagem de Reservatórios; C) Descargas de rede; D) Manutenção/lavagem dos aparelhos para retirar Ferro, Arsénio e Nitratos; E) Controlo analítico operacional de determinados parâmetros (Ferro, Manganês, Arsénio, Nitratos) nas ZA s em que, devido á natureza do solo, estes elementos aparecem com valores superiores ao VP. I. GRUPO ROTINA 1 (CR1): a) PARÂMETROS Neste Grupo encontram-se incluídos os seguintes Parâmetros Microbiológicos e o Cloro Residual: Coliformes Totais Escherichia coli b) NÚMERO DE ANÁLISES REGULAMENTARES: A frequência de amostragem do CR1 nas ZA s com consumos <100m3/dia, é de 6 amostras / ano. O PCQA aprovado foi inteiramente cumprido, ou seja, foram recolhidas e analisadas 150 amostras nas ZA s Captações e 84 nos Fontanários para CR1, distribuídas equitativamente ao longo do ano. c) QUALIDADE MICROBIOLÓGICA DA ÁGUA: Nos 234 R1 analisaram-se 468 parâmetros (Bactérias coliformes e E.coli), tendo sido registados 4 incumprimentos, correspondendo a 2 amostras Impróprias, 99,15 % de Amostras em Conformidade. d) AVALIAÇÃO E MEDIDAS CORRECTIVAS: QUALIDADE: BOA Os incumprimentos registaram-se nos parâmetros Bactérias coliformes e E.coli e foram devidos a problema com o sistema de desinfecção. De referir que se registaram estas inconformidades só no 4º 8

10 trimestre 2012.O objectivo seria não se registar qualquer inconformidade, mas podemos considerar estes resultados BONS, atendendo a que se trata de água de captações (poços, furos ou nascentes), cujo tratamento é só de desinfecção. MEDIDAS CORRECTIVAS: Após conhecimento dos resultados inconformes, foram de imediato reparadas as anomalias, tendo sido efectuadas análises de verificação, com resultados conformes com o VP do DL306/07. II. GRUPO DE ROTINA 2 (CR2) a) PARÂMETROS: Como se trata de águas subterrâneas, os parâmetros são os mesmos das superficiais, excepto Clostridium e Alumínio, que se efectuam no CI. b) NÚMERO DE ANÁLISES REGULAMENTARES Conforme o estipulado na lei e aprovado no PCQA, foram efectuadas em todas as ZA s 2 amostras para análise aos parâmetros deste Grupo. c) QUALIDADE MICROBIOLÓGICA E FÍSICO-QUÍMICA: Registaram-se algumas inconformidades: ph Devido a estarmos numa zona de solos de natureza granítica, as águas das nossas captações têm ph ácido, na sua maior parte inferior a 6.5, o que leva a que estejam em incumprimento com o VP, cujo intervalo limite é de Registamos 66 incumprimentos de ph, que corresponde a 99% das inconformidades registadas no grupo CR2. Trata-se de um incumprimento que, segundo parecer da Autoridade de Saúde, não é prejudicial para a Saúde Pública. Manganês Registou-se 1 caso de Manganês superior ao VP. A ZA onde se verificou o aparecimento deste elemento, foi um Fontanário, onde, este ano, pusemos em funcionamento uma captação antiga, devido à captação habitual, estar inactivada desde 2011 por a contaminação. Em todos os restantes parâmetros do grupo CR2 os valores foram conformes com a Lei. d) AVALIAÇÃO E MEDIDAS CORRECTIVAS: QUALIDADE: BOA 9

11 Consideramos que os resultados foram BONS, dado que das 67 inconformidades registadas, 66 são devidas a ph, uma característica da água bruta. MEDIDAS CORRECTIVAS Para correcção das situações de inconformidade detectadas (excepto ph), foram tomadas medidas correctivas adequadas, e realizadas análises de verificação, que comprovaram a normalização da situação. III. PARÂMETROS DO GRUPO DE INSPECÇÃO (CI): a) PARÂMETROS: Devido a durante 3 anos os valores dos parâmetros do Controlo de Inspecção determinados terem sido inferiores aos VP exigidos, ainda beneficiamos, em 2012, de isenção de vários parâmetros deste Grupo, em algumas ZA s e Fontanários, onde dos 37 parâmetros obrigatórios apenas 12 ou 5 foram controlados. Em algumas ZA s, devido a terem completado os 3 anos de isenção, foi necessário realizar todos os 37 parâmetros obrigatórios no DL306/7, para efectuar novo pedido de isenção para b) NÚMERO DE ANÁLISES REGULAMENTARES DO GRUPO CI: A frequência do CI, pelo DL 306/07, para ZA s com consumos inferiores a 100m3/dia é de 1 vez por ano, tendo sido cumprida. c) QUALIDADE QUÍMICA DA ÁGUA: Registaram-se as seguintes inconformidades: Arsénio (As) Nas duas ZA s onde este elemento é característica da água bruta, apesar de temos instalado um sistema de remoção, devido à escassez/falta de água no Verão, foram registadas inconformidades nas análises. Após algumas medidas correctivas, as análises de verificação revelaram valores conformes. Ferro (Fe) Registamos 3 teores elevados deste elemento, em incumprimento com o VP (VP=200mg/L). Em algumas captações, devidamente identificadas, o valor elevado de Ferro é uma característica atribuída ao facto de estarem situadas em zonas cujos solos são ricos neste elemento, sendo utilizado um tratamento de desferrização da água. Outros casos aparecem esporadicamente, devido a alteração sazonal da água bruta. Alumínio (Al) Foram detectados 3 casos com valores superiores ao VP (200 µg/l). Em algumas zonas onde estão implantadas as nossas captações, registam-se por vezes incumprimentos, devido à natureza do solo, rico em alumínio (um dos elementos mais abundante na natureza), e coincidindo com situações de seca ou chuvas intensas. 10

12 d) AVALIAÇÃO E MEDIDAS CORRECTIVAS QUALIDADE Consideramos que os resultados foram BONS. MEDIDAS CORRECTIVAS Efectuaram-se as medidas necessárias para normalização dos teores de Ferro, Arsénio. Quanto ao Alumínio, como o seu aparecimento é sazonal, após limpezas de reservatórios e rede, voltou aos níveis conformes. Após as medidas correctivas, foram realizadas análises de verificação, cujos resultados evidenciaram a eficácia das medidas tomadas. Nº ANÁLISES EFECTUADAS NAS ZA S CAPTAÇÕES PRÓPRIAS E FONTANÁRIOS Grupos R1, R2, CI, programados / realizados: NÃO HOUVE ANÁLISES EM FALTA :::::::::::::::::::::: X :::::::::::::::::::: 5. Gráficos comparativos do Controlo de Qualidade efectuado nas Captações próprias e Fontanários origem única de Água: Estas Zonas de Abastecimento são da exclusiva responsabilidade dos SMAS, desde a captação, tratamento, até à torneira do consumidor, pois a distribuição da água tratada em alta nas ETA s pela AZC ainda não chegou a uma parte significativa das nossas Aldeias. Apresentamos a evolução da Qualidade nestas ZA s, nos últimos 5 anos, de 2008 a 2012, visto que a partir de 1 de Janeiro de 2008, passou a vigorar o DL306/07, o qual: Alterou a frequência de realização do Grupo de Controlo de Rotina 1, que passou de 4/ano para 6/ano, nas ZA s com consumos inferiores a 100m3/dia, onde se incluem; Tornou obrigatório, a partir de 1 de Janeiro de 2009, o tratamento de todas as águas de consumo, fornecidas pelas Entidades Gestoras, pelo que aplicamos nos 14 Fontanários já controlados, mas não tratados, aplicámos um sistema de tratamento com lâmpada de UV. Conforme evidencia o gráfico seguinte, com o início do tratamento obtivemos bons resultados a partir de 2009, com benefício para os habitantes dessas pequenas aldeias, que passaram a dispor de água potável. Esta medida foi reconhecida pela Entidade Reguladora, tendo estado a ser recomendada pela ERSAR a outras EG s. 11

13 A evolução tem sido positiva, mostrando que o objectivo dos SMAS de fornecer aos seus clientes Água de Boa Qualidade, tem sido cumprido e é alvo de uma melhoria contínua, e que a água que fornecemos pode ser consumida com confiança. 6. FONTANÁRIOS NÃO ORIGEM ÚNICA de ÁGUA O DL 306/07, não contempla estes fontanários na obrigatoriedade de controlo de qualidade, visto esses locais disporem de água ao domicílio tratada. Obriga apenas à afixação de placas informativas de ÁGUA NÃO CONTROLADA. Há já vários anos que foi implementada esta medida no nosso concelho. Da obrigatoriedade de afixação destas placas são relembradas, todos os trimestres, as Juntas de Freguesia, às quais disponibilizamos as placas informativas e pedimos colaboração para a sua afixação. 7. Editais Conforme estabelecido na legislação, todos os trimestres são publicados os Editais relativos a cada Zona de Abastecimento (ZA) com os resultados das análises efectuadas e locais onde são recolhidas as amostras para análise. Esta informação encontra-se disponível nas Juntas de Freguesia e no site dos SMAS. 8. PLANIFICAÇÃO E OBJECTIVOS PARA 2013 Planificação Atempadamente o nosso Plano de Controlo de Qualidade das Águas de Consumo Humano para 2013, elaborado segundo o DL 306/07, foi apresentado ERSAR e oficialmente aprovado. Plano Operacional de Controlo (POC): realizamos periodicamente análises de vários parâmetros em locais com situações devidamente identificadas para: 12

14 - Prevenção de situações anómalas e a manutenção da normalidade; - Avaliação de pontos críticos Em conjunto, PCQA e POC, contribuirão positivamente para melhorar cada vez mais a Qualidade da água que distribuímos. Objectivo ABASSTECER TODOSS OSS NOSSSSOSS MUNÍÍCIIPPESS COM ÁGUA DE BOA QUALIIDADE SMAS/GGICQ, Fevereiro

Qualidade da água da rede de abastecimento

Qualidade da água da rede de abastecimento Qualidade da água da rede de abastecimento Relatório do 2º trimestre de 2011 1- Introdução O Decreto-lei nº 306/2007 de 27 de Agosto, estabelece o regime da qualidade da água destinada ao consumo humano,

Leia mais

SISTEMA DE SANTO ANTONIO

SISTEMA DE SANTO ANTONIO PROGRAMA DE CONTROLO DA QUALIDADE DA ÁGUA (PCQA) - 2015 RESULTADOS DA QUALIDADE DA ÁGUA CONCELHO DE PONTA DELGADA SISTEMA DE ABASTECIMENTO: SISTEMA DE SANTO ANTONIO Os resultados das análises definidas

Leia mais

Relatório de Ensaios Nr: 8357 Versão: 1.0 Pag 1 de 5 Boletim Definitivo

Relatório de Ensaios Nr: 8357 Versão: 1.0 Pag 1 de 5 Boletim Definitivo Relatório de s Nr: 8357 Versão: 1.0 Pag 1 de 5 Escherichia coli 0 Número/0mL 0 Método Interno (PTM 4) (14-01-2011) Bactérias coliformes (coliformes totais) 0 Número/0mL 0 Método Interno (PTM 4) (14-01-2011)

Leia mais

PROGRAMA DE CONTROLO DA QUALIDADE DA ÁGUA (PCQA) - 2014

PROGRAMA DE CONTROLO DA QUALIDADE DA ÁGUA (PCQA) - 2014 PROGRAMA DE CONTROLO DA QUALIDADE DA ÁGUA (PCQA) - 2014 RESULTADOS DA QUALIDADE DA ÁGUA CONCELHO DE PONTA DELGADA SISTEMA DE ABASTECIMENTO: MOSTEIROS - NORTE Os resultados das análises definidas para o

Leia mais

1. RESUMO DOS RESULTADOS OBTIDOS NAS ESTAÇÕES DE TRATAMENTO DE ÁGUA E SISTEMAS INDEPENDENTES DE ÁGUA DO CONCELHO DE VIMIOSO

1. RESUMO DOS RESULTADOS OBTIDOS NAS ESTAÇÕES DE TRATAMENTO DE ÁGUA E SISTEMAS INDEPENDENTES DE ÁGUA DO CONCELHO DE VIMIOSO 1. RESUMO DOS RESULTADOS OBTIDOS NAS ESTAÇÕES DE TRATAMENTO DE ÁGUA E SISTEMAS INDEPENDENTES DE ÁGUA DO CONCELHO DE VIMIOSO Nos quadros seguintes apresenta-se um resumo global dos resultados s para a água

Leia mais

PROGRAMA DE CONTROLO DA QUALIDADE DA ÁGUA (PCQA) - 2014

PROGRAMA DE CONTROLO DA QUALIDADE DA ÁGUA (PCQA) - 2014 PROGRAMA DE CONTROLO DA QUALIDADE DA ÁGUA (PCQA) - 2014 RESULTADOS DA QUALIDADE DA ÁGUA CONCELHO DE PONTA DELGADA SISTEMA DE ABASTECIMENTO: MOSTEIROS, BRETANHA E REMÉDIOS Os resultados das análises definidas

Leia mais

GLOSSÁRIO MICROBIOLÓGICOS FÍSICO-QUÍMICOS PARÂMETROS PARÂMETROS

GLOSSÁRIO MICROBIOLÓGICOS FÍSICO-QUÍMICOS PARÂMETROS PARÂMETROS PARÂMETROS MICROBIOLÓGICOS Coliformes Fecais (E.Coli), Enterococos, Clostrídios Perfringens Os organismos pertencentes a este grupo estão presentes nas matérias fecais de todos os animais de sangue quente.

Leia mais

CONTROLO DA QUALIDADE DA ÁGUA PARA CONSUMO HUMANO EM SISTEMAS PÚBLICOS DE ABASTECIMENTO

CONTROLO DA QUALIDADE DA ÁGUA PARA CONSUMO HUMANO EM SISTEMAS PÚBLICOS DE ABASTECIMENTO CONTROLO DA QUALIDADE DA ÁGUA PARA CONSUMO HUMANO EM SISTEMAS PÚBLICOS DE ABASTECIMENTO Autoria: Luís Simas, Pedro Gonçalves, José Leal Lopes e Cecília Alexandre Coordenação: Alexandre Milheiras Costa

Leia mais

RELATÓRIO TRIMESTRAL 1. INTRODUÇÃO

RELATÓRIO TRIMESTRAL 1. INTRODUÇÃO RELATÓRIO TRIMESTRAL 1. INTRODUÇÃO O controlo analítico da qualidade das Águas de Abastecimento, no Município de Arraiolos durante o período de Outubro a Dezembro de 2006, foi realizado pelos laboratórios

Leia mais

Anexo Técnico de Acreditação Nº L0302-1 Accreditation Annex nº

Anexo Técnico de Acreditação Nº L0302-1 Accreditation Annex nº Rua António Gião, 2-5º 2829-53 CAPARICA Portugal Tel +35.22 948 2 Fax +35.22 948 22 Anexo Técnico de Acreditação Nº L32- A entidade a seguir indicada está acreditada como Laboratório de Ensaios, segundo

Leia mais

5.7 Murtosa. 5.6.4.4 Tarifário de água O Quadro 5.66 apresenta o tarifário da água da rede de abastecimento público no concelho de Mira.

5.7 Murtosa. 5.6.4.4 Tarifário de água O Quadro 5.66 apresenta o tarifário da água da rede de abastecimento público no concelho de Mira. 5.6.4.3 Tratamento de água para consumo humano A água captada pela Câmara (captação da Lagoa) é sujeita a tratamento de filtragem e cloragem. 5.6.4.4 Tarifário de água O Quadro 5.66 apresenta o tarifário

Leia mais

RELATÓRIO ANUAL DO CONTROLO DA QUALIDADE DA ÁGUA PARA CONSUMO HUMANO

RELATÓRIO ANUAL DO CONTROLO DA QUALIDADE DA ÁGUA PARA CONSUMO HUMANO RELATÓRIO ANUAL DO CONTROLO DA QUALIDADE DA ÁGUA PARA CONSUMO HUMANO Antes de imprimir este documento, pense na sua responsabilidade e compromisso com o AMBIENTE. 1 ÍNDICE SUMÁRIO EXECUTIVO... 3 1. INTRODUÇÃO...

Leia mais

5.11 Vagos. 5.11.1 Forças motoras

5.11 Vagos. 5.11.1 Forças motoras 5.11 Vagos O concelho de Vagos, com uma área de aproximadamente 165 km 2 possui onze freguesias: Calvão, Covão do Lobo, Fonte de Angeão, Gafanha da Boa Hora, Ouca, Ponte de Vagos, Sosa, Vagos, Santo António

Leia mais

Ministério dos Petróleos

Ministério dos Petróleos Ministério dos Petróleos Decreto executivo nº 12/05 de 12 de Janeiro Considerando o disposto no Decreto nº 39/00. de 10 de Outubro, sobre a protecção do ambiente no decurso das actividades petrolíferas

Leia mais

http:// www.insa.pt _ consumo de água de nascentes naturais Um problema de saúde pública. _DSA Departamento de Saúde Ambiental 2010 _Nascentes Naturais 01 _Introdução A convicção, ainda hoje frequente

Leia mais

Resultados das Análises à Água Primeiro Trimestre de 201

Resultados das Análises à Água Primeiro Trimestre de 201 Resultados das Análises à Água Primeiro Trimestre de 201 2015/04/23 Em cumprimento do disposto no Decreto-Lei 306/07, alterado pelo Decreto-Lei n.º 92/2010 de 26 de Julho, serve o presente edital para

Leia mais

Anexo Técnico de Acreditação Nº L0335-1 Accreditation Annex nr.

Anexo Técnico de Acreditação Nº L0335-1 Accreditation Annex nr. Rua António Gião, 2-5º 2829-53 CAPARICA Portugal Tel +35.22 948 2 Fax +35.22 948 22 Anexo Técnico de Acreditação Nº L335- A entidade a seguir indicada está acreditada como Laboratório de Ensaios, segundo

Leia mais

RELATÓRIO ANUAL DO CONTROLO DA QUALIDADE DA ÁGUA PARA CONSUMO HUMANO

RELATÓRIO ANUAL DO CONTROLO DA QUALIDADE DA ÁGUA PARA CONSUMO HUMANO 2012 RELATÓRIO ANUAL DO CONTROLO DA QUALIDADE DA ÁGUA PARA CONSUMO HUMANO 1. INTRODUÇÃO 2013 R A 1. INTRODUÇÃO A ERSARA, enquanto autoridade competente para a qualidade da água destinada ao consumo humano,

Leia mais

DIRECTIVA 98/83/CE DO CONSELHO de 3 de Novembro de 1998 relativa à qualidade da água destinada ao consumo humano

DIRECTIVA 98/83/CE DO CONSELHO de 3 de Novembro de 1998 relativa à qualidade da água destinada ao consumo humano L 330/32 PT Jornal Oficial das Comunidades Europeias 5.12.98 DIRECTIVA 98/83/CE DO CONSELHO de 3 de Novembro de 1998 relativa à qualidade da água destinada ao consumo humano O CONSELHO DA UNIÃO EUROPEIA,

Leia mais

Divisão do Concelho de Lagoa, em Freguesias ÁGUA DE PAU

Divisão do Concelho de Lagoa, em Freguesias ÁGUA DE PAU 1.INTRODUÇÃO De acordo com o Decreto-Lei n.º 306/2007, de 27 de Agosto, compete às entidades gestoras de água apresentar um programa de controlo de qualidade que respeite no mínimo os requisitos do anexo

Leia mais

Plano de Controlo de Qualidade

Plano de Controlo de Qualidade Plano de Controlo de Qualidade Da Água de Abastecimento Público 2015 Câmara Municipal de Lagos Divisão de Ambiente e Serviços Urbanos Índice 1. Introdução 2 2. Objectivos do PCQA 3 3. Definição dos parâmetros

Leia mais

Anexo Técnico de Acreditação Nº L0385-1 Accreditation Annex nr.

Anexo Técnico de Acreditação Nº L0385-1 Accreditation Annex nr. Rua António Gião, 2-5º 2829-53 CAPARICA Portugal Tel +35.22 948 2 Fax +35.22 948 22 Anexo Técnico de Acreditação Nº L385- A entidade a seguir indicada está acreditada como Laboratório de Ensaios, segundo

Leia mais

Qualidade da água da rede de abastecimento

Qualidade da água da rede de abastecimento Qualidade da água da rede de abastecimento Relatório do 4º trimestre de 2012 1- Introdução O Decreto-lei nº 306/2007 de 27 de Agosto, estabelece o regime da qualidade da água destinada ao consumo humano,

Leia mais

CONTROLO DA QUALIDADE DA ÁGUA PARA CONSUMO HUMANO - ZONA DE ABASTECIMENTO PINHEL DO CONCELHO DE PINHEL

CONTROLO DA QUALIDADE DA ÁGUA PARA CONSUMO HUMANO - ZONA DE ABASTECIMENTO PINHEL DO CONCELHO DE PINHEL - ZONA DE ABASTECIMENTO PINHEL DO CONCELHO DE PINHEL % N.º de Cumprimento superiores ao VP Valor mínimo Valor máximo do VP Agendadas Realizadas Escherichia coli - UFC/100 ml 0 0 0 0 100 6 6 100 Coliformes

Leia mais

Qualidade da água da rede de abastecimento

Qualidade da água da rede de abastecimento Qualidade da água da rede de abastecimento Relatório do 1º trimestre de 2010 1- Introdução O Decreto-lei nº 306/2007 de 27 de Agosto, estabelece o regime da qualidade da água destinada ao consumo humano,

Leia mais

Requerimento de Ligação de Águas Residuais Industriais aos Sistemas de Drenagem e Tratamento da AdG

Requerimento de Ligação de Águas Residuais Industriais aos Sistemas de Drenagem e Tratamento da AdG I Identificação do Utilizador Industrial Designação: Processo nº: N.º de Cliente AdG: Nº Contribuinte: Morada da Unidade Industrial: Código Postal: - Nome do Proprietário: Telefone: ; Fax: ; e-mail: II

Leia mais

SISTEMA AQUÍFERO: CESAREDA (O24)

SISTEMA AQUÍFERO: CESAREDA (O24) SISTEMA AQUÍFERO: CESAREDA (O24) Figura O24.1 Enquadramento litoestratigráfico do sistema aquífero Cesareda Sistema Aquífero: Cesareda (O24) 348 Identificação Unidade Hidrogeológica: Orla Ocidental Bacia

Leia mais

ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC 17025 ENSAIO. Determinação de Alumínio Total pelo método colorimétrico LQ: 0,008 mg/l

ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC 17025 ENSAIO. Determinação de Alumínio Total pelo método colorimétrico LQ: 0,008 mg/l ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC 17025 ENSAIO Norma de Origem: NIT-DICLA-016 Folha: 1 Total de Folhas: 8 RAZÃO SOCIAL/DESIGNAÇÃO DO LABORATÓRIO ACQUA BOOM SANEAMENTO AMBIENTAL LTDA - EPP Determinação

Leia mais

SISTEMA DA CONCEICAO

SISTEMA DA CONCEICAO PROGRAMA DE CONTROLO DA QUALIDADE DA ÁGUA (PCQA) - 2016 RESULTADOS DA QUALIDADE DA ÁGUA CONCELHO DE PONTA DELGADA SISTEMA DE ABASTECIMENTO: SISTEMA DA CONCEICAO Os resultados das análises definidas para

Leia mais

IV-027 - ASPECTOS HIDROLÓGICOS E QUALIDADE DA ÁGUA DO RIO CUBATÃO NORTE SANTA CATARINA

IV-027 - ASPECTOS HIDROLÓGICOS E QUALIDADE DA ÁGUA DO RIO CUBATÃO NORTE SANTA CATARINA 22º Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental 14 a 19 de Setembro 2003 - Joinville - Santa Catarina IV-027 - ASPECTOS HIDROLÓGICOS E QUALIDADE DA ÁGUA DO RIO CUBATÃO NORTE SANTA CATARINA

Leia mais

Portaria de Potabilidade de Água Evolução e desafios contínuos

Portaria de Potabilidade de Água Evolução e desafios contínuos Portaria de Potabilidade de Água Evolução e desafios contínuos A evolução ao longo de anos das portarias sobre potabilidade de água tem sido um exemplo a ser seguido por outras legislações. A cada revisão

Leia mais

PROGRAMA DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA DE PISCINAS PÚBLICAS (TIPO 1)

PROGRAMA DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA DE PISCINAS PÚBLICAS (TIPO 1) PROGRAMA DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA DE PISCINAS PÚBLICAS (TIPO ) Coordenadoras Cláudia Arcanjo, Técnica de Saúde Ambiental Lola Monteiro, Técnica de Saúde Ambiental Rosete Lourenço, Técnica de Saúde Ambiental

Leia mais

Anexo Técnico de Acreditação Nº L0398-1 Accreditation Annex nr.

Anexo Técnico de Acreditação Nº L0398-1 Accreditation Annex nr. Rua António Gião, 2-5º 2829-53 CAPARICA Portugal Tel +35.22 948 2 Fax +35.22 948 22 Anexo Técnico de Acreditação Nº L398- A entidade a seguir indicada está acreditada como Laboratório de Ensaios, segundo

Leia mais

ORIENTAÇÕES PARA A EXECUÇÃO DO PROGRAMA DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA DE PISCINAS ANO 2012

ORIENTAÇÕES PARA A EXECUÇÃO DO PROGRAMA DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA DE PISCINAS ANO 2012 ORIENTAÇÕES PARA A EXECUÇÃO DO PROGRAMA DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA DE PISCINAS ANO 2012 NOVEMBRO DE 2011 Piscina uma parte ou um conjunto de construções e instalações que inclua um ou mais tanques artificiais

Leia mais

REGULAMENTO MUNICIPAL DE DESCARGAS DE ÁGUAS RESIDUAIS NA REDE DE COLECTORES DA ZIL

REGULAMENTO MUNICIPAL DE DESCARGAS DE ÁGUAS RESIDUAIS NA REDE DE COLECTORES DA ZIL MUNICIPAL DE DESCARGAS DE ÁGUAS RESIDUAIS NA REDE DE COLECTORES DA ZIL Regulamento Municipal de Descargas de Águas Residuais na Rede de Colectores da ZIL NOTA JUSTIFICATIVA O artigo 116º do Código do Código

Leia mais

A.R.S. ALENTEJO, I.P. DEPARTAMENTO DE SAÚDE PÚBLICA LABORATÓRIOS DE SAÚDE PÚBLICA

A.R.S. ALENTEJO, I.P. DEPARTAMENTO DE SAÚDE PÚBLICA LABORATÓRIOS DE SAÚDE PÚBLICA TABELA DE S ANÁLISE DE ÁGUAS DESTINADAS A CONSUMO HUMANO ANÁLISE FÍSICA-QUÍMICA SUMÁRIA ANÁLISES POR GRUPO DE ENSAIO Q1 Condutividade, oxidabilidade, turvação, cor, ph, alcalinidade, dureza total, nitratos,

Leia mais

SISTEMA DE SANTO ANTÓNIO

SISTEMA DE SANTO ANTÓNIO PROGRAMA DE CONTROLO DA QUALIDADE DA ÁGUA (PCQA) - 2014 RESULTADOS DA QUALIDADE DA ÁGUA CONCELHO DE PONTA DELGADA SISTEMA DE ABASTECIMENTO: SISTEMA DE SANTO ANTÓNIO Os resultados das análises definidas

Leia mais

Relatório de Ensaios Nr: 1523 Versão: 1.0 Pag 1 de 5 Boletim Definitivo

Relatório de Ensaios Nr: 1523 Versão: 1.0 Pag 1 de 5 Boletim Definitivo Relatório de s Nr: 1523 Versão: 1.0 Pag 1 de 5 Bactérias coliformes (coliformes totais) 0 ufc/0ml 0 Método Interno (PTM 4) (2015-08-27) Escherichia coli 0 ufc/0ml 0 Método Interno (PTM 4) (2015-08-27)

Leia mais

ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC 17025 ENSAIO

ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC 17025 ENSAIO Norma de Origem: NIT-DICLA-013 Folha: 1 / 6 RAZÃO SOCIAL/DESIGNAÇÃO DO LABORATÓRIO CASCARDI SANEAMENTO BÁSICO LTDA S BIOLÓGICOS NORMA E /OU PROCEDIMENTO CONSUMO HUMANO, ÁGUA TRATADA E Contagem Padrão de

Leia mais

Matriz I Acreditação Flexível Intermédia - Lista de Ensaios Acreditados

Matriz I Acreditação Flexível Intermédia - Lista de Ensaios Acreditados 1 Águas de consumo e Determinação de ph Potenciometria PTL/0036 (2009-04-24) 0 2 Determinação de Condutividade Conductimetria PTL/0037 (2009-04-24) 0 3 Determinação de Alcalinidade Volumetria com deteção

Leia mais

MUNICÍPIO DE REDONDO PROGRAMA DE CONTROLO DE QUALIDADE ÁGUAS PARA CONSUMO HUMANO

MUNICÍPIO DE REDONDO PROGRAMA DE CONTROLO DE QUALIDADE ÁGUAS PARA CONSUMO HUMANO MUNICÍPIO DE REDONDO PROGRAMA DE CONTROLO DE QUALIDADE ÁGUAS PARA CONSUMO HUMANO 2007 1) ZONAS DE ABASTECIMENTO a) ZONA DE ABASTECIMENTO DA VIGIA 2) CARACTERIZAÇÃO DAS ZONAS DE ABASTECIMENTO ZONA de Origem

Leia mais

PROGRAMA DE CONTROLO DE QUALIDADE ÁGUAS PARA CONSUMO HUMANO MUNICÍPIO DE REDONDO

PROGRAMA DE CONTROLO DE QUALIDADE ÁGUAS PARA CONSUMO HUMANO MUNICÍPIO DE REDONDO PROGRAMA DE CONTROLO DE QUALIDADE ÁGUAS PARA CONSUMO HUMANO MUNICÍPIO DE REDONDO 2006 1) ZONAS DE ABASTECIMENTO a) ZONA DE ABASTECIMENTO DA VIGIA b) ZONA DE ABASTECIMENTO DA CADIEIRA 2) CARACTERIZAÇÃO

Leia mais

Área de Atividade/Produto Classe de Ensaio/Descrição do Ensaio Norma e/ou Procedimento

Área de Atividade/Produto Classe de Ensaio/Descrição do Ensaio Norma e/ou Procedimento Folha: 1 de 5 Determinação de Cor Aparente - Espectrometria UV / VIS LQ: 2,5 PtCo/L Determinação de Aspecto - APPPEARANCE LQ: não se aplica Determinação de Turbidez por Turbidimetria LQ: 0,4 NTU Determinação

Leia mais

Relatório de Ensaios Nº 10869/2015-1.0. Resultados Analíticos

Relatório de Ensaios Nº 10869/2015-1.0. Resultados Analíticos Relatório de Ensaios Nº 10869/2015-1.0 Processo Comercial Nº 283/2015.1 Dados referentes ao cliente Empresa solicitante SERVIÇO AUTÔNOMO DE ÁGUA E ESGOTO DE CRUZEIRO-SAAE CNPJ 48.971.139/0001-09 Endereço

Leia mais

Anexo Técnico de Acreditação Nº L0271-1 Accreditation Annex nº

Anexo Técnico de Acreditação Nº L0271-1 Accreditation Annex nº A entidade a seguir indicada está acreditada como de Ensaios, segundo a norma NP EN ISO/IEC 1725:25 Endereço Address R. Coronel Júlio Veiga Simão - Loreto 32-53 Coimbra Contacto Contact Telefone Fax E-mail

Leia mais

REGULAMENTO DE DESCARGAS INDUSTRIAIS MUNICÍPIO DE BRAGA PUBLICADO EM DIÁRIO DA REPÚBLICA, 2.ª SÉRIE - N.º 71 13 ABRIL DE 2015

REGULAMENTO DE DESCARGAS INDUSTRIAIS MUNICÍPIO DE BRAGA PUBLICADO EM DIÁRIO DA REPÚBLICA, 2.ª SÉRIE - N.º 71 13 ABRIL DE 2015 REGULAMENTO DE DESCARGAS INDUSTRIAIS MUNICÍPIO DE BRAGA PUBLICADO EM DIÁRIO DA REPÚBLICA, 2.ª SÉRIE - N.º 71 13 ABRIL DE 2015 EM VIGOR A PARTIR DE 2015-05-05 Regulamento de Descargas Industriais do Município

Leia mais

Valongo- 24 de abril de 2014. Ana Heitor ana.heitor@arsnorte.min-saude.pt

Valongo- 24 de abril de 2014. Ana Heitor ana.heitor@arsnorte.min-saude.pt Ana Heitor ana.heitor@arsnorte.min-saude.pt Água, o princípio de todas as coisas Tales de Mileto, 625 a.c. Ideias são sementes Há 2.000 anos, a população mundial correspondia a 3% da população actual,

Leia mais

SISTEMA AQUÍFERO: VIANA DO ALENTEJO ALVITO (A6)

SISTEMA AQUÍFERO: VIANA DO ALENTEJO ALVITO (A6) SISTEMA AQUÍFERO: VIANA DO ALENTEJO ALVITO (A6) Figura A6.1 Enquadramento litoestratigráfico do sistema aquífero Sistema Aquífero: Viana do Alentejo-Alvito (A6) 92 Identificação Unidade Hidrogeológica:

Leia mais

MUNICÍPIO DE ALCOCHETE CÂMARA MUNICIPAL DE ALCOCHETE 1.º TRIMESTRE DE 2016 MAPA DE RESULTADOS DA VERIFICAÇÃO DE QUALIDADE DA ÁGUA PARA CONSUMO HUMANO

MUNICÍPIO DE ALCOCHETE CÂMARA MUNICIPAL DE ALCOCHETE 1.º TRIMESTRE DE 2016 MAPA DE RESULTADOS DA VERIFICAÇÃO DE QUALIDADE DA ÁGUA PARA CONSUMO HUMANO A29 A2 A35 A4 A30 A6 CR1 Unidades 6-jan 20-jan 3-fev 17-fev 2-mar 16-mar Eschericia Coli (E. Coli) UFC/100ml 0 0 0 0 0 0 0 Bactérias Coliformes UFC/100ml 0 0 0 0 0 0 0 Cloro livre mg/l 0,5 0,5 0,4 0,3

Leia mais

CONTROLO DA QUALIDADE DA ÁGUA PARA CONSUMO HUMANO 2016 INFORMAÇÃO

CONTROLO DA QUALIDADE DA ÁGUA PARA CONSUMO HUMANO 2016 INFORMAÇÃO CONTROLO DA QUALIDADE DA ÁGUA PARA CONSUMO HUMANO 2016 INFORMAÇÃO 10 2016 Os parâmetros analisados no dia 03 e 17 de outubro, Controlo de Rotina 1, Controlo de Rotina 2 Controlo de Inspeção e Controlo

Leia mais

RELATÓRIO ANUAL DE QUALIDADE DAS ÁGUAS DE ABASTECIMENTO - 2009

RELATÓRIO ANUAL DE QUALIDADE DAS ÁGUAS DE ABASTECIMENTO - 2009 RELATÓRIO ANUAL DE QUALIDADE DAS ÁGUAS DE ABASTECIMENTO - 2009 INTRODUÇÃO O objetivo deste relatório é apresentar os resultados, relativos ao ano de 2009, de qualidade das águas de abastecimento de Jurerê

Leia mais

PROCESSO E-07/202154/2001 QUALY LAB ANÁLISES AMBIENTAIS LTDA - 13/06/2014

PROCESSO E-07/202154/2001 QUALY LAB ANÁLISES AMBIENTAIS LTDA - 13/06/2014 Boletim de Serviço Boletim de Serviço é uma publicação do Instituto Estadual do Ambiente, destinada a dar publicidade aos atos administrativos da instituição. Presidente Isaura Maria Ferreira Frega Vice-Presidente

Leia mais

RELATÓRIO DE FISCALIZAÇÃO SISTEMAS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA E DE ESGOTAMENTO SANITÁRIO DO MUNICÍPIO DE URUÇUCA

RELATÓRIO DE FISCALIZAÇÃO SISTEMAS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA E DE ESGOTAMENTO SANITÁRIO DO MUNICÍPIO DE URUÇUCA RELATÓRIO DE FISCALIZAÇÃO SISTEMAS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA E DE ESGOTAMENTO SANITÁRIO DO MUNICÍPIO DE URUÇUCA Julho / 2014 1 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO... 5 2 OBJETIVOS... 6 3 METODOLOGIA... 7 3.1 ESCOPO DA

Leia mais

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS. Proposta de Lei n.º 140/XII. Exposição de Motivos

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS. Proposta de Lei n.º 140/XII. Exposição de Motivos Proposta de Lei n.º 140/XII Exposição de Motivos A reorganização dos sectores das águas e dos resíduos é um dos grandes desafios a que o Governo se propõe, em vista da resolução de problemas ambientais

Leia mais

Documento Assinado Digitalmente

Documento Assinado Digitalmente CERTIFICADO DE CADASTRO DE LABORATÓRIO A Fundação Estadual de Proteção Ambiental, criada pela Lei Estadual nº 9.077 de 04/06/90, registrada no Ofício do Registro Oficial em 01/02/91, e com seu Estatuto

Leia mais

PLOCHERKAT PLOCHER KAT. Os efeitos do Plocher WasserKat: Os problemas da água canalizada: Redução substancial da adesão calcária

PLOCHERKAT PLOCHER KAT. Os efeitos do Plocher WasserKat: Os problemas da água canalizada: Redução substancial da adesão calcária PLOCHER KAT Sistema bio-catalítico para tratamento de águas canalizadas Este processo 1% natural ercializado há mais de 25 anos, garante a regeneração e estabilização meios aquáticos o: águas canalizadas,

Leia mais

Anexo Técnico de Acreditação Nº L0284-1 Accreditation Annex nº

Anexo Técnico de Acreditação Nº L0284-1 Accreditation Annex nº Rua António Gião, 2-5º 2829-53 CAPARICA Portugal Tel +35.22 948 2 Fax +35.22 948 22 Anexo Técnico de Acreditação Nº L284- A entidade a seguir indicada está acreditada como Laboratório de Ensaios, segundo

Leia mais

I-146 - CARACTERIZAÇÃO DE ÁGUA SUBTERRÂNEA DE POÇOS TUBULARES EM COMUNIDADES RURAIS NA AMAZÔNIA SUJEITAS À INUNDAÇÃO PERIÓDICA

I-146 - CARACTERIZAÇÃO DE ÁGUA SUBTERRÂNEA DE POÇOS TUBULARES EM COMUNIDADES RURAIS NA AMAZÔNIA SUJEITAS À INUNDAÇÃO PERIÓDICA I-146 - CARACTERIZAÇÃO DE ÁGUA SUBTERRÂNEA DE POÇOS TUBULARES EM COMUNIDADES RURAIS NA AMAZÔNIA SUJEITAS À INUNDAÇÃO PERIÓDICA Rainier Pedraça de Azevedo (1) Engenheiro Civil graduado pela Universidade

Leia mais

VIGILÂNCIA SANITÁRIA DA ÁGUA DESTINADA AO CONSUMO HUMANO DECRETO-LEI Nº 243/01 DE 5 DE SETEMBRO

VIGILÂNCIA SANITÁRIA DA ÁGUA DESTINADA AO CONSUMO HUMANO DECRETO-LEI Nº 243/01 DE 5 DE SETEMBRO VIGILÂNCIA SANITÁRIA DA ÁGUA DESTINADA AO CONSUMO HUMANO ORIENTAÇÕES FACE AO Vigilância Sanitária Conjunto de acções desenvolvidas com vista à avaliação da qualidade da água e à prevenção de riscos para

Leia mais

Valongo. Laurinda de Queirós Delegada de Saúde Maia/Valongo

Valongo. Laurinda de Queirós Delegada de Saúde Maia/Valongo 24 de Abril 2014 Valongo Laurinda de Queirós Delegada de Saúde Maia/Valongo Sumário Introdução Vigilância da água para consumo humano Vl Valongo Histórico Situação atual Comentário final Rio Ferreira Rio

Leia mais

Relatório Técnico_ Apresentação Trimestral

Relatório Técnico_ Apresentação Trimestral Relatório Técnico_ Apresentação Trimestral Entidade Gestora Município de Fornos de Algodres Campanha de Controlo 3º Trimestre de 2016 1. INTRODUÇÃO A qualidade da água fornecida aos seus consumidores é

Leia mais

RELATÓRIO ANUAL DE QUALIDADE DA ÁGUA 2014

RELATÓRIO ANUAL DE QUALIDADE DA ÁGUA 2014 RELATÓRIO ANUAL DE QUALIDADE DA ÁGUA 2014 A LITORAL SANEAMENTO LTDA, atuante como concessionária do Município de Jaguaruna SC, prestando serviços de abastecimento de água nos Balneários Copa 70, Balneário

Leia mais

Regulamento relativo ao lançamento, liquidação e cobrança de taxas e tarifas devidas pela realização de serviços prestados na área de saneamento

Regulamento relativo ao lançamento, liquidação e cobrança de taxas e tarifas devidas pela realização de serviços prestados na área de saneamento Regulamento relativo ao lançamento, liquidação e cobrança de taxas e tarifas devidas pela realização de serviços prestados na área de saneamento básico. Nota justificativa O Regulamento de Liquidação e

Leia mais

Código de Conduta de Promotores OREY FINANCIAL INSTITUIÇÃO FINANCEIRA DE CRÉDITO, S.A.

Código de Conduta de Promotores OREY FINANCIAL INSTITUIÇÃO FINANCEIRA DE CRÉDITO, S.A. Código de Conduta de Promotores OREY FINANCIAL INSTITUIÇÃO FINANCEIRA DE CRÉDITO, S.A. Novembro de 2011 CÓDIGO DE CONDUTA DE PROMOTORES O objectivo deste documento é o de fixar um código de conduta e um

Leia mais

Relatório de Laboratórios Certificados pela FATMA até 11/2013

Relatório de Laboratórios Certificados pela FATMA até 11/2013 Relatório de Laboratórios Certificados pela FATMA até 11/2013 Nome do Laboratório No da Certidão Validade Credenciador Matriz Descrição do Parâmetro Acquaplant Quimica do Brasil Ltda. 3/2013 20-12-2014

Leia mais

REGULAMENTO DO CURSO DE MESTRADO (2º CICLO) EM ENGENHARIA ZOOTÉCNICA / PRODUÇÃO ANIMAL

REGULAMENTO DO CURSO DE MESTRADO (2º CICLO) EM ENGENHARIA ZOOTÉCNICA / PRODUÇÃO ANIMAL REGULAMENTO DO CURSO DE MESTRADO (2º CICLO) EM ENGENHARIA ZOOTÉCNICA / PRODUÇÃO ANIMAL Ao abrigo do Decreto-Lei nº 74/2006 de 24 de Março, e do disposto na Deliberação nº 1487/2006 de 26 de Outubro, da

Leia mais

Rua Hintze Ribeiro Nº 39 a Ponta Delgada Tel.: Fax.: Boletim Definitivo

Rua Hintze Ribeiro Nº 39 a Ponta Delgada Tel.: Fax.: Boletim Definitivo RECEBIDA NO LABORATÓRIO: Alumínio Absorção Molecular - ME-17 rev.08 de 200 29/02/2016 Cloretos Titulimetria - NP 423:1966 250 < 60 (LQ) µg/l Al 3,0x10^2 mg/l Cl- Colheita de amostras para análise de parâmetros

Leia mais

ELEMENTOS NECESSÁRIOS À INSTRUÇÃO DO PEDIDO DE LICENÇA DE UTILIZAÇÃO DOS RECURSOS HÍDRICOS DESCARGA DE ÁGUAS RESIDUAIS

ELEMENTOS NECESSÁRIOS À INSTRUÇÃO DO PEDIDO DE LICENÇA DE UTILIZAÇÃO DOS RECURSOS HÍDRICOS DESCARGA DE ÁGUAS RESIDUAIS ELEMENTOS NECESSÁRIOS À INSTRUÇÃO DO PEDIDO DE LICENÇA DE UTILIZAÇÃO DOS RECURSOS HÍDRICOS DESCARGA DE ÁGUAS RESIDUAIS I IDENTIFICAÇÃO DO REQUERENTE Nome/Denominação social, identificação fiscal n.º, bilhete

Leia mais

CARACTERÍSTICAS FÍSICAS E QUÍMICAS DA ÁGUA ADUZIDA A LISBOA -INFLUÊNCIA NA QUALIDADE DA ÁGUA DISTRIBUÍDA- RESUMO

CARACTERÍSTICAS FÍSICAS E QUÍMICAS DA ÁGUA ADUZIDA A LISBOA -INFLUÊNCIA NA QUALIDADE DA ÁGUA DISTRIBUÍDA- RESUMO CARACTERÍSTICAS FÍSICAS E QUÍMICAS DA ÁGUA ADUZIDA A LISBOA -INFLUÊNCIA NA QUALIDADE DA ÁGUA DISTRIBUÍDA- Maria João BENOLIEL 1, Maria Augusta CAVACO 2, Sandra GANCHO 3 RESUMO O presente trabalho tem por

Leia mais

POC 13 - NORMAS DE CONSOLIDAÇÃO DE CONTAS

POC 13 - NORMAS DE CONSOLIDAÇÃO DE CONTAS POC 13 - NORMAS DE CONSOLIDAÇÃO DE CONTAS 13.1 - Aspectos preliminares As demonstrações financeiras consolidadas constituem um complemento e não um substituto das demonstrações financeiras individuais

Leia mais

Documento Assinado Digitalmente

Documento Assinado Digitalmente CERTIFICADO DE CADASTRO DE LABORATÓRIO A Fundação Estadual de Proteção Ambiental, criada pela Lei Estadual nº 9.077 de 04/06/90 e com seus Estatutos aprovados pelo Decreto nº 33.765, de 28/12/90, registrado

Leia mais

Certificado Energético Edifício de Habitação IDENTIFICAÇÃO POSTAL. Morada RUA DA CARAPINHEIRA, 14 E 16, Localidade CARAPINHEIRA

Certificado Energético Edifício de Habitação IDENTIFICAÇÃO POSTAL. Morada RUA DA CARAPINHEIRA, 14 E 16, Localidade CARAPINHEIRA Válido até 05/05/2025 IDENTIFICAÇÃO POSTAL Morada RUA DA CARAPINHEIRA, 14 E 16, Localidade CARAPINHEIRA Freguesia CARAPINHEIRA Concelho MONTEMOR-O-VELHO GPS 40.206620, -8.649000 IDENTIFICAÇÃO PREDIAL/FISCAL

Leia mais

Regulamento para a Concessão de Subsídios a Entidades e Organismos que Prossigam Fins de Interesse Público da Freguesia de Areeiro CAPÍTULO I

Regulamento para a Concessão de Subsídios a Entidades e Organismos que Prossigam Fins de Interesse Público da Freguesia de Areeiro CAPÍTULO I Regulamento para a Concessão de Subsídios a Entidades e Organismos que Prossigam Fins de Interesse Público da Freguesia de Areeiro CAPÍTULO I Disposições Gerais Artigo 1º Objecto O presente regulamento

Leia mais

Relatório Técnico_ Apresentação Trimestral

Relatório Técnico_ Apresentação Trimestral Relatório Técnico_ Apresentação Trimestral Entidade Gestora Município de Fornos de Algodres Campanha de Controlo 3º Trimestre de 2015 1. INTRODUÇÃO A qualidade da água fornecida aos seus consumidores é

Leia mais

Portaria MS nº 2.914 12/12/2011

Portaria MS nº 2.914 12/12/2011 Ministério da Saúde Secretaria de Vigilância em Saúde Departamento de Vigilância em Saúde Ambiental e Saúde do Trabalhador Coordenação Geral de Vigilância em Saúde Ambiental REUNIÃO ANUAL VIGIAGUA - 2012

Leia mais

Certificado de Qualidade do Etanol

Certificado de Qualidade do Etanol Manual do Usuário Qualidade Combustível INTRODUÇÃO. A proposta deste documento é orientar e esclarecer os agentes da cadeia Combustível na emissão do Certificado da Qualidade e no envio mensal de dados

Leia mais

Manual do Revisor Oficial de Contas. Projecto de Directriz de Revisão/Auditoria 860

Manual do Revisor Oficial de Contas. Projecto de Directriz de Revisão/Auditoria 860 Índice Projecto de Directriz de Revisão/Auditoria 860 PROJECTO DE DIRECTRIZ DE REVISÃO/AUDITORIA 860 Dezembro de 2008 Relatório Sobre o Sistema de Controlo Interno das Instituições de Crédito e Sociedades

Leia mais

Ensaio de Aptidão. Águas Residuais 2016. Efluentes Tratados/ Efluentes Não Tratados/ Lixiviados. Ref.: EAp/AR/2016 Ed.: 01 Data: 2016-04-04

Ensaio de Aptidão. Águas Residuais 2016. Efluentes Tratados/ Efluentes Não Tratados/ Lixiviados. Ref.: EAp/AR/2016 Ed.: 01 Data: 2016-04-04 Ensaio de Aptidão Águas Residuais 2016 Efluentes Tratados/ Efluentes Não Tratados/ Lixiviados 1. Introdução Este Programa de Ensaios de Aptidão de Águas Residuais 2016, consiste na determinação de um conjunto

Leia mais

Agroleico Açores. Boletim Definitivo 09:20 DO RÓTULO: Parâmetro Método de Análise Limite Lei a)

Agroleico Açores. Boletim Definitivo 09:20 DO RÓTULO: Parâmetro Método de Análise Limite Lei a) RECEBIDA NO LABORATÓRIO: DATA COLHEITA: Nitritos Absorção Molecular - NP 624:1972 0,5 < 0,02 (LQ) mg/l NO2 Ferro Absorção Molecular - NP 2202:1996 200 Cloretos Titulimetria - NP 423:1966 250 Alumínio Absorção

Leia mais

RELATÓRIO DE ENSAIO Nº 0735/14 PORTARIA MS 2914

RELATÓRIO DE ENSAIO Nº 0735/14 PORTARIA MS 2914 DADOS REFERENTE AO LABORATÓRIO NOME: YOFEL SERV. E COM. TRATAMENTO DE ÁGUA LTDA. CNPJ: 05.053.575/0001-96 ENDEREÇO: RUA GASTÃO VIDIGAL, 16 - SANTO ÁNDRE SÁO PAULO. TEL: 4513-7348 TEL: 4513-7348 E-MAIL:

Leia mais

Anexo Técnico de Acreditação Nº L0252-1 Accreditation Annex nr.

Anexo Técnico de Acreditação Nº L0252-1 Accreditation Annex nr. Rua António Gião, 2-5º 2829-53 CAPARICA Portugal Tel +35.22 948 20 Fax +35.22 948 202 Anexo Técnico de Acreditação Nº L0252- A entidade a seguir indicada está acreditada como Laboratório de Ensaios, segundo

Leia mais

Rua Hintze Ribeiro Nº 39 a Ponta Delgada Tel.: Fax.: Boletim Definitivo

Rua Hintze Ribeiro Nº 39 a Ponta Delgada Tel.: Fax.: Boletim Definitivo RECEBIDA NO LABORATÓRIO: Alumínio Absorção Molecular - ME-17 rev.07 de 200 17/11/2014 Cloretos Titulimetria - NP 423:1966 250 < 60 (LQ) µg/l Al 114 mg/l Cl- Colheita de amostras para análise de parâmetros

Leia mais

PAC 05. Água de Abastecimento

PAC 05. Água de Abastecimento PAC 05 Página 1 de 9 PAC 05 Água de Abastecimento PAC 05 Página 2 de 9 1. Objetivo----------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------03

Leia mais

DECRETO-LEI Nº 207/94 DE 6 DE AGOSTO

DECRETO-LEI Nº 207/94 DE 6 DE AGOSTO Decreto-Lei n.º 207/94, de 6 de Agosto Sumário: Aprova o regime de concepção, instalação e exploração dos sistemas públicos e prediais de distribuição de água e drenagem de águas residuais. Texto: Os problemas

Leia mais

Conselho Geral e de Supervisão REGULAMENTO INTERNO COMISSÃO PARA AS MATÉRIAS FINANCEIRAS/COMISSÃO DE AUDITORIA

Conselho Geral e de Supervisão REGULAMENTO INTERNO COMISSÃO PARA AS MATÉRIAS FINANCEIRAS/COMISSÃO DE AUDITORIA Conselho Geral e de Supervisão REGULAMENTO INTERNO COMISSÃO PARA AS MATÉRIAS FINANCEIRAS/COMISSÃO DE AUDITORIA Aprovado em 18 de Junho de 2015 REGULAMENTO INTERNO DA COMISSÃO PARA AS MATÉRIAS FINANCEIRAS/COMISSÃO

Leia mais

REGULAMENTO DE OPERAÇÃO DAS INFRA-ESTRUTURAS

REGULAMENTO DE OPERAÇÃO DAS INFRA-ESTRUTURAS REGULAMENTO DE OPERAÇÃO DAS INFRA-ESTRUTURAS DO SECTOR DO GÁS NATURAL Fevereiro 2010 ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS Rua Dom Cristóvão da Gama n.º 1-3.º 1400-113 Lisboa Tel: 213 033 200 Fax:

Leia mais

PRINCÍPIOS DE ENQUADRAMENTO DO VOLUNTARIADO DA UPORTO

PRINCÍPIOS DE ENQUADRAMENTO DO VOLUNTARIADO DA UPORTO Regulamentos PRINCÍPIOS DE ENQUADRAMENTO DO VOLUNTARIADO DA UPORTO Secção Permanente do Senado de 11 de Junho de 2008 Considerando: A importância social e cultural do voluntariado e o papel importante

Leia mais

PREÇOS A COBRAR POR SERVIÇOS PRESTADOS

PREÇOS A COBRAR POR SERVIÇOS PRESTADOS PREÇOS A COBRAR POR SERVIÇOS PRESTADOS DESCRIÇÃO Valor em Euros CAPÍTULO I - SERVIÇOS DIVERSOS 1 - Chamadas telefónicas - por impulso 0,13 2 - Fornecimento de Livro de Obra 11,47 3 - Fornecimento de Aviso

Leia mais

A REABILITAÇÃO DA ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ÁGUA DE VALADA/VALE DA PEDRA (EPAL) Ana AMBRÓSIO DE SOUSA(1); José NICOLAU LOPES(2); Amílcar AMBRÓSIO(3)

A REABILITAÇÃO DA ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ÁGUA DE VALADA/VALE DA PEDRA (EPAL) Ana AMBRÓSIO DE SOUSA(1); José NICOLAU LOPES(2); Amílcar AMBRÓSIO(3) A REABILITAÇÃO DA ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ÁGUA DE VALADA/VALE DA PEDRA (EPAL) Ana AMBRÓSIO DE SOUSA(1); José NICOLAU LOPES(2); Amílcar AMBRÓSIO(3) RESUMO A Estação de Tratamento de Água de Valada/Vale

Leia mais

Versão Consolidada. Portaria n.º 482/2009, de 6 de Maio

Versão Consolidada. Portaria n.º 482/2009, de 6 de Maio Portaria n.º 482/2009, de 6 de Maio O Regulamento (CE) n.º 1698/2005, do Conselho, de 20 de Setembro, relativo ao apoio ao desenvolvimento rural pelo Fundo Europeu Agrícola de Desenvolvimento Rural (FEADER),

Leia mais

MODELO DE COMUNICAÇÃO DE ALTERAÇÕES

MODELO DE COMUNICAÇÃO DE ALTERAÇÕES MODELO DE COMUNICAÇÃO DE ALTERAÇÕES GUIÃO DE UTILIZAÇÃO FORMULÁRIO DE COMUNICAÇÃO DE ALTERAÇÕES - 1 - INSTRUÇÕES DE PREENCHIMENTO Questões Prévias: 1. A Entidade Titular do Pedido de Financiamento deverá

Leia mais

Licenciamento de fossas séticas com sistemas de infiltração

Licenciamento de fossas séticas com sistemas de infiltração SEMINÁRIO OTIMIZAÇÃO NA GESTÃO DE FOSSAS SÉTICAS SESSÃO 1 GESTÃO DE FOSSAS SÉTICAS BOAS PRÁTICAS Licenciamento de fossas séticas com sistemas de infiltração Fernanda Gomes (APA) Simone Martins (APA) Teatro

Leia mais

Lista de Ensaios Acreditados - Âmbito Flexivel. Anexo Técnico de Acreditação, L0297-1

Lista de Ensaios Acreditados - Âmbito Flexivel. Anexo Técnico de Acreditação, L0297-1 1.1.1 Determinação de Ferro 1.1.2 Determinação de Cobre 1.1.3 Determinação de Cádmio 1.1.4 Determinação de Chumbo 1.1.5 Determinação de Crómio 1.1.6 Determinação de Manganês 1.1.7 Determinação de Níquel

Leia mais

SISTEMA AQUÍFERO: COVÕES (M1)

SISTEMA AQUÍFERO: COVÕES (M1) SISTEMA AQUÍFERO: COVÕES (M1) Figura M1.1 Enquadramento litoestratigráfico do sistema aquífero Covões Sistema Aquífero: Covões (M1) 438 Identificação Unidade Hidrogeológica: Orla Meridional Bacia Hidrográfica:

Leia mais

REGULAMENTO MUNICIPAL DO ABASTECIMENTO DE ÁGUA E DA DRENAGEM DE ÁGUAS RESIDUAIS DO BARREIRO CÂMARA MUNICIPAL DO BARREIRO 2011

REGULAMENTO MUNICIPAL DO ABASTECIMENTO DE ÁGUA E DA DRENAGEM DE ÁGUAS RESIDUAIS DO BARREIRO CÂMARA MUNICIPAL DO BARREIRO 2011 REGULAMENTO MUNICIPAL DO ABASTECIMENTO DE ÁGUA E DA DRENAGEM DE ÁGUAS RESIDUAIS DO BARREIRO CÂMARA MUNICIPAL DO BARREIRO 2011 ÍNDICE TÍTULO I - DISPOSIÇÕES GERAIS... 7 CAPÍTULO I - ÂMBITO DE APLICAÇÃO...

Leia mais

CONTROLE MENSAL - SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA (SAA)

CONTROLE MENSAL - SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA (SAA) CONTROLE MENSAL - SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA (SAA) IDENTIFICAÇÃO DO SAA UF PR Município Santa Cecília do Pavão Nome do SAA Mês/ano de referência 10/2014 Serviço Autônomo Municipal de Água e Esgoto

Leia mais

Campanha de Amostragem de Água Superficial Rio Joanes / Ponte da Estrada do Côco-

Campanha de Amostragem de Água Superficial Rio Joanes / Ponte da Estrada do Côco- Campanha de Amostragem de Água Superficial Rio Joanes / Ponte da Estrada do Côco Maio 2011 SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO... 2 2. AVALIAÇÃO HIDROQUÍMICA... 3 3. CONCLUSÕES... 6 FIGURAS 2.1 PONTO DE COLETA RIO JOANES:

Leia mais

REGULAMENTO E TABELA GERAL DE TAXAS DA FREGUESIA DE GUADALUPE (Aprovado em Reunião ordinária a 26 de Abril de 2011)

REGULAMENTO E TABELA GERAL DE TAXAS DA FREGUESIA DE GUADALUPE (Aprovado em Reunião ordinária a 26 de Abril de 2011) Junta de Freguesia de Guadalupe REGULAMENTO E TABELA GERAL DE TAXAS DA FREGUESIA DE GUADALUPE (Aprovado em Reunião ordinária a 26 de Abril de 2011) PREÂMBULO A Lei nº 53-E/2006, de 29 de Dezembro, aprovou

Leia mais

RESOLUÇÃO CRH Nº 10 /09, DE 03 DE DEZEMBRO DE 2009.

RESOLUÇÃO CRH Nº 10 /09, DE 03 DE DEZEMBRO DE 2009. RESOLUÇÃO CRH Nº 10 /09, DE 03 DE DEZEMBRO DE 2009. Dispõe sobre a obrigatoriedade de realização de Análises Físico-químicas e Bacteriológicas com parâmetros físico-químicos e bacteriológicos específicos,

Leia mais

JORNAL OFICIAL Segunda-feira, 30 de Agosto de 2010

JORNAL OFICIAL Segunda-feira, 30 de Agosto de 2010 REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA JORNAL OFICIAL Segunda-feira, 30 de Agosto de 2010 I Série Sumário SECRETARIAREGIONAL DO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATURAIS Portaria n.º 61/2010 Aprova o Regulamento de Aplicação

Leia mais