O processo de aprendizagem coletiva e o uso da tecnologia em agências de viagens: contribuições dos estudos baseados em prática e da etnometodologia

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "O processo de aprendizagem coletiva e o uso da tecnologia em agências de viagens: contribuições dos estudos baseados em prática e da etnometodologia"

Transcrição

1 Universidade Presbiteriana Mackenzie Centro de Ciências Sociais e Aplicadas Programa de Pós-Graduação em Administração de Empresas O processo de aprendizagem coletiva e o uso da tecnologia em agências de viagens: contribuições dos estudos baseados em prática e da etnometodologia Marcelo de Souza Bispo São Paulo 2011

2 Marcelo de Souza Bispo O processo de aprendizagem coletiva e o uso da tecnologia em agências de viagens: contribuições dos estudos baseados em prática e da etnometodologia Tese apresentada ao Programa de Pós- Graduação em Administração de Empresas da Universidade Presbiteriana Mackenzie, para obtenção do título de Doutor em Administração de Empresas. Orientadora: Profa. Dra. Arilda Schmidt Godoy São Paulo 2011

3 1 B622p Bispo, Marcelo de Souza. O processo de aprendizagem coletiva e o uso da tecnologia em agências de viagens: contribuições dos estudos baseados em prática e da etnometodologia / Marcelo de Souza Bispo f. : il. ; 30 cm Tese (Doutorado em Administração de Empresas) Universidade Presbiteriana Mackenzie, São Paulo, Orientação: Professora Dra. Arilda Schmidt Godoy Bibliografia: f Aprendizagem coletiva. 2. Estudos baseados em prática. 3. Etnometodologia. 4. Agências de viagens. I. Título. CDD

4 2 Reitor da Universidade Presbiteriana Mackenzie Professor Dr. Benedito Guimarães Aguiar Neto Decano de Pesquisa e Pós-Graduação Professor Dr. Moisés Ari Zilber Diretor do Centro de Ciências Sociais e Aplicadas Professor Dr. Sérgio Lex Coordenadora do Programa de Pós-Graduação em Administração de Empresas Professora Dra. Darcy Mitiko Mori Hanashiro

5 3 Ninguém educa ninguém, como tampouco ninguém se educa a si mesmo: os homens se educam em comunhão, mediatizados pelo mundo. Paulo Freire (2009, p. 79)

6 4 Dedico... À minha mãe e ao meu pai pelo apoio e amor que me conduziram até este momento. À minha avó Izabel que sempre quis um doutor na família, mesmo sem saber, ao certo, o que isso significa.

7 5 Agradeço À Profa. Dra. Arilda S. Godoy, por acreditar em um projeto audacioso e entregar o seu melhor para que ele se concretizasse. À Profa. Dra. Janette Brunstein que colaborou ao longo do processo do desenvolvimento da tese durante as aulas, os seminários e a qualificação. À Profa. Dra. Silvia Gherardi da Universidade de Trento (Itália) que foi minha principal inspiradora a partir dos seus textos, grande colaboradora com as suas críticas ao meu trabalho e a honra de me confiar a sua amizade. Ao Prof. Dr. Antonio Strati da Universidade de Trento, pela atenção e o desafio de me fazer encontrar, por meio dos sentidos, o gosto e o sabor das práticas que eu procurei ao longo da tese. À Profa. Dra. Manuela Perrotta da Universidade de Trento, pela atenção e ajuda na minha viagem à Itália, pelas significativas contribuições às minhas reflexões acerca do tema e a confiança da sua amizade. Aos demais colegas da Universidade de Trento, pelo apoio durante minha estada na Itália, além das contribuições ao meu trabalho no seminário. À Profa. Dra. Monica Kennedy da Universidade de Camberra (Austrália), pelos momentos de reflexões conjuntas e a amizade. Ao Prof. Dr. Charles Kirschbaum, pelas contribuições na banca de qualificação e amizade. Aos meus colegas de doutorado, pela companhia, ajuda e compartilhamento de alegrias e angústias durante o processo. Aos professores do Programa que contribuíram significativamente para o meu desenvolvimento ao longo do percurso. À LCA Viagem e Turismo, na figura de seus sócios e funcionários, pela oportunidade de realização da minha pesquisa de campo e pela ajuda e atenção fundamentais para o resultado da tese. À Cátia Veneziano Pitombeira, pelo incentivo, apoio e ajuda nas minhas aventuras de aprimorar minha escrita na língua Inglesa. Ao Anderson Veneziano Pitombeira, pela ajuda na edição das fotos. Ao Ednei Monteiro, pela ajuda na edição das figuras. Este trabalho foi financiado em parte pelo Fundo Mackenzie de Pesquisa.

8 6 Resumo As demandas sobre as organizações por inovação e mudança para sobrevivência no ambiente hiper-competitivo sugere novas formas de pensar o que é aprender e conhecer que parecem ir além do que está disponível em livros, manuais didáticos, salas de aula e treinamentos nas empresas. É preciso tentar entender como as pessoas aprendem umas com as outras no cotidiano, a partir das interações sociais que transcendem os processos formais utilizados pelas organizações. Este esforço exige pensar as organizações enquanto campos simbólicos nos quais as pessoas convivem em constante interação, mediadas pela linguagem construindo significado e sentido para suas atividades cotidianas (HATCH; YANOW, 2003). Segundo esta ótica é possível entender a organização como um espaço de aprendizagem e geração de conhecimento, permeado de negociação e troca contínua entre seus membros e os artefatos, especialmente os tecnológicos, que compartilham de um mesmo ambiente (BRUNI, 2005; BRUNI; GHERARDI; PAROLIN, 2007; SUCHMAN et al., 1999). Valtonen (2009) destaca que as micro e pequenas empresas de turismo possuem uma gama de possibilidades para serem pesquisadas e, para a autora, estas organizações possuem qualidades epistemológicas que possibilitam pesquisas relevantes, ao contrário do que ocorre predominantemente nas pesquisas na área de Administração em que estas organizações são vistas como vácuo de conhecimento ou incapazes na adoção de sistemas eficientes de gestão do conhecimento. Neste sentido Valtonen (2009) aponta que as pequenas empresas do segmento turístico contribuem para uma forma distinta da geração do conhecimento, particularmente, quando o foco está em um conhecimento prático. A presente pesquisa adotou como pergunta norteadora: como ocorre o processo de aprendizagem coletiva do uso de tecnologias de informação e comunicação, em especial a Internet, enquanto prática de trabalho em uma agência de viagens? O objetivo principal da pesquisa foi compreender o processo de aprendizagem coletiva do uso da tecnologia como prática em agências de viagens. É nessa perspectiva que os Estudos Baseados em Prática (EBP) apresentam-se como opção para debater, discutir e compreender os processos de aprendizagem coletivos e não formais nas organizações (NICOLINI; GHERARDI; YANOW, 2003; GHERARDI, 2001, 2006). Para Gherardi (2006) tal entendimento possibilita trabalhar com os fenômenos de maneira situada, considerando que a temporalidade e a historicidade têm valor significativo para uma melhor compreensão dos mundos sociais. Ainda segundo a autora, esta forma de pensar as organizações valoriza o que ela coloca como knowing-in-practice, ou seja, significa que o conhecimento é situado como um processo social, humano, material, estético, emotivo e ético. A etnometodologia foi utilizada como estratégia de investigação empírica para a condução deste estudo que foi realizado em três agências de viagens de uma mesma empresa durante o período de sete meses. Os principais achados foram no sentido de como o uso da tecnologia como prática influencia os processos de organizing, vendas e gestão da empresa pesquisada e a principal conclusão é que a aprendizagem coletiva não é a extrapolação da aprendizagem no nível individual. Palavras-chave: Aprendizagem coletiva, Estudos Baseados em Prática, Etnometodologia, Organizações, Agências de viagens.

9 7 Abstract The demands on organizations for innovation and change in order to survive in a hyper-competitive environment suggest new ways of thinking "what is" to learn and to know, that seems to go beyond what is available in books, textbooks, classrooms and companies training rooms. We must try to understand how people learn from each other in everyday life, from the social interactions that transcend the formal processes used by organizations. This effort requires looking at organizations as symbolic fields in which people live in constant interaction mediated by language building meaning to their everyday activities (HATCH; YANOW, 2003). According to this perspective it is possible to understand the organization as a place of learning and knowledge generation, permeated by negotiation and continued exchange among its members and artifacts, especially the technological ones, which share the same environment (BRUNI, 2005; BRUNI; GHERARDI; PAROLIN, 2007, SUCHMAN et al., 1999). Valtonen (2009) points out that micro and small tourism enterprises have a range of possibilities to be investigated and epistemological qualities that enable relevant research, unlike what occurs predominantly in the research on the Administration field, where such organizations are seen as displaying a "knowledge vacuum" or being unable to adopt efficient systems of knowledge management. In this sense Valtonen (2009) points out that small companies in the tourism sector contribute to a distinct way of knowledge generation, particularly when the focus is on a more practical knowledge. This research adopted as a guiding question how the process of collective learning of using information and communication technologies, particularly the Internet, while labor practice in a travel agency occurs. The main objective of the research was to understand the process of collective learning of technology use as a practice in travel agencies. In this perspective, Practice-based Studies (PBS) is seen as an option to debate, discuss and understand the collective and nonformal learning processes in organizations (NICOLINI; GHERARDI; YANOW, 2003; GHERARDI, 2001, 2006). To Gherardi (2006) such an understanding allows working with the phenomena in a situated form, whereas the temporality and historicity have significant value to a better understanding of social worlds. Also according to the author, this way of thinking about organizations value what she regards as knowing-in-practice, i.e., that knowledge is situated as a social, human, material, aesthetic, emotional and ethical process. Ethnomethodology was used as an empirical research strategy for conducting this study which was carried out in three travel agencies belonging to the same company during a period of seven months. The main findings concern to how the use of technology as a practice influences the organizing, sales and management processes inside the researched company and the main conclusion is that collective learning is not the extrapolation of learning at the individual level. Keywords: Collective Learning, Practice-based research, Ethnomethodology, Organizations, Travel Agencies.

10 8 Sumário INTRODUÇÃO PARTE I - CONCEPÇÕES TEÓRICAS E EPISTEMOLÓGICAS AS ORGANIZAÇÕES E OS PROCESSOS DE APRENDIZAGEM Organizações Turísticas e os Processos de Aprendizagem As Organizações Enquanto Contextos Sociais e Estética Os Múltiplos Paradigmas sobre Aprendizagem nas Organizações A Perspectiva Sociológica da Aprendizagem UMA ABORDAGEM SOCIAL, SITUADA E NATURALÍSTICA DA APRENDIZAGEM OS ESTUDOS BASEADOS EM PRÁTICA (EBP) As Influências Filosóficas e Sociológicas do Conceito de Prática Uma Teoria da Prática: a Etnometodologia Os Estudos Baseados em Prática (EBP) A história dos movimentos dos EBP A Relação dos EBP com aprendizagem e conhecimento O Vocabulário dos Estudos Baseados em Prática Conceitos-chave nos Estudos Baseados em Prática Prática Learning, knowing and doing Organizing Sensible knowledge, taste-making As Tradições dos Estudos Baseados em Prática A tradição cultural interpretativa A tradição das comunidades de prática A tradição da atividade cultural e histórica A tradição da Sociologia da Translação ou Teoria Ator-Rede (TAR) A tradição dos estudos no local de trabalho (workplace studies) A Contribuição dos Estudos Baseados em Prática para o Entendimento dos Processos de Aprendizagem nas Organizações Trabalhos Empíricos sobre Aprendizagem que Adotaram o Conceito de Prática PARTE II METODOLOGIA E INVESTIGAÇÃO DE CAMPO ABORDAGEM METODOLÓGICA E ESTRATÉGIAS DE INVESTIGAÇÃO UMA POSTURA ETNOMETODOLÓGICA NA LCA VIAGENS E TURISMO A Etnometodologia Enquanto Método Entrevista Análise de documentos... 80

11 Observação participante, notas de campo e conversas informais A LCA Viagens e Turismo O que são agências de viagem e turismo? A história e o contexto da agência LCA Desenho da Pesquisa Uma pequena história antes de apresentar a metodologia Estratégia de investigação INTERPRETAÇÕES E REFLEXÕES SOBRE AS PRÁTICAS E O PROCESSO DE APRENDIZAGEM NA LCA O Uso da Tecnologia TIC como Prática na LCA O uso da tecnologia como prática no processo de organizing da LCA O uso da tecnologia como prática no processo de vendas da LCA O uso da tecnologia como prática de gestão na LCA O Processo de Aprendizagem do Uso da Tecnologia como Prática na LCA CONCLUSÕES REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS APÊNDICES Apêndice A Declaração de responsabilidade do pesquisador Apêndice B Autorização para a realização da pesquisa na LCA Apêndice C Termo de consentimento livre e esclarecido Apêndice D Anotações de campo digitalizadas Apêndice E Alfabeto fonético Apêndice F Siglas IATA de aeroportos em localidades

12 10 Lista de Quadros Quadro 1 As quatro abordagens da estética em pesquisa organizacional Quadro 2 Comparação entre as duas grandes escolas de pensamento em aprendizagem organizacional Quadro 3 Aprendizagem nas perspectivas cognitiva e social Quadro 4 As Tradições Sociológicas e as Narrativas de Aprendizagem 35 Organizacional... Quadro 5 O conceito de prática para Bourdieu, Giddens e Garfinkel Quadro 6 Os cinco conceitos-chave da etnometodologia Quadro 7 Artigos do primeiro periódico que reuniu apenas artigos de EBP Quadro 8 Tradições dos Estudos Baseados em Prática Quadro 9 O uso da tecnologia na LCA para Vendas Quadro 10 O uso da tecnologia como prática na LCA

13 11 Lista de Figuras Figura 1 Os influenciadores de Garfinkel na construção da etnometodologia Figura 2 Representação gráfica dos Estudos Baseados em Prática Figura 3 Etnometodologia enquanto método Figura 4 Classificação legal das agências de turismo Figura 5 Proposta de estratégia de interpretação de dados à luz da etnometodologia Figura 6 O processo de constituição da prática Figura 7 O processo de constituição do uso da tecnologia como prática na LCA Figura 8 Etnometodologia: teoria e investigação empírica

14 12 Lista de Fotografias Foto 1 Loja LCA na Vila Mariana Foto 2 Loja LCA em Pirituba Foto 3 Loja LCA em Pirituba Foto 4 Loja LCA universitária Foto 5 Loja LCA universitária Foto 6 Escritório da LCA em Perdizes Foto 7 Caderno de anotações de campo Foto 8 Caderno de anotações dos funcionários Foto 9 Ficha de ordem de serviço Foto 10 Interação com cliente e fornecedores Foto 11 Caderno de anotações Foto 12 Interações com clientes mediadas por tecnologia Foto 13 Atendimento ao cliente na agência com o apoio de tecnologia Foto 14 Linguagem própria do trade turístico Foto 15 Tecnologia como apoio ao processo de venda

15 13 INTRODUÇÃO As demandas sobre as organizações por inovação e mudança para sobrevivência no ambiente hiper-competitivo sugere novas formas de pensar o que é aprender e conhecer que parecem ir além do que está disponível em livros, manuais didáticos, salas de aula e treinamentos nas empresas. É preciso tentar entender como as pessoas aprendem umas com as outras no cotidiano a partir das interações sociais que transcendem os processos formais utilizados pelas organizações. Este esforço exige pensar as organizações enquanto campos simbólicos nos quais as pessoas convivem em constante interação, mediada pela linguagem construindo significado e sentido para suas atividades cotidianas (HATCH; YANOW, 2003). Segundo esta ótica é possível entender a organização como um espaço de aprendizagem e geração de conhecimento, permeado de negociação e troca contínua entre seus membros e os artefatos, especialmente os tecnológicos, que compartilham em um mesmo ambiente (SUCHMAN et al., 1999; BRUNI, 2005; BRUNI; GHERARDI; PAROLIN, 2007). É nessa perspectiva que os Estudos Baseados em Prática (EBP) apresentam-se como opção para debater, discutir e compreender os processos de aprendizagem coletivos e não formais nas organizações (NICOLINI; GHERARDI; YANOW, 2003; GHERARDI, 2001, 2006). Gherardi (2006) aponta que o destaque para os EBP está no reconhecimento das ciências sociais enquanto promotora da discussão acerca da limitação da racionalidade e o questionamento do paradigma funcionalista nos estudos organizacionais. Sugere que esta perspectiva abre a possibilidade de entender que é possível fazer ciência sem, necessariamente, buscar generalizações. Tal entendimento possibilita trabalhar com os fenômenos de maneira situada, considerando que a temporalidade e a historicidade têm valor significativo para uma melhor compreensão dos mundos sociais. Segundo a autora, esta forma de pensar as organizações valoriza o que ela coloca como knowing-in-practice, ou seja, significa que o conhecimento é situado como um processo social, humano, material, estético, emotivo e ético. Significa também que o conhecimento é construído a partir das práticas, num processo que associa o knowing (conhecer) ao doing (fazer). Nesse sentido, a prática é a figura do discurso que permite que os processos de conhecer (knowing) e organizar (organizing) no trabalho estejam articulados enquanto processos históricos, materiais e indeterminados (GHERARDI, 2000, p ). Toda prática individual é situada num amplo campo de práticas as quais se ramificam em todas as

16 14 direções, do individual para o organizacional e o institucional, assim como qualquer outro sistema complexo. Aqui a aprendizagem não é entendida enquanto processos individuais, grupais e organizacionais distintos, mas como um único processo em que todos estão contemplados simultaneamente. O campo das práticas é entendido como uma composição de atividades interconectadas e em constante mudança de padrão (GHERARDI, 2006). De acordo com Antonello e Godoy (2009): Os estudos baseados em práticas partem da noção de uma realidade emergente, do conhecimento como uma atividade material, conectada a artefatos materiais: o social não só está relacionado aos seres humanos, mas também a artefatos simbólicos e culturais. A noção de prática é rica à medida que articula a noção de espaço-tempo do fazer dos atores, isto é, como práticas situadas, implicando incertezas, conflitos e incoerências como características intrínsecas a essas práticas. Acredita-se que esta nova noção do processo de aprendizagem organizacional pode gerar consideráveis insights em sua natureza, contribuindo também para a compreensão da micro e macro-dinâmica da organização, e para o fluxo de mudança em um sistema social. Para obter esses insights é necessário, porém, repensar os métodos que devem fazer parte de nossa caixa de ferramentas, devido à natureza interpretativa do processo em questão (p , grifos das autoras). A partir destas considerações feitas pelas autoras, neste trabalho, a etnometodologia se apresenta como uma possibilidade não apenas teórica como também metodológica de investigação dos processos situados e naturalísticos de aprendizagem, geração e transmissão de conhecimento por meio das práticas. Ten Have (2004) afirma que na etnometodologia os fatos são vistos como sendo produzidos nos membros e pelos próprios membros em atividades práticas, ou seja, o interesse de investigação etnometodológica está na compreensão do cotidiano. A etnometodologia surgiu, na década de sessenta, como uma corrente da sociologia americana, que buscou romper com a sociologia tradicional e seu modo de desenvolver pesquisas à luz dos paradigmas positivista e pós-positivista. Ela parte da noção de que é importante compreender e apreender como organizamos nossa existência social, analisando as práticas ordinárias no aqui e agora, sempre localizadas nas interações sociais (COULON, 2005). Para Garfinkel (2006) que foi o iniciador do movimento etnometodológico, o comportamento das pessoas é construído nas interações por meio de um processo de linguagem e negociação contínuo e situado, ou seja, não há uma estrutura rígida e imutável que orienta o agir das pessoas. Portanto, a etnometodologia se caracteriza como uma abordagem teórica-metodológica (OLIVEIRA et al., 2010) que influencia os principais pressupostos epistemológicos dos Estudos Baseados em Prática e possibilita uma nova

17 15 maneira de compreender os processos de aprendizagem nas organizações (GHERARDI, 2006). A escolha dos Estudos Baseados em Prática como arcabouço teórico, assim como da etnometodologia enquanto possibilidade teórica-metodológica ocorreu pelos seguintes motivos: emergência dos estudos sobre aprendizagem em contextos denominados como informais (MARSICK; WATKINS, 2001; CONLON, 2004; MARSICK, 2009), sociais (ELKJAER, 2003) ou ainda no local de trabalho (GHERARDI, 2006); valorização do conhecimento tácito e estético nas organizações (YANOW, 2004; STRATI, 2007); lacuna de estudos sobre aprendizagem coletiva nas organizações no contexto brasileiro (ANTONELLO; GODOY, 2009); potencialidade dos Estudos Baseados em Prática para compreender processos de aprendizagem coletivos, considerando que esta abordagem ainda é pouco utilizada no Brasil (ANTONELLO; GODOY, 2009); busca por novos métodos de pesquisa que deem conta de contribuir no acesso ao fenômeno da aprendizagem no âmbito da abordagem das práticas (NICOLINI, 2009b; GEIGER, 2009; GHERARDI, 2009b); etnometodologia enquanto metodologia, visto que há uma escassez de estudos empíricos na área de Administração com este enfoque (OLIVEIRA et al., 2010); carência de teorias sobre turismo, em especial, relacionada aos temas aprendizagem e conhecimento, assim como em pequenas empresas do setor turístico (VALTONEN, 2009). O campo escolhido para a investigação foi uma empresa de turismo que possui três agências de viagens localizadas na grande São Paulo onde o estudo etnometodológico foi realizado durante sete meses. A escolha se deu basicamente por três razões distintas e complementares: a necessidade de ter algum conhecimento do campo escolhido, neste caso, do turismo, com o intuito de atender ao que Garfinkel (2006) denomina de requisito único de adequação e Francis e Hester (2004) de imersão adquirida, em que o objetivo é que o pesquisador possua o conhecimento do campo pelo ponto de vista de um insider para interpretar as ações cotidianas, práticas. Este requisito é atendido pela minha formação em turismo, assim como experiência profissional na área. A outra razão justifica-se pelo turismo ser uma atividade econômica importante no mundo e emergente no Brasil, em especial, com a realização da Copa do Mundo de 2014 e as Olimpíadas de 2016, tendo as agências de viagens papel importante neste contexto. Por fim, o fato de a empresa funcionar em 2005 na casa de um dos atuais sócios e em 2008 já possuir três lojas. Com a intenção de evidenciar a relevância econômica da atividade turística, apresento os seguintes dados: (a) o turismo movimentou no mundo em 2008 aproximadamente US$ 5 trilhões de dólares e em 2009 a receita cambial turística global foi de aproximadamente US$

18 16 852,4 bilhões de dólares (OMT 1, 2009); (b) de acordo com o Ministério do Turismo 2, o Brasil recebeu em 2010 aproximadamente 5,16 milhões de turistas estrangeiros e o gasto total deles no país foi em torno de US$ 572 milhões de dólares, número 12,46% maior do que em 2009; (c) o Brasil possui agências de viagens cadastradas no Ministério do Turismo e destas, encontram-se no estado de São Paulo (MINISTÉRIO DO TURISMO, 2010). Após as justificativas teóricas, metodológicas e de escolha da organização estudada, cabe destacar que o problema de pesquisa, assim como o objetivo principal dividiu-se em duas etapas para que o princípio de indiferença etnometodológica 3 (GARFINKEL, 2006) fosse atendido. Desta forma, antes do início da pesquisa de campo a pergunta norteadora do estudo era como ocorre o processo de aprendizagem das práticas em agências de viagens e de que maneira elas são sustentadas e modificadas?. Nesse contexto, o objetivo principal era compreender como são aprendidas as práticas em agências de viagem e como essas práticas perduram e são modificadas. Os objetivos específicos foram estabelecidos em relação a tais práticas: identificá-las em agências de viagem, descrever e analisar o seu processo de aprendizagem, e discutir quais elementos as sustentavam e modificavam. Passado algum tempo de investigação em campo e tendo identificado a forte influência do uso da tecnologia na empresa pesquisada, houve um refinamento do problema de pesquisa assim como dos objetivos. A nova pergunta de pesquisa que norteou o restante do tempo em que estive em campo passou a ser: como ocorre o processo de aprendizagem coletiva do uso de tecnologias de informação e comunicação, em especial a Internet, enquanto prática de trabalho em uma agência de viagens?. Assim, o principal objetivo passou a ser compreender o processo de aprendizagem coletiva do uso da tecnologia como prática em agências de viagens. Visando atender a este objetivo surgiram os seguintes objetivos específicos: identificar atividades que constituem o uso da tecnologia como prática resultante de aprendizagem coletiva; compreender as influências do conhecimento tácito e da estética na produção, reprodução e modificação da prática; e interpretar os impactos do uso da tecnologia como prática nos processos de organização, vendas e gestão. 1 OMT Organização Mundial do Turismo. 2 Matérias da assessoria de comunicação do Ministério do Turismo e da EMBRATUR disponíveis em (acesso em ); (acesso em ). 3 Este conceito etnometodológico refere-se à suspensão da escolha de práticas a priori no processo de investigação empírica e será abordado com mais detalhes no item referente à metodologia.

19 17 Como forma de atender o objetivo da pesquisa o trabalho foi organizado em duas partes com quatro itens no total, além das conclusões. A parte I, que contempla os itens 1 e 2, apresenta e discute as concepções teóricas e epistemológicas que orientam o entendimento sobre aprendizagem, conhecimento e organizações. No item 1 é feita uma discussão acerca da relação entre aprendizagem e organizações na busca pela ampliação da compreensão sobre aprendizagem organizacional nas suas múltiplas abordagens, assim como das organizações enquanto contextos sociais e estéticos, incluindo as organizações turísticas. No segundo item, o foco é o aprofundamento dos Estudos Baseados em Prática iniciando com a discussão sobre as influências filosóficas e sociológicas do conceito de prática com espaço privilegiado para as contribuições etnometodológicas de Garfinkel. Em seguida é feita uma pequena abordagem da história do movimento dos EBP, assim como seus principais conceitos, tradições e alguns exemplos de pesquisas internacionais realizadas que contribuem na compreensão de como são desenvolvidos os estudos nesta área. Na parte II, onde se encontram os itens 3 e 4, são apresentadas a metodologia de pesquisa e a investigação de campo. No terceiro item o destaque está na apresentação da etnometodologia enquanto método de investigação, assim como na descrição da empresa pesquisada e no desenho da pesquisa. No item 4 são trazidas as interpretações e reflexões sobre o processo de aprendizagem coletiva no uso da tecnologia como prática na empresa pesquisada e suas influências na forma como ela se organiza, vende e gerencia. Por fim, são apresentadas as conclusões da pesquisa, assim como suas limitações e sugestões de investigações futuras. Considero que como aspectos relevantes, a pesquisa amplia a discussão de como ocorrem os processos de aprendizagem coletiva nas organizações sob uma perspectiva sociológica baseada na constituição das práticas dos membros de um grupo, em que aprender e organizar estão imbricados, além de apontar um olhar menos técnico e mais reflexivo para o uso das tecnologias de comunicação e informação nas organizações, especialmente nas agências de viagens.

20 18 PARTE I CONCEPÇÕES TEÓRICAS E EPISTEMOLÓGICAS

21 19 1 AS ORGANIZAÇÕES E OS PROCESSOS DE APRENDIZAGEM O tema aprendizagem organizacional, apesar de contar com muitas pesquisas e publicações, ainda carrega discussões e lacunas que fazem dele um campo de estudos relevante e inacabado (ANTONELLO; GODOY, 2009). Gherardi (2006) aponta que o discurso sobre conhecimento nas organizações inicia na década de 1970 com uma metáfora que ao combinar os termos aprendizagem e organização cria o conceito de aprendizagem organizacional, embora destaque que a primeira menção ao termo foi feita por March e Simon (1958). Uma das discussões acerca da expressão aprendizagem organizacional é trazida por Weick e Westley (2004) quando os autores questionam o termo por entenderem que a ideia de organizar não se alinha com a de aprender. Consideram que organizar remete à condição de esquecer e reduzir a variedade, enquanto que aprender sugere desorganizar e aumentar a variedade, sendo assim, aprendizagem organizacional seria um oximoro. Como forma de evitar a discussão se aprendizagem organizacional é ou não um oximoro, ao longo desta tese utilizo o termo aprendizagem nas organizações ou aprendizagem no contexto das organizações. Os autores destacam a importância de se buscar, primeiramente, um entendimento do que são as organizações para avançar nas discussões sobre aprendizagem organizacional uma vez que, para eles, muitos estudiosos do tema simplesmente desconsideram a organização para apenas tratar da aprendizagem dos indivíduos em um contexto organizacional, ou ainda, descrevem que as organizações aprendem da mesma maneira que os indivíduos utilizando uma postura de extrapolação da aprendizagem individual para a organizacional. Adotar conceitos de aprendizagem que os psicólogos estão prestes a abandonar implica em uma barreira para o avanço do tema. É preciso adotar uma postura social da aprendizagem para contribuir no entendimento da aprendizagem individual, assim como a organizacional. Quando os pesquisadores focam as organizações enquanto cultura, terminam apoiando-se menos no conhecimento cognitivo dos indivíduos e mais no que acontece nas práticas de grupo, assim, o conhecimento da cultura e dos artefatos sugere uma posição privilegiada para os estudos sobre aprendizagem. Portanto, não há como avançar na aprendizagem social sem aprofundar a discussão e a compreensão sobre as organizações porque a forma como os pesquisadores lidam com o conhecimento na organização, influencia

Compreendendo o Processo de Aprendizagem Coletiva do Uso de Tecnologia Como Prática em Agências de Viagens: Uma Abordagem Etnometodológica

Compreendendo o Processo de Aprendizagem Coletiva do Uso de Tecnologia Como Prática em Agências de Viagens: Uma Abordagem Etnometodológica Compreendendo o Processo de Aprendizagem Coletiva do Uso de Tecnologia Como Prática em Agências de Viagens: Uma Abordagem Etnometodológica Resumo Autoria: Marcelo de Souza Bispo, Arilda Schmidt Godoy As

Leia mais

O Processo de organizar em agências de viagens: influências estéticas, etnometodológicas e práticas

O Processo de organizar em agências de viagens: influências estéticas, etnometodológicas e práticas DOI: http://dx.doi.org/10.7784/rbtur.v8i1.678 O Processo de organizar em agências de viagens: influências estéticas, etnometodológicas e práticas The organizing process in travel agencies: aesthetic, ethnomethodological

Leia mais

Introdução. Gestão do Conhecimento GC

Introdução. Gestão do Conhecimento GC Introdução A tecnologia da informação tem um aspecto muito peculiar quanto aos seus resultados, uma vez que a simples disponibilização dos recursos computacionais (banco de dados, sistemas de ERP, CRM,

Leia mais

Articulando saberes e transformando a prática

Articulando saberes e transformando a prática Articulando saberes e transformando a prática Maria Elisabette Brisola Brito Prado Na sociedade do conhecimento e da tecnologia torna-se necessário repensar o papel da escola, mais especificamente as questões

Leia mais

O BOM PROFESSOR DA PÓS-GRADUAÇÃO E SUA PRÁTICA. PALAVRAS-CHAVE: docência universitária, formação docente, representações, perspectivas paradigmáticas

O BOM PROFESSOR DA PÓS-GRADUAÇÃO E SUA PRÁTICA. PALAVRAS-CHAVE: docência universitária, formação docente, representações, perspectivas paradigmáticas O BOM PROFESSOR DA PÓS-GRADUAÇÃO E SUA PRÁTICA Núbia Vieira TEIXEIRA; Solange Martins Oliveira MAGALHÃES Mestrado - Programa de Pós - Graduação em Educação - FE/UFG vitenubia@yahoo.com.br;solufg@hotmail.com

Leia mais

CLIMA E CULTURA ORGANIZACIONAL NO AMBIENTE EMPRESARIAL. LIMA, Sílvia Aparecida Pereira 1 RESUMO

CLIMA E CULTURA ORGANIZACIONAL NO AMBIENTE EMPRESARIAL. LIMA, Sílvia Aparecida Pereira 1 RESUMO CLIMA E CULTURA ORGANIZACIONAL NO AMBIENTE EMPRESARIAL LIMA, Sílvia Aparecida Pereira 1 RESUMO A presente pesquisa aborda os conceitos de cultura e clima organizacional com o objetivo de destacar a relevância

Leia mais

11 a 14 de dezembro de 2012 Campus de Palmas

11 a 14 de dezembro de 2012 Campus de Palmas ESTUDO DO TERMO ONOMA E SUA RELAÇÃO COM A INTERDISCIPLINARIDADE NOS PARÂMETROS CURRICULARES DO ENSINO FUNDAMENTAL DA GEOGRAFIA NA PERSPECTIVA DA ONOMÁSTICA/TOPONÍMIA Verônica Ramalho Nunes 1 ; Karylleila

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO APRESENTAÇÃO O Projeto Político Pedagógico da Escola foi elaborado com a participação da comunidade escolar, professores e funcionários, voltada para a

Leia mais

Mensuração do Desempenho do Gerenciamento de Portfólio de Projetos: Proposta de Modelo Conceitual

Mensuração do Desempenho do Gerenciamento de Portfólio de Projetos: Proposta de Modelo Conceitual Pedro Bruno Barros de Souza Mensuração do Desempenho do Gerenciamento de Portfólio de Projetos: Proposta de Modelo Conceitual Dissertação de Mestrado Dissertação apresentada ao Programa de Pósgraduação

Leia mais

EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA

EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA GT-1 FORMAÇÃO DE PROFESSORES EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA RESUMO Maria de Lourdes Cirne Diniz Profa. Ms. PARFOR E-mail: lourdinhacdiniz@oi.com.br

Leia mais

Planejamento didático para o ensino de Surdos na perspectiva bilíngue. Vinicius Martins Flores Universidade Luterana do Brasil ULBRA

Planejamento didático para o ensino de Surdos na perspectiva bilíngue. Vinicius Martins Flores Universidade Luterana do Brasil ULBRA Planejamento didático para o ensino de Surdos na perspectiva bilíngue. Vinicius Martins Flores Universidade Luterana do Brasil ULBRA Resumo: O presente trabalho apresenta uma análise, que se originou a

Leia mais

O BRINCAR, A BRINCADEIRA, O JOGO, A ATIVIDADE LÚDICA E A PROPOSTA PEDAGÓGICA PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL

O BRINCAR, A BRINCADEIRA, O JOGO, A ATIVIDADE LÚDICA E A PROPOSTA PEDAGÓGICA PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL O BRINCAR, A BRINCADEIRA, O JOGO, A ATIVIDADE LÚDICA E A PROPOSTA PEDAGÓGICA PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL Josiane Lima Zanata (Seduc) josianezanata@hotmail.com Ivani Souza Mello (UFMT) ivanimello1@hotmail.com

Leia mais

Fase I - Contexto e Pesquisa - Alinhamento dos conceitos de Branding, análise do contexto atual e introdução ao Design Thinking.

Fase I - Contexto e Pesquisa - Alinhamento dos conceitos de Branding, análise do contexto atual e introdução ao Design Thinking. Os programas de Pós-Graduação oferecidos pela Faculdade de Tecnologia do Istituto Europeo di Design estão em conformidade legal e atendem as Resoluções CNE/CES nº 1, de 3 de abril de 2001 e nº 1, de 8

Leia mais

FORMAÇÃO INICIAL DE PROFESSORES: PARTILHA DE SABERES E VIVÊNCIAS COMUNICACIONAIS

FORMAÇÃO INICIAL DE PROFESSORES: PARTILHA DE SABERES E VIVÊNCIAS COMUNICACIONAIS FORMAÇÃO INICIAL DE PROFESSORES: PARTILHA DE SABERES E VIVÊNCIAS COMUNICACIONAIS Lourdes Helena Rodrigues dos Santos - UFPEL/F/AE/PPGE Resumo: O presente estudo pretende compartilhar algumas descobertas,

Leia mais

SANDRA MARY ALMEIDA MATTJIE CRENÇAS DE PROFESSORES E ALUNOS DE ESCOLAS DE COMUNIDADE BILÍNGUE SOBRE O PROCESSO DE ENSINO E APRENDIZAGEM DE INGLÊS

SANDRA MARY ALMEIDA MATTJIE CRENÇAS DE PROFESSORES E ALUNOS DE ESCOLAS DE COMUNIDADE BILÍNGUE SOBRE O PROCESSO DE ENSINO E APRENDIZAGEM DE INGLÊS SANDRA MARY ALMEIDA MATTJIE CRENÇAS DE PROFESSORES E ALUNOS DE ESCOLAS DE COMUNIDADE BILÍNGUE SOBRE O PROCESSO DE ENSINO E APRENDIZAGEM DE INGLÊS PORTO ALEGRE 2010 SANDRA MARY ALMEIDA MATTJIE CRENÇAS DE

Leia mais

Índice. 1. Metodologia na Educação de Jovens e Adultos...3

Índice. 1. Metodologia na Educação de Jovens e Adultos...3 GRUPO 6.1 MÓDULO 4 Índice 1. Metodologia na Educação de Jovens e Adultos...3 1.1. Desenvolvimento e Aprendizagem de Jovens e Adultos... 4 1.1.1. Educar na Diversidade... 5 1.2. Os Efeitos da Escolarização/Alfabetização

Leia mais

PRÁTICAS, EXPERIÊNCIAS, CULTURA ESCOLAR: QUESTÕES QUE ENVOLVEM A PRÁTICA DOCENTE

PRÁTICAS, EXPERIÊNCIAS, CULTURA ESCOLAR: QUESTÕES QUE ENVOLVEM A PRÁTICA DOCENTE PRÁTICAS, EXPERIÊNCIAS, CULTURA ESCOLAR: QUESTÕES QUE ENVOLVEM A PRÁTICA DOCENTE DAMKE, Anderléia Sotoriva - UFMS anderleia.damke@yahoo.com SIMON, Ingrid FADEP ingrid@fadep.br Resumo Eixo Temático: Formação

Leia mais

1.3. Planejamento: concepções

1.3. Planejamento: concepções 1.3. Planejamento: concepções Marcelo Soares Pereira da Silva - UFU O planejamento não deve ser tomado apenas como mais um procedimento administrativo de natureza burocrática, decorrente de alguma exigência

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA MÚSICA NAS AULAS DE LÍNGUA PORTUGUESA DA TURMA DE 9º ANO DA ESCOLA RAIMUNDO PEREIRA DO NASCIMENTO

A IMPORTÂNCIA DA MÚSICA NAS AULAS DE LÍNGUA PORTUGUESA DA TURMA DE 9º ANO DA ESCOLA RAIMUNDO PEREIRA DO NASCIMENTO A IMPORTÂNCIA DA MÚSICA NAS AULAS DE LÍNGUA PORTUGUESA DA TURMA DE 9º ANO DA ESCOLA RAIMUNDO PEREIRA DO NASCIMENTO 0 1 A IMPORTÂNCIA DA MÚSICA NAS AULAS DE LÍNGUA PORTUGUESA DA TURMA DE 9º ANO DA ESCOLA

Leia mais

Elaboração de Projetos

Elaboração de Projetos Elaboração de Projetos 2 1. ProjetoS Projeto: uma nova cultura de aprendizagem ALMEIDA, Maria Elizabeth Bianconcini de. Projeto: uma nova cultura de aprendizagem. [S.l.: s.n.], jul. 1999. A prática pedagógica

Leia mais

O olhar do professor das séries iniciais sobre o trabalho com situações problemas em sala de aula

O olhar do professor das séries iniciais sobre o trabalho com situações problemas em sala de aula O olhar do professor das séries iniciais sobre o trabalho com situações problemas em sala de aula INTRODUÇÃO Josiane Faxina Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho Câmpus Bauru e-mail: josi_unesp@hotmail.com

Leia mais

Fase I - Contexto e Pesquisa - Alinhamento dos conceitos de Branding, análise do contexto atual e introdução ao Design Thinking.

Fase I - Contexto e Pesquisa - Alinhamento dos conceitos de Branding, análise do contexto atual e introdução ao Design Thinking. Os programas de Pós-Graduação oferecidos pela Faculdade de Tecnologia do Istituto Europeo di Design estão em conformidade legal e atendem as Resoluções CNE/CES nº 1, de 3 de abril de 2001 e nº 1, de 8

Leia mais

Palavras-chave: Aprendizagem dialógica, aprendizagem escolar, conteúdos-escolares.

Palavras-chave: Aprendizagem dialógica, aprendizagem escolar, conteúdos-escolares. APRENDIZAGEM ESCOLAR NA PRIMEIRA DÉCADA DO SÉCULO XXI: POSSÍVEIS ENCONTROS COM A APRENDIZAGEM DIALÓGICA NOS CADERNOS DE PESQUISA 1 Adrielle Fernandes Dias 2 Vanessa Gabassa 3 Pôster - Diálogos Abertos

Leia mais

Fase I - Contexto e Pesquisa - Alinhamento dos conceitos de Branding, análise do contexto atual e introdução ao Design Thinking.

Fase I - Contexto e Pesquisa - Alinhamento dos conceitos de Branding, análise do contexto atual e introdução ao Design Thinking. Os programas de Pós-Graduação oferecidos pela Faculdade de Tecnologia do Istituto Europeo di Design estão em conformidade legal e atendem as Resoluções CNE/CES nº 1, de 3 de abril de 2001 e nº 1, de 8

Leia mais

Da Gestão da Informação àinovação Organizacional nos modernos ambientes de Engenharia

Da Gestão da Informação àinovação Organizacional nos modernos ambientes de Engenharia Da Gestão da Informação àinovação Organizacional nos modernos ambientes de Engenharia Jackson Pollock Obs. : Os pontos de vista aqui apresentados são exclusivamente do autor e não representam necessariamente

Leia mais

FIB - FACULDADES INTEGRADAS DE BAURU CURSO DE PÓS - GRADUAÇÃO LATO SENSU

FIB - FACULDADES INTEGRADAS DE BAURU CURSO DE PÓS - GRADUAÇÃO LATO SENSU FIB - FACULDADES INTEGRADAS DE BAURU CURSO DE PÓS - GRADUAÇÃO LATO SENSU GESTÃO INTEGRADA: PESSOAS E SISTEMAS DE INFORMAÇÃO TURMA V E EIXOS TEMÁTICOS PARA A MONOGRAFIA FINAL Professor Ms. Carlos Henrique

Leia mais

Estudos Baseados em Prática: Conceitos, História e Perspectivas

Estudos Baseados em Prática: Conceitos, História e Perspectivas jan./abr. 2013 v.2 n.1 p.13-33 ISSN: 2317-2428 copyright@2012 www.rigs.ufba.br Estudos Baseados em Prática: Conceitos, História e Perspectivas Marcelo Bispo Resumo Palavras-chave Abstract Keywords Com

Leia mais

SOBRE A PRODUÇÃO DE PESQUISAS EM EDUCAÇÃO MATEMÁTICA COM VIÉS FINANCEIRO ESCOLAR.

SOBRE A PRODUÇÃO DE PESQUISAS EM EDUCAÇÃO MATEMÁTICA COM VIÉS FINANCEIRO ESCOLAR. ISSN 2316-7785 SOBRE A PRODUÇÃO DE PESQUISAS EM EDUCAÇÃO MATEMÁTICA COM VIÉS FINANCEIRO ESCOLAR. Rodrigo Martins de Almeida Instituo Estadual de Educação de Juiz de Fora (IEE/JF) rodrigomartinsdealmeida@yahoo.com.br

Leia mais

CONSIDERAÇÕES SOBRE O PROCESSO DE ENSINO APRENDIZAGEM DO ESPORTE NA ESCOLA POR MEIO DE UM ESTUDO DE CASO

CONSIDERAÇÕES SOBRE O PROCESSO DE ENSINO APRENDIZAGEM DO ESPORTE NA ESCOLA POR MEIO DE UM ESTUDO DE CASO CONSIDERAÇÕES SOBRE O PROCESSO DE ENSINO APRENDIZAGEM DO ESPORTE NA ESCOLA POR MEIO DE UM ESTUDO DE CASO FINCK, Silvia Christina Madrid (UEPG) 1 TAQUES, Marcelo José (UEPG) 2 Considerações iniciais Sabemos

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE: Formação de professor, Estágio, Identidade.

PALAVRAS-CHAVE: Formação de professor, Estágio, Identidade. RELATÓRIOS DE ESTÁGIO: CONTRIBUIÇÕES PARA A CONSTITUIÇÃO DA IDENTIDADE DO PROFESSOR DE PORTUGUÊS BORGES, Ana Maria de Miranda Marques/UFG anamariademiranda2@gmail.com MORAES, Eliana Melo Machado/CAJ-UFG

Leia mais

O PERCURSO FORMATIVO DOS DOCENTES QUE ATUAM NO 1º. CICLO DE FORMAÇÃO HUMANA

O PERCURSO FORMATIVO DOS DOCENTES QUE ATUAM NO 1º. CICLO DE FORMAÇÃO HUMANA O PERCURSO FORMATIVO DOS DOCENTES QUE ATUAM NO 1º. CICLO DE FORMAÇÃO HUMANA Profª. Ms. Marilce da Costa Campos Rodrigues - Grupo de estudos e pesquisas em Política e Formação Docente: ensino fundamental

Leia mais

A AVALIAÇÃO EM CONTEXTO DIFERENCIADO PARA EDUCAÇÃO INFANTIL

A AVALIAÇÃO EM CONTEXTO DIFERENCIADO PARA EDUCAÇÃO INFANTIL A AVALIAÇÃO EM CONTEXTO DIFERENCIADO PARA EDUCAÇÃO INFANTIL JOSÉ MATEUS DO NASCIMENTO zenmateus@gmail.com POLIANI SANTOS DA SILVA poliany_mme@hotmail.com MARIA AUXILIADORA DOS SANTOS MARINHO Campus IV(CCAE)

Leia mais

OS SIGNIFICADOS DA DOCÊNCIA NA FORMAÇÃO EM ALTERNÂNCIA - A PERSPECTIVA DOS PROFISSIONAIS DAS ESCOLAS FAMILIA AGRÍCOLA

OS SIGNIFICADOS DA DOCÊNCIA NA FORMAÇÃO EM ALTERNÂNCIA - A PERSPECTIVA DOS PROFISSIONAIS DAS ESCOLAS FAMILIA AGRÍCOLA OS SIGNIFICADOS DA DOCÊNCIA NA FORMAÇÃO EM ALTERNÂNCIA - A PERSPECTIVA DOS PROFISSIONAIS DAS ESCOLAS FAMILIA AGRÍCOLA SILVA, Lourdes Helena da - UFV GT: Educação Fundamental /n.13 Agência Financiadora:

Leia mais

A COLABORAÇÃO NA PESQUISA ETNOGRÁFICA: O DIÁLOGO ENTRE ESCOLA E UNIVERSIDADE

A COLABORAÇÃO NA PESQUISA ETNOGRÁFICA: O DIÁLOGO ENTRE ESCOLA E UNIVERSIDADE A COLABORAÇÃO NA PESQUISA ETNOGRÁFICA: O DIÁLOGO ENTRE ESCOLA E UNIVERSIDADE Autora: Lorena Valin Mesquita Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ) - lm_valin@hotmail.com Coautora: Roberta Souza

Leia mais

Corpo e Fala EMPRESAS

Corpo e Fala EMPRESAS Corpo e Fala EMPRESAS A Corpo e Fala Empresas é o braço de serviços voltado para o desenvolvimento das pessoas dentro das organizações. Embasado nos pilares institucionais do negócio, ele está estruturado

Leia mais

DOCÊNCIA ASSISTIDA NO ENSINO SUPERIOR: EXPERIÊNCIA NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES NO CURSO DE MÚSICA LICENCIATURA DA UFRN

DOCÊNCIA ASSISTIDA NO ENSINO SUPERIOR: EXPERIÊNCIA NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES NO CURSO DE MÚSICA LICENCIATURA DA UFRN DOCÊNCIA ASSISTIDA NO ENSINO SUPERIOR: EXPERIÊNCIA NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES NO CURSO DE MÚSICA LICENCIATURA DA UFRN Autor: Anne Charlyenne Saraiva Campos; Co-autor: Emerson Carpegiane de Souza Martins

Leia mais

ESCOLA DE DESENVOLVIMENTO E APERFEIÇOAMENTO PROFISSIONAL

ESCOLA DE DESENVOLVIMENTO E APERFEIÇOAMENTO PROFISSIONAL ESCOLA DE DESENVOLVIMENTO E APERFEIÇOAMENTO PROFISSIONAL MBA EXECUTIVO EM LIDERANÇA E GESTÃO ORGANIZACIONAL ESCOLA SUPERIOR DE PROPAGANDA E MARKETING POS GRADUAÇÃO EM: GESTÃO ESTRATÉGICA DE NEGÓCIOS CIÊNCIAS

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO MESTRADO e DOUTORADO

EMENTAS DAS DISCIPLINAS DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO MESTRADO e DOUTORADO 1 EMENTAS DAS DISCIPLINAS DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO MESTRADO e DOUTORADO MESTRADO: A) DISCIPLINAS OBRIGATÓRIAS DAS LINHAS 1 e 2: Organizações e Estratégia e Empreendedorismo e Mercado

Leia mais

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey Executivos em todos os níveis consideram que a sustentabilidade tem um papel comercial importante. Porém, quando se trata

Leia mais

No entanto, a compreensão e a implicação de ser docente envolve reflexões que necessitam cada vez mais de sentido e significado para que se possa

No entanto, a compreensão e a implicação de ser docente envolve reflexões que necessitam cada vez mais de sentido e significado para que se possa CONCEPÇÕES DE FORMAÇÃO/DOCÊNCIA DOS PROFESSORES DO CURSO DE FISIOTERAPIA DO CENTRO UNIVERSITÁRIO FRANCISCANO *Hedioneia Maria Foletto Pivetta **Silvia Maria de Aguiar Isaia A educação superior vem passando

Leia mais

ARCO-ÍRIS DE SABERES NA PRÁTICA EDUCATIVA: UMA EXPERIÊNCIA VIVENCIADA NO CURSO DE PEDAGOGIA DO IFESP

ARCO-ÍRIS DE SABERES NA PRÁTICA EDUCATIVA: UMA EXPERIÊNCIA VIVENCIADA NO CURSO DE PEDAGOGIA DO IFESP 1 ARCO-ÍRIS DE SABERES NA PRÁTICA EDUCATIVA: UMA EXPERIÊNCIA VIVENCIADA NO CURSO DE PEDAGOGIA DO IFESP Claudete da Silva Ferreira - IFESP Márcia Maria Alves de Assis - IFESP RESUMO Esta apresentação se

Leia mais

Validório, Valéria Cristiane 1

Validório, Valéria Cristiane 1 A INTERAÇÃO NO PROCESSO DE APRENDIZAGEM: uma perspectiva sociocultural Validório, Valéria Cristiane 1 RESUMO As relações sociais entre o indivíduo e o mundo exterior desenvolvem-se por meio de um processo

Leia mais

Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola

Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola Brincar é fonte de lazer, mas é, simultaneamente, fonte de conhecimento; é esta dupla natureza que nos leva a considerar o brincar

Leia mais

PRÁTICAS PEDAGÓGICAS E O USO INTEGRADO DE TECNOLOGIAS DIGITAIS Sérgio Abranches

PRÁTICAS PEDAGÓGICAS E O USO INTEGRADO DE TECNOLOGIAS DIGITAIS Sérgio Abranches PRÁTICAS PEDAGÓGICAS E O USO INTEGRADO DE TECNOLOGIAS DIGITAIS Sérgio Abranches A presença de tecnologias digitais no campo educacional já é facilmente percebida, seja pela introdução de equipamentos diversos,

Leia mais

FACESI EM REVISTA Ano 3 Volume 3, N. 2 2011 - - ISSN 2177-6636

FACESI EM REVISTA Ano 3 Volume 3, N. 2 2011 - - ISSN 2177-6636 PEDAGOGIA EMPRESARIAL E APRENDER BRINCANDO E A IMPORTÂNCIA DO JOGO: DIFERENTES TEMAS NA ÁREA EDUCACIONAL Ana Flávia Crespim da Silva Araújo ana.crespim@hotmail.com Elaine Vilas Boas da Silva elainevb2010@hotmail.com

Leia mais

Professora Débora Dado. Prof.ª Débora Dado

Professora Débora Dado. Prof.ª Débora Dado Professora Débora Dado Prof.ª Débora Dado Planejamento das aulas 7 Encontros 19/05 Contextualizando o Séc. XXI: Equipes e Competências 26/05 Competências e Processo de Comunicação 02/06 Processo de Comunicação

Leia mais

A EXTENSÃO EM MATEMÁTICA: UMA PRÁTICA DESENVOLVIDA NA COMUNIDADE ESCOLAR. GT 05 Educação Matemática: tecnologias informáticas e educação à distância

A EXTENSÃO EM MATEMÁTICA: UMA PRÁTICA DESENVOLVIDA NA COMUNIDADE ESCOLAR. GT 05 Educação Matemática: tecnologias informáticas e educação à distância A EXTENSÃO EM MATEMÁTICA: UMA PRÁTICA DESENVOLVIDA NA COMUNIDADE ESCOLAR GT 05 Educação Matemática: tecnologias informáticas e educação à distância Nilce Fátima Scheffer - URI-Campus de Erechim/RS - snilce@uri.com.br

Leia mais

CURRÍCULO NA EDUCAÇÃO INFANTIL

CURRÍCULO NA EDUCAÇÃO INFANTIL CURRÍCULO NA EDUCAÇÃO INFANTIL Claudia Maria da Cruz Consultora Educacional FEVEREIRO/2015 CURRÍCULO NA EDUCAÇÃO INFANTIL A ênfase na operacionalização escrita dos documentos curriculares municipais é

Leia mais

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS Universidade Federal do Ceará Faculdade de Economia, Administração, Atuária, Contabilidade e Secretariado Curso de Administração de Empresas GESTÃO POR COMPETÊNCIAS MAURICIO FREITAS DANILO FREITAS Disciplina

Leia mais

A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino INTRODUÇÃO

A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino INTRODUÇÃO A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino O bom professor é o que consegue, enquanto fala trazer o aluno até a intimidade do movimento de seu pensamento. Paulo Freire INTRODUÇÃO A importância

Leia mais

PRÁTICA DE ENSINO INTERDISCIPLINAR NO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO NA PERSPECTIVA DOS DISCENTES.

PRÁTICA DE ENSINO INTERDISCIPLINAR NO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO NA PERSPECTIVA DOS DISCENTES. PRÁTICA DE ENSINO INTERDISCIPLINAR NO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO NA PERSPECTIVA DOS DISCENTES. Introdução As mudanças e desafios no contexto social influenciam a educação superior, e como consequência, os

Leia mais

CULTURA ORGANIZACIONAL, PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO E A SAÚDE DO TRABALHADOR (2012) 1

CULTURA ORGANIZACIONAL, PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO E A SAÚDE DO TRABALHADOR (2012) 1 CULTURA ORGANIZACIONAL, PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO E A SAÚDE DO TRABALHADOR (2012) 1 SILVEIRA, J.F²; BRANDT, B. O²; CORRÊA, D. M. W²; POTRICH, A. C. G³; ROHDE, C. L. C 4. 1 Trabalho de Pesquisa 2 Psicóloga,

Leia mais

Capital Humano e Capital Social: Construir Capacidades para o Desenvolvimento dos Territórios

Capital Humano e Capital Social: Construir Capacidades para o Desenvolvimento dos Territórios UNIVERSIDADE DE LISBOA FACULDADE DE LETRAS DEPARTAMENTO DE GEOGRAFIA Capital Humano e Capital Social: Construir Capacidades para o Desenvolvimento dos Territórios Sandra Sofia Brito da Silva Dissertação

Leia mais

CONCEPÇÕES MATEMÁTICA APRESENTADAS POR PROFESSORES DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM PSICOPEDAGOGIA

CONCEPÇÕES MATEMÁTICA APRESENTADAS POR PROFESSORES DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM PSICOPEDAGOGIA CONCEPÇÕES MATEMÁTICA APRESENTADAS POR PROFESSORES DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM PSICOPEDAGOGIA Jacqueline Oliveira de Melo Gomes Faculdade de Formação de Professores da Mata Sul / FAMASUL-PE jacomgomes@yahoo.com.br

Leia mais

DESENVOLVENDO HABILIDADES E CONSTRUINDO CONHECIMENTOS NO AMBIENTE VIRTUAL CYBERNAUTAS. Maio/2005 216-TC-C3

DESENVOLVENDO HABILIDADES E CONSTRUINDO CONHECIMENTOS NO AMBIENTE VIRTUAL CYBERNAUTAS. Maio/2005 216-TC-C3 1 DESENVOLVENDO HABILIDADES E CONSTRUINDO CONHECIMENTOS NO AMBIENTE VIRTUAL CYBERNAUTAS Maio/2005 216-TC-C3 José Antonio Gameiro Salles UNISUAM / CCET / Desenv. de Softwares & UNISUAM/LAPEAD - antoniosalles@gmail.com

Leia mais

O PAPEL DO PSICÓLOGO NA GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS DAS ORGANIZAÇÕES

O PAPEL DO PSICÓLOGO NA GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS DAS ORGANIZAÇÕES O PAPEL DO PSICÓLOGO NA GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS DAS ORGANIZAÇÕES CHAVES, Natália Azenha Discente do Curso de Psicologia da Faculdade de Ciências da Saúde FASU/ACEG GARÇA/SP BRASIL e-mail: natalya_azenha@hotmail.com

Leia mais

Projeto Pedagógico Institucional PPI FESPSP FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI

Projeto Pedagógico Institucional PPI FESPSP FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI Grupo Acadêmico Pedagógico - Agosto 2010 O Projeto Pedagógico Institucional (PPI) expressa os fundamentos filosóficos,

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO MESTRADO e DOUTORADO

EMENTAS DAS DISCIPLINAS DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO MESTRADO e DOUTORADO 1 MESTRADO: EMENTAS DAS DISCIPLINAS DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO MESTRADO e DOUTORADO A) DISCIPLINAS OBRIGATÓRIAS DAS LINHAS 1 e 2: Estudos Organizacionais e Sociedade e Marketing e Cadeias

Leia mais

A PESQUISA NA FORMAÇÃO DE PEDAGOGOS: UM ESTUDO DE CASO

A PESQUISA NA FORMAÇÃO DE PEDAGOGOS: UM ESTUDO DE CASO A PESQUISA NA FORMAÇÃO DE PEDAGOGOS: UM ESTUDO DE CASO Msc. Maria Iolanda Fontana - PUCPR / UTP miolandafontana@hotmail.com RESUMO O presente trabalho sintetiza parcialmente o conteúdo da dissertação de

Leia mais

PROGRAMA DE PÓS GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM POLÍTICAS PÚBLICAS, ESTRATÉGIAS E DESENVOLVIMENTO

PROGRAMA DE PÓS GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM POLÍTICAS PÚBLICAS, ESTRATÉGIAS E DESENVOLVIMENTO PROGRAMA DE PÓS GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM POLÍTICAS PÚBLICAS, ESTRATÉGIAS E DESENVOLVIMENTO LINHA DE PESQUISA: POLÍTICAS PÚBLICAS DE CULTURA JUSTIFICATIVA O campo de pesquisa em Políticas Públicas de

Leia mais

Imaginação e protagonismo na Educação Infantil: construindo uma escola mais íntima da infância

Imaginação e protagonismo na Educação Infantil: construindo uma escola mais íntima da infância Imaginação e protagonismo na Educação Infantil: construindo uma escola mais íntima da infância Me. Tony Aparecido Moreira tony.educ@gmail.com Denise Watanabe de.wtnb@gmail.com Dr. José Milton de Lima miltonlima@fct.unesp.br

Leia mais

REFLEXÃO. (Warren Bennis)

REFLEXÃO. (Warren Bennis) RÉSUMÉ Consultora nas áreas de Desenvolvimento Organizacional e Gestão de Pessoas; Docente de Pós- Graduação; Coaching Experiência de mais de 31 anos na iniciativa privada e pública; Doutorado em Administração;

Leia mais

Perfil e Competências do Coach

Perfil e Competências do Coach Perfil e Competências do Coach CÉLULA DE TRABALHO Adriana Levy Isabel Cristina de Aquino Folli José Pascoal Muniz - Líder da Célula Marcia Madureira Ricardino Wilson Gonzales Gambirazi 1. Formação Acadêmica

Leia mais

Edital 001/2015 CHAMADA DE TRABALHOS PARA PUBLICAÇÃO/EDIÇÃO Nº 001/2015

Edital 001/2015 CHAMADA DE TRABALHOS PARA PUBLICAÇÃO/EDIÇÃO Nº 001/2015 Edital 001/2015 CHAMADA DE TRABALHOS PARA PUBLICAÇÃO/EDIÇÃO Nº 001/2015 A Direção da revista PERSPECTIVAS SOCIAIS, do PPGS/UFPEL, torna público a CHAMADA DE TRABALHOS ACADÊMICOS, para a edição 1/2015,

Leia mais

As crianças, a cultura. Lisandra Ogg Gomes

As crianças, a cultura. Lisandra Ogg Gomes As crianças, a cultura lúdica e a matemática Lisandra Ogg Gomes Aprendizagens significativas: Como as crianças pensam o cotidiano e buscam compreendê-lo? (Caderno de Apresentação, 2014, p. 33). O que as

Leia mais

Competências avaliadas pela ICF

Competências avaliadas pela ICF Competências avaliadas pela ICF ð Estabelecendo a Base: 1. Atendendo as Orientações Éticas e aos Padrões Profissionais Compreensão da ética e dos padrões do Coaching e capacidade de aplicá- los adequadamente

Leia mais

Quem Contratar como Coach?

Quem Contratar como Coach? Quem Contratar como Coach? por Rodrigo Aranha, PCC & CMC Por diversas razões, você tomou a decisão de buscar auxílio, através de um Coach profissional, para tratar uma ou mais questões, sejam elas de caráter

Leia mais

CINEMA PEDAGÓGICO COMO INTERVENÇÃO PARA PRÁTICA DOCENTE. Elaine Fernanda Dornelas de Souza

CINEMA PEDAGÓGICO COMO INTERVENÇÃO PARA PRÁTICA DOCENTE. Elaine Fernanda Dornelas de Souza Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 721 CINEMA PEDAGÓGICO COMO INTERVENÇÃO PARA PRÁTICA DOCENTE Elaine Fernanda Dornelas de Souza Serviço Nacional de

Leia mais

A PRÁTICA PROFISSIONAL NO ÂMBITO DA FORMAÇÃO PROFISSIONAL: UM ENFOQUE NOS INSTRUMENTOS E TÉCNICAS.

A PRÁTICA PROFISSIONAL NO ÂMBITO DA FORMAÇÃO PROFISSIONAL: UM ENFOQUE NOS INSTRUMENTOS E TÉCNICAS. A PRÁTICA PROFISSIONAL NO ÂMBITO DA FORMAÇÃO PROFISSIONAL: UM ENFOQUE NOS INSTRUMENTOS E TÉCNICAS. CLáudia Mônica dos Santos RESUMO: Esse estudo tem por objetivo conhecer como a prática profissional vem

Leia mais

Plenária II O Profissional Arquivista e a Gestão do Conhecimento: demandas contemporâneas nas organizações.

Plenária II O Profissional Arquivista e a Gestão do Conhecimento: demandas contemporâneas nas organizações. Plenária II O Profissional Arquivista e a Gestão do Conhecimento: demandas contemporâneas nas organizações. Profa. Dra. Maria do Rocio F. Teixeira Salvador, 2013 Conhecimento Organizacional 2 A Produção

Leia mais

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS 2ª Série Processos Gerenciais CST em Gestão Financeira A atividade prática supervisionada (ATPS) é um método de ensinoaprendizagem desenvolvido por meio de um conjunto

Leia mais

PRÁTICA EDUCATIVA EM EDUCAÇÃO FÍSICA: A CONTRIBUIÇÃO DAS ÁREAS DE ESTUDO E SUAS RELAÇÕES COM O TRABALHO DOCENTE

PRÁTICA EDUCATIVA EM EDUCAÇÃO FÍSICA: A CONTRIBUIÇÃO DAS ÁREAS DE ESTUDO E SUAS RELAÇÕES COM O TRABALHO DOCENTE PRÁTICA EDUCATIVA EM EDUCAÇÃO FÍSICA: A CONTRIBUIÇÃO DAS ÁREAS DE ESTUDO E SUAS RELAÇÕES COM O TRABALHO DOCENTE RESUMO Leandro Pedro de Oliveira José Rubens de Lima Jardilino (orientador) Este trabalho

Leia mais

FORMAÇÃO DE PROFESSORES PARA ATUAÇÃO EM AMBIENTE INFORMATIZADO: RELATO DE EXPERIÊNCIA

FORMAÇÃO DE PROFESSORES PARA ATUAÇÃO EM AMBIENTE INFORMATIZADO: RELATO DE EXPERIÊNCIA FORMAÇÃO DE PROFESSORES PARA ATUAÇÃO EM AMBIENTE INFORMATIZADO: RELATO DE EXPERIÊNCIA Resumo BALADELI, Ana Paula Domingos UEM annapdomingos@yahoo.com.br ALTOÉ, Anair UEM aaltoe@uem.br Eixo temático: Comunicação

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO DE EMPRESAS CONSTRUTURAS DE PEQUENO PORTE

SISTEMA DE GESTÃO DE EMPRESAS CONSTRUTURAS DE PEQUENO PORTE SISTEMA DE GESTÃO DE EMPRESAS CONSTRUTURAS DE PEQUENO PORTE MOURA, Adilson Tadeu Faculdade de Ciências Sociais e Agrárias de Itapeva BILESKY, Luciano Rossi Faculdade de Ciências Sociais e Agrárias de Itapeva

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE PSICOLOGIA Ementário/abordagem temática/bibliografia básica (3) e complementar (5) Morfofisiologia e Comportamento Humano Ementa: Estudo anátomo funcional

Leia mais

Nathalia Tavares Barbosa. Gestão da Mudança Organizacional: O Caso da Empresa GAMA. Dissertação de Mestrado

Nathalia Tavares Barbosa. Gestão da Mudança Organizacional: O Caso da Empresa GAMA. Dissertação de Mestrado Nathalia Tavares Barbosa Gestão da Mudança Organizacional: O Caso da Empresa GAMA Dissertação de Mestrado Dissertação apresentada ao Programa de Pós- Graduação em Administração PUC-Rio como requesito parcial

Leia mais

1ª. Apostila de Filosofia O que é Filosofia? Para que a Filosofia? A atitude filosófica. Apresentação

1ª. Apostila de Filosofia O que é Filosofia? Para que a Filosofia? A atitude filosófica. Apresentação 1 1ª. Apostila de Filosofia O que é Filosofia? Para que a Filosofia? A atitude filosófica. Apresentação O objetivo principal de Introdução Filosofia é despertar no aluno a percepção que a análise, reflexão

Leia mais

Saberes da Docência Online

Saberes da Docência Online Saberes da Docência Online Edméa Santos Professora do PROPED-Faculdade de Educação da UERJ E-mail: mea2@uol.com.br Web-site: http://www.docenciaonline.pro.br/moodle http://www.proped..pro.br/moodle Fones

Leia mais

Como Eu Começo meu A3?

Como Eu Começo meu A3? Como Eu Começo meu A3? David Verble O pensamento A3 é um pensamento lento. Você está tendo problemas para começar seu A3? Quando ministro treinamentos sobre o pensamento, criação e uso do A3, este assunto

Leia mais

O PAPEL DO GESTOR COMO MULTIPLICADOR

O PAPEL DO GESTOR COMO MULTIPLICADOR Programa de Capacitação PAPEL D GESTR CM MULTIPLICADR Brasília 12 de maio de 2011 Graciela Hopstein ghopstein@yahoo.com.br Qual o conceito de multiplicador? Quais são as idéias associadas a esse conceito?

Leia mais

A TEORIA DOS REGISTROS DE REPRESENTAÇÃO SEMIÓTICA: CONTRIBUIÇÕES PARA A FORMAÇÃO MATEMÁTICA DE PROFESSORES EM AMBIENTES VIRTUAIS *

A TEORIA DOS REGISTROS DE REPRESENTAÇÃO SEMIÓTICA: CONTRIBUIÇÕES PARA A FORMAÇÃO MATEMÁTICA DE PROFESSORES EM AMBIENTES VIRTUAIS * A TEORIA DOS REGISTROS DE REPRESENTAÇÃO SEMIÓTICA: CONTRIBUIÇÕES PARA A FORMAÇÃO MATEMÁTICA DE PROFESSORES EM AMBIENTES VIRTUAIS * Joserlene Lima Pinheiro Universidade Estadual do Ceará Marcilia Chagas

Leia mais

8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM

8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM CORRENTES DO PENSAMENTO DIDÁTICO 8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM Se você procurar no dicionário Aurélio, didática, encontrará o termo como feminino substantivado de didático.

Leia mais

ANÁLISE DE VÍDEOS DOCUMENTAIS: PERSPECTIVAS PARA DISCUSSÕES ACERCA DO PROGRAMA ETNOMATEMÁTICA NEVES

ANÁLISE DE VÍDEOS DOCUMENTAIS: PERSPECTIVAS PARA DISCUSSÕES ACERCA DO PROGRAMA ETNOMATEMÁTICA NEVES ANÁLISE DE VÍDEOS DOCUMENTAIS: PERSPECTIVAS PARA DISCUSSÕES ACERCA DO PROGRAMA ETNOMATEMÁTICA Rouseleyne Mendonça de Souza NEVES Mestrado em Educação em Ciências e Matemática - UFG Órgão financiador: CAPES

Leia mais

Pedagogia. Objetivos deste tema. 3 Sub-temas compõem a aula. Tecnologias da informação e mídias digitais na educação. Prof. Marcos Munhoz da Costa

Pedagogia. Objetivos deste tema. 3 Sub-temas compõem a aula. Tecnologias da informação e mídias digitais na educação. Prof. Marcos Munhoz da Costa Pedagogia Prof. Marcos Munhoz da Costa Tecnologias da informação e mídias digitais na educação Objetivos deste tema Refletir sobre as mudanças de experiências do corpo com o advento das novas tecnologias;

Leia mais

Novas Tendências na Educação para o Trabalho. UnB/FE/NEPET Profª Olgamir F. de Carvalho

Novas Tendências na Educação para o Trabalho. UnB/FE/NEPET Profª Olgamir F. de Carvalho Novas Tendências na Educação para o Trabalho UnB/FE/NEPET Profª Olgamir F. de Carvalho - Identifica-se consensualmente a informação, o conhecimento e as tecnologias de informação, como elementos fundamentais

Leia mais

PORTFÓLIO COMO INSTRUMENTO DE AVALIAÇÃO FORMATIVA: A ANÁLISE DO PROCESSO NO CMEI VALÉRIA VERONESI

PORTFÓLIO COMO INSTRUMENTO DE AVALIAÇÃO FORMATIVA: A ANÁLISE DO PROCESSO NO CMEI VALÉRIA VERONESI PORTFÓLIO COMO INSTRUMENTO DE AVALIAÇÃO FORMATIVA: A ANÁLISE DO PROCESSO NO CMEI VALÉRIA VERONESI Resumo Rosangela de Sousa Cardoso Stabenow1 - UEL Cassiana Magalhães2 - UEL Grupo de Trabalho - Didática:

Leia mais

Ensino Superior no Século XXI: Mudanças, Desafios e Competências. José Roberto Gomes da Silva

Ensino Superior no Século XXI: Mudanças, Desafios e Competências. José Roberto Gomes da Silva Ensino Superior no Século XXI: Mudanças, Desafios e Competências José Roberto Gomes da Silva Os desafios de gestão das IES Maior Complexidade Mudanças na sociedade Competitividade Novo papel Nova identidade

Leia mais

Titulo do Trabalho: Fundamentação da metodologia de pesquisa teórica em

Titulo do Trabalho: Fundamentação da metodologia de pesquisa teórica em Titulo do Trabalho: Fundamentação da metodologia de pesquisa teórica em psicanálise Autor: Érico Campos RESUMO Este trabalho discute questões gerais envolvidas na leitura de textos e discursos nas ciências

Leia mais

Capital Intelectual. O Grande Desafio das Organizações. José Renato Sátiro Santiago Jr. José Renato Sátiro Santiago. Novatec

Capital Intelectual. O Grande Desafio das Organizações. José Renato Sátiro Santiago Jr. José Renato Sátiro Santiago. Novatec Capital Intelectual O Grande Desafio das Organizações José Renato Sátiro Santiago Jr. José Renato Sátiro Santiago Novatec 1 Tudo começa com o conhecimento A gestão do conhecimento é um assunto multidisciplinar

Leia mais

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Justificativa: As transformações ocorridas nos últimos anos têm obrigado as organizações a se modificarem constantemente e de forma

Leia mais

Palavras-chave: relação pais-escola-educadores, qualidade na educação, atuação educacional.

Palavras-chave: relação pais-escola-educadores, qualidade na educação, atuação educacional. 1 PAIS E EDUCADORES: IDENTIFICANDO SIGNIFICADOS A RESPEITO DA RELAÇÃO FAMÍLIA-ESCOLA Josiane da Costa Mafra josimafra@hotmail.com Lúcia Helena Ferreira Mendonça Costa luciacost@hotmail.com Camila Turati

Leia mais

METODOLOGIA PARTICIPATIVA NA AVALIAÇÃO DE CURRICULO

METODOLOGIA PARTICIPATIVA NA AVALIAÇÃO DE CURRICULO METODOLOGIA PARTICIPATIVA NA AVALIAÇÃO DE CURRICULO Maria Célia B. Aires - UFPR Ceusa Valério Gabardo - UFPR Suely Carta Cardoso - UFPR Vilma M. Barra - UFPR RESUMO - O trabalho de pesquisa aqui relatado

Leia mais

II ELPED - ENCONTRO DE LICENCIATURAS E PESQUISA EM EDUCAÇÃO

II ELPED - ENCONTRO DE LICENCIATURAS E PESQUISA EM EDUCAÇÃO II ELPED - ENCONTRO DE LICENCIATURAS E PESQUISA EM EDUCAÇÃO Tema: PRÁTICAS PEDAGÓGICAS E CURRÍCULO: ABORDAGENS PARA O ENSINO DE CIÊNCIAS DATA: 31 de março e 1º de abril de 2016 1. OBSERVAÇÕES GERAIS a)

Leia mais

Apresentação da FAMA

Apresentação da FAMA Pós-Graduação Lato Sensu CURSO DE ESPECIIALIIZAÇÃO 432 horras/aulla 1 Apresentação da FAMA A FAMA nasceu como conseqüência do espírito inovador e criador que há mais de 5 anos aflorou numa família de empreendedores

Leia mais

O PEDAGOGO NA DOCÊNCIA E SUA IMPORTÂNCIA NO ENSINO- APRENDIZAGEM

O PEDAGOGO NA DOCÊNCIA E SUA IMPORTÂNCIA NO ENSINO- APRENDIZAGEM O PEDAGOGO NA DOCÊNCIA E SUA IMPORTÂNCIA NO ENSINO- APRENDIZAGEM Helena Harumi Maruyama G Pedagogia INESUL LONDRINA PR Orientadora Ms. Maria Eliza Corrêa Pacheco D Pedagogia INESUL LONDRINA PR PAINEL e-mail:

Leia mais

com níveis ótimos de Brand Equity, os interesses organizacionais são compatíveis com as expectativas dos consumidores.

com níveis ótimos de Brand Equity, os interesses organizacionais são compatíveis com as expectativas dos consumidores. Brand Equity O conceito de Brand Equity surgiu na década de 1980. Este conceito contribuiu muito para o aumento da importância da marca na estratégia de marketing das empresas, embora devemos ressaltar

Leia mais

Apresentação da FAMA

Apresentação da FAMA Pós-Graduação Lato Sensu CURSO DE ESPECIIALIIZAÇÃO 444 horras/aulla 1 Apresentação da FAMA A FAMA nasceu como conseqüência do espírito inovador e criador que há mais de 5 anos aflorou numa família de empreendedores

Leia mais

Quanto aos meios, trata-se de uma pesquisa bibliográfica, documental, telematizada e pesquisa de campo, conforme descrito abaixo:

Quanto aos meios, trata-se de uma pesquisa bibliográfica, documental, telematizada e pesquisa de campo, conforme descrito abaixo: 3 METODOLOGIA Apresenta-se a seguir a descrição da metodologia utilizada neste trabalho com o objetivo de expor os caminhos que foram percorridos não só no levantamento dos dados do estudo como também

Leia mais

MBA em Administração e Gestão do Conhecimento

MBA em Administração e Gestão do Conhecimento MBA em Administração e Gestão do Conhecimento Gestão do Conhecimento Aula 3 Profa. Me. Ana Carolina Bustamante Olá! Bem-vindos à nossa terceira aula. Antes de mais nada, assista ao vídeo a seguir e conheça

Leia mais

EDUCAÇÃO CONVENCIONAL X EDUCAÇÂO MEDIADA

EDUCAÇÃO CONVENCIONAL X EDUCAÇÂO MEDIADA EDUCAÇÃO CONVENCIONAL X EDUCAÇÂO MEDIADA por Anelise Pereira Sihler é Pedagoga, Especialista em Gestão de Pessoas, Gestão Educacional, Educação a Distância, Educação colaborativa, Relações Humanas, mestre

Leia mais