Projeto de pesquisa: Africanos, descendentes e comunidades linguísticas no Brasil e no

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Projeto de pesquisa: Africanos, descendentes e comunidades linguísticas no Brasil e no"

Transcrição

1 Fundação Casa de Rui Barbosa Ivana Stolze Lima Programa de Iniciação Científica Projeto de pesquisa: Africanos, descendentes e comunidades linguísticas no Brasil e no mundo atlântico 1 O projeto de pesquisa Africanos, descendentes e comunidades linguísticas no Brasil e no mundo atlântico propõe um desdobramento e ampliação da pesquisa desenvolvida nos últimos anos, a partir do núcleo original formulado no projeto Língua nacional e voz escrava: conflitos sociais e simbólicos no Império do Brasil. O conjunto de questões com que temos trabalhado pode ser sintetizado a partir de uma dupla constatação sobre a primeira metade do século XIX. Por um lado, este foi um momento chave na expansão e naturalização da língua portuguesa no Brasil pensemos na rápida difusão da imprensa, na criação das escolas de instrução primária, na expansão da cultura escrita (cuja importância ainda está por ser devidamente redimensionada) na dimensão administrativa envolvida na construção do Estado nacional, e afinal em toda a mobilização simbólica dos novos sentidos do ser brasileiro que se manifestou em diferentes campos da vida social e política 2. Por outro lado, esse foi um momento chave do tráfico, com a entrada de quase dois milhões de africanos, falantes de quimbundo, quicongo, iorubá, fon, haussá, macua e centenas de línguas. Minha intenção tem sido procurar formas de reflexão e entendimento da articulação dessas duas forças. Até o momento, mantive como foco o Rio de Janeiro, capital do Império, maior cidade escravista das Américas, e palco privilegiado dessas duas correntes. O foco em um determinado espaço e contexto histórico tem sido fundamental para evitar generalizações e estereótipos. 1 Essa é uma versão resumida de projeto aprovado pelo CNPq para obtenção da bolsa de produtividade no período Nessa versão procuramos sobretudo adequar o projeto à seleção de bolsistas do Programa de Incentivo à Produção do Conhecimento da FCRB. 2 LIMA, Ivana Stolze (2008). Língua nacional, histórias de um velho surrão. In: Laura do Carmo; Ivana Stolze Lima (org). História social da língua nacional. Rio de Janeiro: Edições Casa de Rui Barbosa. pp

2 2 No entanto, mantendo o cuidado com as especificidades, e inclusive contribuindo para melhor entendê-las, faz-se agora necessário um exame mais cuidadoso de outras situações. A própria identificação das línguas africanas trazidas ao Brasil constitui um campo ainda em aberto, com problemas metodológicos ligados à nomenclatura e ao entendimento detalhado do tráfico 3. A questão da comunicação entre e com africanos no contexto do tráfico poderá elucidar algumas dinâmicas linguísticas no Brasil, a partir da interrogação sobre experiências de agentes ligados ao tráfico. No período colonial, duas línguas africanas são particularmente interessantes de serem retomadas pela historiografia a partir de registros importantes: o quimbundo, objeto da Arte da língua de Angola, considerada a primeira gramática dessa língua, e que significativamente foi elaborada na cidade de Salvador no final do século XVII; e o fon, do grupo linguístico gbe, base da Obra Nova da língua geral de mina, vocabulário elaborado em Ouro Preto em meados do século XVIII 4. Nos últimos anos de pesquisa, para procurar atender à questão enunciada acima, tivemos como ponto de partida algumas interrogações, com as quais exploramos os anúncios de jornal relativos a fuga de escravos, como: que relação os escravos mantinham com a língua portuguesa? Seria possível quantificar ou elaborar séries que indicassem uma boa ou uma fraca habilidade nessa língua? Como entender as categorias acionadas nas descrições que proprietários faziam de seus escravos e que seriam compartilhadas pelos demais agentes sociais? 5 Tais questões apontaram para algumas outras, de ordem mais geral: qual o peso da linguagem nas relações entre senhores e escravos, indagação ainda mais pertinente quando levamos em conta o 3 BONVINI, Emilio. Línguas africanas e português falado no Brasil. In: FIORIN, Jose Luis e PETTER, Margarida (org). África no Brasil: a formação da língua portuguesa. São Paulo: Contexto, DIAS, Pedro. Arte da Lingua de Angola. Lisboa: Officina de Miguel Deslandes, Edição facsimilar. Rio de Janeiro, Biblioteca Nacional, 2006; PEIXOTO, Antonio da Costa. Obra nova da língua geral de mina. Lisboa: Agência Geral das Colônias, Esses resultados estão em vias de serem publicados em artigos de minha autoria. O mais recente é Escravos bem falantes e nacionalização linguística no Brasil uma perspectiva histórica. Estudos Históricos, nº 50, Países de Língua Portuguesa, , p

3 3 refinamento e detalhismo nas representações sobre a fala dos escravos? Que práticas ou estratégias de comunicação foram utilizadas pelos escravos? Trabalhamos com a hipótese central de que o aprendizado da língua servia à ordem senhorial, por um lado, mas era movido por lógicas de autonomia e comunidade entre os escravos. Assim, considerando que a linguagem é um campo onde afloram e se manifestam sentimentos de comunidade e diferença, acionando um certo jogo entre o que se entende como nós e o que se define como outros, essas questões ajudam a refletir sobre a experiência dos africanos e descendentes no Brasil e seus movimentos de construção e reconstrução de vínculos sociais e identitários. A comunicação entre os africanos e a identificação das línguas africanas No encaminhamento da pesquisa até aqui, nosso foco foi deliberadamente a língua portuguesa no Brasil, ou a língua nacional, em uma formulação conceitual mais pertinente para o nosso enfoque 6. Entretanto já havia sido definida a exploração dos indícios de uso de línguas maternas e línguas gerais africanas, em formas de comunidade que ocorriam em paralelo à incorporação à língua corrente. Nos anúncios de jornal, dentre os africanos, coletei informações sobre as seguintes nações : Moçambique (68), Mina (44) Congo (40), Angola (37), Benguela (35), Cabinda (32), Caçanje (12), Monjolo (12), Rebolo, Libolo ou Rebola (11), Quilimane (10), Inhambane (7), Ganguela (5), Cabunda (4) e algumas outras. Trata-se apenas de um pequeno recorte sobre as nações africanas que faziam parte da vida na cidade 7. Sabemos também que 6 Trabalhamos com esse conceito em dois seminários organizados na Fundação Casa de Rui Barbosa História Social da Língua Nacional (2008) e o 2º. Seminário História Social da Língua Nacional: Diáspora Africana (2010) e nos livros correspondentes e no artigo Por uma história social da língua nacional: algumas questões teóricas e metodológicas. Revista do Instituto Histórico e Geographico Brazileiro. jan-mar 2012, nº O trabalho de Mary Karasch é pioneiro nessa identificação das nações africanas do Rio. Mais recentemente, Flavio Gomes tornou-se também um referencial nessa dimensão. KARASCH, Mary. Vida dos escravos no Rio de Janeiro Sao Paulo, Companhia das Letras, GOMES, Flavio et alli. No labirinto das nações. Africanos e identidades no Rio de Janeiro, século XIX. Rio de Janeiro, Arquivo Nacional, 2005.

4 4 essas nações não indicavam exatamente o local de nascimento ou pertencimentos étnicos originais, e que o conceito de grupo de procedência, desenvolvido por Mariza Soares, é bastante pertinente para entendermos essas categorias, o que demonstra o quanto a história da longa trajetória de cativeiro sua origem, as rotas do tráfico, a vivência na América era significativa para cada um desses africanos. 8 Essa é uma perspectiva teórica importante, por manter sempre em tela que as línguas africanas estavam ali em permanente contato e concorrência com o português brasileiro nas diversas formas de comunicação entre os habitantes da cidade e outros contextos. Constitui um lugar comum na memória social 9 e na historiografia apontar a diversidade de línguas faladas pelos africanos trazidos para o Brasil como um empecilho para sua comunicação. José Honório Rodrigues, por exemplo, aponta uma política colonial que estimularia a diversidade de línguas, embora não apresente referências mais específicas para o que afirma, e nem questione a eficácia dessa política: Foi política colonial portuguesa variar o mais que pudesse a composição da gente africana que trazia para o Brasil. Assim evitavam sua unidade, pela diversidade de língua e os mantinham submissos. 10 Antonio Houaiss, apesar de atentar para as formas de comunicação travadas pelos africanos, para a convivência de códigos e para as línguas gerais, também reproduz o tópos da separação, afirmando que a mistura de línguas africanas, que as enfraquecia relativamente, começava nos portos e postos negreiros da 8 SOARES, Mariza de Carvalho. Mina, Angola e Guiné: Nomes d'áfrica no Rio de Janeiro setecentista. Tempo 3 6 (1998). Idem (org). Rotas atlânticas da diáspora Africana: da Baía do Benim ao Rio de Janeiro. Niterói, EDUFF, Idem. From Gbe to Yoruba: Ethnic Change and the Mina Nation in Rio de Janeiro. In: FALOLA, Toyin e CHILDS, Matt D. (org). The Yoruba Diaspora in the Atlantic World. Bloomington: Indiana University Press, Por exemplo, em visita guiada a uma fazenda particular na região do Vale do Paraíba, em novembro de 2011, uma apresentação de descendentes de escravos começava sua argumentação com essa afirmação. Essa suposta falta de comunicação teria moldado uma forma de resistência escrava, dando lugar à criação de uma forma independente de comunicação, o jongo. 10 RODRIGUES, José Honório. A vitória da língua portuguesa no Brasil colonial. Humanidades vol I, n. 4, julho/setembro de 1983, p.29.

5 5 África. E continua: O fato é que aqui chegados, eram separados, de modo que não ficassem juntos nem por línguas, nem por etnias, nem mesmo por famílias, a fim de serem quebrados nos seus eventuais ímpetos de rebeldia. 11 Houaiss também não apresenta uma referência específica para essa afirmação. Para reavaliar a diversidade de língua dos africanos como um empecilho para a comunicação, alguns questionamentos se impõem. Primeiro, em termos dos projetos: os diferentes agentes do tráfico, percorrendo toda a gradação de europeus e africanos envolvidos no processo, de fato levaram em conta determinadas características linguísticas dos povos que eram alvo das capturas, guerras ou outras formas de abastecimento do tráfico? Havia mesmo uma política lingüística nos navios? Pode-se localizar uma política colonial em relação a esse tema? 12 Não seria essencial evitar generalizações e levar em conta determinadas situações específicas, de acordo com as origens étnicas dos escravos, as rotas e diferentes fases do tráfico? Segundo, em termos da eficácia desses projetos: para além da suposta divisão estimulada por autoridades, traficantes, senhores, teria essa condição levado a uma dificuldade na comunicação entre os mesmos? Como os diferentes povos e agentes africanos se colocaram diante disso? Como se dava a intercomunicação entre esses envolvidos e qual o papel dos intérpretes? Essas questões estão sendo encaminhadas a partir dois eixos, um relacionado ao tráfico e um segundo eixo relacionado à experiência dos africanos no Brasil, distintos apenas para melhor operacionalizar a pesquisa. Para melhor articular as práticas de traficantes em relação à língua e às formas de vivência e comunicação específica entre os diferentes grupos linguísticos, iremos analisar algumas narrativas produzidas por europeus envolvidos com o tráfico, em distintas 11 HOUAISS, Antonio. O Português no Brasil. Pequena enciclopédia de cultura brasileira. Rio de Janeiro: Unibrade, 1985, p Sobre ações coloniais para separação de africanos por línguas, ver LARA, Silvia. Linguagem, domínio senhorial e identidade étnica nas Minas Gerais de meados do século XVIII. In: ALMEIDA, Miguel Valle de et al. (org). Trânsitos Coloniais. Lisboa: Imprensa de Ciências Sociais, Nesse texto, Lara se refere a correspondências trocadas entre autoridades colonias e metropolitanas a respeito da diversidade da escravaria.

6 6 regiões e épocas. Recuperar os usos das línguas africanas no período da escravidão é tarefa complexa, devido à discrepância entre a dimensão provável que tiveram esses usos e os registros diponíveis para o historiador. No entanto os dois documentos referidos acima, sobre o quimbundo e sobre o fon e línguas próximas do grupo gbe, ainda merecem mais atenção pela historiografia. A consideração dessas duas experiências coloniais pode inclusive gerar novas hipóteses para o entendimento da intercomunicação no século XIX, tanto no Rio de Janeiro como na região do Vale do Paraíba e mesmo outras partes do mundo atlântico. Hipóteses de trabalho A questão da diversidade de origens dos africanos será investigada, avaliando-se possíveis políticas linguísticas de traficantes e escravistas e os desdobramentos ou implicações dessas políticas para a formação de vínculos de comunidade linguística entre os africanos e descendentes. A consideração de contextos específicos ambiente urbano ou rural, condicionantes do tráfico e procedência dos africanos, formas de relação com a comunidade escrava precedente constituirá também uma hipótese pertinente para evitar generalizações e imprecisões.` Objetivos gerais Contribuir para a inclusão, no campo dos estudos históricos, e especialmente da história social da cultura, da temática da língua, até aqui pouco focalizada pela historiografia brasileira recente. Estimular a interdisciplinaridade entre a história e áreas relacionadas à linguística, sociolinguística e história das ideias linguísticas. Aprofundar o exame das interconexões entre África e Américas na formação do mundo atlântico. Objetivos específicos

7 7 Direcionar a pesquisa para os indícios sobre a circulação das línguas africanas no Brasil e no mundo atlântico para investigar as formas de comunidade linguística construídas por africanos e descendentes e outros grupos étnicos e sociais no Brasil Dar continuidade e complementar os objetivos específicos anteriores: explorar a relação entre a formação de uma língua nacional no Império e a sociedade escravista; mapear os mecanismos e procedimentos para incorporar os escravos e africanos à língua portuguesa; investigar as estratégias de escravos, crioulos e africanos, diante da situação da língua senhorial; analisar como dirigentes, escritores, publicistas do período aproximado entre entenderam as formas de comunicação travadas entre escravos e africanos. Plano de trabalho - Mundo atlântico e comunidades africanas no Brasil 1. A Arte da Língua de Angola e o quimbundo no Brasil. Bolsista de Iniciação Científica A arte da língua de Angola é a primeira gramática de quimbundo conhecida e foi publicada pelo jesuíta Pedro Dias em A obra foi elaborada a partir da vivência do padre em Salvador, e visava instruir os irmãos da Companhia de Jesus no Brasil para auxiliar a catequese dos africanos. Serafim Leite dá informações biográficas sobre Pedro Dias que devem ser relevantes para entender sua experiência na cidade de Salvador e o circuito no mundo atlântico 13. O uso do quimbundo no Brasil merece ainda ser sistematizado a partir de outras referências ainda dispersas, sendo algumas mais consistentes e outras mais vagas 14. O interessante do quimbundo é que tratou-se de uma língua geral, isto é, falada não apenas por 13 LEITE, Serafim. Padre Pedro Dias, autor da Arte da Lingua de Angola, apóstolo dos negros no Brasil. Portugal em África n. 4, v. 2, p. 9-11, LEITE, Serafim. História da Companhia de Jesus no Brasil. Rio de Janeiro, Civilização Brasileira, MENDONÇA, Renato. A influência africana no português do Brasil - prefácio de Rodolfo Garcia. Vol. col. Brasiliana vol. 46. São Paulo: Cia. Ed. Nacional. 1935, 2ª ed. RODRIGUES, José Honório. A vitória da língua portuguesa no Brasil colonial. Humanidades vol I, n. 4, julho/setembro de 1983, p (1983). RODRIGUES, Nina. Os africanos no Brasil. 5ª ed ed. São Paulo: Cia. Ed. Nacional, CASTRO, Yeda Pessoa de. Falares africanos na Bahia (um vocabulario afro-brasileiro). Rio de Janeiro: Academia Brasileira de Letras / Topbooks, 2001.

8 8 aqueles que o tinham como língua materna, mas por falantes de outras línguas que o utilizaram para a intercomunicação. O estudo do linguista Emilio Bonvini mostra como o quimbundo seria usado pelos jesuítas inclusive para a catequese de africanos de outras origens e que essa língua seria corrente não só em Salvador mas também no Rio de Janeiro e outras regiões. O plano de trabalho a ser iniciado envolve a análise da obra propriamente dita, em termos de seu formato, circulação e alcance. Outro objetivo será a sistematização das informações sobre o quimbundo no Brasil que permitam dimensionar a importância da circulação dessa língua na história dos africanos no Brasil como parte do mundo atlântico. O bolsista trabalhará ainda sistematizando dados do tráfico, informações sobre as rotas, e referências culturais dos povos envolvidos, a partir da historiografia disponível. Para isso, o bolsista fará leituras sobre a formação do mundo atlântico, se dedicará às referências bibliográficas já disponíveis sobre o tema. Alguns conceitos linguísticos básicos serão também trabalhados, sempre na interface e diálogo com a área de história. Referências documentais e bibliográficas Dicionários, gramáticas, instrumentos de pesquisa e obras de referência BALBI, Adrien. Atlas Ethnographique du Globe, ou Classification des peuples anciens et modernes d'après leur langue. Paris, Renouard, BEAUREPAIRE-ROHAN, Henrique. Dicionário de vocábulos brasileiros. Rio de Janeiro, Imprensa Nacional, BONVINI, Emilio; BUSUTTIL, Joëlle. Dictionnaire des langues. Paris, PUF, BLUTEAU, Raphael. Vocabulário Português e Latino. Lisboa, Oficina de Pascoal da Silva, CANNECATIM, Bernardo Maria de. Diccionario da lingua bunda ou angolense, explicada na portuguesa e latina. Lisboa: Impressão Régia, CASTRO, Yeda Pessoa de. Falares africanos na Bahia (um vocabulario afro-brasileiro). Rio de Janeiro, Academia Brasileira de Letras / Topbooks, CASTRO, Yeda Pessoa de. A língua mina-jeje no Brasil: um falar africano em Ouro Preto do século XVIII. Belo Horizonte, Fundação João Pinheiro, DIAS, Pedro. Arte da Lingua de Angola. Lisboa: Officina de Miguel Deslandes, Edição fac-similar.

9 9 Rio de Janeiro, Biblioteca Nacional, 2006 LEWIS, Paul. E. (ed.) Ethnologue. Languages of the World. Dallas, SIL, 2006, 16a. edição. Ethnologue.org (versão online) PEIXOTO, Antonio da Costa. Obra nova da língua geral de mina. Lisboa: Agência Geral das Colônias, IHGB.Dicionário histórico geográfico e etnográfico do Brasil. Rio de Janeiro, PINTO, Edith Pimentel. O português do Brasil: textos críticos e teóricos, , fontes para a teoria e a história. São Paulo/Rio de Janeiro, EDUSP/Livros técnicos e científicos, RIBEIRO, João. O elemento negro Rio de Janeiro, Record, s/d. RUBIM, Brás da Costa. Vocabulário brasileiro para servir de complemento aos dicionários da língua portuguesa. Rio de Janeiro, Tipografia Dois de Dezembro, SILVA, ANTONIO MORAIS E. Dicionário da Língua Portuguesa Recopilado. Lisboa, Typographia Lacerdina, SILVA, Inocêncio Francisco da. Dicionário Bibliográfico Português. Lisboa, Imprensa Nacional, SOARES, Antônio Joaquim de Macedo. Dicionário Brasileiro da língua portuguesa. Rio de Janeiro, Biblioteca Nacional/Leuzinger, VAINFAS, Ronaldo (org.). Dicionário do Brasil Colonial. Rio de Janeiro, Objetiva, VAINFAS, Ronaldo (org.). Dicionário do Brasil Imperial ( ). Rio de Janeiro, Objetiva, Obras literárias, viajantes, memorialistas e publicistas CADORNEGA, Antonio de Oliveira de. História Geral das Guerras Angolanas Reprodução facsimilada da edição de 1940 ed. 3 vols. Lisboa: Agência Geral do Ultramar, DEBRET, Jean Baptiste. Viagem pitoresca e histórica ao Brasil. São Paulo, Martins, HAMPÂTÉ BÂ, Amadou. Amkoullel, o menino fula. São Paulo, Palas Athena e Casa das Áfricas, MAYER, Brantz, e CANOT, Theodore. Captain Canot, or Twenty Years of an African Slaver Project Gutemberg. 05/12/2011 <http://www.gutenberg.org/files/23034/23034-h/23034-h.htm>. RUGENDAS, J. Maurício. Viagem pitoresca através do Brasil. São Paulo, Livraria Martins Editora, SAINT-HILAIRE, Auguste de. Viagem pelas províncias do Rio de Janeiro e Minas Gerais. Belo Horizonte, Itatiaia, SCHLICHTORST, C. O Rio de Janeiro como é Rio de Janeiro, SMITH, William. New Voyage to Guinea. London, s/ed., 1745 TOUSSAINT-SAMSON, Adele. Uma parisiense do Brasil. Rio de Janeiro, Capivara, Legislação e relatórios oficiais LARA, Silvia Hunold. Legislaçao sobre escravos africanos na America Portuguesa. In: Taveira, Fundacion Historica (org). José Andrés-Gallego (coord.), Nuevas Aportaciones a la Historia Jurídica

10 10 de Iberoamérica, Colección Proyectos Históricos Tavera, Madrid, Madrid, Relatórios ministeriais pastas do Império e da Justiça Relatórios de presidentes da província do Rio de Janeiro Coleção das Leis do Império do Brasil AMARAL, A. F. e SILVA, E. S. Consolidação das leis e posturas municipais (Rio de Janeiro). Rio de Janeiro, Paula Souza, VIDAL, Luiz Maria. Indice Alfabético; ou Repertório geral da legislação servil em vigor e publicada até o presente no próprio texto de suas disposições... Rio de Janeiro, Obras Gerais ABREU, Marcos. Ladinos e boçais: o regime de línguas do contrabando de africanos (1831-c.1850). Unicamp, Dissertação de Mestrado em História, 2012 ALENCASTRO, Luiz Felipe de. O trato dos viventes: formação do Brasil no Atlântico Sul. São Paulo, Companhia das Letras, ALKMIM, Tania (org.) Para a história do português brasileiro. São Paulo, Humanitas, 2002, 3 vols. BONVINI, Emilio. Línguas africanas e português falado no Brasil. In: FIORIN, Jose Luis e PETTER, Margarida (org). África no Brasil: a formação da língua portuguesa. São Paulo: Contexto, CALVET, Louis-Jean. As políticas linguísticas. São Paulo: Parábola Editorial, CARVALHO, Marcus. Liberdade, rotinas e rupturas do escravismo. Recife, UFPE, CASTRO, Yeda Pessoa de. Falares africanos na Bahia (um vocabulario afro-brasileiro). Rio de Janeiro: Academia Brasileira de Letras / Topbooks, FERREIRA, Roquinaldo. Cross-Cultural Exchange in the Atlantic World. Cambridge: Cambridge University Press, FLORENTINO, M. Em costas negras. Uma história do tráfico atlântico de escravos entre a África e o Rio de Janeiro (séculos XVIII e XIX). Rio de Janeiro, Arquivo Nacional, FREIRE, José Bessa. Rio Babel: a história das línguas na Amazônia. Rio de Janeiro: Eduerj/Atlântica, FRY, Peter e VOGT, Arno. Cafundó, a África no Brasil - língua e sociedade. Campinas/São Paulo, Unicamp/Companhia das Letras, GALVES, Charlotte et al (org) África-Brasil: caminhos da língua portuguesa. Campinas, Editora UNICAMP, GOMES, Flavio dos Santos e REIS, João José. Liberdade por um fio: história dos quilombos no Brasil. São Paulo, Companhia das Letras, GOMES, Flavio et alli. No labirinto das nações. Africanos e identidades no Rio de Janeiro, século XIX. Rio de Janeiro, Arquivo Nacional, GUISAN, Pierre. Língua: a ambiguidade do conceito. In: Barreto, Monica Maria G. Saavedra e Salgado, Ana Claudia Peters (org). Sociolinguística no Brasil: uma contribuição dos estudos sobre línguas em/de contato. Homenagem ao professor Jürgen Heye. Rio de Janeiro: 7 Letras/Faperj, 2009, p KARASCH, Mary. Vida dos escravos no Rio de Janeiro Sao Paulo, Companhia das Letras, 2000.

11 11 LARA, Sílvia. Linguagem, Domínio Senhorial e Identidade Étnica nas Minas Gerais de Meados do Século XVIII. In: ALMEIDA, M. V.(org.). Trânsitos Coloniais. Lisboa, ICS, LARA, Silvia (org.) Memórias do Jongo. Rio de Janeiro, Folha Seca, LEITE, Serafim. Padre Pedro Dias, autor da Arte da Lingua de Angola, apóstolo dos negros no Brasil. Portugal em África n. 4, v. 2, p. 9-11, LIMA, Ivana Stolze e CARMO, Laura do (org). História social da língua nacional. Rio de Janeiro, Edições Casa de Rui Barbosa, LIMA, Ivana Stolze e CARMO, Laura do (org). História social da língua nacional 2: diáspora africana. Rio de Janeiro, Edições Casa de Rui Barbosa. No prelo, previsão LIMA, Ivana Stolze Entre a língua nacional e a fala caçanje. Representações sociais sobre a língua no Rio de Janeiro Imperial. In: OLIVEIRA, Cecilia Salles (org.). De um império a outro. Estudos sobre a formação do Brasil, séculos XVIII e XIX. São Paulo, HUCITEC, 2007, p LIMA, Ivana Stolze Língua nacional, histórias de um velho surrão. In: LIMA, I. S. e CARMO, L.(org.). História social da língua nacional. Rio de Janeiro, Edições Casa de Rui Barbosa, 2008b. LIMA, Ivana Stolze. A Língua Brasileira e os Sentidos de Mestiçagem e Nacionalidade no Império do Brasil. Topoi - Revista de História b LIMA, Ivana Stolze. Cores, marcas e falas - sentidos de mestiçagem no Império do Brasil. Rio de Janeiro, Arquivo Nacional, LUCCHESI, Dante. Africanos, crioulos e a língua portuguesa no Brasil. In: LIMA, I. S. e CARMO, L.(org.). História social da língua nacional. Rio de Janeiro, Edições Casa de Rui Barbosa, MARIANI, Bethania. Colonização Linguística. Campinas, Pontes, MENDONÇA, Renato. A influência africana no português do Brasil - prefácio de Rodolfo Garcia. Vol. col. Brasiliana vol. 46. São Paulo: Cia. Ed. Nacional. 1935, 2ª ed. PETTER, Margarida ejosé Luís FIORIN. África no Brasil: a formação da língua portuguesa. Sao Paulo, Contexto, RODRIGUES, Aryon. "Obra Nova da Lingua Geral de Mina": a língua ewe nas Minas Gerais. Papia 13 (2003): RODRIGUES, José Honório. A vitória da língua portuguesa no Brasil colonial. Humanidades vol I, n. 4, julho/setembro de 1983, p (1983). RODRIGUES, Nina. Os africanos no Brasil. 5ª ed ed. São Paulo: Cia. Ed. Nacional, SLENES, Robert. Eu venho de muito longe, eu venho cavando : jongueiros cumba na senzala centro-africana. In: LARA, Silvia, e PACHECO, Gustavo, org. Memória do jongo: as gravações históricas de Stanley J. Stein. Vassouras, Rio de Janeiro/Campinas: Folha Seca/Cecult, Idem. Malungu, ngoma vem! África coberta e descoberta no Brasil. Revista USP 12 (1992); SOARES, Mariza de Carvalho (org). Rotas atlânticas da diáspora Africana: da Baía do Benim ao Rio de Janeiro. Niterói, EDUFF, THORNTON, J. A África e os africanos na formação do mundo atlântico. Rio de Janeiro, Campus WISSENBACH, C. Sonhos africanos, vivências ladinas. Escravos e forros em São Paulo. São Paulo, HUCITEC/USP, 1998.

Título Vozes escravas. Usos e práticas em torno da língua nacional no Rio de Janeiro (c. 1822-1870)

Título Vozes escravas. Usos e práticas em torno da língua nacional no Rio de Janeiro (c. 1822-1870) Ivana Stolze Lima Fundação Casa de Rui Barbosa Projeto de pesquisa Período: Março de 2010 a Fevereiro de 2013 Título Vozes escravas. Usos e práticas em torno da língua nacional no Rio de Janeiro (c. 1822-1870)

Leia mais

Vidas cativas: uma biografia dos escravos envolvidos no plano de revolta de 1832 Campinas

Vidas cativas: uma biografia dos escravos envolvidos no plano de revolta de 1832 Campinas Vidas cativas: uma biografia dos escravos envolvidos no plano de revolta de 1832 Campinas Ricardo Figueiredo Pirola Mestrando UNICAMP No ano de 1832 foi descoberto em Campinas um plano de revolta escrava,

Leia mais

Prefácio. Juanito Ornelas de Avelar Universidade Estadual de Campinas Laura Álvarez López Universidade de Estocolmo

Prefácio. Juanito Ornelas de Avelar Universidade Estadual de Campinas Laura Álvarez López Universidade de Estocolmo Juanito Ornelas de Avelar Universidade Estadual de Campinas Laura Álvarez López Universidade de Estocolmo Prefácio Em abril de 2011, o Programa de Pós-Graduação em Linguística do Instituto de Estudos da

Leia mais

Uma Reflexão Sobre o Surgimento do Candomblé

Uma Reflexão Sobre o Surgimento do Candomblé Uma Reflexão Sobre o Surgimento do Candomblé Os estudos sobre a África e as culturas africanas têm ganhado espaço nas últimas décadas. No Brasil esse estudo começou, basicamente, com Nina Rodrigues em

Leia mais

ENTRE ARDAS E ANGOLAS : ALGUNS ASPECTOS SOBRE A ESCRAVIDÃO EM SALVADOR NAS DUAS PRIMEIRAS DÉCADAS DO SÉCULO XVIII.

ENTRE ARDAS E ANGOLAS : ALGUNS ASPECTOS SOBRE A ESCRAVIDÃO EM SALVADOR NAS DUAS PRIMEIRAS DÉCADAS DO SÉCULO XVIII. ENTRE ARDAS E ANGOLAS : ALGUNS ASPECTOS SOBRE A ESCRAVIDÃO EM SALVADOR NAS DUAS PRIMEIRAS DÉCADAS DO SÉCULO XVIII. Daniele Santos de SOUZA UFBA Os estudos sobre a escravidão africana no Brasil realizados

Leia mais

Homens da África Ahmadou Kourouma. Edições SM. Cabelos de axé: identidade e resistência Raul Lody. Editora SENAC

Homens da África Ahmadou Kourouma. Edições SM. Cabelos de axé: identidade e resistência Raul Lody. Editora SENAC ÁFRICA Homens da África Ahmadou Kourouma. Edições SM Ricamente ilustrada por fotos e desenhos, esta obra traça um painel detalhado da vida dos habitantes da África do Oeste: sua tradição oral, detalhes

Leia mais

SOCIEDADE COLONIAL O escravo negro Livro 1 / Aula 2 (parte II)

SOCIEDADE COLONIAL O escravo negro Livro 1 / Aula 2 (parte II) SOCIEDADE COLONIAL O escravo negro Livro 1 / Aula 2 (parte II) CENTRO EDUCACIONAL UNIÃO DE PROFESSORES 3º ano/prévest Ano 2014 Profº. Abdulah ESCRAVIDÃO: o trabalho compulsório Por que a escravidão? Ø

Leia mais

EDITAL DE CONTRATAÇÃO DE PROFESSOR HORISTA

EDITAL DE CONTRATAÇÃO DE PROFESSOR HORISTA EDITAL DE CONTRATAÇÃO DE PROFESSOR HORISTA 1) Sociologia II A Escola de Ciências Sociais / CPDOC da FGV-RJ informa a abertura de processo seletivo para a contratação de um professor horista para a disciplina

Leia mais

U N I V E R S I D A D E F E D E R A L D E M I N A S G E R A I S

U N I V E R S I D A D E F E D E R A L D E M I N A S G E R A I S U N I V E R S I D A D E F E D E R A L D E M I N A S G E R A I S HISTÓRIA 2 a 1 - Este Caderno de Prova contém cinco questões, que ocupam um total de nove páginas, numeradas de 3 a 11.. Caso haja algum

Leia mais

ENTRE A LEI, OS COSTUMES E O DESENVOLVIMENTO: O PROJETO URBANÍSTICO DE 1970 EM MONTES CLAROS/MG.

ENTRE A LEI, OS COSTUMES E O DESENVOLVIMENTO: O PROJETO URBANÍSTICO DE 1970 EM MONTES CLAROS/MG. ENTRE A LEI, OS COSTUMES E O DESENVOLVIMENTO: O PROJETO URBANÍSTICO DE 1970 EM MONTES CLAROS/MG. Michael Jhonattan Delchoff da Silva. Universidade Estadual de Montes Claros- Unimontes. maicomdelchoff@gmail.com

Leia mais

Na Bahia, a arte da língua de Angola. Comunidades linguísticas no mundo atlântico IVANA STOLZE LIMA 1

Na Bahia, a arte da língua de Angola. Comunidades linguísticas no mundo atlântico IVANA STOLZE LIMA 1 Na Bahia, a arte da língua de Angola. Comunidades linguísticas no mundo atlântico IVANA STOLZE LIMA 1 Tem os verbos desta lingua geralmente tres preteritos perfeitos; o 1. significa ha pouco tempo; o 2.

Leia mais

Graduanda em Geografia pela Universidade de São Paulo. Bolsista de iniciação científica da FUSP/BNDES. Contato: ca-milafranco@hotmail.

Graduanda em Geografia pela Universidade de São Paulo. Bolsista de iniciação científica da FUSP/BNDES. Contato: ca-milafranco@hotmail. Implementação de bancos de dados georeferenciados das Viagens Filosóficas Portuguesas (1755-1808) e a criação de um material didático com o uso do Google Earth. Camila Franco 1 Ermelinda Moutinho Pataca

Leia mais

Livros Recomendados. Apoio a projetos História de Portugal. Autores Títulos Editoras ISBN

Livros Recomendados. Apoio a projetos História de Portugal. Autores Títulos Editoras ISBN AA. VV. (Coord. Irene Flunser Pimentel e Maria Inácia Rezola) Democracia, Ditadura - Memória e justiça politica Tinta-da-China 978-989-671-202-0 AA. VV. (Coord. Maria Inácia Rezola e Pedro Marques Lopes)

Leia mais

ESCOLA ESTADUAL JOSÉ ROBERTO PACHECO

ESCOLA ESTADUAL JOSÉ ROBERTO PACHECO Planejamento Anual 2014 ESCOLA ESTADUAL JOSÉ ROBERTO PACHECO Identificação da turma: 3 Colegial A 1 Semestre de 2014 Identificação do professor: Tiago Silva de Oliveira Área do conhecimento: Língua Portuguesa

Leia mais

João Paulo I O NORDESTE COLONIAL. Professor Felipe Klovan

João Paulo I O NORDESTE COLONIAL. Professor Felipe Klovan João Paulo I O NORDESTE COLONIAL Professor Felipe Klovan A ECONOMIA AÇUCAREIRA Prof. Felipe Klovan Portugal já possuía experiência no plantio da cana-de-açúcar nas Ilhas Atlânticas. Portugal possuía banqueiros

Leia mais

Recorde: Revista de História de Esporte volume 1, número 2, dezembro de 2008

Recorde: Revista de História de Esporte volume 1, número 2, dezembro de 2008 CAPOEIRA THE HISTORY OF AN AFRO-BRAZILIAN MARTIAL ART RESENHA Prof. Vivian Luiz Fonseca Fundação Getúlio Vargas - PPHPBC CPDOC/FGV Rio de Janeiro, Brasil vivianluizfonseca@gmail.com Recebido em 9 de setembro

Leia mais

Lei nº 10.639/03 Menos Preconceito na Sala de Aula. Palavras-Chave: Educação, Cultura, Preconceito, Lei 10.639, Africano e Afro-brasileiro.

Lei nº 10.639/03 Menos Preconceito na Sala de Aula. Palavras-Chave: Educação, Cultura, Preconceito, Lei 10.639, Africano e Afro-brasileiro. Lei nº 10.639/03 Menos Preconceito na Sala de Aula Palavras-Chave: Educação, Cultura, Preconceito, Lei 10.639, Africano e Afro-brasileiro. Prof.ª Sonia Helena Carneiro Pinto Justificativa: Este projeto

Leia mais

Detetives do passado: escravidão no século 19. Rio de Janeiro: Núcleo de Documentação, História e Memória-NUMEM/UNIRIO, 2009.

Detetives do passado: escravidão no século 19. Rio de Janeiro: Núcleo de Documentação, História e Memória-NUMEM/UNIRIO, 2009. Solução do caso É TUDO VERDADE! Em julho de 1813, o verdadeiro Francisco José Rebello enviou seu requerimento ao juiz municipal do Desterro. Este requerimento e todos os outros documentos que compõem a

Leia mais

Sons e Imagens da Rememoração - Texto para divulgação. Ana Maria Mauad Coordenadora do Projeto

Sons e Imagens da Rememoração - Texto para divulgação. Ana Maria Mauad Coordenadora do Projeto Sons e Imagens da Rememoração - Texto para divulgação Ana Maria Mauad Coordenadora do Projeto Sons e imagens da rememoração: narrativas e registros das identidades e alteridades afrobrasileira nos séculos

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL 1 UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL IV SEAD - SEMINÁRIO DE ESTUDOS EM ANÁLISE DO DISCURSO 1969-2009: Memória e história na/da Análise do Discurso Porto Alegre, de 10 a 13 de novembro de 2009 ÀS

Leia mais

Plano de Ensino. Identificação. Câmpus de São Paulo. Curso null - null. Ênfase. Disciplina LAC1821T1 - Corpo, Expressão e Criatividade II

Plano de Ensino. Identificação. Câmpus de São Paulo. Curso null - null. Ênfase. Disciplina LAC1821T1 - Corpo, Expressão e Criatividade II Curso null - null Ênfase Identificação Disciplina LAC1821T1 - Corpo, Expressão e Criatividade II Docente(s) José Manuel Lázaro de Ortecho Ramirez Unidade Instituto de Artes Departamento Departamento de

Leia mais

A Lei n. 10.639 na sala de aula

A Lei n. 10.639 na sala de aula Programa 1 A Lei n. 10.639 na sala de aula Mônica Lima 1 ENFRENTANDO OS DESAFIOS: A HISTÓRIA DA ÁFRICA E DOS AFRICANOS NO BRASIL NA NOSSA SALA DE AULA* No dia 9 de janeiro de 2003 foi aprovada a Lei n.

Leia mais

Inventário dos Lugares de Memória do Tráfico Atlântico de Escravos e da História dos Africanos Escravizados no Brasil 7. Patrimônio Imaterial

Inventário dos Lugares de Memória do Tráfico Atlântico de Escravos e da História dos Africanos Escravizados no Brasil 7. Patrimônio Imaterial 7. Patrimônio Imaterial A presença dos africanos no Brasil contemporâneo pode ser identificada na vivência de um patrimônio cultural, expresso em memórias, músicas, versos, cantos, danças e perfomances,

Leia mais

A PRESENÇA NEGRA NO PARÁ: RESENHA DE UM

A PRESENÇA NEGRA NO PARÁ: RESENHA DE UM R E S E N H A A PRESENÇA NEGRA NO PARÁ: RESENHA DE UM TRABALHO PIONEIRO SALLES, VICENTE. O NEGRO NO PARÁ. SOB O REGIME DA ESCRAVIDÃO. 3ª EDIÇÃO. BELÉM: INSTITUTO DE ARTES DO PARÁ, 2005. JOSÉ MAIA BEZERRA

Leia mais

Nem cidadãos, nem brasileiros: Indígenas na formação do

Nem cidadãos, nem brasileiros: Indígenas na formação do Nem cidadãos, nem brasileiros: Indígenas na formação do Estado nacional brasileiro e conflitos na Província de São Paulo (1822-1845). São Paulo: Alameda, 2012. 292 p. Fernanda Sposito Luana Soncini 1 A

Leia mais

Título do Programa: Introdução a aspectos da história da África.

Título do Programa: Introdução a aspectos da história da África. 1 Disciplina: História da África Código: FLH-0649 Período: Noturno Créditos: 5 aulas, 1 trabalho Professora: Marina de Mello e Souza 2º semestre de 2014 Título do Programa: Introdução a aspectos da história

Leia mais

AVALIAÇÃO Testes escritos e seminários.

AVALIAÇÃO Testes escritos e seminários. CARGA HORÁRIA: 60 horas-aula Nº de Créditos: 04 (quatro) PERÍODO: 91.1 a 99.1 EMENTA: Visão panorâmica das literaturas produzidas em Portugal, Brasil, Angola, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique e São

Leia mais

ESTRUTURA CURRICULAR:

ESTRUTURA CURRICULAR: ESTRUTURA CURRICULAR: Definição dos Componentes Curriculares Os componentes curriculares do Eixo 1 Conhecimentos Científico-culturais articula conhecimentos específicos da área de história que norteiam

Leia mais

PROJETO FORMAÇÃO DOCENTE E EDUCAÇÃO ANTIRRACISTA: CURRÍCULO E DIVERSIDADE CULTURAL De 15 de Maio a 20 de Novembro de 2013

PROJETO FORMAÇÃO DOCENTE E EDUCAÇÃO ANTIRRACISTA: CURRÍCULO E DIVERSIDADE CULTURAL De 15 de Maio a 20 de Novembro de 2013 PROJETO FORMAÇÃO DOCENTE E EDUCAÇÃO ANTIRRACISTA: CURRÍCULO E DIVERSIDADE CULTURAL De 15 de Maio a 20 de Novembro de 2013 Justificativa: A entrada em vigência da Lei 10639/03, que torna obrigatório o ensino

Leia mais

Projeto - A afrodescendência brasileira: desmistificando a história

Projeto - A afrodescendência brasileira: desmistificando a história Projeto - A afrodescendência brasileira: desmistificando a história Tema: Consciência Negra Público-alvo: O projeto é destinado a alunos do Ensino Fundamental - Anos Finais Duração: Um mês Justificativa:

Leia mais

OS MEDIADORES NAS HISTÓRIAS DE LEITURA DOS PROFESSORES Jeovana Alves de Lima Oliveira Secretaria de Educação do Estado da Bahia

OS MEDIADORES NAS HISTÓRIAS DE LEITURA DOS PROFESSORES Jeovana Alves de Lima Oliveira Secretaria de Educação do Estado da Bahia OS MEDIADORES NAS HISTÓRIAS DE LEITURA DOS PROFESSORES Jeovana Alves de Lima Oliveira Secretaria de Educação do Estado da Bahia INTRODUÇÃO: A proposta desse trabalho é apresentar a pesquisa de Mestrado,

Leia mais

GERENCIAMENTO ELETRÔNICO DE DOCUMENTOS DO GEPHE - GRUPO DE ESTUDOS E PESQUISAS EM HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO EM CAMPINA GRANDE PARAIBA

GERENCIAMENTO ELETRÔNICO DE DOCUMENTOS DO GEPHE - GRUPO DE ESTUDOS E PESQUISAS EM HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO EM CAMPINA GRANDE PARAIBA GERENCIAMENTO ELETRÔNICO DE DOCUMENTOS DO GEPHE - GRUPO DE ESTUDOS E PESQUISAS EM HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO EM CAMPINA GRANDE PARAIBA Autora: Regina Coelli Gomes Nascimento - Professora do curso de História

Leia mais

CONTOS DA MATA VISÕES DE VIDA: UM DESAFIO FRENTE À CULTURA INDÍGENA RESUMO

CONTOS DA MATA VISÕES DE VIDA: UM DESAFIO FRENTE À CULTURA INDÍGENA RESUMO CONTOS DA MATA VISÕES DE VIDA: UM DESAFIO FRENTE À CULTURA INDÍGENA RESUMO OLIVEIRA, Luiz Antonio Coordenador/Orientador ARAÚJO, Roberta Negrão de Orientadora O artigo tem como objetivo apresentar o Projeto

Leia mais

1. Portos de Chegada, locais de quarentena e venda

1. Portos de Chegada, locais de quarentena e venda 1. Portos de Chegada, locais de quarentena e venda A execução do tráfico atlântico de africanos escravizados envolveu a construção de portos, locais de quarentena e venda de africanos recém-chegados nas

Leia mais

A Corte Chegou Cândida Vilares e Vera Vilhena PROJETO DE LEITURA. Ficha Autoras: Romance histórico. As autoras A vivência como professoras

A Corte Chegou Cândida Vilares e Vera Vilhena PROJETO DE LEITURA. Ficha Autoras: Romance histórico. As autoras A vivência como professoras A Corte Chegou Cândida Vilares e Vera Vilhena PROJETO DE LEITURA 1 As autoras A vivência como professoras foi a base de trabalho das autoras. Na sala de aula, puderam conviver com a realidade de leitura

Leia mais

500 anos: O Brasil Colônia na TV

500 anos: O Brasil Colônia na TV 500 anos: O Brasil Colônia na TV Episódio 5: A Conquista da terra e da gente Resumo O episódio 5, A Conquista da terra e da gente, parte da série 500 anos: O Brasil Colônia na TV, apresenta o processo

Leia mais

3. VARIAÇÃO E NORMALIZAÇÃO LINGUÍSTICA

3. VARIAÇÃO E NORMALIZAÇÃO LINGUÍSTICA 3. VARIAÇÃO E NORMALIZAÇÃO LINGUÍSTICA Uma língua viva, apesar da unidade que a torna comum a uma nação, apresenta variedades quanto à pronúncia, à gramática e ao vocabulário. Chama-se variação linguística

Leia mais

SOCIOLOGIA, PROBLEMAS E PRÁTICAS, LISBOA, CENTRO DE INVESTIGAÇÃO E ESTUDOS DE SOCIOLOGIA

SOCIOLOGIA, PROBLEMAS E PRÁTICAS, LISBOA, CENTRO DE INVESTIGAÇÃO E ESTUDOS DE SOCIOLOGIA SOCIOLOGIA, PROBLEMAS E PRÁTICAS, LISBOA, CENTRO DE INVESTIGAÇÃO E ESTUDOS DE SOCIOLOGIA ACESSO AOS TEXTOS INTEGRAIS DOS N.º 34-54 (http://www.scielo.oces.mctes.pt/scielo.php?script=sci_issues&pid=0873-6529&lng=pt&nrm=iso)

Leia mais

PLANO DE ENSINO. Disciplina Código Denominação Carga horária AT 1 AP 2 APS. Ementa (constante no PPP vigente)

PLANO DE ENSINO. Disciplina Código Denominação Carga horária AT 1 AP 2 APS. Ementa (constante no PPP vigente) PLANO DE ENSINO PERÍODO LETIVO/ANO: 2009 ANO DO CURSO: 3º Curso: Ciências Econômicas - Modalidade: Bacharelado - Turno: Noturno Centro: Ciências Sociais Aplicadas Campus: Cascavel Disciplina Código Denominação

Leia mais

PROCEDIMENTOS PARA O ESTUDO DA DISCIPLINA DE GEOGRAFIA: CASO DA PROVÍNCIA DE SÃO PAULO SÉC. XIX.

PROCEDIMENTOS PARA O ESTUDO DA DISCIPLINA DE GEOGRAFIA: CASO DA PROVÍNCIA DE SÃO PAULO SÉC. XIX. PROCEDIMENTOS PARA O ESTUDO DA DISCIPLINA DE GEOGRAFIA: CASO DA PROVÍNCIA DE SÃO PAULO SÉC. XIX. Daniel Mendes Gomes Pontifícia Universidade Católica de São Paulo PEPG em Educação: História, Política,

Leia mais

Publicações sobre as Literaturas Africanas de Língua Portuguesa editadas no Brasil: NARRATIVA, POESIA E ESTUDOS CRÍTICOS.

Publicações sobre as Literaturas Africanas de Língua Portuguesa editadas no Brasil: NARRATIVA, POESIA E ESTUDOS CRÍTICOS. Publicações sobre as Literaturas Africanas de Língua Portuguesa editadas no Brasil: NARRATIVA, POESIA E ESTUDOS CRÍTICOS. Obs: Lista organizada por Maria Nazareth Soares Fonseca (PUC Minas) com a colaboração

Leia mais

SERRANO, Carlos, WALDMAN, Maurício. Memória d África: a temática africana em sala de aula. São Paulo: Cortez, 2007. 327 p.

SERRANO, Carlos, WALDMAN, Maurício. Memória d África: a temática africana em sala de aula. São Paulo: Cortez, 2007. 327 p. SERRANO, Carlos, WALDMAN, Maurício. Memória d África: a temática africana em sala de aula. São Paulo: Cortez, 2007. 327 p. Ana Cláudia da SILVA A publicação da Lei Nº. 10.639, de 9 de janeiro de 2003,

Leia mais

Ágatha Francesconi Gatti

Ágatha Francesconi Gatti Ágatha Francesconi Gatti contato: agatha_gatti@yahoo.com.br link para o currículo lattes: http://lattes.cnpq.br/3170048013948376 FORMAÇÃO ACADÊMICA / TITULAÇÃO Graduação em História (fev.2001-dez.2005):

Leia mais

Esse texto é parte integrante da dissertação de mestrado defendida em dezembro de 2001 na UFBA. 1

Esse texto é parte integrante da dissertação de mestrado defendida em dezembro de 2001 na UFBA. 1 1 REPRESENTAÇÕES DA SOCIEDADE ESCRAVISTA BRASILEIRA NA VIAGEM PITORESCA E HISTORICA AO BRASIL, DE JEAN BAPTISTE DEBRET: UMA POSSIBILIDADE DE LEITURA NO LIVRO DIDÁTICO Emilia Maria F. da Silva emiliamfs@terra.com.br

Leia mais

Economia e Sociedade Açucareira. Alan

Economia e Sociedade Açucareira. Alan Economia e Sociedade Açucareira Alan Características coloniais gerais Colônia de exploração Existência de Pacto Colonial Monopólio Economia de exportação de produtos tropicais Natureza predatória extrativista,

Leia mais

CURRICULUM VITAE ALCILENE CAVALCANTE (DE OLIVEIRA) - Doutora em Literatura - Mestra em História. paulistana brasileira

CURRICULUM VITAE ALCILENE CAVALCANTE (DE OLIVEIRA) - Doutora em Literatura - Mestra em História. paulistana brasileira CURRICULUM VITAE ALCILENE CAVALCANTE (DE OLIVEIRA) - Doutora em Literatura - Mestra em História E-mail: alcilene.cavalcante@terra.com.br paulistana brasileira QUALIFICAÇÃO ACADÊMICA 2007-2003 Pós-Graduação

Leia mais

História do Brasil Colônia

História do Brasil Colônia História do Brasil Colônia Aula VII Objetivo: a expansão e a consolidação da colonização portuguesa na América. A) A economia política da colônia portuguesa. Em O tempo Saquarema, o historiador Ilmar R.

Leia mais

CRISE DO ESCRAVISMO. O Brasil foi o último país da América Latina a abolir a escravidão.

CRISE DO ESCRAVISMO. O Brasil foi o último país da América Latina a abolir a escravidão. CRISE DO ESCRAVISMO A Dinamarca foi o primeiro país Europeu a abolir o tráfico de escravos em 1792. A Grã-Bretanha veio a seguir, abolindo em 1807 e os Estados Unidos em 1808. O Brasil foi o último país

Leia mais

EIXOS TEMÁTICOS REFERENCIAS BIBLIOGRÁFICAS

EIXOS TEMÁTICOS REFERENCIAS BIBLIOGRÁFICAS EIXOS TEMÁTICOS 1. Cultura, saberes e práticas escolares e pedagógicas na educação profissional e tecnológica: arquivos escolares, bibliotecas e centros de documentação. Para este eixo temático espera

Leia mais

CURSO LIVRE HISTÓRIA DO ENSINO ARTÍSTICO EM PORTUGAL PROGRAMA. 2.1. Francisco da Holanda e a sua perspectiva sobre o ensino artístico.

CURSO LIVRE HISTÓRIA DO ENSINO ARTÍSTICO EM PORTUGAL PROGRAMA. 2.1. Francisco da Holanda e a sua perspectiva sobre o ensino artístico. CURSO LIVRE HISTÓRIA DO ENSINO ARTÍSTICO EM PORTUGAL 8 de Abril a 1 de Julho (interrupção no dia 10 de Junho que é feriado) 4ª feira, das 18h 30m às 20h 30m 24h, 12 sessões PROGRAMA 1. A Idade Média 1.1.

Leia mais

VOCABULÁRIOS DE LÍNGUAS INDÍGENAS NA REVISTA DO IHGB: O PROCESSO DE GRAMATIZAÇÃO

VOCABULÁRIOS DE LÍNGUAS INDÍGENAS NA REVISTA DO IHGB: O PROCESSO DE GRAMATIZAÇÃO Resumo VOCABULÁRIOS DE LÍNGUAS INDÍGENAS NA REVISTA DO IHGB: O PROCESSO DE GRAMATIZAÇÃO Dantielli Assumpção GARCIA. UNESP-IBILCE (São José do Rio Preto) FAPESP (proc. n 07/58250-1). dantielligarcia@gmail.com

Leia mais

ALCATEIA ACAGRUP 2014 - SIERRA NORTE - MADRID - ESPANHA PARTICIPANTES: 26 60% INCIDÊNCIA NO GRUPO 20%

ALCATEIA ACAGRUP 2014 - SIERRA NORTE - MADRID - ESPANHA PARTICIPANTES: 26 60% INCIDÊNCIA NO GRUPO 20% ALCATEIA Sec NIN NOME NIN NOME Lob 1215050143005 Alice Neto Santos Nascimento 1215050143015 Afonso da Fonseca Machado Lob 1215050143010 Amélia Maria Mesquita Aleixo Alves 1115050143010 Afonso Jesus Dias

Leia mais

A Igreja em Reforma e Expansão: o caso do Atlântico Português

A Igreja em Reforma e Expansão: o caso do Atlântico Português 1 BAHIA 16-19 American, European and African forging of a colonial capital city Minicurso no âmbito do projeto IRSES Bahia 16-19 A Igreja em Reforma e Expansão: o caso do Atlântico Português Docente: Hugo

Leia mais

TÓPICO ESPECIAL: IMPÉRIOS IBÉRICOS NO ANTIGO REGIME

TÓPICO ESPECIAL: IMPÉRIOS IBÉRICOS NO ANTIGO REGIME TÓPICO ESPECIAL: IMPÉRIOS IBÉRICOS NO ANTIGO REGIME Optativa / Carga Horária: 60hs Ementa: O curso visa analisar a formação dos Impérios Ibéricos entre os séculos XV e XVIII, considerando-se a perspectiva

Leia mais

AVALIAÇÃO PARCIAL I CAPÍTULO 4 PP. 76 A 84; 92 CAPÍTULO 5 PP. 98 A 107 CAPÍTULO 15 PP

AVALIAÇÃO PARCIAL I CAPÍTULO 4 PP. 76 A 84; 92 CAPÍTULO 5 PP. 98 A 107 CAPÍTULO 15 PP ABSOLUTISMO AVALIAÇÃO PARCIAL I CAPÍTULO 4 PP. 76 A 84; 92 CAPÍTULO 5 PP. 98 A 107 CAPÍTULO 15 PP. 268 A 274 CONTEÚDO EM SALA DE AULA SLIDES PORTAL ROTEIRO NO CADERNO A SOCIEDADE DO ANTIGO REGIME XV-XVIII

Leia mais

NÚCLEO DE ESTUDOS E PESQUISAS HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO EM PERNAMBUCO: 13 ANOS DE HISTÓRIA

NÚCLEO DE ESTUDOS E PESQUISAS HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO EM PERNAMBUCO: 13 ANOS DE HISTÓRIA NÚCLEO DE ESTUDOS E PESQUISAS HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO EM PERNAMBUCO: 13 ANOS DE HISTÓRIA Margarete Maria da Silva meghamburgo@yahoo.com.br Graduanda em Pedagogia e membro do NEPHEPE Universidade Federal de

Leia mais

Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL. Ensino Médio

Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL. Ensino Médio Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL Ensino Médio ETEC Professora Nair Luccas Ribeiro Código: 156 Município: TEODORO SAMPAIO Área de conhecimento: Ciências Humanas Componente Curricular: Historia

Leia mais

CURSO DE ENFERMAGEM Reconhecido pela Portaria nº 270 de 13/12/12 DOU Nº 242 de 17/12/12 Seção 1. Pág. 20

CURSO DE ENFERMAGEM Reconhecido pela Portaria nº 270 de 13/12/12 DOU Nº 242 de 17/12/12 Seção 1. Pág. 20 CURSO DE ENFERMAGEM Reconhecido pela Portaria nº 270 de 13/12/12 DOU Nº 242 de 17/12/12 Seção 1. Pág. 20 Componente Curricular: LÍNGUA BRASILEIRA DE SINAIS - LIBRAS Código: ENF 405 Pré-requisito: Nenhum

Leia mais

EDITAL 01/2012DH 2011.2 SELEÇÃO PARA MONITOR DE ENSINO DEPARTAMENTO DE HISTÓRIA

EDITAL 01/2012DH 2011.2 SELEÇÃO PARA MONITOR DE ENSINO DEPARTAMENTO DE HISTÓRIA EDITAL 01/2012DH 2011.2 SELEÇÃO PARA MONITOR DE ENSINO DEPARTAMENTO DE HISTÓRIA A Direção do Departamento de História, no uso de suas atribuições, conferidas pela resolução CONSEPE 04/2001, torna público

Leia mais

A Escola Italiana de História das Religiões, diálogos Teóricos e aplicações metodológicas

A Escola Italiana de História das Religiões, diálogos Teóricos e aplicações metodológicas 1 A Escola Italiana de História das Religiões, diálogos Teóricos e aplicações metodológicas Elton de Oliveira Nunes * Resumo Os estudos de religião no Brasil necessitam de uma maior acuidade teórico-metodológica,

Leia mais

2º Grupo de Estudo Professores PEB1. Alfabetização e Letramento na Educação de Jovens e Adultos. Consultor/Analista em Políticas Públicas de Educação

2º Grupo de Estudo Professores PEB1. Alfabetização e Letramento na Educação de Jovens e Adultos. Consultor/Analista em Políticas Públicas de Educação 2º Grupo de Estudo Professores PEB1 Alfabetização e Letramento na Educação de Jovens e Adultos Rogério Luís Massensini Consultor/Analista em Políticas Públicas de Educação Agenda Abertura Objetivos do

Leia mais

OS TERRITÓRIOS SAGRADOS DOS CANTOS NEGROS: UMA PROPOSTA DE MUSEU A CÉU ABERTO

OS TERRITÓRIOS SAGRADOS DOS CANTOS NEGROS: UMA PROPOSTA DE MUSEU A CÉU ABERTO CONGRESSO INTERNACIONAL INTERDISCIPLINAR EM SOCIAIS E HUMANIDADES Niterói RJ: ANINTER-SH/ PPGSD-UFF, 03 a 06 de Setembro de 2012, ISSN 2316-266X OS TERRITÓRIOS SAGRADOS DOS CANTOS NEGROS: UMA PROPOSTA

Leia mais

A FILOSOFIA DA EDUCAÇÃO NA AMÉRICA LATINA: CONE SUL - CHILE, ARGENTINA, PARAGUAI E URUGUAI

A FILOSOFIA DA EDUCAÇÃO NA AMÉRICA LATINA: CONE SUL - CHILE, ARGENTINA, PARAGUAI E URUGUAI A FILOSOFIA DA EDUCAÇÃO NA AMÉRICA LATINA: CONE SUL - CHILE, ARGENTINA, PARAGUAI E URUGUAI COORDENAÇÃO Prof. Dr. Antonio Joaquim Severino FINANCIAMENTO: UNINOVE Auxílio Financeiro ANO DE INÍCIO: 2010 INTRODUÇÃO

Leia mais

- As fontes para o estudo da História do Brasil. UNIDADE 1 : Portugal e a transição para a modernidade

- As fontes para o estudo da História do Brasil. UNIDADE 1 : Portugal e a transição para a modernidade Disciplina: História do Brasil Colonial Código HIS 124 Créditos 04 Carga Horária 60 Departamento História Ementa Essa disciplina tem como objetivo o estudo da América Lusa, perpassando sobre as discussões

Leia mais

ENTRE A PALAVRA E O CHAO: MEMÓRIA TOPONÍMICA DA ESTRADA REAL, DESCRIÇÃO, HISTÓRIA E MUDANÇAS LINGUÍSTICAS

ENTRE A PALAVRA E O CHAO: MEMÓRIA TOPONÍMICA DA ESTRADA REAL, DESCRIÇÃO, HISTÓRIA E MUDANÇAS LINGUÍSTICAS ENTRE A PALAVRA E O CHAO: MEMÓRIA TOPONÍMICA DA ESTRADA REAL, DESCRIÇÃO, HISTÓRIA E MUDANÇAS LINGUÍSTICAS Francisco de Assis CARVALHO 1 Desde que o homem existe é que ele nomeia os lugares e os espaços.

Leia mais

BRASIL: O ENSINO SUPERIOR ÀS PRIMEIRAS UNIVERSIDADES COLÔNIA IMPÉRIO PRIMEIRA REPÚBLICA

BRASIL: O ENSINO SUPERIOR ÀS PRIMEIRAS UNIVERSIDADES COLÔNIA IMPÉRIO PRIMEIRA REPÚBLICA BRASIL: O ENSINO SUPERIOR ÀS PRIMEIRAS UNIVERSIDADES COLÔNIA IMPÉRIO PRIMEIRA REPÚBLICA Tânia Regina Broeitti Mendonça 1 INTRODUÇÃO: Os espanhóis fundaram universidades em seus territórios na América desde

Leia mais

Matéria: literatura Assunto: contexto histórico do romantismo Prof. IBIRÁ

Matéria: literatura Assunto: contexto histórico do romantismo Prof. IBIRÁ Matéria: literatura Assunto: contexto histórico do romantismo Prof. IBIRÁ Literatura CONTEXTO HISTÓRICO Precedentes: Período de Transição (1808-1836) Simultaneamente ao final das últimas produções do movimento

Leia mais

Organização e Manutenção do Acervo Fotográfico da Revista do Globo

Organização e Manutenção do Acervo Fotográfico da Revista do Globo 3106 X Salão de Iniciação Científica PUCRS Organização e Manutenção do Acervo Fotográfico da Revista do Globo Diego Barros dos Santos, Profª Dr. Alice Therezinha Campos Moreira (orientador) Faculdade de

Leia mais

CIÊNCIAS SOCIAIS 10/9/2012. I ECONOMIA COLONIAL SÉCULOS XVI a XIX OBJETIVOS: Formação Econômica e Social Brasileira (I)

CIÊNCIAS SOCIAIS 10/9/2012. I ECONOMIA COLONIAL SÉCULOS XVI a XIX OBJETIVOS: Formação Econômica e Social Brasileira (I) CIÊNCIAS SOCIAIS M.I DESENVOLVIMENTO DESIGUAL E COMBINADO DA SOCIEDADE MODERNA Formação Econômica e Social Brasileira (I) Profa. Claudete Pagotto Período 2 2012 2 OBJETIVOS: Abordar as características

Leia mais

África e América: olhares jesuíticos sobre a natureza das colônias lusitanas. Leandro Garcia Pinho 1

África e América: olhares jesuíticos sobre a natureza das colônias lusitanas. Leandro Garcia Pinho 1 África e América: olhares jesuíticos sobre a natureza das colônias lusitanas Leandro Garcia Pinho 1 As definições físicas, geográficas, da natureza, são importantes só na medida em que nos indica o palco

Leia mais

A obra de Joaquim Manuel de Macedo através de anúncios do Jornal do Comércio do Rio de Janeiro.

A obra de Joaquim Manuel de Macedo através de anúncios do Jornal do Comércio do Rio de Janeiro. A obra de Joaquim Manuel de Macedo através de anúncios do Jornal do Comércio do Rio de Janeiro. Resumo: Doutoranda Juliana Maia de Queiroz 1 (UNICAMP). Em 1868, Joaquim Manuel de Macedo publicou o romance

Leia mais

SILVA, Maria Beatriz Nizza da (Org.). História de São Paulo colonial. São Paulo: Ed. UNESP, 2009. 346p.

SILVA, Maria Beatriz Nizza da (Org.). História de São Paulo colonial. São Paulo: Ed. UNESP, 2009. 346p. Histórias da capitania de São Paulo SILVA, Maria Beatriz Nizza da (Org.). História de São Paulo colonial. São Paulo: Ed. UNESP, 2009. 346p. Denise A Soares de Moura * São Paulo de 1532 a 1822. 290 anos

Leia mais

O QUE HÁ DE ÁFRICA EM NÓS

O QUE HÁ DE ÁFRICA EM NÓS O QUE HÁ DE ÁFRICA EM NÓS Wlamyra Albuquerque e Walter Fraga SUPLEMENTO DE ATIVIDADES ELABORAÇÃO: Maria Clara Wasserman Mestre em História, especialista em História da Arte e pesquisadora. OS AUTORES Walter

Leia mais

ENTRE PADRINHOS E COMPADRES: OS AFRICANOS NOS LIVROS DE BATISMOS EM SERGIPE (1785-1835)

ENTRE PADRINHOS E COMPADRES: OS AFRICANOS NOS LIVROS DE BATISMOS EM SERGIPE (1785-1835) ENTRE PADRINHOS E COMPADRES: OS AFRICANOS NOS LIVROS DE BATISMOS EM SERGIPE (1785-1835) 1 JOCENEIDE CUNHA Nos anos oitenta do século XX, surgiu a chamada nova historiografia da escravidão. Entre os pesquisadores

Leia mais

Lançamento de Livros e Sessão de Autógrafos 12 de Julho - 19h30

Lançamento de Livros e Sessão de Autógrafos 12 de Julho - 19h30 Lançamento de Livros e Sessão de Autógrafos 12 de Julho - 19h30 Ana Isabel Madeira (Apresentação pela autora - sala 1) Referência da Obra: Madeira, A. (2012). A Construção do Saber Comparado em Educação:

Leia mais

1 A autora é aluna do curso de mestrado do Programa de Pós-Graduação em História Comparada da UFRJ, com

1 A autora é aluna do curso de mestrado do Programa de Pós-Graduação em História Comparada da UFRJ, com Demografia e sociabilidades em regiões açucareiras: experiências escravas de Campos dos Goytacazes/Brasil e Matanzas/Cuba 1790-1830 Sirlene de Andrade Rocha 1 Introdução: As últimas décadas do século XVIII

Leia mais

Componente Curricular: LÍNGUA BRASILEIRA DE SINAIS - LIBRAS PLANO DE CURSO

Componente Curricular: LÍNGUA BRASILEIRA DE SINAIS - LIBRAS PLANO DE CURSO CURSO DE ENFERMAGEM Reconhecido pela Portaria nº 270 de 13/12/12 DOU Nº 242 de 17/12/12 Seção 1. Pág. 20 Componente Curricular: LÍNGUA BRASILEIRA DE SINAIS - LIBRAS Código: ENF 405 Pré-requisito: Nenhum

Leia mais

DIVERSIDADE CULTURAL: A VALORIZAÇÃO ATRAVÉS DO LÚDICO 1

DIVERSIDADE CULTURAL: A VALORIZAÇÃO ATRAVÉS DO LÚDICO 1 DIVERSIDADE CULTURAL: A VALORIZAÇÃO ATRAVÉS DO LÚDICO 1 Naiara de Souza Araújo 2 Raquel Leandro Portal 3 Resumo O Brasil é um país com uma ampla diversidade cultural que necessita ser valorizada e por

Leia mais

TEMA E EXPANSÃO E MUDANÇA NOS SÉCULOS XV E XVI

TEMA E EXPANSÃO E MUDANÇA NOS SÉCULOS XV E XVI TEMA E EXPANSÃO E MUDANÇA NOS SÉCULOS XV E XVI 1. Expansionismo Europeu 1.1. Rumos da expansão 1.1.1. Os avanços da expansão e as rivalidades luso-castelhanas 1.1.2. A chegada à Índia e ao Brasil 1.2.

Leia mais

COLÉGIO ESTADUAL CESAR STANGE EFM.

COLÉGIO ESTADUAL CESAR STANGE EFM. COLÉGIO ESTADUAL CESAR STANGE EFM. PLANO DE TRABALHO DOCENTE - 2012 Professora: Ana Claudia Martins Ribas Disciplina: História - 8º ano -Fundamental 1º BIMESTRE Conteúdos Básicos: -Povos, Movimentos e

Leia mais

PIBID HISTÓRIA 1 COORDENAÇÃO: PROFA. DRA. KARINA KOSICKI BELLOTTI SUPERVISÃO: PROF. DANIEL JACOB NODARI COLÉGIO D. PEDRO II 28 de novembro de 2014

PIBID HISTÓRIA 1 COORDENAÇÃO: PROFA. DRA. KARINA KOSICKI BELLOTTI SUPERVISÃO: PROF. DANIEL JACOB NODARI COLÉGIO D. PEDRO II 28 de novembro de 2014 PIBID HISTÓRIA 1 COORDENAÇÃO: PROFA. DRA. KARINA KOSICKI BELLOTTI SUPERVISÃO: PROF. DANIEL JACOB NODARI COLÉGIO D. PEDRO II 28 de novembro de 2014 RELATÓRIO FINAL ATIVIDADE SOBRE DIA DA CONSCIÊNCIA NEGRA

Leia mais

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO Período: 77.1 79.2 OBJETIVOS: Levar o aluno a conhecer e sistematizar o processo das técnicas e das formas, das técnicas e das principais concepções poéticas e ideológicas dos movimentos de vanguarda européia

Leia mais

A CULTURA AFRO-BRASILEIRA COMO CONTEÚDO A SER ENSINADO NAS AULAS DE EDUCAÇÃO FÍSICA

A CULTURA AFRO-BRASILEIRA COMO CONTEÚDO A SER ENSINADO NAS AULAS DE EDUCAÇÃO FÍSICA 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 A CULTURA AFRO-BRASILEIRA COMO CONTEÚDO A SER ENSINADO NAS AULAS DE EDUCAÇÃO FÍSICA Vagner Ferreira Reis 1 ; Jacqueline da Silva Nunes Pereira 2 RESUMO:

Leia mais

O USO DA FORMA VOCÊ NO NORTE DE MINAS GERAIS Maria do Socorro Vieira Coelho (UniMontes) soccoelho@hotmail.com

O USO DA FORMA VOCÊ NO NORTE DE MINAS GERAIS Maria do Socorro Vieira Coelho (UniMontes) soccoelho@hotmail.com O USO DA FORMA VOCÊ NO NORTE DE MINAS GERAIS Maria do Socorro Vieira Coelho (UniMontes) soccoelho@hotmail.com 1. Introdução Neste artigo trata-se, sob a perspectiva sociolinguística variacionista, a alternativa

Leia mais

O comércio de escravos para a capitania de Santa Catarina (1815-1826): Notas preliminares

O comércio de escravos para a capitania de Santa Catarina (1815-1826): Notas preliminares Vitor Hugo Bastos Cardoso: O comércio de escravos... 43 O comércio de escravos para a capitania de Santa Catarina (1815-1826): Notas preliminares Vitor Hugo Bastos Cardoso vitorhgcardoso@yahoo.com.br Universidade

Leia mais

Como citar este artigo Número completo Mais artigos Home da revista no Redalyc

Como citar este artigo Número completo Mais artigos Home da revista no Redalyc Diálogos - Revista do Departamento de História e do Programa de Pós-Graduação em História ISSN: 1415-9945 rev-dialogos@uem.br Universidade Estadual de Maringá Brasil de Alencar Arnaut de Toledo, Cézar

Leia mais

Corrida da Saúde. Infantis A - Feminino

Corrida da Saúde. Infantis A - Feminino Corrida da Saúde Classificação geral do corta-mato, realizado no dia 23 de Dezembro de 2007, na Escola E.B. 2,3 de Valbom. Contou com a participação dos alunos do 4º ano e do 2º e 3º ciclos do Agrupamento

Leia mais

Ciências Humanas. baseado nos Padrões Curriculares do Estado de São Paulo

Ciências Humanas. baseado nos Padrões Curriculares do Estado de São Paulo Ciências Humanas baseado nos Padrões Curriculares do Estado de São Paulo 1 PROPOSTA CURRICULAR DA DISCIPLINA DE CIÊNCIAS HUMANAS Elementary School 2 K5 Conteúdos Gerais Conteúdos Específicos Habilidades

Leia mais

Reflexões socioantropológicas sobre festa, religião e cidade no Brasil.

Reflexões socioantropológicas sobre festa, religião e cidade no Brasil. Reflexões socioantropológicas sobre festa, religião e cidade no Brasil. PEREZ, Léa Freitas. Festa, religião e cidade. Corpo e Alma do Brasil. Porto Alegre: Medianiz, 2011, 211p. Mauro Dillmann 1 Gilberto

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ PLANO DE ENSINO Disciplina: HISTÓRIA DO BRASIL B Código: HH 159 Carga Horária 60 horas EMENTA: Estudos de revisão historiográfica sobre o Brasil Império e a República Velha.

Leia mais

Técnicos Especializados

Técnicos Especializados Nome da Escola : Data final da candidatura : Disciplina Projeto: Agrupamento de Escolas Alexandre Herculano, Porto Nº Escola : 153000 2015-09-03 Nº Horário : 75 Escola de Referência para a Educação Bilingue

Leia mais

BRASIL E ESTADOS UNIDOS: relações comerciais e linguístico-culturais

BRASIL E ESTADOS UNIDOS: relações comerciais e linguístico-culturais BRASIL E ESTADOS UNIDOS: relações comerciais e linguístico-culturais Autor(a): João Corcino Neto Coautor(es): Suzana Ferreira Paulino Email: jcn1807iop@gmail.com Introdução As relações comerciais entre

Leia mais

COLÉGIO MARISTA DE BRASÍLIA Educação Infantil e Ensino Fundamental Aluno(a): 8º Ano: Nº Professor(a): Data: / / Componente Curricular: HISTÓRIA

COLÉGIO MARISTA DE BRASÍLIA Educação Infantil e Ensino Fundamental Aluno(a): 8º Ano: Nº Professor(a): Data: / / Componente Curricular: HISTÓRIA COLÉGIO MARISTA DE BRASÍLIA Educação Infantil e Ensino Fundamental Aluno(a): 8º Ano: Nº Professor(a): Data: / / Componente Curricular: HISTÓRIA 2011/HIST8ANOEXE2-PARC-1ºTRI-I AVALIAÇÃO PARCIAL 1º TRIMESTRE

Leia mais

LITERATURA AFRICANA: EM BUSCA DE CAMINHOS PARA A DESCONSTRUÇÃO DO RACISMO

LITERATURA AFRICANA: EM BUSCA DE CAMINHOS PARA A DESCONSTRUÇÃO DO RACISMO 1 LITERATURA AFRICANA: EM BUSCA DE CAMINHOS PARA A DESCONSTRUÇÃO DO RACISMO Vanuza Oliveira do Carmo (UFS) 1- INTRODUÇÃO Presenciamos atualmente muitas discussões acerca da Lei 10.639 aprovada em janeiro

Leia mais

PROCESSOS ESCOLARES NO IMAGINÁRIO DOS VIAJANTES EUROPEUS EM MINAS GERAIS NO SÉCULO XIX *

PROCESSOS ESCOLARES NO IMAGINÁRIO DOS VIAJANTES EUROPEUS EM MINAS GERAIS NO SÉCULO XIX * PROCESSOS ESCOLARES NO IMAGINÁRIO DOS VIAJANTES EUROPEUS EM MINAS GERAIS NO SÉCULO XIX * Cláudia Fernanda de Oliveira/FAE-UFMG 2 Darlen Nogueira da Costa/FAE-UFMG 3 Pensar na existência de um projeto de

Leia mais

A Capoeira é uma arte marcial afro-brasileira que iria encontrar suas raízes nos métodos de guerra e danças dos povos africanos no tempo da

A Capoeira é uma arte marcial afro-brasileira que iria encontrar suas raízes nos métodos de guerra e danças dos povos africanos no tempo da CAPOEIRA A Capoeira é uma arte marcial afro-brasileira que iria encontrar suas raízes nos métodos de guerra e danças dos povos africanos no tempo da escravatura no Brasil. No século XVI, Portugal tinha

Leia mais

Título: A formação do professor para o uso do jornal na sala de aula no ensino

Título: A formação do professor para o uso do jornal na sala de aula no ensino Título: A formação do professor para o uso do jornal na sala de aula no ensino fundamental Resumo O projeto de iniciação científica está vinculado à pesquisa Uso do jornal em sala de aula e compreensão

Leia mais

Curso de Pós Graduação em Energia SEMINÁRIOS DE ENERGIA (ENE-105)

Curso de Pós Graduação em Energia SEMINÁRIOS DE ENERGIA (ENE-105) Curso de Pós Graduação em Energia SEMINÁRIOS DE ENERGIA (ENE-105) Prof. Dr. Federico Bernardino Morante Trigoso Prof. Dr. Luis Alberto Martinez Riascos Santo André, SP Setembro de 2012 federico.trigoso@ufabc.edu.br

Leia mais